Voz de Nazaré

Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

ANO CV - Nº 958 - PREÇO AVULSO: R$2,00

www.fundacaonazare.com.br

BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

NOVOS sacerdotes para Belém Diáconos Devair Nunes Delgado, José Gabriel Cardoso Marruaz, Matheus Ribeiro dos Santos e Richardson Oliveira Santos já são sacedotes para a Igreja de Belém. Ordenação foi na Catedral Metropolitana no último dia 8. CADERNO 2, PÁGINA 1. LUIZ ESTUMANO

n APRESENTAÇÃO DOS SACEROTES na Catedral de Belém DIVULGAÇÃO

Comunicado oficial do ARCEBISPO Face aos últimos acontecimentos, Dom Alberto Taveira Corrêa dirige-se aos fiéis para informar que denúncia envolvendo seu nome está em

Esperar no ADVENTO

curso. Comunicados oficiais Acompanhe as reflexões do do pastor da Igreja de Belém, Bispo Auxiliar, Dom Antônio, na íntegra, estão disponíveis e prepare-se para viver bem nesta edição. . este tempo de espera. CADERNO 1, PÁGINA 3

CADERNO 1, PÁGINA 5 DIVULGAÇÃO

n ORDENADO0 Frei David é apresentado à comunidade

Frei David é PADRE Dia 6 de dezembro, ele foi ordenado durante rito ocorrido na Santa Missa que reuniu fiéis na Paróquia de São Miguel Arcanjo. Novo sacerdote

ingressa para o serviço da Igreja de Belém para desenvolver sua missão junto à Ordem Franciscana. CADERNO 2, PÁGINA 2

n ESPERANÇA é atitude cristão vivida com fé e oração neste Advento, diz Dom Antônio


2

OPINIÃO

BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

E

spera indiferente. É aquela que não tem nenhuma importância para uma pessoa. É a atitude de alguém que sabe que vai chegar uma determinada data (25 de dezembro, por exemplo), mas para ele não muda nada se chega ou não; se chega de um o de outro modo. Espera passiva. É aquela atitude de alguém que sabe que vai chegar uma data que ele nem deseja que tal data chegue por algum motivo. Pense numa pessoa que sabe que na data 25 de dezembro (ou outra

PE. HELIO FRONCZAK heliofronczak@gmail.com

ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU ...

Esperando chegar o Natal! qualquer) vai vencer um boleto bancário de uma despesa grande para a qual ela ainda não tem a soma necessária. Neste caso, a pessoa até desejaria que não chegasse tal data, não é? Espera ativa. É aquela atitude de alguém que sabe que vai chegar uma pessoa que-

U

m jovem cursilhista que desejava um mundo novo para o povo ser feliz, certa noite foi dormir e sonhou que foi viajar para terras distantes e entrou numa cidade grande e bonita. Ficou encantado, pois lá as pessoas eram tranquilas, alegres e viviam em paz. O jovem lembrou dos problemas de Belém: muita violência e assassinatos, muitas brigas em casa, jovens se drogando, muito roubo e corrupção, um trânsito doido que assusta, fere e matava, grave poluição so-

rida, importante, para ela. Pensem nos pais que sabem que seu filho (ou filha) vai chegar em 25 de dezembro. Quando se espera uma pessoa querida que vem visitar a casa, a pessoa prepara a sua casa. Tira as coisas velhas e estragadas. Faz uma limpeza geral, e até compra alguma coi-

de nosso Deus. Nivelem-se todos os vales, rebaixem-se todos os montes e colinas; endireite-se o que é torto e alisem-se as asperezas: a glória do Senhor então se manifestará, e todos os homens verão juntamente o que a boca do Senhor falou” (Is 40,3-5). E igualmente o apóstolo Pe-

PE. ANTÔNIO MATTIUZ, CSJ (antoniomattiuz@gmail.com)

CURSILHO DE CRISTANDADE

Sonhou com um anjo no balcão nora e ambiental. Sonhou que naquela cidade entrou em lojas, comprou coisas e seu dinheiro no bolso nunca diminuía. Entrou num mercado lindo, com prateleiras cheias de vasos e pacotes. O vendedor era um anjo com longas asas que acolheu. O jovem entendeu

logo que o anjo estava no mercado de Deus e perguntou-lhe: “O que vocês vendem aqui?” O anjo respondeu: “Tudo o que você desejar”. O jovem pediu logo: “Então eu quero um mundo novo de paz, sem violência na rua e nas famílias. Quero um mundo sem drogas,

T

enho acompanhado e ouvido muitas pessoas que, na maioria das vezes, se coloca em uma atitude constante de expectativa: de que gostem da comida que prepararam; de que aprovem suas propostas; de que entendam e acolham seus sentimentos, etc... E, quando suas expectativas não acontecem, haja frustração, tristeza, baixa autoestima, descrença em si mesmo.... Seria fácil dizer então: Quer sofrer menos? Gere menos expectativas! Mas é quase impossível para nós, humanos, não gerarmos expectativas. Eu, por exemplo, estou agora escrevendo na expectativa de que

sa nova para ajeitar tudo e deixar o ambiente bem acolhedor. Certamente a espera ativa é a atitude que nós cristãos precisamos ter na espera do natal. É o que nos recomenda o profeta Isaías: “Preparai no deserto o caminho do Senhor, aplainai na solidão a estrada

sem roubos e sem assaltos. Dá-me uma Belém de amor e de respeito entre todas as pessoas. Dá-me... Dá-me...”. O anjo lhe entregou um pacote pequeno. O jovem ficou decepcionado, mas o anjo lhe disse: “Moço, aqui nós não entregamos os frutos prontos, mas sementes daquilo que

você quer. Semeia, cultiva e colherás tudo o que desejas”. E deu-lhe de graça um pacote das sementes do céu. Então o jovem entendeu que para ter um mundo novo de paz e justiça é preciso plantar, cultivar, adubar e regar. Um mundo mais cristão depende do tra-

BIANCA MASCARENHAS Psicóloga e formadora do Seminário São Pio X (mascarenhaspsi@yahoo.com.br)

HUMANUS

Sobre expectativas você, leitor, goste; de que possa lhe ajudar a viver melhor; de que você compartilhe para ajudar a outros, etc. Errado? Não, normal, humano. O importante é encontrar limites na hora de criar expectativas, aprender a gerenciá-las para não exagerar na dose. Quem tem baixa expectativa não espera retorno, não acredita e, por isso, não investe, não aprende e nem ensina.Aqui cabe lembrar

o que significa o termo expectativa: é o estado ou qualidade de esperar algo que seja viável ou provável que aconteça; um grande desejo ou ânsia por receber uma notícia ou presenciar um acontecimento que seja bom, positivo; é a condição de alguém que tem esperança em algo que foi baseado em promessas ou visibilidade de se tornar realidade. Veja que uma con-

dição fundamental do sentimento da expectativa é que ela só existe na ausência da realidade e aí é que mora o perigo, de viver fora da “realidade real” e estacionar na espera, sem fazer nada para que o que você quer, aconteça! Ou, ficar imaginando “porque não aconteceu”, “de quem foi a culpa”, “na minha vida nada dá certo”, gerando mais ansiedade, desconforto e frus-

trações. Então, ao invés de ficar supondo, imaginando, eu convido você a exercitar a razão para conhecer, compreender e aceitar os acontecimentos que, muitas vezes, dependem mais de outras pessoas do que da nossa ação. No lugar das expectativas, sejamos mais realistas e aproveitemos o momento que vivemos, nos preocupando menos com o que está

dro nos convida a ter esta atitude de espera ativa, quando afirma: “Caríssimos, vivendo nessa esperança, esforçai-vos para que ele vos encontre numa vida pura e sem mancha e em paz” (2Pe 3,14). O livro das novenas de natal oferecidos pela Arquidiocese de Belém muito nos ajudam a termos esta atitude de espera ativa e nos convidam a rezar pela realização do primeiro sínodo arquidiocesano que acontecerá em 2021. Boa caminhada de advento, para que o Natal seja pleno de bênçãos divinas. balho de cada um. Ao acordar, o jovem cursilhista lembrouse das sementes que a Bíblia e a Catequese distribuem, e decidiu fazer a sua parte. Depois de acordar, ele se envolveu em duas equipes de Igreja e começou semear as sementes de um mundo novo. Aos poucos as sementes começaram a germinar, crescer e a dar abundantes frutos do mundo novo. Amigo, Deus te dá às sementes da paz e do bem. Semeia, cultiva, rega e todos gozaremos de um mundo novo.

por vir e focando no presente.Experimente: Sonhar com os “pés no chão” (tenha objetivos, mas lembre da possibilidade de não se realizarem); Respeitar a individualidade das pessoas (não seja responsável pelas atitudes e expectativas dos outros, você já tem as suas para tomar conta!); Encarar as derrotas (reconheça suas falhas, recue, analise os fatos e aprenda com os erros). E vamos em frente, refletindo sobre o que disse o filósofo Kierkegaard:“Quem só espera o melhor, envelhece por causa das decepções. E quem só espera sempre o pior, envelhece depressa por conta do sofrimento”.

PASTORAL lança Hora da Família mensal 2021 Para celebrar o Dia Nacional da Família, comemorado dia 8, a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) lançou a segunda edição do livro Hora da Família – celebrações mensais em uma live pelas redes sociais. O encontro coordenado pelo secretário executivo da Comissão, padre

Crispim Guimarães, contou com a presença do bispo de Campo Mourão (PR), Dom Bruno Versari, e de casais da equipe de produção textual. O material divide-se em nove encontros mensais para aprofundar os pilares das comunidades eclesiais missionárias, indicados nas Diretrizes

Fundado em 5 de julho de 1913 FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita

ARQUIDIOCESE DE BELÉM-PARÁ

PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. O Hora da Família conta também com uma celebração especial voltada para o Dia das Mães. Para os meses de agosto, outubro e dezembro, materiais específicos para a Semana Nacional da Família, Semana Nacional da Vida e a Novena de Natal.

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior DIRETOR ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marcos Aurélio de Oliveira DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves da Silva DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Kleber Costa Vieira

COORDENAÇÃO Bernadete Costa (DRT 1326) CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Alan Monteiro da Silva EDITORAÇÃO ELETRÔNICA/DIAGRAMAÇÃO Greison Dias Carvalho Assinaturas, distribuição, administração e redação Av. Gov. José Malcher, Ed. Paulo VI, 915 CEP: 66055-260

- Nazaré, Belém - PA Tel.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


ARCEBISPO

BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

CONVERSA COM MEU POVO Caros leitores, nesta edição, excepcionalmente, não publicamos o artigo semanal do Arcebispo Dom Alberto. Segue, na íntegra, pronunciamento e cartas dirigidas à Arquidiocese de Belém, sacerdotes e diáconos, ante os últimos acontecimentos que mencionam a pessoa do pastor.

PRONUNCIAMENTO “Humilhai-vos, pois, debaixo da poderosa

mão de Deus, para que ele vos exalte no tempo oportuno. Confiai-lhe todas as vossas preocupações, porque ele tem cuidado de vós.” (1Pd 5, 6-7). Caríssimos Irmãos e irmãs, Como Pastor desta Igreja, estou no dever de me dirigir a cada um de vocês para comunicar e esclarecer fatos que estou vivenciando nesses últimos dias. Penso não ter o direito de me omitir perante o povo de Deus, nem de ninguém, sobre as acusações de imoralidade assacadas contra o Arcebispo de Belém. Digo a vocês que recebi com tristeza, há poucos dias, a informação da existência de procedimentos investigativos com graves acusações contra mim, sem que eu tenha sido previamente questionado, ouvido ou tido qualquer oportunidade para esclarecer esses pretensos fatos postos nas acusações. A norma evangélica proclama: “Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigilo, tu e ele a sós! Se ele te ouvir, terás ganho o teu irmão. Se ele não te ouvir, toma contigo mais uma ou duas pessoas, de modo que toda questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. Se ele não vos der ouvido, dize-o à igreja. Se nem mesmo à igreja ele ouvir, seja tratado como se fosse um pagão ou um publicano” (Mt 18, 15-17). Sempre me coloquei à disposição e aberto ao diálogo e ao entendimento sobre todo e qualquer assunto, e em todas as circunstâncias. Mais perplexo

ainda fico ao tomar conhecimento das origens de tais acusações, bem como os motivos apresentados. Lamento que os pretensos acusadores tenham optado pela via escandalosa, com circulação de notícia na mídia nacional, sem as devidas apurações dos fatos, ao que tudo indica, visando causar danos irreparáveis à minha pessoa e provocar abalo na Santa Igreja. Confio na Justiça Brasileira para o esclarecimento dessas falsas imputações, que atacam não só a minha honra, mas prejudicam também aqueles que sempre lutaram fiel e ativamente pela fidelidade a Nosso Senhor Jesus Cristo. Reforço estar totalmente disponível às autoridades, tanto as eclesiásticas como as civis, para que a realidade seja restabelecida integralmente. Nesta dolorosa experiência de calvário, mas com a consciência tranquila, enfrentarei as calúnias, difamações e injúrias contra mim, na esperança de que ao final reluza a verdade. Com angústia em meu coração, manifesto minha preocupação com o Povo de Deus, confiado ao meu pastoreio, especialmente ao meu Clero, além das pessoas que também sofrem com tais situações. Adianto que tudo está sendo acompanhado adequadamente pela Santa Sé. Que Nossa Senhora de Nazaré nos conduza para o encontro com a verdade e nos ajude a permanecer firmes na missão de ser instrumentos de paz e de unidade. DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

Arcebispo Metropolitano de Santa Maria de Belém do Pará

AOS SACERDOTES DA ARQUIDIOCESE DE BELÉM Caríssimo irmão sacerdote, “Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, tu e ele a sós! Se ele te ouvir, terás ganho o teu irmão. Se ele não te ouvir, toma contigo mais uma ou duas pessoas, de modo que toda questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. Se ele não vos der ouvido, dize-o à igreja. Se nem mesmo à igreja ele ouvir, seja tratado como se fosse um pagão ou um publicano” (Mt 18,15-17). Dirijo-me a você com imensa dor no coração. Fui acusado de crimes de ordem moral, sem que me tenha sido dada a oportunidade de ser ouvido. Foram denúncias enviadas à Santa Sé, que provocaram uma Visita Apostólica, encerrada nesta semana; foi instaurado um processo em curso junto às autoridades civis. A iminente divulgação em mídia nacional, ao que tudo indica, causará danos irreparáveis à minha pessoa e provocará um profundo abalo à Igreja. Não tenho o direito de me omitir diante do meu clero, e submeto-me ao juízo dos irmãos, sabendo, entretanto, que o mais importante vem de Deus, e ele saberá encaminhar tudo. Tenho clara consciência da improcedência das acusações que me são feitas, sendo por agora obrigado a aguardar os procedimentos investigativos das autoridades civis, que correm em segredo

de justiça. Como não poderia deixar de fazer, constituímos advogados para acompanhar o processo. Sei do testemunho da grande unção que há no coração do nosso clero, do forte espírito fraterno e senso de comunhão eclesial. Conheço o seu empenho em tornar fecundo o seu ministério e as intempéries porque passa para exercê-lo com fidelidade ao Senhor. Não desconheço suas valiosíssimas expressões de apreço que me chegam constantemente, compartilhando alegrias e preocupações. Por isso, asseguro-lhe a minha tranquilidade quanto a tudo isso, estou nas mãos de Deus, como todos devemos estar sempre, na certeza de que nele está a solução para esta situação, que eu nunca poderia imaginar de passar. Confio, portanto, na divina Providência, como nos pede o Apóstolo São Pedro: “humilhai-vos sob a poderosa mão de Deus, para que na ocasião própria vos exalte; lançai nele toda a vossa preocupação, porque é ele que cuida de vós”(1 Pd 5,6-7). Nesta experiência de calvário, conto com suas orações para que eu permaneça firme e o brilho da verdade sempre prevaleça. Peço-lhe que esta carta seja lida na sua integra ao povo de Deus Com o coração cheio de dor e esperança! DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

Arcebispo Metropolitano de Santa Maria de Belém do Pará

AOS DIÁCONOS DA ARQUIDIOCESE DE BELÉM Caríssimo irmão Diácono, “Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, tu e ele a sós! Se ele te ouvir, terás ganho o teu irmão. Se ele não te ouvir, toma contigo mais uma ou duas pessoas, de modo que toda questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. Se ele não vos der ouvido, dize-o à igreja. Se nem mesmo à igreja ele ouvir, seja tratado como se fosse um pagão ou um publicano” (Mt 18,15-17). Dirijo-me a você com imensa dor no coração. Fui acusado de crimes de ordem moral, sem que me tenha sido dada a oportunidade de ser ouvido. Foram denúncias enviadas à Santa Sé, que provocaram uma Visita Apostólica, encerrada nesta semana; foi instaurado um processo em curso junto às autoridades civis. A iminente divulgação em mídia nacional, ao que tudo indica, causará danos irreparáveis à minha pessoa e provocará um profundo abalo à Igreja. Não tenho o direito de me omitir diante do meu clero, Sacerdotes e Diáconos, e submeto-me ao juízo dos irmãos, sabendo, entretanto, que o mais importante vem de Deus, e ele saberá encaminhar tudo. Tenho clara consciência da improcedência das acusações que me são feitas, sendo por agora obrigado a aguardar os procedimentos investigativos das autoridades civis, que correm em segredo de justiça. Como não poderia deixar de fazer, constituímos advogados para acompanhar o processo.

Sei do testemunho da grande unção que há no coração de nossos padres e diáconos, do forte espírito fraterno e senso de comunhão eclesial. Conheço, caro irmão, seu empenho em tornar fecundo o ministério e as intempéries porque passa para exercê-lo com fidelidade ao Senhor. Não desconheço suas valiosíssimas expressões de apreço que me chegam constantemente, compartilhando alegrias e preocupações. Por isso, asseguro-lhe a minha tranquilidade quanto a tudo isso, estou nas mãos de Deus, como todos devemos estar sempre, na certeza de que nele está a solução para esta situação, que eu nunca poderia imaginar de passar. Confio, portanto, na divina Providência, como nos pede o Apóstolo São Pedro: “humilhai-vos sob a poderosa mão de Deus, para que na ocasião própria vos exalte; lançai nele toda a vossa preocupação, porque é ele que cuida de vós”(1 Pd 5,6-7). E lhe peço que a mídia, em tantas de suas manifestações, não seja o critério de verdade para sua vida. Sempre que houver qualquer questionamento sobre minha pessoa e meu ministério, venha conversar comigo, com toda liberdade! Nesta experiência de calvário, conto com suas orações para que eu permaneça firme e o brilho da verdade sempre prevaleça. Com o coração cheio de dor e esperança! DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

Arcebispo Metropolitano de Santa Maria de Belém do Pará

3


4

IGREJA

BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

CÔN. CLÁUDIO BARRADAS (claudiobarradaspe@gmail.com)

MISCELÂNEA

Meus CÍRIOS (7) LUIZ ESTUMANO

C

n DOM Vicente Zico, Arcebispo Metropolitano de Belém e Mons. Nelson Brandão Soares

omo prometi em nossa edição passada, nesta de agora volto ao desentendimento, nela apenas acenado, entre Mons. Nelson Brandão Soares, então Cura da Sé, e Dom Vicente Joaquim Zico, Arcebispo Metropolitano de Belém, ambos já falecidos. Antes de se desentenderem para, infelizmente, nunca mais voltarem às boas, mais por culpa, ao que tudo leva a crer, de Mons. Nelson que de Dom

Vicente, os dois eram tão amigos que não havia essa tarde em que Dom Vicente não atravessasse a pé a Praça que fica entre o Palácio do Arcebispado e a Sé para visitá-lo, ali se demorando horas e horas. Consta, até, que Mons. Nelson era seu confidente. Segundo as más línguas, àquela época seu segundo Espírito Santo, o aqui debaixo. Com ele, vez por outra, Dom Vicente se aconselhava e pedia-lhe sugestões, nor-

malmente acatadas. Graças a Deus, esse desentendimento era do conhecimento de bem poucos, para não dizer de quase ninguém, senão olhe o escândalo: um monsenhor e seu arcebispo se desentendendo, sem nenhum deles dar o braço a torcer?! Que péssimo exemplo! A coisa começou quando Dom Vicente cedeu ao Governo do Estado, por comodato, não sei por quanto tempo, o Palácio Ar-

quiepiscopal, onde residia, a Igreja ao lado dedicada a Santo Alexandre, e o prédio do antigo Seminário Nossa Senhora da Conceição, em troca do Palacete situado na Travessa Doutor Moraes, entre as avenidas Nazaré e Governador José Malcher, residência do Governador Magalhães Barata e de sua companheira, Dalila Ohana, a quem conheci. O tipo da beleza amazônica. Monsenhor Nelson opôs-se ferozmente a

PADRE ROMEU FERREIRA Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (romeufsilva@gmail.com)

essa permuta. O Arcebispo de Belém morar na mesma casa e dormir no mesmo quarto em que Barata fazia o mesmo com sua amásia?! Inconcebível! Atitude, a seu ver, sob todos os aspectos reprovável, escandalosa. Sem perda de tempo, como era de seu feitio, passou a escrever contra ela, em tom ácido, em sua coluna “Palavra de Padre”, no jornal matutino “A Província do Pará”, órgão dos Diários Associados, de Assis Chateaubriand, dirigido por seu grande amigo Milton Trindade, já falecido. A virulência dos artigos de Mons. Nelson foi tanta e tamanha que a Arquidiocese achou por bem solicitar à direção do jornal que deixasse de publicálos, o que veio a acontecer, para aumento da revolta de Monsenhor Nelson, - verdade seja dita -, temperamento forte, irascível. Daí por diante, até o fim de sua vida, não queria nem ouvir falar no nome de Dom Vicente. À sua morte, lá estava Dom Vicente, calmíssimo, como se nada tivesse acontecido entre eles, abençoando-lhe o corpo. Ambos estão sepultados na Catedral, embora em áreas diferentes. Dom Vicente no solo, à frente do altar de Nossa Senhora da Graça;

e, do outro lado, Dom Alberto Ramos e, encrustados na parede os ossos do grande e inesquecível Dom Mário de Miranda Villas Boas. Já Mons. Nelson, ao lado de outros monsenhores também falecidos, como Monsenhor Faustino de Brito, Monsenhor Américo da Silva Leal e Monsenhor Edmundo Saint’Clair Igreja, o famoso apóstolo do salgado, fundador do Movimento Providentino, na capela dos fundos da sala dos cônegos. Que lá na Eternidade os dois tenham, enfim, se acertado. Shalom!

Como prometi

Volto ao desentendimento, nela apenas acenado, entre Mons.Nelson, então Cura da Sé, e Dom Vicente

LITURGIA

HOMILIA DOMINICAL A) Texto: Mc 1,1-8

6 Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. 7 Ele veio como testemunha para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. 8 Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. 19 Este foi o testemunho de João, quando os judeus enviaram ... “Quem és tu?” 20 João confessou e não negou. Confessou: “Eu não sou o Messias”. 21 Eles perguntaram: “Quem és, então? És tu Elias?” João respondeu: “Não sou”. Eles perguntaram: És o profeta? Ele respondeu: “Não”. 22 Perguntaram então: “Quem és, afinal? Temos que levar uma resposta para aqueles que nos enviaram. O que dizes de ti mesmo?” 23 João declarou: “Eu sou a voz que grita no deserto: Aplanai o caminho do Senhor, conforme disse o profeta Isaias”. 24 Ora, os que

tinham sido enviados pertenciam aos fariseus 25 e perguntaram: “Por que então andas batizando se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?” 26 João respondeu: “Eu batizo com água; mas no meio de vós está aquele que vós não conheceis 27 e que vem depois de mim. Eu não mereço desamarrar a correia de suas sandálias”. 28 Isso aconteceu em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando. B) COMENTÁRIO

Temos a figura de João como testemunha do Messias. É algo assim como o raiar do dia e o surgir da própria luz que afugenta as trevas com seu esplendor vigoroso. Eis a disposição de João Batista e Jesus Cristo. Impressiona o estilo da pessoa do Batista apresentado pelo evangelista. O Batista tem a credibilidade do povo; muita gente já

pensava que ele fosse o Messias. Tanto, que uma embaixada importante é enviada para indagar oficialmente a seu respeito (v 19). Ele poderia muito bem ter se aproveitado da situação, e se promoveria como Messias; seria facilmente aceito. Porém ele não o fez e se manteve na postura digna de sua missão de precursor. Ele recebe a investigação oficial e responde oficialmente; primeiro em forma negativa e logo positiva: nega de ser o Messias, de ser Elias, de ser o Profeta que abriria a era messiânica. E diz ser apenas a voz do “livro da consolação” (Is 44-46). Esta humildade isenta de autopromoção, serve de espelho para nós: o que mais conta é a fidelidade com a qual desempenhamos nossa missão; a ressonância exterior dos atos que imprimimos na mente das pessoas. As obras santas que praticam os humanos, não pertencem ao

horizonte limitado do homem. Pela insistência dos inquisidores, o filho de Zacarias legitima com ênfase mais clara a sua atividade como pregador penitencial e “batizador”. Ele diz a Israel, que já está presente, um personagem a quem ele, João, é só o abridor do “piquete” na floresta, para o verdadeiro caminho, que conduz à salvação; João batiza com água... O testemunho humilde e vigoroso do Batista é uma alerta para todos os que procuram cumprir bem a obra de Deus neste mundo obscuro e instável. Cada pessoa tem sua posição e função no jogo da vida; cabe a cada um descobrir e cumprir de modo eficaz seu papel, para não ser confundido nem confundir as pessoas. Imitemos o Batista em sua missão e a luz se fará presente agora em nós, e não apenas “no fim do túnel”.

n11/12, SEXTA-FEIRA Cor (roxo) Primeira Leitura (Is 48,17-19)) Responsório (Sl 1) Evangelho (Mt 11,16-19)) n 12/12, SÁBADO Cor (branco) Primeira Leitura (Gl 4,4-7) Responsório (Sl95) Evangelho (Lc 1,39-47) n 13/12, DOMINGO Cor (roxo), Primeira Leitura (Is 61,1-2a.10-11), Responsório (Ct. Lc 1), Segunda Leitura (1Ts 5,16-24), Evangelho ((Jo 1,6-8.19-28) n 14/12, SEGUNDA-FEIRA Cor (branco) , Primeira Leitu-

ra (Nm 24,2-7.15-17a), Responsório (Sl 24), Evangelho (Mt 21,23-27) n 15/12, TERÇA-FEIRA Cor (roxo); Primeira Leitura (Sf 3,1-2.9-13); Responsório (Sl 33), Evangelho (Mt 21,2832) n 16/12, QUARTA-FEIRA Cor (roxo), Primeira Leitura (Is 45,6b-8.18.21b-25) Responsório (Sl 84) Evangelho (Lc 7,19-23) n 17/12, QUINTA-FEIRA Cor (roxo), Primeira Leitura (Gn 49,2.8-10), Salmo Responsorial (Sl 71) Evangelho (Mt 1,1-17)


5 BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

SETORJUVENTUDE

DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

MUNDO JUVENIL E A FÉ CRISTÃ INTRODUÇÃO

O

tema da esperança é provocante e profundo. Por isso vamos estender um pouco mais esta nossa reflexão. Num mundo profundamente marcado pela desilusão, incerteza, desânimo, crise, pessimismo e presentismo, os discípulos de Jesus Cristo são chamados a assimilar o dinamismo da esperança. Isso não é possível sem a íntima experiência de Deus, que é o onipotente, o onisciente, o onipresente, a fonte do Amor. Por isso a esperança com “E” maiúsculo não é uma realidade que brota

O mundo sem esperança jaz na necrofilia e na paralisia. A esperança é messiânica, prometeica, futurista, projetual, inquieta! Quem tem esperança sempre luta! dos recursos humanos. É dom de Deus! Nessa perspectiva a esperança é atração por Deus que nos dinamiza na busca da vivência do Amor com todas as suas consequências. Sendo dom de Deus, então a esperança não está sozinha, é filha da Fé e se expressa a através do amor. Quem ama espera, diz a Palavra de Deus. Logo o dinamismo da esperança se traduz na prática do amor. Sendo uma virtude teologal, ou seja, que brota do dinamismo de Deus, a esperança só pode ser alimentada essencialmente através da oração. O objeto da esperança é a Salvação eterna que significa o nosso pleno encontro com o próprio Deus. Por isso, a esperança dá sentido para tudo aquilo que

ESPIRITUALIDADE do Advento: chamados a ser ministros da Esperança é pesaroso neste mundo, o sofrimento, a doença, a frustração, os prejuízos, a morte!

DIVULGAÇÃO

1

O dinamismo da esperança Há uma profunda relação entre a esperança, o sentido da vida e o enfrentamento dos problemas pessoais e sociais. Quem tem esperança nunca se desespera! Isso significa que a esperança não é sinônimo de previsão e nem de cálculo. São Paulo, escrevendo aos Romanos, afirma que Abraão creu “esperando contra toda esperança” (Rm 4,18). Isso significa que ele não se baseou nos recursos e possibilidades humanas, mas confiou na promessa de Deus. Esperamos, v e rd a d e i r a m e n t e , contra toda esperança quando admitimos que, além dos recursos humanos, está Deus, o onipotente, para quem “nada é impossível” (Lc 1,37). Dessa forma a esperança liberta a razão, muitas vezes aprisionada aos recursos humanos e das ciências. É por isso que os milagres nos geram espanto, confirmando a existência de Alguém superior e que tudo rege. É bem verdade que nem sempre isso acontece porque Deus é mistério de gratuidade. No seu dinamismo positivamente impactante, a esperança nos cura do pessimismo e derrotismo, restabelece a serenidade da alma, traz ânimo para a luta, sereniza as emoções, nos compromete na qualidade de vida moral (sede de bem), nos fortalece na experiência da resiliência nos proporcionando a manutenção da nossa integridade.

2

A escola da esperança Essa expressão “escola da esperança” é do papa Bento XVI, presente na Encíclica “Spes Salve” (N. 32). A esperança é dom, mas precisa ser alimentada através da oração. A esperança é relação

com Deus. Aquele ao qual nós esperamos é Deus e o diálogo com ele é a oração. Por isso a oração é a “escola da esperança”; significa que quem ora, por Deus é educado, confortado, direcionado, transformado, fortalecido e projetado. A oração como “escola da esperança” nos fala da força propositiva, preventiva e performativa da oração (ou seja, que nos dá forma). Entre um desesperançado e um motivado pela esperança há um abismo de diferença em suas atitudes, gestos, palavras, iniciativas, modo de pensar e sentir a vida. É que a “esperança da glória” (Cl 1,27), da vitória e superação, tudo dinamiza naquele que tem fé. O advento é tempo para estarmos matriculados na “escola da esperança”. Alimentada pela oração, a esperança, enquanto escola nos capacita para o enfrentamento dos males e tempestades da Vida, nos alerta para os desafios, nos dá parâmetros para a interpretação dos sinais dos tempos e critérios para sabermos discernir com sabedoria e segurança aquilo que “é verdadeiro, nobre, justo, puro, amável, honroso, virtuoso, ou que de algum modo mereça louvor” (Fl 4,6). Assim como as escolas tem a missão de contribuir para o de-

senvolvimento humano, quem está matriculado na “escola da esperança” está comprometido com o desenvolvimento da vida espiritual, crescendo na paixão pelo bem, exerci tando- se n a prática de boas obras, perseverando no caminho da santidade. O Catecismo da Igreja Católica apresentando a virtude da Esperança diz que ela é a “âncora da alma”, “arma que nos protege no combate da salvação”, que nos traz alegria mesmo na provação e se exprime e se alimenta na oração, especialmente no Pai-Nosso resumo de tudo o que a esperança nos faz desejar (cf. CIC, 1820-1821).

3

Um mundo sem esperança Os mais graves sinais de morte que encontramos na sociedade contemporânea são evidências da perda da esperança. O desejo de morte tem uma profunda relação com o esvaziamento da visão de futuro. No livro “Em Busca de Sentido. Um psicólogo no Campo de Concentração”, o médico Viktor E. Frankl constatou que todos os prisioneiros que deixavam de lutar e definhavam até à morte era porque tinham perdido a esperança. Com a perda da esperança vinha o vazio existencial, a falta de sentido, a carên-

cia de perspectiva de futuro, a depressão, o isolamento e a morte precoce. O mundo sem esperança jaz na necrofilia e na paralisia. A esperança é messiânica, prometeica, futurista, projetual, inquieta! É por isso que quem tem esperança sempre luta! O mundo sem esperança fica sem religião, e o ateísmo é dramático porque nega a fonte de todo autêntico dinamismo que é o amor divino. O mundo sem esperança nega a vocação da própria humanidade que é a vida eterna. E com isso se rejeita também a beleza do anúncio, da promessa, da profecia; o mundo sem esperança fica sem força para justificar os compromissos éticos, o dever do discernimento, a paixão pela verdade, o pacto com a justiça etc.

no mundo do cansaço, do desencanto, da melancolia, do desânimo. Ele nos diz: “Alegre-se a terra que era deserta e intransitável, exulte a solidão e floresça como um lírio. Germine e exulte de alegria e louvores... Fortalecei as mãos enfraquecidas e firmai os joelhos debilitados. Dizei às pessoas deprimidas: “Criai ânimo, não tenhais medo!” (Is 35,1-24). PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

1 2 3

O que significa a expressão “escola da esperança”? Como se manifesta em nossos dias a cultura de morte? Como podemos ser “ministros da esperança”?

O dinamismo da esperança

4

Chamados a ser ministros da esperança Numa sociedade tentada pelas ameaças da cultura de morte, nós enquanto discípulos de Jesus Cristo, o Senhor da Vida, somos chamados a ser “ministros da esperança para os outros” (cf. Bento XVI. Spes Salve, N.34). Trata-se do serviço de animar pessoas! Nesse desafio o profeta Isaías nos estimula na promoção do ministério da esperança

Aquele ao qual nós esperamos é Deus e o diálogo com ele é a oração


6

FUNDAÇÃO NAZARÉ

BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

FAMÍLIA NAZARÉ

GRATIDÃO pelos benfeitores da Família Nazaré

N

ovamente a primeira sexta-feira do mês, 04 de dezembro, foi hora de agradecer com a Santa Missa pela vida dos benfeitores da evangelização. Foi dia de celebrar a vida dos integrantes da Família Nazaré. A celebração foi presidida pelo pároco Padre Raimundo das Neves, da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, localizada em Ananindeua. A Eucaristia ocorreu na capela da Fundação Nazaré de Comunicação, transmitida ao vivo pela TV Nazaré e Facebook da Fundação. O coração é onde tudo se prepara na vida das pesosas, considerou o padre Raimundo das Neves, durante a homilia , quando ele refletiu sobre a preparação da Igreja neste tempo de

AÇÃO DE GRAÇAS sócios evangelizadores que colaboram todo mês com a Família Nazaré DIVULGAÇÃO

Família Nazaré, "esses irmãos cristãos e benfeitores da Família Nazaré", pessoas que com sua generosidade ajudam a Arquidiocese Belém a levar a mensagem de Deus mais longe pelos veículos de comunicação. CAPELA

A celebração aindaaconteceu no espaço da capela, vinculado à Rede Nazaré de Comunicação. A adaptação faz-se necessária devido à reforma em curso. FAMÍLIA NAZARÉ

n MISSA presidida pelo pároco Padre Raimundo, da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe

Advento. A leitura sagrada trazia o tema da cegueira espiritual na passagem do Evangelho (Mt 9,27-31). Pontuou

"que muitas coisas em nossas vida nos deixam com essa cegueira", indicando que os fiéis devem "confiar no Se-

nhor, que tem o poder de revelar fraquezas e fazer de nós, cristãos melhores porque Jesus tem o pode de curar".

Durante a Santa Missa, padre Raimundo rezou pelo clero arquidiocesano, e destacou a importância da

Ajude-nos a evangelizar. Seja Família Nazaré, entre em contato: (91) 4006-9211 ou envie uma mensagem (91) 993155743 (WhatsApp).

NOSSOS ANIVERSARIANTES Dolores de Morais Rayol Jose Virgilio da Silva Izilda de Oliveira Pereira Maria Olinda Aviz do Vale Maria Zilmar Dias Oliveira Elza Magalhães Lamar Claudia Maria Pinto de Souza Nailza da Silva Reis Ângela Narciza Carvalho Ferreira Maria do Carmo Fonseca de Azevedo Luiz Soares da Silva Manoel Roberto de Vasconcellos Iracema Luzia Macedo de Oliveira Nelci Pinheiro de Araújo João Ventura Leite Filho Maria Liduina Filo Creão Garcia Luzia Dolores da Silva Figueira Criseida de Miranda Pereira Maria Antonia Ferreira Correa dos Santos Maria Márcia do Carmo Pimentel Luis Augusto Monteiro de Souza Luiz Carlos de Castro Freires Izaneide Lheis Pinheiro Jonatas Gonçalves Soares Luis Alberto Costa Brito Luzilda Corrêa Moía Luzia Maciel do Espírito Santo Luzia de Oliveira Barbosa Luzia Maria da Anunciação Caldas João Marinozio Palheta de Medeiros Francisco Luzio de Paula Ramos Maria Luzia Miranda Elizabeth Pinto Cesar Lilian Fialka Soares Fernando Bandeira Barbosa Evanilda Soares da Silva Sodré Alexia Dayane Gonçalves da Silva

Oscarina Pantoja Rezende Florberta Noronha Severina da Silva Pereira João Saraiva da Silva Manoel Antonio do Nascimento Deusa Maria Neri Feitosa Elza Maria de Araújo Almeida Antonio Jose de Moraes Cabeca Luis Guilherme Castilho Oliveira Paulo Cesar Martins Fonseca Benjamin Delcio Coelito de Oliveira Silvaneide Guedes Cabral Keyla Andrea Gonçalves Silva Mota Peter Lopes De Assis Taissa Silva De Carvalho Jeferson Diego Martins dos Santos Olga de Sá Cruz Casal Mario Chagas e Valdineia Ferreira Portilho Pinheiro João Paulo de Queiroz Bittencourt Sueli da Silva Santos Gertrudes Maria Costa da Conceição Etelvina Batista S. Santos Maria de Lourdes Fonseca da Silva Maria de Lurdes Fonseca Risette de Brito Alves Maria Elza Amaral Silva Maria das Graças Galvão Arcoverde Antonia Severina de Souza Armando Afonso Coelho Martins Luiz Otavio Oliveira Monteiro Maria Rita Campos Guedes Eusivaldo Correia do Amaral Luciene Ferreira Rodrigues Cezar Augusto Lima da Silva Elenilda do Socorro Queiroz Pinto Rayane Filomeno de Souza Maria de Nazaré Barbosa de Lima Margalho

Alice Teixeira Cei Erundina de Araújo Campello Maria Auxiliadora Shaw Leonice do O Fernandes Alvarez Paulo Sergio Fontes do Nascimento Maria Célia de Andrade Marques Valter Antonio Chagas de Goes Domingas Ana Ferreira Oliveira Ernanie Jose de Albuquerque Pereira Marilene Nunes de Souza Flavio Fernando Martins Amaral Monica Cristina Moraes Conduru

Elaine Silva Mesquita Caio Moreno Lisboa Mendes Maria de Lourdes das Virgens Alves Maria de Lourdes Castro da Silva Maria Ipiranga Lopes Maria do Carmo Barros de Souza Raimundo Nonato de Souza Matos Sandra Maria de A. Ribeiro Caxiado Conceição Solon de Oliveira Dickson Cybele Puget Casal Marcio dos Santos e Rozeny

n NATALÍCIO DE PADRES E DIÁCONOS 11/12 – Côn. Raul Tavares de Souza 11/12 – Pe. José Francisco Ribeiro de Souza 12/12 – Pe. Adriano Sousa Santos 12/12 – Pe. Alberto Casalengno 14/12 – Pe. Sander Patalo 15/12 – Pe. Eduardo de Assis Santos 15/12 – Diác. Luiz Otávio Oliveira Monteiro 16/12 – Pe. Paolo Andreolli 16/12 – Pe. Pedro Saul Ruiz Alvarez 17/12 – Pe. Plínio Moraes Pacheco 17/12 – Pe. Leonardo Matias de Carvalho n ORDENAÇÃO DE PADRES E DIÁCONOS 11/12 – Pe. Márcio Halmenschlager 11/12 – Diác. Ademir da Silva 12/12 – Pe. Alan Henrique Campos Silva 12/12 – Pe. Alberto Casalengno 12/12 – Pe. João Paulo de Mendonça Dantas 13/12 – Diác. Armínio Albues Gonçalves 14/12 – Pe. Fabrício da Silva Albuquerque 14/12 – Pe. Francimar Ferreira Lopes 14/12 – Diác. Sabino Manoel de Souza Barros 14/12 – Diác. Edmilson Dias de Souza 15/12 – Pe. Benedito de Jesus de Souza Teixeira 16/12 – Pe. Cícero Roberto de Araújo 16/12 – Pe. Raimundo Ribeiro Martins 16/12 – Pe. Sander Patalo


BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

CADERNO DOIS

Belém ACOLHE novos sacerdotes ORDENAÇÃO dos novos sacerdotes aconte-

ceu na Catedral de Belém no dia 8

N

n ACOLHIDA dos neo sacerdotes

o dia 8 de dezembro, Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, a Igreja de Belém acolheu com grande alegria e júbilo os quatro novos sacerdotes ordenados pela imposição das mãos e oração de Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano, na Sé Catedral, em Belém. A celebração foi concelebrada por Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar, parte do Clero Arquidiocesano e con-

tou com a presença de familiares e amigos. Com grande zelo litúrgico, o rito de ordenação sacerdotal dos novos sacerdotes teve início com a apresentação dos diáconos Devair Nunes Delgado, José Gabriel Cardoso Marruaz, Mateus Ribeiro dos Santos e Richardson Oliveira Santos, seguida da confirmação de suas índoles pelo reitor do Seminário Maior São Pio X, Padre João Paulo Celestino. Em sua homilia, Dom Alberto comentou a grande alegria em ordenar quatro novos sacerdotes para o serviço da Igreja: “é alegria do nosso Seminário Maior São Pio X, alegria do Seminário Maior Mis-

n PROSTRAÇÃO dos novos sacerdotes

n PARAMENTOS são colocados sobre os sacerdotes

sionário Redemptoris Mater, alegria da Comunidade Mensageiros da Boa Nova, é a riqueza da vida da Igreja que não é uma riqueza de bens, mas de dons, de graça que são aspergidos pelo Senhor por todas as partes”. Exortando uma palavra de João Paulo II, o Arcebispo destacou sua fala sobre as vocações:“Penso que vocês que me acompanham agora já me viram repetir inúmeras vezes ‘não existe cristão sem vocação’. Vocação é um olhar pessoal que Deus tem sobre cada um e cada uma de nós. Deus tem um olhar pessoal e único, porque ele conhece as fibras mais profundas de nossos ser. Ele dá uma direção à vida de vocês.” Ao final, direcionou sua fala aos novos sacerdotes: “O Espírito Santo conduzirá silenciosamente para serem bons padres. Que Ele conduza a vida de vocês com o amor à Igreja e ao povo de Deus”. Após a homilia, o rito seguiu com o propósito dos eleitos, ladainha de todos os santos, a imposição das mãos de Dom Alberto, em seguida do bispo auxiliar e dos presbíteros e prece de ordenação. Após a prece, os quatro padres receberam das mãos de suas genitoras, a estola sacerdotal e a casula e, de joelhos, tiveram as mãos ungidas por Dom Alberto que as amarrou. As mães participaram do rito desamarrando as mães dos seus filhos e, como consta na tradição, foram as primeiras a receberem as bênçãos dos novos padres. Por fim, os quatro receberam a patena e o cálice, símbolos do ministério sacerdotal e foram acolhidos pelo arcebispo e o bispo auxiliar com abraço fraterno como sinal alegre. Por uma questão sanitária, os demais sacerdotes não abraçaram os novos sacerdotes, mas, Monsenhor Raimundo Possidônio, em nome do clero, fez um breve discurso de acolhimento aos novos colegas de sacerdócio. Novos sacerdotes somam à Igreja de Belém Os novos sacerdotes da Igreja de Belém são um sinal da animação vocacional presente na Arquidiocese mesmo diante de uma pandemia que assolou o mundo todo em 2020. À época das ordenações diaconais, Dom Alberto comentou o trato da Igreja particular de Belém com as vocações: “em todos os lugares nós temos vocações, temos o chamado de Deus, temos a resposta dos nossos jovens. É realmente algo muito significativo. (...). É uma graça especial que Deus dá a nossa igreja”. Cada sacerdote tem sua história particular. Devair Nunes Delgado, 42 anos, está a sete anos no Pará e é fru-

FOTOS: LUIZ ESTUMANO

nRITO de Ordenação de um dos sacerdotes

to da Comunidade Mensageiros da Boa, com sede em Vitória, no Espírito Santo. Padre Devair é o primeiro sacerdote da comunidade. Natural de Vigia de Nazaré, nordeste paraense, José Gabriel Marruaz entrou em 2013 para o Seminário Maior São Pio X onde cumpriu todas as etapas de formação. Atualmente está desenvolvendo trabalhos na Paróquia de São Francisco das Ilhas, em Cotijuba. Do Seminário Redemptoris Mater, Mateus Ribeiro,

34 anos, é natural do município de Sales Oliveira, região de Ribeirão Preto, no interior do Estado de São Paulo, Mateus Ribeiro. Ingressou em 2013 no Seminário de Brasília e concluiu estudos em Belém. Richardson Oliveira Santos, o terceiro ordenado diácono este ano da turma, desempenhando funções na Paróquia de Santa Bárbara, no município homônimo. Todos agora aguardam a provisão que destacará onde irão desempenhar suas funções.

UNÇÃO dos sacerdotes

n PADRES recebem cumprimentos do Arcebispo


2

BELÉM, DE 11 A 17 DE OUTUBRO DE 2020

ARQUIDIOCESE

CADERNO DOIS

Frei David é ORDENADO sacerdote em rito presidido por Dom Alberto Taveira

FOTOS: DIVULGAÇÃO

NOVO sacerdote entra para o serviço da Igreja

pela Ordem Franciscana

N

o último dom i n g o, 6 d e dezembro, na Igreja Matriz da Paróquia São Miguel Arcanjo, na Cremação, em Belém, por imposição das mãos e oração consecratória de Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano, foi ordenado mais um sacerdote para o serviço da Igreja. Com a presença de religiosos da Ordem Franciscana, familiares e amigos, o novo sacerdote foi acolhido

pela assembleia com festa. Estiveram presentes no rito de ordenação Frei Sílvio de Almeida, Provincial da Província Capuchinha Nossa Senhora do Carmo (Maranhão, Pará e Amapá), Frei Pablo Portilho, Secretário Provincial, Frei Ezequiel Páscoa, Conselheiro Provincial, Frei Arilson Uchôa, da Paróquia de São Francisco de Assis, além do pároco de São Miguel Arcanjo, Cônego Gonçalo Vieira, e diáconos. Natural de Belém, Frei Arilson afirma que seu primeiro chamado, ocorrido na infância, entre os 8 e 9 anos, foi quando assistiu o filme que narra a trajetória de Francisco de Assis “Irmão Sol e

n APRESENTAÇÃO do Frei David à comunidade

n MOMENTO do rito de ordenação do Frei David

Irmã Lua’’. “Este filme, embora tenha características de estilo poético, me mostrou nos gestos de Francisco de Assis que Deus queria algo para minha vida. E no intervalo dos 10 aos 18 anos tive um certo esfriamento, mas sem perder este chamado que sempre ardeu em meu peito”. Foi na maioridade, que conheceu os capuchinhos residentes da Paróquia de São Francisco de Assis, em São Brás. Lá, conheceu os hábitos e encantou-se pelo modo como celebravam as celebrações eucarísticas. Ao perguntar a um frei como poderia conhecer e aprofundar-se na vida de Fran-

cisco de Assis, foi indicado a um grupo vocacional. Depois de quatro anos no grupo vocacional, entrou na Ordem Capuchinha em Barra do Corda, Maranhão, em 2010, realizando o primeiro ano de Postulantado. No ano seguinte, o segundo ano de postulantado e o noviciado em 2012, na cidade de Macapá, no Amapá. Voltou para o Maranhão, mais precisamente à capital, para estudar Filosofia. Foi transferido para Porto Franco, também no Maranhão, para seu ano de pastoral. E, em Belém, concluiu seus estudos de Teologia. Durante o rito, as pa-

RÁDIO NAZARÉ

lavras de Dom Alberto o tocaram profundamente. Segundo ele, o Pastor da Igreja de Belém atentou por sua coragem ao chamado de Deus. Como lema sacerdotal, Frei David escolheu a passagem do livro de Jeremias 3,15: “Darei pastores conforme meu coração” pois “Deus quem escolhe para guiar seu povo rumo a Ele”. No momento, Frei David aguarda a sua provisão que acontecerá no final do Capítulo da Província Capuchinha Nossa Senhora do Carmo, podendo ser estabelecido nos estados do Pará, Amapá, Maranhão, ou, ainda, em Cuba.

BOA DICA

FM 91 .3 MHZ

n NOVENA DE NATAL NA RÁDIO NAZARÉ

nTETÉ DO ABAETÉ - Livro (PAULUS, R$ 35,00 )

A Rádio Nazaré FM apresenta no período de 16 a 24 de dezembro, a Novena de Natal 2020. Os encontros deste ano seguem a proposta da segunda edição da Novena de Natal da Arquidiocese de Belém que vem com tema “Em

scrito nas versões português e inglês, o livro Teté do Abaeté traz em seu enredo a história de uma mãe que, descendente de escravos e analfabeta, teve que trabalhar desde muito cedo e prometeu um futuro diferente ao seu filho. No início da obra, o leitor encontra uma saudosa lembrança de Teté sobre as histórias contadas pelas lavadeiras – entre elas, sua mãe e avó -, na Lagoa de Abaeté, situada na área de proteção ambiental no Parque Metropolitano Lagoas e Dunas do Abaeté, no bairro de Itapuã, em Salvador.

E

Belém, a história de Natal: A cidade se encheu de alegria” (At 8,8). Os ouvintes poderão acompanhar a Novena de Natal nos dias 16 a 24, às 18h, exceto terça-feira, em virtude da transmissão da Novena de Nossa Senhora do Perpétuo

PORTAL NAZARÉ WWW. FUNDACAONAZARE. COM.BR

n ADVENTO: SAIBA MAIS NO PORTAL Acompanhe as Redes Sociais da Fundação Nazaré de Comunicação e conheça um pouco mais sobre os símbolos e significados do período do Advento, cada postagem com texto simples para você ler no dia a dia e conhecer mais sobre este período de esperança e conversão. Acesse nossas Redes Sociais Facebook/FNCBe-

lem e Twitter/FundacaoNazare, veja as postagens já publicadas sobre: “O que é o Advento?” e “Como viver bem o Advento?”. E ainda, acompanhe o Evangelho de cada domingo. As publicações são realizadas ao longo da semana até o dia da celebração do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo.

nNOSSA SENHORA DA SAÚDE: SOCORRO DOS ENFERMOS – Livro (Paulinas, R$ 6,50)

Mais informações sobre o Advento leia o texto “Advento, tempo de esperança e conversão diária” em nosso Portal da Fundação Nazaré de Comunicação (www.fundacaonazare.com.br).

TV NAZARÉ CANAL 30.1

n BELÉM E VIDA DE IGREJA: NAZARÉ NOTÍCIAS Acompanhe pela TV Nazaré, Canal 30.1 – ou na sintonia de sua cidade – a transmissão do programa Nazaré Notícias, apresentado por Marcos Valério. De segunda a sexta-feira vo-

cê fica por dentro dos principais assuntos na cidade de Belém, e da região amazônica. Também acompanhe os principais acontecimentos na Arquidiocese de Be- Televisão, de segunda a sexta-feira, às 11h15, lém. Sintonize a Rede Nazaré de com reprise às 19h e às 22h.

O

século XVI foi muito triste para a Europa, com muitas doenças e uma terrível peste, conhecida como “peste negra”. Quase todo o continente europeu foi atingido por ela, principalmente Portugal. Os hospitais estavam sempre lotados, não havia mais lugar para colocar tantos doentes e muitas pessoas morreram. Desesperado, o povo português organizou missas, orações e procissões com a imagem de Maria durante vários meses. No cemitério, atrás da Igreja de Sacavém, em Portugal, ao abrirem novas covas, encontraram nela uma pequena imagem de Nossa Senhora. Todos consideraram o fato como um milagre e intensificaram as orações e procissões pedindo o fim da peste. No ano seguinte, as mortes foram diminuindo e a peste teve fim. A população deu à pequena imagem o nome de Nossa Senhora da Saúde, para agradecer a proteção de Maria Santíssima. Esta novena pode ser rezada para pedir a suave e infalível proteção de Nossa Senhora das Dores, neste tempo em que uma nova epidemia cruel assola novamente o Brasil e o mundo.


VATICANO

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

3

Caminho para o NATAL é tempo de «conversão» O PAPA ALERTOU para a “areia movediça” de uma existência “medíocre”

C

om informações agência Ecclesia. O Papa disse no Vaticano, domingo 6, que o tempo de preparação para o Natal deve ser de “conversão”, evocando a figura de São João Batista, apresentada no Evangelho como precursor de Jesus Cristo. “Para excluir o pecado, devemos também rejeitar tudo o que está relacionado com ele: a mentalidade mundana, a estima excessiva de confortos, prazer, bem-

estar, riqueza. O exemplo deste distanciamento vem mais uma vez do Evangelho de hoje na figura de João Batista: um homem austero que renuncia ao supérfluo e busca o essencial”, destacou Francisco, antes da recitação da oração do ângelus, da janela do apartamento pontifício. A intervenção sublinhou que a conversão começa pelo “afastamento do pecado e do mundanismo”, para procurar “Deus e o seu reino”.

FOTOS: DIVULGAÇÃO

O Papa alertou para a “areia movediça” de uma existência “medíocre”, em que se perde a perspectiva de mudança, de passar do que “é falso e efêmero para o que é verdadeiro, belo e dura para sempre”. “Pensai na ternura de Deus. Deus não é um pai feio, um pai mau, não: é terno, ama-nos muito”, pediu Francisco aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

n PAPA FRANCISCO da janela do apartamento pontifício

PANDEMIA agravou desigualdades, denuncia o Papa De acordo com o Papa a pandemia agravou as desigualdades que já existiam, num alerta lançado durante uma audiência a novos embaixadores de dez países junto da Santa Sé. “Mesmo antes da pandemia da Covid-19, era claro que 2020 seria um ano caracterizado por urgentes necessidades humanitárias, devido a conflitos, violência e terrorismo em várias partes do mundo”, destacou Francisco. Num discurso divulgado pelo Vaticano, o Papa declarou que as crises econômicas estão a causar “fome e migrações de massa, enquanto as alterações climáticas aumentam o risco de desastres naturais, penúrias e secas”. “Agora, a pandemia está a agravar as desi-

gualdades já presentes nas nossas sociedades; de fato, os pobres e os mais vulneráveis dos nossos irmãos e irmãs correm o risco de ser negligenciados”, alertou. O Papa recebeu as credenciais dos embaixadores da Jordânia, Cazaquistão, Zâmbia, Mauritânia, Uzbequistão, Madagáscar, Estónia, Ruanda, Dinamarca e Índia. “Hoje, talvez mais do que nunca, o nosso mundo cada vez mais globalizado requer urgentemente um diálogo e uma colaboração sinceros e respeitosos, capazes de unir-nos ao enfrentar as graves ameaças que recaem sobre o nosso planeta e hipotecam o futuro das jovens gerações”, apelou. Na quinta-feira, 3, numa mensagem pelo

23.º Dia da Pastoral Social na Argentina, Francisco apelou à “amizade social”, tema central na sua última encíclica, ‘Fratelli Tutti’. “Olhando como

vai o mundo, guerras para todo lado, estamos a viver a Terceira Guerra Mundial em pedaços”, alertou. “Se houver amizade social, não haverá

guerras ou necessidades de qualquer tipo, e nenhuma educação que não funcione bem. Não nos esqueçamos dos dois grandes inimigos: as

ideologias que querem tomar posse da experiência vivida de um povo e as paixões, que são sempre como um rolo compressor”, acrescentou.

ECUMENISMO: Vaticano publica «guia prático» para bispos O Vaticano publicou em 4 de dezembro passado um “guia prático” para bispos, com indicações para o diálogo entre comunidades cristãs e sobre a participação na vida sacramental, em particular a Comunhão. “O compromisso ecumênico do bispo não é uma dimensão opcional do seu ministério, mas um dever e uma obrigação”, pode ler-se no ‘vade-mécum ecuménico’ intitulado ‘O bispo e a unidade dos cristãos’.

O texto, aprovado pelo Papa, sublinha que os católicos vivem “uma verdadeira comunhão com outros cristãos” através do “Batismo comum”, mas admite que “a questão de administrar e receber os sacramentos, e especialmente a Eucaristia, nas celebrações litúrgicas de cada um permanece uma área de tensão significativa”. A participação de outros cristãos nos sacramentos católicos é permitida em situações

de “grave necessidade” e de forma “excepcional”, como recorda o documento, que pede a cada bispo que fala um “discernimento pastoral” das situações. “Os sacramentos nunca podem ser partilhados por mera boa educação. A prudência deve ser exercida, para não causar confusão ou escândalo aos fiéis”, pode ler-se. Cada diocese deve estabelecer uma Comissão Ecumênica e “garantir que haja um curso obri-

gatório de ecumenismo em todos os seminários e Faculdades de Teologia”. Outra proposta é o estabelecimento de “uma comissão diocesana ou regional de diálogo, envolvendo leigos e especialistas em Teologia”. O ‘vade-mécum’ fala

da perseguição contra cristãos em várias partes do mundo, evocando o “ecumenismo do sangue” de que o Papa Francisco tem falado, convidando a rezar regularmente pela unidade entre as Igrejas, organizando também “pere-

grinações ou procissões ecumênicas”. O documento aborda duas dimensões a “renovação da Igreja na sua própria vida e estruturas” e o “compromisso com outras comunidades cristãs no ecumenismo espiritual”.

N

os 150 anos da declaração de São José como Padroeiro da Igreja Católica, gostaria de compartilhar com vocês algumas reflexões pessoais sobre esta extraordinária figura, tão próxima à condição humana de cada um de nós. (08 de dezembro)

A M

beleza incontaminada da nossa Mãe é inimitável, mas ao mesmo tempo nos atrai. Confiemo-nos a Ela e digamos uma vez por todas “não” ao pecado e “sim” à Graça. (08 de dezembro)

anifesto minha solidariedade a todos os médicos e enfermeiros neste momento em que a pandemia nos chama a estar próximos dos homens e mulheres que sofrem. Obrigado pela proximidade, obrigado pela ternura, obrigado pelo profissionalismo com o qual cuidam dos doentes. (07 de dezembro) n PAPA FRANCISCO com bispos de várias denominações cristãs


4

BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

EM NAZARÉ

CADERNO DOIS

Natal do Senhor: visite o PRESÉPIO na Basílica EXPOSIÇÃO montada no corredor lateral do Santuário. Faça a sua visita!

O

FOTOS: ASCOM BASÍLICA SANTUÁRIO DE NAZARÉ

nascimento do menino Jesus foi o acontecimento que transformou a história da humanidade. Neste Natal, a condição é que: as mães sejam parecidas com Maria, os pais com José e todos nós com Jesus de Nazaré. Deixar para trás as rusgas, ressentimentos, maldades, ciúmes e invejas. Acreditar nos laços que nos unem

e são muito maiores do que as diferenças. Vale para a família de cada um de nós e vale para a família da humanidade, que tem uma reserva de esperança e de bondade plantada pelo próprio Deus. Trata-se de esconjurar o mal, propagando o bem. Na Basílica Santuário de Nazaré o presépio está montado aguardando a chega-

da do Nosso Salvador que veio ao mundo nos fazer perceber a grandeza de Deus diante a fragilidade de uma criança. A estrutura está em exposição no corredor lateral do Santuário. Faça a sua visita! A Igreja funciona de segunda-feira a sábado das 6h às 19h. Aos domingos de 9h às 12h e 14h às 17h.

Círio 2021: cerimônia de POSSE da Diretoria da Festa de Nazaré

n SANTA MISSA presidida pelo Arcebispo Metropolitano

Os preparativos para a edição nº 229 da grande Festa da Rainha da Amazônia já começaram. Na sexta-feira (04), os integrantes da Diretoria da Festa de Nazaré tomaram pos-

se das suas novas funções diante a divisão das equipes que dinamizam e organizam as procissões oficiais do Círio de Nazaré. A cerimônia aconteceu após a Santa Missa, presidi-

da pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa. O momento contou com a participação do Superior Provincial Norte dos Clérigos Regulares de São Paulo, Padre José M. Ramos das Mercês, Reitor da Basílica Santuário e Presidente da DFN, Pe. Luiz Carlos M. N. Gonçalves, e do Pároco de Nazaré, Padre Francisco M. Cavalcante. Para 2021, o coordenador do Círio deste ano, Albano Martins, permanece em mais um mandato. A composição das oito diretorias executivas, composta por trinta e três casais, foi alterada. A novidade é que o integrante Antônio Flávio Pereira Américo faz parte da equipe de Diretores Beneméritos da Diretoria da Festa de Nazaré.

n DIRETORES tomaram posse das suas novas funções

HISTÓRIA – A Diretoria da Festa foi criada em 1910 e hoje é formada por componentes católicos ligados às várias paróquias da Arquidiocese de Belém. Inicialmente eram cinco pessoas, depois aumentou e chegou a

ter o máximo de trinta e oito diretores. Atualmente é composta por 33 diretores, sendo cinco beneméritos e vinte e oito com mandato provisório. Um regimento interno define deveres, obrigações e condições para exe-

cução das atividades da Diretoria da Festa, dentre as quais garante o trabalho voluntário (não remunerado) de todos os membros. Confira a composição das equipes para o Círio 2021. Acesse o site: www. basilicadenazare.com.br

Família missionária pela EVANGELIZAÇÃO do mundo Ser Dizimista é fazer parte representativamente da raiz missionária da oliveira que sustenta a fé do povo de Deus, que os conduz a ser fonte de luz, alimento e cura, uma vez que a Pastoral do Dízimo atua como alicerce paroquial que dá continuidade ao trabalho evangelizador da Igreja. Em Nazaré, os dizimistas compõe uma rede de apoio que ampara a famí-

lias, jovens e crianças encontradas em contextos de fragilidade social, além das obras de evangelização realizadas na casa da Rainha da Amazônia. SEJA DIZIMISTA! Para mais informações, ligue: 4009-8448 • Contas para doação: Obras Sociais da Paróquia de Nazaré – CNPJ 04.746.442/0001-32 • Banco Bradesco (237) Agência 2398-1 /

Conta Corrente: 3-5 • Banco do Brasil (001), Agência: 1686-1 / Conta Corrente: 122005-5 • Caixa Econômica Federal (104), Agência 0820 / Conta Corrente: 501-3 Horários da Santa Missa do Dizimista: Basílica Santuário de Nazaré: Sábado: 12h e 17 (válidas para o domingo) Domingo: 6h30, 8h, 10h, 16h30, 18h e 20h


ARQUIDIOCESE

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

5

FACULDADE Católica lança pós-graduação CURSO de Pós-Graduação Lato Sensu – Especialização em Gestão e Docência do Ensino Superior

A

Fa c u l d a d e Católica de Belém, com objetivo de ampliar a formação dos profissionais do ensino superior, fez o lançamento do curso de Pós-Graduação Lato Sensu – Especialização em Gestão e Docência do En s i n o S u pe r i o r. Com vagas limitadas, o início das aulas está previsto para o próximo mês. A contribuição que a Faculdade Católica de Belém quer dar ao ensino superior da Amazônia, com a promoção desse curso sobre gestão e docência no ensino superior, se manifesta de muitos modos. “Antes de tudo, essa proposta vem ao encontro da carência da formação de profissionais com sensibilidade profundamente humanista, ética e de visão católica na Amazônia”, afirma Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar de Belém e Coordenador do Curso de Teologia.

Segundo ele, o curso pretende aprofundar grandes questões típicas da gestão, da metodologia e da docência do ensino superior. A proposta de pós-graduação também quer levar em conta os atuais desafios pedagógicos e gerenciais presentes nas instituições de ensino superior. “A igreja católica tem uma sensibilidade pedagógica específica que não pode ser esquecida, essa sensibilidade de modo particular está alicerçada na visão holística da pessoa humana e sobre a responsabilidade social da educação. Isso só se torna evidente quando a formação dos profissionais é orientada pelo critério da interdisciplinaridade e da contextualidade”, aponta Dom Antônio. A proposta do curso é proporcionar a formação continuada aos profissionais de diversas áreas superiores para o exercício da docência no

LUIZ ESTUMANO

ensino superior, baseado na prática pedagógica interdisciplinar, na área do ensino superior, produzindo conhecimentos teóricos e práticos no contexto amazônico. Aprofundar conhecimentos relativos a instrumentos teórico-metodológicos para o exercício de atividades organizacionais e refletir sobre a participação dos docentes no esforço político e educativo de suas instituições de origem são alguns dos objetivos propostos pelo curso. “Em geral, profissionais frios são aqueles que

foram mal formados! Podemos encontrar pessoas assim em todos os contextos, por isso é necessário um ensino superior que contribua para a formação de profissionais com profunda sensibilidade humana, consciência ética, senso de responsabilidade social, inquietude e visão de futuro” finalizou o Bispo Auxiliar. Com duração de 12 meses as aulas serão divididas nas modalidades presenciais e remotas. Interessados em participar da pós-graduação (vagas limitadas para 50 alunos, por turma) ainda podem realizar a inscrição, através do site da Faculdade: www.facbel.edu.br.

SERVIÇO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU – ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR LOCAL: Faculdade Católica de Belém: ENDEREÇO: BR 316, Km 6 INSCRIÇÕES: De forma presencial ou pelo site www.facbel.edu.br DURAÇÃO: 12 meses, com 390 horas/aula. VAGAS: 50 alunos, por turma aulas AULAS: Finais de semana (a cada 15 dias) Sábado de 08h às 18h e Domingo: 08h às 12h.

INDULGÊNCIA e celebração de Nossa Senhora de Guadalupe em casa

A Penitenciaria Apostólica publicou um decreto para a extensão das indulgências e de todos os benefícios por ocasião dos 125 anos da Coroação de Nossa Senhora de Guadalupe. Segundo o Decreto os fiéis poderão receber as indulgências em suas casas. O Santu-

ário de Nossa Senhora de Guadalupe será fechado de 10 a 13 de dezembro para evitar aglomerações devido à pandemia. A Penitenciaria Apostólica publicou o Decreto para a extensão das indulgências e todos os benefícios, por ocasião do 125º Aniversário da

Coroação de Nossa Senhora de Guadalupe que tem sua Festa no dia 12 de dezembro. Devido à atual epidemia da COVID-19, os fiéis de todo o mundo, poderão receber as indulgências em suas casas. Não será necessário fazer uma peregrinação física à Basílica Nacional de Guadalupe, mas poderão substituir este ato de piedade com algumas condições. Segundo o Decreto, a veneração de uma Imagem Sagrada de Nossa Senhora de Guadalupe e, sobretudo, o acompanhamento das celebrações sagradas através da

mídia (rádio, televisão, “transmissão ao vivo” e “radiodifusão”) serão suficientes para receber as indulgências. Por fim lêse no Decreto se espera que “o próprio sacrifício de não poder participar fisicamente possa ajudar a crescer na fé em comunhão hierárquica e na devoção filial ao Sumo Pontífice e a toda a Igreja”. COMUNICADO OFICIAL O Decreto da Penitenciaria Apostólica foi comunicado ao povo mexicano pelo cardeal Aguiar Retes, arcebispo

da Cidade do México. O cardeal mexicano lançou uma nota aos fiéis afirmando “O Papa Francisco oferece Indulgência Plenária aos que celebrarem Nossa Senhora de Guadalupe em suas casas”. Também conta que escreveu uma carta ao Papa Francisco recordando que depois de um ano difícil como 2020, certamente o povo iria buscar o consolo de Santa Maria de Guadalupe, sem pensar nos riscos de contágio da Covid-19. O cardeal Retes conta que “solicitou ao Papa Francisco a graça de conceder a Indulgência

Plenária aos fiéis que celebrarem em suas casas para evitar aglomerações”. E no domingo, 6 de dezembro no altar maior da Basílica de Guadalupe o cardeal informou sobre a resposta positiva do Santo Padre e as condições necessárias para recebê-las: -Preparear um lugar de oração à Nossa Senhora de Guadalupe em seu próprio lar; – Participar através da mídia, devotamente e atenção exclusiva, como se faz em forma presencial, a uma das missas a serem celebradas na Basílica de Guadalupe.

TEMPORARIAMENTE Dom Luigi assume Diocese de Bragança O Santo Padre, o Papa Francisco, através da Nunciatura Apostólica no Brasil, na pessoa do encarregado de negócios Monsenhor Massimo Catterin, nomeou pro-tempore o bispo emérito Dom Luigi Ferrando como administrador apostólico da Diocese de Bragança do Pará. A decisão foi tomada de pleno acordo com o Colégio de Consultores, Conselho Econômico e Conselho Presbiteral desta diocese. Desta forma, Dom Jesus terá o tem-

po necessário para sua plena recuperação e a diocese continuará caminhando conforme suas programações. Ressaltamos que Dom Jesus apresenta gradativa e constante recuperação de sua saúde. Logo que seus tratamentos forem concluídos ele retornará ao governo da diocese. O comunicado foi feito por meio de nota, assinada pelo vigário geral da Diocese de Bragança do Pará, Padre Gerenaldo Messias.

COMUNICADO Desde o dia 07 de novembro de 2020, quando foi diagnosticado com grave problema cardíaco, que o obrigou a ser submetido a uma delicada cirurgia para correção do problema, Dom Jesus Maria Cizaurre se encontra ausente do governo da Diocese de Bragança do Pará. Das as complicações ocorridas após a cirurgia sofrida pelo bispo, sendo necessário maior tempo para plena recuperação - e

para que seja feito da melhor forma possível – o Santo Padre, através da Nunciatura Apostólica no Brasil, na pessoa de Mons. Massimo Catterin, encarregado de negócios, de pleno acordo com o Colégio de Consultores, Conselho Econômico e Conselho Presbiteral desta diocese, nomeou protempore o bispo emérito Dom Luigi Fernando como administrador apostólico da Diocese de Bragança do Pará. Dom Luigi Fernando, que já mora nesta Dio-

cese, na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Ulianópolis, continuará as tarefas de Dom Jesus até que ele possa retornar à diocese. A organização da Diocese de Bragança do Pará continuará a mesma. Considerando as conversas que Dom Jesus teve com o vigário geral antes da cirurgia, podem acontecer necessários ajustes. Dom Luigi, reunirse-á com os conselhos presbiteral e econômico para tomar ciência de como está a situação

da dioceses, que aliás está caminho muito bem, graças ao empenho dos colaboradores de Dom Jesus. Ressaltamos que Dom Jesus apresenta gradativa e constante recuperação de sua saúde. Lembramos aos sacerdotes que nas missas devem continuar mencionando o nome do Bispo Dom Jesus Maria. Com a graça de Deus a e a interseção de Nossa Senhora do Rosário pedimos orações.


6

BELÉM, DE 11 A 17 DE DEZEMBRO DE 2020

CADERNO DOIS

ARQUIDIOCESE

CAPELA da Fundação Nazaré em reforma A CAPELA sempre foi um recanto especial na sede da Fundação Nazaré de Comunicação

A

Fundação Nazaré de Comunicação tem uma capela no seu interior, lugar onde celebra-se a Missa duas vezes na semana, também o espaço onde é celebrada a Açaõ de graças pelos benfeitores da Família Nazare toda primeira sexta-feira do mês. Agora estamos promovedo uma reforma para tornar a capela um lugar mais propício a receber os fiéis,

sejam nossos colaboradores, seja o povo de Deus que comparece à Santa Missa em nossa instituição. A Arquidiocese de Belém conta com a sua participação nesta empreitada, mais uma vez. Caso deseje nos ajudar, procure-nos na Fundação Nazaré de Comunicação - Av. Gov. José Malcher, 915, térreo do edifício Paulo VI, bairro de Nazaré, em Belém, . A capela é o espaço onde todas as semanas rezamos pelo êxito da evangelização da Arquidiocese de Belém. Unidos, queremos propiciar aos nossos irmãos, uma capela melhor!

FOTOS: LUIZ ESTUMANO

SEJA UM BENFEITOR Ajude-nos a realizar mais esta obra para a evangelização na nossa Igreja de Belém. A Família Nazaré tem sido nosso braço importante. Você também pode ajudar. Junte-se à Família Nazaré e seja nosso benfeitor. Cadastre-se no Portal Nazaré (www.fundacaonazare.com.br/ cadastro) ou ligue para o número 4006-9211/4006-9212/ (91) 99315-5743 (WhatsApp).

CONTAS PARA DOAÇÃO FAVORECIDO: FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO CNPJ: 83 36 94 70 / 00 01-54 BANCO DO BRASIL AGÊNCIA: 1686-1 CONTA CORRENTE: 122460-3 BANCO BRADESCO AGÊNCIA: 2398-1 CONTA CORRENTE: 27900-5

BANCO DA AMAZÔNIA (BASA) AGÊNCIA: 07 CONTA CORRENTE: 076106-0 BANPARÁ AGÊNCIA: 024 CONTA CORRENTE: 301491-6

n OBRAS EM ANDAMENTO construindo um espaço de oração mais confortável para os fiéis, especialmente para a missa na 1ª sexta-feira do mês

Dia 18, programação especial “EM FAMÍLIA” na TV Nazaré, ao vivo O programa especial “Em Família”, transmitido pela Rede Nazaré de Televisão, canal 30, vai ao ar mo próximo da 18, das 9h às 12h. Realizado pela Fundação Nazaré de Comunicação para evidenciar a participação de todos que ajudam a manter os meios de comunicação da Arquidiocese de Belém agrupados como benfeitores na Família Nazaré. A programação ao vivo, contará com convidados especiais e programação dinâmica baseada no tema solidariedade em tempo de Natal e em meio à pandemia. O programa pode ser acompanhado ao vivo. Gerado a partir dos estúdios da TV Nazaré, as atividades animam telespectadores, assim como os ouvintes e internautas, devido a programação realizar-se em cadeia com os demais veículos da Arquidiocese de Belém. O Em Família deste mês será apresentado pela coordenadora da Rádio Nazaré, Elyvane Barbosa e pelo diretor de programação da

Rádio Nazaré, padre Wagner Maria. Ambos conduzirão quadros de entrevistas e a apresentação do Ministério Seráfico que animará a programação no estúdio e será mesclado com a visita aos lares de dois benfeitores. Um ambiente acolhedor e fraterno sempre é proporcionado a todos que visitam a Fundação Nazaré de Comunicação, pois enquanto a programação ia ao ar, muitos benfeitores fazem questão de conhecer as instalações. Mas este ano, em função da pandemia do novo coronavirus, não será possível aos benfeitores fazer a visita, ficando o programa restrito à equipe de produção da TV Nazaré. Maria do Carmo Lima, 59 anos, colaboradora desde 2007, diz que tem alegria em contribuir com a Fundação, e destaca que a Rádio Nazaré a ensina muito. “Na minha vida a Rádio Nazaré é tudo, é só evangelização! Isso enche meu coração de tanta alegria, de emo-

n GRUPOS musicais ajudam a animar o programa

ção, porque a gente aprende a cada hora, seja com a Oração do Terço da Misericórdia que eu rezo ao vivo, fala com os apresentadores ao vivo”. E conclui com o seguinte pedido: “Venham, sejam mais um! A programação da Rede Nazaré de Televisão, da Rádio Nazaré, o conteúdo do Jornal Voz de Nazaré e Portal Nazaré, não tem nada que nos entristeça”.

SORTEIO DE UM PRESÉPIO A simbologia do Natal será pano de fundo para o programa. E para ratificar esta mensagem entre os benfeitores da

Família Nazaré, será sorteado entre os sócios evangelizadores um presépio.

ESPECIAL EM FAMÍLIA O programa especial “Em Família” é realizado pela Fundação Nazaré de Comunicação desde 2017, e visa proporcionar um dia festivo para os sócios

evangelizadores e para todos que desejam conhecer o trabalho e os bastidores da instituição.