Issuu on Google+

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

São Paulo Brasil


Relatório de Atividades 2010

ÍNDICE

MENSAGEM DA FUNDAÇÃO MARIA CECÍLIA SOUTO VIDIGAL.................................................3

CONSELHOS, COMITÊS E EQUIPE.................................................................................... 6 SOBRE A FUNDAÇÃO MARIA CECÍLIA SOUTO VIDIGAL ................................................. 8 PROGRAMAS .................................................................................................................... 9 DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ................................................................................ 20

2


Relatório de Atividades 2010

MENSAGEM DA FUNDAÇÃO MARIA CECÍLIA SOUTO VIDIGAL Depois de muitos anos semeando, 2010 representou um ano de colheitas para a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. O Programa Zero a Três (anteriormente chamado Programa de Desenvolvimento Infantil) apresentou seus primeiros resultados concretos, identificados por meio do processo rotineiro de monitoramento e avaliação das atividades. É uma grande satisfação constatar que, o que até algum tempo atrás era apenas um desejo da Fundação em contribuir para o desenvolvimento infantil na sociedade brasileira, hoje se transformou em realidade nas unidades de saúde, nas creches e nas famílias dos seis municípios que fazem parte do Programa Zero a Três. Outro passo importante foi a parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), por meio da qual a FMCSV criou uma linha de financiamento exclusiva para pesquisas voltadas ao conhecimento das práticas para o desenvolvimento infantil. No ato da assinatura do contrato, o presidente da Fapesp, Celso Lafer, fez questão de destacar que a FMCSV foi a primeira fundação familiar, de caráter privado, a se interessar em firmar um acordo de parceria para criar um fundo compartilhado para uma linha de pesquisa. Também foi motivo de orgulho para a FMCSV, a realização do IV Workshop Internacional de Desenvolvimento Infantil. Pela primeira vez, esse evento anual foi aberto ao público e, para surpresa dos organizadores, a procura superou em muito a expectativa. O resultado foi um encontro produtivo, no qual a interação entre os participantes e a troca de experiências teve papel tão relevante quanto os nomes das autoridades nacionais e internacionais que se apresentaram. Entre os palestrantes de destaque, estava a dra. Mary Young, então responsável pelos programas de primeira infância do Banco Mundial. Sua presença foi duplamente festejada porque durante o Workshop, a FMCSV promoveu o lançamento de dois livros fundamentais sobre Desenvolvimento Infantil, ambos organizados pela dra. Mary Young. As duas obras foram traduzidas para o português, impressas e distribuídas gratuitamente pela FMCSV. Por fim, não se pode deixar de mencionar o desempenho dos laboratórios do Centro de Hematologia Maria Cecília Souto Vidigal, geridos e operados pela equipe do Hospital das Clínicas, em São Paulo. Além do volume crescente de exames realizados gratuitamente, os laboratórios de Citogenética e de Biologia Tumoral conquistaram em 2010 a certificação ISO 9001, que lhes permite participar de um número muito mais amplo de programas de pesquisa. 3


Relatório de Atividades 2010

Todas essas ações não seriam possíveis se a FMCSV não contasse com uma competente gestão financeira que garantiu, em 201o, rendimentos acima da média do mercado para o Fundo Patrimonial que custeia as atividades da Fundação. Portanto, 2010 foi um ano pleno de realizações e também de novos caminhos que a FMCSV começou a trilhar e que a colocam como organização que contribui significativamente para o aumento de oportunidade para as crianças brasileiras. Fundação Maria Cecília Souto Vidigal

4


Relatório de Atividades 2010

CONSELHOS E COMITÊS Conselho de Curadores Alexandre G. Silva Guilherme Vidigal Andrade Gonçalves Hélio Nogueira da Cruz Heloísa Guarita Padilha José Luiz E. Setubal Maria Luiza Pacheco Fernandes de Bueno Vidigal Regina Vidigal Guarita

Conselho Fiscal Adriana Katalan Carlos Alberto Gramani Fernando Maida Dall’Acqua

Comitê de Investimentos André Reginato Eduardo Vidigal Andrade Gonçalves Guilherme Vidigal Andrade Gonçalves Hélio Nogueira da Cruz

5


Relatório de Atividades 2010

EQUIPE Andrea Victor Wolffenbüttel – Gerente de Comunicação Ely Harasawa – Gerente de Programas Gabriela Aratangy Pluciennik – Coordenadora de Projetos Geane Costa Souza de Oliveira – Assistente Financeira Lia Aversa – Analista da Tecnologia da Informação Maria Aparecida Galdino – Serviços Gerais Marcos Kisil – Diretor Superintendente Paula Jancso Fabiani – Diretora Administrativa e Financeira Renata Nascimento – Assistente Administrativo Ricardo Yukio Sueyasu – Analista Financeiro

6


Relatório de Atividades 2010

AGRADECIMENTOS A Fundação Maria Cecília Souto Vidigal quer agradecer a colaboração e o empenho dos profissionais das entidades abaixo listadas, sem os quais não teria sido possível alcançar os resultados obtidos em 2010. 

Aliança pela Infância

Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (Apae)/Itupeva

Associação Unidos pela Vida/Penápolis

Central de Apoio a Organizações Sem Fins Lucrativos (Caos)

Centro Regional de Registro e Atenção aos Maus Tratos na Infância (Crami)/Botucatu

Comea - Comunicação e Avaliação

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass)

Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP)

Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança

Fundação Educacional de Votuporanga (Unifev) / Votuporanga

Fundação Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP)

Fundo de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp)

Instituto C&A

Obras Sociais Francisco Thiessen/São Carlos

Offord Center da McMaster University/ Canadá

Prefeitura Municipal de Itupeva

Prefeitura Municipal de São Carlos

Prefeitura Municipal de Penápolis

Prefeitura Municipal de São José do Rio Pardo

Prefeitura Municipal de Votuporanga

Prefeitura Municipal de Botucatu

Rede Nacional Primeira Infância

Sociedade Riopardense de Integração Assistencial (Sorria) / São José do Rio Pardo

Sociedade Brasileira de Pediatria

7


Relatório de Atividades 2010

SOBRE A FUNDAÇÃO MARIA CECÍLIA SOUTO VIDIGAL Histórico A Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV) foi criada em 1965, pelo banqueiro Gastão Eduardo de Bueno Vidigal, após perder uma filha, com 13 anos de idade, vítima de leucemia. O lamentável fato fez com que a família Souto Vidigal, percebesse a necessidade, então existente, de geração e prática de conhecimentos na área de hematologia. Para suprir essa lacuna, o pai instituiu a FMCSV, para atuar no campo da hematologia, por meio de um laboratório - de referência nacional. Realizando pesquisa e diagnóstico em leucemia, o Laboratório Maria Cecília Souto Vidigal criou e disponibilizou atendimento gratuito para a sociedade. Durante quase quarenta anos, a FMCSV atuou exclusivamente nesse campo. Nesse período, novas tecnologias de pesquisa, de diagnóstico e de tratamento modificaram substancialmente a compreensão das doenças hematológicas, incluindo a leucemia. Acompanhando este desenvolvimento, novos centros de hematologia foram criados no Brasil para o ensino, pesquisa e prestação de serviços de diagnóstico e tratamento. Frente a esse cenário, a FMCSV iniciou um processo de revisão de sua atuação e concluiu que seria importante associar seu laboratório a um desses centros para maximizar o beneficio à sociedade. Assim, estabeleceu uma parceria com a Fundação Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo pela qual o laboratório da FMCSV foi transferido em comodato, e incorporado ao Departamento de Hematologia da Faculdade, junto ao Hospital das Clínicas. A FMCSV continua respondendo pela infraestrutura do Laboratório, que atualmente representa três laboratórios, dois ambulatórios e uma biblioteca, adquirindo equipamentos e promovendo reformas físicas, sob a administração do Departamento de Hematologia. O novo foco escolhido pela FMCSV é o Desenvolvimento da Primeira Infância, tendo como missão “Gerar e Disseminar Conhecimento para o Desenvolvimento Integral da Criança” e como visão “Desenvolver a Criança para Desenvolver a Sociedade”. Com base nessas premissas, a FMCSV estabeleceu Programa de Desenvolvimento Infantil (posteriormente chamado “Programa Zero a Três”), dedicado a gerar e disseminar conhecimento para o desenvolvimento integral das crianças na faixa etária de 0 a 3 anos, a menos protegida, atualmente, pelas políticas e ações governamentais atuais.

8


Relatório de Atividades 2010

PROGRAMAS

Ações realizadas em 2010 Os programas apoiados pela FMCSV são: “Programa Zero a Três” (anteriormente chamado “Programa de Desenvolvimento Infantil”) e “Programa de Disseminação da Informação e Conhecimento em Hematologia e Hemoterapia”. O primeiro programa reflete o foco presente da Fundação voltado para o desenvolvimento da primeira infância, no período de 0 a 6 anos, enquanto o segundo contempla o compromisso com o desejo do instituidor em promover o desenvolvimento da hematologia e hemoterapia. A seguir são apresentados os dois programas com suas principais características e resultados.

Programa Zero a Três (antigo Programa de Desenvolvimento Infantil) O Programa Zero a Três tem como objetivo melhorar o cuidado à primeira infância, de 0 a 3 anos, de modo a favorecer o desenvolvimento infantil integral e integrado de crianças nos seus aspectos físicos, cognitivos e psicossociais. O impacto almejado é que toda e qualquer criança tenha oportunidades para desenvolver todo o seu potencial nos aspectos físico, psíquico e social. Acreditamos que esse desenvolvimento contribui para uma vida mais sadia, de oportunidades e de realização pessoal, familiar e social. Esse programa tem na geração e disseminação da informação e conhecimento sobre desenvolvimento infantil seu principal instrumento de trabalho. Esta escolha resultou da constatação de que há informação e conhecimento já devidamente comprovados pela ciência, porém não estão suficientemente disseminados para os adultos responsáveis pelo cuidado e atendimento da população infantil de zero a três anos de idade. Esses conhecimentos provêm de diferentes disciplinas tais como: neurociência, medicina, psicologia, pedagogia e, nutrição. Podemos dizer que o ano de 2010 representou a consolidação das diversas frentes de trabalho iniciadas no ano anterior. Além de significativas parcerias firmadas no âmbito da geração e disseminação de conhecimento, os projetos sociais nos seis municípios avançaram na implementação das capacitações dos profissionais que atendem crianças de 0 a 3 anos, como descrito a seguir.

Projeto Social de Desenvolvimento Infantil Em 2010, a FMCSV centrou seus esforços na implementação e no monitoramento de projetos sociais no interior do estado de São Paulo, nos municípios de Botucatu, Itupeva, Penápolis, São Carlos, São José do Rio Pardo (SJRP) e Votuporanga.

9


Relatório de Atividades 2010

Esses projetos, realizado sempre em parceria com a prefeitura e uma ONG local, visam aprimorar as políticas municipais para as gestantes e para a primeira infância nas áreas de saúde, educação e assistência social por meio da disseminação, e da aplicação de conhecimentos. Além disso, através do estímulo a um sistema de governança intersetorial, os projetos buscam criar uma política municipal para a primeira infância que oriente de maneira permanente o seu desenvolvimento. Em cada município foram previstas oito capacitações com vistas à qualificação e melhoria das práticas dos profissionais que atendem a gestantes, crianças de zero a três anos e famílias com filhos nessa faixa etária. Cada intervenção-chave é composta de um curso de imersão de dois dias e de uma série de reuniões de suporte e acompanhamento para que os profissionais incorporem as necessárias mudanças nas formas de atendimento, gerando a efetiva promoção do desenvolvimento integral das crianças. As oito intervenções estão voltadas para a capacitação de profissionais nas seguintes fases: 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8.

Pré-natal Grupo de Gestantes Parto Puerpério (período pós-parto) Puericultura (pediatria) Famílias Creches Espaços Lúdicos (brinquedotecas em postos de saúde e assistência social)

Para a sua realização, a FMCSV mobilizou oito equipes de profissionais que atendem às demandas das cidades participantes. Os conteúdos e conceitos trabalhos com as equipes locais seguem os pressupostos e conceitos do marco referencial do programa. Até o final de 2010, um total de 1.278 profissionais das cidades participantes foram capacitados, incluindo médicos, psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, conselheiros tutelares, enfermeiros, técnicos de enfermagem, assistentes sociais, educadores, professores, gestores e outros profissionais de instituições públicas e de organizações da sociedade civil. Esses treinamentos se deram de forma gratuita. Durante as capacitações foram também discutidas propostas e estratégias de políticas públicas em diversos temas tais como: clínica biopsicossocial do pré-natal, importância e implantação de grupos de famílias e adolescentes grávidas, trabalho interativo com os pais e sensibilização para conceitos de Desenvolvimento Infantil, enfatizando a importância das relações afetivas familiares desde o início da vida na qualidade do desenvolvimento da criança. Os participantes, por sua vez, reeditaram as capacitações para outros 4.932 profissionais desses mesmos municípios.

10


Relatório de Atividades 2010

Nº de pessoas capacitadas

Temas Pré-Natal Gestantes Parto Humanizado Puerpério Puericultura Espaços lúdicos Creches Famílias Totais

Município BOTUCATU ITUPEVA PENÁPOLIS SÃO CARLOS S. J. R. PARDO VOTUPORANGA Totais

148 120 106 186 148 110 353 107 1.278

Nº de formadas pelos multiplicadores 634 313 310 789 575 120 1.254 937 4.932

Nº de pessoas Nº de pessoas formadas pelos capacitadas multiplicadores 224 825 197 99 322 2.383 55 223 548 257 1.077 1.278 4.932

Capacidade de multiplicação 4,3 2,6 2,9 4,2 3,9 1,1 3,6 8,8 3,9 Capacidade de multiplicação 3,7 1,0 7,4 0,0 2,5 4,2

% Capacitações Realizadas 83% 67% 83% 83% 83% 50% 100% 50% 75% % Capacitações Realizadas 50% 75% 100% 38% 100% 100%

Avaliação Comprometida com a mensuração dos resultados de seu trabalho e com a geração de conhecimento, a FMCSV realizou, em 2009, uma avaliação de marco zero em cada um dos municípios apoiados. Em 2010, os avaliadores da FMCSV visitaram cada um dos seis municípios para apresentar e explicar os resultados obtidos no levantamento de Marco Zero. No final de 2010, a FMCSV empreendeu uma ação de monitoramento cujo objetivo foi verificar o andamento do projeto em cada município, a qualidade das capacitações e supervisões, as reedições realizadas pelos capacitados, as intercorrências do processo e os impactos iniciais das ações. O monitoramento realizado em 2010 apontou resultados significativos e mudanças nas práticas dos profissionais e cuidadores de crianças de 0 a 3 anos. O primeiro ano de implantação dos projetos gerou resultados importantes e que uma vez consolidados poderão representar impactos significativos para o desenvolvimento infantil nos municípios. Algumas mudanças nas práticas profissionais e nos sistemas de serviços identificados neste esforço de monitoramento já se configuram em inovações passíveis de serem disseminadas como conhecimentos práticos sobre alternativas para a melhoria da atenção à gestante, mães e 11


Relatório de Atividades 2010

crianças de 0 a 3 anos com enfoque nos aspectos críticos do Desenvolvimento Infantil. A seguir são apresentados resultados iniciais comuns a dois ou mais projetos e específicos de cada município.

Saúde  Reorganização das agendas das Unidades Básicas de Saúde (UBS) para concentrar os agendamentos das gestantes em um só dia da semana. Essa mudança permite um melhor acolhimento à gestante e a formação de grupos durante a pré-consulta. Esses grupos passam a ser um espaço de escuta das dúvidas e inquietações das gestantes e de orientação sobre aspectos da clínica ampliada. Nas UBSs em que os médicos (de família e obstetras) se interessam por aspectos do Desenvolvimento Infantil para além dos biológicos, ocorre uma integração muito positiva entre eles e os profissionais que atuam na pré-consulta (enfermeiras, psicólogos, fisioterapeutas e outros). (Verificado em Votuporanga e Penápolis)  Formação de novos de grupos de famílias grávidas e mudanças nos já existentes. Implantação de nova abordagem que conta com a participação de uma equipe multiprofissional. Para a condução dos grupos, ao invés de palestras, há um primeiro momento de escuta das questões que as grávidas e acompanhantes têm e em seguida, os profissionais trazem suas contribuições com ênfase nas questões levantadas pelo grupo. (Verificado em Votuporanga, Penápolis, Itupeva e SJRP).  Incentivo à participação do pai ou acompanhante no pré-natal e grupos. Estão ocorrendo discussões sobre a possibilidade de mudar os horários dos grupos de grávidas e das consultas do pré-natal para um horário que facilite a participação do pai. Além disso, os municípios estão iniciando diálogos com empresas para liberar os profissionais para participação nos grupos e consultas. Em alguns casos a participação do pai aumentou de 10% para 40% sem alteração nos horários de atendimento. (Verificado em Votuporanga, Penápolis e SJRP).  Melhoria do acolhimento na recepção e pré-consulta. A abrangência de público das capacitações possibilitou a sensibilização e a mudança de atitude de profissionais de todos os níveis dos serviços em alguns municípios. Representantes dos serviços mais básicos (faxineiros e recepcionistas) demonstraram maior compreensão sobre o estado gestacional e sobre o tipo de atenção que as grávidas necessitam. Essas mudanças foram também manifestadas pelos profissionais que fazem o atendimento direto (agentes de saúde, enfermeiras e médicos). (Verificado em SJRP, Itupeva, Votuporanga, Botucatu e Penápolis).  Como continuidade ao trabalho com grupos, foi criada estratégia de visita à maternidade para que as grávidas e seus acompanhantes conheçam os profissionais da equipe de parto, as instalações, as regras e tirem suas dúvidas quanto às etapas que envolvem o parto. Segundo os profissionais da maternidade, esta visita tem sido muito útil para aliviar a 12


Relatório de Atividades 2010

ansiedade em relação ao momento do parto. (Verificado em Itupeva, Votuporanga e Penápolis).  A maternidade adotou o procedimento de aproximação do bebê com a mãe logo após o parto. Esse procedimento simples não ocorria em algumas das maternidades em razão da vigência de protocolos antiquados que não necessariamente proporcionavam o bem estar do bebê e da mãe. Em alguns casos, além desse importante primeiro contato do bebê com a mãe, o recém-nascido é estimulado a mamar. (Verificado em Penápolis, Votuporanga e Itupeva).  O apoio ao aleitamento nos primeiro dias após o parto foi intensificado. As mães são visitadas nos primeiros dias após o parto e saem da maternidade com o exame do pezinho agendado. Nessa oportunidade, são reforçadas as orientações sobre a amamentação. (Verificado em Penápolis, Votuporanga, Botucatu e Itupeva).  Pediatras, enfermeiros e agentes se saúde se disseram mais atentos a questões relacionadas ao estabelecimento do vínculo mãe-filho. As consultas e visitas desses profissionais passaram incorporar indagações sobre aspectos emocionais e sobre a rede de suporte das gestantes como forma de ampliar a atenção às questões vinculares entre os pais durante a gestação e após o parto. (Verificado em SJRP, Botucatu e Votuporanga).  Foi criado um grupo de gestantes exclusivo para adolescentes em um bairro em que a incidência de gravidez na adolescência é mais alta. O Município já desenvolvia um trabalho específico para as adolescentes em uma unidade do centro da cidade e criou um novo grupo em uma área de maior demanda. A forma de condução e o conteúdo temático dos grupos com adolescentes também foram reestruturados em função das capacitações. (Verificado em Votuporanga)  O bom resultado conseguido junto aos grupos de grávidas em Itupeva, a partir da aplicação do que foi aprendido nas capacitações pelos consultores externos, levou às ex-grávidas a solicitarem a criação de grupos de pais de crianças pequenas para que possam seguir recebendo apoio para criar seus filhos. (Verificado em Itupeva)  Criação de parceria entre o projeto e universidades locais. Uma das universidades em Votuporanga criou uma turma de 30 alunos de diversas áreas (pedagogia, enfermagem, psicologia, serviço social e jornalismo) para participar de todas as reedições das capacitações do Projeto. Os professores e alunos universitários estão desempenhando um papel importante na reedição para os profissionais dos serviços e na disseminação das ideias do Projeto junto a estudantes de diferentes cursos na universidade. Os alunos estão participando em projetos com enfoque em Desenvolvimento Infantil em algumas UBS e creches municipais, como parte de estágio obrigatório de sua formação. O tema do Desenvolvimento Infantil está servindo de base para a elaboração de monografias de conclusão de curso pelos alunos. (Verificado em Votuporanga) 13


Relatório de Atividades 2010

 Mobilização de outros grupos da comunidade em torno das ideias do projeto. Em SJRP, grupos da sociedade civil, incluindo a Pastoral da Criança, Grupo de Jovens Rotarianos e o Grupo de Adolescentes Maçons “Filhas de Jô”, assim como grupos do governo fora das áreas de saúde e educação, como os Centros de Referência de Assistência Social, têm participado ativamente das capacitações nas áreas de famílias grávidas e espaços lúdicos. (Verificado em SJRP)

Educação  Recepção das crianças no início do dia. Os pais têm sido estimulados a entrarem nas creches com as crianças e a levá-las até o educador, que faz o acolhimento da criança e esclarece eventuais dúvidas dos pais. Caso tenham interesse em permanecer por um tempo na creche, eles são bem vindos, principalmente na fase de adaptação da criança. Esta prática tem aumentado o vinculo e a confiança entre pais e educadoras. (Verificado em SJRP, Penápolis, Votuporanga e Itupeva).  Mudança na organização da alimentação das crianças. As refeições (lanches e almoço) das crianças passaram a serem servidas no sistema self-service. Esse sistema estimula a autonomia e a motricidade da criança pela possibilidade da escolha e pelo manuseio da bandeja, pratos e talheres. As educadoras perceberam que as crianças passaram a diversificar os alimentos consumidos pela influência das preferências dos colegas. Além disso, o tempo de espera pelos alimentos diminuiu consideravelmente. (Verificado em Penápolis)  Retirada de berços. A ideia de segurança dos berços foi substituída por um ambiente mais acolhedor e espaçoso para as crianças. A substituição dos berços por tatames permitiu melhor aproveitamento do espaço e promoveu maior autonomia das crianças pequenas que não dependem mais dos adultos para realizarem os movimentos (engatinhar, caminhar, interagir com as outras crianças) assim que acordam. (Verificado em Itupeva)  Estratégias mais efetivas para reunião com pais. As reuniões passaram a ser atividades de integração entre pais, educadoras e crianças. Pais são convidados a brincar com as crianças e a trazerem brincadeiras que vivenciaram na sua infância. Somente após as brincadeiras, há um momento formal de conversas sobre as crianças e as questões da organização e funcionamento da creche. (Verificado em SJRP, Botucatu, Penápolis, Votuporanga e Itupeva).  Visitas domiciliares. Em um dos projetos implantados, depois as capacitações as educadoras foram até as casas das crianças que estão sob sua responsabilidade para conhecer seus pais. Após visitar várias famílias, houve um encontro de pais e crianças em uma das casas visitadas. Essa iniciativa foi motivo de muita alegria para as crianças e possibilitou uma maior aproximação entre os pais e os educadores. (Verificado em Itupeva) 14


Relatório de Atividades 2010

 Puericultura em uma creche - Uma universidade local implantou um projeto de acompanhamento do desenvolvimento das crianças. Esse projeto está sob a responsabilidade do curso de enfermagem. Mensalmente são realizados acompanhamentos de puericultura das crianças das creches com o envolvimento de estudantes de enfermagem e educadoras. (Verificado em Votuporanga)

Além da avaliação da qualidade dos serviços, dos profissionais e cuidadores, o Projeto pretende avaliar o impacto dessas intervenções nas próprias crianças. Para isso, foi firmada uma parceria entre a FMCSV e o Offord Center da McMaster University (Toronto / Canadá) para a tradução e aplicação de um instrumento de avaliação de desenvolvimento infantil. Trata-se de um questionário respondido pelas professoras de pré-escola sobre seus alunos de 5 anos de idade, e que indica o grau de maturidade das crianças para o ingresso na vida escolar. O instrumento foi traduzido e aplicado para um grupo de validação, de cerca de 600 crianças, nos 6 municípios. Para que a aplicação ocorresse de forma correta, foram capacitados educadores e técnicos das secretarias de educação das cidades. No final de 2010, o material de validação colhido foi tabulado e enviado para o Offord Center para processamento e análise. A primeira aplicação em toda a população de 5 anos de idade está prevista para 2011, como marco zero e a segunda em 2015 para avaliação de impacto do programa no desenvolvimento das crianças de cada município.

Oficinas de Apoio Técnico e Ações de Mobilização e Acompanhamento Como parte de sua estratégia de investimento social, a FMCSV oferece apoio técnico aos projetos. Esse apoio tem o objetivo de melhorar a capacidade institucional das organizações e governos locais de forma a promover a sustentabilidade das ações e idéias apoiadas. Além disso, o apoio visa capacitar lideranças locais para que possam empreender projetos complementares com o apoio de outros parceiros. Em 2010 ocorreram duas oficinas de apoio técnico das quais participaram, ao todo, 104 membros dos comitês Técnicos e Estratégicos dos municípios. Nesses espaços, são discutidas questões como gestão e planejamento de projetos. Como estratégia de mobilização, a FMCSV financiou a ida de lideranças dos seis municípios para conhecerem a experiência da Semana do Bebê em Canela/RS. O efeito dessa ação foi que dois municípios adotaram essa prática em suas cidades.

15


Relatório de Atividades 2010

Projeto Comunitário Metropolitano – OS Santa Catarina Em abril de 2010, iniciou-se a busca por organizações com atuação em regiões metropolitanas interessadas em implementar projetos de promoção do desenvolvimento integral de crianças. Foram contatadas várias organizações e analisados os dados sócio-demográficos e a capacidade instalada (redes de serviço, organizações da sociedade civil e universidades) das regiões onde elas atuam. Definiu-se pela realização de um projeto piloto com a Organização Social Santa Catarina, em algumas unidades nas quais ela está presente, no distrito de Cidade Ademar, zona sul de São Paulo, capital. O início das atividades desse projeto está previsto para fevereiro de 2011.

IV Workshop Internacional de DI Nos dias 9 e 10 de novembro foi realizado o IV Workshop Internacional de Desenvolvimento Infantil da FMCSV, em parceria com a Fundação Abrinq, o Instituto C&A, a Sociedade Brasileira de Pediatria e o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). O foco do evento foi a atuação das redes e parcerias para o Desenvolvimento Infantil, enfatizando-se a discussão sobre como estabelecer, implantar e manter redes e parcerias eficientes com o objetivo de aprimorar a atenção dada às crianças de 0 a 3 anos. O evento, que foi gratuito, contou com a participação de palestrantes nacionais e internacionais renomados e foi muito bem avaliado pelo público. Assistiram ao Workshop 178 profissionais de diversos estados do país. Na ocasião, foi distribuída a publicação sobre o workshop anterior, que debateu estratégias e experiências no uso da Comunicação em prol do Desenvolvimento Infantil.

Lançamento da versão em português dos livros das profas. Mary Young e Linda Richardson Durante o IV Workshop, foi lançada a versão em português dos livros que as professoras Mary Young e Linda Richardson, do Banco Mundial, organizaram: “Do Desenvolvimento da Primeira Infância ao Desenvolvimento Humano” e “Do Desenvolvimento da Primeira Infância – Da Avaliação à Ação”. Todo o investimento em tradução, revisão, edição e publicação dos livros foi custeado pela FMCSV. Foram impressos 2.000 exemplares de cada livro e os participantes do Workshop receberam um exemplar de cada. O restante está sendo doado a profissionais e organizações e também às bibliotecas dos cursos de Medicina, Enfermagem, Pedagogia e Psicologia do estado de São Paulo.

16


Relatório de Atividades 2010

Versão em língua portuguesa da Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) convidou a FMCSV para fazer a revisão técnica da tradução para o português da Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância. Trata-se de uma enciclopédia virtual, desenvolvida pelo Centre of Excellence for Early Childhood Development (Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância), da Universidade de Montreal, disponível online em inglês, francês e espanhol (www.childencyclopedia.com), e em construção em português (www.enciclopedia-crianca.com). Essa enciclopédia busca manter a informação cientifica sobre o desenvolvimento infantil sempre atualizada, e com a colaboração de nomes expressivos e consagrados do setor. A Enciclopédia, publicada na internet, tem acesso livre e aberto. Abrange 38 temas relacionados ao desenvolvimento psicossocial da criança, desde a concepção até os 5 anos de idade, e apresenta conhecimentos científicos atualizados (artigos inéditos e mensagens-chave, direcionados a pais e profissionais). O Conass e a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV) trabalharam juntos para promover a revisão técnica dos textos da versão em língua portuguesa da referida Enciclopédia, antes de serem disponibilizados on-line, para consulta do público.

Fundo de apoio à pesquisa em DI Como forma de incentivo à geração de conhecimento científico, a FMCSV assinou, em outubro de 2010, acordo com a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) para criação de uma linha de financiamento de projetos de pesquisas voltadas ao Desenvolvimento Infantil na faixa etária de 0 a 3 anos. A linha de financiamento terá valor total de 2,6 milhões de reais, sendo que a FMCSV arcou com a metade do montante e a Fapesp com o restante. O edital de convocação para os interessados tem publicação prevista para o primeiro trimestre de 2011, as pesquisas deverão ter início em 2012 e os primeiros resultados serão obtidos até 2014.

Cursos de Especialização em Desenvolvimento Infantil Em 2010, a FMCSV iniciou a negociação com algumas universidades para organização de cursos de especialização em Desenvolvimento Infantil, dentro de uma concepção multidisciplinar. Em setembro, foi estabelecido contato com a Universidade de São Paulo (USP), por meio da Escola de Enfermagem, e o primeiro curso está previsto para o próximo ano. 17


Relatório de Atividades 2010

Participação da FMCSV em Seminários, Palestras e Congressos Ao longo do ano a FMCSV foi convidada a apresentar sua experiência em Desenvolvimento Infantil em diversos eventos. São eles: 

20º Congresso Internacional de Promoção de Saúde – Genebra - Julho Promovido pela International Union for Health Promotion and Education

XI Semana do Bebê – Salvador - Maio XI Semana do Bebe – Canela – Maio

IX Encuentro Internacional de Educación Inicial Y Preescolar – Havana – Julho Relatoria do tema “La Atención no institucional a La 1ª Infância”

Visita ao CINDE, reunião de trabalho com Alejandro Acosta e participação em seção de teleconferência sobre interação de pais e familiares – Bogotá – Setembro

Visita a Projetos Rurais para a Primeira Infância desenvolvidos pelo IFAN – Ceará – Novembro

Palestra em evento do IFAN com o tema “A importância das relações interpessoais precoces e o desenvolvimento neurobiológico” e participação no lançamento da publicação “Como realizar a Semana do Bebê em Seu Município”, produzido pelo UNICEF – Ceará – Novembro

Palestra no Simpósio “Dialogando com a Neurociência” no VIII Encontro Nacional sobre o Bebê e I Encontro Internacional sobre o Bebê, como – São Paulo – Novembro

Participação no VII Seminário Internacional da Primeira Infância – “Investimento na Primeira Infância – Realidade e Evidências” como relator do tema “Investimentos na Primeira Infância - Projetos Comunitários”, Porto Alegre, Novembro

Participação da FMCSV em redes ligadas à Primeira Infância Em 2010, a FMCSV passou a integrar a Rede Nacional Primeira Infância (RNPI), que é formada por um conjunto de organizações da sociedade civil, do governo, do setor privado, de outras redes e de organismos internacionais que atuam na promoção da primeira infância. Atualmente, cerca de 90 organizações compõem a Rede que, no final de 2010, lançou o Plano Nacional pela Primeira Infância, um conjunto de ações e metas até 2022 para a promoção do desenvolvimento integral de crianças de 0 a 6 anos.

18


Relatório de Atividades 2010

A integração na rede faz parte de uma estratégia da FMCSV de consolidar seu papel entre os atores que atuam com a temática do Desenvolvimento Infantil, bem como de ampliar sua atuação para a área da mobilização em torno das políticas públicas.

19


Relatório de Atividades 2010

Programa DIC-HEMATO: Disseminação de Informação e Conhecimento em Hematologia

Em 2010 a FMCSV deu seguimento à parceria iniciada em 2007 com a Fundação Faculdade de Medicina (FFM) para operacionalização dos Laboratórios, Ambulatórios e Biblioteca Maria Cecília Souto Vidigal. Tal parceria, que consiste na cessão em regime de comodato dos equipamentos para a FFM e na adequação de espaço físico, gerou significativo aumento de qualidade e quantidade de atendimentos gratuitos com expressivo impacto social. Para que se tenha noção do impacto, basta registrar que em 2007 foram realizados um total de 14.131 exames gratuitos, em 2010 esse número saltou para 43.025, mais do que o triplo.

ISO 9001 para os laboratórios de Citogenética e de Biologia Tumoral Em janeiro de 2010, os laboratórios de Citogenética e de Biologia Tumoral, dois das três unidades que formam os Laboratórios Maria Cecília Souto Vidigal, receberam a certificação ISO 9001. Essa certificação só foi possível graças à reforma física promovida pela FMCSV que permitiu a adequação às normas estabelecidas pelos órgãos certificadores. Apenas os procedimentos necessários para a solicitação do ISO 9001 já representam um benefício porque obrigam o laboratório a rever o controle de processos, o que significa mais segurança e confiabilidade dos resultados obtidos. Além disso, a certificação também é importante para que os laboratórios sejam aceitos em programas internacionais de pesquisa. A pesquisa é uma das principais atividades dos laboratórios MCSV, que colabora com estudos de desenvolvimento de novas drogas contra a leucemia, especialmente, na criação de medicamentos quimioterápicos personalizados, menos invasivos e com efeitos colaterais reduzidos.

Aquisição de novos equipamentos Em 2010, a FMCSV investiu R$ 564 mil na aquisição de equipamentos para modernização dos laboratórios. Foi comprado um Seqüenciador Real Time (devidamente equipado com software), que é um analisador automático de DNA, utilizado para análise de material genético em pesquisa de doenças onco-hematológicas. Foram adquiridos dois Termocicladores Automáticos para Amplificação de DNA, que são utilizados em conjunto com o Seqüenciador, para diagnóstico das alterações genéticas que provocam doenças onco-hematológicas. A FMCSV também comprou um equipamento de Real Time, que permite a reação de amplificação em tempo real, uma variante da reação convencional que representa um grande avanço nos métodos moleculares de auxílio diagnóstico, particularmente por facilitar as tarefas de quantificação da expressão gênica em tecidos ou amostras biológicas. Essa 20


Relatório de Atividades 2010

tecnologia é especialmente importante para auxiliar no tratamento da leucemia mielóide crônica porque consegue avaliar precocemente a resposta do paciente à terapia. Para completar a modernização dos equipamentos, foi adquirido um Quantificador de Fatores de Coagulação, utilizado para exames de hemostasia que servem como base para diagnóstico e tratamento de doenças trombóticas e trombo hemorrágicas. Esses equipamentos adquiridos pela FMCSV foram cedidos em regime de comodato para a FFM, ampliando a capacidade do HC de realização de exames gratuitos.

Exames gratuitos realizados em 2010 Laboratório de Imunopatologia Este laboratório é responsável pela realização de exames de IMUNOFENOTIPAGEM, que são painéis para o diagnóstico de leucemias. O diagnóstico precoce nestes casos aumenta as chances de remissão da doença. Em 2007 foram realizados um total 9.734 exames gratuitos. Já em 2010 esse valor passou para um total de 33.610, o que representa um aumento de 245%. MÊS/ANO janeiro-10 fevereiro-10 março-10 abril-10 maio-10 junho-10 julho-10 agosto-10 setembro-10 outubro-10 novembro-10 dezembro - 10 Total/ano Média mensal

Nº EXAMES 2.650 2.640 2.840 3.350 2.310 2.760 3.700 2.710 3.110 2.700 2.790 2.050 33.610 2.800

21


Relatório de Atividades 2010

Gráfico comparativo 2007/2010:

Crescimento de 245%

Laboratório de Biologia Tumoral Esse laboratório realiza os exames de PESQUISA DE MUTAÇÃO DO GENE BCR-ABL–PCR PARA BCR/ABL, JAK2. Esse tipo de pesquisa é a base para a escolha do tratamento que será aplicado para os casos de leucemia. A escolha acertada do tratamento a ser ministrado é fundamental para eficiência do tratamento e, conseqüentemente, sobrevida dos pacientes afetados pela doença ou mesmo para sua remissão. Em 2010, o laboratório de Biologia tumoral efetuou um total de 8.233 exames gratuitos, um aumento de 137% em relação ao total de 3.467 exames realizados em 2007, ano de início da parceria. MÊS/ANO janeiro-10 fevereiro-10 março-10 abril-10 maio-10 junho-10 julho-10 agosto-10 setembro-10 outubro-10 novembro-10 dezembro - 10 Total/ano Média mensal

Nº EXAMES 648 707 867 719 792 649 738 770 645 612 508 578 8.233 686

22


Relatório de Atividades 2010

Gráfico comparativo 2007/2010:

Laboratório de Citogenética Esse laboratório realiza os exames de CARIÓTIPO EM BANDA (MEDULA ÓSSEA E SANGUE) E FISH. São exames que avaliam as alterações cromossômicas. Tal avaliação é importante para determinar o prognóstico do tratamento. Em 2010 o laboratório de Citogenética realizou um total de 1.182 exames gratuitos um aumento de 27% em relação ao total de 930 exames realizados em 2007, ano de início da parceria. MÊS/ANO janeiro-10 fevereiro-10 março-10 abril-10 maio-10 junho-10 julho-10 agosto-10 setembro-10 outubro-10 novembro-10 dezembro-10 Total/ano Média mensal

Nº EXAMES 108 97 121 112 118 95 113 95 94 75 86 68 1.182 98,5

23


Relatório de Atividades 2010

Gráfico comparativo 2007/2010:

Reconhecimento público dos laboratórios Devido ao trabalho de qualidade e excelência realizado pelos laboratórios apoiados pela FMCSV, grandes empresas farmacêuticas passaram a solicitar os seus serviços. 

A Bristol-Myers Squibb credenciou o Laboratório de Biologia Tumoral para exames de mutação genética e o laboratório de Citogenética para os exames de cariótipo e de FISH. A Janssen-Cilag credenciou o Laboratório de Imunopatologia para imunofenotipagens.

24


Relatório de Atividades 2010

DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Os números apresentados pela FMCSV refletem a evolução de suas atividades em 2010, dando sequência ao plano estratégico iniciado nos anos anteriores. O Programa Zero a Três (anteriormente chamado de Programa de Desenvolvimento Infantil) conquistou importantes avanços ao longo do ano. Cabe destacar também as ações junto à Fundação Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FFMUSP) e ao Hospital das Clínicas (HC). O ano de 2010 também marcou a consolidação da estrutura organizacional da FMCSV, reforçando as áreas de Comunicação, Tecnologia da Informação e Programas. A FMCSV destinou a seus programas e projetos um total de R$ 3,7 milhões em investimentos diretos e R$ 2,1 milhões em atividades gratuitas de suporte (oficinas, consultorias, apoio técnico, avaliação, workshop, etc). No Programa Zero a Três, a FMCSV ampliou suas atividades dando continuidade aos Projetos Sociais em seis municípios paulistas, conforme descrito nas seções anteriores, investindo R$ 486 mil. Além disso, a FMCSV estabeleceu uma parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para a criação de um fundo de apoio às pesquisas relacionadas ao conhecimento de processo em Desenvolvimento Infantil. O valor do fundo é de R$ 2,6 milhões, sendo que metade dessa quantia (R$ 1,3 milhão) foi aportada pela FMCSV. A FMCSV promoveu o IV Workshop Internacional de Desenvolvimento Infantil, evento gratuito cujo tema foi a atuação em parcerias e redes sociais em prol do Desenvolvimento Infantil. Ainda no evento, foram lançados os livros “Do Desenvolvimento da Primeira Infância ao Desenvolvimento Humano” e “Desenvolvimento da Primeira Infância – Da Avaliação à Ação” das pesquisadoras do Banco Mundial Mary Young e Linda Richardson, cujas despesas de tradução, revisão, edição e distribuição gratuita foram financiadas pela FMCSV. A parceria entre a FMCSV e a FFMUSP – HC foi ampliada em 2010 com um investimento total de R$ 2,4 milhões, sendo R$ 456 mil na compra de novos equipamentos para a realização de exames gratuitos (o que explica o aumento no Ativo Imobilizado) e R$ 1,9 milhão em benfeitorias nas instalações do HC e aumento de suporte operacional para as atividades de desenvolvimento do Centro de Educação Permanente em Hematologia e Hemoterapia do Hospital das Clínicas/Fundação Faculdade de Medicina/Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. O ano de 2010 foi marcado por acontecimentos na esfera econômica e política, entre os quais podemos destacar: a crise fiscal em alguns países da União Europeia, o lento processo de recuperação dos EUA, medidas preventivas contra um superaquecimento da economia chinesa, o contínuo avanço do consumo no mercado nacional, culminando com o processo eleitoral para os principais cargos políticos do Executivo brasileiro. Tais fatores contribuíram para que o mercado financeiro se comportasse de maneira errática. Os principais índices da Bolsa de Valores ficaram em patamar próximo a zero e os ativos de 25


Relatório de Atividades 2010

Renda Fixa foram pressionados pelas expectativas de aumento de juros, reflexo de níveis de inflação mais altos do que em anos anteriores. Mesmo diante desse cenário, o resultado do Fundo Patrimonial foi muito bom quando comparado a investimentos com perfil de risco semelhante. A alocação entre ativos de renda fixa e renda variável do Fundo Patrimonial se mostrou consistente, apresentando rentabilidade acima da meta de investimento da administração. Os investimentos da FMCSV originaram R$ 35,5 milhões em receitas financeiras, conforme apresentado no demonstrativo a seguir. Em 2010, a FMCSV iniciou o relacionamento com mais um gestor, trazendo mais competitividade e disciplina para a administração dos investimentos da organização. Para o próximo ano, a equipe e o Comitê de Investimentos da Fundação continuarão trabalhando na tarefa de identificar oportunidades de mercado que gerem retornos interessantes e garantam a perenidade da instituição. Seguem abaixo o balanço patrimonial e o demonstrativo de resultados de 2010.

26


Relatório de Atividades 2010

Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais

Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa Títulos e Valores Mobiliários Outros créditos

Não circulante Imobilizado Intangível

2010

2009

2.123 304.293 78

3.140 276.625 75

306.494

279.840

643 52

217 73

695

290

Passivo e patrimônio social Circulante Fornecedores Obrigações tributárias Salários e encargos sociais Outras obrigações

Não circulante Outras obrigações

Patrimônio social Patrimônio social Superávit acumulado

Total do ativo

307.189

280.130

Total do passivo e patrimônio social

2010

2009

82 65 90 99

100 169 92 99

336

460

9

16

279.654 27.190

188.213 91.441

306.844

279.654

307.189

280.130


Relatório de Atividades 2010

Demonstrações do superávit Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais

Receitas Ganho na alienação de investimentos Receitas financeiras Dividendos recebidos Juros sobre o capital próprio Ganho na venda do ativo imobilizado Doações recebidas Prestação de Serviços

Despesas Gerais e administrativas Das atividades Depreciação e amortização Impostos sobre serviços prestados Financeiras

Superávit do exercício

2010

2009

35.542 40

50.365 44.656 105 1.424 44 -

35.582

96.594

(2.507) (5.818) (65) (2) -

(3.416) (1.671) (66) -

(8.392)

(5.153)

27.190

91.441


Relatório de Atividades 2010