__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1


EDITORIAL

A responsabilidade da Influência

N

ão é uma tarefa fácil escolher os 100 Mais Influentes da Saúde. Durante esses três últimos anos que realizamos este especial, aprendemos que, cada vez mais, despontam no Brasil pessoas que fazem a diferença para toda a comunidade. É ai que está a grande responsabilidade dos nossos eleitos. Afinal, vocês – empresários, executivos, gestores, médicos, professores, políticos – são o exemplo de admiração e inspiração de um universo de profissionais. Além de influenciar, os nossos 100 Mais Influentes da Saúde são autores de importantes conquistas neste último ano. Eles lideraram grandes equipes, como também souberam motivá-las para chegar ao sucesso. Isso porque, como líderes que são, sabem que o maior valor de uma instituição são as Pessoas. A influência desses nomes não se limita à instituição que atuam. Eles desempenham um importante papel em todo o nosso setor, seja na gestão de um hospital, tornando-o exemplo de qualidade ou de tecnologia; ou os nossos executivos da indústria, que uniram esforços para colocar o Brasil na rota dos investimentos para a inovação. A nossa homenagem a esses grandes líderes também deseja ser um meio de inspiração. Tanto para que os nossos eleitos continuem nesta brilhante jornada, como também para tantos outros profissionais que lutam

8

HEALTHCARE Management 35

Edmilson Jr. Caparelli Publisher

para levar à população brasileira uma Saúde de qualidade. Nossa lista não tem o propósito, nem a pretensão, de estabelecer nenhum ranking. A escolha, realizada pelo Conselho Editorial, recaiu em pessoas que, pelo cargo que desempenham, por seu prestígio e ações estratégicas, vêm influenciando nos caminhos da Saúde no Brasil. E por falar em influência, acreditamos muito no poder da comunicação e de como o diálogo e a troca de experiências são construtivos. Acreditamos também que temos que renovar a cada momento, principalmente quando o assunto é gestão e negócios. Como confiamos em nosso conteúdo, não vamos parar. E por isso, a partir de Julho, o leitor terá a Healthcare Management (HCM) todos os meses. O assinante terá em mãos sua revista bimestral e, nos meses intercalados, também poderá desfrutar de uma revista exclusivamente digital. Porque a Saúde merece. Por fim, gostaria de agradecer o espaço e a atenção de todos da HOSPITALAR Feira+Fórum, principalmente a Dra. Waleska Santos, idealizadora deste que é o maior evento das Américas. É sempre uma honra para toda a nossa equipe vivenciar de perto esta semana da Saúde no Brasil. E também a todos os nossos parceiros e apoiadores que vêm, ano após ano, confiando em nosso trabalho.

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

9


NESTA EDIÇÃO

março - abril Código de Cores

62

Ética, confiança e transparência Fatores-chaves para o começo de uma parceria

A HealthCare Management organiza suas editorias pelo código de cores abaixo:

113

É preciso mudar para crescer Dossiê Caminhos para a Saúde

144

Virtualização O desafio de consolidar toda a infraestrutura de TI no Hospital Presbiteriano Dr. Gordon

152

Investimento contínuo e diário O planejamento e a atualização da infraestrutura de comunicação do HCor primando pela integração de todo o complexo

162

Investindo em valor A tecnológica gestão de saúde populacional feita no Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Líderes e Práticas Sustentabilidade Health-IT Mercado Gente e Gestão Ideias e Tendências Estratégia

24

Constante evolução Hospital Santa Catarina de Blumenau traz a tecnologia de ponta para a instituição com máxima segurança

30

Para o bem de todos Hospital e parceiros: uma relação de transparência e ética

38

Para cada problema, uma solução Ferramentas permitem uma gestão centralizada e dinâmica conforme exige o segmento da saúde

44

Conhecimento e controle Riscos do processo de obras podem ser reduzidos com boa gestão

48

Você está disposto a mudar? Especialistas apontam que o maior desafio no processo de acreditação é a mudança da cultura institucional

Articulistas:

28 Carlos Goulart | 34 Franco Pallamolla | 42 Guilherme Xavier | 52 Avi Zins 148 Sandra Franco | 160 Sandra Cristine da Silva | 166 Márcia Mariani 172 Evaristo Araújo | 178 Nubia Viana

| 186

Klaiton Simão


156

Busca do equilíbrio Gerenciamento das ações e uma boa gestão orçamentária do Instituto de Infectologia Emílio Ribas

168

Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma Hospital Moinhos de Vento traz soluções inteligentes para o meio ambiente e para o bolso

67

174

Crescimento sustentável Novo prédio do Hospital São Camilo Pompeia traz tecnologia, conforto e muita segurança para o paciente

182

Formando o time Os valores priorizados pelo Hospital São Vicente de Paulo para a terceirização de serviços

194

Papel é coisa do passado O antes e o depois da digitalização e integração de sistemas da Unimed Recife

20

saúde

10

pontuando a gestão

Marcio Coriolano, Presidente da FenaSaúde, fala sobre as perspectivas para 2015

190

100 Mais influentes

da saúde

72 Associação e Federação 74 Autoridade Pública 76 Consultoria 78 Empresário 80 Ensino e Pesquisa 82 Filantropia 84 Gestor na Saúde 86 Indústria 88 Infraestrutura e Engenharia 90 Medicina Diagnóstica 92 Negócios 94 Profissional da Saúde 96 Projetos de Humanização 98 Provedor de Serviços 100 Qualidade e Segurança 102 Referência 104 Saúde Suplementar 106 Suprimentos e Logística 108 Sustentabilidade 110 Tecnologia

Perfil

Luiz Tizatto, CEO da Unit Care, fala sobre mHealth e o investimento em Tecnologia

198 PONTO FINAL Mais um ano, mais casos de Dengue Cerca de 740 mil casos já foram registrados em todo o país


DIAS alta complexidade

Hospital Moriah é inaugurado em São Paulo

C

om um valor de investimento de aproximadamente R$ 105 milhões, a Life Empresarial Saúde inaugurou oficialmente, em abril, o Hospital Moriah. A instituição se localiza em Moema, bairro da zona sul de São Paulo, onde era a antiga sede da Rede Record. A operadora e o hospital pertencem ao grupo de empresas da Igreja Universal, do bispo Edir Macedo. O hospital conta com cinco salas cirúrgicas, sendo uma delas híbrida; 52 leitos; 11 de UTI e 10 no pronto atendimento. Há também seis salas para consulta eletiva. A estimativa é que sejam realizados cinco mil atendimentos e 450 cirurgias por mês a partir de quando o hospital atingir 100% de sua operação. O hospital tem foco em alta complexidade, principalmente em procedimentos cirúrgicos e nas áreas de cardiologia, ortopedia e neurologia.

Fotos: Divulgação

ESTRATÉGIA

Roche investirá R$ 300 mi em fábrica no Brasil

N

os próximos cinco anos, a Roche realizará um investimento de R$ 300 milhões em unidade localizada em Jacarepaguá (RJ). O objetivo é modernizar e adaptar as instalações da fábrica para torná-la um centro de distribuição exportador dos produtos da marca para toda a América Latina. Há também a possibilidade do centro se tornar um polo exportador para outras regiões do mundo, colocando o Brasil em uma posição ainda mais estratégica para a companhia suíça. Atualmente, a fábrica exporta cerca de 30% da produção para 23 países, o que corresponde a 16 milhões de unidades de medicamento. A empresa também vem investindo globalmente em sua área de P&D, com mais de 9 bilhões de francos suíços apenas em 2014, o que representa 20% de seu faturamento.

DIREÇÃO

Abramge sob nova presidência

C

yro de Britto Filho é o mais novo presidente da Abramge - Associação Brasileira de Medicina de Grupo. O cargo era ocupado por Arlindo de Almeida, que conduziu a Abramge por mais de 26 anos e continua ligado à entidade como presidente do Conselho Gestor do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog. Com longa trajetória na defesa dos interesses das operadoras de planos de saúde associadas, Britto Filho foi presidente da Abramge-SP, de 2008 a 2011, e ocupava a presidência do Sinamge – Sindicato Nacional das Empresas de Medicina de Grupo. “Pretendo atuar no fortalecimento das operadoras de planos de saúde visando um sistema de saúde suplementar com equilíbrio econômico, qualidade no atendimento e acesso ao consumidor brasileiro”, afirma.


Brasil CRESCIMENTO

D

e acordo com os dados do IMS Health compilados pela Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), as vendas de medicamentos no varejo farmacêutico no Brasil superaram as expectativas ao longo do primeiro trimestre de 2015. Registrou-se um crescimento de 12%, na comparação anual, para R$ 10,7 bilhões. No mesmo período de 2014, o crescimento havia sido de 14%, com faturamento de R$ 9,6 bilhões. Os números agradaram a indústria, que já esperava uma redução no ritmo de expansão devido ao conturbado cenário econômico. Segundo o IMS Health, os medicamentos similares representaram 48% do faturamento das farmácias brasileiras em 12 meses até março. Já os remédios de marca responderam por 39% das vendas e os genéricos, 13%.

AMPLIAÇÃO

Anahp com dois novos associados

A

Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) conta com dois novos membros em seu quadro de associados: o Hospital São Vicente de Paulo, do Rio de Janeiro (RJ), na categoria Associado Titular; e o Hospital Novo Atibaia, de Atibaia (SP), na categoria Associado. Com essas novas admissões, a Anahp cumpre com um de seus marcos estratégicos para o triênio e passa a representar 71 hospitais de todas as regiões brasileiras. “É com muito prazer que recebemos estas duas importantes instituições hospitalares. Este momento marca, de forma efetiva, a posição e a importância da Anahp em prol do fortalecimento e da sustentabilidade do segmento de saúde”, afirma Francisco Balestrin, Presidente do Conselho de Administração da Anahp.

INVESTIMENTO

Rede D’Or recebe R$ 1,7 bi do Carlyle Group

A

Rede D’Or São Luiz anunciou a captação de investimento do grupo americano Carlyle Group, gestor global de fundos alternativos. O negócio é de R$ 1,7 bi. Com isso, o fundo deterá 8% das ações da rede. O recurso será destinado para a construção de novos hospitais, ampliação de instalações e financiamento de aquisições. O controle da companhia continuará nas mãos da família Moll, fundadora da rede. O BTG Pactual mantém sua fatia de um quarto do grupo. A estimativa é que a transação seja concluída em junho. A Rede D’Or foi criada em 1977 no Rio de Janeiro. Em 2010, o grupo comprou a rede São Luiz, de São Paulo. Hoje, o grupo totaliza 4.500 leitos em 27 hospitais próprios e dois administrados, contando ainda com 30 clínicas de oncologia, mantendo presença em Rio, São Paulo, Brasília e Pernambuco.

Fotos: Divulgação

Venda de medicamento supera expectativas no primeiro trimestre


DIAS Investimento

Siemens investe em um dos maiores projetos de hospitais na Turquia

A

PARCERIAS

Philips e Mount Sinai juntos em pesquisa clínica

A

Philips, em parceria com o sistema de saúde americano Mount Sinai, anunciou o desenvolvimento conjunto de um sistema de armazenamento de imagens digitais de última geração. A partir de amostras de tecidos de pacientes e análises de dados será possível o acesso a informações sobre diferentes patologias. Será criado um local de armazenamento de imagens digitais abrangente, contendo varreduras de todos esses tecidos. O trabalho permitirá o desenvolvimento de análise preditiva e, assim, personalizar o cuidado ao paciente. Além disso, o acordo tem a finalidade de promover avanços em pesquisa clínica e possibilitar melhores tratamentos para doenças complexas, incluindo o câncer, por meio do compartilhamento de dados com pesquisadores.

AQUISIÇÃO

Horizon Pharma adquire farmacêutica por US$ 1,1 bilhão

A

farmacêutica Horizon Pharma anunciou a aquisição da norte-americana Hyperion Therapeutics por US$ 1,1 bilhão. A farmacêutica, com sede na Irlanda, ofereceu US$ 46 por ação, um aumento de 7,6% em relação ao valor de fechamento das ações da Hyperion. O acordo contribuirá com US$ 100 milhões ao Ebitda da Horizon já em 2016, sendo US$ 50 milhões em cortes de custos. Dois tratamentos para condições raras serão incluídos ao portfólio da Horizon: os medicamentos Ravicti e Buphenyl, produtos que geraram US$ 144,4 milhões em vendas no ano passado. Segundo o Presidente da Horizon, Timothy P. Walbert, o negócio também ampliará a infraestrutura para doenças conhecidas como “órfãs”, ou seja, condições raras nas quais as companhias farmacêuticas não costumam investir.

Fotos: Divulgação

Siemens Financial Services anunciou a extensão de um empréstimo de € 890 milhões para o Campus de Saúde Integrada de Bilkent, na Turquia. O consórcio, liderado pela Siemens, conta com outros bancos para a concretização do financiamento, além da contribuição de capital próprio oferecida pelo investidor DİA Holding, que completará o montante total para o projeto. O campus de Bilkent irá oferecer 3.804 leitos de internação e uma unidade de reabilitação contendo mais 400 leitos, bem como um novo edifício de escritórios no local para o governo. Bilkent é um dos primeiros financiamentos PPP na área da saúde na Turquia e o maior investimento financeiro da Siemens neste setor naquele país.


Mundo INTEGRAÇÃO

EUA investe em projetos de interoperabilidade

O

Fotos: Divulgação

Departamento de Saúde americano anunciou o investimento de US$ 1 milhão para projetos da Comunidade de Interoperabilidade de Informações de Saúde, (Community Interoperability Health Information Exchange-HIE). O financiamento irá apoiar projetos que contribuem para o melhor fluxo das informações de saúde. Serão dez organizações comunitárias, agências governamentais - estaduais e locais - contempladas. Assim, será possível desbloquear algumas informações e obter uma maior integração, avançando no melhor atendimento. Segundo a Coordenadora Nacional de Tecnologia na Saúde, Karen B. DeSalvo, a integração das informações é um passo fundamental para o avanço no sistema de saúde.

COMPORTAMENTO

Tecnologia no combate ao vício

P

esquisadores da Universidade de California (UCLA) estão estudando como as ferramentas de mHealth podem combater vícios. O primeiro passo é testar a eficácia da tecnologia em pessoas com distúrbios comportamentais. Ardeshir Rahman, um dos pesquisadores do projeto, denomina o projeto de “Terapia 2.0” e considera algumas vantagens em usar o app desenvolvido. Para o paciente, a ferramenta proporciona informações sobre o tratamento e técnicas para lidar com os impulsos. Já os médicos recebem, em tempo real, os momentos que os pacientes acreditam estar perto de uma recaída. Com isso, é possível entender melhor a saúde comportamental e ter informações concretas utilizadas nas sessões de terapia. Os primeiros vícios analisados serão aqueles relacionados aos jogos de azar, fumo e álcool.

ESTUDO

Em 2014, cerca de US$ 100 bilhões foram gastos em medicamentos para o câncer

S

egundo a IMS Health, o mundo gastou, em 2014, cerca de US$ 100 bilhões em medicamentos para o câncer, um aumento de 10,3% comparado a 2013. Neste montante incluem-se também as drogas que amenizam alguns sintomas da doença, como náusea e anemia. Para 2018, a expectativa é que este valor chegue a US$ 147 bilhões. As ondas de medicamentos similares, como aqueles para o sistema imunológico para o combate da doença, desenvolvidos pelas farmacêuticas Bristol-Myers Squibb, Merck, Roche, AstraZeneca, entre outras, criarão um mercado altamente competitivo que, segundo a pesquisa, poderá contribuir para a moderação dos custos. Os Estados Unidos são os responsáveis por 42,2% deste montante, seguido pela Alemanha, França, Grã-Bretanha, Espanha e Itália.


Confira mais vídeos no Saúde Online TV http://goo.gl/j3zuWh

Sírio-Libanês inaugura novas torres O Hospital Sírio-Libanês inaugurou as novas torres do complexo localizado no bairro da Bela Vista, em São Paulo. Além de duplicar a capacidade de atendimento e a estrutura física da instituição, o evento é um marco importante dentro do projeto de expansão e modernização do hospital. A construção das novas torres iniciou em 2009, com investimento de R$ 1,4 bilhão, e segue importantes diretrizes de sustentabilidade. Durante a cerimônia de inauguração, o Saúde Online conversou com o Superintende-corporativo do hospital, Gonzalo Vecina Neto; e com Antônio Carlos Cascão, Superintendente de Engenharia e Obras, sobre as novas torres. As entrevistas você assiste no portal.

Confira o vídeo: http://goo.gl/Ut2sqZ

Agfa Healthcare é destaque na Health-IT A 3ª edição da revista Health-IT traz como matéria de capa a história da Agfa Healthcare, que tem como estratégia geral trazer para o Brasil todas as experiências desenvolvidas na Europa, no quesito de soluções para os processos assistenciais. A ideia, segundo José Laska, é focar cada vez mais em Soluções de Gestão Clínica e Hospitalar (CIS/HIS). Além disso, o leitor confere uma entrevista com Adriano Fonseca de Oliveira, da Rede D’OR São Luiz, que se empenhou para que a área de Tecnologia da Informação do grupo ficasse mais focada em uma base sólida e sustentável para suportar a demanda de negócio.

Foto: Divulgação

Hereditariedade, sustentabilidade e novidades É assim que a 15ª edição da revista HealthARQ se apresenta. A publicação traz uma matéria sobre a vocação para a profissão de arquitetura e como os filhos de renomados profissionais do setor têm seguido os passos de seus pais. A sustentabilidade também é assunto de destaque da edição. Com o número de projetos hospitalares inscritos para conquistar a certificação LEED crescendo no País, a GBC Brasil fala sobre os critérios de avaliação que levam a conquista do “selo verde”, a importância da aplicação das medidas de sustentabilidade e a inclusão do LEED Healthcare em suas certificações. Além disso, a revista apresenta cases de sucesso em arquitetura, construção e engenharia para saúde e uma nova editoria: Perfil, que apresenta a trajetória de um profissional de renome.

Siga, curta e comente

www.facebook.com/SaudeOnlineBR

@SaudeOnlineBR

instagran.com/saude_online


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

17


Palavra da editora

Carla de Paula Pinto, Editora da Revista HealthCare Management

Trabalho e Sucesso

“O

único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário”. Realmente, isso não poderia ser diferente. Não há como contar com a sorte em todos os momentos da vida, e o trabalho é a matéria-prima para a construção de uma admirável carreira. Essa mensagem espelha muito bem o propósito dos “100 Mais Influentes da Saúde”, que entra para a sua terceira edição consecutiva. Afinal, se hoje esses líderes são respeitados pelo setor, é porque uma trajetória de muito trabalho e dedicação foi construída. Após ouvir toda a comunidade e também realizar pesquisas de mercado, nosso Conselho Editorial elegeu esses importantes nomes. São gestores, professores, políticos, pesquisadores, médicos que vêm explorando diversos caminhos profissionais, mas com um único objetivo: inovar a Saúde do país. Não temos a intenção de trazer números que justifiquem a nossa escolha, mas

18

HEALTHCARE Management 35

temos o objetivo principal de, com esta iniciativa, homenagear aqueles que tanto nos inspiraram neste último ano. Também buscamos contemplar diversas áreas da Saúde. Por isso, o leitor poderá conferir em uma mesma categoria um renomado arquiteto, que contribuiu com projetos prezando pela sustentabilidade da edificação; como também um gestor, que investiu ações estratégicas para intensificar, ainda mais, a conscientização ambiental em toda a instituição. Além deste grande especial, o leitor confere nas próximas páginas uma entrevista exclusiva com Marcio Serôa de Araujo Coriolano, Presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), e também reportagens de diversos cases de sucesso, como a sustentabilidade, no Hospital Moinhos de Vento; a tecnológica gestão de saúde populacional feita no Hospital Alemão Oswaldo Cruz; e o processo de digitalização e integração de sistemas da Unimed Recife.

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

19


saúde

10

pontuando a gestão

Saúde Suplementar “Um setor vigoroso e essencial que, não por acaso, está no centro das discussões nacionais”

A

Saúde Suplementar é um dos setores que mais se destacam na economia. Os números comprovam tamanha importância. Por ano, são gerados cerca de R$ 100 bilhões em pagamentos de internações clínicas e cirúrgicas, terapias de toda ordem, exames e consultas médicas. Mais de 25% da população brasileira são usuários de planos médicos privados, e mais de 10% são beneficiários de planos exclusivamente odontológicos. Além disso, 90% do atendimento dos hospitais brasileiros são feitos por meio de planos de saúde. Para falar um pouco mais sobre este assunto, Marcio Serôa de Araujo Coriolano, Presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), explica à Healthcare Management (HCM) quais são os maiores gargalos que emperram a sustentabilidade do setor e o que podemos esperar para 2015.

20

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Leia:

entrevista completa http://goo.gl/W4HTHr

1

3

Como está o atual quadro da Saúde Suplementar no Brasil? O segmento passa por um momento de prova. Os custos médicos sobem muito acima da capacidade de pagamento de empresas e famílias. Isso requer a superação urgente de desafios que se acumularam nos últimos 16 anos, desde que foi promulgada a lei que regulamentou os planos e seguros de saúde. Passado esse período e diante das mudanças da economia brasileira e da crescente adesão ao sistema privado, há necessidade de ajustes por parte de todos os agentes envolvidos na cadeia produtiva da saúde. Todos os agentes do setor precisam dobrar a curva de custo para baixo. Não há outro caminho a seguir senão rever o marco regulatório que contribui para o aumento dos custos médicos. Essa importante transição, representada por custos insustentáveis, deve ser conduzida com a liderança da esfera governamental e ter o propósito de transformar um setor fragmentado por diferentes interesses em outro mais solidário em torno de ações que assegurem a saúde financeira das operadoras e a continuidade do atendimento aos beneficiários. O setor privado tem propostas e quer interagir com o público para o bem comum.

2

E de onde vêm os maiores gastos? Eles vêm, principalmente, da incorporação de novas tecnologias, em muitos casos, de forma acrítica e sem avaliação de seu custo-efetividade; do aumento da frequência de uso dos recursos de saúde; de novas coberturas adicionadas ao Rol de Procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS); e também dos gastos com OPME (Órteses, Próteses e Materiais Especiais). A escalada dos preços de medicamentos e materiais médicos também impacta sobremaneira as despesas com saúde. Some-se a esses fatores a crescente judicialização, que, pela concessão extra-contratos de coberturas, beneficia poucos e não o conjunto. São razões suficientes para que os governantes passem a patrocinar ativamente a coordenação dos agentes da cadeia produtiva da saúde em corajosa revisão do marco regulatório, mirando no longo prazo.

4

Como podemos incluir a sustentabilidade nesta agenda? As mudanças não podem ser propostas, tampouco implementadas isoladamente. A cadeia de valor da saúde é longa e complexa. Começa com a pesquisa e produção de insumos, passa pela sua distribuição e atenção à saúde por parte de milhares de prestadores de serviços, é viabilizada pelo financiamento e gestão do cuidado por parte das operadoras privadas, e, ao final, atende aos mais de 70 milhões de brasileiros beneficiários. De 2007 a 2013, as receitas do setor cresceram 108,3%. Já as despesas assistenciais, no mesmo período, subiram 109,8%.

Qual é o papel do médico neste contexto? Eles precisam refletir sobre os impactos econômicos de suas decisões nos sistemas de saúde. Isso inclui a necessidade de prescrição de tratamentos e materiais com preços mais acessíveis, que produzam os mesmos resultados clínicos. Temos que incorporar a cultura do combate ao desperdício. A classe médica também deve ser fiscalizadora de eventuais desvios cometidos. Citemos, por exemplo, os casos que envolvem fraudes com OPME, que precisam ser enfrentados o mais rapidamente possível, consequentemente, tornando mais transparente o mercado distribuidor destes materiais, em sua política de custos e ganhos. São posturas fundamentais à sustentabilidade do sistema, desafio que requer o empenho de todos. Há também o paradigma da remuneração do cuidado médico, que deve mudar. Temos que transpor o pagamento pelas quanti-

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

21


saúde

10

pontuando a gestão

dades de procedimentos para um modelo que prestigie a solução efetiva da saúde dos cidadãos.

5

Como é a atuação da ANS diante desses grandes desafios? A Agência tem feito uma atuação positiva para as operadoras de planos de saúde, porque torna o mercado mais homogêneo e consistente em termos de qualidade na prestação de serviços. Mas a ANS precisa voltar suas atenções também para outros aspectos e olhar o todo. Entre os pontos críticos, cito a incorporação, sem visão de longo prazo, da inovação da tecnologia médica, que ingressa no mercado sem qualquer disciplina racional; a ampliação indiscriminada das “coberturas” aos contratos; a modalidade de remuneração do ato médico com base na quantidade de procedimentos realizados; a valoração dos serviços de saúde ancorada na margem de lucro sobre preços de materiais e medicamentos utilizados. Atuar para equacionar essas questões é o grande desafio da Agência.

6

7

Muito se fala sobre o reajuste dos planos de saúde, que muitas vezes vai além da capacidade de pagamento da população. Em contrapartida, temos o aumento do custo médico-hospitalar. Como é possível equilibrar esta balança? Autorizadas pela ANS, as operadoras promovem ajustes anuais nas mensalidades dos planos para recompor o poder de compra dos contratos, ou seja, para repor as perdas inflacionárias. Se há perda do poder de compra, este precisa ser corrigido, trata-se de um mecanismo simples da economia. Mas,

22

HEALTHCARE Management 35

não obstante, a pressão dos custos sobre as mensalidades dos planos é muito superior à inflação geral de preços e sofre, diretamente, o impacto do aumento da frequência de uso da assistência médica e de uma acelerada incorporação de novas tecnologias ao longo da cadeia produtiva da saúde. É preciso ajustar o custo da Medicina à capacidade de pagamento da população brasileira que, premiada com a conquista da longevidade, usará por mais tempo os serviços de saúde. Os preços, no entanto, precisam ser suportáveis pela sociedade.

Como podemos equilibrar os sistemas de saúde público e privado? O SUS foi concebido para fornecer infraestrutura de saúde pública universal, atendendo aos mais de 200 milhões de brasileiros. É obrigação do poder público oferecer atendimento para todos, beneficiários ou não de planos de saúde. Já seguros e planos de saúde, que hoje atendem a mais de 70 milhões de brasileiros com planos médicos e odontológicos, foram idealizados para oferecer assistência de forma suplementar, sem que o cidadão tenha perda de direitos em relação à assistência pública. Logo, cada pessoa que recorre ao plano de saúde e deixa de utilizar os serviços do SUS desonera o sistema público. Mas houve uma inversão dessa lógica. Diante da precarização dos serviços públicos, houve um aumento expressivo da procura por serviços privados que hoje supera muito a capacidade instalada desenhada para outro volume de demanda. Essa equação não é simples. Solucioná-la requer ambiente favorável aos investimentos em hospitais, laboratórios, redes e novos produtos. Além do incentivo governamental para que tudo isso se materialize.

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


8

Estamos diante de tendências como o envelhecimento da população e doenças crônicas. Estamos preparados para enfrentar estes desafios? Esta é uma das pautas mais importantes das associadas à FenaSaúde, por serem as operadoras as organizadoras deste sistema. Mas não existe fórmula mágica, tampouco forças que, isoladamente, sejam capazes de produzir transformações. O envelhecimento da população vem se acelerando e impactará as despesas com saúde, uma vez que as doenças crônicas prevalecerão, demandando mais assistência médica, que se torna cada vez mais cara. Brasileiros permanecerão mais tempo na ativa e estenderão o uso dos serviços de saúde. Desta forma, as políticas de financiamento do sistema privado de saúde também precisam acompanhar as mudanças. Em alguns momentos, deve-se recorrer ao exemplo da economia doméstica, que traz muitas lições: gasta mais do que ganha? Logo, a conta não fecha.

9

corrência. Além disso, retroalimenta a inflação setorial e a variação de custos médico-hospitalares, que já tem crescido acima dos índices de inflação geral da economia.

10

Qual a sua opinião sobre a Lei nº. 13.003, que obriga a existência de contratos escritos entre operadoras de planos de saúde e seus prestadores de serviço? Lamentamos que a Lei nº. 13.003, de 2014, preveja interferência da ANS nesta negociação. A razão é simples e permanece: em cenários de escalada dos custos assistenciais, como o que testemunhamos hoje, a livre iniciativa e a liberdade de contratação são base para o estímulo à concorrência, consequentemente, a proteção do próprio consumidor. No caso da fixação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) como indicador para reajustes entre operadoras e prestadores de serviços, acreditamos que esta indexação desestimula os prestadores a negociar, sendo prejudicial à própria con-

O que a Saúde Suplementar pode esperar em 2015? Houve uma desaceleração na aquisição de planos e seguros de saúde nos últimos três anos. De 2012 a 2013, o aumento foi de 3,7%, enquanto de 2013 a 2014, recuou para 2,5%. Embora o setor ainda seja privilegiado, a previsão é uma taxa de crescimento de 2% para 2015, ano em que se espera um PIB negativo. Há também muita especulação negativa. Contudo o setor é vigoroso e essencial, não por acaso está no centro das discussões nacionais. O momento é de ações propositivas, não de perder tempo com prognósticos pessimistas. E as operadoras de saúde vêm liderando o debate em prol da reforma regulatória e de ajustes que mirem na sustentabilidade do sistema. Sobre os desafios em 2015, apesar de os representantes do setor mostrarem empenho propositivo e abertura de diálogo, há que se promover maior integração entre participantes da cadeia de valor da saúde: entes privados, órgão regulador e Governo. É preciso consenso mínimo em torno da revisão regulatória e da construção de propostas que contribuam, equilibradamente, para a eficiência dos serviços privados e públicos de assistência à saúde. Incentivo a livre concorrência, políticas de transparência e foco no consumidor – a única fonte de recursos dos planos de saúde pelo pagamento corrente das mensalidades – são mensagens-guia neste momento, de forma que também sejam preservados os investidores e empresários que tanto contribuem para a economia do país. H

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

23


Health-IT

Constante evolução Hospital Santa Catarina de Blumenau traz a tecnologia de ponta para a instituição com máxima segurança

D

De nada adianta a informatização dos processos sem a devida privacidade e integridade dos dados. Em saúde, essa necessidade é ainda mais evidente, já que a instituição é responsável pela guarda e sigilo do prontuário de pacientes. Apenas uma infraestrutura de TI adequada permite atender os requisitos de segurança exigidos pela criticidade

24

HEALTHCARE Management 35

do serviço. Com essa premissa e para acompanhar as evoluções tecnológicas, o Plano Diretor de Informática do Hospital Santa Catarina de Blumenau permi-

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

te a inovação da instituição a cada triênio. “Para manter a estrutura são investidos mais de R$ 1,4 milhão, o que contempla os contratos de manutenção e su-


porte, infraestrutura local e demais serviços de apoio”, explica Melissa de Souza, Supervisora de TI do hospital. O hospital conta com o armazenamento de dados local, com tecnologia RAID 5. Para garantir o nível de segurança necessário, é realizado backup diário dos dados em fita, as quais são validadas para garantir a integridade das informações. Melissa ressalta a importância da monitoração e validação constante dos backups para que, em caso de perda ou falha de dados, seja possível resgatar as informações previamente replicadas em fita. Toda essa gestão de segurança não é por acaso. Afinal, trata-se de um hospital que realiza 4.000 atendimentos no pronto atendimento e cerca de 850 internações. Toda essa estrutura, dado seu nível de complexidade e importância, deve estar em alta disponibilidade. “Contamos com a parceria da Teiko há mais de 10 anos. O ambiente é monitorado continuamente e qualquer alteração não prevista é comunicada. Mensalmente, o crescimento, a performance e a estabilidade do serviço é criticado, sendo executadas ações, caso necessário. Também contamos com todo o auxílio em projetos, havendo a participação efetiva do fornecedor na definição das melhores soluções em banco de dados para a instituição”, ressalta. Além de todo suporte ao banco de dados e infraestrutura de TI do hospital, a Teiko atua também como um

O melhor indicador que uma empresa de TI pode apresentar para o cliente é a disponibilidade da informação e dos serviços que suportam. Esse é o nosso trabalho, nossa expertise, nossa missão: prover segurança e tranquilidade para toda gestão do hospital.

Jean Jader Martins, Gerente Comercial & Marketing da Teiko

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

25


Health-IT

consultor, ajudando na escolha das soluções para as diversas situações diárias da tecnologia. “Atuamos com um amplo portfólio de produtos e serviços voltados para banco de dados, infraestrutura e com a parceria da Oracle, que, atualmente, a Teiko é membro Platinum Worldwide”, explica Jean Jader Martins, Gerente Comercial & Marketing da Teiko. Ainda de acordo com Martins, a qualidade do time técnico, da arquitetura de projetos

e da equipe comercial possibilita compor as melhores soluções, garantindo a disponibilidade full time da operação no hospital. Atualmente, a instituição está em processo de elaboração para um projeto de alta disponibilidade, no qual estão sendo buscadas, além de um ambiente de

recuperação de desastres, soluções de appliances e virtualização de servidores. “A solução de armazenamento em nuvem está sendo considerada e o investimento em soluções wireless para dispositivos móveis se faz, cada vez mais, necessário”, explica Melissa. H

O crescimento das demandas de TI é evidente. A evolução dos sistemas de informação é necessária e ocorre de forma acelerada, exigindo um nível de serviço cada vez maior. Para manter a estabilidade das aplicações é importante trabalhar com profissionais capacitados, que entendam do negócio e da instituição em que atuam.

26

Melissa de Souza, Supervisora de TI do Hospital Santa Catarina de Blumenau

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

27


Artigo Carlos

Goulart

Um Pacto pela Sustentabilidade da Saúde

T

em sido cada vez mais recorrente a preocupação dos vários elos da cadeia de Saúde, - como operadores, financiadores, prestadores, indústria e até mesmo os próprios segurados, - com o futuro do financiamento da Saúde. Existe, no mundo todo, uma tendência natural ao aumento dos custos, provocada pela maior procura por curas e melhor qualidade de vida, pelo aumento da longevidade, que leva à prevalência de doenças crônicas não transmissíveis, mais caras e complexas, e ainda pelo maior grau de informação e conhecimento da sociedade. Um dos grandes nós deste contexto é o modelo de remuneração atualmente vigente no país, classificado por várias autoridades do setor como exaurido e insustentável. Entre as distorções está o desbalanceamento da remuneração que, muitas vezes, privilegia os materiais em detrimento dos serviços e dos profissionais da Saúde. Quando se discute o financiamento da Saúde deve-se levar em conta particularidades específicas do Brasil, como os elevados custos financeiros e a questão geográfica, que também encarece os produtos. As enormes distâncias reque-

28

HEALTHCARE Management 35

Carlos Goulart Presidente-executivo da ABIMED –Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde.

rem soluções complexas de logística de distribuição, principalmente em locais nos quais a infraestrutura é deficiente. Outro ponto importante é a existência de vários modelos de comercialização dos produtos, como consignação e até a inclusão, ou não, no preço do produto, dos serviços de apoio técnico ao paciente e ao profissional. A tecnologia e as rápidas inovações no setor de produtos para a saúde são parte importantíssima e desempenham papel primordial nesta cadeia. Vale lembrar que estamos nos referindo a um universo que abrange mais de 10 mil categorias de produtos e cerca de 1,5 milhão de itens distintos segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), com uma característica especial: um curto ciclo de vida. Os avanços tecnológicos contribuem decisivamente tanto para a atenção ao paciente – com tratamentos menos invasivos, redução da mortalidade, prevenção de doenças e aumento da qualidade de vida, entre outros fatores – quanto para a economia do sistema de Saúde em médio e longo prazos. Nesse contexto, a adequada remuneração às tecnologias médicas é fundamental para o

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


estímulo à inovação. Cientes da importância do papel da tecnologia, as empresas voltam suas pesquisas e desenvolvimento levando em conta também parâmetros como eficiência e customização, visando uma melhor relação entre custo e benefício. Fundamental ainda para o equilíbrio do sistema como um todo é o uso racional e responsável da tecnologia. Uma maior agilidade na sua incorporação, tanto no sistema público quanto no privado, também contribuirá para a redução de distorções como o uso excessivo da judicialização, que tem sido um enorme peso para a sustentabilidade do sistema. Todos estes fatores estimularam a

Abimed a lançar, no final do ano passado, um Pacto pela Sustentabilidade da Saúde. Nesta etapa, a entidade está se aproximando de todos os elos da cadeia para discutir a questão e traçar estratégias para contribuir com as políticas de Saúde do país. Vale sempre relembrar e enfatizar que a questão ética deve permear esta discussão, pois sem ética não haverá a desejada sustentabilidade do setor. Os desvios éticos devem ser tratados nas esferas adequadas, a judicial e a criminal, e não devem ser usados para restringir este amplo e necessário debate sobre sustentabilidade a uma mera questão de controle de preços. H


Líderes e Práticas

Para o bem de todos Hospital e parceiros: uma relação de transparência e ética

A

As interferências que a Saúde sofre do mercado exige a busca por alternativas na gestão, e uma delas é a antiga estratégia da terceirização. Este elemento deve ser pensado como uma ferramenta facilitadora no dia a dia do hospital, que pode ser ou não serviços hospitalares. No caso do Hospital Ifor, a gestão op-

30

HEALTHCARE Management 35

tou por recorrer aos serviços de apoio que não estão voltados no core business da instituição, como a limpeza, laboratório e lavanderia. “Todo serviço

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

que não está diretamente voltado ao cuidado do paciente vale terceirizar. Com isso é possível a dedicação integral à nossa missão”, explica José


Jair James de Arruda Pinto, Diretor da Regional São Paulo da Rede D’Or São Luiz. Partindo dessa primeira análise macro, o hospital avalia se é interessante naquele momento terceirizar determinada área, ou seja, o que trará de positivo para os processos e para o serviço oferecido. Quando identificado um serviço passível de ser terceirizado, realiza-se, então, o mapeamento da atividade com a determinação de requisitos de qualidade e avaliação, que servirá de escopo para elaboração de cotações e comparações de custo. Ainda de acordo com Arruda Pinto, os principais fatores analisados ao firmar uma parceria com a empresa são conhecimento técnico, idoneidade, qualidade do serviço prestado e experiência de mercado. “É fundamental manter com o parceiro a transparência e a ética na relação, para que juntos

A empresa nasceu há 17 anos e começou com os sócios Renato De Luca Filho e José de Alencar realizando uma assessoria completa no segmento de limpeza. “Detectamos as necessidades dos clientes, oferecemos as soluções integradas (máquinas, acessórios e produtos químicos), aplicamos o treinamento para as equipes, acompanhando tais implementações”, explicam.

seja oferecido um serviço de qualidade e coerente com os pilares e valores da instituição. A boa relação com o parceiro agrega qualidade no serviço prestado ao paciente de uma maneira geral.” Um dos parceiros de longa data do Hospital Ifor é a De Luca Serviços, que atua na instituição há mais de dez anos sendo responsável pela higienização e controle de acesso na instituição.

Todo serviço que não está diretamente voltado ao cuidado do paciente vale terceirizar. Com isso é possível a dedicação integral à nossa missão.

José Jair James de Arruda Pinto, Diretor da Regional São Paulo da Rede D’Or São Luiz

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

31


Líderes e Práticas

A empresa também oferece a mesa de operação (suporte interno) que atende 24 horas por dia, todos os dias da semana, dando suporte aos clientes, colaboradores e supervisão. “Contamos com a colaboração da enfermeira Denise Nitzke, especializada em higienização, responsável pela capacitação da equipe e gestão da qualidade nos contratos de saúde”, ressalta De Luca Filho. A segurança e qualidade dos serviços prestados apoiam-se em profissionais constantemente treinados e com uma supervisão atuante, garantindo, assim, que os processos sejam bem realizados conforme foi planejado. “Implementamos nos contratos da saúde uma avaliação de eficácia dos treinamentos, de forma que seja possível medir o nível de aderência da equipe. Além disso, mantemos um programa de manutenção preventiva e corretiva nas máquinas, equipamentos e dosadores”, afirma Alencar. A tecnologia também é uma grande aliada na produtividade nos serviços de limpeza, auxiliando também na preservação do meio ambiente e na prevenção de doenças laborais. “O trabalho é feito com produtos biodegradáveis, com registro na Anvisa, de empresas que tenham processos produtivos com controle de qualidade e que respeitem as normas ambientais. Atualmente, não há como pensar em negócios sem considerar questões de impactos ambientais”, explicam os sócios. H

O trabalho é feito com produtos biodegradáveis, com registro na Anvisa, de empresas que tenham processos produtivos com controle de qualidade e que respeitem as normas ambientais. Atualmente, não há como pensar em negócios sem considerar questões de impactos ambientais. Renato de Luca Filho e José de Alencar, Sócios da De Luca Serviços

32

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

33


Artigo | Franco

Pallamolla

Setor odontológico: um mercado promissor

H

á cerca de 10 anos, a escassez de serviços odontológicos no país era reconhecidamente grande, fato comprovado pelos números do Ministério da Saúde que mostravam 20% dos brasileiros sem acesso aos serviços básicos e um quinto da população completamente desdentada. Lançado em março de 2004, o Programa Brasil Sorridente vem beneficiando não somente a população, mas também a indústria, através das crescentes oportunidades de compras governamentais. A qualidade do nosso parque fabril odontológico contribui para essa conquista, fazendo com que o setor seja motivo de orgulho para nós da Abimo. Essa crescente relevância da odontologia no cenário nacional se reflete nas ações da Abimo, que tem se dedicado e estruturado em busca de projetos que possam colaborar com a expansão estratégica desse importante setor: já no início do ano, o segmento se mostrou aquecido, com excelentes participações em feiras nacionais e internacionais, como o CIOSP - Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo, a IDS - International Dental Show e a AEEDC - UAE International Dental Conference & Arab Dental Exhibition, em Dubai. Embora as importações tenham evoluído,

34

HEALTHCARE Management 35

Franco Pallamolla Presidente da Abimo

as exportações de produtos odontológicos acompanharam esse ritmo, e, por isso, conseguimos manter a balança comercial positiva. Exportamos, em 2014, mais de US$ 122 milhões, aproximadamente US$ 6,1 milhão a mais do que em 2013. No mesmo período as importações caíram US$ 21 milhões, revertendo o cenário deficitário que vigorava em 2013 (R$ 14 milhões) para um superávit de mais de US$ 13 milhões em 2014. Tal resultado devolveu à odontologia a condição de único setor entre os produtos para a saúde com balança comercial positiva. Esse acesso ao mercado internacional alavanca a competitividade no mercado nacional tornando o Brasil um dos grandes e importantes mercados do mundo com perspectiva de continuidade de crescimento acelerado. O atual momento vivido pela indústria odontológica se reflete também através de outros indicadores: a taxa de empregados (apurada juntamente com o setor de artigos ópticos) subiu de 5,5 mil em 2013 para 5,7 mil em 2014. Assim como o faturamento de 2014, que alcançou as maiores taxas de crescimento do setor da saúde. Esses fatos e números contribuem para que se possa reafirmar a confiança da Abimo na frase título deste texto: A odontologia é, realmente, um mercado promissor! H

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

35


Publieditorial

MUSA monta exposição sobre ‘A Saúde no Brasil Colonial’ no Museu de Saúde Pública Emílio Ribas Capa do livro MUSA | A Saúde no Brasil - do Descobrimento aos dias atuais

O Museu da Saúde (MUSA), iniciativa do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) e de parceiros, com o objetivo de preservar a memória do setor, está apresentando até 25 de junho a exposição ‘A Saúde no Brasil Colonial’, no Museu Emílio Ribas - Rua Ten. Pena, 100 – Bom Retiro, em São Paulo. A mostra é baseada no livro ‘A Saúde no Brasil’, da historiadora Sônia Maria de Freitas, patrocinado pelo INDSH e lançado, no ano passado, durante a Feira+Fórum Hospitalar 2014. A exposição foi dividida em cinco módulos, com 28 painéis no total. As práticas da saúde são tratadas do ponto de vista institucional e pelo modo como são praticadas pela sociedade por meio de textos e imagens. “As pesquisas sobre a história da saúde no Brasil são escassas”, explica a museóloga Cecília Machado, curadora da exposição e consultora do MUSA. “Esta exposição concretiza mais esse importante mapeamento”, diz. A gerente de Projetos do INDSH e coordenadora do MUSA, Márcia Mariani, antecipa que o objetivo é levar a exposição para outras cidades brasileiras. “Nosso propósito é expandir o MUSA para que ele seja um verdadeiro catalizador da memória da Saúde brasileira e de valorização de seus pionei-

ros e grandes personalidades”, afirma Márcia. A parceria entre o MUSA e o Museu de Saúde Pública Emílio Ribas, vinculado ao Instituto Butatan e ao governo do Estado de São Paulo, na viabilização desta exposição é importante na medida em que reúne esforços conjuntos para a valorização e a divulgação da história da saúde no Brasil. O Museu Emílio Ribas, cujo nome homenageia o grande médico sanitarista brasileiro, foi criado em 1965, instalado no edifício construído em 1893 e onde funcionou um dos primeiros equipamentos de Saúde Pública do Estado – o Desinfectório Central de São Paulo.

Le chirurgien nègre posant des ventouses | Aquarela de Jean Baptiste Debret Crédito: Museu Castro Maya


Boutique d’Apoticaire - Aquarela de Jean Baptiste Debret Crédito: Museu Castro Maya

A Saúde no Brasil Colonial, em cinco módulos: • Choque entre dois mundos. • O novo mundo. • A assistência por fé: As primeiras instituições hospitalares do Brasil. • A influência dos jesuítas. • As contribuições africanas. Sobre o MUSA O Museu da Saúde, ou MUSA, está sendo elaborado desde 2010 com a ajuda de museólogos e historiadores. Por enquanto, pretende-se que seja um centro de pesquisa e referência virtual sobre a memória da saúde no Brasil, sem sede física. De seu conselho consultivo fazem parte representantes da Associação Brasileira de Marketing em Saúde, Associação Congregação de Santa Catarina, Federação das Santas Casas do Estado de São Paulo e Sindicato dos Hospitais de São Paulo, além da escritora Sônia Freitas e da professora Teresinha Covas Lisboa, especialista em gestão hospitalar.

Pharmacia Popular, Bananal (SP) - Considerada a primeira Pharmacia do Brasil Crédito: Alex Salin

Sobre o INDSH O Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) é uma Organização Social de Saúde, sem fins lucrativos, especializada na gestão de hospitais. Atualmente, é responsável pela administração das seguintes unidades: • Hospital Regional Público do Marajó, em Breves (PA). • Hospital Geral de Tailândia (PA). • Hospital Público Regional do Leste, em Paragominas (PA). • Hospital Regional de Sorriso (MT). • Unidade de Pronto Atendimento e Pronto Atendimento Infantil Santa Paula, em Ponta Grossa (PR). • Hospital Municipal de Araucária (PR). • Maternidade Dr. Eugênio Gomes de Carvalho, em Pedro Leopoldo (MG) – (unidade própria). O Saúde Online esteve na inauguração do MUSA. Confira o vídeo no portal. http://goo.gl/BdEcbo

Márcia Mariani, Gerente de Projetos do INDSH e Coordenadora do MUSA Portadoras da doença do papo ou papeira (bócio); Goiás Acervo: Casa de Oswaldo Cruz - Departamento de Arquivo e Documentação


Health-IT

Para cada problema, uma solução Ferramentas permitem uma gestão centralizada e dinâmica conforme exige o segmento da saúde 38

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


E

Entender as necessidades e construir uma solução em conjunto. Essa é a premissa do trabalho que a TOTVS vem desenvolvendo no setor da Saúde há mais de 20 anos. É com este trabalho em equipe, tanto internamente como direto com o cliente, que são atendidas importantes instituições de saúde em todo o país, como o Hospital Albert Einstein, HCor, Hospital Nossa Senhora das Graças, Instituto o Sono, além das Unimeds de todo o Brasil, como São José dos Campos, Porto Alegre, Ribeirão Preto e Nordeste do Rio Grande do Sul. “Contamos hoje com centros de desenvolvimento estruturados em Porto Alegre e Caxias do Sul e unificamos os centros de Sorocaba com São Paulo. Temos também três grandes centros focados apenas em Saúde. Tudo isso visando acompanhar o crescimento do setor e investir, cada vez mais, no segmento da Saúde”, ressalta Marcelo Souccar, Head dos segmentos de Saúde, Serviços e Jurídico da TOTVS. O pontapé inicial é olhar e entender as necessidades do cliente por meio de plataforma. Foi assim que nasceu, por exemplo, o Fluig, plataforma de gestão de processos com ferramentas colaborativas que agrega, em uma única interface, acesso às informações de todas as soluções, com apenas um login e sem precisar sair de um sistema e conectar-se a outro. A tecnologia tem recursos de workflow e gestão de documentos, além de viabilizar uma rede social interna para uso de todos os colaboradores, recurso bastante utilizado pelo departamento de RH. “Ao olhar as necessidades específicas de cada cliente, conseguimos reunir diversas soluções em uma única plataforma, ou seja, pensamos desde a dispensação de medicamentos, até o atendimento do paciente. Além disso, é possível oferecer uma comunidade social, como se fosse uma intranet, tanto para os colaboradores como para os beneficiários de saúde”, ressalta Souccar. Essas comunidades sociais possuem uma interface muito próxima às redes sociais e acabam por simplificar e agilizar as rotinas de gestão de saúde. Com isso, é possível a troca de informações por área de atuação da empresa, como a comunidade de médicos por esHEALTHCARE Management 35

pecialidade, de enfermeiros, RH, financeiro, entre outros setores. O objetivo é, por meio de uma experiência agradável e colaborativa, consolidar um meio para a integração dos profissionais, que podem postar comentários, compartilhar notícias ou, ainda, gerar regras e alinhamentos internos. Tudo o que antes era feito por troca de e-mails, muitas vezes numerosos, passa a ser possível via plataforma social, que pulveriza a informação de forma mais atrativa e dinâmica. Um exemplo é a comunidade de Auditoria que permite às equipes financeira e de auditores monitorar notícias e novidades do setor, consultar títulos de pagamentos dos prestadores, ter acesso rápido aos indicadores da instituição e às principais rotinas do sistema de gestão, além de uma série de workflows para otimizar o tempo e estabelecer um fluxo de processos para a aprovação de solicitações.

Soluções individualizadas

Olhar para a unificação das informações e trazer uma solução específica para cada cliente, desde um pequeno consultório médico, até um hospital de grande porte, ou mesmo quando o paciente sai do consultório e é encaminhado para uma cooperativa médica. É com este pensamento que hoje a TOTVS reúne em seu portfólio todas as soluções necessárias para assegurar as melhores práticas e um controle preciso sobre as operações das Unimeds, por Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

39


Health-IT

5 Certos

Percebendo a oportunidade de solucionar e otimizar questões fundamentais da Saúde, como o combate a erros e a promoção da segurança no ambiente clínico-hospitalar, a TOTVS materializou o conceito dos 5 Certos da Enfermagem em uma solução mobile. O PEP Mobile 5 Certos traz a tecnologia na beira dos leitos dos pacientes, permitindo que o corpo clínico e assistencial realize todos os registros enquanto ainda está em atendimento. Através da leitura do código de barras na pulseira do paciente, o sistema identifica o paciente e cadastra todas as suas informações, incluindo a medicação que será administrada, o horário e a dosagem. A antiga prancheta pelo enfermeiro é substituída pela tecnologia, que confere os “5 Certos da Enfermagem” (1- Paciente Certo; 2- Medicamento Certo; 3- Dosagem Certa; 4- Via de administração Certa; e, 5- Horário Certo). Isso significa mais segurança aos pacientes e aos médicos que passam a atuar com tecnologia de ponta, reduzindo erros na transcrição das informações e agregando velocidade às suas rotinas. “O principal pilar de todo o nosso trabalho consiste em melhorar a performance clínica, a gestão financeira e atender as normas e legislações de troca de informações entre diversos órgãos, operadoras, prestadoras de serviço e ANS. Com tudo isso, queremos ser a opção natural em software, inovação, relacionamento e suporte à gestão para as instituições de saúde do Brasil”, afirma Souccar. H 40

HEALTHCARE Management 35

exemplo. No total, são 120 unidades atendidas que, juntas, somam mais de 12 milhões de vidas geridas pelo ERP TOTVS. “Os módulos utilizados foram desenhados para atender as rotinas específicas da Unimed, como o faturamento de intercâmbio e o pagamento dos prestadores e cooperados. Além disso, as ferramentas de Gestão de Planos de Saúde contemplam todas as atividades diárias e o fluxo de administração das operadoras”, explica Claodemir Giazzon, Gestor de Ofertas do segmento de Saúde da TOTVS.

Contamos hoje com centros de desenvolvimento estruturados em Porto Alegre e Caxias do Sul e unificamos os centros de Sorocaba com São Paulo. Temos também três grandes centros focados apenas em Saúde. Tudo isso visando acompanhar o crescimento do setor e investir, cada vez mais, no segmento.

Marcelo Souccar, Head dos segmentos de Saúde, Serviços e Jurídico da TOTVS

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

41


Artigo | Guilherme

Xavier

Três importantes ferramentas para a gestão de aquisições de equipamentos em saúde

O

Projeto de Equipagem de um novo hospital é um processo longo e trabalhoso, pois envolve centenas de itens, cada um com inúmeras variações de acessórios, opcionais e funcionalidades para atender diversas especialidades médicas. Além disso, é um projeto de grande relevância financeira, representando até 50% do custo de implantação do empreendimento e envolvendo escolhas que terão grande impacto nos custos operacionais. A própria sustentabilidade do negócio pode ser colocada em risco caso o projeto de equipagem não seja tratado adequadamente. Portanto, o gerente de projetos deve se certificar de que a metodologia utilizada para Gestão de Aquisições de Equipamentos atende não somente as restrições de prazo e custo, mas em especial os seguintes requisitos: • Gerenciar a Comunicação: A equipagem de um hospital desperta interesse em dezenas de fornecedores e impacta no trabalho dos diversos projetistas, empreiteiras e profissionais da área. Por isso, requer ampla comunicação e transparência com os stakeholders internos e externos; • Gerenciar as Aquisições como Processos: Conforme já citei, são necessárias dezenas de concorrências com centenas de itens para equipagem de um hospital. Cada uma envolverá grande volume de documentos e exigirá o gerenciamento de seu fluxo em cada uma das etapas. Ferramentas de planejamento Com tantas exigências, deixo aqui como suges-

42

HEALTHCARE Management 35

Guilherme Xavier Presidente da EquipaCare Engenharia e Diretor da Regional Rio da ABEClin – Associação Brasileira de Engenharia Clínica

tão 3 Ferramentas de Planejamento que, ao meu ver, são as mais importantes para a Gestão de Aquisições de Equipamentos: 1. Cronograma do Projeto de Equipagem Para elaborar este cronograma, é preciso estimar ao menos três datas que servirão de marcos para o planejamento: início da obra, entrega da obra e inauguração. Tendo essas informações, iniciamos o planejamento do cronograma pelas datas desejadas de entrega dos equipamentos, com os itens de maior porte, devendo ser recebidos nos meses que antecedem o término da obra, e os de menor porte a partir do término da mesma, antes da inauguração. Com essas primeiras previsões, já temos condições de planejar as datas para as instalações e, sequencialmente, os treinamentos. Já as atividades de cotação, negociação e compra devem ser planejadas considerando ,principalmente, o prazo de entrega de cada item, que pode variar de 30 a 180 dias. Por esse motivo, a etapa de compras deve ser iniciada no mínimo seis meses antes do prazo desejado para as entregas. 2. Plano de Concorrências de Equipamentos (PCE) Esta é a ferramenta com a qual se planeja o agrupamento e ordenação das concorrências que serão realizadas. Para isso, utilizo basicamente a seguinte metodologia: A. Agrupamento das Concorrências: (planejar os pacotes de negociação)

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Leia:

artigo completo http://goo.gl/PCnUxg

• Por portfólio de fornecedores • Por especialidade médica • Por setor hospitalar B. Ordenação das Concorrências do Maior para o Menor: • Impacto nas instalações da obra • Prazo de entrega • Custo de aquisição O PCE também pode ser utilizado para organizar o cronograma de desembolso nas diferentes linhas de financiamento. Basta classificar as concorrências pela previsão de quais equipamentos provavelmente serão nacionais ou importados e cruzar com as datas do Cronograma de Equipagem. Tenho observado que os projetos de equipagem que adotam a ferramenta PCE têm suas estratégias de negociação muito mais organizadas. Seguir as técnicas acima permite obter pacotes suficientemente grandes para possibilitar uma boa negociação, mas suficientemente pequenos para permitir o controle do cronograma.

3. Matriz de Estratégias de Compras Naturalmente que o esforço necessário para selecionar o fornecedor de um tomógrafo será diferente do esforço para selecionar um item simples, como um negatoscópio. A matriz de estratégia de compras ajuda a planejar não somente o esforço que será despendido em cada concorrência, mas também qual metodologia de seleção será mais adequada. Para isso, classifico cada processo de concorrência da PCE conforme a criticidade interna do item e a complexidade do mercado fornecedor: A. Criticidade Interna do Item: • Valor total da concorrência • Aplicação Médica • Risco físico B. Complexidade do Mercado Fornecedor: • Número de fornecedores • Relevância da marca para o médico • Dependência de assistência técnica para o item

Acredito que este breve roteiro pode auxiliar os gerentes de projetos hospitalares no planejamento e gestão das aquisições de equipamentos médicos.

Aos leitores que tiverem maior interesse, publicamos no portal Saúde Online o conteúdo na íntegra, com exemplos ilustrados das ferramentas acima. H

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

43


Estratégia | Conteúdo Exclusivo da Revista HealthARQ

Conhecimento e controle Riscos do processo de obras podem ser reduzidos com boa gestão Cada vez mais, os acidentes de trabalho com mortes na construção civil no Brasil lidera o ranking de acidentes de trabalho. Segundo o Anuário Estatístico do Ministério da Previdência Social, em 2010 foram 54.664 ocorrências, dos quais 36.379 se enquadram como “acidentes típicos”, ou seja, quedas em altura e aqueles em trabalhos de escavação e movimentação de cargas. Ainda de acordo com o Anuário, em todo o mundo, são os trabalhadores desta categoria que têm três vezes mais possibilidades de submeterem-se a acidentes fatais e duas vezes mais chances de sofrer lesões. Em 2001, ocorreram no país cerca de 340 mil acidentes de trabalho. Em 2007, o número subiu para 653 mil e, em 2009, chegou a 723 mil ocorrências, que levaram a 2.496 óbitos. As mortes e acidentes de trabalho na construção civil custam para a Previdência Social cerca de R$ 10,7 bilhões ao ano. Valor que representa 9% da folha salarial anual dos trabalhadores do setor formal do Brasil, e reúne os custos para as empresas (seguros e gastos decorrentes do próprio acidente) e para a sociedade (Previdência Social, Sistema Único de Saúde e custos judiciários). As obras de empreendimentos voltados à saúde, em suma, são similares a qualquer outra construção, portanto oferecem tantos riscos, quanto qualquer outro processo de obras. Por isso, a gestão de riscos dentro da construção torna-se importante para inibir possíveis problemas e dificuldades que possam surgir ao longo do processo. “O principal ponto de atenção é a instalação de equipamentos sofisticados e caros, que, apesar de, em sua maioria, serem instalados pelos fornecedores dos mesmos, requerem cuidados redobrados no seu manuseio e nas atividades do entorno”, destaca o Vice-presidente da Sobratema (Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração), Paulo Oscar Auler Neto. Paralelo a isso, os cronogramas enxutos requerem planeja44

HEALTHCARE Management 35

mentos mais precisos e uma gestão mais eficaz sobre os mesmos. Obra com cronograma apertado não é necessariamente mais arriscada, desde que tenha as atividades devidamente planejadas e acompanhadas. “Além disso, com uma boa gestão, o controle de desperdícios, descartes adequados e redução de retrabalhos somente são obtidos com uma boa gestão. Um bom projeto, assim como o estudo minucioso dos acessos e da circulação de pessoas também podem ser diferenciais”, diz o Vice-presidente. Para evitar problemas, o conhecimento e a experiência adquiridos durante a carreira profissional também são peças fundamentais e conseguem contribuir para uma boa gestão, pois permitem uma melhor percepção, avaliação e ação sobre a realidade da obra. Auler Neto acredita que todos os acidentes podem ser evitados, pois geralmente o acidente “avisa” quando vai ocorrer. “A presença dos gestores nas frentes de serviço, aplicação

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

de boas práticas de engenharia, organização e limpeza, treinamento das equipes e um processo seletivo dos profissionais são os fatores que fazem diferença em uma obra e que determinarão a taxa de frequência e gravidade dos acidentes, levando ao ‘Acidente Zero’”, ressalta. Segundo o especialista, todo profissional que gere uma obra precisa ter completo domínio sobre ela e trabalhar sobre um planejamento. Quando são observados desvios, a elaboração de um replanejamento é fundamental, pois desta forma o gestor saberá identificar e atuar sobre o caminho crítico do empreendimento. “Este é um processo dinâmico e que deve ser reavaliado semanalmente. Assim, o gestor consegue antecipar os fatos e ter uma atuação eficaz onde faz diferença, seja na cadeia de suprimentos, projeto, questões legais, pessoas ou equipamentos”, completa. H

A presença dos gestores nas frentes de serviço, aplicação de boas práticas de engenharia, organização e limpeza, treinamento das equipes e um processo seletivo dos profissionais são os fatores que fazem diferença em uma obra e que determinarão a taxa de frequência e gravidade dos acidentes, levando ao ‘Acidente Zero’. Paulo Oscar Auler Neto, Vice-presidente da Sobratema

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

45


Mercado

Você está disposto a mudar? Especialistas apontam que o maior desafio no processo de acreditação é a mudança da cultura institucional

A

Ainda estamos longe de ser um país em que a acreditação seja uma questão de sobrevivência de mercado. Para que este cenário se torne realidade, seria fundamental que todos os atores do sistema, público ou privado, entendessem e recompensassem a qualidade e segurança nas instituições. Assim pensam Osnir Simonatto, da Fundação Vanzolini, e José de Lima Valverde Filho, Coordenador de Acreditação do Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA). Se por um lado temos fontes pagadoras que se preocupam mais com o volume do preço dos serviços, do outro também há o medo de transformar a cultura de uma organização. “Um dos grandes desafios é mudar a departamentalização de uma instituição por uma gestão mais transparente, com maior participação de diversos agentes. Esse é um pro-

48

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

blema que está na raiz e, talvez, seja um dos mais difíceis de lidar. A gestão integrativa no Brasil ainda assusta alguns gestores”, afirma Simonatto. Isso porque o processo de acreditação é transorganizacional. Não é possível uma organização ser acreditada setorialmente. Neste contexto, a qualidade e a segurança do cuidado têm que ser uniforme, em toda a organização de saúde. Isso só é possível com a integração da gestão. Desponta-se aqui o comprometimento da alta direção, fundamental em todo o processo de acreditação. Em se tra-


O processo de acreditação é transorganizacional. Não é possível uma organização ser acreditada setorialmente. Portanto, a qualidade e segurança do cuidado têm que ser uniforme, em toda organização de saúde. Isso só é possível com a integração da gestão. José de Lima Valverde Filho, Coordenador de Acreditação do CBA

tando de um processo vertical, que demanda a participação de todos, a percepção do pouco ou nenhum envolvimento dos gestores e das lideranças enfraquece o desejo dos demais membros da organização. “É uma tarefa difícil manter os padrões de qualidade e segurança obtidos quando as organizações sofrem significantes mudanças de governo, liderança e de direção e, também, de pessoal em geral. Um ponto a se destacar é o envolvimento, absolutamente necessário, dos médicos, nem sempre conscientes da importância do processo”, ressalta Valverde Filho. Ver a acreditação sob a luz de custo é outro entrave. Afinal, quanto custa a qualidade e a segurança? Ou melhor, quanto custa não tê-las? “O maior custo para obter a acreditação não é o financeiro. Imaginemos um hospital sem farmacêuticos clínicos. Isto tem que ser providenciado. Trata-se de custo ou investimento? Ou um hospital sem arquivo médico adequado, custo ou investimento? A questão é que alguns entendem que a vida segue com ou sem farmacêuticos clínicos ou arquivos. Mas quando são perguntados sobre erros de medicação, respondem com surpresa: erros de medicação? Aqui não ocorre isso!”, salienta Valverde Filho. Simonatto também salienta que, enquanto os serviços forem contratados a base do menor preço, a acreditação estará longe de ser uma realidade na maioria das instituições de saúde. “Uma instituição que investe neste processo obtém ganhos muito maiores que não se limitam ao valor investido. É só pensar em quanto vale ter uma gestão mais transparente, uma infraestrutura adequada, uma equipe treinada e um efetivo gerenciamento de risco. Todos saem ganhando: a instituição e o paciente.” HEALTHCARE Management 35

Qualidade > custo

Pensando nos bons frutos que uma acreditação traz para toda a instituição, o Hospital Santa Izabel, da Santa Casa de Misericórdia da Bahia, investiu em um intenso processo que resultou na conquista da acreditação ONA Nível II. “Os desafios continuam. A certeza de que serão vencidos, também. Essa conquista reforça a excelência na qualidade e segurança dos procedimentos assistenciais, do atendimento humanizado, da capacitação da equipe multidisciplinar e dos constantes investimentos realizados em processos e infraestrutura”, ressalta o Provedor da instituição, Roberto Sá Menezes. Para o Superintendente de Saúde da Santa Casa da Bahia, Eduardo Queiroz, a acreditação possibilitou a correção de distorções nos processos assistenciais. “Toda a equipe passa a compreender a importância da segurança do paciente e dos colaboradores, uma vez que a unidade hospitalar é vista como um ambiente muito suscetível aos

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

49


Mercado

Foto: Ana Paula Cardoso

Um dos grandes desafios é mudar a departamentalização de uma instituição por uma gestão mais transparente, com maior participação de diversos agentes. Esse é um problema que está na raiz e, talvez, seja um dos mais difíceis de lidar. A gestão integrativa no Brasil ainda assusta alguns gestores. Osnir Simonatto, Fundação Vanzolini

riscos à saúde das pessoas que o frequenta.” Desde então, os setores como atendimento até os mais complexos foram interligados, tendo como centro o paciente. Além disso, a gestão obteve uma maior eficiência e efetividade na racionalização dos recursos humanos, financeiros e tecnológicos. O Senne Liquor Diagnóstico também saiu na frente na busca pela qualidade em seus procedimentos, tornando-se o primeiro laboratório especializado em LCR (Líquido Cefalorraqueano) a ter a ISO 9001 e ONA Nível II pela Fundação Vanzolini e ControlLab. “Investir na acreditação é consolidar a preocupação com a qualidade. Com os processos adotados, foi possível obter uma padronização e aprimoramento de diversas estratégias”, explica Carlos Senne, Presidente do Laboratório. Segundo o executivo, o maior reconhecimento dos stakeholders e o envolvimento de todo o time com a qualidade também foram algumas importantes mudanças que a

A conquista reforça a excelência na qualidade e segurança dos procedimentos assistenciais, do atendimento humanizado, da capacitação da equipe multidisciplinar e dos constantes investimentos realizados em processos e infraestrutura.

Foto: Roberto Abreu

50

acreditação trouxe. “É imprescindível o envolvimento de todo o time para que a qualidade seja assegurada e mantida. Vivenciamos um momento de conscientização, envolvimento na construção de todos os processos, e, até hoje, há uma política de melhoria que envolve a opinião dos nossos colaboradores”, explica. Diante de um mercado competitivo, Senne acredita que o fornecedor com selo de acreditação sai na frente diante dos outros concorrentes. “Hoje, muitas empresas só aceitam parceiros qualificados, por isso que a qualidade se torna algo fundamental.” H

Roberto Sá Menezes, Provedor do Hospital Santa Isabel HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

51


Artigo | Avi

Zins

Internet of Bodies (IoB)

O

número de objetos já conectados à internet em 2015 é muito expressivo. As previsões até 2020 chegam a considerar 200 bilhões de objetos ligados à internet (projeção feita pela Intel). O conceito por trás disso é o IoT (Internet of Things – Internet das Coisas) que presume uma conexão universal, de qualquer objeto, em qualquer horário e em qualquer lugar ao ambiente da internet (usando HWs, SWs, aplicativos e uma arquitetura padrão), o que revoluciona o mundo e a forma de como vamos fazer nossas tarefas e trabalhos nos próximos anos. Ocorre que se levarmos estes conceitos para a área de saúde, vamos enxergar um inúmero contingente de wearables ou healthwears, objetos que “vestimos” nos nossos corpos e que através deles conseguimos medir, diagnosticar, e até atuar terapeuticamente nas nossas condições de saúde. Fora isso, há também um volume grande de health-ons que está surgindo no mercado. São produtos injetáveis que permitem, de dentro do nosso corpo, medir, diagnosticar e atuar ainda mais terapeuticamente na nossa saúde. Este outro lado está crescendo de forma absurda, por conta da chamada nanomedicina, e também do foco, cada vez maior, de diminuir a invasividade dos procedimentos clínicos. Cirurgias cada vez menos invasivas estão no radar destes trabalhos. Entre as aplicações que vemos hoje no mercado estão: • Cirurgias robóticas cardíacas menos

52

HEALTHCARE Management 35

Avi Zins Head of Healthcare Segment da Neoris do Brasil, colunista Healthcare Management

invasivas; • Controle de pacientes em coma (sensores de movimento em ultrassom); • Controle e monitoramento de condições de saúde ou de exercícios físicos; • Prevenção de doenças ou ataques (nanomedicina aplicada para prever bloqueios de artérias, incluindo a criação de pontes artificiais, evitando uma situação de óbito); • Detecção de doenças no seu início, provendo uma capacidade muito maior de cura e um custo muito menor de tratamento; • Monitoramento de pacientes crônicos, incluindo sinais vitais (eletrocardiograma, açúcar no sangue, oximetria, pressão),melhorando a qualidade de sua saúde, ajudando no tratamento e reduzindo o volume de internações dos mesmos (diabetes, obesidade, hipertensão, asma, parkinson, alzheimer, dpoc, dentre outros); • Informação, em tempo real, transmitida direto do paciente; • Maior autonomia para pessoas idosas em suas moradias através de equipamentos que possam dar alertas a distância e/ ou chamar um serviço de APH; • Controle de dispensação correta de medicamentos na hora certa pelos pacientes, o que influencia em uma gama muito grande de patologias; • Controle de dados respiratórios apontando os possíveis problemas pulmonares, dentre outras causas. Enfim, pode se citar uma gama maior ainda de atividades que permitem o controle em objetos wearable/ healthwear ou heal-

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


th-ons ligados ao corpo do indivíduo. Dentro deste conceito, se olharmos a IoT na Medicina ou o Health IoT, como é chamado em alguns lugares, o que realmente estamos conectando à Internet não são os objeto conectados ao nosso corpo, mas, sim, os próprios corpos, daí a denominação Internet of Bodies (IoB). Se levarmos esta definição a uma descrição básica, seria a de uma conexão universal, do corpo humano, em qualquer horário e em qualquer lugar ao ambiente da internet, o que revoluciona a saúde e a forma como a gerimos em nossas vidas, melhorando a nossa segurança clínica, reduzindo e mitigando riscos, reduzindo os custos da saúde na sociedade, aparelhando mais os hospitais, os ambulatórios, os médicos e os

enfermeiros em suas atividades. Preocupações como acesso de “hackers” e falhas de segurança passam a ser vitais para o funcionamento de uma arquitetura capaz de atender estas necessidades, diferentemente de qualquer outra aplicação de IoT, pois estamos falando direto do corpo humano. A preocupação de evitar falhas nos sistemas, ou seja, continuidade, integridade, disponibilidade e imunidade a falhas é mais ainda importante, logo estamos falando de um novo foco em qualidade de software, tanto em seu desenvolvimento como na gestão de sua operação, sendo que o software deve chegar a “erro zero”. Quaisquer projetos nesta área devem levar em conta esta visão. H

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

53


Publieditorial

Especial São Cristóvão Saúde

Atendimento humanizado para toda a família


Publieditorial

Especial São Cristóvão Saúde

Fachada do Centro Ambulatorial Américo Ventura 3 - Unidade Pré-natal

Crescendo por você e para você


U

Recepção - Unidade Pré-natal

m bom pré-natal é o segredo para uma gravidez mais tranquila e um parto sem maiores complicações. Por isso, foi desenvolvida, recentemente, uma nova unidade, a Unidade de Pré-natal, no Centro Ambulatorial Américo Ventura 3, localizado no Mooca Plaza Shopping. Um espaço moderno, em um local diferenciado, com um ambiente direcionado somente às gestantes, com consultórios médicos, sala de cardiotocografia, e equipe especialmente treinada. No Centro Ambulatorial Américo Ventura 2 foi desenvolvida a Clínica de Vacinação, que possui todo tipo de vacinação, especialmente para as mães, recém-nascidos e crianças. Conta com vacinas do calendário vacinal básico, além daquelas diferenciadas, que permitem menos picadas por terem vacinas associadas, e vacinas com menos reações adversas. No Centro Ambulatorial Américo Ventura 2 ainda encontra-se o Ambulatório de Pediatria, com pediatras altamente capacitados para o acompanhamento do desenvolvimento do recém-nascido e criança, e/ou tratamento de doenças. Apresenta-se em um andar desenvolvido com temática e estrutura infantil, recepção com brinquedoteca e consultórios acolhedores.


Publieditorial

Especial São Cristóvão Saúde Oferecemos ainda um diferencial no agendamento da primeira consulta pediátrica do recém-nascido, no tempo indicado, já realizado à alta do Hospital e Maternidade São Cristóvão após o parto nesse estabelecimento. O São Cristóvão Saúde desenvolveu toda uma linha de cuidado mamãe-bebê. Um atendimento integral e qualificado, com toda estrutura necessária. Iniciando na gravidez com a unidade Berçário de pré-natal, passando pela assistência materno-neonatal do parto, até o acompanhamento ambulatorial do Apartamento-master desenvolvimento da criança, e todo apoio das unidades pediátricas quando necessário. Complementando com as vacinações das mães, recém-nascidos e crianças, prevenção extremamente importante. E o Curso Preparatório para Gestantes e Pais, visando um maior conhecimento para os novos pais, trazendo mais segurança e tranquilidade nessa fase. A Maternidade no Hospital e Maternidade São Cristóvão possui toda estrutura para uma assistência de qualidade, e segurança no atendimento e na identificação da grávida e seu filho. Dispõe de leitos de enfermaria e apartamento, além de oferecer um tipo diferenciado de acomodação para quem desejar algo mais especial, a acomodação master. Estimulamos o Alojamento Conjunto, pelo seu enorme benefício para a mãe e, principalmente, para o recém-nascido. O Centro Obstétrico tem área específica na própria sala de parto para que a primeira assistência ao bebê seja realizada ao lado da sua mãe. Fachada Centro Ambulatorial Américo Ventura 2

Sala de Vacinação


O Berçário normal permite a visualização do bebê logo após o nascimento, sem que ele fique exposto a riscos. O Berçário Patológico e a UTI Neonatal são bem equipados com aparelhos modernos e toda uma equipe neonatal gabaritada. Esse conjunto de setores, a Unidade Materno-Neonatal, tem se destacado pelos seus bons resultados, confirmando nosso grau de excelência. Em casos de emergência/urgência, o Pronto Atendimento Obstétrico oferece o suporte necessário, com ambiente recentemente reformado, acolhimento pela enfermagem, atendimento médico pelo plantonista, exames complementares, sala ampla de medicação/observação/cardiotocografia. Sua entrada é diferenciada do Pronto Socorro geral, sempre visando a maior segurança da paciente.

Pronto Atendimento Centro Obstétrico

Sala de Medicação / Observação - Centro Obstétrico

Recepção / Brinquedoteca - Pronto-Socorro Infantil

Salas de Observação - Pronto-Socorro Infantil

Todo esse bloco materno-neonatal encontra-se em um mesmo andar do hospital, totalmente interligado, trazendo maior conforto e segurança aos usuários. Para as crianças que necessitem de um atendimento de urgência/emergência, o São Cristóvão Saúde oferece o Pronto Socorro Infantil no Hospital e Maternidade São Cristóvão. Apresenta entrada diferenciada, área de recreação na recepção, banheiros infantis com fraldário (além de ducha e banheiras), pré-atendimento pela enfermagem, atendimento médico com equipe multiprofissional, sala de inalação, sala de procedimentos, sala de emergência, observação/medicação/isolamento.


Publieditorial

Especial São Cristóvão Saúde Uma ala totalmente nova foi desenvolvida no hospital, onde todo um andar foi cuidadosamente planejado e criado para o atendimento pediátrico de internação. A Unidade de Internação Pediátrica possui leitos de enfermaria e apartamento, disponibilizando ainda a acomodação VIP para quem desejar um diferencial. Tem iluminação especial e luz vigia, cantos arredondados e muita cor, monitoramento de segurança e de assistência.

Apartamento 5º Andar

Corredor UTI Infantil

UTI Neonatal

Dispõe de espaço para recreação e atividades lúdicas. A UTI Pediátrica e UTI Neonatal dessa ala apresentam leitos bem equipados, painel de monitoramento central de todos os pacientes, sendo os leitos isolados entre si e com espaço para seu acompanhante. Todo andar é temático e uma equipe multiprofissional de especialistas é totalmente voltada à ala pediátrica.

Serviço: Hospital e Maternidade São Cristóvão Rua Américo Ventura, 123 CEP 03128-020 Mooca São Paulo SP Tel.: [11] 2029-7222 / Site: www.saocristovao.com.br


Líderes e Práticas

Ética, confiança e transparência Fatores-chaves para o começo de uma parceria

62

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


E

“Ética e integridade. Esses são os principais valores de nossa gestão. São eles que sustentam nosso posicionamento no mercado e direcionam as relações com os diversos públicos: pacientes, médicos, operadoras, fornecedores, parceiros, comunidade e colaboradores.” É desse modo que Alfonso Migliori, Diretor do Hospital 9 de Julho, conduz a instituição. A premissa também vale para os serviços contratados pelo hospital que, confiando os trabalhos em empresas especializadas, pode focar-se em seu core business, ou seja, o cuidado com a saúde do paciente. E para identificar qual serviço vale a pena ser terceirizado, o H9J busca identificar alguns pontos. Entre eles se o serviço não é uma atividade essencialmente ligada à assistência ao paciente, ou seja, trata-se de um serviço de apoio à atividade-fim; e se existem no mercado fornecedores qualificados que podem absorver a demanda atual e futura com resultados eficientes e alinhados à estratégia. “O planejamento da gestão para decidir qual atividade será ou não terceirizada varia conforme o tipo de serviço e necessidade do hospital, mas envolve análise do serviço, qualidade do fornecedor, resultados apresentados e garantia do melhor atendimento aos clientes”, explica Migliori. Seguindo essas exigências está a Durafer, empresa especializada em instalação de sistemas de centrais de ar condicionado, ventilação e re-

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

63


Líderes e Práticas

frigeração. “Seguimos as normas do Plano de Manutenção Operação e Controle entre outras portarias para poder verificar e corrigir as condições de cada ponto do sistema de refrigeração”, explica Manoel Durães, Diretor-comercial da empresa. O sistema de manutenção visa a verificação da limpeza e remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os sistemas de climatização, além das manutenções preventivas, corretivas, preditivas que são programadas periodicamente. As corretivas são realizadas através de chamadas pelo sistema Engeman (Engenharia de Manutenção) em que são centralizas as prioridades e setores críticos, como UTIs e centros cirúrgicos. No final de cada mês, são elaborados relatórios que mapeiam os locais onde geram o maior numero de chamadas. Com isso, é possível tomar as providências necessárias para a minimização ou eliminação dos problemas. Nos locais mais críticos, onde não pode haver falhas ou diferença nas temperaturas preestabelecidas nos ambientes, são feitas vistorias periódicas para conferir a qualidade e funcionamento dos aparelhos em cada ambiente. “Procuramos uma funcionalidade correta e necessária para o conforto em todos os ambientes do hospital. A qualidade de aparelhos, a carga térmica do equipamento e o tipo de atividade desenvolvida no local são previamente estudados e sempre acompanhados.” H

64

HEALTHCARE Management 35

No H9J, o serviço será terceirizado sempre que se identifica os seguintes pontos: • Se o serviço não é uma atividade essencialmente ligada à assistência ao paciente. • Se há no mercado fornecedores qualificados que podem absorver a demanda atual e futura, com resultados eficientes e alinhados à estratégia da instituição.

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

65


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

67


História, legado e influência

No último ano, o Brasil perdeu grandes nomes que, com muita dedicação e determinação, contribuíram para o desenvolvimento de várias vertentes da Saúde. Reservamos este espaço para lembrar algumas dessas personalidades que ainda são ícones de influência e admiração para todos nós.

Adib Jatene Médico e ex-ministro da Saúde, Adib Jatene foi um grande ícone que o setor da Saúde perdeu em novembro do ano passado. Jatene era Diretor-geral do HCor e um dos pioneiros em cirurgia do coração no Brasil. Fez mais de 20 mil cirurgias e foi o primeiro a realizar a cirurgia de ponte de safena no Brasil e por ter inventado aparelhos e equipamentos médicos. Em Uberaba (MG), lecionou Anatomia Topográfica na Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, quando também construiu seu primeiro modelo de coração-pulmão artificial. Em São Paulo, trabalhou no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e como cirurgião no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia da Secretaria de Estado da Saúde. Jatene nunca se filiou a nenhum partido, mas teve uma importante atuação na política do país. Atuou como Secretário Estadual da Saúde de São Paulo (19791982), no governo de Paulo Maluf, e duas vezes como Ministro da Saúde nas gestões Fernando Collor (1992) e Fernando Henrique Cardoso (1995-1996). Durante o governo de FHC, criou a Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF), para ajudar a financiar a saúde brasileira, e deu continuidade ao projeto dos medicamentos genéricos e ao programa de combate à Aids.

Domingos Fiorentini Referência em arquitetura hospitalar, Domingos Fiorentini faleceu aos 69 anos em setembro de 2014. Realizou importantes projetos do setor da saúde como as Unimeds Blumenau e Sorocaba, Hospital Infantil Sabará, Hospital Israelita Albert Einstein, Centro Cirúrgico e Conforto do Hospital Sírio-Libanês, Hospital Regional de Divinópolis, entre outros. Com duas formações, médico e arquiteto, Fiorentini somou as experiências de áreas tão distintas para compreender as expectativas e necessidades de seus clientes, transformando-as em projetos inovadores e funcionais. O arquiteto atuou como docente da disciplina de Arquitetura Hospitalar da Faculdade de Administração Hospitalar do Instituto de Pesquisas Hospitalares (IPH), de 1975 a 2007; Diretor-geral da Faculdade de Administração Hospitalar do IPH, de 1985 a 2007, e participou em mais de 500 projetos de estabelecimentos assistenciais de saúde, dentre eles laboratórios, clínicas e hospitais. O profissional deixou seu legado ao escritório Fiorentini Arquitetura, que segue em seus projetos o foco na racionalidade para transformar ideias criativas em soluções eficazes e duradouras.

68

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Lelé Figueiras João Figueiras Lima, mais conhecido como Lelé, formado em arquitetura pela UFRJ, consagrou-se, principalmente, pelos projetos desenvolvidos no setor da Saúde. O arquiteto iniciou a carreira ao lado de Oscar Niemeyer na construção de Brasília e consagrou-se como um arquiteto de projetos modernistas, comprometido com integração, com a paisagem e com o contexto cultural. Lelé desenvolveu os projetos arquitetônicos dos hospitais da Rede Sarah no país, criando espaços que permitiram a implantação de uma nova cultura em medicina de reabilitação, beneficiando milhares de brasileiros. O arquiteto atuou como Diretor do Centro de Tecnologia da Rede Sarah (CTRS), desenvolvendo os projetos e a execução dos novos hospitais da rede. Trabalhando para a CTRS, também desenvolveu projetos de mobiliário hospitalar, entre os quais destaca-se uma cama-maca móvel utilizada bastante pelos hospitais da rede. Em 2013, foi um dos vencedores do Prêmio Jabuti, com o livro “Arquitetura: Uma Experiência na Área da Saúde”. Lelé faleceu no dia 21 de maio de 2014, aos 82 anos, em um dos hospitais que projetou, o Sarah Kubitschek, em Salvador.

Aloyzio Campos da Paz Júnior Fundador da Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação, Aloysio Campos da Paz Júnior morreu em janeiro de 2015, aos 80 anos. Em 1961, assumiu a Direção do então Centro de Reabilitação Sarah Kubitschek. Realizou Pós-Graduação em Ortopedia e Reabilitação na Oxford University - Inglaterra, em 1963/1964, e Doutorado em Ortopedia e Traumatologia na Universidade Federal de Minas Gerais em 1966. Em 1975, Paz Júnior criou o plano para desenvolvimento de um programa regional de ortopedia e reabilitação, que originou o Instituto Nacional de Medicina do Aparelho Locomotor - SARAH. Em 1982, iniciou a expansão do Centro de Reabilitação Sarah Kubitschek com a fundação de uma nova unidade hospitalar em Brasília. O fundador participou também dos projetos de implantação das unidades SARAH em São Luís/MA, Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza, Macapá, Belém e Rio de Janeiro. Hoje, a Rede Sarah é referência internacional e entre suas inovações está o método de neurorreabilitação, com uma abordagem que incorpora a família e o contexto de cada paciente no processo de neurodesenvolvimento.

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

69


100 Mais Influentes da Saúde

Quem faz a Saúde acontecer Confira as personalidade que mais se destacaram no último ano segundo a HCM

A

revista Healthcare Management (HCM) traz, pelo terceiro ano consecutivo, o especial “100 Mais Influentes da Saúde”. Este projeto, que nasceu com o propósito de homenagear aqueles que mais se destacaram no setor, vem se reformulando a cada ano e, por isso, o leitor poderá conferir algumas novidades na edição de 2015. A primeira delas foi a participação do público, que votou, pela internet, em todas as categorias. A votação foi aberta, ou seja, não foram sugeridos nomes para o público. O Grupo Mídia também abriu um canal direto com os hospitais. Foram solicitados às instituições os nomes dos gestores que mais se destacaram no último ano, e quais foram os principais feitos por eles realizados. Paralelo a isso, o setor de pesquisa do Grupo Mídia já iniciava suas atividades, analisando as principais notícias do último ano, e quais foram aqueles gestores, executivos, empresários, políticos, entre outros profissionais que mais se destacaram na Saúde. Vale ressaltar que tanto a votação do público, como as informações dadas pelas instituições, foram ferramentas para pesquisa, porém não decisórias na eleição dos nomes. Com esses dados em mãos, o Conselho Editorial elegeu os mais influentes da Saúde. A escolha re-

70

HEALTHCARE Management 35

caiu sobre as pessoas que, de acordo com o seu cargo, prestígio, conquistas, ou seja, por sua influência, se destacaram nos últimos doze meses no país. O propósito deste especial não é trazer dados matemáticos, ou ser uma pesquisa científica. Afinal, a influência vai muito além de gráficos. O objetivo é homenagear o respeito conquistado por estas pessoas devido ao trabalho realizado em prol da Saúde no Brasil. Trata-se de uma homenagem à confiabilidade e ao desempenho desses grandes nomes no segmento da Saúde. A lista com os 100 nomes foi finalizada dias antes do fechamento da revista e esta publicação é o lançamento oficial de todos os eleitos. Outra novidade são as categorias que se tornaram

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


CATEGORIAS mais abrangentes, com eleitos que pertencem às diversas vertentes da Saúde. Ou seja, desta vez vamos contemplar toda a cadeia produtiva do setor. Agora, estão, lado a lado, os gestores, arquitetos, executivos e empresários. Por exemplo, na categoria Tecnologia, estão eleitos gestores da indústria e de hospitais, assim como em Sustentabilidade, em que foram eleitos engenheiros de instituições e arquitetos. Outro caso é a categoria Medicina Diagnóstica, que envolve desde a indústria até laboratórios. Parabéns aos eleitos, pela trajetória de sucesso, proporcionando a evolução da Saúde no país. Parabéns às diversas instituições, que fomentam o crescimento desses profissionais. Parabéns, enfim, à Saúde brasileira, que mesmo diante de tantos problemas e desafios, abre espaço para profissionais comprometidos com o ser humano. Em caso de o eleito não responder às solicitações no prazo dado, este mesmo foi substituído por outro com o mesmo grau de influência considerado pelo conselho editorial. No caso de não haver outro para substituí-lo, a categoria ficou, automaticamente, com menos homenageados.

HEALTHCARE Management 35

Associação e Federação Autoridade Pública Consultoria Empresário Ensino e Pesquisa Filantropia Gestor na Saúde Indústria Infraestrutura e Engenharia Medicina Diagnóstica Negócios Profissional da Saúde Projetos de Humanização Provedor de Serviços Qualidade e Segurança Referência Saúde Suplementar Suprimentos e Logística Sustentabilidade Tecnologia Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

71


100

Mais Influentes Da Saúde

Associação e Federação

Fabrício campolina

U

m dos líderes mais jovens do setor da Saúde no Brasil, Fabrício Campolina, Presidente do Conselho de Administração da Abimed, liderou um significativo reposicionamento estratégico e fortalecimento da associação em 2014. Como resultado, a Abimed cresceu em 25% seu número de associados, ampliou o quadro executivo e inaugurou sua nova sede. Também durante a gestão de Campolina houve a intensificação do foco em ética, com a revisão no Código de Conduta da Abimed, finalizada em dezembro passado. A interlocução com Anvisa e Ministério da Saúde a fim de promover a política industrial, e o lançamento da “Campanha Acelerando a Inovação no Brasil” também são suas conquistas.

Francisco Balestrin

“F

oi um ano bastante positivo e de intenso trabalho.” As palavras de Francisco Balestrin, Presidente da Anahp, refletem suas conquistas, como o lançamento do “Livro Branco: Brasil Saúde 2015 | A Sustentabilidade do sistema de saúde brasileiro”. Através de uma visão macropolítica e econômica-social, o livro contribui para a elaboração dos planos de governo com foco na sustentabilidade. Neste ano, Balestrin foi designado para mais três anos de mandato à frente da Anahp. “Este será um honroso desafio. Entre nossos assuntos prioritários está o modelo de remuneração. Precisamos progredir neste sentido, bem como estabelecer mecanismos mais transparentes para comercialização de insumos e materiais.”

Profissionalismo, ética e transparência


Franco Pallamolla

P

elo caráter emblemático e pela luta histórica, a obtenção da isonomia tributária, no caso de venda aos entes públicos ou filantrópicos, foi a maior conquista da gestão de Franco Pallamolla, Presidente da Abimo, no último ano. Após a isenção de PIS e COFINS, agora, os esforços devem se concentrar no âmbito do CONFAZ, a fim de garantir uniformidade de tratamento no território nacional quanto à legislação do ICMS. “Além disso, vamos trabalhar fortemente na política de compliance dentro da entidade e das empresas associadas. Lançaremos o manual de conduta e trabalharemos na orientação aos associados sobre como aplicar o compliance dentro de suas empresas”, afirma Pallamolla.

Valdesir Galvan

N

Foto: Neuza Nakahara

o último ano, a gestão de Valdesir Galvan, Presidente da Federação Brasileira de Administradores Hospitalares (FBAH), intensificou a participação da federação em diversos encontros, como nos Congressos de Administração de Saúde realizados nas cidades de Montevideo e Lima. Outra conquista foi a filiação da FBAH junto à Federação Internacional de Hospitais (IHF), na Suíça. Seu próximo desafio, segundo Galvan, será manter a forte atuação da FBAH em congressos e eventos. Sua gestão também visa estreitar parcerias para melhorar a capacitação dos administradores hospitalares e dos demais profissionais, realizando cursos e visitas técnicas a hospitais e sistemas de Saúde no Brasil e exterior.

na

Yussif Ali mere jr.

À

frente da FEHOESP, o grande desafio de Yussif Ali Mere Jr. foi transformá-la em uma prestadora eficaz de serviços demandados pela categoria. Isso vem sendo possível devido à participação do IEPAS – Instituto de Ensino e Pesquisa na Área da Saúde, mantido pela própria federação, promovendo, assim, uma melhoria na grade curricular. Para este ano, Mere Jr. afirma que seu grande desafio como dirigente do sistema sindical patronal da Saúde é fazer valer a criação do Sistema S da Saúde. “Com isso, o setor vai dispor de recursos advindos da própria categoria para o conhecimento e desenvolvimento de todos os nossos colaboradores. Este é um alvo que não pode ser perdido de vista.” Yussif também é presidente do Sindhosp.

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Autoridade Pública

Ana Amélia lemos

A

luta contra o câncer é uma das prioridades defendidas pela Senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS). Em 2014, atuou fortemente para ampliar o debate sobre a regulamentação da Lei 12.732/2012, que obriga o início do tratamento de casos de câncer pelo SUS em até 60 dias após o diagnóstico. Entre os projetos de sua autoria, que se transformaram em lei, está a 12.880/2013, que obriga os planos de saúde a ofertarem tratamento do câncer via oral. Atualmente, está em tramitação no Senado o PLS 378/2014, apresentado pela senadora, que altera a Lei Orgânica de Saúde. “Essa iniciativa trata de procedimentos para humanizar a gestão e melhorar o atendimento aos usuários dos serviços de assistência à saúde.”

Antônio Brito

O

Deputado Federal baiano Antônio Brito (PTB), também Presidente da Frente Parlamentar das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos e da Confederação Mundial das Misericórdias (CIM), vem atuando no setor fomentando o apoio às Santas Casas. “É fundamental uma ação urgente do Governo Federal no sentido de levar socorro para estas importantes entidades parceiras do Sistema Único de Saúde que, hoje, são responsáveis por metade dos atendimentos prestados pelo SUS”, afirma o parlamentar sobre a grave crise econômica que as instituições enfrentam. Brito também já presidiu a Frente Parlamentar pela Luta contra Tuberculose.

Profissionalismo, ética e transparência


Arthur Chioro

A

autoridade máxima do Brasil na Saúde, o Ministro Arthur Chioro realizou importantes ações neste último ano. Destacam-se a implementação do programa Mais Médicos e a incorporação de novos medicamentos e vacinas. Em 2014, com a oferta da DTPa, HPV e Hepatite A, o SUS passou a ofertar 17 vacinas de rotina no calendário nacional. Vale ressaltar as novas regras de combate ao fumo, restringindo a propaganda de cigarros, e extinguindo os fumódromos em ambientes coletivos. “Ampliamos a cobertura da Estratégia Saúde da Família e, com recursos do PAC, estamos ampliando 26 mil UBS em todo o país e garantindo a conexão em banda larga das UBS”, afirma.

David Uip

O

Secretário de Saúde do Estado de São Paulo, David Uip, lançou, no último ano, o programa “Santa Casa Sustentável”, garantindo R$ 604 milhões extras para 130 santas casas e hospitais filantrópicos. Outro projeto que se destaca em sua gestão foi o “Mulheres do Peito”, com quatro carretas percorrendo os municípios oferecendo mamografia grátis a mulheres entre 50 e 69 anos sem necessidade de pedido médico. Diante do atual cenário turbulento na economia, Uip afirma que seu maior desafio é fazer mais com menos. “Criamos, na Secretaria, um Núcleo de Controladoria visando proporcionar maior eficácia na gestão, controlando preço e qualidade e combatendo o desperdício e a má administração.”

Dirceu Barbano

E

m 2014, Dirceu Barbano terminou seu segundo mandato como Diretor da Anvisa, em que esteve por seis anos, sendo quatro como Diretor-presidente. Entre suas vitórias destaca-se o acolhimento de 314 novos servidores, via concurso público, que teve o apoio do Movimento Brasil Competitivo, envolvendo indústrias farmacêuticas, mediante um novo modelo de relação entre entes públicos e empresas privadas. “A Anvisa esteve mais aberta e transparente, visto os regulamentos emitidos que garantiram sua ação menos burocrática.” Recentemente, Barbano acompanhou a European Medicines Agency (EMA) para compreender como o órgão se organiza e se relaciona com as autoridades dos Estados membros e com a Comissão Europeia.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Consultoria

Enrico De Vettori

I

mportantes parcerias e trazer a tecnologia para consultoria. Esses foram os principais destaques do último ano da gestão de Enrico De Vettori, sócio da área de Life Science e Healthcare da Deloitte no Brasil. Sua gestão visou oferecer para o mercado uma consultoria mais ágil, flexível, com maior assertividade nos resultados tanto em relação às ferramentas tecnológicas, como também nas de gestão. “A automação da consultoria foi, de fato, um dos grandes avanços em 2014. Além disso, conseguimos fortalecer parcerias através de soluções integradas”, destaca. Ainda de acordo com Vettori, o maior desafio é vencer a forte barreira da mudança e repensar toda a cadeia buscando a sustentabilidade.

eva labarta

A

consolidação do setor de Health da everis, bem como a conquista de clientes de referência no mercado brasileiro, são os grandes destaques do último ano da gestão de Eva Labarta, Presidente da empresa. Além disso, também houve a consolidação da everis Brasil como a segunda operação da companhia tanto por volume de negócios atual, como por perspectivas de crescimento futuro. Para este ano, o principal desafio de Eva Labarta e sua equipe é fazer com que a suíte de produtos ehCOS (premiado em 2012 pela Frost & Sullivan como a solução tecnológica mais inovadora da América Latina) se torne referência para os hospitais brasileiros e para o setor de Saúde como um todo.

Profissionalismo, ética e transparência


Foto: Ramede Felix

José Henrique Germann Ferreira

E

ntre as principais vitórias de José Henrique Germann Ferreira, Diretor do Instituto Israelita de Consultoria e Gestão, destaca-se o processo de consolidação do nome e conceito da “Consultoria e Gestão Einstein”. Para Ferreira, este processo evidenciou a carência de instituições de alto desempenho especializadas neste segmento, e a “força da marca Einstein como instituição assistencial de classe mundial, com desempenho operacional em constante aperfeiçoamento e resultados clínicos incomparáveis”. Seu próximo passo é expandir a consultoria, aumentar o número de clientes e diversificar a prestação de serviços com novos produtos.

Maria Manuela P. Carneiro Alves dos Santos

“O

mais importante para o CBA, e especialmente para mim, foi a conquista da acreditação da International Society for Quality in Health Care (ISQua), o que nos torna a primeira organização a obter essa acreditação no Brasil”, revela Maria Manuela Alves dos Santos, Superintendente do Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA). Outros destaques de sua gestão foram os projetos de educação e acreditação junto a diversas instituições. Exemplo disso é a parceria com a PUC-Rio, para a pós-graduação Qualidade em Saúde: Gestão e Acreditação. Este mesmo curso será oferecido pela primeira vez em São Paulo, em parceria com o Instituto de Educação e Ciências em Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

rubens covello

E

ste ano, Rubens Covello, CEO da IQG, conseguiu estruturar a empresa como a maior certificadora de saúde da América Latina, destacando-a entre as cinco maiores do mundo. Para este ano, Covello explica que já foram dados os primeiros passos para a internacionalização da prestação de serviço, visando uma maior atuação na América Latina e Europa. O desafio é chegar a 500 instituições que terão algum processo de gestão da qualidade com o IQG. “Cada vez mais temos que mostrar ao mercado e aos pacientes o que estamos fazendo, melhorando a qualidade de nossas instituições em todas as esferas.”

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Empresário

Foto: John Jackson

djalma rodrigues

A

entrada no mercado da África subsaariana é o resultado de muitos anos de um intenso trabalho realizado por Djalma Rodrigues, Presidente da Fanem, e sua equipe. A sua gestão também apostou na automatização do parque produtivo da fábrica, com fortes investimentos realizados em metalurgia de chapa fina. Segundo Rodrigues, seus próximos desafios são conduzir e executar os projetos que já estão em andamento, alinhados à meta de investir constantemente em tecnologia. “Os esforços também serão voltados para estender a cultura Lean para toda a empresa e consolidar, ainda mais, a nossa internacionalização”, afirma.

Paulo magnus

S

ob a liderança de Paulo Magnus, a MV adquiriu 100% dos ativos da Consulfarma, empresa especializada no desenvolvimento de soluções para Secretarias Municipais de Saúde e Consórcios Intermunicipais de Saúde. A aquisição, formalizada no final de 2014, está entre os destaques de sua gestão. Magnus afirma que sua maior conquista foi contribuir para a melhoria da percepção dos gestores sobre o uso das ferramentas de TI para otimizar os resultados nas organizações de Saúde. “Essas empresas ainda têm um longo caminho a percorrer quando o tema é performance e redução de desperdícios. Quero continuar lutando para acabar com o papel nas instituições, garantindo sustentabilidade para o setor.”

Profissionalismo, ética e transparência


ronald lorentziadis

A

gestão de Ronald Lorentziadis, CEO da Bace, conseguiu concluir, neste último ano, o processo de integração da empresa com o Grupo Hartamann, realizando uma completa reestruturação interna. Sob a sua liderança, a empresa conseguiu dobrar o volume de negócios no segmento de curativos, linha estratégica e de grande importância para a companhia. Segundo Lorentziadis, o grande desafio será crescer e aprimorar a atuação em áreas pouco exploradas até então, como o setor público e expansão nacional via distribuidores. “Por si só, esses já seriam desafios suficientemente grandes, mas tomam uma dimensão ainda maior quando consideramos a expectativa de se manter um alto nível na qualidade dos serviços.”

ruy baumer

M

anter o crescimento da empresa de todas as unidades, mesmo em um ano em que já se despontavam as primeiras dificuldades econômicas, foi uma tarefa cumprida por Ruy Baumer, Presidente da Baumer, em 2014. Os projetos de inovação foram acelerados e sua gestão também conseguiu aumentar a presença internacional da empresa. “Já na atuação institucional com o Sindicato e Comitê da Saúde e Biotecnologia, considero como principal vitória a maior força política e o respeito conquistado pelo nosso setor”, ressalta. A meta de Baumer, agora, é intensificar a atuação da empresa tanto dentro do Brasil, como em outros países e, assim, participar do mercado da Saúde em todos os continentes.

sidney oliveira

U

ma das principais vitórias de Sidney Oliveira, Presidente da Ultrafarma, neste último ano, foi a criação da Linha Sidney Oliveira, considerada uma das maiores linhas de vitamina e suplemento no Brasil. Vale ressaltar também a ampliação da Rahda, empresa de cosméticos, higiene pessoal e alimentos funcionais, e um crescimento significativo no e-commerce, que gera, hoje, uma grande porcentagem no total geral das vendas. “Vamos continuar trabalhando pelos nossos consumidores, mantendo a qualidade no atendimento e nos produtos. Nossa missão é possibilitar que mais pessoas tenham acesso aos medicamentos, ajudando a manter uma melhor qualidade de vida”, ressalta.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Ensino e Pesquisa

Jorge Moll Neto

A

lém de importantes contribuições valiosas para a Saúde, o Diretor-presidente do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), Jorge Moll Neto, comemorou, recentemente, os cincos anos do IDOR. Como presente de aniversário, o instituto e a Faperj (Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa) assinaram os termos de outorga de um programa que destina R$ 10 milhões para pesquisas em Saúde. Com isso, mais de 30 pesquisadores que desenvolvem estudos em inovações tecnológicas e em serviços na área biomédica serão contemplados. Moll Neto também foi fundador e coordenador da Unidade de Neurociência Cognitiva e Comportamental, mantida pela Rede LABS-D’Or de Hospitais, no Rio de Janeiro.

Foto: Ramede Felix

Luiz Vicente Rizzo

A

inclusão do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein no ranking da Universidade de Leiden, na Holanda, como segundo hospital em produção científica no Brasil é o grande destaque da gestão de Luiz Vicente Rizzo, Diretor de Pesquisa do instituto. “O ranking é um dos, se não o mais prestigiado em termos acadêmicos, e ficar atrás apenas do HC da USP é um feito impressionante, uma vez que este hospital é eminentemente acadêmico associado a maior universidade da América Latina. A nossa estrutura de pesquisa é muito menor, mas este resultado prova a nossa eficiência.” Para 2015, Rizzo visa ampliar a área de pesquisa e aumentar o impacto das revistas científicas publicadas pela instituição.

Profissionalismo, ética e transparência


Magdala de araújo Novaes

E

leita como a pessoa mais influente em saúde digital da América Latina com o prêmio HealthXL South America, Magdala de Araújo Novaes, Coordenadora do Núcleo de Telessaúde da Universidade Federal do Pernambuco, colheu bons frutos de todo o seu trabalho no último ano. Além da premiação internacional, Magdala trabalhou pelo aperfeiçoamento de sua equipe, ampliando a oferta de serviços como a teleducação e a teleassistência da RedeNUTES. “Completamos 11 anos em atividade e, aos poucos, estamos conquistando nosso espaço e nos tornando referência.” Para 2015, o objetivo é ampliar o campo de estágio para formação de profissionais na área de saúde digital no Hospital das Clínicas da UFPE.

Otávio Berwanger

N

este último ano, Otávio Berwanger, Diretor do IEP HCor, viu diversos projetos de pesquisa do hospital sendo publicados em importantes revistas, como New England Journal of Medicine e Journal of the American Medical Association. Ele também foi convidado para ser o Coordenador da Rede Nacional de Pesquisa em Doença Cardiovasculares do Ministério da Saúde, e foi palestrante em eventos internacionais, como o American College of Cardiology, em Washington (EUA). Berwanger também é o principal investigador de um grande estudo na área de infarto do miocárdio, o Estudo TREAT. “Será a primeira vez que o Brasil coordena 10 países em uma pesquisa. Sem dúvida, é o projeto mais importante que já fiz”, afirma.

Roberto de Queiroz Padilha

S

uperintendente de Ensino do Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa (IEP/HSL), Roberto de Queiroz Padilha conquistou a consolidação das metodologias de ensino, formando especialistas e facilitadores de aprendizagem da Saúde em todo o país, totalizando 21.000 profissionais. “Um dos fatores mais importantes para este desfecho foi trabalhar a diversidade com profissionais do setor público e privado de diferentes regiões, e com diferentes aproximações dos conceitos de Saúde”, explica. Seu próximo desafio é apoiar a formação de profissionais, especialmente médicos, utilizando e disseminando as metodologias de ensino-aprendizagem do IEP/HSL.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Filantropia

Antonio Carlos Kfouri

N

o último ano, a gestão de Antonio Carlos Kfouri, Superintendente Corporativo do HCor, conseguiu atender um número maior de crianças, de diversos Estados do país, com doenças congênitas complexas do coração. Também realizou a capacitação de centros médicos e hospitalares regionais, como na região da Amazônia, para que os profissionais consigam atender alguns tipos de cardiopatias congênitas sem a necessidade de transferir para a região Sudeste e Sul. Segundo Kfouri, seu maior desafio será “reinventar o modelo de governança corporativa da instituição, agregando valor ao atendimento da população menos favorecida economicamente, sem a presença contínua e onipresente do Dr. Adib Jatene”.

José Carlos de Oliveira

E

m 2014, José Carlos de Oliveira conduziu o GRAAC para uma maior profissionalização na gestão. Assim, sua administração vem investindo em mais capacitação dos recursos humanos, visando ter colaboradores bem treinados e motivados para colocar em prática a missão da instituição. “Mesmo sendo uma entidade filantrópica, nossa visão é ter um RH que esteja muito bem afinado, como se fosse uma empresa de capital aberto”, ressalta. Oliveira destaca ainda que seu maior desafio é buscar novas fontes de financiamento além do SUS e das operadoras de saúde. Para isso, sua gestão dedica-se em buscar maior envolvimento da sociedade civil e empresários.

Profissionalismo, ética e transparência


josé carlos rizoli

S

ob a liderança de José Carlos Rizoli, o Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) registrou um importante avanço na gestão em parceria com os órgãos públicos de duas novas unidades: o Hospital Municipal de Araucária e a Unidade de Pronto Atendimento e Pronto Atendimento Infantil, em Ponta Grossa, ambas no Paraná. “Com essas novas unidades, as primeiras na região Sul do país, dedicamos nossos esforços na gestão de cinco hospitais, uma UPA e uma unidade própria. No total são 473 leitos e mais de 1.000 colaboradores diretos”, comenta. Vale ressaltar a criação do Museu da Saúde, pelo INDSH, que realizou sua primeira exposição neste ano.

Luciano Artioli

E

m 2014, Luciano Artioli, Presidente do IABAS – Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde, e sua equipe registraram a marca de mais de 1.500.000 pacientes assistidos em cerca de 80 centros de saúde administrados pelo instituto. São mais de 260 equipes de saúde da família, incluindo desde o acompanhamento domiciliar de pacientes idosos, até o atendimento de urgência em cinco UPAS e duas unidades hospitalares. “Nossa missão é crescer e expandir, aprimorando ainda mais os mecanismos de gestão para aumentar a eficiência e buscar a excelência nas unidades de saúde administradas pelo Iabas”, afirma Artioli.

Sérgio Porto

O

último ano foi repleto de conquistas para Sérgio Porto, Presidente do Seconci-SP. A entidade, que comemorou 50 anos, registrou 8 milhões de atendimentos em 2014, o que significa um aumento de 20% em atendimentos e 11,5% em colaboradores comparado ao ano anterior. Com aproximadamente 5 mil empresas filiadas, a gestão de Porto investiu cerca de R$ 1,250 milhão na inauguração da nova unidade em Piracicaba (SP), na aquisição de novos equipamentos e na ampliação de postos de trabalho. Para 2015, está previsto o investimento de R$ 3,5 milhões em novos equipamentos. “Também adquirimos mais uma Unidade Móvel Odontológica e um aparelho que confere maior precisão no diagnóstico de diabetes.”

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Gestor na Saúde

Alfonso Migliori

C

rescimento é palavra que resume o último ano da gestão de Alfonso Migliori, Diretor do Hospital 9 de Julho. Exemplo disso é o projeto de expansão do hospital, que já está na fase final da construção. Trata-se de uma nova torre com nove andares de internação, com 120 leitos, sendo um andar VIP com oito suítes. Além disso, sua gestão obteve a consolidação do Centro de Medicina Especializada, um prédio com 14 andares, fora do ambiente hospitalar, que oferece exames e consultas em mais de 45 especialidades, além de 12 Centros de Referência. Por fim, Migliori contabiliza o crescimento em cirurgia robótica da instituição, com 56 médicos habilitados que realizaram 316 procedimentos em 2013.

Fernando Andreatta Torelly

A

consolidação de uma equipe diretiva e gerencial no Hospital Moinhos de Vento foi uma das principais conquistas de Fernando Andreatta Torelly, Superintendente-executivo da instituição. “Fortalecemos a estrutura de governança e a integração das lideranças ao projeto da instituição.” Diante de um cenário em constante mudança, como é a Saúde, Torelly afirma ainda que rever e atualizar as orientações estratégicas e fortalecer a gestão operacional são seus grandes desafios. “Em 2015, completamos o segundo ano de afiliação com a Johns Hopkins Medicine International, um processo de resultados muito exitosos. O desafio é continuar investindo em qualidade com a manutenção da sustentabilidade econômica.”

Profissionalismo, ética e transparência


Mario Vrandecic

O

maior compromisso de Mario Vrandecic é prezar pelo cuidado e atenção especial com o paciente. Com essa missão, Vrandecic fundou e, desde então, vem dirigindo o Biocor Instituto, que completa 30 anos de assistência médica e hospitalar, e é referência em todo o país. Com sua rica experiência como médico, cirurgião, professor e pesquisador, Vrandecic é autor de 16 patentes aprovadas pelo órgão norte-americano FDA – Food and Drug Administration. No último ano, sua gestão investiu em uma governança integrada. “O nosso foco são pessoas, isto é, formação, capacitação e compromisso com os nossos valores institucionais de acolhimento com carinho, competência e qualidade.”

Rodrigo Fernandes Teixeira Lopes

“C

ontinuar a valorização do capital humano no Hospital Bandeirantes, de forma que nada vire ordem, mas, sim, uma motivação para todos.” As palavras de Rodrigo Lopes, CEO do Hospital Bandeirantes, refletem suas maiores tarefas realizadas no último ano. Com isso, foi possível implantar e fortalecer a cada dia a valorização e meritocracia na instituição. Para 2015, Lopes explica que seus maiores desafios serão desenvolver e implantar projetos de baixo custo, sem deixar de gerar grandes resultados. “É preciso manter a instituição motivada sempre em busca da inovação, mesmo em um ano economicamente turbulento como este que estamos passando”, ressalta.

Valdir Pereira Ventura

U

m novo PA obstétrico; a terceira unidade ambulatorial e exames pré-natal dentro do Shopping Mooca, em São Paulo; um andar totalmente dedicado à internação pediátrica com 26 leitos de enfermaria e 10 leitos de UTI; e, por fim, o Natal iluminado São Cristóvão. Essas foram algumas das conquistas de Valdir Pereira Ventura, CEO do Grupo São Cristóvão. O crescimento não para por ai. Em 2015, estão previstos o início do processo de certificação Canadense, informatização total do plano de saúde, implementação do gerenciamento de leitos e do Visual, um sistema de compras e gestão de fornecedores em que é possível adquirir materiais e medicamentos através de leilão virtual.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Indústria

Bernardo Medrado

E

m 2014, Bernardo Medrado, Diretor-comercial da Hill-Rom no Brasil, obteve um crescimento expressivo da empresa, consolidando o market-share no mercado hospitalar do país. Sob sua gestão foram lançados novos produtos, como a linha CWS (Continued Workflow Solutions), que ajuda os profissionais de saúde a melhorar o fluxo de trabalho no hospital, otimizando o tempo e permitindo desenvolver outras atividades também importantes e necessárias durante o turno de trabalho. “Meu desafio, para este ano, será a ampliação de portfólio, buscando a integração de outras linhas recentemente adquiridas pela Hill-Rom, como a Aspen Surgical, Allen Medical e Trumpf Medical”, ressalta.

Daurio Speranzini Jr.

S

ob o comando de Daurio Speranzini Jr., a GE Healthcare obteve importantes avanços, como o aumento da produção de arcos cirúrgicos e o início da fabricação de ultrassom, além da fabricação de raios-X, mamógrafos, tomografia computadorizada e ressonância magnética. Também em 2014, foi firmada uma parceria com o Senai-SP para a ampliação da estrutura da escola a fim de atender a demanda por cursos em Saúde. Além de capacitar mão de obra, a gestão Speranzini Jr. também iniciou a estrutura de Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil. “Para isso, é necessário entender com o Governo quais são as áreas de maior necessidade e fazer com que clientes possam participar do processo de forma colaborativa.”

Profissionalismo, ética e transparência


Ermano Moraes

O

ano de 2014 foi marcado por grandes realizações para Ermano Moraes, Vice-presidente do Grupo Covidien para a América Latina. A começar pelo lançamento de produtos, como o Sonicision®, primeiro dispositivo de dissecção ultrassônica sem fio. Outro marco de sua gestão foi a inauguração do Centro Covidien de Inovação (CCI Brasil), ampliando a capacidade de treinamento e pesquisa. O CCI é o primeiro centro do gênero na América Latina, com capacidade de oferecer 120 cursos e treinar 2.000 profissionais por ano. “Meu compromisso continua no sentido de ampliar o acesso à Saúde e promover melhores cuidados com os pacientes, mas, agora, meu foco é, além do Brasil, toda a região.”

Holger Johannsen

À

frente da Dräger Brasil, Holger Johannsen viu a empresa crescer 25% em 2014 comparado ao ano anterior. Em vendas líquidas, apresentou alta nos dois segmentos: hospitais, 19,1%; segurança, 17,3%. Os bons resultados também apareceram graças aos investimentos contínuos no canal de vendas. Para este ano, segundo Johannsen, a grande aposta é o Caminhão One Dräger, cujo mote é educação continuada. Entre maio e novembro, o veículo customizado percorrerá 18 mil km, passando por 25 cidades das cinco regiões brasileiras. Assim, especialistas de produtos apresentarão produtos e oferecerão treinamentos com foco em ventilação mecânica.

Kurt Kaninski

C

om 33 anos dedicados à área da Saúde e desde 1996 na St. Jude Medical, Kurt Kaninski assumiu a Gerência Geral da empresa em 2012, sendo um dos fundadores da filial brasileira. O executivo participou de todo o crescimento da empresa que iniciou suas atividades com 18 funcionários e possui, hoje, quase 900. “Por acreditar que a Saúde precisa de constante inovação e que os brasileiros merecem a melhor tecnologia e serviço, transformamos a empresa em referência no treinamento de profissionais, fazendo com que, ao trazer produtos de alta tecnologia, estes sejam utilizados da forma mais adequada, possibilitando aos pacientes o melhor tratamento”, salienta.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Infraestrutura e engenharia

Antônio Carlos Cascão

A

conclusão das obras de expansão do Hospital Sírio-Libanês e a ocupação simultânea das novas instalações foram as grandes conquistas de Antônio Carlos Cascão, Superintendente de Engenharia e Obras da instituição. Cascão também realizou a implantação de uma série de projetos que integram a gestão ambiental às atividades do hospital, como a conclusão da implantação das Estações de Tratamento de Esgoto e de Tratamento de Água. “Para 2015 e 2016, seu maior desafio será garantir que a operação dos novos edifícios ocorra de forma integrada, e em conformidade com as especificações. Também vamos implantar novas tecnologias nas áreas existentes de forma a adequá-las ao estado da arte das novas torres.”

Flávio Kelner

A

RAF Arquitetura completou 25 anos de atuação e, sob a liderança de Flávio Kelner, a empresa vem consolidando sua marca no cenário nacional. No último ano, sua gestão empenhou-se na implementação de um sistema de gestão em busca do aprimoramento na qualidade dos serviços em todo o processo do projeto arquitetônico, tanto na área técnica, como também no relacionamento com os clientes. Outra grande conquista de Kelner foi expandir a empresa para todo o Brasil, tendo como pontapé inicial um novo escritório em São Paulo. Destaca-se também sua atuação em importantes projetos como no Instituto Nacional do Câncer (Inca), e unidades da Rede D´Or.

Profissionalismo, ética e transparência


Lauro Miquelin

C

om um olhar focado no paciente e outro na equipe multidisciplinar, a gestão de Lauro Miquelin, Fundador e Diretor da L+M, no último ano, criou bases sólidas em todo o Brasil e América Latina. “Sempre pensamos de forma macro, ou seja, em tudo o que é possível para oferecer um espaço acolhedor em ambientes de saúde. Ou seja, pensar nas diversas maneiras de aproximar as pessoas, imprimindo, cada vez mais, o trato humanizado, que é o DNA da promoção à saúde”, ressalta. Para seguir tal estratégia, sua gestão vem investindo em pessoas, formando uma equipe formada por médicos, técnicos, arquitetos, engenheiros, enfermeiros e administradores.

Robson Szigethy

D

iretor-executivo do Grupo Amil/United Health Group, Robson Szigethy possui 20 anos de experiência no segmento de engenharia e arquitetura da Saúde. No último ano, seu maior desafio foi a conclusão da construção do Americas Medical City, no Rio de Janeiro, um dos maiores e mais avançados complexos médico-hospitalares da América Latina. Também se destaca em sua gestão o início da utilização da ferramenta BIM e a evolução nos controles de gestão dos projetos e construções em andamento. Para 2015, Szigethy tem como grande desafio a finalização da construção do Hospital TotalCor, em São Paulo, que está em fase de certificação pelo Green Building Council.

Salim Lamha Neto

A

inda que 2014 a queda da atividade econômica no Brasil já despontava seus primeiros sinais, Salim Lamha Neto, Presidente da MHA Engenharia, conseguiu obter naquele ano mais de 70% do faturamento de clientes que já haviam trabalhado com a MHA. “São clientes que estão conosco há 20, 30 anos. Isso confirma a satisfação de nosso público.” Entre os projetos de destaque realizados no ano passado estão a ampliação dos hospitais Sírio-Libanês, Alemão Oswaldo Cruz, e os novos como o Hospital das Américas, Hospital de Parelheiros e o Hospital de Brasilândia. Para 2015, Lamha afirma que haverá um investimento contínuo em treinamento da equipe, que, hoje, conta com mais de 300 profissionais.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Medicina Diagnóstica

Armando Lopes

I

mportantes parcerias marcaram a gestão de Armando Lopes, Diretor da Siemens Healthcare no Brasil, no ano de 2014. A criação do Centro Internacional de Referência em Imagem Cardiovascular junto com o Hospital Sírio-Libanês é um grande exemplo. E, já neste ano, sua gestão iniciou uma importante parceria com a Faculdade de Medicina da USP, com a inauguração do aparelho de ressonância 7 Tesla. “Nossas equipes têm se esmerado em entender os desafios enfrentados por nossos clientes e, assim, poder propor soluções. Estamos cientes que nossa oferta de valor é tecnologia voltada à excelência clínica e operacional, maximizando o retorno sobre os investimentos”, salienta Lopes.

Carlos Marinelli

O

fortalecimento dos diferenciais do Grupo Fleury baseados em excelência técnica, médica e em atendimento foi uma das vitórias de Carlos Marinelli, Presidente do Grupo Fleury. Exemplo disso foi o lançamento do Centro Integrado Cardiológico e Neurovascular da marca Fleury Medicina e Saúde. Seu principal desafio é dar continuidade a esta estratégia, aproveitando as oportunidades de mercado, especialmente nos setores premium. “Essa ação contribuirá de forma consistente e sustentável com o processo de rentabilização em andamento, além de estabelecer as bases para um novo ciclo de crescimento.” Marinelli ingressou no Grupo em 2005 e, desde setembro de 2014, é o CEO do Grupo Fleury.

Profissionalismo, ética e transparência


Claudia Cohn

V

er crescer a atuação da Abramed (Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica) foi uma das grandes conquistas de Claudia Cohn, Presidente da entidade. Exemplo disso foi o apoio na elaboração de projeto de lei que contempla cuidados para o setor, a contribuição da associação com dados técnicos para a publicação de instruções normativas de agências regulatórias, participação em grupos de trabalho com a Anvisa, entre outros. Seu próximo desafio é crescer em 20% o número de associados e obter mais resultados na representatividade regulatória e setorial. “Tudo é consequência do trabalho de um grupo unido. Os resultados e as vitórias vêm para quem busca incansavelmente bons resultados em conjunto.”

Gerardo Schattenhofer

O

crescimento da Toshiba Medical Brasil bem acima da média do mercado nacional de diagnóstico por imagem foi um dos grandes destaques do último ano da gestão de Gerardo Schattenhofer. O sucesso dessa gestão no Brasil reflete significativamente nos resultados globais do grupo Toshiba, com a Toshiba Medical do Brasil se posicionando como o quarto mercado mais importante, logo depois dos EUA, Europa e China. Tal crescimento foi resultado da consolidação da produção nacional de equipamentos de alta tecnologia na planta de Campinas. “Para 2015, estão previstos a consolidação da atividade industrial, o fortalecimento dos conceitos de governança corporativa e de compliance, entre outros desafios.”

José Laska

F

rente à Agfa Healthcare, José Laska conseguiu, neste último ano, levar a inovação para o mercado, tanto por meio de soluções tecnológicas, como através de um modelo de negócio diferenciado. A principal missão da Agfa Healthcare é estar em 1 a cada 2 hospitais no mundo e, no Brasil, a gestão de Laska conseguiu alcançar esta tarefa. Mais da metade dos hospitais brasileiros, hoje, possuem alguma solução ou serviço da empresa. Na Radiologia, Laska vê grandes oportunidades, como a digitalização dos serviços de raios-x. “Temos muito que crescer na Saúde. Talvez a forma de fazer negócio mude um pouco, mas acredito que vamos ter muitas parcerias e investimentos internacionais para 2015.”

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Negócios

Foto: Fernando Battistetti

André Ali Mere

A

tingir resultados esperados e formar uma equipe harmoniosa foram as principais vitórias de André Ali Mere, Presidente da JP Indústria Farmacêutica S.A. e Olidef CZ Indústria e Comércio de Aparelhos hospitalares Ltda. Atualmente, o Grupo JP emprega diretamente mais de 550 colaboradores e atua na área de medicamentos, produtos e equipamentos médicos, com produtos espalhados por mais de 40 países. “Neste ano, o desafio é fazer com que as turbulências de ordem política e econômica não prejudiquem substancialmente o funcionamento dos mercados. Vamos dar um foco especial na gestão microeconômica do negócio e fazer um acompanhamento contínuo.”

Edson Bueno

A

tecnologia foi uma das grandes aliadas de Edson Bueno – ex-dono da Amil e controlador do Dasa - e de sua grande equipe. Em 2014, mais de duas milhões de consultas médicas foram agendadas através de canais digitais e mais de um milhão de rostos de clientes cadastrados no sistema de biometria. Houve também a inauguração do Americas Medical City, o maior complexo hospitalar do Brasil, com cerca de 250 consultórios. Bueno também assumiu o cargo executivo no Instituto de Estudos em Saúde Suplementar. “Estarei ainda mais engajado no fortalecimento da Saúde Suplementar como uma contraparte de extrema relevância para assegurar que o nosso país tenha um sistema do qual tenhamos orgulho.”

Profissionalismo, ética e transparência


Oscar Porto

P

osicionar a Medtronic entre as líderes do mercado de produtos para a Saúde foi a maior conquista da gestão de Oscar Porto no último ano. Esta liderança teve como força motriz o lançamento de novas tecnologias e a realização de um trabalho mais próximo aos hospitais e planos de saúde. Com a aquisição da Covidien, a liderança foi ainda mais consolidada, uma vez que foi possível completar o portfólio e, com isso, atender as necessidades do setor. “Apesar da instabilidade política e econômica, acredito que vamos continuar a crescer, tendo em vista a qualidade dos produtos e serviços prestados e, acima de tudo, por continuar investindo no país”, ressalta Porto.

Waleska Santos

D

iante de uma crise econômica, manter o clima positivo da HOSPITALAR e de seu Fórum de Gestão, retratados pela ocupação total do pavilhão de exposição do Expo Center Norte e de seus dois andares de salas para congressos e seminários foi uma grande vitória da Dra. Waleska Santos, Fundadora e Presidente da HOSPITALAR Feira+Fórum. A feira trouxe pela primeira vez o setor “Hospitais Lounge”, reunindo nove grandes instituições brasileiras. O lançamento do Simpósio de Dermatologia também é uma das novidades dentro do temário dos eventos. Vale ressaltar também a presença da HOSPITALAR em importantes eventos como a Feira Medica, em Düsseldorf/Alemanha, e Arab Heatlh/Dubai.

Walter Baxter

“S

em dúvida, minhas maiores conquistas vieram com o time da BD Brasil e de como conduzimos nossos desafios”, declara Walter Baxter, Diretor-geral da BD Brasil. Neste último ano, o executivo e sua equipe conseguiram implementar uma nova gestão de estratégia de preços e um novo modelo de gestão de logística, acarretando em uma maior precisão, qualidade de entrega e redução substancial nos custos. O investimento contínuo em inovação (produtos e serviços) e no desenvolvimento de pessoas são as principais estratégias de Baxter para este ano. “É assim que retemos nossos talentos e mantemos a nossa empresa saudável para enfrentar os desafios deste mercado tão competitivo”, afirma.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Profissional da Saúde

Angelita Habr-Gama

P

Foto: Patrícia Sobrinho

ioneira em residência de cirurgia-geral do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, a cirurgiã-proctologista Angelita Habr-Gama recebeu, em 2014, da American Society for Radiation Oncology o título de Honorary Fellow. Recentemente, Angelita foi convidada para participar como professora visitante no programa conjunto das universidades de Harvard e Johns Hopkins, nos Estados Unidos. “Esta é a primeira vez que convidam uma mulher cirurgiã latinoamericana para expor sua trajetória médica diante de todo o staff dessas Universidades. É mais que uma honra, uma verdadeira alegria participar disso.” Angelita possui 187 trabalhos publicados em revistas internacionais.

Claudia Regina Laselva

A

consolidação do modelo assistencial na clínica médico-cirúrgica do Hospital Albert Einstein foi uma das grandes vitórias de Claudia Regina Laselva, da Gerência de Pacientes Internados e Apoio Assistencial do hospital. Com isso, foi possível adotar o modelo de atenção modular e da visita horária, o que apresentou resultados favoráveis para a segurança e satisfação do paciente, melhoria da satisfação do staff assistencial, e redução de 7% em custos com a mão de obra, contribuindo para a melhoria do EBITDA da área e do hospital. Destaca-se também em sua gestão o Programa Fluxo do Paciente, reduzindo os desperdícios, gerando maior capacidade e acesso ao paciente, entre outros benefícios.

Profissionalismo, ética e transparência


Aírton Viriato

À

frente do Grupo Técnico de Gerenciamento Hospitalar do Instituto Emílio Ribas, Aírton Viriato conseguiu modernizar diversos setores do hospital, tudo isso ancorado em princípios como sustentabilidade e humanização. Viriato é coordenador do curso de pós-graduação Lato Sensu em administração hospitalar, na Universidade Metodista de São Paulo. Através de sua forte atuação acadêmica, o gestor conseguiu levar o curso para dentro do instituto, com o início da primeira turma em agosto do ano passado. Sua gestão também é marcada pelo forte investimento em pessoas, proporcionando cursos a diversos setores. Para 2015, seu desafio é ampliar os processos de TI nos setores assistenciais e gerenciais.

Sonia Tucunduva Philippi

D

ocente e Pesquisadora do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, Sonia Tucunduva Philippi ganhou, em 2014, o Prêmio Destaque na Academia, dado pelos nutricionistas inscritos no Conselho Regional de Nutricionistas, e o Prêmio Personalidade do Ano na Saúde pela Editora Abril. Com uma extensa e respeitada carreira que inclui a adaptação da pirâmide alimentar para o contexto brasileiro, Sonia possui 14 livros publicados, sendo três obras organizadas, e 42 capítulos de livros, e também desenvolveu o software Virtual Nutri Plus. “A docência, a pesquisa e a extensão à comunidade foram fundamentais para o amadurecimento e a produção acadêmica”, afirma.

Erich Fonoff

N

eurocirurgião especializado em tratamento de doenças Parkinson, Erich Fonoff se destacou, neste último ano, por encabeçar uma pesquisa sobre nova técnica de cirurgia para a implantação de eletrodos no cérebro de pacientes com esta doença. O novo procedimento permite diminuir o tempo de cirurgia em até 40%, além de proporcionar maior segurança e precisão do procedimento. Fonoff recebeu um prêmio no Congresso Bi-anual da Sociedade Europeia de Neurocirurgia Estereotáxica e Funcional por esta pesquisa. O médico também está envolvido em pesquisas para o desenvolvimento de novos tratamentos para doenças neuropsiquiátricas em pacientes sem possibilidades de melhora.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Projetos de Humanização

Antonio Navarro

Q

uem não se admirou com o ursinho Elo no ano passado? O Hospital Amaral Carvalho de Jau inovou com esta ação inédita, conseguindo aproximar as famílias para junto das crianças que estão isoladas, em tratamento para câncer. Essa foi uma das grandes ações realizadas durante o último ano do hospital, sob a liderança de Antonio Navarro. Sua gestão também conseguiu atender mais de 70 mil pacientes pelo SUS e reduziu a zero a fuga do tratamento dos pacientes. “É primordial manter uma equipe unida e capaz de dar o melhor tratamento. Assim, todos nós trabalhamos para tornar o hospital um dos mais conceituados em atenção oncológica e transplante de medula óssea do país.”

Marinete Tibério

C

om o lema “Vocação para Cuidar”, o Hospital São Vicente de Paulo, sob a liderança da Irmã Marinete Tibério, reestruturou todos os processos de atendimento. “Mantemos um tratamento diferenciado e igualitário, independente da fonte pagadora.” Em 2014, sua gestão inaugurou uma nova ala com 20 leitos de CTI, onde se destacam tecnologia de ponta; leitos individualizados; e Sala de Acolhimento (espaço para o diálogo família e médico). Sua gestão trabalha com 20 grandes objetivos estratégicos segregados dentre as perspectivas de Crescimento/Sustentabilidade, Clientes/ Mercado, Social, Processos e Pessoas. São 80 iniciativas conduzidas internamente visando o atendimento humanizado e sustentabilidade.

Profissionalismo, ética e transparência


Moema Wertheimer

E

m 2014, Moema Wertheimer, Diretora da MW Arquitetura, conseguiu abranger, significativamente, o trabalho do escritório em projetos na área da saúde. Entre os cases assinados por Moema estão projetos no Hospital Samaritano (SP), Hospital e Maternidade São Luiz e no Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. A perspectiva para 2015 é colocar em prática todo o trabalho de 2014, que foi o de buscar projetos desafiadores no segmento da Saúde. “Este será o ano dos resultados, o ano da concretização de todo o trabalho feito ao longo de 2014.”

Sérgio Reis

A

Foto: Rodrigo Takeshi

rquiteto formado pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, Sérgio Reis traz em seu portfólio pessoal mais de 200 projetos específicos na Saúde. São cases que envolvem desde a reestruturação de hospitais até a concepção de complexos hospitalares. Na direção da Emed Arquitetura Hospitalar, Reis ampliou a participação do escritório em novos projetos junto ao sistema Unimed, além de consolidar a atividade como gerenciadora de obras em empreendimentos de grande importância para o mercado da Saúde no Brasil. “Manter nossa empresa alinhada aos interesses do mercado, encantar nossos clientes e aprimorar, sempre, os processos e parcerias estratégicas são meus grandes desafios”, ressalta.

na

Teresa Gouveia

E

m 2014, a arquiteta Teresa Gouveia conseguiu entregar 33 mil metros quadrados de projetos pontualmente, e registrar um crescimento de 18% em comparação com 2013. Também no ano passado, seu escritório comemorou 10 anos de atuação no mercado, assumindo importantes projetos na Saúde. São cases para setores específicos, como hemodiálise, hemodinâmica, centro de diagnóstico por imagem, centros cirúrgicos, UTI, ortopedia, pronto atendimento, além de áreas de apoio e laboratórios. “Este ano, sem dúvida, o desafio será crescer. Apesar do cenário político atual, continuaremos firmes neste propósito e vamos nos empenhar para conquistar novos mercados”, ressalta.

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Provedor de Serviços

Jose Antonio Martin

A

té fevereiro deste ano, Jose Antonio Martin ocupava a posição de Diretor de Serviços Digitais B2B da Telefônica Vivo. Desde então, seu mais novo cargo é Diretor Global da área de eHealth da Telefônica. O executivo consolidou a oferta em eHealth da Telefônica Vivo com o lançamento da linha de “Hospital Digital”. “Também fortalecemos a oferta em gestão de saúde populacional, gestão de imagens médicas e gestão de demandas multicanais”, salienta. Para 2015, Martin visa ampliar o escopo de atuação e estabelecer parcerias com as principais empresas do setor e com os governos para colaborar na modernização através das tecnologias digitais, tanto no Brasil como em outros países.

Ricardo Bender

R

icardo Bender se destaca à frente da RDI Bender, empresa precursora no mercado da Saúde em sistemas de IT-Médico. O executivo consolidou a empresa no mercado hospitalar, e seu desafio é continuar nessa crescente. Destaca-se também em sua gestão o lançamento da nova tecnologia do sistema IT-Médico com localização de falhas fixa automática com novos componentes DSIGS427 e localizadores compactos LFFR51, o que gera a redução de tamanho dos painéis elétricos e otimização de componentes, proporcionando maior confiabilidade e agilidade para a engenharia. Este sistema foi instalado nas novas torres do Hospital Sírio-Libanês.

Profissionalismo, ética e transparência


Rogério Saladino

E

m 2014, a principal ação de Rogério Saladino, Presidente do Grupo Biofast, foi a expansão da prestação de serviços para a área privada, abrindo nove unidades de atendimento nas cidades de São Paulo, Guarulhos e na região do ABC. Sua gestão também trabalhou no fortalecimento da governança corporativa, através da reestruturação da direção e do organograma, e a instituição das áreas de supply chain, administração de contratos e controladoria. Além disso, houve a mudança do sistema LIS, o que permitiu proporcionar aos clientes uma robusta ferramenta de gestão. Seus desafios para 2015 são entrar em novos mercados e atuar forte na área de imagem e distribuição.

Sandra Passos

A

s principais vitórias de Sandra Passos, Diretora do segmento de Saúde da Sodexo On-site, foi a superação da meta de crescimento e fidelização de 100% dos clientes. Firmou-se, também, uma importante parceria com o Hospital Infantil Sabará, onde foi implantada a oferta Kids by Sodexo, que oferece uma alimentação com apresentação das refeições de forma lúdica, servidas às crianças em período intra-hospitalar. Vale destacar também o início da Sodexo em Brasília. Para este ano, Sandra afirma que sua gestão está focada na evolução do Centro de Inovação de Excelência no segmento Saúde, com o apoio de uma célula técnica, da Gerência de Marketing e da Gerência de Desenvolvimento de Novos Negócios.

Washington Umberto Cinel

F

ormado pela Academia do Barro Branco (SP), Washington Umberto Cinel desligou-se da Polícia Militar do Estado de São Paulo para criar a Gocil Segurança e Serviços, em 1985. Sua trajetória empreendedora de sucesso prova-se perante a expansão da empresa que, hoje, conta com mais de 23 mil funcionários, atuando em São Paulo, Bahia, Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Goiás. São cerca 10 filiais atendendo 400 clientes. “Queremos crescer de forma segura e manter a estabilidade diante da crise econômica. Buscamos, também, novas oportunidades de crescimento neste ano conturbado. Vamos investir em pessoas para garantir a excelência na qualidade dos serviços”, afirma.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Qualidade e Segurança

Foto: Ramede Felix

Claudia Garcia de Barros

A

inclusão do conceito Triple Aim no Sistema Einstein da Qualidade foi um dos destaques de Claudia Garcia de Barros, Diretora-executiva de Práticas, Qualidade e Segurança do Albert Einstein. Desenvolvido pelo Institute for Healthcare Improvement, a Tripla Meta estabelece a mudança nos processos e resultados em três dimensões: experiência do paciente, abordagem populacional e redução de custo per capita. Destaca-se também sua contribuição no Projeto Parto Adequado que, além de proporcionar o aprendizado na implantação do conceito Triple Aim em projetos, que envolvem instituições públicas e privadas, mobiliza a equipe assistencial em diversos pontos do país para garantir o parto adequado.

Daniela Akemi Costa

E

nquanto Gerente de Qualidade da Rede de Hospitais São Camilo, Daniela Akemi Costa publicou a política de segurança do paciente de forma gráfica e com participação de mais de 70% dos profissionais. Vale ressaltar também a conquista da primeira certificação Diamante/Qmentum da América Latina na unidade Pompeia e o programa de auditores da Rede São Camilo com mais de 160 especialistas em formação. Neste último ano, Daniela também iniciou uma nova atividade, como avaliadora do Accreditation Canada International.

Profissionalismo, ética e transparência


Luiz Plínio Moraes de Toledo

I

ntensificar a conscientização da importância da acreditação como forma de padronizar processos e aumentar a segurança do paciente é a grande vitória de Luiz Plínio Moraes de Toledo como Presidente da ONA. Em 2014, foram certificadas 224 instituições. O número de Diagnósticos Organizacionais, pré-avaliação que geralmente antecede a acreditação, cresceu 65% na comparação com 2013, saltando de 62 para 102. A maioria das instituições que contrata o Diagnóstico Organizacional nunca foi acreditada, sendo este um ‘termômetro’ do interesse pela acreditação. “Para 2015, nosso maior desafio será aumentar o número de acreditações entre clínicas, laboratórios e ambulatórios”, ressalta.

Sandra Cristine

A

conquista da certificação do Centro de Reabilitação pela CARF (Commission on Accreditation of Rehabilitation Facilities) e a finalização do preparo da Certificação ISO 14001 foram os grandes destaques da gestão de Sandra Cristine da Silva, Gerente de Qualidade do Hospital Sírio-Libanês. Sandra obteve uma maior consolidação do processo de qualidade por meio do monitoramento dos indicadores e comparação entre os sites. Destacam-se, também, os avanços na questão da transparência assistencial através de ferramentas que incentivam a participação do paciente e família no cuidado. “Atualmente, estamos nos preparando para a norma OHSAS 18001, a Certificação Canadense e o Selo do Amigo do Idoso.”

Sérgio Ruffini

A

s grandes contribuições de Sérgio Ruffini, Consultor Técnico para Sistemas da Qualidade do Sistema de Saúde Mãe de Deus, foram as certificações da ONA obtidas nas unidades assistenciais HPS Canoas e UPA Canoas, sendo a última em nível de excelência. “Isso representa uma parceria público-privada de sucesso. Apesar das dificuldades, foi possível, com capacidade gerencial, propósitos claros e definidos em prol da segurança e da qualidade da assistência prestada, não importando qual o público e levar o bem-estar e a saúde do paciente, independentemente de sua classe socioeconômica.” Ruffini também participou de diversos processos educacionais, ministrando a disciplina de Qualidade e Acreditação.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100 Foto: Sérgio Zacchi

Mais Influentes Da Saúde

Referência

Claudio Luiz Lottenberg

S

ão inúmeras as conquistas de Claudio Lottenberg frente a uma das maiores instituições da América Latina, o Hospital Israelita Albert Einstein. No último ano, sua gestão inaugurou uma nova unidade de ensino e pesquisa no Rio de Janeiro. Também em 2014, a instituição foi considerada, pelo sexto ano consecutivo, como o melhor hospital da América Latina no ranking da revista AméricaEconomía Intelligence. Além disso, Lottenberg ganhou o prêmio “Cidadão Sustentabilidade 2014”, concedido pela Academia Brasileira de Marketing (Abramark). Para 2015, seus desafios são inaugurar um hospital público, em parceria com a prefeitura de São Paulo, na Vila Santa Catarina, e expandir a unidade Alphaville.

Claudio Seferin

O

trabalho para superar as adversidades que o mercado apresentou em 2014 foi o grande desafio da gestão de Claudio Seferin, Diretor-geral do Sistema de Saúde Mãe de Deus. A estratégia baseou-se, principalmente, na racionalização de custos, na recuperação da produção e na revisão e aperfeiçoamento do modelo de gestão. Assim, foi possível não somente contornar a situação, como também aprimorar a qualidade dos serviços prestados e, consequentemente, aumentar o índice de satisfação dos clientes em 20% comparado a 2013. “Através de estudos técnicos, alcançamos resultados interessantes, sem prejuízos à capacidade do hospital e à excelência de seus serviços”, explica Seferin.

Profissionalismo, ética e transparência


Denise Santos

M

anter o foco na assistência, combinando implantação de novas ferramentas e um processo abrangente de gestão de mudanças. Esse foi um dos destaques de Denise Santos, CEO da Beneficência Portuguesa de São Paulo. Em 2014, sua gestão conquistou o certificado de Hospital Ensino pelo Ministério da Educação e da Saúde. Houve também a continuação da construção do bloco 2 do Hospital São José, que proporcionará o aumento de 70% na capacidade assistencial. Vale ressaltar o “Projeto Conecta”, iniciativa que visa reestruturar a tecnologia dos três hospitais do complexo (Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, São José e Santo Antônio) com o investimento de, aproximadamente, R$ 26 milhões.

Gonzalo Vecina Neto

A

capacidade de liderar e inspirar pessoas de Gonzalo Vecina Neto, Superintendente-executivo do Hospital Sírio-Libanês, é uma de suas características mais marcantes. Entre suas principais vitórias do último ano destaca-se a expansão do ensino e pesquisa no hospital. Sua gestão também entregou um novo edifício com mais de 85 mil m², com modernos sistemas de geração de energia elétrica, de tratamento de esgoto, entre outros requisitos que fazem do hospital um edifício ambientalmente correto. A construção das novas torres teve início em 2009, com investimento de, aproximadamente, R$ 1,9 bilhão. Vale destacar também a abertura de unidades externas em São Paulo e Brasília.

Foto: Eduardo Tarran

Marcelo Lacerda

na

U

ma das ações realizadas com sucesso pelo Presidente do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Marcelo Lacerda, foi tornar plena a capacidade de atendimento da nova torre - bloco E. Com isso, o HAOC passa a contar com mais 30 mil m², permitindo a ampliação de 96 leitos de internação, 13 leitos de UTI e nove salas cirúrgicas. Sua gestão também investiu no novo Centro Cirúrgico, com a primeira sala 3D da América Latina, no novo Centro de Tratamento da Obesidade, e no setor de Ensino e Pesquisa. “Com este propósito nasceu a Faculdade de Educação em Ciências da Saúde, que oferece cursos de graduação em gestão hospitalar e de pós-graduação nas áreas médica, de enfermagem, fisioterapia e psicologia.”

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Saúde Suplementar

Denise Eloi

O

ano de 2014 foi decisivo para Denise Eloi, que conclui seu segundo mandato como Presidente da União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde – UNIDAS. Isso porque foi possível consolidar a autogestão como o modelo ideal para a saúde corporativa, e a UNIDAS como entidade estratégica do setor. “Fortalecemos nossa relação com a ANS com a criação do GT Revisão das Normas para Autogestão, que trouxe, dentre muitos avanços, a possibilidade de ampliação da população elegível, e regras mais flexíveis para o compartilhamento de redes assistenciais”, ressalta.

Foto: Osmar Bustos

Eudes de Freitas Aquino

E

m seu segundo mandato como presidente da Unimed do Brasil, Eudes de Freitas Aquino também é primeiro Vice-presidente da Cooperativa das Américas, estrutura da Aliança Cooperativa Internacional para o continente americano que visa defender os princípios cooperativistas no mundo, com mandato até 2017. O executivo também faz parte do board da Aliança Cooperativa Internacional, representando o país desde 2013. A consolidação do Sistema Unimed na área de saúde ocupacional foi uma de suas grandes vitórias no último ano. Para 2015, Aquino visa intensificar a integração entre as cooperativas do Sistema Unimed, a fim de consolidar, cada vez mais, a marca como líder no mercado de Saúde Suplementar.

Profissionalismo, ética e transparência


Gabriel Portella

C

om mais de 40 anos de atuação no setor, Gabriel Portella, Presidente da SulAmérica, venceu diversos desafios em 2014, sobretudo em relação à gestão da sinistralidade das carteiras. O executivo promoveu uma gestão de sinistros aliada à gestão integral de saúde. “Investimos em programas de promoção de saúde e de gestão de pacientes crônicos para diminuir o índice de clientes com problemas de saúde e, assim, reduzir os custos com tratamentos para doenças em estágio avançado”, afirma. Vale destacar a associação entre a SulAmérica e a norte-americana Healthways, provedora independente de soluções em saúde e bem-estar, com o objetivo de fomentar o desenvolvimento dessa atividade no Brasil.

Heráclito Brito

D

esde 2013, Heráclito Brito, Presidente da Rede D´Or, tem contribuído ativamente para transformar a rede em uma das maiores do país. Recentemente, o executivo empenhou-se na aproximação com o grupo americano Carlyle Group, gestor global de fundos alternativos. A negociação resultou no acordo de R$ 1,7 bi, recurso este que será destinado para a construção de novos hospitais, ampliação de instalações e financiamento de aquisições. Brito tem larga carreira no setor de Saúde. Em sua trajetória profissional, destacam-se passagens pela Qualicorp, Bradesco Saúde, onde permaneceu por 11 anos, Golden Cross e Towers Watson. Também foi Presidente da Fenasaúde.

Luiz Tizatto

E

m 2014, a gestão de Luiz Tizatto, CEO da Unit Care, conseguiu atingir um crescimento de três dígitos. Além disso, o sistema de monitoramento remoto de pacientes da Unit Care recebeu o prêmio “Social System Innovation Award”, no Japão. Para 2015, Tizatto afirma que seu desafio será manter o ritmo de crescimento. “Para isso, realizaremos investimentos em treinamento e tecnologia, pois só assim será possível enfrentar o atual cenário econômico do país.” O executivo vê com otimismo a nova lei que permite maior atuação do capital estrangeiro no setor. “Isso trará um ganho operacional e uma mudança na gestão, colocando o Brasil em níveis operacionais semelhantes aos países mais desenvolvidos.”

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Suprimentos e Logística

Carlos Alberto Mafra Terra

S

uperar a meta de 2014 e ainda obter um crescimento acima de 20% em relação a 2013 foram as principais vitórias de Carlos Alberto Mafra Terra, Presidente da Mafra Hospitalar. Além disso, houve a estruturação da sede própria em Goiás, expansão da matriz em Ribeirão Preto e das unidades de Londrina (PR) e Cajamar (SP). Sua gestão também implantou o compliance em todo o Grupo, formalizando tais regras dentro da Governança Corporativa, assim como a implantação de Conselho de Administração e Conselho de Diretoria. Seu próximo desafio é expandir o Grupo com a consolidação da CCM Indústria de Fraldas, sendo distribuidor e fabricante de fraldas infantis e adultos para todo o mercado hospitalar.

Domingos Fonseca

C

om mais de 30 anos de experiência em transporte e logística, o Presidente da UniHealth Logística Hospitalar, Domingos Fonseca, introduziu um modelo inédito no Brasil: logística hospitalar aliada com a implantação de tecnologias próprias. O executivo comemora o fato de as entidades, hoje, estarem cientes da importância da logística hospitalar. “Isso significa segurança ao paciente e produz grandes resultados de economicidade para as instituições.” Acompanhar o avanço da robótica e dos equipamentos de automação e interfacear estes recursos aos softwares de gerenciamento do fluxo de materiais de uma forma ordenada, com geração de informações de gestão, são seus grandes desafios para 2015.

Profissionalismo, ética e transparência


Foto: Eduardo Tarran

Leonisa Scholz Obrusnik

A

realização do projeto-piloto do Hospital Alemão Oswaldo Cruz junto a um de seus fornecedores para eliminar embalagens externas no recebimento de materiais, utilizando embalagens recicláveis, foi uma das grandes ações da gestão de Leonisa Scholz Obrusnik, Gerente de Suprimentos. A ideia surgiu com o propósito de alcançar o crescimento de maneira sustentável e competitivo, fazendo mais com menos, sem perder a qualidade. Além disso, o setor sob o seu comando esteve 100% em conformidade perante os padrões de segurança estabelecidos pela JCI. Isso significa alinhamento do processo desde a padronização do produto, escolha do fornecedor, recebimento, armazenamento, distribuição até a rastreabilidade.

Paulo Gonçalves

A

implantação de um novo processo logístico no setor de Almoxarifado Central no Hospital A.C. Camargo foi um dos destaques da gestão de Paulo Gonçalves, Gestor de Suprimentos e Logística. Com isso foi possível obter ganhos significativos relacionados aos controles, custos e qualidade do estoque de produtos estratégicos utilizados no centro cirúrgico da instituição. Sua gestão também trouxe uma importante evolução no processo de rastreabilidade de medicamentos com a implementação de sistema de leitura de código de barras bi-dimensional (Datamatrix), o que possibilitou ampliar a rastreabilidade, reduzir custos e mitigar riscos de identificação.

Severino Moura

S

uperintendente de Assistência e Suprimentos da Santa Casa de Maceió, Severino Moura conseguiu, durante seus cinco anos de atuação na instituição, gerar uma economia de R$ 40 milhões, representando uma redução nos custos em 21%. Essa saúde financeira da instituição já foi reconhecida pela Isto É Dinheiro como a primeira entidade em sustentabilidade financeira na Saúde do país. Além dos ganhos financeiros, Moura consolidou o processo de avaliação de fornecedores e ampliou essas avaliações para os fornecedores de serviço. Além disso, houve a automatização do processo de planejamento de compras, atingindo, já no primeiro ano, um nível de serviço de 98% sem aumentar o volume de estoques.

na

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Sustentabilidade

Arthur Brito

E

m 2014, a gestão de Arthur Brito, Diretor-executivo da Kahn do Brasil, ampliou a capacidade de calcular o consumo de água e energia dos projetos hospitalares através do Performance-Based Design (projetos baseados em desempenho). Assim, os gestores passam a conhecer os efeitos das decisões de projeto no Custeio do Ciclo de Vida do Edifício, resultando em economias para os hospitais. Com um planejamento estratégico integrado, instrumentos de avaliação de cenários não lineares, como Design Thinking e Innovation Hub, sua gestão vem produzindo planos diretores e projetos preparados para os novos modelos de financiamento em Saúde, para as tecnologias disruptivas e desafios regulamentares.

Áurea Barros

“D

aqui em diante, a forma como os hospitais consumirem recursos, empregarem tecnologias e ampliarem sua capacidade operacional em busca da liderança no mercado, também definirá sua atuação com fonte de preservação ou degradação de sua própria sobrevivência.” A palavras de Áurea Barros, Coordenadora do Instituto Saúde Bandeirantes, espelham o lema de sua gestão de sucesso que conseguiu eliminar o desperdício, intensificar a reciclagem, e utilizar fontes de energia renováveis. Exemplo disso são as políticas de uso sustentável da água e preservação ambiental, e a constante preocupação com o correto remanejo de resíduos sólidos e o e-lixo (lixo eletrônico).

Profissionalismo, ética e transparência


Gizele Ivanoff

E

m 2014, Gizele Ivanoff, Gerente de Engenharia do Hospital Samaritano (SP), conseguiu engajar toda a equipe e conscientizá-la quanto à importância da sustentabilidade e do consumo consciente dos recursos hídricos. “O estímulo do grupo na busca de resultados através de projetos simples, inovadores e de aplicação imediata nos motivaram na busca pela redução do consumo.” Gizele também participou de todas as fases do retrofit de 150 leitos do hospital - desde o início, na definição dos padrões, contratações de fornecedores, execução dentro dos custos e cronograma estabelecidos. Seu grande desafio para 2015 será a busca pela autossuficiência no abastecimento de água no hospital.

Vital Ribeiro

E

m 2014, a gestão de Vital Ribeiro, Presidente do Conselho do Projeto Hospitais Saudáveis, conseguiu ultrapassar a marca de 400 membros individuais e 100 institucionais de todo o país. Também foi o ano que o HVS Connect decolou, plataforma de informação da Rede Global Hospitais Verdes e Saudáveis que permite a troca de informações entre profissionais de saúde de todo o mundo, promovendo o debate sobre questões de saúde ambiental, de segurança do paciente e do trabalhador e sustentabilidade. Seu próximo passo é o projeto “Desafio 2020 - a saúde pelo clima”, que reunirá organizações de saúde de todo o mundo para incentivar uma assistência de baixo carbono.

Foto: Fabia Mercadante

Siegbert Zanettini

na

E

sse foi mais um ano repleto de vitórias e conquistas para o arquiteto Siegbert Zanettini. Entre elas estão a inauguração o Hospital Moriah, retrofit de um antigo edifício que resultou em um design marcante; novas alas no Hospital Mater Dei; projeto com estrutura metálica, fachadas unitizada, divisórias em drywall e lajes steel deck. Além disso, Zanettini se dedicou também no projeto do Complexo B.Braun; do Grupo Fleury; e do novo bloco do Hospital São Camilo Pompeia. Seus próximos desafios são o Plano Diretor e projeto do Hospital Santa Julia, em Manaus; o projeto para o Hospital Bandeirantes utilizando o conceito Fast Track; e o projeto de uma nova unidade do Hospital Mater Dei, em Betim.

gestão e administração de serviços de saúde


100

Mais Influentes Da Saúde

Tecnologia

Carlos Yamashita

A

implantação da infraestrutura de TI, comunicação, imagens, automação e segurança com novas tecnologias na nova torre do Hospital 9 de Julho, e ainda integrá-las a atual estrutura do hospital, foram os grandes destaques da gestão de Carlos Yamashita, Gerente de TI da instituição. Além disso, houve a implantação do sistema de gestão à vista baseada em indicadores assistenciais/protocolos de qualidade e segurança em todas as UTIs e blocos não críticos. A migração do HIS (prontuário eletrônico) para ambiente Web, a implantação do projeto ‘Saúde sem Papel’ e consolidar a implantação do conceito de torre de controle utilizando tags (chips) e WI-FI no pronto-socorro são seus próximos passos.

Heitor Gottberg

T

ornar operacional o projeto de Telemedicina em parceria com a Universidade Federal de Sergipe foi o grande destaque de Heitor Gottberg, da Vertical de Saúde da Cisco do Brasil. “O projeto envolveu entender os desafios reais de se ter uma segunda opinião, em tempo real, entre médicos a centenas de quilômetros de distância e subordinados a diferentes instâncias da saúde pública”, explica. Apoiar o mercado em seu processo de adoção do EMRAM (Electronic Medical Record Adoption Model), modelo de maturidade de uso do prontuário eletrônico, fazendo a ponte com as demandas de infraestrutura que este modelo traz é seu próximo desafio.

Profissionalismo, ética e transparência


Lilian Hoffmann

A

Superintendente-executiva de TI da Beneficência Portuguesa de São Paulo, Lilian Hoffmann, implantou, neste último ano, a metodologia de controle de projetos na TI. Sua gestão também realizou a elaboração do Plano de Implementação do Sistema de Gestão Hospitalar Tasy e a implantação de uma ferramenta de gerenciamento do Service Desk. Além isso, foram feitos investimentos consideráveis em infraestrutura, como a readequação do data center. Para 2015, Lilian realizará a implementação do Projeto Conecta, iniciativa que prevê a substituição do software de Gestão Hospitalar e a implantação do Prontuário Eletrônico em toda a instituição.

Margareth Ortiz

“E

m 2014, colhemos frutos de alguns anos de investimentos”, afirma Margareth Ortiz de Camargo, Superintendente de Tecnologia da Informação do Hospital Sírio-Libanês. Entre suas vitórias estão a conquista do nível 6 da HIMSS, e a implantação do aplicativo Sírio-Libanês, em que o paciente tem acesso a seu Prontuário Eletrônico. “Nosso próximo passo é construir o “Portal Multidisciplinar”, ferramenta para a área assistencial multidisciplinar. Com o Portal Médico e do Paciente já implantados, vamos fechar o Portal Assistencial do hospital usando ferramentas amigáveis e todas voltadas ao uso de imagens, nas quais o cliente interno faz um apontamento que se torna, dentro do sistema, uma informação padronizada.”

Solange Plebani

E

ntre as conquistas de Solange Plebani, Diretora da área de Clinical Informatics da Philips na América Latina, destaca-se a expansão do negócio de EMR fora da região, mantendo o crescimento sólido do negócio. Solange também deu início ao desenvolvimento de software em múltiplos sites da Philips, executando o plano de escalabilidade global, além de direcionar a evolução da tecnologia e inovar em usabilidade. Para os próximos anos, Solange visa abrir novos mercados, manter o crescimento no Brasil e no México, e avançar no lançamento de inovações em tecnologia, usabilidade e funcionalidade. “Vamos construir um time global e co-desenvolver produtos com clientes de outras regiões.”

na

gestão e administração de serviços de saúde


Imagens meramente ilustrativas 112

HEALTHCARE Management 35

marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


É preciso mudar

para crescer

Como podemos caminhar para o desenvolvimento da saúde no país? São milhares as respostas que temos perante a este grande dilema, no entanto, algumas questões aparecem com mais frequência quando esse assunto vem à tona. No dossiê desta edição, trouxemos soluções pontuadas por professores, especialistas e gestores quanto aos grandes desafios relacionados à redução de custos, transparência na gestão e desigualdade na fatia da distribuição de recursos do Ministério da Saúde entre os Estados. Nas próximas páginas, apresentamos também os dados do Sensor, levantamento semestral elaborado pelo Núcleo de Estudos e Análises (NEA) da Anahp, que alerta para o arenoso cenário econômico que vivemos e como isso afetará a Saúde. Por fim, você confere um modelo de sucesso na Índia e como este país vem conseguindo fazer mais com menos de maneira sustentável.


Estratégia | Caminhos para a Saúde

114

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Momentos de transformação Atual cenário econômico exigirá mais prudência por parte dos gestores Baixo crescimento, inflação alta e desaceleração econômica. As projeções para 2015 não são as melhores. No cenário econômico já desponta alguns reajustes, enquanto que no político aumenta, cada vez mais, a discordância entre o Legislativo e Executivo. As projeções para 2015 desafiam os gestores. Segundo o Sensor, levantamento semestral elaborado pelo Núcleo de Estudos e Análises (NEA) da Anahp, o tímido desempenho do PIB e da economia brasileira, de forma geral, quando considerados os resultados do primeiro semestre de 2014, foram impactados pelas fortes quedas da indústria – de 1,4% - e da formação bruta de capital fixo (os investimentos) – de 6,8%. Já o setor externo apresentou resultados favoráveis, com crescimento das exportações de bens e serviços de 2,3%, ao passo que a importação caiu 0,6%. O único remédio é estar preparado para esse turbulento período. O cenário econômico atual exigirá mais prudência por parte dos empresários, principalmente dos pequenos e médios – tendência que se repete no segmento hospitalar. A pesquisa ressalta que o grande desafio das instituições hospitalares será contrabalançar a necessidade por fontes de financiamentos para investir na ampliação das unidades, com o intuito de obter ganhos de escala e produtividade, com o aumento das taxas de juros no país – majoritariamente atreladas à taxa básica de juros, a Selic. Contudo, estas instituições precisam dispor de aporte considerável de capital de giro para não se prejudicarem, uma vez que o prazo médio de recebimento dos planos de

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

115


Estratégia | Dossiê Caminhos para a Saúde

Carga tributária em relação ao PIB

saúde pode ser superior ao prazo médio de pagamento dos fornecedores e de salários dos funcionários – o que pode prejudicar os hospitais, com o aumento das taxas de juros. Evitar endividamentos e analisar adequadamente os investimentos em expansão serão primordiais para os próximos meses. Dos gestores, um olhar mais clínico perante as tomadas de decisão será essencial. Além disso, com a valorização da moeda americana, estima-se que haja um aumento de 25% nos custos hospitalares, que se reflete nos insumos e nos materiais médicos importados, além dos projetos de expansão dos hospitais. Para completar este quadro, vale ressaltar que estamos em um país com a maior carga tributária do mundo, atingindo a marca de 36% do PIB, índice acima da média mundial (22%). Para Francisco Balestrin, Presidente da Anahp, sugerir uma reforma tributária no setor seria uma das possibilidades viáveis para estimular a prestação de serviços e a geração de empregos. “O segmento hospitalar foi 116

HEALTHCARE Management 35

o terceiro mais tributado, atingindo um total de arrecadação da ordem de R$ 4,2 bilhões. Isso o torna mais oneroso do que setores da indústria e da educação, por exemplo. Com uma carga tributária menor, o segmento poderia investir mais recursos em ampliações e construções, compra de equipamentos, altas taxas de emprego e pagamento de dívidas assumidas, inclusive fiscais. No entanto, com a atual conjuntura econômica do país, este é um recurso pouco provável para adesão”, explica.

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

117


Estratégia | Dossiê Caminhos para a Saúde

Uma teoria não tão simples. Uma prática ainda mais difícil

118

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Modelos de gestão bem estruturados e a eficiência para a Saúde

A

lém da conjuntura econômica, não podemos esquecer que a Saúde brasileira passa por importantes transformações. São elas as transições demográfica e epidemiológica no país, o aumento crescente dos beneficiários de planos de saúde e o envelhecimento populacional. Essa realidade provoca o aumento dos custos e exige mais investimentos por parte dos prestadores de serviços. Por outro lado, estamos diante de um setor de grande importância econômica, que potencializa o crescimento e a criação de empregos qualificados. Afinal, são mais de 4,3 milhões de empregos diretos. Para que as instituições hospitalares gerem mais riqueza e inovação, é preciso que modelos de gestão bem estruturados sejam mantidos através da governança clínica e corporativa, por exemplo. “Esses critérios têm como foco principal a transparência, a equidade e a prestação de contas, bem como a qualidade da assistência e a segurança do paciente. Esses elementos podem vir a contribuir para a expansão da modernização da infraestrutura na saúde, refletindo positivamente no setor público, como novos modelos de gestão e mais qualidade assistencial”, ressalta Francisco Balestrin, Presidente da Anahp. Assim também pensa o professor Marcelo Caldeira Pedroso, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. Segundo ele, o Brasil ainda tem que caminhar muito quanto à transparência e uma das possíveis soluções para isso está no pagamento por procedimento. “Em muitos países, temos o pagamento por grupo de diagnóstico homogêneo, em que se faz um pacote para o tratamento de determinada doença, evitando aquela infinidade de contas por cada item. Passamos a ganhar pelo procedimento realizado, e ganhamos na eficiência”, explica Pedroso. A falta de uma transparência no que tange a preços e custos seria um grande avanço para o especialista. “Qual o preço de um procedimento? Sem esta informação não é possível comparar. Todas as instituições deveriam ter uma tabela de custos de serviços, e separar o custo técnico do atendimento. Vale ressaltar que em algumas instâncias privadas o custo do estacionamento, do cafezinho na recepção e outros itens relacionados ao atendimento chegam a ser mais caros que os exames realizados.” HEALTHCARE Management 35

“Há muitos raciocínios mirabolantes, olhando a saúde como negócio. Claro que temos que ter práticas gerenciais, visar a sustentabilidade, mas não podemos esquecer que o sistema de saúde existe para atender o ser humano. No centro de todo este sistema tem que estar o paciente e, a partir dele, desenvolver processos que funcionem.” Henrique Salvador, Presidente da Rede Mater Dei de Saúde

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

119


Estratégia | Dossiê Caminhos para a Saúde

“Temos que pensar em uma integração entre o sistema público e privado, criando um verdadeiro sistema único de Saúde.” Marcelo Caldeira

Pedroso, Professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP

Como exemplo, Pedroso cita o que acontece em Nova York, onde os hospitais divulgam resultados como quantidades de cirurgias, infecção hospitalar, entre outros dados, possibilitando ao paciente a comparação de benefícios e preços. Henrique Salvador, Presidente da Rede Mater Dei de Saúde, também concorda com a urgente mudança no modelo de renumeração dos serviços através de parâmetros que privilegiem a eficiência do setor, tendo métricas de qualidade e segurança da assistência. “Temos que remunerar pelo serviço de qualidade, e não pelo uso quantitativo dos insumos. Há também a necessidade de uma congruência entre a qualidade da atenção prestada e a renumeração. Assim, estaremos convergindo para um modelo de racionalizar custos com inteligência. O primeiro passo é estimular as instituições prestadoras a investirem em qualidade e segurança do paciente.” Trazer a eficiência para a Saúde parece ser o ponto crucial quando se fala em desenvolvimento de toda a cadeia. Estamos falando de uma sólida governança corporativa, e uma renumeração pela qualidade ao invés da quantitativa. Esse também é o caminho que Humberto Gomes de Melo, Provedor da Santa Casa de Maceió, aposta. “Todos nós devemos trabalhar para reduzir os desperdícios. A busca pela acreditação é importante também neste sentido, porque se prioriza a racionalização de recursos. A qualificação de toda a cadeia do setor é a chave para aumentar a produtividade. Isso significa também o aprimoramento dos profissionais e fornecedores que atendem aos hospitais.” O modelo hospitalocêntrico também é criticado pelos especialistas. Segundo a Professora e coordenadora do GVsaúde, Ana Maria Malik, muitos gastos da Saúde no país têm suas raízes neste modelo inadequado de assistência. “Gasta-se muito com a internação de pessoas que poderiam estar em serviços com outra destinação. Além do desperdício, isso acaba agravando a falta de leitos para pacientes crônicos, por exemplo. Por outro lado, o paciente que con-

some serviços acreditando que, assim, ficará mais saudável, também está jogando dinheiro fora.” Neste contexto, estão os programas de orientação e conscientização da autogestão da saúde. Ensinar as pessoas a cuidar da própria saúde, fazer autoexame e identificar sintomas também é uma forma de reduzir gastos. A boa notícia é que os investimentos vêm sendo, gradativamente, direcionados para a atenção primária. Isso é particularmente perceptível a partir dos anos 90, com o advento da Estratégia de Saúde da Família (ESF). Esta é uma boa solução, pois tende a ser mais eficiente em níveis globais, além de se preocupar com a manutenção da saúde e prevenção de doenças, e não, especificamente, com o tratamento de enfermidades. Tudo parece simples na teoria, porém, enquanto houver seríssimos problemas de saneamento básico e miséria, a implantação dessas iniciativas ainda enfrentará sérias barreiras. Afinal, a saúde tem que ser pensada no curto, médio e longo prazo para se tornar sustentável.


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

121


Estratégia | Dossiê Caminhos para a Saúde

Desproporções Disparidades na distribuição de recursos do Ministério da Saúde. Esta é outra importante questão que interfere diretamente no setor, segundo Humberto Gomes de Melo, Provedor da Santa Casa de Maceió. Veja o que o gestor pensa sobre o assunto Onde estão os maiores gastos da saúde no Brasil?

Entendo que os recursos destinados à Saúde no Brasil são insuficientes para se prestar uma assistência digna à população conforme diz a Constituição. Acredito que o que vem mais sendo sacrificada é a assistência hospitalar e ambulatorial. Cerca de um quarto da população brasileira tem plano de saúde. São mais de 50 milhões de pessoas. Outros 6 milhões possuem planos estatais de saúde. Os gastos das operadoras com a assistência hospitalar e ambulatorial superam os R$ 100 bilhões por ano. Por outro lado, três quartos da população têm como única opção o SUS por não terem planos de saúde. Para cobrir essa parcela da população o Ministério da Saúde investiu no SUS, em 2014, na assistência hospitalar e ambulatorial, cerca de R$ 42 bilhões, menos da metade do investido pelas operadoras para um quarto da população. Então, podemos concluir que faltam recursos para assistência hospitalar e ambulatorial.

Como esse problema pode ser solucionado?

A solução parte de uma decisão política para a assistência hospitalar e ambulatorial. E quando afirmamos isso é porque vemos disparidades na distribuição de recursos do governo. Existem Estados mais ricos, como São Paulo, que recebem proporcionalmente mais recursos do Governo Federal, porém, possuem menos usuários do SUS. No outro extremo, vemos Estados menos ricos, como Alagoas, que têm mais usuários do SUS e recebem menos recursos para atender a este público. Humberto Gomes de Melo, Provedor da Santa Casa de Maceió


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

123


Estratégia | Dossiê Caminhos para a Saúde

124

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Investidores estrangeiros Estudo revela que 54% dos gestores brasileiros consideram a nova lei 13.097/15 necessária

R

ecente pesquisa realizada pela KPMG, que ouviu cerca de 200 profissionais de saúde no Brasil, apontou que 33% dos gestores acreditam que a ampliação dos programas de Parceria Público Privada (PPP) traria mais benefícios para o setor. A redução de impostos (21%) e o aumento do percentual do PIB destinado à saúde (21%) também são fatores que, segundo os entrevistados, podem alavancar o segmento no Brasil. O estudo também questionou sobre a Lei 13.097/15, que permite a participação direta ou indireta, inclusive o controle, de empresas ou de capital estrangeiro na assistência à saúde no Brasil. Os números apontam que 54% dos participantes da pesquisa a consideram necessária, enquanto que 38% a classificam como fundamental. “O processo de consolidação de vários hospitais aliado a uma gestão com qualidade e eficiência pode gerar grandes e rentáveis grupos. É esse potencial que os investidores estrangeiros enxergam no Brasil”, explica Marcos Boscolo, Sócio de auditoria e líder do setor de saúde da KPMG no Brasil.

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

125


Estratégia | Dossiê Caminhos para a Saúde

O mercado americano é o principal investidor no Brasil. Mas, nos últimos anos, houve também um crescente interesse de multinacionais asiáticas de países como Japão, Coreia do Sul e China. O especialista afirma que o interesse no país sempre existiu e continua a existir, contudo, o cenário atual não é atrativo para nenhum tipo de investimento. “Infelizmente, a abertura ao capital estrangeiro veio em um momento de muita incerteza do país.” Além disso, são muitas as barreiras que investidores estrangeiros encontram no Brasil. Entre elas, destaca-se a mão de obra menos qualificada, tanto na parte clínica, como na administrativa. “Muitos CEOs e CFOs são médicos sem visão de gestão. Há também a barreira do idioma e da infraestrutura”, diz Boscolo. Contudo, a maior preocupação é quanto às questões regulatórias, uma vez que as demais barreiras estarão sob a gestão dos investidores. Porém, mudanças em legislação ou algum tipo de restrição que o governo venha a adotar, que não está sob a gestão do controlador do hospital, poderá afetar os negócios. “A solução é o governo passar confiança ao mercado, garantindo que não haverá mudanças nas regras do jogo e isso tem que estar formalizado em legislação, e não em promessas ou pronunciamentos públicos. Veja o exemplo na educação, em que grande parte das instituições de saúde baseava seu crescimento em função de alunos do FIES. Recentemente, as regras mudaram, tornando o acesso mais restritivo. Imediatamente, as ações do setor de saúde caíram 20% na bolsa de valores”, salienta. 126

HEALTHCARE Management 35

“Mais benefícios aos profissionais implicarão em um melhor atendimento com menor custo.” Néstor Casado,

CEO da Capital Invest M&A Advisors

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Para Néstor Casado, CEO da Capital Invest M&A Advisors, a abertura ao capital estrangeiro na Saúde deverá trazer novos conceitos que beneficiarão e valorizarão os profissionais, tais como melhorias em gestão, na qualificação e na remuneração. “Mais benefícios aos profissionais implicarão em um melhor atendimento com menor custo.” Ainda de acordo com Casado, com ou sem a lei haveria uma tendência à consolidação de hospitais de pequeno porte em redes maiores para diminuir custos e melhorar os serviços. “A lei simplesmente deverá trazer mais capital e, portanto, acelerar esta consolidação. Relembrando que sem potenciais compradores, alguns destes hospitais simplesmente iriam à falência. Eis um dos motivos pelos quais mais de 15 mil leitos foram fechados nos últimos cinco anos.” Em longo prazo, o cidadão brasileiro deverá ser o principal beneficiado, pois novos investimentos deverão fomentar a concorrência. “Tudo isto sob a premissa de que o CADE fará bem seu papel, permitindo a necessária consolidação, sem que cheguemos a uma situação de oligopólio”, salienta Casado. Do mesmo modo defende o professor Marcelo Caldeira Pedroso, que ressalta o quanto é fundamental uma regulação efetiva. “Isso implica na divulgação de resultados financeiros e não-financeiros para as operações no Brasil, independente do capital ser aberto ou não.” HEALTHCARE Management 35

“O processo de consolidação de vários hospitais aliado a uma gestão com qualidade e eficiência podem gerar grandes e rentáveis grupos. É este potencial que os investidores estrangeiros enxergam no Brasil.” Marcos Boscolo,

Sócio de auditoria e líder do setor de saúde da KPMG no Brasil

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

127


Estratégia

128

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

129


Estratégia | Dossiê Caminhos para a Saúde

130

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Fazendo mais com menos Hospitais indianos mostram ao mundo como é possível realizar assistência médica de qualidade por um quinto do valor de mercado Em um momento delicado, com o dólar em alta e um forte revés econômico, o alto custo de saúde ameaça a inviabilidade do sistema todo, tanto na área pública, quanto na privada. Há anos, lideranças de todos os elos da cadeia discutem, sem sucesso, possíveis modelos de remuneração viáveis e sustentáveis para as organizações, dificultando ainda mais o acesso da população à saúde. Essas instituições vêm realizando procedimentos cirúrgicos cardiológicos, ortopédicos, oftalmológicos, renais e oncológicos por cerca de 10% dos custos desses mesmos procedimentos em hospitais norte-americanos, por exemplo. O segredo dessa drástica redução está relacionado a dois fatores: escala produtiva e produção enxuta. O alto custo é um problema que permeia sistemas de saúde no mundo inteiro, independente do continente ou nível de desenvolvimento do país. Na Índia, por exemplo, que não possui um sistema universal como o SUS, grande parte da população não tem acesso à assistência médica, dentro e fora dos grandes centros. Para amenizar esse problema, um grupo de médicos indianos criou uma rede com nove hospitais de baixo custo, que atendem a este

HEALTHCARE Management 35

conceito não por serem de baixa qualidade, uma vez que, muitos deles possuem acreditações Joint Commission International (JCI) ou STI, a equivalente indiana, emitida pelo Conselho Nacional de Acreditação de Hospitais e possuem resultados similares ou até melhores que a média dos hospitais americanos. O posicionamento dessas instituições pode não parecer surpreendente, uma vez que, em relação aos EUA, a remuneração das equipes assistenciais indianas é consideravelmente menor, por exemplo. Porém, outros indicadores, como o custo operacional, contribuem para redução de gastos, independente da complexidade do procedimento ou especialidade médica atendida. De acordo com o professor de international business

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

131


Estratégia | Dossiê Caminhos para a Saúde

strategy e Diretor do Centro de Mercados Emergentes da Northeastern University, Ravi Ramamurti, a remuneração dos profissionais do corpo clínico de hospitais cardiológicos indianos são similares a dos mesmos profissionais nos Estados Unidos. A diferença constatada está no custo da cirurgia, que chega a ser um quinto do valor cobrado nos EUA. Essa economia, que ao primeiro olhar parece milagrosa, está relacionada à realidade indiana que, diante da grave escassez de recursos, as instituições do país tiveram de melhorar seu desempenho, eficiência e criatividade para atender a grande demanda de pacientes pobres que precisam de cuidados médicos. Outro fator considerado está no pagamento da conta hospitalar, uma vez que esses pacientes arcam com cerca de 70% dos custos com saúde. Consequentemente, esse movimento por uma operação mais barata e criativa gera uma competição saudável para o setor indiano, que tem investido, cada vez mais, em saúde de baixo custo, provando que os custos operacionais altos podem ser facilmente superados, deixando de ser um argumento para a elevação de preços em toda a cadeia. Porém, para que esse modelo seja viável, Ramamurti explica que a operação dessas instituições está baseada em três conceitos de boas práticas para cortar custos e ainda melhorar a qualidade do atendimento: sistema hub de saúde, revezamento de tarefas e o reaproveitamento de material. Tais sistemas consistem na criação de grandes centros médicos, próximos a estações de trem ou metrô, para facilitar o aces132

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

“A transferência de tarefas menos complexas para profissionais do corpo clínico com menor qualificação também contribui para a redução de custos.” Ravi Ramamurti,

Northeastern University


so em regiões de grande concentração demográfica ou capitais. Já em áreas menores do país, e mais afastadas, foram abertas clínicas que referenciam os pacientes para os hospitais principais. Essa estrutura, de acordo com o professor Ramamurti, é semelhante ao sistema aeroviário, que distribui o volume de passageiros em rotas regionais e internacionais. A transferência de tarefas menos complexas para profissionais do corpo clínico com menor qualificação também contribui para essa redução de custos, deixando apenas para os médicos especialistas lidarem com procedimentos mais complexos. Outro exemplo dado pelo professor da Northeastern University foi a realização de uma série de cirurgias em uma hora, enquanto que em muitos hospitais norte-americanos e de outros países, como o Brasil, são realizados apenas um ou dois procedimentos. Essa distribuição de tarefas apresentada pelo professor não envolve apenas médicos, mas também enfermeiros. Após passar atribuições de médicos para os enfermeiros e vice-versa, vários hospitais criaram um nível de profissionais paramédicos. Com treinamento de dois anos após o ensino médico para realizar as tarefas clínicas mais rotineiras, similar aos auxiliares de enfermagem encontrados no Brasil, porém melhores qualificados. Outra questão é que parte dos custos em uma instituição de saúde está relacionada à compra de materiais,

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

133


Estratégia | Dossiê Caminhos para a Saúde

Hospitais indianos de baixo custo são capazes de realizar procedimentos por até 1/5 dos valores aplicados no mercado

insumos, medicamentos e OPMEs. No centro cirúrgico, segundo Ramamurti, muitos dos materiais usados são geralmente descartados em grande parte dos hospitais no mundo. No entanto, nessas instituições indianas, determinados materiais, como stents, são reutilizados após uma avaliação técnica e tomados os devidos procedimentos de higienização e esterilização. No hospital criado pelo cirurgião Atul Varma e pela oftalmologista Jayashree Shekhar, em Hajipur, no norte da Índia, uma consulta médica custa dez dólares e uma cirurgia cerca de 500 dólares. Inaugurado em 2014, com 344 metros quadrados e 12 leitos, o hospital Aashtha está instalado no que, no passado, foi uma pequena escola, e atende pacientes das mais diver134

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

sas especialidades e já pensa em expandir suas operações. “Nosso plano é construir mais um andar para criarmos novos leitos. Além disso, estamos há três anos aguardando uma resposta do governo para a utilização de um terreno abandonado com 4 mil metros quadrados para a construção de um hospital com 100 leitos”, completa Varma. H


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

135


Health Innovation

Como podemos acelerar a inovação no Brasil? O mercado de saúde global é reconhecidamente um dos mais avançados em inovação, tanto em produtos, como em serviços. Contudo, esta situação no Brasil ainda está aquém quando comparada com outros países. Como o diálogo é sempre um bom começo para encontrar alternativas, a partir desta edição da Healthcare Management (HCM) o leitor confere importantes

temas sobre inovação que serão discutidos nesta nova seção. Confira nas próximas páginas o que os grandes players do mercado pensam sobre inovação e quais as medidas necessárias para que o Brasil desponte no cenário mundial.

A inovação no Brasil segundo Carlos Goulart “As associações desempenham um papel fundamental na aproximação entre governo e indústria e na colaboração de construção de políticas públicas voltadas ao setor.” Assim pensa Carlos Goulart, Presidente-executivo da ABIMED, que também fala sobre os grandes desafios para tornar o país um terreno fértil para a inovação na Saúde. Qual a sua opinião sobre a inovação no Brasil, especificamente no setor da saúde? O Brasil não possui uma tradição de sinergia entre universidade, indústria e governo. Esta sinergia é ainda mais dificultada pela burocracia das políticas públicas atuais. Os processos administrativos das universidades federais são complexos, demorados e eles desestimulam a aproximação com setor produtivo. O que falta para, de fato, criarmos bases sólidas e produzir inovação no país? Apesar das políticas industriais promoverem incentivos financeiros governamentais, há deficiência no Brasil do acesso ao conhecimento, o que dificulta a inserção do país no contexto global. As perspectivas de desenvolver novas ideias no país são dificultadas pela 136

HEALTHCARE Management 35

falta de continuidade de políticas públicas, burocracia excessiva e carência de força de trabalho altamente qualificada. Os pesquisadores brasileiros sofrem restrições de toda ordem em seus estudos científicos. Ademais, as operações fabris não conseguem ter custo de produção eficaz e competitivo o que, mais uma vez, impede a inserção nas cadeias de suprimentos globais. Qual o nível de inovação do Brasil comparado ao restante do mundo? Segundo estudo da Bloomberg realizado em 2014 com cerca de 200 países, o Brasil ocupa hoje o 47º lugar entre as nações mais inovadoras do mundo. Esta pesquisa se utilizou dos seguintes critérios para elaboração de conteúdo:

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


> Intensidade de P&D > Indústria de alto valor agregado > Pós educação secundária > Número de empresas de alta tecnologia > Pesquisadores > Atividades com patentes O setor de produtos para Saúde se caracteriza por ser extremamente inovador e com curto ciclo de vida dos dispositivos médicos, além de estar na vanguarda de investimentos para P&D atingindo em média 10% do faturamento das empresas. Portanto o Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer para estar entre os protagonistas da inovação global.

Como sociedades e associações podem contribuir para a evolução da inovação no setor? As associações desempenham um papel fundamental na aproximação entre governo e indústria e na colaboração de construção de políticas públicas voltadas ao setor. Elas são um canal permanente de comunicação e de posicionamentos em relação à inovação por estarem sempre engajadas com todos os atores da cadeia de suprimento da saúde. Elas promovem e incentivam, permanentemente, a compreensão pelas suas empresas associadas das políticas de desenvolvimento industrial e seus respectivos programas de incentivos governamentais no intuito de acelerar a inovação no país. E como a ABIMED tem atuado para fomentar a inovação no país? A ABIMED busca diálogo permanente com todos os elos da cadeia de suprimento, incluindo sociedades médicas, no sentido de defender um pacto nacional pela sustentabilidade do sistema de saúde e garantir aos pacientes o direito de acesso às melhores tecnologias. Entendemos também que é nossa responsabilidade promover a visibilidade de horizontes tecnológicos para que ela seja utilizada nas projeções de orçamentos governamentais e desenhos de planos estratégicos para um sistema de saúde verdadeiramente eficaz e transformador na qualidade de vida das pessoas.

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

137


Health Innovation

O primeiro passo para desenvolver o ecossistema da saúde São muitos os desafios que a Saúde brasileira enfrenta. Ainda há muito que se avançar em termos de infraestrutura, indústria, pesquisa e formação dos profissionais. Contudo, há aqui um elemento presente nessas questões e que merece um olhar clínico por aqueles que fazem a Saúde acontecer no país. Trata-se da inovação, o pontapé inicial para transformação. O trabalho em conjunto com as diversas vertentes da cadeia é o caminho para colher bons frutos. Contudo, diversos desafios despontam por esta trajetória e quem fala sobre eles são os principais pilares da Saúde: Associações, Indústria, Academia e Governo. ASSOCIAÇÕES E SOCIEDADES Para Paulo Fraccaro, Superintendente da ABIMO, a inovação produzida pelas empresas brasileiras do setor de equipamentos descartáveis para a Saúde ainda é muito pequena, principalmente ao considerar que, hoje, o Brasil está entre os dez primeiros países na posição na economia mundial. “Muitos fatores são responsáveis pela baixa produção de produtos inovadores no país. Provavelmente, uma das principais razões é o fato de que as maiores empresas são multinacionais e desenvolvem a inovação em seus países de origem”, ressalta Fraccaro. A falta de políticas claras e duradouras que incentivem a inovação nas empresas também é outro problema que merece atenção. Um exemplo disso é a demora para a obtenção de uma patente, ou um registro junto aos órgãos competentes. Há ainda a falta de isonomia tributária para o produto produzido no Brasil. Diante deste cenário, sociedades e associações desempenham um papel fundamental no país. Elas acabam se tornando um importante elo de diálogo com o 138

HEALTHCARE Management 35

governo, exigindo do Poder Público regras claras e permanentes para que as empresas possam desenvolver seus projetos inovadores. A luta por fontes de financiamentos com custos acessíveis e valores significativos à disposição das empresas é um exemplo de luta dessas entidades para o setor. “O governo, sendo sempre o maior cliente das indústrias, deverá ter uma mente aberta para entender que produtos inovadores não são sinônimos de produtos caros, mas sim produtos que trazem melhorias”, ressalta Fraccaro. Cláudio Mottin, Vice-presidente SBCBM (Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica), ressalta também a atuação das entidades em direcionar verbas para a pesquisa, bem como dar suporte ao pesquisador. “O investimento em pesquisa torna-se um importante pilar para a inovação. O Brasil investe muito pouco em pesquisa ao compararmos aos outros países. Atualmente, são cerca de US$ 40 bilhões de pesquisa no mundo, enquanto que no país não chega a US$ 300 milhões”, afirma Mottin.

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


INDÚSTRIA A inovação é o caminho para elevar o patamar tecnológico do país, inserindo-o melhor na cadeia global de valor agregado. Neste sentido, é primordial trazer para este debate o papel da indústria no Brasil. Segundo Márcio Coelho, Presidente da Johnson & Johnson Medical Brasil, o Brasil é um país com diversos desafios quando o assunto é inovação. “Muitas vezes, focamos nossos esforços em resolver os problemas emergenciais e com isso não conseguimos pensar a longo prazo como forma de encontrar soluções efetivas para questões complexas da cadeia de saúde”, salienta. A inovação existe quando é possível olhar para grandes problemas e buscar maneiras de solucioná-los. Dessa forma, inovação não diz respeito apenas a uma evolução técnica ou um produto transformador, mais sim quando se busca formas de otimizar processos, diminuir custos, aumentar a produtividade e, de uma maneira geral, tornar o sistema mais sustentável. Nesse sentido, Coelho acredita que ainda temos muitas oportunidades para explorar, buscando formas inovadoras de melhorar o acesso à saúde de qualidade no Brasil. “Devemos compreender a inovação como a base para desenvolver todo o ecossistema de saúde, desde o acesso a produtos e procedimentos que melhorem a vida de pacientes e o dia a dia do médico, até iniciativas que diminuam o desperdício da cadeia, otimizem processos, incrementem o serviço e o atendimento ao paciente, tornando o sistema cada vez mais sustentável”, afirma Ainda de acordo com Coelho, o que ainda falta no Brasil é a visão de que é possível ter a solução para a maior parte das questões, desde que haja um olhar para elas

HEALTHCARE Management 35

não como problemas, mas como uma oportunidade de criar soluções, de inovar e, acima de tudo, de colaborar entre setores, instituições, governos, empresas. Daniel Mazon, Vice-presidente sênior da Philips Healthcare para América Latina, considera que o país tem avançado nos últimos anos e um exemplo disso é a área de nacionalização da fabricação de produtos antes importados. “Neste caso, o governo exige o cumprimento de critérios de investimento em P&D em parcerias com universidades, educação e capacitação de profissionais.” Contudo, o executivo ressalta que ainda existe muita oportunidade de melhora de produtividade no país, através da capacitação e criação de um ambiente propício à inovação.

Daniel Mazon, Vice-presidente sênior da Philips Healthcare para América Latina

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

139


Health Innovation

“Precisamos desburocratizar a cadeia, desde a abertura de uma empresa, passando pela de regulação sanitária e fiscalizatória, legislações trabalhista e tributária e suas consequências no chamado custo Brasil.” Já Oscar Porto, CEO da Medtronic Brasil, ressalta que a inovação no país poderia ser muito melhor disseminada, contudo, o ambiente regulatório, a falta de investimento de P&D e até o pouco número de universidades dedicadas a pesquisa limitam a inovação. “Muito da nossa inovação vem da classe médica, que desenvolveu novas técnicas cirúrgicas, e de poucos medicamentos, vacinas e produtos desenvolvidos pela indústria nacional”, afirma.

Oscar Porto, CEO da Medtronic Brasil 140

HEALTHCARE Management 35

A indústria, para o executivo, precisa entender que a saúde demanda produtos certos, para mercados certos, a custos competitivos. Porto também afirma que a inovação chega ao Brasil de maneira ampla, por se tratar de um país de adoção rápida de novidades. Contudo, trata-se de uma adoção seletiva, que, em um primeiro momento, não está disponível para todos. “Uma tecnologia não tem valor se não for acessível para a maioria dos brasileiros. Precisamos de tecnologias a preços que o sistema de saúde possa pagar.” Assim também defende Sandro Dian, Diretor-geral da Stryker, que mesmo considerando o Brasil como um dos maiores mercados do mundo, afirma que pouca inovação importante foi gerada no Brasil. “Salvo raras exceções, o Brasil inovou pouco na área de saúde, sendo basicamente um receptor de novas metodologias/tecnologias de outros países. Acredito que a fomentação de inovação na área de saúde deve partir inicialmente como plano estratégico do Governo Federal por meio de incentivos para parcerias entre a indústria e universidades.” ACADEMIA Tecnologia e pesquisa básica. Esses são os grandes desfalques para concretizar a inovação no país, segundo o Professor Livre Docente de Cirurgia da Faculdade de Medicina da USP, Carlos Eduardo Domene, que também é Presidente da SOBRACIL - Sociedade Brasileira de Videocirurgia. “Não se cria uma quantidade expressiva de ciência, pesquisa e desenvolvimento de medicamentos, equipamentos e sof-

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


twares na área médica. Será necessário grande investimento nas universidades para que assim tenhamos um ambiente propício para boa pesquisa. Além disso, produzimos no Brasil basicamente o que foi desenvolvido no exterior”, afirma. Quando o assunto é criar inovação no Brasil, Domene acredita que muito ainda temos que fazer, mas quando se trata do uso e da aplicação das inovações que já estão sendo utilizadas em todo o mundo, o professor ressalta que estamos em um bom estágio. “No Brasil, as inovações são, em sua maioria, criadas e produzidas no exterior. O intenso intercâmbio que existe na área médica, pela frequência em congressos internacionais e visitas a serviços de ponta, faz com que muito rapidamente incorporemos novas tecnologias e medicamentos. Neste sentido, os grandes centros praticam uma medicina muito semelhante à dos melhores centros mundiais.” Inovação e eficiência nem sempre caminham juntas. Muitas vezes, a palavra inovação é utilizada como uma estratégia de marketing ao invés de ser algo verdadeiramente inovador ou vantajoso. Na área de medicamentos, por exemplo, um levantamento da ANVISA sobre mais de 200 novos medicamentos registrados ao longo de sete anos, menos de 7% destes possuíam alguma vantagem terapêutica significativa em relação aos seus comparadores. “Evidentemente, as empresas possuem legítimos interesses mercantis, buscando obter a máxima lucratividade possível em seus produtos. Mas há que se observar estrategicamente a capacidade limitada que os sistemas de saúde, público e privado, têm de financiar as tecnologias disponibilizadas no mercado”, explica Murilo Contó, consultor da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias para o SUS – CONITEC. Ainda de acordo com o consultor, em um cenário global, o ritmo das inovações parece ser mais incremental do que verdadeiras rupturas de padrões e paradigmas estabelecidos em relação às tecnologias já incorporadas. “O fato destas inovações incrementais estarem sempre acompanhadas de um custo maior que as tecnologias já

HEALTHCARE Management 35

estabelecidas dificulta, muitas vezes, sua incorporação nos sistemas, pois representam um aumento no impacto orçamentário com um considerável nível de incerteza quanto aos resultados a serem obtidos com sua possível utilização.” A articulação entre Estado e indústria tem se fortalecido ano após ano no país segundo Contó. Exemplo disso é o a Mais Saúde Direito de Todos que, desde 2008, vem instituindo um eixo específico para o fortalecimento do Complexo Industrial da Saúde. “Creio que precisamos continuar evoluindo neste tipo de iniciativa e no fomento progressivo à pesquisa, desenvolvimento e inovação, para que a capacidade da indústria nacional se posicione, cada vez mais, fortemente no mercado mundial e passe, em um futuro próximo, a ser majoritariamente exportadora de tecnologias como ocorre com a maioria dos países desenvolvidos.”

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

141


Health Innovation

ABIMED lança prêmio para estimular a inovação na Saúde Com o objetivo de acelerar a inovação na saúde e fomentar o acesso da população a novas tecnologias, a ABIMED (Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde) lança o 1º Prêmio ABIMED de Inovação Transformacional. O objetivo é estimular o desenvolvimento de projetos inovadores na área da saúde. Poderão concorrer ao prêmio empresas e profissionais de todo o país que desenvolveram projetos que, comprovadamente, venham transformar o modus operandi dos processos chaves da área de saúde e, assim, contribuir para a sustentabilidade econômica do setor. Serão analisadas as inovações disponibilizadas no mercado brasileiro entre os dias 1 de julho de 2014 a 30 de junho de 2015. As soluções devem também ser instrumentos para a ampliação do acesso ou da melhora do padrão de cuidado, bem como impulsionar as exportações do setor e, consequentemente, a posição do Brasil em toda a cadeia global de saúde. Serão reconhecidos 3 projetos, um trabalho para cada uma das seguintes categorias-chaves: Sustentabilidade econômica, Ampliação de Acesso e Melhora no Padrão de Cuidado. Os projetos vencedores receberão um troféu e um selo de reconhecimento de vencedor

do Prêmio ABIMED de Inovação Transformacional para ser inserido em materiais impressos e na web. As inscrições são gratuitas e a submissão dos materiais para avaliação deverá ser feita no site www.abimed.org.br até o dia 30 de setembro de 2015. O regulamento do concurso estará disponível neste endereço eletrônico a partir do dia 30 junho de 2015. O julgamento será realizado por comitê de importantes nomes na área de saúde e inovação, que avaliará até 31 de outubro de 2015 os trabalhos que mais se destacaram no período. O Prêmio ABIMED de Inovação Transformacional será entregue durante o evento “Prêmio Líderes da Saúde”, organizado pelo Grupo Mídia, em dezembro de 2015.

Fabrício Campolina, Presidente do Conselho de Administração da ABIMED, e Carlos Goulart, Presidente-executivo da ABIMED

142

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

143


Health-IT

Virtualização

144

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


O desafio de consolidar toda a infraestrutura de TI no Hospital Presbiteriano Dr. Gordon

I

Impossível pensar, hoje, em uma boa gestão sem tecnologia. O caminho para um processo evolutivo já foi descoberto e, agora, prestadores e operadoras de saúde têm a missão de adequar-se às novas tecnologias. Neste cenário, a infraestrutura de TI faz-se primordial para abraçar todas as novidades que vêm pela frente. O Hospital Presbiteriano Dr. Gordon (HPDG), em Goiás, caminha por esta estrada, apostando na melhoria constante em todo o sistema de TI. Segundo Mário Lúcio Brasileiro, Superintendente do hospital, a instituição vem investindo na atualização de softwares, servidores e instalações de cabeamento de fibra ótica. Para dar todo este suporte, foi instalada uma infraestrutura completa de processamento e armazenamento de dados. Utilizou-se, também, a virtualização, tecnologia focada em crescimento, disponibilidade e redução de custos. Isso significa consolidar servidores antigos em um número menor de servidores novos, mais potentes e com menor consumo de energia e espaço. “Todo o projeto foi realizado observando os problemas existentes na empresa e focando em benefícios que o hospital esperava obter da TI. Foram dimensionados servidores Dell com a última linha de processadores Intel Xeon, sistema de armazenamento de alto desempenho Dell PowerVault e sistema de virtualização Microsoft Hyper-V”, explica Dominique Fernandes, Gerente Comercial da Integratto, empresa que realizou o serviço para o hospital. Entre os desafios deste projeto, estão a consolidação de toda a infraestrutura em uma plataforma de virtualização que contivesse um melhor custo benefício, além da redução na inatividade dos serviços de TI e do ERP da empresa. Outro ponto crucial foi a otimização da gerência nas estações e usuários de forma individual, visando solucionar o problema da falta de padronização e dificuldade para gestão.

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

145


Health-IT

Integração

Para que todo o projeto esteja alinhado com os objetivos do hospital, a Integratto conta com a atuação do Gerente de Projetos. Este profissional, junto a um bom entendimento do mercado do ponto de vista de negócios, garante que a TI esteja alinhada com os objetivos do cliente, tornando-o mais eficiente e competitivo. “O mercado de Saúde é muito rigoroso em relação ao que se entrega como produto final. Quando se trata de prover tecnologia a este segmento, é fundamental dispor de segurança, acessibilidade e confiabilidade das informações. Neste sentido, oferecemos soluções de hardware e software que atenda estes requisitos”, ressalta Fernandes. Ainda de acordo com Fernandes, a prioridade é trazer soluções que garantam disponibilidade e confiabilidade das informações através de servidores, storage, conectividade, virtualização, software de backup e recuperação de desastres de forma integrada e confiável. “Por isso, nossos parceiros são empresas como: Dell, Microsoft, Vmware e Arcserve”, finaliza.

Resultado

Como resultado, o HPDG conseguiu obter um aumento no desempenho e produtividade dos funcionários com os novos servidores; redução de custos com energia, gerenciamento, espaço e refrigeração; padronização do parque de desktops com diretivas de grupo centralizadas; e aumento da disponibilidade dos serviços providos pela TI do hospital. “A centralização dos servidores também foi um grande benefício que este trabalho nos trouxe. Isso conferiu mais agilidade para resolver possíveis problemas, como também mais segurança nas informações e redução de custos. Obtivemos uma resultante positiva no gerenciamento”, afirma o Superintendente do HPDG. H 146

HEALTHCARE Management 35

“Foram instalados novos servidores e storages, além da aplicação da virtualização para consolidar todos servidores em um cluster. A infraestrutura física foi composta por equipamentos da Dell e a parte lógica contou com a utilização das tecnologias de virtualização da Microsoft, visando um melhor custo benefício”, Dominique Fernandes, Gerente Comercial da Integratto

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

147


Artigo | Sandra

Franco

O aborto e saúde da mulher brasileira

A

saúde da mulher brasileira é sempre pauta de discussão, principalmente quando se toca em alguns problemas como o aborto. O Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, mostra que uma mulher morre a cada dois dias e meio no Brasil após realizar um aborto. O tema trouxe polêmica depois que o tema ganhou as redes sociais. Uma ação, aparentemente espontânea, na rede social, trouxe mães e gestantes publicando fotos de gravidez se posicionando contra o aborto, sob a hashtag ‘#desafiocontraoaborto’. A campanha surgiu juntamente com as declarações do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, que afirmou ser radicalmente contra a votação de qualquer projeto que discuta a descriminalização do aborto. De acordo com o Código Penal Brasileiro, o aborto induzido é considerado crime e só é permitido pela legislação em casos de estupro e quando a mãe corre risco de vida. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou uma jurisprudência em que o aborto pode ser realizado nos casos de fetos anencéfalos. O debate nas redes sociais só afirma que, sendo a prática proibida, mas difundida, sua criminalização é questionada por diversos grupos, justamente pelo grande aumento da procura por clínicas clandestinas ou por métodos caseiros. Essa afirmação é reforçada por dados da Universidade de Brasília, que revelam que mais de uma a cada cinco mulheres, antes de completar 40 anos, já interrompeu a gravidez. Em abril de 2005, a Organização Mundial de Saúde informou que o número de casos de gravidez não intencional ou indesejada é estimado em 87 milhões por ano em todo o planeta. Mais da metade dessas mulheres recorre ao aborto induzido, sendo que 18 milhões o fazem sem condições de segurança. Anualmente, 68 mil mulheres morrem no mundo em consequência desses abortos desassistidos. Em 2013, as mulheres passaram a ter a garantia de que o atendimento deve ser “imediato e obrigatório” para questões de aborto em todos os hospitais do SUS, conforme dispõe a lei 12.845. Essa norma foi sancionada pela presidente Dilma Roussef para

148

HEALTHCARE Management 35

Sandra Franco Presidente da Academia Brasileira de Direito Médico e da Saúde

assegurar atendimento médico a mulheres vítimas de violência sexual. Causou polêmica imediata, principalmente nas bancadas evangélica e católica no Congresso Nacional, por prever a “profilaxia da gravidez” — a mais comum é a pílula do dia seguinte — e o fornecimento de informações sobre a possibilidade legal de aborto em caso de estupros. Sob o aspecto da saúde e políticas públicas, não se poderá abandonar o conceito da prevenção e educação, quando possível. Na maioria das vezes, a opção pelo aborto decorre da falta de planejamento da gravidez associada a fatores sociais como ignorância, planejamento familiar, escassez de recursos e grande número de filhos. Para alguns, o Direito Constitucional (e natural) à vida do feto precisa ser respeitado. E a autonomia da mulher? Qual deve ter mais peso? Nenhum direito é absoluto, portanto, se o feto tem o direito de nascer também teria o direito a uma vida digna, a qual, em tese, é afastada quando diante de uma gravidez indesejada. Outro aspecto científico e importante para entender os limites do Direito reside em não haver um consenso objetivo acerca do momento em que surge a vida: se da fecundação, da nidação, do bater do coração, do estado do feto, da formação do sistema nervoso central, da capacidade de ser consciente de si próprio, do nascimento, ou do nascimento com respiração. E dentro deste contexto é importante destacar que a saúde da mulher deve ser respeitada, independente da situação, pois sua dignidade está afetada, em especial, pelos fartos casos de abortos clandestinos, esterilidade pela perda do útero, traumas psicológicos irreversíveis por condições degradantes dos locais e a morte de muitas mulheres. Desta forma, a descriminalização do aborto deve ser discutida fora de qualquer cunho religioso ou político, e sim como uma questão de saúde pública. Necessário que os profissionais da saúde em conjunto com a sociedade e os legisladores discutam regras claras, de maneira interdisciplinar para que a saúde da mulher brasileira seja preservada, seja qual for o tema. H

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

149


150

HEALTHCARE Management 35

marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

151


Ideias e Tendências

Investimento contínuo e diário O planejamento e a atualização da infraestrutura de comunicação do HCor primando pela integração de todo o complexo

A

A integração dos sistemas que fornecem à área médica informações sobre a dinâmica operacional de um hospital depende, e muito, da agilidade da transmissão dos dados. Com uma infraestrutura completa é possível, por exemplo, que o setor médico planeje, reveja ou mesmo implante estudos de padronização de materiais por tipo de cirurgia e com visibilidade da relação custo x benefício. Essa é a realidade no HCor de São Paulo, cuja integração dos sistemas de gestão e clínico permite, entre

152

HEALTHCARE Management 35

outros benefícios, o monitoramento de pacientes críticos da UTI. Neste caso, os médicos detêm informações atualizadas sobre todos os pacientes internados que são transferidos para a unidade e o seu score de complexidade.

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Para que toda essa comunicação continue ativa e direta, desponta-se aqui a infraestrutura de toda a rede que, conforme explica Adailton Mendes, Gerente de Tecnologia da Informação do HCor, requer um investimento diário. “Nos últimos cinco anos, estamos trabalhando continuamente no planejamento e atualização de nossa infraestrutura de comunicação, com foco na implantação de novas unidades e integração com as unidades existentes. Temos o melhor da tecnologia de comunicação e com margem para a implantação de tecnologias inovadoras mais atuais e de vanguarda.” Para tanto, o hospital conta com uma redundância física em fibra óptica em todos os seus prédios conectados com o data center central, cuja estrutura garante disponibilidade total ao HCor em caso intercorrências/ falta de comunicação pelas fibras principais. Segundo Sandro Gonçalves, Diretor-comercial do Grupo Policom, empresa que juntamente com a Eletel (projetista do case) forneceu os materiais necessários, o principal desafio de toda essa interligação foi a concepção da infraestrutura, já que o cabeamento implementado é categoria 6A, com solução de gerenciamento ImVision, da SYSTIMAX, solução de ponta da SYSTIMAX (CommScope). “Foi necessário realizar diversas reuniões entre equipes da Policom e da Eletel com os responsáveis técnicos e diretoria do HCor para a apresentação dos benefícios da solução gerenciável, além de treinamentos dos gestores e operadores do sistema. O envolvimento técnico foi de fundamental importância para o sucesso do projeto”, ressalta. A norma TIA-1179, que recomenda a utilização de cabeamento categoria 6A, foi um requisito atendido na sua totalidade, proporcionando total confiabilidade e agilidade nas comunicações utilizadas no hospital. HEALTHCARE Management 35

TIA-1179 Conhecida como TIA-1179, o nome da norma é Healthcare Facilities Telecommunications Infrastructure Standard (Norma sobre Infraestrutura de Telecomunicações em Instalações do segmento de saúde). Ainda que a regra não descreva todos os aspectos da infraestrutura de cabeamento, ela é muito importante como ponto de partida para saber como é possível desenvolver e programar um sistema efetivo.

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

153


Ideias e Tendências

Primeiros passos Em 2005, quando foi construído o data center e feita a troca do backbone de 10Gb que interligava todos os prédios do HCor, a instituição investiu em um projeto a fim de atender todas as suas necessidades quanto à alta disponibilidade (7x24x365), capacidade de suportar altas de transferência e confiabilidade da tecnologia e materiais empregados. Desde então, a infraestrutura de cabeamento utilizada suporta o tráfego de imagens médicas digitais disponibilizadas pelos equipamentos eletromédicos conectados na rede, através do sistema PACS.

“Ao observarmos a norma, percebemos que são abordados vários itens relevantes de um ambiente hospitalar, como a quantidade de pontos de acordo com a criticidade de cada ambiente. Nossa experiência comprova que, quando um projeto é elaborado seguindo as recomendações desta norma, fica clara a preservação do investimento”, salienta Gonçalves. O resultado é uma infraestrutura que garante um alto nível de disponibilidade para os sistemas de TI, conferindo um bom funcionamento operacional de toda a instituição. “Os setores críticos devem ser priorizados e o que sempre focamos é o custo de retrabalhos e da indisponibilidade que podem gerar operacionais manuais e com perda de produtividade e qualidade. Uma infraestrutura completa, confiável e sempre disponível leva o risco destes custos a níveis mínimos e controláveis”, explica Mendes. H

Sempre olhamos para o setor com muita atenção por saber que se trata de um ambiente que necessita de tecnologia de ponta, devido às próprias inovações da área médica, como transmissões de imagens com alta resolução que demandam grandes larguras de banda. A nossa estratégia é a de atuar no mercado como fornecedores que levem aos gestores soluções diferenciadas.

154

HEALTHCARE Management 35

Sandro Gonçalves, Diretor-comercial da Policom

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

155


Estratégia

Busca do equilíbrio

Gerenciamento das ações e uma boa gestão orçamentária do Instituto de Infectologia Emílio Ribas

U

Uma das primeiras instituições de saúde pública de São Paulo, o Instituto de Infectologia Emílio Ribas (IIER), fundado em 1880 quando ainda era Hospital dos Variolosos, é, atualmente, referência nacional em tratamento de doenças infectocontagiosas. Instituição pública da administração direta, o IIER pertence à Coordenadoria de Serviços de Saúde (CSS), ligada diretamente à Secretaria de Estado da Saúde (SES) do Governo do Estado de São Paulo. “O sucesso da gestão só é alcançado com um planejamento adequado, metas bem definidas, análise de resultados e atualização constante dos processos”, explica Aírton Viriato, Diretor do Grupo Técnico de Gerenciamento Hospitalar do IIER. Para o Diretor, no âmbito administrativo, é possível oferecer uma assistência de qualidade com recursos públicos, desde

156

HEALTHCARE Management 35

que haja um bom desempenho no gerenciamento das ações e uma boa gestão orçamentária. Atualmente, esses recursos são destinados exclusivamente para treinamento e capacitação dos profissionais de todas as áreas de atuação, cujos resultados são notadamente reproduzidos na melhoria do atendimento e na satisfação dos usuários.

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Para tanto, o Planejamento Estratégico do IIER traz um programa composto por indicadores hospitalares a serem atingidos pela instituição. “A pactuação de metas, somada a pontuação trimestral, submete os recursos financeiros para o treinamento e capacitação dos funcionários, bem como para investimentos e aquisição de novas tecnologias.”

Apoio à gestão

Nas atividades da saúde, existem procedimentos e serviços altamente rentáveis, por outro lado, alguns atingem apenas o ponto de equilíbrio e outros são deficitários. Ou seja, um determinado procedimento poderá gerar lucro ou prejuízo dependendo da análise de custos divididos em fixos e variáveis. E para trazer sustentabilidade à gestão, o IIER abraça diversos serviços terceirizados a fim de focar mais em seu core business. Para tanto, diversos estudos são feitos quanto à possibilidade de ter ou não estes serviços. A decisão de qual serviço deverá ser terceirizado ou não cabe ao Grupo Técnico de Gerenciamento Hospitalar. Este irá analisar o objeto de prestação de serviços, preparar uma

análise crítica com referência aos recursos humanos existentes, analisar o custo-benefício, decidir e apresentar a proposta ao Diretor-técnico de Saúde do IIER. “Cabe aos gestores dos contratos o acompanhamento, a medição e a avaliação dos serviços prestados e os reajustes pertinentes de cada categoria”, explica Viriato. Os gestores também são responsáveis pela dinâmica das atividades realizadas pela empresa, pelo acompanhamento da documentação exigida no contrato e pelo índice de satisfação dos serviços prestados.

Equipe Mopp HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

157


Estratégia

As atividades-meio que o IIER possui contratos terceirizados são: vigilância eletrônica e patrimonial; alimentação hospitalar; higiene e limpeza; lavanderia; serviço de manutenção predial, hidráulica e elétrica; manutenção de elevadores; telefonia; gerenciamento de combustíveis e conservação de jardins. “Em breve, vamos terceirizar mais alguns serviços de atividades-meio, como remoção de pacientes com ambulâncias tipo a e b; motofrete; guarda volumes e documentação e um sistema de suprimentos e almoxarifado”, ressalta Viriato. Entre os parceiros do IIER está a Mopp, responsável pela limpeza e higiene da instituição. Segundo Regina Marta F. Silva, Coordenadora Técnica; e Katia Scabello, Gerente de Operações da Mopp Multiservice, a força motriz da qualidade de todo o serviço prestado está na qualificação dos profissionais. “Acreditamos que o profissional responsável pelo serviço é o gestor de todos os processos e relacionamentos dentro da instituição onde trabalha. Preferencial158

HEALTHCARE Management 35

mente, esses profissionais são graduados em enfermagem e são acompanhados pela coordenação técnica que provê informações e decisões em situações novas e críticas junto ao cliente”, explicam. Investir em novas tecnologias e acompanhar de perto os indicadores e monitoramento de qualidade do serviço executado são outras diretrizes da empresa. “A gestão do serviço de limpeza vai além de trazer segurança, conforto e bem-estar. Enxergar todos os reflexos do nosso negócio pode trazer informações importantes, que auxiliam os

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


administradores do hospital na tomada de decisões mais assertivas. Por exemplo, a participação em projetos relacionados ao gerenciamento de resíduos; gestão de leitos; sistemas de certificação de qualidade de serviços de saúde; controle de infecção; cuidados relacionados ao meio ambiente; hospitalidade, entre outros”, explica Katia Scabello, Gerente de Operações. Os certificados como ISO 9.000 e 14.000 refletem a qualidade e segurança do serviço prestado. Soma-se a esses padrões a busca de novos produtos que tragam benefícios na utilização, como na redução da toxidade, baixa utilização de água ou sem enxágue, melhor eficácia quanto sua ação desinfetante, entre outros pontos. A Mopp também oferece ao cliente o registro diário das atividades realizadas, o que permite à instituição obter um fluxo de informações contínuas a tudo o que se relaciona ao processo de limpeza e seus reflexos. “Isso transmite confiança, pois o esclarecimento e entendimento do que se passa contribui na tomada de decisão, otimização de processos e redução de custos”, salienta Regina Marta F.

Silva, Coordenadora Técnica. Neste sentido, a tecnologia desempenha um papel fundamental entre a gestão do IIER e a empresa. Assim, é possível manter online todas as informações de procedimentos em execução e acesso direto pela própria intranet do cliente, como, por exemplo, a gestão de leitos e vagas. Vale ressaltar também a tecnologia dos materiais, produtos químicos e equipamentos que, além de atender aos aspectos legais, contribuem na melhora da produtividade, ergonomia dos colaboradores e melhores condições de trabalho e redução dos recursos naturais, principalmente de água e energia. H

O sucesso da gestão só é alcançado com um planejamento adequado, metas bem definidas, análise de resultados e atualização constante dos processos.

Aírton Viriato, Diretor do Grupo Técnico de Gerenciamento Hospitalar do IIER

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

159


Artigo | Sandra

Cristine da Silva

Envolvimento do Paciente: Um Novo Desafio para o Cuidado

A

atenção no cuidar, o tratamento humanizado e foco no bem-estar do paciente fazem parte da história da assistência ao paciente. A evolução da medicina, a incorporação de tecnologias e a especialização na saúde fizeram com que o foco no paciente fosse aperfeiçoado. Apesar do maior acesso à informação, erros e acertos no tratamento permaneceram sob o domínio da equipe de saúde. O paciente continuou um agente passivo nesse processo. Enfrentamos o desafio de alterar essa realidade. Afinal, se o paciente tem o direito a um tratamento digno e de qualidade, também pode, ativamente, contribuir para a melhoria da segurança do cuidado. A partir deste contexto, em 2004, a Organização Mundial da Saúde (OMS), publicou a campanha “Patient for Patient”, e, em 2013, o Ministério da Saúde lançou o Programa Nacional para Segurança do Paciente. A principal meta desses movimentos é o de envolver o paciente no combate aos danos evitáveis à saúde, por meio de um engajamento baseado na honestidade, informação e transparência. A OMS ainda estabeleceu seis metas para segurança do paciente, com o objetivo de promover melhorias específicas em situações de assistência consideradas de maior risco como: identificação dos pacientes; comunicação efetiva; segurança dos medicamentos de alta vigilância; cirurgia segura; redução de risco de infecção e redução do risco de lesões em decorrência de queda. Dar aos pacientes condições para esse engajamento significa uma “via de mão-dupla”, uma quebra de paradigma dentro de um ambiente culturalmente acostumado a ter no médico e equipe o portador do conhecimento final sobre todos os atos. As bases para a prevenção e enfrentamento de eventuais resistências, que certamente surgiram nesse caminho,

160

HEALTHCARE Management 35

Sandra Cristine da Silva Gerente de Qualidade do Hospital SírioLibanês

foram a informação e a transparência. No campo da informação, muitos hospitais vêm trabalhando com a elaboração e distribuição de folders educativos sobre questões para a prevenção de danos no decorrer da assistência. Como reforço, instalam nos quartos dos pacientes quadros informativos, cujo conteúdo incentiva o próprio paciente e familiar a cobrarem da equipe comportamentos de segurança, como a manutenção e confirmação da pulseira de identificação; checagem da identificação do paciente antes da administração de medicamentos; confirmação do nome e dose correta de medicamentos; procedimentos que precisam de autorização por escrito (termo de consentimento); obrigatoriedade de sinalização do lado a ser operado; higienização das mãos por todos os profissionais que entram no quarto, entre outras ações. Por outro lado, algumas instituições adotaram o critério da transparência, com a divulgação dos seus resultados consolidados por meio de indicadores de segurança da assistência. Essas informações são muitas vezes disponibilizadas nos sites dos hospitais, ou publicadas nos murais internos das instituições. Essas ações incentivam os pacientes e familiares a contribuírem com sugestões para a melhoria dos resultados com foco na segurança assistencial. Dentro de um amplo processo de humanização do atendimento em saúde, a segurança é fator essencial para a manutenção do direito à vida. Embora o impacto das medidas implantadas seja de difícil mensuração, nossa percepção é que a atuação conjunta de instituições de saúde e pacientes é a forma mais eficiente para enfrentar os desafios relacionados à qualidade e segurança, e alcançar as metas estabelecidas. H

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

161


Gente e Gestão

Investindo em valor A tecnológica gestão de saúde populacional feita no Hospital Alemão Oswaldo Cruz 162

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


S

Se a bandeira mais forte de um hospital é a qualidade assistencial prestada, nada mais lógico que oferecer para os colaboradores essa mesma atenção dada aos pacientes. É assim que o Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC) norteia a gestão da saúde populacional da instituição e, com isso, vem colecionando resultados como melhor performance operacional, engajamento e produtividade que uma população saudável pode oferecer. Pensando justamente em todos esses benefícios, o HAOC buscou na tecnologia um apoio para a gestão de saúde de sua população que conta com 2.300 funcionários. Adotou-se, então, um sistema de Business Analytics que permite analisar diversos dados de forma cruzada. A GI Gesto Inteligente, ferramenta da Gesto Saúde e Tecnologia (GST), foi a solução implementada pelo HAOC a fim de gerir de maneira eficiente a saúde dos funcionários. Assim, é possível oferecer ao departamento de RH uma gestão integrada de planos de saúde, atestados médicos, afastamentos, dados da medicina ocupacional e das ações de promoção de saúde, tudo com uma camada de inteligência aplicada, analisando os dados coletados e apontando onde há espaço para economias e onde é necessário maior investimento. “Desse modo, é possível compreender melhor o perfil da população, seus hábitos e comportamentos, ou seja, temos em mãos uma informação mais precisa, consequentemente, maior assertividade nas estratégias, um completo desenho e operação dos programas de saúde, segurança e qualidade de vida da instituição”, explica Rodrigo Demarch, Gerente de Qualidade de Vida e Saúde do HAOC. Neste contexto, destaca-se a gestão inte-

grada que torna possível conectar pontos fundamentais como saúde, segurança ocupacional e qualidade de vida da instituição. Diante disso, o HAOC observou algumas mudanças, como a fluidez da informação, que passa a ser de modo mais uniforme, permitindo que os envolvidos tenham uma visão mais ampla dos problemas e consigam elaborar melhor as soluções. Os recursos passam, então, a ser melhor empregados, já que o retrabalho diminui e a informação que norteia a decisão tende a ser mais precisa. Por exemplo, ao invés de pensar isoladamente em questões de saúde ocupacional ou de segurança do trabalho, as questões são vistas com um olhar mais refinado, permitindo que se enxergue o problema além das questões regulatórias. “O impacto disso para a organização é valioso, pois o trabalhador passa a ter a

HEALTHCARE Management 35

percepção da preocupação do empregador em relação ao seu bem-estar e isso gera um ciclo virtuoso entre ambos”, salienta Demarch.

Custo x benefício

Além de uma gestão integrada sob um olhar mais próximo de sua população, a tecnologia também traz benefícios quando a questão é custo. Os gastos com o plano de saúde é o mais notável entre eles, causando considerável impacto nas finanças da instituição, com variações que, constantemente, ficam acima da inflação. O tributo Fator Acidentário de Prevenção (FAP), por exemplo, é um componente de altos custos que o departamento de RH tem que lidar. O controle desses fatores combinado à dificuldade de mensurar a efetividade de suas atividades é motivo de dor de cabeça a muitos gestores de saúde.

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

163


Gente e Gestão

Com um modelo de gestão de saúde, segurança e qualidade de vida corporativa integrado é possível alocar recursos de forma mais adequada, reduzindo custos desnecessários, e também uma gestão mais adequada dos recursos gastos com o plano de saúde. Quanto ao case do HAOC, a sinistralidade ficou abaixo do ponto de equilíbrio e a instituição conseguiu evitar o reajuste médio de 15%. “No caso do HAOC, pudemos trazer os níveis de sinistralidade do plano de saúde para patamares abaixo do ponto de equilíbrio. Dessa forma, a organização conseguiu economizar, ao longo dos últimos anos, valores bastante significativos, já que evitou a aplicação de reajuste. Se levarmos em consideração que a média de VCMH (Variação de Custos Médico-Hospitalares, também chamado de “inflação médica”), nos últimos anos, ficou próximo dos 15% ao ano, esta foi a importância economizada sobre a nossa fatura”, salienta De-

march.

Mudança na cultura

Além de questões financeiras, o Gerente de Qualidade de Vida e Saúde, Rodrigo Demarch, também destaca mudanças relacionadas ao estilo de vida da população. “Este é um valor mais difícil de ser mensurado em termos financeiros, mas que certamente tem grande impacto na vida dos nossos colaboradores, suas famílias e, por consequência, do hospital e seus pa-

A bandeira mais forte do HAOC é a qualidade assistencial que possuímos. Nada mais lógico, portanto, que oferecer à nossa própria força de trabalho, a mesma qualidade assistencial entregue aos nossos pacientes e seus familiares.

Rodrigo Demarch, Gerente de Qualidade de Vida e Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz

164

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

cientes”, afirma. E para cuidar de quem cuida, o hospital vem investindo em iniciativas como o Centro de Atenção à Saúde do Colaborador (CASC) e do Programa Bem-Estar. Com essas ações foi possível diminuir, por exemplo, a incidência do tabagismo dentro da organização, que hoje gira em torno de 6%. Também registrou-se um aumento significativo no número de pessoas fisicamente ativas.


Antes, fazer essa gestão era como dirigir olhando apenas para os retrovisores. Com a inteligência aplicada aos dados é possível identificar com clareza o que vai acontecer no futuro. Ou seja, abrimos um grande para-brisa para o gestor enxergar o que vem pela frente. Fabiana Salles, Diretora-executiva da GST

“Quando o programa foi criado, em 2010, tínhamos cerca de 150 pessoas matriculadas na academia do hospital, que já existia, e destas, cerca de 30% frequentavam-na duas vezes na semana ou mais. Hoje, o número de matriculados na academia é de aproximadamente 700 pessoas e a taxa de frequência de 85%”, explica Demarch. Além disso, a atual população do HAOC ingere mais frutas e verduras do que há cinco anos, estando mais próxima das recomendações feitas pelas autoridades no assunto do que seria uma alimentação saudável.

Investir em valor

Se antes a Gestão de Saúde era baseada nos fatos já acontecidos, com a tecnologia adotada pelo HAOC é possível identificar com clareza as próximas estratégias. “Antes, fazer essa gestão era como dirigir olhando apenas para os retrovisores. Com a inteligência aplicada aos dados é possível identificar com clareza o que vai acontecer no futuro.

Ou seja, abrimos um grande para-brisa para o gestor enxergar o que vem pela frente”, explica Fabiana Salles, Diretora-executiva da GST. A ferramenta também proporciona, em uma única plataforma, analisar as contas médicas, saber quais são os usuários que mais utilizam o plano, o índice de absenteísmo, o tipo de cargo que mais falta e quais departamentos que mais participam do programa interno de bem-estar. O objetivo é oferecer uma gestão mais

HEALTHCARE Management 35

precisa do ponto de vista do RH e um instrumento de sensibilização. “Muitas vezes, por falta de conhecimento ou recurso, as empresas negligenciam a mensuração dos resultados dos programas de saúde. Investir em programas de saúde efetivos é levar a essência do seu negócio para os seus colaboradores. É mais do que simplesmente investir em programas de saúde, em um propósito ou conceito. É investir em valor”, ressalta Fabiana. H

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

165


Artigo Márcia

Mariani Márcia Mariani

Gerente ambiental e de projetos do INDSH (Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano) e Membro do Projeto Nossa Terra (projetonossaterra.com.br)

O líder Aladim

M

ais uma vez, recorro ao recurso lúdico da analogia com as belas histórias que encantaram e continuam nos encantando: falo da famosa lenda da lâmpada mágica de Aladim, com gênio pronto para realizar todos seus desejos. O gênio aparece e pergunta: “qual é o seu desejo?”. Atônito, por um momento, o jovem não sabe o que pedir. O gênio, sem entender o que acontece com o rapaz, comenta com a voz embargada: “Se você não sabe o que quer, então eu nada não posso realizar’’. A princípio, parece pouco provável esta cena, mas ela acontece com frequência em nossa trajetória professional. Ao trazer a fábula para o cenário corporativo, podemos dizer que o líder é Aladim e o corpo tático são os ‘gênios’. Se o líder não sabe o que deseja de sua equipe tática, estes não podem realizar nada. Quais as metas a serem alcançadas? Quais os objetivos? Quais as conquistas? Por vezes, o corpo tático tem uma excelente compreensão de cenário futuro, do que seria possível realizar e até como realizar. Ocorre que se o líder não estiver em sintonia com o seu liderado, talvez este não entenda o potencial que existe nas sugestões apresentadas e pode perder grandes oportunidades mercadológicas e financeiras. Outra consequência, infelizmente até comum, é o liderado tornar-se extremamente desmotivado e, por vezes, confuso por não conseguir se comunicar de fato com seu lí-

166

HEALTHCARE Management 35

der corporativo. O líder precisa, em primeiro lugar, refletir profundamente quando não domina o assunto. O mundo contemporâneo ensina a comandar compartilhando. Não existe mais a situação na qual o líder tem o domínio absoluto do conhecimento e o liderado apenas executa as ações sem contribuir com o projeto. Muito leitores podem achar desnecessário abordar este tema, porém ele ainda é muito recorrente em nossos dias. Alguns gestores, ainda hoje, limitam a atuação de seu subordinado ao cumprimento fiel da tarefa solicitada. Claro que nem todos os subordinados querem assumir sua função com maior comprometimento, mas, neste caso, precisamos avaliar se esse profissional está na posição adequada dentro da organização. Esta distorção certamente provoca estresse e desgaste emocional, culminando em perdas de inovação, aperfeiçoamento, ambientais e, claro, financeiras. É necessário revisar os estilos de liderança hoje praticados. Precisamos aceitar que, por vezes, encontramos líderes perfeitos para o cenário do século passado e totalmente defasados para os desafios e as oportunidades existentes no presente e no futuro próximo. Temos, portanto, que ser líderes como Aladim. Quando o gênio aparecer, há de se ter certeza do que de fato desejamos. H

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Sustentabilidade

Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma

168

HEALTHCARE Management 35

marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


Hospital Moinhos de Vento traz soluções inteligentes para o meio ambiente e para o bolso

I

Impossível pensar em crescimento sem que tais estratégias trilhem pelo caminho da sustentabilidade. Aliás, é justamente essa trajetória o norte para a expansão da instituição. A boa gestão começa por ai: considerar a sustentabilidade como um papel fundamental às políticas da instituição. Acompanhar as atividades passíveis de impacto ambiental é o primeiro passo, seja na gestão de resíduos ou na escolha dos materiais utilizados. Assim acontece no Hospital Moinhos de Vento que, recentemente, investiu em diversas soluções inteligentes. Exemplo disso foi a substituição da caldeira responsável por aquecer a água dos quartos abastecida a óleo diesel por caldeira abastecida a gás natural. Houve também a troca de equipamento de raio-x do Serviço de Radiologia abastecido por revelador e fixador. “O avanço da tecnologia é imprescindível para o desenvolvimento sustentável, pois tais inovações agregam qualidade e agilidade na atividade humana, minimizando assim o impacto ambiental”, Rogério Almeida da Silva, Responsável pelo Projeto Estratégico de Gestão Ambiental. O HMV também vem investindo em importantes ações visando transformar resíduos em insumos. Ações como o Projeto Bumerangue já conseguiu transformar frascos de soro em sacos de lixo, o digital ao invés do papel. Aqueles materiais com alto poder de reciclagem ganham uma nova vida, retornando para o próprio hospital. “Muitos buscam atingir primeiro o

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

169


Sustentabilidade

pilar da sustentabilidade econômica com a venda de resíduos gerados dentro dos hospitais, comercializando esse material para gerar recursos e investir em outras necessidades. Já o HMV firmou parcerias com empresas privadas e, no primeiro mês, reciclamos seis toneladas de papel que voltou a ser utilizado por nós. Deixamos de comprar papel higiênico para algumas áreas administrativas, reduzindo assim o consumo de recursos naturais e os gastos com compra de insumos”. Mas, antes do descarte de papéis, foi preciso cuidar das informações sigilosas e para isso o HMV dedicou-se em um trabalho especial a fim de garantir a segurança das informações contidas nos documentos. Em um primeiro momento, foi preciso armazená-los com segurança e logo após destruí-los para garantir a seguridade do processo. Os números demonstram o sucesso do projeto. Mais de 3.800 quilos de papel e papelão em duas semanas foram reciclados, gerando 35 fardos de papel higiênico com oito rolos de 300 metros cada um. A sustentabilidade alcançou a esfera financeira da instituição. Cada fardo de papel higiênico comprado pela instituição custa R$ 69,84. O retorno com os 35 fardos reciclados gerou uma economia de R$ 2.444,40 em apenas um mês. “Neste cenário, a tecnologia da informação tem papel fundamental para a redução de custo e compra de insumos, com recursos cada vez mais confiáveis, como a guarda das informações de pacientes”, salienta Silva.

Competição sustentável

Desde 2014, a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) disponibilizou aos associados do Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade (PGQP) os serviços do Laboratório de Competitividade Sustentável (LACOS)

170

HEALTHCARE Management 35

para consultorias integradas de gestão. O HMV integra o quadro das instituições mantenedoras do LACOS, atuando na definição das diretrizes, das linhas de pesquisas desenvolvidas e suas consequentes aplicações práticas. O objetivo é estimular a competição sustentável entre representantes da iniciativa privada, de órgãos públicos e do terceiro setor por meio da orientação acadêmica em temas como diagnóstico, pesquisa, metodologia, consultoria e inovação. “Nosso investimento no LACOS existe porque acreditamos que, pelo aprofundamento do conhecimento desta disciplina, podemos ter a comunidade junto conosco”, ressalta Silva. A expectativa é aprofundar cada vez mais o conhecimento científico sobre os temas competitividade e sustentabilidade para aplicá-lo na gestão das organizações. H

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

171


Artigo Evaristo

Araújo

Evaristo Araújo

O aperfeiçoamento dos processos na Anvisa

E

m recente reunião estabelecida com representantes da SUALI, GGTPS, GQUIP, GEMAT e associações de empresas do setor da saúde, foram discutidos os números de processos relativos ao ano de 2014, no que se referem a processo de registro e cadastro de produtos, materiais e equipamentos para a Saúde. Foram apresentados os dados de entrada e de publicação de petições em 2014, o tempo médio de publicação da conclusão da petição de cada uma das Gerências, percentual de deferimento/indeferimento e percentual de resposta à sociedade dentro do prazo. Neste cenário, pode-se observar uma significativa melhoria dos procedimentos, processos em que empresas aguardavam quase um ano para o pronunciamento, tiveram seu tempo de resposta reduzido. Hoje, cadastros estão sendo analisados entre 90 e 120 dias e registros estão obtendo respostas entre 150 e 180 dias. Analisando mês a mês, verificou-se que, a partir do segundo semestre de 2014, com a integração dos novos servidores, bem como com a mudança de gestão, os processos se tornaram mais céleres. A Anvisa também pontuou que avalia implementar outros mecanismos que auxiliariam ainda mais as empresas, especificamente no que se referem às petições de alteração por inclusão, quando se lança um novo modelo, ou alguma inovação no produto já registrado. Nestes casos, as associações pontuaram que o número de processos podia ser bem

172

HEALTHCARE Management 35

Diretor-administrativo da Abec Saúde (Associação Brasileira das Empresas Certificadas em Saúde) e sócio do escritório Araújo Advogados Associados.

maior do que o apresentado, mas as empresas optam em ingressar com novos pedidos de cadastros/registros em razão do prazo de análise de um processo de alteração por inclusão ser mais extenso. Estuda-se a possibilidade da Anvisa classificar as alterações como implementação imediata ou mediante publicação. Outrossim, há um trabalho para a simplificação dos processos passando pela diminuição do número de assuntos. Após essa simplificação deverá ocorrer a classificação das alterações, porém não há previsão para que isso ocorra. No que se refere aos recursos, observou-se que há uma clara diminuição de suas interposições. Neste campo há certa controvérsia, pois a Anvisa entende que o número reduzido se deve ao fato de que os indeferimentos estão melhor fundamentados, o que determina o baixo índice de deferimentos na DICOL. Já as associações observaram que os prazos para a resposta de recurso são extremamente longos, o que desestimula as empresas a ingressarem com as petições e, pior, quando o fazem, paralelamente, protocolam novos pedidos de cadastros/registros, duplicando a chance de resposta, mas, também, aumentando a fila para análise. Na GEMAT foi possível identificar um alto índice de indeferimento em petições de cadastro, uma vez que muitas empresas peticionam como cadastro produtos que deveriam ser registrados e na GQUIP o alto número de indeferimentos de petições de revalidação se

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


deve a não apresentação de certificados para os produtos e perda de prazos. Salutar foi observar uma nova postura da Anvisa, que com os atuais gestores, demonstra uma maior transparência de suas ações e o intuito verdadeiro de manter diálogo aberto com o setor regulado para a melhoria de seus processos, que estão tendo significativos avanços. Importante observar também que o setor regulado precisa permanentemente investir na qualidade de seus processos. Muitas vezes, falhas que poderiam ser previamente identificadas geram o atraso na regularização. Manter o setor de qualidade e regulatório

das empresas em constante aperfeiçoamento trata-se de um investimento necessário que se reverterá na celeridade de regularização de produtos para o mercado e aumento de receitas e competitividade. O momento é positivo. A Anvisa que, por muito tempo, era vista, com certa razão, como uma agência de pouca acessibilidade, mudou sua postura. A nova gestão tem se mostrado mais aberta e interessada em ouvir e aprender com o setor regulado. Assim, cabe agora às empresas dar as respostas, ampliando o debate, apresentando soluções, participando das discussões e investindo em treinamento e qualificação. H

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

173


Estratégia

Crescimento sustentável Novo prédio do Hospital São Camilo Pompeia traz tecnologia, conforto e muita segurança para o paciente

N

Neste ano, a Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo inaugurou um prédio na unidade Pompeia. São cerca de 10 mil m2 divididos em dez andares e cinco pisos de garagem. A nova torre conta com 86 leitos, sendo 72 quartos individuais e 14 leitos de UTI, seis salas cirúrgicas e 104 vagas no estacionamento. Com a ampliação, a unidade passa a oferecer mais de 370 leitos, o que representa um aumento de 30% na capacidade de ocupação. De acordo com o Diretor de Operações da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, Rogério Quintela, a incorporação de uma nova torre irá possibilitar o atendimento à crescente demanda de pacientes, oferecendo estrutura funcional, hotelaria arrojada e atualizada, além de equipamentos de alta tecnologia. “A comunidade ganhará um ambiente confortável, humanizado e seguro para atendimentos de urgência e emergência, realização de cirurgias e internação.” A obra do novo prédio foi baseada na necessidade de prestar o melhor atendimento. “A segurança do paciente é alvo constante na elaboração de plantas arquitetônicas que possibilitam a funcionalidade assistencial, garantindo condições seguras para os fun-

174

HEALTHCARE Management 35

cionários, médicos, pacientes e acompanhantes. Pesquisas apontam que um ambiente acolhedor, com estímulos positivos de cores, sons e luz contribui com a recuperação da saúde. Por isso, a estrutura física foi planejada para que o paciente e seu acompanhante percebam todo o cuidado que a unidade Pompeia tem com a permanência deles na instituição”, revela Rogério.

Qualidade do ar

Além de estudos de engenharia e arquitetura, o projeto de ar-condicionado também desempenha um papel impor-

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


tante para o maior conforto, bem-estar e segurança ao paciente. Tais projetos devem considerar uma série de fatores para oferecer alta performance. A melhoria energética, qualidade e segurança do sistema de climatização são alguns pontos fundamentais que devem ser ponderados. É aqui que se destaca o trabalho em conjunto entre arquitetura, engenharia e gestão. Juntas, essas três vertentes se empenham para descobrir e investir na melhor solução para aquela instituição. “O mais importante é ter profissionais capacitados, com formação específica, e empresas qualificadas e experientes para cada fase, desde o projeto até a instalação do sistema. Isso fará com que o cliente não tenha surpresas no fim de sua obra”, explica Fábio Cruz, do Departamento de Engenharia e Processos da M.D. Ar Condicionado e Refrigeração, empresa que atende à Rede São Camilo. Na unidade Pompeia, especificamente, a M.D. trabalha com uma equipe residente dividida em dois turnos, sendo responsáveis pelos serviços de manutenção preventiva e corretiva dos sistemas de climatização e refrigeração. Em todas as unidades da Rede, a empresa presta serviços de instalação de condicionadores de ar; desenvolvimento e execução de projetos e assessoria técnica em climatização e refrigeração. De acordo com Cruz, o sistema de climatização e qualidade do ar são tão vitais e importantes quanto uma sala de cirurgia bem equipada. “Vejo que o perfil dos clientes também mudou. Hoje, eles conhecem os tipos de equipamento, um pouco de seu funcionamento e riscos à saúde de uma manutenção mal executada.” E para encontrar a melhor solução, é pre-

HEALTHCARE Management 35

Unidade Pompeia

A unidade Pompeia foi a primeira a ser fundada da Rede São Camilo, em 1960. Hoje, o hospital é referência no atendimento de urgência, emergência e de alta complexidade. A unidade também foi a primeira a conquistar três certificações, sendo duas internacionais: Joint Commission International e certificado Diamante da Qmentum da Accreditation Canada.

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

175


Estratégia

“Temos que unir nossos conhecimentos técnicos com um atendimento ágil e correto, para que a recuperação do paciente não seja afetada pelo mau funcionamento do sistema de climatização”, Fábio Cruz, Departamento de Engenharia e Processos da M.D. Ar Condicionado e Refrigeração

ciso ter em mãos alguns dados, como o fluxo de pessoas e materiais de determinados setores, quais são as áreas de conforto, cozinha e sanitários, além das recomendações normativas, como a RDC 50, a fim de ter um ambiente livre de contaminação e ter uma renovação do ar em locais estratégicos, como em salas cirúrgicas. Além do projeto, a legislação também deve ser obedecida pelos produtos adquiridos, conferindo maior segurança a todo o ambiente. “Considerando que em um ambiente hospitalar a maioria das pessoas são pacientes, temos que unir nossos conhecimentos técnicos com um atendimento ágil e correto, para que a recuperação do paciente não seja afetada pelo mau funcionamento do sistema de climatização”, ressalta Cruz. Afora questões técnicas, a sustentabilidade também exerce um papel fundamental na qualidade do produto, o que inclui também a etapa de produção do equipamento. “O processo todo precisa levar em consideração a sustentabilidade. Por isso a preocupação de trabalhar com fabricantes comprometidos com questões de

176

HEALTHCARE Management 35

março | Abril 2015

qualidade, saúde, segurança e responsabilidade ambiental e social. Nossos colaboradores também são treinados e orientados sobre as práticas sustentáveis de suas atividades”, afirma Cruz.

Investimento

O plano de expansão da Rede contempla, também, iniciativas nas outras unidades. Este ano, já foi inaugurado o novo pronto-socorro infantil da unidade Santana que, totalmente reformado, passa a ter uma área de mais de 880 m2 com todo conforto e segurança para pacientes e acompanhantes. Para 2015, ainda estão previstas a expansão do pronto-socorro adulto e infantil da unidade Pompeia e a inauguração de um Centro Médico Especializado na unidade Ipiranga. H

“A comunidade ganhará um ambiente confortável, humanizado e seguro para atendimentos de urgência e emergência, realização de cirurgias e internação”, Diretor de Operações da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, Rogério Quintela


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

177


Artigo | Nubia

Viana

O caminho para uma visão de assistência integrada

É

pilar de sustentação de que qualquer “ator” do mercado de Saúde entenda os mecanismos e funcionamento deste ecossistema: eficiência nos serviços, racionalização de custos, qualidade na assistência, atualização com relação às tendências. Aliado a estes elementos supracitados, a dinâmica de readequação do setor frente a fatores tais como aspectos regulatórios, melhoria dos modelos de gestão ou adoção de novas metodologias, aspectos éticos, inovações tecnológicas e mudança no perfil epidemiológico da população, é outro ponto relevante e que necessita estar no radar dos atores deste mercado. Desta forma, é necessário entender que o paciente é figura central deste sistema, e uma visão de 360º do mesmo é ponto de partida e chegada de todas as ações a ele relacionadas. Como parte integrante do ambiente de saúde, os provedores de soluções têm papel importante, entendendo as diferentes perspectivas e partindo para uma visão única, com foco em: 1. Desempenho Soluções com alto desempenho do ponto de vista puramente de melhor infraestrutura, linguagem, banco de dados devem ser consideradas como o mínimo

178

HEALTHCARE Management 35

Nubia Viana Country Solution Manager para o segmento Enterprise IT da Agfa Heatlhcare

que se espera dos provedores. Cada vez mais, as soluções, sejam de gestão administrativa ou clínica (Hospital Information System – HIS e Clinical Information System – CIS), devem auxiliar as instituições de Saúde na busca do seu desempenho no que diz respeito à parte administrativo-financeira, é claro, mas principalmente em diferenciais do ponto de vista assistencial. Se pudéssemos, resumiríamos em duas palavras: produtividade clínica. Aumentar o desempenho dos profissionais de Saúde envolvidos com o cuidado do paciente, auxiliando -os de forma eficaz a buscar melhores resultados. Trabalhar com ferramentas que permitam, por um lado, criar uma “visão personalizada” da instituição e, ao mesmo tempo, adotar melhores práticas e experiência acumulada de outras instituições. Possuir funcionalidades que atuem no suporte à decisão clínica. Criar mecanismos que alertem ou notifiquem aos profissionais envolvidos no cuidado de um paciente de dados relevantes e/ ou críticos. Permitir que cada profissional possa ter uma visão integrada da assistência a ser prestada para aquele paciente. Isto é sinônimo de desempenho! 2. Visão do cuidado contínuo Soluções inovadoras e focadas no pa-

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


ciente serão aquelas que permitirão ter uma visão não mais focada em eventos pelos quais estes passaram, o que normalmente reflete uma visão fragmentada e departamental dos cuidados e/ou serviços que estes pacientes receberam, mas sim uma visão integrada do seu histórico de saúde e/ou doença. O foco, novamente, é o paciente. Desta forma, a visão precisa estar centrada na sua vida clínica, nos problemas diagnosticados ao longo da sua vida e construir sua história baseada em eventos assistenciais – visão orientada aos problemas. 3. Visão integrada das informações Entendendo que o paciente passa a ser figura central do Sistema de Saúde, e cada vez mais consciente do seu envolvimento e, consequentemente, participante ativo e importante decisor nesse processo. Ter acesso ao seu histórico de saúde, independente em qual instituição ele recebeu determinada intervenção ou atendimento, passa a ser elemento-chave para ajudá-lo a ser o ator principal deste sistema. Soma-se a este fator a questão de fácil acessibilidade – em qualquer momento, a qualquer hora e de forma segura. Os portais dos pacientes não são futuro. Eles corroboram a visão e o conceito de que as informações pertencem HEALTHCARE Management 35

ao indivíduo e não às instituições. Auxiliam a criar uma relação mais forte entre as diversas instituições e o paciente, através da adoção de padrões já estabelecidos para o mercado de Saúde, tais como DICOM, HL7, HIE. Ao mesmo tempo, permite acesso àqueles profissionais de Saúde do histórico de seus pacientes, não somente suportando estes profissionais em tomadas de decisão devido à acessibilidade mais rápida da informação, bem como evitando custos desnecessários, através de solicitações que possam ser redundantes. O sistema precisa buscar eficiência, seja administrativa ou clínica. 4. Unir o passado ao futuro E o que fazer com o histórico em papel? Como torná-los mais facilmente compartilhados entre os diversos profissionais de Saúde que necessitam acessar o prontuário de um paciente de forma simultânea? Como evitar perda de documentos? Como permitir o acesso externo dos prontuários em papel? Como usá-los de forma mais eficaz para trabalhos científicos? Como integrá-los ao mundo digital? Entender que soluções para gestão de conteúdo (Electronic Content Management - ECM) vêm não somente para responder as estas perguntas, mas, na reaMarço | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

179


Artigo | Nubia

Viana

lidade, para agregar toda cadeia da visão de um hospital digital. Soluções para gestão de conteúdo atuam na melhor otimização do espaço físico para armazenamento de prontuários, funcionam como ferramentas para contingência, facilitam processo de migração de informações de um sistema para outro, em um custo aceitável, sem trazer riscos na integridade dessas informações, uma vez que funciona como “foto” dos documentos gerados por outros sistemas. Atuam também como repositório único de diferentes fontes de informação, de forma simples e fácil de uso. Permitem trabalhar de forma colaborativa, suportadas por conceito como BPM – Business Process Management. “Socializam” a informação, permitindo que os documentos possam ser compartilhados com os profissionais que tenham direito de acesso a estes. Plataformas modernas, baseadas em tecnologia WEB, expande o uso da informação “extra-muro” das instituições de Saúde. 5. Rastreabilidade em tempo real Instituições de saúde possuem, hoje, um número crítico de ativos, mas também pessoas, processos e documentos que necessitam, em algum momento e por algum motivo, serem rastreados. Soluções de Real Time Location System (RTLS) são e devem ser utilizadas para atender as necessidades destas instituições. O ponto é o que a mais os provedores podem trazer de diferentes para tornar os cases de RTLS em cases de sucesso. Simples: auxiliando as instituições a responder as seguintes questões: O que monitorar 180

HEALTHCARE Management 35

e por que? O retorno que se espera do seu investimento é realista com o escopo definido? Possui medições anteriores à implantação do projeto piloto? Sem antes aprender, vale a pena customizar? Fez comparações do resultado encontrado com o resultado esperado? Este é o diferencial. Conhecer do segmento e entender as necessidades do cliente. Ser eficaz aumentando a qualidade e a satisfação do cliente final. Muito mais que falar de produtos, estamos falando de como o paciente (ou consumidor dos serviços de Saúde) vivencia e experimenta estes serviços. É uma nova visão e tendência do mercado. Os consumidores (ou pacientes) compram serviços, não produtos. Os provedores de soluções devem aplicar esta realidade nos seus modelos de negócio. A Agfa HealthCare não somente possui um portfólio com a visão dos elementos acima abordados, mas traz a experiência de mais de 140 anos focados no segmento de Saúde. Esta experiência é corroborada por soluções em mais de 1.000 instituições de Saúde com soluções voltadas para a gestão do paciente, seja do ponto de vista administrativo ou clínico, mais de 2.500 instalações na área de imagens médicas, com soluções de RIS/ PACS, mais de 400 instalações de ECM no mundo. Casos de sucesso envolvendo soluções de RTLS. Olhando o futuro, através de lançamentos como EHR Portal e soluções para plataforma mobile. Entendendo a visão integrada e focada no paciente. Esta experiência ratifica uma visão mais ampla e de longo prazo para cuidados integrados. H

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

181


Mercado

Formando o time Os valores priorizados pelo Hospital São Vicente de Paulo para a terceirização de serviços


Foto: Andre Telles

E

Em linhas gerais, a governança corporativa pode ser compreendida como um sistema de regras, condutas e práticas que norteiam os passos e estratégias de uma empresa. E neste contexto, a transparência desponta entre os valeres institucionais de grande importância para o sucesso do negócio. “A grande tarefa está em assegurar que as pessoas que atuam ao seu lado também compartilhem verdadeiramente de princípios, tais como equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa”, ressalta Irmã Marinete Tibério, Diretora-executiva do Hospital São Vicente de Paulo (RJ), instituição que acaba de integrar-se ao quadro de associados da Anahp na categoria Associado Titular. A transparência é um dos valores institucionais considerados mais importantes pela instituição para a continuidade do negócio. “Em virtude da boa comunicação, é possível conquistar um excelente clima, fator essencial para a criação de valor. Quando buscamos uma comunicação franca, espontânea e tempestiva saímos de uma condição obrigatória da comunicação e alcançamos um patamar onde informamos tudo o que pode ser relevante para as partes envolvidas”, explica. Essa comunicação envolve tanto a equipe e colaboradores, como também as empresas que dão suporte a outros serviços do hospital que não sejam a atividade-fim. E sobre a terceirização de serviços, Irmã Marinete acredita que este é um importante mecanismo para manter o negócio competitivo, pois confere maior oportunidade de ofertar ao cliente/paciente um serviço de apoio notadamente de qualidade. “No processo de contratação buscamos empresas que sejam especializadas e de ponta no segmento no qual atuam”, ressalta.

HEALTHCARE Management 35

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

183


Mercado

Pela transparência do corpo diretivo, o HSVP busca alguns critérios para a terceirização de serviços de apoio, como idoneidade, posição de mercado, conhecimento sobre a especificidade da área da Saúde, capacidade de atendimento às nossas necessidades e, por fim, custo. Entre os serviços terceirizados pelo hospital está a segurança patrimonial, feita pelo Grupo Borer. Segundo o Diretor-presidente do grupo, Ricardo Borer, a empresa possui uma consultoria externa, com auditor independente para realizar levantamentos e definição do melhor modelo, sempre objetivando isenção e a maior abrangência, a um custo viável e com uma boa cobertura de segurança. “De um modo geral, o fluxo de pessoas nos hospitais, em condições e comportamentos diversos, exige uma boa segurança, para garantir o objetivo principal do hospital, que tem como missão salvar vidas”, salienta Borer. E para oferecer o resultado esperado pelo hospital, Borer pontua o investimento em treinamentos e reciclagem como imprescindíveis. Através destas ferramentas é possível avaliar os aspectos de relacionamento interpessoal e motivacional dos profissionais e, assim, alcançar a máxima qualidade. “Acredito que os profissionais acabam se tornando elementos que agregam tranquilidade aos pacientes, bem como aos seus acompanhantes. Uma orientação educada com assertividade tem nos mostrado um bom resultado. Entendemos a terceirização, no modelo que estamos praticando, como sendo fundamental para gestão hospitalar”, ressalta o diretor. H

184

HEALTHCARE Management 35

“Periodicamente, somos submetidos às avaliações, com questionários formais, compartilhados com os clientes. Observamos uma crescente quanto ao nível de satisfação apontado nos questionários. Os pontos a serem melhorados e percebidos são direcionados para reforços nos treinamentos e acompanhados diariamente.” Ricardo Borer, Diretor-presidente do Grupo Borer

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

185


Artigo | Klaiton

Simão

O dia seguinte à implantação do PEP: O SLA estratégico

N

os últimos anos, observa-se um silencioso, porém alvissareiro movimento em relação à adoção de TICs no mercado hospitalar: tem se intensificado de forma acelerada o uso, por instituições dos mais variados portes e características, do Prontuário Eletrônico do Paciente, o PEP. Ainda que esta adoção seja parcial na maioria dos casos, o fato é que o tema definitivamente entrou na pauta dos hospitais, por criar uma grande expectativa de redução de custos, aliada ao ganho na qualidade assistencial. O PEP, hoje, não é mais prerrogativa de grandes instituições, com grandes orçamentos. É um movimento que não deve diminuir de intensidade, ao contrário, quem ainda não implantou, está implantando ou pretende implantar em breve. Mas, uma vez implantado o PEP, o que vem depois? Abro aqui um parênteses para falar sobre a recente chegada ao Brasil da HIMSS, a HealthCare Information and Management Systems Society, e seu padrão de adoção de modelos de registro eletrônico em Saúde, o EMRAM – Electronic Medical Record Adoption Model. Este instrumento, novidade no cenário nacional apesar de já ser largamente utilizado em outros países,

186

HEALTHCARE Management 35

Klaiton Simão

CIO na Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo

proporciona um padrão e uma orientação no que tange à adoção de TICs no ambiente hospitalar, notadamente em relação ao registro médico eletrônico. O EMRAM estabelece oito estágios de maturidade em relação a esta prática, desde a ausência absoluta de suporte informatizado à atividade assistencial, até o estágio em que todo o processo de cuidado é devidamente orientado e amparado por recursos tecnológicos de suporte à decisão clínica. E é neste ponto que podemos fazer a relação entre o tema central – o que fazer depois de implantado o PEP – com a experiência que a adoção de padrões internacionais nos traz: Na edição da HIMSS dos EUA, em 2014, foi divulgado em um dos painéis da HIMSS Europa, presente ao evento, que muitas organizações estancam seu processo em busca dos níveis mais altos de automação quando ainda estão no estágio 2, que é o estágio que precede a adoção da checagem informatizada da enfermagem e da prescrição eletrônica. E as três principais explicações para este fenômeno que ocorre em alguns hospitais do mundo são bastante conhecidas por aqui também: - Foi constatada uma carga adicional de trabalho aos profissionais da

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


assistência após o advento da informatização, impactando o tempo de atendimento e gerando desgaste em equipes médicas, de enfermagem e outras. - Não foi observado o ROI esperado: o projeto não se pagou, vultosos investimentos foram realizados, e a contrapartida em redução de custos e/ou aumento de receita não se concretizou. - Não foi comprovado um incremento na melhoria dos processos assistenciais e administrativos. Não há evidências de ganho efetivo e mensurável na qualidade da assistência, nem na eficiência operacional de um modo geral. Ora, havemos de convir que estes sejam motivos muito consistentes para avaliar qualquer projeto como um fracasso; mas faz-se necessário desfazer alguns equívocos nesta leitura: A percepção de que a informatização trouxe uma carga adicional de trabalho, “engessando” o processo e aumentando o tempo de atendimento, é, na verdade, a constatação de que, antes do processo informatizado, simplesmente não eram feitos os registros de forma íntegra, padronizada e completa. Fazer bem feito requer de fato mais tempo, seja no segmento hospitalar, na indústria de transformação, no universo das artes e entretenimento, ou em quaisquer outras áreas do conhecimento humano.

Portanto, a questão aqui não é entre o sistema e o papel, mas entre registrar ou não os dados assistenciais adequadamente. Entretanto, o equívoco principal reside em não haver um alinhamento prévio quanto ao escopo e à abrangência do projeto em toda a sua amplitude. Um projeto de adoção de suporte informatizado à atividade assistencial não é algo que tenha um horizonte de um ano, nem mesmo de três ou cinco anos. Também não significa apenas fazer com que médicos e enfermeiros passem a operar o sistema de gestão hospitalar. Na verdade, uma decisão desta envergadura é o início de um processo que só tem data para começar, não para terminar. É, antes, o início do ciclo contínuo da adoção de novas formas de fazer e de pensar o cuidado ao paciente, em uma perspectiva de longo prazo, com aferições pontuais dos resultados esperados, sejam eles financeiros ou assistenciais. Como tenho afirmado em outras oportunidades, é aí que entra em cena o CIO, pois cabe à área de Tecnologia da Informação o papel de levar certas questões à organização, dentro de um contexto estratégico, cujas respostas irão nortear o alcance do Plano Diretor de TI, por sua vez alinhado ao Planejamento Estratégico da organização. Uma das questões chave parece ser: “A organização entende como relevante para o seu negócio, em longo prazo, o uso de tecnologia da informação


Artigo | Klaiton

Simão

como suporte à assistência?”. Este é o momento do SLA estratégico, onde será definida a abrangência do Plano Diretor: queremos utilizar um sistema para “agilizar” alguns processos e cumprir determinadas obrigações fiscais, ou queremos utilizar TICs como suporte estratégico ao negócio? Ressalto que não há nada de errado com a primeira opção, não é necessariamente uma escolha retrógrada; pode não haver chegado o momento ainda para a organização, é possível que existam outras prioridades como governança, posicionamento no mercado, resultados financeiros, etc. Mas se a resposta for a segunda opção, alguns dos desdobramentos que ocorrerão em seguida não terão resultados visíveis em curto prazo, e são muito mais abrangentes do que fazer as prescrições médicas e as checagens da enfermagem no sistema. Iniciar um projeto de adoção de registro médico eletrônico e interrompê-lo nos estágios iniciais do EMRAM, por exemplo, é de fato um desperdício de dinheiro, de tempo e de energia por parte de praticamente todas as áreas da instituição. Algumas instituições afirmam que já possuem o Prontuário Eletrônico do Paciente quando chegam ao estágio 4 do EMRAM, mas mesmo a esta altura a percepção é a de que o projeto não valeu a pena. E por que isso ocorre? Talvez porque o ponto crucial do projeto – a intenção estratégica de investir em uma nova forma de pensar e de agir, estendendo o uso de recursos de software aos 188

HEALTHCARE Management 35

profissionais da assistência como suporte à decisão, o que só acontece a partir do estágio 6 – não esteja sendo percebido pela organização como o objetivo final do projeto. A instituição ouviu promessas de que o PEP iria melhorar os indicadores e reduzir os custos, e agora ela quer, com toda a razão, medir a entrega. Ocorre que ela, a instituição, não foi devidamente esclarecida sobre o fato de que o PEP implantado não é um estado de excelência, é tão somente o início de um novo ciclo do projeto, em que os dados, a partir de agora, são gerados de forma uniforme, constante e estruturada, podendo a partir daí gerar informação, conhecimento e inteligência, tão necessários ao exercício da atividade-fim, em um novo cenário que inevitavelmente resultará em redução de custos e incremento dos indicadores de qualidade assistencial. É fato comprovado que a adoção de TICs gera redução de custos, aumento de receita e ganhos na qualidade em todas as indústrias, por que na Saúde seria diferente? Certamente não o é, mas prevalece ainda certa miopia ao se vislumbrar o processo como um todo, em seu começo, meio e fim, cabendo ao CIO (por vezes desconfortável) a tarefa de esclarecer a organização quanto às reais dimensões do caminho que se deve trilhar em busca do objetivo maior, que é o incremento à qualidade da assistência ao paciente, acompanhado de ganho na eficiência operacional. H

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

189


Perfil

“Mais que um bom negócio, investir em inovação e tecnologia é uma necessidade de mercado” Luiz Tizatto fala sobre mHealth, Telemedicina e o que falta para a Saúde ser, de fato, conectada no país

“O

principal pilar é a busca incessante de eficiência. Embaixo desse guarda-chuva estão a felicidade dos colaboradores, qualidade assistencial, humanização, ética e retorno aos acionistas.” Este é o pensamento de Luiz Tizatto, CEO da Unit Care, tanto em sua gestão, como também no investimento em novas tecnologias. E por falar em tecnologia, o executivo acredita que falta regulamentação clara e adequada sobre o uso de mHealth na Saúde do país e que, além de investimentos em toda a infraestrutura, também é necessário quebrar barreiras culturais para que a Telemedicina leve seus benefícios a toda população. Tizatto ainda explica de A a Z porque se deve apostar em uma operação de alta performance e que investir em inovação é questão de sobrevivência.


O mHealth é uma necessidade da população brasileira e da Saúde, porém... Esbarramos em uma falta de regulamentação clara e adequada, o que retarda um forte investimento, principalmente estrangeiro, devido à insegurança jurídica. Além disso, a atual crise econômica reduz investimentos de fontes pagadoras, como governo e operadoras de saúde, em novas tecnologias. Embora o cenário brasileiro apresente um grande potencial de crescimento, este mercado somente se concretizará após serem derrubadas barreiras estruturais, o que depende da boa vontade do governo e, acima de tudo, dos conselhos reguladores das categorias, como o Conselho Federal de Medicina (CFM). O primeiro passo para que isso se torne realidade no Brasil é... Melhorar substancialmente a qualidade da internet banda larga do Brasil, que apresenta um preço excessivo e baixa qualidade. Há também o fator cultural de não se investir em promoção e prevenção em saúde adequadamente. Falta informação e formação para gestores e usuários de saúde móvel, o que deixa a mesma subutilizada. Além disso, os conselhos de classes têm regulamentações retrógradas e protecionistas que, no final, acabam atrapalhando a vida do profissional de Saúde e dificultando o acesso da população a um serviço de qualidade. Uma regulação clara e moderna, aliada a benefícios governamentais para operadoras e empresas que invistam na promoção e prevenção à saúde, impulsionariam a adoção em massa do mHealth no Brasil. A consulta online é de extrema importância, porém no Brasil... Ainda temos que avançar muito! Também temos a

HEALTHCARE Management 35

questão de que o CFM proíbe esse tipo de atividade, ou seja, um médico pode utilizar ferramentas de telemedicina apenas para se comunicar com outro médico e não com outros profissionais de Saúde ou paciente a fim de realizar diagnóstico ou prescrição, sendo essas atividades somente permitidas presencialmente. A preocupação do conselho é plausível, porém totalmente demagógica. Em um país que o problema de acesso aos médicos se deve à distribuição dos mesmos e não à falta, uma regulamentação dessas prejudica a população mais carente e afastada, que fica sem médico ou são atendidos por médicos de programas como o “Mais Médicos”, que tem uma formação duvidosa. No intuito de proteger a população criou-se uma barreira extremamente maléfica aos brasileiros, principalmente à população longínqua que jamais terá acesso a especialistas. Como os custos de Saúde sofrem uma alta acima da inflação, a única maneira de uma empresa do setor crescer é... Apostar em uma operação de alta performance e extremamente eficiente, por isso a importância

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

191


Perfil

de investir em tecnologia visando o ganho de eficiência. Para isso, sistemas de informação, rastreabilidade de medicações, controles de estoque, protocolos operacionais, geolocalização, automação de processos e conectividade são fundamentais. Sem esses elementos, o custo operacional de uma empresa fica impraticável e a qualidade administrativa e assistencial abaixo do esperado. É isso que nos faz ser uma empresa dinâmica, competitiva e com uma qualidade acima do mercado. O investimento em tecnologia e conectividade é... Uma necessidade de mercado! Infelizmente, a gestão de empresas de Saúde é muito atrasada comparada com outros setores, como o bancário e automotivo, por exemplo. Hoje, cerca de 80% dos hospitais não têm um sistema integrado de informações. A Saúde como um todo não é conectada, não existe interoperabilidade entre a cadeia assistencial, nem um prontuário único, o que gera gastos desnecessários com exames redundantes, falta de agilidade no processo a um custo de bilhões de reais por ano. O investimento em tecnologia e conectividade é essencial, porém falta uma normatização para existência de um prontuário único e interoperável. Embora o governo tenha com prioridade o RES - registro eletrônico de saúde, isso ainda não é uma realidade. Sem um sistema de dados integrados não é possível rodar softwares analíticos que identificariam as reais necessidades e gargalos do setor com extrema precisão, o que facilitaria a drenagem de recursos para áreas onde eles são realmente necessários dando segurança na tomada de decisão dos gestores. E como a Literatura pode ser a inspiração para bons negócios... Recomendo “A Revolta de Atlas” da filósofa Ayn Rand, principal nome do pensamento Objetivista. 192

HEALTHCARE Management 35

Sempre tive uma visão baseada na meritocracia, na realidade dos fatos em detrimento da demagogia barata, na razão com única fonte de conhecimento e na capacidade produtiva do ser humano como uma virtude a ser exaltada. Essa linha de pensamento pode ser exemplificado pelo seguinte trecho do livro: “Minha filosofia, na sua essência, é o conceito de Homem como um ser heroico, tendo a felicidade como o propósito moral da sua vida, a conquista produtiva como sua mais nobre atividade, e a razão como seu único referencial.” Um grande líder foi... Winston Churchill, um homem que superou suas dificuldades iniciais em proferir discursos para tornar-se um dos maiores oradores da humanidade, conseguiu manter um povo unido e motivado mesmo em situações de dificuldades extremas e orquestrou uma vitória que parecia impossível. H

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

193


Líderes e Práticas

Papel é coisa do passado O antes e o depois da digitalização e integração de sistemas da Unimed Recife

P

Para ser bem gerida, uma empresa necessita de informações gerenciais consolidadas. A forma mais eficiente de obter esses dados é por meio da integração de diversos sistemas, seja para gerir o seu core business, ou para a gestão das diversas áreas administrativas, como RH, contabilidade e financeiro. Neste contexto, desponta-se a importância da agilidade na troca de informações. Este era o problema que a Unimed Recife vinha enfrentando e para superar a lentidão de seu intercâmbio de dados, como os pagamentos de contas, a instituição investiu em diversos sistemas. Entre eles destaca-se o de elegibilidade de beneficiários pela identificação biométrica. Toda essa dinâmica de comunicação eletrônica também exigiu uma conexão de internet robusta e segura, com políticas de redundância de fontes de energia e de conexão. Identificou-se, também, a necessidade de melhorar o processo de auditoria e análise de contas médicas. Para tanto, foi preciso estender a elegibilidade biométrica para todos os consultórios, clínicas e laboratórios; implantou-se o envio eletrônico dos atendimentos na

194

HEALTHCARE Management 35

sua totalidade com a rede de prestadores, e também foi instalado o processo de digitalização das contas hospitalares. “A integração desse conjunto de sistemas é fundamental para que se obtenha um melhor controle das ações, da situação passada e atual da empresa. Com isso é possível tomar decisões assertivas que afetarão o futuro”, explica Fábio Farias Fernandes, Superintendente de Operações da Unimed Recife. Também foi necessário um investimento na contratação de novos funcionários para o processo de digitalização,

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


preparação da área física e aquisição de equipamentos. “Foi preciso adequar nossos sistemas para recepcionar os arquivos eletrônicos, bem como toda a infraestrutura tecnológica para suportar essas transações. Estamos falando de um investimento da ordem de R$ 200 mil.” Eliminou-se, então, a maior parte do manuseio físico dos documentos por vários setores da empresa, evitando deterioramento e o extravio de papéis. Com relação ao benefício financeiro, a economia nas postagens representou uma redução de custos em cerca de R$ 10 mil por mês, o que proporcionou o retorno do investimento realizado em menos de dois anos. “Com a adoção do envio eletrônico, a cooperativa também passou a trabalhar em conformidade com as diretrizes da Unimed Brasil, além de garantir a rastreabilidade dos envios, consulta online, agilidade de busca de documentos e acesso controlado, o que reduz a necessidade de cópias e impressão de documentos”, explica Marcel Santos, Diretor-comercial da Tecnoset, empresa que atuou neste projeto. O primeiro passo foi a digitalização de documentos HEALTHCARE Management 35

dos procedimentos médicos. Também para a implantação deste case foi necessário agilizar o processo de validação de valores e o recebimento financeiro a fim de evitar possíveis glosas e auditar as contas com precisão sem manipulação de papéis. “O processo de digitalização destes documentos são certificados, evitando que possíveis fraudes e manipulação dos originais aconteçam. “Além disso, utilizamos uma tecnologia que possui um sistema de assinatura digital, conferindo segurança, rastreabilidade e conformidade em todo o procedimento”, afirma Santos.

Março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

195


Líderes e Práticas

As informações precisas, documentos e imagens estão disponíveis onde e quando o gestor precisar, em um único local. O trabalho conta com soluções inteligentes de captura das informações de diferentes fontes (impressas ou eletrônicas), criando e distribuindo, em workflow, as tarefas necessárias para usuários em sua determinada hierarquia. Segundo Santos, as ferramentas garantem resultados de sucesso que podem representar uma economia anual de 15% a 30% nas despesas com impressão, retrabalhos e desperdícios. H

196

HEALTHCARE Management 35

“A instituição tem suas informações e impressões corporativas utilizadas de forma consciente e gerenciadas, evitando desperdícios, e com total controle dos custos e segurança. As etiquetas de identificações de pacientes, exames, controle de medicamentos estarão sempre à disposição, através de um único fornecedor. Não é preciso mais se preocupar com gestão destes insumos”, Marcel Santos, Diretor-comercial da Tecnoset

março | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

197


PONTO

FINAL

Mais um ano, mais casos de Dengue Cerca de 740 mil casos já foram registrados em todo o país

N

“Nós temos registrados 745.957 casos de dengue até 18 de abril. Sabemos que esse número aumentará. O Brasil vive situação de epidemia, concentrada em nove estados, que são os que têm mais de 300 casos por 100 mil habitantes.” Assim afirmou o Ministro Arthur Chioro, durante um encontro na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) com empresas de biotecnologia. São Paulo concentra mais da metade dos casos do país, contabilizando 401 mil casos. Em termos proporcionais, a pior situação é a do Acre, seguido por Goiás, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Tocantins. Com isso, muitos hospitais de todo o país estão tendo que se adaptarem para driblar a superlotação. Vale ressaltar que muitos pacientes com convênio estão procurando a rede pública, que, na maioria das vezes, está sempre sobrecarregada. A busca pelo atendimento referência no tratamento contra a Dengue tem sido um desafio para Saúde no Brasil. Se por um lado temos instituições que realizam o diagnóstico que, em 20 minutos, obtém o resultado, outros hospitais enfrentam a caótica falta de estrutura para atender os pacientes. Segundo o ministro, os eventos climáticos foram os grandes responsáveis por esta epidemia que se alastra pelo país. Fato é que o número de casos aumenta a cada ano e isso não é novidade para ninguém. Chioro afirmou que já pediu prioridade à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nos encaminhamentos

relacionados à vacina contra a dengue. “Seria um grande ganho para o Brasil e para mundo se chegássemos a uma vacina eficaz e segura. É a intenção do ministério, tanto que temos investimentos no Instituto Butantan, na Fiocruz, no sentido de estabelecer parcerias para produção dessa vacina, mas não podemos queimar etapas.” Mesmo apostando na vacina como medida de prevenção, o chefe da pasta considera um equívoco alimentar esperanças na população de que as doses estarão disponíveis já nos próximos meses. Enquanto a ciência enfrenta a burocracia, o investimento em medicina preventiva e na atenção primária também caminha a passos lentos. Medidas estas que poderiam desafogar todo o sistema. Até lá, vamos cuidar de doenças, e não de nossa saúde. H


HCM Eventos 2015 Junho Evento: XVIII Congresso Brasileiro de Mastologia

Local: Expo Unimed Curitiba/PR

Data: 3 a 6 de Junho Informações: www.cancerdemama2015.com.br Evento: XI Congresso Internacional de Câncer Gástrico (IGCC) Local: WTC Events Center/SP

Data: 4 a 6 de Junho Informações: www.sobed.org.br Evento: Congresso Mundial de Física Médica e Engenharia Biomédica

Local: Toronto/Canadá

Data: 7 a 12 de Junho Informações: wc2015.org Evento: European Congress for Hospital Engineering Local: Turku - Finlândia

Data: 3 e 4 de Junho Informações: www.eche2015.fi

Julho Evento: ABRASCÃO 2015 - 1º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva Local: Universidade Federal de Goiás

Data: 28/6 a 1/7 Informações: www.abrasco.org.br

Evento: : 11th Design & Health World Congress & Exhibition Local: Hong Kong /China

Data: 15 a 19 de julho Informações: www.designandhealth.com EXPEDIENTE Publisher: Edmilson Jr. Caparelli Diretora-administrativa: Lúcia Rodrigues Diretor-executivo: Marcelo Caparelli Diretor de Marketing: Jailson Rainer Diretora de Eventos e criação: Erica Almeida Alves Diretor-comercial: Edmilson Ferrari Editora da Healthcare Management: Carla de Paula Pinto Redação: Patricia Bonelli, Thaia Duó e Thiago Cruz Colaborador: Guilherme Batimarchi Produtora de Arte: Valéria Vilas Bôas Gerente de Clientes: Giovana Teixeira

A revista HealthCare Management é uma publicação bimestral do Grupo Mídia. Sua distribuição é controlada e ocorre em todo o território nacional. O conteúdo dos artigos é de responsabilidade dos autores, e não refletem, necessariamente, a opinião do Grupo Mídia. A reprodução das matérias e dos artigos somente será permitida se previamente autorizada por escrito pelo Grupo Mídia, com crédito da fonte. Atenção: pessoas não mencionadas em nosso expediente não têm autorização para fazer reportagens, vender anúncios ou, sequer, pronunciar-se em nome do Grupo Mídia. A HealthCare Management é uma publicação do:

Assinaturas e Circulação: assinatura@grupomidia.com Atendimento ao Leitor: atendimento@grupomidia.com Projetos Editoriais: projetoseditoriais@grupomidia.com Contatos: Matriz: (16) 3629-3010 | Sucursal: (11) 3014-2499 contato@grupomidia.com | redacao@grupomidia.com | comercial@grupomidia.com Matriz: Rua Antônio Manoel Moquenco Pardal, 1027 - Ribeirão Preto - SP Sucursal: Av. Paulista, 1471 - 11º Andar - São Paulo - SP

QUER FALAR COM O MERCADO DA SAÚDE? FALE COM A GENTE! Conheça nossos produtos:


www.grupomidia.com como você tem se atualizado ultimamente?

Opção 1

10% de desconto

Opção 2

25%

de desconto

Assine por 1 ano a Revista HealthCare Management

por R$ 243,00

Assine por 2 anos a Revista HealthCare Management

por R$ 405,00

Assine a revista HealthCare Management e receba também o Anuário HealthCare, Anuário e Informativo da Saúde!

Boleto Bancário (você recebe no seu endereço e quita em qualquer agência bancária) Pagamento à vista - mais 5% de desconto.

Opção 1

Pagamento em 2 vezes sem juros.

Opção 2

Empresa: Nome: Endereço: Bairro:

Cidade:

Cep:

CNPJ ou CPF:

Fone: (

)

Fax: (

Ramo de Atividade:

UF:

País:

) e-mail:

Assinatura

Data

/

/

Solicite pelo FAX (16) 3617-0331 ou e-mail assinatura@grupomidia.com formulário para assinatura internacional Ask by FAX +55-16- 3617-0331 or e-mail assinatura@grupomidia.com for your international subscription form Para outras opções de assinatura, entre em contato conosco pelo telefone (16) 3629-3010 ou e-mail assinatura@grupomidia.com


carta-resposta

não é necessário selar O selo será pago por GM Comunicação e Participações Ltda AC - Rua Antonio Manoel Moquenco Pardal, 1027 14096290 Ribeirão Preto/ SP

Conheça outros produtos do Grupo Mídia para o mercado da saúde:

Informação certa para o público certo

Cole aqui Dobre aqui


HEALTHCARE Management 35

Marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

203


204

HEALTHCARE Management 35

marรงo | Abril 2015 healthcaremanagement.com.br

Profile for Grupo Mídia

Healthcare Management 35ª Edição  

A 35ª da revista Healthcare Management traz a lista dos 100 Mais Influentes da Saúde, e também uma entrevista com Marcio Coriolano, Presiden...

Healthcare Management 35ª Edição  

A 35ª da revista Healthcare Management traz a lista dos 100 Mais Influentes da Saúde, e também uma entrevista com Marcio Coriolano, Presiden...

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded