Issuu on Google+

4 Poema acróstico Ensimesmado (Em-Sí-mesmado)

Gatuno de menos, malandro jamais. Gosta de Apostar, mas não em Bens materiais. Corre Riscos e do Impossível não duvida. Sofre por isso, quase Esquece-se de si, mas sempre Luta, luta para não cair. Mero ser humano, vez Enigmático, vez profético, Destrói ilusões alheias por ser sempre sincero. Nunca Esconde daquele que querido lhe é, os defeitos, e o Infortúnio que é manter-se em pé. Ao vislumbrar Resquício de lucidez e afeto, fica logo Otimista, mas engana-se, por ser ele, por ser ela, Ser humano mero. Crítico implacável, Hoje colhe o que jamais quis plantar. Sofre as Agruras do limitado enxergar, daquele que insiste, que Teima e se Ilude, mas vive mais feliz do que eu. eu sou ele sou eu: Gabriel Medeiros

Chati


acróstico