Page 1

MOVIMENTO_ ARTE ARTICULANDO EDUCAÇÃO E CULTURA NA PERIFERIA

FRANCIELE BORTOLASSI


MOVIMENTO_ ARTE ARTICULANDO EDUCAÇÃO E CULTURA NA PERIFERIA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU ARQUITETURA E URBANISMO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO

FRANCIELE BORTOLASSI ORIENTANDA

SÉRGIO SALLES ORIENTADOR


4


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Agradecimentos

A todos aqui citados desempenharam um papel importante na jornada de formação do eu hoje. Aos meus familiares que me apoiaram desde o início. Aos meus professores, que direta ou indiretamente me guiaram para melhor desenvolvimento do projeto. Aos meus amigos, amizades que fizeram parte da minha formação, que estavam sempre ali, apoiando uns aos outros nas horas boas e ruins. À Deus.

Lembre-se, você é mais sábio, forte e inteligente por ter cometido desacertos na vida. 5


RESUMO 6


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Resumo

RESUMO Este trabalho retrata o estudo da concepção de uma escola de ensino profissionalizante técnico voltada aos cursos de Produção Cultural e Design, unida a uma Casa de Cultura no Distrito de Ermelino Matarazzo, bairro que está localizado na Zona Leste de São Paulo. Partindo do estudo de projetos dessa mesma tipologia, utilizando conceitos e linguagens que serão aqui apresentados. Na busca de uma problemática na região de Ermelino Matarazzo, é utilizado como premissa o estudo de uma infraestrutura necessária nas proximidades, trazendo diretamente a ausência de equipamentos culturais e educacionais profissionalizantes. Levando em conta a ausência de espaços relacionado a Arte, Ermelino é uma região rica em cultura, mas não há um espaço apropriado para se aprimorar, em relação aos estudos culturais, e nem para a apresentação espontânea dos coletivos do Movimento Cultural de Ermelino Matarazzo. Propõe-se então uma ETEC de Artes vinculada à uma Casa de Cultura na Zona Leste de São Paulo. POR QUÊ?

Por Ermelino ser uma região com uma variedade de coletivos culturais, havendo então uso devido do local. Também por ser uma região desprovida de escolas técnicas, de locais que ensinam profissionalmente a produção Cultural. Trazendo assim essa massa de pessoas interessadas em se aprimorar.

IMAGEM 01| Horizonte do bairro. Fonte: Autor IMAGEM 02| Vita aérea do local. Fonte: Google Eath

Dentro do tema de ensino profissionalizante este trabalho trata sobre o técnico de nível médio. Possibilita a obtenção de um diploma e qualifica o aluno a ingressar tanto no mercado de trabalho quanto para continuar seus estudos no nível superior.

7


SUMรRIO 8

IMAGEM 03| Parte do Cรณrrego do Parque Linear Mongaguรก em frente ao terreno; Fonte: Autor


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Sumário

SUMÁRIO 1.

INTRODUÇÃO

08

1.1 1.2 1.3 1.4

PROBLEMÁTICA LOCALIZAÇÃO OBJETIVOS JUSTIFICATIVA

10 12 17 17

2.

OCUPAÇÃO CULTURAL MATEUS SANTOS

18

3.

BIBLIOTECA RUBENS BORBA DE MORAIS

24

4.

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL

26

4.1 4.2 4.3 4.3

ENSINO PROFISSIONALIZANTE TÉCNICO NA ZONA LESTE DE SÃO PAULO CENTRO PAULA SOUZA POR QUE UMA ETEC DE ARTES? CATÁLOGO NACIONAL DE CURSOS TÉCNICOS

28 28 29 36

5.

O LUGAR

38

5.1 5.2 5.3 5.4 5.5 5.6

ANTECEDENTES ENTORNO PARAMETROS URBANÍSTICOS FORMAÇÃO DO BAIRRO ATRAÇÕES DIAGRAMAS CONDICIONANTES

38 40 42 44 46 50

6.

ESTUDO DE CASO

56

6.1 6.2 6.3

GALLERY OF ROLKA STUDIO PROMENADA/ENOTA FUNDAÇÃO BRADESCO

56 58 60

7.

MOVIMENTO_ARTE

62

7.1 7.2 7.3 7.4 7.5

PROCESSO PROGRAMA MEMORIAL O PROJETO SUSTENTABILIDADE

64 66 68 70 98

8.

BIBLIOGRAFIA

100 9


INTRODUÇÃO 10


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

“APESAR ESSA EXCLUSÃO SOCIOESPACIAL, AS PERIFERIAS SÃO RICAS EM CULTURA, A QUAL É DESENVOLVIDA PRINCIPALMENTE PELOS TRABALHOS DE COLETIVOS ARTÍSTICOS, PERTENCENTES A ESSE TERRITÓRIO. O QUE NÃO EXISTE SÃO INVESTIMENTOS, ESPAÇOS ADEQUADOS DE FORMAÇÃO, FOMENTO E PRODUÇÃO CULTURAL, RESULTADO DE UMA EXCLUSÃO QUE IGNORA OS ESPAÇOS MARGINAIS DA CIDADE COMO PRODUTORES E CONSUMIDORES DE ARTE.”

(PEÇANHA,2011,PAG.08). 11


Introdução nome

12


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Introdução

1. INTRODUÇÃO 1.1 PROBLEMÁTICA

O mapa ao lado reúne os dados sobre equipamentos culturais na cidade de São Paulo, e percebe-se que esses equipamentos estão concentrados na área central da cidade, enquanto as áreas periféricas estão em menor quantidade e mais distanciados. Este trabalho procura retratar a questão da cultura periférica e do equipamento cultural nas periferias de São Paulo. O tema se desenvolveu a par tir do levantamento da ausência desses equipamentos no território de Ermelino Matarazzo e o reconhecimento dessa ausência em territórios similares na cidade.

Mas quem seriam os atores envolvidos na pratica e produção dessa cultura periférica? Os Coletivos Artísticos que são grupos culturais que tentam abranger essa demanda por cultura nas periferias da cidade, com uma produção independente, ofertando essa manifestação artística politico-social. É então que entra essa demanda em Ermelino Matarazzo, onde há varios coletivos artistas que se reunem na Ocupação Cultural Mateus Santos e na Biblioteca Rubens Borba de Morais, mas que são espaços limitados.

Com o tema em questão, a periferia pode ser retratada como um isolamento urbano, seus moradores tendem a frequentar locais de estudo e trabalho distantes de suas residências, enfrentando horas e horas no transporte para atingir seu destino. E quando estão na permanência em seus bairros estão distantes de incentivos culturais como centros culturais, escolas profissionalizantes na área de cultura, bibliotecas e outros equipamentos públicos importantes. Estabelecendo este incentivo à cultura nas periferias, é questionado:

IMAGEM 04| Mapa dos Equipamentos de Cultura em São Paulo. Fonte: Geosampa e http://periferiaemmovimento.com.br/cultura-estrangulada/

“Segundo a pesquisa do “Mapa da Desigualdade”, publicada pelo Rede Nossa São Paulo, dos 93 distritos, 60 não possuem museus, 54 não dispõem de cinemas e 53 não têm sequer um centro ou espaço cultural para a comunidade. Essa realidade é incentivo para muitos coletivos que desenvolvem trabalhos com o objetivo de conseguir editais e, consequentemente, condições de realizar suas atividades em locais com pouco acesso à cultura.” EM JORNAL, fevereiro 2019. 13


IMAGEM 05| Mapa do Brasil. Identificação do Estado de São Paulo Fonte: Google Earth, Produzida pelo Autor.

Localizada na Zona Leste de São Paulo, seu principal acesso é pela Marginal Tietê com a Rodovia Ayrton Senna e pela a Linha 12 Safira da CPTM, contendo as estações USP Leste e Comendador Ermelino. Ermelino Matarazzo tem uma área de 8,70 km² com uma população de com cerca de 113 mil habitantes.

14

IMAGEM 06| Mapa do Estado de São Paulo. Identificação da Cidade de São Paulo Fonte: Google Earth, Produzida pelo Autor. IMAGEM 07| Mapa da Cidade de São Paulo Idendificação do Bairro Ermelino Matarazzo Fonte: Google Earth, Produzida pelo Autor.


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Lugar

1. INTRODUÇÃO 1.2 LOCALIZAÇÃO

15


16

IMAGEM 08| Mapa do Distrito de Ermelino Matarazzo. Identificação do Eixo Comercial do bairro. Fonte: Google Earth, Produzida pelo Autor.


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Introdução

1.2 LOCALIZAÇÃO Eixo Central do Bairro, onde está localizado todo o centro comercial de Ermelino Matarazzo. Percebe-se que o terreno destacado no mapa é um grande vazio subuitlizado.

IMAGEM 09| Eixo Comercial do bairro. Identificação do terreno, área de intervenção e fluxo de veículos. Fonte: Google Earth, Produzida pelo Autor.

17


Introdução

IMAGEM 10| Ocupação Cultural Mateus Santos, ocupado no edifício abandonado da antiga Subprefeitura do bairro. Fonte: Autor IMAGEM 11| Vista aérea do local. Terreno. Parque Linear Mongaguá. Ocupação. Fonte: Google Eath editado pelo Autor.

18


ENSINOMOVIMENTO_ARTE PROFISSIONALIZANTE TÉCNICOeducação Aproximação entrena Cultura e Arte articulando e cultura periferia – – Introdução

1. INTRODUÇÃO 1.3 OBJETIVOS

1.4 JUSTIFICATIVA

A área de intervenção abordada por este trabalho é situada em um vazio urbano, na área central comercial mais movimentada do bairro de Ermelino Matarazzo, que há décadas está subutilizado. Em uma aproximação mais precisa, é um terreno adjacente à Ocupação Cultural Mateus Santos e ao Parque Linear Mongaguá que são utilizados como palco das transposições culturais no bairro. Se mostrando um símbolo de resistência do próprio bairro e população. Busca-se então uma possibilidade de melhorar a infraestrutura de educação e cultura em Ermelino Matarazzo. O objetivo geral consiste em elaborar um conceito não somente para a Arquitetura Escolar, mas também para a Intervenção Cultural, de forma a expor soluções arquitetônicas na criação dos espaços, mostrando como a pessoa se relaciona com o ambiente construído.

A instalação desse equipamento cultural, relacionado a um programa de ensino e a um programa de apresentação espontânea, se justifica, pois além da evidente efervescência cultural demonstrada pelo percurso histórico e análises de mapeamento, traz também a possibilidade de maior envolvimento da população local que nunca teve acesso a esse tipo de equipamento, não só pelo fato estar em uma zona periférica da cidade, mas por nunca ter existido um equipamento desse porte nas proximidades.

19


OCUPAÇÃO 20


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Ocupação

2. OCUPAÇÃO CULTURAL MATEUS SANTOS

“Cultura é um direito garantido na constituição, e Ermelino Matarazzo só tem uma Biblioteca como espaço cultural.” Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=Jp1nAfMXr4k

A população de Ermelino Matarazzo vem lutando há mais de 20 anos pedindo ao setor público uma Casa de Cultura no bairro. Localizado na Zona Leste da capital paulista, é marcado por uma grande efervescência cultural, com diversos grupos de artistas e coletivos que atuam nas mais variadas vertentes artísticas, como: teatro, literatura, rádio, grafite e música. E ainda assim, o bairro sempre foi desprovido de espaços públicos de cultura. Em dezembro de 2013 esses coletivos fizeram uma ação de protesto para a reivindicação da Casa de Cultura. Depois de muita luta, em 2016, conquistaram a oficialização da Casa de Cultura Municipal Ermelino Matarazzo, criada a partir do decreto 57.528/2016.

IMAGEM 12| Ocupação Cultural Mateus Santos, ocupado no edifício abandonado da antiga Subprefeitura do bairro. Fonte: Autor IMAGEM 13| Foto da Ação que aconteceu na Avenida Paranaguá, em frente ao edificio abandonado da antiga Subprefeitura do bairro, em 2013, reinvindicando a Casa de Cultura em Ermelino Matarazzo.

A luta desses coletivos culturais resultou na Ocupação Cultural Mateus Santos, ocupado na antiga sede da Subprefeitura do Bairro. Mas a Casa não se concretizou na prática, pois o poder público municipal deixou o espaço desamparado, alegando que não há recursos para a contratação de funcionários e nem a manutenção do local. O Movimento é composto pela junção desses coletivos e artistas da região. Então toda a manutenção do espaço e as atividades e limpeza do local é feita por voluntários.

21


OCUPAÇÃO 22


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Ocupação

2. OCUPAÇÃO CULTURAL MATEUS SANTOS

“As atividades só estão acontecendo por conta do apoio da comunidade. A gestão (prefeitura 2017) tem feito várias ações de perseguição, como corte de energia e água. São os vizinhos da ocupação, os artistas, que estão fornecendo água com baldes e galões, além de material de limpeza e contribuições de financiamento coletivo para manter nossas atividades”. explicou SOARES, 2017. Fonte:https://www.redebrasilatual.com.br/entretenimento/2018/02/casa-de-cultura-de-ermelino-matarazzo-amplia-programacao-para-resistir-a-fechamento

Renomeada em homenagem ao professor, formador e artista plástico, que viveu em Ermelino, e com suas pinturas ele registrou a transformação do bairro ao longo de toda sua obra, assim como influenciou muitos dos artistas que hoje resistem nesta localidade. Ao longo desses 3 anos, o Movimento vem desenvolvendo atividades culturais gratuitas para a comunidade da região, atendendo uma média de 1.000 pessoas ao mês, com atividades de formação cultural com oficinas, debates, rodas de conversa e cursos de profissionalização, eventos no geral e produção cultural com ensaios e criação artística. Durante esse período, as ações desenvolvidas foram possibilitadas por meio de parceiras tanto com os coletivos locais, com o poder público quanto com empresas privadas. Contudo, esses métodos de financiamento não contribuem para o suporte das ações a longo prazo. Apesar de atualmente ser o único centro cultural do bairro, os ocupantes lutam para que o espaço fique aberto, neste ponto de vista, o movimento cultural passou a pedir apoio as pessoas, coletivos e usuários da Ocupação Cultural Mateus Santos, para que possam contribuir para a manutenção desse espaço tão importante para o bairro de Ermelino Matarazzo.

IMAGEM 14| Ocupação Cultural Mateus Santos, evento externo 26/09/2018 Fonte: Facebook Ocupação Cultural Mateus Santos h t t p s : / / w w w. f a c e b o o k . c o m / p g / o c u p a c a o m a t e u s s a n t o s / photos/?ref=page_internal

23


OCUPAÇÃO 24


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Ocupação

2. OCUPAÇÃO CULTURAL MATEUS SANTOS

o céu acordando os pássaros cantando e você ai deitado o Sol ja nascendo o solo se aquecendo e você aí gelado o mundo te sorrindo o dia tão lindo e você aí trancado o ônibus passou o almoço já esfriou e você está atrasado a criança já cresceu o amor já te esqueceu e você aí calado a lua já saiu a chuva já caiu e você nem tá molhado as tardes te deixaram as noites te chamaram e você nem viu recado os anos se passaram estações já mudaram e você aí parado a vida já se foi a sua foi depois e você desavisado e você aí perdido no seu tempo programado você aí escondido no seu ar condicionado RODRIGUES, Victor. Praga de poeta. São Paulo. 2012 (Periferia Invisível)

Desde a sua fundação, o Movimento Cultural conta com apoio de vários Coletivos, Grupos e Agentes envolvidos neste movimento. Ermelino possui coletivos culturais espalhados pelo bairro, realizando suas atividades em espaços cedidos pela comunidade, em praças ou órgãos públicos, como no caso a Biblioteca Rubens Borba. As ocupações e coletivos culturais, realizam suas oficinas e atividades artísticas em parceria, como forma de fortalecimento e propagação da cultura em Ermelino. Coletivos, Grupos e Agentes envolvidos Neste Movimento: “Muros Que Gritam …” Slam da Guilhermina Deejay Neoum Grupo doBalaio Periferia Invisível Fórum de Cultura Zona Leste A ocupação conta com uma programação cultural durante os meses. Promove oficinas de Serigrafia, de Estêncil, de músicas, Teatro, DJ, ensaios, sarau, rodas de poesia e conversas, debates, aulas de capoeira, diversos tipos de dança, Cine Pipoca e Intervenções Urbanas. Há uma grande rotatividade de pessoas na Ocupação, o que causa a mudança de algumas atividades conforme a disponibilidade das pessoas.

IMAGEMs 15| Ocupação Cultural Mateus Santos, atividades artísticas jul/ago 2019 Fonte: Facebook Ocupação Cultural Mateus Santos h t t p s : / / w w w. f a c e b o o k . c o m / p g / o c u p a c a o m a t e u s s a n t o s / photos/?ref=page_internal

25


BIBLIOTECA 26


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Biblioteca

3. BIBLIOTECA RUBENS

BORBA DE MORAIS

Nomeada em homenagem ao bibliotecário Rubens Borba Alves de Moraes, que muito contribuiu, ao lado de Mário de Andrade e outros pensadores, para a criação de um Departamento de Cultura da Cidade de São Paulo, na década de 30. Foi inaugurada em 19 de maio de 1990, hoje com 29 anos de história. Desempenha um papel importante na comunidade, pois é o único equipamento de cultura no bairro com apoio do Estado. Além de atender o público adulto, recebe também crianças e adolescentes, que estudam nas escolas de Ensino Fundamental e Médio da região. Seu acervo conta com aproximadamente 25 mil exemplares, constituído por livros de literatura e informação, revistas, atlas, multimídia, entre outros. Além de todo o seu acervo, a biblioteca conta com uma programação cultural durante os meses. Com Saraus, músicas, oficinas, visitas de escolas com mediação de leitura e diversas intervenções.

IMAGEMs 16| Biblioteca Rubens Borba de Morais, local e atividades artísticas 2019. Fonte: Facebook Biblioteca Rubens Borba de Morais https://www.facebook.com/biblioteca.rubensborba.5/timeline?lst= 100000417106710%3A100006332713155%3A1565784143

27


DIRETRIZES E BASES PARA A EDUCAÇÃO NACIONAL

EDUCAÇÃO 28


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Educação

4. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL Para alguns historiadores a Educação Profissional no Brasil surge ainda no Brasil Imperial, com a transferência da corte portuguesa para o Rio de Janeiro. Em 1808, o Brasil deixa de ser colônia para ser sede do Reino Português. Com a chegada da família real, D. João VI cria o Colégio das Fábricas que foi considerado o primeiro estabelecimento instalado pelo poder público, objetivava atender à educação dos artistas e aprendizes vindos de Portugal (GARCIA, 2000). As primeiras instituições públicas voltadas à educação eram cursos que serviam para preparar alunos para universidade. O ensino primário se desenvolveu muito devagar, só em 1824 foi formada a instrução primária para todo cidadão, mas em paralelo, o Estado buscava criar um tipo de ensino separado do ensino secundário e do superior, visava a formação da força de trabalho que estava ligada à produção do país, os operários para as oficinas, fábricas e arsenais. Já no século XX foram poucas as iniciativas políticas oferecendo ensino técnico ou profissional no Brasil. Uma das primeiras escolas a oferecer cursos no campo fabril foi o Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo.

Foi então em 1942 a sistematização dessa oferta com a Reforma Educacional estabeleceu o oferecimento de dois tipos de ensino profissional: um era mantido pelo sistema educacional do governo e o outro, por empresas privadas, mas supervisionado pelo Estado. Desenvolvendo então o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), mantido e organizado pela iniciativa da Confederação Nacional das Industrias. O SENAI ofereceu e ainda oferece cursos profissionalizantes, especializações para profissões industriais e cursos de aperfeiçoamento variando a cada unidade. E é então que em 1946, o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) surge, destinado à população de baixa renda que precisava se capacitar para melhor condições no mercado de trabalho. O Ensino Médio integrado é necessário, pois os filhos dos trabalhadores de baixa renda precisam obter uma profissão após a conclusão do ensino médio, não podendo adiar este projeto para o nível superior de ensino. Então entre as modalidades de ensino técnico o Centro Paula Souza com as Escolas Técnicas Estaduais (ETECs), estão distribuídas por São Paulo, atendendo estudantes nos Ensinos Técnicos, Técnico integrado ao Médio e Médio. Promovendo a educação profissional pública, atendendo as demandas sociais e mantendo a qualidade do ensino, preparando o aluno para o nivel superior e para o mercado de trabalho.

IMAGEM 17| Diagrama formativo da educação brasileira. Fonte: Ministério da Educação

29


Educação

4.1 ENSINO PROFISSIONALIZANTE TÉCNICO ZONA LESTE DE SÃO PAULO

4.2 CENTRO PAULA SOUZA

Com base nos levantamentos das escolas de ensinos profissionalizantes técnicos em toda a Zona Leste de São Paulo, referente as próximas paginas, pode-se observar que há um vazio desses tipos de equipamentos nas regiões mais periféricas. Incluindo Ermelino Matarazzo, que não há nenhuma escola profissionalizante.

É uma instituição que tende a promover a educação pública profissional e tecnológica, atendendo as demandas sociais e do mercado de trabalho. Hoje administra cerca de 223 ETECS e 73 FATECS, com cursos técnicos de nível médio e superiores tecnológicos. São 151 cursos técnicos de diversos setores como o de serviços, industrial e agropecuário.

Nesses levantamentos, observando as escolas SENAI e ETEC, que são escolas profissionalizantes de nivel médio vinculadas ao Ensino Médio, pode-se perceber que a grande maioria dos cursos existentes nessa região de São Paulo são cursos focados nas áreas de Gestão e Negócios, Segurança e Saúde, Comunicação (cursos de informática) e Processos Industriais. Já o SENAC é uma educação profissional aberta a toda a sociedade com cursos livres, técnicos, de graduação e pós-graduação. No levantamento percebe-se que há uma quantidade menor de escolas, porém tem uma diversidade enorme de cursos. Com essa base, a ETEC é a escola que mais se adequa à tipologia de projeto deste trabalho. ETEC é uma Escola Técnica Estadual, uma istituição de ensinos técnico, médio e técnico integrado ao médio, pertencentes ao Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, é uma forma de governo da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (SDECTI) do estado de São Paulo.

30

Cursos na Área da Cultura Em uma pesquisa sobre os cursos com mais candidatos por vaga, as formações voltadas para a área cultural estão atraindo a atenção dos jovens. O curso de Processos Fotográficos, atingiu cerca de 22,3 candidatos por vaga na Etec de Artes (Zona Norte de São Paulo) em 2017, atrás apenas do curso de Enfermagem, o mais tradicional, teve 33,3 inscritos por vaga, em uma das Etecs localizadas na Capital. Outros cursos, como Produção de Áudio e Vídeo, Teatro, Dança e Canto também estão se consolidando na lista de mais procurados, com uma média de mais de 10 candidatos por vaga. Ou seja, há mais demanda do que a quantidade de escolas dessa tipologia de cursos.


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Educação

4. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL 4.3 POR QUE UMA ETEC DE ARTES? De acordo com a Assessoria Técnica do Centro Paula Souza, para a instalação de uma Etec o município deve ter no mínimo 40 mil habitantes e oferecer terreno com área de 8.000 m² líquidos, ou disponibilizar um prédio de no mínimo 3.500 m² conforme as especificações técnicas do Centro Paula Souza. Todo processo tem início com um documento encaminhado ao Governador solicitando uma Etec, constando informações do município, acompanhado de uma pesquisa que deve ser feita junto à setores econômicos locais (Associações comerciais, Sindicatos Patronais e de Empregados, CIESP, SEBRAE e outras) sobre demandas de cursos da região.

Com o levantamento de todas as Etecs, Senais e Senac da Zona Leste (estão nas páginas seguintes), pode-se perceber que Ermelino Matarazzo não há nenhum equipamento de escola profissionalizante. E as existentes nas proximidades são de cursos focados nas áreas de Gestão e Negócios, Produção Industrial e Comunicação. E por Ermelino ter essa efervescência cultural, fazer uma Etec de Produção Cultural e Design se adequa a demanda.

O Centro Paula Souza realiza uma visita técnica ao local previsto para abrigar a unidade de ensino para avaliar a viabilidade da instalação da unidade de ensino requerida e propor eventuais adequações. O passo seguinte é a assinatura de Convênio entre o Centro Paula Souza e a Prefeitura. Finalmente após a construção do prédio novo ou a adequação e reforma de prédio existente se dá a implantação da Etec.

Pois a Ocupação, hoje, não tem apoio governamental, ou seja, não se sustentaria sozinha, pois a escala do projeto é muito maior que a Ocupação existente. Fazer essa ETEC vinculada à Casa de Cultura, dá um valor melhor ao lugar, pois só a Casa de Cultura não iria preencher os indices urbanísticos necessários do local. Vinculando a ETEC, melhoraria as condições de uso do local. Pois a Etec tem esse vínculo com o Estado, as pessoas vão ingressar nos cursos por meio dos vestibulinhos, vão frequentar também o ensino médio, nisso a Casa de Cultura ganha mais valor, pois os alunos irão frequentar a Casa, terão essa conversa com os Coletivos ocupantes e os usuários do local, uma experiência “fora” da escola.

“Cada vez mais surgem novos espaços de cultura que demandam profissionais talentosos e com boa formação. Além disso, existe um público que procura esses cursos como uma forma de alavancar sua carreira com novas habilidades que estimulem seus processos criativos” GUERRA, Lucília. diretora de

E por que vincular a Etec à Casa de Cultura?

Capacitação Técnica e Pedagógica do CPS F o n t e : https://www.cps.sp.gov.br/cursos-naarea-cultural-fazem-sucesso-entre-os-jovens-novestibulinho-das-etecs/

31


32


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

IMAGEM 18| Mapa do Perímetro da Zona Leste. Identificação do Distrito de Ermelino Matarazzo e ETECs existentes na Zona Leste. Fonte: Google Earth, portal.cps.sp.gov.br/etec Produzida pelo Autor.

33


34


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

IMAGEM 19| Mapa do Perímetro da Zona Leste. Identificação do Distrito de Ermelino Matarazzo e SENAIs existentes na Zona Leste. Fonte: Google Earth, www.sp.senai.br/cursos/18 Produzida pelo Autor.

35


36


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

IMAGEM 20| Mapa do Perímetro da Zona Leste. Identificação do Distrito de Ermelino Matarazzo e SENACs existentes na Zona Leste. Fonte: Google Earth, www.sp.senac.br/portfólio Produzida pelo Autor.

37


Educação

4.4 CATÁLOGO NACIONAL DE CURSOS TÉCNICOS (CNCT) O Ministério da Educação elaborou em 2008 esse catálogo, organizando a nomenclatura dos 155 cursos existentes e suas especificidades. Foi organizado em 12 Eixos Tecnológicos. Mas entre 2009 e 2011 a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, desenvolveu uma série de discussões sobre o ensino técnico e nisso, elaborou uma atualização para o Catálogo. Esta proposta foi consolidada em 2012.

De acordo com as informações do lugar em que será implantado o projeto, com toda essa efervescência cultural, será proposto uma ETEC de Artes vinculada à uma Casa de Cultura, com cursos da área de Produção Cultural e Design.

O atual CNCT contém 220 cursos profissionais técnicos, que estão organizados em 13 Eixos Tecnológicos. Sendo eles:

Técnico em Teatro 800 horas Técnico em Canto 800 horas Técnico em Composição e Arranjo 800 horas Técnico em Instrumento Musical 800 horas Técnico em Cenografia 800 horas Técnico em Design de Interiores 800 horas Técnico em Design de Móveis 800 horas Técnico em Processos Fonográficos 800 horas Técnico em Processos Fotográficos 800 horas

1 Ambiente e Saúde 2 Controle e Processos Industriais 3 Desenvolvimento Educacional e Social 4 Gestão e Negócios 5 Informação e Comunicação 6 Infraestrutura 7 Militar 8 Produção Alimentícia 9 Produção Cultural e Design 10 Produção Industrial 11 Recursos Naturais 12 Segurança 13 Turismo, Hospitalidade e Lazer

38

Com base nos cursos existentes em toda a Zona Leste, optou-se por integrar cursos que não há na região:


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Educação

4. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL 3.3 CATÁLOGO NACIONAL DE CURSOS TÉCNICOS (CNCT) Infraestrutura mínima requerida: 1. TECNICO EM TEATRO - Biblioteca e videoteca incluindo acervo específico e atualizado. - Laboratório didático com espaço para ensaios e apresentações. - Laboratório de Informática, com aplicativos básicos de escritório. 2. CANTO - Biblioteca e videoteca com acervo específico e atualizado. - Salas de estudos individual e coletivo, com piano ou teclado. 3. COMPOSIÇÃO E ARRANJO - Biblioteca e videoteca com acervo específico e atualizado. - Laboratório de informática com programas específicos. - Laboratório didático com tratamento acústico e equipado com aparelhos sonoros e instrumentos musicais 4. INSTRUMENTO MUSICAL - Biblioteca e videoteca com acervo específico e atualizado. - Salas para estudos individuais e coletivos, ensaios e apresentações. - Instrumentos correspondentes à formação. 5. CENOGRAFIA - Biblioteca e videoteca com acervo específico e atualizado. - Laboratório cenográfico

- Sala de desenho - Laboratório de informática com programas específicos e projetor de multimeios. 6. DESIGN DE INTERIORES - Biblioteca e videoteca com acervo específico e atualizado. - Laboratório de informática com programas específicos. - Sala de desenho. 7. DESIGN DE MOVEIS - Biblioteca e videoteca com acervo específico e atualizado. - Laboratório de informática com softwares específicos. - Laboratório de modelagem e marcenaria. 8. PROCESSOS FONOGRÁFICOS - Biblioteca e videoteca com acervo específico e atualizado, incluindo acervo sonoro. - Estúdio de gravação e edição equipado. - Laboratório de informática com programas específicos. 9. PROCESSOS FOTOGRÁFICOS - Biblioteca e videoteca com acervo específico e atualizado. - Sala de multimídia. - Laboratório e estúdio fotográfico. - Laboratório de informática com programas específicos.

39


O LUGAR

IMAGEM 21| Vista do Terreno para o Parque Linear Mongaguรก, e para a cobretura da Quadra Ramos, na Rua Fioravante Lopes Garcia. Fonte: Autor.

40


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Lugar

5. O LUGAR 5.1 ANTECEDENTES

IMAGENS 22|23|24|25|26| Fotos tirada no entorno do Terreno em 30/01/2019. E a parte interna da quadra Ramos. Fonte: Proprio Autor | Facebook Quadra Ramos Turismo. | Google Earth.

O terreno está localizado no eixo central de Ermelino Matarazzo, um vazio urbano subutilizado em frente à um córrego. Abriga um estacionamento de ônibus que pertence à empresa Ramos Turismo. Este terreno acolhe, não só o estacionamento da empresa, mas também com uma única construção, uma quadra de Futebol de Salão que a empresa administra, chamada Quadra RAMOS Turismo, uma das melhores quadras da região, o que fundamentou na permanência dessa memória, fazendo no projeto a Quadra Poliesportiva no mesmo espaço. A Estação de Trem Comendador Ermelino Linha 12 da CPTM está a 700 metros do local possibilitando fácil acesso para pessoas fora do bairro. O terreno encontra-se no cruzamento da Avenida Paranaguá, que é o eixo comercial, junto ao início do Córrego do Parque Linear Mongaguá. Contém 9723,40 m² de área em uma Zona de Centralidade (ZC). 41


O Lugar

DIAGRAMA ENTORNO

ES CO TAÇ Ã ER MEN O ME DA LIN DO R O

700

me

tro

s

TER

RE

42

NO


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Lugar

5. O LUGAR 5.2 ENTORNO ÁREA VERDE - áreas arbóreas, praças, parques e

córregos;

- A área de intervenção possui o uso predominantemente residencial. Na Avenida Paranaguá, ao longo dos anos, houve o desenvolvimento deste comercio local, com a instalação de grandes lojas, como Casas Bahias, Marisa, Americanas, entre outras. Além de sua expansão tanto linearmente como em direção à Rua Professor Antônio de Castro Lopes, nas quais há o surgimento de áreas de uso misto. A diversidade de usos e o Parque Linear Mongaguá atrai uma grande dinâmica urbana para este espaço público, por onde os moradores circulam, se encontram e trocam experiências; USOS

- mostrando principalmente o quanto o Terreno é um grande vazio urbano em relação ao entorno; A faixa de gabarito da região é entre 1 a 4 pavimentos; CHEIOS E VAZIOS

- Podendo observar que a avenida Assis Ribeiro, onde está a estação Comendador Ermelino, a Área Central, onde predomina o comércio da região, e a Avenida Boturussu, entre o terreno e o parque, estão as vias de maior fluxo na área de intervenção; FLUXOS

LEGENDA RESIDENCIAL COMÉRCIO/SERVIÇO MISTO (RESIDENCIAL, COMÉRCIO E SERVIÇOS) INSTITUCIONAL

IMAGEM 27| Área de Intervenção; Fonte: Google Earth + produzido pelo Autor.

43


nome

44


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Lugar

5. O LUGAR 5.3 PARAMETROS URBANÍSTICOS O local em estudo se encontra na Macroárea de Estruturação Metropolitana. As áreas periféricas, apresentam desigualdades em relação emprego e moradia, mas com grande potencial de transformação econômica. Além da falta de investimentos em infraestruturas e equipamentos sociais para população. A área de intervenção, de acordo com a Lei 16.402/16, está localizada em uma Zona de Centralidade, são regiões destinadas ao incentivo de atividades típicas de centro e subcentros, como também a usos não residenciais, a manutenção dos comércios e serviços existentes e à qualificação dos espaços públicos. A área escolhida está inserida no perímetro de Qualificação Ambiental – 2. Esta lei incentiva os edifícios a ter fachada ativa, áreas destinadas à fruição pública e preocupações ambientais. Sobre o Plano de Ação - Ermelino Matarazzo, os objetivos e diretrizes que fundamentaram na proposta do projeto são:

Coeficiente de Aproveitamento Básico = 1,0 Coeficiente de Aproveitamento Máximo = 2,0 Taxa de Ocupação Máxima = 0,70 (70%) Gabarito Máximo = 48m Recuo Frontal = 5m Taxa de Permeabilidade Mínima = 25%

IMAGEM 28| Mapa de zoneamento da região. Fonte: GeoSampa | geosampa.prefeitura.sp.gov.br

IMAGEM 29| ID 245 | AV. PARANAGUÁ E RUA PROF. ANTÔNIO DE CASTRO LOPES Fonte: Caderno de Propostas dos Planos Regionais das Subprefeituras - Perímetros de Ação Ermelino Matarazzo

• Atender a demanda por equipamentos e serviços públicos sociais de saúde, de educação, de assistência social, de cultura, de abastecimento (por exemplo, feiras livres e mercados municipais) e de lazer e esportes; • Qualificar os parques existentes, resolvendo especialmente as questões de acessibilidade e conectividade, as questões de tratamento das bordas e as questões de atendimento às demandas da população; • Promover a recuperação e conservação ambiental dos cursos d´água e das áreas verdes; • Estimular convívio e permanência nos espaços e equipamentos públicos, especialmente no Parque Linear Mongaguá; • Suprir a demanda por equipamentos e serviços públicos; • Implantar Centro Cultural previsto para a Subprefeitura Ermelino Matarazzo; Fonte: Caderno de Propostas dos Planos Regionais das Subprefeituras - Perímetros de Ação - Ermelino Matarazzo, Pag 13.

45


BAIRRO 46

IMAGEM 30| Vista do Bairro Fonte: Autor.


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Lugar

5. O LUGAR 5.4 FORMAÇÃO DO BAIRRO É no século XX que a história do bairro começa a se desenvolver. Na primeira metade do século as Indústrias Matarazzo se instalam em uma gleba de terra na região, com a Fábrica de papel celofane Celosul, a maior da América Latina. Na década de 1920 teve inicio a construção da linha de trem, que vinha de Calmon Viana ligando os bairros de Ermelino Matarazzo, Itaim Paulista e São Miguel Paulista. Foi inaugurada em 1926, mas foi aberta para trafego apenas em 1934. Com a criação da linha de trem e os projetos da rodovia ligando São Paulo ao Rio de Janeiro, Francisco Matarazzo, vendeu 10% de suas terras, cerca de 274 lotes entre 1926 e 1939, dando origem assim a um pequeno povoado em torno da estação de trem, com loteamentos e pequenas vilas operárias no entorno da estação e da fábrica, isso impulsionou a instalação de outras empresas posteriormente.

“O bairro de Ermelino Matarazzo tem sua origem carregada de influência da Família Matarazzo, não apenas no nome, na estação de trem, mas em todo o princípio de povoamento e expansão do bairro. Depois, entretanto, a população começou a criar raízes e identidade com o lugar e passou a tomar as rédeas de seu destino. Mas os registros documentais dão conta de que a região já havia sido povoada muito antes. Um desses registros é o Sítio Piraquara, que remonta a períodos anteriores ao século XIX, aparentemente tendo sido levantado pelos índios Guaianazes que povoaram a margem esquerda do Rio Tietê, a chamada região do Ururaí.” LOPES, Rodrigo Herrera. Face Leste. 2011. Pág. 79

São Paulo como uma grande metrópole do país, tem seu crescimento e expansão marcado pela segregação espacial entre o centro e a periferia. Na década de 1970 pelo fato de oportunidades de empregos há um crescimento populacional acelerado e de forma desordenada na cidade.

Em razão de a estação passar pelas Industrias Matarazzo, quiseram homenagear algum membro da família, Comendador Ermelino Matarazzo, terceiro filho do Conde Francisco Matarazzo, e primeiro filho brasileiro, que acabou morto em um acidente de carro na Itália.

Essa ocupação periférica em áreas distantes do centro, além de distância física, há uma diferença social com o centro da cidade. Surgem os loteamentos irregulares que vão se expandir por toda a Zona Leste. A área foi ocupada de forma espontânea e desordenada, os loteamentos não haviam nenhuma infraestrutura: sem água, luz, esgoto, escolas, hospitais, eram apenas pedaços de terra. E pela ausência da infraestrutura os custos de terra eram baixos e concentram-se uma maior população de baixa renda. O processo de industrialização que ocorreu no bairro não se expandiu por muito tempo, gradativamente as industrias foram de deslocando a terrenos com acesso direto por rodovias. Com isso a característica de perfil industrial do local foi alterada por bairro de periferia predominantemente residencial carente de infraestruturas como equipamentos de lazer e cultura, com estabelecimentos de comércios e serviços, hoje com 83% da atividade econômica do bairro. 47


ATRAÇÕES

48


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Lugar

5. O LUGAR 5.5 ATRAÇÕES Além dessa significativa produção artística e cultural dos Coletivos, Ermelino Matarazzo realiza também em todo o eixo da Avenida Paranaguá e no parque linear Mongaguá, festas de rua que se tornaram tradicionais no cronograma de eventos do bairro. FESTA DAS NAÇÕES Criada no ano de 1992, com o intuito cultural e social não lucrativo. É um dos maiores eventos culturais e beneficentes de São Paulo. Com o objetivo de arrecadar fundos em prol do Lar Vicentino, uma entidade beneficente que acolhe idosos. Atraindo mais de 25 mil visitantes todos os anos. Já são 27 edições, que ocorrem no primeiro fim de semana do mês de julho no Largo 1º de Maio na Avenida Paranaguá. A organização da festa conta com o trabalho voluntário da população. A atração é uma oportunidade de promover a cultura e levar conhecimento das tradições e particularidades de diversos países. FESTA DO TRABALHADOR (1º de Maio)

IMAGENS 32|33|34| Vista aérea da área onde acontece a Festa 1º de Maio. Foto do Terreno, na Viela Gildo Lao, com acesso à festa. Foto da festa. Respectivamente. 01/05/2019. Fonte: Google Earth | Proprio Autor.

IMAGEM 31| Festa do Trabalhador. 1º de Maio de 2019. Fonte: Próprio Autor.

A Festa surgiu nos anos 60, após várias manifestações contra as condições de trabalho oferecidas pelas empresas instaladas aos redores do bairro. Ocorre anualmente nas avenidas Paranaguá, Boturussu, Milene Elias e nas praças do Parque Linear Mongaguá. Hoje o evento possui 60 anos de existência e já chegou a atrair mais de 200 mil pessoas. É realizado por moradores voluntários e da Sociedade Amigos Ermelino Matarazzo, juntamente com a prefeitura e subprefeitura. Porém nos últimos 7 anos percebese a diminuição crescente da participação dos órgãos públicos para realização da festa. 49


50


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Lugar

5. O LUGAR 5.5 ATRAÇÕES Beco do Hulk - Da periferia para a periferia. “Viela na Zona Leste ganha grafites e fica conhecido como Beco do Hulk” Em Maio deste ano, 2019, a arte local tomou a cena no Terreno de intervenção. A Viela Gildo Lao virou um mural com desenhos dos personagens do Universo da Marvel como Incrível Hulk, Homem Aranha, Pantera Negra, Thor, Capitão América e o ídolo Ayrton Senna, que é considerado herói nacional pelos grafiteiros responsáveis pelo projeto, representam o Coletivo Cultural Cenário Urbano (CCCU) que elaborou em conjunto com a comissão de Festejos de São Miguel Paulista junto à Prefeitura. O projeto ficou pronto antes da Festa 1º de maio deste ano. É uma referência ao Beco do Batman, na Vila Madalena, Zona Oeste, ponto turístico famoso por seus grafites nos muros das casas. Waldir Grisolia Junior, conhecido como “Age”, é um dos grafiteiros responsáveis pelos desenhos no beco. Explicou como as coisas se ligaram e disse que tudo foi feito através de um trabalho em equipe.

IMAGEM 35| Viela Gildo Lao “beco do Hulk”. Fonte textos e imagens:

https://agora.folha.uol.com.br/sao-paulo/2019/07/beco-dohulk-da-vida-nova-a-lugar-degradado-na-zona-leste.shtml

“Junto com o pessoal do festejo, a comunidade e alguns amigos locais, nós nos juntamos e elaboramos a ideia do Beco do Hulk. O principal objetivo era fazer algo atual para que a comunidade pudesse ter esse contato com a arte. Não para ser do tipo de arte que a pessoa se exclui, só vê em galerias”. André Paz Racial, um dos mentores também do coletivo CCCU, falou sobre a importância e a visibilidade que o projeto realizado por eles trouxe para a comunidade de Ermelino. “A importância foi tanta que o próprio poder público, hoje, se vê na obrigação de ressocializar o local, colocar luz, arrumar o asfalto, fazer visitas monitoradas, trazer escolas”. Comentou também sobre a importância do grafite e da arte em si, com a responsabilidade social de educar todo uma geração. “Eu vejo o grafite como dois caminhos: o grafite livre que é o cara chegar e deixa sua arte na parede. E o grafite educacional que carrega uma responsabilidade social em interagir com as crianças, alertar que é ‘não às drogas’. São dois lados diferentes, porém em um só”. Pro Age, a arte significa positividade. “É uma arte puxando a outra. Fomentando o grafite, estamos abrindo espaço também para o rap, poesia e etc. Através desse fortalecimento é só expandir. É nós por nós, fomentando essa cultura para que se não for pra hoje, seja para daqui 5, 10 anos, as coisas acontecerem”

https://kondzilla.com/m/ermelino-matarazzo-vira-a-vilamadalena-da-quebrada-com-o-beco-do-hulk/#materia Acesso em 14/10/2019

51


nome

52


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Topografia

5. O LUGAR 5.6 DIAGRAMAS CONDICIONANTES

IMAGEM 36| Topografia do terreno atualmente, descatado em laranja os edifícios à demolir, e em vermelo a atual Ocupação Cultural. IMAGEM 37| Topografia do terreno modificado, proposta do Projeto. Fonte: Autor

IMAGEM 38| Terreno + Entorno. Fonte: Google Earth, adaptado pelo autor.

O terreno contém 15 metros de desnível, sua cota mais baixa fica na 733 junto à Avenida Milene Elias com a Avenida Boturussu, nessa cota atualmente, o terreno não tem acesso, por ter um talude de quatro metros de altura, ou seja, onde é mais movimentado com um possivel acesso mais público, não existe. Sua topografia original foi modificada, hoje o terreno esta todo planado na cota 737, com isso o terreno cria um paredão escalonado com cerca de onze metros de altura, pois a cota mais alta é na 748 onde tem a entrada independente para a Quadra existente. O outro acesso existente, onde entra os veículos da empresa é na cota 741, bem na esquina da Viela Gildo Lao com a Rua Fioravante Lopes Garcia. Ou seja, o partido inicial do projeto é fazer um projeto “enterrado”, evitar subir muito a construção acima do nível mais alto do terreno, por ter 15 metros de desnível o edifício fica escalonado junto à topografia. Dando possibilidades a uma praça na cobertura, valorizando também a vista do local. Com esse método, as casas existentes nessa rua não irão ter a vista bloqueada.

53


FLUXO VEÍCULOS

FLUXO PEDESTRES

54

ACESSOS EXISTENTES


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Entorno

5. O LUGAR 5.6 DIAGRAMAS CONDICIONANTES IMAGEMs 39| Estudo das condicionantes do entorno. Fonte: Autor.

ÁRVORES EXISTENTES

EIXOS ORGANIZADORES

ACESSOS NOVOS

55


VERÃO |9h00|

56

VERÃO |15h00|

EQUINÓCIOS |9h00|

EQUINÓCIOS|15h00|

INVERNO |9h00|

INVERNO|15h00|


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Insolação

5. O LUGAR 5.6 DIAGRAMAS CONDICIONANTES As principais condicionantes para o estudo da implantação do projeto foi o estudo de insolação do local. A posição do edifício em relação ao sol é importante e determina várias das necessidades térmicas dos espaços internos. VERÃO |15h00|

As salas de aula foram preferidas por em locais arejados, com menor movimento de trânsito, com isto, terá menos poluição sonora e melhores alternativas de aberturas. Com esse estudo solar foram planejadas proteções horizontais nas janelas voltadas para o norte, e proteções verticais nas voltadas para oeste e leste, para que não recebam tanto sol durante o dia. O vento frio vem predominantemente do lado sul, e com isso o uso de proteções como a arborização dificulta a passagem do vento frio.

EQUINÓCIOS|15h00|

IMAGEM 40| Estudo de insolação do terreno. Fonte: Próprio Autor. INVERNO|15h00|

57


REFERÊNCIAS

58


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Referência

6. ESTUDO DE CASO 6.1 GALLERY OF ROLKA STUDIO

“relationship between the creator and nature, between performance and landscape, sound and topography” - Rolka Studios

FICHA TÉCNICA: Arquitetos: Rolka Studio (Michael Hinitz, Tomer Kopel, Tal Mandola and Omri Schwartz) Localização: Mevaseret Zion, Israel Área: 1700,00 m² Ano do Projeto: 2016

Rolka Studios fez essa proposta que venceu no concurso para o Conservatório Mevaseret Zion, se destacou pelo fato de haver essa relação entre o criador e a natureza, entre performance e paisagem, som e topografia.

IMAGEM 41| Rolka Studio - Conservatório Musical, plantas do projeto. IMAGEM 42| Rolka Studio - Conservatório Musical, vistas de referência, como exêmplo os pátios, a fachada e as vistas abertas. Fonte: https://www.archdaily.com/791808/rolka-studio-fuses-

Com base nessa linguagem arquitetônica cria um equilíbrio, um obejto que se ajusta ao seu ambiente natural. O projeto oferece um conjunto flexível de opções, os professores e alunos desse consevatório, em um lado, o prédio que atua como um palco para apresentar música para a cidade e, por outro lado, um ambiente de aprendizado mais privativo de qualidade com uma conexão com a natureza.

music-and-nature-in-winning-conservatory-design

acesso 25/03/2019

59


60


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Referência

6. ESTUDO DE CASO 6.2 PROMENADA / ENOTA

FICHA TÉCNICA: Arquitetos: Dean Lah, Milan Tomac, Tjaž Bauer, Andrej Oblak, Polona Ruparčič, Nuša Završnik Šilec, Alja Černe, Nebojša Vertovšek Localização: VELENJE, ESLOVÊNIA Área: 17 020,00 m² Ano do Projeto: 2014

IMAGEM 43| Promenada - desenho diagramatico do anfiteatro no Rio Paka. IMAGEM 44| Promenada - anfiteatro no Rio Paka. Fonte:https://www.archdaily.com.br/br/777749/promenada-enota acesso 04/09/2019

Promenada serviu de referência para a área livre do do projeto, como um importante espaço da cidade, um percurso que conduz rapidamente os usuários do edifício para a cidade. A Promenada está se transformando em um dos palcos para os principais eventos da cidade, com seu centro posicionado em um novo anfiteatro ao longo do Rio Paka. A ponte colocada no antigo eixo, é recuperado o espaço para a construção de um anfiteatro, que desce lentamente para a superfície do rio. O atraente anfiteatro à beira do rio, com a nova ponte como pano de fundo, torna-se o centro da atividade na cidade, e o rio pode voltar a reivindicar um lugar importante na consciência dos habitantes. Usando isso de base para o Córrego no projeto ter um uso mais atraente e conectado com a cidade e com o uso do edificio.

61


62


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Referência

6. ESTUDO DE CASO 6.3 FUNDAÇÃO BRADESCO

FICHA TÉCNICA: Arquitetos: Shieh Arquitetos Associados Localização: OSASCO, BRASIL Área: 4 000,00 m² Ano do Projeto: 2017

IMAGEM 45| Fundação Bradesco - corte longitudinal

Referência do uso educacional, principalente as estratégias do uso de pré-sombreamento das fachadas para melhor conforto térmico e entrada de luz difusa nos ambientes, uso das escadas internas, a passarela de entrada, e o térreo como um grande pátio e jardim. A biblioteca e área de estudos, também foi retirado como base com toda simbologia dentro de uma instituição de ensino, colocado também no espaço superior e junto à fachada frontal do edifício – como se a biblioteca se debruçasse sobre a rua frontal e como se convidasse as pessoas a desfrutarem da instituição.

IMAGEM 46| Fundação Bradesco - Mostrando a passarela e os brises nas fachadas para pré-sombreamento nos ambientes. Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/872135/fundacaobradesco-shieh-arquitetos-associados

acesso 30/10/2019

63


MOVIMENTO ARTE 64


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

7. M O V I M E N T O _ A R T E ARTICULANDO EDUCAÇÃO E CULTURA NA PERIFERIA

7.1

PROCESSO

7.2

PROGRAMA

7.3

MEMORIAL

7.4

O PROJETO

7.5

SUSTENTABILIDADE 65


66


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Projeto

7. MOVIMENTO ARTE 7.1 PROCESSO Com a repercurção da Banca Intermediária, a proposta é esse vinculo entre uma Etec de Artes com uma Casa de Cultura com espaços de ensino em conjunto a áreas de exposição e apresentação espontânea destinada aos alunos da Etec e aos frequentadores da casa de cultura. Esse equipamento tem como objetivo ativar um espaço urbano que está subutilizado, reavivando a qualidade urbana e promovendo mais inclusão através dos espaços internos com suas atividades e oficinas artísticas, e do espaço externo da área livre, melhorando o uso de um córrego existente no terreno. O método de desenvolvimento do TFG I foi em sequência de: - Levantamentos: onde pesquisei a história do bairro, os equipamentos existentes, sua grande efervescência cultural, os acessos e fluxos que acontece no local, tudo com diagramas, imagens e textos, para com isso poder justificar o tema;

A avaliação da Banca Intermediária e os comentários expostos possibilitaram uma visão mais amplificada a respeito da situação gerada pela implantação do edifício, os pés direitos e a distribuição do programa. Observou-se que não tinha a necessidade de seguir à risca a APP de 30 metros, sendo que numa área urbana em um terreno que já tinha uma pré-existência, pode-se colocar uma APP com recuo de 15 metros. Sendo assim meu edifício fica agora, nessa segunda etapa, menos enclausurado. Os novos percursos propostos se mostraram corretos em relação aos estudos de fluxo de veículos e pedestres no entorno, fazendo com que os acessos do edifício devem ser mantidos. Mas por outro lado, a implantação necessita de uma revisão de tal forma que o espaço gerado trouxesse uma maior interação entre os vizinhos e o edifício.

- Estudos: para a definição do programa, a separação dos acessos e blocos públicos e privado em relação a Etec (mais privativo) e Casa da Cultura (mais público), estudo das pré-existências no terreno e como manter uma memória do lugar; - Proposta: onde mostro os desenhos e diagramas do projeto;

67


IMAGEM 47| Diagrama Explodido Fonte: Produzido pelo autor.

ETEC DE ARTES CASA DE CULTURA LOJAS CIRCULAÇÃO

68


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Projeto

7. MOVIMENTO ARTE 7.2 PROGRAMA TÉRREO LEGENDA - CASA DE CULTURA 01- FOYER 465,00 m² 02- AUDITÓRIO 500,00 m² 03- CAMARIM 50,00 m² 04- LOJAS 35,00 cada = 140,00 m² 05- CAFÉ 160,00 m² 06- HALL/EXPOSIÇÕES CASA CULTURA 425,00 m² 07- SANITARIOS/VESTIARIOS 50,00 m² LEGENDA - ETEC DE ARTES 08- SANITÁRIOS 09- DML/ÁREA DE SERVIÇO/DEPÓSITO 10- SALAS DE AULA FLEXÍVEIS 11- VESTIÁRIOS QUADRA POLIESPORTIVA 12- PÁTIO COBERTO 13- LABORATORIO DE INFORMÁTICA 14- FAB LAB 15- HALL EXPOSIÇÕES ETEC 16- CAIXA D’ÁGUA TOTAL

55,00 m² 18,00 m² 100,00 m² 110,00 m² 400,00 m² 100,00 m² 100,00 m² 200,00 m² 10,00 m²

2883,00 m²

1º PAVIMENTO LEGENDA - CASA DE CULTURA 01- MIRANTE (área descoberta) 02- ARQUIBANCADA MIRANTE (área descoberta) 03- SALA DE OFICINAS DIVERSOS USOS 245,00m² 04- ESTÚDIO DE FOTOGRAFIA 110,00 m² 05- ESTÚDIO DE MÚSICA 100,00 m² 06- SALA OFICINA PINTURA/COSTURA 100,00 m² 07- SANITARIOS/VESTIARIOS 50,00 m²

13- LAB. CENOGRAFIA/MODELAGEM/MARCENARIA 100,00 m² 14- ESTUDIO DE FOTOGRAFIA+MULTIMIDIA 100,00 m² 15- LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 35,00 m² 16- QUADRA POLIESPORTIVA 640,00 m² TOTAL

2173,00 m²

2º PAVIMENTO LEGENDA - ETEC DE ARTES 01- HALL - ENTRADA ESCOLA 02- SECRETARIA/ADMINISTRAÇÃO 03- SALA REUNIÃO 04- VICE-DIRETOR 05- DIRETOR 06- COORDENADOR PEGAGÓGICO 07- SALA PROFESSORES/COPA FUNC. 08- SANITARIOS/VESTIÁRIOS FUNC. 09- COZINHA/CANTINA + DEPÓSITO 10- REFEITÓRIO 11- ENFERMARIA 12- GRÊMIO 13- SANITÁRIOS 14- DEPÓSITO 15- SALAS AULA E.MÉDIO 1º, 2º e 3ºano (50,00) 16- ESTUDIO DE GRAVAÇÃO 17- COLETIVO MUSICAL 18- SALAS INDIVIDUAIS MÚSICA (15,00) 19- ÁREA TÉCNICA (GERADOR) TOTAL

130,00 m² 35,00 m² 16,00 m² 8,00 m² 8,00 m² 8,00 m² 90,00 m² 50,00 m² 55,00 m² 380,00 m² 8,00 m² 35,00 m² 55,00 m² 18,00 m² 300,00 m² 35,00 m² 35,00 m² 60,00 m² 80,00 m² 1406,00 m²

TOTAL = 6 464,00 m² + áreas de circulação = 11 678,05 m²

LEGENDA - ETEC DE ARTES 08- BIBLIOTECA 420,00 m² 09- SALA DE ESTUDOS INDIVIDUAIS/GRUPO 100,00 m² 10- SANITÁRIOS 55,00 m² 11- DML/ÁREA DE SERVIÇO/DEPÓSITO 18,00 m² 12- LAB. DIDÁTICO AULAS TEATRO 100,00 m²

69


A PRO P O S TA D O PROJE T O É SER UM EDIFÍCIO QUE SE CONECTA COM A NAT U R E ZA , UMA E ST RUTU RA QUE SE AJUSTA AO SEU AMBIENTE N AT U R A L , S EG UINDO ASSIM O F LU XO D A T O POG RAFIA . 70


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Projeto

7. MOVIMENTO ARTE 7.3 MEMORIAL A partir do entendimento do espaço, o projeto se apropria do fluxo da topografia, para gerar os acessos, do vazio como um lugar de possibilidades e do contexto gerando eixos que explora as vistas do local. O programa explora uma variedade de acessos através de uma conexão geradora de fluxos, ambientes de passagem, de estar, de encontro e de observação. O projeto como extensão da rua, através da distribuição do programa do uso público e privado, a permeabilidade que contribui para criar uma apropriação de quem por ali passa. Foi dividido em três eixos estruturais programáticos: a Casa de Cultura, a Etec de Artes e o bloco que une esses usos.

DADOS DO TERRENO Zona de Uso = ZC - Zona de Centralidade Área do Terreno = 9723,40 m² Área de projeção máxima = 6806,38 m² Área de projeção do Projeto = 4532,93 m² Taxa de Ocupação máxima (TO) = 0,70 (70%) Taxa de Ocupação do Projeto = 0,46 (46%) Coeficiente de Aproveitamento Mínimo = 0,3 Coeficiente de Aproveitamento Máximo = 2 CA do Projeto = 1,2 Área Construida Total = 11 678,05 m² Taxa de Permeabilidade Mínima = 25% APP do Projeto = 15 metros Área Permeável mínima = 2 430,85 m² Área Permeável do Projeto = 3 500,00 m²

Já no térreo contém o uso mais público, com fachada ativa, um hall que distribui os acessos para todas as funções do edifício, nele contém dois grandes pátios que distribui a luz natural em todos os ambientes. Nesses pátios é separado os blocos e através de rampas se acessa os pavimentos superiores, e cada um deles tem conexão com a rua. São três pavimentos no total, e cada um tem seu acesso principal. Os espaços de oficinas e aprendizagem da Casa de Cultura são organizados em proximidade as áreas públicas do edifício, proporcionando aos usuários uma passagem com performances rotativas. Já os espaços de aprendizagem e salas de aulas práticas da Etec são organizados de modo mais privativo para os alunos. No primeiro pavimento há uma Praça Pública com mirante e foi criada para proporcionar a melhor valorização da vista, e junto ao acesso faz-se uma relação com o existente de hoje, um mural de grafite dos coletivos artistas se mantém como forma de memória aos frequentadores do local. Com essa referência de Memória do lugar, foi decidido que a Quadra Poliesportiva, que é uma infraestrutura requerida pela ETEC, se localizasse no acesso onde previamente já havia uma Quadra de Futebol de Salão, fazendo com que essa quadra suprisse a demanda de infraestrutura para a escola, e também mantendo os eventos que ocorre externo à ela, como exemplo, os campeonatos de Futsal que as equipes se juntam para competir. Assim, a Quadra tem acesso internamente pela escola, mas também um acesso mais público para esses eventuais encontros.

71


IMAGEMs 48|isometricas 360 Fonte: Produzido pelo autor.

72


Arte MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia Movimento –

7.4 O PROJETO

73


IMAGEM 49|Isometrica situação Produzido pelo autor.


LEGENDA - CASA DE CULTURA 01- FOYER 02- AUDITÓRIO 03- CAMARIM 04- LOJAS 05- CAFÉ 06- HALL/EXPOSIÇÕES CASA CULTURA 07- SANITARIOS/VESTIARIOS LEGENDA - ETEC DE ARTES 08- SANITÁRIOS 09- DML/ÁREA DE SERVIÇO/DEPÓSITO 10- SALAS DE AULA FLEXÍVEIS 11- VESTIÁRIOS QUADRA POLIESPORTIVA 12- PÁTIO COBERTO 13- LABORATORIO DE INFORMÁTICA 14- FAB LAB 15- HALL EXPOSIÇÕES ETEC 16- CAIXA D’ÁGUA


LEGENDA - CASA DE CULTURA 01- MIRANTE 02- ARQUIBANCADA MIRANTE 03- SALA DE OFICINAS DIVERSOS USOS 04- ESTÚDIO DE FOTOGRAFIA 05- ESTÚDIO DE MÚSICA 06- SALA OFICINA PINTURA/COSTURA 07- SANITARIOS/VESTIARIOS LEGENDA - ETEC DE ARTES 08- BIBLIOTECA 09- SALA DE ESTUDOS INDIVIDUAIS/GRUPO 10- SANITÁRIOS 11- DML/ÁREA DE SERVIÇO/DEPÓSITO 12- LAB. DIDÁTICO AULAS TEATRO 13- LAB. DE CENOGRAFIA/MODELAGEM/MARCENARIA 14- ESTUDIO DE FOTOGRAFIA+MULTIMIDIA 15- LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 16- QUADRA POLIESPORTIVA


LEGENDA - ETEC DE ARTES 01- HALL - ENTRADA ESCOLA 02- SECRETARIA/ADMINISTRAÇÃO 03- SALA REUNIÃO 04- VICE-DIRETOR 05- DIRETOR 06- COORDENADOR PEGAGÓGICO 07- SALA PROFESSORES/COPA FUNC. 08- SANITARIOS/VESTIÁRIOS FUNC. 09- COZINHA/CANTINA + DEPÓSITO 10- REFEITÓRIO 11- ENFERMARIA 12- GRÊMIO 13- SANITÁRIOS 14- DEPÓSITO 15- SALAS DE AULA ENSINO MÉDIO 1º, 2º e 3ºano 16- ESTUDIO DE GRAVAÇÃO 17- COLETIVO MUSICAL 18- SALAS INDIVIDUAIS MÚSICA 19- ÁREA TÉCNICA (GERADOR)


Acesso público à Quadra Poliesportiva


IMAGEM 50|Acesso mirante e oficinas. Produzido pelo autor.


IMAGEM 51|Fachada Leste, lojas, Casa de Cultura e mural de grafites.

IMAGEM 52| Sala de oficinas, diversos usos.


IMAGEM 53| Fachada Sul, vista na Av. Boturussu.


IMAGENS 54|55| Acesso à ETEC, vista para as salas de Aula que estão localizadas na fachada norte do projeto, o que é recomendado o uso de brises horizontais.


IMAGEM 56|Pรกtio interno, Casa de Cultura.


IMAGEM 57|Pátio interno, Térreo ETEC.

IMAGEM 58|Vista rampa, Acesso à ETEC e Casa de Cultura no 2º pavimento.


IMAGEM 59|Sala de aula individual, mĂşsica.


IMAGEM 60|Quadra Poliesportiva.

IMAGEM 61|Biblioteca.


IMAGEM 62|


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

O Projeto

7. MOVIMENTO ARTE 7.5 SUSTENTABILIDADE O intuito do projeto é ser um edificio sustentável, tentar oferecer o mínimo de impacto de consumo energético. Sua materialidade ideal seria o uso de tijolos ecológicos, os eco-tijolos são compactados e moldados em uma prensa hidráulica, a partir de misturas que normalmente envolvem areia, água, terra e cimento, gerando um material com boa resistência, isolamento acústico e térmico. O uso do Ecotelhado Branco, que é um

revestimento térmico pois tem sua capacidade de refletir a radiação solar, consegue reduzir eficientemente a temperatura do ambiente interno. O material é produzido a partir de nano-esferas ocas de cerâmica, que são misturadas a resinas e aditivos, é capaz de reduzir em até 35% a temperatura do ambiente, diminuindo o consumo de energia elétrica para com ventiladores e ar condicionado e ainda protegendo contra o crescimento de fungos e bactérias.

101


BIBLIOGRAFIA 102


MOVIMENTO_ARTE articulando educação e cultura na periferia –

Bibliografia

8. BIBLIOGRAFIA APP <https://www.cpt.com.br/codigo-florestal/novocodigo-florestal-brasileiro-construcao-de-obras-proximas-acursos-dagua-15m-ou-30m> Acesso em 05/04/2019 Biblioteca Rubens Borba de Morais <https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/ cultura/bibliotecas/bibliotecas_bairro/bibliotecas_m_z/ rubensborbademorais/> Acesso em 14-08-19 Caderno de Propostas dos Planos Regionais das Subprefeituras - Perímetros de Ação (PA) - Ermelino Matarazzo CNCT <http://portal.mec.gov.br/docman/novembro-2017pdf/77451-cnct-3a-edicao-pdf-1/file > Acesso em 10/03/2019 Educação Profissional no Brasil <http://site.ufvjm.edu.br/revistamultidisciplinar/ files/2018/05/Edilene1502.pdf> acesso em 24/04/2019 <http://pensaraeducacao.com.br/ pensaraeducacaoempauta/o-ensino-tecnico-e-profissionalno-brasil/ > Acesso em 24/04/2019 <https://ensinointerativo.com.br/historia-ensinoprofissionalizante-interativo-no-brasil/> Acesso em 24/04/2019 <http://www.por tal.cps.sp.gov.br/etec/escolas/ metropolitana-de-sao-paulo/sao-paulo/etec-zona-leste.asp> Acesso em 07/03/2019 <http://www.sp.senac.br/ > Acesso em 08/03/2019 <http://www.sp.senai.br/cursos/18/cursos-tecnicos?me nu=31&unidade=128&regiao=2> Acesso em 15/03/2019 <https://www.cps.sp.gov.br/cursos-na-area-culturalfazem-sucesso-entre-os-jovens-no-vestibulinho-das-etecs/> Acesso em 15/03/2019

Histórico Ermelino Matarazzo < https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/ subprefeituras/ermelino_matarazzo/historico/index. php?p=136 > Acesso em 21/02/2019 <http://emjornal.com.br/noticias/historia-de-ermelinomatarazzo/ > Acesso em 21/02/2019 < https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/ subprefeituras/subprefeituras/dados_demograficos/index. php?p=12758 > Acesso em 21-02-2019 Livro LOPES, Rodrigo Herrero. Face Leste: Revisitando a Cidade. São Paulo: Mitra Diocesana São Miguel Paulista, 2011 MAPAS DE CULTURA <http://periferiaemmovimento.com.br/culturaestrangulada/> acesso em 10/04/2019 Materiais Sustentáveis <https://constructapp.io/pt/ materiais-sustentaveis-para-arquitetura/> <https://www.archdaily.com.br/br/922852/comofuncionam-as-fachadas-ventiladas> Acesso em 26/08/19 Movimento Cultural Ermelino Matarazzo <http://emjornal.com.br/noticias/iniciativa-culturalpropicia-cursos-gratuitos-de-violao-producao-musical-ecanto-em-ermelino/> <https://www.youtube.com/watch?v=Jp1nAfMXr4k> <https://benfeitoria.com/MCEM> <http://codigo.inf.br/aun/cultura/zona-leste-ocupacaocultural-mateus-santos-movimento-cultural-de-ermelinomatarazzo/> < h t t p s : / / w w w. r e d e b r a s i l a t u a l . c o m . b r / entretenimento/2018/02/casa-de-cultura-de-ermelinom a t a r a z z o - a m p l i a - p r o g r a m a c a o - p a r a - r e s i s t i r- a fechamento> Acesso em 07/04/2019

Geosampa <http://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/ PaginasPublicas/_SBC.aspx > Acesso em 10/03/2019

103


“APESAR ESSA EXCLUSÃO SOCIOESPACIAL, AS PERIFERIAS SÃO RICAS EM CULTURA, A QUAL É DESENVOLVIDA PRINCIPALMENTE PELOS TRABALHOS DE COLETIVOS ARTÍSTICOS, PERTENCENTES A ESSE TERRITÓRIO. O QUE NÃO EXISTE SÃO INVESTIMENTOS, ESPAÇOS ADEQUADOS DE FORMAÇÃO, FOMENTO E PRODUÇÃO CULTURAL, RESULTADO DE UMA EXCLUSÃO QUE IGNORA OS ESPAÇOS MARGINAIS DA CIDADE COMO PRODUTORES E CONSUMIDORES DE ARTE.” (PEÇANHA,2011,PAG.08).

Trabalho Final de Graduação - FAU USJT

Profile for Franciele Bortolassi

MOVIMENTO_ARTE Articulando Educação e Cultura na Periferia  

TFG: MOVIMENTO_ARTE, Articulando Educação e Cultura na Periferia. Este trabalho retrata o estudo da concepção de uma escola de ensino profis...

MOVIMENTO_ARTE Articulando Educação e Cultura na Periferia  

TFG: MOVIMENTO_ARTE, Articulando Educação e Cultura na Periferia. Este trabalho retrata o estudo da concepção de uma escola de ensino profis...

Advertisement