Issuu on Google+

1ª Quinzena de Dezembro Ano I | Edição 03

FAZER O BEM SEMPRE

O QUE É VEGAN? POSSE RESPONSÁVEL DE ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO Será que somos mesmo?

PEQUENO LUCCA e a corrente do bem

INSTITUTO ROYAL

Ativista se acorrentam em frente a laboratório para protestar


A moda aos seus PÉS ! Tel: (11) 4712-4479

*Modelo: Gabriela Fernandes *Roupas Piu

Rua Profª Rosalina de Oliveira, 35 Centro - São Roque - SP saltoaltosaoroque@hotmail.com


Fazer o Bem sempre......

Aprendi que fazendo o bem, Deus nos recompensa mais rápido, em Junho de 2013 tive a ideia de fazer um Jornal. Já trabalho nesta área há muitos anos motivado por um grupo de pessoas de uma organização e quis ajudar. Mas, como muitas pessoas, não dispunha de recursos financeiros e então resolvi fazer um jornal e vender espaços aos meus clientes por umpreço simbólico, que pagasse os custos da publicação, meu trabalho (pois esse é meu trabalho) e o restante me propus a fazer doação em ração. Como sou muito conhecido na cidade,logo ganhei colaboradores que de imediato resol-

esta ajudando. Porem a empresa em questão não quer publicidade, não quer nem que divulgue seu nome, pois esta é a verdadeira essência, doar pelo simples prazer de ajudar aos animais. Recebi também muita ajuda de pessoas que não querem se identificar e eu respeito, mas venho através deste texto agradecer a cada um que diretamente me ajuda ou me ajudou. Quero agradecer aos meus clientes, que em mais uma edição depositaram sua confiança sobre meu trabalho e ética, e agora todos podem ver os frutos desta ajuda, ajudando sete organizações, pessoas que dispõem de uma parte de sua vida corrida e atarefada no ato de ajudar aos animais. São eles: Abrigo de Animais Vilma Aranaga (Carmo), Dona Ester em (Araçariguama), veram me ajudar. Já na Ed.01 edição obtive mais de 370 kgs e agora juntando a edição número 02 e 03, consegui quase 700 kgs de ração para doação. Não divulguei fotos da primeira doação, pois queria ficar anônimo, mas ao escutar boatos maldosos na cidade, agora fiz diferente publicando as fotos recebendo parabéns de muitas pessoas. (para minha surpresa). Compartilhando desse ato, mais pessoas aderiram observando meu gesto! Nesta edição consegui o apoio de uma grande empresa de ração para cachorros, a qual gostaria de exibir um grande anúncio, pois mesmo estando há mais de 600 km de nossa cidade, se comoveu com a causa e

Alice Furlam (Itapevi), Rafaela Alcântara (Mairinque), APA Amicão (Alumínio), Sociedade Protetora dos Animais - Sr. João. Esses são alguns, pois infelizmente não consigo ajudar a todos, então optei pela divisão conforme os ensinamentos de Jesus: “parte o pão” , optando assim, por dividir e não beneficiar a uma só pessoa, porém sabemos que existem muitos abrigos espalhados pelo mundo necessitando de ajuda . AJUDE VOCÊ TAMBÉM, FAÇA SUA PARTE! Esta publicação não tem nenhum vinculo com nenhuma ONG de Proteção Animal se de responsabilidade de seus anunciantes qualquer veiculação aqui descrita. Fernando Silva


Julia, linda Julia!

Amava os animais mais do que a si mesma! Desde sempre, alimentava e dava água para os bichos de rua. Nunca teve aversão a qualquer animal ferido! Sempre socorrendo e resgatando eles. Seu sonho era ter um abrigo! Menina, moça inteligente e valente! Esteve presente na manifestação no Royal, cada segundo! Tinha um coração enorme, e sensível demais para esse mundo em que vivemos. Delicada no viver com as pessoas e com os animais! Infelizmente, Deus a chamou cedo demais! Mais um anjo pra animar o céu! Que deixará saudades eternas! E lembranças eternas pelos que a conheciam ou não! Pois Julia, será lembrada e levada pra sempre em nossos corações! Que fique em nós o respeito. Que fique em nós seu sorriso de menina. Que fique em nós seu carinho sincero pelos animais. Até breve! Se lembra quando a gente, chegou uma dia a acreditar. Que tudo era pra sempre, sem saber que o pra sempre. Sempre acaba. #risos e lagrimas# com Maraina Araujo e saudades de Julia Colle.


Pequeno Lucca e a corrente do bem A mamãe Marisa Misael enfrentou uma gravidez de risco, muito problemática, teve pielonefrite e eclâmpsia, sua pressão arterial estava muito alta, teve parada cárdio –respiratória e quase morreu durante o parto. E assim, às pressas, para salvar a vida de sua mãe, o Lucca foi retirado da barriga dela, aos seis meses de gestação. Não havia muitas esperanças para o bebê, ele era muito pequenino, frágil e já tinha que enfrentar todas as batalhas de um recém nascido prematuro, que teria que terminar o seu desenvolvimento e amadurecimento respiratório dentro de uma u.t.i. neonatal. As esperanças eram do tamanho dele, mas a fé de todos era gigante. E o nosso pequenino guerreiro enfrentou grandes batalhas e uma rotina regrada de muitos cuidados, terapias e medicamentos até completar um aninho de idade. Nessa mesma época, devido ao cuidado dos pais, um exame diagnosticou hidrocefalia. Novos exames foram feitos e veio também o diagnóstico da craniostenose. Para quem não sabe a hidrocefalia é uma falha ou não funcionamento de uma válvula que drena os líquidos cerebrais, o acúmulo desses líquidos faz a cabeça inchar. A cranioestenose é ainda mais complicada, não se sabe se de origem genética ou por meio de medicações durante a gestação ou o primeiro ano do Lucca, ele desenvolveu essa má formação da caixa craniana. As fissuras cranianas ou a popular moleira, se fecharam e solidificaram antes do completo desenvolvimento do cérebro. O Lucca tinha duas doenças graves e incompatíveis, a hidrocefalia que aumentava a caixa craniana e a cranioestenose que não permitia o desenvolvimento normal do cérebro. O cérebro estava comprimido, empurrando os olhinhos dele para fora e o seu cerebelo estava se desenvolvendo fora do crânio.

O tratamento era cirúrgico, não havia outra forma. Era uma cirurgia de alto risco, extremamente invasiva e traumática. Grande parte do crânio do bebê e a região ocular seriam retirados fora do corpo, quebrados e montados sobre o cérebro e região dos olhos como um quebra-cabeças. Além de todo trauma e todo o risco, na cirurgia feita pelo SUS, o material utilizado tinha um alto índice de rejeição. Um bebê de nascimento prematuro, com edemas pulmonares, pneumonias de repetição e várias outras complicações não poderia dar-se à esse luxo. Os pais de Lucca, Marisa Misael e Ricardo Barbosa, desesperados buscaram outras opiniões médicas, até que ouviram falar sobre uma técnica sueca inovadora que era praticada pela Dra. Vera Cardim ,de São Paulo. Decidiram levar o bebê até ela. Eles ficaram maravilhados com a técnica, aonde a maior parte do crânio não precisaria ser retirada e quebrada, e sim as fissuras seriam abertas e colocariam molas que iriam se expandir de acordo com o aumento do cérebro. A nova técnica, apesar de ser arriscada também, diminuiria os riscos da cirurgia, o tempo da internação e seria menos traumática que a cirurgia tradicional. Parecia perfeita, se não fosse um pequeno detalhe, o preço. Somente as peças importadas como tela, parafusos entre outros, custariam em torno de 180 mil reais, sem contar os honorários médicos, hospital, u.t.i. e medicações. Os pais entraram em desespero, ambos professores, não teriam como arcar com tal material e a cirurgia teria que ser o mais breve possível, para evitar complicações no quadro do Lucca. Diante desse quadro desesperador, comecei a pedir orações para o Lucca, pelo Site de relacionamento Facebook. Muitos se comoveram e começaram a compartilhar

as postagens, como amiga da família, observando o desespero e urgência, iniciamos uma campanha de arrecadação em prol da cirurgia do Lucca. O objetivo a alcançar era enorme. Começamos a nos unir pelo FB. Online planejamos ações conjuntas para levantar o dinheiro da cirurgia. Foram almoços, feijoada, rifas, bingos, jogos beneficente, shows. Deu um grande trabalho, mas cada vez as pessoas se empenhavam em ajudar, em compartilhar e trabalhar em prol da campanha, doando, tempo, dinheiro e trabalho. Foi muito lindo ver toda a comunidade se unir positivamente pelo Lucca e dar sentido real à palavra comunidade, mas ainda faltava dinheiro. Uniram-se à comunidade sanroquense toda a região do eixo São PauloSorocaba e também , a região de Barretos, de origem da mãe Foi criada uma comunidade no FB para que as pessoas fizessem a doação de 20 reais. Na internet, a estória do Lucca, cresceu de tal forma que o auxílio vinha de toda a região e de várias partes do Brasil. Muitas pessoas ficaram emocionadas e queriam ajudar financeiramente, com uma palavra de carinho ou com uma oração. Em poucos meses, chegou-se ao valor necessário para a compra do material para a cirurgia. As coisas foram se encaixando, Deus abençoou e proveu tudo o que faltava. Estava marcada a data da cirurgia do Lucca, 8 de novembro de 2013. No dia da cirurgia parecia véspera de final de Copa do Brasil, uma rede de informações foi formada pela internet e cada novidade era postada em tempo real e acompanhada por todos, que acompanhavam e que ali torciam, oravam e faziam correntes. A cirurgia correu muito bem. O Lucca perdeu muito sangue, recebeu bolsas de sangue. O pós cirúrgico foi muito forte e estressante para o bebê e para a família.

O nosso pequeno guerreiro mais uma vez venceu suas batalhas e está se recuperando muito bem sob o zelo de sua família e o carinho de milhares de pessoas que acompanharam sua luta. Ele está aguardando uma nova cirurgia para daqui alguns meses, aonde deverá tirar os parafusos e seguirá com sua vida normalmente. Seria impossível agradecer a cada um que participou, ajudou na campanha, tenho certeza que são milhares. O Lucca tem uma missão muito linda, a missão de unir as pessoas no amor e na solidariedade . Em dias de tanto desamor e desesperança foi um alento descobrir pessoas com tanta disponibilidade e generosidade pelo próximo. O Lucca despertou o melhor de cada um de nós. Aproximou-nos de Deus, nos renovou a esperança no ser humano. O Lucca venceu, vencemos também todos nós.

Damares R. M. M. de Souza, professora, amiga da família e fã incondicional do guerreiro Lucca.


Ativista se acorrentam enfrente a...

Atisvista se acorrentam enfrente a laboratório para protestar

Defensores dos direitos dos animais iniciaram protesto dia 12 de outubro de 2013, em

são roque(SP) para reclamar de testes feitos por um laboratório, localizado na cidade. Os manifestantes acusam a empresa de atos de crueldade em testes de produtos farmacêutico com cães da raça beagle, e prometem ficar acorrentasdos em frente ao portão de entrada até terem um lista de reivindicações atendedidas. Sendo que o instituto em questão diz seguir todos os protocolos nacionais e internacionais voltados para pesquisa com animais em laboratório. Eles afirmaram que são um OSCIP(Organização da Sociedade Civil de Interesse Público)e que recebem verba de instituições pública de fomento à pesquisa. O nprotocolo dos testes é aprovado por essas instituições antes de os estudos começarem. O protesto começou por volta das 16h de dia17 de outubro de 2013 com cerca de 35 pessoas. Segundo a Guarda Civil Municipal, no período da noite o número de manifestante começou a aumentar. Por voltadas 2h, a GCM contabilizava ao menos 150 pessoas

no local, divididas em grupos em frente as duas entradas da clínica. Os manifestantes alegam que tentaram na tarde de ontem uma reunião com o Instituto, que desmarcou em cima da hora. O grupo foi para frente do laboratório protestar e disse ter ouvido gemidos de animais. Antes da Invasão do Instituto, alguns ativista foram a delegacia de São Roque para tentar registrar um boletim de ocorrência de maus tratos contra os animais, mas o delegado não estava no local. Segundo Guiliana outra atisvista, outro grupo foi a casa do juiz de São Roque, que atendeu aos ativistas e chamou a polícia. Os manifestante reclamam que também pediram ajuda a Guardas Municipais e policiais militares, que estavam em frente ao instituto , mas eles não fizeram nada. Isso tudo cuminou a invasão, salvamento do cães da raça beagle que sofriam maus tratos naquele estabelecimento, segundo fontes um grupo de mais de cem ativsitas invadiram e

ENSINO A DISTÂNCIA

UNINTER

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO

Polo de Apoio Presencial São Roque - SP

(11) 4784-2322 Centro Universitário Internacional UNINTER - Portaria do MEC Nº688, publicado no D.O.U. em 28 de maio de 2012.


...laboratório para protestar

resgataram os cães da raça beagle do Instituto localizado no Jardim Cardoso, em São Roque, por volta das 2h desta sexta-feira. Os ativistas protestam contra o uso de cães da raça em testes feitos pelo instituto que trabalha farmacêuticas. Os Ativistas arrobaram gaiolas e resgataram cerca de 200 cachorros da raça beagle, que foram levados em carros a clínicas veterinárias particulares.Segundo a ativista Giuliana Stefanini, seis deste cachorros tinham tumores e estavam mutilados.”O que mais chocou o grupo foi um beagle sem os olhos”, disse

Giuliana. Muitos famosos dão sua ajuda virtual ao caso:

Rita Guedes, atriz, pelo Instagram "Gente sem alma! O governo TEM que tomar uma providência. instituto Royal

esta assassinando cachorros, na maior crueldade!!!!!" Fernanda Souza, atriz, pelo Instagram "Gente, assinem essa petição, não leva nem 3 min, precisamos fazer alguma coisa para que parem com essa barbaridade! Ajudem!!! Repostem essa foto no Insta, Twitter e Face de vcs... #DigaNaoAoInstitutoRoyal" Nani Venâncio, atriz, pelo Instagram "Ajudem a divulgar!!! Chega de crueldade!!!!!" Jesus Luz, ator e modelo, pelo Instagram "Vamos além dos compartilhamentos no mundo virtual e vamos agir! Começamos aqui e terminamos protegendo os animais desses seres humanos insanos!" Giovanna Ewbank, atriz, pelo Twitter "Galera,,,entendam o caso do instituto Royal e nos ajude a parar com essa crueldade

sem fim...NOS AJUDE!!!!!!Assine vc tbm!! E ajude a divulgar!!!!"

Gianne Albertone, atriz, pelo Instagram

"Bom dia! Quero agradecer a todos que se soli-

darizaram com com a causa dos animais maltrata-

Marcelo Médici, ator, pelo Twitter "#institutoroyal EMOCIONANTE VÍDEO DO RESGATE DOS BEAGLES DO INSTITUTO ROYAL"

dos pelo #institutoroyal. Todos foram resgatados

por ativistas. Assinem a petição pública. Juntos somos mais!!!" Luisa Mell, apresentadora, pelo Instagram

Yasmin Brunet, atriz, pelo Instagram "Nesse momento o Instituto Royal está matando todos os Beagles que mantinha em cativeiro. Com mais de 30 ativistas na porta, elas escutam eles gritarem. Eles ainda estão acobertados pela lei nesse país. Porfavor espalhem essa mensagem. Divulguem. #royalmorte"

"Vc que respeita os animais, vc q tem ética: não se omita!! Precisamos nos unir!" Tatá Werneck, atriz, pelo Twitter

"Instituto Royal esta matando cachorros para

testar seus cremes de merda. Estou c a tia de um deles aqui e vou fazer um rímel maravilhoso' Sthefany Brito, atriz, pelo Instagram

Fernanda Paes Leme, atriz, pelo Twitter

Bom dia!!! O que seria desses cachorros sem

"Que absurdo isso que a @yasminbrunet1

a coragem dos ativistas para salva-los??? Pro-

divulgou!! Essa Royal Farmácia Malditaaaaa,

vavelmente estariam mortos... Obrigada a todos

faz teste com beagles e está matando os

que foram até a porta desse inferno chamado

bichinhos!Socorro!"

#institutoroyal Voces sao anjos salvando anjos!!!!


O que é vegan? O veganismo é uma forma de combate ao especismo e à exploração animal. Mais do que uma restrição alimentar, trata-se de uma postura motivada por inúmeros princípios. Entre elas, existem as questões: Ética/moral O veganismo parte do princípio da não violência contra todos os seres vivos. Todo animal tem o direito à vida e à liberdade, independente se é racional ou não. Por mais que o consumo animal não seja um ato ilegal, os vegans defendem que não há justificativa moral para o seu uso. Por isso, consideram os direitos dos animais em não serem explorados pelos humanos, tratando-os como sujeitos. Existe uma frase que diz: “Tudo o que tem olhos, pessoas inteligentes não comem”. Todos deveriam fazer o exercício da empatia e colocar-se no lugar do outro para entender que a dor é inerente a todos os seres, sem exceção. A questão sustentável Sabe-se que a indústria da carne causa profundos impactos ao meio ambiente. Em uma pesquisa realizada recentemente na floresta Amazônica, especificamente no Acre, pesquisadores verificaram a situação do território da região. Há a expansão da agroindústria de soja (possivelmente para a alimentação dos rebanhos), pecuária e exploração madeireira comprometendo a mata.

“Estima-se que 74% dessas áreas sejam alimentos industrializados, melhor ainda! ocupadas por pastagens (53 milhões de hec- Fazer compras em feiras livres e em casas tares). Cerca de 253 mil km² foram ocupados especializadas em cereais, grãos, farináceos por pastos na Amazônia entre 1990 e 2006, reduz os gastos com alimentação. O bolso e o rebanho amazônico aumentou 180% no agradece! mesmo período.” (PRADO; RIBEIRO, 2011). Para mudar esse quadro, a população de- Depoimento pessoal veria reduzir ou banir o consumo de carne Desde a infância já me questionava sobre a bovina para que pecuaristas e frigoríficos questão da exploração animal. Era incômodo não necessitarem avançar saber que a minha vizinha tanto no desmatamento de O vegan não consome negligenciava seu cachorro, nossas florestas, consequência nenhum produto ou que uma caixa de papedas exigências do mercado subproduto animal: lão com vários gatos fora consumidor. (PRADO; RIabandonada em um terreno - Nenhum tipo de carne; BEIRO, 2011). baldio e que meu pai mataÉ importante ressaltar - Ovos e seus derivados; va frangos do quintal para tratar-se apenas de um dos - Leite e seus derivados; comermos. - Mel, lã, couro, seda, argumentos existentes. Não havia ninguém em gelatina; meu círculo social que - Alimentos que possuam A questão política pudesse me trazer informaem sua composição algum Trata-se de um instrumen- outro tipo de insumo animal, ções a respeito do vegetato contra o especismo, a favor como corantes derivados de rianismo e ainda não tinha do abolicionismo animal e insetos, por exemplo; acesso à internet. Além do em defesa dos direitos dos - Produtos testados em mais, minha alimentação animais. Enquanto existirem animais era tão pobre em nutrienpessoas que compactuem tes! Como iria convencer com o uso de animais como meus pais a restringi-la mero objeto existente para servir os huma- ainda mais? nos, eles continuarão submetidos à crueldade. Considero a falta de informação um dos grandes males de nossa sociedade. Quando A questão econômica finalmente deixei de comer carne, passei É fato que o consumo de vegetais é infini- a perder peso. Percebi que ou me abria a tamente mais barato em relação ao consumo experimentar novos sabores ou aquele novo de carne. Se o indivíduo optar por banir estilo de vida iria acabar com a minha saúde.

Passei a incluir no cardápio a maior variedade possível de alimentos: leguminosas, hortaliças, frutas, oleaginosas... Passei a pesquisar sobre as empresas que testavam em animais. Mudei o hábito de comprar determinadas marcas e experimentei diversas outras que são livres de crueldade. Não precisei ficar sem pintar as unhas, nem lavar os cabelos, nem me maquiar. Foi a parte mais fácil. Cerca de três anos depois, me tornei vegan. Sabendo que exploração animal pela indústria de ovos e laticínios é tão cruel quanto a indústria da carne, a escolha pelo veganismo se tornava inevitável. Minhas compras hoje estão mais concentradas em feiras e mercados municipais do que em supermercados. Minha saúde está infinitamente melhor. E mais do que isso, nenhum ser vivo é morto ou explorado para que eu faça a minha refeição. Devemos acabar com o pensamento de que os animais existem para servir o homem. Isso é uma falácia! O especismo e essa necessidade do homem de domínio, como se fosse um ser superior, são posturas naturalizadas em nossa sociedade que devem ser reconstruídas. Considere o veganismo. "Não importa se os animais são incapazes ou não de pensar. O que importa é que são capazes de sofrer."  (Jeremy Bentham)  Caroline Carvalho carolpares@yahoo.com.br É psicóloga e vegan pelos animais


Posse responsável de animais de estimação: Será que somos mesmo? Assistimos a maior onda de protestos da história do país. Cidadãos clamam para que seus direitos sejam respeitados e a obrigação dos gestores públicos seja cumprida, mesmo que muitas vezes sem o devido conhecimento sobre esses direitos e deveres. Vivemos um momento único no Brasil e não podemos perder a chance de aproveitar esse momento para refletirmos sobre nossos deveres como cidadãos. Entre tantas obrigações da comunidade para melhorar a qualidade de vida de todos que vivem na cidade, está o cuidado e o respeito com os animais. Quando adquirimos um cão, um gato ou outro animalzinho, sempre devemos nos lembrar que estamos assumindo uma grande responsabilidade com o lugar que vivemos. É preciso desenvolver uma política de controle populacional de animais na cidade, sob pena de enfrentarmos sérios problemas ambientais e de saúde, principalmente com a raiva e a leishmaniose.

Para desenvolver essa política, a CCZ precisa da ajuda da população, que ajudaria muito obedecendo as regras da posse responsável. É preciso saber que o animal come, bebe e necessita de cuidados, carinho e atenção. Vacinação, vermifugação, alimentação adequada, cuidados com a higiene animal e atenção são algumas das obrigações que o dono não deve nunca esquecer. Esse é um passo importante para conscientização da população quanto às responsabilidades de cada um com os animais de estimação. Mas a pior negligência que se tem enfrentado é com o abandono dos animais domésticos. Muitas pessoas mudam de casa e abandonam seus animais, o que aumenta a população de cães errantes e o risco de doenças. Para amenizar essa crueldade, uma forma de ajudar, é adotar cães e gatos ao invés de comprá-los Esperamos sensibilizar o máximo de pessoas sobre o conceito de que cuidar bem dos animais é cuidar bem do meio ambiente e

da nossa saúde. Dez mandamentos da posse responsável I - Escolher o animal de estimação de acordo com espécie e finalidade pretendida: estimação ou guarda (não adquirir o animal por impulso); Sempre ciente do tempo de vida médio do animal (entre 10 e 15 anos) e das despesas e cuidados necessários para manter o animal por toda a vida; II - Oferecer cuidados básicos como alimentação balanceada (de acordo com o porte e idade), água limpa à vontade, cuidados para higiene (banhos a cada 15 dias, em dia de sol com água morna e sabão neutro), vermifugação, vacinação (seguindo o calendário recomendado pelo médico veterinário) e combate de pulgas e carrapatos; III- Evitar a procriação indesejada através da castração.; IV- Identificar o animal através da micro-chipagem ou plaquetas de identificação; V - Manter o animal dentro de casa e realizar passeios periódicos sempre utilizando

coleira e guia; VI - Fornecer espaço adequado ao porte do animal, com abrigo contra frio e chuva e em local arejado. Jamais deixar o animal acorrentado ou em gaiola por longo período de tempo; VII - Aos passeios, sempre levar sacolinha plástica, recolher os dejetos deixados pelo animal e depositar no lixo; VIII- Não castigar e nem maltratar o animal; IX - Brincar com o animal e, sobretudo oferecer-lhe muito carinho; X - Jamais abandonar o animal principalmente na doença ou velhice. O animal amou e acompanhou o dono a vida inteira e não exigiu nada em troca, só carinho. Quem são os seres irracionais? Nós ou Eles? Por que por muitas vezes agimos por comoção e impulso e deixamos nosso raciocínio de lado, e nossos amigos de quatro patas só sabem doar amor! M.V. Camila Sabrina Sardinha

*RESTAURANTE *ZOOLÓGICO COM MAIS DE 150 TIPOS DE ANIMAIS *TRILHA ECOLÓGICA *CAFETERIA *AMPLO ESTACIONAMENTO

Muita opção de lazer em um só lugar

Os momentos de lazer e diversão estão garantidos na Fazenda Angolana, em meio à natureza e ar puro os visitantes podem entrar em contato direto com os animais e vivenciar o clima de fazenda. Estamos a apenas 54km da capital, confira as atrações e traga a sua família e amigos, venha viver momentos inesquecíveis.

www.fazendaangolana.com.br Estrada da Angolana, 257 - São Roque/SP

(11) 4711-1640



Jornal Realize Animal #Edição03