Page 1

Boletim Paroquial Nº 231 - 08 Setembro 2013 Fradelos/Vilarinho das Cambas Responsabilidade: Pe. António Machado paroquia.fradelos@sapo.pt Tlm. 917293284; Telef. 252458339

24º Domingo Comum - 15 Setembro 1ª Leit. Ex 32, 7-11. 13-14 «Tenho observado este povo: é um povo de dura cerviz.» Salmo Responsorial: 50 Vou partir e vou ter com meu pai. 2ª Leit. 1 Tim 1, 12-17 Ao Rei dos séculos, Deus imortal, invisível e único, honra e glória pelos séculos dos séculos. Ámen. Evang. Lc 15, 1-32 Disse-lhe o pai: ‘Filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu. Mas tínhamos de fazer uma festa e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi reencontrado’.

Pai, pequei contra o Céu e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho.

UM POVO QUE PRODUZA FRUTOS A liturgia deste Domingo centra a nossa reflexão na lógica do amor de Deus. Sugere que Deus ama o homem, infinita e incondicionalmente; e que nem o pecado nos afasta desse amor… A primeira leitura apresenta-nos a atitude misericordiosa de Jahwéh face à infidelidade do Povo. Neste episódio – situado no Sinai, no espaço geográfico da aliança – Deus assume uma atitude que se vai repetir vezes sem conta ao longo da história da salvação: deixa que o amor se sobreponha à vontade de punir o pecador. Na segunda leitura, Paulo recorda algo que nunca deixou de o espantar: o amor de Deus manifestado em Jesus Cristo. Esse amor derrama-se incondicionalmente sobre os pecadores, transforma-os e torna-os pessoas novas. Paulo é um exemplo concreto dessa lógica de Deus; por isso, não deixará de testemunhar o amor de Deus e de Lhe agradecer. O Evangelho apresenta-nos o Deus que ama todos os homens e que, de forma especial, Se preocupa com os pecadores, com os excluídos, com os marginalizados. A parábola do “filho pródigo”, em especial, apresenta Deus como um pai que espera ansiosamente o regresso do filho rebelde, que o abraça quando o avista, que o faz reentrar em sua casa e que faz uma grande festa para celebrar o reencontro.


calendÁrio das celebraÇÕes TER. 10, Não há Eucaristia QUA. 11, 18h30 Rosário, 19h Eucaristia António Veloso, esposa e família Deolinda Torres Costa Araújo Joaquim da Costa e Silva e família Joaquim Domingues Azevedo Costa Joaquim Ferreira dos Santos e família Joaquim Marques Campos e família Manuel da Silva Ferreira, esposa e genro Pelas Almas do Purgatório Serafim Oliveira e Silva e Emília de Oliveira Valentim Ferreira da Costa, pai e família Abel dos Santos e Silva e pais Ana Moreira de Paiva e marido António Azevedo e Silva Berta Campos Pereira e avós Francisco de Assis Xavier Jaselino Ferreira da Cruz Loureiro e nora José Gomes de Sá, filhas e família Manuel Curtinhas Marcelino Campos e filho Maria Joaquina Leitão Maria Otília dos Santos Carneiro Silva e família Maria Rosa da Silva e família Maria Rosa Moreira Dionísio Mário Torres Andrade e família QUI. 12, Não há Eucaristia SEX. 13, S. João Crisóstomo, 18h30 Rosário, 19h Eucaristia Ana Santos e Sá, marido e filho Carminda Dias Azevedo, marido e filho Elvira Alves da Costa Falecidos do lugar das Cruzes Lino dos Santos Azevedo e família Manuel da Costa Ferreira e filhos Maria Amélia Azevedo Santos e família Maria Amélia Gomes Marinho Pinto e família Maria da Silva Moreira e marido Maria Ferreira da Cruz Lima e marido Salbina Gomes de Almeida e família Ana Gonçalves Dias Celestino Veloso, filho e Joaquim Couto Deolinda Torres Costa Araújo e família

Felisbina Ferreira da Silva e marido Fernanda Costa e Silva Florinda Silva Pereira, marido e filho Laurindo Oliveira Dias Maria Azevedo Costa e família Maria Elisa Silva Correia e marido Maria Pereira Azevedo Pais e sogra de Olindina Carvalho Ricardo Gonçalves e tio Lino Sónia Raquel, avós e tias Adoração Eucarística e Vésperas SÁB. 14, Exaltação da Santa Cruz, 18h15 Rosário, 19h Eucaristia Laura da Quinta, 30º dia Adelino da Costa Santos, irmãos e cunhados Adelino Ruas Costa e esposa António dos Santos Furtado Bernardino da Costa Gonçalves Gentil Costa Azevedo, esposa e genro Joaquim Azevedo Silva Joaquim Oliveira Silva Fonseca e avós Joaquina Ferreira dos Santos, filha e genro Mãe e sogra de Lurdes Reis Manuel Gomes Pereira e cunhados Maria da Costa Santos e filho Maria de Fátima Silva e Sá e família Maria Emília Martins Araújo e pais Rosa Ferreira da Silva e filhos DOM. 15, 8h Eucaristia Alzira Alice Padrão Loureiro António Araújo e família Arminda Azevedo Silva Avelino Moreira Barbosa Camilo Miranda Gonçalves Guilhermina S. Silva e Isidoro Santos Joaquim Ferreira dos Santos e esposa Joaquim Raposo e pais José da Costa Carneiro e esposa José Maia Pinto e José Silva Torres Maria das Dores Araújo Campos e Maria Urânia Maria Inês Oliveira Dias Pais e família de Carlinda Antunes 9h Rosário 11h Eucaristia


agenda Atendimento / cartório - Sábado: 10h-11h30. O atendimento será com o Diogo. Ausência do pároco - Na próxima semana, de Segunda a Sexta-feira, o pároco estará ausente. Para algum serviço pastoral urgente, podemos contar com a ajuda do senhor padre Manuel Joaquim, pároco de Ribeirão (tel: 917 566 867) e também do senhor padre Eusébio de Lousado (tel: 917 629 606). Dia Arquidiocesano do Catequistas - No próximo dia 14 de Setembro, realiza-se no Sameiro,o Dia Arquidiocesano do Catequista, com o tema "Celebração da Fé". O encontro tem início pelas 9h com o acolhimento aos catequistas e do programa constam, da parte da manhã (até às 13h), momentos de oração, conferências e diversos ateliês subordinados ao tema. No período da tarde (a partir das 14h15) haverá oportunidade para participar novamente nas oficinas de oração e nos ateliês, ou assistir a um concerto-oração. O dia termina com Eucaristia presidida pelo Senhor Arcebispo Primaz, D. Jorge Ortiga às 16h. Celebração do Crisma - No próximo Sábado, dia 14, haverá uma reunião com todos os jovens do 10º ano de Catequese e que em 28 de Setembro celebrarão o Sacramento da Confirmação. Neste encontro estarão presentes os seus catequistas e o pároco. Esta reunião realiza-se logo a seguir à Eucaristia das 19h e é necessária (indispensável) a presença de todos estes jovens! Ninguém está dispensado! Ultreia (Encontro) Nacional dos Cursilhos de Cristandade - No dia 22, em S. Bento da Porta Aberta, para toda a gente que queira participar. O programa detalhado está afixado junto às portas da Igreja. Os interessados devem inscrever-se até ao dia 15 com o sr. José Maria, tel: 918 309 746. Inscrições para o Primeiro Ano de Catequese - Nos dias 22 e 29 de Setembro, das 9h às 11h, podem ser inscritas todas as crianças da nossa comunidade que este ano pastoral iniciam a Catequese, que começarão a frequentar o Primeiro Ano. Estas inscrições serão feitas na Residência Paroquial e nos horários e dias acima indicados. Recomenda-se aos pais não esquecerem este assunto! Escola de Valdossos - Reunião de pais das crianças que irão frequentar o Jardim de Infância será na Segunda-feira, dia9, às 18h. Para os pais das crianças do 1º ciclo, a reunião é na Quarta-feira, às 18h. Na Sexta-feira, dia 13, haverá a recepção aos alunos do 1º ano e do pré-escolar. Na Segunda-feira, dia 16, iniciarão as actividades lectivas para todos os anos.

sugestÃo da semana Filme de Mês: "O Mordomo" Em 2010, o realizador norte-americano Lee Daniels comoveu milhares com a adaptação cinematográfica do romance biográfico de Sapphire, ‘Precious’, contando a comovente e inspiradora história de uma adolescente negra a quem a extrema dureza da vida não roubou a capacidade de amar, esperar e realizar um futuro sorridente para si e a sua filha. Este ano, é o realizador encarregue de levar ao grande ecrã nova adaptação de uma biografia, desta feita de um mordomo da Casa Branca, partindo não de um romance mas de um artigo assinado em 2008 por Wil Haygood no Washington Post que popularizou a história de vida de Eugene Allen, posteriormente seguida e aprofundada pela imprensa.


A luz da fé O escritor António Alçada Baptista conta uma história exemplar, na primeira pessoa: «Uma vez eu fui operado e estava só no hospital com meu pai. Tinha uma dor pegada das unhas dos pés às pontas dos cabelos e meu pai estava ao pé de mim. Eu tinha já 19 anos, mas apeteceu-me a sua mão humana e paterna e disse-lhe: - Deixe-me ver a sua mão. - Para quê? - Preciso da sua mão. Ele sorriu-se e deu-ma, mas imediatamente começaram a funcionar dentro de si as pesadas estruturas marialvas e académicas que recusam a um filho de 19 anos a mão terna dum pai. E, disfarçadamente, começou a retirar a sua mão até que a minha continuou pedinte, mas só e unilateral.». «Preciso da tua mão». O conhecimento de Deus só pode ser um conhecimento vivido, profundamente experimental. Essa é uma afirmação espantosa que atravessa toda a Revelação Bíblica, tanto do Antigo como do Novo Testamento. Deus está. O Deus transcendente “vê”, “escuta”, “compadece-se”, “mostra-se”, “permite o encontro”. Pense-se no passo fundamental do Livro do Êxodo: «Eu vi, Eu vi a miséria do Meu povo que está no Egipto, ouvi o seu clamor por causa dos seus opressores, pois Eu conheço as suas angústias. Por isso desci a fim de libertá-lo» (Ex 3,7). A Escritura foge assim a definições e constrói uma gramática eminentemente narrativa. Não conceptualiza: narra, relata, exemplifica. E as imagens que nos oferece de Deus atestam que Ele está presente. Com mais razão ainda, o Evangelho de Jesus desautoriza-nos a persistir em fórmulas obscuras. A viragem que Jesus introduz é considerar Deus a partir de dentro. Jesus apresenta-Se como o Filho de Deus. E a relação que mantém com Deus é uma relação filial. Isto é, Jesus vem dizer que Deus O impregna profundamente a ponto de Ele ser Filho e se descobrir como tal. Não é apenas um conhecimento especial que Jesus fornece de Deus. É outra coisa: Deus é a fonte que plasma e ilumina a criatividade messiânica das Suas palavras e dos Seus gestos (Jo 14,811)... De certa maneira, o programa de Jesus outra coisa não é que esta filiação. Mergulhados na sua páscoa, somos chamados a viver do seu Espírito, configurados à sua realidade, atravessados e guiados pela sua luz. É fundamental percebermos que a relevância do discurso cristão parte, antes de tudo, da sua essência. Claro que o papa Francisco ir ao desembarcadouro de Lampedusa, reclamar corajosamente por políticas mais humanas, deve colher a atenção de todos. Mas de igual maneira deveria ser escutado quando nos propõe, com límpido desassombro, uma reflexão sobre a fé. José Tolentino Mendonça

Boletim nº 231  

08 de Setembro de 2013