Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

ANO CV - Nº 882 - PREÇO AVULSO: R$1,00

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

www.fundacaonazare.com.br

Paróquia do SAGRADO Coração Dez anos de missão da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, no conjunto Julia Seffer, Ananindeua, culminaram com a Dedicação da igreja e do altar na Missa presidida pelo Arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa. PÁGINA 7. LUIZ ESTUMANO

n SOLENIDADE da Dedicação da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, em Ananindeua, foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém DIVULGAÇÃO

Alegria, louvor Festejos para e ORAÇÃO no Santa Maria Eletro Cristo GORETTI Micareta católica anima os joParóquia no bairro do Guamá vens este ano com o tema “Vem, realiza de 2 a 7 de julho a festa Espírito Santo!”. em homenagem à padroeira. PÁGINA 5

PÁGINA 11 DIVULGAÇÃO

BISPO Dom Irineu Roman presidiu inauguração da igreja na ilha

IGREJA nova na ilha PROGRAMAÇÃO reúne centenas de pessoas, pricipalmente jovens

Comunidade do Maracujazinho, nova igreja dedicada ao padroeiro na área do Baixo Acará, conquista São João Batista . PÁGINA 2.


2

OPINIÃO

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

JOÃO CARLOS PEREIRA

PE. HELIO FRONCZAK

Jornalista e professor (jcparis1959@gmail.com)

heliofronczak@gmail.com

ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU ...

PRIVILÉGIO DE SER CATÓLICO

A Amazônia no coração do Sínodo Viver trinitariamente com os outros

A

o longo de dois mil anos de história, a santa igreja de Cristo volta, pela primeira vez, seus olhos para a Amazônia e vai discutir a realidade dos nove países da pan-amazonicidade, que convivem com a exploração da mineração, seja ela legal ou ilegal, do petróleo, da madeira, de monoculturas maciças, grandes projetos hidrelétricos, grupos armados, tráfico de drogas, violência urbana e tudo que oprime o homem e devasta sua terra. Dentro de 15 semanas, tudo isso será pauta para o sínodo “Amazônia novos caminhos para a Igreja e para a ecologia integral”. Previsto para durar três semanas, o encontro levará para Roma

todos os Bispos da região que, melhor do que ninguém,conhecem os temas a serem desenvolvidos. Para se ter uma ideia da dimensão desse trabalho, só no Brasil foram realizados 170 eventos, nos quais a Igreja ouviu índios, ribeirinhos, agricultores, moradores das grandes cidades e quilombolas. Suas vozes, seus clamores, suas necessidades, serão ouvidos em uníssono e darão ao sínodo a possibilidade de ver a Amazônia tal qual ela é, sem retoques. Como o Papa promete ajustar linhas para que aqui se realize uma ecologia integral, que deseja ser parte de uma grande pastoral amazônica, na qual a vida com dignidade e respeito seja a grande meta de

toda a Igreja Universal, muitos desafios serão lançados. Por mais incrível que possa parecer, não apenas a Igreja de Roma, mas o mundo,ouvirão os sotaques das 240 línguas faladas por mais de 390 povos e nacionalidades diversas, inclusive dos 140 povos indígenas que vivem em isolamento voluntário. É para essa gente e para todos nós, amazônidas, que a Igreja olha com ternura e oferece a mão materna, a fim de levar a presença de Cristo na eucaristia aos que apenas ouvem falar dEle e eventualmente recebem a visita de um sacerdote nesse continente chamado Amazônia. Na próxima semana, retorno ao tema.

“T

odas as minhas coisas são tuas, e todas as tuas coisas são minhas” (Jo 17, 10). Esta frase do Evangelho de João, Jesus dirige ao Pai, exprime o fato óbvio de que, na Trindade, tudo é comum. Portanto, quando os cristãos vivem a comunhão dos próprios bens, não realizam apenas “uma boa obra” ou acrescentam um “acessório opcional” à própria vida, realizam o que são: vivem em sintonia com as raízes trinitárias da existência humana. Observando a desigualdade entre países ricos e pobres, o desinteresse, a marginalização e o aproveitamento que frequentemente corrompem relacionamentos entre pessoas e grupos de diferentes nações, percebe-se que - como assinala o Concílio Vaticano II

- grande parte dos países ricos que exploram os demais são países “cristãos”, pergunta-se qual imagem de Deus prevalece neles. Toda injustiça e exploração são causadas pela ausência de um encontro com o Amor unitrinitário de Deus e pela falta de consciência de suas consequências para a vida. A concepção que se tem de Deus é decisiva para o ideal de convivência e o tipo de sociedade que se pretende. A comunhão dos bens, exigida para participação no amor de Jesus, não é só uma perspectiva econômica, mas também teológica e eclesiológica; tem por detrás uma visão de Deus, da Igreja, da humanidade. Voltando à pergunta de fundo desta nossa reflexão, podemos indagar: que tipo de relacionamentos permite entre

nós uma comunhão trinitária? Podemos exprimi-los assim: “As pessoas (e analogamente comunidades, instituições, as nações, etc.) agem em sentido trinitário só quando vivem com as outras, pelas outras, nas outras e graças às outras”. Não basta só estar “com” para viver segundo um estilo trinitário, pois poderia significar simplesmente um estar ao lado uns dos outros. Não basta também apenas viver “para” os outros, apenas o primeiro passo em direção à trinitariedade, visto que a trinitariedade sempre exige a reciprocidade. É só a conjunção destas quatro atitudes indicadas que produz uma autêntica pericorese trinitária entre nós. Os exemplos (nas próximas semanas) nos ajudarão a compreender melhor.

IVENS COIMBRA BRANDÃO

JOSÉ PEREIRA RAMOS

Engenheiro civil e escritor (ivenscb@oi.com.br; ivenscb@gmail.com)

Economista e escritor (joseulina1@gmail.com)

PANORAMA

ENCONTRO FRATERNO

Mercê de Deus

A

o completarmos 60 anos de matrimônio – Bodas de Diamante – minha esposa e eu louvamos a Deus pela graça alcançada. A celebração ocorreu no dia seis do já passado mês de junho, na Capela de Santo Antônio de Lisboa, na missa comunitária da Trezena em louvor a Santo Antônio. A nosso convite, e autorizado pelo atual pároco, Frei Edilson Rocha, presidiu a celebração Frei Francisco Rodrigues, atualmente servindo em uma paróquia no interior de São Paulo. Foi pároco em Santo Antônio de Lisboa de 1996 a 2002, daí surgindo um forte laço de amizade entre o religioso, o casal e seus familiares, amizade forjada com gestos de

São Pedro e São Paulo

dedicação e de respeito, que vêm sendo cultivados há mais de vinte anos. Concelebrando, lá estava também o amigo Frei Alexandre Dowey, que mesmo de idade avançada, com limitações que comprometem sua locomoção, fez questão de participar, demonstrando lucidez ao proferir palavras de incentivo ao casal. Também concelebrou Frei Fracineto Pereira. Sempre discreto e afável, o religioso é conhecido do casal desde o tempo em que era seminarista. Por vezes, em ambiente público, quando o casal é alegre e respeitosamente questionado sobre o segredo de como manter o matrimônio por tantos anos, geralmente é a esposa que

responde, exaltando o amor como inspiração. Evidente que a resposta contém uma amplitude genérica. No entanto, o Bispo de Roma é preciso: “ “A aliança de amor entre o homem e a mulher para toda a vida não se improvisa, não se faz de um dia para o outro, não existe o ‘matrimônio express’: é preciso trabalhar, caminhar. A aliança aprende-se e aperfeiçoase. É uma aliança artesanal. Fazer de duas vidas uma só vida é também um milagre da liberdade e do coração, confiado à fé. ”(Papa Francisco). Já no ocaso de nossas vidas, agradecemos a Deus por tudo de bom que recebemos e vivemos, como também pelos desafios enfrentados.

N

o Evangelho da Missa deste último domingo do mês de Junho, em que a liturgia católica homenageia os grandes apóstolos São Pedro e São Paulo, São Mateus relata a pergunta feita por Jesus, em reunião com os apóstolos e discípulos. “E vós quem dizeis que eu sou”, ao que Pedro, representando os presentes, respondeu: “Tu és o Cristo Filho de Deus vivo” (Mt.16, 15). Ninguém conseguiria sintetizar tantas coisas em tão pequena frase. Reconheceu que Jesus é o Filho de Deus Pai. É o Messias que por amor nos resgatou no sacrifício da Cruz e instituiu sua única Igreja.

Cabe a cada um de nós batizados responder também à importante pergunta. Não apenas com palavras, é indispensável que seja com a nossa forma de viver. Com as nossas atitudes. Vamos ser fieis ao Evangelho, ou nos deixaremos levar pelas vãs filosofias que os adeptos do demônio espalham nas suas festas e nas chamadas redes sociais? Que espécie de sociedade estão propagando, esquecendo-se de que estamos nesta vida de passagem para a vida eterna? O Evangelho é bem claro: Escolheremos o lado dos anjos ou vamos para a esquerda de satanás? A escolha será

nossa. Lá não teremos advogados para impetrarem recursos. A Lei de Deus é imutável. Só não acredita quem não quer. O espaço para pedir perdão é aqui. E os recursos serão as nossas livres atitudes. O nosso amor a Deus e ao próximo. Não existe outro caminho. A oração e a adoração a Deus, aliados ao amor ao próximo, são as nossas verdadeiras armas. Esta é a nossa fé. Aproveitemos a oportunidade e peçamos a São Pedro e São Paulo, que souberam implantar a nossa Igreja, que inspirem sempre o nosso Papa, os Bispos e o Clero, e todo o povo de Deus, a escolherem o melhor caminho.

Nova IGREJA nas ilhas de Belém A Arquidiocese de Belém, por intermédio da Pastoral das Ilhas, abençoou e inaugurou domingo, 23 de junho, a nova Igreja da Comunidade São João Batista, na ilha do Maracujazinho, na área do Baixo Acará. A

comunidade prestigiou o momento, que ocorreu durante a Missa presidida por Dom Irineu Roman, um do bispos auxiliares de Belém e referencial da Pastoral. A igrejinha foi construída em tempo recorde,

Fundado em 5 de julho de 1913 FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita

ARQUIDIOCESE DE BELÉM-PARÁ

PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

dois meses, cercada pela diversidade e abundância da natureza exuberante, notadamente de árvores frutíferas da Amazônia. A Pastoral das Ilhas atende atualmente comunidades em 34 ilhas e em seu trabalho de

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior DIRETOR ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marcos Aurélio de Oliveira DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves da Silva DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Kleber Costa Vieira

evangelização, o cuidado com a Casa Comum tem foco prioritário. A Igreja de Belém evangeliza nas ilhas com auxílio de irmãs religiosas, sacerdotes, diáconos permanentes, seminaristas, leigos e leigas.

COORDENAÇÃO Bernadete Costa (DRT 1326) CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Alan Monteiro da Silva EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Sérgio Santos (DRT/PA 579) Assinaturas, distribuição, administração e redação Av. Gov. José Malcher, Ed. Paulo VI, 915 CEP: 66055-260

DIVULGAÇÃO

n MISSA na ilha, presidida por Dom Irineu

inaugurou a igreja São João Batista

- Nazaré, Belém - PA Tel.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


ARCEBISPO

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

3

Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

“C

risto, ao instituir os Doze, deulhes a forma dum corpo colegial, quer dizer, dum grupo estável, e colocou à sua frente Pedro. Assim como, por instituição do Senhor, Pedro e os outros apóstolos formam um só colégio apostólico, assim de igual modo o pontífice romano, sucessor de Pedro, e os bispos, sucessores dos Apóstolos, estão unidos entre si. Foi só de Simão, a quem deu o nome de Pedro, que o Senhor fez a pedra da sua Igreja. Confiou-lhe as chaves desta e instituiu-o pastor de todo o rebanho. Mas o múnus de ligar e desligar, que foi dado a Pedro, também foi dado, sem dúvida alguma, ao colégio dos Apóstolos unidos ao seu chefe. Este múnus pastoral de Pedro e dos outros apóstolos pertence aos fundamentos da Igreja e é continuado pelos bispos sob o primado do Papa. O Papa, bispo de Roma e sucessor de São Pedro, é princípio

Deus tinha guardado “na manga” o nome do novo Papa. Realizava-se mais uma vez o milagre perpétuo e visível, e fundamento da unidade que liga, entre si, tanto os bispos como a multidão dos fiéis. Com efeito, em virtude do seu cargo de vigário de Cristo e pastor de toda a Igreja, o pontífice romano tem sobre a mesma Igreja um poder pleno, supremo e universal, que pode sempre livremente exercer” (Catecismo da Igreja Católica 880-882). Neste final de semana, vem à luz o ministério do sucessor de Pedro, ao comemorarmos São Pedro e o Dia do Papa. No dia treze de março de 2013, dias depois do susto causado pela renúncia ao sólio pontifício do Papa Bento XVI, quando o Cardeal

CONVERSA COM MEU POVO

Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a MINHA IGREJA Jorge Mario Bergoglio apareceu diante da multidão reunida na Praça de São Pedro, manifestou-se então uma das maiores surpresas de nosso tempo. Um Papa Latinoamericano, argentino, jesuíta, que escolhe o nome de Francisco! Realizava-se mais uma vez o milagre: Deus tinha guardado “na manga” o nome do novo Papa, resposta providencial para as atuais necessidades da Igreja. “Jesus declarou: ‘Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne e sangue quem te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso, eu te digo: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as forças do Inferno não poderão vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus’” (Mt 16,17-19). De lá para cá, o mesmo carisma e a solidez de Pedro continuam na Igreja, na sucessão ininterrupta daqueles que, à frente da Igreja de Roma, que preside a caridade, no dizer de Santo Inácio de Antioquia, detêm o primado, garantia da unidade de toda a Igreja. O Cardeal Bergoglio aceitou sua eleição como sucessor de Pedro, Bispo de Roma. Ao seu lado, um brasileiro, Cardeal Cláudio Hummes, Presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia, confidenciou-lhe um pedido: “Não se esqueça dos pobres”. Ressoava no Conclave uma recomendação recebida por São Paulo, quando os outros Apóstolos o liberaram para a missão, junto com Barnabé: “O que nos recomendaram foi somente que nos

DIVULGAÇÃO

ao diálogo, com um leque cada vez mais aberto. Um pontificado para o nosso tempo, olhando para a frente e para o alto. Uma das marcas do pontificado do Papa Francisco são as Jornadas da Juventude. L ogo no início de seu ministério petrino, coube ao Brasil recebê-lo na Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro. Depois foi Cracóvia e no início de 2019 o Panamá. A próxima Jornada será em Lisboa, em 2022, onde, mais uma vez, a jovem Virgem Maria acompanhará os jovens do mundo inteiro com o tema escolhido pelo Papa: “Maria levantou-se e partiu apressadamente” (Lc 1,39). E imn EU TE DAREI AS CHAVES do Reino dos Céus pressiona fortemente a marca mariana das lembrássemos dos po- mais urgentes! Um Papa ações e palavras do Papa bres. E isso procurei fa- devoto, que ensina pela Francisco. zer sempre, com toda a devoção! Ainda mais, o olhar do solicitude” (Gl 2,10). Suas escolhas de ges- Papa para a Amazônia. “Rezem por mim”! tos e viagens mostram Em 2013, no encontro Em sua primeira apari- o Papa com olhos e bra- com os Bispos brasileiros, ção diante da Igreja e do ços abertos aos mais no Rio de Janeiro, assim Mundo, o Papa pediu a pobres e sofridos da ter- se expressou o Papa:“A oração do povo. O Papa, ra e a insistência para como não podia deixar que a Igreja se dirija às de ser, acredita na ora- periferias geográficas e ção! E continuamente existenciais. Trata-se do pede que as pessoas e amor de caridade, posto De lá para cá, as nações não se esque- como prioridade. E sua o mesmo carisma çam de rezar por ele. Sa- luta contra a corrupção e a solidez bemos o quanto se reza que espalha pelo mundo de Pedro pelo Papa em todas as é sinal do bem que quer partes do mundo. Ele é justamente aos pobres, os sustentado pela oração que mais sofrem com esfervorosa de todos nós. ta chaga de nosso tempo. E escolhido como suces- A“Igreja em saída” é a prosor de Pedro, logo mani- posta do Papa, para não festou-se notavelmente aguardar que os outros se devoto. Logo visitou a acheguem a nós. Nossa Basílica de Santa Maria missão é ir ao encontro Maior, o que faz todas as de todos! E praticamente vezes que sai em viagem. o mundo inteiro já foi visiNão são raras as imagens tado pelo Papa! dos Meios de ComunicaEncíclicas, Exortação com o Rosário nas ções Apostólicas, Cartas, mãos do Papa. Acres- Documentos oficiais ascenta-se a devoção a São sinados ao lado de autoJosé, inclusive com uma ridades religiosas e civis imagem de São José do mundo inteiro trazem Adormecido, sob a qual a marca da coragem e deposita as intenções da ousadia e a abertura

Uma das surpresas de nosso tempo. Um Papa Latino-americano, argentino, jesuíta, que escolhe o nome de Francisco

Igreja está na Amazônia, não como aqueles que têm as malas na mão para partir depois de terem explorado tudo o que puderam. Desde o início que a Igreja está presente na Amazônia, e lá continua presente e determinante no futuro daquela área.Queria convidar todos a refletirem sobre o que Aparecida disse a propósito da Amazônia,incluindo o forte apelo ao respeito e à salvaguarda de toda a criação que Deus confiou ao homem, não para que a explorasse rudemente, mas para que a tornasse um jardim...Deveria ser mais incentivada e relançada a obra da Igreja. Fazem falta formadores qualificados, especialmente formadores e professores de teologia, para consolidar os resultados alcançados no campo da formação de um clero autóctone, inclusive para se ter sacerdotes adaptados às condições locais e consolidar por assim dizer o ‘rosto amazônico’ da Igreja. Nisto lhes peço, por favor, para serem corajosos, para terem parresia! No modo ‘portenho’, de Buenos Aires, de falar, lhes diria para serem destemidos”. E justamente em Belém do Pará, num encontro dos Bispos da Amazônia Legal, surgiu um apelo à realização de um Sínodo sobre a Amazônia. E em Belém, ainda antes do Sínodo, no mês de agosto, os Bispos da Amazônia brasileira terão uma reunião preparatória ao Sínodo, para estudar o Instrumento de trabalho apenas recebido de Roma. Esta é a hora de Deus para nós! Este é o pontificado romano que se volta especialmente para nós. Se todos os anos celebramos o Dia do Papa, mais ainda neste ano! Viva o Papa! Vida longa e todas as forças e graças necessárias ao Papa Francisco!


4

IGREJA

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

CÔN. CLÁUDIO BARRADAS (claudiobarradaspe@gmail.com)

MISCELÂNEA

Ainda os carmelitas em Belém do PARÁ

N

esta edição de miscelânea continuo a passar aos meus possíveis leitores o que sei, infelizmente muito pouco, a respeito de Santa Teresa d’Ávila, sobre quem comecei a falar na edição da semana passada. Foi em 1560, se não me falha a memória, que ela fez o voto de seguir sempre o caminho da perfeição e, decidida a mantê-lo o mais próximo possível do requerido pela Regra da Ordem, numa noite de setembro desse ano reuniu em sua cela (nos conventos, o aposento de reduzidas dimensões, ocupado por cada um dos componentes da comunidade) um grupo de religiosas e, tomando a inspiração primitiva da Ordem e a reforma de São Pedro de Alcântara, sobre quem falarei jájá, propôs-lhes a fundação de um mos-

teiro do tipo eremítico, isto é, isolado. Pedro de Alcântara (1499-1562) era um frade franciscano, notável por sua austeridade, seu espírito de oração e sua elevada mística, fundador de um ramo reformado observante dos Franciscanos, os Franciscanos Descalços, um dos três que se consideram seguidores diretos de São Francisco de Assis. Os outros dois: os Capuchinhos e os Conventuais. Santo Antônio de Pádua, ou de Lisboa, era conventual. Teresa, a quem Pedro muito influenciou durante a reforma carmelita, chegando a ser seu confessor, encontrou-se com ela pela primeira vez em 1558. O convento proposto, como vimos acima, em 1560, a suas co-irmãs, foi fundado por ela em Ávila em 1562, com o

DIVULGAÇÃO

n MULHER FORTE, PERSISTENTE, JAMAIS se deixou abater, tudo suportando com invencível coragem

nome de Convento de São José. Uma vez nele instalada, com a finalidade, como aqui já se disse, de levar uma vida conventual fiel à Regra Primitiva, iniciou seu dilatado e, segundo alguns historiadores, consideravelmente controvertido, trabalho como fundadora, com a ajuda de São João da Cruz. Abriu, dizem, uma quinzena de mosteiros reformados. A reforma que empreendeu em sua Ordem trouxe-lhe inúmeros sofrimentos e tribulações, mas, mu-

lher forte, persistente, jamais se deixou abater, tudo suportando com invencível coragem. Apesar das atividades que tinha de desenvolver na ereção de novos conventos e não obstante as inúmeras e imensas dificuldades que, por força, enfrentou, Teresa atingiu o ápice da vida mística. Provam-no seus muitos escritos, que constam entre as obras primas da língua castelhana e do misticismo cristão. Algumas delas, as de que me lembro: “O Caminho da Perfeição”, “As

PADRE ROMEU FERREIRA

Fundações”, “O Castelo interior”, no qual está sintetizada sua doutrina sobre a oração, a seu ver meio privilegiado para encontrar Cristo, e, ah, suas “Cartas”, verdadeiras preciosidades. Figura intensamente humana, mulher de profundo bom senso, de caráter simpático, jovial, alegre, hábil, de grande talento organizativo, dotada, como escritora, de um estilo natural e claro, teve, no seu tempo, uma importância considerável e continua a tê-la até os dias de hoje. Em 1582, depois de terminar, em Burgos, nova fundação, adoeceu gravemente, vindo a falecer, aos 67 anos, em Alba de Tormes, província de Leão, na noite de 4 de outubro de 1582, e foi sepultada no dia seguinte. Por coincidir com a data assinalada pelo Papa Gregório XIII (15721585) para correção do atraso de dez dias que tinha o calendário, o dia de seu sepultamento, em vez de 5, passou a ser 15, data em que a Liturgia Católica celebra-lhe a memória anualmente, a partir de sua canonização. Quem a canonizou, isto é, declarou-a santa, publica e solenemente, e, como tal, merecedora de nossa veneração, foi o

Papa Gregório XV (16211623), que também canonizou três outros grandes santos: Santo Inácio de Loyola, fundador dos Jesuítas, São Filipe Néri e São Francisco Xavier, um dos primeiros companheiros de Inácio. Devido à sua profunda doutrina espiritual, que tem muito do Bispo Santo Agostinho e do Papa São Gregório I, mais conhecido como Gregório Magno, foi declarada doutora da Igreja por Paulo VI, em 1970. Ela e Santa Catarina de Sena, já o vimos aqui, foram as duas primeiras mulheres a receberem esse título. A mais recente, salvo engano, foi Santa Teresinha do Menino Jesus. Doutor (a) da Igreja, já o sabemos porque já dito aqui, é o título concedido pelo Papa a Santos Escritores, cujos escritos se destacaram pela sabedoria e pela ortodoxia, ou seja, pela reta doutrina. Para terminar, duas informações da maior importância sobre São Gregório Magno: reformou a Liturgia e empreendeu a evangelização da Inglaterra. Seus comentários ao livro de Jó foram um dos alicerces da moral e da cultura cristão da Idade Média. Por hoje, nada mais. Shalom!

LITURGIA

Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (romeufsilva@gmail.comg)

HOMILIA DOMINICAL A) Texto: Mt 16,13-19 13Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do homem?” 14 Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros, ainda, que é Elias; outros, ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. 15Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” 16 Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. 17Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18Por isso eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19Eu te darei as chaves do reino dos céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que

tu desligares na terra será desligado nos céus”. B) COMENTÁRIO

Quem é Jesus? Todos querem saber. Ele pergunta e espera a resposta dos que estão consigo. Ele indaga seus discípulos: de um lado capta informações do grupo sobre o que “dizem por ai” referente à sua pessoa; e logo procura saber o que o próprio grupo diz. Então um deles, Pedro, responde por todos: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo” (v 16). Mas afinal, o que Jesus quer mesmo é saber a resposta pessoal: a minha, a sua, e a de cada um, em relação a ele. À primeira abordagem respondem que Jesus é um dos principais personagens bíblicos. Mas o espelho ainda não é fidedigno de seu rosto, e a segunda se faz necessária, para a felicidade advinda na revelação do Pai: “Feliz és tu, Simão,

filho de Jonas”! Na leitura há três pontos: 1º: “Jesus/Messias”. O primeiro interesse do texto é a proclamação da messianidade de Jesus: ele é o Messias prometido, esperado, o Cristo. E o conhecimento da pessoa de Jesus é graça, é dom de Deus e não obra humana (v 17). 2º: “A Igreja”. Ela pertence a Cristo: “Por isso eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra construirei a minha Igreja” (v.18). O fundamento sobre o qual se ergue o edifício da salvação é sólido. Ela é uma casa construída sobre a rocha, ainda que apoiada na “fragilidade” dos humanos. Mesmo assim, as forças do mal jamais prevalecerão contra ela, nos assevera o Mestre. 3º: “Pedro”. A figura do apóstolo é definida aqui em três metáforas: a) pedra (v 18); b) chaves, e c) poder de ligar e desligar (v 19). Todas

estas metáforas têm suas raízes imergidas nos textos messiânicos do Antigo Testamento e apontam Pedro como “ponto de convergência” do Novo Povo de Deus. Compreende-se, portanto, que a Igreja é fundada sobre a rocha, e esta rocha é a fé de Pedro. O poder que Jesus confere ao apóstolo é magnânimo: ligar e desligar na terra o que Deus ligará e desligará no céu. “Céu e terra” são dois polos unidos na criação e não poderiam ser díspares na salvação. Pedro é “rocha” pela graça que lhe foi concedida e não por mérito. O Pedro que agora crê, depois o negará três vezes. Mas logo o Mestre lhe dá a oportunidade; ele aproveita e recupera totalmente em palavras, pela quantidade e qualidade do amor convicto e expresso em modo tríplice no “diálogo do amor” (Jo 21,15-19), referente a todos nós.

n 28/06, SEXTA-FEIRA Cor (branco) Primeira Leitura (Ez 34,11-16) Responsório (Sl 22) Segunda Leitura (Rm 5,5b-11) Evangelho (Lc 15,3-7) n 29/06, SÁBADO Cor (branco) Primeira Leitura (Is 61,9-11) Responsório (1Sm 2,1.4-8) Evangelho (Lc 2,41-51) n 30/06, DOMINGO Cor (vermelho) Primeira Leitura (At 12,1-11) Responsório (Sl 33) Segunda Leitura (2Tm 4,6-8.17-18) Evangelho (Mt 16,13-19) n 01/07, SEGUNDA Cor (verde) Primeira Leitura (Gn 18, 16-33)

Responsório (Sl 102) Evangelho (Mt 8,18-22) n 02/07, TERÇA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Gn 19,15-29) Responsório (Sl 25) Evangelho (Mt 8,23-27) n 03/07, QUARTA-FEIRA Cor (vermelho) Primeira Leitura (Ef 2, 19-22) Responsório (Sl 116) Evangelho (Jo 20, 24-29) n 30/05, QUINTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Gn 22, 1-19) Responsório (Sl 114) Evangelho (Mt 9,1-8)


5 SETORJUVENTUDE

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

MUNDO JUVENIL E A FÉ CRISTÃ

SÃO JOÃO Batista: um jovem fascinante INTRODUÇÃO

N

o mês de junho, por causa das festas folclóricas, muito se fala de São João. No dia 24 deste mês a Igreja celebra a festa litúrgica do seu nascimento. A passagem da memória litúrgica de um santo é sempre uma oportunidade especial que nos é oferecida para a nossa reflexão sobre o sentido da vida, a beleza da fé e a importância da santidade. A grandeza moral e espiritual do profeta e santo João Batista, evidenciada por suas virtudes e atitudes, nos convida a reapresentá-lo aos jovens e, em geral, aos homens do nosso tempo, pois ele foi um homem admirável!

1

Sua família João Batista era filho do sacerdote Zacarias e Isabel que era prima de Maria, a mãe de Jesus; era um casal de profunda fé. Seus pais eram idosos e, além disso, Isabel sua mãe, era estéril (cf. Lc 1,4-7). O nome João foi dado pelo anjo Gabriel que apareceu a seu pai, o sacerdote Zacarias, enquanto servia no templo, quando teve a visão reveladora da promessa que teria um filho (cf. Lc 1,13). Zacarias desconfiou da promessa questionando o anjo Gabriel, apelando para a sua velhice e a esterilidade de sua esposa (cf. Lc 1,18). Quando temos pouca fé, tudo aquilo que é extraordinário, fora dos nossos padrões, nos assusta

e desconfiamos! Para os recursos humanos disponíveis era impossível mesmo! Então, como sinal da seriedade da promessa vinda de Deus, duvidada por Zacarias, ele ficou mudo (cf. Lc 1,20) e Isabel ficou grávida (cf. Lc 1,24). Para Deus nada é impossível! Essa atitude nos convida sempre a calar diante do mistério.

2

Identidade e missão do menino Após seu nascimento, no oitavo dia, conforme a tradição judaica, o menino foi circuncidado (cf.

O processo de preparação para a missão que Deus nos confia começa desde cedo Lc 1,59); queriam lhe dar o nome de Zacarias. Mas seu pai, recordando a visão que tivera no templo, não podendo falar, escreveu numa tabuinha: “João é o seu nome”! (Lc 1,60). João significa “agraciado por Deus”. Daquele momento em diante, Zacarias voltou a falar (cf. Lc 1,64). Nessa ocasião, seu pai Zacarias, com postura sacerdotal e cheio do Espírito Santo, profetizou dizendo que Deus tinha feito aparecer o seu servo como força salvadora

no meio do seu povo (cf. Lc 1,69). Desde o ventre de sua mãe e ainda bebê, sua missão foi reconhecida, e depois de jovem assumida com entusiasmo! Ainda estando no útero de sua mãe, ele teve um encontro com Jesus que muito o comoveu (cf. Lc 1,44). Sua missão era anunciálo presente no mundo! Recordemos o que disse o anjo ao seu pai Zacarias: “Ele reconduzirá muitos do povo de Israel ao Senhor seu Deus. Caminhará à frente deles a fim de converter os corações dos pais aos filhos e aos rebeldes à sabedoria dos justos preparando para o Senhor um povo bem disposto» (Lc 1,1517; Mt 11,10). Seu pai profetizou no templo, no dia da sua circuncisão: “Tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, pois irás à frente do Senhor, para lhe preparar o caminho. Para proclamar ao seu povo o conhecimento da salvação, mediante o perdão dos seus pecados” (Lc 1,76-77). João foi um jovem missionário que assumiu a vocação de ser testemunha da Luz (cf. Jo 1,6-8), para iluminar aqueles que estavam vivendo em meio às trevas, na sombra da morte e orientá-los para viver em paz (cf. Lc 1,78).

3

A necessidade do desenvolvimento integral A grandiosa missão de João não lhe permitiria ser nanico: pequeno de

Eletro CRISTO será sábado, dia 29 A juventude, em primeiro lugar, é a convidada especial do Eletro Cristo neste sábado, 29 de junho. A micareta católica anima os jovens este ano com o tema “Vem, Espírito Santo!". Promoção das paróquias da Região São Vicente de Paulo, a espiritualidade tem congregado pelo louvor, oração e Adoração ao Santíssimo

Sacramento, não apenas os jovens, mas suas famílias. Todos os fiéis da Arquidiocese de Belém são convocados a prestigiar o evento em Ananindeua. A festa será concentrada na avenida Dom Vicente Zico (Arterial 18) a partir das 16h, para louvar a Deus com a banda "Filhos do Rei", Seráfico e "Virtude Capital".

Desde 2014 o Eletro Cristo é organizado pelas paróquias São Lucas Evangelista, Nossa Senhora Auxiliadora, São José de Anchieta e pelos Padres Providentinos da Arquidiocese de Belém, com a participação de todas as paróquias arquidiocesanas. Mais informações no site oficial: www.eletrocristo.com.br

mente, entanguido de coração, baixo de estatura moral, fraco espiritualmente! Deus Pai que o chamou para a fascinante missão também o capacitou para isso. É preciso não ter medo, pois Deus sabe o que pede de cada um. A vocação é dom e missão em vista da realização da pessoa e nunca a fim de massacrá-la. Mas tudo acontece aos poucos. São Lucas afirma que João, quando “menino, crescia e se robustecia em espírito; e viveu no deserto até o dia em que havia de revelar-se publicamente a Israel” (Lc 1,80). O processo de preparação para a missão que Deus nos confia começa desde cedo, mesmo que ainda não tenhamos consciência daquilo que seremos. Mas Deus tudo sabe! De nossa parte é preciso querer viver, ter paixão pela vida, aproveitar das boas oportunidades para crescer, ser generoso, servir com alegria! No caso de João Batista sua formação foi integral, ou seja, desenvolveu-se plenamente. Quando a formação é integral crescemos e amadurecemos em todas as dimensões. Caso contrário, nos tornamos desequilibrados. O texto bíblico acentua, sobretudo, a dimensão moral e espiritual. Sem fé e na escassez de virtudes morais, tudo desmorona em nossa vida! Por isso, João assumiu sua missão com muito zelo, firmeza e senso de humildade, adotando um estilo de vida simples e sóbrio (cf. Mt 3,4).

4

As lições da história de João Batista - Deus tem um projeto de vida para cada

um de nós e conta conosco para a melhoria do mundo; a seu tempo tudo fica claro, mas é preciso disponibilidade e não ter medo; - João Batista nos ensina a cultivar uma forte paixão pela pregação da Palavra de Deus; sua pregação soava forte causando grande impacto na consciência dos seus ouvintes; - João nos estimula a cultivar o otimismo em nossa missão (cf. Mt 3,3); ele trabalhou no deserto, em ambientes áridos, com muita indiferença e violência, mas não se deixou desanimar; muito pelo contrário, colheu muitos frutos da sua difícil missão (cf. Lc 3,1-14); - João para nós é exemplo de tenacidade, de firmeza, de coragem, ousadia; grande foi seu caráter, seus ideais, sua humildade, sua paixão, seu espírito de sacrifício; - O jovem profeta João Batista nos ensina a manter a calma, a integridade

É preciso não ter medo

Deus tem um projeto de vida para cada um de nós e conta conosco para a melhoria do mundo; a seu tempo tudo fica claro

e a coerência ética diante dos inimigos, mesmo que isso nos custe a vida (cf. Mt 14,4-5).

5

Cultivar uma personalidade robusta Na era da “crise da razão” e do império das paixões desordenadas que estão levando jovens e adultos à idolatria (das coisas e dos prazeres), o jovem João Batista nos aponta para a necessidade de um sério investimento moral e espiritual na promoção de personalidades robustas. Ao sonhar a sua missão e vocação aos nove anos de idade, São João Bosco recebeu uma ordem de uma majestosa Senhora dizendo-lhe: “torna-te humilde, forte e robusto; a seu tempo tudo compreenderás!”. Humildade, fortaleza moral e robustez espiritual foram as virtudes mestras de João Batista. São bem-vindas para todos nós! Tais virtudes nos livram da mediocridade, nos fortalecem no enfrentamento das dificuldades da vida e nos mantêm capazes de conservar a nossa integridade diante das dificuldades e sofrimentos. São João Batista é modelo para os jovens de hoje; que ele interceda por todos nós, sobretudo por aqueles que padecem por causa das fragilidades, dos vícios e do vazio existencial! REFLEXÃO: O que mais você admira na personalidade de São João Batista? Como se manifestam atualmente os “desertos humanos”? Em que se manifesta a robustez da personalidade de João Batista?

1 2 3

DIVULGAÇÃO

n A MICARETA católica anima os jovens este ano com o tema “Vem, Espírito Santo!”


6

OPINIÃO

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

MARIA ELISA BESSA DE CASTRO Graduado (Bacharel e Licenciado) e Especialista em Filosofia pela UFPA e Especialista em Teologia pelo CESUPA.

EVANGELIZAÇÃO NO TERCEIRO MILÊNIO

Molduras MÍSTICAS

M

anhã de 20 de junho de 2019... Após o Santo Sacrifício da Missa em honra do Corpus Christi, na bela Catedral de Belém, o povo saiu em procissão, em contrita e piedosa adoração pública ao VERDADEIRO CORPO NASCIDO DA VIRGEM MARIA. Do carro, que servia de Trono ao Corpo de Cristo, exalava um odor sagrado, inebriando aquela manhã ensolarada... O céu azul, em contraste com a luz do sol, emoldurava as flores amarelas e brancas que ornavam a nobreza do Trono. Seriosamente paramentado, com honrada postura, Dom Alberto tinha o olhar fixo no Rei dos Reis. Nem piscava, tampouco desviava o olhar para quem quer que fosse. Passando pela Igreja de Santo Alexandre, a moldura tornou-se emblemática... no primeiro plano, o Arcebispo de Belém no presente ano de 2019; acima, o histórico tem-

plo cuja sagração deu-se 1719; e, ao centro, a Hóstia Santa, que une o arco temporal dos 300 anos

da Igreja de Belém. Quão bonita e significativa moldura mística formava-se ante meus olhos...

n JESUS EUCARÍSTICO conduzido por Dom Alberto nos 300 anos da Diocese de Belém

Caminhei rente ao carro, o que me permitiu perceber o amor do povo que vinha no en-

torno...algumas senhorinhas do Apostolado da Oração e das Filhas de Maria, jovens, crianças

com seus pais, guardas e acólitos da Catedral... todos caminhavam em estado de adoração e profundo respeito a Jesus Eucarístico. Quão bela moldura também aqui eu vislumbrava. Notei um Sacerdote que caminhava à frente do carro. Parecia um Soldado de Cristo. Ele caminhava no ritmo suave da procissão. Mas, a cada três ou quatro passos dados, voltava-se ao Seu Senhor e O adorava com o olhar carregado de ternura. Por vezes, caminhava de costas...E, assim, cadenciadamente, seguiu o Padre, entre pequenos passos e paradas, procissão e adoração. Passando a metade da rua XV de Novembro, quando já se avistava o Santuário de Nossa Senhora das Mercês, a procissão parou. E eis que aquele humilde Sacerdote não se conteve e dobrou os joelhos ali mesmo, no asfalto... Permaneceu ele ajoelhado pelo tempo que durou a parada da procissão, aproximadamente 10 minutos. O olhar era de verdadeiro amor e profunda adoração ao Seu Senhor...

FOTOS: DIVULGAÇÃO

n PE. JOÃO PAULO de joelhos - um humilde sacerdote adorando o seu Senhor

Formava-se outra moldura mística ante meus olhos... Em primeiro plano o Arcebispo com seu olhar de infinito e sua alma elevada às alturas, como se ali não estivesse. No plano seguinte, estava o Sacerdote ajoelhado no asfalto, com o olhar voltado ao Santíssimo, em contrita adora-

ção...Ao centro, brilhava o Sol da Justiça que uniu a ambos no seu Corpo Místico, a Igreja. Uma alegria santa tomou conta do meu coraçãozinho. Grata ao Salvador por aquela feliz e abençoada manhã, ornada de santidade, em que contemplei a cena em oração silenciosa.

do individualismo e dá espaço à partilha, à socialidade, à fraternidade, à nova cultura do dar. A experiência confirma que o amor desinteressado é uma verdadeira provocação, com conseqüências positivas, inesperadas, que vai se alastrando irresistivelmente também na sociedade. Foi o que aconteceu nas Filipinas, com uma iniciativa que começou em 1983. Naquele momento, a situação política e social do País era bastante difícil e muitas pessoas se engajavam para encontrar uma solução positiva. Também um grupo de jovens decidiu dar a própria contribuição de modo original: abriram os próprios armários e separaram as coisas de que não precisavam mais. Venderam tudo no brechó, juntando, assim, um pequeno capital, e criaram a partir do zero um Centro social, chamado Bukas Palad, que na língua local significa: “de mãos abertas”. A frase do Evangelho que os tinha inspirado dizia: “De graça recebestes, de graça deveis dar! (Mt 10,8)”. Este se tornou, a partir de então, o lema da iniciativa. A essa atividade se associaram alguns médicos, com a própria

contribuição profissional oferecida gratuitamente, e muitos outros que abriram o coração, os braços, as portas de casa. Assim nasceu e se desenvolveu uma ampla ação social em favor dos mais pobres, que ainda hoje oferece seus préstimos em várias cidades das Filipinas. Mas o objetivo mais importante, atingido e consolidado nesses anos, foi o fato de fazer com que os beneficiados pelo projeto se tornassem protagonistas de seu próprio resgate social. De fato, eles reencontram a sua dignidade como pessoas e constroem relações de valorização mútua e de solidariedade. Com o próprio exemplo e dedicação ajudam muitos outros a sair da pobreza e a assumir a responsabilidade de uma nova convivência para si mesmos e suas famílias, para seus bairros e suas comunidades, enfim, para o mundo.3

CHIARA LUBICH PALAVRA DE VIDA “De graça recebestes, de graça deveis dar!” (Mt 10,8)

Esse é um convite forte que Jesus dirige aos seus, àqueles que ele “enviou”, como diz o Evangelho de Mateus. Jesus teve um contato pessoal com uma humanidade desnorteada e sofredora, e teve compaixão dela. Por isso quis ampliar a sua obra de salvação, de cura, de libertação, por meio dos apóstolos. Eles se reuniram ao redor de Jesus, ouviram suas palavras e receberam uma missão, um objetivo para suas próprias vidas; foi para isso que se colocaram a caminho: a fim de testemunhar o amor de Deus por todas as pessoas. “De graça recebestes, de graça deveis dar!”

Mas o que foi que eles receberam “de graça”, a ser dado “de graça” a todos? Por meio das palavras, dos gestos, das escolhas de Jesus e de toda a Sua vida, os apóstolos fizeram a experiência da misericórdia de Deus. Apesar de suas fraquezas e de suas limitações, eles receberam a nova Lei do amor, da aceitação recíproca.

Receberam, sobretudo, o dom que Deus quer fazer a todos os homens: seu próprio ser, sua companhia pelas estradas da vida, sua luz para iluminar as escolhas deles. São dons sem preço, que superam toda a nossa capacidade de retribuição: são, justamente, “gratuitos”. Fo r a m d a d o s a o s apóstolos e a todos os cristãos, para que eles, por sua vez, se tornassem canais desses bens para todos aqueles que haveriam de encontrar, dia após dia. “De graça recebestes, de graça deveis dar!”

Em outubro de 2006 Chiara Lubich escrevia:

Percorrendo o Evangelho, vemos que Jesus sempre convida a dar: dar aos pobres, a quem pede, a quem deseja um empréstimo. Dar de comer a quem tem fome, dar o manto a quem pede a túnica. Dar gratuitamente...Ele mesmo foi o primeiro que agiu assim: deu a saúde aos doentes, o perdão aos pecadores, a vida a todos nós. Ao instinto egoísta de acumular, Ele opõe a generosidade; ao invés da preocupação com as próprias necessidades,

propõe a atenção ao outro; em lugar da cultura do ter, a cultura do dar [...]. A Palavra de Vida deste mês poderá ajudar-nos a redescobrir o valor de cada ação nossa: desde as tarefas de casa, da roça, da oficina, até à execução das atividades burocráticas, das tarefas escolares, bem como as responsabilidades no campo civil, político e religioso. Tudo pode transformar-se em serviço atento e solícito. O amor nos dará uma visão nova das coisas, capaz de intuir aquilo de que os outros precisam, para ajudá-los com criatividade e generosidade. O resultado disso? Os bens circularão, porque amor chama amor. A alegria se multiplicará, pois “há mais felicidade em dar do que em receber” (At20,35).1 Exatamente como nos conta Vergence, uma garota do Congo:

Estava indo para a escola e sentia muita fome. Pelo caminho encontrei meu tio, que me deu dinheiro para comprar um sanduíche. Mas um pouco mais adiante vi um homem muito pobre. Pensei logo em dar a ele esse dinheiro. Minha amiga, que estava comigo, disse que eu não de-

via fazer isso, que devia cuidar de mim primeiro. Mas eu disse comigo mesma: amanhã eu vou encontrar algo para comer; mas ele, será que encontra?Então dei a ele o dinheiro do meu sanduíche e senti uma grande alegria no coração. “De graça recebestes, de graça deveis dar!”

A lógica de Jesus e do Evangelho é sempre essa: receber para compartilhar, nunca acumular para si mesmo. É um convite também para todos nós: reconhecermos aquilo que recebemos energias, talentos, capacidades, bens materiais – e colocá-los a serviço dos outros. De acordo com o economista Luigino Bruni, a

gratuidade é [...] uma dimensão que pode acompanhar qualquer ação. Por isso ela não corresponde ao “grátis”; pelo contrário, é o seu oposto, uma vez que a gratuidade não é um preço equivalente a zero, mas um preço infinito, ao qual se pode responder somente com um outro ato de gratuidade.2

Portanto, a gratuidade supera as lógicas do mercado, do consumismo e

LETIZIA MAGRI Chiara Lubich,Uma cultura nova, revista Cidade Nova, outubro de 2006. Cf.http://www.edc-online.org/it/pubblicazioni/ articoli-di/luigino-bruni . http://bukaspaladfoundation.org/.

1 2 3


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

Dedicação da Paróquia Sagrado CORAÇÃO de Jesus

7

LUIZ ESTUMANO

SOLENIDADE reuniu a comunidade no conjunto Julia Seffer

D

omingo, 23 de junho, foi uma dia solene para a comunidade que participou d a Dedicação da igreja e do altar da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, no conjunto Júlia Seffer, durante a Missa presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa. O altar recebeu as relíquias de primeiro grau (pedaços dos ossos) de São Luis Martin e Santa Zélia Guérín, pais de Santa Teresinha. Primeira paróquia da Arquidiocese de Be-

lém dedicada ao Sagrado Coração de Jesus, a Dedicação representa crescimento pastoral na opinião do Arcebispo Dom Alberto: “Dedicar essa igreja e colocar no altar as relíquias dos pais de Santa Teresinha tudo isso significa muito para nós. Significa um crescimento para o povo de Deus nessa comunidade paroquial. Eu desejo que ela realmente cresça, aprofunde sua vida cristã e dê testemunho de Jesus”. A PARÓQUIA

Criada no dia 17 de

janeiro de 2009 por Dom Orani João Tempesta, então Arcebispo de Belém, a Paróquia Sagrado Coração de Jesus é um projeto de construção da assinado pelo padre e arquiteto Odorico Raffin, que iniciou a construção na gestão do primeiro pároco, cônego José Luís Fernandes e, por falta de recursos, foi feita aos poucos durante a gestão dos demais padres: Rafael Brito (2010 a 2011), Aguinaldo (2014), Joseildo Zeferino (2014 a 2018) e o atual pároco, padre José Luís Aguiar.

n MOMENTO do rito da Dedicação na Paróquia do Sagrado Coração de

Jesus, presidido pelo Arcebispo Dom Alberto Taveira Corrêa

Durante a Dedicação, o Arcebispo Dom Alberto conversou com a comunidade, repassando com os fiéis toda a trajetória que ensejou a construção da igreja. Considerou diante deles a importância deles na vida de Igreja que os levou àquela solenidade, onde, finalmente, podiam contemplar o seu lugar

apropriado para render graças a Deus por tudo. “História bonita acompanha a construção dessa igreja, o trabalho maravilhoso feito pelos padres que por aqui passaram, o trabalho magnífico do padre Odorico Raffin que tem nos ajudado e agora está ajudando a construir a 17ª igreja em nossa arquidio-

cese, o trabalho apostólico e, agora, a presença e a atuação do padre Luiz Aguiar com a comunidade de seminaristas e com toda a força do povo desta comunidade". A Paróquia Sagrado Coração de Jesus fica na rua 10 do conjunto Julia Seffer, no bairro de Águas Lindas, município de Ananindeua.

Comunidade PROMOVE VERÃO Radical em Outeiro Julho é sinônimo de férias, diversão e passeios. Através, porém, do Projeto Verão Radical da Comunidade Católica Mar a Dentro - Discípulos e Ministros da Obediência e da Paz -, virou sinônimo de lazer na presença de Deus. A 13° edição é gratuita com vasta programação religiosa e cultural de 16 a 27 de julho, na Casa de Missão da comunidade, em Outeiro, para propiciar a pessoas de todas as idades, uma oportunidade de diversão, focada na evangelização. Voltada aos aos jovens, crianças, adultos e idosos, o projeto almeja férias na presença de Deus. Durante o mês de julho, a Comunidade Mar a Dentro fica em Outeiro, e realiza visitas missionárias às casas, evangeliza-

ção de pessoa a pessoa nas praias, noites de louvor e formação na comunidade, atividades dos próprios missionários. O evento destaca-se como tempo forte de missão, pois evangeliza veranistas e moradores da ilha. A missão tem a ajuda dos jovens e adultos, missionários da comunidade em concentração de esforços na promoção da evangelização nas férias. Eliane Lourenço, superiora da Casa de Missão em Belém, da Comunidade Mar a Dentro, diz que “o Verão Radical é um tempo de graça, porque a nossa missão vai ao encontro do outro, levando o Evangelho, a Palavra de Deus. Nós aproveitamos para não ir apenas ao encontro daqueles que estão

DIVULGAÇÃO

n ALGUNS dos participantes do projeto Verão Radical, em pose para nosso jornal

à margem da evangelização. Pelo projeto, alcançamos crianças, jovens, adultos e idosos, nesse trabalho missionário que Deus preparou para nós, para que a Palavra chegue a tantos corações nesse tempo especial, as férias, em que, muitas vezes, as pessoas esquecem

de Deus. Mas é justamente quando não devemos abandonar Jesus, devemos caminhar com Ele”. Iniciado em 2006, a pedido do então Arcebispo de Belém, Dom Orani João Tempesta, o projeto alcança o grande número de veranistas em Outeiro em julho, quando as

praias lotam, e a Igreja viu necessidade de ofertar programação religiosa e cultural para o público. PROGRAMAÇÃO

A Casa de Missão da comunidade, à rua Manoel Barata, 1666, bairro São João do Outeiro acolhe o projeto com três eventos: Colônia de Fé-

rias, de 16 a 18; Visitas Missionárias, de 22 a 25, e o Arraial Julino, dia 27. A colônia de férias para 80 crianças terá oficina artística, brincadeiras, espiritualidade e passeio dia 18, quando visitarão a Basílica Santuário e o Museu Emílio Goeldi. De 22 a 25, as visitas missionárias aos lares e às praias de Outeiro. Dia 27, o Arraial Julhino. COMUNIDADE - Em 2005, a convite do então Arcebispo de Belém, Dom Orani, 10 missionários da Mar a Dentro chegaram ao Pará para evangelizar nas ilhas de Belém, na Pastoral Universitária e na Igreja das Mercês, em Belém. Hoje, duas casas atuam na missão: uma no Umarizal e outra no bairro São João do Outeiro. DIVULGAÇÃO

VATICANO

Papa indica a médicos católicos a escola de Jesus, “MÉDICO E IRMÃO” Com informações Vatican News. O Papa Francisco recebeu no sábado, 22 de junho, ao meio-dia, a Federação Internacional de Médicos Católicos, cujos membros vieram a Roma para a cerimônia de Consagração ao Sagrado Coração de Jesus. O Santo Padre fez um discurso no qual destacou como as primeiras comunidades cristãs frequentemente apresentavam o Senhor Jesus como “médico”, sublinhando a atenção constante e compassiva que Ele dedicava àqueles que sofriam de todo

tipo de doenças. “Sua missão era antes de tudo estar perto dos doentes ou portadores de deficiência, especialmente daqueles que, por esse motivo, eram desprezados e marginalizados. Com esta proximidade compassiva, Ele manifestava o amor infinito de Deus Pai por seus filhos mais necessitados”, disse Francisco, argumentando que o cuidado aos doentes parece ser, portanto, uma das dimensões constitutivas da missão de Cristo. E assim foi também na da Igreja. Outro ponto fundamental sublinhado pelo

Papa foi “a importância do modo como as pessoas são curadas e para isso é fundamental- acrescentou Francisco - seguir a escola de Jesus.” Para Jesus, curar significa aproximar-se da pessoa, mesmo que às vezes haja quem queira impedi-lo, como no caso do cego Bartimeu, em Jericó. Jesus chamou-o e disse: “O que queres que eu faça por ti?” (Mc 10,51). Para Ele, curar significa entrar em diálogo para suscitar o desejo do ser humano e a doce força do amor de Deus, agindo sobre o seu Filho, porque curar - disse o

n DISCURSO DO PAPA Cerca de 500 pessoas estiveram na audiência à Federação Internacional de Médicos Católicos

Pontífice - significa iniciar um percurso: um caminho de alívio, consolação, reconciliação e cura. E em relação a este “caminho de cura de Jesus” com amor sincero, sem esquecer que o ser humano é unidade de espírito, alma e corpo, Francisco ressaltou que o cuidado do Filho de Deus coincide com a elevação da pessoa e

o envio daquele que se aproximou e foi curado, pois - afirmou o Santo Padre – “há muitos doentes que, depois de terem sido curados por Cristo, tornam-se seus discípulos e seguidores”. E neste contexto, Francisco indicou que Jesus se aproxima, cuida, cura, reconcilia, chama e envia: como podemos ver, aproximar-se de pessoas

oprimidas por doenças e enfermidades é para Ele uma rica relação pessoal, não mecânica e distante. E é a esta escola de Jesus, “o médico e irmão dos que sofrem”, que são chamados vocês, doutores que crêem nele, membros de sua Igreja. Chamados a estar perto daqueles que estão passando por provações por causa da doença.


8

IGREJA

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

NAZARÉ REPÓRTER n II RETIRO ANUAL DE LÍDERES JUVENIS

D A

izer “sim” ao Senhor significa ter a coragem de abraçar com amor a vida como é, com toda a sua fragilidade e pequenez, com suas contradições. (25 de junho)

bençoar não é dizer palavras bonitas, nem usar palavras de circunstância; mas é dizer bem, dizer com amor. A Eucaristia é uma escola de bênção. (23 de junho)

RÁDIO NAZARÉ FM 91 .3 MHZ

n RÁDIO NAZARÉ: PROGRAMAÇÃO ALTERADA

O Setor Juventude da Arquidiocese realizará, de 4 a 7 de julho, o II Retiro Espiritual Anual para líderes desse núcleo de atuação pastoral. Tema: “Jesus Cristo: nosso Senhor e Mestre”. Local da atividade: Centro Arquidiocesano de Pastoral Juventil (CAPJ), situado em Ananindeua, na rua Levilândia, próximo à rodovia BR-316, km 6. Finalidade: sensibilizar as lideranças para a sadia cultura de uma caminhada missionária em unidade e em consonância com o Projeto Educativo-Pastoral do Setor Juventude, promover a conscientização para a manutenção formativa e espiritual das lideranças a respeito do sentido

n ANO LITÚRGICO A programação de formação litúrgica promovida pela Livraria Paulinas segue com o curso sobre as diversas etapas de vivência na Igreja com base no Ano Litúrgico. A formação será sábado, 29 de junho, pelo padre João Paulo Dantas, doutor em Teologia e Vigário da Catedral de Belém. A formação requer inscrição e pagamento e dá direito ao certificado. A formação será realizada em Belém na rua 28 de Setembro, 61, bairro da Campina. Informações: (91)32250222/98966-0000 (whatsApp). n APÓSTOLO SÃO PEDRO A Matriz da Paróquia de Sant’Ana, na Campina, homenageia o Apóstolo São Pedro, neste sábado, dia 29. No Brasil, a matriz é a única a possuir a réplica da imagem de São Pedro, que mede 1,80m de altura; a original encontra-se na Basílica de São Pedro no Vaticano, em Roma. A matriz, localizada em frente à praça Maranhão, celebra também os 110 anos da chegada da imagem, que possui um “pé-quente” e um “pé-frio”, pois um foi feito de gesso e o outro de bronze. Às 6h, da manhã, queima de fogos; às 8h, Oração da Manhã; às 11h, Procissão e em seguida Missa Solene presidida por Dom Irineu Roman, um dos Bispos Auxiliares de Belém, com benção das chaves e às 16h Missa Solene. n COLÔNIA DE FÉRIAS A matriz da Paróquia de Santa Paula Frassinetti, no Coqueiro, realiza colônia de férias digital de 1° a 2 de julho, na matriz, localizada na WE72, n° 762, Cidade Nova IV, Coqueiro, das 9h às 12h. Os dois dias de diversão, com torneios digitais, oficina de games e outros, são voltados a crianças de 6 a 12 anos de idade. Inscrições no valor único de 20,00 reais, na secretaria da matriz. Informações: (91) 3279-2620. n VOLUNTÁRIOS De 1° de julho a 11 de outubro, inscrições para os voluntários da Cruz Vermelha Brasileira (PA), que atuarão no Círio 2019. Local: loja da Cruz Vermelha, situada em um shopping no bairro Parque Verde. Valor 50,00 reais mais 1Kg de alimento não perecível. Informações: (91) 98420-9449.

Excepcionalmente no mês de julho a programação da Rádio Nazaré FM terá mudanças. Devido às férias do apresentador Jota Cardoso, os programas de entrevistas no período da tarde ficam a cargo de Romildo Rosa. Pe. Wagner Lima, que apresenta o “Seja + Um”, assume também o Nazaré em Revista. Para interagir, ligue 4006-9211 ou 9.8814-0275 (WhatsApp).

TV NAZARÉ CANAL 30.1

n FRATERNIDADE EM AÇÃO Acompanhe pela TV Nazaré, canal 30.1 – ou na sintonia de sua cidade – o programa “Fraternidade em ação”, de responsabilidade do Movimento dos Focolares. O carisma do ideal propagado por Chiara Lubich pode ser conhecido às segundas, quartas e sextas-feiras, às 8h e às 14h30.

PORTAL NAZARÉ WWW. FUNDACAONAZARE. COM.BR

n VISITA MISSIONÁRIA: SIGA PELO PORTAL Acesse o portal Nazaré (www.fundacaonazare.com.br) e saiba da programação da Visita Pastoral Missionária na Região Episcopal Sant’Ana até domingo, 30 de junho. Confira a programação também em nossas redes sociais: Facebook: /FNCBelem e Twitter: @FundacaoNazare. A festividade para Santa Maria Goretti também está no portal. Faça parte da Família Nazaré! Seja um sócio evangelizador. Contribua para a missão evangelizadora na Amazônia. Ligue (91) 40069211 ou envie uma mensagem (91) 99315-5743 (WhatsApp).

BOA DICA

AGENDA DE DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA n SEXTA, 28 DE JUNHO 19h - Missa da Unidade - Região Episcopal Sant’Ana - (Centrão/ Paróquia Santo Antônio de Lisboa) n SÁBADO, 29 DE JUNHO 11h - Missa e Bênção - Centro Vocacional São João Maria Vianney (capela) - Seminário Menor da Arquidiocese 16h - Missa - Paróquia

da Santíssima Trindade n DOMINGO, 30 DE JUNHO 7h - Missa - encerramento da Visita Pastoral Missionária (Catedral de Belém) 11h - Missa (Fazenda da Esperança) 19h - Missa - encerramento da Visita Pastoral Missionária - Paróquia São José (Umarizal)

n TERÇA, 2 DE JULHO 20h - Missa (Paróquia São Francisco Xavier) n QUARTA, 3 DE JULHO 19h - Missa (Paróquia São Pedro Pescador) n QUINTA, 4 DE JULHO 18h - Missa - Acampamento jovem da Área Missionária São Paulo Apóstolo (Retiro Tagaste - Cidade Velha)

AGENDA DE DOM IRINEU ROMAN n SEXTA, 28 DE JUNHO SEMANA MISSIONÁRIA REGIÃO SANTANA 7h - Missa do Sagrado Coração de Jesus - Colégio das Irmãs Doroteias (Benevides) 18h45 - Procissão Luminosa do SCJ até o Centrão 19h30 - Missa da Unidade – Centrão n SÁBADO, 29 DE JUNHO

8h30 - Crisma - Paróquia São Francisco de Assis - Icoaraci 12h - Missa - Paróquia de Santana 19h - Missa - Comunidade Sagrado Coração de Jesus - Paróquia Santa Teresinha -Tenoné n DOMINGO, 30 DE JUNHO 9h - Missa - Paróquia Santana 18h - Missa - Paróquia São Pedro São Paulo

n TERÇA - 2 DE JULHO 19h - Missa - Paróquia São Pedro Pescador n QUARTA, 3 DE JULHO 17h – Visita - Área Missionária Canaã 19h - Missa - Área Missionária Canaã n QUINTA, 4 DE JULHO 19h - Missa - Comunidade Divino Pai Eterno Paróquia Divino Espírito Santo)

AGENDA DE DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO n SEXTA, 28 DE JUNHO 19h - Missa - Centrão Santo Antonio (Semana Missionária) n SÁBADO, 29 DE JUNHO 19h - Missa com a Juventude - Região Episcopal Sant’Ana (Colégio Santa Rosa)

n DOMINGO, 30 DE JUNHO 7h - Missa - Paróquia Nossa Senhora da Conceição (Semana Missionária) 11h - Missa com guardas da Região Episcopal São João Batista (Outeiro) 19h - Missa - Comunidade Sagrado

da vida, o conhecimento da pessoa de Jesus, a pertença à Igreja e a missionariedade. Destinatários, de 18 a 30 anos que sejam líderes, coordenadores das expressões juvenis, instâncias eclesiais e serviços pastorais afins. Informações: (91) 98178-8132 (WhatsApp).

Coração de Jesus (Terra Firme) n QUARTA, 3 DE JULHO 19h - Missa - Área Missionária Canaã (Marituba) n QUINTA, 4 DE JULHO 19h - Missa com líderes do Setor Juventude (Centro Pastoral Juvenil)

n O SÍNODO PARA A

AMAZÔNIA - Livro (Paulus, R$ 15,00)

A

proxima-se o Sínodo Especial dos Bispos para a Amazônia, a se realizar em Roma, em outubro de 2019. Seu objetivo, definido pelo Papa Francisco: “encontrar novos caminhos para a evangelização daquela porção de Povo de Deus, sobretudo dos indígenas, muitas vezes esquecidos e sem perspectiva de um futuro sereno, também por causa da crise da floresta amazônica, pulmão de importância fundamental para o nosso planeta”. De autoria do Cardeal Dom Cláudio Hummes, o livro divulga o sínodo e expõe seu processo e sua temática.

n AUTISMO: AZUL E DE TODAS AS CORES - Guia básico para pais e profissionais – Livro (Paulinas, R$ 25,30)

O

livro pretende esclarecer pais e profissionais da saúde e da educação acerca do Transtorno do Espectro Autista a partir da neurociência. O autor apresenta o percurso histórico dos estudos sobre o autismo, a incidência, os sinais de alerta, a caracterização e as estratégias de intervenção e descreve a desmodulação sensorial e os comportamentos estereotipados. A seguir, elucida mitos e verdades e conclui com orientações para familiares e educadores, de modo que possam oferecer melhor qualidade de vida às crianças com essa condição diagnóstica.


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019 LUIZ ESTUMANO

9

Sermão das Sete Palavras: tradição na IGREJA DE BELÉM ARQUIDIOCESE de Belém realizou a edição 140

A n PE. MOISÉS MATOS, sacerdote pregador do Sermão número 140

tradição do Sermão das Sete Palavras na Arquidiocese de Belém completou 140 anos na Semana Santa de 2019. As últimas

palavras de Jesus Cristo na Cruz foram objeto do sermão pregado pelo padre Moisés Matos, pároco da Paróquia de Santa Maria Goretti.

A pregação do Sermão oocorre na capela do Colégio Santo Antônio. O Jornal Voz de Nazaré apresentou-o na íntegra desde a edição 875.

Sermão das Sete Palavras - final Sétima Palavra: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!” (Lc 23,46) LEITURA DO TEXTO: Lucas 23, 44-46 Era meio dia. Toda a região escureceu até a metade da tarde, ao faltar o sol. O véu do templo se rasgou pelo meio. Jesus gritou com voz forte: - Pai, em tuas mãos entregomeu espírito. Dito isto expirou...

S

ão estas as últimas palavras que São Lucas coloca na boca do Salvador: “Pai, em tuas mãos entrego meu espírito” (V.46). São literalmente tiradas do Salmo 31, 6 , cujo título é: “Súplica na Provação” . É mais um exemplo dessa plenitude que o Verbo, na cruz, quis dar à palavra dos profetas. Segundo Bento XVI, a narração dos evangelistas nos apresenta que

“Jesus morreu, rezando, à hora nona, isto é, às três horas da tarde. Em João, a última palavra que Jesus pronunciou foi esta: “Está consumado” (19,30). No texto grego , esta palavra(tetélestai) alude ao início da paixão, à hora do lava-pés, cuja narração é introduzida pelo evangelista, sublinhando que Jesus

amou os Seus até o ‘fim(télos)’ (13,1). Este ‘fim’ , este extremo cumprimento do amor, foi alcançado agora, no momento da morte.

Jesus foi verdadeiramente até o fim, até o limite e para além do limite. Ele realizou a totalidade do amor, deu-Se a Si mesmo.” 1 Por isso, não foi para brincar que Deus nos amou. “Ele revestiu-

se dessa humanidade semelhante à nossa

para ser um de nós e viver no meio de nós, à nossa moda, de forma a ter, além da sua atividade eterna de Deus, uma atividade verdadeiramente humana”.2

Nesta dinâmica de entrega e obediência do Filho, estamos presentes todos nós, somos todos arrastados para dentro da condição de filhos. Por isso, “Aquele que [...] perde a sua vida por causa de mim, vai achá-la” (Mt 10, 39). Ao perder-se assim, ela encontrar-se-á, visto que adquirirá ao mesmo tempo uma visão simples da sua propriedade, que é o nada, e da sua razão de ser, que é o apelo de Deus. É por isso que Cristo nos diz: “Meu Pai me ama; porque eu

dou minha vida para outra vez a assumir” (Jo 10, 17), quer dizer que dou e recebo, que a expio e aspiro. Ninguém a tira de mim: mas eu por mim mesmo a dou, e tenho poder de a dar, e tenho poder de a reassumir. “Este mandamento recebi de meu Pai”. Dos que, segundo este exemplo, tendo dado a vida, a retomaram, logo podemos dizer, segundo o Apóstolo, que “recebe-

ram o poder de serem filhos de Deus, porque não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” . Neste sentido,

somos filhos no Filho, pois Ele é o primeiro antes de todos os séculos, o primogênito dentre os mortos. Porque Cristo é “o primogênito dos mortos” (Col. 1, 18; Apoc. 1, 5)? Porque é o chefe

desse corpo (A Igreja)

de que somos os membros e porque “lá onde Eu estiver, estareis vós comigo”, não é fora de propósito procurar o significado, e a consequência que tem para nós, esse retorno supremo e total do Filho do Homem ao seu Criador. Assim como o ato de obediência da Virgem Ma-

ria, quando respondeu à

proposta da Trindade dizendo que era a serva do Senhor, foi a condição da encarnação que permitiu a Deus co-nascer com o mundo, também o perfeito ato de obediência de Jesus, quando na Cruz se entregou nas mãos de seu Pai, foi a condição cuja realização permitiu a esses “muitos irmãos” de que fala São Paulo aos Ro-

manos: “co-nascer em

Deus com o irmão mais velho”(8, 29).

Nessa suprema expiração do hálito, a prece que Jesus Cristo, com os olhos erguidos para o céu, e rodeado dos seus Apóstolos, proferira pouco antes na mesa do Cenáculo. “Pai, é chegada a hora, glorifica o teu Filho, para que teu Filho te glorifique a ti. Assim como tu lhe deste poder sobre todos os homens, a fim de que Ele dê a vida eterna a todos aqueles que tu lhe deste. A vida eterna, porém, consiste em que eles conheçam por um só verdadeiro Deus a ti e a Jesus Cristo que tu enviaste. Eu glorifiquei-te sobre a terra, eu acabei a obra que tu me encarregaste que fizesse” (Jo 17, 1-5). É no seio do Pai que o Verbo

feito carne pôs à sua

disposição na Cruz.

O Novo Testamento não diz que os seres humanos procuram a reconciliação com Deus, como era de esperar, porque foram eles que quebraram e não Deus. Mas “era Deus que em Cristo reconciliava o mundo consigo” (2Cor 5, 19). Trata-se realmente de um fato totalmente novo. É este o ponto de partida da existência cristã e o centro da teologia da Cruz no Novo Testamento: “Deus não

fica esperando até que os culpados venham p a r a re c o n c i l i a r - s e com ele, é ele que vai ao encontro deles e os reconcilia. Nesse ato, revela-se a verdadeira direção tomada pela encarnação e pela Cruz. A Cruz aparece então como um movimento que vai de cima para baixo. Ela não tem a função de uma reparação que a humanidade oferece ao Deus irado, ela é, isso sim, a expressão daquele amor insensato de Deus que se entrega e se rebaixa para salvar o ser humano; é Ele que vem a nós, não nós que vamos a ele”3 diz o Papa Emérito. Por isso, muito antes de nós irmos ao Encontro do

Pai, Ele vem ao nosso encontro, pois “enquan-

to ainda estou no caminho, antes de chegar á pátria, tu penetras meus pensamentos” (Santo Agostinho). E

com grande alegria o Pai não se cansa de aclamar:

“Este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi encontrado” . Deixêmo-nos ser

arrastados pela Misericórdia de Deus e abramos nossos corações a seu infinito amor, pois

“Deus não se cansa de perdoar, mas somos nós que cansamos de pedir perdão a Deus” diz o

Papa Francisco.Por fim, o Espírito Santo conduznos a Cristo, e Cristo abre a porta que conduz ao Pai. Deus deixa de ser um Deus desconhecido; Ele tem nome e nós podemos invocá-lo, como Pai, por isso fiquemos de pé e rezemos a oração que Nosso Senhor Jesus Cristo nos ensinou: Pai

Nosso....

1Bento XVI. Jesus de Nazaré: Da entrada em Jerusalém até a Ressurreição, 2011, p.202. 2 RÉGAMEY. Pie. “O Mistérioda Cruz”. Lisboa: Editorial Aster, Lda. 1959. p.39. 3RATZINGER. Joseph. Introdução ao Cristianismo. São Paulo: Edições Loyola, 2005. P.2009.

CONSIDERAÇÕES FINAIS A Revelação de Deus se realiza nessa dialética entre a fraternidade humana de Jesus e sua filiação divina. É pelo fato de que uma não contradiz a outra, que Ele é Aquele em quem se identificam concretamente, sem supressão das diferenças, o homem e Deus. Se, na verdade, ser homem significa ter acesso à realidade através do livre reconhecimento de que não se é o Pai, ser filho, então, nada mais é do que aceitar o Pai como sendo aquele que nos concede sermos livremente homens. A atitude filial de Jesus,

longe de eliminar a verdade de sua condição humana, a estabelece. É pelo fato de que só Ele foi realmente filho, que é também o primogênito de uma multidão de irmãos. A Revelação de Deus não poderá jamais separar-se da humanidade de Jesus. A Ressurreição não aboliu a história, e então, a particularidade de Jesus. Ela as revela como universais, e atesta a Jesus como único Mediador. A histórica de Jesus, sua pertença a um povo e à cultura bíblica, sua humanidade concreta e não-ideal, são essen-

ciais para a revelação de Deus. A relação de Jesus para com Deus não absolutiza o tempo em que humanamente Ele viveu. É o fato de assim Ele viver a sua humanidade na provisoriedade e sobre ameaças de morte, que O torna irmão nosso e nosso libertador. Por outro lado, as narrativas evangélicas têm a finalidade de dar uma resposta às principais questões referentes ao Evento Pascal e seu efeito. Por meio delas, percebemos que o evento pascal constitui o centro da fé cristã. É

o momento mais elevado em que Deus manifesta seu amor para com a humanidade, em que é renovada a Aliança, em que os pecados do mundo são lavados pelo sangue do Cordeiro na Cruz. Na Cruz somos lavados de nossos pecados. Por isso, as sete palavras ditas por Cristo no Madeiro da Vida, devem nos chamar a refletir sobre nossa vivência cristã, pois são admoestações que sintetizo em breves frases: É preciso perdoar; é preciso pedir perdão para ganhar o céu; é preciso amar a

Igreja e Nossa Senhora; é preciso unir-se a Cristo para não se afastar de Deus; é preciso tomar a água da vida, a Santíssima Eucaristia; é preciso ser cristão realmente; e, por fim, é preciso entregar-se nos braços de Deus. Por isso, concluo este simples sermão, fazendo referência a Hans Urs Von Balthasar, em que o teólogo alemão coloca nos lábios de Jesus:

“Eu sou a ressurreição e a vida.[...] Todo o viver e morrer do mundo é, no seu conjunto, uma grande morte; e essa morte, eu a acordo à vida. [...] Tudo o que dobra na

direção da morte cai no colo da minha vida. [...] Tudo o que parece e vai na direção do outono termina, no naufrágio, na praia da minha primavera. [...] Eu não sou um dos ressuscitados; sou a ressurreição. Não tenhais medo da morte! A morte é a chama libertadora do sacrifício e o sacrifício é transformação. A transubstanciação, por sua vez, é a comunhão à minha vida eterna. Eu sou a vida. Quem crê em mim, quem come e bebe de mim tem em si a vida, já aqui e já agora, e eu o ressuscitarei no último dia.” Amém!!!


10

EM NAZARÉ

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

KAROL COELHO

NAZARÉ EM DESTAQUE

Cerco de JERICÓ acontece até sábado, 29 MISSA DE ABERTURA presidida por Dom Alberto

E

m preparação à realização de mais um Círio de Nazaré, a Diretora da Festa de Nazaré promove até este sá-

bado, 29, a segunda edição do Cerco de Jericó, na Capela do Bom Pastor, localizada no Centro Social de Nazaré.

A Santa Missa de abertura foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa.

n PALAVRA DE DOM ALBERTO, na Capela do Bom Pastor, por ocasião do Cerco de Jericó

Comunidade FESTEJA padroeiro ALINE ANDRADE

CONFIRA A ESCALA DOS GRUPOS QUE ESTARÃO EM ORAÇÃO 27/06 (Quinta-Feira) 00h às 3h: Movimento Sacerdotal Mariano 3h às 6h: Sementes da Misericórdia 6h às 9h: Terciários dos Arautos do Evangelho 9h às 12h: Equipes de Nossa Senhora 12h às 13h: Comunidade Kerigma 13h às 15h: Comunidade Kerigma 15h às 18h: Comunidade Theotokos 18h às 20h: Diretoria de Procissões 20h às 21h: Santa Missa 21h às 00h: ACN Belém 28/06 (Sexta-Feira) 00h às 3h: Capelania Militar N. S. Rainha da Paz (8° RM, Exército) 3h às 6h: Capelania Militar N. S. Rainha da Paz (8° RM, Exército)

6h às 9h: Comunidade Caju 9h às 12h:Comunidade Shalom 12h às 13h: Comunidade Kerigma 13h às 15h: Comunidade Kerigma 15h às 18h: Comunidade Obra de Maria 18h às 20h: Diretoria Administrativo / Financeiro 20h às 21h: Santa Missa 21h às 00h: Comunidade Semente do Verbo 29/06 (Sábado) 00h às 3h: Comunidade Belém de Jesus 3h às 6h: Comunidade Belém de Jesus 6h às 9h: Comunidade Luz da Vida 9h às 12h: Dir. de Evangelização 12h às 13h: Santa Missa de Encerramento, na BasílicaSantuário de Nazaré KAROL COELHO

n IMAGEM DE Santo Antônio Maria Zaccaria"

Com o tema “Amar a Igreja, com Santo Antônio Maria Zaccaria”, a Comunidade, que integra a Paróquia de Nazaré, promove até 05 de julho mais uma edição da Festividade em honra ao fundador da Ordem dos Clérigos Regulares de São Paulo. A Comunidade Santo Antônio Maria Zaccaria está localizada na Rua Boaventura da Silva, nº 1796, esquina com a Travessa Nove de Janeiro, Bairro Umarizal.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO Programação Religiosa

30/06 7h30: Procissão seguida de Santa Missa (Percurso: Tv. Nove de Janeiro, Rua Domingos Marreiros, Tv. Três de Maio, Av. Governador José Malcher e Travessa Nove de Janeiro) 02/07 18h: Tríduo seguido de Santa Missa 04/07 18h: Tríduo seguido de San-

ta Missa 05/07 19h: Missa Solene em honra ao Padroeiro Programação Cultural

27/06 19h: Pinduca / Adelaide Matos 28/06 19h: Trio 4° Graus 29/06 19h: Carimbó da Maria 30/06 19h: Rosângela 05/07 19h: Maria e Banda DIVULGAÇÃO

n FESTIVIDADE em honra ao Sagrado Coração de Jesus até o próximo dia 28 com o tema “Maria, Mãe do Coração de Jesus e da Igreja”

Homenagens ao Sagrado Coração de JESUS A Comunidade Sagrado Coração de Jesus, que também integra a Paróquia de Nazaré, promove sua festividade até o próximo dia 28. Confira a programação

Programação litúrgica 27/06: Guarda de Nossa Senhora de Nazaré 19h: Missa ou celebração da Palavra 28/06: Apostolado da Oração 8h às 12h: Adoração 8h às 9h: Diaconia 20 9h às 10h: Diaconia 18

10h às 11h: Diaconia 19 11h às 12h: Diaconia 17, Catequese, Ministros, Creche Sorena e Pastoral da Criança. 18h: Procissão do Padroeiro, cujo percurso Av. Generalíssimo Deodoro, Rua dos Mundurucus, Rua dos Pariquis, travessa Rui Barbosa, Rua dos Caripunas, Capela (sujeito a alteração). 19h: Missa ou celebração da Palavra Atrações do Arraial (após as missas) 27/06: Banda Fruta Quente

Inscrições para COLÔNIA de Férias Seguem abertas as inscrições para a terceira edição da Colônia de

Férias promovida pela Juventude Zaccariana da Paróquia de Nazaré.

Informações pelos telefones (91) 991247392 e (91) 984284559.

n JOVENS PARTICIPANTES de mais uma edição dos 15 anos Comunitário da Basílica Santuário de Nazaré

11ª edição dos 15 ANOS Comunitário A Pastoral Familiar da Paróquia de Nazaré promoveu a 11ª edição dos 15 anos Comunitário da Basílica Santuário de Nazaré. A programação teve início com uma Santa Missa, presidida pelo Padre Deogratias Maria Muderwa. Na homilia, Padre Deogratias falou da importância de cada jovem perseverar nos caminhos de Deus. Logo após a celebração eucarística, os jovens participaram do baile organizado na Casa de Plácido, no Centro Social de Nazaré.


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

Devotos celebram Santa Maria GORETTI

11

HOMENAGENS para padroeira acontecem no período de 2 a 7 de julho

E

m Belém, a Matriz da Paróquia de Santa Maria Goretti, no bairro do Guamá, realiza de 2 a 7 de julho a festa em homenagem à padroeira da juventude, da pobreza, das vítimas de estupro. Iluminados com a temática “Com Maria Goretti, anunciamos o Evangelho” a festividade consta de uma vasta programação litúrgica e cultural, voltada aos fiéis devotos de Santa Maria Goretti. A Matriz fica localizada

Rua Silva Castro, Passagem São Cristóvão, 23, bairro do Guamá. Em preparação a festividade, a Matriz, promove visita da imagem peregrina de Santa Maria Goretti, seguida de Santa Missa nas comunidades pertencentes à matriz. A primeira Missa em preparação a festividade foi realizada no dia 5 de junho na Comunidade São Vicente de Paulo. Dia 16, foi a vez da Comunidade Santíssima Trindade, cuja

comunidade estava tomada de fiéis. No decorrer do mês as demais comunidades foram visitadas. Neste domingo, 30, às 7h, a Comunidade Jesus Libertador partilhará desse momento em preparação à festividade. Além dela, nesse dia, à tarde, às 17h, a Capela Pão de Santo Antônio, no bairro do Guamá, receberá visita da imagem peregrina de Santa Maria Goretti, e em seguida Santa Missa. O tema da festividade DIVULGAÇÃO

n DURANTE A FESTIVIDADE diversas atividades foram realizadas nas comunidades paroquiais que integram a matriz

deste ano está em sintonia com anuncio de Papa Francisco ocorrida em 2017, pela ocasião do Dia Mundial das Missões, quando proclamou um mês Missionário Extraordinário, sendo outubro de 2019 para celebrar o centenário da carta Apostólica Maximum Illud de seu predecessor o Papa Bento XV. A festividade ocorre de 2 a 7 de julho, com novenas às 18h30 e Santa Missa às 19h. No dia 6, Festa Litúrgica de Santa Maria Goretti, a Santa Missa Solene, às 19h, terá a presidência do Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa. No domingo, dia 7, encerramento da festividade, Santa Missa às 8h30, em seguida procissão, cujo trajeto percorrerá as principais ruas do bairro rumo à Matriz. Durante os dias de festividade programação cultu-

ral após a Santa Missa, no espaço padre Savino. DEVOÇÃO

Maria Teresa Goretti foi uma jovem católica italiana, declarada santa, cuja festa é comemorada no mesmo dia de sua morte, dia 6 de julho. Morreu aos 11 anos como consequência dos ferimentos infligidos durante uma tentativa de estupro. O Papa Pio Xll celebrou a Beatificação de Maria Goretti, no dia 27 de abril de 1947. E em 24 de junho de 1950, celebrou a canonização da santa. Foi uma

Formação LITÚRGICA no IPAR O Instituto de Pastoral Regional (IPAR), da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) - Regional Norte 2 -, promove de 29 de junho a 13 de julho, o curso de “Formação Litúrgica”. A programação objetiva aprofundar a liturgia das comunidades, buscando na fonte da tradição bíblica, nos documentos da Igreja, assim como na vida e cultura do povo do Norte a inspiração para celebrar o mistério pascal de Cristo. A formação ocorre na sede da CNBB, localizada na Travessa

Barão do Triunfo, 3151, entre Avenida Almirante Barroso e 25 de Setembro, no bairro do Marco. O evento é voltado a pessoas com experiência no campo da liturgia e que atuam ou desejam atuar na formação litúrgica. É necessário que o interessado tenha ensino médio completo e seja apresentado por paróquias, dioceses e prelazias, assim como por pessoas dos demais Regionais da CNBB. O IPAR promove a cada semestre um módulo, sendo, portanto, este o segundo. Conforme a

coordenadora do curso, Raimunda Azevedo, a formação é cíclica e as pessoas podem entrar em qualquer etapa. O conteúdo será ministrado por religiosos e por leigos, dentre eles monsenhor Gabriel, de Castanhal e a leiga Maria da Conceição Pinheiro. Os itens que serão abordados são: Introdução ao Oficio Divino das Comunidades; Introdução ao Espaço Litúrgico; História da Liturgia; Assembléia Litúrgica e Ministérios; Ritualidade; Leitura Orante; Como preparar uma celebração; Teologia da Palavra; Ce-

das mais jovens santas da Igreja católica. Sua mãe e quatro irmãos estavam presentes na cerimônia, inclusive seu assassino arrependido, Alessandro Serenelli. Mais de 500 mil pessoas assistiram a celebração na praça se São Pedro, em Roma. Foi um momento inesquecível para a história da Igreja, onde todos puderam ver como a misericórdia de Deus pode transformar tudo, inclusive situações quase sem esperança como o assassinato de uma menina de 11 anos. LUIZ ESTUMANO

n LOCAL DO CURSO DE “FORMAÇÃO LITÚRGICA na sede da CNBB, na Barão do Triunfo, 3151, entre Almirante Barroso e 25 de Setembro

lebração Dominical da Palavra; Mistério Pascal; Eucaristia; Ano Litúrgico e Arte Floral (oficina). A formação começa neste sábado, 29, a partir das 17h e segue até o dia

13 de julho. Os interessados ainda podem efetuar as suas inscrições, no valor de 600,00 reais, que cobre hospedagem, alimentação e assessoria. A organização orien-

ta que os participantes tragam roupa de cama e banho, material para anotação, bíblia, ODC - Ofício Divino das Comunidades e remédios de uso pessoal.

PE. ANTÔNIO MATTIUZ, CSJ (antoniomattiuz@gmail.com)

CURSILHO DE CRISTANDADE

A Escola vivencial do CURSILHO

O

Cursilho de Cristandade é um movimento que não tem fundador humano, pois é obra do Espírito Santo. Por causa disto, o Papa Francisco, numa Ultréya na Espanha, disse que o Movimento do Cursilho

é um dos movimentos mais avançados e mais úteis da Igreja. O Cursilho é um dos poucos Movimentos eclesiais que dá formação permanente a seus membros. Na Arquidiocese de Belém o Cursilho tem uma

Escola Vivencial, isto é, uma escola de vida cristã. Esta Escola funciona todas as segundas-feiras das 19h às 21h, na travessa 14 de Março, 1115, bairro de Nazaré. Ela é escola do Cursilho, mas aberta gratuitamente também para ca-

tólicos não cursilhistas. Muitos cursilhistas não podem freqüentá-la por causa do trabalho, do estudo, da distância e até do medo, pois Belém ainda é uma cidade muito violenta. Não há notícia de ninguém que tenha sido assaltado por ter ido à Escola Vivencial. Deus protege seus filhos que buscam a sua palavra e suas luzes. A Escola Vivencial é bem organizada, com programa anual e com

professores cristãos do mais alto padrão. Ela trata de assuntos variados e atuais, como estes: Bíblia, Teologia, documentos da Igreja, temas atuais de fé, Campanha da Fraternidade, políticas públicas, Liturgia, Plano Pastoral da Arquidiocese, Diretrizes da Igreja e outros bons assuntos. Participe sempre que puder e irá gostar. Vale a pena. O ganho será muito maior do que o sacrifício feito. O acesso à Escola

Vivencial é fácil. Você pode pegar qualquer ônibus que passa pela av. José Malcher, desce à frente à Igreja mãe da Assembléia de Deus, anda pela trav. 14 de Março até o nº 1115, entre as ruas Boaventura da Silva e Domingos Marreiros. Há uma placa: “Cursilho de Cristandade”. É ali. Entre na sala e será bem acolhido. A boa formação é o alimento vital da fé. Deus ajuda a quem se ajuda.


12

FUNDAÇÃO NAZARÉ

BELÉM, DE 28 DE JUNHO A 4 DE JULHO DE 2019

FAMÍLIA NAZARÉ

Missa pela FAMÍLIA NAZARÉ no dia 5 de julho BENFEITOR é o motivo da Ação de Graças mensal

A

exemplo dos outros meses, no próximo dia 5 de julho, haverá a Missa na intenção dos benfeitores da Família Nazaré. A celebração que ocorre sempre na

sexta-feira do mês, é antecipada pela oração do Santo Terço, às 14h30, recitado pelo Movimento Terço dos Homens Mãe Rainha. Após a oração mariana, iniciará a ce-

lebração eucarística às 15h. Tanto o terço, como a Missa são transmitidos ao vivo pela Rede Nazaré de Televisão. Sintonize o canal 30 (ou a sintonia da sua cidade). O benfeitor

que quiser, pode comparecer à celebração na capela da Fundação Nazaré de Comunicação, na avenida Governador José Malcher, nº 915 – Edifício Paulo VI, no bairro de Nazaré, em Belém. A Missa se constitui em momento especial de oração da Igreja para que Deus abençoe todas as pessoas que se dispõem a ser um membro da Família Nazaré, em retribuição a sua boa vontade em ajudar a manter a obra de evangelização da Arquidiocese de Belém. A Fundação Nazaré propagam o trabalho evangelizador da Arquidiocese de Belém pela Rádio Nazaré FM – 91.Mhz, TV Nazaré, Jornal Voz de Nazaré e o

Portal Nazaré para toda a Amazônia Legal e para o mundo pela internet. SEJA BENFEITOR Para ser um benfeitor, basta a disposição de colaborar com a obra de evangelização da Arquidiocese de Belém. Atualmente, a Fundação Nazaré de Comunicação está empenhada na campanha “Seja mais um” com o objetivo de ampliar o número de benfeitores. Venha você também fazer parte da nossa família em Cristo, tornando-se um sócio benfeitor. O cadastro pode ser feito pessoalmente na sede da Fundação Nazaré de Comunicação, situada na avenida José Malcher, nº 915 – Edifí-

cio Paulo VI, no bairro de Nazaré, em Belém, no horário comercial de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h e, ainda aos sábados, no mesmo horário. O cadastro de benfeitor pode ser feito pela internet no site oficial da campanha (www.sejamaisum.com.br), no site oficial da Fundação Nazaré (www.fundacaonazare.com.br), pelo n ú m e ro ( 9 1 ) 4 0 0 6 9211 no horário comercial de segunda a sextafeira, das 7h às 19h e, ainda aos sábados, no mesmo horário. Se preferir entrar em contato por e-mail, envie mensagem para famjor@ fundacaonazare.com. br e faleconosco@fundacaonzare.com.br

Campanha “SEJA MAIS UM” na Rádio Nazaré Condolências Participe da campanha “Seja mais um”, uma promoção da Arquidiocese de Belém para manter o trabalho de evangelização realizado pela Fundação Nazaré de Comunicação através da Rádio Nazaré FM, Rede Nazaré de Televisão, Portal Nazaré e Jornal Voz de Nazaré. E todo fim de mês, é uma ocasião propícia para quem deseja contribuir para a manutenção dessa obra de Deus com as edições especiais do programa “Seja mais um”, na Rádio Nazaré FM. Neste mês, o programa “Seja mais um” intensificou a campanha especial no dia 26 de junho. Apresentado por Elyvane Barbosa, de segunda a sexta-feira, das 9h

DIVULGAÇÃO

n ELYVANE e padre Wagner apresentam o programa

às 10h. O programa é direcionado à Família Nazaré, benfeitores que contribuem com doações mensais para ajudar a Arquidiocese a

manter a Fundação Nazaré. A programação especial ocorre sempre nos últimos do mês atual e segue até os primeiros dias do mês seguinte.

O objetivo é agradecer a Deus pela vida dos sócios evangelizadores e acolher novos sócios que, junto aos outros, vem somar-se à Família Nazaré. Durante a programação, o ouvinte pode manifestar-se com uma doação específica, foco principal da campanha, ou realizar seu cadastro para tornar-se um sócio. Faça parte da Família Nazaré e concorra a premiações. Neste mês, o benfeitor concorre a um quadro com a reprodução do ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Contribua para a missão evangelizadora na Amazônia. Ligue (91) 40069211 ou envie uma mensagem instantânea para (91) 99315-5743 (WhatsApp).

NOSSOS ANIVERSARIANTES 28/06 Ângela Maria Brito Barros Arminda Maria Ribeiro Benigna Belfort de Castro Humbelina Nunes Brabo Isabel Silva Santos Maria Inês Lobato Ribeiro Maria Irinéa Barreto Brasil Pedro Paulo Lopes da Costa 29/06 José Maria Menezes Rodrigues Laura da Silva Franco Luiza Santana Hendeson Saraiva Maria da Glória do Vale de Jesus Maria Silva Fiuza Paula Cristina Martins da Fonseca Paula Mendes Lima Sílvia da Conceição Santos Lobato 30/06 Arnaldo dos Santos Abreu Carmen Lúcia da Trindade Valente Hilma do Socorro Lima Ferreira Luciano Gomes de Oliveira e família Márcio Abreu da Silva

Wilma Bahia Lobato 01/07 Maria da Graça Cateb Bitar Jandira Valente Pereira Josá Carlos da Silva Batalha Vanja Maria Leão de Araújo Fátima do Socorro Farias Ana Cláudia Nery Bayde Marcos Vinícios Reis Carvalho Maritana Araújo Texeira Casal Possidônio Lopes Guedes e Maria Luíza Miranda Costa e Silva Lívio William Moraes da Costa 02/07 Izabel Corrêa Joana Amoras dos Santos Eni do Perpétuo Socorro Corrêa Deise Rodrigues de Souza Ana Zilda Leal Carneiro Helena Gomes Martins Maria de Fátima da Costa Mota Maurício Bentes Lima Marcos André Henriques Monteiro Camila Cristina da Costa Santos Cruz

Andréa Letícia Nascimento Sena 03/07 José Ribamar dos Santos Fonseca Maria Menezes de Souza Lourdes Maria Gomes da Silva Carmem Lúcia Leão Alves Elora Vilhena Amaral Muritiba Eloísa José Miranda de Souza Maria Izabel da Costa Reis Maria R. da Cruz e Vivaldo Amâncio Bezerra Maria Marléa Modesto Nunes Selma Oliveira Agrassar Lidiane Lima Barros Casal Rosemiro Sanches e Maria do Livramento Santiago da Silva 04/07 Maria de Nazaré de Oliveira Joanna Benedicta Pinheiro de Sousa Maria José do Nascimento Raimunda Lima dos Santos Ana Maria Costa Corrêa Gláucia Izabel Leitão Gomes Fabrícia Pinho Conceição Edmilson Dias de Sousa

A Fundação Nazaré de Comunicação solidariza-se com o seu Diretor Geral, cônego Roberto Cavalli Junior, pela partida do seu pai, Roberto Emílio Cavalli, falecido no dia 26 de junho. Irmanada com a Arquidiocese de Belém em oração, a Fundação Nazaré expressa condolências aos familiares e amigos do cônego Roberto Cavali, Cura da Sé, neste momento de pesar e de esperança, rogando a Deus que fortaleça todos neste difícil momento. Cônego Roberto acolheu o povo de Deus durante o velório de seu pai no Salão dos Pontificais, na Catedral de Belém, onde ocorreu também a Missa de corpo presente às 15h.

N

este aniversário eu louvo e agradeço a Deus pelo dom da vida, pelos meus pais, que me geraram, e pelo meu esposo, que já não está mais conosco, mas foi uma dádiva que Deus me deu; junto com ele, tivemos nossos filhos, formamos a nossa família. E agora peço a Deus a força para seguir em frente, com muita gratidão por tudo o que Ele tem me concedido em graças.

CARMEN LÚCIA TRINDADE VALENTE contadora, 65 anos (30/06) n NATALÍCIO DE PADRES E DIÁCONOS 29/06 - Pe. Pedro Diocrésio Francisco 30/06 - Diác. Lauro Oliveira Ribeiro 03/07 - Diác. Raymundo de Oliveira 04/07 - Diác. Edmilson Dias de Souza

n ORDENAÇÃO DE PADRES E DIÁCONOS 28/06 - Pe. Idamor da Mota Júnior 29/06 - Pe. Bruno Sechi 02/07 - Pe. Odorico Raffin 03/07 - Pe. Moisés do Socorro L. de Matos

Profile for Fundação Nazaré de Comunicação

Voz de Nazaré  

Edição de 28 de junho a 04 de julho de 2019.

Voz de Nazaré  

Edição de 28 de junho a 04 de julho de 2019.

Advertisement