Page 1

Relat贸rio GRAFITOD 2013-2014


Histórico: Essa ação faz parte de um projeto mais amplo, o de possibilitar jovens, principalmente os de periferia e de pequenas cidades o contato com a arte. Nesse sentido em uma primeira parceria com a Vale, elaboramos o projeto GRAFITOD, dos quais viemos ao longo dos últimos dois anos, realizando atividade formativas com moradores dos bairros Olhos D’água e Pilar Dessa forma, a proposta do curso de graffiti surge com o objetivo de desenvolver uma formação com os jovens moradores das áreas do entorno do Terminal Vale Olhos D`água, visando proporcionar a estes jovens um espaço para a experimentação da técnica do desenho e graffiti, aliada à reflexão sobre a cultura, juventude, dentre outras questões da vida no meio urbano.


Histórico: Esta ação diz respeito a uma ação de formação com jovens da Escola Municipal Pedro Nava, tendo como monitoria jovens participantes do projeto GRAFITOD, foram cerca de 17 encontros distribuídos em aulas teóricas e praticas, uma visita monitorada ao centro de arte contemporânea INHOTIM externa e o produto final, produto esse que foi a produção de 01 painel artístico de 40x4m no muro da escola. O Graffiti é um movimento artístico capaz de dialogar com seus expectadores por meio de suas mensagens, ilustrações, traços e cores. A proposta surge no sentido de criar um relacionamento ainda mais harmonioso entre a empresa e a comunidade local, assim como fortalecer um cenário promissor dos jovens ligados a arte daquela comunidade.


Objetivo do projeto: - Dar continuidade às ações do projeto de Graffiti na área entorno do terminal Olhos D’água; - Incentivar e estimular jovens artistas para a produção de arte coletiva, difundindo cultura e formação; - Promover outras vivencias culturais na otimização das relações interpessoais e comunitárias; - Propiciar o dialogo entre os jovens do bairro - Estimular, fomentar, difundir novas produções e descobrir novos talentos artísticos; - Promover a produção desses jovens artistas através de uma série de ações coletivas; - Criar momentos de trocas e intercâmbios entre participantes e artistas através de atividades de produção e criação coletiva; - Legitimar e oferecer espaço físico e apoio técnico profissional para a produção artística; - Possibilitar que os participantes percebam o ambiente urbano, sintam-se inseridos nele e proponham ações em benefício dos interesses de uma coletividade;


Critério de participação:

1 - Interesse em participar do curso 2 - Ser morador da região do Pilar/ Olhos D’água; 3 - Estar na faixa etária de 12 a 15 anos; 4 – Estar frequente no projeto Escola Integrada;


Material Gráfico: 1.

Cartaz (Mobilização);

2.

Ficha de inscrição ( Modelo);

3.

Ficha de inscrição (Preenchida);

4.

Banner (Modelo);

5.

Camisa (Modelo);

6.

Convite formatura: Pais/ Responsáveis e Parceiros (Modelo);

7.

Certificados.


FICHA DE INSCRIÇÃO


FICHA DE INSCRIÇÃO PREENCHIDA


Mobilização: O processo de mobilização dos jovens para a participação no curso foi realizado especialmente através de divulgação na escola, inicialmente, tivemos reuniões com direção e coordenadores da escola Pedro Nava, para explicar a proposta, conhecer mais sobre o cotidiano e construir conjuntamente estratégias de sensibilização.

Dessa forma fizemos um recorte para atuarmos com os alunos da escola que participam da escola integrada, de forma a ampliar o capital cultural desses jovens em novas ações formativas, prioritariamente entre 11 a 14 anos. Também convidamos os jovens que já passaram pela primeira formação na pintura do muro de trilhos. Para a realização da divulgação adotamos como estratégia: panfletagem, colagem de cartazes e corpo-a-corpo, passando por cada sala de aula que tivesse o perfil acima.


Metodologia de ensino: Os encontros realizados dentro da “sala de aula” destinaram-se a uma preparação para o trabalho prático no muro, desta forma, os jovens tiveram contato com os princípios básicos de letras, desenho, uso de spray em tela, entre outros aprendizados, que contribuíram para a grafitagem do muro da escola. Os materiais utilizados nos encontros eram de uso coletivo, o que permitiu que os jovens além de terem acesso aos materiais, também exercitarem práticas coletivas. Toda organização do material, assim como a limpeza do espaço ao fim dos encontros, ficaram sob a responsabilidade de todo o grupo.


Metodologia de ensino: Ao elencarmos os temas trabalhados no Curso de Graffiti tentamos fazer com que as temáticas abrangessem mais do que técnicas para uma formação inicial no trabalho com o Graffiti. Consideramos também aspectos como desenvolvimento da convivência em grupo, relações comunitárias, potencializando o espaço do curso enquanto possibilidade de desenvolvimento humano para a cidadania. Para conseguirmos trabalhar dessa forma, envolvendo os jovens e considerando a importância da participação deles enquanto sujeitos, construímos combinados, que ousamos chamar de consensos.


Metodologia de ensino: Os encontros geralmente foram divididos em quatro momentos: 1) Introdução e sensibilização do tema: onde os educadores relatavam de maneira breve o que seria trabalhado no dia e sensibilizavam os jovens para a importância do desenvolvimento de determinada atividade. 2) Desenvolvimento: neste momento eram abordados, por meio de atividades especificas, os conceitos a serem trabalhados. 3)Lanche/intervalo: Momento que era servido o lanche, e consequentemente momento de interação entre educadores e jovens, e entre os próprios jovens. 4) Fechamento da atividade: momento de conclusão da atividade ou produção do dia. Buscando dar um suporte acerca de possíveis dúvidas surgidas no desenvolvimento da atividade.


Planejamento e execução das atividades: Todo o planejamento das atividades foi realizado pela equipe pedagógica, formada por dois educadores, uma pedagoga e um produtor cultural. Esta equipe foi responsável pelo planejamento dos encontros, produção dos planos de aula, execução das atividades propostas e avaliação.

O trabalho pedagógico se deu a partir de reuniões semanais; durante os encontros propriamente ditos; e também nos momentos pós encontros, onde as atividades do dia eram avaliadas. Este processo de organização permitiu um constante aprimoramento do trabalho pedagógico, que além de objetivar a formação dos jovens na técnica do graffiti, buscou também abranger uma formação mais ampla, envolvendo os processos de sociabilidades juvenis.


Percurso formativo:

Formação

Mobilização

Encontro Externo

Pintura do Muro


Cronograma: Foram realizados um total de 17 encontros, dentre os quais, 14 foram realizados em “sala de aula”, na EM. Pedro Nava, localizada à Avenida São Pedro da Aldeia, nº 45, duas vezes por semana, às quarta e sexta, de 13:30h às 16:00h. Tivemos 01 encontro externo, sendo a visita ao Inhotim. Por fim, outros 02 encontros foram de pintura do muro. Assim o curso teve duração de 62 h/aula.


BANNER

CAMISAS


CONVITE AOS PARCEIROS


CONVITE AOS PAIS RESPONSAVEIS


CERTIFICADO


Pontos positivos:

• A comunidade ganha mais uma grande obra de arte ao céu aberto; • Os jovens criam entre eles e familiares uma boa relação; • A escola se torna uma referência em aspectos de projetos de sucesso;

• Os laços entre empresa e comunidade se fortalecem; • Sensibilização dos jovens para arte e cidadania; • Reconhecimento dos jovens enquanto agentes sociais por parte da

comunidade.


Desdobramentos:

Ampliação da formação dos jovens

Agentes Multiplicadores

Difusão das ações para outras localidades. Ex. Tejuco e Espaço Estação do Conhecimento Vale


ATIVIDADES FORMATIVAS


ATIVIDADES FORMATIVAS


ATIVIDADES FORMATIVAS


VISITA EXTERNA


MURO ANTES


MURO FINAL


MURO FINAL


FORMATURA


FORMATURA

DLTCultural_ relatorioGRAFITOD_201314  

Essa ação faz parte de um projeto mais amplo, o de possibilitar jovens, principalmente os de periferia e de pequenas cidades o contato com a...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you