Voz de Nazaré

Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

ANO CV - Nº 900 - PREÇO AVULSO: R$1,00

BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

www.fundacaonazare.com.br

Evangelização, DESTAQUE do Círio Crescimento das romarias e alcance significativo das peregrinações com a imagem de Nossa Senhora de Nazaré junto a 1,8 milhão de pessoas. Diretoria da Festa divulgou os dados oficiais do Círio 2019 e anunciou tema para 2020. CAD. 2, PÁG. 1 LUIZ ESTUMANO

n DIRETORIA da Festa de Nossa Senhora de Nazaré anunciou os dados oficiais do Círio durante entevista coletiva à Imprensa no dia 28, em Belém

Semana da VIDA 2019

Missa pela Celebração dos FIÉIS Família falecidos NAZARÉ

LUIZ ESTUMANO

Com o tema “A vida é Na sexta-feira, 1º de noDia de Finados, momenmaravilhosa, se não se tem vembro. Celebração acon- to de recordar os entes medo dela”, programação tece todo início de mês. queridos que faleceram. de 25 a 28. CAD. 2, PÁG. 5 CADERNO 1, PÁGINA 6 CAD. 1, PÁGS. 2 E 3

Pastoral da Pessoa IDOSA Missa em ação de graças ação da Pastoral da Pessoa ção ocorre na Paróquia de celebra os 15 anos de atu- Idosa em Belém. A celebra- Santa Cruz. CAD. 2, PÁG. 3 DIVULGAÇÃO

n VOLUNTARIADO Pastoral funciona em 58 das 90 paróquias da Arquidiocese

n LEMBRANÇAS visitas se intensificam nos cemitérios


2

OPINIÃO

BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

JOÃO CARLOS PEREIRA

PE. HELIO FRONCZAK

Jornalista e professor (jcparis1959@gmail.com)

heliofronczak@gmail.com

ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU ...

PRIVILÉGIO DE SER CATÓLICO

Berlindas perfeitas e evangelizadoras O círio terminou! Começa o sínodo arquidiocesano!

N

este último artigo da série sobre o Círio 2019, que deverá entrar para a história como um primor de organização, lanço o olhar para a berlinda, ou para as berlindas – a da Trasladação e a do Círio – que também entrarão para a história como exemplo de beleza. Não que as próximas devam imitá-las, porque isso mataria a originalidade desejada, mas sirvam como referência para o trabalho estético. Desenhadas e executadas por Paulo Morelli, a quem chamo de “o jardineiro de Nossa Senhora”, as berlindas de 2019 alcançaram, pela simplicidade, a beleza em seu tom mais elevado. Ainda que tenham sido minimalistas, ou quase “mono florais”,

se é que existe esta expressão, conseguiram reproduzir, em pétalas, uma polifonia grandiosa e, ao mesmo tempo, delicada . A opção por cravos brancos envolveu a berlinda da Trasladação numa espécie de nuvem semelhante àquela sobre a qual repousam as imagens do Achado e a Peregrina. A imagem estava sob e sobre nuvens de cravos, numa impressionante e bela alegoria da pureza de Nossa Senhora e da luz que recebeu de seu Filho, enquanto estava entre nós. O branco da berlinda tinha a ver também com leveza e com paz. Dois mil pequenos cristais deram o toque de brilho a uma joia da decoração. No dia seguinte, a

berlinda do Círio surgiu totalmente vermelha. Os cravos foram tingidos com a tonalidade do sangue, para evocar, pelo duplo sentido da flor – cravo-espécie; cravoprego – o sangue vertido na cruz e, também, o sangue do útero de Maria de Nazaré, primeiro berço do Salvador. A tonalidade ressaltou a perfeita ligação de amor de Jesus Cristo com o mundo e de Nossa Senhora com seu filho. Beleza, simplicidade e genialidade compuseram as berlindas e ainda permitiram que evangelizassem de uma forma preciosa, mostrando que tudo que se faz no Círio, por amor a Nossa Senhora, só consegue plena realização se tiver, como eixo, a figura de Jesus.

F

oram 15 dias muito intensos! Muitas manifestações de louvor a Maria, Mãe da Igreja. A basílica sempre muito cheia de devotos. E também o clero da arquidiocese teve a sua noite especial. A pergunta que me vem é esta: E agora? Terminando o círio, tudo termina? Começa-se a sonhar com o próximo, vivendo na expectativa de como será? Comenta-se o que foi bem e o que não foi neste círio e basta? Se todas estas perguntas tem alguma importância, certamente a mais importante, me parece, é esta: como continuar a viver como verdadeiro/a devoto/a de Nossa Senhora de Nazaré? Penso que é Nossa Senhora mesma a nos indicar como viver. Você

está lembrado do evangelho, quando nas bodas de Canaã, Maria, a mãe de Jesus, ao notar que estava faltando o vinho para a festa, ela se dirige a Jesus e apresenta-lhe a situação e, mesmo tendo recebido uma resposta surpreendente, ela logo diz aos serventes da festa: “façam tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5). Certamente estas palavras de ordem são fundamentais parasermos também nós discípulos de Jesus. De fato é impossível sermos discípulos/as se não acolhemos com docilidade a palavra do mestre, Jesus Cristo. Que as emoções e alegrias do círio sejam um impulso para continuarmos como bons discípulos de Jesus durante todos os dias de nossa vida. Outro evento que marcou o mês de outubro foi

a realização, em Roma, do sínodo para a Amazônia quepor três semanas debruçou-se sobre o tema: “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. Teremos boas oportunidades para conhecer e aprofundar o que foi tratado; rezemos para que a experiência de sínodo, isto é, o caminhar juntos como Igreja, se realize sempre mais. A partir do dia 15 deste mês, a nossa arquidiocese começa a preparar-se mais intensamente, com a realização de várias atividades e encontros nas paróquias e nos movimentos e pastorais, em vista do seu primeiro sínodo arquidiocesano, a realizar-se no mês de junho de 2020. Desde já rezemos para que o Espírito Santonos ilumine nesta caminhada sinodal.

IVENS COIMBRA BRANDÃO

JOSÉ PEREIRA RAMOS

Engenheiro civil e escritor (ivenscb@oi.com.br; ivenscb@gmail.com)

Economista e escritor (joseulina1@gmail.com)

ENCONTRO FRATERNO

Acossados pelo tempo

O

ra me dirijo, em especial, aos leitores mais idosos, para partilhar a sensação das pessoas longevas, de que os acontecimentos parecem passar mais depressa, enquanto o tempo que nos levará ao ‘segundo parto’ vai diminuindo na mesma proporção. Entenda-se como segundo parto o mo mento q u and o somos ‘paridos’ pela Terra, aqui deixando o corpo, enquanto nossa alma é lançada na imensidão infinita da vida eterna, onde não há espaço nem tempo. A realidade de uma vida considerada longeva – digamos que a partir dos 80 anos - sem dúvida, nos conduz, aos poucos, à periferia do tecido so-

cial, na medida em que os mais novos geralmente perdem o interesse de dialogar com os idosos, talvez pensando que estão desatualizados. Até mesmo as experiências ao longo da vida, relatadas pelo idoso, caem no vazio de inconvenientes repetições. São tempos, quando a sensibilidade aumenta, enquanto o corpo perde vitalidade, necessitando de cuidados frequentes. Esta é a realidade do mundo em que vivemos vista por um idoso, que agradece a Deus pelo milagre da vida. Mercê de Deus, eu e minha esposa, contamos com o conforto de familiares e da comunidade paroquial, o que desperta em nós o compromisso de prosseguir.

PANORAMA

Ocorreu há 42 anos! É nesta fase da vida que nós, cristãos, mais devemos cultivar o dom da esperança na vida eterna. É o próprio Cristo que nos assegura, sobre a entrada na vida eterna (cf. Jo 6,54). Santa Teresinha de Lisieux (1873-1897), Virgem e Doutora da Igreja, nos encoraja: “Faço um tão alto conceito do céu, que às vezes me pergunto como depois da minha morte, o bom Deus fará para surpreender-me” (Na Escola dos Santos Doutores – Aquino, Felipe – 6ª ed. Cléofas, SP - 2008). Neste início de mês, quando a Igreja celebra o ‘Dia de Todos os Santos’, peçamos a Graça de perseverarmos na fé até o final de nossa missão terrena.

P

erguntaram-me há quantos anos eu escrevo no “Voz de Nazaré”. É fácil responder: há 42 anos. Foi em 1977. Morávamos na av. Gentil Bittencourt c/ Quintino Bocaiuva e éramos coordenadores da Comunidade Santa Bernadette. Numa reunião do Conselho Paroquial, o pároco, pe. Luciano Brambila, comunicou o desejo de dar uma nova versão ao jornal paroquial, pedindo a participação de paroquianos que escrevessem também sobre assuntos da família, da sociedade, só não se imiscuindo em política. A sra. Mizar Bona logo aprovou a idéia e assumiu uma página, que produziu durante vários anos. Eu, modes-

tamente, me comprometi com uma pequena coluna. Assinando José Ramos, logo verifiquei que um Jovem do Mojuvena era meu homônimo e passei a usar, durante muitos anos, o pseudônimo “Somar”. O jovem entrou para o seminário e já é Provincial dos Banabitas, na nossa região. Acompanhei a evolução do jornal e a transferência de informativo paroquial para membro da Fundação Nazaré de Comunicação, passando para a responsabilidade da Arquidiocese. Primeiro, diminuíram meu espaço. Depois, sem qualquer aviso prévio, impuseram a publicação de apenas uma vez por mês. Fora disso,

só na edição eletrônica, que dispõe de pequeníssima audiência. Ao atingir 92 anos de idade, resta-me desejar que a Fundação Nazaré prossiga vitoriosa, levando sempre a Palavra de Jesus ao Povo católico da nossa Arquidiocese. Despeço-me dos leitores amigos, reconhecendo que chegou o momento de me desfazer deste voluntário compromisso semanal, exercido por 42 anos consecutivos. Agradecendo as atenções que me foram dispensadas por funcionários e responsáveis pelas publicações da Fundação Nazaré de Comunicação. Que Nossa Senhora de Nazaré continue a abençoar o seu jornal.

Celebração da Missa de Finados no sábado, dia 2

A celebração do dia de Finados na Arquidiocese de Belém contará com os Bispos, além das Missas nas diversas comunidades diocesanas e áreas missionárias. O Arcebispo Metro-

politano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, presidirá a primeira Missa pelos fiéis falecidos às 9h, no Cemitério da rua Celestino Rocha, 500, bairro de Águas Lindas. Às 19h, o Arcebispo celebrará

Fundado em 5 de julho de 1913 FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita

ARQUIDIOCESE DE BELÉM-PARÁ

PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

Missa pelos falecidos na Catedral de Belém. Dom Antônio de Assis Ribeiro, um dos bispos auxiliares da Arquidiocese de Belém, celebrará a Missa pelos fiéis falecidos às 9h, no cemitério da rodovia BR 316, região do município de

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior DIRETOR ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marcos Aurélio de Oliveira DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves da Silva DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Kleber Costa Vieira

Marituba. Dom Irineu Roman, também bispo auxiliar, presidirá Santa Missa pelos falecidos às 7h30, no cemitério Santa Izabel, em Belém. ROMA - O site Vatican News transmitirá, ao vivo, as celebrações do Papa

Francisco em memória dos fiéis defuntos. Sábado, 2, nas Catacumbas de Priscila, no bairro Trieste, em Roma, o Papa preside, a partir das 16h (12h, Brasília), a Missa de Finados. Sexta-feira, 1º, Solenidade de Todos os Santos,

COORDENAÇÃO Bernadete Costa (DRT 1326) CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Alan Monteiro da Silva EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Sérgio Santos (DRT/PA 579) Assinaturas, distribuição, administração e redação Av. Gov. José Malcher, Ed. Paulo VI, 915 CEP: 66055-260

o Pontífice reza o Angelus na Praça São Pedro, a partir de 12h (8h, Brasília). Segunda-feira, 4, o Francisco preside Missa pelos cardeais e bispos falecidos no decorrer do último ano, na Basílica de São Pedro, às 11h30, (7h30, Brasília).

- Nazaré, Belém - PA Tel.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


ARCEBISPO

BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

3

Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

CONVERSA COM MEU POVO

Para julgar os VIVOS e os mortos

“C

reio em um só Senhor, Jesus Cristo... Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos, padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras, e subiu aos céus, onde está sentado à direita do Pai. E de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os mortos, e o seu reino não terá fim”. Assim professamos a nossa fé e nela queremos perseverar até o fim! Deus quer salvar a todos e não quer que ninguém se perca (Cf. Mt 18,14). Há muitas pessoas que passarão a vida inteira sem ouvir falar no nome de Jesus Cristo. Tantas terão como luz, para que a salvação venha até sua história, apenas a voz de sua consciência, e temos a certeza de que não estão excluídas do plano de amor de Deus. Por outro lado, há múl-

Aqui, olhando para eles e elas, desejamos percorrer a estrada da santidade imediatamente tiplas manifestações religiosas, nas quais o Espírito Santo passou na frente de todo o esforço evangelizador da Igreja, plantando as “Sementes do Verbo” no coração das pessoas e dos grupos. Entretanto, há de fazer parte de nossa convicção de fé o fato de que Jesus Cristo é o Senhor e o Salvador. Não teria sentido viver o cristianismo se não houvesse em nós esta certeza. Respeitamos as convicções alheias e teremos, certamente, muitas boas surpresas, ao nos apresentarmos diante de Deus, na ocasião de nossa Páscoa pessoal, passando pela dolorosa

DIVULGAÇÃO

n SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS: o Céu como ponto de chegada

e maravilhosa realidade da morte, quando, acolhidos nos braços do Pai, nossos olhos se abrirão para a eternidade feliz. Tudo isso é dom de Deus e devemos reconhecer a gratuidade do seu amor. Entretanto, o dom total que vem do alto traz consigo a responsabilidade de nosso “sim” ao plano de salvação. Quando proclamamos que Jesus Cristo virá para julgar os vivos e os mortos, tal certeza nos encha de grande alegria e nos comprometa, já que tudo o que fazemos ganha valor. Não existe um caderno de contabilidade para somar nosso débito e nosso crédito a serem acertados na porta da eternidade, como muitas vezes se visualiza o que é chamado dono das chaves, São Pedro. Mas chegará o dia do juízo! (Cf. Hb 9,27) Deus está atento e vê nossos esforços, nosso desejo de acertar, as milhões de vezes em que recomeçamos, especialmente a amá-lo e ao nosso próximo! Neste final de semana celebramos os fiéis falecidos. É edificante ver quantas pessoas se dirigem ao cemitério, mui-

tas vezes chamado com razão de Campo Santo, para recordar os entes queridos que faleceram. Sentimentos diversos, atitudes variadas. Alguns choram de saudade, e este é um bonito sentimento humano. Outros apenas enfeitam as sepulturas. Pode haver gente que traz ao cemitério alguma revolta. Para muitos virá o arrependimento por não terem feito algo em benefício daqueles que agora são pranteados. É bom não ficar nos lamentos, mas aprofundar o nosso olhar. É ocasião privilegiada para tomarmos consciência de que ninguém “ficará para semente” e que chegará, mais cedo ou mais tarde, a nossa hora. Auguramos, entretanto, que no dia de Finados resplandeçam outros sentimentos, e estes são mais do que sentimentos. Trata-se da certeza de que Jesus Cristo é nosso Senhor e Salvador (Cf. Sl 22), e que, por Ele conduzidos, passaremos pelo vale da sombra da morte e chegaremos às verdes pastagens da eternidade. Recordemos o ensinamento de São Paulo: “Se é só para esta vida que pusemos a nossa esperança em Cristo, somos, dentre

todos os homens, os mais dignos de compaixão” (1 Cor 15,19). Mais ainda: é ocasião para confiarmos a vida dos falecidos nas mãos de Deus. É o que podemos fazer por eles. Fomos marcados pela graça de Deus no Batismo, confirmados pela ação do Espírito Santo, alimentamo-nos da Eucaristia, ao tornamos presente a Morte e a Ressurreição do Senhor, vivemos nesta terra buscando o Reino de Deus e a sua justiça, enfrentamos todas as lutas e dificuldades, olhando para frente e “buscando as coisas do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus”. Sabemos que “quando Cristo, nossa vida, se manifestar, então seremos também manifestados com ele, cheios de glória” (Cl 3,1-2). E o nosso ponto de chegada é posto diante dos olhos ao celebrarmos, neste domingo, a Solenidade de todos os Santos. Ponto de partida no Batismo, Vida cristã, Páscoa pessoal na morte, e o Céu como ponto de chegada! A Igreja nos propõe a santidade, nada menos do que isso. Não se trata apenas de pensar nos santos e santas cano-

nizados, como o foi recentemente Santa Dulce dos Pobres, ou o também brasileiro Santo Antônio de Sant’Ana Galvão, comemorado nesta semana, ou vários beatos e beatas de nosso Brasil, que estão para ser proclamados. Aqui, olhando para eles e elas, desejamos percorrer a estrada da santidade imediatamente. Algumas propostas: na vida de São Geraldo Magela, ao sair de casa para seguir os Missionários Redentoristas, deixou um bilhete para a mãe e os irmãos: “Fui embora para ser santo”. Santidade exige decisão, escolha, clareza de objetivos, prontidão para não se acomodar. Depois, a santidade se realiza no cotidiano, fazendo bem todas as coisas, amando a Deus e ao próximo. É santidade o cumprimento dos próprios deveres religiosos e a prática da cidadania. É santidade cuidar da natureza, proteger o meio ambiente. É caminho de santidade a disposição para fazer gentilezas, ceder o próprio lugar, não desejar impor seus pontos de vista, buscar mais o que nos une do que ressaltar a desunião. Vale o exem-

plo do Apóstolo: “Com os súditos da Lei, me fiz súdito da Lei – embora não fosse mais súdito da Lei –, para ganhar os súditos da Lei. Com os sem lei, me fiz um sem lei – eu que não era sem a lei de Deus, já que estava na lei de Cristo, para ganhar os sem lei. Com os fracos me fiz fraco, para ganhar os fracos. Para todos eu me fiz tudo, para certamente salvar alguns. Por causa do evangelho eu faço tudo, para dele me tornar participante” (1 Cor 9,20-23). Ou assim propõe o mesmo São Paulo: “Aspirai à mesma coisa, unidos no mesmo amor; vivei em harmonia, procurando a unidade. Nada façais por competição ou vanglória, mas com humildade, cada um julgue que o outro é mais importante, e não cuide somente do que é seu, mas também do que é do outro” (Fl 2,2-4). Enfim, é santidade não se acomodar com o pecado, mas levantar-se e recomeçar sempre! É o que desejamos ao celebrar os fiéis defuntos e aqueles que são hoje colocados diante de nós para nos aventurarmos na mesma estrada da santidade que percorreram.

Estrada da santidade

Que no dia de Finados resplandeçam outros sentimentos. Trata-se da certeza de que Jesus Cristo é nosso Senhor e Salvador


4

IGREJA

BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

CÔN. CLÁUDIO BARRADAS (claudiobarradaspe@gmail.com)

MISCELÂNEA

E

dyr Augusto, como sabe quem o conhece, é muito apegado a seu Estado, o nosso Pará, e, sobretudo, a Belém, sua cidade natal. Nela situa todas as suas narrativas. Seus thrillers – vá o anglicismo, termo que, segundo os dicionários, designa uma narrativa, uma peça de teatro ou um filme empolgantes e/ou que inspiram horror – representam, no dizer dos entendidos na matéria, o que há de mais interessante na literatura contemporânea paraense, mas com temas identificáveis em qualquer cenário urbano. Sua linguagem, cos-

Edyr AUGUSTO (Final) Editorial. Edyr também é poeta, e que poeta! Além de “Surfando na multidão”, editado pela Cejup em 1992, publicou, edição do autor, “Navio dos cabeludos, rei do Congo”, “Incêndio nos cabelos”, “O tempo do cabelo crescer” e “Ávida vida”. Tem, editados, três livros de crônicas: “Crônicas da Cidade Morena I”, “Crônicas da Cidade Morena II”, ambos edição do autor, e “Crônicas

Sua liguagem, típica da região, compõe um retrato perfeito da oralidade local tumeiramente coloquial, típica da região, compõe um retrato perfeito da oralidade local. Sua temática, urbana, com uma trama de suspense que se desenrola em bares, botecos, restaurantes, delegacias, clubes, motéis e similares, ecoa a tradição policialesca “noir”. Nesse encontro

tem, editados, três livros de crônicas

n UM DOS LIVROS de poemas de Edyr Augusto Proença

configura-se o estilo singular de toda a sua obra. Seu estilo marcante, sua escrita alucinante e implacável, não poderiam deixar de chamar a atenção de editoras internacionais, sempre atentas ao que de bom acontece mundo afora

em termos de literatura. Foi assim que, como aqui se disse na edição passada, “Casa de Caba”, seu segundo romance, foi publicado em 2007 na Inglaterra. Publicados na França: Em 2013, “Os Éguas”, com o título de “Belém”;

em 2014, “Moscow”; em 2015, “Casa de Caba”, com o título de “Nid de Vépères”; em 2017, “Pssica”, todos, pela Editora Asphalte. Seu livro de contos “Um sol para cada um” foi publicado em 2008 pela editora Boitempo

PADRE ROMEU FERREIRA Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (romeufsilva@gmail.comg)w

Seu livro de contos "um sol para cada um" foi publicado em 2008 pela editora Boitempo editorial

da Cidade Morena III”, edição do Diário do Pará 2012. Neste, há uma crônica, “E quem vai pagar a pizza”, sobre um fato acontecido comigo, quando pároco de Jesus Ressuscitado, no conjunto Médice I, Marambaia, aqui ali, o que natural, modificado por ele. Finalizo este artigo e a série sobre ele transcrevendo três de seus poemas, que eu chamaria de Haikais paraenses, a meu ver belíssimos, para deixar meu possível leitor com água na boca e gosto de quero mais. I “Que misteriosa pilha mantém aceso o farol que sai dos teus olhos” ** II “É o preço que se paga, por viver sozinha acordar no meio da noite acabar no bar da esquina” ** III “Tava um malandro jogado levando a vida noutra dimensão E aí você veio canto de sereia ficou só poeira triturando meu coração” Curtam-nos e, se quiserem mais, procurem adquirir os livros de onde os extraí. Shalom!

LITURGIA

HOMILIA DOMINICAL A) Texto: Mt 5,1-12 1Jesus,

vendo as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, 2 e Jesus começou a ensinálos: 3 “Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus. 4 Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. 5 Bemaventurados os mansos, porque possuirão a terra. 6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. 7 Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. 8 Bemaventurados os puros de coração, porque verão a Deus. 9 Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão filhos de Deus. 10 Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. 11 Bemaventurados sois vós quando vos injuriarem e perseguirem e, mentin-

do, disserem todo tipo de mal contra vós por causa de mim. 12 Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus”. B) COMENTÁRIO

Todo humano vem de Deus (Gn 1,26), o Santo por excelência. Só Ele é três vezes Santo (Is 6,3) e nos convoca: “Sede santos, porque eu, Iahweh, vosso Deus, sou santo (Lv 19,2)”. A vida plena e feliz está em Deus, nossa origem. O Evangelho fala de “Bem-aventuranças”, ou “felicidade”; o bem que vem e se torna realidade. A Felicidade ou Bemaventurança em hebraico se diz “ashrê” (Sl 84,13); em grego “makários”. Os “macarismos”: leque da felicidade. E o leque se abre para fora. Alguém pergunta a Jesus: “o que fazer para ser feliz; quem é feliz”? Ele responde com um elenco de condições e

qualidades: os pobres, os aflitos, os mansos, os famintos, os misericordiosos, os puros, os pacíficos, e os perseguidos. Mas a cada uma das oito situações, corresponde a razão de ser, como esclarecimento. O quadro se mostra como um contraste enorme, pois quem se sente feliz na aflição, na perseguição...? E mais, o Mestre nos ordena a termos uma alegria ainda maior ou felicidade plena, convidando à alegria e exultação: “Alegrai-vos e exultai” (v 12)... quando vos perseguirem, caluniarem, mentirem contra vós. E em oração lhe diríamos: Senhor, quem poderá alegrar-se neste turbilhão de padecimentos e agruras? Qual será a razão desta tamanha felicidade? Que felicidade é esta? Jesus aponta que é tê-lo como motivo: por causa de mim (v 11). E Jesus conduz o pensamento da plateia a uma dimensão

escatológica, ou seja, o Mestre leva o cristão a tornar-se cada vez mais um ser “futuriço”, que embora estando no tempo presente, ele invista todo o seu potencial, com perspectiva voltada ao futuro, com segurança de vitória garantida por quem pode garanti-la: o Cristo. Já no inicio da narrativa do discurso, dizse que Jesus “subiu ao monte”. Isto quer mostrar a importância de seus ensinamentos, que são tão aquilatados quanto foi o pacto sinaítico, o compromisso de Deus com o seu povo e do povo com Deus, no monte Sinai. Há uma felicidade que não a contemplamos a não ser com os olhos da fé e na dinâmica e energia que nos vem do Senhor. Vivendo estas qualidades evangélicas: “pobreza” ao modo de Cristo, e todas elas, seremos os bem-aventurados

n 1/11, SEXTA-FEIRA Cor (branco) Primeira Leitura (Rm 9,1-5) Responsório (Sl 147) Evangelho (Lc 14,1-6) n 2/11, SÁBADO Cor (roxo) Primeira Leitura (Is 25,6a.7-9) Responsório (Sl 26) Segunda Leitura (1Jo 3,1-2) Evangelho (Jo 6,37-40) n 3/11, DOMINGO Cor (branco) Primeira Leitura (Ap 7,2-4.9-14) Responsório (Sl 23) Segunda Leitura (1Jo 3,1-3) Evangelho (Mt 5,1-12a) n 4/11, SEGUNDA-FEIRA

Cor (branco) Primeira Leitura (Rm 11,29-36) Responsório (Sl 68) Evangelho (Lc 14,12-14) n 5/11, TERÇA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Rm 12,5-16a) Responsório (Sl 130) Evangelho (Lc 14,15-24) n 6/11, QUARTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Rm 13,8-10) Responsório (Sl 111) Evangelho (Lc 14,25-33) n 7/11, QUINTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Rm 14,7-12) Responsório (Sl 26) Evangelho (Lc 15,1-10)


5 SETORJUVENTUDE

BELÉM, DE 1 A 7 DE OUTUBRO DE 2019

DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

MUNDO JUVENIL E A FÉ CRISTÃ

C

oncluiu-se no domingo passado, dia 27, em Roma, o Sínodo Pan-Amazônico. Gostaria de apresentarlhes meu breve testemunho desse evento tão significativo para a Igreja e a sociedade. Enquanto caboclo missionário que já trabalhou nos “quatro cantos” da Amazônia brasileira em contextos de povos, culturas e condições diferentes, tenho referências para dar uma palavra sobre a importância desse Sínodo. Só poderá entendê-lo quem já leu a encíclica Laudato Sí, conhece a íntima relação entre fé cristã e meio ambiente, bem como considera a delicada situação da Igreja na

O Sínodo foi uma maravilhosa experiência de liberdade, respeito e de fraternidade eclesial ampla realidade amazônica com os seus mais variados clamores. Não há verdadeira evangelização onde não acontecem processos de imersão na realidade do povo. Ressalto alguns aspectos desse evento de escuta para o Papa Francisco.

1

EVANGELIZAÇÃO INCULTURADA: a missão da Igreja é evangelizar contribuindo para a promoção do advento do Reino de Deus. Para que a semente do Evangelho possa brotar é necessário que seja plantada no chão de cada realidade; não há verdadeira evangelização sem a encarnação no con-

Ecos do SÍNODO Pan-Amazônico creto de cada realidade sociocultural. E, a realidade sociocultural, para ser evangelizada, precisa ser acolhida, conhecida, assimilada, respeitada, estudada... Assim fez o Filho de Deus! (cf Jo 1,14). O evangelizador deve ser capaz de diálogo, pois, quando a evangelização não leva em conta a realidade, agride-a!

2

PLURALIDADE AMAZÔNICA: No contexto amazônico há múltiplas realidades antropológicas, culturais, religiosas, econômicas, políticas... Há situações com exigências diferentes: o mundo urbano, o ribeirinho, o rural, o indígena, o afrodescendente, o caboclo... Cada evangelizador assume uma particular sensibilidade a partir do contexto em que vive. Não podemos pensar a Amazônia de forma monolítica, caindo no reducionismo.

3

VIOLÊNCIAS NA AMAZÔNIA: o Sínodo fez um profundo diagnóstico da situação amazônica; mostrou que a vida na PanAmazônia sofre ameaças, há muitas injustiças e sangue derramado. O fenômeno das múltiplas violências é uma realidade dramática presente em todos os contextos. A violência está presente no meio ambiente, destruindo a fauna e a flora; está no campo e na cidade e vitimiza todas as faixas etárias: crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos; homens e mulheres, povos e culturas; a violência atinge a família, etnias e instituições. A ganância

econômica é o principal fator gerador das múltiplas formas de opressão e injustiça.

4

FRATERNIDADE: O Sínodo Panamazônico foi uma maravilhosa experiência de liberdade, respeito e de fraternidade eclesial, onde cada padre sinodal expressou-se com liberdade e sinceridade, revelando a todos aquilo que pensava e sentia a respeito dos desafios da evangelização a partir da sua experiência de vida. Nos intervalos dos trabalhos sinodais, a serena convivência acusava o forte espírito fraterno presente e testemunhado na Igreja Católica.

5

COMUNHÃO E OBEDIÊNCIA: O Sínodo Pan-amazônico evidenciou e consolidou a beleza da comunhão e da obediência ao sucessor de Pedro. Foi forte testemunho de caminhar juntos, ou seja, de sinodalidade! A constante presença e o testemunho de paciência do Papa Francisco foram eloquentes. A diversidade de experiências pastorais, de sentimentos, expectativas e nem a divergência de ideias, em nada abalaram o sentido e a consciência de unidade eclesial. A Igreja é sólida! Todos se manifestaram convictos de estar “com Pedro e submissos a ele”.

6

DISCERNIMENTO: A evangelização é um processo dinâmico! O essencial e permanente, ontem, hoje e sempre, é Jesus Cristo! Por isso, é dever dos pastores da Igreja estimular o repensamento, o redi-

mensionamento e a reestruturação respeitosa e criteriosa daquilo que perdeu a sua significatividade. O discernimento é um dom do Espírito Santo que sempre renova a Igreja com suas ideias, atividades, critérios e estruturas pastorais. A tônica foi o compromisso de conversão! O tema do Sínodo apontou para a busca de novos caminhos para a evangelização na Amazônia e para a ecologia integral.

7

PROCESSO: A Igreja não se renova abruptamente; isso não estaria em conformidade com a natureza da Revelação Divina. Por isso, a renovação da Igreja é lenta, percorre processos, e isso requer, de todos, um profundo respeito, uma atitude de prudência e muita paciência! Requer assimilação das novidades e nova aprendizagem. Por isso, na Igreja haverá sempre uma saudável tensão entre o “antigo e o novo”, o “passageiro e o permanente!”.

8

MISSIONARIEDADE: A paixão missionária não deve se esfriar e deve corresponsabilizar a todos os sujeitos eclesiais que têm muitos rostos (indígena, camponês, afrodescendente, migrante, jovem...). As mulheres foram profundamente reconhecidas como grandes sujeitos, virtuosas e com forte contribuição na vida da Igreja. Sentiu-se o desejo da instituição de novos ministérios para os leigos, redimensionamento do diaconato e sacerdócio! Todos os discípulos de Jesus Cristo devem

se sentir comprometidos em discernir “o que o Espírito pede à Igreja” em cada situação e diante dos novos desafios apresentados.

9

CONVERSÃO: O Sínodo PanAmazônico convocou toda a Igreja ao compromisso da Conversão em diversos níveis: conversão integral, conversão pastoral, conversão cultural, conversão ecológica e conversão sinodal (caminhar juntos!). Isso requer processos de mudança de mentalidade em vista da promoção da espiritualidade da comunhão e da harmonia. Exige um repensamento das nossas estruturas eclesiais, atividades, formas de presenças, bem como a criação de novos organismos de serviços eclesiais e parcerias.

10

FORMAÇÃO: Os processos de mudança (conversão), para serem efetivos, exigem da Igreja em todos os níveis (comunitário, paroquial, diocesano e nas conferências episcopais), um sério investimento na promoção da educação ecológica, da espiritualidade da escuta, do diálogo ecumênico e intercultural; é necessário dar especial atenção à Palavra de Deus, à catequese e à teologia inculturada; é preciso investir na comunicação e dar muita atenção à pastoral juvenil, à pastoral vocacional e cuidar do perfil da formação sacerdotal autóctone e dos diáconos permanentes; é muito importante incentivar novos modelos de desenvolvimento sustentável, cuidar da pre-

“Fronteiras existenciais” ou “Novas formas de pobreza” n Diác. Nonato Santos

S

ão termos que refletem os resultados gerados pelas injustiças sociais presentes nos espaços territoriais, principalmente, nas cidades urbanizadas como fruto do egoísmo e soberba de muitos, culminando no fenômeno da exclusão social dos pobres. São sinais vivos que geram Fronteiras existenciais delimitadas nas Novas Formas de Pobreza, afetando duramente a qualidade de vida, tanto na sobrevivência quanto na convivência, desses

irmãos excluídos. Para o Papa Francisco, a periferia é a situação limite, a fronteira do humano, a condição onde os valores humanos se encontram sob ameaça de se transformarem em desumanos, passando da cultura da vida à cultura da morte. Essas áreas devem ser territórios preferenciais das ações de saída da Igreja não só no Dia Mundial dos Pobres, mas de forma permanente, onde as pastorais e serviços devem ser as células vivas de animação e irradiação dos valores inclusi-

vos da vida. O contexto do salmo retrata a tristeza, devido à injustiça, ao sofrimento e à amargura que fere os pobres. Apesar disso, dá uma bela definição do pobre: é aquele que “confia no Senhor” (Sl 9,11), pois tem a certeza de que nunca será abandonado. Na escritura, o pobre é o homem da confiança! E o autor sagrado indica também o motivo desta confiança: ele “conhece o seu Senhor” (Sl 9,11) e, na linguagem bíblica, este “conhecer” indica uma relação

pessoal de afeto e de amor. Neste sentido, somos todos chamados a cultivar os valores e atitudes que demonstram que Deus está ao lado dos pobres, oprimidos e excluídos pela negação do mundo, dos seus direitos individuais e humanos. Assim, cabe agir com exemplos de misericórdia, de caridade, de fraternidade e de amor ao próximo, seguindo e afirmando uma atitude discipular de Cristo, onde devem, sempre, ressoar na direção da esperança das graças oriundas e fidedignas de Deus, o Criador.

sença eclesial no mundo urbano, político e universitário. O Sínodo Pan-amazônico, por si mesmo, sem pensar nas consequências, foi um maravilhoso e ousado marco da presença da Igreja na Amazônia. Somos uma grande família e queremos conservar a nossa significatividade pastoral, comunhão, fidelidade e sinergia! REFLEXÃO: Quais Estados e contextos socioculturais da Amazônia você conhece? Qual é a relação entre Fé e contexto existencial? Você já conviveu ou ao menos visitou algum povo indígena? Conhece seus desafios? Qual seria a atitude de Jesus diante dos dramas amazônicos (as múltiplas violências, o desmatamento, a pobreza, as injustiças...)? Qual seria a opção dele?

1 2 3

Somos uma grande família

A paixão missionária não deve se esfriar e deve corresponsabilizar a todos os sujeitos eclesiais que têm muitos rostos


6

FUNDAÇÃO NAZARÉ

BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

LUIZ ESTUMANO

FAMÍLIA NAZARÉ

Dia 1º, a Missa pela Família NAZARÉ AGRADECENDO a Deus pela vida dos benfeitores da evangelização

S

erá nesta sexta-feira, 1º, a Missa pela Família Nazaré. É o momento em que todos os meses, a Arquidiocese de Belém e a Fundação Nazaré de Comunicação agradecem a Deus vida dos benfeitores que ajudam a manter a obra de evangelização da Igreja particular de Belém. A

Santa Missa será celebrada a partir das 14h30, ao vivo, pela Rede Nazaré de Televisão, canal 30, ou na sintonia da sua cidade, começando pelo Santo Terço, recitado pelo Movimento Arquidiocesano do Terço dos Homens “Mãe Rainha”. Em seguida, iniciará a Missa, às 15h.

A celebração eucarística terá a participação da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, localizada no município de Benfica, cujos paroquianos unem-se à Arquidiocese de Belém por essa ação de graças por toda as pessoas que, por sua contribuição espontânea, ajudam a manter

n MISSA será na capela da Fundação Nazaré de Comunicação

o trabalho desenvolvido pela Fundação Nazaré através dos meios de comunicação – jornal, portal na internet, rádio FM e a Rede Nazaré de Televisão, canal 30. O Terço Mariano e a Missa são transmitidos simultaneamente pela TV, Rádio e Portal Naza-

ré, mas o benfeitor que quiser, pode assistir à Missa na capela da Fundação Nazaré, localizada na avenida Governador José Malcher, 915, bairro de Nazaré. SEJA UM BENFEITOR

- Quem não faz parte ainda da Família Nazaré pode realizar seu cadastro

no Portal Nazaré (www. fundacaonazare.com.br/ cadastro) ou ligar para o número 4006-9211/40069212. Dessa maneira, qualquer pessoa que queira contribuir com a missão evangelizadora da Arquidiocese de Belém, como integrante da família de benfeitores.

CAMPANHA SEJA MAIS UM Colabore com a obra de evangelização da Arquidiocese sendo mais um benfeitor da Fundação Nazaré de Comunicação. O cadastro pode ser feito pessoalmente na sede da Fundação, situada na avenida José Malcher, nº 915 – Edifício Paulo VI, Nazaré, de segunda a sábado, das 7h às 19h. Ou pelos sites oficiais (www.sejamaisum.com), (www. fundacaonazare.com.br), ou pelo telefone (91) 4006-9211. Se preferir entrar em contato por email, envie mensagem para famjor@ fundacaonazare.com.br e faleconosco@fundacaonazare.com.br

NOSSOS ANIVERSARIANTES Aida Lourdes Moreira Angela Maria Siqueira Duarte Aria Martins e Martins Carmen Teles Fernandes Ceci do Carmo Reis Cesar Augusto Ferreira dos Santos Florinda de Oliveira Amaral Joana Darc Ferreira Batista José Augusto Saraiva José Xavier da Silva Jucilene Silva Oeiras Julieta Albuquerque Mendonça Lucimar Rosa da Rocha Maria José Ramalho do Espírito Santo Palmira Cardoso de Moraes Raimundo de Nazaré Ferreira Moreira Rocilene Rabelo de Castro Silvia Regina Menezes dos Santos Walquiria de Nazaré Araujo Adolfo Gemaque dos Santos de Almeida Francisco Pereira Ladislau Maria Odilon Oliveira Paulo de Tárcio dos Anjos Farias Raimundo Borges de Lima Adilia Maria de Castro Abe Azenilda Silva do Nascimento Benino Gomes de Oliveira

Carmen Cerdeira Barata do Amaral Gilberto Jader Serique Filho Jandira Ediane Ferreira Lucymar Da Conceição Resende da Costa Maria das Graças do A. Tavernard Maria das Graças Sousa de Oliveira Patrícia Silva Maciel Paulo Cunha Rubim Rita Freire Viegas Silvia Oliveira Zacarias Martins de Souza e Maricilda de Souza Souza Argemiro Nogueira Lucena Carlos Praia Gonçalves Edna Pacheco da Silva Edvaldo Silva do Rosário Edward Martins de Aquino Francisco Carlos Oliveira Nina Hermes Miranda Favacho Jaciléia do Socorro S. de almeida Jessian Jorge Câmara Fernandes Jose Ribamar Tavares de Moura Luiz Antônio Silva Pinheiro Maria de Lourdes Alves Bernardes Maria Olivia Dias dos Santos Normélia Nazareth Celso Baars Menezes Selma Iolanda Guimarães Corrêa Antonio Benedito Tavares de Souza

José Maria Magalhães da Costa Luzia Ferreira Maria das Graças Batista Martins Maria Heliana Alencar da Costa Maria Izabel de Souza Morhy Najla Maria Souza Buraslan Ney Ronaldo Gomes de Sousa e Familia Rosiclei Coelho Barros Vivian T. P. de Souza Casal Eder Almeida Furtado e Shirlene Carina S. Gonçalves Cleide Freire Soeiro Edson José da Silva Lima Enid Nazareth P. Pereira Ferreira Ernesto Feio Boulhosa Jackson Silva Barbosa Lya Maria Carneiro Marc Antônio Vale da Silva Marco Antonio Vale da Silva Maria das Graças Campos Costa Maria de Nazaré Oliveira Raimundo dos Santos Ferreira Rosangela Cristina Peres Rosemeire Pereira Suzana Damasceno Monteiro Brito Andrea Martins Cavalcante Benedita lagoia Valente Celina Dutra do Carmo

Lolita Regina de Jesus dos Santos Marcio Vitor Cabral de Oliveira Maria Ivanilda Mareco da Silva Maria Lúcia Rocha Ramos Maria Nazaré de Paiva Anaisse Marilbe Nazaré Silva dos Santos Marlene Pereira Belo Nelson de Castro Monteiro Regina Coeli S. Aleixo Regina da Conceição Cardoso da Silva n NATALÍCIO DE PADRES E DIÁCONOS 01/11 - Pe. Manoel Francisco dos Santos 01/11 - Diác. Luiz Carlos de Araújo Castro 04/11 - Diác. Carlos Eduardo Girão de Souza 04/11 - Diác. Edward Martins de Aquino 06/11 - Pe. José Antônio da Paixão da Silva 07/11 - Pe. Leonardo Nazareno das Neves 07/11 - Pe. Vanderson Jorge da Costa Barata n ORDENAÇÃO DE PADRES E DIÁCONOS

03/11 - Côn. Ronaldo de Souza Menezes


BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

CADERNO DOIS

n PROCISSÃO DO RECÍRIO a última das doze romarias oficiais

N

a manhã da segunda-feira, 28, às 8h30, encerrou-se oficialmente a edição 227 do Círio de Nazaré na capital, com a recondução da Imagem Peregrina à capela do Colégio Gentil Bittencourt durante a 160ª procissão do Recírio, a última das doze romarias oficiais. No mesmo dia, no auditório Dom Vicente Zico, no Centro Social de Nazaré, a Diretoria da Festa e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA) apresentaram o balanço oficial da Festa, em coletiva à imprensa local. A coletiva teve a presença do atual Diretor Coordenador, Cláudio Acatauassu, do Diretor Secretário, Flávio Américo, do Reitor da Basílica Santuário e Presidente da Festa, Padre Luiz Carlos Gonçalves, do supervisor técnico do Dieese, Roberto Sena e, ainda, do novo diretor coordenador para o biênio 2020/2021, Albano Martins. No estudo apresentado por Roberto Sena mostrou-se que houve crescimento nas doze Romarias Nazarenas do Círio de Nazaré. O primeiro ponto destacado e, também, o principal objetivo da Grande Festa foi a questão da evangelização ao longo da Quadra Nazarena. A estimativa foi que, através dos encontros de peregrinações, a imagem de Nossa Senhora tenha visitado 110 mil lares, atingindo 1,8 milhão de pessoas. Com o Recírio encerrando as romarias nazarenas, a Imagem da Virgem de Nazaré fez uma das maiores jornadas na historia dos Círios: percorreu 132,300 km na Grande Belém por terra e água em quase 35 horas de procissões. Das doze o estudo observou três procissões em específico, a do Traslado para Ananindeua que foi realizado em 9 horas, a Trasladação com cerca de 5 horas e a Grande

FOTOS: LUIZ ESTUMANO

n DESPEDIDA fiéis participando da procissão do Recírio

Diretoria apresenta balanço da FESTA DE NAZARÉ 2019

ÊXITO da Festa Nazarena contribui para o crescimento da devoção mariana no Estado

n DADOS foram apresentados em coletiva da Diretoria à imprensa

Procissão com cerca de 4 horas e 35 minutos. Para Cláudio Acatauassu, Diretor Coordenador, até a dissolução da diretoria no próximo dia 22 de novembro, as avaliações para a edição 2019 foram as melhores: “Tivemos uma resposta muito positiva de toda a sociedade pelos meios de comunicação em todos os níveis. Foi só de valorização do Círio, de felicitação do Círio, falando das romarias que foram belas, as berlindas bem decoradas, o manto mais bonito, ou seja, ex-

tremamente positivo”. Segundo ele, o êxito da Festa Nazarena contribui para o crescimento da devoção mariana no Estado: “Sabemos que estamos vivendo em uma época de crise, mas parece que a devoção aumentou mais ainda e as pessoas têm recorrido mais às coisas do alto. Minha avaliação é extremamente positiva em relação ao Círio deste ano.” ECONOMIA

Mesmo realizadas em um cenário de bastante dificuldade, com

n NOVO COORDENADOR Albano Martins biênio 2020/2021

a economia ainda em recuperação, e com os custos em alta, o Círio de Nazaré 2019 foi considerado o mais bem organizado. Houve movimentação em praticamente todos os setores econômicos paraenses, com destaque para o setor serviço, com foco maior no turismo. A estimativa do departamento é que aproximadamente 83 mil turistas injetaram U$ 31,2 milhões de dólares. O orçamento do Círio de Nazaré ao longo do tempo foi elaborado pe-

la Diretoria da Festa de Nazaré e analisado em conjunto pela Dieese/PA e Diretoria da Festa. A Festa teve os gastos de aproximadamente R$ 3,8 milhões de reais, crescimento de 3,3% relação a 2018. Apesar do aumento do gasto na festa, Sena avalia o retorno do chamado ‘Efeito Círio’ compensador. Em termos de impactos globais a estimativa é que tenham sido injetados na economia paraense, mesmo com toda a crise, cerca de R$ 1 bilhão de reais.

“O Círio, inicialmente, não tinha esse público atual, tinha 400 mil, 500 mil, então à medida que você vai ficando com uma festa maior, os gastos tendem a ser maiores. Do ponto de vista da economia, é algo incomensurável. Você ter um investimento que é superado pelo retorno é algo que não acontece todo tempo. É o estado sendo vendido, sendo pauta positiva, além do fato da evangelização das pessoas, da procura por Deus e Nossa Senhora”, aponta Sena.

TEMA 2020 E NOVA DIRETORIA Inspirado na oração mariana mais conhecida do mundo, o tema do Círio 2020, “Ave Maria, Cheia de Graça”, irá nortear todos os eventos, materiais de divulgação e até a criação do manto para o próximo ano. O tema foi escolhido pelo Arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, antes de viajar a Roma onde participou do Sínodo para a Amazônia, convocado pelo Papa Francisco. Para o Padre Barnabita, Luiz Carlos Gonçalves, o tema que é a saudação do Anjo Gabriel à jovem Maria trata-se de um convite a refletir sobre o papel da Virgem de Nazaré

na história da salvação: “Ela é aquela que ouve a Palavra de Deus e a põe em prática, e assim a salvação, que é Jesus Cristo, se torna presente em nosso meio. E que todos nós cristãos somos chamados, a exemplo de Maria, a dar o nosso sim a Deus para que seu projeto se realize entre nós”. O tema norteará a festa de número 228 que terá também uma nova diretoria coordenadora, composta pelo casal Albano e Ana Paula Martins. Desde 2014, a convite do Casal Coordenador à época, Jorge e Amélia Xerfan, o casal foi convidado para integrar a

diretoria. Albano foi membro em 2014/2015 da diretoria de eventos, em 2016/2017 diretor secretário e neste último biênio (2018/2019) diretor titular da diretoria de eventos. Os anos de experiência, segundo ele, contarão muito no seu mandato nos próximos dois anos: “Tive uma grande oportunidade de ser da Diretoria, secretaria que toma conhecimento, auxilia e participa no trabalho praticamente de todas as diretorias. Fazendo a interligação entre as diretorias e o diretor e isso permitiu conhecer um pouco do trabalho de cada um. Co-

mo também tenho uma experiência na guarda, isso dá outra visão. Chegamos com muita expectativa, sem medo de errar porque o mecanismo que a gente tem nos permite ter essa segurança”. No dia 22 de novembro haverá a dissolução da diretoria antiga e a nova assumirá no dia 4 de dezembro. “A partir de janeiro a gente tem pleno conhecimento de onde queremos chegar com o Círio 2020. Vamos seguir de peito aberto, segurando na mão de Nossa Senhora e buscar fazer um Círio mais bonito do que o deste ano”.


2C

aderno 2

ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 1 A 7 DE OUTUBRO DE 2019

NAZARÉ REPÓRTER DIVULGAÇÃO

O A

Espírito Santo é o protagonista da missão da Igreja: é Ele quem guia o caminho dos evangelizadores, mostrando a eles a via a seguir. Peçamos ao Espírito Santo um coração aberto, sensível a Deus e acolhedor aos irmãos. (30 de outubro) esperança é viver voltados para o encontro com o Senhor; é como lançar a âncora até a outra margem e agarrar-se à corda. (29 de outubro)

RÁDIO NAZARÉ

FM 91 .3 MHZ

n NOVEMBRO AZUL É TEMA NA RÁDIO NAZARÉ FM Já iniciando o mês de novembro, período alusivo à campanha “Novembro azul”, o tema do programa “Saúde e cidadania” de segundafeira, 4, será sobre a conscientização dos cuidados com a saúde masculina. Um especialista falará sobre o assunto aos ouvintes da Rádio Nazaré FM. Sintonize 91,3 MHz e participe! Nosso contato é 40069211 ou 9.8814-0275 (WhatsApp).

FESTIVIDADE DE SÃO LUCAS Em Ananindeua, a Paróquia de São Lucas Evangelista promove festividade do padroeiro, no período de 9 a 17. Com o tema “Evangelizar é a nossa missão”, a festividade consta de oração do Santo Terço às 18h30 e Santa Missa às 19h, além de programação cultural com apresentação de bandas locais e vendas de comidas típicas após a celebração eucarística. A Matriz da Paróquia de São Lucas Evangelista, está localizada no conjunto Guajará I, avenida Principal, s/n, bairro do Coqueiro.

TV NAZARÉ CANAL 30.1

CURSOS

n ACOMPANHE A ADORAÇÃO NA TV NAZARÉ

A Escola Salesiana do Trabalho está com as inscrições abertas para cursos livres, visando qualificação profissional. Dentre os cursos disponíveis estão: Mecânica de Refrigeração, informática básica e avançada, e mecânica de motores de rabeta. As aulas estão previstas para janeiro de 2020 e ocorrem de segunda a sexta-feira, pela manhã das 7h30 às 11h30 e à noite das 19h às 22h. Vagas limitadas. Informações: 4008-8200 ou 3244-3530.

Todos são convidados a participar do momento profundo de encontro com Deus durante a Adoração ao Santíssimo Sacramento, transmitida ao vivo pela Rede Nazaré de Televisão, canal 30.1, direto da Capela da Fundação Nazaré de Comunicação, das 15h às 16h, na próxima quinta-feira, dia 7. A Adoração ao Santíssimo Sacramento ocorre todas as quintas-feiras, sempre das 15h às 16h e conta com a participação dos telespectadores, com o envio de pedidos e intenções através do aplicativo de mensagem WhatsApp, pelo número (91) 99315-5743.

FESTIVIDADE EM MARITUBA Nossa Senhora de Nazaré é homenageada no mês de novembro no município de Marituba. A 77° edição da festividade de cunho religioso realizada pela matriz com o título da virgem de Nazaré, inicia-se dia 8 com o tema “Maria, discípula missionária, modelo de evangelização”. A programação segue até o dia 17, na Matriz, localizada na avenida João Paulo II, 92, bairro Dom Aristides, em Marituba.

PORTAL NAZARÉ WWW. FUNDACAONAZARE. COM.BR

CURSO TÉCNICO

n SUA AÇÃO PAROQUIAL NO PORTAL

Até o dia 18 de novembro seguem abertas as inscrições para a seleção dos cursos técnicos da Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará (UFPA). Técnico em Cenografia, Técnico em Figurino Cênico e Técnico em Teatro, constam na listas de vagas ofertadas, além de outras. O processo seletivo ocorre em janeiro de 2020 e constará de prova escrita e entrevista. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site www.ceps.ufpa.br.

Faça parte da produção do Portal Nazaré. Envie sua sugestão de pauta, programação da festividade ou as atividades da sua paróquia para o e-mail: portal@fundacaonazare.com.br. Atenção!! As divulgações devem estar de acordo com a missão da Fundação Nazaré de Comunicação: “Promover a formação integral da pessoa humana e a defesa da vida, à luz do evangelho, através dos meios de comunicação”. Acesse nosso portal: www.fundacaonazare.com.br e nossas redes sociais: Facebook:/FNCBelem e Twitter: @FundacaoNazare e fique por dentro! Faça parte da Família Nazaré e nos ajude a levar mais longe o Evangelho participando da Campanha Seja Mais UM. Acesse: www.sejamaisum.com ou ligue: (91) 4006-9211.

BOA DICA

AGENDA DE DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA n SEXTA, 1 DE NOVEMBRO 18h - Missa - Paróquia de São Judas Tadeu n SÁBADO, 2 DE NOVEMBRO 9h - Missa pelos Fiéis Falecidos (Cemitério

Recanto da Saudade) 11h30 - Missa (Fazenda da Esperança) 19h - Missa pelos Fiéis Falecidos (Catedral de Belém) n DOMINGO, 3 DE NOVEMBRO

10h - Missa e Crismas (Paróquia Jesus Bom Samaritano) n SEGUNDA, 4 A QUINTA, 7 DE NOVEMBRO Retiro de ordens para futuros padres

AGENDA DE DOM IRINEU ROMAN n SEXTA, 1 DE NOVEMBRO 19h30 - Missa - Comunidade Sagrado Coração de Jesus (Paróquia Santo Afonso) n SÁBADO, 2 DE NOVEMBRO 7h30 - Missa pelo Fiéis Defuntos Cemitério Santa Izabel - Belém 19h - Missa - Paróquia São Judas Tadeu - Condor

n DOMINGO, 3 DE NOVEMBRO 9h - Missa - Pastoral das Ilhas (Comunidade Nossa Senhora de Nazaré - Ilha Grande) 19h - Missa - Paróquia Nossa Senhora do Livramento (festividade) n SEGUNDA, 4 DE NOVEMBRO 18h30 – Missa - Seminário Pio X

n TERÇA, 5 DE NOVEMBRO 17h - Missa - Paróquia Santa Cruz (15 anos - Pastoral da Pessoa Idosa) n QUARTA, 6 DE NOVEMBRO 19h - Missa - Casa das Irmãs Missionárias da Santíssima Trindade n QUINTA, 7 DE NOVEMBRO 19h30 - Missa - Comunidade Semeando

AGENDA DE DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO n SEXTA, 1 DE NOVEMBRO 19h - Missa - Comunidade Rainha da Paz (Paróquia Nossa Senhora do Bom Remédio) n SÁBADO, 2 DE NOVEMBRO 9h - Missa - Cemitério Max Domini (Rodovia BR 316)

n DOMINGO, 3 DE NOVEMBRO 19h - Missa (encerramento da festividade) (Paróquia São Judas Tadeu) n SEGUNDA, 4 DE NOVEMBRO 15h - Encontro e Missa com os Seminaristas do Propedêutico n TERÇA, 5 DE NOVEMBRO

19h - Missa - Comunidade Rainha da Paz (Una) n QUARTA, 6 DE NOVEMBRO 6h30 - Missa - Residência Episcopal n QUINTA, 7 DE NOVEMBRO 19h30 - Missa - Comunidade São Guido (Terra Firme)

REZAR COM AS SOLENIDADES e festas do Senhor - Livro (Paulinas, R$ 23,90)

A

obra deseja ser um manual de oração e de meditação das solenidades e festas do Senhor, que ocorrem no Ano Litúrgico. Como se sabe, rezar com qualidade é fundamental para nossa vida de fé e para intimidade com o Senhor. Sendo assim, a oração deverá ser um verdadeiro encontro com Ele, e isso ocorre quando nossa mente está em concordância com a voz. Rezar os mistérios de Cristo celebrados na Sagrada Liturgia faz com que nos assimilemos a Ele através do seu seguimento, a ponto de dizer como São Paulo: ‘Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim’. ROSÁRIO PELOS FALECIDOS - Livro (Paulus, R$ 7,50)

T

endo em mãos o Rosário pelos falecidos, recordaremos os fiéis defuntos e rezaremos por todos os nossos falecidos: familiares, parentes, amigos e conhecidos já falecidos. Queremos lembrá-los com saudade, reafirmando que não deixamos de amá-los pelo fato de terem partido para junto de Deus, pois, como lemos no Livro da Sabedoria, “os que confiam no Senhor compreenderão a verdade, e os que perseveram no amor ficarão junto dele, porque a graça e a misericórdia são para seus eleitos” (Sb 3,9).


IGREJA

E

m Belém, os 15 anos da Pastoral da Pessoa Idosa (PPI), organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), será marcado com Santa Missa em ação de graças, na Matriz da Paróquia de Santa Cruz, bairro do Marco, na próxima terça-feira, dia 5 às 17h. A celebração eucarística terá a presidência de Dom Irineu Roman, um dos Bispos Auxiliares de Belém, e reunirá os voluntários da Pastoral da Pessoa Idosa da Arquidiocese de Belém. A data, celebrada em nível nacional, em Belém pretende reunir os voluntários da Pastoral da Pessoa Idosa das paróquias da Arquidiocese de Belém que têm a pastoral implantada. A escolha da Matriz da Paróquia de Santa Cruz, localizada na Avenida Almirante Barroso, 1743, Marco, foi pensada estrategicamente, para facilitar a participação de todos os agentes. Segundo a coordenadora arquidiocesana, Criseida Pereira, a data é acolhida com alegria e com o desejo de que mais paróquias tenham a pre-

Caderno 2

BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

3

Aniversário da PASTORAL da Pessoa Idosa é celebrado nacionalmente

MISSA Missa em ação de graças acontece na Paróquia de Santa Cruz, no bairro do Marco FOTOS: DIVULGAÇÃO

n ACOMPANHAMENTO FAMILIAR uma das principais ações realizadas

sença da pastoral: “Acolho com muita alegria, ela está debutando. É uma pastoral muito importante que só tem apenas 15 anos de implantação nacional. Ela surgiu diante do envelhecimento nacional brasileiro. Esperamos que muito em breve a pastoral esteja implantada em todas as paróquias da Arquidiocese de Belém e nas paróquias

do Brasil inteiro”. Para ela, os resultados dos trabalhos dos voluntários durante as visita aos idosos podem ser vistos: “Nós temos relatos de lideres comunitários que chamaram a atenção da família para os riscos de futuras quedas da pessoa idosa e na visita do mês seguinte, já estava solucionado o problema, ou seja, a fa-

mília atendeu e corrigiu o problema para que a pessoa não caísse”. Segundo pesquisa do Ministério da Saúde, 30% das pessoas com mais 65 anos caem pelo menos uma vez ao ano. Assegurar a dignidade e a valorização integral das pessoas idosas, através da promoção humana e espiritual, é o objetivo da Pastoral da Pessoa

Idosa. Fundada em 5 de novembro de 2004 pela doutora Zilda Arns Neumann, surgiu em resposta ao fenômeno do envelhecimento populacional brasileiro. Em Belém, os trabalhos do organismo iniciaram-se em 2005. Atualmente a pastoral tem como assessor eclesiástico padre Pedro Diocrésio Francisco, pároco da Paróquia de São Sebastião, e como coordenadora Arquidiocesana Criseida Pereira. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), idoso é o individuo com 60 anos ou mais. Em pesquisa sobre as tendências de envelhecimento dos brasileiros, realizada em 2018, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas do Brasil (IBGE), em 2060, a população idosa com mais de 65 anos chegará a

25,5%. Atualmente, o percentual de idosos é equivalente a 9,2%. NA ARQUIDIOCESE

Em Belém, a Pastoral da Pessoa Idosa está em pleno funcionamento em 58 das 90 paróquias, ao todo com 650 voluntários e realiza 1.300 visitas mensalmente. A missão é promover os direitos da pessoa idosa, sua saúde, segurança e participação, valorizando os vínculos familiares e intergeracionais, por meio de acompanhamento familiar, através da ação de líderes comunitários capacitados que realizam visitas domiciliares mensais às pessoas idosas em suas comunidades, marcando especialmente presença entre pessoas vulneráveis, seja por fragilidade física ou por situação de risco social ou familiar.

Evento incentiva cultura do “LIXO ZERO” em Belém O Banco da Amazônia acolheu em sua sede o encerramento da Semana Lixo Zero no dia 25 de outubro. Promoção do Instituto Lixo Zero Brasil, o evento buscou conscientizar e despertar a importância de uma consciência ambiental, e é uma parceria entre o Banco e o instituto, gratuito e aberto ao público. As temáticas abordadas incluíram, dentre outros assuntos, legislação, reciclagem e geração de oportunidades,

compostagem e tecnologia para gerenciamento de resíduos sólidos. No evento, o Banco apresentou o seu programa Amazônia Recicla, ações desenvolvidas neste ano e os números alcançados no trabalho em 2018. A Semana Lixo Zero constou de palestras, painéis, oficinas, exposição artística e a presença dos maiores especialistas em resíduos sólidos, como empresários e catadores, para mostrar na prática o manuseio correto desses resíduos. A

ideia foi apresentar cada personagem que constituirá a Belém do futuro, uma cidade sem lixo. Segundo Heber Cavalheiro, ativista ambiental e embaixador do Instituto Lixo Zero, o manejo correto de resíduos é um tema que deve ser debatido. O Banco da Amazônia apoia e executa a prática da reciclagem e do manuseio correto do lixo. Através do programa Amazônia Recicla e do comitê de sustentabilidade da instituição, são

realizadas ações a fim de informar os colaboradores sobre o manuseio do lixo de forma correta e a prática da cultura da sustentabilidade: “A Amazônia é o nosso bem maior e por isso precisamos adotar práticas sustentáveis, alertar e alcançar cada vez mais pessoas para mostrar o quanto essa questão é importante”, destacou Eduardo Dias, coordenador da área de patrimônio e de gestão de serviços terceirizados, é membro do comitê

de sustentabilidade da instituição O programa conta com parcerias de cooperativas cadastradas. Durante o evento, foram disponibilizados coletores para os empregados a fim de separar o material e assim destinar às cooperativas parceiras. Instituto Lixo Zero - Desenvolvido por um grupo de estudantes e pesquisadores da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), o programa faz parte do Instituto Lixo Zero Brasil (ILZB), organização da

sociedade civil autônoma, sem fins lucrativos, pioneira na disseminação do conceito Lixo Zero no Brasil. No Pará, suas ações estão presentes em Ananindeua, Castanhal, Igarapé Açu e Itaituba. Consiste na disseminação da cultura do máximo aproveitamento e correto encaminhamento dos resíduos recicláveis e orgânicos e a redução – ou mesmo o fim – do encaminhamento desses materiais para os aterros sanitários e/ou para a incineração.

VATICANO

Missa de encerramento do sínodo para a AMAZÔNIA Com informações agência Ecclesia. “Quantas vezes, mesmo na Igreja, as vozes dos pobres não são escutadas, acabando talvez vilipendiadas ou silenciadas, porque incômodas. Rezemos, pedindo a graça de saber escutar o grito dos pobres: é o grito de esperança da Igreja”, declarou o Papa Francisco, na homilia da Missa a que presidiu no encerramento do primeiro Sínodo especial para a Amazônia. Após três semanas de trabalhos, acompanhadas por críticas de diversos setores, no interior da Igreja Católica, Francisco questionou quem “levanta muros” perante os excluídos e os necessitados, “para aumentar as distâncias, tornando os outros

ainda mais descartados”. “Ou então, considerando-os atrasados e de pouco valor, despreza as suas tradições, apaga as suas gestas, ocupa os seus territórios e usurpa os seus bens. Quanta superioridade presumida, que se transforma em opressão e exploração, mesmo hoje”, denunciou. “Vimo-lo no Sínodo, quando falávamos sobre a exploração da criação, das pessoas, dos habitantes da Amazônia, do tráfico de pessoas”. “Peçamos a Jesus que nos cure do criticar e queixar-nos dos outros, de desprezar seja quem for: são coisas que desagradam a Deus”, prosseguiu o Pontífice. O Papa falou numa “religião do eu”, centra-

da no cumprimento de “preceitos particulares” que deixam de lado os mandamentos centrais do Cristianismo, “amar a Deus e ao próximo”. “Até mesmo cristãos que rezam e vão à Missa aos domingos são seguidores desta ‘religião do eu’. Podemos olhar para dentro de nós e ver se alguém, para nós, é inferior, descartável… mesmo só em palavras”, lamentou. Os erros do passado não foram suficientes para deixarmos de saquear os outros e causar ferimentos aos nossos irmãos e à nossa irmã terra: vimo-lo no rosto despedaçado da Amazônia. A ‘religião do eu’ continua hipócrita, com os seus ritos e as suas ‘orações’, – e tantos são

PROCISSÃO de entrada da Eucaristia representada por indígenas

os que se confessam católicos, mas esqueceram-se de ser católicos e humanos – esquecidos do verdadeiro culto a Deus, que passa sempre pelo amor ao próximo”. Simbolicamente, a procissão de entrada da Eucaristia foi encabeçada por dois representantes das comunidades indígenas da Amazônia, ao som do cântico ‘Laudato Si’, de São Francisco de

Assis, que inspirou a redação da encíclica ecológica e social, com o mesmo nome, do atual Papa; a férula (o corresponde ao báculo papal, que é encimado por uma cruz) usado na celebração foi oferecido pelos participantes no Sínodo. “Foi bom – e agradeço-vos, queridos padres e irmãos sinodais – termos dialogado, nestas semanas, com o coração, com

sinceridade e franqueza, colocando fadigas e esperanças diante de Deus e dos irmãos”, declarou Francisco. O Sínodo dos Bispos pode ser definido, em termos gerais, como uma assembleia consultiva de representantes dos episcopados católicos, a que se juntam peritos e outros convidados, com a tarefa de ajudar o Papa no governo da Igreja.


4C

aderno 2

EM NAZARÉ

BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

NAZARÉ EM DESTAQUE

Anunciado aos fiéis tema do CÍRIO 2020

INSPIRADO na oração mais conhecida do mundo

A

ssim que um Círio termina a Diretoria da Festa de Nazaré, os Padres Barnabitas e a Arquidiocese de Belém começam a trabalhar para a realização do próximo. Assim, no último domingo de outubro, 27, logo após a cerimônia de encerramento do Círio 2019, anunciouse o tema da festividade para 2020: “Ave Maria, Cheia de Graça!”. A divulgação ao público aconteceu através de projeção na fachada da Basílica de Nazaré. O tema para a 228ª edição do Círio de Naza-

ré foi escolhido pelo Arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, antes de viajar a Roma onde participou do Sínodo para a Amazônia, convocado pelo Papa Francisco. Inspirado na oração mariana mais conhecida do mundo, o tema norteará todos os eventos, materiais de divulgação e até a criação do manto para o próximo ano. HISTÓRICO

Esta oração, que na época medieval era conhecida como “Saudação angélica”, é o resultado

de um longo processo. É uma oração formada por duas partes: uma de louvor e a outra de súplica. A sua primeira parte é inspirada no Evangelho de São Lucas: consiste na saudação do Anjo Gabriel a Maria: “Alegrate, cheia de graça, o Senhor está contigo!” (Lc 1,28b), e na saudação de Isabel: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre! (Lc 1,42b). Inicialmente esta união entre as duas saudações era encontrada somente na liturgia; só mais tarde tornou-se

uma oração popular. O seu uso começou nos mosteiros, em torno do ano 1000 e foi aos poucos se difundindo, torYÊDA SOUSA

n NOVOS COORDENADORES Albano e Ana Paula Martins, com Clúdio Lilian

Grupo de ORAÇÃO Glória no Senhor realiza encontro semanal Participe do grupo de oração da Basílica Santuário de Nazaré “Glória no Senhor”! Os encontros ocorrem todas as quintas-feiras, às

19h15, no Centro Social de Nazaré, e conta com momentos de louvor, orações, pregações e muito mais. Faça a sua experiência!

nando-se universal após o século XIII. O texto, porém, compreendia somente a primeira parte sem o nome de Jesus.

Divulgado casal coordenador do BIÊNIO 2020/2021 Após o anúncio do tema do Círio 2020, divulgou-se o nome do casal coordenador que ficará responsável por organizar a grande festa da Amazônia nos próximos dois anos: Albano e Paula Martins. O casal iniciou a sua participação na Diretoria da Festa de Nazaré (DFN) em 2014, a convite de Jorge e Amélia Xerfan. Ao longo desses anos, Albano exerceu

as seguintes funções: 2014 e 2015: integrante da Diretoria de Eventos 2016 e 2017: Diretor Secretário 2018 e 2019: Diretor responsável pela Diretoria de Eventos. Que Nossa Senhora de Nazaré interceda pelo casal e que, guiados por Deus, desenvolvam um ótimo trabalho à frente da Diretoria da Festa de Nazaré! YÊDA SOUSA

Comunidade Santa Bernadete promove PROGRAMAÇÃO especial para o ENEM A comunidade Santa Bernadete, uma das sete que integram a Paróquia de Nazaré, realizará, nos dias 03 e 10 de novembro, um momento de Adoração ao Santíssimo Sacramento, com orações em ntenção dos

A oração atual da Ave Maria foi divulgada no breviário publicado em 1568, por ordem do papa Pio V.

alunos que farão o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). O evento acontecerá das 13h às 17h. Participe! A Comunidade Santa Bernadete fica localizada na Avenida Conselheiro Furtado , número 1571.

Obra conta HISTÓRIA dos anos de vida missionária do Padre José Maria Ramos Histórias da família, da infância, da juventude, vocação, dos estudos e ainda sobre a vida sacerdotal. Tudo contado em uma obra escrita para celebrar os quarenta anos de vida missionária e os trinta anos de sacerdócio, escrita pelo Superior Provincial Norte dos Clérigos

Regulares de São Paulo, Padre José Maria Ramos das Mercês. O livro “Trinta anos edificando a Esperança e a Fé” está à venda na L oja Lírio Mimoso e pode, também, ser enviado para todo o Brasil. Para mais informações, ligue: (91) 40098448 / 98440- 4957.


Caderno 2

ARQUIDIOCESE

A

Arquidiocese de Belém, por meio da Comissão da Pastoral Familiar, com apoio da Faculdade Católica de Belém, promove de 25 a 28 deste mês a Semana da Vida 2019, cujo tema “A vida é maravilhosa, se não se tem medo dela”. Com inscrições abertas, o evento contará com palestras que abordam a defesa à vida em sua totalidade. As atividades serão realizadas no Centro Integrado de Inclusão e Cidadania (CIIC), ao lado da Matriz da Paróquia da Santa Cruz, na Avenida Almirante Barroso, 1765, Marco. A programação inicia-se com Santa Missa às 19h, presidida por padres convidados, seguida de palestra. Tema a ser aborado no primeiro dia: “Quem é a pessoa humana?”, ministrado por Dom Antônio Augusto, um dos bispos auxiliares da Arquidiocese do Rio de Janeiro (RJ). Na terça-feira, 26, Bianca Montenegro, psicóloga, palestra sobre “Suicídio: precisamos conversar sobre esse tabu”. No dia seguinte, 27, representante da Fazenda Esperança, que desenvolve um trabalho de recuperação de dependentes químicos no Distrito de Mosqueiro, ministrará o tema “Alegra-te, o Senhor está contigo – Superando a dependência química”. Por fim, na quinta-feira, 28, último dia de progra-

BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

5

Pastoral FAMILIAR promove programação especial

AS ATIVIDADES serão realizadas no Centro Integrado de Inclusão e Cidadania mação, haverá a palestra “Família e Espiritualidade na Prevenção às Drogas”, abordada pelo psicólogo Nelcy Lima Colares. A Semana Nacional da Vida foi instituída, em 2005, durante a 43ª Assembleia Geral da CNBB. A data celebra o direito à proteção da vida, à saúde, à alimentação, ao respeito e a um nascimento sadio. O objetivo é suscitar nas consciências, nas famílias e na sociedade o reconhecimento do sentido e valor da vida humana em todos os seus momentos. Padre Idamor da Mota Júnior, assessor arquidiocesano da Pastoral Familiar, explica que a Semana no Brasil é comemorada no mês de outubro, motivada pelo Dia do Nascituro, no dia 8, mas por conta dos festejos do Círio de Nazaré a programação foi transferida para novembro. O sacerdote destaca a importância das discussões que a programação suscita: “Nós da igreja vemos a vida com seu valor inviolável. Valorizamos a vida em geral, não somente o nascitu-

ro. Temos hoje o problema do suicídio, que atinge principalmente os jovens, e as drogas que atingem todas as idades. A semana vem como uma forma de alerta às nossas famílias”. De acordo com Pedro Duarte, que com sua esposa Miriam coordena a pastoral, o enaltecimento da importância da vida é o principal objetivo da programação: “Como cristãos, acreditamos que devemos proteger a vida desde o útero materno até o final da vida. Hoje temos uma vulgarização da vida e combater isso é necessário”. As inscrições estão abertas e qualquer pessoa interessada em algum dos temas pode participar. Para isso basta adquirir um ingresso no valor de R$ 20,00, disponível na sala da Pastoral Familiar na Cúria Metropolitana, em Nazaré, na sala da Pastoral Familiar Regional Norte II, na sede da CNBB, no Marco, e, ainda, na secretaria da Matriz de Santa Paula Frassinetti, no Coqueiro, em Ananindeua. Informações: (91) 99361-5674.

CHIARA LUBICH PALAVRA DE VIDA “Alegrai-vos com os que se alegram, chorai com os que choram.” (Rm 12,15)

Depois de ter demonstrado aos cristãos de Roma os grandes presentes que Deus deu à humanidade com a pessoa de Jesus e o dom do Espírito Santo, o apóstolo Paulo dá indicações sobre o modo de responder à graça recebida, especialmente nas relações entre os próprios cristãos e deles com todos os outros. Paulo convida a passar do amor para com aqueles que partilham a mesma fé ao amor evangélico, isto é, ao amor para com todos os seres humanos, uma vez que, para quem tem fé, o amor não conhece fronteiras, nem pode ser restrito apenas a alguns. Um detalhe interessante: a frase apresenta em primeiro lugar a partilha da alegria com os irmãos. Realmente, de acordo com São João Crisóstomo, grande padre da Igreja, a inveja torna muito mais difícil alegrar-se com a alegria dos outros do que sofrer com suas aflições. Pode até parecer que viver dessa maneira seja como querer escalar uma montanha inacessível

demais, um cume impossível de atingir. No entanto, isso se torna possível porque as pessoas de fé são sustentadas pelo amor de Cristo, do qual nada nem criatura alguma poderá jamais separá-las (cf. Rm 8,35-39). “Alegrai-vos com os que se alegram, chorai com os que choram.”

Comentando essa frase de Paulo, Chiara Lubich escreveu: Para amar de modo cristão é preciso “fazer-se um” com cada irmão (...): entrar o mais profundamente possível na essência do outro; entender realmente seus problemas, suas exigências; compartilhar seus sofrimentos, suas alegrias; debruçar-se sobre o irmão; de certa forma, fazer-se ele, fazer-se o outro. Isto é o cristianismo: Jesus se fez homem, fezse um de nós para fazernos Deus; dessa maneira o próximo se sente compreendido, reerguido.1 É o convite a colocarse “na pele do outro”, como expressão concreta de uma caridade verdadeira. Talvez o amor de mãe seja o melhor exemplo para ilustrar essa Palavra de Vida colocada em prática: a mãe sabe compartilhar

a alegria com o filho que se alegra e o pranto com aquele que sofre, sem julgamentos e sem preconceitos. “Alegrai-vos com os que se alegram, chorai com os que choram.”

Para viver o amor nessa dimensão, sem fechar-se nas próprias preocupações, nos próprios interesses, no próprio mundo, existe um segredo: intensificar a união com Deus, a relação com Aquele que é a própria fonte do Amor. Com efeito, costuma-se dizer que muitas vezes a copa de uma árvore corresponde à extensão de suas raízes. O mesmo acontecerá também conosco: se fizermos com que, dia após dia, o nosso relacionamento com Deus cresça em profundidade, veremos crescer em nós também o desejo de partilhar a alegria e de carregar os pesos daqueles que estão ao nosso lado; o nosso coração se abrirá e se tornará cada vez mais capaz de conter tudo aquilo que o irmão ao nosso lado vive no momento presente. Por sua vez, o amor ao irmão nos fará entrar ainda mais na intimidade com Deus.

Vivendo dessa forma, veremos uma mudança nos ambientes em que estamos, a começar pelos relacionamentos nas nossas famílias, nas escolas, nos ambientes de trabalho, nas comunidades. Então poderemos constatar com gratidão que o amor sincero e gratuito, mais cedo ou mais tarde, volta e se torna recíproco. Foi essa a forte experiência feita por Paulo e Tatiana, cristãos, e Ben

e Basma, muçulmanos, que compartilharam dificuldades e momentos de esperança. Quando Ben adoeceu gravemente, Paulo e Tatiana foram ao hospital com Basma e seus dois filhos, ajudando-os até o fim. Depois, embora sofrendo a dor da perda do marido, Basma foi com seus amigos cristãos rezar por outra pessoa muito doente. Ela rezava sobre seu tapete de oração, orientada para Meca, e confidenciou:

“A maior alegria é sentirse parte de um só corpo, no qual a preocupação de cada pessoa é o bem do outro”. LETIZIA MAGRI

1) LUBICH, Chiara,O amor mútuo: núcleo fundamental da Espiritualidade da Unidade. Congresso dos ortodoxos, Castel Gandolfo, 30 de março de 1989, p. 4. Texto publicado também na revista Cidade Nova nº 10/2019, p. 34.


6C

aderno 2

O

ARQUIDIOCESE

BELÉM, DE 1 A 7 DE NOVEMBRO DE 2019

Comitê Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2022 lançou dia 25 de outubro os concursos para escolha da logo e do hino desse encontro mundial dos jovens com o Papa, que acontecerá na capital portuguesa. A JMJ Lisboa 2022 terá como tema a frase bíblica “Maria levantou-se e partiu apressadamente”, do Evangelho de Lucas, que deverá servir de inspiração para a criação da logo e do hino. Para o patriarca de Lisboa, Cardeal Dom Manuel Clemente, a adesão a esse concurso deve ser muita, porque a JMJ é um acontecimento que toca em milhões de jovens: “Estamos falando de um acontecimento em escala mundial que reúne milhões de jovens que já participaram ou querem participar nas jornadas. Estão muito atentos, e constantemente nos perguntam como está e como será”. Os regulamentos divulgados apontam que os objetivos dos concursos são, por um lado, “desenhar o grafismo, as suas aplicações e o manual da marca oficial da Jornada Mundial da Juventude 2022” e, por outro, “criar a letra e a

Lançado concurso para escolha da logo e do HINO da JMJ 2022 A TEMÁTICA

“Maria levantou-se e partiu apressadamente" deverá servir de inspiração

música” do hino para a JMJ. De acordo com os documentos, o logotipo da JMJ 2022 é “dirigido preferencialmente a designs profissionais e

a estudantes de design de faculdades públicas ou privadas de todo o mundo. A respeito dos autores e compositores pa-

ra o hino, que “devem concorrer unidos”, refere-se que “devem ser portugueses e maiores de idade” e podem candidatar-se “prefe-

rencialmente a compositores, músicos, artistas profissionais e estudantes de música de escolas públicas ou privadas”. A l é m d i s s o, d e acordo com os regulamentos, as criações devem ter como requisitos a inspiração no tema da JMJ 2022, a referência à matriz cristã do evento, ao seu caráter juvenil e às ligações à cultura e às tradições de Portugal. Os candidatos dos concursos têm até o dia 4 de novembro para “manifestar interesse em participar”. A entrega das propostas deve ser feita até o dia 29 de novembro de 2019. O anúncio do vencedor será no dia 27 de dezembro deste ano. Os regulamentos podem ser acessados no site www.jmjlisboa2022.org, sendo que o do concurso da logo está em português, espanhol, italiano, fran-

cês e inglês, polaco e alemão, e o do concurso do hino em português. RUMO A 2022

Em 27 de janeiro deste ano, o Vaticano anunciou que Portugal acolherá, na cidade de Lisboa, a próxima edição internacional da Jornada Mundial da Juventude em 2022. As JMJ nasceram por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude. Cada JMJ realiza-se, anualmente, a nível local (diocesano) no Domingo de Ramos, alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos, numa grande cidade. As edições internacionais dessas jornadas promovidas pela Igreja Católica são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.