Page 1

Pág. 10

Time de Resposta Rápida: uma corrida pela vida

Ano X / Nº 125 - Maio - 2012

Funcionários participam de Curso de Pilotagem Defensiva Pág. 05

Unidade móvel Lucy Montoro realiza mais de 500 atendimentos Pág 06 Projeto Viva Saudável Págs. 08 e 09


Editorial

HB: O hospital mais lindo Em um concurso realizado recentemente pela empresa Bionexo, o nosso Hospital de Base foi elei-

Sumário n

Editorial

02

n

Concurso Cultural

03

n

Visita do Professor de Harvard

03

n

Festa das Mães

04

n

Curso de Pilotagem Defensiva

05

n

Unidade Móvel Lucy Montoro

06

n

Perfil

07

n

Campanha do Agasalho

07

n

Projeto Viva Saudável

n

Time de Resposta Rápida

10

n

Campanha Hanseniase

11

n

Mensagem da Colaboradora Rosângela

11

n

Grupo de Discussão de Melhorias

12

n

Reforma da Capela

13

n

Artigo Enfermagem

14

n

Conheça meu setor

15

NHE

16

to 1 dos 12 hospitais mais lindos do Brasil. A parti-

EDITORIAL

cipação no concurso era livre. Cada instituição de saúde tinha que enviar uma

foto de seu hospital, da maneira que escolher; a foto ficava disponível nas mídias sociais e poderia ser votada pelos internautas. O HB entrou na competição na última semana e levou o título para casa. Além do título um toten digital e foto do hos-

pital ficaram expostos na maior feira de saúde da América Latina e no próximo ano, nossa instituição estará em um mês do calendário da Bionexo, que é entregue às instituições de saúde parceiras. Uma visibilidade merecida para nossa grandiosa instituição que já é reconhecida nacionalmente e internacionalmente pela qualidade do serviço prestado. Falando em internacionalmente, recebemos no

mês passado a visita do professor do Departamento de Hematologia Oncologia da Faculdade de Harvard, Dr. David Steensma, um grande nome na medicina mundial. Nesta edição da revista mostramos as últimas

08 e 09

campanhas realizadas na instituição, as comemorações, os projetos, artigo e a funcionária mais antiga

n

ativa na instituição. Isso mesmo, Sida – com S – conhecida também como Sida loira é a funcionária mais antiga, ativa no quadro de funcionários, da

Expediente

nossa instituição e, com muito carisma nos contou

Informativo Fundação Faculdade Regional de Medicina

um pouco sobre sua história e trajetória dentro do HB. Ainda teve direito a bolo e comemoração no setor. Diretoria e Superintendência Funfarme / Hospital de Base

NOTA Na edição do mês passado, foi publicado um texto homenageando a equipe de enfermagem pelo trabalho que realiza em nossa instituição, porém por um erro gráfico não saiu a identificação da autora do texto. O texto foi escrito pela gerente de enfermagem, Edna Castro, representando a gerência, a diretoria, as superintendências e equipes de enfermagem de forma geral.

02 Revista do HB - Maio - 2012

Ano X / Nº 125 Maio - 2012 • Diretor Executivo Funfarme: Dr. Horácio José Ramalho • Vice-Diretor Executivo Funfarme: Dr. José Luis E. Francisco • Coordenador de RH e DP: Dr. Paulo Nakaoski • Diretor Administrativo HB: Dr. Jorge Fares Vice-Diretor Administrativo HB: Dr. Newton Bordin Júnior • Diretor Clínico: Dr. Jorge Adas Dib • Vice-Diretor Clínico: Dr. João Fernando Picollo • Diretor Técnico: Dr. Helencar Ignácio • Vice-diretor técnico: Dr. Hel-

der Sanchez • Diretor do Hemocentro: Dr. Octávio Ricci Júnior • Diretor do Ambulatório: Dr. Aldenis Borim • Diretora Lucy Montoro: Dra. Regina Chueire • Produção Editorial: Intermídia Publicações – 17- 3353-2083 • Jornalista Responsável: MTB: 24.527 • Produção: Luis Fernando Neves • Diagramação: Roger Goulart • Colaboração: Camila Galvão • Impressão: Fotogravura Rio Preto • Tiragem: 2000 exemplares


Concurso Cultural

HB está entre os 12 hospitais mais lindos do Brasil É o que mostra o resultado de um concurso cultural, promovido pela empresa Bionexo, com o tema “Meu hospital é lindo e eu mostro porque!”, que elegeu os 12 hospitais mais lindos do Brasil. Para participar, os hospitais e clínicas deveriam enviar uma foto da instituição que concorreria com as demais em uma página de votação no Facebook. As 12 fotos mais curtidas foram selecionadas e exibidas em uma exposição durante a Feira Hospitalar em São Paulo, a maior feira deste segmento da América Latina. Em 2013, as 12 fotos escolhidas também farão parte do calendário Bionexo.

Foto vencedora do HB anexada no estande da Bionexo

Confira abaixo os hospitais eleitos

Silvia e Andreza prestigiam o toten do HB durante a feira

Professor de Harvard visita HB O professor do Departamento de Hematologia Oncologia da Faculdade de Harvard, Dr. David Steensma, esteve na instituição, na manhã do dia 30 de maio, acompanhado do hematologista, Dr. Carlos Miguel, para conhecer as dependências do HB, Centro Integrado de Pesquisas e Hemocentro. David diz ter ficado feliz com o que viu na instituição. “É um lugar muito bonito, limpo e moderno, achei excelente”, disse ele. “Discutimos durante o encontro sobre as novas formas de uso dos agentes Hipometilantes, que é um novo tipo de droga”, comentou Dr. David.

Dr. David ao lado de Dr. Carlos Miguel durante visita a instituição

Revista do HB -Maio - 2012

03


Comemoração

Mães comemoram seu dia em grande estilo No dia 14 de maio, as mães que trabalham no HB foram convidadas a participar de um dia preparado especialmente para elas. Com intuito de homenageá-las e lembrar seus diferentes papéis no cotidiano, além de mãe, como: profissional, amiga e esposa, foram preparadas duas palestras sobre Moda e Maquiagem com tendências para o outono e inverno. Além disso, todas as mães foram convidadas a participar de um delicioso coffee break. Vários brindes do Boticário também foram sorteados. Um vídeo com testemunho de algumas mães que trabalham na instituição foi desenvolvido e exibido após o coffee break, o que emocionou a todos presentes.

Antes

04 Revista do HB - Maio - 2012

Durante

Depois


Pilotagem Defensiva

CIPA e Sesmet em parceria com a HONDA promovem Todo mundo sabe, e as estatísticas comprovam, que a maioria dos acidentes de trânsito envolvem motociclistas. Além de ser um veículo econômico, a moto oferece uma maior praticidade nas ruas, porém, a responsabilidade deve ser dobrada. Pensando em conscientizar seus funcionários, a CIPA em parceria com o SESMT ofereceu um curso de Pilotagem ministrado pelo instrutor Leandro Rodrigues da HONDA. O curso foi realizado em duas etapas, uma teórica e uma prática, visando sempre a segurança do condutor. Ao todo 72 funcionários receberam orientações de como controlar a moto em terrenos instáveis como terra e pedras, tiveram noção de mecânica, aprenderam a manusear o capacete de forma correta, além de dicas básicas que fazem toda diferença no dia a dia do trânsito. Já na aula prática os funcionários tiveram que testar seus reflexos transitando com suas motos entre os cones, seguindo as orientações do instrutor.

Curso de Pilotagem

Revista do HB - Maio - 2012

05


Lucy Montoro

Unidade Móvel da Rede Lucy Montoro chega a Rio Preto A equipe itinerante da Rede de Reabilitação Lucy Montoro esteve na unidade de Rio Preto entre os dias 21 e 25 de maio, para moldar e provar cadeiras de rodas, órteses e próteses nos pacientes. O grupo, formado por um bioengenheiro, seis técnicos de órteses e próteses e uma secretária, atendeu mais de 500 pacientes. Todas as medidas foram enviadas para São Paulo via internet, pois toda avaliação é computadorizada. Segundo a médica responsável pela unidade, Regina Chueire, “essa iniciativa da Rede Lucy Montoro é extremamente importante, as próteses, cadeira de rodas e órteses são capazes de mudar completamente a vida do paciente, alguns estão esperando essa oportunidade há mais de cinco anos ”. A médica frisa também que o intuito do Lucy Montoro é a reabilitação das pessoas. “Não adianta oferecer os equipamentos sem o suporte que o paciente precisa para utilizá-lo, o nosso serviço oferece essa reabilitação de maneira ampla, envolvendo toda uma equipe multidisciplinar ”, afirma.

Ele quer correr Para a maioria das crianças o simples ato de correr é algo cotidiano, mas, para Renan Felipe dos Santos, 12 anos, este ato é um sonho. Há quatro anos ele sofreu um acidente enquanto andava de bicicleta e teve que amputar metade da sua perna direita. Mesmo com muletas, a mãe dele, a lavradora Olga Batista da Silva, 30 anos, afirma que ele brinca com os amiguinhos normalmente, mas, quando é preciso correr, Renan esbarra em sua dificuldade. “Quando os meninos da minha rua querem jogar futebol, eu sempre fico no gol, tenho que ficar pulando pra defender”, conta. Sonhos como o de Renan e de mais 539 pessoas serão realizados pela equipe itinerante do Lucy Montoro. “Uma prótese para o meu filho, significa uma vida normal e mais feliz” conta Olga, com os olhos cheios de lágrimas.

06 Revista do HB - Maio - 2012


Perfil

A colaboradora mais antiga do HB: 31 anos de muitas histórias pra contar Ela já trabalhou no segundo andar, na pediatria e está há 24 anos na UTI do sétimo andar. Maria Aparecida de Alencar, a famosa “Sida loira” - se escreve com S, pois ela adotou este codinome para se diferenciar das muitas Cidas com C - transborda simpatia e histórias sobre o HB, afinal ela é a funcionária mais antiga da instituição com 31 anos de casa. As lembranças são tantas, que fica difícil organizá-las na memória. “Vivi tanta coisa aqui no HB, lembro que onde hoje é a lavanderia era tudo mangueira, a avenida Brigadeiro Faria Lima era terra pura, a pediatria ficava no subsolo, todo mundo se conhecia e o prédio só tinha dois elevadores” lembra aos risos a técnica em enfermagem. Sida vivenciou cada mudança que o HB sofreu nas últimas três décadas, “antigamente a agulha era de ferro, tínhamos que lavar as luvas que usávamos, não tinha laboratório para colher sangue, trabalhávamos horrores, hoje estamos no céu”, afirma Sida. Transbordando simpatia e bom humor, Sida Loira lembra que acompanhou a residência médica do Dr. Jorge Fares, do Dr. Jorge Dib, da Dra. Maria Carmem entre outros. “Lembro de todos eles como se fosse ontem, me sinto honrada por ter participado dessa fase tão importante da

vida deles”, conta. O amor pela profissão é tanto que duas de das suas três filhas também se formaram em enfermagem. “Eu sempre soube

monte de obstáculos me impediram de me formar, então resolvi fazer o curso de técnico em enfermagem e hoje eu estou 100% realizada” diz. A lista de pacientes que já receberam os cuidados de Sida é enorme e eles, por incrível que pareça, lembram do carinho recebido por aquela profissional dedicada. “As vezes, estou andando pela rua e as pessoas que eu já cuidei passam e me cumprimentam, tem uma jovem de 24 anos que frequento a casa dela em Balsamo até hoje, nos tornamos amigas, isso é muito gratificante” diz. Aposentada há quatro anos, Sida Loira não pensa em sair da instituição. “Sei que essa hora vai chegar, mas não quero pensar nisso, eu amo esse hospital, o HB representa para mim uma vida de coisas boas e de alguns sofrimentos, que serviram para elevar a minha alma”, conta.

Equipe comemorou 31 anos de Sida

que a área da saúde era o meu lugar, eu tinha o sonho de ser médica, mas, um

Três décadas e um ano não serviram só para adquirir experiências, serviram também para fazer inúmeras amizades. Toda a equipe da UTI geral do SUS se reuniu e compraram um bolo para comemorar em grande estilo estes 31 anos de HB.

Solidariedade que aquece Todos os funcionários do HB se uniram para realizar uma ação solidária durante a semana de enfermagem, que ocorreu do dia 12 ao dia 18 de maio. Três caixas ficaram disponíveis nas entradas principais do hospital, onde foram depositadas as doações, que foram enviadas para o Lar de Betânia. Ações e gestos como estes aquecem muitos corações por aí. Parabéns a todos pela bela iniciativa!

Revista do HB - Maio - 2012

07


Viva Saudável

Por iniciativa da CIPA-HB e membros do Grupo Viva Saudável, que tem como objetivo estimular e orientar os colaboradores a viver de forma mais saudável, todos os meses terão dicas de saúde na Revista do HB. Neste mês o foco é obesidade, com programas direcionados a todos os funcionários que apresentem excesso de peso.

Dicas de Saúde Obesidade é uma doença crônica, de grande prevalência nos paises desenvolvidos, atinge homens e mulheres de todas as etnias e idades, reduz a qualidade de vida e tem elevadas taxas de morbidade e mortalidade. Há tantas pessoas obesas no mundo que a Organização Mundial de Saúde (OMS) considerou essa doença como a epidemia global do século XXI, com graves conseqüências para a saúde, que dentre elas, distúrbios do sistema cárdiorrespiratório (hipertensão arterial, apnéia do sono, fadiga respiratória, etc) e do sistema músculo-esquelético (alterações posturais, dor lombar, artrose, hérnia de disco, incontinência urinária, etc). A atividade física é uma aliada imprescindível no combate ao excesso de peso e melhoria da qualidade de vida, devendo ser desenvolvida de forma prazerosa e contínua ao longo de toda a vida. Segundo a UNESCO “Atividade Física é um direito de todos e uma necessidade básica”. A preocupação em promover e manter a saúde deve ser ressaltada na população mundial, que, cada vez mais, necessita, em sua rotina diária, da prática de exercícios físicos regulares prevenindo efeitos nocivos da vida sedentária. A Fisioterapia atua nesses casos com diagnósticos e avaliações físico-funcionais que ajudam a controlar os sintomas conseqüentes do excesso de peso como a insônia e ansiedade, prevenindo e tratando dores e alterações posturais e músculo esqueléticas resultantes da sobrecarga assimétrica que a obesidade pode gerar sobre a coluna ou outras partes do corpo. Além de trazer benefícios à saúde, prevenindo lesões, a intervenção fisioterapêutica possibilita ainda, maior flexibilidade do corpo, coordenação, relaxamento e diminuição da tensão e stress. Técnicas atuais e inovadoras são oferecidas pelo Serviço de Fisioterapia Ambulatorial da Instituição, gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 07:00 as 16:00 horas, ramal 1213.

Fisioterapia e Obesidade Benefícios da Fisioterapia na Obesidade: No dia a dia • Melhor elasticidade e flexibilidade do corpo; • Maior disposição para as tarefas cotidianas; • Diminuição de estresse; • Aumento da resistência (“fôlego”); • Maior auto-estima; • Sono de melhor qualidade (dorme melhor); • Melhora o visual e postura; • Combate o excesso de peso e o acúmulo de gordura; • Aumenta a qualidade e expectativa de vida; • Melhora do sistema imunológico;

No trabalho • Aumento da produtividade; • Menor propensão às doenças e afastamentos; • Maior disposição física; • Os músculos ficam mais eficientes e com melhor tônus; Por: Profa. Dra. Lais Marino Chefe Serviço Fisioterapia FUNFARME / FAMERP

08 Revista do HB - Maio - 2012


Viva Saudável

Projeto Viva Saudável avalia saúde dos colaboradores da instituição Nos dias 04 e 05 de junho, foram avaliados 215 funcionários da instituição, na qual 168 eram mulheres (78%) e 47 homens (22%). A idade média foi de 39 anos. Dos colaboradores avaliados, 29% estão obesos. Eles foram orientados de como ter uma alimentação saudável, seguindo a pirâmide dos alimentos e os 10 passos proposto pela Organização Mundial de Saúde. Nos 2 dias de triagem participaram os nutricionistas da FUNFARME, aprimorandos do serviço e estagiários curriculares, além do apoio do SESMT. O projeto surgiu através da CIPA após avaliar em 2011, através de uma triagem, o alto número de funcionários obesos ou com sobrepeso. A coordenadora de nutrição da instituição, Fabiane Oliveira, explica mais sobre o evento. Confira: 1-Quais foram as atividades? F: Foi realizada uma avaliação nutricional composta por peso, altura para cálculo do IMC (índice de massa corporal) que tem o objetivo de identificar como esta o peso do individuo. Além disso, medimos a circunferência abdominal que tem como objetivo identificar risco para doenças cardiovasculares, devido ao acumulo de gordura abdominal.

2- Por que esta avaliação? Qual a finalidade? F: A finalidade é criar um grupo com funcionários obesos que serão acompanhados por 6 meses em grupos mensais, então foi feita a triagem para identificarmos quais são os funcionários que tem perfil para participar deste grupo. 3- O que é o projeto Viva Saudável? F: O projeto Viva Saudável surgiu a partir de ideia da CIPA, pois em uma triagem nutricional realizada em 2011 observamos uma alta prevalência de funcionários com obesidade. Esse projeto é composto por nutricionistas, médicos, fisioterapeutas, assistentes sociais, enfermeiros, psicólogos. Serão realizadas palestras com esses profissionais no 2ª semestre para todos os funcionários que quiserem participar, além disso, teremos 04 grupos de funcionários com obesidade que serão acompanhados mensalmente no ambulatório durante 6 meses, objetivando alem da perda de peso mudança no seu estilo de vida. Outro foco do projeto inclui o refeitório, onde estamos fazendo um trabalho de educação nutricional dos comensais, através de painéis com informações nutricionais, calorias das preparações oferecidas e realizando mudanças no cardápio: diminuindo as preparações fritas, oferecendo 2 tipos de saladas, arroz integral, suco sem açúcar, dentre outros benefícios.

PROJETO: VIVA SAUDÁVEL

“Este tipo de evento é muito importante, visto que a sua proposta é orientar os funcionários de como manter uma alimentação balanceada e saudável, com todo um acompanhamento feito por profissionais capacitados, o que muitas pessoas precisam e muitas vezes não tem acesso. Eu não tive uma surpresa boa em relação ao meu peso, por isso vou seguir as orientações alimentares corretamente, complementado com uma atividade física, visando uma melhor qualidade de vida.” Saulo Silveira, contratações

Objetivos: 1- Fornecer orientações nutricionais para melhorar o estilo de vida; 2- Discutir temas como: alimentação saudável e obesidade; 3- Discutir a importância da atividade física na vida cotidiana; 4-Promover ações dentro do Hospital que contribuam para uma vida mais saudável (Ex: orientações para diminuir o sedentarismo, pratos light, fornecimento do valor calórico dos alimentos servidos no hospital) 5- Discutir a relação entre ansiedade, stress e obesidade. Atividades do Projeto: 1- Triagem Nutricional Triagem com as nutricionistas, calculando o IMC, entregar a pirâmide alimentar. Neste dia – triar os colaboradores com obesidade, convidando-os a participar do grupo no ambulatório. 2- Grupo Ambulatório- Viva Saudável Profissionais envolvidos: endocrinologistas, nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais e fisioterapeutas. Este projeto visa tratar funcionários com ex-

cesso de peso, juntamente com a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis, comuns na vida moderna, além de estimular a prática de atividade física, contribuindo desta maneira para uma vida mais saudável. Procedimento: Terá um grupo no ambulatório, onde o nutricionista irá realizar o exame físico (peso atual, altura, IMC, circunferência da cintura e do quadril). Neste grupo serão discutidos temas como alimentação saudável, prática de atividade física, controle de ansiedade, estresse e temas relacionados. Este grupo terá uma duração de 06 meses e caso necessário o funcionário poderá permanecer no mesmo até atingir os seus objetivos, desde que esteja tendo uma boa adesão. 3- Palestras “Viva Saudável” Importância do exercício físico Alimentação Saudável Relação Ansiedade x Alimentação 4- Implantar no refeitório o valor calórico dos alimentos 5- Implantar na Intranet- Lista de Calorias 6- Enviar mensagens no sistema MV sobre Viva Saudável Revista do HB - Maio - 2012

09


Corrida pela vida

Com o objetivo de prevenir paradas cardiorrespiratórias foi formado no Hospital de Base um Time de Resposta Rápida. Esse time visa reduzir as complicações e a mortalidade nos paciente hospitalizados por meio da detecção precoce dos sinais de risco. O time é coordenado por cinco enfermeiras e um médico. Os atendimentos são realizados pelos residentes da Cardiologia e Clínica Médica que estão sempre em duplas em uma escala de 24hs e ambos têm um ramal móvel à disposição. O Time de Resposta Rápida é regido por um Protocolo Institucional que sustenta um esquema de pontuação para o alerta precoce. Depois de identificado o paciente de risco, a equipe de enfermagem aciona o médico para o atendimento. Para que esta detecção precoce fosse realizada de forma uniforme e eficaz, foi realizado um treinamento para todos os enfermeiros do hospital sobre o protocolo de funcionamento do Time. Até a chegada do médico, a equipe de enfermagem deverá iniciar alguns cuidados como: colocar o carro de parada próximo ao leito, monitorizar o paciente com ECG, PANI, oximetria, instalar máscara de oxigênio, puncionar acesso venoso de groso calibre, se não tiver, iniciar manobras de ressuscitação, dentre outros. Após o atendimento, o enfermeiro preenche uma ficha em Documentos de prontuário no sistema MV, para documentar o atendimento. Desde a implantação do Time em dezembro de 2011 já foram realizados aproximadamente 50 atendimentos, com a prevenção de muitas paradas. O Time também está colaborando para a reestruturação dos setores com equipamentos necessários para o atendimento de pacientes graves e paradas, como cardio desfibriladores, carros de parada, monitores, etc.

Integrantes do Time de Resposta Rápida do HB Médico: Dr. Gilmar Valdir Greque Enfermeiras: Samantha Caccari G. Melara - Márcia R. S. Camilo - Joseli A Ferreira - Cristina M. C. Murad - Juliane C. S. Ferraroni 10 Revista do HB - Maio - 2012

Time de Resposta Rápida atua no HB

Dr. Jorge Fares e Dr. Greque trabalharam arduamente, junto com toda a equipe, para que o projeto virasse realidade


Campanha

5 de maio: Dia Nacional da Hanseníase A falta de sensibilidade ao frio, calor ou dor em uma área de pele não é comum. Estes sintomas são comuns a doença de hanseníase. A doença se manifesta por meio de uma lesão que pode apresentar queda dos pelos no local, manchas brancas ou avermelhadas, ressecamento, sensação de formigamento e dormência. Em casos mais graves, a doença acomete olhos, mãos e pés. Dia 5 de maio é dedicado à luta contra a doença que é transmissível através da saliva durante a fala, tosse ou espirro. A Liga de Dermatologia do HB aproveitou a data para orientar e esclarecer as dúvidas em relação a esta doença que tem cura. Para tanto, no início dos sintomas o portador deve procurar uma unidade de saúde. Caso não seja feito o tratamento logo que perceber os sinais da doença, o paciente pode levar ao acometimento de outros órgãos e causar sequelas graves.

Sorrir sempre! Mesmo com a rotina estressante do dia a dia, a colaboradora do serviço de higiene e limpeza, Rosângela Barbarotti, mais conhecida como a Rô da Terminal, não fica de mal humor. “As vezes, eu falo um monte de bom dia e ninguém me responde, sem contar algumas pessoas que passam por mim e não me veem” conta. Diante desta onda de mau humor Rô resolveu confeccionar um cartaz com recortes de jornal explicando a importância de estar e bom humor, decorou com um lindo fuxico e colocou no cartão de ponto para que todos os funcionários vissem. “Fiz o cartaz com a esperança de que eles entendessem a importância de um sorriso” conta. Já imaginou se todo mundo desejasse um bom dia com um lindo sorriso no rosto? Pense nisso.

Revista do HB - Maio - 2012

11


Grupo de melhorias

Em abril deste ano, foi montado um grupo interno para discutir e propor melhorias no atendimento aos pacientes, acompanhantes e visitantes do SUS. Reuniões foram realizadas semanalmente, com exposição de problemas e soluções para o setor de Portaria do SUS, tanto de funcionários/pacientes quanto de portaria da Emergência. Este grupo se reuniu por 2 meses semanalmente e agora está mantendo uma reunião mensal para finalização das ações, acompanhamento e avaliação dos avanços para o setor. O Grupo de Melhoria é uma proposta coletiva vista por vários profissionais e por vários ângulos, problemas e soluções do trabalho. Participaram em média 10 porteiros regularmente, além da colaboração e coordenação da Dra. Fernanda Quintino, Patrícia - encarregada do setor- e Maria Regina Jabour.

Colaboradores discutem melhorias ao cliente na instituição “Este debate de ideias é muito importante porque temos a sugestão e visão de quem realmente está no setor.

Tenho certeza que colheremos bons frutos”, Patrícia, encarregada da emergência SUS.

“Estas reuniões são muito valiosas, “Este tipo de iniciativa é muito válida, pois toda melhoria sempre é bem vinda. Tenho certeza que dará bons resultados” Talinson, porteiro.

12 Revista do HB - Maio - 2012

pois cada colaborador tem uma visão, que juntas resultam em muitas melhorias”

Tânia Mara, porteira.


Novo visual

Capela Ecumênica do HB passa por reforma Em todos os momentos da nossa vida, sejam eles bons ou não sempre pedimos ou agradecemos a Deus por alguma graça. Em um ambiente hospitalar onde a fé é renovada a cada minuto, ter um local para rezar é, de certa forma, reconfortante e muito necessário. Sabendo dessa importância, foi proposta a reforma da Capela Ecumênica. Tudo foi reformulado com muito carinho e dedicação para que familiares, religiosos e funcionários pudessem se sentir acolhidos independente de suas religiões.

O que mudou: Agora a Capela conta com uma fachada pra facilitar a sua localização Todo o jardim interno e externo foram replantados, deixando o ambiente mais agradável Os vidros internos passaram a ser arejados para que as plantas pudessem sobreviver Porta, bancos, piso foram trocados A cruz que antes era cromada foi substituída por uma de madeira rústica Foi adquirida uma Bíblia e um púlpito As cascas de pinos foram retiradas, evitando assim sujidades no local As infiltrações foram bloqueadas com pinturas impermeáveis A Capela agora possui um amplificador com pendrive e duas caixas de som para suavizar o ambiente

Fachada

Depois

Antes

Jardim interno

Antes

Geral

Bancos

Antes

Antes

Depois

Depois

Depois Revista do HB - Maio - 2012

13


Artigo

Serviço de Farmácia do HB Implanta Práticas Seguras para Medicamentos de Alta Vigilância De acordo com o Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos – ISMP, os medicamentos de alta vigilância são aqueles que possuem risco aumentado de provocar danos significativos aos pacientes em decorrência de falha no processo de utilização. Os erros que ocorrem com esses medicamentos não são os mais rotineiros, porém as consequências tendem a ser devastadoras para os pacientes, podendo levar a lesões permanentes ou a morte. Em 2005 a Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou a Aliança Mundial para a Segurança do Paciente alertando sobre os erros previsíveis relacionados à assistência de saúde e identificou seis áreas de atuação para direcionar as ações voltadas à Segurança do Paciente. Essas ações se transformaram em seis metas tendo como objetivo promover melhorias específicas em áreas da assistência consideradas problemáticas. São elas: • Meta nº 1 - Identificação correta dos pacientes • Meta nº 2 - Comunicação efetiva • Meta nº 3 - Segurança dos medicamentos de alta vigilância • Meta nº 4 - Cirurgias em local de intervenção, procedimento e paciente corretos. • Meta nº 5 - Redução do risco de infecção associado aos cuidados de saúde • Meta nº 6 - Redução do risco de lesões ao paciente em decorrência de queda Enfocado na meta nº 3, segurança dos medicamentos de alta vigilância, implantou-se práticas seguras através de adequações do serviço de Farmácia do Hospital de Base com medidas preventivas especiais antes de alcançar o paciente através de uma abordagem objetiva, visual e prática com o uso de etiquetas coloridas, vermelha (potencialmente perigosos) e amarela (eletrólitos concentrados, exceto cloreto de potássio 19,1%) de acordo com a tabela 1, diferenciando as embalagens e servindo de sinais de alerta como demonstrado na figura abaixo.

Sabendo que as reações adversas relacionadas aos medicamentos de alta vigilância podem ser previsíveis e evitáveis, a abordagem visual através de etiquetas coloridas como sinais de alerta diferenciados nas embalagens servem de barreiras para fatalidades proporcionando dupla checagem tanto na dispensação e antes da administração através da confirmação da prescrição, do paciente, da dose, via, diluição e freqüência. Desta maneira, a implantação de práticas seguras é de extrema importância visando à segurança e saúde do paciente internado na instituição e conscientização dos colaboradores envolvidos em todas as etapas do processo. Helga Tâmara Agostinho Coordenadora do Serviço de Farmácia Referência Bibliográfica: - ISMP Brasil. Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos, 2011. Disponível em: http://www.ismp-brasil.org/faq/artigos/folder_ISMP_OK.pdf

14 Revista do HB - Maio - 2012


SHL e Parque de Resíduos

Soldados da higiene e do bem estar Boas práticas em higiene hospitalar e técnicas corretas de limpeza fazem parte dos princípios do Hospital de Base, que preza na qualidade da higienização para se evitar contaminações e a disseminação de infecções, já que um hospital concentra inúmeros microorganismos, bactérias e vírus nocivos à saúde dos pacientes e também dos trabalhadores. Com cerca de 250 colaboradores, divididos em funcionários contratados e terceirizados, o Serviço de Higiene e Limpeza do HB (SHL) é responsável por proporcionar aos clientes internos e externos um ambiente limpo e esteticamente organizado, livre de mau odor, visando conforto, segurança e bem estar. O setor é supervisionado pela enfermeira Emilângela Andrade, que está há 10 anos no cargo, com o auxílio da encarregada Iraci Finco, que tem esta responsabilidade há 18 anos. Além delas, mais 8 encarregadas e 2 enfermeiras das empresas terceirizadas auxiliam na função. A utilização de boas práticas durante a execução dos processos de limpeza, além de eliminar a sujidade visível e reduzir a carga microbiana das superfícies, evita a disseminação de microrganismos através da adoção de medidas de controle, preserva a saúde ocupacional e o meio ambiente. Segundo a supervisora Emilângela, um grande desafio do setor é encontrar funcionários qualificados para o cargo, para o quadro operacional é fundamental as seguintes características: - pró-atividade, - facilidade de trabalho em equipe, - organização, - comprometimento, - vontade de aprender - ter nível mínimo de escolaridade “Agradeço muito o apoio da Diretoria e Superintendência que estão com uma excelente visão em relação ao SHL e parque de resíduos tem nos apoiado em mudanças, melhorias e avanços tecnológicos. O apoio deles é fundamental para a evolução do nosso setor”, conclui Emilângela.

Parque de Resíduos - O HB produz cerca de 2 toneladas de lixo por dia

O Parque de Resíduos tem 1.300 m² e é o local destinado a coleta de todos os tipos de resíduos do hospital. Separam-se resíduo comum, químicos, reciclagens e, principalmente, é feito o tratamento de todos os resíduos infectantes produzidos no hospital, Ambulatório e Hemocentro. O setor tem uma equipe composta por 04 coletores de resíduos, 02 operadores de máquina (autoclave), 1 operador de guincho e mais 4 funcionários terceirizados. Aproximadamente 800 quilos de lixos são autoclavados por dia, ou seja, esterilizados e descaracterizados de sua forma original, pois após o processo de esterilização, passam por um triturador e assim após todo esse processo se transformam em resíduo comum e são transportados pela Coleta Municipal. Estamos todos envolvidos, diretamente ou indiretamente, com a questão do resíduo hospitalar, por isso o processo não pode parar e assim as melhorias são constantes.

Equipe do Parque de Resíduos

Melhorias realizadas recentemente: • Aumento do quadro de funcionários; • Aquisição de novos containers para resíduos e roupa suja; • Reforma do guincho, espaço das coletas com a reforma das sacadas para colocação dos containers e expurgos de todos os andares de acesso as sacadas; • Em parceria com as engenharias, está sendo discutido o novo projeto de transporte das carretas de lixo até o Parque de Resíduos • Início das reformas no mês de julho e modernização das autoclaves, com parcerias com as engenharias e SESMT.

Colaboradoras do SHL Revista do HB - Maio - 2012

15


NHE

A importância da imunização contra a gripe por Influenza a H1N1 A gripe é motivo de preocupação constante para a Saúde Pública no mundo. Esta preocupação aumentou em 2009 com a circulação do H1N1 pandêmico, responsável por milhares de mortes, em vários países. Em 2010, houve grande mobilização para a imunização contra o vírus H1N1 na tentativa de minimizar os riscos de uma nova crise na saúde mundial. A gripe H1N1 - influenza A - ainda gera muitas dúvidas na população. E não é para menos, por isso você pode tirar suas dúvidas abaixo. Perguntas e respostas sobre vacina contra a gripe H1N1 1- A influenza humana é uma doença grave? Geralmente a influenza é uma infecção auto-limitada, ou seja, evolui para cura completa devido à reação do próprio organismo humano à ação do vírus. No entanto, a influenza pode causar doença grave em idosos, pessoas portadoras de doenças crônicas (como diabetes, câncer, doenças crônicas do coração, dos pulmões e dos rins), pessoas imunodeprimidas, gestantes no 2° e 3° trimestres de gravidez e recém-nascidos. Essas pessoas são consideradas grupos de maior risco para apresentar complicações da influenza, como a pneumonia, e podem precisar de atenção hospitalar quando adoecem. 2- Porque são feitas campanhas de vacinação contra Influenza todo ano? Ministério da Saúde do Brasil, a partir de 1999, vem realizando campanhas anuais de vacinação contra a influenza para os idosos com idade de 60 anos ou mais. A composição da vacina varia a cada ano, de acordo com os tipos de vírus da influenza que estão circulando de forma predominante nos hemisférios Norte e Sul. Composição da vacina atual: A/Califórnia/07/2009-Like (H1N1); A/Perth/16/2009-Like (H3N2); B/Brisbane/60/2008-Like. 3- Qualquer pessoa pode tomar a vacina contra a influenza? Sim, a partir dos seis meses de idade e desde que não tenha alergia a ovo (uma vez que esta vacina é produzida em ovos de galinha). No entanto, a política de vacinação contra a influenza atualmente adotada pelo MS é direcionada para os grupos de maior risco de desenvolver as formas graves e complicações da doença (referidos na 1ª pergunta).

4- Quais são as contra-indicações? A vacina influenza sazonal não deve ser administrada em pessoas com história de reação anafilática prévia ou alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados, assim como a qualquer componente da vacina. Pessoas que apresentaram reações anafiláticas graves a doses anteriores também contra-indicam doses subseqüentes ou que apresentam febre no dia da vacina (aguardar e retornar). 5. Qual a duração da proteção conferida pela vacina contra a influenza? A vacina protege por um ano. Entretanto o vírus da gripe é capaz de mudar suas características com muita freqüência, por isso a cada ano é necessário que se tome uma nova vacina. 6. Pode-se ter gripe mesmo estando vacinada contra influenza? Sim, porque a vacina protege contra os três tipos de vírus que anualmente fazem parte da sua composição e porque, entre os idosos, sua proteção não é de 100%. Mesmo assim, a vacinação diminui a gravidade da gripe e, portanto, as chances de complicações e óbitos. 7. A vacina contra influenza pode provocar reações? Sim, mas as reações são geralmente leves. As mais comuns são: dor, vermelhidão e enduração no local de aplicação, que

ocorrem nas primeiras 72 horas após a vacinação. A febre como reação adversa à vacina ocorre em menos de 1% dos casos e reações alérgicas graves (anafilaxia) não são comuns. Acredita-se que as reações estejam associadas aos componentes vacinais, principalmente à proteína do ovo de galinha (que é utilizado na produção da vacina). É essencial que as pessoas que tenham história de alergia a alguma vacina, ao ovo ou a proteínas de galinha, informem ao profissional de saúde antes de receber a vacina. 8. Crianças devem tomar a vacina em duas doses? Todas as crianças acima de 6m e abaixo de nove anos de idade, que tenham indicação de tomar a vacina para Influenza A H1N1 pela primeira vez, devem receber duas doses com um mês de intervalo 9. Quais são os benefícios da vacina contra influenza? Proteção contra o vírus da Influenza ou gripe e contra as complicações da doença, principalmente as pneumonias bacterianas secundárias.

Na região de São José do Rio Preto a partir de 15 de abril de 2012 (SE 16/2012) observa-se a ocorrência de casos confirmados de Influenza A H1N1. Até 19 de junho (SE 25/2012), dos 275 suspeitos foram confirmados 54 casos. Cabe destacar que concentram na região de São José do Rio Preto 70% dos casos do Estado de São Paulo em 2012, sendo que dos 11 óbitos registrados até o momento 8 (72,72%) estão na região de São José do Rio Preto. O Hospital de Base é a principal referência para os casos de SRAG na região. Atendeu 13 dos casos confirmados e destes 3 evoluíram para óbito.

No dia 20 de junho foi realizada no HB/mezanino a “Atualização para o atendimento dos casos de Influenza”.

Casos suspeitos por Influenza A H1N1 Notificados Confirmados Óbitos internados no HB, Jan a 19 Jun/2012. 83 13 3 Fonte: SINAN Web-NHE/HB/FUNFARME

No site do HB estão disponíveis as recomendações – Influenza A H1N1. NHE/HB ramal=1380. 16 Revista do HB - Maio - 2012

Revista hb maio 2012  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you