Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

ANO CV - Nº 891 - PREÇO AVULSO: R$1,00

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

www.fundacaonazare.com.br

Reunião pré-Sínodo da Amazônia Bispos das 56 circunscrições eclesiásticas da Amazônia brasileira, convidados do Brasil e representantes da Santa Sé reúnem-se em Belém para estudar o documento que referencia os trabalhos para o Sínodo da Amazônia a ocorrer em outubro no Vaticano. PÁGINA 11. LUIZ ESTUMANO

nBISPOS reunidos em Belém, capital do Estado do Pará, estudam o documento sinodal e refletem sobre a realidade da missão amazônica

FAMÍLIA celebrada CÍRIO 2019: Missa do Mandato inicia festa mariana nas ilhas de Belém Dom Irineu Roman presidiu o Encontro das Famílias na ilha do Ma- Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, presidiu racujá, ação da Pastoral das Ilhas no mês vocacional. PÁGINA 11

celebração eucarística na Basílica Santuário de Nazaré. PÁGINA 10 LUIZ ESTUMANO

n COMUNIDADE participou da celebração na ilha do Maracujá

LUIZ ESTUMANO

n MISSA na Basílica abriu oficialmente programação do Círio 2019

CATEQUISTAS em jornada EAPADI celebra aniversário São esperados 2,5 mil catequistas na quinta jornada da Arqui- Missa comemora 21 anos de missão da Equipe Arquidiocesana diocese de Belém que acontece domingo, 1 de setembro. PÁGINA 6 de Pastoral do Dízimo (EAPADI) em Belém . PÁGINA 6


2

OPINIÃO

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

JOÃO CARLOS PEREIRA

PE. HELIO FRONCZAK

Jornalista e professor (jcparis1959@gmail.com)

heliofronczak@gmail.com

ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU ...

PRIVILÉGIO DE SER CATÓLICO

Um santo chamado Hélder Câmara A participação

O

nome de Hélder Pe s s o a C â m a ra deixou de ser pronunciado com a frequência que merecia, quando, velhinho e fraco, deixou este mundo, em 1999. O arcebispo emérito de Recife e Olinda contava 90 anos. Duas décadas após sua morte, D. Hélder ingressa num futuro destinado aos que viveram, sincera e heroicamente, as virtudes cristãs. O processo para sua canonização acaba de entrar na chamada fase romana das investigações. Um dossiê com quase 200 páginas, com relatos de 54 pessoas sobre sua vida, plena de fé e de amor, abrirá as portas para que seja considerado venerável. Depois desse momento, sua biografia será virada do

avesso, em busca de um milagre. Encontrado, D. Hélder passará da condição de venerável à de beato. Todos os santos experimentaram essa espécie de estágio probatório, antes de ser elevado à glória dos altares. Feito bispo com apenas 43 anos, participou do Concílio Vaticano II e tornou-se um dos 42 religiosos proponentes do Pacto das Catacumbas, segundo o qual eles se comprometiam a trabalhar pela redução da pobreza no mundo. Sua indicação para a Sé de Recife e Olinda se deu em 63, ano em que se instalou o regime que combateu duramente. D. Hélder gostava de dizer que, quando dava comida aos pobres, era chamado de santo, mas

se perguntasse a esses mesmos pobres a razão de sua fome, era acusado de comunista. Foi amado e perseguido em sua missão. Agora, está acima dessas questões e a Santa Igreja de Cristo haverá de acolhê-lo como um dos eleitos. Seu nome sairá das sombras da morte diretamente para o livro onde figurará ao lado de homens de extraordinária grandeza. Esse processo é longo e cuidadoso. A Igreja não brinca com coisa séria. Fazer um santo exige, curiosamente, muita ciência para provar que a intervenção do candidato aos altares foi plenamente reconhecida como fundamental para um milagre. No caso dele, isso será facílimo, pois foi santo a vida toda.

A

solidariedade e a liberdade: dois valores indispensáveis na construção de uma sociedade de tipo trinitário; contudo, não existe trinitariedade sem “participação”. A teologia sobre a vida intratrinitária e seus relacionamentos “fora” dela, reconhece duas coisas contemporâneas que sempre acontecem: a) No relacionamento com Deus “ad extra”, se atribui a cada Pessoa da Trindade, próprio relacionamento com a natureza e a história humana; porém, ao mesmo tempo, dada a substancial e indivisível unidade de Deus, nenhuma age só, mas as três Pessoas juntas, cada uma segundo o seu modo próprio, em todas as ações divinas: “Todas as ações divinas são ao mesmo tempo ações do Pai, do Filho e do Espírito Santo, mesmo se não do

mesmo modo”. b) Na vida intratrinitária, exceto por aquilo pelo qual o Pai é Pai, o Filho é Filho e o Espírito é Espírito, as Pessoas divinas têm tudo em comum, compartilham tudo numa recíproca total participação: “As Pessoas divinas se comunicam tudo, salvo aquilo em que cada

uma distingue-se das outras”. Analogamente, se reconhece que não age em sentido trinitário uma sociedade baseada, por exemplo, sobre a concorrência entre sujeitos com oportunidades desiguais e um sistema econômico incapaz de integrar os pobres; ou uma sociedade na qual se impõe a discriminação em relação de alguns setores não reconhecendo a todos os cidadãos o mesmo direito a uma informação correta e a exprimir publicamente as próprias ideias

ou onde não existe transparência sobre a maneira de agir daqueles que foram eleitos pelo povo para ocupar encargos de responsabilidade. Conclui-se que não existe comunhão trinitária sem paridade de possibilidades, atenção aos menos protegidos socialmente, sem controle sobre os governantes, sem autêntico diálogo, sem uma verdadeira participação. Promover a participação nos relacionamentos sociais é saber colocar-se do lado do outro, considerar as coisas também do seu ponto de vista e segundo os seus legítimos interesses. Uma sociedade age em sentido trinitário somente se seriamente leva em conta o bem de todos, e para que isto seja efetivo deve oferecer a possibilidade para todos de par-

ticipação responsável.

IVENS COIMBRA BRANDÃO

JOSÉ PEREIRA RAMOS

Engenheiro civil e escritor (ivenscb@oi.com.br; ivenscb@gmail.com)

Economista e escritor (joseulina1@gmail.com)

PANORAMA

ENCONTRO FRATERNO

Sumário sobre a história literária da Bíblia Sessenta e cinco anos de Matrimônio

A

o adentrarmos na residência de uma família, ou em um local de trabalho, e vermos um exemplar da Bíblia em exposição no principal ambiente, logo concluímos como um sinal da fé cristã. No entanto, não basta dispor da Bíblia, é preciso ler, deixando que seus ensinamentos invadam o nosso ser. Para compor o presente texto, tomou-se como base a Bíblia Sagrada - Nova Edição Papal - Tradução das línguas originais feitas pelos Missionários Capuchinhos Ed. Stampley Ltda. - SP. A Bíblia é o livro mais conhecido do mundo. Sua formação foi lenta e seu conteúdo transmitido por tradição oral atra-

vés de séculos. Acreditam os estudiosos que a primeira peça literária do Antigo Testamento (A.T.) data do século X a. C., uma breve história sobre o Rei David, e a última, o livro da Sabedoria. O Novo Testamento (N.T.) também começou a ser divulgado oralmente, a partir da pregação dos apóstolos. Os pesquisadores não precisam o ano em que cada Evangelho foi escrito, entendendo que os sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) surgiram entre os anos 50 e 70; o Atos dos Apóstolos depois dos anos 70; as Epístolas, entre os anos 59 e 80; e os escritos de São João (Evangelho e o Apocalipse), entre os anos 90 e 100.

A Sagrada Escritura é constituída por 73 livros: 46 formando o Antigo Testamento, e 27 o Novo Testamento. A maioria dos livros foi escrita em hebraico, enquanto alguns em grego, considerada a influência da cultura grega na época. São Jerônimo, Bispo e Doutor da Igreja (348-420), foi encarregado pelo Papa Dâmaso I de traduzir todos os livros da Bíblia para o latim, o que ficou conhecido como ‘Vulgata’. Nos dias de hoje, já foi traduzida para mais de dois mil idiomas. Assim como seus autores receberam inspiração divina para escrever, cabe a nós, leitores, deixar-nos inspirar para receber os ensinamentos da Bíblia.

D

ia 01/09/2019 este colunista estará comemorando suas “Bodas de Safira”, 65 anos de Matrimônio com a jovem Maria Eulina Borges Pandolfo, abençoado por seu irmão, Dom Alberto Ramos, naquela data Arcebispo de Manaus. Éramos militantes da Ação Católica e tínhamos ficado noivos no dia 15/08/1953, encerramento do 6º Congresso Eucarístico Nacional, Assunção de Nossa Senhora, coroação da Imagem de Nª Sª de Nazaré. Sempre fieis à Igreja de Jesus Cristo, pertencemos aos movimentos dos Cursilhos, do ECC, de diversas Pastorais da Paróquia

de Nazaré. Fui convidado pelo Pe. Giovanni in Campo para a 1ª turma de Ministros da Eucaristia, em 1972, onde permaneci até aos 80 anos de idade. Fomos fundadores do Movimento Vocacional Serra, onde fui Presd. do Conselho Nacional e participamos de 4 Convenções Internacionais. Na atualidade, o único Movimento a que pertencemos é o das Equipes de Nª. Senhora, onde entramos em 1977. Fomos presenteados por Deus com 4 filhos. Paulo de Tarso, - chamado por Deus aos 61 anos, (15/03/1917), deixou do 2 filhos. (1 Fisioterapeuta e outro Controlador de Vôo)- Maria Bernadete seguiu vocação religiosa Carmelita, Priora do Car-

melo de Sta. Teresinha de Fortaleza. O 3º, o Manoel José, Advogado, tem 3 filhos: (1 Advogado, a moça colando Grau de Médica e o outro vestibulando). A caçula, Prof. de Violino, reside em S. Paulo e tem 2 filhos.(1 acadêmico de Direito e outro vestibulando). Recebemos de Deus a graça de completar, em 2019, 92 anos de idade. Enfrentando os problemas próprios da vida e da saúde, louvamos ao Senhor pela lucidez de que dispomos. Prostramo-nos diante de Deus, agradecendo os 65 anos de matrimônio. Escrevo esta coluna deste 1977, mas, preparo-me para encerrar esta atividade. Até o próximo mês.

CONGRESSO de Gestão Eclesial programado para setembro O bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Joel Portella, participará do IV Congresso de Gestão Eclesial, com tema sobre impactos da legislação numa

“Igreja em saída”. O evento, apoiado pela CNBB, propiciará uma reflexão atual sobre a legislação vigente, ocorrerá entre 24 e 27 de setembro no Centro de Convenções de João Pessoa, na Paraíba. Ecônomo da CNBB,

Fundado em 5 de julho de 1913 FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita

ARQUIDIOCESE DE BELÉM-PARÁ

PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

monsenhor Nereudo Freire Henrique, explica que o congresso tem dois eixos fundamentais. “Creio que será uma experiência de fundamental importância visto que em um pequeno espaço de tempo teremos uma reflexão da gestão e da pastoral”.

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior DIRETOR ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marcos Aurélio de Oliveira DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves da Silva DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Kleber Costa Vieira

A legislação brasileira, em constante mudança, requer um gestor sempre atualizado para administrar paróquias e ou arqui/ dioceses, explica monsenhor Nereudo Henrique. Inscrições: www.congec.com.br até 19/09/19.

COORDENAÇÃO Bernadete Costa (DRT 1326) CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Alan Monteiro da Silva EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Sérgio Santos (DRT/PA 579) Assinaturas, distribuição, administração e redação Av. Gov. José Malcher, Ed. Paulo VI, 915 CEP: 66055-260

- Nazaré, Belém - PA Tel.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


ARCEBISPO

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

3

Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

CONVERSA COM MEU POVO

M

Quem se humilha será EXALTADO

uitos dos gestos e ensinamentos de Jesus acontecem em torno da mesa, num ambiente de convívio, e tantas vezes ele está nas casas das pessoas, juntamente com seus discípulos. O Evangelho de São Lucas apresenta ensinamentos que remetem ao grande convite para o Reino de Deus em torno de uma refeição (Lc 14,1-14). Num momento solene, em dia de sábado, Jesus realiza a cura de um homem hidrópico que, pela sua enfermidade, não deveria estar numa sala de banquete em pleno dia de sábado! Todos os olhares se voltam para ele, com questionamentos profundos, levados que eram os comensais, pessoas importantes na sociedade e na re-

Quem se reconhece pecador e humilde é exaltado por Deus ligião, a experimentarem grande dificuldade com aquele que abre um novo horizonte de acolhimento a todos e a porta do banquete do Reino de Deus a todos os machucados e estropiados da vida. Jesus conta uma pequena parábola a respeito de uma festa de casamento. Até hoje as listas de convites existem e selecionam de algum modo os que deles participam. E o Senhor oferece um ensinamento que vale também como boa educação e civilidade: escolher o último lugar, aquele mais simples. A conclusão é muito forte e se torna

norma de vida para os cristãos: “Todo aquele que se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado” (Lc 14,11). É impressionante a atualidade da lição oferecida por Jesus, ele que continua observando nossas escolhas, a busca dos primeiros lugares, a competição e a concorrência. Aliás, justamente a concorrência considerada quase um motor da sociedade em nossos dias, tem contribuído para uma imensa quantidade de pessoas excluídas e marginalizadas. É que não se descobriu a riqueza de uma palavrinha decisiva, “comunhão”, com a qual os bens podem e devem ser compartilhados. Deus não quer que qualquer pessoa seja humilhada, mas paradoxalmente propõe-nos a capacidade de nos humilharmos, assumir o último lugar, de forma que a competição, no grande banquete do Reino de Deus, deverá ser a pergunta sobre quem ama primeiro e não o desejo de aparecer mais. A norma é simples e exigente: “O amor seja sincero. Detestai o mal, apegai-vos ao bem. Que o amor fraterno vos una uns aos outros, com terna afeição, rivalizandovos em atenções recíprocas” (Rm 12,9-10). Trata-se de uma sadia competição, onde todos se fazem menores do que os outros e todos se sentem igualmente dignos e importantes. A dignidade e a honra que cabem a cada um são dadas pelo próprio Senhor. Jesus inverte os critérios de julgamento e de comportamento deste mundo. Quem se reconhece pecador e humilde é exaltado por Deus, e quem pretende reconhecimentos e os primeiros lugares se arrisca a ficar fora da festa da vida no Reino

DIVULGAÇÃO

n “TODO AQUELE que se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado” de Deus. A referência para todos é o próprio Senhor, de acordo com a recomendação de São Paulo: “Haja entre vós o mesmo sentir e pensar que no Cristo Jesus. Ele, existindo em forma divina, não se apegou ao ser igual a Deus, mas despojouse, assumindo a forma de escravo e tornandose semelhante ao ser humano. E encontrado em aspecto humano, humilhou-se, fazendo-se obediente até a morte – e morte de cruz! Por isso, Deus o exaltou acima de tudo e lhe deu o Nome que está acima de todo nome, para que, ao Nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra, e toda língua confesse: “Jesus Cristo é o Senhor”, para a glória de Deus Pai (Fl 2,5-10). Como percorrer este caminho da humildade, tendo o pensar e o sentir de Jesus? (Cf. Unos momentos con Jesús y com María, septiembre 2019). Humilde é quem se mantém no nível de humus, quer dizer, da fecundidade da terra. A pessoa humilde vai ao encontro dos

outros, de igual para igual. É capaz de aceitar a ajuda dos outros com simplicidade e oferecer auxílio com naturalidade. É a humildade que faz possível o amor na família. Entre os esposos, é a humildade que leva a buscar o que agrada ao cônjuge e promover o seu crescimento. Na Igreja, é a humildade entre os membros que edifica. Cristo se humilhou até a morte de Cruz, e o cristão, tendo em si os sentimentos de Cristo, é capaz de reconhecer em todos algum grau de presença de Deus. Também na construção da sociedade é necessária a humildade. Quando cada um reconhece seus erros e limites, não se torna prepotente e orgulhoso. E quando não nos sentirmos superiores aos demais, seremos capazes de construir uma sociedade mais justa e fraterna. Não se trata de nivelar tudo, pois a vida social comporta múltiplas funções. Entretanto, não é porque alguém ocupa um cargo mais alto na sociedade que terá maior importância enquanto pessoa, pois

todos temos a mesma e igual dignidade. No Reino de Deus acontece assim: quem pretender ser mais importante ou maior do que os outros, acabará humilhado, e quem se faz servidor humilde será engrandecido. Mas é bom ressaltar que a verdadeira humildade não deixa de lado uma sadia e equilibrada autoestima. Humildade não é humilhação e a simplicidade não é desprezar-se, mas avançar pelo caminho da verdade que nos faz felizes. Viver humildemente é não pretender ser maior ou menor do que se é de verdade e valorizar os outros na medida justa, sem exageros de qualquer tipo. Ao participarmos da Missa Dominical, a primeira leitura proclamada neste Domingo reforça as indicações práticas para vivermos a virtude tão necessária para a vida cristã (Eclesiástico 3,19-21.30-31): “Filho, realiza teus trabalhos com mansidão e serás amado mais do que um homem generoso. Na medida em que fores grande,deverás praticar a humildade, e assim encontrarás

graça diante do Senhor. Muitos são altaneiros e ilustres, mas é aos humildes que ele revela seus mistérios. Pois grande é o poder do Senhor,mas ele é glorificado pelos humildes. Para o mal do orgulhoso não existe remédio, pois uma planta de pecado está enraizada nele, e ele não compreende. O homem inteligente reflete sobre as palavras dos sábios, e com ouvido atento deseja a sabedoria”.

Grande é o poder do Senhor

Quem pretende reconhecimentos e os primeiros lugares se arrisca a ficar fora da festa da vida no Reino de Deus


4

IGREJA

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

CÔN. CLÁUDIO BARRADAS (claudiobarradaspe@gmail.com)

MISCELÂNEA

Os privilégios de MARIA

C

ontinuo, nesta edição, a abordar os privilégios concedidos por Deus a Maria, com destaque para o da Assunção. Na edição passada, vimos que eles – ao todo, três. Pela ordem: a concepção imaculada, a maternidade divina e a assunção, o primeiro e o último consequências lógicas do segundo – são dogmas, isto é, verdades a serem aceitas incondicionalmente pelos fiéis

Nenhum Dogma foi inventado pela Igreja. O que ela faz é, apenas, descobri-los (os batizados), sob pena automática da exclusão da comunhão católica (excomunhão). Nenhum dogma foi inventado pela Igreja. O que ela faz é, apenas, descobri-los. Se ela os descobre é porque eles já existiam. Ela os busca nas Sagradas Escrituras, também conhecidas como Bíblia. Há dois modos de eles lá estarem: ou explíci-

tos, como, por exemplo, a ressurreição de Jesus, ou implícitos, nas entrelinhas desse ou daquele trecho bíblico, como a assunção de Maria. Os textos bíblicos em que ela está implícita compõem a Liturgia da Palavra da solenidade (celebração de primeiríssima grandeza). A solenidade da assunção tem data fixa: 15 de agosto, provavelmente, ao que sei, por ter sido nesse dia, desconheço em que ano, a dedicação de uma grande igreja a Maria em Jerusalém. Com essa solenidade celebramos o fato de Maria ter sido levada para o Céu, por Deus, em corpo e alma, não sabemos como. Ninguém, seja lá quem for, teve tem ou terá condição de saber, a menos que Deus queira revelá-lo, o que, até hoje, não aconteceu. Aqui, naturalmente, ocorre-nos uma pergunta: Maria morreu, como todos nós, antes de ser levada para o Céu, ou a sua assunção aconteceu sem ela ter falecido? Também não o sabemos. O mais provável, para não dizer o certo, é que faleceu. Se Jesus, o Filho de Deus feito homem, faleceu, por que sua mãe também não? Desde muito certo

a Igreja celebrou-lhe o óbito, a que deu o nome de dormição, em Latim “dormitio”. Vale a pena lembrar que a Igreja celebra todos os seus santos no dia em que consta terem falecido. Esse dia é chamado por ela “dies natalis”, dia do nascimento para a Eternidade. Num de seus livros sagrados, o Martirológio Romano, nos meus velhos tempos de seminário lido diariamente em Latim, no refeitório, não recordo se no café ou no almoço, elencamse, a cada dia, não só os mártires, mas todos os santos de modo geral,

Jesus, o Filho de Deus feito homem

Vale a pena lembrar que a Igreja celebra todos os seus santos no dia em que consta terem falecido

nele falecidos. Só Jesus, Maria e João Batista são celebrados, além de sua subida ao Céu, também no de seu nascimento: Jesus, 25 de dezembro, solenidade; Nossa Senhora, 8 de setembro, Festa; João Batista, 24 de junho, solenidade. Vejamos os textos bíblicos em que, ao que penso, a Igreja se baseou para declarar o dogma da assunção, ainda que neles ela esteja, como afirmei acima, apenas implícita. O primeiro: o capítulo 18 do Apocalipse: a visão da Mulher e do dragão. Nele se diz que um sinal grandioso apareceu no céu: uma mulher vestida com o sol, tendo a lua sob os pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas, etc. Antes, no versículo 19, o último do capítulo anterior, o décimo primeiro, afirma-se: “o templo de Deus que está no Céu se abriu e apareceu no templo a arca da sua Aliança.” Essa mulher esplendorosa representa, segundo o consenso dos biblistas, o povo de Deus. Antes de tudo, o antigo Israel, do qual nasceu Jesus segundo a carne. Depois, o novo Israel, a Igreja, corpo espiritual de Cristo. A Igreja Católica, fun-

damentada em Santo Agostinho e São Bernardo, vê nessa mulher a figura de Maria. Força convir: todo e qualquer texto escriturístico referente à Igreja é perfeitamente aplicável a Maria. Na arca do Antigo Testamento guardavam-se as duas tábuas da Lei, o Decálogo. Quanto a Maria, gerou e guardou em seu seio, por nove meses, o próprio autor da nova lei, Jesus. Daí porque numa das invocações da ladainha mariana ela é chamada de “Arca da Aliança”, em Latim “Foederis Arca”. Notese que na visão do autor do Apocalipse a mulher apareceu no céu. A Igreja vê nela Maria assunta. É bem possível que João, autor do Apocalipse, veja nela Maria, de quem nasceu Jesus. Pena que no texto lido na Missa dessa solenidade, não sei por que, tenham saltado alguns versículos. Quem souber a razão, por favor, me diga qual foi. Na segunda leitura, 1Cor 15, 20 – 27a, São Paulo afirma que Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram. Sabendo-se que às primícias, primeiros frutos, seguese necessariamente a

PADRE ROMEU FERREIRA

colheita, todos os seres humanos também estão destinados à ressurreição, vitória sobre a morte. Em primeiríssimo lugar, logicamente, Maria por ser a mãe do Ressuscitado. Aqui inverte-se a afirmação “tal mãe, tal filho”. Assim: tal filho, tal mãe. No Evangelho que relata a visita de Maria, grávida de Jesus, a sua prima Isabel, grávida de João, precursor do Messias (Lc 1, 19-56), Isabel confessa-se indigna de merecer-lhe a visita: “como posso merecer que a mãe do meu Senhor – em Grego “Kyrios”, na fé cristã Deus – me venha visitar? A grande razão para os privilégios marianos, repito, finalizando esta matéria, é ter sido Maria escolhida por Deus – a única, dentre todas as mulheres - para ser a mãe de Seu (Dele) Filho, o Senhor Jesus. Que honra, a nossa, por sermos filhos, ainda que apenas espirituais, de tão excelsa mãe! Mas não nos esqueçamos de que, como diz o ditado francês, “noblesse oblige”. Tradução, livre, de minha autoria: toda honra implica, forçosamente, numa obrigação. Portanto, saibamos ser dignos filhos de tão grande mãe. Shalom!

LITURGIA

Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (romeufsilva@gmail.comg)

HOMILIA DOMINICAL A) Texto: Lc 14,1.7-14 1Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam. 7Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então, contou-lhes uma parábola: 8“Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, 9e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: ‘Da o lugar a ele’. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar. 10Mas, quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: ‘Amigo, vem mais para cima’. E isso vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. 11Porque quem se eleva será humilhado e quem se humilha será elevado”. 12E disse também

a quem o tinha convidado: “Quando tu deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isso já seria a tua recompensa. 13Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos. 14Então tu serás feliz, porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos”. B) COMENTÁRIO

“Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos” (v. 14). Esta frase conclui o Evangelho de hoje nos lábios de Jesus, como recado para todos. A recompensa de um plantio é a colheita que vem só depois. Na sabedoria popular se diz “é bom trabalhar com os dentes, para comer com as gengivas”. Outra sentença ilumina a vida ao

dizer que “quem ri por último, ri melhor!”. Sabe-se que por tendência, o ser humano é um ser “futuriço”: o futuro lhe atrai; o amanhã o estimula a viver com boa “ilusão” o hoje! Tudo resulta no empenho ou esforço da expectativa feliz de bem usufruir o que virá. Faz o bem! (Lc 6,34-35); “Faz o bem sem olhar a quem”, sem esperar recompensa nesta vida, então “tu serás feliz” (v 14), pois a recompensa virá na eternidade dos justos, sentencia o Senhor. Observar é válido tanto para aprender como para ensinar. O mestre ensina e o povo aprende. Os fariseus “o observavam” (v 1) E Jesus também observava o comportamento, pois diz o texto que ele “notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares” (v 7). Queriam o destaque. E desta observação o mestre dá a

lição: “quem se eleva será humilhado e quem se humilha será elevado” (v 11). A lição aponta a humildade, e a humildade é trilha da santidade; qualidade do eterno. Jesus mostra a ligação entre humilhação e exaltação. A humilhação é caminho indispensável para chegar à exaltação: vitória e meta da verdadeira vida. O Cristo é modelo, ele que “humilhou-se e foi obediente até a morte, e morte na cruz! Por isso Deus o sobre-exaltou...” ( Fl 2,8-9). Para o cristão a humildade não é sentimento depressivo ou depreciativo, mas uma espera confiante na exaltação final. São Paulo nos recomenda mais adiante: “Tende a mesma estima uns pelos outros, sem pretensões de grandeza, mas sentindo-vos solidários com os mais humildes” (Rm 12,16).

n 30/08, SEXTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (1Ts 4,1-8) Responsório (Sl 96) Evangelho (Mt 25,1-13) n 31/08, SÁBADO Cor (verde) Primeira Leitura (1Ts 4,9-11) Responsório (Sl 97) Evangelho (Mt 25,14-30) n 01/09, DOMINGO Cor (verde) Leitura 1 (Eclo 3,19-21.30-31) Responsório (Sl 67) Leitura 2 (Hb 12,18-19.22-24a) Evangelho (Lc 14,1.7-14) n 02/09, SEGUNDA Cor (verde)

Primeira Leitura (1Ts 4,13-18) Responsório (Sl 95) Evangelho (Lc 4,16-30) n 03/09, TERÇA-FEIRA Cor (branco) Primeira Leitura (1Ts 5,1-6.9-11) Responsório (Sl 26) Evangelho (Lc 4,31-37) n 04/09, QUARTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Cl 1,1-8) Responsório (Sl 51) Evangelho (Lc 4,38-44) n 05/09, QUINTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Cl 1,9-14) Responsório (Sl 97) Evangelho (Lc 5,1-11)


5 BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

SETORJUVENTUDE

DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

MUNDO JUVENIL E A FÉ CRISTÃ

SÍNODO PAN-AMAZÔNICO: os clamores das juventudes amazônicas (parte 8) INTRODUÇÃO

O

utro tema significante que, seguramente, deverá ser objeto de reflexão no Sínodo Pan-Amazônico, é a questão juventude. Na região amazônica está concentrado, proporcionalmente, o maior índice de jovens do Brasil. A população da Amazônia é jovem. Uma das maravilhas que contemplamos quando visitamos comunidades do interior, em todos os estados, é a quantidade de crianças, adolescentes e jovens que encontramos. A Amazônia, portanto, é demograficamente a região da Esperança, andando na contramão do crescente envelhecimento da população brasileira. A população da região norte cresceu 3,1% de 2009 até 2011. Quase 60% da população da região tem menos de 34 anos. É importante refletirmos sobre os números. Todavia, é mais importante ainda contemplarmos a realidade de como vive essa massa infanto-juvenil. A situação é muito delicada e isso deve fazer eco no coração da Igreja Missionária.

1

Dramas juvenis na Amazônia Está clara no Instrumentum Laboris uma profunda visão pessimista do mundo juvenil. Refiro-me ao fato de que sempre, quando se fala da juventude, está relacionada a situações negativas. É uma parte da realidade! Mas, é verdade, a coisa é séria! São muitos os dramáticos fenômenos dos quais padecem as juventudes na Amazônia, acusadas no Instrumentum Laboris e nas manchetes jornalísticas. Não se trata de uma

situação generalizada e nem podemos negar o forte impacto desta triste realidade vivida por centenas de milhares de jovens amazônidas: a pobreza, a violência, a pandemia de HIV/IST’s, a prostituição infanto-juvenil, o tráfico de drogas, o alto índice de mortes de jovens negros, a gravidez na adolescência, o desemprego e o subemprego (biscate). Observemos a quantidade de jovens vendedores ambulantes lutando pela sobrevivência nas ruas das

Jovens em todos os contextos, seja urbano, rural, indígena, quilombola ou ribeirinho

maiores cidades da Amazônia Brasileira. Lamentavelmente, nos últimos anos, houve um forte aumento da população juvenil encarcerada em todos os Estados e cresceu o número de jovens que aderiram às facções criminosas como “PCC (Primeiro Comando da Capital), CV (Comando Vermelho), FDN (Família do Norte), Bonde dos 30, Comando Classe A, União do Norte, etc. As unidades prisionais na Amazônia, em seus diversos Estados, estão superlotadas de jovens de 18 a 25 e que vivem em condições desumanas. Não esqueçamos os massacres das dezenas de jovens presidiários em Manaus (2017), Boa Vista (2018) e Altamira (2019). Por outro lado, temos ainda fenômenos como o vazio existencial, a apatia,

a auto-mutilação, o suicídio (nas cidades e no meio indígena), a inadequada formação profissional, o semi-analfabetismo, a pouca afeição dos jovens para com valores tradicionais (indígenas), a perda das raízes da tradição (perda da identidade), os conflitos geracionais, a cultura do descarte, a pouca afeição à Igreja, o alcoolismo, o vandalismo, a pouca perspectiva de melhoria de vida, impacto do estilo de vida e da cultura urbana no mundo rural, mentalidade consumista e sedução ideológica (cf. Instrumentum Laboris, N. 16, 27, 53, 78, 140). Apesar dessa forte nota negativa, como problema social brasileiro, é necessário ressaltar que a maioria dos jovens amazônidas, apesar da pobreza, vive bem e milhares deles dão um eloquente testemunho de vida: estudando e trabalhando honestamente, engajados na Igreja e comprometidos em pastorais, grupos, serviços, movimentos eclesiais e sociais.

2

As fontes dos problemas Bem sabemos que não é só isso. Todavia, o “zoom” sobre os dramas juvenis presentes na região amazônica deve nos chamar a atenção enquanto líderes, educadores, sacerdotes e pastores do povo de Deus. Os jovens são parte do nosso rebanho que merece toda a nossa atenção dinâmica, carinho e cuidado criativo. Os jovens, em todos os contextos, seja urbano, rural, indígena, quilombola ou ribeirinho, na verdade não são os primeiros sujeitos promo-

tores de suas desgraças! Eles são vítimas! Por detrás de cada situação negativa temos uma série de causas estimuladoras de males, tais como: a fragmentação da família, a ausência de políticas públicas preventivas, a fragilidade da educação, a insuficiente atenção do Estado à educação, a pressão sedutora da cultura secularista, tecnicista, presentista, imediatista, economicista e hedonista, a dura pobreza que martiriza centenas de milhares de jovens da região Amazônica. Outra grave fonte dos problemas juvenis é a inexistência da cultura do desenvolvimento humano integral por parte das diversas esferas de governos, municipal, estadual e federal; a desintegração das políticas públicas e a cultura repressiva que induzem ao encarceramento em massa. Enfim, a fragmentação dos atores sociais: a família, a escola, o governo, a instituições de controle social, a Igreja.

3

A urgência de uma renovada Pastoral Juvenil Tudo isso constitui um sério sinal de alerta para o qual a Igreja, em razão da sua missão, não deve ficar indiferente e calada. A resposta pastoral da Igreja em relação aos problemas juvenis tem sido, a meu ver, ainda muito tímida. Essa timidez pastoral se manifesta visivelmente através de muitos fatos e situações. Há quase uma generalizada ausência de um projeto específico de evangelização das juventudes nas arquidioceses e dioceses da Amazônia. Ainda fazemos uma

evangelização genérica: “os jovens vão no meio”. A evangelização dos jovens ainda está muito atrelada às atividades religiosas e litúrgicas. A renovação da pastoral juvenil parece ainda muito lenta e distante da psicologia juvenil. Também há carência de visão de processos que superem a pastoral de eventos e manutenção. É necessária uma urgente ampliação da visão do mundo juvenil e das suas necessidades, pois ainda não há uma clara opção pela evangelização da juventude através de outros meios como o esporte, as artes (música, dança, teatro), lazer e entretenimento. Precisamos dar atenção para a dimensão lúdica dos jovens. Notamos a (quase) ausência de sacerdotes com especialização em pastoral juvenil nas dioceses; por isso muitos deles têm medo dos jovens, dificuldade para acompanhálos e interagir com eles

massa infantojuvenil

A evangelização dos jovens ainda está muito atrelada às atividades religiosas e litúrgicas

percorrendo processos de formação; facilmente delegam essa tarefa a pessoas despreparadas; muitos jovens acusam certa “carência de paternidade espiritual” em muitos sacerdotes porque os percebem com pouco tino pedagógico e carentes de empatia. Necessitam mais sinergia afetiva em relação ao dinamismo juvenil. Em muitas dioceses ainda não existe o Setor Juventude. Outro fato que merece a nossa reflexão enquanto pastores do povo católico na Amazônia é a migração de milhares de jovens para outros cultos, filosofias e igrejas, por causa da ausência ou fragilidade das nossas propostas pastorais. Estão crescendo o espiritismo e a indiferença religiosa entre os jovens. A Amazônia jovem espera da Igreja uma decidida opção preferencial, um forte relançamento da Pastoral Juvenil em todas as dioceses, promovendo uma especial atenção ao acompanhamento juvenil em todos os contextos: formando jovens líderes, incentivando o protagonismo juvenil, estimulando o voluntariado, reforçando a catequese, desafiando os jovens à missionariedade, promovendo novas formas e novos meios de evangelizar as juventudes em cada situação socio-cultural. REFLEXÃO: Na sua diocese há um projeto específico para a Pastoral Juvenil? Em que a Igreja pode contribuir com a promoção da cultura preventiva? Diante dos desafios juvenis presentes na Amazônia, quais novos caminhos para a pastoral juvenil precisamos ousar?

1 2 3

ENCONTRO da Comissão Episcopal da Pastoral Juvenil De 22 a 25 de agosto, quinta-feira a domingo da semana passada, aconteceu no Centro Cultural Missionário, em Brasília (DF), a 1ª Reunião da Nova Comissão Episcopal da Pastoral Juvenil Nacional (CPJN) para discutir o trabalho realizado no primeiro semestre de 2019 e planejar as próximas atividades. O encontro teve a assessoria e a orientação do

padre. Antônio Ramos do Prado, assessor nacional da Juventude, e acompanhamento da atual Comissão Episcopal, composta por Dom Nelson Francelino (bispo de Valença - RJ, presidente da Comissão) auxiliado por Dom Amilton Silva, passionista (Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Curitiba) e Dom Antônio de Assis, Salesiano (bispo auxiliar da Arquidiocese de Be-

lém). A comissão contará também com a assessoria de uma religiosa que assumirá o lugar do padre Toninho (SDB). Na agenda da primeira reunião da Comissão foram tratados, entre outros assuntos, a apresentação da estrutura de animação da Pastoral Juvenil Nacional, atribuições da Comissão Episcopal, regimento interno da comissão, orientações para co-

municações, Projeto Nacional de Evangelização (Ide), agenda para 2020, partilha de responsabilidades internas, e o estudo das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. Estiveram presentes também nesse evento os membros da equipe nacional de Comunicação da Comissão Episcopal da Pastoral Juvenil. A equipe faz a gestão do site Jovens

DIVULGAÇÃO

n DOM ANTÔNIO participando do encontro

Conectados e prepara os subsídios para diversas ocasiões da Pastoral Juvenil em nível nacional,

como por exemplo, cursos, comemorações e o material usado no Dia Nacional da Juventude.


6

ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

CELEBRAÇÃO pelos 21 anos da Equipe Arquidiocesana de Pastoral do Dízimo ENTRE principais desafios para o futuro está a conscientização dos fiéis para se manterem efetivos na contribuição

N

o último domingo, 25 de agosto, às 10h, na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, bairro homônimo, celebrou-se Santa Missa em Ação de Graças pelos 21 anos da Equipe Arquidiocesana de Pastoral do Dízimo (EAPADI) e, também, pelos 19 de criação do programa “Evangelizando através do Dízimo”. O Padre José Maria Ribeiro, assessor eclesiástico da pastoral, presidiu a celebração que contou com participação de diáconos, religiosos (as) e de leigos atuantes nas paróquias da arquidiocese. Na homilia, ele destacou os 21 anos como um tempo de graça que Deus concedeu e concede à Igreja de Belém, com o fortalecimento da comunhão e participação dos cristãos católicos: “O sentimento que trazemos hoje diante do altar do Senhor é de gratidão. Gratidão a Deus pela coragem de Dom Vicente Joaquim Zico que à época incentivou os padres e apoiou a criação da EAPADI para organizar e dinamizar o dízimo em sua Igreja particular.” Padre José Maria en-

fatizou ainda o sentido de pertença que vai despertando os fiéis para a sua comunidade ou paróquia, deixando pra trás a mentalidade individualista e assumindo atitude de comunhão e participação. A partir da pastoral de conjunto, “o dízimo e a oferta passaram a ter um novo sentido na arquidiocese: o da gratidão a Deus e o de corresponsabilidade na sustentação da ação evangelizadora, a partir das dimensões Religiosa, Missionária, Eclesial e Caritativa”. A EAPADI foi criada em 1998, com o objetivo de conscientizar os fiéis sobre o sentido de pertença à Igreja, a fim de terem atitudes de comunhão e participação. E, também, capacitar agentes de pastoral para a evangelização por meio do dízimo no âmbito da arquidiocese. Teve como primeiro assessor eclesiástico o padre José Maria Ribeiro, que continua até hoje. Atualmente fazem parte da EAPADI os seguintes missionários: coordenador: Antonio Carlos; articuladores das regiões episcopais:

José Leônidas; Lino Pontes; Enéas Ferreira; Ana Cláudia; Conceição Nascimento; Francinete Barroso e Regina Marta. E, mais, os missionários da EAPADI: Adelar de Souza e Socorro Gonçalves; Nélio e L ena; Jorge Soares e Jandira; Eliezer Martins; Simaia e Miguel Rodrigues; Léa Silva; Walcimar e Genina Brito; Thadeu Abreu; Rosalina Leal; Carmen Santiago; Socorro Furtado; Socorro Carvalho; José Boaventura; Santana dos Santos e Isa. Para Eliezer Martins, secretário da atual gestão, “os 21 anos de existência da EAPADI significam mais participação dos fiéis na manutenção da Igreja, pois antes as maiores partes dos recursos que sustentavam a Igreja vinham de fora. Hoje a maior parte vem dos fiéis. Isso demonstra compromisso e a corresponsabilidade.” Ele define que entre os principais desafios para o futuro estão a conscientização dos fiéis para se manterem efetivos na contribuição com o dízimo e a compreensão de que o

DIVULGAÇÃO

n CELEBRAÇÃO realizada na Igreja Nossa Senhora de Fátima

dízimo é um gesto de fé e gratidão a Deus e amor à Igreja: “Ou seja, pela fé acreditamos que tudo pertence a Deus. Como gesto de gratidão devolvemos à Igreja um pouco do que recebemos d’Ele.” AVANÇOS A atual coordenação destaca como avanços da EAPADI nos 21 anos a implantação do dízimo em quase todas as paróquias, a Santa Missa do dízimo uma vez por mês em quase todas as paróquias, a capacitação de leigos para ministrar formação sobre o dízimo, a criação

do organograma da EAPADI (assessor; coordenador; secretário; articuladores e equipes de trabalho), a elaboração de calendário de atividade anual por região / EAPADI, a formação bimestral em nível de Arquidiocese e regiões Episcopais, a realização de quatro assembleias arquidiocesanas, a criação do Curso de Formação de Coordenadores de Pastoral do Dízimo, e a criação do Mês do Dízimo, novembro. Estão entre os principais eventos realizados pela EAPADI: o primeiro Festival da Canção do Dízimo,

o FECANDIZ, com objetivo de despertar para a participação e partilha, criar canções inéditas sobre o dízimo, em 1999; O programa “Evangelizando através do Dízimo”, lançado em 2000, cuja intenção é refletir sobre o dízimo a partir de textos bíblicos, testemunhos e mensagens, informar sobre as ações da pastoral do dízimo nas paróquias e regiões episcopais, a 1ª Assembleia Arquidiocesana da Pastoral do Dízimo, em 2001, além de formações, estudos, seminários, encontros e café partilhado.

PASTORAL promove Jornada Arquidiocesana de Catequistas

Pelo quinto ano a Arquidiocese de Belém, por meio da Pastoral da Catequese, promove a Jornada Arquidiocesana de Catequistas neste domingo, 1º de setembro, de 8 às 12h, no Ginásio do Centro de Serviços Educacionais do Pará (CESEP), situado na Avenida Pedro Miranda, 100, na Pedreira. Com programação extensa, a expectativa de partici-

pantes este ano é de 2,5 mil catequistas. A programação, cujo tema “Igreja, que nasce da cruz, nos faz discípulos missionários por amor” e lema “aos pés da cruz estava o discípulo que ele amava” (Jo 19,25), tem início domingo, às 8h, com a acolhida dos catequistas com louvor do Ministério Seráfico. Em seguida, às 8h30, abertura

com oração inicial, acolhida da Cruz Peregrina e apresentação das regiões episcopais e das paróquias. Por volta das 9h haverá pregação sobre a temática principal, inspirada no Jubileu do Tricentenário da Arquidiocese de Belém, seguida de adoração ao Santíssimo Sacramento. Após o intervalo, previsto para 10h, haverá celebração eucarística presidida por Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano, com acompanhamento do Ministério Santa Cecília, de Icoaraci. A jornada arquidiocesana referenda toda missão da evangelização em solo amazônico em que a catequese participa: “Ela é parte da missão evangelizadora da Igreja. Então, nós queremos homenagear de certo modo todos os catequistas que ao longo desses anos em Belém dedicaram sua vida, participaram e estão participando da evangelização. E,

assim, buscando essa inspiração, obviamente queremos destacar que é na fidelidade à Igreja nascida da Cruz, do lado aberto de Cristo, que o catequista deve viver sua vocação como discípulo e missionário”, explica padre Evandro do Carmo, coordenador arquidiocesano da catequese. Aliado ao tema há o lema da jornada com o texto retirado do Evangelho de João, o discípulo amado. Padre Evandro afirma que a referência à Cruz é clara, uma vez que a Igreja prega o Cristo crucificado: “Destacamos duas características fundamentais que a catequese deve ter: o kerygma e a mistagogia. Uma catequese que anuncia esse Cristo crucificado e ressuscitado pela humanidade no qual se manifesta o amor do Pai. E a Cruz é uma mistagogia por excelência, sinal desse amor de Deus. São uma referência da contemplação da Cruz. A Igreja deve ser contemplativa da Cruz, sabendo que é

ali que está a origem da sua missão”. O objetivo da jornada é poder reunir catequistas de todas as regiões e celebrar com alegria a vocação à qual foram chamados e a que atenderam dando o ‘sim’ como resposta e, assim, evidenciar e valorizar essa vocação junto à Igreja reunida. O evento é aberto, não sendo restrito apenas a catequistas: “Todos os anos

convidamos aqueles que queiram fazer parte do ministério de catequista. Muitos acabam levando suas famílias, pois é um momento de comunhão. A jornada é momento de congraçamento, de união, de encontro e de celebração. Acaba sendo um meio de valorização do ministério leigo catequista, e de certa forma sendo esse o objetivo para nós da organização”.

NOTA DE FALECIMENTO A Arquidiocese de Belém do Pará comunica com pesar o falecimento do padre Raimundo Cosme Batista Alves, ocorrido na madrugada do dia 23 de agosto. O corpo do sacerdote foi velado na Paróquia São Miguel Arcanjo, com exéquias presididas pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa às 14h de sexta-feira. A comunidade despediuse do seu pároco na missa de sábado, 24, às 8h. Depois, o sepultamento ocorreu às 11h no cemitério localizado na rua Celestino Rocha, n° 500, Ananindeua. Padre Cosme nasceu a 8 de junho de 1964. Foi ordenado sacerdote em 16 de dezembro de 1993. Era o pároco da Paróquia São Miguel Arcanjo, localizada no bairro da Cremação. A Arquidiocese pede a todos, orações em sufrágio de sua alma e roga a Deus que traga conforto aos familiares e amigos neste momento de despedida e esperança.


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

7

MISSA DO MANDATO: “A espiritualidade da visitação é levar a boa notícia” CELEBRAÇÃO eucarística, presidida por Dom Alberto, dá início nas peregrinações nos lares paraenses FOTOS: LUIZ ESTUMANO

C

n DOM ALBERTO durante a missa realizada na Basílica Santuário

om a aproximação da grande Festa de Nazaré em outubro próximo, a Diretoria da Festa e a Paróquia de Nazaré deram início, na última segunda-feira, 26, à preparação espiritual dos devotos, com as peregrinações com as imagens da Virgem

de Nazaré. A Missa do Mandato, presidida por Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano, e realizada na Basílica Santuário, é o ponta-pé dessa preparação que culminará com a evangelização de 700 mil pessoas, de acordo com a organização.

A Missa do Mandato, ou Missa do Envio, é a abertura oficial da programação do Círio 2019 e dá início às reflexões acerca do tema da festa, “Maria, Mãe da Igreja” , com estudos baseados no livro de peregrinações. Para Dom Alberto, o grande mutirão de

n FIÉIS representando as 93 paróquias da Arquidiocese de Belém

VATICANO

evangelização teve início: “Nós tivemos três grandes eventos nestes últimos dias: o encontro de preparação e treinamento dos dirigentes de peregrinação, o momento de oração “Mil ave-marias” e, hoje, a Missa do Mandato. O Círio é preparado, não é um evento cultural, e sim um evento profundamente religioso. Que os livros da peregrinação que a partir de hoje saem com as imagens de Nossa Senhora e, é claro, a Bíblia, sejam esse grande mutirão de evangelização e de pastoral da visita às famílias”. O livreto, disponível na loja Lírio Mimoso, foi distribuído aos dirigentes de peregrinação na formação realizada em 18 de agosto passado, no Hangar Centro de Convenções da Amazônia. “Começamos a produzi-lo em fevereiro deste ano, passando por diversas revisões até ser concluído. Tivemos este ano o auxílio do Padre João Paulo Dantas, Vigário da Catedral Metropo-

litana”, explica Cláudio Acatauassu, Diretor Coordenador do Círio 2019. Segundo ele, foram impressos 100 mil livros a serem adquiridos por famílias, comunidades e paróquias, resultando num número maior de pessoas evangelizadas: “Se você imaginar que desses 100 mil, sete são para uma família que reúne seus outros familiares, comunidades e paróquias pegam mais livros, enfim, o objetivo é que esses 100 mil possam ser multiplicados por cinco ou seis pessoas, seguindo essa linha de raciocínio você imagina que serão evangelizados até 700 mil pessoas. É uma abrangência muito significativa e é o que nós esperamos.” A aposentada Isaura Barbosa da Silva, que todos os anos reúne a família para realizar as novenas de Nossa Senhora, foi uma das pessoas presentes na celebração eucarística com a imagem de Nossa Senhora aguardando

a bênção do arcebispo. Para ela a tradição é um grande momento para reunir familiares e amigos e, juntos, orar: “Sinto-me muito feliz participando das novenas. Já alcancei muitas graças, entre elas, o emprego da minha neta.” MISSA Na celebração eucarística estiveram presentes cerca de três mil fiéis representando as 93 paróquias da Arquidiocese de Belém. Durante a missa, foram abençoadas as imagens da Virgem de Nazaré que percorrerão diversos bairros de Belém. Na homilia, Dom Alberto voltou-se aos fiéis abordando o Evangelho do dia que destacava a visita que Maria faz à sua prima Isabel, na Judéia: “eu vejo vocês com a espiritualidade da visitação. Esta espiritualidade é levar a boa notícia. Que falta fazem as pessoas que levam a Boa Nova! Peço que vocês levem no coração o estilo de presteza de

n DURANTE a missa, foram abençoadas as imagens da Virgem de Nazaré

Dia para os perseguidos pela SUA FÉ

Com informações Vatican News. Você sabia que existe o Dia Internacional para recordar as pessoas que são perseguidas por causa da sua fé? De fato, celebrou-se na última quinta-feira, dia 22 de agosto, pela primeira vez, este Dia instituído pelas Nações Unidas, em memória das vítimas de atos de violência por causa da religião ou da fé. A ONU decidiu instituir esse Dia com uma resolução aprovada no último dia 28 de maio. No texto, as Nações Unidas recordam que “o terrorismo e o extremismo violento em todas as suas formas e manifestações não podem nem devem estar associados a qualquer religião, na-

cionalidade, civilização ou grupo étnico”. Durante o seu pontificado, o Papa Francisco pediu em várias ocasiões para se parar de explorar as religiões para incitar à violência: “Pedimos a todos que deixem de instrumentalizar as religiões para incitar ao ódio, à violência, ao extremismo e ao fanatismo cego e que deixem de usar o nome de Deus para justificar atos de assassinato, exílio, terrorismo e opressão”: palavras tiradas do Documento sobre a fraternidade humana, assinado pelo Papa Francisco e pelo GrãoImame de Al-Azhar Ahmad Al-Tayyeb. O Dia Internacional das Vítimas de Violência

por causa da sua religião ou fé é um sinal de atenção. Segundo o diretor da Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre - Itália, Alessandro Monteduro, a liberdade religiosa é a mãe de todas as liberdades. Recordamos que a degradação dessa liberdade, sua violação leva à negação de outras liberdades, pois é a mãe de todas as liberdades. 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa. 60% da população mundial, ou seja, quatro bilhões de pessoas, vivem em países onde a liberdade de fé não está totalmente garantida. Maltratar o respeito pela liberdade de fé significa maltratar uma liberdade muito

mais ampla: através da liberdade religiosa chegamos também à exaltação da liberdade como as de consciência, do pensamento. O artigo 18º da Declaração Universal dos Direitos do Homem sublinha que essas três liberdades andam de mãos dadas e devem ser sempre protegidas. Não se pode ignorar que a comunidade cristã é a comunidade de fé mais perseguida hoje no mundo. Pelo menos 300 milhões de nossos irmãos vivem em países onde a liberdade de fé é, infelizmente, espezinhada; falamos de um cristão em cada sete no mundo. Uma atenção renovada também àqueles que sofrem perseguição

por causa de ideologias. Um exemplo é a região do Oriente Médio, onde o chamado Estado Islâmico, apesar da sua derrota militar, não morreu e continua a espalhar sua retórica cheia de ódio. Com esse Dia dedicado aos perseguidos por causa da fé, é o

mundo que procura dizer às pessoas e aos perseguidores que a partir de agora, talvez, haja uma maior e mais renovada sensibilidade para com aqueles que padecem perseguição em nome da liberdade de fé. Uma esperança que auguramos se torne ação concreta.


8

IGREJA

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

NAZARÉ REPÓRTER n DOM ANTÔNIO CELEBRA MISSÃO EPISCOPAL

AQ

luz de Deus ilumina quem a acolhe. (27de agosto) uem se aproxima de Deus não desanima, vai em frente: recomeça, tenta de novo, reconstrói. (26 de agosto)

RÁDIO NAZARÉ n ASMA E SEUS EFEITOS: INFORME-SE COM A RÁDIO NAZARÉ Segunda-feira, 2 de setembro, o programa “Saúde e cidadania” apresentará o tema “Asma: sintomas, causas e tratamento”. Uma doença crônica, que não tem cura, mas pode ser controlada e merece muita atenção. Um especialista vai explicar as principais diferenças em relação a outras doenças respiratórias e dará dicas aos ouvintes para ajudar a controlar as crises. Sintonize 91,3 Mhz, toda segunda-feira, a partir das 16h e participe!Para interagir, ligue 4006-9211 ou 98814-0275(WhatsApp).

n LANÇAMENTO “O espelho da caridade”, obra inédita na língua portuguesa sobre santo Aelredo de Rievaulx, livro organizado pelo padre João Paulo Dantas, vigário da Catedral de Belém, é um tratado sobre a prática da perfeição cristã, segundo o pensamento do monge e abade cisterciense contemporâneo de São Bernardo de Claraval, no século XII. Traduzido do latim pelo sacerdote e editado com auxílio da professora Maria do Socorro Coelho, da Faculdade Católica de Belém, será lançado em noite de autógrafos, no dia 5 de setembro, às 19h, no Salão dos Pontificais da Catedral Metropolitana de Belém. Prestigie!

TV NAZARÉ CANAL 30.1

n CÍRIO 2019 - TESTEMUNHOS DE FÉ NA TV NAZARÉ Acompanhe ao longo da programação da TV Nazaré, canal 30 – ou na sintonia de sua cidade – a vivência da fé dos devotos de Nossa Senhora de Nazaré, nestes momentos que antecedem o Círio de Nazaré em Belém do Pará. São histórias de fé que perpassam a vida dos fiéis, confiando-se na intercessão de Nossa Senhora para alcançar graças junto ao seu filho Jesus.

n RENASCER: 30 ANOS A Comunidade Católica Casa da Juventude (Caju)realizará de 27 a 29 de setembro o encontro Renascer-30 anos com o tema “Que queres que Te faça?” (Luc 18, 41). Simultaneamente, 10 casas na ilha de Mosqueiro, distrito de Belém, receberão os participantes. O Renascer é um retiro inicio há 30 anos em Belém do Pará e hoje ocorre também em São Paulo e em Marabá, cidades em que a Caju possui núcleos missionários. Jovens a partir de 13 anos podem inscrever-se na Caju, de segunda a sexta-feira, de 13h30 às 19h30, e aos sábados, das 8h às 12h, na avenida Almirante Barroso, 883. Informações: (91) 3236-1188 ou www.comunidadecaju.com.br.

PORTAL NAZARÉ WWW. FUNDACAONAZARE. COM.BR

n PALESTRA “MENTE SÔ Quinta-feira, 5, às 18h30, cônego Jaime Pereira irá proferir a palestra de Parapsicologia “Mens sana”, no auditório Guará do Centro de Cultura e Formação Cristã (CCFC). A participação é mediante inscrição cujo valor dá direito ao participante de obter o certificado e adquirir o livro “Mens sana”, de autoria do cônego Jaime, diretor espiritual do Seminário Pio X, vigário da Paróquia São Pio X e membro do Cabido Arquidiocesano de Belém. Informações: Seminário Pio X (3215-7003) e 98162-6098; 98454-1026 e 99812-2750.

n CÍRIO 2019: PREPARE-SE COM O PORTAL NAZARÉ O Círio de Nazaré está chegando! No portal Nazaré ( www.fundacaonazare.com.br) há um espaço dedicado à romaria de Nossa Senhora de Nazaré (Círio 2019), onde você encontra a programação completa, informações do Círio Musical e galeria de fotos dos eventos realizados. Em nossas redes sociais (Facebook/FNCBelem e Twitter:@FundacaoNazare) acompanhe ao vivo, as transmissões do Círio 2019 e mais detalhes. Ajudenos a realizar a cobertura deste e de outros eventos, tornando-se um sócio evangelizador da Família Nazaré. Informações: campanha Seja Mais UM (www. sejamaisum.com), (91) 4006-9211 ou mensagem para (91) 99315-5743

AGENDA DE DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA n DOMINGO, 1 DE SETEMBRO 7h – Missa (Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe) 19h – Missa (Catedral de Belém) n TERÇA, 3 DE SETEMBRO 19h – Missa e Ministérios (Seminário Monsenhor Edmundo Igreja)

AGENDA DE DOM IRINEU ROMAN

n SEXTA, 30 DE AGOSTO 12h – Pré-Sínodo da Amazônia – Encerramento (Tabor) 19h - Crisma - Paróquia Santo Afonso Maria de Ligório (Pratinha) n SÁBADO, 31 DE AGOSTO 19h - Missa - Paróquia São Domingos de Gusmão (festividade) – Terra Firme

n DOMINGO, 1 DE SETEMBRO 9h – Missa - Pastoral das Ilhas (Comunidade São Raimundo) 19h – Missa - Paróquia Nossa Senhora do Bom Remédio (festividade) n TERÇA, 3 DE SETEMBRO 19h – Missa - Paróquia Santa Teresa de Calcutá (abertura da festividade)

n QUARTA, 4 DE SETEMBRO 19h30 – Missa (Comunidade Semeando com Maria) n QUINTA, 5 DE SETEMBRO 19h – Missa (Paróquia Santa Teresa de Calcutá)

n QUARTA, 4 DE SETEMBRO 18h – Missa - Seminário Propedêutico n QUINTA, 5 DE SETEMBRO 19h - Missa - Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (2 anos do Terço das “Mães que oram pelos filhos”)

AGENDA DE DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO n SEXTA, 30 DE AGOSTO 19h - Missa - Paróquia São Domingos de Gusmão (abertura da festividade) – Terra Firme n SÁBADO, 31 DE AGOSTO 19h - Missa - Comunidade Nossa Senhora de Nazaré (Paróquia Arcanjo São Miguel) n DOMINGO, 1 DE SETEMBRO 10h – Missa - Círio Nossa Senhora de Nazaré

(São Domingos do Capim) 19h - Missa - Paróquia Santa Maria (festividade) - Terra Firme n SEGUNDA, 2 DE SETEMBRO 19h - Missa e envio dos evangelizadores da peregrinação de Nossa Senhora de Nazaré (Área Missionária Canaã)

DIVULGAÇÃO

n ENCONTRO NACIONAL DA PASTORAL DO SURDO A Pastoral do Surdo da Arquidiocese de Belém, sediada na Paróquia Rainha da Paz, é anfitriã do 19º Encontro Nacional da Pastoral do Surdo (ENAPAS) e o 9º Encontro Nacional de Intérpretes Católicos (ENCICAT) de 22 a 25 de janeiro de 2020. Os eventos nacionais querem fortalecer a vivência das pastorais de surdo no Brasil para evangelizar o surdo para que este conheça e viva a Boa Nova de Jesus em todas as dimensões da sua vida, e contribuir para eliminar a discriminação que ainda resiste em tempos atuais. Informações: (91)98301-4214/98132-0513/98282-5842/98816-9208.

FM 91 .3 MHZ

n SEXTA, 30 DE AGOSTO Reunião Pré-Sinodal da Amazônia 19h – Missa dos compromissos da Comunidade Mensageiros da Boa Nova (Paróquia Mistério da Transfiguração do Senhor) n SÁBADO, 31 DE AGOSTO 19h – Missa (Paróquia de Santo Afonso Maria de Ligório)

A Arquidiocese de Belém parabeniza Dom Antônio de Assis Ribeiro, um dos bispos auxiliares, pelo segundo aniversário de Ordenação Episcopal, ocorrida no dia 2 de setembro de 2017 no município de Ourém, PA, onde ele foi criado. O bispo celebrará a data com Missa às 19h, quando enviará os evangelizadores da peregrinação de Nossa Senhora de Nazaré na Área Missionária Canaã, em Marituba.

n TERÇA, 3 DE SETEMBRO 19h - Missa - Comunidade Sagrado Coração de Jesus (Batista Campos) n QUARTA, 4 DE SETEMBRO 19h - Missa - Paróquia Santa Tereza de Calcutá n QUINTA, 5 DE SETEMBRO Viagem a Brasília - XV Encontro Nacional de Adultos responsáveis Diocesanos de Juventude

BOA DICA n CONFESSAR SEM MEDO - Dez passos para uma frutuosa confissão sacramental - Livro(Paulus, R$ 8,00)

V

ocê tem medo de confessar-se? Já lhe é habitual essa prática de procurar um ministro de Deus, seja o padre ou o bispo, para confessar-se? Você se confessa pelo menos uma vez por ano? É bom recordar que o sacramento da confissão foi instituído por Jesus (cf. Jo 20,21-23; 2Cor 5,18). E a Igreja cuida com zelo para que essa boa prática seja vivida pelos fiéis. Muitas vezes, ouve-se que os fiéis ficam com medo de confessar-se ou não sabem bem como fazê-lo. Foi com o desejo de oferecer instruções para uma boa confissão e de amenizar os possíveis medos que organizamos este livro. Fique atento aos dez passos para uma frutuosa confissão. No final do livro, sugerimos uma opção de exame de consciência a partir da Exortação Apostólica do Papa Francisco sobre o chamado à santidade no mundo atual. Aproveite!

n CONSAGRADOS EM TEU NOME - CD (Paulinas, R$ 18,20)

C

om participação do grupo “Ir ao Povo e Cantores de Deus”, este novo álbum do Pe. Zezinho, scj traz canções de cunho vocacional apropriadas para celebrações e encontros.


ARQUIDIOCESE

9

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

MÊS DA BÍBLIA reforçará o conhecimento da Sagrada Escritura O OBJETIVO do Mês da Bíblia é favorecer o conhecimento da Sagrada Escritura

C

om informações CNBB. O mês de setembro se tornou referência para o estudo e a contemplação da Palavra de Deus, tornando-se em todo o Brasil, desde 1971, o Mês da Bíblia. Desde o Concílio Vaticano II, convocado em dezembro de 1961, pelo papa João XXIII, a Bíblia ocupou espaço privilegiado na família, nos círculos bíblicos, na catequese, nos grupos de reflexão, nas comunidades eclesiais. Este ano, 2019, a Igreja no Brasil comemora o Mês da Bíblia, em sintonia com a Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dan-

do continuidade ao ciclo do tema “Para que n’Ele nossos povos tenham vida”, propondo o estudo da Primeira Carta de João com destaque para o lema “Nós amamos porque Deus primeiro nos amou” (1Jo 4,19). “Na realidade ainda não tinha sido contemplado esse escrito. Então, se o objetivo do Mês da Bíblia é favorecer o conhecimento da Sagrada Escritura, era hora de colocar ante os olhos da nossa gente, do nosso povo também esse escrito tão bonito”, salientou o presidente da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB, dom José Antônio Peruzzo. Dom Peruzzo explica que o texto foi redigido

para uma comunidade mergulhada em muitas incertezas e interrogações: “Naquela época, eles se questionavam se eram mesmo amados por Deus e por Jesus Cristo, se eram eleitos. Havia muitas hostilidades no mundo circunstante, hostilidade aos cristãos e também tensões internas. Então, o texto foi escrito para dar respostas”, salienta o bispo. Essas respostas, segundo dom Peruzzo, afirmam que somos sim amados por Deus e por Jesus Cristo. Ainda de acordo com dom Peruzzo, convencionouse que o Mês da Bíblia fosse comemorado em setembro, e na ocasião, a Igreja sempre propõe

DIVULGAÇÃO

um livro para ser estudado, como é o caso do deste ano. TEXTO-BASE No texto-base para o Mês da Bíblia, lançado pela Editora CNBB, logo em suas primeiras páginas são dadas algumas orientações básicas

sobre a Primeira Carta de João, importantes para situá-la em seu contexto histórico, literário e teológico. À medida que o leitor avança poderá encontrar informações básicas referentes ao gênero literário, ao autor e aos interlocutores, aos temas te-

ológicos principais, à época e ao lugar de sua composição. Nos capítulos seguintes, o autor busca fazer uma exposição passo a passo. O subsídio já está à venda e pode ser adquirido no site da Edições CNBB: www. edicoescnbb.com.br

FACULDADE CATÓLICA DE BELÉM prorroga inscrições para cursos Por conta de um problema na rede telefônica da Faculdade Católica de Belém (Facbel), a direção informa a prorrogação das inscrições para as novas turmas dos cursos de extensão em Língua Brasileira de Sinais (Libras), Grego

Koiné e Latim, com as aulas programadas para se iniciarem no mês de setembro. Serão ofertadas 50 vagas para o curso de libras, de forma presencial; as aulas acontecerão uma vez por semana com carga horária de 40

horas; as aulas serão ministradas pelo professor Ricardo Nazareno Barra Cordeiro. Para os cursos de grego e latim serão ofertadas 50 vagas para cada curso, com aulas de forma presencial e serão ministradas pelo professor

Francisco Veras. As inscrições para todos os cursos serão de forma presencial e os interessados deverão procurar a secretaria da Faculdade, de segunda a sexta, das 8h às 17h. Mais informações pelos telefones 4009 1560 e 4009 1562.

SERVIÇO

Curso: Libras para iniciantes

Dia e Hora: segundafeira de 14h às 17h Responsável: Professor Ricardo Cordeiro Investimento: R$ 30 Curso: Grego para iniciantes

Dia e Hora: Quarta-

feira de 14h às 17h Responsável: Professor Francisco Veras Investimento: R$ 30

Curso: Latim para iniciantes

Dia e Hora: Quintafeira de 14h às 17h Responsável: Professor Francisco Veras Investimento: R$ 30

CHIARA LUBICH PALAVRA DE VIDA “Confortai-vos e edificai-vos uns aos outros.” (1Ts 5,11)

O

apóstolo Paulo escreve à comunidade cristã fundada por ele na cidade de Tessalônica, na Grécia. Não poderá mais se encontrar com eles, porque teve de fugir dali, devido a graves dificuldades e perseguições. No entanto, por meio de suas cartas, continua acompanhando com amor a vida deles. Ele até os elogia devido à sua constância e perseverança na fé, por se terem tornado testemunhas exemplares! Paulo conhece os questionamentos profundos dessa comunidade, suas perguntas existenciais: o que nos espera após a morte? Se o Senhor Jesus voltar em breve, como poderemos nos preparar adequadamente para a Sua vinda definitiva? Paulo não responde com preceitos a serem respeitados. Em vez disso, professa novamente a sua fé: Jesus deu a sua vida por amor de toda a humanidade e ressuscitou, abrindo a todos os

homens o caminho para a Vida. Como preparação para a volta de Jesus, o conselho de Paulo é viver de acordo com o Evangelho no dia a dia, continuando a trabalhar honestamente e a construir uma comunidade fraterna: “Confortai-vos e edificai-vos uns aos outros.”

Paulo experimentou em sua pessoa que o Evangelho faz germinar a semente de bondade colocada por Deus no coração humano. É uma semente de esperança, que cresce no encontro pessoal e quotidiano com o amor de Deus e floresce no amor mútuo. É um incentivo a combatermos as más sementes do individualismo e da indiferença, que provocam isolamento e conflitos; é um convite a carregarmos os pesos uns dos outros, a nos encorajarmos mutuamente. É uma Palavra de Vida simples, que todos nós podemos compreender e colocar em prática, mas que pode revolucionar

as nossas relações pessoais e sociais. É um conselho precioso, que nos ajuda a redescobrir a verdade fundamental da fraternidade, raiz de muitas culturas. O princípio da filosofia Ubuntu,das etnias banto,exprime a fraternidade desta forma: “Eu sou aquilo que sou por mérito daquilo que todos nós somos”. Na África do Sul, foi este o pensamento condutor da ação política do grande líder metodista Nelson Mandela, que afirmava: “Ubuntu não significa deixar de pensar em si mesmo, mas colocar-se a pergunta: ‘Quero ajudar a comunidade que está ao meu redor?’”1. A ação coerente e corajosa de Mandela gerou uma reviravolta histórica no seu país e um grande passo à frente na civilização. “Confortai-vos e edificai-vos uns aos outros.”

De que modo podemos viver esta Palavra de Vida?

Procurando desenvol-

ver também nós o amor recíproco na intimidade das nossas famílias, em nosso ambiente de trabalho, em nossas comunidades ou associações eclesiais, paróquias etc. Esta Palavra exige de nós uma caridade desmedida, isto é, uma caridade que saiba ultrapassar as medidas medíocres e as múltiplas barreiras provenientes do nosso sutil egoísmo. Basta pensar em certos aspectos da caridade (a tolerância, a compreensão, a aceitação recíproca, a paciência, a disponibilidade para servir, a misericórdia diante das faltas verdadeiras ou supostas do nosso próximo, a partilha dos bens materiais etc.) para descobrir muitas ocasiões em que podemos vivê-la. Além do mais é evidente que, se em nossa comunidade existir este clima de amor recíproco, ele inevitavelmente irradiará o seu calor em direção a todos. Também aqueles que ainda não conhecem a vida cristã sentir-se-ão atraídos e é bem possível que, quase

sem o perceber, eles sejam envolvidos nessa vida até sentirem-se parte de uma única família.2 “Confortai-vos e edificai-vos uns aos outros.”

Na cidade de Palermo, na Itália, formou-se um grupo de assistência médica policlínica, psicológica e de enfermagem, animada por esse espírito,para atendimento gratuito dos pobres da cidade. Os próprios protagonistas nos contam:

Somos um grupo de médicos e agentes de saúde cristãos de várias Igrejas. As palavras do Evangelho nos incentivam a reconhecer em cada pessoa um irmão ou uma irmã, de modo especial nos que sofrem enfermidadese e não conseguem se tratar de acordo com suas necessidades. Entre aqueles aos quais damos assistência há também pessoas que sofrem doenças gravíssimas, ou dependentes do jogo e da internet. Nós oferecemos nossos serviços profissionais nos lugares

onde atuamos, aumentando a capacidade de atendimento dos postos de saúde já existentes na área. Para nos mantermos informados entre nós e comunicarmos as diversas necessidades de intervenção, criamos um grupo nas redes sociais, uma página na internet e uma lista de endereços e-mail. Embora tenha iniciado há pouco tempo, esse grupo já é bem atuante, sobretudo entre os imigrantes, de modo particular na comunidade adventista proveniente de Ganaque se encontra na nossa cidade: um grupo numeroso e alegre, com o qual experimentamos a alegria de nos ajudarmos como irmãos, filhos do único Pai. LETIZIA MAGRI

1) De “Experience Ubuntu”, entrevista com Tim Modise, 24 de maio de 2006. Origem: https://le-citazioni.it/autori/nelson-mandela/. 2) Chiara Lubich, Testemunho e irradiação, revista Cidade Nova, novembro de 1994.


10

EM NAZARÉ

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

NAZARÉ EM DESTAQUE

Diretoria da Festa recebe inscrições para 25º CONCURSO DE REDAÇÃO DO CÍRIO

AS INSCRIÇÕES podem ser feitas até o dia 26 de setembro

E

studantes do ensino médio das redes pública e particular de todo o Estado poderão inscrever-se, até o dia 26 de setembro, no XXV Concurso de Redação do Círio. O momento objetiva premiar os autores dos melhores textos e seus respectivos professores responsáveis. Cada escola poderá inscrever até dois alunos. O certame será realizado no dia 29 de setembro, às 8h, no Centro Social Nazaré. Com o tema “Maria, Mãe da Igreja”, o mes-

mo do Círio 2019, os candidatos deverão desenvolver uma redação em prosa de, no mínimo, 12 e, no máximo, 30 linhas. O número de participantes tem sido em média 100 alunos de escolas de todo o Estado. Os alunos interessados deverão preencher a ficha de inscrição, disponível no site www. ciriodenazare.com. br e encaminhar para o e-mail secretaria@ ciriodenazare.com.br, junto com a cópia do

documento de identidade. As fichas também poderão ser encaminhadas para a secretaria da Diretoria da Festa, situada na Praça Justo Cherm o n t , Centro Social Nazaré, de 12h

ALINE ANDRADE

n OS CANDIDATOS no dia da realização da prova de redação em prosa

RECITAÇÃO DAS MIL AVE MARIAS reuniu fiéis que rezaram

pelo êxito do Círio de Nazaré

Em preparação para o Círio de Nazaré vários fiéis participaram

da 5ª edição da Recitação das Mil Ave-Marias realizada no sábaALINE ANDRADE

n FIÉIS participando deste momento de fé

YÊDA SOUSA

do, 24, pela Diretoria da Festa, na Capela Bom Pastor, localizado no Centro Social de Nazaré. O evento objetivou promover aos devotos um momento de espiritualidade onde pudessem apresenta à padroeira suas intenções pessoais e pelo êxito da grande festa da R ainha da Amazônia. No encerramento, houve uma Santa Missa presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa.

n MÃE E FILHA orando diante da imagem peregrina

Padres Barnabitas celebram aniversário de VIDA SACERDOTAL ALINE ANDRADE

n PADRE RAMOS, cercado de barnabitas, durante o lançamento de seu livro No sábado, 24, os voluntários que integram a Paróquia

de Nazaré celebraram três datas importantes junto aos

padres Barnabitas Crsp: os 30 anos de ordenação sacerdotal

dos padres José Adelson Maria Ramos das Mercês e Luiz Carlos Maria Nunes Gonçalves. Na oportunidade, os confrades ressaltaram que este ano o padre Giovanni Maria Incampo completa 50 anos de vida missionária no Brasil. A celebrações iniciou-se com a Santa Missa das 7h. Em seguida houve uma comemoração entre amigos, familiares e

NOVO PÁROCO visitou comunidade Santa Bernadette O novo pároco de Nazaré, padre Francisco Maria Cavalcante, presidiu no domingo, dia 25, sua primeira missa na Comunidade

Santa Bernadete, da Paróquia de Nazaré. Durante a celebração, padre Cavalcante abençoou as imagens de Nossa Senhora de

Nazaré destinadas aos encontros de peregrinação e orientou os dinamizadores. O momento contou ainda com uma

homenagem à zeladora Francisca Lima da Silva, que tem 90 anos de idade, por seu serviço e dedicação à Paroquia de Nazaré.

confrades dos padres, com um café da manhã na Casa de Plácido. Na segunda-feira, 26, também foi celebrado o aniversário de sete anos de ordenação sacerdotal do pa-

dre Deogratias Maria Muderwa. Que Nossa Senhora de Nazaré interceda sempre por esses sacerdotes e por suas missões evangelizadoras na casa da Rainha da Amazônia!


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

11

BISPOS DA AMAZÔNIA estudam documento

sinodal em Belém

EPISCOPADO prepara-se para o Sínodo para a Amazônia no Vaticano em outubro

I

nformações da Arquidiocese de Belém - Iniciou na manhã de quarta-feira, 28, e segue até sextafeira, 30, no Centro de Espiritualidade Monte Tabor, no distrito de Icoaraci, em Belém, a reunião pré-sinodal com todos os bispos da Amazônia brasileira. O evento, promovido pela Arquidiocese de Belém, Rede Eclesial Pan-Amazônia (Repam) e Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), é único e de caráter preparatório para o Sínodo para a Amazônia, que ocorrerá em outubro próximo no Vaticano. Quinta-feira, 29 de agosto, às 11h, a organização do evento recebeu a imprensa para coletiva, com transmissão ao vivo pela Rede Nazaré de televisão, para falar, exclusivamente, dos assuntos tratados na reunião, que é um estudo aprofundado do Documentum Laboris “Amazônia: Novos Caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral”. A condução da coletiva foi do Cardeal Cláudio Hummes, presidente da Comissão Episcopal Especial pa-

ra a Amazônia (CEA) e da Repam Brasil. A reunião conta com todos os bispos das 56 circunscrições eclesiásticas (dioceses e prelazias) da Amazônia brasileira e convidados (padres, religiosos, leigos) do Brasil e representantes da Santa Sé, e tem por objetivo estudar as três partes do documento sinodal através de plenárias, conferências e trabalhos em grupos. Diariamente, o encontro dos bispos vivenciam momentos de oração e a Santa Missa. Os momentos visam nortear os bispos da Amazônia para as discussões no Sínodo dos Bispos para Amazônia, que acontecerá no Vaticano, Itália, no período de 6 a 27 de outubro próximo. Acolhido pela anfitriã Arquidiocese de Belém, à frente o Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, o evento é organizado pela Comissão Episcopal Especial para a Amazônia (CEA), com apoio da Repam Brasil e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) - Regional Norte 2.

FOTOS: LUIZ ESTUMANO

nABERTURA oficial do encontro dos bispos da Amazônia, que ocorre na casa de retiros Monte Tabor Dom Alberto saudou os participantes do encontro. “A Arquidiocese de Belém recebe com alegria os bispos de toda Amazônia brasileira neste encontro de grande responsabilidade. Esta que é a última reunião antes do Sínodo, na qual nós estamos trabalhando eMm torno do instrumento de trabalho do sínodo dos bispos. Que Deus abençoe nossos trabalhos, que dê bons frutos”. PARTICIPAÇÃO

D o m Wa l m o r d e Oliveira Azevedo, presidente da CNBB, Dom David Martinez de Aguirre Guiné, Bispo de Puerto Maldona-

do, no Peru, e padre Michael Czerny, subsecretário da Seção Migrantes e Refugiados para o Serviço de Desenvolvimento Integral Humano, nomeados secretários do Sínodo para a Amazônia, participam do estudo. Além deles, Cristiane Murray, da secretaria do Sínodo e vice-diretora da Sala de Imprensa da Santa Sé, também participa. Alfredo Ferro, de Letícia (Colômbia), da equipe de assessores da REPAM internacional e assessores da REPAMBrasil auxiliam na realização do encontro. Essa é a última

atividade em que reúnem-se todos os bispos da Amazônia brasileira antes do Sínodo. Ainda em preparação para o Sínodo para Amazônia, o Bispo Auxiliar de Belém, Dom Antônio de Assis Ribeiro, publicou um livro de coletânea de textos com reflexões para contribuição do evento. SÍNODO PARA A AMAZÔNIA

O Sínodo para Amazônia é uma resposta do Papa Francisco à realidade da Pan-Amazônia. De acordo com Francisco, “o objetivo principal desta convocação é identificar

novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, especialmente dos indígenas, frequentemente esquecidos e sem perspectivas de um futuro sereno, também por causa da crise da Floresta Amazônica, pulmão de capital importância para nosso planeta. Que os novos Santos intercedam por este evento eclesial para que, no respeito da beleza da Criação, todos os povos da terra louvem a Deus, Senhor do universo, e por Ele iluminados, percorram caminhos de justiça e de paz”.

nDOM WALMOR , presidente da CNBB, prestigia o encontro de estudo na reunião pré-sinodal que é realizada em Belém em preparação para o Sínodo dos

Bispos que vai ser realizado no Vaticano de 6 a 27 de outubro, com a participação de todos os bispos da Igreja da Amazônia. Documento visto detalhadamente.

PASTORAL DAS ILHAS Domingo, 25 de agosto, pela manhã, a Pastoral das Ilhas da Arquidiocese de Belém promoveu o Encontro das Famílias das Famílias, na Comunidade da Imaculada Conceição, na ilha

celebra mês das vocações com as famílias

do Maracujá. A Pastoral das Ilhas celebrou o mês das vocações no no dia em que a liturgia remetia à reflexão sobre a "porta estreita", na homilia da Missa presidida por Dom Irineu

nCONFRATERNIZAÇÃO envolveu todos no salão

Roman, um dos bispos auxiliares, referencial da Pastoral das Ilhas. "Quem faz as coisas que Jesus ensinou e age conforme ele agia, é digno de passar pela porta estreita", frisou o bispo. FRATERNIDADE

O encontro das famílias foi precedido de catequese explanada por Dom Irineu sobre a vocação familiar. Depois, houve a Missa, e confraternização no salão da igreja. "Festejamos porque a família é o "celeiro" das vocações", ressalta Ir. Carmem Silva, religiosa do Instituto Missionárias da Santíssima Trindade, que acompanha

Dom Irineu, assim como o Movimento Arquidiocesano do Terço dos Homens, e ainda leigos, como o grupo de canto da Paróquia Cristo Rei, do bairro da Guanabara, que animou a Missa. Gleicy Karen Abdon e o esposo Emanuel participaram da programação. "Estou maravilhada! O trabalho da Pastoral das Ilhas é lindo. Sempre que posso, participo. Ver essa equipe da arquidiocese levando a mensagem de Deus, vencendo tantas dificuldades para chegar até esses irmãos, cuja distãncia de Belém dificulta muita suas vidas, é uma benção para

minha família". A engrenheira Gleicy ajudou a conduzir animada dinâmica, baseada na oração do Anjo da Guarda, destacou o valor família na proteção dos filhos e ressal-

tou ainda a inclusão de pessoas especais, com a sua filha, Karin, 8 anos, portadora de autismo. "Ela participa de tudo que fazemos antes de vir, assim como no encontro aqui com todos".

nDOM IRINEU presidiu a Santa Missa com

participação das famílias das ilhas de Belém


12

FUNDAÇÃO NAZARÉ

BELÉM, DE 30 DE AGOSTO A 5 DE SETEMBRO DE 2019

FAMÍLIA NAZARÉ

Programa especial “EM FAMÍLIA“ nesta sexta, dia 30 AO VIVO, direto da Fundação Nazaré de Comunicação

A

Fu n d a ç ã o N a zaré de Comunicação leva aos telespectadores da Rede Nazaré de Televisão - canal 30, ou na sintonia da sua cidade nesta sexta-feira, 30 de agosto, das 9h às 12h, o programa especial “Em Família”, transmitido ao vivo, direto do estúdio da emissora, na sede da fundação, localizada na avenida Governador José Malcher, no bairro de Nazaré. No ensejo do mês dedicado às vocações que vai encerrando, o programa inteiro é dedicado à Família Nazaré, pessoas que mensalmente ajudam com doações financeiras para manter o trabalho de evangelização realizado pelos veículos da Fundação Nazaré de Comunicação - Rádio Nazaré FM, Rede Nazaré de Televisão, Portal Nazaré e o Jornal Voz de Nazaré. Os sócios benfeitores da Família Nazaré são especialmente convidados para acompanhar a programação apresentada pelo padre Wagner Lima e Elyvane Barbo-

sa, com participação especial de Dom Irineu Roman e convidados. O programa será baseado no tema das vocações, razão pela qual os convidados especiais e a programação dinâmica, abordará experiências da Igreja voltadas à vocação sacerdotal, à vida religiosa consagrada, à vocação familiar e à missão dos leigos. SORTEIO – No decorrer do programa será sorteada entre os ben-

LUIZ ESTUMANO

feitores uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré. Quem ainda não é sócio evangelizador poderá cadastrar-se ao longo do programa e, assim, tornar-se membro da Família Nazaré. VISITA - O benfeitor pode comparecer à Fundação Nazaré de Comunicação e acompanhar o programa ao vivo. Também pode visitar as instalações da instituição e conhecer o trabalho realizado.

n OS PROGRAMAS acolhem os benfeitores que visitam a Fundação

CAMPANHA SEJA MAIS UM Colabore com a obra de evangelização da Arquidiocese sendo mais um benfeitor da Fundação Nazaré de Comunicação. O cadastro pode ser feito pessoalmente na sede da Fundação, situada na avenida José Malcher, nº 915 – Edifício Paulo VI, Nazaré, de segunda a sábado, das 7h às 19h. Ou pelos sites oficiais (www.sejamaisum.com), (www. fundacaonazare.com.br), ou pelo telefone (91) 4006-9211. Se preferir entrar em contato por e-mail, envie mensagem para famjor@fundacaonazare. com.br e faleconosco@fundacaonazare.com.br

NOSSOS ANIVERSARIANTES 30/08 Helena Souza De Souza Maria Da Consolacao Sarmaneo Correia Maria Rosa Blanco Garcia Rosalina Leal Viana Olivia De Nazare Kawage Muller Elizabete Do Socorro De Castro Amaral Rosa Itamira Martins De Oliveira Raimundo Nazareno Pamplona Da Silva Ana Paula Serra Rodrigues Ferreira Vitoria Maria Barbosa Da Silva 30/08 Irany Nogueira Da Costa Jamil Moreno Sales Raimunda Arlete Faro Da Silva Raimunda Vitor Farias Maria Helena Duarte Rosalina Dos Santos Trindade Raimunda Lameira Lima Celeste Monteiro Goncalves Raimunda Do Socorro Pinheiro Carvalho Elyvane Barbosa Monteiro E Eilyn Juliana 01/09 Milza Hage Cecim Izabel De Jesus Amaral

Raimundo Marques Cardoso Maria Das Gracas Rodrigues Sasaki Maria De Belem Teixeira Angelim Maria Helena Soares Costa Maria De Belem Leao Cunha Simone Da Silva Mamede Maria Do Socorro Jesus Dos Santos Farias 02/09 Maria Soares Fatima Nazare Duarte Maria De Nazare Silva E Silva Isaura Barbosa Da Silva Maria Lucia Da Fonseca Gomes Lizela De Barros Ferreira Maria Jose Da Silva Moura Antonio Claudio Campos De Aquino Analea Menezes Gomes Odair Jose Souza Araujo Aline Do Socorro Furtado Da Silva 03/09 Deuzalina Faro Sampaio Terezinha De Jesus F. Dos Santos Jorge Aristeu Costa Maria Das Gracas Afonso Do Amaral

Altair Dos Santos Fonseca Maria Do Socorro Tavares De Castro Edilena Cordeiro Da Silva Jose Humberto Vianna Longo Ruth Pimentel Monteiro Jose Maria Alves Da Silva Junior Jaime Barros Da Silva Aurilena Neves Silney Alexandre Costa Dos Santos Josivan Pinheiro Correia Jeffer Junio Duarte Goncalves 04/09 Romulo Cunha Vieira Roberto Costa De Andrade Soares Moreira De Sousa Rosalina Da Silva Carlos Alberto Frota E Silva Raimunda Nonata Nantes De Abreu Terezinha De Jesus Pereira Guimaraes Silvia Clelia Lobato Da Silva Vale Walcicleide Lopes Da Silva Domingas Medeiros Da Silva Luiz Bello Lobato Junior Marcos Antonio Ferreira De Sousa

05/09 Pe. Dionel Lopes Amaral Ana Alice De Melo Machado Maria De Lourdes Brito Souza Raimunda De Souza Goncalves Joao Do Carmo Barbosa Manoel Luiz Fernandes Da Silva Francisca Barbosa De Paiva

Carlos Ernani Nunes Garcia Manoel Benedito Lobato Da Silva Neide Do Socorro Serrao De Oliveira Maria Odila Da Silva Pereira Vangel Vasconcelos Pinto Elizangela Neves Fernandes Francisco De Assis De Santana

n NATALÍCIO DE PADRES E DIÁCONOS 01/08 - Diác. Moisés de Jesus Conceição Rabelo 31/08 - Diác. Raimundo Hédison Alves de Oliveira 31/08 - Diác. Raimundo Nonato Braga 02/09 - Pe. Amadeu Alves Linhares Neto 02/09 - Pe. Antônio Cleidvan Bezerra Vieira 04/09 - Pe. Cleiton Marcos da Silva Liker 04/09 - Diác. Raimundo Cordeiro de Brito 05/09 - Pe. Ulisses José Albuquerque de Campos n ORDENAÇÃO DE PADRES E DIÁCONOS 02/09 - Pe. Ederaldo da Mata Silveira 03/09 - Pe. Hellyson Wagner Amaral de Lima 04/09 - Diác. Benedito Otávio Cardoso Quaresma

Profile for Fundação Nazaré de Comunicação

Voz de Nazaré  

Edição de 30 de agosto a 5 de setembro de 2019.

Voz de Nazaré  

Edição de 30 de agosto a 5 de setembro de 2019.

Advertisement