Guia da Mantiqueira - Edição 65 - Agosto 2018

Page 1

ano 5 n 65 agosto 2018 cortesia

GUIA

DA MANTIQUEIRA

TRIBUTO AO POETA GILDES BEZERRA GALERIA APRESENTA: EDUARDO SERRANO SARAMPO E POLIO: É HORA DE TOMAR A VACINA

Conheça a história de Silvio Vieira e seu trabalho de proteção aos animais no Santuário Jardim de São Francisco. Saiba como ajudar!

1



3


O GdM está de cara nova! Aprecie!

Expediente Direção e Edição Kelly Monteiro 35 9 9221 7048 MTB 06.447/MG kelly@guiadamantiqueira.net.br Direção Comercial / Publicidade Adilson Santos 35 9 9225 8832 adilson@guiadamantiqueira.net.br

GUIA

DA MANTIQUEIRA

ano 5 | n 65 | agosto 2018 | cortesia

20

DIA DOS PAIS: APOSTE NO ESTILO PESSOAL

28

FÓRMULA DRONE BATE RECORDE DE PARTICIPANTES

38

BRIGADEIRO SAUDÁVEL? ELE EXISTE SIM!

Baixe o leitor QR Code, posicione a câmera do seu celular, leia o código e acesse a página da revista no Facebook.

4

Capa GdM

Guia da Mantiqueira

As imagens e informações em publicidades são de total responsabilidade dos anunciantes. A reprodução do conteúdo é permitida desde que a fonte seja citada.

@guiadamantiqueira

@guiamantiqueira

Pixabay

Projeto Gráfico e Diagramação Guia da Mantiqueira


5


Conversa Franca

Jardim de São Francisco: dedicação e respeito aos animais

E

6

xistem, no Brasil, 30 milhões de cães e gatos abandonados nas ruas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). 14 milhões acabam em abrigos, sendo que 90% nunca encontrarão um dono para chamar de seu. O “fenômeno pet” inseriu cães e gatos no convívio familiar, mas a estrutura de prevenção ou que resolva o drama da superpopulação e do abandono, ficou para trás. Muitos dos cachorros abandonados possuem alguma raça ou são mistura, e foram jogados na rua por várias razões “humanas” injustificáveis. Tentando minimizar esta crise e, ao mesmo tempo, ajudar os animais abandonados a encontrarem uma família, estão os protetores, pessoas que recolhem os animais, levam a clínicas veterinárias, dão comida, banho e carinho, enquanto buscam por voluntários que possam ajudar tanto financeiramente quanto na busca por um novo lar para os bichos. Trabalho árduo, de renúncias e de muito heroísmo para poder cuidar dos animais. A história de Silvio Vieira, analista fiscal na empresa Helibras, em Itajubá, é exemplo: “Sempre gostei de animais, mas não podia ter muitos

cachorros em casa. Depois que estudei e me casei com a Giovana Cintra, começamos a resgatar cães abandonados. Em 2014, tínhamos quatro cães. Morávamos na cidade e chegamos a ter 30 cachorros em casa. Entendemos que para os vizinhos é difícil, pois os cães latem, o odor da urina é forte, enfim... Por isso escolhemos morar em um sítio, um lugar mais afastado, sem vizinhança. Estamos agora com 101 cães. Além dos cachorros, temos os porcos, as aves, as galinhas, os patos, os perus e os gatos. No total, 130 animais”. Para os cuidados diários com os animais, Silvio necessita, em média, de 35 quilos de ração por dia, de vermífugo, vacina e medicamentos, além de talco anti pulga, cobertores, casinhas e tudo mais que possa auxiliar a manter a qualidade de vida dos bichos. Eles dispõe de espaço, e aos poucos, Silvio tem investido na estrutura do sítio, com a construção de canis e abrigo.

Algumas histórias “A cadelinha Francisca é o caso mais emblemático. Ela estava prenha e apanhou tanto que perdeu as patas. O que me choca e acabo resga-


tando são os cães idosos. O Sherek é um deles, assim como o Jacinto, que deve ter uns 16 anos. Já peguei cachorro que entrou em depressão depois que foi abandonado ou doente. Um deles, encontrei estirado no chão, não andava e não comia. Dava vitamina na boca para ele. Já resgatei cachorro de grande porte, que começa a comer muito e o dono abandona. Tentamos ajudar, mas resgatamos um cachorro hoje e sabemos que há mais dez abandonados, por exemplo. É um trabalho de enxugar gelo! Mesmo com a Prefeitura ajudando, os veterinários, como os das clínicas Amor & Bichos, Mecavet e Santa Terezinha. Tem que começar com a educação infantil. Os cães, no Brasil, são descartáveis. Atrapalhou, o dono abandona.”

Manutenção

Doações “Precisamos de vermífugo e remédio para berne e pulgas. Medicamentos veterinários que as pessoas possam ter em casa e não usam mais, sempre são bem-vindos porque é difícil todos os cães estarem bem ao mesmo tempo. Um ou outro adoece, então sempre estou comprando remédios, antiinflamatórios, pomada cicatrizante. As vacinas também são mensais e custam em média 45 reais. Multiplique isso por 101 cachorros... A Prefeitura me auxilia com a vacinação anti-rábica e a castração. Dos 101 cães, somente quatro fêmeas e sete machos ainda não estão castrados.”

Adoção “Já doei alguns cachorros e foram muitas adoções boas e muitas ruins. Eu, minha esposa e minha filha Melissa amamos muito os cães. É uma choradeira quando sai um deles. Doamos e acompanhamos. Mas passa um mês, dois meses e no terceiro nos falam que o cachorro fugiu... Hoje, só entrego se for para alguém do meu círIGdM

“Até quando eu tinha 30 cães, conseguia bancar tudo. Agora, com mais de 100, está ficando difícil. Eu não compro ração ruim para eles. Se alguém quiser ajudar, já aviso qual ração costumo comprar. Hoje, só de ração, o gasto é em torno de 4 mil reais por mês. Fora a ração das aves, dos porcos e dos gatos. Em média, são 1.050 quilos de ração por mês. Consigo arrecadar cerca de 400 quilos por mês, o que ajuda bastante. O resto eu compro. Milho, frutas para os porcos, também fornecemos. Faço questão que as pessoas que

queiram doar venham até o sítio para ver como é o trabalho. Temos cachorros que estão com a saúde muito boa e outros em tratamento. Quando as pessoas veem como os tratamos, elas têm confiança para ajudar. Adoramos visitas!”

Francisca

Okja Vieira

Tiririca

Paçoca, Pepê e Marmita

Lucky

Esmeralda

7


culo de amizades, porque resgatamos e cuidamos dos animais como membros da família. Não posso entregar para alguém que não vá cuidar do cachorro. Não dá, não é? Tive muitos adotantes bons também, mas fiquei traumatizado. Sei que preciso trabalhar isso, confiar mais na adoção, porque estou com 101 cachorros e não posso pegar mais.”

Futuro “Não penso. O meu maior medo é de morrer. Sou eu quem dá ração, eles me respeitam. Os cães ficam soltos; são 7 mil metros, têm espaço para andar e correr. Eles têm uma boa vida aqui. Conheço lugares que prendem os cachorros, enfim... Mas não dá para abraçar o mundo. Sempre passo olhando para os lugares. Se vejo um cachorro preso, vou lá e falo. Já arrumei muita briga! A lei dos maus tratos é clara. Há cães que resgatei que eram de pessoas idosas que não podiam mais cuidar. Penso na situação e acabo adotando. Se eu vejo o cão, se sinto que precisa, acabo resgatando.“

Veganismo IGdM

É importante alertar para a questão “ser pro-

tetor de animais e comer carne”. Qual é a diferença entre um bezerro e um cachorro? Nenhuma! Eles têm os mesmos sentimentos. A porca Okja que adotamos é muito mais inteligente do que os cães. Levanto a bandeira do veganismo. Não comemos carne ou derivados há quatro anos. As pessoas são empurradas a comer carne e a tomar leite e isso não é necessário. Por que impor a morte ou o sofrimento a um animal se podemos comer outra coisa? Somos veganos e nunca fomos tão bem de saúde. Até nosso bebê de 1 ano se adaptou. Quem quiser dicas é só falar com a gente que tentamos orientar.

A porquinha Okja Vieira Participo de grupos veganos no Facebook e descobri a história da porca. Ela foi comprada como minipig. Abomino isso porque é moda, igual abomino venda de filhotes. Vida não tem preço. Temos mais de 30 milhões de cães abandonados no País e a pessoa vai lá e compra? A Okja foi comprada como minipig e parece que a pessoa que vendeu enganou o comprador. Era uma mistura de minipig com porco. Ela ficou com 150 quilos e estava vivendo, em São Paulo, em um quintal de cimento, de cinco metros quadrados. Imagina o sofrimento de um animal que, pela natureza dele, tem que estar na terra, na água e na lama? Uma ong de São Paulo foi até o dono e o notificou, dizendo que deveria doar ou que a ong entraria em uma ação na justiça. Resolveram doar a porca. Entrei na fila de adoção porque já morava no sítio e havia muita gente se fingindo de vegano para adotar a Okja e matar. Quando vi a foto dela (conta emocionado) pensei: tem que ser minha. Entrei em contato, preenchi um formulário e por sorte uma das moças da ong me seguia no face. Contei com a ajuda de um amigo, o Vitor Pamplona, e ele foi buscar a porca para mim. Na época, estava com 50 cães e ela se adaptou super bem. Santuário Jardim de São Francisco Tel.: 35 9 9187-1773 Facebook/JardimdeSaoFrancisco Para apadrinhar os animais acesse: https://goo.gl/forms/vZeUsGRuRCz6BuBm1

8

Silvio, a esposa Giovana, Melissa e o pequeno Naamã: cuidado e proteção aos animais são aprendizados constantes

Fonte: www.hypeness.com.br



Arte & Cultura

D

e todo um movimento musical e cultural que floresceu em Itajubá e no Sul de Minas no início dos anos 1980, com uma diversidade de trabalhos musicais que cultivavam a valorização da cultura mineira, a arte poética de Gildes Bezerra sintetiza toda essa ebulição cultural sulmineira. Hoje, com 81 anos bem vividos, Gildes é homenageado com esse tributo, que apresenta uma boa fatia de sua obra. Faz também uma referência a Marcellus Bezerra, seu filho, também poeta. Integram o time musical Ivan Vilela, referência da viola caipira no Brasil, e Pricila Stephan, sua parceira no disco “Hortelã”, regido por letras de Gildes. A dupla se reencontra após 27 anos, prestando esta homenagem ao poeta itajubense.

Imagem de Internet

Tributo a Gildes Bezerra marca os 81 anos do poeta tando canções de Gildes, Ricardo Viola; o percussionista Karzé, que já integrou vários grupos e trabalhos musicais da região; Kim Leal Viola, músico, violonista e tecladista, que com uma visão refinada integra esse tributo mantendo a sintonia musical com seu pai, Ricardo Viola; e Plínio Ribeiro Leite, compositor que criou em sua parceria com Gildes marcantes canções, como ‘Lua Quebrada”, uma das obras mais conhecidas da dupla. Além do “Hortelã” e outras obras clássicas de que participou o Poeta, o Tributo faz referência a seus trabalhos mais recentes, como o CD “Olhai os Líricos dos Cantos”, em parceria com o pianista, compositor e maestro Omar Fontes. Outras adesões e participações são esperadas e bem-vindas, como João Lúcio, do Grupo Telhado.

Sintonia musical

10

Também fazem parte do tributo o cantor, compositor, violonista, pesquisador das raízes musicais sulmineiras, companheiro de Gildes em vários projetos, Giovanni Guimarães; o flautista, compositor e poeta, jazzista, congadeiro e folião, também peça deste mosaico musical, interpre-

Tributo a Gildes Bezerra Dia 25 de agosto, às 20h Espaço Immaginário (IMMA) Rua Xavier Lisboa, 167, centro, Itajubá Tel.:35 3621-2669 Ingressos antecipados : R$ 20



Almanaque Memória

P

E

m Cristina existe o Parque Urbano da Cachoeira da Gruta. Caracterizado como rio em queda, denominado Rio do Bode, proporcionando cachoeiras e cascatas, este atrativo fica na área urbana do município e nele existiu a primeira usina hidrelétrica de Cristina, cujas ruí-

12

Pedro Bernardo Guimarães publicou o livro “Município de Itajubá”, entre outras obras, além de atuar como professor

nas ainda existem. O ponto mais alto e mais procurado da cachoeira é o chamado Poço dos Namorados e o local pode ser visitado durante todo o ano. Horário: das 6h às 18h. Rua José Joaquim de Carvalho, S/N. Centro, Cristina (MG). Fonte: Prefeitura de Cristina

Prefeitura de Cristina

Você sabia?

Imagem de Internet

edro Bernardo Guimarães foi o primeiro historiador de Itajubá, publicando, em 1915, o livro “Município de Itajubá”, editado pela Imprensa Oficial de Minas Gerais. Filho do conhecido romancista Bernardo Guimarães, autor de "A Escrava Isaura", "O Garimpeiro", "O Seminarista" e outros romances, foi professor do Ginásio de Itajubá e da Escola Normal Sagrado Coração de Jesus. Foi engenheiro, geógrafo, deputado estadual, jornalista e fluente orador. Escreveu outras obras, como "O Que Nos Resta do Píndorama", "Fastos da História de Minas", "A Escravidão", "Nada" e outros trabalhos. Faleceu em Uberlândia, onde lecionava em quatro colégios.



Evento

A

14

lmir Sater sobe ao palco, acompanhado por sua viola de dez cordas, mais conhecida como viola caipira, e mostra ao público alguns clássicos de sua carreira como “Tocando em Frente”, “Chalana”, “Trem do Pantanal” e os projetos mais atuais AR (Grammy Latino 2016) e +AR (2018) em parceria com Renato Teixeira. O músico interaje com o público, contando ‘causos’, ou cantando grandes canções. Isso tudo sem deixar de lado a técnica ímpar e o magistral toque de viola, indispensáveis nas suas apresentações. Almir Sater nasceu em Campo Grande (MS) e se destaca como um dos responsáveis pela valorização da viola de 10 cordas, mais conhecida como viola caipira, base de criação da música caipira. Suas composições refletem o popular e o erudito de maneira ímpar e o contato com a gente da terra favoreceu a pesquisa de novos ritmos, novos sons, a compor melodias que retratam a alma caipira de forma poética e as manifestações folclóricas incutidas na cultura pantaneira. Em 1981 gravou seu primeiro disco “Estradeiro” e em 1988, participou do Free Jazz Festival ao lado de nomes sagrados da música mundial. No ano seguinte, abriu o evento no Rio de Janeiro. Daí para Nashville (Estados Unidos), a Meca da música country mundial, foi um passo, resultando no LP “Rasta Bonito”. Nos anos 90, o reconhecimento veio através do 4º Prêmio da Música Brasileira (1991), agraciado como Melhor solista e as canções: “Moura”

Namour Art Photography

O magistral toque de viola de Almir Sater em Itajubá

como “Melhor música instrumental” e “Tocando em Frente”, como “Melhor canção da MPB”, de autoria dele e de Renato Teixeira. Em 2015, Almir gravou o Álbum “AR”, com Renato Teixeira. Foram premiados em 2016 como “Melhor dupla regional” pelo Prêmio da Música Brasileira e em seguida “Melhor Álbum de Música Raízes Brasileiras” no Grammy Latino. Almir e Renato logo emendaram outro projeto, “+AR” 2018. Gravado na Serra Cantareira, em São Paulo, e em Nashville, nos Estados Unidos, o disco de linguagem solta foi produzido por Almir e Eric Silver, norte-americano e multiinstrumentista, e navega pelo folk ao country moderno e rock Anos 70, sem deixar de flertar com o purismo da música caipira ou perder sua essência, e agrada a públicos diversos. Almir Sater - Dia 10 de agosto, às 20 horas Teatro Municipal Christiane Riera Av. Dr. Jerson Dias, 500, bairro Estiva, Itajubá Informações: 35 3692-1778 Ingressos: O Poderoso Açaí, Ana Maria Turismo e D’Modas



Educação

Unifei e UFRJ criam rede social para discutir problemas da sociedade

P

16

esquisadores da Universidade Federal de Itajubá (Unifei) e do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação (Pesc), do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), desenvolveram a rede social Sociedade Participativa (SoPa), com o objetivo de proporcionar um ambiente para discussão de problemas da sociedade. A rede social é uma iniciativa apartidária e, na sua atual versão, é promovido um ambiente colaborativo, possibilitando que membros contribuam para a solução de problemas da sociedade. “A SoPa procura combinar os diferentes recursos tecnológicos, como redes sociais, visualização da argumentação e gamificação para facilitar a comunicação, o entendimento das discussões e o engajamento na ferramenta”, explica a professora Melise Maria Veiga de Paula, professora no Instituto de Matemática e Computação (IMC). A docente entende que as contribuições da SoPa para a comunidade acadêmica estão em validar os recursos e as estratégias utilizadas na concepção da ferramenta. A rede social SoPa vem sendo desenvolvida desde o início de 2016 e sua primeira versão foi lançada em fevereiro de 2018. Segundo o graduando Gabriel Gomes, a principal motivação para a criação dessa rede social é estudar e utilizar as tecnologias presentes hoje em dia para a criação de canais democráticos que sejam mais eficientes para a comunicação entre a população e as autoridades ou instituições. Até o início de maio deste ano, a ferramenta possuía mais de 180 usuários cadastrados e,


à medida que ela estiver sendo utilizada, um dos objetivos de seus idealizadores é fazer uma análise mais aprofundada sobre o impacto da rede SoPa para a população. Atualmente, existem duas versões da rede social: a inicial cujo foco era voltado para questões pertinentes a problemas de Itajubá, e a versão com ênfase na discussão de questões pertinentes ao campus da Unifei. No futuro, pretende-se fazer

apenas uma versão, com a possibilidade de serem criados grupos. Quem tiver interesse em participar da rede social para discutir sobre questões pertinentes à Unifei deve acessar o link: http://sopa.hopto.org. E para discussões voltadas para a cidade, deve-se acessar: www.sociedadeparticipativa.com. Outras informações sobre a SoPa podem ser obtidas em: https://www.facebook.com/sopabrasil/.


Mantiqueira - A Origem

A

18

paisagem natural da Serra da Mantiqueira e sua origem. Essa é a essência da fotografia de Eduardo Serrano, em destaque na Galeria. Mineiro de Maria da Fé, o fotógrafo teve o primeiro contato com a câmera como complemento das atividades da carreira profissional, pois é graduado em Biologia. “A fotografia foi algo intuitivo na minha vida. Despertei o gosto pelas imagens assinando a revista National Geographic em um momento de grandes mudanças na minha rotina. Como as transições vêm repletas de mudanças, a câmera veio por meio de um presente inesperado da minha família e logo me identifiquei com a experiência de fotografar. Em pouco tempo tive certeza do que queria para a minha vida”, conta. A fotografia é algo muito amplo, não existe limites, apenas tendências. Como Eduardo admira assuntos que envolvem o meio natural e sua influência sobre diversos aspectos, logo a fotografia de paisagens, vida selvagem e cultura passaram a ser o foco do trabalho dele: “Sempre me interessei por história natural, inclusive o papel do homem no espaço que ocupa. As grandes

Eduardo Serrano

Galeria

navegações e travessias executadas tanto pelos primeiros hominídeos quanto por outros seres vivos, descobertas de locais intocados, o desenvolvimento das várias culturas condicionadas pelo meio natural de onde se estabeleceram, a incrível variedade de formas de vida e assuntos dessa causa, fomentam uma sensação imediatamente sedutora em mim”, diz ele.

Fonte de inspiração “Estar em locais que nos fazem entender que uma lógica natural prevalece, e que somos fruto disso, é sem dúvidas motivador. Meu trabalho ainda é tímido dentro do que desejo alcançar na fotografia; quero sentir o mais próximo possível das experiências vividas noutra hora por aqueles que se lançavam no desconhecido e que se tornaram para mim fonte de inspiração, principalmente por provarem o quanto somos capazes de sermos aquilo que realmente nascemos para ser se nos permitirmos ouvir nossa intuição”, ressalta Eduardo, lembrando que: Ä fotografia é uma forma libertadora do ser, não uma maneira apenas de registro. Busco uma sensação, uma história, uma


mensagem. O que não é nada fácil. Entre as fotos que venho fazendo, apenas algumas conseguem chegar perto do que busco, mas a incessante busca é algo que nunca quero perder o gosto de ter.” Dentre as experiências vivenciada pelo fotógrafo, as ligadas aos processos naturais se sobressaem e o contato com o meio natural é uma conexão que engrandece. “Sigo nesse caminho, porque antes das fotos que registro, eu tenho vivências. E elas são o que vem me tornando melhor sob diversos aspectos. A fotografia é um canal para minha evolução e sou muito grato por tudo que tenho recebido com ela”, acrescenta. “A foto que compartilho com os amigos é me remete, no momento do registro, a uma cena do que poderia ser os primórdios da Serra da Mantiqueira, por isso o nome A Origem”, conta Eduardo: “Por entre a névoa e a luz difusa saem as montanhas cobertas por matas. Algo jurássico, muito provavelmente como era a estrutura natural antes da intervenção humana. A sensação de ter sido transportado ao passado foi imediata”. Ele encerra se referindo à sua participação na Galeria do GdM:

“O convite para participar da edição de agosto do Guia da Mantiqueira foi uma honra. Quero deixar registrada aqui minha satisfação pelo convite”.

Eduardo Serrano: “A fotografia foi algo intuitivo na minha vida.”

Eduardo Serrano Tel.:35 9 9246-9360 eduardoserranoimagens@gmail.com Instagram: @eduardoserranoimagens


Moda

Dia dos Pais: aposte no estilo pessoal

A

gosto tem Dia dos Pais e ao escolher o presente vale apostar no estilo pessoal. Confira as dicas e boas compras!

Esportivo Conforto e praticidade tanto nas peças para compor o look: ombros naturais, cintura sem marcação e calças ou bermudas com largura moderada; quanto nos tecidos: algodão, sarja, fibras naturais. Sugestões: jaqueta jeans, sapato modelo dockside, tênis casual, bermuda/calça jeans ou de sarja, camisa ou camiseta despojada.

Elegante Busca manter um visual impecável e sofisticado. Preza tecidos e roupas com corte estruturado e de qualidade. Sugestões: terno, camisa, gravata, mocassim. Tudo em tons neutros.

Tradicional ou clássico

Pixabay

Linhas retas e soltas, sem muitos detalhes; cores neutras e a ausência de estampas. Sugestões: sapatos de amarrar, camisas claras, bermuda/calça de corte reto e clássico.

Moderno ou urbano Formas estruturadas e sem detalhes, porém com lapelas e ombros exagerados. Gosta de misturar cores vivas com neutras, mas predomina o preto. Sugestões: blazer descontraído, camisa estruturada e calçado moderno.

Criativo Mistura estilos e não segue muitas regras. É uma maneira de expressar a sua personalidade livre e forte. Sugestões: acessórios originais, colete, cachecol colorido, camisetas coloridas.

Sexy Roupas ajustadas, calças e camisas slim, tecidos encorpados. Sugestões: o homem de estilo sexy gosta de acessórios extravagantes como cintos grandes, pulseiras, sapatos de boa qualidade, camisetas de gola V justa.

Romântico As peças são desestruturadas, calças e blusas mais largas. Os tecidos mais utilizados são seda, viscose, linho em cores claras e suaves. Sugestões: camisa tipo bata, chapéu panamá, sandália de couro, blazer. Independente do estilo pessoal ou da imagem que você quer passar para o mundo, a imagem mais importante é a que você passa para os seus filhos. Feliz Dia dos Pais!

20

Thais Reis Lageano Personal Stilyst pela Escola São Paulo



Vacinação contra Sarampo e outras doenças: Dia D será em 18 de agosto

S

arampo, rubéola, difteria e poliomielite são doenças que já não faziam mais parte da rotina dos brasileiros. Mas, a notícia que deveria ser boa volta à mídia com outro sentido: pacientes sumiram das salas de vacinação e as taxas de imunização estão baixas - 95% pelo menos. O resultado é que essas doenças voltaram à cena no País, inclusive no Sul de Minas Gerais. A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo e a atualização da carteira de vacinação vai começar. A ação envolve todos os postos de saúde de Itajubá e dos municípios vizinhos, e tem como alvo principal crianças de 1 a 5 anos. O dia de mobilização nacional - dia D - será em 18 de agosto, sábado. A imunização contra o sarampo exige duas doses. Normalmente, no setor público a primeira é dada aos 12 meses de vida, com a versão tríplice viral, e a segunda, aos 15 meses, com a tetraviral. Além das crianças, pessoas adultas até 29 anos tem que tomar duas doses da vacina contra sarampo mesmo que vacinado na infância, tendo cartão de vacina ou não. Quem está na faixa dos 30 até 49 anos, deverá tomar 1 dose da vacina. No Brasil, a poliomielite não é registrada no país desde 1990. As vacinas são aplicadas em três doses, em crianças de 2, 4 e 6 meses de vida. Aos 15 meses e 4 anos, há o reforço, via oral.

Pixabay

Variedade

Sarampo Doença infecciosa viral e extremamente contagiosa. É transmitida por secreções das vias respiratórias, podendo passar diretamente de uma pessoa à outra por secreções ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Os principais sintomas são febre alta, manchas avermelhadas no corpo, congestão nasal, tosse e olhos irritados. Pode causar complicações graves como cegueira, encefalite, diarreia intensa, infecções do ouvido e pneumonia.

Poliomielite A poliomielite ou “paralisia infantil” é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. O déficit motor instala-se subitamente e sua evolução não ultrapassa três dias. Acomete em geral os membros inferiores. A transmissão ocorre por contato direto pessoa a pessoa, pela via fecal-oral, por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores, ou pela via oral-oral, por gotículas de secreções ao falar, tossir ou espirrar. Procure o posto de saúde mais próximo de sua casa e leve a sua carteira de vacinação para atualizar. Mais informações sobre o Dia D no Facebook/prefeituraitajuba.



Imagem de Internet

Saúde

Grupo Med-Clin: atuação focada na terceirização dos serviços de Saúde

A

terceirização de serviços de urgência, emergência e ambulatorial para hospitais e serviços públicos favorece a não interrupção desses importantes serviços para a área da Saúde. Por isso, dispor de uma empresa que ofereça este suporte é cada vez mais essencial. Em Itajubá e na região, o Grupo Med-Clin vem realizando este trabalho desde o ano 2000. A empresa é especializada em gestão hospitalar, com destaque para o mercado de terceirização em serviços de urgência, emergência e ambulatorial nas áreas: Médica, Nutricional, Enfermagem e Radiologia. “São 18 anos terceirizando serviços médicos hospitalares. O Grupo Med-Clin assume total responsabilidade pela mão de obra médica nas instituições contratantes”, diz o fundador da empresa, Dr. Roberto Sorgi. Ele explica que o Grupo Med-Clin administra as escalas de serviço de urgência e emergência, ambulatório de especialidades e prontos-socorros, por meio da implantação de todos os protocolos de atendimentos e auxiliando a gerência administrativa.

Como funciona? 24

Ao contratar os serviços, o cliente - prefeitu-

ras, hospitais privados ou consórcios regionais de Saúde - contará com a cobertura do atendimento de urgência e emergência durante 24 horas, todos os dias da semana. O cliente pode escolher os profissionais que deseja para o trabalho, de acordo com o corpo clínico da empresa, sem se preocupar com escalas, férias ou atestados. Os profissionais podem ser substituídos quando o cliente julgar necessário, sem encargos para o mesmo, e na equipe podem ser enquadrados os profissionais que já prestam serviços para o cliente. “Podemos atender também as empresas que, por conta da quantidade de funcionários necessitam ter médico do trabalho, e atender as empresas que são voltadas para a prestação de serviços em Saúde, mas que têm dificuldades em contratar a mão de obra médica”, observa Elizangela de Oliveira Sorgi.

Dedicação total Com sede em Maria da Fé (MG), o Grupo Med-Clin abrange todo o Sul de Minas Gerais, a região da Serra da Canastra, do Alto Paranaíba e o Estado de São Paulo. A empresa foi criada pelo médico Dr. Roberto Bob, nascido em Barretos (SP), graduado pela


reside em Itajubá. Fundou o Grupo Med-Clin com o Dr. Roberto Bob, dedicando-se ao setor financeiro, que conta ainda com a parceria do administrador de empresas, Edson Oliveira. Ele é pós-graduado em Administração Hospitalar e há oito anos instalou residência em Itajubá depositando todo o conhecimento de formação e anos de trabalho na área da Saúde em favor do crescimento e expansão da empresa.

Missão O Grupo Med-Clin atua de modo a ser reconhecido como líder no mercado e referência em qualidade na prestação de serviços de Saúde, trabalhando com profissionalismo, comprometimento com o cliente, ética nos negócios, valorização e respeito ao ser humano.

Grupo Med-Clin Rua João Gonçalves da Costa, 190, centro Maria da Fé Tel.: 35 3622-7919 Cel.: 35 9 99860189 contato@clinmedmariense.com.br www.clinmedmariense.com.br

Grupo Med-Clin ocupa um nicho de mercado em expansão no Sul de Minas

IGDivulgação

Faculdade de Medicina de Itajubá (FMIt) e especialista em Cirurgia Geral e Vascular. Casado com Elizangela, reside há 30 anos em Itajubá e atuou durante muito tempo como médico em Maria da Fé, Marmelópolis e no Grupo Saúde Ceam. Hoje, se dedica exclusivamente ao Grupo Med-Clin. No ano 2000, Roberto, acompanhando de perto a dificuldade dos gestores em Saúde dos municípios onde atuava, em contratar e manter completa as escalas de serviços médicos de urgência e emergência nos pronto atendimentos, achou por bem oferecer ajuda assumindo a responsabilidade no gerenciamento e na contratação dos profissionais médicos. “Isso seria feito através de uma terceirização de serviço, surgindo daí a ideia da profissionalização dos serviços prestados para alcançar um nível diferenciado de qualidade na terceirização de mão de obra médica”, diz. A aposta foi positiva e hoje o Grupo Med-Clin ocupa um nicho de mercado em expansão no Sul de Minas. “A melhor resposta positiva e de aceitação que o cliente pode nos dar é na indicação da empresa para aqueles que não a conhecem e vem passando por dificuldades na nossa área de atuação”, diz Elizangela. Ela é nascida em Campinas (SP), graduada em Nutrição e desde 1999


30 de Agosto: Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla

U

ma das doenças neurológicas mais comuns em adultos jovens, com incidência entre 15 a 50 anos de idade, a Esclerose Múltipla foi descrita inicialmente em 1868 pelo neurologista francês Jean Charcot, que a chamou de Esclerose em Placas. É uma doença crônica que contribui para uma deficiência neurológica e, em longo prazo, para a invalidez.

Sintomas A Esclerose Múltipla não tem cura e pode se manifestar por meio de sintomas como fadiga intensa, depressão, fraqueza muscular, alteração do equilíbrio da coordenação motora, dores articulares e disfunção intestinal e da bexiga. É uma doença autoimune que afeta o cérebro, nervos ópticos e a medula espinhal (Sistema Nervoso Central). Nos estágios iniciais da doença, pode ser de difícil diagnóstico, uma vez que os sintomas

aparecem com intervalos e o paciente pode ficar meses ou anos sem qualquer sinal algum. Na EM, o revestimento dos neurônios – denominado de mielina – sofre o ataque por células do sistema imunológico, resultando na interrupção do fluxo normal dos impulsos elétricos ao longo das fibras nervosas. Justamente pelo fato deste dano poder ocorrer em diferentes locais os sintomas que cada um experimenta podem variar.

A doença atinge cerca de 2,5 milhões de pessoas no mundo e, apesar de não haver cura, os tratamentos podem ajudar a controlar os sintomas e reduzir a progressão da mesma.

As datas comemorativas em Saúde reforçam a importância da prevenção, ou seja, das ações que interferem no modo de vida das pessoas antes do surgimento de doenças. Prevenir também significa agir para a que a doença se manifeste de forma mais branda no indivíduo e no ambiente coletivo. 26

Imagem de Internet

Viver Bem



Giro Por Aí

Fórmula Drone: competição bate recorde de participantes

A

28

Competição Fórmula Drone já tem data marcada para acontecer: será de 7 a 9 de setembro, no complexo esportivo da Universidade Federal de Itajubá (Unifei), e reunirá 415 competidores organizados em 39 equipes de todo o Brasil. O evento envolve estudantes e professores do ensino profissional técnico de nível médio, com o objetivo de estimular a difusão e o intercâmbio de técnicas e conhecimentos de Engenharia de Sistemas aplicada a aeronaves de asas rotativas radio controladas. As 39 equipes representam 37 escolas técnicas, de 11 estados, mais o Distrito Federal. O número de equipes, recorde para competições promovidas pela SAE BRASIL em sua segunda edição, reflete o grande interesse e a atração gerados pelo Projeto Fórmula Drone na comunidade do ensino técnico profissional de nível médio em todo o Brasil e permite antever uma competição marcada pela qualidade e competitividade. São Paulo comparece com 11 equipes, seguido por Minas Gerais com oito equipes. Pernambuco, Santa Catarina e Rio de Janeiro se fazem representar com três equipes cada, enquanto que os estados do Amazonas, Bahia, Goiás e o Distrito

Federal inscreveram duas equipes cada um. Por fim, Roraima, Sergipe e Tocantins enviarão uma equipe à competição. O Projeto SAE BRASIL Fórmula Drone é um programa de natureza educacional a cargo da SAE BRASIL - Sociedade Brasileira da Tecnologia da Mobilidade - cujo objetivo é estimular a difusão e o intercâmbio de técnicas e conhecimentos de engenharia de sistemas aplicada à operação de aeronaves de asas rotativas tipo drone, por parte de estudantes e professores do ensino profissional técnico de nível médio, através de aplicações práticas e da competição entre equipes, oriundas de escolas técnicas de todo o Brasil, públicas e privadas. Equipes integradas por até 15 alunos, supervisionadas por um professor da instituição que representam, deverão desenvolver sistemas instalados a bordo de drones, visando o cumprimento de tarefas (ou missões) que constituem o desafio técnico da competição, segundo requisitos detalhados no regulamento. O Projeto Fórmula Drone conta com o apoio do Ministério da Educação (MEC), através da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológi-


IGDivulgação

ca (SETEC), em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Ensino Superior (CAPES) e tem como patrocinadores as empresas AEL Sistemas e Avibras Indústria Aeroespacial. Conta, também, com o apoio da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), da Prefeitura Municipal de Itajubá (PMI) e do International Council of Aeronautical Sciences (ICAS).

SAE BRASIL A SAE BRASIL é uma associação sem fins lucrativos que congrega engenheiros, técnicos e executivos unidos pela missão comum de disseminar técnicas e conhecimentos relativos à tecnologia da mobilidade em suas variadas formas: terrestre, marítima e aeroespacial. Foi fundada em 1991 por executivos dos segmentos automotivo e aeroespacial. Desde então a SAE BRASIL tem experimentado extraordinário crescimento, totalizando mais de 6 mil associados e 10 seções regionais distribuídas desde o Nordeste até o extremo Sul do Brasil, constituindo-se hoje na mais importante sociedade de engenharia da

Projeto é de natureza educacional

mobilidade do País. A SAE BRASIL é filiada à SAE International , associação com os mesmos fins e objetivos, fundada em 1905, nos EUA. Competição Fórmula Drone De 7 a 9 de setembro, no Complexo Esportivo da Unifei Campus Itajubá


Atrações do Barzim

A

banda Cachaça Cubana e a dupla Bruno Rás e Tátila, acompanhados pelo DJ Mr. Rabbit, foram duas das atrações do Barzim, no mês de julho. O Barzim mantém a proposta de ser um bar com a pegada Rock’n Roll e músicos gabaritados se apresentam por lá. Os cliques são do fotógrafo Bruno Pinto, da página Na Night. Veja mais no Facebook/nanightoficial.

Bruno Pinto

Barzim Rua Dr. Pereira Cabral, 74, Centro. Itajubá

30



O

Projeto Airbus Flying Challenge irá trabalhar com alunos das escolas municipais estimulando os estudantes a explorar carreiras na indústria aeroespacial. A iniciativa é da Airbus Foundation, por meio da Helibras, e já beneficiou mais de 4,6 mil crianças e adolescentes nos cinco países em que já foi implementado. O Brasil é o primeiro da América Latina a receber o programa educacional. A Escola Municipal Professora Isaura Pereira dos Santos, em Itajubá, foi selecionada para o programa. A organização estudou as necessidades da instituição para definir os temas de tutoria, palestras comportamentais e aulas de reforço em matemática, e o apoio de psicólogos e fonoaudiólogos. O projeto Flying Challenge será realizado de agosto a dezembro, com mais de 60 crianças entre nove e onze anos, além de 25 voluntários da Airbus. No fim do programa, os alunos com o melhor desempenho serão premiados com uma viagem ao Rio de Janeiro (RJ) para uma sessão de treinamento no simulador do helicóptero H225M.

Sobre a Airbus Foundation

32

A Airbus Foundation inclui a Airbus, a Airbus Helicopters e a Airbus Defense and Space como membros fundadores e colaboradores. É a parte da empresa que canaliza programas de filantro-

pia corporativa, fornecendo recursos, serviços, habilidades, pessoal e conhecimento aeronáutico e espacial para impulsionar a inovação e enfrentar os problemas sociais. Apoia a comunidade humanitária global, inspira e prepara os jovens para os desafios do futuro. Desde o seu lançamento em maio de 2008, a Airbus Foundation forneceu mais de 60 vôos de ajuda para numerosos destinos ao redor do mundo. O Projeto Airbus Flying Challenge conta com a parceria da Prefeitura de Itajubá, da Policia Militar, da Defensoria Pública de Itajubá e do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD) de Itajubá. GdM

Sonhando alto

Pixabay

Virou Notícia



Gastronomia

B

34

ar e conveniência em um só lugar. Essa é a proposta da Officina, inaugurada em Itajubá há pouco tempo e que já está fazendo enorme sucesso. A Officina começou a ser idealizada em 2017, quando os sócios Henrique e Leandro Riolino, e Chrystiane Carvalho queriam abrir um empreendimento em Itajubá. “Estávamos falando de tudo que a cidade não tinha e depois de conversar com o Mateus Pellegrino sobre o projeto, ele falou sobre a ideia de uma conveniência bar, como viu no interior de São Paulo, onde as pessoas se serviam, pegavam suas bebidas e era um espaço aberto. Encontramos o ponto ideal para fazer o que pensamos e começamos a procurar parceiros e fornecedores para iniciar o trabalho”, conta Mateus. A Officina se propõe a ser um bar alternativo em Itajubá, pois a cidade já conta com vários bares e restaurantes tradicionais. Sendo assim, os quatro sócios idealizaram algo com uma proposta diferenciada: na conveniência bar as próprias pessoas se servem de cerveja, refrigerantes, snacks etc., sem a necessidade de um garçom, garantindo mais liberdade e autonomia ao cliente. Mateus explica que no começo gerou certa con-

Arquivo Pessoal

Officina: bar e conveniência em um só lugar

fusão entre os frequentadores, mas hoje os clientes entendem muito bem esse aspecto e gostam muito da liberdade. “A nossa proposta é fazer com que eles se sintam na própria casa. O modelo é baseado em uma relação de confiança mútua entre o bar e os clientes e todo funcionamento do estabelecimento é colaborativo”.

Comes e bebes São quatro ambientes para atender ao público: o salão principal onde está o caixa, bebidas geladas, banheiros e gondola; a área lateral que é aberta para fumantes; o Lounge Eisenbahn onde há TV, som ambiente, sofá e mesas altas; e a área do segundo balcão que também contém TV e um balcão com bebidas quentes e porções. Futuramente serão servidos drinks nesta área. Sobre petiscos, a Officina conta com queijos, salame, linguiça defumada, azeitona, palmito, amendoim e diversas opções de snack na gondola. Entre as bebidas, a casa conta com cervejas Heineken, Eisenbahn, Sol, Amstel, Original, Budweiser e Stella, algumas são long necks e outras são 600 ml. Há também diversas bebidas quentes, como vodca, cachaça, campari, whisky etc.),



além de refrigerantes, energéticos, sucos, cerveja sem álcool e água.

Rock’n Roll Para acompanhar o encontro da moçada - público predominante na Officina, o som ambiente é Rock’n Roll: Classic Rock, Hard Rock, Rock Nacional e o melhor do Rock do começo dos anos 2000. Outro diferencial da conveniência bar é a transmissão de jogos de futebol. Mateus lembra que Futebol sempre atrai pessoas, por isso na Officina o torcedor pode assistir aos jogos de Campeonato Regionais, Campeonato Nacionais, Campeonato Internacionais. Recentemente, os boleiros acompanharam a Copa de Futebol na Rússia 2018. “Além de futebol passamos toda os Playoffs da NBA, principais lutas do UFC, e vamos passar a maioria dos jogos da temporada da NFL (Futebol Americano)”, conclui. A Officina abre de terça-feira a domingo, a partir das 18 horas. Família Officina reunida Alguns detalhes dos ambientes da Officina que demonstram toda a criatividade e empenho dos sócios Na imagem abaixo e à esquerda, casa lotada nos dias dos jogos do Brasil na Copa do Mundo da Rússia: espaço é opção para assistir a campeonatos de futebol e lutas como UFC

36

Officina Rua Primo Capello, 49, Centro. Itajubá Tel.: 35 9 9232-8650 Facebook/officinaconveniencia



Sabor da Terra

Q

uem imaginou comer um brigadeiro sem culpa? A Delícias do Bem prepara um brigadeiro com uma receita super saudável e vegana! O doce é feito com biomassa de banana verde, um alimento rico em fibras e que pode ser consumido por pessoas intolerantes à lactose ou à proteína do leite. Confira a receita gentilmente cedida por Sara Di Lorenzo e Marcela Ayres!

Pixabay

Brigadeiro saudável? Ele existe, sim! Ingredientes

- 2 colheres de óleo de coco ou óleo vegetal de sua preferência; - 1/2 xícara de cacau em pó; - 1/4 xícara de açúcar orgânico; - 1 xícara de água; - 1 xícara de biomassa de banana fresca; - Granulado sem leite, da marca Dori

Modo de fazer Em uma panela, no fogo baixo, coloque a água, o óleo, o cacau em pó e o açúcar até formar um caldo homogêneo. Em seguida, acrescente a biomassa de banana e misture por alguns minutos, sem parar, até obter um creme denso. A nossa dica é: a massa tem que desgrudar do fundo da panela e ficar com a textura de brigadeiro tradicional. Espere esfriar e enrole ou coma de colher!

38

Delícias do Bem deliciasdobem.itajuba@gmail.com Tel.: 35 9 9138-0889



Micros e pequenas empresas voltam a contratar em Minas

E

40

m junho, as Micro e Pequenas Empresas (MPE) mineiras superaram a geração de empregos nas Médias e Grandes Empresas (MGE). Enquanto as MPE registraram o saldo de empregos de mais de 15 mil vagas, as MGE demitiram mais que contrataram e fecharam o mês no vermelho com o saldo de -2,9 mil vagas. É o que mostra o levantamento do Sebrae Minas, com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho (MTB), que considera o saldo de emprego como a diferença entre o número de demissões e contratações no período. Os pequenos negócios de Minas Gerais voltaram a liderar o ranking da geração de empregos. Assim como em maio, os pequenos negócios mineiros registraram, em junho, cerca de 15 mil vagas, o maior saldo de empregos do país. De acordo com o estudo, no período, as MPE mineiras registraram 99.729 admissões e 84.542 desligamentos. Somado aos outros cinco meses do ano, o estado já acumula um saldo positivo de mais de 66 mil vagas. “Já são, aproximadamente, 8 mil vagas a mais que no mesmo período de 2017”, explica a assistente do Sebrae Minas, Gabriela Martinez.

Pixabay

O Guia Informa

Novamente, o principal motivo foi o aumento das contratações no setor de Agropecuária e Extração Vegetal, que registrou o maior saldo do estado (16.388 empregos gerados pelas MPE). Sendo os trabalhadores da cultura do café (7.236 vagas), volante da agricultura (6.172 vagas) e agropecuário em geral (1.935 vagas), as três ocupações com melhor desempenho. O estado só não obteve um resultado melhor no período devido aos saldos negativos gerados pelas MPE dos setores de indústria de transformação (-2.074 vagas), comércio (-1.018 vagas) e extrativista mineral (-93 vagas).

6 mil empregos O Sul de Minas foi a regional que as MPE geraram mais contratações que demissões, apresentando um saldo de 6 mil empregos. A região do Triângulo e Alto Paranaíba também foi destaque, sendo responsável por mais de 3 mil. Já as cidades com melhores saldos de empregos gerados pelas MPE foram: Belo Horizonte (574 vagas), Ibiraci (528 vagas), Patrocínio (499 vagas), Campos Altos (494 vagas) e Rio Paranaíba (448 vagas). Fonte: Sebrae Minas