Page 1

arte CONTEMPORÂNEA

BRASILEIRA dos anos 1950 aos dias atuais adriana varejão | amilcar de castro antonio dias | beatriz milhazes cildo meireles | décio vieira | ernesto neto franz weissmann | hélio oiticica hércules barsotti | ione saldanha | ivan serpa jaildo marinho | judith lauand lothar charoux | luciano figueiredo lygia clark | lygia pape | marçal athayde miguel rio branco | mira schendel rosângela rennó | sergio camargo sérvulo esmeraldo | vik muniz waltercio caldas | willys de castro


2

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


MAX PERLINGEIRO

A proposta da exposição Arte contemporânea brasileira dos anos 1950 aos dias atuais teve como objetivo ampliar o campo de percepção da chamada arte contemporânea brasileira e suas referências históricas até hoje. No final da década de 1940 a abstração chegou ao Brasil e a histórica exposição Do Figurativismo ao Abstracionismo, organizada pelo crítico belga Léon Degan, apresentava pela primeira vez no Brasil o desenvolvimento mais recente da arte. Esta exposição foi o grande incentivo aos primeiros núcleos

This exhibition, Arte contemporânea brasileira dos

abstracionistas que começavam a surgir no Brasil, sobretudo

anos 1950 aos dias atuais [Contemporary Bra-

em São Paulo. Outro fator importante na consolidação destes novos conceitos foi o surgimento da Bienal Internacional de São Paulo. Estes novos fundamentos foram o estímulo para engaja-

zilian Art from the 1950s to nowadays], aims to broaden the perception field of the so called Contemporary Brazilian Art, its historical references to the date.

mento em conceitos e formas dominantes no momento. O mo-

By late 1940s, Abstraction arrived in Brazil and

vimento brasileiro de arte abstrata faz parte deste panorama,

the historical exhibit, From Figurativism to Abstrac-

encontrando nas bienais uma via adequada de diálogo, cresci-

tionism, set by Belgian critic Léon Degan, present-

mento e repercussão.

ed, for the first time in Brazil, the latest art devel-

Neste momento, surgem em São Paulo, os primeiros grupos dedicados à arte abstrata. O Atelier Abstração, criado por Samson Flexor (1907-1971),

opments. This exhibit was a major incentive to the first abstractionist nuclei that began to sprout in Brazil, mostly in Sao Paulo. These new fundaments stimulated the engagement in the then dominant

foi um dos espaços mais importantes de formação artística na

concepts and forms. The Brazilian movement of

cidade de São Paulo, na década de 1950. O artista transformou

abstract art belongs to this panorama, and found

sua casa num ateliê onde reunia jovens para pintar e desenhar,

at the Biennials an adequate ground for dialogue,

dos quais se destacam: Jacques Douchez (1921-2012), Leopoldo Raimo (1912-2001), Norberto Nicola (1930-2007) e Wega Nery (1912-2007). Flexor e seus alunos realizaram uma série de ex-

growth and repercussion. At that time the first groups dedicated to abstract art came to light in Sao Paulo. Atelier Abstração, created by Samson Flexor

posições conjuntas. A primeira delas, em 1953, no Instituto dos

(1907-1971) was one of the most important places

Arquitetos do Brasil, em São Paulo.

for artistic formation in the city of Sao Paulo, in

O Grupo Ruptura formado por artistas, na sua maioria, estrangeiros e residentes em São Paulo: Anatol Wladyslaw (1913-2004), Geraldo de Barros (1923-1998), Kasmer Féjer

the 1950s. The artist turned his home into an atelier where youngsters gathered to paint and sketch, among them Jacques Douchez (1921-2012), Leopoldo Raimo (1921-2001), Noberto Nicola (19302007) and Wega Nery (1912-2007). Flexor and his alumni set up a series of collective exhibits, the first of which in 1953, at the Instituto dos Arquitetos do Brasil, in Sao Paulo.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

3


(1923-1989), Lothar Charoux (1912-1987), Luiz Sacilotto (1924-

Grupo Ruptura, formed up by artists, mostly

2003) e Waldemar Cordeiro (1925-1973). Em dezembro de 1952,

foreigners residing in Sao Paulo: Anatol Wladsylaw

o Museu de Arte Moderna de São Paulo abriu a exposição que marcou o início oficial da arte concreta no Brasil. Intitulada Ruptura e acompanhada de um manifesto redigido por Walde-

(1913-2004), Geraldo de Barros (1923-1998), Kasmer Féjer (1923-1989), Lothar Charoux (1921-1987), Luiz Sacilotto (1924-2003) and Waldemar Cordeiro (1925-1973). In December 1952, The Museu de Arte

mar Cordeiro, diagramado por Leopoldo Haar (1910-1954). O

Moderna, Sao Paulo, held the exhibit that marked

grupo defendia “a autonomia de pesquisa com base em prin-

the official start for Concrete art in Brasil. Named

cípios claros e universais, capazes de garantir a inserção posi-

Ruptura, bearing a manifesto penned by Waldemar

tiva da arte na sociedade industrial. Para um artista concreto, o objeto artístico é simplesmente a concreção de uma ideia per-

Cordeiro, graphically designed by Leopoldo Haar (1910-1954). The group stood for “autonomous research based on clear and universal principles, as to assure the positive insertion of art in the Industrial Society. For a concrete artist, the artistic object is none but the concretization of a perfectly intelligible idea, leaving no room for the individual

4

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


feitamente inteligível, cabendo à expressão individual, lugar

expression in the artistic process. For them, every

nulo no processo artístico. Para eles, toda obra de arte possui

work of art possesses a rational basis, mathemati-

uma base racional, em geral matemática, o que a transforma em meio de conhecimento dedutível de conceitos”. Logo a seguir, juntaram-se ao grupo, os artistas: Hermelindo Fiaminghi

cal, generally, what turns it into a mean of knowledge deductible of concepts.” Soon after, the group was joined by artists Hermelindo Fiaminghi (19202004), Judith Lauand (1922) and Maurício Nogueira

(1920-2004), Judith Lauand (1922) e Maurício Nogueira Lima

Lima (1930-1999). It also counted on the support of

(1930-1999). Contou também com o apoio dos poetas concre-

concrete poets from Sao Paulo, and set up the First

tos paulistas e organizou a 1ª Exposição Nacional de Arte Con-

National Exhibit of Concrete Art (1956-57). Around

creta (1956-1957). Por volta de 1959 o Grupo Ruptura começou a se dispersar.

1959 Grupo Ruptura began to disperse. In Rio de Janeiro, Grupo Frente was a landmark for the constructivism movement in Brazil, under the leadership of Ivan Serpa (1923-1973), one of the forerunners for geometrical abstraction in Brazil, with students and former students of Serpa’s at the Museu de Arte Moderna classes in Rio de Ja-

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

5


No Rio de Janeiro, o Grupo Frente foi um marco histórico

neiro, such as Aluísio Carvão (1920-2001), Décio

do movimento construtivo no Brasil, sob a liderança de Ivan

Vieira (1922-1988), João José da Silva Costa (1931),

Serpa (1923-1973), um dos precursores da abstração geométrica

Lygia Clark (1920-1988) and Lygia Pape (1927-2004).

no Brasil, e alunos ou ex-alunos de Serpa nos cursos do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro como Aluísio Carvão (19202001), Décio Vieira (1922-1988), João José da Silva Costa (1931),

Instituto Brasil-Estados Unidos, in Rio de Janeiro. Despite being aware of the discussions around abstraction and concrete art, with works that focused

Lygia Clark (1920-1988) e Lygia Pape (1927-2004). O grupo abriu

on registering the geometrical abstraction, the

sua primeira exposição em 1954, na Galeria do IBEU - Instituto

group was not characterized by a common, unique,

Brasil-Estados Unidos, no Rio de Janeiro. Apesar de informados

aesthetics position, the rejection for the modernist

pelas discussões em torno da abstração e da arte concreta, com obras que trabalham, sobretudo no registro da abstração geométrica, o grupo não se caracterizou por uma posição estilística

Brazilian painting was what bonded them together. At the group’s second exhibit, held at Museu de Arte Moderna in Rio de Janeiro, in 1955, other artists adhered, such as Abraham Palatnik (1928),

única, sendo o elo de união entre seus integrantes a rejeição à

Cesar Oiticica (1939), Franz Weissmann (1911-2005),

pintura modernista brasileira de caráter figurativo e nacionalis-

Hélio Oiticica (1937-1980) and Rubem Ludolf (1932-

ta. Na segunda exposição do grupo, realizada no MAM – Museu

2010). For the Grupo Frente artists, the geometrical

de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em 1955, uniram-se aos fundadores outros artistas como Abraham Palatnik (1928), Cesar Oiticica (1939), Franz Weissmann (1911-2005), Hélio Oiticica

language was, foremost, a open field to experience and questioning. The independence and individuality with which they treated the theoretical postulates of concrete art were the focus of the criticism by

(1937-1980) e Rubem Ludolf (1932-2010). Para os artistas do Gru-

the Sao Paulo concrete group. In 1959, penned by

po Frente, a linguagem geométrica era, antes de qualquer coisa,

Ferreira Gullar, the Manifesto Neoconcreto was pub-

um campo aberto à experiência e à indagação. A independência

lished at the Jornal do Brasil sunday supplement.

e a individualidade com que tratavam os postulados teóricos da

The text was turned into the foreword to the First

arte concreta estão no centro da crítica que o grupo concreto de São Paulo faz ao grupo. Em 1959, redigido por Ferreira Gullar, publicam no Suplemento Dominical do Jornal do Brasil o Manifesto neoconcreto. O texto é transformado na abertura do catálogo da I Exposição de Arte Neoconcreta realizada em março de 1959, no MAM RJ. As últimas exposições do grupo ocorrem em 1956, em Resende e Volta Redonda, no estado do Rio de Janeiro. As discussões e estudos sobre a arte contemporânea brasileira iniciaram na década de 1950.

Exposição de Arte Neoconcreta, held in 1959, at the MAM RJ. The group’s last exhibits took place in 1956, in Resende and Volta Redonda, upstate Rio de Janeiro. The discussions and essays on Brazilian contemporary art started in the 1950s. Mario Pedrosa (1900-1981), art critic, journalist and professor, was the main responsible for this contemporaneity in Brazil, from the Sao Paulo Biennials on. The great dimension of this critical thinking has been the source for the most impor-

Mario Pedrosa (1900-1981), crítico de arte, jornalista e pro-

tant critics and students of Brazilian art. In 1949, he

fessor foi o grande responsável por esta contemporaneidade no

presented the monograph “On the affection nature

Brasil a partir das bienais de São Paulo. A grande dimensão do

of form in the work of art” applying for the History

seu pensamento crítico tem sido fonte de estudo para os maiores críticos e estudiosos da arte brasileira. Em 1949, defendeu

6

The group presented their first exhibit at Galeria do

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


a tese: “Da natureza afetiva da forma na obra de arte” para o

of Arts and Aesthetics professorship at the Facul-

concurso à cadeira de História da Arte e Estética da Faculdade

dade Nacional de Arquitetura. It’s a thesis on Ge-

Nacional de Arquitetura. É uma tese sobre Gestalt, a psicologia

stalt, the psychology of form. His interest was on

da forma. Seu interesse era aplicar a Gestalt para compreender a arte. Esta tese é considerada determinante para o surgimento da arte não-figurativa no Brasil.

applying Gestalt as to understand art. This monograph is considered as a determinant factor for the emergence of non-figurative art in Brazil. The selection of works at display stem from

A seleção das obras desta exposição parte da abstração

the geometrical abstraction, the manifestos, and the

geométrica, seus manifestos, e a sua enorme influência até os

immense influence even nowadays. Grupo Frente

dias atuais. Os artistas do Grupo Frente, a maioria, signatá-

artists, mostly subscribers of Manifesto Neocon-

rios do Manifesto Neoconcreto: Ivan Serpa (1923-1973), Franz Weissmann (1911-2005), Amilcar de Castro (1920-2002), Lygia Clark (1920-1988), Lygia Pape (1927-2004), Décio Vieira (1922-

creto: Ivan Serpa (1923-1973), Franz Weissmann (1911-2005), Amilcar de Castro (1920-2002), Lygia Clark (1920-1988), Lygia Pape (1927-2004), Décio Vieira (1922-1988) and Hélio Oiticica (1937-1980).

1988) e Hélio Oiticica (1937-1980). Os neoconcretos paulistas,

The neoconcretists from Sao Paulo, Hércules Bar-

Hércules Barsotti (1914-2010) e Willys de Castro (1926-1988). Os

sotti (1914-2010) and Willys de Castro (1926-1988).

concretistas paulistas Judith Lauand (1922) e Lothar Charoux

The Sao Paulo concretists Judith Lauand (1922)

(1912-1987) completam o primeiro núcleo com expressivas obras. Os artistas geométricos não vinculados a grupos: Mira

and Lothar Charoux (1912-1987) complete the first nucleus with expressive works of art. The non-affiliated geometrical artists: Mira

Schendel (19119-1988), Sergio Camargo (1930-1990), e Ione Sal-

Schen­del (1919-1988), Sergio Camargo (1930-1990)

danha (1919-2001). A segunda geração construtiva: Antonio Dias

and Ione Saldanha (1919-2001). The second Con-

(1944) e Luciano Figueiredo (1948). Complementando: Adriana

strutivist generation: Antonio Dias (1944) and Lucia-

Varejão (1964), Beatriz Milhazes (1960), Cildo Meireles (1948),

no Figueiredo (1948). And complementing: Adriana

Ernesto Neto (1964), Jaildo Marinho (1970), Marçal Athayde

Varejão (1964), Beatriz Milhazes (1960), Cildo Meireles

(1962), Sérvulo Esmeraldo (1929) e Waltercio Caldas (1946), e os fotógrafos: Miguel Rio Branco (1946), Rosângela Rennó (1962) e Vik Muniz (1961). Duas das obras expostas seguirão para retrospectivas no exterior: Mira Schendel na Tate Modern, em Londres e Lygia Clark no MoMA, em Nova York. E como atividade complementar, a Multiarte realizou um seminário organizado pelo crítico de arte Fernando Cocchiarale

(1948), Ernesto Neto (1964), Jaildo Marinho (1970), Marçal Athayde (1962), Sérvulo Esmeraldo (1929) e Waltercio Caldas (1946), and photographers Miguel Rio Branco (1946), Rosângela Rennó (1962) and Vik Muniz (1961). Two among the works will be later at display at retrospective exhibits abroad: Mira Schendel at the London Tate Modern and Lygia Clark at MoMA, New York. And as a complementary activity, Multiarte

com a presença de artistas e a exibição de filmes produzidos

hosted a Seminar organized by art critic Fernando

sobre alguns artistas representados nesta exposição.

Cocchiarale with the attendance of several of the artists portrayed and the exhibit of films on some of the artists represented in this exhibition.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

7


8

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

9


10

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


MARIO PEDROSA

As discussões e estudos sobre a arte contemporânea brasileira têm início na década de 1950. Mario Pedrosa (1900-1981), crítico de arte, jornalista e professor foi o grande responsável por esta contemporaneidade no Brasil, a partir das bienais de São Paulo. A grande dimensão do seu pensamento crítico tem sido fonte de estudo para os maiores críticos e estudiosos da arte brasileira. Para representar o conceito da exposição objeto deste catálogo, ninguém melhor do que Pedrosa, no artigo escrito por ocasião da Bienal da Bahia ou Primeira Bienal de

Discussions and studies on Brazilian Contemporary

Artes Plásticas:

art began in the 1950s. Mario Pedrosa (1900-1981),

“É axiomático que toda arte, para ser viva, tem de corresponder a seu tempo, ser contemporânea. Mas no conceito de contemporaneidade está o busílis. Todo tempo responde a

art critic, journalist and scholar was the main responsible for this contemporaneity in Brazil, from the São Paulo Biennials on. The great dimension of his critique has been the source for major critics

seu espaço histórico, seja em proteção para o passado, seja

and students of Brazilian art. To represent the con-

em perspectiva para o futuro. Já tive ocasião de apresentar

cept of the exhibition subject of this catalogue, no

como o único salão coletivo de perfeita contemporaneidade,

one better than Pedrosa himself, in an article writ-

o Salão do Automóvel. O anual de Paris, por exemplo. Nele

ten on the occasion of the First Bienal da Bahia,

a contemporaneidade coincide em todos os produtos, numa aproximação de ano, senão de meses. A causa dessa exata

also known as the First Bienal de Artes Plásticas [Visual Arts Biennial.] “It is an axiom that for art to be alive it must

contemporaneidade é clara: o salão é dirigido diretamente

correspond to its time, it must be contemporary.

ao mercado consumidor. A produção artística não pode, ou

But in the concept of contemporaneity there is

não poderá nunca, talvez (afirmação arriscada de fundo ro-

trouble. I once was present at the very only exhibit

mântico), competir nesse plano com o automóvel ou outro

of perfect contemporaneity: the Auto Show. The

qualquer objeto de uso de massa da importância daquele... um avião portátil, quem sabe? A Bienal da Bahia, ou como a denominam seus idea-

annual Salon de l’Auto, in Paris, for instance. There the contemporaneity coincide on all products, they are all from the same year, if not from the same month. The reason for this contemporaneity is

lizadores, e com justeza, Primeira Bienal Nacional de Artes

clear: the show is addressed directly to the con-

Plásticas, me reavivou a reflexão sobre aquele conceito. Com

suming market. The artistic production may not, or

efeito, as grandes manifestações coletivas de arte raro são

may never, perhaps (a risky statement of romantic

contemporâneas, rigorosamente. Não vai na reflexão a menor restrição ao conteúdo e ao valor intrínseco daquele cer-

background), compete, in this plan, with the automobile or any other mass object in terms of importance… a portable airplane, perhaps? The Bienal da Bahia, or, as the creators justifiably call, the First National Biennial of Visual Arts, has rekindled my reflections on this concept. Indeed, great collective art displays are, de rigueur,

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

11


tame. Constatamos ali, ao contrário, um fato de extremo in-

contemporary. There are, on this pondering, no re-

teresse, interesse artístico, estético, antropológico e mesmo

strictions whatsoever toward the content and the

sociológico. Nesse sentido as salas especiais no Convento do

intrinsic value of that event. On the contrary, we

Carmo ofereceram um quadro quase perfeito da relação do conceito, quanto ao espaço histórico, ou dos diferentes níveis de contemporaneidade ali representados. Essa diferen-

acknowledge here a fact of extreme interest, artistic interest, aesthetic, sociological and even anthropological interest. In this sense the special rooms at the Convento do Carmo offer an almost perfect

ça de níveis apresentou-se com particular vigor entre alguns

tableau of conceptual relation, as to the historical

eminentes artistas do Norte e outros não menos eminentes

space, or the different levels of contemporaneity

do Sul. Houve, mesmo, confronto de atitudes e de estéticas.

represented there. This difference in levels is re-

Aquelas mais importantes do que estas. Veja-se, digamos, o contraste entre a sala de um Brennand e a sala de Clark. Ambos são brasileiros de muitas gerações. Um é minei-

markable with particular strength among some eminent artists from North and others, no less eminent, from South. There was even a confrontation of attitudes and aesthetics. The former more importantly

ro; o outro pernambucano. Mas, enquanto um é, segundo seu

than the later. Behold, for instance, the contrast be-

apresentador no catálogo, o criador do Auto da Compadecida,

tween the Brennand room and that of Clark’s.

Ariano Suassuna, mais do que pernambucanos, já simplesmente da Zona da Mata de seu Estado, a outra, apresentada por outro poeta e crítico, desta vez, inglês, Guy Brett, não se assinalaria por ser de Minas, ou simplesmente do (sic) Belo

Both are Brazilian from many generations. One is from Minas Gerais, the other from Pernambuco. But whereas one is, according to his presenter in the catalog, the creator of Auto da Compadecida, Ariano Suassuna, “more than Pernambuco, from

Horizonte, mas pelo fato de “representar um passo adiante...

the coastal zone of his home state”, the other, in-

numa das tendências mais vitais da arte moderna”, que é a

troduced now by another poet and critic, British

“aspiração de fazer com que o espectador lide com coisas

this time, Guy Brett, would not be distinguished

reais e concretas, em vez de contemplar a aparência das coi-

as being from Minas Gerais, or simply from the

sas”. Brett enaltece o poder da obra de Clark, de convidar o espectador ao ato, arrancando-o de um contemplar passivo. Ariano Suassuna nos louva em Brennand “juntar sua inten-

(sic) Belo Horizonte, but rather because “she represents a step forward… one of the most vital trends of modern art”, which is the “aspiring to make the viewer deal with real, concrete things rather than

ção brasileira a uma forma brasileira, nordestina e pessoal”

contemplating the appearance of things.” Brett

e ser parte de “um grupo de artistas e escritores brasileiros

extols the power of Clark’s works, compelling the

que acreditam no Brasil, na grandeza de seu Povo... e por isto

viewer to act, yanking him from the passive con-

procuram o épico, um certo romantismo heróico que... não deve excluir as denúncias do realismo clássico, numa união barroca e brasileira”. O que compete, acrescenta o poeta, é

templation. Ariano Suassuna praises Brennand in “joining his Brazilian intention to a Brazilian form, a Northeastern, personal form” and being part of “a group of artists and writers who believe in Bra-

“mostrar ao povo brasileiro o que é e o que pode vir a ser”

zil, in the greatness of its people ... and therefore

não se devendo “insistir em lhe mostrar o feio (?), o mór-

seek the epic, a certain heroic romanticism ... that

bido, as suas chagas, e “por isto a pintura de Brennand é

should not exclude the claims of classical realism,

bela, estranha, pura, forte como a dimensão da nossa Grande Pátria...”, etc. Ao mostrar as origens as origens e tradições

in a Brazilian Baroque union”. The intention, the poet adds, is “to show the Brazilian people what it is and what it may come to be” and that one should not “insist on displaying the ugly (?), The morbid, the scars”, and for this reason “Brennand’s painting is beautiful, strange, pure, strong, and has the dimension of our Great Nation ... “, etc. By showing

12

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


dessa pintura, quer Suassuna, sobretudo, lhe definir a atitude

the origins and traditions of this painting, Suas-

em face da problemática artística contemporânea. Seria uma

suna intends, above all, to define the attitude in the

arte “engajada”. Não basta, porém, para destacá-la. A de Clark

face of the contemporary art problem. That would

também o é, na medida em que, segundo o poeta inglês, ela “dá mais ênfase ao ato do que ao objeto resultante”, na procura “de um encontro aberto entre o artista e o espectador

be an “engaged” art. But is not enough, however, to distinguish it. Clark’s work would also be “engaged”, since, according to the English poet, she “gives more emphasis to the act than the resulting

em vez de um enconro entre o artista e a tela”. Partindo ou

object” searching “for an open meeting between

não, como quer Suassuna, das tradições culturais do século

the artist and the viewer rather than a meeting be-

dezessete brasileiro e da ecologia regional de sua terra, é fato

tween the artist and the canvas.” Stemming or not,

que a pintura de Brennand atinge em cheio o plano de uma sensibilidade realmente nacional que começa a definir cultura e artisticamente este nosso país em transe e em trânsito.

as Suassuna wants, from the cultural traditions of the seventeenth century Brazilian traditions and the regional environment of his land, the fact is that Brennand’s painting reaches in full the plan of truly

O Brasil artístico cultural tende, com efeito, a ser cada

national sensitivity that began to shape culturally

vez menos um mosaico de regiões para ser um todo cultural,

and artistically this country in trance and in transit.

um complexo nacional vivo em formação. Terá sido o Cinema Novo o acelerador dessa integração de sensibilidades e modos de ver de imagística através de Vidas Secas, Deus e o Diabo, Porto das Caixas, O Padre e a Moça e outros filmes dos mesmos e de outros diretores do Norte ao Sul do país, alcan-

The artistic and cultural Brazil tends, in fact, to be less and less a mosaic of regions to became a whole culture, a living national complex in formation. Was the Cinema Novo the accelerator for a integration of sensitivities and ways of seeing the imagery through Vidas secas, Deus e o diabo na

çando seu desenlace emocional unitário no canto épico de

terra do sol, Porto das Caixas, O Padre e a Moça

Vida e Morte Severina? Lembro-me ainda da estranheza com

and other movies by the same and by other film-

que Vidas Secas foi recebido por grande parte do público

makers from North to South, reaching its emo-

paulistano, a mesma estranheza que já notara Paulo Emílio Salles Gomes no público europeu em face do dito filme e de outros de idêntica filiação cultural estética. (A pintura de Volpi

tional denouement in the epic chant of Morte e vida Severina? I still remember the strangeness with which Vidas secas was received by much of the audience from São Paulo, the same strange-

também custou a entrar na sensibilidade do público brasilei-

ness that Paulo Emilio Salles Gomes had noticed in

ro e ainda mais na dos estrangeiros, caçadores de exótico ou

the European audience in the face of that film and

da moda internacional.) A paisagem física e mesmo espiritual

others of similar aesthetic cultural affiliation. (The

do interior, sobretudo do Nordeste, era talvez pobre demais, primária, rala demais para interessar à primeira vista um público estranho. Eis, porém, que não só o Brasil, mas parece, o

paintings of Volpi took long to be assimilated by the sensitivity of the Brazilian public and even more that of the foreign audience, hunters of exotic or followers of international trends.) The physical

mundo amanheceu para o Nordeste. O Brasil apareceu unido

and even spiritual landscape of the backlands, es-

nacional, moral, espiritual, emocionalmente pela mediação

pecially the Northeast, was perhaps too poor, too

da imagem na sensibilidade continental brasileira. Antes o

primary, too sparse to raise the interest, at first

Norte era, sobretudo, o aparentemente feliz pitoresco baiano ou afro-brasileiro. Mesmo a música popular nordestina,

glance, of a foreigner audience. And then we realize, that not only Brazil, but, as it seems, the whole world awoke to the Northeast. The Brazil appeared nationally, morally, spiritually, emotionally, united through the mediation of the image on the Brazilian continental sensibility. Before that, the North was especially considered the seemingly happy

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

13


a despeito do coco, do baião, da embolada, apesar dos es-

picturesque Bahia or afro-Brazilian. Even North-

forços de um Gallet, de um Mário de Andrade, um Guarnieri

eastern popular music, despite the coco, the baião,

e tantos outros, não passava nunca de número acessório do

the embolada, despite the efforts of Gallet, Mário

samba, da marchinha, de elenco carnavalesco carioca. A tradição do Nordeste em pintura não é, porém, de agora, e Cícero Dias, ao deixar sua terra (também da Zona

de Andrade, Guarnieri and so many others, was always but supporting actors for samba, marchinha, in the carnaval cast of Rio. The tradition of the Northeastern painting is

da Mata), levou consigo em cores simbólicas, roxos, verdes,

not, however, something new, and Cícero Dias,

azuis, rosas, sobretudo temas populares, cenas regionais,

when left his land (also the coastal area of Pernam-

numa transliteração poética ao mesmo tempo ingênua mas

buco), brought with him symbolic colors, purples,

já surrealisticamente fantasista à la Chagall. Depois é que lhe veio aos seus sentidos já aguçados pela ausência a imagem das plantas nativas (o mamoeiro) e principalmente das fru-

greens, blues, pinks, especially popular themes, regional scenes, on a poetic transliteration at the same time naïve but already surreally imaginative à la Chagall. After that, his sensitivity was sharped

tas suculentas, de formas recortadas que tanto depois vieram

by the absence of native plants (the papaya) and

impressionar Brennand), em cores locais mas já de intensa

especially the juicy fruits, cut in shapes that would

saturação (o caju), texturas agressivas (o abacaxi) para termi-

later much impress Brennand) in local colors but al-

nar, de redução em redução, à pura abstração de cores vivas, de luz, de ar – tudo o que lhe restou de Pernambuco depositado nas chapas sensibilizadas de sua memória sensorial.

ready with intense saturation (cashew), aggressive textures (pineapple) to end, reduction after reduction, in pure abstraction of vivid, colors, of light, air — all that remained of Pernambuco deposited

A pintura de Brennand é o ponto de afluência de todas as

on sensitized plates of his sensorial memory. Bren-

correntes nordestinas. O “visual” pernambucano já não lhe é

nand painting is the confluence point of all North-

mais uma transcrição sensorial pura, numa temática popular

eastern currents. The Pernambuco “look” is no

atraente pela ingenuidade da cena ou pelo pitoresco. Já há

longer a purely sensorial transcription, a popular

uma fusão, uma síntese ou sincretismo, uma criação. Ele descreve o Nordeste, enumera o que ele tem, mas com uma escrita própria, pernambucana. Terá seguidores ou companhei-

theme made attractive by the scene naïvité or by the picturesque. Already there is a fusion, a synthesis or syncretism, a creation. He describes the Northeast, lists what it has, but with a very own

ros? Sei de um conterrâneo seu, cuja pintura também é de

Pernambuco style. Will he amass followers or com-

escritura pernambucana, embora, pelo menos, por enquanto,

panions? I know of one of his countryman, whose

sem sua categoria, Montez Magno, e já desgarrado da temáti-

painting is also a Pernambuco writing, though, at

ca regional, em plano da abstração, e notei na Bienal um seu irmão mais jovem, Jorge Tavares, para quem a abordagem ecológica regional é mais subjetiva, com um esquema formal

least for now, without his category, Montez Magno, already strayed from the regional theme, in terms of abstraction, and noticed, at the Biennial, a younger brother of his, Jorge Tavares, for whom

menos preciso, e menos linear e cores mais independentes

the regional ecological approach is more subjec-

ou menos locais, mais planas e mais densas, que se impõem

tive, with a formal scheme less accurate, and less

à forma como forma e não a serviço dela. A arte de Brennand

linear and colors more independent or less local,

é uma arte já de signos, uma linguagem portanto, que define, que comunica e informa: se não é um discurso é por que não

more solid and denser, which are imposed on the form as a form and not at its service. The art of Brennand is an art of signs, a language therefore, defining, communicating and reporting: If it is not a discourse it is rather a web of meanings independent of its creator, but a web of images, that, despite the redundancy intention of the artist, stressing the

14

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


é uma trama de significações independentes de seu criador,

message, does not establish a syntactic relationship

mas uma trama de imagens que, a despeito da intenção de

able of conveying an unequivocal meaning.

redundância do próprio artista, a explicitar demais a mensagem, não estabelece uma relação sintáxica capaz de nos transmitir um sentido unívoco. No Carmo ainda, quase ao seu lado, havia outra sala,

While still at the Carmo, almost next to it, there was another room, of extraordinary importance, and affiliated to the same spiritual family — the one of Rubem Valentim’s. His painting, beyond being a victory of certainty over the fashionable, the easy,

cuja presença era de extraordinária importância e pertencen-

the picturesque (a sin so easy to incur in Bahia!)

te à mesma família espiritual – a de Rubem Valentim. Sua pin-

expresses also a relevant moment of what could be

tura, além de ser uma conquista da convicção contra a moda,

an authentic Brazilian painting, not of a priori inten-

o fácil, o pitoresco (pecado tão fácil de cometer na Bahia!) exprime também um momento importante do que poderia ser uma pintura brasileira autêntica e não de intenções apriorísticas, de receitas ou pré-fabricadas.

tions, of readymade off the shelf recipes. He did in Bahia, for the Brazilian painting, what Tarsila and Volpi had done in South. Tarsila, from an aristocratic and highly sophisticated background (by the way, so is Brennand’s), gave us, after the

Ele fez na Bahia para a pintura brasileira o que Tarsi-

1922 Modern Art Week, but through Paris, Léger

la e Volpi fizeram no Sul. Tarsila, de um meio aristocrático e

and the formidable Oswald de Andrade of Pau Bra-

altamente sofisticado (aliás, como o de Brennand), nos deu após a Semana de Arte Moderna, mas através de Paris, Léger e o formidável Oswald de Andrade de Poesia Pau Brasil e da

sil Poetry and Anthropophagy fame and the unveiling of naïve poetic of “caipira civilization” with its formal and color schemes (the famous chest pink) and then the marvelous anthropophagic fabulation

Antropofagia, a revelação da poética ingênua da “civilização

that integrated indigenous myths (without roman-

caipira”, com seus esquemas formais e colorísticos (o famoso

tic literary indianisms) to our natural and spiritual

rosa baú) e depois a admirável fabulação antropofágica que

landscape. If the old and great Volpi, the only one

integrou mitos indígenas (sem indianismos literários român-

in the family born abroad, in Italy, to immigrant

ticos) à nossa paisagem natural e espiritual. Se o velho grande Volpi, o único da família nascido no exterior, na Itália, de pais imigrantes mas, no Brasil desde os dois anos, criou, por

parents, but in Brazil since the age of two, created, through intuition and handcraft mastery, the Brazilian abstract painting, extracted from popular urban and suburban São Paulo landscape, from colors,

intuição e mestria artesanal, a pintura abstrata brasileira, ex-

from tones, from atmosphere and the adjacent

traída da paisagem popular urbana e suburbana paulistana,

lights; transubstantiating into modern essentiality,

das cores, dos tons, da atmosfera e da luz adjacentes, tran-

the essentiality, that is to say, universal; Valentim,

substanciando-a na essencialidade moderna, isto é, universal; Valentim, mais moço de uma geração, de origem plebéia como ele, autodidata, iniciou a carreira como um rebelde contra a

the younger in a generation, of plebeian origin like Volpi, self-taught, began his career as a rebel against the then dominant so called Bahia feudalism aesthetic. He refused joining a façade region-

estética então dominadora do chamado feudalismo baiano.

alism, of clichés, anecdotes for tourists, of pictur-

Recusou-se a um regionalismo de fachada, de idéias feitas, de

esque and folkloric mumbo jumbo. The significant

anedotário para turistas, de pitoresco e de enfeitiçamentos fol-

paradox in this attitude is that, on behalf of what

clóricos. O paradoxalmente significativo nessa atitude é que, em nome do que havia de mais profundo no contexto popular

was the most profound in his autochthonous context of his land, the liturgical religious afro-Brazilian syncretism, he was the first abstract artist from Bahia. And he struggled for this. Unlike his colleague from Pernambuco, the ecological, the landscape, the pure visual were not elements that first spiced his painting. Plebeian, proletarian, as Volpi, urban,

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

15


autóctone de sua terra, o sincretismo religioso litúrgico afro-

his inspiration is evident in the face of a Dias, or

-brasileiro, foi o primeiro artista abstrato da Bahia. Sofreu e

Brennand or Tarsila, of countryside inspiration,

lutou por isso. Diferentemente do seu colega pernambucano,

masters from the Casa Grande. He set foot indiffer-

o ecológico, a paisagem, o visual puro não foram os elementos que primeiro condimentaram sua pintura. Plebeu, proletário, como Volpi, citadino, sua inspiração é notória, em face de

the eyes devour in an already more abstract anthropological cultural plan, the collective intuitive creation itself. The Pernambuco painter did a sur-

um Dias, Brennand ou Tarsila, de inspiração campestre, gente

vey on the forms of the native surroundings, col-

da Casa Grande. Ele partiu indiferente aos feitiços da natureza

lecting them, turning them into signs of a language

ambiente, que os olhos devoram já de um plano antropológico

of which he holds the key. Proceeded by selection.

cultural mais abstrato, o da criação coletiva intuitiva em si. O pernambucano fez o levantamento das formas do terreiro nativo e, colecionando-as, transformou-as em signos de uma lin-

On the other side, the Bahian painter, overwhelmed by the symbolic load of magical signs from the negro liturgy, around which he grew up, transfigured in abstract pictorial shapes, geometrically beautiful

guagem de que tem a chave. Procedeu por seleção. O baiano,

per se, and turgid. Both avid and poor, he proceed

dominado pela carga simbólica dos signos mágicos da liturgia

by appropriation following a nearly obsessive pos-

negra em meio dos quais crescera, os transfigurou em formas

session instinct. There is something anthropopha-

pictóricas abstratas; geometricamente belas em si, e túrgidas. Ávido e pobre procedeu por apropriação num instinto de possessão quase obsessivo. Há algo de antropofágico na sua arte,

gical in his art, in the Oswaldian sense – be the product of cultural deglutination. Brennand, after so much selecting and isolating things by their visual forms, defining them primarily in a closed

no sentido oswaldiano – ser produto de deglutinações cultu-

drawing, in which the colors and texture are con-

rais. Brennand, de tanto selecionar e isolar as coisas por suas

fused to come up, on a suggestion of volume, the

formas visuais, definindo-as sobretudo por um desenho de

created image, to eventually saturate on the picture

circuito fechado, no qual as cores e a textura se confundem

plane and surrendering, no longer to the vision, but

para concretizar, numa sugestão de volume, a imagem criada, acaba por saturar-se do plano pictórico e entregar-se, não mais ao ver, mas ao fazer, à modelagem do barro, em que atinge na

rather to eh making, to the modeling of clay, which reaches in ceramics, with admirable mastery, the finest of materials. A parallel, and more audacious evolution, is announced on Valentine’s artistic ac-

cerâmica, com admirável maestria, a mais bela das matérias.

tivities. As he transmutes fetishes into images and

Evolução paralela, e mais audaciosa, anuncia-se nas ativida-

liturgical signs into abstract visual signs, Valentine

des artísticas de Valentim. Ao transmudar fetiches em imagens

uproots them from the terreiro, and loading them

e signos litúrgicos em signos abstratos plásticos, Valentim os desenraíza de seu terreiro, e carregando-os de mais a mais de uma semântica própria, os leva ao campo da representação

more and more with its own semantics, leads them to the field of representation, say, emblematic, or to a heraldry, as prof. Giulio Argan pointed out. In this representation, the signs acquire significant

por assim dizer emblemática, ou uma heráldica, como disse

universality what they lose in original mythical-

o prof. Giulio Argan. Nessa representação, os signos ganham

magical instance. The artist designs, abandoning

em universalidade significativa o que perdem em carga ori-

also the fatality of the canvas, organizes its signs

ginal mágico-mítica. O artista projeta mesmo, abandonando também a fatalidade da tela, organiza seus signos no espaço,

16

ent to the charms of the natural environment, that

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

in space, carved as emblems, coats of arms, buck-


talhados como emblemas, brasões, broquéis, estandartes, ba-

lers, banners, of a strange procession, perhaps of

randões de uma insólita procissão, talvez de um misticismo

a religious mysticism with no church, no dogmas

religioso sem igreja, sem dogmas a não ser a eterna crença

apart from the eternal belief of races and people

das raças e povos oprimidos no advento do milênio, na fraternidade das raças, na ascensão do homem.

in the advent of the millennium, the fraternity of races, the rise of man. We can derive that everything that is primitive

Deduz-se de tudo que o que é primitivo ou elementar

or elementary mays as well be contemporary. Con-

também pode ser contemporâneo. Contemporâneo e primi-

temporary and primitive — Brazilian. The global-

tivo – brasileiro. O mundo planetário aberto dos astronau-

ized world of astronauts and the immense world of

tas e o mundo imenso dos subdesenvolvidos do hemisfério

underdeveloped Southern hemisphere are contem-

sul são contemporâneos e contraditórios, como o Brasil por sua vez em face do mundo. O Brasil é ao mesmo tempo um anacronismo e uma promessa. Para certos de seus artistas, a

porary and contradictory, and such is Brazil, on its turn, in the face of the world. Brazil is, at the same time, an anachronism and a promise. To some of its artists, the contemporary task consist of expressing

tarefa contemporânea consiste em expressar esse anacronis-

this anachronism, as in a cathartic operation, to, af-

mo, como se se tratasse de uma operação de catarse, para, a

terward, submitting it to the universal. Some other,

seguir, subsumi-lo ao universal. Outros, porém, partindo do

on the other hand, starting from the contemporary

universal contemporâneo implícito na promessa, aceitam, já agora, no seu trabalho criativo, o condicionamento de amanhã e não o condicionamento de ontem.

universal implicit in the promise, accept, right now, on their creative work, the conditioning of tomorrow and not the conditioning of yesterday. The distance between starting points in the

A distância de pontos de partida entre um Francisco

cases of Francisco Brennand and Rubem Valentim

Brennand e mesmo um Rubem Valentim e Lígia Clark ou Hé-

and Ligia Clark and Hélio Oiticica is a large one.

lio Oiticica é grande. Mas que há entre eles de comum além

However, what is the common ground among

do fato cultural e moral de serem brasileiros? A autenticidade

them, apart from the cultural and moral fact that

de uma vivência pessoal por que responde a própria obra? Antes a responsabilidade por uma idéia ou por uma atitude que, se se mantém se desenvolve e os caracteriza através do

they are Brazilians? The authenticity of a personal experience which reflects on the work itself? Or rather the responsibility for an idea or attitude that, whether it maintains and develops and are

trabalho criativo, não veio de fora, por acaso ou por moda,

marked by the creative work, does not come from

mas brotou neles do complexo sócio-econômico-cultural-mo-

the outside, by chance or fashion, but stemmed

ral-artístico, onde se situam, onde vivem, trabalham, Recife

in them from the social economical cultural moral

ou Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasil... e inevitavelmente o planeta.”

complex in which they are, reside, live, Recife, Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasil… and, inevitably, the world.

In “Contemporaneidade dos artistas brasileiros na Bahia” Cor-

In “Contemporaneidade dos artistas brasileiros na

reio da Manhã, 29 de janeiro de 1967.

Bahia” Correio da Manhã newspaper, January 29th 1967.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

17


18

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

19


20

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


FERNANDO COCCHIARALE

Arte contemporânea brasileira dos anos 1950 aos dias atuais, não tem por objetivo traçar um panorama abrangente dos últimos 60 anos da produção artística brasileira. Seu escopo, embora significativo, é o de um resumo formado a partir de obras de vinte e sete artistas, de diversas gerações, que exemplificam a transição da arte moderna (cuja consolidação no Brasil ocorre ao longo da década de 1950) para a produção contemporânea, em que pese a fluidez conceitual deste último termo (arte contemporânea). No entanto, é bom lembrar, que no período coberto pela presente exposição ocorrem de mudanças radicais tanto na produção artística mundial, quanto na arte brasileira então produzida nos maiores centros urbanos do país − Rio de Janeiro e

Arte contemporânea brasileira dos anos 1950 aos dias atuais [Brazilian contemporary art from the 1950s to present day], does not claims to depict a comprehensive view of the past 60 years of the Brazilian artistic production. Its scope, albeit significant, is but an abstract, comprised from works

São Paulo. A invenção formal, pura ou afastada de referências

of twenty-seven artists from different generations,

visuais do mundo real, característica da arte abstrato-concreta,

who exemplify the transition from modern art (the

hegemônica nos anos 50, dá progressivamente lugar, a par-

consolidation of which occurred in Brazil over the

tir dessa época, à diversas propostas de reaproximação entre

1950s) to the contemporary production, despite

arte e vida. Muitos artistas retomam, então, o interesse pela potência

the conceptual fluidity of the latter term (contemporary art). Nevertheless, we should keep in mind that, in

poético-cotidiana da imagem (sobretudo aquelas registradas

the period covered by this exhibition, radical changes

por mídias tecnológicas como a fotografia, o filme e o vídeo);

rise both in the worldwide artistic production and

passam a experimentar meios e materiais extraídos ou apro-

in Brazilian art then produced on its major urban

priados do cotidiano como alternativos àqueles convencionais

centers – Rio de Janeiro and São Paulo. The formal

(e artesanais) da arte (telas, papéis pincéis, tintas, bronze, mármore etc.); assumem suas ações e propostas como intervenções artísticas e incorporam espaços institucionais, urbanos e naturais aos suportes disponíveis para a invenção e criação.

invention, pure or withdrawn from visual references in the real world, characteristic of abstractconcrete art worldwide, hegemonic in the 1950s, gradually gives way, from that time, to the various proposals for rapprochement between art and life.

Essa virada mundial da invenção formal pura, para a es-

Many artists rekindle the interest in the poetic-

tetização da vida, ocorrida entre as décadas de 1950 e 1960,

quotidian potential of the image (especially those

marca não só o início da chamada arte contemporânea, como também a transformação das funções da própria arte – que an-

recorded by technological media such as photography, film and video); begin experiencing media and materials extracted or appropriated form familiar objects as alternative to those conventional (and belonging to craftsmanship) of art (canvases, papers brushes, paints, bronze, marble etc..); assume their actions and proposals as artistic interventions

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

21


teriormente restrita à produção de objetos (obras) destinados

and incorporate institutional, urban and natural

somente à contemplação estética (ideia gestada entre os sé-

spaces to the available supports for invention and

culos XVI e XVIII), torna-se mais participativa, comprometida

creation.

com a revisão de seus próprios fundamentos, e com questões éticas e políticas. A mudança histórica da função da arte coloca em pauta

This worldwide upturn from purely formal invention, towards the “aesthetics-ation” of life, occurred between the 1950s and 1960s, not only set the beginning of the so called contemporary art,

novas questões (o que é arte ? Quais são seus objetivos e qual

as well as the transformation of the functions of

é sua função? , Como se dá sua recepção ?, etc.) cujas respos-

art itself — which was previously restricted to the

tas ainda estão em aberto hoje em dia.

production of objects (works) intended only for

Ainda que seja impossível esclarecer questões desse tipo numa única mostra (ou num pequeno texto), sobretudo, quando as obras mostradas, possuem um teor predominante-

aesthetic contemplation (an idea begotten between the sixteenth and eighteenth centuries), it becomes more participative, engaged to reviewing its own grounds, and bearing ethical and political issues.

mente objetual, que não representa a contribuição diferencial

The historical shift of the function of art brings

de artistas que experimentaram, notoriamente, novos meios e

forth new questions (what is art? what are its goals

suportes (como é o caso desta exposição). Apesar desse limi-

and what is its function? How does one receives it?)

te, no entanto, é possível mapear algumas das principais inflexões experimentadas pela produção artística brasileira nas últimas seis décadas, a partir dos artistas aqui selecionados.

that remain unanswered. Although it is impossible to clarify such questions in a single exhibition (or in a small piece of text, for that matter), especially when the works

Os anos cinquenta foram uma espécie de serviço militar

shown have a predominantly objectual tone that

da forma. O surgimento, a partir de 1948, dos primeiros nú-

does not represent the differential contribution of

cleos de artistas abstrato – concretos no Brasil mudou o eixo

artists who experienced, notoriously, with new me-

do debate artístico do país. Os desdobramentos dos diversos

dia and material (such as is the case of this exhibi-

modernismos aqui surgidos, tais como a conhecida Semana de Arte moderna, realizada em São Paulo (1922), desaguaram em regionalismos diversos e no realismo social.

tion). Despite this limitation, however, it is possible to chart some major inflections experienced by the Brazilian artistic production over the past six decades, from the artists selected here.

Caro aos setores culturais à esquerda esse realismo con-

The 1950s were a sort of military conscription

figurou-se como resistência temática da brasilidade à renova-

to the form. The rise, from 1948 on, of the first nu-

ção formal representada pela emergência do abstracionismo e

clei of abstract-concrete artists in Brazil changed the axis of artistic debate in the country. The unfolding of the various modernisms here emerged, such as the well known Week of Modern Art, held in São Paulo (1922), wound up in many regionalisms and in social realism.

22

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


do concretismo. Esse momento de inflexão da arte brasileira

Dear to left-wing cultural sectors, this realism

está aqui representado pelos concretistas Judith Lauand e Lo-

was configured as a national thematic resistance to

thar Charoux (SP. 1952/ 1961), pelos Neoconcretistas Amilcar

the formal renewal represented by the emergence

de Castro, Décio Vieira, Franz Weissmann, Hélio Oiticica, Hércules Barsotti, Ivan Serpa, Lygia Clark, Lygia Pape e Willys de Castro (RJ 1953/1961), e por artistas independentes que tam-

of abstraction and concretism. This inflection point in Brazilian art is here represented by concretists Judith Lauand and Lothar Charoux (São Paulo, 1952/1961), by neoconcretists Amilcar de Castro,

bém floresceram por esta época: Ione Saldanha, Mira Schen-

Décio Vieira, Franz Weissmann, Hélio Oiticica, Hér-

del, Sérgio Camargo e Sérvulo Esmeraldo.

cules Barsotti, Ivan Serpa, Lygia Clark, Lygia Pape

A rápida atualização nova figuração, marco do começo da contemporaneidade no Brasil (década de 60), só foi possível graças ao serviço militar da forma prestado pelos abstracionismos da década anterior. Pela primeira vez nossa produção

and Willys de Castro (Rio de Janeiro 1953/1961), and by independent artists who also emerged around this period: Ione Saldanha, Mira Schendel, Sergio Camargo and Sérvulo Esmeraldo. The prompt adjournment to Nova Figuração

artística formula questões e produz trabalhos, de um ponto de

(“New Figuration”), landmark for the beginning of

vista próprio, sincronizado com as questões da arte contem-

contemporaneity in Brazil (1960s), was only pos-

porânea. Essa primeira geração de artistas contemporâneos

sible thanks to the military conscription of form

está aqui representada por Antonio Dias. Seus primeiros desdobramentos ocorrem no começo da década de 70 e podem ser vistos em trabalhos de Cildo Meireles, Luciano Figueiredo,

rendered by the abstractionisms the previous decade. For the first time our artistic production formulates questions and produces works from a very own point of view, synchronized with the issues of

Miguel Rio Branco e Waltercio Caldas, aqui expostos. Cabe ob-

contemporary art. This first generation of contem-

servar que Hélio Oiticica, Lygia Clark e Lygia Pape, original-

porary artists is here represented by Antonio Dias.

mente ligados ao neoconcretismo, experimentaram em seus

Its first developments occur in the early 1970s and

próprios processos de trabalho a transição entre o moderno e

can be seen in the work by Cildo Meireles, Luciano

o contemporâneo. Finalmente chegamos ao grupo de artistas surgidos na esteira da reabilitação da pintura, questão de primeira linha

Figueiredo, Miguel Rio Branco and Waltercio Caldas, at display here. It should be noted that Hélio Oiticica, Lygia Clark and Lygia Pape, originally affiliated to Neoconcretism, experienced in their own

da arte mundial dos anos 80, do qual fazem parte Adriana Va-

work processes the transition between modern and

rejão e Beatriz Milhazes. Ernesto Neto, Jaildo Marinho, Marçal

contemporary.

Athayde, Rosângela Rennó e Vik Muniz.

Lastly, we reach the group of artists that emerged in the wake of the rehabilitation of painting, the main debate in the art world in the 1980s, including Adriana Varejão and Beatriz Milhazes, Ernesto Neto, Jaildo Marinho, Marçal Athayde, Ro­ sângela Rennó and Vik Muniz.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

23


adriana varejão (1964, Rio de Janeiro, RJ) Realizou seus primeiros estudos de arte na Escola de Artes Vi-

Carried out her first art studies at the Escola de

suais do Parque Lage e a primeira individual no Rio de Janeiro,

Artes Visuais of Parque Lage, and held her first

em 1988, na Thomas Cohn Arte Contemporânea, onde voltou a

individual exhibit at Thomas Cohn Arte Contem-

expor em 1991 e 1993. A partir daí, ampliou seu percurso expositivo no Brasil e no exterior, com destaque para as mostras realizadas nas galerias Bárbara Farber, Amsterdã, em 1992;

porânea, where she would exhibit again in 1991 and 1993. From then on, she expanded her exhibition career in Brazil and abroad, including exhibits held at Bárbara Farber gallery in Amsterdam, 1992;

Luisa Strina, São Paulo, em 1992; Annina Nosei, Nova York, em

Luisa Strina gallery, Sao Paulo, 1992; Annina Nosei

1995; Camargo Vilaça, São Paulo, em 1996 e 2000; Centro Cul-

gallery, New York, 1995; Camargo Vilaça, Sao Pau-

tural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, em 2001; Victoria Miro,

lo, 1996 and 2000; Centro Cultural Banco do Brasil,

Londres, em 2002 e 2011; Fundação Cartier, Paris, em 2005, e a retrospectiva apresentada inicialmente no Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 2012, e, em seguida, no Museu de Arte

Rio de Janeiro, 2000; Victoria Miro, London, 2002 and 2001; Fondation Cartier, Paris, 2005 and the retrospective exhibit held initially at Museu de Arte Moderna of Sao Paulo, in 2012 and later at the Mu-

Moderna do Rio de Janeiro, em 2013. Participou do IX Salão

seu de Arte Moderna of Rio de Janeiro, 2013. She

Nacional de Artes Plásticas (com prêmio de aquisição em 1987)

took part in the IX Salão Nacional de Artes Plásti-

e de diversas coletivas de destaque, a exemplo do Panorama de

cas (obtaining the acquisition award in 1987) and

Arte Atual Brasileira, Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 1993, e Arco, Feira Internacional de Arte Contemporânea de Madri, Espanha, em 2000. Participou ainda de numerosas coletivas

of several distinguished collective exhibits, such as the Panorama atual da arte brasileira, at the Museu de Arte Moderna de Sao Paulo, in 1993, and Arco, International Contemporary Art Fair, Madrid,

de arte brasileira em países como Alemanha, Holanda, Suécia,

2000. Also took part in numerous collective exhib-

França, Dinamarca etc., marcando presença também em bienais

its of Brazilian arts, in countries such as Germany,

como as de São Paulo, em 1994 e 1998; Havana, em 1994; Vene-

Netherlands, Sweden, France, Denmark, and was a distinguished participant at Biennials such as Sao Paulo 1994 and 1998; Havana, 1994; Venice 1995;

24

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


za, em 1995; Sidney, em 2000; Liverpool, em 2006; Bucarest, em

Sydney, 2000; Liverpool, 2006; Bucharest, 2008

2008 e Istambul, em 2011. O crítico Reynaldo Röels Jr. (Jornal

and Istanbul, 2011. Critic Reynaldo Röels Jr. (Jor-

do Brasil, 20 out. 1988) apontou as principais características de

nal do Brasil, october 20th, 1988) pointed out the

sua obra inicial: “É uma pintura contundente e contrastada: a expressividade convive com o mais puro decorativismo, a tinta mais diluída pode estar ao lado do mais grosso empasto (...)

main features of her early work: “It is a poignant and contrasted painting: the expressivity goes along the purest decorativism, the most diluted paint may be side by side of the thickest plaster

O que interessa é submeter sempre a pintura a uma tensão e

[…] the aim is to always submit the painting to a

uma exuberância próximas à explosão. É nesta situação-limite

tension and an exuberance next to explosion. It is

que se encontram os elementos de ‘sublime’ com que a artista

at this limit situation that we find the elements for

caracteriza seu trabalho”. Em 2000, destacou-se como a primeira artista brasileira viva a integrar o acervo do então recém-inaugurado museu Tate Modern, em Londres. Recebeu a medalha

the sublime with which the artist distinguishes her word”. In 2000, she was the first living Brazilian artist to integrate the collection of the just open Tate Modern Museum in London. She was granted the

de Chevalier des Arts et Lettres do governo francês, em 2008, a

Chevalier des Arts et Lettres medal from the French

Ordem do Mérito Cultural pelo Ministério da Cultura do Brasil,

government, in 2008, the Ordem do Mérito Cultu­

em 2011, e o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte,

ral, by the Ministry of Culture in Brazil, 2001 and

em 2012. Exercita a fotografia profundamente identificada com seu universo plástico e há vários estudos sobre sua obra, entre os quais Adriana Varejão (O Autor, 2001), textos de Louise

the Sao Paulo Critics Association award, in 2012. She exercises photography deeply identified with her plastic universe, and there are several studies on her work, among which Adriana Varejão (O au-

Neri e Paulo Herkenhoff; Adriana Varejão: entre carnes e mares

tor, 2001), texts by Louise Neri and Paulo Herken-

(Cobogó, 2009), texto de Silviano Santiago e outros, e Adriana

hoff; Adriana Varejão: entre carnes e mares (Co-

Varejão: histórias às margens (MAM, 2012), de Adriano Pedrosa.

bogó, 2009), text by Silviano Santiago and others and Adriana Varejão: histórias às margens (MAM, 2012), by Adriano Pedrosa.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

25


26

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


“Macau Wall (blue) #9”, 2001 óleo e gesso sobre tela, 200 x 200 cm [políptico: 4 telas de 100 x 100 cm cada] assinado, datado e titulado no verso “Macau Wall (blue) #9”, 2001 oil and plaster on canvas, 200 x 200 cm polyptych: 4 screens 100 x 100 cm each signed, dated and titled at the back

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

27


amilcar de castro (1920, Paraisópolis, MG – 2002, Belo Horizonte, MG) De 1942 a 1946, estudou desenho e pintura com Guignard e

From 1942 to 1946, studied drawing and painting

escultura figurativa com Franz Weissmann em Belo Horizon-

with Guignard, and figurative sculpting with Franz

te. Formou-se em Direito pela Universidade Federal de Minas

Weissmann in Belo Horizonte. Graduated in Law by

Gerais em 1945, e, em 1952, transferiu residência para o Rio de Janeiro. Além de seu vasto legado no campo do construtivismo geométrico (tendo realizado grande parte de suas es-

the Universidade Federal de Minas Gerais in 1945 and, in 1952, moved to Rio de Janeiro. Apart his broad legacy in the field of geometric constructivism (having accomplished great part of his large

culturas de grandes dimensões em chapas de aço Cor-ten), de-

dimension sculptures in weathering steel plates),

dicou-se com igual intensidade ao desenho gráfico, à pintura,

he dedicated himself equally to graphic draftsman-

à gravura e ao magistério de arte. Participou das exposições

ship, painting, engraving and teaching art. He took

nacionais de arte concreta em São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente, em 1956 e 1957, e posteriormente, em Zurique, 1960. Foi um dos signatários do Manifesto Neoconcreto, re-

part in the National Exhibits of Concrete Art in Sao Paulo and Rio, in 1956 and 1957, respectively, and later in Zurich, 1960. Was one of the subscribers of Manifesto Neoconcreto, penned by Ferreira Gullar,

digido por Ferreira Gullar, e participou das mostras do grupo

and took part in the group exhibits in Rio de Ja-

no Rio de Janeiro e Salvador, em 1959, e em São Paulo, em

neiro and Salvador, in 1959, and in Sao Paulo, 1961.

1961. De 1957 a 1959, ao lado de toda uma geração de poetas

From 1957 to 1959, along with a whole generation

e artistas plásticos como Gullar, Reynaldo Jardim, Lygia Clark, Mário Faustino e outros, participou da renovação gráfica e literária de semanários e diários cariocas e criou a nova concep-

of poets and visual artists, such as Ferreira Gullar, Reynaldo Jardim, Lygia Clark, Mário Faustino and others, took part in the graphic and literary renewal of weekly magazines and daily newspapers, creat-

ção visual do Jornal do Brasil. Em 1966 realizou a cenografia

ing the new visual conception for Jornal do Brasil.

para a escola de samba Mangueira, auxiliado, entre outros,

In 1966, set up the scenery for Mangueira Samba School, being helped by, among others, Hélio Oi-

28

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


por Hélio Oiticica. Em 1968 conquistou a bolsa da Fundação

ticica. In 1968 he obtained the New York Guggen-

Guggenhein, de Nova York, fixando-se durante um ano em

heim Foundation grant, settling for a year in New

Nova Jersey. Conquistou o prêmio de viagem ao exterior no

Jersey. He was given the travel abroad award at the

Salão Nacional de Belas Artes, em 1967, e participou da Bienal de São Paulo em 1953 a 1989, com poucas interrupções, com sala especial em 1979. Participou ainda de numerosas mostras

Beaux Arts National Salon, in 1967, and took part at the Sao Paulo Biennial, from 1953 to 1989, with few interruptions, bearing a special room in 1979. He also took part in numerous collective exhibits,

coletivas, a exemplo do Panorama de Arte Atual Brasileira em

such as Current Brazilian Art Panorama, in 1977,

1977, 1979 e 1987, com prêmio de desenho em 1977 e prêmio de

1979 and 1987, obtaining the draftsmanship award

escultura em 1979. Retrospectivas de sua obra foram realiza-

in 1977 and that of sculpture in 1979. Retrospec-

das em 1989 no Paço Imperial, no Rio de Janeiro; em 1992, no Museu de Arte de São Paulo; em 2001, na Pinacoteca do Estado de São Paulo, e em 2005, na Bienal do Mercosul, em Porto

tive exhibits were held in 1989 at the Paço Imperial in Rio de Janeiro; in 1992 at the Museu de Arte de Sao Paulo; 2001, at the Pinacoteca do Estado de Sao Paulo; and in 2005, at the Mercosur Bien-

Alegre. Expôs com muita frequência no Brasil, assim como no

nial, in Porto Alegre. His works are often at display

exterior, principalmente na Europa e nos Estados Unidos. Em

in Brazil, as well as abroad, mainly in Europe and

1995 conquistou o prêmio Nacional de Arte da Funarte e dois

United States. In 1995 he was awarded the Funarte

anos depois, o primeiro prêmio Johnnie Walker de Artes Plásticas. De 1999 a 2002 assinou a programação visual do Jornal de Resenhas, encartado mensalmente na Folha de S. Paulo.

National Art Prize and, two years later, the Johnnie Walker Visual Arts award. From 1999 to 2002 he was in charge of the graphic design for the “Jornal de Resenhas” monthly supplement for Folha de S.

Realizou diversas esculturas para o espaço público de capitais

Paulo. He created several public space sculptures,

no Brasil e no exterior.

in Brazilian capitals and abroad.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

29


Sem título, c. 1990 aço corten, 30 x 30 x 8 cm Untitled, c. 1990 corten steel, 30 x 30 x 8 cm

30

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Corte dobra, c. 1990 ferro, 30 x Ø 35 cm assinada na parte inferior Corte dobra, c. 1990 iron, 30 x Ø 35 cm signed at the lower part

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

31


antonio dias (1944, Campina Grande, PB) Chegou em 1958 ao Rio de Janeiro, onde começou a estudar

Having arrived in Rio de Janeiro in 1958, he began

na Escola Nacional de Belas Artes, orientado inicialmente por

his studies at the Escola Nacional de Belas Artes,

Oswaldo Goeldi. Realizou exposição na galeria Relevo em

monitored, initially, by Oswaldo Goeldi. He set up

1964, ano em que conquistou isenção de júri no Salão Nacional de Arte Moderna. Artista de vanguarda, marcou seu espaço em nível internacional como um dos nomes mais importan-

year obtained exemption from jury at the Salão Nacional de Arte Moderna. A vanguard artist, he conquered his space at the international level, as one

tes de sua geração e a partir dos anos 1960 passou a alter-

of the most important artists from his generation

nar seu tempo entre o Brasil e a Europa, onde também expôs

and, from the 1960s on, began alternating his time

regularmente. Entre suas exposições mais recentes, merecem

between Brazil and Europe, where he was regularly

destaque: Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian (retrospectiva), Lisboa, em 1999; Galerie Walter Storms, Munique, em 1999; Museu de Arte Moderna da Bahia e

32

an exhibit at Relevo gallery, in 1964, and in the same

exhibited. Among his exhibits, the retrospective at Fundação Calouste Gulbenkian Modern Art Center, at Lisbon, 1999; Galerie Walter Storms, Munich, 1999; Museu de Arte Moderna da Bahia, in Salva-

Museu de Arte Contemporânea, em Curitiba, ambas em 2000;

dor, and Museu de Arte Contemporânea, in Curi-

Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 2001; galeria Luisa

tiba, both in 2000; Museu de Arte Moderna in Sao

Strina, São Paulo, em 2005, galeria Paulo Darzé, Salvador, em

Paulo, 2001; Luisa Strina gallery, Sao Paulo, 2005;

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

Paulo Darzé gallery, Salvador, 2007 and Pinacoteca


2007 e Pinacoteca do Estado de São Paulo, em 2010. Sua parti-

do Estado de Sao Paulo, in 2010. He took an intense

cipação é intensa em mostras coletivas no Brasil e no exterior

part in collective exhibits in Brazil and abroad and

e bienais, tais como, a de São Paulo, que integrou várias vezes

at Biennials, such as the Sao Paulo Bienal, where

a partir de 1981, e Mercosul, em 2005. Em 1987 Roberto Pontual afirma que “sua obra alarga-se com ações de pensar oriundas, somente, de indicações, disparos em todos os sentidos”.

he was present for several occasions, from 1981 on, and Bienal do Mercosul, in 2005. In 1987, Roberto Pontual asserted that “his work broadens with actions of thinking arising only from indications,

E acrescenta: “Nenhuma direção única diante das telas negras

shooting in all directions.” And he adds: “No single

ou dos espaços vertiginosos de poeira cósmica. (...) A adaga

direction facing the black canvases or the vertigi-

da ambiguidade corta a vida em mil pedaços para transformá-

nous spaces of cosmic dust. (...) The dagger of am-

-los em mil pedaços de arte.” A seu respeito foram publicados, entre outros livros, Antonio Dias (Funarte, 1979), de Paulo Sérgio Duarte; Antonio Dias (ed. part., 1984), de Ronaldo Brito;

biguity cuts life in a thousand pieces to turn them into thousand pieces of art”. Books released on his work include Antonio Dias (Funarte, 1979), by Paulo Sérgio Duarte; Antonio Dias (private edition, 1984)

Antonio Dias: o país inventado (A.M.L. Dias, 2001), texto de

by Ronaldo Brito; Antonio Dias: o país inventado

Sônia Salzstein, e Antonio Dias (Cosac & Naify, 2000), de Paulo

(AML Dias, 2001), text by Sônia Salzstein and Anto-

Herkenhoff.

nio Dias (Cosac & Naify, 2000) by Paul Herkenhoff.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

33


“A semente na pedra”, 1962 guache sobre papel, 28,5 x 42 cm titulado embaixo no centro assinado e datado no canto inferior direito “A semente na pedra”, 1962 gouache on paper, 28,5 x 42 cm titled at the bottom center signed and dated at the lower right corner

34

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Sem título, c. 1980 acrílica sobre madeira, 33,5 x 33,5 cm assinada no verso Untitled, c. 1980 acrylic on wood, 33,5 x 33,5 cm signed at the back

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

35


beatriz milhazes (1960, Rio de Janeiro, RJ) Graduada em Comunicação Social, em 1981. De 1980 a 1982

Graduated in Communication, in 1981. From 1980

estudou pintura na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no

to 1982, studied painting at the Escola de Artes Vi-

Rio de Janeiro e, em 1985, realizou sua primeira individual, na

suais do Parque Lage, Rio de Janeiro and, in 1985,

galeria César Aché. Além da pintura, também se dedicou à gravura, à ilustração de livros e ao ensino de arte. Participou da célebre mostra Como Vai Você, Geração 80? na Escola de Artes

lery. Apart from painting, she also pursued engraving, book illustration and artistic education. She took part at the famous “Como vai você, Geração

Visuais do Parque Lage, em 1984, e de várias mostras do Salão

80?” exhibition at the Escola de Artes Visuais do

Nacional de Artes Plásticas, com prêmios de aquisição em 1984

Parque Lage, in 1984, and at several exhibits at the

e 1988. Referência especial do júri na II Bienal Internacional de

Salão Nacional de Artes Plásticas, being awarded

Cuenca, em 1989, em 1990 conquistou o Prêmio Brasília de Artes Plásticas. Participa regularmente de importantes coletivas no Brasil e no exterior, a exemplo da Arco -Feira Internacional

36

set up her first individual exhibit, at César Aché gal-

the acquisition prize in 1984 and 1998. A special reference from the jury at the second edition of Cuenca International Biennial, in 1989, she obtained the Brasília de Artes Plásticas award in 1990. She

de Arte Contemporânea de Madri, em 2000, das bienais de São

is a regular participant of relevant collective ex-

Paulo, em 1998 e 2004, e Veneza, em 2003. Seu percurso ex-

hibits in Brazil and abroad, including Arco Inter-

positivo é bastante vasto, tanto no Brasil quanto no exterior,

national Contemporary Art Fair in Madrid, in 2002;

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

the 1998 and 2004 Sao Paulo Biennials; and Venice,


e entre suas mostras individuais mais recentes podemos citar

2003. Her exhibit trajectory is wide, both in Brazil

as do Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, em 2002;

and abroad, and the most recent individual exhib-

galeria Fortes Vilaça, São Paulo, em 2004 e 2007; Pinacoteca

its include Centro Cultural Banco do Brasil (2002);

do Estado de São Paulo, em 2008; Fundação Cartier, Paris, em 2009, e Malba, Buenos Aires, em 2012. Frederico Morais assinala que “sempre houve, em sua pintura, uma tensão entre

Fortes Vilaça gallery, in 2004 and 2007; Pinacoteca do Estado de Sao Paulo, 2008; Fondation Cartier, Paris, in 2009 and MALBA, Buenos Aires, 2012. Frederico Morais points out that “there has always

imagem e construção, ou entre o referencial externo e uma or-

been, at her painting, a tension between image and

dem interna, entre apropriação e conceito”. E acrescenta: “Daí

construction, or in between the external reference

a sua aproximação ao ‘Pattern’, ‘New image’, como também

and an internal order, between appropriation and

ao Simulacionismo”, isto é, “sob o fausto da imagem, subsiste uma ordem oculta ou recalcada”. Sobre sua obra foram publicados, entre outros livros, Beatriz Milhazes (Francisco Alves,

concept.” To which he adds: “thus her approach to ‘Pattern’, to ‘New image’, as well as to Simulationism”, that is to say, “underneath the splendor of the image, subsists a veiled or restrained order”. Books

2006), de Paulo Herkenhoff, e Beatriz Milhazes: um itinerá-

published on her work include Beatriz Milhazes

rio gráfico (Sesc SP, 2012), organização de Luiza Interlenghi.

(Francisco Alves, 2006), by Paulo Herkenhoff and Beatriz Milhazes: um itinerário gráfico (SESC SP, 2012), by Luiza Interlenghi (org.).

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

37


38

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


“O verão”, 1995 acrílica sobre tela, 53 x 120 cm assinada, datada e titulada no verso “O verão”, 1995 acrylic on canvas, 53 x 120 cm signed, dated and titled at the back

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

39


cildo meireles (1948, Rio de Janeiro, RJ) Em 1963, estudou em Brasília com Felix Barrenechea. Residiu

Studied in Brasilia, in 1963, with Felix Barrenechea.

também em Goiânia e Belém e, de volta ao Rio de Janeiro,

Lived also in Goiania and Belem and, back in Rio de

frequentou a Escola de Belas Artes e o ateliê de gravura do

Janeiro, was a regular attendant at the Escola de

Museu de Arte Moderna. Realizou sua primeira individual (de desenho) no Museu de Arte Moderna da Bahia, em meados dos anos 1960. Residiu em Nova York de 1971 a 1973. Parti-

Belas Artes and the engraving workshop at the Museu de Arte Moderna. He set up his first individual exhibit (with sketches) at the Museu de Arte Mo­ derna da Bahia, in the mid 1960s. Lived in New York

cipou das bienais de Veneza, em 1976; Sydney, em 1984; São

from 1971 to 1973. Took part at the Venice Biennial

Paulo, em 1989 e 2010; da Documenta de Kassel, Alemanha,

in 1976; Sydney Biennial in 1984, Bienal de Sao Pau-

em 1992 e 2002, entre outras numerosas mostras do circui-

lo, in 1989 and 2010; Documenta in Kassel, Germa-

to internacional. Entre as diversas individuais que realizou no Brasil e no exterior, destacam-se as da Pinacoteca do Estado de São Paulo, em 1978, 2006 e 2007; Museu de Arte Moderna

ny in 1992 and 2002, among several displays in the international tour. The numerous individual exhibit held in Brazil and abroad include Pinacoteca do Estado de Sao Paulo, in 1978, 2006 and 2007; Museu

do Rio de Janeiro, em 1984; Museu de Valencia, Espanha, em

de Arte Moderna do Rio de Janeiro, in 1984; Museo

1995; Institute of Contemporary Art, Boston e Nova York, Mu-

de Valencia, Spain, 1995; Institute of Contemporary

seu de Arte Moderna de São Paulo e Museu de Arte Moderna

Art, Boston and New York, Museu de Arte Moderna

do Rio de Janeiro, todas em 2000; Centro Cultural Banco do Brasil, em 2005; MoMA, Nova York, em 2007; Tate Modern, Londres, em 2008, e Museu da Chácara do Céu, Rio de Janeiro,

de Sao Paulo and Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, all in 2000; Centro Cultural Banco do Brasil, in 2005; MoMA, New York, 2007; London Tate Modern, 2008; Museu da Chácara do Céu, Rio de

em 2010. Frederico Morais afirmou em 1983 que “seus obje-

Janeiro, 2010. Frederico Morais asserted in 1983

tos são, originalmente, perfeitamente banais, ou familiares”,

that “his objects are, originally, perfectly banal, or

e “estão aí, no mundo, na rua, na casa”, embora “um peque-

familiar” and “are all around, in the world, at the street, at home”, however, “a tiny addition or a little

40

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


no acréscimo ou um pequeno deslocamento no seu uso ou

displacement on its use or function” confers them

função” lhes dê “um novo significado”. Ainda para Frederico

“a new meaning”. Again for Frederico Morais, Cil-

Morais, Cildo, “que ama a física e a matemática, trabalha com

do, “who loves Physics and Math, works with para-

paradoxos, com pequenos acréscimos irônicos, que impõem uma nova leitura da realidade”. A respeito de sua obra foram realizados os filmes Cildo Meireles (1979), de Wilson Coutinho,

doxes, small ironical additions that impose a new reading for reality”. On his work the documentaries Cildo Meireles (Wilson Coutinho, 1979) and Derrapagem no éden (Arthur Omar, 1996) were made;

e Derrapagem no éden (1996), de Arthur Omar, e publicados os

and the books Cildo Meireles (Funarte, 1981), with

livros Cildo Meireles (Funarte, 1981), textos de Ronaldo Brito

texts by Ronaldo Brito and Eudoro Augusto Ma-

e Eudoro Augusto Macieira de Souza; Cildo Meireles (Phaidon,

cieira de Souza; Cildo Meireles (Phaidon, 1999), by

1999), de Dan Cameron e outros; Cildo Meireles (Cosac & Naify, 2000), textos de Paulo Herkenhoff e outros; Cildo Meireles: algum desenho 1963-2005 (CCBB, 2005), de Frederico Morais,

Dan Cameron et alli; Cildo Meireles (Cosac & Naify, 2000), text by Paulo Herkenhoff et alli; Cildo Meireles, algum desenho, 1963-2005, (CCBB, 2005), by Frederido Moraes, Cildo Meireles (Funarte, 2009),

Cildo Meireles (Funarte, 2009), de Carmen Maia, e Encontros:

by Carmen Maia and Encontros: Cildo Meireles

Cildo Meireles (Azougue, 2010), organização de Felipe Scovino.

(Azougue, 2010), by Felipe Scorvino (org.). From

De maio a setembro de 2013 está em curso uma exposição de

May to September, 2013, a Cildo Meireles exhibit

Cildo Meireles no Palácio de Velázquez, no Parque del Retiro, em Madri. A mostra, apresentada pelo Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, é fruto de uma colaboração entre a ins-

will be held at Palácio de Velázquez, at the Parque del Retiro, in Madrid. The show, presented by the Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, is the outcome of a partnership between the institutions

tituição e o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, em

and the Museu de Arte Contemporânea de Ser-

Portugal, e o espaço HangarBicocca, na Itália, com curadoria

ralves, in Portugal, and the HangarBicocca, in Italy.

de João Fernandes, vice-diretor do Museo Reina Sofia.

The curatorship is signed by João Fernandes, vicedirector at Museo Reina Sofia.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

41


Zero Centavo, 1974-1978 moeda em níquel, Ø 1,5 cm Zero Centavo, 1974-1978 nickel coin, Ø 1,5 cm

42

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

Zero Cruzeiro, 1974 -1978 litografia offset sobre papel moeda, 7 x 15,5 cm

Zero Dólar, 1978-1994 litografia offset sobre papel moeda, 6,7 x 15,7 cm

Zero Cruzeiro, 1974 -1978 offset lithograph on paper money, 7 x 15,5 cm

Zero Dólar, 1978-1994 offset lithograph on paper money, 6,7 x 15,7 cm


Camelô, 1998 1000 alfinetes, 1000 barbatanas, um boneco, caixa de madeira e motor bivolt, (813/1000), 30 x 39 x 7 cm Camelô, 1998 1000 pins, 1000 fittings, one doll wooden box and bivolt motor, (813/1000), 30 x 39 x 7 cm

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

43


décio vieira (1922, Petrópolis, RJ – 1988, Rio de Janeiro, RJ) Realizou seus primeiros estudos de arte com Axl Leskoschek e

Had his first studies with Axl Leskochek and Fayga

Fayga Ostrower. Com Fayga trabalhou em estamparia de teci-

Ostrower. Collaborated with Fayga on fabric stamp-

dos, entre 1954 e 1962. Trabalhou igualmente com Volpi, com

ing, between 1954 and 1962. Worked as well with

quem dividiu ateliê. Participou das mostras do Grupo Frente, entre 1952 e 1956, e das exposições de Arte Concreta em São Paulo, em 1956, e no Rio de Janeiro, em 1957. Em 1960, ex-

Volpi, with whom he shared a workshop. Took part ate the Grupo Frente exhibits, between 1952 and 1956, and the Arte Concreta exhibits in Sao Paulo, 1956 and Rio de Janeiro, 1957. In 1960 his works

pôs na Konkrete Kunst (Arte Concreta), em Zurique. Participou

were presented at the Konkrete Kunst, Zurich. Took

do Salão Nacional de Arte Moderna, com isenção de júri em

part at the Salão Nacional de Arte Moderna, with

1965; da Bienal de São Paulo, em 1955 e 1961, com prêmio

exemption from the jury, in 1965; at the Sao Paulo

de aquisição em 1965 e sala especial em 1987. Nos anos 1970 foi professor do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro nos cursos dirigidos por Frederico Morais. Orientado por Ivan Serpa, realizou com Dulce Vieira, na Rocinha, uma escolinha

Bienal, in 1955 and 1961, being awarded the acquisition prize, and a special room in 1987. During the 1970s taught at Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, on the classes directed by Frederico Morais. Under guidance from Ivan Serpa, set up, along with Dulce Vieira, at Rocinha, an art school for chil-

44

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


de arte para crianças. Em 1992, realizou-se no Rio de Janeiro

dren. In 1992, in Rio de Janeiro, the posthumous

a retrospectiva Resumo de uma Trajetória, mostra póstuma de

restrospective “Resumo de uma trajetória” was

sua obra na galeria Rodrigo Mello Franco de Andrade, da Fu-

presented at the Rodrigo Mello Franco de Andrade

narte. Wilson Coutinho, em texto dos anos 1980, afirma que “depois de um retorno na paisagem e na figura, Décio Vieira aparece mostrando libertas construções, de clima mais lírico e

gallery, Funarte. Wilson Coutinho, in a text from the 1980s, asserts that “after returning to the landscape and the figurative, Décio Vieira comes up displaying free constructions, of a rather lyrical ambience,

envolvido em produzir ritmos cromáticos através de uma sé-

involved in producing chromatic rhythms through

rie de triângulos dispostos sobre a tela”. Sua obra é referida e

a series of triangles set on canvas”. His work is re-

estudada em livros como Arte construtiva no Brasil: coleção

ferred to and studied in art books such as Arte con-

Adolpho Leirner (DBA, 1998), coordenação editorial de Aracy Amaral, e Arte brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem (A. Jakobsson, 2002), de Paulo Herkenhoff.

stutiva no Brasil, Coleção Adolpho Leirner (DBA, 1998), by Aracy Amaral (org.) and Arte Brasileira na Coleção Fadel, da inqueitação do moderno à autonomia da linguagem (A. Jackobsson, 2002), by Paulo Herkenhoff.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

45


Sem título têmpera sobre cartão, 27 x 22 cm assinada no verso Untitled tempera on cardboard, 27 x 22 cm signed at the back

46

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

47


ernesto neto (1964, Rio de Janeiro, RJ) Artista multimídia, além de escultor, fotógrafo e cenógrafo,

Multimedia artist, apart from sculptor, photogra-

também desenha, pinta, instala, trabalha em grupo e orga-

pher and scenographer, also sketches, paints, in-

niza eventos. Nos anos 1980 estudou escultura com Jaime

stalls and work in group and promotes happenings.

Sampaio e João Carlos Goldberg na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, intervenção urbana e escultura com Cléber Machado e escultura com Roberto Moriconi, ambos no Museu

In the 1980s studied painting with Jaime Santiago and João Carlos Goldenberg at the Escola de Artes Visuais do Parque Lage, urban intervention and sculpting with Cléber Machado and sculpting with

de Arte Moderna do Rio de Janeiro. A partir de 1990, passou

Roberto Moriconi, both at the Museu de Arte Mod-

a utilizar em suas esculturas/instalações meias de poliamida

erna do Rio de Janeiro. From 1990 on, started us-

junto a materiais flexíveis e muitas vezes leves como isopor,

ing in his sculptures/installations polyamide stock-

algodão, miçangas e espuma. Assim, criou esculturas sensoriais com alusões a texturas e formatos de organismos vivos e que hoje se transformam, são formas sonhadas, quase lú-

ings, next to flexible materials and regularly light ones, such as styrofoam, cotton, beads and foam. That way he created sensorial sculptures alluding to texture and shapes of living organisms that

dicas, como os móbiles de Calder. A partir do final da década

transform themselves nowadays, dreamy shapes,

de 1990, elaborou as Naves, estruturas de tecido que convo-

nearly playful, to the like of Calder’s mobiles. From

cam a participação do espectador, algo que nos remete aos

the late 1990s on, he elaborated the Naves [Ships],

objetos relacionais de Lygia Clark e aos Penetráveis de Hélio Oiticica. Em 1990 conquistou, no Museu de Arte Brasileira do

structures on fabric that summon the viewers into taking part, something that alludes to the relational objects of Lygia Clark and the Penetráveis (Penetrables) by Hélio Oiticica. In 1990 he obtained, at

48

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Distrito Federal, o prêmio Brasília de Artes Plásticas. Partici-

the Museu de Arte Brasileira do Distrito Federal,

pou de numerosas mostras nacionais e internacionais como

the Brasília de Artes Plásticas award. He took part

a Arco – Feira Internacional de Arte Contemporânea de Madri,

in numerous national and international exhibits,

Espanha, em 2000; Bienal de Veneza, em 2001, e a Art Basel, Suíça, em 2008. Entre as dezenas de exposições individuas e interferências realizadas em espaços públicos do Brasil e do

such as Arco International Contemporary Art Fair in Madrid, 2000; the Venice Biennial, in 2001 and Art Basel, 2008. Among the dozens of individual exhibits and interference in public spaces in Brazil and

exterior, destacam-se, entre outras, galeria Millan, São Paulo,

abroad, we may highlight Millan gallery, Sao Paulo,

em 1990; Acontece num Fim de Tarde, galeria Camargo Vilaça,

in 1990; “Acontece num fim de tarde”, Camargo Vila-

São Paulo, em 2000; MoMA, Nova York, em 2000; Fundação

ça gallery, Sao Paulo, 2000; MoMa, New York, 2000;

Eva Klabin, Rio de Janeiro, em 2004; Agora Bolas, galeria Fortes Vilaça, São Paulo, em 2005; Léviathan Thot, Panthéon, Paris, em 2006; É a Vida, galeria Arthur Fidalgo, Rio de Janeiro,

Fundação Eva Klabin, Rio de Janeiro, 2004; “Agora bolas”, Fortes Vilaça gallery, Sao Paulo, 2005; “Léviathan Thot”, Panthéon, Paris, 2006; “É a vida”, Arthur Fidalgo gallery, Rio de Janeiro, 2007 and “Dengo”,

em 2007 e Dengo, Museu de Arte Moderna de São Paulo, em

Museu de Arte Moderna de Sao Paulo, 2010. Ernes-

2010. Ernesto Neto esteve também na Bienal de Kochi-Muziris,

to Neto was present at the Kochi-Muziris Biennial,

em março de 2013, a primeira grande mostra de arte da Índia,

the first large dimension art show in India, in March

onde expôs seu trabalho A Vida é Um Rio.

2013, displaying his work “A vida é um rio”, sculptures that incorporate suspended fabric ribbons balancing tension, gravity and the sensorial.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

49


Bo Gen LandyScap Egg noir, 2009 meias de nylon e tule, esferas de poliestireno e contas de vidro, 180 x 180 x 180 cm Bo Gen LandyScap Egg noir, 2009 nylon stockings and tulle, polystyrene beads and glass beads, 180 x 180 x 180 cm

50

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

51


franz weissmann (1911, Knittelfeld, Áustria – 2005, Rio de Janeiro, RJ) Chegou ao Brasil em 1921, fixando-se com a família em Santos

Arrived in Brazil in 1921, his family settling in San-

e posteriormente em São Paulo. Por volta de 1933 seguiu para

tos, and later in Sao Paulo. Around 1933 he moved

o Rio de Janeiro. Teve curta passagem pelo curso de Arquite-

to Rio de Janeiro. Had a brief passage at the Ar-

tura da Escola Nacional de Belas Artes e, em 1942, passou a estudar escultura com August Zamoyski. Em 1945 mudou-se para Belo Horizonte, onde colaborou com Guignard no magis-

Artes and, in 1942, started his studies in sculpture with August Zamoyski. In 1945, moved to Belo Horizonte, where he worked along Guignard teach-

tério de arte. Participou do Grupo Frente, de 1952 a 1956, e

ing art. Took part at the Grupo Frente, from 1952 to

das exposições de arte concreta e neoconcreta. Do final dos

1956, and the Concrete Art and Neoconcrete Art ex-

anos 1950 a meados dos 1960, residiu em países da Europa,

hibits. From the late 1950s to mid 1960s, lived in Eu-

quando realizou viagens ao Extremo Oriente. Participou da Bienal de São Paulo a partir de 1951, com prêmio de melhor escultor em 1957 e sala especial em 1965. Em matéria publi-

52

chitecture graduation at Escola Nacional de Belas

ropean countries, at the time journeying to the Far East. Took part at the Sao Paulo Biennial from 1951 on, being awarded the best sculptor in 1957, and a special room in 1965. On a article from Veredas

cada na revista Veredas (n. 34, out. 1998), por ocasião de sua

magazine (issue 34, October 1998), on the occasion

retrospectiva no Rio de Janeiro e em São Paulo, apresentada

of his retrospective exhibit in Rio de Janeiro and

em 1998 e 1999, Paulo Venâncio Filho afirmou que Weissmann

Sao Paulo, held in 1998 and 1999, Paulo Venâncio

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

Filho stated that Weissmann is “in essence, funda-


é “em suma, parte fundamental da escultura moderna no Bra-

mental part of modern sculpture in Brazil”, with a

sil”, com presença decisiva no “capítulo da arte construtiva

crucial presence in the “chapter of constructive art

brasileira, em especial, na passagem do concretismo para o

in Brazil, especially in the transition from Concre-

neoconcretismo – uma transição que deu ao movimento uma marca original, inventiva, inconfundível, e que o diferenciou de todos os construtivismos”. Realizou mostra retrospectiva na

tism to Neoconcretism – a transition that conferred the movement an original, inventive, unmistakable mark, setting it apart from all construtivisms”. A retrospective exhibition was held at the Casa França

Casa França-Brasil, em 2001, e a exposição No Fio do Espaço,

Brasil in 2001, and the exhibit “No fio do espaço”,

na galeria Anna Maria Niemeyer, em 2003. Sobre sua obra fo-

was presented at the Anna Maria Niemeyer gal-

ram publicados os livros Frans Weissmann: uma retrospectiva

lery in 2003. Published books on his work include

(CCBB, 1998), textos de Reynaldo Röels Jr. e outros, e Franz Weissmann (Cosac & Naify, 2001), de Sônia Salzstein. Em 2011 por ocasião do centenário de nascimento do artista, a Pinako-

Franz Weissmann, uma retrospectiva (CCBB, 1998), text by Reynaldo Röels Jr. et alli and Franz Weissmann (Cosac & Naify, 2001), by Sônia Salzstein. In 2011, on the occasion of the artist’s birth centena-

theke realizou uma retrospectiva com a edição do livro Franz

ry, Pinakotheke put up a retrospective exhibit and

Weissmann (1911-2005), texto de Ferreira Gullar.

published Franz Weissmann (1911-2005), with text by Ferreira Gullar.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

53


Coluna neoconcreta III, 1957-2000 aço pintado (preto), 220 x 55 x 55 cm monogramado embaixo à direita Coluna neoconcreta III, 1957-2000 painted steel (black), 220 x 55 x 55 cm monogrammed at the bottom right

54

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

55


hélio oiticica (1937, Rio de Janeiro, RJ – 1980) A partir de 1954 começou a estudar pintura com Ivan Serpa no

Began studying painting with Ivan Serpa, at the

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Integrou o Grupo

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, in

Frente, de 1952 a 1956, e em seguida as exposições de arte ne-

1954. Was a member of Grupo Frente, from 1952 to

oconcreta, em 1959, 1960 e 1961. Em 1960 e 1965, participou do Salão Nacional de Arte Moderna. Entre 1959 e 1965, desenvolveu as séries Invenções e Núcleos, produziu os primeiros Re-

1956, and took part in the Neoconcrete art exhibits in 1959,1960 and 1961. In 1960 and 1965, took part at the Salão Nacional de Arte Moderna. Between 1959 and 1965, developed the Invenções and Nú-

levos Espaciais e os Penetráveis, e conceituou projetos com a

cleos series, created the first Relevos Espaciais and

participação do espectador. Em 1964 realizou o primeiro Paran-

the Penetráveis, and came up with the concepts for

golé. No ano seguinte, participou da exposição Soundings Two,

project engaging the viewer. In 1964 created the

na galeria Signals, em Londres, e em 1967, da Bienal de Paris. Nesse mesmo ano, deu início às propostas Supra-Sensoriais, que apresentou no IV Salão de Arte Moderna de Brasília. Ainda

first Parangolé. In the following year took part at the Soundings Two exhibit at Signals Gallery, London, and, in 1967, at the Paris Biennial. In the same year started the Supra-Sensoriais projects, presented at

na segunda metade dos anos 60, criou também os penetráveis

the IV Salão de Arte Moderna in Brasilia. In the late

e a obra Tropicália, que integrou a mostra Nova Objetividade

1960s created also the Penetráveis, for the Tropica-

Brasileira no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Em

lia work, which integrated the Nova Objetividade

1969, expôs um conjunto de penetráveis e proposições supra-sensoriais na Galeria Whitechapel, em Londres, com curadoria

Brasileira exhibit at the Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. In 1969, displayed a set of Pene­ tráveis and Proposições Supra-Sensoriais at the Whitechapel Gallery, London, under curatorship by

56

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


do crítico Guy Brett, e foi indicado artista residente para a Sus-

critic Guy Brett, and was nominated resident art-

sex University, em Brighton. Em 1970, expôs Ninhos no MoMA,

ist for the Sussex University, Brighton. In 1970, ex-

com curadoria de Kynaston McShine, e ganhou a bolsa da Fun-

hibited Ninhos at the MoMA, under curatorship by

dação Guggenheim, quando se fixou em Nova York. Em 1973, criou com Neville D’Almeida a série Cosmococa: Programa in Progress. Em 1978, retornou ao Rio de Janeiro. Um ano após a

Kynaston McShine, and obtained the Guggenhein Foundation grant, settling in New York. In 1973, created, with Neville D’Almeida, the Cosmococa: Programa in Progress series. In 1978 returned to Rio

sua morte, seus irmãos César e Cláudio Oiticica criaram o Proje-

de Janeiro. One year after his decease, his broth-

to Hélio Oiticica, associação sem fins lucrativos com o objetivo

ers César and Cláudio Oticica created Projeto Hé-

de preservar seu legado por meio de publicações e exposições

lio Oiticica, a non-profit organization, dedicated to

retrospectivas. Várias dessas exposições foram realizadas em cidades como Rotterdã, Paris, Barcelona, Lisboa, Minneapolis etc. Em 1997, foi inaugurado no Rio de Janeiro o Centro de Arte

preserving Hélio’s legacy through publications and retrospective exhibits. Several of these exhibits were held in cities like Rotterdam, Paris, Barcelona, Lisbon, Minneapolis. In 1997, the Centro de Arte

Hélio Oiticica com uma grande retrospectiva antes apresentada

Hélio Oiticica was inaugurated in Rio de Janeiro,

em cidades da Europa e dos Estados Unidos. De sua autoria, fo-

with a large dimension retrospective, previously

ram publicados, entre outros livros póstumos, Aspiro ao grande

presented in European and North American cities.

labirinto (Rocco, 1986), e Museu é o mundo (Azougue, 2011), este último organizado por César Oiticica Filho.

Books authored by Helio Oiticica, posthumously published, include Aspiro ao grande labirinto (Rocco, 1986) and Museu é o mundo (Azougue, 2011), the latter organized by César Oiticica Filho.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

57


Metaesquema, 1957 guache sobre cartão, 42 x 45 cm assinado e datado no verso Metaesquema, 1957 gouache on cardboard, 42 x 45 cm signed and dated at the back

58

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Romero veste capa 25 P32 (parangolé), 1972 cópia fotográfica a partir de slide 35mm, 11,5 x 8 cm assinado, datado, titulado e dedicado no verso Romero veste capa 25 P32 (parangolé), 1972 photo print from 35mm slide, 11,5 x 8 cm signed, dated, titled and dedicated at the back

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

59


hércules barsotti (1914, São Paulo, SP – 2010) Entre 1926 e 1933, estudou desenho e composição com Enrico

Between 1926 and 1933 studied drawing and com-

Vio. Em 1937, graduou-se em Química Industrial pelo Instituto

position with Enrico Vio. In 1937, graduated in In-

Mackenzie, em São Paulo, e trabalhou como químico até 1939.

dustrial Chemistry at the Institute Mckenzie, in Sao

A partir de 1940 passou a se dedicar à pintura e, em 1954, ao desenho têxtil, depois de fundar com Willys de Castro o Estúdio de Projetos Gráficos, extinto em 1967. Em 1958 viajou

Paulo, and worked as a chemist until 1939. From 1940 on, dedicated himself to painting and, in 1954, to textile design, after establishing, with Willys de Castro, the Estúdio de Projetos Gráficos, closed in

para a Itália, Suíça, França, Portugal e Espanha, e em 1959,

1967. In 1958 traveled to Italy, Switzerland, France,

aderiu ao movimento neoconcreto. Entre 1963 e 1965, integrou

Portugal and Spain and, in 1959, adhered to the

o grupo Novas Tendências e a Associação Brasileira de Dese-

Neoconcrete movement. Between 1963 and 1965

nhistas Industriais. Realizou sua primeira individual em 1959, na galeria de arte das Folhas, em São Paulo. Em 1962, 1965 e 1971, expôs na Petite Galerie, no Rio de Janeiro; em 1981,

was a member of the Novas Tendências group, and the Associação Brasileira de Desenhistas Industriais. Held his first individual exhibit at the Galeria de Arte das Folhas, in Sao Paulo. In 1962, 1965 and

1984, 1986, 1988 (com Willys de Castro) e 1993, no Gabinete de

1971, exhibited at the Petite Galerie, Rio de Janeiro;

Arte Raquel Arnaud, em São Paulo; em 1989, na Galeria Rodri-

in 1981, 1984, 1986, 1988 (with Willys de Castro)

go Mello Franco de Andrade, da Funarte; em 1996 e 2002, na

and 1993 at the Gabinete de Arte Raquel Arnaud,

galeria Sylvio Nery, em São Paulo, e em 2004, no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Participou do Salão Paulista de

Sao Paulo; in 1989, at the Galeria Rodrigo Mello Franco de Andrade, Funarte; in 1996 and 2002, at the Sylvio Nery gallery, Sao Paulo; and, in 2004, at the Museu de Arte Moderna de Sao Paulo. Was a

60

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Arte Moderna, com pequena medalha de prata em 1958 e gran-

participant in the Salão Paulista de Arte Moderna,

de medalha de ouro em 1959; do Salão Nacional de Arte Mo-

being awarded the silver medal in 1958 and the

derna, em 1960; da Bienal de São Paulo em 1959, 1961, 1963 e

grand golden medal in 1959; the Salão Nacional de

1987; da Bienal Interamericana do México, em 1960; das mostras de arte neoconcreta, Rio de Janeiro e Zurique, em 1960, e São Paulo, em 1961; do Panorama de Arte Atual Brasileira/

Arte Moderna, in 1960; the Bienal de Sao Paulo in 1959, 1961, 1963 and 1987; the Bienal Interamericana in Mexico, 1960; the Neoconcrete Art exhibits in Rio de Janeiro and Zurich, 1960, and Sao Paulo,

MAM-SP, em 1979, da mostra Tradição e Ruptura, em 1984; da

in 1961; in the Panorama de Arte Atual Brasileira,

Bienal Brasil Século XX, em 2004, etc. Também integrou várias

MAM SP, in 1979; Tradição e Ruptura exhibition, in

exposições internacionais em cidades como Viena, Nova York,

1984; Brasil Século XX biennial, in 2004 and so on.

Londres e Bruxelas. Em 2012, a Caixa Cultural realizou em São Paulo e no Rio de Janeiro a mostra póstuma Além do olhar, destinada também para o público com deficiência visual. Sua

Also joined several international exhibits, in cities such as Vienna, New York. London and Brussels. In 2012, Caixa Cultural held the posthumous exhibit Além do olhar, in Rio de Janeiro and Sao Paulo,

obra é referida e estudada em livros como Etapas da arte con-

presented as well to visually impaired audience.

temporânea (Nobel, 1985), de Ferreira Gullar; Neoconcretismo,

His body of work is referred to and studied in books

vértice e ruptura (MEC/Funarte, 1985), de Ronaldo Brito, e Arte

such as Etapas da arte contemporânea (Nobel,

construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner (DBA, 1998), coordenação editorial de Aracy Amaral.

1985), by Ferreira Gullar, Neocontretismo, vértice e ruptura (MEC/Funarte, 1985) by Ronaldo Brito and Arte construtiva no Brasil, coleção Adolpho Leirner (DBA, 1998), by Aracy Amaral (org.).

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

61


62

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Sem título, 1984 acrílica sobre tela colada em duratex, 49,8 x 99,8 cm assinada e datada no verso Untitled, 1984 acrylic on canvas glued on duratex, 49,8 x 99,8 cm signed and dated at the back

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

63


ione saldanha (1919, Alegrete, RS – 2001, Rio de Janeiro, RJ) Transferiu-se com a família para o Rio de Janeiro, onde foi

Her family moved to Rio de Janeiro, where she

orientada por Pedro Correia de Araújo. Nos anos 1950, estu-

studied under the guidance of Pedro Correia de

dou técnica do afresco em Paris e Florença. Participou diversas

Araújo. In the 1950s she studied the alfresco tech-

vezes da Bienal de São Paulo, com prêmio de aquisição em 1967 e sala especial em 1979, e realizou numerosas exposições individuais, com destaque para retrospectivas no Rio de Janei-

nique in Paris and Florence. She was a recurring participant at the Bienal de Sao Paulo, obtaining the acquisition award in 1967 and a dedicated room in 1979. Her work was presented at several individ-

ro, em 1988; Resumo de 45 anos de pintura nas galerias Anna

ual exhibitions, including the retrospective in Rio

Maria Niemeyer, Paulo Klabin e Saramenha, em 1996, no Paço

de Janeiro, 1988; Resumo de 45 anos de pintura, at

Imperial, e em 2001, no Museu de Arte Contemporânea de Ni-

the Anna Maria Niemeyer, Paulo Klabin and Sara-

terói, em parceria com Aluísio Carvão. Roberto Pontual afirma, em 1987, que o “que logo impressiona no desdobramento da pintura de Ione Saldanha, a partir da segunda metade dos anos 1940, é a coerência interna do percurso, o rumo ordena-

menha galleries, in 1996; at Paço Imperial, 2001; at the Museu de Arte Contemporânea, Niteroi, in partnership with Aluísio Carvão. Roberto Pontual stated, in 1987, that “what is immediately impressive at Ione Saldanha’s painting unfolding, in the late 1940s, is the internal coherence on her trajec-

64

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


do e lógico que a tem feito deslocar-se de um a outro ponto

tory, the ordained, logic bound that has taken her

sem abandonar a concentração do interesse em alguns pou-

from one point to the other without compromising

cos problemas básicos”. E acrescenta: “uma pintura ao mesmo

the focus on few basic issues”. And he goes on, “a

tempo sensível e vibrante, silenciosa e carregada de ruídos, de cores firmes e transparências, de introspecção e alegria comunitária”. Em 1974 publicou o livro Xurrita, com texto e figu-

painting at the same time sensitive and vibrant, silent and loaded with noises, of firm colors and transparencies, of introspection and communal delight”. In 1974, she published Xurrita, authoring

ras de sua autoria. Sua obra é referida e estudada em livros

texts and illustrations. Her body of work is referred

como A criação plástica em questão (Vozes, 1970); O Brasil por

to and studied in books such as A criação plástica

seus artistas (MEC, 1979), de Walmir Ayala; Chorei em Bruges

em questão (Vozes, 1970), O Brasil por seus artistas

(Avenir, 1983), de Frederico Morais; Arte construtiva no Brasil: coleção Adolpho Leirner (DBA, 1998), coordenação editorial de Aracy Amaral, e Escultores esculturas (Pinakotheke, 2003), de Olívio Tavares de Araújo.

(MEC, 1979), by Walmir Ayala; Chorei em Bruges (Avenir, 1983), by Frederico Morais; Arte construtiva no Brasil, coleção Adolpho Leirner (DBA, 1998) Aracy Amaral (editor) and Escultores esculturas (Pinakotheke, 2003), by Olívio Tavares de Araújo.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

65


Bambu, c. 1969 têmpera sobre bambu, 164 cm x Ø 11 cm Bambu, c. 1969 tempera on bamboo, 164 cm x Ø 11 cm Ripa, c. 1967 têmpera sobre madeira, 186,5 x 7 x 1,5 cm assinada no verso Ripa, c. 1967 tempera on wood, 186,5 x 7 x 1,5 cm signed at the back Empilhado (E 7), 1986 têmpera sobre madeira, 58 x 7,3 x 8,5 cm assinada e datada no bloco inferior Empilhado (E 7), 1986 tempera on wood, 58 x 7,3 x 8,5 cm signed and dated at the bottom block

66

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

67


ivan serpa (1923, Rio de Janeiro, RJ – 1973) Primeiros estudos de arte com Axl Leskoschek. Com Lygia Clark,

Had his first studies with Axl Leskoschek. Along

Aluísio Carvão, Hélio Oiticica e outros, integrou a equipe que

with Lygia Clark, Aluísio Carvão, Hélio Oiticica and

fundou o Grupo Frente, com o qual expôs entre 1952 e 1956.

others, was a member of the team that founded

Em 1952 iniciou-se como professor de pintura para adultos e crianças no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, atividade que manteve até o final de sua vida. Participou diversas

1952 started teaching art for adults and children, at the Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, activity he would pursue to the end of life. He took

vezes da Bienal de São Paulo, com os prêmios de jovem pintor

part for many occasions in the Bienal de Sao Paulo,

nacional em 1951 e de aquisição em 1961, entre outros. No Sa-

being awarded the young national painter prize in

lão Nacional de Arte Moderna conquistou o prêmio de viagem

1951 and the acquisition prize in 1961, among oth-

à Europa em 1957 e o de viagem ao país em 1962. Participou da Bienal de Veneza e de numerosas mostras internacionais de arte brasileira. Em 1993, o Centro Cultural Banco do Bra-

ers. At the Salão Nacional de Arte Moderna he obtained the European travel award in 1957, and the Brazilian travel in 1962. He took part in the Venice Biennale and numerous international exhibits of

sil inaugurou no Rio de Janeiro uma grande retrospectiva de

Brazilian art. In 1993, Centro Cultural Banco do

suas várias fases. Entre as mostras mais recentes de sua obra,

Brasil opened in Rio de Janeiro with a large retro-

merecem destaque as realizadas em 1996, na galeria de arte

spective exhibition of his several creative periods.

da Universidade Federal Fluminense, em Niterói, em 2004; na galeria André Millan, em São Paulo; e em 2013, na Caixa Cultural, no Rio de Janeiro, com a curadoria de Adriano de Aquino. Considerado um dos maiores pintores do século XX brasileiro,

68

Grupo Frente, exhibiting from 1952 and 1956. In

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

The most recent exhibits include the one held in 1996 at the Universidade Federal Fluminense art gallery, in Niteroi; in 2004 at André Millan gallery, Sao Paulo; in 2013 at Caixa Cultural, Rio de Janeiro, under curatorship of Adriano de Aquino. Reputed


destacou-se igualmente como orientador de diversos artistas

as one of the greatest Brazilian painters in the 20th

ao longo das décadas de 1950 e 1960. Hélio Pellegrino afirma

century, he excelled also as a counselor for many

que a “pintura de Ivan Serpa, através de suas várias fases, re-

artists throughout the 1950s and 1960s. Hélio Pel-

presenta um esforço acuradíssimo de meditação criadora sobre os problemas do mundo e, em particular sobre os problemas brasileiros”. E acrescenta: “Sua arte não representa, evi-

legrino states that “Ivan Serpa’s painting, through his many periods, represents a extremely accurate example of creative meditation on the worldly issues and, in particular, on the Brazilian issues”. To

dentemente, uma transcrição simplista da realidade. Ela visa

which he adds, “his art does not represent, obvi-

ao essencial, àquilo que, em alto nível de abstração criativa,

ously, a simplistic transcription of reality. It aims

exprime o avanço do homem brasileiro e universal no senti-

at the essence, at what, in a high level of creative

do de sua liberdade e do progressivo florescimento de seus valores humanos.” A respeito de sua obra foram publicados os livros Ivan Serpa (CCBB, 1993), texto de Reynaldo Röels Jr.;

abstraction, expresses the advance of the Brazilian, Universal man towards his freedom and the progressive blossoming of the human values”. On his body of work books have been published, such as

Ivan Serpa: o expressionista concreto (Eduff, 1996), de Hélio

Ivan Serpa (CCBB, 1993), text by Reynaldo Röels

Márcio Dias Ferreira; Ivan Serpa (Silvia Roesler/Instituto Cultu-

Jr.; Ivan Serpa, o expressionista concreto (EdUFF,

ral The Axis, 2003), de Fabiana Werneck Barcinski, Vera Beatriz

1996), by Hélio Márcio Dias Ferreira; Ivan Serpa

Siqueira e Hélio Márcio Dias Ferreira, e Ivan Serpa: coleção Fala do artista (Funarte, 2004), organização de Hélio Márcio Dias Ferreira.

(Silvia Roesler and Instituto Cultura The Axis, 2003), by Fabiana Werneck Barcinski, Vera Beatriz Siqueira and Hélio Márcio Dias Ferreira; and Ivan Serpa, fala do artista (Funarte, 2004), by Héio Márcio Dias Ferreira (org.).

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

69


Sem título, 1971 madeira pintada, (PA) , 45,5 x 19 x 10 cm assinado e datado no verso da parte inferior Sem título, 1971 painted wood (AP), 45,5 x 19 x 10 cm signed and dated on the back of the bottom

70

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

71


jaildo marinho (1970, Santa Maria da Boa Vista, PE) Começou a estudar escultura e tratamento de pedras em 1982

Began his studies on sculpture and stonemason-

e, entre 1991 e 1993, cursou Escultura na Universidade Fede-

ry in 1982 and, between 1991 and 1993 attended

ral de Pernambuco. Nesse último ano, transferiu-se para Paris,

Sculpture classes at the Universidade Federal de

onde fixou residência e começou a atuar como escultor e pintor. Conquistou medalha de ouro no Festival de Mahares, na Tunísia, em 1995, e o prêmio de escultura da Bienal de Malta,

Pernambuco. In the last year, moved to Paris, settling residence and started working as a sculptor and painter. Obtained the gold medal at the Mahares Festival, Tunisia, in 1995 and the Sculpture

em 1999, ano em que se iniciou como professor do ateliê de

award at the Malta Biennial, in 1999, when he start-

escultura e fundição que coordena para a prefeitura da cidade

ed teaching at the sculpture and foundry atelier he

de Paris. Integra o movimento Madi Internacional, fundado em

coordinates for the Paris City Hall. He is a member

Buenos Aires, em 1946, pelo uruguaio Carmelo Arden Quin. Realizou individuais no Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, em 2002; no Centro Cultural Franco-Brasileiro,

of the Madi International Movement, established in Buenos Aires in 1946, by Uruguayan artist Carmelo Arden Quin. Individual exhibits were held at the Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, in 2002; at the Centro Cultural Franco-Brasileiro,

72

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Paris, em 2003; na Casa do Brasil, Madri, em 2004; no Espa-

in 2003; at Casa do Brasil, Madrid, 2004; at Espa-

ço Cultural Marcantonio Villaça, Brasília, em 2007; na galeria

ço Cultural Marcantonio Villaça, Brasília, 2007; at

Manuel Bandeira da Academia Brasileira de Letras, Rio de Ja-

Manuel Bandeira gallery at Academia Brasileira de

neiro, em 2008, na Academia de Ciências de Hungarian, em Gÿor, Hungria, em 2010; na Maison de l’Amérique Latine, Paris, e na Pinakotheke Cultural, Rio de Janeiro, ambas em 2012, etc.

Letras, Rio de Janeiro, 2008; at the Hungarian Academy of Sciences, in Gÿor, 2010; at the Maison de l’Amérique Latine, Paris, and at Pinakotheke Cultu­ ral, Rio de Janeiro, both in 2012. He took part in nu-

Participou de numerosas exposições coletivas no Brasil e em

merous collective exhibitions in Brasil and in cities

cidades da Europa, Ásia, Estados Unidos e América Latina. Em

in Europe, Asia, United States and Latin America.

2009 recebeu o título de cidadão francês e em 2012 foi lan-

In 2009 he was granted the French citizenship and,

çado o livro Jaildo Marinho (Pinakotheke), edição trilingue – português, francês, inglês – com textos de Lêdo Ivo, Jacques Leenhardt e Mário Hélio Gomes.

in 2012, the book Jaildo Marinho (Pinakotheke) was released, in a trilingual edition (Portuguese, French, English) – with texts by Lêdo Ivo, Jacques Leenhardt and Mário Hélio Gomes.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

73


“Construção”, 2012 acrílica e mármore branco de Carrara, 19 x 32 x 18,5 cm assinada, datada e titulada na parte inferior “Construção”, 2012 acrylic and white Carrara marble, 19 x 32 x 18,5 cm signed, dated and titled at the lower part

74

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


“Vide-amethyste”, c. 2012 acrílica sobre PVC, 50 x 50 cm assinada e titulada no verso “Vide-amethyste”, c. 2012 acrylic on PVC, 50 x 50 cm signed and titled at the back

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

75


judith lauand (1922, Pontal, SP) Graduou-se em 1950 pela Escola de Belas Artes de Araraqua-

Graduated in 1950 at Escola de Belas Artes, in

ra, onde foi aluna de Domenico Lazzarini e Lívio Abramo. Es-

Araraquara, Sao Paulo, where she studied under

tudou também com Quirino Campofiorito e Wolfgang Pfeiffer.

Domenico Lazzarini and Lívio Abramo. Also stud-

Em 1952 fixou residência em São Paulo. Participou das exposições de arte concreta em São Paulo, 1956, e no Rio de Janeiro, 1957; posteriormente, em Zurique, 1960; do Salão Paulista de

ffer. In 1952 settled residence in São Paulo. Took part in the Concrete Art exhibitions in Sao Paulo, 1956 and Rio de Janeiro 1957 and later in Zurich,

Arte Moderna, com medalha de bronze em 1954, medalha de

1960; in the Salão Paulista de Arte Moderna, be-

prata em 1955 e prêmios de aquisição em 1958, 1959 e 1964;

ing awarded bronze medal in 1954; silver medal in

da Bienal de São Paulo em 1963, 1965, 1967, 1969 e 1994, bem

1955 and obtaining acquisition award in 1958, 1959

como de outras importantes mostras coletivas como Projeto construtivo brasileiro na arte, 1977; Tradição e Ruptura, 1984; Bienal Brasil Século XX, 1994, e Bienal do Mercosul, 1997. Em

76

ied with Quirino Campofiorito and Wolfgang Pfei-

and 1964; in the Bienal de Sao Paulo in 1963, 1965, 1967, 1969 and 1994, as well of some other relevant collective exhibitions such as Projeto construtivo brasileiro na arte; Tradição e ruptura, 1984; Bienal

1958 conquistou, em São Paulo, o Prêmio Leirner de Arte Con-

Brasil Século XX, 1994; and Bienal do Mercosul,

temporânea. Realizou individuais, principalmente, em galerias

1997. In 1958, obtained, in Sao Paulo, the Leirner

de São Paulo: Ambiente, em 1954; Novas Tendências, em 1965;

award in Contemporary Art. She held individual

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

exhibits, mainly in Sao Paulo galleries: Ambiente,


Choice, em 1986; Museu de Arte Contemporânea da USP, 1992;

1954; Novas Tendências, 1965; Choice, 1986; Museu

Escritório de Arte Sylvio Nery da Fonseca, em 1996; Berenice

de Arte Contemporânea da USP, 1992; Escritório de

Arvani, em 2007 e 2008; Museu de Arte Moderna, em 2011, esta

Arte Sylvio Nery da Fonseca, in 1996; Berenice Ar-

última com curadoria de Celso Fioravante. Aracy Amaral observou a respeito dos seus trabalhos que a “qualidade aflora sob a quantidade, dando lugar a uma certa imprevisibilidade

vani, in 2007 and 2007; Museu de Arte Moderna, in 2011, the latter under curatorship of Celso Fioravante. Aracy Amaral remarked, on the subject of her works, that “quality emerges from quantity,

de ocorrência, em malha regular e pré-visível”, acrescentando

giving way to a certain occurrence unpredictability,

que sua obra é “sensível e canta através da ordem”. Sua obra

in a regular and pre-visible mesh”, to what she adds

é referida e estudada nos livros Abstracionismo geométrico e

that Lauand’s work is “sensitive, and sings through

informal: a vanguarda brasileira nos anos cinquenta (Funarte, 1987), de Fernando Cocchiarale e Anna Bella Geiger, Arte construtiva no Brasil: coleção Adolpho Leirner (DBA, 1998), coorde-

order”. Her work is referred to and studied in the books Abstracionismo geométrico e informal, a vanguarda brasileira nos anos 1950 (Funarte, 1987), by Fernando Cocchiarale and Anna Bella Geiger;

nação editorial de Aracy Amaral, e Arte e artistas plásticos no

Arte construtiva no Brasil, coleção Adolpho Leirner

Brasil 2000 (Metalivros, 2000).

(DBA, 1998), by Aracy Amaral (editor) and Arte e artistas plásticos no Brasil 2000 (Metalivros, 2000).

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

77


“Concreto 144”, 1959 guache sobre papel, 30 x 30 cm assinado, datado e titulado no canto superior esquerdo “Concreto 144”, 1959 gouache on paper, 30 x 30 cm signed, dated and titled at the upper left corner

78

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


“C. 85” [concreto], 1957 guache sobre papel, Ø 39 cm assinado, datado e titulado embaixo no centro “C. 85” [concreto], 1957 gouache on paper, Ø 39 cm signed, dated and titled at the center bottom

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

79


lothar charoux (1912, Viena, Áustria – 1987, São Paulo, SP) Em 1928 transferiu-se para o Brasil, fixando-se em seguida em

His family moved to Brazil, settling residence in

São Paulo, onde estudou no Liceu de Artes e Ofícios. A partir

Sao Paulo, where he studied at the Liceu de Artes

de 1940, passou a estudar pintura com Waldemar da Costa,

e Ofícios. From 1940 on, befriended and began his

de quem se tornou amigo nos tempos do Liceu. A partir de 1942, participou diversas vezes do Salão Nacional de Belas Artes, Divisão Moderna, e posteriormente do Salão Nacional de

took part for several times at the Salão Nacional de Belas Artes, Divisão Moderna, and, later on, at the Salão Nacional de Arte Moderna. He was also part

Arte Moderna. Participou igualmente da Bienal de São Paulo

of the Bienal de Sao Paulo, since its first edition,

desde sua primeira edição, em 1951, tendo marcado presen-

in 1951, being a regular participant in the follow-

ça numerosas vezes nos anos seguintes. Em 1952, ao lado de

ing years. In 1952, beside Waldemar Cordeiro, Ger-

Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Kazmer Féjer, Leopoldo Haar, Luís Sacilotto e Anatol Wladyslaw, integrou o Grupo Ruptura em exposição/manifesto no Museu de Arte Moderna

80

studies with Waldemar da Costa. From 1942 on,

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

aldo de Barros, Kazmer Féjer, Leopoldo Haar, Luís Sacilotto and Anatol Wladyslaw, integrated Grupo Ruptura in the Exhibit/Manifesto at the Museu de Arte Moderna de Sao Paulo. Was also present at


de São Paulo. Integrou ainda, diversas coletivas nacionais e

several collective exhibits in Brazil and abroad,

internacionais, com destaque para a Exposição Nacional de

including Exposição Nacional de Arte Concreta, in

Arte Concreta, em São Paulo e no Rio de Janeiro, em 1956 e

Sao Paulo and Rio de Janeiro, 1956 and 1957. Held

1957. Montou individuais no Brasil e no exterior, com destaque para as que realizou na Petite Galerie, Rio de Janeiro, em 1957; Misión Cultural Brasileña, Assunção, em 1973; Grupo B, Rio

individual exhibits in Brazil and abroad, including Petite Galerie, Rio de Janeiro 1957; Misión Cultural Brasileña, Asunción, in 1973; Grupo B, Rio de Janeiro, also in 1973; Museu de Arte Moderna de Sao

de Janeiro, também em 1973; Museu de Arte Moderna de São

Paulo and Museu de Arte Moderna do Rio de Ja-

Paulo e Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, retrospec-

neiro retrospective exhibits, in 1975; Italo-Brazilian

tivas, em 1974; Centro Cultural Ítalo Brasileiro, Milão, em 1976,

Cultural Center, Milan, 1976, Dan Galeira and Mu-

Dan Galeria e Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 2005, e na Caixa Cultural, em São Paulo, em 2010, esta última com curadoria de Maria Alice Milliet, que em 2005 publicou o livro

seu de Arte Moderna de Sao Paulo, in 2005, and Caixa Cultural, Sao Paulo, 2010, the later under curatorship by Maria Alice Milliet, who, in 2005, published Lothar Charoux (Dan Galeria).

Lothar Charoux (Dan Galeria).

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

81


Círculo, 1969 guache sobre papel colado em madeira, 39 x 32 cm assinado e datado no canto inferior direito Círculo, 1969 gouache on paper glued on wood, 39 x 32 cm signed and dated at the lower right corner

82

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Círculos, c. 1965 guache sobre papel colado em madeira, 100 x 34,5 cm Círculos, c. 1965 gouache on paper glued on wood, 100 x 34,5 cm

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

83


luciano figueiredo (1948, Fortaleza, CE) Realizou suas primeiras cenografias nos anos 1960, em Sal-

Made his early stage designs in the 1960s, in Sal-

vador. Em 1967, participou da Bienal de São Paulo e dois anos

vador. In 1967, participated in the Bienal de Sao

depois fixou residência no Rio de Janeiro, onde começou a tra-

Paulo and, two years later settled in Rio de Janeiro,

balhar como designer de capas de discos, livros e periódicos, e como cenógrafo de shows e peças de teatro. Aproximou-se de Hélio Oiticica e do grupo baiano formado por Waly Salomão,

where he began working as a designer for album covers, books and periodicals, and as a set designer for concerts and plays. He befriended Hélio Oiticica and the Bahian group composed of Waly

Gal Costa, Caetano Veloso e Gilberto Gil, com quem desenvol-

Salomão, Gal Costa, Caetano Veloso and Gilberto

veu várias parcerias como designer e cenógrafo. Em 1970, in-

Gil, with whom he developed several partnerships

tegrou no Museu de Arte Moderna o Salão de Verão. De 1972

as a designer and set designer. In 1970, he joined

a 1978 residiu em Londres, onde intensificou seus estudos de história da arte e literatura. Ao retornar ao Brasil, atuou como diretor de arte de filmes de Júlio Bressane e, a partir de 1981,

Salão de Verão (Summer Saloon) at Museu de Arte Moderna. From 1972 to 1978 he resided in London, where he intensified his studies of art history and literature. Upon returning to Brazil, he served as art

foi diretor técnico do Projeto Hélio Oiticica (atividade em que se

director for movies by Júlio Bressane, and, from

manteve até 1995). Em 1986 assumiu a direção do Instituto Na-

1981, was technical director for Projeto Hélio Oiti-

cional de Artes Plásticas da Funarte, tendo fundado, dois anos

cica (activity in which he remained until 1995). In

depois, o Instituto Nacional de Artes Gráficas. Em 1994, realizou a curadoria das salas especiais de Hélio Oiticica e Lygia Clark na Bienal de São Paulo e, em 1996, organizou o livro Lygia Clark/

1986 became director of the National Institute of Fine Arts at Funarte, having founded, two years later, the National Institute of Graphic Arts. In 1994, held the curatorship of the special rooms for Hélio Oiticica and Lygia Clark in the Sao Paulo Biennial,

84

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Hélio Oiticica - Cartas: 1964-1974. Laymert Garcia dos Santos es-

and in 1996 organized the book Lygia Clark/Hélio Oi-

creve sobre a arte de Luciano Figueiredo (Folha de S. Paulo,

ticica, cartas 1964-1974. Laymert Garcia dos Santos

Mais! 5 ago. 2001): “Pintor contemporâneo, Luciano Figueiredo

writes about the art of Luciano Figueiredo (Folha

exerce a liberdade artística instalando-se na interface entre a mídia impressa e a pintura. Na era da informação, até mesmo a arte é complexa recriação e reprocessamento, arte da recom-

de S. Paulo, Mais! 5 August 2001): “Contemporary Painter, Luciano Figueiredo exerts artistic freedom settling on the interface between the print media and painting. In the information age, even art is

binação. Pintura depois da pintura.” Seu percurso expositivo é

complex recreation and reprocessing, art of recom-

extenso a partir dos anos 1980, em galerias como Paulo Klabin,

bination. Painting after painting.” His exhibition tra-

Rio de Janeiro, em 1984, 1986 e 1988, São Paulo, em 1991; Anna

jectory is extensive from the 1980s on, in galleries

Maria Niemeyer, Rio de Janeiro, em 1995, 2001 e 2003; Lurixs, Rio de Janeiro, em 2004, 2008 e 2011; Musée Départamental, Gap, França, em 2005; Paço Imperial, retrospectiva, Rio de Ja-

such as Paulo Klabin, Rio de Janeiro, in 1984, 1986 and 1988, Sao Paulo, in 1991; Anna Maria Niemeyer, Rio de Janeiro, in 1995, 2001 and 2003; Lurixs, Rio de Janeiro, in 2004, 2008 and 2011; Musée Depart-

neiro, em 2006; D’Est et D’Ouest, Paris, em 2007 e 2010; Nara

mental Gap, France, in 2005, Paço Imperial, retro-

Roesler, São Paulo, em 2009, Teodora, Paris, em 2012, etc. São

spective, Rio de Janeiro, in 2006; D’Est et d’Ouest,

igualmente numerosas suas participações em exposições cole-

Paris, in 2007 and 2010; Nara Roesler, Sao Paulo,

tivas, no Brasil e no exterior, a exemplo da Transfutur, Kunstetage Kassel, Alemanha, em 1990, e Arco, Feira Internacional de Arte Contemporânea de Madri, em 2008.

in 2009; Theodora, Paris, in 2012, etc. His involvements in collective exhibitions in Brazil and abroad are equally numerous, such as the Transfutur, Kunstetage Kassel, Germany, in 1990 and Arco, International Contemporary Art Fair of Madrid in 2008.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

85


“Espaço-laço” Série preto n. 4, 2011 acrílica sobre tela, 42 x 35,5 x 6 cm assinada, datada, titulada e localizada no verso “Espaço-laço” Série preto n. 4, 2011 acrylic on canvas, 42 x 35,5 x 6 cm signed, dated, titled and located at the back

86

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

87


lygia clark (1920, Belo Horizonte, MG – 1988, Rio de Janeiro, RJ) Em 1947, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde estudou de-

In 1947, she moved to Rio de Janeiro, where she

senho com Roberto Burle Marx e Zélia Salgado. Em Paris, estu-

studied drawing with Roberto Burle Marx and Zelia

dou com Léger e Arpad Szenes, e em 1952 realizou sua primeira

Salgado. In Paris, she studied with Léger and Ar-

exposição individual, no Instituto Endoplástico. De volta ao Rio de Janeiro, integrou o Grupo Frente, de 1954 a 1956, e participou das mostras dos movimentos concreto e neoconcreto. Nos

pad Szenes, and, in 1952, presented her first solo exhibition at the Instituto Endoplástico. Back to Rio de Janeiro, she joined the Grupo Frente, 19541956, and took part in exhibit of the concrete and

anos 1960, lecionou no Instituto Nacional de Educação de Sur-

neo-concrete movements. In the 1960s, she taught

dos e, em 1969, participou, na Califórnia, de simpósio sobre arte

at the Instituto Nacional de Educação de Surdos

sensorial. Lecionou na Sorbonne de 1970 a 1975 e, ao retornar

and, in 1969, participated, in California, of a sym-

ao Brasil, entre 1978 e 1985 realizou terapia individual com objetos relacionais. Em 1980 foi nomeada Acadêmica da Itália, pelo conjunto de sua obra. Participou da Bienal de São Paulo, com

posium on sensory art. She taught at the Sorbonne from 1970 to 1975 and, returned to Brazil, between 1978 and 1985 conducted individual therapy with relational objects. In 1980 she was named Aca-

prêmio de melhor escultor nacional em 1961 e salas especiais

demica di Italia, for her body of work. Took part in

em 1963 e 1994, nesse último ano, em conjunto com Hélio Oi-

the Bienal de Sao Paulo, with the national award

ticica. Foi homenageada com sala especial também na Bienal

for best sculptor in 1961 and special rooms in 1963

de Veneza, em 1968. Realizou numerosas exposições individuais no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos. Uma grande retrospectiva de sua obra foi inaugurada em 1997 na Fundação Tàpies,

and 1994, the latter along with Hélio Oiticica. Was also honored with a special room at the Venice Biennale in 1968. Held numerous solo exhibitions in Brazil, in Europe and the United States. A major ret-

em Barcelona, apresentada depois no Museu de Arte Contem-

rospective of her work was inaugurated in 1997 in

porânea de Marselha, na Fundação Serralves, Porto, no Palácio

the Tàpies Foundation in Barcelona, ​​later presented

de Belas Artes, e em Bruxelas, e por fim no Paço Imperial, no

at the Museum of Contemporary Art in Marseille, Fundação Serralves, Porto, at the Palácio de Belas Artes, in Brussels, and finally the Paço Imperial,

88

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Rio de Janeiro, entre 1998 e 1999. Um de seus melhores analis-

Rio de Janeiro between 1998 and 1999. One of her

tas, Ferreira Gullar, observa que Lygia Clark “enfrentou o quadro

best analysts, Ferreira Gullar, notes that Lygia Clark

não mais como um apoio para a representação, mas como um

“faced the canvas no more as a framework to sup-

objeto símbolo. Inverteu-lhe as relações – estendeu a cor até a moldura, pôs a moldura dentro dele – mudou-lhe a natureza e o sentido. Limpou-o das conotações antigas e o trouxe de volta à

port the representation, but as a symbol object. Reversed her relationships – extended color to the frame, put the frame inside it – changed its nature and meaning. Washed away the old connotations

percepção, impregnado de outra dinâmica, de outros propósi-

and brought it back to perception, impregnated of

tos.” Em 1996 Luciano Figueiredo organizou o livro Lygia Clark/

another dynamic, of other purposes.” In 1996 Lu-

Hélio Oiticica – Cartas: 1964-1974, testemunho importante para

ciano Figueiredo organized the book Lygia Clark/

a compreensão de sua obra. Ela própria produziu numerosos outros textos, tais como os que foram reunidos em Lygia Clark (1980), junto a estudos de Ferreira Gullar e Mário Pedrosa. Sua

Hélio Oiticica, cartas: 1964-1974, important testimony to the understanding of her work . She herself has produced numerous other texts, such as those gathered in Lygia Clark (1980), along with studies

fortuna crítica foi crescente nas últimas décadas, em periódicos,

by Gullar and Mario Pedrosa. Her critical acclaim

no meio acadêmico e em livros, a exemplo de Lygia Clark: obra

has increased in recent decades, in the press, in

trajeto (Edusp, 1992), de Maria Alice Milliet; O espaço de Lygia

academia and in books, such as Lygia Clark: obra

Clark (Atlas, 1994), de Ricardo Nascimento Fabbrini. A vassoura da bruxa: Lygia Clark na arte da lou-cura (Novamente, 2002), de Nívia Bittencourt; O dragão pousou no espaço (Rocco, 2002), de

trajeto (EdUSP, 1992), by Maria Alice Milliet; O espaço de Lygia Clark (Atlas, 1994), by Ricardo Nascimento Fabbrini, A vassoura da bruxa: Lygia Clark na arte da lou-cura (Novamente, 2002), by Nívia

Lula Wanderley, e Relâmpagos com claror: Lygia Clark e Hélio

Bittencourt; O dragão pousou no espaço (Rocco,

Oiticica – vida como arte (Imaginário, 2004), de Beatriz Scigliano

2002), by Lula Wanderley, and Relâmpagos com

Carneiro.

claror: Lygia Clark e Hélio Oiticica – vida como arte (Imaginário, 2004), by Beatriz Scigliano Carneiro.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

89


“Planos em superfície modulada”, 1952 guache sobre papel, 28 x 38 cm assinado e datado no canto inferior direito “Planos em superfície modulada”, 1952 gouache on paper, 28 x 38 cm signed and dated at the lower right corner

90

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


“Bicho”, 1960 alumínio articulado, 18 x 20 cm Série Bolsa de Valores do Rio de Janeiro “Bicho”, 1960 articulated aluminum, 18 x 20 cm Bolsa de Valores do Rio de Janeiro Series

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

91


lygia pape (1929, Nova Friburgo, RJ – 2004, Rio de Janeiro, RJ) Formada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Ja-

Graduated in Philosophy at the Universidade Fe­

neiro, foi orientada por Ivan Serpa e Fayga Ostrower e se dedi-

deral do Rio de Janeiro, was mentored by Ivan

cou inicialmente à pintura e à xilogravura. Participou das mos-

Serpa and Fayga Ostrower and was initially dedi-

tras do Grupo Frente, de 1954 a 1956, e das exposições de Arte Concreta em São Paulo, 1956, Rio de Janeiro, 1957, e Zurique, 1960. Participou igualmente das exposições do movimento ne-

Grupo Frente exhibits, 1954-1956, in Concrete Art exhibits in Sao Paulo, 1956, Rio de Janeiro, in 1957, and Zurich, 1960. Also took part in the neo-concrete

oconcreto, de 1957 a 1961, de cujo manifesto foi signatária. De

movement exhibits, 1957-1961, whose manifesto

1962 e 1966 realizou letreiros, cartazes e displays para filmes

she subscribed. 1962 and 1966 created letterings,

do cinema novo, a exemplo de Vidas secas, de Nelson Pereira

posters and displays for the Cinema Novo films,

dos Santos, e Deus e o diabo na terra do sol, de Glauber Rocha, entre outros. De 1981 a 1982, recebeu bolsa da Fundação Guggenhein, de Nova York. Participou da Bienal de São Paulo

like Vidas Secas (Barren lives) by Nelson Pereira dos Santos, and Deus e o diabo na terra do sol by Glauber Rocha, among others. From 1981 to 1982, received a grant from the Guggenheim Foundation,

em 1953, 1955, 1957, 1959 e 1998; da Bienal do Mercosul, em

New York. Participated in the Bienal de Sao Paulo

2003; da Bienal de Veneza, em 2009, e de várias mostras impor-

in 1953, 1955, 1957, 1959 and 1998, the Mercosul

tantes ligadas ao abstracionismo geométrico. Conquistou, entre

Biennial in 2003, the Venice Biennale in 2009, and

outros prêmios, o da Associação Brasileira de Críticos de Arte, em 1990; o primeiro lugar do Johnnie Walker de Artes Plásticas,

92

cated to painting and woodcut. Participated in

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

several important exhibitions related to geometric abstraction. Obtained, among other awards, the Associação Brasileira de Críticos de Arte in 1990, the


em 1999, e O Globo Personalidade do Ano, em 2002. Exerceu

first place of the Johnnie Walker Fine Arts in 1999,

por longo tempo o magistério de arte e, em 2000, o Museu de

and O Globo Personality of the Year in 2002. She

Arte Contemporânea de Serralves, no Porto, inaugurou uma re-

was a professor, for a long time, in the field of art

trospectiva de sua obra. Sobre seu processo criativo, afirmou: “Acho que criar, inventar é correr riscos. Ter coragem de enfrentar o risco da invenção é muito importante. E é algo que envolve

and, in 2000, the Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto, opened a retrospective of her work. About her creative process, she said: “I think that creating, inventing is to bet at risk. To have the

sempre um sacrifício, um esforço, um sofrimento. Não me inte-

courage to face the risk of the invention is very im-

ressa realizar uma obra que dá certo e depois fazer dez outras

portant. And it’s something that always involves

iguais para atender ao mercado e ganhar muito dinheiro”. A seu

sacrifice, effort, and suffering. I do not care about

respeito foram publicados os livros Lygia Pape (MEC/Funarte), de Luís Otávio Pimentel e Mário Pedrosa; Lygia Pape: entrevista a Lúcia Carneiro e Ileana Pradilla (Lacerda, 1998); Gávea de to-

coming up with a work that will be successful and then do ten other alike to meet the market demand and earn a lot of money.” On the subject of Lygia Pape books have been released such as Lygia Pape

caia (Cosac & Naify, 2001), de Mário Pedrosa, Guy Brett e Hélio

(MEC/Funarte), by Luís Otávio Pimentel e Mário

Oiticica, e Lygia Pape (Relume Dumará/Rio Arte, 2003), de Deni-

Pedrosa; Lygia Pape: entrevista a Lúcia Carneiro

se Mattar.

e Ileana Pradilla (Lacerda, 1998); Gávea de tocaia (Cosac & Naify, 2001), by Mário Pedrosa, Guy Brett and Hélio Oiticica, e Lygia Pape (Relume Dumará/ Rio Arte, 2003), by Denise Mattar.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

93


“eat me – a gula ou a luxúria?” serigrafia (2/50), 47 x 65 cm assinada e dedicada “Por Ligia Pape, seu amigo e admirador Mario Pedrosa” no canto inferior direito; titulada e numerada no canto inferior esquerdo. “eat me – a gula ou a luxúria? silkscreen (2/50), 47 x 65 cm signed and dedicated “For Ligia Pape, his friend and admirer Mario Pedrosa” at the lower right corner; titled and numbered on the lower left corner.

94

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

95


marçal athayde (1962, Pedreiras, MA) Aos sete anos, transferiu-se com a família para São Luís. Co-

At the age of seven, he moved with his family to

meçou a desenhar muito cedo e, em 1980, participou do Salão

São Luís. Began to draw at early age and, in 1980,

Maranhense de Artes Plásticas. Integrou várias outras mostras

participated in the Salão Maranhense de Artes

coletivas no seu estado natal e, em 1983, conquistou o Prêmio Pirelli de Pintura Jovem. Ainda em São Luís, frequentou o curso de pintura ministrado por Rubens Gerchman e realizou sua

his native state, and in 1983, won the Pirelli Award for Young Painters. Still in São Luis, attended the painting class taught by Rubens Gerchman and

primeira individual, em 1984. No ano seguinte, fixou-se no Rio

held his first solo exhibition in 1984. The following

de Janeiro, onde expôs na galeria Jean Boghici, em 1989. Por

year he settled in Rio de Janeiro, where he exhibited

ocasião dessa mostra, Wilson Coutinho (Jornal do Brasil, 7 ago.

at the Jean Boghici gallery in 1989. At that exhibit,

1989) observa que “o suicídio de um amigo, atingido por uma depressão incurável, modificou também a sua paleta, que era de tons claros”. E acrescenta: “A pintura de Marçal passou a ser mais sombria, com uso muito frequente do violeta e do cinza.

96

Plásticas. Integrated several other group shows in

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

Wilson Coutinho (Jornal do Brasil 7 August 1989) notes that “the suicide of a friend, hit by an incurable depression, also altered his palette, which was brightly colored.” He adds: “Marçal’s painting has become darker, with heavy use of violet and gray.


Para sugerir a impressão de velocidade, o pintor executa largas

To suggest speed, the painter performs broad brush

pinceladas em diagonal, o que dá aos seus quadros um sur-

strokes diagonally, which gives his paintings a sur-

preendente movimento. Apesar do clima perturbador de suas

prising move. Despite the disturbing atmosphere

cenas, suas obras, com facilidade, encontraram compradores. Orna, por exemplo, as paredes da galeria Montecarlo, na Itália e podem ser encontradas, em Paris, na galeria Charles Sablon”.

of his scenes, his works found buyers with ease. His paintings are hung, for example, at the walls of the Montecarlo gallery, in Italy and can be found in Paris, at the Charles Sablon gallery. “From 1995, he

A partir de 1995, começou a se dedicar à escultura. Expôs ainda

began to devote himself to sculpture. He exhibited

no Museu de Arte da Bahia, em 1990; Conjunto Cultural da Caixa

at the Museu de Arte da Bahia in 1990, the Caixa

Econômica, São Luís, em 1991; Casa França-Brasil, Rio de Janei-

Economica Cultural, São Luis, in 1991, Casa França

ro, em 1992; The Brazilian Northeast Festival - Contemporary Art - Libert Street, Nova York, em 1996; Centro Cultural Correios, Rio de Janeiro, em 2007; galeria H. Rocha, Rio de Janeiro, em 2008, e Estúdio Buck, São Paulo, em 2010.

Brasil, Rio de Janeiro, in 1992, The Brazilian Northeast Festival - Contemporary Art - Liberty Street, New York, in 1996; Centro Cultural dos Correios, Rio de Janeiro, in 2007; H. Rocha, gallery, Rio de Janeiro in 2008, and Estúdio Buck, Sao Paulo, in 2010.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

97


“Tráfego intenso rumo ao fim do dia”, 1993 acrílica sobre tela, 80 x 120 cm assinada, datada e titulada no verso “Tráfego intenso rumo ao fim do dia”, 1993 acrylic on canvas, 80 x 120 cm signed, dated and titled at the back

98

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Mãos sobre labareda, c. 2012 madeira e metal, 50 x 29 x 17 cm Mãos sobre labareda, c. 2012 wood and metal, 50 x 29 x 17 cm

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

99


miguel rio branco (1946, Las Palmas de Gran Canaria, Espanha) Fotógrafo, escultor, pintor, jornalista, desenhista industrial e di-

Photographer, sculptor, painter, journalist, design-

retor de fotografia, estudou no Institute of Photography, Nova

er and director of photography, he studied at the

York, em 1966, e na Escola Superior de Desenho Industrial, Rio

Institute of Photography, New York, in 1966, and at

de Janeiro, em 1969. De 1970 a 1972, trabalhou como fotógrafo em filmes experimentais e, de 1972 a 1981, como fotojornalista. Publicou trabalhos em numerosos jornais e revistas internacio-

the Escola Superior de Desenho Industrial, Rio de Janeiro, in 1969. From 1970 to 1972, he worked as a photographer in experimental films and, from 1972 to 1981, as a photojournalist. Published papers in

nais como Time, Newsweek, Paris Match etc. Realizou sua pri-

several international newspapers and magazines

meira individual no Rio de Janeiro, em 1972. Suas mostras mais

such as Time, Newsweek, Paris Match. He held his

recentes foram apresentadas no Centro de Arte Hélio Oiticica,

first solo exhibit in Rio de Janeiro in 1972. His most

Rio de Janeiro, em 2001; galeria André Millan, São Paulo, em 2002, 2007 e 2009; Silvia Cintra Galeria de Arte, Rio de Janeiro, em 2003, 2006, 2009 e 2012; Door Into Darkness, Aperture’s

recent exhibitions were presented at the Centro de Arte Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, in 2001; André Millan gallery, Sao Paulo, in 2002, 2007 and 2009; Silvia Cintra Galeria de Arte, Rio de Janeiro, in

Burden Gallery, Nova York, em 2003; Algunas Habaneras, Otras

2003, 2006, 2009 and 2012; “Door Into Darkness”,

no..., galeria Oliva Arauna, Madri, em 2004 (onde também ex-

Aperture’s Burden Gallery, New York, in 2003; “Al-

pôs em 2006 e 2008); Maison Européenne de la Photography,

gunas Habaneras, otras no”..., Arauna Oliva Gallery,

Paris, França, em 2005; galeria Paulo Darzé, Salvador, em 2010, e Solo, Estocolmo, em 2011. Expôs ainda em Bilbao, em 1982;

Madrid, in 2004 (where he also exhibited in 2006 and 2008); Maison Européenne de la Photographie, Paris, France, in 2005; Paulo Darzé gallery, Salvador, in 2010, and Solo, Stockholm, in 2011. Also ex-

100

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Paris, em 1985 e 1993; Nova York, em 1986; Veneza, em 1988;

hibited in Bilbao in 1982, Paris in 1985 and 1993,

Roterdã, em 1990, e em Bonn, em 1991; Berlim, em 1992; Stutt-

New York, in 1986, Venice in 1988, Rotterdam in

gart, em 1995, e Frankfurt, em 1996. Participou da Bienal de São

1990, Bonn in 1991, Berlin in 1992, Stuttgart in 1995,

Paulo, em 1983; Bienal de Veneza, em 2001; Bienal do Mercosul, em 2005, e de diversas coletivas de âmbito nacional e internacional. No meio cinematográfico, atuou como diretor de foto-

and Frankfurt in 1996. He participated in the Bienal de Sao Paulo, in 1983, the Venice Biennale in 2001, Mercosul Biennial in 2005, and several collective exhibits nationally and internationally. In the cin-

grafia, de vários longas e curtas-metragens como Lágrima pan-

ema, worked as director of photography for several

tera, de Júlio Bressane (1971); Horto florestal (1980), de Gilberto

long and short films such as Lágrima pantera, by

Loureiro; Lampião (1986), de Otávio Bezerra. Dirigiu Nada leva-

Júlio Bressane (1971); Horto Florestal (1980), by Gil-

rei quando morrer, aqueles que me devem cobrarei no inferno (1981) e Trabalho (1987). Em 2010 foi montado no Instituto de Arte Contemporânea de Inhotim (Brumadinho, MG), o pavilhão

berto Loureiro; Lampião (1986), by Octavian Bezerra. Directed Nada levarei quando morrer, aqueles que me devem cobrarei no inferno (1981) and Trabalho (1987). In 2010 the Miguel Rio Branco Pavillion

Miguel Rio Branco. Publicou, entre outros livros, Dulce sudor

was opened at the Instituto de Arte Contemporânea

amargo (Fondo de Cultura Económica, 1985); Fotos (Companhia

de Inhotim (Brumadinho, Minas Gerais). Was the

das Letras, 1998); Silent book (Cosac & Naify, 1998); Havana: 1994-2001 (Calendário Burti, 2002) e Entre os olhos, o deserto (Cosac & Naify, 2002).

author of books such as Dulce sudor amargo (Fondo de Cultura Económica, 1985); Fotos (Companhia das Letras, 1998); Silent book (Cosac & Naify, 1998); Havana: 1994-2001 (Calendário Burti, 2002) e Entre os olhos, o deserto (Cosac & Naify, 2002).

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

101


102

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


“Santiago de Compostela”, 1993 Cibachrome, (1/5) 80 x 70 cm cada (tríptico) assinado, datado e titulado no verso “Santiago de Compostela”, 1993 Cibachrome (1/5) 80 x 70 cm each (tryptic) signed, dated and titled at the back

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

103


mira schendel (1919, Zurique, Suíça – 1988, São Paulo, SP) Brasileira naturalizada Mira chegou ao Brasil em 1949. No iní-

Swiss born Brazilian Mira Schendel arrived in the

cio, morou em Porto Alegre e, mais tarde, transferiu-se para São

country in 1949. At first lived in Porto Alegre, and

Paulo, onde residiu até o fim de sua vida. Realizou suas duas

later moved to Sao Paulo, where she lived until the

primeiras individuais ainda em Porto Alegre, em 1950 e 1952. Em 1954, expôs no Museu de Arte Moderna de São Paulo. A partir dessa época, seu percurso expositivo rompeu as fronteiras

end of her life. Held its first two solo exhibits while still in Porto Alegre in 1950 and 1952. In 1954, she exhibited at the Museu de Arte Moderna de Sao Paulo. Since then, her exhibition trajectory crossed

nacionais, com as exposições em galerias europeias e norte-

national borders, with exhibits in galleries in Europe

-americanas. Participou da Bienal de Veneza, em 1968 e 1978; da

and North America. She participated in the Venice

Trienal da Índia, Nova Delhi, com medalha de ouro em 1971; da

Biennale in 1968 and 1978, the Triennial India, New

Bienal de São Paulo, em 1951, 1955, 1963, 1965, 1967, 1969, 1981, 1989, 1994 e 1998, com prêmio de aquisição em 1967 e sala especial em 1994. Exposições recentes de sua obra foram realiza-

Delhi, obtaining a gold medal in 1971, the Sao Paulo Biennial in 1951, 1955, 1963, 1965, 1967, 1969, 1981, 1989, 1994 and 1998, being awarded the acquisition prize in 1967 and a special room in 1994. Recent ex-

das no Centro de Arte Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, em 1997; na

hibitions of her work were held at the Centro de

Nova Galeria, São Paulo, em 1999; na Galeria Nacional do Jeu

Arte Hélio Oiticica, Rio de Janeiro in 1997, the Nova

de Paume, Paris, em 2001; na galeria André Millan, São Paulo e

Galleria, Sao Paulo, in 1999, the Gallerrie Nationale

galeria Oscar Cruz, Rio de Janeiro, ambas em 2002; no Museu Tamayo, Cidade do México, em 2004; Retrospectiva no MoMA, Nova York, em 2009; Museu da Imagem e do Som e Caixa Cultu-

Jeu de Paume, Paris, in 2001, the Andre Millan gallery, São Paul and Oscar Cruz gallery, Rio de Janeiro, both in 2002; at the Tamayo Museum, Mexico City, in 2004; a retrospective exhibit at MoMA, New

ral, São Paulo, ambas em 2011. Em Dicionário de pintores brasi-

York, in 2009, at the Museu da Imagem e do Som

leiros (Spala, 1986), Walmir Ayala considera que a arte de Mira

and Caixa Cultural, Sao Paulo, both in in 2011. In the Dicionário de pintores brasileiros (Spala, 1986), Walmir Ayala notes that the art of Mira Schendel

104

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Schendel é “intensamente cerebral” e realizada por “um dos

is “intensely cerebral” and performed by “one of

artistas de mais complexa personalidade de nosso país, alian-

the artists with the most complex personality in our

do o rigor mental do teórico à curiosidade intelectual do espe-

country, combining the mental rigor of the theorist

culador filosófico e ainda ao trabalho amorosamente realizado pelo artesão aplicado”. Em 1996, Sônia Salzstein observou que é “extraordinário que o vasto conjunto de pinturas produzido

to the intellectual curiosity of philosophical speculator and to the work lovingly undertaken by dedicated artisan.” In 1996, Sônia Salzstein remarked that “it is extraordinary that the vast ensemble of

por Mira Schendel, entre os anos de 1962 e 1965, não lhe tenha

paintings produced by Mira Schendel, between the

redundado numa carreira de pintora”. E acrescenta: “De resto, é

years 1962 and 1965, has not redounded to a career

curioso que os desenhos e pinturas realizadas na maturidade,

as a painter.” And adds: “moreover, it is remarkable

em nenhum momento, (ao que se saiba), evoquem este segmento prolífico, bem recortado no passado, exceto no último ano da vida de Mira, quando ela volta a se interessar por uma

that the drawings and paintings made at a later age, never (for what we know), evoke this prolific segment, well cut in the past, except in the last year of her life when Mira regained the interested in a

matéria espessa, usando agora massas de tijolo triturado sobre

thick matter, now using masses of ground brick on

as superfícies. No entanto, aquele conjunto marca uma passa-

the surfaces. However, that set marks an important

gem importante no pensamento do trabalho e compartilha do

passage in the thought of the work and share the

campo genérico desde o início esboçado por ele – são pinturas que tendem infinitamente a uma condição de não-pintura”. Sobre sua obra foram publicados, entre outros livros, No vazio do

generic field since the beginning sketched by it – these are paintings that endlessly tend to a condition of non-painting”. Books on her work includes No vazio do mundo (Marca D’Água, 1996), Sônia

mundo (Marca D’Água, 1996), organização de Sônia Salzstein,

Salzstein (org.), from which the above passage was

de onde foi extraído o fragmento acima, e Mira Schendel (Cosac

extracted, and Mira Schendel (Cosac & Naify, 2001),

& Naify, 2001), de Maria Eduarda Marques.

by Maria Eduarda Marques.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

105


Sem título, c. 1960 têmpera sobre tela, 70,5 x 70 cm assinada no verso Untitled, c. 1960 tempera on canvas, 70,5 x 70 cm signed at the back

106

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Sem título, c. 1975 ecoline sobre papel artesanal, 39 x 28,5 cm assinada no canto inferior direito Untitled, c. 1975 ecoline on handmade paper, 39 x 28,5 cm signed on the lower right corner Sem título, 1975 ecoline e folha de ouro sobre papel artesanal, 38 x 28 cm assinada e datada no canto inferior direito Untitled, 1975 ecoline and gold leaf on handmade paper, 38 x 28 cm signed and dated on the lower right corner

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

107


rosângela rennó (1962, Belo Horizonte, MG) Formada em Arquitetura pela Universidade Federal de Minas

Graduated in Architecture from the Universidade

Gerais, em 1986, em Artes Plásticas pela Escola Guignard, em

Federal de Minas Gerais, in 1986 and in Fine Arts

1987, e Doutora em artes pela Universidade de São Paulo, em

from the Escola Guignard in 1987, and PhD in Arts

1997, vive a trabalha no Rio de Janeiro. Explora criticamente universos de imagens vinculadas à fotografia e diversas outras mídias impressas e eletrônicas. Uma de suas mais importantes

from the Universidade de Sao Paulo, in 1997, lives and works in Rio de Janeiro. Critically explores worlds of images related to photography and many other printed and electronic media. One of her

exposições, O arquivo universal e outros arquivos, com cura-

more important exhibitions, O arquivo universal

doria de Adriano Pedrosa no Centro Cultural Banco do Brasil,

e outros arquivos, curated by Adriano Pedrosa at

Rio de Janeiro, em 2003, entusiasmou o exigente Wilson Couti-

the Centro Cultural Banco do Brazil, Rio de Janeiro,

nho que, no último texto que escreveu, a considerou “esplêndida”, uma “bela e surpreendente performance” (O Globo, 4 ago. 2003). Participou de numerosas mostras de arte brasileira no

in 2003, enthused the criterious Wilson Coutinho that, on his last article published in life, considered it “splendid, a beautiful and amazing performance “(O Globo, 4 August 2003). Participated in several

exterior e das bienais de São Paulo, em 2003 e 2010; Veneza, em

Brazilian art exhibitions abroad and in the Bienni-

2003, New Orleans, em 2008; Mercosul, em 2009 e Istambul, em

als: Sao Paulo, in 2003 and 2010; Venice, in 2003,

2011. Expôs individualmente nas galerias Camargo Villaça, São

New Orleans, in 2008; Mercosul in 2009 and Istan-

Paulo, em 1995; Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles, em 1996; Artur Fidalgo, Rio de Janeiro e Museu de Arte Moder-

bul in 2011. Solo exhibits were held at Camargo Villaça gallery, Sao Paulo, in 1995, the Museum of Contemporary Art in Los Angeles in 1996, Artur Fidalgo gallery, Rio de Janeiro and Museu de Arte

108

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


na Aloísio Magalhães, Recife, ambas em 1996; Museu de Arte

Moderna Aloisio Magalhães, Recife, both in 1996;

Contemporânea de Niterói, em 1998, galeria Módulo, Lisboa,

Museu de arte Contemporânea in Niterói In 1998;

em 2000; Museu do Chiado, Lisboa e Instituto Tomie Ohtake,

Módulo gallery, Lisbon in 2000; Museu do Chiado,

ambas em 2001; Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, em 2002; Fortes Villaça, São Paulo, em 2003; Centro Cultural São Paulo, em 2004; Caixa Cultural, Rio de Janeiro, em 2007;

Lisbon, and Instituto Tomie Ohtake, both in 2001; Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, in 2002; Fortes Villaça gallery, Sao Paulo, in 2003, Centro Cultural Sao Paulo, in 2004; Caixa Cultural, Rio

Museu Rufino Tamayo, México, em 2008; Vermelho, São Paulo,

de Janeiro, in 2007, Museo Rufino Tamayo, Mexico,

em 2004, 2006 e 2010; La Fabrica, Madri, em 2007 e 2011 e Cen-

in 2008; Vermelho gallery, Sao Paulo, in 2004, 2006

tro de Arte Moderna/Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, em

and 2010, La Fabrica, Madrid, in 2007 and 2011 and

2012, etc. Recebeu as bolsas Vitae, São Paulo, em 1998; Guggenhein, Nova York, em 1999, e, entre outros prêmios, o Mário Pedrosa da Associação Brasileira de Críticos de Arte, em 2008 e

at the Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisbon, in 2012. She obtained the Vitae grant, Sao Paulo, in 1998, the Guggenheim Fellowship, New York, in 1999, and, among other awards,

o Porto Seguro de Fotografia, em 2009. Publicou os livros O ar-

the Mário Pedrosa of the Associação Brasileira

quivo universal e outros arquivos (Cosac Naify, 2003) e Espelho

de Críticos de Arte in 2008 and the Porto Seguro

diário (Edusp/Imprensa Oficial de São Paulo/UFMG, 2008), este

in Photography in 2009. She published O arquivo

último em parceria com Alícia Duarte Penna.

universal e outros arquivos (Cosac Naify, 2003) and Espelho diário (EdUSP/Imprensa Oficial de Sao Paulo/UFMG, 2008), the latter in partnership with Alícia Duarte Penna.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

109


“Madeiras III - da Série Lanterna Mágica”, 2012 ampliação fotográfica sobre papel/gelatina Ilford Multigrand, selenizada e adesivada sobre foamboard, 147 x 99 x 5 cm assinada, datada e titulada no verso “Madeiras III - da Série Lanterna Mágica”, 2012 photographic enlargement on paper/gelatin Ilford Multigrand, supplemented with selenium and sticked on foamboard, 147 x 99 x 5 cm signed, dated and titled at the back

110

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

111


sergio camargo (1930, Rio de Janeiro, RJ – 1990) Em 1946 realizou estudos com Pettoruti e Lucio Fontana na Aca-

In 1946 conducted studies with Pettoruti and Lucio

demia Altamira, em Buenos Aires. Em 1948 seguiu para Paris,

Fontana at the Academia Altamira in Buenos Aires.

onde frequentou as aulas de Gaston Bachelard no curso de Fi-

In 1948, he went to Paris, where he attended classes

losofia da Sorbonne. Nesse período, entrou em contato com Brancusi, Arp e Van Tongerloo, que muito o influenciaram. Esteve na China em 1954 e de 1961 a 1974 viveu na capital france-

by Gaston Bachelard at the Philosophy course at the Sorbonne. By that time he came into contact with Brancusi, Arp and Van Tongerloo, who exerted great influence on him. Visited China in 1954

sa, onde durante quatro anos estudou sociologia da arte com

and, from 1961 to 1974, lived in the French capital,

Pierre Francastel. Ao retornar ao Brasil, fixou-se no Rio de Ja-

where, for four years, studied sociology of art with

neiro mas, entre 1964 e 1990, viajou constantemente para Carra-

Pierre Francastel. Upon returning to Brazil, settled

ra, na Itália, onde também manteve ateliê. Em Paris, participou do Salão de Maio, em 1966 e 1967; Salão Comparaisons, em 1967, 1968 e 1969 e Realités Nouvelles, em 1967 e 1969. Partici-

in Rio de Janeiro, but between 1964 and 1990, traveled constantly to Carrara, Italy, where he also kept his atelier. In Paris, attended the Salon de Mai in 1966 and 1967; Salon Comparaisons, in 1967, 1968

pou também das bienais de Paris, com prêmio internacional de

and 1969 and Realités Nouvelles in 1967 and 1969.

escultura em 1963; Veneza, em 1966 e 1982 (com sala especial

He also participated in biennials: Paris, obtaining

em 1966); Medellín, em 1970 e Carrara, em 1973. Em 1965, con-

international award for sculpture in 1963, Venice in

quistou na Bienal de São Paulo a medalha de ouro de melhor escultor nacional. Realizou diversas individuais em importantes galerias e instituições do Brasil e do exterior, em cidades como Milão, Roma, Zurique, Londres e Nova York. Em 1968 executou

1966 and 1982 (with special room in 1966); Medellin in 1970 and Carrara in 1973. In 1965, he was awarded, at the Bienal de Sao Paulo, the gold medal for best national sculptor. Held several important individual exhibits in galleries and institutions in Brazil and abroad, in cities like Milan, Rome, Zurich,

112

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


um gigantesco painel para o auditório do Palácio dos Arcos, em

London and New York. In 1968, was commissioned

Brasília. A partir dos anos 1970, realizou monumentos para o

a giant panel for the auditorium of the Palácio dos

espaço público de cidades como Nova York, Bordeaux, Caracas

Arcos, in Brasilia. From the 1970s, made monu-

e São Paulo – é de sua autoria o amplo painel de 420 metros quadrados, em concreto, para o Centro Empresarial Itaú, no Jabaquara, em São Paulo. Considerado um dos maiores esculto-

ments for public space in cities like New York, Bordeaux, Caracas and Sao Paulo – he is the author of the large 420 square meters béton panel for the Centro Empresarial Itaú in Jabaquara, Sao Paulo.

res brasileiros do século XX, desenvolveu excepcional síntese

Reputed one of the greatest Brazilian sculptors of

formal trabalhando principalmente com mármore de Carrara e,

the twentieth century developed exceptional for-

já nos anos 1980, com granito negro-belga. Em 1990 publicou o

mal synthesis working mainly with Carrara marble,

livro Camargo, que reproduz grande parte de sua obra, acompanhada de um texto de Ronaldo Brito. Em 1997 foi fundado no Rio de Janeiro o Instituto de Arte Contemporânea, com o obje-

and since the 1980s, with black-Belgian granite. In 1990 he published the book Camargo, which reproduces a large part of his work, accompanied by a text by Ronaldo Brito. The Instituto de Arte Contem-

tivo de preservar, catalogar e divulgar seu legado. Na mesma

porânea was open in Rio de Janeiro, 2007 in order

cidade, em 2002, o Paço Imperial inaugurou o espaço Atelier

to preserve, catalog and disseminate his legacy. In

Sergio Camargo, réplica de seu ateliê em sala permanente. Em

the same city, in 2002, the Paço Imperial opened

2010, foi publicado o livro Preciosas coisas vãs fundamentais (Bei/IAC), miscelânea de seus registros e escritos organizada por Maria Camargo e Iole de Freitas.

the Atelier Sergio Camargo, a replica of his studio in permanent exhibition. In 2010 the book Preciosas coisas vãs fundamentais (Bei / IAC) was published, a selection of his texts organized by Maria Camargo and Iole de Freitas.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

113


Sem título, 1978 madeira pintada, 11,5 x 26 x 19,5 cm assinado, datado e dedicado “Para Hélio [Oiticica] lembrança do seu aniversário em julho 78 Sergio de Camargo” embaixo ao centro Untitled, 1978 painted wood, 11,5 x 26 x 19,5 cm signed, dated and dedicated “To Hélio [Oiticica] memory of his birthday on July 78 Sergio de Camargo” at the bottom center “R N.220”, 1968 madeira pintada, 62 x 32 x 12 cm assinado, titulado, datado e localizado no verso “R N.220”, 1968 painted wood, 62 x 32 x 12 cm signed, titled, dated and located at the back

114

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

115


546 black, 1984 mรกrmore negro, 74 x 17,5 x 15,5 cm 546 black, 1984 black marble, 74 x 17,5 x 15,5 cm

116

| arte CONTEMPORร‚NEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

117


sérvulo esmeraldo (1929, Crato, CE) Transferiu-se ainda na adolescência para Fortaleza, onde pas-

While a teenager, moved to Fortaleza, where he we

sou a conviver com os artistas da Sociedade Cearense de Artes

got involved with artists from the Sociedade Cea-

Plásticas, época em que foi orientado por Jean Pierre Chabloz.

rense de Artes Plásticas, directed by Jean Pierre

Em 1951, transferiu-se para São Paulo, a fim de estudar arquitetura, mas com Aldemir Martins frequentava o antigo Museu de Arte Moderna. Trabalhou então, na montagem da I Bienal

Chabloz. In 1951, moved to Sao Paulo in order to study architecture, but, along with Aldemir Martins, attended the former Museu de Arte Moderna. He then worked in the assembly of the First Bienal de

de São Paulo, que mais tarde integrou em 1959, 1961 e 1965.

Sao Paulo, which he would later integrate in 1959,

Em meados dos anos 1950, com bolsa de estudos do governo

1961 and 1965. In the mid-1950s, obtaining a grant

francês, fixou-se em Paris, onde frequentou a Academia de Be-

from the French government, settled in Paris, where

las Artes e o ateliê de Friedlaender. Residiu vinte e cinco anos na capital francesa, onde se consagrou como gravador, criador de múltiplos e escultor, plenamente inserido no construtivismo

he attended the Academy of Fine Arts and the Friedlaender atelier. He resided for twenty-five years in the French capital, where he grew a reputation as an engraver, creator of multiple and sculptor, fully

europeu. Olívio Tavares Araújo observa que o “desabrochar de

inserted into the European constructivism. Olivio

Sérvulo escultor se deu em duas frentes”, a primeira delas, “in-

Tavares Araújo notes that the “blossoming of Sér-

tegrado por objetos abstratos simples, alguns com reminiscên-

vulo as a sculptor occurred on two fronts,” the first

cias da linguagem das gravuras (tais como jogos com linhas paralelas, oposições entre positivo e negativo, desenvolvimento serial de volumes virtuais), e com uma inequívoca vocação

one, “composed of simple abstract objects, some reminiscent of the language of the prints (such as games with parallel lines, oppositions between positive and negative, serial development of virtual

para o múltiplo”. A segunda frente aconteceu com a arte cinética

volumes), and with a clear vocation for multiple “.

dos “Excitáveis”. A partir de 1977, passou a realizar esculturas

The second front happened in the Kinetic Art of the

públicas para a cidade de Fortaleza (hoje são cerca de 40 de-

“Excitáveis”. From 1977 began to conduct public sculpture for the city of Fortaleza (today are about

118

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


las no espaço urbano da cidade), tais como o Monumento ao

40 of them in the urban space of the city), such as

Saneamento Básico, em 1977, a Escultura Fonte, em 1978, e o

the Monumento ao Saneamento Básico in 1977,

Monumento ao Jangadeiro, em 1992. Ao longo de sua carreira,

the Escultura Fonte in 1978, and the Monumento

criou vários livros de artista em parceria com escritores, críticos e arquitetos, tais como Perpignan: variações sobre uma curva, 14 serigrafias em tiragem de 50 exemplares e texto de Jean-

ao Jangadeiro, in 1992. Throughout his career, he created several livres d’artiste in partnership with writers, critics and architects, such as Perpignan: variações sobre uma curva, 14 serigraphs in a 50

-Clarence Lambert, em 1973; Trilogia, com poemas de Péricles

copies run and text by Jean-Clarence Lambert,

Eugênio da Silva Ramos, no início dos anos 1970; O nominador,

1973; Trilogia, with poems by Pericles Eugenio da

texto de Jacob Klintowitz, em 1982 e Espacial: escultura pênsil,

Silva Ramos, in the early 1970s; O nominador, text

texto de Alex Nicolaeff, em 1999. Entre suas exposições mais recentes destacam-se as das galerias Múltipla de Arte, São Paulo, em 2001; Sicardi, Houston, em 2007; Pinacoteca do Estado de

by Jacob Klintowitz in 1982 and Espacial: escultura pênsil, text by Alex Nicolaeff in 1999. His latest exhibitions include Galeria Múltipla de Arte, Sao Paulo, in 2001; Sicardi, Houston, in 2007; Pinacoteca

São Paulo, retrospectiva, São Paulo, em 2011 e Palácio da Abo-

do Estado de Sao Paulo, retrospective, Sao Paulo,

lição, Fortaleza, em 2013. Idealizador e curador da Exposição

in 2011 and Palácio Abolição, Fortaleza, in 2013.

Internacional de Esculturas Efêmeras, em Fortaleza, em 1986 e

Founder and curator of the Exposição Internacional

1991, integrou importantes mostras de arte cinética na Europa, nos Estados Unidos e na América Latina, com intensa participação também em salões e bienais como Realité Nouvelle, Salão

de Esculturas Efêmeras in Fortaleza, in 1986 and 1991, integrated major kinetic art shows in Europe, the United States and Latin America, with intense participation also in salons and biennials as Realité

de Maio, Bienal de Paris, Trienal de Milão etc. Sobre sua obra

Nouvelle, Salon de Mai, Paris Biennale, the Milan

foi publicado o livro Sérvulo Esmeraldo (Pinacoteca do Estado,

Triennale etc. Published Sérvulo Esmeraldo (Pinaco­

2011), com organização de Aracy Amaral.

teca do Estado, 2011), organized by Aracy Amaral.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

119


To Spin Span, Spun, 1971-2010 acrílico e aço inox, 10/10, 100 x Ø 6 cm (cinético) assinado e numerado na parte posterior To Spin Span, Spun, 1971-2010 acrylic and stainless steel, 10/10, 100 x Ø 6 cm (kinetic) signed and numbered at the back Coluna, 2012 mármore, 46 x 6 x 5 cm assinado na lateral direita Coluna, 2012 marble, 46 x 6 x 5 cm signed on the right side

120

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

121


vik muniz (1961, São Paulo, SP) Ao abandonar o curso de publicidade na Fundação Armando

After dropping off the Advertising classes at Funda-

Álvares Penteado, interessado em teatro, viajou em 1982 para

ção Armando Alvares Penteado, he got interested in

os Estados Unidos, onde exerceu várias funções, entre elas as

theater, traveling in 1982 to the United States, where

de garçom, frentista e moldureiro. Esta última despertou nele o gosto pelas artes plásticas. Fixou-se em Nova York em 1984, depois de um ano de residência em Chicago. Ainda nos anos

took odd jobs, including waiter, gas pump attendant and framer. This latter occupation aroused in him a taste for the fine arts. He settled in New York in 1984, after a year of living in Chicago. In the late 1980s he

1980, esteve em Paris, onde permaneceu um ano e meio. Sobre

was in Paris, where he remained a year and a half.

seu início de carreira escreveu Carlos von Schmidt em 2001: “De

About his early career Carlos von Schmidt wrote in

volta aos tempos da molduraria, paralelo às pinturas kitsch que

2001: “Back in the days of the frame shop, parallel

fazia para ganhar uns cobres a mais, começou a fazer esculturas, estranhas e incomuns. Foram essas esculturas que abriram-lhe (sic) as portas do circuito de arte nova-iorquino. Fotografá-

to the kitsch paintings he did to earn a few extra bucks, he began making sculptures, strange and unusual. These sculptures opened for him the doors of the New Yorker art circuit. By taking pictures of them

-las para poder mostrá-las a possíveis interessados, levou-o à

as to show them to potential buyers, led him to pho-

fotografia”. Suas primeiras individuais datam de 1989: Stux Gal-

tography.” His first individual exhibit date of 1989:

lery, em Nova York, e Stephen Wirtz Gallery, em São Francisco.

Stux Gallery in New York and Stephen Wirtz Gallery

Desde então, expôs, sucessivamente, em diversos países como França, Espanha, Portugal, Itália, Alemanha, Inglaterra, Japão e especialmente Estados Unidos, onde realizou mostras impor-

in San Francisco. Since then exposed successively in several countries such as France, Spain, Portugal, Italy, Germany, England, Japan and especially the United States, where he held important exhibits,

tantes como a retrospectiva Seeing is Believing, International

such as the retrospective Seeing is Believing, at the

Center of Photography, em 1998; Beyond the Edges, The Me-

International Center of Photography in 1998, Beyond the Edges, at the Metropolitan Museum of Art in 1999, and The Things Themselves, Whitney Mu-

122

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


tropolitan Museum of Art, em 1999, e The Things Themselves,

seum of American Art in 2001. In Brazil, he exhibited

Whitney Museum of American Art, em 2001. No Brasil, expôs

at the Camargo Villaça gallery, Sao Paulo, in 1995,

nas galerias Camargo Villaça, São Paulo, em 1995, 1997, 2000

1997, 2000 and 2001; at Fortes Villaça, Sao Paulo, in

e 2001; Fortes Villaça, São Paulo, em 2003, 2007 e 2010, e também, nos museus de Arte Moderna do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Recife, em 2001; Paço Imperial, Rio de Janeiro, em

2003, 2007 and 2010, and also in the museums of Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, Sao Paulo and Recife in 2001; Paço Imperial, Rio de Janeiro, in 2004; Centro Cultural Banco do Brasil, Sao Paulo, in

2004; Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo, em 2005; Paço

2005, Paço das Artes, Sao Paulo, in 2007, the Museu

das Artes, São Paulo, em 2007; Museu de Arte de São Paulo,

de Arte de Sao Paulo, and Museu de Arte Moderna,

e Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, em 2009; Instituto

Rio de Janeiro, in 2009; Instituto Tomie Ohtake, Sao

Tomie Ohtake, São Paulo, 2011, etc. Integrou, pelo mundo, numerosas coletivas nas duas últimas décadas, e participou das bienais de São Paulo, em 1998; Whitney Museum, Nova York,

Paulo, 2011 etc. He took part in numerous collective exhibits worldwide in the last two decades, and participated in the 1998 Bienal de Sao Paulo, the Whitney Museum, New York in 2000 and Venice Bienalle

em 2000, e Veneza, em 2001. Publicou, entre outros livros, Vik

in 2001. Among other books, he published Seeing

Muniz: seeing is believing (Arena, 1998), textos de Charles Ash-

is believing (Arena, 1998), texts by Charles Ashley

ley Stainback e Mark Alice Durant; Vik Muniz: obra incompleta

Stainback and Mark Alice Durant; Vik Muniz: obra

(Fundação Biblioteca Nacional, 2004), textos de James Elkins, Moacir dos Anjos e Shelley Rice; Reflex, Vik Muniz de A a Z (Cosacnaify, 2007); Lixo extraordinário (G. Ermakoff, 2010), em par-

incompleta (Fundação Biblioteca Nacional, 2004), texts by James Elkins, Moacir dos Anjos and Shelley Rice; Reflex, Vik Muniz de A a Z (Cosac & Naify, 2007); Lixo extraordinário (G. Ermakoff, 2010), in

ceria com Alexei Bueno. Em 2009 Pedro Corrêa do Lago organi-

partnership with Alexei Bueno. His body of work is

zou Vik Muniz: 1987-2009 – catálogo raisonné (Editora Capivara).

gatheren in Vik Muniz: 1987-2009, Catálogo Raisonné, organized by Pedro Corrêa do Lago (Capivara Editora, 2009) with texts by Vik Muniz.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

123


Fila do pão durante a enchente em Louisville, Kentucky, 1937, a partir de Margaret Bourke-White, 2008 cópia digital de emulsão de prata, 121,90 x 168,90 cm Fila do pão durante a enchente em Louisville, Kentucky, 1937, a partir de Margaret Bourke-White, 2008 digital copy of silver emulsion, 121,90 x 168,90 cm

124

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

125


waltercio caldas (1946, Rio de Janeiro, RJ) Primeiros estudos de arte com Ivan Serpa no Museu de Arte Mo-

First art studies with Ivan Serpa at the Museu de Arte

derna do Rio de Janeiro, em 1965. Três anos mais tarde, realizou

Moderna in Rio de Janeiro in 1965. Three years later,

cenários e figurinos para a peça A Lição, de Ionesco, encenada

made the sets and costumes for the play The Lesson

no Conservatório Nacional de Teatro. Em 1969 passou a trabalhar com artes gráficas e, em 1971, lecionou Arte e Percepção Visual

Teatro. In 1969 began dealing with graphic arts, and in 1971, taught Art and Visual Perception at the Instituto

no Instituto Villa-Lobos. Entre outras atividades, ainda nos anos

Villa-Lobos. Among other activities, in the 1970s, was

1970 foi co-editor da revista Malasartes, integrou a comissão de

co-editor of Malasartes magazine, joined the cultural

planejamento cultural do Museu de Arte Moderna, e publicou no

planning commission for the Museu de Arte Moderna,

jornal Opinião, juntamente com Carlos Zilio, Ronaldo Brito e José Resende, o artigo O Boom, o Pos-Boom, o Dis-Boom. Participou da Bienal de São Paulo em 1983, 1987 e 1996; das bienais de Ha-

and published in Opinião, along with Carlos Zilio, Ronaldo Brito and José Resende Article “O boom, o pósboom e o dis-boom”. He participated in several Biennials: Sao Paulo in 1983, 1987 and 1996; Havana in 1984;

vana, em 1984; Mercosul, em 1997, 2005, 2007; Veneza, em 1997;

Mercosul, in 1997, 2005, 2007; Venice, in 1997, Korea

Coréia, em 2004; Cuenca, em 2011; da Documenta de Kassel, Ale-

in 2004; Cuenca in 2011, Documenta Kassel, Germany,

manha, em 1992; da Art/42 Basel, Suiça, em 2011, e da Arco, Fei-

in 1992; Art/42, Basel, Switzerland, in 2011; and Arco,

ra Internacional de Arte Contemporânea, Madri, em 1997 e 2000, esta última com o livro-objeto Velázquez, uma tiragem de 1.500 exemplares numerados e assinados. Nos anos 1980, Walmir Ayala

International Contemporary Art Fair, Madrid, in 1997 and 2000, the latter with the book-object Velázquez, a run of 1,500 copies, numbered and signed. In the 1980s, Walmir Ayala notes that this is “a reformer, but

observa que se trata “de um renovador, mas não o que dinami-

not blasting one, but rather an energizer”. He adds:

ta, antes, o que energiza”. E acrescenta: “Um objeto de Waltercio

“An Waltercio Caldas object could not integrate a

Caldas não poderia integrar um sistema decorativo, ou mesmo de fruição estética convencional. São formas que atuam como os desafios arqueológicos, cuja origem não será jamais inteiramente desvendada, servindo a cada época, a cada coração, de acordo

126

by Ionesco, staged at the Conservatório Nacional de

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

decorative system, or even conventional aesthetic enjoyment. These are forms that act as archaeological challenges, whose origin will never be fully unraveled, serving every time, every heart, according to their needs.”. In 1993 he obtained the Mario Pedrosa


com suas carências.” Em 1993 conquistou o prêmio Mário Pedro-

award from the Associação Brasileira de Críticos de

sa da Associação Brasileira de Críticos de Arte, para melhor ex-

Arte, for the best exhibit, held at the Museu Nacional

posição do ano, realizada no Museu Nacional de Belas Artes. Em

de Belas Artes. In 2000, he conceived the scenery for

2000, realizou a cenografia na peça Alice, fragmentos de textos de Alice no país das maravilhas, de Lewis Caroll, em adaptação

the play Alice, with fragments of texts from Alice in Wonderland by Lewis Caroll, adapted to stage by Eleonora Fabião. Among his more recent exhibitions

de Eleonora Fabião. Entre suas mostras mais recentes, A Série

are the Venice Series, at Centro Cultural Light em

Veneza, Centro Cultural Light, em 1998; Livros, Museu de Arte Mo-

1998; Livros, Museu de Arte Moderna em 1999, Uma

derna, em 1999; Uma sala para Velázquez, Museu Nacional de Be-

sala para Velázquez, Museu Nacional de Belas Artes in

las Artes, em 2000; Retrospectiva 1985/2000, Centro Cultural Banco do Brasil, em 2001; Frases sólidas, Centro Universitário Maria Antônia da USP, São Paulo, em 2006; Horizontes, Fundação Ca-

2000; Re­trospectiva 1985/2000, Centro Cultural Banco do Brasil, in 2001; Frases sólidas, Centro Universitário Maria Antonia da Univesidade de Sao Paulo, in 2006, Horizontes, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisbon, in

louste Gulbenkian, Lisboa, em 2008; Salas e Abismos, Museu de

2008, Salas e abiscmos, Museu de Arte Moderna, Rio

Arte Moderna, Rio de Janeiro, em 2010, e Cromática, Casa França-

de Janeiro in 2010, and Cromática, Casa França-Brasil

-Brasil, em 2012, etc. Tem trabalhos em espaços públicos como

in 2012. He has works in public spaces such as Forma-

Formato Cego, Paseo de las Américas, Punta del Leste, Uruguai; O Jardim Instantâneo, Parque do Carmo, São Paulo, e Escultura para o Rio, Avenida Beira-Mar, Rio de Janeiro. Em 1985, Miguel

to cego, Paseo de las Americas, Punta del Este, Uruguay, O jardim instantâneo, Parque do Carmo, Sao Paulo, and Escultura para o Rio, Avenida Beira-Mar, Rio de Janeiro. In 1985, Miguel Rio Branco directed

Rio Branco dirigiu o filme Apaga-te Sésamo, Objetos e Escultu-

the movie Apaga-te Sésamo, objetos e esculturas de

ras de Waltercio Caldas. Sobre sua obra foram publicados, entre

Waltercio Caldas. Books published on his work are

outros livros, Aparelhos de Waltercio Caldas (GBM, 1979), de Ronaldo Brito; Waltercio Caldas, manual da ciência popular (Funarte, 1982), de Paulo Venâncio Filho; Waltercio Caldas (Cosac & Naify, 2001), de Paulo Sergio Duarte, e Outra fábula (Cosac Naify, 2011).

Aparelhos de Waltercio Caldas (WBG, 1979), by Ronaldo Brito; Waltercio Caldas, manual da ciência popular (Funarte, 1982), by Paulo Venancio Filho; Waltercio Caldas (Cosac & Naify, 2001) by Paulo Sergio Duarte, and Outra fábula (Cosac Naify, 2011).

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

127


“Rodtchenko”, 2004 óleo sobre aço inoxidável, barbante, 15 x 30 x 30 cm assinado, datado e titulado embaixo “Rodtchenko”, 2004 oil on stainless steel, string, 15 x 30 x 30 cm signed, dated and titled at the bottom

128

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Tao, 2012 aço e acrílico (múltiplo), 41 x 47 x 26,3 cm Tao, 2012 steel and acrylic (multiple), 41 x 47 x 26,3 cm

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

129


willys de castro (1926, Uberlândia, MG – 1988, São Paulo, SP) Pintor, escultor, cenógrafo, figurinista e designer, transferiu-se

Painter, sculptor, set designer, costume designer,

em 1941 para São Paulo, onde, em 1941 e 1942, estudou de-

moved in 1941 to Sao Paulo, where, in 1941 and

senho com André Fort. Graduou-se em química industrial em

1942, he studied drawing with André Fort. He

1948, quando passou a realizar suas primeiras pinturas. Em sociedade com Hércules Barsotti, criou, em 1954, o Estúdio de projetos gráficos, no qual trabalhou até 1964. Em 1958 viajou

graduated in Industrial Chemistry in 1948, when he started to make his first paintings. In partnership with Hércules Barsotti, created in 1954, the Estúdio de projetos gráficos, where he worked until 1964. In

pela Itália, Suíça, França, Portugal e Espanha. Integrou o gru-

1958 he traveled through Italy, Switzerland, France,

po fundador da Associação Brasileira de Desenho Industrial

Portugal and Spain. Was a member of the found-

e, entre 1963 e 1965, da galeria Novas Tendências. Participou

ing group of the Associação Brasileira de Desenho

das mostras do movimento neoconcreto no Rio de Janeiro e em São Paulo, entre 1957 e 1961; da mostra de arte concreta em Zurique, em 1960; do Salão Paulista de Arte Moderna, com

Industrial, and between 1963 and 1965, of Galeria Novas Tendências. Participated in the neo-concrete movement exhibits in Rio de Janeiro and Sao Paulo, between 1957 and 1961; in the concrete art ex-

prêmio Governo do Estado em 1957; das bienais de São Paulo,

hibit in Zurich in 1960, the Salão Paulista de Arte

em 1957 e 1961, e Paris, em 1961, e de muitas outras coletivas

Moderna, obtaining the Governo do Estado award

importantes, tais como Tradição e Ruptura, em 1984, e Bienal

in 1957; of the Sao Paulo biennials in 1957 and 1961,

Brasil Século XX, em 1994. Realizou em 1960 sua primeira expo-

and Bienalle de Paris in 1961, and many other important collective exhibits, such as Tradição e ruptura in 1984, and Bienal Brasil Século XX in 1994.

130

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


sição individual na galeria Aremar, em Campinas, e mais tarde,

Held in 1960 his first solo exhibit in the Aremar gal-

entre outras, na Petite Galerie, Rio de Janeiro, em 1962; Gabi-

lery in Campinas, and later, among others, in the

nete de Arte Raquel Arnaud, São Paulo, em 1983 e 1988 (com

Petite Galerie, Rio de Janeiro, in 1962; Gabinete de

Hércules Barsotti); Escritório de Arte Sylvio Nery da Fonseca; Retrospectiva, São Paulo, em 1994, e as mostras póstumas no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, em 2000 (com

Arte Raquel Arnaud, Sao Paulo, in 1983 and 1988 (with Hércules Barsotti) , Escritório de Arte Sylvio Nery da Fonseca; Retrospectiva, Sao Paulo, in 1994, and the posthumous exhibits at the Centro Cultural

Sergio Camargo e Mira Schendel), e Pinacoteca do Estado de

Banco do Brasil, Rio de Janeiro, in 2000 (with Ser-

São Paulo, em 2001 e 2012, esta última, retrospectiva. Por seus

gio Camargo and Mira Schendel), and Pinacoteca

trabalhos como cenógrafo e figurinista, conquistou em 1957 o

do Estado de Sao Paulo in 2001 and 2012, the lat-

prêmio da Associação Paulista de Críticos Teatrais. Segundo Wilson Coutinho (O Globo, 21 abr. 2000), “deixou uma obra-prima, os Objetos Ativos, (...) obra orgânica, de lógica serena (...) um

ter one a retrospective exibit. For his work as a set designer and costume designer, he won the Associação Paulista de Críticos Teatrais award in 1957. According to Wilson Coutinho (O Globo, 21 April

marco na história visual brasileira das últimas décadas”. Sobre

2000), “he left a masterpiece, the Objetos Ativos,

sua obra foi publicado o livro Willys de Castro (Cosac & Naify,

(...) organic work, of a serene logic (...) a milestone

2005), de Roberto Conduru.

in the visual history of Brazilian in the last decades” . The book Willys de Castro (Cosac & Naify, 2005), by Roberto Conduru was published on the subject of his work.

arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

131


“Objeto ativo”, 1965 offset papel Schoeller, 32,5 x 32,3 x 5 cm “Objeto ativo”, 1965 offset Schoeller paper, 32,5 x 32,3 x 5 cm

132

| arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


arte CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA |

133


exposição | exhibition Planejamento e organização | Planning and organization Max Perlingeiro Gerência de projeto e montagem | Project management and installation Maria Beatriz Castelo Crispino Equipe técnica | Technical staff Denise Viana Monteiro Fabricio Marques Jerri Adriano Viana Lima João dos Santos Neto Karla Assunção

catálogo | catalog Coordenação editorial | Planning and organization Camila Perlingeiro Assistente editorial | Editorial assistant Vera Schettino de Azevedo

agradecimentos | acknowledgments Ada Schendel I Adriana Varejão I Álvaro Clark I Amanda Rodrigues Alves I Ana Maria de Castro I Antonio Dias I Associação Cultural “O Mundo de Lygia Clark” I Beatriz Milhazes I Bethania Maranhão I Cesar Oiticica I Cildo Meireles I Cristina Pape I Dulce Vieira I Ernesto Neto I Erika Benincasa I Espólio Willys de Castro: Paulo de Castro, Walter de Castro e Wanda de Castro Valente I Fernando Cocchiarale I Galeria Fortes Vilaça I Galeria Luisa Strina I Galeria Raquel Arnaud I Galeria Vermelho I Instituto Amilcar de Castro I Instituto de Arte Contemporânea I Ivan e Ofélia Charoux I Jaildo Marinho I Jônia Tércia I Judith Lauand I Katia Maciel I Luciano Figueiredo I Marçal Athayde I Marcos Gallon I Miguel Rio Branco I Projeto Helio Oiticica I Rosângela Rennó I Sérvulo Esmeraldo I Yves Serpa I Vera Pedrosa I Vik Muniz I Waltraud Weissmann I Waltercio Caldas

NOTA DO EDITOR: Todos os esforços foram feitos para obter autorização para reprodução das obras neste Catálogo. Entretanto, alguns artistas e/ou herdeiros não foram localizados. Estamos à disposição para contatos.

Tradução | Translation Julio Silveira Verbetes biográficos I Brief biographies André Seffrin Projeto gráfico e diagramação | Design and layout Adriana Cataldo e Priscila Andrade Zellig | www.zellig.com.br Pré-mídia | Premedia Trio Studio

Exposição apresentada no período de 17 de maio a 13 de julho de 2013, na Multiarte, em Fortaleza, no Ceará.

Atividade Complementar Seminário: Arte contemporânea brasileira dos anos 1950 aos dias atuais

Impressão e acabamento | Printing and finishing Gráfica Santa Marta

Dia 11 de julho às 19h 30min: Fernando Cocchiarale e Waltercio Caldas

Fotografias | Photographs André Arruda

Dia 12 de julho às 19h 30min: Fernando Cocchiarale e lançamento do catálogo da exposição


Profile for Galeria Multiarte

Arte Contemporânea Brasileira  

Exposição apresentada no período de 17 de maio a 13 de julho de 2013, na Multiarte, em Fortaleza, no Ceará.

Arte Contemporânea Brasileira  

Exposição apresentada no período de 17 de maio a 13 de julho de 2013, na Multiarte, em Fortaleza, no Ceará.

Advertisement