Issuu on Google+


••• REALIZAÇÃO: Universidade Estácio de Sá REVISÃO: Ana Mansur PROJETO GRÁFICO: Fábio Freitas Silva www.necta.com.br

ANO – 2012 1ª EDIÇÃO

•••


Sumário 7 Norman M. Bel Geddes.................... 10 Raymond Loewy............................... 18 Henry Dreyfuss................................. 26 Evolução.......................................... 30 O que é o Streamline...........................


11

O que ĂŠ o Streamline


O que ĂŠ o Streamline


O que é o Streamline

13

Streamline foi um movimento com uma linguagem aerodinâmica (moderna), motivada por razões técnico-científicas. A velocidade como afirmação de potência e valor de modernidade; o aerodinamismo(relação com a velocidade) e o simbolismo (função signo prevalece sobre a função principal) eram as principais características deste movimento. Este movimento encontra aplicações em diversos sectores como num governo ou numa empresa. Os produtos do Streamline têm presente a parte projectiva dos mecanismos internos, ou seja, mais do que encontrar inspiração numa linha de gosto, era ligada a uma morfologia própria das novas tecnologias.

Norman Bel Geddes (1893 - 1958) foi o primeiro designer a ocupar-se de fato,dos problemas teóricos e práticos do movimento Streamline e o mais flexível nos vários setores da produção. Raymond Loewy (1893 - 1986) criou a a primeira série de objectos míticos que ficaram associados à própria imagem dos Estados Unidos. Os seus interesses estavam em sintonia com as corporações, contribuíndo para o crescimento económico na pós-depressão. Henry Dreyfuss (1904 - 1972) Aprendiz de Geddes 2m 1924. É o primeiro designer a destacar os fatores humanos e a ergonomia. Destaca-se o seu estudo na área da antropometria e a codificação das dimensões para o desenho.


15

Norman M. Bel Geddes


Norman M. Bel Geddes


Norman Melancton Bel Geddes

17

1936 - Lincoln Zephyr

Norman Melancton Bel Geddes (27 de abril de 1893 - 08 de maio de 1958) foi um americano teatral e designer industrial que incidiu, nas suas obras, sobre a aerodinâmica Bel Geddes nasceu Norman Melancton Geddes em Adrian, Michigan , e criado em New Philadelphia, Ohio , filho de Flora Luelle (Yingling née) e Terry Clifton Geddes, um corretor da bolsa. Quando ele se casou com uma mulher chamada Helen Schneider, em Belle 1916, eles incorporaram seus nomes para Bel Geddes. Ele começou sua carreira com projetos definidos para Aline Barnsdall ‘s Theater de Los Angeles pouco na temporada 1916-1917, em seguida, em 1918, como o designer de cena para a Metropolitan Opera , em Nova York. Ele projetou e dirigiu várias obras teatrais, a


18

Streamline design

partir de Arabesque e The Girl Five O’Clock na Broadway para um gelo mostram intitulado It Happened on Ice produzido por Sonja Henie . Ele criou projetos cenário para o filme Pés de Barro (1924), dirigido por Cecil B. DeMille , figurinos concebidos para Max Reinhardt , e criou os cenários para a produção da Broadway de Sidney Kingsley ‘s Dead End (1935). Um cruzamento de ruas na Cidade do Futuro. Detalhe da Futurama exposição no Fair 1939 Mundial de Nova York . Bel Geddes abriu um estúdio de design industrial, em 1927,


Norman Melancton Bel Geddes

19

Bel Geddes Car

e projetou uma ampla gama de produtos comerciais, a partir de cocktail shakers de medalhões comemorativos para armários de rádio. Seus desenhos estendido para realizar conceitos futuristas: um automóvel em forma de lágrima, e um Art Deco . House of Tomorrow Em 1929, ele projetou “ Número Airliner 4 “, um 9-deck anfíbio avião que áreas incorporadas para plataforma-jogos, uma orquestra , um ginásio , um solário [ desambiguação necessária ] e dois aviões hangares . Horizons Bel Geddes do livro teve um impacto significativo: “Ao popularizar racionalização quando apenas alguns engenheiros es-


20

Streamline design

Bel Geddes Chairs

tavam considerando seu uso funcional, ele fez o estilo do possível desenho dos anos trinta”. Bel Geddes projetou a General Motors Pavilion, conhecido como Futurama , para a Feira de 1939 Mundial de Nova York . Para que a instalação famosa e muito influente, Bel Geddes explorado seu trabalho anterior no mesmo sentido: ele tinha projetado uma “Cidade Metropolis de 1960”, em 1936. Auto-estradas Bel Geddes do Livro Mágico (1940) promoveu avanços no design de transporte rodoviário e, prenunciando o Sistema Rodoviário Interestadual (“não deve haver mais razão para um motorista que está passando por uma cidade para diminuir do que há para um avião que está passando sobre ele “). Sua autobiografia, Milagre, à noite, foi publicado postumamente em 1960. Modelo de forma de lágrima automóvel projetado por Bel Geddes.“Norman”, escrito por Gerry Beckley da banda America e realizado por Jeff Larson em seu álbum de 2002 Sunrise Frágil, é uma homenagem a Bel Geddes.O caso do computador Mark I foi projetado por Norman Bel Geddes. IBM ‘s Thomas Watson apresentou a Harvard . Na época, alguns viram como um desperdício de recursos, uma vez que o poder de computação estava em alta demanda durante esta parte da Segunda Guerra Mundial e os fundos poderiam ter sido usados para ​​ a construção de equipamentos adicionais.


Norman Melancton Bel Geddes

21

O United States Postal Service comemorou o primeiro-dia-de emissĂŁo para um selo comemorativo em homenagem EUA porte Geddes Bel como um “pioneiro do design industrial â€? em 29 de junho de 2011 no Cooper-Hewitt National Design Museum, em Nova York.


Raymond Loewy


Raymond Loewvy


Raymond Loewy

25

Evolução do design da garrafas da Coca-cola

O Avanti Studebaker foi um daqueles carros raros, cujo projeto parecia chegar completamente formado e sem precedentes. Mas chegou como a empresa estava em seus últimos suspiros. Nascimento do carro é explorado em “Dance Studebaker do passado,” uma exposição no Museu Nacional Studebaker em South Bend, Indiana, a 5 de outubro. Um livro publicado pelo museu acompanha o show. Andrew Beckman, arquivista do museu, chamada Avanti “uma espécie de filme de culto do mundo automotivo.” As origens do Avanti são envolto em lenda, graças a uma das maiores fontes de lendas no mundo do design, Raymond Loewy. O trabalho de Loewy, talvez o mais conhecido de todos os designers americanos, pode ser visto em um selo postal dos Estados Unidos. Ele mostra a sua lágrima apontador de lápis, o epítome da decorativo e decididamente não-funcionais a racionalização. Ele nunca foi produzido.


26

Streamline design

Loewy é creditado com muitos projetos que não eram dele por direito, entre eles a garrafa de Coca-Cola (embora ele fez criar embalagens Coca-Cola) e do maço de cigarros Lucky Strike. Esses mitos persistem, em parte porque Loewy não esclarecer os exageros durante sua vida. A legenda do Loewy ea Avanti, contudo, é ao mesmo tempo dramático e verdadeiro. Sua empresa atuou como consultor de design da Studebaker 1936-1955. Loewy foi chamado de volta em 1961, em um ponto, quando a empresa estava com problemas financeiros graves. Studebaker teve um novo executivo-chefe. Jovem, enérgico Sherwood Egbert lembrou as pessoas de John F. Kennedy. Sua posse no cargo coincidiria quase exatamente com a do presidente Kennedy.


Raymond Loewy

27

Carro de depto. de engenharia

Em um v么o em fevereiro de 1961, Egbert corri algumas linhas sobre o papel que encarnavam a sua ideia de um carro esportivo para reviver imagem da Studebaker. Ele pediu que Loewy para transform谩-lo em realidade. O que Egbert queria era um carro de luxo pessoal, como o Ford Thunderbird. Egbert tinha que ter o carro rapidamente. Loewy montou uma pequena equipe em Palm Springs, na Calif贸rnia, o resort em expans茫o onde Frank Sinatra eo Rat Pack festa. Na equipe de design foram John Ebstein, vice-presidente de longa data na empresa Loewy, de Robert Andrews, um estilista carro provado.


Henry Dreyfuss


Henry Dreyfuss


Henry Dreyfuss

31

20th New York Central’’, em 1938

Henry Dreyfuss (Brooklyn, Nova Iorque, 2 de março de 1904 — 5 de outubro de 1972) foi um desenhista industrial estadunidense. A simples mensão do nome de Henry Dreyfuss talvez não evoque nada na mente dos norte-americanos, mas quando se fala nos relógios Westclox, na câmera Polaroid, nos termostatos Honeywell e nos telefones AT&T, a reação deve ser diferente. São objetos do cotidiano que tiveram – e muitos ainda têm – profundo impacto na vida da população dos Estados Unidos, criando padrões exportados para diversos outros países, entre eles o Brasil. E são todas criações de Henry Dreyfuss, um dos expoentes da primeira geração de designers industriais norte-americanos.


32

Streamline design


Henry Dreyfuss

33

Neto de alemães emigrados na segunda metade do século XX para os EUA, Dreyfuss viveu a maior parte de sua vida em Manhattan. O gosto pelo design surgiu na New York Society for Ethical Culture, escola onde cursou belas-artes e tomou contato pela primeira vez com o projeto de objetos. Mas seus primeiros trabalhos foram projetos cênicos para o Mark Strand Theatre, frutos de aulas que teve com Norman Bel Geddes, a quem Dreyfuss se referiu sempre como um gênio da profissão de designer. Seu primeiro estúdio ficava em pleno distrito teatral, de onde se mudou em 1930 – o ano de seu casamento com Doris Marks, a administradora do escritório – já decidido a seguir a vida como designer industrial. Desde o início da carreira, Dreyfuss já tinha idéias bem claras sobre o que fazer. Para ele, o sucesso do design está na harmonia de cinco fatores: segurança, e conveniência de uso, facilidade de manutenção, apelo e aparência. Em mais de 40 anos de atividades, ele procurou aplicar esse conceito dia após dia, no desenho tanto de simples jogos de cozinha quanto interiores de aviões. Outra característica de seu trabalho era o domínio de todo o processo do produto. Um exemplo claro foi a linha férrea ‘’20th New York Central’’, em 1938: ele projetou a locomotiva, os vagões de passageiros, o mobiliário e até os pratos, jogos de café, talheres e cardápios do restaurante do trem. No mesmo ano, outro grande designer norte-americano, Raymond Loewy, em conjunto com o arquiteto Paul Philippe Cret, concebeu a Broadway Limited. Em ambos os casos,as inovações das formas exteriores competiram com as inovações dos ambientes interiores e acentuaram a rivalidade entre os profissionais. Para o designer, não há distinção entre projetar um meio de transporte ou produtos de consumo. Em outras palavras, a escala é a grande diferença entre conceber uma linha férrea ou atualizar o desenho dos relógios da linha Big Bem da Westclox. As facilidades, as complexidades e as ferramentas são as mesmas, se o desejo do profissional é dar ao público utensílios que facilitem sua vida e embelezem o cotidiano.


Streamline design

34

Evolução


35


•••

PESQUISAS REALIZADAS: www.tipografos.net/design/geddes.html www.raymondloewy.com/about/influence.html www.flyingfortress.wordpress.com/streamlining/ www.coroflot.com/bzemer/Photoshop www.curatedobject.us/the_curated_object www.centennialofflight.gov/essay/Dictionary/streamlining/ www.grc.nasa.gov/WWW/k-12/airplane/stream.html www.deconet.com/blog/home/resource/loewy_ss1.jpg ANO – 2012 1ª EDIÇÃO PUBLICAÇÃO Trabalho elaborado para Universidade Estácio de Sá Material sem fins lucrativos

•••



Streamline