Issuu on Google+

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

www.fundacaonazare.com.br

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

D O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA D

XCVIII - Nº 544 - PREÇO AVULSO: R$1,00

Viemos adorá-lo! DIVULGAÇÃO

No domingo (6), a Igreja celebra a Solenidade da Epifania do Senhor. Na figura dos Reis Magos aprendemos a lição de fé daqueles que acreditaram no nascimento do Salvador. PÁGINA 5.

Terceiro Capítulo Dando continuidade às reflexões para o Ano da Fé, São To m á s d e Aquino nos introduz no "Mistério da Encarnação" no terceiro capítulo do Livro "Exposição sobre o Credo". PÁGINAS 9, 10 E 11.

Conversa com meu povo Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

G

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM

ostamos de ano novo, roupa nova, carro novo, gente nova e bonita, ruas limpas, cidade organizada. Ninguém foi feito para curtir o desgaste e a feiura. Alegranos pensar que nascem de novo nossas esperanças, quando se abre o mês de janeiro. É muito bom gostar e curtir as esperanças fundadas na certeza de que Deus nos fez para um mundo digno e bem tratado. Fomos feitos para a felicidade! Contudo, muitas esperanças são frustradas através do choque com a dura realidade, de forma a gerar em muitas pessoas um pessimismo crônico diante dos acontecimentos e do mundo. Quando todos os municípios de nosso país acolheram novos representantes para o poder legislativo e novos prefeitos à frente do executivo, sensações contraditórias tomam conta dos cidadãos. De um lado, é sempre o novo que vem à tona, cheio de promessas. Mas o refrão repetido tantas vezes da desconfiança nos políticos pode esvaziar o entusiasmo. Mais ao nosso alcance cotidiano, emprego novo ou primeiro emprego, aumento de salário, volta de férias, novo chefe na repartição, casa diferente, transferência, o casamento esperado. As surpresas estarão à nossa espera nos próximos doze meses, um dia depois do outro. E a cada dia basta o seu cuidado (Cf. Mt 6,34)! Por que tantas inquietações tomam conta de nosso coração? Erramos o alvo ao apostar no que é novo e promissor? Quais as razões para as muitas frustrações? Como preveni-las?

Esperanças Nas últimas semanas, muitas pessoas arrumaram a casa e a vida para o fim do mundo, que não veio. Outras correram avidamente às previsões das várias categorias de adivinhos disponíveis no mercado! E muita gente ganhou dinheiro com tais oráculos! Os cristãos que fizeram a opção por seguir Jesus Cristo e querem viver o Evangelho com seriedade se encontram numa situação diferente. O ensinamento

de nossas mãos (Cf. Os 14,4). Se porventura o ano que começa nos encontrar na cruz, que a mesma fé e a mesma confiança em Deus subsistam em nós! Esperança é virtude teologal, dada de presente no Batismo. Tratase de viver na esperança, não apenas de esperanças. Viver com a mesma firmeza, na luz ou na escuridão, diante da vida ou da morte, fortes ou fracos, segurando nas mãos de Deus. A prática do bem e das diversas

Com ela, todas as expectativas que inspiram as nossas atividades são assumidas e ganham sentido. da Carta de São Pedro revela-se oportuno: “Ora, quem é que vos fará mal, se vos esforçais por fazer o bem? Mais que isso, se tiverdes que sofrer por causa da justiça, felizes de vós! Não tenhais medo de suas intimidações, nem vos deixeis perturbar. Antes, declarai santo, em vossos corações, o Senhor Jesus Cristo e estai sempre prontos a dar a razão da vossa esperança a todo aquele que a pedir” (1 Pd 3,13-15). Nosso convite de início do ano é para que todos cheguem justamente a compartilhar as razões da esperança. D e e s p e ra n ç a s p a s s a m o s à Esperança. Esta é a chave! Não apostamos nossa vida no sucesso aparente do lucro ou da vitória garantida e fácil. Não confundimos salvação com prosperidade imediata, não queremos chamar Deus à obra

virtudes humanas, a serem exercitadas no dia a dia do ano novo, tem seu fundamento nas chamadas virtudes teologais (Cf. Catecismo da Igreja Católica, números 1812-1829), que fundamentam e orientam as ações dos cristãos. São dadas por Deus para que sejamos capazes de agir como seus filhos e merecer a vida eterna. São elas a Fé, a Esperança e a Caridade. Com a virtude da Esperança, desejamos como nossa felicidade o Reino dos Céus e a vida eterna, colocando nossa confiança nas promessas de Cristo e apoiandonos no socorro da graça do Espírito Santo, mais do que em nossas forças. “Continuemos a afirmar a nossa esperança, sem esmorecer, pois aquele que fez a promessa é fiel” (Hb 10,23). “Este Espírito, ele o

derramou copiosamente sobre nós por Jesus Cristo, nosso Salvador, para que, justificados pela sua graça, nos tornemos, na esperança, herdeiros da vida eterna” (Tt 3,6-7). A aspiração à felicidade, plantada por Deus em nossos corações, é respondida pela virtude da esperança. Com ela, todas as expectativas que inspiram as nossas atividades são assumidas e ganham sentido. A partir dela, são purificadas as intenções, equilibrados os impulsos e eventuais exageros, moderada a concupiscência. Vale, sim, esperar o dia de amanhã, a aprovação num concurso, a casa nova e toda uma lista de coisas boas. Tudo encontra o seu lugar quando não é absolutizado. Só a escolha do seguimento de Jesus Cristo, aquele que é a única esperança, pode dimensionar adequadamente nossos afetos e sonhos. “Espera, ó minha alma, espera. Ignoras o dia e a hora. Vigia cuidadosamente, tudo passa com rapidez, ainda que tua impaciência torne duvidoso o que é certo e longo um tempo bem curto. Considera que quanto mais pelejares, mais provarás o amor que tens a teu Deus e mais te alegrarás um dia com teu BemAmado em gosto e deleite que não podem ter fim” (Santa Teresa de Jesus, excl. 15,3). Para esta serenidade, é necessário confiar além do tempo e das vicissitudes dos dias que correm. O cristão, certo de que a “esperança é como uma âncora segura e firme” (Hb 6,19), tem a garantia de que o ano que começa será o melhor de todos e os que se seguirem, melhores ainda!


2

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Opinião Alegria de ser católico João Carlos Pereira

CHARGE DO ANDRÉ ABREU

jcparis@orm.com.br

Uma bela notícia para começar 2013

U

ma notícia publicada, semana passada, no jornal “Folha de São Paulo”, encheu meu coração de alegria. Com um bom destaque, o que inclui uma foto grande, a matéria dava conta de que, hoje, o Brasil possui mais freiras enclausuradas do que no século XVIII, e que, nos últimos dez anos, no número de irmãs que vivem atrás das grades pulou de 700 para mil. Num mundo onde os valores materiais ganham, cada vez mais, um destaque para além do razoável, é impressionante (e bom) ver que ainda existem criaturas que se colocam a serviço da Igreja, cultivando princípios raros. Mulheres que fazem uma entrega mais completa à vida religiosa são exemplos para a humanidade. Algumas se permitem levar uma existência distante das clausuras, atuando em escolas e hospitais. Outras, as enclausuradas, vivem como autênticos pára-raios, rezando pela humanidade. Tenho pelas irmãs do Carmelo de Benevides um carinho mais do que especial. Na verdade, trata-se de uma admiração que não consigo explicar. A delicadeza daquelas senhoras tão simpáticas, tão felizes com a vida que levam, revela a certeza de que fizeram a opção mais acertada. No Carmelo, elas dão uma lição de amor e de liberdade. Ali, não estão distantes da vida secular e tampouco são prisioneiras. Pelo contrário. As Carmelitas parece viverem em tamanha comunhão com o Senhor, que as grades, em vez de aprisionálas, liberta-as para o Cristo. Penso que este mundo só não é pior porque há criaturas que rezam - e rezam muito – para que a existência no planeta seja harmoniosa e feliz. Sem elas, não me restam dúvidas de que estaríamos mergulhados em trevas bem mais densas do que as provocadas pelas guerras e pela falta de amor. No silêncio de sua realidade, elas clamam aos céus por pessoas que, muitas vezes, nem sabem de sua linda existência.

Comente esta charge: voz@fundacaonazare.com.br

Jornalista e professor

Panorama José Pereira Ramos joseulina@oi.com.br

Vivendo o Ano Novo

R Economista e escritor

ecebi do Senhor, mais uma vez, a graça de iniciar o novo ano (2013) ouvindo os cânticos de louvor das monjas Carmelitas de Fortaleza, ao Deus Menino, em atitude de adoração ao Santíssimo Sacramento. Ao aproximar-se a chegada do novo ano civil, as Carmelitas, entoaram o “Te Deum”: “A Vós, ó Deus, louvamos; a Vós Senhor, bendizemos; a Vós, ó eterno Pai, adora toda a terra...” Todos os louvores são poucos para reconhecer e agradecer a Deus as graças que recebemos a cada dia da vida, e nada melhor do que cantar este louvor na abertura do ano. Ouvíamos o espocar dos foguetes ao longe, festejando o acontecimento. Rezávamos também por todos os que naquele momento esquecem de agradecer a Deus pela vida e pela saúde, e expressam alegria com

Encontro fraterno Ivens Coimbra Brandão

ivenscb@oi.com.br

Salto no escuro

F

Engenheiro civil e escritor

az algum tempo, década dos anos 70, quando, ao participar de um Cursilho de Cristandade, juntamente com cerca de meia centena de homens, ouvi o religioso que pregava sobre fé, fazer comparação com um salto de paraquedas no escuro. Para arrefecer a tendência pela autossuficiência que em nós trazemos, uns mais, outros menos, arrematou: “é um salto no escuro sem paraquedas”. O pregador era o padre Angelo Pansa, um sacerdote de temperamento irrequieto, pertencente à Ordem dos Xaverianos, que falava a partir de suas experiências pessoais em saltos com paraquedas, quando participou do resgate de missionários religiosos feitos reféns por grupos extremistas, idos de 1965/67, que faziam oposição ao Governo do Congo

Fundado em 5 de julho de 1913

ARQUIDIOCESE DE BELÉM-PARÁ

FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Monsenhor Marcelino Ferreira Vigário geral da Arquidiocese de Belém do Pará

excessos e esbanjamentos. Sem esquecer de que estamos no Ano da Fé, e no ano da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, devemos reafirmar a adesão ao apelo do Papa e viver a nossa Fé com maior espírito de fidelidade a Deus. É dentro deste espírito que devemos iniciar o ano com maior amor e solidariedade. Devemos lutar contra o egoístico sistema do velho ditado: “Puxar a brasa para a sua sardinha”, sem se importar com os demais. A corrupção é mal que deve ser combatido por todos os que são fieis a Deus. Solidariedade significa “amor ao próximo, como a si mesmo”. Iniciando assim o ano, fortalecidos pela oração e meditação, só nos resta pedir a Espírito Santo que oriente a família católica. Que os pais assumam a responsabilidade da educação religiosa de seus filhos, tão importante quanto a educação intelectual e técnica. Ser honesto não é virtude, mas, dever. Honestidade não se aprende na rua, mas, dentro do lar, nas famílias, no exemplo dos pais. Para todos, um Ano Novo cada vez mais alegre e mais Santo!

Belga, hoje Zaire, na África. Passei então a meditar sobre situações por mim vivenciadas. Ajudado pelos ensinamentos da Igreja, tomei consciência de que a fé é dom de Deus. Que somos criaturas feitas à semelhança do Criador, com a liberdade inerente à natureza humana, capazes de decidir segundo nossa vontade. No entanto, para darmos nossa resposta positiva diante do dom da fé, concedido por Deus, devemos nos esvaziar de nossas ‘prerrogativas’, assim abrindo espaço para as maravilhas que o Senhor Onipotente opera em nós. Em situações que considero extremas, pelas quais passei, me abandonei em Deus, sentindo Suas Mãos me sustentarem no vazio das minhas possibilidades. “Pela fé, o homem submete completamente sua inteligência e sua vontade a Deus. Com todo o seu ser, o homem dá seu assentimento a Deus revelador. A Sagrada Escritura denomina ‘obediência da fé’ esta resposta do homem ao Deus que revela” (CIC §143). No limiar deste ano de 2013, o ar ticulista a todos deseja um caminhar iluminado pela fé, nutrido na esperança que leve ao vislumbre do Amor de Deus.

DIRETOR GERAL Monsenhor Raimundo Possidônio DIRETORA ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marluce Guerreiro Milhomem DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Arnaldo Pinheiro COORDENAÇÃO Franklin Salvador (DRT/PA 2242)

Sua voz Como seguir a luz de Cristo?

CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO João Carlos Pereira Padre Nilton Cezar Reis Padre Cláudio de Souza Barradas EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Sérgio Santos (DRT/PA 579) Assinaturas, distribuição, administração e redação Avenida Governador José Malcher, Edifício Paulo VI, 915 CEP: 66055-260, Bairro Nazaré, Belém - Pará Telefones: (91) 4006-9200/ 4006-9209.

“Respeitando os ensinamentos que Jesus nos designou”. DANIELE MACIEL, 26 anos, estudante

“Buscando sempre andar no caminho de Cristo através das orações, dos sacramentos, para também sermos um canal para outras pessoas seguirem a luz de Cristo”. ANDRÉA MONTEIRO, 35 anos, pedagoga

“Seguindo o caminho de Deus e seus ensinamentos, colocando-os em prática”. THAÍS PORTELA, 29 anos, estudante

Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


3

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Vaticano DIVULGAÇÃO

Intenções do Papa neste mês de Janeiro

N

este primeiro mês de 2013 o Papa Bento XVI pede orações para que os cristãos conheçam a Cristo e aprofundem sua fé, e faz um pedido especial em prol dos que vivem no Oriente Médio. Como intenção geral, o Santo Padre reza “para que, neste Ano da Fé, os cristãos aprofundem o conhecimento do mistério de Cristo e testemunhem a própria fé

com alegria”. Na intenção missionária, Bento XVI roga “para que as comunidades do Oriente Médio recebam do Espírito Santo a força da fidelidade e da perseverança, particularmente quando são discriminadas”. Todos os meses o Santo Padre confia suas intenções ao Apostolado da Oração, uma iniciativa que é seguida por milhões de pessoas em todo o mundo.

Jornada Mundial da Juventude terá mega logística de alimentação Um evento do porte da Jornada Mundial da Juventude Rio2013 demanda muito trabalho e produção. Toda ajuda é bem-vinda e cada detalhe é importante, como por exemplo, proporcionar uma boa alimentação aos peregrinos inscritos na Jornada, que tenham feito a opção de pacote com refeições. Sendo assim, o responsável pela área alimentícia da JMJ Rio2013, Nelson Mamede, montou um projeto baseado em estudo, desenvolvido propriamente para a Jornada, sobre o que seria necessário e conveniente para uma refeição saudável. De maio a junho deste ano, um grupo de nutricionistas reuniu informações e estabeleceu o valor energético total diário que um peregrino deveria ter. O estudo levou em consideração as calorias que jovens entre 16 e 30 anos de idade precisam consumir ao longo do dia, respeitando as características de cada refeição, com seus devidos picos de consumo, assim como peso e altura dos jovens. A s p r i n c i p a i s p re o c u p a ç õ e s d a pesquisa foram segurança alimentar, praticidade e diversificação. Logo, viu-se a necessidade de utilizar também produtos industrializados, isentos de manipulação. A melhor forma encontrada por esse grupo de nutricionistas foi fazer kits de alimentação. Os cardápios serão de dois tipos: um convencional, para quem não tem nenhum problema de saúde, e outro especial, para aqueles com restrições alimentares. Dentro do último

Bento XVI abre caminho para a beatificação do Papa Paulo VI

grupo estão o celíaco, o diabético e o vegetariano. O cardápio já foi aprovado por associações de alimentação no Brasil. “Foi um estudo muito profundo. Esse será um legado que a JMJ Rio2013 deixará para os próximos eventos, porque isso envolve toda uma ciência e tecnologia. Estamos criando outras inovações para o Rio de Janeiro”, afirmou Nelson. Como será a alimentação - Entre os dias 23 e 27 de julho o café da manhã será distribuído através de kits. Os peregrinos receberão o café da manhã nos locais de catequeses, que somam um total de 400 pontos. Para o almoço e jantar nesse período, serão distribuídos para cada participante um cartão de refeição. Ele poderá escolher, dentre os restaurantes cadastrados, o local que mais lhe agrada para comer. De acordo com Nelson Mamede, será montado, com a ajuda da empresa de tickets de refeição a ser contratada, uma rede de estabelecimentos comerciais alimentícios credenciados à Jornada. Nesse local, haverá uma refeição com valor diferenciado, de acordo com o destinado no vale-refeição, que será chamado de Prato Peregrino. Há um esforço de sensibilização para a adesão de todo o comércio alimentício do Rio de Janeiro. Até agora 25% dos hotéis, bares e restaurantes aderiram à proposta. “Estamos no início de um plano estratégico, um procedimento para atingir todo o comércio de alimentos da cidade", explica Nelson.

Catequese de quarta-feira

O Papa Paulo VI exerceu seu pontificado entre 21 de junho de 1963 e 6 de agosto de 1978. B e n t o X V I a p rovo u a publicação do decreto que reconhece as ‘virtudes heroicas’ de Giovanni Battista Montini (1897-1978), Paulo VI, eleito Papa em junho de 1963 e o primeiro a visitar Portugal, em 1967. Esta é uma etapa do processo q u e l eva à p ro c l a m a ç ã o de um fiel católico como beato, e permite que, após o reconhecimento de um milagre atribuído à intercessão do Papa italiano, tenha lugar a sua beatificação, penúltima etapa para a declaração da santidade. Entre os nove Papas que a Igreja Católica teve no século XX há, neste momento, um santo (Pio X) e dois beatos (João XXIII e João Paulo II). A canonização, ato reservado ao Papa desde o século XIII, é a confirmação, por parte da Igreja Católica, que um fiel católico é digno de culto público universal e de ser apresentado aos fiéis como intercessor e modelo de santidade. Nos primeiros séculos da Igreja, o reconhecimento da santidade acontecia em âmbito local, a partir da fama popular do santo e com a aprovação dos bispos. Giovanni Battista Enrico

Antonio Maria Montini nasceu a 26 de setembro de 1897 na Lombardia, Itália, e foi ordenado padre em 1920, tendo entrado ao serviço diplomático da Santa Sé. Nomeado arcebispo de Milão em 1953, foi criado cardeal em dezembro de 1958, por João XXIII, a quem viria a suceder, cinco anos depois, já com o Concílio Vaticano II (1962-1965) em andamento, tendo-lhe dado continuidade. Entre 1964 e 1970, Paulo VI fez nove viagens internacionais, as primeiras de um Papa moderno, incluindo a passagem por Fátima a 13 de maio de 1967. O Papa italiano escreveu sete encíclicas, entre as quais a ‘Humanae vitae’ (1968), sobre a regulação da natalidade, e a ‘Populorum progressio’ (1967), sobre o desenvolvimento dos povos; assinou ainda a exortação apostólica ‘Evangelii nuntiandi’ (1975), sobre a evangelização no mundo contemporâneo, e discursou na sede da Organização das Nações Unidas, em Nova Iorque, a 4 de outubro de 1965. Paulo VI morreu no dia 6 de agosto de 1978.

(Papa Bento XVI)

Bento XVI: devemos confiar em Deus, renovando a fé na sua presença e ação na história Bento XVI encontrou-se na manhã desta quarta-feira, na Sala Paulo VI, no Vaticano, com fiéis e peregrinos oriundos de várias partes do mundo para a primeira audiência geral deste 2013. O Santo Padre dedicou a catequese ao mistério que celebramos neste tempo de Natal: o Filho de Deus, que por obra do Espírito Santo, se encarnou no seio da Virgem Maria. Discorrendo sobre o mistério da encarnação do Verbo, o Papa evidenciou a centralidade de Maria, que “pertence de modo irrenunciável à nossa fé no Deus que age, que entra na história”. O Pontífice iniciou sua catequese afirmando que o Natal do Senhor ilumina mais uma vez com a sua luz as trevas que muitas vezes rodeiam o nosso mundo e o nosso coração, trazendo esperança e alegria. Partindo da pergunta que emerge novamente sobre a origem de Jesus, a

mesma que faz o Procurador Pôncio Pilatos durante o processo: “De onde vens?”, o Santo Padre afirmou tratarse de uma origem bem clara: “ N o s q u a t r o E va n g e l h o s emerge com clareza a resposta à pergunta “de onde” vem Jesus: a sua verdadeira origem é o Pai; Ele provém totalmente d’Ele, mas num modo diferente de qualquer profeta ou enviado por Deus que o precedeu”. Citando o Credo, o Papa – prosseguindo sua reflexão sobre a origem de Jesus – recordou a passagem “que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria”, para mais à frente afirmar que sem ela a entrada de Deus na história da humanidade não teria alcançado o seu fim e não teria tido lugar aquilo que é central em nossa Profissão de fé: Deus é um Deus conosco. Assim, frisou o Pontífice: “Maria

pertence de modo irrenunciável à nossa fé no Deus que age, que entra na história. Ela coloca à disposição toda a sua pessoa, (aceita) tornar-se lugar da habitação de Deus”. “Por vezes, também no caminho e na vida de fé podemos perceber a nossa pobreza, a nossa inadequação diante do testemunho que devemos oferecer ao mundo. Mas Deus escolheu justamente uma humilde mulher, num vilarejo desconhecido, numa das províncias mais distantes do grande império romano”. Em seguida, o Santo Padre fez uma exortação: “Mesmo em meio às dificuldades mais árduas a serem enfrentadas, devemos sempre ter confiança em Deus, renovando a fé na sua presença e ação em nossa história, como na de Maria. Nada é impossível a Deus! Com Ele a nossa existência caminha sempre num terreno seguro e está aberta a um

futuro de firme esperança”. “Somente se nos abrirmos à ação de Deus, como Maria, somente se confiarmos a nossa vida ao Senhor como a um amigo de quem confiamos totalmente, tudo muda, a nossa vida adquire um novo sentido e um novo rosto: o rosto de filhos de um Pai que nos ama e jamais nos abandona”, observou o Pontífice. Bento XVI concluiu sua catequese afirmando que “mesmo se por vezes nos sentimos frágeis, pobres, incapazes diante das dificuldades e do mal do mundo, o poder de Deus age sempre e opera maravilhas justamente na fraqueza. A sua graça é a nossa força” (cfr 2 Cor 12,9-10). Após a sua catequese – proferida em italiano –, o Santo Padre fez um resumo da mesma em várias línguas, saudando os diversos grupos de fiéis e peregrinos presentes.


4

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Liturgia Homilia dominical Padre Romeu Ferreira romeufsilva@gmail.com

A) Texto: Mt 2,1-12.

Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma

2 Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que alguns magos do Oriente c h e g a ra m a J e r u s a l é m , 2 perguntando: “Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”. 3Ao saber disso, o rei Herodes ficou perturbado, assim como toda a cidade de Jerusalém. 4Reunindo todos os sumos sacerdotes e os mestres da lei, perguntava-lhes onde o Messias deveria nascer. 5Eles responderam: “Em Belém, na Judeia, pois assim foi escrito pelo profeta: 6 E tu, Belém, terra de Judá, de modo algum és a menor entre as principais

cidades de Judá, porque de ti sairá um chefe que vai ser o pastor de Israel, o meu povo”. 7 Então Herodes chamou em segredo os magos e procurou saber deles cuidadosamente quando a estrela tinha aparecido.8Depois os enviou a Belém dizendo: “Ide e procurai obter informações exatas sobre o menino. E, quando o encontrardes, avisai-me, para que também eu vá a adorálo”.9Depois que ouviram o rei, eles partiram. E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até parar sobre o lutar onde estava o menino.10 Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria m u i t o g ra n d e . 11 Q u a n d o entraram na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Ajoelharam-se diante dele e o adoraram. Depois abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes ouro, incenso e mirra.12 Avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para a sua terra,

seguindo outro caminho. B) COMENTÁRIO Celebramos a “Epifania do Senhor”. Epifania significa “manifestação”. Desde seu nascimento, Jesus já é manifestado a outros povos, como Senhor da história. A história se caracteriza em três elementos: acontecimento; tempo e espaço. 1) O que houve? - O nascimento do Filho de Deus. 2) Quando foi? - No tempo do domínio do império romano (rei Herodes, o grande). 3) Onde se deu? - No oriente, numlocal da Palestina (em Belém de Judá). Temos, portanto, a dimensão histórica do nascimento de Jesus. A narrativa procura mostrar não fantasia e sim uma realidade. "Eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém, 2 perguntando: 'Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo'" (v 2).

O que eram “os magos”? No tempo dos Persas, havia na Babilônia uma casta sacerdotal dedicada ao estudo dos astros e que era conselheira do rei. Talvez venhadai a denominação de “Reis Magos”. O certo é que há uma simbologia muito rica aqui, principalmente nos dons oferecidos pelos magos. Eles dão de presente: ouro (simbolizando a realeza do Messias), incenso (indicando a divindade/ sacerdote, sacrifício) e mirra (representando a humanidade). Não se registram os membros da comitiva, porém a tradição os confere pelo número de dons ofertados (três) e os denominam de: Gaspar, Belchior e Baltasar. H e ro d e s “ p a re c i a ” b e m intencionado, mas a intenção era outra e os adoradores retornam por outro caminho (v 12). Às vezes temos de mudar de rota, de vida, para notícia de Jesus aos outros. Há um destaque de alegria no texto (v 10) e quem encontra Jesus, aí está a sua e nossa mãe (v 11).

Liturgia da Semana w Dia 4, sexta-feira (cor: branco) Primeira leitura (1Jo 3,7-10) Responsório 97 (98) Evangelho (Jo 1,35-42) w Dia 5, sábado (cor: branco) Primeira leitura (1Jo 3,11-21) Responsório 99 (100)

Evangelho (Jo 1,43-51) w Dia 6, domingo (cor: branco) Primeira leitura (Is 60,1-6) Responsório 71(72) Evangelho (Mt 2,1-12) w Dia 7, segunda-feira São Raimundo de Penyafort (cor: branco)

Primeira leitura (1Jo 3,22-4,6) Responsório (2,7-8.10-11) Evangelho (4,12-17.23-25) w Dia 8, terça-feira (cor: branco) Primeira leitura (1 Jo 4,7-10) Responsório 71(72) Evangelho (Mc 6,34-44) w Dia 9, quarta-feira

(cor: branco) Primeira leitura (1Jo 4,11-18) Responsório 71(72) Evangelho (Mc 6,45-52) w Dia 10, quinta-feira (cor: branco) Primeira leitura (1Jo 4,19-5,4) Responsório 71(72) Evangelho (Lc 4,14-22a)

Santos da semana Benedito Otávio (artpresent@hotmail.com) 08/01 - TERÇA-FEIRA Beata Eurosia Fabris Barban - Religiosa e 3ª Franciscana

04/01 - SEXTA-FEIRA Beata Cristiana da Santa Cruz - Virgem

Uma humilde camponesa do interior da Itália, que viveu entre 1866 e 1932. Apesar de pouco estudar, pois tinha de ajudar a família no sustento, aprendeu muito com as Sagradas Escrituras, com o Catecismo e com excelentes livros de S. Afonso de Ligório. Casou-se, teve nove filhos e criou outros. Ingressou na Ordem 3ª Franciscana, hoje conhecida como Franciscanos Seculares, e soube dividir a vida entre a Igreja e a família.

De origem humilde, da cidade de Santa Cruz, Itália, 1240. Era amante da pureza desde muito jovem, tanto que teve de fugir de casa para ficar longe dos assédios dos jovens e insistências da família para que se casasse. Abraçou a mortificação, ou seja, lutou contra suas vontades. "Só Deus faz isso em nós", dizia. Também rezava muito. Fez peregrinações em lugares santos como: Assis, Roma e no santuário de São Miguel Arcanjo, no monte Gargano. Com outras companheiras fundou o mosteiro de Santa Maria Novella, sob as regras de Santo Agostinho. Amada nas cidades de Santa Cruz e Lucca.

09/01 - QUARTA-FEIRA Santo André Corsini - Bispo e Confessor

05/01 - SÁBADO Santa Genoveva Torres Morales - Fundadora Nascida na pequena aldeia de Almenara, Castellon, Espanha, 1870. Uma tragédia abateu-se naquela simples e religiosa família. Os pais e quatro dos seis irmãos morreram, e ela teve de amputar uma perna devido um tumor. As condições de vida naquele tempo eram muito precárias. Porém, fatalidades não são sinônimo de perdição quando a alma é de Deus. Em 1885 foi acolhida entre as Carmelitas da Casa da Misericórdia de Valência. Mas lá foi apenas para se abastecer de sabedoria e fundar mais tarde a Sociedade Angélica, de adoração eucarística e cuidado aos necessitados. 06/01 - DOMINGO DA EPIFANIA DO SENHOR - ANO C S. Pedro Tomás - Carmelita e Patriarca latino de Constantinopla Nascido na região de Periòrd, sul da França, 1305. Aos vinte anos ingressou na Ordem Carmelitana e mais tarde teve um cargo muito importante em um período difícil para a Igreja do século XIV. Foi procurador-geral da Cúria para Avignon e pregador apostólico, quando a Igreja tinha um Papa em Avignon e outro em Roma. Ele também mantinha diálogos com a Igreja Oriental quando exerceu o cargo de patriarca latino na Turquia. Considerado por muitos como precursor do ecumenismo, faleceu em Famagusta, Chipre, em 1366.

07/01 - SEGUNDA-FEIRA São Raimundo de Penhaforte Confessor De nobre família catalã, foi muito reputado pelos conhecimentos de Direito Canônico e se celebrizou pela santidade e pelos milagres que praticava. Fundou com São Pedro Nolasco a Ordem das Mercês, para a libertação dos cativos. Ingressou na Ordem dominicana, da qual foi o terceiro Geral. Grande amigo de São Tomás de Aquino, pediu a esse outro santo que escrevesse a “Suma contra os Gentios” e colaborou com seus estudos. Soube empenhar-se na saberia intelectual e na grande obra de caridade que foi a criação dos mercedários. Morreu aos 100 anos, em 1275.

Foi carmelita e contemporâneo de São Pedro Tomás, século XIV. Provinha de uma família das mais ilustres de Florença e viveu entre 1301 e 1374. Teve inicialmente vida dissipada e censurável, mas converteu-se e ingressou na Ordem do Carmo, onde praticou penitências heróicas. Mais tarde foi eleito bispo de Fiesole onde demonstrou prudência em tempos difíceis e muito zelo e amor à Igreja e aos necessitados, falecendo com fama de eminente santidade. Em um período de terror, um exemplo de fé, esperança e caridade. 10/01 - QUINTA-FEIRA Santo Agatone ou Agatão - Papa Siciliano que vivia no mosteiro de Palermo. Sobe à cátedra de Pedro em 27/06/678, sendo o 79º Papa. Seu nome do grego significa “bom”, e logo no início do seu pontificado ocorre a reconciliação, pois o Arcebispo de Ravena, Teodoro, separado da Santa Sé, aceita Agatão e retorna. Estimulou o canto gregoriano. Convocou o III Concílio de Constantinopla, 680 a 681, combatendo o monotelismo, doutrina que só acreditava na natureza divina de Jesus. O Papa faleceu antes do final do Concílio que foi em setembro de 681.


BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Liturgia

5

EPIFANIA DO SENHOR

O nascimento glorioso do Salvador No domingo, 6, a Igreja celebra o mistério da manifestação do Senhor

“Ó

Deus, que hoje revelastes o vosso Filho às nações, guiando-as pela estrela, concedei aos vossos servos e servas, que já vos conhecem pela fé, contemplar-vos um dia face a face no céu”. É com esta oração, chamada pela Liturgia de Oração de Coleta, que a Igreja mostra aos fiéis que participam da Missa neste domingo o mistério da Epifania do Senhor. A palavra Epifania vem do grego "epiphanéia" e significa: manifestação, aparição. Após celebrarem no dia 1º de janeiro a Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus, os católicos são convidados a conhecerem e entenderem a Epifania do Senhor, que é a manifestação do Filho de Deus ao mundo. Na cultura helenista Epifania significava "a chegada de um imperador em visita aos territórios de seu domínio". O evangelista Mateus mostra a Epifania como o nascimento glorioso do Salvador. O evangelho deste dia traz como personagens principais as figuras dos Reis Magos. A tradição diz que chamavam-se Baltazar, Gaspar e Melquior, um era de cor clara, outro era negro e outro mestiço. Há nas cores dos reis magos uma simbologia interessante. Acreditase que cada um, com sua cor, representava um povo ou nação da terra. Com esta certeza o mundo todo estaria representado pelos reis magos na visita e adoração deles ao Menino Deus. O Papa Bento XVI em sua homilia na Missa da Epifania do Senhor, em 06 de janeiro de 2012, disse que, "o caminho dos Magos do Oriente é só o início de uma grande procissão que continua ao longo da história. Com estes homens, tem início a peregrinação da humanidade rumo a Jesus Cristo: que nasceu num estábulo, morreu na cruz e, Ressuscitado, permanece conosco todos os dias até o fim do mundo". Mas afinal, quem eram os reis magos?! Tudo o que se sabe sobre essas figuras importantes na solenidade da Epifania do Senhor é baseado na tradição. Os magos eram astrólogos e astrônomos (ainda não existia naquela época a divisão da Astronomia e Astrologia). Isso nos faz acreditar que não eram judeus e sim pagãos que se guiavam pelo céu. Foi por isso que perceberam que havia uma estrela de luz intensa e que pairava sobre a terra. Os magos então decidiram

colocar-se a caminho e seguir a estrela que reconheceram como a estrela da salvação. A presença da estrela que guiou os magos até o presépio é uma alusão à estrela de Jacó, que depois seria chamada de estrela de Davi, que teria tido origem em Belém de Judá, onde Jesus nasceu. O capítulo dois de Mateus, do versículo um ao doze, narra que quando Jesus nasceu os magos vieram do Oriente, e ao passarem por Jerusalém procuraram saber onde havia nascido o Rei dos Judeus. A procura pelo Rei dos Judeus deixou Herodes confuso, fazendo-o convocar os escribas e príncipes dos sacerdotes para consultá-los sobre o local onde podia ter nascido Jesus. Sabendo que poderia ser Belém de Judá, Herodes enviou os Magos e pediu-lhes que ao voltarem de lá, o avisassem para que ele também pudesse ir “adorálo”. No entanto, Herodes estava enganando os Magos que, guiados pela estrela, chegaram ao local onde estava o Menino e ofereceramlhe ouro, incenso e mirra. Após a adoração os reis magos em sonho foram avisados para que voltassem para o Oriente por outro caminho e que não avisassem Herodes sobre o local exato onde se encontrava Jesus. Herodes, ao descobrir que foi enganado pelos magos, mandou matar todos os recém-nascidos, de zero a dois anos. A Igreja celebra todas as crianças que foram mortas por causa da perseguição a Jesus no dia 28 de dezembro, com a Festa dos Santos Inocentes. Jesus foi salvo porque um anjo foi enviado por Deus em sonho a José e avisoulhe do plano de Herodes. Com isso, José, Maria e Jesus fugiram para o Egito e lá permaneceram até a morte de Herodes. Há simbolismo também nos presentes ofertados a Jesus Menino. O ouro representa a realeza de Jesus. O incenso, usado nas celebrações como forma de oblação e purificação, teria por objetivo lembrar sobre a divindade de Jesus, que era Rei e Deus. Já a mirra conduz à memória da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus, pois foi com a mirra que seu corpo foi preparado para o sepulcro. O Catecismo da Igreja Católica, no parágrafo 528, afirma que além desta Epifania houve a manifestação e revelação de Jesus ao mundo no seu batismo no Rio Jordão e nas Bodas de Caná.

FOTOS: DIVULGAÇÃO


6

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Catequese DIVULGAÇÃO

Um só coração e uma só alma Padre Agostinho Cruz afs.cruz@hotmail.com

Quando chega a hora de acender as luzes

O Bacharelando em Teologia pela Faculdade Dehoniana (SP), Pároco de São João Batista e Nossa Senhora das Graças (Icoaraci)

desejo de todo crente é de que, uma vez que já conhecem a Jesus pela fé, é de um dia poderem contemplá-lo em sua glória. A fé faz com que vejamos em Jesus, Verbo feito carne, a divindade testemunhada pelo Espírito Santo. A fé ilumina o corpo e alma de quem crê; por isso, ninguém pode viver sem a fé, dom gratuito de Deus. Temos, no entanto, por conta de nosso batismo, de procurar que as pessoas não percam Deus de vista. É um esforço que deve ser feito para que reconheçam o tesouro, e o dom que possuem. A isso, poderíamos denominar como a busca da própria fé, da luminosidade de Cristo dento do coração humano. E quando é que saberemos qual a hora de acender as luzes? Primeiramente temos que entender que nossas lâmpadas uma vez acessa deve ser alimentada para que sua chama nunca se apague. A primeira vez em que acendemos a chama de nossa fé, é no dia do batismo. Por esta graça sacramental recebemos a fé, a luz que guiará os nossos passos. E a partir deste momento somos responsabilizados para que em toda e qualquer circunstância,

nossa luz esteja acessa. Quando se acende uma luz, se faz no intuito de clarear, de dissipar a escuridão e voltar a enxergar as coisas tais como elas são, e não como se apresentam na penumbra da sombra. Então, essa luz vai gerar no ser humano, outro dom, o conhecimento, o desejo natural pela verdade, e isso está implícito em cada ser humano, pois, “(..) o homem tem de procurar a verdade; ele é capaz da verdade” (Bento XVI, Luz do Mundo). D e ve - s e a c e n d e r a l u z quando sentir que sua fé está se esvaindo, quando está caindo no abismo da solidão provocada pela autossuficiência e egoísmo. A falta de fé abre um abismo no coração humano. Aquele que renega a fé, ou seja, não acende a sua luz, quer ser só ele no mundo, sem necessitar de Deus.

Não é próprio de nossa cultura manter as lâmpadas com óleos, mas sabemos que se não a abastecermos a luz faltará, como bem ensinou a Beata Teresa de Calcutá: “Para manter uma luz acesa é preciso estar constantemente colocando óleo nela”. Este óleo, hoje para nós, é a caridade, a oração continua a Deus, e a vida sacramental. Vivendo essas experiências tem-se a certeza de que as noites longas e frias, que trazem muitas vezes, insegurança, serão dissipadas. Imagine o desespero quando a luz se vai e nada mais resta a não ser esperar que ela retorne, trazendo de novo alegria; como o desejo de ver um novo sol quando cai a noite, como o desejo do nascimento do sol, vem também o desejo de um novo tempo, nascido da espera do homem pela luz. A verdadeira Luz manifestou-

se ao mundo, tão simples que os obscurecidos pelo ódio não o reconheceram. Cristo, luz sem ocaso, brilhou no mundo, numa noite fria, mas carregada de esperança. Seguindo a luminosidade de um astro, homens vieram adorar o Senhor, a fim de que uma vez tendo encontrado pudessem dar testemunho aos seus irmãos; pudessem torná-Lo conhecido e adorado, assim como fizeram. Esta é a hora de acender a nossa luz. A hora em que iniciamos um novo ciclo na existência, com a passagem de um ano para o outro. Deus permita que nessa passagem cada um possa deixar para trás tudo o que poderá apagar em seu coração a chama do luz do amor de Deus. E tendo-O recebido na noite santa do Natal, conserve pelos longos dias que virão.

Palavra de padre Padre Zezinho, scj

Ficar com Deus

U

m ao outro diziam os três comentaristas de futebol: Bom trabalho, bom descanso, fique com Deus, vai com Deus! Católicos, fizeram o sinal da cruz, um para começar e os outros dois para concluir a longa jornada de narração de dois jogos. Fizeram o que milhões de cristãos fazem diariamente. Propõem, não que Deus fique com o outro, mas que o outro fique ou vá com Deus. Suas aulas de catecismo foram boas. Sabem que Deus está sempre com suas criaturas, embora não saibamos explicar o mal e o fato de que Ele nem sempre o impede. Mas entendem que a fé é uma opção. Não compreendemos tudo o que se passa conosco, mas ficamos e vamos com Deus no pensamento. Não sabemos como Deus nos leva, mas podemos saber como levamos Deus. No início de minhas canções, que depois se tornaram um dos meus caminhos de chegar ao povo, compus uma canção que fez estrada: “Estou Pensando em Deus”. Foi

traduzida em mai de quinze línguas e está em mais de 40 países. É o que me disseram. Simplicíssima, eu que estudo há décadas teologia, filosofia e psicologia queria que a canção martelasse nos ouvidos do povo a idéia central de toda qualquer religião: pensar em Deus para senti-lo presente. No dizer do, hoje, Papa Bento XVI, filhos nidícolas e nidíferos querem ficar perto dos pais e, quando precisam ir, levam a lembrança do ninho com eles. Moramos no colo de Deus, mas quando precisamos ir ao mundo que nem sempre o aceita e raramente pensa nele, levamos conosco o aconchego do seu colo. Por isso, para um católico bem evangelizado dizer vai com Deus, fique com Deus, equivale a dizer: permaneça ou repercuta o colo de Deus onde você for. Tente agir como quem tem um pai, um amor e uma razão para viver. O sinal da cruz, ao por a Trindade Santa na testa, nos ombros e no peito é nosso jeito de ir com Deus ou concluir uma obra com Ele. É a mais pura catequese da presença. Nosso Deus não

Perdemos uma grande chance de mostrar a nossa fé quando mostramos vergonha até mesmo de dizer um Fique com Deus

é um ausente, nem nós no ausentamos dele. Foi o que eu disse a um amigo evangélico, destes puros e sinceros como o há muitos entre eles. Não são anti-católicos, assim como eu não sou antievangélico. Fiz opção pelo meu acento cat holou- para todos, abrangência, e eles pelo eu anguelion: levar a boa noticia. Eles acentuam a noticia que levam e eu

acentuo para quem a levo. Pois bem, este amigo quis saber por que carrego a cruz no peito e me benzo com o sinal da cruz. Expliquei que são sinais e gestos de quem precisa pensar em Deus com freqüência para ficar ou ir com Ele. São pedagogias. Ele achou bonito. Tirou sua pequena Bíblia do bolso interno do paletó e me disse que levava a Palavra ao peito. Repliquei, feliz, que ele acentuava a Palavra impressa que Jesus nos trouxe e que nos trouxe Jesus e eu a cruz na qual ele deu a vida pelo ser humano. Tanto ele como eu precisamos entender estes sinais para nunca fugir do colo de Deus. Somos como a filha que leva as fotos da família ou como a jovem mãe que leva a foto dos filhos, porque é grata pelo dom da maternidade. A meu ver, perdemos uma grande chance de mostrar a nossa fé quando mostramos vergonha até mesmo de dizer um Fique com Deus, Vai com Deus, Deus está com você! Não é preciso fazer um sermão. Aqueles três comentaristas de esporte, sem fanatismo algum, com

singeleza pregaram um belo sermão em menos de dois minutos. Benzeram-se, falaram das bem amadas esposas, dos filhinhos, da mãe que não dorme enquanto não chegam, desejaram que o outro não saísse do colo de Deus, tudo isso em um minuto e meio. Pode-se aprender com eles um pouco mais do que futebol. Eles sabem do essencial. Conhecem a diferença entre vencer e perder uma partida e derrotar e sair derrotado. E educam o torcedor pra outros valores que o esporte traz. Um deles é a fé serena e inteligente. Não sei se eles gostariam que eu citasse a emissora e seus nomes, mas, se já era, fiquei ainda mais fã dos três. E não esqueço o treinador evangélico, que disse que orava pelo seu time e pelos seus adversários para que ninguém sofresse uma grave lesão durante o jogo. Em resumo, há católicos e evangélicos que, quando entram em campo ou mergulham no trabalho, não penduram a religião no cabide! Religião, ou é isso, ou não é religião serena!


7

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Formação Sacramento da Unção dos Enfermos FOTOS: DIVULGAÇÃO

n Fonte: Portal Nazaré

O Sacramento da Unção dos Enfermos é conferido pela Igreja àquelas pessoas que estão doentes ou correm o risco de morte. Elas são entregue aos cuidados do Senhor. Mas a Unção não é conferida somente àqueles que correm o risco de morte. Se um enfermo que recebeu o sacramento recuperar a saúde pode, caso ele volte a ficar doente, receber novamente o sacramento. Já as pessoas que estão enfermas e tiverem sua situação agravada podem ter o sacramento reiterado. A Unção dos Enfermos também pode ser recebida antes de uma cirurgia de alto risco e também pelas pessoas com idade avançada. O sacramento é ministrado da seguinte forma: o sacerdote unge com óleo consagrado a fronte e as mãos do enfermo fazendo orações e implorando a graça especial desse sacramento. A Unção dos Enfermos pode ser administrada pelos bispos ou pelos presbíteros. Se possível, é recomendado que o doente receba o sacramento da Confissão antes da Unção. O Sacramento da Unção dos Enfermos aproxima de forma mais íntima o doente à Paixão de Cristo, conferindo-lhe conforto, paz, coragem e também o perdão dos pecados, caso ele não possa se confessar. A Unção prepara o fiel para a chegada à Casa do Pai. No ritual da unção dos enfermos é feita a seguinte oração: “Por esta santa unção e pela Sua infinita misericórdia, o Senhor venha em teu auxílio com a graça do Espírito Santo, para que, liberto dos teus pecados, Ele te salve e, na Sua misericórdia, alivie os teus sofrimentos”.

Vaidade n Por Pe. João Augusto

“P

ense que nos afadigam as pessoas quando desejam impressionar. O empenho principal é consigo mesmo, és tu que te crias dificuldades. Não sabes aquilo que desejas; aproveite os nobres princípios mais de quanto os siga: vê onde se encontra a felicidade, mas não ouse chegar até ela". Um estoico já dizia estas palavras a frear o ímpeto do homem em bastar-se a si mesmo para descobrir a verdadeira grandeza do seu existir. A ideia da vaidade segue uma sutil gradualidade na vida do ser humano qualificando sua cultura, interesse, perspectiva, atração, aquisição, espírito. Em termos bíblicos a vaidade ganha maior espaço nos livros sapienciais e no livro do Eclesiastes, que m o s t ra a i n s t a b i l i d a d e e a insegurança da vida presente, entendendo também o inconformismo consequente e honrado. Com isso deseja afirmar muitas coisas boas que vêm de Deus. Este livro apresenta uma literatura classicamente hebraica por uma escola dedicada profundamente à sabedoria que permeava a cultura em meio a um anseio

de explicar os desígnios divinos. Na Bíblia repetese por mais de cem vezes este termo, tendo no livro do Eclesiastes sua maior expressão. No nosso entender, o termo vaidade denota vários significados envolvidos em um mundo do vazio, da ilusão, da presunção e por fim do desejo imoderado de atrair atenção. Do latim "vanitas"atis. vão: "vazio, mas também inútil, fútil, inconsistente, fugaz, inane. Mais aparência que substância". A conotação do termo e dos seus derivados são negativos. Te m o s d e e n t e n d e r com todas estas formas de compreensão um termo que poderá nortear um inconfundível encontro com o nosso próprio ser, de elaborar um estilo de vida equilibrado e bem formado. Com isso podemos abrir um entendimento do homem como maravilha. Nosso desafio é passar de uma linguagem escolástica a uma linguagem metafóricosimbólica que instigará nosso sentido inteligível de amar aquilo que torna o homem dono de si como dom de Deus, como dom para Deus e para o semelhante. "Vaidade das vaidades", diz Coélet; "vaidade das

"Bem-aventurados os pobres de espírito porque deles é o reino dos Céus" (Mt 5,3)

vaidades, tudo é vaidade!" (Ecl.1,2) Com esta expressão o autor do livro do Eclesiastes nos coloca diante das relações humanas que diariamente passam por situações embaraçadas, devido o grande interesse pelo material. As pessoas desejam imprimir uma imagem ideal que por vezes se torna material diabólica: nas faceiras atitudes; no modo de uma pessoa se apresentar; na maldade disfarçada em belo; nas palavras elaboradas com uma inteligência pulverizada pelo erotismo, na vanglória. O popularesco das coisas é uma demonstração de um calabouço das vaidades. Imitações das imagens de um ideal que se reproduz sem conhecer o real valor das coisas. É

impressionante o peso do dia a dia, como se faz carga de um (des)valor dessa nova cultura. Digo desvalor de algo que se tornou valor sem percebermos o fruto que nos dá, economicamente falando. E o que não é vaidade teria a conotação de sanidade? O que é vaidade seria causa de insanidade? Te d e i x o c o m e s t e pensamento: o que nos diria o Coélet? “Tudo isso vi nos dias da minha vaidade: há justo que perece na sua justiça, e há ímpio que prolonga os seus dias na sua maldade. Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo? Não sejas demasiadamente ímpio, nem sejas louco; por que morrerias fora de teu

tempo? Bom é que retenhas isto, e também daquilo não retires a tua mão; porque quem teme a Deus escapa de tudo isso. A sabedoria fortalece ao sábio, mais do que dez poderosos que haja na cidade. Na verdade que não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque. Tampouco apliques o teu coração a todas as palavras que se disserem, para que não venhas a ouvir o teu servo amaldiçoarte. Porque o teu coração também já confessou que muitas vezes tu amaldiçoaste a outros. Tudo isto proveio pela sabedoria; eu disse: sabedoria adquirirei; mas ela ainda estava longe de mim. O que já sucedeu é remoto e profundíssimo; quem o achará?”(Ecl 7,15-24).


8

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Vida Primavera do mundo Padre Idamor da Mota Jr. (idamorjr@yahoo.com.br)

N

o artigo anterior falávamos do conceito de ‘Paternidade Responsável’ e da prática da abstinência que ela exige para que a mesma aconteça. Para reforçarmos ainda mais a importância da abstinência, mesmo na vida do casal, precisamos aprofundar um pouco mais a relação que existe entre amor e castidade. Já mencionamos anteriormente da dificuldade que alguns casais expressam em seguir os ensinamentos da Encíclica Humanae Vitae. A dificuldade talvez esteja no fato de que muitos acharem que a continência periódica para evitar a gravidez tornas e u m e m p e c i l h o p a ra expressarem um ao outro seu amor. Mas a pergunta que se faz aqui é “de que amor estamos falando”? De um amor verdadeiro e autêntico conforme o desígnio divino ou de um “amor” que busca somente compensação no prazer e na luxúria? É preciso então que se faça uma reflexão para se possa qualificar esse amor. Uma coisa é certa, todos nós, casados ou não, sabemos da dificuldade que vem da luta interna que travamos para se viver um amor verdadeiro. E essa luta vem exatamente do conflito entre amor e luxúria. Mas o Papa João Paulo II adverte que, se a intimidade sexual é apenas resultado da luxúria, ela não é amor. Muito

Teologia do Corpo - Amor e Castidade pelo contrário, é uma negação do amor. Eis aqui uma linha muito tênue que existe entre as duas realidades. O próprio Papa afirma que “aquilo que chamamos de amor, quando o submetemos a um exame crítico minucioso, não passa de uma forma de ‘usar’ a outra pessoa” (Amor e Responsabilidade, p. 167). Aq u i r e s i d e u m d o s grandes problemas que experimentamos em nossa sociedade atual. O fato de que muitas pessoas não conseguirem mais distinguir um verdadeiro ato de amor de um ato de luxúria. E os falsos conceitos disseminados pela mídia reforçam ainda mais isso. A expressão “fazer amor” coloquialmente usada, é um exemplo disso. Ela simplesmente reduz o amor, em todas as suas dimensões, a um ato puramente genital e luxurioso. E cada vez mais as pessoas perdem o sentido do amor numa sociedade massivamente ‘genitalizada’ onde o mesmo é simplesmente reduzido a um momento de prazer genital. Daqui desse simples exemplo, dá para se ter uma ideia de como nossa sociedade tem perdido a contemplação da beleza do

amor humano tal qual fora criado por Deus. Os contraceptivos, por e x e m p l o , e n t ra m a q u i t a m b é m c o m o g ra n d e s protagonistas desse cenário de obscuridade que se encontra nossa sociedade. Se perguntarmos:”para que servem os contraceptivos”? A pergunta mais óbvia é:”para evitar a gravidez”. Mas se perguntarmos novamente, por que se busca incessantemente “evitar a gravidez” utilizando-se de contraceptivos? No meio de tantas possibilidades de respostas existe uma que está no centro da questão. A contracepção tem como principal objetivo poupar o homem e a mulher modernos da dificuldade de se viver a abstinência sexual. Porque, simplesmente, essa palavra ‘abstinência’ foi banida do vocabulário moderno. Daí, podermos entender que os contraceptivos foram criados

justamente por causa do conceito d e ‘ s e xo l i v re ’ que se difundiu l a rg a m e n t e n a sociedade a partir d a “ r e vo l u ç ã o sexual”, que pregava que todos deviam buscar maximizar o prazer sexual da forma que quisessem e da forma que pudessem. Mas dentro dessa “novidade” da “revolução”, restava ainda um problema. A possibilidade de uma gravidez indesejada. Portanto, os contraceptivos foram criados para justificar a entrega total das pessoas à luxúria e não à busca do verdadeiro amor. Dentro desse panorama que vivemos hoje, os conceitos de ‘domínio de si’, ‘continência’, ‘abstinência’, ‘castidade’, parecem coisa de outro mundo e sem valor algum dentro da realidade pansexualista da sociedade. Mas para nós, crentes e tementes a Deus, isso deve ser prova de nosso amor e fidelidade ao plano de vida que Ele tem preparado para nós. Primeiramente, devemos levar em conta que a abstinência elevada ao nível de castidade

não pode ser entendida como algo negativo ou repressivo, mas como algo extremamente positivo e libertador. E ela é libertadora porque o domínio de si nos livra da nossa tendência de apenas querer “usar” os outros como objetos de nosso prazer e gratificação. É libertadora porque nos mostra que não vivemos como os animais, sem o uso da razão e guiados somente pelos instintos. É libertadora porque, sem o domínio de si, só nos resta duas alternativas: “ou o homem comanda suas paixões e obtém a paz, ou se deixa subjugar por elas e se torna infeliz” (CIC 2339). Dentro dessa perspectiva, a castidade, como domínio de si, passa então a ser oferta e louvor a Deus. Algo que se consegue somente através de esforço, renúncia, ascese. Algo que não reprime, mas liberta, porque entra na própria dinâmica da paixão de Cristo por nós. Ela entra na própria morte e ressurreição de Cristo. Isto significa que ao morrermos para a luxúria, nascemos para o verdadeiro amor. Quando a luxúria morre em nós, o amor autêntico ressuscita. O autor é mestre em Bioética e Diretor do CCFC

Na próxima semana, “Escutando o Coração”, com Ir. Lourdes Silva, fsp

Palavra de vida Chiara Lubich

“I

de, pois, aprender o que significa: Eu quero misericórdia e não sacrifícios”. (Mt 9,13; cf. Os 6,6) “... Eu quero misericórdia e não sacrifícios”.

Você se lembra quando foi que Jesus disse estas palavras? Ele estava à mesa e alguns publicanos e pecadores tinham se sentado junto dele. Notando isso, os fariseus presentes perguntaram aos seus discípulos: “Por que vosso Mestre come com os publicanos e pecadores?” E Jesus, ao ouvir essas palavras, respondeu:

“Ide, pois, aprender o que significa: Eu quero misericórdia e não sacrifícios”.

Ao citar essa frase do profeta Oseias, Jesus mostra que lhe agrada o conceito nela contido; com efeito, é a norma de seu próprio comportamento. Ela exprime a supremacia do amor sobre qualquer outro mandamento, sobre qualquer outra regra ou preceito. Este é o cristianismo: Jesus veio dizer que Deus quer de você, antes de tudo, o amor para com os outros – homens e mulheres –, e que essa vontade de Deus já tinha sido anunciada nas Escrituras, como demonstram as palavras do profeta. Pa ra c a d a c r i s t ã o o a m o r é o programa de sua vida, a lei fundamental de suas ações, o critério

de seu comportamento. O amor deve prevalecer sempre sobre qualquer outra lei. Mais ainda: o amor aos outros deve constituir, para o cristão, a base sólida que lhe permite legitimamente cumprir todas as outras normas. “... Eu quero misericórdia e não sacrifícios”.

Jesus quer o amor. E a misericórdia é uma expressão do amor. Ele quer que o cristão viva assim, antes de mais nada porque Deus é assim. Para Jesus, Deus é, acima de tudo, o misericordioso, o Pai que ama a todos, que faz nascer o sol e cair a chuva sobre os bons e sobre os maus. Uma vez que ama a todos, Jesus não tem receio de relacionar-se com os pecadores; e desse modo nos revela quem é Deus. Portanto, se Deus é assim, se Jesus é assim, você também deve nutrir os mesmos sentimentos. “... Eu quero misericórdia e não sacrifícios”.

“...não sacrifícios”. Se você não tiver amor pelo irmão, o seu culto não agrada a Jesus. Ele não acolhe a sua oração, a participação na Eucaristia, as ofertas que você pode fazer, se tudo isso não brotar do seu coração em paz com todos, rico de amor para com todos. Você se lembra daquelas palavras

tão marcantes que Jesus disse no Sermão da Montanha? “Portanto, quando estiveres levando a tua oferenda ao altar e ali te lembrares que o teu irmão tem algo contra ti, deixa a tua oferenda diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão. Só então, vai apresentar a tua oferenda” (Mt 5, 23-24). Essas palavras lhe dizem que o culto mais agradável a Deus é o amor ao próximo, amor que deve ser também colocado como base do culto a Deus. Se você quisesse dar um presente a seu pai, mas estivesse brigado com seu irmão (ou seu irmão com você), o que seu pai lhe diria? “Faça primeiro as pazes; depois pode vir com o seu presente”. Mas isso não é tudo. O amor não é só a base da vivência cristã. Ele é também o caminho mais direto para ficar em comunhão com Deus. É o que dizem os santos, testemunhas do Evangelho que nos precederam; é o que experimentam os cristãos que vivem a própria fé: quando ajudam os irmãos, principalmente os necessitados, aumenta a sua devoção, torna-se mais forte a união com Deus; eles percebem que existe um vínculo entre eles e o Senhor, e é isso que dá mais alegria às suas vidas. “... Eu quero misericórdia e não sacrifícios”.

Então, como você poderá viver esta

nova Palavra de Vida? Não faça discriminação entre as pessoas que têm contato com você, não marginalize ninguém, mas ofereça a todos tudo o que puder dar, imitando Deus Pai. Recomponha os pequenos ou grandes desentendimentos que desagradam ao céu e amarguram a sua vida. Não deixe que o sol se ponha – como diz a Escritura (cf. Ef 4,26) – sobre a sua ira, seja contra quem for. Se você agir desse modo, tudo o que fizer agradará a Deus e permanecerá para a eternidade. Não importa se você trabalha ou descansa; se brinca ou estuda; se faz companhia aos filhos ou passeia com a sua esposa ou o seu marido; se você reza, se está se sacrificando, ou se está cumprindo as práticas religiosas próprias de sua vocação cristã... Tudo, tudo, tudo será matéria-prima para o Reino dos Céus. O Paraíso é uma casa que se constrói aqui e se habita na outra vida. E se constrói com o amor. CHIARA LUBICH

Esta Palavra de Vida foi publicada originalmente em junho de 1996. Publicada originalmente em março de 2003. Palavra de vida é um trecho do evangelho comentado por Chiara Lubich, fundadora do movimento dos Focolares. Ela é traduzida em 96 línguas e idiomas, e atinge milhões de pessoas no mundo inteiro.


9

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Ano da Fé O

PREMISSA

artigo terceiro, dando continuidade ao texto de São Tomás de Aquino, nos introduz no “Mistério da Encarnação”, tão próprio deste tempo litúrgico que trata da infância de Jesus. É enunciado assim: FOI CONCEBIDO DO ESPÍRITO SANTO, NASCEU DA VIRGEM MARIA. O Símbolo Apostólico que São Tomás está comentando nesta “Exposição sobre o Credo” é muito sumário e essencial. É tão importante que em nossa Arquidiocese somos convidados pelo nosso Arcebispo a professá-lo em todas as nossas liturgias eucarísticas dominicais, durante todo o Ano da Fé. O Doutor da Igreja São Tomás explicita na primeira parte o grande evento da encarnação, que em sua realidade é um “misterium fidei”, pois trascende demais nossa inteligência da fé e somente rezando e meditando com ele, ou melhor, contemplandoo no presépio com o afeto, temos uma resposta de fé, que nos deixa abismados pela humanização do Verbo “feito carne” e ao mesmo tempo pela grande dignidade a que nos eleva participando desta humanidade sacralizada pelo Cristo. Este “mistério da nossa fé” fez com que já na antiguidade muitos grandes teólogos dos primeiros séculos cristãos caíssem em equívocos, como Origenes, Fotino, Ébion, Valentino, Ario, Apolinário e Nestório (ver as

notas explicativas na pág. 11). Parece-me sempre de atualidade, porque, embora passados tantos séculos, volta e meia percebemos que com nosso “livre exame” das Escrituras voltamos a nos perguntar: Maria, além do filho primogênito, teve outros filhos? E os irmãos de Jesus, não se chamam eles: Tiago, Joset, Judas e Simão? (Lc 6, 3). Já nos foi dito e, a igreja primitiva compreendia melhor do que nós, que se tratava de parentes próximos, pois na línguas antigas, em especial na Bíblia Vulgata, empregava-se o termo “fratres”, que correspondia a “adelphoi” no grego e “irmãos” na língua portuguesa. A palavra origina de “germanus”: irmão de sangue, no latim. É um problema que percebemos ser compreensível, haja vista que ainda hoje nas línguas neolatinas temos uma palavra para “primo” ou “sobrinho” que não se encontra em outras. Enquanto em português temos o vocábulo “irmão”, derivado de “germanus”, e reservou o vocábulo “fratres” para indicar os “frades” e ainda temos o vocábulo “neto e sobrinho” indicando duas relações diferentes de parentesco, em italiano, por exemplo, tem “nipote”, que pode ser o filho de meu filho ou também o filho de meu irmão. Há, sem dúvida, outras questões semelhantes e até de difícil compreensão que exigem uma pequena reflexão à luz da Encarnação.

No fim deste artigo, nos diz São Tomás, podemos tirar algumas conclusões práticas para nossa instrução. 1º Para confirmar nossa fé, muito mistérios que antes estavam velados nos foram revelados após o advento de Cristo. 2º Para elevar nossa esperança: se fez homem para fazer o homem Deus. 3º Para que nossa caridade seja mais fervorosa, fazendo-se criatura, afervorando o nosso amor para com Deus. 4º Para conservar a pureza de nossa alma. Nossa natureza pode consociarse com uma Pessoa Divina. 5º Para que a meditação dos mistérios da Encarnação aumente em nós o desejo de nos aproximar de Cristo. São Paulo desejava dissolver-se para estar com Cristo: esse desejo cresce também em nós pela consideração do mistério da Encarnação. A modo de conclusão deste Terceiro Artigo, nos é dito, bem no início da “ Gaudium et Spes ”, em forma lapidária, que pela Igreja se faz presente hoje Cristo, pois: “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo. Não se encontra nada verdadeiramente humano que não lhes ressoe no coração”.

DIVULGAÇÃO


10

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Ano da Fé

ARTIGO TERCEIRO Foi concebido do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria

N

ão é somente necessário ao cristão acreditar que Jesus Cristo é o Filho de Deus, como acima mostramos, mas também convém crer na Sua Encarnação. Por isso, o Bem-aventurado João, após ter falado muitas coisas elevadas e de difícil compreensão, logo a seguir nos insinua a Sua Encarnação, quando diz: "e o Verbo se fez carne" (Jo 1.14). Para que possamos aprender algo dessa verdade, darei dois exemplos. Sabe-se que nada é tão semelhante ao Filho de Deus como a palavra concebida em nosso interior, mas não pronunciada exteriormente. N i n g u é m c o n h e c e a p a l av ra enquanto está no interior do homem, a não ser ele, que a concebeu. Mas logo que é proferida exteriormente, torna-se conhecida. Assim o Verbo de Deus não era conhecido senão pelo Pai, enquanto estava no seio do Pai. Mas logo que se revestiu da carne, como a palavra concebida no interior, pela voz, tornou-se manifesto e conhecido. Lê-se na Escritura: Depois disso foi visto na terra, e conviveu com os homens (Bar 3,38). Vejamos o segundo exemplo. A palavra, pronunciada exteriormente, é ouvida, mas não é vista, nem se pode nela tocar. Escrita, porém, em uma folha, pode ser vista e tocada. Assim também a Verbo de Deus tornou-se visível e palpável, quando foi, de certo modo, escrito em nossa carne. Ora, quando numa mensagem estão escritas as palavras do rei, ela também é chamada de palavra do rei. Do mesmo modo, o homem a quem está unido o Verbo de Deus numa só pessoa, deve ser chamado Filho de Deus. Lê-se em Isaías: Toma o grande livro e escreve nele com a pena de um homem (Is 8,1). Declararam também os Apóstolos: Que foi concebido do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria. Com relação a este artigo do Credo, muitos caíram em erros. Por isso os Santos Padres, em autro Símbolo, o de Nicéia, acrescentaram muitos esclarecimentos que nos permitem ver agora como esses erros foram destruídos. Origenes (11) afirmou que Cristo nasceu e que veio a este mundo para salvar os homens e também o demônio. Disse ainda que todos os demônios seriam salvos no fim do mundo. Afirmar tal coisa, porém, é ir contra a Sagrada Escritura, pois se lê no Evangelho de S. Mateus: Afastaivos de mim malditos, e ide para o fogo eterno, que foi preparado para o diabo e para os seus anjos (Mt 25,41). Por essa razão, foi acrescentado no Símbolo: Que desceu dos céus para nós, homens (não se diz: para os demônios) e para a nossa salvação. Essas palavras evidenciam, ainda mais, o amor de Deus para conosco. Fotino (12), não obstante ter aceito que Cristo nasceu da Bemaventurada Maria Virgem, afirmou que Ele era um simples homem, que, por ter vivido bem e ter feito a vontade de Deus, mereceu ser considerado Filho de Deus, como o são os outros santos. Contra essa afirmação, lê-se na Escritura; Desci

FOTOS: DIVULGAÇÃO

do céu, não para fazer a minha, mas a vontade de quem me enviou (Jo 6, 38). Ora, é evidente que não teria descido do céu, se ai não estivesse; e, se fosse um simples homem, não poderia ter estado no céu. Para afastar esse erro, foi acrescentado: desceu dos céus. Manés (13) ensinava que Cristo foi sempre Filho de Deus e que desceu do céu, mas que não possuía verdadeira carne, pois que esta era apenas aparente. Isso é falso. Ora, não convinha ao Mestre dá verdade mostrar-se com alguma falsidade. Por isso, como apareceu em verdadeira carne, devia também possuí-la. Lêse no Evangelho de S. Lucas: Palpai e vede, porque o Espírito não tem carne nem ossos, como me vedes possuir (Lc 24,39). Para afastar tal erro, os Padres acrescentaram: E se encarnou. Com relação a Ebion (14), que era judeu, aceitava ele que Cristo tivesse nascido da Bem-aventurada Maria, mas de uma união carnal, e de sêmen humano. Isso, porém, é falso, porque o Anjo disse: O que nascerá dela, é obra do Espírito Santo (Mt 1,20). Para afastar esse erro, os Padres acrescentaram: Do Espírito Santo. Valentino (15) aceitava que Cristo tivesse sido concebido pelo Espírito Santo, mas também ensinava que Cristo trouxera um corpo celeste e o depositara na Bem-aventurada Virgem, e que este corpo era o de Cristo. Por esse motivo, dizia, a Bem-aventurada Virgem nada fizera senão ter-se dado como receptáculo daquele corpo, e que este passava por ela, como por um aqueduto. Mas tal afirmação é falsa, porquanto o Anjo disse: O santo que de ti nascer, será

chamado Filho de Deus (Lc 1,35). Do mesmo modo, o Apóstolo: Quando chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho feito de mulher (‘Gál 4,4). E i s p o rq u e o s Pa d re s acrescentaram no Símbolo: Nasceu da Virgem Maria. Ario (18) e Apolinário (17) afirmaram que Cristo era o Verbo de Deus e que nasceu da Virgem Maria, mas que não possuía alma, estando, em lugar desta, a divindade. Mas isso é contra a Escritura, onde se encontram estas palavras de Cristo: Agora, a minha alma está perturbada (Mt 26,38). Para refutar o erro de ambos, os Santos Padres acrescentaram no Símbolo: E fez-se homem. Ora, o homem é constituído de alma e corpo. Por conseguinte, Ele possuiu tudo o que o homem pode possuir, exceto o pecado. Pela expressão - fez-se homem - são destruídos todos os erros acima enumerados, e todos os que possam surgir. Foi destruído, por essa expressão, principalmente o erro de Eutíquio (18) que ensinou ter havido em Cristo urna mistura, isto é, que havia uma só natureza em Cristo, oriunda da divina e da humana, de modo que Cristo não era nem simplesmente Deus, nem simplesmente homem. Tal afirmação é falsa, porque, se não fosse falsa, Cristo não seria homem corno fora definido: fez-se homem. É destruído também o erro de Nestório (19) que afirmou que o Filho de Deus uniu-se ao homem só por inabitação. É falsa também essa doutrina, porque então não estaria escrito apenas homem, mas no homem. O apóstolo declara que Cristo foi homem: Foi reconhecido,

conforme se apresentou, como homem (Fil 2, 7). Lê-se também em São João: Por que me quereis matar, eu, um homem, que vos disse a verdade que ouvi de Deus? (Jô 8, 40) Dessa exposição sobre o 3° artigo do Credo, podemos tirar algumas conclusões práticas para nossa instrução. E m p r i m e i r o l u g a r, p a r a confirmação da nossa fé. Se alguém falasse de uma terra longínqua, na qual nunca estivera, não seria tão bem aceita a sua palavra como o seria, se a conhecesse. Antes da vinda de Cristo, os Patriarcas, os Profetas e João Batista falaram algumas verdades a respeito de Deus. Os homens, porém, não acreditaram nelas como acreditaram em Cristo, que esteve com Deus, e, mais do que isso, constituía um só ser com Ele. Eis porque a nossa fé foi muito mais con firmada pelas verdades transmitidas por Cristo. Lê-se em São João: Ninguém jamais viu a Deus. O Filho Unigênito, que está no seio do Pai, nos revelou (Jo 1,18). Muitos mistérios da fé, que antes estavam velados, nos foram revelados após o advento de Cristo. Em segundo lugar, para elevação da nossa esperança. Sabemos que o Filho de Deus, não sem elevado motivo, veio a nós, assumindo a nossa carne, mas para grande utilidade nossa. Fez, para conseguila, um certo comércio: assumiu um corpo animado, e dignou-se nascer da Virgem, para nos entregar a sua divindade; fez-se homem, para fazer o homem Deus. Lê-se em S. Paulo: Por quem temos acesso pela fé nessa graça, na qual permanecemos, e nos gloriamos na esperança da glória dos filhos de Deus (Rom 5,2).


11

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Ano da Fé Em terceiro lugar, para que a nossa caridade seja mais fervorosa. Nenhum indício é mais evidente da caridade divina que o de Deus, criador de todas as coisas, fazer-se criatura; o do Senhor nosso, fazerse nosso irmão; o do Filho de Deus, fazer-se filho de homem. Lê-se em S. João: "tanto Deus amou o mundo, que lhe deu o Seu Filho" (Jo 3,16). Pela consideração dessa verdade, deve ser reacendido, e de novo em nós afervorado, o nosso amor para com Deus. Em quarto lugar, para conservação da pureza de nossa alma. A nossa natureza foi a tal ponto enobrecida e exaltada pela união com Deus, que foi assumida para consociar-se com uma Pessoa Divina. Por esse motivo o Anjo, após a Encarnação, não permitiu que o Bem-aventurado João o adorasse (20), quando antes permitira que até os maiores Patriarcas o fizessem. O homem, pois. reconsiderando e atendendo à própria exaltação, deve perceber como se degrada e avilta a si e a própria natureza, pelo pecado. Por isso, escreve S. Pedro: Por quem nos concedeu as máximas e preciosas promessas, para que nos tornássemos consortes da natureza divina, fugindo da corrupção da concupiscência que

existe no mundo (2 Ped 1,5). Em quinto lugar, a meditação dos mistérios da Encarnação aumenta em nós o desejo de nos aproximarmos de Cristo. Se alguém, irmão de um rei, dele longe estivesse, naturalmente

desejaria aproximar-se dele, estar com ele, permanecer junto dele. Ora, sendo Cristo nosso irmão, devemos desejar estar com Ele e nos unirmos a Ele. Com relação a esse desejo, lêse em S. Mateus: Onde quer que

esteja o cadáver, aí se apresentarão os abutres (Mt 24,28), S. Paulo desejava dissolver-se para estar com Cristo: esse desejo cresce também em nós pela consideração do mistério da Encarnação.

NOTAS

(11)

Orígenes (185-253) é uma das personalidades mais discutidas na patrística. Filho do mártir Leônidas, cedo, pela sua notável inteligência, foi chamado para dirigir a Escola Catequética de Alexandria. Visitou Roma e todo o oriente católico. Para melhor seguir o Evangelho, mutilou-se. Foi ordenado sacerdote irregularmente e por esse motivo foi excomungado. Não abandonou, contudo, a Igreja, morrendo vítima das torturas que sofreu pela -fé na perseguição de Décio. De cultura invulgar, tendo exercido atividade de ensino em Roma, Cesaréia e AIexandria, Orígenes escreveu obras de teologia em número imenso, ditando-as para diversos taquígrafos, tendo até pagãos em suas aulas, que eram atraídos pela sua sabedoria. A influência de Orígenes, na teologia do Oriente antigo, equipara-se à de Santo Agostinho, na do Ocidente. Orígenes tentou formular um sistema teológico, fundamentando-o no neoplatonismo e, em parte, em Aristóteles. Esse ecletismo filosófico levou Orígenes a afirmar muitas teses falsas no plano da fé, cormo a do traducianismo (os pais transmitem as almas aos filhos), a eternidade do mundo, a igualdade inicial de todos os seres espirituais, a sucessão cíclica dos mundos, a volta de tudo a Deus, no retorno final (apocatastase). Até o inferno desaparecerá no fim de tudo. Interpretava a Escritura, também de modo ambíguo. São Jerônimo considerou Orígenes “o pai de todas as heresias”. Foi posteriormente condenado diversas vezes como herege. Orígenes foi vítima do subjetivismo na interpretação da Escritura e do otimismo, na consideração das coisas. Faltando-lhe a filosofia verdadeira, naturalmente caiu em erros. Todavia, Orígenes

sempre procurou ser fiel à Igreja em muitos aspectos. É o iniciador da teologia oriental, testemunho também, em outros, da tradição católica. É notável a sua influência nos Padres Capadócios. Devido à sua genialidade foi denominado “Adamantino”.

(12) (13) (14)

Fotino (ver acima nota n.º 5). Manés (ver acima nota n.º 2).

Ebionitas. O nome da seita deriva do termo pobreza, em hebraico. Esta seita vinha dos tempos apostólicos. Constituíam-na judeus-cristãos que não aceitavam a doutrina do Apóstolo Paulo, nem a divindade de Cristo. Esperavam também um reino terreno messiânico de mil anos (Milenarismo = quiliasma).

(15)

Valentino - Gnóstico Alexandrino, difundiu sua doutrina em Roma pelos anos de 136 a 160. Com grande talento oratório, formulou um sistema doutrinário religioso-filosófico baseado na filosofia neoplatônica. Os valentinos se tornaram perigosos, porque usavam os mesmos ritos da Igreja e, assim, iludiam e atraíam os católicos.

(16) (17)

A rio. (Ver acima nota n.º 8).

Apolinário - Bispo de Laodicéia, na Síria, aplicou a doutrina da tricotomia platônica a Cristo, de modo que Cristo não teria alma racional. O “Logos” fazia às vezes dela, sendo Cristo constituído de “carne”, “alma animal” e do “Logos”. Sem o perceber, Apolinário de fato ensinava que o verbo se encarnou em

um ser irracional. Não obstante ter combatido o arianismo, Apolinário, pelo conceito falso a respeito da humanidade de Cristo, caiu neste erro. Diversos Sínodos condenaram o “apolinarismo”, os Padres Antioquenos logo o rejeitaram e o Imperador Teodósio, em 388, exilou os seus adeptos. A heresia foi absorvida pela Igreja Ortodoxa, manifestando-se mais tarde na forma do monofisitismo. Apolinário faleceu em 390.

(18)

Eutiquio era Arquimandrita de Constantinopla, piedoso, mas sem cultura teológica. Com Eutíquio inicia-se a grande luta monofisita, que terminará na Igreja no Concílio Ecumênico de Calcedônia, 451. Em forte oposição ao nestorianismo (ver abaixo, nota 19), os monoofisitas ensinavam que em Cristo há uma só natureza, a divina, pois a natureza humana de Cristo foi divinizada, não sendo mais igual à nossa. Em Cristo haveria “uma e única natureza”. Eutíquio agiu com muita violência contra os que afirmavam haver duas naturezas em Cristo, identificando-os com os nestorianos. No Concilio de Calcedônia foi lida a carta do Papa Leão Magno (440-461) sob grandes aplausos, na qual era condenado o monofisitismo e o nestorianismo. Assim escrevia o Papa: "Nós ensinamos e professamos um único e idêntico Cristo... em duas naturezas, não confusas e não transformadas entre si, não divididas, não separadas, pois a união das naturezas não suprimiu as diferenças. Antes, cada uma das naturezas conservou as propriedades e se uniu com a outra numa única pessoa e numa única hipóstase". A heresia monofisita difundiuse pela cristandade, aceitando-a ainda hoje as Igrejas Ortodoxas

da Arrnênia, da Abissínia (Coptas) e da Síria (Jacobitas).

(19)

Nest6rio, monge piedoso e bom orador, foi eleito Bispo de Constantinopla em 428. Seguindo a escada teológica antioquena, que exagerava de tal modo a distinção das duas naturezas de Cristo a ponto de parecer afirmar a existência nEle de duas pessoas, Nestório levou ao extremo as teses antioquenas, negando haver em Cristo só a Pessoa Divina. Consequentemente Maria era apenas mãe de Cristo, não Mãe de Deus (Teotókos). São Cirilo Alexandrino combateu de modo contundente o erro de Nestório, tendo o Papa Celestino I apoiado a doutrina deste Padre. Firme no erro e na Cátedra de Constantinopla que deveria renunciar, Nestório solicitou do Imperador Teodósio II a convocação de um Concilio Ecumênico para dirimir a questão. Realizou-se este em Éfeso, no ano de 431, presidido por Cirilo, representante do Papa, sendo Nestório destituído da função episcopal e reafirmada a dualidade de natureza em Cristo e a unidade de pessoa. Maria foi declarada Teotókos. O Concílio, que é o terceiro ecumênico, não publicou novo Símbolo de Fé, considerando o Símbolo Niceno suficiente. A heresia nestoriana difundiu-se pelo Oriente entre os indianos, chineses e mongóis. No séc. XVI os nestorianos caldeus voltaram ao seio da Igreja Católica. Subsistem ainda adeptos do nestorianismo no norte do Iraque.

(20)

Lê-se no Apocalipse que João tentou adorar o “Anjo vigoroso” (Ap 18,21). Mas foi admoestado a que não o fizesse (Ap 19,10).


12

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Em Nazaré FIM DE ANO

Basílica recebe milhares de fiéis na última semana de 2012 Santuário continua com celebrações nos mesmos horários

N

a última semana do ano, muitos fiéis aproveitaram para estar na companhia de Jesus e de Maria, na Basílica Santuário. Missas e Adoração estiveram cheias de fiéis que queriam buscar paz e renovar votos de fé para o novo ano que já começou. Embora seja uma época de férias, a programação da Basílica permanece a mesma com missas às 6h, 7h15, 8h30, 12h e 18h nos dias de semana, e 6h30, 8h, 10h, 16h30, 18h e 20h aos domingos. As Adorações ocorrem às quartas, às 19h30, quintas e sextas-feiras, às 16h. Maria das Graças Pimentel, frequentadora assídua da Basílica Santuário, afirma que não se cansa de estar perto de Deus e de Nossa Senhora. “Desde muito nova sempre vim à Igreja, mas aqui na Basílica é diferente. Tem lugar melhor de estar ao lado da Mãe, se não na própria casa dela?!”, diz emocionada. Alexandre do Carmo foi à Basílica Santuário para prestigiar o Presépio. “No dia da missa de Natal a Igreja estava muito lotada e não pude ver. Agora, além da missa que vim assistir não pude deixar de ver e ainda tirar uma foto do Presépio que está muito lindo”, completa.

DIVULGAÇÃO

w MISSAS Cristãos lotaram a Basílica Santuário nas últimas celebrações do mês de dezembro de 2012

Sétima Edição da Revista Santuário Já está à venda a nova edição da Revista Santuário de Nazaré. Confira detalhes sobre a vida e o papel do novo Provincial dos Barnabitas no Norte, o

serviço da Confraria de Nazaré, funcionamento do Apostolado da Oração, e muito mais! Além das matérias, você tem dicas de saúde de como prevenir-se do câncer e alimentos de risco. Também pode conferir a receita de como fazer um bolo de cupuaçu. E na coluna A Voz do Pastor, você ainda acompanha o depoimento de Dom Alberto Taveira sobre o Natal deste ano. As revistas podem ser encontradas nas Lojas Lírio Mimoso e na sala de atendimento da Basílica Santuário. Está imperdível! Adquira já a sua! Veja mais destaques desta edição: Palavra do Reitor; Casamento Especial Comunitário 2012; A preparação da família para o Natal; Bate-papo com Padre Dalvan Alves Ribeiro; Dúvidas sobre a Igreja.

Tema do Círio 2013 é anunciado

serviço da Confraria de Nazaré, funcionamento do Além das matérias, você tem dicas de saúde de como prevenir-se do câncer e alimentos de risco. Também pode

O tema do Círio 2013 foi escolhido: “A Igreja em oração unida a Maria, mãe de Jesus”. O anúncio foi feito no dia 22 pelo Arcebispo metropolitano de Belém Dom Alberto Taveira, na Casa de Plácido. Na ocasião também foram apresentados o s n ovo s m e m b r o s d a D i r e t o r i a d a Fe s t a d e Nazaré para o ano que vem. Dos 30 diretores, 27 foram reconduzidos aos seus cargos. Apenas três ainda não faziam parte da diretoria: Evandro Stein, Ronaldo Pinheiro e Alcyr Souza. Kléber Vieira, que continua diretor coordenador da Festa, foi reempossado. Padre José Ramos das Mercês também continua como presidente da

Diretoria da Festa. Segundo Dom Alberto Ta ve i r a , a e s c o l h a d o tema da festa de Nazaré está relacionado ao aprofundamento do Catecismo na Igreja Católica. “Queremos que esses ensinamentos façam parte do cotidiano das pessoas”, explica Dom Alberto. A partir de janeiro os diretores da festa de Nazaré darão início à elaboração da agenda oficial do Círio 2013 e ao plano de ações para as procissões que antecedem e sucedem o segundo domingo de outubro. Os 30 diretores foram distribuídos em oito diretorias: Marketing, Decoração, Evangelização, Eventos,

Administrativo-Financeira, Procissões, Patrimônio e Recursos Sócio-econômicos e Filantrópicos. A Diretoria de Procissões será conduzida por Carlos Augusto de Brito Nobre. Rodolfo Telles Kalume e César Neves assumiram as diretorias de Patrimônio e Recursos Sócio-econômicos e Filantrópicos respectivamente. O s wa l d o M e n d e s é o responsável pela Diretoria de Marketing, Antonio Flávio Américo pela de Eventos e Cláudio Tobias Acatauassú Nunes pela Diretoria de Evangelização. À frente das diretorias de Decoração e Administrativo-Financeira estão Pedro Antonio Mufarrej H a g e e K l é b e r Vi e i ra , respectivamente.


BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Nazaré Repórter

13

J Dom Zico celebra 32 anos de Sagração Episcopal

IVAN CARDOSO

J Paróquia celebra a Sagrada Família A Paróquia Sagrada Família, localizada no bairro Curió Utinga, celebrou com Missa e Procissão a Festa da Sagrada Família, celebrada pela Igreja no último domingo, 30. A Santa Missa foi

presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, e concelebrada pelo pároco, Pe. Antônio Cruz. A festividade iniciou-se no dia 25 e culminou com esta procissão no dia 30.

J Viagem à JMJ no RIO Para quem ainda procura pacotes de viagem para a JMJ, em julho deste ano, a Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Distrito de Icoaraci, está com vagas à disposição. Quem desejar pode procurar a secretaria da Igreja, localizada na Rod. Aug. Montengro s/n - Bairro da Agulha. Mais informações: (91) 3297- 7251. São poucas vagas. Garanta já a sua!

J Encerramento do Ano Sabático

Alberto Ramos. Nascido na cidade mineira de Luz, no dia 27 de janeiro de 1927, descobriu sua vocação dentro do próprio ambiente familiar cristão, aos 18 anos, tendo como exemplo dois irmãos também sacerdotes. Esses fatores influenciaram sua escolha de iniciar, aos 16 anos, o noviciado da Congregação completou 62 anos de vida sacerdotal, iniciada aos 23 anos. Ele ingressou no mesmo seminário que seus irmãos

Maior, onde estudou por oito anos Filosofia e Teologia. Sua missão no quando o papa João Paulo II instituiu dom Vicente Zico Arcebispo e o enviou para Belém como Arcebispo Coadjutor, era o início do seu trabalho na capital paraense. Quando chegou a Belém o Arcebispo, dom Alberto Ramos, o convidou para assumir o Seminário

Montengro s/n - Bairro da Agulha. Mais informações: (91) 3297- 7251. São poucas vagas. Garanta já a sua!

A Comunidade Sementes do Verbo encerrou na última quarta-feira, 2, o Ano Sabático, iniciado no dia 19 de março de 2012. O Ano Sabático é um momento de retiro individual em que cada um é chamado a um descanso e desligamento das atividades do mundo e, também, são convidados à busca de uma intimidade maior com Deus, à luz de Sua Palavra. Uma Santa Missa marcou o encerramento do Ano Sabático 2012, que congregou 19 pessoas, dos estados do Pará, Bahia

e Maranhão. A Missa foi presidida por Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano de Belém, e também Fundador e Bispo Garante da Comunidade Sementes do Verbo. Após a Celebração foi servido um almoço festivo, ocasião em que foram dados testemunhos dos participantes e também anunciado o discernimento final de cada um, que fez a escolha de permanecer na comunidade ou voltar às suas paróquias e comunidades de origem.

da Arquidiocese, onde desenvolveu inúmeros projetos e trabalhos em nome da evangelização. Sobre a ocasião, dom Vicente Zico comentou que celebrará a data ao lado dos Arcebispos e irmãos Dom Alberto Taveira e Dom Teodoro Mendes, Irmãs, e colaboradores da Residência Episcopal. “Aproveito este dia pra agradecer, pois é um momento forte de minha vida, o qual será celebrado com simplicidade, porque quem sou eu para me engrandecer desta graça que recebi?”, disse Dom Vicente.

IVAN CARDOSO

Alberto Ramos. Nascido na cidade mineira de Luz, no dia 27 de janeiro de 1927, descobriu sua vocação dentro do próprio ambiente familiar cristão, aos 18 anos, tendo como exemplo dois irmãos também sacerdotes. Esses fatores influenciaram sua escolha de iniciar, aos 16 anos, o noviciado da Congregação São Vicente de Paulo. Em outubro de 2012, o sacerdote completou 62 anos de vida sacerdotal, iniciada aos 23 anos. Ele ingressou no mesmo seminário que seus irmãos em Caraça, Minas Gerais. Depois de uma temporada no Seminário Menor, ele foi para o Seminário Maior, onde estudou por oito anos Filosofia e Teologia. Sua missão no solo paraense iniciou-se em 1980, quando o papa João Paulo II instituiu dom Vicente Zico Arcebispo e o enviou para Belém como Arcebispo Coadjutor, era o início do seu trabalho na capital paraense. Quando chegou a Belém o Arcebispo, dom Alberto Ramos, o convidou para assumir o Seminário

Neste domingo, 6 de janeiro, a Igreja no Pará celebra uma data muito especial. Com 85 anos, o atual Arcebispo Emérito da Arquidiocese de Belém, dom Vicente Joaquim Zico, comemora 32 anos de sagração episcopal. A data será festejada com uma celebração eucarística presidida pelo próprio bispo neste domingo, às 7h, na Capela da Fundação Nazaré de Comunicação. A ocasião reunirá fiéis, sacerdotes e bispos para mais uma homenagem ao sacerdote que marcou a história da evangelização da Amazônia. A missa será transmitida ao vivo pela TV Nazaré. Dom Vicente Zico foi ordenado bispo no dia 6 de janeiro de 1981, aos 53 anos de idade, pelas mãos do Papa João Paulo II, na Basílica de São Pedro, em Roma, Itália. No Pará, Dom Vicente Zico tornou-se uma das autoridades eclesiásticas mais queridas e respeitadas pelos católicos, sendo nomeado Arcebispo de Belém no dia 4 de julho de 1990, sucedendo Dom

J Dom Teodoro celebra seus 49 anos Na próxima segunda-feira, dia 7, o Bispo Auxiliar de Belém, Dom Teodoro Mendes Tavares, estará comemorando a passagem dos seus 49 anos. Dom Teodoro Tavares nasceu no dia 7 de janeiro de 1964, na Ilha de Santiago, São Miguel Arcanjo, uma freguesia de Cabo Verde. É um religioso da Congregação dos Espiritanos, onde emitiu seus votos no dia 8 de setembro de 1986, e foi ordenado sacerdote no dia 11 de julho de 1993. No dia 16 de fevereiro foi nomeado Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará recebendo a Sagração Episcopal no dia 8 de maio, em Cabo Verde. O jornal Voz de Nazaré, em nome da Fundação Nazaré de Comunicação, parabeniza o Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém, Dom Teodoro Mendes.

FÁBIO PINA


14

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Igreja Sal e Luz Leno Carmo (lenocarmo@yahoo.com.br)

Para recomeçar 2013

N

o início de um novo ano é comum as pessoas partilharem um pouco de suas vidas e ao mesmo tempo revelarem as expectativas e projetos pessoais. Penso que são oportunos momentos de reflexão que podem ajudar, e muito, a repensar a vida e orientar os rumos que a experiência e a maturidade contribuem também, para as escolhas do cotidiano. Em uma época destas, fins de dezembro, início de janeiro, fui questionado por um amigo sobre minha decisão em continuar atuando na igreja, pois para ele, embora nascido em família católica, ter sido batizado e feito catequese, avançado nos estudos rumo ao pós-doutorado, a igreja não mais lhe trazia respostas “adequadas”. Por isso ele se afastara das atividades pastorais em que trabalhamos juntos: por discordar de alguns posicionamentos da Igreja, que rotulou de “radicalidades”. Questionei-lhe sobre sua opinião acerca de tais questões e ele, desconfortável, reveloume não ter certeza de seu posicionamento sobre ela hoje em dia, mas acabou por acomodar-se em seus

paradigmas, e perguntou-me, por fim, como compreendia “ser católico” em um mundo que, parece, cada vez mais, avesso ou pior, indiferente, ao plano de Deus, atuante em uma Igreja que, para ele, não mudara ao longo do tempo. Em suma, percebi que meu amigo queria começar o novo ano retornando sua busca pela felicidade e pela verdade que insistia em não ver; por orgulho ou talvez até por medo do compromisso. Em seu íntimo, creio que sabia o quanto a Igreja poderia auxiliá-lo nesta busca e que, tais posicionamentos que discordava, nada mais eram do que a coerência com o plano de Deus. Esperançoso, respondi o quanto o cristianismo me ensinou e me ensina até hoje, da realidade da vida querida por Deus para cada homem e mulher, vida que é dada como dom e que, por isso, é inviolável; vida que se alimenta de esperança, certeza do bem, pela vida plena, feliz. Falei a ela que, no caminho pedagógico da fé que abracei, vivencio o “crer, orar, agir, experienciar” o amor de Deus; disse-lhe que ser católico me trouxe muitas referências,

orientações, caminhos de reflexão e de atitudes; mas, fundamentalmente, oportunizou-me uma profunda e definitiva experiência com o Cristo por meio da Palavra e da Eucaristia, experiência renovada e ao mesmo tempo, sempre única; presente, objetiva, fecunda,

Coluna da verdade acerca do homem e da vida

um verdadeiro peregrinar em direção ao alto. Como se fosse um rio que deseja, ardentemente, conhecer sua nascente e ao mesmo tempo, seu desaguar no oceano de Deus; disse-lhe que quero, dia a dia, conhecer mais e mais meu Criador, na intimidade do “viver com” Ele, do viver n’Ele.

Penso que ser católico pressupõe laço eterno, atração irresistível, sentido maior, último, “viver para”. Um conhecer que também exige-me a força, a coerência e a perseverança para o anúncio, a humildade, o testemunho, a caridade e às vezes, a indignação, pelos atos dos que se permitem agir com as armas do inimigo. Creio que esta é a experiência pessoal do sentir-se amado por alguém que é maior que a própria existência, que desinstala, para ir sempre ao encontro do Pai por meio dos irmãos, principalmente dos que sofrem. Por isso, resumi, abracei também o matrimônio e a família que Deus me deu, para ser nela e com ela, missionário a serviço dos irmãos. Ser católico, continuei, é proposta de caminhar para além dos vestígios do homem Jesus de Nazaré, é mais do que o conhecimento de possíveis objetos tocados por Ele ou dos caminhos que trilhou na Palestina; mas, tê-lo como definitivo Mestre e Senhor de sua Vida, como ressuscitado, vencedor da morte; compreender o sentido de sua paixão, morte e ressurreição, da instituição de sua presença “até o fim dos tempos” entre

nós, em sua Igreja, confiada nas chaves que ligam terra e céu, a um simples pescador, cuja missão é também a de cada batizado: anunciar o Reino de Deus a todos. Este é o ser católico, concluí, que exige o melhor de mim e a radicalidade de converter meu coração todos os dias, colocar minha consciência, inteligência e vontade para que produza frutos, multiplique os talentos que recebi e que dê a resposta ao chamado feito por Ele, pessoalmente. Ele que é Verdade, Caminho, e Vida; escritos em letras maiúsculas, como maiúsculo foi e é o sacrifício pela minha redenção e de todos os homens que vivencio em cada Santa Missa. Nos olhos marejados de meu amigo, percebi que ser católico também é esta inquietude e ao mesmo tempo, esta paz com que se despediu, após um abraço e um sorriso que traduzi como um “até breve”. Não o encontrei mais desde então, parece que viajou, não importa, não é para mim que ele precisa dar respostas. Só espero que este meu amigo, estando perdido, tenha se encontrado consigo mesmo, com a Verdade de ser filho de Deus.


15

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Arquidiocese

FOTOS: IVAN CARDOSO

MINHA PARÓQUIA, MINHA VIDA

Pobres, mas ricos de fé Padre André Heijliger está à frente da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Benevides

A

Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Benevides, era uma Capela que pertencia à Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Benfica. Em 16 de julho de 1966, porém, Dom Alberto Gaudêncio Ramos, Arcebispo Metropolitano de Belém na época, elevou a Comunidade à condição de Paróquia Nossa Senhora do Carmo, tornando-se assim a Matriz de Benevides. A Paróquia hoje é dirigida pelo padre André Albertus Heijligers e tem o auxílio do padre Ricardo Alves Rios e do padre Adelino Fernandes de Sousa, que deve assumir neste ano uma nova paróquia no município, que terá por padroeira Santa Rosa de Lima. Com a criação desta nova paróquia a Paróquia Nossa Senhora do Carmo, que atualmente conta com 23 comunidades, passará a ter 14 comunidades. Santa Rosa de Lima ficará com nove. O pároco conta que um dos maiores desafios é o de evangelização em áreas afastadas e ocupadas ilegalmente. “Hoje nós temos de lidar bastante com as ocupações de terra que cada vez mais crescem aqui na nossa cidade. Muitas vezes as pessoas vêm, ocupam a

terra e depois a vendem. Isso está se tornando inclusive um negócio”, desabafou Pe. André. Segundo o pároco, dos moradores de Benevides só 7% recebe e paga o consumo de água. Outros 12% paga IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). “Somos muito pobres, mas ricos de fé”, disse Pe. André. Ele também contou que o índice de migração para a cidade está cada vez mais crescente. Ainda existem bairros sem capelas e comunidades. O pároco acredita que com o "Projeto Igreja de Belém em Missão" este desafio será superado. “Com este projeto nós chegaremos aos bairros mais afastados e que ainda não possuem comunidade ou capela. Mas para isso é necessário que as pessoas aqui do centro possam se conscientizar da dificuldade daqueles que estão mais afastados”, contou. A Paróquia também está reformando o telhado da Igreja Matriz e ainda construindo e reformando mais quatro capelas. São elas: Capela do Sagrado Coração de Jesus, Capela São Sebastião, Capela Nossa Senhora do Brasil e Capela Santo Antônio Zaccaria, que fica próxima ao Sítio dos Padres Barnabitas. Um novo desafio é a construção de uma casa paroquial na Pró-Paróquia e a melhora do Centro Pastoral para a organização dos vários serviços, movimentos e pastorais. No social, a Paróquia trabalha em parceria com uma escola de ensino fundamental I (até a quinta série), uma creche que atende 100 crianças carentes e outra escola que atende 230 crianças, mantida pelo Movimento dos Focolares. Existem ainda a Comunidade Missão Belém e a Fraternidade “O Caminho”, que trabalham na recuperação de dependentes químicos. A Pastoral da Criança também d e s e n vo l ve d i ve r s o s trabalhos, atendendo em média 25 crianças por mês. As Irmãs Dorotéias do Sagrado Coração, que possuem a Casa Provincial há alguns metros da

w REFORMA Em Benevides, templo da matriz passa por reformas no telhado

w CELEBRAÇÕES Salão paroquial acolhe paroquianos para as missas e encontros

w PÁROCO Padre André Albertus Heijligers

Paróquia, também auxiliam na formação de grupos de jovens e Ministros da Palavra e da Eucaristia. Recentemente foi implantada na Paróquia a Pastoral da Comunicação ( PA S C O M ) , q u e é re s p o n s á ve l p o r u m p ro g ra m a s e m a n a l n a rádio comunitária local. O programa trata de temas da Igreja Católica, tópicos do Catecismo da Igreja C a t ó l i c a e d o D i re i t o Canônico. A Pastoral é coordenada pelo arteeducador Júnior Valmir, de 29 anos, que se diz feliz

com a oportunidade. “Foi um presente de Deus este programa na rádio, pois com ele nós entraremos nas casas das pessoas, e atingiremos o coração de cada uma”, disse. A PASCOM também está empenhada na criação de um site paroquial, que seja atualizado diariamente com informes, fotos e evangelho do dia. A previsão é de que o site esteja no ar já no início de fevereiro. DEVOÇÃO - A devoção a Nossa Senhora do Carmo remonta à figura do Profeta Elias, que no

Monte Carmelo, montanha s i t u a d a n a Pa l e s t i n a , conseguiu convencer o povo que o Deus de Israel era o verdadeiro Deus e não Baal. Havia na montanha também uma capela que foi logo chamada de Capela de Nossa Senhora do Monte Carmelo. Elias morava em uma gruta do Monte, e após sua morte vários eremitas vieram m o ra r a l i e f o r m a ra m uma comunidade. Pouco tempo depois estava criada a Ordem do Carmelo. São Simão Stock, um dos superiores gerais da Ordem, estava rezando o terço em 16 de julho de 1251, quando teve uma visão de Nossa Senhora, que segurava um escapulário na mão e lhe disse: “recebe, meu filho, este escapulário da tua Ordem, que será o penhor do privilégio que eu alcancei para ti e para todos os filhos do Carmo. Todo aquele que morrer com este escapulário será preservado do fogo eterno”. Começou assim a devoção a Nossa Senhora do Carmo, que é celebrada pela Igreja no dia 16 de julho. O escapulário é marca principal desta devoção e não é um talismã ou "objeto de sorte", mas um sinal externo da proteção de Deus e do compromisso do devoto de seguir Jesus por meio de Maria. Em Benevides, um grupo de devotos decidiu


16

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

A semana AGENDA DE DOM TEODORO TAVARES

AGENDA DE DOM ALBERTO CORRÊA n De 4 a 10 de janeiro

n De 4 a 10 de janeiro

w Sábado, 05/01/2013 15:00h – Ordenação Presbiterial e Diaconal na Igreja da Conceição, em Recife

w Sexta-feira, 04/01/2013 19:00h – Crismas na Paróquia Santa Luzia w Sábado, 05/01/2013 19:00h – Crismas na Paróquia Jesus Ressuscitado, no Médici

w Segunda-feira, 07/01/2013 RENASEM Retiro Nacional de Seminaristas da RCC (até o dia 10 de janeiro)

w Domingo, 06/01/2013 09:00h – Missa com Renovação dos Votos das Missionárias do Coração Eucarístico w Segunda-feira, 07/01/2013 06:30h – Missa na Residência - Aniversário de Dom Teodoro w Terça-feira, 08/01/2013 19h30 - Crismas na Paróquia Arcanjo São Miguel, no Bairro do Una w Quarta-feira, 09/01/2013 08:30h – Visita à Comunidade da Vila da Barca

Os compromissos de Dom Alberto Taveira podem sofrer alterações sem aviso prévio.

Os compromissos de Dom Teodoro Mendes Tavares podem sofrer alterações sem aviso prévio.

Horários de Missas na Arquidiocese de Belém REGIÃO EPISCOPAL DE SANT’ANA Nossa Senhora da Graça

(Catedral) Cidade Velha - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 19h Telefone: 3223-2362/ 3225-2715

Igreja N. S. das Mercês

(Reitoria) Comércio - Belém Sábado: 12h e 17h Domingo: 12h e 17h Telefone: 3212-3102

Sant'Ana da Campina

Comércio - Belém Sábado: 12h (Col. Sto. Antônio) Domingo: 7h (Col. D. Bosco) 9h (Col. Sto. Antônio) Telefone: 3283-4006 São Judas Tadeu

Condor - Belém Sábado: 18h Domingo: 7h e 18h Telefone: 3283-6020

Sta. Terezinha do Menino Jesus

Jurunas - Belém Sábado: 6h30 e 18h30 Domingo: 6h30, 8h30 e 18h Telefone: 3272-2251

Santo Antônio de Lisboa

Batista Campos - Belém Sábado: 6h30, 12h, 17h e 18h30 Domingo: 8h, 11h, 17h, 18h30 e 20h Telefone: 3215-7004/ 3222-0097

Santíssima Trindade

Capina - Belém Sábado: 16h Domingo: 7h, 10h, 11h30, 17h30 e 19h Telefone: 3215-7007/ 3242-4917

N. S. da Conceição

Cidade Velha - Belém Sábado: 18h30 Domingo: 6h30, 8h30 e 18h30 Telefone: 3215-7006

São José Operário

Umarizal - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 11h e 19h Telefone: 3251-0029

Santa Luzia

Jurunas - Belém Sábado: 7h, 17h e 19h Domingo: 7h30 e 19h Telefone: 3271-2146 REGIÃO EPISCOPAL SANTA MARIA GORETTI

São Pedro e São Paulo

Sábado, 05/01/2013 15:00h – Ordenação Presbiterial

RENASEM Retiro Nacional de (até o

Domingo: 7h, 8h30, 17h30 e 20h Telefone: 3226-2151/ 3226-2612

Domingo: 7h30, 9h, 17h, 19h Telefone: 3277-4641

São Domingos de Gusmão

São Raimundo Nonato

Terra Firme - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 8h30 e 19h30 Telefone: 3283-6023 São Miguel

Cremação - Belém Sábado: 18h30 Domingo 7h30, 11h e 18h30 Telefone: 3283-6022 Nossa Senhora de Fátima

Fátima - Belém Sábado: 17h30 Domingo: 6h45, 8h30, 17h30e 19h30 Telefone: 3228-0864

Santa Cruz

Marco - Belém Sábado: 7h e 18h30 Domingo: 7h, 9h, 11h30 e 18h30 Telefone: 3277-4640/3276-0941

Nossa Senhora da Conceição Aparecida

Pedreira - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h, 19h Telefone: 3264-9062/

São Francisco Xavier

Guamá - Belém Domingo: 9h30 e 18h Telefone: 3283-6023

Marco - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 8h, 18h Telefone: 3283-3052

N. S. de Nazaré (Basílica Santuário)

Nossa Senhora Mãe da Divina Providência

Paróquia Santa Maria Goretti

Nazaré - Belém Sábado: 7h, 8h30,12h,17h Domingo: 6h30, 8h, 10h, 16h30, 18h, 20h Telefone: 4009-8400 São Francisco de Assis

(Capuchinhos) São Brás - Belém Sábado: 19h30 Domingo: 6h, 7h30,9h30,18h, 20h Telefone: 3073-1500 Santo Antônio do Tucunduba

Guamá - Belém Sábado: 19h30 Domingo: 7h e 19h30

REGIÃO EPISCOPAL SANTA CRUZ Imaculada Conceição

Castanheira - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h e 19h Telefone: 3277-4642 São Sebastião

Sacramenta - Belém Sábado e domingo: 7h; 17h e 19h Telefone: 3264-9060/3254-7354 Jesus Ressuscitado

Marambaia - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 19h Telefone: 3277-4643 São Geraldo Magela

Val de Cans - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h30 e 18h Telefone: 3257-7950

Guamá - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 18h30 Telefone: 3283-6021/ 3259-0413

Telégrafo - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 8h30, 17h30 e 19h Telefone: 3264-9061

São José de Queluz

São Jorge

Canudos - Belém Sábado: 6h30 e 20h

Umarizal - Belém. Sábado e domingo: 6h30 e 18h Telefone: 3244-8416

N. S. do Perpétuo Socorro

Marambaia - Belém Sábado: 19h

Val de Cans - Belém Sábado:19h Domingo: 7h e 19h Telefone: 3257-2388

Sagrada Família

Curió Utinga - Belém. Sábado: 7h e 19h30 Domingo: 7h, 9h e 19h30 REGIÃO EPISCOPAL SÃO JOÃO BATISTA

São João Batista e Nossa Senhora das Graças

Icoaraci - Belém. Sábado: 6h30 e 20h Domingo: 7h, 10h, 18h Telefone: 3297-7250

São Francisco de Assis

Tapanã - Belém Domingo: 7h e 18h30 Telefone: 3258-8036

Coração Eucarístico de Jesus

Catalina - Belém Sábado: 19h30 Domingo: 7h, 10h e 19h

N. S. da Imaculada Conceição

Outeiro - Belém Sábado: 8h Domingo: 7h Telefone: 3277-4648

N. S. do Bom Remédio

Conjunto Satélite - Belém Sábado: 17h30 Domingo: 7h, 18h30 Telefone: 3289-5355 Natividade de Nosso Senhor Jesus Cristo

Conjunto Sideral - Belém Domingo: 7h, 9h, 18h Telefone: 3288-4250 Santo Antônio de Pádua

Coqueiro - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h e 18h Telefone: 3237-8350

Santo Afonso de Ligório

Pratinha - Belém Sábado: 19h Domingo: 8h30, 19h Telefone: 3258-1554/3274-8281 Arcanjo São Miguel

Santa Edwiges

N. S. Auxiliadora

Anita Gerosa (Aurá) - Ananindeua Domingo: 7h e 18h Telefones: 8102-3650/ 3255-3828 N. S. das Vitórias

Sagrado Coração de Jesus

Menino Deus

Centro - Marituba Domingo: 6h, 8h30, 18h Telefone: 3237-8351 N. S. de Nazaré

Colônia - Marituba Domingo: 9h Telefone: 3279-2624

Santo Inácio de Loyola

Icui Guajará - Ananindeua Domingo: 7h, 18h Telefone: 3295-3545

São Lucas Evangelista

Guajará - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h, 18h Telefone: 3279-2621

Santa Teresinha

Águas Lindas - Ananindeua Domingo: 7h30, 18h Telefone: 3245-7440

N. S. de Guadalupe

Coqueiro - Ananindeua Sábado: 18h30 Domingo: 7h, 9h, 18h Telefone: 3245-7440 Jaderlândia - Ananindeua Domingo: 19h Telefone: 3237-9891 Cidade Nova VI - Ananindeua Sábado: 19h30; Domingo: 6h30, 8h15, 18h Telefone: 3279-2620

Transfiguração do Senhor

Curuçambá - Ananindeua Sábado: 18h30, 20h Domingo: 7h30, 19h Telefone: 3282-1274

Santa Rita de Cássia

Cidade Nova V - Ananindeua. Sábado: 6h30, 17h30 Domingo: 6h30, 8h30, 17h30, 19h30. Telefone: 3273-3191/ 3273-3310

São Vicente de Paulo

Paar - Ananindeua Domingo: 7h, 8h30, 19h Telefone: 3283-8400

São José Operário

Conj. Carnaúba, Icuí Domingo: 7h e 18h Telefone: (91) 3295-3545/ 3031-1172

N. S. das Graças

Nova Marambaia - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h30, 18h Telefone: 3279-1654

Centro - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h, 19h Telefone: 3255-2654

N. S. Rainha da Paz

Vila - Mosqueiro Sábado: 19h30 Domingo: 6h30, 9h30, 19h30 Telefone: (91) 3771-1278

Bengui - Belém Domingo: 7h, 9h, 18h30 Telefone: 3277-4645

Coqueiro - Ananindeua Sábado: 7h Domingo: 7h, 9h30, 19h30 Telefone: 3263-0603

Santa Paula Frassinetti

Jesus Bom Samaritano

Cotijuba - Belém Sábado: 19h30; Domingo: 8h, 9h30, 19h30 Telefone: 3247-1438

Divino Espírito Santo

REGIÃO EPISCOPAL MENINO DEUS

Águas Lindas - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h30, 9h, 18h Telefone: 3265-5413

São Francisco das Ilhas

Guanabara - Ananindeua Domingo: 7h, 9h30, 19h30 Telefone: 3235-1405

Cristo Peregrino

Nossa Senhora de Fátima

Tapanã - Belém. Sábado: 7h Domingo: 7h30 e 19h30 Telefone: 3033-2004

Cristo Rei

Una - Ananindeua Sábado: 6h30 Domingo: 7h, 20h Telefone: 3234-4674

Almir Gabriel - Marituba Sábado: 19h Domingo: 7h, 19h Telefone: 3256-7655

Icoaraci - Belém Sábado: 20h Domingo: 7h, 19h Telefone: 3297-7251

REGIÃO EPISCOPAL SÃO VICENTE DE PAULO

N. S. do Ó

Não encontrou o horário da sua paróquia aqui?

Entre em contato com seu pároco ou com a secretaria da sua paróquia e solicite que nos informem para podermos publicar.


17

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Arquidiocese

LUIZ ESTUMANO

FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA

Família Nazaré celebra o dia dos Padroeiros Dom Alberto Taveira preside Santa Missa na Capela da FNC

A

Fundação Nazaré de Comunicação realizou no domingo, 30, a última celebração eucarística do ano de 2012, na capela da instituição. A Missa de ação de graças foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa. No domingo a Igreja celebrou a Festa da Sagrada Família. Após a leitura do Evangelho de Lucas 2, 4152, os presentes tiveram a oportunidade de acompanhar a homilia de Dom Alberto, que falou sobre "a família, ainda pensada no céu" e sobre as lições deixadas por ela: "silêncio, amor, trabalho e dedicação". Dom Alberto chamou a atenção para a forma como Jesus veio ao mundo. "Deus enviou seu único filho de uma forma simples, dentro do seio de uma família pura, que aceitou o plano do criador. A forma mais bela”, disse. E acrescentou: “a família respira a essência do Senhor Deus porque a família só existe por causa dele”. Ele mencionou Maria,

que em nenhum momento titubeou os desígnios de Deus, e Jesus, filho obediente a seus pais. A Sagrada Família, disse Dom Alberto, é o modelo ideal: “temos de observar o exemplo de bondade e perseverança de Maria, José e Jesus. Temos de amar nossas famílias. Crescer e melhorar o nosso relacionamento familiar seja no amor e na união. É na família motivada que há o crescimento de todos em nome de Deus”. Na mensagem final o Arcebispo intercedeu a Deus pelas crianças abandonadas, pediu pelos casais em dificuldades, que a luz da palavra de Deus iluminasse essas pessoas. Dom Alberto pediu benções às Pastorais da Família e, àquelas pessoas que dedicam seu tempo no sucesso do relacionamento dos casais. Os idosos abandonados e filhos esquecidos também foram lembrados durante a m i s s a p re s i d i d a p e l o Arcebispo de Belém. No final da eucaristia, padre Fialho convidou a todos os presentes

w NA CAPELA DA FNC Pe. Sebastião Fialho, Dom Alberto Taveira e Diác. Ronaldo Lira LUIZ ESTUMANO

w MISSA Membros da Família Nazaré e da FNC participaram da celebração no dia 30

e telespectadores a acompanharem a próxima missa, a primeira de 2013, que será celebrada pelo A rc e b i s p o E m é r i t o d e Belém, Dom Vicente Zico, no 1º domingo do ano vigente, dia 6 de janeiro, às

7h, na capela da FNC. Após a missa do dia 30, a Fundação sorteou uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré. Dom Alberto entregou para o membro da Família Nazaré, Sérgio Ferreira Monteiro, a imagem.

A benção final foi dada por Dom Alberto Taveira Corrêa, que desejou aos fiéis um fim de ano abençoado e próspero na presença de Deus.

Parabéns para você! IVAN CARDOSO

“Agradeço a Deus por mais um ano de vida com saúde e paz, pois isso é o que importa. Agradeço muito também pela família que Ele me deu”. MARIA DO CARMO GONCALVES DA SILVA, 5 de janeiro, 71 anos

04/1 Edna de Oliveira Pinheiro Lopes Heloana Monteiro Antunes Leticia de Carvalho Santos Lucila Alves Machado Maria Angela Santos Silva Maria Angelica Ribeiro Lopes Santos Norma Magno Rocha Rosita do Espirito Santo e Silva Sonia Maria Miranda Figueiró 05/1 Ajax Costa Braga e Familia Christina Cândida Falcão de Menezes

Estelita Ruth Leite de Brito Joarina Viana Silva Jose Madeira Fialho Luis Araujo Raimundo França 06/1 Altina Lopes da Silva Araguaci Avelar da Silva Benedita da Graças Roque Domingues Cristiene de Oliveira de Souza Elizangela Alves Elizete Alves da Luz Judit Ferreira Barbosa Maria Arlinda Patelo de Moraes Maria Goretti Bittencout da Silva Maria Reis da Rocha Oscarina de Oliveira e Silva Valdomiro Bezerra de Oliveira Wanda Nery de Sousa Anunciação 07/1 Fernando Moura Marques Francisco Ademir Soares Dantas José Nazareno Santarém dos Santos Luiz Alfredo Quental de Moraes Marcelo Gurjao Farias Maria Jose Barros Ferreira Maria Rosimar Castro Marieta Rodrigues Gomes Cardoso Raimunda Teodora da Costa 08/1 Camilo de Lelis Ribeiro Ena Maria Oliveira Paixão Maria Elizabeth Rocha Maria Jose Anaissi de Oliveira Barbosa Maria Jose Saavedra da Silva Raimunda de Jesus Silva Santiago

09/1 Antonio Pereira de Freitas Cleide Lúcia Barbosa Paiva Gercina Guiomar dos Santos Brandao Luciana da Silva C. Cardoso Maria Elenice Azevedo Correa Maria das Graças Braga da Silva Maria de Lourdes Sales de Souza Maria Madalena Veloso da Silva Marisa Oliveira Saraiva Oneide Martins Moreira Zilda Rodrigues Soares w

10/1 Cassia Michele Modesto Del Castilho Ivanilda de Olanda Cardim Iraci Goes Jackson Hugo Silva Vilhena Jovelino Leao Filho Maria Celia Moreira de Souza Maria Ernestina Pacheco Pinheiro Maria do Socorro da Conceiçao Ferreira Raimunda Martins Gomes Roseana Ferreira Boga Stones Bentes Junior

Aniversário natalício de padres e diáconos diocesanos 01/1 - Diác. Manoel Onildo Botelho de França 02/1 - Pe. Manoel Abraão Farias Pinto 04/1 - Pe. Claúdio de Souza Barradas 07/1 - Pe. Adelino Fernandes de Sousa 07/1 - Diác. Lucino Saraiva de Campos 09/1 - Pe. Cleomar Rabelo de Oliveira 10/1 - Pe. Carlos Paris 10/1 - Pe. Raimundo Sílvio Jaques

w

Aniversário de ordenação dos padres e diáconos diocesanos 01/1 - Pe. Irineu Roman 06/1 - Pe. Leontino Bruno Rockenbach 06/1 - Pe. Pedro Diocrésio Francisco 06/1 - Diác. Raimundo Cordeiro de Brito 07/1 - Diác. Evandro Raimundo da Costa Pinheiro 07/1 - Diác. João Batista de Aragão Alencar 07/1 - Diác. Marinaldo Silva de Sousa 08/1 - Pe. Antônio Márcio Amoras 10/1 - Pe. Raimundo Nonato Cândido da Silva

Ajude a manter a Fundação Nazaré de Comunicação. Ligue para 4006-9200 e seja sócio da Família Nazaré.


18

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Fundação Nazaré Escute na Rádio Nazaré SEXTA - FEIRA 04h00 - Abertura da Emissora 04h05 - Especial Pe. Zezinho 05h00 - Lírio Mimoso 05h05 - Cura-me Senhor 05h10 - Oração do Ângelus 05h15 - Liturgia das horas - Láudes 05h30 - Oração do Terço - Mistérios Dolorosos 06h00 - Voz do Pastor 06h30 - A Bíblia ao alcance de todos 06h50 - Caminhando na Fé 07h00 - Jornal Brasil Hoje 07h30 - Especial Roberto Carlos 08h00 - Igreja Ponto a Ponto 08h55 - Plantão RCR 09h00 - Nazaré em revista 09h30 - Informe notícia 09h55 - Plantão RCR 10h30 - Informe Notícia 11h55 - Momento de Oração - Oração do Ângelus, Pai - nosso 12h00 - A voz do pastor 12h15 - Cardápio Instrumental 14h00 - Estação Segurança 14h30 - Informe Noticias 15h00 - Terço da Misericórdia 15h30 - Informe Noticias 15h55 - Plantão RCR 16h00 - Freqüência Musical 16h30 - Informe Notícia 17h30 - Informe Notícia 17h45 - Liturgia das horas - Vésperas 17h55 - Oração do Ângelus 18h00 - Voz do Pastor 18h15 - Oração do Terço – Mistérios Dolorosos 18h40 - Musical Mariano 19h00 - Voz do Brasil 20h00 - Saudade em Versos e Canções 22h00 - A voz do pastor 22h30 - Jornal RNA 23h00 - Programa Salmos ao Deus da Vida 23h50 - Mensagem de Encerramento 00h00 - Rede Milícia Sat – Igreja no Rádio SÁBADO 04h00 - Abertura da Emissora 04h05 - Especial Pe. Zezinho 05h00 - Lírio Mimoso 05h05 - Cura-me Senhor 05h10 - Oração do Ângelus 05h15 - Liturgia das horas - Láudes 05h30 - Oração do Terço - Mistérios Gozosos 06h00 - Voz do Pastor 06h30 - Questão de Fé 07h00 - Jornal Brasil Hoje 07h30 - Especial Roberto Carlos 08h00 - Conhecendo Jesus 10h00 - Maria de Todos os Povos 11h55 - Momento de Oração - Oração do Ângelus, Pai - nosso 12h00 - A voz do pastor 12h15 - Cardápio Instrumental 14h00 - Caminho Aberto 15h00 - Criança Evangelizando Criança 16h00 - Evangelizando Através do Dizimo 17h00 - Musical Nazaré

17h45 - Oração das Vésperas 17h55 - Oração do Ângelus 18h00 - Voz do Pastor 18h15 - Oração do Terço - Mistérios Gozosos 18h30 - Musical Mariano 18h30 - Preparando a Festa 19h00 - Musical Nazaré 22h00 - A voz do Pastor 22h15 - Domínio jovem 23h50 - Mensagem de Encerramento 00h00 - Rede Milícia Sat

LUIZ ESTUMANO

DOMINGO 04h00 - Abertura da Emissora 04h05 - Especial Pe. Zezinho 05h00 - Lírio Mimoso 05h05 - Cura-me Senhor 05h10 - Oração do Ângelus, 05h15 - Liturgia das horas - Láudes 05h30 - Oração do Terço - Mistérios Gloriosos 06h00 - Voz do Pastor 06h30 - Preparando a Festa 07h00 - SANTA MISSA 08h00 - Vem e Segue-me 10h00 - Domingo Alegre 11h55 - Momento de Oração - Oração do Ângelus, Pai - nosso 12h00 - A voz do pastor 12h15 - Cardápio Instrumental 14h00 - A Vida e o Tempo - Envelhecer de Bem com a Vida 16h00 - As Mais Tocadas 17h00 - Raiz do Céu 17h55 - Oração do Ângelus 18h00 - Voz do Pastor 18h15 - Liturgia das Horas - Vésperas 18h30 - Oração do Terço - Mistérios Gloriosos 19h00 - Clássico Nazaré 20h00 - Circuito MPB 22h00 - A voz do Pastor 22h15 - Especial PE. Zezinho 23h50 - Mensagem de Encerramento 00h00 - Rede Milícia Sat - Igreja no Rádio SEGUNDA - FEIRA 04h00 - Abertura da Emissora 04h05 - Especial Pe. Zezinho 05h00 - Lírio Mimoso 05h05 - Cura-me Senhor 05h10 - Oração do Ângelus 05h15 - Liturgia das horas - Láudes 05h30 - Oração do Terço - Mistérios Gozosos 06h00 - Voz do Pastor 06h15 - Forrozinho da fé 06h30 - A Bíblia ao alcance de todos 06h50 - Caminhando na Fé 07h00 - Jornal Brasil Hoje 07h30 - Especial Roberto Carlos 08h00 - Igreja Ponto a Ponto 08h55 - Plantão R CR 09h00 - Nazaré em revista 09h30 - Informe Notícia 09h55 - Plantão RCR 10h30 - Informe Notícia 11h50 - Momento de Oração

O programa SAUDADE EM VERSOS E CANÇÕES proporciona aos ouvintes uma saudável viagem musical ao passado através de versos e canções, que os remetem às décadas de 40 a 90. É apresentado por JOTA CARDOSO, toda sexta-feira, às 22h. - Oração do Ângelus, Pai - nosso 12h00 - A voz do Pastor 12h20 - Cardápio Instrumental 14h00 - Saúde e Cidadania 14h30 - Informe Notícia 15h00 - Terço da misericórdia 15h30 - Informe Notícia 15h55 - Plantão R C R 16h00 - Frequência Musical 16h30 - Informe Notícia 17h30 - Informe Notícia 17h50 - Oração do Ângelus 17h45 - Liturgia das horas- Vésperas 18h00 - Voz do Pastor 18h15 - Oração do Terço - Mistérios Gozosos 18h40 - Musical Mariano 19h00 - Voz do Brasil 20h00 - Crescendo na Fé 21h00 - Orando com Você - Com. Maíra 22h00 - A voz do pastor 22h30 - Jornal RNA 23h00 - Programa Salmos ao Deus da Vida 23h50 - Mensagem de Encerramento 00h00 - Rede Milícia Sat - Igreja no Rádio TERÇA - FEIRA 04h00 - Abertura da Emissora 04h05 - Especial Pe. Zezinho 05h00 - Lírio Mimoso 05h05 - Cura-me Senhor 05h10 - Oração do Ângelus 05h15 - Liturgia das horas - Láudes

05h30 - Oração do Terço - Mistérios Dolorosos 06h00 - Voz do Pastor 06h15 - Forrozinho da fé 06h30 - A Bíblia ao alcance de todos 06h50 - Caminhando na Fé 07h00 - Jornal Brasil Hoje 07h30 - Especial Roberto Carlos 08h00 - Igreja Ponto a Ponto 08h55 - Plantão R C R 09h00 - Nazaré em revista 09h30 - Informe notícia 09h55 - Plantão RCR 10h30 - Informe Notícia 11h55 - Momento de Oração - Oração do Ângelus, Pai - nosso 12h00 - A voz do Pastor 12h15 - Cardápio Instrumental 14h00 - Direito e Cidadania 14h30 - Informe Notícia 15h00 - Terço da Misericórdia 15h30 - Informe Notícia 15h55 - Plantão R C R 16h00 - Freqüência Musical 16h30 - Informe Notícia 17h25 - Informe Notícia 17h30 - Liturgia das Horas - Vésperas 17h45 - Voz do Pastor 18h00 - Novena Nossa Senhora Perpétuo Socorro 18h30 - Musical Mariano 19h00 - Voz do Brasil 20h00 - Família em Ação 22h00 - A voz do pastor 22h30 - Jornal RNA 23h00 - Programa Salmos ao Deus da Vida 23h50 - Mensagem de Encerramento 00h00 - Rede Milícia Sat – Igreja no Rádio QUARTA - FEIRA 04h00 - Abertura da Emissora 04h05 - Especial Pe. Zezinho 05h00 - Lírio Mimoso 05h05 - Cura-me Senhor 05h10 - Oração do Ângelus 05h15 - Liturgia das horas - Láudes 05h30 - Oração do Terço - Mistérios Gloriosos 06h00 - Voz do Pastor 06h15 - Forrozinho da fé 06h30 - A Bíblia ao alcance de todos 06h50 - Caminhando na Fé 07h00 - Jornal Brasil Hoje 07h30 - Especial Roberto Carlos 08h00 - Igreja Ponto a Ponto 08h55 - Plantão RCR 09h00 - Nazaré em revista 09h30 - Informe notícia 09h55 - Plantão RCR 10h30 - Informe Notícia 11h55 - Momento de Oração - Oração do Ângelus, Pai - nosso 12h00 - A voz do Pastor - Reprise 12h15 - Cardápio Instrumental 13h30 - Informe Notícia 14h00 - Educação e Cidadania 14h30 - Informe Notícia 15h00 - Terço da Misericórdia 15h30 - Informe Noticia

15h55 - Plantão RCR 16h00 - Frequência Musical 16h30 - Informe Notícia 17h30 - Informe Notícia 17h45 - Liturgia das horas - Vésperas 18h00 - Voz do Pastor 18h15 - Oração do Terço - Mistérios Gloriosos 18h40 - Musical Mariano 19h00 - Voz do Brasil 20h00 - Musical 21h00 - Orando com Você - Com. Mar adentro. 22h00 - A voz do pastor 22h30 - Jornal RNA 23h00 - Programa Salmos ao Deus da Vida 23h50 - Mensagem de Encerramento 00h00 - Rede Milícia Sat - Igreja no Rádio QUINTA - FEIRA 04h00 - Abertura da Emissora 04h05 - Especial Pe. Zezinho 05h00 - Lírio Mimoso 05h05 - Cura-me Senhor 05h10 - Oração do Ângelus 05h15 - Liturgia das horas - Láudes 05h30 - Oração do Terço - Mistérios Luminosos 06h00 - Voz do Pastor 06h15 - Forrozinho da fé 06h30 - A Bíblia ao alcance de todos 06h50 - Caminhando na Fé 06h55 - Prestando Contas 07h00 - Jornal Brasil Hoje 07h30 - Especial Roberto Carlos 08h00 - Igreja Ponto a Ponto 08h55 - Plantão RCR 09h00 - Nazaré em revista 09h30 - Informe notícia 09h55 - Plantão RCR 10h30 - Informe Notícia 11h55 - Momento de Oração - Oração do Ângelus, Pai - nosso 12h00 - A voz do pastor 12h15 - Cardápio Instrumental 13h30 - Informe Notícia 14h00 - Entre nós 14h30 - Informe Notícia 15h00 - Terço da misericórdia 15h15 - Igreja em Diálogo 15h30 - Musical Nazaré 15h30 - Informe Notícia 15h55 - Plantão R C R 16h00 - Frequência Musical 16h30 - Informe Notícia 17h30 - Informe Notícia 17h45 - Oração das Vésperas 18h00 - Voz do Pastor 18h15 - Oração do Terço - Mistérios Luminosos 18h40 - Musical Mariano 19h00 - Voz do Brasil 20h00 - Amor à Igreja 20h30 - Musical Nazaré 21h00 - Orando com Você - Com. Shalon 22h00 - A voz do Pastor 22h30 - Jornal RNA 23h00 - Programa Salmos ao Deus da Vida 23h50 - Mensagem de Encerramento 00h00 - Rede Milícia Sat – Igreja no Rádio

Assista na TV Nazaré SEXTA-FEIRA 00h00 00h05 02h30 02h45 02h50 03h00 03h55 04h00 05h00 05h15 05h20 05h25 05h55 05h58 06h00 06h55 07h00 07h30 07h45 07h55 08h00 10h15 10h55 11h00 11h45 12h00 12h30 12h35 13h00 13h30 13h45 13h50 14h00 15h00 15h30 16h00 16h30 17h00 17h15 17h20 17h30 18h00 18h55 19h00 19h35 19h55 20h00 20h15 20h20 20h30 20h50 21h00 22h00 22h30 23h58

A Palavra de Deus é Luz Mulher.com Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Palavra de Vida Eterna Evangeliza Show Palavra de Vida Eterna Diálogo Aberto Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Palavra de Vida Eterna Fazendo Esperança Consagração a Nª Sª de Nazaré Abertura da Programação da TV Santa Missa Palavra de Vida Eterna Terço Doloroso Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Palavra de Vida Eterna Mulher.com De Mãos Dadas Clip de Natal da FNC Atelier na TV Desenho Nazaré Notícias Clip de Natal da FNC Desenho Fazendo Esperança Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Mãe Maria Família em Foco De Coração Desenho De Palavras Fazendo Esperança Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Oração da Tarde Terço Doloroso Santa Missa Palavra de Vida Eterna Nazaré Notícias Desenho Clip de Natal da FNC Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Mãe Maria Terra Santa News Eu Creio Caminho de Evangelização Nazaré Notícias Espaço Cultural Encerramento da Programação da TV

SÁBADO 00h00 02h00 02h30 03h00 04h00 05h00 05h55 05h58 06h00 06h30 06h55 07h00 07h45 07h50 08h00 09h00 09h30 10h00 11h00 12h00

Música Mensagem De Coração Conversa com Meu Povo Caminho de Evangelização Espaço Cultural Evangeliza Show Consagração a Nª Sª de Nazaré Abertura da Programação da TV Terço Gozoso Conversa com Meu Povo Palavra de Vida Eterna Notícias Pastorais Eu Creio JMJ Missa no Rio de Janeiro-RJ Viola Brasil Igreja no Brasil Diálogo Aberto Pesca Amazônia Notícias Pastorais

12h45 12h50 13h00 13h30 14h00 15h45 16h45 17h30 18h00 18h55 19h00 20h00 20h30 22h30 23h00 23h05 23h59

Eu Creio JMJ Viagem pela Amazônia Conversa com Meu Povo Santa Missa e Adoração em São Paulo-SP Pensando Bem Notícias Pastorais Terço Gozoso Especial Musical Palavra de Vida Eterna Encantos da Amazônia Conversa com Meu Povo Música Mensagem Conversa com Meu Povo Palavra de Vida Eterna Espaço Cultural Encerramento da Programação da TV

DOMINGO 00h05 02h30 02h45 03h00 03h55 04h00 05h00 05h55 05h58 06h00 06h30 06h45 06h55 07h00 07h55 08h00 10h15 10h55 11h00 11h45 12h00 12h30 12h35 13h00 13h30 13h45 13h50 14h00 15h00 16h00 16h30 17h20 17h30 18h00 18h55 19h00 19h35 19h55 20h00 20h15 20h20 20h30 20h50 21h00 22h00 22h30 23h00 23h05 23h20 23h30 23h58

Mulher.com Caminhando Na Fé Desenho Encantos da Amazônia Palavra de Vida Eterna Oração e Adoração Espaço Vida Consagração a Nª Sª de Nazaré Abertura da Programação da TV Terço Gozoso Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Palavra de Vida Eterna Santa Missa Meu pensamento Mulher.com De Mãos Dadas ADENAZA Atelier na TV Desenho Nazaré Notícias Meu pensamento Desenho Fazendo Esperança Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Mãe Maria Família em Foco Diálogo Aberto De Palavras Espaço Vida Oração da Tarde Terço Gozoso Santa Missa Palavra de Vida Eterna Nazaré Notícias Desenho ADENAZA Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Mãe Maria Terra Santa News Eu Creio Janela Aberta Nazaré Notícias Igreja que Sofre Palavra de Vida Eterna Desenho Mãe Maria Boas Notícias Encerramento da Programação da TV

SEGUNDA-FEIRA 00h00 00h05 02h30 02h45 02h50 03h00

A Palavra de Deus é Luz Mulher.com Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Palavra de Vida Eterna Encantos da Amazônia

LUIZ ESTUMANO

23h20 Mãe Maria 23h30 Boas Notícias 23h58 Encerramento da Programação da TV TERÇA-FEIRA

O NAZARÉ NOTÍCIAS é um telejornal para toda a família. Traz informações sobre fatos que acontecem na Amazônia e no mundo e prestação de serviços à comunidade. É apresentado por MARCOS VALÉRIO, de segunda a sexta, às 12h, 19h e 22h. 04h00 05h00 05h15 05h20 05h25 05h55 05h58 06h00 06h55 07h00 07h30 06h45 07h55 08h00 10h15 11h00 11h45 12h00 12h30 12h35 13h00 13h30 13h45 13h50 14h00 15h00 16h00 16h30 17h00 17h15 17h20 17h30 18h00 18h55 19h00 19h35 20h00 20h15 20h20 20h30 20h50 21h00 22h00 22h30 23h00 23h05

Oração e Adoração Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Palavra de Vida Eterna Fazendo Esperança Consagração a Nª Sª de Nazaré Abertura da Programação da TV Santa Missa Palavra de Vida Eterna Terço Gozoso Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Meu Pensamento Mulher.com De Mãos Dadas Atelier na TV Desenho Nazaré Notícias Meu pensamento Desenho Fazendo Esperança Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Mãe Maria Família em Foco Diálogo Aberto De Palavras Fazendo Esperança Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Oração da Tarde Terço Gozoso Santa Missa Palavra de Vida Eterna Nazaré Notícias Desenho Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Mãe Maria Terra Santa News Eu Creio Janela Aberta Nazaré Notícias Igreja que Sofre Palavra de Vida Eterna Caminhando Na Fé

00h00 00h05 02h30 03h00 03h55 04h00 05h00 05h30 05h45 05h50 05h55 05h58 06h00 06h30 06h55 07h00 08h00 10h15 11h00 11h45 12h00 12h30 12h35 13h00 13h30 14h00 15h00 15h40 16h00 16h30 17h00 17h20 17h30 18h00 18h55 19h00 19h35 19h50 20h00 20h30 21h00 22h00 22h30 23h00 23h05 23h20 23h30 23h58

Meu pensamento Mulher.com Conversa com Meu Povo Janela Aberta Palavra de Vida Eterna Diálogo Aberto Conversa com Meu Povo Sobre Todas as Coisas Palavra de Vida Eterna Eu Creio Consagração a Nª Sª de Nazaré Abertura da Programação da TV Terço Doloroso Conversa com Meu Povo Palavra de Vida Eterna Santa Missa Mulher.com De Mãos Dadas Atelier na TV Sobre Todas as Coisas Nazaré Notícias Meu pensamento Desenho Igreja que Sofre Conversa com Meu Povo Desenho Novena do Perpétuo Socorro Sobre Todas as Coisas De Palavras Conversa com Meu Povo Desenho Oração da Tarde Terço Doloroso Santa Missa Palavra de Vida Eterna Nazaré Notícias Sobre Todas as Coisas Meu pensamento Conversa com Meu Povo Igreja que Sofre Questão de Fé Nazaré Notícias Conversa com Meu Povo Palavra de Vida Eterna Sobre Todas as Coisas Mãe Maria Boas Notícias Encerramento da Programação da TV

QUARTA-FEIRA 00h00 00h05 02h30 02h45 02h50 03h00 03h40 03h55 04h00 05h00 05h15 05h20 05h25 05h55 05h58 06h00 06h30 06h45 06h55 07h00 07h55 08h00 10h15

A Palavra de Deus é Luz Mulher.com Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Palavra de Vida Eterna Novena do Perpétuo Socorro Mãe Maria Palavra de Vida Eterna Questão de Fé Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Palavra de Vida Eterna Fazendo Esperança Consagração a Nª Sª de Nazaré Abertura da Programação da TV Terço Glorioso Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Palavra de Vida Eterna Santa Missa Meu pensamento Mulher.com De Mãos Dadas

11h00 11h45 12h00 12h30 12h35 13h00 13h30 13h45 13h50 14h00 15h00 16h00 16h30 17h00 17h15 17h20 17h30 18h00 18h55 19h00 19h35 20h00 21h00 22h00 22h30 23h00 23h05 23h20 23h30 23h58

Atelier na TV Desenho Nazaré Notícias Meu pensamento Desenho Fazendo Esperança Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Mãe Maria Família em Foco Pensando Bem De Palavras Fazendo Esperança Caminhando Na Fé A Palavra de Deus é Luz Oração da Tarde Terço Glorioso Santa Missa Palavra de Vida Eterna Nazaré Notícias Caminhando Na Fé Encantos da Amazônia Vida Consagrada Nazaré Notícias De Coração Palavra de Vida Eterna Caminhando Na Fé Mãe Maria Boas Notícias Encerramento da Programação da TV

QUINTA-FEIRA 00h00 00h05 02h30 03h00 03h55 04h00 05h00 05h30 05h45 05h50 05h55 05h58 06h00 06h30 06h55 07h00 08h00 10h15 11h00 11h45 12h00 12h30 12h35 13h00 13h30 14h00 15h00 16h00 16h30 17h00 17h20 17h30 18h00 18h55 19h00 19h35 19h50 20h00 20h30 21h00 22h00 22h30 23h00 23h05 23h20 23h30 23h58

Meu pensamento Mulher.com Conversa com Meu Povo Pensando Bem Palavra de Vida Eterna Encantos da Amazônia Conversa com Meu Povo Sobre Todas as Coisas Palavra de Vida Eterna Eu Creio Consagração a Nª Sª de Nazaré Abertura da Programação da TV Terço Luminoso Conversa com Meu Povo Palavra de Vida Eterna Santa Missa Mulher.com De Mãos Dadas Atelier na TV Sobre Todas as Coisas Nazaré Notícias Meu pensamento Desenho Igreja que Sofre Conversa com Meu Povo Desenho Diálogo Aberto De Palavras Conversa com Meu Povo Desenho Oração da Tarde Terço Luminoso Santa Missa Palavra de Vida Eterna Nazaré Notícias Sobre Todas as Coisas Meu pensamento Conversa com Meu Povo Terra Santa News Evangeliza Show Nazaré Notícias Conversa com Meu Povo Palavra de Vida Eterna Sobre Todas as Coisas Mãe Maria Boas Notícias Encerramento da Programação da TV


19

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Entretenimento Cinema & DVD

Na Locadora

Pedro Veriano (pveriano@gmail.com)

Fim de um ano começo de outro, e quem lida com cinema reflete sobre o que viu e o que poderá ver. No primeiro caso cumpro uma tradição e assinalo o que me pareceu mais importante em 2012 nos termos de Belém - ou seja, no que foi exibido nos cinemas comerciais ou alternativos da cidade.

Os meus melhores filmes foram:

F

ilme: “O Artista”(1), “A Invenção de Hugo Cabret”(2), “Intocáveis”(3), “A Separação”(4), “Argo”(5), “O Impossível”(6), “Um Conto Chinês”(7), “As Aventuras de Pi”(8), “O Garoto da Bicicleta”(9) e “Gonzaga,De Pai Para Filho”(10). Meu melhor diretor foi Michel Hazanavicius por “O Artista”. Ator foi Jean Dujardin (O Artista). Atriz, Naomi Watts (O Impossível). Ator coadjuvante, Omar Sy (Intocáveis). Atriz coadjuvante, Sareh Bayal (A Separação). Roteiro original, Michel Hazanavicius (O Artista). Roteiro adaptado, Chris Terrio (Argo). Fotografia, Robert Richardson (Hugo Cabret). Direção de arte (cenografia), D i d a c B o n o ( O I m p o s s í ve l ) . Edição (montagem), Elena Ruiz (O Impossível). Maquilagem,Equipe de “O Impossível”. Trilha sonora, Ludovic Burce (O Artista). Animação, “A Origem dos Guardiões” (Dream Works). Efeitos especiais, equipe de “A Aventura de Pi”. Figurino, Sandy Powell (Hugo Cabret), e reprise: “Violência e Paixão” de Luchino Visconti . É de praxe se considerar filmes lançados durante o ano em salas com ingresso pago. Não vale exibições

gratuitas em DVD. “O Artista” (The Artist) é francês mas ganhou o Oscar americano. É a primeira vez que acontece isto. E o filme audacioso por ser mudo e em preto e branco valeu como um episódio da história do cinema, focalizando o inicio da fase sonora, lembrando com isso o que fez o musical “Cantando na Chuva” em 1952. Mas no caso de “O Artista” a concepção do cinema do passado foi realista, e o teor dramático digno dos filmes dessa época. “A Invenção de Hugo Cabret (Hugo) também focalizou o cinema

w O SUSPENSE "ARGO" Disputa a liderança como favorito para o Oscar

DIVULGAÇÃO

eu indico

mudo, mas desta vez com a técnica mais avançada da 3D & cores & CGI. Uma homenagem ao pioneiro George Mèliés numa concepção ficcional pois isto não aconteceu e o criador de “Voyage dans la lune” morreu esquecido. Mas um belo trabalho do diretor Martin Scorsese. “Intocáveis” (Untochable) foi outro filme francês. Viu a amizade de um paraplégico com um negro ex-presidiário. Divertido apesar de dramático, ressaltando valores humanos. “A Separação” é iraniano e focaliza um casal que planeja se separar porque o marido quer ficar com o pai doente de Alzheimer e a mulher quer viajar. A governanta que arranjam cai de uma escada e culpa o patrão. Segue um processo que de uma forma critica o sistema de vida no país. Os recentes “O Impossível” e “A Aventura de Pi” clamam pela fé em Deus e na vida com toda a magia da técnica digital que chega a produzir um tigre em computador. “Argo”, favorito para o Oscar, é suspense tirado do caso real de diplomatas americanos confinados na embaixada canadense no Irã dos aiatolás. Direção do ator Bem Affleck. E tanto “Um Conto Chinês”, “O Garoto da Bicicleta” como o brasileiro “Gonzaga” soltam emoções. Todos foram comentados aqui, na coluna.

THAÍSE AMERICO, 25 anos, Publicitária

SANTA PACIÊNCIA - ANDRÉ ABREU

BOA DICA

É de praxe se considerar filmes lançados durante o ano em salas com ingresso pago. Não vale exibições

podem germinar quando a terra está dura.

doente de Alzheimer e a mulher quer viajar. A governanta que arranjam cai de uma escada Na Locadora

digital que chega a produzir um tigre em computador. é suspense tirado do caso real de diplomatas americanos confinados na embaixada canadense no Irã dos aiatolás. Direção do ator Bem Affleck. E tanto “Um Conto Chinês”, “O Garoto da Bicicleta” como o brasileiro “Gonzaga” soltam emoções. Todos foram comentados aqui, na coluna.

sejam jovens casais recémunidos, sejam casais antigos mas que buscam revitalização, textos curtos, mas profundos, com o objetivo de fortalecer a espiritualidade e a vivência matrimonial e familiar. Para tanto, aborda vários temas como a importância da oração, o terço em família, o exemplo de Maria, a alegria

Muito bem que os filmes, de um modo geral, contam histórias. Mas a História, c o m H maiúsculo, nem sempre é bem contada. Geralmente os roteiros deturpam fatos e com isso p re j u d i c a m a l u n o s d e s s a matéria tão importante. Não é o caso de “Ana dos Mil Dias”(Anne of the Thousands Days/UK, 1969) do diretor Charles Jarrot com Richard Burton e Genevieve Bujold. Trata do reinado de Henrique V I I I , d a s u a vo n t a d e d e desposar a plebeia Ana Bolena, impelindo o divorcio de sua esposa Catarina de Aragão. Esse fato resultou no rompimento com a Igreja Católica, criando-se a Igreja Anglicana, com o monarca feito chefe supremo. O filme focaliza todo o, processo de um casamento forçado, de uma obsessão do monarca em ter um filho homem para continuar a sua dinastia, e do curto período de Ana como rainha, sendo decapitada depois de 100 dias como mulher do rei. O final mostra a pequena Elizabeth, filha de Anna, que por ironia seria a rainha Elizabeth I uma das mais produtivas da história inglesa. Brilhantes desempenhos e impressionante cenografia recriado uma época.

Eu aconselho aos leitores do jornal VOZ DE NAZARÉ a assistirem ao filme PADRE PIO. Este filme conta a vida e obra do Padre que recebeu em 1910 as chagas de Cristo. É uma emocionante história. Ele viveu a vida religiosa intensamente e foi canonizado pelo Papa João Paulo II, em 2002. O filme conta a trajetória de fé dessa grande personalidade da Igreja Católica no século XX. Mostra sua trajetória na identificação com a pessoa de Jesus Cristo, as visões, os estigmas, sua dedicação aos necessitados, os milagres e a fundação da Casa do Alívio do Sofrimento, o maior hospital do sul da Itália. O filme foi filmado nos lugares que o Padre Pio viveu, essa superprodução é uma obra enriquecedora que não pode faltar na videoteca das famílias cristãs.

QUADRINHOS

adaptado, Chris Terrio (Argo). Fotografia, Robert Richardson (Hugo Cabret). Direção de arte (cenografia), D i d a c B o n o ( O I m p o s s í ve l ) . Edição (montagem), Elena Ruiz (O Impossível). Maquilagem,Equipe de “O Impossível”. Trilha sonora, Ludovic Burce (O Artista). Animação, “A Origem dos Guardiões” (Dream Works). Efeitos especiais, equipe de “A Aventura de Pi”. Figurino, Sandy Powell (Hugo Cabret), e reprise: “Violência e Paixão” de Luchino

História no cinema

LIVROS E CD'S

n TERNURA CRISTÃ, ESPIRITUALIDADE DO AGENTE SOCIAL, TERESA COMBA, JOSEBA SEGURA(Paulinas, 208 págs, R$14,80)

n AMOR: DOM DE DEUS, ESPIRITUALIDADE E

Este itinerário quer ajudar os agentes sociais a relerem sua experiência a partir do Evangelho, fecundando assim seu compromisso cotidiano. Às vezes a ação não basta e até a entrega mais generosa vai se enfraquecendo. Os brotos de vida nova não podem germinar quando a terra está dura. A experiência de trabalho em contextos de exclusão suscita perguntas novas e o evangelho, por sua vez, ilumina nosso compromisso.

A obra oferece aos leitores, sejam jovens casais recémunidos, sejam casais antigos mas que buscam revitalização, textos curtos, mas profundos, com o objetivo de fortalecer a espiritualidade e a vivência matrimonial e familiar. Para tanto, aborda vários temas como a importância da oração, o terço em família, o exemplo de Maria, a alegria que deve haver num lar cristão, a importância do amor e como mantê-lo sempre acesso, os filhos, a família missionária, e outros.

VIVÊNCIA MATRIMONIAL E FAMILIAR, RICARDO E FACCI (Paulinas, 112 págs, R$12,50)

CAÇA PALAVRAS


20

BELÉM, DE 4 A 10 DE JANEIRO DE 2013

Palavra Final Humano amor de Deus PADRE FÁBIO DE MELO

Amar tem poder de renovação O

amor só pode ser eterno à medida que vivermos a conquista do outro todos os dias. E isso só a partir do momento em que o amor de Deus incendiar a nossa vida. Nós só podemos ser livres quando temos dono, mas um dono que nos administre para o amor e para a liberdade. O meu Dono [Deus] me ama, tem apreço por mim! Não vai me sugerir nada que vá me fazer mal, porque Seu dom é amor. Ele não escraviza ninguém. Para ter fogo é preciso ter lenha. Deus é o fogo. Nós precisamos ser essa lenha onde o Senhor queime. O Todo-poderoso não faz milagres para mostrar o Seu poder apenas, mas todas as manifestações do Senhor são para conquistar o coração que está ali. Ele assim fez com Moisés. A conquista vem por intermédio de coisas bonitas. Se você vai receber amigos, você oferece o melhor. Busca um jeito de manifestar o amor. É isso que Deus fez com esse profeta. O “bonito” não se limita a um atrativo estético, interior. É você perceber algo a mais. É descobrir que alguma coisa daquela beleza supera as suas formas. É algo maior que me chama, que fala de mim, como se aquela beleza fosse algo que me faltasse. O amor é essa capacidade de ver o outro de forma diferente. No meio de tanta gente, alguém se torna especial para você e você se aproxima. O amor é essa capacidade de retirar alguém da multidão, tirá-lo do lugar comum para um lugar dedicado, especial. Alguém descobriu uma sacralidade em você. Amar é você começar a descobrir que, numa multidão, alguém não é multidão. Quando alguém se aproximou de você foi porque você gerou um encanto nessa pessoa. O outro se sentiu melhor quando se aproximou de você. A beleza da totalidade que você tem faz o outro melhor. A primeira coisa que o amor esponsal e conjugal cura são as orfandades que a vida nos colocou. Não acredito em um casamento que não tem Deus na sua história. Como o seu marido vai reconhecer a sacralidade do seu coração se ele não traz a consciência de todo o sagrado que você é? O amor, quando não é amor, vira competição, disputa. Por isso o amor que é iniciado e mantido em Deus será sempre um amor de promoção do outro. O casamento é um encantamento pelo outro, o qual vai ganhando sentido quando o vou conhecendo. Assim, todos os dias você precisa se aproximar do outro e descobrir o motivo para continuar o respeito e a alegria de estar diante daquela, que é sua ajuda adequada. Casamento em que o outro é opressão, não é amor. O amor leva para o alto! Se vocês não se promovem mais significa que vocês estão esquecendo a vocação primeira do matrimônio: o de acender o fogo do amor, da dignidade e da felicidade do outro. O que você entende por esta palavra ‘amor’? Humano amor de Deus

DIVULGAÇÃO

O amor nos dá uma força que nem nós mesmos sabíamos que tínhamos. É a capacidade que ele tem de nos costurar É impressionante o quanto o amor de Deus nos toca. Os poetas sempre tentaram decifrar esse sentimento, mas nunca conseguiram. Assim como Luiz de Camões em seu célebre poema: "O amor é um fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente, é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer". O amor não se poetiza. Quantas vezes o sentimos e não sabemos onde realmente dói. O amor é revelação, inauguração, tem o poder de ser novo com aquilo que estava velho. Jesus sabe da capacidade de olhar as coisas miúdas da vida, as que não damos valor e aquelas que ninguém havia visto antes. Colocando os pés no seguimento de Cristo, ouvimos a Palavra para olhar a vida diferente: ‘Amar a Deus sobre todas as coisas’. E o que significa amar o meu próximo? O que significa olhar para o meu irmão e saber que nele tem uma sacralidade que não posso violar? Como posso descobrir esse convite de Deus de abrir os olhos às pessoas? No dia de hoje, eu lhe proponho que acabe com os ‘achismos’ do amor. A primeira coisa que Deus precisa curar é o que nós achamos do amor. Pois, muitas vezes, em nome dele [amor], nós fazemos absurdos: sequestramos, matamos, fazemos guerra, criamos divisões. O amor nos dá uma força que nem nós mesmos sabíamos que tínhamos. É a capacidade que ele tem de nos costurar. Quantas vezes olhamos

para a objetividade do outro que nos motiva a ser melhores. É o amor com suas clarezas e suas confusões... Muitas vezes, em nome do amor tratamos as pessoas como ‘coisas’. Quando Deus entra em nossa vida e entramos na vida de outras pessoas, temos de entrar como Ele: agregando valores. Caso contrário é melhor que fiquemos de fora, porque você é um território que merece respeito. Na passagem da sarça ardente (cf. Ex 3,2ss ) Deus se manifesta em uma árvore que pega fogo, mas não é consumida. Esse é o amor de Deus: Quanto mais nós amamos, mais somos consumimos; e se estamos esgotados é porque amamos ‘de menos’. Vamos ficando sem o vigor; mas a sarça queima sem se consumir. O fogo do amor não queima, pois é um fogo que faz outro fogo, e a experiência do amor de Deus é feita pelo amor de um para o outro. Quantas vezes você passou noites inteiras acordado pelo seu filho? Quanto sono perdido? Isso é por amor... Amar o outro é levar prejuízo. Você vai saber o que é o verdadeiro amor quando você se consome, mas

não se esgota. Você nunca vai dizer que está cansado de amar o seu filho. Você está cansada dos problemas causados por ele, mas não de amá-lo. Quantas pessoas que procuram e estão necessitadas do amor, mas em sua busca correm atrás das micaretas e baladas? A busca do amor está aguçada. Todos estão querendo saber o que é o amor e todos estão precisando de cura. Quantas pessoas foram amadas erroneamente, trazendo as marcas de um amor estragado. Tenha coragem de tirar as histórias do passado que doem e que você as carrega até o dia de hoje. Nenhuma pessoa pode amar a Deus se não se ama. Nenhuma pessoa pode ter uma experiência com Deus se não for pelo amor a si própria, pelo respeito por si mesma. O amor a Deus passa o tempo todo pelo cuidado que eu tenho com a minha vida, com a minha história. Como sou capaz de amar o próximo como a mim mesmo se ainda não me amo? Faça caridade a você primeiro. Os seus amigos irão agradecer por você se amar. Quando o amor nos atinge, somos mais felizes. Um povo que se ama é um povo que sabe aonde vai. Eu ainda acredito no que Deus pode em mim. Volte a gostar de você! Padre Fábio de Melo é professor no curso de teologia, cantor, compositor e escritor.

Próximos artigos: Pe. Reginaldo Manzotti

Irmã Ângela Tutas

Pe. Giovanni Martoccia

Maria Elisa Bessa de Castro


Voz de Nazaré