Voz de Nazaré

Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

ANO CV - Nº 954 - PREÇO AVULSO: R$2,00

www.fundacaonazare.com.br

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

Solenidade de Nossa Senhora Mãe da

DIVINA PROVIDÊNCIA

A Basílica Santuário de Nazaré celebra do sábado, dia 14, a solenidade de Nossa Senhora Mãe da Divina Providência, um dos títulos marianos que vêm alimentando a confiança filial de muitos fiéis. CADERNO 2, PÁGINA 4 LUIZ ESTUMANO

Dia Mundial dos POBRES “Estende a tua mão ao pobre” (Sir 7,32), é o tema da IV Jornada Mundial dos Pobres que será realizada de 8 a 15 de novembro de 2020. Na Arquidiocese de Belém a

programação começou em setembro e encerra no dia 22 com uma ação social na igreja da Trindade acolhendo a população de rua. CADERNO 2, PÁGINA 6

Campanha Mostra Santa SOS AMAPÁ CECÍLIA Campanha é para ajudar a Padres Barnabitas promopopulação prejudicada com verão no dia 27 de novembro toda a situação de falta de a primeira Mostra de Música energia e água potável no Es- Santa Cecília. tado. CADERNO 2, PÁGINA 1 CADERNO 2, PÁGINA 4 DIVULGAÇÃO

n EQUIPE da Paróquia Mistério da Transfiguração do Senhor

Neste mês programação especial Implantação do NÚCLEO DA CÁRITAS DEDICADA AO DÍZIMO Durante todo o mês de novembro as paróquias e comunidades da Arquidiocese de Belém estão vivenciando o Mês do Dízimo. Uma

programação especial e diferenciada foi organizada este ano em decorrência da pandemia do novo coronavírus pela Equipe Arquidioce-

sana de Pastoral do Dízimo A Paróquia Ministério da (EAPADI) cuja temática de Transfiguração do Senhor, 2020 é “Fé e compromisso em Ananindeua, iniciou o com a missão da Igreja”. processo de formação para CADERNO 2, PÁGINA 5 implantação do Núcleo da

Cáritas. O objetivo é estimular o espírito solidário de apoio na mobilização de desenvolvimento de ações práticas. CADERNO 2, PÁGINA 1


2

OPINIÃO

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

“U

ma jovem chamada Maria” foi um tema lindo. “Maria a cheia de Graça” foi excepcional. Mas nenhum deles se aproximou da beleza de “O Evangelho da família na casa de Nazaré”, uma verdadeira pérola de encantamento. Tratar o Evangelho como algo da família, como prática amorosa, já é, por si só, um gesto de rara doçura. Incluir nesse projeto a idéia de que foi concebido na casa de Nazaré, onde tudo se deu, é divino. A encarnação do

JOÃO CARLOS PEREIRA Jornalista e professor (jcparis1959@gmail.com)

PRIVILÉGIO DE SER CATÓLICO

“O Evangelho na casa de Nazaré” verbo de Deus já é, por si só, o Evangelho. E quando se produz no âmbito familiar o que se percebe é que a vida descida do céu se completa de forma ampla. Na casa de Nazaré se conheceu o amor de verdade e de maneira plena. Jesus, São José e Nossa Senhora configuram o que de mais

D

esde pequena, Izabel tinha um belo sonho: queria ser uma grande bailarina do famoso Bolshoi. Treinava muito e com empenho. Um dia apareceu a sua grande chance. Conseguiu uma audiência com Davidovich, o grande e famoso bailarino do Bolshoi, que estava selecionando aspirantes para o Bolshoi de dança. Izabel dançou, pondo tudo o que sentia e aprendera. Dançou com toda a alma. Ela achava que seria escolhida. No final, aproximouse do grande mestre e

me permitindo conhecer de perto o contorno humano de anjos colocados diante de mim para mitigar o sofrimento. Sei que o tema exige mais profundidade e prometo cuidar dele com o respeito e o amor que merece. Refletir sobre um assunto dessa grandeza, passando pela dor, am-

plia a minha fé e me permite observar com mais clareza o tema do Círio 2021. A presença de Nossa Senhora na humanidade ainda é claramente perceptível. Os sagrados locais das aparições são eloqüentes em seu silêncio dourado. Neles, mais do que em outro lugar do mundo, per-

PE. ANTÔNIO MATTIUZ, CSJ (antoniomattiuz@gmail.com)

CURSILHO DE CRISTANDADE

Luta pelos teus sonhos perguntou: - O que o senhor achou? Poderei eu ser uma grande bailarina? - Não! – disse ele à jovem. Na longa viagem de volta a casa, Izabel chorou muito, sentiu desânimo e revolta. Pensou que nunca mais iria calçar sapatilhas. Ela se encheu

À

primeira vista, não parece haver grande diferença entre sínodo e assembleia; contudo, diferenças existem: o propósito do sínodo é mais amplo, pois não tem por objetivo apenas ponderar sobre os trabalhos pastorais já realizados com vistas à elaboração de uma nova programação para o ano seguinte, mas um sínodo arquidiocesano tem sobretudo a intenção de avaliar e redirecionar toda a vida e ação pastoral de uma diocese. Assembleia é uma reunião de pessoas que tem um interesse e um propósito comum. O sínodo é também uma reunião de pessoas, com o objetivo de discutir e

amplo a Palavra de Vida Eterna pode produzir. O Evangelho se forma (e se conforma) como um lago de paz, tomado, eventualmente, pela inquietação. O nome disso é vida. Hoje, ainda preso a m leito de UTI, reflito sobre o destino que o Senhor me reservou nas últimas semanas,

de tristeza e desânimo. Pouco a pouco Izabel criou ânimo e coragem. Tornou-se mestra de balé muito capaz e estimada na sua cidade. Um dia houve uma apresentação do Bolshoi na sua cidade. Ela foi assistir. Lá viu Davidovich que continuava sendo o bailarino principal.

Após o concerto, Izabel aproximou-se e lhe relembrou a história e quanto doera ao ouvir dele que não seria grande bailarina. Ele respondeu: - Minha filha, eu digo isto para todas as aspirantes! - Mas o senhor não sabe o quanto sofri por essa

injustiça! - Sei, sim. Mas ninguém será realmente grande se abandonar o seu sonho pela opinião de outra pessoa. Amigo, se tens um grande sonho, luta e empenha-te para atingi-lo. Não desanimes nunca. Se houver falhas, corrigeas. Se houver problemas,

PE. HELIO FRONCZAK heliofronczak@gmail.com

SÍNODO ARQUIDIOCESANO

Existe diferença entre Sínodo e Assembleia? aprofundar a caminhada pastoral de uma diocese. É convocado pelo bispo e tem um regulamento de trabalho. A convocação de uma assembleia depende de uma autoridade competente e vem acompanhada de um regulamento que indica se ela é deliberativa - com poder de decisãoou consultiva, isto é, se tem por objetivo apenas apresentar ideias e opiniões sobre um assunto em questão. Quando falamos de assembleia, estamos

pensando naquelas reuniões pastorais que realizamos em nossas paróquias, nas Regiões Episcopais ou mesmo em nível de toda Arquidiocese. Essas assembleias, geralmente, acontecem próximas ao final do ano e têm caráter celebrativo, de revisão dos trabalhos realizados, apontando as falhas e acertos. São também um momento de elaborar a programação do ano seguinte. Podem ser também bem específicas, como são aquelas que a

Arquidiocese está realizando nas paróquias, regiões episcopais e organismos arquidiocesanos em vista da realização do Sínodo: as “assembleias sinodais”, que são organizadas no processo do caminho sinodal que a Arquidiocese vive. A Arquidiocese de Belém está se preparando para realizar o seu primeiro sínodo, que será um grande evento eclesial. Mais do que reajustar, existe uma proposta de mudança, para responder aos desafios

do nosso tempo. Em resumo, se compararmos uma assembleia com uma lâmpada, que serve para iluminar um cômodo da casa, o sínodo pode ser comparado a um grande candelabro, com muitas lâmpadas que iluminam um grande salão. Considerando que este artigo é publicado nos últimos dias que antecedem as eleições municipais em nosso País, colho a ocasião para lembrar a todos: Mais que de bons políticos o

cebe-se a Mãe de Deus e da Palavra encarnada ainda proclama. Verdades eternas falando de vida em família. * Agradeço, de coração, as preces silenciosas que chegam ao meu coração, nesta hora de dor. Assim o compromisso com esse espaço, que D. Alberto me confirmou como prova de confiança. E confiança, como sabeis, é um cristal que não se pode trincar.

(Obs. Este artigo foi enviado para a redação do Voz de Nazaré no dia 5/11/2020) resolva-os. Se houver pessoas que pensam o contrário, não te deixes abalar e nem desanimar. Só as pessoas lutadoras, de caráter e perseverantes serão grandes, realizarão os seus sonhos e conquistarão os seus ideais. Olavo Bilac dizia: ‘A vida é uma luta renhida. A vida é um combate que os fracos abate, mas os fortes e bravos só pode exaltar’. A pátria, a Igreja e Cristo precisam de gente corajosa e lutadora. Luta pelos teus sonhos e serás grande. Brasil está precisando é de bons eleitores. Vote consciente. Não troque seu voto por migalhas. Não venda seu voto por cem (reais); você, depois, pode ficam sem ... educação, sem transporte, sem voz nem vez. Voto não tem preço, tem consequências! Uma caneta na mão de um político corrupto mata mais do que um revólver na mão de um bandido! Se lhe falta educação, culpe seu governo; se lhe falta governo, culpe a si mesmo! Antes de acreditar em pesquisas, acredite no poder de mudança que tem o seu voto. Concordo com Eça de Queiroz: “Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente; e pela mesma razão”.

Abertas INSCRIÇÕES para o Simpósio de Formação Ecumênica 2021 Estão abertas as inscrições ao Simpósio de Formação Ecumênica 2021 que acontecerá, de forma virtual, dias 29 e 30 de janeiro do próximo ano. Esta edição do simpósio, tem como tema “Desconstruindo muros e construindo pon-

tes: olhares a partir da Carta Encíclica Fratelii Tutti e da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021?. O tema da CF Ecumênica é “Fraternidade e Diálogo: um compromisso de amor” O encontro, organizado pela Comissão Episcopal

Fundado em 5 de julho de 1913 FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita

ARQUIDIOCESE DE BELÉMPARÁ

PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), também vai refletir sobre o fundamentalismo e os muros que a partir dele se constroem na sociedade brasileira e no mundo. Segundo

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior DIRETOR ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marcos Aurélio de Oliveira DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves da Silva DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Kleber Costa Vieira

o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo da CNBB e subsecretário adjunto de pastoral da entidade, padre Marcus Barbosa Guimarães, as posturas fundamentalistas que demonizam o outro e suas culturas são reflexos desse modo de

COORDENAÇÃO Bernadete Costa (DRT 1326) CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Alan Monteiro da Silva EDITORAÇÃO ELETRÔNICA/DIAGRAMAÇÃO Fernando Sette Câmara Assinaturas, distribuição, administração e redação Av. Gov. José Malcher, Ed. Paulo VI, 915 CEP: 66055-260

ser que vai se impondo na sociedade. As inscrições podem ser por um e-mail, com nome completo, cidade, estado e comunidade que participa, para: ecumenismo@cnbb. org.br. O Simpósio será realizado de forma on-line, nos dias 29 e 30 de Janeiro 2021.

- Nazaré, Belém - PA Tel.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


ARCEBISPO

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

3

Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

CONVERSA COM MEU POVO

A

Os DONS que recebemos e fazemos frutificar

prendemos da I g rej a q u e o Espírito Santo derrama os seus dons sobre todo o povo de Deus. Referimo-nos a sete dons – sabedoria, entendimento, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor de Deus –, número que significa perfeição, mas o Espírito age onde quer e como quer! As celebrações da Crisma, e são muitas que ocorrem neste final de ano, são sempre uma festa do derramamento dos grandes presentes que Deus concede a adolescentes, jovens e adultos através da graça desse Sacramento.

Durante a vida, recebemos muito de Deus, e são tantos os instrumentos que ele utiliza para nos prodigalizar com seus dons

Do Espírito Santo são os frutos a serem colhidos da árvore viva que somos todos nós, cristãos, a saber, “o amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, lealdade, mansidão, domínio próprio” (Gl 5,22-23), E São Paulo apresenta os carismas, serviços e ministérios nascidos do mesmo Espírito Santo, que conduz

a Igreja chamando-os também de dons: “Há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. Há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. Há diferentes atividades, mas é o mesmo Deus que realiza tudo em todos. A cada um é dada a manifestação do Espírito, em vista do bem de todos. A um é dada pelo Espírito uma palavra de sabedoria; a outro, uma palavra de conhecimento segundo o mesmo Espírito. A outro é dada a fé, pelo mesmo Espírito. A outro são dados dons de cura, pelo mesmo Espírito. A outro, o poder de fazer milagres. A outro, a profecia. A outro, o discernimento dos espíritos. A outro, diversidade de línguas. A outro, o dom de as interpretar. Todas essas coisas as realiza um e o mesmo Espírito, que distribui a cada um conforme quer”(1 Cor 12,4-11; Cf. Rm 12,18). E São Paulo agrega aos muitos dons e ministérios aquele que a todos supera e resume, o amor de caridade (1Cor 13,1-13). Aproximando-nos do final do ano litúrgico, a Igreja nos oferece a Parábola dos Talentos (Mt 25,14-30). Antes de referir-se às capacidades de cada pessoa, a parábola quer ensinar-nos a assumir as tarefas que nos são confiadas durante a vida, chamando-nos à responsabilidade, enquanto esperamos a vinda do Senhor, que retornará depois de muito tempo (Cf. Mt 25,19). Os cristãos estejam comprometidos no cumprimento efetivo de sua missão, todos os deveres de sua vida quotidiana, buscar a cada dia a vontade de Deus, o melhor modo

para estar vigilantes à espera do Senhor. Entretanto, o Evangelho dos talentos pode conduzir-nos, sim, a refletir sobre os muitos dons, talentos, ministérios e serviços que nos são confiados.A Liturgia da Palavra do XXIII Domingo do Tempo Comum começa com uma simpática figura feminina (Pr 31,1-31), uma mulher operosa, generosa, ativa, nunca indolente ou preguiçosa, sempre atenta às necessidades dos outros, dedicada ao amor ao próximo e ao temor de Deus. Ela é um retrato da sabedoria! Saber viver com sabedoria, convite e desafio para todos nós, identificando o gosto – sabor que Deus pôs em cada acontecimento! Durante a vida, recebemos muito de Deus, e são tantos os instrumentos que ele utiliza para nos prodigalizar com seus dons. Podemos identificar, pedindo a ação do Espírito Santo em nosso coração e em nossa mente, quais são os dons espirituais e intelectuais, assim como todas as capacidades que nos foram oferecidas. Os três servos da Parábola receberam muito. Um talento correspondia ao ganho por seis mil dias de trabalho. Cinco talentos equivaleria ao salário de quase cem anos de trabalho de um operário. O “exagero” da parábola é proposital! Cada um recebe de acordo com suas possibilidades, e ninguém pode enterrar o talento, deixar de empenhar-se durante a vida. O Senhor quer que sejamos servos permanentemente vigilantes, o que significa estar prontos (Cf. Mt 25,10). Ninguém se entregue

DIVULGAÇÃO

n A PARÁBOLA quer ensinar-nos a assumir as tarefas que nos são confiadas

ao ciúme ou a inveja diante do que os outros receberam de Deus. As capacidades concedidas a cada um sejam efetivamente reconhecidas e correspondidas com ação de graças. Reconhecer e valorizar o que Deus concedeu aos outros é sabedoria! A vida da Igreja é feita com todos os dons concedidos. É necessário edificar-nos mutuamente, colocando em relevo o que receberam as outras pessoas. Há um gesto, e a palavra vem junto, extremamente importante, saber elogiar o que fazem as outras pessoas. Pode nascer até uma sadia competição de reconhecimento, valorizando o que existe nas famílias e nas comunidades. Outro passo importante é fazer bem todas as coisas. De Jesus, cheios de admiração, todos diziam: “Tudo ele tem feito bem. Faz os surdos ouvirem e os mudos falarem” (Mc 7,37). A algumas pessoas Deus pode conceder o dom de milagres, fatos extraordinários, mas a todos ele concede o milagre de fazer bem cada coisa, com capricho, dignidade e seriedade. Dentre tantos exemplos, ocorreme referir-me a quem

faz os bonecos e brinquedos de miriti, tão significativos em nossa região, com a criatividade que edifica, verdadeira obra de arte. E obra de arte pode ser o nosso dia a dia. Gostar de nossa casa, arrumála bem, ter bom gosto no vestir e no comportar-se, construir verdadeira harmonia em torno a nós, apurar nossa linguagem, nossos cumprimentos, o olhar de atenção às pessoas que nos cercam, e daí por diante! A todos nós o Senhor atribui, pela ação do Espírito, capacidades para servir à Igreja e ao próximo na Igreja. Nossas Comunidades e Paróquias têm lugar para todos, e ninguém precisa se excluir ou se esconder. Quando Pároco numa região do interior de Minas, uma Comunidade devia escolher seu coordenador e ministro da Palavra. O que foi indicado, homem cheio de sabedoria, tentou esquivarse, demorando para dizer o verdadeiro motivo, o analfabetismo. Edificou-me e a toda a Comunidade, quando a filha daquele senhor, de apenas nove anos, se dispôs a alfabetizar o pai durante a semana com o Evangelho do domingo subsequen-

te. E aquele homem aprendeu a ler com a filha, ajuntando tudo com a sabedoria que já lhe tinha sido dada pelo Espírito Santo! É ainda São Paulo que nos ajuda a valorizar a beleza do corpo de Cristo que é a Igreja, do qual todos somos parte: “Se um membro sofre, todos os membros sofrem com ele; se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele. Vós todos sois o corpo de Cristo e sois membros desse corpo.”(Cf. 1Cor 12,26-27)

O Espírito Santo derrama os seus dons

A vida da Igreja é feita com todos os dons concedidos. É necessário edificar-nos mutuamente


4

IGREJA

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

CÔN. CLÁUDIO BARRADAS (claudiobarradaspe@gmail.com)

MISCELÂNEA

A

ntes de iniciar a matéria de hoje, a continuação da série “Meus Círios”, aproveito este espaço para corrigir as falhas, felizmente bem poucas, cometidas pela repórter de certo jornal, ao passar para o papel a entrevista que, dias atrás, me fez por telefone. Não escrevo para o tal jornal por já ter tido e mais de uma vez, a triste experiência de, não só nele, como nos demais, não ver estampada minha devida correção. Esse tipo de entrevista quase sempre dá nisso, quer por o entrevistador não

Recebida à porta pelo senhor Arcebispo, era conduzida ao belo nicho preparado para ela ouvir direito, ou entender errado o que lhe disse o entrevistado, quer por ele escrever devagar e, assim, perder, aqui e ali, uma palavra, quando não pe-

daços de frase, ou, até, todo uma frase. Vamos às correções. Ele escreve que na peça O Abraço, textualmente, “até a palavra entra em ação.” Não foi isso que eu disse e, sim, que nela, como em toda e qualquer peça a palavra é ação. Isto porque ela tanto faz avançar o enredo, como deixa ver a mudança dos estados emocionais dos personagens. Outro ponto: ela escreve: “eu dizia para minha mãe que não queria que ela voltasse para me dizer como é lá do outro lado, mas sonho toda noite com ela.” O que eu falei foi: “que, se fosse possível, ela voltasse para me dizer como é lá do outro lado e que eu sonho com ela todas as noites, mas que ela nunca me falou nada, só me ajuda, em silêncio, a sair de dificuldades.” Ela escreve que eu disse “melhor idade é a juventude”, quando o que disse foi que é a infância, porque então se tem todo uma vida pela frente. Enfim, ela me fez dizer “estou sem memória, isso é horrível para o ator.” O que eu disse: “é horrível, para um ator, perder a memória, mas que eu, graças a Deus, não a perdi, até porque exercito-a diariamente.” Ainda bem que as alterações foram

Meus CÍRIOS (4) DIVULGAÇÃO

nhor Arcebispo abençoava com ela a multidão que apinhava o templo. Enfim, em fila de um, os fiéis organizados pelo clube dos acólitos, iam osculá-la, enquanto a ScholaCantorum cantava sem parar. Retirado o povo, limpar a Igreja muito bem limpinha para a Missa do Círio, no domingo, um jantar reforçado e dormir. Na próxima edição prossigo a partir de onde fiquei. Shalom!

n MONSENHOR Nelson Brandão Soares

só essas aí. Mas, mesmo assim, olhe lá. De jornalistas que alteram as afirmações de seus entrevistados, “libera me, Domine.” (Livra-me, Senhor). Com gente assim, todo cuidado é pouco. Feito isto, continuemos a falar de meus círios nos meus seis anos de Catedral, a princípio como simples leigo, ao depois como diácono e, enfim, como presbítero, da segunda quinzena de agosto de 1987 ao início de fevereiro de 1993, quando assumi a paróquia de Santa Izabel de Portugal, no município de Santa Izabel do Pará. Nesses seis anos, na manhã do sábado da Trasladação, eu e os

componentes do clube dos acólitos, do qual coordenador, comandados pelo Cura, o saudoso Monsenhor Nelson Brandão Soares, com o maior cuidado, caso contrário, ai de nós, ó o esculacho de monsenhor, retirávamos todos os bancos da Igreja e os levávamos para o salão dos Pontificais, onde os empilhávamos. Em seguida, varriámos o piso não lembro mais se o lavávamos ou o encerávamos. À tarde, os últimos retoques: flores nos altares, estandartes nas janelas. À noite, todos engalanados, clube dos acólitos em peso com suas capas liláses, ScholaCantorum e guardas, à frente

PADRE ROMEU FERREIRA Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (romeufsilva@gmail.com)

Mons. Nelson com sua batina e faixa festivas, à espera da Imagem da Senhora de Nazaré. Recebida à porta pelo senhor Arcebispo, era conduzida ao belo nicho preparado para ela no altar-mor, enquanto das janelas ativaram-se sobre ela milhares de papéis picados – um trabalhão picá-los bem miudinho, obra minha e do clube dos acólitos – lá à frente, no final do presbitério, eu solava um coro falado, de autoria do saudoso cônego Ápio Paes Campos Costa. Minhas palavras: “A senhora vem chegando”, etc. Ao final: “Fica conosco, Senhora” etc. Antes de ela ir ocupar seu lugar no altar, o se-

Nos meus seis anos de Catedral

À tarde, os últimos retoques: flores nos altares, estandartes nas janelas. À noite, todos engalanados, clube dos acólitos em peso

LITURGIA

HOMILIA DOMINICAL A) TEXTO: MT 25,14-30

Jesus contou...: 14 “um homem ia viajar para o estrangeiro. Chamou seus empregados... entregou seus bens. 15A um deu cinco talentos, a outro deu dois e ao terceiro, um; a cada qual de acordo com a sua capacidade. E...viajou.16 “O empregado que havia recebido cinco talentos saiu logo, trabalhou com eles e lucrou outros cinco. 17 Do mesmo modo o que havia recebido dois lucrou outros dois. 18 Mas aquele que havia recebido um só saiu, cavou um buraco na terra e escondeu o dinheiro do seu patrão.19 Depois..., o patrão voltou... 20O empregado que havia recebido cinco talentos entregou-lhe mais cinco, dizendo: Senhor, tu me entregaste cinco talentos. Aqui estão mais cinco que lucrei. 21 O patrão lhe disse: muito bem, servo bom e fiel!

Como foste fiel... de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria! 22 Chegou... o que havia recebido dois talentos... Aqui estão mais dois que lucrei. 23 O patrão lhe disse: Muito bem...!... Vem participar da minha alegria! 24 Por fim, chegou... que havia recebido um talento e disse: Sei que és um homem severo,... 25 Por isso... escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence. 26O patrão lhe respondeu:Servo mau e preguiçoso!...27 Então devias ter depositado meu dinheiro no banco... 28 ... o patrão ordenou: Tirai dele o talento e dai-o àquele que tem dez! 29 Porque a todo aquele que tem será dado mais... 30 Quanto a este servo inútil, jogai-o lá fora na escuridão... B) COMENTÁRIO

Jesus nos fala de talentos, que significa:

capacidade, qualidade, dons; e no contexto original era uma moeda vigente. Para entender a mensagem nos perguntamos: qual era o valor do talento? O talento valia seis mil (6.000) denários e um denário, era uma diária. Logo, um talento valia como19 anos de diárias. Mesmo assim os cinco talentos são considerados pouco (v 21), para dar a entender o valor grandioso do Reino. Vejamos que o patrão, Deus, dá os talentos conforme a capacidade de cada um (v 15). Atentemos à ação dos que receberam os bens que não eram deles. Os primeiros produziram algo que já lhes pertence: “Aqui estão mais cinco, que lucrei” (v 20.22). Já o último não tem nada, matou o talento, na imagem do sepultar (v 18), como a um morto. Os primeiros foram aprovados: “Muito bem servo bom e fiel” (v 21.23), e

convidados a participar da festa, expressa na alegria. O outro pelo contrário, não foi convidado e sim jogado fora, não para a alegria e sim para o choro e ranger de dentes, porque era “Servo mau e preguiçoso”, portanto inútil. Este pensava que fosse suficiente e justo devolver o que recebera e foi reprovado, pois o que conta para o Senhor é o fruto do que produzimos em razão do que Dele recebemos. Quando o patrão diz a um e outro servo: “vem participar da minha alegria”, surge uma nova luz! Já não é um relacionamento de empregado e patrão, mas de pessoa que participa plenamente na vida da outra, como de igual a igual no sentimento de felicidade, diante do bem recebido ou reconhecido. Para o Reino, não basta ser honesto, devolver o que é do outro, mas multiplicar o bem recebido.

n 13/11 – SEXTA-FEIRA Cor: Verde 1ª Leitura - 2Jo 4-9 Salmo - Sl 118 (119) Evangelho - Lc 17,26-37 n 14/11 – SÁBADO Cor: Verde 1ª Leitura - 3Jo 5-8 Salmo - Sl 111 (112) Evangelho - Lc 18,1-8 n 15/11 - DOMINGO Cor: Verde 1ª Leitura - Pr 31,10-13.1920.30-31 Salmo - Sl 127,1 2ª Leitura - 1Ts 5,1-6 Evangelho - Mt 25,14-30 n 16/11 - SEGUNDA-FEIRA Cor: Verde 1ª Leitura - Ap 1,1-4; 2,1-5

Salmo - Sl 1, Evangelho - Lc 18,35-43 n 17/11 – TERÇA-FEIRA Cor: Branco 1ª Leitura - Ap 3,1-6.14-22 Salmo - Sl 14 (15) Evangelho - Lc 19,1-10 n 18/11 QUARTA-FEIRA Cor: Verde 1ª Leitura - Ap 4,1-11 Salmo - Sl 150 Evangelho - Lc 19,11-28 n 19/11 – QUINTA-FEIRA Cor: Vermelho 1ª Leitura - Ap 5,1-10 Salmo - Sl 149 Evangelho - Lc 19,41-44


5 BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

SETORJUVENTUDE

DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

MUNDO JUVENIL E A FÉ CRISTÃ INTRODUÇÃO

D

aqui a poucos dias compareceremos às urnas para elegermos uma nova leva de cidadãos que deverão assumir os cargos de vereadores e prefeitos. Eles constituem a base daqueles servidores que deverão liderar os nossos municípios. Como você se sente diante do atual quadro político brasileiro? Está contente, triste, indignado, revoltado, sereno, cheio de esperança...? É necessário olhar para frente e assumirmos a nossa responsabilidade de bons cidadãos. O ato de votar dura apenas alguns segundos, mas o tempo

A política da qual nós nos referimos neste pleito diz respeito ao zelo pelo cuidado na promoção dos bens de todos, a saber, a educação, a saúde, a habitação, a economia, a segurança, o saneamento, etc. Portanto, a política deve interessar a todos nós! do mandato deles é de quatro anos! Isso exige de todos os cidadãos um sério discernimento na hora da definição dos seus candidatos e também na participação responsável da vida da sociedade, assumindo um comportamento eticamente justo no dia a dia. O QUE É POLÍTICA?

Infelizmente devido à carência de formação

ELEIÇÕES municipais: a importância da política e critérios para votar cívica e os estímulos de maus exemplos de milhares de gestores na esfera do serviço público de governos em seus diversos níveis municipal, estadual e federal, a política passou a ser vista como coisa suja, área de corrupção, zona da mentira e dos interesses pessoais. É urgente a recuperação da beleza, importância e da necessidade da política. Nesse âmbito infelizmente ainda há muita confusão de ideias, preconceitos e descaso. O termo “política” vem da palavra grega “pólis”; a pólis era a cidade e a política era a arte de administrar o Bem Comum daqueles que lá viviam. O político na sua origem está vinculado ao serviço de promoção da justiça social e da dignidade humana. Por isso a política está intimamente relacionada aos direitos e deveres da vida dos cidadãos. A política enquanto arte e ciência da gestão e promoção do Bem Comum vai muito além do governo de uma cidade. Por isso podemos falar também em outros campos, como, por exemplo, “política partidária”, “política empresarial”, “política eclesial”, “política educacional”, “política econômica”, “política esportiva”, etc. A política da qual nós nos referimos neste pleito eleitoral diz respeito ao zelo pelo cuidado na promoção dos bens de todos, a saber, a educação, a saúde, a habitação, a economia, a segurança, o saneamento, etc. Portanto, a política deve interessar a todos nós! OS JOVENS E A POLÍTICA

Segundo dados oficiais das eleições de 2014, a maioria dos políticos que foram eleitos naquele ano tinha idade acima dos 50 anos. Trata-se um dado muito significativo que está em queda. Todavia, os jovens, por causa da forte insatisfação quanto à política partidária e de governo, estão ainda

DIVULGAÇÃO

relativamente distantes das responsabilidades públicas. As bandeiras ideológicas políticas entraram em crise e muitos líderes acabaram fracassando nos desvios de verbas públicas e alguns presos! Mas é bem verdade que muitos jovens, indignados e críticos, estão alimentando ideias sólidas e bons ideais para o serviço público seja no legislativo, quanto no executivo. O distanciamento dos jovens dessa responsabilidade tem sérias consequências negativas, que é a consolidação dos “profissionais da política” no poder, que fazem da arte de promover o bem comum, um meio de vida, de enriquecimento ilícito, assumindo uma atitude de frieza diante dos clamores sociais e das demandas dos empobrecidos. O descrédito na política partidária e das instituições governamentais tem sido alimentado pela frustração das expectativas populares. Ora, isso não aconteceria se aqueles que foram eleitos, com tanta esperança, fossem de fato, portadores de uma profunda consciência ética e de cidadania, capazes de promoção do Bem Comum. É hora de renovação! A questão mais grave não é aquela de ordem etária, não se trata da idade cronológica dos políticos, mas da mentalidade egoís-

ta, imoral, espertalhona, populista que vê cargos públicos como status e não como serviço social. FÉ E POLÍTICA

A Igreja Católica, sem apontar partidos e nem candidatos, defende a necessidade e a bondade natural da política como esforço conjunto de busca da promoção do Bem Comum. “A política é uma das mais altas formas de prática da Caridade” (Papa Francisco). A Caridade, ou Amor sem limites, leva o verdadeiro político a propor formas de promoção da dignidade humana, sobretudo, com atenção aos mais pobres. A corrupção, não é política, é egoísmo! Os leigos cristãos devem se envolver na política, pois quem assimilou os valores do Evangelho luta para ser “sal e luz” na sociedade! (cf. Mt 5,1315). Quero convidá-lo, a ler o capítulo IX do livro dos juízes; de modo particular o trecho (Juízes 9,7-15). Tratase de uma fábula sobre a necessidade da disponibilidade de pessoas virtuosas para assumirem cargos de líderes. Caso contrário, não reclamemos da violência dos espinheiros assassinos quando assumem o poder! (cf. Jz 9,15.24). No Êxodo, Moisés é aconselhado por seu sogro, a saber, escolher

os seus colaboradores: “escolha entre o povo homens capazes e tementes a Deus, que sejam inimigos do suborno... Eles administrarão regularmente a justiça para o povo...” (Ex 18,21-23).

Vote em quem tem foco sobre a pessoa humana em todas as suas fases: fetal, infantil, juvenil, adulta e senil! É falsa toda promessa de transformação que não leva em conta a pessoa! Vote em quem tem um plano de governo sério, amplo e que não esteja preso à categoria de pessoas, pois se eleito, deverá servir a todos igualmente! Vote em quem tem ampla e profunda visão dos problemas sociais com suas exigências e estratégias para resolvê-los. Não acredite em soluções mágicas para problemas complexos. Vote em quem tem mentalidade preventiva, sobretudo, paixão pela educação integral e propostas de inclusão para a juventude no mundo do trabalho! Boas eleições!

CRITÉRIOS EM QUEM VOTAR

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

Vote em quem você conhece e, em consciência reconhece seu caráter, seus valores e seu perfil de seriedade e amor à sociedade. Vote em quem é “ficha limpa”! Testemunha de valores éticos na vida pessoal e pública. Vote em quem tem ideias e propostas equilibradas! Todo extremismo gera divisão e guerra e depõe contra o Estado Democrático baseado no respeito aos direitos e deveres institucionalizados. Vote em quem tem respeito e sensibilidade para com os mais pobres e excluídos da sociedade! Vote em quem propõe-se a governar ou legislar com meios lícitos e justos. Um fim bom não justifica o uso de qualquer meio; fim bom, exige meios éticos! Vo t e e m q u e m a c o l h e , re s p e i t a e deseja promover a família e seus bens como patrimônio sagrado da sociedade! Bem como acolhe, defende e respeita as religiões e seus valores e símbolos!

Como você tem acompanhado este tempo de campanha? Qual análise você faz do perfil dos candidatos? Sintetize esses critérios em 5 grandes valores.

O ato de votar dura apenas alguns segundos,

O descrédito na política partidária e das instituições governamentais tem sido alimentado pela frustração das expectativas populares


6

FUNDAÇÃO NAZARÉ

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

FAMÍLIA NAZARÉ

MISSA pelos benfeitores da Família Nazaré SANTA MISSA, foi presidida pelo padre Pedro Júnior, da Paróquia Cristo Rei, localizada no bairro da

Guanabara, com transmissão ao vivo pela TV Nazaré e Facebook da Fundação Nazaré de Comunicação

C

om informações Portal Nazaré. Foi celebrada nesta primeira sexta-feira do mês, 6 de novembro, a missa em ação de graças pelos sócios evangelizadores que colaboram todos os meses com a Família Nazaré. A Santa Missa, presidida pelo Padre Pedro Júnior, da Paróquia Cristo Rei, localizada no bairro da Guanabara, teve transmissão ao vivo, pela TV Nazaré e Facebook da Fundação. O pároco Padre Pedro Júnior refletiu em sua homilia acerca do como deve administrar o bem mais preciso e o amor ao próximo: “Deus nos deu o dom da vida a graça de compartilharmos alegria. E Deus pede para que sejamos ser-

vos obedientes e bons administradores, devemos saber administrar o bem mais precioso, que é a nossa vida”. Caríssimos, nós vimos lá na primeira leitura que São Paulo escreveu em filipenses, que sejamos imitadores de Jesus Cristo imitadores daqueles que fazem o bem. Abrir o coração para os irmãos. Que possamos ser pontes aos irmãos e pontes para eles. Ser imitador de Cristo é procurar a verdade”, destacou. Durante a celebração rezou pelos funcionários da Fundação Nazaré de Comunicação, benfeitores da Família Nazaré, pela Igreja, cristãos leigos e pelo Santo Padre Papa Francisco. A celebração desta sexta-feira contou com

DIVULGAÇÃO

n CELEBRAÇÃO, com a participação da Paróquia Cristo Rei, do bairro da Guanabara

a participação dos funcionários da Fundação e paroquianos da Igreja Cristo Rei.

Ajude-nos a continuar levando o Evan-

gelho por meio dos veículos de comunicação. Para mais informações, entre em con-

tato: (91) 4006-9211 ou envie uma mensagem (91) 99315-5743 (WhatsApp).

NOSSOS ANIVERSARIANTES Antonio Sergio Cunha Alves Carmem Bentes Ferreira Maria Augusta Costa Martins Loulinha Rodrigues Pereira Ana Augusta Amorim Irene Zamith Braga Colares Norma Lea Gomes do Nascimento Valmira Santos Aguiar Maria da Trindade Gomes Moura Maria Rita Costa da Rocha Alaíde Moreira dos Santos Luiz Carlos da Conceição Souza Clovis Malcher Filho Julio Cezar Henriques Maia Janete do Socorro Santos Raiol Nilton Jorge Alves Bernardes Osório Ribeiro Pontes Raimundo Carlos Cunha Sousa Eliezio Maues Lavareda Luiz Pedro Mauriti da Costa Arlete Cruz Vieira Jose Maria Souza da Silva Carmen Gonçalves Oliveira Santos Ilma Odilene Da Costa Teixeira Raimundo de Vasconcelos Oliveira Jurita Marques da Silva Cardozo Arnaldo da Silva Pinheiro Domingos Amarante de Sousa e Silva Yde Brito Picanço

Paulo Costa Caxiado Edmilson Lopes Caldas Gilberto Alho de Freitas Jaime da Silva Cardoso Sigmar Carneiro Brito Erica Marques Maria Sueli Alencar dos Anjos Benildes Ribeiro Godinho Rute das Neves Pinheiro da Costa Odila Pereira Andrade Georgina Bezerra de Barros Getulio Martins de Araújo e Silva Walber Milhomem de Souza Inoya do Carmo Nascimento Cortes Francisco Davi de Queiroz Maciel Edir Pedro Medeiros Martins Eleomar Baia da Rocha Karla Tereza Silva Ribeiro Francisco Nunes Viana Neto Bianca Regina Lustosa Mascarenhas Sonia Maria da Costa Oliveira Robson Jorge da Silva 1 Lourival de Holanda Bezerra Ivaneide Celestino José Maria de Avellar Semira Silva Rebelo e Sena Rosilda Pereira da Silva Alfredo Braga Pastana

Liliane Glaysse Paiva Monteiro Paullinia Regia Bahia Mendes Franca Ana Marina Lima Cunha Janete Oliveira Bordalo Rosália Souza Santos Waldemir Andrade Gregório Gama da Fonseca Lucila da Silva Pereira Cardoso Antonio Carlos Miranda Vera Lucia Bulhão do Nascimento Maria Vitoria Souza Paracampo Lena Vânia Sodre Monteiro Severiana de Fátima de Araújo Monteiro Antonio Henrique dos Santos Raiol Casal Edcarlos da Rocha e Milva Dutra Lindoso Maria Raimunda Pantoja Barreto ( Marilene de Aguiar Queiroz Maria da Conceição F. Evangelista de Sousa Rose Mary Nascimento da Costa

Maria de Nazaré Costa de Amorim Maria do Carmo Lopes de Lima Michele de Ponte Souza Carvalho Jorge Luiz Barros dos Santos Delma Rita Lima Mafra Dias Paula Fabiana dos Reis Morais Maria dos Santos Lobo Casal Marcelo Santos e Claudilene Costa Silva Maria Celina Maciel Neves Maria Oeiras de Carvalho ( Marlene Barbosa de Moraes Jacyra Ribeiro Moreira Eunice Ruth Barbosa de Sousa Sá Salomão Lara Daibes Maria Lima Freitas Roberto Sergio Paraense Gomes Maria Isabel da Silva Santos Carmem Neide Pinheiro da Silva Maria Iaria Souza Barbosa Antonio Carlos Gonçalves Pereira

n NATALÍCIO DE PADRES E DIÁCONOS 14/11 – Pe. Laion Fernando Gonçalves dos Santos Ferreira 15/11 – Diác. Eleomar Baia da Rocha 18/11 – Pe. Glebson Joan Nunes Rodrigues 19/11 – Pe. Divã Alisio de Sousa 16/11 – Pe. Valdinei de Lima Silva


BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

CADERNO DOIS

Núcleo da CÁRITAS na Paróquia Ministério da Transfiguração do Senhor

DIVULGAÇÃO

NÚCLEO tem como membros mais de trinta pes-

soas de diversas pastorais, movimentos e serviços

N

a última sexta-feira (06), a Paróquia Ministério da Transfiguração do Senhor, em Ananindeua, iniciou o processo de formação para implantação do Núcleo da Cáritas na paróquia. O objetivo é estimular o espírito solidário para que as forças vivas da Igreja sejam instrumento de apoio na mobilização de desenvolvimento de ações práticas alinhadas com a Cáritas Belém. De acordo com o diácono, Nonato Santos, que esteve à frente da formação na Paróquia, este momento é o início de “Um processo de formação contínua conforme as necessidades, dentro das 12 áreas de atuação da Cáritas. Como rede, o trabalho deve ser realizado em conjunto, a partir de um levan-

tamento das necessidades e planejamento para as ações, levando em consideração o método participativo.”, explicou o diácono. O Núcleo Paroquial da C á r i t a s t e m c o m o re s ponsáveis o pároco Monsenhor Raimundo Possidônio, Diácono Robson e como membros mais de trinta pessoas de diversas pastorais, movimentos e serviços e representantes de comunidades. Durante a palestra de formação foi abordado acerca da fundação da Cáritas, atuação da rede de solidariedade, orientações metodológicas para o trabalho base e do funcionamento como todo, das 12 regionais, 5 articulações, 187 entidades membros que fazem parte da Cárita Brasileira.

HISTÓRIA

n PROCESSO DE FORMAÇÃO, com vários representantes da comunidade

Em 12 de novembro de 1956, foi fundada a Cáritas Brasileira, sendo um organismo pertencente à

Conferência Nacional do Bispos do Brasil (CNBB), fazendo parte das 170 organizações-membros da Cáritas Internacional. A

ação da Cáritas segue as orientações do Concílio Vaticano II vivendo assim sob os valores da pastoralidade transformadora.

CAMPANHA arrecada água e alimentos para moradores do Amapá

Nota de PESAR - João Carlos Pereira Na madrugada desta terça-feira (10), retornou a casa do Pai junto a Nossa Senhora, o professor, escritor e jornalista, João Carlos Pereira. Ele estava internado há algumas semanas diagnosticado com Covid-19, devido a complicações da doença, não resistiu. Durante toda sua vida João Carlos Pereira se dedicou ao serviço da Igreja. Na Fundação Nazaré de Comunicação, em meados de 1997, apresentou na Rádio Nazaré FM (91,3), o programa “Conexão Nazaré”, passou pelo Conselho de Programação da Fundação e por último escreveu belíssimos artigos, por aproximadamente dez anos, na coluna “Privilégio de Ser Católico” do Jornal Voz de Nazaré. Ao Jornal Voz de Nazaré a dedicação de João Carlos Pe-

reira, era ímpar, sempre com responsabilidade e zelo ao falar de Deus e Nossa Senhora. Foram diversos os artigos que buscaram levar o amor de Cristo e da Virgem Maria aos leitores que o acompanharam nas palavras de aconchego e evangelização. O missionário de Deus, por meio das palavras, ficou conhecido pelo extenso conhecimento dos fatos históricos e curiosidades acerca do Círio de Nazaré. Em todos os seus artigos, era perceptível o amor por Nossa Senhora de Nazaré, que hoje o recebe juntamente com o Pai Celeste. Ressalta-se nesta edição a publicação do último artigo enviado por sua filha no dia 4 de novembro passado, “O Evangelho na casa de Nazaré”, na página 2, do primeiro caderno.

Com informações Regional Norte 2. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) do Regional Norte 2 se solidariza com os irmãos do Amapá e com toda a situação de falta de energia e água potável no Estado. E para ajudá-los a passar por esse momento de dificuldade, a instituição realiza a campanha “SOS Amapá”, que visa arrecadar donativos. A ideia da campanha surgiu a partir do desejo e da união dos membros das pastorais e organismos do Regional Norte 2 em fazer um gesto concreto de ajuda para o povo do Amapá. De acordo com Bruno Costa, da pastoral da Juventude, a campanha começou a partir da empatia à situação do estado e às inquietações dele e de outros integrantes de movimentos do Regional.

17h; e no ADPEP Pará, na Tv, Padre Prudêncio, 154, no bairro da Campina, ao lado da Igreja de Santana, Belém, de segunda a sábado, de 08h às 15h. Para mais informações e doações, entre em contato com o Bruno Costa: (91) 98229-7895 ou Cristiane Araújo: (91) 98416-8812.

DOAÇÕES FINANCEIRAS

Além de água e alimentos, a campanha também está recebendo doações financeiras. Elas podem ser feitas por meio dos seguintes dados: Pessoa Jurídica: Cáritas Diocesana de Macapá – C.D.M/ CNPJ: 11.452.602/0001-04. Agencia: 2825-8 e Conta: 60702-9.

POSTOS DE ARRECADAÇÃO

As doações podem ser entregues na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB Regional Norte 2, localizada na Avenida Barão do Triunfo, 3151, entre a Av. Almirante Barroso e Av. Rômulo Maiorana, em Belém, de segunda a sexta-feira, no horário de 8h as 13h; a Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Rodovia Arthur Bernardes, 459, no bairro do Telégrafo, em Belém, de segunda a sábado, das 8h às

É Tempo de Cuidar do Amapá

A

Cáritas Diocesana de Macapá também está realizando ações emergenciais de ajuda para a população do Estado dentro da campanha “É Tempo de Cuidar” com a arrecadação de doações de materiais de higiene, limpeza, água potável e alimentos para o atendimento das famílias mais

vulneráveis. As doações de materiais de higiene, limpeza, alimentos e água potável podem ser feitas nas paróquias e na sede da Cáritas da Diocese de Macapá, localizada no endereço: Av. Padre Manoel da Nóbrega , n° 1000, CEP: 68.905-627 – Jesus de Nazaré, Macapá – AP.


2

ARQUIDIOCESE

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

MUTIRÃO de comunicação 2021 lança site do maior evento eclesial na área AS INSCRIÇÕES estão abertas desde o dia primeiro de novembro

C

om informações Regional Norte 2. O maior evento de comunicação eclesial da história do Brasil já tem data e local. O Mutirão de Comunicação 2021 será realizado de 22 a 25 de julho de 2021, na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, em Belo Horizonte. O tema central do evento é “Por uma comunicação integral: o humano nos novos ecossistemas”. As inscrições estão abertas desde o dia 1º de novembro. O Mutirão de Comunicação 2021 reúne uma série de eventos já conhecidos no ambiente da comunicação eclesial. Os pasconeiros e pasconeiras vão participar do 7º Encontro Nacional da Pascom. Os jornalistas das dioceses, regionais e organismos da CNBB se reúnem no 10º Encontro de Jornalistas. Comunicadores e pesquisadores da Signis se encontram no 2º Congresso da Signis Brasil. Já os radialistas têm o 3º Congresso de Rádios Católicas do Brasil. O evento reúne ainda comunicadores de TVs de inspiração católica, de sites, entre outros. A organização do

evento lançou o site onde os participantes e interessados poderão acessar informações mais detalhadas sobre o evento e acompanhar as notícias. O coordenador-geral do Mutirão e assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, padre Tiago Silva, afirma que tudo está sendo preparado para que o evento seja um divisor de águas para a Igreja. “Nós desejamos que seja ‘um novo Pentecostes’ para a comunicação católica no Brasil. Unindo forças, nós vislumbramos novos hori-

zontes para que o Evangelho seja anunciado, vivido e, assim, possa iluminar a realidade do povo brasileiro”, explica padre Tiago. Considerando o atual contexto mundial e os impactos provocados pela pandemia do novo coronavírus, o Mutirão de Comunicação 2021 será realizado nas modalidades on-line e presencial. A comissão organizadora também deseja, com isso, facilitar a participação de mais comunicadores.

Os inscritos nessa modalidade terão acesso às conferências e a um seminário. Para participar on-line, o valor de inscrição até 15 de fevereiro de 2021. A inscrição na modalidade presencial, oferece a possibilidade de adquirir apenas a participação no evento ou ainda incluir a hospedagem. Para maiores informações Acesse o site www. muticom.com.br

NAZARÉ REPÓRTER DISPONÍVEL CARTILHA DA NOVENA DE NATAL 2020 DO IPAR A Novena de Natal que chega aos grupos de reflexões e as comunidades é um instrumento que vai ajudar a fazer a preparação para acolher Deus. O Advento é esse tempo que faz todos mergulharem neste grande mistério da presença do Menino Jesus. A cartilha contém oito encontros e uma celebração de Natal, a ser rezado e refletido em sintonia com a Campanha da Fraterni-

POLICLÍNICA ITINERANTE DO HANGAR RETOMA ATENDIMENTO Como medida preventiva contra o novo coronavírus, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), retomou os atendimentos para pacientes com sintomas leves e moderados da Covid-19 na Policlínica Itinerante montada ao lado do Hangar, em Belém. Pessoas com sintomas

n PROGRAMA ENCANTOS DA AMAZÔNIA O destaque desta semana é para o Programa “Encantos da Amazônia”, totalmente reformulado. Através do programa percebem-se com maior profundidade as características históricas, religiosas e so-

ciológicas da Amazônia. Uma oportunidade para conhecer melhor o que há de atrativo e positivo na região. O programa vai ao ar 5ª feira e sábado, às 20h e, aos domingos, às 10h.

RÁDIO NAZARÉ FM 91 .3 MHZ n NOVEMBRO AZUL EM PAUTA O Programa Saúde e Cidadania da próxima segunda-feira, 16, abordará o tema “Saúde do homem: Tabagismo, Alcoolismo e os cuidados com o câncer de próstata”. Na entrevista vamos enfatizar sobre a importância da prevenção do Câncer de Próstata com um diagnóstico precoce. Alertar também sobre a prevenção de doen-

ças crônicas e fatores de risco como maus hábitos alimentares, sedentarismo, alcoolismo e tabagismo. Um especialista vai falar sobre o assunto. O Programa Saúde e Cidadania vai ao ar todas as segundas-feiras, às 16h. Sintonize 91,3 MHz e participe conosco pelo 4006-9211 ou 9.88140275 (WhatsApp).

PORTAL NAZARÉ WWW. FUNDACAONAZARE. COM.BR

n VOCÊ PODE CONTRIBUIR PARA A EVANGELIZAÇÃO Durante as transmissões pela TV Nazaré (canal 30.1 ou sintonia de sua cidade), Portal Nazaré (www.fundacaonazare.com.br), e nossa página no Facebook.com/FNCBelem você pode contribuir para a evangelização pelos veículos de comunicação da Rede Nazaré

através deste código QR CODE que aparecerá ao longo da programação. Siga o passo a passo e faça sua doação de forma simples e segura. Faça parte da Família Nazaré (91) 4006-9211 ou envie uma mensagem (91) 993155743 (WhatsApp).

gripais leves e moderados poderão buscar assistência médica na unidade, onde serão disponibilizadas consultas, exames e medicamentos em caso de necessidade. Casos mais graves da doença ou pessoas com falta de ar, insuficiências respiratórias, devem buscar Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Pronto Socorros.

BOA DICA

TV NAZARÉ CANAL 30.1

dade deste ano e o Sínodo para a Amazônia. O material pode ser adquirido na sede da CNBB Regional Norte 2 que fica localizada na Travessa Barão do Triunfo, Nº 3151, entre Avenida Almirante Barroso e Avenida Rômulo Maiorana, no bairro do Marco. A cartilha custa R$ 2,00. Maiores informações pelo telefone (91) 32381555 ou 99391 3689.

n DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E SÍNDROMES INFANTIS - Wilson Candido Braga (Paulinas - R$ 45,40)

A

publicação traz um elenco e a descrição dos transtornos do desenvolvimento intelectual e das síndromes mais comuns na infância e adolescência, que necessitam de atendimento especializado e multidisciplinar visando à evolução global e avanços que garantam melhor qualidade de vida e capacidade de autonomia para uma vida independente. O primeiro capítulo apresenta os conceitos de deficiência intelectual de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5). A seguir, no capítulo 2, são apresentadas as principais diferenças entre

deficiência intelectual e os principais transtornos específicos de aprendizagem. No capítulo 3, o autor explica o que é a síndrome de Down e quais as suas particularidades. O capítulo 4 aborda as síndromes decorrentes da contaminação pelo Zika vírus. O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e suas comorbidades são estudados no capítulo 5. Por fim, no capítulo 6, o autor apresenta algumas outras síndromes menos comuns, suas principais características, os tratamentos e as expectativas de minimização de sintomas e melhora na qualidade de vida.

n DÍZIMO E CAPTAÇÃO DE RECURSOS – Padre Jerônimo Gasques (Paulus - R$ 19,20)

A

captação de recursos é um tema que está na pauta de muitos encontros eclesiais. As comunidades têmse debatido sobre suas necessidades econômicas, que são os desafios atuais das igrejas cristãs. Como manter a comunidade sem a necessidade de infinitas promoções para resolver os problemas de finanças? Como dar passos sem onerar ao extremo os grupos de igre-

jas? Como evangelizar com o dízimo e somente nele confiar? O dízimo é suficiente? Podemos contar somente com esse recurso? O Autor, neste, livro reflete sobre essa possibilidade e acredita que é possível um dízimo limpo, rendoso e cheio de testemunhos de comunhão e partilha. A experiência é o toque da mão de Deus agindo na solidariedade eclesial.


VATICANO

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

3

A EXPECTATIVA pelo encontro definitivo com Deus PAPA convida a manter essa perspectiva como referência para o presente

C

om informações agência Ecclesia. Para o papa Francisco os católicos devem viver com expectativa pelo “encontro definitivo com Deus”, mantendo essa perspectiva como referência para o presente. “Ser sábio e prudente é não esperar o último momento para corresponder à graça de Deus, mas fazer isso ativamente imediatamente. Se queremos estar prontos para o último encontro com o Senhor, devemos desde agora cooperar com Ele e realizar boas ações inspiradas no seu amor”, referiu, desde a janela do apartamento pontifício, antes da oração dominical do ânge-

lus do domingo, dia 8 de novembro. Perante centenas de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, Francisco sublinhou que as celebrações deste domingo convidam a “prolongar a reflexão sobre a vida eterna, iniciada por ocasião da Festa de Todos os Santos e da comemoração dos fiéis defuntos”. Segundo o Papa, muitos deixam de parte a noção de um “encontro definitivo com Deus, perdendo assim o sentido da expectativa e tornando o presente absoluto”. “Essa atitude exclui qualquer perspectiva do além: faz-se tudo como se nunca tivéssemos de partir para a outra vida.

E então preocupamonos apenas em possuir, em emergir, em estabelecer-se”, alertou. Francisco afirmou que uma vida guiada pela busca dos próprios interesses se torna “estéril” e fechada à transcendência: “Devemos viver o hoje, mas o hoje que vai rumo ao amanhã, para esse encontro. O hoje carregado de esperança”. “Invoquemos a intercessão de Maria Santíssima, para que nos ajude a viver, como ela, uma fé laboriosa: ela é a lâmpada luminosa com a qual podemos atravessar a noite além da morte e chegar à grande festa da vida”, declarou. Após a oração, o Papa

FOTOS: DIVULGAÇÃO

n PAPA na oração dominical do ângelus do domingo, dia 8 de novembro

evocou a beatificação, este sábado, em Barcelona, do jovem espanhol Joan Roig Diggle (19171936), morto aos 19 anos de idade, durante a guerra civil espanhola, no século XX.

Francisco deixou votos de que o exemplo deste católico desperte nas novas gerações o “desejo de viver em plenitude a vocação cristã”, pedindo um aplauso dos presentes para “este be-

ato jovem, tão corajoso”. A Igreja Católica já reconheceu como mártires cerca de dois mil bispos, padres, religiosos, leigos e leigas espanhóis, mortos entre 1936 e 1939.

Diplomacia VATICANA: modo concreto de alcançar as periferias Com informações Vatican News A diplomacia vaticana foi o tema de um pronunciamento do secretário das Relações com os Estados, Dom Paul Richard Gallagher, por ocasião dos 40 anos da assinatura do Acordo entre a Santa Sé e o Peru, realizada em Lima em 19 de julho de 1980. “A ação diplomática da Santa Sé não se contenta em observar os acontecimentos ou avaliar o seu impacto, nem pode permanecer somente uma espécie de voz crítica da consciência”, analisou o arcebispo. Ao invés, a “Santa Sé é chamada a agir para facilitar a convivência entre as várias nações,

para promover aquela fraternidade entre os povos, onde o termo ‘fraternidade’ é sinônimo de colaboração factível, de verdadeira cooperação, concorde e ordenada, de uma solidariedade estruturada a favor do bem comum e dos indivíduos”. DIPLOMACIA EM CAMINHO É o próprio Papa Francisco, revela Dom Gallagher, a pedir à Santa Sé que “se mova no cenário internacional não para garantir uma genérica segurança, que se tornou ainda mais difícil neste período de instabilidade perdurante e de forte conflitualidade, mas para sustentar uma

ideia de paz como fruto de relações justas, isto é, de respeito das normas internacionais, de tutela dos direitos humanos fundamentais, a começar pelos direitos dos últimos e mais vulneráveis”. Neste contexto, acrescenta o arcebispo, a função “eclesial” da diplomacia vaticana é ser um instrumento de comunhão que une o Romano Pontífice aos bispos e às respectivas Igrejas locais, é também a “via peculiar através da qual o Papa pode alcançar concretamente ‘as periferias’ espirituais e materiais da humanidade”. O secretário recordou que a rede diplo-

n A AÇÃO diplomática da Santa Sé evidenciada em vários momentos

mática da Santa Sé mantém relações bilaterais com 183 Estados, aos quais se acrescentam a União Europeia e a Soberana Ordem de Malta. Man-

tém, ainda, relações estáveis de tipo multilateral com inúmeras instituições intergovernamentais. No fundo, concluiu o arcebispo, a “diploma-

cia da Santa Sé é uma diplomacia em caminho: um caminho longo, complexo e repleto de dificuldade, mas possível com a ajuda de Deus”.

COVID-19: Papa destaca papel dos pequenos agricultores Com informações agência Ecclesia. Durante a jornada de ação de graças promovida pelos bispos italianos, com o tema “água, bênção da terra”, o Papa Francisco destacou no domingo, dia 8, o papel dos pequenos agricultores na atual crise provocada pela pandemia. “Estou próximo com a oração e o afeto ao mundo rural, especialmente aos pequenos agricultores. O seu trabalho é mais importante do que nunca neste tempo de crise”, disse Francisco da janela do apartamento pontifício, após a recitação da oração do ângelus. A intervenção evocava a 70ª edição da jornada um dia de ação de graças pelos dons da terra, promovida pela Conferência

Episcopal Italiana. O Papa destacou, a respeito do tema escolhido para 2020, que a água é “vital” para a agricultura e também para a vida, pelo que tem de ser vista como “bem comum, cujo uso deve respeitar o seu destino universal”. Francisco falou das vítimas do furacão Eta, na América central, que provocou mortes e elevados danos materiais, agravando “a situação já difícil da pandemia”. O furacão provocou cerca de 200 mortos ou desaparecidos em sete países da América Central, a maioria na Guatemala, e deve atingir ainda Cuba, Jamaica e Florida (EUA). O Papa rezou pelas vítimas, os seus familiares e todos os que

os procuram ajudar. Na sua tradicional reflexão de domingo, Francisco mostrouse preocupado com a situação na Etiópia, onde o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, Prémio Nobel da Paz em 2019, anunciou uma operação militar em retaliação por alegados ataques da Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF, sigla em inglês) contra bases militares, tendo decretado o estado de emergência durante seis meses na região. “Sigo com preocupação as notícias que chegam da Etiópia. Exorto a rejeitar a tentação do confronto armado, convidando todos à oração e ao respeito fraterno, ao diálogo e à recomposição pacífica das discórdias”, pediu o

pontífice Francisco falou ainda das reuniões do fórum do diálogo político líbio, que começaram neste domingo na capital da Tunísia.

“Desejo vivamente que, neste momento tão delicado, seja encontrada uma solução para o longo sofrimento do povo líbio”, com respeito pelo recente

acordo para um cessar-fogo permanente, disse o Papa. “Rezemos pelos delegados no fórum, pela paz e pela estabilidade na Líbia”, concluiu.

A

sociedade se enriquece com o diálogo entre ciência e fé, que abre novos horizontes ao pensamento. Os progressos científicos devem ser iluminados com a luz da fé, para que respeitem a centralidade da pessoa humana. (10 de novembro)

R

ezemos pelas populações da América Central, atingidas por um violento furacão. Que o Senhor acolha os mortos, conforte seus familiares e ampare os mais provados, assim como os que estão trabalhando para ajudá-los. (8 de novembro)

U

ma fé “que atua pelo amor” (Gl 5,6) é aquela lâmpada luminosa com a qual podemos atravessar a noite além da morte e alcançar a grande festa da vida. (8 de novembro)


4

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

EM NAZARÉ

PRIMEIRA Mostra de Música Santa Cecília EVENTO faz parte do projeto “Cantos para a Mãe de Nazaré” com vários grupos convidados

"A

música, que eleva a palavra e o sentimento até a sua última expressão humana, interpreta o nosso coração e nos une ao Deus de toda beleza e bondade” – D. Evaristo Arns. Muitos são os ministérios de músicas e cantores que contribuem com o dom dado por Deus para servi-lo durante as Santas Missas e também na Adoração da Juventude ao Santíssimo Sacramento, na Basílica Santuário de Nazaré. Por esse

motivo, os Padres Barnabitas promoverão no dia 27 de novembro, a I Mostra de Música Santa Cecília. O evento faz parte do projeto “Cantos para a Mãe de Nazaré” e terá a participação dos ministérios e cantores que fazem parte da Pastoral da Música Litúrgica da Paróquia de Nazaré. Os grupos convidados são Filhos da Consolação, Adorar Jesus, Filhos de Davi, Vozes do Santuário, Filhos a Rainha e Vozes de Maria. Também participarão os cantores

ministros de música Amanda de Paula, Tereza Mônica, Romano Pereira, Bruno Maneschy e Salomão Neto. No repertório, clássicos da música católica e também de autoria dos participantes. A mostra de música acontecerá na Basílica Santuário de Nazaré, a partir das 20h, e contará com a presença do público – de acordo com as normas dos órgãos de saúde – além da transmissão ao vivo pelas plataformas digitais: Facebook e Youtube.

FOTOS: ALINE ANDRADE

n PARTICIPAÇÃO ministérios e cantores da Pastoral da Música Litúrgica

SANTA CECÍLIA A devoção a sua santidade avançou pelos séculos sempre acompanhada de incontáveis milagres. Santa

Cecília é uma das mais veneradas pelos fiéis cristãos, do Ocidente e do Oriente, na sua tradicional festa do dia 22 de novembro. O seu

nome vem citado no cânon da missa e desde o século XV é celebrada como padroeira da música e do canto sacro.

Mãe da Providência – I Padre Francisco Cavalcante, B. Pároco de Nazaré

Nossa Senhora Mãe da Divina Providência. Eis um dos títulos marianos que vêm alimentando a confiança filial de muitos fiéis. Ele nasceu no coração dos Clérigos Regulares de São Paulo, ditos Barnabitas e sublinha: I. A maternidade - a Virgem é mãe do Verbo encarnado. Jesus, divino e humano, por meio do ventre da Virgem Maria tocou nossa humanidade possibilitando-nosconhecer uma das mais belas dádivas que o Pai nos concedeu: Jesus(YESHUA - Deus salva - salvação). Em outras palavras, aquela que gerou a humanidade de Cristo, Divina Providência encarnada, é propriamente Mãe do Salvador; II. II. Deus,uno e trino, é Providência e como tal, governa sua criação, não abandona a sua obra, faz-se presente

objetivando conduzi-la à plenitude de sua existência.Todo aquele que abre seu coração olhando ao redor com os olhos da fé, vê-se guiado pela providencial ação divina. O primeiro quadro:

é de autoria do grande pintor italiano, Scipione Pulzone de Gaeta (15501597), discípulo de Rafael Sanzio. A pintura colorida a óleo sobre telamede 54x42 cm.imortaliza o êxtase materno vivido por Maria anteseu Filho.

Como a tela chegou aos Barnabitas?Em 1677, precisou-se fazer uma ampliação na Praça Colonna, em Roma, a mando do Papa Alexandre VII.Para isso, foi necessário demolir convento eigreja dos Barnabitas, dedicados a São Paulo Apóstolo, que aí se encontravam.Na paredehavia um afresco mariano muito estimado pelos religiosos. Com o fim de salvá-lo, pediram ao arquiteto sua remoção e transladoà outra comunidade deles, na Praça Catinari,paróquia dedicada a São Carlos Borromeu, também em Roma. Lamentavelmente, ao transportá-lo, o afresco quebrou-se. Como forma de reparar o dano, o arquiteto presenteou aos Barnabitasesse pequeno quadro, sem título, do acervo de sua família. Os religiosos, então, colocaram o quadro na capela de sua residência, ao lado daigreja São Carlos.

n PADRE RAMOS fez percurso do Círio em agradecimento à Virgem de Nazaré

Agradecimento à Virgem de Nazaré O Padre José Maria Ramos, cumpriu na manhã do último domingo, dia 09, sua promessa à Nossa Senhora de Nazaré, percorrendo o caminho da grande procissão do Círio, saindo da Catedral de Belém até a Basílica Santuário de Nazaré. A promessa foi realiza-

da a exatos seis meses da alta médica, após ter sido internado por onze dias acometido pela COVID19. Em agradecimento a Mãe de Nazaré, Padre Ramos carregou junto a amigos, dois pulmões feitos de cera. Padre José Ramos foi diagnosticado com o novo Coronavírus e in-

ternado no final do mês de abril. Recebeu alta no Hospital Beneficência Portuguesa para tratamento em casa, a Basílica Santuário de Nazaré, em 8 de maio, dia de celebração da ‘Sexta-Feira da Misericórdia’. No dia 31 de maio, ele presidiu sua primeira missa após a recuperação, em ação de graças a total cura. No dia 15 de agosto Padre Ramos lançou o livro “A Quarentena de um Sacerdote: 11 dias de um pequeno calvário”, relatando sobre descobertas espirituais e corporais durante o tratamento, que segundo ele foi uma “vivência de cruz e ressurreição”. “Esse livro foi escrito com o coração. Tem começo, meio e conclusão, com mensagens para todos: aos saudáveis, aos curados, aos que perderam pessoas queridas, aos médicos e profissionais da saúde. Afeto e comoção ditaram as linhas“. O livro pode ser adquirido no atendimento da Basílica Santuário e na Loja Lírio Mimoso.


ARQUIDIOCESE

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

5

Segue a programação ESPECIAL dedicada ao dízimo UMA PROGRAMAÇÃO diferenciada foi organizada este ano em decorrência da pandemia

D

urante todo o mês de novembro as paróquias e comunidades da Arquidiocese de Belém estão vivenciando o Mês do Dízimo. Uma programação especial e diferenciada foi organizada este ano em decorrência da pandemia do novo coronavírus pela Equipe Arquidiocesana de Pastoral do Dízimo (EAPADI) cuja temática de 2020 é “Fé e compromisso com a missão da Igreja”. A abertura oficial do mês dedicado ao dizimo aconteceu no dia 1º, com celebração eucarística presidida pelo Padre José Maria Ribeiro na Igreja Matriz da Paróquia de Santa Maria Mãe de Deus, transmitida ao vivo pela página da paróquia no Facebook. Ao longo do mês estão sendo realizados diversos eventos formativos apresentados por meio de videoconferências, sempre das 20 horas às 21 horas. Na sexta-feira, dia 13, a reflexão será sobre o tema “Dízimo: gesto consciente que brota da fé e gratidão a Deus e amor à Igreja”, com Padre Hélio Fronzack. No dia 20, padre Evandro Favacho aborda o tema “Dízimo: fruto da conversão destinado a missão” e na última sexta, dia 27, padre André Teles contribui com o tema “Dízimo: corresponsabilidade na manuntenção eclesial”. Na primeira sexta-feira do mês, dia 6, a temática “Partilha: gesto de solidariedade em tempos de pandemia” foi mediada pelo padre José Maria, tendo como convidado padre Ederaldo da Mata Silveira. ENCERRAMENTO Assim como começou, o mês dedicado ao dizimo encerra-se com Santa Missa celebrada na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, no Conjunto Júlia Seffer, em Ananindeua, no domingo, dia 29 de novembro. A celebração, presidida por Dom Alberto Taveira Corrêa, será transmitida pelo facebook. O Mês do Dízimo é uma experiência iniciada em 2013, na Arquidiocese de Belém. Até 2015 as programações aconteciam através da “Semana Missionária do Dízimo”. Em 2016 passou a ser chamado de “Mês da Partilha” e, a partir de 2018, “Mês

DIVULGAÇÃO

do Dízimo”, realizado em novembro. O projeto foi elaborado pela Equipe de Formação da EAPADI, com aprovação de Dom Alberto Taveira. ATO DE FÉ O dízimo, além de preocupar-se com as necessidades paroquiais, também se preocupa com a necessidade do próximo. A palavra dízimo significa a “décima parte” que os judeus davam de tudo o que colhiam da terra com o seu trabalho. Também hoje, todos são convidados a oferecer o dízimo, que tem a finalidade de “organizar o culto divino, prover o sustento do clero e dos demais ministros, praticar obras de apostolado, de missão e caridade, principalmente em favor dos pobres!”, de acordo com o documento “O Dízimo na Comunidade de Fé – Orientações e Propostas”, publicado pela CNBB, em 2016. Dízimo, portanto, é um ato de fé e de ação de graças a Deus. Essa experiência está enraizada na fé desde os tempos antigos, que pode ser verificado a partir da Bíblia Sagrada, tanto no Antigo Testamento quanto no Novo Testamento. Mais do que uma simples devolução e preceito, o dízimo é uma prática que manifesta o sentimento de pertença do fiel à comunidade eclesial e remonta à experiência vivida pelos primeiros cristãos, como está relatado nos Atos dos Apóstolos: “Todos os fiéis, unidos, tinham tudo em comum; vendiam as propriedades e os seus bens e dividiam o preço entre todos, segundo as necessidades de cada um” (At 2,44; 4, 32-34). Além da dimensão religiosa, o dízimo está relacionado à fé e à pertença a uma comunidade e torna o batizado corresponsável com a vida e missão da Igreja, não apenas para a manutenção da estrutura material do templo e seus ministros, mas também para o sustento das iniciativas pastorais. O s e c re t á r i o - g e r a l d a CNBB e bispo auxiliar do Rio de Janeiro, dom Joel Portella Amado, explica que o dízimo não deve ser visto como um “pagamento” e sim um “recolhimento”. “A comunidade de fé não pode ser vista como um local onde se paga a contrapartida por um produto

n ABERTURA na Paróquia de Santa Maria em missa presidida pelo padre José Maria recebido. Esse princípio se aplica, por exemplo, às lojas. Nunca a uma comunidade, pois as comunidades se assemelham às famílias. Não às

lojas. Um irmão, mesmo distante, será sempre um irmão com quem devemos nos preocupar. Um freguês poderá até ser objeto de preocupa-

ção do dono da loja, mas não porque ali está uma pessoa e sim pelo fato do que aquela pessoa pode dar, no caso, o pagamento”, conclui.

Em tempos de pandemia, o dízimo se revela também um ato de solidariedade

O

dízimo é, antes de tudo, um compromisso de fé e de amor com a comunidade, onde vive-se o espírito da partilha e da doação, fundamentados no mandamento do amor, centro do Evangelho. O bispo de Santa Cruz do Sul, dom Aloisio Dilli, comenta que o dízimo é também um sinal concreto de amor e gratidão a Deus pelos dons que recebemos, sobretudo, pelo seu imenso amor que nos quer participantes de sua vida. Em tempos de pandemia, a prática de se contribuir com o dízimo se revela também um ato de solidariedade e amor a si e ao próximo. “O compromisso do dízimo não é uma obrigação moral ou jurídica, mas um gesto de amor. É uma oração silenciosa, porque esse amor se dirige a Deus. É também um recado à comunidade, como que dizendo: pode contar comigo, pois eu fiz uma opção de participar, uma conversão por amor e para o amor”, afirma dom João Bosco, bispo de Osasco (SP). E como contribuir diante de um período de isolamento social? As arquidioceses e dioceses do Brasil criaram algumas formas para ajudar a sensibilizar os fiéis sobre a necessidade de devolver o dízimo, neste período de pandemia, com as igrejas fechadas.

Várias dioceses e arquidioceses criaram um sistema especifico de forma a estimular as contribuições. A arquidiocese de Natal, por exemplo, publicou cards nas redes sociais da arquidiocese, em dias alternados, para ajudar a sensibilizar os fiéis sobre a necessidade de devolver o dízimo. Em Vitória, no Espírito Santo, a contribuição poderia ser feita via débito automático, com o formulário encaminhado via e-mail. A arquidiocese de Vitória disponibilizou ainda em seu site uma lista com informações sobre como contribuir com o dízimo em algumas paróquias. Além da opção de fazer transferência bancária, também é possível, em muitas delas, fazer a contribuição por meio de aplicativos. A arquidiocese de Porto Alegre, juntamente com a Cáritas, criou um site para dar continuidade ao recebimento do dízimo e, consequentemente, ao trabalho de solidariedade desenvolvido pela arquidiocese, em tempos de coronavírus. No site, a colaboração pode ser feita em duas modalidades: boleto ou cartão de crédito e, ainda, transferência bancária para a conta da arquidiocese.

Em RECIFE: continuam preparativos para o Congresso Eucarístico A Arquidiocese de Olinda e Recife está dando continuidades aos preparativos para o 18º Congresso Eucarístico Nacional (CEN). Os presidentes das comissões e o arcebispo, dom Fernando Saburido estão encaminhando os novos prazos e as providências que deverão ser tomadas para o encontro em 2021. O CEN estava marcado para ocorrer entre os dias 12 e 15 de novembro des-

te ano, mas foi adiado devido à pandemia do novo coronavírus e os encontros das equipes organizadoras suspensos. O congresso será realizado nos mesmos dias no ano que vem com o tema “Pão em todas as mesas”. “Não partiremos do zero e isso conta a nosso favor. As dificuldades causadas pela

pandemia serão superadas e teremos a graça de realizar um congresso inesquecível em nossa arquidiocese”, afirmou dom Fernando. Vigário-geral da arquidiocese pernamb u c a n a , p a d re L u ciano Brito disse que o recomeço será de prosseguir em contato com fornecedores

e atrair novos patrocinadores. Segundo o sacerdote, outra prioridade será organizar os espaços onde ocorrerão os encontros do congresso e a reforma da Casa do Pão. A Casa do Pão será o legado deixado pelo CEN. O espaço será um local de acolhimento de pessoas que vivem em situação de rua, onde receberão refeições e outros cuidados.


6

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 13 A 19 DE NOVEMBRO DE 2020

ARQUIDIOCESE

POBRES: celebração no dia 15 deste mês EM BELÉM vai até dia 22 com ação social na igreja da Trindade acolhendo a população de rua

C

om informações CNBB. Há quatro anos, com a instituição do Dia dos Pobres, o papa Francisco vem a provocar a Igreja para olhar, refletir, agir, rezar e estar com os pobres. Na mensagem deste ano ele diz: “O encontro com uma pessoa em condições de pobreza não cessa de nos provocar e questionar. Como podemos contribuir para eliminar ou pelo menos aliviar a sua marginalização e o seu sofrimento? A comunidade cristã é chamada a coenvolver-se”. “Estende a tua mão ao pobre” (Sir 7,32), é o tema da IV Jornada Mundial dos Pobres que se realiza de 8 a 15 de novembro de 2020. O arcebispo metropolitano de Belo Horizonte (MG) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo ressaltou em vídeo durante o início da mobilização da IV Jornada Mundial dos Pobres (JMP) que “entre os muitos males que ameaçam o mundo, está a pobreza e o crescente vazio existencial. Ambos ameaçam a vida e ferem a dignidade hu-

mana”. Segundo o arcebispo, “a solidariedade pode tornar-se o antídoto poderoso para enfrentar esses dois males”. Ele ainda brada que a pobreza e a miséria devem causar inquietação e se desdobrar em ações transformadoras. MOBILIZAÇÃO Em atenção à crescente pobreza, em sintonia com papa Francisco e com a Igreja do Brasil, numa ação conjunta, a Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotransformadora da CNBB, o Setor de Campanhas da CNBB, o Setor de Comunicação da CNBB, a Cáritas Brasileira, a Pastoral da Mulher Marginalizada, a Pastoral do Povo de Rua, a Operária, a Pastoral Carcerária, o Conselho Pastoral dos Pescadores, o Conselho Nacional do Laicato do Brasil, o Serviço Pastoral dos Migrantes, a Articulação das Pastorais do Campo, a Rede de Notícias da Amazônia e a Signis Brasil lançam o material para a mobilização da Jornada Mundial dos Pobres de 2020, com realização de 8 a 15 de novembro. A proposta é estar com as pessoas em situação de pobreza,

rezar com elas e também lutar por políticas públicas, econômicas, reformas dos programas sociais e ações de erradicação da extrema pobreza e combate à desigualdade social. Foram disponibilizados diversos materiais para a mobilização, reflexão, oração e memória da IV Jornada Mundial dos Pobres: o tríduo (roda de conversas e debates), programas para emissoras de rádio

e conteúdos para as redes sociais, construídos a partir de histórias das pessoas que vivem a situação do empobrecimento. No dia 11 de novembro aconteceu um seminário nacional com escuta de pessoas em situação de empobrecimento, suas lutas e gritos de reivindicação e a live da Esperança e da Solidariedade. EMPOBRECIMENTO No Brasil, no período

de 2014 a 2018, a renda dos 40% mais pobres caiu, em média, a queda foi de 1,4% por ano. O número equivale a 85 milhões de pessoas em situação de empobrecimento, segundo o Banco Mundial, a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). De acordo com a pesquisa, houve um alívio temporário ao longo de 2020 com a renda emergencial. Contudo, as pes-

soas voltarão à situação anterior após o fim do benefício, em dezembro deste ano. Dez milhões de brasileiros ficam pelo menos um dia da semana sem comer. Com isso, o País registrou o pior desempenho da América Latina de acordo com quadro comparativo da evolução da pobreza extrema, da pobreza e da desigualdade entre os países latino americanos, segundo o Banco Mundial.

participação política. E, o sexto eixo é o do meio ambiente.

ações de solidariedade, como a campanhas repartir o pão, distribuição de sopas e a coleta de alimento não perecível para a entrega em comunidades carentes situadas próximos as paróquias. Outra atividade foram as visitas evangelizadoras. Na arte do cartaz da programação da arquidiocese de Belém deste ano destaca-se o rosto do Padre Bruno Sechi, falecido em maio deste ano, grande articulador da arquidiocese em prol dos menos favorecidos da sociedade. Padre Bruno, foi um dos responsáveis pela criação do Ministério da Caridade e da Comissão de Justiça e Paz na arquidiocese.

Programação na Arquidiocese de Belém Na Arquidiocese de Belém a programação da IV Jornada Mundial dos Pobres teve início em 11 de setembro com a celebração de missa presidida pelo Bispo Auxiliar de Belém, Dom Antônio de Assis Ribeiro, na Basílica Santuário de Nazaré. O evento é uma realização da Coordenação de Pastoral com promoção do Ministério da Caridade. A programação encerra no dia 22 de novembro quando acontece a culminância da jornada através da realização de uma ação social na igreja da Trindade acolhendo a população de rua. Entre as atividades realizadas estão ações missionárias, lives, visitas, arrecadação e doação de alimentos. A programação da Jornada está sendo realizada nas oito

Regiões Episcopais. Durante a programação foram trabalhados seis eixos, destacandose o da espiritualidade, com o objetivo de celebrar a opção preferencial pelos pobres, estimulando o espírito missionário e caritativo da comunidade. Outro eixo trabalhado é o da caridade, para a realização de atividades solidárias com as populações mais vulneráveis. Há também o eixo da política, considerando este um ano eleitoral, de buscar p ro m o v e r o v o to consciente dos cidadãos e da sociedade em geral, para uma melhor

ENVOLVIMENTO Além desses seis eixos, foram programadas uma média de 10 atividades, com envolvimento de vários organismos como o setor da juventude, pastorais sociais, Pastoral Familiar, Casa da Juventude, Vicentinos, Pastoral das Crianças, Pastoral dos Surdos, a Fraternidade e o Caminho, Movimento República de Emaús, Comunidade Missão Belém, Pastoral Carcerária, Pastoral da Pessoa Idosa e a comunidade Sementes do Verbo. Desde setembro até o dia 22 foram promovidas várias

A HISTÓRIA DA JORNADA MUNDIAL DOS POBRES No dia 20 de novembro de 2016, na conclusão do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, o papa Francisco instituiu o Dia Mundial dos Pobres. Na mensagem de lançamento ele disse: “Este dia pretende estimular, em primeiro lugar, os crentes,

para que reajam à cultura do descarte e do desperdício, assumindo a cultura do encontro. Ao mesmo tempo, o convite é dirigido a todos, independentemente da sua pertença religiosa, para que se abram à partilha com os pobres em todas as

formas de solidariedade, como sinal concreto de fraternidade”. No Brasil, a CNBB confiou à Cáritas Brasileira a animação e a mobilização do Dia Mundial dos Pobres. A entidade, nesse período, já realizava a Semana da Solidariedade

– para pensar e agir por um país justo, fraterno, igualitário, solidário e amoroso, por ocasião de seu aniversário de fundação, 12 de novembro de 1956. Com isso, a Igreja do Brasil assume a Jornada Mundial dos Pobres.