__MAIN_TEXT__

Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM

Pe. Florence Dubois Fundador

www.fundacaonazare.com.br belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

D o jornal católico da família D

ANO CIV - Nº 796 - PREÇO AVULSO: R$1,00

Brasil: um país, muita atenção

Os recentes acontecimentos no campo da realidade política e social, além de ocorrências desrespeitosas à religião e à fé motivam manifestações da Igreja e da sociedade. CADERNO 2, Página 1 , 3, 4, 5 E 6. divulgação

w igreja e sociedade conclamam a todos para romper o silêncio e fazer valer uma extensa campanha pelo bom desenvolvimento do país

Missa pela Família Nazaré na sexta-feira, 3

Assembleia Arquidiocesana de Pastoral

Celebração mensal em gratidão aos benfeitores da Fundação Nazaré na capela da instituição na sexta, às 15h.

Arquidiocese de Belém realiza assembleia para organizar plano pastoral para os próximos anos na Igreja de Belém.

caderno 1, página 11.

caderno 1, página 8. luiz estumano

Gen Rosso em Belém Banda italiana apresenta-se nos dia 3 e 4 em Belém. Voz de Nazaré entrevistou artistas. caderno 2, página 12.

Idosos em encontro w gen rosso Parte dos integrantes da banda Gen Rosso ao conceder entrevista à Rádio Nazaré FM, em Belém

Direitos e formação de lideranças no encontro regional da Pastoral da Pessoa Idosa em Belém. caderno 2, página 12.


2

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Opinião Privilégio de ser católico João Carlos Pereira

charge do andré abreu

Jornalista e professor jcparis@orm.com.br

Olhares sobre o Círio (III)

M

Comente esta charge: voz@fundacaonazare.com.br

Panorama José Pereira Ramos joseulina1@gmail.com

Todos os Santos

A

Economista e escritor

nossa Igreja abre o mês de novembro louvando a todos os Santos. Une-se a Liturgia da Igreja peregrina à da Igreja celeste para celebrar ao Senhor Jesus Cristo, que é a fonte do amor e da santidade. Não são apenas os santos canonizados que a Igreja festeja nesta data e, sim, os demais, bem mais numerosos, que souberam manter e aperfeiçoar, durante a vida, os dons recebidos pelo batismo. É tempo propício para meditarmos sobre as “Bem-aventuranças”. Os bem-aventurados são os que ouvem e vivem as mensagens Evangélicas. Não basta puxar a corda do círio ou ler a bíblia. O

Encontro Fraterno ivens Coimbra Brandão

ivenscb@oi.com.br; ivenscb@gmail.com

Sentido da vida

P

Engenheiro civil e escritor

ode parecer paradoxal, mas a vida passa pela morte, que é um dos dois pontos da reta que define o sentido de nossas vidas. O outro ponto é o momento da nossa concepção. Ao tempo quando cursávamos o nível fundamental, aprendemos que, enquanto um segmento de reta é limitado por dois pontos, uma reta ‘passa’, por dois pontos, mas não tem limite. Assim é a vida, uma reta que passa pelos pontos – ou momentos –da concepção e da morte, sem limite. Sobre o primeiro ponto, o momento da concepção, Jeremias profetiza: “Recebi a palavra de Javé que me dizia: ‘Antes de formar você no ventre de sua mãe, eu o conheci; antes que você fosse dado à luz, eu o consagrei, para fazer de você profeta das nações” (Jr 1, 45). São Paulo como que chancelou a profecia de Jeremias: “Ele (Deus)

Fun­da­do em 5 de ju­lho de 1913 fundador Pe. Flo­ren­ce Du­bois, bar­na­bi­ta

arquidiocese de belém-pará

presidente Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Be­lém do Pa­rá vice-presidente Monsenhor Marcelino Ferreira Vigário-geral da Arquidiocese de Belém do Pa­rá

importante é saber interpretar e saber viver, sem vaidades e ambições, as verdades pregadas por Jesus. Devemos aprender a fugir das frágeis glórias mundanas. Nunca vi nenhum endinheirado levar seus bens para o túmulo. O tempo dos faraós passou há muitos séculos! Devemos imitar os santos anônimos que ontem e hoje preocupam-se com as crianças desprotegidas, os(as) professores(as) que sabem dirigir seus alunos defendendo os verdadeiros valores. Todos os que defendem os conceitos éticos e morais. Todos nós que estamos aqui de passagem, tempo em que devemos lutar para garantir a nossa presença eterna junto ao Salvador. Por isso, no dia 2 prestamos homenagens aos nossos antecedentes que nos ensinaram essas coisas maravilhosas e merecem a nossa reverência.

otivo de manifestações de toda ordem, nas redes sociais e nas conversas, a rapidez com que o Círio foi conduzido se transformou em polêmica. Da diretoria – que não tem pressa em fazer o Círio chegar, e, sim, compromisso com a beleza do evento, porque faz o Círio para a cidade e não para si mesma, ouvi explicações bastante convincentes para o ritmo da procissão: o fechamento de transversais da avenida Nazaré bem mais cedo do que habitualmente; a não-realização, este ano, do espetáculo dos fogos, no Boulevard, (lá se consumia quase meia hora), menos paradas da berlinda e facilidade no manejo da corda, sobretudo nas curvas, além de o atrelamento acontecer quase no meio do Boulevard Castilhos França, muito contribuíram para a rapidez tão criticada. O que se coloca como centro da observação é a velocidade do Círio. Escuto, e concordo, que o romeiro se cansa, que o sol maltrata, que todos querem almoçar mais cedo e que o sistema

de transporte público de Belém, no segundo domingo de outubro, dificulta a vida de todos. Mas também acolho as ponderações de quem prefere ver um Círio mais longo, estendido até perto de 13 horas. Há a voz do turista que, desinformado (ou mal informado por quem o traz a Belém) sobre o andamento do cortejo, nem sempre consegue ver a santa passar. Tão difícil quanto colocar o Círio na rua é mantê-lo íntegro até à chegada. Quando a corda é cortada, o ritmo tende a mudar. Quem corta a corda apressa o Círio, coloca vidas em risco e, se não bastasse o vandalismo, interrompe o sonho do promesseiro, com a finalidade de vender pedacinhos da corda. Isso só acontece, porque há quem se disponha a comprar. Sem receptador, não há crime que compense. Todos os anos as questões da velocidade do Círio e do corte da corda são levantadas. Muito já tem sido feito, mas a solução definitiva ainda está por vir.

Assim na terra como no céu ... Pe. Helio Fronczak

nos escolheu em Cristo antes de criar o mundo para que sejamos santos e sem defeito diante dele, no amor” (Ef 1, 4). Sobre o segundo ponto, o momento da morte, é o próprio Cristo que revela aos discípulos, respondendo a um questionamento de Simão Pedro, quando já estava próximo seu Sacrifício na Cruz: “Existem muitas moradas na casa de meu Pai. Se não fosse assim, eu lhes teria dito, porque vou preparar um lugar para vocês” (Jo 14, 2). Já deixei registrado aqui neste espaço que no ano passado fui submetido a uma cirurgia de risco, que demandou cinco horas, ficando eu sob os efeitos da anestesia por mais quinze horas, o que me levou à sensação de que havia morrido. Dois sentimentos então me invadiram: de bem-estar, e a expectativa de quem haveria de me receber. Em seguida, comecei a ouvir vozes, que logo identifiquei como sendo do pessoal de enfermagem da UTI... Tomei então o fato como sinal de esperança, a estimular a busca pelo sentido de minha vida, em um permanente processo de conversão ao projeto de Deus.

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior diretor administrativo e financeiro ­Marcos Aurélio de Oliveira diretor de comunicação Mário Jorge Alves da Silva diretor de captação de recursos ­Arnaldo Pinheiro

heliofronczak@gmail.com

Onde estamos?

À

s vésperas da “Assembleia Pastoral Arquidiocesana”, que acontecerá de 9-15 deste mês, esta pergunta – onde estamos? – é fundamental. De fato estamos em um processo de avaliação da caminhada e em tempo de lançamento de novas perspectivas. Esta é uma ocasião muito propícia para alargarmos o nosso olhar e tomarmos consciência dos grandes desafios pastorais que o tempo presente nos impõe. E para termos as lentes bem focadas nos objetivos pastorais não podemos esquecer que a Igreja é “reflexo no tempo da eterna e inefável comunhão do amor de Deus Uno e Trino”, como lembra S. João Paulo II, no documento Christifideles Laici , n. 31. E em outro seu documento, Pastores Dabo Vobis , n. 12, S. João Pau-

coordenação Bernadete Costa (DRT/PA 1326) conselho de programação e editoração Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Edwaldo Lobo Monteiro editoração eletrônica Sérgio Santos (DRT/PA 579) As­si­na­tu­ras, dis­tri­bui­ção, ad­mi­nis­tra­ção e re­da­ção Av. Go­v. Jo­sé Mal­cher, Ed. Pau­lo VI, 915 CEP: 66055-260

lo II afirma que a Igreja é constitutivamente “mistério de comunhão trinitária em tensão missionária”. E ainda na sua encíclica Ut unum sint , n. 9, ele diz: “Deus quer a Igreja porque ele quer a unidade e na unidade se exprime toda a profundidade do seu ágape”; e formula três equações de base: “Crer em Cristo significa querer a unidade; querer a unidade significa querer a Igreja; querer a Igreja significa querer a comunhão da graça que corresponde ao desígnio do Pai desde toda a eternidade”. O que nos pede, portanto, o Espírito, hoje? Que “vivamos” e “irradiemos” comunhão! Este é o ponto de gravitação e de expansão de toda verdadeira pastoral e também da sinodalidade! Sobre este argumento vamos refletir na próxima semana.

- Na­za­ré, Be­lém - PA Te­l.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Re­da­ção: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veí­cu­lo da Fun­da­ção Na­za­ré de Co­mu­ni­ca­ção ­CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Im­pres­so no par­que grá­fi­co de O Li­be­ral

fundação nazaré de comunicação


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Conversa com meu povo

3

Arcebispo

Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

Vidas realizadas

A

cada ano a Igreja propõe aos fiéis a celebração do mistério que podemos chamar de nossa páscoa pessoal, a realidade daquela que São Francisco de Assis chamou de “irmã morte”, a inevitável morte corporal. E são muitas as pessoas, também de outras confissões cristãs ou outras religiões, que se agregam ao calendário litúrgico católico para recordar os parentes e amigos falecidos. Entretanto, a Igreja não se detém na morte, mas abre o horizonte para a plenitude da realização humana e cristã, comemorada na Solenidade de Todos os Santos. Olhamos para aqueles que já chegaram, contemplando eternamente a alegria do Céu e, ao mesmo tempo, refletimos sobre os passos a serem dados pelos que caminham na terra, todos chamados, sem exceção, à salvação, pois, no plano de Deus, todos foram feitos para a bem-aventurança, alegria sem fim e realização total de suas legítimas aspirações. Temos à nossa disposição, como exemplo e oração, os santos e santas de Deus, aqueles que já percorreram a estrada da felicidade, como nos exorta a Palavra de Deus: “Com tamanha nuvem de testemunhas em torno de nós, deixemos de lado tudo o que nos atrapalha e o pecado que nos envolve. Corramos com perseverança na competição que nos é proposta, com os olhos fixos em Jesus, que vai à frente da nossa fé e a leva à perfeição. Em vista da alegria que o esperava, suportou a cruz, não se importando com a infâmia, e assentou-se à direita do trono de Deus. Pensai pois naquele que enfrentou uma tal oposição por parte dos pecadores, para que não vos deixeis abater pelo desânimo” (Hb 12,1-3). Faz parte de nossa aventura cristã olhar ao redor para identificar o sonho de felicidade presente em todas as pessoas. Entretanto, pode até acontecer, e infelizmente acontece, que tantos de nós, confundindo o que efetivamente nos realiza, façamos escolhas inadequadas. É o mistério do pecado, com suas armadilhas sempre preparadas! No entanto, é

divulgação

w Olhamos para aqueles que já chegaram, contemplando eternamente a alegria do Céu

sempre mais vigilante e poderoso o amor de Deus, que não se cansa de perdoar! Assim, a esperança não se apaga, mesmo nos períodos eventualmente mais críticos de nossa vida e da sociedade. Para nós andarmos corajosamente contra a correnteza do mal e do pessimismo tantas vezes reinante, vem em nosso socorro a proposta das Bem-aventuranças, com indicações precisas e provocantes, incitando-nos à vida nova nascida do Evangelho (Mt 5,1-12): “Bem-aventurados os pobres no espírito, porque deles é o Reino dos Céus”. Ser feliz é colocar Deus em primeiro lugar, aprendendo a relativizar todo o resto, experimentar sua Providência amorosa, participar de sua generosidade, na partilha dos bens que nos são confiados! Ricos do Reino de Deus seremos ao descobrir que só temos mesmo o que aprendemos a doar! “Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados”. Chorar é adquirir sensibilidade diante do sofrimento e dos apelos dos outros, vencer a indiferença, ir ao encontro dos que padecem mais, ter a coragem de tomar iniciativa para fazer o bem! “Bem-aventurados

A Igreja não se detém na morte, mas abre o horizonte para a plenitude da realização humana e cristã, comemorada na Solenidade de Todos os Santos os mansos, porque receberão a terra em herança”. Uma contradição diante de um mundo que se arma cada vez mais e quer ganhar no grito e na força, mas esta é a estrada do Evangelho e da história do mundo. Os violentos, mais cedo ou mais tarde, caem de sua empáfia! Quem é aparentemente fraco está construindo um

mundo diferente, no silêncio e na mansidão! “Bem-aventurados os que têm fome e sede da justiça, porque serão saciados”. Que dignidade se encontra nas pessoas que olham ao seu redor e não ficam satisfeitas com o pão que as sustenta, mas abraçam os valores do Evangelho, sentem-se incomodadas com a maldade e a injustiça e

põem mãos à obra para mudar o mundo! “Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”. A força do perdão e da misericórdia é incomensurável! Aliada da mansidão, a misericórdia é bálsamo capaz de lenir as muitas feridas existentes nos corações. Corações apaixonados de amor pela fraqueza e pela miséria

dos outros se entregam para transformar pessoas e estruturas da sociedade. “Bem-aventurados os puros no coração, porque verão a Deus”. Ter o olhar puro de Deus dentro do próprio coração limpa nossos olhos, fazendo-nos ver as pessoas de modo diferente, em todos os sentidos, inclusive na cura da exorbitante e insaciável busca do prazer sensível, existente em nossos dias! “Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus”. Paz como Jesus a dá, e não como o mundo a procura ou pretende oferecer, feita de medo e ameaças recíprocas. E esta paz começa no coração que se desarma para ir ao encontro dos outros! “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus”. Na lista dos santos e dos mártires, nunca faltou a perseguição e a incompreensão. Ilusória é a busca de acomodações diante do mal existente! São felizes os perseguidos por causa do bem! Outras perseguições não são fonte de realização! “Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós por causa de mim. Alegraivos e exultai, porque é grande a vossa recompensa nos céus. Pois foi deste modo que perseguiram os profetas que vieram antes de vós”. Não pode o cristão viver no mundo sem a perspectiva do Céu. Olhar para o alto é fonte de alegria e realização nesta terra, malgrado toda a incompreensão diante dos autênticos valores do Evangelho. Caminho difícil? O único que é digno dos filhos de Deus, chamados à santidade, para ter vidas realizadas aqui e na eternidade!


4

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Arquidiocese agenda de dom irineu roman

agenda de dom alberto corrêa n De 3 a 9 de novembro de 2017

agenda de dom antônio de assis ribeiro n De 3 a 9 de novembro de 2017

n De 3 a 9 de novembro de 2017

n SEXTA, 3 DE NOVEMBRO 8h - Gravações 15h - Reunião 18h - Audiência n SÁBADO, 4 DE NOVEMBRO 9h - Reunião n DOMINGO, 5 DE NOVEMBRO 11h - Missa - Centro de Cultura e Formação Cristã (CCFC) n SEGUNDA, 6 DE NOVEMBRO 8h - Gravações 10h - Audiências 17h30 - Imposição da Medalha “Amigo da Marinha” (Comando do 4º Distrito Naval) n TERÇA, 7 DE NOVEMBRO 6h25 - Missa (Carmelo Santa Teresinha) 15h - Encontro Regional Norte da Pastoral da Pessoa Idosa n QUARTA, 8 DE NOVEMBRO 8h - Gravações 10h - Audiências n QUINTA, 9 DE NOVEMBRO 8h30 - Reunião do Conselho Episcopal 11h - Reunião

n SEXTA, 3 DE NOVEMBRO 8h30 – Audiências 19h - Crisma - Paróquia São Pedro São Paulo n SÁBADO, 4 DE NOVEMBRO 8h - Formação com seminaristas do Seminário Menor do Marajó 17h - Missa - Igreja São João Paulo II (Comunidade CAJU) n DOMINGO, 5 DE NOVEMBRO 9h - Crisma - Comunidade Nossa Senhora do Montenegro (Paróquia Santa Luzia do Bom Futuro) 19h - Missa - Paróquia São Judas Tadeu (festividade) n SEGUNDA, 6 DE NOVEMBRO 8h30- Reunião - Pastoral das Ilhas n TERÇA, 7 DE NOVEMBRO 10h - Atividades CNBB 19h - Crisma - Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora – Aurá n QUARTA, 8 DE NOVEMBRO 19h - Missa - Comunidade Santa Izabel da Hungria (Paróquia dos Capuchinhos) n QUINTA, 9 DE NOVEMBRO 8h30 - Reunião do Conselho Episcopal 19h - Missa - Comunidade São Francisco - Paróquia Transfiguração do Senhor – Curuçambá

Os compromissos de Dom Alberto Taveira podem sofrer alterações sem aviso prévio.

Os compromissos de Dom Irineu Roman podem sofrer alterações sem aviso prévio.

n SEXTA, 3 DE NOVEMBRO 8h30 - Reunião na Faculdade Católica 15h- Audiências 19h - Show Gen Rosso SÁBADO, 4 DE NOVEMBRO 9h - Visita ao Oratório Juvenil - Aurá 19h -Missa em Genipauba - Santa Bárbara n DOMINGO, 5 DE NOVEMBRO 18h - Missa - Paróquia São Geraldo Magela - Conjunto Marex n SEGUNDA, 6 DE NOVEMBRO 6h30 - Missa na Residência Episcopal 8h30 - Audiências 19h - Estudo em preparação à instalação da Paróquia Santíssimo Redentor - Icuí-Guajará n TERÇA, 7 DE NOVEMBRO 6h30 - Missa na Residência Episcopal 8h30 - Faculdade Católica n QUARTA, 8 DE NOVEMBRO 8h30 - Audiências 15h - Audiências 17h - Reunião da Pastoral da Educação - Cúria Metropolitana n QUINTA, 9 DE NOVEMBRO 8h30 - Dia da Assembleia Arquidiocesana para os Bispos e Conselho

Os compromissos de Dom Antônio de Assis podem sofrer alterações sem aviso prévio.

Homilia Dominical Padre Romeu Ferreira romeufsilva@gmail.com

A) Texto: Mt 5,1-12

Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma

1

Jesus vendo as multidões subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, 2e Jesus começou a ensiná-los: 3“Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus. 4Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. 5Bemaventurados os mansos, porque possuirão a terra. 6Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. 7Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão m i s e r i c ó rd i a . 8 B e m aventurados os puros de coração, porque verão a

Deus. 9Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão filhos de Deus. 10Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. 11Bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós por causa de mim. 12Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus”. B) Comentário Festa de todos os santos. O ser humano é feito à semelhança de Deus (Gn 1,26) e Deus é o único três vezes Santo (Is 6,3) e nos convoca: “Sede santos, porque eu, Iahweh, vosso Deus, sou santo (Lv 19,2)”.

O texto fala da “Felicidade”, da “Alegria”, da “Paz”, do “Sentir-se plenamente e continuamente realizado/a”. E só quem se doa pode sentir-se assim. O evangelho fala das “Bem-aventuranças”, ou seja, da “felicidade”; o bem que vem e se torna realidade. A felicidade ou Bem-aventurança em hebraico se diz “ashrê” (Sl 84,13); em grego é “makários”, ou “macarismos”: o leque da felicidade. Se alguém pergunta a Jesus: “o que fazer para ser feliz, ou quem é feliz”? Ele mostra um elenco de condições e qualidades: os pobres, os aflitos, os mansos, os famintos, os misericordiosos, os puros, os pacíficos e os perseguidos. Em cada uma das oito situações é apresentada a

razão do ser feliz. O quadro se mostra como um contraste, pois quem se sente feliz na aflição, na perseguição...? E mais, o mestre nos ordena a termos uma alegria ainda maior ou felicidade plena, convidando à alegria e à exultação: “Alegrai-vos e exultai”(v12)... quando vos perseguirem, caluniarem, mentirem contra vós. E em oração lhe diríamos: Senhor, quem poderá alegrar-se neste turbilhão de padecimentos e agruras? Qual será a razão desta felicidade? Que felicidade é esta? Ele aponta em tê-lo como motivo: por causa de mim (v 11). Jesus conduz o pensamento da plateia a uma dimensão escatológica, ou seja, o mestre leva o cristão a tornar-se cada

vez mais um ser “futurisso” que, embora estando no tempo presente, ele veja todo o seu potencial, com perspectiva no futuro; com segurança de vitória por parte de quem pode garanti-la: o Cristo. No discurso, Jesus “subiu ao monte”. Isto quer mostrar a importância dos ensinamentos dele, que são tão aquilatados quanto foi o pacto sinaítico, o compromisso de Deus com o seu povo, no monte Sinai. Há uma felicidade que não a contemplamos a não ser com os olhos da fé e na dinâmica e energia que nos vem do Senhor. Vivendo estas qualidades evangélicas: “pobreza” ao modo de Cristo, e todas elas, nós seremos bem-aventurados, felizes.

Liturgia da Semana w 03/11, SEXTA-FEIRA Cor (branco) Primeira Leitura (Rm 9,1-5) Responsório (Sl 147) Evangelho (Lc 14,1-6)

w 04/11, SÁBADO Cor (branco) Primeira Leitura

(Rm 11,1-2a.11-12.25-29) Responsório (Sl 93) Evangelho (Lc 14,1.7-11)

w 05/11, DOMINGO Cor (banco) Primeira Leitura (Ap 7,2-4.9-14) Responsório (Sl 23)

Evangelho (Mt 5,1-12a)

w 06/11, SEGUNDA

Cor (verde) Primeira Leitura (Rm 11,29-36) Responsório (Sl 68) Evangelho (Lc 14,12-14)

w 07/11, TERÇA-FEIRA Cor (verde)

Primeira Leitura (Rm 12,5-16a) Responsório (Sl 130) Evangelho (Lc 14,15-24)

w 08/11, QUARTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Rm 13,8-10) Responsório (Sl 111)

Evangelho (Lc 14,25-33)

w 09/11, QUINTA-FEIRA

Cor (branco) Primeira Leitura (Ez 47,1-2.8-9.12) Responsório (Sl 45) Evangelho (Jo 2,13-22)


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

5

Vaticano O sonho de Deus para o homem Papa Francisco destaca que “Sem o amor, vida e fé permanecem estéreis”

C

om informações da Rádio Vaticano. “O amor dá impulso e fecundidade à vida e ao caminho de fé: sem o amor, quer a vida quer a fé, permanecem estéreis”. Dirigindo-se da janela do apartamento pontifício aos milhares de fiéis e turistas presentes na Praça São Pedro, o Papa Francisco refletiu no Angelus do 30º Domingo do Tempo Comum, em 28 de outubro, sobre o mandamento do amor: a Deus em primeiro lugar, e ao próximo como a si mesmo. “Tu podes fazer coisas boas, cumprir todos os preceitos, tantas coisas boas, mas se tu não tens amor, isto não serve”, advertiu Francisco, que inspirou-se na passagem de Mateus proposta pela liturgia do dia. Os fariseus queriam colocar Jesus à prova, perguntando a ele qual era o maior mandamento da Lei. “Uma pergunta insidiosa – observa o

Papa - porque na Lei de Moisés são mencionados mais de 600 preceitos”. Então Jesus responde: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento”, acrescentando, “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”. “Esta resposta de Jesus não é algo que se deduz automaticamente, porque entre os múltiplos preceitos da lei judaica, os mais importantes eram os dez mandamentos, comunicados diretamente por Deus a Moisés, como condição do pacto de aliança com o povo”:   “Mas Jesus quer fazer entender que sem o Amor por Deus e pelo próximo não existe verdadeira fidelidade a esta aliança com o Senhor. Tu podes fazer coisas boas, cumprir todos os preceitos, tantas coisas boas, mas se tu não tens amor, isto não serve”. O Papa cita o Livro do Êxodo, onde expli-

fotos: divulgação

w papa na reflexão do Angelus do 30º Domingo do Tempo Comum

ca que para estar em Aliança com o Senhor, não se pode maltratar “aqueles que desfrutam de sua proteção’: “E quem são estes que desfrutam de sua proteção? Diz a Bíblia: a viúva, o órfão, o estrangeiro, o migrante, isto é, as pessoas mais sozinhas e indefesas”. Ao responder aos fariseus, Jesus também

tenta ajudá-los “a colocar ordem em sua religiosidade”, distinguindo “aquilo que realmente é importante”, daquilo “que é menos importante”: “E Jesus viveu exatamente assim a sua vida: pregando e fazendo aquilo que realmente é importante e é essencial, isto é, o amor. O amor dá impulso e fecundidade à vida e ao caminho de fé: sem o

amor, quer a vida quer a fé permanecem estéreis”. O que Jesus propõe nesta página do Evangelho – explicou Francisco - é um ideal estupendo, que corresponde ao desejo mais autêntico de nosso coração: “De fato, nós fomos criados para amar e ser amados. Deus, que é amor, nos criou para tornar-nos partícipes da

sua vida, para sermos amados por Ele e para amá-lo, e para amar com Ele todas as outras pessoas. Este é o “sonho” de Deus para o homem”. Mas para conseguir realizar isto, “temos necessidade da sua graça, temos necessidade de receber em nós a capacidade de amar que provém do próprio Deus”: “Jesus se oferece a nós na Eucaristia justamente para isto. Nela, nós recebemos o seu Corpo e o seu sangue, isto é, recebemos Jesus na expressão máxima de seu amor, quando Ele ofereceu a si mesmo ao Pai para a nossa salvação”. Que a Virgem Santa – foi sua invocação final – “nos ajude a acolher em nossa vida “o grande mandamento” do amor de Deus e do próximo”, pois se o conhecemos desde pequeno, nunca deixaremos de nos converter a ele, para “colocá-lo em prática nas diversas situações em que nos encontramos”.

Papa alerta sobre armas nucleares para a humanidade Com informações da Rádio Vaticano. “A humanidade corre o risco de suicídio.” Foi o que disse o Papa Francisco durante sua visita à sede do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, na segunda-feira, 30 de outubro, referindo-se à ameaça das armas nucleares. Numa nota divulgada, nesta segunda-feira, o Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Greg Burke, informa que na próxima semana se realizará, no Vaticano, um encontro importante sobre o tema “Perspectivas para um mundo livre de armas nucleares e para o desenvolvimento integral”. “O Santo Padre trabalha com determinação a fim de promover as condições necessárias para um mundo sem armas nucleares, conforme reiterado por ele,

em março passado, na mensagem para a ONU. É falso falar de mediação da Santa Sé”, afirma Burke, como afirmado pela mídia italiana sobre a crise em andamento entre Estados Unidos e Coreia do Norte. O encontro, promovido pelo Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, se realizará na Sala Nova do Sínodo, no Vaticano, nos dias 10 e 11 de novembro próximo, “com a participação de personalidades de alto nível”, segundo a subsecretária do organismo vaticano, Flaminia Giovanelli, entrevistada pela Rádio Vaticano – Secretaria para a Comunicação. Giovanelli fala sobre o que o Papa disse durante sua visita ao Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral. Giovanelli: “O Papa

w Armas nucleares colocam em risco sobrevivência da humanidade

sublinhou mais uma vez, algo que faz habitualmente, o fenômeno do comércio de armas. Reiterou a sua denúncia contra esse comércio de armas que estimula e alimenta esses redutos de conflitos, que não

são redutos de conflitos, mas, disse ele mais uma vez: ‘Estamos numa verdadeira guerra’. Falando sobre as armas nucleares, uma ameaça que infelizmente está presente há décadas e se torna mais aguda, como

nos dias atuais, falou também de ‘suicídio da humanidade’, do risco de suicídio da humanidade. Proferiu palavras muito fortes.” RV: Como nasceu esse encontro no Vaticano? Giovanelli: “Diria que

nasceu do querer dar um seguimento ao Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares adotado em julho passado e assinado pela Santa Sé em setembro, com grande convicção. Nasceu disso e certamente tudo isso caminha na direção daquilo que o Santo Padre deseja, de querer sublinhar algo positivo que aconteceu, pelo menos do ponto de vista simbólico, com a assinatura do Tratado. Depois, há também o aumento da crise nuclear e por causa disso esse congresso tornou-se realmente um momento muito importante. Tivemos uma ótima resposta de todas as instâncias que interpelamos, tanto da comunidade internacional quanto dos Prêmios Nobel. Participarão 11 delas e haverá também testemunhos de sobreviventes da tragédia de Hiroshima.”

Papa superou os 5 milhões de seguidores no Instagram

A C

prenda com a maravilha, cultive o estupor. Viva, ame, creia. E, com a graça de Deus, jamais desespere. (30 de outubro) onvido vocês a terem o olhar fixo no Senhor Jesus Cristo para aprender com Ele a amar com todo o coração. (29 de outubro)

Com informações da Rádio Vaticano. Cinco Milhões! A conta do Instagram do Papa Francisco superou nos últimos dias 5 milhões de follower (seguidores). “Inicio um novo caminho para percorrer com vocês a via da mise-

ricórdia e da ternura de Deus”. Nesta mensagem no dia 19 de março de 2016, durante o Jubileu da Misericórdia, Francisco inaugurou seu Instagram. A Secretaria para a Comunicação da Santa Sé diz que 65 % dos se-

guidores são mulheres, e 35% homens com faixa etária de 18-24 anos e 25-34 anos, na maioria dos seguidores no Social Media de imagens. O maior número de seguidores são Brasil, Estados Unidos, Colômbia, Itália e México.


6

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Igreja no Mundo

Afeganistão é consagrado a Maria Consagração oferecerá uma alternativa à degradação da situação daquele país

C

om informações da agência Gaudium Press. A capela da embaixada italiana de Kabul, Afeganistão, se converteu na sede da Consagração do país ao Imaculado Coração de Maria, no dia 9 de outubro. O Padre Giovanni Scalese, Ordinário da Missão Jurisdicional do Afeganistão, celebrou uma Missa Solene para este fim, contando com uma “boa participação” dentro dos limites da escassa povoação cristã local. O sacerdote confiou que esta Consagração

oferecerá uma alternativa à degradação da situação do país. “Estamos em um importante momento histórico; talvez não nos damos conta inclusive das significativas mudanças que estamos experimentando”, explicou o Padre Scalese . “A consagração ao Imaculado Coração nos ajuda a viver nosso tempo de um modo mais consciente e com uma disponibilidade total à vontade de Deus”. A situação em meio da qual se produz

fotos: divulgação

w capela Iggda embaixada italiana de Kabul, Afeganistão

a Consagração poderia qualificar-se como desesperada, já que inclu-

sive organismos como a Cruz Vermelha declararam a suspensão das

atividades no país após o assassinato de nove de seus membros.

“Nos incentiva a convicção de que as situações mais difíceis e intrincadas podem ser resolvidas de um momento para outro, sem o menor esforço humano. Quem dirige a história está além e vai fora da história”, declarou o Padre Scalese. O presbítero confiou que, apesar da povoação do Afeganistão ser principalmente cristã, a Mãe de Deus poderá reconhecer aos não crentes como parte da humanidade que seu Filho quis redimir através de sua morte na Cruz e se apiede da nação.

Chilenos prometem rezar um milhão de Rosários pela visita do Papa ao país Com informações da agência Gaudium Press. Em preparação à visita que o Papa Francisco fará ao Chile entre os dias 15 a 18 de janeiro, está sendo promovida uma campanha de oração no país intitulada: “Um Milhão de Rosários

pelo Papa, pela Fé, pela vida e pela família”. “A vinda do Papa é uma tremenda bênção e a melhor forma de se preparar é rezando pelo seu pontificado, como ele o pede, mas também pelo Chile”, afirmou Andrés Giménez,

um dos coordenadores da campanha. Segundo Giménez, “é distinto um povo que está se preparando espiritualmente, que está rezando antes de que chegue o Papa. Isto nos permitirá ter o coração mais aberto à sua palavra”.

Fervoroso promotor do Santo Rosário, Giménez se considera um ‘convertido’, graças à incansável recitação do Santo Rosário por parte de sua esposa nas intenções de que ele se convertesse, fato que ocorreu há nove anos.

Igreja no Brasil

254ª edição da Romaria da Penha em João Pessoa (PB) Com informações da agência Gaudium Press. A 254ª edição da maior romaria da Paraíba, dedicada a nossa Senhora da Penha, devem levar milhares de fiéis às ruas da capital João Pessoa no próximo dia 25 de novembro. A temática que inspirará os festejos intitula-se “No ‘sim’ de Maria, Deus restaurou a criação. Ó Mãe, ensina-nos a viver em comunhão e a preser-

var o meio ambiente”. A programação conta com celebração eucarística, tríduo, oração do Terço Mariano e procissão com a Imagem de Nossa Senhora da Penha. A programação festiva conta com a encenação do Auto da Penha. No Dia da Romaria, marcado para 25 de novembro, as atividades começarão às 6h. Ás 22h, terá início a 254ª Roma-

ria de Nossa Senhora da Penha, com a Bênção de Envio dos Romeiros que deverá ser feita pelo Arcebispo da Paraíba, Dom Manoel Delson. Após, os devotos participarão da Noite de Louvor. A previsão é de que a Romaria chegue às 4h do dia 26 de novembro, quando ocorrerá uma celebração eucarística campal presidida por Dom Delson.

Protagonismo dos cristãos leigos é assumido nos regionais da CNBB Com informações da CNBB. A Igreja no Brasil celebra, no período de 26 de novembro de 2017 (Solenidade de Cristo Rei) à 25 de novembro de 2018, o “Ano do Laicato”. Na última reunião do Conselho Permanente deste ano, nos dias 24 e 25 de outubro, foram definidas ações e orientações metodológicas de como cada regional da Conferência pode se preparar para celebrar a solenidade. O tema escolhido para animar a mística do Ano do Laicato é “Cristãos leigos e leigas, su-

jeitos na Igreja em saída, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”. A Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato organizou as atividades em quatro eixos: eventos; comunicação, catequese e celebração; seminários temáticos nos regionais e publicações. Nos regionais da CNBB, por exemplo, as preparações para a vivência do Ano já começaram. Segundo o bispo de Caçador (SC) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para no Clasen, a intenção é o Laicato, Dom Severi- que com a celebração

possa se dar um novo impulso e estímulo aos

leigos do Brasil. No regional Nordes-

te 5, correspondente ao Estado do Maranhão, do qual o arcebispo do Maranhão, Dom José Belisário da Silva é presidente, o Ano do Laicato será focado na questão da Igreja missionária. “Na história da Igreja do Brasil realmente nós não podemos desconhecer a importância da família e do leigo e da leiga, pois sem a família e sem o leigo a Igreja desapareceria, então para a transmissão da fé a gente tem que realmente levar em consideração que os leigos são importantíssimos”, finalizou o bispo.


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

C

om objetivo de ampliação de sua atuação na área da Arquidiocese de Belém, a Pastoral Carcerária realizou no último dia 29 de outubro, domingo, na Capela de Nossa Senhora de Lourdes, em Belém, o curso de formação para novos agentes. Participaram da formação cerca de 90 voluntários que atenderam a convocação feita pelos bispos arquidiocesanos. Foi uma manhã de grandes esclarecimentos para os presentes que puderam conhecer, a partir de cada palestrante, o cerne e a missão da Pastoral Carcerária, que possui seu trabalho voltado para os apenados. A formação teve abertura com explanação de Dom Antônio de Assis, Bispo Auxiliar, que foi também quem o coordenou e grande incentivador. O bispo abordou o tema “Jesus Cristo, o libertador” e falou sobre a problemática da pessoa presa sob a ótica de uma Justiça Restaurativa, onde a prática do perdão, da caridade e do arrependimento são fatores fundamentais na cons-

7

Igreja

Pastoral Carcerária promove formação para novos agentes

Novos voluntários podem se apresentar e contribuir com esta missão divulgação

w agentes formação contribui para a ampliação do conhecimento sobre o trabalho da Pastoral

trução de um homem e de uma nova sociedade verdadeiramente cristã. Em seguida, o coordenador da Pastoral Carcerária, Diácono Ademir Silva, fez uma apresentação da realidade da pastoral, esclarecendo aos novos agentes quais os principais objetivos, seu funcionamento, estratégias de ação e missão. Para o coordenador,

a instrução é importante para que os novos agentes possam abraçar a natureza da missão que lhes aguarda: “é fascinante e com certeza será assumida com amor a todos que disseram sim a esse chamado”. A terceira contribuição na formação de novos agentes foi do Padre Hélio Fronczak, vigário paroquial da Paróquia

de Nossa Senhora do Carmo, em Benevides, que, com o testemunho de sua experiência pessoal refletida em sua caminhada sacerdotal bem como no rebanho que com ele caminha, muito contribuiu para o enriquecimento vivencial e espiritual de todos. Após o testemunho, houve dinâmica em grupo onde, após um estudo

de temáticas apresentadas, os novos agentes puderam manifestar o conhecimento assimilado e demonstrando quais perspectivas esperam poder realizar como novos integrantes da Pastoral. A formação teve ainda a presença de Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano, que manifestou aos presentes sua satisfação

com o “sim” diante da convocação feita pelos bispos e também, reafirmou seu apoio na missão desafiadora que, segundo ele, será coroada pelo êxito por ação do Espírito Santo e a dedicação de cada um. Por fim, Dom Antônio de Assis, lembrou que haverá, ainda, outros dois encontros nos dias 25 de novembro e 9 de dezembro, também no auditório da Capela de Lourdes, para o qual todos estão convidados para a continuidade dos trabalhos de formação, ressaltando que novos voluntários poderão se apresentar, pois a Pastoral Carcerária necessita de muitos voluntários para sua missão. Maiores informações e inscrições poderão ser feitas através do telefone da Cúria Metropolitana: 32157001/7002.

Mundo juvenil e a fé cristã Dom Antônio de Assis Ribeiro - Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

Jovens protagonistas, missionários, místicos e entusiastas (Caro leitor, o artigo da semana passada nesta coluna não era aquele que deveria ter sido publicado. Foi um erro! Peço-lhe desculpas! Retomaremos àquela reflexão). Celebramos no domingo passado, dia 29 de outubro, o Dia Nacional da Juventude (DNJ). Em muitas dioceses e paróquias houve variadas manifestações juvenis. Aproveito essa ocasião para deixar um especial estímulo aos jovens católicos que estão engajados em nossas comunidades, paróquias, movimentos, grupos e pastorais. Caro leitor, quero, permita-me apresentarlhe, quatro importantes exigências que são critérios fundamentais de saúde da pastoral juvenil para todos os seguimentos juvenis: a necessidade da promoção do protagonismo juvenil, a importância da missionariedade, a urgência da vida espiritual e a beleza do entusiasmo.

1

O protagonismo juvenil O protagonista de um filme é o ator principal, o mais dinâmico, o que mais toma iniciativas,

o que mais interage; é aquele que conduz a história! Assim também deve ser o jovem protagonista em seu grupo, em seu movimento, em sua comunidade, em sua paróquia: dinâmico, propositivo, vivaz, ativo... O verdadeiro protagonista faz a sua história somando com os outros, por isso colabora, se envolve, não fica esperando, se sente parte integrante da comunidade! O verdadeiro jovem católico protagonista conserva a comunhão com seus líderes e rejeita qualquer forma de revolta, ruptura e desobediência. A Igreja é referência de Unidade e Comunhão por causa da obediência, assim viveu Jesus Cristo, obediente até a morte e morte de cruz (cf. Fil2,8). Portanto, entre desafios, caro jovem, faça a sua parte com alegria! Não fique reclamando, murmurando, não critique levianamente! Seja propositivo, não atire pedras! Dê a sua contribuição para o fortalecimento da sua Igreja. E lembre-se: nada é automático, tudo é processo e, por isso, é preciso paciência! Quem é maduro e acredita, busca, luta, sofre, espera, conquista!

2

A missionariedade juvenil O grande foco do protagonismo do jovem católico deve ser a evangelização de outros jovens. Sobretudo daqueles que estão indiferentes e afastados, mas se dizem católicos. Não tenha vergonha de testemunhar o seu Batismo, que você é discípulo missionário de Jesus Cristo, que você é católico engajado! Fique alegre quando for alvo de gozação dos outros por causa de Jesus Cristo e da Igreja (cf. Mt 5,10-11). A realidade juvenil em nossos dias é delicada! Quantos jovens na violência, na drogadição, no tráfico de entorpecentes, no submundo da prostituição! Também quantos jovens carentes do sentido da vida, que padecem do vazio existencial, que vivem à margem de tudo... Quantos jovens presos e suicidas! Não podemos ficar parados somente lamentando os males que atingem os jovens. Através da evangelização testemunharemos a eles que Jesus Cristo é a fonte da Vida e que sua amizade dá sentido para a nossa existência porque com Ele aprende-

mos a amar e servir! Jesus Cristo é o Caminho que nos leva ao Bem-Viver e à plena Felicidade. Quem verdadeiramente se faz amigo de Jesus tem sua vida transformada. Proporcionemos essa experiência aos outros jovens.

3

A urgência da espiritualidade Nada disso será possível sem o zelo necessário para com a nossa vida espiritual. A espiritualidade é a vida do Espírito de Deus em nós, que vem ao encontro das nossas fraquezas e nos fortalece (cf. Rm 8,26). Sem esse dinamismo divino em nós, ficamos à deriva da nossa impulsividade. A vida espiritual se consegue através da oração pessoal, da leitura e meditação da Palavra de Deus todos os dias, da frequência aos sacramentos, da devoção à Nossa Senhora! Caro jovem, sem uma profunda e séria vida espiritual somos arrastados por tantos desejos meramente carnais, vícios, paixões fugazes, ilusões e apegos materialistas. A vida espiritual nos leva a organizar a nossa vida segundo a vontade Deus (cf. Rm 8,1-13). Sem a experiência

mística, enquanto dinamismo do mistério de Deus em nós, não adianta falar de justiça social e nem querer balançar bandeiras de causas sociais... porque não haverá sustentabilidade ética. É por isso, que muitos jovens lutam pela justiça com meios violentos! É uma contradição! O bem deve ser buscado com meios justos! Portanto, para lutar pela promoção de um mundo mais justo e fraterno precisamos estar bem espiritualmente! Por isso, zele pela sua fé e sua vida espiritual!

4

A beleza do entusiasmo Às vezes os obstáculos, as dificuldades de cada dia, a incompreensão dos outros, a falta de recursos, a ausência de apoio, as dificuldades na família, os conflitos de interesses etc. podem concorrer para o pessimismo, a impaciência e o desânimo! Não se deixe vencer pelo cansaço, mantenha-se firme! A vida espiritual serve justamente para nos tornar fortes, resistentes, animados, capazes de superar dificuldades, capazes de discernir, sábios, resilientes. Portanto, se de fato, você é convicto de sua fé e das

exigências do seu batismo que lhe fez discípulo de Jesus Cristo, então, conserve o seu otimismo, a sua firmeza, a sua serenidade, a sua alegria e sua esperança em todas as circunstâncias. As provações, quando encaradas com fé, nos fortalecem e, assim, testemunhamos a nossa perseverança e fidelidade! Estamos juntos em pleno processo de reorganização do Projeto Pastoral do Setor Juventude da Arquidiocese de Belém, isso é um sinal de esperança para a revitalização da pastoral juvenil no ano 2018. Será o ano da juventude! Vamos lá, então! Temos mais futuro do que passado! Alimente a fé, robusteça a esperança e se esforce para servir com alegria! REFLEXÃO: Como você vê o protagonismo juvenil em sua comunidade? A sua comunidade, grupo, movimento ou pastoral tem ardor missionário, ou está frio? O que precisa ser melhorado? Vo c ê j á s o f r e u “bullying religioso”? Como você reagiu e o que o texto de Mateus 5,10-11 lhe sugere?

1 2 3


8

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Nazaré Repórter

rádio nazaré

fm

J Assembleia Arquidiocesana de Pastoral

fotos divulgação

Na próxima semana a Arquidiocese de Belém volta todas suas atenções para a nona Assembleia Arquidiocesana de Pastoral. A programação comena quinta-feira, 9, com reunião com os Bispos e Conselho Episcopal, na Residência Episcopal, às 8h30 e no dia seguinte, 10, também na residência, a reunião da Coordenação da Assembleia com os Bispos. No sábado, 11, pela manhã, o encontro será com o diaconato permanente da Arquidiocese, e, à tarde, com a Vida Religiosa e demais pessoas consagradas, no auditório do Colégio Nazaré. Segunda-feira, 13, o Conselho Presbiteral reúne-se na Residência Episcopal, das 8h30 às 12h, e na terça, 14, reunião do Presbitério, às 8h30 às 13h. No dia 15, a Assembleia Arquidiocesana de Pastoral com representantes das regiões episcopais e das paróquias, no Centro de Cultura e Formação Cristã (CCFC), das 8h30 às 17h.

J Santo Bazar Acontece até sábado, 4, o Santo Bazar, que vai beneficiar três instituições filantrópicas: Instituto Felipe Smaldone que trabalha com crianças surdas e especiais, como autistas; Salesiano do Trabalho que capacita pessoas de baixa renda e o Abrigo São Vicente de Paulo, lar de idosos sem

referência familiar. Serão ofertados bens apreendidos pela Receita Federal como roupas, utensílios, celulares, equipamentos eletrônicos e brinquedos. O Bazar acontece no espaço Computer Hall, na travessa Antônio Barreto, de 9h às 19h. Mais informações: (91) 991268967/98373-7636.

l Assembléia Arquidiocesana de Pastoral na Rádio Nazaré FM

J Festival de Música Brasileira O Instituto Estadual Carlos Gomes realiza até 6 de novembro o 33° Festival de Música Brasileira, evento anual que tem como prioridade destacar a obra de compositores brasileiros. Em 2017, a instituição escolheu homenagear o compositor, regente e pianista brasileiro Francisco Mignone, que completaria 120 anos se estivesse vivo. O festival segue até o dia 6 de novembro com recitais gratuitos na sala Ettore Bosio. A programação completa está disponível em www.fcg.pa.gov.br

J ENEM 2017 Neste domingo, 5, será o primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o estudante deve ficar atento ao material que precisa levar no dia da prova e atentar para o que não é permitido durante a aplicação do exame. Para fazer as provas, a redação e preencher o cartão de respostas o candidato terá de usar caneta esferográfica de tinta preta, fabricada com material transparente. O documento de identidade com foto é obrigatório para fazer o exame. Pode ser apresentada a carteira de identidade, a identidade expedida pelo Ministério da Justiça para estrangeiros, as carteiras expedidas

z mh 3 . 91

Com o tema “Evangelizar, Graça, Vocação e Identidade da Igreja”, a Arquidiocese de Belém realiza no período de 9 a 15 de novembro a 9º Assembléia Arquidiocesana de Pastoral em Belém. Para falar sobre a programação, temas que serão abordados e da importância da realização da

Assembléia, na próxima segunda-feira, 6, às 8h, no Programa Igreja Ponto a Ponto, Pe. Nilton Cezar Reis entrevistará o Vigário Geral para a Pastoral, Monsenhor Raimundo Posidônio. O Programa Igreja Ponto a Ponto vai ao ar de segunda a sexta-feira, de 8h as 9h. Sintonize 91,3 MHz e participe conosco!

Rádio Nazaré FM - 91,3. A serviço da vida. nossa missão é evangelizar!

rede nazaré de televisão

por ordens ou conselhos de classes validadas por lei, a carteira de trabalho, o certificado de reservista,

J Farinha em queda de preço A farinha de mandioca, item básico na mesa do paraense, está mais barata na Grande Belém, segundo o Dieese/PA. As pesquisas mostram trajetória de queda no preço do quilo da farinha comercializada em feiras livres e supermercados, que chegou a 10% nos últimos nove meses de 2017. No mês de setembro, mesmo com alta para R$ 6,43, no balanço do ano o recuo ficou em 9,82%

al can

30

o passaporte ou a carteira de habilitação. No Pará, os portões das escolas abrirão pontualmente às 11h e fecharão às 12h. A prova terá início às 12h30. No próximo domingo (5), a prova tem duração de 5h30.

l TV Nazaré transmite encerramento da festividade de São Judas Tadeu Acompanhe neste domingo, 5, pela TV Nazaré, canal 30 – ou na sintonia de sua cidade – a transmissão ao vivo da Missa Campal de encerramento da

festividade da Paróquia de São Judas Tadeu, celebração que será presidida por Dom Irineu Roman, Bispo Auxiliar de Belém. Acompanhe este momento de fé.

portal nazaré

w. ww re. a naz .br o a com dac n u f

J Cinema Brasileiro e cultura regional A Fundação Cultural do Município (Fumbel), promove uma programação bastante diversificada ao público no Cinema Olympia e no Complexo Cultural Ver-o-Rio, no próximo domingo, dia 5, a partir das 17h30, com entrada franca. No Olympia, será exibido o documentário “Pau e Corda, Histórias de Carimbó - Cem Anos de Verequete”, produção da TV Cultura do Pará, dirigida por Guaracy Britto Jr., em celebração ao centenário de nascimento de Mestre Verequete, no ano de 2016. Já no Complexo Ver-oRio haverá um palco montado, das 17h30 às 21h, com foco na diversidade cultural paraense.

l Portal Nazaré na cobertura da 9ª Assembléia Arquidiocesana de Pastoral Acompanhe pelo Portal Nazaré as informações sobre a 9ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral, que será realizada no período de 9 a 15 de novembro. Você também pode

conferir todas as atualizações sobre este tempo de comunhão e partilha missionária da Igreja local através da fanpage facebook.com/ FNCBelem e do twitter. com/FundacaoNazare.


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

9

Opinião Mater ecclesiae

Pe. Wiremberg Miranda (wiremberg.miranda@gmail.com)

Maria nas entrelinhas!

A

fotos: divulgação

- A Santíssima Virgem Maria Asunta ao Céu e os Religiosos

migos leitores, caríssimos! Celebramos neste dia 21 de Agosto a tão excelsa e sublime festa de Nossa Senhora Assunta ao céu! Unimo-nos aos Religiosos e Religiosas, celebrando e elevando a Deus nossas almas para cantar as maravilhas com A Beatíssima Virgem o chamado à santidade de todos eles, e assim como se expressou o Concilio Ecumênico Vaticano II, a Perfeita Caridade de que são chamados esses homens e mulheres de nosso tempo, a viver no mundo e na Igreja como sinal e testemunho do Ressuscitado e vivencia radical de nosso batismo. A Assunção da Santíssima Virgem é um dogma e refere-se a que a Mãe de Deus, no fim de sua

vida terrena foi elevada em corpo e alma à glória celestial. Tal dogma foi proclamado ex cathedra pelo Papa Pio XII, no dia 1º de novembro de 1950, por meio da Constituição Mu-

nificentissimus Deus:

“Depois de elevar a Deus muitas e reiteradas preces e de invocar a luz do Espírito da Verdade, para glória de Deus onipotente, que outorgou à Virgem Maria sua peculiar benevolência; para honra do seu Filho, Rei imortal dos séculos e vencedor do pecado e da morte; para aumentar a glória da mesma augusta Mãe e para gozo e alegria de toda a Igreja, com a autoridade de nosso Senhor JesusCristo, dos bemaventurados apóstolos Pedro e Paulo e com a nossa, pronun-

ciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que a Imaculada Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, terminado o curso da sua vida terrena, foi assunta em corpo e alma à glória do céu”. E nosso Catecismo sublinha:

“A Assunção da Santíssima Virgem constitui uma participação singular na Ressurreição do seu Filho e uma antecipação da Ressurreição dos demais cristãos” (n. 966).

Que todos os religiosos busquem a constante proteção da Virgem e que Ela nos alcance, Intercessora que é na ordem da graça a Salvação de que nos trouxe Jesus Cristo, o Filho amado do Pai!

w a Assunção da Santíssima Virgem é um dogma

Cursilho de Cristandade

Pe. Antônio Mattiuz, csj (antoniomattiuz@gmail.com)

A missão de 72 discípulos

D

epois que os 12 Apóstolos voltaram da missão que lhes tinha dado (Lc 9, 1-6), Jesus escolheu outros 72 discípulos, deu-lhes instruções práticas e os enviou para anunciarem o Evangelho (Lc 10, 1-9). Dois a dois partiram e foram. Imagina que você também é um deles. Por que Jesus escolheu exatamente 72?

72 é um número simbólico. Ele representa as 12 tribos de Israel, os 12 Apóstolos, mas multiplicado por 3, não uma, mas duas vezes. O número 12 representava a totalidade do povo de Deus formado pelas 12 tribos de Israel. O número dos 72 enviados a evangelizar era 12 x 3 x2. Isto significava TODOS. Assim, Jesus quis di-

zer que todos os seus discípulos são enviados a anunciar o Evangelho. Se todos os cristãos, em força do seu Batismo, são chamados a anunciar o Evangelho, mais ainda os cursilhistas, os quais receberam um chamado reforçado, insistente e repetido de Jesus através de seus irmãos. Cursilhista que pensa só em si mesmo, ainda

não é cursilhista, e nem cristão de verdade. O carisma do Cursilho é evangelizar os ambientes onde se vive ou trabalha. Lá, o cursilhista deve anunciar Jesus e sua Palavra especialmente aos afastados. Afastados são aqueles que receberam o Batismo, mas nunca cresceram e nem se tornaram adultos na fé. Mas, como fazer?

Entra num Núcleo ou Grupo de cursilhistas para planejar e agir junto com teus irmãos cursilhistas. Vai nas Ultréyas e na Escola Vivencial e ali te dirão como fazer. Hoje a sociedade prega muito o individualismo, isto é, eu, eu e eu. Mas Jesus quis a sua Igreja organizada em comunidades, mesmo que sejam apenas dois ou três.

É no Grupo que Jesus marca presença e despeja suas graças e luzes. Por isso, para os cursilhistas agirem do jeito que Deus quer, precisam agir em Grupos. Tu és um dos 72 discípulos de Jesus. Ele te enviou. Hoje tu és o braço, a mão, o olho, a língua ou o coração de Jesus para salvar o mundo. Vai, e faze a tua parte.

Vida Religiosa Consagrada Pe. João Mendonça, sdb (pe.mendonca@hotmail.com)

7

O sangue das missionárias dará frutos

d e d e z e m b ro d e 2014. Três religiosas missionárias Xaverianas foram brutalmente assassinadas com golpes de facas e pedras. Irmã Lúcia Pulici, 75, irmã Olga Raschietti, 83, irmã Bernadetta Boggian, 79. Único crime: dedicação total ao Reino de Deus. Assim coroamos o martírio destas três religiosas nascidas do coração de Giacomo Spagnolo e Celestina Bottego que, em 1944, ao sentirem os apelos do fundador dos Missionários Xaverianos, São Guido Conforti (1865-1931), canonizado pelo papa Bento XVI em 2011, fundaram as missionárias Xaveria-

nas. São Guido sentiu o desejo de iniciar uma congregação feminina, mas não teve tempo, morreu antes. Contudo, seu discípulo Giacomo Spagnolo não deixou morrer aquele desejo fundacional. Ao encontrar a jovem professora Celestina começou a reacender a chama fundacional e, juntos, assumiram aquele TUDO por Cristo e a missão. As missionárias nasceram para continuar os passos de Jesus Cristo, o missionário do Pai, na vida fraterna e na missão aonde forem enviadas. As irmãs Xaverianas percorrem as estradas do mundo. Não existe para

w missionárias continuar os passos de Jesus

elas fronteiras, limites ou final de uma ponte. Para elas, à luz da genialidade da fundadora, Celestina Bottego, o limite é sempre o que está mais além do horizonte. Trata-se de um Instituto missionário que exige de suas

seguidoras a capacidade de adaptação, a liberdade para ir aonde forem chamadas, a deixar realmente tudo e todos pelo Reino absoluto de Deus: TUDO. As primeiras Xaverianas chegaram ao sul do

Brasil e ao Japão. Depois foram ao Zaire (República do Congo), Burundi, Amazônia, México, Colômbia, Serra Leoa, Camarões, Chade, Tailândia. Como Maria elas cruzam as fronteiras para chegar à casa de Isabel e nas periferias existências humanas para anunciar a paz de Jesus. São Arcas da Aliança neste mundo de muros, de divisões, de guerras aos pedaços. A missionária Xaveriana é uma mulher escolhida do meio do povo de forma exclusiva por Deus e enviada por Ele para o povo como testemunha de uma mensagem que liberta. Ela mesma é a

mensagem! Em pequenas e significativas comunidades inseridas no meio do povo, as missionárias dão testemunho de que o amor é possível, de que a paz é possível, de que é possível viver a Boa Nova do Reino em meio a credos, línguas e raças, rompendo preconceitos e muros, para acolher os migrantes, os aflitos e os preferidos de Deus. O sangue destas mártires continuará dando frutos em abundância. O TUDO, que no início Giacomo enviou à fundadora, continua hoje na vida de cada missionária na resposta vocacional vocacional. Bendito seja Deus!


10

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Santa Missa Horários de Missas nas paróquias da Arquidiocese de Belém Região Episcopal Sant’Ana Nossa Senhora da Graça (Catedral) Cidade Velha - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 19h Telefone: 2121-3723/ 2121-3724 N. Sra. das Mercês (Reitoria) Comércio - Belém Sábado: 12h e 17h Domingo: 12h e 17h Sant'Ana da Campina Comércio - Belém Sábado: 12h (Igreja Matriz) Domingo: 7h (Col. D. Bosco) 9h (Igreja Matriz) Telefone: 3230-3734 São Judas Tadeu Condor - Belém Sábado: 19h. Domingo: 7h, 9h e 19h Telefone: 3115-6020 Santa Teresinha do Menino Jesus Jurunas - Belém Sábado: 6h e 18h30 Domingo: 6h30, 8h30 e 18h Telefone: 3272-2251 Santo Antônio de Lisboa Batista Campos - Belém Sábado: 6h30, 12h, 17h e 18h30 Domingo: 8h, 11h, 17h, 18h30 e 20h Telefone: 3215-7004/ 3222-0097 Santíssima Trindade Campina - Belém Sábado: 16h Domingo: 7h, 10h, 11h30, 17h30 e 19h Telefone: 3215-7007/ 3242-4917 Nossa Senhora da Conceição Cidade Velha - Belém Sábado: 18h30 Domingo: 7h, 9h e 18h Telefone: 3215-7006 São José Umarizal - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 11h e 19h Telefone: 3230-1633 Santa Luzia Jurunas - Belém De terça a sexta-feira: 19h Sábado: 18h30 Domingo: 7h; 9h; 18h30 Telefone: 3271-2146 Nossa Senhora de Lourdes Nazaré - Belém Seg a Sáb: 6h30 e 18h Domingo: 7h, 9h, 17h30 e 19h30 Telefone: 3223-5728 Nossa Senhora do Carmo Cidade Velha Sábado: 18h - Domingo: 7h Região Episcopal Santa Maria Goretti Santa Maria de Belém Terra Firme - Belém Terça: 19h Sábado: 19h - Domingo: 7h30 e 19h Telefone: 3253-5422 São Pedro e São Paulo Guamá - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 18h30 Telefone: 3283-6021/3259-0413 São José de Queluz Canudos - Belém Segunda a sábado: 6h30 e 19h Domingo: 7h, 8h30, 17h e 19h Telefone: 3226-2612 São Domingos de Gusmão Terra Firme - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 19h30 Telefone: 3253-2656/3274-4746 São Miguel Arcanjo Cremação - Belém Sábado: 18h30 Domingo: 7h30, 11h e 18h30 Telefone: 3283-6022 Nossa Senhora de Fátima Fátima - Belém Sábado: 17h30 Domingo: 6h45, 8h30, 17h30 e 19h30 Telefone: 3266-1392/3226-0503

Santa Maria Goretti Guamá - Belém Domingo: 9h30 e 18h Telefone: 3283-6023 Nossa Senhora de Nazaré (Basílica Santuário) Nazaré - Belém Sábado: 7h, 8h30,12h,17h Domingo: 6h30, 8h, 10h, 16h30, 18h e 20h Telefone: 4009-8400 São Francisco de Assis (Capuchinhos) São Brás - Belém Sábado: 19h30 Domingo: 6h, 7h30, 9h30,18h, 20h Telefone: 3073-1500 Santo Antônio do Tucunduba Guamá - Belém Sábado: 19h30 Domingo: 7h e 19h30 Telefone: 3274 -9001 Região Episcopal Santa Cruz Imaculada Conceição Castanheira - Belém Sábado: 17h. Domingo: 7h e 19h Telefone: 3277-4642/98111-8110 São Sebastião Sacramenta - Belém Sábado e domingo: 7h, 17h e 19h Telefone: 3264-9060/3254-7354 Jesus Ressuscitado Marambaia - Belém Sábado: 18h Domingo: 7h, 10h e 18h Telefone: 3277-4643 São Geraldo Magela Val de Cans - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h30, 10h30 e 18h Telefone: 3257-7950 N. Sra do Perpétuo Socorro Segunda a sábado: missa - 19h Domingo: missa: 7h, 8h30, 17h30 e 19 h - Telefone: 3233 1797 São Jorge Marambaia - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h, 17h e19h Telefone: 3277-4641 São Raimundo Nonato Umarizal - Belém Sábado: 6h30 e 18h Domingo: 6h30, 8h30 e 18h Telefone: 3277-4644 Santa Cruz Marco - Belém Sábado: 7h e 18h30 Domingo: 7h, 9h, 11h30 e 18h30 Telefone: 3277-4640/3276-0941 Nossa Senhora da Conceição Aparecida Pedreira - Belém Terça a Sábado: 18h Dom.: 7h, 9h e 18h/1ª Sexta-mês: 9h Telefone: 3233-4224/3276-9573 São Francisco Xavier Marco - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 18h Telefone: 3352-8845 N. Senhora, Mãe da Divina Providência Val de Cans - Belém Sábado:19h - Domingo: 7h e 19h Telefone: 3257-2388 Sagrada Família Curió Utinga - Belém. Sábado: 7h e 19h30 Domingo: 7h, 9h e 19h30 São João Paulo II Souza - Belém De terça a sábado: 18h Domingos: 8h e 18h Telefone: 3277-4062 Nossa Senhora de Loreto Marco - Belém Telefone: (91) 3355-6302 Sábado: 17h Domingo: 7h, 9h, 11h, 17h e 19h São Benedito Rua São Benedito, Barreiro Terça a sexta-feira - 19h Sábado - 8h (missa com crianças) Domingos - 7h30 e 18h30

Região Episcopal São João Batista São João Batista e Nossa Senhora das Graças Icoaraci - Belém Terça a sexta: 6h30 Sábado: 6h30, 17h, 20h Domingo: 7h e 18h Telefone: 3297-7250 São Francisco de Assis Tapanã - Belém Domingo: 7h e 18h30 Telefone: 3258-8036 Nossa Senhora de Fátima Icoaraci - Belém Terça, quinta e sexta: 18h30 Sábado: 19h - Domingo: 19h Telefone: 3297-7251 Jesus Bom Samaritano Tapanã - Belém Domingo: 7h30 e 19h30 Telefone: 3033-2004 São Francisco das Ilhas Cotijuba - Belém Terça e quinta: 19h30 Sábado: 19h30 Domingo: 7h e 19h30 Telefone: 3247-1438 Nossa Senhora da Imaculada Conceição Outeiro - Belém Terça e quinta: 19h; Sábado: 9h Domingo: 7h e 18h Telefone: 3267-1174 Nossa Senhora do Livramento Icoraci - Belém Terça, quinta, sexta e sábado:19h Domingo: 7h e18h Telefone: 3288-4250 Divina Misericórdia Águas Negras - Icoaraci Terça a sexta: 18h30 Sábado: 17h e 19h30 (comunidade) Domingo: 7h e 19h 30 Santo Afonso de Ligório Pratinha - Belém Sábado: 19h Domingo: 8h30 e19h Telefone: 3258-1554/3274-8281 São Francisco de Assis Campina - Icoaraci Domingo: 7h, 9h e 18h30 De terça-feira a sexta-feira: 19h Telefone: 3297-0765 Região Episcopal Coração eucarístico de jesus Coração Eucarístico de Jesus Catalina - Belém Sábado: 18h Domingo: 7h, 10h e 18h Telefone: (91) 3285-1433 Santa Edwiges Mangueirão - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h30 e18h Telefone: 3279-1654 N. Senhora Rainha da Paz Bengui - Belém Domingo: 7h, 9h e 18h30 Telefone: 3277-4645 Nossa Senhora do Bom Remédio Conjunto Satélite - Belém Sábado: 17h30 Domingo: 7h e 18h30 Telefone: 3289-5355/3248-1136 Natividade de Nosso Senhor Jesus Cristo Conjunto Sideral - Belém Domingo: 7h, 9h e18h Telefone: 3067-2017 Santa Luzia do Bom Futuro Cabanagem - Belém Sábado: 17h - Domingo: 7h e 19h Santa Teresinha do Menino Jesus Tenoné - Belém Domingo: 7h e 18h Telefone: 3289-5368 Nossa Senhora de Lourdes Coqueiro - Ananindeua Sábado: 17h. Domingo: 7h e 19h Telefone: 3275-2391

Santo Antônio de Pádua Coqueiro - Ananindeua Sábado: 19h. Domingo: 7h e 18h Telefone: 98152-2200 Arcanjo São Miguel Una - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h30. 9h30 e 19h Telefone: 3234-4674 Região Episcopal Menino Deus N. Senhora Auxiliadora Anita Gerosa (Aurá) - Ananindeua Domingo: 7h e 18h Telefones: 3255-3828 N. Senhora das Vitórias Almir Gabriel - Marituba Sábado: 19h Domingo: 7h, 19h Telefone: 3256-7655 Sagrado Coração de Jesus Júlia Seffer - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h30, 9h e18h Telefone: 3265-5413 Sagrado Coração de Jesus Distrito Industrial - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h, 8h30 e 17h30 Telefone: (91) 98855 - 2232 Menino Deus Centro - Marituba Domingo: 6h, 8h30 e 18h Telefone: 3237-8351 N. Sra. de Nazaré Quarta - feira Horário de Missa: às 19h Domingos: às 8h30 Telefone: 98040-5117 /98102 - 7344 N. Sra. das Graças Centro - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h e 19h Telefone: 3255-2654 N. Sra. do Ó Vila - Mosqueiro Sábado: 19h30 Domingo: 6h30, 9h30 e 19h30 Telefone: (91) 3771-1278 São Pio X Águas Lindas - Ananindeua Domingo: 7h30 e 19h30 Telefone: 32155-2583 Santa Rosa de Lima Independente - Benevides Terça a Sexta:18h Sábado:17h, 19h Domingo: 07h30 e 19h Telefone: (91)3724- 1135 Bom Pastor Nova Marituba - Marituba Segunda a Sexta: 18h Sábado: 6h, 9h30 e 19h Domingo: 6h, 9h30 e 19h Telefone: 4106-0202 N. Sra da Conceição Praça Matriz - Benfica Domingo: 6h15 e 19h30 Telefone: 3450-8147 N. Sra da Conceição Carananduba - Mosqueiro Ter a Sex: 18h30 Sábado: 18h30 - Domingo: 7h e 19h Telefone: 3772-1183 Santa Bárbara Centro - Santa Bárbara Domingo: 7h30 e 19h Telefone: 3776-1529 São Marcos Uriboca - Marituba Terça: 19h. Domingo: 7h e 19h Telefone: 3237-8351 Pedro Pescador Baía do Sol - Mosqueiro Ter a sexta: 19h (Igreja S. Sebastião) Quarta: Matriz - 19h Sábado:19h (Igreja São Sebastião) Domingo: 8h (Ig. S. Sebastião);

10 h 3 0 ( I g . D i v. E s p . S a n t o ) ; 19h ( Matriz) Telefone: 99919-4153 Área Missionária São Paulo, Apóstolo Rodovia BR-316 Domingo: 9h e 11h Telefone: 98292-9199 Santíssimo Sacramento Nova União - Marituba Sábado: 18h30 (Capela N. Sra. do Perpétuo Socorro) Domingo: 18h30 (Capela S. Francisco de Assis) Região Episcopal São Vicente de Paulo Cristo Rei Guanabara - Ananindeua Domingo: 7h, 9h30 e 19h Telefone: 3235-1405 Divino Espírito Santo Cidade Nova - Ananindeua Sábado: 7h. Domingo: 7h, 9h e 18h Telefone: 3263-0603 Santo Inácio de Loyola Icui Guajará - Ananindeua Domingo: 7h e18h Telefone: 991541971 São Lucas Evangelista Guajará - Ananindeua Sábado: 19h. Domingo: 7h e 19h Telefone: 3279-2621 Santa Maria Mãe de Deus Maguari - Ananindeua Terça, quarta, sexta e sábado: 7h Quinta: 19h; Domingo: 7h e 19h Fone: (91) 3255-5284 Santa Teresinha Águas Lindas - Ananindeua Domingo: 7h30 e 18h Telefone: 9916-4548/99169-3443 N. Senhora de Guadalupe Coqueiro - Ananindeua Terça a sexta: 19h Sábado: 18h30 Domingo: 7h ,9h e18h Telefone: 3245-7440 Cristo Peregrino Jaderlândia - Ananindeua De Segunda a Sábado: 19h Domingo: 7h,17h e19h Telefone: 3237-9891 Santa Paula Frassinetti Cidade Nova VI - Ananindeua Segunda e quarta: 18h30 Terça e quinta: 19h30 Sexta: 7h. Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h, 18h Telefone: 3279-2620 Transfiguração do Senhor Curuçambá - Ananindeua Sábado: 18h30 e 20h Domingo: 7h e 18h30 Telefone: 3286-8570 Santa Rita de Cássia Cidade Nova V - Ananindeua. Sábado: 6h30 e 17h30 Domingo: 6h30, 8h30, 7h30 e 19h30. Telefone: 3273-3191/ 3273-3310 São Vicente de Paulo Paar - Ananindeua Domingo: 7h, 8h30 e 19h São José Operário Conj. Carnaúba, Icuí - Ananindeua Domingo: 7h e 18h Telefone: 3295-3545/3031-1172 Nossa Senhora do Amparo Cidade Nova 8 - Ananindeua Terça a Sexta: 19h30 Sábado: 19h30 Domingo: 7h, 9h e 18h Telefone: 3287-2418 Santo André Apóstolo Coqueiro - Ananindeua Segunda a sexta - 19h Sábado: 19h45 - Domingo: 8h 19h Telefone: (91) 3235-1658

Não encontrou o horário da sua paróquia aqui? Entre em contato com seu pároco ou com a secretaria da sua paróquia e solicite que nos informem para podermos publicar.


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

11

Família Nazaré

Missa pela Família Nazaré será na sexta-feira, 3 Durante a celebração, a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora das Graças

A

celebração mensal da Arquidiocese de Belém pelos benfeitores que ajudam a manter a obra evangelizadora da Igreja por meio dos veículos de Comunicação

Social da Fundação Nazaré de Comunicação será na sexta-feira, 3, às 15h na capela da instituição, situada na avenida Governador José Malcher, 915, no bairro de Nazaré. A TV

Nazaré vai transmitir ao vivo pelo canal 30 – ou na sintonia da sua cidade. A celebração eucarística é precedida da oração do Terço Mariano, às 14h30, com a participação do Grupo Arquidiocesano Terço dos Homens e a Santa Missa também acontece na primeira sexta-feira do mês, por isso, estará presente também

fotos: luiz estumano

o Apostolado da Oração, uma vez que é o dia em que a Igreja reverencia a devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Durante a celebração haverá a visita da imagem de Nossa Senhora das Graças, como parte da programação da festividade de Paróquia de Nossa Senhora de Graças, de Icoaraci.

w missa Todo mês, na primeira sexta-feira, Arquidiocese de Belém reza pelos benfeitores

SORTEIO A Fundação Nazaré de Comunicação sorteia uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré para os benfeitores que ajudam a manter a instituição. A imagem ornada com manto exclusivo, confeccionado pelo estilista Luis Langer , especialmente para o sorteio dia 1 de novembro. Os benfeitores ativos com suas contribuições e que fizeram seu ca-

dastro entre setembro e outubro concorrearm ao certame, cuja cobertura completa será divulgada na próxima edição da Voz de Nazaré. O primeiro sorteio aconteceu no dia 4 de outubro, presidido pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa e contemplou a benfeitora Maria Inês Santos Silva, moradora do bairro do Telégrafo.

Testemunho de Fé

A

prendi a amar Nossa Senhora de Nazaré com minha avó Joana, que sempre me incentivou a participar da Igreja. Fui paroquiana da Basílica por 18 anos. Quando completei 14 anos lá, dirigi as peregrinações na minha Comunidade Padre Afonso. Fui de um grupo de oração por 10 anos, onde havia Terço, partilha do Evangelho e, ao final, nossa consagração a Nossa Senhora. Com alguns amigos desse grupo,

inclusive o Ivaldo, meu esposo, fizemos também o Cenáculo por dois anos, todos os sábados, momentos belíssimos de oração com as famílias visitadas e, assim, caminhamos por bairros de Belém, Icoaraci e até na Vigia. Tudo isso, eu creio, foi por Nossa Senhora, que me ensinou a amar verdadeiramente seu filho Jesus e sua Igreja, a amar o Santo Padre e todos os sacerdotes, incondicionalmente. Hoje, prestes a completar 24 anos de casada, louvo e agradeço a Deus por nos ter da-

do essa Mãe maravilhosa a quem eu e o meu esposo consagramos nossa família, desde o namoro. Gratos a ela nossos filhos chamam-se Lucas, Maria e Miriana, e são consagrados a ela. Tudo o que a Mãezinha quer é nos levar a seu Filho Jesus. Tudo o que faço consagro a Ela. Sou católica, Mariana e sou feliz. Ave Maria! E avante!

divulgação

Márcia Helena Ribeiro Brito, 45 anos, funcionária pública.

Parabéns para você! divulgação

O

brigado, Jesus, por mais um ano de vida e por todas as bênçãos que eu tenho recebido de Vós, pela minha caminhada junto à comunidade católica Kerigma, e ajuda-me a viver intensamente os teus mandamentos, Te amando sobre todas as coisas e ao próximo como a mim mesmo. Obrigado, Jesus , por eu existir, obrigado pelo dom da minha vida. Amém! Maria de Nazaré Oliveira,

67 anos, economista 03/11 Adília Maria de Castro Abe Benino Gomes de Oliveira Carmen Cerdeira Barata do Amaral Gilberto Jader Serique Filho Lucymar da Conceição Resende da Costa

Luiz Alberto Penna de Carvalho Maria das Graças do A. Tavernard Maria das Graças Souza de Oliveira Rita Freire Viegas Sílvia Oliveira Maricilda de Souza Souza 04/11 Argemiro Nogueira Lucena Carlos Praia Gonçalves Edna Pacheco da Silva Francisco Carlos Oliveira Nina Heitor Sanjad Jaciléia do Socorro S. de Almeida José Malaquias Rodrigues Brito José Ribamar Tavares de Moura Maria de Lourdes Alves Bernardes Maria Olívia Dias dos Santos Normélia Nazareth Celso Baars Menezes 05/11 José Maria Magalhães da Costa Luzia Ferreira Maria das Graças Batista Martins Maria Heliana A. da Costa Maria Izabel de Souza Morhy Maria Ruth Valente Maranhão Najla Maria Souza Buraslan 06/11 Alcione Maria Brito Silva Casal Eder Almeida Furtado e Shirlene Carina S. Gonçalves Conceição de Maria Rocha Cabral Enid Nazareth P. Pereira Ferreira Ernesto Feio Boulhosa Jackson Silva Barbosa Maria das Graças Campos Costa Maria de Nazaré Oliveira

Rosângela Cristina Peres Rosimery Pereira 07/11 Andréa Martins Cavalcante Celina Dutra do Carmo José Guilherme Silva Ribeiro Márcio Vítor Cabral de Oliveira Maria da Conceição Gouveia Lavand Costa Maria Nazaré de Paiva Anaisse Marilbe Nazaré dos Santos Marlene Pereira Belo Nelson de Castro Monteiro Ruth Maria Barbosa Costa 08/11 Ângela Sávia dos Anjos Annadith Moraes Rabello w

Antônio Palheta dos Santos Cleide Bentes Cardoso Josilene Medeiros Mendes Luiz Gonzaga Ribeiro Lisboa Maria de Nazaré Coelho Reis Pinheiro Marlene Lima Gomes 09/11 Bragmar Dias dos Santos Cassilda da Silva Foicinha Miles Abelardo dos Santos Almeida Nelson de Figueiredo Ribeiro Rita Peixoto da Silva Rubenita Rodrigues Moreira de Sousa Telma Naomi Endo Uriel da Silva Lobato Zoraide Lopes Dutra

Aniversário natalício de padres e diáconos diocesanos 03/11 - Pe. Giovanni Incampo 04/11 - Diác. Eduardo Girão de Souza 04/11 - Diác. Edward Martins de Aquino 06/11 - Pe. José Antônio da Paixão da Silva 07/11 - Pe. Vanderson Jorge da Costa Barata 07/11 - Pe. Leonardo Nazareno das Neves

w

Aniversário de ordenação dos padres e diáconos diocesanos

03/11 - Côn. Ronaldo de Souza Menezes

Ajude a manter a Fundação Nazaré de Comunicação. Ligue para 4006-9200 e seja sócio da Família Nazaré.


12

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Arquidiocese

Espetáculo “Santos 2017” na Paróquia de Santa Rita

A apresentação é do grupo teatral 'Sant'arte'

O

grupo de teatro Sant’arte, da Paróquia de Santa Rita de Cássia, na Cidade Nova 5, apresenta nos dias 3 e 4 de novembro o espetáculo “Santos 2017”, às 19h30, no salão paroquial. O espetáculo faz parte do projeto “Santos” que tem como proposta contar histórias de homens e mulheres que viveram em plenitude o amor a Cristo, como ressalta o diretor geral do grupo, Jairo dos Anjos: “As histórias contam o bem e a caridade que essas pessoas tinham com o próximo, sem esperar nada em troca e em alguns casos, sendo brutalmente massacradas. É com base nisso e de maneira poética, por meio da interpretação de nossos atores em solos, que iremos repassar ao público toda essa emoção utilizando técnicas corporais e interpretação, dando vida novamente a essas personalidades”. O diretor destacou que este ano o projeto vem com

uma pratica diferente, no primeiro dia de apresentações o grupo "contará histórias de personagens bíblicos, como uma reverência à origem da fé, levando ao público conhecimento dessas histórias, e assim testemunharem um trabalho feito com muito amor". Sendo católico ou não, todos conhecem a devoção aos santos, muitos deles populares que fazem parte do dia a dia e da cultura de comunidades. Quem já não ouviu ou viu uma cidade com o nome de santo? Ou mesmo alguém que recebeu um nome em homenagem a um deles? Ou alguém que em momento de aflição, roga sua intercessão? No entanto a origem da maioria é desconhecida. Alguns morreram derramando sangue, por professar seu amor e fidelidade aos ensinamentos de Jesus Cristo, outros exerceram sua fé incondicional até o seu ultimo

suspiro. Mas, para eles o momento da morte se tornou um novo nascimento, uma nova vida nos céus onde passaram a interceder por aqueles que, aqui na terra, ainda estão aflitos, sendo importante acentuar que, eles não são deuses ou mais que Deus, são intercessores fieis. O Grupo

O grupo de teatro Sant’arte foi fundado em 2005 na Paróquia de Santa Rita de Cássia, com pessoas da própria comunidade, principalmente jovens. O trabalho consiste na evangelização através da arte teatral. O grupo conta com vários trabalhos montados e apresentados que contam trajetórias de vida de alguns santos católicos, assim como uma homenagem ao Círio de Nazaré e Natal. Entre os espetáculos destacam-se “A Paixão de Cristo”, “A história de Santa Rita de Cássia”, “O Círio de Nazaré” e o “Auto de Natal”.

Serviço Serviço Espetáculo “Santos 2017” Paróquia de Santa Rita de Cássia (Cidade nova 5, WE 32, entre SN 18 e SN 19) Dias 3 e 4 de Novembro às 19h30 Entrada Franca

Missão Belém inaugura Casa Feminina divulgação

w inauguração aconteceu com a realização de celebração eucarística

quadrinhos andré abreu

A Comunidade Católica Missão Belém inaugurou no domingo, 29, em Benevides a “Casa Feminina”. A Santa Missa de inauguração do novo lar para mulheres em situação vulnerabilidade foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa e concelebrada pelo coordenador da Comunidade Católica Missão Belém, padre Divã de Sousa e auxiliada pelo diácono Wilson de Sousa. É no bairro das Flores,

em Benevides, que sete irmãs acolhidas pelos missionários da Missão Belém vão começar uma nova vida. O ambiente tem capacidade para 15 mulheres, mas a meta é que nos próximos anos o espaço seja ampliando, a exemplo de outros projetos desenvolvidos pela comunidade. Padre Divã de Sousa não é uma clínica de reabilitação, mas sim uma casa para evangelização. “Nossa trabalho está em realizar o acolhi-

BOA DICA

mento dessas pessoas e, principalmente, evangelizar. As pessoas que não fazem parte de nem uma comunidade e de integrar essas pessoas na Igreja e de colocá-las a ter um encontro com Jesus e assumirem algum compromisso na Igreja. Nosso objetivo é a evangelização das pessoas mais necessitadas que não possuem uma estrutura. A Missão Belém é uma família para quem não tem família, esse é o nosso lema”.

livros e cd's

n NOVENA DE NATAL 2017 - O Natal e a Oração - Livro (Paulus, R$ 0,95)

O

eu indico divulgação

Liana Miranda, assistente social, 28 anos

Tempo do Advento e Natal está repleto de modelos de oração. A começar por Maria, mulher de profunda comunhão com Deus. Seguem outras pessoas, homens e mulheres que, por ocasião da vinda de Jesus ao mundo, tornaram-se testemunhas fiéis de sua comunicação com a Santíssima Trindade: José, Zacarias, Isabel, Simeão, João Batista e os pastores. A fileira dos amigos de Deus chega ao exemplo máximo de intimidade com o Pai: Jesus Cristo, que rezou sem cessar e nos ensinou a rezar. São estes os mestres de oração e nossos inspiradores ao longo da Novena de Natal deste ano.

E

u indico o livro “Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem” pela devoção que tenho a Nossa Senhora e por ser um dos livros que mais se aprofunda sobre a vida de Maria. No livro, o objetivo é anunciar às pessoas, em particular às famílias, e a todas as nações que o caminho para encontrar Jesus Cristo é depositando nossa confiança no colo acolhedor da Virgem Maria.

n HISTÓRIAS BÍBLICAS para crianças vol. I - A criação - A arca de Noé – Livro (Paulinas, R$ 26,00)

N

o episódio da CRIAÇÃO mostra como Deus criou o mundo, os céus, a terra e todos os seres vivos, incluindo o homem e a mulher. Adão e Eva desobedecem às ordens de Deus e são expulsos do jardim do Éden. Este episódio contém também a história de Caim e Abel, os filhos de Adão e Eva. No episódio da ARCA DE NOÉ veremos que a humanidade se tornou corrupta e Deus decide, então, limpar a maldade da terra com um dilúvio poderoso. Mas Deus vê o bem em Noé e sua família, e decide poupar suas vidas.


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

E

m nota divulgada no dia 26 de outubro, em coletiva de imprensa, na sede provisória da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília (DF), sua presidência manifestou mais uma vez sua apreensão e indignação com a grave realidade político-social vivida pelo país, que afeta tanto a população quanto as instituições brasileiras. No texto, a entidade repudia a falta de ética que se instalou nas instituições públicas, empresas, grupos sociais e na atuação de inúmeros políticos que, “traindo a missão para a qual foram eleitos, jogam a atividade política no descrédito”. A Conferência criticou também a apatia e o desinteresse pela política, que cresce cada dia mais no meio da população brasileira, inclusive nos movimentos sociais. Apesar de tudo, a entidade diz que é preciso vencer a tentação do desânimo, pois só uma reação do povo, consciente e organizado, no exercício de sua cidadania, é capaz de purificar a política e a esperança dos cidadãos que “parecem não mais acreditar na força transformadora e renovadora do voto”. Confira, abaixo, a nota na íntegra Nota da CNBB sobre o

2º C aderno

1

“É preciso vencer a tentação do desânimo”, afirma CNBB sobre o momento nacional Entidade manifestou mais uma vez apreensão e indignação com a realidade atual DIVULGAÇÃO

atual momento político “Aprendei a fazer o bem, buscai o que é correto, defendei o direito do oprimido” (Is 1,17) A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, através de seu Conselho Permanente, reunido em Brasília de 24 a 26 de outubro de 2017, manifesta, mais uma vez, sua apreensão e indignação com a grave realidade político-social vivida pelo País, afetan-

do tanto a população quanto as instituições brasileiras. Repudiamos a falta de ética que, há décadas, se instalou e continua instalada em instituições públicas, empresas, grupos sociais e na atuação de inúmeros políticos que, traindo a missão para a qual foram eleitos, jogam a atividade política no descrédito. A barganha na liberação de emendas parlamen-

tares pelo Governo é uma afronta aos brasileiros. A retirada de indispensáveis recursos da saúde, da educação, dos programas sociais consolidados, do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), do Programa de Cisternas no Nordeste, aprofunda o drama da pobreza de milhões de pessoas. O divórcio entre o mundo político e a sociedade brasileira é grave. A apatia, o desencan-

to e o desinteresse pela política, que vemos c re s c e r d i a a dia no meio da população brasileira, inclusive nos movimentos sociais, têm sua raiz mais profunda em práticas políticas que comprometem a busca do bem comum, privilegiando interesses particulares. Tais práticas ferem a política e a esperança dos cidadãos que parecem não mais acreditar na força transformadora e renovadora do voto. É grave tirar a esperança de um povo. Urge ficar atentos, pois situações como esta abrem espaço para salvadores da pátria, radicalismos e fundamentalismos que aumentam a crise e o sofrimento, especialmente dos mais pobres, além de ameaçar a democracia no País. Apesar de tudo, é pre-

ciso vencer a tentação do desânimo. Só uma reação do povo, consciente e organizado, no exercício de sua cidadania, é capaz de purificar a política, banindo de seu meio aqueles que seguem o caminho da corrupção e do desprezo pelo bem comum. Incentivamos a população a ser protagonista das mudanças de que o Brasil precisa, manifestando-se, de forma pacífica, sempre que seus direitos e conquistas forem ameaçados. Chamados a “esperar contra toda esperança” (Rm 4,18) e certos de que Deus não nos abandona, contamos com a atuação dos políticos que honram seu mandato, buscando o bem comum. Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, anime e encoraje seus filhos e filhas no compromisso de construir um País justo, solidário e fraterno. Brasília, 26 de outubro de 2017

Bispos repudiam Portaria nº 1.129 do Ministério do Trabalho do Governo Federal O Conselho Permanente da CNBB, reunido em Brasília, de 24 a 26 de outubro, emitiu nota oficial repudiando com veemência a Portaria 1129 do Ministério do Trabalho, considerando que ela elimina proteções legais contra o trabalho escravo. A agência de notícias do Governo Federal, a agência Brasil (AB), explicou o caso da seguinte forma: “Há uma semana, o Ministério do Trabalho publicou no Diário Oficial da União (DOU) a Portaria 1.129, assinada pelo ministro Ronaldo Nogueira, na qual dispõe sobre os conceitos de trabalho forçado, jornada exaustiva e condições análogas de escravo, com o objetivo de disciplinar a concessão de seguro-desemprego a pessoas libertadas”. A Portaria, segundo a AB, “além de acrescentar a necessidade de restrição da liberdade de ir e vir para a caracterização da jornada exaustiva, por exemplo, a portaria

também aumentou a burocracia da fiscalização e condicionou à aprovação do ministro do Trabalho a publicação da chamada lista suja, com os nomes dos empregadores flagrados reduzindo funcionários a condição análoga à escravidão”. A portaria gerou reações contrárias de entidades como a Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda). A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar (decisão provisória) na terça-feira, 24 de outubro, suspendendo os efeitos da Portaria. Segundo a AB, “A decisão da ministra foi dada em uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) aberta pela Rede na semana passada. Rosa Weber acatou os argumentos do parti-

do de que a referida portaria abre margem para a violação de princípios fundamentais da Constituição, entre eles, o da dignidade humana, o do valor social do trabalho e o da livre inciativa”. A Nota da CNBB é assinada pela Presidência e foi apresentada numa Entrevista Coletiva nesta quinta-feira, 26 de outubro, na sede provisória da Conferência, na Asa Norte, em Brasília (DF). Leia a nota, na íntegra. NOTA DA CNBB SOBRE O TRABALHO ESCRAVO “O Espírito do Senhor me ungiu para dar liberdade aos oprimidos” (cf. Lc 4, 18-19) Reunido em Brasília-DF, nos dias 24 a 26 de outubro de 2017, o Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB manifesta seu veemente repúdio à Portaria 1129 do Ministério

do Trabalho, publicada no Diário Oficial da União de 16/10/2017. Tal iniciativa elimina proteções legais contra o trabalho escravo arduamente conquistadas, restringindo-o apenas ao trabalho forçado com o cerceamento da liberdade de ir e vir. Permite, além disso, a jornada exaustiva e condições degradantes, prejudicando assim a fiscalização, autuação, penalização e erradicação da escravidão por parte do Estado brasileiro. Como nos recorda o Papa Francisco, “hoje, na sequência de uma evolução positiva da consciência da humanidade, a escravatura – delito de lesa-humanidade – foi formalmente abolida no mundo. O direito de cada pessoa não ser mantida em estado de escravidão ou servidão foi reconhecido, no direito internacional, como norma inderrogável” (Papa Francisco, Dia Mundial da Paz, 1º

de janeiro de 2015). Infelizmente, esse flagelo continua sendo uma realidade inserida no tecido social. O trabalho escravo é um drama e não podemos fechar os olhos diante dessa realidade. A desumana Portaria é um retrocesso que, na prática, faz fechar os olhos dos órgãos competentes do Governo Federal que têm a função de coibir e fiscalizar esse crime contra a humanidade e insere-se na perversa lógica financista que tem determinado os rumos do nosso país. Essa lógica desconsidera que “o dinheiro é para servir e não para governar” (Evangelii Gaudium, 58). O trabalho escravo é, hoje, uma moeda corrente que coloca o capital acima da pessoa humana, buscando o lucro sem limite (cf.

Papa Francisco, Mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, 2014). Nosso País no qual, por séculos, vigorou a chaga da escravidão de modo legalizado, tem o dever de repudiar qualquer retrocesso ou ameaça à dignidade e liberdade da pessoa humana. Reconhecendo a importância da decisão liminar no Supremo Tribunal Federal que suspende essa Portaria da Escravidão e somandonos a inúmeras reações nacionais e internacionais, conclamamos a sociedade a dizer mais uma vez um não ao trabalho escravo. Confiamos a Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, a proteção de seus filhos e filhas, particularmente os mais pobres.

Brasília, 26 de outubro de 2017 Cardeal Sergio da Rocha/ Presidente Dom Murilo S. Krieger / Vice-Presidente Dom Leonardo U. Steiner / Secretário-Geral


2

5

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Igreja

2º Caderno Miscelânea

Côn. Cláudio Barradas (claudiobarradaspe@gmail.com)

A

o criticar, na edição passada aqui da coluninha, o costume de se lançar serpentinas, do alto de edifícios, à passagem da berlinda, a título de homenagem, dizia eu que indevida, descabida, fora de hora e, pois, sem razão de ser, à Senhora de Nazaré, - lembramse? – cheguei a perguntar, textualmente, a meus possíveis leitores: “já repararam o que acontece com muitas delas?” Dispunha-me a responder eu mesmo a essa indagação, quando meu espaçozinho acabou. Teimoso e persistente como sou, começo a desta semana pela resposta. Posso? Pois então, vamos lá. Algumas, infelizmente não poucas, dada a pontaria certeira dos que as lançam, vão cair direto sobre a berlinda, - aí estão, como testemunhas fidedignas, as fotos na imprensa – e lá se entranham nas flores que lhe realçam a beleza, chegando a formar deselegantes, para não dizer horríveis, bololôs, que só o que fazem é enfeiá-la, bem ao contrário do que,

A propósito do Círio (2) luiz estumano

w o despropósito das serpentinas no Círio

certamente, pretendiam seus autores. Outras, não poucas, ficam perigosamente intrincadas nos fios da rede elétrica,

ou dependuradas desgraciosamente das copas de nossas mangueiras, onde estão até hoje e, sem dúvida, ficarão, sabe Deus

até quando, até envelhecerem, sem que o poder público, sei lá por qual razão, venha retirá-las. Por que não, em vez delas, pétalas de rosas, ou, mesmo, papel picado, como, ao que me recordo, Mízar Bonna, mais de uma vez, teve a oportunidade de, por vários meios, sugerir e, ora graças, já vi ser feito, aqui e ali, nessa ocasião? Não me venham com a desculpa esfarrapada de que despetalá-las e picá-los dá trabalho, demanda tempo livre e requer uma boa dose de energia. E daí? Em se tratando da Virgem de Nazaré, nossa incansável Mãe e Rainha, que zela o ano todo, sem cessar, por esta, só por isso, ditosa cidade e por todos nós, seus habitantes, independente de crermos ou não nela, todo e qualquer sacrifício é pouco, é nada, nadícula, comparado com as graças e bênçãos que recebemos, dia e noite, de suas mãos

benfazejas, pródigas, liberais. Além do que, esse sacrifíciozinho, se o for, pode, e muito bem, servir como penitência para abater as penas devidas por nossos pecados. Outro ponto que, em meu entender, está a merecer reparos: os cantos então entoados por quem de direito. Em matéria de Igreja, - pelo menos da nossa -, ao que me consta, eles devem ser, sempre, ocasionais, ou seja, de acordo com a circunstância e, não, nunca, qualquer um, a gosto do freguês, por mais belo ele seja. Assim, por exemplo, em procissões, eles devem ser processionais. Em festas de Maria, marianos. De modo que, pelo que entendo, não fica bem, na Trasladação, ou no Círio, cantar-se, como se fez este ano, - sem, com isto, querer desmerecê-los, longe de mim tal aleivosia – “Jesus Cristo, eu estou aqui” e “Vem, vem, vem, Espírito San-

to, transforma minha vida”. Tanto na Trasladação, quanto no Círio, os cantos, em meu entender, devem ser todos de Maria, pois que a festa é dela. Mas não qualquer canto a Maria e, sim, todos em louvor à Virgem de Nazaré. Graças a Deus e à criatividade de nossos compositores, temo-los inúmeros. Por que se dar preferência a “Maria de Nazaré, Maria me cativou” e, quase nunca, ou muito pouco, entoar-se “Vós sois o lírio mimoso”, sabidamente seu hino oficial, letra e música belíssimas e conhecido por todo bom católico paraense? Nada, mas nada mesmo, como, salvo engano aconteceu este ano, saírem-se os animadores com cantos difíceis, desconhecidos e, pior, a duas vozes! Têm de ser cantos populares, conhecidíssimos, para que todos – direito seu, portanto dever dos grupos de animação – possam cantá-los, como, certissimamente, gostariam. Voltarei ao assunto, por ainda ter alguma coisa a dizer sobre ele. Shalom!

Santos da semana Diác. Benedito Otávio (artpresent@superig.com.br)

03/11 - Sexta-feira Santo Ermengaudio - Bispo

07/11 - Terça-feira São Prosdócimo de Rieti - Bispo

Muito querido na Catalunha, Espanha. Foi um dos prelados mais ilustres daquele povo. Trabalhou muito pela restauração da Igreja espanhola, massacrada pelos mouros muçulmanos desde o século VII. Veja a importância da Igreja após uma invasão. O povo, abatido, desmotivado, com muitas perdas. O bispo Ermengaudio, cujo nome significa "intérprete da vontade de Deus", possuía muita fibra para motivar o povo na reconstrução. Mas, infelizmente, sua morte foi uma tragédia: ajudando a consertar uma ponte, escorregou, caiu e fraturou a cabeça em uma pedra.

Em 2010 já apresentamos aqui um São Prosdócimo, só que do século II, também bispo, e que foi martirizado. Nesse mesmo dia há outro São Prosdócimo, desta vez do século XVII. Foi fundador da Igreja em Rieti, região do Lácio, Itália. Seu trabalho naquela região foi intenso: construiu muitas igrejas. Uma delas, a de Santa Bárbara em Rieti, ostenta-lhe a imagem até hoje. Construiu outras três igrejas, dedicadas a Maria Santíssima, fora de sua diocese, ou seja, fora de Rieti. 08/11 - Quarta-feira Beato João Duns Scoto - Franciscano

04/11 - Sábado Beata Francisca D’Amboise Duquesa da Bretanha No seio de uma família nobre de Thouars, França, nasce em 1427, uma menina mais nobre de coração que de nome. A França estava em um longo conflito com a Inglaterra, e seu pai, Luis D’Amboise, visconde de Thouars, lutou corajosamente ao lado de Joana d’Arc. Francisca foi prometida e aos 15 anos casou-se com Pedro da Bretanha. Eram vistos como um belo casal e esperança para o povo. Em 1457 morre-lhe o marido e ela se torna carmelita sob a orientação do agora beato João Soreth. Juntos são considerados fundadores das Monjas Carmelitas. Ela fundou os mosteiros de Nantes e Bordón. Beatificada por Pio IX, 1863. 05/11 - Domingo de Todos os Santos São Domingos Mäu - Mártir Era vietnamita. Padre da Ordem dos Pregadores, os Dominicanos. Foi vítima da perseguição anticristã em 1858. No Martirológio Romano constata-se que perto do rio Hung Yên Tonkin, agora pertencente ao Vietnã, ele foi preso e, ainda assim, orientava, confortavam os prisioneiros que lá também sofriam a terrível espera da morte. Consolava-os principalmente com a récita do santo terço, sua grande devoção. Até que, por ordem do imperador, teve a cabeça decepada, em 05 de novembro de 1859.

06/11 - Segunda-feira Beato Bernardo de Apiano - Mercedário As pessoas, vez ou outra, comentam sobre a dificuldade que têm de voltar a estudar, ou de se aprofundar nos estudos teológicos. Existe uma fórmula para isso, como existe para emagrecer? Acho que não! Só mesmo, perseverança, oração, desligamento dos vícios do mundo, e exemplos como desse santo, que viveu no Convento das Mercês de São Martinho em Perpignan, França. Sua santidade veio com a observância das regras monásticas, muito estudo e transbordamento das virtudes. E não adianta justificar dizendo que para ele é mais fácil, uma vez que pois todos nós estamos vulneráveis, dentro ou fora de um convento.

João veio da cidade de Duns na Escócia. chamado de “Scoto”, por ser escocês. Concluídos os estudos, foi ensinar nas universidades de Oxford e Colônia. Confrontou as heresias da época e se tornou um dos maiores mestres da teologia cristã e incentivador do título da Imaculada Conceição, 546 anos antes da proclamação feita por Pio IX em 1854. Pena que uma frase sua foi mal compreendida: “O conceito de Ser é unívoco”. Ele queria frisar a onipotência de Deus. Mais tarde, 1347, Guilherme de Ockham vai desencadear, a partir dessa frase, o início do pensamento protestante: “Sola Fides – só a fé”. Bento XVI, em sua catequese de 07/07/2010, explica essa quastão, pondo-lhe os pingos nos is. 09/11 - Quinta-feira Beato Monaldo de Capodistria - Franciscano No programa jurista da Internet, Academia, que em 22/10 falou sobre a importância e a colaboração medieval na cultura, na arte e no âmbito judicial para nós hoje, desmentindo a falsa frase a “idade média era das trevas”. O programa destaca S. Tomás de Aquino, mas hoje temos outro grande mestre do século XIII, que foi advogado muito respeitado, padre provincial da Dalmácia e professor de Teologia. Escreveu, assim como Tomás de Aquino, uma summa, conhecida como “Summa Monaldina”. Considerado um dos grandes juristas medievais.


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

3

Igreja

2º Caderno

Considerações sobre o momento atual Dom Fernando Arêas Rifan Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

“F

icai bem atentos à vossa maneira de proceder. Procedei não como insensatos, mas como pessoas esclarecidas... porque estesdias são maus” (Ef 5, 16). “Não vos conformeis com este mundo” (Rm 12, 2). PROPAGANDA DA IMORALIDADE – ATAQUES À FAMÍLIA:

Junto com a divulgação da imoralidade, fantasiada de arte, e a propaganda maciça do homossexualismo, travestido de respeito à diversidade, reaparece a doutrinação da Ideologia de Gênero, também com ares de liberdade e de orientação sexual. Configura-se, visando sua destruição, um verdadeiro ataque à família, santuário da vida, que vai perdendo seus direitos na educação dos seus filhos, os quais se tornam alvo fácil dessa onda destruidora da moral. Os bons ficam acuados. E os meios de comunicação, através de novelas e entrevistas direcionadas, vão divulgando essa mentalidade de modo bem orquestrado. Se a crise social, política e familiar por que passamos é, sobretudo, moral, essa propaganda em nada a faz diminuir, mas, pelo contrário, aumenta-a rompendo todas as barreiras éticas que deveriam pautar o comportamento humano. Ao repetir o Mandamento divino “Não pecar contra a castidade”, a Igreja nos ensina a vencer a luxúria e evitar tudo o que a ela conduz, como a pornografia e a indecência no vestir. A castidade faz parte da temperança, conduz ao domínio de si, que exige um esforço constante em todas as idades da vida, especialmente quando se forma a personalidade, durante a infância e a adolescência (cf. Catecismo da Igreja Católica – CIC - 2331-2356). São Paulo já advertia: “Fostes chamados à liberdade. Porém, não façais da liberdade um pretexto para servirdes à carne” (Gl 5, 13). Sobre a propaganda da imoralidade, recordo as graves palavras do saudoso Cardeal Dom Lucas Moreira Neves, acusando a Televisão, o que poderíamos aplicar também a certos sites da Internet, devido à onda de impureza que traz para dentro dos lares: “Acuso-a de ministrar

copiosamente a violência e a pornografia. A primeira é servida em filmes para todas as idades. A segunda impera, solta, em qualquer gênero televisivo: telenovelas, entrevistas, programas ditos humorísticos, spots publicitários e clips de propaganda. A TV brasileira está formando uma geração de voyeurs, uma geração de debilóides. Acuso-a de ser corruptora de menores”. E não é só contra essa imoralidade que a Igreja levanta a sua voz. Ela também repudia o assassinato de crianças e adolescentes, a prostituição infantil, a morte de crianças para o roubo de órgãos, a mortalidade das crianças nos hospitais públicos, a violência doméstica, o estupro e o feminicídio. PROFANAÇÃO DOS SÍMBOLOS CRISTÃOS:

Quanto à profanação dos símbolos cristãos, como o crucifixo, a hóstia, a imagem da Padroeira do Brasil, fazendo eco às palavras dos Bispos do Regional Nordeste 1 da CNBB, manifesto a minha indignação e repúdio diante do escárnio público desses nossos símbolos, crime de vilipêndio, condenados também pelo Código penal (Artigo 208). E essa indignação e repúdio deve ser a de todos os católicos e pessoas de bom senso e respeito. PROPAGANDA DO HOMOSSEXUALISMO:

Sobre a homossexualidade, observamos primeiramente que se deve fazer a distinção entre pessoas e atos, entre a tendência e a prática. Na linha do pensamento de Santo Agostinho, que dizia que Deus odeia o pecado, mas ama o pecador, e em seguimento do Papa Francisco, que pastoralmente nos ensina a aplicar sempre a misericórdia, as pessoas que apresentam essa inclinação, objetivamente desordenada, cuja gênese psíquica continua em grande parte por explicar, devem ser acolhidas com respeito, delicadeza e compaixão, pois, para a maioria, isso constitui uma provação. Evitar-seá para com elas todo sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição.

Bispo manifesta sua preocupação com o momento atual As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã (cf. CICnn. 2357-2358). A Igreja, e nós com ela, condenamos e repudiamos, pois, todas as ofensas e, mais ainda, os assassinatos e espancamentos de LGBTIs por conta da intolerância. Mas não podemos deixar de dizer que a prática do homossexualismo é condenável. Apoiandose na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves (cf. Gn 19,1-29; Rm1, 2427; I Cor 6, 9-10; I Tim 1, 10), a tradição sempre declarou que ‘os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados’ (Congregação para a Doutrina da Fé, declaração Persona Humana, 8). São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados (CIC n. 2357). Por isso, a propaganda do homossexualismo como sendo algo natural é maléfica e, por isso mesmo, condenável. São Paulo, apóstolo, fala “com lágrimas”, que muitos “se gloriam daquilo de que se deveriam envergonhar” (Fl 3,19). E, referindo-se aos pecados e perversidade dos pagãos, o mesmo apóstolo nos recorda a moral natural: “Por isso, Deus os abandonou aos desejos dos seus corações, à imundície, de modo que desonraram entre si os próprios corpos. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em vez do Criador... Por isso, Deus os entregou a paixões vergonhosas: as suas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza. Do mesmo modo também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em seus corpos a paga devida ao seu desvario” (Rm1, 24-27). Aliás, já no Antigo Testamento, Deus já havia condenado os atos homossexuais: “Se um homem dormir com outro

homem, como se fosse mulher, ambos cometerão uma coisa abominável” (Lv20, 13). Por isso, São Paulo, desejoso de nossa salvação, nos adverte: “Não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados (em latim, molles), nem os homossexuais (em latim ‘masculorumconcubitores’), nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os difamadores, nem os assaltantes hão de possuir o Reino de Deus” (1Cor6, 9-10). IDEOLOGIA DE GÊNERO:

A ideologia de gênero quer eliminar a ideia de que os seres humanos se dividem em dois sexos, afirmando que as diferenças entre homem e mulher não correspondem a uma natureza fixa, mas são produtos da cultura de um país, de uma época. Algo convencional, não natural, atribuído pela sociedade, de modo que cada um pode inventar-se a si mesmo e o seu sexo. O feminismo do gênero, que promove essa ideologia, procede do movimento feminista para a igualdade dos sexos. A ideologia de gênero, própria das associações LGBT, baseiase na análise marxista da história como luta de classes, dos opressores contra os oprimidos, sendo o primeiro antagonismo aquele que existe entre o homem e a mulher no casamento monogâmico. Daí que essa ideologia procura desconstruir a família e o matrimônio como algo natural. Em consequência, promovem a “livre escolha na reprodução”, eufemismo usado por eles para se referir ao aborto provocado. Como “estilo de vida”, promovem a homossexualidade, o lesbianismo e todas as outras formas de sexualidade fora do matrimônio. Entre nós, querem introduzir essa ideologia, usando o termo “saúde reprodutiva”. E usam a artimanha de palavras, especialmente “discriminação”e “luta contra o preconceito”. Sob esse nome sedutor – pois todos somos contra a discriminação injusta e o preconceito – querem fazer passar a ideologia do gênero, a ditadura do relativismo moral, estabelecendo uma nova antropologia anticristã, sob o nome de democracia. Essa campanha é internacional. Na Itália,

por exemplo, os folhetos distribuídos nas escolas pretendem ensinar a todos os alunos que “a família pai-mãe-filho é apenas um ‘estereótipo de publicidade’; que os gêneros masculino e feminino são uma abstração; que a leitura de romances em que os protagonistas são heterossexuais é uma violência; que a religiosidade é um valor negativo; chega-se ao ridículo de censurar os contos de fadas por só apresentarem dois sexos em vez de seis gêneros, além de se proporem problemas de matemática baseados em situações protagonizadas por famílias homossexuais”. O Papa Francisco, alarmado, fala que estamos diante de uma “colonização ideológica”, de uma maldade ao ensinar a ideologia de gênero (Filipinas, janeiro de 2015). E nos alerta: “Na Europa, nos Estados Unidos, na América Latina, na África, em alguns países da Ásia, existem verdadeiras colonizações ideológicas. E uma delas – digo-a claramente por ‘nome e sobrenome’ - é a ideologia de gênero (gender)! Hoje às crianças – às crianças! –, na escola, ensina-se isto: o sexo, cada um pode escolhê-lo... São as colonizações ideológicas, apoiadas mesmo por países muito influentes. E isto é terrível” (Encontro com os Bispos poloneses, 27/7/2016). A Igreja nos ensina: “Deus criou o ser humano como homem e mulher, com igual dignidade pessoal, e inscreveu nele a vocação ao amor e à comunhão. Compete a cada um aceitar a sua identidade sexual, reconhecendo a sua importância para a pessoa toda, bem como o valor da especificidade e da complementaridade” (Compêndio do C.I.C. n. 487). FOGO! SOCORRO! ACUDAM! É HORA DO PROTESTO DE TODOS:

É preciso dar um basta! É preciso que as forças morais de toda a humanidade se levantem e deem o seu brado de inconformidade com tudo isso. É hora de gritar com São Luiz Maria Grignion de Montfort: “Fogo! fogo! fogo! Socorro! socorro! Socorro!... Socorro, que assassinam nosso irmão! Socorro, que degolam nossos filhos!...”. A Igreja levanta a sua voz de repúdio a tudo isso: sua doutrina clara já condena esses erros. É

preciso que os católicos sejam lógicos e coerentes com o que a Igreja lhes ensina. É hora, principalmente de os leigos agirem. Não fiquem se perguntando: o que a Igreja vai falar ou fazer sobre isso? Vocês também são a Igreja. A pergunta deve ser: o que nós estamos fazendo contra tudo isso? Não fiquem esperando pelos pastores. As ovelhas têm o direito de se defenderem dos lobos que as atacam. Falem, protestem, escrevam, alertem os filhos, os amigos. Gritem nas redes sociais! Pais de família, reajam! É preciso que o mundo escute a voz dos bons e saiba que ainda existem famílias corretas, pessoas de bem e de coragem que não concordam com a imposição dessas ideologias. “Unindo suas forças, os leigos purifiquem as instituições e as condições do mundo, caso estas incitem ao pecado. Isto de tal modo que todas essas coisas se conformem com as normas da justiça e, em vez de a elas se oporem, antes favoreçam o exercício das virtudes. Agindo dessa forma, impregnarão de valor moral a cultura e as obras humanas” (LG 36). Dom Prosper Guérranger (L’AnnéeLiturgique), sobre o episódio em que um leigo, Eusébio, levantou-se em meio à multidão contra a impiedade de Nestório, salvando assim a fé de Bizâncio, comenta: “Há no tesouro da Revelação pontos essenciais, cujo conhecimento necessário e guarda vigilante todo cristão deve possuir, em virtude de seu título de cristão. O princípio não muda, quer se trate de crença ou procedimento, de moral ou de dogma. Traições como a de Nestório são raras na Igreja; não assim o silêncio de certos Pastores que, por uma ou outra causa, não ousam falar, quando a Religião está engajada. Os verdadeiros fiéis são homens que extraem de seu Batismo, em tais circunstâncias, a inspiração de uma linha de conduta; não os pusilânimes que, sob pretexto especioso de submissão aos poderes estabelecidos, esperam, pra afugentar o inimigo, ou para se opor a suas empresas, um programa que não é necessário, que não lhes deve ser dado”. Campos dos Goytacazes, 26 de outubro de 2017


4

5

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Igreja M

otivados por acontecimentos recentes envolvendo a utilização de símbolos religiosos da fé católica em manifestações isoladas e exposições “artísticas”, os bispos que integram o Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) elaboraram a mensagem ao povo brasileiro, divulgada em Coletiva de Imprensa, realizada na sede da entidade, dia 26/10. No documento, os bispos reconhecem que “em toda sua história, a Igreja sempre valorizou a cultura e a arte, por revelarem a grandeza da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, fazendo emergir a beleza que conduz ao divino”. Contudo, recentemente, a mensagem destaca que “crescem em nosso meio o desrespeito e a intolerância que destroem esta harmonia, que deve marcar a relação da arte com a fé, da cultura com as religiões. Se, por um lado, a arte deve ser livre e criativa, por outro, os artistas e responsáveis pela promoção artística não podem desconsiderar os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável”. Integram o Conselho Permanente da CNBB, a presidência da entidade, os bispos presidentes das Comissões Episcopais Pastorais (Consep) e os bispos presidentes dos 18 regionais da CNBB. Confira, abaixo, a íntegra do documento. MENSAGEM DA CNBB MENSAGEM DA CNBB Vencer a intolerância e o fundamentalismo

2º Caderno

Mensagem sobre fundamentalismo e intolerância contra símbolos da fé Artistas não podem desconsiderar os sentimentos de um povo

“E Deus viu tudo quanto havia feito, e era muito bom” (Gn 1,31) Os bispos do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, reunidos em Brasília de 24 a 26 de outubro de 2017, dirigem esta mensagem ao povo brasileiro, diante de recentes fatos que, em nome da arte e da cultura, desrespeitaram a sexualidade humana e vilipendiaram símbolos e sinais religiosos, dentre eles o crucifixo e a Eucaristia, tão caros à fé dos católicos. Em toda sua história, a Igreja sempre valorizou a cultura e a arte, por revelarem a grandeza da

pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, fazendo emergir a beleza que conduz ao divino. “A arte é como uma porta aberta para o infinito, para uma beleza e para uma verdade que vão mais além da vida quotidiana” (Bento XVI – 2011). O mundo no qual vivemos, ensina Paulo VI, precisa de beleza para não cair no desespero (Cf. Mensagem aos Artistas – 1965). Reconhecemos que “para transmitir a mensagem que Cristo lhe confiou, a Igreja tem necessidade da arte” (São João Paulo II – Carta aos artistas 1999). Somos, por isso, agradecidos aos

artistas pela infinidade de obras que enriquecem a cultura, animam o espírito e inspiram a fé. Merecem destaque a pintura, a música, a arquitetura, a escultura e tantas outras expressões artísticas que ressaltam a beleza da criação, do ser humano, da sexualidade, e o espírito religioso do povo brasileiro. Arte e fé, portanto, devem caminhar unidas, numa harmonia que respeita os valores e a sensibilidade de cada uma e de toda pessoa humana na sua cultura e nos seus valores. Lamentavelmente, crescem em nosso meio o desrespeito e a intolerância que destroem

esta harmonia, que deve marcar a relação da arte com a fé, da cultura com as religiões. Se, por um lado, a arte deve ser livre e criativa, por outro, os artistas e responsáveis pela promoção artística não podem desconsiderar os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável. O desrespeito e a intolerância, por parte de artistas para com esses valores, fecham as portas ao diálogo, constroem muros e impedem a cultura do encontro. Preocupam, portanto, o nível e a abrangência destas intolerâncias que, demasiadamente alimentadas em redes sociais, têm levado pessoas e grupos

a radicalismos que põem em risco o justo apreço pela arte, a autêntica liberdade, a sexualidade, os direitos humanos, a democracia do País. Vivemos numa sociedade pluralista, por isto, precisamos saber conviver com os diferentes. Isso, contudo, não subtrai à Igreja o direito de anunciar o Evangelho e as verdades nele contidas, a respeito de Deus, do ser humano e da criação. Em desacordo com ideologias como a de gênero, é nosso dever ressaltar, sempre mais, a beleza do homem e da mulher, tais como Deus os criou, bem como os valores da fé, expressos também nos símbolos religiosos que, com sua arte e beleza, nos remetem a Deus. Desrespeitar estes símbolos é vilipendiar o coração de quem os considera instrumentos sagrados na sua relação com Deus, além de constituir crime previsto no Código Penal. Animamos a sociedade brasileira a promover o diálogo e o encontro, por meio dos quais as pessoas, em suas diferenças, respeitam e exigem respeito, e permitem sentir a riqueza que cada um traz dentro de si. Nossa Senhora Aparecida, Mãe e Padroeira dos brasileiros, nos ensine o caminho da beleza e do amor, da fraternidade e da paz. Brasília, 26 de outubro de 2017.

Cardeal Sergio da Rocha Arcebispo de Brasília Presidente da CNBB Dom Murilo S. R. Krieger Arcebispo de São Salvador da Bahia Vice-Presidente da CNBB Dom Leonardo Ulrich Steiner Bispo Auxiliar de Brasília Secretário-Geral da CNBB

Compêndio do Catecismo da Igreja Católica O Jornal Voz de Nazaré continua as reflexões iniciadas em 2013, Ano da Fé, com a publicação do Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. De maneira concisa, a publicação apresenta, numa visão de conjunto, todo o panorama da fé católica, com seus elementos fundamentais.

III Parte (A Vida em Cristo) Segunda Secção: Os Dez Mandamentos

CAPÍTULO SEGUNDO “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” SÉTIMO MANDAMENTO: NÃO ROUBAR

517

518

Eles devem exercer seu trabalho com consciência, competência e dedicação, procurando resolver as eventuais controvérsias com o diálogo. O recurso à greve não-violenta é moralmente legítimo quando parece ser o instrumento necessário em vista de uma vantagem proporcional e ao levar em conta o bem comum. 2435

No plano internacional, todas as nações e instituições devem agir com base na solidariedade e subsidiariedade, com o fim de eliminar ou pelo menos reduzir a miséria, a desigualdade dos recursos e dos meios econômicos, as injustiças econômicas e sociais, a exploração das pessoas, o acúmulo das dívidas dos países pobres, os mecanismos perversos que obstaculizam o desenvolvimento dos países menos progredidos. 2437-2441

- Que deveres têm os trabalhadores?

- Como se realiza a justiça e a solidariedade entre as nações?


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Arquidiocese

2º Caderno

César e Deus

n Dom Alberto Taveira Corrêa n Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

M

ultiplicam-se nas últimas semanas as manifestações ditas artísticas, cuja eclosão suscitou reações de todos os lados. Nos meios de comunicação e nas redes sociais, mesmo que considerada pluralista e respeitosa a chamada democracia nas relações sociais, todas as pessoas e grupos que foram contrários ao que se exibiu foram tachados de “conservadores”. Parece que alguns são mais iguais do que os outros e só podem ser considerados progressistas e paladinos da liberdade os que cedem ao patrulhamento ideológico reinante. Infelizmente, passando de parlamentares e depois membros dos poderes executivo e judiciário, chegando ao mundo artístico, além de muitas pessoas que acabaram “gritando” pelas redes sociais. A Igreja Católica e outras Igrejas Cristãs, assim como outros grupos religiosos, todos somos quase asfixiados pelas pressões favoráveis a argumentos como ideologia de gênero, “trans”, aborto, casamento homoafetivo e daí por diante. Tudo indica que se pretende queimar a tradição judaico-cristã, considerada retrógrada. É-nos negado o direito de pensar e agir de forma coerente com nossa consciência. Se não nos colocarmos de acordo com a mentalidade reinante, a atual ditadura ideológica nos massacra! Por outro lado, graças a Deus as redes sociais servem também para nos manifestarmos contrários à avalanche de contravalores que se espalham em nos-

sos dias. As pessoas que escolhem um caminho diferente daquele que é norteado pelo Senhor Jesus, Caminho, Verdade e Vida, já começam a verificar, em seu corpo e sua alma, as consequências. Deus não precisa se dar ao trabalho de armar castigos para a humanidade, pois ela mesma os fabrica. Basta ver a História e perceber como a decadência ética e moral de passadas civilizações esteve sempre aliada às crises políticas e econômicas, geradoras de mudanças profundas de época. Em nosso tempo, quando desmoronou o muro de Berlim, símbolo da fracassada proposta do socialismo real, sabemos que este “caiu de podre”, pela destruição de valores e práticas considerados reacionários. Muitos de nós, iluminados pela sabedoria de São João Paulo II, entrevíamos que muitos outros muros viriam a cair no ocidente da riqueza, do prazer, da propaganda deslavada da impureza, da injustiça, da vergonhosa desigualdade social, da competição desrespeitosa, o mundo do capitalismo liberal. E em nossos dias, tudo indica que o desmoronamento é globalizado. Cabe-nos olhar para o alto e pedir ao Pai do Céu que recolha os cacos de nossas edificações físicas, morais e sociais destruídas, para fazer uma nova obra de arte, um mosaico como só Ele sabe fazer, para que venha à tona uma nova etapa da história, na redescoberta de Jesus Cristo e de seu Evangelho. E Jesus se confrontou com os poderes de seu tempo, simbolizados pela força dos romanos invasores. Mui-

5

DIVULGAÇÃO

w Dai a César o que é de César e a Deus o que é Deus

tas foram as armadilhas preparadas por perguntas capciosas. Uma delas é relatada na Liturgia do final de semana (Mt 22,15-21). Pagar impostos, obedecer às leis civis, construir a cidadania, argumentos válidos desde priscas eras e até hoje atuais, são obrigações simbolizadas numa moeda e na figura de “César”! Os cristãos dos primeiros tempos sabiam que as palavras pronunciadas maldosamente pelos fariseus correspondiam à plena verdade, pois eram convictos de que Jesus é verdadeiro e ensina o caminho para Deus. Mais esperto e inteligente é o Senhor, sempre capaz de sabiamente devolver a pergunta. Antes do César representado na moeda está aquilo que é de Deus, o coração humano. Não é possível organizar a vida, orientar a construção da sociedade e das cidades, ou conduzir a política a

um porto seguro, quando os homens e as mulheres não se rendem ao Evangelho e seus valores, assim como sementes do Verbo de Deus plantadas pelo Espírito Santo em todos os quadrantes da terra ou nas manifestações religiosas e do saber humano. De forma profética, o Concílio Vaticano II preconizou dramas e desafios que vivemos hoje (Cf. Gaudium et Spes, 36): “Muitos parecem temer que a íntima ligação entre a atividade humana e a religião constitua um obstáculo para a autonomia dos homens, das sociedades ou das ciências. Se por autonomia das realidades terrenas se entende que as coisas criadas e as próprias sociedades têm leis e valores próprios, que o homem irá gradualmente descobrindo, utilizando e organizando, é perfeitamente legítimo exigir

tal autonomia. Trata-se de algo inteiramente de acordo com a vontade do Criador. Pois, em virtude do próprio fato da criação, todas as coisas possuem consistência, verdade, bondade e leis próprias, que o homem deve respeitar, reconhecendo os métodos peculiares de cada ciência e arte. A investigação metódica em todos os campos do saber, levada a cabo de um modo verdadeiramente científico e segundo as normas morais, nunca será realmente oposta à fé, já que as realidades profanas e as da fé têm origem no mesmo Deus. Quem se esforça com humildade e constância por perscrutar os segredos da natureza é, mesmo quando disso não tem consciência, como que conduzido pela mão de Deus, o qual sustenta as coisas e as faz ser o que são. Seja permitido, por isso, deplorar certas atitudes de espírito que

não faltaram entre os mesmos cristãos, por não reconhecerem suficientemente a legítima autonomia da ciência e que, pelas disputas e controvérsias a que deram origem, levaram muitos espíritos a pensar que a fé e a ciência eram incompatíveis. Se, porém, com as palavras “autonomia das realidades temporais” se entende que as criaturas não dependem de Deus e que o homem pode usar delas sem as ordenar ao Criador, ninguém que acredite em Deus deixa de ver a falsidade de tais afirmações. Sem o Criador, a criatura não subsiste. De resto, todas as pessoas que crêem, de qualquer religião, sempre souberam ouvir a sua voz e manifestação na linguagem das criaturas. Antes, se se esquece Deus, a própria criatura se obscurece”. Acolhamos o desafio à conversão que tais palavras suscitam!

TERCEIRA PARTE

YOUCAT

A VIDA EM CRISTO Primeira seção Para que estamos na terra, o que devemos fazer e como nos ajuda o Espírito Santo de Deus? PRIMEIRO CAPÍTULO

A dignidade do ser humano

O

Jornal Voz de Nazaré segue os estudos sobre o YOUCAT - Catecismo da Igreja Católica escrito para JOVENS que querem saber em que acreditam. Este projeto iniciou-se por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, Rio, 2013.

314- Como sabemos que Deus é misericordioso? Em muitas passagens da Sagrada Escritura, Deus mostra-Se misericordioso, especialmente na parábola do Pai misericordioso (Lc 15, 11-32), que vai ao encontro do filho perdido e o acolhe incondicionalmente

para celebrar com ele a alegre festa do reencontro e da reconciliação. [18461870]

Já no Antigo Testamento Deus fala pelo profeta Ezequiel: “Não tenho prazer na morte do culpado,

mas que ele se converta do seu caminho e viva.” (Ez 33,11). Jesus é enviado às ovelhas perdidas da Casa de Israel” (Mt 15,24) e Ele sabe que “não são os que têm saúde que precisam de médico mas os que estão doentes” (Mt 9,12). Por isso Ele come com os

publicanos e os pecadores, antes de interpretar a Sua morte, no fim de Sua vida terrena, como uma iniciativa do amor misericordioso de Deus: “Este é o meu sangue, o sangue da aliança, derramado pela multidão, para remissão dos pecados.” (Mt 26,28), 227, 524.


6

5

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Arquidiocese V

alorização da família e do seu papel importante dentro da Igreja. Esse foi o objetivo da Paróquia de Jesus Ressuscitado, na Marambaia, quando no dia 25 de outubro realizou a primeira celebração eucarística em prol da família. Com grande repercussão a celebração agora integra um calendário fixo de celebrações nos próximos meses. A família, na Doutrina Social da Igreja, é entendida como um componente de extrema importância da sociedade, fundada no matrimônio e sendo um vínculo perpétuo entre um homem e uma mulher, santuário da vida, a quem é atribuída uma tarefa educativa que é direito dos filhos, é protagonista da vida social e deve ter a sociedade a seu serviço. E nesse sentido de fortalecimento dessa importante célula vital que é a família baseada no matrimônio, a Paróquia de Jesus Ressuscitado, com orientação do pároco, Padre Maurício Henrique dos Santos, instituiu uma celebração em prol das famílias da comunidade. Segundo ele, os paroquianos, na maioria casais da própria paróquia, já nutriam há certo tempo o desejo de promover esta santa missa e apresentaram proposta de trabalho com um projeto que foi aprovado. “Pensamos nesta celebração para congregar

2º Caderno

Jesus Ressuscitado realiza missa para as famílias

Paróquia adota calendário específico de celebrações para as famílias divulgação

w primeira celebração eucarística em prol da família teve grande repercussão na comunidade

nossos fiéis em um só pensamento e sentimento a favor das famílias como projeto de Deus segundo as Escrituras. É um apostolado que está iniciando e queremos investir na formação catequética de nossos casais por meio dos documentos pontifícios e na espiritualidade conjugal e familiar, realidade concreta de nossos leigos”, explica o pároco. A participação das famílias ultrapassou todas as expectativas, o que, para padre Maurício, demonstra o grande apreço

da comunidade pela família: “Para termos uma sociedade e uma comunidade paroquial sadia, é preciso que a família seja quem ela é chamada a ser: comunhão de amor e de vida. É preciso viver a graça da comunhão que o Cristo tornou possível entre o homem e a mulher pelo Sacramento do Matrimônio. Assim a família será luz no Senhor. Os leigos precisam assumir o compromisso de difundir o Reino onde se encontram e só conseguiram isso por meio de formação doutrinal

e vida espiritual. Cabe a nós, sacerdotes, motivar as famílias a viverem com alegria essa vocação bela vinda de Deus”. Reflexo

A comissão que idealizou a missa em prol das famílias segue com trabalhos a todo vapor. O trabalho consistirá em realizar encontros catequéticos com os documentos pontifícios, levando os fiéis a uma reflexão acerca desse dom que Deus criou, a família, com o objetivo de provocar uma maior

comunhão e diálogo entre as diversas pastorais que trabalham com as famílias em nossa área paroquial. No dia 15 de novembro haverá encontro formativo com todos os coordenadores das forças vivas, para o estudo e debate do documento Amoris Laetitia. Padre Maurício avalia que cabe à família tornarse Igreja Doméstica, Santuário de Deus. Igreja Doméstica

O termo Igreja Doméstica a que se refere o pároco não é uma invenção

teológica. Já está presente em São Paulo. No final da 1ª Carta aos Coríntios, ao enviar saudações, inclui esta: “Áquila e Prisca, com a comunidade que se reúne em sua casa, enviam-vos muitas saudações” (16, 19). Pode-se acrescentar vários traços da Igreja à vida de uma família cristã que vive como tal: a particular comunhão em Cristo dos seus membros, que se manifesta no acolhimento incondicional, na oração em comum e na projeção apostólica que deve ter frente ao exterior, pois uma família verdadeiramente cristã não vive centrada em si mesma. Assim, pode-se concluir que a família está chamada a ser um lugar privilegiado de encontro com Cristo. Refletir que cada característica mencionada mantém um paralelo com os sinais de identidade da própria Igreja. Em seu conjunto, o que manifestam é que a família está chamada a ser um reflexo da Igreja universal e, inclusive, da Santíssima Trindade, que é a família de Deus. Nela, reconhece-se a vida e a natureza da Igreja.

Manifesto da Família Paraense Hoje no Brasil, vivemos momentos de imensas dificuldades, tempos difíceis e de um conjunto de crises: econômica, política, de credibilidade institucional e moral. Constatamos, com a maior tristeza, que a mais grave de todas elas somadas é o brutal e intensivo ataque na tentativa da destruição das famílias, na medida em que focamse especialmente em deformar a construção de valores de nossos filhos, sobrinhos e netos. Inocentes, sem condições de resistir a esse processo. A corrupção assola todas as esferas institucionais e, talvez aí, tenha se iniciado o processo de tamanha decadência e do distanciamento de Deus, da ausência, da conivência e silêncios de muitas famílias. Nós, cristãos católicos, e nossas famílias, consideramos esse processo traiçoeiro uma covardia contra nossos

filhos menores e indefesos. Temos sido vítimas de ataques muitas vezes silenciosos, porém, vigorosos, por parte daqueles que deveriam nos proteger. Estão dividindo nossa sociedade, implantando o ódio que se expande em todos os meios - os educativos, os esportivos, os políticos, os artísticos e os midiáticos. É o discurso do “nós e eles”. As vítimas mais desprotegidas são, infelizmente, nossas crianças que, inocentemente e por não terem a experiência necessária, muitas vezes estão no meio de todo esse contexto de implantação de falsas ideologias, surreais parâmetros de normalidade, valores e irreal conceito de família, para nós, estrutura sagrada, e que precisamos conservar de geração a geração. Os constantes atos de ataque contra os valores Cristãos Católicos, em especial, nos atos que visam à in-

filtração no seio de nossos lares da deformação de nossos valores, com a finalidade de destruílos e degradá-los, forma criminosa, atingindo nossas crianças e nossos jovens, comprometendo assim o futuro de nossas famílias, da nação e de nossa fé. Sabemos que existem leis específicas de Proteção a Crianças e Adolescentes. Entretanto as mesmas leis não têm sido respeitadas, seja através das escolas, exposições bizarras de “arte”, filmes, revistas, novelas, redes sociais e tantos outros meios, a erotização forçada e ideologias deformantes que, infelizmente, invadem nossas casas, aproveitando-se das dificuldades financeiras de tantas famílias em sua luta pela sobrevivência, tantas vezes, à revelia de nós, pais, tem trazido malefícios aos nossos lares e famílias. Mesmo porque, como dissemos, nossas crianças e jovens

estão com suas mentes em formação e, na ausência desse discernimento e maturidade, aproveitam-se para introduzir de muitas formas matérias doentias, incompreensíveis e inadequadas, de forma prematura e irresponsável, assuntos e temas, além da compreensão deles, além do alcance psicológico, emocional e mesmo intelectual. Com isso, as leis de proteção aos menores tornam-se sem sentido e ficam a desejar no que se refere à proteção da erotização precoce de nossos filhos. Por isso, estamos a ponto de um levante da sociedade em repúdio a essa triste realidade. Alguns dos protagonistas dessas aberrações, até acusando nossa legítima reação de “censura” ou de “pessoas retrógradas”. Quando, ao contrário, estamos além do tempo, porque percebemos a tentativa de manipulação das mentes inocentes de nossas

crianças e jovens, de maneira criminosa e danosa, ferindo a nossa fé, valores, nossas famílias e os nossos caríssimos princípios Cristãos. Em virtude de tudo acima exposto e, diante do silêncio de muitos e das vozes emudecidas e caladas de tantos, vimos, muito preocupados e muito apreensivos com todas as situações citadas, nós do MOVIMENTO DAS FAMÍLIAS PARAENSES, queremos solicitar um posicionamento e, também, desde já, nos colocar ao vosso inteiro dispor para o que se fizer necessário, pois não deixaremos que mais inocentes sejam violados e violentados na sua mais profunda essência de pureza e inocência, e que famílias possam assumir conosco o pertencimento à nossa fé, à nossa Igreja e aos nossos valores, mostrando a banalização entre o

poder do TER e dos direitos básicos fundamentais, e o SER e, por isso, não nos calaremos e tão pouco deixaremos que nossos filhos e netos sejam punidos pela covardia do nosso silêncio. Entendemos que, só unida, a sociedade paraense conseguirá preservar valores, retomar o pertencimento da formação de nossas famílias e, assim, sermos uma das vozes dos emudecidos, silenciados, oprimidos, violentados, mostrando aos Cristãos Católicos e aos paraenses que não nos acovardaremos e não silenciaremos diante do caos, mostrando que a força de nossa fé nos chama a um levante, enquanto povo Católico paraense, em defesa das famílias e do nosso futuro, nos cuidados com nossas crianças e jovens. MOVIMENTO DAS FAMÍLIAS PARAENSES


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

7

Especial

2º Caderno reportagem multimídia

Quilombolas: tradição, fé, luta e resistência (2) Nesta edição vamos conhecer duas grandes comunidades quilombolas localizadas em Eldorado, na região do Vale do Ribeira, em São Paulo: Ivaporunduva e André Lopes. O Jornal Voz de Nazaré publica a íntegra da reportagem multimídia sobre a vida dos Quilombolas, feita pela Signis Brasil. A finalidade desta iniciativa é fortalecer a presença da Igreja por meio de um jornalismo profético. Toda a produção esteve a cargo da Rede Aparecida. fotos: divulgação

w A luta deles é exatamente esta: a titulação da terra a que têm direito

N

o município de Eldorado, no Vale do Ribeira, em São Paulo, há duas grandes comunidades quilombolas: André Lopes e Ivaporunduva. Em ambas, a receptividade e a cordialidade se misturam com a maneira simples e muito feliz de se viver dos quilombolas, brasileiros ainda tão pouco conhecidos ou mesmo lembrados. Cerca de 50 Km da cidade de Eldorado, no Sul do Estado de São Paulo, o Quilombo André Lopes se organiza e sobrevive do turismo ecológico, do plantio de subsistência e também, pode-se dizer, do canto dos pássaros e do barulho das águas. É à base de café coado no caldo de cana, cuscuz de arroz, bolos e muita simpatia que se inicia uma longa conversa entre jornalistas e um povo que honra a cultura que tem, luta pela preservação da natureza, de que faz parte, incentiva a vida comunitária e tem coragem e garra para alcançar a justiça. O local é banhado pelo Rio Ribeira do Iguape e, segundo dados do Instituto de Terras do Estado de São Paulo (ITESP), existem 14 comunidades quilombolas, porém a maioria ainda não tem a titulação da terra onde nasceu; nem seus moradores nem seus antepassados, que foram abandonados naquela região, após receberem alforria ou terem fugido de seus donos.

A luta deles é exatamente esta: a titulação da terra a que têm direito. “Não existe quilombo sem terra”, diz João Soares da Mota, agricultor e membro da comunidade. “Queremos que as autoridades entendam que o negro precisa ser verdadeiramente livre; e liberdade para nós é viver em nossa terra.” João também explica que a intenção não é possuir a terra para comercializá-la, mas, sim, para sobreviver e preservar: “Os governantes fecham os olhos para a gente, porque existem interesses políticos.” a importância do título de terra Seguindo de carro, cerca de 20 minutos depois da comunidade de André Lopes, localiza-se o Quilombo Ivaporunduva. O líder comunitário, Benedito Alves da Silva, “Seu Ditão”, não deixa nenhum detalhe escapar ao mostrar que a vida em meio à natureza é melhor do que a vida nas “misérias” de uma grande metrópole. Ele vive do plantio de banana orgânica e participa de ações educacionais organizadas pela Associação Quilombo de Ivaporunduva, que conduz estudantes, crianças e adolescentes por diferentes escolas do país à comunidade, para conhecer mais sobre a cultura dos quilombos. Ele apresenta o quilombo com uma aula de história para os estudantes, realizando oficinas que

reproduzem como era o dia a dia dos negros escravos que viveram naquela região, além de contextualizar as histórias de lutas pela terra e todas as conquistas da localidade até o momento. “O título da terra para nós é signifi-

w seu Ditão no plantio de banana: o título da terra significa liberdade

cado de liberdade”, reforça “Seu Ditão”. Ele destaca que toda a comunidade se empenha para que as futuras gerações não precisem sair e consigam sobreviver no lugar que foi conquistado após muitos anos de luta.

E a organização da comunidade é fundamental nesse processo, pois garante aos integrantes renda extra com a confecção e venda de artesanato para os turistas que chegam. A Equipe de Articulação e Assessoria às

w renda extra: confecção e venda de artesanato para os turistas

Comunidades Negras do Vale do Ribeira (EEACONE) tem dado o apoio necessário aos povos quilombolas dessa região do país. Tanto em Ivaporunduva quanto em André Lopes, a entidade, que não possui fins lucrativos, trabalha para que o artigo 68 das Disposições Transitórias da Constituição Federal seja garantido e cumpra requisitos que dizem respeito ao direito à terra dos remanescentes de Quilombo. Na prática, o trabalho da EEACONE é identificar lideranças, incentivar a importância do processo de construção de associações, capacitar, formar e estimular o resgate histórico e cultural de cada comunidade, além de assessorar juridicamente as comunidades tradicionais.

Irmã Sueli advoga para quilombolas Membro da EEACONE, Irmã Maria Sueli Berlanga, que pertence à Congregação das Irmãs Pastorinhas, advoga e dá assessoria jurídica àqueles que mais necessitam. A instrução necessária é muito importante no caminho da conquista pelos direitos fundamentais das comunidades tradicionais da Região do Vale do Ribeira. Ela conta que cada comunidade que vai se organizando passa a ser

uma entidade jurídica independente. A assessoria jurídica é importante, pois se trata de titulações de terras coletivas. “Estamos em uma área de preservação ambiental que não considera questões culturais, nem sociais, e infringe direitos, pois essas comunidades já estavam aqui quando os parques ambientais foram criados. Aqueles que sempre preservaram a natureza hoje estão sendo multa-

dos e tratados como criminosos ambientais, por fazerem o plantio de pequenas roças para sobreviverem em áreas que já pertenciam a eles”. Segundo Irmã Sueli, há uma dissociação das leis em comparação com a realidade: “São órgãos de difícil diálogo, que dificultam a vivência da comunidade. A Polícia Ambiental é um braço do Estado, que vem quando recebe notificações de denúncias que chegam

à Fundação Florestal. Ela aparece com um discurso muito forte de opressão. Entretanto, o Estado privatizou 25 unidades, e o primeiro artigo das leis de privatização dos parques dá conta de que as empresas poderão, inclusive, fazer exploração de madeira, enquanto eu já defendi casos em que uma pessoa foi processada, porque desmatou 24 metros quadrados para construir um barraco para viver.”


8

5

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Em Nazaré I

rmã Marília Menezes, filha do escritor Bruno de Menezes, expressa seu talento por meio da produção de cartões que homenageiam Nossa Senhora de Nazaré. Com o objetivo de evangelizar e resgatar os costumes de sua época, aos 85 anos, a Irmã Marília Menezes, religiosa da congregação Adoradora do Sangue de Cristo, produz manualmente, cartões postais contendo desenhos, trovas ou quadras poéticas, com uma mensagem nazarena. Herdou o dom de escrever de seu pai, o poeta Bruno de Menezes. As mensagens, geralmente, abordam três temas: louvor e pedido a Maria, aspectos do Círio e problemas atuais do ser humano. A irmã já produziu duzentos cartões com o desenho de Maria e o menino Jesus ao seu lado, dentro da berlinda. Um lírio compõe o desenho, simbolizando uma pessoa. A ideia de produzir os cartões veio de um gesto de bondade. “Nós, irmãs, usamos cartõezinhos em nossos aniversários. Bem, ao mesmo tempo, como nós temos obras sociais aqui e, sobretudo, em Manaus, temos muitas irmãs doentes e precisando de ajuda, nossa superiora pediu que a gente mandasse uma cooperação, neste fim de semestre. Uma irmã está bordando. Então,

2º Caderno

Simplicidade que encanta

Religiosa produz manualmente cartões postais com mensagens nazarenas fotos: divulgação

w irmã Marília Menezes, também escritora

eu resolvi fazer meus cartões com os meus versos”, explicou. Por ser devota de Nossa Senhora, adotou esse método para utilizá-lo como ferramenta de evangelização e disseminação do amor a Nossa Senhora de Nazaré. Apreciadora de cartas, ela se esforça para que esse meio de comunicação não se perca devido ao uso da internet e tenta repassar isso adiante aos jovens. Bem humorada, irmã Marília comentou de on-

de surgem os belos versos que produz: “As inspirações vêm de Deus. Eu acordo de madrugada e lá vem a “inspiração”. Tenho um ateliê, lá eu sento e começo a escrever. Quando não estou lá, procuro qualquer papelzinho para fazer as anotações”. Atualmente os cartões ganharam versões impressas, sendo vendidos a R$ 2,00 a unidade. A renda é destinada às Obras Sociais da congregação da religiosa.

w casal Roberto e Daniela Souza, em despedida do trabalho do Círio

Sincera gratidão Roberto e Daniela Souza despediram-se da coordenação da Diretoria da Festa de Nazaré após dois anos de intenso trabalho e dedicação. Estar à frente do grupo de voluntários dedicados a organizar a grande festa do povo paraense é de fato uma missão que exige entrega incondicional. E foi isso o que o casal Roberto e Daniela

Souza mostrou durante o último biênio, ao abdicar de tantas coisas para poder cumprir a tarefa que lhes foi confiada pelo Arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa. A avaliação de sua passagem pela coordenação da Diretoria da Festa de Nazaré não poderia deixar de ser positiva, diante de tantas realizações e conquistas.

A grande responsabilidade do cargo foi desempenhada com maestria pelo casal. Em nome da Paróquia de Nazaré, da Arquidiocese de Belém e dos devotos de Nossa Senhora de Nazaré, os nossos sinceros agradecimentos, pedindo à Rainha da Amazônia que continue intercedendo junto ao Pai por essa bela família.


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

9

Em Nazaré

2º Caderno

Festividade de Nossa Senhora das Graças começa sábado, 4

Na Programação missas, adoração ao Santíssimo, peregrinação, novena e procissão luminosa

C

om o tema “Maria, nossa intercessora de todas as graças e mãe do único mediador entre o Pai e nós”, a Comunidade Nossa Senhora das Graças, que integra a Paróquia de Nazaré, irá realizar a festividade em honra a

sua padroeira. A programação terá início neste sábado, 4, com Santa Missa a partir das 18h. A programação conta com missas, adoração ao Santíssimo, peregrinação aos lares, novena e procissão luminosa. Para o pároco de Nazaré, padre

Giovanni Incampo, a programação é fundamental para a integração da Comunidade: “Com grande alegria os integrantes da Comunidade se dedicam para realizar, neste momento, esta singela homenagem a Nossa Senhora das Graças”.

Confira a programação completa Dia 04/11 18h: Missa de Abertura e benção das imagens. De 05 a 17/11: Peregrinação aos edifícios, condomínios, vilas e passagens da Comunidade. De 18 a 26/11: Novenário na Capela, com recitação do terço às 18h e missa às 19h. Aos sábados: reza do terço às 17h, missa e novenário às 18h. Dia 18/11: Responsável pela realização a Diaconia 27 Dia 19/11: Responsabilidade da Diaconia 28 Dia 20/11: Diaconia 29 Dia 21/11: Diaconia 30 Dia 22/11: Diaconia 31 Dia 23/11: Diaconia 32 Dia 24/11: Diaconia 33 Dia 25/11: Responsável pela realização a Legião de Maria Dia 26/11: Novena e Terço Luminoso sob a responsabilidade da Comunidade Dia 27/11: Missa às 7h para a exposição do Santíssimo. Adoração ao Santíssimo das 8h30 às 17h. Primeiro momento (8h30 as 10h30): Confraria de Nazaré e as Diaconias 27, 28 e 29. Segundo momento (10h30 as 12h30): comunidades da Paróquia, Divina Misericórdia e as Diaconias 30 e 31 Terceiro momento (12h as 14h30): comunidades da Paróquia, Caminho Neocatecumenal, Apostolado da Oração e as Diaconias 32 e 33. Quarto momento (14h30 as 16h30): comunidades da Paróquia e Legião de Maria As 17h, bênção com o Santíssimo, seguida de missa às 18h e procissão

A beleza a serviço da liturgia O altar-mor é o principal da igreja e fica sempre de frente para a entrada. Chama-se assim por antes ser construído em elevações de pedras ou terra. “O altar, em torno do qual a Igreja se reúne na celebração da Eucaristia, representa os dois aspectos de um mesmo mistério: o altar do sacrifício e a mesa do Senhor. E o altar é o símbolo do próprio Cristo, presente em meio à assembleia de seus fiéis, que se apresenta como vítima oferecida por nossa reconciliação e como alimento celestial que nos é dado” (Santo Ambrósio, De sacramentis 5,7: PL 16, 447). As peças foram produzidas na Itália e esculpidas em mármore de Carrara com detalhes em

bronze. Cada peça do Presbitério (local onde ficam os padres durante a Santa Missa) foi trabalhada de acordo com as leis litúrgicas para uma melhor representação de algumas passagens bíblicas, como a anunciação do anjo Gabriel a Maria, simbolizada no Altar Mor; outro objeto é o Ambão, que demonstra Maria encontrando sua prima Isabel, no momento do Magnificat (Maria anuncia a Palavra que salva e santifica). Também fazem parte do altar a coluna do Círio Pascal, a Cátedra, que é a cadeira do presidente das celebrações, e o Nicho que recebe a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, simbolizando a passagem bíblica de Isaias 11, 1s, representado no canto “da

fotos: divulgação

w detalhe do Ambão

cepa brotou a rama”. Cátedra

É a Cadeira do presidente das celebrações. Fica na frente do atual sacrário da Basílica de Nazaré.

w Atrás do altar a Cátedra Altar Mor

Sustentado na frente por um grupo em Bronze representando a Anunciação do Anjo Gabriel a Maria (E o Verbo se faz carne, como na Eucaristia)

AMBÃO (estante das leituras, que fica no lado esquerdo de quem entra na Igreja): feito com um bloco em bronze representando Maria que fala a Santa Isabel (Maria anuncia a Palavra que

salva e santifica) Coluna do Círio Pascal

É o suporte em que se coloca a vela grande, o Círio Pascal, entre o Altar e o ambão.


10

5

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Arquidiocese Catequistas da Região Santa Cruz participam de retiro

2º Caderno

Com o tema “O catequista, a Palavra e os sacramentos”

O

s catequistas da Região Episcopal Santa Cruz, da Arquidiocese de Belém, participam de retiro espiritual neste domingo 4 de novembro, das 8h às 18h, na Paróquia de São Raimundo Nonato, no Umarizal. Tema do retiro “O catequista, a Palavra e os sacramentos”. O evento objetiva momentos de oração e reflexão na busca do encontro pessoal com Cristo. A iniciativa da Arquidiocese de Belém conta com louvor, palestras e missa de encerramento, presidida pelo padre Maurício dos Santos, pároco da Paróquia de Jesus Ressuscitado e assessor Arquidiocesano de catequese da Região Episcopal Santa Cruz. O evento deve contar com a participação de 130 ca-

tequistas. Durante o retiro serão feitas palestras com temáticas diferentes, tendo como facilitadores os padres Plínio Pacheco, pároco da Paróquia da Santa Cruz, no Marco, padre Maurício dos Santos, pároco da Paróquia de Jesus Ressuscitado, na Marambaia, e o padre Evandro Favacho, pároco da Paróquia do Santíssimo Sacramento, no bairro Nova União, em Marituba. O evento tem a colaboração da equipe de coordenação da pastoral da catequese da região Santa Cruz. “A importância do retiro é o fortalecimento da fé, é a possibilidade de o catequista buscar o seu encontro pessoal com Jesus, incutir no catequis-

ta a necessidade de oração e recolhimento, para poder seguir na sua missão, no seu chamado”, disse Max Cabral, vice-coordenador da pastoral. Padre Maurício dos Santos fala que as atividades desenvolvidas na região são em comunhão com o que o padre Antônio Farias, assessor da Pastoral Catequética da Arquidiocese de Belém e a sua comissão Arquidiocesana pensam para todas as regiões e paróquias. Segundo ele, o retiro vai ao encontro do pedido da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e do Papa Francisco. “A ideia é trabalhar a vida sacramental e a Palavra de Deus que anima a celebração dos sacramentos. Como sabe-

mos, nós estamos vivendo em nossa Arquidiocese a pedido da (CNBB) e, também, o que o nosso Papa vem apresentando. Nós estamos vivendo esse bonito processo de uma nova catequese com uma nova metodologia, que nós chamamos de Neocatecumenal, ou seja, educar na fé as crianças, jo-

vens e adultos para este encontro com Jesus”. A Arquidiocese de Belém realiza anualmente retiros voltados aos catequistas das sete Regiões Episcopais. Quando necessário, algumas paróquias promovem retiros com os seus catequistas ou fazem momentos de espiritualidade.

Evangelização no Terceiro Milênio Maria Elisa Bessa de Castro

As delicadezas espirituais do Círio 2017 (parte 2)

C

aríssimo leitor, vamos hoje continuar o nosso passeio por alguns dos momentos/espaços que, como um mosaico, compuseram a beleza espiritual do Círio 2017. Na tarde de 7 de outubro de 2017 (sábado da Trasladação), a Berlinda (já decorada de belas e perfumadas rosas brancas) saiu do barracão dos carros, em direção à avenida Magalhães Barata, em frente ao Colégio Gentil Bitencourt. O caminho, pela alameda Dom Alberto Ramos e travessa 14 de Março foi percorrido em meio a orações e cânticos, puxados por mulheres (em sua maioria) e alguns Guardas da Santa. Você deve estar se perguntando: mulheres conduzindo a berlinda? Sim, para quem não sabe, do barracão até o local onde tem início a Trasladação, a Berlinda é conduzida por mulheres, entre elas, esposas de diretores da Diretoria do Círio, mulheres que trabalharam na Pastoral da Acolhida na Casa de Plácido e muitas outras mulheres-devotas que, durante o percurso, vão entrando e segurando nos cabos (mecanismos que são utilizados para empurrar a Berlinda). Desde o ano passado

tive a graça de ser uma dessas humildes mulheres, que conduziram a Berlinda da Rainha até à frente do Colégio Gentil Bitencourt. A emoção é indescritível: seja por sentir-se integrada àquele belíssimo Trono, ao ponto de respirar de pertinho o perfume das belas rosas que a decoram, seja por estar unida a muitas mulheres que ali também estavam, todas rezando Ave-Marias e cantando louvores à Santíssima Virgem. Durante o percurso, o povo ao redor forma como que um corredor de alegres palmas que, com o simples passar do Trono da Rainha da Amazônia, a louvava com “vivas” e “salves”. Os olhares extasiados dos filhos de Maria com a beleza do Jardim suspenso que decora a Berlinda emocionaram profundamente minha pobre alma. Senti que estávamos na companhia da Corte Celeste, entre Anjos e Santos que nos sustentavam naquele curto percurso. A sensação era de estar voando. Ó quão bela e feliz foi aquela tarde santa! Agradeço à Mamãe do Céu por tamanha delicadeza espiritual. Nos quinze dias da chamada Quadra Nazarena vivemos momentos únicos duran-

te as Santas Missas celebradas às 18h na Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, cada dia com a pregação de um bispo convidado. Vivemos como que um prolongado Retiro Espiritual, uma dádiva a nós proporcionada por Nosso Senhor Jesus Cristo, por meio de Dom Alberto Taveira Corrêa, anfitrião dos prelados que conosco estiveram. NoTríduo deste ano (dias 16, 17 e 18 de outubro de 2017) tivemos como pregador Dom José Luiz Azcona Hermoso. Os presentes à Casa da Rainha naquelas três Missas tiveram o privilégio de ouvir verdadeiros Sermões, no sentido teológico da palavra. Dotado de uma oratória ardorosa, cheia de veemência e uma coragem ímpar, Dom Azcona deu um banho de conhecimento filosófico/teológico. O Bispo Emérito da Prelazia do Marajó passeava do Antigo ao Novo Testamento com uma desenvoltura espetacular; sem titubear, tinha as Sagradas Escrituras na ponta da língua, além de citar Padres da Igreja (Patrística) e Santos Doutores, interligando os seus saberes, em todo o arco dos séculos até o presente ano. O

pregador descortinou a História da Salvação como quem contava historinha de criança, tamanha a naturalidade/facilidade com que nos inebriou. E, para fechar com chave de ouro, ele encerrava cada Sermão com uma humilde oração dirigida a Nossa Senhora de Nazaré. Ficamos todos extasiados, com a alma profundamente feliz, em plenitude e leveza santa...Eu senti orgulho de ser católica, grata a Deus pela Santa Madre Igreja. Não por acaso, ele foi aplaudido de pé e demoradamente, com gritos de “bravo”. Obrigada, Dom Azcona, por tamanho Tesouro Espiritual. É sabido que o padre Mário Pozzoli, na envergadura de seus 86 anos de idade, dos quais 59 de vida sacerdotal, celebra diariamente a Missa das 18h na Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, sempre com muito esforço para subir os degraus da escada que dá acesso ao Presbitério, pois ele se locomove de cadeira de rodas, dada a sua frágil saúde. Nesses quinze dias da Quadra Nazarena, porém, um fato chamou a atenção de quem, como eu, cedo chegava à Basílica, para aguardar o início

da Missa. Logo na segunda feira seguinte ao domingo do Círio (dia 9 de outubro de 2017), após seu cuidador o colocar no entorno do Altar, ao lado das cadeiras destinadas aos concelebrantes, passados alguns minutos, padre Mário, empurrando devagar e com muito esforço as rodas da cadeira, aproximou-se da imagem original da Virgem de Nazaré (que estava na coluna rodeada de flores) e ali, absorto, como um romeiro-devoto, ficou a rezar-conversar com a Mamãe do Céu. Fiquei deveras emocionada com a ternura e o amor com que ele a olhava. Vi naquela cena, como que rememorado, o menino que, aos 10 anos (em 1941), sentiu o chamado à vida sacerdotal, aos pés de Nossa Senhora, em L entate Sul Seveso (província de Monza e Brianza, Itália). Eis que passados 76 anos desde então, estava ele, novamente, aos pés da Puríssima Senhora,

a mergulhar em seu Coração Imaculado, consagrando-se como criança em busca de colo acolhedor, carinho e proteção. Também não passou despercebida uma outra atitude do padre Mário Pozzoli, dada no domingo 22 de outubro de 2017, antes da Santa Missa das 18h. Subindo ao Presbitério, padre Mário, com um grande esforço, ficou em pé, encostado no ambão e, mesmo sem proferir uma única palavra, levantou os braços em atitude de louvor, dirigiu-se a nós, o povo, agradecendo por nossa presença fervorosa. E o povo, espontâneo, respondeu com uma calorosa salva de palmas...uma alegria santa. Obrigada, padre Mário, por ser exemplo de humildade sacerdotal e amor à Mãe de Deus. Sob o olhar amoroso da Santíssima Virgem encerramos a segunda parte deste escrito, que finalizará no próximo artigo. Obrigada, Mãezinha do Céu!

Movimento Apostólico da Divina Misercórdia Adoradores Eucarísticos da Igreja das Mercês bessadecastroadv@gmail.com

Próximo artigo: Prof. Ricardino Lassadier


belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Festividades Imagem peregrina de Cristo Rei visita a Fundação Nazaré

2º Caderno

A

Fundação Nazaré de Comunicação recebeu, na manhã de segunda-feira, 30, a visita da imagem peregrina de Cristo Rei, conduzida pela equipe da Festa da Paróquia do mesmo nome. Depois da missa presidida pelo pároco, padre Pedro Júnior, a imagem foi levada aos diversos setores da Fundação. É o quarto ano consecutivo que a Fundação recebe a visita da imagem, este ano a 9º, desde o início das peregrinações, aos vários locais programados. Para o Diretor Geral da festa, Luiz Augusto, esse momento marca a evangelização em locais visitados pela imagem: “O ato de divulgar a festa, o Círio de Cristo Rei, é também evangelizar. Visitar a Fundação Nazaré é exatamente isso. Nosso objetivo é abençoar esses locais, sendo uma satisfação enorme estarmos reunidos e rezando diante da imagem, intercedendo pelos visitados”. As visitas iniciaramse no dia 22 de outubro, em preparação para a

11

Peregrinação ocorre como parte da programação da festividade da paróquia luiz estumano

w padre Pedro Júnior, e o diácono Ronaldo, durante a celebração eucarística na Fundação

festividade, a acontecer de 17 a 26 de novembro. A paróquia localizada-se em Ananindeua. Este ano a festividade de seu padroeiro tem como te-

ma “A exemplo de Maria, sejamos servos de Cristo Rei”. Festividade

Neste domingo, 5, acontecerá a missa de

apresentação do manto de Cristo Rei, às 19h, na matriz da paróquia. Dia 16, às 19h, na matriz, missa de abertura da festividade, presidida pelo

Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa. Dia 12, iniciando-se às 7h, ciclo romaria, com saída da comunidade Bom

Pastor, em direção à Igreja matriz. À chegada, Santa Missa. No domingo, 19, é a vez de a juventude louvar a Cristo, em mais uma edição da Romaria da Juventude, a se inciar às 15h, com saída da matriz da Paróquia de Cristo Peregrino. Dia 25, a trasladação, com saída da matriz, às 16h, passando pela comunidade Cristo Missionário e chegada à comunidade Cristo Libertador. Dia 26, após a missa das 8h, na Comunidade Cristo Libertador, presidida pelo pároco, padre Pedro Júnior, saída do Círio rumo à matriz. À chegada do Círio, Santa Missa. No arraial, durante a festividade, após a celebração da Santa Missa, haverá vendas de comidas típicas e shows de bandas católicas.

Igreja de São João Paulo II realiza 3ª festividade Celebrações litúrgicas, shows , apresentação teatral, catequese e muita fraternidade. Tudo isso faz parte da programação da Festividade 2017 da Igreja São João Paulo II que acontece até o próximo domingo, 5 de novembro, na travessa Mauriti, 1753, Pedreira,

sob a organização da Comunidade Católica Casa da Juventude (Caju). “Maria, Mãe de nossa Alegria”, tema da festividade deste ano, foi escolhido por referência ao Ano Mariano, celebrado pela Igreja do Brasil. Além disso, a festividade visa comemorar

o segundo aniversário de inauguração da Igreja de São João Paulo II, acontecida, em 1º de novembro de 2015. “Esse momento é sempre rico para a comunidade, pois rememoramos todas as dificuldades, mas, especialmente, todas as graças

que nos permitiram concretizar o sonho do nosso fundador que automaticamente se tornou também nosso sonho de construir uma igreja dedicada a São João Paulo II, que foi e continua sendo uma das grandes referências para a juventude”, destacou Jamille Cavalcante, vice coordenadora geral da Caju. Para Jamille, a festividade é momento de comunhão não somente dos integrantes da comunidade, mas também dos moradores do entorno: “que se sintam sempre bem vindos, pois a igreja de São João Paulo II não pertence somente à Caju e sim a todos os filhos e filhas de Deus, independente da idade ou do endereço. Gostaríamos de viver mais um momento de união fraterna, buscando a vida em santidade, com a intercessão de São João Paulo II e Nossa Senhora nos animando a viver a Alegria da Ressurreição”. A festividade teve início sábado, 28 de outubro, com novena às 19h30 e, em seguida, missa às 20h. Na segunda-feira, 30 de outubro, a programação contou com novena às 19h00 e missa às 19h30. Às 21h, houve a abertura da exposição “São João Paulo II”, que conta um pouco da vida do san-

to papa e de sua visita a nossa capital em 1980. A exposição, composta por vídeos e fotos, permanece aberta até o dia 5 de novembro. Nesta sexta-feira, 3 de novembro, novena às 19h, seguida de missa em honra ao Sagrado Coração por ser a primeira sexta do mês. Finda a missa, show da banda Alegra-te. No penúltimo dia de festejo, dia 4, novena às 17h, missa às 17h30, presidida por Dom Irineu Roman, um dos dois bispos auxiliares de Belém. O destaque da noite será o show católico, inédito em Belém, de Bruno Camurati e Aline Venturi. Dia 5 de novembro, encerramento da festividade, com novena às 17h, celebração eucarística presidida pelo Bispo da Diocese de Ponta de Pedras, no Arquipélago

do Marajó, Dom Teodoro Mendes. Os shows da festividade estão programados para locais diferentes, podendo os ingressos ser adquiridos, desde já, na secretaria da Comunidade Caju, Avenida Almirante Barroso, 883, entre as travessas Vileta e Humaitá, e também, ao final das missas dominicais, tanto na sede da Caju, às 10h, quanto na Igreja São João Paulo II, às 17h30. Casa da Juventude

A Casa da Juventude é uma Comunidade Católica fundada, aqui em Belém, em 1959, pelo Cônego Raul Tavares de Souza. Seu principal objetivo: a evangelização de jovens e adultos, para o que mantém atividades na capital paraense e nos núcleos missionários em Marabá e São Paulo.

Serviço A p ro g ra m a ç ã o é aberta. Ingressos apenas para os shows católicos. Toda a renda arrecadada será direcionada para a conclusão das obras da igreja. Venda de ingressos: Igreja São João Paulo II: Travessa Mauriti, 1753, entre as avenidas Marquês de Herval e Visconde de Inhaúma, Pedreira. Caju: Avenida Almirante Barroso, 883,

entre as travessas Vileta e Humaitá, Marco, de segunda a sexta-feira, das 13h30 às 19h30, e aos sábados das 8h às 12h. E ao final das missas da comunidade: quinta-feira, às 19h30 (Igreja SJPII), domingo, às 10h (Sede da Caju) e domingo, às 17h30 (Igreja SJPII). Infor mações: (91) 3236-1188 ou pelo site www.comunidadecaju. com.br.


12

belém, De 3 a 9 de novembro de 2017

Arquidiocese A

banda Gen Rosso a p re s e n t a - s e e m Belém nos dias 3 e 4, no projeto "Toda vida tem esperança", iniciativa da Fazenda Esperança. Ingressos: (91) 3215-7001/98401-9632 (WhatsApp)/email: turnê. belem@gmail.com. O Jornal Voz de Nazaré entrevistou a banda.

2º Caderno

Gen Rosso faz shows em Belém

Banda italiana ligada aos Focolares apresenta-se nos dia 3 e 4 luiz estumano

VN - Como o Gen Rosso chega a Belém?

GR - Não é a primeira vez que o Gen Rosso vem a Belém, e desta vez há uma coisa muito importante: não será somente o Gen Rosso em cima do palco, e sim, também os 200 jovens da Fazenda da Esperança que estão em recuperação das drogas, do álcool e do crime com uma grande vontade de mostrar a todos e ao mundo, que nasceu uma nova esperança na vida deles. E o projeto tem como titulo ‘Toda Vida tem Esperança’, título da turnê que o Gen Rosso está fazendo no Brasil. Graças a Fazenda da Esperança estamos em Belém. E esta Fazenda está realizando tantos milagres, tantas obras milagrosas nos corações desses jovens. E aqui em Belém há duas fazendas, uma masculina e outra feminina. Então a estratégia que a Fazenda para resgatar esses jovens não é tirar alguma coisa dos corações deles, mas sim, colocar o amor de Deus nesses corações, tudo isso através da vida, da palavra de Deus, do trabalho e da comunhão. E com esses 200 jovens, nos preparamos com oficinas de hip-hop, teatro, música, dança e documentação, para realizarmos juntos o espetáculo Street Light. E o que o Gen Rosso traz de

w em belém, Nacho, Joseph e Helanio na entrevista à Rádio Nazaré FM novidade, é a vivência nas artes e esse um pelo outro, pra dizermos juntos da vontade de recomeçar, renascer para uma vida social nova e ter um pelo o outro. VN - A música e a espiritualidade focolarina dão ao Gen Rosso um diferencial?

GR - Gen Rosso são duas palavras: Gen (Geração Nova) e Rosso, vermelho em italiano, pois foi a cor da primeira bateria nossa, que ganhamos de presente em 1966, da Chiara Lubich - fundadora do Movimento dos Focolares - e desde então muitas baterias foram mudando, assim como os nossos componentes, sempre com uma novidade, sempre de um lugar diferente, nação diferente, experiência e idades diferentes. Agora somos 18 de 4 continentes, e viajamos pelo o mundo, em contato com os povos, cultura, religiões diferentes, do México a Cuba, da Tailândia à China, no Oriente Médio

e, em tantos outros lugares que não dá para contar. A nossa experiência em viagens pelo mundo é grande, mas posso dizer que somos uma grande família, porque são experiências que vamos colhendo em muitos lugares. E assim a mensagem que o Gen Rosso leva é “Que todos sejam um", como assim mesmo disse Jesus. E isso nós podemos traduzir principalmente em nossas vidas cotidianas, mas também na arte, na música e na dança. E nas várias maneiras do espetáculo, para dizer de maneiras diferentes que, a unidade é, sim, possível, a nível familiar, educativo, esportivo, político, econômico, porque unidade é sinônimo de solidariedade. Agora, nós queremos andar pra frente, levando essa palavra ‘unidade’, com todos os meios de comunicação. Transformar a vida em canção e colocar em prática essa canção em nossas vidas, e convidando a to-

dos, a fazerem essa mesma experiência. Porque a vida assim é muito mais bonita e leva à felicidade. VN - Brilho na arte, fazer o bem, partilhar esperança e animar o futuro. O que trazem a Belém?

O musical nasce de uma experiência verdadeira, que fala de um jovem negro que morava no Gueto, um dos bairros perigosos dos Estados Unidos, comandado por gangues, habitado apenas por afro americanos, e se chamava Charlie. Havia algo de especial dentro dele, vivia pela fraternidade universal, queria levar a todos os lugares essa mensagem, para todos. E essa mensagem chegou até agora aqui em Belém com o Street Light. E é uma história de vida, porque vemos nessa turnê do Gen Rosso, o quanto há vida nas oficinas, quantos meninos e meninas que fazem parte conosco, dão e recebem de uma vida que já fazem parte. E quere-

mos dar ao público de Belém essa vida de Charlie, de ideal e unidade. Queremos proporcionar a todos no espetáculo essa história de vida verdadeira, de vivermos uns pelos outros, e que cada motivação que nós tivermos é para ser dom para o outro, e assim como Charlie, queremos tomar decisões assim, queremos que seja por ‘algo maior’, seguindo o ideal de Deus. Um personagem do musical é Jordan, que faz parte de uma gangue, muito amigo de Charlie. A sua fidelidade à gangue vem medir em prova. E no final Charlie paga com a sua vida, em acreditar que no fim, o mundo será mais unido. Não contamos o que acontece com Jordan, mas o fato é que a história é real, já se expandiu em tantos lugares desse mundo. Faz-nos dizer que é uma história muito atual, que podemos nos reconhecer, porque as vezes nosso coração se volta para o ódio e para o amor. Iremos ver o que acontece também com Jordan. O espetáculo tem vários estilos musicais, do hip-hop ao rock, várias coreografias, tudo para lançar esta mensagem em Belém. VN - Gen Rosso traz a confiança de Chiara Lubich da pequena semente que faz a diferença. Que semente plantam em Belém?

GR - O mesmo segredo de nossas vidas, pois viemos de tantas nações diferentes, somos 18 de quatro

continentes diferentes, e cada um tem seu percurso diferente também. Queremos dizer que é uma combinação que nos deixa felizes, e o sentido de viver para Deus é sentir que ele nos ama imensamente, com as nossas diferenças, limites, dúvidas. Ele nos faz sentir assim, nos ama do mesmo jeito. Deus não que deixes de fazer ou mudes algo, ele nos ama assim e basta! Então, podemos dizer que pra gente, mesmo com nossos limites, religiões diferentes é, sim, possível que todos sejamos uma única coisa, assim como Jesus nos pediu. Posso dizer concretamente que esses 50 anos, e a esperança que Chiara depositou no Gen Rosso, seja essa faísca de que todos sejamos um. VN - Quem convidam?

GR - Toda vida tem esperança. Por isso a Fazenda da Esperança nomeia esse projeto. Queremos convidar especialmente os jovens, porque, particularmente a história de Charlie, é como a de tantos jovens, que hoje vivem ou viveram isso. E para cada um desses jovens que estarão lá presentes, deixamos uma mensagem com as palavras finais da canção, ‘Se queres, tu podes’. E queremos convidar especialmente, também, aquelas pessoas que perderam a esperança de alguma forma, porque nas dificuldades desses corações, pode sim, nascer novamente essa esperança, e estão sendo convidados a assistir ao espetáculo na primeira fileira.

Encontro Regional Norte da Pastoral da Pessoa Idosa Belém irá sediar mais uma vez, de 7 a 10 de novembro, o Encontro Regional Norte da Pastoral da Pessoa Idosa (PPI) e que irá congregar as coordenações dos estados que integram os regionais Norte I e II. Com o tema “Levantando a voz para o empoderamento das pessoas idosas e seus direitos” o encontro busca fomentar as discussões quanto ao direito da pessoa idosa bem como capacitar as lideranças. O evento, que tem realização da coordenação nacional da referida pastoral, é o primeiro de uma série de encontros realizados nos regionais definidos pelas circunscrições eclesiásticas da CNBB, que ao todo somam 18. Com apoio da TV Evangelizar que irá fazer um apanhado do trabalho da Pastoral na região, o evento terá presença da

coordenação nacional, Irmã Terezinha Tortelli, que assumiu em 2010. Para a coordenadora nacional a realização do encontro é uma grande oportunidade. Ela informou que este ano haverá um diferencial com um momento externo com público diversificado para refletir sobre a situação do envelhecimento hoje no Brasil. “Com um tema bem sugestivo e provocativo levantando a voz para o empoderamento das pessoas idosas e seus direitos. Queremos discutir a atual política nacional que é bem ousada e completa. A sua deficiência está na falta da implementação da legislação. E com um agravante: o pouco que já se implementou está sempre sob ameaça de retirada de direitos já adquiridos com muito esforço”. Para Vera Lopes, co-

Programação

ordenadora da PPI do Regional Norte 2 (Pará e Amapá) a discussão é de grande valia: “É importante em nível nacional porque fomentamos as políticas públicas, as nossas estatísticas fomentam atividades para que a pessoa idosa tenha vida mais digna e seja mais respeitada, principalmente, pelos seus pares, ou seja, pela sua

família e pelo governo.” O principal foco do encontro será a lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003, o Estatuto do Idoso, que regula os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 anos. “Nós temos o estatuto que completou 14 anos em outubro passado, mas muitos dos artigos, linhas e parágrafos não

foram cumpridos pelas políticas públicas. Não é como antes, tivemos, sim, alguns avanços, mas na política pública, e cito como exemplo o Pará, não há ainda um fundo estadual e municipal do idoso. Então para fazermos esse trabalho é necessário que tenhamos um apoio das políticas públicas do nosso Estado.”, reforça Vera Lopes.

O Encontro será aberto na terça-feira, 7 de novembro, às 15h, no auditório do Centro Integrado de Inclusão e Cidadania (CIIC), situado na Avenida Almirante Barroso, com presença de representantes de instituições, comissões, conselhos e grupos que mobilizam-se em favor dos direitos da pessoa idosa. Com expectativa de participação de 200 pessoas, no dia da abertura haverá mesa-redonda sobre “as instituições e seus trabalhos realizados como fomentadores de boas novas à pessoa idosa” e contará com a presença do Arcebispo Metropolitano e das coordenações nacional e estadual da Pastoral. Às 18h, haverá celebração eucarística na Basílica Santuário de Nazaré. E, de 8 a 10, a capacitação das coordenações acontecerá na casa Monte Tabor, em Icoaraci.

Profile for Fundação Nazaré de Comunicação

Voz de Nazaré  

Edição de 3 a 9 de novembro de 2017

Voz de Nazaré  

Edição de 3 a 9 de novembro de 2017

Advertisement