Page 1


Panorama RioArte Rio de Janeiro/Brasil 2000


PREFEITURADA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro Luiz Paulo Femandez Conde Secretária Municipal de Cultura Vania Bonelli Presidente do RioArte Oduvaldo Braga Diretora de Projetos do RioArte Maria lúlla Vieira Pinheiro Diretor da divisão de Artes Cênicas do RioArte Alberto S. Benzecry Diretor Artístico do Teatro Carlos Gomes Moacyr Góes Diretora Administrativa Denise Escudeiro

do Teatro Carlos Gomes

Administradores do Teatro Carlos Gomes Sula Villela Marco Figueiredo

TEATRO CARLOS GOMES Diretor

Artístico

Moacyr

Góes

Diretora Denise

Administrativa Escudeiro

Administradores Sula ViI\ela Marco

Figueiredo

Iluminação Fábio

P. Souza, Jairo R. Martins

Cenotécnico Humberto

Silva e equipe

Chefe de Manutenção Antonio Diretor

Ferrari e equipe de Cena

Cezar Salles

Camareira Cecllia Vianna Operador

de Som

Carlos Madureira

e Marcos

Paulo


------------.........•••••••••••••

A dança contemporânea é uma importante manifestação cultural da Cidade que também vem recebendo atenção especial da Prefeitura dentro de sua política de incentivo, fomento e apoio à criação artística. Em conseqüência, o Rio de Janeiro tem sido palco constante de festivais, mostras, workshops e, especialmente, um lugar privilegiado para troca de informações entre companhias de dança nacionais e internacionais. O investimento público vem abrindo espaço e intensificando a circulação e o intercãmbio da dança de vanguarda, além de apoiar financeiramente a manutenção de 11 companhias cariocas e incentivar a pesquisa na área, através do Programa de Bolsas RioArte. Por isso, nada melhor do que a realização desta nona edição do Panorama RioArte de Dança, pela Secretaria Municipal de Cultura, por intermédio do RioArte, para marcar a continuidade e permanência dessa política cultural, que recolocou o Rio de Janeiro em posição de destaque também na área da dança.

Contemporary dance is an important cultural manifestation o] Rio and has also received special attention from the City Government within its politics ot encouragement, forging and support to the ortistic creation. Consequentlv, Rio de janeiro has been a constant stage ot testivats, shows, workshops and, specially, a privileged place for the exchange of information among national and international dance companies. The publit: investment has opened space and intensitied the circulation and interchange of vanguard dance, besides supporting financially the maintenance ot 11 companies from Rio and encourage research in the area, through the RioArte Scholarship Programo This is why, nathing better than having this ninth edition ot Panorama RioArte de Dança, executed by the Municipal Bureau ot Culture through RioArte, to set the continuity and permanence ot this cultural politics, that has placed Rio de janeiro in an important place in the area ot dance as we/l.

Luiz Paulo Fernandez Conde Prefeito da Cidade do Rio de janeiro


Em sua 9º Edição, o Panorama RioArte de Dança está definitivamente incorporado ao calendário cultural do Rio de Janeiro. As já tradicionais parcerias com o Instituto Goethe, o Consulado da França, a Funarte, a Association Française d'Action Artistique e o Sesc/SP foram reforçadas pelo Muffathalle de Munique e o Fundo Nacional de Apoio à Cultura do Minc, permitindo trazer à cidade espetáculos inéditos de companhias e coreógrafos do Brasil e do exterior, além de abrir espaço especial, no Teatro Cacilda Becker, para os novos talentos, com a programação "Novíssimos". Atividades paralelas como workshops, debates, lançamento de livros, estimulam a reflexão em torno das tendências mais recentes da dança mundial e contribuem para a troca de experiências, essencial ao processo criativo. Com o apoio a 11 companhias, a continuidade do Panorama RioArte de Dança, a realização do Circuito Carioca de Dança, a criação do Prêmio RioDança, e a implantação do Centro Coreográfico, a Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, de braços dados com os profissionais da área, espera acertar o passo de uma política voltada para elevar a dança carioca ao lugar de merecido destaque, nos cenários artísticos nacional e internacional.

In its ninth edition, Panorama RioArte de Dança is definitely incorporated into Rio de janeiro's cultural calendar. The traditional partnerships with Goethe Institute, the French Consulate, Funarte, and Association Française d'Action Artistique and Sesc!SP have been reinforced by Muffathalle ot Munich and Fundo Nacional de Apoio à Cultura oi Ministry of Culture. This allows bringing to the city new shows oi Brazilian and foreign choreographers and companies, besides opening a special space, at Cacilda Becker Theater, for new talents, with the program "Novíssimos". parallel activities, such as workshops, debates, book launching, stimulate the reftectlon around the latest trends of world dance and contribute for the interchange of experiences, which is essential for the creative processo With the support to 11 companies, the continuity ot Panorama RioArte de Dança, the realization o] Circuito Carioca de Dança, the creation of RioDança Award and the establishment of Centro Coreográfico, Rio de janeiro's Culture Bureau - hand in hand with the proiessionals ot the area - hopes to adjust the pace oi a politics that works towards lifting Rio's dance to a deserved outstanding position in the national and international artistic scene.

Vânia Bonelli Secretária Municipa!'de

Cultura do Rio de Janeiro

Secretary of Culture of Rio de janeiro City


It is a great joy to welcome the ninth edition of Panorama RioArte de Dança, an international festival that was conceived inside RioArte itself Year otter year, ar step by step - as it is in dance -, Panorama tias grown and developed a role of extreme importance in the cultural scene, with new shows, always under the artistic coordination of choreographer Lia Rodrigues. From the start, Panorama believed in the aesthetic difference ot contemporary dance, proposing a look at the production o] the choreographers who work in this direction. Thus, its program offers the public an up-to-date profile ot the different tendeneies, national and internationa/. IIs nine editions add up more than eighty companies and choreographers and witnessed the launching ot new talents and the presentation of celebrated names, besides classes, lectures, meetings, workshops, book launching. The new trends of contemporary dance were always placed in the center of the stage. Sérgio Porto Cultural Center was Panorama's stage from July ot 1992 until its fifth edition in 1996, when Panorama confirmed its professionalism and quality gaining international respect. 11was then honored by the celebrated Lyon Dance Biennial which presented a speeial "Panorama Carioca". In the following year, 1997, there was a higher jump. Panorama became part of the eity's cultural calendar and its stage was Carlos Gomes Theater. RioArte established its first partnership with Goethe Institute, opening the doar for interchange with other countries. As a result of the partieipation o] foreign artists in Panorama, promoted by Goethe Institute, çompanies from Rio, selected during the festival, were now invited for performances in Germany: Paula Nestorov, Rubens Barbot and Paulo Caldas have 'oettorméd there. In the beginning ot 2001, Dani Lima will be able to show that Brazil also mokes choreographies out ar soccer stadiums and carnivai parades. In 1998, another partner joins the project. The agreement with Funarte makes the presence of some Brtuilion companies in the festival possible. The public was touched at the opening night oi the festival when we honored the choreographer, dancer and teacher Angel Vianna. New partners have joined Panorama. In 1999, France General Consulate, AFAA and SES/SP joined Goethe Institute and Funarte to make clear the importance of teamwork for the diffusion ot Brazilian dance. This year, a new configuration stirs Panorama, as we count on the support of Minc!FNC, Portugal's Ministry of Culture - with the project Danças na Cidade - from Lisbon/Portugal, FLA-BRA from Miami, La RED from Cultural Promoters ot Latin America and The Caribbean and the occupation of other centers. Now the shows take place at Carlos Gomes Theater, Coeilda Becker Theater and Sérgio Porto Cultural Center, going back then to the stage of its first edition. As we trace back the happy movements danced by Panorama, it is clear the importance o] the permanent cultural politics oi Rio de Janeiro City's Government in the area of dance and its similar, even internationally. Besides Panorama RioArte de Dança, the City Government supports directly eleven dance companies, otters thirteen theaters and forges research in the area through RioArte Scholorship Programo Ali theses mechanisms create conditions for the ortists to show their work, forming consequently, new public and intensifying cultural life in this Wonderful City.

Maria lúlia Vieira Pinheiro

Director ot Projects of RioArte


É uma grande alegria saudar a realização desta nona edição do Panorama RioArte de Dança, festival internacional que foi concebido dentro do próprio RioArte. Ano após ano ou passo a passo, como convém à dança, o Panorama foi crescendo e assumindo um papel de extrema importância no cenário cultural, com espetáculos inéditos, sempre sob a coordenação artística da coreógrafa Lia Rodrigues. Desde o início, o Panorama apostou na diversidade estética da dança contemporânea, propondo um olhar sobre a produção dos coreógrafos que trabalham nessa direção. Assim, sua programação oferece ao público um perfil atualizado das mais variadas tendências, tanto nacionais como internacionais. Suas nove edições contabilizam mais de oitenta companhias e coreógrafos, entre lançamento de novos talentos e a apresentação de nomes consagrados, além de aulas, cursos, encontros, workshops, lançamentos de livros, colocando sempre no centro do palco os novos rumos da dança contemporânea.

o

Espaço Cultural Sérgio Porto foi o primeiro palco do Panorama, em julho de 1992. E ali ficou até sua quinta edição, em 1996, quando confirmou seu profissionalismo e qualidade conquistando também o respeito internacional, com a homenagem recebida da conceituada Bienal de Dança de Lyon que, dentro de sua programação, apresentou um especial "Panorama Carioca". No ano seguinte, 1997, o salto foi maior. O Panorama passou a integrar o calendário cultural da Cidade e a ocupar o Teatro Carlos Gomes. O RioArte estabeleceu também a primeira parceria com o Instituto Goethe, abrindo espaço para o intercâmbio com outros países. Em contra partida a participação de artistas estrangeiros no Panorama, promovida pelo Instituto Goethe, companhias cariocas, selecionadas durante o festival, passaram a ser convidadas para apresentações na Alemanha: Paula Nestorov, Rubens Barbot e Paulo Caldas já levaram seus espetáculos. Agora, no início de 2001, Dani Lima vai poder mostrar que o Brasil também faz coreografias fora dos estádios de futebol e das escolas de samba. Em 1998, mais um parceiro vem se integrar ao projeto. O convênio com a Funarte torna possível a vinda de algumas companhias brasileiras para o festival. Nesse ano, uma homenagem especial à coreógrafa, bailarina e professora Angel Vianna emocionou a platéia na noite de abertura do festival. Novos parceiros foram se incorporando ao Panorama. Em 1999, o Consulado Geral da França, AFAA e o SES/SP vieram se juntar ao Instituto Goethe e a Funarte para evidenciar, ainda mais, a importância das ações conjuntas para a difusão da dança brasileira. Este ano, uma nova configuração agita o Panorama com o apoio do Minc/FNC, do Ministério da Cultura de Portugal, com o projeto Danças na Cidade de Lisboa/Portugal, do FLA-BRA de Miami, do La RED de Promotores Culturais da América Latina e Caribe e com a ocupação de outros espaços. Agora os espetáculos estão no Teatro Carlos Gomes, no Teatro Cacilda Becker e no novo Espaço Cultural Sérgio Porto, retornando assim ao palco de sua primeira edição. Neste retrospecto dos movimentos felizes dançados pelo Panorama, evidencia-se a importância da permanente política cultural da Prefeitura do Rio de Janeiro também na área da dança e seus desdobramentos, inclusive internacionais. Além do Panorama RioArte de Dança a Prefeitura apoia diretamente onze companhias de dança, oferece espaço em treze Teatros da Rede Municipal e favorece a pesquisa na área através do Programa de Bolsas RioArte. Com todos esses mecanismos, criam-se condições para os artistas mostrarem seus trabalhos, formando, em conseqüência, novas platéias e intensificando a vida cultural desta Cidade maravilhosa.

Maria [úlia Vieira Pinheiro Diretora de Projetos do RioArte


Panorama Ano 9, no limiar do século 21. 34 companhias e coreógrafos de várias cidades e países. Rica e imprescindível diversidade. Está criado um ambiente propício, necessário, fundamental para o livre trânsito de informações, idéias e questionamentos sobre a dança. Favorecer a comunicaçâo. Olhar e reconhecer a diferença, o novo. Ampliar a visão do mundo. Criar espaço de circulação de idéias, um centro nervoso, produtor e irradiador de discussão. Apontar para o futuro. Menos interessa o gostar ou não, mas sim o estar disponível para a contaminação de novas informações. Irrigar a vida com a maior diversidade possível. A estabilidade é sinônimo de morte. O Panorama RioArte de Dança é terreno fértil para todos esses movimentos. É onde novas tendências apontam outros caminhos possíveis. Do Brasil, nomes da nova geração de criadores: Luciana Gontijo e Margô Assis (Belo Horizonte), Claudio Lacerda (Recife), Companhia Municipal de Dança de Caxias do Sul, além da reconhecida coreógrafa paulista Vera Sala. Do Rio de Janeiro, trabalhos inéditos de companhias já estabelecidas: Carlota Portela, Paula Nestorov (com a participação especial do músico e compositor Antonio Saraiva), Alexandre Franco, Sylvio Dufrayer, Rubens Barbot; e coreógrafos independentes representados por Gustavo Ciríaco e Frederico Paredes (Dupla Ikwalsinats), Duda Maia e Andrea labor, Neste ano, novas idéias: a estréia do projeto Panorama Paraíso, que empresta o nome do local onde acontece, a Sala Paraíso, espaço alternativo do Teatro Carlos Gomes, com Michel Groisman, investigador corporal(performático e a estréia da bailarina Denise Stutz em solo dirigido por Celina Sodré. E ainda Os Novíssimos, no Teatro Cacilda Becker, resgatando a iniciativa primeira do Panorama de abrir espaço para jovens coreógrafos cariocas para colocarem em cena seus primeiros trabalhos. Nesse mesmo teatro, Carmen Luz à frente da sua companhia com adolescentes e crianças da comunidade do Morro do Andaraí. Na parte internacional, nomes como Tom Plischke (Alemanha), Xavier Le Roy (França/Alemanha),Vera Manteiro, Mónica Lapa, Lilia Mestre, Miguel Pereira (Portugal), Tony Tavares (Cabo Verde), Gary Lund, Giovanni Luquini (Miami/EUA), Mariana Bellotto (Argentina), constróem um mapa da produção contemporânea em dança. A vinda de Maguy Marin (França), uma das mais importantes coreógrafas de nosso tempo, é um presente para o Rio de Janeiro, que a recebe pela primeira vez para assistir duas de suas obras. Essa edição do Panorama reafirma as parcerias com Instituto Goethe, Muffathalle de Munique, Consulado Geral da França,Aliança Francesa,AFFA,SESC- São Paulo e Funarte. Inaugura novas colaborações com o Projeto Danças na Cidade, Portugal 500 anos, Comemorações Descobrimentos/Portugal, Ministério da Cultura de Portugal, IPAE, Fundo Nacional de Cultura-Ministério da Cultura/Brasil, Embaixada da França no Brasil, La RED Promotores Culturais - Núcleo Rio de Janeiro e FLABRA.E nessas instituições, grandes parceiros e cúmplices na realização desse projeto de parcerias e intercâmbios: Klaus Vetter, Bertrand Rigot-Muller, Frederic Lãbastie, Rosana Cunha, Mark Duputter, Mónica Lapa, Humberto Braga, Marcos Teixeira e Mary Luft. Uma política única para a dança, realizada pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e RioArte, aliada

à vitalidade da classe da dança carioca, colocou o Rio de Janeiro como referência para a Dança Brasileira. Essa edição do Panorama aparece como fruto de um trabalho que vem se desenvolvendo nos últimos nove anos. A responsabilidade que me coube de conceber e desenvolver artisticamente esse projeto desde seu início, em 1992, e desde 1998 com a colaboração preciosa de Roberto Pereira na curadoria, me leva a refletir sobre a importância da continuidade de um projeto artístico no Brasil. Fazer um festival é um processo contínuo de afirmação, investimento e resistência, uma união de esforços e ideais. Que nós, artistas, técnicos, políticos, jornalistas, críticos, professores, alunos, produtores, investidores, parceiros internacionais, cidadãos do Rio de Janeiro e do Brasil, possamos estar unidos em nossas ações e responsabilidades na continuidade do que foi conquistado, e na permanente construção da dança e da cultura brasileiras que, em última análise, significa a construção da própria cidadania.

Lia Rodrigues Direção Artística/Coordenação

Geral


9º PANORAMA RIOARTE DE DANÇA - EQUIPE TÉCNICA Direção Artística e Coordenação Geral Artistic Direction and General Coordination Lia Rodrigues Curadoria/Curato rsh ip Roberto Pereira & Lia Rodrigues Design Gráfico/Graphic Design Ana Soter & Anna Amendola Direção e Coordenação de Palco Stage Direction and Coordination Sérgio Santos Assistência de Direção de Palco Stage Direction Assistance João dos Santos Montagens de Luz/Light Setting Art-Light & equipe do Teatro Carlos Gomes Sonorização/Sound Carlos Madureira Cenotécnica/Set Technician Equipe do Teatro Carlos Gomes Assessoria de Imprensa/Press Agency Cláudia Oliveira Produção Executiva/Executive Production Alexandra Di Calafiori & Keila Fontoura Assistente de Produção/Production Públio Furbino Direção de Produção/Production Alexandra Di Calafiori Trad ução/Translation Públio Furbino

Assistance

Direction


Panorama Year 9, on the edge ot the 21St century. 34 companies indispensable diversity.

and choreographers

o] several cities and countries. Rich and

It is forging a [avorabie, needed and fundamental environment for the free f10w ot information, ideas and questions about dance. To favor communication. To look and spot the difference, what is new. To widen the vision of the world. To create a space for the circulation of ideas, a nervous center, productive and irradia to r of discussion. To point to the [uture. Enjoying ar not isn't the matter here, but to be open to the contamination of new information. Irrigate life with as much diversity as possible. Stability is synonym of death. Panorama RioArte de Dança is a [ertile field for ali these movements. It is where new trends point to other possible paths. From Brazil, names ot the new generation of creators: Luciana Gontijo and Margô Assis (Belo Horizonte), Claudio Lacerda (Recife), Companhia Municipal de Dança de Caxias do Sul, and the renowned choreographer irom São Paulo, Vera Sala. From Rio de janeiro, new works o! acclaimed companies: Carlota Portela, Paula Nestorov (with special participation ot musician and composer Antonio Saraiva), Alexandre Franco, Sylvio Dufrovet; Rubens Barbot; and independent choreographers represented by Gustavo Ciríaco and Frederico Paredes (Ouo Ikwalsinats), Duda Maia and Andrea Iabor. This year, new ideas: the opening of project Panorama Paraíso - that borrows its name [rem the site where it takes place, Paraíso Roam, an alterna tive space o] Carlos Gomes Theater - with Michel Groisman, body investigator/performer and the debut o] Denise Stutz under the direction of Celina Sodré. "Novíssimos", at Caci/da Becker Theater, claiming Panorama's first initiative of opening doors for young choreographers ot Rio so that they could set up their first works. At this same theater, Carmen Luz leads her company with teenagers and children of Morro do Andaraí community. In the international part, names like Tom Plischke (Germany), Xavier Le Roy (France/Germany), Vera Manteiro, Mónica Lapa, Lilia Mestre, Miguel Pereira (Portugal), Tony Tavares (Cape Verde), Gary Lund, Giovanni Luquini (Miami/USA), Mariana Bellotto (Argentina), make a map of the production of contemporary dance. The participation of Maguy Marin (France), one ot the most important choreographers of our time, is a present for Rio de janeiro that welcomes her for the first time to watch tow ot her works. This edition of Panorama reaffirms the partnerships with Goehte Institute, Muffathalle o] Munich, General Consulate ot France, Aliança Francesa, AFFA, SESC - São Paulo and Funarte. It inaugurates new collaborations with Project Danças na Cidade, Portugal 500 years, Discoveries Celebrations/Portugal, Ministry of Culture ot Portugal, IPAE, Fundo Nacional de Cultura- Ministry of Culture of Brazil, French Embassy in Brazil, La RED Cultural Promoters - Rio de janeiro Section and FLABRA. In such institutions, great partners and helpers in the realization of this project of partnerships and interchange: Klaus Vetter, Bertrand Rigot-Muller, Frederic Labastie, Rosana Cunha, Mark õuputtet, Mónica Lapa, Humberto Braga, Marcos Teixeira and Mary Luft. A singular politics for the dance, carried out by Rio's City Government, Municipal Bureau of Culture and RioArte, allied to the vitality of the dance in Rio, has placed Rio de janeiro as a reference ot Brazilian Dance. This edition ot Panorama springs as fruit ot artistically conceive and develop this project makes me reflect over the importance o] an investment and resistance, a union of eifons

a work that has been developed during the last nine years. The responsibility given to me to since its birth in '992, and since 1998 with the precious aid ot Roberto Pereira as curator, anistie project in Brazil. Preparing a festival is a process o] continuous affirmation, and ideais.

May we - artists, technicians, politicians, journalists, critics, teachers, students, producers, investors, foreign partners, citizens ot Rio de janeiro and ot Brazil - be united in our deeds and responsibilities for the continuity of what was conquered and the permanent construction of the Brazilian culture and dance, which, after ali, means the construction o] our own citizenship. Lia Rodrigues Artistic Direction/General Coordination


Não a dança de um pensamento, algo a que ela se refere, exterior à sua propriedade. Antes, uma dança como pensamento, entendida como inaugurações de sinapses em movimentos. Não a dicotomia empoeirada de mente-corpo, que redunda em tantas outras dicotomias como teoria- prática. Antes, uma pulverização desses entendimentos, não no sentido de reestabelecer limites, fronteiras, mas de promover diálogo, mão-dupla, sinestesia. Ciência e arte aparecem aí como chaves que abrem portas para os mesmos corredores. E num cruzamento desses corredores, conhecido como natureza-cultura, a dança se instaura como mídia de pensamentos. Não mais apenas como espetáculo, mas como proposição de uma idéia.

o Panorama RioArte de Dança, em trabalho conjunto com o Grupo de Estudos em Dança do Rio de Janeiro, intenta promover esse trânsito. Prolongamentos de plátéla-palco na idéia de quem cria, de quem pensa, de quem dança. A tradução seria então fluxo. A partir de um termo cunhado pela crítica Helena Katz, platêia-fover, que designa a prática da discussão que trafega entre os poucos metros que separam aquele que assiste daquele que faz, a edição do festival deste ano propõe essa experiência. Àqueles que encaram a dança de frente, como um desafio de reflexão, uma oportunidade.

Not the dance of a thouqht, something to which it reiers to, exterior to its property. But a dance as a thought, understood as inaugurations of synapses at movements. Not the dusty dichotomy theorv-practice, yet a pulverization of these views, not in the sense ot reestablishing limits, borders, but to promote dialog, a rwo-woy road, synesthesia. Science and art appear here as keys ttiat open doors to the some hallways. At one crossing ot these hallways, know as nature-cutture, dance settles itself as a media proposition ot an idea.

of

thoughts. Not just another show, but as a

Panorama RioArte de Dança, in teamwork with Grupo de Estudos em Dança do Rio de janeiro, tries to promote this transito Extensions audience-staqe in the idea of the one who creates, the one who thinks, the one who dances. The translation would be then flow.

of

From a term coined by the critic Helena Katz, audience-tovet; which designates the practice of discussion that flows between the few meters that separate the one who watches from the one who makes, this year's edition of the festival offers this experience. To those who face dance heod-on, as a challenge ot reflection, an opportunity.

Roberto Pereira CuradorjCurator


A aproximação de entidades que apoiam o Panorama RioArte de Dança passaram a ter, também, um encontro marcado, anualmente. Sabemos todos que vamos nos encontrar em torno de um projeto de indiscutível competência na sua organização e que marcou seu espaço no calendário de eventos artísticos do país. Para a equipe da FUNARTEo cumprimento de obrigações de um órgão federal, possibilitando a participação de grupos de outras regiões num projeto importante de difusão e de intercâmbio, por si só já justificaria o apoio. Mas, o Panorama é mais do que isso. É exemplar na forma de constituição de suas parcerias buscando em cada uma suas vocações específicas. E é, principalmente, a constatação do entusiasmo do público que acompanha sua programação. Mesmo quando o roteiro de espetáculos de dança, no Rio, apresenta·se bastante variado e enriquecido com produções brasileiras e do exterior, a espera pelo Panorama inquieta-se porque com certeza ele vem acrescentar diferentes visões à vitalidade do movimento. Um projeto que gratifica seus promotores, as instituições que o apoiam, os artistas e o público - e que ousa nas suas buscas· alcança plenamente seus objetivos. Esta nona versão do Panorama com certeza vai refletir mais um ano de experiência no compromisso com o desenvolvimento da dança.

The entities that suppart Panorama RioArte de Dança now have an annual meeting. We ali know that we shall meet each other around a project of unquestionable competence in its organizatian and that has conquered its space in the national calendar ot anistie events. To FUNARTE team, just the fulfillment of obligations of a federal organ making the participation o] groups coming from different regions in an important proiect ot diffusion and interchange is enaugh to justify the support. However, Panorama is more than this. It is an example in the way in the [ormation of its partnerships, seeking in eacn one their soeclfic vocation. It is, principally, the affirmation ot the public's enthusiasm that follows its programo A project that pleases its promoters, the supporting institutions, its artists and public - and that is bold in its searches - reaches its objectives. This ninth version of Panorama wi/l surely reflect one more year ot experience in the commitment with de development oi dance.

Humberto Braga Diretor

do Departamento

de Artes Cênicas - FUNARTE

Director of Dramatic Art Department

. FUNARTE


A linguagem do corpo é, ao lado da música, a forma mais expontânea de expressão artística. Por outro lado, a expressão artística, em todas as suas nuanças e evoluções, é o fermento do tempo presente. A arte movimenta-se sempre na vanguarda dos acontecimentos. Ela indica as tendências que ainda não podem ser percebidas. Ela toca, encanta mas também pode perturbar. Sua função é a de provocar uma inquietação fértil. Isto vale para todas as artes e principalmente para a dança, que encontra sua expressão não somente em elementos coreográficos, como também na observação exata e na interpretação do comportamento humano, da linguagem corporal e da comunicação, analisados e condensados. Na dança encontra-se fortemente a presença de todos os processos que movem tanto a cultura em si como as variadas culturas. Tom Plischke, que abrirá o festival com seu trabalho .Affects", pisará em terreno novo ultrapassando a fronteira entre o real e o virtual, que indica uma direção ainda pouco conhecida na dança. Portanto, o importante para o Festival Panorama RioArte de Dança é frisar e concentrar ainda mais o interesse nos aspectos e nas relações interculturais, assim como também promover o intercâmbio internacional na dança e no teatro-dança. A nível Brasil-Alemanha isto já vem sendo conseguido desde 1997 e quiçá continuará. O trabalho em conjunto entre a Secretaria Municipal de Cultura do Rio, o RioArte e o Goethe-lnstitut Rio, assim como a Secretaria' Municipal de Cultura de Munique, o Goethe·lnstitut de Munique e a "Muffathalle" foi claramente reafirmado com as visitas recíprocas dos Secretários de Cultura do Rio e de Munique nos anos 1999 e 2000. Em conseqüência disto, a partir do ano 2001, deverá ser mantido um intercâmbio cultural regular e oficial, que prevê os trabalhos de coreógrafos convidados em ambas cidades, abrangendo inclusive, em um momento posterior, outras áreas da arte. Como todos nós estamos envolvidos com a criação cultural em nossos trabalhos e somos motivados pelas utopias e energias criativas, vamos com certeza alcançar nosso objetivo neste projeto. Quero agradecer a Helena Severo, Vania Bonelli, Maria lúlia Vieira Pinheiro, Roberto Pereira, aos muitos entusiastas da dança nesta cidade "e, não por último, também a Lia Rodrigues pelo trabalho em conjunto que vem sendo desenvolvido até agora, de forma concreta e gratificante. Ela não somente foi a fundadora deste festival como também é a alma criativa e atuante do mesmo, ao qual eu desejo uma vida longa e um futuro certo.

BodV language is, along with music, the most spontaneous form of artistic expression. On the other hand, artistic expression, in ali its nuances and evolutions, is the veast of our time. Art always moves in the vanguard of history. It indicates the tendencies tnat cannot yet be noticed. It touches, enchants, but can also disturb. Its role is that of provoking a fertile uneasiness. This is good for ali arts, mainly for dance, which finds its expression not onlV in choreographic elements but 0150 in the exact observation and interpretation of the human behavior, body language, and communication, 011analyzed and condensed. In dance, we see 011processes that move eulture itself as well as different cultures. Tom P/ischke, which shall open the festival with its work "Affects", will step a new ground, going beyond the border of real and virtual, which indicates a not very known direction in dance. Therefore, it is important for "Festival Panorama RioArte de Dança" to focus and concentrate the interest in intercultural aspects and relations and at the same time to promote the international interchange in dance and donce-tbeater. As for as Broril-Germonv relation goes, this has been accomp/ished since 1997 and I trust shall go on. Teamwork between Secretaria Municipal de Cultura do Rio, RioArte and Goethe-lnstitut Rio, as well as The Culture Bureau of Munich and Goethe-lnstitut of Munich and "Muffathalle" has been clearly reaffirmed with reciprocal visits of Culture Secretaries of Rio and Munich in 1999 and 2000. Consequentiv, as of tbe year 2001 a steady and official eultural interchange shall be kept and the work of invited choreographers in both cities is expected. Later, other art areas shall be included in such programo As we are 011involved in cultural creation at work and are pushed by utopias and creating energies, we shall certaimv reach our goal in this project. I thank Helena Severo, Vania Bonel/i, Maria Jú/ia Vieira Pinheiro, Roberto Pereira, the many dance enthusiasts in this city, and finallv Lia Rodrigues for tbe teamwork that nas been developed 50 for, in a concrete and gratifying way. She was not only the founder of this festival, but she is 0150 its creative and acting soul, to whom I wish a long /ife and a brilliant future.

Klaus Vetter Diretor do Goethe-Institut

Rio de Janeiro / Instituto

Cultural Brasil Alemanha


Quando cheguei no Rio de Janeiro, há um ano atrás, já tinha ouvido falar, em Paris, da política cultural desenvolvida pela Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro e pelo RioArte, bem como do Festival Panorama RioArte de Dança e do sucesso que ele vinha obtendo com o público carioca. Lia Rodrigues estava voltando da França onde ela tinha sido convidada pelo Serviço Cultural do Consulado Francês do Rio de Janeiro para assistir o festival Montpellier Danse, o maior do gênero na França. Ela estava trazendo dois projetos nas suas malas: o espetáculo de Jérome Bel , destaque francês da edição 1999 do Festival carioca, e dois espetáculos da Companhia Maguy Marin. Maguy Marin, obviamente, não precisava de nenhuma carta de apresentação. O Serviço Cultural da Embaixada da França e a rede das Alianças Francesas, no Brasil, tinham a intenção de organizar uma turnê de dança contemporânea que pudesse ilustrar o vigor desta arte na França, proporcionando, simultaneamente, ateliers aos bailarinos brasileiros com uma companhia prestigiosa. A Associação Francesa de Ação Artística estava disposta a apoiar a realização de um projeto que respondesse aos pedidos de especialistas brasileiros e que pudesse, ao mesmo tempo, ser encaixado num evento de grande porte. Assim nasceu o projeto da turnê Maguy Marin. Um ano depois, juntando as forças dos parceiros franceses e brasileiros, o sonho vira realidade com esses dois espetáculos· "Quoi qu'iI en soit"e "May B" - apresentados no Festival do Rio, com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura, no Festival do SESC em São Paulo, no Festival de Curitiba, além das apresentações únicas em Florianópolis, Santos e Campinas, demonstrando, mais uma vez, que trabalhando todos juntos e com metas comuns podemos propor eventos de alto nível às platéias brasileiras.

When I arrived in Rio de Janeiro one year ago I had already heard in Paris of a cultural politics developed and RioArte. I had also heard ot Panorama RioArte de Dança and its success among the public.

by Rio's Cultural Bureau

Lia Rodrigues was on her way back from France, where she had been invited by the Cultural Service ot the French Consulate in Rio, to attend the Montepellier Danse festival, the biggest o] its kind in France. She hod two projects in her suitcase, lérome Bel's show, the prominent French artist o] Rio's 1999 edition of the festival, and two shows ot Maguy Marin Company. Maguy Marin certainly needed no introduction. Cultural Service ot the French Embassy and "Aliança Francesa" schools in Brazil intended to organize a tour o] contemporary dance that could illustrate the vigor ot this art in France, offering at the same time workshops for the Brazilian artists with a prestigious company. The French Association of Artistic Action was willing to support a project that met the requests of Brazilian experts and that could also be part of a large scale event. This is how the Maguy Marin tour project was bom. One year iater, French and Brazilian partners joined forces and the dream comes true with these two shows . "Quoi qu'il en soit" and "May B" - shown at Rio's festival supported by the City's Cultural Bureau, at SESC festival in São Paulo, at the festival af Curitiba, and presentatians in Florianópolis, Santos and Campinas. This demonstrates that, once again, when working together and with a common goal we can offer first·rate events for the Brazilian public.

Frédéric LABASTIE Diretor geral adjunto para Assuntos culturais - Aliança Francesa Rio de janeiro


DANÇAR O QUE É NOSSO PORTUGAL - Brasil

2000

When we visited Brazil for the first time two years ago, we were amazed to find a lively and varied contemporary dance scene, that had been almost entirely unknown to us. This visit was not a coincidence, but just another small step in our discovery of contemporary dance beyond the Euro·American 'market' and in the development oi our independent organisation DANÇAS NA CIDADE. DANÇAS NA CIDADEhad been a small Portuguese dance platform for two consecutive years . grown {rom the need to create per{ormance possibilities for a largely ignored new dance movement . when in '995 we decided to tum it into an intemational dance festival. This move was inspired by the tact that the situation of dance had radically changed in Portugal by the middle of the nineties. The changes had to do withmainly three elements: 1. the rising fame ot Portuguese dance on a European levei, 2. the growing professionalism and ambitions of dance companies, independent organisations and choreographers, and 3. the fast growth of per{orming opportunities for Portuguese choreographers and presence oi intemational companies in iisbon, following the opening of two large scale per{orming arts venues, Culturgest and Centro Cultural de Belém (next to the alreadyexisting venue of the Gulbenkian Foundation), in '994. In this context it wasn't enough anymore to define the DANÇAS NA CIDADEfestival as a unique opportunity for local choreographers to show their work to the local public; it had become necessary to con{ront their work with the creations of their European colleagues and attract intemational curators and critics for feedback and possible onward touring. In intemationalising the festival, we always tried to create a maximumof real exchange opportunities between local and visiting attists, through the organisation of an extensive parallel programme ot talks, workshops and seminars, and the creation of a meeting point for 011 artists and the pubtic. With intemational programming quickly gaining cruising speed in Lisbon's main venues, we started to feel that this part of our work needed to be developed. Together with us, more and more artists were feeling increasingly {rustrated by the hit-and-run visits of foreign companies ar their own likewise short per{ormance visits abroad. If we really wanted to realise our objective to "iutther the development of Portuguese contemporary dance in an intemational context", we had to create space and time for real exchange and collaboration on grass roots leveI. Two years later an invitation by the Culture Ministry to sign a three year protocol created the necessary conditions to realise our ambitions. We decided to tum the festival into a biennale and use the intermittent years to concentrate on collaborative artistic projects. Thus, we co-orqoniseâ in 1998 with Meg Stuatt's organisation Damaged Goods CrashLanding@Lisboa, joining 28 artists {rom dance, music, video and visual arts in Lisbon to work on improvisation, and started our long term exchange project DANÇAR O QUE É NOSSO. Soon aiter having decided to go intemational, we started to feel uneasy about the fact that our contacts were almost exclusively with artists and organisations {rom the occidental world. If dance was supposed to be a "universal language" as so many European attists, organisers and critics liked to believe, why was it so exclusively reduced to the occidental market? Why was it that Portuguese dance was well integrated into the Westem European dance scene, but remained absolutely out ot touch with what was happening in the countries with which it shared so much of its language, culture and history? And could we do something about that? An invitation by the Cape Verdian dance company Raiz di Polon, to collaborate on a training and exchange project, entitled DANÇAR O QUE É NOSSO, laid the basis of what we would come to develop in the past three years: a consistent policy of creating exchange and collaboration with artists and organisations oj the Portuguese speaking countries in the world. From the onset, it was clear that DANÇAR O QUE É NOSSO had to be a very flexible project . to deal with extremely different realities . and start {rom zero: finding information, connecting with local organisations and attists, creating situations for exchange and collaboration. It was also obvious for us that it had to be thought o] as a long term project, to go on until it would be as natural and normal to invite a company {rom Maputo ar Mindelo, or realise coproductions with Portuguese and Brazilian creators, as collaborating with our European or American partners. We also wanted it to be an intemational project with respect for cultural diversity and open towards the rest of the world, beyond the narrow definitions of lusoionia. The idea o] a community of Portuguese speaking countries in the world only makes sense and nas tuture if it is based on the idea of cultural diversity and adively interacts with the broader intemational community. In the mean time, three years have passed and in the {ramework of DANÇAR O QUE É NOSSO have already been realized eight residences in Cape Verdeand Mozambique . involving 25 European artists and hundreds of Cape Verdian and Mozambican dancers and dance students " three Intemational Meetings in Lisbon . bringing together more than a hundred participants{rom Angola, Brazil, Cape Verde, Mozambique, USA, Portugal and other European countries . and three creation commissions {rom Cape Verdian choreographers. A co-production with the Mozambican Companhia Nacional de Canto e Dança is in preparation for next year. In the case of Brazil, things were obviously radically different {rom A{rica. In the first place, it was necessary to create a more regular exchange between the many dance companies, choreographers and organisers {rom Brasil, Portugal and also the rest of Europe. Unfortunately, it proved to be much harder to find funding for collaborative projects with Brazil than with A{rica, so things had to go slowly. We started with inviting Brazilian artists to our intemational festival: Chamecki & Lemer in '997, Marcello Gabriel in '999. Brazilian choreographers and organisers were also included in the three Meetings we organised:Adriana Grecchi, Adriana Perella Matos, Cristina Madi, Leonel Brum, Leticia Testa, Lia Rodrigues, Márcio Meirelles, Marta Soares, Rosana Cunha, Vera Sala e Zaida Amade. Brazilian choreographer Marcelo Evelyn went to teach during our znd residency in Maputo. Upon invitation by Lia Rodrigues and Rosana Cunha, we are now collaborating in presenting Portuguese contemporary dance at the festival Panorama RioArte and at SESC São Paulo. The programme we made together is not meant to be representative, but a showing ot a number of interesting contemporary dance per{ormances created during the past year ar so. It was made possible through the support oi the Instituto Português das Artes do Espectáculo oi the Portuguese Culture Ministry and the Portuguese Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos. We are very happy to present new work by Vera Mantero, Mónica Lapa, Lf1iaMestre, Miguel Perreira and António Tavares and hope it may be another small step in the creation and fortification of a rich exchange between attists, organisers and dance publics ot Brazil and Portugal.

Mónica Lapa & Mark Deputter Directors DANÇAS NA CIDADE


DANÇAR O QUE É NOSSO PORTUGAL - Brasil

2000

Quando visitamos o Brasil pela primeira vez há dois anos, ficamos maravilhados ao encontrar um cenário de dança contemporânea vivo e variado, que era quase totalmente desconhecido para nós. Essa visita não foi uma coincidência, mas somente um outro passo na nossa descoberta da dança contemporânea além do 'mercado' Euro-Americano e no desenvolvimento de nossa organização independente DANÇAS NA CIDADE. DANÇAS NA CIDADE havia sido uma pequena plataforma portuguesa de dança por dois anos consecutivos.- vindo da necessidade de criar possibilidades de performance para um novo movimento de dança amplamente ignorado - quando em 1995 decidimos transformá-Io num festival internacional de dança. Esse passo foi inspirado pelo fato da situação da dança ter rnudado radicalmente em Portugal em meados dos anos noventa. As mudanças tinham a ver com principalmente três elementos. 1. A crescente fama da dança portuguesa em nível Europeu, 2. O crescente profissionalismo e ambição das companhias de dança, organizações independentes e coreógrafos, e 3. O rápido crescimento de oportunidades de apresentação para coreógrafos portugueses e a presença de companhias internacionais em Lisboa, seguindo a abertura de dois grandes centros de arte, Culturgest e Centro Cultural de Belém (próximo à já existente Fundação Gulbenklan), em 1994. Nesse contexto não era mais suficiente definir o festival DANÇAS NA CIDADE como uma oportunidade singular para coreógrafos locais mostrarem seu trabalho para o público local. Tornara-se necessário confrontar seu trabalho com as criações de seus colegas europeus e atrair curadores e críticos internacionais para se ter um 'feedback' e um possível touro Ao internacionalizarmos o festival, tentamos sempre criar um máximo de oportunidades de troca real entre artistas locais e visitantes, através da organização de um extenso programa paralelo de debates, workshops e seminários, e a criação de um ponto de encontro para todos os artistas e o público. Com a programação internacional rapidamente ganhando velocidade de cruzeiro nos principais centros de Lisboa, começamos a sentir que essa parte de nosso trabalho precisava ser desenvolvida. Além de nós, muitos e muitos artistas se sentiam incrivelmente frustrados pelas rápidas visitas de companhias estrangeiras ou, da mesma maneira, com suas curtas apresentações no exterior. Se realmente queríamos alcançar nosso objetivo de "ampliar o desenvolvimento da dança contemporânea num contexto internacional" tínhamos que criar espaço e tempo para um intercâmbio real e colaboração desde um nível bem básico. Dois anos depois, um convite do Ministério da Cultura para assinar um protocolo de três anos criou as condições necessárias para realizar nossas ambições. Decidimos transformar o festival numa bienal e usar os anos intenmitentes para nos concentrarmos em projetos artísticos colaborativos. Assim, co-organizamos em 1998 com a organização de Meg Stuart, Damaged Goods CrashLanding@Lisboa, juntando 28 artistas da dança, música, vídeo e artes visuais em Lisboa para trabalhar na improvisação e começar nosso projeto de intercâmbio a longo prazo; DANÇAR O QUE É NOSSO. Logo após termos decidido trilhar caminhos internacionais, começamos a nos sentir incomodados com o fato de nossos contatos terem sido quase que exclusivamente com artistas e organizações do mundo ocidental. Se a dança é uma "linguagem universal" como tantos artistas, organizadores e críticos europeus gostavam de acreditar, por que se reduzia tão exclusivamente ao mercado ocidental? Por que a dança portuguesa estava tão bem integrada ao cenário da dança da Europa ocidental, mas permanecia completamente fora de contato com o quê acontecia em países com quem compartilhava tanta da sua língua, cultura e história? E podíamos fazer algo a respeito disso? Um convite da companhia de dança cabo-verdiana Raiz di Polon para colaborar num projeto de treinamento e troca, entitulado DANÇAR O QUE É NOSSO, lançou a base do que viríamos a desenvolver nos últimos três anos: uma política consistente de troca e colaboração com artistas e organizações dos países de língua portuguesa no mundo. Ficou claro desde o início que DANÇAR O QUE É NOSSO tinha de ser um projeto bastante flexível - para lidar com realidades extremamente diferentes - e começar do zero: encontrando informação, conectando-se a organizações e artistas locais, criando situações para intercâmbio e colaboração. Era também óbvio para nós que deveria ser pensado como um projeto a longo prazo, para continuar até que fosse tão natural e normal convidar uma companhia de Mlputo ou Mindelo, ou realizar co-produções com criadores portugueses e brasileiro quanto colaborar com nosso parceiros europeus ou americanos. Também queríamos que fosse um projeto internacional no tocante à diversidade cultural e aberto ao resto do mundo, além das estreitas definições da lusofonia. A idéia de uma comunidade de países de língua portuguesa no mundo só faz sentido e tem futuro se estiver baseada na idéia de diversidade cultural e interagir ativamente com uma comunidade internacional mais ampla. Enquanto isso, três anos se passaram e DANÇAR O QUE É NOSSO já realizou oito residências em Cabo Verde e Moçambique - envolvendo 25 artistas europeus e centenas de dançarinos e alunos de dança de ambos os países - três Encontros Internacionais em Lisboa - reunindo mais de uma centena de participantes vindos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, EUA, Portugal e outros países europeus - e três comissões de criação de coreógrafos caboverdianos. Um co-produção com a Companhia Nacional de Canto e Dança moçambicana está sendo preparada para o próximo ano. No caso do Brasil, as coisas obviamente foram radicalmente diferentes da África. Em primeiro lugar, foi preciso criar um intercâmbio mais regular entre as muitas companhias de dança, coreógrafos e organizadores do Brasil, Portugal e também do resto da Europa. Infelizmente, provou-se muito mais árdua a tarefa de encontrar fundos para projetos colaborativos com o Brasil do que com a África, assim que as coisas precisaram caminhar lentamente. Começamos por convidar artistas brasileiros para nosso festival internacional: Chamecki & Lerner em 1997, Mlrcelio Gabriel em 1999. Coreógrafos e organizadores brasileiros também foram incluídos nos três Encontros que organizamos: Adriana Grecchi, Adriana Perelia Matos, Cristina Madi, Leonel Brum, Leticia Testa, Lia Rodrigues, Márcio Meirelies, Marta Soares, Rosana Cunha, Vera Sala e Zaida Amade. O coreógrafo brasileiro Marcelo Evelyn foi ensinar durante nossa segunda residência em Maputo. Através do convite de Lia Rodrigues e Rosana Cunha, colaboramos agora na apresentaçâo da dança contemporânea portuguesa no Panorama RioARte e no SESC São Paulo. O programa que fizemos juntos não pretende ser representativo, mas uma mostra de um número de interessantes performances de dança contemporânea criadas durante o ano passado. Tornou-se possível graças ao apoio do Instituto Português das Artes do Espectáculo do Ministério da Cultura português e da comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos. Estamos felizes em apresentar uma nova obra de Vera Mantero, Mónica Lapa, LTIia Mestre, Miguel Perreira e António Tavares e esperamos que esse possa ser mais um pequeno passo na criação e fortificação de um rico intercâmbio entre artistas, organizadores e públicos de dança do Brasil e Portugal. Mónica

Lapa

& Mark Deputter

Diretores de DANÇAS NA CIDADE


O.D.e. / TOM PLlSCHKE - Alemanha/Germany

17/10

abertura

terça-feira tuesday

Encenação/Staging: Tom Plischke estréia no Brasil/debut in Brazil Dramaturgia/Dramatist: Joachim Gerstmeier Reconstrução de "Affectos Humanos" /Reconstruction ot "Affectos Humanos": Martin Nachbar e Waltraud Luley Intérpretes/lnterpreters: Bruce Campbell, Alice Chauchat, Martin Nachbar, Tom Plischke lIuminação/Lights: Geni Diez Vídeo/Video: Tom Plischke, Kitty Kortes Lynch Edição do Vídeo/Video Edition: Tom Plischke e Reiner Wolf Co-Produção/Co-Productian: Künstlerhaus Mousonturm (Frankfurt/Meno-Frankfurt/Main) e Muffathalle (Munique/Munich) Duração/Duration: 60 minutos/minutes

AFFECTS

20

h

8 pm

o ciclo

de dança "Affectos Humanos" de Dore Hoyer, uma das mais importantes bailarinas expressionistas alemãs, de 1962, enfoca emoções humanas, como vaidade, ganância, ódio, medo e amor. É justamente desta idéia que parte "Affects", experimento que aborda três diferentes temas: "O trauma do nascimento"; "Desejo e Prazer" (a partir de Gilles Deleuze) e "Affectos Humanos" (reconstrução das danças Ganância; Ódio; Medo). Para isso, submete-se o corpo individual à disciplina de outro corpo: movimentos alheios tornam-se material da encenação. O coreógrafo e bailarino alemão Tom Plischke mistura em sua formação Filosofia e História da Arte (Universidade de Munique) com os ensinamentos adquiridos na P.A.R.T.S., em Bruxelas, e aulas com professores como Steve Paxton, Win Vandekeybus e Anne Teresa de Keesmaeker. The dance cycle "Human Affects" of Dare Hoyer, one of the mast important German expressionist dancers, o] 1962, tocos human emotions such as vanity, greed, hatred, [ear and lave. It is exactly [rom this idea that "Affects" stems from. An experiment that addresses three different themes: "The trauma ot birth"; "Iust and Pleasure" (jrom Gi/les Deleuze) and "Human Affects" (recanstructian of the chareagraphies Greed; Hatred; Fear). Therefore, the individual bady is submitted to the discipline oi the other body: remate movements become staging materiais. The Gernian choreographer and dancer Tom Plischke mixes his studies of Philosaphy and History of Art (University ot Munich) with the teachings achieved at P.A.R.T.S., in Btussels, and classes with teachers like Steve Paxton, Win Wandekeybus and Anne Teresa de Keesmaeker.

18/10 quarta-feira wednesday

AFFECTS

20

h

8 pm Duração: 6o' intervalo/break

30'

21:30h

PlATÉIA/FOYER Interview-debate with the participation ot the dance critic and doctor Helena Katz, Tom Plischke and Dancers

Entrevista-debate com a participação da crítica de dança e doutora Helena Katz, de Tom Plischke e bailarinos

intervalo/break

Esta noite será dividida em três partes: apresentação do espetáculo "Affects", e novamente a apresentação do mesmo espetáculo para a mesma platéia.

Platéia-foyer

This night shall be divided in three parts: presentation ot the show "Affects", Publci-foyer and ance again the presentatian oi the same show to the same public.

Segunda apresentação

de

Second presentation

pm Duração: 60'

9:)0

30'

AFFECTS AFFECTS

23h 11 pm


19/10 quinta-feira thursday

19 h 7 pm sala paraíso/ paraíso room

ISPIRITUINCARNADU PANORAMA

estréia nacional,.national

debut

PARAISO dias 19, 20 e 21 de outubro

Direção/Direction: Celina Sodré Bailarina/Dancer: Denise Stutz Dramaturgia física/Physical dramaturgy: Celina Sodré e Denise Stutz Espaço e figurino/Space and costumes: Celina Sodré Iluminação/Lights: Maurício Cardoso Assistente de direção/Assistant ot Direction: Gustavo Barros Duração/Duration: 25 minutos/minutes

o

corpo-da-ação e o corpo-em-ação. Entre essas duas instâncias, o teatro e a dança em contaminações. O método das ações físicas de Stanislavski e a dança contemporânea encontram-se na parceria de Celina Sodré e Denise Stutz, na dimensão do universo de Guimarães Rosa. A fala, aqui, é ação. The body o] action and body in action. Between theses two instances, theater and dance in contaminatian. The method af physical actions ot Stanislavski and contemporary dance meet each other in the Duo Celina Sodré and Denise Stuts, in the dimensian of the universe of Guimarães Rosa. The speaking is, here, action.

20

h

8pm palco/stage

o DIAFRAGMA

FECHA

estréia no Rio de Janeiro/debut

in Rio de Janeiro

Direção e Coreografia/ Direction and Choreography: Cláudio Lacerda Bailarinos/Dancers: Cláudio Lacerda e Mônica Barroso Música/ Music: Siouxsie and the Banshees Duração/Duration: 12 minutos/minures

O bailarino residente em Recife, Cláudio Lacerda, formado pelo Laban Centre de Londres, coloca em sua coreografia uma questão: qual a linha que divide o que é considerado desvio do que é considerado normal? Para tentar respondê-Ia, explora o mundo da moda, suas poses, suas revistas, seus modelos, e também seus tiques nervosos e suas deformações. The doncer from Recife, Cláudio Lacerda, graduated at Lasan Centre oi London, poses a question in lIi choreography: What is the line that divides what is considered deviance and what is considered normal? To try 10 answer this question he explores the world of [ashion, its poses, tis magazines, it models, and also its quirks and deformatians.


estréia

no Rio de Janeirojdebut

in Rio de [aneiro

eXperimento

1

palco/stage

LUCIANA GONTlJO E MARGÔ ASSIS - Belo Horizonte Criação e Intérpretes/Creation and Interpreters: Luciana Gontijo e Margô Assis Imagens/lmages: Eugênio Paccelli Horta Trilha Sonora/Sound Track: Paulo Sérgio Thomáz (arranjos e composiçãojarranjos and composição) e Ronaldo Gino (edição e mixagem/edição and mixagem) Iluminação/Lights: Teima Fernandes Colaboração/Col/aboration: Cristina Barra Assessoria jurídica e elaboração do projeto/Legal assistance and elaboration ofthe project: Alessandra Drummond Produção e elaboração do projeto/Production and elaboration oi tbe project: Ana Luísa Bosco Freire Co-produção/Co-Production: FID-2000 - Festival Internacional de Dança Agenciamento/Managing: Atômica Artes Duração/Ouration: 35 minutosjminutes Ciência, filosofia e história da dança: formulação coreográfica não estável. juntas desde 1996, aparecem como experiência no corpo que dança.

Esse desafio,

lançado

pelas jovens coreógrafas

mineiras

Science, philosophy and history of dance: unstable [ortnulation ot dance. This chal/enge launched by the young choreographers Gerais, who have worked together since 1996, appear as experience in the body that dances.

que trabalham

from Minas

E NEM MENCIONE ESTHER WllllAMS estréia

nacional,.national

debut

Direção Artística/Art Oirection: Dupla de Dança Ikwalsinats CoreografiajChoreography: Frederico Paredes e Gustavo Ciríaco Bailarinos/Oancers: Frederico Paredes e Gustavo Ciríaco Trilha Sonora/Sound Track: JAMS, Paul, Peter and Mary; Vivaldi (autores) Iluminação/ Lights: Wilson Reiz Figurino/Costumes: Thereza Rocha Apoios/Support: Lia Rodrigues Companhia de Danças, Studio Casa de Pedra, Tex Studio de Dança Agradecimentos/ Thanks: Angel Vianna, Cristina Souza, Esther Weitzman, João Saldanha, Ioelson Gusson, José Geraldo Furtado, Lia Rodrigues, Paula Nestorov, Priscila Teixeira, Staccato Cia de Dança, Thereza Rocha Duração/Ouration: 20 minutos/minutes Humor e nonsense são características da dupla carioca de bailarinos formada em 1995. Por isso mesmo, Esther Williams, a grande estrela holywoodiana dos anos 50, famosa por seus balés aquáticos, não será objeto desta coreografia. Antes, irreverência e coreografia aparecem costurados em uma teatralidade enxuta, exata. Frederico Paredes e Gustavo Ciríaco contam a partir deste ano com o apoio do Programa de Bolsas RioArte. Humor and nonsense are characteristics ot this duo {rom Rio de Janeiro formed in-95. This is why. Esther William, the great Holywood star ot the 50'S, famous for her aquatic bal/ets, shal/ not be the object of this choreography. Yet, irreverence is interwoven in a dry and exact dramatic. Botb artists count on the support ot RioArte Scholarship Program as of this year.

palco/stage


20/10 sexta-feira friday

20

h

8 prn calçada/sidewalk

ARQ-MÓVEl-

ESTAMOS EM TRÂNSITO

estréia nacional/ natianal

debut

Concepção. direção geral e coreografia/Conception. Direction geral and Choreography: Andrea labor Produção/Production: Angela Blazo e Andrea labor Atrizes performáticas/ Petforminq actresses: Angela Blazo, Andrea labor, Beatriz Sayad, Danielle Barros Participação especial/Special participation: Daniel Porto Colaborações artísticas/Artistic Col/aboration: Luiz Mendonça. Daniel Whitaker. José Geraldo Furtado. Trilha sonora/Sound Track: selecionada por Andrea labor, Diversos artistas e loucutores. Cenografia e figurino/Setting and costumes: Sergio Marimba e Bia labor Montagem/Stage Setting: Reinaldo Duarte Criação e realização/Creation and realization: Arquitetura do Movimento Duração/Duration: 20 minutos/mínutes

A choreography inside and around a cor: a game involving improvisatíon. movement and the street. Andrea labor and her Architecture ot Movement want to observe and hold common gestures as a possibility o] dance. Inspired by the work of manifestos ofthe Austrian plastic artist and architect Hunderwasser. Possibility: automobile as a third skin. Dance: improvisation.

Uma coreografia dentro e em torno de um automóvel: jogo entre improvisação. movimento e os espaços da rua. A bailarina Andrea labor e sua Arquitetura do Movimento propõem observar e tratar o gesto comum como uma possibilidade de dança. inspirados pela obra e os manifestos do artista plástico e arquiteto austríaco Hundertwasser. Possibilidade: automóvel como terceira pele. Dança: improvisação.

palco/stage

NÃO É MAR MAS É SALGADO estréia nacional/national

debut

Idéia inicial/ initial conception: Rubens Barbot e Gatto Larsen Direção artística/Art Direction: Gatto Larsen Coreografia/Choreography: Rubens Rocha. Valéria Monã. Denis Gonçalves Bailarinos/Dancers: Valéria Monã. Denis Gonçalves, Rubens Rocha, Nico Aquino*, Sílvio Nerak ", Wânia Masari*, Michel Sankrer* (*alunos do curso comunitário do Centro Cultural José Bonifácio)

lIuminação/Lights: César Ramires Produção/ Production: a companhia Direção de Palco/ Stage Direction: Álvaro de Souza Trilha Sonora/Sound Track: Zbigniew Prelner (autor) Duração/Duration: 20 minutos/mlnutes

o

mundo captado por Sebastião Salgado. Suas imagens traduzidas em dança. Mistura de solidão. tri tcza f' no olhos: uma poesia verdadeirarnente humana e sincera. Não é intenção reproduzir imagens de suas fotos. e sim tentar captar o entimento que nessas imagens. feitas com homens desta terra. permeiam e saem das fotos. Este é um trabalho que presentifica a qualidade dos dez anos da criação desta companhia. que é apoiada pela Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro. The world captured by Sebastião Salgado. His images translated into dance. Mixture of solitude, sadness and faith in the eyes. Truly human and sincere paetry. There's no intention to reproduce tbe image oi his pictures, but to capture the feelings that permeate and come out of these images done with men ot tbis land.


RAW FOOTAGE GARY LUND, GIOVANNO LUQUINI. PAULO MANSO DE SOUZA - Miami - EUA

estréia no Brasil/debut

palco/stage

in Brazil

Conceito/Concept: Gary Lund Coreografia/Choreography: Gary Lund, Giovanni Luquini Bailarinos/Dancers: Gary Lund, Giovanni Luquini, Paulo Manso de Souza Música/ Music: Fast Forward Luz e imagens/ Light and images: Erie Riss Figurino/Costumes: Haydeé Morales e Maria Morales (assistente) Efeitos sonoros adicionais/Additional Sound Effects: Pascal Jacqueline da Motions Image Fotografia-slide/ Phatagraphy-slide: Gloria Leigh O'Connell Fotografia (imagens)/Photography (imaqes). Lewis Hines, Arthur Rothstein, Dorothea Lange, Margaret Bourke-White Vídeo/Videa: Mykle Mettee Produção/ Praduction: Tigertail Productions (MiamO, criado para o FLA/BRA Festival Suporte/Support: fifty over fifty and the Doris Duke Fund for Dance of the National Dance Project, um programa da New England Foundation for the Arts; National Endowment for the Arts, Doris Duke Charitable Foundation, Andrew W_ Mellon Foundation, e Philip Morris Companies Inc. Duração/Duration: 45 minutos/minutes

Um lavrador, um caminhoneiro e um soldado. A era da depressão até a entrada deste nosso século, fotografias em sépia, esforços de homens e sua exaustão. Condições de trabalho, seu lugar, seu contexto: o movimento de três homens trabalhando como homenagem. Como dança. A peasant, a truck driver and a soldier. The time ot depression until the beginning ot this new century, photos in sepia, struggles and their exhaustion. Conditions ot work, the place, the context: the movement ot three men working as honor. As a dance.

of men

PLATÉIA/FOYER Entrevista-debate com a participação da jornalista especialista em dança do jornal O Globo, Adriana Pavlova, Gary Lund, Giovanno Luquini, Paulo Manso de Souza, no café do Teatro. Tradução: Gustavo Ciríaco. After the show, an interview-debate with the participation of the O Globo journalist, specialist Giovanno luouini, Paulo Manso de Souza, in the theater's café. Translation: Gustavo Ciríaco.

in dance, Adriana Pavlova, Gary Lund,

após o espetáculo after the show


21/10 sábado saturday

20

h

SOFÁ I

estréia no Brasil/debut

in Brazi/

8pm

palco/stage Direção Artística/Direction Artística: Mariana Bellotto Coreografia/ Choreography: Mariana Bellotto Bailarina/Dancer: Marta Lantermo Música/ Music: Federico Zypce Cenografia/Setting: Patrícia Fernandéz Morán lIuninação/Light: Gonzalo Córdova Figurino/Costumes: Mariana Bellotto Assistência Geral/General Assistance: Jazmín Chiodi Técnico/Technician: Marcelo Alvarez Duração/ Duration: 22 minutos/ m inu te s Uma mulher, só, espera. Numa atmosfera essencialmente feminina, a coreógrafa argentina Mariana Bellotto impregna no movimento as intenções de partir e voltar. O caráter intimista da obra aparece no discurso coreográfico em forma de intensa pesquisa de movimento. A woman, alone, waits. In an essential/y feminine atmosphere, the Argentinean choreographer Mariana Bel/oto impregnates the movement with the intentions of /eaving and returning. The intimate character oi the work is shown in the choreographic speech as intense research ot movement.

palco/stage

SYLVIO DUFRAYER COMPANHIA EX-VOTO*

estréia rio Rio de Janeiro/debut

in Rio de Janeiro

Direção artística/Direction artística: Sylvio Dufrayer Coreografia/Choreography: Sylvio Dufrayer e Alessandra Lofiego Bailarina/Dancer: Alessandra Lofiego Trilha sonora/Sound Track: Dead Can Dance, Augusto de Campos (autores) Iluminação e figurino/Lights and castumes: Sylvio Dufrayer Duração/Duration: 10 minutos/minutes *Trecho do espetáculo "Ex·Votos"/*Partofthe show "Ex-Votos" Sylvio Dufrayer, coreógrafo carioca de importante carreira na dança brasileira, parte da idéia de ex-voto, imagem que se coloca numa igreja em cumprimento de uma promessa, para trabalhar uma partitura física de ações e divagações de desejos íntimos de seu personagem. Sylvio Dujrayer, a dancer with a relevant carreer in Brazi/ian dance, comes {rom lhe idea ot 'ex-voto', the image that is put in a church to pay a vow, to work a physica/ notes of actions and wanderings ot intimate desires ot his character.

DE DANÇA - Rio d


estréia no Rio de Janeiro/debut

in Rio de Janeiro

ANTOLOGIA

Direção Artística/Art Direction: Sigrid Nora Figurinista/Costume: Tom Plischke e Sigrid Nora lIuminação/Lights (Projeto): Tom Plischke e Sigrid Nora Técnico/Technician: Marcelo Zamora Vídeo/Video: Tom Plischke Assistentes/Assistentes: Ney Moraes e Verónica Gomzjurado Produção ComercialjCommercial Production: Marcelo Zamora

COMPANHIA

MUNICIPAL

DE DANÇA DE CAXIAS DO SUL - Caxias do Sul- RS

l.EM BRANCO Coreografia/ Choreography: Ney Moraes Bailarino/ Dancer: Carlos Garbin Música/ Music: Nigel Kennedy Kaalka

2.LOUD! Coreografia/Choreography: Tom Plischke Bailarinos/ Dancer: Ney Moraes e Verónica Gamezjurada Vídeo/Videa: Thomas Plischke e Alex Kulmann Música: Bach e Bizet

3.LlNHA ABERTA Coreografia/ Chareography: Ney Moraes Bailarinos/ Dancer: Ney Moraes e Carlos Garbin Música/ Music: Henryk Góreki

Duração/Duration:

35 minutosjminutes

Uma companhia tão distante do famoso eixo Rio-São Paulo prova que, resistindo e inovando, é possível fazer dança neste país. Uma amostra deste projeto louvável de pensamento e produção de dança, através de uma companhia e de uma escola, é apresentada aqui em forma de três peças curtas, que servem mesmo como uma pequena antologia deste ainda jovem mas já promissor grupo de dança. A company that comes 50 for from the famous axle Rio-São Paulo proves that through resistance and innovation it is possible create dance in this country. A sample of this project ot thought and production of dance, through a company and school is presented here in three sport plays, that work as a small anthology ot this promising dance group.

to

palcojstage


22/10 domingo sunday

Teatro Cacilda

"OS

sovtssraos-

6. FIQUE ESPERTO Coreografia/ Choreoqraptiy: Marcellus Ferreira Bailarinos: Daniele Rodrigues, Marcellus Ferreira e Alex Neoral Duração/Duration: 8 minutos/mlnutes

Becker POEMETO Coreografia e bailarina/Cl7oreograpl7yond Duração/Duration: 12 minutos/minutes 1.

Dancer: Paula Águas

BAFENG (8 VENTOS) Coreografia e bailarina/Cl7oreograpl7y and Dancer: Simone DuraçãolDuration: 10 minutos/minutes

7. DOIS PRA UM Coreografia e bailarinas/Cl7oreograp/ly Renata Reinheimer Duração/Duration: 6 mlnutos/mlnutes

2.

Nobre

and Dancers: Clarice Silva e

8. TRAJETÓRIA 3. INTER-CESSÃO Grupo Focus Coreografia e bailarinos/Choreography Alex Neoral Duração/Duration: 10 minutos/minutes

Coreografia bailarino ICI/o( ography ond Dancers: Alessandra Reichert e Iarnll Cardoso Duraçãol Duration: 10 mlnutos/mlnutes

and Dancers. Clarice Silva e

4. O OCASO DE CREPUSCUlINA Coreografia e bailarina/Choreography and Dancer: Fabrícia DuraçãolDuration: 20 minutos/minutes

Miterhof

9. QUEBRA-CABEÇA Dança Dença Cia d Dança Coreografia e bailarino I horeogmpl7y and Dancers: Marcus Rora e Renata Vi Duração/ Duration: 13 mlnutos/mlnutes SOHNOS HUMAS ia de Dança Coreografia e I ailarina : Helena A. Vieira, Itana Meirelles, Duração/ Duration: 13 mlnutos/mlnutes 10.

5. UMA BARATA SÓ FAZ VERÃO Coreografia e bailarino/Choreography DuraçãolDuration: 7 minutos/minutes

Teatro Cartos Gomes

18 h 6 pm

and Dancer: Clébio Oliveira

Tatiana France

~----~~~----------------------------------------CORPOS IlHADOS

estréia

nacional/national

debut

palco/stage Direção Artística/Art Direction: Vera Sala Concepção e InterpretaçãolConcept and /nterpretation: Vera Sala DireçãolDirection: Rosa Hércoles Plano de luzi Light p/an: Carlos Gaúcho Operação de Luz/Light operation: André BolI Edição de SomlSound Edition: Alvaro Pimentel Trilha Sonora/Sound Track: Arto Lindsay, Henryk Gorecki, Antonio Chainho, Alberto Ginastera, John Oswald, Didier Guiguie Apoiol Support: Espaço de Dança Ruth Rachou Agradecimentos/Thanks: Ruth Rachou, Raul Rachou, Mônica Margarido, Helena Bastos DuraçãolDuration: 45 minutos/minutes

Desarticular, recortar, fragmentar. A coreógrafa e bailarina paulista Vera Sala tece artesanalmente esses verbos no corpo. Sua dança redimensiona possibilidades corporais e as transforma em pensamento.

To disartieu/ate, to eut, to fragmento The choreographer body possibi/ities and transform them into thought.

and doncer Vera Sala weoves these verbs in the body tike handcraft.

Her dance redimensions


1",11 11111()1110d lan iro/debut

in Rio de janeiro

CAMBINDAS

20 h 8pm palco / stage

IlIIII\ o I' fOI00RI,lfld/f)fra 11011 ond Choreography: Duda Maia 11i!1Ii!l1I101~/O(1II 01_: Ana Am611aCamelro da Cunha; Carla Durans; rnn Inl Barros, tals Bemardes, lullana Nogueira 11111101 ~ol1ola/ ounâ lraek: FellpeTrotta 111II1I11l,1Ç, o/LlglJ/s: Renato Machado II',~I~I 11I de Iluminação/ Lights Assistance: Maurício de Sena 1181111n objetos de c na/Costumes and scene objects: Mauro Leite IIclel ços/Props:Miguel Vellinho lIula d· percussão/ Percussian classes: Cristiana Brasil mú icos (gravação)/Musicians (recordinq). Renato Buscacio, André Cunha, Marcelo Rodolfo, Janafna Perotto, Dudu Fuentes, Elly Wemeck, Felipe Trotta, Maurício Habert ostureira/Seamstress: Helena Torrubia Flores/ F/owers: Tânia Maia Confecção dos bancos/ Bench Manufacturing: Seu Arapuã Fotos/ Pietures: Eduardo Pacheco Apoio/Support: Escola de Dança Angel Vianna, Academia de Giselle Tápias Duração/Duration: 25 minutos/minutes 1111111111 ,"11 I"I~111111(111110" qu cI rarn origem ao maracatu rural. A coreógrafa carioca Duda Maia tece tramas de dança tendo o ritmo e o 111' /1111111111 111111110, III1Ido popular revestido de dança contemporânea. Este espetáculo está vinculado ao Programa de Bolsas RIOARTE. /11'111111111/1/11111" /I/II/Ir l/o "Maracatu". Duda Maia weaves p/ots ot donce having the rhythm and the game as threads. As a ,111111IllI/lml wlrili oll/omporary dance. This show is a/50 supported by RioArte Scholarship Programo

li,

11"

estréia nacional/debut

Direção de coreografia/Choreography Direction: Alexandre Franco Bailarinos/Dancers: Luk Monteiro, André Masseno, Stela Guz, Simone Nobre, Teresa Taquechel, Oça López, Raul Serrador, Andrea Elias, Tânia Castilho, Alexandre Franco Direção de Artes/Art direction : Alexandre Franco Intérpretes Convidados/lnvited Interpreters: Clarissa Feijó, Elizabeth Maia, Aline Barros, Cláudia Pacheco Assist. de coreografia/Choreography Assistant: Simone Nobre Figurino/Costumes: André Masseno Iluminação/Lights: Renato Machado e Binho Schaeser Adereços/ Props: André Masseno, Mello Menezes, Alexandre Franco e Luk Monteiro Cenário/Set: Alexandre Franco, Max Kohl Preparação corporal! Body Preparation: Simone Nobre, Alexandre Franco

national

A MATRIZ

Técnica de Alexander/Alexander's technique: Edmundo Dias Fisioterapeuta/ Physiotherapist: Núbia Barbosa Camarim/Dressing room: Valéria Peixoto Operação de Som/Sound Operation: Femando Canabrava Produção/Production: Maria Brezensky, Alexandre Franco Produção Executiva/Production Executiva: Ciça López Assistência geral! General assistance: Luk Monteiro Apoios/Support: Escola Angel Vianna; CElA· Centro Est. da Técnica Alexander; Gambino Rest. ; Carrninha Cabeleireiro, Clínica Notres;Caçula, Decato Underwear e Panta's Agradecimentos/Thânks: Roberto Pereira, ConstoQueiroz Galvão, Rosa e João Galvão, Alessandra, M' Heide e Aristoldo Reichert, João Carlos Farias, Sérgio Feijó e Angel Vianna Duração/Duration: 30 minutos/minutes

O universo regional é revisto coreograficamente por Alexandre Franco, que traça um percurso bastante instigante de pesquisa de movimento em seus trabalhos, na cidade do Rio de Janeiro. Aqui, a individualidade corporal do bailarino funciona como matêria-prirna, a serviço de um confronto entre memória ancestral e o corpo urbano. The regional universe is reviewed choreographical/y by Alexandre Franco that traces a very instigating road oi research ot movement in his works in Rio. The body individua/ity oi the dancer works here as raw-matetial in setvice ofa conjrontatton between ancestor memary and the urban body.

palco/stage


Teatro Caríos Gomes Foyer

23/10 segunda-feira monday

FÓRUM - CINCO PERGUNTAS A MAGUY MARIN

Five questions

to Maguy Marin

o Panorama

RioArte de Dança oferece um fórum aberto de seis horas no Teatro Carlos Gomes, coordenado pelo Grupo de Estudos em Dança do Rio de Janeiro e supervisionado pela Professora Doutora Helena Katz, com a participação especial da coreógrafa Maguy Marin.

Panorama RioArte de Dança otters an open six-hour forum at Teatro Carlos Gomes, coordinated by Grupo de Estudos em Dança do Rio de Janeiro and supervised by Professor Ph.D. Helena Katz, with the special participation of choreographer Maguy Marin.

10h/12h 10/12

am

13:30h/16h 1:30/4 pm

Apresentação do fórum/lntroduction· Helena I<atz· Maguy Marin Discussões propostas/ Proposed themes: A dança contemporânea francesa e seus Centros Coreográficos/The A dança de Maguy Marin/The dance ot Maguy Marin

French contemporary

dance and its choreographic

centers

Grupos de trabalho coordenados pelos integrantes do Grupo de Estudos em Dança, sob orientação de Helena Katz. Cada grupo terá acesso amateriais sobre a dança francesa e sobre a dança de Maguy Marin em particular. Apresentação e discussão de vídeos de seus trabalhos. Elaboração de perguntas à coreógrafa. Work groups coordinated by members of Grupo de Estudos em Dança, under guidance Helena Katz. Each group will have access to material about the French dance and particularly the dance of Maguy Marin. Presentation and discussion of videos of her works. Questions to the choreographer.

Apresentação das discussões desenvolvidas pelos Grupos de Trabalho. Elaboração das cinco perguntas. Presentation of discussions develop by Grupos de Trabalho. Formulation ot the five questions.

16:30h/18h 4:30/6 pm

o

Panorama RioArte de Dança e o Grupo de Estudos em Dança do Rio de Janeiro emitirão certificados aos participantes. Panorama RioArte de Dança and Grupo de Estudos em Dança do Rio de Janeiro shall issue certificates to the participants. Inscrições por e-rnail: panorama@unisys.com.br/Enrollmentsthrough:panorama@unisys.com.br Favor, colocar nome, endereço completo, telefone e e-rnail/ Please write nome, address, telephone and email.

20h 8pm

ENCONTRO COM MAGUY MARIN E ANTOINE MANOLOGLOU Tema/Theme: Centro Coreográfico e Gestão Cultural /Choreographic Center and Cultural Management

Local/ Place: Centro de Cultura Hélio Oiticica Rua Luís de Camões, 68, Centro

O Grupo de Estudos em Dança do Rio de Janeiro foi criado em 1998 e reúne pesquisadores, coreógrafos e bailarinos em encontros semanais para discussão sobre teoria e dança. Além disso promove cursos e palestras, e organiza pela segunda vez a parte teórica do Panorama RioArte de Dança. Grupo de Estudos em Dança do Rio de Janeiro was created in 1998 and gathers researchers, choreographers and dancers in weekly meetings for the discussion on theory and dance. It 0150promotes courses and lectures and organizes for the second time the theoretical part ot Panorama RioArte de Dança.


24/10 terça-feira saturday

estréia no Bra il/debut

in Brazil

QUOI QU'll EN SOIT

20

h

8 pm Coreografia/Choreography: Maguy Marin Bailarinos e autores dos textos/Dancer and text authors: Ulises Atvarez; Thierry Partaud; Ennio Sammarco; Marcelo Sepulveda; Adolfo Vargas Música/ Music: Denis Mariotte Figurino/Costumes: Candice Zastera e Chantal Cloupet (assistente) Cenografia e Iluminação/Setting and Lighl : Chrlstian Toullec Tradução dos textos e tradução simultânca/Texl tronstotion and simultaneous translation. Denise Namura, com a colaboração de Mlchael Bugdahn Direção Técnica/Technical Direction. Alexandre Beneteaud Assistente de direção artística/Art Direction As istant. Ulises Alvarez e Cathy Polo Administração/Administration: Antoine Manologlou Assistente de gestão/Managemenl a i lance: Laurie Delavier Assistente de imprensa/Pres As i tant. Gwenaêle Magnet Redação/ Editor: Mary Chebbah Som/Sound: Antoine Garry Co-produção/Co-Production: Compagnle Maguy Marin, CCN de Rillieux Ia Pape, La Filature, Scêne Nationale de Mulhouse, Théâtre de Ia Ville/Paris Duração/Duration: 1:10 horas Estréia/Debut: 23 de janeiro de 1999 - La Filature, Scêne Nationale, Mulhouse

palco/stage

A Compagnie Maguy Marin é subvencionada pelo Ministério Cultural, o DRA Rhôn -Alpes, o Departement du Rhône, Région RhôneAlpes, as cidades de Décines, Rillieux-laPape, Villefranche-sur-Saôn ,Comunidadc d Bron e Villeurbanne. Para turnês estrangeiras, recebe suporte financeiro da Association Française d'Action Arli tique AFAA. Tournê Internacional: BLB Spactacle - Didier Le Besque Compagnie Maguy Marin is supported by the Ministry of Culture, DRAC Rhône-Alpes, Deportement du Rhône, Région Rhône-Alpes, the cities Décines, Rillieux-laPape, Villefranche-sur-Saône, Bron Community ond Villeurbanne. For foreign tours it receives financial support [tom Association Française d'Action Artistique AFAA. Coincidências, escolha de vida, seguir de pequenos eventos que acaba por formal' encontros. Cinco indivíduos se encontram juntos num lugar e tempo precisos, sem entr tanto ter m vindo pelo mesmo caminho, pelas mesmas razões, e para construir a mesma história individual. Evocar a questão das circunstancias, dos fatos ou dos "acasos" do deslocamento ou da localiazação dos indivíduos, é também colocar um olhar sobre a resporisabilidade.. ___ Ousar dizer, ousar dispor de uma parte de si mesmo, com intensidade e pudor, é também convidar as pessoas a se revetarem.. Coincidences, choice of /ife, it is a sequence ot sma/l events thot end up forming encounters_ Five individuais meet each other at a precise time and place, without having taken the same woy, come for the same reosons, and to construct the same individualstory. Evoking the question o] circumstonces, of tocts or of"coincidences" of displacement ar localizotion of individuais, is also placing a look at the responsibi/ity .._ .__Daring to soy, daring to let a part of yourself go, with intensity ond shyness, is also inviting people to reveal themselves .._

PLATÉIA/FOYER Após o espetáculo serão apresentadas as Cinco Perguntas a Maguy Marin, resultado do fórum realizado na Segunda-feira, dança e doutora Helena Katz e respondidas pela coreógrafa, no palco do Teatro.

pela crítica de

lhe Five Questions to Maguy Marin sha/l be presented, result of lhe Forum that took place on Monday, by Dr. and critic Helena Katz and answered by the choreographer on the theater's stage.

após o espetáculo after the show


25/10 quarta-feira wednesday

20h 8 pm palco/stage

MAY B

estréia

no Rio de Janeiro/debut

estréia

em 4/11/1981 no Teatro Municipal

in Rio de janeiro de Anger

Coreografia e encenação/Choreography and scene: Maguy Marin Bailarinos/Dancers: Ulises Alvarez; laura Frigato; Preciosa Gil; Sylvie Pabiot; Thierry Partaud; Cathy Polo; Yasmlna Prolic; Ennio Sammarco; Marcelo Sepulveda; Dominique Uber; Adolfo Vargas Música/ Music: Franz Schubert; Gilles de Binche; Gavin Bryars Figurino/Costumes: louise Marin . Iluminação/Lights: Pierre Colomer Direção Técnica/Technical Direction: Alexandre Beneteaud Assistente de direção artística/Att Direction Assistance: Ulises Alvarez e Cathy Polo Administração/Administration: Antoine Manologlou Assistente de gestão/ Management Assistance: laurie Delavier Assistente de imprensa/Press assistance: Gwenaêle Magne! Redação/ Editor: Mary Chebbah Co-produção/Co-Production: Compagnie Maguy Marin e Maison des Arts e! de Ia Culture de Créteil Duração/Duration: 1:30 horas

A Compagnie Maguy Marin é subvencionada pelo Ministério Cultural, o DRAC Rhône-Alpes, o Departement du Rhône, Région RhôneAlpes, as cidades de Décines, Rillieux-laPape, Villefranche-sur-Saône e Villeurbanne. Para turnês estrangeiras, recebe suporte financeiro da Association Française d'Action Artistique AFAA. Tournê Internacional: BLB Spactacle - Didier Le Besque Compagnie Maguy Marin is supported by the Ministry of Culture, DRAC Rhône-Alpes, Departement du Rhõne, Région Rhône-Alpes, the cities Décines, Rillieux-laPape, Villefranche-sur-Saône, Bron Community and Villeurbanne. For foreign tours it receives finonclal support from Association Française d'Action Artistique AFAA. Este trabalho sobre a obra de Samuel Becket , cujo gestual e a atmosfera teatral estão em contradição com a performance física e estética do bailarino, foi para nós a base de uma decodificação secreta de nossos gestos mais intimos, os mais escondisos, os mais ignorados. Chegar a descobrir esses gestos minusculos ou grandiosos, de multiplas vidas apenas perceptíveis, banais, onde a espera e a imobilidade não tão imóvel assim deixa um vazio, um imenso nada, uma praia de silencios cneios ce resazçôes, '-êJ1do os personagens de Becket desejam apenas a imobilidade, eles não podem deixar de se mover, pouco ou muito, eles se rno:M:>~ esses traoa. -o, à priorio teatral, o interesse para nós foi de desenvolver não o texto ou a palavra, mas o gesto na sua forma a mais esn açace, :JOS:, o oonto de encontro entre o gesto do teatro e , de outro lado, a dança e a linguagem coreográfica. Maguy Marin

=

This work on Samuel Becket, whose gestures and theatrical atmosphere are in contradiction with the physkaJ esreiic: zerir=crce o{the dancer, was the basis of a secret decodification of our most intimate gestures, the best hidden and most iqnored ones: Cor:- _ t tre aisc:Ne? af these tinyor great gestures, ot multiple lives only perceptible, banal, where the wait and immobility are not so stillleaves a \lUid, a r_ge - ..•..•... t;, C oecdt of si/ences full oi hesitations. When the characters ot Becket wish only immobi/ity, they cannot help not moving, littIeor trxn; e) -.'e.. -.;is work, which is at a first instance theatrical, we intended to develop, not the text ar the work, but the gesture in its most sbatzerea "0.zs see e meeting point between the gesture of the theater and, on the other side, the dance and choreographicallanguage. MagU}'''' -

COQUETEL DE LANÇAMENTO

após o espetáculo after the show

DA PUBLICAÇÃO "LIÇÕES DE DANÇA 2" DA UNIVERCIDADE EDITORA./l.AUHOI!.'I(;

aULJ.[!,

Esta é uma publicação que reúne doze ensaios sobre dança, organizada por Roberto Pereira e Silvia Soter,S2 seg:;-a _ - dos seguintes autores: Arnaldo Antunes, Regina Miranda, Laurence Louppe, Flávio Sampaio, Letíàa Teixeira, 3r. -. -"-. --=s::ê Amorim/Bergson Queiroz, Rpberto Pereira, Sofia Cavalcante, Adriana Pavlova e Cláudia Damasio.

rn a participação

:mcna, Gícia

This is a publication that gathers 12 essays on dance, organized by Roberto Pereira and Silvia 50;& zs sem; - ::;:;_"'3 n me participation o] the following authors: Amaldo Antunes, Regina Miranda, Laurence Louppe, Aávio Sampaio, _.. _ --_ - Besrão, Ihereza Rocha, Gícia Amorim;8ergson Queiraz, Roberto PeI1?Íra, 50" Q: e, .;c,. :::>::v1o\Iu and Cláudia Damasio.


26/10 quinta-feira thursday

estréia

no Rio de Janeiro/debut

in Rio de Janeiro

UNTITLE ME

20h 8pm palco/stage

Criação/Creation: Freeman

Lilia Mestre e Davis .

Bailarina/ Dancer: Lilia Mestre Cenografia/Set Design: Davis Freeman Projeto subsidiado pelo/Project supported by:Ministério da Cultural Instituto Português das Artes do Espetáculo Duração/Duration="30 minutos/minutes

Uma mulher obscurece as linhas entre a realidade, a ficção e o desejo. Explora um mundo em que todas as personagens que encontra são ela própria. Todas as mulheres interagem e confrontam-se entre si. A intérprete, a mãe, a filha, a lunática, a trabalhadora, a poeta, a ficção, a realidade. Todas são reais. A portuguesa Lilia Mestre dançou com Vera Mantero e com Les Ballets C. de Ia B. e agora lança-se aos desafios da coreografia. Pertence ao projeto Danças na Cidade. A woman darkens the /ines between rea/ity. {iction and lust. She explores a world where ali the characters she meets are herself. Ali women interact and confront each other. The Interpreterr, the mother, the daughter, the lunatic, the worker, the poetess, the {iction, the rea/ity. They are ali real. Li/ia Mestre danced with Vera Mantero and with Les Ballets C. De Ia B. And now faces the challenge ot choreography.

estréia

no Rio de Janeiro/debut

in Ria de Janeiro

MISS L1BERTY

pa!co/stage

Coreografia e Cenografia/ Choreography and Setting: Mónica Lapa Intérpretes/lnterpreters: Marta Lapa, Ana Bacalhau e Leonor Barata Música/ Music: Paulo Curado Iluminação/Lights: João Paulo Xavier Figurino/Costumes: Marta Lapa e Palmira Lapa (assistente) Fotografia/ Photography: João Tuna Design Gráfico/Graphic Design: Carlos Gomes Assistência de produção/Production Assistance: Carla Alhinho Projeto subsidiado pelo/Supported by: Ministério da Cultural Instituto Português das Artes do Espetáculo Apoios/ Support: Danças na Cidade, Teatro Cinearte, A Barraca, Câmara Municipal de Lisboa, Pelouro da Cultura, Animais, Rádio Nacional e Lisboa Capital Duração/Duration: 45 minutos/minutes Os signos da passividade, aceitação e perfeição são interfaces da história do corpo da mulher no ocidente. O que este corpo representa é traduzido em representação de dança, com fortes contamos teatrais. Mónica Lapa é um dos nomes mais instigantes na cena da dança contemporânea portuguesa. Além de suas atividades como bailarina e coreógrafa, divide com Mark Deputter, desde 1993, a direção do festival internacional de dança contemporânea "Danças na Cidade". The signs ot passivity. acceptance and perfection are interfaces of the story of women's body in the West. What this body represents is translated into representation of dance, with strong theatrical contours. Monica Lapa is one ot the most instigating names of contemporary dance in Portugal. Besides her activities as dancer and choreographer she has shared with Mark Deputter the direction of intemational festival of contemporary dance" Danças na Cidade".

PLATÉIA/FOYER Discussão sobre a Dança Contemporânea Portuguesa/ Festival "Danças na Cidade" / Projeto "Dançar o que é nosso", coordenada pela crítica e jornalista de dança do Jornal do Brasil, Nayse Lopez, com a participação de Mark Deputter e Mónica Lapa no café do Teatro Carlos Gomes. Mark Deputter é diretor artístico e criador do Festival Danças na Cidade e do Projeto Dançar o que é nosso, e programador do Centro Cultural Belém/ Lisboa. A discussion on the Portuguese Contemporary Dance /Festival "Danças na Cidade"/Project "Dançar o que é nosso", coordinated by the Jornal do Brasil dance jouma/ist and critic Nayse Lopez, with the participation of Mark Deputter and Mônica Lapa in the theaters café. Mark Deputter is the art direcor and creator ot the Festival Danças na Cidade and the Project Dançar o que é nosso, programmer of Centro Cultural Belém/Lisbon.Cultual Belém/Lisboa.

após o espetáculo after the show


27/10 sexta-feira friday

20h

SElF UNFINISHED

estréia no Rio de Janeiro/debut

in Rio de janeiro

8 pm

palco/stage Criação e performance / Creation and performance: Xavier le Roy Colaboração/Col/aboration: laurent Goldring Música/ Music: Diana Ross Produção/Production: in situ productions e le Kwatt Co-produção/Co-Production: Substanz-Cottbus, TIF Staatsschauspiel Fonds Darstellende Küsnte e. v. aus Mitteln des Bundesministeriums Berlin Senatsverwaltung für Wissenchaft, Forschung und Kultur Duração/Duratian: 50 minutos/minutes

}(AVIER lE ROY - França/Alemanha Dresden, des Innern, com o suporte do TanzWerkstatt-Berlin,

I

Podewil-Berlin

e

Um dispositivo usando o mínimo de significados para permitir que o público questione suas percepções. Não os estado fixos do corpo humano, mas uma série de processos ou transformações que questionam suas funções. A procura da mutabilidade de um corpo numa situação em que ele pára de ser o que é para ser o que ele não é. Le Roy era pesquisador na área de biologia molecular e celular, e aos 27 anos decidiu dedicar-se à dança. Estes dois campos do saber aparecem instigantemente engendrados em suas obras.

A mechanism that uses the minimum of meanings to al/ow the public to question its perceptions. Not the fix states ot the human body, but a series of processes ar transformations that question its functions. The search of the mutability of a body in a situatian in which it stops being what it is to be what it is noto Le Roy was a researcher in the area of cellular and molecular biolagy and when he was 27 he decided to dedicate himselfto dance. These two fields o] knowledge appear amazingly interwoven in his works.

palco/stage

ANTONIO MIGUEl

estréia no Brasil/debut

in Brazil

Concepção geral/General Concept: Miguel Pereira Criação/Creation: Miguel Pereira e Antonio Tagliarini Consultoria artística/Art Consulting: Vera Mantero Bailarinos/ Dancers: Miguel Pereira e Antonio Tagliarini lIuminação/Lights: Carlos Gonçalves Figurino/Costumes: Miguel Pereira Fotografia/ Photography: luís Graça Produção executiva/ Executive Production: O Rumo do Fumo= Co-produção/Co-Production: IPAE/ Ministério da Cultura e Forum üança= * Subsidiados pelo Ministério da Cultural Instituto Português das Artes do Espetáculo Apoio/Support: CENTA Agradecimento/Thanks: luís Castro Duração/Duration: 50 minutos Andar à procura de qualquer coisa. Ir para além do que se tem. Ultrapassar limites. Descobrir o que surpreende, o que confronta. Essa é a idéia que está na dança do moçambicano Miguel Pereira que divide a cena e assinatura do trabalho com o italiano Antonio Tagliarini. Pertence ao projeto Danças na Cidade.

Walk around in search oi anything. Go beyond what one has. Go beyand limits. Discover what surprises, what confronts. This is the idea found in the dance af Miguel Pereira, the Mazambican that shares the stage and the signature af the work with the Italian Antonio Tagliarini. It is part o! the project "Danças na Cidade".

após

o

espetáculo after the show

PLATÉIA/FOYER Entrevista-debate

com a participação da pesquisadora e crítica de dança do jornal O Globo Silvia Soter com Xavier Le Roy, no Café do Teatro. with the participatian of O Globo dance research and critic Silvia Soter with Xavier Le Roy, in the theater's café.

Interview-debate


28/10 sábado saturday

TEAR

estréia no Rio de Janeiro/ debut in Rio de Janeiro PANORAMA

[

PARAISO

Criação e performance/ Creation and performance: Michel Groisman Cilcodimmer/Ci/codimmer: Rafael Viváqcua Internet/Internet: Daniel Groisman Fotografia/ Photography: Marise Farias Torneiros Mecânicos/Lathe Operators: paulinho e Cícero (TORNOTEC) Agradecimento/Thanks: Daniel e Tereza Groisman Duração/Duration: 1 hora

19 h 7pm sala paraíso/ paraíso room

Artes plásticas, perfomance, tecnologia, corpo. Michel Groisman dilui em suas instalações corpóreas os limites entre linguagens. "Enquanto estou a tear, vocês estão a sapar" P/astic arts, periormance, tecbnotoqv; body. Miche/ Groisman di/utes in its body installations between /anguages. "Whi/e I am weaveairing, Vou are feet-pairing"

the /imits

* Michel Groisman é apoiado pela Bolsa Uniarte da Fundação Carlos Chagas Filho de amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERj)

estréia no Brasil/national

in Brazil

POESIA E SELVAGERIA

20

h

8 pm Direção e Concepção/Direction and Conception: Vera Mantero Bailarinos/Dancers: Nuno Bizarro, Ana Sofia Gonçalves, Vera Mantero, Margarida Mestre, Frans Poelstra, Christian Rizzo Direção Artística/Art Direction: Vera Mantero Assistência artística/Art Assistance: Litia Mestre Cenografia/Setting: Nadia Lauro Figurino/Costumes: Nadia Lauro e equipe lIuminação/Lights: Cathy Otive Adereço e contra-regra/ Props and prompter: Marta Rego e Pietro Romani Música/ Music: Christian Rizzo Desenho de som/Sound Design: Victor Joaquim e Rui Dâmaso Produção Executiva/ Executive Production: EIRA/ Delphine Goater/ O Rumo do Fumo Co-produção/Co-Production: Instituto Português de Artes e Espetáculos, Centro Cultural de Belém, Mergulho no Futuro/Expo 98, EIRA Apoio/Support: Centa, Casa de Mateus Duração/Duration: 1:30 horas "Liberdade como disponibilidade para as pulsões, disponibilidade para ouvir e disponibilidade para levar a cabo de alguma forma. Ouvir essas pulsões em nós abre um campo enorme de possibilidades .;." A coreógrafa portuguesa Vera Mantero assim escreve sobre sua dança. Ou assim dança o que escreve. Com liberdade. Pertence ao projeto Danças na Cidade. "Freedom as avai/ability for the pu/sing, avai/ability to hear and avai/ability, to somehow take to terms. To listen to these pu/sing in us opens n normous fie/d ot possibi/ities ... " This is how the Pottuquese choreographer, Vera Mantero, writes obout her dance. ar, this is how she dances her wriling . With freedom. 1I is a/50 part ot the project "Danças na Cidade".


Teatro (acilda Becker

29/10

"DANÇA COMO EXERCíCIO DE CIDADANIA"

domingo sunday

COBERTORES DireçãojDirection: Carmen Luz Concepção, Trilha Sonora, Figurinos e DireçãojConception, Sound Track, Costumess and Direction: Carmen Luz Assistente de DireçãojDirection Assistance: Fábio Batista CriaçãojCreation: Carmen Luz, Zenaide Djadillê com a colaboração dos bailarinos. Intérpretesj Interpreters: Fábio Batista, Alcione Carvalho, Wanderson Guida, Aline Rodrigues, Claudia Martins, Raphael Cunha, Gustavo Ruas, Felipe Henrique, Carlos Henrique Braz, Alan Iuníor, Jorge Daniel, Iullana Nascimento, Tamara Valente, Michele Mota, Danielle Andrade, Adriano Pintor, Letícia da Conceição, Fernanda Carvalho e Fabio de Deus. DuraçãojDuration: 35 minutos/minutes A (ia. ÉTNICA de Dança e Teatro foi criada em '994, e desde '997, seu raio de ação é a pesquisa de linguagem em dança contemporânea e teatro junto à conscientização sócio-cultural de jovens moradores de favelas da zona norte carioca. COBERTORES é uma experiência sobre a solidariedade, um ensaio sobre a atitude corporal dos adolescentes habitantes das ruas metropolitanas. Sacos de lixo, brinquedos, embalagens de biscoitos, chupetas, cobertores velhos e corpos jovens em contínua ameaça, materializam em movimentações e imagens, algumas reflexões sobre o lixo noturno das gentes e das cidades.

Discussão sobre o tema coordenada pela pesquisadora e crítica de dança do jornal O Globo, Silvia Soter, com a participação do Professor Doutor lallson de Souza e Silva, Diretor do Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (CEASM).

elA. tl'N,U

DE DANÇA E TEATRO- Rio de jalle

Cia. ÉTNICA de Dança and Teatro was created in 1994 and since 1997, its field oi action has been the research ot language in contemporary dance and theater and raising the sociai-culturo! awareness of young inhabitants of slums in Rio. COBERTORES (Blankets) is an experience about solidarity, an essay on the body attitude of the teenagers that live on the streets of big cities. Trasb bags, tovs, [ood packages, pacifiers, old blankets and young bodles in continuous threat, materialize moves and images, some reflections on the night trash ot people and their cities. Discussion on the theme coordinated by O Globo dance critic and researchet; Silvia Sotet; with the participation of Professor Ph.D. jaílson de Souza and Silva, Director ot Centro de Estud.os e Ações Solidárias da Maré (CEASM).

in


Teatro Cartos Gomes estréia nacionaljnational

debut

ESTUDOS

20h 8pm

Direção artísticaj Direction artística: Carlota Portela CoreografiajChoreography: Carlota Portela Baiarinosj Dancers: Alex Neoral, Alex Sena, Andrea Phaedra, Carolina Calmon, Clébio Oliveira, Danielle Rodrigues, Marcellus Ferreira, Patrícia Nunes Trilha SonorajSound Track: ReshQuartet, Villa-Lobos Egberto Gismonti (autores) lIuminaçãojLights: Binho Schaefer FigurinojCostumes: Marcellus Ferreira (apoio: Opção Ieans & Folic) DuraçãojDuration: 12 minutosjminutes

CIA. CARTOLA PORTELA VACILOU DANÇOU - Rio de Janeiro

"O que muda na mudançaj se tudo em volta é uma dançaj no trajeto da esperança.! junto ao que nunca se alcança". A simultaneidade presentepassado-futuro na poesia de Drummond ganha corpo na dança de Carlota Porte lia. A obsessão destes três tempos traduzida em movimento. Esta coreografia fará parte do repertório da Transitions Dance Company do Laban Center de Londres. A Cia. Carlota Portela Vacilou Dançou é uma das companhias apoiadas pela Secretaria Municipal de Cultura da cidade do Rio de Janeiro. "What changes in changel if everything around is a dancei on future in the poetry o] Dummond gains a body in the dance of movement. This choreography will be part ot the repertoire ot Dançou is one ofthe campanies supported by Rio '5 Municipal

the road ot booe/ dose to what is never reacbed." The simultaneity present-pastCarlota Portela. The obsession o] these three pieces of time translated into Transitions Dance Company ot Laban Centre of London. Cia. Carlota Portela Vacilou Bureau ofCulture.

estréia no Brasiljdebut

in Brazil

SOBREtudo

Direção artísticajArt Direction: Antonio Tavares Co-criaçãojCo-Creation (primeira versão 97): Stephan Iürgens e Antonio Tavares Intérpretesjlnterpreters: António Tavares e Victor Gama Músicaj Music: Victor Gama lIuminaçãojLights: Ulisses Sena FigurinojCostumes: Daniela Roxo Cenografiaj Setting: Nuno Olim e Victor Gama CoordenaçãojCoordenação: Fou-nana j Projectos São Vicente Fotografiaj Photography: Aragão Produçãoj Production: Danças na Cidade DuraçãojDuration: 25 minutosjminutes Antonio Tavares começou a dançar em Cabo Verde, onde nasceu, atuando depois como bailarino com Olga Roriz e Francisco Camacho, em Portugal. Em 1997 começou a coreografar e SOBREtudo é uma de suas primeiras obras. Pertence ao projeto Danças na Cidade.

ANTONIO TAVARES - Cabo Verde/Portugal

António Tavares started to dance in Cape Verde, where he was bom. He then danced with Olga Roriz and Francisco Camacho in Portugal. In 1997 he started to make choreographies and SOBREtudo is one ot his iirst works, which is also part ot Danças

palcojstage


palco/stage

ORQUESTRA

estréia nacional/national

debut

Direção artística/Art Direction: Paula Nestorov Coreografia/Choreography: Paula Nestorov Criação do vocabulário de movimento/Creation oi the vocabulary of the movements: os bailarinos/lhe Dancers Bailarinos/ Dancers: Cristina Souza, Elisa Peixoto, Laura Sarmento, Maria Acselrad, Marina Dain, Charles Siqueira Música/ Music: Antonio Saraiva lIuminação/LighIS: Renato Machado Figurino/Coslumes: Cristina Souza, Paula Nestorov Duração/Duralion:

Músicos/ Musicians: Tina Werneck - viola/viola Paula Nestorov - vozlvoice Antonio Saraiva - percussão,saxofone, acordeão,flauta/ percussion, sax, accordion, [iute Aramis Guimarães - trombone/lrombone Bruno Migliari - contrabaixo/bass Produção musical/Musical Productioti. Marcos Cunha Gravação/Recording: Daniel Cheese

39 minutos/minules

A palavra orquestra se origina do verbo orkesthai que, em grego, significa dançar. No antigo teatro grego, orquestra era a parte do teatro mais próxima ao público e se destinava às evoluções do coro. Dando continuidade à parceria com o compositor Antonio Saraiva este trabalho busca a integração entre música e dança. A partir deste ano de 2000, a Paula Nestorov Cia de Dança é uma das companhias apoiadas pela Secretaria Municipal de Cultura. The word orchestra comes from lhe Greek verb orkesthai, which means 10 dance. In lhe old Greek Tbeater; lhe orcbestra was pari of lhe pari of lhe tbeater c/osesl to lhe public and wos deslined 10 lhe evolution 10 lhe choir. Giving conlinuily 10 lhe partnership wilh lhe composer Antonio Saraiva, this work seeks lhe integralion of music and dance. As ot this year, 2000, Paulo Nestorov Cio. de Dança is one of lhe companies sponsored by lhe Municipal Bureau ot Culture.

Direção artística/Arlislic

direction

: Antonio Saraiva e Marcos Cunha

Músicos/ Musicians: Tina Werneck - viola/viola Alexandre Brasil- contrabaixo/bass Antonio Saraiva - violão, piano, percussão, saxofone e voz/ quitar; piano, percussion, sax and voice Marcos Cunha - teclados, violão, percussão/keyboard, quitar; percussion Luz/ Lighl: Renato Machado Video/Video: Paula Fiuza Engenheiro de som/ Sound Engineering: Daniel Cheese Participação especial/Special participation. Pedro Luis e a Parede Cia Paula Nestorov Duração/Duralion: 30 minutos/minutes

o espetáculo

apresenta composições de Antonio Saraiva para as coreografias Chegança e Guirlanda e remixes de Marcos Cunha, a partir destas composições.

The show presents composilions of Antonio Saraivo for lhe choreographies Chegança and Guirlanda and re-mixes of Marcos Cunha from such compositions.


..

----

~-~-----

.-

---

19/10 ESPAÇO CULTURAL SERGIO PORTO

Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades

"ARTE PERFORMÁTICA"

"Pajelança - Cortejo de Cantos Mágicos do Brasil"

a 22/10 21h

Direção: Lygia Veiga MÚSicos/atores/dançarinos: Pedro Rocha, Clara Andrade, Wilson Belen, Lygia Veiga, Bete Beli, Girlei Miranda, Emerson Boy, lelena Anhaia, Esteban Pascoal, Mauro César (Passarinho), Bado Todão Produção: Alfredo Moreira som: Jamil luz: Alex Fragmentos alegóricos dos cultos fetichistas afro-brasileiros e indígenas, cânticos e danças dramáticas recolhidos da Missão de Pesquisas Folclóricas realizada em 1938 por Mário de Andrade e sua equipe, e dos escritos de Mário sobre a Música de Feitiçaria.

24/10

a 28/10 Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades

Concepção e Direção: Marisa Rezende e Bel Barcelos

"O (lN)DIZíVEL"

21h

29/10 20h

A "Nona Elegia" do poeta Rilke é a espinha dorsal deste espetáculo de poesia e música, que alia a força expressiva do texto poético declamado e cantado com a plasticidade dos jogos de luz e sombras pontuando movimentos e gestos. As canções foram especialmente compostas por Marisa Rezende, professora titular de composição da Escola de Música da UFRJ,a partir da Bolsa Vitae de Artes. Soprano: Doriana Mendes Mezzo·soprano: Solange Badim Barítono: Marcelo Coutinho Grupo Música Nova: Marcos dos Passos· clarineta João Luiz Areias· trombone Alexandre Brasll- contra baixo André Luiz Goes . regência Participações especiais: Maria Haro . violão Oswaldo de Carvalho- violino João Vidal . piano Leonardo Fuks . dijeridu Direção de movimento: Joyce Niskier Iluminação: Wilson Reiz Atores: Marta Barcelos e Eduardo Amir


feira

3ª feira

4ª feira

16/10

17/10

18/10

19/10

f ir

• 111 li

111

I

domingo

22/10

loh

Teatro Cacilda Becker "Os Novrssimos"

Palco TCG Vera Sala "Corpos Ilhados"

18h

Palco TCG B.D.C.ITom Plischke "Affects"

20h

TCG (Sala Parar o) Denise Stutz - Studlo Stanislavskl "Ispiritulncamadu"

r (ala Pamr ) Denise Stutz - Studlo Stanlslavskl "Ispirltulncamadu"

T G ( ala p, ralso) Denise Stutz - Studio Stanlslavskl "Ispiritulncamadu"

Palco TCG B.D.C.ITom Plischke "Affects"

Palco TCG Projeto Dança Amorfa "O diafragma fecha"

Palco TCG Mariana Belotlo "Sofá I"

21:30h

Luciana Gontijo e Margô Assis "eXperimento 1"

Calçada do TCG Andrea labor Arq. do Movimento "Arq-Mõvel - estamos em trânsito"

Platêia-Fover Helena Katz, Tom Plischke e bailarinos

IIIVIII I (, (1111" 111 ,li /lh 11111

h 1',11111 1111 1\11 1./lItllll'lI 11\1\1 "1111

"

Dupla de dança Ikswalsinats UE nem mencione Esther WllIIam "

Palco TCG Rubens Barbot Cla de Dança "Não é mar m 16 do"

lilV'

I 111, I 111111

I I I I IIIIV

,hh 111 I' vh.v

Sylvio Dufrayer Cia de Dança "Ex-votos" CI Munlclp I d xl" do 111 "1111 111 IIW" "11111111" "llIlh" 111111"

d nç di

Pai 01 Trup do P 50 •. mblndas" Aloxondm Franco Dnnçn- Toatro "A Matriz"


feira

3ª feira

4ª feira

feira

6ª feira

sábado

23/10

24/10

25/10

26/10

27/10

28/10

domingo

29/10

Foyer Carlos Gomes Forum com

ioh

Maguy Marin e Helena Katz

Teatro Cacilda Becker "Os Novíssimos"

18h

Foyer Carlos Gomes Término do Forum

Sala Paraíso Michel Groisman "Tear"

Centro de Arte Hélio Oiticica

Palco TCG Compagnie

Palco TCG Compagnie

Encontro com

Maguy Marin

Maguy Marin

Maguy Marin e Antoine

"Quoi qu'il en soit'

"May B"

Palco TCG Lilia Mestre "Untitle

me"

Monica lapa "Miss liberty"

Manologlou

Palco TCG Xavier le Roy "SeU unfinished" Miguel

Pereira

"Antonio

Miguel"

Palco TCG Vera Mantero I O

Palco TCG Cia. Carlota Portela

rumo do fumo

Vacilou Dançou

"Poesia e Selvageria"

"Estudos"

20h

Antônio Tavares "SOBREtudo" Paula Nestorov Cia de Dança "Orquestra"

21h E. C. Sérgio Porto Arte Performática

Palco TCG Debate com Helena Katz

Foyer TCG lançamento do livro liçôes de Dança 2 da UniverCidade

Foyer TCG Platéia/Foyer com Naize lopes

Foyer TCG Platéia/Foyer com Silvia Soter

após O espetáculo


-

rUNDO NACIONAL DE

!

currunx

FUNARTE-FUNDAÇÁONACIONAL

DE ARTE

t~~f8tR~

MJ~rST.ÉRlO D~ CULTURA

GOETHE-4~ C INSTITUT \'~~~ 'I> <:::: -

Consulado Geral da França no Rio de Janeiro

»»

Embaixada da França no Brasil

""III"'.-"illl.4111111 ~IJIIÇlJlse www.allallcatrancesa.C<NII

5 • O

SESC/SP

MUFFAT

DANCAS

FLA

~CIDADE MINISTltUIO

DA

BRA

CULTURA

DAS AHTES

~"

PAI'Ú:lS MELHDRAMEI\T05

.. .

00

ESPECTAcULO

~

6lH:

.

POHTUGUÇ;S

INSTITUTO

MAIISA

I

B

I H

s é

m( T

FI

o

o o

L

I

o

., 111

GRAUS F &

o T o li T o

SiNALIZAÇÃO

i (W. M!~"I RIO'S

PIU::5l.D~Slt

HOT8ll

t,

CENTRO DE ARTE HÉLIO OITIClCA

SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL - CORPO DE BOMBEIROS

MILITAR

DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Festival Panorama 2000  

9ª Edição Festival Panorama.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you