Voz de Nazaré

Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

ANO CV - Nº 935 - PREÇO AVULSO: R$1,00

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

www.fundacaonazare.com.br

Paróquia João Paulo II tem NOVO pároco A alegria marcou a posse do padre Manoel Abraão Pinto durante a Santa Missa presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, no dia 24 de junho. Ele assumiu a Paróquia São João Paulo II, no Curió Utinga. CADERNO 2, PÁGINA 1. LUIZ ESTUMANO

n PADRE MANUEL tomou posse como pároco da Paróquia São João Paulo II durante Missa presidida pelo Arcebispo Dom Alberto

MISSAS no mês de julho Tradicional mês das férias começam a receber visitantes. escolares, julho será diferente Igrejas locais da Arquidiocese de este ano devido à pandemia da Belém prepara programação. covid-19, porém, os balneários CADERNO 2, PÁGINA 6 LUIZ ESTUMANO

JORNAL: Voz de Nazaré há 107 anos

CELEBRAÇÃO da missão

DOM IRINEU recebe pálio

Dom Alberto Taveira Corrêa celebra 29 anos de Ordenação Episcopal. CADERNO 2, PÁGINA 5

Arcebispo de Santarém recebe o Pálio Arquiepiscopal abençoado pelo Papa Francisco. CAD. 2, PÁG. 5

n PARÓQUIA de Santa Bárbara, uma das igrejas, aguarda fiéis


2

OPINIÃO

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

F

iquei comovido, profundamente comovido, quando, há alguns passei em frente à Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, perto do final da tarde, e vi uma fila que, como se diz por aqui, dobrava quarteirão. Era tanta gente, tanta gente, que, num primeiro momento, pensei tratar-se de distribuição de algum tipo de bônus. Não era nada disso. Era a fila de pessoas esperando a hora da missa. Com tantas restrições sanitárias, muita

JOÃO CARLOS PEREIRA Jornalista e professor (jcparis1959@gmail.com)

PRIVILÉGIO DE SER CATÓLICO

A fila para reencontrar Jesus na Eucaristia gente, como eu, que pertenço a dois grupos de risco, ainda se sente insegura de colocar os pés na rua e, sobretudo, de ir à Igreja. Todo cuidado é pouco e as pessoas entendem isso. Pela televisão, vejo cada um sentado na pontinha do banco. Uma fila sim, outra

N

ão é suficiente estar na graça de Deus para podermos dizer que já temos a presença de Jesus entre nós. Também não é suficiente amar o próximo para se ter Jesus no meio de nós. Pode acontecer, sim, que uma pessoa viva na graça de Deus, viva o amor ao próximo e, ainda assim, não se tem as condições para que a presença de Jesus possa realizar-se. Explicando melhor: a presença de Jesus é uma graça que se manifesta. E os requisitos necessários são: estar completamente desapegado de tudo, aman-

missa presencial, que não se importaram de ficar pelo menos uma hora em pé, debaixo de sol, ou sob ameaça de chuva, para rever Nosso Senhor. Essa disposição humana em busca do transcendente tão real e verdadeiro, que pode até ser tocado com

não. Gente que não teme e confia. Gente que vai à missa. A fila diante do templo me impressionou e emocionou porque vi nela o povo de Deus sequioso, ansioso, necessitado pelo contato próximo com o Senhor na Eucaristia. Eram criaturas saudosas da

as mãos, é a maior necessidade de caminhos em direção à luz. Desde que começou o isolamento, não perdi uma missa sequer e me aproximei ainda mais do altar virtual da minha fé. A comunhão se dá de maneira espiritual, mas ela é de tal modo completa,

PE. HELIO FRONCZAK heliofronczak@gmail.com

ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU ...

As condições para a presença de Jesus entre nós do os outros, amando a vontade de Deus no momento presente. Pa r a c o l o c a r J e sus no meio de nós, é preciso estar pronto a morrer por todos, p o rq u e “ n i n g u é m tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos”. E morrer tanto materialmente como espiritualmente, isto é, pronto a perder as

próprias ideias, a deixar de lado também as próprias inspirações. Geralmente, o que dificulta esta vivência no amor até “dar a vida” são as ideias, pois cada um tem sua cabeça para raciocinar e não é tão simples desapegarnos das nossas ideias. Nem sempre sabemos doar nossa ideia, nosso ponto de vista, como um ato de amor, isto é,

com desapego e prontos a perder tal ideia. Amar “como” Jesus amou não é sentimentalismo, mas “sacrifício constante de todo o próprio eu para viver a vida do irmão”. Como foi que Jesus nos amou? Qual foi a medida do seu amor por nós? A morte na cruz. Temos que estar prontos a morrer uns pelos outros: “Ninguém tem

maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos”. Este “modus vivendi”, isto é, estar sempre prontos a amar cada próximo é fundamental para criar as condições para que a graça de Jesus no meio entre nós possa acontecer. E se Jesus está entre nós, Ele nos ilumina, sobre o que precisa ser feito de concreto

que sinto meu Jesus habitar meu coração. Não é o medo de morrer que leva as pessoas ao encontro do Senhor, mais a saudade de sua casa. É a certeza de que, ao morrer, – porque esse é o destino de todos nós, queiramos ou não, temamos ou não – seremos levados ao encontro com o Criador. Aqui apenas se faz um estágio, uma preparação, um aquecimento para a vida que não termina. E com a qual nem o corona vírus pode. em cada situação; Ele nos dá um novo ardor missionário, uma nova força para continuar na caminhada. Viver com Jesus no meio é uma realidade dinâmica: exige um esforço contínuo. É necessário que, momento por momento, cada um esteja completamente projetado para “fora de si mesmo”, no amor a Deus e – Nele – no amor aos outros. E se isto não ocorrer? O que fazer, então, para remediar e voltar à plena comunhão com os irmãos, na qual Cristo se manifesta? É o que vamos considerar na próxima semana.

Criada a CONFERÊNCIA Eclesial da Amazônia

C

om informações Vatican News. Em um comunicado oficial da Assembleia do Projeto de constituição da Conferência Eclesial da Amazônia, após dois dias de deliberações, o anúncio da criação do organismo. O comunicado, que tem data de 29 de junho de 2020, Solenidade de São Pedro e São Paulo é assinado por dom Miguel Cabrejos Vidarte, Presidente do CELAM e pelo cardeal Cláudio Hummes, OFM, Presidente da REPAM. Dom Cláudio foi eleito presidente da Conferência Eclesial da Amazônia. ÍNTEGRA DO COMUNICADO A proposta dos Padres sinodais de “criar um organismo episcopal que promova a sinodalidade entre as Igrejas da região, que ajude a delinear o rosto amazônica desta Igreja e que continue a tarefa de encontrar novos caminhos para a missão evangelizadora” (DF, 115), e o pedido do Papa Francisco, unido a seus quatro sonhos para este território e para toda a Igreja, em sua exortação pós-sinodal Querida Amazônia, “que os pastores, os

consagrados, as consagradas e os fiéis leigos da Amazônia se empenhem na sua aplicação (QA, 4) encontrou uma resposta na Assembleia do Projeto de Constituição da Conferência Eclesial da Amazônia, realizada virtualmente nos dias 26 e 29 de junho de 2020. Esta Assembleia, realizada de forma sem precedentes através de canais digitais, foi uma novidade do Espírito, e faz parte deste Kairós esperançoso que continua o caminho sinodal para abrir novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral na região PanAmazônica. É um sinal muito especial que o nascimento desta Conferência Eclesial da Amazônia acontece na festa de São Pedro e São Paulo, como gesto de sua vocação para afirmar a identidade da Igreja, e de sua opção profética e em saída missionária que surge como um chamado inevitável para o tempo presente. Esta festividade de nossa Igreja é também um gesto de agradecimento pelo serviço do Santo Padre, por isso consideramos que o nascimento desta Conferência Eclesial como um signo de

Fundado em 5 de julho de 1913 FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita

ARQUIDIOCESE DE BELÉM-PARÁ

PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

esperança juntamente com o Magistério do Papa Francisco, que acompanhou de perto todo este processo. A composição desta Assembleia reflete a unidade na diversidade de nossa Igreja e seu chamado a uma sinodalidade cada vez maior; unidade expressada também pela inestimável presença e companhia permanente de importantes membros da Santa Sé que sentem a proximidade e relação direta com o Sínodo da Amazônia e com a missão da Igreja neste território, que sem dúvida continuará a partir de suas respectivas instâncias para auxiliar estes novos caminhos. A votação do nome, após um profundo discernimento nesta fase do processo: Conferência Eclesial da Amazônia, e da sua identidade, composição e modo geral de funcionamento (estatuto), foi aprovada por unanimidade, em ambos os casos, pelos membros votantes. Da mesma forma, com muita esperança e alegria compartilhamos a eleição do Card. Claudio Hummes, OFM (Brasil) como seu presidente; de Mons. David Martínez de Aguirre, OP (Peru), como seu

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior DIRETOR ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marcos Aurélio de Oliveira DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves da Silva DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Kleber Costa Vieira

DIVULGAÇÃO

n CARDEAL Claudio Hummes, foi eleito presidente

vice-presidente; e, por outro lado, para o Comitê Executivo foi eleito Mons. Eugenio Coter (Bolívia), como bispo representante das Conferências Episcopais do território amazônico, junto com as presidências dos órgãos eclesiais regionais que acompanharão este processo de forma orgânica: CELAM, REPAM, CLAR e CÁRITAS ALyC; junto com os 3 representantes dos povos originais designados: Sra. Patricia Gualinga do povo Kichwa-Sarayaku (Equador); Ir Laura Vicuña Pereira do povo Kariri (Brasil); e Sr. Delio Siticonatzi do povo Asháninka (Peru). Nestes tempos difíceis e excepcionais para a humanidade, quando a pandemia do coronavírus afeta fortemente

COORDENAÇÃO Bernadete Costa (DRT 1326) CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Alan Monteiro da Silva EDITORAÇÃO ELETRÔNICA/DIAGRAMAÇÃO Greison Dias Carvalho Assinaturas, distribuição, administração e redação Av. Gov. José Malcher, Ed. Paulo VI, 915 CEP: 66055-260

a região Pan-Amazônica, e as realidades de violência, exclusão e morte contra o bioma e os povos que o habitam, clamam por uma conversão integral urgente e iminente, a Conferência Eclesial da Amazônia quer ser uma boa notícia e uma resposta oportuna aos gritos dos pobres e da irmã mãe Terra, bem como um canal eficaz para assumir, a partir do território, muitas das propostas surgidas na Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica, realizada em outubro de 2019, sendo também um vínculo que anime outras redes e iniciativas eclesiais e socioambientais em nível continental e internacional (cf. DF, 115).

- Nazaré, Belém - PA Tel.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


ARCEBISPO

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

3

Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

"O

que ouviram lhes tocou o c o r a ç ã o e p e rg u n taram a Pedro e aos outros apóstolos: ‘Irmãos, que devemos fazer?’ Pedro respondeu: ‘Convertei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos vossos pecados. E recebereis o dom do Espírito Santo” (At 2,37-38). Desde o primeiro anúncio do Querigma esta pergunta se repete, no correr dos séculos, diante da força da Palavra de Deus e dos acontecimentos. E estes oferecem verdadeiros enigmas, como as inesperadas e inexplicáveis situações em que se encontra a humanidade, no quadro atual da história. Não vamos responder com a imaginação dos au-

Decidir-se a seguir Jesus é para nós caminho, verdade e vida. Também nos dias que correm, só nele se encontra salvação tores de livros ou filmes, cuja linguagem mais ou menos apocalíptica traz verdadeiro pavor a tantas pessoas. Não seremos também os pessimistas de plantão, vendo tão somente o que existe de negativo nas intenções e ações de pessoas e grupos. Por outro lado, não queremos permanecer ingênuos diante dos problemas. Desejamos debruçarnos à escuta da Palavra de Deus, prontos a discernir o que é ne-

CONVERSA COM MEU POVO cessário pensar e fazer em cada momento presente, diante de todos os desafios. Nossa bússola, no meio de todas as tormentas, é a Palavra do Evangelho. Jesus havia se referido a algumas cidades da Galileia de forma contundente (Cf. Mt 11,20-24), cuja recusa frente ao anúncio do Reino de Deus tinha sido notória. Diante da soberba e da arrogância das cidades amaldiçoadas, Jesus toma posição forte e firme. E durante a história da humanidade, não foram poucas as sociedades e nações que s e a l ç a r a m p re p o tentes, pretendendo o domínio de tudo e de todos, e todas elas se deixaram amaldiçoar por dentro, por seu próprio egoísmo! Continuamos assistindo construções de sistemas de vida que fatalmente vão entrar em crise profunda! E o clima desafiador que envolve, no momento, toda a humanidade, gerado por um ameaçador “bichinho invisível” já está suscitando, em muitas pessoas de bom senso, um sadio questionamento a respeito dos princípios e práticas que dominam a organização da sociedade. Esperamos que alguma lição venha a ser aproveitada. Daí se entende a exaltação do humilde e do simples, feita por Jesus, com a coragem para andar contra a correnteza, começando com uma oração: “Naquela ocasião, Jesus pronunciou estas palavras: ‘Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e

Que devemos FAZER?

DIVULGAÇÃO

aquele a quem o Filho o quiser revelar. Vinde a mim, todos vós que estais cansados e carregados de fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e sede discípulos meus, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vós. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mt 11,25-30). A oração de Jesus é o l o u v o r a o Pa i . Oração não é em primeiro lugar peditório, mas abertura de alma, e ela começa com o engrandecimento daquele a quem se dirige. Além disso, a oração é a linguagem própria da vida da Santíssima Trindade, Pai e Filho e Espírito Santo. Deus é simples, Deus é tão grande que se faz pequeno. Deus é amor! Com Deus não se negocia a preço algum, pois nele e com ele tudo é gratuidade, tudo é dom. E aqui está uma lição inestimável! A abertura de quem doa tudo e não guarda nada para si. Desde toda a eternidade e pelos séculos afora, Deus é entrega e doação! Quem pode entende-lo são os simples e os pequeninos, quem sabe se encantar, bri-

lho nos olhos, com as magníficas descobertas que faz. Quantos de nós aprenderam o que é a vida com os olhos das crianças, sua ingenuidade e espontaneidade. Quantas são as experiências que fazemos ao ver jovens e adultos que se transformam pela força do Evangelho, e a Igreja aprende muito vendo drogados que se recuperam! Pa re c e m c r i a n ç a s , simples e pequenos que se fazem, apenas por ouvir e praticar a Palavra de Deus! Quem consegue abrir os olhos descobre que tudo isso só pode ser entendido e recebido como dom! Não se trata em primeiro lugar de uma conquista pessoal, mas de descoberta, a que se segue depois a luta, que vem como consequência. O conhecimento do Pai e do Filho só pode ser entendido por quem se abre à eterna poesia da revelação de Deus. Neste ambiente de gratuidade é que se pode entender o chamado de Jesus: Vinde a mim, vós que estais sobrecarregados e cansados, e eu vos aliviarei. Não há limites para este entrega! As coisas de Deus só podem ser entendi-

das começando pelo coração. Depois vem a cabeça, os raciocínios, mas primeiro deve vir a gratuidade, a liberdade do encontro com Deus! E o Senhor nos envolve com laços de amor, como a experiência narrada na profecia de Oséias: “Eu os lacei com laços de amizade, eu os amarre i c o m c o rd a s d e amor; fazia com eles como quem pega uma criança ao colo e a traz até junto ao rosto” (Os 11,4). Só depois o Senhor, numa santa esperteza, faz o convite, sem dúvida exigente: “Tomai sobre vós o meu jugo e sede discípulos meus, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vós. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mt 11,29-30). É o outro lado da medalha, o envolvimento de nossa liberdade, aceitando carregar o fardo libertador do amor, a modo de Jesus! O que fazer? Acolher o convite do Senhor, aceitar a corajosa tarefa de ser diferentes para melhor, não em eventuais exageros ou fanatismos, mas na disposição para transformar cada passo e cada dia

em amor a Deus e ao próximo. Entretanto, é necessário ter uma boa dose de coragem, p o i s p o d e p a re c e r mais cômodo deixar a vida correr! Decidir-se a seguir Jesus é para nós caminho, verdade e vida. Também nos dias que correm, só nele se encontra salvação e sentido para a vida! É o que podemos e devemos fazer!

É o que podemos e devemos fazer!

Desejamos debruçarnos à escuta da Palavra de Deus, prontos a discernir o que é necessário pensar e fazer em cada momento


4

IGREJA

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

Grande TRIBUTO às vítimas da covid-19 no Brasil

CRISTO REDENTOR foi cenário do primeiro memorial recordando as vítimas do corona vírus

Q

uarta-feira, dia 1 de julho, uma missa em tributo às vítimas da Covid-19 foi celebrada no Cristo Redentor e transmitida para todo o Brasil. A Santa Missa teve como tema “Para Cada Vida”, e refletiu em forma de mensagens de solidariedade às famílias fortemente afetadas pelas perdas nesta pandemia, de gratidão aos trabalhadores e voluntários anônimos, assim como aos profissionais da saúde, e de esperança a todos os brasileiros. A celebração tomou como cenário uma das sete maravilhas do mundo, considerado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO – o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro – e foi transmitida ao vivo pelo Facebook e pelo YouTube da CNBB. Par-

ticiparam da organização do evento a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Cáritas Brasileira, com apoio do Verificado – iniciativa das Nações Unidas para combate à desinformação. A Missa teve a honra de contar com uma mensagem de solidariedade e uma benção do Papa Francisco, vibrando pela chegada de dias melhores, e também com uma mensagem de Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da CNBB. A cerimônia religiosa foi presidida pelo cardeal brasileiro Dom Orani João Tempesta. Em seguida, uma projeção impactante foi transmitida no Cristo Redentor, um dos maiores cartões-postais do mundo. A cantora Alcione encerrou a programação, contribuindo

para promover um momento de esperança, essencial em meio ao sentimento de fragilidade do cenário atual. Com a celebração, a CNBB, a Cáritas Brasileira e o Verificado procuraram proporcionar uma homenagem para cada vida, além de humanizar este momento crítico pelo qual o mundo está passando, dando luz às vidas perdidas, que tendem a serem apenas estatísticas devido ao alto número de óbitos diários. A celebração “Para Cada Vida” conta com o apoio do projeto Verificado, uma iniciativa global das Nações Unidas, que busca inundar os canais de comunicação com informações verificadas e transmitidas pela ONU envolvendo os temas de ciência, solidariedade e

soluções, combatendo assim, a infodemia de desinformações em meio a esta pandemia que assola o mundo. O projeto conta com a colaboração da Purpose, uma das maiores organizações de mobilização social do mundo, e com o apoio de articulação do NEXUS, movimento global que facilita espaços de encontro entre as novas gerações de filantropos, empreendedores sociais e investi-

dores de impacto. PROJETO VERIFICADO

Iniciativa global ONU com o objetivo de combater a infodemia de desinformação em meio à pandemia, compartilhar informações que salvam vidas e orientações baseadas em fatos e histórias do melhor da humanidade. O site Verificado traz uma galeria de in-

formações verificadas e transmitidas pelas Nações Unidas. Na busca de inundar os canais de comunicação, as mensagens são baseadas em três frentes: Ciência – para salvar vidas, Solidariedade – para promover cooperação local e global; e Soluções – para defender o apoio a populações impactadas. Acesse: www.compartilheverificado.com.br

No jubileu do órgão da Catedral de Belém IRMÃ MARÍLIA MENEZES Convinha celebrar, mesmo na pandemia, O JUBILEU da re-i-nau-gu-ra-ção do órgão da Catedral de Belém, com alegria, - maravilha que existe no Pará. Vibrar, entre organeiros e organistas, com este órgão, pensado e reformado, em gigantesco afã, de trabalhos e dor de muitos anos, qual obra de um titã! Chamemos Bach com seus corais! Chamemos Haendel – para ouvir Messias – Esplêndida polifonia! Vigários, Bispos de nossa Catedral –

todos vivos na Comunhão dos Santos. Leigos e leigas, tantos missionários, a ouvir Lírio Mimoso, Ave Maria, povo participando! Igreja da Amazônia e do universo, o louvor ecoando na terra, rios, florestas... tantos cantos e sons reverberando! A Rede Nazaré de Comunicação nos propicia notícia memorável e na Sé ou na Igreja nas casas vai levar, e nos faz escutar a opulência de sons - que enlevo inefável nos causa este Cavaillé-Coll tão grandioso! - é o órgão maior da América Latina, no século dezenove inaugurado, e por anos fechado.

PADRE ROMEU FERREIRA Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (romeufsilva@gmail.com)

Com esforço incansável, redobrado, nós o vemos, enfim, recuperado. E a força que vem do Sumo Bem repercute na Igreja de Belém e com Paulo José Campos de Melo - nosso grande organista paraense, nos vai fazer ouvir UM CANTO NOVO. Representa o povo, maestros e cantores, Pois, passado e presente estão AQUI: É Jubileu unido a mais um Jubileu – é outro LAUDATO SÌ. CANTEMOS AO SENHOR: LAUDATO SÌ!

LITURGIA

HOMILIA DOMINICAL A) Texto: Mt 11,25-30

Disse Jesus: 25“Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. 26Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 27Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. 28Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. 29Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. 30Pois o meu jugo é suave e meu fardo é leve. B) COMENTÁRIO

Jesus nos convida: “Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso” (v 28).

Ora, o caminhar sempre desprende energias e vem o desgaste como consequência. E se o caminho for percorrido com pesos ou cargas, torna-se muito mais árduo e difícil, ou seja, penoso. E quem é que não tem peso na caminhada da vida? Problemas dos mais variados matizes: inquietações; preocupações suas e dos seus? Quem?... Sempre é bom encontrar “um cireneu” para ajudar a levar a cruz diária, no itinerário da vida! Jesus o encontrou (Mt 27,32). E aqui, quando nos encaminhamos a ele, o próprio Jesus é o nosso cireneu, pois nos garante dizendo: “eu vos darei descanso” (v 28). O mais importante é que nos direcionemos a ele atendendo o seu convite: “Vinde a mim”. Aproximar-nos dele é a condição para experimentar o descanso! “Estar com Jesus” é a melhor terapia de qualquer “mal-estar”, e

serve como receita para o bem de todos. Jesus convoca, o mestre chama e envia; convida a uma aproximação de si. Há ocasiões em que Jesus convida a acompanhálo: “Vinde... e eu farei de vós pescadores de homens” (Mc 1,17), o convite é o de ir com ele ao destino previsto; ou mesmo deixa-lo para ir a outra parte em sendo apóstolos da missão, como o “de casa em casa” (Mt 10,1-16; Lc 10,1). Porém o mais curioso aqui é o ponto de chegada; o destino é a pessoa de Jesus: “Vinde a mim!”. Jesus faz o convite e está sempre esperando!... Somente chegando a ele, estando nele, é que poderemos nos capacitar para ir mais além, levando a paz a qualquer parte que nos cabe ir. Mas para ir com segurança, é necessário saber. Para saber, é indispensável apreender. E eis aqui o mestre que

se dispõe a ensinar gratuitamente: “aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso” (v 29). Para encontrar realmente “descanso”, serenidade, são requeridas as devidas condições: mansidão e humildade no amor, no coração. Devemos suplicar a Jesus que “o nosso coração seja semelhante ao seu!”. Um dia ele nos disse: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei”. No início da criação, Deus fez o ser humano “semelhante” a Ele (Gn 1,26); que amemos como Ele ama! É importante aprender o quê, e com quem. As pessoas aprendem muitas coisas na “internet”, nos celulares... Aprendem o que presta e o que não presta: o que desagrada ou desagrega. Jesus nos adverte e convida a aprender, pois tanto vales, quanto sabes.

n 3/07 - SEXTA Cor (vermelho) Primeira Leitura (Ef 2,19-22) Responsório (Sl 116) Evangelho (Jo 20,24-29) n 4/07 - SÁBADO Cor (verde) Primeira Leitura (Am 9,11-15) Responsório (Sl 84) Evangelho (Mt 9,14-17) n 5/07 - DOMINGO Cor (verde) Primeira Leitura (Zc 9,9-10) Responsório (Sl 144) Segunda Leitura (Rm 8,9.11-13) Evangelho (Mt 11,25-30) n 6/07 - SEGUNDA Cor (vermelho)

PrimeiraLeitura(Os2,16.17b-18.21-22) Responsório (Sl 144) Evangelho (Mt 9,18-26) n 7/07 - TERÇA Cor (verde) Primeira Leitura (Os 8,4-7.11-13) Salmo Responsorial (Sl 113B) Evangelho (Mt 9,32-38) n 8/07 - QUARTA Cor (verde) Primeira Leitura (Os 10,1-3.7-8.12) Responsório (Sl 104) Evangelho (Mt 10,1-7) n 9/07 - QUINTA Cor (branco) Primeira Leitura (Os 11,1-4.8c-9) Salmo Responsorial (Sl 79) Evangelho (Mt 10,7-15)


5 BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

SETORJUVENTUDE

DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

MUNDO JUVENIL E A FÉ CRISTÃ INTRODUÇÃO

A

A missão da Igreja é, essencialmente, comunicar o Evangelho a todos os povos, nos seus mais variados contextos e situações, para que se abram à fé e vivam de acordo com os valores do Reino de Deus. A comunicação do Evangelho acontece, antes de tudo, através de palavras, gestos e atitude de cada discípulo de Jesus Cristo. Não existe outra pregação mais forte do que o próprio testemunho. Mas em vista de maior eficiência na propagação da mensagem de Jesus Cristo, a Igreja não deve descartar o

Certo é que neste tempo de pandemia as redes sociais tornaram-se um abençoado instrumento chegando a milhões de pessoas o conforto... e a palavra de Deus uso dos mais variados instrumentos técnicos disponíveis em nosso tempo. A Igreja, com o Concílio Ecumênico Vaticano II, através do decreto “Inter mirifica”, manifestou a sua convicção sobre a importância do uso dos meios de comunicação social e das tecnologias a serviço da evangelização. Abrindo o documento, afirma o decreto que, dentre as maravilhas do gênio humano, está a comunicação! O uso dos meios de comunicação através das tecnologias “contribuem eficazmente para recriar e cultivar os espíritos e para programar propagar e afirmar o Reino de Deus” (IM,2). O interesse da Igreja pela comunicação social e, hoje através da internet, usando as mais variadas redes sociais e ferramentas digitais, é a promoção

EVANGELIZAR através das mídias digitais FRAME TV NAZARÉ

da evangelização. O Papa São João Paulo II afirmou que o primeiro areópago dos tempos modernos é o mundo das comunicações que está unificando a humanidade e transformando-a numa “aldeia global» (cf. Redemptoris Missio, 37)

1

As redes sociais na pandemia Se, por um lado, os mais variados meios de comunicação nesse tempo de pandemia tem nos assustado com exagerado tempo dado aos males e problemas, que muitas vezes nos influenciam negativamente, também é verdade que não poderíamos imaginar como estaríamos atualmente se não houvesse a rapidez, a liberdade e a transparência da comunicação por diferentes meios. As realidades humanas são sempre ambivalentes. Certo é que neste tempo de pandemia as redes sociais tornaram-se um abençoado instrumento pelo qual chega a milhões de pessoas o conforto, a amizade, a companhia, a solidariedade e a Palavra de Deus para alimentar a fé e a esperança. As comunidades virtuais se fortaleceram e, por causa do distanciamento social e do isolamento, milhões de pessoas se mantêm em comunhão e fieis em seu vínculo com a própria comunidade. A Igreja doméstica está se fortalecendo. Uma nova modalidade de encontros e presenças está se consolidando profundamente nesse tempo de pandemia através da virtualidade. Mas a Igreja não é uma comunidade virtual; é uma comunidade concreta de pessoas que sentem a necessidade do encontro interpessoal para a partilha da Palavra, o encontro solidário e as mais amplas formas de partilha de afeto. Jamais a virtualidade poderá substituir a presença. Todavia, o desejo dela pode ser alimentado também de longe infundindo nas pessoas a vontade de estarem juntas. Isso está acon-

n DOM ALBERTO E DOM ANTÔNIO na missa direto da residência episcopal, em transmissão ao vivo

tecendo! A virtualidade não tem a força suficiente para saciar a alma e o coração humano, mas em tempos tão delicados nos quais estamos vivendo, essa modalidade faz um grande bem. Mesmo se os corpos estão distantes, as mentes continuam em comunhão. É tempo de revalorizar a lição do velho ditado: “O que os olhos não vêm, o coração não sente”. Portanto, aquilo que continuamos a mostrar, aquece o coração dos fieis.

2

Evangelização na pandemia A pandemia de COVID-19, atingindo a totalidade das dimensões da vida da sociedade, está pressionando a Igreja a repensar a sua modalidade de evangelização e forma de presença na vida das pessoas. O fechamento dos templos não significou o estacionamento da evangelização, muito pelo contrário, está havendo na verdade, uma forte exploração de novos meios, formas, atividades e horários de evangelização. Graças à internet, com as mais variadas mídias digitais e explorando a modalidade virtual, neste tempo de pandemia a evangelização está assumindo outra roupagem, explorando nova linguagem, ampliando a oferta de serviços para alimentar a fé dos fiéis e atingindo fronteiras sem controle chegando a proporções mundiais estando disponível para os mais variados sujeitos e contextos: a pessoa (em suas diversas circunstâncias), a família (em seus variados

modelos), as instituições (de todas as naturezas); também alcança o campo e os contextos ribeirinhos amazônicos e indígenas. Nunca vimos tantas atividades religiosas veiculadas pela internet como atualmente estamos vendo; são celebrações eucarísticas em todas as horas, adorações, celebração da Palavra, recitação do santo terço, pregações, lectio divina, retiros, novenas, ladainhas, palestras, etc. Não tenhamos dúvidas de que através desse novo púlpito atingimos muito mais pessoas do que simplesmente nos templos físicos. Todavia, não basta que a Palavra de Deus chegue aos ouvidos do maior número possível de pessoas; na verdade, a eficácia da evangelização acontece quando se atinge a totalidade da pessoa em si mesma e se consolida quando ela se insere numa comunidade concreta e se engaja pastoralmente. Outra realidade que tem crescido é o espontâneo processo de organização de grupos nas redes sociais com o objetivo de compartilharem conteúdo religioso de interesse comum como experiências pastorais, trechos bíblicos, orações, homilias, mensagens estimulantes, comentários da Palavra de Deus, testemunhos de fé, experiências de engajamento eclesial. Essas pequenas redes de partilha são formadas, em geral, por parentes, amigos, categorias de pessoas com responsabilidades e interesses

comuns entre si. Isso é muito bonito!

3

Duas estimulantes recomendações No contexto do envio missionário dos doze encontramos uma séria recomendação de Jesus aos seus discípulos, dizendo:“o que digo a vocês na escuridão, repitam à luz do dia, e o que vocês escutam em segredo, proclamem sobre os telhados” (Mt 10,27). Os discípulos de Jesus foram convocados a serem honestos, claros, explícitos, autênticos e audaciosos no anúncio do Evangelho. Proclamar sobre os telhados o que Jesus disse, significa também assumir a coragem de fazer ecoar suas palavras com a maior visibilidade e alcance possível. Isso combina com a recomendação do ser Sal da terra e Luz do mundo. Temos ao nosso alcance, hoje, muitos meios disponíveis para cumprir esse desejo de Jesus. Outra recomendação muito significativa são as palavras do apóstolo Paulo a Timóteo, afirmando: “rogo a você, diante de Deus e de Jesus Cristo, que há de vir para julgar os vivos e os mortos, pela sua manifestação e por seu Reino: proclame a Palavra, insista no tempo oportuno e inoportuno, advertindo, reprovando e aconselhando com toda paciência e doutrina. Pois vai chegar o tempo em que não se suportará mais a doutrina; pelo contrário, com a comichão de ouvir alguma

coisa, os homens se rodearão de mestres a seu bel-prazer” (2Tm 2,23). No próximo artigo vamos refletir sobre a contribuição dos jovens na evangelização através das mídias digitais. . PARA A REFLEXÃO PESSOAL: Você acha importante a presença da Igreja nas mídias digitais? Você usa alguma rede social para evangelizar? O que você comenta sobre as duas recomendações apresentadas?

1 2 3

A Igreja doméstica está se fortalecendo

Graças à internet, com as mais variadas mídias digitais e explorando a modalidade virtual, neste tempo de pandemia a Evangelização está assumindo outra roupagem


6

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

Voz de Nazaré: há 107 anos, o jornal da Igreja Católica de Belém

FUNDAÇÃO NAZARÉ DIVULGAÇÃO

SEMANÁRIO arquidiocesano circula às sextas-feiras

O

jornal impresso Voz de Nazaré completará 107 anos no dia 5 de julho como um dos quatro veículos oficiais de comunicação da Arquidio-

cese de Belém do Pará. Disponível em papel, o semanário chega às paróquias da arquidiocese todas as sextas-feiras, repassando aos seus leitores os principais fatos

da Igreja de Belém, e um breve panorama da Igreja no Brasil e no mundo. Secular e moderno ao mesmo tempo, o jornal Voz de Nazaré também pode ser encontrado na internet no site da Fundação Nazaré de Nazaré (www.fundacaonazare. com.br) e em nossas redes sociais. O semanário arquidiocesano foi fundado em 1913 pelo padre barnabita Florence Dubois para divulgar as atividades da Paróquia de Nazaré, mas em 2 de janeiro de 2003 passou a ser administrado pela Fundação Nazaré de Comunica-

ção, quando o então arcebispo de Belém, Dom Vicente Zico, representado a instituição, recebeu a transferência dos direitos do periódico. O jornal católico da família chega regularmente às comunidades diocesanas, em tempos normais, mas a pandemia da covid-19 impõe mudanças e medidas de segurança para prevenção ao corona vírus, e algumas limitações interferem na distribuição do jornal. A leitura do jornal pode ser feita no site oficial da Fundação Nazaré e na página da instituição no Facebook. Boa leitura!

DIA 3, MISSA PELA FAMÍLIA NAZARÉ Sexta-feira, dia 3, a Fundação Nazaré de Comunicação celebrará a Ação de Graças pelos benfeitores da Família Nazaré. A Santa Missa mensal será presidida pelo padre Sebastião Fialho às 15h, transmitida ao vivo pela Rede Nazaré de Televisão – canal 30. A Santa Missa é celebrada

na capela da Fundação Nazaré de Comunicação e, simultaneamente, é transmitida pela Rádio Nazaré FM (91.3 Mhz) e pela página da Fundação Nazaré no Facebook, além do site da Fundação Nazaré. A Missa pelos benfeitores ocorre sempre na primeira sexta-feira do mês.

NOSSOS ANIVERSARIANTES Maria Da Graca Cateb Bitar Jandira Valente Pereira Jose Carlos Da Silva Batalha Vanja Maria Leao De Araujo Fatima Do Socorro Farias Ana Claudia Nery Bayde Marcos Vinicios Reis Carvalho Maritana Araujo Texeira Casal Possidonio Lopes Guedes E Maria Luiza Miranda Costa E Silva Livio William Moraes Da Costa Izabel Correa Joana Amoras Dos Santos Eni Do Perpetuo Socorro Correa Deise Rodrigues De Souza Ana Zilda Leal Carneiro Helena Gomes Martins Maria De Fatima Da Costa Mota Mauricio Bentes Lima Carlos Kleber Pinheiro Da Silva Marcos Andre Henriques Monteiro Camila Cristina Da Costa Santos Cruz Andrea Leticia Nascimento Sena Jose Ribamar Dos Santos Fonseca Maria Menezes De Souza Lourdes Maria Gomes Da Silva Carmem Lucia Leao Alves Elora Vilhena Amaral Muritiba Eloisa Jose Miranda De Souza Maria Izabel Da Costa Reis Maria Ribeiro Da Cruz E Vivaldo Amancio Bezerra Maria Marlea Modesto Nunes Selma Oliveira Agrassar Lidiane Lima Barros Casal Rosemiro Sanches E Maria Do Livramento Santiago Da Silva Niviany Do Carmo Peixoto Bastos IMaria De Nazare De Oliveira Joanna Benedicta Pinheiro De Sousa Maria Jose Do Nascimento Raimunda Lima Dos Santos

Ana Maria Costa Correa Glaucia Izabel Leitao Gomes Fabricia Pinho Conceicao Edmilson Dias De Sousa Odete Tavares Da Silva Maria Do Socorro Silva Resque Pedro Antonio Ramos Leite E Elizabeth Paulo Cesar Dos Santos Lemos Martha Maria Ferrari Nassar Casal Jose Maria De Araujo Barros E Deria Maria Dos Santos Barros Nizomar Oliveira Da Trindade Neuzilene De Souza Campos Ronaldo Ribeiro Texeira

Edson Neves Fernandes Angela Miranda Nogueira Stanley Diego Soares Tavares Risoleide Lopes Borges Romualdo Xavier Alves Nazareno Pantoja Da Silva Maria Emilia Souza De Castro Nubia De Cassia Carneiro Coimbra Paulo Sergio Da Silva Cordeiro Junior Raimundo Mota Gomes Joana Darc Guimaraes De Oliveira

Pe. Jaime De Moura Pereira Wanda Ayres Nunes Edvardo Vasconcelos De Albuquerque Darci Bezerra Galvao Maria Do Carmo Da Silva Moraes Maria Iracema Brasil Viana Fatima Sousa Conceicao Carvalho Manoel Batista Da Costa Vitoria Maria Silva Lara Waldileia Brito Cunha Francisca De Albuquerque Ferreira Ajax Luiz Rodrigues Favacho Casal Leandro Barbosa Mota e Elisangela G. Barbosa

n NATALÍCIO DE PADRES E DIÁCONOS Marina Leda Darwich Oneide Possas Ventura Lindalva Santos Mendes Josefina Uchoa Correa Maria Vieira Da Costa Terezinha De Jesus Vilhena Pereira Antonio Maria Silva De Oliveira Maria De Lourdes Magalhaes Muniz Elza Maria Bezerra Da Silva Ana Cecilia Guerreiro Diniz Ana Maria Da Costa Medeiros Ana Lucia Castelo Do Monte Oliveira Maria Jose Dos Santos Gomes Izildinha Maria Pinheiro De Sousa Paulo Sergio Batista Ramos Paula Doriani Dos Santos Bormann Marilia Vasconcelos Joyce Da Silva Farias Odenaldo Da Silva Monteiro Maria Jeanete Vieira Valente Do Couto Fernando Avelino Neves Ana Catarina De Paiva E Silva Isa Lima De Sena Alda Maria P. R. Silva Maria Das Gracas Gomes De Souza Alice Marques Secco Maria Do Perpetuo Socorro Da Silva Mota Daniel Guimaraes Alves Ana Sirotheau

03/07 – Diác. Raymundo de Oliveira 04/07 – Diác. Edmilson Dias de Souza 05/07 – Diác. Ruberval Cardoso Pantoja 06/07 – Pe.Gelcimar Sousa Santos 07/07 – Pe. José Costa Nunes 08/07 – Diác. José Walter de Carvalho Rolim 09/07 – Cônego Jaime de Moura Pereira 09/07 – Diác. Ismael Palheta Cabral n ORDENAÇÃO DE PADRES E DIÁCONOS 03/07 – Pe. Moisés do Socorro Lima de Matos 06/07 – Pe. Rogério Ribeiro de Oliveira 06/07 – Côn. Roberto Emílio Cavalli Júnior 06/07 – Pe. Carlos Manuel Machado Pedro (Irmão João) 06/07 – Pe. Glaucon de Oliveira Feitosa 06/07 – Pe. Glebson Joan Nunes Rodrigues 06/07 – Pe. Isan Alves Vieira 06/07 – Pe. Jailton Barros dos Santos (Padre Tiago) 06/07 – Pe. Márcio José Sousa Motta 06/07 – Pe. Maurício Dias do Mar 06/07 – Pe. Plínio Moraes Pacheco 06/07 – Pe. Cleiton Marcos da Silva Liker 06/07 – Pe. Carlos José de Almeida Sousa 06/07 – Pe. Gabriel Aparecido Paes 06/07 – Pe. Paulo João Fernandes Ribeiro 07/06 – Diác. Marcelo Daniel Lopes 08/07 – Pe. Rogene Pervandos 08/07 – Pe. Lucas César Favarim 08/07 – Pe. Lucivaldo Corrêa da Silva 08/07 – Diác. José dos Santos Ventura


BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

CADERNO DOIS

Dom Alberto dá posse a NOVO PÁROCO no Curió Utinga

FOTOS: LUIZ ESTUMANO

PADRE MANOEL Abraão Pinto foi acolhido durante Santa Missa

C

n ARCEBISPO presidindo a celebração de posse

om alegria e grande acolhida a comunidade da Paróquia de São João Paulo II, no Curió Utinga, na Região Santa Cruz, recebeu dia 25 de junho o seu novo pároco: Padre Manoel Abraão Pinto. A posse ocorreu durante Santa Missa na área externa da Igreja Matriz presidida por Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano, concelebrada por Dom Antônio de Assis Ribeiro, e padres da região e conhecidos do novo pároco. A celebração, transmitida pela Rede Nazaré de Televisão e pela Rádio Nazaré, seguiu todos os protocolos de saúde. Dado a importância da ocasião a celebração ocorreu no pátio ao lado da Igreja Matriz e os fiéis estavam acomodados com distância entre si. A temperatura de todos foi aferida, assim como tiveram a higienização das mãos com álcool em gel. Criada em 23 de ju-

nho de 2013, a Paróquia de São João Paulo II, além da Matriz, é composta por sete comunidades e uma capela. A paróquia estava sendo dirigida até então pelo Padre Bruno Sechi, falecido em maio passado vítima de Covid-19. Desde então o Padre Igino Sala e o Diácono João Bosco ficaram responsáveis pela direção paroquial. Agora, com Padre Manuel, a continuidade do trabalho terá andamento. “Todo o trabalho inteligente de Igreja é um trabalho de continuação, de continuidade, de crescimento e assim eu enxergo a posse do novo pároco aqui hoje, desejando que ele e o povo se entendam bem. Ele é um padre de bom espírito de disposição então Deus vai fazer muito bem a esse povo daqui.”, afirmou dom Alberto. O Arcebispo recordou, ainda do antigo pároco: “essa paróquia foi muito bem tratada pelo Padre Bruno durante esses anos que ele esteve aqui. Ele fez muito bem e agora foi para o céu e está lá intercedendo por nós e pela paróquia de São João Paulo II.” Com passagens pelas paróquias de Santa Cruz (em Castanhal), Santa Isabel, Sant’ Ana Castanhal), Nossa Senhora do Socorro (Salinópolis), São Caetano (São Caetano de Odivelas), Aparecida (São Paulo), São Lucas Evangelista (Belém)

e Santa Bárbara (município homônimo), Padre Manuel estava como vigário paroquial na Paróquia de São Domingos de Gusmão, na Terra Firme. Padre Abraão vê a nova missão com muita serenidade e ânimo pastoral, confiante em dar constância ao que já vinha sendo feito: “ninguém substitui ninguém, mas eu vim aqui para dar continuidade ao trabalho de muito valor para esta comunidade de um homem que é referência não só para o Pará, mas para o mundo pelo trabalho que ele realizava. Então exigente o trabalho, mas estamos aí para a continuidade no trabalho do Pade Bruno.” Presente na cerimônia de posse e leitor da provisão, Cônego Ronaldo Menezes, Vigário Episcopal da Região Santa Cruz, destacou que quando ocorre uma alteração de pároco muda-se o sacerdote mas a pastoral mantém-se: “ele continua a pastoral de acordo com o que se planejou na arquidiocese com as realidades contempladas afim de que atendendo as necessidades e ele possa corresponder ao que não só a igreja espera dele, como instituição, mas ao que a comunidade paroquial”.

n DOM ALBERTO com o novo pároco durante a celebração de posse

n PADRE MANOEL, da Paróquia São João Paulo II

CERIMÔNIA DE POSSE A posse do Padre Manuel como novo pároco de São João Paulo II teve início com a leitura da provisão, feita pelo Cônego Ronaldo Menezes. Em seguida, foram entregues a casula e a estola ao novo pároco e o Arcebispo deu a posse com um abraço, acompanhado de uma salva de palmas dos fiéis presentes. Em sua homilia, Dom Alberto considerou sobre a missão do novo pároco junto com a comunidade paroquial é pri-

mordial. “Ninguém caminha sozinho, ninguém pode ficar isolado, experiência de caridade, de solidariedade e experiência de comunidade. Olhar o nosso lado para que ninguém passe despercebido.” Em seguida, ocorreu a renovação das promessas sacerdotais, o sacerdote recebeu os símbolos do seu ministério e realizou-se a prece comunitária. Ao final da celebração, o novo pároco agradeceu aos presentes.

n COMUNIDADE participando da cerimônia religiosa


2

IGREJA

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

CHIARA LUBICH PALAVRA DE VIDA “Todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”. (Mt 12,50)

O Evangelho de Mateus relata um episódio da vida de Jesus que pode parecer pouco importante: sua mãe e seus familiares vão a Cafarnaum, onde ele está com os discípulos para anunciar a todos o amor do Pai. Provavelmente andaram muito para encontrálo e agora desejam falar com Ele. Não entram no lugar em que Jesus está, mas mandam uma mensagem: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar contigo”. A dimensão familiar era certamente muito importante para o povo de Israel: o próprio povo era considerado “filho” de Deus, herdeiro das suas promessas,

e os que faziam parte dele se consideravam “irmãos”. Mas Jesus abre uma perspectiva inesperada: com um gesto solene estende a mão para os discípulos e diz: “Todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

Jesus revela uma dimensão nova: qualquer um pode sentirse parte dessa família, contanto que se esforce por conhecer a vontade do único Pai e por cumpri-la. “Todo aquele”: adulto ou jovem, homem ou mulher, sadio ou doente, de qualquer cultura e posição social. “Todo aquele”: cada pessoa traz em si a imagem de Deus Amor. Mais ainda: cada pessoa é o “tu” de Deus, seu interlocutor, com o qual pode entrar numa relação de

conhecimento e amizade. Portanto, qualquer um pode fazer a vontade de Deus, que consiste no amor a Ele e no amor fraterno. E, quando amamos, Jesus nos reconhece como seus familiares: seus irmãos e irmãs. É a nossa maior oportunidade, que nos surpreende; ela nos liberta do passado, dos nossos medos, dos nossos esquemas. Nessa perspectiva, inclusive as limitações e as fragilidades, podem ser trampolins para a nossa realização. Tudo dá um salto de qualidade, realmente. “Todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

De certa forma podemos ser até mesmo mãe de Jesus. Maria se colocou à disposição de Deus desde o

momento da anunciação até o Calvário e, depois, no nascimento da Igreja: assim também cada um de nós pode fazer nascer e renascer Jesus em si mesmo, vivendo o Evangelho e, pela caridade recíproca, pode contribuir para gerar Jesus na coletividade. É o que se vê no convite feito por Chiara Lubich a pessoas desejosas de viver a Palavra de Deus: “Sejam

uma família”. Existem entre vocês pessoas que sofrem por causa de provações espirituais ou morais? Compreendam-nas como e ainda mais que uma mãe; iluminem-nas com a palavra ou com o exemplo. Não lhes deixem faltar – pelo contrário, façam crescer ao redor deles – o aconchego da família. Existem entre vocês os que sofrem fisicamente? Que sejam

RÁDIO NAZARÉ

FM 91 .3 MHZ

n DOAÇÃO DE SANGUE NO VERANEIO O programa “Saúde e cidadania” da próxima segunda-feira, 6, vai trazer como tema “A importância da doação de sangue”. O mês de julho é um dos períodos do ano no qual a demanda por sangue aumenta e o número de doadores diminui, pois muitos

viajam para balneários do interior do Estado. Porém, neste tempo de pandemia, a fim de suprir esta dificuldade, novas ações estão sendo realizadas. Um especialista vai falar do assunto na Rádio Nazaré FM. Sintonize 91,3 e acompanhe o programa das 16h às 18h.

os irmãos preferidos. (...) Não anteponham jamais qualquer atividade de qualquer tipo (...) ao espírito de família com aqueles irmãos com os quais convivem. E nos lugares aonde forem para levar o ideal de Cristo, (...), nada farão de melhor do que procurar criar, com discrição, com prudência, mas decisão, o espírito de família. Ele é um espírito humilde, que deseja o bem dos outros, não se ostenta... é (...) a caridade verdadeira. [1]

“Todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

Cada um de nós pode descobrir nas tarefas do dia a dia a missão que o Pai lhe confia para construir a única família humana. Em um bairro de Homs, na Síria, mais

n AJUDE A FUNDAÇÃO NAZARÉ SEGUIR EVANGELIZANDO A Rede Nazaré de Televisão pede a sua ajuda para manter a programação da Fundação Nazaré de Comunicação, especialmente, as transmissões ao vivo da Santa Missa diária, direto da Residência Episcopal. Contamos com seu apoio e a fidelidade das suas doações. É fácil! Faça o download do aplicativo “QR CODE” na App Store ou Play Store. Em seguida,

abra o aplicativo e posicione a câmera do seu celular na direção do código que aparece na tela do seu televisor ou do seu computador. Você será direcionado para a seção de cadastro e doação da Família Nazaré no site da Fundação Nazaré e pode fazer a sua doação. Os recursos provenientes da realizado pela Rádio Nazaré FM, Rede Nazaré sua doação serão revertidos em de Televisão, Portal Nazaré e Jornal Voz de Nafavor do serviço de evangelização zaré. Contamos com você!

PORTAL NAZARÉ WWW. FUNDACAONAZARE. COM.BR

n SANTA MISSA NO PORTAL NAZARÉ Todos os dias você participa da Santa Missa às 12h, ao vivo, direto da Residência Episcopal, com o Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa e com o Bispo Auxiliar, Dom Antônio de Assis Ribeiro pela página da Rede Nazaré de Comunicação no Facebook. com/FNCBelem, pelo Portal Nazaré (www.fundacaonazare.

com.br) e pelo nosso canal da Fundação Nazaré no Youtube. com/FNComunicacao. Ajude-nos a continuar realizando esta e outras transmissões fazendo parte da Família Nazaré. Contamos com você e fique em casa. Para mais informações, entre em contato: (91) 4006-9200 ou envie uma mensagem para nosso WhatsApp: (91) 99315-5743.

lhida e ajuda, por meio de uma equipe de professores e especialistas, num clima de família baseado no diálogo e na promoção dos valores. Muitas crianças estão traumatizadas e marcadas pelos sofrimentos. Algumas são apáticas, outras, agressivas. Nosso desejo é reconstruir a confiança nelas mesmas e nos outros. Enquanto a maioria das famílias está desmembrada por causa da guerra, aqui renascem nelas o desejo e a esperança de recomeçar. LETIZIA MAGRI

1

LUBICH, Chiara, trecho de uma carta escrita em 25/12/1973.

MINISTÉRIO DA CARIDADE ORGANIZA IV DIA MUNDIAL DOS POBRES Membros do Ministério da Caridade e os bispos de Belém reuniram-se de modo virtual no dia 26 de junho para refletir sobre as ações realizadas pelas instituições, pastorais, movimentos e serviços da Arquidiocese de Belém de acordo com os registros encaminhados pelas mesmas. Durante o encontro, começou também a articulação e o desenvolvimento do IV Dia Mundial dos Pobres, buscando ações de perspectiva ampliada junto a todos os sujeitos/instituições que compõem o Ministério da Caridade. Na próxima edição, o Jornal Voz de Nazaré trará matéria ampliada sobre a reunião.

TV NAZARÉ

CANAL 30.1

de 150 crianças, na maioria muçulmanas, frequentam o contraturno escolar, que funciona em uma escola da Igreja greco- ortodoxa. Sandra, a diretora, nos conta: Damos aco-

BOA DICA n PAPA FRANCISCO: AS MAIS BELAS HISTÓRIAS DO EVANGELHO - Livro (PAULUS, R$ 39,00 )

Q

ue tipo de mundo queremos transmitir àqueles que virão depois de nós, às crianças que estão crescendo?”. Em resposta à esta pergunta, Papa Francisco escreveu As mais belas histórias do Evangelho. Desde sua infância, Francisco ouvia muitas histórias contadas por sua avó, por sua mãe e por seus professores. Por isso, buscou em suas memórias de criança as histórias de Jesus que mais marcaram seu coração e que ele usa com frequência em suas pregações. Quando perguntaram a Jesus “Para que servem essas suas histórias?”, Ele respondeu: “Elas servem para descobrir o mistério oculto nas coisas, para conseguir ver o invisível, para traçar o mapa de emoções que temos dentro de nós”. Jesus nunca explicava suas histórias. nO IMPLACÁVEL PODER DE SUAS ESCOLHAS VOCÊ AS FAZ E ELAS FAZEM VOCÊ – Livro (Paulinas, R$18,50)

A

vida humana é feita de muitas escolhas. Nosso livre-arbítrio, apesar de todas as limitações e condicionamentos, é o caminho a seguir. Somos livres para escolher e criar quem desejamos ser. Não escolher também é uma escolha. Criamos nossa vida por meio de nossas opções. Feliz ou não, gratificante ou não, consciente ou inconscientemente, sempre estamos escolhendo. Nós somos as nossas escolhas e somos também as suas consequências. Saber escolher é o segredo e este livro se dispõe a ajudar os leitores nessa árdua, porém gratificante tarefa.


VATICANO

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

Vaticano apresenta novo DIRETÓRIO para Catequese do século 21

3

FOTOS: DIVULGAÇÃO

DOCUMENTO sublinha impacto das novas tecnologias e da globalização na transmissão da fé

C

om informações agência Ecclesia. O Vaticano apresentou em junho passado o novo Diretório para a Catequese, o terceiro documento do gênero em 50 anos, que sublinha o impacto das novas tecnologias e da globalização na transmissão da fé. “Na Igreja, muitas vezes, é habitual uma comunicação unidirecional: prega-se, ensina-se e apresentam-se sínteses dogmáticas. Além disso, só com um texto escrito é difícil falar aos mais jovens, habituados a uma linguagem que consiste na convergência da palavra escrita, som e imagens”, refere o texto, divulgado pela Sala de Imprensa da Santa Sé. O documento que vai orientar a ação catequética das comunidades católicas sublinha as possibilidades de “interação” que se abrem com as redes sociais e plataformas digitais, que alteram

“a própria abordagem da experiência fé”. O documento foi apresentado à imprensa pelos responsáveis do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (Santa Sé), que desde 2013, por decisão de Bento XVI, hoje Papa emérito, assumiu entre as suas competências o setor da Catequese. O digital não só faz parte das culturas existentes, como se está a impor como uma nova cultura, modificando antes de mais a linguagem, modelando a mentalidade e reelaborando as hierarquias de valores”. Os catequistas são desafiados a aproximar a linguagem na rede com a linguagem religiosa, num acompanhamento pessoal que leve “cada jovem a redescobrir o seu projeto pessoal de vida”. PROCESSO COLETIVO As propostas, destaca

o Vaticano, serão cada vez mais digitais, exigindo “formas inéditas de evangelização” que levem a “ações pastorais globais, tal como é global a cultura digital”. O novo Diretório adverte para os limites e problemas do digital, observando que o processo deve ser coletivo e nunca individual, passando do mundo “isolado das redes sociais para a comunidade eclesial”. “A catequese valoriza todas as linguagens que a ajudam a realizar as suas tarefas; de modo particular, tem uma atenção em relação à linguagem narrativa e autobiográfica”, bem como a arte, acrescenta o texto. Ao longo de 428 pontos, em mais de 120 páginas, a Santa Sé destaca a “exigência de colocar tudo em chave evangelizadora”, projetando “espaços e propostas concretas para o primeiro anúncio e para repensar a

n POSSIBILIDADES de “interação” que se abrem com as redes sociais

iniciação cristã em chave catecumenal”. O Diretório fala da Catequese como “laboratório” de diálogo, apresentando princípios teológico-pastorais e orientações gerais para o setor, com destaque para a formação dos catequistas. O Vaticano sublinha que todos são responsáveis pela ação catequética, falando no papel dos bispos, padres, consagrados e consagradas neste processo, na relação com os pais, padrinhos e com os avós, destacando o papel dos mais velhos na transmissão da fé. No texto assume-se ainda o compromisso

de “evitar qualquer gênero de abuso, seja ele de poder, de consciência, econômico ou sexual”. Nos últimos 50 anos, foram publicados o Diretório Catequístico Geral, em 1971, e o Diretório Geral de Catequese, de 1997; a 11 de outubro de 1992, São João Paulo II publicou ainda o Catecismo da Igreja Católica. O novo documento sustenta que a ação “catequético-iniciática está ao serviço da profissão de fé”.Este impulso missionário espontâneo deve ser apoiado por uma verdadeira pastoral do

primeiro anúncio, capaz de levar a cabo iniciativas para propor de forma explícita a boa nova da fé, manifestando concretamente a força da misericórdia, verdadeiro centro do Evangelho, e favorecendo a inserção de quem se converte na comunidade eclesial”. O texto insiste na “estreita relação” entre Evangelização e Catequese, elencando uma série de “tarefas” para a pastoral catequética: leva ao conhecimento da fé; inicia à celebração do Mistério; forma para a vida em Cristo; ensina a rezar e introduz à vida comunitária.

PAPA envia 2500 kits de testes para CATEQUESE: maior atenção às pessoas diagnóstico de COVID-19 a Gaza com deficiência, migrantes e reclusos O Diretório para a Catequese, apresentado pelo Vaticano, defende uma maior atenção às pessoas com deficiência, migrantes e reclusos, na ação das comunidades católicas. “As pessoas com deficiência constituem uma oportunidade de crescimento para a comunidade eclesial que, com a sua presença, é

incentivada a superar os preconceitos culturais”, destaca o documento divulgado pela Santa Sé. O texto orientador da pastoral catequética desafia cada diocese a promover o acolhimento e “presença habitual das pessoas com deficiência”, marcando posição em favor de uma cultura da inclusão “contra a lógica do descarte”.

“As pessoas com deficiências intelectuais vivem a relação com Deus no imediatismo da sua intuição e é necessário e condigno acompanhá-las na vida de fé. Isso exige que os catequistas procurem novos canais de comunicação e métodos mais adequados para favorecer o encontro com Jesus”, pode ler-se.

n DOAÇÃO vai ajudar os países mais afetados pela pandemia

Com informações agência Ecclesia. O Papa Francisco doou 2500 testes de Covid19 ao Ministério da Saúde de Gaza (Palestina), através da Congregação para as Igrejas Orientais. “Os 2500 kits enviados pelo Papa vão ajudar a fazer diagnósticos mais precisos” porque “em toda a Faixa existe apenas uma máquina que pode fazer as análises para mais de 2 milhões de pessoas”, afirmou ao site VaticanNews o padre Ga-

briel Romanelli, pároco de Gaza. A entrega dos kits foi coordenada pela Delegação Apostólica, pelo Patriarcado Latino de Jerusalém e pela Caritas de Jerusalém. A doação faz parte das iniciativas promovidas pelo Fundo de Emergência, desejado pelo Papa Francisco, para ajudar os países mais afetados pela disseminação da Covid-19 Até agora, os Territórios Palestinos registam 1328 casos de Covid-19, mas a baixa

percentagem de pessoas testadas positivas poderia ser um indício da falta de testes realizados. O p a d re G a b r i e l R o m a n e l l i , p á ro c o latino da Sagrada Família em Gaza, nos Territórios Palestinos realça que “há uma emergência de coronavírus, mas ela está ligada a muitas outras situações”. O sacerdote cita “o bloqueio da fronteira com Israel ou Egito e o fecho de muitas atividades comerciais, como os restaurantes”.

A

gratidão generosa de Deus Pai leva em consideração até mesmo o menor gesto de amor e serviço prestado aos irmãos. Jesus nos ensina isso no EvangelhodeHoje (Mt 10,42). (28 de junho)

S

e você está procurando um sentido para a vida e não o encontrando, se ilude com “substitutos do amor” como as riquezas, a carreira, o prazer, alguma dependência, deixe-se olhar por Jesus e descobrirá ter sido sempre amado. (27 de junho)

S

ó vê bem quem olha com o coração, porque sabe «ver dentro»: a pessoa independentemente dos seus erros, o irmão independentemente das suas fragilidades, a esperança nas dificuldades; vê Deus em tudo. (26 de junho)


4

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

CADERNO DOIS

EM NAZARÉ FOTOS: ASCOM BASÍLICA SANTUÁRIO DE NAZARÉ

NAZARÉ EM DESTAQUE

COMUNIDADE Santo Antônio Maria Zaccaria celebra dia do padroeiro COM UMA PROGRAMAÇÃO especial composta por

uma Missa Solene

N

o dia 5 de julho, a Comunidade Santo Antônio Maria Zaccaria, que integra a Paróquia de Nazaré, celebra o dia do padroeiro, com uma programação especial composta por uma Missa Solene, realizada às 8h30, seguida de procissão. A comunidade está localizada na Rua Boaventura da Silva, nº 1796, bairro Umarizal. O cortejo será conduzido pelo Pároco de Nazaré, Padre Francisco Maria Cavalcante e seguirá pela Tv.9 de janeiro, seguindo pela Rua Oliveira Be-

lo, Av. Alcindo Cacela, Rua Diogo Móia, Tv. 3 de maio, Av. Gov. José Malcher, Vila Teta, Av. Gov. Magalhães Barata, Tv. 9 de janeiro, Boaventura, Passagem Antonia, Passagem AntoniaNunes, Tv. 9 de janeiro até retornar para aRua Boaventura da Silva. Antônio Maria Zaccaria é Santo fundador da Ordem dos Clérigos Regulares de São Paulo – Padres Barnabitas. Nasceu no ano de 1502 em Cremona- Itália. Filho de Lazzaro Zaccaria, próspero comerciante, e da nobre AntoniettaPescaroli. No

que diz respeito a sua formação humana e cristã, Antônio Maria, formou-se em filosofia, mas também, decidiu, impulsionado de amor ao próximo, estudar medicina, pois, considerava a profissão mais nobre a serviço da humanidade. De fato, o recém-formado em medicina, se doou sem reservas em favor dos necessitados, atendendo-os e até mesmo fornecendo remédios aos pobres. Foi assim que aos poucos, não obstante a sua relutância, que se encaminhou para tornar-se médico integral: corpo e alma; por orientação

de seu diretor espiritual, o dominicano Frei Marcelo. Estudou Teologia e foi ordenado em 20 de fevereiro de 1529. Chamado por Cristo ampliou seu apostolado ao ser ordenado sacerdote, testemunhando Jesus e a unidade da Igreja num período em que a decadência das ordens religiosas, do clero, exigia não uma Reforma Protestante e sim uma santidade

transformadora. Impulsionado pela Reforma (interior), com a ajuda de LudovicaTorelli, unido a Thiago AntonioMorigia e Bartolomeu Ferrari, funda em 1530, a Ordem dos Clérigos Regulares de São Paulo, mais conhecidos como Barnabitas, devido à primeira comunidade religiosa situada na Igreja de São Barnabé (Milão). Recebeu das mãos do Papa Clemente VII,

em 18 de fevereiro de 1533, a benção e aprovação da primeira Família Religiosa Paulina na história da Igreja. Em 1535 fundou também as Irmãs Angélicas de São Paulo, quanto aos Casais de São Paulo, estes desde o começo já estavam integrados aos trabalhos com o jovem sacerdote.Faleceu em 5 de julho de 1539. Foi canonizado em 27 de maio de 1897.

PADRES Barnabitas promoveram 2ª Edição da Live “Cantos para a Mãe de Nazaré” No dia27 de junho, os Padres Barnabitas realizaram a 2ª edição da Live “Cantos para a Mãe de Nazaré”, um momento dedicado a levar uma mensagem de fé e esperança nesses tempos difíceis ao coração dos filhos e filhas de Maria.

O momento contou com a apresentação da soprano Patrícia Oliveira e também do tenor Ederson Santos, com a participação especial do Padre Francisco Maria Cavalcante, Pároco de Nazaré, além dos instrumentistas Feli-

phe Bruno no violino, Victor Barral na flauta e Humberto Azulay no piano. No repertório, foram apresentadas as mais emocionantes canções marianas, peças de obras sacras universais e canções regionais. A Live foi transmitida

diretamente da Basílica Santuário, com as apresentações realizadas no altar-mor. O evento também objetivou arrecadar doações para a manutenção das obras sociais da Basílica Santuário e das transmissões diárias de missas, terços e adoração. Desta

COMUNIDADE realiza procissão em homenagem a São Paulo Apóstolo Ta m b é m n o d i a 27 deste mês, a Comunidade São Paulo Apóstolo, que integra a Paróquia de Nazaré, realizou uma procissão pelas ruas de Belém em homenagem ao dia do santo padroeiro. O Pároco de Nazaré,

Padre Francisco Maria Cavalcante, participou do cortejo que objetivou levar fé e esperança aos devotos nestes momentos difíceis. A Igreja celebrou a Solenidade de São Pedro e São Paulo Apóstolo no dia 28 de junho.

vez, a casa da Rainha da Amazônia recebeu os fiéis

que puderam participar deste momento de fé.


ARQUIDIOCESE

CADERNO DOIS

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

5

Dom Alberto Taveira Corrêa CELEBRA 29 ANOS de ordenação episcopal LEMA EPISCOPAL “O Pão que eu darei é a minha Carne para a vida do mundo” (Jo 6, 51)

N

LUIZ ESTUMANO

Na próxima segunda-feira, 6, dia de Santa Maria Goretti, Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo de Belém, completa 29 anos de sua ordenação episco-

pal, realizada nos idos de 1991 pela oração e imposição das mãos de Dom João Resende Costa, SDB, do Cardeal Serafim Fernandes de Araújo e de Dom Arnaldo Ribeiro, em Nova Lima (MG). Dom Alberto nasceu em Nova Lima, no Estado de Minas Gerais. Em 15 de agosto de 1973, foi ordenado sacerdote por Dom João Resende Costa, o então Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, o mesmo que depois presidiu sua ordenação episcopal. Como lema episcopal, Dom Alberto Taveira, escolheu o texto do Evangelho de São João “O Pão que eu darei é a minha Carne para a vida do mundo” (Jo 6, 51), e no brasão expresso com a frase latina “Pro Mundi Vita”. Logo após sua ordenação, Dom Alberto foi designado como Auxiliar na Arqui-

diocese de Brasília (DF), durante os anos de 1991 a 1996, depois como titular na Arquidiocese de Palmas, no Tocantins, sendo o seu primeiro bispo e permanecendo lá por 14 anos. NA ARQUIDIOCESE DE BELÉM No dia 30 de dezembro de 2009, o Papa Bento XVI nomeou Dom Alberto Taveira Corrêa para a Arquidiocese de Belém (PA). Dom Alberto é o 10º arcebispo a assumir a arquidiocese, que é a terceira mais antiga do Brasil e conta atualmente com cerca de 2 milhões de fiéis. Dom Alberto tomou posse da nova missão no dia 25 de março de 2010. À frente da Arquidiocese de Belém há dez anos é o Arcebispo que mais criou paróquias: trinta e cinco áreas missionárias, com as últimas sendo as áreas missionárias de São Clemente, no Bengui, e da Santíssima Trindade, em Águas Brancas e com previsão de mais uma neste mês de julho. Criou, ainda,

o Seminário Redemptoris Mater, a Fazenda Esperança Nossa Senhora de Nazaré, para recuperação de dependentes químicos, o projeto Belém em Missão, a Faculdade Católica, restaurou o Cabido Catedral, presidiu em agosto de 2016 o XVII Congresso Eucarístico Nacional. Dom Alberto é Presidente do Instituto Dom

Vicente Zico; Grão Chanceler da Faculdade Católica de Belém, Presidente da Fundação Nazaré de Comunicação, Presidente da Festa do Círio de Nazaré. Também é apresentador dos Programas Conversa com Meu Povo (TV Nazaré), Palavra de Vida Eterna (TV Nazaré) e A voz do Pastor (Rádio Nazaré FM).

BRASÃO ARQUIEPISCOPAL O brasão de Dom Alberto Taveira Corrêa, em sua construção, lançado em campo único vermelho estão em ouro, uma estrela manifesta em seu brilho e um feixe de trigo. Este conjunto heráldico representa três elementos da fé cristã que manifestam a compreensão do lema episcopal do Arcebispo, a Eucaristia, Maria e a Unidade. Distintos e integrados eles dizem o afã de ser instrumento da vida plena: “a mim o menor de todos, foi

concedido o desafio de anunciar a todos o mistério das riquezas insondáveis de Cristo.” (Ef 3, 8).

QUATRO arcebispos brasileiros receberão o Pálio Arquiepiscopal Informações Vatican News/ CNBB - O Papa Francisco abençoou os pálios que serão entregues aos arcebispos metropolitanos nomeados no decorrer do último ano. Quatro arcebispos brasileiros receberam a insígnia abençoada durante a celebração da Solenidade de São Pedro e São Paulo, no domingo, 28 de junho. Dom Irineu Roman, Arcebispo de Santarém (PA); Cardeal Sergio da Rocha, Arcebispo de Salvador (BA); Dom Josafá Menezes da Silva, Arcebispo de Vitória da Conquista (BA); e Dom Leonardo Steiner, Arcebispo de Manaus (AM), são os bispos que vão receber o pálio, uma espécie de colarinho feito de lã branca com seis cruzes, que representa o ministério do arcebispo à frente da Igreja metropolitana. “Neste dia, benzem-se os pálios que serão entregues ao Decano do Colégio Cardinalício e aos Arcebispos Metropolitas nomeados no decorrer do último ano. O pálio recorda a unidade entre as ovelhas e o

sua ordeepis-

nação co-

Arnaldo Ribeiro, em Nova Lima (MG). Dom Alberto nasceu em Nova Lima, no Estado de Minas Gerais. Em 15 de agosto de 1973, foi ordenado sacerdote por Dom João Resende Costa, o então Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, o mesmo que depois presidiu sua ordenação episcopal. Como lema episcopal, Dom Alberto Taveira, escolheu o texto do Evangelho de São João “O Pão que eu darei é a minha Carne para a vida do mundo” (Jo 6, 51), e no brasão expresso com a frase latina “Pro Mundi Vita”. Logo após sua ordenação, Dom Alberto foi designado como Auxiliar

Pastor que, como Jesus, carrega a ovelha aos ombros e nunca mais a larga“, disse o Papa Francisco. Pálio - Derivado do latim pallium, manto de lã, é uma vestimenta litúrgica usada na Igreja Católica, consistindo de uma faixa de pano de lã branca que é colocada sobre ombros dos Arcebispos. Esse pano representa a ovelha que o pastor carrega nos ombros, assim como fez Cristo com a ovelha perdida. Desta forma, pode se dizer que o pálio é o símbolo da missão pastoral do bispo. O pálio é também a prerrogativa dos arcebispos metropolitanos, como símbolo de jurisdição em comunhão com a Santa Sé. História - Originalmente o pálio era o manto usado pelos filósofos e na arte paleocristã, eram pintados neste “manto” Jesus e os apóstolos. Essa prática foi posteriormente adotada também pela Igreja Cristã, com um uso semelhante ao do omoforion (uma tira de pano), muito mais larga que o pálio,

DIVULGAÇÃO

n DOM IRINEU ROMAN Arcebispo de Santarém, receberá o pálio

atualmente usada pelos bispos ortodoxos e pelos bispos católicos orientais de rito bizantino. O pálio era originalmente uma única tira de pano enrolada nos ombros e caída no peito na altura do ombro esquerdo; nos primeiros séculos do cristianismo foi trazido por todos os bispos.

O primeiro caso conhecido de imposição do pálio a um bispo remonta a 513, quando o Papa Simmaco concedeu o pálio a São Cesário, bispo de Arles. A partir do século IX reduziu-se ao formato atual de “Y”, com as duas extremidades descendo abaixo do

pescoço até o meio do peito e nas costas e se tornando a marca registrada dos arcebispos metropolitanos que o obtiveram pelo papa. O Papa João Paulo II, por ocasião da noite de Natal de 1999, abertura do Jubileu de 2000, usava um omoforion com cruzes vermelhas.


6

BELÉM, DE 3 A 9 DE JULHO DE 2020

CADERNO DOIS

AÇÃO paroquial em julho nos balneários

ARQUIDIOCESE FOTOS: DIVULGAÇÃO

ARQUIDIOCESE espera fiéis com Santa Missa

P

or conta da atual pandemia do novo coronavírus o veraneio paraense será diferente em praias e balneários. Mesmo assim, famílias ainda devem se deslocar para esses locais em busca de tranquilidade. Algumas paróquias situadas nesses locais ou em trajetos preparamse para receber fiéis que buscam cumprir o preceito dominical. Algumas paróquias de Benevides, Santa Bárbara e Mosqueiro divulgam horários das

celebrações eucarísticas na matriz e suas comunidades. Todas seguem as recomendações sanitárias da Arquidiocese de Belém e das autoridades de saúde. Na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, localizada em Carananduba, Mosqueiro, ocorrem celebrações na Matriz aos sábados, 17h e às 19h, e aos domingos, 7h, 9h, 17h e às 19h. Por conta das obras que ocorrem na Matriz, o salão paroquial está sendo utilizado

para abrigar as missas com até 30 participantes. Os agendamentos ocorrem das 8h às 12h na secretaria. Pela Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Benfica, no Distrito de Benevides, a ampliação de celebrações estende-se até as comunidades. Na Matriz as atividades litúrgicas ocorrem no sábado ás 19h e aos domingos às 6h30, 10h, 17h30 e 19h30. O agendamento ocorre na secretaria e algumas vagas são disponibilizadas para

n PARÓQUIA Nossa Senhora da Conceição, em Benfica

CÍRIO de São Pedro realizado na Vila Suspiro, em Igarapé-Miri Fiéis homenagearam São Pedro no final da tarde deste domingo, 28 de junho, durante o Círio 2020 da festividade do padroeiro na Vila Suspiro, em Igarapé-Miri, nordeste paraense. Os devotos participaram do Círio usando máscaras em veículos, para evitar a propagação do novo coronavírus (Covid-19). O Círio teve início por volta das 18h, em frente ao Centro de Formação Dom José Elias Chaves Júnior, na PA-407 no km 9. Em seguida, iniciou o cortejo com a imagem de São Pedro em carro aberto. No trajeto, orações e cânticos marcaram a procissão. O Círio foi encerra-

do em frente à Igreja da Comunidade Cristã São Pedro. Os devotos acompanharam tudo em seus veículos. A imagem do santo foi retirada do carro e levada para o interior da igreja. Horas depois, uma família tradicional da Vila Suspiro reuniu-se para oração da Ladainha de São Pedro, que deu origem à comunidade católica. A festividade seguiu até a segunda-feira, dia 29 de junho, com a Santa Missa em honra a São Pedro, às 18h, presidida pelo pároco da Paróquia Sant’Ana de Igarapé-Miri, padre Joelson Nabiça Júnior, não sendo aberta aos fiéis, mas transmitida pela internet.

n IMAGEM DE SÃO PEDRO durante o círio

n PARÓQUIA localizada em Carananduba, Mosqueiro

quem quiser participar e chegar de última hora. Nas comunidades as celebrações estão programadas da seguinte forma: Comunidade São Camilo, aos sábados 19h; Comunidade Santa Teresinha, aos sábados 18h; e Comunidade Santa Maria, aos domingos 8h. Pa r a o D i á c o n o Jacenyr Donizetti Ruivo, neste período de férias as pessoas acabam esquecendo da parte espiritual e o papel das igrejas está no acolhimento dos fiéis que buscam Cristo na Eucaristia: “durante a pandemia essa procura aumentou. As pessoas

buscam mais Deus. Até por isso realizamos transmissões dos terços na página do Facebook”. N a Pa r ó q u i a d e Santa Bárbara, no município homônimo, as celebrações ocorrem na Matriz nos domingos pela manhã às 7h30 e à noite, às 19h30, todas tomando os cuidados recomendados: “estamos seguindo as medidas sanitárias orientadas pela arquidiocese e pelo município de Santa Bárbara, principalmente o uso obrigatório de máscaras, de álcool em gel e distanciamento”, afirma Padre Francimar Lopes, pároco.

Sem transmissões pelas redes sociais, o pároco tem orientado os fiéis a acompanhar as missas por meio das televisões católicas: “o que é mais viável para a realidade local, ou aqueles que desejam, acompanham as transmissões de outras paróquias!” Para ele, este movimento por parte de fiéis mesmo no período de descanso é muito importante: “a participação dos fiéis é de suma importância, não se tira férias de Deus, nem das coisas de Deus, no entanto essa participação deve se dá mediante as possibilidades dentro deste contexto de pandemia!”.