Page 1

ARQUIDIOCESE

DE BELÉM

PE. FLORENCE DUBOIS FUNDADOR

www.fundacaonazare.com.br BELÉM, DE 10 A 16 AGOSTO DE 2018

O JORNAL CATÓLICO DA FAMÍLIA

ANO CIV - Nº 836 - PREÇO AVULSO: R$1,00

Salvemos a vida, sempre! Foi o clamor enfático de Dom Ricardo Hoepers, Bispo de Rio Grande (RS), em nome da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em seu pronunciamento no Supremo Tribunal Federal, cuja pauta a descriminalização do aborto. CAD. 2, PÁGS. 6 E 7 FOTOS: DIVULGAÇÃO

w VIDA PLENA! Bispo de Rio Grande (RS), Dom Ricardo Hoepers, em nome da CNBB, pronuncia-se contra o aborto em audiência no STF, em Brasília

Centro de Pastoral Juvenil Grande festa marcou a quidiocesano de Pastoral inauguração do Centro Ar- Juvenil . CAD. 2, PAG. 12

Dom Alberto celebra 45 anos de vida religiosa w ESPAÇO será uma opção para a realização de diversas programações da Igreja

Aniversário de orde- Catedral Metropolitana, nação sacerdotal será na quarta-feira, dia 15. celebrado com missa na CADERNO 2, PÁGINA 05

Basílica promove Recitação de Mil AveMarias

Terço e Missa pela Família Nazaré Visita da imagem de Nossa Senhora das Graças e do Terço dos Homens de Barcarena. CADERNO 1, PÁGINA 11

w VISITA da imagem de Nossa Senhora das Graças na Missa na Fundação Nazaré

Nova edição da programação ocorre no sábado, 11, a partir das 8h30. Evento será encerrado com Missa. CADERNO 2. PÁGINA 9


2

Opinião

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

1º Caderno

PRIVILÉGIO DE SER CATÓLICO

CHARGE DO ANDRÉ ABREU

João Carlos Pereira

Jornalista e professor jcparis@orm.com.br

Um acerto com a língua portuguesa

Comente esta charge:

N

voz@fundacaonazare.com.br

Relembrando com saudade nosso querido chargista André Abreu

PANORAMA José Pereira Ramos joseulina1@gmail.com

Da história às vocações

T

Economista e escritor

enho um certo fascínio por acontecimentos históricos que considero de grande valor para conhecer melhor nossas ascendências, quer civis quer religiosas. Isto levou-me a escrever nas últimas semanas relembrando fatos ocorridos ao tempo da fundação da primeira diocese da Amazônia. Ocorre que estamos em pleno mês de agosto, dedicado pela nossa Igreja às vocações e não posso esquecer as atividades em que sempre estive engajado. Iniciando com a devoção e o respeito ao Santo Cura de Ars, homenageio a todos os sacerdotes. Dedico pelo menos um mistério do meu terço diário aos vocacionados. E no decorrer desta semana, dia 15 de agosto, data de extraordinária importância para a nossa cidade, quando nosso Estado do Pará aderiu à Independência do Brasil, com

ENCONTRO FRATERNO Ivens Coimbra Brandão ivenscb@oi.com.br; ivenscb@gmail.com

Vocação paterna

Q Engenheiro civil e escritor

uase todas as vezes em que discorro sobre a figura paterna, embora seja eu pai de quatro filhos, sou levado a lembrar a participação de meu pai na minha vida. Retornemos aos anos 40, quando meu pai foi acolhido como dentista na recém-criada Força Aérea Brasileira, assim se vendo dispensado de uma provável convocação para a Força Expedicionária Brasileira (FEB). Em um dia de festa na então Base Aérea de Belém, sediada onde hoje funciona o Aeroclube, me levou a visitar as referidas instalações. Foi a primeira vez que entrei num avião. Era anfíbio, de pequeno porte, com acabamento interno esmerado, nunca mais me esquecendo daquele ‘cheirinho de carro novo’. Quando eu já era adolescente, certo fim de tarde entrou em casa com uma pequena tora de cedro, em forma de prisma, medindo

Fundado em 5 de julho de 1913 FUNDADOR Pe. Florence Dubois, barnabita

ARQUIDIOCESE DE BELÉM-PARÁ

PRESIDENTE Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará VICE-PRESIDENTE Monsenhor Marcelino Ferreira Vigário-geral da Arquidiocese de Belém do Pará

destacada participação de Dom Romualdo de Souza Coelho, o 8º bispo de Belém. Reverenciamos a solenidade da Assunção de Maria que, na atualidade, foi adiada para o domingo após o dia 15 de agosto. Faz exatos 65 anos (15/08/1957) que foi encerrado o 6º Congresso Eucarístico Nacional, tendo a imagem de Nossa Senhora de Nazaré, encontrada por Plácido, recebido a Coroação Pontifícia, pelas mãos do Cardeal Dom Augusto Álvaro da Silva, Arcebispo Primaz do Brasil, na qualidade de Legado de Sua Santidade o Papa Pio XII. Mas sem querer já estou escrevendo sobre a história da nossa Arquidiocese. Nas semanas subsequentes estaremos homenageando os Religiosos(as), os Vocacionados(as) e os Catequistas. Não basta fazer homenagens, mas, também, rezar e muito. E no fim do mês teremos a comemoração dos treze anos (31/08/2005) da implantação do Santuário Mariano Arquidiocesano de Nossa Senhora de Nazaré. Era Arcebispo de Belém Dom Orani Tempesta. O espaço não dá para falar sobre os pais, mas fica para a próxima semana. (60x20x20) cm. A partir daquele pedaço de madeira esculpiu um pequeno barco, fazendo-o se deslocar movido por uma caldeira que acionava um pistão ligado a um eixo provido em uma das extremidades de um volante e na outra de uma hélice. Foi um sucesso, que viria encantar os meus colegas de juventude, chegando a alcançar a geração seguinte, quando meu filho mais velho, ainda criança, viu o pequeno barco ‘navegar’ em um dos laguinhos do Bosque Rodrigues Alves. Já casado, houve necessidade de eu passar por uma cirurgia, sem riscos. No entanto, era a primeira vez que eu enfrentava o aparato de uma sala de cirurgia. Na tentativa de me aplicarem um sedativo, a enfermeira exclamou: ‘a veia dele estourou’. Fiquei com muito medo, pedindo a Deus-Pai que me assistisse. Segundos depois ouvi uma voz: ‘não te preocupes, meu filho, estou aqui’. Era o meu pai, em carne e osso, que de mim se acercou naquele momento de fragilidade. Deixou-nos inesperadamente. Quando o visitei na manhã que antecedeu seu falecimento, suas últimas palavras a mim dirigidas foram: ’Deus te abençoe! ’

DIRETOR GERAL Padre Roberto Emílio Cavalli Junior DIRETOR ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Marcos Aurélio de Oliveira DIRETOR DE COMUNICAÇÃO Mário Jorge Alves da Silva DIRETOR DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS Arnaldo Pinheiro

a semana passada, no artigo sobre o Sínodo Verde, um erro brutal, gigantesco, abriu a coluna. Eu escrevi “A um ano e três meses da realização...” e, quando olhei o Jornal, quase tive um desmaio, ao ver que o A, indicativo de futuro, havia sido trocado por um HÁ, que remete ao passado, verbo haver no sentido de tempo decorrido. O sentido da frase era absolutamente incompatível com a idéia de faltam 15 meses para o Sínodo e “explicava” que haviam se passado um ano e três meses de sua abertura. Faço essa correção por respeito ao Jornal e, de modo especial, aos leitores, que não merecem ficar sem o necessário registro. Afinal, com 36 anos de magistério superior, na área de língua portuguesa e suas literaturas, não tenho o direito de escorregar numa casca de banana tão pequena. Acontece que não escorreguei. Escorregaram-me. Fui olhar no original enviado à redação e, graças a Deus, estava certo. Quando se lida com computador, é preciso estar aten-

to, atentíssimo, às ações de um diabinho invisível chamado corretor automático. Ele é terrível, sobretudo quando interfere nas mensagens de celular. A gente escreve uma coisa e ele muda para o que lhe dá vontade. Já passei cada vergonha... Quando a mensagem sai de um computador, às vezes é recebida em outro, que opera num sistema diferente. Vai que, numa dessas, o inevitável diabinho resolve fazer a sua parte e muda o certo pelo errado. Como todo agente do mal, joga a pedra e esconde a mão. Resultado? Espalha culpas e responsabilidades para todo lado, fazendo-as cair sobre quem nada tem a ver com elas. Peço desculpas pelo equívoco involuntário. A muito querida e competente editora Bernadete haverá de testemunhar a meu favor, diante do Tribunal do Idioma, sempre implacável com os que lhe são apresentados para julgamento.

Tenho maior cuidado com meus textos. A Bernadete Costa também. Mas o revisor automático da máquina não está nem aí para nós.

ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU ... Pe. Helio Fronczak heliofronczak@gmail.com

Ser pobre no coração: isto é santidade.

A

primeira bem-aventurança – Felizes os pobres em espírito, porque deles é o reino do céu – “convida-nos a reconhecer a verdade do nosso coração, ver onde colocamos a segurança da nossa vida. Normalmente, o rico assegura-se com suas riquezas e, quando estas estão em risco, pensa que se desmorona todo o sentido da sua vida na terra” (n. 67). Na parábola do rico insensato, que não pensava que poderia morrer naquele mesmo dia (cf. Lc 12, 16-21), Jesus nos mostra que “as riquezas não nos dão segurança alguma. Mais ainda: quando o coração se sente rico, fica tão satisfeito de si mesmo que não tem espaço para a Palavra de Deus, para amar os irmãos, nem para gozar das coisas mais importantes da vida; priva-se dos bens maiores. Por isso, Jesus chama felizes os pobres em espírito, cujo coração é pobre, onde pode entrar o Senhor com a sua

COORDENAÇÃO Bernadete Costa (DRT/PA 1326) CONSELHO DE PROGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO Padre Agostinho Filho de Souza Cruz Cônego Cláudio de Souza Barradas Edwaldo Lobo Monteiro EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Sérgio Santos (DRT/PA 579) Assinaturas, distribuição, administração e redação Av. Gov. José Malcher, Ed. Paulo VI, 915 CEP: 66055-260

incessante novidade”. E continua o n. 69: “Esta pobreza de espírito está intimamente ligada à ‘santa indiferença’ proposta por Santo Inácio de Loyola, na qual alcançamos estupenda liberdade interior: ‘É necessário tornar-nos indiferentes face a todas as coisas criadas (em tudo aquilo que seja permitido à liberdade do nosso livre arbítrio, e não lhe esteja proibido), de tal modo que, por nós mesmos, não queiramos mais a saúde do que a doença, mais a riqueza do que a pobreza, mais a honra do que a desonra, mais uma vida longa do que curta, e assim em tudo o resto’. Lucas fala simplesmente de ser ‘pobre’ (Lc 6, 20), convidandonos, assim, a uma vida também austera e essencial. Assim, chama-nos a compartilhar a vida dos mais necessitados, a vida que levaram os Apóstolos e, em última análise, a configurarnos a Jesus, que, ‘sendo rico, Se fez pobre’ (2 Cor 8, 9).

- Nazaré, Belém - PA Tel.: (91) 4006-9200/ 4006-9209. Fax: (91) 4006-9227 Redação: (91) 4006-9200/ 4006-9238/ 4006-9239/ 4006-9244/ 4006-9245 Site: www.fundacaonazare.com.br E-mail: voz@fundacaonazare.com.br Um veículo da Fundação Nazaré de Comunicação CNPJ nº 83.369.470/0001-54 Impresso no parque gráfico de O Liberal

FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO


1º Caderno

Arcebispo

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

3

Conversa com meu povo Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

Deus chama

A

sabedoria de Deus, presente do Espírito Santo que acompanha todos os passos da Igreja, tem conduzido sua prática pastoral à atenção diversificada aos aspectos vários da vida cristã, pois não temos uma existência linear, repetitiva, mas cheia de novidades, com as quais descobrimos novas exigências e aprofundamos dimensões novas. Assim acontece com a liturgia dominical, cujos ciclos conduzem sempre a novos passos e aprofundamentos diferentes do mesmo mistério de Cristo. Que dizer da Palavra de Deus, tão antiga e sempre nova, com a qual o Espírito Santo suscita passos diferentes e cada vez mais profundos na estrada da santidade em todo o povo de Deus? O chamado de Deus, vocação, traz consigo uma dinâmica sempre nova, todas as vezes que os cristãos de todas as idades e estados de vida se colocam diante da graça que os interpela. O mês de agosto retorna ainda uma vez com o convite a escutar o chamado de Deus e ajudar-nos mutuamente a identificá-lo, para que a resposta seja generosa, especialmente da parte das crianças, adolescentes e jovens, que se encontram justamente nesta fase de discernimento. Nos próximos meses, em torno da realização da Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos sobre a juventude e as vocações, o tema estará em pauta e pedirá o empenho de todos no aprofundamento dos passos a serem dados. O instrumento de trabalho divulgado pela Santa Sé, no qual nos inspiramos para esta reflexão, oferece alguns elementos de grande importância (Cf. números 87 a 99). A vida humana, especialmente à luz do Concilio Vaticano II, é

DIVULGAÇÃO

w JESUS CHAMA o cobrador de impostos (publicano) Levi, a ser seu discípulo

O Cristo que nos chama a segui-lo é aquele que "pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz..." compreendida à luz do chamado universal à santidade (Cf. Lumen Gentium 39-42), e a esta luz se compreendem as vocações individuais para o ministério ordenado e para a vida consagrada, bem como a vocação do leigo e a vida matrimonial. E aí a Palavra de Deus orienta a ler o mistério da vocação como uma realidade que marca a própria criação de Deus, iluminando a existência de todo homem e toda mulher. Somente uma visão de vocação pode compreender plenamente o ser humano. Falar da vida como vocação evidencia, segundo o Documento do Sínodo, que a vida de um jovem não é determinada pelo destino ou pelo fruto do acaso, ou que seja um bem privado administrável por conta própria. O discernimento vocacional tem as características de um cami-

nho de reconciliação com o próprio corpo e com o próprio eu, com os outros e com o mundo. A concepção da vida como vocação leva a renunciar à mentira do narcisismo para se deixar interpelar pelos apelos de Deus que destina cada homem e cada mulher a procurar o bem dos outros, no amor. Trata-se, portanto, de criar uma nova cultura vocacional, que esteja sempre relacionada à alegria da comunhão de amor que gera vida e esperança. A plenitude da alegria, de fato, só pode ser experimentada após a descoberta de ser amado e, como resultado, pessoalmente chamado a amar, por sua vez, nas circunstâncias concretas em que cada um vive. Entretanto, só à luz de Jesus Cristo se esclarece completamente a vida de qualquer pessoa! Só ele pode revelar

quem nós somos. Com Jesus, descobre-se o chamado a ir além de si mesmo. Ouvir sua palavra é abrir-se a horizontes que, com a própria força, não se poderiam nem imaginar. O trabalho pelas vocações só pode acontecer quando as pessoas são confrontadas com Jesus Cristo. Não se começa por tempos e tempos de tratamento das questões humanas, sem dúvida, importantes. Estas só serão compreendidas e abordadas com profundidade à luz da experiência do seguimento de Jesus Cristo. E na medida em que acontece este seguimento, quando o jovem enxerga a vida à luz da fé, ele vê, na medida em que caminha, em que entra no espaço aberto pela Palavra de Deus. Aí o jovem vê seu lugar na Igreja, como ensina o Papa Francisco. O caminho vocacional tem sua raiz na

experiência da filiação divina dada no batismo, um caminho pascal, que requer um compromisso de negar a si mesmo e perder a própria vida, para então recebê-la renovada. O Cristo que nos chama a segui-lo é aquele que «pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a ignomínia, e está agora sentado à direita do trono de Deus» (Hb 12, 2). O fiel, mesmo quando experimenta que o discipulado envolve renúncias e fidelidade sofrida, não se desanima e continua a seguir o Senhor, que nos antecedeu à direita do Pai e nos acompanha com o seu Espírito. Entre aqueles que o seguem, Jesus escolhe alguns para um especial ministério. Um chamado especial é determinado pela livre e gratuita escolha feita por Deus, a escolha desde o ventre materno, a revelação à pessoa chamada do mistério de Cristo e a missão histórica de salvação. O chamado particular só é com-

preensível dentro do horizonte “vocacional” da Igreja inteira. Nela, as vocações para uma tarefa especial tornam evidente a graça com a qual Deus chama a todos para a salvação: assim, enquanto Jesus diz «segue-me» ao publicano Levi, tornando-o apóstolo da Igreja (Mc 2, 14), anuncia a todos que ele não veio «para chamar os justos, mas os pecadores» (Mc 2, 17). A vocação da Igreja encontra sua real antecipação e sua plena realização na figura de Maria, uma jovem que com seu sim tornou possível a encarnação do Filho e, consequentemente, criou as condições para que qualquer outra vocação eclesial pudesse existir. O princípio mariano antecede e excede todos os demais princípios ministeriais, carismáticos e jurídicos da Igreja e de todos estes é apoio e acompanhamento. Somente assim é possível para a Igreja tornar-se uma imagem integral do rosto de Jesus na história humana.


4

Arquidiocese

AGENDA DE DOM ALBERTO TAVEIRA CORRÊA

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

AGENDA DE DOM ANTÔNIO DE ASSIS RIBEIRO

AGENDA DE DOM IRINEU ROMAN

n De 10 a 16 de agosto de 2018

n De 10 a 16 de agosto de 2018

8h30 - Gravações 18h - Missa com a Escola Diaconal (Basílica Santuário)

8h30 - Gravação - Programa "Comunidade Viva (Abrigo João Paulo II - Marituba) 9h - Missa - Abrigo João Paulo II (Missa dos Pais) 18h - Missa com a Escola Diaconal - Leitorato (Basílica)

n SEXTA, 10 DE AGOSTO

n SÁBADO, 11 DE AGOSTO

10h - Missa e Crismas (Missão Belém) 15h - Missa de encerramento do Encontro “Mil AveMarias” (Basílica Santuário) 19h - Missa da Semana da Família do Movimento Familiar Cristão - MFC (Paróquia Coração Eucarístico de Jesus)

1º Caderno

n De 10 a 16 de agosto de 2018

n SEXTA, 10 DE AGOSTO

n SÁBADO, 11 DE AGOSTO

n SEXTA, 10 A DOMINGO, 12 DE AGOSTO

Visita Pastoral - Paróquia Jesus Ressuscitado - Marambaia

n SEGUNDA, 13 DE AGOSTO

8h - Audiências 9h - Reunião na Fundação Nazaré 15h - Gravações 19h - Formação na Paróquia Santíssimo Redentor - Icuí-Guajará

n DOMINGO, 12 DE AGOSTO

17h - Palestra - Paróquia Sagrada Família 16h - Gravação - Programa Comunidade Viva Paróquia Sagrada Familia) 19h - Missa - Paróquia Sagrada Família

n TERÇA, 14 DE AGOSTO

n SEGUNDA, 13 DE AGOSTO

9h - Missa - Pastoral das Ilhas 18h - Crisma de adultos - Paróquia Imaculada Conceição – Benfica

n QUARTA, 15 DE AGOSTO

8h30 - Audiências 19h - Missa - Comunidade Nossa Senhora das Vitórias (Paróquia Santa Teresinha) - Tenoné

n QUINTA, 16 DE AGOSTO

n DOMINGO, 12 DE AGOSTO

9h - Missa de posse do Padre Joseildo (Paróquia São Francisco das Ilhas – Cotijuba) 18h30 – Missa (Paróquia da Transfiguração)

n SEGUNDA, 13 DE AGOSTO

8h - Gravações 10h - Pastoral Presbiteral 15h30 - Gravações

n TERÇA, 14 DE AGOSTO

6h25 - Missa (Carmelo Santa Teresinha) 9h - Reunião (Faculdade Católica de Belém) 12h - Atendimento dos Seminaristas, Missa e Sexta Reunião da Equipe de Formação Sacerdotal (Seminário São Pio X) n QUARTA, 15 DE AGOSTO

8h - Aulas na Faculdade Católica 16h - Reunião com a comissão dos shoppings - Pátio Belém 8h - Missa com os alunos do Colégio do Carmo - Ananindeua 14h - Gravações 19h - Escola da Fé - Paróquia São José - Belém

n TERÇA, 14 DE AGOSTO

8h30 - Audiências 10h - Gravações 19h - Missa com a Família Salesiana - Escola Salesiana

n QUARTA, 15 A QUINTA, 16 DE AGOSTO

Os compromissos de Dom Antônio de Assis podem sofrer alterações sem aviso prévio.

8h30 - Audiências 10h - Atividades - CNBB 18h - Visita Pastoral - Paróquia São Francisco – Tapanã

9h - Missa da Festa de São Tarcísio com os servidores do Altar (Catedral da Sé) 19h - Missa (Paróquia de Nossa Senhora das Vitórias)

Visita Pastoral - Paróquia São Francisco - Tapanã

8h - Gravações 10h - Audiências 18h - Missa (Cantinho da Misericórdia)

Os compromissos de Dom Irineu Roman podem sofrer alterações sem aviso prévio.

n QUINTA, 16 DE AGOSTO

Os compromissos de Dom Alberto Taveira podem sofrer alterações sem aviso prévio.

Homilia Dominical Padre Romeu Ferreira romeufsilva@gmail.com

A) Texto: Jo 6,41-51

Formado em Exegese pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma

41Os judeus começaram a murmurar a respeito de Jesus, porque havia dito: “Eu sou o pão que desceu do céu”. 42Eles comentavam: “Não é este Jesus o filho de José? Não conhecemos seu pai e sua mãe? Como então pode dizer que desceu do céu? 43Jesus respondeu: “Não murmureis entre vós. 44Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia. 45Está escrito nos profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus’. Ora, todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído vem a mim. 46 Não que alguém já tenha

visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. 47Em verdade, em verdade vos digo, quem crê possui a vida eterna. 48Eu sou o pão da vida. 49Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. 50Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer nunca morrerá. 51Eu sou o pão vivo descido de céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”. B) COMENTÁRIO Prossegue o tema eucarístico. “Os judeus começaram a murmurar a respeito de Jesus”, por seu discurso (v 41). E o que é murmuração? É o fruto da incompreensão da ação de

Deus; é a rebelião diante da vontade divina, presente no itinerário de formação do povo da Aliança: “O povo murmurou contra Moisés” (Ex 15,24). E a Torá vai dizendo que: “Toda a comunidade dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e Aarão no deserto” (Ex 16,2). Desta forma comentam os líderes: “Iahweh vos dará esta tarde carne para comer, e pela manhã pão com fartura, pois ouviu a vossa murmuração contra Ele...Não são contra nós as vossas murmurações, e sim contra Iahweh” (Ex 16,8; 17,3). A murmuração é manifestação negativa: “Todos os publicanos e pecadores se aproximavam para ouvilo. Os fariseus e escribas, porém, murmuravam”

(Lc 15, 1s). A regra mestra do povo de Deus a ser observada é a convocação a escutá-Lo, pelo comando dado no Deuteronômio (Dt 6,4). Os conceituados: escribas e fariseus faziam o contrário, pois quem murmura não escuta e sim quer ser escutado. Aqui Jesus se define como: “o pão que desceu do céu” (v 41); “o pão da vida” (v 48); “o pão vivo” (v 51). Quem é Jesus? Ele declara: “Eu sou o pão” por excelência; alimento eterno. Para os judeus neste caso, o conceito que implica “pão” está vinculado ao prodígio do “Maná” que alimenta o povo na experiência do caminho pelo deserto. Também se divulgava de que o local de origem de alguém dizia muito sobre

a pessoa: “De Nazaré pode sair algo de bom?” (Jo 1,46). Jesus é de ”Belém”, que significa “casa do pão” (hebraico) e também “casa da carne” (árabe). Jesus nasce na convergência dos filhos (Isaac; Ismael) do pai da fé: Abraão. O mestre veio para alimentar a unidade: único povo, único Deus, única fé. E anuncia: “Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo” (v 51). O povo pediu no Antigo Testamento, alimento para a caminhada; e que foi dado por Deus mediante Moisés na carne e pão (Ex 16). Agora Jesus se apresenta como a solução nutritiva e definitiva. Ele é pão e carne que nutre em dimensão plena da vida.

Liturgia da Semana w 10/08, SEXTA-FEIRA Cor (vermelho) Primeira Leitura (2Cor 9,6-10) Responsório (Sl 111) Evangelho (Jo 12,24-26) w 11/08, SÁBADO Cor (branco) Primeira Leitura (Hab 1,12–2,4)

Responsório (Sl 9A) Evangelho (Mt 17,14-20) w 12/08, DOMINGO Cor (verde) Primeira Leitura (1Rs 19,4-8) Responsório (Sl 33) Segunda Leitura (Ef 4,30-5,2)

Evangelho (Jo 6,41-51) w 13/08, SEGUNDA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Ez 1,2-5.24-28c) Responsório (Sl 148) Evangelho (Mt 17,22-27) w 14/08, TERÇA-FEIRA Cor (vermelho)

Primeira Leitura (Ez 2,8-3,4) Responsório (Sl 118) Evangelho (Mt 18,1-5.10.12-14) w 15/08, QUARTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Ez 9,1-7;10,18-22)

Responsório (Sl 112) Evangelho (Mt 18,15-20) w 16/08, QUINTA-FEIRA Cor (verde) Primeira Leitura (Ez 12,1-12) Responsório (Sl 77) Evangelho (Mt 18,21-19,1)


1º Caderno

Papa Francisco exortou cultivar a relação com Jesus, fortalecer a fé n’Ele, que é o pão da vida

C

om informações Vatican News. Resistir à tentação de “reduzir a religião somente à prática das leis, projetando em nossa relação com Deus a imagem da relação entre os servos e seus patrões”. No Angelus do XVIII Domingo do Tempo Comum, 05 de agosto, falando aos milhares de fiéis e turistas presentes na Praça São Pedro a uma temperatura de 30ºC, o Papa exortou a “cultivar nossa relação” com Jesus, “fortalecer nossa fé n’Ele, que é o “pão da vida”. Inspirado no Evangelho de João proposto pela liturgia deste domingo, o Papa recorda que “a Jesus não basta que as pessoas o procurem, ele quer que as pessoas o conheçam; quer que a busca por Ele e o encontro com Ele ultrapasse a satisfação imediata das necessidades materiais”:

Vaticano 5 "Não reduzir a religião apenas à prática da Lei"

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

“Jesus veio para nos trazer algo mais, a abrir a nossa existência a um horizonte mais amplo em relação às preocupações cotidianas do alimentar-se, vestir-se, da carreira e assim por diante. Por isso, voltando-se a multidão, exclama: «Me buscais não porque vistes sinais, mas porque comestes daqueles pães e vos saciastes»”. Desta forma, “estimula as pessoas a darem um passo em frente, a interrogarem-se sobre o significado do milagre e não apenas para tirar proveito dele”. O milagre da multiplicação dos pães e dos peixes – explicou Francisco – “é sinal do grande dom que o Pai deu à humanidade, que é o próprio Jesus!”: “Ele, verdadeiro “pão da vida”, quer saciar não apenas os corpos, mas também as almas, dando o alimento espiritual

FOTOS: DIVUGAÇAÕ

w PAPA FRANCISCO durante o Angelus do domingo, dia 5 de agosto

que pode satisfazer a fome mais profunda. Por isso convida a multidão a procurar não a comida que não dura, mas aquela que permanece para a vida eterna. Trata-se de um alimento que Jesus nos dá todos os dias: sua Palavra, seu Corpo, seu Sangue”. Também nós – como a multidão na época – ouvimos o convite de Jesus, mas não entendemos seu significado. As pessoas pensam que

Jesus pede a elas “para observarem os preceitos para obter outros milagres, como a multiplicação dos pães”: “É uma tentação comum, esta, de reduzir a religião somente à prática das leis, projetando em nossa relação com Deus a imagem da relação entre os servos e seus patrões: os servos devem executar as tarefas que o patrão determinou, para ter a sua benevolência.

Isto o sabemos todos”. À multidão que quer saber de Jesus que ações deve fazer para agradar a Deus, Jesus dá uma resposta inesperada: “A obra de Deus é que vocês acreditem naquele que ele enviou”: “Essas palavras são dirigidas também a nós hoje: a obra de Deus não consiste tanto no “fazer” coisas, mas em “crer” n’Aquele que Ele enviou. Isto significa que

a fé em Jesus nos permite realizar as obras de Deus. Se nos deixarmos envolver nesta relação de amor e confiança com Jesus, poderemos fazer boas obras que perfumam de Evangelho, pelo bem e às necessidades dos irmãos”. E se é importante preocupar-nos com o pão – disse o Papa – mais importante ainda “é cultivar nossa relação com Ele, fortalecer nossa fé n’Ele, que é o “pão da vida”, vindo para saciar a nossa fome de verdade, a nossa fome de justiça, a nossa fome de amor”. “Que a Virgem Maria – disse ao concluir - no dia em que recordamos a dedicação da Basílica de Santa Maria Maior – a Salus populi romani - em Roma, nos sustente em nosso caminho de fé e nos ajude a nos abandonarmos com alegria ao plano de Deus para nossas vidas”.

Papa altera Catecismo da Igreja Católica, com rejeição total da pena de morte Com informações agência Ecclesia. O Papa Francisco ordenou a alteração do número do Catecismo da Igreja Católica relativo à pena de morte, cuja nova redação sublinha a rejeição total desta prática. “A Igreja ensina, à luz do Evangelho, que a pena de morte é inadmissível, porque atenta contra a inviolabilidade e dignidade da pessoa, e empenha-se com determinação a favor da sua abolição em todo o mundo”, pode lerse, agora, no n.º 2267 do Catecismo. O texto divulgado semana passada assinala que, durante muito tempo, se considerou o recurso à pena capital, por parte da autoridade legítima, depois de um “processo regular”, como uma resposta “adequada à gravidade de alguns delitos e um meio aceitável, ainda que extremo, para a tutela do bem comum”. “Hoje vai-se tornando cada vez mais viva a consciência de que a dignidade da pessoa não se perde, mesmo depois de ter cometido crimes gravíssimos. Além disso, difundiu-se uma nova compreensão do sentido das sanções penais por parte do Estado”, precisa a nova redação. O Catecismo da Igreja Católica recorda, neste contexto, o desenvolvimento de “sistemas de

detenção mais eficazes, que garantem a indispensável defesa dos cidadãos sem, ao mesmo tempo, tirar definitivamente ao réu a possibilidade de se redimir”. O atual parágrafo cita o discurso do Papa Francisco aos participantes no encontro promovido pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, a 11 de outubro de 2017, no qual o pontífice afirmou que “a condenação à pena de morte é uma medida desumana que, independentemente do modo como for realizada, humilha a dignidade pessoal”. Em fevereiro de 2016, o Papa tinha apelado à “abolição” da pena de morte em todo o mundo, enquadrando esta decisão na celebração do ano santo extraordinário, o Jubileu da Misericórdia [dezembro de 2015-novembro de 2016], em defesa de uma cultura de “respeito da vida”.

“Apelo à consciência dos governantes, para que se chegue a um consenso internacional pela abolição da pena de morte e proponho aos que entre eles são católicos que cumpram um gesto corajoso e exemplar: que nenhuma condenação seja executada neste Ano Santo da Misericórdia”, declarou. A nova redação, apresentada pela sala de imprensa da Santa Sé, é acompanhada por uma Carta aos Bispos, da Congregação para a Doutrina da Fé. “A nova formulação do n.º 2267 do Catecismo da Igreja Católica quer impulsionar um firme compromisso, também através de um diálogo respeitoso com as autoridades políticas, a fim de que seja fomentada uma mentalidade que reconheça a dignidade de toda vida humana e sejam criadas as condições que permitam eliminar hoje o instituto jurídico da pena de morte, onde ainda está em vigor”, explicam os responsáveis do organismo da Cúria Romana.

considerava que a prática se restringia a casos de “extrema gravidade”; já em 1997, a edição típica corrigida inseria uma observação do Papa João Paulo II, na sua encíclica ‘Evangelium Vitae’ (1995), sublinhando que tais casos eram “muito raros e praticamente inexistentes”. O Papa Francisco tinha pedido, em outubro de 2017, uma reformulação do ensinamento sobre a pena de morte, “a fim de reunir melhor o desenvolvimento da doutrina sobre este ponto nos últimos tempos”. “Este desenvolvimento apoia-se na consciência cada vez mais clara na Igreja do respeito devido a toda vida humana”, explica a carta enviada aos bispos católicos de todo mundo pela Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), que acompanha a divulgação da nova redação do número 2267 do Catecismo da Igreja Católica. O Catecismo de São

Pio X (1912) considerava lícito “tirar a vida do próximo”, quando se executava “por ordem da autoridade suprema, a condenação à morte”, como castigo por um crime. A carta da CDF assinala que, embora a situação política e social do passado tornasse a pena de morte um “instrumento aceitável para a proteção do bem comum” – “num contexto social em que as sanções penais eram compreendidas de outra forma e se davam num ambiente em que era mais difícil garantir que o criminoso não pudesse repetir o seu crime” -, a situação se alterou na atualidade. Hoje, a consciência cada vez maior de que a dignidade de uma pessoa não se perde nem mesmo depois de ter cometido crimes gravíssimos, a compreensão aprofundada do sentido das sanções penais aplicadas pelo Estado e o desenvolvimento dos sistemas de detenção mais

eficazes que garantem a indispensável defesa dos cidadãos,contribuíram para uma nova compreensão que reconhece a sua inadmissibilidade [pena de morte] e, portanto, apela à sua abolição”. A edição de 1997 do Catecismo da Igreja Católica ainda justificava a pena de morte, quando fosse “a única solução possível para defender eficazmente vidas humanas de um injusto agressor”. São João Paulo II interveio em várias ocasiões contra a pena de morte, que considerou “cruel e inútil”; também o Papa Bento XVI pediu iniciativas políticas e legislativas capazes de “eliminar a pena de morte”. A Congregação para a Doutrina da Fé observa que a nova redação do n.º 2267 do Catecismo da Igreja Católica se situa “em continuidade com o Magistério anterior, levando a cabo um desenvolvimento coerente da doutrina católica”.

REFORMULAÇÕES

A alteração do número do Catecismo da Igreja Católica sobre a pena de morte surge mais de 25 anos após a publicação do texto original, em outubro de 1992. A primeira redação

O A

caminho dos discípulos em direção ao Monte Tabor nos convida a separar-nos das coisas mundanas para contemplar Jesus. (6 de agosto) Eucaristia é fazer a “reserva” do paraíso: é Jesus quem nos guia em nosso caminho rumo à vida eterna. (5 de agosto)


Igreja no Mundo 1º Caderno C Portugal será a sede das Equipes de Jovens de Nossa Senhora 6

om informações agência Ecclesia. Portugal vai ser a próxima sede do Secretariado Internacional das Equipas de Jovens de Nossa Senhora, EJNS, uma decisão tomada pelos responsáveis nacionais do movimento católico. “O Secretariado Internacional volta a Portugal 10 anos depois contando com o padre Valter Malaquias, como assistente espiritual, e com Patrícia e Pedro Madeira Rodrigues como casal assistente”. O movimento realizou o seu encontro internacional entre os dias 24 e 29 de julho, em São Paulo, Brasil, reunindo quase 300 jovens de oito países. A reunião foi prece-

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

Resultado que o movimento tem apresentado em Portugal nos últimos anos dida por um encontro da Equipe de Animação Internacional do movimento, a qual designou Portugal como a sede do Secretariado Internacional. “A equipe do Secretariado Internacional sente esta responsabilidade como um serviço ao movimento, considerando que poderão ajudar não só no seu crescimento e expansão como também na solidificação duma estrutura capaz

de dar resposta à grande procura que tem experienciado internacionalmente”, adiantam os responsáveis. Esta escolha é vista como um prémio para a “capacidade e organização” que o movimento tem apresentado em Portugal nos últimos anos. O Encontro internacional das EJNS, que acontece de dois em dois anos, teve como tema em 2018 “Lançai as redes”.

FOTOS: DIVULGAÇÃO

w ENCONTRO EM SÃO PAULO reuniu quase 300 jovens de oito países

Arquidiocese na Costa Rica realiza o 1º Congresso Eucarístico Com informações agência Gaudium Press. A Arquidiocese de Santo Domingo, Costa Rica, iniciou na semana passada o seu Primeiro Congresso Eucarístico, que segue o tema “Com a Eucaristia, fonte de comunhão, impulsionemos a missão”. Segundo nota da Arquidiocese, o objetivo do evento foi refletir “sobre o mistério da Eucaristia para celebrá-lo, para adorá-lo e impulsionar a participação cons-

ciente, ativa e frutífera que leve a um compromisso missionário”. O encontro também foi ocasião propícia para se dar testemunho da caridade, fruto da Eucaristia, tal como descreve a jurisdição eclesial: “Este Congresso Eucarístico é um sinal autêntico de Fé e de Caridade onde se expressam a comunhão da Igreja universal que se sente solidária com os problemas fundamentais da sociedade”. Ao longo do Congres-

so foram ministradas diversas conferências e cursos, além da celebração Eucarística. Entre os temas que foram abordados destacam-se: “A Eucaristia, sacrifício e Banquete”, “A Eucaristia em família”, “A Eucaristia e sua dimensão social”, a “Inculturação da Eucaristia”, “A Oração Eucarística”, “Eucaristia e cura”, “Sinais, gestos e símbolos da Eucaristia e na Eucaristia”, “O canto na Eucaristia” e “Preparação da Eucaristia”.

A Conferência do Episcopado Dominicano abordou esse tema em Carta Pastoral na qual indica que “A Eucaristia é o sacramento que mais profundamente influi na comunidade eclesial: é realizado por esta, mas o sacramento vai construindo a mesma Igreja, comprometendo-a na missão da salvação de toda a humanidade, significando e realizando a unidade da Igreja. Não há Igreja sem Eucaristia nem há Eucaristia sem Igreja”.

Igreja no Brasil

Rio promove evento sobre introdução ao cristianismo

C

om informações agência Gaudium Press. O simpósio “Introdução ao Cristianismo, de Joseph Ratzinger - 50 anos a serviço da fé”, realizado pela Sociedade Ratzinger Brasil, em parceria com a Cátedra Joseph Ratzinger, da PUC-Rio, destacou o meio século da publicação original do livro “Introdução ao Cristianismo: lições so-

bre o Símbolo Apostólico” (Munique, 1968), de autoria do hoje Papa Emérito Bento XVI. Um dos palestrantes do simpósio, o Padre Mário de França Miranda, professor do Departamento de Teologia da PUC-Rio, ao apresentar o tema “A questão de Deus na Teologia a partir da Introdução ao Cristianismo”, dividiu-o em três etapas, iniciando

com o assunto “Opção pelo Logos”, no qual identificou o Cristianismo como síntese de razão, fé e vida. O segundo assunto da palestra do Padre Mário intitulou-se “O Deus dos Cristãos”, que, segundo o próprio sacerdote, é um Deus que pode ser invocado, tem um nome e se relaciona com os fiéis. Por fim, o religioso abordou

sobre “Religião Vera”, explicando que, para Joseph Ratzinger, a verdade de Deus está posta diante da pluralidade das culturas, que estão abertas a um Deus universal e transcendente. Também presente no Simpósio, o Arcebispo de São Paulo e presidente da Sociedade Ratzinger Brasil, Cardeal Odilo Pedro Scherer, lembrou da fundação

w OBRA DE JOSEPH RATZINGER tema do evento

da entidade, que tem como finalidade principal a de promover tanto a tradução quanto a divulgação de toda a obra de Joseph Ratzinger em língua portuguesa. A

Sociedade Ratzinger Brasil foi fundada em maio de 2017, durante a 55ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Comissão discute atualização das diretrizes da Igreja no Brasil Com informações CNBB. Os membros da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil estiveram reunidos na tarde da terça, 31 de julho, na sede das Pontifícias Obras Missionárias, em Brasília. Na pauta da reunião foi discutida a atualização das Diretrizes Gerais da Ação Evan-

gelização (DGAE). As atuais diretrizes, que compreendem o período de 2015 a 2019, serão atualizadas na 57ª Assembleia Geral dos Bispos, a ser realizada no próximo ano. De acordo com as sugestões do Conselho Permanente da CNBB, foi aprovado que todas as comissões episcopais deveriam contribuir para a revisão das atuais diretrizes. Também esteve em discussão o Mês Missio-

w ENCONTRO dos membros da comissão na sede da POM, em Brasília

nário Extraordinário, o processo de construção do Programa Missioná-

rio Nacional e o prosseguimento do projeto Igrejas Irmãs da CNBB.

A comissão é composta por Dom Esmeraldo Barreto de Farias,

presidente da Comissão Episcopal, Dom Bernardo Johanes, Diocese de Óbidos (PA), Dom Giovanni Crippa, Diocese de Estância (SE), Dom Odelir José Magri, Diocese de Chapecó (SC) e Pe. Antônio Niemiec, assessor da Comissão. Participaram da reunião como convidados, Pe. Maurício Jardim, diretor nacional das POM e Pe. Jaime Gusberti, diretor do Centro Cultural Missionário.


1º Caderno

Igreja

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

7

Dia Nacional da Juventude 2018 Programação deste ano apresenta temática “Juventude construindo uma cultura de paz"

C

om informações CNBB. Este ano, o mês de outubro vai ser mais especial para a juventude brasileira. De 3 a 28 de outubro, acontece em Roma a XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos com o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional” e no Brasil, dia 21, será realizado o Dia Nacional da Juventude (DNJ) que vai trazer a temática: “Juventude Construindo uma Cultura de Paz” e lema “Disse estas coisas para que em mim vocês tenham paz, neste mundo vocês terão aflições, contudo tenham coragem, Eu venci o mundo” (Jo 16,33). Para se preparar para o DNJ já está disponível para compra o material, o cartaz e o subsídio com 48 páginas e que contém três roteiros de

encontros, um Ofício Divino da Juventude, além de dicas de como organizar e preparar os encontros com os grupos de jovens. A proposta é de refle-

tir sobre as temáticas: “Direitos Humanos”, “Cultura de Paz” e “Políticas Públicas para a Juventude”. O material traz também indicações de músicas, citações bí-

blicas, textos, indicações de sites e filmes que podem contribuir com a organização metodológica dos encontros. Este ano, a Campanha da Fraternidade, “Fra-

ternidade e superação da violência” inspirou a criação do cartaz oficial que foi todo desenvolvido a partir dessa temática. A identidade do cartaz traz a cultura de paz

e superação da violência, mostrando o rosto de jovens que são vítimas da violência, mas também protagonistas na busca pela paz. O objetivo é interpelar a partir da ideia da construção da paz como forma de combate à violência e a importante do papel do jovem neste processo. O Dia Nacional da Juventude surgiu em 1985, durante o Ano Internacional da Juventude, promovido pela Organização das Nações Unidas. Todos os anos organiza-se um dia de festa da juventude, sempre com um tema importante a ser debatido e trabalhado com grupos. O DNJ acontece em todo o país todos os anos no último domingo do mês de outubro, exceto nos anos eleitorais, quando a data é alterada, como neste ano.

Mundo juvenil e a fé cristã Dom Antônio de Assis Ribeiro - Bispo Auxiliar de Belém (domantoniodeassis@arqbelem.org)

A consciência da dignidade humana: fomos criados à imagem e semelhança de Deus! (parte 4) INTRODUÇÃO

N

ão haverá sentido para a vida e nem busca da felicidade se, antes de tudo, cada pessoa não tomar consciência da sua dignidade. Nesta reflexão pretendemos convidálo a aprofundar o significado do termo “dignidade humana”. Trata-se de um tema muito falado na atualidade, mas nem sempre os conceitos são adequados. Mas é exatamente o verdadeiro conceito de dignidade humana, aplicado ao indivíduo e ao coletivo, que nos estimula a viver de modo saudável. A violência socialmente disseminada e o vazio existencial que empobrece a vida de tantas pessoas nas mais variadas formas são situações reveladoras da falta de reconhecimento da dignidade da vida e da beleza da nossa existência humana com suas mais variadas riquezas. Portanto, é importante aprofundarmos esse tema.

1

Criados à imagem e emelhança do Criador É perceptível que o ser humano é bem diferen-

te do resto das criaturas! Não se leva em conta aqui a questão física, mas estamos falando do seu modo de ser no mundo e na qualidade da sua relação consigo e com o resto dos seres vivos. O grande e mais profundo fator dessa diferenciação da pessoa humana em relação ao resto das criaturas está no fato de termos sido dotados de capacidades que não estão presentes nos outros seres. Não temos um argumento capaz de justificar toda a extraordinariedade humana e do quanto fomos privilegiados. Não é um puro fato natural mas, sim, partilha gratuita dos dons de Deus para conosco. O “homo sapiens” foi agraciado generosamente por outro Ser! Nós, crentes, pessoas de fé, atribuímos a origem da sua grandeza a Deus. Por isso confiamos naquilo que nos diz as Sagradas Escrituras, que Deus criou o ser humano à “sua imagem e semelhança” (cf. Gn 1,2627; Gn 5,1; Tg 3,9).

2

O Criador presente na criatura O ser humano é portador de uma natural grandeza, muito supe-

rior às outras criaturas, assim reflete o salmista: “o que é o homem, Senhor, para dele te lembrares? O ser humano, para que o visites? Tu o fizeste pouco menos do que um deus, e o coroaste de glória e esplendor” (Sl 8,5-6). “SENHOR, o que é o homem, para dele tomares conhecimento, ou o filho do homem, para que por ele te interesses?” (Sl 144,3). “Do céu Javé contempla e vê todos os homens. De sua morada ele observa todos os habitantes da terra: ele formou o coração de cada um, e discerne todos os seus atos” (Sl 33,13-15). O autor sagrado, movido pela fé, reconhece que somos criaturas acompanhadas com carinho pelo Criador. Fomos cuidadosamente projetados por Deus: “Sim! Pois tu formaste meus rins, tu me teceste no seio materno. Eu te agradeço por tão grande prodígio e me maravilho com as tuas maravilhas! Conhecias até o fundo de minha alma, e meus ossos não te eram escondidos. Quando eu era formado, em segredo, tecido na terra mais profunda, teus olhos viam as minhas ações, e eram

todas escritas no teu livro” (Sl 139,13-16). O fator fundamental que faz do ser humano nobre em sua natureza diante dos demais seres vivos é a sua alma imortal: “Então Javé Deus modelou o homem com a argila do solo, soproulhe nas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se um ser vivente” (Gn 2,7 e outras Gn 6,3; Jó 27,3; Jó 32,8; Jó 33,4; Sb 15,11). A alma (espírito) é a participação de Deus em nós, é isso que nos mantém com vida e dinâmicos e capazes de pensar, querer, decidir, amar! A “imagem e semelhança” não diz respeito à aparência, mas às virtudes, ou seja, às nossas capacidades como sinais ou reflexão de Deus todo poderoso, onipresente e onisciente, Aquele que está presente em tudo e tudo sabe!

3

A dignidade humana Essa superioridade do ser humano em relação ao resto das criaturas recebe o nome de «dignidade humana». A dignidade humana é essa condição de nobreza que o ser humano traz consigo naturalmente. Sendo natural, é ine-

rente ao ser pessoa, por isso, não depende de ninguém! Faz parte da condição humana! Ninguém confere a dignidade a ninguém; a dignidade humana não é uma conquista, é um dom; não é uma situação, é uma condição de ser humano; não depende da qualidade existencial (doente ou sadio, bom ou mau), mas é uma qualidade por ser da espécie humana, independente do seu status. Não é uma meta para onde se caminha, mas é fonte inspiradora para o seu respeito e promoção do seu bem. A dignidade humana é o status natural de ser humano, independente da sua situação física, moral, econômica, cultural, religiosa...A dignidade, por isso, nunca se perde; nunca se deixa de ser humano! Por isso, toda pessoa merece sempre ser acolhida, respeitada, protegida e promovida. A dignidade humana é a condição primária que exige o melhor tratamento possível e as mais nobres condições de vida. A pessoa humana não tem dignidade, mas é digna, ou seja, é nobre, é sagrada, independente de onde e como esteja.

4

A dignidade tem muitas dimensões A dignidade humana é pluri-dimensional, ou seja, é composta por várias dimensões. É a partir dessa realidade que dizemos que o ser humano é complexo. Essas dimensões humanas são as nossas potencialidades naturais, dons de Deus. São potencialidades naturais, mas que precisam ser desenvolvidas. Esse conjunto de dons naturais, dados por Deus, independente de qualquer condição de origem (etnia), cor, sexo, religião, condição econômica e social, compõe a chamada “dignidade humana”. Estamos falando da inteligência, vontade, liberdade, consciência, afetividade, sexualidade, espiritualidade, etc. Vamos aprofundar o significado dessas dimensões! Somos uma totalidade unificada! REFLEXÃO: . Você tinha um conceito claro do que significa “dignidade humana”? . Quais das características humanas, mais nos aproximam do Criador? . O que tem a dizer sobre “o Criador presente na criatura”?

1 2 3


8

Nazaré Repórter

J CERCO DE JERICÓ Ainda dá para participar do Cerco de Jericó promovido pela Comunidade Nova Aliança para interceder pelo bom êxito da da festividade de Santa Maria de Belém. A programação iniciada no dia 6 ocorre todos os dias com Adoração ao Santíssimo Sacramento e Santo Rosário na Capela do Centro J XXXXXX Social São João Paulo II, na rua Dr. Assis, 130. O encerramento

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018 FOTOS: DIVULGAÇÃO

1º Caderno

RÁDIO NAZARÉ

Z MH 3 . 91 FM

l EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

será dia 13, às 19h, com Missa por cura e

libertaçãona Catedral de Belém. Participe!

Informações:(91) 33511866 e 98010-6025.

O Programa Segurança e Cidadania desta sextafeira, 10, trará como tema “Exploração do Trabalho Infantil: não compre, denuncie!” Para explicar o que caracteriza o trabalho infantil, como combater esse tipo de trabalho, quais os tipos de trabalho infantil mais conhecidos no Brasil e quais as ações de enfrentamento são realizadas pelos

órgãos de segurança, a Rádio Nazaré receberá representantes dos órgãos de Segurança do Estado do Pará para falar sobre o assunto.Sintonize 91,3 Mhz a partir de 16h. Lembrando que o ouvinte pode interagir durante a programação ligando para a central de atendimento, no número 4006-9211 ou pelo facebook.com/ radionazare. Participe!

RÁDIO NAZARÉ FM - 91,3. A SERVIÇO DA VIDA. NOSSA MISSÃO É EVANGELIZAR!

REDE NAZARÉ DE TELEVISÃO

J RETIRO PARA CATEQUISTAS A Pastoral da Catequese da Região Episcopal Sant’Ana, junto à Arquidiocese de Belém, realizará no período de 17 a 19 de agosto o Retiro para Catequistas de todas as paróquias de Belém. O encontro será na Casa de Retiro Monte Tabor, localizada na

travessa do Cruzeiro, 404, orla de Icoaraci. A programação contará com palestras sobre diversos temas envolvendo o serviço catequético, espiritualidade, confissões e louvor. Para mais informações: (91) 98190-3050.

AL CAN

30

J CAMPANHA O Setor Juventude da Arquidiocese de Belém está em campanha para arrecadação de colchões para a preparação do Centro Arquidiocesano da Pastoral Juvenil, que

inaugurou no último dia 4 de agosto, em Ananindeua. Quem tiver interesse em ajudar, entre em contato pelos números (91) 98092-6752 / 98165-0892.

l ESPECIAL “ELEIÇÕES” 2018 NA TV NAZARÉ Acompanhe pela TV Nazaré, canal 30.1 – ou na sintonia de sua cidade – a transmissão do programa especial “Eleições 2018”, neste sábado, 11, a partir das 20h. O programa é produzido pela CNBB nacional, dividido em duas partes, sendo esse o primeiro a ser apresentado. Haverá debates com os

PORTAL NAZARÉ

candidatos à presidência da República. A iniciativa da TV Nazaré é propiciar aos telespectadores as informações necessárias a respeito dos candidatos para que possam exercer conscientemente o voto no próximo pleito eleitoral. A eleição será no dia 7 de outubro, e o segundo turno no dia 28 de outubro. W. WW RE. A NAZ .BR O A COM DAC FUN

J RENASCER 2018 J ENCONTRO CURADOS PARA AMAR A Comunidade Católica Kerygma convida a todos para participarem do encontro “Curados para Amar”, no dia 2 de setembro, de 8h às 18h, no Seminário São Pio X, localizado na rodovia BR

316, km 6. O encontro contará com pregações do fundador Gerson Pojo, louvor, adoração e santa missa. As inscrições estão abertas. Para mais informações: (91) 98156-1222.

J FESTIVIDADE NOSSA

SENHORA DAS VITÓRIAS

A Paróquia Nossa Senhora das Vitórias, localizada travessa Antônio Armando, bairro Almir Gabriel, em Marituba/PA, está em festividade. Os festejos iniciaram no dia 3 de agosto

e se estendem até o dia 15. Este ano o tema central da festa é “Maria, tão humana e toda de Deus”. Todas as noites haverá missa, arraial e vendas de comidas típicas. Participe!

A Comunidade Católica Caju, localizada na avenida Almirante Barroso, realizará no período de 28 a 30 de setembro o retiro espiritual “Ressuscita-me”. Em decorrência do ano jubilar da comunidade, o tema do Renascer 2018

será esse. A programação contará com muita adoração, partilha e, claro, a Alegria do Cristo Ressuscitado. Inscrições estão abertas e podem ser feitas na comunidade. As vagas são limitadas. Informações pelo número (91) 3236-1188.

l MÊS VOCACIONAL NO PORTAL NAZARÉ Acesse o fundacaonazare. com.br e acompanhe as publicações e atualizações semanais referentes ao mês das vocações. Siga-nos também nas redes sociais facebook.com/ FNCBelem e twitter. com/FundacaoNazare e fique por dentro do que

acontece na Igreja de Belém e no mundo. Venha para a Família Nazaré e faça parte desta grande família que desperta vocações através da evangelização. Ligue para o (91) 40069211 e faça o seu cadastro ou acesse o site sejamaisum.com


1º Caderno

Igreja

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

9

Igreja no Brasil celebra Semana Nacional da Família 2018 Mesmo tema do Encontro Mundial das Famílias

C

om informações CNBB. A Igreja no Brasil celebra entre os dias 12 e 18 de agosto a Semana Nacional da Família, evento promovido pela Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF). Este ano, o evento que já faz parte do calendário das paróquias brasileiras tem como tema “O Evangelho da Família, alegria para o mundo”, a mesma temática do IX Encontro Mundial das Famílias com o Papa Francisco, que acontece em Dublim, Irlanda, também em agosto. “O ‘Evangelho da Família’ ressalta o lado

positivo da Família, a família como boa notícia, como um bem, um dom de Deus. ‘Alegria para o mundo’ acentua o fato de que ser família não é um aspecto da doutrina, um valor apenas para os cristãos ou para as pessoas religiosas. É uma riqueza para o mundo, para a humanidade toda, destaca o bispo de Osasco (SP) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, dom João Bosco Barbosa de Sousa. Portanto, é preciso se preparar para viver intensamente a alegria que os eventos vão proporcionar. Para incentivar a participação da comunidade, dom Bosco ressalta que a Pastoral Familiar de cada

comunidade, ou mesmo as que não contam com a pastoral, oferecem inúmeras ocasiões de encontros, celebrações, ações missionárias, palestras e eventos sobre os temas ligados à família. Todo o conteúdo para as reflexões sobre temas familiares, roteiros de orações e cantos para motivar a celebração podem ser encontrados no subsídio “Hora da Família”, que já está disponível no site da CNBB ENCONTRO MUNDIAL DAS FAMÍLIAS

Dom Bosco destaca a realização do 9º Encontro Mundial das Famílias, que será realizado de 21 a 26 de agosto em Dublin, na Irlanda que

vem sendo preparado como um grande simpósio, muitas palestras, oficinas, reflexões e celebrações para os milhares de participantes do mundo todo, que levarão para seus países essa reflexão, para que continue dando frutos em toda parte. “Esperamos que esse encontro reforce o trabalho de evangelização que vem sendo realizado pela Pastoral Familiar, esclareça questões, chame a

atenção do mundo para a importância da família, construída segundo a vontade de Deus, pois só assim ela pode ser alegria para o mundo”, finaliza dom Bosco. Do Brasil, além das famílias que se inscreveram no encontro, estarão presentes o presidente da Comissão para a Vida e Família da CNBB, dom João Bosco Barbosa de Sousa, o assessor nacional da comissão, padre

Jorge Alves Filho e o casal coordenador nacional da Pastoral Familiar, Luiz Zilfredo Stolf e Carmen Rodrigues Stolf. O Encontro Mundial das Famílias foi idealizado pelo papa São João Paulo II em 1992 e acontece a cada três anos. O objetivo é “celebrar o dom divino da família” e aprofundar a “compreensão da família cristã como Igreja doméstica e unidade básica de evangelização”.

Dublin se prepara para receber meio milhão de fiéis na Missa com o Papa Capital da Irlanda sediará o Encontro Mundial das Famílias que se realizará de 21 e 26 deste mês. Com informações Vatican News. O Phoenix Park é um dos locais mais movimentados em Dublin durante o verão. Milhares de pessoas escolhem um dos maiores parques da Europa para passar as tardes ensolaradas. Mas a rotina do parque tem sido alterada pouco a pouco desde a última semana. 500 mil pessoas são aguardadas para a missa de encerramento do Encontro Mundial das Famílias, no domingo 26 de agosto, presidida pelo Papa Francisco.

Grades ganham nova pintura, algumas das entradas têm sido fechadas ao público, até nova camada de asfalto é aplicada em algumas vias que cortam o Phoenix Park. Mas as principais mudanças são notadas nas proximidades da “Papal Cross” (Cruz Papal), monumento de 35 metros de altura, marco da missa celebrada por São João Paulo II em setembro de 1979 para cerca de 1,2 milhão de pessoas. O palco onde ficará o altar para a celebração ainda não começou a ser erguido. As obras no local começaram pela demarcação das áreas onde os fieis ficarão, bem como o fechamento de

todo o entorno da área de 15 hectares. Por questões de segurança, foram disponibilizados 500 mil bilhetes gratuitos para a missa campal, os quais se esgotaram em poucos dias de agendamento on-line, ou seja, seis semanas antes da celebração. Mais da metade foi reservado nas primeiras horas de lançamento e quase 50% são moradores de Dublin. PAPA FARÁ O ENCERRAMENTO DO ENCONTRO

O Papa Francisco deixará o Vaticano no sábado pela manhã, 25, e ficará na Irlanda pouco mais de 24 horas. En-

tretanto, foi programada uma série de compromissos, entre encontros com o presidente e o primeiro-ministro, com bispos, com a população em situação de rua e até um voo ao santuário mariano de Knock no domingo pela manhã, onde Francisco irá recitar a oração mariana do Angelus diante de 45 mil peregrinos. Mas os momentos principais da visita papal serão os atos centrais do Encontro Mundial das Famílias: o Festival das Famílias, sábado à noite, no estádio Croke Park, e a missa de encerramento para meio milhão de pessoas, na tarde do domingo, 27. DIVULGAÇÃO

w LOCAL DO ENCONTRO Phoenix Park, um dos pontos mais movimentados de Dublin

Origem e características do Encontro Mundial das Famílias Para o padre Timothy Barlett, secretário geral do Encontro Mundial das Famílias 2018, a alta procura já era esperada pelos organizadores. “Ao mesmo tempo em que estava cauteloso no começo e um pouco surpreso que cada atividade do evento estava esgotada com

seis semanas de antecedência, incluindo a missa para meio milhão de pessoas, eu não estou surpreso de modo algum pelo alto nível de interesse. Família é importante para todos nós. As pessoas gostam do que o Papa Francisco está dizendo sobre a família e a Igreja”.


10

Santa Missa

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

1º Caderno

Horários de Missas nas paróquias da Arquidiocese de Belém REGIÃO EPISCOPAL SANT’ANA

(Basílica Santuário) Nazaré - Belém Sábado: 7h, 8h30,12h,17h Domingo: 6h30, 8h, 10h, 16h30, 18h e 20h Telefone: 4009-8400

Telefone: 3297-7250

N. Sra. das Mercês (Reitoria) Comércio - Belém Sábado: 12h e 17h, Domingo: 12h e 17h

São Francisco de Assis (Capuchinhos) São Brás - Belém Sábado: 19h30 Domingo: 6h, 7h30, 9h30,18h, 20h Telefone: 3073-1500

Nossa Senhora de Fátima Icoaraci - Belém Terça, quinta e sexta: 18h30 Sábado: 19h - Domingo: 19h Telefone: 3297-7251

N. Senhora Auxiliadora Anita Gerosa (Aurá) - Ananindeua Domingo: 7h e 18h Telefones: 3255-3828

Sant'Ana da Campina Comércio - Belém Sábado: 12h (Igreja Matriz) Domingo: 7h (Col. D. Bosco) 9h (Igreja Matriz) Telefone: 3230-3734

Santo Antônio do Tucunduba Guamá - Belém Sábado: 19h30 Domingo: 7h e 19h30 Telefone: 3274 -9001

Jesus Bom Samaritano Tapanã - Belém Domingo: 7h30 e 19h30 Telefone: 3033-2004

N. Senhora das Vitórias Almir Gabriel - Marituba Sábado: 19h Domingo: 7h, 19h Telefone: 3292-0013

Nossa Senhora da Graça (Catedral) Cidade Velha - Belém Sábado: 19h, Domingo: 7h, 9h e 19h Telefone: 2121-3723/ 2121-3724

São Judas Tadeu Condor - Belém Sábado: 19h. Domingo: 7h, 9h e 19h Telefone: 3115-6020 Santa Teresinha do Menino Jesus Jurunas - Belém Sábado: 6h e 18h30 Domingo: 6h30, 8h30 e 18h Telefone: 3272-2251 Santo Antônio de Lisboa Batista Campos - Belém Sábado: 6h30, 12h, 17h e 18h30 Domingo: 8h, 11h, 17h, 18h30 e 20h Telefone: 3215-7004/ 3222-0097 Santíssima Trindade Campina - Belém Sábado: 16h,Domingo: 7h, 10h, 11h30, 17h30 e 19h Telefone: 3215-7007/ 3242-4917 Nossa Senhora da Conceição Cidade Velha - Belém Sábado: 18h30, Domingo: 7h, 9h e 18h Telefone: 3215-7006 São José Umarizal - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 11h e 19h Telefone: 3230-1633 Santa Luzia Jurunas - Belém De terça a sexta-feira: 19h Sábado: 18h30 Domingo: 7h; 9h; 18h30 Telefone: 3271-2146 Nossa Senhora de Lourdes Nazaré - Belém Seg a Sáb: 6h30 e 18h Domingo: 7h, 9h, 17h30 e 19h30 Telefone: 3223-5728 Nossa Senhora do Carmo Cidade Velha Sábado: 18h - Domingo: 7h REGIÃO EPISCOPAL SANTA MARIA GORETTI Santa Maria de Belém Terra Firme - Belém Terça: 19h Sábado: 19h - Domingo: 7h30 e 19h Telefone: 3253-5422 São Pedro e São Paulo Guamá - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 18h30 Telefone: 3283-6021/3259-0413 São José de Queluz Canudos - Belém Segunda a sábado: 6h30 e 19h Domingo: 7h, 10h, 17h e 19h Telefone: 3226-2612 São Domingos de Gusmão Terra Firme - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 19h30 Telefone: 3253-2656/3274-4746 São Miguel Arcanjo Cremação - Belém Sábado: 18h30 Domingo: 7h30, 11h e 18h30 Telefone: 3283-6022 Nossa Senhora de Fátima Fátima - Belém Sábado: 17h30 Domingo: 6h45, 8h30, 17h30 e 19h30 Telefone: 3266-1392/3226-0503 Santa Maria Goretti Guamá - Belém Domingo: 9h30 e 18h Telefone: 3283-6023 Nossa Senhora de Nazaré

REGIÃO EPISCOPAL SANTA CRUZ Imaculada Conceição Castanheira - Belém Sábado: 17h. Domingo: 7h e 19h Telefone: 3277-4642/98111-8110 São Sebastião Sacramenta - Belém Sábado e domingo: 7h, 17h e 19h Telefone: 3264-9060/3254-7354 Jesus Ressuscitado Marambaia - Belém Sábado: 18h Domingo: 7h, 10h e 18h Telefone: 3277-4643 São Geraldo Magela Val de Cans - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h30, 10h30 e 18h Telefone: 3257-7950 N. Sra do Perpétuo Socorro Segunda a sábado: missa - 19h Domingo: missa: 7h, 8h30, 17h30 e 19 h - Telefone: 3233 1797 São Jorge Marambaia - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h, 17h e19h Telefone: 3277-4641 São Raimundo Nonato Umarizal - Belém Sábado: 6h30 e 18h Domingo: 6h30, 8h30 e 18h Telefone: 3277-4644 Santa Cruz Marco - Belém Sábado: 18h30 Domingo: 7h, 9h, 11h e 18h30 Telefone: 3277-4640/3276-0941 Nossa Senhora da Conceição Aparecida Pedreira - Belém Terça a Sábado: 18h Dom.: 7h, 9h e 18h/1ª Sexta-mês: 9h Telefone: 3233-4224/3276-9573 São Francisco Xavier Marco - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h e 18h Telefone: 3352-8845 N. Senhora, Mãe da Divina Providência Val de Cans - Belém Sábado:19h - Domingo: 7h e 19h Telefone: 3257-2388 Sagrada Família Curió Utinga - Belém. Sábado: 7h e 19h30 Domingo: 7h, 9h e 19h30 São João Paulo II Souza - Belém De terça a sábado: 18h Domingos: 8h e 18h Telefone: 3277-4062 Nossa Senhora de Loreto Marco - Belém Telefone: (91) 3355-6302 Sábado: 17h Domingo: 7h, 9h, 11h, 17h e 19h São Benedito Rua São Benedito, Barreiro Terça a sexta-feira - 19h Sábado - 8h (missa com crianças) Domingos - 7h30 e 18h30 REGIÃO EPISCOPAL SÃO JOÃO BATISTA São João Batista e Nossa Senhora das Graças Icoaraci - Belém Terça a sexta: 6h30 Sábado: 6h30, 17h, 20h Domingo: 7h e 18h

São Francisco de Assis Tapanã - Belém Domingo: 7h e 18h30 Telefone: 3258-8036

São Francisco das Ilhas Cotijuba - Belém Terça e quinta: 19h30 Sábado: 19h30 Domingo: 7h e 19h30 Telefone: 3247-1438 Nossa Senhora da Imaculada Conceição Outeiro - Belém Terça e quinta: 19h; Sábado: 9h Domingo: 7h e 18h Telefone: 3267-1174 Nossa Senhora do Livramento Icoraci - Belém Terça, quinta, sexta e sábado:19h Domingo: 7h e18h Telefone: 3288-4250 Divina Misericórdia Águas Negras - Icoaraci Terça a sexta: 18h30 Sábado: 17h e 19h30 (comunidade) Domingo: 7h e 19h 30 Santo Afonso de Ligório Pratinha - Belém Sábado: 19h Domingo: 8h30 e19h Telefone: 3258-1554/3274-8281 São Francisco de Assis Campina - Icoaraci Domingo: 7h, 9h e 18h30 De terça-feira a sexta-feira: 19h Telefone: 3297-0765 REGIÃO EPISCOPAL CORAÇÃO EUCARÍSTICO DE JESUS Coração Eucarístico de Jesus Catalina - Belém Sábado: 18h Domingo: 7h, 10h e 18h Telefone: (91) 3285-1433 Santa Edwiges Mangueirão - Belém Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h30 e18h Telefone: 3279-1654 N. Senhora Rainha da Paz Bengui - Belém Domingo: 7h, 9h e 18h30 Telefone: 3277-4645 Nossa Senhora do Bom Remédio Conjunto Satélite - Belém Sábado: 17h30 Domingo: 7h e 18h30 Telefone: 3289-5355/3248-1136 Natividade de Nosso Senhor Jesus Cristo Conjunto Sideral - Belém Domingo: 7h, 9h e18h Telefone: 3067-2017 Santa Luzia do Bom Futuro Cabanagem - Belém Sábado: 17h - Domingo: 7h e 19h São José de Anchieta Alameda Ns-13, 65 - Coqueiro Sexta - 7h30 Domingo - 7h; 18h Santa Teresinha do Menino Jesus Tenoné - Belém Domingo: 7h e 18h Telefone: 3289-5368 Nossa Senhora de Lourdes Coqueiro - Ananindeua Sábado: 17h. Domingo: 7h e 19h Telefone: 3275-2391 Santo Antônio de Pádua Coqueiro - Ananindeua Sábado: 19h. Domingo: 7h e 18h Telefone: 98152-2200 Arcanjo São Miguel Una - Ananindeua

Sábado: 19h Domingo: 7h30. 9h30 e 19h Telefone: 3234-4674 REGIÃO EPISCOPAL MENINO DEUS

Sagrado Coração de Jesus Júlia Seffer - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h30, 9h e18h Telefone: 3265-5413 Sagrado Coração de Jesus Distrito Industrial - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h, 8h30 e 17h30 Telefone: (91) 98855 - 2232

Área Missionária São Paulo, Apóstolo Rodovia BR-316 Domingo: 9h e 11h Telefone: 98292-9199 Santíssimo Sacramento Nova União - Marituba Sábado: 18h30 (Capela N. Sra. do Perpétuo Socorro) Domingo: 18h30 (Capela S. Francisco de Assis) REGIÃO EPISCOPAL SÃO VICENTE DE PAULO Cristo Rei Guanabara - Ananindeua Domingo: 7h, 9h30 e 19h Telefone: 3235-1405 Divino Espírito Santo Cidade Nova - Ananindeua Sábado: 7h. Domingo: 7h, 9h e 18h Telefone: 3263-0603 Santo Inácio de Loyola Icui Guajará - Ananindeua Domingo: 7h e18h Telefone: 991541971

Paróquia Nossa Senhora do Carmo Benevides Sábado - 19h Domingo - 8h e 19h Telefone: (91) 3724-1098

São Lucas Evangelista Guajará - Ananindeua Quinta : 7h e 18h30. Sexta: 18h30 Sábado: 9h e18h30. Domingo: 7h, 17h e 19h Telefone: 3353-0364

Menino Deus Centro - Marituba Domingo: 6h, 8h30 e 18h Telefone: 3237-8351

Santa Maria Mãe de Deus Maguari - Ananindeua Terça, quarta, sexta e sábado: 7h Quinta: 19h; Domingo: 7h e 19h Fone: (91) 3255-5284

N. Sra. de Nazaré Quarta - feira Horário de Missa: às 19h Domingos: às 8h30 Telefone: 98040-5117 /98102 - 7344

Santa Teresinha Águas Lindas - Ananindeua Domingo: 7h30 e 18h Telefone: 9916-4548/99169-3443

N. Sra. das Graças Centro - Ananindeua Sábado: 19h Domingo: 7h e 19h Telefone: 3255-2654

N. Senhora de Guadalupe Coqueiro - Ananindeua Terça a sexta: 19h Sábado: 18h30 Domingo: 7h ,9h e18h Telefone: 3245-7440

N. Sra. do Ó Vila - Mosqueiro Sábado: 19h30 Domingo: 6h30, 9h30 e 19h30 Telefone: (91) 3771-1278

Cristo Peregrino Jaderlândia - Ananindeua De Segunda a Sábado: 19h Domingo: 7h,17h e19h Telefone: 3237-9891

São Pio X Águas Lindas - Ananindeua Domingo: 7h30 e 19h30 Telefone: 32155-2583

Santa Paula Frassinetti Cidade Nova VI - Ananindeua Segunda e quarta: 18h30 Terça e quinta: 19h30 Sexta: 7h. Sábado: 19h Domingo: 7h, 9h, 18h Telefone: 3279-2620

Santa Rosa de Lima Independente - Benevides Terça a Sexta:18h, Sábado:17h, 19h Domingo: 07h30 e 19h Telefone: (91)3724- 1135 Bom Pastor Nova Marituba - Marituba Segunda a Sexta: 18h Sábado: 6h, 9h30 e 19h Domingo: 6h, 9h30 e 19h Telefone: 4106-0202 N. Sra da Conceição Praça Matriz - Benfica Domingo: 6h15 e 19h30 Telefone: 3450-8147 N. Sra da Conceição Carananduba - Mosqueiro Ter a Sex: 18h30 Sábado: 18h30 Domingo: 7h e 19h Telefone: 3772-1183 Santa Bárbara Centro - Santa Bárbara Domingo: 7h30 e 19h Telefone: 3776-1529 São Marcos Uriboca - Marituba Terça: 19h. Domingo: 7h e 19h Telefone: 3237-8351 Pedro Pescador Baía do Sol - Mosqueiro Ter a sexta: 19h (Igreja S. Sebastião) Quarta: Matriz - 19h Sábado:19h (Igreja São Sebastião) Domingo: 8h (Ig. S. Sebastião); 10 h 3 0 ( I g . D i v. E s p . S a n t o ) ; 19h ( Matriz) Telefone: 99919-4153

Transfiguração do Senhor Curuçambá - Ananindeua Sábado: 18h30 e 20h Domingo: 7h e 18h30 Telefone: 3286-8570 Santa Rita de Cássia Cidade Nova V - Ananindeua. Sábado: 6h30 e 17h30 Domingo: 6h30, 8h30, 7h30 e 19h30. Telefone: 3273-3191/ 3273-3310 Paróquia Santíssimo Redentor Icuí-Guajará - Ananindeua Sábado: 19h30 - Igreja Matriz Domingo: 7h - Igreja Matriz 9h - Comunidade Santo Afonso 17h - Igreja Matriz 19h - Comunidade Cristo Rei São Vicente de Paulo Paar - Ananindeua Domingo: 7h, 8h30 e 19h São José Operário Conj. Carnaúba, Icuí - Ananindeua Domingo: 7h e 18h Telefone: 3295-3545/3031-1172 Nossa Senhora do Amparo Cidade Nova 8 - Ananindeua Terça a Sexta: 19h - Sábado: 19h30 Domingo: 7h, 9h e 18h Telefone: 3287-2418 Santo André Apóstolo Coqueiro - Ananindeua Segunda a sexta - 19h Sábado: 19h45 - Domingo: 8h 19h Telefone: (91) 3235-1658

Não encontrou o horário das missas da sua paróquia aqui? Entre em contato com seu pároco ou com a secretaria da sua paróquia e solicite que nos informem para podermos publicar.


1º Caderno

Fundação Nazaré 11

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

FOTOS: DIVULGAÇÃO

w MISSA presidida pelo padre João, auxiliado pelo diácono Benedito

A

introdução da Missa pela Família Nazaré anunciou que “nesta celebração, vamos todos rezar pelos benfeitores da Família Nazaré que, quando se dispõem a ajudar um pouco todo mês, ajudam a Arquidiocese de Belém a ir bem mais longe com a Palavra de Deus, como esta Santa Missa, que pode ser vista pela televisão, para alegria dos irmãos que não estão nesta capela”. O comentarista referia-se à Missa mensal que a Arquidiocese de Belém celebra toda primeira sexta-feira do mês em agradecimento a Deus pela vida das pessoas que formam a Família Nazaré,

w HOMENS rezaram na capela o Terço Mariano antes da Missa

Missa pela Família Nazaré teve Terço Mariano A celebração é mensal e transmitida ao vivo pela TV Nazaré chamados sócios benfeitores, transmitida ao vivo pela Rede Nazaré de Televisão, canal 30, e exibida em cadeia pela Rádio Nazaré FM assim como pelo Portal Nazaré. São pessoas de boa vontade que ajudam a Arquidiocese de Belém a manter em funcionamento os veículos da Fundação Nazaré de Comunicação – TV

Nazaré, Rádio Nazaré FM, Jornal Voz de Nazaré e o Portal Nazaré. “Agradecemos a Deus nesta ocasião por esses nossos irmãos”, repetiu o padre João Mendonça, pároco da Paróquia Nossa Senhora das Graças, que presidiu a celebração eucarística na capela da Fundação Nazaré e proferiu homilia baseada

no Evangelho de Mt 13, 54-58, que versa sobre a rejeição de Jesus em Nazaré. “O povo dá as costas a Deus, procura apoiar-se em outros deuses, esquecendo a aliança feita com Deus, o único que pode nos trazer a verdadeira solução para os nossos problemas”, ressaltou o padre, convidando os fiéis a refleti-

rem sobre essa verdade. Depois, padre João convidou todos a fazer parte da festividade de Nossa Senhora da Graça, a padroeira do município de Ananindeua, homenageada neste ano com o tema “Cheia de graça, educadora dos jovens na fé, discernimento e vocação”, com eventos iniciados no dia 4 e que se estendem até o dia 2

de setembro. Na ocasião, o padre também apresentou o grupo de paroquianos que junto com ele, participaram da Santa Missa, conduzindo até o presbitério a imagem peregrina de Nossa Senhora das Graças. TERÇO - A Missa contou com a participação do Movimento Arquidiocesano do Terço dos Homens Mãe Rainha, que todos os meses, comparecem para rezar o Terço Mariano pelos benfeitores, antes da celebração. Neste mês, o grupo de devotos contou com reforço de 40 homens que vieram do município de Barcarena interceder pela Família Nazaré.

Parabéns para você!

E

u agradeço a Deus por mais um ano de vida que Ele está me concedendo e pela minha saúde. Rezo pela saúde da minha família, que Deus continue nos iluminando e Maria intercedendo por nós. Amém. PAUL ADRIAN ANDRADE LIMA, Administrador de Redes 39 anos (15/08) 10/08 Adelaide Maria Carvalho Leão Casal José Alípio Pimentel da Costa e Rosângela Maria de Souza Dom Irineu Roman, Csj Ernestina dos Santos Silva Lourença Fernandes Menezes Lourenço da Rosa Miranda Mara Cely Souza de Abreu Maria Laurença de Moraes Corrêa Marivalda Assunção Silva Marly Sales do Nascimento Raimunda do Reis Siqueira Sérgio Ronaldo Dias da Mota Vagner Costa da Silva 11/08 Claudete Furtado Silva de Souza Edite Cândida Gonçalves Eliete Maria Costa Barroso Francirlei Pessoa de Oliveira Jeanete Maria Pinto Alves José Raimundo de Oliveira Luiz Guilherme Cecin Albim

Maria de Fátima Marquês Araújo Maria Luzia Barbosa Félix Potyguara Mariolina Garcia dos Santos Barile Nely Bezerra Pedrosa Raimunda Santos Lopes Raimundo Jorge Nunes da Cruz Terezinha Vale Lucas Tibúrcio dos Santos Vanja Margareth Bahia Vieira 12/08 Altair Álvares Rodrigues Augusto Martinho Silva Elza Tavares de Figueiredo Idinair Maria Barbosa Bastos Sueli Maria Araújo da Silva Waldelira Nunes de Castro 13/08 Almira Miranda Lobato Casal Valdecir Pantoja dos Santos e Risonely Socorro Mendes Cristiane do Socorro Oliveira de Souza Doracir Siqueira dos Santos Graciete Maria Magalhães Costa Helena de Castro Assunção Helena Freitas da Silva Maria da Conceição Lima Matos Maria de Nazaré Brito Ferreira Maria Helena Cardoso Raimunda Nonata da Conceição Ruth Helena Queiros da Silva 14/08 Antônio Monteiro de Oliveira Exaltina França da Trindade Ivone da Silva Pimentel Jorge Alberto Azevedo Andrade Jumax Moia Teles Margarida Costa Correia Maria da Consolação da Luz Cavalcante Maria de Nazaré Ferreira Sousa Maria José Fernandes da Silva Mosaico Du Lar 15/08 Cipriana Conceição Castro Pereira Ieda Coeli de Miranda Magno Leonia Câmbra Gouveia Maria da Assunção Silva Santos Maria de Nazaré Santa Brígida Maria Ferreira do Carmo Maria Terezinha Assunção Miranda Vieira Oneide dos Santos Almeida Paul Adrian Andrade Lima Ruth Chaves dos Santos Salvador da Costa Osório Pedrosa

Teresa Palheta de Almeida 16/08 Ana Maria Lima do Espírito Santo Carlos Teles de Barros Custódia da Silva Monteiro Gladys do Socorro Dutra Barbosa

w

Ivony Antunes Azevedo Manoel de Oliveira Paes Maria Lucidária Santos dos Santos Minervina Trindade de Oliveira Raul César Gordiano Oliveira Rosângela de Sousa Rodrigues

Aniversário natalício de padres e diáconos diocesanos 10/08 - Pe. Edvaldo Andrade Amaral 10/08 - Diác. Wilson Ferreira Faro Lima 11/08 - Pe. Isan Alves Vieira 11/08 - Diác. Francisco Euvágrio Paes Neto 13/08 - Côn. Joel Lopes de Oliveira 16/08 - Diác. Manoel de Oliveira Paes

w

Aniversário de ordenação dos padres e diáconos diocesanos 15/08 - Diác. Alberto Nazareno dos Santos Carvalho 15/08 - Diác. Ariovaldo Pires de Oliveira 15/08 - Diác. Aroldo Vitor Dos Anjos Monteiro 15/08 - Diác. Evaristo Vitor Farias 15/08 - Diác. Francisco do Nascimento Lima 15/08 - Diác. Gilson Rufino Gonçalves Filho 15/08 - Diác. Herson José Picanço 15/08 - Diác. João da Graça Costa Rodrigues 15/08 - Diác. João da Silva Teixeira 15/08 - Diác. Jorge Raimundo de Aquino 15/08 - Diác. José Bento Marruaz da Silva 15/08 - Diác. José Maria de Araújo 15/08 - Diác. José Maria Pereira Costa 15/08 - Diác. Ademirson Dias de Oliveira 15/08 - Diác. José Wilson de Souza 15/08 - Diác. Luiz Augusto Souza Santos 15/08 - Diác. Manoel Paulo Da Silva 15/08 - Diác. Marcus Vinícius Amaral Soares 15/08 - Diác. Miguel Jorge de Amorim Pinto 15/08 - Diác. Milber Das Mercês Corrêa Dias 15/08 - Diác. Missias Paschôa Aguiar 15/08 - Diác. Nilton Antônio Campos Pinheiro 15/08 - Diác. Otacílio Rodrigues Dias 15/08 - Diác. Paulo Roberto Garcia Barbosa 15/08 - Diác. Pedro de Abreu Ramos 15/08 - Diác. Raimundo Hédison Alves de Oliveira 15/08 - Diác. Raimundo Israel Tavares Martins 15/08 - Diác. Ronaldo Lira Da Conceição 15/08 - Diác. Thomé Da Conceição Saraiva 15/08 - Diác. Walmir De Jesus Corrêa De Souza

AJUDE A MANTER A FUNDAÇÃO NAZARÉ DE COMUNICAÇÃO. LIGUE PARA 4006-9200 E SEJA SÓCIO DA FAMÍLIA NAZARÉ.


1º Caderno Arquidiocese Família lembrada Festa para Virgem de no mês das vocações Nazaré no Maranhão 12

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

Vocação familiar é tema no segundo domingo

A

gosto é um mês voltado às vocações que a Igreja celebra a cada domingo, em quatro eixos de ação voltados ao serviço pela promoção do Reino de Deus. Essas reflexões tem sido aprofundadas desde 1981. Neste domingo celebra-se a vocação da família na pessoa do pai, por ocasião do Dia dos Pais. A família é chamada por Deus a ser testemunha do amor e da fraternidade, co-

eu indico

HENRIQUE AFONSO CARREIRA DE AZEREDO

26 anos Pedagogo

laboradora da obra da Criação. Toda vocação concerne em primeiro lugar ao próprio interessado, mas visto que ela é um ato de Deus, inclui os outros. Neste sentido, um lar cristão, por sua existência, é uma testemunha viva prestada ao amor de Deus. A temática para o mês das vocações em 2018 é “Seguir Jesus a luz da fé” e o lema “Sei em quem acreditei” (2Tm 2,12), estabelecidos pela Pastoral Vocacional do

“E

u indico o livro “Aprendendo com o evangelho de Marcos”, dos autores Paulo César Nodari e Everaldo Cescon. Este livro não tem a ambição de apresentar novidades na interpretação de sua mensagem. Durante a leitura a gente percebe que ele quer nos auxiliar a compreender a centralidade da pergunta “quem é Jesus para os discípulos, para a comunidade e para a Igreja”? Quer auxiliar cada um a sentir-se pessoalmente convidado a seguir os passos progressivos de Jesus na fidelidade ao serviço do Reino. Quer que sejamos um discípulo no qual assumimos o compromisso de testemunhar e anunciar a Boa nova do Reino de Deus, de cada comunidade e de toda a Igreja.”

Brasil em parceria com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Animar e reanimar as comunidades, paróquias e dioceses para que rezem pelas vocações de forma especial incentivando as orações e promovendo as vocações em cada realidade e da sua maneira é a finalidade do mês misssionário. BELÉM - A Arquidiocese, junto ao Serviço de Animação Vocacional (SAV), promove o Festival Vocacionaldeste ano com o tema “Vem, eu te chamo! Vai, eu te envio” e o lema “Quem hei de enviar? Quem irá por nós?” (Is 6,8). A programação será dia 18, constando de música, animação, show de talentos, wo r k s h o p s e estandes com diversos dons de Deus na realidade das congregações religiosas e novas comunidades. Tudo acontece no complexo do Seminário São Pio X, em Ananindeua.

A ilha Estandarte estará comemorando no dia 14 de agosto de 2018 os 90 anos do Círio de Nossa Senhora de Nazaré. Será uma grande festa dedicada em louvor e honra a Mãe de Deus! Estandarte é localidade do município de Cândido Mendes, no Estado do Maranhão. Ali, a animada comunidade prepara-se para viver o círio cujo tema é “90 anos com Jesus e Maria anunciando a alegria do Evangelho”. A devoção a Nossa Senhora de Nazaré iniciou naquela comunidade através de uma grande promessa feita por uma paraense. PROGRAMAÇÃO - As peregrinações iniciadas dia 13 de julho e encerradas domingo, 5, atrairam um grande número de fiéis e devotos de Nossa Senhora. Segunda-feira, 6, a abertura da festa foi com Missa solene e até o dia 14 há muito o que se aproveitar, di-

BOA DICA

LIVROS E CD'S

n AMORIS LAETITIA EM QUESTÃO - Aspectos bíblicos, teológicos e pastorais - Livro (Paulinas, R$ 41,90)

E

zem os organizadores. Neste sábado, 11, o mini círio das crianças percorre as ruas de Estandarte, e no domingo, 12, os fiéis vão conhecer o manto que irá recobrir a imagem da padroeira no dia do círio durante a apresentação oficial da vestimenta na Santa Missa solene. Segunda-feira, 3, haverá a procissão marítima pela manhã e, à noite, a trasladação da imagem de Nossa Senhora. O grande momento de fé para a população de Estandarte será a no dia 14, quando se realiza o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, a maior procissão religiosa da região e a mais antiga romaria do lugar. Tradição, cultura, história e muita beleza se entrelaçam na devoção à Mãe de Jesus, o Filho de Deus. Santa Missa campal encerra o círio em homenagem de Estandarte a Nossa Senhora de Nazaré.

studo, profundo e abrangente do documento Amoris L a e t i t i a , e m n ove capítulos. Reflete sobre alguns aspectos da Exortação Apostólica subdivididos em duas partes: bíblica e sistemático-pastoral para mostrar como a Exortação Apostólica atenta-se à família e aos desafios pelos quais está passando ou está continuamente exposta. Três estudos compõem a parte bíblica, versando sobre o Sl 128[127], usado pelo Papa Francisco para abrir e guiar a Exortação, no que tange à bênção e à felicidade para a família, as seis dimensões do discipulado, baseado no evangelho de Marcos, que fortalecem o amor em família, vinculado a Jesus e à sua Igreja, e minuciosa estatística das citações bíblicas usadas na Exortação para demonstrar que a caridade é o elemento condutor do agir pastoral da Igreja e o caminho promotor do bem em família. Sete estudos compõem a parte sistemático-pastoral do livro.

n A FAMÍLIA NO MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO – Livro (Paulus, Parte superior do formulário, R$ 26,00)

F

rei Humberto Pereira de Almeida, autor da obra, recorre à formação que teve em família como base para sua vida para argumentar o livro. Nasceu de uma família de pais amorosos e de um amor doação, daí a afirmação: “Quem ama pensa pouco em si... Sem amor doação, ‘uma só carne’ não se constrói”. Por isso, frei Humberto está capacitado para falar do amor na família, por ter experimentado, desde o seio materno, o amor de seus pais, e também por ter sido assessor de movimentos de casais e pároco em diversas ocasiões. O livro descreve a importância da união do casal para a família. “A primeira formação humana e religiosa é aquela que se recebe em família.” O ideal da família é apresentado como uma Igreja doméstica, a vivência do Evangelho como uma força fundamental, desafio que se apresenta, de levar juntos sacramento e evangelização. Urge retomar o esforço que inspirou o Vaticano II, para uma Igreja fermento e luz para os povos. E é grande a exigência do amor na vida conjugal, indispensável à construção de um lar. Importe reflexão sobre o matrimônio nos dias de hoje.


BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

Caderno Dois

“Em Família” especial No dia 31 de agosto, a partir das 9h, na sede da Fundação Nazaré

“O

sócio benfeitor da Família Nazaré é um evangelizador em potencial”, sempre destaca o Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, presidente da Fundação Nazaré de Comunicação, quando

fala da estima com que guarda em suas orações as pessoas que todo mês contribuem com suas doações para difundir o trabalho de evangelização realizado pela Rádio Nazaré FM, TV Nazaré, Portal Nazaré e Jornal Voz de Nazaré. E por todo o bem que fazem

os benfeitores é que a Arquidiocese de Belém prepara para eles o programa especial “Em família” que vai ao ar no dia 31 deste mês, ao vivo, das 9h às 12h, pela Rede Nazaré de Televisão – canal 30.1 – ou na sintonia de sua cidade. Acompanhe! É uma cuidadosa produção da diretoria e dos funcionários da Fundação Nazaré com o intuito de homenage-

DOTOS: DIVULGAÇÃO

w ORAÇÃO partilha do cônego Sebastião pela TV para o sócio benfeitor

ar quem já é um benfeitor e, ao mesmo tempo, convidar quem ainda não é a fazer parte desse projeto e integrarse à Família Nazaré.

O programa é gerado dentro da própria Fundação, nos estúdios da TV Nazaré, apresentado por Dom Irineu Roman e Elyvane Bar-

bosa, coordenadora da Rádio Nazaré FM. Representantes de comunidades, artistas locais e sacerdotes diocesanos também participam.

Benfeitor ajuda a Igreja a evangelizar também O convidado especial do programa “Em Família” é o benfeitor. Toda a programação realizada pela Arquidiocese de Belém em unidade com a Fundação Nazaré de Comunicação tem a meta de testemunhar a graça de ser um evangelizador. “Todo o recurso oriundo das doações da Família Nazaré é revertido para o pagamento dos custos do nosso trabalho feito com o objetivo de propagar para todos as ações de evangelização realizadas pela Arquidiocese de Belém”, explica Marcos Aurélio de Oliveira, Diretor Administrativo e Financeiro da Fundação. Tornando-se um benfeitor, o sócio ajuda com sua doação a Fundação

a evangelizar – “qualquer recurso é muito bem vindo para nossa instituição”, ressalta Marcos. "O membro da Família Nazaré pode os ajudar a construir um

grande trabalho missionário”, assegura o diretor. A retribuição da Arquidiocese de Belém se dá de diversas formas. Uma delas é a intensa

oração em ação de graças a Deus pelos benfeitores, como o programa “De mãos dadas”, apresentado pelo cônego Sebastião Fialho. Além disso, outros programas na

TV Nazaré promovem momentos de grande espiritualidade, como a Adoração ao Santíssimo Sacramento. Os privilegiados dias de oração são disseminados para todo o povo de Deus não apenas pela TV, mas pelos demais veículos, como o Portal Nazaré que reproduz transmissões ao vivo e em tempo real via internet no endereço eletrônico www.fundacaonazare.com. br e também pelas

w ADORAÇÃO na TV Nazaré conduzida pelo padre Gelcimar Santos

SORTEIO Para ser benfeitor, basta cadastrar-se e confirmar sua inscrição efetuando a primeira contribuição. O interessado pode faze-lo aqui mesmo nesta página, preenchendo o formulário abaixo e entrega-lo na Fundação Nazaré.

CAMPANHA SEJA MAIS UM - Colabore com a obra

de evangelização da Arquidiocese sendo mais um benfeitor da Fundação Nazaré de Comunicação. O cadastro pode ser feito pessoalmente na sede da Fundação, situada na avenida José Malcher, nº 915 – Edifício Paulo VI, Nazaré, de segunda a sábado, das 7h às 19h. Ou pelos sites oficiais (www.sejamaisum. com), (www.fundacaonazare.com.br), ou pelo telefone (91) 4006-9211. Se preferir entrar em contato por e-mail, envie mensagem para famjor@fundacaonazare.com.br e faleconosco@fundacaonzare.com.br via internet no endereço eletrônico www.fundacaonazare.com. br e também pelas

do Senhor toda a sua gratidão, assim como também os seus pedidos de oração.

Há outras formas de cadastrarse. (Leia a informação ao lado formulário). Encontre o melhor meio para inscrever-se. A cada evento do “Em Família”, a Arquidiocese de Belém tem procurado registrar concretamente seu

agradecimento pelas doações. O programa do dia 31 de agosto terá em um dos seus momentos o sorteio de uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré com manto confeccionado e doado pelo estilista Luiz Langer.

redes sociais. A “Adoração” tem duração de uma hora. Vai ao ar das 15h às 16h, nas tardes de segunda a sexta-feira. Ao longo da transmissão, o sacerdote medita o Evangelho, conduz orações e faz o convite para que o telespectador se deixe envolver pela presença de Deus e coloque diante do Senhor toda a sua gratidão, assim como também os seus pedidos de oração.


2

Igreja

2º Caderno

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

Miscelânea Côn. Cláudio Barradas (claudiobarradaspe@gmail.com)

A propósito do Círio (35)

C

ontinuando a síntese cronológica do culto à Virgem de Nazaré em nossa cidade, que há várias edições aqui venho fazendo, começo hoje pelo ano de 1969, ficado incompleto por falta de espaço. 1969: a imagem venerada na capela do Colégio Gentil, que desde não sei quando passara a substituir, para poupá-la de quaisquer danos, a do achado de Plácido, levada no Círio desde o primeiro em 1793, que, salvo engano, ainda nem tinha esse nome, foi substituída por outra, encomendada, nesse ano, ao escultor italiano Giacomo Mussner pelo padre Miguel Giambelli, à época vigário de Nazaré. Vigário, então, era o padre que administrava uma paróquia. Atualmente vigário é o padre que ajuda o pároco. R azão da substituição acabada de ver: muito embora constasse no pedestal da imagem do Gentil “Nossa Senhora de Nazaré”, ela, já o vimos numa de nossas edições passadas, lembrava muito mais Nossa Senhora do Livramento, motivo pelo qual fora rejeitada, tão logo vista a primeira vez, por todo o povo do Círio.

O padre Giambelli queria que a imagem encomendada a Mussner fosse uma cópia fiel à do achado. Para o que, enviou-lhe todas as indicações necessárias, além de fotos da de Plácido de todos os ângulos. Mízar estava ao lado do fotógrafo nesse momento. Pontos iguais, nela, à do achado: cabelos castanhos escuros caindo, soltos, em cachos, no mesmo lado dos ombros, e o Menino Jesus despido sentadinho no braço esquerdo, sustendo um globo azul. Debaixo dos pés da Virgem, uma nuvenzinha, com a cabeça de um anjo. Duas diferenças. A primeira: enquanto a do achado é uma senhora portuguesa de seus 30 anos, a de Mussner tem feições de uma moça de 17 para 18 anos. A segunda: o Menino Jesus da do achado lembra um europeu: é claro, de cabelos louros. Já o de Mussner tem rosto de um menino da Amazônia: cabelos negros, olhos empapuçados e nariz redondinho. A cópia de autoria de Mussner é a que sai em todas as

romarias – Trasladação, Círio e Recírio -, bem como na procissão do último domingo da Festa. É conhecida pelo povo como “A Imagem Peregrina”, do que Mízar, com carradas de razões, não gosta, preferindo chamá-la “A Senhora da Berlinda”. Ela não fica, durante todo o ano, na Capela do Gentil, como pensa o povo. Horas depois do Recírio, é trazida para a Basílica e guardada creio que num oratório, na Sacristia, no gabinete do pároco. Durante a quinzena da festividade, ao término do Círio, ela ocupa um lugar de honra ao lado direito da Avenida Nazaré do Altar da praça Santuário, para visitação dos devotos. Da década de 70, tenho dados de todos eles, menos o de 1978. Comecemos a vê-los até onde o espaço der. 1970: - o número de promesseiros da corda cresceu tanto que, para nela haver lugar para todos que faziam questão de segurá-la, como também para equilibrá-la, resolveu-se posicioná-los, quer do lado de dentro, quer do

lado de fora, em toda a sua extensão. Note-se que, àquela época, ela não tinha o formato linear que tem atualmente e, sim, o de um grande “U”, cujas pontas iniciais estavam ligadas ao leme do carro da Berlinda Conta Mízar (“Dois Séculos de Fé”, pág. 34) que não poucos do lado de fora diziam aos de dentro que eles estavam pagando a promessa pela metade, por ser mais folgado ir ali. Será? Tenho cá minhas dúvidas, pois, tanto de um lado como de outro o páreo era duro. Havia até quem – como diz lá o poeta, “meninos, eu vi” – não podendo segurá-la diretamente, consolava-se procurando segurá-la digamos, por procuração, ou seja, segurando um dos ombros dos que, por terem chegado bem cedo, - a grande maioria dormia ali mesmo no chão, já no seu lugar - tinham a sorte de segurála com as próprias mãos, alguns só com uma, às vezes a mão de um sobre a de outro. - O terno e a gravata da Diretoria deram lugar a jalecos (camisa e calça) de man-

gas curtas e tecido mais leve, ideia mais que benvinda e, sobretudo, prática, de um dos diretores, o comerciante Sahid Xerfan. - Tentou-se trazer de volta a cavalaria para abrir o Círio, o que logo foi descartado, devido ao fato de os excrementos dos cavalos emporcalharem o chão, obrigando os romeiros a ginásticas e a malabarismos, para não os pisar, tanto mais que a maioria ia descalça. - O Conselho de Cultura edita o livro “Um culto religioso que atravessa os séculos – Nossa Senhora de Nazaré”, de autoria de João Alfredo de Mendonça e a “Gráfica”, uma editora de Belém, o de Maria Paula Ramos Chaves “Belém onde ser afirmam as promessas da Amazônia.” Isso aí de cima é tudo que sei e tenho sobre os anos 70. Tendo o meu espaço chegado ao fim, os demais anos dessa década ficam para a próxima edição. Até por lá, se Deus mo permitir. Imitando Jesus, Shalom!

Santos da semana Diác. Benedito Otávio (artpresent@superig.com.br)

14/08 - TERÇA-FEIRA São Maximiliano Maria Kolbe - Sacerdote e Mártir

10/08 - SEXTA-FEIRA São Lourenço - Diácono e Mártir

Este humilde polonês e servo franciscano, assim como outros mártires que viveram os horrores das duas grandes guerras mundiais, lutou usando os meios de comunicação, em pleno período nazista, para evangelizar. Fundou a “Milícia da Imaculada” em 1917. Em 1922 criou a revista “Cavaleiro da Imaculada”, fechada, em dezembro de 1940, pela Gestapo. Foi levado ao campo de Auschwitz, onde se ofereceu para morrer no lugar de um outro prisioneiro. João Paulo II o chamou de “patrono de nosso difícil século”.

Depois da morte do seu pastor, Papa Sisto II, chegou a vez de Lourenço, acontecendo-lhe o que o papa tinha pré-anunciado: “sua coroa será daqui a três dias”. Ao governador que lhe ordenara a entrega dos tesouros da Igreja, trouxe-lhe viúvas, aleijados e mendigos, dizendo-lhe: “eis aqui o tesouro precioso da Igreja". Foi então condenado a ser queimado vivo em uma grelha. Diz a tradição que Lourenço não sentia o fogo e disse ao carrasco: “Vira-me, deste lado já está bom”. Foi considerado como “Príncipe dos Mártires”.

15/08 - QUARTA-FEIRA Beato João de Sevilha - Cardeal

11/08 - SÁBADO Santa Clara de Assis - Virgem

Essa grande amiga de S. Francisco, em vida, já demonstrava sinais de santidade. Contraiu uma doença que a deixou acamada. Então, viu o sepultamento de Francisco projetado na parede de seu quarto. Na noite de Natal, viu o presépio e acompanhou o santo ofício na igreja de Santa Maria dos Anjos. Por isso é considerada padroeira da televisão. Outro fato foi o impedimento da invasão dos turcos, por ela, utilizando o ostensório com o Ss. Sacramento. Canonizada dois anos após sua morte. 12/08 - 19º DOMINGO DO TEMPO COMUM Santa Joana Francisca de Chantal - Religiosa

Filha de um político francês do séc XVI. Casou-se com o barão de Chantal aos 20 anos e por 8 anos viveram felizes com seus 6 filhos, até seu esposo falecer em um acidente na caçada. Começa então uma nova página em sua vida. Com a orientação espiritual de S. Francisco de Sales, cuidou dos filhos. Muito depois tornouse carmelita. Ela e S. Francisco criaram a Cong. de Visitação de S. Maria. Como S. Vicente de Paulo e S. Luísa de Marillac, foram chamados “casais da caridade”.

13/08 – SEGUNDA-FEIRA Ponciano e Hipólito de Roma - Papa e Teólogo, Mártires

Ponciano herdou dos seus sucessores Calisto I e Urbano I as dificuldades causadas pelo cisma de Hipólito, que era muito conservador e profundo conhecedor da teologia, e foi contra a clemência excessiva para com os hereges, causando assim, divisão. Tornouse o primeiro Antipapa da história. O imperador da época, Severo, mandou os dois ao exílio na Sardenha. Lá eles se reconciliaram, trazendo a paz, mas suas vidas foram ceifadas por ordem do imperador em 235.

O papa Francisco disse em entrevista à Globo News: “Eu diria isto: na Cúria Romana há muitos santos”. Cúria bombardeada; Cúria criticada até por católicos. Pois eis que trago um cardeal, espanhol de Sevilha, da Ordem dos Mercedários combatentes da liberdade no século XVI, bispo de Santa Maria de Trastevere, conhecido pela sua humildade, misericórdia, intensa vida de oração e jejum. Era chamado para expulsar demônios. Atribuem-lhe muitos milagres. Faleceu em Avignon, França, 1556. 16/08 - QUINTA-FEIRA Santo Estêvão da Hungria - Rei

Foi convertido por Santo Adalberto, Bispo de Praga. Viveu no séc. XI e dedicou a vida a fazer de seu reino, tanto quanto possível, uma imagem do Reino dos Céus. Foi casado com a Beata Gisela, irmã do imperador Santo Henrique. Deixou por escrito normas de governo para seu filho e herdeiro, Santo Américo, o qual não chegou a reinar pois faleceu antes do pai. A coroa real de Santo Estêvão, oferecida pelo Papa Silvestre II, até hoje é venerada como relíquia e como símbolo da nacionalidade húngara.


2º Caderno

P

ublicamos a segunda meditação de Dom José Tolentino Calaça de Mendonça no Encontro Internacional das Equipes de Nossa Senhora, um Movimento de Espiritualidade Conjugal, ocorrido em Fátima, Portugal, de 16 a 21 de julho, para casais de equipistas e sacerdotes conselheiros espirituais de 92 países, sendo 46% oriundos das Américas. Tolentino nasceu em Machico, a 15 de dezembro de 1965. Teólogo e poeta português, é arcebispo titular de Suava. Foi nomeado Arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e Bibliotecário da Biblioteca Apostólica Vaticana, cargos na Cúria Romana que assumirá no dia 1 de setembro. É professor e foi vicereitor da Universidade Católica Portuguesa até 26 de julho dia de sua nomeação como arquivista. Foi também dire-

Igreja

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

3

O Filho Pródigo, por Dom José Tolentino de Mendonça Tema do Encontro Internacional das Equipes de Nossa Senhora, em Fátima FOTOS: DIVULGAÇÃO

w DOM TOLENTINO proferiu em Portugal profunda reflexão para casais

tor da Faculdade de Teologia da Universidade

Católica Portuguesa. Foi nomeado arce-

bispo titular de Suava pelo Papa Francisco

no dia 26 de junho de 2018, depois de ter orientado o retiro de Quaresma do Papa e dos membros da Cúria Romana, de 18 a 23 de fevereiro, em Ariccia, perto de Roma. Como a rc e b i s p o n o m e a d o Arquivista e Bibliotecário da Santa Sé, ele substitui o arcebispo francês Jean-L ouis Brugès. A Ordenação Episcopal de Tolentino foi no dia 28 de julho no Mosteiro dos Jerônimos, em Lisboa, presidida pelo Cardeal-Patriarca de Lisboa, Dom Manuel Clemente, e con-

celebrantes principais o Cardeal Dom António Marto, Bispo de LeiriaFátima e Dom Teodoro de Faria, Bispo Emérito do Funchal, que em 1990, presidiu sua Ordenação sacerdotal. A temática do encontro mundial das Equipes de Nossa Senhora foi centralizada na Sagrada Escritura, na passagem do “Filho Pródigo”, Lucas, 15, 11-32. Iniciamos a publicação das pregações de Dom Tolentino no Jornal Voz de Nazaré na edição nº 835 (3 a 9/08/18), caderno 2, página 6.

“O filho partiu para um país distante e dissipou os seus bens” A forma como cada um de nós habita o espaço expressa o nosso mundo emocional e as nossas convicções de uma forma flagrante, que não podemos ignorar. Estar dentro ou fora, perto ou longe, tem um significado que não é só geográfico, é também simbólico, existencial, moral. Perguntemo-nos nesta manhã (18/07), na nossa oração, onde estamos. Onde estou eu e onde estamos nós, como casal? No contexto da nossa família, que lugar temos escolhido habitar? O nosso “estar dentro” é deveras um compromisso real e fecundo? Temos ajudado a reunir, tecendo a unidade característica do amor, ou permitimo-nos ser cúmplices da dispersão que enfraquece? A frase que lemos na parábola do filho pródigo e que nos informa que “o filho partiu para um país distante” (Lc 15, 13) oferece-nos muita luz para refletirmos sobre nós próprios. Centremo-nos nessa frase escolhida para este dia: “O filho partiu para um país distante e lá dissipou os seus bens” (Lc 15, 3). Curiosamente, na parábola, Jesus não se detém a explicar que razões levam o filho a tomar a decisão de partir. E não sei quantas braças de profundidade cada ser humano carrega consigo uma dor não resolvida, um desamparo ancestral, uma ferida a céu aberto, um abandono que ainda dói e que, em vez de fazer-nos mergulhar no centro afetivo que nos poderia curar,

nos atira mais ainda para a solidão da distância, onde a secura e a fragilidade se agravam. Como explica São Paulo, na Carta aos Romanos, acontece-nos tantas vezes não fazer o bem que vemos claramente e entregamo-nos, em vez disso, às mãos do mal que detestamos (Rm 7, 19). Temos de contar humildemente com este cru paradoxo nas nossas vidas. Por que é que o filho pródigo parte? Isso não nos vem dito na parábola. Creio que as razões profundas desse afastamento, que podemos identificar também em nós, não se explicitam completamente, só se tateiam. E resultarão, porventura, de uma mistura de coisas: uma inadiável sede de ser, um desejo de autonomia e de individualidade, e, ao mesmo tempo, uma insegurança corrosiva, uma carência, uma sedução por soluções fáceis, uma fuga. As grandes obras de arte dão frequentemente testemunho dessa humaníssima dor. Recordo-me de um conjunto de esculturas de Miguel Ângelo que me impressionou muito. O escultor chamou-lhes “escravos”. Têm em comum o fato

2ª MEDITAÇÃO

w O FILHO PRÓDIGO, do artista Rembrandt

de estarem inacabadas. Miguel Ângelo esboçouas apenas, como se o processo de as arrancar da pedra estivesse destinado a permanecer em aberto. Mas o que se vê ali é espantoso. Naqueles corpos acentuadamente dramáticos, presos ainda ao informe, há como que um grito poderoso que chega até nós e nos atinge. Eles estão em lu-

w SER CASAL é tecer unidade típica do amor

ta para libertar-se da sua própria prisão. Ora, este estado inconcluso, este inacabamento expresso entre luta e tensão, entre necessidade e desejo, simboliza bem a nossa vida. Há tantas coisas que fazemos e que não conseguimos explicar bem senão como fazendo parte desse espasmo dilacerante que é a interminável construção

do que somos. Por isso, há uma parte da história do filho pródigo que compreendemos bem, porque nos toca a todos. Face a isto, o que é amar? – perguntamos nós. Amar é abraçar no outro aquela porção de sofrimento, aquele grito calado que ele transporta, e fazê-lo sem julgamentos, mas com esperança. Amar é tocar com delicadeza aquele fundo confuso e iluminar o que subsiste em cada um de nós. Amar é estar disposto a esperar pelo outro de uma forma incondicional. Amar é adotar aquela passividade do pai da parábola, que nada tem de desinteresse pelo bem do outro, mas é um modo de entrar em diálogo com a ferida que ele transporta e que o condiciona, mas cuja resolução não pode ser imediata. O ponto firme daquele que ama é, assim, não desistir.Que os casais se amparem assim. Num casal não se pode ter a expectativa de pessoas perfeitas. Não raro um obstáculo à felicidade é mesmo a busca idealizada de uma perfeição de catálogo e não o reconhecimento de pessoas reais, de carne e osso. E, do mesmo modo, não existem famílias que não sejam famílias feri-

w FIRMEZA para o casal é não desistir do outro

das, marcadas por umsofrimento, carregando uma cruz muitas vezes maior que as suas forças. Mas Deus não nos deixa abandonados. E de tudo ajuda-nos a fazer caminho. Apoiados em Deus, tudo é graça. Mas o mote evangélico, “o filho partiu para um país distante e dissipou os seus bens”, desafia-nos a uma revisão de vida. Porque é tão fácil perder de vista o essencial! É tão fácil perdermo-nos de vista um do outro na relação conjugal! Sem um trabalho permanente de atenção à nossa realidade, acabamos prisioneiros da rotina, entregamos a condução da nossa vida a um piloto automático e perdemos, aos poucos, a capacidade de ativar as dimensões profundas do amor. Temos de perguntar-nos se também nós não dissipamos o nosso tesouro. Isso acontece, por exemplo, quando relegamos a vida familiar para um segundo plano nas nossas prioridades. Teoricamente, dizemos que é a coisa mais importante, mas depois as nossas ações concretas não dizem isso. Temos de questionar-nos se nos empenhamos, de fato, a qualificar a nossa vida familiar, fazendo do nosso tempo um verdadeiro templo, em vez de desperdiçar as oportunidades que em cada dia Deus nos oferece. Maravilhoso dom é a aventura do matrimônio. Sintamo-lo como uma vocação e uma missão que somos chamados aqui a renovar. Continua na próxima edição.


4

Arquidiocese FOTOS: DIVULGAÇÃO

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

2º Caderno

Candidatos ao diaconato recebem o Leitorato Programação do Dia do Diácono será na festa de São Lourenço

S

exta-feira, 10, às 18h, a Arquidiocese de Belém e a Escola Diaconal Santo Efrem celebrarão o Dia do Diácono na festa de São Lourenço, com o recebimento do ministério do Leitorato por 31 homens oriundos das paróquias arquidiocesanas. A celebração eucarística, na Basílica Santuário,

w SÃO LOURENÇO, patrono dos Diáconos

será presidida por Dom Irineu Roman, Bispo Auxiliar de Belém, que na ocasião também estará celebrando Ação de Graças por seu aniversário natalício. O Leitorato trata-se da conclusão de importante etapa de formação dos candidatos ao Diaconato. Após essa etapa eles estarão aptos a

proceder às leituras da liturgia da Santa Missa, quando necessário. O Diaconato é uma caminhada comum a candidatos que desejem seguir missão na Igreja sem atingir o presbiterado e também uma jornada de formação de muita importância, para aqueles que almejam o sacerdócio. Os primeiros

são diáconos permanentes, enquanto que estes últimos, transitórios. A atual turma de candidatos ao Diaconato começou sua formação em 2016 e têm previsão de formação em dezembro de 2020 com a ordenação. Até lá, ainda irão receber o Acolitato e passarão por estágio pastoral.

Seminaristas em oração O Ministério para Seminaristas da Renovação Carismática Católica (RCC) promoveu o quinto RENASEM Pará (Retiro Estadual para Seminaristas) nos dias 30 e 31 de julho e no dia 1º deste mês, na Diocese de Abaetetuba, com pregação do Frei Rodolfo Pimentel, da Ordem dos Frades Menores. O Centro da Paz, da matriz da Paróquia Cristo Redentor, foi local das atividades iniciadas dia

30 com Missa presidida por Dom José Maria Chaves, Bispo da Diocese de Abaetetuba. Dia 31 pregações, Liturgia das Horas, além de oração, Adoração ao Santíssimo Sacramento e confissões. Após a Missa os seminaristas foram à Paróquia Divino Espírito Santo participar de atividades do grupo de oração “Fogo abrasador”. Salomão Ronaldo, presidente do conselho esta-

dual da RCC Pará, explanou as pregações no dia 1º de agosto, culminando com forte momento de oração. Dom José acolheu os seminaristas em Abaetetuba, “como um pai e pastor.” O seminarista Erick Araújo, coordenador do Ministério para Seminaristas do Pará, agradeceu a ele, estendendo gratidão também à coordenação da RCC local, que muito contribuiu na organização e realização do evento.

w ENCONTRO reuniu diversos seminaristas do Estado do Pará

CRB Pará convoca para Assembleia formativa e eletiva neste mês De 31 de agosto a 2 de setembro, na Casa de Retiros Monte Tabor, em Icoaraci, o regional Pará da Conferência de Religiosos do Brasil (CRB) promove a sua Assembleia formativa e eletiva para eleição do novo coordenador. A CRB está convocando todas as pessoas de vida consagrada para participar da programação, cujo tema será “Saiamos às pressas ao encontro da Vida na Amazônia”. A convocatória voltada aos integrantes da vida religiosa afirma que “no processo de construir uma Igreja com rosto amazônico, sonhamos com os pés postos na terra e

com os olhos abertos pensamos como será essa Igreja a partir da vivência da diversidade cultural dos povos.” E prossegue: “Tendo presente que a Vida Religiosa Consagrada do nosso regional está inserida nesta vasta região amazônica, desejamos, como se expressou o Papa no encontro com as comunidades amazônicas: “Nós precisamos da vossa sabedoria e dos vossos conhecimentos para podermos penetrar, sem destruir, os tesouros que encerra esta região.” A programação inicia-se dia 31, com reunião dos coordenadores de núcleos. Já em 1º

de setembro haverá palestras, apresentação dos serviços da coordenação regional, intro-

dução ao Sínodo da Amazônia, com assessoria de Fátima Fonseca, Santa Missa, oração

e repouso. No último dia de assembleia a programação consta de Santa Missa, eleição, posse da coordenação e almoço festivo. As inscrições são realizadas com preenchimento de ficha cadastral que deve ser entregue à Regional até 24 de agosto, com comprovante de pagamento. Caso tenha dificuldade de efetuar o pagamento, ele poderá ser realizado no local. O pagamento da taxa de inscrição poderá ser feito diretamente na CRB ou por depósito: Banco: Itaú – Ag: 0040 – C/C 24.903-9. Maiores informações: (91) 3297-0643.

Compêndio do Catecismo da Igreja Católica O Jornal Voz de Nazaré continua as reflexões iniciadas em 2013, Ano da Fé, com a publicação do Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. De maneira concisa, a publicação apresenta, numa visão de conjunto, todo o panorama da fé católica, com seus elementos fundamentais.

IV PARTE (A Oração Cristã) SEGUNDA SEÇÃO Os sete pedidos

592

593

Ao pedir a Deus, com o abandono confiante dos filhos, o alimento cotidiano necessário a todos para a própria subsistência, reconhecemos quanto Deus nosso Pai é bom para além de toda bondade. Pedimos também a graça de saber agir para que a justiça e a partilha permitam que a abundância de uns possa suprir as necessidades dos outros. 2828-2834 2861

Uma vez que “não se vive somente de pão, mas de toda palavra que sai da boca de Deus” (Mt 4,4), esse pedido diz respeito igualmente à fome da Palavra de Deus e à do Corpo de Cristo recebido na Eucaristia, bem

. Qual é o sentido do pedido: “O pão nosso de cada dia nos dai hoje”?

. Qual é o sentido especificamente cristão desse pedido? como à fome do Espírito Santo. Nós o pedimos com uma confiança absoluta, para hoje, o hoje de Deus, e isso nos é dado sobretudo na Eucaristia, que antecipa o banquete do Reino que virá. 2835-2837 2861


2º Caderno

Arquidiocese

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

GHGHGHGHGH

Aniversário de ordenação sacerdotal de Dom Alberto

FOTOS: LUIZ ESTUMANO

w DOM ALBERTO ESCOLHEU O LEMA: 'O Pão que eu darei é a minha Carne para a vida do mundo'

Arcebispo completa 45 anos de vida religiosa

N

o próximo dia 15, quarta feira, Dom Alberto Taveira Corrêa, décimo Arcebispo Metropolitano, completa 45 anos de ordenação sacerdotal. No dia Dom Alberto presidirá celebrações eucarísticas na Catedral Metropolitana, às 9h, com os servidores do Altar e, às 19h, na Matriz da Paróquia de Nossa Senhora das Vitórias, em Marituba, por ocasião da festividade.

Nascido em 26 de maio de 1950, na cidade de Nova Lima, região metropolitana de Belo Horizonte (MG), filho de Alberto Corrêa e Maria Conceição Taveira Corrêa, Dom Alberto Taveira iniciou sua caminhada para o sacerdócio no Seminário Provincial do Coração Eucarístico de Jesus como seminarista. Após sua ordenação presbiteral em 15 de agosto de 1973, exerceu atividades

na Arquidiocese de Belo Horizonte. Sua ordenação episcopal aconteceu no dia 6 de julho de 1991, em sua cidade natal, com a imposição das mãos de Dom João Resende Costa, SDB, na época Arcebispo de Belo Horizonte.

Como lema Dom Alberto escolheu a frase em latim “Pro Mundi Vita”, trecho retirado do Evangelho de São João (6, 51) “O Pão que eu darei é a minha Carne para a vida do mundo”. Logo após sua ordenação, Dom Alberto foi de-

signado como Auxiliar na Arquidiocese de Brasília (DF), durante os anos de 1991 a 1996, depois como titular na Arquidiocese de Palmas, no Tocantins, sendo o seu primeiro bispo e permanecendo lá por 14 anos. Em 30 de dezembro de 2009,

5

foi nomeado o décimo Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará, tomando posse em 25 de março de 2010. Atualmente é membro do Pontifício Conselho “Cor Unum”; Assistente da Fraternidade das Comunidades de Vida e Aliança em nome do Dicastério Pontifício para os Leigos, Vida e Família; Membro da Comissão Episcopal para os Textos Litúrgicos da CNBB;Vice-Presidente do CONSER Norte II da CNBB; Assistente Nacional da Renovação Carismática Católica em nome da CNBB; Presidente do Instituto Dom Vicente Zico; Grão Chanceler da Faculdade Católica de Belém; Presidente da Fundação Nazaré de Comunicação, Apresentador dos Programas “Conversa com Meu Povo” (TV Nazaré) e “Palavra de Vida Eterna” (TV Nazaré) e Programa “A voz do Pastor” (Rádio Nazaré FM).

Dom Irineu Roman festeja aniversário natalício nesta sexta, 10 Nesta sexta-feira, 10, Dom Irineu Roman, o sexto bispo auxiliar da Arquidiocese de Belém, festeja com muita alegria o dom da vida, aos 60 anos. No dia, às 6h30, presidirá Santa Missa em Ação de Graças na Residência Episcopal, concelebrada por Dom Alberto Taveira e Dom Antônio de Assis Ribeiro, presentes as religiosas que atuam na residência episcopal e seus habituais frequentadores. Neste dia 10, além de celebrar missa na Residência Episcopal, Dom Irineu preside missa, às 9h, no Abrigo João Paulo II, em Marituba. À tarde, às 18h, na Basílica Santuário também preside a missa na qual os candidatos ao diaconato receberão o Leitorato. Nascido em Vista Alegre do Prata (RS) em 1958, Dom Irineu no dia do seu aniversário agra-

dece principalmente aos familiares e àqueles que estiveram nesta caminhada: “quero dar graças a Deus pelo dom da vida e por todas as pessoas que me acompanharam ao longo dessa história. Em especial agradeço aos meus pais Marcelino e Idolvina (in memoriam) e a todos aqueles que caminharam comigo ao longo desses 60 anos de existência neste mundo.” Sobre a nova idade, considerada por muitos e pelo próprio como a melhor idade, Dom Irineu define que ela traz consigo uma bagagem carregada de muitas experiências, conhecimentos e sabedoria durante seu ministério: “Creio ser essa a melhor idade para um ministério realizado com fervor, fidelidade e amor à Igreja. Faço com muito amor e para o bem das pessoas. Servir a Deus e à Igreja

YOUCAT

mal, principalmente em relação aos seus irmãos. Deus enviou seu Filho Jesus Cristo ao mundo para nos salvar a todos. Não julgue os outros, ajude-os a crescer na fé e no amor. Seja um instrumento de paz neste mundo”. w"CREIO ser essa melhor idade para um ministério realizado com fervor"

no contato diário com as pessoas das diferentes realidades, culturas, cuidar do povo de Deus, de modo particular dos que mais precisam da atenção, da misericórdia, do amor, do anúncio da Palavra de Deus. É a maior

realização de quem serve na Igreja. Por isso sou feliz no meu ministério.” Dom Irineu aproveita a ocasião e dirige-se ao povo de Deus para viver bem a vida: “valorize cada momento de sua vida, dando o melhor de si para o bem

dos seus irmãos e irmãs. Ame a Deus e a seu próximo como a si mesmo. Trabalhe para a edificação do bem em todas as suas dimensões no trato com os semelhantes. Nunca se deixe levar pelo negativismo, pelo espírito do

TERCEIRA PARTE

A VIDA EM CRISTO PRIMEIRA SEÇÃO

Para que estamos na terra, o que devemos fazer e como nos ajuda o Espírito Santo de Deus? SEGUNDO CAPÍTULO

A Comunhão Humana

O

Jornal Voz de Nazaré segue os estudos sobre o YOUCAT - Catecismo da Igreja Católica, escrito para JOVENS que querem saber em que acreditam. Este projeto iniciou-se por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, Rio, 2013.

353. Por que adoramos a Deus? Adoramos a Deus porque Ele existe e porque o respeito e a adoração são a resposta apropriada à Sua manifesta-

ção e à Sua presença. “Adorarás o Senhor, teu Deus, e só a Ele prestarás culto.” (Mt 4,10) [2095-2105, 21,35-2136]

TRAJETÓRIA

Dom Irineu iniciou sua caminha para o sacerdócio em 1976, com apenas 13 anos, no Seminário Murialdo. Fez estudos superiores em Filosofia, na Faculdade da Imaculada Conceição de Viamão e em 1979 na Universidade de Caxias do Sul, em 1980. Cursou também Teologia no Instituto Teológico do Norte do Paraná, em Londrina, e na Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre de 1885 e 1987. Após sua ordenação presbiteral na Paróquia São José, em Vista Alegre do Prata, pela imposição das mãos de Dom Paulo Moretto, passou pela Paróquia Santa Rita de Cássia, em Planaltina, no Distrito Federal, onde atuou como Vigário Paroquial. Em 1999 chegou a Belém assumindo a Paróquia de Santa Edwiges como pároco, até 2013. Em 2014, depois de 23 anos como presbítero, foi nomeado bispo e ordenado em 8 de janeiro, em sua terra natal, pela imposição dos bispos Dom Alberto Taveira, Dom Alessandro Carmelo Ruffinoni e Dom Celmo Lazzari. Tomou posse como bispo auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará no dia 6 de abril de 2014.


Especial 2º Caderno Aborto: CNBB defende a vida no STF 6

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

Episcopado brasileiro ratifica enfática posição em defesa do nascituro DIVULGAÇÃO

w BISPO Dom Ricardo Hoepers, do Rio Grande (RS), representou a CNBB na audiência do STF

P

erante a ministra Rosa Weber e a ministra Carmem Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o Bispo de Rio Grande (RS), Dom Ricardo Hoepers, representou a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) na audiência pública que debateu a descriminalização do aborto e ratificou a enfática posição da Igreja no Brasil em defesa do nascituro. Sexta-feira, 6, segundo dia de exposições, a CNBB esteve entre as 26 entidades que puderam apresentar argumentos quanto à Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, que discute a descriminalização

da interrupção voluntária da gravidez da mulher até a 12ª semana da gravidez. Dom Ricardo baseouse na nota da CNBB “Pela vida, contra o aborto”, divulgada em abril de 2017, e apresentou razões de ordem ética, moral e religiosa para manter a legislação como está, destacou a importância de considerar os reais sujeitos a serem tutelados e citou propostas alternativas à prática, como o apoio da Igreja. Falou ainda pela CNBB o padre José Eduardo de Oliveira, da Diocese de Osasco (SP), questionando a tramitação da ação e apresentou estatísticas. A seguir, o discurso de Dom Ricardo, na íntegra.

DISCURSO DE DOM RICARDO HOEPERS Supremo Tribunal Federal Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 442 - Distrito Federal Pela vida, contra o aborto - “Não matarás, mediante o aborto, o fruto do teu seio” (Didaquê, século I) Exma. Sra. Ministra Carmen Lúcia, Presidente deste Supremo Tribunal Federal, Exma. Sra. Ministra Rosa Weber, relatora da ADPF 442, Srs. Ministros, senhoras e senhores, 1. Razões de ordem ética, moral e religiosa Eu quero iniciar com um ato de agradecimento à Sra. Exma. Ministra Rosa Weber, que no primeiro dia dessa Audiência a Sra. reconheceu que: “trata-se de um tema jurídico delicado, sensível, altamente polêmico enquanto envolve razões de ordem ética, moral e religiosa”. Diante disso é estranho, mas querem nos desqualificar como fanáticos e fundamentalistas religiosos impondo sobre Estado Laico uma visão religiosa. o Onde está o fundamentalismo religioso em aderir aos dados da ciência que comprovam o início da vida desde a concepção? o Onde está o fanatismo religioso, em acreditar que todo atentado contra a vida humana é crime? o Onde está o fundamentalismo religioso em dizer que queremos políticas publicas que atendam saúde das mães e os filhos? Por isso, a “Conferência Nacional dos Bispos do BrasilCNBB reitera sua posição em defesa da vida humana com toda a sua INTEGRALIDADE (dado científico), DIGNIDADE (Art. 1º da Const.) e INVIOLABILIDADE (Art. 5º da Const.), desde a sua concepção até a morte natural” (Nota CNBB, 11/04/2017). Isso é o mínimo de razoabilidade aceitável que nos permite estar aqui para

discutirmos este tema com a recta ratio. 1. Considerar os reais sujeitos a serem tutelados Não podemos tratar o assunto negando, deletando, ignorando a existência do bebê. Parece que estamos falando de uma vesícula biliar, de um rim, ou um adendo que precisamos extirpar, que está causando a morte das mulheres. O foco está errado!!! Se é um problema de saúde publica, deve ser tratado e solucionado como tal. Mas não foram poucas vezes que ouvi nesta Audiência com a ideia de que é necessário que a mulher supere e transcenda a imposição do papel materno. A ideia do desengravidar as mulheres… isso, Exma. Ministra, não tem nada a ver com os artigos 124 e 126 do Código Penal. Mas a questão jurídica dos números 124 e 126 do Código Penal foi recepcionada sim, por todas as mães que pensaram em abortar, mas não o fizeram lembrando que é um atentado contra a vida. Se negarmos isso, negaremos a capacidade de discernimento de todas as mulheres que optaram por não abortar para salvaguardar seus filhos. O desacordo não é jurídico. Desabilitando os já referidos números do código penal, este STF estaria desacreditando na consciência reta que tutela a vida mais frágil e inocente que é a do bebê. O problema é que ninguém quer nominar esse inocente. Ele foi apagado, deletado dos nossos discursos para justificar esse intento em nome da autonomia e liberdade da mulher. Mas a criança em desenvolvimento na 12º semana é uma pessoa, uma existência, um indivíduo real, único e irrepetível e, provavelmente, neste momento, a mãe já escolheu um nome para seu filho. Nós, brasileiros e brasileiras, vamos esperar ansiosamente essa resposta da Suprema Corte: afinal, atentar contra a vida de um ser humano

inocente é crime ou não? Se a questão é de saúde, (Salus – salvar), a lei teria que proteger a mãe e o filho proporcionalmente. Como este STF vai explicar a permissão da pena capital a um ser humano inocente e indefeso para justificar nossa incapacidade de políticas publicas de proteção à saúde reprodutiva da mulher? É assim que o Supremo Tribunal Federal vai garantir a inviolabilidade do direito à vida? Dando uma arma chamada “autonomia” para que homens e mulheres ao seu bel prazer interrompam a vida das crianças até a 12º semana sem precisar dar nenhuma satisfação de seu ato predatório? Esperamos que não, pois, “O direito à vida é o mais fundamental dos direitos e, por isso, mais do que qualquer outro, deve ser protegido. Ele é um direito intrínseco à condição humana e não uma concessão do Estado. Os Poderes da República têm obrigação de garanti-lo e defendê-lo. “Não compete a nenhuma autoridade pública reconhecer seletivamente o direito à vida, assegurando-o a alguns e negando-o a outros. Essa discriminação é iníqua e excludente. (Nota CNBB, 11/04/2017). 1. Propostas alternativas Então poderíamos nos perguntar: o que fazer? Urge combater as causas do aborto, através da implementação e do aprimoramento de políticas públicas que atendam eficazmente as mulheres, nos campos da saúde, segurança, educação sexual, entre outros, especialmente nas localidades mais pobres do Brasil” (Nota da CNBB 17/04/2017), e isto não é matéria para ser discutida nesta Suprema Corte e, sim, no Legislativo. Mas, em todo caso, eu convido a Sra., Exma. Ministra Rosa Weber, que antes de tomar sua decisão, conheça pessoalmente ao menos uma, das casas Pró-vida que começam a

se espalhar pelo Brasil. Nelas, a Sra. não vai encontrar só mulheres que recepcionaram os números 124 e 126 do Código Penal, não atentando contra a vida inocente, mas também encontrará os filhos que elas não abortaram dizendo: “obrigado porque me deixaram viver!!!”. A Sra. poderá mostrar ao mundo que nenhuma sociedade democrática está condenada e obrigada a legalizar o aborto por pressões externas. Poderá mostrar que nosso país não se rebaixa para interesses estrangeiros sobre nossa soberania. Nós também somos capazes de construir projetos sociais alternativos para ajudar as mães a gerar e cuidar de seus filhos. Essas iniciativas já estão demonstrando que é muito mais eficaz, menos oneroso ao Estado e altamente salutar às mães (mulher), salvaguardar a criança (nascituro), do que dar a essas mulheres mais um trauma e um drama pelo resto de suas vidas. É uma pena que o Estado e muitas Instituições ficaram tão obcecados e limitados com a estreita visão do aborto e da sua legalização que, se pensássemos o uso dessas verbas para projetos alternativos de cuidado e acompanhamento das casas de acolhida, hoje estaríamos com uma visão diferenciada. Cito apenas algumas delas: 1. Casa Pró-vida Mãe Imaculada (Curitiba – PR) 2. Casa Luz (Fortaleza – CE) 3. Casa Mater Rainha da Paz (Canoinhas – SC) 4. Associação Guadalupe (São José dos Campos – SP) 5. Casa da Gestante PróVida S Frei Galvão (Nilópolis – RJ) 6. Pró-Vida de Anápolis (Anápolis – GO) 7. Comunidade Santos Inocentes (Brasília – DF) Estamos aqui, porque fazemos parte da maioria dos brasileiros que são movidos pela fé em Deus, mas também pelo

cuidado e defesa da vida. Por essa fé, não medimos esforços nos gestos de verdadeira solidariedade, de justiça e de fraternidade. Tem algo que Deus nos deu e ninguém pode nos roubar, que é a esperança. Nossas comunidades, lá nas periferias do nosso país, conhecem muito bem quem são as mulheres pobres, negras, sofridas… O que fazemos é mostrar outras saídas, outras alternativas para as mães desesperadas. São milhares de voluntários que, nas diversas pastorais, (gostaria de lembrar de quantas crianças neste país a Pastoral da Criança já salvou) acolhem, atendem, amam o que fazem e isso não é fundamentalismo religioso, mas o fundamento da VIDA que é o AMOR, e quem ama cuida até o fim. Pedimos, como CNBB, que esta Suprema Corte não permita a descriminalização do atentado contra a vida nascente. O nome de muitas mulheres que infelizmente morreram por causa do aborto, aqui, foram lembrados… são perdas irreparáveis. Mas, neste momento, a minha homenagem é para as crianças que morreram com suas mães, e que não sabemos seus nomes, mas com certeza, suas mães já o sabiam… Essas crianças anônimas que a sociedade não tem a coragem de nominá-las e as esconde nos seus discursos e retóricas como se não existissem…ELAS EXISTIRAM E EXISTEM, nenhuma sã consciência pode negar isso. Exma. Ministra Rosa Weber, um dia o grito silencioso desses inocentes calará fundo, pois a nossa nação, Pátria amada, mãe gentil, sentirá falta da alegria e do sorriso desses filhos que ela não deixou nascer. Permita-nos continuar cantando: “Dos filhos deste solo, és mãe gentil, Pátria amada Brasil” Dom Ricardo Hoepers – Bispo do Rio Grande – RS Expositor habilitado


2º Caderno

Especial

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

7

Arquidiocese de Belém pronuncia-se em defesa da vida e do nascituro Documento, assinado pelos bispos, defende a sacralidade e a inviolabilidade da vida

F

rente à audiência pública do Supremo Tribunal Federal, convocada pela ministra Rosa Weber, para os dias 3 e 6 passados, a Arquidiocese de Belém posicionou-se a favor da vida em nota divulgada mas mídias sociais quinta-feira, 2, um dia antes da audiência. O documento, assinado por Dom Alberto Taveira Corrêa e seus auxiliares, Dom Irineu Roman e Dom Antônio de Assis Ribeiro, aponta que a descriminalização trata-se de uma manobra política e quer buscar abrir precedentes para a eutanásia e a pena de morte. O documento defende a sacralidade e a inviolabilidade da vida, apontando que Deus é o único Senhor da Vida, assim como que o “princípio

de preservação do início da vida é uma condição indispensável para a vida digna de uma nação e sua sadia democracia, haja vista querermos uma sociedade cada vez mais comprometida com o bem do próximo. Por isso, não podemos querer resolver problemas de alguns ceifando a vida de um número maior de inocentes, indefesos e incapazes de se manifestar publicamente.” Dom Antônio recorda que a discussão, trazida à tona pela Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, não se limita apenas à esfera religiosa, passando pela questão humana e antropológica: "O sentido da vida não é algo objeto de defesa dos católicos apenas, é promoção de quem vive, de quem é

pessoa humana.”. Para ele, a capacidade de contra argumentar é de suma importância: “Há muitas ideologias hoje que defendem não só o aborto, como a pena de morte, a eutanásia. Por exemplo, ideologias psicologistas, utilitaristas, economicistas e a juridicista que

é a que estamos assistindo hoje, em que juízes assumem a posição de Deus. Temos muitas ideologias que afirmam a questão da liberdade, da autonomia, da subjetividade e que no fundo são profundamente reducionistas porque reduzem a grandeza pluridimensional do

ser humano a uma só dimensão.” Já Dom Irineu defende que a descriminalização do aborto no Brasil fere os princípios de defesa da vida e dos direitos fundamentais da pessoa humana: “nós católicos não podemos admitir que se firam os princípios da vida. Por

isso que, em comunhão com toda Igreja do Brasil, estamos unidos em defesa do nascituro, daqueles que ainda não possuem meios de se defender”. O posicionamento contra a legalização, segundo ele, é para que as “nossas comunidades tomem conta e consciência dessa necessidade de um empenho geral. A nota oficial divulgada em mídias sociais é para que possamos defender a vida em todas as suas formas e que o nosso Congresso Nacional e as autoridades ocupem-se em cuidar da vida das pessoas, cuidar da saúde da população e defender os fragilizados e não se preocupar com uma questão que vai contra a vida”. Confira nesta página a íntegra da nota da Arquidiocese de Belém.

NOTA DA ARQUIDIOCESE DE BELÉM: “ESCOLHE, POIS A VIDA” (Dt 30,19) O STF (Supremo Tribunal Federal) convocou uma audiência pública a se realizar nos dias 3 e 6 de agosto de 2018, onde debaterá a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação, discutida na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442. Como cidadãos, cristãos católicos e homens e mulheres de boa vontade, temos, por dever, repudiar, veementemente, a possibilidade da liberação do aborto em nosso país. Conclamamos todos os homens e mulheres de boa vontade e que desejam um país que proteja a vida em todas as suas instâncias, a se posicionarem contra a proposta da Ação Judicial, ADPF 442, que visa descriminalizar o aborto em até doze semanas de gestação. Sabemos claramente que se trata de uma manobra política que tem por objetivo maior descriminalizar o aborto não só nestas doze primeiras semanas, mas sim para uma descriminalização total em qualquer mês de gestação, seguindo o exemplo de outros países que optaram por tal descriminalização, e nessa lógica, poderão vir a aprovação da Eutanásia e a Pena de Morte. Nós cristãos defende-

mos a vida, em todas as suas instâncias, porque nossa fé é a fé no Deus vivo que é o único Senhor da vida. Acreditamos também que esse princípio de preservação do início da vida é uma condição indispensável para a vida digna de uma nação e sua sadia democracia, haja vista querermos uma sociedade cada vez mais comprometida com o bem do próximo. Por isso não podemos querer resolver problemas de alguns ceifando a vida de um número maior de inocentes, indefesos e incapazes de se manifestar publicamente. Igualmente, queremos que este nosso apelo seja também para que os que têm o poder de decisão neste país saibam respeitar a nossa Constituição, sem querer interpretá-la de forma dúbia e com interesses escusos. O mesmo se aplica aos artigos do Código Penal Brasileiro que tratam o aborto como crime. É bom lembrar que esta lei, quando foi instituída, estava plenamente em acordo com o artigo 5ª de nossa Lei Maior que garante a inviolabilidade do direito à vida, e também fere a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Não cabe agora querer modificá-la sob o pretexto de querer atualizá-la e

reinterpretá-la. Refutamos também o ativismo judicial do (STF) Supremo Tribunal Federal, que quer decidir questões, como a descriminalização do aborto, que já se encontrava em plena discussão no poder Legislativo, tendo uma maciça rejeição por parte de nossos parlamentares. Não aceitamos que pequenos grupos, financiados por ONG’s internacionais, usem de tal estratégia política para querer implantar a cultura de morte neste país, uma vez que a grande maioria de nossos legisladores e da população brasileira deseja sim promover a cultura da vida. L embramos também que o termo “Laicidade” do Estado não significa a ausência da presença de instituições religiosas na vida social e política. Pelo contrário, “Laicidade” significa um respeito profundo por parte do Estado a todos os seus cidadãos, independente de suas convicções religiosas. Um Estado que se diz Laico não é um Estado que desmerece e exclui confissões religiosas e crenças, mas sim um Estado que acolhe e ouve os interesses que são comuns a todos. Além disso, uma democracia se consolida quando a Constituição

do país é respeitada. No caso em questão, sob o pretexto de se tratar de uma reinterpretação do Código Penal, tenta-se inserir no ordenamento jurídico brasileiro uma agressão direta ao artigo 5º de nossa Lei Maior, cabendo, portanto, a todos os cidadãos e instituições indagarem-se a respeito de tal estratégia de agressão à vida. O referido artigo 5º, ao garantir a inviolabilidade do direito à vida, é uma cláusula pétrea instituída pelo constituinte originário, não sendo possível, portanto, alterações ou revogações para perda de direitos fundamentais, ainda que sob a capa de atualizações ou reinterpretações. Uma efetiva democracia se consolida através da distribuição dos poderes com nítida distinção entre fazer leis e zelar por seu cumprimento. Uma vez que a questão abordada pela ADPF 442 não se encontra em mora legislativa, ou seja, o tema permanece em discussão no Congresso Nacional - inclusive com rejeição expressa de projeto de lei que intentava descriminalizar o aborto no Brasil - e existe uma legislação em vigor, é preciso evitar que se ultrapassem os limites entre o guardião e o reformador da lei, numa confusão de

funções que não é benéfica para a relação entre os poderes, a nação e seus cidadãos. Clamamos para que não se camuflem as verdadeiras angústias através da sensação de falsa autonomia e emancipação com acesso a sistemas de abortamento. Nosso país necessita de saúde acessível a todos e todas, de apoio pré-natal e apoio à promoção dos direitos da infância, de valorização da família, com moradia, emprego, educação e tantas outras realidades que todos conhecemos e pelas quais incansavelmente trabalhamos. Pedimos a cada cidadão e cidadã que reflita bastante a respeito do momento em que este tema volta a ser apresentado e do modo como ele está sendo encaminhado. Estamos praticamente a três meses das eleições para cargos estaduais e federais, dentre eles, os cargos do Congresso Nacional. Num período em que o Brasil se esforça por reencontrar seu rumo, como nação que defende e promove a vida, perguntamo-nos quais são os reais interesses políticos dessa tentativa de judicialização de uma questão tão im-

portante. A dignidade humana não é objeto de decisão judicial. Conclamamos especificamente os católicos de nossa Arquidiocese de Belém a se manifestarem do seguinte modo: 1 - Lendo e conversando sobre esta mensagem, reunindo familiares, amigos e membros das comunidades. 2 - Realizando durante esses dias e na primeira quinzena de agosto, por ocasião da Semana Nacional da Família, horas santas em reparação nas comunidades e paróquias; 3 - Organizar vigílias de oração, organizada pela Pastoral Familiar ou grupos de oração, tendo como intenção a defesa da vida dos nascituros. 4 - Nas missas e celebrações, a coordenação da Pastoral Familiar, ou grupo equivalente, pode encarregar-se de compor uma oração e proferir algumas palavras sobre o tema em forma de esclarecimento e conscientização da assembléia. 5-Promover nas Comunidades entre as pastorais, grupos e movimentos, quanto possível, momentos de estudo sobre o aprofundamento da sacralidade e do sentido da vida.

Dom Alberto Taveira Corrêa - Arcebispo Dom Irineu Roman - Bispo Auxiliar, CSJ Dom Antônio Assis Ribeiro - Bispo Auxiliar, SDB


Em Nazaré Basílica Santuário e Loja Lírio Mimoso lançam novidades para o Círio 2018 8

BELÉM, 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

2º Caderno

Produtos serão lançados nos próximos dias

C

om a proximidade da grande festa da Rainha da Amazônia, a Basílica Santuário e a Loja Lírio Mimoso lançam duas linhas de produtos exclusivos que prometem fazer sucesso em 2018. A primeira grande novidade são os copos em quatro modelos, trazendo o glória, a berlinda, a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Na-

zaré e um modelo infantil que serão vendidos separadamente ou em uma promoção conjunta com a Água Mineral Nossa Senhora de Nazaré: comprando uma garrafa de água de 500 ml ou 1 litro, com mais R$ 6,90, ganha-se um copo personalizado. A segunda novidade é a realização de um antigo desejo de muitos devotos de Nossa Senhora

de Nazaré: retratar a Imagem Original encontrada por Plácido e que atualmente se encontra no Glória, no altar-mor da Basílica Santuário. O pedido foi atendido e a linha de produtos trará pins, pingentes, chaveiros e outros souvenirs em metal em cores e tamanhos variados. Os produtos serão lançados nos próximos dias e já são aguardados pelo

público desde a divulgação da campanha nas redes sociais da Basílica Santuário e da Loja Lírio Mimoso. Fique atento

para o dia do lançamento e adquira você também os produtos, antecipando as compras para o Círio 2018.

A Loja Lírio Mimoso funciona ao lado da Basílica Santuário de Nazaré. Para mais informações: (91) 4009-8428.

Perseverar ou não perseverar? Eis a questão DIVULGAÇÃO

* Padre Francisco Maria Cavalcante Júnior, CRSP “Você precisa ser perseverante no seu empreendimento, porque muitos começam com grandeza de ânimo, mas depois desistem, vencidos pelas demoras” (Santo Antônio Maria Zaccaria) Nossa vida nos expõe a contínuas tomadas de decisões e, na esfera do mundo adulto, não podemos nos omitir: escolher o que é de Deus e ser constante nessa tomada de decisão, eis aí o grande desafio do cristão. Perseverar significa manter-se firme em algo. Isso implica continuidade em uma condição de vida e/ou ideal. No contexto da missão do cristão, o conceito denota lutar para enraizar sua existência em um propósito, ou seja, consumir sua vida por uma causa que vale a pena: buscar o reino de Deus e a Sua justiça Mt 6, 33-34. Nessa audaciosa luta, é preciso vigiar para que a chama do ânimo inicial não se apague devi-

do à dureza dos dias. Essa atitude de vida exorta o ser humano a dar um novo significado a seu existir: plasmar em si a imagem do Filho do homem (obediente ao Pai, despojado, aberto ao amor puro e desinteressado). Ao jovem que deseja enveredar pela vida consagrada é preciso ajudá-lo a entender que o religioso é chamado a ser como Cristo: casto, pobre e obediente. Casto, enquanto aquele que ama a Deus com o coração indiviso; pobre, pois Deus é seu tesouro mais valioso e, por fim, obediente, porque sua existência alcança seu objetivo último quando vive para fazer livremente a vontade do Seu Criador. Nesse contexto, é possível afirmar que o religioso, por meio dos votos, professa com sua vida que ele é propriedade de Deus e, como tal, não deve agir como um empregadinho que só trabalha movido por

w AUTOR: Padre Francisco Maria Cavalcante Jr.

benefícios, títulos e/ou remuneração, ao contrário, é filho adotivo Ef 1,5, herdeiro e colaborador da messe, por isso deve fazer a vinha do Senhor crescer 1Cor 3,9; Mt 20, 8ss, pois sua aliança com o Sagrado tem sabor de eternidade, por conseguinte, é chamado a se manter firme nos compromissos que assumiu em seu matrimônio místico, na abundância e escassez, alegria e tristeza,

saúde e doença. No entanto, em uma realidade em que tudo é tão inconstante, o conceito perseverança assusta, pois é mais cômodo desertar, isto é, antes de tomar qualquer decisão que leve a um vínculo duradouro, opta-se pela fuga, já que é menos fadigoso jogar projetos e pessoas fora, do que lutar por eles. Embaixo de uma ideologia que levanta a bandeira da liberda-

de, esconde-se a cultura do descartável em que decisões existenciais são norteadas pelo mero sentimentalismo. Nessa esfera há pouca disposição para restaurar relações e renovar compromissos. Essa atitude tão infantil deve ser afastada do modo de agir de um cristão, seja ele clérigo, religioso ou leigo. Por vezes, o consagrado se acomoda, deixa de perseverar na busca do crescimento gradual e não percebe que um religioso que toma tal atitude, busca a sua própria destruição. Deixa que a tibieza fale mais alto que a voz de Deus, nem escuta ao Senhor e muito menos fala com ele; já não reza, porque falsos profetas lhe ensinaram que orar é coisa retrógrada. Escreve seus dias a seu bel prazer, consequentemente, sua existência já não é história de salvação e suas

ações já não são expressão do paraíso. Esquece que o servo de Deus que não reza se perde, olvida quem ele é e porquê está onde está. Nesse cenário, é possível perceber que não “perdemos” a vocação por acaso, somos nós que, muitas vezes, preparamos o caminho da ruína. Em outras palavras, somos os caçadores e as presas ao mesmo tempo. Isso significa que podemos edificar escadas que nos possibilitam estar mais perto do céu ou construir armadilhas para a nossa própria destruição. Em suma, é necessário nutrir a chama inicial. Dessa forma o ser humano mantém seu coração abrasado pelo amor Divino, podendo, assim, abrirse à vontade de Deus e ser constante nessa tomada de decisão. * Reitor do Seminário Nossa Senhora Mãe da Divina Providência


2º Caderno

Em Nazaré

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

Nova edição da recitação de Mil Ave-Marias

A

Diretoria da Festa de Nazaré realizará, neste sábado, 11, a partir das 8h30 no Auditório Dom Vicente Zico, localizado no Centro Social de Nazaré, mais uma edição da recitação das Mil Ave-Marias. A programação será em intenção de um dos principais motivos do Círio, a evangelização.

40 novos coroinhas na Paróquia de Nazaré A Paróquia de Nazaré receberá com grande alegria cerca de 40 novos coroinhas. A cerimônia de apresentação será neste sábado, dia 11, na Basílica Santuário de

Nazaré, marcará também a renovação dos votos, para o serviço no Altar, de 70 jovens. Foram seis meses de preparação espiritual intensa dessas crianças e ado-

lescentes que têm entre seis e 16 anos de idade. Os novos coroinhas devem atuar na Basílica Santuário de Nazaré e nas seis Comunidades da Paróquia. FOTOS: DIVULGAÇÃO

w PROGRAMAÇÃO no Hangar foi muito prestigiada pelas famílias

w MEMBROS DA DFN estiveram presentes contribuindo na organização

Diretoria da Festa de Nazaré realizou a Feijoada do Papai 2018 No sábado, 4 de agosto, a Diretoria da Festa de Nazaré (DFN) realizou no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia a 16ª edição da Feijoada do Papai, cujo objetivo contribuir com as Obras Sociais da Paróquia de Nazaré e angariar recursos para o Círio, além de homenagear os pais que participam desse momento de confraternização. Os integrantes da

DFN estiveram presentes contribuindo cada um com a organização da festa e no atendimento daqueles que dela participaram. “A Feijoada do Papai foi um excelente momento para as famílias se reunirem e se confraternizarem para homenagear os pais. Além da saborosa feijoada, ocorre em um ambiente amplo e bem localizado, para que as famílias possam ir completas prestigiar os pais”,

afirmou Albano Martins, diretor de eventos da Festa de Nazaré. A animação ficou a cargo das cantoras Lucinha Bastos e Karen Tavares, que fizeram um dueto alternado entre MPP (musica popular paraense) e samba. A Banda Almanaque também marcou presença com o seu pop rock. Houve sorteio de brindes doados pelos patrocinadores e apoiadores do Círio 2018.

Ao final do evento, missa solene na Capela do Bom Pastor, presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa. A recitação das Mil Ave-Marias tem como objetivo intensificar a espiritualidade para a realização do Círio de Nazaré, promovendo

9

assim o verdadeiro encontro com Deus. Este é o momento especial para pedir a intercessão da Rainha da Amazônia pelas suas intenções pessoais e também pela grande festa da evangelização: o Círio de Nazaré. Participe, venha rezar conosco as Mil AveMarias!


10

Opinião

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

2º Caderno

Evangelização no Terceiro Milênio Maria Elisa Bessa de Castro

“Servo por amor” Dom Teodoro Mendes Tavares - 25 anos de sacerdócio

N

ascido a 07 de janeiro de 1964, em Cabo Verde (país-arquipélago da África), o menino Teodoro, desde a tenra infância, manifestou um ardor missionário... sonhava com o anúncio da Palavra da Deus em terras situadas para além-mar. Assim, o jovem Teodoro ingressou na Congregação dos Espiritanos, proferindo os votos de religioso em dia 08 de setembro de 1986. Graduou-se em Filosofia e Teologia na Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa (Braga – Portugal); com Mestrado e Doutorado em Teologia pela Trinity College, em Dublin(Irlanda). Fez-se Servo por Amor, ordenando-se Sacerdote em dia 11 de julho de 1993. Eis que a Igreja ganhava o Padre Teodoro , logo enviado em missão ao Brasil em 1994, para a Prelazia de Tefé – Estado do Amazonas, onde permaneceu até 16 de fevereiro 2011, quando foi nomeado por Bento XVI Bispo Auxiliar da Arquidiocese Belém, tornando-se Dom Teodoro. Por aqui ele fincou raízes, inculturando-se totalmente. Fez-se pai, irmão e amigo para nós; um querido de todos, povo de Deus nesta Arquidiocese, das cidades às ilhas, das florestas aos rios... Sempre tinha um sorriso e um olhar carinhoso para cada um em particular, um semblante que transcendia a alegria do Evangelho. Mas, para tristeza de todos nós e uma saudade que

DIVULGAÇÃO

das Pedras, o Bispo que tanto tem se doado por amor, a ser-

viço dos povos da Amazônia, proclamou em sua homilia:

“O sacerdócio é um serviço; ‘é um ser para os outros’, como dizia São Tomás de Aquino. Não nos pertencemos, porque fomos chamados, consagrados, configurados com Cristo, sacramental e ontologicamente, para servir como Ele fez ...”

Ao final da homilia, parafraseando um padre por ele ordenado, concluiu: “se vinte

w DOM TEODORO Doa a tua vida como Maria aos pés da cruz.

e cinco vezes eu nascesse, vinte e cinco vezes eu seria sacerdote...”

até hoje dói no coração das ovelhas, o humilde Servo de Deus foi nomeado pelo Papa Francisco para Bispo Coadjutor de outro arquipélago, para o além-rio...a bucólica Diocese de Ponta de Pedras (que integra o arquipélago do Marajó). A 23 de setembro de 2015, o Sumo Pontífice nomeou-o Bispo Diocesano da referida Diocese, onde permanece como Pastor, sendo muito amado pelo povo marajoara. E o Menino que, na África, sonhava com a missionariedade, e foi por Deus tornado Sa-

cerdote da Humanidade (sendo logo mandado à Amazônia, para pregar o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo entre os povos dos rios e florestas), celebra em 2018 25 anos de Ordenação Presbiteral. O Jubileu de Prata do querido Dom Teodoro foi triplamente comemorado: primeiro, com a família, em Cabo Verde (em julho), , em Ponta de Pedras (dia 05 de agosto) e, por fim, em Belém (dia 07 de agosto). Na Santa Missa celebrada em Ação Graças, aqui em Belém, na Capela do Hotel Quinta

Antes da Benção Final, o humilde Dom Teodoro, com a simplicidade e delicadeza que lhe são peculiares, pediu a todos que por ele rezássemos uma Ave-Maria. De fato, este era o melhor presente que podíamos dar ao Sacerdote da Humanidade, a saber: a oração da Ave-Maria. Como eram muitos os que ali estavam, o conjunto de todas essas AveMarias formou um emocionado e contrito Rosário, inun-

dando a pequena Capela com um suave perfume místico... Em gratidão a esta vida a nós doada, a Sra. Maria Nilene (Secretária Executiva e Ecônoma da Cúria Diocesana de Ponta de Pedras), prestou-lhe uma bela homenagem, que a todos emocionou quando, ao final, declamou o refrão do belo cântico“SERVO POR AMOR”. Seguida e espontaneamente, todos os presentescantaram o mesmo refrão... um lindo e tocante momento. Trata-se de uma poesia musicada, cuja letra bem retrata a piedosa e santa história de vida de Dom Teodoro Mendes Tavares... uma vida dedicada a servir por amor...

Doa a tua vida, como Maria aos pés da cruz E serás servo de cada homem Servo por amor, sacerdote da humanidade

Concluo convidando-te, caro leitor, a cantar esse refrão, no silêncio do teu coração, fazendo-

o em oração por Dom Teodoro, não se esquecendo de também por ele rezar uma Ave-Maria...

Movimento Apostólico da Divina Misercórdia Adoradores Eucarísticos da Igreja das Mercês bessadecastroadv@gmail.com

PRÓXIMO ARTIGO: Prof. Ricardino Lassadier

Semeando Leno Carmo (lenocarmo@yahoo.com.br)

“O

presente mais valioso para os filhos não são as coisas, mas o amor dos pais”. Estas palavras do Papa Francisco são de 2015, mas me vieram muitas vezes à memória nestes últimos dias em face de mais uma insídia do mal que enfrentamos em nosso país, na busca de mais uma vez descriminalizar o aborto em discussão da mais recente audiência pública no Supremo Tribunal Federal, que congregou muitas entidades e representações de associações e entidades em defesa da vida, versus representações dos que apregoam o direito para a morte de inocentes ainda no ventre materno, como se houvesse justificativa para o mal. Ouvindo tantas falácias ideológicas e absurdas, números jogados, inflados sem fundamentação ou fonte confiável, me questionei como o ser humano pode levantar bandeiras da cultura de morte como o aborto? O que leva as pessoas a alegar o direito de matar um

A Vida, sempre! ser tão frágil e indefeso pelo mais hediondo dos crimes. Por certo, nesses discursos em prol deste mal, transparecem as inúmeras feridas na alma de tanta gente que ainda não se sentiu amada e a consequência destas chagas abertas se traduz em vociferações contra a vida, mesmo aquela mais frágil, como se disputasse uma competição qualquer, ignorando-se que a vida que começa com a fecundação, desde o princípio com sua própria identidade cromossômica, biológica, espiritual e que nenhuma eugenia pode justificar ser interrompida, nenhuma liberdade reprodutiva pode ser alegada neste fim, nenhum outro bem maior que a vida pode sobrepor-se à própria vida que é dom de Deus. A discussão sobre a questão do aborto é antiga e insaciável em sua sede mortal e está

em vários cantos do mundo, vivendo entre vitórias e derrotas pró e contra a vida, mas sempre na mesma luta, onde, de um lado se vê a retórica baseada em estatísticas mal dimensionadas e generalistas, em pseudo justificativas que sequer consideram o quanto a saúde pública no Brasil é precária e deficiente e que se não há o devido cuidado e trato nem nas maternidades quanto mais se dará no alegado “aborto legal”, e do outro lado, todo um respaldo científico, médico, psicológico dos imensos riscos e consequências para a mulher que aborta que vai desde a profunda depressão, lacerações, inflamações, até o câncer de mama, comum em casos de abortos que se somam ao longo do tempo. No caminho da semana da família, do domingo que dedicamos aos pais, à vocação fa-

miliar, vejo como uma reflexão necessária a oração pela vida diante de nossas mesas junto com aqueles que nos geraram e que temos o dever e a gratidão de honrar e amar. Precisamos decidir pela vida humana, protegê-la e ter a coragem da fé para defendê-la, desde sua concepção até seu ocaso natural, respeitar sua dignidade até seu último minuto quando Deus, único Senhor da Vida, chama a alma para Seu amor. Católicos que somos, não podemos ser reféns de ideologias e suas representações políticas, partidárias de crimes como o aborto. Busquemos conhecer a Verdade e ela nos libertará do jugo da mentira e da desorientação que o inimigo das almas apregoa. Sim, vivemos tempos de sombras como nos alertava ainda no final do século passado São João Paulo II em sua

monumental “Familiares Consortio”, como também vivemos tempos possíveis de esperança e de luzes nas ações e decisões daqueles que fizeram do amor e da caridade faróis para iluminar o mundo; homens e mulheres, religiosos e leigos, solteiros, consagrados, jovens como Guido Shaffer e casados, como os santos Luiz e Zélia Martin, pais de Santa Teresinha, pessoas que nos mostraram uma santidade possível mesmo no cotidiano desafiante. Neste Dia dos Pais, sugiro este caminho de reflexão e a oração necessária pelos pobres de Deus e em especial pelos nossos pais, pelos filhos, pelos que têm o direito de viver. Dia dos Pais é dia de a família recordar as alegrias e falar do amor de Deus pelos homens, ter nos lábios a ação de graças pela vida que de Deus recebemos e que nos foi permitida pelo amor de nossos pais. Bendito sejas, Senhor. Rogai por nós, Glorioso São José, protegei as nossas famílias e as famílias do mundo inteiro.


2º Caderno

Arquidiocese 11

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

Festividade arquidiocesana de São Tarcísio em Belém

Dia 15, a grande procissão dos servos do altar

N

o mês de agosto a Arquidiocese de Belém, por meio do grupo Servidores do Altar, celebra a 12ª edição da Festa de São Tarcísio, padroeiro dos coroinhas e acólitos. O tema deste ano, “Servir e dar a sua vida” reflete sobre o exemplo do santo que serviu por amor e deu sua vida pela eucaristia. Na quarta-feira, 15, haverá a grande procissão com saída da Paróquia São Francisco de Assis (Capuchinhos), e missa solene na chegada. O coordenador arquidiocesano dos Servidores

do Altar, Márcio Miranda, explica a temática da festividade “O tema desse ano é convidativo e ao mesmo tempo provocativo, que encontramos no evangelho de Mateus, onde ante o pedido dos filhos de Zebedeu, de quem deveria sentar à esquerda ou a direita do Senhor, Jesus foi categórico em dizer que no céu não é como aqui, onde vivemos em um mundo de competição, Ele nos ensina que no céu podemos até ser melhor, mas o maior é aquele que serve por amor a Eucaristia, pois o filho do

Programações nas Regiões Episcopais FOTOS: DIVULGAÇÃO

Na segunda parte da festa, cada região episcopal se programou para realizar seu ato de devoção a São Tarcísio neste sábado, 11 de agosto. A Região Episcopal São Vicente de Paulo realizará procissão com saída a partir das 7h30 da Paróquia Divino Espírito Santo, localizada na Avenida Dom Vicente Zico, na Cidade Nova, em Ananindeua, com destino a Paróquia Santa Paula Frassinetti. Na chegada, haverá San- w PROCISSÃO uma das atividades em Ananindeua ta Missa e benção final. A Região Episcopal Santa na Praça Dom Frei Caetano João Batista a celebração Cruz realizará missa solene, às Brandão, bairro da Cidade eucarística será às 10h, com os servidores do altar 8h, com os servidores do altar Velha em Belém. Na Região Episcopal na Paróquia São João Bana Paróquia São Raimundo Nonato, localizada na Avenida Menino Deus celebração tista e Nossa Senhora das Senador Lemos, 1054, bairro de missa às 8h, em honra Graças, localizada na Praça ao padroeiro na Paróquia Pio XII, em Icoaraci. do Umarizal em Belém. A Região Episcopal Santa A Região Episcopal Santa- São Pio X, localizada na BR na realizará espiritualidade 316, KM 6, em Frente ao 6° Maria Goretti realizará adoe missa com os servidores Batalhão da Polícia Militar, ração ao Santíssimo Sacramento e missa, às 9h, na Cado altar, às 8h, na Catedral em Ananindeua. Na Região Episcopal São pela Pão de Santo Antônio, Metropolitana, localizada

w TESTEMUNHO de vida e alegria em Deus dos coroinhas em procissão

localizada na Avenida José Bonifácio, 1758, bairro do Guamá, em Belém. PROCISSÃO E MISSA

Na quarta-feira, 15, dia da Festa Litúrgica de São Tarcísio está programada a terceira e última parte da festividade. Este momento consiste em Adoração ao Santíssimo Sacramento às 7h na Paróquia Francisco de Assis (Capuchinhos), em São Brás, em seguida, ocorre tradicional procissão em homenagem ao padroeiro, às 8h. A chegada está prevista para às 10h na Basílica Santuário. Na chegada, a celebração eucarística será presidida pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Alberto Taveira Corrêa. A expectativa da organização é que o trajeto conte com a participação de cerca de três mil coroinhas da Arquidiocese de Belém.

homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida”, conta. A festividade é dividida em três momentos. No dia 04 de agosto, foi realizado na Paróquia São Francisco de Assis, no bairro de São Brás, em Belém, o primeiro momento de preparação para o festejo e abertura oficial da festa. No dia houve Missa Solene, pela manhã, presidida pelo padre Plínio Pacheco, diretor espiritual dos coroinhas. Após a celebração foi realizado a espiritualidade e o lanche partilhado.

HISTÓRIA Segundo a tradição, Tarcísio nasceu por volta do ano 245 d.C, tornando-se órfão aos sete anos de idade. Foi adotado por uma família cristã e batizado no cristianismo, e teve uma vida exemplar de serviço às funções litúrgicas. Nessa época, havia perseguição aos que se declaravam cristãos, quando descobertos, ficavam presos e condenados a morte. Foi assim que certa vez, na véspera de várias execuções o Papa Sisto II não sabia como levar a comunhão aos prisioneiros foi então quando o jovem Tarcísio, que contava com 12 anos se ofereceu para levar a comunhão aos cristãos aprisionados. O Papa não aceitou, porém Tarcísio insistiu e alegou que sua “juventude seria um refúgio para a Eucaristia”, querendo dizer com isso que ninguém desconfiaria de uma criança. O Papa então cedeu ao pedido. Foi assim que indo então ao presídio, alguns jovens notaram sua conduta suspeita. Bateram nele e o apedrejaram. Depois de morto, revistaram-lhe o corpo, nada achando com referência ao Sacramento de Cristo.

w MISSA ápice da programação nas regiões, missão do servo do altar


12

BELÉM, DE 10 A 16 DE AGOSTO DE 2018

Especial Juventude

Jovens protagonistas de um mundo melhor

O

o

Vaticano prepara para outubro de 2018 o Sínodo dos Bispos, com o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, visando estabelecer os pilares da atividade pastoral da Igreja com os jovens, na XV Assembleia Geral Ordinária dos Bispos. Acolhendo a sugestão do Papa Francisco, o Jornal Voz de Nazaré vem destacando nesta página a atuação do Setor Juventude na Igreja de Belém. Nesta edição, o destaque é para a inauguração do Centro Arquidiocesano de Pastoral Juvenil (CAPJ), localizado no bairro Levilândia, em Ananindeua. FOTOS: DIVULGAÇÃO

w UMA AMPLA PROGRAMAÇÃO marcou o momento da inauguração

w COM MUITA ALEGRIA espaço da juventude foi inaugurado

Inaugurado o Centro Pastoral Juvenil Será um lugar para encontros, retiros, formação, simpósios, congressos e experiências de lazer

F

ruto de intensa mobilização das expressões juvenis, com apoio incondicional da Arquidiocese de Belém, o Centro Arquidiocesano de Pastoral Juvenil (CAPJ) foi inaugurado com grande festa no sábado, dia 4 de agosto, com Santa Missa presidida por Dom Antônio de Assis Ribeiro, um dos bispos auxiliares de Belém e responsável pelo Setor Juventude, e concelebrada por padres das paróquias próximas. Com objetivo de favorecer formação permanente, o CAPJ receberá simpósios, workshops, treinamentos, além de momentos de oração. O centro está situado na Rua Leopoldo Texeira, 24, Bairro Levilândia,

em Ananindeua. O CAPJ surgiu a primeira vez como um dos pontos levantados ao final da Assembleia do Setor Juventude em novembro do ano passado, que resultou no Plano Educativo de Pastoral entregue em janeiro desse ano. Com seu espaço físico contendo salas de aulas, auditório, capela, cozinha, refeitório, pátio, biblioteca, área de lazer e ambiente para hospedagem, o centro tem capacidade para receber 80 pessoas. “Este espaço é um presente de Deus para a juventude de Belém. Aqui será um lugar para encontros, retiros, formação, simpósios, congressos e experiências de lazer. Uma diversida-

de de finalidades, mas todas elas convergindo para a promoção integral dos jovens. Creio que os jovens sempre terão necessidades de formação e faz-se necessário que tenhamos esse coração aberto, generoso e sensível para criarmos estruturas que estejam a serviço da formação da juventude”, explica Dom Antônio. Segundo ele, o CAPJ vem ser uma resposta às problemáticas que rondam a juventude como um todo: “O alto índice que temos na Grande Belém é conseqüência da falta de investimento preventivo. Devemos mesmo investir na formação humana que depois será uma resposta para a criminalidade. A

sensibilidade para com a juventude vem da evangelização. A Igreja sempre foi sensível à juventude e os problemas sociais nos pedem ser mais ousados nessas propostas.” O público beneficiário prioritário do CAPJ serão os jovens da faixa etária de 15 a 29 anos, de diversos contextos (urbano, rural, indígena e afro) presentes na Arquidiocese. O centro juvenil está previsto para ser economicamente autossustentável através da contribuição financeira de todos os grupos que farão uso do espaço, conta também com a participação de contribuição de parceiros e apoiadores para a manutenção dessa infraestru-

COMUNHÃO E TRABALHO O Centro Arquidiocesano pertence à Diocese de Macapá e, através de um contrato de comodato, desde o mês de abril de 2017, foi cedido para juventude da Grande Belém presente na Arquidiocese pelos próximos cinco anos. Desde sua cessão, o espaço recebeu mutirões, ao todo dez, que realizou diversos serviços, dentre os quais, o de capinação,

pintura, reforma do auditório, colocação de centrais de ar, aquisição de cadeiras e revisão da central elétrica. As ações foram todas promovidas pelas expressões juvenis como Articulação da Juventude Salesiana, Pastoral da Juventude, Conselho Juvenil da região São Vicente de Paulo, Sementes do Verbo, Jovens Samaritanos e o Conselho Juvenil da Re-

gião Menino Deus. Yago Henrique Moreira, missionário da Providência Santíssima contribuiu com a reforma do espaço, participou dos mutirões e conta sobre a experiência enriquecedora: “Foi muito bom, pude conhecer vários carismas, várias pessoas e ver que muitos jovens se unem por uma coisa: a busca por Cristo.”. Para Henrique Carre-

ra, do Setor Juventude: “o espaço representa todas as expressões juvenis arquidiocesanas e mostra um investimento da Arquidiocese nesse sentido de incentivar o protagonismo, trabalhar essa liderança e que essa mesma liderança precisa dar uma resposta social para essa sociedade tão marcada pela drogadição, homicídio e pela violência.”

tura com suas despesas ordinárias. Segundo Danielle Barreiros, coordenadora do Setor Juventude, o objetivo é que o Centro Arquidiocesano seja um espaço de ocupação permanente: “A ideia é que durante a semana seja ocupado por projetos que possam trazer capacitação profissional e tirar esses jovens da rua e que durante os finais de semana seja reservado para a Igreja.” Com grandes expectativas, a coordenadora acredita que o Centro será um lugar que frutificará principalmente o protagonismo juvenil proporcionado com a formação: “Durante a semana receberemos pessoas que futuramente possam a vir lideranças juvenis, pessoas que sequer estão ligadas à Igreja atualmente e com o trabalho aqui a ser desenvolvido podem vir a

integrar grupos jovens ou de oração.” A programação de inauguração iniciada às 8h, contou com várias atividades ao longo do dia, como bingos, feiras, apresentação do espaço e finalizando com a celebração eucarística. A apresentação do centro inaugurou a todos os presentes como a postulante Darlene Arruda, da Congregação Irmãs Missionárias da Caridade, que ainda não tinha visto algo parecido: “Admiro muito a ideia. Por todas as regiões pelas quais já visitei ainda não tinha visto uma preocupação tão grande com a questão da juventude. Se você for analisar, a juventude é a base e o futuro da Igreja. Então se você não investir agora você não vai ter uma Igreja renovada. A Arquidiocese está de parabéns”.

AGENDA A agenda do Centro Arquidiocesano de Pastoral Juvenil ficará aos cuidados da Irmã Carmem Silva, responsável por esse controle. Os grupos, movimentos e pastorais juvenis que pretendem utilizar o CAPJ devem procurar a reli-

giosa na Cúria Metropolitana, situada no prédio Paulo VI, na Avenida Governador José Malcher, 915. O expediente da Cúria é de segunda a sexta, de 8h ao meio dia, e de 14h às 17h30. Maiores informações: 3215-7001/7002.

Profile for Fundação Nazaré de Comunicação

Voz de Nazaré  

Edição de 10 a 16 de agosto de 2018

Voz de Nazaré  

Edição de 10 a 16 de agosto de 2018

Advertisement