Page 1


Arqueologias do olhar


Frederico Spada Silva

Arqueologias do olhar (poemas)

Juiz de Fora 2011


Copyright © 2011 by Frederico Spada Silva Impresso no Brasil Printed in Brazil Todos os direitos reservados. E-mail do autor: fredspada@gmail.com Projeto gráfico da capa e do miolo: Eduarda Knaip Alves da Fonseca Fotografia da capa: Frederico Spada Silva (detalhe do Museu Mariano Procópio, Juiz de Fora - MG) Fotografia do autor: Eduarda Knaip Alves da Fonseca Revisão: Eduarda Knaip Alves da Fonseca Texto revisado segundo o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. ___________________________________________________ S586a

Silva, Frederico Spada Arqueologias do olhar: (poemas)/Frederico Spada Silva. – Juiz de Fora: Funalfa, 2011. 86p. ISBN: 978-85-7878-056-2 1. Poesia brasileira. I. Título.

CDD: B869.1 ___________________________________________________ Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage – Funalfa Av. Barão do Rio Branco, 2.234 36016-310 Juiz de Fora - MG Tel. (32) 3690-7033 Fax: (32) 3215-5687


SUMรRIO Prefรกcio 9 Minimalismos da calma 17 Gramรกtica dos sonhos 33 Desmazelos da palavra 45 Deslimites do existir 63


PREFÁCIO Agindo como um homem que escava, assim se inaugura na poesia Frederico Spada Silva: suas imagens legitimam, na densidade como se tecem, a escavação da calma, dos sonhos, da palavra e do existir. Entretanto, antes de enveredar pelas escavações do nosso jovem poeta, é mister que se indague pelo lugar da poesia hoje, sobretudo no Brasil, quando se pensa desde o Modernismo, insuflado pelas suas vanguardas, até a fase contemporânea, marcada por um ecletismo um tanto frívolo e sob a égide do mercado. De fato, Ângela Maria Dias tem razão, ao questionar sobre as expectativas da poesia hoje: num país de leitores recessivos e assolado pela poderosa imantação da mídia eletrônica, “vivendo sua absurda modernidade, de joelhos, no altar da frivolidade atual globalizada, que expectativas a atual produção poética poderia suscitar – depois da radicalidade modernista e dos seus (...) desdobramentos?”. Numa visão bastante pessimista, Iumna Simon faz um balanço que pende para o negativo, afirmando que “à poesia brasileira têm restado pouca negatividade e baixa invenção”. Se, segundo Simon, estamos imersos num ecletismo de timbres e dicções, isso não impede a busca de novos vieses, ainda que marcados por “revisitações” de estilos consagrados, para se pensar no lugar da poesia hoje.

[9]


Ainda que Simon enfatize o lado enfraquecido, legandolhe a margem aviltada da “cópia” ou da apropriação, prefiro acreditar, com Linda Hutcheon, que tal revisitação, uma espécie de “ato paródico estrutural de incorporação e síntese”, pode ser analisada sob dois aspectos: se, de um lado, é o “meio de alguns escritores (...) dominarem e ultrapassarem um precursor influente”, criando a codificação de uma nova forma, de outro, pode-se entender como uma reverência ou uma “forma de preservar a continuidade na descontinuidade”, ou ainda como “impulso conservador da paródia”. O lançamento de Arqueologias do olhar traz à literatura brasileira contemporânea o projeto poético de um jovem constantemente inquieto com a existência e precocemente apaixonado pelas tramas da linguagem. Ao mesmo tempo em que Frederico Spada mostra-se ávido por inserir-se no ritmo das pulsações da contemporaneidade, sua índole poética recusa-se a deixar-se tragar pelos modismos proliferantes, o que confere à sua produção poética um caráter peculiar: sua arqueologia consiste também na escavação de uma convergência – trata-se da convergência entre a tradição e a vanguarda, entre o popular e o erudito, ou seja, sua poesia consubstancia-se como um palimpsesto de vozes. Nesse sentido, cumpre recorrer à etimologia da palavra “palimpsesto”: “papiro ou pergaminho cujo texto primitivo foi raspado, para dar lugar a outro”. Não é outra imagem senão esta a que se vê na poesia de Frederico Spada, ao ecoar vozes

[10]


nítidas do passado, dando continuidade àquela “tessitura básica”, numa profunda “unidade de estilo” – aspectos relevantes na visão de Hugo Friedrich. A propósito, em A arte da poesia, Ezra Pound, num tom didático, aconselha os escritores a se deixarem influenciar pelo maior número possível de grandes artistas, desde que tenham a honestidade de reconhecer sua dívida e desde que a palavra “influência” não signifique “imitação”. A proposta poética já vem estampada no primeiro poema – “Minimalismos da calma”: “Tatear superfícies, sentimentos/observar pelas frestas, pelos cantos/ouvir os sons da vida –/e seu silêncio”. De fato, já a partir desse primeiro poema, sua proposta reputa a concepção de Octavio Paz, para quem a tarefa principal do poeta é purificar a linguagem, e a concepção de Pound, cujo princípio básico é a economia de palavras. Eis a estampa do poema: minimalismo – redução ao mínimo do emprego de elementos ou recursos, extrema concisão e simplicidade. Perpassa em seus poemas uma espécie de confronto entre a ânsia de comunicar-se com o mundo e a necessidade de depurar o que dizer, bem como com quem dialogar. E nessa necessidade de dialogar, o jovem poeta nos dá uma lição de extrema concisão, prorrogando seu minimalismo para a segunda parte – “Gramática dos sonhos”, como no poema “Lição de coisas”: “Extrapola a confidência, o mar, o medo,/para, de mãos dadas, suportar o mundo”. Poder-se-ia

[11]


dizer que Frederico Spada atingiu o ápice do minimalismo com essa reverência ao nosso poeta itabirano. Realmente, na “Gramática dos sonhos” do poeta só não cabe a tirania da regência, que tudo cerceia; na “Gramática dos sonhos” só há espaço para a desconstrução, para a decomposição dos signos e sinais, deixando o horizonte livre e a poesia refratada entre os homens. Sua reverência também se estende a Mário Quintana em “Criação”, na terceira parte – “Desmazelos da palavra” – onde, realmente, a palavra impera num tom cuidadosamente desmazelado, desde o primeiro poema prosaico “Revelação”, passando pelo soneto alexandrino “Criação” (rimas abba/baab/cdc/dcd) e pelo “Pequeno dicionário de incongruências poéticas”. O cuidadoso desmazelo se prorroga pelos poemas-piada, como em “Les misérables”: “Sincero é o sorriso do banguela:/sua gengiva rima a pão com mortadela” – remetendo-nos a Oswald de Andrade. Mais leminskiano que o poema “Leminskianos” são: “Fome é hiato:/intervalo entre o pato e o prato”, ou em “Marginal”: “Réu confesso,/roubo apenas versos./Os corações, eu sequestro”, da terceira parte. Como Leminski, Frederico Spada encontra no haicai o humor e a imagem, a economia verbal e a objetividade, qualidades que, como já se afirmou, são elementares na poesia moderna. Poesia é território sem fronteiras, onde os limites são devassados, permitindo a comunhão universal da poesiamundo:

[12]


eis os “Deslimites do existir”, ecoando o eterno mito do tecer e destecer: “teço e desteço –/para ter, a cada instante,/um outro e novo começo”. Frederico Spada escava o silêncio (“ouvir os sons da vida –/e seu silêncio”, “porque a boca seca/só o que pede/é silêncio”, “o silêncio fala/em todas as línguas”), numa busca incessante de destacar a sonoridade da “voz poética”, como Mallarmé, que buscava a proximidade com o impossível, ou seja, a proximidade com o silêncio. O mesmo acontece com a poesia de Frederico Spada: o silêncio penetra na sua poesia através das coisas caladas e calmas, dos sentimentos contidos, das atitudes comedidas, e de uma linguagem bem sugestiva, com aliterações e assonâncias, numa silenciosa musicalidade: Um fim de tarde fim de azul O sol se põe o mar prossegue A lua nasce e o que era azul se enegrece. O eu lírico se retrai, apenas observa “pela fresta”, “olhar baixo/a procurar o perdido://caminho de entressaudades,/de sonhos outrora vistos”, numa incansável perquirição do fazer poético: trata-se da poesia decifrando a poesia. O olhar do poeta está sempre pronto para decifrar os mistérios do fazer poético, de forma que a metalinguagem é um dos aspectos mais significativos na poesia de Frederico Spada, desde cedo, já engajado no difícil desafio da própria justificação.

[13]


Daí seu trabalho intertextual ou palimpsesto de criação, revelando, além dos já citados – Drummond, Mario Quintana, Paulo Leminski e Oswald de Andrade –, outros na gênese da sua criação: Camões, Fernando Pessoa, Murilo Mendes... As diferentes influências que subjazem a criação poética desse jovem autor só vêm confirmar o que, desde 1998, ano em que tive o prazer de tê-lo como aluno da primeira série do ensino médio, já se preconizava: o talento de um leitor compulsivo. Desde sua primeira produção textual como aluno, cuja leitura fiz de “cabeça erguida”, pressenti um jovem profundamente tocado pela astúcia intelectual e indubitavelmente capaz nas urdiduras da linguagem. A partir de então, ao leitor compulsivo somou-se um escritor compulsivo, de forma que esta coletânea é apenas uma parte da sua extensa produção, o que comprova seu profundo senso crítico e seletivo. Enfim, Arqueologias do olhar congrega convergências, como já se afirmou. Ele é tradicional – “Ah, ‘se tivesse o dom da pintura’, afinal,/‘eu seria um pintor lírico’, pois que sim./Os versos, em veias de tinta, quais a mim,/transcreveriam poesia infinda, natural” – e moderno – “desconstrua./debalde o esforço de fazer-se./vale a decomposição/dos signos/dos sinais”. É popular – “Passear à beira d'água/com o mar roçando os pés/em ondas que vêm e vão/ao bel prazer das marés” – e erudito – “‘Und ich lag mit dir’:/das Gedicht bleibt hier/mit der Zukunft, auf die wir lauern”. É lúcido – “Lúdica é

[14]


a razão/quando diz,/a se gabar,/que é maior que o coração./Não sabe ela/ que, para fazer-se viva,/calamos a emoção?” – e perde a lucidez – “Solo sagrado,/a cama era seu espaço/de acolhimento –//e o gozo liberto/rezava a cartilha/do Velho Testamento”. Deve ressaltar ainda outra convergência (tão cara a Drummond), que é a aproximação entre a poesia e a prosa. Frederico Spada persegue o poético – “caminho de entressaudades,/de sonhos outrora vistos –/encontro de um inesperado/ poema jamais escrito” – e se deleita na prosa – “O homem que sonhava/engolir o mundo com um bocejo/morreu entalado/com não-se-sabe-o-quê”. De tudo resta a gratidão de ter sido lembrada para uma missão tão nobre: apresentá-lo ao mundo da literatura, já que a poesia não é mais apenas uma intenção na sua vida, mas uma realidade inapelável. Se, por um tempo, corrigia as redações do seu discípulo, hoje, concretizando a sabedoria popular, o discípulo, do alto da sua poesia, estende seus olhos para baixo e me ensina a arte do versejar. Helena Maria Rodrigues Gonçalves Juiz de Fora, verão de 2007.

[15]


Minimalismos da calma


1. MINIMALISMO DA CALMA Tatear superfícies, sentimentos observar pelas frestas, pelos cantos ouvir os sons da vida – e seu silêncio.

[19]


2. (A Anna de Pontbriand Vieira) dizer da flor o que ela tem da vida. seu viver/morrer cada dia. dizer da flor o que ela tem de nós. uma fantasia a chamar atenções. dizer da flor o que ela tem de sonho, beleza, tolice. dizer de nós o que temos de humano. e não.

[20]


3. MANSIDÃO Passear à beira d’água com o mar roçando os pés em ondas que vêm e vão ao bel prazer das marés.

[21]


4. (Sobre o pôr do sol em Florianópolis) Um fim de tarde fim do azul O sol se põe o mar prossegue A lua nasce e o que era azul se enegrece

5. TEMOIGNAGE Une vague s’en va en silence.

[22]


6. BUSCA POÉTICA olhar baixo, a procurar o perdido: caminho de entressaudades, de sonhos outrora vistos – encontro de um inesperado poema jamais escrito.

[23]


7. Miopia: do jeito que a coisa vai, há de chegar o dia em que só verei direito o que, de tão perto, me vai por dentro – e cego ao que anda fora, acabarei me conhecendo.

[24]


8. mesmo profunda, a dor primeira passa, e a segunda quando chega jรก nem tem graรงa: mas ainda dรณi, dorzinha ingrata!

[25]


9. e a impressão que fica é essa vontade que nos sussurra poesia com a delicadeza de quem fecha em si suas feridas : indolor, asséptica e inesquecível.

[26]


10. INVERNO Frio, mas nem tanto: a toda dor que geme aquece o pranto.

[27]


11. A tarde no seu fim ĂŠ como um poema rascunhado.

[28]


12. NOTURNO (A Eduarda Knaip Alves da Fonseca) Poesia posta ao ch達o, a cidade a iluminar-se traz para si as estrelas que de t達o longe a espreitam.

[29]


13. „Und ich lag mit dir“ ¹: das Gedicht bleibt hier mit der Zukunft, auf die wir lauern.

_______________ ¹ Paul Celan “E eu deitado contigo”: a poesia permanece aqui, com o futuro que espreitamos. (O verso citado é parte do poema “Tau”/“Orvalho”, traduzido por Claudia Cavalcante e publicado na antologia Cristal, ed. Iluminuras.)

[30]


14. “De mim talvez ainda menos” ², de tudo, então… deixemos quieto: a vida guarda sempre seus segredos – é livro em branco, e não um livro aberto.

_______________ ² Verso de Luíza Palhares de Melo.

[31]


15. MINIMA MORALIA I(nte)rrupção.

[32]


Gramรกtica dos sonhos


§ 1. EXEGESE “Só há poesia na surpresa” ³ – e a vida, aos sustos, verseja.

_______________ ³ Verso de Anna de Pontbriand Vieira.

[35]


§ 2. LIÇÃO DE COISAS Extrapola a confidência, o mar, o medo, para, de mãos dadas, suportar o mundo.

[36]


§ 3. Lúdica é a razão quando diz, a se gabar, que é maior que o coração. Não sabe ela que, para fazer-se viva, calamos a emoção?

[37]


§ 4. O homem que sonhava engolir o mundo com um bocejo morreu entalado com não-se-sabe-o-quê.

[38]


§ 5. (DES)CONSERTO (A Luana Barcelos) desconstrua. debalde o esforço de fazer-se. vale a decomposição dos signos dos sinais. assim amplia-se o horizonte do olhar alarga-se a beleza do sorriso e o desafio que se vislumbra passa a chamar-se poesia.

[39]


ยง 6. pedagogia do olhar : tatear palavras recitar universos para ver no ar a poesia refratada entre os homens

[40]


§ 7. Brincar de infinitivo (sem tempo por conjugar ou gerúndio que nunca acaba): a gramática dos sonhos só o que não quer é regência.

[41]


§ 8. É noite, e ceio o sono que me alimenta. [Ninar poemas requer vigílias e dicionário.]

[42]


* Observação: EMERGÊNCIA Em caso de tédio, quebre o silêncio.

[43]


Desmazelos da palavra


1. REVELAÇÃO Espelho natural, a água é o primeiro registro da fotografia.

[47]


2. CRIAÇÃO Ah, “se tivesse o dom da pintura”, afinal, “eu seria um pintor lírico” 4, pois que sim. Os versos, em veias de tinta, quais a mim, transcreveriam poesia infinda, natural. Co’ as cores tão diversas dum verso sem fim, traço linhas difusas, visão surreal, a mostrar, num papel, a perfeição formal de palavras e vidas sitiadas em mim. E as linhas de verso tomam perfeita forma, mesclam-se cores, e figuras vão surgindo. O doce traço da imagem se deforma, com toda a razão, outrora aqui, se esvaindo, e nasce, enfim, a poesia, que se transforma em obra de arte tal, que se vê sentindo.

_______________ 4

Mario Quintana, “O retrato de Eurídice”, em Da preguiça como método de trabalho, ed. Globo.

[48]


3. (A Manoel de Barros) MĂĄquinas de escrever desescrevem o silĂŞncio.

[49]


4. PEQUENO DICIONÁRIO DE INCONGRUÊNCIAS POÉTICAS Verbete I: Biografia – uma vida encadernada. Verbete II: Flor – o avesso da semente. Verbete III: Metamorfose – o papel é o casulo da palavra. Verbete IV: Viver – colecionar saudades.

[50]


5. EMBARCAÇÃO Foi com muito custo que os homens aprenderam a andar sobre as águas.

6. CARTOGRAFIA Basta um simples olhar por sobre o plano para que se cruze todo um oceano.

[51]


7. Fome é hiato: intervalo entre o pato e o prato.

8. LES MISERABLES Sincero é o sorriso do banguela: sua gengiva rima a pão com mortadela.

[52]


9. LEMINSKIANOS concreto: a poesia é fato, ato que meço pelo tamanho do verso discreto: o poema se esconde não se sabe onde secreto: o poeta é sigilo – questão de estilo

[53]


10. O PORNÓGRAFO Sempre sozinho no quarto, rondado de suspeitas, à meia-luz torcia-se todo em posições quase trejeitas: pura pornografia afogada em sofrimento: um lápis, um poema, papéis, dedos sedentos – tudo numa orgia de rimas, versos e sentimentos.

[54]


11. CUPIDO Padecia de silogismos: insistia em unir sentenças numa mesma conclusão.

[55]


12. ad infinitum a d煤vida oscila entre os dedos: onde a palavra que se quer exata mas s贸 em sombras vejo?

[56]


13. Descartável, quase sempre, é a rima – buscar palavras certas, às vezes, desanima.

[57]


14. INCLINAÇÃO Nem só em pedras tropeço – também nas palavras que não meço.

[58]


15. RAREFEITO Sinal dos tempos: palavra é bem escasso – se achar quem tenha, apago.

[59]


16. SEDE Colher no céu qualquer palavra que me complete, que fale por mim – porque a boca seca só o que pede é silêncio.

[60]


17. MULTILÍNGUE Palavra contida, o silêncio fala em todas as línguas.

[61]


Deslimites do existir


1. Era como se estivesse na Itabira de Drummond, na Juiz de Fora muriliana, no Rio de Machado ou na Lisboa desassossegada de um tal Fernando: vivia por entre ruas literårias, num tempo de lirismo vivo, poesiamundo. Vivia – atÊ quando Deus, que sua vida lia, fechou-lhe o livro, entediado.

[65]


2. Era dela o picadeiro. Clown da vez, pecado só tinha um: roubava. Mas como fossem sorrisos o que, com tanto afinco, furtava, sempre teve, na alegria da plateia, a sua redenção.

[66]


3. 5

“Má sorte que ela fosse puta” e entre seus amores tantos só das notas lhe viesse o gozo – gemer era ardil preciso: dava ao trabalho certo ar jocoso.

_______________ 5

Título de peça teatral de John Ford, traduzida por Aníbal Fernandes e publicada pela Editorial Estampa.

[67]


4. AUTO DE FÉ I Solo sagrado, a cama era seu espaço de acolhimento – e o gozo liberto rezava a cartilha do Velho Testamento. II Sem lápis e papel não viveria: comungava versos religiosamente, todo santo dia.

[68]


5. fosse gĂŠlido o inferno ou mar de pirotecnias, nevavam no paraĂ­so flocos de sons e poesias.

[69]


6. madrugada é toque: a mão enxerga melhor à meia-luz.

[70]


7. Roçar a pele, os pelos, orifícios – os arrepios são ossos do ofício.

[71]


8. Impressas nas superfĂ­cies os dedos seguem as linhas desenham contornos, cores : mapeiam sombras de tuas curvas por entre os ais de nossos amores.

[72]


9. MARGINAL Réu confesso, roubo apenas versos. Os corações, eu sequestro.

[73]


10. Era rima a tua carne, ardente e brilhante dia era esgrima a tua face, exata caligrafia era rede ou anzol e linha o olhar que me confundia era noite e estrela e lua o cĂŠu que nos envolvia.

[74]


11. DESCOBRIMENTO DA CARNE Feito oceano de mistérios e segredos tua boca de procelas me inunda de carícias: içar velas, navegar teu corpo, fincar bandeira em teu colo – terra estrangeira.

[75]


12. mar : molhar os pĂŠs de fininho e sentir que nem sempre a terra ĂŠ firme [como nem sempre a vida ĂŠ sonho, e inda assim vivemos].

[76]


13. O mar que tenho em mim é poesia; os olhos, o horizonte fito, salvação. O verso a que dou nome é travessia dos continentes daqui do meu coração.

[77]


14. PESSACH Nas palavras me afogo – e reinvento o respirar.

[78]


15. A GRANDE TRAVESSIA Dentro do frio rio.

[79]


16. dentro da chuva que nĂŁo tinha fim, entre rumores e silĂŞncios tais, revi a vida que havia em mim: ainda sou eu, mas posso ser mais.

[80]


17. Faço da vida uma linha que a todo tempo teço e desteço – para ter, a cada instante, um outro e novo começo.

[81]


18. Quando morrer, quero-me ponto de tinta em folha alva: renascer como poema – apenas alma.

[82]


19. SILENCIO Oigo una canción que no existe, un poema sin fin que me acompaña y que se escribe en lenguas que aún ignoro. Lo veo entre los árboles, siguiendo la luz que del sol nos tiñe de rojo el alma e ya no creo posible cerrarlo en mis manos.

[83]


Frederico Spada Silva Nascido em Belo Horizonte, em 1982, vive em Juiz de Fora desde 1990. É Mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal de Juiz de Fora, com dissertação sobre a obra poética de Hilda Hilst, e é licenciado em Letras (Português, Francês, Latim e respectivas literaturas) pela mesma instituição. Escreve desde a adolescência e já participou de diversos concursos literários, tendo obtido alguns resultados relevantes: 6º lugar no 1º Concurso de Poesias da Academia Dorense de Letras, na categoria ‘soneto’, e 15º lugar no mesmo concurso, na categoria ‘poesia moderna’, tendo ambos os textos sido publicados em antologia (Boa Esperança-MG, 2001); 39º lugar no 20º FESP – Festival Estadual de Poesia do CLESI (Ipatinga-MG, 2005), com publicação do poema no volume 7 de Poesia de bolso; menção honrosa (4º lugar) no 4º Prêmio Nacional de Poesia – Cidade Ipatinga e 2º, 7º e 26º lugares no 21º Festival Estadual de Poesia do CLESI (Ipatinga, 2006), publicados, respectivamente, nos volumes 8 e 9 de Poesia de bolso; menção honrosa (4º lugar) no 6º Prêmio Nacional de Poesia – Cidade Ipatinga e 6º, 11º e 35º lugares no 23º Festival Estadual de Poesia do CLESI (Ipatinga, 2008), publicados, respectivamente, nos volumes 12 e 13 de Poesia de bolso. Arqueologias do olhar é seu livro de estreia.


Este livro foi impresso pela GRテ:ICA & EDITORA NOVA FLORESTA, para a Funalfa, na primavera de 2011, com tiragem de mil exemplares.

Arqueologias do olhar  

Livro de estreia do autor, publicado pela Funalfa, em 2011, com apoio da Lei Murilo Mendes de Incentivo à Cultura, da Prefeitura Municipal d...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you