Page 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI

A HUMANIZAÇÃO EM

ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE Centro de Tratamento Oncológico em São João del Rei

HANNAH SOARES

.

TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO

.

2018/2


Universidade Federal de São João del Rei Departamento de Arquitetura e Urbanismo e Artes Aplicadas Seminários de Trabalho Final de Graduação

A HUMANIZAÇÃO EM

ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE Centro de Tratamento Oncológico em São João del Rei

Hannah Maria Soares de Souza Orientadora: Anna Sophia Barbosa Baracho

São João del Rei - 2018


Sumário 1. HUMANIZAÇÃO DA ARQUITETURA HOSPITALAR

06

O que é?

07

Pacient-centered design

08

SUS - Sistema Único de Saúde

10

2. O CÂNCER

11

O que é?

13

Histórico da doença

15

Tipos de tratamento

18

Cuidados paliativos

19

Estatísticas do câncer

21

3. O CÂNCER E A ATUAÇÃO DA ASAPAC EM SÃO JOÃO DEL REI

24

Dados da cidade

26

Saúde em São João del Rei

27

ASAPAC

29

4. PROPOSTA

36

Justificativa

38

Terreno

40

Análises climáticas

46

EIV - Estudo de Impacto de Vizinhança

46

3


5. SETORIZAÇÃO E PRÉ DIMENSIONAMENTO

52

Programa de necessidades e setorização

54

Ambulatório

55

Radioterapia

56

Quimioterapia

57

Casa de Reabilitação - 1° pavimento

58

Casa de Reabilitação - 2° pavimento

59

6. O PROJETO

60

Partido arquitetônico

62

Diretrizes para equipamentos urbanos

63

Sistema construtivo

64

Quadro de áreas

65

Setorização final

66

Diagrama da estrutura

68

Cobertura

70

Fachadas

72

Plantas humanizadas

74

Maquete eletrônica

77

APÊNDICE

83

REFERÊNCIAS

91

4


CAPÍTULO 1 HUMANIZAÇÃO DA ARQUITETURA HOSPITALAR


O que é? Atualmente, o termo saúde significa muito mais do que um indivíduo que está livre de doenças. Ele está ligado diretamente à qualidade de vida das pessoas, envolvendo não só a saúde em si, mas também o bem-estar relacionado à educação, cultura, trabalho e lazer. ‘’A concepção dos projetos arquitetônicos para os estabelecimentos de assistência à saúde no Brasil e o uso de conceitos para a organização dos seus espaços físicos, segundo parâmetros rígidos e geralmente oriundos de conceitos ultrapassados, nem sempre se norteiam pelo modelo mais adequado às atividades exercidas nesses ambientes, aos custos e tecnologias apropriadas aos seus locais de implantação e à oferta de mão de obra, quase sempre despreparada, para construí-los e operá-los.’’ (COSTEIRA, 2004, p.77) Considerando o panorama acima, Costeira (2004) acredita que é necessário pensar em novas diretrizes para adotar nos estabelecimentos de atenção à saúde (EAS), atendendo à verdadeira promoção à saúde e elaborando projetos centrados na figura do paciente. Assim será possível agregar qualidade de vida e humanismo no contato com os usuários do ambiente hospitalar.

Existem muitas maneiras de incorporar nos projetos, elementos que tornam o ambiente mais apropriado para auxiliar na cura de um paciente, principalmente com conforto visual e acústico. Alguns deles são:

Iluminação adequada, de preferência natural

Elementos que ajudem a absorver ruídos

Possibilitar que os pacientes controlem iluminação, temperatura e outros equipamentos facilmente comandados

Cores suaves, imagens e outros objetos que remetam à sensação de lar para os pacientes

7


Pacient-centered design Costeira (2004) cita o Pacient-centered design (projeto focado no paciente), ‘’uma escola americana que preconiza o foco da atenção do projeto nas necessidades e aspirações do paciente, preferencialmente à análise dos processos e atividades médicas exercidas nesses ambientes’’ (COSTEIRA, 2004, p.79) No mesmo estudo, a autora explica como surgiu o termo. Pacient-Centered Care surgiu com a organização sem fins lucrativos Planetree. Essa organização foi criada em 1978, na Califórnia, EUA, por Angelica Thierot, uma paciente insatisfeita com o tratamento pouco humanizado e traumatizante a que foi submetida durante a sua internação num hospital da cidade de São Francisco.

sua recuperação e no seu bem-estar, aprendendo mais sobre os cuidados a eles dispensados. A partir daí, fundou-se a Planetree e a primeira unidade a aplicar os novos propósitos de assistência médica sob a ótica da organização foi um serviço médico cirúrgico de treze leitos em um grande hospital de São Francisco. (COSTEIRA, 2004, p.80) No Brasil, o Hospital Israelita Albert Einstein é o responsável por disseminar, treinar e certificar as instituições de saúde interessadas em seguir o modelo do Pacient-Centered Care. Na América Latina, é a primeira e única instituição reconhecida por oferecê-lo (www.einstein.br)

Costeira (2004) cita que, segundo relatos da própria Angelica Thierot, ela teve um misto de sentimentos durante sua permanência no hospital. Apesar de estar cercada de cuidados de alta tecnologia médica, o relacionamento com a equipe de médicos e enfermagem era apavorante. Dessa maneira, quando deixou o hospital, Angelica procurou o diretor-médico da instituição para falar sobre seus anseios de um novo hospital, no qual os pacientes pudessem contar com o apoio na cura de seus males em todos os níveis e participar de forma ativa na Figura 01: Símbolo da ONG Planetree Brasil Fonte: Albert Einstein (2018)

8


Pilares Planetree De acordo com o portal online do Einstein, a filosofia Planetree possui dez pilares para melhorar o atendimento de saúde. Eles concedem mais poderes aos pacientes e seus familiares por meio de acesso as informações e educação – que os torna mais ativos no tratamento e na busca pelo bem-estar próprio. Os pilares são:

Aspectos nutricionais

Arte, música e entretenimento

Interações humanas Toque humano Suporte à família e acompanhantes

Terapias complementares

Educação de pacientes, familiares e acompanhantes Espiritualidade Arquitetura e design – ambiente de cura

Comunidades

9


SUS - Sistema Único de Saúde Conforme a Constituição Federal de 1988:

“Saúde é direito de todos e dever do Estado”. Assim foi criado o Sistema Único de Saúde (SUS), um dos maiores sistemas públicos de saúde do mundo, que abrange desde o simples atendimento para avaliação da pressão arterial até o transplante de órgãos, garantindo acesso integral, universal e gratuito para toda a população do país. (Ministério da Saúde) De acordo com o Ministério da Saúde, antes da criação da Constituição de 1988, o sistema público de saúde prestava assistência apenas aos trabalhadores vinculados à Previdência Social, que resultava em aproximadamente 30 milhões de pessoas com acesso aos serviços hospitalares. Os demais cidadãos deveriam ser atendidos por entidades filantrópicas. Com a sua criação, o SUS proporcionou o acesso universal ao sistema público de saúde, sem discriminação. A atenção integral à saúde, e não somente os cuidados assistenciais, passou a ser um direito de todos os brasileiros, desde a gestação e por toda a vida, com foco na saúde com qualidade de vida.

A rede que compõem o SUS é ampla e abrange tanto ações, como serviços de saúde. Ela engloba a atenção básica, média e alta complexidades, os serviços urgência e emergência, a atenção hospitalar, as ações e serviços das vigilâncias epidemiológica, sanitária e ambiental e assistência farmacêutica. O SUS, em conjunto com as demais políticas deve atuar na promoção da saúde, prevenção de ocorrência de agravos e recuperação de doentes. Os seus principais princípios são:

Universalização Equidade Integralidade

10


CAPÍTULO 2 O CÂNCER


O que é? De acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva - INCA, câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores (acúmulo de células cancerosas) ou neoplasias malignas. Por outro lado, um tumor benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco de vida.

Célula

Tecido

Órgão Agente cancerígeno

Célula cancerosa

Tecido infiltrado

Figura 02: Carcinogênese - formação do câncer. Fonte: Elaborado pela autora (2018), adaptado de INCA (1996).

Causas As causas de câncer são variadas, podendo ser externas ou internas ao organismo, estando ambas inter-relacionadas. As causas externas relacionam-se ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. As causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas, estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas. De todos os casos, 80% a 90% dos cânceres estão associados a fatores ambientais. (INCA)

Tabagismo

Hábitos alimentares

Alcolismo

Fatores ambientais Hábitos sexuais

Radiação solar

Fatores ocupacionais Medicamentos

Figura 03: Fatores ambientais que levam ao câncer. Fonte: Elaborado pela autora (2018), dados de INCA (1996).

13


Figura 04: Retirada de um tumor no seio. Traité Complet de l’Anatomie de l’homme, 1866-67 Fonte: IMBAULT-HUART, Marie José. Histoire du cancer. L’Histoire. Paris: SES, nº 74, 1984, pp. 74-77.


Histórico da doença Segundo o estudo do Ministério da Saúde em parceria com o INCA, ‘’De Doença desconhecida a problema de saúde pública: o INCA e o controle do Câncer no Brasil’’ (TEIXEIRA; FONSECA, 2007), a doença é conhecida desde longa data, pois a 30 séculos antes de Cristo, os egípcios, persas e indianos já se referiam a tumores malignos. Apesar disso, foram os estudos da escola hipocrática grega (século IV a.C.) que definiram melhor a doença, caracterizando-a como um tumor duro, que muitas vezes, reaparecia depois de ser destruído, ou que se espalhava pelo corpo e levava à morte. Dessa maneira, o câncer era visto pelos hipocráticos como um desequilíbrio dos fluidos que compunham o organismo. Essa noção manteve-se presente na medicina ocidental até o século XVII, sendo que, a partir do século XV, a descoberta do sistema linfático fez com que a doença fosse relacionada ao desequilíbrio da linfa nos organismos. Somente no século XVIII, o câncer passou a ser visto como uma doença de caráter local. Para essa mudança, mostrou-se fundamental o desenvolvimento da anatomia patológica e dos conhecimentos sobre as células. Muitos estudos foram feitos, como por exemplo o do médico Joseph Claude Anthelme Recamier (1774 - 1852), que observando um tumor secundário no cérebro de uma paciente inicialmente atingida por um câncer no seio, deu início a utilização do conceito de metás-

tase para o câncer. Seus estudos apontavam para o fato de a invasão de células cancerosas na corrente sanguínea ou linfática provocar o surgimento de novos tumores em outros órgãos dos doentes. Apesar do grande avanço do conhecimento sobre a doença ao longo dos séculos as possibilidades de tratamento eficazes permaneciam inexistentes, restando aos acometidos a internação em asilos para desenganados, nos quais em meio ao sofrimento, esperavam o momento da morte. Nesse campo, a assistência aos desamparados foi a ação contra a doença de maior alcance, visto que em meados do século XIX, várias instituições voltadas à proteção dos doentes de câncer começaram a proliferar em diversos países europeus. Ainda no século XIX, os avanços da cirurgia pareciam dar uma nova esperança em relação ao câncer. As primeiras cirurgias de cânceres do reto e histerectomias datam da década de 1840, quando a utilização do éter e do clorofórmio como anestésicos possibilitou a execução de cirurgia mais invasivas. No entanto, o grande número de insucessos dessas operações e a controvérsia sobre sua eficácia fizeram com que, naquele momento, elas fossem postas de lado. Somente com o desenvolvimento das técnicas de assepsia e antissepsia, as cirurgias passaram a ser mais viáveis.

15


Figura 05: Remoção de um tumor. Ilustrações de 1741. Fonte: LYONS, A.S e PETRUCELLI, R.J. ‘’Medicine: an illustrated history’’. Abradelle Express. 1987.


Apesar da ampliação das possibilidades de intervenção contra o câncer, abertas pelo desenvolvimento das técnicas cirúrgicas, as grandes transformações no tratamento viriam da aproximação da medicina de outros campos de investigação, como a física e a química. Os primeiros passos nesse sentido, surgiram com a descoberta dos raios X, em 1895. A partir de 1896, os médicos se apropriaram da descoberta, se interessando por suas extraordinárias potencialidades diagnósticas. Logo também passaram a testá-la freneticamente na busca da cura de diversas doenças. No caso do câncer, a utilização da radioterapia parecia ser promissora. Pouco tempo depois do desenvolvimento da radioterapia, a descoberta do rádio pelo casal Pierre e Marie Curie, em 1898, traria novos avanços ao tratamento de câncer. A partir de 1904, os médicos começaram a experimentá-lo, inclusive contra outros tipos de doenças.

blema do câncer parece se ampliar ainda mais em todo o mundo. Os inquéritos epidemiológicos realizados nos diversos países mostravam que a extensão da doença era ainda maior do que se imaginava, tendendo a se elevar mais ainda à medida que melhores condições de vidade possibilitassem o maior envelhecimento da população. No campo da ação médica, o desenvolvimento da cirurgia aumentava a tava de sucesso nas retiradas de tumores malignos em diversos órgãos internos. Já a radioterapia era utilizada com sucesso nos câceres cervicais, mamários, uterinos e cutâneos. No entanto, com exceção desses últimos, a possibilidade de cura dos diversos tipos de câncer ainda era bastante baixa, sendo que as novas descobertas das ciências médicas que mudariam esse panorama em meados do século XX - como a quimioterapia, e outras terapias medicamentosas - ainda eram promessas em fase de desenvolvimento em laboratórios científicos.

No final da segunda década do século XX, a utilização do rádio no tratamento do câncer do colo do útero passou a ser cada vez mais frequente na Europa. Em muitos casos, pacientes tinham seus tumores extraídos cirurgicamente eram enviados para tratamentos radioterápicos com a finalidade de evitar o reaparecimento da doença. No período que se estende entre as duas guerras mundiais, a preocupação com o pro-

17


Tipos de tratamento

A quimioterapia é o método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica. (INCA, 1993)

Quimioterapia

Acelerador linear

Radioterapia

É um dispositivo que tem como função emitir a radiação utilizada em diversos tratamentos. As radiações emitidas por ele são os raios x de alta energia ou elétrons acelerados, provenientes do processo de conversão de energia elétrica em energia radiante. (ALMEIDA, Frederico - Brasil Escola)

Braquiterapia

A braquiterapia é um tipo de radioterapia interna na qual um material radioativo é inserido dentro ou próxima ao órgão a ser tratado. (ONCOGUIA, 2014)

Ortovoltagem

Tratamento usado para lesões superficiais (com pouca profundidade). Pode ser usado para o tratamento de lesões malignas superficiais de pele em alguns casos bem selecionados. (CEBROM - Medicina Oncológica)

18


Cuidados paliativos Segundo Pantano (2016), durante centenas de anos, era natural que o processo de morte ocorresse nos próprios domicílios dos doentes, com a presença atuante de suas famílias. Após a segunda grande guerra mundial, o progresso atingido pela humanidade em relação a alguns aspectos médicos (ressuscitação cardiopulmonar, uso de antibióticos, técnicas cirúrgicas e anestésicas) fez com que passássemos a acreditar que a morte poderia ser vencida; assim iniciou-se um processo que culminou com a transferência dos óbitos para os hospitais e incentivou a obstinação terapêutica. (PANTANO, 2016, p.22)

liares, diante de uma doença que ameace a vida, por meio da prevenção e alívio do sofrimento, da identificação precoce, avaliação impecável, tratamento da dor e demais sintomas físicos, sociais, psicológicos e espirituais.’’ (PANTANO, 2016, p.22 apud. WHO - World Health Organization. Definition of Palliative Care, 2014, Internet).

Pantano (2016) cita a definição de cuidados paliativos que foi denominada pelo cirurgião Baulfor Mount em 1975, como uma filosofia de cuidados à uma disciplina profissional voltada ao controle de sintomas, ao apoio psicossocial, à assistência espiritual, comunicação, tomada de decisão, apoio aos cuidadores e aos cuidados de fim de vida. Essa definição surgiu quando o cirurgião desenvolveu um novo programa de cuidados paliativos a serem oferecidos em uma ala hospitalar. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ‘’Cuidados Paliativos consistem na assistência promovida por uma equipe multidisciplinar que objetiva a melhoria da qualidade de vida dos pacientes e seus fami-

19


Princípios dos cuidados

Respeitar a dignidade e autonomia dos pacientes.

Honrar o direito do paciente de escolher entre os tratamentos, incluindo aqueles que podem ou não prolongar a vida.

Comunicar-se de maneira clara e cuidadosa com os pacientes, suas famílias e seus cuidadores

Identificar os principais objetivos dos cuidados de saúde a partir do ponto de vista do paciente

Reconhecer, avaliar, discutir e oferecer acesso a serviços para o atendimento psicológico, social e questões espirituais.

Proporcionar o acesso ao apoio terapêutico, abrangendo o espectro de vida através de tratamentos de final de vida que proporcionem melhora na qualidade de vida percebida pelo paciente, por sua família e seus cuidadores.

Figura 06: Princípios dos Cuidados Paliativos Fonte: Elaborado pela autora (2018), dados de Casa do Cuidar (2018)

Prover o controle impecável da dor e de outros sintomas de sofrimento físico.

Manter uma atitude de suporte educacional a todos os envolvidos nos cuidados diretos com o paciente.

Promover a continuidade dos cuidados oferecidos ao paciente e sua família, sejam estes cuidados realizados no hospital, no consultório, em casa ou em outra instituição de saúde

20


A Ásia é o continente com maior número de novos casos e de mortes por câncer

O câncer é uma das principais causas de morte em todo o

mundo: a

cada ano, 8,2 milhões de pessoas morrem devido à doença, correspondendo a 13% de todas as mortes do

Américas 20,5% Ásia 48%

Europa 24,4%

mundo.

África 7,2%

14,1 milhões de novos casos a cada ano no mundo

Fonte: BBC e Globocan (2016)

Oceania 1,1%

Novos casos

África 6%

Oceania 0,7%

Américas 15,8% Ásia 54,8%

Mortalidade

Estatísticas no Brasil e no mundo

Europa 21,5% Figura 07: Porcentagem de novos casos e mortalidade de câncer no mundo Fonte: Elaborado pela autora (2018), dados de BBC e Globocan (2016)

21


No Brasil, a

cada 100 mil habitantes estima-se que por ano, surjam 295 novos casos de câncer.

A cada 10 casos de câncer:

Fonte: Dr. Frederico Escaleira

Em 2018, a estimativa é de

582 mil novos casos

6 casos são por fatores genéticos ou pela idade.

4 casos são por fatores

ambientais e de estilo de vida. No Brasil, o tipo mais comum é o

câncer de pele, tipo não melanoma

48% em mulheres

52% em homens

principalmente por se tratar de um país de clima tropical. Fonte: INCA e G1 (2018)

22


Mulheres

Homens

Glândula tireoide 4%

Cavidade oral 5,2%

Mama 29,5%

Traqueia, brônquio e pulmão 6,2%

Colo do útero 8,1%

Traqueia, brônquio e pulmão 8,7%

Estômago 6,3%

Próstata 31,7%

Cólon e reto 9,4%

Cólon e reto 9,4%

Estimativa dos 5 tumores com maior incidência em 2018, por sexo* *Exceto câncer de pele não melanoma

Figura 08: Estimativa dos 5 tumores com maior incidência Fonte: Elaborado pela autora (2018), adaptado de G1 (2017)

23


CAPÍTULO 3 O CÂNCER E A ATUAÇÃO DA ASAPAC EM SÃO JOÃO DEL REI


São João del Rei São João del Rei é considerada uma cidade polo para cidades do Sudeste e sul de Minas Gerais, localizada a 183 quilômetros da capital Belo Horizonte. De acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sua população estimada em 2017 era de 90.623 habitantes, sendo um dos principais municípios da mesorregião do Campo das Vertentes.

Brasil

Nessa região, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), existem dois hospitais que oferecem tratamentos voltados ao câncer. Um deles é a Santa Casa da Misericórdia, em São João del Rei e o outro em Barbacena, Hospital Ibiapaba S/A. As duas unidades são habilitadas como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), que são unidades hospitalares que possuem condições técnicas, instalações físicas, equipamentos e recursos humanos adequados à prestação de assistência especializada de alta complexidade para o diagnóstico definitivo e tratamento dos cânceres mais prevalentes. Estas unidades hospitalares podem ter em sua estrutura física a assistência radioterápica ou então, referenciar formalmente os pacientes que necessitarem desta modalidade terapêutica.

Minas Gerais

São João del Rei

Figura 09: Localização de São João del Rei Fonte: Elaborado pela autora (2018)

26


Saúde em São João del Rei Segundo estatísticas da Prefeitura Municipal de São João del Rei, no ano de 2015, a cidade contava com 68 estabelecimentos credenciados ao Sistema Único de Saúde - SUS, oferecendo 156 leitos e resultando em uma média de:

1,8 leitos SUS a cada mil habitantes Considerando toda a rede de saúde, prestando ou não serviço ao SUS, a cidade dispõe de 198 estabelecimentos, oferecendo 233 leitos, que resulta em uma média de:

2,7 leitos SUS a cada mil habitantes

ção do Acelerador Linear, começou a ser realizada no dia 14 de maio de 2018 tornando-se um marco para a saúde da cidade. Dessa maneira, o paciente não vai precisar mais se deslocar para os grandes centros para buscar tratamento. Em alguns casos, ainda é necessário buscar outras alternativas existentes apenas nos grandes hospitais, mas a grande maioria conseguirá se tratar na cidade.

O aparelho de Radioterapia tem capacidade de atender a macro e microrregião de São João del Rei, alcançando de 40 a 50

pacientes por dia

Tratamentos O tratamento de Oncologia em São João del Rei teve seu início no ano 2000. Apesar disso, foi no ano de 2013 que se deu a construção do Centro de Tratamento Oncológico - Clínica Dom Célio de Oliveira Goulart, que é vinculado à Santa Casa da Misericórdia. O centro é considerado de última geração, segundo o coordenador da ASAPAC, Valdecir Braga, e realiza Quimioterapia a mais de 10 anos. A Radioterapia é mais recente, e com a instala-

40 a 50 pacientes por dia D S T Q Q S S

25 a 30

De segunda a sexta

Sessões necessárias 27


Unidades de saúde de São João del Rei Farmácias 5,5% Policlínicas 5,5%

Hospitais 5,5%

UPA 3%

UBS ESF Tipo 2 11%

Terreno UBS com estratégia Saúde da Família 13,9%

UBS tradicional Zona Rural 11%

Mapeamento de unidades de saúde relevantes ao tratamento de câncer, em relação ao terreno

Centro de Tratamento de Câncer Dom Célio de Oliveira Goulart Santa Casa da Misericórdia

UBS tradicional 11%

Núcleos e Centros de Apoio e Diagnóstico 33,5%

Sede da ASAPAC Unidade de Pronto Atendimento UPA

Figura 10 : Gráfico das unidades de saúde. Fonte: Prefeitura Municipal de São João del Rei (2016)

28


História da ASAPAC A Associação de Amparo a Pacientes com Câncer - ASAPAC, é uma organização civil sem fins lucrativos, que tem por finalidade lutar por uma Política de Saúde Pública ligada ao câncer atuando efetivamente pela melhoria do atendimento ao portador, apoiando-o durante todo o processo do seu tratamento (ASAPAC, 2017). Foi fundada em 1 de março de 2004, na cidade de Belo Horizonte e surgiu através da iniciativa da presidente fundadora da associação, Isabel Matilde da Cunha, que na década de 80, perdeu um filho de 9 meses, vítima do câncer.

com ajuda de amigos criou um Estatuto, que foi registrado em Belo Horizonte, e lá começou a história da ASAPAC. A princípio, o nome era Associação Alimentar a Pacientes Cancerosos, entretanto, depois de ouvir de uma pessoa, que já tinha passado pelo tratamento de câncer, que ela não gostava do termo ‘’cancerosos’’, a presidente resolveu fazer uma mudança. A partir de então, após registro em ata, o nome passou a ser oficialmente Associação de Amparo a Pacientes com Câncer.

Enquanto o filho estava em tratamento, Isabel fazia docinhos para vender e ter condições de fazer o deslocamento para o hospital todos os dias. Ela residia em Caratinga, mas o menino estava internado em Belo Horizonte. Nesse momento, ela conheceu outras pessoas que estavam passando pela mesma situação e uma delas sugeriu que ela começasse a oferecer alimentação para as pessoas que tinham que percorrer longas distâncias, assim como ela. A partir de então, ela e o marido começaram a prestar esse auxílio aos pacientes e acompanhantes. Depois de algum tempo, infelizmente, ela perdeu o filho e acabou voltando para a cidade natal, mas ainda queria fazer mais pelas pessoas que estavam passando por momentos difíceis. Mesmo com dificuldades para fundar a associação, ela não desistiu e

Figura 11: Símbolo da ASAPAC Fonte: Google Imagens/Elefante Verde (2014)

29 4


ASAPAC em São João del Rei Um dos primeiros pacientes tratados na ASAPAC de Belo Horizonte era morador de São João del Rei, que também foi o fiador da casa onde fica a sede da ASAPAC por muitos anos, que até hoje é um local alugado. Em 2005, ele sugeriu para a presidente fundadora que fosse fundada uma unidade da ASAPAC no interior, pois existiam muitas pessoas que necessitavam desse apoio. Dessa maneira, em 2006, a associação começou a buscar cidades do interior onde ela poderia se instalar. Foi nessa época que ela chegou a São João del Rei e várias outras cidades do interior, como Campo Belo, Sete Lagoas, Ipatinga, Governador Valadares e Divinópolis. A sede de São João del Rei está localizada na Rua Ministro Gabriel Passos, 232.

tando a fragilização dos vínculos afetivos relacionais familiares e sociais dos pacientes. (ASAPAC, 2017). Os funcionários se preocupam muito com a humanização do atendimento aos pacientes e acreditam na cura até o último minuto. A associação não recebe nenhum tipo de verba do poder público e se mantém através das doações da população de São João del Rei e cidades vizinhas. Além disso, todo os anos fazem uma campanha de rifa solidária para contribuir com as doações, sorteando 2 motos para São João del Rei e região. Têm parceria com a Medicina UFSJ, Medicina UNIPTAN, Enfermagem do IFET e do CENEP, médicos que realizam palestras na instituição e dão apoio aos pacientes, entre outros.

Funcionamento O objetivo principal da associação é atender portadores de qualquer tipo de neoplasia, de São João del Rei e cidades vizinhas, através do oferecimento de informações, de encaminhamentos, de orientações em relação à prevenção e o tratamento do câncer; concessão de benefícios, serviços e atendimentos que vão contribuir para minimizar o sofrimento e desgaste dos pacientes e seus familiares, evi-

30


O que é oferecido aos pacientes da ASAPAC

Atendimento com fisioterapeuta, psicóloga, fonoaudióloga, nutricionista, assistente social, advogado e dentista.

Suplementos como Isosource, Nutren, Nutrison, Sustagem, entre outros, tanto de administração enteral quanto oral.

Fornecimento de medicamentos que não são oferecidos pela rede SUS.

Benefícios como cesta básica e leite, equipamentos como bolsas de colostomia, cadeira de rodas, colchões especiais, curativos, entre outros.

31


Figura 12: Sede da ASAPAC Fonte: Da autora (2018)


Estatísticas ASAPAC Atualmente a ASAPAC atende a

mais de 400 pacientes e tem uma média de

10 mil atendimentos por ano.

Os 5 principais tipos de câncer atendidos na ASAPAC

Mais da metade dos pacientes

atendidos são mulheres e atualmente eles têm apenas

2 criaças cadastradas.

Dos pacientes cadastrados, 250 são de São João del Rei, o que corresponde a 60,3% do total.

Reto 9% Pele 9%

Além de São João del Rei, existem pacientes cadastrados de outras Mama 52%

Intestino 12%

22 cidades da região

80% dos pacientes atendidos e Próstata 18%

cadastrados na ASAPAC são curados.

Fonte: Jornal da ASAPAC (2017) Valdecir Braga - coordenador da ASAPAC (2018)

33


Casa de apoio

Necessidades

Desde 2014, a ASAPAC oferece hospedagem e alimentação aos pacientes que vêm de outras cidades em uma casa de apoio, que foi doada para a associação pela Sociedade São Vicente de Paula, conhecida na cidade como uma organização dedicada ao trabalho cristão de caridade.

Pensando em elaborar uma casa de reabilitação em conjunto com o centro de tratamento oncológico, procurou-se entender o programa de necessidades da ASAPAC para projetar um espaço que suprisse todas as necessidades dos pacientes. Através de uma visita na ASAPAC e entrevista com o coordenador, Valdecir Braga, foi feito um levantamento do que seria essencial em um espaço desse tipo.

A casa de 2 andares está localizada na Rua Aristídes Zaneti, 90, no bairro Fábricas e atende homens e mulheres que estejam fazendo o tratamento oncológico. Segundo Valdecir Braga, o coordenador da ASAPAC, quando há vagas, a casa de apoio também oferece hospedagem e alimentação para pessoas em tratamento de outras patologias. Atualmente, a casa conta com 15 camas, entretanto, Valdecir alegou que existe a possibilidade de dobras este número, pois um dos andares da casa não está sendo utilizado por enquanto. Um zelador cuida da casa e está sempre recebendo os pacientes que chegam para se hospedar. A ASAPAC fornece todos os alimentos para os pacientes em uma despensa, sendo necessário apenas que os acompanhantes cozinhem. A casa também já está preparada com roupas de cama e a limpeza costuma ser feita por ex-pacientes da associação, que são voluntárias

Salas adequadas para os 7 profissionais que prestam atendimento aos pacientes, com equipamentos e estrutura necessária. Maior número de vagas para hospedagem dos pacientes de outras cidades

Espaço para convivência e recreação dos pacientes, que costumam participar de oficinas e palestras. Salar reservadas para a área administrativa da ASAPAC e demais funcionários.

34


Figura 13: Casa de Apoio da ASAPAC Fonte: Da autora (2018)


CAPÍTULO 4 PROSPOSTA


Justificativa A ideia de propor o projeto de um centro de tratamento oncológico surgiu a partir do cenário atual em relação aos tratamentos tanto em São João del Rei como no país de uma maneira geral. A realidade mais comum é que milhares de pacientes precisam se deslocar para as grandes cidades para ter acesso à um atendimento de qualidade e buscar uma chance cada vez maior de cura para o câncer. Com isso, muitas vezes precisam ficar longe de seus familiares ou então enfrentar horas de estrada em estado debilitado para conseguir retornar às suas casas. Em São João del Rei o tratamento oncológico existe desde 2000, contando com a Quimioterapia, Radioterapia e atendendo também alguns casos de cirurgia para câncer de mama e intestino. A Radioterapia, no entanto, teve seu aparelho danificado e ficou algum tempo suspensa, o que fez com que a situação mais comum se repetisse: pessoas da cidade e região tinham que se deslocar para prosseguir com o tratamento. Felizmente, após uma campanha da Santa Casa da Misericórdia com apoio da população, um novo aparelho de Radioterapia foi adquirido e o tratamento voltou a ser oferecido no dia 14 de maio de 2018.

mas também outras modalidades de Radioterapia como a Braquiterapia e a Ortovoltagem. Além da clínica, o projeto contará também com uma Casa de Reabilitação, que prestará serviços aos pacientes baseado no trabalho feito pela ASAPAC, atualmente. A ideia é um local com estrutura adequada, mas que servirá como apoio à ASAPAC e não como substituição, além de ser uma segurança de amparo aos pacientes e à associação, visto que a sede atual é uma casa alugada. Na Casa de Reabilitação também será oferecida hospedagem e alimentação, assim como acontece na Casa de Apoio da ASAPAC, dessa maneira os pacientes poderão ou passar o dia pós tratamento ou passar uma temporada de reabilitação.

Para complementar o serviço de saúde já oferecido em São João del Rei, surgiu a ideia de propor o projeto de uma nova clínica que ofereça não só os tratamentos já existentes,

38


Objetivos do projeto A intenção do projeto é proporcionar o tratamento de alta tecnologia complementado por um processo de recuperação adequado e humanizado, tanto como proposta de espaço quanto de proposta para a equipe de funcionários.

- Clínica onde acontecerão as consultas e os tratamentos agendados, funcionando em horário comercial;

Integração

Em resumo, o projeto terá uma divisão de 3 espaços principais:

Clínica

Humanização

A proposta de inserir um espaço que ofereça suporte clínico, de tratamento e de reabilitação vem justamente do desejo de minimizar os deslocamentos e dificuldades dos pacientes, que além de encontrar tudo em um só local, terão um sentimento de acolhimento e bem-estar acreditando sempre na cura.

Áreas verdes

- Casa de Reabilitação que oferecerá serviços aos pacientes também em horário comercial e hospedagem 24h para aqueles que vêm de outras cidades; - Área externa que integrará as duas edificações e servirá como uma das estratégias de humanização do espaço, sempre em contato com áreas verdes como fonte de iluminação e ventilação natural.

Casa de Reabilitação

39


O terreno Para a escolha do terreno, o primeiro pré-requisito era ser um terreno pertencente à Prefeitura Municipal de São João del Rei, visto que o objetivo é proporcionar atendimentos 100% feitos pelo SUS. O próximo ponto analisado foi a área total dos terrenos disponíveis, pois como se trata de um projeto de arquitetura hospitalar, ele demanda o seguimento de algumas normas e padrões indispensáveis como acessos variados, cuidado com o risco de contaminações, entre outros. Ao mesmo tempo, o terreno deveria ter uma localização viável, principalmente com acesso de transporte público. Considerando esses fatores, foi escolhido um terreno público no bairro Vila Belizário, com área de 7525m². Apesar de não ser uma área muito extensa, observou-se que é possível adaptar o porte do projeto para o espaço que se tem disponível, sem prejudicar a qualidade. Outros fatores importantes analisados foram:

Localização do terreno Rua José Eustáquio Gomes Pimenta

Localizado em uma das saídas da cidade, facilitando acesso aos pacientes de outras cidades Via pouco movimentada Acesso através de transporte público Bairro residencial Área em crescimento Figura 15: Localização do terreno escolhido. Fonte: Elaborado pela autora (2018), dados de Google Earth (2018)

40


Figura 16: Vista do terreno Fonte: Da autora (2018)

Figura 17: Vista do terreno Fonte: Da autora (2018)

Figura 18: Vista do terreno Fonte: Da autora (2018)

Figura 19: Vista do terreno Fonte: Da autora (2018)


Legislação De acordo com o mapa de Macrozoneamento Ambiental Municipal, presente no Plano Diretor, a cidade de São João del Rei tem a maior parte da sua extensão localizada na Zona de Adequação Ambiental - ZAA. L

ONE

COR

XAVIER CH

AV

Zona de Adequação Ambiental - ZAA

A

RIT

ITE

SS

CA

ES

IS OL

ÁP

RIT

PR OS

AD

Zona de Controle Ambiental - ZCA

ELV

S PO

RIO

S TE

M CA

EN

AD

Zona de Proteção Ambiental - ZPA

SÃO JOÃO DEL REI

DE

R TI

S RE DO

SANTA CRUZ DE MINAS

SÃO GONÇALO DO AMARANTE

AS

Zona de Reabilitação Ambiental - ZRA

O

BARROS

RIO DAS MORTES

PRADOS

NO

RE

ZA

NA

SÃO SEBASTIÃO DA VITÓRIA

BARBACEN

A

ARCÂNGELO

EMBOABAS

C

AR

R

AN

C

AS

US DE

DE DE

MINAS

PIEDADE DO RIO

GRANDE

IB

ER TI

O

G A

MADRE

BRASILINHA

0

1

5 Km

Figura 14: Mapa do Macrozoneamento Ambiental. Fonte: Desconhecida.

42


Ainda de acordo com o Plano Diretor, a Zona de Adequação Ambiental divide-se em outras 5 zonas, para fins de delimitação do perímetro urbano, de parcelamento e de uso e ocupação do solo. Sendo elas: 1 - Zona de Proteção Cultural; 2 - Zona de Proteção Paisagística; 3 - Zona de Controle Urbanístico; 4 - Zona de Reabilitação Urbana; 5 - Zona de Urbanização Futura. A região do terreno escolhido encaixa-se na Zona de Controle Urbanístico, que se caracteriza pela ocupação e urbanização consolidadas, apresentando tipologia urbana bastante mesclada, lotes de dimensões variadas e áreas com baixa ou grande densidade populacional. As diretrizes para utilização do solo na Zona de Controle Urbanístico são: 1 – garantir a manutenção ou melhoraria das condições urbanas; 2 – restringir ocupações de grandes proporções e altos gabaritos; 3 – estimular parcelamentos do solo compatíveis com o porte e as condições ambientais da cidade; 4 – estimular parcelamentos que preservem as relações sociais; 5 – incentivar multiplicidade de usos.

Analisando o Plano Diretor de acordo com a realidade existente no local, é possível dizer que a região está em constante crescimento, tornando-se um bairro majoritariamente residencial e extremamente tranquilo. Apesar de ser uma área dotada de infraestrutura urbanística, não existem equipamentos urbanos a menos de 1km de distância. A restrição de ocupações de altos gabaritos não é uma realidade, visto que atualmente existem muitas construções de prédios altos em andamento, muitos deles com mais de 5 pavimentos. Entretanto, pensando em causar o menor impacto possível não só na região, mas também na paisagem, o projeto proposto não terá mais do que 3 pavimentos. Por fim, visto que o Plano Diretor prevê o incentivo à multiplicidade de usos, a ideia de propor uma clínica médica na região é aceitável, podendo contribuir para o possível aumento de equipamentos e mobilidade urbana no bairro.

43


Acessos

Terreno Rua José Eustáquio Gomes Pimenta Rua Dez Figura 20: Acessos do terreno Fonte: Elaborado pela autora (2018)

Av. Prefeito Lourival Gonçalves de Andrade

44


Ocupação do entorno

Terreno 1 pavimentos 2 pavimentos 3 pavimentos Figura 21: Gabarito das edificações Fonte: Elaborado pela autora (2018)

4 ou mais pavimentos

45


Análise climática

PM

AM

Terreno Trajetória solar Direção dos ventos Figura 22: Análise climática do terreno Fonte: Elaborado pela autora (2018)

Existência de vegetação

46


De acordo com a rosa dos ventos da planilha de clima EPW, a direção predominante dos ventos em São João del Rei é sudeste para noroeste.

A- O uso de aquecimento artificial será necessário para amenizar a eventual sensação de desconforto térmico por frio. B- A forma, a orientação e a implantação da edificação, além da correta orientação de superfícies envidraçadas, podem contribuir para otimizar o seu aquecimento no período frio através da incidência de radiação solar. A cor externa dos componentes também desempenha papel importante no aquecimento dos ambientes através do aproveitamento da radiação solar. C- A adoção de paredes internas pesadas pode contribuir para manter o interior das edificações aquecido.

Figura 23: Rosa dos ventos com ventilação predominante. Fonte: Planilha de Clima EPW (2018)

A cidade está localizada na Zona Bioclimática 2, de acordo com a NBR15220 o que configura o uso de estratégias de condicionamento térmico passivo como ventilação cruzada no verão e aquecimento solar da edificação com vedações pesadas para o inverno. A norma também demonstra um detalhamento das estratégias, e para São João del Rei o ideal é atender as estratégias ABCFI.

F- As sensações térmicas são melhoradas através da desumidificarão dos ambientes. Esta estratégia pode ser obtida através da renovação do ar interno por ar externo através da ventilação dos ambientes. I- Temperaturas internas mais agradáveis também podem ser obtidas através do uso de paredes (externas e internas) e coberturas com maior massa térmica, de forma que o calor armazenado em seu interior durante o dia seja devolvido ao exterior durante a noite, quando as temperaturas externas diminuem.

47


Estudo de Impacto de Vizinhança - EIV De acordo com o Programa Nacional de Capacitação das cidades, o Estudo de Impacto de Vizinhança - EIV se apresenta como um instrumento necessário e fundamental para o desenvolvimento sustentável das cidades. Ele se destaca por atuar de maneira preventiva, vislumbrando a harmonia entre os interesses particulares e o interesse da coletividade. Os principais critérios para análise do EIV são os seguintes:

- Adensamentos populacional - Equipamentos urbanos, comunitários e infraestrutura básica. - Uso e ocupação do solo. - Mobilidade urbana.

Adensamento populacional A análise sobre adensamento populacional no EIV considera o aumento populacional provocado pela implantação ou ampliação do empreendimento ou atividade. O acréscimo populacional pode ser direto, quando o próprio empreendimento atrai nova população residente (caso de empreendimentos ha-

bitacionais) ou indireta, quando a população é atraída para a região onde se insere o empreendimento por razões de trabalho, consumo ou diversão. (SCHVARSBERG, MARTINS, KALLAS, CAVALCANTI, TEIXEIRA, 2016, p.28) No caso da clínica, o cálculo de usuários do prédio será baseado na quantidade de pacientes e acompanhantes mais os funcionários da clínica. O cálculo será feito considerando a maior ocupação possível do prédio, ou seja, todos os consultórios e todas as salas de tratamento funcionando ao mesmo tempo, mais a ocupação total da Casa de Reabilitação.

Considerando este cálculo, o número total de pessoas na clínica ao mesmo tempo será de 204 pessoas Através desse resultado é possível ter noção se a via existente é suficiente, se é necessário e possível a criação de uma nova linha de transporte coletivo e também a demanda de estacionamento da clínica. Desse total, 69 pessoas são funcionários, o que corresponde à 33%.

48


Equipamentos urbanos, comunitários e infraestrutura básica Equipamentos comunitários são aqueles destinados à educação, cultura, saúde, lazer e similares. Já equipamentos públicos urbanos são aqueles destinados ao abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos, energia elétrica, coletas de águas pluviais, rede telefônica e gás canalizado. (SCHVARSBERG, MARTINS, KALLAS, CAVALCANTI, TEIXEIRA, 2016, p.30)

Pelo mapa, percebe-se que a região do terreno não possui equipamentos comunitários. Isso se deve ao fato de ser uma área em expansão e de uso residencial. Os equipamentos se tornam mais frequentes há cerca de 1km de distância do terreno.

Figura 24: Localização dos principais equipamentos comunitários Fonte: Elaborado pela autora (2018)

Educação

Cultura

Lazer

Saúde

Financeiro

Terreno

Exército

49


Em relação à infraestrutura urbana, visto que a região já é bastante habitada, pode-se dizer que a clínica não traria uma sobrecarga, considerando que teria seu funcionamento em horário comercial e com isso não haveriam usuários 24h por dia.

Rei, vista anteriormente, a instalação da clínica é compatível com o zoneamento previsto no plano diretor, visto que existe o incentivo de multiplicidade de usos. Outro fator é que, por ser uma área tranquila, torna-se propícia para esse tipo de edificação.

Com a instalação da clínica, seria interessante que a área fosse vista como potencial de ampliação para os equipamentos comunitários, tornando o dia a dia dos usuários da clínica mais prático e, consequentemente, dos moradores do bairro.

Apesar de se tratar de uma construção maior do que as já existentes no entorno, acredita-se que o impacto em relação à possíveis incômodos será mínimo, considerando que a clínica terá seu funcionamento apenas em horário comercial.

Uso e ocupação do solo

Mobilidade urbana

O EIV deverá indicar tendências de mudança de uso do solo e transformações urbanísticas induzidas pelo empreendimento e atividade em estudo. Existem empreendimentos que podem gerar alterações profundas na dinâmica urbana local que, em médio e longo prazo, tendem a alterar a configuração espacial e a concentração ou dispersão de atividades apresentando reflexos sobre a ventilação e iluminação, o adensamento populacional, a geração de tráfego e demanda por transporte público, os equipamentos urbanos e comunitários, a paisagem urbana, o patrimônio natural e cultural e a valorização imobiliária. (SCHVARSBERG, MARTINS, KALLAS, CAVALCANTI, TEIXEIRA, 2016, p.32)

Nesse ponto, tratam-se dos impactos que comprometem a mobilidade urbana, permanentes ou temporários. De modo geral, referem-se à piora das condições de acessibilidade e segurança dos pedestres, à queda de eficiência da rede de transportes, ao esgotamento da capacidade viária e à poluição atmosférica e sonora. (SCHVARSBERG, MARTINS, KALLAS, CAVALCANTI, TEIXEIRA, 2016, p.36)

De acordo com a legislação de São João del

No caso da região escolhida para trabalho, o tráfego de veículos é bem tranquilo, sendo mais movimentada em horários de pico. Existe uma linha de ônibus que tem seu ponto inicial/final bem próximo do terreno, entretanto o transporte público não percorre as ruas do bairro. Outra questão é que como é

50


uma região em expansão, existem alguns locais sem acesso de calçadas para pedestres, ou seja, as pessoas têm que dividir espaço com os veículos e, apesar do pouco movimento, continua sendo um risco. Isso se agrava principalmente pensando na instalação da clínica que, na maioria das vezes, receberá pessoas debilitadas.

ca funcionará apenas em horário comercial e haverá rotatividade de pacientes, ou seja, dificilmente o adensamento populacional de 271 pessoas calculado anteriormente vai ser alcançado, pois para esse cálculo foi considerada a pior hipótese, ou seja, a lotação máxima da clínica, com todos os serviços funcionando ao mesmo tempo.

Para melhorar a mobilidade urbana nesta região, seria interessante propor uma nova linha de transporte público para circular dentro do bairro, com um ponto exclusivo em frente à clínica para facilitar o acesso dos pacientes e também dos funcionários. Além disso, também beneficiaria os moradores do bairro, já que os equipamentos urbanos ficam distantes em sua maioria. Para melhoria da segurança, é imprescindível a inclusão de calçadas e rampas de acessibilidade não só nas imediações do terreno, mas também por todas as ruas do bairro. Apesar do asfalto novo, as ruas também não possuem sinalização horizontal, algo que faz a diferença mesmo com o movimento pequeno de veículos. Ao considerar a possível implantação da linha de ônibus e de um pequeno aumento no tráfego, essa sinalização se torna importante para garantir o fluxo seguro dos veículos e pedestres. Apesar do aumento do tráfego viário, é possível afirmar que não haverá transtornos graves aos moradores do bairro, já que a clíni-

Figura 25: Acessos ao terreno sem calçadas e acessibilidade. Fonte: Da autora (2018)

51


CAPÍTULO 5 PROGRAMA DE NECESSIDADES E SETORIZAÇÃO


Programa de necessidades e setorização O programa de necessidades e setorização de um estabelecimento de saúde leva em conta diversos fatores importantes, o que pode torná-lo complexo. Existem muitas normas da Anvisa a serem seguidas para que sejam evitadas contaminações dos pacientes, que podem agravar o estado de saúde de pessoas que já estão doentes ou fazer com que pessoas saudáveis passem a algum sintoma por conta de contaminações. A principal norma a ser seguida é a Resolução RDC n°50, que tem como objetivo servir como ‘’instrumento norteador das novas construções, reformas e ampliações, instalações e funcionamento de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde que atenda aos princípios de regionalização, hierarquização, acessibilidade e qualidade da assistência prestada à população.’’ (Ministério da Saúde, 2002, p.01) Nela encontram-se diversos regras, informações e instrumentos que auxiliam na elaboração do projeto arquitetônico, visto que para ser executado, ele precisa passar por uma aprovação e estar seguindo todas as normas vigentes. Existe um capítulo que trata exclusivamente do programa de necessidades para cada setor específico de um estabelecimento de saúde, mostrando o que é necessário prever e qual o dimensionamento mínimo, o que auxiliou na elaboração do programa para o Centro de Tratamento Oncológico e prever

uma estimativa de área mínima que cada setor ocupará. O livro ‘’Manual Prático de Arquitetura Hospitalar’’, de Ronald Góes também foi extremamente importante para este capítulo do trabalho, pois, baseado na RDC n°50, o autor mostra como fica a setorização do programa de necessidades que é listado na norma, o que facilita o entendimento dos fluxos do estabelecimento de saúde e a razão de ser de cada espaço. Para este trabalho, foi utilizada como base principal a setorização da parte de Radioterapia citada por Góes em seu livro (GÓES, 2004, p.154), e a partir dela foram adaptados os setores de Ambulatório e Quimioterapia. A Casa de Reabilitação também teve a mesma base, porém estará localizada em uma edificação diferente, como citado anteriormente em outros capítulos. A área estimada de cada setor foi baseada em valores propostos tanto por Góes quanto pela RDC n°50 apenas para se ter noção do espaço de implantação no terreno. Na etapa de projeto arquitetônico ela será revisada se adequando tanto à norma quanto ao objetivo de proporcionar um ambiente humanizado

54


Ambulatório Banheiro

Registro e espera

Cantina

Consultório

Banheiro

Consultório (pediatria)

Espera

ADM

Sala de reuniões

Consultório

Estar clínico

Copa

Consultório

Macas e cadeiras

Banheiro

(funcionários)

acompanhantes

Sala de prescrição

Farmácia

Área estimada: 215m²

55


Radioterapia Preparo de pacientes

Banheiro Macas e cadeiras

Sala de simulação

Acelerador linear

Registro e espera

Vestiário de pacientes

Sala de exames

C

Braquiterapia

Posto de enfermagem

C

Secretaria

Consultório

Preparo e armazenagem de fontes

C

Plantão e física médica

Moldes e máscaras

Banheiro

C

Acelerador linear

Ortovoltagem superficial

C

Ortovoltagem profunda

Expurgo

Copa

Sala de material esterilizado

Sala de comandos

Área estimada: 385m²

56


Quimioterapia Banheiro Banheiro

Registro e espera

Consultório

Sala de aplicação (infantil)

Espera

Utilidades

Sala de aplicação (adulto)

Banheiro

ADM

Macas e cadeiras

(funcionários)

DML

Copa

Banheiro

Expurgo

acompanhantes

Posto de enfermagem

Área de medicamentos

Sala de material esterelizado

Casa de máquinas

Área estimada: 250m²

57


Casa de Reabilitação 1° pavimento

Estoque de benefícios

Recepção

ADM

Banheiro

Estoque de suplementos

Advogado

Nutricionista

Fisioterapeuta

Sala de convivência

Almoxarifado Copa

Assistente Social

Psicóloga

Fonoaudióloga

Dentista

Sala para oficinas

Banheiro

(funcionários)

Arquivo

Área estimada: 225m²

58


Casa de Reabilitação 2° pavimento

Banheiro

Quarto 5

Quarto 6

Banheiro

Banheiro

Quarto 21

Quarto 26

Banheiro

Banheiro

Quarto 4

Quarto 7

Banheiro

Banheiro

Quarto 22

Quarto 27

Banheiro

Banheiro

Quarto 3

Quarto 8

Banheiro

Banheiro

Quarto 23

Quarto 28

Banheiro

Banheiro

Quarto 2

Quarto 9

Banheiro

Banheiro

Quarto 24

Quarto 29

Banheiro

Banheiro

Quarto 25

Quarto 30

Banheiro

Banheiro

Quarto 10

Quarto 1

Cozinha compartilhada

Cozinha Nutricionista compartilhada

Banheiro

Banheiro

Quarto 11

Quarto 16

Banheiro

Banheiro

Quarto 12

Quarto 17

Banheiro

Banheiro

Quarto 13

Quarto 18

Banheiro

Banheiro

Quarto 14

Quarto 19

Banheiro

Banheiro

Quarto 15

Quarto 20

Banheiro

Cozinha compartilhada

Área estimada: 486m²

59


CAPÍTULO 6 O PROJETO


Partido arquitetônico A solução do projeto se moldou a partir do formato e desnível presente no local. O objetivo foi fazer com que as edificações se conectassem e ao mesmo tempo seguissem a linha curva formada pelo terreno. O desnível iniciou como um desafio para o projeto mas ao longo do processo se tornou um aliado, possibilitando que a Radioterapia ficasse enterrada no solo, contribuindo ainda mais com o isolamento da Radiação. Além disso, a movimentação de terra feita no terreno foi feita de maneira que a terra retirada em determinados pontos fosse utilizada no aterro de outros. O maior número de pavimentos será na Casa de Reabilitação e Hospedagem, com 3 pavimentos, que é aceito pela Lei de Uso e Ocupação do Solo utilizada para o trabalho. Os acessos da clínica serão feitos em dois: um que levará diretamente ao estacionamento interno, localizado na área de futura ampliação e outro que será destinado principalmente aos pacientes mais debilitados e aqueles que vão frequentar a Casa de Reabilitação apenas. O acesso passará pela área de embarque e desembarque, localizada na área de convivência principal, e terá continuidade diretamente para a saída, facilitando o fluxo dos carros.

usu ários da clínica, enquanto o estacionamento exclusivo da Casa de Reabilitação contará com 10 vagas para pacientes e acompanhantes. Também haverão vagas nas imediações da clínica para os que desejaram estacionar na rua. Para a fachada, o objetivo foi pensar em algo que trouxesse destaque para a edificação mas que também influenciasse na parte interna. Como referência foi utilizada a Unidade Avançada Perdizes do Hospital Albert Eintein, que possui uma fachada de vidros coloridos. As cores escolhidas foram laranja, azul e verde, que também estão sendo utilizadas em detalhes do interior. A cobertura da parte externa foi inspirada em uma marquise modular hexagonal, que será, detalhada posteriormente, com a estrutura em grelha sustentada por pilares metálicos em árvore. Por fim, a área externa foi pensada com um paisagismo simples mas que trouxesse aconchego para os usuários da clínica, possibilitando que os mesmo possam se deslocar com facilidade e ao mesmo tempo desfrutar de um sentimento agradável ao chegar na clínica para dar continuidade ao tratamento.

O estacionamento principal contará com 29 vagas, destinadas a funcionários e demais

62


Diretrizes para equipamentos urbanos Pelo fato de o terreno estar localizado em um bairro residencial e que está em constante expansão, a região não conta com equipamentos urbanos a menos de 1km de distância. De certo modo, isso dificultaria a vida dos pacientes e acompanhantes que precisassem ir a uma padaria, ou a uma farmácia, por exemplo, pois teriam

Pensando nisso, foram demarcadas as áreas propícias para a instalação desses equipamentos no entorno imediato da clínica, beneficiando não só os usuários da mesma como também os moradores do bairro. Como diretriz, o principal seria a instalação de farmácias, mercados, padarias, laboratórios, restaurantes. Além disso, para melhorar o deslocamento, uma nova linha de ônibus exclusiva do bairro

Terreno Áreas vazias com potencial de expansão Ponto de ônibus

Figura 20: Possíveis espaços para instalação de novos equipamentos Fonte: Elaborado pela autora (2018)

63


Sistema construtivo Para o projeto, foi utilizado o método de modulação dos ambientes de maneira que facilitasse a construção da edificação. O módulo adotado para o Centro de Tratamento Oncológico é de 1,20m com seus múltiplos e submúltiplos.

Vantagens

O sistema construtivo proposto foi um misto de estrutura de concreto e metálica na edificação onde estará a clínica e estrutura metálica na edificação da Casa de Reabilitação e Hospedagem.

Maior limpeza da obra: devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas;

No caso da clínica, o concreto é obrigatório pelo menos no pavimento onde se encontra Radioterapia, para que as salas de tratamento fiquem bem isoladas e não transmitam a radiação pelas paredes, que também tem uma espessura diferenciada de 85cm. Para contribuir com o isolamento da radiação, o pavimento da Radioterapia ficará enterrado no solo, o que ajudará na implantação da edificação, já que o desnível do terreno será parcialmente aproveitado. No pavimento onde se encontram o Ambulatório e a Quimioterapia, será utilizada a estrutura metálica, assim como na outra edificação. Ela foi escolhida por possuir uma séria de vantagens em relação à outras estruturas, apesar do alto custo.

Menor tempo de execução: a estrutura metálica é projetada para fabricação industrial, levando a um menor tempo de fabricação e maior facilidade na montagem;

Maior facilidade de ampliação: a expansão deve ser executada sem interferir nas outras atividades Isto só é possível devido à precisão e menores dimensões das peças e à fabricação fora do local da obra; Facilidade de desmontagem e reaproveitamento: A estrutura de aço tem a seu crédito o valor residual que não é perdido com a execução da obra, pois ela pode ser desmontada e transferida para outro local sem maiores problemas; Facilidade de vencer grandes vãos: A maior resistência do aço, conduz à melhoria das condições para vencer grandes vãos, com menores dimensões das peças e menores pesos. Fonte: Portal Metálica - www.metalica.com.br

64


Quadro de áreas AMBULATÓRIO - 370,94m²

QUIMIOTERAPIA - 302,90m²

Ambientes

Área (m²)

Ambientes

Recepção

136,95m²

Recepção

77,44m²

Recepção

56,86m²

Banheiro

5,76m²

Banheiro

5,76m²

Estoque Benefício

8,64m²

ADM

11,52m²

Consultório

15,12m²

Assistente Social

12,96m²

4 Consultórios

76,59m²

Sala de Reunião

36,76m²

Arquivo (AS)

8,64m²

Farmácia

10,08m²

Macas e Cadeiras

10,80m²

Psicóloga

12,96m²

Estar Clínico

18,85m²

S. Aplicação (adul)

46,80m²

Nutricionista

12,96m²

Banheiro (EC)

5,76m²

S. Aplicação (inf)

36,00m²

Macas e Cadeiras

10,80m²

2 Banheiros (SA)’

11,52m²

Área (m²)

CASA DE REABILITAÇÃO - 432,38m²

Ambientes

Área (m²)

Estoque Suplem.

8,64m²

Fonoaudióloga

17,28m²

Copa

8,09m²

Posto de Enferm.

22,30m²

ADM

12,96m²

Banheiro (copa)

5,76m²

Medicamentos

4,32m²

Dentista

34,56m²

Lanchonete

15,12m²

Material Esteril.

11,52m²

Fisioterapia

34,56m²

Circ. Horizontal

43,73m²

Circ. Vertical

22,73m²

Expurgo Área Convivência

15,44m²

Sala de Atividades

112,03m²

2 Banheiros (SA)

11,52m²

Almoxarifado

12,96m²

Copa

15,82m²

12,31m²

Banheiro (copa)

11,52m²

5,76m²

Circ. Horizontal

44,46m²

Circ. Vertical

13,94m²

RADIOTERAPIA - 1008,39m² Ambientes

Área (m²)

Ambientes

Recepção

136,95m²

Copa Banheiro (copa)

Área (m²)

90,34m²

Banheiro

5,76m²

Macas e Cadeiras

15,12m²

Expurgo

10,85m²

Consultório

16,11m²

4 Comandos

37,80m²

HOSPEDAGEM- 666,60m²

2 Vestiários (paci)

14,36m²

2 Acelerad. Linear

104,14m²

Ambientes

Preparo Paciente

8,63m²

Braquiterapia

45,60m²

Posto de Enferm.

25,18m²

Orto. Superficial

57,02m²

Cozinha Coletiva

154,46m²

57,02m²

Hall

36,48m²

Medicamentos

4,32m²

Orto. Profunda

Plant. e F. Médica

10,26m²

Área Tratamento

Armaz. de Fontes

4,32m²

Circ. Serviços

75,85m²

Material Esteril.

11,52m²

Circ. Horizontal

91,57m²

Moldes/Máscaras

15,12m²

Circ. Vertical

22,73m²

220,09m²

Quartos

Área (m²)

Área construída Clínica

1682,23 m² Área construída Casa de Reabilitação +Hospedagem

1098,98 m²

Área total construída

2781,21 m²

261,26m²

Circ. Horizontal

186,52m²

Circ. Vertical

27,88m²

65


Setorização

Acesso geral Todos usuários da clínica

Acesso restrito EXPURGO

RECEPÇÃO

ÁREA DE TRATAMENTO Acesso restrito Médicos, enfermeiros e pacientes

Acesso restrito Médicos e Enfermeiros

Acesso restrito Funcionários em geral

Mapa chave: Radioterapia (subsolo)

PLANTA BAIXA CLÍNICA - RADIOTERAPIA ESCALA: 1:500 ÁREA DE TRATAMENTO Acesso restrito Médicos, enfermeiros e pacientes

Acesso restrito EXPURGO

Acesso geral Todos usuários da clínica

LEGENDA RECEPÇÃO

Radioterapia Ambulatório Quimioterapia

Acesso restrito Médicos e Enfermeiros Acesso restrito Funcionários em geral

PLANTA BAIXA CLÍNICA - AMBULATÓRIO E QUIMIOTERAPIA ESCALA: 1:500

Mapa chave: Ambulatório e Quimioterapia (1° pavimento)

66


Setorização Acesso restrito Funcionários em geral

Acesso Geral Funcionários Pacientes e Acompanhantes

RECEPÇÃO

SALA DE OFICINAS E PALESTRAS Acesso Geral

ACESSO À HOSPEDAGEM Pacientes, Acompanhantes e Funcionários

PLANTA BAIXA 1° PAVIMENTO - CASA DE REABILITAÇÃO ESCALA: 1:250

ACESSO À HOSPEDAGEM Pacientes, Acompanhantes e Funcionários

DORMITÓRIO COM ACESSIBILIDADE Pacientes e Acompanhantes

COZINHA COLETIVA E ÁREA DE CONVIVÊNCIA Pacientes e Acompanhantes

DORMITÓRIOS Pacientes e Acompanhantes

PLANTA BAIXA 2° E 3° PAVIMENTO - HOSPEDAGEM ESCALA: 1:250

CIRCULAÇÃO

67


Diagrama da estrutura

DIAGRAMA DA ESTRUTURA - CLÍNICA 0 1

5

10

DIAGRAMA DA ESTRUTURA - CLÍNICA 0 1

5

10

68


Diagrama da estrutura

DIAGRAMA DA ESTRUTURA - CASA DE REABILITAÇÃO E HOSPEDAGEM 0

1

5

10

DIAGRAMA DA ESTRUTURA - CASA DE REABILITAÇÃO E HOSPEDAGEM 0

1

5

10

69


Cobertura A ideia da cobertura surgiu a partir do momento em que criou-se um espaço de convivência na área externa existente no subsolo. O objetivo era não só de proporcionar aos usuários uma área confortável que fosse externa e coberta ao mesmo tempo, mas também ocasionar um efeito diferenciado na fachada da clínica. Foi utilizada como referência a Marquise Modular da Casa Cor de São Paulo em 2015, projetada pelo escritório FGMF Arquitetos. Foram utilizados módulos hexagonais, sendo que os mesmos se alternavam entre abertos e fechados. Os módulos eram de madeira laminada, que foram unidos através de uma peça metálica e sustentados por pilares também metálicos.

Figura 39: Marquise Modular Casa Cor 2015 - FGMF Arquitetos Fonte: Archdaily (2015)

No caso da cobertura pensada para o projeto, o material utilizado também será a madeira e os pilares metálicos, porém causarão um efeio mais sombreado pois o módulo terá uma altura maior do que o utilizado na marquise. Eles serão, em sua maioria fechados, com aberturas apenas nos que estiverem posicionados na extremidade da cobertura.

Figura 38: Marquise Modular Casa Cor 2015 - FGMF Arquitetos Fonte: Archdaily (2015)

Para saber o tamanho do módulo utilizado na cobertura foi feito um cálculo baseado na estrutura de uma grelha, com os resultados apresentados a seguir.

70


Cobertura

LOCALIZAÇÃO DOS PILARES 5

10

MÓDULO EM PERSPECTIVA

MÓDULO EM PLANTA

120 15

60

0 1

ABERTO

FECHADO

71


Fachadas Para a fachada, o objetivo foi passar uma ideia diferente do que se encontra em clínicas e hospitais convencionais, e isso pode ser feito através da inserção de cores. A principal referênica foi a Unidade Avançada Perdizes do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. A utilização de formas geométricas retangulares proporciona um modelo diferenciado permeabilidade do edifício tanto para quem vê de fora quanto para quem vê de dentro, principalmente por conta das cores utilizadas, que trazem uma sensação de lugar alegre. Essas formas juntas foram uma grande janela de vidros serigrafados - um material que recebe cores por meio de telas de silkscreen com uma tinta especial, fixada no vidro em altíssimas temperaturas.

As cores utilizadas no projeto foram verde, laranja e azul, que tem um significado importante quando pensamos na humanização de um ambiente. O amarelo também foi utilizado em alguns detalhes, principalmente do interior da clínica.

É sinônimo de entusiasmo, emoção, cordialidade e cautela. Por este motivo, é usado para atrair a atenção e provocar alegria. Promove calma, produtividade e serenidade. Por isso, é o mais utilizado nos escritórios. É sinônimo de confiança e segurança. Está associado à saúde, tranquilidade dinheiro e natureza. O efeito do verde depende muito da tonalidade. Os tons fortes evocam abundância e os fracos convocam calmaria. Considerado alegre e caloroso. Fonte: Arché Empresa Jr. (www.instagram.com/archeej)

Figura 40: Unidade Avançada Perdizes - Hospital Albert Einstein, São Paulo, SP - Levinsky Arquitetos Associados. Fonte: Galeria da Arquitetura (2010)

72


Fachadas

FACHADA FRONTAL - CLÍNICA 0 1

5

10

FACHADA FRONTAL - CASA DE REABILITAÇÃO E HOSPEDAGEM 0

1

5

10

73


PLANTA BAIXA CLÍNICA - SUBSOLO 0 1

5

10

PLANTA BAIXA CLÍNICA - 1° PAVIMENTO 0 1

5

10

74


PLANTA BAIXA CASA DE REABILITAÇÃO - 1° PAVIMENTO 0

1

5

10

PLANTA BAIXA HOSPEDAGEM - 2° E 3° PAVIMENTO 0

1

5

10

75


PLANTA DE PAISAGISMO 01

5

10

Espécies utilizadas:

CHUVA DE OURO

IPÊ BRANCO

QUARESMEIRA

MANACÁ DA SERRA

JADE

FLOR DE MEL

BEGÔNIA

LÍRIO DA PAZ

BUXINHO

LAMBARI ROXO

KAIZUKA

FLOR DE CERA

76


Conclusões Para este trabalho, foram realizadas pesquisas que em conjunto, darão subsídio para a elaboração do projeto arquitetônico do Centro de Tratamento Oncológico de São João del Rei. Ao longo dos capítulos, foram pontuadas as principais questões que embasam e justificam as escolhas feitas.

contribuirá para o desenvolvimento de mais uma área da cidade que se encontra em expansão constante atualmente. Com o projeto, local tranquilo e silencioso não perderá a sua essência, mas ao mesmo tempo será mais acessível em termos de mobilidade e desenvolvido em termos de equipamentos comunitários.

A busca pela humanização nos estabelecimentos de saúde, principalmente neste trabalho, baseia-se, em maneiras de tornar o espaço mais acolhedor e colaborativo no processo de cura, além de um atendimento diferenciado por parte da equipe médica. Através da arquitetura, é possível aplicar estratégias diversas e que terão importância significativa na vida dos pacientes e seus acompanhantes, algo que será considerado a todo momento da elaboração do projeto.

Por fim, foram analisadas obras análogas detalhadas no Apêndice deste trabalho - que podem contribuir com o desenvolvimento do projeto. A busca dessas referências foi baseada principalmente no tipo de uso da edificação, na área construída, nas estratégias de conforto adotadas e no material construtivo utilizado. Considerando esses aspectos, foram escolhidas:

As estatísticas do câncer mostram que a demanda de clínicas especializadas nos tratamentos da doença sempre será bem-vinda, visto que o número de casos aumenta a cada ano e nem sempre todos os pacientes têm acesso ao tratamento adequado. Em virtude disso, o Centro de Tratamento Oncológico proposto irá somar forças com a clínica já existente em São João del Rei, oferecendo tratamentos de alta tecnologia e qualidade para um número maior de pacientes, beneficiando a cidade e região.

- Centro Kathleen Kilgour: um centro de radioterapia, com uma área construída semelhante ao que é desejado no projeto e também pelas estratégias de conforto adotadas, considerando que, apesar de distante, também está localizada no hemisfério sul.

Além do desenvolvimento da área da saúde, o Centro de Tratamento Oncológico também

- Rede Sarah: como referência de estratégias de conforto, humanização do espaço de saúde e materiais construtivos.

- Livsrum: um centro de assessoria ao câncer que se assemelha ao programa de necessidades da Casa de Reabilitação proposta no projeto.

82


APÊNDICE OBRAS ANÁLOGAS


Rede SARAH Arquiteto: João Filgueiras Lima Localização: Belo Horizonte, Minas Gerais Área: -

de brises intempéries e cobertura em arco no auditório, hall de entrada e espera do ambulatório. Fonte: LIMA, José Filgueiras, 2012, p.156)

Ano: 1997 O Hospital Sarah de Belo Horizonte está localizado em um terreno na Avenida Amazonas, onde já existia um hospital em funcionamento projetado por Oscar Niemeyer e construído em 1950. O conjunto de edifícios existentes se encontrava em situação muito precária. Além disso, as condições de funcionamento do hospital eram péssimas, devido principalmente aos inúmeros acréscimos e modificações executados sem nenhum critério e que descaracterizavam totalmente o projeto original. Em consequência, tornou-se inviável adaptar o conjunto de edifícios existentes às exigências estabelecidas no programa de instalações do novo hospital. Assim, foi aproveitada apenas a estrutura em concreto armado do antigo bloco de internação, um prédio de 5 pavimentos com 100 metros de extensão. No hospital de Belo Horizonte, as estratégias de conforto ambiental utilizadas foram coberturas em sheds, que são dispositivos na cobertura que favorecem a iluminação e ventilação natural, semelhante ao que foi utilizado no hospital de Salvador; inserção de

Figura 30: Vista aérea Hospital Sarah - Belo Horizonte Fonte: www. sarah.br

Figura 31: Solário da enfermaria Hospital Sarah - Belo Horizonte Fonte: www. sarah.br

85


Figura 32: Corte do ambulatório Hospital Sarah - Belo Horizonte Fonte: LIMA, José Filgueiras, 2012, p. 162

Figura 33: Setorização Hospital Sarah - Belo Horizonte Fonte: LIMA, José Filgueiras, 2012, p. 157

Figura 34: Solário da enfermaria Hospital Sarah - Belo Horizonte Fonte: LIMA, José Filgueiras, 2012, p. 163

86


Centro Kathleen Kilgour Arquitetos: Wingate + Farquhar Architects Localização: Tauranga, Nova Zelândia Área: 3000m² Ano: 2014 O Centro Kathleen Kilgour é uma clínica de radioterapia que se encontra no campus do Hospital Tauranga, em um terreno com área total de 1000m². O edifício de 3 pavimentos foi pensado de forma que formasse uma conexão com o edifício adjacente, que também tem tratamentos oncológicos. O objetivo da clínica é atender entre 500 e 600 pacientes com opções de tratamento para o câncer, visto que anteriormente a opção de hospital mais próxima era a cerca de 90km de distância.

O projeto teve o objetivo de assegurar que o edifício tivesse um ambiente centrado no paciente, sendo fácil de acessar e circular, psicologicamente tranquilo e acolhedor. Assim poderia proporcionar uma disposição intuitiva e uma experiência holística, de acordo com o Archdaily. Um dos principais aspectos do projeto foi o uso de uma fonte renovável de energia, incorporando ao projeto uma matriz fotovoltaica de 450m², uma das maiores do país. O edifício possui planta retangular com uma cobertura diferente, de "dentes de serra", que foi implementado para melhorar a eficiência dos painéis solares na cobertura. A cobertura de dentes de serra permite que a luz natural penetre profundamente na planta do terceiro pavimento. No nível do solo, encontram-se as suítes de tratamento, incluindo três "bunkers" de radioterapia com muros de concreto de 1200 mm de espessura e com 450 mm de aço na placa de alinhamento das três máquinas de tratamento. A geometria precisa destes ambientes foi projetada com ajuda de um físico. O último pavimento foi totalmente projetado para consultas e administração. É onde, pela primeira vez, se conhece aos pacientes e onde se planejam os tratamentos. Fonte: Archdaily (2015)

Figura 35: Fachada do Centro Kathleen Kilgour Fonte: Archdaily - Simon Devitt (2015)

87


Água da chuva

Luz natural

Ventilação

Figura 36: Corte Fonte: Archdaily (2015)

Figura 37: Elevação Fonte: Archdaily (2015)

88


Centro de Assessoria ao Câncer - Livsrum Arquitetos: EFFEKT Localização: Copenhagen, Dinamarca Área: 740m² Ano: 2013 Livsrum é o projeto de um novo centro de tratamento de câncer para o hospital Næstved, na Dinamarca. O centro foi desenhando como um grupo de sete pequenas casas rodeadas por dois jardins. Cada casa tem uma função específica e juntas formam uma sequência coerente de diferentes espaços e funções tais como uma biblioteca, uma cozinha, salas de encontro, salas de estar, lojas, academia e centros de bem-estar.

Figura 38: Fachada Fonte: Archdaily - Quintin Lake (2014)

A casa oferece uma ampla variedade de diferentes salas de assessoria informal, terapia e interação com enfoque no conforto e no bem-estar dos seus usuários. A altura do teto é variável e os materiais utilizados criam um caráter arquitetônico próprio e único que o distingue dos outros edifícios do hospital. O Livsrum fica próximo ao centro oncológico do hospital, o que forma uma rede de colaboração. Fonte: Archdaily (2014)

Figura 39: Axonométrica Fonte: Archdaily (2014)

89


Figura 40: Planta baixa Fonte: Archdaily (2014)

Figura 41: Cortes Fonte: Archdaily (2014)

90


Referências ALBERT EINSTEIN. Escritório Planetree Brasil. Disponível em: <https://www.einstein.br/estrutura/escritorio-planetree>. Acesso em: 04 jun 2018 ALMEIDA, Frederico Borges de. Acelerador Linear; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/fisica/acelerador-linear.htm>. Acesso em 12 de junho de 2018 ANVISA. Manual de Arquitetura e Engenharia Hospitalar. ASAPAC. Enquanto há vida, há esperança. Jornal da ASAPAC: amparando vidas. São João del Rei, p. 1-12. nov. 2017. ASAPAC. Saiba mais sobre o câncer com o Dr. Frederico Escaleira. Coordenação de Valdecir Braga. São João del Rei: Ss, 2017. (58 min.), son., color. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6cbBfaKLPwM>. Acesso em: 04 jun 2018 Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR15220. Desempenho térmico de edificações. Rio de Janeiro, ABNT, 2005. BRASIL. Ministério da Saúde. Programação Arquitetônica de Unidades Funcionais de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. BRASIL. Ministério da Saúde. RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 20 de mar. de 2002. Casa do Cuidar. Prática e Ensino em Cuidados Paliativos. Disponível em: <http://www.casadocuidar.org.br/site/cuidados-paliativos/>. Acesso em: 04 jun 2018 Cebrom. Medicina Oncológica <http://www.cebrom.com.br/site/radioterapia-como-funciona.php?sc=69>. Acesso em: 12 jun 2018

91


COSTA, Cleonice Antonieta; LUNARDI FILHO, Wilson Danilo; SOARES, Narciso Vieira. Assistência humanizada ao cliente oncológico: reflexões junto à equipe. Revista. Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 56, n. 3, p. 310-314, Junho. 2003. COSTEIRA, Elza Maria Alves. Arquitetura Hospitalar: história, evoluções e novas visões. Revista Sustinere, [s.l.], v. 2, n. 2, p.1-8, 16 dez. 2014. Universidade de Estado do Rio de Janeiro. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12957/sustinere.2014.14127. Acesso em: 04 jun 2018 COSTEIRA, Elza Maria. O hospital do futuro: uma nova abordagem para projetos de ambientes de saúde. In: SANTOS, Mauro; BURSZTYN, Ivani. Saúde e Arquitetura, Caminhos para a Humanização dos Ambientes Hospitalares. Rio de Janeiro: Senac Rio, 2004.cap.5, p.77-91 CUNHA, Bianca. Lei 1850, de 27 de agosto de 2015: Estabelece normas e condições para parcelamento, ocupação e uso do solo urbano no município de São João del-Rei. Universidade Federal de São João del Rei: Estúdio Avançado Arquitetura Vertical. 2015 FARIAS, Dorotheu Ximenes. Arquitetura hospitalar: uma abordagem humanizada e sustentável. Trabalho Final de Graduação. Universidade Federal do Ceará. 2016. Disponível em: <https://issuu.com/dorotheufarias/docs/tfg_dorotheu_ximenes_completo_alta_> Acesso em: 04 jun 2018 FGMF Arquitetos. Marquise Modular Casa Cor 2015. São Paulo. 2015. Disponível em: <https://www.archdaily.com.br/br/775618/marquise-modular-casa-cor-2015-fgmf-arquitetos?ad_me dium=gallery> Acesso em: 28 nov. 2018 FUSHIMI, Flávia. A humanização dos espaços na rede Sarah de hospitais de reabilitação. Especialização. Especialização em Projeto Arquitetônico: Composição e Tecnologia do Espaço Construído. Universidade Estadual de Londrina. 2017 GÓES, Ronald de. Manual Prático de Arquitetura Hospitalar. 2. ed. São Paulo: Blucher, 2004 286 p. Hospital de Câncer de Barretos <https://www.hcancerbarretos.com.br/>. Acesso em 04 jun 2018 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE <https://www.hcancerbarretos.com.br/>. Acesso em: 04 jun 2018 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA <http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/inca/portal/home>. Acesso em: 04 jun 2018

92


Instituto Oncoguia, 2014 <http://www.oncoguia.org.br/conteudo/braquiterapia/4654/711/>. Acesso em 12 jun 2018 LIMA, João Filgueiras. Arquitetura - Uma Experiência na Área da Saúde. São Paulo: Romano Guerra, 2012. 336 p. LUKIANTCHUKI, Marieli Azoia; CAIXETA, Michele Caroline Bueno Ferrari; FABRICIO, Márcio Minto; CARAM, Rosana. Industrialização da construção no Centro de Tecnologia da Rede Sarah (CTRS). A construção dos hospitais da Rede Sarah: uma tecnologia diferenciada através do Centro de Tecnologia da Rede Sarah – CTRS. Arquitextos, São Paulo, ano 12, n. 134.04, Vitruvius, jul. 2011. Disponível em: <http://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/12.134/3975>. PANTANO, Naitielle de Paulo. É possível predizer a sobrevida de pacientes ambulatoriais com câncer avançados quando encaminhados aos cuidados paliativos? 2016. 124 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências da Saúde, Oncologia, Programa de Pós-graduação da Fundação Pio XII – Hospital de Câncer de Barretos, Barretos, 2016. Portal Metálica - Construção Civil. Vantagens da Construção em Aço <http://wwwo.metalica.com.br/vantagens-da-construcao-em-aco>. Acesso em: 17 nov. 2018 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DEL REI. Edital de Licitação 003/2015 para contratação de empresas operadores de transporte coletivo. São João del Rei. 2015. Disponível em: <http://saojoaodelrei.mg.gov.br/Obter_Arquivo_Cadastro_Generico.php?INT_ARQ=5573&LG_ADM=undefined> REBELLO, Yopanan C. P.. A concepção estrutural e a arquitetura. São Paulo : Zigurate, 2000. 270p. REBELLO, Yopanan C. P.. Bases para projeto estrutural na arquitetura. 6.reimp. ed. São Paulo : Zigurate, 2007. 285p. SCHVARSBERG, Benny; MARTINS, Giselle; KALLAS, Luana; CAVALCANTI, Carolina; TEIXEIRA, Letícia. Estudo de Impacto de Vizinhança: Caderno Técnico de Regulamentação e Implementação. Universidade de Brasília, 2016. SERAPIÃO, Fernando. Fachadas.São Paulo: JJ.Carol, 2011. 32 - 33p. SOETHE, Andreza; LEITE, Leandro. Arquitetura e a saúde do usuário. In: IV Simpósio Brasileiro de Qualidade do Projeto no Ambiente Construído, 2015, Universidade Federal de Viçosa. p. 1 -13.

93


TEIXEIRA, Luiz Antonio; FONSECA, Cristina Maria Oliveira. De doença desconhecida a problema de saúde pública: o INCA e o controle do câncer no Brasil. RJ: Ministério da Saúde, 2007. TOLEDO, Luiz Carlos. Do hospital terapêutico ao hospital tecnológico: encontros e desencontros na arquitetura hospitalar. In: SANTOS, Mauro; BURSZTYN, Ivani. Saúde e Arquitetura, Caminhos para a Humanização dos Ambientes Hospitalares. Rio de Janeiro: Senac Rio, 2004.cap.6, p.93-105 TORQUATO, Lívia Dantas de Souza Cuidar: Clínica de Saúde Integrada Doutor Carlos Torquato Trabalho Final de Graduação. Universidade Federal do Ceará. 2017. Disponível em: <https://issuu.com/liviadantas5/docs/tfg_-_livia_dantas_de_souza_torquat> Acesso em: 05 jun 2018 VASCONCELOS, Letícia Sampaio. A influência do entorno nos ambientes hospitalares: a humani zação a partir da relação interior x exterior. Trabalho Integrado Avançado - Estúdio Avançado Edifício Ambiental. Universidade Federal de São João del Rei. 2017. VASCONCELOS, Renata. Humanização de ambientes hospitalares: Características arquitetônicas responsáveis pela integração interior/exterior. Universidade Federal e Santa Catarina, Florianópolis, 2004. __________. (2006) Lei 4068, de 13 novembro de 2006: Institui o Plano Diretor Participativo do município de São João del Rei. Sao João del Rei: PMSJDR.

94


Profile for Hannah Soares

TFG - Centro de Tratamento Oncológico  

TFG - Centro de Tratamento Oncológico