Page 1

GUIA DEFINTIVO DO

F R E E LA N C E R I N I C I A N T E

DESCONSTRUINDO

5 M I TO S PA R A T E R

U M A CA R R E I R A B E M S U C E D I DA


GUIA DEFINTIVO DO FREELANCER INICIANTE: DESCONSTRUINDO 5 MITOS PARA TER UMA CARREIRA BEM SUCEDIDA


GUIA DEFINTIVO DO FREELANCER INICIANTE: DESCONSTRUINDO 5 MITOS PARA TER UMA CARREIRA BEM SUCEDIDA

Texto por CaféCG


VELHOS CONHECIDOS


A maioria dos profissionais criativos, em algum momento da vida, chegou ao menos a considerar a opção de dar um tempo no trabalho oficial para, preferivelmente, trabalhar como um freelancer. Profissionais “freelancers” não são, oficialmente, empregados por uma empresa e, portanto, são “livres” para trabalhar em diversos projetos e para diversos clientes. Sendo a preferência ou apenas uma ocasião, o fator mais cativante sobre o trabalho freelance é o autoemprego, que algumas pessoas acreditam ser sinônimo de “total liberdade”. Porém, este não é sempre o caso. Nós, do CaféCG, reunimos uma pequena lista para dissipar e, ocasionalmente, provar alguns mitos comuns sobre trabalhar como freelancer, além de explicar como realizar essa transição de uma maneira amigável, preparando-lhe para ser o seu próprio chefe. Começaremos pelos quatro principais mitos sobre o trabalho freelance, partindo-se do pressuposto de que a “liberdade” é a palavra que rege esse modo de trabalho. Mas será que é realmente assim? Hora de descobrir a verdade!


POSSO TRABALHAR EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA DO DIA! Este é, muitas vezes, o principal fator para a decisão de se tornar freelancer e, na maior parte, uma declaração completamente legítima sobre ter uma carreira independente. O que as pessoas, constantemente, não consideram é o fato de que, na maioria das vezes, o horário de trabalho é definido por diversas especificidades, como por exemplo: o cliente, o trabalho de ofício, o prazo de entrega do serviço e as tarefas de casa. Sim, você pode trabalhar em casa. Sim, suas horas podem ser flexíveis, mas suas horas precisam ser realistas. Se você deseja começar a trabalhar às 23 horas da noite e terminar nas primeiras horas da manhã, considere-se um freelancer com perfil para clientes do exterior, pois se alguém no mesmo fuso horário solicitar a sua opinião, deixar revisão sobre algum design ou ilustração, haverá dificuldade em obter sucesso, uma vez que, é muito difícil, ambas as partes estarem disponíveis ao mesmo tempo. Geralmente, clientes acham que freelancer é sinônimo de “sempre disponível”, mas já se sabe que não é assim. Trabalhando em casa, estará preso na mentalidade de “bem, eu posso fazer isso por eles, não estou muito ocupado agora”, mas a razão pela qual você não está muito ocupado é, provavelmente, a de que você ainda não fez ainda a separação TRABALHO-VIDA, e, agora, tem pouco de um ou nenhum deles. É essencial estabelecer e respeitar os limites pessoais em relação ao seu horário de trabalho. O horário pode variar no dia a dia, sendo a variação muito provável de acontecer, no entanto, tenha um período definido de início e fim de expediente, aquele tempo que será a sua rotina de trabalhar todos os dias. Dessas horas, separe uma ou, no máximo, duas para organizar suas contabilidades. Arquive faturas, assegure-se de tê-las pago e, é claro, planeje a rotina do próximo dia. Mas saiba: para que essas etapas se tornem uma rotina de sucesso, depende da sua consistência para coloca-las em prática. Também, não se esqueça de, ao organizar as horas do seu dia, incluir o tempo para sair e socializar, nem que seja para comprar mantimentos. Trabalhar como freelancer, muitas vezes, pode significar que você gasta muito do seu tempo sozinho, e


enquanto muitos profissionais criativos não se importam com isso, “sozinho” pode se tornar um grande passo para se tornar “solitário”.

SOU O MEU PRÓPRIO PATRÃO! De alguma forma, a crença de que as coisas ficam mais fáceis quando se trabalha por conta própria existe em muitos profissionais criativos. Até certo ponto, isso pode ser verdade principalmente porque há “menos dedos na torta”. Seja lá no que estiver trabalhando, você dirigirá o curso da criação e conclusão do trabalho, exceto, quando “mais dedos estiverem na torta”, tendo, nesses casos, menos responsabilidade na direção do trabalho. Trabalhando como freelancer, ao invés de apenas se concentrar no aspecto criativo, será responsável, também, por se comunicar com o cliente, atender chamadas, marcar reuniões, redigir planos de negócios e contratos, certificar-se de receber o pagamento, arquivar a papelada, lidar com seu marketing, responder e-mails e mensagens nas redes sociais. Outro ponto importante é que, embora gerencie todas as esferas do próprio negócio, os clientes, também, têm sua opinião. Até certo ponto, eles são os melhores chefes, sendo possível até “dispensá-los” quando necessário. Porém, assim como em qualquer outra profissão, é necessário entender que há sempre os temidos “clientes difíceis” que nunca estão contentes com o progresso do projeto. Sendo assim, trabalhando por conta própria, muitas vezes, haverá vários projetos simultaneamente em desenvolvimento, sendo, então, imprescindível manter o bom relacionamento e a boa comunicação com todos os clientes. Claro, a autodisciplina, a motivação e a organização prevalecerão sobre todos esses aspectos e a consistência e a rotina de projeto são as chaves para o sucesso.


EU CONTROLO QUANTO DINHEIRO EU FAÇO! Antes de proclamar “eu controlo quanto dinheiro eu faço!”, pense que não tem controle sobre isso, tendo previamente suposto de que ganhará dinheiro trabalhando como freelancer. Não terá controle na quantidade, no entanto, terá na garantia de que está pronto para gerar lucro. Para tal garantia, em primeiro lugar e acima de tudo, não abandone o seu emprego para se tornar freelancer, a menos que antes já tenha economizado e criado um caixa para se sustentar durante o período em que tiver se adaptando e ganhando mercado. Trabalhar por conta própria é diferente de qualquer outro trabalho típico de escritório, pois uma grande parcela do sucesso vem dos primeiros testes. Como freelancer, você escolhe com quantos clientes ou projetos trabalha, então, tem a opção de múltiplos fluxos de renda. Fazendo uma rápida analogia, o freelancer é como uma fonte de água. Às vezes, tem uma abundância de trabalho e, portanto, riqueza, e, às vezes, simplesmente, o mercado não está aquecido, ou seja, a fonte seca. Há, também, situações em que os clientes pedem um prazo muito extenso para realizar o pagamento pelo serviço. Já houve clientes, produtoras, que nos pediram 90 dias para pagar após a entrega do trabalho e, no Brasil, infelizmente, isso é muito comum de acontecer. Por isso, é fundamental ter um ótimo controle de suas finanças. O controle que tem de ser feito não é somente do quanto tem para receber, mas sim, de como irá gastar o que receber. Além de controlar as economias, crie um orçamento mensal e defina uma receita média mensal que precisará alcançar para bancar suas despesas. Também, com base nas médias dos pagamentos de meses mais baixos que recebeu no ano passado, analise como e quais dos muitos projetos que sua empresa recebeu valeram a pena. Na pior das hipóteses, ainda poderá se sustentar e, na melhor, superará suas expectativas financeiras. Elaborar uma estimativa adequada é tão importante quanto a forma como você orça seu dinheiro. O erro mais comum que os freelancers cometem é mudar e se adaptar rapidamente


às exigências do possível cliente para parecer mais atraente, para conseguir mais trabalhos. No inicio, pode ser vantajoso, enquanto ainda mantém o emprego fixo no período de migração, afinal, é necessário ganhar mercado e renome. No entanto, após estar estabilizado, não cometa esse erro, valorize sempre o seu trabalho. Sem contar que trabalhar por muito menos do que o projeto realmente vale, é prejudicial para sua conta bancária. Com uma estimativa adequada, um contrato apropriado, será possível evitar retrabalhos e correções além do esperado, uma vez que sempre ocorrem tarefas adicionais imprevisíveis e, muitas vezes, não remuneradas que acompanham um projeto. Não esqueça, também, de certificar-se de colocar no contrato o montante de revisões/correções permitidos antes de cobrar um valor extra por trabalho ou tempo que não foi originalmente contabilizado na estimativa inicial. Claro, orçar adequadamente um trabalho virá com tempo e experiência e, muitas vezes, erros. NOSSA DICA É: Pesquise o que outros profissionais do seu campo estão cobrando pelos mesmos serviços e, em seguida, desenvolva preços estratégicos e coerentes.

SÓ TENHO QUE TRABALHAR EM COISAS QUE ME INTERESSAM! Trabalhar apenas em coisas em que se interessa pode ser um ótimo objetivo, no entanto, isso depende de diversos fatores e do seu mercado de atuação, sem contar, que o nicho precisa estar em alta. Por exemplo, “ilustrações para publicidades” e “Ilustrações de mascotes para empresas” são do mesmo nicho, mas o foco é diferente. Dito isso, quando se está trabalhando em um campo tão competitivo como o mundo do freelance, não pode se dar ao luxo de recusar potenciais trabalhos até que tenha uma base de clientes muito bem estabelecida. Menos trabalho significa menos dinheiro. Como no exemplo acima, se gosta de fazer ilustrações para publicidade, é possível que em certos momentos,


terá de pegar trabalhos para ilustrações focadas em séries ou produções de longa metragem. Outro equívoco comum é a ideia de trabalhar apenas quando se sente inspirado, algo que todos gostariam que acontecesse sempre. Ser criativo é questão de prática e de exercitar essa habilidade constantemente. Já aconteceu de entrar em férias e ter dificuldade em criar ou pensar em coisas novas quando volta para sua rotina? Então, isso se deve à alternância entre estar ativo e ocioso. Temos alguns artigos sobre criatividade no CaféCG que abordam o tema “quebrar o bloqueio criativo”. LEITURA RECOMENDADA: 20 Maneiras Efetivas Para Superar o Bloqueio Criativo Dito isto, é importante deixar claro que a inspiração ocorre na mesma medida da criatividade. Quando se está na ativa é muito mais fácil encontrar inspiração e foco para determinadas tarefas. No entanto, mesmo estando na ativa, não significa que nunca ficará sem inspiração. Se acontecer, force-se a começar novamente. Pense que não está perdendo somente o importante processo de desenvolvimento criativo, mas também, horas cobráveis. O freelance pode ser uma ótima maneira de profissionais criativos gerenciarem habilidades e potenciais, bem como, ter controle pessoal sobre a renda e o tempo. Porém, essa declaração pode se tornar, na maior das vezes, mítica. Não é “mais fácil” ou “melhor” controlar as coisas do que em qualquer outro trabalho, pois o freelance requer tanto trabalho duro quanto os oficiais.


Confira agora alguns dos sites que recomendamos para você começar a trabalhar como freelancer na sua área de atuação.: Computação Gráfica (Ilustração, modelagem, animação, rigging): - FlexJobs - freelancer - Guru - e-lance - FreelanceFolder - FreelanceSwitch Programação: -FlexJobs - freelancer - Guru - e-lance - FreelanceFolder - FreelanceSwitch - ModernFreelance Design: - FlexJobs - freelancer - Guru - e-lance - FreelanceFolder - FreelanceSwitch


EM UM GALHO, A RAMIFICAÇÃO É NECESSÁRIA PARA O SUCESSO?


O aumento do trabalho por contrato a curto prazo e de empregos em tempo integral causa a necessidade de se pensar estrategicamente sobre o que você oferece como profissional criativo. Pode um designer freelancer que trabalha apenas em branding e packaging manter uma carreira no mundo de hoje? Um redator pode ser confundido com o Photoshop? É um pesadelo estar no meio de uma entrevista e, de repente, perceber que não tem algumas das habilidades necessárias para a vaga. Sentir que, em algum momento, deixou de evoluir. Mesmo assim, insiste e tenta a oportunidade: “Podemos fazer um teste rápido, acredito que dou conta”. A tentativa não vinga e tudo o que resta é reunir o portfólio, apertar as mãos como se tudo estivesse bem e encontrar o bar mais próximo que serve whisky. Embora não haja desculpa para não evoluir profissionalmente, você deve tentar, constantemente, ampliar o conjunto de habilidades para aumentar a empregabilidade. Os dias de passar anos em uma empresa, trabalhando em um único ofício estão contados e apenas o melhor naquilo que faz, com que sente mais afinidade, levará aos melhores títulos e às melhores oportunidades. É uma questão de necessidade econômica, tanto para empresas que procuram tornar-se mais eficientes quanto para pessoas que procuram carreiras sustentáveis, explorar novos horizontes.

O VÍDEO MATOU A ESTRELA DO RÁDIO! A verdade é que este não é um problema novo, é uma aceleração. Em todas as indústrias, há avanços tecnológicos que deslocam especialistas: Wordpress, Tumblr e Blogspot estimularam os web designers amadores e a criação de conteúdos. O Instagram nos tornou fotógrafos. As câmeras digitais foram o equivalente do Big Bang na indústria cinematográfica independente. E cada uma dessas inovações desencadeou ou reduziu, em um grau variável, o trabalho que de outrora era destinado a especialistas dedicados. É importante sempre se renovar, melhorar e aprender habilidades novas. Conhecimento nunca é demais e busca-lo é sem-


pre vantajoso, o melhor investimento. O melhor exemplo é o fato de estar lendo esse e-book agora mesmo, pois está decido a se tornar um freelancer de sucesso e a descobrir a melhor maneira de fazer essa transição. Uma ótima abordagem para melhorar e aprender novas habilidades é visitando eventos de networking, assistindo workshops, palestras, cursos. Todas essas atitudes têm grande impacto no seu aprendizado. Sempre que possível, vá a eventos presenciais. O networking é a chave para o sucesso como freelancer (falaremos mais sobre nos próximos capítulos). Essas reuniões são conduzidas por pessoas que experimentaram desafios de carreira similares ou conhecem alguém que passou pelo processo. Às vezes, a maneira mais fácil de resolver um problema ou descobrir uma limitação autoimposta é conversar com um estranho com ideias semelhantes.

OS HIPSTERS ESTÃO TODOS CERTOS Há algo a ser dito para o renascimento do artesanato da velha escola. Identificar-se como um profissional singular em um campo de nicho, não só lhe dá um sentimento de orgulho pelo que faz todos os dias, mas também, pode criar um ecossistema natural de especialistas. Não é necessário que seja um gravador de barbo com mais de 20 anos de experiência para apreciar o conceito de profissões e carreiras claramente definidas. A abordagem jack-of-all-trades, custo-corte para a indústria criativa está em desacordo com o imperativo de inovar dentro de nossas disciplinas exclusivas. Significado: como podemos empurrar o que é possível se nós estivéssemos tão magros concentrando-nos principalmente em fazer mais do que simplesmente fazer bem? Uma estreita abordagem ao desenvolvimento da carreira pode forçar seu banco conta, mas pode ser a aposta que você precisa para criar um trabalho significativo.


CRESÇA, NÃO PERCA TEMPO! Se você não está contente em arriscar a saúde de sua carreira, deve evoluir. Uma maneira de começar é estabelecer seu próprio foco central único, seu mantra de condução. Você é um designer que escreve? Ou, talvez, um fotógrafo com cortes de edição de vídeo? Esse processo leva um tempo, pois envolve a determinação das características de uma carreira bem sucedida que combine contigo. Tendo a razão de ser profissional bloqueada, o que o coloca à frente da maioria, começará a mapear algumas habilidades complementares, que, por sua vez, lhe ajudarão a alcançar os objetivos de sua carreira. Saber o que quer, não significa que vai conseguir, mas pelo menos saberá o que está procurando. O resto é consequência.


CRIATIVIDADE É A MELHOR ROTINA!


Com inspiração, há a tendência do acerto quando menos se espera. Com inspiração, as mentes inflamam com tantas ideias. Contudo, muitas vezes, confunde-se criatividade com inspiração, constituindo a criatividade como uma série única, talvez por sorte ou talento. Na verdade, a criatividade é algo que precisa ser consistentemente trabalhada, do mesmo modo que desenvolver uma habilidade ou fortalecer um músculo. A chave para ótimos resultados, se criativos ou não, é a rotina. Trabalhando a criatividade regularmente, a inspiração também acontecerá.

DEIXE SUA ROTINA SER BAGUNÇADA! A maioria dos profissionais criativos e freelancers saboreiam o fato de seus trabalhos proporcionarem, aparentemente, flexibilidade infinita em relação à rotina de trabalho. Quer reconheçamos ou não, o que realmente se valoriza é a liberdade de criar e personalizar as próprias rotinas. Rotina então, não é tornar o trabalho criativo entendiado ou chato, mas, simplesmente, reconhecer que alguma estrutura é necessária para o sucesso. Rotina é solidária, não sufocante. Ter certeza de que gasta uma quantidade de tempo ajustada por semana, recusa a ideia de quantidade e qualidade, e reforça a de quantidade de qualidade. Ao gerar resultados mais criativos, rotineiramente, será mais fácil para identificar e refinar essas pepitas de ouro. Considere, por exemplo, a diferença entre escrever 500 palavras por dia, independentemente do dia, e aguardar aquela frase perfeita antes mesmo de tocar a caneta no papel. No último caso, quanto tempo seria necessário antes mesmo de ter escrito alguma coisa? O primeiro passo criativo não é um produto acabado. A criatividade é desordenada, e a rotina permite que seja bagunçado de uma maneira favorável à produtividade.


EVITE INTERPRETAÇÕES, HESITAÇÕES E FRUSTRAÇÕES! Desenvolver uma rotina para sua criatividade é uma questão de condicionar-se a produzir resultados criativos consistentes. Em suma, a arte é o seu negócio: profissionalize-a. A prática sempre é perfeita, portanto, treine para entrar em um modo criativo durante condições específicas. Por exemplo, manter um determinado horário, ambiente ou escolha de música durante o trabalho permitirá que você formate seu foco de acordo com esse “gatilho”. Independentemente do que decida “controlar”, sua rotina deve ser única, algo que não associe a outras atividades. Deve isolar sua rotina e enfocá-la. Isso também significa evitar fazer certas coisas que lhe tire do processo para alcançar o estado de espírito certo, como verificar constantemente suas redes sociais ou decidir a sua série favorita. Sabe-se que se assistir a um episódio, vai querer assistir a dois e, quando se der conta, verá que o dia foi embora. Dê seu tempo criativo apenas para criar e ter o hábito de fazê-lo. Determine quais tarefas será preciso concluir no dia, ou semana, e ajuste o tempo para cada uma. Embora se acredite que a “inspiração de última hora” é melhor, a pressa pode realmente acabar matando a criatividade. Ao atravessar as coisas, não está concentrado em cem por cento no que está fazendo e não há garantia de que o raio da inspiração venha lhe atacar. Ao desenvolver uma rotina de trabalho a ser adotada, está constantemente mantendo as habilidades técnicas e de resolução de problemas afiadas, como manter uma engrenagem bem oleada. Definir limitações e condições, também, fornece a quantidade certa de pressão que precisa para fazer as coisas, pois trabalhar sem rotina nos deixa muito abertos a interpretações, hesitações e frustrações.


SEJA CRIATIVO, CONSISTENTEMENTE! “O segredo da criatividade está em dormir bem e abrir a mente para as possibilidades infinitas. O que é um homem sem sonhos?” Albert Eisntein

Claro, você ainda terá seus momentos de inspiração, mas a rotina fala diretamente sobre sua produtividade. Ao eliminar a necessidade de gastar o tempo fazendo decisões óbvias, como o que fazer e quando fazer, finalmente, liberará a mente para o pensamento criativo. A maior diferença entre um hobby criativo e um profissional criativo é a consistência. Ser criativo é o seu trabalho, é algo que precisa trabalhar para se desenvolver e se destacar, não algo que você se afasta quando escolhe. A criatividade é um hábito que não deve quebrar.


CANALIZE SEU CHEFE INTERIOR


Freelancers são inimigos deles mesmos. Todos afrouxam, ocasionalmente, e depois trabalham em desespero para recuperar o atraso. Às vezes, ficam tão ocupados que o processo de trabalho começa a parecer a triagem da sala de emergência, o que pode distrai-los dos objetivos da carreira. Você poderia não ter a liberdade de agir dessa maneira se tivesse a responsabilidade de dar satisfação à outra pessoa. Ser seu próprio chefe é uma das partes mais atraentes de trabalhar de forma independente. Colherá todos os benefícios do sucesso, determinará as prioridades do projeto e, ainda, terá o poder de decidir com quais clientes trabalhará. Além disso, não há intermediários que patrulham ambientes de escritório sem fins lucrativos e burocráticos para garantir que você esteja mantendo o pico de produtividade. Mas, uma vez que se tira os aspectos negativos de ser constantemente supervisionado, existem, realmente, grandes benefícios em ter que responder a outra pessoa todos os dias.

O QUE OS BONS CHEFES FAZEM Todos têm histórias de experiências ruins com os chefes, mas isso não significa que não existam bons chefes por aí. É difícil notar, e agradecer, a influência positiva que eles têm em carreiras de sucesso. Um bom chefe pode ser o aliado mais poderoso para avançar e progredir como um criativo. Eles nunca estão satisfeitos com o trabalho e sabem como pressionar mais para alcançar os objetivos traçados, além de darem direção diária aos seus esforços para que consiga certos marcos ao longo do caminho. Esse senso de expectativa, de que alguém está prestando muita atenção no trabalho que está sendo realizado, é incrivelmente valioso, surgindo assim, uma urgência para criar, causando a falha de muitos freelancers. Ser o próprio chefe significa ser um capitão responsável da própria energia criativa. Quanto mais fácil estiver em si mesmo, mais fraco será o desempenho. Como um criativo, um dos aspectos mais frustrantes e benéficos de se ter alguém monitorando o trabalho é o feedback crítico. Ter um chefe, seja ele


ou ela, é, idealmente, ser monitorado por alguém que possui conhecimentos importantes nesse ramo e que pode transmiti-los ao comentar com frequência sobre o desenvolvimento do trabalho. Os freelancers mais organizados e impulsionados reconhecem o valor da revisão feita pelos pares, e isso estimula o crescimento de organizações profissionais informais (como a Creative Mornings).

SEJA UM MELHOR CHEFE PARA SI MESMO! É complicado se desenvolver com a influência total de um bom supervisor, mas há algumas maneiras de tentar, especialmente, se estiver lutando com a produtividade. O objetivo é tornar-se responsável pela própria carreira. Pode ser útil pensar assim: você (enquanto pessoa) trabalhará para você (o profissional criativo). Agora, com essa pequena divisão, poderá avaliar a própria performance. Quão bem está cumprindo as próprias expectativas? Quais são os maus hábitos e como deve abordá-los? Existem áreas específicas nas quais poderia melhorar em seu trabalho? Outra coisa a ser dita é que freelancers que cobram uma taxa horária já estão familiarizados com a gravação de quanto tempo gastam em uma determinada tarefa. Esse tipo de pensamento é útil ao longo de um dia. Os serviços on-line como Toggl.com oferecem um sistema de rastreamento mais técnico que pode ajudar-lhe a avaliar a produtividade. É uma pílula difícil de engolir quando os freelancers descobrem que trabalhar de forma independente, na verdade, não significa acabar com os chefes, mas se tornar um. Se quiser construir uma carreira sustentável por conta própria, precisará atuar consistentemente como seu melhor crítico, mentor e líder de torcida. É o tipo de desafio que quase faz perder os antigos chefes. Quase.


COMO TRATAR DE NEGÓCIOS COM CLIENTES DIFÍCEIS


Participar do freelancing em tempo integral é uma experiência libertadora. Finalmente, sua carreira é, realmente, sua e, agora, poderá fazer dela o que deseja. Infelizmente, o negócio é um caso que envolve duas partes, o que pode ser um fato particularmente frustrante ao lidar com clientes que não verá “ao vivo e a cores”. Por isso, o CaféCG desenvolveu um guia que ajuda freelancers a tratar com clientes difíceis.

PLANEJAR COM ANTECEDÊNCIA Em primeiro lugar, o melhor plano de ação é preemptivo: tome as precauções iniciais para garantir que não terá um cliente difícil, e, provavelmente não terá. Os problemas mais comuns que qualquer freelancer encara são os clientes que ocupam muito do tempo com solicitações frequentes, a má remuneração e as metas ou cronogramas estabelecidos de forma irreal. Antes mesmo de começar um trabalho, diminua o efeito dos problemas inevitáveis ​​ao delinear, claramente, o que ele é e qual o papel que exerce. Seja muito contundente com as expectativas do trabalho e peça ao cliente, exatamente, aquilo que determinou além de, examiná-lo, novamente, depois de requisitar, para ter certeza de que ambos estão, realmente, na mesma sintonia. Lembre-se de que devem ser incluídas no contrato, especificando o que será feito, o horário de trabalho, os termos acordados por ambas as partes, detalhes sobre um possível adiantamento, a temida “taxa de morte”- que define o quanto receberá caso tenha a necessidade, por qualquer motivo, de encerrar o trabalho mesmo antes do acordado-, datas de vencimento ou datas de revisão, dentre outras especificidades. É melhor olhar alguns exemplos on-line antes de começar. Além disso, certifique-se de descrever detalhes menores, como quantas revisões serão permitidas, quando ocorrerão as reuniões para mostrar versões preliminares e definir quais tarefas do trabalho são consideradas “fora do escopo”- e qual tipo de retribuição receberá por completa-las. Sendo assim, vale a pena considerar o rastreamento dos detalhes de um projeto ou trabalho em uma plataforma colaborativa, para que ambas as partes tenham acesso às mesmas


informações. Basecamp e Conceptboard são dois aplicativos que ajudam a organizar ideias e trabalhos compartilhados.

COMUNIQUE-SE CLARAMENTE Você enviou seu primeiro esboço, e, agora, seu cliente está chamando, incessantemente, para descobrir os detalhes, pois “está tudo errado”. Primeiro, resista a todos os impulsos que te levam a ficar com raiva. Ou, fique bravo, mas não demonstre ao cliente. Talvez, se afastar do seu computador ou não enviar um e-mail por algumas horas, até que possa se compor, seja uma ótima solução. Quando esse tipo de situação acontecer, peça esclarecimentos adicionais. O trabalho de solicitar informações adicionais exige paciência e compreensão. São informações, geralmente, muito específicas, como as cores, o modelo, dentre outras que envolvem o gosto pessoal do cliente. Se o tempo for essencial, pode ser útil pedir ao cliente que lhe mostre exemplos de quais, em particular, ele está a procura, ou de algo parecido com a ideia que tem em mente, algo que ajude a repor o tempo perdido com o confronto de informações. O erro mais comum que os profissionais mais criativos cometem nesse tipo de trabalho minucioso é o de fazer perguntas abertas do tipo: “o que você não gosta sobre isso?”, para as quais recebem, muito provavelmente, respostas também abertas e incompletas, como: “Eu não sei”. Isso não é produtivo. A comunicação adequada é, definitivamente, a chave para o sucesso, então, assegure-se de permanecer ou soar positivo diante das adversidades impostas pelos clientes, apesar da frustração que está sentindo. Se acha que pode haver uma lacuna devido à falta de comunicação, tente resolver seus problemas de forma diferente. Se acha que pode haver uma lacuna devido à falta de conhecimento ou de compreensão, tente explicar brevemente suas razões para X, sem ser um idiota. É importante obter feedback antes de chegar muito longe em qualquer coisa, e é por isso que é você quem configura as datas de verificação no contrato.


Quando todos esses pontos forem feitos e minimizados, o próximo passo é corrigir o que precisa ser corrigido. Afinal de contas, isso é ser freelancer.

REAVALIE! Ainda há uma chance de que, mesmo depois de colocar o melhor chapéu de atendimento ao cliente, o cliente ainda seja difícil. Diante dessa perspectiva, é hora de fazer uma auditoria do seu tempo e esforço. Se o seu cliente não for razoável, está fazendo com que você obtenha mais dinheiro, então pode ser do seu interesse manter isso, desde que trabalhar com eles não se torne insuportável ou te absorva a alma. Se estão apenas desperdiçando a maior parte do tempo, então, do ponto de vista financeiro, pode querer considerar. Há também outros motivos válidos para soltar um cliente. Por exemplo, se houver um pagamento seriamente atrasado ou faltante, enfrentar um assédio, solicitarem que faça algo ilegal ou imoral, ou que faça violações de condições especificadas no contrato, como não respeitar o horário de trabalho. Lembre-se de que, um cliente ruim é, em última instância, mais do que apenas isso, é uma situação ruim, na qual precisará remediar ou negligenciar as perdas para superar os ganhos. Caso precise “disparar” um cliente, permaneça o mais neutro possível, de modo a não tornar a situação pior do que já está. Basta dizer-lhes que não acha que seus serviços estão cumprindo suas necessidades por mais tempo. No contrato, é benéfico que inclua detalhes sobre a possibilidade desta situação acontecer, o trabalho que você terá, quanto terão de pagar, dentre outros detalhes. Acabar com um cliente não é a pior coisa do mundo. Se não estiver cumprindo acordos contratuais ou não puder cumprir seus padrões, provavelmente, será demitido “por você mesmo”. Não há nenhum motivo pelo qual um cliente deve ter uma quantidade e posição injusta de “poder” sobre você. Qualquer


coisa que lhe impeรงa de ser totalmente profissional serรก ruim para os negรณcios.


CaféCG Piloto Ebook  
CaféCG Piloto Ebook  
Advertisement