Page 1

ASSOCIAR +

INFORMAÇÃO JUVENIL

FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

EDIÇÃO COMEMORATIVA 30 ANOS FAJDP COM O APOIO DE:


ÍNDICE

EDITORIAL

06

CASA DAS ASSOCIAÇÕES

08

ENTREVISTA

10

ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

12

ARTIGO DE OPINIÃO

13

TUTORIAL

14

ASSUNTOS DE INTERESSE

REPORTAGEM 30º ANIVERSÁRIO FAJDP

AGENDA DE ATIVIDADES

VITOR DIAS

LUÍS ALVES FAJDP: HISTÓRIAS E MEMÓRIAS

SERVIÇO VOLUNTÁRIO EUROPEU

FICHA TÉCNICA Coordenação: Joaquim Lima Direção de Conteúdos - Susana Costa Colaboradores de Texto - Susana Costa, Joaquim Lima, Cláudia Ferreira, Léa David, Tiago Gouveia, Merve Dündar e Anouck Plunian Investigação - Cláudia Ferreira, Susana Costa e Léa David Design - Neuza Moreira Imagem - Neuza Moreira

REVISTA ASSOCIAR+ POR:

FAJDP

FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

Email: info@fajdp.pt casadasassociações@fajdp.pt

03

Pre joa sid qui en m te Lim da a FA JDP

03 04

EDITORIAL

É momento de evocar toda a nossa alegria e celebrar em conjunto com todas as Associações! O ímpeto afirmativo de almejar a representação do movimento associativo juvenil de base local concretizou-se. Muitas estórias se desenrolaram. Mas, ao longo deste período, é inevitável dizer-se: o desenvolvimento da FAJDP é completamente indissociável da evolução histórica das políticas de juventude em Portugal. Trinta anos se passaram desde o primeiro encontro distrital de associações juvenis. Hoje a federação respira vida, dissemina valores, participa, agrega, cria sinergias coletivas, busca desafios e desenvolve uma cultura tolerante, igualitária mas, principalmente, solidária. O conceito replicou-se, surgiram outras federações por todo país. Posteriormente, pouco a pouco continuámos a desenvolver o nosso trabalho divulgando a importância da intervenção das associações juvenis junto das suas comunidades, aumentámos a consciência cívica da sociedade, agregamos preocupações e, junto com outras federações, criámos a FNAJ, aproximámos o movimento associativo do poder político, revindicámos a criação de um Registo Nacional de Associações Juvenis, demos força para que existisse uma lei que reconhecesse o setor, negociámos um sistema de financiamento assente em critérios e objetivos estáveis para o movimento e criámos o primeiro ninho de associações juvenis. Propomos, construímos e continuaremos a inovar. É, então, importante revelar o nosso apreço ao pioneirismo da equipa fundadora encabeçada por Manuel Pizarro. Referir a importância de todos os presidentes e direções que se seguiram desde 1986. Agradecer o empenho dos dirigentes associativos que, ao longo dos anos, investiram a sua energia neste objetivo coletivo comum. Uma palavra aos funcionários, parceiros, dirigentes políticos que, de alguma forma, acrescentaram algo à federação! Portanto, dedicamos a presente edição da revista Associar +, a uma simbiose entre os testemunhos daqueles que construíram o passado e a afirmação do que se faz atualmente nas associações do distrito do Porto. Junta-te a nós! Porque, Juntos, Somos FAJDP!


04

REPORTAGEM

No mesmo ano em que Portugal entrou para a UE e o ano internacional da Paz foi reconhecido pelas Nações Unidas, algures no Norte de Portugal, um grupo de Associações reuniu-se para discutir os interesses dos jovens e fundou a Federação das Associações Juvenis do Distrito do Porto – um órgão de representação juvenil pioneiro no país. A FAJDP celebra o seu aniversário, mas quem está de parabéns são todos vocês que, de alguma forma, cruzaram o caminho da Federação e contribuíram para a sua cimentação. Recuando um pouco no tempo…

EDIÇÃO COMEMORATIVA

Há 30 anos atrás, decorria, na Póvoa de Varzim, o 1º encontro Regional de Associações Juvenis do Porto que, nas suas conclusões, referia a importância do associativismo juvenil de base local no distrito. Perante a cada vez mais apatia e falta de iniciativa dos jovens da época, o associativismo surgia como um movimento de pessoas que lutavam e contrariavam as adversidades, atuando nas mais diversas áreas e dando, voluntariamente, o seu tempo e o seu empenho às causas em que acreditavam. Contudo, o trabalho das Associações Juvenis – sem uma entidade representativa comum e capaz de ser a sua voz junto dos poderes públicos e políticos, enfrentava sérias dificuldades. Foi desse encontro que a FAJDP ganhou corpo e fundamento como órgão estrutural e representativo do Movimento Associativo Juvenil do Porto que hoje conta com mais de uma centena de associações filiadas atingindo milhares de jovens todos os anos. Desde a sua fundação a FAJDP viveu momentos marcantes que ficarão para sempre recordados nos memoriais da história associativa do país. Desde o 1ª EMAX, à inauguração da Casa das Associações em 2014, passando pela realização de inúmeros Encontros Regionais e Nacionais de Associações Juvenis, pelas comemorações do Dia do Associativismo Jovem, pela iniciativa Porto 2001, projeto Locomotiva e, mais recentemente,


30 ANOS FAJDP

pela 1ª edição do Dia Aberto da Casa - todos estes acontecimentos permitiram fortificar o papel da FAJDP na vida Associativa do distrito e do país, transformando-a num pólo catalisador de projetos e boas práticas. Atualmente, a FAJDP tem a sua sede na Rua Mouzinho da Silveira, em pleno centro histórico do Porto, onde funciona o seu projeto Casa das Associações, e na Rua Antero de Quental, onde funciona um dos seus dois GIP’s. A Casa das Associações… Pensada durante quase dez anos e construída ao longo de outros tantos, a Casa das Associações é o pólo agregador das atividades da FAJDP. O edifício de 3 andares contempla: • duas salas de formação; • um espaço de coworking onde as Associações e jovens se podem reunir e discutir ideias; • o Espaço Associ’arte dedicado a atividades culturais como exposições, concertos ou peças de teatro; • o Storyboard Café com um menu variado onde acontecem também vários eventos culturais; • o Ninho das Associações que funciona como uma espécie de escritório partilhado onde as Associações podem trabalhar, fazer reuniões e estabelecer parcerias. No piso 0 encontra-se o ASSOCIAR+ : uma área que converge em si um conceito inovador de disponibilização de apoio e informação aos jovens. Para além de dispor de um espaço de acesso livre à Internet, agrega informação de interesse através de dois formatos: o físico – brochuras, livros, flyers, revistas – e o digital, através dos monitores que passam informação em tempo real do Portal FAJDP.PT Com o objetivo de habilitar as Associações e potenciar as suas atividades, é também disponibilizado um conjunto de serviços como o centro de

REPORTAGEM

05

recursos; apoio contabilístico, administrativo e jurídico; um plano de formação exclusivo, o Capacita.te – em parceria com a CMP e a FAP- para além do Programa Formar (IPDJ) que promove a formação para dirigentes associativos. A FAJDP procura estar sempre a par das necessidades das Associações e num processo de auscultação detalhado, está a trabalhar em mais um projeto pioneiro, o monitor de políticas autárquicas de juventude: uma ferramenta que permitirá aos municípios, associações e jovens, terem uma perspetiva do trabalho realizado na área da juventude, através do mapeamento dos equipamentos e serviços disponíveis direcionados para os jovens, e da criação de uma rede de partilhas de boas práticas entre municípios. Com vista a proporcionar novas oportunidades de intercâmbios e experiências internacionais, a FAJDP é entidade acreditada no envio e acolhimento de voluntários, tendo, ao longo dos últimos anos, enviado vários jovens para diversos

países. Em 2016/2017 acolhemos três voluntárias europeias oriundas de Marrocos, Turquia e França. A comunicação multilateral com parceiros de vários países contribui para o aumento da área de intervenção da FAJDP, bem como a sua própria capacitação para melhor responder aos desafios que todos os dias surgem no meio associativo juvenil. Três décadas de trabalho dão sempre os seus frutos e, hoje, a história da Federação inicia mais um capítulo da sua vida. Mais do que celebrar, é preciso refletir sobre o que ainda podemos melhorar e por onde temos hipóteses de crescer para, assim, daqui a 30 anos continuarmos a comemorar novas conquistas alcançadas ao serviço do Associativismo Juvenil do Porto.


06

CASA DAS ASSOCIAÇÕES

A partir de 2017 a FAJDP será parceira da Eurodesk Portugal, através da sua seleção e respetiva formação para contribuir com um posto de informação da rede. Este novo serviço prende-se com o papel da FAJDP como organização que trabalha com e em prol dos jovens. Deste modo, reforçaremos o nosso serviço de apoio à informação e oportunidades para jovens e profissionais de juventude, com a colaboração de um elemento da FAJDP – devidamente formado – como multiplicador Eurodesk, que prestará apoio individual e personalizado a quem o solicitar. Este serviço funcionará na Casa das Associações.

O que é a Rede Eurodesk? A União Europeia e outras organizações de âmbito internacional oferecem diversas oportunidades de financiamento para os jovens e para os profissionais da área de juventude. Estas oportunidades podem ser, por exemplo: subvenções, programas, estágios, prémios e cursos. A Eurodesk é uma rede europeia de informação, com serviços em 31 países, e é um ponto de acesso à informação europeia para os jovens e profissionais da área.

A Rede Eurodesk tem, entre outras, a responsabilidade de gestão e atualização dos conteúdos do Portal Europeu da Juventude e recebe apoio da Comissão Europeia através do Programa Erasmus +, operacionalizado pela DG Educação e Cultura. Em Portugal, a Eurodesk é representada pela Agência Erasmus+ Juventude em Ação que coordena a rede de multiplicadores Eurodesk nacional. No sítio da rede Eurodesk e no Portal Europeu da Juventude é possível aceder a todas as oportunidades.


CASA DAS ASSOCIAÇÕES

07

Desde a sua abertura, a Casa das Associações afirmou-se como local de realização de diversos eventos, por parte das associações juvenis e organizações de juventude do distrito do Porto. Perspetivando o futuro, apresentamos a agenda para o próximo semestre de 2016 / 2017.


08

ENTREVISTA

EDIÇÃO COMEMORATIVA

VITOR DIAS PRESIDENTE DA DIREÇÃO FAJDP DE 1990 A 1991

Este ano a FAJDP completa 30 anos de existência e foste um dos elementos que esteve por detrás da sua criação aquando o 1º encontro regional de associações juvenis do distrito do Porto. Ainda te recordas desse dia? Qual a principal motivação por detrás da criação da FAJDP?

Em 30 anos quais as principais conquistas a nível do associativismo juvenil no Porto? O Porto e o Norte sempre foram pioneiros em muitas matérias. Existe na região uma forte tradição associativa e de participação social, cívica e politica. Também na área da juventude isso aconteceu. O reconhecimento político da importância do movimento associativo juvenil de base local foi muito importante. O estatuto de parceiro na definição das políticas de juventude, a participação nos processos de cogestão da área da juventude, a consolidação dos programas de apoio ao associativismo juvenil, o direito de associação de menores, o estatuto de dirigente associativo juvenil, o estabelecimento de programas de formação ou o apoio para a criação de infraestruturas e equipamentos de apoio à atividade associativa, foram algumas conquistas fundamentais e nas quais a FAJDP participou ativamente.

Sim, fui um dos que participei no processo de criação da FAJDP. Curiosamente, não consegui participar no 1º encontro. Era jogador de futebol e nesse domingo tive jogo e não pude. Foram outros colegas da minha associação, a Associação Avense AA78 que foram ao encontro mas eu fui eleito para a direção. A FAJDP surge num contexto muito próprio: tudo começa com o ano internacional da juventude, em 1985, e com a falta de apoios e de reconhecimento do movimento associativo juvenil de base local. O Conselho Nacional da Juventude também não permitia a integração de associações juvenis locais, só aceitava as de âmbito nacional. O que começou como uma luta para o reconhecimento da E quais as mudanças a serem, ainda, implementadas? importância deste movimento e de reivindicação por apoios financeiros, rapidamente se transformou numa A ideia que tenho é que houve algum retrocesso nos lógica de parceria e compleúltimos tempos. É necessário mentaridade. Tivemos intertrabalhar na consolidação da “É necessário trabalhar na locutores políticos a nível importância da educação não local e nacional que reconheconsolidação da importância formal; na criação de espaços ceram o nosso papel e a ime condições efetivas de partida educação não formal;” portância da nossa atividade cipação social e política, na e que nos integraram como participação efetiva dos jovens interlocutores e parceiros, representantes de um setor nos processos de decisão. Não basta dizer que há diálogo associativo que envolvia e envolve milhares de jovens e estruturado, que há políticas de juventude ou que há prode dirigentes associativos e de um movimento com uma gramas de apoio financeiro para as associações juvenis, atividade bastante relevante para as comunidades onde é preciso uma estratégia integrada, multidisciplinar que se inseriam, substituindo muitas vezes o estado central possibilite a criação de condições objetivas de descrimie as autarquias locais em muitas das suas atribuições. nação positiva, valorizando o movimento associativo e


ENTREVISTA

30 ANOS FAJDP

09

e problemas concretos da população mais localizadas. As associações que foram capazes de se transformar e acompanhar uma certa mudança social, reconvertendo-se em entidades de “prestação de serviços”, foram conseguindo sobreviver. As que não foram capazes de mudar tornaram-se irrelevantes ou desapareceram. A FAJDP foi - e é - um órgão pioneiro de representa- Hoje é importante pensar nas novas formas de particição do movimento associativo juvenil e serviu de ins- pação, nos novos interesses e necessidades dos jovens. piração para a criação de outras federações regionais É necessário trabalhar em conjunto, estabelecer redes e até da nacional (FNAJ). Estava entre os vossos ob- de contacto de conhecimento e de partilha. É importante partilhar experiências desjetivos iniciais a replicação a cobrir novas formas de pennível nacional? “Hoje é importante pensar sar e de intervir para resolver problemas. Portugal tem um A FAJDP foi, de facto, pionas novas formas de património que não pode neira neste tipo de estrutura participação, nos novos desperdiçar, um movimento representativa e foi um moassociativo com característivimento em crescendo grainteresses e necessidades cas únicas, mas nem sempre ças a um grupo de jovens dos jovens.” valorizado. As associações dirigentes determinado, disjuvenis sempre foram ótimos ponível, não só no sentido da defesa das ideias mas também do interesse em trans- espaços de promoção de atitudes empreendedoras; esformar este movimento num processo irreversível e paços de capacitação e de desenvolvimento de compeisso passava por envolver outras regiões neste pro- tências. Podem ser excelentes laboratórios de iniciaticesso. Lembro-me do primeiro encontro nacional de vas inovadoras e de experimentação social, ideias que juventude em que realizamos um trabalho e uma mo- depois de testadas podem ser adaptadas e replicadas bilização boca a boca para ganharmos as associações em contextos formais com menor risco. Serão sempre para a nossa causa, não só para que fôssemos tidos excelentes escolas de cidadania e participação. em conta na definição e organização das questões relevantes para os jovens, mas também no sentido de se Qual a mensagem que queres deixar aos jovens? organizarem movimentos federativos como o do Porto, pois havia a consciência de que quanto mais fortes Que se organizem, que acreditem na sua energia e cae reconhecidos fôssemos, mais poder teríamos. Na pacidade transformadora. Portugal tem, em termos acaépoca, fizemos milhares de kms de comboio, em reu- démicos, a geração mais bem preparada de sempre, ao niões praticamente por todo o país. A ideia foi sempre mesmo tempo é, talvez, a que tem o futuro mais incera de ganhar escala, partilhar experiências, trabalhar to. A educação não formal desempenha um papel cada em conjunto para o reconhecimento e valorização de vez mais essencial, a capacidade que cada um tiver em um setor que não tinha voz, mas que envolvia milha- fazer coisas fora dos contextos formais de educação e res de jovens e de dirigentes e que abrangia todo o formação pode fazer a diferença. Os jovens portugueterritório nacional. O Porto assumiu de forma natural ses já demonstraram em diferentes contextos, que são essa liderança, mas sempre numa perspetiva de inte- tão bons ou melhores que os outros, criativos, inovaresse comum de abertura e de partilha de valores e dores, com espirito de iniciativa e grande capacidade de adaptação o que os torna muito competitivos num não de protagonismos. mundo, e num mercado, em que a competição tende a Como caracterizas o movimento associativo juvenil ser cada vez mais global, mas onde pode ser valorizado o que é particular e diferente. contemporâneo? o papel formativo e integrador das associações, acreditar no potencial dos jovens e tornar realidade o seu envolvimento nos processos de decisão das politicas setoriais que lhes dizem respeito, contribuindo assim para a sua efetiva autonomia e integração social.

O movimento associativo tem hoje características muito diferentes. Os problemas são outros, as necessidades são outras e o papel das associações é também diferente. Mas existem características que se mantêm. Antes muitas das associações eram ecléticas, faziam muitas coisas, na área da cultura, do desporto, do recreio e da animação, muitas agiam para a transformação social através de projetos de intervenção comunitária e animação sóciocultural, que procuravam responder a necessidades

E à FAJDP? Que continue a desenvolver o seu trabalho de interlocução, de coordenação, de representação, de capacitação do movimento e de formação dos dirigentes, não esquecendo o papel reivindicativo e de critica construtiva, que sempre a caracterizou, identificando problemas, mas apresentando soluções, contribuindo sempre de forma ativa para a resolução dos problemas do setor.


10

ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

ATSV LAVRA

A ATSVL, fundada em 31 de Março de 1982 tem na sua atuação ao longo dos anos um cariz assumidamente juvenil e faz da procura do desenvolvimento de Lavra a sua grande bandeira. Intervir em áreas como a cultura, o desporto e a solidariedade social, dedicada à população, em geral, e à juventude em particular, move a vontade da associação. As parcerias com várias instituições com destaque para o Instituto Português do Desporto e Juventude, a Câmara Municipal de Matosinhos, a Federação Nacional de Associações Juvenis, a Federação das Associações Juvenis do Distrito do Porto e a Junta de Freguesia de Perafita, Lavra e St. Cruz do Bispo têm sido fundamentais para a concretização de vários projetos que incluíram atividades ligadas ao ambiente, cultura, defesa do património, apoio à infância, entre outros. Dos projetos a serem desenvolvidos atualmente destacam-se o Espaço Jovem, o Laboratório de Artes, o Onda Azul Dance Fest, Summer Camp ATSVL, o Aplica-te nos Estudos e a Academia ATSVL com aulas de Dança, Ballet, Pilates e Karaté. Os olhos viram-se agora para o futuro e para os novos objetivos a atingir. Para tal, a ATSVL vai continuar a explorar o melhor dos jovens, ao mesmo tempo que promove a sua terra e as suas gentes.

ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E CULTURAL DA AZENHA

A Associação Recreativa e Cultural da Azenha foi fundada em 1976, tendo vindo a criar o seu próprio património, com o esforço e o voluntariado dos seus associados e dirigentes. Com sede própria, possui espaços destinados às várias atividades da associação tais como: uma sala de convívio aberta à comunidade e uma sala polivalente onde, para além de espetáculos, ocorrem ensaios de teatro e dança. Desenvolvem, também, na área do desporto, torneios de futebol, um grupo de ginástica acrobática federada e aulas de Zumba. Para além destas atividades, dão apoio, cedendo as suas instalações, ao grupo de escuteiros CNE, grupos de estudo das serras de Valongo vindos de faculdades, escolas e outras coletividades; e participam, anualmente, nas marchas S. Joaninas do concelho de Valongo e na Régua, bem como na semana Cultural da freguesia. Ao longo dos anos, já tiveram o seu trabalho reconhecido por entidades como a Federação das Colectividades do distrito do Porto, Junta de Freguesia de Campo e Sobrado, Câmara Municipal de Valongo e Instituto Português da Juventude que lhes atribuíram medalhas de mérito como reconhecimento do trabalho desenvolvido em prol da comunidade.


ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E DESPORTIVA DA MARIADEIRA

Fundada em 1984, a Associação Cultural e Desportiva da Mariadeira (ACDM) tem vindo a demonstrar um notório dinamismo nos seus planos de atividades, sobretudo ao longo da última década, assumindo-se como emblema de referência no seio do associativismo poveiro. A nível cultural, as Festas de S. Pedro constituem o seu principal ponto, sendo que esta coletividade assume a representação de um dos seis Bairros da cidade, destacando-se aqui as suas várias rusgas que abrilhantam estas comemorações. Durante estas Festas, o Bairro da Mariadeira, é visitado por milhares de pessoas, que aí se deslocam para assistir às atuações festivas. No âmbito desportivo, o Ténis de Mesa surge no topo das modalidades em destaque, cuja equipa assume a liderança dos rankings regionais. Na área social, nota particular para as ‘Noites Solidárias’ - um projeto de apoio social levado a cabo por vários voluntários, prestando ajuda a várias famílias e anónimos carenciados. São também realizadas outras atividades como o campismo, danças urbanas e cantares populares, intercâmbios culturais, festivais de comédia e de gastronomia. Iniciativas que dinamizam toda a comunidade envolvente num projeto estruturado e que, a cada dia, tem vindo a reforçar a razão da sua existência.

1 1

TEATRO ART’IMAGEM

O Teatro Art’Imagem nasceu no Porto, em 1981, e é uma estrutura financiada pela DGArtes/SECultura. Produz dois espetáculos por ano com estreias e temporadas no Porto e na Maia, sendo também levados a todo o território nacional com participações em vários festivais do género por todo o mundo. Desde 1982 organiza o festival “Fazer a Festa - Festival Internacional de Teatro. Além do “Maia ao Palco - Mostra de Teatro de Amadores da Maia/Primavera do Teatro” que a companhia organiza desde 2008, tem atividades regulares de formação teatral para crianças, jovens e seniores e é responsável pela Programação Regular de Teatro do Auditório da Quinta da Caverneira, em protocolo com a CM da Maia. Por fim, cumpre ao Teatro Art’Imagem felicitar a FAJDP : as nossas histórias quase se confundem no tempo e foi também por pertencer à FAJDP que encontramos os apoios necessários para a realização de inúmeros intercâmbios nacionais e internacionais, o Fazer a Festa bem como, as mais diversas atividades desenvolvidas pelo Teatro Art’Imagem: as novas criações teatrais, encontros, debates, conferências, workshops, exposições, etc… Parabéns à FAJDP e venham mais 30.


12

OPINIÃO

EDIÇÃO COMEMORATIVA

Por Luís Alves, Presidente da Direção - FAJDP de 1999 a 2003 Trinta anos de vida de uma instituição é sempre um marco digno de registo, de enaltecimento, de celebração. Mais ainda quando se trata, como a FAJDP, de um projecto pioneiro e percursor, cujo caminho inspirou o país, determinando o surgimento de outras federações distritais e em cuja experiência assentou o aparecimento da própria federação nacional. Com efeito, poucas são as organizações cuja criação está invariavelmente associada à própria ideia da existência de um sector, de uma realidade social, de um movimento que, juntos, fomos construindo, desenvolvendo e afirmando. Estrutura representativa do associativismo juvenil mas, sobretudo, catalisadora da energia criativa dos jovens e da capacidade de participação das novas gerações, a FAJDP interveio decisivamente na definição, implementação e avaliação das políticas públicas de juventude. Co-Gestão, participação, cidadania, emancipação jovem, mobilidade juvenil, estatuto do dirigente associativo e do animador juvenil, educação não formal: são exemplos das coordenadas de referência impulsionadas pela FAJDP que marcaram sempre o léxico e, com mais ou menos consequência, a prática das estruturas de que dependem as políticas de juventude em Portugal. Nos mandatos em que tive o privilégio de colaborar, foram muitos os programas lançados, os projectos implementados, as agendas políticas impulsionadas, os participantes jovens envolvidos, os sonhos e promessas para o futuro partilhados e que, felizmente, foram sendo concretizados. Para além dessas memórias individuais, e das memórias colectivas que constituem património da

FAJDP e marcam a sua cultura como organização, persistem em mim, sobretudo, as amizades, tantas e tão efectivas, que sinto ter construído no associativismo. Estão também bem presentes, e comigo transporto, os ensinamentos colhidos, as experiências vivenciadas e os exemplos de dedicação generosa ao bem comum testemunhados, que conformam o que sou e o que penso. É, por isso, talvez até por essa (de)formação cívica, que acredito que o projecto que a FAJDP corporiza é tão moderno, actual e necessário hoje como aquando da sua constituição. É certo, a condição juvenil é hoje bastante mais complexa do que há alguns anos. É verdade, foram-se impondo ideologias que acentuam a responsabilidade das pessoas sobre a sua própria posição social determinando o avanço de valores individualistas. Sim, as formas e os meios de intervenção dos jovens têm-se alterado substancialmente. Certamente, as rápidas e profundas transformações que se estão a produzir nas nossas sociedades são de uma profunda transcendência para os jovens. É pois, neste cenário, que a capacidade transformadora e os valores que definem a FAJDP, os jovens e as associações que a conformam, são irrenunciáveis à construção de respostas reais às necessidades concretas dos sectores juvenis. Mas porque a Juventude não representa apenas a esperança no futuro, representa parte vital da esperança de uma rápida alteração do presente, essa capacidade transformadora é, sobretudo, irrenunciável à construção de um País mais justo, mais solidário e com mais igualdade de oportunidades. (a pedido do autor, em português anterior ao acordo ortográfico)


30 ANOS FAJDP

TUTORIAL

13


14

ASSUNTOS DE INTERESSE

MOBILIDADE NA EUROPA E NO MUNDO

A EU Aid Volunteers é uma iniciativa que oferece, aos cidadãos europeus com diferentes origens, competências e experiências profissionais diversas, a oportunidade de se envolverem em projetos de voluntariado de ajuda humanitária. A iniciativa centra-se no reforço da capacidade da UE para se envolver em projetos humanitários, fornecendo suporte profissional a comunidades vulneráveis, através de voluntários treinados e capacitados. Além disso, visa reforçar a resiliência destas comunidades através da execução de projetos comuns entre os operadores humanitários e organizações locais. Se quiseres saber um pouco mais acerca deste programa visita a webpage da EU Aid Volunteers.

SAÚDE JUVENIL

É uma linha que informa, orienta, encaminha e esclarece dúvidas sobre Saúde Sexual e Reprodutiva, como: sexualidade, desenvolvimento, relações de namoro, amizade, conjugalidade, contraceção; gravidez e gravidez não desejada, violência sexual, infeções sexualmente transmissíveis, orientação sexual, etc.. Nasceu de um protocolo celebrado entre a APF e o IPDJ, com os propósitos de contribuir para a promoção de escolhas livres e informadas, possibilitando comportamentos sexuais conscientes e responsáveis do ponto de vista pessoal e social. Em alternativa ao telefone é possível esclarecer dúvidas ou colocar questões à equipa da Sexualidade em Linha por e-mail através do Portal da Juventude.

Sabias que a FAJDP nasceu no mesmo ano em que Portugal entrou para a UE? EMPREGO E FORMAÇÃO

Sabias que através da página do IEFP – NETEMPREGO.GOV. PT, além de consultar as ofertas de emprego disponíveis, podes registar o teu CV e candidatares-te a essas ofertas online? Para além disto, é possível procurar oportunidades de emprego fora de Portugal, candidatar-se a apoios e incentivos à contratação, procurar informação e apoio para a criação do próprio emprego, bem como, registar ofertas de emprego. Para tal, basta efetuar o registo na plataforma como candidato ou entidade!

ASSOCIATIVISMO JUVENIL

O Associar.net surge para facilitar o registo das atividades de gestão básicas de acordo com o regime da normalização contabilística de qualquer associação, introduzindo melhorias significativas no trabalho diário das associações. Desta forma, para ajudar as Associações filiadas a cumprirem as obrigações de apresentação de contas em regime de caixa, o Associar.net, cujo processo foi iniciado pela FAJDP, foi atualizado para de uma forma prática, simples e intuitiva, possibilitar a introdução dos pagamentos e recebimentos, permitindo a emissão dos mapas anuais de acordo com os modelos da Portaria 105/2011.


30 ANOS A REINVENTAR A INFORMAÇÃO JUVENIL

ASSOCIAR +

INFORMAÇÃO JUVENIL

FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

EDIÇÃO COMEMORATIVA 30 ANOS FAJDP

FAJDP - Rua Mouzinho da Silveira, 234/6/8, 4050-017 Porto Tel: 22 208 55 00 / 22 508 81 22 E-mail: info@fajdp.pt / casadasassociacoes@gmail.com Internet: www.fajdp.pt

TM: 91 998 95 96

Edição comemorativa 30 anos FAJDP  

Já está disponível online mais uma edição da tua revista ASSOCIAR +.

Edição comemorativa 30 anos FAJDP  

Já está disponível online mais uma edição da tua revista ASSOCIAR +.

Advertisement