Issuu on Google+

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA AO ESTUDANTE

PROJETO PILARES

“À educação cabe fornecer, de algum modo, os mapas de um mundo complexo e constantemente agitado e, ao mesmo tempo, a bússola que permita navegar através dele.” Jacques Delors - UNICEF

GEOVANA MUNIZ TILSCHER

São Paulo 2011

1


Sumário

1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 5

2 OBJETIVOS ..........................................................................................................12

3 OFICINAS........................................................................................................... 13

4 CRONOGRAMA DE CAPACITAÇÃO................................................................ 14

5 ACERVO............................................................................................................. 15 APRENDER........................................................................................................ 15 SER..................................................................................................................... 29 FAZER................................................................................................................ 39 CONVIVER......................................................................................................... 48

MATERIAL DE APOIO DIDÁTICO........................................................................ 61

REFERÊNCIAS..................................................................................................... 65

2


APRESENTAÇÃO A leitura é a chave que permite o acesso a todos os outros saberes. Aprender é, portanto, uma aventura criadora, algo, por isso mesmo, muito mais rico do que meramente repetir a lição dada. Aprender é construir, reconstruir, constatar para mudar, o que não se faz se abertura ao risco e á aventura do espírito (pg. 78). Segundo CAGLIARI (1998) (...) os alunos são capazes de enfrentar uma variedade enorme de textos. A restrição com relação à escrita reside apenas nos casos em que os alunos não sabem decifrar determinadas letras ou conjuntos de letras, dificultando ou impossibilitando a leitura. Depois que eles decifram a escrita o texto pode ser qualquer um, desde que a criança tenha condições de entender. (p.221)

Em nosso projeto pilares pretendemos conduzir os professores e coordenadores no sentido de propor leituras e despertar o prazer da leitura por todo canto de nosso Brasil. Antes da leitura também é preciso compreender os seus propósitos, ou seja, seu objetivo — Por exemplo: O que tenho que ler? Por que tenho que ler? Segundo os PCN os objetivos da leitura determinam a forma em que um leitor se situa frente a ela e controla a compreensão do texto. Em uma de suas teses, Freire afirma e comprova que a leitura de mundo precede a leitura da palavra. O pedagogo observa que no mundo em que se vive, há uma diversidade de códigos linguísticos e nãolinguísticos: placas

de trânsito, cartazes, “outdoors”, receitas médicas e culinárias, faixas, bilhetes, livros,

jornais e revistas, mapas, atlas, ilustrações, pinturas, filmes, pautas musicais, convites, histórias em quadrinhos, música, charge, livros com legendas, livros de imagem, vitrines, vitrais, “CD-ROM”, “E-mail”, “Home page”, “e-book”, placas comercias, marcas industriais e comercias, nomes e números de ruas e avenidas, faixas, anúncios comercias,medidores das condições climáticas, mímicas, risos, choros, olhares, posturas, etc., etc., etc., os quais espelham os sentidos do homem no mundo, mas que precisam ser decodificados por seus sujeitos em constante aprendizagem. (WESCHENFELDER, p. 1).

3


Os profissionais brasileiros qualificados precisam ter consciência de que demonstrar organização e ideias e conhecimentos da Língua brasileira, tanto expressão escrita como na oral, determina a sua valorização no mercado de trabalho. A demais, não há como esquecer que dominar a língua portuguesa, mais que um dever é um direito do cidadão brasileiro, é uma demonstração de patrimônio e de orgulho próprio. É importante que o professor trabalhe valores para o educando perceba o outro, quem está em sua volta, formando crianças que deem importância ao respeito, ao saber ouvir, a ajudar, ao amor ao próximo, que perceba que cada um tem sua responsabilidade na sociedade e que se cumpridas, todos vivem com dignidade. Ao professor cabe se auto-conhecer, olhar para o mundo e não apenas ensinar regras teóricas, cálculos, deve usar sua situação privilegiada em sala de aula para despertar nos alunos a curiosidade; ensiná-los a pensar, a persistir em seus objetivos, a serem críticos, amigos, trabalhar não só a mente, mas também o coração. Devemos nos posicionar críticos, questionadores, com ética, amor e alegria por ensinar, pois é das crianças que hoje educamos que surgirão as mudanças que renovarão a sociedade. O projeto pilares utiliza-se dos quatro pilares para propor um trabalho diferenciado e inovador através de leituras e atividades que vão de encontro as reais necessidades dos educandos, estimulando o pleno desenvolvimento das áreas mais importantes na formação do cidadão. A educação deve transmitir, de fato, de forma maciça e eficaz, cada vez mais saberes e saber-fazer evolutivos,

adaptados à civilização cognitiva, pois são as bases das

competências do futuro. Simultaneamente, compete-lhe encontrar e assinalar as referências que impeçam as pessoas de ficarem submergidas nas ondas de informações, mais ou menos efêmeras, que invadem os espaços públicos e privados e as levem a orientar-se para projetos de desenvolvimento individuais e coletivos. “À educação cabe fornecer, de algum modo, os mapas de um mundo complexo e constantemente agitado e, ao mesmo tempo, a bússola que permita navegar através dele.” Nessa

visão

prospectiva,

uma

resposta

puramente

quantitativa

à

necessidade insaciável a educação - uma bagagem escolar cada vez mais pesada - já não é possível nem mesmo adequada. Não basta, de fato, que cada um acumule no começo da vida uma determinada quantidade de conhecimentos de que possa abastecer-se indefinidamente. É, antes, necessário estar à altura de aproveitar e explorar, do começo ao

4


fim da vida, todas as ocasiões de atualizar, aprofundar e enriquecer estes primeiros conhecimentos, e de se adaptar a um mundo de mudanças. Para poder dar resposta ao conjunto das suas missões, a educação deve organizar-se em torno de quatro aprendizagens fundamentais que, ao longo de toda vida, serão de algum modo para cada indivíduo, os pilares do conhecimento: aprender a conhecer, isto é adquirir os instrumentos da compreensão; aprender a fazer, para poder agir sobre o meio envolvente; aprender a viver junto, a fim de participar e cooperar com os outros em todas as atividades humanas; finalmente aprender a ser, via essencial que integra os três precedentes. É claro que estas quatro vias do saber constituem apenas uma, dado que existem entre elas múltiplos pontos de contato, de relacionamento e de permuta. Mas, em regra geral, o ensino formal orienta-se, essencialmente, se não exclusivamente, para o aprender a conhecer e, em menor escala, para o aprender a fazer. As duas outras aprendizagens dependem, a maior parte das vezes, de circunstâncias aleatórias quando não são tidas, de algum modo, como prolongamento natural das duas primeiras. Ora, os "quatro pilares do conhecimento" deve ser objeto de atenção igual por parte do ensino estruturado, a fim de que a educação apareça como uma experiência global a levar a cabo ao longo de toda a vida, no plano cognitivo e no prático, para o indivíduo enquanto pessoa e membro da sociedade.

1. O PROJETO PILARES 1.1. INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, o mercado de trabalho valoriza muito o profissional que consegue agregar aos conhecimentos específicos com facilidade de comunicação através de expressão, escrita e oral em língua Portuguesa. A comunicação objetiva, primordialmente o entendimento entre as pessoas, tem o papel preponderante e toda sociedade, seja na forma não-verbal com gestos, sons, imagens ou outros, seja na verbal, com oralidade ou o seu código substitutivo escrito. Isso porque desde os tempos memorais, o homem emprega a expressão oral e depois a escrita. A comunicação expressa corretamente e é fundamental para transmitir os nossos sentimentos, opiniões e a visão de mundo de cada um, visando compartilhar modos de vida e comportamentos, estabelecidos por regras de caráter social. A linguagem da 5


comunicação é instrumento necessário a interação humana, é ela que vai situar o homem determinado espaço social e mercadológico. A influência da comunicação é caracterizada pela expansão pessoal constituída entre regras, linguística estabelecida e as marcas da mensagem individual se aplicam tanto a expressão exata quanto á oral. A leitura é um dos meios que mais enriquece seu cotidiano, através dela podemos enriquecer nosso vocabulário, ampliar nossos conhecimentos, e ter uma visão ampla do mundo e seu cotidiano. A importância do processo de leitura é tamanha que se pode considerar realmente alfabetizado só quem consegue compreender e interpretar o que lê, interagindo com a proposta do autor. A eficácia de sua comunicação oral mede-se também pela aparência física de apresentadas pela linguagem do corpo, pela expressão facial e pela entonação. Existem aspectos fundamentais para uma boa desenvolver comunicação. Exemplo: peças teatrais, para conseguir bom relacionamento com ouvintes são: a frequência do contato visual em pessoas na platéia é importante à exposição visual, os gestos, uma linguagem esclarecida, com boa tonicidade. Os recursos audiovisuais, sua função é ilustrar uma mensagem, com objetivos prender a atenção dos receptores, facilitar a sua compreensão e fazê-los reter as informações por mais tempo. Atualmente não podemos deixar de levar em conta a tecnologia, que uma forma de comunicação que nos transmite um vasto conhecimento, informações em todas as áreas e nos facilitando amplo contato com pessoas do mundo. Enfim, como podemos notar, a maior parte dos erros cometidos na comunicação oral ou escrita refere-se à falta de preparação individual. Para evitar isso, convém manter –se atualizado através de leituras de livros, jornais, revistas, televisão, além de frequentar cursos e assistir a documentários e palestras interessantes. Os profissionais brasileiros, qualificados precisam ter consciência de que demonstrar organização e ideias e conhecimentos da Língua brasileira, tanto expressão escrita como na oral, determina a sua valorização no mercado de trabalho. É importante que o professor trabalhe valores para que o educando, perceba o outro, quem está em sua volta, formando crianças que deem importância ao respeito, ao saber ouvir, a ajuda ao amor ao próximo, que perceba que cada um tem sua responsabilidade na sociedade e que se cumpridas, todos vivem com dignidade. Ao professor cabe se auto conhecer, olhar para o mundo e não apenas ensinar regras teóricas, cálculos, deve usar sua 6


situação privilegiada em sala de aula para despertar nos alunos a curiosidade; ensiná-los a pensar, a persistir em seus objetivos, a serem críticos, amigos, trabalhar não só a mente, mas também o coração. Devemos nos posicionar críticos, questionadores, com ética, amor e alegria por ensinar, pois é das crianças que hoje educamos que surgirão as mudanças que renovarão a sociedade. A tarefa do mediador deve ser, então, a de buscar, orientar, diante das diversas fontes disponíveis. É preciso que as instituições usem métodos mais eficazes e não ultrapassados, como ditados e cópias, é preciso deixar que o aluno crie, leia e entenda o que está lendo. É por isso que o currículo escolar precisa ser revisto diariamente, pois é por meio dele de que podemos pensar e legitimar o conhecimento que pretendemos e acreditamos. O papel da escola é reconhecido quando lhe cabe desencadear, no seu meio, reflexões que facilitem discenir a dimensão emancipatória, incorporando as mais diversificadas situações para as quais os desafios atuais da sociedade contemporânea requerem posicionamentos e alternativas de seus cidadãos. o currículo que é o mediador entre a escola e a comunidade nos possibilitando a construção da ação pedagógica através da articulação entre os conhecimentos construídos na prática social e transmitidos, organizados e transformados na prática escolar. A definição dos objetivos (para que se ensina), a seleção dos conteúdos (o que se ensina, a metodologia adotada (como se ensina, em função de como se aprende) e a avaliação não podem ser pensadas isoladamente). Aprender a ler de forma competente é muito mais do que decodificar mensagens trata-se de procurar um sentido e indagar algo escrito a partir de uma realidade. Antes da publicação das teorias do educador brasileiro Paulo Freire, a maioria dos conceitos de leitura no Brasil restringiam-se à noção passiva da

decifração do código verbal escrito. Freire ampliou tal

conceito,considerando o ato de leitura como sendo uma ação ativa de caráter dinâmico, social e múltipla, tendo-se em vista que ela busca decifrar e entender os sentidos dos códigos linguísticos verbais e não-verbais produzidos pelas criaturas humanas, os quais refletem e ampliam a inteligência no mundo. (WESCHENFELDER, p. 1).

A leitura também tem sido aprimorada pelas exigências oriundas de sua função social. Para a psicolinguista Argentina Emília Ferreira, “o que se espera de um leitor muda com o tempo. Na era da Internet, seletividade e rapidez são características essenciais”. Segundo os PCN, em muitas escolas a Língua Portuguesa ainda é ensinada de maneira formal, chata e sem entusiasmo. Esse tipo de ensino não atende mais às 7


necessidades da sociedade. Cada vez mais o aluno terá de compreender e escrever textos diferenciados, claros e criativos. Revisando as bibliografias apresentadas constata- se hoje que a forma de se ensinar a ler também já não é tão autoritária e excludente, onde todos aprendiam da mesma forma e tinham que produzir o mesmo resultado, decodificar letras e sons por meio de frases que muitas vezes nem faziam sentido. O modo atual de se ensinar a ler é permeado pelo construtivismo.

As autoras Josi Slomp e Julianne Fischer salientam que: É por meio da leitura que temos acesso à cidadania e à orientação para um entendimento mais profundo da vida em sociedade e, principalmente, à construção de uma personalidade mais crítica, e, portanto, mais livre. Por saber que toda leitura texto, o professor deverá adotar uma cumplicidade que

se

fundamenta em um objetivo, um

motivo que conduz

o

leitor

ao

procedimentos que favoreçam essa identificação do aluno com o texto;

dará frutos e que consolidará a meta a se alcançada. (Azevedo; Sacchetto)

Constam nos PCN que as competências a serem construídas em Língua Portuguesa estão relacionadas às quatro habilidades linguísticas básicas do Ensino Fundamental: falar; escutar; ler; escrever. Dessa forma, as competências relacionadas às atividades de leitura fazem parte de um amplo e complexo conjunto. Porém, é importante delimitar algumas das principais competências linguísticas, intimamente ligadas à aprendizagem da leitura. Para desenvolver essas competências, um trabalho de leitura e compreensão de textos envolve um contato com uma grande diversidade de textos e o ensino de estratégias de compreensão leitora. Dessa maneira estaremos formando leitores mais autônomos e competentes, capazes de aprender a partir de textos, não importando seu gênero, estrutura ou grau de dificuldade. Quem lê deve ser capaz de interrogar-se sobre sua própria compreensão, estabelecer relações entre o que lê e o que faz parte do seu acervo pessoal, questionar seu conhecimento e modificá-lo, estabelecer generalizações que permitam transferir o que foi aprendido para outros textos diferentes, etc. 8


OS QUATRO PILARES DA EDUCAÇÃO A educação ao longo de toda vida baseia-se em quatro pilares: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos, aprender a ser.

Aprender a aprender Este tipo de aprendizagem que visa nem tanto a aquisição de um repertório de saberes codificados, mas antes o domínio dos próprios instrumentos do conhecimento pode ser considerado, simultaneamente, como um meio e uma finalidade da vida humana. Meio, porque se pretende que cada um aprenda a compreender o mundo que o rodeia, pelo menos na medida em que isso lhe é necessário para viver dignamente, para desenvolver as suas capacidades profissionais, para comunicar. Finalidade, porque seu fundamento é o prazer de compreender, de conhecer, de descobrir. Apesar dos estudos sem utilidade imediata estarem desaparecendo, tal a importância dada atualmente aos saberes utilitários, a tendência para prolongar a escolaridade e o tempo livre deveria levar os adultos a apreciar cada vez mais

as alegrias do conhecimento e da pesquisa individual. O aumento dos

saberes, que permite compreender melhor o ambiente sob os seus diversos aspectos, favorece o despertar da curiosidade intelectual, estimula o sentido crítico e permite compreender o real, mediante a aquisição de autonomia na capacidade de discernir. Deste ponto de vista, há que repeti-lo, é essencial que cada criança, esteja onde estiver, possa ter acesso, de forma adequada, às metodologias científicas de modo a tornar-se para toda a vida "amiga da ciência".

Aprender para conhecer supõe, antes de tudo, aprender a

aprender, exercitando a atenção, a memória e o pensamento. Desde a infância, sobretudo nas sociedades dominadas pela imagem televisiva, o jovem deve aprender a prestar atenção às coisas e às pessoas. A sucessão muito rápida de informações mediatizadas, o "zapping" tão frequente, prejudicam de fato o processo de descoberta, que implica duração e aprofundamento de apreensão. Esta aprendizagem da atenção pode revestir formas diversas e tirar partido de várias ocasiões da vida. O processo de aprendizagem do conhecimento nunca está acabado, e pode enriquecer-se com qualquer experiência. Neste sentido, liga-se cada vez mais à experiência do trabalho, à medida que este se torna menos rotineiro. A educação primária pode ser considerada bem sucedida se conseguir transmitir às pessoas o impulso e as bases que façam com que continuem a aprender ao longo de toda a vida, no trabalho, mas também fora dele. Aprender a fazer 9


Aprender a conhecer e aprender a fazer são, em larga medida, indissociáveis. Mas a segunda aprendizagem esta mais estreitamente ligada à questão da formação profissional: como ensinar o aluno a pôr em pratica os seus conhecimentos e, também, como adaptar a educação ao trabalho futuro quando não se pode prever qual será a sua evolução? Aprender a fazer não pode, pois, continuar a ter o significado simples de preparar alguém para uma tarefa uma tarefa material bem determinada, para fazê-lo trabalhar no fabrico de alguma coisa. Como consequência, as aprendizagens devem evoluir e não podem mais serem consideradas como simples transmissão de práticas mais ou menos rotineiras, embora estas continuem a ter um valor formativo que não é de desprezar.

Aprender a viver juntos, aprender a viver com os outros, conviver. Sem dúvida, esta aprendizagem representa, hoje em dia, um dos maiores desafios da educação. O mundo atual é, muitas vezes, um mundo de violência que se opõe à esperança posta por alguns no progresso da humanidade. A história humana sempre foi conflituosa, mas há elementos novos que acentuam o problema e, especialmente, o extraordinário potencial de autodestruição criado pela humanidade no decorrer do século XX. A opinião pública, através dos meios de comunicação social, torna-se observadora impotente e até refém dos que criam ou mantém conflitos. Até agora, a educação não pôde fazer grande coisa para modificar esta situação real. Poderemos conceber uma educação capaz de evitar os conflitos, ou de os resolver de maneira pacífica, desenvolvendo o conhecimento dos outros, das suas culturas, da sua espiritualidade? É de louvar a ideia de ensinar a não-violência na escola, mesmo que apenas constitua um instrumento, entre outros, para lutar contra os preconceitos geradores de conflitos. A tarefa é árdua porque, muito naturalmente, os seres humanos têm tendência a supervalorizar as suas qualidades e as do grupo que a pertencem,e a alimentar preconceitos desfavoráveis em relação aos outros. Por outro lado, o clima geral de concorrência que caracteriza, atualmente, a atividade econômica no interior de cada país, e, sobretudo em nível internacional, têm a tendência de dar prioridade ao espírito de competição e ao sucesso individual. De fato, esta competição resulta, atualmente em uma guerra econômica implacável e numa tensão entre os mais favorecidos e os pobres, que divide as nações do mundo e exacerba as rivalidades históricas. É de lamentar que a

10


educação contribua, por vezes, para alimentar este clima, devido a uma má interpretação da ideia de emulação. A descoberta do outro A educação tem por missão, por um lado, transmitir conhecimentos sobre a diversidade da espécie humana e, por outro, levar as pessoas a tomar consciência das semelhanças e da interdependência entre todos os seres humanos do planeta. Desde tenra idade a escola deve, pois, aproveitar todas as ocasiões para esta dupla aprendizagem. Algumas disciplinas estão mais adaptadas a este fim, em particular a geografia humana a partir do ensino básico e as línguas e literaturas estrangeiras mais tarde. Passando à descoberta do outro, necessariamente, pela descoberta de si mesmo, e por dar à criança e ao adolescente uma visão ajustada do mundo, a educação, seja ela dada pela família, pela comunidade ou pela a escola, deve antes de mais ajudá-los a descobrir a si mesmos. Só então poderão, verdadeiramente, pôr-se no lugar dos outros e compreender as suas reações. Desenvolver esta atitude de empatia, na escola é muito útil para os comportamentos sociais ao longo de toda a vida. Ensinando, por exemplo, aos jovens a adotar a perspectiva de outros grupos étnicos ou religiosos podem evitar incompreensões geradoras de ódio e violência entre adultos. Assim, o ensino das histórias das religiões ou dos costumes pode servir de referência útil para futuros comportamentos. Quando se trabalha em conjunto sobre projetos motivadores e fora do habitual, as diferenças e até os conflitos interindividuais tendem a reduzir-se, chegando a desaparecer em alguns casos. Uma nova forma de identificação nasce destes projetos que fazem com que ultrapassem as rotinas individuais, que valorizam aquilo que é comum e não as diferenças. Graças a prática do desporto, por exemplo, quantas tensões entre classes sociais ou nacionalidades se transformaram, afinal, em solidariedade através de experiência e do prazer do esforço comum!

Aprender a ser A educação deve contribuir para o desenvolvimento total da pessoa - espírito e corpo, inteligência, sensibilidade, sentido estético, responsabilidade pessoal, espiritualidade. Todo ser humano deve ser preparado, especialmente graças à educação que recebe na juventude, para elaborar pensamentos autônomos e críticos e para formular os seus próprios juízos de valor, de modo a poder decidir, por si mesmo, como agir nas diferentes circunstâncias da vida. 11


A evolução das sociedades desde então e, sobretudo, o enorme desenvolvimento do poder mediático veio acentuar este temor e tornar mais legítima ainda a injunção que lhe serve de fundamento. É possível que no século XXI estes fenômenos adquiram ainda mais amplitude. Mais do que preparar as crianças para uma dada sociedade, o problema será, então, fornecer-lhes constantemente forças e referências intelectuais que lhes permitam compreender o mundo que as rodeia e comportar-se nele como autores responsáveis e justos. Mais do que nunca a educação parece ter, como papel essencial, conferir a todos seres humanos a liberdade de pensamento, discernimento, sentimentos e imaginação de que necessitam para desenvolver seus talentos e permanecerem, tanto quanto possíveis donos do seu próprio destino. Este imperativo não é apenas a natureza individualista: a experiência recente mostra que o que poderia aparecer, somente, como uma forma de defesa do indivíduo perante um sistema alienante ou tido como hostil, é também por vezes, a melhor oportunidade de progresso para as sociedades. A diversidade das personalidades, a autonomia e o espírito de iniciativa, até mesmo o gosto pela provocação, são os suportes da criatividade e da inovação. Para reduzir a violência ou lutar contra os diferentes flagelos que afetam a sociedade os métodos inéditos retirados de experiências no terreno já deram prova da sua eficácia. Num mundo em mudança, de que um dos principais motores parece ser a inovação tanto social como econômica, deve ser dada a importância especial a imaginação e à criatividade; claras manifestações da liberdade humana elas podem vir a ser ameaçadas por uma certa estandardização dos comportamentos individuais. O século XXI necessita desta diversidade de talentos e de personalidades, mas ainda de pessoas excepcionais, igualmente essenciais em qualquer civilização. Convém, pois, oferecer às crianças e aos jovens todas as ocasiões possíveis de descoberta e experimentação - estética, artística, desportiva, científica, cultural e social -, que venham completar a apresentação atraente daquilo que, nestes domínios, foram capazes de criar as gerações que os procederam ou suas contemporâneas. Na escola, a arte e a poesia deveriam ocupar um lugar mais importante do que aquele que lhes é concedido, em muitos países, por um ensino tornado mais utilitarista do que cultural. A preocupação em desenvolver a imaginação e a criatividade deveria, também, revalorizar a cultura oral e os conhecimentos retirados da experiência da criança ou do adulto.

12


2. PUBLICO ALVO Alunos do ensino infantil e fundamental de 1º à 5º ano

3. OBJETIVOS

3.1. GERAL Utilizar a literatura infanto-juvenil para desenvolvimento pleno dos 4 pilares da educação na vida do educando.

3.2. Específicos  Usar a literatura para estimular o desenvolvimento do educando, partindo como base os pilares da educação: -Aprender a aprender; -Aprender a ser; -Aprender a fazer; -Aprender a conviver.  Estabelecimento de variadas práticas pedagógicas para superar as dificuldades de ensino e aprendizagem, fortalecendo assim sua prática pedagógica.  Preparar o Educador através de formação continuada a utilizar-se da leitura e todo material de apóio oferecido pelo projeto para alcançar o objetivo acima proposto.

4. OFICINAS Para que o educador possa estar preparado para trabalhar estimulando a leitura é necessário o fornecimento de informações acadêmicas e práticas que possibilitem o acesso do educando à leitura, para isso estaremos capacitando professores, bibliotecários e equipe técnica. 4.1 Etapas de Trabalho - Encontro Técnico Pedagógico Planejamento e formação do cronograma do projeto de capacitação.  ABERTURA E APRESENTAÇÃO – 4 horas - Apresentação do projeto - Palestra com autor  CURSOS E OFICINAS – 6 horas -Oficina de "Música"-Poderoso e divertido meio de aprendizagem. -Oficina de " Contação de estórias".Era uma vez..... -Oficina de "Técnicas de Leitura"(Para todas as séries) -Oficina de "Gêneros Textuais" -Oficina de "artes na pré escola" -Oficina de" Teatro" -Oficina" Importância do lúdico na educação" -Oficina "Técnicas da trovas " e o " trabalho com Cordel" -Contextos de Alfabetização inicial- projetos que valorizam os saberes da comunidade. 13


-O gosto pela literatura -Dificuldades de aprendizagem: porque meu aluno não aprende. -Avaliação qualitativa: Processo intencional e significativo. -Projeto de Ensino-Aprendizagem e Projeto Político- Pedagógico -A prática do planejamento participativo.

CRONOGRAMA DE CAPACITAÇÃO Educação Infantil ETAPA DURAÇÃO 1ª

AÇÕES

- Apresentação do Projeto 2ª - Reunião com professores na escola Implantação e práticas 3ª - Cursos e Oficinas 4ª - Relato de experiências Exposição e manifestação

14


Ensino Fundamental ETAPA DURAÇÃO 1ª

AÇÕES

Apresentação do Projeto - Palestra – Escritor 2ª - Reunião com professores na escola Implantação e práticas 3ª - Cursos e Oficinas 4ª - Relato de experiências Exposição e manifestação

15


ACERVO TÍTULO DA OBRA, AUTOR E RESUMOS, ASSUNTOS, INTERDISCIPLINARIDADE, TEMAS TRANSVERSAIS, PROPOSTAS CLASSIFICAÇÃO POR PILAR

APRENDER

Animais Com janelas que se abrem e fecham, este livro desafia a criança a percorrer formas semelhantes ao relacionar os bichos e seus filhotes. Ela também estimula a reconhecer cores e nomear animais. Produzido com papel resistente, o livro é ideal para as mãozinhas ávidas e curiosas do pequeno leitor. Assuntos: livro-brinquedo, animais Interdisciplinaridade: Língua-portuguesa; Artes Temas transversais: Ética e meio-ambiente

Chapeuzinho Vermelho Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Pela estrada a fora, andando sozinha, segue chapeuzinho vermelho para a casa de sua vovozinha. Mas no meio do caminho encontra um lobo mau que, muito esperto, chega antes dela à casa da vovó. Assuntos: contos de fada, encantamento Temas transversais: Ética e cidadania

João e o pé de feijão

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen João vivia com sua mãe numa pobre casa. Com eles morava uma vaca leiteira chamada Branquinha. Certa manhã, João foi ordenhar a vaca, mas o leite não saiu. Orientado por sua mãe, foi à cidade para vendê-la. No meio do caminho encontrou um senhor que lhe ofereceu grãos de feijão mágicos em troca da Branquinha. João aceitou. Ao saber da notícia, sua mãe ficou furiosa e jogou os feijões pela janela... João e o pé de feijão, clássico universal, que é lido há séculos, ganha nova versão. Ingrid Biesemeyer Bellinghausen reconta e ilustra essa história em novo formato, voltado exclusivamente aos pequenos leitores. Assuntos: contos de fadas, encantamento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte Temas Transversais: Ética Indicação: Pré-leitor - a partir dos 2/5 anos de idade

16


Os três porquinhos

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Três porquinhos constroem suas Os três porquinhos

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Três porquinhos constroem suas próprias moradias. O mais apressados faz uma casa de palha. Outro, rapidamente, ergue a sua com gravetos. Já o mais prudente usa tijolos. Quando o lobo mau aparece, as casas dos dois incautos não resistem e eles pedem abrigo ao irmão mais esperto. Assuntos: contos de fadas, responsabilidade, diversão Interdisciplinaridade: Literatura, Língua Portuguesa Temas Transversais: Ética, Trabalho e Consumo Personagens Encantados

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen O imaginário brasileiro, a cultura Personagens Encantados

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen O imaginário brasileiro, a cultura popular, é recheado de seres fantásticos, encantados, que compõem nosso folclore. Com um texto fluente, gostoso de ser lido, e ilustrações criativas, a autora reuniu neste livro o saci, a mula-sem-cabeça, o boitatá, o lobisomem, a Iara, o caipora, o negrinho do pastoreio, o curupira, a bruxa e o boto. Assuntos: Cultura popular, folclore Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Geografia Temas Transversais: Pluralidade Cultural, Ética Indicação: 1º ciclo

1,2,3 Era uma vez...e

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Era uma vez 2 palhaços, que tinham 3 bolas, que foram bicadas por 4 passarinhos, que estavam perto de 5 girassóis. Brincando com números, essa história encantadora transporta o jovem leitor para um mundo de diversão e fantasia, estimulando a imaginação e a criatividade. Assuntos: numerais, circo, palhaços Interdisciplinaridade: Literatura, Língua Portuguesa, Matemática, Arte Temas Transversais: Pluralidade Cultural Indicação: Pré-Leitor - a partir dos 2/5 anos

17


Comilança Fernando Vilela Nhac, Nhec, Nhau, Nhoc, Zupt! Comilança Fernando Vilela Nhac, Nhec, Nhau, Nhoc, Zupt! Cuidado, pois a comilança vai começar. Fernando Vilela convida o leitor a conhecer, bem de perto, a cadeia alimentar dos animais que vivem na floresta amazônica. Assuntos: Cadeia alimenta, ecologia, animais Interdisciplinaridade: L. portuguesa, ciências, artes Temas transversais: ética e meio ambiente

Vamos navegar na poesia? Dri Fóz Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen O título do livro é um convite irrecusável. E nessa viagem por mares de versos, o leitor vai descobrir que a poesia é uma grande brincadeira. Assuntos: Poesia Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências Naturais Temas Transversais: Meio Ambiente, Saúde

O príncipe encantado e o mico-leão-dourado Katia Canton Ilustrado por: Sandra Tucci Um animal pode ser um grande companheiro. O mico-leão-dourado é encantador, inteligente e alegra as crianças e os adultos mais tristonhos. Assuntos: contos de fadas, rituais de passagem, ecologia Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Ciências Naturais Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente Proposta : • Sugerir às crianças que façam uma pesquisa sobre os animais ameaçados de extinção encontrados na região em que elas moram.

A noiva do rei Katia Canton Ilustrado por: Beth Moysés Um jovem rei quer se casar com a A noiva do rei Katia Canton Ilustrado por: Beth Moysés Um jovem rei quer se casar com a mulher mais linda que existir. Porém, as coisas não são exatamente como as pessoas querem. Assuntos: contos de fadas, rituais de passagem Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História, Arte Temas Transversais: Ética

18


Balaio de Bichos Cláudio Fragata Ilustrado por: Biry Sarkis Este Balaio de bichos, escrito por Cláudio Fragata, é cheio de poesia. O autor expressa de maneira lúdica e bem-humorada sua visão sobre os bichos, fazendo analogias até com o bicho-homem. Assuntos: poesia Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente

Spanimal Alina Perlman Ilustrado por: Marco Vogt Imagine um spa – aquele lugar onde as pessoas vão para perder peso e ganhar saúde – feito só para os bichos. Lá eles terão de comer como passarinhos e vão acabar andando feito baratas tontas, numa enorme confusão.Esse livro brinca com ditados populares e expressões com os nomes dos bichos, estimulando uma viagem divertida pela Língua Portuguesa Assuntos: animais, alimentação, ditos populares Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciência naturais Temas Transversais: Meio Ambiente, saúde FESTA NO CÉU / FESTA NO MAR Lucia Hiratsuca Nesta obra apresenta uma historia japonesa e outra brasileira. Assuntos: Conto popular brasileiro e japonês Interdisplinaridade: Língua portuguesa; história Temas transversais: Pluralidade cultural, meio ambiente.

CASA ROSA Silvana Pinheiro Taets Ilustrado por: Rosinha Campos Esta é a história da Casa Rosa, a única da Rua da Amizade. Com o tempo, muitos moradores vão passando por ela. O livro mostra a riqueza da memória, incentivando o leitor a mergulhar nas próprias recordações. Assuntos: memória, intimidade, identidade, alteridade Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte, Matemática Temas Transversais: Ética, Cidadania, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural

19


A BOTA E A ENXADA Katia Canton Ilustrado por: L. P. Baravelli Margaridinha era uma linda garotinha de origem desconhecida, que enfrentou desafios para provar ao rei sua coragem, e acabou se casando com o príncipe. A bota e a enxada é um conto da Itália, país rico em tradições, fábulas, lendas e canções, que tanto influenciou a cultura brasileira. Assuntos: Contos de fadas, cultura italiana, perseverança Interdisciplinaridade: Língua portuguesa, história Temas tranversais: Ética e cidadania,pluralidade cultural

CHOCOLATE QUENTE NA NEVE Katia Canton Ilustrado por: Leda Catunda Nas histórias do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, meninos e meninas pobres tornam-se príncipes e princesas. Em "Chocolate quente na neve", ao mesmo tempo em que o leitor viaja pelas histórias recriadas, conhece um pouco da obra daquele que é considerado um dos fundadores da literatura infantil. Assuntos: cultura dinamarquesa, contos de fadas Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, História, Arte Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural

CONVERSA DE MADAME Katia Canton Ilustrado por: Renata Barros Qual é a origem dos contos de fadas? Por quem, onde e quando eles foram criados? Por que toda narrativa desse tipo tem final feliz e sempre traz uma espécie de ensinamento? Conversa de madame apresenta a recriação de contos de fadas clássicos, como “A Bela e a Fera”, e o leitor ainda vai se sentir como se estivesse num salão da corte francesa ouvindo histórias. Assuntos: tradição oral, contadores de histórias Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, História, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural

CONTOS QUE VALEM UMA FÁBULA Katia Canton Ilustrado por: Siron Franco Nas fábulas, animais são capazes de sentir, pensar e falar, como a formiga que trabalha no verão e tem o esforço recompensado no inverno, ao contrário da cigarra preguiçosa Contos que valem uma fábula, inspirado no escritor francês La Fontaine e em outras narrativas, mostra que as fábulas são pequenas narrativas de fundo moral. O livro é um excelente instrumento para trabalhar com as crianças valores e virtudes nos dias atuais Assuntos: fábulas, moral Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, História, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural

20


Fadas que não estão nos contos Katia Canton Ilustrado por: Pinky Wainer O lobo acha que é príncipe e espera Joaninha na porta da escola, achando que ela é Chapeuzinho Vermelho, ou talvez Cinderela ou a Bela Adormecida. Em Fadas que não estão nos contos, algumas personagens das fábulas infantis invadem o dia-a-dia de uma menina nos tempos atuais, numa curiosa e divertida história. Assuntos: clássico X moderno; realidade X sonho Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, História, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural

Cada sapo com seu papo, cada princesa com sua sutileza Fátima Miguez Ilustrado por: Marilda Castanha Um sapo e uma princesa. Claro que isso dá conto de fadas. Mas aqui a história vem em versos, quadrinhas criativas recheadas de bom humor e da sabedoria de provérbios. Assuntos: contos de fadas, cultura popular Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa Temas Transversais: Pluralidade Cultural

Quem não arrisca não petisca Fátima Miguez Ilustrado por: Graça Lima Muita saúva e uma viúva. O que uma plantava a outra colhia. Assim a plantação da viúva era devorada. A rivalidade só acaba com a saúva na frigideira. Neste primeiro volume da coleção, a autora transforma saber coletivo em literatura. Por meio da poesia, apresenta provérbios da tradição oral de maneira contextualizada. Assuntos: cultura popular, oralidade, trabalho Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Geografia, Ciências Naturais Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural, Trabalho e Consumo

A mãe d'água (uma lenda do mar) Lenice Gomes Ilustrado por: Graça Lima Uma princesa, a Mãe D'água, filha da Mãe Fada e do Rei Lua, é a rainha dos mares. Aparecem muitos pretenedentes; ela, então, apaixona-se por um belo rapaz misterioso. Os candidatos à mão da Princesa partem para alguns provas de coragem. Muito tempo depois retorna o cavaleiro pelo qual ela se apaixonara. Ele era o filho do Sol e od dois casam-se e têm um filho. Mas durante uma viagem ela é transformada numa enorme flor. Quando retorna, foge com o filho para o fundo do mar. Dizem que, quando anoitece, é possível vê-la sobre a superfície das águas do mar e quem a vê, fica logo encantado. Assuntos: papel social, tradição oral, encantamento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética

21


Pererêêê Pororóóó Lenice Gomes Ilustrado por: André Neves Nesse livro de Lenice Gomes, todo em prosa-poética, as personagens Raul e Diva sempre ouviram histórias de Saci, mas nunca viram um. Até que um dia eles se depararam com três de uma vez só e tentam espantar o medo propondo adivinhas aos sacis. Ambos se divertem muito com toda a história e concluem que é impossível não acreditar em sacis Assuntos: folclore, encantamento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural

Diário de um Lobisomem Georgina Martins Ilustrado por: Maurício Veneza Que lobisomem virou folclore, todo mundo sabe. O que não se sabe mesmo é se ele existe. No entanto, a personagem deste livro vai contar a história do dia em que viu um todo peludo. Mas antes, conta o que sabe sobre o tal bicho e as várias histórias que já ouviu outras pessoas contarem. Este texto fantástico traz ao leitor um apanhado, de maneira lúdica, sobre a figura popular do lobisomem. Assuntos: lobisomem, folclore Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, História, Arte Temas Transversais: Ética

Era uma vez Andersen Katia Canton Ilustrado por: Beth Moysés, Nina Moraes, Renata Pedrosa, Silvia Mecozzi, Alzira Fragoso, Gabriel Veiga Jardim Obra publicada em comemoração aos 200 anos de nascimento do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen. Reúne os contos "A rainha da neve", "O patinho feio", "Polegarzinha", "O valente soldado de chumbo", "A pequena vendedora de fósforos" e "A roupa nova do rei". Traz ainda ilustrações e a biografia do autor em forma de conto. Assuntos: contos de fadas, tradição oral Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética

A História da Água Jacqui Bailey e Matthew Lilly Nosso mundo é cheio de uma coisa mágica. Nós nadamos nela. Nós a engolimos. Nós até somos feitos principalmente dela. Essa coisa mágica se chama ÁGUA. Esta história da água, emj que um líquido no oceano vira um gás invisível que flutua no ar. Descubra como as nuvens se formam, o que faz a chuva cair e por que a água continua se renovando, mesmo depois de ser usada tantas vezes.

22


A História da Cadeia Alimentar Jacqui Bailey e Matthew Lilly Não importa quantas pernas tenha um animal - duas, quatro, cem ou nenhuma -, ele precisa de comida para viver, e a comida sempre vem de outros seres vivos. Esta história mostra que os seres vivos estão sempre ligados pelo que comem, e que todos os animais dependem das plantas. Você vai saber ainda o que mantém as plantas vivas.

A História da Eletricidade Jacqui Bailey e Matthew Lilly Você aperta um botão, liga um interruptor, vira uma chave e CLIC!... acontece uma coisa incrível. Música, luz, calor, imagens - tudo por causa da ELETRICIDADE. Esta é a história de como a eletricidade é feita. Veja como ela percorre o país num piscar de olhos para entrar em nossas casas, e o que acontece quando alguma coisa dá errado!

A História de um Fóssil de Dinossauro Jacqui Bailey e Matthew Lilly Milhões de anos atrás, um dinossauro esfomeado deu um pulo em falso e morreu dentro de um rio. O que aconteceu depois é uma das histórias mais velhas do mundo - o dinossauro virou um fóssil. Esta é a história de como os ossos do dinossauro se transformaram em pedras diferentes, chamadas de fósseis. Saiba como os fósseis são descobertos e o que acontece com eles até serem expostos no museu.

A História do Dia e da Noite Jacqui Bailey e Matthew Lilly Sem o Sol não haveria dia bom nem dia ruim, nem mesmo o meio-dia. Não haveria DIA nenhum - apenas uma noite sem fim. Esta história explica a existência do dia e da noite e conta por que o Sol parace subir e descer no céu. Você vai saber porque as sombras mudam de lugar e descobrir o que é exatamente o Sol.

Corpo humano, a máquina da vida Por que as pessoas mais velhas têm cabelos brancos? E por que a gente faz xixi na cama quando é pequeno? Repleto de fotos e imagens, Corpo humano, a máquina da vida responde essas e muitas outras perguntas de forma simples e ilustrada.

23


Fundo do Mar - aventuras submarinas Ilustrado por: Paulo César Por que a água do mar é salgada? Os peixes dormem? Quando é possível beber a água do mar? Como é que se mede a profundidade do mar? Fundo do mar - aventuras submarinas traz respostas para essas e outras perguntas. Com ilustrações realistas, fotos e cartuns, você fará uma verdadeira expedição ao fundo do mar. Assuntos: Ciência, evolução, vida aquática Interdisciplinaridade: Geografia, Língua Portuguesa, Ciências Naturais, História Temas Transversais: Meio Ambiente

Dinossauros, misteriosos habitantes da Terra Ilustrado por: Ariel Milani, Beatriz Beloto e Renato Moriconi (cartum) Como os dinossauros apareceram na Terra? E como desapareceram? É verdade que existiram dinos no Brasil? Em Dinossauros, misteriosos habitantes da Terra você vai encontrar respostas para essas e outras perguntas, além de conhecer todos os dinos que viveram no Brasil. Assuntos: dinossauros, evolução Interdisciplinaridade: Geografia, Língua Portuguesa, Ciências Naturais, História Temas Transversais: Meio Ambiente

Universo, uma viagem ao espaço Ilustrado por: Ariel Milani, Beatriz Beloto e Renato Moriconi (cartum Por que as estrelas brilham? Como é que o astronauta faz para fazer xixi? E o que eles comem nas viagens espaciais? É verdade que o Sol é 109 vezes maior que a Terra e pesa um milhão de vezes mais que o nosso planeta? E você sabia que todo mundo pesa seis vezes menos na Lua? Universo, uma viagem ao espaço traz respostas para essas e outras perguntas. Todo ilustrado, viaja pelo espaço contando tudo o que por lá acontece. Assuntos:Universo, evolução Interdisciplinaridade: Geografia, Língua Portuguesa, Ciências Naturais, História Temas Transversais: Meio Ambiente Terra, nosso planeta azul Vista do espaço, a Terra é azul. Mas por quê? A resposta quem dá é a ciência, que hoje explica também que o planeta é feito de camadas, como se fosse uma grande cebola. E imaginar que no passado as pessoas acreditavam que a Terra flutuava no mar, em cima de elefantes e outros bichos! Terra, nosso planeta azul é um livro que oferece ao leitor um apanhado sobre astronomia, com destaque especial para a Terra. Escrito em linguagem lúdica e ao mesmo tempo didática, o livro traz ainda uma série de curiosidades sobre o que já se pensou sobre o tema, tornando-se fonte de conhecimento e pesquisa para os estudantes. Assuntos: astronomia, meio ambiente Interdisciplinaridade: Geografia, História Temas Transversais: Meio Ambiente

24


O mundinho azul

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Observado de longe, o nosso mundo tem coloração azul por causa dos oceanos que ocupam a maior parte de sua superfície. Porém, curiosamente, o planeta enfrenta um grave problema: a escassez de água doce. A partir dessa “contradição”, a autora mostra à criança a importância da água para a nossa vida e a necessidade urgente de evitar o desperdício. Assuntos: meio ambiente, preservação, águas Temas transversais: Ética e cidadania, meio ambiente Interdisciplinaridade: Língua Portugesa, Ciências naturais e sociais, arte Os animais do mundinho

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Todo animal tem um habitat natural. Alguns adaptam-se facilmente ao ambiente domésticos, outros, nem tanto. Alguns têm penas, outros pêlos, uns voam, outros nadam. Mas, o mais importante é que todos eles cabem num único mundinho, o nosso planeta Terra. Em Os animais do mundinho, Ingrid Biesemeyer Bellinghausen apresenta ao pequeno leitor o macaco, o boi, a tartaruga e outros, todos ilustrados em Tangram, um quebracabeça chinês que diverte, desafia e desenvolve o raciocínio lógico e geométrico. Uma oportunidade para ler, aprender e brincar ao mesmo tempo. Assuntos: animais, preservação, tangram Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências naturais, Matemática Temas transversais: Ética e cidadania, pluralidade cultural

O trânsito no mundinho

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Já era tempo de os homenzinhos do mundinho criarem suas leis de trânsito. Afinal, eles circulam para lá e para cá sem parar: é um tal de ir de casa para o trabalho de carro, sair para fazer compras, levar as crianças na escola, ir à feira, passear com o animal de estimação. Para a cidade não entrar em desarmonia os homenzinhos reconheceram a importância de respeitar e cumprir as leis de trânsito. Em O trânsito no mundinho a autora Ingrid Biesemeyer Bellinghausen descreve de maneira lúdica, proporcionada também por suas ilustrações, dez leis de trânsito para que os pequenos leitores sejam cidadãos responsáveis e cuidadosos. Assuntos: respeito, ética e cidadania, educação para o trânsito Interdisciplinaridade: Língua portuguesa, educação para o trânsito Temas transversais: Ética e cidadania, meio ambiente

25


1,2,3 Era uma vez...e Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Era uma vez 2 palhaços, que tinham 3 bolas, que foram bicadas por 4 passarinhos, que estavam perto de 5 girassóis. Brincando com números, essa história encantadora transporta o jovem leitor para um mundo de diversão e fantasia, estimulando a imaginação e a criatividade. Assuntos: numerais, circo, palhaços Interdisciplinaridade: Literatura, Língua Portuguesa, Matemática, Arte Temas Transversais: Pluralidade Cultural Indicação: Pré-Leitor - a partir dos 2/5 anos

O mundinho

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Fábula ecológica que mostra a destruição que o homem vem causando ao planeta, muitas vezes em nome do progresso, e propõe uma conscientização em defesa da natureza. O livro contribui para o desenvolvimento da ética e da cidadania e também possibilita aos alunos a construção de uma alfabetização ecológica. O que começa com...

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen O que começa com... é um livro-brinquedo dirigido a crianças em processo de alfabetização: ela pode destacar as letras da cartela que acompanha o livro e formar palavras correspondentes às ilustrações. Para cada letra do alfabeto há uma página com desenhos de objetos e animais que começam com a mesma letra. Além de possibilitar um aprendizado lúdico, este livro estimula a criatividade da criança, que sempre poderá inventar novos jogos. Assuntos: letramento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte Raio de Sol

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Um pequeno Raio de Sol cai em nosso planeta e faz amigos no bosque, iluminando a todos com seu brilho. O grilinho logo percebe que sua luz é mágica, pois desperta o amor em todos à sua volta. Nos dias ensolarados, as pessoas não percebem a presença de Raio de Sol, mas o grilo sugere que nos dias nublados ele se esconda para não despertar desconfiança. Um dia, Raio de Sol torna-se amigo de uma menina que pede sua ajuda para mudar um pouco a vida dos adultos, que só têm olhos para o trabalho. Então Raio de Sol entende por que caiu na Terra: as pessoas precisam ser tocadas pela sua luz para que o amor desperte em seus corações e elas percebam que há outras coisas importantes além do trabalho. A menina e Raio de Sol descobrem que todos podem ser iluminados e viver felizes, com amor e paz. 26


Assuntos: amizade, responsabilidade social, meio ambiente Interdisciplinaridade: Língua portuguesa, ciências naturais Temas Transversais: Ética e meio ambiente Indicação: a partir de 6 anos Reciclando com os coelhinhos

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Os coelhinhos ganharam voz e muita sabedoria nessa história para mostrar como preservar o meio ambiente sem criar um novo problema. Numa divertida aventura, esses pequenos animais espertos ensinam às crianças como reaproveitar materiais usados,despertando a consciência ecológica. Assuntos: amizade, responsabilidade social, meio ambiente Interdisciplinaridade: Língua portuguesa, ciências naturais Temas Transversais: Ética e meio ambiente Indicação: a partir de 6 anos

Personagens Encantados II

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen A sabedoria do povo contada ao pé da fogueira, passada de boca em boca, é apresentada em forma de texto no livro Personagens Encantados II. A proposta é levar aos pequenos leitores a origem de seres que fazem parte do imaginário popular. Neste segundo volume, a autora apresenta personagens conhecidos como o Bicho-Papão e outros menos famosos como a Alamoa, Mão-de-cabelo, Porca-dos-sete-leitões, Pé-de-garrafa... Assustadores, simpáticos ou não, esses personagens fazem parte do folclore brasileiro e merecem ser lidos pelas crianças. Assuntos: folclore, cultura brasileira Interdisciplinaridade: Língua portuguesa, ciências sociais e arte Temas Transversais: Ética e pluralidade cultural Indicação: a partir de 6 anos

Água Trevor Day Descubra o mundo à nossa volta de um jeito novo e emocionante! Imagens incríveis e fatos e características surpreendentes irão mostrar a você como a água molda o nosso planeta e quão vital ela é para o futuro da Terra. Descubra: como ela influencia nas condições do tempo; as formas como a paisagem da Terra foi moldada pela água através de milhões de anos; por que o mar é azul; o efeito da Lua sobre o mar; e muito mais. Com páginas centrais espetaculares, o leitor vai entender melhor o ciclo da água e como ela se move continuamente ao redor da Terra.

27


Atlas do Estudante O Atlas do Estudante é uma importante ferramenta de estudo e pesquisa sobre o Brasil e o Mundo. Seu formato e número de páginas facilita o manuseio diário. Apresenta dados e informações básicas sobre os países.: Possui mapa político de cada continente; mapas políticos do Brasil e de cada região brasileira; bandeiras do mundo inteiro, unidades de relevo do Brasil, fuso horário, símbolos nacionais e densidade demográfica; localização com tabela de perfil de cada região brasileira.

Atlas Ambiental - Agendas Este Atlas do Meio Ambiente traz uma inovação única entre as obras do gênero: a organização por Agendas - Azul, Verde e Marrom - nas quais se distribuem os grandes temas ambientais e seus respectivos termos. Hiperlinks, imagens ilustrativas e infográficos em formato super pôster também facilitam a pesquisa e aprofundam o conhecimento.

SERIE DISNEY O grande livro do ABC

Com O grande livro do ABC, a criança aprende a relacionar letras e sons enquanto se encanta com os desenhos da Disney.

O grande livro do 1 2 3

Com este livro a criança aprende a relacionar números e quantidades enquanto se encanta com os desenhos da Disney.

28


Os contos de Pooh

Em Os contos de Pooh além de conviver com os simpáticos personagens do Bosque dos Cem Acres, a criança poderá dar seus primeiros passos no universo da leitura com a ajuda de ilustrações que substituem palavras.

 Tigrão  Coleção brincando e descobrindo – 4 a 5 anos Coleção brincando e descobrindo – 5 a 6 a

29


SER O patinho feio

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen No meio do ninho da mamãe pata apareceu um ovo diferente: cinza e bem maior que os demais. A pata chocou todos sem distinção. Ao nascerem os patinhos, achou um deles estranho, de cor acinzenta. Mesmo assim, resolveu cria-lo. Apesar da acolhida, o pato cinzento sentia-se um verdadeiro patinho feio. Assuntos: contos de fadas, encantamento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte Temas Transversais: Ética Indicação: Pré-leitor - a partir dos 2/5 anos de idade

Cachinhos dourados e os três ursos

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Cachinhos dourados estava com fome. Ao passar em frente à casa da família Urso, sentiu cheiro de mingau e resolveu entrar para comer e aproveitou para descansar. A casa estava vazia e o mingau quentinho. Em seguida chega a família. Cachinhos acordou assustada, saiu correndo e fugiu pela janela. Nunca mais voltou e concluiu que não mais entraria numa casa sem ser convidada. Assuntos: contos de fadas, encantamento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte Temas Transversais: Ética Indicação: Pré-leitor - a partir dos 2/5 anos de idade Um mundinho de paz

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Este livro leva a criança a refletir sobre a importância de viver em paz no mundo. Ensinando que a paz começa em cada um de nós, a autora sugere algumas atitudes: não brigar, ser gentil, respeitar os outros, falar a verdade, apreciar as diferenças, dar o melhor de si etc. Assuntos: paz, solidariedade Interdisciplinaridade: Literatura, Língua Portguesa Temas Transversais: Ética e Cidadania, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural Indicação: Pré-leitor - a partir dos 2/5 anos

30


As famílias do mundinho

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Antes de abrir este livro, pense um pouco em como é a sua família... Pense também na de seu amiguinho, na do vizinho Como são diferentes! Em As famílias do mundinho, Ingrid Bisemeyer Bellinghausen mostra que cada família é de um jeito, mas o amor é sempre igual, e que respeitando as diferenças é possível ser feliz. Assuntos: solidariedade, família, afeto, diferenças Interdisciplinaridade: Língua portuguesa; Ciências sociais; Artes Temas Transversais: Ética e Cidadania; pluralidade cultural Cadê Clarisse? Sonia Rosa Ilustrado por: Luna Clarisse acabou de aprender a engatinhar e cada hora a garotinha está num lugar: debaixo da mesa, no armário, mexendo no rádio, fazendo pirraça, mandando beijinhos. A autora dessa divertida história se inspirou na própria filha para contar as estrepolias de uma pequena muito esperta e agitada. O livro tem graciosas ilustrações feitas com massinha de modelar. Assuntos: cotidiano, relacionamento familiar Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Artes Indicação: Pré-leitor (a partir dos 2 anos) Vida de criança

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Vida de criança é assim: cheia de brincadeiras, novidades, diversão... Vida de criança é coisa séria também, mas tem gente que se esquece disso. Vida de criança, escrito e ilustrado por Ingrid Biesemeyer Bellinghausen, é um alerta a pais e leitores do verdadeiro significado da infância. Assuntos: trabalho infantil, responsabilidade social Temas Transversais: Ética e cidadania Interdisciplinaridade: língua portuguesa e artes. De mãos dadas - às crianças de toda parte do mundo

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen De mãos dadas é uma adaptação da “Declaração dos Direitos da Criança”, numa linguagem simples, que pode ser compreendida pelos principais interessados: as crianças. Proclamada pela ONU em 1959, tal Declaração visa garantir uma infância digna e feliz a meninos e meninas de toda parte, sem distinção de qualquer espécie. Os dez princípios que formam o texto oficial são reproduzidos no finaldo livro. Assuntos: direitos da criança Interdisciplinaridade: História, Língua Portuguesa Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Indicação: 1ª e 2ª séries / 1º ciclo

31


Lá vai o Rui... Sonia Rosa Ilustrado por: Luna Rui queria fazer tanta coisa: jogar bola, olhar as formigas, ir à praia, tomar sorvete, andar de carrinho no mercado. e muito mais. Mas tudo fica na imaginação, porque hoje ele nem vai poder sair de casa. Com ilustrações alegres e atraentes, feitas com massa de modelar, o livro brinca com as limitações da criança quando fica doente. Assuntos: cotidiano, saúde Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências e Artes Temas Transversais: Saúde Indicação: Pré-leitor (a partir dos 2 anos)

O que cabe num livro? Ilan Brenman Ilustrado por: Fernando Vilela Neste livro o leitor é convidado para entrar no mundo do real e imaginário Assuntos: criatividade, imaginação e brincadeiras Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa e artes Temas Transversais: Ética e Cidadania Indicação: Pré-leitor - a partir dos 2/5 anos

Um gato marinheiro Roseana Murray Ilustrado por: Elisabeth Teixeira Numa tarde chuvosa, Pepe propõe a seu gato Babel uma brincadeira de piratas para acabar com o tédio. Apesar de estar chateado, Babel, mexendo seus bigodes, diz que aceita brincar. Ele começa a pensar em Sol, mar e... saborosas sardinhas. Com a poética história de Pepe e seu gato marinheiro, a criança, além de se divertir, embarcará no fantástico mundo da imaginação. Assuntos: Poesia, fantasia, mar e chuva Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciências naturais e artes Temas Transversais: Ética e meio ambiente Indicação: Pré-leitor - a partir dos 2/5 anos

Amar o Mar Silvana Pinheiro Taets Ilustrado por: Fê Quantos mistérios e encantamentos guarda o mar. Neste livro, a poesia dá vida e beleza às coisas do mar: o barco, a onda, a areia, o fruto, os peixes, o coqueiro, a conchinha, as pontes. Navegando pelos poemas e pelas ilustrações, o leitor vai descobrir amar e mar são mais que rimas. Assuntos: Poesia, ecologia, mar e vida marinha Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciências naturais e sociais Temas Transversais: Ética e meio ambiente Indicação: Pré-leitor - a partir dos 4 anos

O

32


mar de Angela Sonia Rosa Ilustrado por: Fê O mar serve aqui como metáfora da profundidade que um olhar pode ter e das emoções que é capaz de guardar e revelar. Os seres marinhos – tartarugas, estrelas-do-mar, polvos e peixes de todos os tipos – são os coadjuvantes dessa história ilustrada criativamente por Fê e que inclui adesivos. Assuntos: Poesia, ecologia, mar e vida marinha, sentimentos, amor Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciências naturais e sociais Temas Transversais: Ética e meio ambiente Indicação: Pré-leitor - a partir dos 6 anos

Aparício Sonia Rosa Ilustrado por: Lelis Aparício veio do mar. Ele não era concha, nem estrela e nem peixe. Quem o encontrou foi seu pai, que há muito o esperava, umverdadeiro presente dos céus. Por onde andava, espalhava alegria. Ele fazia milagres, mas não era santo - também subia em árvores e até brigava às vezes. Mas o tempo passou, Aparício cresceu e... Bom esta parte você descobrirá neste livro escrito por Sonia Rosa. Assuntos: Relações familiares, vida marinha, natureza Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciências naturais e sociais Temas Transversais: Ética e meio ambiente Indicação: Pré-leitor - a partir dos 8 anos

O sonho da princesa Katia Canton Ilustrado por: Renata Pedrosa Os sonhos podem ter diversos significados no imaginário do sonhante. Num conto de fadas, muitas coisas podem acontecer quando um sonho é revelado. Assuntos: contos de fadas, rituais de passagem, sonho Interdisciplinaridade: L. Portuguesa Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural

Era uma vez, era uma vez, era uma vez Maurício Cavalcanti Ilustrado por: Denise Rochael “Era uma vez...” Este texto começa como muitas outras fábulas infantis. Só que agora é um livro sem a personagem principal, é uma história que faz um convite para as crianças criarem suas próprias histórias. Assuntos: criatividade, fantasia Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa Temas Transversais: Ética Proposta : • Estimular as crianças a criar, e até a ilustrar as suas próprias histórias. Indicação: a partir de 7 anos

33


O vento Rui de Oliveira Ilustrado por: Rui de Oliveira Livro de imagens, O vento não tem mesmo necessidade de palavras. A possibilidade de leitura de suas ilustrações é um verdadeiro leque. O vento, sempre de passagem e sempre presente, leva as coisas para além da imaginação, sem dizer nenhuma palavra, assim como este livro do renomado ilustrador Rui de Oliveira. Assuntos: vento, tempo, relacionamento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa e artes Temas Transversais: Ética e cidadania

Aritana, o índio que foi à Lua Ulisses Tavares Ilustrado por: Victor Tavares Para se esconder da chuva, Aritana entra em um foguete. Dessa maneira, o pequeno índio dá a partida para que muitas aventuras aconteçam. Numa proposta interativa, o autor convida as crianças a participar da construção dessa emocionante história por meio de desenhos. O texto transmite mensagens sobre a importância da vida em comunidade e da preservação da natureza. Aspectos pouco considerados numa sociedade onde as máquinas são mais importantes que uma conversa de amigos em volta da fogueira. Assuntos: cultura indígena, ficção científica Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Ciências Naturais, História Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural, Trabalho e Consumo Proposta : • Propor uma pesquisa sobre cultura indígena. • Fazer com os alunos um levantamento sobre as palavras de origem tupi que existem no vocabulário da Língua Portuguesa Indicação: 1º ciclo

Lendas de amor dos índios brasileiros Katia Canton Ilustrado por: Lina Kim Os fenômenos da natureza, as árvores, os rios, as plantações e os animais, tudo pode ser explicado pelos índios com histórias de amor, como aquela em que a bela Naipi e seu amado Peri desafiam as tradições e o deus Cobra-grande e acabam criando as Cataratas do Iguaçu. Assuntos: Brasil, índios Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Proposta : • Propor a dramatização de uma das histórias. Antes, os alunos devem escrever o roteiro, definir as personagens e as roupas e depois encená-la. • Com Indicação: a partir de 8 anos

Japuaçu e a estrela do fogo Luciana Savaget Ilustrado por: Lina Kim O índio Esperança apaixona-se pela filha do cacique. O brilho e a felicidade desse amor são tão intensos que passam para as outras pessoas, e ninguém mais fica doente na tribo.

34


Como o pajé (curandeiro) perde a sua ocupação, resolve reverter a situação: transforma Esperança no pássaro Japuaçu e aprisiona a jovem no Sol. O canto do Japuaçu está diretamente relacionado à luz do sol: quanto mais ele canta, mais forte é o brilho do astro no céu. Assuntos: Brasil, índios Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural Indicação: a partir de 8 anos

Ajuda do Saci - Kamba'i Olívio Jekupé Ilustrado por: Rodrigo Abrahim Vera é um Kunumi que sonhava em ir para a escola dos não-índios. Queria aprender tudo que eles sabiam para poder defender o seu povo. E assim aconteceu. Mesmo com todas as diferenças, ele era o melhor aluno da sala. Mas um acidente muda o rumo dessa história. Com aquarelas de Rodrigo Abrahim, Ajuda do Saci, de Olívio Jekupé, é uma história em versão bilíngue, português e guaranu, que nos coloca em contato com a determinação e a garra dos índios. Assuntos: Brasil, índios Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural Indicação: a partir de 8 anos

Em boca fechada não entra mosca Fátima Miguez Ilustrado por: Graça Lima A boca, em rimas, trocadilhos e ditos populares, é a porta de entrada para que um pouco da trajetória do povo brasileiro seja contada. Inspirado no quadro “A Negra’’, de Tarsila do Amaral, o livro faz alusão às influências africanas na História do Brasil e usa a boca como metáfora da liberdade. Assuntos: cultura, modernismo, liberdade, história Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Proposta : • Pesquisar a vida e a obra de Tarsila do Amaral. • Incentivar a criação de provérbios e a ilustração deles. Indicação: a partir de 8 anos

Com o coração na mão Fátima Miguez Ilustrado por: Graça Lima Na cidadezinha de Brodósqui nasce o pintor – o modernista Cândido Portinari – que tem aqui a história de sua vida recontada de forma poética e inventiva. Ao mesmo tempo em que busca esquadrinhar os caminhos da inspiração do artista, o livro mostra vários de seus quadros, funcionando como uma boa introdução à obra de um dos nomes mais importantes das artes plásticas brasileiras. Assuntos: arte e pintura brasileiras, poesia Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Artes, História Temas Transversais: Ética Proposta : • Pesquisar a vida e a obra de Cândido Portinari. • Incentivar a brincadeira (Mindinho,

35


Seu- Vizinho, Pai-de-Todos, Fura-Bolo, Mata-Piolho) para esta Indicação: a partir de 8 anos

Perto dos olhos, perto do coração Fátima Miguez Ilustrado por: Graça Lima O texto poético lança um olhar sobre as obras do grande artista do modernismo brasileiro Lasar Segall A autora usa provérbios e ditos populares, que, juntamente com as telas, provocam um desnudamento dos segredos do coração. Assuntos: cultura e arte brasileira, modernismo, paisagem, pintura Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Geografia, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Proposta : • Pesquisar a vida e a obra de Lasar Segall. • Promover a visita a um museu de artes plásticas ou a algum monumento. • Incentivar a criação de texto Indicação: a partir de 8 anos

O menino que não se chamava João e a menina que não se chamava Maria Georgina Martins Ilustrado por: Victor Tavares O cenário é a cidade grande e no centro da história estão duas crianças abandonadas, que saem em busca de uma casa de chocolate. Esse conto de fadas expõe um dos maiores problemas dos grandes centros urbanos de maneira sensível, emocionante e esclarecedora. Assuntos: abandono, violência urbana, amizade, pobreza, infância Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Proposta : • Pesquisar em jornais, revistas e Internet a situação e as soluções para o problema dos menores abandonados. • Analisar e ler alguns trechos do Estatuto da criança e do adolescente Indicação: a partir de 8 anos

O menino que brincava de ser Georgina Martins Ilustrado por: Pinky Wainer 2ª Edição. Dudu gostava de brincar de ser cada dia uma pessoa diferente. Mas seus pais não gostavam nem um pouquinho dos vôos da imaginação do garoto. Esse conflito traz para a realidade das crianças a discussão de temas delicados, como o preconceito e a intolerância, e retrata as conseqüências que a falta de diálogo pode causar à vida familiar. Assuntos: preconceito, afetividade, fantasia, família, conflito Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Ciências Naturais Temas Transversais: Ética, Saúde, Orientação Sexual Proposta : • Incentivar a criação do roteiro, da montagem e a atuação dos alunos por meio de uma peça teatral sobre o tema do livro. • Promover uma discussão sobre orientação sexual. Indicação: a partir de 8 anos

36


Um barco, um avião, uma bolha de sabão Sandra Pina Ilustrado por: Rogério Coelho Um barco, um avião, uma bolha de sabão conta o dia-a-dia de três crianças que não se conhecem: Anderson, Dudu e Antônia. Os três andam sem tempo de brincar porque precisam ajudar em casa ou porque os pais trabalham demais. Apesar disso, eles desejam muito que a situação mude. Desejam tanto que acabam se encontrando num lugar especial, onde as árvores e os pássaros falam. Tudo o que eles sempre quiseram, neste lugar é possível... Mas foi só um sonho. Quer dizer, depois que voltaram para a realidade, notaram coisas diferentes e boas: os desejos se tornaram reais. Assuntos: fantasia, imaginação, brincadeiras Interdisciplinaridade: L. Portuguesa e artes Temas Transversais: Ética e cidadania

Aconteceu em Talvez Alina Perlman Ilustrado por: Dawidson França O menino Dani brincou no balanço até ir parar num lugar em que se pode fazer tudo – o país Permitido – que fica no planeta Talvez, onde também fica o país Proibido, no qual não se pode fazer nada. Essa viagem a um planeta utópico leva as crianças a refletir sobre os limites, sobre a liberdade e sobre a repressão que existem em seu próprio dia-a-dia. Assuntos: cidadania, liberdade, infância, imaginação Interdisciplinaridade: L. Portuguesa Temas Transversais: Ética Proposta : • Promover o trabalho em equipe por meio do qual cada grupo localizará um país ou estado para levantar todas as informações possíveis e depois apresentar à turma. Indicação: a partir de 8 anos

Violeta Marcia Cristina Silva Ilustrado por: Salmo Dansa Em seu jardim de sonhos, a autora Marcia Cristina Silva colheu Violeta. Mas Violeta não queria ser personagem de nenhuma história. Menina ou flor, ela tinha vida própria: como uma flor queria viver ao sabor dos ventos; como menina queria encontrar seu amor, seguindo o caminho que se coração mostrava. Mesmo assim a autora não dessitiu... de repente, Violeta entrou por uma letra e saiu antes do ponto final...E, em meios as ilustrações primaveris de Salmo Dansa, Violeta encontrou rimas no lugar das batidas de seu coração. Assuntos: língua portuguesa, artes Interdisciplinaridade: pluralidade cultural; Artes Temas Transversais: Pluralidade cultural; ética e cidadania

37


Casa Botão Hermes Bernardi Jr. Ilustrado por: Ellen Pestili A história do livro Casa Botão, inventada por Hermes Bernardi Jr., se passa na Ilha de Tecido, fica ao norte do país chamado Molde. A trama se desenvolve dentro da loja Alfinetes. A personagem principal é um botão vermelho. Diferentemente dos demais botões, Vermelho era o único assim: velho e desbotado. Os outros, não. Os outros eram bonitos, tinham família grande e alguns eram até forrados em veludo!Quando anoitece, o dono da loja nem imagina a farra que os botões fazem do lado de fora da gaveta! Participar da Parada dos botões é privilégio de poucos. Vermelho é muito tímido e está sempre isolado. Seu grande desejo é, um dia, ocupar casa em alguma saia ou pousar sobre um decote bem cavado. Era desejo de botão. Mas ele ficou esquecido na gaveta. Vermelho, tristonho, desiste de tudo, até que uma garotinha aparece na loja, desejando comprar um botão. Vermelho é o escolhido! Do lado de fora da gaveta, suas expectativas são grandes... Assuntos: língua portuguesa, artes Interdisciplinaridade: pluralidade cultural; Artes Temas Transversais: Pluralidade cultural; ética e cidadania

Gravata sim, estrela não Luciana Savaget Ilustrado por: Victor Tavares O que aconteceria se uma estrela despencasse direto no centro da cidade grande? O que diria o presidente? Qual seria a reação da população? Esse livro é uma espécie de fábula atual, que mostra o predomínio do cotidiano em detrimento da fantasia. Assuntos: língua portuguesa, artes Interdisciplinaridade: pluralidade cultural; Artes Temas Transversais: Trabalho e consumo; ética e cidadania

Asa Branca Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira Ilustrado por: Maurício Pereira Música mais gravada do repertório brasileiro, Asa Branca é uma toada baseada em velhas cantigas do folclore nordestino. Ave-símbolo da migração, ao pressentir a chegada da seca, voa para longe da caatinga, buscando sua sobrevivência em outras paragens. Da mesma forma, o nordestino parte para lugares desconhecidos, “retirando-se” da sua terra e da sua gente. Asa Branca é símbolo de tristeza e solidão e, também, de resistência e esperança. Nesta obra, a letra de Asa Branca está na versão original escrita por Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, com o linguajar específico do povo nordestino. Essa decisão editorial tem o intuito de colaborar para a permanência das diferenças culturais de cada região brasileira. É uma oportunidade de duplo aprendizado: os pais, em casa, e o educador, na escola, podem ensinar as crianças a converter os termos populares da música para a norma culta; e também exemplificar as diferenças entre a linguagem oral e a escrita. Assuntos: Seca, nordeste e migração Interdisciplinaridade: pluralidade cultural; Artes Temas Transversais: Trabalho e consumo; ética e cidadania Meu primeiro amor Rogério Andrade Barbosa Ilustrado por: Rosinha Campos

38


Em Meu primeiro amor, a trilha percorrida por dois corações que pulsaram no mesmo ritmo na época da escola se refaz 50 anos depois, no texto poético de Rogério Andrade Barbosa e nas ilustrações de Rosinha Campos. O leitor vai perceber que histórias de amor secretas, vividas no passado, ainda acontecem com os românticos dos dias atuais. Assuntos: amor, adoslencência Interdisciplinaridade: l. portuguesa, História Temas Transversais: pluralidade cultural, ética e cidadania

39


FAZER Lá vai o Rui... Sonia Rosa Ilustrado por: Luna Rui queria fazer tanta coisa: jogar bola, olhar as formigas, ir à praia, tomar sorvete, andar de carrinho no mercado. Mas tudo fica na imaginação, porque hoje ele nem vai poder sair de casa. Com ilustrações alegres e atraentes, feitas com massa de modelar, o livro brinca com as limitações da criança quando fica doente. Assuntos: cotidiano, saúde Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências e Artes Temas Transversais: Saúde Indicação: Pré-leitor (a partir dos 2 anos)

Spanimal Alina Perlman Ilustrado por: Marco Vogt Imagine um spa – aquele lugar onde as pessoas vão para perder peso e ganhar saúde – feito só para os bichos. Lá eles terão de comer como passarinhos e vão acabar andando feito baratas tontas, numa enorme confusão.Esse livro brinca com ditados populares e expressões com os nomes dos bichos, estimulando uma viagem divertida pela Língua Portuguesa Assuntos: animais, alimentação, ditos populares Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciência naturais Temas Transversais: Meio Ambiente, saúde

O armário do João-de-Barro Christina Dias Ilustrado por: André Neves João-de-Barro tem esse nome de gente, mas é um pássaro que faz sua casa em árvores. Só que o desta história resolveu construir a sua no alto de um poste, na cidade. A autora Christina Dias nos coloca lá em cima, dentro da casa desse bichinho inteligente, e, junto dele, vamos mobiliando seu lar, até a chegada do tão esperado armário. As cores e detalhes das ilustrações de André Neves completam a sutileza e a originalidade deste O armário do João-de-Barro. Assuntos: Cotidiano, segredos Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciência naturais, artes Temas Transversais: Meio Ambiente e étic Sol & Lua Nelson de Oliveira Ilustrado por: Teodoro Adorno

40


O velho que cuida do Sol é o rei da terra do Sol. A velha guardiã da Lua é a rainha do país da Lua. Os dois se detestam e morrem de inveja um do outro. Um dia, a coisa fica feia e eles partem para a grosseria. Na briga, Sol e Lua escapam de suas mãos e passam a se alternar no céu. No final, os velhos acabam fazendo as pazes e passam os dias e as noites vendo o pôr-do-sol e o nascer da lua. Nelson de Oliveira rejeita o maniqueísmo, criando uma história inteligente com personagens profundamente humanos. Assuntos: Inveja, violência, reconciliação, formação pessoal Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências Naturais, Arte Temas Transversais: Meio Ambiente, Ética.

O que cabe no bolso? Roseana Murray Ilustrado por: Ana Raquel O que cabe no bolso? Uma semente cabe e um raio de sol, um pouco de chuva, uma luva azul. O que cabe no bolso? é um livro poético e inspirador que transporta a criança para um mundo cheio de fantasias e encanto. Nesta obra Roseana Murray usa o bolso como metáfora para falar da nossa capacidade de imaginar e tornar real os nossos mais belos desejos. Assuntos: encantamento, deslumbramento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte Temas Transversais: Ética Indicação: Leitor Iniciante

Dadá, a mulher de Corisco Luciana Savaget Ilustrado por: Miadaira Dadá esbanjava coragem de homem sem nunca deixar de ser feminina. De menina assustada passou a mulher destemida, ao lado dos cangaceiros, em suas fugas intermináveis pela caatinga. Mesmo vivendo sob tiros e cheiro de pólvora, teve sete filhos e foi capaz de fazer moda, costurando famosos bornais usados pelo cangaceiros. Assuntos: cultura nordestina, biografia Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte e história Temas Transversais: Ética e cidadania, pluralidade cultural Indicação: Leitor em processo

O amor de Maria, a Bonita Luciana Savaget Ilustrado por: Miadaira Maria levava a vida como qualquer mulher de seu tempo. Até o dia em que conheceu Lampião, o rei do cangaço. Percebeu que estava diante de seu verdadeiro amor e resolveu partir com ele. A história de Maria Bonita revela um pouco da face injusta do sertão nordestino e lança luz sobre acontecimentos históricos que raramente aparecem nos livros. Assuntos: cultura nordestina, biografia Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte e história Temas Transversais: Ética e cidadania, pluralidade cultural Indicação: Leitor em processo

41


O amor de Virgulino, Lampião Luciana Savaget Ilustrado por: Miadaira A história desse cangaceiro dá origem a muitas lendas. Elas foram criadas no Nordeste e se espalharam para as demais regiões brasileiras. Em sua vida, Lampião não conheceu apenas o sofrimento e a violência. O amor compartilhado por ele e Maria Bonita foi arrebatador.Isso prova que alguns encontram um companheiro para sempre:seja na terra, no céu ou no inferno. Assuntos: cultura nordestina, biografia Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte e história Temas Transversais: Ética e cidadania, pluralidade cultural Indicação: Leitor em processo

Alberto que era Santos Dumont Marina Franco Ilustrado por: Omar Grassetti Quando voou pela primeira vez Santos Dumont ainda era Dudu; ele tinha apenas oito anos e contou com a ajuda de um guardachuva! A aventura resultou em três meses com uma tala no braço. Em Alberto que era Santos Dumont, Marina Franco mostra um Santos Dumont à frente de seu tempo. Bom, pelo menos na imaginação... Enquanto ele pensava em voar, aparelhos domésticos como o fogão, a geladeira e o aparelho de som nem existiam. Curioso, decidiu fazer seu próprio balão e depois de longas tentativas, construções e reconstruções, criou o famoso 14 bis. A imagem mais conhecida do pai da aviação, sério e com chapéu na cabeça, está aqui, em forma de desenho, junto de um Santos Dumont criança e adolescente, inventados por Omar Grassetti. Assuntos: aviação, biografia, invenções Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História, Artes Temas Transversais: Ética, Trabalho e Consumo Indicação: Leitor em processo - a partir dos 8/9 anos

Iberê menino André Neves e Christina Dias A obra artística do pintor e gravurista Iberê Camargo é carregada de memória, pinceladas no principal universo resgatado pelo artista: o passado, e dentro dele, a infância. Entre seus olhares, André Neves e Christina Dias encontraram ali, vozes do que foi o seu imaginário. Em Iberê-Menino, juntos, a quatro mãos, os dois pesquisaram textos, imagens e histórias para reiventar sua memória lúdica, possibilitando aos leitores outras perspectivas sobra a vida e outras histórias sobre a arte de Iberê Camargo. Assuntos: biografia, biografia, gravura Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte e história Temas Transversais: Ética e cidadania, pluralidade cultural Indicação: Leitor em processo

42


Mestre Lisboa - O Aleijadinho Ilustrado por: Nelson Cruz Este livro revela a trajetória de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, maior artista do barroco mineiro, permeada por importantes passagens da história do Brasil, seus costumes e cultura. Uma história de talento e superação, uma viagem através da História e da Arte num livro para todas as idades. As preciosas ilustrações de Nelson Cruz apresentam cenas cotidianas, detalhes de escultras, ferramentas e objetos de época em amarelos e vermelhos luminosos e vibrantes. Assuntos: biografia, historia, escultura Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte e história Temas Transversais: Ética e cidadania, pluralidade cultural Indicação: Leitor em processo

Sebastiana e Severina André Neves Ilustrado por: André Neves Um caso de amor e desamor leva duas grandes amigas a uma disputa desmedida por um pretendente. O cenário é a região nordeste do Brasil. A emoção, a inveja e o feitiço são os temperos dessa história, que resgata elementos da cultura do sertão brasileiro e ressalta a importância da amizade. Assuntos: narrativas populares, artesanato, cultura nordestina Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Geografia, História, Arte Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural Proposta : • Dividir a classe em grupos, para que os alunos discutam sobre qual seria a “moral” da história das amigas rendeiras. • Pesquisar as diferentes formas de expressão artística presentes nas regiões brasileiras, principalmente naquela onde as crianças vivem.

Maria Peçonha André Neves Ilustrado por: André Neves Maria foi uma artista popular que entre remendos de tecidos, agulhas e linhas, costurou bonecas de pano e a própria vida. Dedicada ao artesanato, não foi essa arte que a fez admirada pelos moradores da pequena Alegrete, no sul do Brasil, mas uma façanha inexplicável: onde ela urinava, nasciam flores. E assim passou a ser chamada de Maria Flor. Assuntos: Cultura popular, folclore Interdisciplinaridade: Literatura, Língua Portuguesa, História, Geografia Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Indicação: Leitor em processo (8/9 anos)

A festa da princesa, que beleza! Elias José Ilustrado por: Rosinha Campos Uma linda princesa foi encantada numa gruta por onde passavam muitos viajantes. A todos pedia para ser desencantada. Para isso

43


as provas eram duríssimas e todos desistiam em meio a muita dor e sofrimento. João é o único que passa pelos três dias de torturas Ele, então, desencanta a princesa que fica a ele prometida se ele bem se educar: deveria estudar muito, inclusive a linguagem dos pássaros. Uma velha professora o ajuda, mas o trai ao querê-lo como marido de uma de suas filhas. João foge em busca do reino de Bambuluá. Três homens mais velhos, que sabiam a linguagem dos pássaros, tentam ajudá-lo, mas é um velho urubu - alimentado por João para voltar a voar - que o leva, em meio a chamas do inferno, para o reino desejado de belos palácios. Lá, João apresenta sua música, mostra todo seu saber; é reconhecido pela princesa e acolhido pelo rei: a festa do casamento é a mais bela de que já se ouviu falar! Assuntos: Cultura popular, folclore Interdisciplinaridade: Literatura, Língua Portuguesa, História, Geografia Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Indicação: Leitor em processo (8/9 anos)

Arquitetura Aventura Katia Canton Sabe aquela casa na árvore que você sempre sonhou em ter? Ela tem tudo a ver com arquitetura. E aquela cabana feita com lençóis e cadeiras, a casinha do cachorro, a casa de bonecas? Sem querer você também faz arquitetura brincando. Em Arquitetura aventura, Katia Canton convida o leitor a descobrir lugares e símbolos da arquitetura mundial e brasileira de maneira divertida. Assuntos: arquitetura, artes Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Artes, historia Temas Transversais: Ética e cidadania, pluralidade cultural e meio ambiente

Escultura aventura Katia Canton Ilustrado por: Gal Oppido (fotos) Você sabe o que é escultura? Neste livro o leitor vai se aventurar pelo mundo mágico da arte, percorrendo desde a Pré-história até aquilo que podemos chamar de pós-modernidade. Descobrir que as esculturas podem ser vistas, tocadas, sentidas, vestidas, cheiradas, enfim, que sempre surpreendem. Assuntos: Arte Interdisciplinaridade: Arte, História Temas Transversais: Pluralidade Cultural

Pintura Aventura Katia Canton Você já pensou em se aventurar pelo mundo da pintura? Mergulhe nesta experiência descobrindo um pouco mais da história da arte com Pintura Aventura, de Katia Canton. Você conhecerá pintores, suas obras e movimentos artísticos de várias épocas. De pinturas em paredes de cavernas a Tarsila do Amaral. prepare-se com tintas de várias cores e libere o artista que existe dentro de você. Assuntos: Arte

44


Interdisciplinaridade: Arte, História Temas Transversais: Pluralidade Cultural

Será uma vez Ulisses Tavares Ilustrado por: Ricardo Gibbons Um escritor mostra como é possível construir histórias diferentes para o simpático Jorge, um menino que existe na imaginação de seu criador. O livro expõe as diferentes possibilidades de uma narrativa e, assim, estimula a imaginação das crianças, incentivando-as a criar suas próprias histórias. Assuntos: imaginação, criatividade Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética Proposta : • Promover um debate sobre o uso da tecnologia no nosso dia-a-dia. • Incentivar os alunos a inspirados no livro, escrever e ilustrar suas próprias histórias. Indicação: a partir de 7 anos

Brasil, olhar de artista Katia Canton O que é o Brasil? Essa pergunta é respondida nesse livro pela ótica dos artistas que esculpiram, pintaram e até bordaram cenas brasileiras. A reprodução dessas obras vai mostrando pouco a pouco várias das inúmeras faces do país – sua gente, sua terra, seu espírito –, incentivando o leitor a, desde cedo, familiarizar-se e ter contato com manifestações artísticas. Assuntos: Brasil, artes visuais Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Proposta : • Promover um encontro entre as crianças e um artista, de preferência no seu ambiente de trabalho, para que os alunos possam conhecê-lo e até entrevistá-lo. Indicação: a partir de 8 anos

Natureza Olhar de Artista Katia Canton Natureza Olhar de Artista coloca em foco a natureza, apresentando ao leitor importantes obras de arte por meio da visão de diferentes artistas. Exaltando e valorizando suas belezas, evidenciando sua força ou apontando para o perigo da destruição, artistas de diversas origens e vertentes têm se interessado por esse tema,

45


representando-o, ao longo dos séculos, numa diversidade de olhares e de linguagens. Assuntos: Brasil, artes visuais Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural

Janela mágica Alécio Alencar Ilustrado por: Mário do Amaral Coleção Papo Dez. Carlos vive em função da TV e acredita que a vida gira em torno do que ela apresenta. Afasta-se das pessoas, até um dia em que os amigos o ajudam a libertar-se. Assuntos: televisa, publicidade, consumo, alienação Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, ciências Temas Transversais: Ética, trabalho e consumo

Só se o computador deixar Anthero Luz Ilustrado por: Mário do Amaral Coleção Papo Dez. Depois que ganhou um computador de seu pai, André vive conectado à Internet. Passou a relacionar-se com o mundo, por meio da tela do computador. Assuntos: cidadania, informática Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História, Ciências Naturais Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural, Trabalho e Consumo

A pior banda do mundo Jéfferson Assunção Ilustrado por: Mário do Amaral Coleção Papo Dez. Um grupo de amigos resolve montar uma banda, mas eles não se dedicam a aprender a tocar e espalham para todos na escola que são uma banda à beira do sucesso. Assuntos: perseverança, música Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética

46


Quem não lê não vê Paulo Bentancur Ilustrado por: Mário do Amaral Coleção Papo Dez. A fascinante história de Iris, que vive num ambiente onde todos valorizam a leitura, a música e outras formas de expressão artística, e de Maurício, que lê apenas os livros obrigatórios da escola. Assuntos: amizade, leitura, descobertas Interdisciplinaridade: L. Portuguesa Temas Transversais: Ética e cidadania

De cara suja Raimundo Fontenele Ilustrado por: Mário do Amaral Coleção Papo Dez. Alguns colegas se unem para consumir drogas. Mas muitas coisas acontecem... Depois de viverem aventuras e desventuras, descobrem um mundo muito diferente. Assuntos: família, drogas Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Ciências Naturais Temas Transversais: Ética, Saúde, Trabalho e Consumo

Paisagens brasileiras Fátima Miguez Ilustrado por: Pedro Rafael São 20 poemas que retratam o Brasil, seu povo e suas tradições, num interessante diálogo da palavra com as paisagens dos quadros modernistas. Além da magia de seus versos, Fátima Miguez leva ao leitor um pouco da história do movimento que revolucionou as artes brasileiras no início do século XX. No final do livro, há um apêndice com as biografias dos pintores e comentários da autora sobre os quadros utilizados.Obras dos artistas Tarsila do Amaral, Candido Portinari e Lasar Segall inspiram e ilustram este livro. Assuntos: Modernismo, arte e pintura brasileiras Interdisciplinaridade: Arte, Língua Portuguesa, História, Geografia Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural

47


Ai de ti, Tietê Rogério Andrade Barbosa Ilustrado por: Marcelo D'Salete Um grupo de alunos reúne-se para realizar uma pesquisa escolar sobre o Rio Tietê. O que antes parecia uma atividade pouco interessante torna-se uma descoberta deslumbrante, na qual passado, presente e futuro se mesclam, projetando um universo absolutamente realístico, mas não menos romântico. A fluidez do texto e a originalidade das ilustrações, aliadas a uma criteriosa pesquisa iconográfica, vão levar os jovens leitores a se aventurar nas águas do Rio Tietê. Assuntos: ambiente, preservação, rio Tietê Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, geografia e ciências naturais Temas Transversais: Pluralidade Cultural e meio ambiente S.O.S A vida pede socorro Tiago de Melo Andrade Num momento oportuno, Tiago de Melo Andrade aborda questões como o aquecimento global e dá dicas sutis, mas que fazem diferença, para o leitor cuidar do planeta Terra. S.O.S - a vida pede socorro é uma ficção hilária ao mesmo tempo séria - quando se tratados cuidados com o futuro da biodiversidade. Assuntos: ambiente, preservação Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, geografia e ciências naturais Temas Transversais: Pluralidade Cultural e meio ambiente

Os alimentos e o mundo Quem se alimenta e quem tem fome? Como se tornar saudável e viver mais, cuidados com o solo, as plantações e o meio ambiente, a água e a irrigação, a comida orgânica e a transgênica são alguns temas apresentados neste livro altamente ilustrado. O capítulo final indica projetos interessantes, que podem ser desenvolvidos pelo estudante. Assuntos: escassez de alimento, questões ambientais Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, geografia e ciências naturais Temas Transversais: Ética, meio ambiente, trabalho e consumo, saúde Reciclagem O que é reciclagem e por que devemos reciclar? Para onde vai o lixo? Quanto tempo leva para cada tipo de detrito se dissolver? O desperdício e a reutilização de materiais. Reciclagem de água, vidro, papel, metal, plástico e roupas. Dicas de reutilização de embalagens, roupas e objetos e uma proposta de reciclagem para o leitor completam esta obra fundamental. Assuntos: poluição, Reciclagem Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, geografia e ciências naturais Temas Transversais: Ética, meio ambiente, trabalho e consumo, saúde

48


CONVIVER Fica comigo Georgina Martins Ilustrado por: Elisabeth Teixeira O motivo pode ser um dragão, uma bruxa ou simplesmente a escuridão, mas a exclamação é a mesma: mamãe, estou com medo! A partir dessa frase tão corriqueira na relação entre mãe e filho, a autora constrói um relato cheio de sensibilidade, retratando um problema comum na vida das famílias de hoje. Assuntos: relacionamento familiar, afetividade Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciências sociais Temas Transversais: Ética e cidadania

Cada família é de um jeito Aline Abreu Ilustrado por: Aline Abreu Família, não tem duas iguais. E não tem mesmo! Em Cada família é de um jeito, Aline Abreu mostra de uma maneira poética, colorida e singela as variadas famílias, que nem sempre são só de mãe, pai e irmão. Assuntos: relacionamento familiar, afetividade Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciências sociais Temas Transversais: Ética e cidadania Histórias de amizade

Disney Em Histórias de Amizade aprendemos com Pooh e sua turma a importância dos amigos em nossas vidas. Estejamos felizes ou tristes, não há nada como um bom ombro amigo para dividir nossas alegrias ou procurarmos confortos. Um mundinho para todos

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Era uma vez um mundinho em que cada habitante tinha um jeito de ser bem diferente do outro: uns viviam no norte e gostavam de andar descalços; outros no sul e adoravam tomar chocolate quente; alguns não enxergavam muito bem e precisavam de ajuda. Assuntos: cidadania,diferenças, respeito Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciências naturais Temas transversais: Ética e Cidadania.

49


Vamos abraçar o mundinho

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen Ilustrado por: Ingrid Biesemeyer Bellinghausen No mundo moderno as coisas evoluem rapidamente e a natureza acaba sendo degradada em nome do progresso. Dar as mãos e fazer um trabalho em conjunto para a melhoria da saúde de nosso planeta é como um verdadeiro abraço que, se for dado com carinho pelas crianças, possibilitará a essa geração ter uma vida mais feliz e saudável e ao mundinho também. Assuntos: reciclagem, ecologia, lixo Interdisciplinaridade: Ciências Naturais, L. Portuguesa Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Saúde Proposta: • Criar com as crianças uma campanha sobre a importância de manter a escola limpa. • Propor a criação de brinquedos com sucata. Fazer uma exposição dos trabalhos realizados pelos alunos.

Medo de quê Flávia Côrtes Ilustrado por: Ivan Zigg A menina desta história tem tanto, mas tantos medos que se assusta com sua própria sombra. Todo mundo tem medo de alguma coisa. Mas por quê? Flávia Côrtes, em Medo de quê?, não responde a essa pergunta, mas questiona a personagem medrosa e, conseqüentemente, o pequeno leitor. As ilustrações de Ivan Zigg combinam humor e fobia de maneira encantadora. Assuntos: relacionamento familiar, afetividade Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, ciências sociais Temas Transversais: Ética e cidadania

Papai é quase um herói! Aline Abreu Ilustrado por: Aline Abreu Em Papai é quase um herói!, Aline Abreu apresenta com sensibilidade o carinho de um pai protetor e uma filha que o ama e admira. O pai tenta mostrar para a filha que ele é igual a todo mundo, mas, para ela, ele é muito mais do que pai, ele é um SUPER-herói. Pra começar, meu pai é SUPER-forte! Com um braço só, ele me levanta e me faz voar! Divirta-se com esta história e descubra por que , na verdade, papai é quase um herói! Assuntos: afetividade, convivência Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética Indicação: Pré-leitor

50


Mamãe sabe quase tudo! Aline Abreu Ilustrado por: Aline Abreu O mito de que a mãe da gente sabe tudo: quando vai chover; fazer a comida mais gostosa; pentear-se como nenhuma outra mulher; cuidar da casa, filhos e marido, ao mesmo tempo, e ainda trabalhar fora, é retratado com sensibilidade e inteligência pela autora em Mamãe sabe quase tudo! Assuntos: afetividade, convivência Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética, pluralidade cultural Indicação: Pré-leitor

Ana e Ana Célia Cristina Ilustrado por: Fê Irmãs gêmeas podem ser idênticas a ponto de as pessoas acharem que uma é a outra e vice-versa. Na verdade, cada qual tem um gosto distinto e sente o mundo a seu modo. Porém, a fase adulta mostra caminhos diferentes para duas pessoas tão parecidas. Nem sempre o irmão é aquele com quem parecemos fisicamente. Ele pode ser encontrado num “primo gêmeo”, numa “amiga gêmea” e em tantas outras almas. Assuntos: afetividade, relacionamento familiar Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Arte Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Proposta : • Aproveitar que a obra trata de diferenças de comportamento, gosto etc. para discutir com seus alunos a importância de respeitar as ideias e opiniões alheias. Indicação: Educação Infantil

Num marte pequenininho Glaucia de Souza Ilustrado por: Cristina Biazetto Parados, cada qual em seu cantinho, estavam a marciana e o marciano, únicos habitantes de um marte bem pequenininho. Vizinhos em um mesmo planeta, mas sem jamais se encontrar. Muitas vezes, o comodismo traz como conseqüência a solidão e o arrependimento. Esse é o tema de Num marte pequenininho. Assuntos: astronomia, convivência Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Ciências Naturais Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural Proposta : • Caso seja possível, propor uma visita monitorada a um observatório. • Propor que as crianças criem um outro final para a história

A gente pode... A gente não pode... com 3 ou 4 anos Anna Claudia Ramos Ilustrado por: Ana Raquel O que uma criança com 3 ou 4 anos de idade pode fazer? E o que ela não pode? Para tentar esclarecer essas questões, Anna Claudia Ramos foi ouvir o que pensam meninos e meninas dessa faixa etária. As respostas das crianças sobre seus próprios limites foram reunidas num livro estimulante e atraente, que poderá ser utilizado por pais e educadores para divertir e educar a garotada.

51


Assuntos: Relacionamento familiar, cotidiano Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa Temas Transversais: Ética Indicação: Educação Infantil

A gente pode... a gente não pode... Com 5 ou 6 anos Anna Claudia Ramos Ilustrado por: Ana Raquel Esse livro surgiu de um bate-papo em sala de aula com crianças de 5 e 6 anos sobre seu cotidiano, sobre o que podem e o que não podem. Com uma diagramação original e divertida, que permite a leitura a partir de qualquer uma das capas (de um lado o que pode, do outro o que não pode), o texto propõe uma discussão sobre os limites pela ótica das próprias crianças.

Assuntos: relacionamento familiar, cotidiano, infância, responsabilidade, liberdade Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa Temas Transversais: Ética Indicação: a partir de 5 anos

A gente pode... A gente não pode... Com 7 ou 8 anos Anna Claudia Ramos Ilustrado por: Ana Raquel Este outro livro enfoca atividades diárias de crianças maiores. O estilo é o mesmo, mas os “podes” e os “não podes” são mais difíceis, pois agora as crianças já estão mais amadurecidas e com mais responsabilidades. É uma simpática narrativa permeada por ilustrações extremamente coloridas que reforçam a proposta do texto. Inclui o jogo do pode-não-pode. Assuntos: relacionamento familiar, cotidiano, infância, responsabilidade, crescimento Interdisciplinaridade: L. Portuguesa Temas Transversais: Ética Indicação: a partir de 7 anos

Os desenhos mágicos Katia Canton Ilustrado por: Sandra Cinto Ter maturidade e capacidade de decidir são requisitos na sucessão de um reinado. Transferir as próprias tarefas a outra pessoa pode não ser a forma mais adequada de assumir o reino, porém, muitas coisas podem mudar quando a consciência é despertada. Assuntos: contos de fadas, rituais de passagem Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História, Arte Temas Transversais: Ética Proposta : • Pedir às crianças que criem desenhos a partir das formas geométricas utilizadas para ilustrar a obra. Organizar os trabalhos em um painel a ser exposto na sala de aula

52


A voz da floresta - anuncia eleições dos bichos Alina Perlman Ilustrado por: Biry Sarkis Os animais da floresta estavam enlouquecidos. Não era para menos. Eles estavam O atual governador da selva era Tião Leão que, com o passar das luas, deixou de cuidar da população como devia. Foi então que os bichos criaram coragem, começaram a criticar o governo e a mostrar seu desagrado... Assuntos: Democracia, cidadania, eleições Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, história Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente

Mucky Lívia Botar Ilustrado por: Rogério Coelho Mucky foi o sagui inspirador dessa história e, também, da ONG que leva seu nome. Sua trajetória não foi diferente da de outros saguis que foram retirados de seu habitat natural: viveu em locais impróprios, comeu alimentos inadequados e teve vários donos. Apesar de tantos tormentos, Mucky teve sorte de ir parar nas mãos de uma pessoa muito especial que cuidou dele com carinho e que, sensibilizada, criou uma ONG que protege e recupera saguis. Assuntos: saguis, preservação das espécies Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências, Geografia Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente Indicação: Leitor em processo

Sinto cheiro de pão quente Alina Perlman Ilustrado por: Ana Raquel Uma menina sai de casa para passear na mata quando sente um cheirinho de pão quente. Pão quente no meio da mata? Para solucionar esse dilema, a garota desenha uma casinha no ar com o dedo e descobre que o cheiro vem da cozinha da casa, onde encontra uma montanha de pães quentinhos, de todos os formatos: carrinho, castelo, coração, sapato etc. O cheiro é bom, mas o gosto é melhor ainda... Depois da fome vem a sede. E a menina logo providencia uma fonte de leite que brota no meio da sala. E assim ela vai criando as mais diversas peripécias, satisfazendo os seus desejos e a sua imaginação, enfrentando as maiores dificuldades que consegue resolver. Assuntos: criatividade, fantasia Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética Indicação: a partir de 7 anos

53


A princesa Anastácia Elma Ilustrado por: Elma Quando Anastácia era pequena lhe deram um mundo em preto-ebranco. Desde então vive entre tons acinzentados. Ela sabe que existe uma diversidade de cores e tem até uma predileta, mas só a vê quando fecha os olhos. Para não perder seu tom de cor preferido, desceu as escadarias do castelo, atravessou muros e portões de ferro. Não contente em alcançar sua cor, agora ela quer misturá-la no mundo todo! Assuntos: cores, superação, encantamento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética e cidadania, pluralidade cultural

Brasileirinho - História de amor do Brasil Ieda de Oliveira Ilustrado por: Luís Dias Quando os portugueses desembarcaram no Brasil, há quinhentos anos, encontraram os índios e depois disso nunca mais parou de chegar gente diferente ao país. Essa é a divertida e criativa história desse livro: a formação cultural do povo brasileiro contada em versos e música. Assuntos: reflexão, amizade, História, povo, cultura, Brasil Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Artes, História Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Proposta : • Incentivar as crianças a montar seus próprios instrumentos musicais com sucatas. • Fazer a árvore genealógica da família e verificar a origem dos antecedentes. Indicação: a partir de 7 anos

Bruxa e fada, menina encantada Ieda de Oliveira Ilustrado por: Pinky Wainer No reino das fadas vivia Mabi, uma fadinha diferente, questionadora: queria saber por que lá não havia bruxas. O mesmo acontecia com a bruxinha Sombria, do reino das bruxas. As duas se encontram na floresta, ficam amigas e são surpreendidas pela Grande Fada e pela Grande Bruxa, que tentam convencê-las de que é impossível os dois mundos se misturarem: isso só acontece entre os seres humanos. Para provar do que são capazes, as líderes mostram magias e feitiços, que deixam as jovens apavoradas. Assuntos: ser x estar, rigidez x flexibilidade, fadas, magia, amizade Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Artes Temas Transversais: Ética Indicação: a partir de 6 anos

54


Dança na praça Jonas Ribeiro Ilustrado por: André Neves Zezinho e Flor estão famintos e observam o vendedor de algodão-doce afastarse da praça. De repente, ao ouvir a música contagiante de um realejo, as crianças esquecem a fome e começam a dançar. A alegria é tanta que logo uma porção de gente, animais e coisas começam a dançar com elas na praça. Este criativo livro mostra ao pequeno leitor o grande prazer que as coisas simples podem proporcionar. Assuntos: amizade, solidariedade Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Indicação: 1ª e 2ª séries / 1º ciclo

Magnólia Luciana Savaget Ilustrado por: Rui de Oliveira Magnólia é uma estrela-flor inventada por Rui de Oliveira e Luciana Savaget para encantar o mundo dos sonhos dos leitores. Livre, essa estrela-flor flutua ao sabor dos ventos; não duvida do que encontra a cada pouso e segue rolando, dançando... É assim que acaba conhecendo as letras, as cores e a música. Magnólia é um convite ao pequeno leitor para que sonhe, também, acordado. Assunto: fantasia, encantamento Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Arte Temas Transversais: Ética e cidadania

A menina que tinha um céu na boca Júlio Emílio Braz Ilustrado por: Ivan Zigg Quando soube que tinha um céu na boca, a menina não parou mais de colocar coisas nele - Sol, nuvens, estrelas, passarinhos etc. O único problema é que ninguém lhe dava atenção nem queria ver o que tinha dentro de sua boca. Com uma linguagem poética e o uso do sentido figurado das palavras, este livro estimula a imaginação da criança. Assuntos: fantasia, criatividade Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa Temas Transversais: Ética

55


Aritana, o índio que foi à Lua Ulisses Tavares Ilustrado por: Victor Tavares Para se esconder da chuva, Aritana entra em um foguete. Dessa maneira, o pequeno índio dá a partida para que muitas aventuras aconteçam. Numa proposta interativa, o autor convida as crianças a participar da construção dessa emocionante história por meio de desenhos. O texto transmite mensagens sobre a importância da vida em comunidade e da preservação da natureza. Aspectos pouco considerados numa sociedade onde as máquinas são mais importantes que uma conversa de amigos em volta da fogueira. Assuntos: cultura indígena, ficção científica Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, Ciências Naturais, História Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural, Trabalho e Consumo Proposta : • Propor uma pesquisa sobre cultura indígena. • Fazer com os alunos um levantamento sobre as palavras de origem tupi que existem no vocabulário da Língua Portuguesa Indicação: 1º ciclo

Lendas de amor dos índios brasileiros Katia Canton Ilustrado por: Lina Kim Os fenômenos da natureza, as árvores, os rios, as plantações e os animais, tudo pode ser explicado pelos índios com histórias de amor, como aquela em que a bela Naipi e seu amado Peri desafiam as tradições e o deus Cobragrande e acabam criando as Cataratas do Iguaçu. Assuntos: Brasil, índios Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História, Artes Temas Transversais: Ética, Pluralidade Cultural Proposta : • Propor a dramatização de uma das histórias. Antes, os alunos devem escrever o roteiro, definir as personagens e as roupas e depois encená-la. Indicação: a partir de 8 anos

Japuaçu e a estrela do fogo Luciana Savaget Ilustrado por: Lina Kim O índio Esperança apaixona-se pela filha do cacique. O brilho e a felicidade desse amor são tão intensos que passam para as outras pessoas, e ninguém mais fica doente na tribo. Como o pajé (curandeiro) perde a sua ocupação, resolve reverter a situação: transforma Esperança no pássaro Japuaçu e aprisiona a jovem no Sol. O canto do Japuaçu está diretamente relacionado à luz do sol: quanto mais ele canta, mais forte é o brilho do astro no céu. Assuntos: Brasil, índios Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural Indicação: a partir de 8 anos

56


Aconteceu em Talvez Alina Perlman Ilustrado por: Dawidson França O menino Dani brincou no balanço até ir parar num lugar em que se pode fazer tudo – o país Permitido – que fica no planeta Talvez, onde também fica o país Proibido, no qual não se pode fazer nada. Assuntos: cidadania, liberdade, infância, imaginação Interdisciplinaridade: L. Portuguesa Temas Transversais: Ética Proposta : • Promover o trabalho em equipe por meio do qual cada grupo localizará um país ou estado para levantar todas as informações possíveis e depois apresentá-los. Indicação: a partir de 8 anos

O Zelador de Sonhos Regina Gulla Ilustrado por: Ionit Zilberman O zelador de sonhos desta história não usa calça, camisa e nem gravata. Ele é assim: todo colorido. Apareceu na noite de gelo que se fez de repente dentro de Gabriel, quando seus pais foram cada um para um lado. De poesia e prosa se faz o texto de Regina Gulla sobre um assunto tão delicado para as crianças: a separação dos pais. As ilustrações de Ionit Zilberman levam o leitor para os sonhos de Gabriel, sem que o menino perceba. Assuntos: sonhos, separação dos pais Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa Temas Transversais: Ética e cidadania, pluralidade cultural Indicação: A partir de 6/7 anos

Meu primeiro amor Rogério Andrade Barbosa Ilustrado por: Rosinha Campos Em Meu primeiro amor, a trilha percorrida por dois corações que pulsaram no mesmo ritmo na época da escola se refaz 50 anos depois, no texto poético de Rogério Andrade Barbosa e nas ilustrações de Rosinha Campos. Assuntos: amor, adoslencência Interdisciplinaridade: l. portuguesa, História Temas Transversais: pluralidade cultural, ética e cidadania

57


As descobertas de Paulinho na Metrópole Marina Franco Ilustrado por: Marcelo D'Salete Quer conhecer a cidade de São Paulo, seus principais pontos turísticos? Pegue uma carona no skate de Paulinho, que o levará num passeio por essa cidade que nunca pára e traz em cada canto uma história surpreendente. Assuntos: aventura, cidade de São Paulo Interdisciplinaridade: História, Geografia Temas Transversais: Pluralidade cultural, Arte Indicação: 2º ciclo

Caminhando em paz Anthero Luz Ilustrado por: Mário do Amaral Coleção Papo Dez. Como é exercer a cidadania em nosso dia-adia? A cidadania é um conceito que cada um de nós pode construir por meio de novas atitudes em nosso cotidiano. Assuntos: cidadania, responsabilidade Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História Temas Transversais: Ética

O grande culpado Renan Arco-Verde Ilustrado por: Mário do Amaral Coleção Papo Dez. Marcelo e Eduardo vão votar pela primeira vez. Eles sabem a importância desse ato e participam de discussões sobre política, envolvendo-se na campanha e em outras atividades. Assuntos: eleições, cidadania Interdisciplinaridade: L. Portuguesa, História Temas Transversais: Ética

58


Por que... não posso ter o que quero? Alina Perlman Ilustrado por: Freddy Galán Marco está prestes a fazer aniversário. Ele pede presentes inacessíveis aos pais. Quando encontra Jefferson, um menino muito pobre, Marco descobre uma realidade e um sonho bem diferente do seu: comer bastante, “até estourar”. Assuntos: solidariedade Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, História Temas Transversais: Ética, Trabalho e Consumo, Pluralidade Cultural

Zagaia Allan Santos da Rosa Ilustrado por: Marcelo D'Salete Zagaia é um moleque-rapaz que saiu de Minas Gerais com a família e foi viver em São Paulo. Ao chegar aqui se depara com cantos, seres e perguntas nunca imaginadas. É na cidade grande que Zagaia passa por duras provas, amadurece e alimenta o espírito com 'chás amargos' e 'frutos de casca grossa'. Para escrever Zagaia o autor utilizou-se da literatura de cordel. Assuntos: cultura, migração, cordel Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, História Temas Transversais: Ética, Trabalho e Consumo, Pluralidade Cultural

Vida na cidade Mônica Jakievicius Ilustrado por: Félix Reiners série ambientes. Quem mora em cidade não costuma prestar muita atenção a vida ao seu redor. Um pouco de observação revela um mundo de pássaros, plantas e insetos que convivem com a população e podem tornar o dia-a-dia das pessoas mais feliz ou triste. Esse livro ensina a olhar para as diversas formas de vida que rodeiam as crianças com mais cuidado e preocupação, apresentando importantes conceitos do conservacionismo e equilíbrio ecológico. Assuntos: poluição, urbanização Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, geografia e ciências naturais Temas Transversais: Ética, meio ambiente, saúde

59


Vida na floresta Mônica Jakievicius Ilustrado por: Félix Reiners série ambientes. A Mata Atlântica, que já cobriu uma vastíssima parcela do litoral brasileiro, é a personagem principal desse livro, com flora e fauna riquíssimas, onde vivem tamanduás, micos, tatus e muitos outros animais. O grande problema é que essa maravilha natural está ameaçada pelo homem.Esse livro coloca em pauta a questão da preservação, da conservação ambiental e sua importância para o futuro das novas gerações. Assuntos: poluição, urbanização Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, geografia e ciências naturais Temas Transversais: Ética, meio ambiente, saúde Vida no campo Mônica Jakievicius Ilustrado por: Félix Reiners série ambientes. Agrotóxicos, agroecologia, alimentos orgânicos ou transgênicos, biotecnologia, reciclagem. Assuntos: conservação, recursos naturais Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências Naturais, Geografia Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Saúde Indicação: a partir de 8 anos

Vida no jardim Mônica Jakievicius Ilustrado por: Félix Reiners série ambientes. Árvores como jabuticabeiras e manacás, flores como orquídeas e bromélias, insetos como abelhas, borboletas e joaninhas: é incrível a quantidade de vida que pode ser encontrada numa pequena área verde. Esse livro conta como é a vida num jardim e como todos os seres que o habitam se relacionam, trazendo para o mundo infantil as primeiras noções de ecologia. Assuntos: conservação, recursos naturais Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências Naturais, Geografia Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Saúde Indicação: a partir de 8 anos Vida no mar Mônica Jakievicius Ilustrado por: Félix Reiners Com a ajuda de uma baleia jubarte, o leitor vai conhecer um pouco dos seres que vivem ao longo do imenso litoral brasileiro. Também os principais ambientes: estuários, ilhas, manguezais, restingas, praias, etc. E ainda saber um pouco mais sobre os principais problemas que afetam o ambiente marinho. Assuntos: conservação, recursos naturais Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências Naturais, Geografia Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Saúde Indicação: a partir de 8 anos

60


Vida nos rios Mônica Jakievicius Ilustrado por: Félix Reiners Como se formam os rios? Para onde eles correm? Que tipos de vida carregam consigo? Por que preservá-los? O livro trata de questões importantes e mostra que esses cursos de água são muito mais complexos do que se imagina. O Brasil possui uma das redes fluviais mais ricas do planeta. Nesta obra, somos apresentados a uma variedade imensa de plantas e animais e aprendemos como as espécies convivem nos rios e em seus arredores. Assuntos: conservação, recursos naturais Interdisciplinaridade: Língua Portuguesa, Ciências Naturais, Geografia Temas Transversais: Ética, Meio Ambiente, Saúde Indicação: a partir de 8 anos

Historia e cultura Afro-brasileira Inclusão de História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena como disciplina no currículo oficial das redes pública e particular de ensino. Trata-se de dois livros em um só volume: Sociedade em Construção – História e Cultura Afro-Brasileira – O negro na formação da Sociedade Brasileira e Sociedade em Construção – História e Cultura Indígena Brasileira – O índio na formação da Sociedade Brasileira, ambos de autoria do jornalista e sociólogo J. A. Tiradentes, em parceria com a mestre em Educação pela USP, Denise Rampazzo da Silva.

MATERIAL DE APOIO DIÁTICO PARA O PROFESSOR - OS 4 PILARES – Rubens Alves

A partir dos quatro pilares de uma educação para o século XXI, indicados por Jaques Delors no seu famoso relatório, Rubem Alves faz uma abordagem livre e crítica, característica marcante do seu pensamento. Alves discute profundamente o papel da escola e a impossibilidade de analisá-la à parte do mundo e da sociedade. 61


Muitas coisas tidas como óbvias somente são percebidas em sua profundidade depois que alguém como Rubem Alves as analisa. Navegando pelos campos da história, religião, filosofia, através de histórias, poesias, analogias, Rubem Alves aponta caminhos, polemiza, concilia e cobra posturas práticas.

Material composto por 4 Dvd’s e livro texto, ótimo para ser trabalhado nos Htpc’s.

- FANTOCHES

A grande variedade personagens oferece várias possibilidades de contação de histórias. Favorece as crianças, a ampliação de suas capacidades expressivas e simbólicas e a reelaboração de significados sobre o mundo, sobre os contextos e sobre as relações entre seres humanos. Auxilia, inclusive, no conhecimento de diferentes manifestações culturais como constitutivas de valores e princípios e exercício de respeito e valorização da diversidade.    

Família branca/negra Cadeirante e cego

Menino c/ órgãos, mulher grávida e fantoche sexuado(a) Fantoches- feltro – Imigrantes/ Indigenas/Orientais

- FANTASIAS

 

Fantasias – clássicos infantis Fantasias – Fantasia de animais

62


- CD TEKA – Cantigas infantis Coleção formada por 30 cd´s com histórias e músicas infantis. Acompanha um livro com letras e partituras.

- LIVRO ILUSTRADO CAMINHANDO COM JESUS Acompanha 4 Dvd’s, com livro de atividades para o professor trabalhar em sala de aula de forma laica valores espirituais.

- BRINCANDO E APRENDENDO

Jogos para computador, onde a criança desenvolve suas habilidades, coordenação utilizando o computador. - JOGOS Quebra cabeça inteligente de mapas do Brasil e São Paulo

- SUPER CONTOS 10 dvd´s de contos infantis, contendo as principais histórias dos clássicos infantis.

- CONHECENDO O MEIO AMBIENTE

63


Criar uma consciência ambiental desde cedo é muito importante, por isso nesses 5 volumes a criança conhecerá tudo sobre sustentabilidade e meio ambiente numa linguagem acessível a sua idade. Contém: 5 livros e 1 cd-rom - MOVÉL VOLANTE Acompanha um prático e moderno móvel volante, contendo espaços para guardar os livros divididos por pilar, gaveta para guardar todo o material de apóio didático, se transforma também em teatro de fantoches para contar histórias. O Móvel Volante é feito em MDF, com 5 gavetas, 1,50 de altura , 0,75 de largura, 0,45 de profundidade.

OBS: As rodinhas serão maiores, seguindo especificações da sec. EDUCAÇÃO.

64


66


67


Projeto 13 pilares 1