Issuu on Google+


editorial

Olá amigos da lama e do barro!!! Mais um ano se vai e tivemos alegrias e tristezas, amor e falta dele, brigas e discussões, caímos e levantamos várias vezes, perdemos pessoas que nunca pensamos em perder e vieram outras para tentar substituí-las em nossos vidas. Amamos muito mas as vezes não fomos correspondidos, se fomos não demos o valor devido, a vida é assim mesmo pessoal mas, graças a este maravilhoso DEUS passamos por tudo isso e estamos aqui de pé para enfrentar o desconhecido 2013, que ele venha e com força porque, quando chover somos amantes da lama e quando o sol aparecer somos mais do que amantes da poeira e do barro. Somos amantes do motocross, da trilha e do Enduro, somos mais que vitoriosos porque amamos o que fazemos, quanto maior for a dificuldade melhor, porque a sensação de vitória, de ultrapassar aquele obstáculo louco, levantar depois da queda, o momento triste quando a nossa companheira quebra no meio do nada, meus irmãos só tenho um pensamento. EU AMO TUDO ISSO. A Revista Só Motos está preparando um 2013 cheio de novidades pra você amante das 2 rodas e estamos aceitando sugestões é só me enviar um email, que vou responder a todos. Minha sugestão: “ Curta a sua juventude, porque um dia você vai sentir falta, e quando acontecer que você perceber que as oportunidades passaram, não pense que você era mais gordo ou mais magro, apenas acredite em você, ame mais, perdoe mais, curta mais os momentos a dois, não brinque com os sentimentos dos outros, curta sua moto, trabalhe o dobro, dê bons exemplos de vida, ajude mais as pessoas que não nasceram como você, cante, dance, relaxe, esqueça a inveja, a corrida é longa e, no final, é somente você.” Um 2013 cheio de alegria, trilha, motocross, enduro, roias, campeões e que DEUS esteja presente em cada momento de suas vidas.

Wagner de Melo

Gestor Comercial

04

Sum Número 37

Enduros 6 a 11

Kids 40

Expediente

Diretor: Marcel Vinícius Viana Gestor Comercial: Wagner de Melo Jornalista Responsável: Júlio César Crespo - MTE 15.782 Redação e Fotografia: Equipe Só Motos Projeto Gráfico e Diagramação: Giovanni Debortoli (giovanni@juntaki.com.br) Impressão: Ecograf | Ipatinga (MG) - 31 3825-7688 Tiragem: 4.000 exemplares Distribuição: Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. SAC: 2ª a 6ª das 8h às 18h - 31 3821-4377 ou contato@revistasomotos.com.br Publicidade e Assinatura: (31) 3827-4377 (31) 8591-0611 | 9493-6458 | 9556-8611 Siga-nos em facebook.com/RevistaSoMotos

www.revistasomotos.com.br


mário Trilheiros

Motocross

Entrevista

Personagem

16 a 25

26

28 a 37

14

Depoimento

capa

Acho gratificante ver que a revista Só Motos se tornou uma referencia no Brasil, pois ela vem crescendo cada vez mais, inovando sempre com os melhores conteúdos da área, ela está presente na Ponto 1 Motos, a vários anos nos ajudando a nos aproximar cada vez mais dos nossos amigos praticantes do esporte, nossos clientes acompanham e à aprovam. A Só Motos é a revista de Motos.

Marco Tulio

Ponto 1 Motos

Herculano Aguiar 12

05


Enduro campeonato capixaba

BRENO FELNER

PROMESSA PARA A PRÓXIMA TEMPORADA SANDRO HOFFMANN (FOTO) É NOVAMENTE CAMPEÃO DA MASTER COMPLETANDO UMA SEQUÊNCIA DE 12 TÍTULOS ESTADUAIS Redação: Júlio César Fotografia: Equipe Só Motos

C

omo foi nos anos anteriores, o Enduro do Eucalipto encerrou a temporada 2012 do Campeonato Capixaba de Enduro de Regularidade. De novidade foi o local e horário de largada. Este ano os pilotos se reuniram no Cerimonial Santa Joana, gentilmente cedido pelo empresário Geraldo Cavalieri. A largada aconteceu como estava prevista, às 10h, apesar da chuva ameaçar a organização da prova. O Enduro do Eucalipto teve a participação de Carlos Magno Queiroz, o Lilico, e de Carlos Eduardo Queiroz, o Sabuco. Os dois são ícones do enduro no estado do Espírito Santo e foram até Aracruz prestigiar o encerramento do campeonato que eles iniciaram há várias temporadas. Além deles, a prova teve a participação especial do piloto Erasmo Klering, que em seu ex-

06

tenso currículo figura como tetra campeão brasileiro de enduro fim. A chuva que caiu durante toda a semana deu um tempinho e as motos largaram para os 44 km de trilhas. Parecia pouco, mas só que largou para a prova pode dizer quão longo foi este percurso. O “congestionamento” começou logo no início da prova, na Trilha do Mourinha, onde uma maioria esmagadora das motos não subiu. A trilha é uma subida comprida e muito escorregadia e em mata fechada, o que dificultou a ação do sol. A valeta causada pela erosão ainda apareceu para prejudicar ainda mais a vida dos pilotos. Na chegada, hora dos comentários. Para quem gosta de trilhas travadas e nível difícil, a prova foi excelente. Para quem prefere um percurso mais solto, o desafio não agradou tanto, mas em coisa todos concordam: o Campeonato Capixaba é o estadual mais organizado, mais emocionante e tem os melhores

pilotos do Brasil. Na chegada, durante a premiação, Telão entregou troféu de Homenagem especial aos visitantes ilustres Lilico e Sabugo, lembrando ainda de um piloto ausente, Júlio Uliana, que vai permanecer na memória de todos no Enduro de Regularidade. Júlio se envolveu em um acidente e perdeu sua vida precocemente. A premiação foi feita pelos integrantes do Trail Clube Tribo da Trilha, com a participação do vereador eleito Alexandre Manhães e do secretário de cultura, esportes e juventude, Sérgio Azevedo. Os vencedores foram Breno Felner (Master); Luiz Cláudio Bitti (Sênior); Jorge Caran (Over 40); Edivar Bassani (Over 50); Kássio Aguiar (Júnior); Luis Felipe Zavarize (Novato) e Denilson Rampineli (Estreante). A equipe organizadora deixou seu agradecimento à Prefeitura e Câmara Municipais, pelo apoio incondicional à realização do Enduro do Eucalipto.


Deixe a aventura para as trilhas e pistas. Honda com o melhor preço só na Moto Vena.

CBR 1000 RR

R$ 59.900,00 à vista Entrada de R$ 32.945,00

CBR 600 RR

1.153,17

R$ 47.900,00 à vista Entrada de R$ 26.345,00

+ 24x R$

Taxa 0%

927,31

+ 24x R$

Taxa 0%

CRF 150F

R$ 8.790,00 à vista Entrada de R$ 4.395,00

CRF 230F

253,67

R$ 11.500,00 à vista Entrada de R$ 5.750,00

325,50

+ 24x R$

+ 24x R$

Moto Vena Honda

www.motovena.com.br Vitória

Vila Velha

Itapoã

Centro de Vitória

Domingos Martins

Marechal Floriano

(27) 3232-2828 (27) 3320-9400 (27) 3289-8711 (27) 3222-2482 (27) 3268-5300 (27) 3288-1525 CBR 600 RR no valor de R$47.900,00 na modalidade CDC, taxa de 0% a.m. carência de 30 dias e entrada mínima de 55%. Custo Efetivo Total de 0,26% a.m e 3,13% a.a., com entrada de R$26.345,00 e saldo em 24 parcelas de R$927,31. CBR 1000 RR no valor de R$59.900,00 na modalidade CDC, taxa de 0% a.m. carência de 30 dias e entrada mínima de 55%. Custo Efetivo Total de 0,22% a.m. e 2,58% a.a, com entrada de R$32.945,00 e saldo em 24 parcelas de R$1.153,17. CRF 150F no valor de R$8.790,00 na modalidade CDC, taxa de 1,99% a.m. carência de 30 dias. Custo Efetivo Total de 2,78% a.m e 39,12% a.a. com entrada mínima de 50% e saldo em 24 parcelas de R$253,67. CRF 230F no valor de R$11.500,00 na modalidade CDC, taxa de 1,99% a.m. carência de 30 dias. Custo Efetivo Total de 2.61% a.m e 36,27% a.a. com entrada mínima de 50% e saldo em 24 parcelas de R$325,50. Sujeito análise pelo Banco Honda. Reservamos o direito de corrigir possíveis erros de digitação. Consulte serviços neste padrão de tempo. Ofertas válidas até 31/12/2012 ou enquanto durar o estoque.

RESPEITE OS LIMITES DE VELOCIDADE.


Enduro campeonato capixaba

A trajetória dos campeões

Master – Sandro Hoffmann venceu as quatro primeiras etapas e só voltou a vencer cinco etapas depois. O piloto de Venda Nova do Imigrante foi 2º lugar em três etapas e 3º em mais duas, o que lhe rendeu mais um título de campeão capixaba 2012. Sênior – Herculano Aguiar, piloto de Cachoeiro de Itapemirim, travou um duelo em particular com Vanderlei Bolsoni e só decidiu o campeonato a seu favor na última etapa. Herculano venceu quatro etapas e foi 2º lugar em seis delas. Com a soma dos resultados ele conseguiu 10 pontos a mais que o rival. Over 40 – Aloísio Sfalsim, o Teão. Ele fez 25 pontos em casa (Aracruz), que somados com as cinco vitórias na temporada, dois 2º e dois 3º lugares, comemorou o título de campeão. Edésio Zavarize, que disputou com ele prova a prova, ficou com o vice. Over 50 – Edivar Bassani, piloto de Pedra Azul, já havia vencido sete das onze etapas e foi 2º lugar em mais duas, garantindo seu título antecipado. Apesar disso ele veio disposto para Aracruz e acumulou mais uma vitória. Júnior – Kássio Aguiar. O piloto de Vila Velha começou bem a temporada com uma vitória em São Mateus. Depois disso terminou em 8º e 2º lugares e voltou a vencer mais cinco etapas, inclusive a final, para sagrar-se campeão. Apesar de não ter disputado uma etapa se recuperando de lesão, Kássio terminou bem a temporada com 11 pontos de vantagem sobre o vice campeão, Eduardo Firme. Novato - Rodrigo Lube. Piloto de Viana. Com sete vitórias, um 3º e um 5º lugares na temporada, Rodrigo venceu apertado o seu concorrente direto e vice campeão, Luis Felipe Zavarize. Os dois terminaram com a mesma pontuação, mas Rodrigo desempatou com maior número de vitórias. Estreante – Leonardo Petter. Destaque para o piloto de Afonso Cláudio, que disputou prova por prova para sagrar-se campeão. Ele venceu quatro etapas, foi 2º lugar em três, 4º em uma e 5º lugar em outra. Seu vice, Douglas Dantas, também foi bem durante o ano e perdeu o título com diferença de oito pontos apenas.

08

Leonardo petter

equipe organizadora

rodrigo lube

edivar bassani

Sabugo e lilico

Kássio aguiar

Teão


Enduro copa norte de enduro de regularidade

A TEMPORADA ENCERROU COM O 7º ENDURO DO PRODUTOR

A cidade recebeu mais de 50 motos, entre pilotos do campeonato e inscritos na categoria Turismo 10

Redação: Júlio César Fotografia: Equipe Só Motos

D

epois da prova de abertura em São Mateus, vieram as etapas de Nova Venécia, Boa Esperança, São Gabriel da Palha e Pinheiros. Todas realizaram suas etapas conforme previsto, à exceção de Ibiraçu, que desistiu da prova por motivos logísticos. Algumas somaram pontos para o Capixaba de Enduro, como foi o caso de São Mateus e São Gabriel, o que proporciona um aumento no número de pilotos inscritos. Em dezembro aconteceu o encerramento do campeonato com o 7º Enduro do Produtor. A etapa foi realizada em Jaguaré no dia 2 e, além da categoria Estreante teve a Turismo, que abre espaço para os trilheiros. Os pilotos se reuniram para a largada na Churrascaria Recanto da Floresta, na entrada da cidade, o que facilitava a saída das motos sem transitar no perímetro urbano. Dos setores que selecionamos para as fotos, destacamos a Trilha do Areião. Ali os pilotos pensavam duas vezes antes de acelerar. Será que era ali mesmo? O local é como se fosse um leito de um rio e não tinha opção de saída para os lados. O recurso seria passar na água mesmo. Era raso, mas as água escuras davam a impressão de profundidade. Outro setor que chamou a atenção foi a subida de pedras. Como ela ficava bem próxima a um dos bairros de Jaguaré, os moradores foram curtir a passagem das motos esperando, é claro, ver um capote, que não aconteceu. Melhor para os pilotos. Na chegada, antes da premiação, os pilotos inscritos participaram de sorteio de brindes dos patrocinadores. Somados os pontos da prova foram determinados os campeões de cada categoria, que receberam os troféus em seguida. São eles: Sênior: Vanderlei Bolsoni (Toninho Motos Preparações/Pro Tork/Motul). O piloto de São Gabriel da Palha não participou da prova, mas já era campeão por antecipação. O vencedor da prova foi Netinho. Over 40 – Aloísio Sfalsim (Telão Motos/ Aramotos). O troféu de campeão da categoria foi para Aracruz. Além de vencer o Enduro do produtor, o piloto venceu outras quatro provas e sagrou-se campeão. Júnior – Vinícius Altoé (Fazenda Altoé/ TRACJA). Um dos troféus de campeão ficou “em casa”. O piloto de Jaguaré venceu duas etapas que, somadas a outros bons resultados e a pontuação por ter sido organizador do evento, lhe garantiu o título de campeão da Júnior.

EDIMAR SANTOS


O vencedor da prova foi Kássio Aguiar. Novato – Cleiton Sartori (Martins Pré Moldados/Mol Motos). A disputa estava aberta para Flávio Pandini, Edimar Santos e Cleiton. A combinação de resultados é que definiria o campeão da categoria. Como os “candidatos” a campeão não tiveram bons resultados, Sartori agradeceu e comemorou levando para São Mateus o troféu de campeão da Novato. O vencedor da prova foi outro piloto de São Mateus, Thaynnon Alves, o Vampirinho. Estreante – Cristiano Rodrigues (Fortes Blocos/Xaropinho e Lediandro Preparações). A disputa desta categoria só seria decidida no Enduro do Produtor. Cristiano, Anderson Malacarne e Alexandre Pessotti tinham chances matemáticas de serem campeões, dependendo do resultado obtido na prova. Como Cristiano conseguiu o melhor resultado entre os três, ele levou para Nova Venécia o troféu da Estreante. O vencedor da prova foi o piloto de Jaguaré, Ezídio Altoé, o Baré. Sendo assim, os troféus foram todos para cidades diferentes. Parabéns aos pilotos campeões e a São Gabriel da Palha, Aracruz, Jaguaré, São Mateus e Nova Venécia, cujos trail clubes apóiam esses pilotos.

ALOísio sfalsim e manoel messias

Cleiton Sartori e Flávio Pandini

Cristiano Rodrigues e anderson malacarne

Vinícius Altoé e weliton mattedi

11


capa

Herculano Aguiar

Piloto de enduro de regularidade vencedor do prêmio Atleta do Ano no Espírito Santo

A

Redação: Júlio César Fotografia: Equipe Só Motos

capa da edição 37 da Revista Só Motos traz estampada a foto do piloto de enduro de regularidade Herculano Aguiar, ou Laninho como é chamado pelos amigos e companheiros de competição. Laninho é casado com Edilene e é empresário no ramo farmacêutico em Cachoeiro de Itapemirim ES, onde vive. Sua bem sucedida carreira na modalidade esportiva começou em 2009 e logo no ano seguinte foi 3º colocado na categoria Novato do Campeonato Capixaba de Enduro. A partir daí não parou mais. Laninho Foi campeão da Júnior em 2011, Campeão da Sênior em 2012, Campeão Copa Sul e Vice-Campeão Brasileiro de 2012, o que lhe conferiu o direito de competir pela elite do enduro de regularidade em 2013, ao lado de gigantes como Sandro Hoffmann e Jomar Grecco. Ele também disputou o campeonato brasileiro onde teve uma brilhante participação como vice campeão brasileiro, conquistando várias etapas durante o ano. Seu primeiro ano na categoria Master será especial em dobro, já que o piloto terá o seu primeiro filho. Além disso, ele é vencedor do prêmio Atleta do Ano no estado na temporada 2012, eleição realizada pela FECAM (Federação Capixaba de Motociclismo). Herculano viaja com passagens aéreas adquiridas pelo “Compete Espírito Santo”, programa do governo estadual que beneficia atletas e para-atletas de alto rendimento para representar o estado no Brasil e no exterior. O piloto compete com uma moto Honda CRF250 e tem o patrocínio da empresa Estrela H Motos, Laboratório Medley, MRPro e Oficina Moto Show. A foto é do Enduro da Independência 2012, flagrada pelo fotógrafo Gustavo Epifânio/VIPCOMM, agência que cobriu o evento para a Fabricante Honda.

12


FEITO PARA MOTOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO. Com sua tecnologia de baixa viscosidade, proporciona alta performance e máxima proteção do motor e da transmissão.

DISTRIBUIDORA

ÓLEOS, ADITIVOS E FILTROS Telefax: 31. 3829.7373 www.annel.com.br


PERSONAGEM SAndro Hoffmann

Quem ĂŠ

Sandro Hoffmann?

Piloto de Enduro de Regularidade 14


Redação: Sidney Poppe Fotografia: Júlio César

C

apixaba, humilde e filho de agricultores, Sandro Hoffmann começou no esporte em 1995 e já neste ano sagrou-se campeão vencendo todas as etapas na categoria novatos no principal torneio do estado na época: a “Copa XR de Enduro”. Em 1996 foi promovido no ranking para a categoria Júnior e, ao se mudar para Juiz de Fora, participou e foi campeão da Copa XR Zona da Mata e Copa XR Capixaba, vencendo cinco das seis etapas e faturando uma moto 0Km como prêmio. Em 1997 com o fim da Copa XR, dedicou-se a Copa Mister Shopping, a principal da Zona da Mata, vencendo todas as sete etapas incluindo os dois dias do Ibitipoca Off-Road e faturando uma viagem para Miami. Em 1998 a Federação Capixaba de motociclismo promoveu um excelente Campeonato Estadual com média de 100 pilotos por prova e Sandro sem patrocínio para cobrir custos de viagens deixou de participar de algumas etapas mesmo assim se sagrando Vice Campeão Capixaba. Neste mesmo ano, mesmo com pouco apoio correndo com moto nacional de menor cilindrada (Honda XR200R) foi destaque no Enduro da Independência ficando em segundo lugar na categoria sênior. Em 1999, promovido à categoria principal, a Master, e com um patrocínio melhor que cobria parte de seus custos, Sandro foi imbatível no Campeonato Capixaba sendo Campeão antecipado, vencendo sete das nove etapas. Também neste ano participou de algumas etapas do Campeonato Brasileiro na categoria Master chegando a vencer a última, o “Enduro da Polenta”. Foi também o grande vencedor do “Ibitipoca Off Road 1999”, também na categoria principal. Importante ressaltar que até o final de 1999 Sandro sempre correu de Honda XR200R, uma moto nacional adaptada para competição, enquanto que praticamente todos os pilotos da Master competiam com motos importadas específicas para competição. Finalmente em 2000 o patrocínio permitiu a compra de uma XR400 apropriada para o enduro e Sandro partiu obstinado com o objetivo de ser Campeão Brasileiro. Uma tarefa difícil numa primeira tentativa, competindo com pilotos com maior experiência nas mais variadas condições de terrenos e diferentes estilos de levantamento de provas que existem no calendário nacional. Mesmo assim foi muito bem, vencendo uma das cinco etapas e mantendo boas colocações nas demais que lhe garantiram o vice campeonato brasileiro na categoria Master atrás do tetracampeão Dário Schrull. Em 2001 podemos dizer que em termos de enduro de regularidade a nível nacional o ano foi de Sandro Hoffmann. Campeão Brasileiro com três etapas de antecipação, tendo vencido as principais provas como o “Enduro dos Vinhedos” no Rio Grande do Sul, o “Enduro do Descobrimento” em Porto Seguro e o “Enduro da Polenta”. Vencedor do “Ibitipoca Off Road” tradicional prova do calendário nacional. E para

coroar a temporada venceu o “Enduro Internacional da Independência” a maior e mais tradicional prova do Enduro brasileiro. Além disso foi Campeão Capixaba de Enduro de Regularidade e Campeão Capixaba de Cross Country. No ano 2005, Sandro Teve sua maior conquista, logo no começo do ano, sendo patrocinado pela fábrica Honda, fato que o deixou inspirado para buscar mais vitórias, como o tetracampeonato do Piocerá/Cerapió, sendo o maior vencedor da máster em anos consecutivos, logo em seguida, vence mais uma vez o Enduro da polenta em Venda Nova do Imigrante-ES debaixo de muita chuva, também sendo o piloto com maior número de vitórias na categoria Master. Também no ano 2005 com dedicação exclusiva para treinos e competições, Sandro venceu mais uma vez o Enduro do Descobrimento, sendo assim tetracampeão. Rumo ao Enduro dos Bandeirantes, Sandro Hoffmann venceu esta prova mesmo com dores e uma forte gripe, surpreendendo os adversários quando vence também o Cross Test, onde a máster disputaria com qualquer moto e ele venceu com ela mesmo, é a tornado, que é sua parceira de tantas vitórias em 2005. É com muita satisfação apresentamos o extenso currículo com algumas das maiores conquistas que um piloto pode almejar no circuito nacional: •Bi-campeão do Enduro da Independência (MG).2001,2006. •Bi-campeão do Enduro dos Vinhedos (RS).2001,2003. •Hepta campeão Ibitipoca off Road (MG). 1999,2001,2002,2003,2010,2011,2012. •Hexa campeão Brasileiro de Enduro de Regularidade.2001,2003,2004,2005,2006,2010 •Hexa campeão Cerapió/Piocerá (CE/PI). 2002,2003,2004,2005,2006,2008. •12 vezes campeão capixaba (ES).1999, 2000,2001,2002,2003,2004,2005,2006,20 08,2009,2011,2012. Conseguiu reconquistar o título de Campeão Brasileiro de Enduro de Regularidade em 2010 e 2011 ser vice-campeão, e mesmo com 40 pontos de vantagens na soma geral, os descartes o impediram de ser HEPTA campeão 2011, já em 2013 conquistou 3º lugar no ranking nacional Hoje, o piloto Sandro Hoffmann tem a maior história do enduro de regularidade do Brasil: •19 ANOS DE ENDURO DE REGULARIDADE •17 PARTICIPAÇÕES NO ENDURO DA INDEPENDENCIA •14 ANOS NO CAMPEONATO BRASILEIRO •14 ANOS DE CAMPEONATO CAPIXABA •11 PARTICIPAÇÕES NA MAIOR PROVA OFF ROAD DO NORDESTE (PIOCERA/CERAPIO). PATROCINADORES: HONDA, MOTOFIRE, PIRELLI, ASW, MOTOX, RIFFEL, COMPASS, R2, MOTUL, MRPRO, ORBITAL, TUBLISS, SHOCKPROTECT, OAKLEY

15


trilheiros 10º TRILHÃO TREME TERRA

EDIÇÃO ESPECIAL

EM FINAL DE SEMANA PROLONGADO E DE MUITO SOL

Equipe Off Road Treme Terra mandou bem e deu show de organização em um trilhão que tinha todos os requisitos para ser difícil devido às chuvas durante a semana

16


I

Redação: Júlio César Fotografia: Equipe Só Motos

magine fazer no final de semana. É muito bom. Agora imagine em final de semana prolongado. É bem melhor. Mas se essa trilha for em Porto Seguro é o paraíso. Foi o que aconteceu no final de semana dos dias 8 e 9 de setembro. Os integrantes da Equipe Off Road Treme Terra realizaram a 10ª edição do Trilhão Treme Terra. Para receber os visitantes que chegaram antes para aproveitar o feriado no litoral deslumbrante de Porto Seguro, a equipe estava no Clube Barra Point realizando as inscrições e oferecendo uma noite de degustação e cerveja. No clube também foi montado um telão onde a galera curtiu vídeos de eventos anteriores. Quem prestou atenção viu que parte do vídeo foi o trajeto do que viria no dia seguinte. Durante as atividades o locutor oficial do evento e também trilheiro, Jefão, anunciou os patrocinadores e os convidados. A equipe de inscrições foi composta pelas Trilhecats. São as garotas de Porto Seguro que trocam a maquiagem pelo suor, poeira e barro quando partem para as trilhas nos fins de semana com os maridos e namorados. O domingo amanheceu bonito e com sol, o que prometia secar bem as trilhas, já que havia chovido durante a semana. Ficou só na promessa, porque em alguns lugares fechados onde o sol não alcançava, a trilha estava um “sabão”. Antes da largada, a equipe de manobras radicais, Estilo Livre, de Trancoso, fez sua apresentação na área coberta do Barra Point. Um dos organizadores do trilhão, Gilberto Bolacha, durante sua mensagem lembrou que para aqueles companheiros que fazem até promessa de ficar perdidos na trilha, desta vez não conseguiriam, porque o percurso estava bem marcado e a promessa teria que ficar para a próxima vez. Depois da mensagem e a oração pedindo proteção, a turma fez um passeio pela orla marítima e principais ruas da cidade e na continuação as motos iniciaram o percurso programado de 48km. Não estava fácil, mas como muitos dizem: “se for fácil não presta”. Warley, trilheiro de Teixeira de Freitas BA, confirmou que estava realmente muito difícil, “mas estava gostoso”. Uma das placas na trilha dizia: Acelere sem dó! E foi preciso mesmo, porque o terreno estava liso e repleto de raízes. Na parada para o lanche, enquanto os trilheiros comentavam sobre a trilha, as Trilhecats aproveitaram para agitar a turma. Aline Rizzo até de uma de repórter, entrevistando vários trilheiros. Detalhe: o microfone era uma garrafa de cerveja. Não dava para saber se a felicidade do entrevistado era pela entrevista ou pelo “microfone”. Em meio a tantas motos chegou uma bike fazendo o mesmo percurso do trilhão. Foi o Júnior, de Cabrália BA, que até recebeu os cumprimentos na chegada. Durante todo o trajeto, um mecânico da Concessionária Honda Brás Motos esteve à disposição, caso fosse necessário. Na chegada, sorteio de brindes para os inscritos e entrega de troféus a todos os participantes. A ocasião foi especial para Andréia, amiga do Treme Terra, que comemorou seu aniversário na festa do trilhão. Quem está acostumado a ver o piloto de motocross Toninho Baiano, de Itabela BA, nas provas de cross, desta vez viu ele também na trilha. Ele disputou duas provas no final de semana e ainda chegou “inteiro” mandando bem nas trilhas junto com a galera. Três troféus foram feitos especialmente para homenagear os rôias eleitos pela maioria. Após a votação, os “vencedores” foram Daniel e Trabuco, com o Troféu Roia, e Bolacha, com o Troféu Abacaxi. Os troféus de rôia e de participação foram confeccionados pelas Trilhecats.

17


trilheiros ENCONTRO DE IÚNA

18


MOMENTOS

DE ENDURO INDOOR FIZERAM A DIFERENÇA

Obstáculos como um carro velho, toras de madeira e pneus foram colocados na trilha para aumentar a adrenalina

Redação: Júlio César Fotografia: Equipe Só Motos

D

epois de uma semana de tempo bem frio em Iúna ES, o clima “esquentou” com presença de mais de 200 motos para o 7º Encontro de Trilheiros de Iúna. Reunidos no Ginásio Poliesportivo Romeu Rizzo, no centro da cidade, os trilheiros quebraram o silêncio na tranquila cidade do sul do Espírito Santo. No ginásio foram feitas as inscrições e servido o café da manhã. Por volta de 10h uma viatura da Polícia Militar escoltou as motos em uma volta pelas ruas da cidade rumo aos 56 km de trilhas. A “brincadeira” começou logo no perímetro urbano com um barranco pequeno, mas íngreme. Apesar de não

ser difícil de subir, a rampa no final dele fazia com que alguns trilheiros dessem alegria a quem assistia, isto para não dizer que os capotes não passaram despercebidos. Pouco adiante, as motos passaram pela serraria no meio do pátio uma carcaça de automóvel com rampas antes e depois. Para seguir a trilha, as motos tinham que passar por ali. Caso contrário, o trilheiro tinha que se virar e encontrar um caminho alternativo. Na mesma área, os integrantes do Takalama, trail clube local, capricharam com a turma colocando o percurso atravessando pilhas enormes de toras, o que caracterizou o trilhão como um verdadeiro enduro indoor. Como se não bastassem os obstáculos no início da trilha, antes da metade do percurso as motos tinham que atravessar uma rampa móvel em forma de balanço, ou seja,

a moto subia na rampa e o próprio peso fazia com que ela abaixasse do outro lado para a moto descer. Ali não tinha caminho alternativo, era atravessar ou pedir para outro assumir o comando da moto. Ninguém teve problemas com os desafios. No fim, a adrenalina veio em dobro com a ideia dos organizadores. Na chegada, como é de praxe, o almoço foi servido com fartura para os conseguiram atravessar o dia de trilha. Apetite no faltou, com certeza. Depois de receber um troféu feito com muita dedicação pelo Takalama, os trilheiros retornaram cada uma para a sua cidade, deixando apenas elogios para os organizadores e para as trilhas de Iúna. Gildinho, um dos organizadores e abre-trilhas, agradeceu aos visitantes, colaboradores e patrocinadores do 7º Encontro de Trilheiros.

19


trilheiros trilhão de Malacacheta

SUCESSO

ABSOLUTO

o 4º Trilão de Malacacheta foi o maior sucesso, com muito sol e axé! Redação: Wagner de Melo Fotografia: Equipe Só Motos

F

oi o maior sucesso o 4º trilhão de Malacacheta que aconteceu no dia 09/12/12, quase no final do mundo, que graças a DEUS não aconteceu, em um domingão de muito sol, começou com um excelente café da manhã para dar energia aos pilotos, a equipe organizadora demarcou bem as trilhas, aliás uma paisagem de tirar o capacete e contemplar a beleza da lagoa Santo Aleixo e das cachoeiras, e com uma história, que eu tinha que estar lá pra ver e confirmar mas, vamos deixar assim mesmo, teve as dificuldades de sempre, mas os mais de 168 pilotos participantes que vieram de várias cidades da região e que aprovaram a trilha, que são todos feras e sabem muito bem conduzir a outra fera de 2 rodas. Os organizadores Brow, Gemiro, Dim, Gisley, Gregório e Jean, que deram o coração para que este evento fosse o melhor. Como falado anteriormente demarcaram as trilhas, teve o morro das cobras mas foi fácil pros ferinhas das 2 rodas,

20

arrumaram um excelente ponto de apoio na fazenda São João de propriedade do Sr. Joanísio, que recebeu muito bem os pilotos, e os nossos agradecimentos a todos os fazendeiros que permitiram os loucos pelas 2 rodas passarem em suas terras. Contamos com várias pessoas que ajudaram de alguma forma ou de outra a realização deste evento mas não podia passar em branco a participação das esposas dos organizadores que também deram o coração e a alma pra que tudo corresse bem. Os meus parabéns a estas mulheres guerreiras. Contamos ainda com a presença de uma equipe de médicos e da polícia militar que sempre está presente para dar apoio e dar segurança ao evento. O 4º trilhão foi precedido pelo Axé folia de Malacacheta com a banda batukaê que levantou o astral de todos. Parabéns ao organizador da festa e sua equipe. Obrigados a todos e que venha o 5º trilhão de Malacacheta!!!!


organizadores

cafĂŠ da manhĂŁ

morro da largada

BRow, Barbara, Girley, Pedro e Dim

Joanisio, Marcos e Gustavo

Brow e cleide

Zilar e joanisio

21


Janeiro

Fevereiro

Marรงo

Abril

D S T Q Q S S

D S T Q Q S S

D S T Q Q S S

D S T Q Q S S

Maio

Junho

Julho

Agosto

D S T Q Q S S

D S T Q Q S S

D S T Q Q S S

D S T Q Q S S

Setembro

Outubro

Novembro

Dezembro

D S T Q Q S S

D S T Q Q S S

D S T Q Q S S

D S T Q Q S S


www.revistasomotos.com.br


trilheiros TRILHÃO MOTO NANUQUE

CADA VEZ MELHOR

E MAIS ANIMADO, O EVENTO SUPEROU NÚMERO DE MOTOS

Este ano foram quase 250 motos encarando as trilhas na região das três fronteiras

Redação: Anderson Cantão e Júlio César Fotografia: Equipe Só Motos

A

parceria Moto Nanuque, Concessionária Honda, e o Trail Clube de Nanuque sempre traz para a cidade grandes eventos no segmento odd road. Anualmente, além de provas de enduro de regularidade e motocross/supercross, esses apaixonados pelas duas rodas sempre se superam na qualidade de seus eventos. Liderados de um lado por Tadeu Milbratz, sua esposa Marta Martinelli e a equipe Moto Nanuque, e de outro lado por Kleber “Doido”, Charles, Júnior Calazaes e equipe TCNanuque, realizou em 19 de agosto o 6º Trilhao Moto Nanuque, que reuniu cerca de 250 motos, número de participante superior a 2011. Para fazer um trajeto bonito e limpo, o TCN, Trail Clube de Nanuque, adqui-

24

riu alguns meses antes do evento, uma máquina roçadeira profissional para fazer a limpeza e abertura de novas trilhas para assim ficar bem marcado o trajeto, eliminando qualquer possibilidade de reclamações sobre os incômodos de matos e galhos nas trilhas. Além da tranquilidade, maior proteção para os trilheiros evitando acidentes. O trajeto foi bem elaborado, percorrendo a Fazenda Cachoeira, de propriedade de Tadeu Milbratz, e também a fazenda do parceiro Gley Gondim, que foi homenageado no final da festa. Além das trilhas já conhecidas, o pessoal do TCN abriu novas trilhas, desconhecidas até mesmo para o pessoal de Nanuque, que agrafou a todos. O TCN procurou facilitar a vida dos trilheiros, mas o bom Deus não queria tanta moleza assim e despejou muita chuva e a largada foi dada debaixo de muita água. A Polícia Militar fez a escolta das motos no perímetro urbano

e depois de “soltar” as motos na trilha, só quem acompanhou de perto pôde sentir a adrenalina que tomou conta dos aventureiros. Devido à ação da chuva, que não caía há meses, alguns trechos foram interditados por estarem intransitáveis até mesmo para quem arriscou ir a pé. Pela opinião nos comentários da galera, eles gostaram muito, prometendo voltar em massa para o próximo trilhão no ano que vem. Os pilotos foram recebidos ao final da trilha com muito churrasco e cerveja na Ilha Solar das Águas, com música ao vivo até às 20h. Os mais de 240 trilheiros inscritos foram representantes dos estados do Espírito Santo, Bahia e Minas Gerais. A diretoria do Trail Clube de Nanuque e toda a equipe organizadora agradeceram aos participantes e esperam a presença de todos para o 7º TRILHÃO MOTO NANUQUE.


25


entrevista O piloto de Freestyle Motocross, Octávio Mello (28), conhecido como Tatá Mello, bateu um papo com nossa equipe Redação: Equipe Só Motos Fotografia: Divulgação CIDADE ONDE MORA: Jandira-SP TÍTULOS ALCANÇADOS ATé HOJE Duas vezes Recordista Brasileiro de Salto em Altura etapa do Mundial de Freestyle, Campeão do Race Style etapa do Mundial, Campeão do Circuito Copa Brasil de Freestyle, Campeão da Copa Guarulhos de Freestyle e Dublê do filme Velozes e Furiosos 5. Qual o seu objetivo atual? Evoluir muito e realizar o Back Flip. Quando começou a fazer freestyle? Comecei em 2001 quando peguei gosto por saltos. Teve algum influenciador? Sim meu pai me incentivou sempre junto com meu irmão e toda minha família. Fora do freestyle, o que você gosta de fazer? Curto muito viajar, indo para os shows, pegar estrada, ver sempre lugares diferentes. Tem algum sonho ainda que queira realizar? Realizar o Back Flip o quanto antes. Qual é sua manobra favorita? Por quê? Curto muito o Tsunami, manobra que adoro fazer. Você possui ídolo? Vanni Oderra, piloto Italiano. Qual é a maior dificuldade que você encontra no esporte? As vezes o medo mesmo de encarar novas manobras, o risco e tudo mais, só que faz parte do nosso dia dia. O que é freestyle hoje para você na sua vida? O freestyle é tudo, é a minha vida, vivo freestyle, do freestyle e para o freestyle. O que te inspira antes de ir para os saltos? Ah, o fato de evoluir de aprender sempre manobras novas. Defina o FMX em uma palavra: Vida. DEIXO A PALAVRA COM VOCÊ: Agradeço o espaço para falar um pouco sobre minha história e sobre o freestyle. Deixo uma dica para quem que começar no esporte: nunca desista por maior que sejam as dificuldades. “Tudo posso naquele que me fortalece...” Quem quiser saber mais sobre meu trabalho, acesse meu site www.tatafmx.com.br e confira. Agradeço sempre a Deus, aos meus pais, meu irmão que sempre está ao meu lado me ajudando, ao amigo Jorge Negretti e a todos meus patrocinadores, VonZipper, Stocovich, Alpinestars, Sumemo, Circuit, Moura Tattoo-ES, New Era, Scorpion e Slin.

26

Tatá Mello


motocross Copa Cassios Racing

Grande estilo

assim foi o 1º Ano

A Copa Cassios Racing fechou a primeira edição com chave de ouro e chamou a atenção de muitos a nível nacional Anderson amaral

Redação: Tiago Lopes Fotografia: Equipe Só Motos

O

encerramento da primeira edição da Copa Cassios Racing foi com chave de ouro e chamou a atenção de muitos a nível nacional no dia 04/11. A pista localizada as margens do desativado viaduto das almas foi o palco para o show de grandes pilotos do MX nacional. Além de toda a estrutura já oferecida pelo evento, neste final a organização contou com apoio da Red Bull que deu um ar de prova “gringa” com suas tendas, infláveis, uma série de itens enfeitando a pista e é claro, energético na faixa para todos presentes sendo distribuídos pelasRED Girl’s. A Revista Só Motos, esteve presente trazendo para nossos leitores todos os detalhes dessa grande prova, confiram! A primeira bateria do dia, que teve alterações devido as pancadas de chuva, foi a MX2. Alinhados no gate pilotos que competem no campeonato brasileiro como o líder da categoria na copa Cassios, Rafael Faria, além dele os irmãos Anderson e Gustavo Amaral, pilotos da Kawasaki, além de outros bons pilotos regionais como o talento Gabriel “Tomatinho” entre outros. Dada largada Faria

28

pulou na frente e logo imprimiu um forte ritmo pois sabia que atrás vinham os irmãos Amaral que também andam muito forte na MX2. A pista estava pesada e lisa mas muito bem gradeada. Anderson Amaral tentou não deixar Rafael Faria escapar para que pudesse tentar dar um bote, mas infelizmente cometeu alguns erros que perdeu tempo e após uma queda numa curva viu Rafael abrir uma larga vantagem e seu irmão Gustavo assumir o 2º posto mas Gustavo também caiu devolvendo a posição para o irmão mais novo e assim se finalizou com Faria em 1º, Anderson em 2º, Gustavo em 3º, na 4ª posição Tomatinho e fechando na 5ª Guilherme Navaz. A 2ª bateria a largar foi a MX5 dos jovens pilotos acima dos 50 anos e que deram show de disputas os protagonistas foram mais uma vez Helon e Fred. Na largada quem teve vantagem foi Fred, mas ao decorrer das voltas Helon se aproximou e deixou para dar o bote no fim da prova, na última volta Fred ainda encostou mas a vitória ficou mesmo com Helon. Na 3ª colocação veio Carlos Alberto da Sabará MX, em 4º ficou Adilson Cabral e na 5ª colocação Ricardo Vieira. A 3ª bateria do dia foi a 65cc onde o jovem Joaquim levou a melhor após muitas trocas de posições. Iuri foi quem saiu na frente mas

devido as condições da pista acabou caindo perdendo duas posições para Dadal e para Joaquim que buscava o título mas precisa vencer e Dadal que então liderava também caiu deixando a liderança livre para Joaquim que festejou muito com a vitória na queda de Dadal quem assumiu o 2º lugar foi Iuri Naves, Carlos Eduardo “Dadal” ainda concluiu com o 3º posto logo atrás veio Thiago Alcantra e na 5ª colocação Lucas Maikison. Após a corrida das 65cc, entrou na pista a bateria para motos de 2 tempos e quem levou a melhor foi Sidney Hudson de BH na 2ª colocação veio Marcelo José em 3º ficou Marcelo Pires da Moto Bike, o 4º foi P.H Rios e o 5º Tulio Santos. A 50cc contou com a vitória de Dadal seguido por Guilherme Lana e Arthur Cássio na 3ª colocação. Na classe das motos de 85cc 2t e/ou 150cc 4t a vitória ficou com o piloto Flying Racing, Ricardo Juça o “Rica” de Bragança Paulista-SP, na 2ª posição veio Otávio Nunes em 3º também da Flying Pedro Lima o 4º colocado foi Gabriel Moraes e fechando os 5 mais rápidos ficou Carlos Antônio. Na Nacional B nosso amigo Claudinho fez o Holeshot e assumiu a frente até que com uma pista bastante escorregadia, antes de completar a 1ª volta escorregou em uma


rafael faria curva voltando nas últimas posições com isso quem ficou com a ponta foi Douglas Braz com a moto de numeral 171 e quem surpreendeu na 2ª colocação foi o piloto de enduro Noé Jr. da cidade de Formiga que mesmo sem saltar acelerou muito e defendeu a 2ª colocação com unhas e dentes. O 3º colocado foi Diego Sander em 4º ficou Felipe Marinho e após a queda fez uma boa prova de recuperação para concluir entre os 5 melhores foi nosso amigo Claudio Fabiano de Sete Lagoas-MG. A MX3 e a MX4 largaram juntas mas com premiação separada e quem abriu larga vantagem na geral foi o piloto que correu pela MX3 o multi campeão Roosevelt Assunção vencendo a MX3 no 2º lugar dessa categoria ficou Silas Cirilo em 3º Geraldo Almeira de BH, na 4ª colocação Alexandre Vieira e fechando os 5 melhores pilotos a mocinha que deu canseira em muitos marmanjos, Luana Abreu de Barbacena-MG. Já na MX4 quem venceu foi Guilherme Navaz com apoio da Two Whels Vídeos em 2º ficou Marcelo José o 3º foi Carlos Alberto em 4º veio Ricardo Vieira e ocupando o último lugar no pódio Rodrigo Santana. Na Nacional A, Teco pulou na frente seguido por Bruninho que acelerava forte buscando a vitória e o título da copa, até que Fagner “Teco” sofreu uma forte queda abandonando a prova e deixando a liderança nas mãos de Bruno que administrou nas pontas dos dedos em uma pista bem pesada após uma pancada de chuva logo atrás de Bruno veio Reginaldo Patrocínio, em 3º ficou Claudio Fabiano e o 4º a concluir foi Douglas Braz. O grande vencedor da categoria Amador foi Jefferson “Coelhinho” editor do site ActionMX. esp.br na sequência veio Euler

Moraes de Congonhas o 3º foi Thiago Waldir em 4º ficou Romeu Borges e em 5º Hans Miller. Quem saiu vitorioso da Intermediária foi Silas Cirilo que trouxe pela 2ª colocação Alexandre Vieira o 3º foi Gustavo Cabral em 4º Jefferson “Coelhinho” e fechando os 5 primeiros Gustavo Stradioto. Devido as ameaças de chuva a organização decidiu antecipar a MX1 para que o bom número de público presente pudesse vibrar com os mais rápidos pilotos do dia dessa vez todas as feras se encontrariam em uma única bateria. Assim que o gate caiu quem fez o holeshot e botou pressão foi o paulista de Jandira, Roosevelt Assunção e trouxe na 2ª posição seu companheiro de equipe Rafael Faria este que vinha com uma moto de 250cc contra a 450cc de Roosevelt que em uma pista bastante pesada pelo barro fez toda diferença e foi abrindo vantagem na 3ª colocação ficou Anderson Amaral logo em seguida seu irmão Gustavo Amaral e fechando os líderes Gabriel “Tomatinho”. Na classe Importada Iniciantes a vitória ficou com Luciano Lopes de Ouro Preto-MG em 2º lugar veio Walace Castro na 3ª posição Leandro Bujaude em 4º Gabriel do Pará de Minas e em 5º Ildeberson “Binho”. A última bateria do dia foi a Junior, Tomatinho saiu na ponta e colocou um ritmo muito forte em meio a garotada mas infelizmente sofreu uma queda devido ao barro e quem assumiu a liderança foi Ricardo Juça que corrida 85cc em meio as 250cc e valente o garoto segurou a liderança até a bandeirada na 2ª colocação ficou Leonardo Teixeira em 3º veio Gustavo Lana o 4º foi Vanderlei “Tarja Preta” e em 5º mais uma vez a gatinha Luana Abreu. Assim finalizou a grande Copa Cassios Racing 2012 e seu

organizador, Cassio Antônio Marques da Silva (Cassinho), também diretor do Moto Clube Cassios Racing aproveita esse espaço na Revista Só Motos para fazer seus agradecimentos: “Agradeço a Deus em primeiro lugar, depois a minha família: Rita,Gabriel e Arthur que sempre estão do meu lado, a minha irmã Celinha que não mediu esforços para me ajudar, aos meus amigos: Amarildo, “Girafa”, Rodrigo, Walace, Dionio, “Meia Meia” e tantos outros envolvidos de alguma forma. Aos apoiadores: Restaurante da Celinha, Moto Vip, Maranhão Motos, Revista Só Motos, Posto Tabari, GMI, HB Locações, Honda Easi Way, Bibo Motos, Motostreet, Morato Racing, Grupo Chefão, Basílio Implementos, Monteminas Minérios, Scud, X11, ao Kadinho da Flying Racing que esteve presente em todas as etapas com sua equipe, a prefeitura de Itabirito que cedeu apoio em todas as etapas, ao Sr prefeito Manoel da Motta Neto, aos vereadores: Edgar “Boca Preta”,

Geraldo Medanha, Vice prefeito Rildox, as meninas da comunicação da prefeitura de itabirito, ao Leci encarregado de obras da prefeitura, e em especial ao secretario de esportes e amigo Rodrigo Espigão que sempre esteve pronto para nos atender, ao jornal Super Notícias, ao amigo Charles Carvalho que sempre esteve pronto a ajudar no que fosse preciso, ao Coelhinho, Tiago Lopes, Fred Mancini e ao Wagner de Melo da Revista Só Motos, a todos os pilotos, equipes, público e colaboradores, a RC Racing da cronometragem, a FMEMG pelo apoio. E por fim quero pedir desculpas por falhas cometidas e erros mas podem ter certeza que foi tentando acertar que cometemos alguns erros mas com a certeza de ter aprendido muito com eles. Quero dizer também que este foi o ano do plantio ano que vem se Deus quiser nossa semente começará a brotar e colheremos bons resultados vem aí um novo campeonato aguardem será de tirar o fôlego.”

Roosevelt Assunção

29


motocross coimbra

ATUAÇÃO IMPECÁVEL

DE JÚLIO ANTÔNIO, QUE FATUROU AS CATEGORIAS MX1 E MX2

Redação: Júlio César Fotografia: Equipe Só Motos

C

omo já tradicional em Coimbra, zona da mata mineira, aconteceu a prova de motocross que reúne os melhores pilotos da região em um desafio off Road. Este ano a pista foi montada praticamente no perímetro urbano da cidade, o que facilitou ainda mais o deslocamento de pessoas para assistir o espetáculo. A prova avulsa não pontua para os campeonatos, mas os pilotos a encaram como uma decisão. Ela é uma realização independente de Fabinho Silva e conta com apoio de empresas da região. Fabinho realiza também a Copa Maxmoto Honda de Motocross nas cidades da mesma região. O campeonato vem crescendo a cada etapa realizada e é promessa de boa opção para quem gosta de acelerar. O dia 9 de dezembro, marcado para a realização da prova, tinha previsão de possibilidade de chuva ao longo do dia, mas nem isso desanimou a galera. Muitos pilotos compareceram e quem se arriscou, com certeza voltou para casa com a “alma lavada”, porque a chuva esperou só a premiação dos pilotos para cair. Durante a premiação dos vencedores, o prefeito reeleito de Coimbra, Antônio Cunha, o vereador Geraldo Silva e outros cidadãos da cidade fizeram a entrega dos troféus. Confira como foi a prova em suas dez categorias. 85cc – A garotada se alinhou e entre eles estava Marcely Cazadini. Ela sempre é sensação nas provas que disputa pela sua tocada agressiva e perfeita. Logo na largada estava ela disputando a primeira posição com Jordan, que conseguiu levar a melhor. Na segunda volta Marcely partiu para cima e na disputa por posição caiu juntamente com Jordan. Ela deixou a moto apagar o motor, mas voltou rápido e ainda conseguiu terminar no pódio, na 3ª posição. Muito aplaudida

30

A tradicional prova de motocross de Coimbra encarou a ameaça de chuva e conseguiu uma boa quantidade de pilotos para o desaf io MX

adriano


JOão Vitor

CASSINHO 32

pela multidão que assistia, a garota capixaba agradeceu pelo incentivo. Jordan terminou em 2º lugar e quem venceu a prova foi o piloto de Viçosa, João Vítor, que andou certinho até terminar a bandeirada. Nacional Estreante – A categoria largou com gate cheio. Logo na largada ficou claro que a disputa seria difícil. Todas as motos fizeram a primeira curva juntas na tentativa de abrir vantagem logo no início e sair da confusão. Quem se deu bem foi Paulo Henrique, que depois de conseguir superar Vandinho, mandou bem até cruzar a linha de chegada. O destaque da categoria vai para o piloto de Cataguases-MG, Adaberto Souza, que aos 61 anos mostrou que a paixão pelo esporte não tem idade. Ele não entrou para vencer a prova, mas largou e se manteve até o final esbanjando saúde. Ele é um dos integrantes da Equipe Veneno, que trouxe para a região a prática do esporte off Road. O dia foi especial para ele, que completou 40 anos de casado no dia da prova e recebeu um troféu de homenagem especial da organização. Nacional 230 – A categoria das motos de 230cc ficou exclusivamente para as motos Honda CRF230. Marcelo Pereira fez o holeshot, mas não conseguiu segurar a posição. Dênis forçou e, depois de bonita manobra na quinta volta, conseguiu a liderança que manteve até o final. O pódio ficou com Marcelo e Bruninho em 2º e 3º lugares. Nacional B – Outro gate que largou cheio foi a categoria B das nacionais. Júlio César largou bem, fez o holeshot e venceu de ponta a ponta. Walace ia bem na 2ª posição, mas caiu e ficou para trás. Depois de se recuperar, ele terminou com o 4º lugar. Com ele terminaram Edson, Marco Túlio e Cristiano em 2º, 3º e 5º lugares. Nacional A – Essa categoria foi um replay da 230cc, tanto na largada e primeiras voltas quanto no pódio das três primeiras posições. Marcelo largou na frente e Dênis teve que buscar na pista. Bruninho terminou como largou, em 3º lugar. Intermediária B – Como é normal nas provas, as categorias intermediárias largam com gate cheio. Em Coimbra não foi exceção. Alinhadas no gate estavam 13 motos. Após a largada o público curtiu e aplaudiu de novo a participação de Marcely Cazadini. Isso mesmo! A garotinha de apenas 14 anos de idade se misturou com os adultos e deu trabalho para eles largando na frente disputando o primeiro lugar com Cassinho. Sua moto de menor cilindrada não lhe possibilitou condições de manter-se na liderança, mas a ousadia de partir para cima foi motivo de vibração da torcida. No final terminaram Leandro, Cassinho e Tiago Júnior nas três primeiras posições. Intermediária A – A categoria A da Intermediária teve como vencedor Gabriel Sena. O piloto de Ponte Nova largou na frente e venceu de ponta a ponta, sem dar margem para ser ameaçado. Edu teve uma boa atuação, mas não foi o suficiente para tirar a vitória de Gabriel, terminando em 2º lugar. Kalico, Tazitinho e Adriano completaram o pódio da A. MX3 – A categoria é para pilotos com mais de 33 anos, mas para o sexo feminino não tem restrição de idade. Com isso Marcely se aproveitou e alinhou sua Honda CRF150cc e largou para encarar os veteranos. Dentre as oito motos que largaram, ela terminou em 6º lugar ameaçando o pódio do 5º. Os cinco primeiros colocados foram Gugu, Kalico, Adiclei, Edu e Júlio César. MX2 – A categoria MX2 teve sete motos alinhadas no gate, todas Honda CRF250cc. Na largada Dênis fez a primeira curva na frente e deixou a briga para Júlio Antônio e Sávio Lanna, na disputa pelo 2º lugar. Júlio foi melhor e, Além de deixar Sávio para trás, conseguiu também superar Dênis e vencer a prova com boa vantagem. O pódio ficou com Júlio, Dênis, Gabriel, Sávio e Marcelo, do 1º ao 5º lugares. MX1 – Na categoria que finalizou a prova, Júlio Antônio repetiu a boa performance, desta vez já fazendo o holeshot e abrindo vantagem em cima de Dênis. Júlio deu uma aliviada no acelerador e Dênis se aproveitou para assumir a liderança, mas sua alegria durou menos de uma volta porque Júlio se recuperou e não mais perdeu a condição de líder. Após os pilotos cruzarem a linha de chegada, a ordem do pódio ficou com Júlio, Dênis, Sávio, Gabriel e Luciano.


motocross COPA SHOW MINAS

Pedra Bonita

FEZ A ABERTURA e o ENCERRAMENTO COM SHOW DE “ONCINHA” NAS MX’S 1 E 2 Rômulo Bottrel o “oncinha”

Redação: Júlio César Fotografia: Júlio César

Pedra Bonita teve um f inal de semana agitado com a prova que premiou os campeões da temporada 2012 de mx Juan

34

O

final de semana dos dias 17 e 18 de novembro foram agitados para o Motoclube do Brigadeiro, que foi o responsável pela realização da Copa Show Minas, o melhor e mais extenso campeonato de motocross do interior do estado de Minas Gerais. Ao todo foram 12 etapas, todas bem sucedidas. As provas contaram com participação de pilotos dos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, fato que colaborou muito com a troca de experiência dos pilotos, que competem em vários tipos de pistas. A pista do Parque das Cachoeiras, local da prova, é uma das preferidas dos pilotos. Agora com sistema de irrigação ficou perfeita, mas a irrigação natural fez com que ela ficasse ainda melhor. A chuva caiu no dia anterior à prova e deixou o terreno em condições ideais. Para a etapa de Pedra Bonita,a 12ª, alguns pilotos já entraram para a pista na condição de campeão. Willian Resende, João Marcos, Pidim e Ulysses Lopes foram alguns deles. Eles participaram de todas as etapas e acumularam pontuação suficiente para garantir o título antes do encerramento.


A Prova

A Intermediária B deu início à prova. Josias largou bem atrás, mas buscou na pista e conseguiu vencer a prova. Juventino havia liderado a maior parte, mas perdeu a posição na parte final. Cássio havia largado bem entre os três primeiros, mas errou e ficou com a 5ª colocação. O capixaba Diego e o carioca Rodrigo Júnior ficaram em 3º e 4º lugares. Campeão: Cássio (Ibatiba-ES) LABRI laboratório de Prótese; Ortodontia Brigatto Vice: Gilberto “Gil” (Ipanema-MG) Gil Motos Intermediária A – Pidim foi um dos pilotos que já entraram para a pista como campeão. Mesmo assim o piloto quis encerrar a temporada com estilo e venceu de ponta a ponta uma prova difícil e com muitas motos. Seus companheiros de pódio foram Juan, Dênis, Leandro e João Marcos. Campeão: Elpídio Alves “Pidim” (Ipanema-MG) Hotel e Posto Tom Tom; Motoclube do Brigadeiro; Dupódim Troféus Vice: João Marcos (Pedra Bonita-MG) Motoclube do Brigadeiro; Dupódium Troféus 85cc – Uma tocada segura e impecável. Assim podemos definir a prova da “Oitentinha” para Eric. O garoto de Ipatinga largou na frente, abriu dos demais e venceu a prova. Atrás dele chegaram Vinícius Sá, depois de ter estado na quinta posição. Juninho, João Pedro e Caio Alicate completaram o pódio. Campeão: Eric Henrique (Ipatinga-MG) Mecânica Ipacar Vice: Augusto Leão (Santa Margarida-MG) GL Comércio de Café; Unicar Veículos. 65cc – O campeão da 65 não teve dificuldade para vencer mais uma prova na temporada. Vinícius largou e terminou na frente, dando um show de pilotagem.

Campeão: Vinícius Sá (Alto Jequitibá-MG) Maíra Distribuidora; Prefeitura de Reduto; Motoforce; Comercial Andrade Vice: Ulisses Durvanel (Muriaé-MG) Alvorada Têxtil 50cc – A eterna disputa entre Bruninho e Gustavo continuou na final da Show Minas. Desta vez Gustavo, com sua nova KTM #22, venceu a prova depois de muitas trocas de posição. A prova teve também as participações de Marlon e Yan Meirelles. Campeão: Bruno Ferreira (Santa Rita de Minas-MG) Loja Martins Soares; Hotel e Posto Tom Tom; Supermercado Boa Opção; Estofado Laura; Pref. S. R. de Minas; Colchões Global Flex Vice: Gustavo Abrahão (Ipanema-MG) Orama Jeans; Atacadão S. Furtado; Zema; Óticas Souza Lima; Construtora Constal Nacional B – A categoria tem mais um piloto para a próxima temporada. Brenno, de Sardoá MG, vem com patrocínio da Motomol e mostrou que vai dar trabalho. Apesar de ter ficado por mais de um ano sem competir se recuperando de contusão, o garoto mandou bem na prova alcançando a liderança logo na segunda volta. Cláudio Henrique se manteve em 2º lugar até a bandeirada e Júlio César fechou com a 3ª colocação. Cláudio foi constante durante o ano e leva para Guaçui ES o tílulo de campeão. Campeão: Cláudio Henrique (Guaçui-ES) Shazan Racing; Soprauto Vice: Gustavo Lopes (Reduto-MG) Pedreira Bom Jardim Nacional A – Os irmãos Willian e Fernando Resende faturaram os títulos de campeão e vice da Nacional A. Eles participaram de todas as etapas e obtiveram resultados

expressivos, não sendo ameaçados na reta final do campeonato. Na prova, eles não foram tão bem, mas ficaram com o 3º lugar (Fernando) e 4º lugar (Willian). Quem mandou bem foi os cariocas Maurício, com sua Honda Tornado, e Maicon Rosa, que terminaram nas duas primeiras posições. Campeão: Willian Resende (Cel. Fabriciano-MG) Mavimoto Honda Vice: Fernando Resende (Cel. Fabriciano-MG) MX Júnior – O campeão da categoria largou bem mas perdeu três posições na prova. João Marcos teve à sua frente os cariocas Matheus Boechat, Juan e João Pedro. O 5º lugar ficou para Walisson Tabajara. Campeão: João Marcos (Pedra Bonita-MG) Motoclube do Brigadeiro; Dupódium Troféus Vice: Walisson Tabajara (Ipatinga-MG) Reuber e Alan MX4 – Jânio Boechat e Altair largaram forte na frente dos demais, mas na segunda volta já não apareciam mais no pelotão de frente. Com isso Júlio César agradeceu e se mandou na frente até ser superado por Carlos Eduardo, que venceu a prova. Evandro, Júlio Alicate e Antônio Amaral completaram. Campeão: Cássio (Ibatiba-ES) LABRI laboratório de Prótese; Ortodontia Brigatto Vice: Joesman Domingues (Caratinga-MG) Motosfera MX3 – O holeshot da MX3 foi de Rodrigo, mas já na segunda volta ele apareceu na 3ª posição. Willian Resende liderou a prova com Plínio Tedesco em 2º até a última volta quando, com a “ajuda” de um retardatário, Hudson passou pelos dois em uma só manobra para cruzar a linha de chegada em 1º lugar.Os cariocas Rodrigo e Guilherme completaram o pódio. Campeão: Marcos Vinícius

(Caratinga-MG) Guadalajara Móveis Vice: Téo Moreira (Caparaó-MG) Auto Posto Aliança; Cooparaó Cooperativa de Café MX2 - O campeão da categoria “pegou leve” demais e não terminou no pódio de sua categoria. O destaque ficou para Rômulo Bottrel, o Onça, que largou por último devido a uma queda e teve que partir com quase uma volta de desvantagem. Quando tudo parecia perdido para ele, o locutor Amarildo avisou para o público que prestasse atenção na pilotagem agressiva do piloto e não deu outra. Com poucas voltas Onça já estava entre os cinco primeiros.Na parte final da bateria o mineiro estava em 2º lugar e, se não fosse pelo pneu traseiro furado, teria vencido a prova. Com isso Júlio Antônio, que ganhou posições de Ulysses Lopes e João Marcos, não teve problema para vencer a prova. O pódio ficou então com Júlio, Cabeção, Matheus Boechat, Ulysses e Leandro Araújo. Campeão: Adalson Nogueira (Espera Feliz-MG) Samir Motos Vice: Ulysses Lopes (Ibatiba-ES) Zoim Racing; Farmácia Mini Preço; Lim Motos; Mobil Racing MX1 – Sem dúvida uma das melhores provas da categoria no ano. Ulysses e Pidim largaram na frente e Onça teve que se desdobrar para superá-los, já que havia largado em 3º lugar. Pidim Andou forte, mas não foi o suficiente para segurar o Onça, que estava em dia inspirado. Ulysses se manteve na 3ª colocação até o fim e comemorou no pódio o seu merecido título de campeão da categoria mais cobiçada do motocross. Campeão: Ulysses Lopes (Ibatiba-ES) Zoim Racing; Farmácia Mini Preço; Lim Motos; Mobil Racing Vice: Adalson Nogueira (Espera Feliz-MG) Samir Motos

35


motocross COPA BRASIL DE SUPERCROSS

MAIS UM SHOW

DE ORGANIZAÇÃO, COMEMORANDO OS 30 ANOS da Moto nanuque

Pilotos de vários estados reunidos na 11ª etapa, reta f inal do campeonato, onde campeões da temporada já começam a ser revelados 36

Redação: Júlio Cesar Fotografia: Equipe Só Motos

I

magine uma prova de supercross sem invasão de pista, com segurança em todos os pontos da pista, com inscrição grátis e água de coco tipo exportação também grátis para todos os pilotos e público. Essa foi a 11ª etapa da Copa Brasil de Supercross, que aconteceu em Nauque no dia 14 de outubro. Além de todas essas vantagens, a prova teve ainda duas ambulâncias com um médico e dois enfermeiros, cada. Tudo isso para ficar marcado para sempre a passagem da Copa Brasil em Nanuque. Na semana que antecedeu a prova, o Ministério Público mostrou preocupação com a participação de crianças e adolescentes na competição, mas segundo o coordenador de marketing da Concessionária Honda Moto Nanuque, Thiago Cardoso, a equipe liderada por Tadeu Milbratz não mediu esforços para mostrar à Promotoria a importância e segurança dos garotos nas competições. Ficou provado que o esporte, além de seguro, é um dos meios de conduzir as crianças a bons caminhos. Isso levou à liberação da prova e da participação das categorias infantis. A segurança da pista foi feita pelo Tiro de Guerra de Nanuque. O Sargento Rubnei e seus 13 atiradores mantiveram a ordem durante todo o dia e a prova transcorreu dentro da normalidade. Como é feito em todos os anos, uma área vip foi reservada para os integrantes do Trail Clube de Nanuque. Eles participam e apoiam todos os eventos da Moto Nanuque. Outra área foi reservada para as autoridades do município. O prefeito eleito, Ramon Ferraz, acompanhou a prova e deixou sua mensagem de apoio ao esporte durante sua gestão, que tem início em 2013. Antes da primeira categoria largar, os locutores Cavalcante e Evandro anunciaram a execução do Hino Nacional. Ao lado da Badeira do Brasil e de Minas Gerais estavam as bandeiras dos estados de Pernambuco, do Espírito Santo e Bahia, representando os pilotos visitantes. Antes da largada da primeira categoria, Tadeu Milbratz agradeceu a presença dos pilotos e os elogiou: “Vocês são artistas incrivelmente talentosos”.Disse ainda que a etapa de supercross é o maior evento da iniciativa privada de Nanuque. “A Moto Nanuque completa 30 anos e confirma seu papel de integrante da cidade”.


A Prova A primeira categoria a se alinhar foi a Nacional Local. Nela os trilheiros e iniciantes no esporte podem sentir o que que é competir em uma prova de supercross com pilotos do mesmo nível. O garoto Ígor largou na frente e junto com Luiz Otávio e Tiago, abriram vantagem dos demais. Os três seguiram juntos assim durante quase todas as voltas, mas nas últimas curvas Tiago conseguiu superar Luiz Otávio para ficar com o 2º lugar. Ígor venceu de ponta a ponta A chuva ameaçou cair na largada da SX3, mas ficou só no sereno para melhorar a pista. Altair aproveitou bem e largou forte. O piloto de Ipatinga abriu vantagem e venceu a prova sem ser ameaçado. Vado, que largou bem atrás, recuperou na pista e chegou na última volta bem próximo de Altair, mas não teve tempo para tentar dar o bote. Frank, Valério e André Gata completaram o pódio. A Intermediária B teve 16 motos alinhadas e entre elas a moto #30 de Tauane. A garota, que sempre levanta a multidão com sua maneira agressiva de pilotagem, não largou bem e teve que buscar resultado na pista. Ela mandou bem e disputou várias curvas e posições e por pouco não conseguia a última vaga do pódio. Ao cruzar a linha de chegada, seu pai fez questão de dar a bandeirada para ela, valorizando o esforço na prova. O pódio ficou com Bruno, Leandro e César nas três primeiras posições. A Intermediária C foi a única categoria que foi decidida depois de duas baterias classificatórias teve 16 motos no

gate. O capixaba de Linhares, Frank Coutinho, largou na frente e não quis saber da briga atrás, semantendo firme até a bandeirada. A briga atrás ficou entre Amilton e João Vítor, que terminaram em 2º e 3º lugares. #712 esteve em 2º lugar durante quase toda a prova, mas errou na última volta e perdeu seu lugar no pódio. O baiano Luiz Fernando tinha tudo para vencer a Intermediária Nacional. Depois de largar na frente fazendo o holeshot e andar forte, sua moto apresentou problemas na última curva. Com isso o 1º 2º e 3º lugares foram para Gerônimo, Xaropinho e Diego. Nanuque foi bem representada com a vitória de PCzinho na Nacional Estreante. O garoto conseguiu a liderança na última volta, para a alegria de seus torcedores. 150cc – Os protagonistas da categoria dos garotos foram Luiz Fernando, Eric, Ígor, Gabriel e Marcely Cazadini. Eles levantaram a torcida, que mesmo sem conhecê-los bem, abraçaram a causa e agitaram. O destaque foi para a garotinha Marcely. Mesmo sem treinar há muitos meses devido a lesão, ela mandou bem na prova e deu mais alegria à disputa da categoria. Depois de muita disputa entre as categorias, a SX1 largou com 10 motos no gate. Pidim mandou bem na largada e se manteve na frente por várias voltas até ser superado por César e Higor Passos. Na última volta, Higor deixou César para trás e venceu a categoria mais veloz do dia.

Luiz octávio

tadeu milbratz e autoridades

37


Bastidores

38


39


kids

2

3

1

1: Pedro Henrique com o pai Peroni 2: Luis Felipe, Murilo e Ana 3: Marquinhos com a esposa e os filhos no TrilhĂŁo de IĂşna (ES) 4: Enzo, 3 anos, com os pais Clebinho e Juliane 5: Miguel, com os pais Mike e Giselle 6: Pedro Henrique com o pai Girley 7: Filhos dos organizadores

40

4

5

6

7


humor saia do sério

1

2 3

4

5

1: Alguém me explica isso?! 2: A foto já diz tudo. 3: Acorda Mata Burrin 4: Série óculos especiais, serve para tudo, menos para trilha! 5: Que sede! 42


anuncie: 31 3821-4377

classificados Anuncie na nova seção

Classificados

Consulte preços e formatos

(31) 3821-4377

www.revistasomotos.com.br



Revista Só Motos