Page 1


Horário | 2013 Fraternidade Espírita Cristã


Janeiro / Fevereiro / Março

E d i t o r i a l

E d i t o r i a l E d i t o r i a l

E d i t o r i a l

Porque o mais importante do mundo são as pessoas, as relações interpessoais devem ser objeto do maior cuidado entre todos. A orientação de Jesus: “amai-vos uns aos outros”, tem sido repetida nos meios religiosos como uma fórmula, numa perspetiva de repreensão ou domínio, criando um sentido muitas vezes obscuro para uma expressão de pura fraternidade. Mas, amarem-se entre si, numa perspetiva de aplicação do respeito que todos devemos merecer uns dos outros e atribuir uns aos outros, poderá até ser uma fórmula, porém sê-lo-á certamente o meio de bem viver consigo mesmo e com todos. Distribuir motivos de sofrimento e mágoas, como se mais ninguém tivesse a importância que nós temos, é criar conflitos e ser responsável pelo desmoronamento moral de almas que, não sendo ainda detentoras de uma estrutura psicológica inquebrantável, cedem ao terreno movediço das sombras. E aí estão os perseguidores, perseguidos no ontem, que não aplicaram a terapia de Jesus para sararem as suas feridas. Aí estão as vozes ensurdecedoras agitando a mente dos que não souberam amar, conduzindo-os, no presente, pelos abismos da obsessão… “Amai-vos uns aos outros” é a fórmula do único medicamento, verdadeira e definitivamente eficaz, na eliminação do conflito, no desatar dos nós da aversão que se estabelece entre os contentores. “Amai-vos uns aos outros” é a fórmula da felicidade, constante e indestrutível, que a todos rodeia e une em torno do sol fulgurante que se chama Jesus! Carmo Almeida

índice Jesus Contemporâneo - Viagem ao Mundo das Emoções Um Amor Doente O Passe no Centro Espírita Inseminação Artificial e Embriões Congelados - I Espíritas de Ontem: O Egoísmo Histórias do Rolinha - Rolinha, O Pastor BD - Nosso Lar Notícias


Janeiro / Fevereiro / Março

Contemporâneo

viagem ao mundo das emoções

Amélia Augusta do Sacramento Rodrigues acerca de Jesus, dos seus Apóstolos, das nasceu em 26 de Maio de 1861, no estado da personagens que com Ele conviveram e do Baía, numa família católica de quem recebeu ambiente em que viveu. princípios e valores religiosos. Foi a partir do interesse que a sua obra Foi professora durante a maior parte da sua mediúnica suscita e do efeito que as suas vida. Defensora de que “o jovem precisa de descrições da época de Jesus têm sobre os educação moral que é o princípio seus leitores que nasceu a necessidade de fundamental da disciplina social; (…) educar promover um estudo em grupo centrado é formar no homem as mais duradouras nessa mesma obra. forças da ordem social”, um pensamento que Nasceu deste modo o curso “Jesus em muito se identifica com o do Espírito Contemporâneo – viagem ao mundo das Fénelon, incluído em O Evangelho Segundo o emoções” que, mais do que oferecer aos seus Espiritismo, de acordo com o qual: “Educar é frequentadores o conhecimento intelectual de formar homens de Bem, e não apenas instruidetalhes e episódios relativos à vida de los”. Jesus, propõe-nos uma outra interpretação Depois de reformada, Amélia Rodrigues do pensamento do Mestre, trazido para a prosseguiu com a sua atividade como atualidade através do olhar de Amélia professora e fundou o Instituto Maternal Rodrigues (Espírito). Resultado de pesquisas “Maria Auxiliadora”. Nos seus tempos livres efetuadas no Mundo Espiritual e dos dedicou-se à literatura, ao jornalismo “esclarecimentos e comentários recolhidos religioso e ainda à Assistência em fontes históricas” do outro Social. Escreveu peças teatrais, ( . . . ) u m a v i a g e m , lado da vida, a autora espiritual literatura infantil, obras oferece-nos acesso, através da s i m u l t a n e a m e n t e didáticas e romances. obra que neste curso nos i n t e l e c t u a l e Desencarnou no dia 22 de propomos estudar, a emocional, ao mundo Agosto de 1926, em Salvador, informações raras e à aos sessenta e cinco anos de fascinante de Jesus, possibilidade de aproximação à idade. e os benefícios que figura de Jesus como nunca o No mundo espiritual teve a ela tem para nos havíamos podido fazer. oportunidade de expandir os oferecer (...) É, pois, uma viagem, seus conhecimentos, assim simultaneamente intelectual e como ampliar a nobreza dos seus emocional, ao mundo fascinante sentimentos, motivo pelo qual se dedicou de Jesus, e os benefícios que ela tem para ainda mais profundamente ao estudo da nos oferecer, que nos propomos partilhar com Mensagem de Jesus. Atualmente está todos através deste estudo. integrada na falange de Joanna de Ângelis – a Estruturado, por enquanto, em três módulos mentora de Divaldo Pereira Franco. Graças iniciais, procuramos analisar e desenvolver, às qualidades mediúnicas de Divaldo, ao longo das dez sessões que compõem nomeadamente a psicografia, o Espírito cada um deles, três grandes temas Amélia Rodrigues tem enviado à humanidade aglutinadores: Jesus na História (Módulo I, de páginas de intraduzível beleza poética que 8 de Outubro de 2012 a 16 de Dezembro de muito enriquecem o nosso conhecimento 2012); Os Amigos de Jesus – cumplicidades e 4 A Libertação


Janeiro / Fevereiro / Março

incompreensões (Módulo II, de 7 de Janeiro de 2013 a 18 de Março de 2013); A mulher e Jesus (Módulo III, de 1 de Abril de 2013 a 3 de Junho de 2013). Outros Módulos estão já em preparação para o próximo ano letivo, mas por agora gostaríamos apenas de deixar alguns contributos dos participantes deste curso, fruto de uma das atividades realizadas durantes as aulas, sobre o tema “O Mestre da Galileia”.

o Mestre, que espalhava a Boa Nova, a sua mensagem de fraternidade, paz e amor

“Vieste dos mundos inacessíveis ao humano ainda na matéria perecível Ensinaste o Amor e o perdão àqueles que não o tinham no coração Deste a vida por nós e disseste que ninguém viveria sem nascer de novo Pregaste e curaste a todos os que tinham pecado. Judeia, Samaria, Galileia Foram algumas das paragens onde espargiste o teu Amor Quiseste cumprir a vontade do Pai Maior E muitos a quem te deste traíram-te. Apareceste a Maria de Magdala e Saulo de Tarso, Apontando os caminhos que levam ao culminar da tua odisseia Amado e glorificado Filho da Galileia.” José Manuel Adão

“O sol brilhava intensamente e os seus raios refulgentes obrigavam os pastores a encaminharem os seus rebanhos para as sombras das árvores verdejantes, algumas floridas das mais variegadas cores, iluminadas pela claridade do meio-dia. Apenas as aves se movimentavam azafamadas com a construção dos seus ninhos, alegres e chilreantes, confiantes instintivamente em que estavam criando condições para o nascimento dos seres vivos. A um quilómetro de distância, o lago Tiberíades, qual espelho, refletia na sua face aspetos pictóricos das suas margens, salpicado de onde em onde por algum barquito, que se atrevera a arrostar com a atmosfera cálida do sol a pino. Debaixo de uma frondosa árvore, um grupo de pessoas descansava, aparentemente, pois na verdade a conversa era animada e certamente cheia de interesse, dada a atenção com que se escutavam uns aos outros. A certa altura, o grupo desafiou as intempéries e começou a descer a encosta. Como por magia, começou a acorrer gente de todos os lugares, tornando-o cada vez mais numeroso, à medida que se aproximava do lago, para onde também acorreram entretanto muitos pescadores. Então, do meio da multidão um vulto, de vestes brancas, se ergueu e lhes falou: era Jesus de Nazaré, o Messias, o Mestre, que espalhava a Boa Nova, a sua mensagem de fraternidade, paz e amor.” Manuel Lucas

A Libertação 5


Janeiro / Fevereiro / Março

O Ciume Um Amor Doente Alexandra Caeiro O ciúme é um sentimento humano que pode baixa auto-estima e tensão entre os parceiros, interferir com maior ou menor grau de podendo alcançar formas doentias (agressões intensidade na dinâmica do relacionamento físicas ou homicídio). O indivíduo ciumento conjugal. É natural sentir medo quando as vive um amor possessivo por medo ou ameaça relações afectivas que valorizamos estão de perder a pessoa amada. ameaçadas, o problema é quando esse ciúme O ciúme patológico é uma perturbação afectiva se torna doentio. grave que desgasta e destrói as relações e os Segundo Marazziti, o ciúme patológico é sentimentos. Nestes casos, o relacionamento definido como a percepção do indivíduo (por tem por base o sentido de posse e de poder, exemplo, pensamentos não dando espaço para a infundados de infidelidade) confiança e o amor se face à ameaça ou perda de instalarem; existe um grande ...o ciúme é valores no relacionamento desejo de controlar os resultado de desvios para um rival real ou sentimentos e os comportamentais de imaginário. (1) comportamentos do parceiro, levando em muitas e x i s t ê n c i a s O ciúme patológico também situações a comportamentos é chamado de Síndrome de a n t e r i o r e s , compulsivos de verificação Otelo, em referência ao marcando assim o (ex: vasculhar os bolsos do drama de Shakespeare que parceiro, ouvir telefonemas, sistema emocional conta a história de um visitas surpresa, seguir o homem que ama demais a do indivíduo... p a r c e i r o , a b r i r sua esposa e que, correspondência), convencido da sua procurando constantemente infidelidade, a mata, evidências que confirmem ou afastem as suas descobrindo mais tarde a sua inocência. suspeitas. De acordo com Ballone no que diz respeito ao ciúme a linha divisória entre a imaginação, Segundo Joanna de Ângelis “a presença do fantasia, crença e certeza, frequentemente ciúme na alma transforma-se em algoz torna-se vaga e imprecisa. As dúvidas podem implacável do ser. O paciente que tomba nas transformar-se em ideias supervalorizadas ou suas malhas estertora em suspeitas e verdades, que nunca encontram apoio nem delirantes. (2) reconforto” (3). A Benfeitora Espiritual Assim, o ciúme é um sentimento que gera esclarece ainda que o ciúme é resultado de angústia, raiva, desconfiança, insegurança,

6 A Libertação


Janeiro / Fevereiro / Março

desvios comportamentais de existências anteriores, marcando assim o sistema emocional do indivíduo. Todo e qualquer distúrbio orgânico ou psicológico precisa de tratamento especializado e por isso é necessário recorrer à psicoterapia e por vezes à medicação. A terapia de Abordagem Cognitivo-

o amor não

encarcera e felicita-se sempre quando liberta… O amor não retém… o amor irradia paz… o amor é o mais vigoroso sustentáculo que se conhece para a manutenção da vida humana.

Comportamental é a mais indicada para estes casos, porque intervém ao nível da reestruturação cognitiva, ajudando os pacientes a libertarem-se dos pensamentos disfuncionais. Joanna de Ângelis, conhecedora do psiquismo humano vai mais além em termos interventivos

necessário torná-lo amplo e irrestrito, de forma que se iniciasse em si mesmo, agigantando-se até ao seu próximo e rumasse na direcção de Deus” (4). Joanna de Ângelis acrescenta ainda que a “terapêutica da bondade ao lado da psicoterapia especializada constitui um elemento construtivo para a superação do ciúme, porque nesse serviço, o afecto se amplia, os horizontes alargam-se, os interesses deixam de ser personalistas e a visão a respeito do mundo e da sociedade torna-se mais complacente e menos rigorosa” (5).Em suma, o ciúme é um sinal de alerta que nos demonstra que algo não está bem em nós próprios. Nesses momentos é necessário fazer uma reavaliação interna dos pensamentos e atitudes tomadas, para que se possa entender os motivos que geram o ciúme. Muitas vezes, esses motivos são baseados em fantasias e não em factos reais. Não nos esqueçamos, que o ciúme patológico está relacionado com sentimentos de insegurança e baixa autoestima e por isso, é importante que a pessoa descubra e explore os seus potenciais internos. É ainda indispensável que se aprenda a amar, mas a amar-se a si próprio, pois só aquele que se ama verdadeiramente é capaz de amar alguém.

Referências Bibliográficas (1) MARAZITTI, D., NASSO, E., MASALA, I., BARONI, S., ABELLI, M., MENGALI, F. ,RUCCI, P., “Normal and obsessional jealousy: a study of a populational of young adults”, in Eur Psychiatry . 2003, nº 18. (2) BALLONE, G., Ciúme Patológico. Psiquiatria Geral. 2004. (consultado através do Psiq Web. (3) FRANCO, D. (Joanna de Ângelis), Elucidações Psicológicas à Luz do Espiritismo. Salvador: Leal. 2003, p. 79. (4) FRANCO, D. (Joanna de Ângelis), Libertação pelo Amor. Salvador: Leal. 2005, p. 253. (5) Franco, D.P / Joanna de Ângelis (2005b). Conflitos Existenciais. Salvador: Leal. 2005, p. 94.

e deixa-nos a sua recomendação de um amor libertador: “o amor não encarcera, e felicita-se sempre quando liberta… O amor não retém… o amor irradia paz… o amor é o mais vigoroso sustentáculo que se conhece para a manutenção da vida humana. Quando Jesus recomendou o amor como condição essencial para a felicidade humana, estabeleceu que era A Libertação 7


Janeiro / Fevereiro / Março

O Passe

no Centro

Espírita Julieta Barbosa/Isabel Piscarreta

mediunidade; não lhe consagre, se assim for preciso, senão o tempo de que materialmente possa dispor. Os Espíritos lhe levarão em conta o devotamento e os sacrifícios, ao passo que se afastam dos que esperam fazer deles uma escada por onde subam.” (3) Allan Kardec enuncia três modalidades para a produção da ação magnética: a que se dá por meio do magnetismo humano, isto é, do fluido do próprio magnetizador; a que decorre do fluido dos Espíritos, atuando diretamente e sem intermediário sobre um encarnado, designado por magnetismo espiritual e, por último, a que ocorre quando os Espíritos derramam sobre o magnetizador os seus fluidos, servido aquele de intermediário para que esse magnetismo chegue ao paciente. Trata-se, neste caso, do magnetismo misto, semi-espiritual ou humano-espiritual, de acordo com a designação do Codificador. Uma vez combinado com o fluido humano, o fluido espiritual vai imprimir-lhe qualidades especiais de que ele não dispunha isoladamente, permitindo atender de modo mais eficaz à necessidade daquele que recebe esses fluidos (4). Esta última modalidade é a que é utilizada por excelência no Centro Espírita no momento do passe. Sendo o passe um “valioso recurso para a recomposição das carências orgânicas, emocionais, psíquicas e espirituais da criatura humana, de que Jesus se fez o mais sublime Terapeuta de que a Humanidade tem notícia” (5), ele não é, no entanto, o responsável único e suficiente para a manutenção do bem-estar. Isto porque o nosso modo de agir e pensar desequilibrados produzem contínuas desarmonias. Se por um lado identificamos no passe um recurso terapêutico divino, promotor do consolo e alívio dos que sofrem, se “os passes e as preces são veículos intercessórios e os medicamentos reparadores complementares”, a verdade é que, ainda que extremamente úteis e mesmo indispensáveis, “não são a base real do reequilíbrio” (6) que reside sobretudo na transformação do indivíduo em homem-exemplo dinamizador do bem na sociedade. É por essa razão que, a todo aquele que se dirige à Casa Espírita para receber o auxílio espiritual através do passe, deixamos o convite ao estudo, de modo a que o seu Espírito enriquecido de conteúdos espirituais, se motive, corajosamente, para a vitória sobre o seu próprio Eu.

Sob a orientação de Jesus – o médico das almas - os Benfeitores Espirituais, particularmente no momento do passe, transmitem os fluidos salutares através dos médiuns, favorecendo o equilíbrio psicofísico dos indivíduos, como resposta alternativa ou complementar à medicina terrena. Como refere Martins Peralva, “nos tempos atuais tem cabido ao Espiritismo, na sua feição de Consolador Prometido, conservar e difundir largamente a modalidade de socorro espiritual através do passe, aos que sofrem do corpo e da alma. (…) Os centros espíritas convertem-se, assim, numa espécie de refúgio para aqueles que não encontram na terapêutica da Terra o almejado lenitivo para os seus males físicos e mentais.” (1) No Centro Espírita, respeitando o ensinamento de Jesus “Dai gratuitamente o que gratuitamente recebestes”, o passe é praticado desinteressada e gratuitamente em nome do amor a Deus e ao próximo. Allan Kardec indica-nos que esta é uma condição essencial para que seja garantida a assistência dos Bons Espíritos, pois “a mediunidade é coisa santa, que deve ser Referências Bibliográficas praticada santamente, religiosamente”(2). (1) PERALVA, Martins, Estudando a Mediunidade. Cap. XXVI. Os médiuns são veículos para a (2) e (3) KARDEC, Allan,O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. transmissão dos fluidos salutares XXVI, item 10. provenientes do Mundo Espiritual, que não (4) Idem, A Génese. Cap XIV, item 33. têm o direito de vender, já que não lhes (5) Projecto Manoel Philomeno de Miranda, Terapia Pelos Passes, pertencem. E esclarece, acrescentando, Cap. 8. 6) MELO, Jacob, O Passe – Seu Estudo, Suas Técnicas, Sua Prática. “procure, pois, aquele que carece do que Cap. IV, item 3.5. viver, recursos em qualquer parte, menos na 8 A Libertação


Janeiro / Fevereiro / Março

Inseminação artificial e embriões congelados I Sílvia Almeida O tema da inseminação artificial tem sido objeto de grande polémica nas sociedades humanas, abrindo um novo campo de discussão no qual se posicionam defensores e opositores. Relacionado com um processo de paternidade e maternidade novo, diferente do natural processo através do qual os seres humanos desde sempre se reproduziram e perpetuaram a sua espécie, decorre dos avanços científicos entretanto realizados, mas também de uma nova mentalidade do próprio ser humano que, muito mais liberto do que no passado, do vínculo mantido com tradições, tabus e mesmo a submissão a determinados dogmas religiosos, mostra-se recetivo à adoção de novas soluções na resolução dos seus problemas. Essas soluções levantam muitas vezes, como é o caso, questões sérias, no domínio humano, ético e espiritual. Não nos compete naturalmente discutir todos os argumentos contra ou a favor, mas somente aqueles que dizem respeito a uma abordagem do problema à luz da Doutrina Espírita, procurando enquadrá-lo, analisá-lo e entendê-lo melhor. Por ser um tema muito recente, não encontramos na Doutrina Espírita uma posição consensualmente elaborada, mas sim pareceres e perspetivas de diversos autores, na falta de dados consolidados e repetidos universalmente pelos Espíritos

Mentores da Humanidade. Essas posições são, no entanto, convergentes, complementando-se e não se contradizendo, uma vez que se baseiam na própria codificação e em obras de inquestionável validade. Acerca do assunto, gostaríamos de começar por considerar que todos os avanços e sucessos científicos são consentidos por Deus e estão previstos para uma dada época, não acontecendo ao acaso. Se hoje é possível levantarem-se questões como as que estão envolvidas na clonagem, na fecundação in vitro, isto só acontece porque Deus permite aos homens utilizarem a sua inteligência desbravando este tipo de caminhos. Se hoje é possível realizar a fecundação por métodos científicos, fora do organismo humano, num laboratório; se é possível depois, em dado momento do desenvolvimento do embrião concebido por esse processo, implantá-lo no organismo feminino da mãe ou daquela que, tendo as condições físicas necessárias, se oferece para o gerar, é que Deus concede à humanidade a possibilidade de o fazer, com todos os índices de sucesso e insucesso que não se encontram nas mãos daqueles que estão materialmente envolvidos nesse processo. Uma primeira pergunta pode assim ser desde logo respondida. Estarão esses A Libertação 9


Janeiro / Fevereiro / Março

intervenientes a agir à margem da Lei Divina, promover o avanço da humanidade. Porque simplesmente por terem encontrado quem nos diz que Deus não nos escolheu alternativas para a conceção e geração da para sermos os seus instrumentos, pondo fim vida humana, permitindo a pais que nunca a uma prova ou expiação quando chegou o poderiam sê-lo vir a abraçar essa missão? momento dela dever cessar? É assim que não podem estar a agir à revelia da Lei aqueles Todas as ações desenvolvidas para o bem, que procuram com o seu conhecimento e todos os avanços científicos que permitem talento agir em prol da resolução de um colmatar problemas humanos não podem ser problema tão dramático como é o da contrários à lei Divina que é uma Lei de Amor. infertilidade. Por outro lado, se Deus permite Poderíamos argumentar: - Mas se alguém este avanço, como nada acontece por acaso, tem esta ou aquela prova ou expiação pela é porque para aqueles que a estes qual precisa passar, como interpretar esta procedimentos se submetem com sucesso interferência humana no programa expiatório chegou o momento de cessar a sua prova e de cada um? A resposta seria: - Então nesse de verem os seus sonhos realizados. caso o que dizer também dos tratamentos que Além desta questão, existem outras que se permitem curar doenças que noutras épocas encontram associadas à discussão da da humanidade seriam mortais? O que inseminação artificial e que colocam, mesmo pensar dos avanços do ponto de vista humano, científicos que permitem problemas éticos substituir braços, pernas, ...todos os avanços e controversos e de difícil órgãos, a seres humanos que sucessos científicos solução, pelo menos por os perdem ou que os têm enquanto. É o caso dos são consentidos por incapazes de funcionar? embriões congelados. Seria a solução ficar na Deus e estão inércia para que todos os Quando se recorre à previstos para uma carmas se cumprissem sem reprodução medicamente d a d a é p o c a , n ã o interferência? Claro que não, assistida, que compreende acontecendo ao e os Espíritos são muito a inseminação artificial, é claros a esse respeito prática comum serem acaso... quando afirmam: “É certo que fecundados mais do que um as vossas provas têm de óvulo, prevendo as taxas de seguir o curso que lhes traçou Deus; dar-se-á, insucesso e o desejo dos pais de, mais tarde, porém, conheçais esse curso? Sabeis até poderem querer ter outros filhos. Como os onde têm elas de ir e se o vosso Pai procedimentos e as várias fases do processo misericordioso não terá dito ao sofrimento de são complexas e delicadas, normalmente, tal ou tal dos vossos irmãos: "Não irás mais para além do embrião que é implantado no longe?" (…) Pode, portanto, sem receio, organismo da mãe, outros ficam guardados, empregar todos os esforços por atenuar o de reserva, para as eventualidades acima amargor da expiação, certo, porém, de que só mencionadas. São então congelados, a Deus cabe detê-la ou prolongá-la, conforme aguardando por outras oportunidades. E aqui julgar conveniente.” (1) surge uma das grandes polémicas. Para uns, os embriões são vida humana em potencial, Compete-nos fazer todo o bem que estiver ao para outros são “coisas”, por enquanto nosso alcance. Utilizar todos os nossos desprovidas de outro significado que não seja talentos, seja de que natureza forem para serem um meio para alcançar um determinado objetivo. Para nós espíritas, parece ser clara a afirmação que é feita a Kardec relativamente ao momento em que se inicia a vida humana, base de argumentação que também serve de chave de análise para a questão do aborto: Em que momento a alma se une ao corpo? “A união começa na conceção, mas só é completa por ocasião do nascimento. Desde o instante da conceção, o Espírito designado para habitar certo corpo a este se liga por um laço fluídico, que cada vez mais se vai apertando até ao instante em que a criança vê 10 A Libertação


Janeiro / Fevereiro / Março

Deus concede há h u m a n i d a d e a possibilidade de o fazer, com todos os índices de sucesso e insucesso que não se encontram nas mãos daqueles que estão materialmente envolvidos nesse processo.

a luz. O grito, que o recém-nascido solta, anuncia que ela se conta no número dos vivos e dos servos de Deus.”(2) Por outro lado, encontramos ainda, na questão 356: “Entre os nado-mortos alguns haverá que não tenham sido destinados à encarnação de Espíritos? “Alguns há, efetivamente, a cujos corpos nunca nenhum Espírito esteve destinado. Nada tinha que se efetuar para eles. Tais crianças então só vêm por seus pais.” Se é pois no momento da conceção, ou seja, da fecundação do óvulo pelo espermatozoide, que se inicia a reencarnação, desde a primeira divisão da célula-ovo já temos um ser humano que, mesmo em formação, tem o seu direito à vida. Na obra de André Luiz (psicografia de F. C. Xavier) “Missionários da Luz”, a propósito do

processo de reencarnação do espírito Segismundo, é referido o tempo de 15 minutos a partir do instante em que o espermatozoide atinge o óvulo para ser realizada a ligação do espírito ao ovo. “Nas clínicas e hospitais que trabalham com inseminação artificial, os embriões são congelados quando atingem 2 a 8 dias de idade, quando já se iniciou o processo de divisão celular. Portanto, não há dúvidas de que um embrião formado in vitro, para o qual um espírito foi destinado ou atraído, a ligação entre ambos já existe no momento do congelamento.” (3) Por outro lado, existem corpos aos quais nunca houve um espírito ligado, o que não se verificará na maioria dos casos, mas que significa que alguns embriões não possuem espírito e, portanto, são apenas um conjunto de células. No entanto, como saber se um determinado embrião possui ou não um espírito ligado? (continua) ..

Referências Bibliográficas: (1) KARDEC, Allan, O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. V, item 27. (2) FONSECA, A. Fontes e VANUCCI, Alvaro, Revista Internacional de Espiritismo, Matão, Ano LXXX, nº 3, Abril, 2005. (3) KARDEC, Allan, O Livro dos Espíritos... A Libertação 11


Janeiro / Fevereiro / Março

ESPIRITAS DE ONTEM

Fazer Bem Ypeselon O campo de fazer bem é como uma seara família remediada se lembrasse de um ilimitada de lírios roxos. desgraçado, para a Noite de Natal ser menos Ser bom é pegar na foice invisível da cortada de imprecações e menos triste. abnegação e da vontade decidida de fazer o Todos podem fazer bem, se não em moeda, e bem, e lançar-se na seara ondulante e triste. este não é o maior bem, ao menos em conforto Fazer o bem não é somente dar um fato velho e moral, em mil pequenos e grandes serviços. roto a um envergonhado ou uma nota de tostão Nas minas de Arouca há ainda, como resto fétida a um andrajoso. fóssil de antigas eras prósperas de volfrâmio, Fazer o bem é despojarmo-nos de qualquer um pobre mineiro, entrado em anos e que coisa que amemos ou nos faça falta, para dizem refugiado ali por ter sido criminoso no melhorar a infelicidade alheia. Fazer o bem Porto, em tempos. Anda roto, vive só, dizem deve ser prescindir sempre de todo o supérfluo que rouba, e mete dó o seu aspeto miserando. e muitas vezes até do que nos fizer falta. Este homem que se queixa asperamente da má Quanto maior for o sacrifício, sorte, este pária que mal tanto mais alto voará o pode erguer o pico ou a espírito na luz etérea. Não há ninguém no b r o c a , q u a s e s e m Fazer o bem é não recear o articulações nem tecidos, mundo que não possa, contágio da lepra e da inútil, prejudicial talvez, miséria, é não recear a dentro da sua esfera de pareceria a muita gente morte por amor de alguém. incapaz de ser bom ação, ser útil e bem também. Pois assim não Nestas grandes é. Quando assolou o fazer. necrópoles, que outra coisa mundo a “pneumónica”, não são os monstruosos nas minas morreram burgos modernos, quanta desventura oculta, quanto sofrimento horrível, quase repentinamente, e simultaneamente, quanta decomposição lenta! E vós, ricos e sete indivíduos. Estabeleceu-se um pânico sãos, após uma horas de conversas banais ou indescritível nos trezentos trabalhadores. trabalho suave, entrais nas vossas casas Muitos fugiram da mina, ainda bons, para radiantes, felizes, de ter cumprido o vosso morrerem no caminho. Quem havia de vestir os sete cadáveres? Todos se esquivavam. Todos dever quotidiano para … convosco. tinham receio do contágio. Só um homem não A vida humana está ainda hoje exposta a toda a teve medo. Sozinho, grandioso, tranquilo, feliz casta de miseráveis quedas na necessidade, por ser útil uma vez ao menos, foi ele o pobre e mercê da insensibilidade social, só a pouco e velho mineiro quem vestiu os sete mortos, pouco se vai pensando em Solidariedade social quem os lavou, quem os alindou para a marcha para com os que penam na mais baixa abjeção. do Além. Todo o progresso humano é lento e Não há ninguém no mundo que não possa, ensanguentado. A influência da bondade dentro da sua esfera de ação, ser útil e bem individual na atenuação e extinção das fazer. desventuras é ainda muito precária. Há muita gente boa no sentido de não fazer Mal, mas quanta vai procurar o Mal onde ele campeia? in Luz e Caridade, órgão do Centro Espírita de Braga, Quem se lembra dos pobres nos grandes dias Maio de 1922 solenes? E, no entanto, bastaria que cada 12 A Libertação


Janeiro / Fevereiro / Março

Histórias do Rolinha

Rolinha, o pastor “Jesus – o Bom Pasto,r também não perde nenhuma das suas ovelhas” - Olha, hoje levas o jantar ao pai que anda com o rebanho no Monte do Queimado – disse a mãe do Rolinha. A comida, migas de batata com entrecosto, toucinho e linguiça, era acondicionada no “tarro”, recipiente feito de cortiça que permitia manter os alimentos quentinhos, não havia ainda os “termos”. Chegou ao lusco-fusco, o pai procurou duas pedras grandes para servirem de bancos e sentaram-se em frente um do outro com o tarro no meio. Cada qual com sua colher, iam retirando à vez do tarro, ora as migas, ora a carne, deixando uma pequena porção no fim para pôr na tijela o jantar da Primavera, a cadelinha. Depois, o pai juntava uma boa quantidade de palha e fazia uma cama fofinha para que o Rolinha dormisse, quando tivesse sono. Ele não dormiria, vigiaria o rebanho, pois era então que o gado pastava, devido à frescura da noite. Dormiria no dia seguinte, à hora da “sesta”, depois do gado beber e “amodorrar” à sombra da azinheira grande, evitando o calor abrasador. O rebanho pastava calmo sem dar muito trabalho, o Rolinha deitava-se, a Primavera fazia o mesmo encostada a ele e o pai começava a sua lição de Astronomia. - Sabes como se chama aquele grupinho de estrelas que mal se vê? – É o “sete estrelo”, nome popular dado às “Plêiadas”. Aquelas são a Ursa Maior, aquelas outras a Ursa menor e aquela agora é a estrela da tarde e logo é a estrela da manhã – nome popular dado ao planeta Vénus, primeiro astro noturno a aparecer no horizonte e o último a abandoná-lo. O Rolinha adormecia e levava a noite em viagem contínua, de constelação em constelação, visitando os lugares lindos que aí existiam segundo a versão e imaginação do pai. Às dez horas da manhã o calor tornava-se insuportável para todos e o gado e os pastores punham-se a caminho. O rebanho alongava-se pela estrada encostado à “berma” da direita. À frente ia a Primavera atenta para que todos os animais seguissem em frente, ao meio ia o pai e o Rolinha armado do seu “cajado” ia atrás para não deixar nenhum perdido e não ser atropelado por nenhum carro. De repente, passa um automóvel, pára à frente do rebanho e deixa sair um senhor de máquina fotográfica na mão. Disse umas palavras que eles não perceberam e tirou uma, duas, três fotografias ao grupo e uma outra só à Primavera. Depois disse: - jolie, jolie!! – (linda, linda). O Rolinha gritou: - Não é Joli *, é Primavera, é uma cadela. * nome dado a alguns cães em Portugal. O Rolinha não conhecia a língua francesa.

JOTA TÊ A Libertação 13


Janeiro / Fevereiro / Março

Nosso Lar

14 A Libertação

Autor Espiritual: André Luiz I Psicografado por: Francisco Cândido Xavier Adaptado e ilustrado por: Paulo Henriques I Com a autorização da Federação Espírita Brasileira


Janeiro / Fevereiro / Março

A Libertação 15


Janeiro / Fevereiro / Março

Cultura Por: Paula Alcobia Graça

UERL – CONSELHO DELIBERATIVO O Conselho Deliberativo da UERL – União Espírita da Região de Lisboa – decorreu no dia 13 de janeiro, pelas 15 horas, na Associação Cultural Espírita (Caldas da Rainha) e contou com a presença dos Dirigentes que pertencem à Região de Lisboa. viagem ao mundo das emoções Um dos pontos da ordem de trabalhos consistiu em proceder à eleição da Comissão Executiva para o próximo biénio 2013-14. Realizada a eleição, o Diretor Regional continua a ser Rui Marta do Centro Espírita Casa do Caminho,o Secretário Geral passou a ser António Costa da Associação de ESTUDOS ESPÍRITAS NA FEC Beneficência Fraternidade e o Secretário Executivo, Elda Silva da Associação Cultural Este ano letivo ficou enriquecido com a Espírita Fernando de Lacerda. implementação de mais um estudo denominado “Jesus Contemporâneo: viagem ao mundo das emoções”. É um curso organizado em módulos: I – Jesus na História; II – Os amigos de Jesus: cumplicidades e incompreensões; III – A mulher e Jesus. Pretende-se com este estudo voltar a analisar a figura de Jesus, através do olhar que Amélia Rodrigues (Espírito) nos oferece, pela Seminário psicografia de Divaldo Pereira Franco.

Contemporâneo

Mediunidade com

Jesus

17 de Março 2013

Auditório do Metropolitano de Lisboa |Rua João de Freitas Branco Estação de Metro Alto dos Moinhos 1500 Lisboa http://www.uerl.org | e-mail: geral@uerl.org

UERL – SEMINÁRIO

Palestra de Estudo Doutrinário

"Família Hoje” 4ª feira

Promover a divulgação da Doutrina Espírita por 10 de outubro 2012 todos os meios ao seu alcance e estimular o às 20.30h interesse nas Instituições da Região pelo Estudo da Doutrina Espírita continua a ser um dos objetivos da UERL - União Espírita da Região de Lisboa. Por isso, de acordo com a calendarização de atividades da União Espírita ESTUDO DOUTRINÁRIO NA FEC da Região de Lisboa, realizar-se-á, no dia 17 de março um Seminário subordinado ao tema Através do Estudo Doutrinário “Obsessão “Mediunidade com Jesus”. (para mais Hoje”, apresentado no ano anterior, foi informações consulte http://www.uerl.org) desenvolvida a problemática da obsessão. Este ano, sob a designação “Família Hoje”, 16 A Libertação


Janeiro / Fevereiro / Março

procuramos oferecer orientações, de acordo com os princípios da Doutrina Espírita, o comportamento saudável nas relações que se estabelecem entre os elementos pertencentes a uma Família, a fim de que se cumpram os objetivos para os quais foi criada. Renovamos o convite para assistir às nossas Palestras Públicas e aprender um pouco mais sobre este tema. Também relembramos que poderá assistir às palestras através da internet. Basta aceder a www.fec.pt.

tem para oferecer.

Internacional

Dij Por: Sílvia Almeida

26 ANOS A PLANTAR SEMENTES DE LUZ No dia 24 de Novembro celebrou-se mais um aniversário DIJ com a realização de um Seminário para pais e educadores subordinado ao tema “Ser o autor do próprio destino”. Quanto às crianças e aos jovens, realizaram a sua homenagem confecionando variados elementos decorativos que animaram o pequeno lanche e que permanecem a enquadrar o recanto da sala Multicultural reservado ao DIJ, lembrando a quem entra que completámos 26 anos a plantar sementes de luz nas almas que agora recomeçam uma nova experiência na matéria.

NOVA LOGOMARCA DA FEB Depois de muitos estudos e pesquisas, a FEB Editora apresentou a sua nova logomarca, que constará nas suas obras a partir de 2012. A repercussão e a aceitação da figura foram tão intensas que a Federação Espírita Brasileira (FEB) decidiu também adotar o novo desenho como sua representação gráfica. CONGRESSO ESPÍRITA MUNDIAL Com a presença de oradores de diferentes nacionalidades e temáticas atuais, o 7º Congresso Espírita Mundial aguarda, de 22 a 24 de março de 2013, a presença de milhares de congressistas em Havana, Cuba. O tema central “A Educação Espiritual e a Caridade na Construção de um Mundo de Paz” – 150 anos de O Evangelho Segundo o Espiritismo. Do programa constam exposições, por exemplo, sobre as Obras de Kardec.

DIA DOS PAIS NA FEC Teve lugar, no dia 19 de Janeiro passado, mais um Dia dos Pais na FEC. Como em anos anteriores, tratou-se de um dia em que os pais puderam assistir e participar nas várias aulas frequentadas pelas suas crianças e jovens, das aulas de evangelização propriamente dita às aulas complementares de música ou expressão plástica. Deste modo, puderam inteirar-se de forma direta dos métodos de trabalho utilizados e envolver-se ainda mais na estrutura da Evangelização Espírita que a FEC A Libertação 17


Janeiro / Fevereiro / Março

O CHAMADO DOS IRMÃOS DE LUZ Autor: OSVALDO ESTEVES FARIA “À medida que a minha convivência com Raul Teixeira tornou-se mais íntima e os laços de amizade mais fortalecidos, pude realmente ver quão grandiosa fora a missão que a Espiritualidade Maior havia depositado em suas mãos. Surgiu-me, então, o anseio de ver publicado algum trabalho que retratasse um pouco a sua vida, já que tão pouco se sabe sobre a vida de outros médiuns como Peixotinho e Julinho Grandi Ribeiro, que foram, também, importantes trabalhadores do Movimento Espírita Brasileiro. A todo aquele que ler o conteúdo desta obra, desejo, sinceramente, que sinta pelo médium e orador espírita Raul Teixeira o mesmo carinho, o mesmo respeito e a mesma admiração que pude sentir ao escrever estas páginas.” RECONHECIMENTO A ALLAN KARDEC Autor: DIVALDO FRANCO Espíritos: DIVERSOS Reconhecimento ao Codificador é uma obra, fruto de dedicada pesquisa, que retrata o perfil e os feitos do ilustre Codificador do Espiritismo, a quem se presta uma homenagem. "São páginas impregnadas de sentimento e de beleza, procedentes do mundo imperecível, que organizamos para o estudo e meditação do caro leitor...". Diversas e valiosas informações sobre a Doutrina Espírita e O Livro dos Espíritos completam a bela obra, enriquecendo os nossos conhecimentos e estimulando-nos à reflexão, para melhorarmos cada vez mais, como verdadeiros espíritas -cristãos. CHICO XAVIER, O HOMEM E O MÉDIUM Autor: MICKAEL PONSARDIN Nascido na França e residindo em Lyon, mas com perfeito domínio da língua portuguesa, o autor deste livro é um jovem estudioso do Espiritismo naquele pais, já tendo visitado o Brasil várias vezes, onde colheu o rico material que serviu de base para a confeção desta biografia do médium mineiro Francisco Cândido Xavier. Seu Trabalho não se limitou à mera compilação dos factos aqui registados, muitos dos quais já conhecidos pelos leitores ou testemunhados pessoalmente pelos amigos que conviveram com o médium. O autor foi mais longe: interpretou os factos de maneira serena e desapaixonada, apresentando o biografado na sua feição mais autêntica, qual seja a de fiel instrumento do Espiritismo e do Evangelho de Jesus a serviço da Humanidade. 18 A Libertação


A Libertação 117  

Boletim informativo da Fraternidade Espirita Cristã Lisboa Portugal