Page 1

RESULTADOS FANTÁSTICOS Santa Casa de Maceió está entre as quatro melhores do setor saúde no anuário “As Melhores da Dinheiro 2014”

Programa da Rede Globo destaca gestão da Santa Casa de Maceió


Sumário 3 ARTIGO

12 REDE SENTINELA

5 ATM

15 SETOR SAÚDE

Pós-Graduação: atualização, capacitação e/ou docência?

Médico usa artroscopia e 3D para diagnosticar e tratar patologia

Redução de índice de infecção é tema de videoconferências

Santa Casa de Maceió está entre as quatro melhores empresas no país

Dr. Humberto Gomes de Melo Provedor

Dr. Artur Gomes Neto Diretor-médico

Dr. Paulo de Lira Diretor administrativo/financeiro

Duílio Marsiglia Euclides Ferreira de Lima Francisco de Assis Gonçalves Giovani A. C. Albuquerque Ivone dos Santos João Augusto Sobrinho José Peixoto dos Santos Marcos Davi Lemos de Melo Milton Hênio de Gouveia Cônego João José de Santana Neto Mesa Administrativa

Antonio Noya Assessor de comunicação 44 MTE/AL

6

EM ALERTA

Identificar os primeiros sinais do AVC pode evitar sequelas

18

CRISE Dívidas e déficit do SUS ameaçam Santas Casas

Theodomiro Jr. Jornalista 535 MTE/AL

Sílvio Romero

7 CHAMADO URGENTE Doação de plaquetas ajuda no tratamento de câncer

22 ENTREVISTA

Fotografia e arquivo

"O setor saúde brasieiro precisa de R$ 270 bilhões”

Revista produzida pela

10 INTERCÂMBIO Fórum debate planos terapêuticos em Alagoas

28 ATENÇÃO!

"Nenhum órgão está livre dos efeitos nocivos do fumo”

Revista da Santa Casa de Maceió

2

www.santacasademaceio.com.br

Assessoria de Comunicação da Santa Casa de Misericórdia de Maceió Tiragem: 10 mil exemplares


ARTIGO

Pós-graduação: atualização, capacitação e/ou docência? Profa. Dra. Maria Alayde Mendonça Rivera

tinada aos indivíduos que possuem diplo-

do saber ou da profissão, para formar o pro-

Gerente de Ensino e Pesquisa Santa Casa de Misericórdia de Maceió

ma de gradução, que no Brasil engloba os

fissional especializado.

diplomas de bacharelado, licenciatura e

Os Cursos de Especialização, que in-

aumento do número de cursos

tecnólogo. Ela corresponde aos cursos Lato

cluem aqueles designados como MBA

de graduação em todas as áreas

sensu, que são destinados ao aperfeiçoa-

(Master Business Administration), têm cará-

do conhecimento e um mercado

mento e à especialização em uma área

ter de Educação Continuada, duração má-

de trabalho mais exigente, no que diz res-

própria e limitada do saber ou da profis-

xima de dois anos e carga horária mínima

peito à qualificação profissional, têm deter-

são, e os cursos “Stricto sensu”, que con-

de 360 horas e ao final do curso o aluno

minado uma maior (e cada vez mais urgen-

duzem à obtenção de um grau acadêmico

obterá certificado e não diploma. Os Cursos

te!) procura por cursos de pós-graduação

e preparam para a docência.

de Especialização podem abranger todas

O

no Brasil.

A pós-graduação Lato sensu compreen-

as áreas do conhecimento, enquanto os

Assim, a pós-graduação, como o pró-

de os Cursos de Especialização e de Aper-

MBA são exclusivos da área de gestão.

prio nome indica, designa todo e qualquer

feiçoamento e sua meta é o domínio cien-

Todas as informações sobre Cursos de Es-

curso que se segue à graduação e é des-

tífico e técnico de uma certa e limitada área

pecialização são de competência da Se-

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

3


cretaria de Educação Superior - SESu, do

meses, e que o Doutorado tenha duração míni-

nheiro e de energia pessoal, na realização

Ministério da Educação (MEC).

ma de 24 meses e máxima de 42 meses, con-

da pós-graduação desejada.

Os Cursos de Aperfeiçoamento destinam-

tados do início do curso. A Coordenação de

Em função de tanto investimento, entre-

se a profissionais que estejam no exercício

Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Su-

tanto, é necessário responder, na hora da

de uma determinada ocupação (correlacio-

perior (CAPES) lida, exclusivamente, com a

escolha do curso, entre outras, as seguin-

nada com a formação acadêmica de origem

pós-graduação “”Stricto sensu””.

tes questões:

na graduação), que pode até não significar uma profissão, mas cargo ou função. Cursos dessa natureza visam à melhoria de desempenho numa ocupação específica, a fim de atender às exigências do contexto em que esta se insere, possuem carga horária mínima de 180 horas e conferem certificado aos seus concluintes, desde que expedidos por Instituição de Educação Superior (IES) devidamente credenciada e que ministrou efetivamente o curso. A pós-graduação “”Stricto sensu”” é

1. Qual o objetivo da pós-graduação

“Na escolha do curso deve-se avaliar a qualidade e a idoneidade da instituição, assim como o conteúdo teórico e prático do conteúdo, a qualificação do corpo docente e seu impacto na vida profissional após a conclusão.” Médica Maria Alayde Rivera

lização, aprimoramento, preparação para a docência)? A resposta a essa pergunta deve orientá-lo para a busca da pós-graduação que melhor se aplica (“Latu sensu” ou “”Stricto sensu””?). 2. Quanto tempo e quanto dinheiro posso dedicar a esse projeto? A resposta a essa pergunta deve orientá-lo para analisar entre os cursos oferecidos por instituições públicas e privadas aquele que melhor

constituída de cursos regulares, em segui-

se adéqua a sua realidade no trabalho e na

mento à graduação, sistematicamente orga-

vida pessoal.

nizados, visando desenvolver e aprofundar

3. Qual o melhor modelo de curso nesse

a formação adquirida no âmbito da gradua-

momento - presencial ou à distância? A

ção e conduzindo à obtenção de grau aca-

resposta a essa pergunta deve orientá-lo para

dêmico. Ela se subdivide em dois ciclos:

analisar se os cursos presenciais ofereci-

Mestrado e Doutorado. Ambos compreen-

dos atendem a sua necessidade e disponi-

dem a definição de pós-graduação “”Stricto

bilidade ou não.

sensu””, com a diferença no grau de pro-

A escolha do curso pretendido deve aten-

fundidade dedicado ao estudo do objeto de

O número de cursos de pós-graduação

der ainda a questões relacionadas à qualidade

pesquisa. Embora representem um escalo-

em suas diferentes modalidades, nas diver-

do mesmo e intrinsecamente relacionada à ido-

namento na pós-graduação, esses cursos

sas áreas do conhecimento, presenciais ou

neidade da instituição que o promove, ao con-

podem ser considerados relativamente

à distância, multidisciplinares ou não, em

teúdo teórico e prático do curso, à qualificação

autônomos: o Mestrado não constitui obri-

Instituições de Ensino Superior (IES) públi-

do corpo docente e ao impacto do mesmo na

gatoriamente requisito prévio para inscri-

cas ou privadas, têm aumentado de forma

vida profissional após a sua conclusão.

ção em um curso de Doutorado. A pós-gra-

considerável, facilitando cada vez mais a

Continuar investindo na formação é uma

duação “”Stricto sensu”” confere grau aca-

concretização do desejo dos profissionais

forma inteligente e saudável de manter-se

dêmico ou diploma e, em geral, sua prin-

de atualizar-se, capacitar-se e avançar na

capacitado e atualizado (conferindo maior

cipal função é formar pesquisadores e pro-

carreira escolhida.A oferta cada vez mais am-

segurança a sua prática profissional) e com-

fessores universitários.A maioria dos progra-

pliada de cursos, aliada ao desejo de ir em

petitivo (mantendo o foco, a atenção e o

mas exige que o Mestrado seja realizado

busca do crescimento profissional, justifica,

cuidado com a carreira), características indis-

em, no mínimo, 18 meses, e, no máximo, 24

sem dúvidas, o investimento de tempo, di-

pensáveis em um profissional de excelência.

Revista da Santa Casa de Maceió

4

nesse momento da vida profissional (atua-

www.santacasademaceio.com.br


ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

Artroscopia e tecnologia 3D ajudam no tratamento de ATM Disfunção atinge a articulação que liga a mandíbula ao crânio

D

ores na face e nos maxilares; ruí-

dos, estalos ou travamento ao abrir

e fechar a boca; é zumbido ou

tamponamento nos ouvidos. Esses são apenas alguns dos sintomas visíveis de quem

Cirurgião buco-maxilar Edmundo Melo: software converte exames em moldes 3D

tem disfunção da ATM (articulação temporomandibular). Se você percebeu que possui alguns desses sintomas, a dica é procurar um cirurgião buco-maxilar de sua confiança, de preferência com especialização em ATM, pois você pode estar com alguma disfunção nesta articulação que liga a mandíbula ao crânio.

pia é uma cirurgia minimamente invasiva

cou o cirurgião Edmundo Melo Junior, res-

A ATM é responsável por todos os

que permite a introdução de uma micro-

ponsável pela introdução do procedimen-

movimentos dos maxilares e da boca, como

câmera, além de tesouras e pinças por meio

to a Santa Casa de Maceió agora em maio.

mastigação, deglutição e fala. Quando algo

de dois pequenos furos próximos à man-

De cada dez pacientes que chegam ao

não vai bem, como o chamado dentes tor-

díbula afetada.

ser sobrecarregada. Um novo tratamento, entretanto, tem dado esperança a quem sofre com o problema. A artroscopia, já conhecida na área de ortopedia para tratamentos no joelho, vem sendo adaptada para ser usada nos casos de DTM. A Santa Casa de Maceió, inclusive, foi pioneira no uso desta técnica em Alagoas.

Um novo tratamento tem dado esperança a quem sofre com o problema: a artroscopia.

tos ou bruxismo, por exemplo, a ATM pode

consultório do especialista, apenas um possui indicação cirúrgica convencional. Quando incluímos a artroscopia, esse percentual sobe para 30%. Na maioria dos casos, entretanto, o tratamento é clínico, com reabilitação oral, uso de placas móveis de acrílico miorelaxantes e analgésicos para os momentos de crise. Nos casos de completa destruição da ATM, o cirurgião Edmundo Melo Junior utiliza um

Conforme explica o cirurgião buco-

"O procedimento requer anestesia

software para impressão em 3D que con-

maxilar Edmundo Melo Junior, a artrosco-

geral, mas é necessário apenas um dia de

verte exames de tomografia em moldes em

pia traz avanços tanto no diagnóstico quan-

internação e o pós-operatório é muito mais

material sintético, que depois se tornam

to no tratamento da disfunção. A artrosco-

simples que o da cirurgia tradicional", expli-

próteses em titânio em tamanho real.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

5


EM ALERTA

Identificar os primeiros sinais do AVC pode evitar sequelas Sintomas iniciais podem ser transitórios e devem ser investigados

D

e repente, o paciente vai ao chão após sentir uma perda súbita de força muscular na perna, braço

ou em um lado do corpo. Pode ocorrer também visão dupla, perda súbita da visão e dificuldade para falar. Há casos, igualmente preocupantes, em que a pessoa sente uma dor de cabeça súbita, generalizada, de forte intensidade e sem causa aparente. Tontura, formigamento no corpo, perda do equilíbrio, náuseas e vômitos podem estar presentes, fazendo parte dos

Neurologista Aldo Calaça: é importante estar atento aos primeiros sinais do AVC

sintomas iniciais. Se você presenciar alguém com esses

larmente conhecido como derrame cere-

A doença cerebrovascular pode ser insi-

sintomas, encaminhe-o imediatamente a

bral, não é tão acidental como o nome

diosa, aguda ou progressiva. O distúrbio cir-

um serviço de urgência, de preferência

sugere. Na opinião do neurologista Aldo

culatório pode se manter de forma silen-

ciosa durante anos até se manifestar por

que possua um neurologista de plantão. A ocorrência pode ser um acidente vascular cerebral (AVC) ou, como foi rebatizado recentemente pela medicina, um AVE (acidente vascular encefálico). O AVC ou AVE ocorre quando há interrupção na oferta de oxigênio e nutrientes

A perda de força nos membros, dormência, formigamento, perda de equilíbrio, tontura ou problemas na visão e na fala podem ser transitórios, podendo durar alguns minutos ou mesmo horas.

ocorrer isoladamente ou em conjunto. "Deve-se levar o paciente para o atendimento médico de emergência e, de acordo com o caso, é possível reverter o quadro, de forma que o paciente não apre-

a ruptura de um vaso, com extravasamen-

lhões de pessoas ao redor do globo a cada

to de sangue para o cérebro, indica o AVE

Calaça, o "infarto cerebral" não é um aci-

ano. Dessas, seis milhões acabam morren-

hemorrágico.

dente, mas sim uma doença vascular que

do. Por isso, a Organização Mundial de

compromete o sistema nervoso.

Saúde (OMS) recomenda a adoção de me-

em uma região do cérebro ou tronco cerebral. Quando essa interrupção leva à obstrução do fluxo sanguíneo os médicos a identificam como AVE isquêmico. Por outro lado,

O acidente vascular encefálico, popu-

Revista da Santa Casa de Maceió

6

meio de uma série de sintomas que podem

www.santacasademaceio.com.br

sente sequelas", explicou Aldo Calaça. O AVE é uma das principais causas de morte e de sequelas no mundo e no Brasil. A doença cerebrovascular atinge 16 mi-


didas urgentes para a prevenção e trata-

mas são progressivos e o atendimento

venir esse mal.

mento da doença.

médico é decisivo para evitar seqüelas. No

Uma mania perigosa - principalmente

Sintomas como perda de força nos

AVE hemorrágico, somam-se outros sinto-

quando o assunto é acidente vascular ence-

membros, dormência, formigamento, perda

mas como dor generalizada na cabeça,

fálico - é esperar a dor passar para só dias

de equilíbrio, tontura ou problemas na visão

náuseas, vômitos, perda da consciência e

depois procurar um hospital ou médico.

e na fala podem ser transitórios, podendo

hipertensão arterial.

Geralmente, o paciente ou alguém da famí-

durar alguns minutos ou mesmo horas.

Os fatores de risco do AVE são seme-

lia faz o diagnóstico de que são gases ou

Nesses casos, o organismo emite um aler-

lhantes aos do infarto do miocárdio: taba-

remete o problema a algum alimento.

ta breve de que algo vai mal e precisa de

gismo, obesidade, sedentarismo, diabe-

Entretanto, na suspeita de um AVE, a reco-

diagnóstico e tratamento para evitar que

tes, hipertensão e colesterol elevado.

mendação do neurologista Aldo Calaça é

se torne permanente. O paciente volta à nor-

Dessa forma, a adoção de hábitos saudá-

o mesmo: não dar medicamentos ao pacien-

malidade após o momento de crise.

veis e controle de doenças metabólicas e

te e encaminhá-lo ao hospital o mais rápi-

cardiovasculares são essenciais para pre-

do possível.

Há, porém, os casos em que os sinto-

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

7


CHAMADO URGENTE

Doação de plaquetas ajuda no tratamento da leucemia Saiba a diferença entre doar plaquetas e doar sangue

A

os poucos, o ato de doar sangue

cia muitos pacientes, especialmente aque-

"A bolsa é submetida a um processo de sepa-

vem ganhando novos adeptos.

les em tratamento para leucemias e outros

ração de componentes por centrifugação,

Além dos benefícios à saúde, a

tipos de câncer, os submetidos a transplan-

de forma que se o paciente possui ane-

doação auxilia na recuperação dos pacien-

te de medula óssea, a cirurgias cardíacas,

mia, será transfundido com concentrado

tes e pode salvar vidas. Nesse contexto, a

as vítimas de trauma, dentre outros.

de hemácias. Se tem sangramentos, trans-

doação de plaquetas ainda é pouco conhe-

Antes de ser transfundido, o sangue

funde a plaqueta. E se tem algum distúr-

cida. Componente do sangue, ela benefi-

coletado é fracionado em componentes.

bio de coagulação, transfunde plasma",

Revista da Santa Casa de Maceió

8

www.santacasademaceio.com.br


explicou a enfermeira do Banco de Sangue da Santa Casa, Karla Modesto. Existem dois modos de fazer a coleta da plaqueta. Na primeira delas, por aférese, é possível conseguir uma dose do componente de apenas um doador. Uma das principais vantagens é que o paciente não entra em contato com o sangue de muitos doadores, o que diminui os riscos de sensibilização e contaminação. O componente já vai filtrado, sem os leucócitos, o que diminui os riscos de possíveis reações febris. As plaquetas também podem ser obtidas de forma tradicional, através da doação de sangue, chamadas de plaquetas randômicas. Nesse caso, para se conseguir uma dose, é necessário a doação de sangue de 6 a 8 pessoas, pois a quantidade plaquetária em cada bolsa de sangue é muito pequena.

Enfermeira Karla Modesto: plaquetas ajudam pacientes de diversas doenças

Os procedimentos de doação de san-

doações em 12 meses. A reposição das

dependendo do tipo de bolsa onde é cole-

gue e plaquetas são bem semelhantes. Para

plaquetas pelo organismo é rápida e ocor-

tado. "Na Santa Casa as bolsas utilizadas

a coleta da plaqueta é coletada uma amos-

re em torno de 48 horas.

tem validade de 42 dias por permitir uma

grama para avaliar suas condições de saúde e verificar a quantidade de plaquetas que ele possui. Pode acontecer de ter plaquetas apenas para ele, o que inviabiliza a doação. Outro ponto avaliado é o acesso venoso. Os homens são os melhores doadores por, geralmente, terem o peso ideal e veias mais calibrosas. "Isso é importante devido ao tempo de procedimento. Por aférese, são retirados de 200 a 240 ml. Como o volume de sangue coletado é menor, os riscos do doador apresentar uma queda de pres-

Uma doação de plaquetas tipo AB negativo é difícil de acontecer. A demanda também é pequena, por isso esse tipo sanguíneo perde logo a validade. Quem tem sangue negativo deve doar plaquetas só quando for necessário.

tra do doador para a realização do hemo-

melhor estocagem do sangue, principalmente para os tipos sanguíneos negativos. Uma doação de AB negativo, por exemplo, é difícil de acontecer. A demanda também é pequena, por isso tanto esse tipo sanguíneo perde a validade e falta com mais frequência.A orientação para quem tem sangue negativo é doar só quando houver necessidade, explicou Karla Modesto. POR QUE DOAR? Para a enfermeira Karla Modesto, toda doação - seja de plaquetas ou de sangue - é, antes de tudo, um ato em favor da

são é mais baixo", explicou a enfermeira

Seja ela randômica ou por aférese, as

vida, já que os pacientes dependem deste

Karla Modesto. A doação pode ser realiza-

plaquetas doadas valem cinco dias. Já o san-

gesto voluntário para continuar vivendo

da a cada 72 horas, não ultrapassando 24

gue pode ser estocado por 35 a 42 dias,

enquanto realizam o tratamento.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

9


Diretor clínico do Grupo Delfin, Nestor Müller foi um dos palestrantes convidados

INTERCÂMBIO

Fórum debate planos terapêuticos em Alagoas Grupo Delfin e Santa Casa de Maceió promovem evento

A

Santa Casa de Maceió e o Grupo

Gonzalez Miranda. O Grupo Delfin assumiu

Delfin promoveram o I Fórum sobre

no início do ano a gestão da unidade de

Planos Terapêuticos e suas Interfaces

Diagnósticos da Santa Casa junto aos demais

com a área de Diagnóstico.O evento reuniu membros do corpo clínico da Santa Casa de Maceió

médicos integrantes do serviço. A médica Tereza Tenório, geren-

e do Grupo Delfin, além da equipe multipro-

te de Riscos e Práticas Assisten-

fissional e de médicos residentes do hospital.

ciais da Santa Casa, também

Realizado no Centro de Estudos Professor

enfatizou a importância do

Lourival de Melo Mota, o fórum contou com

intercâmbio entre as áreas

painéis onde foram apresentadas propostas

assistenciais e de diagnóstico.

de planos terapêuticos relacionados às áreas

Segundo ela, esta interface

de geriatria, oncologia e pneumologia da

possibilita o planejamento da

Santa Casa de Maceió, seguidos de pales-

assistência e a previsão de alta,

tras ministradas por profissionais do Grupo

aumentando a efetividade do cuida-

Delfin, realçando o intercâmbio entre as duas

do ao paciente internado.

instituições, conforme enfatizou o presiden-

As médicas Helen Arruda, Luciene

te do grupo empresarial baiano, o médico Delfin

Alencar e Fátima Alecio, integrantes do corpo

Revista da Santa Casa de Maceió

10

www.santacasademaceio.com.br


Neurorradiologista Saulo Lacerda aborda doenças neurogenerativas

Encontro reuniu especialistas das áreas de geriatria, oncologia e pneumologia da Santa Casa de Maceió

clínico respectivamente nas especialidades

um plano terapêutico individualizado para

de geriatria, onco-hematologia e pneumo-

pacientes com câncer,já que são pacientes com-

logia, encabeçaram o time de palestrantes.

plexos, com várias patologias associadas e

A geriatra Helen Arruda abriu o evento apre-

que podem evoluir com outros quadros clíni-

sentando o Plano Terapêutico para pacientes

cos, em um curto período de evolução da

idosos frágeis ou em risco de fragilização, com

doença", disse Luciene Alencar.

quadro de delirium. "O delirium é um distúr-

Em sua palestra sobre pneumonia adqui-

bio mental agudo que acomete frequente-

rida na comunidade (PAC), a pneumologis-

mente pacientes idosos hospitalizados ou não,

ta Fátima Alécio concluiu que o essencial

sendo considerado uma emergência geriá-

para a construção dos planos terapêuticos

trica", explicou a especialista.

é focar na viabilização dos protocolos assis-

Em sua apresentação, He-

tências da instituição, estabelecendo ações

len Arruda falou sobre a

multidisciplinares simples e efetivas para a

complexidade em se

concretização do objetivo final que é a assis-

construir planos tera-

tência adequada ao paciente.

pêuticos para pa-

O professor emérito da Universidade de

cientes com qua-

British Columbia, Nestor Müller, contribuiu

dros clínicos igual-

com o evento abordando aspectos da neu-

mente complexos.A

tropenia febril e da pneumonia adquirida na

questão também foi

comunidade, apresentando pesquisas cientí-

tratada na palestra da

ficas e casos clínicos de pacientes relaciona-

oncologista Luciene Alen-

dos aos planos abordados. Igualmente rica

car, que abordou a neutro-

em informações foi a palestra sobre o Idoso

penia febril. "É de extrema importância construir

Frágil do neurologista Saulo Lacerda, pesquisador do Mount Sinai Hospital em Nova York.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

11


CAMPANHA

Bancos de leite materno em AL enfrentam escassez de doações Recém-nascidos internados em UTIs são os que mais precisam de doações

M

aceió tem pouco a oferecer no que tange à doação de leite materno. Os três pontos de co-

leta de leite da capital alagoana vêm sofrendo com a carência de doações. De um lado, não existe um serviço que faça o transporte do leite materno da residência da puérpera aos postos de coleta. Do outro, faltam campanhas de conscientização estimulando esse gesto humanitário. Em 2013, a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano coletou no país 179.251 litros de leite que foram entregues a 182 mil receptores. Somente em Alagoas foram registradas 1.825 doadoras e 6.891 recém-

Enfermeira Zara Cristina Moraes e o cartaz no Hospital Nossa Senhora da Guia

nascidos beneficiados. O problema é que esse número ainda é pouco, principalmen-

leite materno no posto de coleta do hos-

leite. "Pelo contrário, estimula as glându-

te considerando o número de recém-nas-

pital e a segunda busca arrecadar emba-

las mamárias a produzirem ainda mais

cidos internados mensalmente em unida-

lagens de vidro lisos, transparentes e com

leite", acrescentou ela.

des de terapia intensiva (UTI) em hospitais

tampa de plástico. As embalagens permi-

Devem comparecer ao posto de cole-

de Maceió.

tem a esterilização em alta temperatura e

ta as mães que realizaram os exames soli-

Um estabelecimento como o Hospital

o correto acondicionamento do leite a bai-

citados no pré-natal. Por isso, é preciso

Universitário, por exemplo, precisaria rece-

xas temperaturas. A escassez de embala-

apresentar o cartão do pré-natal e tam-

ber ao menos 5 litros diários de leite mater-

gens pode parecer um problema simples,

bém os próprios exames. Esse cuidado é bas-

no para a UTI neonatal, porém, menos de

mas impede que se armazene o leite ade-

tante importante para garantir a qualida-

um litro tem sido encaminhado por dia.

quadamente.

de do leite coletado e a segurança dos bebês que receberão o alimento. Também

Neste cenário, o posto de coleta do Hospital Nossa Senhora da Guia, em Ma-

DESVENDANDO MITOS

podem ser doadoras as puérperas que este-

ceió, iniciou uma dupla campanha para esti-

De acordo com a supervisora de enfer-

jam internadas e amamentando.

mular a doação de leite materno. A pri-

magem Zara Cristina Moraes, a doação de

O primeiro passo para a doação é

meira visa estimular as mães a doarem

leite materno não reduz a produção de

encontrar o posto de coleta de leite huma-

Revista da Santa Casa de Maceió

12

www.santacasademaceio.com.br


no ou banco de leite humano mais próxi-

deixe escorrer sobre um pano limpo. Não

primeiros jatos ou gotas. Depois, apalpan-

mo. A capital alagoana conta com postos

se deve enxugar com pano, uma vez que

do a mama com as mãos, lance os jatos de

no Hospital Nossa Senhora da Guia, no bair-

podem ficar resíduos de tecido na emba-

leite direto no frasco. Ele pode permane-

ro do Poço;na Casa Maternal Denilma Bu-

lagem. Quando estiver seco, o recipiente

cer no congelador por até 15 dias sem per-

lhões, no Benedito Bentes; no banco de

estará pronto para receber o leite direto da

der suas propriedades e somente será

leite humano do Hospital Universitário,

mama", detalhou a enfermeira Zara

doado após passar pelo processo de sele-

localizado na BR 104; e da Maternidade

Cristina, técnica de referência em ama-

ção, classificação e pasteurização", finali-

Santa Mônica, no bairro do Poço.

mentação, treinada pelo Ministério da

zou Zara Cristina.

O ideal é que o leite seja guardado

Saúde.

O leite coletado no Hospital Nossa Se-

em um pote de vidro, com tampa de plás-

Outra dica importante é retirar o leite

nhora da Guia é enviado para o banco de

tico. Uma opção é reaproveitar copos de

para a doação com as próprias mãos devi-

leite humano da Maternidade Escola Santa

maionese, café solúvel ou outros produtos.

damente higienizadas, evitando-se o uso de

Mônica para ser pasteurizado. Um percen-

"Retire o rótulo e o papelão da parte inter-

equipamentos. "Antes de retirar o leite

tual fica no próprio banco de leite huma-

na da tampa, lave o pote com água e sa-

materno, a puérpera deve higienizar bem

no, e a outra parte retorna para a mater-

bão, ferva ambos por quinze minutos e

as mãos e o antebraço, desprezando os

nidade.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

13


REDE SENTINELA

Redução de índice de infecção é tema de videoconferências Expertise de hospital alagoano ocupa programação no mês de agosto

A

Gerência de Riscos e Práticas Assis-

tenciais da Santa Casa de Maceió foi convidada pela Rede Sentinela

a assumir a programação de palestras do mês de agosto. Os encontros são transmitidos por videoconferência para hospitais de todo o país. A iniciativa conta com a parceria do Hospital Sírio Libanês e apoio da Rede Universitária de Telemedicina (RUTE), que operacionalizam as videoconferências. O "Programa Sentinelas em Ação" é uma estratégia virtual de atualização e intercâmbio de conhecimentos relacionados à Vigilância Sanitária e assuntos relevantes do setor saúde no País.

Telessalas, como a da Santa Casa, acompanharam teleconferências

As palestras são transmitidas em tempo real todas às terças-feiras, das 11h às 12h

mais de duas décadas. Apresentamoss um

de Maceió monitora os produtos que são auto-

(horário de Brasília), e utilizam tecnologia de

histórico das ações realizadas nos últimos 25

rizados pela ANVISA para comercialização nas

videostreaming e videoconferência para as ins-

anos e como conseguimos alcançar, agora

áreas de Farmácia, Engenharia e Hemoterá-

tituições que compõem a Rede Sentinela de

em 2013, o índice de infecção hospitalar de

picos (sangue e hemoderivados).

Serviços de Saúde de todo Brasil.As apresen-

apenas 1%", destacou Tereza Tenório.

tações têm duração de 60 minutos com espa-

A importância da conquista, segundo

o monitoramento de eventos adversos - efei-

ço reservado a participação dos expectado-

ela, pode ser medida quando o percentual

tos indesejados, efeitos colaterais não pre-

res com perguntas e comentários.

da Santa Casa é comparado com o índice

vistos, queixas técnicas relacionadas a apre-

Primeira palestrante do ciclo, Tereza

mundial de infecção hospitalar, que gira hoje

sentação do produto, além da ineficácia de

Tenório apresentou o tema “As melhores

entre 3% e 3,5%. Segundo o último levanta-

medicamento, entre outros -, que possam ocor-

práticas em controle de infecções relacio-

mento da Associação Nacional de Hospitais

rer após o registro na Anvisa", explicou

nadas à assistência”.

Privados (Anahp), a taxa de infecção média

Teresa Tenório.

"Foi um momento muito valioso para a Santa Casa, pois evidenciou o reconhecimento do trabalho que desenvolvemos em

dos hospitais filiados à entidade foi de 2,8% entre 2002 e 2007. Integrante da Rede Sentinela, a Santa Casa

Revista da Santa Casa de Maceió

14

"Somos parte de uma rede que faz todo

www.santacasademaceio.com.br

As palestras foram realizadas na Sala da Rede RUTE (Mini-Auditório II do Hospital Universitário).


RANKING SETOR SAÚDE

Santa Casa de Maceió está entre as quatro melhores empresas no país

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

15


Santa Casa de Maceió está entre as

A

consultoria Economática e Boavista Serviços. O

Claro e Vivo (Telecomunicações); Dudalina

quatro melhores empresas do país

guia elencou as melhores corporações em 28

(Vestuário); Bayer (Química e Petroquímica);

no setor saúde em ranking que ana-

setores da economia brasileira,incluindo a saúde.

Construcap (Construção pesada) e Whirlpool

lisou critérios como recursos humanos, ino-

Entre as 1000 empresas listadas pelo

Latin America (Componentes e equipamen-

vação e qualidade, responsabilidade socioam-

guia "As Melhores da Dinheiro 2014", um

biental, governança corporativa e sustenta-

grupo de 134 corporações apresentou alto

bilidade financeira.

índice de sustentabilidade financeira.

"É o reconhecimento de um trabalho iniciado há mais de uma década, baseado no

O hospital alagoano foi citado no anuário

No ranking de pontuação, a Santa Casa

equilíbrio entre receitas, despesas e investi-

"As Melhores da Dinheiro 2014 - As 1000

de Maceió ficou em 9º lugar, sendo supera-

mentos, que tornaram a Santa Casa de Ma-

maiores empresas do Brasil", publicado pela

da apenas por gigantes da economia brasi-

ceió referência não somente na região Nor-

Editora Três com a chancela das empresas de

leira como a Ambev e Souza Cruz (Bebidas);

deste, mas em todo o país", comentou o pro-

Revista da Santa Casa de Maceió

16

tos eletroeletrônicos).

www.santacasademaceio.com.br


vedor Humberto Gomes de Melo. Na lista das quatro melhores empresas do país, a Santa Casa de Maceió está ao lado

Bandeirantes (SP), Hospital Mater Dei (MG),

Citibank Hall, em São Paulo, evento que reu-

DASA (SP), Rede D'Or (RJ), São Rafael (BA)

niu mais de 600 executivos e autoridades

entre outros.

públicas. Para a elaboração do ranking das

de importantes nomes do setor saúde como

"A auto-sustentabilidade implica na

1000 maiores empresas do país, a Editora Três

o Hospital Alemão Oswaldo Cruz,o Grupo Fleury

busca de receitas e no uso racional dos recur-

contou com a parceria da consultoria

e o Hospital Samaritano.

sos para cobrir os déficits, manter o comple-

Economática na avaliação das empresas de

Já no ranking das 1000 maiores corpo-

xo hospitalar em pleno funcionamento e,

capital aberto e da Boavista Serviços no rol

rações que atuam no setor, a Santa Casa de

sobretudo, para investimento em novas tec-

de empresas de capital fechado. Já o ranking

Maceió faz companhia a hospitais de referên-

nologias e na abertura de novas unidades",

de "As Melhores da Dinheiro" foi elaborado

cia como o Albert Einstein (SP),A.C. Camargo

acrescentou.

pela equipe de consultores coordenada pelo

(SP), Beneficência Portuguesa (SP), Hospital

A 11ª edição do prêmio foi entregue no

economista Miguel A. Arab.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

17


CRISE

Dívidas e déficit do SUS ameaçam Santas Casas Em 2005, dívida no setor era de R$ 1,5 bilhão; hoje supera R$ 15 bilhões

O

programa Fantástico, da Rede

Brasil tem 2,1 mil hospitais sem fins lucra-

SÃO PAULO

Globo, abriu novamente a discus-

tivos, incluindo as Santas Casas. Elas aten-

A reportagem começou pela Santa

são sobre um problema que há

dem principalmente pacientes do Sistema

Casa de São Paulo, o maior hospital filan-

Único de Saúde (SUS).

trópico da América Latina, que recente-

anos preocupa os gestores das santas casas e hospitais filantrópicos brasileiros: a crise

"83% das Santas Casas estão enfre-

mente chegou a fechar o pronto-socorro.

por que passa essa importante rede de

tando dificuldade financeira", afirmou

A unidade foi reaberta dias depois, mas

hospitais, que, em muitas regiões, é a única

Edson Rogatti, presidente da Confederação

continua mergulhada numa crise financeira

opção de atendimento ambulatorial e hos-

das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos

que se arrasta há décadas.

pitalar.

do Brasil.

"Está faltando o básico. Não tem se-

A equipe do Fantástico esteve em cinco

Em 2005, a dívida delas era de R$ 1,5

ringa, esparadrapo, remédio", admitiu o

santas casas, quatro em dificuldade finan-

bilhão. Oito anos depois, em 2013, já tinha

provedor da Santa Casa de São Paulo, Kalil

ceira e uma autosustentável, a de Maceió.

aumentado dez vezes: R$ 15 bilhões. "Se

Rocha Abdalla. O hospital deve R$ 45 mi-

A reportagem encontrou nas capitais visi-

nada for feito, em breve, haverá um colap-

lhões só para os fornecedores e eles

tadas um cenário que se repete em todo o

so na saúde, porque as Santas Casas vão

pararam de entregar para fazer pressão.

país com maior ou menor gravidade. O

fechar as portas", alertou Edson Rogatti.

Voltaram a distribuir os produtos depois

Prédio abandonado da Santa Casa de Manaus antecipa futuro de outras instituições caso não se encontre uma solução para o problema das dívidas

Revista da Santa Casa de Maceió

18

www.santacasademaceio.com.br


Instituição amazonense fechou o complexo hospitalar; Santa Casa de São Paulo chegou a fechar o pronto-socorro

que o Governo do Estado liberou R$ 3 milhões para socorrer a Santa Casa de São Paulo. "Temos um déficit de recursos de R$ 4 milhões por mês. Chega num momento que realmente isso não é mais administrável", diz Antônio Carlos Forte, superintendente da Santa Casa de São Paulo. BELO HORIZONTE Na capital mineira, o Fantástico ouviu o seguinte anúncio: "A Santa Casa de Belo

Em Belo Horizonte, ameaça de fechamento da Santa Casa assusta gestantes

Horizonte será fechada", disse Porfírio Andrade, superintendente do hospital. "Pra

Ainda segundo Andrade, o problema

por todos os lados e salas cheias de do-

qual maternidade eu vou? Eu não vou ter

já está comprometendo o Centro de Trata-

cumentos e prontuários de pacientes espa-

os médicos que eu estou fazendo o pré-natal,

mento Intensivo adulto que ficou pronto em

lhados pelo chão. "O que tinha valor eco-

que eu confio", diz Luciana Basilio dos

julho do ano passado. "Trinta leitos estão

nômico foi penhorado e serviu de lastro

Santos, grávida de oito meses.

desativados porque a Santa Casa não tem

para o pagamento de credores", conta

dinheiro para mantê-los em funcionamen-

Tiago Queiroz de Oliveira, responsável pela

to", prosseguiu.

Santa Casa de Manaus.

A maternidade especializada realiza 330 partos por mês pelo SUS. Segundo a direção, cada criança nascida na Santa Casa

Quando estava funcionando, o hospi-

de Belo Horizonte gera um custo de R$

MANAUS

tal chegou a receber mais de 2 mil pa-

1,4 a R$ 1,6 mil reais. E o SUS só paga R$

Em Manaus, o prédio da Santa Casa

cientes por mês. Tudo mudou, segundo os

800. O prejuízo na maternidade é de R$ 10

assusta. Só tem movimento do lado de

atuais administradores, quando o governo

milhões por ano.

fora. A parte externa virou estacionamen-

estadual parou de repassar os recursos.

O problema é que o prejuízo está, de

to. Paciente não entra. A Santa Casa fechou

"Muitas vezes, o governo tentou nego-

uma certa forma, puxando os outros ser-

há dez anos, deixando só lembranças para

ciar e foi se resguardando de colocar dinheiro,

viços da casa para baixo. "Num colapso

quem era atendido na unidade ou traba-

que ia pelo ralo por inércia de produção de

lento, mas definitivo, que pode compro-

lhava no hospital.

trabalho e incompetência administrativa",

meter todo o funcionamento da Santa Casa", acrescentou Porfírio Andrade.

O prédio está com todo o teto deteriorado, paredes inchadas, infiltração, sujeira

disse Wilson Alecrim, secretário de Saúde do Estado do Amazonas.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

19


Vigilância Sanitária fechou Centro de Terapia Intensiva; medida suspendeu cirurgias na Santa Casa do Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO Já no Rio de Janeiro, a Santa Casa tem R$ 240 milhões em dívidas. Foi fechada pela Vigilância Sanitária em outubro do ano passado, reabriu em março, mas agora o atendimento só com hora marcada. O hospital interrompeu as intervenções cirúrgicas e as internações após o fechamento do Centro de Terapia Intensiva (CTI), que fica afastado do hospital central. A vigilância sanitária carioca exigiu a construção de um novo CTI dentro do prédio principal. "É um prédio muito antigo. Então

Edson Rogatti preside a Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos

a adequação é bem mais complicada", "Um procedimento médico que custa

dores. Essas instituições foram contempladas

R$ 100 reais para a Santa Casa, o SUS pa-

com um conjunto de incentivos que pratica-

ga R$ 60, os outros R$ 40 são déficit, é pre-

mente hoje dobram o valor da tabela", argu-

RESPOSTA

juízo! O que nós queremos nas Santas Ca-

mentou Fausto Pereira dos Santos, secretário

A maior parte da verba do SUS vem do

sas é receber aquilo que custa um proce-

de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde.

disse Francesco Mazzaroni, diretor-geral da Santa Casa do Rio de Janeiro.

Governo Federal. Quem administra os contratos

dimento", frisou Edson Rogatti.

e repassa os recursos para as Santas Casas

O Ministério da Saúde rebate: "Grada-

que restam dos 2.100 estão recebendo pe-

são os estados ou municípios, que também

tivamente também a tabela tem deixado de

la tabela de procedimentos antiga", afir-

investem recursos próprios nos hospitais.

ser a principal forma de remuneração dos presta-

ma Edson Rogatti.

Revista da Santa Casa de Maceió

20

"Mas somente para 768 hospitais, os

www.santacasademaceio.com.br


Apesar de atender 60% de pacientes pelo SUS, são os outros 40% [particulares e operadoras de planos de saúde]) que financiam o déficit.

FANTÁSTICO

Gestão da Santa Casa é “case” positivo em cenário de crise

A

saúde das Santas Casas brasileiras

saúde financeira, ainda destina recursos

Outro detalhe importante é a ausência

vai mal. Reportagem veiculada no

para investimentos em tecnologia, ambiên-

de pronto-socorro no complexo hospitalar

programa Fantástico, da Rede Glo-

cia, humanização e em processos visando

da Santa Casa de Maceió. "Os custos se-

bo, revelou que a maior parte das institui-

a qualidade e a segurança na assistência

riam imensos. Uma instituição que manti-

ções está mergulhada em dívidas, fechou

ao paciente, como a Acreditação.

vesse uma unidade de emergência pelo

as portas ou precisa dos governos esta-

O próprio provedor Humberto Gomes de

SUS, estaria procurando se quebrar", expli-

duais ou municipais para sobreviver.A única

Melo revelou o segredo. "Apesar de atender

Santa Casa, sem dívidas, citada pela repor-

60% de pacientes pelo Sistema Único de

Após a entrevista, Humberto Gomes de

tagem, foi a Santa Casa de Maceió.

Saúde, são os outros 40% (particulares e

Melo destacou que a auto-sustentabilida-

"Em Maceió, encontramos uma Santa

operadoras de planos de saúde) que aca-

de foi conseguida também devido iniciati-

Casa sem dívidas!", disse a repórter após

bam financiando o déficit deixado pelo SUS."

vas como a profissionalização da gestão

apresentar a situação precária vivenciada

"As operadoras representam 65% da

por meio da qualificação de gerentes e cola-

pelas filantrópicas de São Paulo, Rio de

nossa receita. Enquanto o SUS representa

boradores; o planejamento estratégico; a

Janeiro, Belo Horizonte e Manaus.

apenas 35%. Talvez aí esteja a fórmula

implantação de rotinas, processos e a infor-

Ao discorrer sobre a Santa Casa de

para que a gente possa estar subsidiando

matização visando a racionalização de recur-

Maceió, a reportagem apresentou imagens

também o SUS", afirmou Humberto Gomes

sos; a Acreditação, focada na segurança da

de uma instituição que além de ter um boa

de Melo ao Fantástico.

assistência ao paciente; entre outros.

cou o provedor.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

21


ENTREVISTA/HUMBERTO GOMES GOMES DE DE MELO MELO ENTREVISTA/HUMBERTO

"Para uma assistência de qualidade na saúde seriam necessários R$ 270 bilhões

Humberto Gomes de Melo é entrevistado pela jornalista Goretti Lima

E

m entrevista ao programa Frente a Frente, da TV Assem-

bleia, na capital alagoana, o provedor Humberto Gomes de Melo fez uma consistente análise da saúde brasileira.

saúde e do Sistema Único de Saúde. "As operadoras gastaram no ano passado cerca de R$ 91 bilhões para atender apenas 50 milhões de usuários, enquanto

O executivo, que preside a (Federação Nacional de

o Ministério da Saúde desembolsou menos da metade deste

Estabelecimentos de Serviços de Saúde (Fenaess), o Sindicato

valor (R$ 40 bilhões) para atender o triplo de pessoas (150

dos Hospitais de Alagoas e há 11 anos a Santa Casa de Ma-

milhões de brasileiros)", disse o executivo.

ceió, apresentou relatos surpreendentes na entrevista com a jornalista Goretti Lima.

Na abertura da entrevista, Goretti Lima lembrou os 50 anos de medicina de Humberto Gomes de Melo completados-

Humberto Gomes explicou por que não deram certo algu-

este ano. "Deus é tão bom comigo que fez com que no dia

mas tentativas de se elevar os recursos destinados à saúde.

em que eu faço 50 anos de médico, o meu neto mais velho

Revelou ainda a razão que a Santa Casa de Maceió conseguiu

também ingresse na mesma profissão, formando-se exata-

a autosustentabilidade financeira em meio à atual crise enfren-

mente no mesmo dia, em 20 de dezembro", disse orgulhoso

tada por 83% das santas casas do país e apresentou números

Humberto Gomes de Melo. Veja outros trechos da entrevista

que revelam disparidades entre os gastos das operadoras de

que durou cerca de 30 minutos.

Revista da Santa Casa de Maceió

22

www.santacasademaceio.com.br


O Sr. não acha que existe uma

Os constituintes foram até sábios quan-

O que não é justo...

do colocaram nas disposições transitórias

Não é justo e os números são gigan-

Em alguns estados, a dependência da

que 30% dos recursos da seguridade social

tescos. O Ministério da Saúde diz que faz

população para com o SUS é maior que

deveriam ser destinados à saúde. O proble-

11 milhões de internações ano. Há cinco

em outros. Enquanto em lugares como São

ma é que num simples despacho, o então

anos são sempre onze milhões de interna-

Paulo a dependência chega a 56%, em

ministro da Previdência Social, Antônio

ções. Mesmo com muitos brasileiros pas-

Alagoas gira em torno de 88%. É visível que

Brito, ainda no governo de Itamar Franco,

sando a ter planos de saúde e a popula-

os recursos são insuficientes para que se

mostrou que não tinha sentido esse recur-

ção crescendo, esse número de interna-

possa oferecer saúde para toda essa popu-

so ir direto pra saúde, e que deveria ir para

ções não aumenta.

lação.

a Previdência Social, senão os idosos não

grande dependência do SUS?

tinham como receber as suas aposentadoA oferta da saúde pública deve-

rias.

É verdade que o número de internações está abaixo do esperado? O Ministério da Saúde define que se faça

ria ser universal. Já a procura pelo serviço privado deveria ser comple-

E o que aconteceu em seguida?

programação pactuada integrada para que

mentar, como diz a Constituição, mas

A partir daquele momento ficou defi-

8% da população possa ser internada. Se

nido que a cada ano tem que se brigar no

for calcular que em Alagoas nós temos uma

Exatamente. Saúde é um direito de to-

Congresso para que se coloque mais recur-

população de 3 milhões de habitantes, 8%

dos e um dever do Estado. Está na nossa

sos na saúde. E para piorar se jogou obri-

seriam duzentas e quarenta mil interna-

Constituição. Uma das coisas maravilho-

gações para os municípios e estados e, em

ções. O problema é que no ano passado se

sas que a Constituição de 1988 nos trou-

contrapartida, o governo federal reduziu

internou 180 mil pessoas, ou seja, pelos parâ-

xe foi a universalização da saúde como o-

suas obrigações. Ele arrecada, mas não dá

metros do Ministério da Saúde, 60 mil inter-

brigação do Estado. O problema é que o Es-

o suficiente para quem vai executar as

nações deixaram de acontecer em Alagoas.

tado não tem conseguido colocar os recur-

ações de saúde.

não é o que ocorre no Brasil.

sos suficientes para isso. Pelo contrário,

Quais reflexos disso?

têm se tornado cada vez menor. O enten-

A distribuição de recursos entre

Por essa razão é que nós vemos essa pere-

dimento da equipe econômica do governo

os estados também é outro proble-

grinação de ambulâncias pelas nossas estra-

é que saúde é gasto, quando na verdade

ma?

das direcionadas pelas prefeituras ou pelas

é investimento.

A Lei Orgânica da Saúde, Lei 8080 san-

secretarias municipais [de saúde] para o

cionada em 1990, definia que os recursos

nosso Hospital Geral do Estado. São pessoas

Fala-se que o problema da saúde

para a saúde deveriam ser distribuídos pro-

que acabam ficando no chão ou numa maca

não é apenas recursos. O gargalo tam-

porcionalmente, metade em decorrência

aguardando atendimento ou, o que é mais

bém não estaria na gestão desses re-

da população e a outra metade nas con-

grave numa unidade de emergência, mui-

cursos?

dições inversas da situação sanitária, isso

tas vezes para fazer ambulatório.

A gente pode até pensar nisso e é

é o termo que eu uso pra mostrar que quan-

importante que se pense, mas ainda assim

to mais necessitada for a população, maio-

os recursos são insuficientes.

res recursos deveriam ser repassados. Mas

Mas não existe uma obrigatoriedade de investimentos em saúde?

na prática isso nunca aconteceu. Depois, em

Os municípios, hoje, na sua maioria, já

A constituição de 1988 poderia

2012, retirou-se essa obrigatoriedade. Hoje

colocam mais do que a Constituição defi-

ter previsto uma solução para o pro-

os estados mais ricos da federação são os

ne, que seriam os 15%. Já há uma obriga-

blema?

que mais recebem recursos.

toriedade de que os estados coloquem os

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

23


Há valores na tabela do SUS que não são corrigidos há mais de 20 anos, como os exames de laboratórios

Em entrevista ao Fantástico, Humberto Gomes de Melo conta como conseguiu tornar a Santa Casa de Maceió auto-sustentável

seus 12%, mas alguns ainda não fazem isso.

longa, com 12 minutos, mostrando a gra-

São justamente os mais ricos que não cum-

vidade da situação das Santas Casas e da

prem essa obrigação, e o mesmo vale para

saúde no País. E perguntaram para a

Somos, hoje, o único hospital de Ala-

o governo federal, que não vem honrando

Confederação Nacional das Misericórdias

goas que conseguiu o selo de Acreditação,

com os seus 10%. No ano passado, o

se não tinha alguma Santa Casa em boa

que é a garantia de qualidade e seguran-

governo simplesmente deixou de encami-

situação ou que estivesse ao menos sem

ça na assistência ao paciente. Essa quali-

nhar para estados e municípios o mês de

dívidas. Disseram que tinha a Santa Casa

dade de excelência é conferida pela

dezembro. A partir de então tem se repas-

de Maceió e vieram aqui para ver de perto.

Organização Nacional de Adreditação.

sado sempre com mês de atraso. Então a

Estamos numa situação de destaque por-

Somos também a única Santa Casa do País

conta não fecha nunca.

que conseguimos honrar nossos compro-

em processo de Acreditação Internacional.

missos cobrindo o déficit do SUS com outras

Possivelmente no primeiro semestre do pró-

Enquanto a maioria das Santas

receitas, como as oriundas de operadoras

ximo ano vamos conseguir a Acreditação

Casas do Brasil passa por uma situa-

de saúde e de particulares. Muitas Santas

Canadense.

ção difícil, a de Maceió mostra que

Casas contam com a ajuda de governos esta-

é possível ser sustentável. Isso cha-

duais para subsidiar os valores repassados

Como surgiu esse trabalho?

mou a atenção e foi motivo até de uma

pelo Ministério da Saúde, que há mais de

Há 6 ou 7 anos que estamos traba-

reportagem do Fantástico, da Globo.

10 anos não corrige as tabelas do SUS.

lhando nesse processo, incluindo os inves-

Veja o que é o poder dos meios de

Alguns casos, como os dos exames de labo-

timentos em residência médica. Con-

comunicação... No dia 3 de agosto sairam

ratórios, há mais de 20 anos não são cor-

seguimos também tornar-se o único hos-

no Fantástico alguns segundos sobre a

rigidos. É impossível se conviver com os

pital de ensino não estatal de Alagoas na

Santa de Casa de Maceió. A reportagem foi

valores do SUS.

possibilidade de um dia podermos abrigar

Revista da Santa Casa de Maceió

24

www.santacasademaceio.com.br

Que conquistas o Sr. destaca na Santa Casa de Maceió?


Hospital Nossa Senhora da Guia e a Santa Casa Farol são alguns dos investimentos realizados na capital alagoana

uma faculdade de Medicina, como acon-

o primeiro hospital de Misericórdia da

Que outros investimentos?

teceu agora na parceria com o Cesmac que

América Latina a realizar tal investimento

Em 2009 criamos um hospital exclu-

foi autorizado pelo MEC a oferecer um

em todos os leitos, tanto pelo SUS como par-

sivamente para o SUS: o Hospital Materno

novo curso de Medicina para Alagoas.

ticular.

Infantil Nossa Senhora da Guia. Hoje, é o hospital que mais atende SUS. São cerca

São conquistas históricas, não? Nós conseguimos em novembro deste pitais. Os 63 maiores hospitais do País congregam a Associação Nacional dos Hospitais Privados a ANAHP. A Santa Casa de Maceió foi a primeira instituição, primeira Santa Casa, a fazer parte desse grupo. Hoje há uma troca de experiências muito grande com hospitais como o Albert Einstein, o Sírio Libanês, a Beneficência Portuguesa,

O entendimento da equipe econômica do governo é que saúde é gasto, quando na verdade é um importante investimento.

ano entrar para um grupo seleto de hos-

o AC Camargo e outros grandes hospitais do País.

de 450 partos realizados/mês. Cerca de 25% dos partos realizados em Maceió são feitos no Hospital Nossa Senhora da Guia. No ano passado fizemos uma parceria com o Cesmac e recebemos da instituição uma unidade hospitalar, que transformamos na Santa Casa Farol. Nessa unidade funciona hoje a Pediatria e a Obstetrícia que antes estava no complexo hospitalar da Santa Casa de Maceió. Tenho certeza que foi um presente à sociedade alagoana. Há a perspectiva de que os ido-

Inovação na saúde significa tam-

sos sejam 12,2% da população na

bém otimizar recursos para o setor?

O que são as bombas de infusão?

próxima década. Como a Santa Casa

Nós temos procurado trazer para Ala-

A bomba de infusão é a mesma que exis-

está se preparando para este cená-

goas, para a Santa Casa de Maceió, aqui-

te nas UTIs de todos os hospitais. O equi-

lo que de melhor existe. Conseguimos que

pamento dá uma segurança muito grande

Os leitos da maternidade do Instituto

nos fosse oferecido uma consultoria inter-

ao controle da aplicação da medicação.

da Mulher, que foram transferidos para a

nacional da Antares. Eles viram o trabalho

Aquela medicação não será nem mais nem

Santa Casa Farol, passaram a fazer parte

impressionante realizado em nossa área de

menos do que a dosagem prescrita pelo médi-

da recém criada Unidade Santa Ana e São

suprimentos e logística. Terminamos agora

co.A tecnologia é mais uma iniciativa visan-

Joaquim, especializada na assistência a pa-

de implantar bombas de infusão em todos

do o controle, qualidade e segurança do

cientes idosos. Hoje temos uma equipe

os leitos da Santa Casa de Maceió. Somos

paciente.

dedicada ao público idoso.

rio?

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

25


Recém criada Unidade Santa Ana e São Joaquim, especializada na assistência a pacientes idosos

Qual a sua opinião, hoje, sobre a via do consórcio para equilibrar a o-

Sobre o programa de residência, falase na ampliação desse programa.

ringologia e cardiologia. Nós temos a apro-

ferta do serviço da saúde, quando se

Nós partimos nesse processo de busca

vação para a cardiologia e para ortopedia,

trata de um hospital de alta, de média

de sermos reconhecidos como Hospital de

mas não tivemos inscritos em cardiologia

e de baixa complexidade?

Ensino. Para tanto nós investimos 150 mil

este ano. No próximo ano deveremos ofer-

tar também a oncologia cirúrgica e aumen-

região Norte do Estado. Nós temos hospitais em Arapiraca, Santana do Ipanema, mas não temos um hospital público de referência na Região Norte. Não é o consórcio que vai resolver. Experiências de consórcios em poucos lugares do País deram resultado. Sem dinheiro não se consegue fazer. Quando se fala em consórcio começa a discussão sobre onde vai ficar o hospital; o temor de que o prefeito da cidade fique com os "louros" do investi-

Quando se fala em consórcio começa a discussão sobre onde vai ficar o hospital; o temor de que o prefeito da cidadesede fique com os "louros" do investimento...

Nós temos aí um vácuo, sobretudo na

tar o número de residentes em cirurgia e em clínica médica. O que faz um hospital a ter baixos índices de infecção hospitalar? Um hospital que não se credencia e se preocupa em baixar esses índices pode cair no descrédito não é verdade? Não só cair no descrédito, mas é a possibilidade também de diminuir custos e de garantir a segurança assistencial aos pacien-

mento; e receio do prefeito em investir na

por mês no programa de residência médi-

tes. Este ano, inclusive, a comissão de infec-

cidade do outro; a dificuldade da popula-

ca, particularmente nas quatro residências

ção hospitalar comemorou 25 anos de

ção em ter de se deslocar para o outro muni-

básicas: clinica médica, clínica cirúrgica,

atuação, elencando entre as conquistas o

cípio.

ginecologia e obstetrícia e pediatria. Nós

reconhecimento como hospital sentinela

mantivemos essas quatro residências e abri-

pelo Ministério da Saúde.

Revista da Santa Casa de Maceió

26

mos ainda para anestesiologia, otorrinola-

www.santacasademaceio.com.br


Qual a conquista?

anos, foram mais de 1100 novos empre-

enorme no centro da capital alagoana. Hoje

Conseguimos ter um dos mais baixos

gos. Dizemos a Santa Casa gera por ano mais

temos unidades em outros bairros. Nós

índices de infecção hospitalar do país.

de 100 novos empregos. É como se tivés-

temos um plano diretor, temos o nosso pla-

Enquanto se tolera um percentuale de infec-

semos trazendo pra Alagoas a cada ano

nejamento estratégico, que é realizado

ção de até 8 %, e a média dos grandes hos-

uma fabrica Balduco ou um Hotel Radisson.

desde 2004 e é reavaliado a cada ano.

pitais é em torno de 2,4 %, a Santa Casa

Muitas desses novos colaboradores não

Investimos também na formação dos nos-

está com um indice de 1%. Isso é motivo

chegam com o preparo necessário.Têm que

sos gestores. No primeiro momento, 19 dos

de satisfação de orgulho para todos nós e

ser formadas dentro da instituição. E é isso

nossos dirigentes, que hoje são gerentes e

por isso é que temos que parabenizar essa

que temos procurado fazer com todos os nos-

coordenadores, formaram-se pela Fundação

equipe maravilhosa que vem fazendo esse

sos colaboradores da instituição Santa Casa.

Getulio Vargas, onde bancamos 80% dessa

trabalho na Santa Casa de Maceió.

esse selo de acreditação? Isso é um processo. E eu digo sempre que não é a simples busca de um selo, mas a perseguição pela segurança da assistência ao nosso paciente. Se já é difícil alcançar a acreditação em um hospital novo, construído dentro de todas as normas, imagine um hospital com 162 anos de existência galgar o mesmo objetivo. A Santa Casa procurou fazer isso adequando a sua infraestrutura, com a adesão de seus colaboradores. Criamos protocolos e indicadores para acompanhamento contínuo. Isso é um caminho sem volta. Desde o momento que ini-

Conseguimos ter um dos mais baixos índices de infecção hospitalar do país. Enquanto se tolera um percentual de infecção de até 8 % - e a média dos grandes hospitais é em torno de 2,4 % -, a Santa Casa está com um indice de 1%.

O que credencia um hospital a ter

formação em gestão de saúde. Ainda na condição de presidente do Sindicato dos Hospitais, o que pode ser feito junto ao Congresso Nacional, para resolver a questão do financiamento do setor saúde? Nós fazemos um trabalho a nível nacional reunindo entidades como a Federação Brasileira de Hospitais, a Federação das Misericórdias e a Associação Nacional de Hospitais Privados.Todos os meses membros dessas entidades se reúnem na busca de soluções junto com os parlamentares. E eu digo sempre que esse clamor das ruas precisa chegar realmente aos parlamentares e dirigentes desse país. Mais não é fácil. Na

ciamos não temos mais como voltar atrás.

Como presidente do sindicato dos

hora de se colocar recursos na saúde a

Isso é fruto do envolvimento de toda a ins-

hospitais, como chegar a essa cons-

área econômica do governo fica achando

tituição. A acreditação é diferentemente

ciência com outras unidades hospita-

que é gasto.

daquilo que existe em fabricas, de empre-

lares aqui em Alagoas?

sas que adotam a ISO que permite a qua-

No momento em que um movimento

lificação de um setor isolado dentro da orga-

como esse começa, outras instituições tam-

nização. A acreditação no setor saúde é

bém se interessam. Nós temos sentido isso

Hoje o orçamento para a saúde é de R$

diferente, tem que ser em sua totalidade.

não somente em Alagoas, mas em estados

40 bilhões. Para atender toda a população

vizinhos. Após termos sido notícia no

brasileira, seriam necessários R$ 230

Fantástico, já recebemos pedido de 12 ins-

bilhões adicionais, totalizando R$ 270

tituições de todo o país interessadas em conhe-

bilhões por ano para dar uma assistência

A Santa Casa de Maceió uma das maio-

cer o nosso hospital. A Santa Casa come-

igual a que os planos de saúde oferecem

res empregadoras do Estado. Nesses 11

çou pequena e hoje ocupa um quarteirão

hoje e olhe que já não são tão boas assim.

Qual a participação da Santa Casa na geração de empregos?

E quanto de recurso é preciso para a saúde?

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

27


CARDIOLOGISTA ALERTA

"Nenhum órgão está livre dos efeitos nocivos do fumo” O cardiologista Amilson Martins Pacheco Filho alerta que muitos desconhecem dos efeitos do tabagismo sobre outros órgãos

uando o assunto é tabagismo e cân-

Q

entram na corrente sanguínea. Alguns des-

veis por enfermidades graves, deixando

cer logo vem à mente os cânceres

tes produtos enviam sinais para o coração

muitas vezes sequelas, incapacitando o in-

de pulmão, de boca, de garganta e

e este passa a bater mais forte e mais rápi-

divíduo e levando a óbito.

todos aqueles afetados diretamente pela

do causando sua sobrecarga", detalhou

fumaça de cigarros, charutos, cigarretes etc.

Amilson Martins.

colesterol) e aumenta a probabilidade de

No entanto, poucos sabem dos efeitos

As substâncias tóxicas do tabaco lan-

aparecimento de placas de gordura nas

do fumo sobre outros órgãos como a pele,

çadas na corrente sanguínea também favo-

artérias, que podem provocar o infarto do

sistema digestivo, fígado, laringe, coração e

recem a contração dos vasos sanguíneos,

miocárdio. O fumo também aumenta o risco

o sistema circulatório, que reúne as artérias

tornando-os mais estreitos e forçando o

de trombose: formação ou desenvolvimen-

e veias que levam o sangue por todo o corpo.

sangue a percorrer um espaço menor. "A

to de um trombo (coágulo sanguíneo) pro-

"Ou seja, nenhum órgão está livre dos

associação desses efeitos pode causar

vocando obstrução parcial ou total do vaso

efeitos nocivos do fumo", alertou o car-

hipertensão arterial sistêmica (pressão alta)

sanguíneo. Ao longo do tempo estes efei-

diologista da Hemodinâmica da Santa Casa

com todas as suas consequências para o

tos aumentam em quatro vezes o risco de

de Maceió, Amilson Martins.

organismo", completou o especialista, lem-

infarto do miocárdio e de acidente vascu-

"Quando um indivíduo fuma, diversas

brando que os efeitos do tabaco no cora-

lar cerebral (derrame cerebral) comparan-

substâncias químicas tóxicas do tabaco

ção e sistema circulatório são responsá-

do com os não fumantes.

Revista da Santa Casa de Maceió

28

O fumo também reduz o LDL (bom

www.santacasademaceio.com.br


Considerado uma droga, o tabaco afeta a saúde é responsável por inúmeras doenças A nicotina é o princípio ativo do tabaco, usado nos cigarros e seus derivados como charutos. Considerada como uma droga, a exemplo da cocaína e do crack , a nicotina age na região do cédrebro relacionada como o prazer. A nicotina causa rápida dependência e alterações físicas, emocionais e comportamentais nos usuários. Ela entra na corrente sanguínea pelos pulmões e entre 7 a 19 segundos chega ao cérebro. 50 doenças graves estão relacionadas com o tabaco 1 Câncer de boca 2 Enfisema pulmonar 3 Parada cardíaca 4 Derrame cerebral

5 milhões de pessoas morrem por ano no mundo por causa do tabagismo

200 mil pessoas morrem todos os anos no Brasil por causa do tabagismo

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

29


ALERTA!

Calçado apertado é o primeiro passo para você ter joanete Calosidade no pé é de origem genética, mas sapato inadequado agrava problema

V

ocê já ouviu falar em joanete? Para os médicos, é uma saliência que

surge na cabeça do primeiro osso

metatársico, próximo à base do grande dedo do pé. Para o leigo é aquela calosidade que surge na base do dedão do pé, que cresce tanto ao ponto de entortar o dedo. O curioso do joanete é que existe um

fator genético por trás do problema, mas existe também um fator externo chamado sapato. Vejamos o caso do Japão. Antes do movimento de ocidentalização do país, os japoneses praticamente não registravam casos de joanete.Ao longo das décadas, com a crescente adesão à dupla terno e sapa-

Ortopedista Antônio Alício recomenda o uso de calçados folgados

to, o joanete passou a fazer parte das estatísticas.

A melhor forma de prevenir o proble-

o afastador de silicone, o aparelho de uso

"Cerca de 70% dos casos tem origem

ma é usar sapato com ponteira larga, evi-

noturno, elásticos além de massagens e

genética. A pessoa tem predisposição para

tando-se aqueles que afunilam e impren-

cremes.

desenvolver ou não a doença.Aí entra o fator

sam os dedos. No caso específico das mu-

A cirurgia ainda é a melhor alternati-

externo, que pode favorecer o surgimento

lheres, elas devem dar preferência para os

va para se ver livre do joanete, mas é pre-

do joanete", disse o cirurgião ortopedista

saltos com até 3 cm.

ciso escolher um especialista com experiência

Antonio Alício, coordenador da Residência

A ideia é usar sapatos que deixem os

em cirurgia do pé, uma vez que não existe

Médica em Ortopedia e do setor de cirur-

dedos livres, hábito que deve ser dissemi-

uma técnica padrão para retirar o joanete.

gia do pé da Santa Casa de Maceió.

nado ainda na infância, principalmente

"A complexidade das articulações exige

O problema do joanete é que ele não

entre as adolescentes, uma vez que o prob-

que se estude a melhor forma de se equa-

se restringe apenas ao dedo maior do pé,

lema é recorrente três vezes mais em mul-

cionar o problema e se execute a técnica

mas é progressivo e se espalha para os

heres do que em homens.

mais adequada a cada caso", acrescentou

demais dedos se não for tratado, chegan-

A má notícia é que depois de instala-

Antonio Alicio, lembrando que a Sociedade

do, em alguns casos, até mesmo a furar o

da, a doença não tem efeito curativo, só palia-

Brasileira de Ortopedia possui um cadas-

calçado do paciente.

tivo. Entre os tratamentos clínicos, liste-se

tro dos cirurgiões atuantes no país.

Revista da Santa Casa de Maceió

30

www.santacasademaceio.com.br


Revista Santa Casa de Maceió - nº 20  

Saúde, Santa Casa de Maceió

Revista Santa Casa de Maceió - nº 20  

Saúde, Santa Casa de Maceió

Advertisement