Page 1

1

Apenas 26% das escolas públicas são acessíveis a pessoas com deficiência

pág. 10

Em turnê pelo Brasil, Roger Waters surpreende com posição política pág. 14

JORNAL

Trabalho Acadêmico - VF - Editoração Eletrônica 1 - C306C (2018/2) - Facha Botafogo - RJ

Polícia Civil apreende fuzis no Aeroporto Internacional do Rio Armas foram localizadas em carga de aquecedores de piscina

atribunarj.com.br

pág. 04

Cartas bombas foram enviadas a personalidades e líderes políticos nos EUA pág. 09

O poder de influência da televisão e do rádio na era da internet pág. 06

Grandes times enfrentam problemas na reta final do Brasileirão pág. 20

Marielle Franco será homenageada no Carnaval carioca por 3 escolas pág. 17

Licença para transposição do Rio São Francisco é autorizada após 8 anos pág. 05


2

Editorial


Informe

EXPEDIENTE Jornal desenvolvido como trabalho acadêmico pelos alunos de terceiro período do curso de Comunicação Social - Jornalismo da Faculdade Integradas Hélio Alonso da turma 306c - Botafogo, Rio de Janeiro - 2° semestre/2018. A orientação foi feita pelo professor Gilvan Nascimento da disciplina Editoração Eletrônica 1. As matérias imagens desta edição não produzidas pelos alunos terão seus créditos devidamente inseridos. É importante salientar que por se tratar de um trabalho acadêmico toda diagramação, planejamento e programação visual deste projeto foram elaborados pelos alunos e os erros cometidos foram mantidos. Este trabalho não possui fins lucrativos. Alunos que participaram desse jornal: Aline Rose, Arlan Frankito, Beatriz Vasconcelos, Bruna Maia, Bruno Villaça, Filipe Azeredo, Gabriel Cravo, Gabriel Fernandes, Isabela Carvalho, João Guilherme Santiago, Leonardo Bessa, Matheus Hartman, Rayan Alcantara, Rodrigo Angelo, Valery Kelly Mendes. Editoras: Brenda Vanni e Fernanda Brito Professor: Gilvan Nascimento

CARO LEITOR Com satisfação lhe apresentamos o Jornal Informe, desenvolvido por nós, alunos de 3º período da FACHA. Com o intuito de vivenciar uma experiência jornalística, os alunos aplicaram seus conhecimentos teóricos e trabalharam em conjunto para este presente jornal impresso. Nessa produção, tivemos a oportunidade de manusear os principais softwares de edição atuais, errar, acertar e desenvolver habilidades que antes pareciam inalcançáveis. Todo o processo de diagramação, planejamento e programação feito com muito esforço e dedicação por nós você pode conferir aqui, onde você encontrará matérias diversas, segmentadas nas editorias Cidade, Nacional, Política, Economia, Internacional, Educação, Cultura, Saúde, Inovação, Carnaval e Esporte. A equipe agradece ao professor Gilvan pelo desafio proposto e pelos ensinamentos que serão levados por toda a vida acadêmica e profissional. Uma boa leitura!

3


Cidade Museu Imperial continua correndo riscos estruturais

4

Ministério Público Federal recomendou à instituição, em Petrópolis, e também ao Museu Nacional de Belas Artes, no Rio, a elaboração, em seis meses, de um plano de combate à chamas e prevenção de incêndios Foto: Globo.com

O quadro Batalha dos Guararapes é um dos destaques do Museu Nacional de Belas Artes, que não tem projeto de prevenção a incêndios.

Aline pessanha Fonte: Globo.com (adaptado) Em 24.10.2018 RIO - O Museu Nacional de Belas Artes, no Centro do Rio, e o Museu Imperial, em Petrópolis, funcionam sem um projeto de prevenção a incêndio, sem plano de gestão de riscos e sem alvará de funcionamento. O alerta é do Ministério Público Federal, que recomendou que as duas instituições

se adequem e elaborem, em seis meses, um plano de prevenção e combate a incêndio aprovado pelo Corpo de Bombeiros. As recomendações feitas pelo MPF acontecem quase dois meses depois do incêndio que destruiu o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista. A recomendação do MPF foi expedida no último dia 5. Segundo o MPF, um projeto executivo de restauração do Museu de Belas Artes está em andamento, com previ-

são de entrega em 25 de novembro. “Há, portanto, possibilidade de inclusão de plano de prevenção e combate a incêndio e pânico e plano de gerenciamento de riscos por meio de termo de aditivo”, afirma o procurador Renato Machado na recomendação. A museóloga Muna Raquel, que integra a comissão de gestão de risco do Museu Imperial, disse que a contratação da empresa que prepararà a documentação para obtenção do alvará está em “fase final”, com previsão de

que seja finalizada até o fim do ano: — A gente não tem um sistema de combate a incêndio nos moldes previstos, mas o museu tem hidrantes próprios, cobrindo todo o perímetro da instituição, e 120 mil litros de água dispostos em caixas e cisternas próprias. O Museu Nacional de Belas Artes, por meio da assessoria de imprensa, afirmou que o Corpo de Bombeiros fez uma vistoria para que se obtenha o alvará.

PF apreende 11 fuzis no Aeroporto Santos Dumont, na Cidade do Rio de Janeiro

Além dos fuzis, carregadores e cocaína foram localizados pelos policiais. Material estava dentro de uma fritadeira enviada do Paraná ao Rio.

Foto: G1.globo.com

Aline pessanha Fonte: G1 Rio (adaptado) Em 23.10.2018 RIO — O Gabinete de Intervenção federal entregou 60 fuzis nesta quinta-feira à Polícia Civil do Rio. A cerimônia aconteceu no Batalhão de Manutenção e Suprimento de Armamento do Exército, na Vila Militar, na Zona Oeste. Foram entregue 45 armas do modelo AK47 e 15 do modelo AR-10, ambas com calibre 7,62 mm. O armamento foi apreendido no ano passado, no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, em uma operação da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) e da Delegacia Especializada em Armas, Munições

e Explosivos (Desarme), unidades da policia fluminense . — É mais uma vitória da Intervenção federal. Essa colaboração é fundamental nesta sinergia de esforços para recuperar a segurança pública e a sensação de segurança na cidade do Rio de Janeiro. É um poderio bélico que estaria nas mãos de criminosos se não fosse pela Polícia Civil — afirmou o coronel Roberto Itamar, porta-voz do Gabinete de Intervenção federal, durante uma transmissão ao vivo pelo Facebook. O tenente-coronel Carlos Régis Carneiro Borges, comandante do batalhão onde aconteceu a entrega dos fuzis, explicou como aconteceram os testes e a manutenção das armas antes que fossem doadas à polícia para uso em operações especiais.

Material Apreendido pela polícia.


Nacional

5

Transposição do rio São Francisco recebe licença para obras A permissão foi concedida para o chamado “eixo leste” da obra, rede que começa em Floresta (PE) e corta municípios de Pernambuco e Paraíba Leonardo Bessa e Rayan Trindade Fonte: diariodepernambuco. com.br (adaptado) em 24/10/2018 Depois de oito anos de atraso em seu cronograma original, o primeiro eixo da Transposição do São Francisco finalmente recebeu licença de operação, documento fornecido pelo Ibama que autoriza, oficialmente, o funcionamento do sistema de entrega de água na Região Nordeste do País. A licença de operação (LO) foi concedida para o chamado “eixo leste” da transposição, rede que começa na barragem de Itaparica no município de Floresta (PE) e avança por 217 quilômetros, cortando municípios

do interior de Pernambuco e Paraíba. Desde o início do ano passado, a transposição passou por diversos atos oficiais de “inauguração” de seus trechos, envolvendo visitas dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, e do presidente Michel Temer. Em termos práticos, porém, todas as operações parciais realizadas até agora na transposição do São Francisco se resumiam a testes da estrutura. O funcionamento efetivo só é permitido após a emissão da licença de operação. A autorização foi dada após avaliação de uma série de programas ambientais de monitoramento da qualidade da água, conservação de fauna e flora, fornecimento de água e apoio técnico para

pequenas atividades de irrigação. A estrutura é formada por estações de captação e bombeamento de água, canais de concreto armado em leito natural, aquedutos, túneis, reservatórios intermediários e linhas de transmissão. A obra deve levar água para cerca de 4,5 milhões de pessoas em 168 municípios. Cronograma As obras da transposição tiveram início em 2007. A previsão original era que ficassem prontas em 2010, mas o atraso tomou conta de todo o empreendimento, que acabou envolvido em acusações de superfaturamento e falhas de projeto. A previsão original era de que a obra custaria R$ 4,5 bilhões. Até o ano passado, os investimentos já

Mais de 300 mil são afetados por pior seca no Nordeste Com os reservatórios abaixo de 30%, Maranhão e Piauí são os mais afetados pela seca Leonardo Bessa e Rayan Trindade Fonte: diariodepernambuco. com.br (adaptado) em 30/07/2018 Os indícios de que a seca está implacável é denunciada pela terra rachada. A falta d’água nos reservatórios e a previsão de poucas chuvas agravam o problema. O último mês foi ainda mais crítico. Monitoramento da Agência Nacional de Águas (ANA) mostra que a seca moderada, nível intermediário do problema, aumentou 246% entre maio e junho. São mais de 328 mil pessoas vivendo em áreas extremas e severas, onde as intempéries do tempo são ainda mais duras. Nesta semana, reunião definirá decisões

estratégicas, com referência à gestão de reservatórios de água para o abastecimento e para geração de energia. O temor de especialistas é de que estiagem semelhante à que castigou o semiárido brasileiro entre 2012 e 2017, considerada a pior da história pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), volte a afetar os nordestinos. O Maranhão e o Piauí são os que mais tiveram áreas afetadas pela seca. Na região central do Maranhão, por exemplo, a estiagem varia entre nove a 15 meses. No Ceará, mais 26 municípios tiveram situação de emergência decretada pelo Ministério da Integração Nacional. Agora são 66 cidades nesta situação. Em todo o país, o

blogs.diarionordeste.com.br

número de cidades em estado de emergência ultrapassa 800. Nos próximos seis meses, as prefeituras podem pedir apoio ao governo federal para ações emergenciais. Em alguns locais, além do abastecimento de água potável por caminhão-pipa, houve distribuição de comida e famílias foram retiradas de áreas de risco. O meteorologista Manoel Rangel, do Inmet, explica a tendência climática para a região. “Está chovendo menos do que era esperado”.

fbsconstrutora.com.br

“Eixo leste” da obra de transposição do Rio São Francisco

passavam de R$ 8,2 bilhões. O eixo leste é a parte menor no projeto. O governo ainda trabalha na conclusão do chamado “eixo norte”. A calha de 477 quilômetros de extensão está em fase de construção e, segundo informações do Ministério da Integração, pode ser concluída ainda neste ano. Em fevereiro, foi acionada a estação de bombeamento de tomada

de água desse eixo, no município de Cabrobó (PE). A água, que segue pela calha por gravidade, tem avançado para os reservatórios e estações elevatórias seguintes. No eixo norte, avançará em direção ao Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. Neste segundo eixo, o projeto deve beneficiar cerca de 7,1 milhões de habitantes de 223 municípios.

MPF recomenda planos contra incêndios para museus Leonardo Bessa e Rayan Trindade Fonte: diariodepernambuco. com.br (adaptado) em 22/10/2018 Para evitar novas ocorrências como a do incêndio no Museu Nacional no Rio de Janeiro, que causou a perda de grande parte do acervo exposto na instituição, o Ministério Público Federal (MPF) expediu recomendações de prevenção e combate a incêndio para museus em seis estados . Os documentos foram encaminhados aos museus de Arte Sacra da Boa Morte (GO), Nacional de Belas Artes (RJ), da Inconfidência (MG), das Bandeiras (GO), Imperial (RJ) e das Missões (RS). “A execução das medidas será acompanhada por meio de procedimentos instaurados pelo MPF e, caso as recomendações não sejam atendidas, a Justiça poderá

ser acionada”, informou o MPF por meio de nota. Cinco museus executaram o projeto de prevenção a incêndio e pânico. Três deles, localizados em Goiás, aguardam vistoria dos Bombeiros, duas delas – o Museu das Bandeiras e o Museu de Arte Sacra da Boa Morte – receberam recomendações do MPF para submeter as reformas ao crivo do Corpo de Bombeiros. O MPF pede a elaboração dos planos de prevenção e combate a incêndio e pânico e de gerenciamento de riscos e recomenda que os projetos sejam aprovados pelos Bombeiros e pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN). Os prazos para elaboração dos projetos vão de 90 a 180 dias e a implementação deve ocorrer em, no máximo, um ano. As recomendações foram feitas por meio de uma ação coordenada da Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico do MPF.


Política

6

Como a desinformação cresceu na era da informação Gabriel Pereira gfspereira@outlook.com Em 2016 o dicionário inglês Oxford elegeu o termo “pós-verdade” como a palavra do ano. O termo pode ser conceituado como o fenômeno no qual a verdade dos fatos não é mais prioridade nem para os meios de comunicação, nem para a sociedade, mas sim o apelo às crenças e emoções que aquele fato pode gerar. Em entrevista ao jornal El País em março deste ano, o linguista americano Noam Chomsky afirmou que já não acreditamos mais nos fatos. “As pessoas se sentem menos representadas e levam uma vida precária, com trabalhos cada vez piores. O resultado é uma mistura de aborrecimento, medo e escapismo. Já não se confia nem nos próprios fatos. Há quem chama isso de populismo, mas na verdade é descrédito das instituições”, avalia Chomsky. “Até Orwell estaria assombrado. Basta ligar a televisão e ver os anúncios: procuram informar o consumidor para que tome decisões racionais? Ou procuram enganar? Pensemos, por exem-

plo, nos anúncios de carros. Oferecem dados sobre suas características? Apresentam informes realizados por entidades independentes? Porque isso sim que geraria consumidores informados capazes de tomar decisões racionais. Em vez disso, o que vemos é um carro voando, pilotado por um ator famoso”, completa o linguista. Fenômeno global e local No Brasil esse fato histórico é particularmente fácil de evidenciar. Tendo em vista a extrema polarização política, os fatos passaram a ser atropelados pelas narrativas em disputa. E com as instituições tradicionais (partidos, mídia, justiça, etc.) em profunda crise e descrédito, a sociedade acaba não conseguindo julgar o que é fato do que é mentira. De acordo com o cientista político Daniel Henrique da Mota, que estuda sobre o fenômeno das fake news, o problema central é o excesso e informação e como as pessoas lidam com isso no mundo moderno. “ Há muita informação sendo produzida o tempo inteiro e não é possível dar

O impacto da propaganda eleitoral gratuita nas eleições de 2018 Qual o real poder de influencia da TV e do rádio na era da internet? Gabriel Pereira gfspereira@outlook.com Em julho de 2018, antes de ser oficializado o início das campanhas eleitorais para presidente e governador, o Senador Romário Faria (PODEMOS), candidato ao governo do Estado do Rio de Janeiro, liderava as pesquisas com 24% de intenção de votos. Eduardo Paes (DEM) era o segundo com 15% e Anthony Garotinho (PR) o terceiro com 14%. Já no âmbito federal o Deputado Jair Bolsonaro (PSL) capitalizava 22% das intenções de voto para presidente, seguido por Marina Silva (REDE) com 14% e Ciro Gomes (PDT) com 11%. A partir do dia 16 de agosto, de acordo com o calendário do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), passou a ser permitida a realização

de propaganda eleitoral, como comícios, carreatas, distribuição de material gráfico e propaganda na Internet (desde que não paga), em todo território nacional. Já a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão teve início no dia 31 de agosto, exatos 37 dias antes das eleições. O período foi reduzido de 45 para 35 dias em comparação a última eleição devido a reforma política. O início da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão teve efeitos distintos nas campanhas para presidente e para governador do Estado do Rio de Janeiro. No âmbito estadual o candidato com mais tempo de televisão, Eduardo Paes (DEM), conseguiu ultrapassar o até então líder das pesquisas, Romário Faria (PODEMOS), apostando no dis-

conta de tudo. É ai que está a delicadeza da questão: como filtrar essa informação e de onde vem esse filtro?”, afirma o cientista. “Em primeiro lugar, precisamos considerar o papel das redes sociais enquanto meios de acesso à informação. Cada vez mais, as pessoas se informam pelo Whatsapp, Facebook e demais mídias. Redes sociais, como Facebook e Instagram criam filtros a partir de algoritmos baseado em suas preferências pessoais. O resultado é a produção de bolhas ideológicas que apenas emulam nossa própria visão e sentimento. Em segundo lugar, a mudança nos meios de comunicação de massa, em que uma mídia oligopolizada detém a informação, para o espaço das redes sociais, em si mais descentralizado, permitiu que a confiança passasse a estar atrelada a informação veiculada pelos seus amigos e familiares mais próximos. Estudos apontam que a maior parte das fake news nos Whatsapps brasileiros circulam nos grupos familiares. Por fim, há o próprio filtro psíquico do indivíduo. Novas pesquisas demonstram que tendemos a dar mais atenção, a ler e a compartilhar notícias que já reforçam as suas próprias opiniões. Esses três fatores aumen-

curso da experiência. Já no âmbito federal o candidato Jair Bolsonaro (PSL), com apenas 9 segundos de televisão, conseguiu se firmar na liderança das pesquisas com quase 30% das intenções de voto, mesmo sendo o principal alvo dos adversários com mais tempo de propaganda eleitoral. Essa diferença do efeito da propaganda eleitoral em cada caso demonstra que não basta simplesmente ter mais tempo de televisão e de rádio, o modelo de propaganda adotado é essencial para o sucesso de uma campanha. Hoje em dia a internet se tornou um terreno de debate político indispensável para qualquer candidato. Não se pode mais menosprezar a força, relevância e influência que a plataforma possui. Exemplo claro disso é a campanha do Deputado Jair Bolsonaro (PSL), pautada fortemente na internet, devido ao pouco tempo disponível de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV. O candidato conta com uma militância

tam um uma falsa sensação de confiança que costuma toldar as pessoas a própria procura por verificação de dados”, avalia Henrique da Mota. Desinformação e manipulação Para o jornalista Rafael Oliveira, boatos e notícias falsas sempre existiram na história humana, porém a tecnologia dos meios de informação permitiu que esse fenômeno reverberasse em escala inédita. “A proximidade dos interlocutores na era da informação acaba gerando uma falsa legitimidade da notícia.” Afirma Oliveira. “É o grande problema da atualidade. Você tem coisas muito sérias sendo decididas por esse contexto de desinformação e manipulação. A gente vive isso hoje, na greve dos caminhoneiros vimos como o Whatsapp foi utilizado de forma muito nociva, causando transtornos, medo nas pessoas; na saúde também, dengue, zika, febre amarela, todas essas questões vivem a volta de uma série de desinformações”, completa. De acordo com o jornalista a solução passa pela conscientização das pessoas, para muito além do que temos hoje. O monitoramento e punição dos responsáveis por gerarem as fake news também é muito importante para frear as condutas inapropriadas.

veja.com

feroz que domina as redes sociais e que influencia as pautas discutidas. O monopólio da televisão e do rádio como únicas formas de propaganda política podem ter chegado ao fim. Entretanto num país como o Brasil não se pode ignorar completamente o poder dos meios de comunicação tradicionais na formação da mentalidade política do brasileiro. Tomando como exemplo o caso do Rio de Janeiro, o candidato Anthony Garotinho (PR) é detentor de programas de rádio no interior do estado, e sua influência nestas regiões possui clara ligação com

essa plataforma midiática. Eduardo Paes é um bom exemplo do bom uso da propaganda eleitoral gratuita. Devido suas alianças políticas o candidato do DEM conseguiu abocanhar 40% do tempo de televisão, somando 7 minutos e 11 segundos, seguido pela candidata Márcia Tiburi do PT com 2 minutos e 34 segundos. Com uma ampla vantagem disponível o candidato aproveitou e conseguiu quase 10 pontos percentuais nas pesquisas, subindo de 14% (antes do inicio da campanha) para 23% (números do início de setembro).


Política

Disparos em massa de mensagens contra o PT no WhatsApp jornalggn.com.br

Empresários bancam campanha contra o PT no Whatsapp

João Guilherme Fonte: Jornal O Dia 18/10/2018

Um grupo de empresários está comprando pacotes de disparos em massa de mensagens contra o PT no WhatsApp, segundo reportagem publicada nesta quinta-feira, pelo jornal Folha de S. Paulo. O aplicativo tem sido a principal fonte de fake news neste período eleitoral. De acordo com a reportagem,  os contratos chegam a R$ 12 milhões e, entre as empresas compradoras, está a

Havan, de Luciano Hang, que apoia o candidato Jair Bolsonaro (PSL). Os contratos são para disparos de centenas de milhões de mensagens. No entanto, a prática é ilegal, pois se trata de doação de campanha por empresas, vedada pela legislação eleitoral, e não declarada. As empresas compram de agências como a QuickMobile, Yacows, Croc Services e SMS Market – um serviço chamado “disparo em massa”, usando a base de usuários do candidato ou bases vendidas por agências de estratégia digital.

O mecanismo da ação também é ilegal, pois a legislação eleitoral proíbe compra de base de terceiros, só permitindo o uso das listas de apoiadores do próprio candidato, com números cedidos de forma voluntária. Essas agências de comunicação, quando usam bases de terceiros,oferecem segmentação por região geográfica e, às vezes, até por renda. Ainda segundo a reportagem, os preços variam de R$ 0,08 a R$ 0,12 por disparo de mensagem para a base própria do candidato e de R$ 0,30 a R$ 0,40 quando a base é fornecida pela agência. À reportagem, o dono da Havan, disse desconhecer o serviço. “Não temos essa necessidade. Fiz uma ‘live’ aqui agora. Não está impulsionada e já deu 1,3 milhão de pessoas. Qual é a necessidade de impulsionar? Digamos que eu tenha 2.000 amigos. Mando para meus amigos e viraliza”, declarou Luciano ao jornal. Funcionários e voluntários dispõem de dezenas de números assim, que usam para administrar grupos ou participar deles.

rc.am.br

Luciano Hang, dono das lojas Havan, em palestra

Com códigos de área de outros países, esses administradores escapam dos filtros de spam e das limitações impostas pelo WhatsApp —o máximo de 256 participantes em cada grupo e o repasse automático de uma mesma mensagem para até 20 pessoas ou grupos. Na prestação de contas do candidato Jair Bolsonaro (PSL), consta apenas a empresa AM4 Brasil Inteligência Digital, como tendo recebido R$ 115 mil para mídias digitais. A Folha apurou com ex-funcionários e clientes que o serviço da AM4 usa, entre

suas ferramentas, a geração de números estrangeiros automaticamente por sites como o TextNow. Funcionários e voluntários dispõem de dezenas de números assim, que usam para administrar grupos ou participar deles. Com códigos de área de outros países, esses administradores escapam dos filtros de spam e das limitações impostas pelo WhatsApp —o máximo de 256 participantes em cada grupo e o repasse automático de uma mesma mensagem para até 20 pessoas ou grupos.

A ESTRATÉGIA ANTIPETISTA DE JOÃO DÓRIA vejasp.abril.com.br

João Dória, candidato eleito ao governo de São Paulo

Gabriel Fernandes gfspereira@outlook.com No domingo 21, um ato pró-Bolsonaro ocupou a Avenida Paulista durante à tarde. Na manifestação discursaram o próprio presidenciável - por meio de um telão -, outras figuras do PSL e um agregado que mais parece parte do partido, João Doria, que concorre o segundo turno pelo governo de São Paulo pelo PSDB e tem como adversá-

rio Márcio França, do PSB. “O recado vai para você, Márcio França, socialista esquerdista. Esse é o Brasil que a gente gosta”, disse em vídeo gravado durante o ato, apontado para o grupo verde-amarelo. Na companhia dos eleitores que pediam fotos e o seguiam no ato, Doria tenta abandonar a imagem de elitista, distante do povo. O ex-prefeito que se elegeu com a alcunha de gestor, hoje não refere mais

a si mesmo dessa forma, prefere se associar a Jair Bolsonaro (PSL). Aos gritos de “A nossa bandeira jamais será vermelha”, ele tentou e tenta, ao longo da campanha, se aproximar do eleitorado antipetista e empurra para o adversário, Márcio França, a fantasia de petista. Esse, por sua vez, se desvencilha. “João, eu não sei porque você insiste tanto com essa história do PT”, afirmou durante o debate da TV Bandeirantes, na semana passada. O candidato do PSDB tem chamado a si mesmo de “BolsoDoria”, brincadeira que se difundiu durante o primeiro turno nas redes sociais. A provável dobradinha parece ter agradado o candidato. Na sexta-feira 19, Doria postou uma foto em seu Twitter ao lado do General Hamilton Mourão (PSL), vice de Bolsonaro. Na legenda: “Somos todos BolsoDoria”. O termo foi

7

escolhido como palavra de ordem pelos bolsonaristas durante o ato. CartaCapital conversou com dois especialistas sobre o cenário do segundo turno em São Paulo: Danilo Cesar Fiori, cientista político da USP, e Cláudio Couto, professor do departamento de gestão pública da FGV. Segundo Fiori, o fato de São Paulo ter sido epicentro das manifestações pelo impeachment em 2016 dificultou a consolidação da esquerda nestas eleições. “Foi a primeira vez que um candidato do PT ficou em quarto lugar na corrida eleitoral desde 1990”, comenta. Em todos os últimos pleitos estaduais o partido tinha alcançado pelo menos o terceiro lugar. Para o pesquisador da USP, “Doria tenta surfar na onda Bolsonaro e, ao mesmo tempo, galvanizar-se como uma liderança no campo da direita em contraposição ao PT”. O professor vê dois riscos na campanha “Bolsodoria”:

o aumento da rejeição ao candidato e ressentimentos dentro do seu próprio campo político. Nesse cenário, de acordo com Fiori, em meio à onda antipetista, Márcio França tenta se colocar como uma “terceira via conciliadora em um momento de grande polarização”. Para Couto, “de Minas Gerais ao Sul ninguém quer se identificar com o PT e alguns percebem a necessidade de identificar-se com o antipetismo extremista de Bolsonaro. O PT tornou-se tóxico. Para boa parte do eleitorado, tão ou mais tóxico do que Temer”, avalia. A disputa de narrativas entre Doria e França, que gerou bate-bocas durante o debate da TV Bandeirantes, tem orientado a campanha no segundo turno. “Doria usa um discurso raivoso contra a esquerda, fala como se estivéssemos no auge da Guerra Fria, criando um espantalho comunista que não existe”, analisa o pesquisador da FGV.


8

Economia

Economia brasileira cresce 7,5% em 2010, após enfrentar crise

No último trimestre do ano, expansão foi de 0,7% sobre trimestre anterior, na comparação com um ano antes, alta foi de 5% Arlan Almeida e Valery Kelly Fonte: globo.com (adaptado) Em: 03/03/2011 A economia brasileira fechou 2010 com crescimento de 7,5%, conforme revelou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (3). Em valores correntes, a soma de todas as riquezas produzidas pela economia no ano passado alcançou R$ 3,675 trilhões. O PIB per capita ficou em R$ 19.016. Na comparação do IBGE com outros 16 países, o ritmo de expansão do Brasil só perde para China (10,3%) e Índia (8,6%). Supera, no entanto, a taxa de crescimento

de países como Coréia do Sul (6,1%), Japão (3,9%), EUA (2,8%), e a da região da zona do euro (1,7%). Em comunicado, o instituto diz que o resultado foi “beneficiado pela baixa base de comparação do ano anterior”, já que, em 2009, ano abatido pelos efeitos da crise financeira mundial, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro teve recuo de 0,6%, de acordo com dado revisado pelo IBGE. Considerando apenas o quarto trimestre, em relação ao trimestre anterior, o aumento foi de 0,7%. Na comparação com o quarto trimestre de 2009, o crescimento foi de 5%. Os dados do PIB mostram como a eco-

nomia se comportou no ano passado. Para medir esse desempenho, o IBGE analisa as taxas de crescimento da agropecuária, da indústria e dos serviços. Por setores, o crescimento no ano foi o seguinte: agropecuária (6,5%), indústria (10,1%) e serviços (5,4%). Do ponto de vista da demanda na economia brasileira, a despesa de consumo das famílias cresceu 7%; os gastos do governo aumentaram 3,3%, o investimento em capacidade da indústria, medido pela formação bruta de capital fixo, aumentou 21,8%. “A leitura que se pode fazer ao observar cada trimestre de 2010, comparado com os três

meses imediatamente anteriores, é de que o ano começou com a economia muito acelerada. Ao longo de 2010, houve uma desaceleração”, disse Roberto Luís Olinto Ramos, coordenador de Contas Nacionais do IBGE. Entre as atividades que contribuíram para a geração do Valor Adicionado a Preços Básicos, as maiores influências são observadas no setor de serviços (4,6%). O aumento de volume do Valor Adicionado da Indústria desacelerou para 4,3%, e a agropecuária teve crescimento de 1,1%, puxado pelo aumento da produtividade. Nesse período, a despesa de consumo das famílias cres-

ceu 7,5%, a 29ª variação positiva seguida nessa base de comparação. O IBGE atribui esse resultado ao aumento dos salários e do maior acesso crédito para as pessoas físicas. A despesa de consumo da administração pública cresceu 1,2% e a formação bruta de capital fixo aumentou 12,3%. De acordo com o IBGE, a taxa de investimento no ano de 2010 foi de 18,4% do PIB, superior à taxa referente ao ano anterior (16,9%), mas ainda inferior ao nível pré-crise: em 2008, a taxa de investimento era de 19,1%. Já a taxa de poupança alcançou 16,5% do PIB contra 14,7% no ano anterior.

Crise faz empreendedorismo por necessidade voltar a crescer no Brasil 11 milhões de empresas foram criadas no país nos últimos anos por pessoas que precisavam de trabalho G1.com

Arlan Almeida e Valery Fonte: globo.com (adaptado) Em: 18/08/2017 Depois de fazer mais de 30 entrevistas e procurar emprego por um ano e meio, Cael Horta, formada em marketing, decidiu trabalhar por conta própria em 2016. Sem dinheiro e com um financiamento imobiliário para pagar, abriu uma agência de marketing digital em São Paulo. Hoje trabalha em casa, sozinha, e fatura entre R$ 3 mil e R$ 4 mil por mês. “Eu tinha um bom currículo e não entendia por que não era contratada. Era só o meu marido para pagar todas as contas, eu tinha urgência em voltar a trabalhar”, lembra Cael. Assim como ela, muitos brasileiros que perderam o emprego na crise enxergaram no empreendedorismo a saída

Cael Horta abriu agência de marketing dentro de casa

para voltar ao mercado de trabalho. Segundo o Sebrae, 11,1 milhões de empresas foram criadas por necessidade nos últimos 3,5 anos no Brasil. A crise econômica fez crescer o chamado empreendedorismo por necessidade, que estava em queda nos anos tempos de crescimento da economia. “São pessoas que infelizmen-

te perderam seus empregos e tiveram que se virar”, avalia Luiz Rabi, economista. De 2014 para cá, quando o Brasil mergulhou em uma recessão, uma parcela maior de pessoas abriu uma empresa por falta de trabalho – e não por encontrar uma boa oportunidade de negócio. O percentual de novas empresas (com até 3,5 anos) criadas por ne-

cessidade saltou de 29% em 2014 para 43% em 2015, e se manteve praticamente estável em 2016. Os números são de um estudo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e contemplam negócios registrados e empreendedores informais. A grande maioria das novas empresas é um microempreendedor individual (MEI), ou seja, uma pessoa que trabalha por conta própria e se formalizou como pequeno empresário. A representatividade dos MEIs no mercado cresceu junto com o desemprego. Das 955,3 mil empresas abertas entre janeiro e maio deste ano, 79,2% eram MEIs, segundo dados da Serasa. Em 2013, essa parcela ficava em 42%. “São serviços de baixíssima tecnologia, que não precisam de máquinas caras, não

demandam ponto comercial. O empreendedor consegue montar o negócio com pouco dinheiro, ele pega a indenização [recebida na demissão] e investe”, explica Rabi. Cael, por exemplo, cria sites, faz gestão de redes sociais e desenvolve campanhas e materiais de divulgação para outras pequenas empresas. Se os novos empreendedores se livraram do fantasma do desemprego, eles agora têm outro problema: fazer seu negócio vingar. Os pedidos de recuperação judicial e falência cresceram no ano passado e os pequenos negócios foram os mais afetados, de acordo com dados da Serasa. O presidente do Sebrae reconhece que o momento é difícil para as empresas.”Estamos em uma crise muito séria, não adianta falar que tudo está a mil maravilhas.”.


Internacional

9

Personalidades norte-americanas recebem carta bomba

10 correspondências com explosivos foram enviadas para democratas, incluindo Obama e Hillary bbc.com

Beatriz Vasconcelos e Bruna Maia Fonte: oglobo.com.br e newyorktimes.com (adaptado) em 25/10/2018 NOVA YORK — Um envelope contendo um explosivo de fabricação caseira destinado a Robert De Niro foi encontrado na quinta-feira de manhã na produtora do ator em Manhattan, Nova York, em mais um caso de uma série de pacotes-bomba enviados a personalidades e  líderes políticos associados ao Partido Democrata e que com frequência foram alvos da retórica do presidente Donald Trump . Autoridades informaram também que descobriram um pacote suspeito direcionado ao exvice-presidente Joe Biden . Com os dois casos, já são dez os pacotes suspeitos enviados para oito líderes democratas e críticos do presidente Donald Trump desde segunda-feira.  Dois deles — Biden e a congressista democrata da Califórnia Ma-

Esquadrão antibomba e polícia de Nova York isolam produtora Tribeca Productions

xine Waters — foram alvo de duas correspondências. No caso de De Niro, a equipe de segurança da TriBeCa Productions, a sua produtora, chamou a polícia de Nova York ao identificar um pacote suspeito. O departamento antibombas efetuou um raio-x no pacote e detectou um explosivo parecido com os enviados para Barack Obama, Hillary Clinton e outros. Investigadores federais, estaduais e locais em Nova York, Washington, Flórida e Los Angeles trabalham no caso, que não provocou nenhum

ferimento até agora, mas causou uma onda de medo no país. Fontes próximas à investigação disseram ao “New York Times” que, por enquanto, as suspeitas sejam de que alguns dos explosivos tenham sido enviados do sul da Flórida. Outra autoridade, em anonimato, disse à agência Reuters que investigadores acreditavam que o formato e as instruções dos explosivos haviam sido retirados da internet. Estas orientações estão amplamente disponíveis em sites de grupos combatentes

islâmicos, como a al-Qaeda ou o Estado Islâmico. Os Correios americanos gravam imagens de correspondências que entram em seu sistema. Segundo um funcionário de inteligência ouvido pelo “Times”, investigadores efetuaram pesquisas no sistema ao longo da noite e encontraram imagens de diversos pacotes idênticos. Não foi oferecido um número. A primeira bomba foi encontrada na segunda-feira na casa do bilionário e filantropo George Soros, conhecido por seu apoio a causas pro-

gressistas, ao norte de Nova York. Na quarta-feira, autoridades confirmaram que artefatos parecidos foram enviados para Obama, Hillary, o ex-diretor da CIA John Brennan, o ex-procurador-geral (ministro da Justiça) Eric H. Holder e a rede de TV CNN, entre outros. O artefato enviado para Biden foi encontrado em um posto dos Correios no estado de Delaware, afirmou um funcionário de inteligência ao NYT. Assim como o pacote endereçado ao ex-procurador geral Eric Holder, a carta estava com o endereço errado e por isso foi devolvida para o endereço escrito como o de sua remetente — o da congressista democrata Debbie Wasserman Schultz, da Flórida. Pelo menos as cartas para Obama, Hillary e Soros também tinham Schultz como remetente. Ainda não está claro se os dispositivos de fato poderiam ter explodido. Não se sabe tampouco se os envios foram feitos por uma ou mais pessoas.

Donald Trump afirma que vai acabar com Meghan Markle pode estar grávida de gêmeos cidadania de filhos de imigrantes Crianças nascidas nos Estados Unidos são consideradas cidadãs norte-americanas, segundo a Constituição do país R7.com

Presidente Donald Trump

Beatriz Vasconcelos e Bruna Maia fonte: Beatriz Sanz, r7.com (adaptado) em 30/10/2018 O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump afirmou em uma entrevista nesta terça-feira (30) que pretende acabar com a cidadania norte-americana como um direito de qualquer pessoa que nasça nos EUA.

A fala dizia respeito aos imigrantes que têm filhos nos Estados Unidos. Essas crianças são consideradas cidadãs norte-americanas, segundo a 14ª Emenda da Constituição do país. “Sempre me foi dito que eu precisava de uma mudança na Constituição, mas adivinha, eu não preciso”, contou Trump sobre o tema no programa Axios. “Você pode fazer isso com um

Boato surgiu entre admiradores por causa ‘do tamanho da barriga’ da duquesa oglobo.com

Congresso ativo, mas agora me disseram que eu posso fazer com uma Ordem Executiva”, completou. A fala foi divulgada uma semana antes das eleições de meio de mandato que devem renovar o Congresso dos EUA. O tema da imigração foi considerado essencial para a vitória de Trump em 2016. Trump ainda considerou “ridículo” o fato de que uma criança nascida em território dos EUA “é essencialmente um cidadão dos EUA por 85 anos com todos os benefícios”. Na ocasião, o presidente divulgou uma informação falsa. Trump disse que os Estados Unidos são o único país com essa regra, contudo Canadá e Brasil têm leis semelhantes sobre esse tema.

Príncipe Harry e Meghan Markle

Beatriz Vasconcelos Bruna Maia fonte: estadao.com.br (adaptado) em 24/10/2018 Meghan Markle, anunciou a gravidez, fruto do casamento com o príncipe Harry, Em maio de 2018. Até o momento, não se sabe o sexo do bebê, mas fãs da família real levantam a suspeita de que a duquesa de Sussex esteja esperando gêmeos.

A especulação foi publicada pela revista Woman’s Day e surgiu devido ao tamanho da barriga de Meghan, que, para alguns admiradores da coroa britânica, está maior do que deveria pelo tempo da gestação. Caso a hipótese se confirme, Eles seriam os primeiros integrantes da família real a terem gêmeos nos últimos 600 anos. Ninguém do Palácio se pronunciou sobre o boato até o momento.


Educação

10

Desafios na inclusão dos alunos com deficiência em escolas pública O crescimento de matrículas de estudantes com deficiência tem favorecido a acessibilidade dos espaços, mas o número ainda está bem longe do ideal Arlan Almeida e Valery Kelly Fonte: Laís Semis(adaptado) Em: 12/06/2017 As escolas públicas brasileiras ainda têm um grande caminho a percorrer para serem consideradas inclusivas a pessoas com deficiência. Um estudo da plataforma QEdu, realizado a partir de dados do Censo Escolar 2016, mostrou que pouco mais de um quarto das 37.593 unidades da rede pública do país tem dependências acessíveis. Nas particulares, o número de acessibilidade sobe para 35%. Apesar do número baixo, há uma evolução. O Censo mostra que o número de escolas públicas com dependências acessíveis era de 24% em 2015, 21% em 2014, 19% em 2013, 18% em 2012 e 15% em 2011. Ese avanço é con-

siderado positivo por Rúbia Piancastelli, coordenadora de comunicação do Instituto Rodrigo Mendes, mas ainda está distante do ideal. “É preciso ter todas as escolas inclusivas em termos arquitetônicos, além de transporte adequado para os estudantes, sem dizer dos desafios relacionados às demais barreiras”, considera Rúbia. Ernesto Martins Faria, gerente de projetos da Fundação Lemann, atenta para o fato de que as escolas rurais, geralmente, têm menor número de alunos do que as urbanas. As escolas menores também costumam ter piores condições de infraestrutura. “Então, não necessariamente esse percentual que estamos analisando representa o de alunos com deficiência que enfrenta o desafio de não ter escolas

acessíveis porque você pode ter escolas que não tenham crianças com necessidades especiais ou pelo menos necessidades especiais físicas que demandem acessibilidade”, explica Ernesto. De acordo com Lailla Micas, assistente de formação do Instituto Rodrigo Mendes, dificilmente as escolas estão completamente preparadas antes de receber seus primeiros alunos com deficiência. “É a vivência com estudantes com deficiência que possibilita às escolas se adaptarem para eliminar essas barreiras arquitetônicas, atitudinais, comunicacionais ou outras, garantindo a constante busca por uma educação inclusiva e de qualidade para todos”, diz. Considerando que as escolas costumam fazer as adaptações mediante às necessida-

folhapress.folha.com.br

Alunos com necessidades especiais em classes comuns

des da comunidade interna, o número de matrículas de estudantes com deficiência impulsiona a acessibilidade do espaço escolar. As Sinopses Estatísticas da Educação Básica, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mostram que o núme-

ro de matrículas de Educação Especial em escolas regulares passou de 195.370, em 2004, para 796.486, em 2016. “É possível dizer que o aumento do número de estudantes com deficiências nas escolas pode ser uma das principais causas do aumento do número de escolas acessíveis”, diz Lailla.

A reitoria da UERJ decidiu adiar o início das aulas do período que equivaleria ao primeiro semestre de 2017 Por falta de pagamento, universidade do Estado do Rio de Janeiro adiou o início das aulas futurapress.com.br

Arlan Almeida e Valery Fonte: globo.com (adaptado) Em: 01/08/2017 Sair da crise é o que todo mundo que mora no estado do Rio de Janeiro espera. Mas para os alunos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) está difícil ver uma luz no fim do túnel. A reitoria da universidade decidiu adiar o início das aulas do período que equivaleria ao primeiro semestre de 2017. O reitor Ruy Garcia Marques diz que situação é aviltante. “A situação é dramática e chega a ser aviltante o que estão fazendo com todos nós, funcionários da Uerj. A imensa maioria tem o trabalho na universidade

Por conta das greves, ano letivo de 2017 ainda não começou.

como seu único emprego. E é humanamente impossível que com quatro meses de atraso, sendo três de salários e um décimo-terceiro, nós possamos continuar desta forma. Começa a faltar para todos até dinheiro para locomoção, para alimentação”, disse o reitor. Marques observou que empresas tercei-

rizadas, que prestam serviço de limpeza, vigilância e manutenção estão trabalhando. Além disso, ocorre o não funcionamento do restaurante universitário. Mas não sabe por quanto tempo vai conseguir manter a segurança e os elevadores funcionando, por exemplo, já que essas empresas também não estão

sem receber e não terão como manter o salário de seus empregados. “Temos que acreditar que o governo vai nos fazer uma proposta e vai nos pagar alguma coisa hoje, amanhã, semana que vem. Não queremos ficar parados. A universidade não está fechada, só não tem aulas. O retorno às aulas depende do governo nos pagar pelo menos parte dos salários e apresentar um calendário de pagamento”, disse o reitor. Com isso o início das aulas do primeiro semestre de 2017 foi adiado. E não tem previsão de retorno. A Faetec também teve o início das aulas adiado para o dia 7 de agosto. A rede estadual de ensino re-

tornou às aulas na segunda-feira (31) e a municipal, nesta terça-feira (1º). A Secretaria Municipal de Educação informou que houve um problema na licitação e o kit de material escolar vai ser distribuído em 15 dias. Inicialmente, a Uerj comprimiria dois semestres em apenas sete meses, que seriam ministrados entre agosto de 2017 e fevereiro de 2018. A medida era para ajustar o calendário e não precisaria mais dar aulas durante os períodos de férias — isso, claro, se não houvesse mais nenhuma interrupção no serviço. Adiar o início das aulas não é parar a UERJ! Nossa universidade permanece ABERTA e VIVA!


Educação

O impacto da crise nas escolas públicas do Rio Problemas como abandono estrutural e falta de professores afetam o ensino

Isabela Carvalho Fonte: Por RJTV Em 06/03/2018

Falta de professores afeta o ano letivo de alunos da rede Municipal de ensino

Cerca de 200 escolas tiveram fechamentos de turnos e turmas em 2016 e 2017. Só no ensino médio, 110 mil matrículas foram extintas em dez anos. No mesmo período, a rede estadual perdeu 384 escolas. Pelo menos 30 estão completamente abandonadas, mais da metade das escolas precisa de reforma estrutural. Alunos estudam em locais sem limpeza, sem segurança e sem conforto. Na última década, 98% dos investimentos em Educação foram cortados no Estado. Apenas 4% dos investimentos previstos em 2017 foram realmente feitos. Há falta de professor de pelo menos uma matéria em 800 escolas do RJ. Esse úmero representa 64% do total de escolas, segundo levantamento do Ministério Público.

Em ao menos dois municípios do Rio de Janeiro, as aulas - que deveriam ter começado há um mês - ainda não foram retomadas. A situação é mais crítica em Duque de Caxias e Queimados, na Baixada Fluminense. Só em Caxias, um levantamento do Ministério Público indica que faltam 376 professores, um problema que se arrasta desde 2015. Lá, 21 colégios sofrem com a carência de docentes e, em 2018, pelo menos 900 alunos entre 6 e 15 anos não deram início ao ano letivo. “Pelo o que eu consegui constatar, são 376, mas eu posso adiantar pra vocês que esse numero é bem maior porque tenho ciência de crianças que sequer conseguiram ser matriculadas, de locais onde precisam ser construídas novas

escolas. Então, é bem maior que 376”, disse a promotora do MP, Elayne Rodrigues. Ainda em 2015, o MP solicitou à Justiça a realização de concursos para ocupar as vagas. O certame chegou a ser feito, mas o déficit de docentes continua. “Até 2015, o MP procurou instar o município a realizar concurso público e esse concurso foi realizado em 2015, teve seu fim prazo de vigência ano passado e não foram convocados um número de professores suficiente pra suprir esse problema. Vislumbrando isso, o MP entrou com três ações civis públicas pra suprir esse problema na rede”, esclareceu Rodrigues. Em nota, a Prefeitura de Caxias informou que não há registro de turmas que ainda não tenham tido aula este ano. Segundo a administração, os problemas são pontuais e ocorrem em apenas algumas unidades. O município acrescentou que muitos professores

11

Isabela Carvalho

Escola Equador, na zona norte do Rio de Janeiro, em condições precárias de estrutura.

estão de licença médica ou em processo de readaptação ao sistema educacional do ensino público do estado.

Educação Pública: A crise vista pelos profissionais de educação Isabela Carvalho

Em meio ao caos, crianças da escola ainda se mantém alegres .

Isabela Carvalho isabelacarvalhos@hotmail.com A situação na qual o ensino público do município do Rio de Janeiro se encontra hoje é alarmante. Os dias passam e cada vez mais alunos acabam abandonando os estudos, seja por falta de incentivo dos familiares, seja por condições encontradas nas escolas ou pelo problema da falta de verbas. Visando isso, fomos à escola Municipal Equador em Vila Isabel, para apurarmos melhor esse descaso que se alastra na educação pública em meio à crise. A escola Equador atende muitos

alunos que residem na comunidade dos Macacos, e o que relatamos lá é que muitos deles não têm o interesse de estar ali, vão apenas para terem direitos a programas de ajuda do governo e até mesmo por conta da merenda, e é isso que a professora Ana Elisa de Almeida e a diretora Ana Maria Serrano nos contam. Professora na Equador há seis anos, Ana Elisa diz que a batalha é diária: dar aulas tem se tornado cada vez mais desgastante devido às instalações ruins com falta de ar condicionado e ás vezes até mesmo de ventiladores - o que faz com que os alunos não se concentrem nas aulas por conta do calor. Carteiras velhas, falta de material como folha de papel,

por exemplo, também são problemas bem recorrentes enfrentados pelos funcionários da escola, os quais quase sempre têm de trazer de casa. “Não temos apoio, a gente nada contra a maré” diz a professora. Para ela, o verdadeiro motivo do desinteresse dos alunos é a falta do suporte familiar e a falta de disciplina que é encontrada nas escolas públicas em geral, nas quais os jovens sentem a liberdade de fazerem o que quiserem sem respeitar as regras e os professores. Com isso, acaba gerando-se também o desinteresse dos próprios professores em oferecer uma aula de qualidade, visto que estes sabem que a maioria dos estudantes não está interessada

em assisti-las e dessa forma muitos acabam deixando o emprego. É o que diz a diretora da escola e ex-professora da instituição, Ana Maria - “A maioria dos professores são concursados, tem mestrado, doutorado e ficam por aqui até arranjar algo melhor, porque sabem que não vão dar conta de lidar com os desafios de dar aula para alunos da rede pública ou correr o risco de ficar sem receber algum dia”. Ana Maria ainda nos conta sobre as dificuldades que é coordenar uma escola onde a cada ano o repasse de verbas decresce e as despesas aumentam: em seus 22 anos na escola (sendo 12 como diretora) já chegou a receber do SDP (Sistema Descentralizado de Pagamento) 24 mil reais anuais para gastos em geral, e em 2017 esse valor caiu drasticamente para apenas 8 mil e ainda solta: “Hoje na conta da escola temos apenas 27 reais”. Para ela, a merenda ainda só não foi cortada porque vem de verba federal. Diante as declarações, fica nítido como a crise que o país vem enfrentando está prejudicando a educação em níveis alarmantes. Não há espera de melhora nos próximos anos: o corte nos investimentos da educação provocou e continuará provocando a falta de reajustes nos salário dos professores, a falta de materiais e a manutenção nos espaços de ensino e de trabalho de alunos e funcionários.


12

Informe


Cultura

Sequência de ‘Mulher-Maravilha’ é adiada para junho de 2020

13

O estúdio Warner Bros informou sobre a alteração de datas

g1.globo.com

Bruna Martins Maia e Beatriz Vasconcellos Fonte: Agência EFE g1.globo.com (adaptado) em 23/10/2018 “Mulher-Maravilha 1984”, a sequência do bem-sucedido filme protagonizado pela israelense Gal Gadot, teve a estreia adiada para o dia 5 de junho de 2020, seis meses após a data inicialmente prevista, dezembro de 2019. Gadot, a encarregada de interpretar a super-heroína, revelou nesta segunda-feira (22) pelo Twitter a nova data de lançamento do filme, que voltará a ter com Patty Jenkins como diretora. “Muito animada em anunciar que, graças à mudança de cenário, somos capazes de colocar a Mulher Maravilha de volta à sua legítima casa em 05 de junho de 2020”, escreveu a atriz na rede social.

‘Mulher-Maravilha’ ficou entre as maiores bilheterias de 2017, mas não foi indicado ao Oscar

“Tivemos um grande sucesso lançando o primeiro filme da Mulher-Maravilha durante o verão, portanto quando vimos a oportunidade de aproveitar as mudanças no panorama competitivo, as fizemos”, afirmou em comunicado o estúdio Warner Bros.

“Mulher-Maravilha 1984” entra assim no vazio deixado por “O Homem de Seis Bilhões de Dólares”, um projeto de ficção científica que deve ser protagonizado por Mark Wahlberg, mas que, por enquanto, tem ficado fora da agenda da Warner.

Esse não foi o único contratempo sofrido por “O Homem de Seis Bilhões de Dólares”. Em maio, o estúdio demitiu o cineasta argentino Damián Szifrón (“Relatos Selvagens”, 2014) como diretor do longa-metragem. “Mulher-Maravilha” arreca-

dou US$ 821,8 milhões no mundo todo e fez história no cinema de super-heróis ao contar com uma mulher como protagonista e com outra como diretora. O elenco do filme contará com nomes como Kristen Wiig e Chris Pine.

Zé Ramalho tem sucesso de 1992 revivido em trilha sonora da nova novela da Globo Entre a serpente e a estrela estará em O sétimo guardião Bruna Martins Maia e Beatriz Vasconcellos Fonte: Mauro Ferreira g1.globo.com (adaptado) em 20/10/2018 Em 1991, Zé Ramalho gravou versão em português de sucesso da música country norte-americana, Amarillo by morning, composição de Terry Sttaford e Paul Fraser lançada em 1973 em disco de Stafford e amplificada em regravação lançada em 1982 pelo cantor de country George Strait. Escrita por Aldir Blanc para a trilha sonora da novela Pedra sobre pedra, exibida de janeiro a agosto de 1992 pela TV Globo, a versão intitulada Entre a serpente e a estrela fez sucesso no re-

gistro cavernoso de Zé Ramalho e reanimou a carreira do cantor paraibano, que até então atravessava período de baixa visibilidade no mercado fonográfico. Decorridos 26 anos, Zé Ramalho está em alta no mercado, fazendo shows por todo o Brasil, e quem ganha novo fôlego é a música Entre e a serpente e a estrela por ter sido incluída na trilha sonora da novela, O sétimo guardião, que traz o autor Aguinaldo Silva de volta ao universo do realismo mágico. Programada pela TV Globo para estrear em 12 de novembro no horário das 21h, O sétimo guardião embute na trama intencionais citações de personagens e

cidades fictícias de outras novelas do autor nesse gênero do realismo fantástico, inclusive Pedra sobre pedra, cuja trama também é criação bem-sucedida de Aguinaldo Silva. Tais alusões dão sentido ao reaproveitamento de Entre a serpente e a estrela na trilha da próxima novela, na voz do mesmo Zé Ramalho, em gravação já ouvida nas chamadas de O sétimo guardião. Dentre os maiores sucessos do cantor, estão as músicas Chão de Giz, Admirável Gado Novo, Snônimos e Avôhai. Os próximos compromissos de Zé Ramalho são dia 09/11, em São José dos Campos e 16/11, em Teresina.

g1.globo.com

Zé Ramalho.


Cultura

14

Roger Waters chega para uma noite de clássicos no Maracanã Nesta quarta-feira, inglês celebra sua obra com o Pink Floyd em show de luz, som e política

Matheus Hartmann Fonte: oglobo.globo.com (Adaptado) em 24/10/2018 O inglês Roger Waters chega aos 75 anos com um legado que poucos seres humanos pode superar: sob sua visão artística, o grupo Pink Floyd gravou os álbuns “The dark side of the moon” (1973), “Wish you were here” (1975), “Animals” (1977) e “The wall” (1979). É esse legado que ele celebra na noite de quarta-feira, no Maracanã, à frente da turnê “Roger Waters — Us + Them”, com o qual passou— sem deixar tijolo sobre tijolo — por São Paulo, Brasília, Salvador e Belo Horizonte. Afastado do Floyd desde 1985 (a banda seguiu adiante

com o guitarrista David Gilmour no controle, entre idas e vindas, até 2014), o cantor e baixista hoje toca as suas canções com um grupo do qual fazem parte o guitarrista Jonathan Wilson e as vocalistas Jess Wolfe and Holly Laessig (do duo Lucius). Um dos maiores discos de rock de todos os tempos (e um prodígio de engenharia de gravação para a sua época), “The dark side of the moon” abre a noite com canções como “Speak to me”, “Breathe”, “One of these days”, “Time” e “The great gig in the sky” (ponto alto da participação das cantoras do Lucius) . É a hora em que o show visual é composto por feixes de laser, recriando o efeito do prisma da capa do disco.

cultura.estadao.com.br

Roger Waters no festival Desert Trip, em 2016

Do lado B do álbum, vêm mais à frente “Money”, “Brain damage” e “Eclipse” — durante a qual, no primeiro show, em São Paulo, Waters pôs no telão o nome do candidato à presidência Jair Bolsonaro como o de um dos neofascistas que ameaçam o mundo (o que provocou na plateia uma divisão entre os que vaiaram e os que aplaudiram).

O teor político do show segue alto na passagem por “Animals”, com as músicas “Dogs” e “Pigs (three different ones)”, na qual o público é presentado com o voo de um gigantesco porco inflável, sobre o qual, nos Estados Unidos, era projetado o rosto do presidente Donald Trump (o que também dividiu os espectadores por lá).

“The wall”, ópera-rock sobre um astro da canção que, em gradual isolamento do mundo, embarca em delírios fascistas (e que waters mostrou no Brasil, em 2012, em show separado). O inglês reproduz no telão toda a fantasia visual da história e interpreta algumas de suas fortes canções: “Comfortably numb”, “Mother”, “The happiest days of our lives” e, principalmente, “Another brick in the wall (part 2)”, no qual é acompanhado por um coral infantil com camisetas em que se lê “resist” (“resista”). E no meio de tantos clássicos, de tanta emoção, ainda é possível ouvir “Déjà vu”, “The Last refugee” e “Picture that”, canções do novo disco.

A Lapa não é mais a mesma O crescimento vertiginoso da Lapa contribuiu para o encarecimento e surgimento de bares de grife blog.chelagarto.com

Matheus Hartmann Fonte: jornalggn.com.br (Adaptado) em 22/10/2017 O anúncio do fechamento do bar Semente, no Rio, deixou muita gente triste. Não é para menos. Ele, junto com o Emporium 100 (que depois virou o Rio Scenarium) e o Carioca da Gema (que hoje não é mais frequentado por sambistas, mas por turistas), reabriram as portas da histórica Lapa para a música, notadamente o samba e o choro. Os três bares citados são responsáveis pela formação da chamada geração musical da Lapa, no início dos anos 2000. O samba se estendia no entorno do bar Semente, para debaixo dos Arcos da Lapa ou em plena rua Joaquim Silva, com rodas memoráveis. Com o tempo, porém, o perfil foi mudando, com todos os tipos de ritmo passando a conviver de igual para igual

Lapa: um ícone na noite do Rio de Janeiro

com o samba e o choro – ou seja, o local que foi majoritariamente do samba e do choro já não era mais bem assim. Enquanto isso, o samba foi migrando inicialmente para outros lugares no próprio centro da cidade do Rio (caso do Clube Santa Luzia, ao lado do Aeroporto Santos Dumont, e Arco dos Teles, na praça XV) e à Zona Sul, mantendo o bar Semente como bastião da resistência na Lapa – e que ganhou a companhia do bar Beco do Rato, em rua próxima.

Sambas na rua, de graça, voltaram com força total, como o da Ouvidor e da Pedra do Sal, e mais para a frente o da praça Tiradentes, no Centro, e de outras rodas em Madureira. No choro, os grupos se instalaram em áreas públicas, como no bairro das Laranjeiras. Apareceram o Samba do Bule, no Cachambi, e Terreiro de Criolo, em Realengo, além de outras rodas espalhadas pela Zona Norte. O Trapiche Gamboa, na zona portuária, em atividade até hoje,

já tinha assumido o lugar de principal bar de samba da cidade. Muitos sambistas voltaram a promover suas próprias rodas de samba, um recurso muito usado no passado para o artista se manter ativo e visível. Mais recentemente, nessa linha, vieram, entre elas, as rodas de Juninho Thybau, no Irajá, e a de Wanderley Monteiro, na sede náutica do Botafogo. O bar Semente vinha sobrevivendo a tudo isso, com uma programação de altíssi-

mo nível do mundo do choro e do samba. Mas não resistiu à crise econômica aguda nos últimos anos, a mudança de perfil do público da Lapa e certo abandono da região pelo poder público, depois dele próprio ter apoiado sua revitalização no final do século passado. Uma parte sobre a gafieira Estudantina, que também fechou recentemente na praça Tiradentes, e o bar Petisco da Vila, encerrado as atividades no início do ano, ambos no Rio. O primeiro nunca esteve no roteiro de sambistas e do choro, embora o local representasse relevância musical histórica à cidade. Já o Petisco da Vila, ponto de encontro do pessoal do samba nesta região da Zona Norte, destoava dos típicos bares da Vila Isabel em sua maioria mais simples e acanhado – assim, de fato, sofreu com a crise, apesar de ter sido um símbolo do bairro.


Inovação

15

Uber lançará serviço para trabalhos temporários, na nova plataforma Uber works A gigante de tecnologia prepara o Uber Works, que fornece candidatos para trabalhos temporários às empresas

Bruno Villaça e Filipe Sussekind Fonte:exame.abril.com.br (adaptado) Data: 14/11/2018 A gigante de tecnologia Uber começou há quase dez anos, colocando-se como um aplicativo de mobilidade urbana. Agora, o negócio parece estar olhando para uma parte mais lucrativa de sua cadeia: a geração de empregos. Após testes bem-sucedidos na cidade de Los Angeles, Uber estaria trabalhando “há vários meses” desenvolvendo uma vertical de contratações sob demanda para diversos trabalhos temporário em eventos e empresas, chamada Uber Works. O desen-

volvimento está sendo feito em Chicago, como forma de manter o projeto longe dos holofotes do famoso Vale do Silício, sede da Uber. Garçons e seguranças estão na lista de vagas, que começariam com 1.099 contratos independentes. A princípio esses serviços poderiam ser oferecidos aos próprios motoristas independentes que já trabalham para a Uber. A notícia foi reportada primeiro pelo Financial Times, que cita fontes “conhecedoras do assunto.” O Uber Works seria mais uma expansão de negócios para a gigante de tecnologia. Além do aplicativo para transporte de passageiros, a Uber já possui serviços de delivery de comida (Uber

(Foto: Will Oliver/EPA)

Eats), de despacho de cargas (Uber Freight) e de bicicletas e scooters elétricas (pela aquisição da Jump). Em uma vaga para gerente geral de projetos especiais em Chicago, suposta sede do Uber Works, a empresa afirma que seu negócio “é baseado em prover uma oferta flexível e sob demanda para os parceiros de negócios.” O posicionamento de diversificação e de serviço não só de mobilidade urbana, mas de “serviços de negócio para negócio”, é para agradar investidores e futuros investidores. a Uber prepara uma oferta inicial pública de ações, ou IPO, para o ano que vem. O negócio pode estar avaliado em 120 bilhões de dólares com IPO.

Usar rede social reduz risco de depressão Pesquisa detalha que ficar menos tempo em mídias sociais reduz as taxas de depressão e solidão danilovaladares.com

Bruno Villaça e Filipe Sussekind Fonte:www.techtudo.com.br (adaptado) Data: 14/11/2018 Passar menos tempo nas redes sociais pode influenciar positivamente o bem-estar, evitando a depressão e outros problemas de saúde mental. Essa foi a conclusão de um estudo realizado na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, e divulgado na publicação científica Journal of Social and Clinical Psychology. Apesar de não ser a primeira análise com a temática, a publicação é pioneira em mostrar uma relação de causa e efeito entre o uso das redes sociais e esses problemas. A pesquisa observou 143 estudantes do ensino superior

por dois semestres. Eles foram divididos em dois grupos: um podia usar nas redes sociais como quisesse, enquanto outro tinha apenas 30 minutos diários de acesso. Após entrevistar os participantes, a análise mostrou que os alunos que passaram menos tempo nas redes sociais apresentavam melhoria de humor e saúde. O grupo orientado a passar menos tempo nas redes podia acessar o Facebook, Instagram e Snapchat apenas por 30 minutos diários. Enquanto isso, o segundo grupo, chamado de “controle”, teve permissão para continuar utilizando as mídias sociais da maneira habitual. Após três semanas, os participantes foram questionados sobre uma série de atributos, como depressão, solidão e

ansiedade. As respostas dos alunos embasaram a conclusão do estudo, como afirma a psicóloga Melissa Hunt em entrevista à Science Daily: “Usar menos mídia social do que o seu habitual levaria a reduções significativas tanto na depressão quanto na solidão. Esses efeitos são particularmente pronunciados para as pessoas que estavam mais deprimidas quando entraram no estudo”. Enquanto os alunos que reduziram o tempo nas redes sociais perceberam melhoras no humor, nada mudou para os estudantes do grupo de “controle”. O texto científico mostra que, apesar de terem sido criadas para conectar usuários e gerar interação, as redes sociais, se utilizadas por muito tempo, podem ser prejudiciais a saúde.


Inovação

16

Aplicativo que detecta remédios falsos foi criado recentemente Jovens nigerianas de 14 a 15 anos venceram o concurso mundial de tecnologia com o aplicativo inovador Bruno Villaça e Filipe Sussekind Fonte:exame.abril.com.br (adaptado) Data: 14/11/2018 O Vale do Silício, na Califórnia, não era mais do que um ponto estranho no mapa para a nigeriana Promise Nnalue. Agora, é um lugar de sonho onde ela e outras quatro amigas ganharam um concurso mundial de tecnologia pela criação de um aplicativo que detecta remédios falsos e determina sua data de validade. “O aplicativo criado foi o ganhador porque ajuda a resolver um problema da vida real”, disse à Agência Efe a mentora das jovens, Uchenna Onwuamaegbu-Ugwu. Ela se refere ao “FD Detector”, um aplicativo para a

plataforma Android criado pelas nigerianas Promise Nnalue, Jessica Osita, Nwabuaku Osseu, Adaeze Onuigbo e Vivian Okoye, que têm entre 14 e 15 anos. Uchenna Onwuamaegbu-Ugwu é criadora da ONG Edufun Technik STEM e capacitou as jovens nos campos de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Após cruzar a informação coletada no código de barras de um remédio com uma base de dados, o aplicativo gera um alerta de autenticidade e especifica a data de validade. De acordo com autoridades médicas do país, a Nigéria possui o maior mercado de remédios falsificados da África. Eles chegam a 40% do total de importações, que, na maioria das vezes, vêm da

(iStockphoto/Getty Images)

Índia e da China. Este comércio atinge especialmente a cidade de Onitsha, de onde elas são e onde vários cidadãos, incluindo uma das meninas, perderam parentes após tratamentos com remédios falsos. O aplicativo foi apresentado em maio na capital da Nigé-

ria, Abuja, durante a etapa regional do “Technovation Challenge”, um programa que encoraja jovens mulheres de todo o mundo a utilizar a tecnologia para resolver alguma demanda de sua comunidade. As meninas ganharam o prêmio em nível nacional e, em

agosto, venceram a etapa final, onde desbancaram oponentes de 12 países, incluindo Estados Unidos, China e Rússia. Elas precisaram enfrentar a desconfiança de todos ao redor. “Disseram que estávamos perdendo o tempo”, lembrou Promise, pouco depois do sucesso na aclamada competição. A vitória trouxe reconhecimento internacional também para a Escola Regina Pacis Model – onde elas estudam – e colocou a cidade de Onitsha no mapa. O vice-presidente da Nigéria, Yemi Osinbajo, foi um dos primeiros a parabenizar as jovens pelo trabalho, seguido pelo governador William Obiano, que as recebeu em Awka quando voltaram dos Estados Unidos.

Novo smartphone da Apple, iPhone XR é lançado nos Estados Unidos Smartphone foi apresentado em setembro passado, juntamente com XS e XS Max. Ainda não há data de chegada ao Brasil Bruno Villaça e Filipe Sussekind Fonte: G1.globo.com (adaptado) Data: 07/11/2018 A Apple começou a vender nesta sexta-feira (26) o novo iPhone XR, versão mais barata da atual linha da empresa, em mercados como Estados Unidos e China. Com preço partindo de US$ 749, o smartphone foi apresentando em setembro passado, juntamente com Iphone XS (US$ 999) e Iphone XS Max (US$ 1.099). Enquanto ainda não há informações sobre quando chegará o Brasil, o XR é a aposta para ser a base desta nova gerações de Iphones. Com tela de 6,1 polegadas, o XR é feito de alumínio e tem opções nas cores branca, azul, preta, amarela e vermelha. O aparelho tem display de LCD, e não de

OLED como o Xs e Xs Max, mas traz muitas das funcionalidades destes modelos. O iPhone XR é quase um irmão gêmeo do iPhone X. A Apple também repete a fórmula do iPhone 5C: são seis cores disponíveis, entre elas branco, preto, azul, coral, amarelo e vermelho. Além disso, o celular tem proteção contra água (profundidade de até 30 metros), com a  certificação IP67. O que chama a atenção, no entanto, é a ausência do botão Home. Isto confirma as especulações anteriores sobre a ausência do leitor de impressões digitais TouchID nos lançamentos da Apple a partir de 2018, e encerra uma das principais características do iPhone desde a primeira geração, de 2007. A nova linha chega para substituir iPhone 8, iPhone X e iPhone 8 Plus, apresentados no ano passado.


Carnaval

17

Marielle Franco será homenageada no carnaval de 2019

Ex-Vereadora pelo PSOL será citada em duas escolas do grupo especial do Rio de Janeiro diariodocentrodomundo.com.br

Leonardo Bessa e Rayan Trindade Fonte: Sambarazzo.com.br (adaptado) em 18/10/2018 Assassinada numa das principais ruas do Estácio, bairro do Centro do Rio onde se localiza o Sambódromo da Marquês de Sapucaí, a vereadora Marielle Franco será homenageada nos desfiles de três escolas de samba no Carnaval carioca de 2019. Além da menção ao nome da parlamentar no samba-enredo da Mangueira, que exalta os heróis negros esquecidos pelos livros de história, a luta dela será lembrada ainda em alas da Unidos de Vila Isabel, também do Grupo Especial, e da União do Parque Curicica, da Série B. Os três tributos já ganharam repercussão nas redes sociais e certamente serão bastante aguardados durante as apresentações das agremiações no ano que vem. A folia vai acontecer entre os dias 1º e

Além de Unidos de Vila isabel e Mangueira, a ex-vereadora será enredo na Parque Curicica

5 de março, mês em que a execução de Marielle estará completando um ano. Sete meses depois, a polícia ainda não encontrou os culpados pelo crime. Menos de 12 horas após a Mangueira ter escolhido le-

var para a Avenida um samba com um verso em homenagem à ex-moradora da Maré, o hino da verde e rosa pra 2019 já podia ser ouvido por quem estava na Cinelândia durante a manhã do dia 14, no Centro do Rio, parti-

cipando de ato em memória da vereadora. O tributo é feito através dos versos “Brasil, chegou a vez de ouvir as Marias, Mahins, Marielles, Malês” – composição dos poetas Deivid Domênico, Danilo Firmino, Mamá, Már-

cio Bola, Ronie Oliveira e Tomaz Miranda. Quase 20 dias antes da última etapa do concurso da “Estação Primeira”, às vésperas do primeiro turno das eleições, dois candidatos a deputado estadual pelo estado fluminense quebraram uma placa com os dizeres “Rua Marielle Franco”, que havia sido fixada na Praça Floriano, onde se localiza a Câmara dos Vereadores, onde a homenageada lesgilava. Em resposta à destruição do acessório, internautas arrecadaram fundos e fizeram mil novas placas que foram distribuídas no protesto embalado pelo hino escolhido no “Palácio do Samba” no último sábado, 13. — Durante a distribuição das placas, as pessoas formaram uma fila grande. Entre elas, muitos mangueirenses cantavam o samba. — conta o jornalista e pesquisador de enredos João Gustavo Melo, um dos presentes na manifestação. A Estação Primeira de Mangueira será a penúltima escola se apresentar no Carnaval de 2019, na Marquês de Sapucaí.

Império Serrano enfrenta a maior crise em 70 anos e modifica equipe de carnaval Leonardo Bessa (lbessasimoes@gmail.com) e Rayan Trindade (rayantrindade13@hotmail.com) em 29/10/2018 Após o resultado do carnaval de 2018, que terminou com a permanência do Império Serrano na elite do carnaval carioca após manobra da LIESA, algumas decisões da diretoria, principalmente da Presidente Vera Lúcia Corrêa, ocasionaram um desmanche na equipe de carnaval do ‘’Reizinho de Madureira.’’ Um dos desligamentos relevantes foi o de um famoso compositor da escola, Jorge ‘’Russo’’ Freitas. Com sete finais de samba e mais de 35 anos de quadra, o compo-

sitor mostrou sua insatisfação com a atual presidência: ‘’O Império Serrano está enfraquecido. A escola, que antes era do povo de Madureira, hoje é comandada por poucos que estão sujando o seu nome’’, disse o compositor. Quando perguntado sobre últimos desfiles, disparou: ‘’Estamos nessa desde 2004, quando reeditamos Aquarela Brasileira (samba de 1964, composto por Silas de Oliveira), quando a atual presidente já tentava tomar conta da escola. Hoje, muitos amigos da antiga já não querem frequentar a quadra por causa dela. Imagina a situação? No ano do nosso penúltimo grande enredo, as coisas já se dese-

nhavam. O resultado é esse.’’ A verdade é que a gloriosa agremiação caminha bem rápido para um novo rebaixamento. Vindo com o enredo “O Que é? O Que é?”, música de Gonzaguinha, mais uma vez a direção desapontou a apaixonada torcida. O desmanche aumentou quando a escola anunciou as saídas do intérprete Marquinhos Art’Samba, do ex-diretor da ala de passistas Gabriel Castro e da principal porta-bandeira, Raphaela Caboclo. Gabriel (procurado pela nossa equipe) falou um pouco sobre a sua saída do ImpérioSerrano: “Fui muito feliz na escola. De verdade. Mas tudo tem um ciclo, não é mesmo? (risos) Eu

me doei bastante, aprendi muito e consegui evoluir. Sou imperiano (termo utilizado para identificar torcedores da escola) demais, mas estava impraticável permanecer na direção da escola. Melhor sair antes que os aborrecimentos de quadra venham para o pessoal. Cobrei muito, pois o Império precisa de um modelo profissional de gestão. Do jeito que está, não dá. Agradeço, mas não dá. Sigo com a minha carreira no carnaval, agora como diretor da ala de passistas da Império da Tijuca e como coordenador de ala de passistas da Unidos de Vila Isabel.” O Império Serrano abrirá mais uma vez o carnaval carioca em 2019. Após sorteio,

Foto: Alexander Soares

1º Casal – Diogo Jesus e Verônica Lima

a tradicional agremiação ficará como a primeira a desfilar no domingo e brigará indiretamente com São Clemente e Viradouro contra um possível rebaixamento.


Esporte

18

Medina perde em Portugal, e a decisão será no Havaí, e o título a um passo do Brasil

Fla decide por treinos em turnos diferentes, e Diego Alves relata isolamento

Ítalo Ferreira e Gabriel Medina disputam bateria emocionante em Peniche

O goleiro treina separado do elenco após a briga com Dorival

worldsurfleague.com

Gabriel Nabuco e Rodrigo Castelo Fonte: globoesporte.com Um aéreo incrível de Ítalo Ferreira no fim da bateria pela semifinal da etapa de Peniche, em Portugal, eliminou a chance de Gabriel Medina conquistar o título da temporada antecipadamente. O atual líder do ranking estava liderando a bateria, mas foi surpreendido por uma nota 9.30 de seu compatriota. Dessa forma, a decisão ficará para a última parada, em Pipeline, no Havaí. Ítalo, aliás, seguiu no embalo e conseguiu conquistar o caneco da parada lusitana. - É louco, não posso acreditar. É o

melhor sentimento. Obrigado, Portugal, obrigado a todos, à minha família, meus amigos, não podia imaginar - relatou Ítalo Ferreira. - O campeonato foi bom, eu fiz o meu melhor, vim de duas vitorias e dois terceiros agora, e espero que eu continue nessa consistência. Hoje não foi o dia do Ítalo mas tô com o pensamento positivo, Pipeline é uma onda que eu gosto muito, já tive bons resultados lá. Agora é treinar pra chegar no meu objetivo - comentou Gabriel Medina. Ítalo Ferreira terminou com o somatório de 16.47, com o 9.30 da vitória e mais um 7.17. Gabriel Medina conseguiu 14.73 com um 6.83 e um 7.90.

torcedores.com

Gabriel Nabuco e Rodrigo Castelo Fonte:: globoesporte.com Clube observa e se vê na obrigação de oferecer condições de tratamento e trabalho ao jogador. O litígio é evidente, e Flamengo e Diego Alves calculam cada movimento em benefício próprio no que resta da relação entre as partes: o vínculo trabalhista. O Rubro-Negro bateu o martelo de que os treinos do restante do elenco não contarão com a presença do goleiro, que, por sua vez, registra todas as atividades feitas fora do turno regular. Desde a polêmica aparição no Ninho

Kyrie Irving é multado:jogador atirou a bola na torcida após a partida Armador recebe punição da NBA por se irritar e atirar a bola na arquibancada Gabriel Nabuco e Rorigo Castelo Fonte: globoesporte.com Talvez não faça tanta falta ao salário de US$ 20 milhões por temporada, mas Kyrie Irving terá que desembolsar US$ 25 mil dólares (cerca de R$ 93 mil reais na cotação atual) para pagar multa apli-

cada nesta terça-feira pela NBA por conduda antidesportiva. O jogo foi marcado por um princípio de confusão no fim. O armador Jamal Murray, grande destaque dos Nuggets na partida com 48 pontos, arriscou um arremesso para três nos últimos segundos, quando o placar já estava definido. Alguns joga-

dores dos Celtics entenderam como provocação e tentaram tirar satisfação com Murray. Em entrevista após o jogo, o armador dos Nuggets disse que não fez o arremesso com a intenção de provocar, mas apenas em busca de atingir a marca de 50 pontos pela primeira vez na carreira,o jogador é um dos destaques.

do Urubu na manhã de sexta-feira, Diego Alves tem postado todos os trabalhos de recuperação de lesão no joelho direito em redes sociais. Foi o que aconteceu na tarde de sábado, quando o elenco viajava para São Paulo, onde entrou em campo pelo Brasileirão, e o camisa 1 escreveu em seu Instagram:. - Nunca sozinho. Deus no controle. Foi o primeiro dia de trabalho do goleiro sem contato com os companheiro.Até o fim do campeonato o futuro do goleiro deverá ser decidido,após a briga com o treinador Dorival Júnior o jogador ficou insatisfeito ao saber que ficaria no banco contra o paraná. nba.com


Esporte 19 GP do Brasil de Fórmula 1 registra o maior público desde a temporada de 2010 Mais de 150 mil torcedores estiveram na etapa de Interlagos (SP) Rodrigo Castelo e Gabriel Nabuco Fonte : globoesporte.com De acordo com informações da organização do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, 150.307 torcedores compareceram ao Autódromo de Interlagos na soma dos três dias de atividades da penúltima corrida da temporada 2018. Desde 2010, o público não superava a marca das 150 mil pessoas - a organização não divulga mais o número de torcedores apenas no dia da corrida.O alto número de torcedores este ano chama a atenção pelo fato de ter sido a primeira vez na história do GP do Brasil, que é disputado desde 1973, em que não hou-

ve pilotos brasileiros no grid. Além disso, o campeonato já chegou a Interlagos decidido em favor de Lewis Hamilton. Também é de se destacar que, desde que o grupo americano Liberty Media assumiu o comando da categoria adotando uma política de maior divulgação em plataformas digitais e exploração das redes sociais, o público nos três dias do GP do Brasil vem aumentando, mesmo com o título definido, casos de 2017 e 2018.O Brasil tem contrato com a Fórmula 1 até a temporada de 2020, e o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, prometeu em Interlagos durante o último final de semana para trabalhar e renovar o compromisso.

globoesporte.com

Na foto é possível identificar o veículo de Sebastian Vettel da Redbull em Interlagos

Santos goleia Colo-Colo na estreia da libertadores feminina Time brasileiro é destaque no torneio da América santosfc.com.br

Gabriel Nabuco e Rodrigo Castelo Fonte: globoesporte.com As Sereias da Vila começaram com goleada a busca pelo tricampeonato da Libertadores feminina. Nesta terça, às 20h, na Arena da Amazônia, estrearam com vitória por 4 a 1 sobre o Colo-Colo, atual vice-campeão. Os gols foram marcados por Maria, Alana, Sandrinha e Brena. Huenteio descontou para as chilenas. Com a vitória, as comandadas de Emily Lima chegam aos três pontos e lideram o grupo B. Na segunda rodada da Libertadores feminina, as Sereias encaram o Deportivo Ita, nesta sexta-feira, dia 23, às 22h30 (de Brasília), também na Arena da Amazônia. O Colo-colo joga no mesmo dia e local, às 20h, contra o Deportivo Ita.Com mais time, o Santos tratou de marcar território desde o início do jogo, alugando o campo de defesa das chilenas. Com

isso, As boas oportuindades não demoraram a aparecer. Pressionando bastante e sufocando o Colo Colo, que mal conseguia trocar passes em seu campo, não demorou muito até as Sereias abrirem o placar. Aos 16 minutos, numa infiltração muito bem articulada, Maria recebeu dentro da área, e ainda conseguiu driblar a goleira adversária antes de mandar a bola para a rede. O jogo seguiu intenso. Ofensivo, o Santos até dava alguns ataques ao Colo Colo, mas bem postada, a defesa do time brasileiro conseguiu conter o ímpeto das chilenas. A partida seguiu equilibrada até o final do primeiro tempo, quando Brena fez uma jogadaça pela direita, driblando duas adversárias, e batendo para o gol. Quando a goleira rebateu, Alanna estava no rebote para ampliar o placar. No segundo tempo, as Sereias continuaram na mesma pegada, e foram premiadas

logo aos 5 minutos, quando Maria recbeu pelo meio e tentou encobrir a goleira adversária, mas acertou a trave. Atenta ao rebote, Sandrinha não teve dificuldades para fazer o terceiro. Com a vitória já encaminhada, o Santos passou administrar o placar, mas o Colo Colo não desistiu de tentar surpreender. Pouco tempo após tomar o terceiro gol, as chilenas conseguiram reagir. Em boa jogada pela direita, Holey conseguiu achar Huenteo na área. De cabeça, ela diminuiu o placar. As Sereias não sentiram o gol, e seguiram controlando a partida e forçando o Colo Colo a jogá-la de acordo com o ritmo que elas impuseram. Com isso, o jogo ficou muito mais pegado, com mais faltas duras e até alguns cartões. Ainda deu tempo de Brena, já nos acréscimos, arriscar de fora da área. Resultado positivo para o peixe seguir ainda mais vivo na competicao.


20

Jornal InForme C306C Facha 2018 2  

Jornal InForme - Trabalho Acadêmico Curso de Jornalismo, disciplina Editoração Eletrônica I - C306C, turno da manhã - 2018_2 - prof.Gilvan N...

Jornal InForme C306C Facha 2018 2  

Jornal InForme - Trabalho Acadêmico Curso de Jornalismo, disciplina Editoração Eletrônica I - C306C, turno da manhã - 2018_2 - prof.Gilvan N...

Advertisement