{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

TEMPORADA 2019 • FORA DE SÉRIE 7 MÚSICA, GUERRA E PAZ

CONEXÕES


Ministério da Cidadania e Governo de Minas Gerais apresentam

FORA DE SÉRIE • MÚSICA, GUERRA E PAZ

14 DE SETEMBRO MARCOS ARAKAKI, regente


PROGRAMA

SERGEI PROKOFIEV Guerra e Paz, op. 91: Abertura

LUDWIG VAN BEETHOVEN A vitória de Wellington, op. 91 • A Batalha • A Sinfonia da Vitória

FRANZ LISZT A batalha dos hunos, Poema Sinfônico nº 11

INTERVALO

KRZYSZTOF PENDERECKI Trenodia para as vítimas de Hiroshima

CLAUDIO SANTORO Canto de Amor e Paz

PIOTR ILITCH TCHAIKOVSKY Abertura 1812, op. 49


FOTO: RAFAEL MOTTA

CAROS amigos e amigas, Seja na celebração das vitórias ou

pouco mais de nossa história, revisitando momentos

na lamentação das consequentes

de tristeza e alegria, afirmando a força emocional

dores das guerras, a música sempre

que a Música tem nesses momentos e tentando

serviu para ilustrar os sentimentos

comunicar a esperança renovada em dias melhores

profundos que definem a trajetória

que certamente virão.

humana. Na apresentação de hoje da série Fora de Série, passaremos

A todos, um bom concerto.

exatamente por essas experiências, aproveitando para conhecer um

2

FABIO MECHETTI


FABIO diretor artístico e MECHETTI regente titular Diretor Artístico e Regente Titular

da qual hoje é Regente Emérito. Regente Associado de

da Orquestra Filarmônica de Minas

Mstislav Rostropovich na Orquestra Sinfônica Nacional de

Gerais desde sua criação, em 2008,

Washington, com ela dirigiu concertos no Kennedy Center

Fabio Mechetti posicionou a orquestra

e no Capitólio. Da Sinfônica de San Diego, foi Regente

mineira no cenário mundial da

Residente. Fez sua estreia no Carnegie Hall de Nova York

música erudita. Além dos prêmios

conduzindo a Sinfônica de Nova Jersey. Continua dirigindo

conquistados, levou a Filarmônica

inúmeras orquestras norte-americanas e é convidado

a quinze capitais brasileiras, a uma

frequente dos festivais de verão norte-americanos, entre eles

turnê pela Argentina e Uruguai e

os de Grant Park em Chicago e Chautauqua em Nova York.

realizou a gravação de nove álbuns, sendo quatro para o selo internacional

Igualmente aclamado como regente de ópera, estreou nos

Naxos. Natural de São Paulo,

Estados Unidos dirigindo a Ópera de Washington.

Mechetti serviu recentemente como

No seu repertório destacam-se produções de Tosca,

Regente Principal da Filarmônica

Turandot, Carmem, Don Giovanni, Così fan tutte, La Bohème,

da Malásia, tornando-se o primeiro

Madame Butterfly, O barbeiro de Sevilha, La Traviata e Otello.

regente brasileiro a ser titular de uma orquestra asiática.

Suas apresentações se estendem ao Canadá, Costa Rica, Dinamarca, Escócia, Espanha, Finlândia, Itália,

Nos Estados Unidos, Mechetti esteve

Japão, México, Nova Zelândia, Suécia e Venezuela.

quatorze anos à frente da Orquestra

No Brasil, regeu todas as importantes orquestras brasileiras.

Sinfônica de Jacksonville e, atualmente, é seu Regente Titular Emérito.

Fabio Mechetti é Mestre em Regência e em Composição

Foi também Regente Titular das

pela Juilliard School de Nova York e vencedor do Concurso

sinfônicas de Syracuse e de Spokane,

Internacional de Regência Nicolai Malko, da Dinamarca. 3


MARCOS ARAKAKI Marcos Arakaki teve seu talento reconhecido a partir de 2001, quando venceu o I Concurso Nacional Eleazar de Carvalho para Orquestra Petrobras Sinfônica. Desde então, tem dirigido as principais orquestras sinfônicas brasileiras, além da Filarmônica de Buenos

FOTO RAFAEL MOTTA

Jovens Regentes, promovido pela

Aires, de Karkhiv na Ucrânia, a Boshlav Martinu na República

Orquestra Sinfônica Brasileira, gravou em 2010 a trilha

Tcheca, a Sinfônica de Xalapa

sonora do filme Nosso Lar, composta por Philip Glass.

e da Universidade Autônoma do México. Marcos Arakaki concluiu

Arakaki tem acompanhado importantes artistas, tais

bacharelado em Música pela

como os pianistas Gabriela Montero, Sergio Tiempo, Anna

Universidade Estadual Paulista

Vinnitiskaya, Sofya Gulyak e Ricardo Castro; os violinistas

(Unesp) e mestrado em Regência

Pinchas Zukerman, Rachel Barton Pine, Chloë Hanslip

Orquestral pela University of

e Luíz Fílip; o violoncelista Victor Julien-Laferrière; o

Massachusetts. Participou do Aspen

contrabaixista Günter Klaus, o clarinetista Eddie Daniels,

Music Festival and School (2005),

o trompista/trompetista David Gérrier e o violonista

nos Estados Unidos, recebendo

Yamandu Costa.

orientações de David Zinman, e também de masterclasses com os

Paralelamente, desenvolve atividades como coordenador

maestros Kurt Masur, Charles Dutoit

pedagógico, professor e palestrante em diversos

e Sir Neville Marriner. Entre 2007

projetos culturais e em instituições, como Casa Saber-

e 2010, trabalhou como regente

Rio de Janeiro, Música na Estrada, Universidade

titular da Orquestra Sinfônica da

Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Federal do

Paraíba e regente assistente da

Rio Grande do Norte, Universidade Federal de Roraima

Orquestra Sinfônica Brasileira.

e em diversos conservatórios brasileiros. Foi professor

Como regente titular, Arakaki

visitante da Universidade Federal da Paraíba por dois

promoveu a reestruturação da

anos, contribuindo para a consolidação da recém-criada

Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem,

Orquestra Sinfônica da UFPB.

recebendo grande reconhecimento da crítica especializada e do público na

Marcos Arakaki é regente associado da Filarmônica de

cidade do Rio de Janeiro. Em 2009,

Minas Gerais e colabora com a Orquestra desde 2011,

recebeu o Prêmio Camargo Guarnieri,

com destacada atuação nos concertos para formação de

concedido pelo Festival Internacional

público. É autor do livro A História da Música Clássica

de Campos do Jordão. À frente da

Através da Linha do Tempo, lançado em 2019.

4


SERGEI PROKOFIEV Sontsovka, Ucrânia, 1891 – Moscou, Rússia, 1953

Guerra e Paz, op. 91: Abertura 1942 — 5 min Piccolo, 2 flautas, 2 oboés, corne inglês, 2 clarinetes, clarone, 2 fagotes, contrafagote, 4 trompas, 3 trompetes, 3 trombones, tuba, tímpanos, percussão, harpa, cordas. Editora: Herdeiros Prokofiev Representante: Barry Editorial

LUDWIG VAN BEETHOVEN Bonn, Alemanha, 1770 – Viena, Áustria, 1827

A vitória de Wellington, op. 91 1813 — 14 min Piccolo, 2 flautas, 2 oboés, 2 clarinetes, 2 fagotes, 4 trompas, 6 trompetes, 3 trombones, tímpanos, percussão, cordas. Editora: Breitkopf & Härtel

Pl

odem ser infinitas as motivações individuais e pessoais que disparam o gatilho dos processos criadores. Dessas motivações, os grandes movimentos sociais, espontâneos ou não,

despontam com indiscutível visibilidade, em resultados e dimensões igualmente infinitos. Em uma abordagem coletiva, por exemplo, as ditas Escolas Nacionais, que derivam do movimento romântico, podem ser observadas como uma manifestação de resistência social e cultural diante da hegemonia dos grandes polos políticos e culturais da Europa no século XIX e início do século XX. Nos planos individuais, porém, esses gatilhos tendem a ser muito mais específicos. Guernica, o célebre painel de Picasso, nasce do impacto que causou ao pintor a notícia do bombardeio da cidade homônima basca pela força aérea nazista. Igualmente social, mas de motivação bem diferente, deve ter sido o gatilho para a criação de Os Retirantes de Portinari. Por outro lado, música Alexandre Nevsky, composta por Prokofiev para a fita homônima de Einsenstein, evoca tanto aspectos nacionalistas quanto os horrores de uma guerra

FRANZ LISZT Raiding, Hungria, atual Áustria, 1811 – Bayreuth, Alemanha, 1886

A batalha dos hunos, Poema Sinfônico nº 11 1857 — 16 min Piccolo, 2 flautas, 2 oboés, 2 clarinetes, 2 fagotes, 4 trompas, 3 trompetes, 3 trombones, tuba, tímpanos, percussão, órgão, cordas. Editora: Breitkopf & Härtel

bem distante no tempo, travada no século XIII, entre os russos e os cruzados. Assim, vê-se que os movimentos sociais, quando são motivadores da poética, ainda que ecoem no universo contemporâneo do artista criador, não lhe precisam estar cronologicamente próximos Guerra e Paz, ópera na qual Prokofiev trabalhou entre 1942 e 1946, ano de sua estreia, baseia-se na obra homônima de Leon Tolstoi, misto de romance histórico e de costumes, que retrata cinco famílias aristocráticas russas durante as guerras napoleônicas. Por isso, não se pode deixar de

KRZYSZTOF PENDERECKI Debica, Polônia, 1933

Trenodia para as vítimas de Hiroshima 1960 — 9 min Cordas. Editora: Schott Music Representante: Barry Editorial

mencionar o episódio histórico de 1812, em que Napoleão invade a Rússia. Os desdobramentos disso na história ocidental dispensam comentários. A mesma motivação teve Tchaikovsky, ao compor a sua Abertura para o ano de 1812. No entanto, a obra de Tchaikovsky, estreada em 1882, opta por comemorar a 5


CLAUDIO SANTORO Manaus, Brasil, 1919 – Brasília, Brasil, 1989

derrocada da Grande Armée napoleônica, com pontadas de ufanismo, evocações de motivos folclóricos russos e citações irônicas da Marselhesa, que o compositor desconstrói.

Canto de Amor e Paz 1950 — 12 min Cordas. Editora: Edition Savart

PIOTR ILITCH TCHAIKOVSKY Votkinsk, Rússia, 1840 – São Petersburgo, Rússia, 1893

Abertura 1812, op. 49 1880 — 16 min Piccolo, 2 flautas, 2 oboés, corne inglês, 2 clarinetes, 2 fagotes, 4 trompas, 4 trompetes, 3 trombones, tuba, tímpanos, percussão, cordas. Editora: Breitkopf & Härtel

Mais estilizadamente marcial – veja-se a presença dos clarins, das fanfarras e da percussão característica –, mas motivada por razão semelhante, é A vitória de Wellington, que Beethoven compôs em 1813, para celebrar a vitória do Duque de Wellington sobre as tropas francesas, em 21 de junho do mesmo ano, na Espanha. Fato raro em Beethoven, ele cita aí temas tradicionais, ilustrativos das personagens do episódio, como God Save the King, hino da Inglaterra, e Rule Britannia, além de outros. Já o poema sinfônico de Liszt, composto em 1855, motiva-se na pintura de Wilhelm von Kaulbach, intitulado A batalha dos hunos, que retrata alegoricamente tanto a investida do Império Romano do Ocidente contra os hunos, em 451, quanto a lenda que se originou dessa batalha: diz-se que foi tão sangrenta, que os soldados a continuaram no céu. Daí a citação, na obra, de Crux Fidelis, tema gregoriano que aparece nos metais e nas cordas, nas seções central e final, respectivamente. Compostas para cordas e separadas por um lapso de dez anos, não poderia haver obras mais contrastantes, como a Trenodia para as vítimas de Hiroshima, de Penderecki, e o Canto de Amor e Paz, de Santoro. A primeira não poupa o uso da dissonância e dos efeitos, transformando-os em uma alegoria sonora dos horrores resultantes do bombardeio atômico à cidade japonesa durante a Segunda Guerra Mundial. A obra de Claudio Santoro, por sua vez, composta em 1950 e estreada no ano seguinte, usa da melodia franca, não se constrange com harmonias acessíveis e cita elementos da música tradicional brasileira. Sem ser manifestadamente nacionalista, Claudio Santoro, aí, se mostra confessadamente nacional.

MOACYR LATERZA FILHO Pianista e cravista, Doutor em Literaturas de Língua Portuguesa, professor da Universidade do Estado de Minas Gerais e da Fundação de Educação Artística. 6


para

OUVIR, ASSISTIR E LER

PROKOFIEV CD Prokofiev – War and Peace – Orchestre

PENDERECKI CD Krzysztof Penderecki: Threnody for the Victims of Hiroshima;

National de France – Choeurs de Radio France

Viola Concerto – Nancy Van de Vate: Chernobyl; Concerto nº 1 for violin –

– Mstislav Rostropovitch, regente – Erato –

Polish Radio and TV Symphony Orchestra of Krakow – Szymon Kawalla,

2017

regente – Aquarius – s/d Finnish Radio Symphony Orchestra – Krzysztof Urbanski, regente

BEETHOVEN CD Tchaikovsky: 1812 Festival Overture; Capriccio Italien – Beethoven: Wellington's

Acesse: fil.mg/phiroshima

SANTORO

Victory – London Symphony Orchestra; Minneapolis Symphony Orchestra – Antal Dorati, regente – Mercury – 1995 Berliner Philharmoniker – Herbert von

CD Brasília ano 35 – Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro – Sérgio Kuhlmann, regente – GDF/SCE/Sony 107.513 – 1995 Orquestra Sinfônica Nacional da UFF – Roberto Duarte, regente

Karajan, regente | Acesse: fil.mg/bwellington

Acesse: fil.mg/samorepaz

LISZT

TCHAIKOVSKY

Orquesta Filarmónica de Jalisco – Ricardo Casero, regente | Acesse: fil.mg/lhunos

CD Tchaikovsky: 1812 Festival Overture; Capriccio Italien – Beethoven: Wellington's Victory – London Symphony Orchestra; Minneapolis Symphony Orchestra – Antal Dorati, regente – Mercury – 1995 Berliner Philharmonic – Seiji Ozawa, regente Acesse: fil.mg/t1812

7


Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

DIRETOR ARTÍSTICO E REGENTE TITULAR

Fabio Mechetti REGENTE ASSOCIADO

Marcos Arakaki

PRIMEIROS VIOLINOS

VIOLONCELOS

FAGOTES

HARPA

Rommel Fernandes –

Philip Hansen *

Catherine Carignan *

Clémence Boinot *

Spalla associado

Robson Fonseca ***

Victor Morais***

Ara Harutyunyan –

Camila Pacífico

Francisco Silva

Spalla assistente

Camilla Ribeiro

Ana Paula Schmidt

Eduardo Swerts

TROMPAS

Ana Zivkovic

Emília Neves

Alma Maria Liebrecht *

Arthur Vieira Terto

Lina Radovanovic

Evgueni Gerassimov ***

Joanna Bello

Lucas Barros

Gustavo Garcia Trindade

GERENTE

Laura von Atzingen

William Neres

José Francisco dos Santos

Jussan Fernandes

Luis Andrés Moncada

TECLADOS

Ayumi Shigeta *

Lucas Filho

Roberta Arruda

CONTRABAIXOS

Rodrigo Bustamante

Nilson Bellotto *

Rodrigo M. Braga

André Geiger ***

TROMPETES

Rodrigo de Oliveira

Marcelo Cunha

Marlon Humphreys *

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

Wesley Prates

Marcos Lemes

Érico Fonseca **

Risbleiz Aguiar

Pablo Guiñez

Daniel Leal ***

SEGUNDOS VIOLINOS

Rossini Parucci

Tássio Furtado

ARQUIVISTA

Frank Haemmer *

Walace Mariano

Jessé Sadoc ****

Ana Lúcia Kobayashi

Hyu-Kyung Jung ***

Fabio Ogata

INSPETORA

Karolina Lima

José Vitor ****

Gideôni Loamir

FLAUTAS

Jovana Trifunovic

Cássia Lima*

TROMBONES

Claudio Starlino

Luka Milanovic

Renata Xavier ***

Mark John Mulley *

Jônatas Reis

Martha de Moura Pacífico

Alexandre Braga

Diego Ribeiro **

Matheus Braga

Elena Suchkova

Wagner Mayer ***

SUPERVISOR DE MONTAGEM

Renato Lisboa

Rodrigo Castro

Radmila Bocev

ASSISTENTES

Rodolfo Toffolo

OBOÉS

Tiago Ellwanger

Alexandre Barros *

TUBAS

MONTADORES

Valentina Gostilovitch

Públio Silva ***

Eleilton Cruz *

Hélio Sardinha

Israel Muniz

Rafael Mendes ****

Klênio Carvalho

Maria Fernanda Gonçalves

VIOLAS

João Carlos Ferreira *

TÍMPANOS

Roberto Papi ***

CLARINETES

Flávia Motta

Marcus Julius Lander *

Patricio Hernández Pradenas *

Gerry Varona

Jonatas Bueno ***

PERCUSSÃO

Gilberto Paganini

Ney Franco

Rafael Alberto *

Katarzyna Druzd

Alexandre Silva

Daniel Lemos ***

Luciano Gatelli

Sérgio Aluotto

Marcelo Nébias

Werner Silveira

Mikhail Bugaev Nathan Medina

* PRINCIPAL

** PRINCIPAL ASSOCIADO

*** PRINCIPAL ASSISTENTE

**** MUSICISTA CONVIDADO


Instituto Cultural Filarmônica OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – Lei 14.870 / Dez 2003 OS — Organização Social — Lei 23.081 / Ago 2018

Conselho Administrativo

Equipe Técnica

Equipe Administrativa

MENSAGEIRO

GERENTE ADMINISTRATIVO-

JOVEM APRENDIZ

FINANCEIRA

Sunamita Souza

Ana Lúcia Carvalho

Sala Minas Gerais

Douglas Conrado

GERENTE DE COMUNICAÇÃO PRESIDENTE EMÉRITO

Merrina Godinho Delgado

Jacques Schwartzman GERENTE DE PRESIDENTE

PRODUÇÃO MUSICAL

Roberto Mário

Claudia da Silva Guimarães

Gonçalves Soares Filho

GERENTE CONTÁBIL

Graziela Coelho

CONSELHEIROS

PROGRAMAÇÃO MUSICAL

GERENTE DE

Angela Gutierrez

Gabriela de Souza

RECURSOS HUMANOS

Arquimedes Brandão

Quézia Macedo Silva

Berenice Menegale

PRODUTOR

Bruno Volpini

Luis Otávio Rezende

Celina Szrvinsk

GERENTE DE INFRAESTRUTURA

ASSESSORA DE

Renato Bretas GERENTE DE OPERAÇÕES

Jorge Correia ANALISTAS ADMINISTRATIVOS

João Paulo de Oliveira

TÉCNICOS DE ÁUDIO

Letícia Cabral

E DE ILUMINAÇÃO

Fernando de Almeida

ANALISTAS DE COMUNICAÇÃO

Ítalo Gaetani

Carolina Moraes Santana

Marco Antônio Pepino

Fernando Dornas

SECRETÁRIA EXECUTIVA

Mauricio Freire

Lívia Aguiar

Flaviana Mendes

Octávio Elísio

Renata Gibson

Sérgio Pena

Renata Romeiro

Diretoria Executiva

ANALISTAS DE

Daniel Hazan Diano Carvalho ASSISTENTE OPERACIONAL ASSISTENTE ADMINISTRATIVA

Rodrigo Brandão

Cristiane Reis MARKETING

ASSISTENTE DE

DIRETOR PRESIDENTE

Eventos — Lívia Brito

RECURSOS HUMANOS

Diomar Silveira

Projetos — Lilian Sette

Jessica Nascimento

Relacionamento — DIRETOR ADMINISTRATIVO-

Itamara Kelly

Joaquim Barreto

RECEPCIONISTAS

Meire Gonçalves

FINANCEIRO ASSISTENTE DE MARKETING

Vivian Figueiredo FORA DE SÉRIE

E RELACIONAMENTO DIRETOR DE COMUNICAÇÃO

Henrique Campos

Agenor Carvalho

AUXILIAR CONTÁBIL

Música, Guerra e Paz

Pedro Almeida

setembro 2019

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO DIRETORA DE MARKETING

Rildo Lopez

Geovana Benicio

E PROJETOS

Zilka Caribé

AUXILIAR ADMINISTRATIVA

AUXILIAR DE PRODUÇÃO

COORDENADORA DA EDIÇÃO Merrina

Godinho Delgado

AUXILIARES DE

EDIÇÃO DE TEXTO

DIRETOR DE OPERAÇÕES

SERVIÇOS GERAIS

Berenice Menegale

Ivar Siewers

Ailda Conceição

Jeferson Silva

Rose Mary de Castro

IMAGEM DA CAPA

Detalhe de Berezina Battle, pintura de January Suchodolsk


SUA

DOAÇÃO FAZ A

DIFERENÇA Hoje temos Amigos que fazem a diferença na vida de milhares de crianças e jovens ao possibilitar cada vez mais o acesso ao universo sinfônico.

F OTO: BRUN A BR AN DÃO

Faça sua doação e ajude-nos na manutenção das nossas ações educacionais.

Conheça e veja como é fácil: F IL ARMONICA.ART.BR/AMIGOS 3219-9029

Fora De Série – meia-pagina simples 17,5 x 12,5 cm

O legítimo bistrô francês da capital

*

A maior oferta de vinhos em taça

*

-15% na conta com o seu ingresso da noite Rua Pium-í 229 (31)3227-7764

Le magret de canard


NO CONCERTO... Seja pontual.

Cuide da Sala Minas Gerais.

Traga seu ingresso ou cartão de assinante.

Não coma ou beba.

Desligue o celular (som e luz).

Deixe para aplaudir ao fim de cada obra.

Não fotografe ou grave em áudio / vídeo.

Se puder, devolva seu programa de concerto.

Faça silêncio e evite tossir.

Evite trazer crianças menores de 8 anos.

PRÓXIMOS CONCERTOS 19 E 20 DE SETEMBRO, 20h30 ALLEGRO E VIVACE

5 DE OUTUBRO, 18h FORA DE SÉRIE / MÚSICA E RELIGIOSIDADE

Bizet / Berlioz

Milhaud / Mignone / Bernstein / Villa-Lobos

26 DE SETEMBRO, 20h30 LABORATÓRIO DE REGÊNCIA

10 E 11 DE OUTUBRO, 20h30 PRESTO E VELOCE

Liszt / Brahms / J. Strauss Jr. / Dukas

Beethoven / Mozart / Mustonen / Sibelius

29 DE SETEMBRO, 11h CONCERTOS PARA A JUVENTUDE / IDENTIDADES SONORAS

17 E 18 DE OUTUBRO, 20h30 ALLEGRO E VIVACE Dutilleux / Prokofiev / Ravel

Beethoven / Smetana / Brahms / J. Strauss Jr. / Ravel / Elgar / Rimsky-Korsakov

Restaurantes parceiros

Nos dias de concerto, apresente seu ingresso,

cartão de Amigo ou Assinante e obtenha descontos especiais. Saiba mais: fil.mg/restaurantes

RUA RIO DE JANEIRO, 2076 – LOURDES TEL: 3292-6221

RUA PIUM-Í, 229 – CRUZEIRO TEL: 3227-7764

RUA RIO GRANDE DO SUL, 1236 – SANTO AGOSTINHO TEL: 2515-6092

11 RUA CURITIBA, 2244 – LOURDES TEL: 3291-1447


MANTENEDOR

PATROCÍNIO

APOIO

DIVULGAÇÃO

compliance REALIZAÇÃO

compliance

SALA MINAS GERAIS

(31) 3219.9000 | Fax (31) 3219.9030

WWW.FILARMONICA.ART.BR

/filarmonicamg

/filarmonicamg

@filarmonicamg

/filarmonicamg

COMUNICAÇÃO ICF

Rua Tenente Brito Melo, 1.090 | Barro Preto | CEP 30.180-070 | Belo Horizonte - MG


Profile for Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

Fora de Série: Conexões | Música, Guerra e Paz  

Marcos Arakaki, regente PROKOFIEV | Guerra e Paz, op. 91: Abertura BEETHOVEN | A vitória de Wellington, op. 91 LISZT | A batalha dos Hunos...

Fora de Série: Conexões | Música, Guerra e Paz  

Marcos Arakaki, regente PROKOFIEV | Guerra e Paz, op. 91: Abertura BEETHOVEN | A vitória de Wellington, op. 91 LISZT | A batalha dos Hunos...

Advertisement