Voz de Nazaré

Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

ANO CV - Nº 885- PREÇO AVULSO: R$1,00

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

www.fundacaonazare.com.br

A peregrinação da Mãe MARIA Diretoria da Festa de Nossa Senhora de Nazaré conduziu a imagemPeregrina da Virgem Maria em peregrinação ao município de Santarém, no Estado do Pará. Visita integra a programação prévia do Círio 2019. PÁGINA 10. DIVULGAÇÃO

n IMAGEM Peregrina de Nossa Senhora foi conduzida pela Diretoria da Festa de Nazaré durante visita ao município de Santarém, no Pará

MISSÃO no Marajó FAMÍLIA premiada

Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) envia missionáSorteio da campanha "Seja mais um", da Rádio Nazaré FM, rios para evangelização no arquipélago paraense. PÁGINA 6. contempla Olendina Silva, da Família Nazaré. PÁGINA 12. DIVULGAÇÃO

MISSIONÁRIOS das Novas Gerações da CRB embarcam para o Marajó

LUIZ ESTUMANO

BENFEITORA Olendina, 93 anos, recebe prêmio na Fundação Nazaré

SÍNODO amazônico CATEQUESE na JMJ

Destaca-se na Igreja a preparação para o Sínodo da Pan- Legado dos 30 anos das jornadas mundiais inspira estudo de adolescentes e catequistas em Lisboa. PÁGINA 11. Amazônia em Roma. Leia nesta edição. PÁGINAS 5, 7 E 11.


2

OPINIÃO

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

JOÃO CARLOS PEREIRA

PE. HELIO FRONCZAK

Jornalista e professor (jcparis1959@gmail.com)

heliofronczak@gmail.com

ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU ...

PRIVILÉGIO DE SER CATÓLICO

Quem tem medo do Sínodo?

A

s redes sociais, alimentadas por fontes – acreditem: fontes católicas! – contrárias ao Sínodo da Amazônia, têm prestado um enorme desserviço, quando veiculam notícias falsas, despropositadas e maldosas acerca da reunião do Papa com os Bispos da Amazônia, a fim de debater questões que falam de perto à região em que vivemos. Para quem mora fora da região, a Amazônia não passa de um cenário que, volta-e-meia, aparece no noticiário, como palco de crimes contra a dignidade humana e contra a natureza. As pessoas parecem mais preocupadas com o pobrezinho do urso polar, que se equilibra sobre um bloco de gelo

desprendido de alguma geleira, do que com a vida da Igreja em terras distantes do Norte do Brasil, onde estão 60% da Amazônia. O que o Papa deseja é uma Igreja presente, que chegue e fique para homens que só têm a chance de ver um sacerdote uma vez por ano, quando muito. Um padre visitante, que leva a Eucaristia – a base da Igreja –, apenas quando é possível, não basta. Por isso a necessidade de estudar a possibilidade de ordenação de homens de etnia indígena, ainda que casados, para que sejam anunciadores permanentes do Evangelho e ministros da Igreja para Consagrar e Confessar. Não basta um pregador eventual da Palavra.

Cinco leis trinitárias

É preciso que haja padres, muitos padres, porque o rebanho é grande. Se isso mete medo a alguém, é preciso repensar a forma de ver a missão dos Apóstolos de Jesus, que saíram pelo mundo a Evangelizar e a oferecer Jesus na Eucaristia aos que têm fome e sede de Vida Eterna. O Sínodo vai acontecer em pleno tempo do Círio e penso que ele deva estar em nossas orações, porque o futuro da Igreja na/da Amazônia passará pelas mãos dos padres conciliares. Tenho pedido muito a Nossa Senhora de Nazaré que dê forças àquele a quem o Espírito Santo destinou o trono de Pedro, porque a missão, sobretudo essa, não é fácil.

A

s publicações dos últimos dois meses nesta coluna podem ser sintetizadas em cinco pensamentos que exprimem as leis ou características típicas que permitem afirmar, de uma relação interpessoal, se é ou não animada pela dinâmica trinitária, isto é, segundo o modo de agir das Pessoas divinas. Em diferentes modos procurei mostrar o que significa viver a trinitariedade, isto é, em quais casos se pode dizer que um relacionamento entre pessoas, grupos, instituições, povos ou culturas, é inclusivo, comunional, como o existente entre as três pessoas divinas. Estas são as leis trinitárias que regem o modo

divino de ser e agir: 1. Na vida trinitária, cada pessoa é ela mesma doando-se totalmente às outras, fazendo ser as outras. 2. Cada pessoa, no amor trinitário, encontra a si mesma na outra. 3. A plenitude / unidade de Deus se encontra totalmente na unidade dos Três e totalmente em cada Pessoa. 4. As pessoas (e analogamente as comunidades, as instituições, as nações, etc.) agem em sentido trinitário quando vivem com as outras, pelas outras, nas outras e graças às outras. 5. Não pode existir unidade trinitária sem uma kénosis recíproca, ou seja, sem

um evangélico “esvaziar-se” ou um despojamento de si, sem o perder-se um no outro por amor que permite a cada um ser ele mesmo em plenitude. Nas próximas semanas analisarei algumas atitudes ou comportamentos sociais – solidariedade, liberdade, participação, igualdade, alteridade, pluralismo – para procurar as suas raízes trinitárias. Mais do que oferecer somente algumas informações sobre esses temas, espero que estas publicações possam nos ajudar a viver um estilo de vida trinitário nos nossos relacionamentos pessoais, profissionais e comunitários.

BIANCA MASCARENHAS Psicóloga e formadora do Seminário São Pio X (mascarenhaspsi@yahoo.com.br)

HUMANUS

Tempo para DESCONECTAR

E

stamos no período de férias escolares, tempo de lazer e descanso. Então, aproveito o momento para refletir sobre a necessidade de também “darmos férias” aos nossos celulares, tablets e similares. Você se sente agoniado quando o celular vibra e você corre para ver se alguém curtiu/comentou seu último post ? O ícone

de bateria fraca o deixa preocupado? Será que você está sofrendo de Nomofobia? No (não) Mo ( mobile) Fobia (medo), o medo de ficar desconectado, é uma fobia crescente entre os jovens, que chegam a tomar banho com os celulares próximos para não “perder” nada; já é reconhecido e tratado em consultórios de psicólogos e

psiquiatras. Mas não somente os jovens estão expostos a esse vício. Veja alguns sintomas: incapacidade de desligar o aparelho móvel; verificar obsessivamente chamadas e redes sociais; constantemente carregar a bateria; irritar-se em locais sem wi-fi; dormir ao lado do smartphone e, em casos mais extremos, taquicardia e sudorese.

Alguns dos prejuízos causados por essa dependência digital são: perda de tempo (que poderia ser usado para alcance de seus objetivos); ansiedade e angústia (medo de não ser/estar incluído no que está acontecendo no mundo); insônia (estímulos antes/durante o sono); trabalho e relações familiares e de amizade em risco e, ainda, acidentes (ver/enviar mensagens enquanto dirige, por exemplo).

É tempo, então, de dar férias a tanta conexão... não somente agora mas em todos os dias, utilizando o bom que a tecnologia nos favorece, com equilíbrio. Vamos a algumas possibilidades: Identifique quanto tempo do seu dia você utiliza celular/tablet e se esse tempo está lhe sendo favorável (coerente com seus objetivos de vida); experimente desligar o celular e conversar face a face

com as pessoas ou, até, curtir momentos de solidão desconectada; para cada hora que você investe à frente de uma tela, invista o mesmo tempo conversando com pessoas (não vale pelo whatsapp ) e mantenha seu telefone distante quando for dormir (se puder, melhor, desligue a internet).

“A vitória mais bela que se pode alcançar é vencer a si mesmo.” (Sto. Inácio de Loyola)

4º Congresso VOCACIONAL Nacional para jovens

O tema “ Vocação e discernimento” e o lema “Mostra-me, Senhor, os teus caminhos” (Sl 25, 4) animam o 4º Congresso Vocacional Nacional, de 5 a 8 de setembro, no centro de eventos

do Santuário Nacional Nossa Senhora de Aparecida, São Paulo. O evento disponibiliza 40 vagas para a Pastoral Juvenil no Brasil, contemplando as diversas expressões eclesiais que desempenham

Fundado em 5 de julho de 1913 FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita

ARQUIDIOCESE DE BELÉM-PARÁ

PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

trabalhos de evangelização e formação para as juventudes. “Promover um evento vocacional em âmbito nacional significa sensibilizar, animar e incrementar a Cultura Vocacional nas comunidades eclesiais. A reflexão, o estudo do tema ‘vocações’ e a partilha de experiências locais fortalece a consciência vocacional da Igreja”, diz a carta convite, enviada à Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, expressando também

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior DIRETOR ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marcos Aurélio de Oliveira DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves da Silva DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Kleber Costa Vieira

o desejo da participação das juventudes no Congresso: “Gostaríamos de convidá-los para estar conosco, e para isto disponibilizamos 40 vagas para a Comissão, contemplando as diversas expressões juvenis”. Oficina “juventude e vocação” - Dentre as oficinas oferecidas, uma direciona-se aos jovens, “Juventude e vocação”, que seguirá a reflexão do Sínodo da Juventude e da exortação “Cristus Vivit”, do Papa Francisco. Será

ministrada pelo padre Antônio Ramos (Pe. Toninho), assessor nacional da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude. “A participação dos jovens nesse congresso é importante, porque nele se abordará a vocação da juventude de um modo geral, trabalhando a vocação primeira que é o chamado à vida. No congresso, os jovens poderão não só ouvir, mas contribuir com suas falas e testemunhos”, afirma Pe. Toninho.

COORDENAÇÃO Bernadete Costa (DRT 1326) CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Alan Monteiro da Silva EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Sérgio Santos (DRT/PA 579) Assinaturas, distribuição, administração e redação Av. Gov. José Malcher, Ed. Paulo VI, 915 CEP: 66055-260

INSCRIÇÕES Os jovens podem inscrever-se para o Congresso Vocacional Nacional preenchendo a ficha de cadastro do evento, disponível no site www.congressovocacionalbrasil.com.br As despesas de translado, hospedagem e alimentação são de responsabilidade de cada participante. Mais informações, com a secretaria do 4º. Congresso Vocacional pelo e- mail: pvnacionalcnbb@gmail.com.

- Nazaré, Belém - PA Tel.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


ARCEBISPO

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

3

Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

O

período da I g re j a c h a mado Tempo Comum, no qual nos encontramos e vai até o final do Ano litúrgico, no qual a Liturgia Dominical é celebrada com os paramentos verdes, é propício para o aprofundamento das várias dimensões da vida cristã. “Ora et labora” - Ora e trabalha - é o lema que conduziu a vida de São Bento Abade, comemorado no dia onze de julho. E a Igreja nos oferece nas celebrações litúrgicas do final de semana, no décimo sexto domingo do Tempo Comum, o episódio da visita de Jesus à casa de Marta, irmã de Lázaro e Maria (Lc 10,38-42), precedido pelo magnífico texto da visita de três personagens misteriosos a Abraão e Sara, junto ao Carvalho de Mambré (Gn 18,1-10). Comentando este fato, a Carta aos Hebreus assim se expressa: “Perseverai

Ora e trabalha - lema que conduziu a vida de São Bento Abade, comemorado em julho no amor fraterno. Não descuideis da hospitalidade; pois, graças a ela, alguns hospedaram anjos, sem o perceber” (Hb 13,1-2). Muitas vezes a Sagrada Escritura nos abre à compreensão de aspectos muito práticos do seguimento do Senhor e seus desdobramentos, como acontece com aquela família de amigos de Jesus, uma casa onde Jesus certamente se sentia à vontade. Marta, a serva disponível, cuja festa, aliás, é celebrada no dia vinte e nove de julho, enquanto não existe uma festa litúrgica para Maria de Betânia,

CONVERSA COM MEU POVO está atarefada, no afã de preparar excelente refeição para Jesus e seus discípulos, fica incomodada com a atitude de sua irmã, assentada aos pés de Jesus como discípula. Não era comum que as mulheres se fizessem discípulas. Era tarefa dos homens, e elas certamente deveriam estar, quem sabe, na cozinha. Estar aos pés do Mestre era até atitude escandalosa, em tempos em que um homem não podia falar publicamente com uma mulher e muito menos ensiná-la. E mais ainda, no culto das Sinagogas as mulheres ficavam em lugares secundários, separadas dos homens. Por isso Marta reclama. E o Senhor reconhece os esforços de Marta, sem repreendê-la por ser trabalhadora. E defende Maria, aquela que “escolheu a melhor parte”, a única necessária (Lc 10,42), que não vem a ser considerada preguiçosa, até porque certamente ajudava sua irmã em outras ocasiões. Jesus mostra que naquele momento chega a hora da escuta, do discipulado, agora aberto a todos! De fato, as duas irmãs, e Lázaro com elas, querem bem a Jesus e querem servi-lo, mas de forma distinta. Há um tempo para cada coisa, já ensinava o Eclesiastes! (Cf. Ecl 3,1-12). Abraão serviu, mandou preparar lauta refeição e hospedou anjos de Deus! Marta serve, é santa, Maria é discípula e modelo, Lázaro entra no meio da história, e Jesus oferece a síntese preciosa, que pode iluminar os nossos caminhos. Nos Atos dos Apóstolos (Cf. At 6,1-6), as primeiras comunidades cristãs já encontraram o desafio de estabelecer o justo equilíbrio de duas dimensões da vida cristã. A atenção aos mais pobres suscitou um novo ministério, que está na

REZAR e TRABALHAR

DIVULGAÇÃO

n MARIA (À DIREITA) embevecida diante do Senhor e Marta (à esquerda) servindo à mesa origem da vocação dos que hoje chamamos diáconos. Aos Apóstolos, segundo o discernimento de Pedro, deveriam caber a oração e a pregação da Palavra. Concretamente, em nossa vida cristã cotidiana, de modo especial em nossos dias, o desafio se apresenta. N esta semana, c elebramos Nossa Senhora do Carmo, e a Arquidiocese de Belém se reuniu alegremente com as Monjas Carmelitas Descalças, no Carmelo Santa Teresinha, em Benevides. Ali, estas religiosas contemplativas representam um verdadeiro para-raios de oração para a Arquidiocese. Seu trabalho principal é a oração contínua pela Igreja. As pessoas que acorrem ao Carmelo ficam edificadas com a atualização das irmãs em todos os assuntos da Igreja e do mundo e como se tornam madrinhas de sacerdotes, seminaristas, leigos e leigas, pessoas que acreditam na força da oração. Elas expressam de modo digno e bonito a dimensão contemplativa da vida cristã, ainda que

trabalhem, e muito, já que são sustentadas pelas atividades que ali realizam. E o que dizer de tantos homens e mulheres enviados ao mundo para a pregação, o testemunho e a caridade? Como nos tem edificado a resposta ao convite à missão de leigos e leigas em nossa Arquidiocese de Belém, a prontidão para as visitas domiciliares, o engajamento nas atividades de evangelização, as semanas missionárias, os mutirões de evangelização. E não são poucas as pessoas que assumem o rosto da caridade cristã para serem presença no mundo. Além disso, há as pessoas que põem literalmente a mão na massa, nas edificações que se multiplicam na Igreja! Assim a Igreja é completa, reza e trabalha! Mas como equilibrar estas duas dimensões na vida diária do cristão? Prioridade absoluta seja dada à Eucaristia Dominical, nossa Páscoa semanal. Fazer todo o possível para que não haja em nossa vida Domingo sem Missa! Depois, a oração diária. Rezar pela manhã e à noite, agradecer juntos a Deus, com a família, às refeições, dedicar-se

à oração, como o Rosário e outras devoções existentes na Igreja. E a Palavra de Deus? Vale aprender e praticar a leitura orante da Palavra de Deus: Leitura, Meditação, Oração, Contemplação, Ação. Outra proposta é a superação do julgamento! Não existe uma segunda ou terceira categoria de pessoas na Igreja, porque rezam ou trabalham de forma diferente daquele que cada um de nós pratica! O Espírito Santo sopra onde quer e como quer, suscitando dons, carismas e serviços diferentes, mas todos importantes. Ninguém deseje uma espécie de rolo compressor, querendo que todos vivam a mesma espiritualidade, a mesma prática de contato com a Palavra e os mesmos engajamentos. É bela a diversidade na Igreja! “Na Igreja, Deus estabeleceu, primeiro, os apóstolos; segundo, os profetas; terceiro, os que ensinam; depois, dons diversos: milagres, cura, beneficência, administração, diversidade de línguas. Acaso todos são apóstolos? Todos são pro-

fetas? Todos ensinam? Todos fazem milagres? Todos têm dons de cura? Todos falam em línguas? Todos as interpretam? Aspirai aos dons mais elevados. E vou ainda mostrar-vos um caminho incomparavelmente superior” (1 Cor 12, 28-31). E em seguida, São Paulo indicou a caridade, o amor de Deus derramado nos corações, como a estrada mestra com a qual a síntese da vida cristã se realiza.

Prioridade absoluta seja dada à Eucaristia Dominical, nossa Páscoa semanal.

O Espírito Santo sopra onde quer e como quer, suscitando dons, carismas e serviços diferentes, mas todos importantes


4

IGREJA

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

CÔN. CLÁUDIO BARRADAS (claudiobarradaspe@gmail.com)

MISCELÂNEA

Os Carmelitas EM BELÉM

M

ais de um de meus possíveis leitores por certo já deve estar estranhando: desde a edição de “Miscelânea” de 31 de maio a 6 de junho, portanto, com esta, a sete edições, o título da coluna desse sujeito vem sendo “Os Carmelitas em Belém do Pará”, mas, até agora, nada de ele entrar no assunto. É, de fato, mas foi só até a semana passada,

Graças a essa reforma, acontecida no século XVI, a Ordem passou a ter dois ramos pois prometo hoje entrar no assunto. Antes, porém, a razão de tamanho atraso: é que não gosto de fazer nada pela metade. Assim, como deve ter visto o leitor, comecei por onde acho que sempre se deve começar: pelo começo. Aqui, no caso, pelas origens remotas da Ordem dos Carmelitas, incluídos, é claro,

o porquê desse nome, e, logicamente, informações básicas sobre o Monte Carmelo. Lembra-se o leitor de que escrevi, - salvo engano, na edição de 14 a 20 de junho – que um dos carmelitas, João da Cruz, desgostoso devido à corrupção que invadira a Ordem e à decadência em que ela jazia, resolveu abandoná-la, do que foi dissuadido por sua conselheira, Teresa d’Ávila, também carmelita, de quem diretor espiritual? Ambos, então, iniciaram e levaram a bom termo sua reforma: ela, no ramo feminino e ele, no masculino. Graças a essa reforma, acontecida no século XVI, mais precisamente em 1593, a Ordem, - informação que até agora não tinha dado – passou a ter dois ramos: o mais antigo, o dos Carmelitas da Antiga Observância, ou Carmelitas Calçados, e o que fruto da reforma de Teresa d’Ávila e João da Cruz: os reformados, ou Carmelitas Descalços. Essas denominações nada têm a ver com o uso de calçados. É apenas uma medida prática para diferençá-los. Foi o Papa Clemente VIII que, no ano de 1593, já citado acima, conce-

deu total autonomia ao ramo dos Carmelitas Descalços, separando-o do ramo dos Carmelitas da Antiga Observância, desde então também chamados Carmelitas Calçados, para, como disse a pouco, simplesmente estabelecer melhor as diferenças entre ambos os carismas. Entrando em nosso assunto – Arre! Até que enfim!- os Carmelitas em Belém do Pará. O ramo que se estabeleceu em nossa cidade foi o dos Carmelitas da Antiga Observância, ou Carmelitas Calçados. Aqui chegaram, vindos do Maranhão, em janei-

o ramo que se estabeleceu em nossa cidade foi o dos Carmelitas Calçados

Aqui chegaram, vindos do Maranhão, em janeiro de 1626

(CONTINUAÇÃO) LUIZ ESTUMANO

n FACHADA da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, na Cidade Velha

ro de 1626. A título de curiosidade: treze anos depois dos capuchinhos franceses (1613), nove dos capuchinhos portugueses (1617), dez antes dos jesuítas (1636) e treze antes dos mercedários (1639). Seu objetivo: a catequização de índios e de filhos de soldados. Instalaram-se em um sítio, cuja localização infelizmente ignoro e nele ergueram uma modesta capela. Um ano depois, ou seja, em 1627, precisamente no dia 31 de maio, Bento Maciel Parente, Capitão-Mor da Capitania do Grão-Pará, e seu filho, do mesmo nome, Capitão de Infantaria, doaram-lhes para

PADRE ROMEU FERREIRA

residência uma casa de campo, de taipa-de-pilão (paredes de cascalho [lascas de pedra] e saibro [mistura de argila e areia grossa, usada na preparação de argamassa] socados), situada à Rua do Norte, atual travessa Siqueira Mendes, num terreno alagadiço, localizado próximo aos “baixos da Juçara”, que não sei o que era. Ao lado da casa, usada como convento, os religiosos construíram uma pequena capela dedicada a Nossa Senhora do Carmo. Seu primeiro Vigário Prior foi o mesmo do Maranhão, o

carmelita Frei André da Natividade. Em 1690, por, não sei como, encontraram-se em ruínas, a casa e a capela foram demolidas e, no mesmo ano e nesse mesmo lugar, iniciou-se a construção da igreja e do convento atuais. Os alicerces do novo templo, em pedra e cal, foram lançados solenemente pelo governador, Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho. Por hoje, é tudo. At é à p r ó x i m a s e mana, se Deus nolo permitir. Shalom! Em bom Português, a Paz do Senhor.

LITURGIA

Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (romeufsilva@gmail.comg)

HOMILIA DOMINICAL A) Texto: Lc 10,38-42 38Jesus entrou num povoado e certa mulher, de nome Marta, recebeuo em sua casa. 39Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor e escutava a sua palavra. 40Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importa que minha irmã me deixe sozinha com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!” 41O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. 42Porém uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”. B) COMENTÁRIO

Jesus é o itinerante que chega à casa de Marta e Maria, irmãs do amigo Lázaro (Jo 11,1-43). Provavelmente passava por lá para descansar um pouco e conversar, pois era uma família de ami-

gos dele. Humanamente refazia as forças. E, em lugar de descansar, encontra mais problemas; pois na ocasião da visita, entre as irmãs surge uma tensão, requerendo certa intervenção. Marta, dona da casa, queria ser também dona da irmã, “Sua irmã chamada Maria” (v 39). Nota-se que Marta era uma “reclamadora”: reclama de Maria a Jesus, mas já reclamando do próprio Jesus: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha com todo o serviço?”. É válido refletir: às vezes, não ligamos o nosso “desconfiômetro” de reclamações contínuas? Marta, além de reclamar, ordena ao Mestre, o que ele deve fazer: “Manda que ela me venha ajudar!” (v 40). Ela queria mandar em tudo e em todos. Mas Jesus, antes de dar a resposta, procura acalmá-la, dizendo “Marta, Marta!”...

Jesus também nos adverte, chamando-nos duplamente pelo nome, quando nos enveredamos nas reclamações; ou não queremos deixar o “muro das lamentações”! O Mestre não condena tanto a atividade de Marta nas azáfamas da vida, mas chama a atenção para uma escala de valores e prioridades nas ações dela, e nossas. No encontro com Jesus, no trato com Deus, o mais importante não é fazer a Deus, mas deixar que Deus nos faça, através da intimidade com Ele, na escuta atenta e amorosa de sua palavra. Maria aprendia, tinha uma atitude de discípula: “Maria sentou-se aos pés do Senhor e escutava a sua palavra” (v 39). O apóstolo Paulo, fala desse comportamento, de seu discipulado com o Rabi Gamaliel: “e aos pés de Gamaliel educado na acurada observância da Lei de nossos pais” (At 22,3); “aos pés

de Gamaliel”, ou seja, aprendeu como aluno do famoso Rabi. E agora, Maria “sentou-se aos pés do Senhor” (v 39), aprendendo como aluna do Mestre; bebendo na fonte original, saciando a sede. Não há melhor aprendizado que com o Mestre que diz: “quem beber da água que eu lhe darei, nunca mais terá sede. Pois a água que eu lhe der tornar-se-á nele uma fonte de água jorrando para a vida eterna” (Jo 4,14). Marta determina que Jesus advogue por ela, contra Maria. No entanto, o Mestre dá uma lição a mais, dizendo que o “melhor” é insubstituível; o melhor já é o último escalão. “Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada” (v 42). Que se pode colocar no lugar do que já é o melhor? Aprendamos com Jesus a selecionar, a escolher, as prioridades de nossas ações!

n 19/07, SEXTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Êx 11,10–12,14) Responsório (Sl 115,12-18) Evangelho (Mt 12,1-8) n 20/06, SÁBADO Cor (verde) Primeira Leitura (Êx 12,37-42) Responsório (Sl 135) Evangelho (Mt 12,14-21) n 21/07, DOMINGO Cor (verde) Primeira Leitura (Gn 18,1-10a) Responsório (Sl 14) Segunda Leitura (Cl 1,24-28) Evangelho (Lc 10,38-42) n 22/07, SEGUNDA Cor (branco) Primeira Leitura (Ct 3,1-4a) Responsório (Sl 62)

Evangelho (Jo 20,1-2.11-18) n 23/07, TERÇA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Êx 14,21-15,1) Responsório (Êx 15) Evangelho (Mt 12,46-50) n 24/07 QUARTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Êx 16,1-5.9-15) Responsório (Sl 77) Evangelho (Mt 13,1-9) n 25/07, QUINTA-FEIRA Cor (vermelho) Primeira Leitura (2Cor 4,7-15) Responsório (Sl 125) Evangelho (Mt 20,20-28)


5 SETORJUVENTUDE

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

MUNDO JUVENIL E A FÉ CRISTÃ

O SÍNODO PAN-AMAZÔNICO: A Amazônia como lugar teológico e seus clamores (parte 1) INTRODUÇÃO

N

o dia 15 de outubro de 2017, o Papa Francisco anunciou a convocação de um Sínodo Especial para a Pan-Amazônia. Participarão desse Sínodo bispos e peritos que trabalham na grande região Amazônica, além de muitos convidados especiais. A Pan-Amazônia é uma vasta área geográfica, com grandes florestas e clima tropical, envolvendo os seguintes países: Brasil, Venezuela, Colômbia, Peru, Equador, Bolívia, Guiana Inglesa, Guiana Francesa e Suriname. A maior parte da Amazônia está em território brasileiro. Desde a data do anúncio desse importante evento eclesial, iniciou-se uma enorme mobilização em vista do processo de preparação dessa grande Assembleia. Um intenso processo de escuta foi articulado nos diversos países por meio de centenas de reuniões, assembleias, rodas de conversas, simpósios, seminários... O processo de escuta culminou com a elaboração do documento “Instrumentum Laboris” que é fruto desse longo caminho de estudo e partilha de preocupações. Todavia, as discussões continuam! Tudo vai desembocar na grande assembleia dos bispos em Roma, que se iniciará no dia 6 e terá sua con-

clusão no dia 27 de outubro deste ano.

1

Urgências e discernimento Por se tratar de um tema tão específico e, ao mesmo tempo, profundamente complexo nas suas mais variadas realidades, o referido Sínodo dos Bispos deverá ser um instrumento privilegiado de escuta do Povo de Deus. Por isso o Papa Francisco pede orações: «Para os Padres sinodais pedimos, antes de mais nada, do Espírito Santo, o dom da escuta: escuta de Deus, até ouvir com Ele o grito

O processo de escuta culminou com a elaboração do documento "Instrumentum Laboris" do povo; escuta do povo, até respirar nele a vontade a que Deus nos chama» (Introdução: Instrumentum Laboris). Há séculos a Amazônia vem sendo lugar de exploração em diversas dimensões: no solo, na água, na fauna e na flo-

ra; a Amazônia é depredada na economia, na cultura e em seus povos; a Amazônia é pouco considerada nas ciências, na tecnologia e é foco de corrupção na política. Não é à toa que, infelizmente, a Amazônia acolhe em seu interior a maior parte da população mais pobre da América do Sul. Além da urgência ambiental, para a Igreja Católica a Amazônia é muito mais que um mero território; é também um lugar teológico, onde Deus se revela para quem tem fé e percebe seus sinais; mas a Amazônia é também lugar de fortes gritos de sofrimento e sinais de esperança.

da sensibilidade religiosa dos povos nativos, na forte religiosidade popular, na sensibilidade das pessoas e na fineza das artes. Na Amazônia, Deus se revela através da história e da santidade de milhares de missionários, sacerdotes, religiosos e leigos que gastaram suas vidas e ou derramaram seu sangue na promoção do Reino de Deus. Na Amazônia Deus se revela através de milhares de pessoas, líderes sociais, organizações religiosas, movimentos sociais e eclesiais, pastorais e associações que lutam com coragem em defesa da vida, promovendo a justiça e a paz.

2

3

A Amazônia é “lugar teológico” Nela Deus se revela na beleza e na exuberância da natureza; na originalidade e riqueza dos povos e culturas! Na Amazônia Deus revela a sua generosidade na fonte abundante de recursos minerais, na fauna e na flora; Deus se manifesta na abundância das águas e riqueza de alimentos; Deus pode ser contemplado nas virtudes dos povos, sobretudo a acolhida, a paciência e a serenidade. Na Amazônia a presença divina pode ser contemplada na profun-

A Amazônia: região de gritos A Amazônia é também lugar onde se pode ouvir gritos! Como no Gênesis após o assassinato de Abel: “Ouço o sangue do seu irmão, clamando da terra por mim” (Gn 4,10); e no Egito, quando o povo israelita padecia a escravidão: «Eu vi muito bem a miséria do meu povo que está no Egito. Ouvi o seu clamor contra seus opressores, e conheço os seus sofrimentos” (Ex 3,7). Na Amazônia há muitos clamores: há o grito dos pobres explorados nas fazendas, expulsos de suas terras e ameaçados em sua

subsistência; há gritos de migrantes, vítimas do êxodo rural, desabrigados nas grandes cidades, amontoados nas periferias. Na Amazônia há o grito das populações indígenas, vítimas da ganância do agronegócio predador, do imperialismo econômico, dos preconceitos e da falta de assistência digna na saúde, na educação e na política. Na Amazônia ouvimos o brado de milhões de jovens vítimas do tráfico e do consumo de entorpecentes, viciados e escravos da criminalidade organizada; semi-analfabetos, desempregados e sem digna formação profissional.

Na Amazônia há muitos clamores

Na Amazônia Deus revela sua generosidade na fonte abundante de recuros minerais, na fauna e na flora

Na Amazônia ecoa o berro da alienação popular, do enfraquecimento do protagonismo dos povos, da alienação, do messianismo, da demagogia populista, do clientelismo político, da dependência das bolsas do governo. Da Amazônia ressoa pelo mundo afora a gravidade do desmatamento, o envenenamento das fontes hídricas, a extinção de espécies (da fauna e da flora), a desordenada e violenta exploração mineral. Na Amazônia grita o caboclo com escassa possibilidade de investimento no campo, a inexpressividade da economia solidária e a frágil economia familiar devidamente assistida. Na Amazônia clamam os direitos humanos por causa da impunidade, da exploração trabalhista no campo; grita o Estado, combalido por causa da corrupção nos órgãos públicos, do desperdício de recursos, da miopia na gestão do bem comum e escassez de investimentos preventivos. (continua)... REFLEXÃO: Qual é a sua visão sobre a Pan-Amazônia? O que você entendeu sobre a “a Amazônia como lugar teológico”? Quais gritos da Amazônia você ouve no seu cotidiano amazônico?

1 2 3

Encontro Nacional reuniu LIDERANÇAS DO MEJ

O

tema “O Amor anima a missão” embasou o 4° Encontro Nacional do Movimento Eucarístico Jovem (MEJ), de 12 a 14, em Benevides. O evento reuniu as lideranças do movimento das dioceses dos estados do Brasil para refletir a caminhada do MEJ no Brasil e no mundo, assim como aprofundar mais a espiritualidade do movimento, centrada na Eucaristia, além de definir estratégias e ações para o próximo triênio de caminhada. O encontro reuniu 124 lideranças de 17 estados brasileiros e 12 mejistas como são conhecidos os jovens do movimento -, estes da Itália e Congo. O evento contou com a participação do padre Elio-

mar Ribeiro, SJ, diretor nacional do Movimento Eucarístico Jovem (Mej), que conduziu as atividades do Encontro Nacional. Participaram do padre Claúdio Barriga, SJ, ex-Diretor Internacional da Rede Mundial de Oração do Papa (Apostolado da Oração) e MEJ, que foi delegado pelo atual Diretor Internacional, padre Frèdèric Fornos, SJ para esta missão. Segundo Augusto Fausto, articulador do Estado do Pará do Movimento Eucarístico Jovem, o evento proporcionou: “conhecer a realidade e as realidades do Mej no Brasil, principalmente a nossa”. A temática proposta para este ano “O amor anima a missão”, foi escolhida para alicerçar a missão dos jovens após a realização do Encontro Nacional, pois eles, agora,

sairão em missão em solo paraense. A primeira etapa começou na segunda-feira, dia 15, e segue até esta sextafeira, 19, na Matriz da Paróquia de São José de Queluz, em Canudos, onde os jovens evangelizam através de visitas porta a porta. A segunda etapa começa neste domingo, dia 21, nela os jovens do movimento visitarão cinco paróquias da Arquidiocese que possuem o Mej em atuação, para conhecer a realidade da região, além de evangelizar, proposta que partiu dos mejistas vindos da Itália. Além deles, participam mejistas de algumas dioceses do Brasil e os da Arquidiocese de Belém.

O MEJ - O Movimento Eucarístico Jovem é um movimento internacional de adolescentes e jovens de

DIVULGAÇÃO

n JOVENS participantes do 4º encontro do MEJ 07 a 25 anos presente em mais de 50 países. Ramificação juvenil do Apostolado da Oração, busca ensinar a juventude a ter uma relação amorosa, amiga, de coração a coração, com Jesus. Sua espiritualidade

está centrada na Eucaristia, preparando e formando jovens comprometidos no serviço aos irmãos mais necessitados. Fazer memória desse sacrifício é, antes de tudo, celebrar a alegria de receber tanto amor gra-

tuito. Cristo convida a cada um de nós a fazer o mesmo que Ele: “Façam isto em minha memória” (conf. Lc 22,19); portanto, celebrar a Eucaristia é fazer memória de Cristo e dar a vida em favor dos outros.


6

IGREJA

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

Missão na Amazônia ocorre no RIO TAJAPURU, n a i l h a d o M a r a j ó I G R E J A P R E S E N T E D E S P E R T A A F É da comunidade e o valor da vida

E

m comunhão com Prelazia do Marajó, a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB), da Conferência Nacional do Bispo do Brasil (CNBB), do Regional Norte 2 (Pará e Amapá) realiza a “Missão na Amazônia” no Rio Tajapuru, entre os municípios de Breves e Melgaço, no Marajó, de 18 a 26. A missão faz parte da dinâmica do Sínodo para a Amazônia e objetiva despertar a mística nas comunidades, o valor da vida e o valor do ser humano. A ação evangelizadora será desenvolvida por missionários e visa alcançar a comunidade ribeirinha através de visitas às famílias, momentos celebrativos e formativos. A Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) promove a 5° edição da “Missão na Amazônia”, que busca estar junto das pessoas empobrecidas, ouvindo os seus clamores, procurando identificar suas realidades e dar respostas. A primeira, em 2015, ocorreu em Santarém. A segunda e a terceira, respectivamente, em 2016 e 2017, ambas em Macapá. A quarta, em 2018, no Marajó. A proposta da CRB nacional, agora, ocorre em âmbito regional, com a articulação do Bispo da Prelazia do Marajó, Dom Evaristo Pascoal Spengler, OFM. Em abril deste ano, foi realizada a Pré-Missão no entor-

no do rio Tajapuru, em preparação para a Missão na Amazônia, que visa alcançar cerca de 40 comunidades, pertencentes à Matriz da Paróquia de Sant’Ana, em Breves (PA). Segundo Dom Evaristo Spengler, OFM, a missão vai ser um momento forte, e terá continuidade. “A ideia é estar junto com as comunidades ribeirinhas, na dinâmica do Sínodo que o Papa pede - uma Igreja presente, uma Igreja que esteja junto com o povo, uma Igreja Samaritana. E, nesse sentido, essa missão não vai ser um momento pontual, ela vai ser um momento forte, que vai ter uma continuidade tanto na assistência religiosas às famílias, como também na busca de algumas soluções sociais”, disse o bispo. A missão conta com um grupo específico de 45 missionários de várias congregações de vários estados brasileiros. O grupo que realiza a missão é denominado de “Novas Gerações”, ou seja, religiosos com até dez anos de votos perpétuos. Ir. Jucélia de Jesus Silva, da Congregação Filhas de Maria Auxiliadora, coordenadora da CRB do Regional Norte 2 (Pará e Amapá), explica que a missão atende o Plano Nacional da Conferência dos Religiosos do Brasil e uma das prioridades é ouvir o clamor dos

pobres da terra, justamente pelo atual tempo de Igreja, cujo olhar está para a Amazônia. Para a religiosa, os missionários escutarão os clamores, os desejos, para daí, sim, poder levar uma resposta. “Nós, enquanto, missionários percebemos esse grito que vem da Amazônia, como podemos ser respostas a esses gritos? Então, dentro desse contexto de preparação para o Sínodo que já vem há algum tempo, a gente quer ser resposta a esses gritos. Antes de tudo, é fundamental, termos uma atitude de escuta, pois não teremos respostas sem perceber quais são as suas maiores necessidades”. ENVIO

Na terça-feira, 16, Solenidade de Nossa Senhora do Carmo, às 18h, na Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, o Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, presidiu a Santa Missa e na ocasião concedeu a benção de envio aos 45 missionários vindos de alguns estados brasileiros para a experiência missionária no Rio Tajapuru, no Marajó. Quarta-feira, 17, na da Casa Prelazia do Marajó, bairro do Canudos, houve formação voltada aos missionários, uma verdadeira imersão, que visou interá-los desde o contexto social aos religiosos e políticos da área. A formação foi ministrada pelo Frei Atilho, que contextualizou a parte histórica e cultural e pela irmã Henriqueta Cavalcante, coordenadora da Comissão Justiça e Paz, que abordou a temática da exploração sexual. Quintafeira, 18, embarcaram para a missão. MISSÃO

n VIVÊNCIA será nos lares das comunidades

n REALIDADE marajoara a ser conhecida

À chegada dos missionários, dia 19, eles serão divididos em 17 grupos, cada um voltará sua atenção a três comunidades, onde eles vão experimentar a realidade daquele povo, pois vão ficar hospedados na casa dos ribeirinhos, oportunidade de conhecer de perto os desafios desse povo que vive às margens do rio Tajapuru, que sobrevive da pesca e do cultivo do açaí, e é assolada pela exploração sexual e pela pirataria. Dom Evaristo

FOTOS: DIVULGAÇÃO

n MISSIONÁRIOS " A gente quer ouvir , nos inquietar pelo nosso povo!"

Spengler ressalta que no período de missão as comunidades terão novos objetivos de vida. “A fé, é claro, vai ter um desabrochar muito grande na vida dessas comunidades e dessas pessoas, buscando um novo objetivo de vida”. A missão abrange visitas às famílias, momentos celebrativos e formativos, e segue até o dia 26, Festa Litúrgica de Sant’Ana, e segundo a religiosa, Jucélia de Jesus, o momento de ouvir. “Esse é um período, como Igreja presente na Amazônia, de nós conseguirmos perceber, identificar e sermos mais ainda como congregações, nos inquietarmos, mas de que forma podemos ser essa resposta, porque não é fácil, é um desafio, mas a gente tem que realmente se dispor a ouvir”. RELIGIOSOS

Desbravar o rio Tajapuru é o que os 45 religiosos e religiosas de várias congregações e estados brasileiros vão fazer durante os dias de missão, com o propósito de fortalecer a dimensão da fé. Muitos, não conhecem a realidade local, mas sabem que podem que podem contribuir em várias dimensões, visando transformar a realidade dos ribeirinhos. O leigo Paulo Gomes, natural de Curitiba, atuou na Pastoral da Criança durante 10 anos e até hoje é atuante na caminhada de Igreja. Ele é um dos missionários. Segundo Paulo Gomes, a intenção é contribuir levando a Palavra de Deus e, assim fortalecer a dimensão da fé. “A expectativa é de encontrar algo novo e poder conhecer essa realidade e contribuir com a Palavra de Deus,

estando junto desse povo, junto das comunidades e fazendo com que desperte nelas o interesse o valor pela Palavra de Jesus, pela missão da Igreja, pela transformação da vida das comunidades". Paulo contunua: "Eu creio que a missão é o momento que possa transformar e que eles vão se unir, se fortalecer e juntos buscar algo novo que vai mudar a vida social, que vai fortalecer a dimensão da fé, a dimensão religiosa e também o serviço para o outro e de forma comunitária e participativa”. Natural do Estado do Pará, do município de Tucumã, a religiosa Leidiane Paes, da Congregação das Irmãs Escolares de Nossa Senhora, está em missão em Porto Alegre (RS), e participa da missão pela primeira vez. Segundo a religiosa Leidiane Paes, a expectativa é grande, pois vai conhecer a realidade própria do povo no Marajó. “Eu

tenho muita expectativa de conhecer o local e, mais que isso, me inteirar da realidade do meu povo, desses povos que moram aqui e poder colaborar trazendo essa perspectiva de um Jesus que vai ao encontro, de uma Igreja que vai ao encontro dos seus. E eu sou Igreja, eles também são Igreja e, com isso, eu que me encontrar e também encontrar neles esse rosto humano de Deus, que Deus revela em cada um de nós”. Estudante de Teologia, Leidiane atua no projeto social de formação de pessoas em Porto Alegre, e deixa claro o que espera após a missão: “Eu quero levar um pouco dessa realidade e poder entusiasmar eles também para conhecer essa realidade e colaborar com a minha gente, com o meu povo. A minha ideia é levar isso, compartilhar, e que eles se apaixonem por esse pedaçinho do Brasil, concluiu a missionária.

n A PALAVRA de Deus, a meta maior de todas


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

7

SÍNODO PARA A AMAZÔNIA: “Novos caminhos

para a Igreja e uma ecologia abrangente” MENOS DE 3 MESES para a assembleia dos bispos no Vaticano, em outubro

N

a década de 70 o Papa Paulo VI, em mensagem de incentivo aos bispos reunidos no Encontro da Igreja na Amazônia, em Santarém, afirmou: “Cristo aponta para a Amazônia”. Para refletir sobre essa icônica frase a Igreja se reúne, em outubro deste ano, durante a assembleia sinodal, convocada pelo Papa Francisco, para discutir a temática “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral”. Mas, afinal, o que é o sínodo e qual sua relevância na proposta atual da Igreja de Cristo? “Sínodo”, em termos gregos, significa “syn” (“juntos”) e “hodos” (“caminho”). A união dos dois termos resultaria na ideia de caminhar juntos. É uma instituição permanente da Igreja, criada em 1965, também pelo papa Paulo VI, em resposta aos desejos dos padres do Concílio Vaticano II. Objetivo: manter vivo o espírito de colegialidade nascido da experiência conciliar. A reunião desta instituição permanente da Igreja consiste em um encontro religioso ou assembleia na qual alguns bispos, reunidos com o Papa, têm a oportunidade de trocarem informações

e compartilhar experiências. O objetivo comum dessas reuniões é buscar soluções pastorais que tenham aplicação universal. O sínodo de outubro, a ser realizado no Vaticano, em Roma, teve início em 2017, quando o Papa se dirigiu, antes da oração do Ângelus, aos fiéis e peregrinos reunidos na praça de São Pedro, no Vaticano, e anunciou a convocação de uma Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Pan-Amazônia: “Atendendo o desejo de algumas Conferências Episcopais da América Latina”. O t e m a “A m a z ô nia: novos caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral” tem como objetivo “identificar novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, especialmente dos indígenas, frequentemente esquecidos e sem perspectivas de um futuro sereno, também por causa da crise da Floresta Amazônica, pulmão de capital importância para nosso planeta”, afirmou o Santo Padre. Em 2018, durante o encontro com povos indígenas de quase todos os países da Pan-Amazônia, em Porto Maldonado, Peru, o pontífice reforçou a riqueza dos

DIVULGAÇÃO

saberes e da diversidade indígena, bem como a necessidade de defender a Amazônia e seus povos e, também, as ameaças que esses povos enfrentam em função dos interesses econômicos em seus territórios. CAMINHO ATÉ O SÍNODO

O p r o c e s s o p re paratório do Sínodo teve início logo após o anúncio do Papa Francisco. Em abril d e 2 0 1 8 o c o r re u a primeira reunião do Conselho Pré-Sinodal com peritos, leigos, religiosos e convidados, com o Santo Padre, com a finalidade de preparar e aprovar o texto preparatório ao Sínodo. Em seguida, após um amplo processo de escuta, que teve como primeiros interlocutores os povos indígenas e todas as comunidades que vivem na Amazônia, e o estudo do Document o P re p a r a t ó r i o a o Sínodo, apresentado em junho de 2018, ocorreu a elaboração do Instrumentum Laboris, apresentado em junho de 2019. O Instrumentum Laboris, Documento de Trabalho do Sínodo, deverá basear todas as discussões do Sínodo para uma proposta de novos caminhos de evangelização. O Documento

n POVOS INDÍGENAS: primeiros interlocutores do processo de escuta de Trabalho indica alguns assuntos que devem estar na pauta do Sínodo para a Amazônia: O “rosto dos povos da Amazônia”; “Memória histórica eclesial”; “Anunciar o Evangelho de Jesus na Amazônia”; “Igreja com rosto amazônico” e “Ministérios com rostos amazônicos”.

Monsenhor Raimundo Possidônio, Vigário Geral para a Pastoral da Arquidiocese de Belém, foi u m d o s b r a s i l e i ro s especialistas que participaram da elaboração do Documento de Trabalho do Sínodo. Segundo ele, “as proposições que estão no Documento vieram

das escutas das bases, que foram momentos fortes desse processo do Sínodo. Ali estão muitas aspirações, muitos sonhos, e isso está tudo presente no Instrumentum”. A íntegra do documento pode ser lida no seguinte link: encurtador.com.br/ CIX13

POR DENTRO DO PROCESSO DO SÍNODO PARA A AMAZÔNIA: – Outubro/2017: O Papa Francisco convoca o Sínodo para a Amazônia. – Janeiro/2018: O Papa Franscico, em viagem a Porto Maldonado, no Peru, dá início ao processo Sinodal. – Abril/2018: Primeira reunião do Conselho Pré-Sinodal em Roma. – Maio/2018: Lançamento do Documento Preparatório do Sínodo e início das escutas territoriais. – Novembro/2018: Visita do Cardeal Baldisseri e acompanhamento do processo de escutas territoriais. – Fevereiro/2019: – Conclusão das escutas territoriais e início da elaboração do Instrumento de Trabalho – Maio/2019: Segunda reunião do Conselho Pré-Sinodal em Roma.

_ Junho/2019: Coletiva de imprensa para apresentação do Instrumentum Laboris – Outubro/2019: Realização do Sínodo para a Amazônia

Amazônia volta a receber PROGRAMAS DA RÁDIO VATICANO Há mais de 61 anos o Brasil ouve a voz do Papa através da Rádio Vaticano. Depois de um período de ausência, no próximo dia 1º de agosto o Programa Brasileiro da Rádio do Papa voltará a transmitir em ondas curtas para a Amazônia. Com a aproximação do Sínodo dos Bispos para a região Amazônica, a Rádio do Papa

demonstra assim a sua atenção para com uma parte do Brasil que faz do rádio o seu principal instrumento de comunicação. Novamente, a voz do Papa poderá ser ouvida por mais de 25 milhões de pessoas que habitam o pulmão verde do nosso planeta. A decisão atende à demanda da realidade radiofônica da Amazô-

nia e comprova a importância que a Rádio Vaticano dá aos ouvintes que em todos os lugares do planeta têm o direito de receber, de um modo ou de outro, a mensagem do Sucessor de Pedro. O Programa Brasileiro poderá ser seguido através das ondas curtas às 22h, no horário de Brasília.

após a fundação da Rádio do Papa, em 12 de fevereiro de 1931, o Programa Brasileiro da Rádio Vaticano integra o universo de mais de 40 redações linguísticas que transmitem diariamente para o mundo inteiro a Doutrina da Igreja e o Magistério Petrino. Em sua trajetória,

o Programa Brasileiro acompanhou de perto os pontificados dos Papas Pio XII, João XXIII, Paulo VI, João Paulo I, João Paulo II, Bento XVI e agora com o Papa Francisco. Em 2014, com o início da reforma das comunicações na Santa Sé, foi criado o site Vatican News, com uma nova direção editorial. Hoje, as Comunicações têm como Prefeito Paolo

Ruffini, o único leigo no Vaticano a ocupar a chefia de um Dicastério. Anunciar a Boa Nova de Cristo, transmitindo os principais eventos relacionados ao Papa e à Santa Sé, é a principal missão da Rádio Vaticano, que trabalha em consonância com a Igreja no Brasil (CNBB), dando voz a todos os seus componentes. LUIZ ESTUMANO

PROGRAMAÇÃO Atualmente a Rádio Vaticano oferece diariamente uma ampla programação através das emissoras retransmissoras, via satélite e internet, que pode ser acompanhada em todo o Brasil e também no continente africano. Transmite, ainda, a Audiência Geral, às quartas-feiras, e o Angelus com o Santo Padre, aos domingos.

No Twitter, as notícias da redação podem ser acompanhadas na conta https://twitter.com/vaticannews_pt

No Facebook (facebook. com/vaticannews.pt), a página da Rádio Vaticano/Vatican News

No Instagram, siga-nos aqui: https://www.instagram.com/ vaticannews/

do para a Amazônia

PROGRAMA BRASILEIRO - Criado 27 anos

- Português é acompanhada por mais de 700 mil pessoas. Além disso, existe o aplicativo ‘Vatican Audio’ que oferece toda a nossa programação sonora ao vivo em celulares e tablets.

n HABITAÇÕES ribeirinhas na Amazônia


8

IGREJA

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

NAZARÉ REPÓRTER n NICIAÇÃO CRISTÃ EM MOSQUEIRO

DIVULGAÇÃO

H N

oje, festa da #NossaSenhoradoCarmo, contemplamos Nossa Senhora que está ao lado da Cruz de Cristo. Esse é também o lugar da Igreja: perto de Cristo (16 de julho) o Evangelho de hoje, Jesus propõe como modelo o samaritano, que amando o irmão como a si mesmo, demonstra que ama a Deus com todo o coração e expressa, ao mesmo tempo, verdadeira religiosidade e plena humanidade. (14 de julho)

RÁDIO NAZARÉ

Na manhã de sábado 13, na localidade Pau d’Arco, ligada à Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, esta pertencente à Paróquia Santa Bárbara, ocorreu a primeira reunião com lideranças da catequese com o padre Carlos José, assessor para a catequese da recém-criada Região Episcopal Nossa Senhora

FM 91 .3 MHZ

n SAÚDE BUCAL: : ASSUNTO NA RÁDIO NAZARÉ FM O programa “Saúde e cidadania” de segunda-feira, 22, abordará a “Campanha Julho Laranja: a importância dos cuidados ortodônticos”. A campanha tem o objetivo de chamar a atenção de toda a sociedade sobre a importância do tratamento ortodôntico precoce, a fim de prevenir problemas de oclusão, ou seja, de posicionamento dos dentes e ossos maxilares. Muitas complicações ortodônticas podem ser evitadas se identificadas e tratadas precocemente. Um especialista falará sobre o assunto e você pode participar. Sintonize 91,3 Mhz, toda segunda-feira, a partir das 16h! Para interagir, ligue 4006-9211 ou 9.8814-0275 (WhatsApp).

n SEMANA JOVEM EM MISSÃO - BENFICA Com o tema “O Espírito do Senhor está sobre mim” (Is 61,1) a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Benfica, promove a Semana Jovem Missão Benfica/PA 2019, no período de 21 a 28 deste mês. A programação consta de procissão da Penitência, evangelização de casa em casa, Kairós Missionário e shows das bandas Evangelizashow e Balada Católica. n FESTIVAL AÇAÍ A Matriz da Paróquia da Natividade de Nosso Senhor Jesus Cristo, no conjunto Sideral, em Belém, programa para o dia 8 de setembro mais uma edição do tradicional Festival do Açaí. O evento reúne famílias da comunidade em uma programação que dura o dia todo. O açaí é o carro chefe desse evento, além, é claro, de um cardápio com comidas regionais, peixe frito, camarão, entre outras variedades para tornar o almoço dos participantes ainda mais saboroso. As cartelas podem ser adquiridas na secretaria da matriz ou com um dos agentes de pastorais, grupos e movimentos.

TV NAZARÉ CANAL 30.1

n DOM ALBERTO CONVERSA COM O POVO Você gostaria de conversar com o Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa? Através do programa “Conversa com meu povo”, na TV Nazaré, isso é possível. Entre em contato com a produção via whatsApp (91)98802-4344, de onde você estiver, que o Arcebispo responde a suas perguntas sobre a vida da Igreja, durante o programa que vai ao ar às terças e quintasfeiras, e sábados, às 6h25, com reprises às 8h, 13h20, 20h10 e às 23h. Sintonize o canal 30 – ou a sintonia da sua cidade – e participe!

n FESTA DE SÃO TARCÍSIO De 3 a 17 de agosto, o grupo arquidiocesano Servidores do Altar promoverá a XII festividade em honra do padroeiro, São Tarcísio. A programação, ainda não divulgada, será à luz do tema “São Tarcísio, ardor missionário pela Eucaristia” e a procissão programada para o dia 17, data da festa litúrgica do santo.

PORTAL NAZARÉ WWW. FUNDACAONAZARE. COM.BR

BOA DICA

n PORTAL TRANSMITE A ADORAÇÃO Toda quinta-feira, às 15h, o Portal Nazaré (www.fundacaonazare.com. br) e a nossa página no Facebook:/FNCBelem transmitem a Adoração ao Santíssimo Sacramento, ao vivo, na Capela da Fundação Nazaré de Comunicação, na Av. Governador José Malcher. Participe conosco desse momento de fé e envie seu pedido de oração pelo nosso contato: (91) 99315-5743 (WhatsApp) ou em nossa página no Facebook. Faça parte da Família Nazaré e seja um sócio evangelizador. Ajude-nos a realizar essas e outras transmissões para que a missão evangelizadora alcance todos os lugares. Para mais informações, entre em contato: (91) 4006-9211 ou (91) 99315-5743 (WhatsApp).

n UMA JORNADA A DOIS Livro (Paulinas, R$ 28,50)

A

AGENDA DE DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA n SEXTA, 19 DE JULHO 19h – Missa com a Comunidade Theotokos (Paróquia de Santo Afonso de Ligório) - Pratinha n SÁBADO, 20 DE JULHO 19h – Missa - Catedral de Belém

n DOMINGO, 21 DE JULHO 7h – Missa (Catedral de Belém) 11h – Missa (Fazenda da Esperança) 18h – Missa - Festa de Nossa Senhora do Carmo (Paróquia da Divina Misericórdia)

AGENDA DE DOM IRINEU ROMAN

n SEXTA, 19 E SÁBADO, 20 DE JULHO Reunião - Coordenação Nacional Pastoral do Turismo (Brasília)

n DOMINGO, 21 DE JULHO Reunião - Coordenação Nacional Pastoral do Turismo (Brasília) 18h - Missa - Paróquia São Paulo Apóstolo - Guará I (Arquidiocese de Brasília)

n TERÇA, 23 DE JULHO 17h30 – Festividade - Paróquia Sant’Ana n QUARTA, 24 DE JULHO Em viagem – Festa de São Libório (Paderborn – Alemanha)

n SEGUNDA, 22, A QUINTA, 25 DE JULHO Viagem ao sul

AGENDA DE DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO n SEXTA, 19 DE JULHO 6h30 – Missa – Residência Episcopal Viagem a Ourém n DOMINGO, 20 DE JULHO 19 h - M i s s a - V i l a d e Fá t i m a

(representantes de Portugal) n SEGUNDA, 21 DE JULHO 19h - Missa - Comunidade Santa Ana (Murinim)

do Ó. Na ocasião foi eleita a primeira coordenação dessa nova região, composta pelas catequistas Cris Kelly, da Paróquia Santa Bárbara (Santa Bárbara) e Rose, da Paróquia Nossa Senhora do Carmo (Benevides). Também foi eleito como secretário e tesoureiro, o catequista Fernando, da Paróquia Santa Bárbara.

n TERÇA, 22 A QUINTA, 25 DE JULHO Retiro espiritual para o clero da Prelazia do Xingu

autora parte da ideia de que a vida provém do amor entre um homem e uma mulher que são companheiros de caminhada. Dividida em três partes em que a autora oferece conselhos que reforçam os fundamentos de todo relacionamento - respeito, diálogo, confiança e colaboração - também faz referências à dinâmica do mundo interior e à busca da harmonia, reflete sobre o relacionamento com os pais e a necessidade de aceitá-los como são e aborda a questão da sexualidade e a necessidade de vivê-la plenamente na vida a dois. Ao final de cada capítulo, propõe palavras para meditação e lança um convite à reflexão, com perguntas que desafiam o autoconhecimento. Conclui, afirmando que o amor flui quando a pessoa é capaz de dizer sim e agradecer pela vida como ela é, e de aceitar e amar o outro pelo que ele é.

n EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL DO PAPA FRANCISCO – Christus Vivit: Para os jovens e para todo o povo de Deus - Livro (Paulus, R$ 10,80)

"0

Senhor nos chama a acender estrelas na noite de outros jovens, convida-nos a olhar os verdadeiros astros, esses sinais tão variados que Ele nos dá para que não fiquemos parados, mas imitemos o semeador que olhava as estrelas para poder arar o campo. Deus nos acende estrelas para que sigamos caminhando: ‘As estrelas brilham alegres, cada qual em seu lugar. Deus chama, e elas respondem: ‘Aqui estamos!’ (Br 3,34-35). Mas o próprio Cristo é para nós a grande luz de esperança e orientação em nossa noite, porque Ele é ‘a brilhante estrela da manhã’ (Ap 22,16b). Ser jovem, mais do que uma idade, é um estado de espírito.”


IGREJA

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

9

BARCO-HOSPITAL PAPA FRANCISCO chega ao coração da Amazônia EMBARCAÇÃO presta serviços no âmbito da saúde, mas também leva a mensagem de Deus às comunidades

O

Barco-hospital Papa Francisco partiu da cidade de Santarém em direção à cidade de Óbidos por volta das 6h do dia 6 deste mês. Ali, no fim da tarde, houve uma cerimônia de acolhida da embarcação. No caminho para Óbidos, ocorreu uma parada programada na localidade ribeirinha de Januária, pertencente a Óbidos, onde tem sede a Comunidade Nossa Senhora de Nazaré, primeira comunidade católica pertencente à Diocese de Óbidos, depois do território da Diocese de Santarém. Naquela localidade, a comunidade ofereceu calorosa recepção e almoço à comitiva da embarcação, composta por frades da Fraternidade São Francisco na Providência de Deus, religiosas Pequenas Missionárias de Maria Imaculada, além de religiosos de outras congregações, e também a tripulação da marinha mercante.

Ainda no início da tarde do sábado, 6, o barco seguiu para Óbidos, aportando próximo às Docas, onde fica o Escritório Administrativo do projeto. A embarcação hospitalar foi recebida pelo Bispo Diocesano de Óbidos, Dom Frei Bernardo Bahlmann, OFM, por representante da prefeitura municipal, além de sacerdotes, religiosos, e demais autoridades civis, além de numerosas pessoas da cidade-sede da Diocese (Óbidos). O barco-hospital conduzia também a imagem da padroeira da Diocese, Sant´Ana, recebida com muita festa, já que sua festividade é celebrada também neste mês. Em entrevista, à chegada do barco, Frei Francisco Belotti recordou que, “nos últimos dias, o Papa Francisco disse que o nosso amor a Deus tem que passar pelo amor à humanidade,

então desde o momento em que chegamos aqui, sentimos essa necessidade de fazer com que esse serviço e outros possam chegar até às pessoas. Aí começou nosso grande desafio de busca, de idealização, e hoje estamos começando a concretizar esse sonho. Nós queremos estar aqui, a serviço da vida”. O Superior da Fraternidade São Francisco na Providência de Deus, ao falar a respeito do atendimento a ser feito na embarcação hospitalar, disse que “a mão que entrega o medicamento será mais importante que o medicamento, mas nós teremos também o medicamento para ajudar as pessoas a viver. O Barco-Hospital Papa Francisco vem para fazer a diferença na vida das pessoas, agir na vida das pessoas, como Jesus”, afirmou. O BARCO

O Barco-Hospital con-

FOTOS: DIVULGAÇÃO

n POVO de Óbidos prestigiou passagem do barco-hospital pela cidade

ta com equipe de saúde composta por religiosas de várias congregações, dentre as quais as Pequenas Missionárias de Maria Imaculada, que estarão a serviço, com duas consagradas enfermeiras, e uma contadora. Madre Sandra Notolini, Superiora Geral da Congregação das Pequenas Missionárias de Maria Imaculada,

falou que, “a expectativa é de poder viver como Cristo, servir como Cristo, ajudar essa gente, mas mais do que isso, conviver, compartilhar, amar, poder cuidar do corpo, da alma, estarmos juntos, porque, afinal de contas, somos todos irmãos. Esta é a expectativa: poder estar no Barco Papa Francisco e poder comparti-

lhar o que a gente sabe, mas também aprender muito com a gente tão boa da Amazônia”. A respeito da experiência a bordo do BarcoHospital, Madre Sandra declarou: “ele é grandioso, porque precisa da tecnologia, para poder servir bem. Mas ele é simples, como Deus é simples”, resumiu a religiosa.

Cardeal da Rocha nomeado para a CONGREGAÇÃO PARA O CLERO O Papa Francisco nomeou dia 13 novos mem-

guez, arcebispo de Havana (Cuba).

bros para a Congregação para o Clero, entre eles, o brasileiro Sérgio da Rocha, Arcebispo de Brasília. Os demais são: Anders Arborelius, Bispo de Estocolmo (Suécia); Giuseppe Petrocchi, Arcebispo de L’Aquila (Itália); Baltazar Enrique Porras Cardozo, administrador apostólico

Aviz, prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, e Odilo Pedro Scherer,

de Caracas e arcebispo de Mérida (Venezuela). Fo r a m n o m e a d o s ainda Filippo Iannone,

presidente do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos; Milton Luis Tróccoli Cebedio, bispo de Maldonado-Punta del Este (Uruguai); Michel Aupetit, arcebispo de Paris (França); Robert Francis Prevost, bispo de Chiclayo (Peru); Juan de la Caridad García Rodrí-

Integram a Congregação outros dois cardeais brasileiros: João Braz de

Arcebispo de São Paulo.

A competência da Congregação para o Clero atualmente é indicada nos art. 93-98, da Constituição Apostólica Pastor Bonus, articulada em quatro Seções: CLERO: reúne, sugere e promove iniciativas para a santidade e a atualização intelectual e pastoral do Clero (Sacerdotes diocesanos e diáconos) e para a sua formação permanente; exerce vigilância sobre os Capítulos Catedralícios, os Conselhos Pastorais, os

Conselhos Presbiterais, os párocos, todos os clérigos que exercem o ministério pastoral, etc., as ofertas das Missas, as pias fundações, pias doações, oratórios, igrejas, santuários, arquivos eclesiásticos e bibliotecas; promove uma distribuição mais adequada do clero no mundo. SEMINÁRIOS: com o Motu Proprio „Ministrorum institutio“ de 16/01/2013, o Papa Bento XVI atribuiu à Congregação a competência sobre todos os Seminários, exceto os dependentes das Congregações para as Igrejas Orientais e para a Evangelização para os Povos, e transferiu ao mesmo Dicastério a Pontifícia Obra para as Vocações Sacerdotais (eri-

gida com o Motu Proprio Cum nobis, de SS. Pio XII,

4/11/1941). Tal inovação recebeu maior impulso com o Decreto Conciliar Optatam totius, n. 2, 28 /10/1965. ADMINISTRAÇÃO:

ordenamento e administração dos bens eclesiásticos pertencentes às pessoas jurídicas públicas. Concede licenças para os negócios jurídicos previstos pelos cânones 1292 e 1295 CIC e aprova taxas e tributos, cuida também da remuneração justa, previdência por invalidez ou envelhecimento, assistência sanitária do clero, etc. DISPENSAS: Instituída com Carta N. 64.730/ P, de 28/12/2007, trata, conforme o direito, as dispensas das obrigações decorrentes da sacra ordenação do Diaco-

n CARDEAL ROCHA com o Papa Francisco nato e do Presbiterato, O Instituto “Sacrum dos clérigos diocesanos Ministerium”, a partir e religiosos da Igreja do Ano Letivo 1994Latina e Orientais. 1995, foi anexado à O antigo Studium Congregação para o (Curso de Prática AdClero, para formar resministrativo-Canônica) ponsáveis pela formaé anexo à Congregação ção permanente dos para o Clero e foi recosacerdotes. No mesmo nhecido pelo Papa Bento ano, iniciou-se a publicação semestral da reXV, com Decreto do dia vista com o mesmo no28/10/1919, para sacerme. A publicação auxidotes jovens adquirirem lia os Ordinários, Sacerprática no exercício ordidotes, demais clérigos, nário e regular dos temas nos âmbitos formativos eclesiásticos, particulardo ministério pastoral, mente, a aplicação das no vasto universo da leis canônicas no âmbito formação permanente. administrativo.

Padroeira de Igarapé-Miri Sant’Ana é HOMENAGEADA COM CÍRIO Milhares de fiéis participaram do Círio da padroeira de Igarapé-Miri, Sant’Ana, na manhã do dia 16. A procissão religiosa reuniu cerca 8 mil pessoas nas ruas do município no nordeste do Estado do Pará. A festividade de Sant’Ana 2019 iniciou-se na madrugada com uma alvorada, animada por várias apresentações, e também o tradicional ‘Café com

Sant’Ana’, oferecido aos fiéis há nove anos. Depois da alvorada, os devotos caminharam até uma comunidade cristã, para participarem da primeira Missa da festividade. Em seguida, percorreram algumas ruas da cidade no Círio de Sant’Ana, com destino à igreja matriz. No trajeto, muitas orações, cânticos e homenagens. No final da procissão, os

fiéis cortaram a corda e levaram pequenos pedaços, como forma de lembrança. A festividade da padroeira de Igarapé-Miri segue até o dia 26, com uma Missa pela manhã e o tradicional show pirotécnico à noite. Durante os dias do evento haverá celebrações eucarísticas e shows religiosos na praça da matriz.

n SANT'ANA em sua berlinda


10

EM NAZARÉ

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

FOTOS: DIVULGAÇÃO

NAZARÉ EM DESTAQUE

IMAGEM PEREGRINA DE NAZARÉ visitou o município de Santarém DIAS 13 e 14 de julho a imagem peregrinou

A

s águas dos rios da Amazônia foram o caminho por onde foi conduzida a imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré nos dias 13 e 14 deste mês, quando visitou o município de Santarém, localizado no oeste do Estado do Pará. Saindo da vila balneária de Alter do

Chão os fiéis seguiram em procissão em romaria fluvial até à orla de Santarém. Recebida por uma multidão de devotos, a imagem foi levada no roteiro de visitas, seguindo pela Catedral de Nossa Senhora da Conceição, Igreja de Santa Terezinha, Hospital Municipal de Santarém, institui-

ções públicas e privadas, além da Igreja de Nossa Senhora de Fátima, onde houve a Santa Missa, encerrando a peregrinação. Integrantes da Diretoria da Festa de Nazaré (DFN) e o Reitor da Basílica Santuário e Presidente da DFN, padre Luiz Carlos Maria Nunes Gonçalves, também participaram

desta que é a quarta visita oficial feita pela imagem Peregrina

COLABORADORES DA OSPAN participaram de curso de capacitação A primeira semana do mês de julho mobilizou a Pastoral do Turismo de Nazaré (PASTUR), em parceria com o Núcleo de Projetos Sociais (NUPS), para realizar o “Plano de valorização do funcionário”, curso que objetivou capacitar os colaboradores que integram as Obras Sociais da Paróquia de Nazaré (OSPAN) para melhor acolherem a todos que chegam à casa da Rainha da Amazônia durante todo o ano, principalmente no período do Círio de Nazaré, tanto a nível de evangelização quanto de informação.

À luz do tema “A reconstrução do valor patrimonial e suas riquezas históricas”, os colaboradores participaram de vários momentos de troca de experiências, quando conheceram um pouco mais sobre os projetos promovidos pela OSPAN, o trabalho realizado por cada setor da instituição e a sua missão. Janes Jaques, coordenadora da PASTUR, comentou que “o evento veio agregar conhecimento e, principalmente, facilitar o serviço dos colaborado-

n COLABORADORES expõem certificados recebidos res no período do Círio durante o acolhimento dos turistas”. Atualmente, as Obras Sociais da Paróquia de Nazaré contam com cerca de 150 colaboradores que atuam, entre outras, nas Cre-

ches Casulo e Sorena, Projeto Social Cantinho São Rafael, além da Loja Lírio Mimoso, Núcleo de Projetos Sociais, setor Administrativo, Atendimento, Assessoria de Comunicação, Serviços Gerais. ALINE ANDRADE

n PADRE RAMOS e equipe na exposição em São Paulo

14ª EXPOCATÓLICA t e m e s t a n d e exclusivo do Círio de Nazaré A Pastoral do Turismo de Nazaré (PASTUR), em parceria com a Secretaria de Estado de Turismo (SETUR), participou da 14° Expo-

católica, que aconteceu de 12 a 15 de julho em São Paulo. No estande, ambientado com a temática do Círio 2019, estiveram o Superior

da Província Norte da CRSP, Pe. José Maria R a m o s d a s M e rc ê s , colaboradores da Loja Lírio Mimoso e da PASTUR, que divulgaram

os destinos turísticos do Estado do Pará, bem como as ações e produtos das Obras Sociais da Paróquia de Nazaré (OSPAN).

n FIÉIS reverenciam a imagem Peregrina 1992, 2017 e 2018. a Santarém, sendo que as outras vezes Viva Nossa Senhora aconteceram em de Nazaré!


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

11

SÍNODO AMAZÔNICO, bem da humanidade, diz Rede ecumênica A FRATERNIDADE cristã e a necessária atenção aos impactos decorrentes da mineração unem diversos atores sociais

O

Instrumentum laboris (Instrumento de trabalho) que servirá de base para os debates e as reflexões da Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica, convocada pelo Papa Francisco a realizar-se de 6 a 27 de outubro próximo no Vaticano, foi reconhecido pela Rede latino-americana Igreja e Mineração – mediante uma declaração pública – como ponto de referência fundamental. A Rede é um espaço ecumênico, formado por comunidades cristãs, grupos pastorais, congregações religiosas, grupos de reflexão teológica, leigos, bispos e pastores comprometidos em enfrentar as questões sobre impacto e violação dos direitos socioambientais causados pelas atividades minerárias na América Latina, e do qual o Conselho latino-americano de Igreja (Clai) faz parte. TUTELA DA CRIAÇÃO

“Somos unidos e inspirados pela fé e pela esperança no Deus que criou a vida e a mãe natureza; um Deus que nos chama a construir um mundo em que todas as pessoas vivem com a dignidade dos filhos e filhas de Deus, em per-

FOTOS: DIVULGAÇÃO

feita harmonia com a Mãe Terra e toda a criação”: é o manifesto da ação deles, publicado em seu site. O documento preparatório do Sínodo, afirma a declaração, “além de reconhecer a contribuição inestimável das populações amazônicas no cuidado, conservação e defesa da mãe natureza, evidencia o papel desta região para toda a humanidade”. ESPERANÇA

O Sínodo para a Amazônia é considerado “uma verdadeira esperança” para as comunidades locais obrigadas a enfrentar três emergências socioambientais: a falta de reconhecimento da dignidade e dos direitos dos povos indígenas, parte integrante desta área geográfica; o extrativismo, ou seja, a extração sistemática de todo tipo de riqueza ambiental, não somente minerária, em nome de projetos chamados “de desenvolvimento”, mas que na realidade destroem territórios e povos; a poluição dos rios, ar, florestas com consequente deterioração da qualidade de vida e deterioração do patrimônio cultual e espiritual. NOVA LUZ

E neste sentido eis a

n DOCUMENTO do Sínodo destaca a contribuição inestimável das populações amazônicas

importância do Instrumentum laboris, capaz de ouvir e acolher “os gritos dos povos amazônicos e da natureza” e pensar não somente em novas formas de evangelização, mas também em novas formas de desenvolvimento econômico na região. Um documento cujos princípios, uma vez aplicados, “trarão uma nova luz não somente para as pessoas de fé, mas para toda a humanidade”. AÇÕES CONCRETAS

A declaração de Igreja e Mineração prossegue fazendo votos de que o Sínodo para a Amazônia

“possa tornar-se um espaço privilegiado da Igreja para propor ações relacionadas à defesa da vida, em particular diante das estratégias das grandes companhias mineradoras que colocaram nas terras amazônicas sua atenção e suas máquinas de destruição”. Além disso, a Rede convida todas as organizações cristãs e as comunidades da região amazônica a aprofundar as temáticas relacionadas ao documento preparatório para o Sínodo, unindo os esforços com as comunidades e os povos locais

para reduzir ou eliminar aqueles sofrimentos infligidos a estes contra todo respeito à dignidade humana, a fim de promover uma verdadeira conversão ecológica integral. IDENTIFICAR CAMINHOS

Ao convocar o Sínodo especial, o Papa Francisco indicara como finalidade principal a identificação de “novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, especialmente dos indígenas, muitas vezes esquecidos e sem a perspectiva de um fu-

turo sereno, também por causa da crise da floresta amazônica, pulmão de importância capital para o nosso planeta”. Em consideração a essas palavras, a Rede quer comprometer-se, a partir do espírito ecumênico, a ser construtora de novas formas de convivência e evangelização para “criar Igrejas participativas, acolhedoras, criativas, harmoniosas e corajosas”. O Instrumentum laboris (Instrumento de trabalho) fornece direcionamento para melhor entender o Sínodo.

JMJ DE LISBOA: adolescentes estudam os 30 anos de Jornadas Mundiais fazerem uma caminhada pessoal e em grupo. Ao longo dos três anos, o projeto prevê quatro encontros anuais de formação de modo a que “possam apresentar as experiências” e devolver na prática catequética os resultados da pedagogia assimilada”. RENOVAÇÃO

A história de 30 anos das Jornadas Mundiais da Juventude conduzirá os estudos dos adolescentes que frequentam a catequese em Portugal. O projeto “Say Yes – aprender a dizer sim”, proposta para ajudar na formação de gerações de cristãos, foi apresentado no início do mês, em Fátima, aos secretários diocesanos. PEREGRINOS

O p re s i d e n t e d a Comissão Episcopal

da Educação Cristã e Doutrina da Fé, Dom Antônio Moiteiro, disse estar convicto que, “daqui a três anos, os adolescentes serão potenciais peregrinos da JMJ Lisboa 2022”. Além disso, o projeto complementa os materiais que serão lançados sobre os temas já apresentados pelo Papa Francisco aos jovens para cada ano pastoral, analisa o bispo, Dom Antônio.

HISTÓRIA

Em especial, comentou o Pe. Tiago Neto, diretor do setor da Catequese de Lisboa, o projeto “propõe um itinerário que percorre a história das JMJs” para que os “adolescentes se apropriem do grande dom que são as Jornadas para a Igreja nos últimos 30 anos”. Ele esclarece, porém, que é “um itinerário de preparação e não

um itinerário de JMJ. Tem uma clara nota vocacional para ajudar os adolescentes a dizerem sim ao projeto de Deus, valorizando os conteúdos da exortação apostólica Cristo Vive”. Nesta caminhada, acrescenta Pe. Tiago, os adolescentes vão ser acompanhados por um “diário de bordo” pessoal com vários materiais que ajudarão os mais novos a

A final, como comenta Cristina Sá Carvalho, coordenadora da Catequese no Secretariado Nacional da Educação Cristã, a iniciativa congrega a “pedagogia do serviço” e acontece em meio à reflexão que está sendo feita sobre “a catequese da adolescência”. Cristina afirma que “estamos desenvolvendo um projeto e programando uma nova forma de trabalhar a catequese com os adolescentes. Queremos uma pedagogia mais inovadora, mais

próxima deles, mais educativa. Associado a isso, estamos trabalhando num novo modelo de formação de catequistas, que é fundamental no nosso trabalho. Esse projeto da JMJ resulta dessa reflexão e é uma oportunidade para testarmos modelos e para serem verdadeiros laboratórios ao longo dos próximos três anos”. A organização do projeto disponibiliza tanto o programa quanto a possibilidade para que cada paróquia possa se inscrever no projeto e ter acesso aos materiais que vão ser disponibilizados no início do próximo ano catequético. A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) espera receber entre 1 a 2 de milhões de jovens no verão de 2022 para viver a Jornada Mundial da Juventude.


12

FUNDAÇÃO NAZARÉ

BELÉM, DE 19 A 25 DE JULHO DE 2019

FAMÍLIA NAZARÉ

FUNDAÇÃO NAZARÉ entrega prêmio da campanha “Seja Mais Um” OLENDINA SILVA foi a contemplada com sorteio realizado no mês de junho entre os ouvintes da emissora arquidiocesana

Q

uarta-feira, 17, a Fundação Nazaré de Comunicação entregou a premiação do sorteio do mês de junho, realizado pela Rádio Nazaré FM durante o período especial de campanha entre os ouvintes, através do programa “Seja mais um”, programação voltada especialmente para os benfeitores da Família Nazaré. A programação especial foi realizada entre os últimos dias do mês de junho e nos primeiros dias de julho, período em que a Fundação Nazaré costuma realizar a campanha buscando evidenciar o valor que tem o sócio evangelizador para a manutenção da instituição, cuja missão é propagar a evangelização realizada pela Arquidiocese de Belém, por meio da Comunicação Social.

FOTOS: LUIZ ESTUMANO

Durante os programas do período o benfeitor tem a oportunidade de contribuir com “algo a mais” para essa obra de evangelização, em forma de doação financeira. A programação ao longo desse período enseja um sorteio entre os participantes que comprovarem a sua contribuição espontânea. JUNHO – O programa sorteou para os ouvintes na campanha do mês de junho um Terço de Nossa Senhora da Fátima, uma estampa de Nossa Senhora de Medjugorje e um Ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. O sorteio entre os colaboradores da campanha “Seja Mais Um”, através do programa da Rádio Nazaré contemplou a benfeitora Olendina Barbosa da Silva, 93 anos, moradora do bairro da Pedreira, e paroquiana da Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida . A entrega dos objetos de devoção foi na quarta-feira, 17, pela manhã. A benfeitora Olendina recebeu o seu prêmio das mãos do padre Wagner Lima, Diretor de Programação da Rádio Nazaré FM, que apresenta o programa “Seja mais um”, ao lado da

n ENTREGA do prêmio à sra. Olendina foi feita pelo padre Wagner Lima, da Rádio Nazaré FM coordenadora da emissora, Elyvane Barbosa. A contemplada estava acompanhada da filha Sandra Sueli Ferreira da Silva, que também é benfeitora da Família Nazaré, e da amiga Esterlina Sá. FELICIDADE - A benfeitora Olendina declarou-se feliz. “Há 10 anos eu ajudo a

Fundação Nazaré, desde um dia que fiquei pensando, como essa obra maravilhosa precisa de nós. Também porque tenho uma devoção muito grande com Nossa Senhora de Nazaré”. Sandra, sua filha, recentemente decidiu-se por ser uma benfeitora baseada no testemunho da mãe. “Vejo

como ela é feliz, quis ajudar também a Fundação”. Outra alegria de Olendina foi ganhar o terço. “Fazia muito tempo que ganhei o primeiro terço, agora ganhei outro”, ressaltou. Mas foi o Ícone de Nossa Senhora do Perpétuo que mais emocionou a benfeitora. “Eu recorri a ela quando ti-

ve uma filha que corria risco de morrer. Pedi à Mãe do Perpétuo Socorro em favor da vida dela. Ela sobreviveu e dei a ela o nome de Maria do Socorro. Hoje ela é sadia e feliz, e reside no Rio de Janeiro”, completou, informnando que o ícone "já tem um cantinho especial" na sua residência.

NOSSOS ANIVERSARIANTES 19/07 Vicente Silva Risoleide Ferreira Souza Carolina de Nazare Silva Pinheiro Adalcilinda Luiza Duarte Mufarrej Maria Raimunda Siqueira de Oliveira Ligia Araujo Moraes Francisca de Sousa Pereira Oceanira Farias de Miranda Ubirajara Netto 20/07 Inez Formigosa Siqueira Emiliana Cerdeira Teixeira Laurinda Damasceno Favacho Terezinha de Jesus Cardoso Magalhães Costa Laide Pereira do Nascimento Maria do Socorro Castro Maria Jose Palheta Suely Maria das Gracas dos Reis Araujo Ana Rita Resende de Vasconcelos Carlos Sergio Fernandes da Silva Joao Vicente Vianna Longo

Francisco dos Santos Pacheco Junior Leidiane Gatinho dos Santos 21/07 Dalgino dos Santos Monteiro Celina de Freitas Rodrigues Dorvalina Rodrigues da Silva Julia Furtado de Lima Maria Suely Amaro de Oliveira Maria do Carmo Souto Machado Rute Helena Correa de Jesus Marisa Campos de Melo Freitas Telma Cristina da Cruz Moreira 22/07 Arnu Torres dos Santos (in memorian) Maria da Conceicao Silva Elza Maria Lobo Da Costa Glaucia Aguiar de Oliveira Solange Maria Alves Mota Santos Edna Maria de Moura Palha Carlos Fabio Ferreira de Almeida Roseane de Fatima Rodrigues Alves

23/07 Fatima Aparecida de Oliveira Goes Maria Madalena Dias Rego Barros Maria de Lourdes Conceicao Alvez Juracy Pimentel Pereira Rosalina Barbosa da Silva Silma Edna Ferreira Lara Maria do Socorro Batista de Almeida Salime Khaled Conceicao Nonato Marcelo Custodio Maia Sa Andre de Jesus da Silva Cardoso Roberta Moraes Rabello da Silva Stefany Tavares Favacho 24/07 Enoque Nunes dos Santos Nicomedes Alves Moreira Gomes Abigail da Silva Trindade Vladimir Lopes Nunes Raimunda Nonata Cunha Correa Genira Maria Araujo Tavares Rosangela Ferreira Serrao Marco Aurelio Gurjao Fernanda Luciana Rosa

25/07 Terezinha Pompeu Goncalves De Barros Maria Ruth Braga Barros Creusa de Sousa Pinto Maria Cristovina da Costa Maria Margarida Benassuly Moreira Raimunda Vidal de Souza Luiza Macedo Carrera Carmelia Fernanda Gomes dos Santos Jose Maria Moraes dos Santos Regina De Nazare Lobato Neves Jose Augusto Gomes Rodrigues Edison Braz Salvino dos Santos Alexandre Ferreira Mendes Neto Marcos Cesar Sousa dos Reis n NATALÍCIO DE PADRES E DIÁCONOS 19/07 - Pe. George Jenner Evangelista França 19/07 - Diác. Paulo Vicente Fernandes Galende 24/07 - Diác. Manoel Matos Pereira 25/07 - Diác. Gilmar Lima Vasconcelos