Page 1


SÁBADO 01 CCVF / PEQUENO AUDITÓRIO

QUINTA 06 A SÁBADO 15 PAC E CCVF

UMA AVENTURA NO ESPAÇO

GUIDANCE

TEATRO DE FERRO SÁBADO 01 PAC / BLACK BOX

FESTIVAL INTERNACIONAL DE DANÇA CONTEMPORÂNEA SÁBADO 08 PAC / CIAJG

EM YOU CAN'T WIN, SÁBADOS CHARLIE BROWN FAMÍLIA VERA SANTOS SÁBADO 01 CCVF / CAFÉ CONCERTO

TERÇAS 18 E 25 E SÁBADO 22 PAC / CIAJG

GOBI BEAR

ATELIER ABERTO

ATELIER COM OFICINA ARARA TERÇAS 04 E 11 E SÁBADO 15 PAC / CIAJG

ATELIER ABERTO

ATELIER COM ARLINDO SILVA

QUARTA 19 E QUINTA 20 PAC / BLACK BOX

CORPO COMUM JOÃO GIRÃO E MARGARIDA MESTRE SÁBADO 22 PAC / BLACK BOX

AULAS PÚBLICAS 10 X 10 SÁBADO 22 CCVF / GRANDE AUDITÓRIO

CORIOLANO

DE WILLIAM SHAKESPEARE ENCENAÇÃO NUNO CARDOSO


WALTER A COMPOSIÇÃO BENJAMIN PLAYS DO AR COLEÇÃO PERMANENTE E THE SMITHS OUTRAS OBRAS ATÉ 13 ABRIL PAC / CIAJG

PALESTRA-OFICINA COM SAMUEL SILVA

ESTRELA NEGRA / JAROSŁAW FLICI SKI

ATÉ 06 ABRIL CCVF / PALÁCIO VILA FLOR

DO STENCIL AO DIGITAL: PROCESSOS DE TRANSFERÊNCIA DA IMAGEM

ATÉ 13 ABRIL PAC / CIAJG

CORAÇÃO E CINZAS / ARLINDO SILVA

Presidente da Direção José Bastos Diretor Executivo Frederico Queiroz Assistente de Direção Anabela Portilha Assistente de Programação Rui Torrinha Serviço Educativo Elisabete Paiva (coordenadora), Lara Soares, Sandra Barros, Direção de Produção Tiago Andrade Produção Executiva Paulo Covas, Ricardo Freitas Assistência de Produção Andreia Abreu, Andreia Novais, Carlos Rego, Hugo Dias, João Covita, Pedro Silva, Sérgio Castro, Sofia Leite, Susana Pinheiro Teatro Oficina - Direção Artística Marcos Barbosa, Atores Diana Sá, Emílio Gomes Direção Técnica José Patacão Direção de Cena Helena Ribeiro, Luz/Maquinaria Carlos Ribeiro, Ricardo Santos Som/Audiovisuais (coordenação) Pedro Lima Audiovisuais Emanuel Valpaços, Nuno Eiras, Sérgio Sá Direção de Instalações Luís Antero Silva Apoio e Manutenção, Alexandrina Novais, Amélia Pereira, Anabela Novais, Conceição Leite, Conceição Martins, Conceição Oliveira, Fátima Faria, Jacinto Cunha, Joaquim Mendes, José Gonçalves, Júlia Oliveira Comunicação e Marketing Marta Ferreira, Bruno Barreto Design interno Susana Sousa Gestão de Projetos Ana Bragança Direção Administrativa Sérgio Sousa Financeiro, Contabilidade e Aprovisionamento Helena Pereira de Castro (coordenadora), Ana Carneiro, Liliana Pina, Carla Inácio Serviço Administrativo Marta Miranda, Paula Machado, Patrícia Peixoto, Rui Salazar, Susana Costa, Atendimento ao Público Ana Pacheco, Cláudia Fontes, Isabel Freitas, Jacinta Correia, Sandra Moura Técnica de Património Catarina Pereira Oleira Felicidade Bela Loja Oficina Eduarda Ferreira, Josefa Araújo Informática Bruno Oliveira, Design Atelier Martino&Jaña | fevereiro 2014

JOÃO SEGURO

PROVAS DE CONTACTO / JOSÉ DE GUIMARÃES GEOMETRIA SILENCIOSA

ATÉ 13 ABRIL PAC / CIAJG ATÉ 28 FEVEREIRO LABORATÓRIO DAS ARTES

PAREDES, PINTURAS, DESENHOS E OBJETOS

QUINTA 27 LABORATÓRIO DAS ARTES

O CORPO CAI, O CORPO DÓI

ATÉ 13 ABRIL PAC / CIAJG SÁBADO 22 CCVF / CAFÉ CONCERTO

PRETO NO BRANCO

OFICINA ARARA


SÁBADO 01 PAC / BLACK BOX MÚSICA / 22H00

Afonso Cabral voz, piano, guitarra, sintetizadores, baixo / David Santos voz, metalofone, glockenspiel, sintetizadores, percussão / João Gil voz, piano, sintetizadores, guitarra, percussão / Luís Costa guitarra elétrica, baixo, glockenspiel / Salvador Menezes voz, viola de três cordas, baixo, sintetizadores / Tomás Sousa voz, bateria, sampler / Maiores de 3 / Preço 7,50 eur / 5,00 eur c/d /Cartão Quadrilátero Cultural

® Vera Marmelo

Lançado a 20 de janeiro, “Diffraction / Refraction” é a atração principal dos You Can’t Win, Charlie Brown nesta noite em Guimarães.


YOU CAN'T WIN, CHARLIE BROWN Os You Can’t Win, Charlie Brown (YCWCB) formaram-se em 2009, gravando neste mesmo ano o seu primeiro registo, um EP homónimo, ainda como quarteto formado por Luís Costa, Salvador Menezes, Afonso Cabral e David Santos. Espelhando a vontade de crescer na sua réplica ao vivo, os YCWCB contaram com a entrada Tomás Sousa e João Gil, algo que se refletiu não só no número de pessoas em palco mas também na sua sonoridade. “Chromatic” (2011), o primeiro longa-duração, seria a prova desta nova identidade. Neste momento, os YCWCB estão prontos para mostrar o seu mais recente registo. “Diffraction / Refraction”, o seu segundo longa-duração, é um disco sumptuoso, construído laboriosamente, muito mais desafiador do que “Chromatic”. Depois do primeiro single “Be My World”, começa aqui um novo caminho para o grupo, e, se há algo que podemos esperar baseado no que fizeram até ao momento, é um concerto certamente tão único quanto as várias personalidades que compõem esta banda. “Diffraction / Refraction” released on the 20th of January is the main attraction of the band You Can’t Win, Charlie Brown this night in Guimarães. You Can’t Win, Charlie Brown (YCWCB) got together back in 2009, recording that very year their first album, a self-titled EP, still as a quartet made up of Luís Costa, Salvador Menezes, Afonso Cabral and David Santos. Mirroring the desire to make their musical formation grow, YCWCB enlisted Tomás Sousa e João Gil as band members, which not only had a clear reflection in the number of people on stage, but also in their sound. “Chromatic” (2011), a full-length album, would prove to be the face of this new identity. YCWCB are now ready to showcase their most recent work. “Diffraction / Refraction”, their second full-length album, is a sumptuous record and a result of intense hard work, more challenging than the previous “Chromatic”. “Be My World” sets a new milestone for the group and if there is anything to be expected from them is a concert as unique as the characters that make up the band.


SÁBADO 01

CCVF / CAFÉ CONCERTO MÚSICA / 24H00

Gobi Bear é o alter-ego do jovem músico vimaranense Diogo Alves Pinto.


GOBI BEAR

Depois de 3 EPs e da integração na compilação Novos Talentos FNAC 2012, no seu novo disco – “Inorganic Heartbeats & Bad Decisions” – Gobi Bear apresenta-se definitivamente num formato one-man band / multinstrumentista, sem perder a sua identidade, mas caminhando por trilhos mais maduros e também mais experimentais. Este longa-duração, que conta com a produção de Paulo Miranda (Old Jerusalem, The Legendary Tigerman, Long Way to Alaska), resulta dos primeiros dois anos de vida do Urso, inspirado em vivências que incluem vários concertos de norte a sul de Portugal e também um pouco por Espanha, França, Bélgica, Holanda, Alemanha e Suécia. Gobi Bear is the alter ego of local young musician Diogo Alves Pinto. A�er 3 EPs and being enlisted in Novos Talentos FNAC 2012 (FNAC New Talents 2012), Gobi Bear in his new record “Inorganic Heartbeats & Bad Decisions” clearly explores a one-man band and multi-instrumentalist format, tracking more mature and experimental sounds, without loosing his identity. With production by Paulo Miranda (Old Jerusalem, The Legendary Tigerman, Long Way to Alaska), this full-length album is the fruit of Bear’s first two years of life and was inspired by concerts all over Portugal, and gigs in Spain, France, Belgium, Holland, Germany and Sweden.

® Miguel Estima

Diogo Alves Pinto voz, guitarra, melódica, sintetizador, stompbox / Maiores de 12 / Preço 3,00 eur / Cartão Quadrilátero Cultural


SÁBADO 22

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO TEATRO / 21H30

Nuno Cardoso regressa ao universo de Shakespeare e encena aquela que é considerada a última tragédia do autor e a sua peça mais política, “Coriolano”.

® Victor Hugo Pontes

De William Shakespeare / Tradução Fernando Villas-Boas / Encenação Nuno Cardoso / Assistência de encenação e movimento Victor Hugo Pontes / Interpretação Albano Jerónimo, Afonso Santos, Ana Bustorff, António Júlio, Catarina Lacerda, Daniel Pinto, João Melo, Luís Araújo, Mário Santos, Pedro Frias, Ricardo Vaz Trindade, Rodrigo Santos, Sérgio Sá Cunha / Coprodução Ao Cabo Teatro, Teatro do Bolhão, TNDM II, Centro Cultural Vila Flor, Teatro Viriato, TNSJ / A ficha técnica e artística completa pode ser consultada em www.ccvf.pt / Maiores de 12 / Preço 10,00 eur / 7,50 eur c/d /Cartão Quadrilátero Cultural


CORIOLANO DE WILLIAM SHAKESPEARE ENCENAÇÃO NUNO CARDOSO

Nuno Cardoso returns to Shakespeare’s universe, staging the play that is considered the last tragedy and the most political play by the author - “Coriolanus”. “Coriolanus”, acclaimed for its outstanding singularities, was wri�en in 1607-8, when the author took pleasure in experimenting with the borderlines of drama genres. Is it the last of Shakespeare’s tragedies or one of his best comedies? With “Richard II” (2007) and “Measure for Measure” (2012), the stage director Nuno Cardoso started the countdown for the political play of the Shakespearean canon. A political play from which the question we always ask ourselves emerges: Who do we want to govern us and how do we want to be governed?, amongst a polyphony of uncompromising and contradictory arguments. With this show Ao Cabo Teatro reinvests in a production program that opposes the “destitution that trouble us”, risking to rise a few feet above the "vision of our poverty".

Peça aclamada pelas suas admiráveis peculiaridades – a última das tragédias de Shakespeare ou a melhor das suas comédias? –, “Coriolano” foi escrita em 1607-8, quando o autor se divertia a experimentar as zonas de fronteira dos géneros dramáticos. Com “Ricardo II” (2007) e “Medida por Medida” (2012), o encenador Nuno Cardoso começou a contagem decrescente para a peça política do cânone shakespeariano, aquela de onde emerge, do fundo da polifonia de argumentos irredutíveis e contraditórios entre si, a pergunta que sempre nos colocamos: quem queremos e como queremos ser governados? Com este espetáculo, o Ao Cabo Teatro reincide numa escala de produção que contraria a “míngua que nos aflige”, arriscando erguer-se alguns palmos acima da “visão da nossa pobreza”.


SÁBADO 22

CCVF / CAFÉ CONCERTO MÚSICA / 24H00

Walter Benjamin voz, Hohner Clavinet E7, Yamaha DX100 / João Correia bateria, vozes / Nuno Lucas baixo / António Vasconcelos Dias percussão, teclados, vozes / Maiores de 12 / Preço 3,00 eur / Cartão Quadrilátero Cultural

® Vera Marmelo

Neste concerto peculiar, Walter Benjamin interpreta o mítico álbum “The Queen is Dead” dos britânicos The Smiths. E tudo vai parecer tão natural como no tempo do vinil.


WALTER BENJAMIN PLAYS THE SMITHS Walter Benjamin, escritor de canções lisboeta outrora sediado em Londres, lançou o seu registo de estreia, “The National Crisis”, em 2007, ao qual se seguiram vários EP's. O seu último álbum, “The Imaginary Life of Rosemary and Me”, foi editado em 2012 e recebido com apreço pela crítica nacional e internacional. Dividindo-se entre Londres e Lisboa, Walter Benjamin esculpiu o som de discos de B Fachada, Márcia, You Can't Win Charlie Brown, Noiserv, Julie & The Carjackers, entre outros. Na sua própria música percorre territórios mais próximos de um Leonard Cohen ou The Magnetic Fields, tendo já atuado em vários pontos da Europa. No final do ano passado, foi convidado para interpretar na íntegra o mítico álbum “The Queen is Dead” (gravado em 1985) dos britânicos The Smiths, numa atuação onde as canções ganharam novas e inesperadas roupagens. É este concerto especial que Walter Benjamin traz ao CCVF, mas ainda haverá espaço para clássicos de álbuns como “The Imaginary Life of Rosemary And Me”. O convite é feito à dança até porque há uma luz que nunca se apaga. In this peculiar concert, Walter Benjamin interprets the mythical album “�e Queen is Dead” by the British band �e Smiths. And all is going to sound as natural as it did in the vinyl era. Walter Benjamin, a Lisbon-based songwriter that once lived in London, launched his debut album, “The National Crisis”, in 2007, followed by several EPs. His last album, “The Imaginary Life of Rosemary and Me”, was launched in 2012, and enjoyed national and international critical acclaim. Living between London and Lisbon, Walter Benjamin shaped the sound of records by B Fachada, Márcia, You Can't Win Charlie Brown, Noiserv, Julie & The Carjackers, amongst others. In his own music he tracks territories close to artists like Leonard Cohen or The Magnetic Fields, having performed in several venues across Europe. Towards the end of last year, he was invited to perform, in full, the album “The Queen is Dead” (recorded in 1985) by the British band The Smiths, in a performance where songs were shaped in a new and unexpected way. This is the special concert that Walter Benjamin brings to CCVF, but there will still be room for album classics such as “The Imaginary Life of Rosemary And Me”. The concert invites dance, in an everlasting light.


ATÉ 06 ABRIL

CCVF / PALÁCIO VILA FLOR EXPOSIÇÃO

O trabalho de Arlindo Silva dá continuidade a uma prática artística intemporal.

Horário da Exposição terça a sábado / 09h30-13h00 | 14h30-19h00 / domingos e feriados / 14h00-19h00 / Todas as idades / Preço 2,00 eur / 1,00 eur c/d / Cartão Quadrilátero Cultural


CORAÇÃO E CINZAS / ARLINDO SILVA VISITAS ORIENTADAS À EXPOSIÇÃO Horário terça a sábado, das 10h00 às 19h00 / Público-alvo Maiores de 4 anos / Duração 60 a 90 min. / Lotação 1 turma/25 pessoas / Preço 2,00 eur/pessoa / Atividade sujeita a marcação prévia com uma semana de antecedência através do e-mail servicoeducativo@aoficina.pt

Sobre uma super�cie plana – a tela – Arlindo Silva combina uma matéria concreta – as tintas, e assim regista factos de seu universo pessoal, reiniciando uma nova proposta de inteligibilidade no campo sensível da materialidade do quadro. Porque a sua obra ainda não obteve a atenção pública que merece, esta exposição vem colmatar uma evidente lacuna no panorama das artes em Portugal, reunindo sem uma orientação retrospetiva um número expressivo de trabalhos. As pinturas do Arlindo Silva: pessoas do seu círculo de relações captadas em instantâneos algo inesperados, “anti-retratos” que negam a tradicional pose das figuras retratadas, perpassam uma atitude desafetada e discreta, que é também transversal ao seu percurso artístico e humano.

Como estamos?, 2008. Óleo sobre tela, 67 x 89 cm. Coleção Fundação Ilídio Pinho. De mim para ti, 2006. Óleo sobre tela, 27,5 x 41,5 cm. Coleção Privada. Oskar, 2006. Óleo sobre tela, 71x109 cm. Coleção Privada. Marco na piscina do André, 2005. Óleo sobre tela, 61 x 94,5 cm. Coleção Privada.

�e work by Arlindo Silva provides continuity to a timeless artistic practise. Upon a flat surface – the canvas – Arlindo Silva brings together a concrete substance – the inks and by doing so he records facts from his own personal universe, giving way to a new comprehension proposal in the sensitive sphere of the canvas’s ma�er. Due to the fact that his work has not yet got the public a�ention it deserves, this exhibit bridges a gap in the Portuguese art scene, bringing together, with no retrospective intentions, a great deal of works. The paintings by Arlindo Silva: people from his inner circle portrayed in snapshots somewhat unexpected, “anti-portraits” that refuse the traditional posing in image portrayal, transmit an unpretentious and discreet a�itude, something which mirrors his artistic and human track record.


ATÉ 13 ABRIL

PAC / CIAJG / SALAS #1–8 EXPOSIÇÃO Horário da Exposição terça a domingo /10h00-19h00 / Todas as idades / Preço 4,00 eur / 3,00 eur c/d / Cartão Quadrilátero Cultural

O CIAJG reúne peças oriundas de diferentes épocas, lugares e contextos em articulação com obras de artistas contemporâneos, propondo uma re(montagem) da história da arte, enquanto sucessão de ecos, e um novo desígnio para o museu, enquanto lugar para o espanto e a reflexão. Francisco Queimadela e Mariana Caló A Urgência do Sono e a Abóbada Cósmica, 2011 Vídeo HD; sons extraídos de Super Seaweed Duo e voice over por Helena Faria, a ler do “Sonho Criador” de Maria Zambrano / 7’ 3’’ Coleção dos artistas Fetiche Mambila, Nigéria/ Camarões Madeira, corda 38x12,5x11 cm CIAJG - Coleção José de Guimarães Bacia Cultura Yangshao, Neolítico Terracota 14x31 Ø cm CIAJG - Coleção José de Guimarães


A COMPOSIÇÃO DO AR COLEÇÃO PERMANENTE E OUTRAS OBRAS

CIAJG - José de Guimarães International Arts Centre brings together pieces from different times, places and contexts in connection with works by contemporary artists, suggesting a (re)telling of art history as a chain of echoes, and a new master plan for the museum, as a place for wonderment and reflection. Throughout the eight rooms that shape the building’s first floor, visitors can, in this new cycle of exhibits, revisit some of the collections’ showpieces, and, at the same time, find new pieces which are part of constellations of objects and pictures organised using taxonomies such as: archaic/contemporary; event/history; unfamiliar/familiar; erudite/popular; material/immaterial.

Ao longo de um percurso pelas oito salas que constituem o piso 1 do edi�cio, os visitantes poderão rever alguns dos ex-libris das coleções, mas também descobrir neste novo ciclo expositivo novas peças que integram as constelações de objetos e imagens organizadas a partir de tipologias como: arcaico/ contemporâneo; acontecimento/história; estranho/familiar; erudito/popular; material/imaterial.

Arte Tribal Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Chinesa Antiga da Coleção de José de Guimarães, Objetos do Património Arqueológico, Popular e Religioso, Obras de Artistas Contemporâneos.


ATÉ 13 ABRIL

PAC / CIAJG / SALAS #1–8 EXPOSIÇÃO Horário da Exposição terça a domingo /10h00-19h00 / Todas as idades / Preço 4,00 eur / 3,00 eur c/d / Cartão Quadrilátero Cultural

O CIAJG reúne peças oriundas de diferentes épocas, lugares e contextos em articulação com obras de artistas contemporâneos, propondo uma re(montagem) da história da arte, enquanto sucessão de ecos, e um novo desígnio para o museu, enquanto lugar para o espanto e a reflexão. Francisco Queimadela e Mariana Caló A Urgência do Sono e a Abóbada Cósmica, 2011 Vídeo HD; sons extraídos de Super Seaweed Duo e voice over por Helena Faria, a ler do “Sonho Criador” de Maria Zambrano / 7’ 3’’ Coleção dos artistas Fetiche Mambila, Nigéria/ Camarões Madeira, corda 38x12,5x11 cm CIAJG - Coleção José de Guimarães Bacia Cultura Yangshao, Neolítico Terracota 14x31 Ø cm CIAJG - Coleção José de Guimarães


A COMPOSIÇÃO DO AR COLEÇÃO PERMANENTE E OUTRAS OBRAS

CIAJG - José de Guimarães International Arts Centre brings together pieces from different times, places and contexts in connection with works by contemporary artists, suggesting a (re)telling of art history as a chain of echoes, and a new master plan for the museum, as a place for wonderment and reflection. Throughout the eight rooms that shape the building’s first floor, visitors can, in this new cycle of exhibits, revisit some of the collections’ showpieces, and, at the same time, find new pieces which are part of constellations of objects and pictures organised using taxonomies such as: archaic/contemporary; event/history; unfamiliar/familiar; erudite/popular; material/immaterial.

Ao longo de um percurso pelas oito salas que constituem o piso 1 do edi�cio, os visitantes poderão rever alguns dos ex-libris das coleções, mas também descobrir neste novo ciclo expositivo novas peças que integram as constelações de objetos e imagens organizadas a partir de tipologias como: arcaico/ contemporâneo; acontecimento/história; estranho/familiar; erudito/popular; material/imaterial.

Arte Tribal Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Chinesa Antiga da Coleção de José de Guimarães, Objetos do Património Arqueológico, Popular e Religioso, Obras de Artistas Contemporâneos.


Direitos Reservados


ATÉ 13 ABRIL

PAC / CIAJG / SALAS #1–8 EXPOSIÇÃO Horário da Exposição terça a domingo /10h00-19h00 / Todas as idades / Preço 4,00 eur / 3,00 eur c/d / Cartão Quadrilátero Cultural

O CIAJG reúne peças oriundas de diferentes épocas, lugares e contextos em articulação com obras de artistas contemporâneos, propondo uma re(montagem) da história da arte, enquanto sucessão de ecos, e um novo desígnio para o museu, enquanto lugar para o espanto e a reflexão. Francisco Queimadela e Mariana Caló A Urgência do Sono e a Abóbada Cósmica, 2011 Vídeo HD; sons extraídos de Super Seaweed Duo e voice over por Helena Faria, a ler do “Sonho Criador” de Maria Zambrano / 7’ 3’’ Coleção dos artistas Fetiche Mambila, Nigéria/ Camarões Madeira, corda 38x12,5x11 cm CIAJG - Coleção José de Guimarães Bacia Cultura Yangshao, Neolítico Terracota 14x31 Ø cm CIAJG - Coleção José de Guimarães


A COMPOSIÇÃO DO AR COLEÇÃO PERMANENTE E OUTRAS OBRAS

CIAJG - José de Guimarães International Arts Centre brings together pieces from different times, places and contexts in connection with works by contemporary artists, suggesting a (re)telling of art history as a chain of echoes, and a new master plan for the museum, as a place for wonderment and reflection. Throughout the eight rooms that shape the building’s first floor, visitors can, in this new cycle of exhibits, revisit some of the collections’ showpieces, and, at the same time, find new pieces which are part of constellations of objects and pictures organised using taxonomies such as: archaic/contemporary; event/history; unfamiliar/familiar; erudite/popular; material/immaterial.

Ao longo de um percurso pelas oito salas que constituem o piso 1 do edi�cio, os visitantes poderão rever alguns dos ex-libris das coleções, mas também descobrir neste novo ciclo expositivo novas peças que integram as constelações de objetos e imagens organizadas a partir de tipologias como: arcaico/ contemporâneo; acontecimento/história; estranho/familiar; erudito/popular; material/imaterial.

Arte Tribal Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Chinesa Antiga da Coleção de José de Guimarães, Objetos do Património Arqueológico, Popular e Religioso, Obras de Artistas Contemporâneos.


ATÉ 13 ABRIL

PAC / CIAJG / SALAS #1–8 EXPOSIÇÃO Horário da Exposição terça a domingo /10h00-19h00 / Todas as idades / Preço 4,00 eur / 3,00 eur c/d / Cartão Quadrilátero Cultural

O CIAJG reúne peças oriundas de diferentes épocas, lugares e contextos em articulação com obras de artistas contemporâneos, propondo uma re(montagem) da história da arte, enquanto sucessão de ecos, e um novo desígnio para o museu, enquanto lugar para o espanto e a reflexão. Francisco Queimadela e Mariana Caló A Urgência do Sono e a Abóbada Cósmica, 2011 Vídeo HD; sons extraídos de Super Seaweed Duo e voice over por Helena Faria, a ler do “Sonho Criador” de Maria Zambrano / 7’ 3’’ Coleção dos artistas Fetiche Mambila, Nigéria/ Camarões Madeira, corda 38x12,5x11 cm CIAJG - Coleção José de Guimarães Bacia Cultura Yangshao, Neolítico Terracota 14x31 Ø cm CIAJG - Coleção José de Guimarães


A COMPOSIÇÃO DO AR COLEÇÃO PERMANENTE E OUTRAS OBRAS

CIAJG - José de Guimarães International Arts Centre brings together pieces from different times, places and contexts in connection with works by contemporary artists, suggesting a (re)telling of art history as a chain of echoes, and a new master plan for the museum, as a place for wonderment and reflection. Throughout the eight rooms that shape the building’s first floor, visitors can, in this new cycle of exhibits, revisit some of the collections’ showpieces, and, at the same time, find new pieces which are part of constellations of objects and pictures organised using taxonomies such as: archaic/contemporary; event/history; unfamiliar/familiar; erudite/popular; material/immaterial.

Ao longo de um percurso pelas oito salas que constituem o piso 1 do edi�cio, os visitantes poderão rever alguns dos ex-libris das coleções, mas também descobrir neste novo ciclo expositivo novas peças que integram as constelações de objetos e imagens organizadas a partir de tipologias como: arcaico/ contemporâneo; acontecimento/história; estranho/familiar; erudito/popular; material/imaterial.

Arte Tribal Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Chinesa Antiga da Coleção de José de Guimarães, Objetos do Património Arqueológico, Popular e Religioso, Obras de Artistas Contemporâneos.


ATÉ 13 ABRIL

PAC / CIAJG / SALAS #1–8 EXPOSIÇÃO Horário da Exposição terça a domingo /10h00-19h00 / Todas as idades / Preço 4,00 eur / 3,00 eur c/d / Cartão Quadrilátero Cultural

O CIAJG reúne peças oriundas de diferentes épocas, lugares e contextos em articulação com obras de artistas contemporâneos, propondo uma re(montagem) da história da arte, enquanto sucessão de ecos, e um novo desígnio para o museu, enquanto lugar para o espanto e a reflexão. Francisco Queimadela e Mariana Caló A Urgência do Sono e a Abóbada Cósmica, 2011 Vídeo HD; sons extraídos de Super Seaweed Duo e voice over por Helena Faria, a ler do “Sonho Criador” de Maria Zambrano / 7’ 3’’ Coleção dos artistas Fetiche Mambila, Nigéria/ Camarões Madeira, corda 38x12,5x11 cm CIAJG - Coleção José de Guimarães Bacia Cultura Yangshao, Neolítico Terracota 14x31 Ø cm CIAJG - Coleção José de Guimarães


A COMPOSIÇÃO DO AR COLEÇÃO PERMANENTE E OUTRAS OBRAS

CIAJG - José de Guimarães International Arts Centre brings together pieces from different times, places and contexts in connection with works by contemporary artists, suggesting a (re)telling of art history as a chain of echoes, and a new master plan for the museum, as a place for wonderment and reflection. Throughout the eight rooms that shape the building’s first floor, visitors can, in this new cycle of exhibits, revisit some of the collections’ showpieces, and, at the same time, find new pieces which are part of constellations of objects and pictures organised using taxonomies such as: archaic/contemporary; event/history; unfamiliar/familiar; erudite/popular; material/immaterial.

Ao longo de um percurso pelas oito salas que constituem o piso 1 do edi�cio, os visitantes poderão rever alguns dos ex-libris das coleções, mas também descobrir neste novo ciclo expositivo novas peças que integram as constelações de objetos e imagens organizadas a partir de tipologias como: arcaico/ contemporâneo; acontecimento/história; estranho/familiar; erudito/popular; material/imaterial.

Arte Tribal Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Chinesa Antiga da Coleção de José de Guimarães, Objetos do Património Arqueológico, Popular e Religioso, Obras de Artistas Contemporâneos.


ATÉ 13 ABRIL

PAC / CIAJG / SALAS #1–8 EXPOSIÇÃO Horário da Exposição terça a domingo /10h00-19h00 / Todas as idades / Preço 4,00 eur / 3,00 eur c/d / Cartão Quadrilátero Cultural

O CIAJG reúne peças oriundas de diferentes épocas, lugares e contextos em articulação com obras de artistas contemporâneos, propondo uma re(montagem) da história da arte, enquanto sucessão de ecos, e um novo desígnio para o museu, enquanto lugar para o espanto e a reflexão. Francisco Queimadela e Mariana Caló A Urgência do Sono e a Abóbada Cósmica, 2011 Vídeo HD; sons extraídos de Super Seaweed Duo e voice over por Helena Faria, a ler do “Sonho Criador” de Maria Zambrano / 7’ 3’’ Coleção dos artistas Fetiche Mambila, Nigéria/ Camarões Madeira, corda 38x12,5x11 cm CIAJG - Coleção José de Guimarães Bacia Cultura Yangshao, Neolítico Terracota 14x31 Ø cm CIAJG - Coleção José de Guimarães


A COMPOSIÇÃO DO AR COLEÇÃO PERMANENTE E OUTRAS OBRAS

CIAJG - José de Guimarães International Arts Centre brings together pieces from different times, places and contexts in connection with works by contemporary artists, suggesting a (re)telling of art history as a chain of echoes, and a new master plan for the museum, as a place for wonderment and reflection. Throughout the eight rooms that shape the building’s first floor, visitors can, in this new cycle of exhibits, revisit some of the collections’ showpieces, and, at the same time, find new pieces which are part of constellations of objects and pictures organised using taxonomies such as: archaic/contemporary; event/history; unfamiliar/familiar; erudite/popular; material/immaterial.

Ao longo de um percurso pelas oito salas que constituem o piso 1 do edi�cio, os visitantes poderão rever alguns dos ex-libris das coleções, mas também descobrir neste novo ciclo expositivo novas peças que integram as constelações de objetos e imagens organizadas a partir de tipologias como: arcaico/ contemporâneo; acontecimento/história; estranho/familiar; erudito/popular; material/imaterial.

Arte Tribal Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Chinesa Antiga da Coleção de José de Guimarães, Objetos do Património Arqueológico, Popular e Religioso, Obras de Artistas Contemporâneos.


ATÉ 13 ABRIL

PAC / CIAJG / SALAS #11–12 Horário da Exposição terça a domingo /10h00-19h00 / Todas as idades / Preço 4,00 eur / 3,00 eur c/d / Cartão Quadrilátero Cultural

Jarosław Fliciński This is all very well | Isto está tudo muito bem, 2014 Pintura mural (acrílico) 7.64 x 7.82 m


ESTRELA NEGRA / JAROSŁAW FLICI SKI PAREDES, PINTURAS, DESENHOS E OBJETOS

Trata-se de uma intervenção de grande escala, exemplar do trabalho que o artista tem vindo a desenvolver em relevantes instituições do contexto internacional da arte contemporânea: um projeto de expansão do campo operativo da linguagem pictórica no qual se cruzam uma aguda sensibilidade à arquitetura com uma proficiente prática de pintura sobre parede que vai para além do quadro e se alarga à escala do espaço arquitetónico.

“Estrela Negra” é a primeira exposição individual de Jarosław Flici ski (1965, Gdansk, Polónia) em Portugal, um dos mais iminentes artistas polacos contemporâneos. “Estrela Negra” is the first individual exhibit by Jarosław Fliciński (1965, Gdansk, Poland) in Portugal. The exhibit is a large-scale intervention by the Polish artist and an example of the style of work he has been developing in relevant institutions of the international contemporary art scene. It is a project that aims to expand the operative field of pictorial language, where an acute sensitivity to architecture and a proficient panting practise meet upon a surface that extends beyond the canvas and widens to the scale of architectural space.


ATÉ 13 ABRIL

PAC / CIAJG / SALAS #12–13 EXPOSIÇÃO

“Provas Provas de Contacto“ revela um segmento do trabalho de José de Guimarães pouco conhecido e de grande relevância para o entendimento da obra do artista.

Horário da Exposição terça a domingo /10h00-19h00 / Todas as idades / Preço 4,00 eur / 3,00 eur c/d / Cartão Quadrilátero Cultural


PROVAS DE CONTACTO / JOSÉ DE GUIMARÃES DO STENCIL AO DIGITAL: PROCESSOS DE TRANSFERÊNCIA DA IMAGEM

“Provas de Contacto” unveils a style of work by José de Guimarães li�le known to the public yet highly relevant to the understanding of his artistic production. The present exhibition unveils a style of work by José de Guimarães (Guimarães 1939) li�le known to the public and yet highly relevant to the understanding of his artistic production. It covers a time span of more than forty years: a diverse set of works, which embody a restless image production using transference technique. Either by dealing with traditional engraving techniques either by engaging in less conventional ones, such as stencil, José de Guimarães has been developing since the 60’s a tireless research that brings together material experimentation, formal rigour and a vocabulary of shapes that permanently evokes miscegenation as a central concept in his work.

A presente exposição revela um segmento do trabalho de José de Guimarães (Guimarães, 1939) pouco conhecido e de grande relevância para o entendimento da obra do artista, que cobre um arco temporal de mais de quarenta anos: um conjunto muito diversificado de trabalhos que dão corpo a uma incessante produção de imagens realizadas por transferência. Seja em torno de métodos tradicionais da gravura, seja de práticas menos convencionais, como o stencil, José de Guimarães desenvolve desde o princípio dos anos 60 até aos dias de hoje uma incansável pesquisa que concilia experimentação material, rigor formal e um vocabulário de formas que permanentemente convoca a mestiçagem como conceito central da sua obra.

José de Guimarães A (verde-azul), 1968 Máscara Escantilhão e cartolina c/ impressão directa a rolo 66 x 48 cm José de Guimarães. Série Negreiros, 2010/11 Monotipos, tinta de impressão aquosa, vidro moído / Coleção do artista José de Guimarães. A, E, 1968 Serapilheira pintada / Coleção do artista


ATÉ 13 ABRIL

PAC / CIAJG / HALL CIAJG E ESPAÇO PÚBLICO EXPOSIÇÃO

Horário da Exposição terça a domingo / 10h00-19h00 / Todas as idades / Entrada Livre

Oficina ARARA Máscaras-Rorschach Projecto para Performance musical em colaboração com HHY & The Macumbas O vento venta, não venta O mar que urra, não urra Atrás de mim não vem gente Oh! Meu Deus Quem é que tanto me empurra?


PRETO NO BRANCO OFICINA ARARA Concebido como "um espaço autónomo e aberto de experimentação em torno da produção de cartazes, livros e outras edições", a Oficina ARARA tem vindo a repensar e a propor, com as suas intervenções no espaço público e a energia gerada em torno de diversas colaborações entre várias disciplinas e linguagens, a potência do múltiplo como forma de operacionalização do gesto artístico.

O coletivo Oficina ARARA concebeu uma intervenção que traz o museu para a rua e a rua para o museu. �e collective Oficina ARARA conceived an intervention that, metaphorically, brings the museum into the street and the street into the museum. Designed as an “autonomous and open experimentation space for the production of posters, books and other publications”, Oficina ARARA has been rethinking and proposing, with their interventions in the public space and the energy produced around several collaborations between a number of subjects and languages, the power of the multiple as a way to put artistic gesture into action.


CINEMA

FEVEREIRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO CINEMA / 21H45

ORGANIZAÇÃO CINECLUBE DE GUIMARÃES

DOMINGO 02

DOMINGO 09

QUINTA 20

DOMINGO 23

CHINA - UM TOQUE DE PECADO

12 ANOS ESCRAVO

A BATALHA DE TABATÔ,

O LOBO DE WALL STREET

Depois de anos a viver em Portugal, o pai de Fatu regressa a África para assistir ao casamento da filha com Idrissa Djebaté. Ela é professora universitária e seu futuro marido é um músico conhecido. A festa de casamento é em Tabatô, um lugar extraordinário onde todos os seus habitantes são, há 500 anos, músicos djidius, cantores-poetas que narram contos e lendas representativos da vida africana. No caminho até lá, à medida que as recordações se avivam, o velho senhor começa a revelar traumas esquecidos da sua juventude, enquanto soldado mandinga na guerra colonial, décadas antes.

Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio) é um jovem que procura em Nova Iorque a concretização do seu sonho de sucesso. Consegue trabalho numa empresa cotada em bolsa, mas o "crash" da "segunda-feira negra" fá-lo perder o emprego e obriga-o a reajustar os planos... Juntamente com um amigo, decide abrir a sua própria firma, a Stra�on Oakmont, que vai funcionar como plataforma para a sua ambição tão desmedida quanto certeira. O alvo? Os investidores de Wall Street. Rodeado de uma "matilha" sedenta, o carismático e persuasivo corretor envereda por todo o tipo de esquemas, legais ou não, que alimentem a sôfrega espiral de poder, dinheiro, droga, ganância, sexo, corrupção e excessos em que se transforma a sua vida. Por mais milhões que acumule, nunca são suficientes. Belfort quer sempre mais. É insaciável. É por isso que é conhecido como "o lobo". Mas até um predador astuto pode ser apanhado…

Quatro histórias independentes interligam-se cronologicamente e mostram diferentes perspetivas da violência: um mineiro que se revolta contra a corrupção dos chefes da sua aldeia; um homem que regressa a casa e descobre as várias possibilidades de uma arma de fogo; uma rececionista de uma sauna que é assediada por um cliente rico; e, finalmente, um jovem trabalhador fabril que luta desesperadamente por uma vida melhor. Quatro pessoas distintas, quatro províncias de um único país, uma reflexão sobre a China contemporânea.

EUA, 1841. Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um negro livre, vive em Nova Iorque com a mulher e as duas filhas. Leva uma existência tranquila, entre os dotes de carpinteiro e o talento para tocar violino. Atraído pela ideia de uma vida melhor, aceita o convite de dois homens para entrar numa digressão. Porém, a glória e o lucro prometidos transformamse num pesadelo quando, após uma noite de copos, ele acorda acorrentado. A partir desse momento, torna-se escravo. Agora é tratado por Pla�, nome que lhe dão para esconder a sua condição de homem livre, e é violentamente forçado a omitir a sua identidade. É comprado pelo dono de uma plantação no Louisiana, onde passará 12 anos até ser finalmente libertado.

DE JOÃO VIANA COM JOÃO VIANA, MAMADU BAIO, FATU DJEBATÉ, IMUTAR DJEBATÉ 2013, 78 MIN., M/12

DE MARTIN SCORSESE COM LEONARDO DICAPRIO, MATTHEW MCCONAUGHEY, SPIKE JONZE, ROB REINER 2013, 165 MIN., M/12

Direitos Reservados

DE JIA ZHANG-KE COM JIANG WU, LI VIVIEN, WANG BAOQIANG 2013, 133 MIN., M/16

DE STEVE MCQUEEN COM CHIWETEL EJIOFOR, MICHAEL K. WILLIAMS, MICHAEL FASSBENDER 2013, 134 MIN., M/12


FEVEREIRO PAC / BLACK BOX CINEMA / 21H45

CICLO DE CINEMA “O FUTURO DO PASSADO” ORGANIZAÇÃO A OFICINA E CINECLUBE DE GUIMARÃES TERÇA 18

TERÇA 25

THX 1138

DUNE

THX 1138 e LUH 3417 são dois humanos que procuram escapar a uma sociedade futurista subterrânea que proibiu o sexo real e usa drogas para controlar a população e as suas emoções. THX 1138 e LUH 3417 param de tomar as drogas e isso faz com que se apaixonem um pelo outro. Mas THX 1138 é levado para a prisão, quando se descobre que LUH 3417 está grávida. Na prisão, THX 1138 conhece SEN 5241, um programador ilegal, e o holograma SRT, convencendo-os a planear uma fuga. THX 1138 vai à procura de LUH 3417 e escapa para a super�cie, mas é perseguido por polícias robots…

O Planeta Dune – 10.000 anos em direção ao futuro; vermes gigantes guardam o mais preciso e inestimável bem, a especiaria «Melange», que permite viajar através do tempo e do espaço. Quem quer que controle a especiaria e os seus segredos, controla o universo. Um épico conflito prende a galáxia enquanto Paul Atreides conduz o seu povo para combater contra os temíveis Harkonnens pela posse do planeta. Mas em Dune, Paul descobre que o seu destino vai muito mais além do que esperava.

DE GEORGE LUCAS COM ROBERT DUVALL, DONALD PLEASENCE, DON PEDRO COLLEY, MAGGIE MCOMIE 96 MIN., 1965, M/12

DE DAVID LYNCH COM KYLE MACLACHLAN, VIRGINIA MADSEN, FRANCESCA ANNIS 137 MIN., 1984, M/12


PROGRAMAÇÃO LABORATÓRIO DAS ARTES QUINTA 27

LABORATÓRIO DAS ARTES 21H30

PALESTRA-OFICINA COM SAMUEL SILVA O CORPO CAI, O CORPO DÓI A ARTE CONTEMPORÂNEA COMO UMA EXPERIÊNCIA DE SALA DE AULA. UMA DERIVA. The cycle of Lectures-Workshops develops around issues related to the teaching-learning strategies of the art practiced in schools in non-higher education. The purpose is to create bridges that relate artists, teachers, schools and exhibition spaces in a common goal. These lectures-workshops are aimed at the general public, especially parents and teachers, professors and collaborators of educational services and other agents concerned with the awareness of young people and children to the art.

O ciclo de Palestras Oficinas desenvolve-se em torno das problemáticas relacionadas com as estratégias de ensino-aprendizagem da arte praticadas nas escolas de ensino não superior. O objetivo é criar pontes que relacionem os artistas, os professores, as escolas e os espaços expositivos num objetivo comum. Estas palestras oficinas dirigem-se ao público em geral, nomeadamente aos pais e educadores, professores, colaboradores de serviços educativos e outros agentes preocupados com a sensibilização dos jovens e das crianças para a arte.

© GO MES

1ª Sessão do ciclo Arte e Educação Entrada Livre


ATÉ 28 FEVEREIRO

LABORATÓRIO DAS ARTES EXPOSIÇÃO / 16H00-19H00 (QUARTA A SÁBADO)

Horário Quarta a sábado, 16h00-19h00 / Por marcação laboratorio.gmr@gmail.com / Entrada livre / Organização Laboratório das Artes - Associação Cultural e Artística de Guimarães / Exposição financiada pela Fundação Calouste Gulbenkian

GEOMETRIA SILENCIOSA JOÃO SEGURO

Calling in unison drawing and sculpture, the work of João Seguro reflects the artist's interest in the idea of repetition and parallelism between images and objects and the consequences that the tampering of viewing conditions have on the person perceptive level, such as the discomfort and the feeling of constriction resulting from the possibility of being in a space in which the distribution of visual and material elements unfold in a kind of pleonasm.

Direitos Reservados

Convocando em uníssono o desenho e a escultura, o trabalho de João Seguro reflete o interesse do artista pela ideia de repetição e paralelismo entre imagens e objetos e as consequências que a adulteração das condições de visualização têm sobre o sujeito a nível percetivo, tais como o desconforto e o sentimento de constrição resultante de poder encontrar-se num espaço no qual a distribuição dos elementos visuais e materiais se desdobram numa espécie de pleonasmo.


SERVIÇO EDUCATIVO SÁBADO 11 PAC / CIAJG

SÁBADOS EM FAMÍLIA VERA SANTOS

Visitas / Oficinas Local CIAJG – Centro Internacional das Artes José de Guimarães / Data 2º sábado do mês / Horário 16h00 / Público-alvo dos 4 anos 12 anos / Preço 2,00 eur Atividade sujeita a marcação prévia com 48h de antecedência através do e-mail servicoeducativo@aoficina.pt

Sábados em Família é para todos: Pais e filhos! Avós e netos! Padrinhos e afilhados! Fevereiro é mês de dança em Guimarães e por isso vamos meter o corpo à obra pelas salas de exposição. Nos Sábados em família, no CIAJG – Centro Internacional das Artes José de Guimarães, podemos descobrir exposições com obras de artistas e outros objetos, novos ou antigos, daqui e de outros lugares. Ouvir ou ver dançar um conto misterioso. Explorar diferentes materiais e fazer nascer algo novo. Revelar quem somos nas linhas de um desenho. Family Saturdays is for everyone: Parents and children! Grandparents and grandchildren! Godparents and godchildren! February is time to dance in Guimarães and because of that we are going to work the body throughout the exhibition rooms. On Family Saturdays, at CIAJG - José de Guimarães International Arts Centre, we can discover exhibitions by others artists and other objects, new and old, from here and other places. We can listen and see performed a mysterious short-story. Explore different materials and create something new. We can reveal who we are in the lines of a drawing.

QUARTA 19 E QUINTA 20 PAC / BLACK BOX

CORPO COMUM JOÃO GIRÃO E MARGARIDA MESTRE

Oficinas para Adultos Local Black Box da Plataforma das Artes e da Criatividade / Horário 18h30 às 21h30 / Público-alvo Professores do ensino secundário / Preço 5,00 euros Atividade sujeita a inscrição com uma semana de antecedência através do preenchimento do formulário online disponível em www.ccvf.pt.

A oficina Vozes de Papel, orientada por João Girão e Margarida Mestre, traz corpo, gesto e voz para o mesmo palco: a sala de aula. Corpo Comum é um espaço de partilha regular entre professores/ educadores e artistas, que promove o cruzamento entre arte e pedagogia em ambiente informal e experimental. The workshop Paper Voices, oriented by João Girão and Margarida Mestre, brings body, gesture and voice to the same stage: the classroom. Common Body is a regular sharing platform between teachers/educators and artists, which is targeted at promoting the exchanges between art and pedagogy in an informal and experimental context.


SÁBADO 22

PAC / BLACK BOX

AULAS PÚBLICAS 10 X 10 Aulas Públicas Local Black Box da Plataforma das Artes e da Criatividade / Horário 11h00 às 13h00 e 15h00 às 19h00 / Público-alvo Todos os interessados em práticas pedagógicas (escolas, professores, arte-educadores) / Entrada gratuita até ao limite dos lugares disponíveis

O projeto 10 x 10 (Programa Descobrir / Gulbenkian) promove a colaboração entre artistas e professores do ensino secundário, com o objetivo de desenvolver renovadas estratégias de aprendizagem para motivar e envolver os alunos. Apresentamos algumas das aulas concebidas neste âmbito no presente ano letivo, antecedendo a realização deste projeto em Guimarães no ano letivo 2014/15. The 10 x 10 project (Finding Program / Gulbenkian) promotes the collaboration between artists and secondary school teachers, aiming at developing renewed learning strategies in order to motivate and engage students. Some of the designed lessons in this context and in the present academic year will be presented, serving as an introductory step to this project, which will be carried out in academic year of 2014/15.

TERÇAS E SÁBADOS CIAJG / PAC

ATELIER ABERTO CIAJG ARLINDO SILVA E OFICINA ARARA Oficinas / Conversas / Visitas Local CIAJG – Centro Internacional das Artes José de Guimarães / Público-alvo Jovens e adultos (M/15 anos) / Data limite de inscrição uma semana antes do início de cada oficina / Preço 20,00 eur por oficina

Direitos Reservados

Lotação limitada, sujeita a inscrição prévia através do preenchimento do formulário online disponível em www.ccvf.pt

O Atelier Aberto é um espaço de convívio, aprendizagem e criação pensado para jovens, estudantes, artistas e curiosos. Em fevereiro são nossos convidados Arlindo Silva, na área do desenho (dias 04, 11 e 15), e a Oficina ARARA, na área do desenho e da impressão (18, 22 e 25). The Open Atelier is a space for conviviality, learning and creation for youngsters, students, artists and curious people. In February, our guests are Arlindo, for drawing (1st, 4th and 11th), and Oficina ARARA, for drawing and printing (18th, 22nd and 25th).


Guicul fevereiro 2014  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you