Issuu on Google+

Orgulho alagoano Empresa de Alagoas estĂĄ entre as cinco melhores do setor saĂşde no Brasil PĂĄginas 30 e 31


Sumário 5 SANTA CASA DE MACEIÓ O futuro começa agora

Dr. Humberto Gomes de Melo Provedor

Dr. Artur Gomes Neto

9 10 11

RISCOS Hospital investe em grupo de ferramentas para garantir segurança aos pacientes

BOMBAS DE INFUSÃO Hospital de AL implanta projeto pioneiro na administração de fármacos

SEPSE Protocolo salva a vida de 200 pessoas na Santa Casa de Maceió

20

MV2000 Implantação de sistema em 2005 integrou complexo hospitalar

22 CERTIFICAÇÃO

Instituição alagoana prepara-se para a Acreditação Canadense

25

ORTOPEDIA Emergência 24h amplia a capacidade de atendimento

Diretor-médico

Dr. Paulo de Lira Diretor administrativo/financeiro

Duílio Marsiglia Euclides Ferreira de Lima Francisco de Assis Gonçalves Giovani A. C. Albuquerque Ivone dos Santos João Augusto Sobrinho

13

“MANCHESTER” Protocolo de cores prioriza casos mais graves na Emergência

26 NA ÚLTIMA DÉCADA Santa Casa investe em novas unidades externas e internas

José Peixoto dos Santos Marcos Davi Lemos de Melo Milton Hênio de Gouveia

14

LOGÍSTICA

15

TECNOLOGIA

Câmara fria inteligente controla fármacos oncológicos de alto custo

Plataforma Bionexo otimizou processo de compras para a Santa Casa

28 RESGATE HISTÓRICO

Cônego João José de Santana Neto

30

Antonio Noya

Santa Casa volta a ter título de Hospital de Ensino após 40 anos

NO SETOR SAÚDE Empresa alagoana está entre as cinco melhores do Brasil

Mesa Administrativa

Assessor de comunicação 44 MTE/AL

Theodomiro Jr.

16

EM DEZ ANOS “Santa Casa de Maceió gerou empregos equivalentes a dez fábricas da Bauducco”

32

DATASUS Santa Casa de Maceió é o hospital que mais interna pelo SUS em AL

Jornalista 535 MTE/AL

Sílvio Romero Fotografia e arquivo

18 19

EDUCAÇÃO Creche-escola proporciona atendimento integral

PREVENÇÃO Santa Casa forma maior brigada contra incêndios de AL

34 MÉDIA COMPLEXIDADE Filantrópica lidera ranking de cirurgias pelo SUS em Alagoas

37

Assessoria de Comunicação da

OUTROS NÚMEROS Santa Casa é destaque em internações de pacientes clínicos

Revista da Santa Casa de Maceió

4

Revista produzida pela

www.santacasademaceio.com.br

Santa Casa de Misericórdia de Maceió Tiragem: 10 mil exemplares


Provedor da Santa Casa de Maceió, Humberto Gomes de Melo

SANTA CASA DE MACEIÓ

O futuro começa agora o dia 30 de julho de 2003, o então

N

de Maceió celebra também os dez anos de

nização das infraestruturas física e tec-

vice-provedor da Santa Casa de

gestão do provedor Humberto Gomes de Melo.

nológica, assim como na área de supri-

Misericórdia de Maceió, Humberto

No atual contexto, onde mais de duas

Gomes de Melo, assumiu os destinos da

mil Santas Casas e hospitais filantrópicos

O esforço para modernizar uma insti-

instituição após a renúncia do provedor

brasileiros acumulam dívidas que ultrapas-

tuição com mais de 160 anos, tendo como

Lourival Nunes da Costa. Nesta data teve

sam os R$ 11,8 bilhões, a Santa Casa de

base o equilíbrio de receitas, despesas e inves-

início uma discreta e progressiva revolução

Maceió tornou-se exemplo de excelência

timentos, pode ser comprovado por meio

nas áreas gerencial, assistencial, tecnoló-

administrativa, de autossustentabilidade

da linha do tempo (ver infográfico), que

gica e física deste, que é o mais antigo com-

financeira, de profissionalismo gerencial, de

reúne algumas das principais realizações da

plexo hospitalar de Alagoas.

humanização na assistência, de qualificação

gestão do provedor Humberto Gomes de

de talentos, além de exemplo de moder-

Melo.

Ao comemorar 162 anos, a Santa Casa

mentos e logística, dentre outros.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

5


Encontro com membros da Irmandade da Santa Casa de Maceió celebrou os dez anos da atual gestão da instituição

Título de Hospital de Ensino está na lista de conquistas

E

m recente encontro da Irmandade da

gestantes e colaboradores e checar docu-

Santa Casa de Maceió, o provedor

Outra importante conquista foi o selo

mentos e rotinas da maternidade, a audi-

Humberto Gomes de Melo emocio-

Iniciativa Hospital Amigo da Criança, con-

toria comprovou que a unidade atendia

nou-se ao relatar as conquistas de sua ges-

cedido pelo Unicef e pelo Ministério da

aos dez passos da amamentação defini-

instituição. Dentre as conquistas mais recentes elencadas no evento pelo executivo, destaque para a certificação da Santa Casa de Maceió como Hospital de Ensino. Após 40 anos de espera – desde que deixou de ser campo de aprendizado da Faculdade de Medicina – e após inúmeros investimentos em ensino e pesquisa, finalmente os ministérios da Saúde e da Educação conferiram o certificado à instituição em portaria publicada no Diário Oficial. Com esse “status” fica aberto o cami-

Outras conquistas importantes foram a Acreditação e o selo Iniciativa Hospital Amigo da Criança, concedido pelo Unicef e pelo Ministério da Saúde ao Hospital Nossa Senhora da Guia

tão e o atual momento histórico vivido pela

6

Superiores de Maceió (Cesmac).

dos pelo Unicef. Na lista de conquistas constam ainda o reconhecimento da Anvisa como Hospital Sentinela; e da revista Isto É Dinheiro, em 2008, como uma das cinco melhores empresas do País em Sustentabilidade Financeira, e agora, em 2013, os critérios Sustentabilidade financeira, Governança corporativa, Inovação e qualidade, Recursos humanos e Responsabilidade social e meio ambiente. No campo da expansão e criação de novos serviços, o provedor Humberto Gomes de Melo elencou a Unidade Cônego

nho para a implantação da futura Faculdade

Saúde ao Hospital Nossa Senhora da Guia.

João Barbosa Cordeiro e a Santa Casa de

de Medicina, que será criada em parceria

Para receber o selo, a unidade passou por

Maceió Unidade Farol, a primeira já em

com a Fundação Educacional Jayme de

uma criteriosa auditoria realizada por téc-

funcionamento e a segunda com inaugu-

Altavila, mantenedora do Centro de Estudos

nicos do Ministério da Saúde. Após ouvir

ração prevista para janeiro de 2014.


Santa Casa de Maceió Unidade Farol;

Algumas das principais realizações da Santa Casa de Maceió na última década

Acreditação Plena Nível 2 – ONA; Protocolo SEPSE salva 325 vidas (52% redução da mortalidade); Plano de Cargos e Carreiras; Antares - Parceria internacional

20 20

2003-2013

20 Nova CAF (Central Abastecimento Farmácia) Nova sistemática de suprimentos e logística; Prêmio Estadual da Qualidade; Consolidação da parceria com a Bionexo

11 20 20

Prêmio de Sustentabilidade Financeira no Setor Saúde concedido por IstoÉ Dinheiro

20 20

Nova sistemática de relacionamento com operadoras de planos de saúde; Novo Centro de Estudos

Nova estrutura organizacional; Plano de saúde colaboradores

2 20

03

20 0 20

20

6

05

09

08

13

12

Certificado Hospital de Ensino pelo MEC/MS; Adesão à Acreditação Internacional Canadense; Unidade Cônego João Barbosa Cordeiro na Unidade Docente Assistencial Rodrigo Ramalho; Parceria Fejal/Cesmac; Selo Iniciativa Hospital Amigo da Criança

07 Diagnóstico do IQG/ONA; Novo Centro de Oncologia; Lançamento do Vida & Saúde; Pós-graduação em Psicologia Hospitalar SCMM/USP

4 00 Diagnóstico institucional; Planejamento Estratégico

10

14

Implantação do sistema MV; Rede Sentinela (Anvisa); Novo Centro Cirúrgico

Cartão Vida & Saúde Prêmio no 1º Congresso Nacional de Hospitais; Gestão por Competência Inauguração do Hospital Nossa Senhora da Guia; Inauguração da Unidade Assistencial Rodrigo Ramalho; Acreditação Nível 1; Prêmio Hospital Referência

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

7


Santa Casa de Maceió - Unidade Farol, que receberá a Emergência Pediátrica e Obstétrica de convênios e planos de saúde. A nova unidade será inaugurada em janeiro de 2014

Entre os investimentos, destaque tam-

Nas áreas Assistencial, TI e de Logística

dor Humberto Gomes ressaltou alguns inves-

bém para a modernização e a ampliação do

foram realizados diversos investimentos foca-

timentos que justificam o título que abre este

Centro de Oncologia Lourival Nunes da Cos-

dos na segurança do paciente, entre eles,

especial: “Para a Santa Casa, o futuro já co-

ta; a criação da Unidade Docente Assis-

adoção de protocolos assistenciais, como o

meçou”. Entre tais investimentos está o sis-

tencial Rodrigo Ramalho, que modernizou

de Sepse; implantação de monitores nos pos-

tema de controle e resfriamento de medica-

o antigo Ambulatório do SUS e o transfe-

mentos oncológicos, que permite o rastrea-

ma de Maceió; a inauguração do Hospital Nossa Senhora da Guia, com destaque para o pioneirismo da implantação do primeiro Grupo de Trabalho da Humanização em maternidades alagoanas; a climatização de todas as enfermarias, a implantação do Posto de Coleta de Leite Humano etc.

Novos investimentos em tecnologia focam na segurança do paciente e sinalizam: o futuro já começou

riu para um prédio próprio na orla maríti-

fabricado, passando pela sua retirada no Serviço de Farmácia e chegando até a solicitação automática de reposição de estoque. Outro investimento, em implantação, é um sistema de controle de bombas de infusão, que atenderá a todos os leitos da instituição e reduzirá a zero o risco

Na área da qualidade e segurança assis-

tos de enfermagem para acompanhamento

de erros na administração de medicamen-

tencial, merecem destaque também a con-

individual dos pacientes internados e de

tos, soros etc. A inovação repousa no

quista dos níveis 1 e 2 da Acreditação pelo

monitores, na Emergência 24 Horas, para

fato de que as bombas integrarão uma

Instituto Qualisa de Gestão/Organização

controle de prioridades no atendimento; ado-

rede digital, que será centralizada nos

Nacional de Acreditação; e a adesão da Santa

ção de uma plataforma para aquisição de equi-

postos de enfermagem por meio de pai-

Casa de Maceió ao programa de qualifica-

pamentos e medicamentos, via pregão ele-

néis, que permitirão aos profissionais

ção Acreditação Internacional Canadense,

trônico, proporcionando uma economia de 20

de saúde acompanhar cada bomba de

sendo a primeira Santa Casa do País a inves-

milhões no período, dentre outros.

infusão. Como se vê, o futuro apenas

tir nesta certificação.

Ao encerrar sua apresentação, o prove-

Revista da Santa Casa de Maceió

8

mento de cada item no momento em que é

www.santacasademaceio.com.br

começou.


RISCOS

Ferramentas garantem segurança no atendimento aos pacientes

A

Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que dezenas de milhares de pessoas sofram danos evitá-

veis em hospitais, ao redor do Planeta, duran-

te os atendimentos ambulatorial e hospitalar. Na Europa, estudos sobre a Qualidade da Atenção Hospitalar mostram que um em cada grupo de dez pacientes sofre danos evitáveis e eventos adversos. Mas o que impressiona mesmo é que 60% dessas ocorrências têm relação direta com erros na administração de medicamentos ao paciente, como o que ocorreu no Rio de Janeiro, onde uma idosa morreu após receber sopa na veia.

Médicos fazem check-list antes de cirurgias

Para prevenir erros em procedimentos, a Santa Casa de Maceió vem investindo há

CLASSIFICAÇÃO

de enfermagem, que possibilita correlacio-

anos em protocolos, tecnologias e ferramen-

A classificação de dependência de cui-

nar, de forma objetiva, a carga de trabalho

tas, como a classificação de dependência de

dados da enfermagem é uma ferramenta

de enfermagem com o quantitativo de pes-

cuidados da enfermagem, os sistemas de

que permite gerenciar o tempo de enfer-

soal disponível.

classificação NAS (Nursing Activities Score)

magem que cada paciente precisa, levan-

e Fugulin, além de vários equipamentos,

do-se em consideração a condição clínica

VENOSCÓPIO

como o venoscópio, o hipodermóclise e o sis-

do paciente.

Equipamento que utiliza emissões de

tema de monitoramento a distância de infusão intravenosa.

infravermelho para visualizar a veia do FUGULIN

paciente, garantindo maior precisão e segu-

Destaque também para diversos proto-

É uma ferramenta validada pelo Con-

rança no momento da punção.

colos específicos, como os de sepse, úlce-

selho Federal de Enfermagem, utilizada na

ras, quedas, transporte intra-hospitalar, entre

classificação de pacientes e no cálculo de

HIPODERMÓCLISE

outros, que integram uma extensa lista de

lotação das áreas.

Método para infusão subcutânea de

protocolos que regem as rotinas dos mais

medicamentos, o qual permite a punção

diversos profissionais e setores da área

NAS

de outras partes do corpo em substituição

assistencial da Santa Casa de Maceió.

O NAS (Nursing Activities Score) é o

ao braço ou ao pescoço (acesso central),

Confira algumas das iniciativas focadas na

mais moderno e abrangente sistema de

em pacientes de cuidados paliativos ou de

segurança do paciente.

classificação de necessidades de cuidados

longa permanência.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

9


Bombas de infusão serão acompanhadas à distância nos postos de enfermagem

BOMBAS DE INFUSÃO

Hospital de AL implanta projeto pioneiro na administração de fármacos

A

Santa Casa de Maceió é o primeiro

Para evitar erros assistenciais e tornar o

gramar o equipamento, instalar o medicamen-

complexo hospitalar da América

atendimento ao paciente mais seguro, hospi-

to ou alimentação parenteral e enteral e trocá-

Latina a implantar um sistema de

tais de todo o mundo passaram a adotar as

lo no momento adequado.

controle de bombas de infusão, com conec-

chamadas bombas de infusão.São equipamen-

tividade através de rede informatizada e moni-

ro a cobrir 100% dos leitos hospitalares, uma vez que a tecnologia geralmente é utilizada em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). De igual forma, a Santa Casa de Maceió é um dos poucos hospitais do País a adotarem um sistema inteligente para armazenamento, resfriamento e controle de medicamentos de alta complexidade em Oncologia. As duas iniciativas visam racionalizar a gestão do estoque de fármacos e, sobretudo, evitar a possibilidade de erros na administração de medicamentos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, em todo o mundo, de cada dez

Sistemas de comunicação interligarão as bombas de infusão - instaladas em cada leito - a painéis nos postos de enfermagem, permitindo o acompanhamento a distância dos equipamentos

toração a distância, projeto que será o primei-

das em pequena escala, geralmente em UTIs, o trabalho é reduzido. Mas, quando a iniciativa ganha a proporção de cobrir todos os mais de 300 leitos, como será o caso da Santa Casa de Maceió, o desafio se torna maior, a ponto de o presidente da empresa alemã BBraun anunciar sua vinda a Alagoas para visitar a instituição e conferir o sistema de perto quando estiver concluído. A inovação da Santa Casa de Maceió e o desafio aceito pela BBraun dizem respeito à implantação de sistemas de comunicação que interliguem as bombas de infusão a painéis de

tos instalados nos leitos, que liberam injetáveis

LED em cada posto de enfermagem, de forma

para o paciente, seguindo uma programação

que a equipe possa acompanhar, a distância, a

específica definida pela área assistencial.

operação das bombas e intervenha no momen-

pacientes internados em hospitais, um é víti-

Um problema comum a todos os hospitais

to planejado. “Esse é o grande diferencial que

ma de eventos adversos, sendo que 60% des-

que possuem as bombas de infusão é a neces-

tornará esse sistema pioneiro na América

sas ocorrências têm relação direta com erros

sidade da presença do profissional regular-

Latina”, disse o provedor Humberto Gomes de

na administração de medicamentos.

mente nos leitos para checar o prontuário, pro-

Melo.

Revista da Santa Casa de Maceió

10

Como as bombas de infusão são utiliza-

www.santacasademaceio.com.br


SEPSE

Protocolo salva a vida de 200 pessoas na Santa Casa de Maceió Protocolo de Sepse, uma das

O

o paciente à morte, por isso a importância

FERRAMENTAS DE SEGURANÇA

várias ferramentas de gestão ado-

de um protocolo específico para lidar com

Os protocolos, assim como os indi-

tadas pela Santa Casa de Maceió

a situação e, sobretudo, de uma equipe

cadores assistenciais e os chamados

para garantir a segurança dos pacientes, sal-

multidisciplinar capacitada para identificar

“check-list”, são ferramentas de gestão

vou a vida de 200 pessoas que apresenta-

os primeiros sinais do problema e iniciar o

que, em conjunto, têm como foco a segu-

ram os sintomas de sepse no período de

atendimento emergencial.

rança do paciente. A implantação de pro-

janeiro de 2012 a março deste ano.A sepse

A sepse é responsável por 25% da ocu-

cessos, o treinamento de pessoal, além

é uma resposta desordenada e sistêmica do

pação de leitos em UTIs no Brasil e regis-

de auditorias internas e externas, com-

organismo a um agente infeccioso, que

tra uma das maiores taxas de letalidade

plementam o arcabouço de iniciativas

acaba agravando o problema e levando o

no mundo. Atualmente é a principal causa

adotadas pela Santa Casa de Maceió,

indivíduo a um quadro de infecção gene-

de morte nas Unidades de Terapia Intensiva

que conferiram à instituição o nível 2 da

ralizada.

(UTIs) e uma das principais causas de mor-

Acreditação e que abriram espaço para

Se não identificada na primeira hora

talidade hospitalar tardia, superando até

a adesão à Acreditação Internacional

do início dos sintomas, a sepse pode levar

mesmo o infarto do miocárdio e o câncer.

Canadense.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

11


“Erro é oportunidade de melhoria, não de punição” A Santa Casa de Maceió aderiu ao movi-

que sempre acompanham os profissionais

nuas é possível reavaliar os processos e esta-

mento para a segurança do paciente, enca-

que cometem erros por uma nova abordagem:

belecer novos protocolos, corrigindo even-

beçado pela Organização Mundial de Saúde

a de “repensar os processos assistenciais”.

tuais distorções.

(OMS) e chancelado pelas entidades Orga-

Seguindo esse princípio, a Santa Casa de

Há estudos que indicam que os profis-

nização Nacional Acreditação, Acreditação

Maceió substituiu a punição pela discussão

sionais de enfermagem de hospitais dedicam

Internacional Canadense, entre outras.

em grupo das não-conformidades, visando

entre 30% e 40% de seu tempo ao manu-

Nesse arcabouço de iniciativas focadas na

antecipar ocorrências antes que causem

seio de medicamentos, o que aumenta as chan-

segurança assistencial, uma delas se desta-

danos aos pacientes no futuro. Por meio de

ces de erro se não houver uma política foca-

ca: a substituição “da culpa e da vergonha”

indicadores assistenciais e auditorias contí-

da em segurança no hospital.

Painel assistencial informa dados sobre o paciente nos postos de enfermagem

Painéis com dados de pacientes reforçam segurança assistencial Focando em iniciativas que visem à

prontuário e nos registros do paciente,

co a determinada droga ou portador de dia-

segurança assistencial, a Santa Casa de

como administração de medicamentos, res-

betes, o que leva a equipe a adotar roti-

Maceió vem investindo em tecnologias que

trições alimentares, doenças pré-existentes,

nas específicas para cada paciente.

permitem o acompanhamento a distância

situação de alta, entre outros.

dos pacientes. Para tanto, cada Posto de

Cada informação sobre o paciente apa-

le informatizado dos pacientes alia-se a

Enfermagem do complexo hospitalar rece-

rece no painel em formato de ícone, o que

outro importante projeto, o do prontuário

beu um painel de LED, através do qual a

facilita a análise do acompanhamento

eletrônico, que busca modernizar as roti-

equipe de enfermagem visualiza o nome

assistencial. Dessa forma, a equipe de

nas e a interação entre a equipe multidis-

do paciente, o leito, além de diversas infor-

enfermagem visualiza facilmente no pai-

ciplinar e os diversos setores envolvidos

mações que precisariam ser checadas no

nel, por exemplo, que o paciente é alérgi-

no atendimento assistencial.

Revista da Santa Casa de Maceió

12

A implantação do sistema de contro-

www.santacasademaceio.com.br


Painel apresenta "status" de pacientes em atendimento

“MANCHESTER”

Protocolo de cores prioriza casos mais graves na Emergência

Q

dimento.

ou um paciente com fratura na perna que che-

tou, na Emergência 24 Horas, o Protocolo de

poderá ser de até 4 horas, mas que pode ocor-

gou depois? E o que dizer da paciente que

Manchester, que estratifica os pacientes em

rer em questão de minutos, caso o fluxo de

deu entrada em choque em relação a quem

cores, de acordo com o grau de gravidade de

pacientes mais graves seja pouco.

está com virose? Quem tem prioridade?

cada um.

uem deve ser atendido primeiro?

da cor vermelha (Emergência Absoluta), cujo

Um paciente com resfriado, mas

Para racionalizar o uso dos serviços de

atendimento deve ser imediato. O tempo

que chegou primeiro à Emergência,

emergência, a Santa Casa de Maceió implan-

máximo é o da cor azul (Sem Urgência), que

Para se ter uma ideia de como as pes-

Com a classificação de risco por cores,

soas usam indevidamente os serviços de

A pergunta é pertinente em virtude de

o paciente não precisa apresentar documen-

emergência, dos 5.800 pacientes que recor-

uma realidade que está fora dos hospitais,

tos pessoais tão logo chegue à Emergência

rem mensalmente à Emergência 24 Horas,

mas que afeta os serviços de emergência e de

24 Horas.Ao ingressar na recepção, o pacien-

80% se enquadram nas categorias Verde

urgência em todo o País. Com as deficiências

te retira uma senha e, ao ser chamado, é

(Pouca Urgência) e Azul (Sem Urgência). São

enfrentadas nos postos de saúde e em

encaminhado direto para a sala de triagem,

pacientes que não apresentam risco iminen-

minipronto-socorros, além da demora em se

onde uma enfermeira analisará o quadro clí-

te de morte e que se encontram em estado

conseguir uma consulta eletiva via plano de

nico e entregará o bracelete colorido, indi-

não-urgente. São casos que podem aguar-

saúde, muitas pessoas acabam lotando as

cando o nível de gravidade e o tempo máxi-

dar atendimento ou que poderiam ser trata-

emergências dos hospitais em busca de aten-

mo para atendimento. O tempo mínimo é o

dos em consultórios ou postos de saúde.

Quem deve esperar?

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

13


LOGÍSTICA

Câmara fria inteligente controla fármacos oncológicos de alto custo A câmara fria inteligente do Serviço de Farmácia da Santa Casa de Maceió utiliza o que há de mais moderno em logística de suprimentos no mundo: senhas de acesso, leitura de etiquetas por radiofrequência (RFID), envio de alertas por e-mail e torpedo, comunicação “on-line” automática (entre a instituição e o fabricante do medicamento), sistema inteligente de compras e de entrada e saída de medicamentos, emissão de relatórios, controle automatizado de temperatura, entre outros. O novo sistema de armazenamento de fármacos de alto custo em Oncologia envolve desde a embalagem do produto na linha

Humberto Gomes (C) ouve explicações sobre o funcionamento da mais recente tecnologia (ao

de produção até o momento em que a câma-

ratura de chegada, dentre outros.

mento está chegando ao fim. Ao ser embalado na distribuidora, cada medicamento recebe uma etiqueta eletrônica, a qual oferece aos sistemas de controle do fabricante e do comprador diversas informações sobre o produto, como o princípio ativo, a temperatura de armazenamento e até o local onde será entregue. Ao chegar ao local de recepção, o fármaco é transportado para a câmara fria, onde um sensor de radiofrequência faz a leitura automática do “chip” e emite um aviso ao fornecedor, confirmando a entrega do produto. Dessa forma, o fabricante pode

Quando o nível do estoque chega a um

on-line conseguimos manter um controle

patamar pré-determinado, o próprio equipa-

inteligente de nossos estoques, evitando

perdas, excessos ou falta de medicamentos

Quando o nível do estoque chega a um patamar pré-determinado, o próprio equipamento solicita automaticamente ao fornecedor o envio de uma nova remessa.

ra fria “percebe” que o estoque do medica-

e garantindo, sobretudo, a segurança no armazenamento do produto”, resumiu Severino Moura. RÍGIDO CONTROLE - Além do controle inteligente de estoque, o novo sistema utiliza algumas ferramentas inovadoras para garantir o rígido controle de temperatura dos medicamentos. Esses fármacos podem sofrer alterações se não for obedecida a faixa de tolerância de temperatura, que fica entre 2°C e 8°C.Ao se aproximar desses limites, o pró-

rastrear a encomenda e avaliar índices como

mento envia um comunicado ao fornece-

prio equipamento envia torpedos de alerta

o tempo de transporte da carga, a tempe-

dor, solicitando automaticamente o envio

por celular e mensagens eletrônicas (e-mail)

Revista da Santa Casa de Maceió

14

de nova remessa. “Com essa ferramenta

www.santacasademaceio.com.br


TECNOLOGIA

Plataforma Bionexo otimizou compras para a Santa Casa A adesão à plataforma Bionexo - para

fornecedores de todo o País. Pelo méto-

a aquisição, via compras eletrônicas, de medi-

do tradicional de compra, seriam, no máxi-

camentos, próteses, órteses e equipamen-

mo, quatro respostas.

tos – foi uma das grandes conquistas da

Outra medida adotada pela Santa Casa

Santa Casa de Maceió na área gerencial,

é a avaliação das mercadorias no ato do

na última década. A ferramenta trouxe

recebimento do material. Cerca de 99% de

uma economia de 20 milhões para a ins-

tudo o que é comprado pela instituição

tituição no período de 2010 a 2012, o que

passa por uma avaliação, que leva em conta

permitiu compensar parcialmente o défi-

questões como temperatura, condições de

cit do Sistema Único de Saúde.

armazenamento e prazo de validade. Essa

Implantada em 2009, a plataforma eletrônica de compras Bionexo alcança hoje 92% das

(ao fundo) adotada pela Santa Casa de Maceió

aquisições da Santa

para as equipes de plantão adotarem as

Casa de Maceió.

providências previstas no protocolo.

Além da economia,

Por meio do módulo de compras eletrônicas, a Santa Casa de Maceió recebe propostas de todo o País, o que amplia as oportunidades de aquisições e, por tabela, resulta na redução dos gastos

rotina resultou na redução de não conformidades de 24,73%, em 2010, para apenas 1,64% em 2012,garantindo a confiabilidade dos produtos utilizados pelo hospital.

Dessa forma, mesmo havendo interrup-

um dos grandes des-

ção no fornecimento de energia da rede

taques da ferramen-

pública ou dos geradores, é possível adotar

ta é que ela permite

o plano de contingência, em tempo hábil,

um alto grau de

de forma a evitar perdas. Os medicamentos

transparência

oncológicos de alta complexidade são fár-

gestão, evitando per-

macos caros, que representam 35% dos

das e profissionalizando a gestão de supri-

tico, que passou de 32 dias, em 2009,

estoques da instituição, por isso a importân-

mentos e logística.

para 18 em 2012, também é um exem-

cia dessa tecnologia para a Santa Casa de

da

EFICIÊNCIA A redução do tempo médio de estoque da Central de Abastecimento Farmacêu-

Por meio de compras eletrônicas, a

plo de eficiência no tocante à logística de

Santa Casa de Maceió recebe propostas

medicamentos. Cerca de 82% do que é

O novo equipamento dispensa a presen-

de todo o País, o que amplia as oportu-

comprado pela instituição é consumido no

ça humana para controle de temperatura,

nidades de aquisições, e, por tabela, resul-

mesmo mês e menos de 1% está esto-

garantindo que sejam adotados os proce-

ta na redução dos gastos.

cado há mais de um ano. Quando o esto-

Maceió.

dimentos necessários à preservação dos fár-

No momento em que a cotação é

que está parado, significa que o dinhei-

macos e, por tabela, à segurança do pacien-

publicada na Internet, a ferramenta rece-

ro foi aplicado e que não está havendo

te que receberá tais medicamentos.

be uma média de 30 a 50 respostas de

retorno.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

15


Auxiliares de enfermagem da Santa Casa se formam como técnicas de enfermagem em curso patrocinado pela instituição

EM DEZ ANOS

“Santa Casa de Maceió gerou empregos equivalentes a dez fábricas da Bauducco”

A

o longo da última década, a Santa

fosse inaugurada uma nova fábrica Bauducco

Rodrigo Ramalho, e da ampliação e

Casa de Maceió foi importante não

ou um Hotel Radisson em Maceió”, com-

modernização de serviços como o Cen-

apenas para a saúde da população,

parou Humberto Gomes de Melo, referin-

tro de Oncologia, a Emergência 24 Ho-

do-se à criação de postos de trabalho.

ras, as unidades internas Irmã Inocência

mas também para o mercado de trabalho em Alagoas. No período foram gerados

Esse resultado é fruto direto do in-

e João Fireman, a Hemodinâmica, a Ra-

nada menos que 1.009 novos empregos dire-

vestimento em novas unidades, como o

dioterapia, a unidade Diagnósticos San-

tos, o que totaliza cem novos postos de

Hospital Nossa Senhora da Guia e a

ta Casa, a Creche São Vicente de Paulo,

trabalho por ano. “É como se, a cada ano,

Unidade Docente Assistencial Professor

entre outros.

Revista da Santa Casa de Maceió

16

www.santacasademaceio.com.br


R$ 2,8 mi investidos em prol do colaborador

A

Santa Casa de Maceió investiu, só em 2012, mais de R$ 2,8 milhões em benefícios diretos e indiretos

aos seus 2.056 colaboradores. No cálculo entram iniciativas como pagamento de 80% do plano de saúde dos colaboradores, entre-

ga de cestas básicas dentro do Programa de Assiduidade da instituição, eventos de confraternização realizados ao longo do ano, investimentos em visitas técnicas, formação e capacitação na área de Treinamento e Desenvolvimento (T&D), ginástica Colaboradores em palestra numa das salas do Centro de Estudos da instituição laboral e na creche-escola para os filhos dos colaboradores, dentre outros. Confira mais

PLANO DE SAÚDE

EVENTOS E GINÁSTICA LABORAL

detalhes.

Atualmente, mais de 1.800 colaborado-

A Santa Casa de Maceió vem congregan-

res se beneficiam com o subsídio de 80% do

do seus colaboradores por meio de diversos

PCC

plano de saúde Unimed, um dos únicos em

encontros festivos, como Natal, São João,

A Santa Casa de Maceió tornou realida-

Alagoas a ter esse nível de cobertura no setor

Dia das Mães e aniversário de fundação da

de, em dezembro de 2012, um antigo sonho na área de Gestão de Pessoas: a implantação dro de pessoal da instituição que priorize e estimule o desempenho de cada colaborador em sua função. A implantação do PCC resultou na modernização da estrutura organizacional de alguns cargos e funções sem grande impacto financeiro na folha salarial. De igual forma, não ocorreu redução nos vencimentos dos colabora-

Ao ingressar na Santa Casa de Maceió, um colaborador que desembolsar R$ 300,00 com o seu plano de saúde passará a pagar apenas R$ 60,00. Os outros R$ 240,00 serão assumidos pela instituição

de um Plano de Cargos e Carreiras para o qua-

dores, conforme diretriz estabelecida pela instituição. A estruturação e os conceitos do PCC

instituição. De igual forma, em parceria com o Sesi, vem investindo na saúde dos colaboradores por meio da chamada ginástica laboral. TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO A Santa Casa vem investindo em cursos de capacitação profissional, na participação em congressos e visitas técnicas a outras instituições e na formação profissional de colaboradores por meio de ajuda de custo. Já o Programa de Assiduidade entregou uma média men-

contaram com a parceria da Leme Consultoria,

empresarial. Num exemplo simples, ao ingres-

sal de 430 cestas básicas aos colabora-

uma das empresas mais respeitadas do País

sar na Santa Casa de Maceió, um colabora-

dores que mantiveram 100% de presen-

na área de gestão de pessoas, e com a Totvs,

dor que desembolsar R$ 300,00 com o seu

ça no local de trabalho. Iniciado em

uma das seis mais prestigiadas empresas de

plano de saúde passará a pagar apenas R$

2008, o programa considera itens como

software do mundo, para implantar e opera-

60,00. Os outros R$ 240,00 serão assumidos

pontualidade e ausência de penalidades

cionalizar o sistema de gestão do PCC.

pela instituição.

no mês avaliado.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

17


Creche-escola atende 105 filhos de colaboradores

EDUCAÇÃO

Creche-escola proporciona atendimento integral Com capacidade para atender 105

participam do ciclo de avaliação, obje-

ponsabilidade e complexidade) mapea-

crianças, de 0 a 6 anos, a Creche São Vicente

tivando desenvolver o quadro de pro-

das e estabelecidas pela instituição,

de Paulo destina-se aos filhos dos colabo-

sendo um dos critérios de promoção

ga e de uma equipe formada por professoras e atendentes, a Santa Casa de Maceió vem investindo no plano pedagógico da creche, o que inclui atendimento integral à criança, aquisição de brinquedos e playground, alimentação, entre outros. GESTÃO POR COMPETÊNCIAS A Santa Casa implantou, em 2010, a primeira etapa do Programa de Avaliação por Competências, sensibilizando e capacitando 1.451 colaboradores

A Santa Casa de Maceió tem realizado diversos projetos e ações, visando à segurança e à prevenção de acidentes. Entre eles estão a campanha anual de vacinação, o programa Cuidados da Gestante, entre outros

radores. Com a supervisão de uma pedago-

SEGURANÇA E PREVENÇÃO Além de realizar exames periódicos e disponibilizar Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), a Santa Casa de Maceió tem realizado diversos projetos e ações, visando à segurança e à prevenção de acidentes. Entre eles estão a elaboração do laudo geral de insalubridade/periculosidade, a campanha anual de vacinação, o programa Cuidados da Gestante, a sala de descanso do colaborador, o Serviço de Proteção Radio-

em parceria com a Leme Consultoria.

fissionais, tendo como base as compe-

lógica, o Comitê de Restrições Laborativas

Anualmente, todos os colaboradores

tências (comportamentais, técnicas, res-

e o Comitê de Acidentes do Trabalho.

Revista da Santa Casa de Maceió

18

do Plano de Cargos e Carreiras.

www.santacasademaceio.com.br


Brigadistas formam o maior grupo de combate e prevenção de incêndios entre empresas alagoanas

PREVENÇÃO

Santa Casa forma maior brigada contra incêndios de AL Um grupo de 302 colaboradores das

lado os teclados para se familiarizar com

te, fez um exercício de rapel, descendo,

áreas assistencial e administrativa da Santa

os extintores de incêndio. Já o pessoal do

com o auxílio de cordas, um dos viadutos

mais movimentados e altos da capital ala-

brigada de combate a incêndios de Alagoas, segundo o Corpo de Bombeiros. Com investimento superior a R$ 80 mil, o treinamento abordou temas como psicologia do pânico, combate a incêndio, ambiente confinado e salvamento de vítimas em altura. O grupo passou seis meses por uma série de aulas teóricas e exercícios práticos, que simularam situações de perigo. O treinamento preparou os participantes para atuar em casos de emergência e de risco dentro do complexo hospitalar. Técnicos de enfermagem trocaram as

Grupo passou, durante seis meses, por uma série de aulas teóricas e exercícios práticos, que simularam situações de perigo. O treinamento preparou os participantes para atuar em casos de emergência no hospital

Casa de Maceió forma atualmente a maior

goana. Nos exercícios práticos foi possível observar os limites individuais de cada colaborador por meio da simulação de ocorrências reais, que podem acontecer em qualquer complexo hospitalar. Dessa forma, ao final do curso, cada participante ganhou uma função específica, a ser assumida em caso de catástrofe. Durante os exercícios práticos, o grupo aprendeu a superar diversos desafios, entre eles, medo de altura, de lugares escuros e esfumaçados, de espaços apertados com

injeções por mangueiras de incêndio. Experts

administrativo, que circula pelo hospital

grande aglomeração de pessoas, de enfren-

em tecnologia da informação deixaram de

percorrendo corredores e escadas diariamen-

tar botijões de gás em chamas, entre outros.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

19


Instituição possui equipe de desenvolvedores de software certificada pela ITIL

MV 2000

Implantação de sistema em 2005 integrou complexo hospitalar processo de modernização da Santa

O

e médicos, sendo realizado simultaneamen-

ções de trabalho (em substituição a micros obso-

Casa de Maceió teve início com a

te o exaustivo cadastramento das informações

letos e informatização de setores), monitores,

implantação do atual sistema de

do hospital. O embrião do atual Prontuário

leitores e impressoras de código de barras,impres-

informática MV2000, adquirido da empresa

Eletrônico também foi um dos frutos desse

soras laser, entre outros.

MV sistemas em janeiro de 2005. Em setem-

trabalho, ferramenta que facilitou o acesso dos

O sistema MV aumentou o controle de cus-

bro do mesmo ano, todos os setores já utili-

médicos e demais profissionais às informações

tos, reduziu os desperdícios, incrementou a

zavam o novo sistema.

dos pacientes.

receita e ampliou a segurança assistencial

Durante a implantação do sistema MV teve

Na implantação do MV foram investidos

início um amplo treinamento de funcionários

R$ 550 mil na aquisição de servidores, esta-

com a adoção do código de barras na dispensação de medicação.

Tecnologia confere maior transparência à gestão Outro importante investimento foi a

forma BI é que tudo foi produzido na Santa

ga indicadores de desempenho de todas as

adoção do Business Intelligence (BI), tec-

Casa de Maceió a partir das necessidades

áreas da organização, além de relatórios e

nologia que permite às empresas organi-

de cada área gerencial. O Business Intel-

mensagens de alerta on-line.

zarem enormes quantidades de dados de

ligence está presente em diferentes módu-

Outras iniciativas também refletiram na

forma rápida, meticulosa e com precisão

los, como sistema de gestão, qualidade e

melhoria do atendimento aos pacientes,

analítica, permitindo cruzar informações de

planejamento, marketing, contabilidade,

como informatização do protocolo de Man-

diferentes bancos de dados e auxiliando os

compras, estoque, patrimônio, faturamento,

chester (classificação dos pacientes pelo grau

dirigentes na tomada de decisões.

prontuário eletrônico, folha de pagamento

de gravidade do quadro clínico), painéis assis-

e Medicina do Trabalho, entre outros.

tenciais (com informações sobre os pacientes

O grande diferencial das ferramentas, rotinas e interfaces criadas a partir da plata-

O portal, acessado via sistema MV, agre-

Revista da Santa Casa de Maceió

20

www.santacasademaceio.com.br

nos postos de enfermagem) etc.


Acreditação e Cartão Vida & Saúde O planejamento e as ações da Santa

Santa Casa de Maceió. A ferramenta,

(Information Technology Infrastructure

Casa de Maceió com vistas à Acreditação

desenvolvida pela equipe de analistas do

Library), certificação com abrangência in-

também mereceram a formatação de um

hospital, eliminou o trabalho de digitação

ternacional que atesta o conhecimento do

módulo específico, pelo qual é possível

de cadastros, automatizando a emissão

profissional na adoção de boas práticas

acompanhar a evolução da instituição.

do código numérico, que pode ser uti-

em TI. Poucas organizações no País con-

lizado em consultas e exames imediata-

seguem esse nível de abrangência da cer-

mente após sua adesão pela Internet.

tificação em suas equipes de TI. Um pro-

O cartão Vida & Saúde também foi beneficiado pela tecnologia. Com a informatização do processo de cadastramen-

fissional que obtém a certificação recebe

to de clientes, o Vida & Saúde substituiu

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

o título de "Certified in IT Service Mana-

os formulários impressos pelos eletrônicos,

A Santa Casa de Maceió tem 90% de

gement", com variações de acordo com

disponíveis pela Internet no portal da

seus profissionais de TI certificados em ITIL

o nível da certificação.

Digitalização de exames A Santa Casa de Maceió também está finalizando o processo de digitalização dos exames de imagem, realizados na unidade

Internet, como celulares e tablets. Os exames de

Diagnósticos Santa Casa. Quando estiver

raios X finalmente deixarão as

concluído, todos os exames que hoje são

chapas fotográficas e passarão

impressos em papel ou gravados em filme

para o mundo digital. Também

fotográfico serão arquivados diretamente

ganharão o formato digital os

no sistema MV e poderão ser visualizados

exames de tomografia, ressonância mag-

em qualquer computador do hospital ou

nética, ultrassonografia e hemodinâmica,

até mesmo em dispositivos ligados à

entre outros.

21


CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

Instituição alagoana prepara-se para a Acreditação Canadense

A

setor onde atuam.

Acreditada (certificada) segundo as nor-

saúde utilizam para avaliar e implemen-

mas da Organização Nacional de Acre-

tar a segurança dos serviços prestados ao

ditação (ONA), a Santa Casa de Maceió

paciente. Significa identificar anteci-

deu um novo passo em direção à quali-

padamente quais são os riscos possíveis

dade e à assistência segura ao paciente:

durante o atendimento a um paciente e

a Acreditação Canadense Internacional

estimular a melhoria contínua dos proces-

(ACI).

sos internos, a fim de evitar que esses riscos

pós se tornar uma das cinco Santas Casas no País e única do

No caso da Acreditação, trata-se de

Norte-Nordeste-Centro-Oeste

um processo que as organizações de

Os trabalhos visando à Acreditação

se tornem realidade.

Canadense Internacional já estão sendo

A Acreditação se traduz em práticas

realizados paralelamente aos prepara-

de gestão e de assistência mais trans-

tivos para o Nível 3 da Acreditação da ONA,

parentes e seguras, já que envolve a veri-

que será submetido à auditoria do IQG

ficação diária de atividades e serviços em

no final deste ano.

comparação a padrões de excelência conhecidos.

ACREDITAÇÃO

O Certificado de Acreditação, conce-

Em linhas gerais, para o público leigo,

dido aos hospitais após auditoria, é con-

a Acreditação representa para todos os

ferido por agências independentes e

hospitais o que a ISO significa para o

idôneas, como a brasileira Organização

mercado corporativo, ou seja, um impor-

Nacional de Acreditação (ONA), fundada

tante diferencial, visando à excelência no

em 1999.

Revista da Santa Casa de Maceió

22

www.santacasademaceio.com.br

Santa Casa recebe placa como hospital integrante da


Com a adesão de diversos países

com o paciente, além do atendimento

à Acreditação Canadense Internacional

às necessidades da população. Para

(ACI) foi necessário criar uma entida-

tanto, é preciso alcançar objetivos bási-

de internacional certificadora, desti-

cos, como comprometimento dos pro-

nada especificamente ao acompanha-

fissionais com a Acreditação, valoriza-

mento das agências acreditadoras

ção dos profissionais com melhor

nacionais, como a ONA. Essa entida-

desempenho no cuidado assistencial e

de denominou-se ISQua.

mudanças no nível de informação, faci-

Atualmente, apenas 43 organiza-

litando seu compartilhamento.

ções de saúde brasileiras são certifica-

Atualmente existem operadoras de

das pela Acreditação Canadense, entre

saúde que possuem tabelas de remu-

elas, os hospitais AC Camargo (SP), Bar-

neração diferenciadas para as organi-

ra D Or (RJ), Quinta D Or (RJ), Pro Cardíaco (RJ), 9 de Julho (SP), entre outras. Nesse grupo apenas dois hospitais estão no Nordeste: um em Sergipe e outro

A Acreditação se traduz em práticas de gestão e de assistência mais transparentes e seguras, envolvendo a verificação diária de atividades em comparação a padrões de excelência conhecidos.

no Ceará. Essencialmen-

e da Acreditação Internacional Canadense

Seleto grupo de hospitais

zações de saúde que prestam serviços de excelência. Tais remunerações chegam a ser partilhadas com equipes de setores estratégicos. Como a Acreditação brasileira, a ACI também possui níveis diferen-

te, a Acreditação Canadense Interna-

ciados de excelência: o nível de entra-

cional foca em quatro pilares: seguran-

da (ouro), seguido pelo platina e pelo

ça do paciente, envolvimento com o

diamante. Outros diferenciais são ado-

entorno, conceito de times [de traba-

ção de times de profissionais, estrutu-

lho] e planejamento estratégico.

ração de 15 protocolos que reúnem as

Denominado Programa Qmentum

práticas essenciais exigidas pelo

Internacional (Qualidade no momento),

Qmentum e a ferramenta “tracer”, a

o programa canadense de acreditação

qual permite “tracejar” uma cadeia

aposta na redução de eventos adversos,

de eventos relacionados ao paciente

no aumento da confiabilidade, na redu-

que possibilitem identificar evidências

ção de custos e no aumento da renta-

que possam melhorar os processos de

bilidade, sempre focado na melhoria da

qualidade e segurança dos cuidados

qualidade, da segurança e dos cuidados

assistenciais.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

23


Acreditação exigiu empenho Ao ser conferido, em março de 2010,

mente, há instituições que são planejadas,

Além da implantação do sistema da quali-

o Certificado de Acreditado (nível 1) à

construídas e direcionadas visando à

dade, foi preciso classificar e mapear os

Santa Casa de Misericórdia de Maceió, a

Acreditação. “O grande mérito da Santa Casa

processos (rotinas internas de cada área),

instituição tornou-se o primeiro hospital

é que somos uma instituição com 162 anos

promover o alinhamento (interação) entre

alagoano e a primeira Santa Casa de

de fundação, concebida e construída em

os processos e, por fim, o mais difícil, bus-

Misericórdia do Norte e Nordeste certifi-

outro contexto histórico e que, por isso

car o envolvimento do corpo clínico, fazen-

cada pela Organização Nacional de

mesmo, apresenta desafios cotidianos para

do colaboradores e médicos compreen-

Acreditação (ONA). A instituição tornou-se,

sua modernização. Mesmo assim con-

derem a importância da Acreditação.

também, a quinta Santa Casa de Miseri-

seguimos superar esses desafios e hoje

A Acreditação visa, sobretudo, ao

córdia brasileira a receber tal reconhe-

somos certificados em Nível 2 pela ONA”,

gerenciamento de riscos e à promoção de

cimento.

comemorou Humberto Gomes de Melo.

uma ação proativa na prevenção de even-

Segundo o provedor da Santa Casa de

Não foram poucos os desafios para se

Maceió, Humberto Gomes de Melo, atual-

chegar às portas do Nível 3 da Acreditação.

Revista da Santa Casa de Maceió

24

www.santacasademaceio.com.br

tos adversos, cujo foco único é a satisfação e a segurança do paciente.


Recepção da Emergência Ortopédica recém inaugurada

ORTOPEDIA

Emergência 24h amplia a capacidade de atendimento

C

om o grande fluxo de clientes na Emergência 24 Horas e visando abrir novos leitos para internação,

a Santa Casa de Maceió decidiu realizar uma série de investimentos, que aumentarão a capacidade de atendimento da unidade. Uma das primeiras ações foi a adoção do Protocolo de Manchester, que estratifica os pacientes por cores e prioriza os casos mais graves. Outro importante investimento foi a implantação do painel de acompanhamento de pacientes, instalado na recepção da Emergência 24 Horas. Um painel de LED apresenta, em tempo real, a lista de pacientes em procedimento na unidade, onde é possível acompanhar o fluxo da unidade, a gravidade de cada caso e

Novo serviço de ortopedia na Rua Dias Cabral, próximo à Emergência 24h

o atual estágio de atendimento enquanO mais recente investimento da

obras de reforma e modernização do

Outra importante decisão estratégi-

Santa Casa de Maceió, entretanto, foi a

imóvel, onde anteriormente funcionou a

ca foi a transferência da Emergência

criação da Unidade Farol, que receberá

Clínica Santa Juliana. Os partos eleti-

Ortopédica para um imóvel defronte à

a Emergência Pediátrica e Obstétrica de

vos de convênios e particulares, hoje

Emergência 24 Horas, permitindo um

convênios e planos de saúde. A nova

realizados no Instituto da Mulher, tam-

atendimento especializado e mais ágil

unidade será inaugurada em janeiro de

bém serão transferidos para a Santa

para esse tipo de especialidade.

2014, tão logo sejam concluídas as

Casa de Maceió – Unidade Farol.

to se espera a vez de ser chamado.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

25


NA ÚLTIMA DÉCADA

Santa Casa investe em novas unidades externas e internas ma das principais marcas da Santa

U

Poço; a Unidade Docente Assistencial

por que passa a instituição. Também foram

Casa de Maceió, na última déca-

Professor Rodrigo Ramalho, na orla do bair-

inaugurados uma moderna agência bancá-

da, é a expansão física e a mo-

ro do Prado; e mais recentemente a Santa

ria e salas operacionais da Rede Feminina

dernização do seu complexo hospitalar,

Casa de Maceió - Unidade Farol, em refor-

de Combate ao Câncer e da SantaCoop.

localizado na área central de Maceió. Com

ma no bairro homônimo para inauguração

o aumento da demanda da sociedade, o

prevista para janeiro de 2014.

histórico conjunto de prédios que forma o complexo da Santa Casa de Maceió ficou pequeno para abrigar os mais de 2.500 profissionais que atuam na instituição, entre médicos, colaboradores e terceirizados. Primeiro, iniciou-se a expansão para imóveis no entorno do hospital, onde funcionam o Laboratório de Análises Clínicas,

Paralelamente a esses investimentos

Como se trata de uma construção histórica, erguida em diferentes épocas, o complexo hospitalar da Santa Casa de Maceió vem passando por reformas em áreas e setores específicos.

tórica, erguida em diferentes épocas, o complexo hospitalar da Santa Casa de Maceió passa por diversas reformas em áreas e setores específicos. Uma das obras mais visíveis para usuários e profissionais foi a ampliação da estreita e histórica passarela, que inteliga a área assistencial à área administrativa. A velha passarela, que dificultava passar uma pes-

mente, a Unidade de Emergência Torácica.

No prédio da Santacoop, vizinho à Santa

foram inauguradas, no complexo hospita-

Casa de Maceió, foi implantado o Consultó-

lar, várias unidades de internação, como

Outras iniciativas de destaque na Santa

rio Eletivo, com diversas especialidades para

as unidades João Fireman, de Dor Torácica

Casa de Maceió são a ampliação e a mo-

atendimento a convênios e particulares.

da Emergência 24 Horas e Irmã Inocência.

dernização do Centro Cirúrgico, complexo

A partir de 2009 teve início a fase de

Além disso, modernizou-se fachadas

que reúne 13 salas cirúrgicas, trabalho ini-

aquisições, reforma e adequação de imóveis

como a da Emergência 24 Horas e o Centro

ciado na gestão do provedor Lourival Nunes

fora do entorno da instituição para implan-

de Oncologia, que ganharam painéis refle-

da Costa; a recente modernização dos

tação de unidades externas, como o Hos-

tivos em vidro azul e alumínio anodizado

apartamentos de convênios e particulares,

pital Nossa Senhora da Guia, no bairro do

preto, transmitindo o clima de modernidade

bem como a ampliação dos leitos de UTI.

o Banco de Sangue, o Instituto de Doenças Pulmonares, o Instituto de Doenças do Coração, a Gerência de Gestão de Pessoas, a Creche São Vicente de Paulo e, recente-

Revista da Santa Casa de Maceió

26

Como se trata de uma construção his-

www.santacasademaceio.com.br

soa ao lado de uma maca, ficou bem mais larga, facilitando o fluxo de pessoas, pacientes e equipamentos. A instalação da cobertura, abrangendo toda essa área de trânsito, resolveu outro antigo problema provocado pela chuva.


Hospital Nossa Senhora da Guia

Unidade Rodrigo Ramalho

unidade Diagnósticos Santa Casa ganhou

Inaugurado em junho de 2009, o Hos-

A Unidade Docente Assistencial Pro-

um novo posicionamento no mercado de

pital Nossa Senhora da Guia foi adquirido,

fessor Rodrigo Ramalho iniciou as suas ati-

reformado e ampliado com recursos da

vidades em agosto de 2009, centralizando

Entre os investimentos, destaque para

Santa Casa de Maceió, totalizando um in-

os serviços do Ambulatório Geral e da Car-

a aquisição de equipamentos como os de

vestimento de R$ 4,6 milhões. A unidade

diologia do SUS, além do Laboratório de A-

raio X digital, mamografia, ecocardiogra-

materno-infantil destina-se exclusivamente

nálises Clínicas e do Serviço de Radiologia.

ma, ressonância magnética, gama câmara,

aos usuários do SUS, atendendo aos casos

Localizado na Avenida Assis Chateaubriand,

além da renovação do parque tecnológi-

de baixa e média complexidades nas especi-

em Maceió, o complexo possui diversas es-

co de ultrassonografia. Com as mudanças

alidades de Obstetrícia e Cirurgia Pediátrica.

pecialidades, sendo as de Cardiologia, Ge-

nos horários, exames como ressonância

O Hospital Nossa Senhora da Guia pos-

riatria, Pneumologia e Cirurgia Geral as

magnética e cintilografia do miocárdio pas-

mais requisitadas.

saram a ser realizados no prazo de 24h a

sui uma equipe multidisciplinar completa, com plantões obstétricos inclusive nos fins

exames por imagem.

48 horas.

de semana, obedecendo a todos os critérios

Unidade João Barbosa Cordeiro

exigidos no Programa de Humanização do

A Unidade Cônego João Barbosa Cor-

Pré-Natal e Nascimento, promovido pelo

deiro foi instalada no terceiro pavimento da

Com a inauguração do Centro de Onco-

Ministério da Saúde.

Unidade Docente Assistencial Professor Ro-

logia Lourival Nunes da Costa, a Santa Ca-

A unidade materna é uma das poucas a

drigo Ramalho, no Prado. São onze leitos,

sa de Maceió quadruplicou sua capacidade

ter 100% de suas enfermarias climatizadas em

sendo dois por enfermaria e um reservado.

de atendimento e igualou o número de

Alagoas, sendo cada enfermaria ocupada por

Vinte e dois profissionais se revezam na

poltronas e camas destinadas ao SUS, exis-

apenas três gestantes. A unidade oferece

assistência aos pacientes com câncer que

tentes, por exemplo, no maior centro de

acompanhamento fisioterápico, fototerapia,

precisem de cuidados paliativos, incluindo

Oncologia de São Paulo, o AC Camargo.

exame do pezinho, musicoterapia, acolhimento

médicos plantonistas.

do bebê em redinhas na UCI, presença do pai

Centro de Oncologia

A grande marca da unidade é oferecer conforto e atendimento humanizado a

no parto, além do selo Hospital Amigo da

Diagnósticos Santa Casa

todos os pacientes sem fazer distinção entre

Criança de incentivo ao aleitamento materno,

Com a aquisição de equipamentos e a

os usuários do SUS, conveniados e particu-

que deverá ser entregue este ano.

expansão no horário de atendimento, a

lares.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

27


RESGATE HISTÓRICO

MEC credencia Santa Casa de Maceió como Hospital de Ensino Santa Casa de Maceió investe em

A

É importante salientar que, somente

ensino e pesquisa cerca de R$ 2

na formação de médicos residentes, são

milhões por ano. Um dos resulta-

investidos cerca de R$ 1,8 milhão por ano.

dos mais importantes desse investimento

Mesmo sem apoio financeiro oficial dos

foi obtido com a liberação da portaria inter-

governos federal, estadual ou municipal, a

ministerial Nº 1.367, de 8 de julho de 2013,

Santa Casa de Maceió vem arcando com

assinada pelos ministros da Saúde,

despesas mensais, que somam R$ 200 mil,

Alexandre Padilha, e da Educação, Aloizio

no pagamento de bolsas para preceptores,

Mercadante, que reconhece a Santa Casa

residentes médicos e estudantes do está-

de Maceió como Hospital de Ensino. Essa

gio não-obrigatório.

certificação resgata uma tradição histórica

Além de qualificar os médicos, a Resi-

da instituição, que já foi responsável pela

dência Médica da Santa Casa de Maceió

formação de várias gerações de profissio-

vem ajudando no funcionamento de uni-

nais médicos, abrindo caminho agora para

dades hospitalares importantes para a

a criação da futura Faculdade de Medicina

população alagoana, como o Hospital Geral

em parceria com o Centro de Estudos

do Estado (HGE), por exemplo. Cerca de oito

médicos residentes cumprem plantões de

12 horas semanais no HGE, suprindo lacu-

O reconhecimento interministerial vem confirmar o papel já desempenhado pela Santa Casa de Maceió, na última década, por meio da implantação do seu Programa de Residência Médica e por funcionar como campo de estágio para os diferentes cursos da área da Saúde. Desde que implantou seu Programa de Residência Médica (PRM), já foram entregues às sociedades alagoana e brasileira mais de 30 profissionais, entre cirurgiões, clínicos, nefrologistas, anestesiologistas, gineco-obstetras, pediatras e otorrinos.

Reconhecimento do governo federal confirma o papel já desempenhado pela Santa Casa de Maceió por meio da Residência Médica e por sua atuação como campo de estágio para diferentes faculdades

Superiores de Maceió (Cesmac).

Revista da Santa Casa de Maceió

28

www.santacasademaceio.com.br

Formandos da Residência Médi

nas existentes na rotina daquela unidade. Por não se tratar de estudantes inexperientes do curso de Medicina, mas de médicos com conhecimento teórico atualizado e grande experiência prática, esse grupo faz toda a diferença na melhoria do atendimento à população. Há quem confunda a Residência Médica com os estágios curriculares. A principal diferença é que a Residência Médica é um curso de especialização credenciado pelo Ministério da Educação e destinado ao treinamento em serviço de médicos já


Confira outras iniciativas A Residência Médica é apenas um

lização de estágios supervisionados não-

dos investimentos em ensino e pesquisa

obrigatórios em suas várias unidades de

da Santa Casa de Maceió. Nos últimos

atendimento, bem como no Hospital

anos, dentre as iniciativas nessas áreas,

Nossa Senhora da Guia e na Unidade

podem ser mencionadas a realização de

Docente Assistencial Rodrigo Ramalho.

curso de especialização para médicos de

Nesse contexto, a atividade integrada

Cabo Verde; o congresso multidisciplinar,

da Gerência de Ensino e Pesquisa (Gerep),

realizado a cada dois anos; a oferta de campo

do Centro de Estudos Professor Lourival

de estágio curricular para inúmeras facul-

de Melo Mota e da Comissão de Re-

dades alagoanas; a criação de estágios

sidência Médica (Coreme) tem contribuí-

curriculares não-obrigatórios, com bolsas

do progressivamente para a obtenção da

pagas pela Santa Casa; e o apoio à rea-

excelência no ensino e pesquisa.

lização de pesquisas (trabalhos de conclusão de cursos de graduação e especiali-

CENTRO DE ESTUDOS

zação, teses de mestrado e doutorado,

Na última década, a Santa Casa de

projetos de pesquisa), dentre outras.

Maceió investiu na reforma e na moder-

No que diz respeito à pesquisa, a

nização do Centro de Estudos Professor

Santa Casa de Maceió é um espaço aber-

Lourival de Melo Mota, espaço que cen-

to à realização de investigações científi-

traliza as ações de ensino realizadas na

cas nas mais diversas áreas, tanto para

Santa Casa de Maceió, que incluem cur-

os trabalhos dos estudantes de gradua-

sos técnicos, de graduação e pós-gradua-

formados. Já o estágio curricular é um

ção como os de pós-graduação, num claro

ção; treinamentos, workshops e reuniões

campo de aprendizado prático para aca-

incentivo à produção do conhecimento.

científicas; sessões clínicas e anátomo-

dêmicos, ou seja, para estudantes de

Para tanto, as solicitações de pesquisas

clínicas; discussão de casos clínicos, entre

Medicina matriculados nos últimos anos

seguem um fluxo institucional, sendo libe-

outros eventos.

do curso.

radas para realização apenas após a apro-

No auditório e nas salas de aula, tam-

vação por um Comitê de Ética em

bém são realizadas reuniões administra-

Pesquisa (CEP).

tivas, provas de seleção, atividades de

Médica da Santa Casa de Maceió

O Sistema Único de Saúde é o principal beneficiário do treinamento em serviço realizado na Residência Médica, já que

A Santa Casa de Maceió, atualmente,

extensão e outras ações institucionais. É

os profissionais qualificados na Santa Casa

mantém convênios com diversas insti-

também lá onde os estudantes aprofun-

de Maceió estão exercendo suas compe-

tuições de ensino superior, propiciando a

dam conhecimentos em sua biblioteca

tências em unidades credenciadas pelo

inúmeros estudantes de graduação e de

presencial ou virtual, através dos terminais

SUS. Em função disso, é fundamental o

pós-graduação a oportunidade de realizar

colocados à disposição dos colaboradores

apoio financeiro do poder público na for-

estágios curriculares obrigatórios (incluin-

da Santa Casa, contando com acesso,

mação desses médicos, o que atualmente

do o internato médico), bem como a rea-

inclusive, ao portal UpToDate.

não ocorre.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

29


NO SETOR SAÚDE

Empresa alagoana está entre as cinco melhores do Brasil Revista Isto É Dinheiro, da Editora Três, destaca a Santa Casa de Maceió

guia de economia “As Melhores da

e Samaritano, todos localizados em São

história dessa instituição, mas, sobretudo,

Dinheiro - 1000 maiores empresas

Paulo. A Santa Casa de Maceió foi, inclu-

é um presente para a sociedade alagoana”,

do Brasil” conferiu à Santa Casa de

sive, a única instituição não-paulista pre-

frisou o provedor Humberto Gomes de

sente entre as melhores.

Melo, que comemora, este ano, dez anos

0

Maceió destaque em todos os critérios

A publicação “As Melhores da Di-

lhores do País no setor saúde. No ranking,

nheiro” traz a chancela da Trevisan Escola

A primeira vez que a Santa Casa de

a Santa Casa de Maceió figura como a

de Negócios, a quem coube o trabalho de

Maceió foi citada pelo guia da Editora Três

única empresa alagoana e uma das 11 do

compilação, cruzamento e análise de dados

foi em 2008, quando recebeu o destaque

Nordeste que se sobressaíram, em 2013,

e das consultorias Economática e Boa Vista

Sustentabilidade Financeira. No ano se-

nos 27 setores da economia pesquisados.

Serviços, responsáveis por fornecer os

guinte, com a mudança nos critérios de se-

No ranking geral, a Santa Casa de Ma-

dados das companhias de capital aberto e

leção, a Santa Casa de Maceió ficou ausente

fechadas, respectivamente.

da publicação. Agora, ao invés de uma

ceió ocupa o quarto lugar entre as melhores do Brasil no setor saúde, ficando ao

“No mês em que comemoramos 162

mênção apenas, o complexo hospitalar

lado de importantes nomes da Medicina bra-

anos, o reconhecimento nacional conferi-

recebeu nada menos que seis mênções. A

sileira, como as empresas de diagnóstico

do à Santa Casa de Maceió é motivo de orgu-

Editora Três também edita a revista de in-

Fleury e Dasa e os hospitais Oswaldo Cruz

lho para todos nós que fazemos parte da

formação semanal Isto É.

Revista da Santa Casa de Maceió

30

de gestão à frente da instituição.

avaliados, colocando-a entre as cinco me-

www.santacasademaceio.com.br


31


INTERNAÇÕES DO SUS EM HOSPITAIS DE ALAGOAS JAN. A JUN./2013 MÉDIA COMPLEXIDADE

652

(ARAPIRACA)

MAT. N.S. FÁTIMA

3.148 3.132 MAT. STA. MÔNICA

H. UNIVERSITÁRIO

3.274

272

(*) HNSG - Hospital Nossa Senhora da Guia Fonte: BBS/DATASUS

(*) HNSG - Hospital Nossa Senhora da Guia Fonte: BBS/DATASUS

DATASUS

Santa Casa de Maceió é o hospital que mais interna pelo SUS em AL Hospital realiza 1.200 internações/mês pelo Sistema Único de Saúde s investimentos

O

mento realizado pelo provedor

nicas de pacientes oncológicos, de insufi-

em tecnologia e

Humberto Gomes de Melo, a Santa

ciência cardíaca e de transtornos respirató-

gestão realizados

Casa de Maceió registrou 7.661

rios, além de hernioplastia, colecistectomia,

na última década pela

internações de média e alta comple-

entre outros.

Santa Casa de Maceió

xidades no primeiro semestre de

Já a alta complexidade inclui uma ampla

levaram a instituição ao

2013. Deste total, cerca de 84%

gama de procedimentos clínicos e cirúrgicos,

posto do hospital que mais

foram de média complexidade e

tais como cirurgias pulmonares, neurocirur-

realiza procedimentos de

16%, de alta complexidade.

gias e cirurgias ortopédicas (próteses); inter-

alta e média complexida-

A média complexidade engloba

nações para quimioterapia de administra-

des em Alagoas pelo Sis-

diversos procedimentos clínicos e

ção contínua e para quimioterapia de leu-

tema Único de Saúde (SUS). Os dados são

cirúrgicos, entre eles, partos normal e cesa-

cemias; angioplastias, revascularização mio-

do Datasus e incluem a produção do Hospital

riano; curetagens; tratamentos clínicos de

cárdica, implante valvar, estudo eletrofisio-

Nossa Senhora da Guia. Conforme levanta-

pacientes oncológicos, de intercorrências clí-

lógico, dentre muitos outros.

Revista da Santa Casa de Maceió

32

232 H. CHAMA (ARAPIRACA)

3.474 C.S. SANTO ANTONIO

H. SANTA RITA

(P. ÍNDIOS)

3.521 H. REG. DE ARAPIRACA

H. REG. SANTANA DO IPANEMA

HOSPITAL GERAL DO ESTADO

3.898

H. UNIVERSITÁRIO

4.243

SANTA CASA DE MACEIÓ C/ HNSG *

SANTA CASA DE MACEIÓ C/ HNSG *

5.846

ALTA

1.225

H. DO AÇÚCAR

6.436

www.santacasademaceio.com.br


7.661

COMPLEXIDADE

MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADES

3.900

3.474 3.283 H. DO AÇÚCAR

C.S. SANTO ANTONIO

H. SANTA RITA

(P. ÍNDIOS)

3.546 3.521 H. UNIVERSITÁRIO

H. CHAMA (ARAPIRACA)

3.658 H. REG. DE ARAPIRACA

H. REG. SANTANA DO IPANEMA

78 INSTIT. DE OLHOS

DA

VISÃO

86

INSTITUTO

H. AFRA BARBOSA

92

4.243 HOSPITAL GERAL DO ESTADO

165 INST. OFTALMO ALAGOAS

H. ESCOLA HELVIO AUTO

182

SANTA CASA DE MACEIÓ C/ HNSG *

5.872

(*) HNSG - Hospital Nossa Senhora da Guia Fonte: BBS/DATASUS

No ranking nacional de internações pelo SUS (somando-se os dados da média e alta

Agreste; e um hospital e maternidade de Palmeira dos Índios, também no Agreste.

complexidades), a Santa Casa de Maceió fi-

A Unidade Rodrigo Ramalho engloba, atualmente, a Cardiologia do SUS, além de diversas especialidades no novo

gura em 64º lugar entre 4.815 hospitais

INVESTIMENTOS

Ambulatório, com destaque para o Serviço

brasileiros. Dessa forma, o hospital alagoa-

Para chegar a esse nível de comprome-

de Geriatria, e a Unidade Cônego João

no ficou à frente de entidades como o

timento com o Sistema Único de Saúde

Cordeiro Barbosa, dedicada a cuidados

Instituto do Coração de São Paulo (106º) e

(SUS), a Santa Casa de Maceió priorizou

paliativos oncológicos. Os dois complexos

os hospitais Oswaldo Cruz (122º) e Real

investimentos nas áreas assistencial e geren-

foram implantados com foco na moderni-

Português (1009º), ambos de Recife (PE).

cial, visando ampliar o número de leitos e

zação e no conforto do ambiente físico e

Quando se observa o ranking de Alagoas

reduzir os custos, mantendo-se, porém, a qua-

na humanização do atendimento ao pa-

(ver gráficos ao lado), salta aos olhos a pre-

lidade dos serviços e equacionando a defa-

ciente.

sença maciça de hospitais do interior do

sagem da remuneração paga pelo SUS.

Do ponto de vista gerencial, a adesão

Estado à frente de hospitais de grande porte

Com esse objetivo foram inaugurados

à plataforma Bionexo - para aquisição de

da capital alagoana. Enquanto a Santa Casa

dois novos complexos para atendimento

medicamentos, próteses, órteses e equipa-

de Maceió e o Hospital Geral do Estado

exclusivo pelo SUS: a unidade materno-

mentos via pregão eletrônico - trouxe à

figuram nas primeira e segunda colocações,

infantil Hospital Nossa Senhora da Guia,

Santa Casa de Maceió uma economia de 20

respectivamente, na lista do Datasus cons-

no bairro do Poço, e a Unidade Docente

milhões no período de 2010 a 2012, o que

ta um hospital de Santana do Ipanema, no

Assistencial Professor Rodrigo Ramalho, na

permitiu compensar, em parte, as perdas

Sertão alagoano; dois de Arapiraca, no

Praia do Sobral.

com o Sistema Único de Saúde.

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

33


MÉDIA COMPLEXIDADE

Filantrópica lidera ranking de cirurgias pelo SUS em Alagoas

A

pesar de a Santa Casa

adenoidectomia, postectomia,

plexidades), a Santa Casa de Maceió figu-

de Maceió ser referên-

conização, enxerto de pele, la-

ra em 50º lugar entre 3.332 hospitais de to-

cia em procedimentos de

paratomia exploradora, hemor-

do o País. Dessa forma, a instituição alagoana

roidectomia, entre outros.

ficou à frente de hospitais como o Instituto

alta complexidade, é na média

complexidade que a instituição

Já a alta complexidade in-

do Câncer do Estado de São Paulo (58º

mais se destaca em número de pro-

clui uma ampla gama de pro-

lugar, com 3.820 internações), o Instituto do

cedimentos cirúrgicos pelo Siste-

cedimentos cirúrgicos, tais como

Coração (Incor/USP), de São Paulo (90º colo-

ma Único de Saúde (SUS). Do

cirurgia pulmonar, neurocirur-

cação e 3.239 internações), o Hospital Aga-

total de 3.956 intervenções cirúrgicas reali-

gia, cirurgia ortopédica (próteses) e angio-

menon Magalhães (128º), de Recife (PE), com

zadas pela Santa Casa de Maceió, entre janeiro

plastias revascularização miocárdica;

2.776 internações, dentre outros.

e junho de 2013, cerca de 77% foram de

implante de prótese valvar e de marca-

Quando se observa o ranking das cirur-

média complexidade e 23% de alta com-

passo; matectomia radical, toractomia,

gias de Alta Complexidade de Maceió (ver

plexidade, o que desfaz a visão de muitos

biópsia multipla intra-abdominal, micro-

gráfico abaixo), pode-se comprovar o resul-

que acreditam que a instituição prioriza

cirurgia de tumor intracraniano, tireoidec-

tado dos investimentos realizados pela

apenas a alta complexidade.

tomia, dentre outros.

Santa Casa de Maceió, em tecnologia, nos últimos dez anos. Sozinho, o complexo hos-

A média complexidade engloba diversos procedimentos cirúrgicos, entre eles, parto

RANKING NACIONAL - No ranking

pitalar responde por 47,2% do total de

cesariano, histerectomia, hernioplastia um-

nacional de procedimentos cirúrgicos pelo

cirurgias de alta complexidade realizadas

bilical, apendicectomia, colecistectomia,

SUS (somando-se a média e a alta com-

na cidade.

Investimentos justificam liderança em ranking Os investimentos realizados nas uni-

bém justificam o grande percentual de par-

alagoana.

dades Hospital Nossa Senhora da Guia

Já na alta complexidade, se com-

ticipação no atendimento pelo Sistema

(maternidade e cirurgias pediátricas),

parados os números do ranking estadual,

Único de Saúde nessa área. No período

Centro de Oncologia e Hematologia

a instituição realiza 41,3% do total de cirur-

foram adquiridos equipamentos de alta

Professor Lourival Nunes da Costa (qui-

gias, bem à frente do segundo colocado,

tecnologia, encontrados em importantes

mioterapia) e Unidade Docente As-

o Hospital do Açúcar, que realiza 23,4%

centros médicos do País; ampliados

sistencial Professor Rodrigo Ramalho

do total de Alagoas. O mesmo ocorre no

serviços e contratados novos profissio-

(Ambulatório e Cardiologia do SUS) ex-

ranking municipal, com a Santa Casa de

nais em áreas como Radioterapia, He-

plicam por que a Santa Casa de Maceió

Maceió com 47,2% e o Hospital do

modinâmica, Neurocirurgia, Medicina

tornou-se referência em média com-

Açúcar, com 26,7%.

Nuclear, Medicina Intensiva, Nefrologia,

plexidade, respondendo por mais de 17%

Os investimentos realizados na últi-

de todas as cirurgias realizadas na capital

ma década, na alta complexidade, tam-

Revista da Santa Casa de Maceió

34

www.santacasademaceio.com.br

Exames por Imagem (na unidade Diagnósticos Santa Casa), entre outros.


PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS Internações pelo SUS em hospitais de Maceió - Jan-jun/2013 Média complexidade

Nº Ord. UF

Hospitais de Maceió (CNES) por local de internação

TOTAL internações

% sobre o total

1

AL

SANTA CASA DE M. DE MACEIÓ C/HOSP. Nª Sra. DA GUIA

3.058

17,1

2

AL

CASA DE SAÚDE SANTO ANTÔNIO

2.350

13,2

3

AL

HOSPITAL GERAL E MATERNIDADE ALERTA MÉDICO

2.274

12,7

4

AL

CASA DE SAÚDE E MATERNIDADE NOSSA SR. DE FÁTIMA

1.638

9,2

5

AL

HOSPITAL DO AÇÚCAR

1.601

9,0

6

AL

HOSPITAL SANATÓRIO

1.482

8,3

7

AL

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES

1.441

8,1

8

AL

HOSPITAL GERAL DO ESTADO DR. OSVALDO B. VILELA

1.379

7,7

9

AL

HOSPITAL ORTOPÉDICO DE MACEIÓ

1.112

6,2

10

AL

MATERNIDADE ESCOLA SANTA MÔNICA

964

5,4

11

AL

IOFAL

382

2,1

12

AL

HOSPITAL VIDA

133

0,7

13

AL

INSTITUTO DE OLHOS DE MACEIÓ

24

0,1

14

AL

HOSPITAL DE OLHOS SANTA LUZIA

3

0,0

15

AL

INSTITUTO DA VISÃO

2

0,0

17.843 Fonte: BBS/Datasus / 26/08/2013

3.058 2.350 1.638 1.601 1.441 H. UNIVERSTIÁRIO

HOSPITAL SANATÓRIO

1.482 HOSPITAL DO AÇÚCAR

MAT N. SA. DE FÁTIMA (Maceió)

HOSPITAL GERAL ALERTA MÉDICO

CASA DE SAÚDE SANTO ANTONIO

SANTA CASA DE MACEIÓ C/ HNSG *

2.274

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

35


PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS Internações pelo SUS em hospitais de Maceió - Jan-jun/2013 Alta complexidade

Nº Ord. UF Hospitais de Maceió (CNES) por local de internação

TOTAL INTERNAÇÕES

% SOBRE O TOTAL

1

AL 2007037 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE MACEIÓ

898

47,2

2

AL 2006448 HOSPITAL DO AÇÚCAR

509

26,7

3

AL 3025330 IOFAL

165

8,7

4

AL 2006197 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES

148

7,8

5

AL 2006979 INSTITUTO DE OLHOS DE MACEIÓ

76

4,0

6

AL 2006499 INSTITUTO DA VISÃO

68

3,6

7

AL 2006510 HOSPITAL G. DO ESTADO DR. OSVALDO B. VILELA

26

1,4

8

AL 2006944 HOSPITAL DE OLHOS SANTA LUZIA

11

0,6

9

AL 2006359 HOSPITAL SANATÓRIO

3

0,2

1.904 Fonte: BBS/Datasus / 26/08/2013

898

36

Revista da Santa Casa de Maceió www.santacasademaceio.com.br

68 I.V.

26 HGE

76 IOM

148 H.U.

165 IOFAL

HOSPITAL DO AÇÚCAR

SANTA CASA DE MACEIÓ

509


INTERNAÇÕES CLÍNICAS PELO SUS NO BRASIL - MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADES 13.611

3.663

FONTE: BBS/DATASUS

2.989 2.667

(*) HOSPITAL NOSSA SENHORA DA GUIA

1.374

340

205

744º

2.644º

º

HOSP. REAL PORTUGUÊS (PE)

161º

AC CAMARGO (SP)

118º

HOSPITAL DAS CLÍNICAS (PE)

SANTA CASA DE MACEIÓ C/ HNSG *

95

HGE (MACEIÓ-AL)

IMIP (RECIFE-PE)

º

INCOR USP (SP)

3.344 60º

SANTA CASA DE BARRETOS (SP)

4.466 1º

PERÍODO: JAN-JUN/2013

OUTROS NÚMEROS

Santa Casa é destaque em internações de pacientes clínicos lém de ser referência em alta com-

A

de, com 3.346 internações, o que totaliza

tém dois quartos terapêuticos exclusivos para

plexidade pelo Sistema Único de

42,2% de Alagoas.

esse tipo de tratamento.

Saúde (SUS), a Santa Casa de

Os procedimentos clínicos de média com-

No ranking nacional dos procedimentos

Maceió é destaque quando o assunto é inter-

plexidade incluem atendimento e diagnósti-

clínicos de média e alta complexidades pelo

nação de pacientes clínicos.

co de urgência em clínica médica, parto nor-

SUS, a Santa Casa de Maceió encontra-se em

Os números do Datasus, analisados pelo

mal e de alto risco, além do tratamento de

95º lugar, num universo de 4.667 hospitais,

provedor da Santa Casa de Maceió,

pneumonias, influenza (gripe), doenças infec-

posicionando-se à frente de instituições de

Humberto Gomes de Melo, e publicados no

ciosas e intestinais, insuficiência cardíaca,

peso como Incor (SP), AC Camargo (SP) e o

endereço http://www2.datasus. gov.br, mos-

Acidente Vascular Cerebral (AVC), diabetes,

pernambucano Real Português.

tram que o Hospital Geral do Estado Dr.

doenças crônicas das vias aéreas inferiores,

Osvaldo Brandão Vilela é a unidade que mais

traumatismos, entre outros.

Outro destaque do levantamento junto ao Datasus é a expressiva participação de hos-

internou pacientes clínicos de média comple-

Já a alta complexidade inclui internação

pitais do interior alagoano. Quando se ana-

xidade, em Alagoas, no primeiro semestre

para quimioterapia de administração contí-

lisa o rol dos que mais internaram pacientes

deste ano. As 4.466 internações clínicas da

nua, quimioterapia de leucemias, tratamen-

clínicos em Alagoas, no primeiro semestre

unidade se justificam, uma vez que se trata

to conservador do tumor do sistema nervo-

de 2013 (excluídas dessa lista as unidades

da principal unidade de emergência do Esta-

so central e, também, iodoterapia de carci-

psiquiátricas), observa-se que dos dez pri-

do. Já a Santa Casa de Maceió ficou à fren-

noma, tratamento disponível em Alagoas

meiros do ranking, seis estão localizados em

te, no ranking alagoano da alta complexida-

apenas na Santa Casa de Maceió, que man-

outros municípios e apenas quatro em

37


INTERNAÇÕES CLÍNICAS PELO SUS EM ALAGOAS - MÉDIA COMPLEXIDADE Ranking Alagoas 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25

Ranking Brasil 55 113 260 279 307 316 345 434 440 504 551 660 704 738 754 801 846 944 1067 1084 1213 1218 1220 1223 1369

Hospital Alagoas (CNES) por local de internação

4.466 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE MACEIÓ C/HOSP. Nª Sra. DA GUIA 3.346 CHAMA 2.330 CLÍNICA DE REPOUSO DR. JOSÉ LOPES DE MENDONÇA 2.276 MATERNIDADE ESCOLA SANTA MÔNICA 2.184 HOSPITAL REGIONAL DE ARAPIRACA 2.150 HOSPITAL REGIONAL SANTA RITA E MATERNIDADE SANTA OLIMPIA 2.091 HOSPITAL REGIONAL DR. CLODOLFO RODRIGUES DE MELLO 1.850 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES 1.833 CASA DE SAÚDE E MAT. N. SRA. DE FÁTIMA LTDA 1.700 HOSPITAL PORTUGAL RAMALHO 1.617 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PENEDO 1.432 CLÍNICA INFANTIL SANTA MARIA SOCIEDADE CIVIL LTDA. 1.386 CASA DE SAÚDE E CLÍNICA DE REPOUSO ULYSSES PERNAMBUCANO 1.348 CASA DE SAÚDE MIGUEL COUTO 1.332 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO MIGUEL DOS CAMPOS 1.267 ASSISTÊNCIA MÉDICA AMBULATORIAL INFANTIL 1.215 CASA DE SAÚDE SANTO ANTÔNIO 1.124 HOSPITAL DO AÇÚCAR 1.023 HOSPITAL SAO VICENTE DE PAULO 1.010 HOSPITAL AFRA BARBOSA 896 CARVALHO BELTRÃO SERVIÇOS DE SAÚDE LTDA. 892 HOSPITAL SANATÓRIO 890 HOSPITAL PSIQUIÁTRICO TEODORA ALBUQUERQUE 887 HOSPITAL ESCOLA DR. HÉLVIO AUTO 793 OUTROS 46 HOSPITAIS 9.661 TOTAL 50.999 HOSPITAL GERAL DO ESTADO DR. OSVALDO BRANDÃO VILELA

FONTE: BBS/DATASUS

% sobre o total 8,8 6,6 4,6 4,5 4,3 4,2 4,1 3,6 3,6 3,3 3,2 2,8 2,7 2,6 2,6 2,5 2,4 2,2 2,0 2,0 1,8 1,7 1,7 1,7 1,6 18,9

PERÍODO: JAN-JUN/2013

Maceió, cidade que reúne os maiores hos-

Maternidade Denilma Bulhões, na capital

pelo Hospital Nossa Senhora da Guia no

pitais do Estado.

alagoana, que registrou, no primeiro semes-

período.

Nessa lista constam o Hospital Regional

tre, apenas 121 internações obstétricas de mé-

Em um Estado onde as maternidades

Santa Rita, de Palmeira dos Índios, e a Santa

dia complexidade, o que dá menos de um pro-

públicas enfrentam o problema da super-

Casa de Penedo, que ocupam a 7ª e a 10ª

cedimento por dia.

lotação e a demanda por cirurgias gera

Outro exemplo de hospital que vem rea-

grandes filas de espera pelo SUS, a baixa

lizando pouco atendimento à população é

produção de algumas unidades prejudica

Por outro lado, no ranking, estão ausen-

o Hospital Geral Ib Gatto Falcão, em Rio

as demais e levanta a questão da distribui-

tes maternidades que poderiam figurar nas

Largo, na região metropolitana de Maceió.

ção de recursos para os hospitais, que não

primeiras posições, uma vez que o parto é o

A unidade registrou, em seis meses, apenas

prioriza quem atende mais e, principalmen-

principal procedimento clínico da média com-

70 internações clínicas, um número inex-

te, com qualidade, humanização e segu-

plexidade em todo o País. Um exemplo é a

pressivo frente aos 3.600 partos realizados

rança ao paciente.

colocações no ranking estadual da média complexidade, respectivamente.

Revista da Santa Casa de Maceió

38

Total internações

www.santacasademaceio.com.br



Revista Santa Casa de Maceió nº 16