Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

ANO CV - Nº 892 - PREÇO AVULSO: R$1,00

www.fundacaonazare.com.br

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

Círio: leitor do VOZ recebe cartaz O cartaz oficial, um dos ícones do Círio de Nazaré, afixado na porta das residências, anuncia a proximidade da festa da Rainha da Amazônia, é tradição dos fiéis. Leitores do Jornal Voz de Nazaré o recebem na próxima edição. PÁGINA 9 LUIZ ESTUMANO

O CÍRIO de Nazaré é a maior festa de fé dos paraenses. O cartaz oficial ajuda a divulgar a festa em homenagem à Rainha da Amazônia

Recursos para a FAZENDA da Esperança DIVULGAÇÃO

Amigas da Esperança promove o evento 'Tarde Alegre', em prol da Fazenda da Esperança Nossa Senhora de Nazaré. PÁGINA 7

Santa Teresa de CALCUTÁ Em Icoaraci, a santa padroeira dos pobres recebe homenagens. FAZENDA DA ESPERANÇA localizada no sítio Pratiquara, no distrito de Mosqueiro

PÁGINA 11 DIVULGAÇÃO/CNBB

Carta para a AMAZÔNIA Encontro pré-sínodo de bispos em Belém pede atenção redobrada de todos para a região. PÁGINA 6 nBISPOS da Amazônia e lideranças amazônicas pedem, em carta aberta à sociedade, que a preservação da região seja prioridade para todos


2

OPINIÃO

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

JOÃO CARLOS PEREIRA

PE. HELIO FRONCZAK

Jornalista e professor (jcparis1959@gmail.com)

heliofronczak@gmail.com

ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU ...

PRIVILÉGIO DE SER CATÓLICO

A imagem peregrina e o povo

E

ra uma segunda-feira, mais ou menos pelo meio da manhã, e eu vinha dirigindo pela 14 de Março, quando percebi uma movimentação atípica às proximidades da avenida governador José Malcher, que ainda prefiro chamar de São Jerônimo. O trânsito, normalmente confuso naquele local, estava pior. Os motoristas abriam a janela e esticavam os braços. Os motoqueiros saíam da faixa central e corriam para a lateral esquerda. Era uma confusão sem motivo aparente. Mas o motivo existia e não custei a descobrir. Um carro, estacionado à frente de uma instituição de ensino, esperava a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré. Qua-

tro Guardas da Santa protegiam a peça sagrada, no pequeno trajeto entre o portão e o veículo. As pessoas que passavam a pé não conseguiam acreditar que estavam diante da santa do Círio e se comoviam. Os carros paravam para vê-La. O trânsito ficou imobilizado por alguns minutos e ninguém buzinava. Num gesto de extrema generosidade, o Guarda que conduzia a peregrina decidiu parar um pouco para permitir que os motoristas e as motos se aproximassem. Todos queriam tocar na santinha, não como se pega um amuleto, mas com a delicadeza de quem encosta a ponta dos dedos na foto de uma pessoa muito amada. Não havia idolatria,

como os que não entendem a dimensão infinita do amor de Maria gostam de dizer, mas respeito, carinho, atenção, veneração, amor, não por uma obra de arte, mas pelo ícone sagrado e de tudo de especial que nele está concentrado. A imagem peregrina representa, em sua visitação, a ida de Nossa Senhora ao encontro de seus filhos. É amor no mais alto grau. Depois de permitir que o povo de Deus reverenciasse a imagem de Nossa Senhora, os Guardas seguiram em frente. Os batedores abriam caminho, cumprindo o que está determinado em Lei Estadual. Onde a imagem sagrada estiver, deverá ser tratada com honras de chefe de Estado.

Assimetria e igualdade

N

o Novo Testamento afirmações surpreendentes até parecem paradoxais, como esta que, em seu Evangelho, João põe na boca de Jesus: “O Pai é maior que eu” (14, 28). E também certas admoestações aos cristãos que podem parecer discriminatórias, como: “considerem os outros superiores a vocês mesmos” (Fl 2, 3); ou: “sejam submissos uns aos outros” (Ef 5, 21). É somente em chave trinitária que tais afirmações podem ser interpretadas corretamente. Pense comigo: De um lado é necessário reconhecer que na Trindade não existe “nenhum que seja maior ou menor”, já que “as três Pessoas são co-eternas e co-iguais entre elas”. Esta é uma afirmação absoluta, sem a qual se negaria uma característica constitutiva da fé trinitária; todavia,

dir-se-ia, talvez, que na Trindade existe uma “desigualdade”, “assimetria”, isto é, por um lado o Pai poderia dizer que é “superior” ao Filho no sentido que é a sua origem gerando-o eternamente; porém, simultaneamente é “dependente” do filho, dado que este, acolhendo o Amor do Pai e fazendo-o retornar a Ele, “regenera o Pai do qual foi gerado”. E aqui está a razão última do fato que a igualdade/desigualdade entre os seres humanos não é estática, mas em permanente dinamicidade. De um lado, uma atitude social trinitária protege os mais fracos e tende a uma distribuição sempre mais justa de todos os bens, promovendo a igualdade, a imparcialidade e a equidade. Mas, ao mesmo tempo, estabelecer relacionamentos trinitários é o exato contrário

de um nivelamento que sufoca e rebaixa. Adquirir mentalidade trinitária é, entre outras coisas, reconhecer diferenças entre os seres humanos, não apenas como obstáculo e mal-estar, mas dom e possibilidade de crescimento para todos, pois “quem me está próximo foi criado em dom para mim e eu fui criado em dom para quem me está próximo. Na terra tudo está em relacionamento de amor com tudo: toda coisa com cada coisa. Ocorre, porém, viver o Amor para encontrar o fio de ouro entre os seres” (C. Lubich). É só percebendo o ser como dom que se pode reconhecer o Outro como Outro e, portanto, com valor. Teodoro Adorno descreveu o amor como a capacidade de descobrir semelhanças no diferente. A trinitariedade faz também o contrário: promove as diferenças do semelhante, fazendo-o ser plenamente ele mesmo.

BIANCA MASCARENHAS Psicóloga e formadora do Seminário São Pio X (mascarenhaspsi@yahoo.com.br)

HUMANUS

Conhece-te!

C

orreria, agendas lotadas, cobranças têm gerado cada vez mais distanciamento de nós mesmos... estamos sempre ocupados, com “coisas” a fazer. Mas, para conviver em meio às adversidades, é fundamental trabalharmos o autoconhecimento, ou seja,

conhecer nossa essência e aprender a bem gerenciar sentimentos, palavras e atitudes. Ocupamos o tempo olhando nossa imagem física no espelho e às vezes gostamos do que vemos, noutras queremos mudar alguma coisa. Mas quanto tempo dedicamos a olhar para

nosso interior e pensamos em nos mudar, por dentro? Você já se perguntou: Quem é você? Por que pensa/se comporta de um jeito ou de outro? Quais suas qualidades e fraquezas? Está satisfeito com seu modo de ser, com sua vida, com suas escolhas? Sabemos que mudar algo em nós, como algum comportamento, é um processo que dá tra-

balho e pede tempo, por mais que entendamos ser necessário. E, como estamos em constante mudança, o exercício de autoconhecimento precisa ser frequente. Conhecer-se é o caminho para estar bem consigo mesmo e com os outros; aceitar as exigências da vida; saber lidar com as emoções (boas e não tão boas); reconhecer limites

e buscar apoio, quando necessário. Mas por onde começar? Podemos buscar a psicoterapia, processo de ajuda que conecta as pessoas com suas falas, intenções e emoções, por meio da escuta ativa e do aparato técnico de um especialista. Mas também podemos usar nossos próprios questionamentos e/ou contar com a ajuda de amigos e

pessoas de confiança. À medida que reservamos um tempo para nos ouvir, já iniciamos, sem perceber, o processo de autoconhecimento. E autoconhecimento tem a ver com autoestima, com autocuidado, com automotivação, com amor próprio, enfim. “Conhece-te, aceitate, supera-te”. (Santo Agostinho)

PE. ANTÔNIO MATTIUZ, CSJ (antoniomattiuz@gmail.com)

CURSILHO DE CRISTANDADE

A violência no Pará

N

os primeiros quatro meses de 2019 houve avanço no combate e diminuição da violência no Pará. Pelos dados publicados pela SEGUP (Secretaria de Estado de Segurança Pública), de janeiro a abril de 2018, no Pará, houve 39.103 roubos (325 por dia, em média), mas de janeiro a abril de 2019 houve só 28.682 (206 por dia). Em abril de 2018, no Pará, houve 305 homi-

cídios (10 por dia); 23 latrocínios; 7.405 roubos (247 por dia); 583 roubos de veículos (20 por dia) e 115 roubos em coletivos. Em abril de 2019 houve 237 assassinatos (8 por dia); 14 latrocínios; 5.161 roubos (172 por dia); 280 roubos de veículos (9 por dia) e 38 roubos em coletivos. A violência diminuiu uns 25%, mas ainda é alarmante, intolerante, absurda, desumana e

Fundado em 5 de julho de 1913 FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita

ARQUIDIOCESE DE BELÉM-PARÁ

PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

anti-cristã. As causas da violência são várias: falta de educação, impunidade, penas demais brandas, muitos privilégios e mordomias para os presos. A poluição sonora em casas, na rua e em carros é um forte combustível que ativa a violência. A falta da devida punição a esses crimes é vertente de mais violência. A violência cresce, floresce e frutifica pela poluição sonora. Quanto pior for a poluição sonora, tanto maior é a violência. O álcool e a droga in-

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior DIRETOR ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marcos Aurélio de Oliveira DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves da Silva DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Kleber Costa Vieira

crementam o crime; mas a poluição sonora não é menos perversa, pois agride e violenta todo o sistema nervoso das pessoas e é poderosa causa de enxaquecas nas pessoas mais frágeis. Se um doido quiser se embriagar ou se drogar, que o faça na sua casa se seus familiares agüentarem. Se outro doido quiser som alto, chato e intermitente, faça-o na sua casa sem deixá-lo sair. Há quase um século, na Europa e em nações cultas, é proibida a poluição sonora porque sabem

dos gravíssimos danos que provoca no povo. Naquelas nações, se um doido quiser alto som em sua casa, deve antes fazer isolamento acústico, senão a lei pega. No Brasil, legisladores sábios fizeram leis boas contra o crime da poluição, mas quase não são cumpridas. Com isso há graves danos à paz, tranqüilidade, saúde e redução da violência. As atuais leis federais e estaduais prevêem multa de até R$ 11.000,00 para quem produz a poluição sonora. Em caso de reincidên-

COORDENAÇÃO Bernadete Costa (DRT 1326) CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Alan Monteiro da Silva EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Sérgio Santos (DRT/PA 579) Assinaturas, distribuição, administração e redação Av. Gov. José Malcher, Ed. Paulo VI, 915 CEP: 66055-260

cia, a lei prevê apreensão da aparelhagem de som e até prisão do criminoso. Se a violência não for combatida nas suas causas, ela voltará logo mais e com mais força do que antes. Todo cristão precisa fazer a sua parte, denunciando e exigindo do Poder Público que execute a Lei. Ligue para o 190 e peça a intervenção da Polícia. É fácil: ligue e dê o endereço da casa, do bar ou a placa do carro. O combate à violência nas suas raízes não é só caridade, mas também misericórdia e justiça.

- Nazaré, Belém - PA Tel.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


ARCEBISPO

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

3

Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

CONVERSA COM MEU POVO

Na tua PALAVRA LANÇAREI as redes

P

edro e seus companheiros, pescadores de profissão, tendo trabalhado a noite inteira, ao lavarem suas redes, certamente cansados e desgostosos por não terem conseguido nada, são provocados por um carpinteiro de profissão, portador de palavras de vida eterna, por ser ele mesmo a Palavra eterna de Deus que se faz carne, a lançar as redes ao mar, pedindolhes algo aparentemente irracional, sair de novo a pescar. Coisa que pode acontecer conosco, quando nos parece ter fracassado, inclusive em nossos esforços para fazer o bem e no serviço da Igreja. Então, chega a hora de recomeçar, lançar-se de novo à aventura do mar da vida. A imagem oferecida pelo Evangelho (Lc 5,111) é muito parecida com o nosso ambiente

A nós cabe a responsabilidade de transmitir aquilo que por graça recebemos amazônico. Em Belém, estamos diante de nosso rio-mar, são muitas as embarcações, muitos os peixes, tantas as fadigas, rios e águas. Multiplicam-se pela Amazônia os ribeirinhos, nossas águas vão serpenteando em meio à floresta, tudo isso a provocar nossa imaginação e nossa criatividade, passando das águas e do verde da floresta para as águas do mar da vida, que muitas vezes podem afogar-nos. E as exigências da Evangelização na Amazônia se apresentam de novo, como nos séculos passados, agora com renovada consciência, para respondermos juntos, ajudados pela convocação da Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Pan-Amazônia. Como avançar para

águas mais profundas diante dos desafios do tempo presente? Uma boa indicação é aprender com nossos eventuais fracassos. Outra e mais importante é fazer a mesma experiência de Pedro. Não confiar em nossos próprios argumentos, por mais competentes e profissionais que pareçam, confiando-nos a Jesus e à sua Palavra. Durante as noites, que são muitas, do trabalho e das lutas, na ausência do Senhor, todo o trabalho é fadado à esterilidade. Para lançar-nos mar adentro na Evangelização, comecemos a partir dos mistérios: Trindade, Encarnação, Ressurreição, Igreja, Eucaristia, Sacramentos. É hora de dizer de novo: eu creio porque Jesus disse, creio em Jesus e lanço de novo as redes. Pedro, quando teve a coragem de obedecer a Jesus e avançar para águas mais profundas, viu suas redes se encherem de peixes. Aquele que tinha pedido a barca emprestada para dela fazer um púlpito de pregação, agora leva consigo a vida do próprio Pedro, feito pescador de homens e rocha para a edificação da Igreja. No início do mês da Bíblia, justamente a força da Palavra deve ser colocada em relevo, da qual nos aproximamos com fé. Na Exortação Apostólica de Bento XVI sobre a Palavra de Deus na vida (Cf. Verbum Domini 91-108), recordada no recente encontro preparatório ao Sínodo, realizado em Belém do Pará, encontramos algumas indicações preciosas, cujo conteúdo nos ajuda e lançarmo-nos de novo na aventura da Evangelização na Amazônia. Assim se expressava o Papa Ratzinger: o Verbo de Deus comunicou-nos a vida divina que transfigura a face da terra, fazendo novas todas as coisas (Cf.

DIVULGAÇÃO

n CHEGA A HORA de recomeçar, lançar-se de novo à aventura do mar da vida Ap 21,5). A sua Palavra envolve-nos como destinatários da revelação divina e também como seus arautos. Ele nos atrai a si e nos envolvenos na sua vida e missão. Assim o Espírito do Ressuscitado habilita a nossa vida para o anúncio eficaz da Palavra em todo o mundo. É a experiência da primeira comunidade cristã, que via difundir-se a Palavra por meio da pregação e do testemunho (Cf. At 6,7). A Igreja anuncia ao mundo a Esperança (Cf. 1 Pd 3,15). O homem precisa da “grande Esperança” para poder viver o seu próprio presente – a grande esperança que é aquele Deus que possui um rosto humano e que nos “amou até ao fim” (Jo 13,1). Por isso, na sua essência, a Igreja é missionária. Não podemos guardar para nós as palavras de vida eterna, que recebemos no encontro com Jesus Cristo: são para todos, para cada homem. Cada pessoa do nosso tempo – quer o saiba quer não – tem necessidade deste anúncio! Oxalá o Senhor suscite

entre os homens, como nos tempos do profeta Amós, nova fome e nova sede das palavras do Senhor (Cf. Am 8, 11). A nós cabe a responsabilidade de transmitir aquilo que por graça recebemos. As primeiras comunidades cristãs sentiram que a sua fé não pertencia a um costume cultural particular, que diverge de povo para povo, mas ao âmbito da verdade, que diz respeito igualmente a todos os homens. Por conseguinte, a missão da Igreja não pode ser considerada como realidade facultativa ou suplementar da vida eclesial. Trata-se de deixar que o Espírito Santo nos assimile a Cristo, participando assim na sua própria missão: “Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio” (Jo 20,21), de modo a comunicar a Palavra com a vida inteira. É a própria Palavra que nos impele para os irmãos: é a Palavra que ilumina, purifica, converte; nós somos apenas servidores. Por isso, é necessário descobrir cada vez mais a urgência e a beleza

de anunciar a Palavra para a vinda do Reino de Deus, que o próprio Cristo pregou. Neste sentido, renovamos a consciência de que o anúncio da Palavra tem como conteúdo o Reino de Deus (Cf. Mc 1,1415), sendo este a própria pessoa de Jesus. O Senhor oferece a salvação aos homens de cada época. Todos nos damos conta de quão necessário é que a luz de Cristo ilumine cada âmbito da humanidade: a família, a escola, a cultura, o trabalho, o tempo livre e os outros setores da vida social. Não se trata de anunciar uma palavra anestesiante, mas desinstaladora, que chama à conversão, que torna acessível o encontro com ele, através do qual floresce uma humanidade nova. O ardor missionário é um sinal claro da maturidade de uma comunidade eclesial. E o anúncio deve ser explícito. A Igreja deve ir ao encontro de todos com a força do Espírito (Cf. 1 Cor2,5) e continuar profeticamente a defender o direito e a liberdade de as pesso-

as escutarem a Palavra de Deus, procurando os meios mais eficazes para proclamá-la, mesmo sob risco de perseguição. A todos a Igreja se sente devedora de anunciar a Palavra que salva (Cf. Rm 1,14). Tomemos posse de tal graça e responsabilidade, cada qual na vocação e estado de vida a que foi chamado por Deus a contribuir na edificação do Reino de Deus e de sua Igreja.

O Espírito do Ressuscitado

É necessário descobrir cada vez mais a urgência e a beleza de anunciar a Palavra para a vinda do Reino de Deus


4

IGREJA

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

CÔN. CLÁUDIO BARRADAS (claudiobarradaspe@gmail.com)

MISCELÂNEA

Landi

C

omeço hoje, finalmente, como vinha prometendo, a falar sobre Landi, a quem nossa Belém deve, em meu entender, quero crer que acertado, o que possui de melhor, de mais belo e de mais significativo, em matéria de arquitetura. Segui-lo-emos do nascimento à morte, ano a ano, infelizmente com algumas lacunas, tendo como guias os dados de que disponho, para ser exato e honesto, bem poucos.

Landi era o segundo de um total de sete irmãos: cinco homens e uma mulher Comecemos: 1713: Giuseppe Antonio Landi – esse, seu nome completo – conhecido no Brasil e em Portugal como Antônio José Landi, veio à luz, no dia 29 de outubro, na Itália, em Bolonha, capital da região cujo nome Emilia Romana. Foi batizado no dia seguinte ao de seu nascimento, ou seja, no dia 30 de outubro, na

DIVULGAÇÃO

Catedral de São Pedro, tendo como padrinho o médico Giovanni Marco Bigatti. A título de curiosidade, aqui vai, em Latim, portanto no original, seu registro de batismo, do Arquivo do Arcebispado de Bolonha, doc. n. 247, de 30 de outubro de 1713: “Antonius Joseph, filius illustrissimi et excellentissimi Domini Antoni Landi, Philosophie (sic!) et Medicinae Doctoris ac L ectoris Publici, et illustrissimae Dominea (sic!) Antoniae Mariae Theresiae Gulielmini (sic!), eius uxoris, natur (sic!) heri nocte hora VII ½ sub parochia S. Leonardi, batisatus (sic!) ut supra. Compater illustrissimus et excellentissimus Dominus Iohannes Marcus Bigatti.” Em Português, tradução aqui deste um: “Antônio José, filho do ilustríssimo e excelentíssimo senhor Antônio Landi, doutor em Filosofia e Medicina e lente público, e da ilustríssima senhora Antônia Maria Teresa Gulielmini, nascido ontem à noite às 7 ½ horas na Paróquia de São Leonardo, batizado como (consta) acima. Padrinho o ilustríssimo e excelentíssimo senhor João Marco(s) Bigatti.”

n BOLONHA: vista parcial da região cujo nome Emília Romana

Era o segundo de um total de sete irmãos: cinco homens e uma mulher. 1728: Até essa data, ou seja, até os 15 anos, morou na casa em que nascera, na rua Broccaindosso, no. 51 (antigamente no. 737), ainda existente. Nesse mesmo ano (1728), a família muda-se para uma casa situada na via dei Vitale (atualmente via Guido Reni al (quero crer que alameda), no. 3). 1730: A partir desse ano Landi começa a frequentar o Instituto de Ciências e Artes de Bolonha, mais conhecido como Academia Clementina, onde se formará como Mestre em Arquitetura e em Perspectiva. Foi aluno, por sinal

predileto, de Ferdinando Galli Bibiena, arquiteto e cenógrafo bolonhês, que teve marcante influência em seu aprendizado artístico. Anos depois, Landi será chamado o “Bibiena do Equador”. 1732: Aos dezenove anos, com o desenho de uma “porta di um tempio magnífico e nobile” (porta de um templo magnífico e nobre), vence o prêmio de segunda classe de arquitetura, instituído, como incentivo a jovens talentosos, por Luigi Ferdinando Marsili, fundador da Academia. 1736: Vence o prêmio de primeira classe de arquitetura com o tema “La facciata di una porta nobile di ordine dorico

PADRE ROMEU FERREIRA Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (romeufsilva@gmail.comg)

e con la sua pianta di profilo e prospectiva” (A fachada de uma porta nobre de ordem dórica e com planta de perfil e perspectiva). 1738: - Bibiena propõe que seu aluno Landi seja agregado entre os acadêmicos de Número, os quarenta mestres que dirigiam a Academia Clementina. - Numa nota à margem de uma cópia da “Storia dell’Accademia Clementina” (História da Academia Clementina), publicada nesse mesmo ano, Giampietro Zanotti, secretário da Academia, deixa-nos um retrato de Landi, traçando-lhe o caráter e o perfil psicológico:

“este Landi é um maluco o mais despropositado que exista no mundo, enfim, um doido e, pois, doido. Agora é nosso acadêmico e começou a ter juízo... Nenhum certamente é mais apaixonado por sua arte do que ele o é, estuda-a profundamente. Podemos desejar-lhe boa sorte, ele merece porque é honestíssimo, também agradável, e bufão gracioso o quanto podemos dizer, mas sempre com prudência e respeito” Ficamos por aqui. Na próxima semana, continuaremos a rastrear os passos de Landi. Até por lá, se Deus no-lo permitir, e Shalom!

Foi aluno, por sinal predileto, de Ferdinando Galli Bibiena

Bibiena propõe que seu aluno Landi seja agregado entre os acadêmico s de Número

LITURGIA

HOMILIA DOMINICAL A) Texto: Lc 14,25-33 25Grandes multidões acompanhavam Jesus. Voltando-se, ele lhes disse: 26“Se alguém vem a mim, mas não se desapega de seu pai e sua mãe, sua mulher e seus filhos, seus irmãos e suas irmãs e até da sua própria vida, não pode ser meu discípulo. 27Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim não pode ser meu discípulo. 28Com efeito, qual de vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro e calcula os gastos, para ver se tem o suficiente para terminar? Caso contrário, 29ele vai lançar o alicerce e não será capaz de acabar. E todos os que virem isso começarão a caçoar, dizendo: 30‘Este homem começou a construir e não foi capaz de acabar! ’ 31Ou ainda, qual o rei que, ao sair para guerrear com outro, não se senta primeiro examina bem se com dez mil homens poderá enfrentar o outro,

que marcha contra ele com vinte mil? 32Se ele vê que não pode, enquanto o outro rei ainda está longe, envia mensageiros para negociar as condições de paz. 33Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo!” B) COMENTÁRIO

A massa humana acompanhava Jesus (v 25), pelos méritos que ele manifestava. Mas o mestre não iludia ninguém; pelo contrário, ele apresentava uma exigência bem clara para segui-lo; o caminho seria árduo e tortuoso; não há outra via. Jesus também queria pessoas dotadas ou que buscassem ter méritos similares aos seus. Ele tem diante de si a “via crucis”, o itinerário da cruz, como programa; ou seja, a disposição em vencer o sofrimento à bem de todos – havia de

ter-se em vista a imitação fiel de Jesus em sua paixão e morte - gerando vida nova pelo desprendimento, na doação de si mesmo. Seu caminho se destina a Ressurreição passando inevitavelmente pelo calvário da dor, no vigor e energia do amor redentor. E quem quisesse ser seu seguidor, teria que cultivar determinadas qualidades ou virtudes. Jesus apresenta as condições sem as quais ninguém poderia ser seu discípulo (v 26). Além do desprendimento dos bens fundamentais: a família e a própria vida, o seguidor deveria assumir as dificuldades e superá-las. Dá a entender de que não basta aceitar a cruz; não pode ficar com o patíbulo da cruz parado no tempo e no espaço; tem que conduzir a cruz na sequela do mestre, fazendo as curvas que ele faz, com os

pés em suas pegadas. É importante voltar à atenção para o tempo presente dos verbos utilizados: carregar e caminhar. Eles estão na frase “carrega a sua cruz... caminha atrás de mim” (v 27). O tempo presente destes verbos em uso (carrega; caminha), indica que o seguimento do Cristo deve ser no agora do hoje, no atual das circunstâncias impostas na vida da pessoa de fé. Também vale ressaltar que o candidato para segui-lo deve medir suas forças ao aceitar o desafio. Isto vem ilustrado no texto, na figura da construção e da guerra, com os cálculos a serem feitos previamente. Há de se precaver e calcular as condições, para melhor executar o empreendimento, e que no caso é o discipulado de Jesus: “qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo!” (v 33).

n 06/09, SEXTA-FEIRA Cor (branco) Primeira Leitura (Cl 1,15-20) Responsório (Sl 99) Evangelho (Lc 5,33-39) n 07/09, SÁBADO Cor (verde) Primeira Leitura (Cl 1,21-23) Responsório (Sl 53) Evangelho (Lc 6,1-5) n 08/09, DOMINGO Cor (verde) Primeira Leitura (Sb 9,13-18) Responsório (Sl 89) Segunda Leitura (Fm 9b-10.12-17) Evangelho (Lc 14,25-33) n 09/09, SEGUNDA Cor (verde)

Primeira Leitura (Cl 1,24-2,3) Responsório (Sl 61,6-7.9) Evangelho (Lc 6,6-11) n 10/09, TERÇA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Cl 2,6-15) Responsório (Sl 144) Evangelho (Lc 6,12-19) n 11/09, QUARTA-FEIRA xCor (verde) Primeira Leitura (Cl 3,1-11) Responsório (Sl 144) Evangelho (Lc 6,20-26) n 12/09, QUINTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Cl 3,12-17) Responsório (Sl 150) Evangelho (Lc 6,27-38)


5 SETORJUVENTUDE

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

MUNDO JUVENIL E A FÉ CRISTÃ INTRODUÇÃO

A

renovação da presença da Igreja Católica na Amazônia passa, inevitavelmente, pela pastoral vocacional nas suas diversas opções. Esse compromisso é acenado no número 129 do Instrumento Laboris: “promover vocações autóctones de homens e mulheres, como resposta às necessidades de atenção pastoral-sacramental”. Por se tratar de um assunto muito amplo, gostaria de neste texto, me deter sobre a questão da promoção da vocação sacerdotal especificamente. É fato que a Igreja na Amazônia vive uma forte insuficiência de sacerdotes. Dependendo do contexto, essa realidade gera graves prejuízos pastorais. É preciso reflexão e atitude propositiva!

A Igreja não precisa somente de mais sacerdotes, mas sobretudo, da promoção da cultura missionária A promoção da cultura vocacional em nossas comunidades, paróquias e dioceses, depende de uma série de fatores: do plano Pastoral das (arqui)Dioceses, da organização de uma pastoral de conjunto, do zelo propositivo da pastoral catequética, do dinamismo da pastoral juvenil, da animação missionária, do voluntariado juvenil.

1

Comunidades sem pastores Não temos dados estatísticos disponíveis, mas partindo das reflexões de

Sínodo PAN-AMAZÔNICO: a necessária promoção vocacional muitos sacerdotes, bispos e da minha experiência de vida e serviços em sete dioceses da Amazônia brasileira, creio que cerca de 80% das comunidades católicas Amazônicas não contam com a celebração Eucarística dominical. Fui pároco de duas Paróquias no interior do Amazonas, com grande extensão geográfica e conheço essa realidade; apesar do esforço, não conseguia visitar todas as comunidades a cada três meses. A Igreja não precisa somente de mais sacerdotes, mas sobretudo, da promoção da cultura missionária; mas, vale ressaltar que sem a pessoa do sacerdote, não haverá Eucaristia e sem Ela a Igreja perde a sua identidade. Estamos diante de uma questão crucial.

2

O negativo influxo histórico Paira sobre a questão vocacional um grande mistério! Nas palavras e atitudes de Jesus contemplamos essa verdade. “Vendo as multidões, Jesus teve compaixão, porque estavam cansadas e abatidas, como ovelhas que não têm pastor. Então Jesus disse a seus discípulos: «A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos! Por isso, peçam ao dono da colheita que mande trabalhadores para a colheita» (Mt 13,27-38). Não somos os responsáveis pelo chamado de novos operários para a Messe do Senhor, mas somos convocados a contemplar os desafios da missão e orar insistentemente. É isso que Jesus faz! Onde

não há sensibilidade pela missão da Igreja, também não haverá preocupação com a promoção vocacional, tendo como primeira iniciativa a experiência da oração. A escassez que sentimos hoje em relação à vocação sacerdotal talvez se explique pelo fato da abundância de envio de missionários da Europa no passado e que, muitos deles, não acreditaram inicialmente na necessidade da promoção das vocações autóctones. Os caboclos e os indígenas foram, por muitas décadas, desacreditados que seriam capazes de abraçar o sacerdócio. Isso marcou o povo! Quando eu era criança pensava que todo padre era branco, estrangeiro e “falava enrolado”. Por isso, o mesmo povo dizia para quem se assanhava ao sacerdócio: “Não, será?! Você não tem cara de padre”! Todavia, na encíclica Maximum illud do Papa Bento XV do ano 1919, cujo centenário celebramos neste ano, o referido pontífice sonhou com um clero indígena bem formado e que nada deixasse a desejar em sua vocação (cf. Papa Bento XV MI, N. 36). Era o marco de uma nova percepção: os indígenas não eram mais vistos meramente como sujeitos a serem respeitados em sua dignidade, mas também podem ser aptos ao sacerdócio.

3

Ministros ordenados autóctones A promoção de novos ministérios é necessária;

a presença de um diácono em cada comunidade do interior seria uma grande conquista, todavia, apesar de boa, nenhuma saída substituirá a figura do sacerdote. Além do seu serviço ministerial específico, também recai sobre ele um forte peso simbólico e referência moral. Isso também acontece com a reverência que os irmãos evangélicos sentem para com os seus pastores. E em quase todas as comunidades do mundo rural e ribeirinho há um deles. Diante dessa situação muito delicada de carência de sacerdotes e missionários disponíveis para a estabilidade dos serviços pastorais e sacramentais, é urgente um decidido relançamento da pastoral vocacional. Graças a Deus a história de muitas dioceses da Amazônia, com clero autóctone (caboclos e indígenas), é um sinal brilhante de estímulo para todas as nossas Igrejas particulares. Mas é preciso investimento mais incisivo em vista de respostas futuras que mudem esse quadro! A superação dos desafios relacionados à pastoral vocacional em geral, requer, que em todas as dioceses e prelazias, haja um forte esforço de convergência de todos os sacerdotes, religiosos e das Novas Comunidades para esse fim. A perda da visão das necessidades da promoção da Igreja particular gera prejuízo.

4

Pistas para a promoção da cultura vocacional * Formação de uma

comissão em cada diocese para articular a promoção vocacional evitando que seja um serviço delegado a uma só pessoa; * Fortalecimento projetual da pastoral juvenil através da organização do Setor Juventude estimulando o protagonismo juvenil e a experiência de grupos vocacionais; * Promoção do voluntariado juvenil missionário, seja como experiência de serviço social aos mais pobres, mas também como estratégia de discernimento vocacional; * Estímulo ao cuidado de processos formativos, itinerários, experiências de serviços; a pastoral não deve se reduzir a eventos; * Incentivo em todas as paróquias para a renovação da dimensão vocacional e missionária das pastorais, grupos e movimentos; se não, envelhecem precocemente; * Zelo pela criação de um ambiente paroquial marcado pelo clima de acolhida, fraternidade, alegria e boa convivência entre os consagrados e o povo (onde há fofocas e escândalos não surgem vocações); * Testemunho de entusiasmo, generosidade e propositividade de cada sacerdote; * Promoção de uma catequese, sobretudo do Crisma, que favoreça um profundo encontro com Jesus Cristo, e a experiência de processos de acompanhamento espiritual e vocacional; * Estabelecimento de um contínuo vínculo

entre a pastoral familiar, pastoral juvenil e pastoral vocacional; * Abertura dos seminários para mais interação com o povo e os jovens, afim de que seja um ambiente de forte animação juvenil e irradiação vocacional; * Promoção da oração pelas vocações em todas as comunidades, paróquias e dioceses. PARA A REFLEXÃO PESSOAL: Você conhece a realidade, do ponto de vista religioso, das comunidades católicas do interior da Amazônia? O que podemos fazer em nível comunitário e paroquial pela promoção das vocações sacerdotais? O que a pastoral familiar e a pastoral juvenil tem em comum em relação à promoção vocacional?

1 2 3

A promoção da cultura vocacional

Os caboclos e os indígenas foram, por muitas décadas, desacreditados que seriam capazes de abraçar o sacerdócio

Setor Juventude promove FORMAÇÃO para coordenadores No próximo dia 15, à tarde, o Setor Juventude da Arquidiocese de Belém promove formação, na Cúria Metropolitana, com Dom Antônio de Assis Ribeiro, um dos bispos auxiliares e bispo referencial da juventude, para o Dia Nacional da Juventude 2019 a ser comemorado no penúltimo final de semana de novembro nas regiões episcopais. O encontro reunirá cerca de 20 coordenadores e será orientado pelo subsídio, disponi-

bilizado no último dia 2. A formação ministrada por Dom Antônio será toda embasada no texto base da DNJ que este ano traz o tema “Juventude e Políticas Públicas: uma história nos chama à civilização amor” e lema “Em vim para que todos tenham vida” (Jo 10,10), em comunhão com a Campanha da Fraternidade. Para contribuir com as dioceses para a organização da celebração, a Comissão Episcopal Pastoral para

a Juventude da CNBB elaborou um subsídio. O subsídio traz como sugestão três encontros, um terço missionário e um roteiro de visita missionária. Todo o material tem como objetivo estimular a juventude à participação em Políticas Públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja, para fortalecer a cidadania e o bem comum, dando a contribuição da juventude para a construção de uma sociedade mais fraterna,

em especial nas políticas relativa aos jovens. Para cada encontro, o subsídio traz um tema, texto introdutório, reflexão sobre um trecho bíblico escolhido, elementos pedagógicos para ambientação, sugestão de músicas e/ou filmes, indicações de documentos da Igreja para aprofundamento e perguntas para debate. Já no roteiro para missão, apresenta itens para a preparação das visitas nas casas e Rito da Bên-

ção e orações. A formação no domingo será uma espécie de concentração, explica Henrique Azeredo da coordenação do Setor Juventude: “faremos este primeiro encontro entre os coordenadores para que estes, posteriormente, multipliquem com as suas bases por meio de encontros, espiritualidades e formações para prepará-los para a DNJ 2019”. Azeredo reforça que este ano o Dia Nacional da Juventude

ocorrerá por região episcopal, nos dias 16 e 17 de novembro próximo. O Dia Nacional da Juventude surgiu em 1985, como atividade permanente da CNBB que é realizada nas dioceses de todo o país. Com total apoio dos pastores da Igreja, o DNJ quer celebrar a vida dos (as) jovens de forma alegre, descontraída e comprometida com a realidade social em que vivem, tendo como base a Pessoa e a Mensagem de Jesus Cristo.


6

ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

Igreja da Amazônia brasileira estuda documento sinodal

LUIZ ESTUMANO

EPISCOPADO refletiu sobre a região em reunião em Belém

D

ia 28 de agosto o Encontro de Estudos do Documento de Trabalho do Sínodo começou com a presença de cerca de 120 pessoas, dentre elas os bispos das 56 dioceses e prelazias da Amazônia brasileira e lideranças, leigas, leigos, religiosos e padres, no Centro de Espiritualidade Monte Tabor, da Arquidiocese de Belém. A pauta foi o estudo do Documento de Trabalho, a partilha das experiências das escutas e da caminhada do processo sinodal nas dioceses e prelazias da Amazônia. Ao final, os participantes emitiram carta aberta à sociedade, pedindo sintonia e oração pelo Sínodo da Amazônia que ocorrerá de 6 a 27 de outubro no Vaticano. Procissão orante com a imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré juntou os participantes

do encontro no momento que uma corda recordou a preparação em Belém para o Círio de Nazaré, e a recitação da oração pelo Sínodo para a Amazônia que será realizado em outubro no Vaticano. A sessão de abertura reuniu o Cardeal Cláudio Hummes, presidente da REPAM, da Comissão Episcopal para Amazônia (CEA), e relator do Sínodo; Dom Walmor de Azevedo, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano de Belém; Dom Bernardo Balmann, Bispo da Diocese de Óbidos e presidente do Regional Norte 2 da CNBB; Dom Davi Martinez de Aguirre Guiné, Bispo de Puerto Maldonado (Peru), e padre Michael Czerny, subsecretário da Seção

Migrantes e Refugiados para o Serviço de Desenvolvimento Integral Humano, nomeados secretários do Sínodo para a Amazônia; Cristiane Murray, da secretaria do Sínodo e vice-diretora da Sala de Imprensa da Santa Sé e o pastor Inácio Lemke, presidente do Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC). Padre Oscar Beozzo sintetizou a história dos Sínodos na Igreja. Padre Zenildo Lima, de Manaus, e Joaquim Alberto, especialista de Pastoralidade da União Brasileira de Educação Católica (UBEC), apresentaram o caminho das escutas sinodais e alguns resultados do processo que culminou na elaboração do Instrumentum Laboris. Depois, Dom Mario Antônio, Bispo de Roraima e segundo vice-

n ENCONTRO dos Bispos da Amazônia em Belém de 28 a 30 de agosto

presidente da CNBB, e Monsenhor Raimundo Possidônio, de Belém, apresentaram a primeira parte do documento de trabalho e encaminharam um trabalho grupal. Estudo e reflexões ressaltaram algumas questões relacionadas à primeira parte do documento sinodal. Em sessão plenária, os grupos partilharam as principais questões debatidas, algumas lideranças fizeram alguns apontamentos destacando os pontos importantes refletidos merecedores da atenção dos padres sinodais. ROMA - Dom Cláudio Hummes informou que outros encontros como o de Belém ocorrem nos outros países pan-ama-

zônicos. “Estamos estudando o Documento de Trabalho, na verdade é um texto ainda, apenas como um instrumento para se trabalhar, que vai sendo modificado aos poucos, e que depois, no próprio Sínodo, sairá um outro texto”, explicou. Dom Neri José Tondello, Bispo de Juína, disse que encontros como o do Brasil, na reta final da preparação para o Sínodo, ajudam na tomada de consciência da responsabilidade dos padres sinodais. “Essa etapa é fundamental, nos ajuda a visualizar daqui para frente os passos, o método do próprio Sínodo, em Roma". “O importante desse encontro é que há pos-

sibilidade de as vozes da Amazônia serem escutadas pelos padres sinodais e, acolherem em seus corações as propostas, os clamores e os desafios relatados por essas vozes”, afirmou Dorismeire Vasconcelos, liderança leiga do Xingu, uma das representantes do Regional Norte 2 no encontro. D o m Wa l m o r d e Azevedo, presidente da CNBB, também estará no Sínodo, em Roma. Em Belém, ele afirmou que a voz dos bispos e das Igrejas que estão na Amazônia, são a voz da CNBB. "A Conferência contribuirá na comunicação uma vez que os resultados do Sínodo são para toda a Igreja do Brasil e do mundo".

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL

Comissão Episcopal Especial para a Amazônia

Carta do Encontro de Estudo do Instrumento de Trabalho do Sínodo da Amazônia “Cristo aponta para a Amazônia” São Paulo VI

R

eunidos em Belém do Pará, com o objetivo de estudar o Instrumento de Trabalho do Sínodo da Amazônia, nós, bispos, padres, religiosas e religiosos, leigas e leigos das Igrejas amazônicas, como também irmãs e irmãos que compartilham a caminhada ecumênica, queremos manifestar nossas preocupações com a “Casa Comum” e uma missão evangelizadora encarnada, samaritana e ecológica. Desde 1952, os bispos da Amazônia se reúnem periodicamente para se posicionar sobre a missão da Igreja na realidade peculiar da Amazônia. “Cristo aponta para a Amazônia” é a expressão profética e programática do Papa São Paulo VI que em 1972 repercutiu no Encontro de Santarém. A nossa Igreja assumiu, então, o compromisso de se “encarnar, na simplicidade”, na realidade dos povos e de empenhar-se para que por meio da ação evangelizadora se tornasse cada vez mais nítido o rosto de uma Igreja amazônica, comprometida com a realidade dos povos e da terra. No encontro de 1990, em Belém-Icoaraci, os bispos da Amazônia foram os primeiros a advertir o mundo para um iminente desastre ecológico com “consequências catastróficas para todo o ecossistema que ultrapassam, sem dúvida, as fronteiras do Brasil e do Continente” (Documento “Em defesa da Vida na Amazônia”). Novamente reunidos em Icoaraci/

PA em 2016, os bispos da Amazônia dirigiram uma carta ao Papa Francisco pedindo um Sínodo para a Amazônia. Acolhendo o desejo da Igreja nos nove países amazônicos, o Papa convocou em 15 de outubro de 2017 a “Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Pan-Amazônia”, com o tema “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. A Igreja Católica desde o século XVII está presente na Amazônia preocupando-se com a evangelização e a promoção humana ao mesmo tempo. Quantas escolas, hospitais, oficinas, obras sociais se construíram e foram mantidas durante séculos em todos os rincões da Amazônia. Vilas e cidades se edificaram a partir das “missões” da nossa Igreja. Quanto sangue, suor e lágrimas foram derramados na defesa dos direitos humanos e da dignidade, especialmente dos mais pobres e excluídos da sociedade, dos povos originários e do meio ambiente tão ameaçados. Lamentamos imensamente que hoje, em vez de serem apoiadas e incentivadas, nossas lideranças são criminalizadas como inimigas da Pátria. Junto com o Papa Francisco, defendemos de modo intransigente a Amazônia e exigimos medidas urgentes dos Governos frente à agressão violenta e irracional à natureza, à destruição inescrupulosa da

floresta que mata a flora e a fauna milenares com incêndios criminosamente provocados. Ficamos angustiados e denunciamos o envenenamento de rios e lagos, a poluição do ar pela fumaça que causa perigosa intoxicação, especialmente das crianças, a pesca predatória, a invasão de terras indígenas por mineradoras, garimpos e madeireiras, o comércio ilegal de produtos da biodiversidade. A violência, que ultimamente cresceu de maneira assustadora, nos causa horrores e exige também o engajamento da nossa Igreja para que a paz e o respeito, a fraternidade e o amor prevaleçam. Defendemos vigorosamente a Amazônia, que abrange quase 60% do nosso Brasil. A soberania brasileira sobre essa parte da Amazônia é para nós inquestionável. Entendemos, no entanto, e apoiamos a preocupação do mundo inteiro a respeito deste macro-bioma que desempenha uma importantíssima função reguladora do clima planetário. Todas as nações são chamadas a colaborar com os países amazônicos e com as organizações locais que se empenham na preservação da Amazônia, porque desta macrorregião depende a sobrevivência dos povos e do ecossistema em outras partes do Brasil e do continente. O Sínodo, convocado pelo Papa

Francisco, chega num momento crucial de nossa história. Queremos identificar novos caminhos para a evangelização dos povos que habitam a Amazônia. Ao mesmo tempo, a Igreja se compromete com a defesa desse chão sagrado que Deus criou em sua generosidade e que devemos zelar e cultivar para as presentes e futuras gerações. Cabe um agradecimento especial à Rede Eclesial Pan-Amazônica/REPAM por todo o esforço dedicado no importante processo de ESCUTA das comunidades e no envolvimento dos diversos segmentos do Povo de Deus, especialmente mulheres e com forte participação das juventudes e dos povos originários. Pedimos que rezem por nós, irmãs e irmãos, para que a caminhada sinodal reflita “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens e das mulheres de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem” (GS 1). Que Maria de Nazaré, expressão da face materna de Deus no meio de nosso povo, por sua intercessão, acompanhe os passos da Igreja de seu Filho nas terras e águas amazônicas para que ela seja sinal e presença do Reino de Deus. Que ajude, com sua missão evangelizadora e humanizadora, a dignificar cada vez mais a vida em nossa região. Belém, Icoaraci, 30 de agosto de 2019.

Bispos da Amazônia Brasileira e participantes do Encontro de Estudo do Instrumento de Trabalho do Sínodo da Amazônia


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

7

FOTOS: DIVULGAÇÃO

n PROGRAMAÇÃO da Tarde Alegre que ocorreu em março passado

n UMA DAS ÁREAS de atuação da Fazenda da Esperança em Mosqueiro

Evento em prol da Fazenda da Esperança PROGRAMAÇÃO

O

grupo denominado Amigas da Esperança promove o evento Tarde Alegre em prol da Fazenda da Esperança Nossa Senhora de Nazaré, na terça-feira, 10, a partir das 16h, na Casa de Plácido, no Centro Social de Nazaré, próximo à Basílica de Nazaré. Bingos, leilões, rifas, venda dos produtos da Fazenda da Esperança e exposição, fazem parte da programação. As cartelas que dão direito a participar do evento podem ser

ocorre dia 10, a partir das 16h, na Casa de Plácido

adquiridas no escritório da Fazenda da Esperança, situado na Cúria da Arquidiocese de Belém. O evento ocorre uma vez a cada semestre, com o objetivo de arrecadar recursos para a Fazenda da Esperança. O último evento aconteceu em março passado e contou com a participação expressiva da comunidade, que se sensibilizou com a causa. Segundo a secretária da Fazenda da Esperança, Andreza de Jesus, os produtos das

rifas, dos leilões e os produtos do bingo são frutos de doações, arrecadados pelo grupo promotor do evento, que foi criado em 2015. Os produtos produzidos pelos acolhidos da Fazenda Esperança, por exemplo, os itens da marcenaria, da padaria e os artigos religiosos, poderão ser adquiridos durante a Tarde Alegre. Participam do evento, os responsáveis e os acolhidos da Fazenda da Esperanças, que darão de-

poimentos, assim como divulgarão os itens que serão comercializados. A obra social Nossa Senhora da Glória – Fazenda da Esperança Nossa Senhora de Nazaré é uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, que há 36 anos desenvolve um trabalho de recuperação de dependentes de substâncias psicoativas baseado no tripé: espiritualidade, convivência familiar e trabalho, visando resgatar os valores perdidos, o

amor próprio e a cidadania de todos os que passam pelo local. Na Arquidiocese de Belém a Fazenda da Esperança foi implantada pelo arcebispo metropolitano de Belém, Dom

Alberto Taveira Corrêa, no dia 28 de fevereiro de 2015. A Fazenda fica localizada no Sítio Pratiquara, no distrito de Mosqueiro. O espaço acolhe homens e mulheres de 15 a 45 anos.

SERVIÇO - Tarde Alegre na terça-feira, dia 10 de setembro - a partir das 16h - Na Casa de Plácido, no Centro Social de Nazaré, próximo à Basílica de Nazaré - Cartelas podem ser adquiridas no dia do evento ou no escritório da Fazenda da Esperança, situado na Cúria da Arquidiocese de Belém, localizada na Avenida Governador José Malcher, 915, bairro Nazaré, no horário comercial, no valor de R$ 50.

COMUNIDADE CAJU promove este mês ‘Renascer 30 anos’ De 27 a 29 de setembro a Comunidade Católica Casa da Juventude (Caju) realizará o encontro ‘Renascer 30 anos’, que ocorrerá simultaneamente em 10 casas na Ilha de Mosqueiro, distrito da capital paraense, cujo tema “Que queres que Te faça?” (Lc 18, 41). Com vagas limitadas as inscrições podem ser efetuadas na secretaria da comunidade e na Igreja de São Paulo II. O Renascer é um retiro que teve início há 30 anos em Belém

do Pará e que ocorre também em São Paulo e em Marabá, cidades em que a Caju possui núcleos missionários. O objetivo é o de proporcionar aos congressistas um tempo para reflexão de vida, buscando ter uma abertura para um encontro sereno com Deus. O encontro é voltado para jovens a partir de 13 anos. O Renascer proporciona a cada ano uma temática diferente, porém mantém a essência de encontro querigmático, que em

todos os anos permite que mais pessoas vivam uma experiência de renascimento da sua fé e resgate da sua própria identidade, trazendo Deus para perto de si e tornandoO a razão de tudo. Essa vivência do amor de Jesus ocorre por meio de dinâmicas, orações, louvor, convivência fraterna, formação e muita alegria. A professora Cláudia Márcia, atualmente compromissada na Caju já participou do Renascer e destaca a im-

portância dele para sua vida. “O Renascer foi e é importante em minha vida porque significou um novo recomeço, uma nova oportunidade que Deus me deu para retomar minha caminhada com Ele. E hoje, sou feliz por fazer parte desses 30 anos de Renascer. Por ser Caju!”, afirma. A saída dos congressistas acontecerá na noite do dia 27 de setembro, partindo da Igreja São João Paulo II (Tv. Mauriti, 1753, Pedreira), em Belém,

com traslado para Mosqueiro incluso na taxa de inscrição, assim como alimentação e hospedagem. O retorno acontecerá no domingo com a Santa Missa tendo a acolhida de familiares e amigos. INSCRIÇÕES

As inscrições podem ser realizadas presencialmente e pelo site. Presencialmente os interessados podem inscreverse na secretaria da sede da Caju, de segunda à sexta-feira, de 13h30 às 19h30, e aos sábados,

das 8h às 12h. As inscrições também podem ser feitas nos plantões de inscrição após as missas dominicais: 10h na sede da Caju e 17h30 na Igreja São João Paulo II, e também no final dos Momentos de Oração, às quintas-feiras, às 19h, na Igreja São João Paulo II. A taxa de inscrição custa R$135,00 e pode ser parcelada em até duas vezes no cartão de crédito. Informações pelo telefone (91) 3236-1188 ou pelo site www.comunidadecaju.com.br.

VATICANO

Papa inicia em Moçambique VIAGEM A ÁFRICA

Nesta semana o Papa dá início à 31ª Viagem Apostólica de seu Pontificado, visitando as capitais de Moçambique, Madagáscar e as Ilhas Maurícias. O Papa saiu de Roma na quarta-feira, dia 04 de setembro, com destino a Moçambique, onde foi recebido numa cerimônia no aeroporto de Maputo, capital moçambicana. No dia seguinte, o Papa encontra-se com o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, no palácio presidencial da Ponta Vermelha, onde também se reuniu com autoridades, representantes da sociedade civil e

com corpo diplomático. Ainda nesse dia participou do encontro interreligioso com jovens no pavilhão de Maxaquene e, ainda com membros do clero, de instituições religiosas católicas, catequistas e animadores na Catedral da Imaculada Conceição. A agenda do dia 06 inicia-se com uma visita do Papa ao hospital do Zimpeto, antes de proferir uma missa no Estádio Nacional do Zimpeto, inaugurado em 2011, e na qual se estima a presença de até 90 mil fiéis. De Maputo o Papa partirá Antananarivo, capital de Madagáscar.

A visita do líder da Igreja Católica foi motivada pelo apelo lançado pelos bispos moçambicanos em novembro de 2016, tendo o convite sido reforçado pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, em setembro de 2018. Esta será a segunda visita de um papa a Moçambique, 30 anos depois de João Paulo II. O programa do dia 07 começa com uma visita ao Presidente malgaxe, Andry Rajoelina, no palácio presidencial Iavoloha. Em Antananarivo, Francisco reuni-se com membros das autoridades, representantes da sociedade civil e com

nPAPA FRANCISCO na 31ª Viagem Apostólica de seu Pontificado corpo diplomático no Ceremony Building. Nesse dia, o sumo pontífice participará de oração no Mosteiro das Carmelitas Descalças, num encontro com o visconde de Madagáscar na Catedral de Andohalo, e visitará o túmulo da beata malgaxe Victoire Rasoamanarivo. O dia termina com uma vigília junto dos jovens no campo diocesano de Soamandrakizay. Na manhã seguinte,

o mesmo local acolhe uma missa presidida pelo Papa argentino, seguindo-se uma visita a Akamasoa, a “Cidade da Amizade”. Em Mahatzana, o Papa proferirá uma oração pelos trabalhadores, à qual se seguirá um encontro com membros e representantes da Igreja Católica no Colégio de São Miguel, fundado em 1888 pela Companhia de Jesus. Em 09 de setembro,

penúltimo dia da viagem junto ao Índico, o Papa Francisco parte para Port Louis, capital das Ilhas Maurícias. Antes de partir novamente para Madagáscar o Papa participa de uma cerimônia de despedida que celebrará a primeira visita de um papa às Ilhas Maurícias. Na agenda do último dia da viagem de Francisco consta uma cerimônia de despedida na capital malgaxe e o regresso a Roma.


8

IGREJA

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

NAZARÉ REPÓRTER ALAN MONTEIRO

O D

Espírito Santo, quando O convidamos nas nossas feridas, unge as más recordações com o bálsamo da esperança, porque o Espírito é o reconstrutor da esperança. (03 de setembro) eus, amante da vida, nos dá a coragem de realizar o bem sem esperar que sejam os outros a começarem, sem esperar que seja tarde demais. (02 de setembro)

A Diretoria de Arraial e Arrecadação do Círio 2019 apresentou terça-feira, 3, a Camisa Oficial do Círio de Nazaré para o Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa. A confecção foi lançada para a festa mariana deste ano com apoio da Arquidiocese de Belém e dos Padres Barnabitas, administradores da Paróquia de Nazaré. O Arcebispo elogiou a novidade. “É uma bela iniciativa, pois tem o controle de qualidade e o retorno vai ser todo para as obras sociais da Igreja”. A Diretora de Arraial e Arrecadação, Daniela Souza, explica que “a camisa oficial é uma forma de angariar recursos para o Círio, além de contribuir com o fomento da economia no Estado, pois utiliza mão de obra local”. As camisas oficiais do Círio 2019 estão disponíveis na Loja Lírio Mimoso.

RÁDIO NAZARÉ FM 91 .3 MHZ

n CAMPANHA ‘SETEMBRO AMARELO’, TEMA NA RÁDIO NAZARÉ Segunda-feira, 9, o programa “Saúde e cidadania” abordará a campanha “Setembro amarelo: valorização da vida”. No mundo todo, a cada 40 segundos, ao menos uma pessoa interrompe a própria vida. Só no Brasil, essa atitude contra a vida é a quarta causa mais comum de morte de jovens. Um especialista falará sobre o assunto para os ouvintes da Rádio Nazaré FM. Sintonize 91,3 Mhz, a partir das 16h e participe! Para interagir, ligue 4006-9211 ou 9.8814-0275 (WhatsApp).

n SENHORA DO BOM REMÉDIO Iniciada dia 30 de agosto a festa da padroeira da Paróquia Nossa Senhora do Bom Remédio, segue nesta sexta-feira, às 19h, com Missa presidida pelo cônego Vladian Alves, reitor do Seminário Pio X. As famílias animam a Missa de chegada da Romaria da Juventude no sábado, 7, às 19h, na Matriz Paroquial de Santa Terezinha, com padre Maurício Dias. Os pequenos devotos homenageiam a padroeira no círio das crianças no domingo, 8, a partir das 7h, junto com o cônego José Luiz. A diretoria encerra a festa no domingo às 19h, com a Missa presidida por Dom Alberto.

TV NAZARÉ CANAL 30.1

n CÍRIO DA VIGIA AO VIVO NA TV NAZARÉ

n PELOS POBRES

Acompanhe ao vivo pela Rede Nazaré de Televisão, canal 30 – ou na sintonia da sua cidade – parte da programação do 322º círio em homenagem a Nossa Senhora de Nazaré, direto do município de Vigia de Nazaré. Domingo, 8, a partir das 6h, a Santa Missa, presidida por frei José Nazareno de Sousa Santos, na Comunidade de São Sebastião, será transmitida ao vivo pela TV Nazaré. Assim, você acompanha os momentos iniciais e a saída do círio em direção à Matriz.

A Arquidiocese de Belém abre oficialmente dia 13, a programação pelo III Dia Mundial dos Pobres com Missa na Basílica Santuário às 18h. Na Casa de Plácido, às 19h15, mesa redonda sobre o tema “A Esperança do pobre não se frustrará”. Dias 14 e 15, formação por regiões episcopais. Convocado pelo Papa Francisco, o dia especial pelos pobres no terceiro domingo de novembro terá formação com diversas atividades até 17 de novembro vindouro.

n PALESTRA

PORTAL NAZARÉ

Dia 5 de outubro, às 18h30, cônego Jaime Pereira irá proferir a palestra de Parapsicologia “Mens sana”, no auditório Guará do Centro de Cultura e Formação Cristã (CCFC). A participação, mediante inscrição, dá direito ao certificado do participante e um exemplar do livro “Mens sana”, de autoria do cônego Jaime, diretor espiritual do Seminário Pio X, vigário da Paróquia São Pio X e membro do Cabido Arquidiocesano de Belém. Informações: Seminário Pio X (32157003) e 98162-6098; 98454-1026 e 99812-2750.

WWW. FUNDACAONAZARE. COM.BR

n PORTAL NAZARÉ: CÍRIO E TESTEMUNHOS DE FÉ Toda semana até o Círio de Nazaré você pode acompanhar depoimentos de fé na intercessão de Nossa Senhora de Nazaré em nossa página no Facebook:/FNCBelem e em nosso canal no Youtube:/FNComunicacao. Também nas nossas redes sociais (Facebook/FNCBelem e Twitter:@FundacaoNazare) você acompanha, ao vivo, as transmissões do Círio 2019 e obtém mais detalhes. Ajude-nos a realizar a cobertura deste e de outros eventos sendo um sócio evangelizador da Família Nazaré. Informações, conheça nossa campanha Seja Mais UM (www.sejamaisum.com) ou ligue (91) 4006-9211 ou envie uma mensagem para o contato: (91) 99315-5743.

BOA DICA n O CAMINHO DA JUSTIÇA NA SABEDORIA DOS PROVÉRBIOS - Livro(Paulus, R$ 30,00)

AGENDA DE DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA n SEXTA, 6 DE SETEMBRO 19h30 – Missa e Crismas (Paróquia Santo Antônio do Tucunduba) n SÁBADO, 7 DE SETEMBRO 9h - Missa com a Comunidade Maíra

n DOMINGO, 8 DE SETEMBRO 9h - Missa - Carmelo Santa Teresinha 11h - Missa - Fazenda da Esperança 19h - Missa - Paróquia Nossa Senhora do Bom Remédio n SEGUNDA, 9 DE SETEMBRO

19h - Missa - Paróquia de Nossa Senhora Rainha da Paz n QUINTA, 12 DE SETEMBRO 19h - Missa - Paróquia São Vicente de Paulo (PAAR)

AGENDA DE DOM IRINEU ROMAN n SÁBADO, 17 DE SETEMBRO 12h - Missa no retiro dos catequistas (Tabor) 20h - Missa com Irmãos do Caminho Neocatecumenal - Paróquia São Lucas Evangelista – Cj. Guajará – Ananindeua n DOMINGO, 8 DE SETEMBRO 9h - 5º Encontrão das Comunidades Pastoral das Ilhas (Baixo Acará)

18h - Missa da Juventude - Paróquia Santa Teresinha (Tenoné) n TERÇA, 10 DE SETEMBRO 9h30 - Missa - Visita da imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré à SESPA(Secretaria de Estado de Saúde) 19h - Missa - Paróquia São Vicente de Paulo (festividade)

n QUARTA, 11 DE SETEMBRO 19h - Missa - Paróquia São José Operário Aniversário da Paróquia e visita da imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré n QUINTA, 12 DE SETEMBRO 19h - Missa - Paróquia Santa Edwiges (benção da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe)

AGENDA DE DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO n SEXTA-FEIRA, 6 A DOMINGO, 8 DE SETEMBRO XV Encontro Nacional de Adultos Responsáveis Diocesanos de Juventude (Brasília) n SEGUNDA, 9 DE SETEMBRO

19h - Missa - Paróquia São Vicente de Paulo (PAAR) n TERÇA, 10 DE SETEMBRO 19h - Missa - Comunidade Imaculada Conceição (Paróquia Arcanjo São Miguel)

n CÍRIO: PRODUÇÃO EXCLUSIVA

n QUARTA, 11 DE SETEMBRO 19h - Missa - Comunidade Rainha dos Mártires (Aurá) n QUINTA, 12 DE SETEMBRO 18h - Missa com Irmãs da Congregação Missionária da Imaculada Conceição (Belém)

S

ugestão de caminho da justiça na sabedoria dos provérbios como forma de estudar e praticar a justiça, em vista da paz tão almejada é a proposta deste livro que reúne provérbios da Bíblia e atuais sobre o tema justiça. Descreve, compara, aponta conclusões, demonstra como os ditos populares, de ontem e hoje, expressam, em sua sabedoria, as ambiguidades e paradoxos da vida humana. Explica como esses ditos expressam de forma poética, com linguagem figurada (metáforas) o caminho da justiça nos termos bíblicos justiça (tsedaqah) e direito (mishpat) no livro de Provérbios.

n A MINHA BÍBLIA - Livro (Paulinas, R$ 49,50)

A

presenta algumas características próprias e especiais na narração de histórias menos conhecidas e as principais passagens bíblicas populares: a criação do mundo, o dilúvio, a travessia do mar vermelho, entre muitas outras, formando um fio vermelho do amor de Deus por seu povo, enfrentando a fragilidade, a dureza e as desobediências de Israel. Ilustrações bem coloridas são o ‘primeiro comentário’ do texto, com pequenos detalhes ajudam o entendimento das crianças para refletir, pensar, compreender o seu papel a desempenhar no mundo com valores cristãos.


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

CARTAZ DO CÍRIO para leitores da Voz de Nazaré

O

cartaz do oficial do Círio de Nazaré 2019 será entregue aos leitores do jornal Voz de Nazaré na próxima edição do semanário arquidiocesano, quando o povo de Deus estiver há exatos 30 dias para a realização da maior festa mariana de devoção dos paraenses em homenagem a Nossa Senhora de Nazaré. O presente para os leitores é uma forma da Arquidiocese de Belém ir também contribuindo para a preparação daqueles fiéis que guardam a tradição de ostentar a peça de divulgação da festa de Nossa Senhora de Nazaré afixada à porta dos lares paraenses anunciando que é chegado o tempo da grande festa da Rainha da Amazônia. O cartaz do Círio 2019 foi lançado oficialmente no dia 30 de maio na Praça Santuário e reuniu centenas de fiéis que esperavam para conhecer o tradicional ícone que abre as portas para grande festa de Nossa Senhora de Nazaré. A peça, criação da Mendes Comunicação, traz a foto da imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré e a inscrição do tema da festa “Maria, Mãe da Igreja”, com fotografia de Tarso Sarraf. O tema é uma alusão ao ano jubilar pelos 300 anos da criação da Diocese de Santa Maria de Belém que está sendo celebrado ao longo de 2019 na Arquidiocese de Belém.

9

FOTOS: DIVULGAÇÃO

LEITORES DO JORNAL da Arquidiocese de Belém receberão a peça encartada na próxima edição

n COMUNIDADE do Divino Espírito Santo

Ribeirinhos festejam São Raimundo Nonato A Pastoral das Ilhas da Arquidiocese de Belém realizou domingo, 1º de setembro, a festividade de São Raimundo Nonato, na Comunidade do Divino Espírito Santo, região do Baixo Acará. A festividade animou os fiéis liderados pela devota Maria do Carmo Teles deAraújo desde sábado, 31 de agosto, no final da tarde, quando houve a procissão de São Raimundo pelas principais ruas do vilarejo, com paradas para oração na frente de algumas das residências de devotos, terminando já à noite, com derrubação do mastro, queima de fogos, brincadeiras e música. Domingo foi a culmi-

nância da festa com a Santa Missa às 9h, presidida por Dom Irineu Roman, um dos bispos auxiliraes de Belém e referencial para a Pastoral das Ilhas. Na homilia, ele destacou o valor da criação de Deus, visto que a igreja de São Raimundo Nonanto é cercada de expressiva paisagem natural. Ao final da celebração, ele abençoou catequizandos e as famílias da comunidade. Terminada a Missa, a comunidade reuniu-se em torno de almoço partilhado ao som do grupo de músicos da Ilha Grande , convidados a prestigiar a festividade sob a coordenação musical do professor Cecílio Ferreira.

A Paróquia Arcanjo São Miguel foi erigida pelo arcebispo metropolitano de Belém Dom Alberto Taveira Corrêa no dia 24 de setembro de 2011, desmembrada da Paróquia Nossa Senhora Rainha da Paz e tem como comunidades Nossa

Senhora de Guadalupe, Nossa Senhora de Nazaré, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Nos-

sa Senhora Imaculada Conceição, Nossa Senhora Rainha da Paz e São Francisco de Assis.

des. Esteve concelebrando, ainda, padre Adriano Souza Santos, Lazarista da Paróquia de São Raimundo Nonato.

No dia 5 de outubro a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré visitará a área missionária. Após a celebração,

a comunidade parabenizou Dom Antônio por seus dois anos de ordenação episcopal cantando parabéns.

Paróquia de Ananindeua presta homenagem a São Miguel Arcanjo Em Ananindeua, o Arcanjo São Miguel considerado o guardião celeste, o príncipe e o guerreiro, que defende o trono celestial, recebe homenagens durante a festividade de 20 a 29 deste mês. A festa religiosa é promovida pela Matriz da Paróquia do Arcanjo São Miguel, com o tema “São Miguel Arcanjo príncipe da igreja defendei-nos no combate pelo direito e pela justiça”, consta de uma extensa programação, na matriz, localizada na Rua Jarbas Passarinho, bairro do Una. A visita da imagem peregrina de São Miguel Arcanjo à Basílica San-

tuário de Nossa Senhora de Nazaré, ocorrida na terça-feira, dia 3, compreendeu a programação da festividade. Segundo o pároco, padre Moacir Robledo, o tema escolhido faz referencia ao tema da Campanha da Fraternidade deste ano. “Em vista à realidade em que o país vive, com altos índices de violência, estamos recorrendo à ajuda divina, com a intercessão de São Miguel Arcanjo”, disse o padre. Durante o período da festividade haverá Terço da Alvorada, às 6h, e Santa Missa, às 19h30, exceto no dia 22, dia da sexta edição do Círio

de São Miguel Arcanjo. Neste dia, às 7h, haverá a missa de abertura do Círio, presidida por Dom Irineu Roman, um dos bispos auxiliares de Belém, na Matriz da Paróquia de Cristo Peregrino, localizada no Conjunto Jaderlândia 1, Rua União, bairro Atalaia. A chegada da procissão à matriz, prevista para às 10h30, será marcada com Santa Missa. No dia 29, Dia da Festa Litúrgica de São Miguel Arcanjo, encerramento da festividade, haverá celebrações de Santa Missa às 8h, 12h, 15h e às 19h30. A Santa Missa das 15h, do dia 29, denominada

de Exorcismos de São Miguel, presidida pelo padre Moacir Robledo e auxiliada pelo diácono Nilson Lima. A programação cultural ocorre durante todos os dias da festividade, no salão anexo à matriz, com apresentações musicais e vendas de comidas típicas. HISTÓRICO

Área Missionária do Perpétuo Socorro inicia peregrinações de NOSSA SENHORA Na segunda-feira, 2, uma celebração eucarística na comunidade São Judas Tadeu, uma das que integra a Área Missionária Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Marituba, presidida por Dom Antônio de Assis Ribeiro, um dos bispos auxiliares de Belém, e concelebrada por sacerdotes convidados, deu início às peregrinações com a imagem de Nossa Senhora de Nazaré.

A celebração ocorreu para entrega de nove kits de peregrinação doados pela Diretoria da Festa de Nazaré. As imagens, cartazes e livros de peregrinação foram distribuídos entre as comunidades que compõem a área missionária, sendo elas: Perpétuo Socorro (sede), São Judas Tadeu, Nossa Senhora Auxiliadora, Mãe Rainha, São Vicente de Paulo, São

Francisco de Assis, Nossa Senhora das Graças e Santo Antônio. Todas elas realizarão os encontros de peregrinação. A homilia foi proferida pelo padre Ederaldo da Mata, pároco da Paróquia Menino Deus, em Marituba, e vizinha da área missionária. O sacerdote destacou aos presentes a necessidade da união de todos envolvidos para o fortalecimento das comunida-


10

EM NAZARÉ

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

FABRÍCIO COLENY

NAZARÉ EM DESTAQUE

CÍRIO 2019: Estão abertas as inscrições para Carro dos Anjos INSCRIÇÕES pelos pais ou responsáveis até o dia 28

I

niciaram nesta segunda-feira, dia 02, as inscrições para as crianças que estarão nos Carros dos Anjos durante o Círio 2019. O cadastro é necessário para garantir a segurança durante a procissão. Dos 13 carros que fazem parte do cortejo,

quatro são exclusivos às crianças vestidas de anjos, que geralmente são fruto de promessas feitas pelos pais ou responsáveis. Cada carro acomoda cerca de 50 crianças (totalizando 200 vagas) que são devidamente identificadas por um crachá emitido pela or-

ganização. Ao longo do percurso, voluntários distribuem água e lanche aos devotose atuam com todos os cuidados necessários para com os pequenos. As inscrições poderão ser feitas pelos pais ou responsáveis até o dia 28 de setembro ou enquan-

n CARROS de anjos que fazem parte do cortejo

to houver vagas, em um balcão posicionado no corredor lateral da Basílica Santuário, de segunda a sexta, no horário das 8h30 às 12h. Para

efetuar a inscrição é preciso apresentar cópia dos seguintes documentos: certidão de nascimento da criança, RG e CPF dos pais ou responsáveis,

além do comprovante de residência e de um número de contato atualizado. Podem participar crianças entre quatro e nove anos de idade.

Montagem do Arraial de Nazaré inicia dia 10 de setembro Está previsto para o dia 10 de setembro o início da montagem do tradicional Arraial de Nazaré, instalado no estacionamento da Basílica Santuário. Segundo o engenheiro Alexandre Chaves, da Diretoria de Arraial e Arrecadação do Círio, já no dia primeiro de setembro começaram a chegar algumas carretas com brinquedos do parque. “Para esse ano, nós

teremos uma mudança na estrutura física do espaço onde fica o arraial, com a ampliação da área coberta, para dar mais conforto às pessoas”, afirma Alexandre. Quanto aos brinquedos do ITA Center Park, como novidade, Alexandre conta que deve vir uma roda gigante maior do que a observada nos anos anteriores, sendo uma das três maiores do Brasil. “Além disso, devem es-

tar chegando também brinquedos de tecnologia avançada que prometem conquistar pessoas de todas as idades”, fala. No espaço do arraial, além dos brinquedos, também serão montados os estandes para comercialização dos mais diversos produtos, em especial artesanatos, artigos religiosos, bijuterias, comidas típicas e os tradicionais brinquedos de miriti. ALINE ANDRADE

n ARRAIAL receberá a terceira maior roda gigante do Brasil

Movimento da Juventude Nazarena promoverá retiro ESPIRITUAL Estão abertas as inscrições para o XIII Experimente que acontecerá nos dias 13,14 e 15 de setembro, no Seminário Mãe da Divina Providência, localizado no município de Benevides. Nesta edição, o evento, que é organizado pelo Movimento da Juventude Nazarena (Mojuvena), terá como tema “Onde está a tua felicidade? Vou indicar-vos o caminho (1Cor. 21,21)” Os interessados podem solicitar a ficha de cadastro pelo telefone (91) 98243-7393/980186843. No ato da inscrição, devem efetuar o pagamento do valor de R$50.


ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

A CELEBRAÇÃO

11

FOTOS: DIVULGAÇÃO

dos 322 anos do círio da Vigia N A DEVOÇÃO mais antiga no Estado do Pará

o segundo domingo de setembro acontece a devoção mais antiga a Nossa Senhora de Nazaré no Estado do Pará: o Círio de Vigia, nordeste paraense. A tradição mantida há 322 anos pela Igreja local traz o tema “Maria, modelo da Igreja que se aproxima, escuta e ilumina” inspirado na carta pastoral de Dom Carlos Verzeletti, Bispo de Castanhal (PA). A carta pastoral de Dom Carlos apresenta a temática “Uma Igreja que se aproxima, escuta, ilumina, as famílias, os jovens, as periferias”. “Nosso tema se baseia na carta que esta por sua vez inspira-se na passagem do Evangelho de São

Lucas. O trecho fala da experiência dos discípulos em Emaús (Lucas 24, 13-35) em que Jesus se fez presente. A partir desse momento queremos destacar a figura de Maria como modelo dessa atitude de aproximar-se, de escutar e de iluminar. Ela mostra-nos esta necessidade de estar próximo do outro, escutar as pessoas e iluminá-las com o Evangelho. Devemos ser essa Igreja em saída”. Sobre a tradição tricentenária em Vigia de Nazaré, padre Carlos destaca, ainda, a grande alegria de promover a manutenção ano após ano da devoção à padroeira da Amazônia: “Nós temos um grande zelo pela continuidade

desta devoção na região. Buscamos suscitar sempre, através de Maria, o compromisso de anunciar Cristo”. PROGRAMAÇÃO

A programação oficial iniciou na última quinta-feira, 5, com o encerramento das peregrinações. Nesta sexta-feira, 6, haverá, às 18h, Procissão Rodoviária com saída da Matriz e percurso até o Porto Salvo. Na manhã do dia 7, sábado, será realizada, após Santa Missa às 6h30, a Romaria Fluvial com saída do Porto Salvo em direção ao Trapiche Municipal, em seguida, às 11h, Moto Romaria. Ainda no sábado, após

n IGREJA MATRIZ de Nossa Senhora de Nazaré, na Vigia, local de

chegada da grande procissão do Círio da Vigia

nova Santa Missa às 18h na Igreja Matriz, Trasladação com a imagem de Nossa Senhora de Nazaré até a Comunidade de São Sebastião. No domingo, 8, a partir das 6h, Santa Missa, presidida pelo Frei José Nazareno de Sousa Santos, na Comunidade de São Sebastião de saída do Círio em direção a Matriz. A celebração eucarística será televisionada ao vivo pela Rede Nazaré de Televisão. Outros momentos

constarão ainda neste programa da Festa em Vigia: Círio das Crianças; Romaria nas escolas, novenas e terços, além dos noitários. A programação estende-se até o recírio, na segunda-feira, 23 de setembro, com santa missa e procissão. CÍRIO MAIS ANTIGO

Anterior ao Círio de Belém, a devoção a Nossa Senhora chegou à Vigia, vinda de Portugal, no século XVIII. O documento mais importante,

citado pelo padre Serafim Leite (historiador da Companhia de Jesus). Com certeza, a devoção à Santa chegou à Vigia antes mesmo dos Jesuítas e, certamente, isto aconteceu no início de sua colonização através de Dom Jorge Gomes d’ Alamo (1616-1653), procedente da província de Algarve (Portugal), onde já se cultuava a Virgem de Nazaré. Vigia ganhava uma igreja de romeiros, a atual matriz.

Santa Teresa de CALCUTÁ recebe homenagens Em 05 de setembro a Igreja celebra a memória de Santa Teresa de Calcutá, padroeira dos pobres e dos incapacitados. Em Icoaraci, distrito de Belém, a santa, recebe homenagens em virtude da festividade promovida pela Matriz da Paróquia de Santa Teresa de Calcutá desde o início do mês, com encerramento neste domingo, dia 8. A festividade consta de programação religiosa e cultural, na matriz localizada na Rua 17 de Abril, no Conjunto Eduardo Angelim II, Parque Guajará, em Icoaraci distrito de Belém. A primeira edição da festividade ocorre com a temática “Venha, seja minha luz”. Segundo o padre Paulo João Ribei-

ro, pároco da paróquia o tema visa proporcionar aos paroquianos que eles venham a ser luz no mundo como madre Teresa, brilhar no meio das trevas, fazer a diferenças no meio dos pobres. Em preparação à festa religiosa foi realizado peregrinações nos lares da área paroquial, assim como, na noite do último sábado, dia 31 de agosto, véspera da abertura da festividade foi realizada vigília, sendo concluída na manhã de domingo, dia 1º de setembro, ocasião da abertura de festividade. As missas diárias, às 19h, serão presididas por padres convidados. Na quinta-feira, dia 5, Solenidade de Santa Teresa de Calcutá, o Arcebispo Metropolitano

de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, preside a Santa Missa. Na sexta-feira, dia 6, cônego Roberto Cavalli preside a Santa Missa. No sábado, dia 7, padre Gelcimar Santos. No domingo, dia 8, encerramento da festividade haverá duas celebrações. Pela manhã, às 8h, padre Ulisses Albuquerque, preside a Santa Missa. Neste dia, às 17h30, haverá procissão com a imagem de Santa Teresa de Calcutá, com saída do Posto de Saúde situado na Rua 17 de abril. A procissão percorrerá algumas ruas do bairro rumo à matriz. À noite, às 19h, a missa terá a presidência do padre Paulo João Ribeiro. A programação cultural ocorre sempre após

n MATRIZ da Paróquia de Santa Teresa de Calcutá, localizada no

Conjunto Eduardo Angelim II, Parque Guajará, em Icoaraci

a celebração da Santa Missa, no espaço anexo a matriz, com vendas de comidas típicas e apresentações musicais. Os fiéis da área paroquial têm mais entusiasmo de vivenciar este período, porque em janeiro de 2019, pelo Arcebispo Metropolitano de Belém foi criada a Matriz da Paróquia de Santa Teresa de Calcutá. Atualmente, as comunidades, Santa Luzia, Santa Rita de

Cássia, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Santo Antônio do Grêmio e São João Paulo II, pertencem a matriz. A padroeira é celebrada dia, 05 de setembro, e o pároco é o padre Paulo João Fernandes Ribeiro. BIOGRAFIA

Madre Teresa de Calcutá nasceu em Skopje, na Macedônia, em agosto de 1910. Cedo descobriu sua vocação religio-

sa. Com 18 anos entrou para a Casa das Imãs de Nossa Senhora do Loreto. Fundou a Congregação Missionária da Caridade e dedicou-se aos pobres. Em 1979 recebeu o Prêmio Nobel da Paz. Madre Teresa faleceu no dia 5 de setembro de 1997, aos 89 anos de idade. Em 2003, foi beatificada pelo Papa João Paulo II e em 2016 canonizada, pelo Papa Francisco.


12

FUNDAÇÃO NAZARÉ

BELÉM, DE 6 A 12 DE SETEMBRO DE 2019

FOTOS: LUIZ ESTUMANO

FAMÍLIA NAZARÉ

“EM FAMÍLIA” Fortalecendo a obra da evangelização "MEU SONHO é fazer parte da Família Nazaré"

N

a sexta-feira, 30 de agosto, a Rede Nazaré diretamente de seu estúdio exibiu mais uma edição, a segunda deste ano, do programa especial “Em Família”, com apresentação de Elyvane Barbosa e padre Wagner Maria. Por agosto ser considerado o mês vocacional, o programa teve como temática as vocações e contou com diversas atrações focadas nas vocações sacerdotais, vida religiosa consagrada, matrimoniais e leigas. Realizado há quase dois anos, o programa especial, com promoção da Fundação Nazaré, objetiva proporcionar uma manhã festiva aos seus benfeitores que contribuem na obra de evangelização da Arquidiocese de Belém. O programa busca, também, mostrar àqueles que desejam conhecer de forma mais próxima o trabalho e os bastidores do serviço feito pela Instituição. Na ocasião a Fundação Nazaré abre suas portas abertas para os

sócios evangelizadores da Família Nazaré e os acolhe carinhosamente como sinal da sua importante contribuição. Dessa forma foi recebida Maria de Nazaré Miranda, 71 anos, freqüentadora da comunidade Santa Izabel da Hungria, pertencente à Paróquia de São Francisco de Assis. A vontade de conhecer as instalações era antiga, como conta a benfeitora que há cinco anos fez uma promessa a Nossa Senhora para ter condições de contribuir com os meios de comunicação arquidiocesanos: “Desde os meus 60 anos que queria ser doadora. Aguardei minha aposentadoria por idade que seria aos 65, mas só consegui no ano seguinte. Foi Nossa Senhora que me trouxe e hoje estou conhecendo essa linda obra”.

do padre Leonardo Bonze, pároco de Santa Rosa de Lima, em Benevides. O sacerdote destacou a importância dos meios de comunicação para a evangelização da região: “Sempre tivemos uma abertura muito grande com a Fundação gosto muito dessa relação com os meios de comunicação para alcançarmos mais pessoas com mensagens positivas ou com eventos que agreguem e dão sentido. Vejo que precisamos disso para vida da nossa Igreja. Quando você devolve em contribuição e faz parte dessa família você está

n APRESENTADORES DO PROGRAMA com membros da Infância e Adolescência Missionária, entre outros convidados

construindo e edificando o reino e ajudando mais pessoas a serem alcançadas pela verdade.” Eliane Lourenço, consagrada da Comunidade Mar a Dentro, que destacou a formação proporcionada pelos meios de comunicação, informando a verdade . Participaram ainda membros da Infância e Adolescência Missionária, Pastoral Familiar, Irmãs Missionárias da Santíssima Trindade e Encontro de Casais com Cristo. Nesta edição houve sorteio de uma Imagem de Nossa Senhora

de Nazaré que saiu para o benfeitor Carlos Paulo da Conceição. A programação concluiu com adoração ao Santíssimo Sacramento, conduzida pelo padre Leonardo. REDES SOCIAIS

A repercussão do especial do último dia 30 foi enorme. Transmitido pela Rede Nazaré de Televisão e Rádio Nazaré, a manhã foi acompanhada também pelo Portal Nazaré e pela página no Facebook. Da Comunidade de Nossa Senhora da Conceição do Itapecuru, no Baixo Acará, Valmir

Souza foi um dos que se manifestou nas redes sociais: “É muito bom poder acompanhar todas as programações da Fundação Nazaré de Comunicação. Um dia eu ainda vou ser um colaborador, meu sonho é fazer parte da Família Nazaré e Nossa Senhora vai interceder por mim, eu tenho fé.” Junto dele estava Padre Gelcimar Santos, pároco na Divina Misericórdia, em Icoaraci que elogiou a programação: “Magnífico programa. Que Deus abençoe a todos neste santo trabalho!”.

EM FAMÍLIA

A programação contou com atração musical da Banda Seráfico e diversas entrevistas como

n PROGRAMAÇÃO contou com atração musical da Banda Seráfico

n SÓCIA EVANGELIZADORA Maria de Nazaré, da Paróquia de São Francisco de Assis

NOSSOS ANIVERSARIANTES 06/09 Antônia Maria Alvez Pereira Geocleia Gouveia de Morais Cardoso Lídia Suely Lago de Araújo Maria do Carmo Silva Neide Barbosa Brabo Nilma de Nazaré de Souza Ferreira Terezinha Costa da Silva Vitória do Socorro Santos Negrão 07/09 Domingos Pinheiro da Costa Lourdes Sena Alho Márcia Santiago Maria Alice da Costa Silva Maria das Graças Souza Uchôa Roberto Teixeira de Oliveira Rosana Souza Leão Sônia Ohana Dax Oliveira Farias Terezinha de Kós Miranda 08/09 Eurídice Moura da Silva Ivanusa do Socorro de Souza José Evaldo de Souza Vaz

FOTOS: LUIZ ESTUMANO

Maria da Conceição Mergulhão de Amorim Maria da Natividade do Nascimento Silva Maria das Graças Silva dos Reis Maria de Nazaré Souza Pereira Veríssima Nazaré Santos dos Santos 09/09 Alfredo Augusto Guimarães Bastos Cleire Missilene de Brito Alves Jamile Cristina Pinheiro de Assunção João Adalberto Feio Leão e família Josiane Silva dos Santos Leandro Soares Márcia Miranda Pinheiro Maria das Graças Siqueira Nunes Maria de Nazaré Piedade Palheta Maria do Carmo Rodrigues do Nascimento Pedro Silva Ribeiro Neto Raimunda Padilha de Souza Rondinelly Fagner dos Santos Costa Sérgio Ferreira Monteiro 10/09 Alcides Gama das Neves Aldeíde Borges da Silva

Alessandra Maria Pontes dos Santos Cleice Maria Rodrigues Lima Délcio Cruz Inês Maria Bastos Rodrigues Leonor Zamith Braga Teixeira Marcos Valério Lima Reis Maria Beata Pereira da Silva Maria de Freitas Freire Maria José Bassalo Crispino Marina Cardoso Ferreira Vera Lúcia Seabra Ribeiro 11/09 Anna Maria do Espírito Santo Casal Francisco Carlos da Silva e Lídia Maria do Socorro Eduardo Gonçalves Pereira Júnior Lílian Cristina Vieira dos Santos Olinda de Jesus Pedro da Silva Sena Raimundo Osmar da Silva M.Júnior Rita do Socorro Silva Santos Teodoro Tavares Coelho 12/09

Antônio Márcio Crepaldi Darcila Garçon Batista Denise Rodrigues do Nascimento Dirce Pessoa de Oliveira Fátima Polaro Franco Iolete Santana T. Marques Ione Maria de Souza Nóbrega Jaime Farias de Leão e família

Joaquim João - Clínica Corpo e Saúde Lourivaldo Modesto Maria Altina da Silva Maria Raimunda G.Albuquerque Sandra Helena Navarro Guerreiro Tamar Carrera Palmeira Teixeira Valmira Alves da Silva

n NATALÍCIO DE PADRES E DIÁCONOS 07/09 - Diác. Raimundo Nonato Santos 09/09 - Pe. Benedito Lopes de Campos 09/09 - Pe. Everson Vianna Corrêa 10/09 - Pe. Carlos Manuel Machado Pedro (Irmão João) 10/09 - Diác. Manoel Jerônimo Brito dos Santos n ORDENAÇÃO DE PADRES E DIÁCONOS 08/09 - Pe. Evandro Luiz Fonseca Araújo 09/09 - Pe. Marco Sora

Profile for Fundação Nazaré de Comunicação

Voz de Nazaré  

Edição de 6 a 12 de setembro de 2019.

Voz de Nazaré  

Edição de 6 a 12 de setembro de 2019.

Advertisement