Page 1

~1~


Tijan Anti-Stepbrother Livro Único

Tradução e Revisão: Ju. M. Leitura e Revisão Final: Anne Pimenta Data: 03/2017

Anti Stepbrother Copyright © 2016 Tijan

~2~


SINOPSE Ele me disse ‘se contente, garota’. Ele perguntou se ‘algo estava errado comigo?’ Ele disse que eu era um ‘alvo fácil’. Isso foi em poucos minutos que eu conheci Caden Banks. Eu o rotulei como um Idiota, mas ele era mais do que isso. Arrogante. Presunçoso. Alfa.

Ele também era lindo de morrer e irmão de fraternidade do meu meio-irmão.

Ok, sim, eu era um pouco ingênua, um pouco socialmente estranha, e um pouquinho stalker, mas se Caden Banks achou que ele poderia me dizer o que fazer, ele estava enganado.

Eu vim para a faculdade sonhando sobre estar com o meu meioirmão, mas e se eu me apaixonasse pelo anti-meio-irmão ao invés?

~3~


K

evin estava beijando outra garota. E ele não estava apenas beijando-a - ele estava inalando-a. Ele pressionou contra ela, o cabelo escuro dela torcido em suas mãos, seus lábios se movendo pela garganta dela e entre os seios. Era um trem desgovernado. Eu vi isso acontecer. As luzes eram brilhantes e iminentes, e eu poderia ter me afastado das trilhas. Mas não, eu era uma idiota cega no lugar. Eu não conseguia desviar o olhar, embora eu devesse ter feito isso. Este era Kevin - o meu Kevin! Ok, não meu namorado Kevin, mas meu meio-irmão Kevin. O mesmo Kevin que eu estava apaixonada por dois anos - desde meu primeiro ano do ensino médio, desde que minha mãe morreu e meu pai decidiu que estava apaixonada pela mãe do cara mais popular da escola. Sheila Matthews, também conhecida como a mãe de Kevin, era a enfermeira que cuidou da minha mãe durante a sua estadia no hospício. Tinha sido um escândalo. Como se atreve o Sr. Stoltz se apaixonar antes mesmo de sua esposa morrer? Não importava que a minha mãe estivesse morrendo de câncer por anos. O timing do meu pai era péssimo, mas aconteceu. Uma noite depois de a minha mãe ser enterrada, ele estava na casa dos Matthews. Um aspecto positivo, embora meu pai e Sheila não tenham mantido a sua relação em segredo, foi que eu não tive que conhecê-la até mais tarde. Na verdade, eu a conheci no jantar onde eu também descobri que ela ia ser a minha madrasta, e assim o verão entre meu segundo e terceiro ano, eu ganhei um meio-irmão, também. Claro, eu já sabia que era Kevin Matthews. Todos sabiam que era Kevin Matthews. Um ano mais velho que eu. Capitão de futebol. Capitão de basquete. Capitão corrida. Ele estava no Conselho de Estudantes - e eu

~4~


tenho vergonha de admitir que eu nunca prestei atenção ao que ele fez a eles. Eu realmente não me importo. Ele era muito mais. Ele era o cara que todos os caras respeitavam e todas as meninas queriam, inclusive eu e sua rotação de namoradas de seis meses. Ele namora uma garota durante seis meses. Então eles terminam porque ele tinha se apaixona por outra garota, e ela dura os próximos seis meses. Apesar de todo o meu conhecimento sobre ele, antes de se juntar à minha família, Kevin não sabia quem eu era. Eu não era ninguém especial. Quer dizer, eu não era impopular. Eu era apenas... média, eu acho. Já tinham me dito que eu era bonita, mas ouvi isso de todas as pessoas que deveriam me dizer isso. A minha mãe me disse todos os dias, então meu pai todo mês ou assim, e, finalmente, Sheila fez uma vez que nos mudamos. Ela disse isso a cada duas semanas. Foi bom ouvir, mas qual é. Isso é o que os pais devem fazer. Todas as minhas três figuras parentais fizeram o seu trabalho direitinho e as minhas duas melhores amigas, May e Clarissa. May era uma pequena asiática mal-humorada que era convidada para sair em uma base semanal, mesmo quando ela tinha um namorado. E Clarissa era alguns centímetros mais alta que eu, com um corpo tipo Britney Spears da época de ‘Oops!... I Did It Again’. Eu tinha longos cabelos castanhos escuros e um corpo suficientemente magro. Eu nunca me achei grande, mas ambas May e Clarissa tinham feito comentários suficientes sobre como elas matariam para se parecerem comigo, então eu comecei a me sentir mais confiante. Minha mãe sempre me disse que eu tinha lábios perfeitos e olhos amendoados com longos cílios que eu tinha herdado do lado do meu pai. Minha avó tinha sido linda. Eu nunca a conheci, mas nas fotos ela tinha olhos escuros, cabelos escuros, um rosto em forma de coração, e um ar sedutor. May e Clarissa viram uma foto dela uma vez e caíram de costas na cama, gemendo com o quanto eu herdei dela - algo que eu não tinha percebido até então. Então, sim, nenhum de nós estava magoada, mas nós nunca participamos dos círculos sociais populares e exclusivos do ensino médio. Talvez tenha sido porque nós três tínhamos o nosso próprio grupo exclusivo, ou talvez fosse porque nenhum de nós tenha desmaiado em festas, dormido com qualquer um ou se juntado as líderes de torcida. Nada contra quem faz isso. Só não é com a gente. Éramos basicamente entediantes.

~5~


Tínhamos boas notas. Íamos para algumas festas, mas não todo fim de semana. Boliche, festa de pijama, compras, e saídas regulares para jantar eram nossas atividades sociais. Eu poderia ter vivido na livraria local também, então eu acho que é por isso que não estávamos no topo da cadeia alimentar, onde Kevin e a maioria das suas namoradas estavam. E não que queríamos ser. Bem, May poderia ter querido, mas Clarissa e eu estávamos contentes. De vez em quando, Kevin namorava alguém no nível social abaixo. Uma vez que ele namorou uma menina que estava dois níveis abaixo, e um pandemônio chegou aos corredores. Meninas usavam roupas esquisitas. Os corredores cheiravam a salão de beleza profissional, e ouvi dizer que as maquiagens na loja de departamento local estava esgotadas. — Kevin, — a menina gemeu, puxando-me de volta para o trem desgovernado. Ela levantou uma das pernas tonificadas para envolver em torno dele, puxando-o mais firmemente contra ela. Eu enruguei meu nariz. Bom Deus. Eu precisava desviar o olhar, mas eu não podia, não enquanto a mão dele descia. Ele levantou a perna dela ainda mais para pressionar contra ela, e ambos gemeram pelo atrito. Eles ainda estavam vestidos. Essa foi uma bênção, mas eles mal estavam vestidos. Os jeans de Kevin estavam frouxos, como se eles já tivessem sido abertos, e a saia da garota tinha sido empurrada para cima. Uma lingerie rosa apareceu, e a forma como isso se mexeu... como se algo estivesse acontecendo lá ... e sim, era a mão dele. Hora de reverter isso. Eles encontraram um lugar no quarto de trás do porão, que era perto do quarto de Kevin em sua fraternidade. Eles só não tinham chegado até lá. Eu deveria ter percebido o que estava acontecendo quando eu vi que a porta do porão tinha um elástico na maçaneta. Eu escorreguei de volta para fora da porta, e eu era pequena o suficiente para agarrar o elástico. Enfiei no bolso quando saí. Ok. Sim, eu amei Kevin durante anos. Sim, eu tinha vivido com ele. Sim, ele era meio que meu irmão, mas nenhum amor irmã/irmão havia se formado entre nós. Éramos compadres, amigos, camaradas. E eu pensei que tinha havido um flerte. Sim, sim, havia tido flerte.

~6~


Nós só vivemos um ano juntos, e sim, ele era quieto na maioria do tempo. Ele mal estava em casa, e quando ele estava, ele tinha uma namorada. Com ele. Mas houve momentos! Como quando eu carreguei os pratos na máquina de lavar louça depois do jantar, ele ficou um pouco por perto. Ele até limpou a mesa em algum desses momentos. Houve sorrisos. Eu ganhei uma piscadela uma vez. Um par de abraços. Parecia algo no momento, mas pensando sobre isso agora, eu percebi quão nãomais-que-amigos isso tinha sido. Até o verão. Isso mudou depois disso. Kevin chegou da faculdade para minha formatura do ensino médio, e não tinha bebido. Tinha havido libertinagem - entre nós dois. Beijas. Mãos. Lembrando agora, eu podia sentir tudo novamente. A mão no meu peito, então dentro de meus jeans. Eu tinha puxado a camisa dele para cima. Ooh, que peito glorioso. Ele tinha pairado acima de mim. Eu senti suas costas, passando minhas mãos para cima e para baixo, e ele tinha feito o mesmo. Ele tinha feito mais do que o mesmo. Eu dormi com ele. Bem - eu ainda me encolho ao pensar nisso. Não, eu realmente não tinha dormido com ele. Tivemos relações sexuais, e ele se foi quando eu acordei na parte da manhã. Tipo, sumiu. Ele tinha voltado para sua casa na fraternidade que era a quatro horas de distância. Não foi estranho, no entanto. Não. Eu não tinha pensado assim. Ele ligou para se desculpar naquela noite, dizendo que ele se esqueceu de um compromisso, mas ele não queria que eu achasse que houve qualquer estranheza entre nós. Tá vendo? Sem estranheza. Então tinha havido outras ligações ao longo dos próximos dois meses - quatro delas. (Isso foi mais de quatro do que o normal). Claro, ele normalmente ligava para falar com a mãe dele, mas havia bate-papo comigo também. Como você está? Como está o seu verão? Ele me provocava sobre se eu tinha um namorado ou não. Eu o provocava de volta sobre as meninas, enquanto meu estômago se revirava, esperando que não houvesse nada sério. Com base no que ele me disse, não havia ninguém. Enfrente isso, Stoltz. Você achou ser aquela garota. É verdade. Eu realmente achei e eu percebia agora o quão estúpida eu tinha sido. E eu fui estúpida por vir a esta festa. Era isso. Eu precisava ir.

~7~


Havia pessoas em todos os lugares quando eu subi e quando eu virei eu ouvi, — Whoa! Cuidado, menina! Meu cotovelo tinha feito contato com alguém, e quando olhei para ver quem era minha vítima, meus olhos desembarcaram pela primeira vez em um braço muito musculoso e definido. E com tatuagens. Caramba, tatuagens! Elas cobriram todo o braço. Eu fiquei encarando. Eu não deveria ter feito isso, mas eu não poderia evitar. O bíceps inchou um pouco, e quando fez, uma tatuagem de cobra se moveu com ele, dando a ilusão de que havia realmente uma verdadeira serpente no braço. — Algo de errado com você? Meu olhar se ergueu, para longe da cobra e direto em um par de olhos surpreendentemente escuros (e belos). Eles estavam fixos em mim, uma mistura de irritação e confusão. — O quê? — ele perguntou o que há de errado com você. Eu balancei minha cabeça. — Não, desculpe. — eu bati nele. — Eu não vi você aí, e eu estava tentando sair. A irritação desapareceu, e seus olhos se estreitaram, juntamente com o canto direito da sua boca. — Eu percebi com toda a coisa de esbarrar. — ele fez uma pausa. — Você está indo? Eu balancei a cabeça. — Eu não conheço ninguém aqui. Ele olhou atrás de mim. — Você não veio do porão? Você não conhece ninguém lá embaixo? — Eu me perdi, — eu disse rapidamente. Um rubor estava trabalhando o seu caminho até meu pescoço. — Você está nesta fraternidade? Sua boca fez uma linha fina. — Infelizmente. Por quê? Kevin adorava ser um irmão Alpha Mu. Ele tinha sido tão orgulhoso quando ele anunciou que sua candidatura foi aceita. Seu pai era um Mu Alpha, também. Por que esse cara não parecia feliz com isso eu não entendi. Kevin só tinha falado sobre como era apoiar a família Alpha Mu e a força de sua rede nacional. — Eu queria saber se você sabia onde a porta estava.

~8~


Ele pareceu relaxar. Seus ombros baixaram um pouco e a cobra se mexeu novamente quando seus bíceps se incharam, então retesaram. Ele fez um gesto atrás de mim. — Tome a primeira à direita e siga em frente. Ele vai levá-la para a porta lateral. Você vai querer evitar a sala de estar. Os caras estão tentando fazer com que as meninas tirem a roupa em um jogo, e- — seus olhos se moveram para trás e para frente. — sem ofensa, mas você é um alvo fácil. Eu era o quê? Eu me estiquei a minha altura completa e preparei uma observação mordaz... e ele se virou para sair. Ele deu dois passos e o grupo atrás dele o havia engolido. Ele se foi. Idiota! Saí pela porta lateral, a contragosto grata ao idiota, porque ninguém estava lá. Quando passei pela sala de estar do lado de fora, uma voz alta guinchou, assim como ele tinha me avisado. — Temos alguns peitos! — isso foi recebido com mais aplausos, mais risadas. Eu estava na calçada quando ouvi outro grito. — Ela está lá! Ela está com Matthews. Peguei meu ritmo e me afastei da casa. Eu podia ver um cara sendo empurrado para trás da porta da frente enquanto eu dobrava a esquina. Dois rapazes estenderam os braços enquanto desciam as escadas, em direção à calçada. Eu parei debaixo de uma árvore onde eles não podiam me ver. Matthews? Ele estava falando sobre Kevin? A porta atrás deles abriu, e um gritou por cima do ombro, — Traga Caden. Este é o seu irmão. Quem quer que estivesse saindo se virou e voltou para dentro sem fechar a porta. — E feche essa maldita porta! A porta se fechou com um estrondo. — Não. — o cara que eles estavam empurrando para longe da casa parou e se virou para se soltar. — Eu vou até lá buscar a minha namorada! Não me importa o que o meu irmão diz.

~9~


— Não, Marcus. — o primeiro cara parou na frente dele. Marcus inflou suas narinas. — Não me diga que não. Ela é a minha garota e Matthews é um pedaço de merda. Aproximei-me mais da árvore para que eu pudesse ouvir melhor. — Sim. Talvez. — Nada de talvez. Olhe, deixe-me ir até a porta lateral. Ninguém vai me ver. Meu irmão não tem que saber. Vou entrar, encontrar Maggie, e nós vamos sair. Eu prometo. Sem brigas. Eu juro. O primeiro cara bufou, cruzando os braços maciços sobre seu igualmente enorme peito. Suas pernas se destacaram na posição de um leão de chácara, como se ele estivesse pronto para ir contra uma multidão enfurecida. Ele balançou a cabeça lentamente. — Nós não podemos fazer isso, e você sabe disso. — Seu irmão provavelmente está vindo para cá de qualquer maneira, — Músculo silenciosamente acrescentou, falando pela primeira vez. Marcus deu um grunhido de frustração, e suas mãos se apertaram em punhos por um momento. Os caras da fraternidade mantiveram sua posição. Eu tive um sentimento que esta não era a primeira vez que eles mantinham um namorado irritado do lado de fora. A porta se abriu e uma voz familiar disse: — O que está acontecendo aqui? Os dois irmãos da fraternidade se afastaram, deixando o cara recém-chegado se aproximar. Quando ele entrou na luz, eu podia ver o idiota, o cara cobra da tatuagem que me ‘ajudou’ lá dentro. — Caden. — Marcus deu um passo em direção a ele. — Deixe-me entrar e buscar Maggie. Isso é tudo o que eu quero. — Certo. — Caden/idiota resmungou. — Porque você não vai bater nele mesmo né. — Kevin é um idiota, mas eu não faria isso. Então era de Kevin que eles estavam falando. Aquela menina tinha um namorado. — Eu quero esmagar a cara dele, mas eu não vou. Eu sei em que situação difícil isso o colocaria. — Marcus acrescentou, — eu juro.

~ 10 ~


A porta se abriu novamente atrás deles. Um novo cara apareceu. — Kevin está vindo. Uma voz feminina soou de dentro da casa. — Algo está acontecendo lá fora. O que está acontecendo lá fora? Caden contornou o cara novo e fechou a porta. — Quando Matthews vir, feche essa fodida porta. — Sim, senhor, Caden. Eu vou. — Negócios como este não se espalham para fora. — Eu sei. Eu sinto muito. Vou manter melhor a guarda. Eu prometo. Para provar seu ponto, quando a porta se abriu mais uma vez, Kevin apareceu e o cara fechou a porta atrás de si quase tão selvagemente como Caden tinha feito. Ele olhou para Caden com um leve sorriso e aceno, como se dissesse, Eu entendi. Viu? Caden balançou a cabeça e virou-se para meu meio-irmão. — O que está acontecendo? Kevin fitou Marcus, que estava com as mãos em punhos. Ele mal estava se contendo. — Matthews está aqui agora, — disse Caden a seu irmão. — Você pode indicar o seu problema. Marcus bufou. — Você está brincando comigo? Maggie deve ter escapado, provavelmente da mesma maneira que eu teria escapado. Um pensamento passou pela minha cabeça, e eu me virei. Lá, saindo pela porta lateral da qual eu tinha vindo, era a menina que Kevin estava beijando no porão. Ela parou quando me viu. Pânico inundou seu rosto, mas, em seguida, ela correu, indo na direção oposta pela calçada, e ela não foi silenciosa sobre o assunto. — Maggie? Ah não. Eu sabia o que ia acontecer, e eu me preparei. Marcus voou para o lado da casa, parando ao me ver. Ele franziu a testa, depois se concentrou atrás de mim. Olhei também, mas ela se foi. — Quem é você? — perguntou Marcus.

~ 11 ~


Eu me preparei para a pergunta que viria a seguir. Você viu a minha namorada? Mas quando eu olhei para trás, o resto dos caras estavam de pé atrás dele. Kevin deu um passo em minha direção, as sobrancelhas juntas. — Summer? Engoli em seco e me vi olhando para além do seu ombro para Caden, que estava olhando para mim, prendendo-me no lugar. Eu dei uma aceno indiferente. — Ei... pessoal.

~ 12 ~


— Summer? — disse Kevin. Caden franziu a testa quando ele se aproximou ao lado dele. Ele se virou para olhar entre nós. — Vocês dois se conhecem? Abri a boca, mas Kevin disse apressadamente: — Ela é minha irmã. — Meia irmã, — eu esclareci. — Meia irmã. — Kevin se virou, então ele estava mais perto de mim do que Caden. Os dois estavam quase se enfrentando, seus lados para mim, e por um momento muito estranho e tenso, ninguém disse uma palavra. Olhei entre eles. Caden era mais alto por alguns centímetros. Ambos eram lindos, mas de maneiras diferentes. Enquanto Kevin tinha uma arrojada boa aparência, cabelos loiros e cílios bonitos, Caden parecia fodão. Ele tinha um rosto lindo também com maçãs do rosto acentuadas, mas seu cabelo escuro, braços tatuados e comportamento tranquilo dava a ele um ar de autoridade. Ele era mais musculoso do que Kevin, que era magro, mas alguma coisa tinha me feito supor que Caden poderia lutar e acabar com meu meio-irmão. Sempre tive Kevin em um pedestal, e, pela primeira vez, ele parecia menos. Ele agora estava contra um cara que parecia mais masculino em quase todos os sentidos - com exceção de ser um mulherengo. Mas não. Eu afastei esses pensamentos. Eles não fazem sentido. Kevin era... eu fiz uma careta, culpa queimando dentro de mim. Não importa quanto doía ver Kevin beijando outra garota, ele era da família, certo? Levantando o queixo, fui até ele. Olhei para Caden, mostrando o meu apoio para o meu meio-irmão. — Eu realmente vim surpreender ele, mas mudei de ideia. Ele estava no telefone no andar de baixo. É por isso que eu saí. Marcus soltou uma respiração alta, afastando-se do grupo. ~ 13 ~


Eu ignorei isso, e eu tentei ignorar a mudança repentina na suspeita que Caden estava enviando na direção de Kevin. Ela caiu bem em mim, e eu engoli em seco, sentindo a força dele. O cara era inteligente. Ele sabia exatamente o que eu tinha acabado de fazer. Assim como Kevin. Os senti se encarar, em seguida, a parte de trás da sua mão roçou a minha. Eu percebi que era a sua maneira de me agradecer. — Sério? — Caden levantou uma sobrancelha. — Sério. — ergui a cabeça em desafio, apesar de como eu me sentia por dentro. Eu estava cobrindo Kevin, o cara que eu estava apaixonara e era errado. Pisquei algumas vezes. Tanto faz. Daria certo no final. Tinha que dar. — Sim. — Kevin tossiu. — Eu estava no telefone com o pai dela. Ele ligou porque ele não conseguia falar com ela. — ele me disse: — Você deveria ligar para seu pai. — Uh, obrigada. — sério? Ele deu de ombros, tentando parecer casual e tranquilo ao mesmo tempo. — Sem problemas. Caden não disse uma palavra, apenas observou a troca entre nós, mas Marcus bufou e revirou os olhos. Ele levantou a mão, apontando para mim. — Qual é, pessoal. Vocês não podem estar acreditando nessa garota. Ela é irmã de Matthews. É claro que ela vai mentir para ele. — O deixe em paz, Marcus. — o tom de Caden era cansado, e eu senti que este confronto tinha acontecido antes. Estudei os rostos dos outros irmãos, e eles eram todos iguais: cansados. Kevin deu de ombros novamente e inclinou a cabeça para o lado, mas ele não disse nada. Seu olhar se afastou de Caden, e ele olhou para os outros dois irmãos da fraternidade. A bravata que ele tinha adotado quando eu cobri para ele caiu, apenas um pouco, mas ele ainda limpou a garganta e forçou uma nota feliz em seu tom. — Acho que é hora de descer e pegar uma bebida. Vocês topam? Eles olharam para ele e Músculo resmungou. — Estou sempre querendo uma bebida. Foda-se essa merda de drama.

~ 14 ~


Kevin se colocou entre os dois, batendo em seus ombros. — Vamos fazer doses. É esse tipo de noite agora. Os três entraram, deixando Marcus, Caden, e eu pra trás. Antes que eles desaparecessem, Kevin olhou por cima do ombro e assentiu, dando-me um meio sorriso. Em seguida, eles foram embora. Kevin tinha me deixado. Mais uma vez. Déjà vu me bateu. Eu senti como eu tinha me sentido três meses atrás, quando eu tinha acordado de manhã depois e ele foi embora. Eu tinha acabado acobertando para ele, e ele foi embora para tirar fotos com seus irmãos da fraternidade. Eu fiz uma careta, não gostando de como isso desceu pra mim. Que filho da puta. — Por quê? — Marcus cuspiu a palavra para mim, sua mandíbula apertada. — Só me diga por quê? Eu sei que você viu. Deve ter visto. Culpa se espalhou em mim, mas eu não disse nada. O que eu poderia dizer? Ele estava certo. Caden suspirou. — A deixe em paz. Ele é a família dela. Ele estendeu a mão para descansar no ombro de Marcus, mas Marcus se esquivou e se virou para ele, os olhos piscando. — Entendi. Ele é seu irmão da fraternidade, mas eu sou seu irmão real. Um destes dias, você vai ter que escolher um lado, Caden. Foda-se. Foda-se ele e sua estúpida merda de fraternidade. — ele nos deu um olhar acusador. — Eu não dou a mínima para quem cobre para Matthews. Vai ser uma guerra total. Agora Caden estava chateado. Eu não conhecia o cara, mas eu sabia que ele estava chateado. Ele não me pareceu o tipo que deixar alguém falar assim com ele e ir embora. Dei um passo para trás, esperando um soco, mas nenhum veio. Havia apenas silêncio. Um irmão olhou para o outro, ambos com as mandíbulas cerradas. Em seguida, Caden olhou na minha direção, e me ocorreu: eles não diziam nada, por minha causa. — Oh. — eu dei um sorriso e um aceno. — Eu, uh, eu provavelmente deveria ir ligar para o meu pai. Porque, vocês sabem, é o que Kevin disse para eu fazer. Marcus bufou. — Certo.

~ 15 ~


Caden apenas me observou, seu olhar implacável. Eu recuei alguns metros, e ele ainda me observava. Não deveria ter me incomodado, mas uma pequena sensação de vibração floresceu no meu estômago. Eu comecei a me virar, em seguida, parei no meio do caminho com a minha cabeça inclinada. Eu ainda podia senti-lo. Eu não gostava daquela sensação, não mesmo. Era... irritante, assim como ele. Olhei uma última vez, e meus ombros imediatamente caíram. Eles tinham ido embora. Eu apertei a mão no meu estômago para acalmar a vibração indesejada acontecendo lá dentro. Eu fui em busca de Kevin. Desta vez, o plano para evitar Caden/idiota estava em pleno vigor. Kevin estava provavelmente indo rápido em seu caminho para ficar bêbado, ou se esgueirando de volta para encontrar aquela garota novamente. Eu não apostaria muito nele, mas eu realmente queria vê-lo. Apenas a razão tinha mudado. Em vez de querer vê-lo por causa de nós, eu precisava saber se eu realmente tinha que ligar para meu pai. ...ou foi o que eu disse a mim mesma. Eu voltei para o caminho que Caden tinha me dito para fugir e corri para o porão quando a barra estava limpa. Eu não esperava que Kevin estivesse lá. Eu planejei entrar em seu quarto, depois mandar uma mensagem pra ele dizendo onde eu estava. Ele teria que vir falar comigo. Ele não me queria por perto no caso do Idiota me encontrar e começar a me interrogar. Eu estava errada. A porta de Kevin estava aberta só um pouquinho, e eu podia vê-lo sentado em sua cama, seu telefone pressionado na orelha. Parei do lado de fora. — Você chegou em casa bem? — ele perguntou. Uma pausa. — Ótimo... sim, ele estava chateado. Não, ele não me machucou. Eu sei. — outra pausa, mais tempo. — Sim. Eu sei. Nós vamos resolver isso. Eu prometo. O quê? — ele gemeu. — Uh, a menina era minha meia-irmã, na verdade. — eu podia ouvir uma risada feminina a partir do telefone, e ele riu com ela. — Eu sei. Eu sei. Não, ela não vai falar. Ela me ajudou. Sim. Ela é gente boa. Estendi a mão para o batente da porta. Meus dedos enrolaram apertado em torno dele.

~ 16 ~


— Não se preocupe. Estou falando sério, Maggie. Ela não vai dizer nada. Ela me ama. Nós somos uma família. Ela não é assim. — sua voz baixou, ficando rouca. — Eu também te amo, e é sério. Tudo vai ficar bem. Estou com você. Eu prometo. Minhas unhas se enterraram na madeira. — Ok. Ok. Sim. Eu deveria voltar lá para cima. Vou verificar Summer - esse é o nome dela. Vou mandar mensagem para ela agora. Te amo. Tchau. Eu ouvi o sinal sonoro quando ele terminou a ligação e um momento depois senti meu telefone zumbido. Estava no meu bolso em modo silencioso, como era meu hábito, e antes que eu o puxasse para fora, eu tomei um momento para me recompor. Ele era um idiota, e desta vez eu não quis dizer Caden. Kevin dormiu comigo um pouco mais de três meses atrás, e ele me levou a acreditar que ele estava envolvido com ninguém mais seriamente desde então. Eu pensei que este seria a nossa vez, agora que nós estaríamos na mesma faculdade, mas ele estava apaixonado por outra garota - que tinha outro cara lutando por ela. Minha garganta queimou, e eu pisquei as lágrimas. Eu não choraria, não por Kevin. Eu tive a resposta que eu vim atrás. Eu me afastei da porta, deixando meu telefone no meu bolso. Eu nem sequer olhei para ele. Eu fiz meu caminho de volta até as escadas. Eu estava voltando pelo corredor para essa porta lateral quando ouvi uma voz familiar atrás de mim. — Seu meio-irmão é um idiota. Virei-me, minha garganta ainda estava queimando. Caden estava ali, não parecendo surpreso. Seus olhos duros estavam em mim, apesar de a menina rebocada a seu lado. Ela tinha o braço em volta da cintura dele. Ele estava esperando por uma resposta, e talvez ele esperasse uma negação. Eu sei lá, tudo o que eu disse foi: — Eu não poderia concordar mais com você. Seus olhos se arregalaram, e surpresa brilhou neles, mas eu tinha acabado.

~ 17 ~


Eu escorreguei para fora da porta e saí. Eu tinha sido tão estúpida.

~ 18 ~


E

u dirigi até a Universidade North River à frente de Sheila e meu pai na noite passada.

Hoje era dia de mudança para mim já que eu estava chegando antes que outros, então eu tinha dito a eles que eu tinha um amigo para ficar comigo. Eles nunca me questionaram. Esse ‘amigo’ era suposto ser Kevin, e por que não deu certo, eu tinha ficado em um quarto de hotel. Agora aqui estava eu, iluminada e alegre - não tanto - esperando no salão do meu dormitório para o seu SUV chegar. Sheila e meu pai estavam planejando ver Kevin também, mas eu estava esperando que eles fossem encontrá-lo depois das minhas coisas serem transferidas. — Summer. Não tive essa sorte. Olhei do sofá, e meu coração afundou ao mesmo tempo que as velhas borboletas davam uma guinada na minha garganta. Kevin era tão bonito. Recém tomado banho - seu cabelo ainda estava molhado - e vestindo uma camisa confortável sobre jeans, ele usava óculos cobrindo os olhos. Meu coração deu um pequeno solavanco. Eu o odiava. Não, eu só queria odiá-lo. Ele me deu um sorriso, mostrando seus perfeitos dentes brancos, e se aproximou, segurando dois cafés. Ele ofereceu um para mim. — Peguei o seu favorito. Sem açúcar, certo? Aceitei, minhas mãos fechando em torno do copo quente, e eu deixei escapar um suspiro silencioso. Eu já podia sentir um sorriso traidor puxando o canto da minha boca. Era como se eu perdesse o controle sobre mim mesma quando ele estava por perto. Eu esperava que não fosse sempre assim.

~ 19 ~


— Sim. — eu segurei o copo na minha frente como se fosse um escudo e fiz questão de olhar ao redor. — Uh, onde está sua mãe e meu pai? Ele já te ligaram? Ele não se moveu. Eu senti como se ele estivesse me estudando, mas eu não podia ver através de seus óculos. Ele balançou a cabeça, lentamente. — Sim. Eles ligaram quando estavam a uma meia hora de distância. — ele olhou ao redor. Algumas meninas estavam na recepção, roubando olhares em sua direção, mas não havia mais ninguém na sala. Eu propositadamente me sentei do outro lado da sala, no canto mais distante, mas ele se aproximou, mesmo sem precisar. Ele limpou a garganta e eu e endireitei. — Hum... então... sobre a noite passada Acenei pra ele. — Não se preocupe. Ele franziu a testa, sua testa enrugando. — MasEu desviei o olhar. — Não. Quero dizer. Eu cheguei mais cedo e parei para dizer oi. Foi tudo. Você parecia ocupado, então sim, eu saí. — por favor, deixe isso pra lá. Por favor, deixe isso pra lá. Orei em silêncio. Depois de mais um momento, ele tossiu e voltou para seu assento. — Ok. Bem, obrigado. Eu balancei a cabeça. Meu pescoço estava duro. — Sim. Sem problemas. — Summer, você tem certeza? — Oh, sim. — eu balancei a cabeça para cima e para baixo, apertando o copo de café como se ele fosse escapar. Então, como se em resposta à minha oração, eles passaram pela porta. — Olha. Eles chegaram. — eu não poderia segurar o alívio em minha voz. Quando comecei a me aproximar para cumprimentar os nossos pais, eu percebi Kevin olhando para fora da janela, então voltou para me encarar. Mas eu estava à frente dele e queria deixar o constrangimento pra trás. — Mamãe. Pai. — eu acenei quando eles saíram de seu SUV e começaram a vir em nossa direção. ~ 20 ~


Eu coloquei o café em um banco já que eu sabia que esta reunião consistiria em abraços. Sheila gostava de abraços, e logo eu estava envolvida em seus braços. — Summer. — Sheila me segurou, murmurando em meu cabelo. — Minha querida. Eu não vou te soltar, você sabe. Não. Não vai acontecer. Você está firmemente em meus braços. Vou abraçá-la até a morte. — Mãe. — eu podia ouvir o sorriso na voz de Kevin enquanto ele parava ao nosso lado. — Você tem que soltá-la ir. Ela vai precisar de oxigênio em algum momento. — Não. — ela balançou a cabeça, balançando de um lado para o outro comigo. — Eu te perdi para esse inferno chamado faculdade. Eu não estou pronta para perder esta menina também. Eu ri. Era bom ouvir essas palavras. Sheila nunca tinha pressionado para substituir a minha verdadeira mãe, mas de alguma forma ela começou a parecer uma. Não tinha havido quaisquer problemas quando as duas famílias se fundiram. Não deveria ter tido, mas não apenas não houve. Poderia ter ajudado que eu sabia que minha mãe teria querido que meu pai fosse feliz, e ele foi. Eu não podia negar isso. Sheila tinha me deixado definir o ritmo, e quando eu comecei a fazer minha lição de casa na mesa da sala de jantar, em vez de escondida no meu quarto, eu sabia que ela se alegrou. Comida tinha começado a se acumular em torno de mim. Então bebidas. Então seu próprio trabalho. Uma parte de mim sentia pena dela. Kevin raramente estava em casa. As noites que ele voltava para casa sozinho não era até as nove ou dez. Eu tinha o ouvido parar para falar com Sheila e meu pai apenas alguns desses momentos antes de ir para seu quarto. Algumas vezes eu tinha descido e sentado na cozinha, esperando que talvez ele quisesse fazer um lanche tarde da noite ou beber um copo de água, mas isso raramente aconteceu. Uma vez que ele estava em seu quarto, ele ficava noite toda. Ou talvez ele me via e voltava mais tarde, quando eu não estava sentada lá. Havia jantares de família ocasionais, mas eles eram formais. Pensando nisso agora, eu percebi tudo sempre tinha sido educado. Isso não parecia normal. Eu me perguntava - observando quando Sheila me soltou e abraçou seu filho - se Kevin realmente tinha ficado bem com um novo pai. Ele sempre parecia bem para mim. ~ 21 ~


Meu pai veio me dar um abraço e então ele e Kevin apertaram as mãos. Era isso. Era como se uma máscara tivesse caído do meu rosto, e eu podia ver as coisas de forma diferente. Eu vi um monte de rigidez e distância entre Kevin e meu pai, mas então meu pai pegou meu olhar, e tudo isso foi embora. Calor brilhava em seus olhos, e minha preocupação se esvaiu. — Você está bem, abóbora? — ele descansou seu braço em volta do meu ombro e me puxou para perto. Eu balancei a cabeça, minha cabeça roçando a parte superior de seu braço. — Eu estou bem. — Pronta para começar a faculdade? Sheila pigarreou. — Inferno. Isso é o que é, — ela murmurou, mas ela estava tentando segurar o seu sorriso ao mesmo tempo. — Sim. — eu assenti. — Estou pronta. Kevin estava me observando, e meu corpo formigava. Essa era a minha reação normal em torno dele, mas parecia diferente, como tantas outras coisas neste dia. Eu dei uma espiada. Ele olhou para mim como se eu fosse uma estranha, ou como se ele visse algo novo em mim. Fosse o que fosse, bem - eu não sabia como eu me sentia sobre isso, mas agora eu tinha um dormitório para me mudar. — Você chegou aqui antes e já verificou? — Sheila virou para mim, seu braço agora em torno de Kevin. Ele não pareceu se importar e se inclinou para ela. Eu balancei a cabeça. — Sim. Eu verifiquei tudo. Eu conheci a minha conselheira residente e tudo mais. — estava tudo bem para ela que eu me mudasse antes da hora. — Qual é o nome dela? — Avery. Vou apresentá-la quando formos lá para cima. — E o sua nova companheira de quarto? Ela já está aqui? Quando você vai encontrá-la?

~ 22 ~


— Ela não está. — as aulas começariam na quinta-feira, e o registro final era quarta-feira. Hoje era sábado. — Eu tenho alguns dias ainda. — Oh. — suas sobrancelhas se juntaram. — O que você vai fazer? Talvez você devesse voltar por esses dias. — Não. — eu balancei a cabeça. — Eu vou tomar meu tempo, procurar um emprego no campus ou algo assim. — eu olhei para Kevin. Eu vim cedo para passar mais tempo com ele, e como se sentisse meus pensamentos, ele desviou o olhar, o pomo de Adão se movendo para cima e para baixo. Ele saiu do abraço de sua mãe. — Eu realmente preciso ir. — ele fez um gesto em direção ao campus atrás dele. — Eu tenho que encontrar o meu orientador acadêmico para declarar a minha grande este ano. — É mesmo? Ele acenou para a mãe dele. — Pré-advocacia, mãe. Orgulhosa? Ela sorriu, mas olhar empolado, como se ela não tivesse certeza de como se sentia. — Pré-advocacia, huh? — ela cutucou ele com o quadril. — Meu filho seguindo os passos de seu pai. Ele continuou a encará-la. Este tinha sido o único tópico não falado desde que nos mudamos para a casa deles: o pai de Kevin, exmarido de Sheila. Olhando para o meu pai, eu vi a mesma expressão de boca fechada e sabia que o Sr. Matthews ainda não ia ser mencionado. Um olhar silencioso passou entre Kevin e sua mãe antes dele suspirar, quebrando um sorriso de lado. — Na esperança, de qualquer maneira. — Bem. — ela ergueu o queixo. — Eu estou orgulhosa de você, Kevin. Ele apertou os lábios, mostrando uma ligeira careta. — Obrigado, mãe. — ele olhou para o meu pai. — Foi bom vê-lo novamente, Daniel. Meu pai estendeu a mão. — Você também, Kevin. Nós não te vemos o suficiente em casa. Os dois apertaram as mãos, e eu senti que eu tinha entrado na Twilight Zone. As coisas eram tão secas e... apenas estranhas com eles. ~ 23 ~


Eu estava perplexa. Eu realmente achava que estava tudo bem ao longo do último ano, que os dois eram próximos como Sheila e eu. Kevin balançou seus belos olhos na minha direção, e sua voz suavizou. — Vejo você mais tarde, Summer? — Uh, sim. Até logo. — Vocês dois vão se divertir muito. Vocês dois estão na mesma faculdade. Meu filho vai fazer direito. Minha nova filha decidiu sobre medicina desportiva. Vocês terão que ir a jantares semanais. — Sheila puxou Kevin para um último abraço. — Cuide de sua meia-irmã, ok? — Eu vou. Eu prometo. — outro adeus e ele atravessou a calçada, colocando suas mãos nos bolsos. — Seu quarto fica no sexto andar? — perguntou meu pai. Eu balancei a cabeça. Ele trouxe um amigo com eles para ajudar a levar as coisas mais pesadas e ele estava de pé atrás de nós, já segurando uma caixa. — Quarto 614. — eu apontei para o lado do edifício. — Meu quarto é no final do corredor. Você provavelmente poderia usar as escadas dos fundos para chegar a ela. Vai ser mais fácil. — Ok. — ele foi para o SUV para movê-lo mais perto da porta, enquanto seu amigo se dirigia para dentro com a caixa. — Nós vamos por tudo lá em cima dentro de uma hora, eu tenho certeza. — Ótimo. — Sheila juntou as mãos, sorrindo para nós. — Devemos começar a descompactar, e então você estará presa com a gente por mais um dia. — ela me bateu com o quadril. — Comece a pensar agora, Summer. Vamos ir a qualquer lugar que você queira comer hoje à noite. Kevin provavelmente estará ocupado com alguma garota, mas ele não tem escolha. Eu estarei puxando a placa de mãe hoje. Nós vamos ter um último jantar em família. Você escolhe. Isso soou bem para mim. Eu tinha o dia todo para me preparar para ver Kevin mais uma vez. Eu esperava que ele não fosse trazer a atual namorada. Mas mais tarde no restaurante que eu tinha escolhido, olhei para cima e suspirei quando ele entrou. Não muito. Ele entrou segurando a mão de Maggie. ~ 24 ~


O

jantar foi uma merda. Tipo, ruim mesmo.

Mas eu não estava surpresa. Kevin tinha o hábito de trazer a namorada para jantares de família, então por que ele iria mudar de repente agora? E isso também me disse que algo havia mudado entre ontem à noite e hoje à noite. Kevin não parecia se importar em ser pego. Eu suspirei, pensando nisso. Não, não. Ontem à noite tinha sido sobre ele não ter seu traseiro chutado. Esta noite era sobre não dar a mínima. Eu olhei para os dois - de mãos dadas, rindo, corando. Eles continuaram se dando aqueles olhares estúpidos de pessoas que fizeram sexo, como se o resto de nós fôssemos idiotas e não sabíamos o que aqueles longos suspiros significavam. Certo. Kevin + Maggie = eu vomitando. E sim, eu sabia que era o meu problema por causa dos meus sentimentos estúpidos. Mas caramba, quando Kevin dava atenção, combinada com a forma como ele olhava, e havia sempre essa suavidade em suas palavras - há uma razão pela qual ele pode conseguir tantas meninas. A única vantagem do jantar foi que Kevin e Maggie ofuscaram a polidez reservada entre ele e meu pai. Eu peguei alguns momentos, no entanto. Quando Kevin beijou as costas da mão de Maggie e meu pai tossiu, puxando a gola de seu pescoço, ou enquanto Sheila jorrava sobre o fim de semana da família quando eles vieram no ano passado. Nem Kevin nem meu pai disse uma palavra. Eles apenas ficaram lá, lábios apertados, nenhuma expressão facial em qualquer um deles. De repente eu me perguntava o que diabos mais eu tinha perdido. Quando os dois pombinhos foram embora e Sheila perguntou se eu queria ficar no meu dormitório durante a noite ou ir ao beliche com eles no quarto de hotel, eu estava me sentindo um pouco mais crua do que o normal. O hotel então. E eu passei o dia seguinte com eles,

~ 25 ~


também, fazendo algumas compras se material escolar mais antes que eles me largassem para minha primeira noite no meu quarto. Sozinha. Eu passei a minha primeira noite oficial na faculdade na internet. Quão triste isso foi? Então, é claro, tentando me convencer de que eu não estava triste, decidi ir para a cama cedo. Porque eu estava sendo responsável. Não triste. Responsável. Eu me levantaria cedo. Eu poderia ir para uma corrida. Inscrever-me para as aulas... ser a primeiro da fila. Tá vendo? Responsável. Eu seria a calouro mais preparada que havia, e eu realmente tinha me convencido de que isso seria ótimo quando minha orientadora residente entrou zunindo no banheiro. Avery literalmente zunia. Uma explosão de vento abriu a porta do banheiro, e ela deu um passo para frente, a mão empurrando a porta o resto do caminho. Ela estava indo tão rápido que eu senti que um vento enquanto ela passava toda apressada e batia a porta do box atrás dela. Um segundo depois, ela perguntou pela porta, — Você já vai dormir? Olhei em volta. Ninguém mais estava aqui. — Summer? — ela chamou. — Hã? — Você está no 614? Você chegou aqui ontem. Você é a menina da medicina desportiva, certo? Estou lembrando corretamente? Ela estava falando comigo. — Sim. Esta sou eu. O lavei as mãos rapidamente. A porta se abriu um momento depois e ela me olhou, vindo para lavar as mãos. — Você é Summer, certo? — um olhar confuso apareceu. — Espere. Você é Autumn? É alguma estação. — Não. Summer. Sou Summer. — Sim. — ela terminou de lavar as mãos e agarrou toalhas de papel. — Seu irmão é Kevin Matthews? Rangi os dentes. — Meio-irmão. Sim. — Vocês são parentes de sangue? — Não.

~ 26 ~


Ela bufou após secar suas mãos, em seguida, amassou o papel toalha em uma bola. — Pergunto-me se Maggie sabe disso. Eu falei baixo. — Você conhece Maggie? Ela jogou a bola amassada no lixo, abrindo a porta e segurando-a com o pé. — Sim. Me afastei da pia. Ela abriu a porta para mim e saiu para o corredor. Nós fomos juntas, indo para os nossos quartos. — O ‘grande amor’ de Kevin Matthews. — seus dedos formaram aspas, e ela sorriu. — Eu amo Maggie. Nós ficamos no mesmo quarto ano passado, e há todo um grupo de amigas desde o ensino médio. No entanto, sem ofensa para o seu meio-irmão, mas ela é delirante. — O que você quer dizer? Avery abriu a boca, depois parou no meio do degrau e no meio de um discurso. Com a cabeça inclinada para o lado, ela pareceu perceber o que ela estava prestes a dizer. Ela sorriu tristemente para mim. — Desculpa. Eu provavelmente não deveria dizer nada. Eu não estou sendo uma boa amiga. — ela acenou com a mão. — Esqueça que eu disse qualquer coisa. Balancei minha cabeça em um rápido movimento para cima e para baixo. — Disse o quê? Ela riu. — Obrigada. O quarto dela era mais perto, então ela parou do lado de fora. Eu podia ouvir a música estridente lá dentro, e ela olhou para a porta por um momento, enrugando a testa. — Sabe, — ela mordeu o lábio inferior. — você quer vir? Eu arregalei meus olhos. — Você e Maggie? — O quê? — compreensão apareceu. — Não. — ela riu novamente. — Desculpa. Não, não. Maggie provavelmente está com seu meio-irmão ou- — ela se parou novamente. — Alguns amigos e eu estamos indo para uma festa. Este é um grupo totalmente diferente. Maggie não vai estar lá. — Oh. — agora eu mastigava meu lábio. O que fazer? Ser patética, ou... festejar? — Estou dentro.

~ 27 ~


— Ótimo. — ela se endireitou, seus ombros rolando para trás. — Ok. — ela puxou o telefone da parte de trás de sua calça jeans e rolou através dele. — Ok, sim. Vamos nos encontrar no quarto da minha amiga em vinte minutos, então dá pra voltar pra cá em dez minutos? O quarto da minha amiga é do outro lado do campus e... — ela pausou por um momento, seu peito levantando e descendo. — Uh, nós vamos beber. Eu não deveria convidá-la, mas você está aqui, e você parece legal, e estamos na faculdade. — eu balancei a cabeça. — Nem mais uma palavra. Kevin é um grande festeiro. Eu não tenho problemas com isso. — Ok. — ela me deu um sorriso aliviado, os ombros se soltando. — Ok. Sim. Vou lá me deixar mais linda, e vamos sair em dez. — Beleza. Já volto. Eu não sabia que tipo de festa era para que saber o que usar, mas eu decidi assumi que essa seria algo normal: Barris. Beijação. E mais barris. Certo. Então isso significava jeans, blusa preta e sandálias. Quando cheguei ao quarto de Avery, eu podia ver que eu tinha me vestido direito. A única diferença entre seu equipamento e o meu era um sutiã preto debaixo de seu top quase translúcido. Ele era branco, mas tão fino que eu podia ver seu umbigo claramente. Ela puxou o cabelo em duas tranças colaterais. Com brincos de argola e seus apertados jeans desbotados, ela parecia decente e pronta para a festa. Quando a conheci ontem de manhã, eu nunca teria suspeitado que ela era de sair para se divertir, ainda mais comigo, vestida assim. Em seu papel oficial como CR, ela usava shorts cáqui e uma camiseta vermelha de gola, seu cabelo loiro penteado e solto, descansando além de suas omoplatas. Vendo-a de sombra azul e batom vermelho, percebi que ela deveria estar usando um tom natural de maquiagem quando eu a conheci, ou até mesmo nada. Lembrei-me de como ela ficou de pé, segurando uma prancheta, quando ela conheceu meus pais. Sua cabeça tinha estado abaixada, os ombros um pouco caídos. Ela parecia recatada, e realmente doce. Agora ela me deu um sorriso com dentes brancos ofuscantes. — Dois minutos! Digitando em seu laptop, ela fez uma pausa, em seguida, desligou quando saiu, as chaves na mão. Dei um passo para trás quando ela veio para o corredor, e ela trancou a porta. Em seguida, ela me olhou de cima a baixo. Ela

~ 28 ~


assentiu com a cabeça, um olhar de aprovação no rosto. — Está bonita, pequena Matthews. Eu fiz uma careta. — É Stoltz. — Oh. — ela assentiu com a cabeça. — Desculpa. Entendi. Avery deveria se encaixar com as garotas populares na minha escola, então eu não fiquei surpresa ao descobrir que ela conhecia Kevin. Ela era bonita, mas não era só fisicamente. Ela era confiante e sexy também. Eu poderia ter sentido ciúmes dela, e isso significava que todas nós teríamos odiado ela por causa de uma. Mas isso era diferente agora, no entanto. Avery parecia descontraída, e isso me fez sentir confortável com ela. Eu não estava sendo julgada como meia-irmã de Kevin. Na verdade, parecia o contrário. Eu quase me senti como se Avery não se importasse com Kevin, e por alguma razão, eu gostava dela ainda mais. À medida que caminhamos pelo campus, Avery tinha um jeito de me fazer perguntas, mas também de falar de um jeito que eu nunca tinha sentido como parte do local. Eu podia ver por que ela era uma conselheira residente, exceto que eu tinha certeza de CRs não deviam festejar ou beber com os alunos. Mesmo assim, Avery era legal com as pessoas. Passamos por diferentes grupos ao longo do caminho, e quase todos os lugares alguém conhecia Avery - não só a conhecia, mas gostava dela. Eles acenavam, diziam olá, ou jogavam uma piada para ela. Ela sempre devolvia. Se fosse um insulto rápido e provocante, ela dava um sorriso e mandava um de volta. Se fosse tão simples como um aceno de mão, ela fazia o mesmo. Era muito equilibrada. Isso me fez relaxar ainda mais, e quando chegamos ao quarto da amiga dela, eu não estava preocupada. Eu teria esperado ter meu estômago amarrado em nós, mas não com Avery. Independentemente do que aconteceria, eu sabia que estaria bem. Eu não iria ficar de fora, ou deixada para trás, ou seria destacada como um pária social. No passado, estar em torno de meninas como Avery e suas amigas sempre me fez sentir essas coisas. Quando ela me apresentou, suas amigas pareciam ser muito parecidas com ela. Havia seis delas, e eu não ouvi todos os nomes durante as apresentações. Tivemos que esperar por mais uma menina, e enquanto isso, elas prepararam suas bebidas. Vinho, rum, refrigerante, vodka - tudo isso foi vertido em garrafas de água. Cada

~ 29 ~


menina tinha uma mochila, e elas rechearam os recipientes lá dentro, às vezes dois deles. Elas me ofereceram um, eu peguei. Eu tinha bebido antes. O ato de beber ou ficar bêbada não era um grande negócio para mim - era com quem eu bebia. Em um grupo de estranhos, eu não teria tomado nada, mas eu confiava em Avery. Ela perguntou se eu queria esconder um em sua bolsa, e eu assenti. Nós tínhamos acabado de terminar quando o último do grupo chegou, e todo o processo de preparar o álcool começou novamente. A última garota levou três garrafas. — Quando vamos para uma grande festa, fazemos nossa própria bebida, — Avery me disse. — Podemos conhecer os caras que vivem na casa, mas nem sempre conhecemos todos. Temos ouvido muitas histórias, e nenhuma de nós quer ser drogada ou estuprada. É por isso que nós parecemos como alcoólatras. Eu balancei a cabeça. Isso fazia sentido. Essas meninas eram inteligentes. Outra menina entrou na conversa. — E nós nos movemos em um sistema de camaradagem. Não é óbvio nas festas, mas nenhuma de nós está sempre sozinha a menos que expliquemos umas as outras que queremos ficar sozinhas uma noite. — Uma noite? — eu repeti. — Sexo casual. — a garota diferente encolheu os ombros. — Acontece. Não há julgamento aqui. — A menos que alguém tenha um namorado. — a terceira menina cutucou a que tinha explicado. — Certo, Shell? Shell revirou os olhos. — Eu ainda não me arrependo de uma noite com Caden Banks. Fiz uma pausa. — Espere. O quê? A menina que tinha cutucado Shell riu e olhou por cima do ombro para mim. Seus olhos brilharam. — Caden Banks. Ele é um dos caras em uma fraternidade por aqui. Se você encontrá-lo, confie em mim, você vai saber. Eu tinha certeza que sim. Avery olhou de soslaio para mim. — Ela pode já tê-lo encontrado. Kevin Matthews é o meio-irmão dela. ~ 30 ~


Eu não estava preparada para o efeito que essas palavras tiveram. Todo mundo parou e se virou. De repente eu me vi no centro das atenções quando cada uma das sete meninas me deu um olhar diferente - surpresa, cautela, intriga, nervosismo. Todo mundo ficou em silêncio por um momento até Avery rir alto, forçando o som um pouco. Com a mão empoleirada em seu quadril, ela ergueu o queixo. — O quê? Não a odeio por causa do que seu meio-irmão fez. Espere. O quê? Fixei Avery com um olhar e levantei uma sobrancelha. — O que você não me contou? Uma das meninas deu um passo adiante. — Seu irmão é um idiota. — Claudia, — Avery repreendeu. Eu segurei minha língua. Eu realmente não podia discutir com ela, mas eu disse: — Meio irmão. Shell soltou um suspiro. — Enquanto a gente namorava no ano passado ele dormiu com duas das minhas melhores amigas. — ela fez uma pausa antes de acrescentar: — No mesmo fim de semana. — Somos um grupo contra Kevin Matthews. Nenhuma dessas meninas são nossas amigas mais. — Claudia olhou para Avery. — Bem, o resto de nós. Elas não são amigas da gente. Avery se mexeu em seus pés, deixando escapar um pequeno suspiro. Ela cruzou os braços sobre o peito. — Uma daqueles que dessas é Maggie. — ela disse, — e eu fui para a escola com Maggie. Há todo um grupo de nós que ainda são amigas. Eu não posso simplesmente deixá-las. Shell disse, — Nós sabemos. Nós conversamos sobre isso, mas você sabe como nos sentimos sobre ele e Maggie. — Claudia olhou de cima a baixo. — E se você acha que trazer a meia-irmã dele pra perto de nós vai nos fazer amolecer, pense novamente, Av. — Eu não estou fazendo isso, — ela protestou. — Eu não a trouxe por causa disso. Eu não sou fã de Kevin, mas ela é legal. É por isso que eu a trouxe. Senti meu corpo corar. Avery tinha me levado por sentiu pena de mim. Eu sabia, e ela sabia disso, mas ela não lhes disse isso. Eu tinha

~ 31 ~


estado sozinha naquele banheiro parecendo patética. Ela tinha me convidado para sair porque ela era legal. — Olha. — eu dei a elas um sorriso apertado. — Eu estou sob nenhuma ilusão sobre Kevin. — mentirosa. — Ele é meu meio-irmão, então ele é da família, mas confie em mim, eu estou bem ciente da sua história com as mulheres. E você precisa se lembrar disso. Uma e outra vez. E, de novo, me censurei enquanto esperava a hostilidade baixar. Quando o fez, eu sabia que tinha dito as coisas certas. Agora eu só precisava ouvi-las eu mesma.

~ 32 ~


A

festa era enorme, e nós tivemos que caminhar três longos blocos do campus para chegar lá. Quando chegamos na calçada, um cara abriu a porta da frente. Eu passei por debaixo do braço dele e voilà - eu estava dentro da minha primeira festa da faculdade. Com a música estridente de hip-hop e meninas de biquínis correndo, eu senti como se tivesse entrado no vídeo da música. Eu podia praticamente ver o champanhe sendo derramado em um movimento e meninas lambendo umas as outras, curvando-se uma Lamborghini. Mas não havia maços de dinheiro esperando por mim lá dentro; Avery e suas amigas sim. Uma risada profunda soou atrás da minha orelha, e um braço apareceu, estendendo uma bandeja de copos de plástico vermelhas. — Apenas a melhor cerveja para minhas damas. Avery tinha dito que não confiava em bebida oferecida nessas festas, e eu enrijeci, olhando para ela primeiro. Ela revirou os olhos. — Não aceite. Você sabe que trouxemos a nossa. Como se tivessem ensaiado, as meninas levantaram as garrafas que tinham estado bebendo durante a caminhada. A bandeja foi levantada por cima do ombro, e eu me afastei. Esse braço era seriamente grande. Eu precisava ver quem era esse cara. Meus olhos encontraram seu peito... então se arrastaram para cima. Se algum dia eu encontrasse um fisiculturista em pessoa, eu sabia que este era o cara. Ele tinha músculos em sua garganta, pulsos, em todos os lugares - incluindo lugares que eu não queria pensar. Ele sorriu enquanto esfregava a mandíbula. — Oh, qual é. Você sabe que esta casa é diferente. Somos livres de estupro e drogas. Avery bufou. — Sem ofensa, Dave, mas você sabe como nós somos.

~ 33 ~


— Sim, sim. — ele acenou. — Entendi. — ele apontou por cima do ombro. — Posso oferecer um concurso de camiseta molhada? Nós vamos começar na parte de trás. Dez minutos. — ele assobiou, nos avaliando. — Eu acho que todas tem uma chance de ganhar. — Você diz isso para todas as garotas. — Claudia revirou os olhos. Dave piscou para ela. — Você não pode jogar aquela noite na minha cara para sempre. Ela se virou. — Pode apostar que eu posso. — então ela desapareceu, indo para a festa. A segunda garota foi com ela, e eu me lembrei do sistema de camaradagem que tinham. Eu tinha uma amiga? Avery deve ter lido minha mente, porque ela disse, — Você está comigo. Uma das outras meninas acrescentou, — Ela te trouxe. Ela está comandando você. Eu deslizei um olhar para Avery. — Desculpe. — a sensação de estar sendo trolada como uma caloura tomou conta de mim. Estranho. — Só não conte a ninguém quem seu irmão é. — Meio-irmão. — Meio-irmão. — Avery corrigiu. — Será que realmente importa tanto assim? Dave tinha ido, então ele estava de pé atrás de nós, e ele se inclinou para frente, enfiando a cabeça entre nós. — Quem é seu meioirmão? — ele olhou para ela e para mim e vice-versa. Avery colocou a mão na testa e empurrou-o de volta. — Ninguém, e onde está Marcus? Eu endureci com o nome. Não é o Marcus que conheci... Dave franziu a testa. — Por que você quer saber onde ele está? Ele está com Maggie. Eu não acho que ele estava se referindo a localização física do cara. — Você quer dizer que Maggie está aqui? — Avery segurava um aviso em seu tom.

~ 34 ~


— Uh. — Dave ficou imóvel. — Quero dizer, eles estão namorando. Acho que ele disse algo sobre ela estudando com amigos esta noite. As sobrancelhas de Avery se juntaram e ela se virou para ele diretamente. Eu estava com medo de me mover. Olhei a partir do canto do meu olho e vi que as outras meninas tinham tido a mesma resposta. Todos os olhos estavam grudados em Avery. Suas sobrancelhas estavam levantadas. Dave pareceu perceber que ele disse algo estúpido. Seus olhos se arregalaram, e sua boca formou um pequeno O, como em Oh, merda. Ele deu um passo para trás. Em seguida, ele coçou atrás da orelha, fazendo com que parecesse casual, — Uh... eu quero dizer... — ele expulsou uma lufada de ar. — Porra. Avery falou secamente, — Eu estou ciente de que ele está com Maggie. Esta é a casa dele. Estou assumindo que ele está aqui, mas eu quero evitá-lo. É por isso que estou perguntando. Dave balançou a cabeça para cima e para baixo. — Entendi. Você está certa. E ele está lá fora na parte de trás. — Maggie está aqui? Ele fechou a boca e balançou a cabeça. — Isso é tudo que eu preciso saber. — Avery deu a ele um sorriso. — Ok. Espero que todos tenham uma grande noite, e... — ele recuou mais um passo, agarrando a bandeja de bebidas. — Até mais, — ele foi engolido por uma multidão de pessoas. — O que foi isso? — perguntei. Avery deu de ombros. — Ele deve ter achado que eu dou a mínima. — ela agarrou a minha mão em um aperto forte, então soltou e balançou a mão para que fosse mais suave. — Vamos. Precisamos dançar e voltar a beber. Foi exatamente o que fizemos. Avery abriu o caminho, tecendo para dentro e ao redor de tantas pessoas. Assim como no campus, os que a reconheceu gritaram um olá. Alguns envolveram seus braços em torno dela, dando grandes abraços embriagados e como antes, ela retornou e continuou o seu caminho.

~ 35 ~


Levou-nos cerca de vinte minutos para encontrar gente dançando no porão. Eles estavam em um canto na parte de trás, e logo um cara puxou Avery para a pista de dança. Observando-a ir, eu me inclinei para uma das outras e gritei por cima da música: — É sempre assim? Ela assentiu com a cabeça. — É sempre assim se você for amiga de Av. Ela é querida por todos. — seus olhos se deslocaram para cima e acrescentou, — Bem, quase todos. Eu queria fazer mais perguntas. Eu queria saber tudo, mas quando ela se virou e começou a conversar com sua amiga, eu tive a sensação de que nenhuma delas queria me dar o resumo. O genograma teria que esperar. Eu retirei a minha garrafa de água cheia de rum e suco de laranja e recostei-me para desfrutar do resto da noite, que foi preenchida com muitas risadas, muita bebida e muita dança. Avery finalmente puxou o resto de nós na pista com ela. Shell e Claudia se juntaram a nós novamente, e um par das meninas trouxeram rapazes. As que não trouxeram foram recusando os meninos. Avery se inclinou quando estávamos em uma mesa mais tarde. — Elas têm namorados! — ela anunciou sobre a música. — Isso faz sentido, — eu gritei de volta. Ela franziu a testa ligeiramente. — Você tem um namorado? Eu não perguntei antes. Eu balancei minha cabeça. — Não. Sem namorado. — O quê? — sua cabeça se inclinou para me ouvir melhor. Eu balancei minha novamente. — Nada. Não! Eu não tenho. — Oh. — ela me deu um sinal de polegar para cima. — Nem eu. Isso é melhor! Ser solteira é muito mais divertido. Sim, era, é só que eu pensei que teria um namorado agora. Ela não sabia que eu estava esperando por um. Mas não era tão simples. Não era apenas querer um namorado. Eu não era esse tipo de garota. Eu tinha saído com um par de outros caras, mas eu não tinha sentido por eles o que eu sentia por Kevin, ou pensado que sentia. As coisas estavam ficando nubladas sobre isso, mas este era suposto ter sido o nosso tempo.

~ 36 ~


— Ok. — Avery se levantou da mesa. — Eu estou com calor e suada, e a música lenta está matando a minha alegria. Shell se inclinou para frente, apoiando o cotovelo na mesa, e olhou para Avery com olhos bêbados e cansados. — Onde está Marcus? Claudia saiu da pista de dança e se sentou na cadeira ao lado de Shell. Ela fez uma careta, puxando os fios de cabelo que tinham colado ao seu rosto e pescoço com suor. — O que está acontecendo? — ela tinha o olhar semelhante a sua amiga, mas ela parecia um pouco mais alerta. Avery respondeu, — Eu estou pronta para ir para fora. — Marcus está lá fora. Nada de lá fora. Nada de Marcus. Eu silenciosamente desejei que as meninas bolassem outro plano. Eu deveria ter ido embora logo que eu descobri de quem a casa era. Esse era um território de Marcus. Se ele se lembrasse de mim da outra noite, eu tinha certeza que ele não iria me querer aqui. Eu me levantei. — Sabe, eu tenho mais dança em mim. Eles vão mudar a música em breve, tenho certeza. Shell bufou. — Duvido. Uma vez que o material lento começa, eles continuam. É assim que eles fazem as pessoas irem. Os barris devem estar vazios. — Não me importa o que fazemos, exceto por Marcus, — Avery anunciou. — Onde quer que ele esteja, não devemos estar. Eu concordei, bombeando minha cabeça para cima e para baixo. Eu concordava muito. Avery revirou os olhos quando suas mãos encontraram seus quadris. — Mas eu ainda quero ir lá fora. — ela enviou um sopro de ar para fora, soprando uma mecha de cabelo de sua testa. — Vamos lá pessoal. Nós podemos fazer isso. Eu posso fazer isso. Shell disse, — Você está bêbada. Não é uma boa ideia. As sobrancelhas de Avery subiram, e sua cabeça inclinou para o lado. — Com licença? — Marcus ainda está lá fora. Você está bêbada. Não vai pegar bem para você. Nós todas sabemos que você fala primeiro e pensa depois quando você está assim. ~ 37 ~


— Eu posso lidar com Marcus. — Não, você não pode. — Claudia se juntou. — Não quando você bebeu. Quanto mais elas falavam, mais intrigada eu ficava. E mais ansiosa eu me sentia também. Avery e Marcus? Ele estava proclamando seu amor por Maggie duas noites atrás. — Eu disse a vocês, eu posso lidar com isso, e eu vou. — com isso, Avery se virou e empurrou através da multidão, dirigindo-se para as escadas. — Porra. Eu não tinha certeza de quem disse isso, mas Shell e Claudia ficaram de pé e correram atrás dela. Outra menina que tinha estado dançando percebeu. Ela se afastou dos braços do seu parceiro e agarrou sua amiga, puxando-a para trás. Eu fui a última a ir, porque eu estava um pouco mais bêbada do que eu achava. Eu parei, mas a pista de dança girou comigo. Eu tive que esperar até que os casais se endireitassem, e uma vez que eles fizeram, eu saí também. As meninas estavam muito longe quando eu cheguei lá em cima. Peguei um cara passando. — Quintal? — perguntei. Ele apontou mais à frente. Eu cheguei na parte traseira da casa para encontrar Avery e as meninas amontoadas em um canto do lado de fora, de costas para o resto do quintal. Elas não paravam de olhar por cima do ombro em direção a uma fogueira no outro lado. Um grupo de pessoas estava lá, mas eu poderia dizer em quem todas estavam focadas: Marcus e Idiota. Ambos estavam sentados em cadeiras no gramado, com as pernas esparramadas e cervejas na mão. No início, eles pareciam estar apenas relaxando, refrescando-se, não prestando atenção a qualquer coisa, mas Caden estava olhando para as meninas. Então Marcus. Ele parecia um pouco tenso, mas Caden... eu fiz uma careta, estudando-o um pouco mais. Eu não vi a irritação e raiva de duas noites atrás. Na verdade, ele parecia estar se divertindo, e quando seus olhos correram de Avery até seu irmão, eu tive a sensação de que ele estava gostando de ver seu irmão contorcer. Isso me irritou por algum motivo. Abri a porta um pouco mais forte do que o necessário. O pensamento do Idiota se divertindo às custas de seu irmão não desceu ~ 38 ~


bem pra mim. Eu saí e desci as escadas. Juntando-me ao grupo de Avery, eu virei de frente para enfrentar Caden e seu irmão. Eu achei que eles me viram, mas também não mostraram reação. Quer dizer, eu não tinha certeza se eles viram. Estava escuro. Eu estava do outro lado do quintal e um pouco bêbada. — O que você está fazendo? — Avery assobiou para mim. Eu estava ao lado dela, mas enfrentei os caras enquanto ela enfrentava suas amigas. Cruzei os braços sobre o peito. — Eu não estou fingindo, é isso que estou fazendo. — eu estava quase gritando. — O quê? — ela me mandou um olhar horrorizado. — Por que você está agindo assim? Eu não sabia, mas tinha que haver uma razão... eu acho. Marcus inclinou para frente. A diversão de Caden era evidente, e agora ele se concentrou em mim. Completamente. Eu levantei meu queixo, desafiando-o. Ele sorriu, levantando a cerveja. — Pare, Summer. Eu não quero que Marcus venha até aqui. Eu fiz uma careta, quebrando qualquer tipo de olhar que eu tinha trocado com o idiota, e olhei para ela. — O quê? Achei que você queria. — Não. — mas era tarde demais. Marcus tinha deixado sua cadeira. Avery gemeu, virando-se. — Ah, não. Ele está vindo para cá. As outras meninas se aproximaram. — O que você fez? — alguém perguntou. Eles não estavam falando de Avery. Todas estavam olhando para mim. — Oh. — oops. — Você veio resolver as coisas? A pergunta veio atrás de nós, e eu me virei para frente de novo, mas eu já sabia quem era. Marcus. Ele estava ali, segurando sua cerveja na frente dele, um sorriso quase preguiçoso adornando seu rosto. Seus olhos continuavam contornando de mim para Avery, mas

~ 39 ~


quando ela ficou de frente para ele também, eu percebi que sua pergunta tinha sido dirigida a mim. Eu me empurrei na posição vertical. — O quê? Marcus estreitou os olhos. Ele me olhou de cima abaixo antes de levantar a cerveja novamente. — Minha namorada. Seu irmão. Eu assumi que você veio aqui para confessar sobre o que você realmente viu. Era tão desconfortável. Eu quis me contorcer. Eu podia sentir a atenção de Avery e suas amigas. — Uh, eu quero dizer, por que eu faria isso? Ele arqueou uma sobrancelha. — Esta é a minha casa. Minha festa. E aqui estão vocês. — ele tomou outro gole. — É por isso que você está aqui, não é? Avery limpou a garganta, os braços dobrados para espelhar a minha posição. — Ela veio comigo. Marcus apenas a olhou, mas sua diversão era agora evidente, assim como seu irmão. — Ela mora no mesmo andar que eu, — acrescentou ela, mexendo em seus pés. — No andar onde você é uma consultora? — Sim. Seus olhos caíram sobre sua garrafa de água. — Já dando um bom exemplo, né Av? Ela corou. — Como se você pudesse dizer qualquer coisa. Ele apontou pra mim com sua cerveja. — Você sabe quem é o irmão dela, não é? Eu corrigi, — Meio-irmão, — mas isso não importava. Avery revirou os olhos. — Mais uma vez, como se você pudesse dizer qualquer coisa. Isso trouxe uma reação. Marcus tinha estado todo descontraído, um pouco arrogante, mas agora qualquer traço de humor desapareceu. Um flash de raiva acendeu em seus olhos. — Nós costumávamos ser amigos, Av.

~ 40 ~


Ela bufou. — Certo. Porque amigos fodem. Os olhos dele escureceram. Fumaça poderia ter saído de suas órbitas. Eu estava ficando aquecida apenas observando os dois. — Ok. — Shell entrou no meio, um brilho de desaprovação em seus olhos. — Vamos separar os dois antes de uma briga comece. — ela pegou o braço de Avery. — Marcus, foi uma linda festa. Obrigada por nos deixar vir aqui, dançar e ficar bêbadas, mas é hora de darmos o fora. Marcus disse alguma coisa, mas eu comecei a não escutar. Avery ia de boa vontade com Shell. Não haveria briga. Meus olhos seguiram Marcus. Eu não tinha a intenção de procurar Caden. Eu nem sequer gostava dele. Eu tinha o nomeado de Idiota por uma razão. Mas de alguma forma, eu estava consciente dele o tempo todo. Ele era como um erro, sempre se movimentado na borda, incomodando a minha concentração. Eu meio que esperava que ele intervisse, assumisse a situação, e puxasse seu irmão de volta como ele tinha feito na casa de fraternidade. Ele não tinha feito nada disso. Ele nem sequer tinha se movido da sua cadeira no gramado. Ele agora estava com outro grupo de pessoas, como se ele fosse parte de sua conversa, mas ele não era. A garrafa de cerveja se foi, e seus braços estavam cruzados sobre o peito. Uma menina até mesmo colocou a mão em seu braço, mas ele não estava prestando atenção. Ele estava me observando. Nossos olhos se encontraram e ficaram lá, e eu fiz uma careta. Não houve hostilidade, não como a outra noite, apenas uma leve centelha de diversão - como se ele estivesse me achando engraçada, ou a situação engraçada. Olhei atrás de mim, mas não havia nada cômico lá. Espere - eu comecei a olhar para ele, mas virei novamente. Não havia nada atrás de mim mesmo. As meninas tinham desaparecido. Merda. Eu não tinha ideia de como voltar para o dormitório. Comecei a voltar para frente da casa. As meninas não estavam lá. Elas não estavam na sala de estar, cozinha ou banheiro. Elas não estavam no andar de cima ou de baixo. Voltei para o quintal para uma última tentativa fútil, e novamente, nada.

~ 41 ~


Então eu senti. Ele parou ao meu lado, as mãos nos bolsos, e olhou com aqueles olhos que podiam ver através de mim. — Foram embora enquanto você estava olhando para mim. — Eu não estava te olhando. — eu não acho que estava, de qualquer maneira. Uma dor de cabeça se formava por trás da minha testa. Eu levantei a mão para esfregar na minha cabeça. Um lado de sua boca se curvou para cima. — Você estava, mas isso é bom. — sua sobrancelha levantou. — Você precisa de uma carona de volta? Suspirei. — Nós tínhamos um sistema de camaradagem. O outro lado de sua boca se elevou, e a nítida sensação de que ele estava rindo de mim tomou conta de mim novamente. — Vamos. — ele fez um gesto em direção à rua. — Eu tomei só uma cerveja. Eu posso dirigir, e eu estou indo embora de qualquer maneira. Confia em mim o suficiente para um passeio? Prendi a respiração. Ele estava rindo de mim antes, agora ele estava zombando de mim? Eu pesei minhas opções. Eu poderia chamar um táxi e esperar que o motorista soubesse onde meu dormitório era, ou caminhar e tentar encontrar eu mesma. Uma terceira opção era ligar para Kevin. Uma parte de mim queria fazer isso, e cheguei até o meu telefone. E se ele não atendesse? Eu deixei meu telefone pra lá. Eu não queria testar essa teoria. Minha última opção estava na minha frente. Eu balancei a cabeça. — Depois de você.

~ 42 ~


C

aden/Idiota dirigia um Land Rover. Eu não sei o que eu esperava, mas não era isso.

E era limpo. Fiz uma pausa depois que eu abri a porta e só podia ficar lá. Era impecavelmente limpo.

Ele já tinha entrado. — Por favor, não me diga que o couro ofende. — É tão limpo. — E daí? Eu não tinha ideia do que deu em mim, mas eu soltei um ‘Tadaa!’ e meus braços levantaram como se as portas do céu tivessem sido abertas. Um coro completo e orquestra tocaram na minha voz. — Contemple a glória! — então eu baixei meus braços e fui recebida com silêncio. Ele inclinou a cabeça. — Quanto você bebeu? Sim, talvez tenha sido a bebida. Encolhendo os ombros, eu entrei. — Desculpa. Só estou surpresa, — eu expliquei quando ele se afastou do meio-fio. — O carro de Kevin é sempre uma bagunça. O piso do banco da frente, onde os meus pés deveriam estar é sua lata de lixo pessoal. Ele joga tudo lá. Eu sempre tenho que mover um monte de lixo de lado para que eu possa entrar. — Ele não limpa para você? Dei de ombros novamente. — Ele limpa para os encontros dele. — Nem mesmo para a mãe dele? — Se eles vão a qualquer lugar juntos, eles vão no carro dela. Não. Apenas seus encontros. — eu estava divagando. Sentei-me em minhas mãos. Ele percebeu. — O que você está fazendo? ~ 43 ~


— Eu faço isso quando eu sinto que estou dizendo coisas que não deveria, e eu só estou fazendo isso porque eu estou nervosa. — eu pisquei algumas vezes para ele. — Você me deixa nervosa. Apesar de que é melhor do que estar furiosa. — Eu te enfureço? Eu balancei a cabeça, então pensei sobre isso, e minha cabeça balançou para baixo quando o meu ombro empurrou para cima. — Antes sim, mas eu não sei por que. Eu acho que é apenas você. Eu te chamo de Idiota na minha cabeça. — Você o quê? — paramos em um semáforo, e ele virou totalmente para mim. — Eu não fiz nada para você. Eu me irritei, lembrando-me da primeira vez que nos encontramos. Eu ecoei as palavras da minha memória, — ‘Algo de errado com você?’ Essa não é a melhor coisa a dizer para uma garota. Especialmente uma que teve que ouvir- — eu fechei a boca. Oh meu Deus. Eu tinha quase dado com a língua nos dentes para ele. — Quero dizer... — eu não tinha nada para cobrir isso. Era realmente a bebida falando. Eu não poderia nem mesmo tentar um redirecionamento, então eu apenas me sentei em derrota humilhante. O sinal ficou verde, e começamos a andar novamente. Ele lançou um olhar de lado em minha direção. — Você quer dizer que não foi uma coisa agradável de se dizer a uma menina cujo coração estava quebrado? Será que eu entendi isso direito? — Não, — sim. Com certeza. Ele resmungou, tomando outra rua, e eu vi o topo do meu dormitório se aproximando. — É o que eu achei, — disse ele. Ele sabia que eu estava mentindo. Ele sabia muito mais do que a mentirinha que eu tinha acabado de dizer. E eu não podia fazer nada. Pânico subiu em mim enquanto eu imaginava quão bravo Kevin ficaria. Eu tinha acobertado para ele. Ele estava contando comigo, e eu acabei de falar com o cara que parecia ser um de seus inimigos, ou rivais, ou algo assim. Ou o irmão de um de seus rivais/inimigos/qualquer coisa. Kevin sempre tinha.

~ 44 ~


Mesmo que os caras que queriam socar meu meio-irmão no passado eram geralmente namorados de outras escolas. Kevin deve ter tido algum senso de autopreservação, porque ele evitou as meninas com namorados enormes na nossa escola. E agora que eu estava pensando sobre isso, ele sempre tinha a certeza de ter amigos maiores do que ele. Tinha havido alguns inícios de briga, mas uma vez que seus amigos tinham aparecido, a luta de repente diminuía. O cara desistia ou Kevin fugia. — Huh. — Huh que? — perguntou o imbecil. — O quê? — eu olhei e vi que ele estava me observando novamente. Então eu vi o resto. Estávamos no meu dormitório. Ele tinha estacionado bem na frente da entrada principal. — Deixa pra lá. Obrigada para o passeio. — eu agarrei o cinto de segurança, mas ele pegou minha mão, me parando. — Espere um minuto. Bom Deus. Engoli seco. O toque de sua mão enviou arrepios através de mim. A tatuagem de cobra estava ali, tão perto de mim. Eu me afastei rapidamente. O que foi isso? Mas então ele estava falando e eu tentei me concentrar. Todas as outras sensações e emoções que ele tinha desencadeado devem ser sumido. Sumido. Para muito, muito longe. — O quê? — perguntei. Ele balançou a cabeça, tensão aparecendo em seu rosto. Ele ergueu as mãos, como se estivesse se rendendo, e ele se inclinou para trás de maneira exagerada. — Eu não vou te machucar. Eu só quero falar sobre o seu meio-irmão. Eu corei. Ele tinha me dado uma carona de volta, e ele sabia que eu estava mentindo sobre Kevin. Então ouvi-lo era o mínimo que eu poderia fazer. Sentei-me, soltando a maçaneta da porta. — Ok. — Ok? Eu balancei a cabeça. — Ok. — meus olhos se afastaram quando eu disse, — Eu sei que você não ia me machucar.

~ 45 ~


Ele esperou, estudando-me. Eu quase corei novamente. Eu não estava olhando para ele mais, mas eu podia sentir seu olhar. Ele estava agindo como se eu fosse um animal feroz, aguardando a abertura certa para se aproximar. Eu não. Eu tinha alguma decência, mesmo estando agindo como uma idiota. Mas isso era ele. Ele me fez agir como uma morcega nervosa, raivosa. Eu não era assim com outras pessoas. Eu era normal, sã. Foda-se, eu estava era chata. Não com o idiota do Caden, que eu estava começando a achar que talvez não fosse muito idiota. Ele não estava agindo como um mais, e talvez ele não tivesse sido quando eu tinha nomeado ele como tal. Eu tinha agido de forma estranha, e ele realmente só me perguntou se algo estava errado. Se uma menina me fizesse essa pergunta, eu não teria pensado em nada disso. Mas foi ele, e essa pergunta vinda de uma pessoa do sexo masculino que era, obviamente, forte, musculoso, lindo, e autoconfiante - puta merda, o Caden Idiota era confiante com uma camada extra de autoridade também. Isso rolava dele em ondas, ondas muito sexy e sedutoras e eu não podia acreditar que estava tendo esses pensamentos. Meu olhar voltou para o dele. — O que você vai dizer? — um rubor traidor aqueceu o seu caminho até meu pescoço. Rezei para que não se espalhasse sobre o meu rosto. Ele suavizou seu tom. — Por que você está cobrindo para o seu meio-irmão? — Você quer dizer para o seu irmão da fraternidade? Ele não respondeu, apenas apertou a mandíbula. — Eu não posso dizer nada. — eu não posso dizer o que você quer que eu diga. — É chamada de lealdade familiar. — Então, você está cobrindo para ele? Prendi a respiração. — O quê? Ele se inclinou um pouco. — Ele estava com Maggie? Ele estava me testando. Ele não sabia ao certo. Percebendo isso, eu mantive minha boca fechada. Eu não me incriminei. Eu comecei a abrir a porta novamente. — Uh, obrigada pela carona. Foi legal da sua parte.

~ 46 ~


— Espere. Abri a porta o suficiente para descer. Eu fechei e tive que dar a volta na frente para entrar em meu dormitório. Ele abriu a janela e gritou, — Ele não vale a pena. Eu estava a uns dez metros de distância dele, mas eu parei e olhei para trás. Seus olhos perfuraram os meus. — Se há qualquer motivo para você ser leal a ele, ele não compartilha o sentimento. — não havia dúvidas. Sem perguntas. Nada na declaração de Caden além de determinação. O vento aumentou, provocando arrepios através de mim. — Do que você está falando? Ele colocou o Land Rover para andar. — Ele não te cobriria. Caras como ele nunca fazem isso.

***

Claudia estava saindo do quarto de Avery quando cheguei lá em cima. Seus olhos deslizaram sobre mim. — Você voltou. Ela não sorriu. Tomei nota disso. Eu não sorri também. — Sim. — Ouça, — disse ela enquanto andava até a mim, deslizando as mãos nos bolsos de trás. — Avery era sua camarada, e, bem, ela estava chateada. Ela e Marcus namoraram no ano passado. Eles se separaram, e dois meses depois, ele estava com Maggie. — seu desprezo era alto e claro quando ela acrescentou, — Eu não entendo por que Avery não para de dizer que ela é amiga de Maggie. A menina é uma cadela. Eu fiz uma careta. O que eu deveria fazer com isso? — Eu me sinto mal por Avery, mas me disseram que vocês não deixam suas camaradas para trás. Você me deixou para trás. Ela olhou para mim. Olhei para trás.

~ 47 ~


Ela deveria ter tido alguma reação, mas não havia nenhuma. Eu acho que isso me mostrou tudo. Ela não ia se desculpar, e eu não era sua camarada. Eu balancei a cabeça. — Ok, então. Ela encolheu os ombros. — Não foi pessoal. Nós estávamos em um impasse, e eu tinha duas opções. Eu poderia ignorá-la e fingir que estava bem, ou não. Suspirei. — Mas foi, tá vendo. — eu estava indo com a opção B. — O quê? — Foi pessoal. — minha mão tocou meu peito. — Para mim. Você me deixou. — Olha, Avery vai pedir desculpas a você amanhã. Cuidamos das costas uma da outra e ela está dormindo agora, mas se você é do tipo que precisa resolver as coisas, você vai resolver amanhã. Os olhos dela passaram por mim. Ela se endireitou como se estivesse para sair, mas eu tinha uma abelha zunindo. Dei um passo para o lado, como se para bloqueá-la. Seus olhos encontraram os meus novamente, e seu meio-sorriso patético saiu. — O quê? Eu estava prestes a começar um confronto com uma senior. Eu realmente não conhecia. Eu realmente não conhecia a minha CR, mas algo estava acontecendo comigo. De repente eu não estava disposta a deixar qualquer um passar sobre mim. Eu me preparei para o que ia acontecer e segui em frente. — Olha, — eu disse. — Avery pode pedir desculpas a mim amanhã, mas você é a primeira que eu estou vendo do grupo. Eu estou tendo dificuldade em imaginar que vocês esqueceram completamente. Eu não acho que foi um esquecimento. Seus olhos se estreitaram. Eu continuei. — Então, sim, eu provavelmente vou conseguir um pedido de desculpas de Avery amanhã, mas você não parece sentir muito. Isso me faz pensar se você tem um problema comigo. O que deu em mim? Eu era mais paz e amor do que confronto, ou pelo menos eu costumava ser.

~ 48 ~


Ela cruzou os braços. — Como é que você voltou? Era isso? Nada? Inclinei a cabeça para o lado. — Eu consegui uma carona. A sobrancelha esquerda dela levantada. — Alguém te deu uma carona para casa? Eu balancei a cabeça. — Nem todo mundo se esqueceu de mim. Ela bufou, revirando os olhos. — Quem te deu uma carona? — O irmão de Marcus. Seus olhos se arregalaram. — Caden? Ele pode ter sido um idiota para mim, ou talvez não - a minha cabeça estava toda confusa sobre isso agora - mas eu gostei de ver a surpresa de Claudia. — Sim. — Tem certeza? — ela me deu um olhar de repulsa. — Eu não estou tentando ser má, mas Caden é um cara popular aqui. Ele não é conhecido por lidar com garotas como você. Eu odiava perguntar, mas a questão queimava na parte de trás da minha boca. — Meninas como eu? — Sim. — ela sorriu. — Ninguém como você. Caloura e esquecível. Meus lábios estavam rígidos. — Ele é um sênior? — Junior, mas não importa. Ele é popular, se você sabe o que quero dizer. Estou tendo dificuldade em acreditar que ele apenas deu uma carona aqui. O que você fez? Um boquete? — Por quê? É isso o que você faz para consegui carona? — eu me aproximei. — É isso que você está insinuando? — Talvez eu estivesse dando a entender que essa é a única maneira de alguém como Caden dar qualquer atenção a alguém como você. Deus. Ela realmente era uma cadela. — Eu pensei que vocês eram legais. — eu balancei a cabeça. — Essa é a piada. Não eu. — eu me dei um tapinha no peito novamente. — E eu olhando para você, achando que vocês eram tão legais, essa é a piada. Eu gostei de Avery.

~ 49 ~


Claudia não era a única que poderia ser fria. Eu gelei meu tom, deixando-a ouvir o meu desprezo também. — Que pena. Que pena pra vocês. Ela parecia entediada enquanto eu estava falando, mas agora ela se animou. — Espere um minuto. Kevin é irmão da fraternidade de Caden. Agora isso era por causa do meu meio irmão. Estendi a mão para a parede. Eu precisava disso para me recompor porque eu estava prestes a me lançar para ela, as consequências que se dane. — O que Kevin tem a ver com isso? — Caden estava sendo bom para você por causa de Kevin. É por isso que você conseguiu uma carona para casa, não porque ele está interessado em você ou qualquer coisa. — ela me olhou de cima abaixo novamente. — Dá pra imaginar por que eu estava confusa? — ela riu, passando por mim no corredor. — Dê a Avery uma dura amanhã. Ela vai rastejar, porque ao contrário de mim, ela gosta de você por algum motivo estúpido. Divirta-se! Ela me deixou sozinha em um corredor vazio, com uma sensação de vazio dentro de mim. Eu estava de volta à estaca zero de não tem amigos. Que legal.

~ 50 ~


C

laudia estava certa sobre uma coisa. Avery pediu desculpas na manhã seguinte. Ela fez isso com bolsas sob os olhos, um suéter enorme no corpo, cabelo bagunçado, e um ligeiro tom verde em sua pele. Ela tinha uma garrafa de água na mão. Ela estava de ressaca. Eu não disse nada sobre o meu encontro com Claudia. Não era culpa de Avery que sua amiga era uma cadela, mas quando ela me convidou para jantar na noite seguinte com o mesmo grupo de amigas, eu não aceitei. Ela me pediu para almoçarmos no dia seguinte, e eu dei a mesma resposta. Ela usou uma expressão intrigada depois disso, mas eu não achei que ela ia me convidar para qualquer outro lugar. Eu esperava que não tivesse importância. Minha companheira de quarto se mudaria em breve. No dia seguinte, era finalmente o dia oficial de nos tornarmos calouros, mas mesmo enquanto o corredor estava cheio de pessoas trazendo coisas e desembalando em seus quartos, eu estava sentada sozinha no meu. Naquela noite, eu descobri a razão. Avery bateu na minha porta para me deixar saber que ela iria fazer uma reunião de andar em poucos minutos, e que eu não iria ter uma companheira de quarto. — Por quê? O que aconteceu? Ela segurava uma prancheta contra o peito. — Eu recebi um telefonema esta manhã, mas eu não tive tempo de te falar. Houve uma morte na família, então ela virá no próximo semestre. Ela vai começar atrasada. — Oh. — eu olhei por cima do ombro para o meu quarto. Estava tudo arrumado, mas apenas com as minhas coisas. Ainda havia uma cama vazia, uma mesa vazia e um armário vazio.

~ 51 ~


— Não se sinta confortável. Eles podem colocar outra pessoa, ou você vai ter sorte e ter o seu próprio espaço para o semestre. — Quando eu vou saber? Ela levantou um ombro. — As pessoas fazem transferência o tempo todo, ou alguém poderia pedir transferência de quarto. Se você mudar suas coisas, esteja preparada para movê-las de volta. — Ok. Ela sorriu agora, voltando ao comportamento profissional de consultor que ela tinha usado quando ela conheceu meus pais e eu. A Avery que tinha me convidado para a festa sumiu. — Vejo você na reunião, então? — ela olhou para o telefone. — Você tem duas horas. A sorveteria do campus está aberta hoje à noite apenas para calouros, então eu estou convidando a todos para irem lá. Vai ser uma ótima maneira de conhecer novas pessoas. Durante a reunião, Avery contou para mim e para as calouras as regras enquanto nós compartilhávamos olhares nervosos. Quando ela terminou, ela nos deu meia hora para nos trocar ou refrescar-nos, ou o que quer que fosse necessário, antes de nos encontrarmos no corredor para irmos até a soverteria. Voltei para o meu quarto, ainda sozinha, e andei ao redor por alguns minutos. Eu estava saindo pela porta quando meu telefone tocou. Olhei para baixo e vi uma mensagem de Kevin. Eram apenas duas palavras. Podemos conversar? Mas essas duas palavras fizeram o meu coração acelerar. Minha mão fechou ao redor do telefone, e eu não pude me mover por um segundo. Eu sabia que meus sentimentos magicamente, mas era ridículo.

não

iriam

desaparecer

Uma onda de memórias me inundou. Quando ele se inclinou para perto, uma mão no meu ombro enquanto seus lábios roçavam os meus. Calor se espalhou pelo meu corpo. Eu podia sentir seus lábios de novo agora. Sua mão no meu ombro, pressionando levemente lá antes de deslizar pelo meu braço e passar em torno de minha cintura. Meu peito tinha pressionado no dele enquanto sua boca abria sobre a minha, exigindo mais. Eu dei a ele. Levantando os braços para entrelaçar em torno de seu pescoço, meu coração corria contra o meu peito. Eu teria lhe dado qualquer coisa.

~ 52 ~


Eu lhe dei tudo. Dei a mim naquela noite. Meu telefone tocou novamente, rompendo o feitiço. Uma dose fria da realidade derramou sobre mim quando eu li as palavras seguintes: Temos que falar sobre Maggie. Sim. Temos. Eu gemi internamente. Essa era a última coisa que eu queria fazer, mas eu digitei de volta, já sabendo que eu tinha que fazer essa coisa social, porque eu era uma idiota fraca quando se tratava de Kevin. Quando e onde? Eu não tive que esperar muito tempo. Sua mensagem tocou de volta: Agora? Nós podemos nos encontrar no prédio de Brown. Nos degraus da frente. Isto era tudo de errado. Por que ele não apenas veio para o meu dormitório? Ele podia ver o meu quarto, talvez me ajudar a encontrar alguém que não vá tomar sorvete? Eu poderia ter pressionado o problema, mas não o fiz. Em vez de me juntar à multidão reunida do lado de fora do quarto de Avery, eu a ignorei e desci as escadas. Lá fora eu caminhei em direção a área onde eu achava que o Edifício Brown estava localizado. Eu tinha registado minhas aulas no dia anterior e pegado meus livros na livraria, mas eu só apareci ao redor campus algumas vezes. Eu sabia que era dividido em três grandes prédios com o centro estudantil/cafetaria no meio de tudo isso. Uma das minhas aulas era no Edifício Brown, então eu precisava encontrar onde ele estava de qualquer maneira. Depois de passar pelo centro estudantil - e passado direto pela soverteria - abri as portas que davam para o último grande prédio. Eu não tinha explorado esse ainda, então fiquei surpresa ao descobrir que estava tranquilo. E escuro. Havia mais luzes nas outras partes do campus. Eu senti como se tivesse pisado em um santuário fechado. Dois caminhos levavam ao centro estudantil, quebrando em direções distintas. Árvores bloqueavam meu ponto de vista, mas com base em onde eu lembrava de ter visto Brown no mapa, eu fui direto. Brown era o terceiro edifício, e uma calçada circulava ao redor do prédio, levando-me para uma porta lateral. Kevin não estava na porta lateral. Eu parei na calçada e continuei dando a volta no edifício, encontrando um grande conjunto de degraus de pedra que levavam até outra porta. Eles tinham vista para um pequeno lago, e eu fui me sentar. Eu podia ver porque Kevin escolheu o local. Era privativo, e com

~ 53 ~


a lagoa e sua fonte, era quase tranquilo. Eu nem sequer me senti como se estivesse em um campus universitário, ou que um bando de calouros estava a alguns edifícios de distância. — Ei. Eu olhei para cima. Uma silhueta escura veio do caminho oposto. Kevin estava com as mãos nos bolsos e os ombros curvados para frente. — Ei, — eu respondi. Ele se aproximou, entrando na única luz posicionada acima de mim. Um punhal cortou meu coração. Eu podia ver o pedido de desculpas em seu rosto, e eu cerrei os dentes. Eu não queria ouvir isso. Ele me machucou, sim, mas eu não precisava dele derramando sal na ferida. Eu tive um pressentimento de que eu tinha que dizer sobre isso. — Olha, — ele começou. Ele não se aproximou. Ele limpou a garganta. — Uh... então isso é estranho. Talvez fosse porque eu o vi com Maggie, ou porque eu descobri minutos mais tarde que ela tinha um namorado, ou porque ele nunca me verificou depois que eu menti para ele. Ou talvez fosse porque eu não tinha visto ele desde o nosso jantar de família ridículo, mas seja qual fosse a razão, enquanto eu esperava que ele continuasse, a imagem que eu tinha dele na escola foi arrancada. Isso me fez sentir fria e vulnerável, como se ele fosse um estranho. Eu poderia lembrar cada vez que tínhamos conversado durante o ano em que vivemos juntos, mas eu não consegui me lembrar de uma piada, um abraço, ou qualquer coisa carinhosa. Era sempre eu olhando para ele, e me sentindo próxima, uma sensação de calor por causa dos meus próprios sonhos. Era isso. Ele tinha estado presente, mas ele tinha ficado quieto a menos que estivesse com uma namorada. Ele ria e eu sempre ouvi que como um som de alívio - como se ele só pudesse relaxar se uma menina estivesse com ele. Por que eu me importava muito, então? O que estava faltando? Eu não achava que eu estava completamente delirante... ou estava? Kevin começou a dizer algo, mas eu o interrompi. — Foi um erro?

~ 54 ~


— O quê? — ele levantou a mão para coçar atrás da orelha. Um olhar estupefato apareceu, e sua mão se moveu lentamente de volta para o seu lado. — O quê? — Eu. Naquela noite em que estivemos juntos. Eu fui um erro. — meu peito queimava. — Não foi? Ele piscou rapidamente, então tossiu para limpar a garganta. — Bem... um... Essa foi a minha resposta. Essas duas palavras estúpidas foram a minha resposta. A queimação se intensificou, e eu me afastei até que minhas costas bateram na parede atrás de mim. Uma semana atrás, eu ainda estaria esperando ele me dar uma resposta. As coisas eram diferentes agora. A não resposta disse a verdade, e eu podia ouvir isso. Eu simplesmente não estava ouvindo por dois anos inteiros. Dois malditos anos. Baixei a cabeça. — Eu sou tão estúpida. — O quê? — Eu sou tão estúpida. — Espere. — ele começou a avançar, com a mão estendida, mas ele fez uma pausa. Eu podia ver os pensamentos que atravessam seu rosto. O que ele poderia dizer? Nada. Essa era a coisa. Se eu era um erro, ele não poderia me dizer. Eu poderia contar seu segredo então, e se eu não fosse um erro, já era tarde demais. Ele estava com outra pessoa agora. Certo? Era uma dessas duas opções. Por que eu estava tentando racionalizar isso para ele? Depois de um momento ele suspirou e deslizou as mãos nos bolsos da frente. — Eu realmente amo Maggie. Lá estava ele. Essa era a sua razão para tudo. Eu tinha acabado aceitando, por enquanto. — Ok. Ele deu um passo em minha direção. Sua voz se tornou mais clara. — Eu sei que você esteve aqui toda a semana, e você esteve sozinha. Eu teria ligado antes ou te visitado, mas eu precisava ter certeza de que Maggie estava bem. Você sabe o que eu quero dizer?

~ 55 ~


Eu não sabia, mas minha cabeça balançou para cima e para baixo de qualquer maneira. — Você entende? Nem um pouco, mas, mesmo assim, eu estava balançando a cabeça. Aparentemente, eu ainda tinha idiotice em mim. — Ótimo. — ele parecia tão aliviado. — Eu estava meio preocupado. Sua orientadora tem uma história com Maggie. Eu não sabia— Avery me disse que é amiga de Maggie. Ele ainda estava parado. — Oh. Então, você falou de mim e Maggie com Avery? — Ela sabe que nossos pais são casados. — Oh. — ele pareceu surpreso agora. — Você disse a ela sobre mim. — Ela sabia, mas-— minha boca estava seca de repente, e minhas mãos estavam suadas. Esfreguei-as. — Por que eu não deveria? — o que está acontecendo aqui? — Eu não deveria dizer às pessoas? — Sobre você e eu? — ele perguntou. Eu me inclinei para frente. Ele quis dizer... Ele continuou, apontando entre nós, — Que somos meio irmãos, certo? Todos têm que saber das minhas malditas coisas. Eu realmente não sei por que você está falando de mim. — suas mãos voltaram para seus bolsos. Ele se balançou sobre os calcanhares. — Além disso, nós éramos mais colegas de casa, realmente. Foi isso. Eu sabia disso, mas ainda pareceu um tapa na cara. — Colegas de casa. — Sim. Quer dizer, sim. — ele franziu a testa, agindo como se ele estivesse confuso. — Eu nem conhecia você antes de nossos pais se casarem. E nesse um ano em que vivemos juntos, eu estava apenas por aí e você sempre ficava em seu quarto. Nós nunca fomos próximos. Então, no ano passado eu mal ficava em casa. Como sempre. Exceto aquela noite, eu adicionei silenciosamente. Quando você saiu para uma festa de formatura com os meus amigos e eu. Quando bebeu comigo. Quando fomos para casa e nos beijamos e fizemos mais

~ 56 ~


do que eu quero pensar agora. Você mal estava em casa, exceto por aquela noite. Olhei para baixo. — Entendo. Ele tossiu novamente, seus pés arrastando na calçada. — E eu realmente amo Maggie. Eu realmente amo, mas você sabe, ela está com aquele cara Marcus agora, e Marcus vem de uma família de grande nome por aqui. Seu pai é uma lenda na fraternidade, e mesmo que Marcus não seja um membro, o irmão dele, Caden, é um dos meus irmãos. Se eles conseguirem descobrir o que você realmente viu naquela noiteEu comecei a rir. Talvez eu não devesse ter. Talvez fosse errado, mas começou a borbulhar dentro de mim, e eu não podia parar. A coisa engraçada era sobre mim, mas era sobre ele também. Ele não achava que as pessoas soubessem. Todo mundo sabia! — O quê? Eu balancei a cabeça, ainda rindo. Meus ombros começaram a tremer. — Nada. É- — mais risos. — Nada. Eu sinto muito. Mas eu não podia parar, e ele olhou para mim, raiva evidente em seus olhos. Depois de mais alguns segundos, eu fui capaz de me acalmar. — É isso que você fez na escola? Você realmente acha que você não vai ser pego? Você não percebe que todo mundo já sabe? — O que você quer dizer? — Você namorava uma menina, então, na marca de cinco meses, você se cansava. Você começava a procurar por uma nova. Então você namorava duas meninas, achando que elas não iam saber, mas elas sempre sabem. É sempre um rompimento desagradável. Todos sabiam sobre isso na escola— Verdade? — Sim. E tenho certeza que você achou que estava apaixonado por elas também, como acha que está por Maggie agora. Mas Kevin, você está falando sério? As pessoas sabem. Você a trouxe para o restaurante.

~ 57 ~


— Eu não tenho outra namorada agora. E esta cidade é grande o suficiente. Eu não achei que iria importar se ela viesse para o jantar ou não. — Tanto faz. Mas ela tem um namorado. Ele foi para sua casa de fraternidade na outra noite, procurando por ela. Ele sabia que ela estaria com você. Seus irmãos da fraternidade e eu somos as únicas razões pela qual você não foi pego. Quanto tempo mais você acha que isso vai durar? Quer dizer, seja realista. Ele coçou a cabeça novamente e deu de ombros. — Eu não sei. Nós vamos ter mais cuidado. Eu pensei que eu ia tomar uma facada nisso. — Vocês vão ficar juntos no quarto dela e não no seu? Eu pensei que ele iria rir e me dar um plano mais detalhado de ação. Eu pensei que ele diria: oh, não, e continuar a partir daí. Mas ele não o fez. Houve silêncio em vez disso, e eu tive uma segunda compreensão esta noite. O meio-irmão que eu tinha amado, ou achado que amava, por tanto tempo era um idiota. Não havia outra maneira de explicar sua estupidez. — Você está falando sério? — perguntei. — Esse é o seu plano? Em vez de relaxar no seu quarto, onde Marcus realmente não entraria, você vai para o quarto dela, onde ele tem um motivo para ir. Porque, você sabe, é o quarto da namorada dele. — Não. — Kevin balançou a cabeça, dando mais um passo para trás. — Quero dizer, é claro que não é o nosso plano. Mas Caden está na minha casa. Ele vive lá também. Eu bufei. — Você acha que Caden vai aparecer no seu quarto? Kevin não respondeu de imediato. Ele parecia meditar sobre as coisas antes de perguntar: — O que você quer dizer com isso? Eu queria me bater na testa. — Ele cobriu para você naquela noite. Ele não deixou Marcus entrar. — Ele não sabiaEu cortei. — Ele sabia. Confie em mim, ele sabia. — O que você quer dizer?

~ 58 ~


— EuNão, eu não iria fazer isso. Eu não iria explicar que Caden tinha me pego, ou me questionado, ou me dado uma carona para casa da festa de Marcus. Isso não era da conta de Kevin, e mesmo sendo difícil admitir, ele e Maggie não eram da minha conta também - exceto pelo fato de que eu tinha ACOBERTADO PARA ELE! Ok. Respire, Summer. Respire. Acalme-se. Eu fiz uma contagem regressiva de dez a um, então fiz o contrário. Se ele disse algo durante a minha contagem, eu não escutei. Ele estava me deixando louca. Meus sentimentos ainda estavam lá, enterrados no fundo do meu peito, mas meu Deus, eu estava vendo o quão irritante ele poderia ser. Eu mal podia esperar para que esses sentimentos desaparecessem. Eu tive um sentimento de que eu estaria olhando para a vida de uma maneira nova. Respiração profunda. Pensamentos calmantes. Pense Zen. Buda. Música chata. Ioga. Qualquer coisa para diminuir o seu ritmo cardíaco. — Você está bem? — O quê? — eu respondi e vi que ele estava olhando para as minhas mãos. Olhei para baixo. Eu estava me abanando. — Oh. Sim. Estou bem. Ele olhou para trás. — Você sabe, é estranho conversar com você sobre isso. — Não me diga. — sem sarcasmo. Nem um pouco. Ele assentiu. — Escute, no caso de você esbarrar em Maggie ou Marcus de novo, ele não é um cara mau. Eu não quero que você pense isso, porque ele e o irmão dele são populares no campus. — ele ergueu um ombro. — Não que eu não seja, mas eu não estou na liga. Você não tem que odiar o cara nem nada. Eu sei que você está do meu lado. Eu sufoquei um gemido. Ele continuou como se ele não tivesse me ouvido. — Você sabe o que quero dizer. — ele olhou para mim, piscando algumas vezes. — Você vai fazer medicina esportiva? Minha cabeça virou uma polegada. — Você sabe sobre a minha escolha? — ou a minha possível escolha. ~ 59 ~


Eu levantei a mão para o meu peito. Eu falei com ele aquela noite de formatura. Eu não tinha percebido que ele realmente tinha estado ouvindo. Ele parecia focado em remover minha camisa. — Minha mãe me disse. — Oh. Então foi aí. — Marcus faz medicina desportiva também. Você provavelmente vai vê-lo. Agora entendi. Ele sorriu pela primeira vez esta noite. — Eu não quero dificultar as coisas para você. Que estranho. — Que gentil da sua parte. Seu sorriso aumentou, e ele finalmente se aproximou de onde eu estava sentada nos degraus. — Vamos. — ele fez sinal para eu me levantar. — Vamos nos abraçar. Ele me segurou contra o peito, murmurando no meu ouvido: — Você sabe, é bom tê-la aqui. Minha garganta queimou novamente. Ele disse isso como se tivesse acabado de lhe ocorrer. — Obrigada. Ele me deu mais um aperto antes de recuar, oferecendo um sorriso torto quando ele passou a mão pelo cabelo. — Estou feliz que tivemos esta conversa. Devemos nos encontrar para jantar de vez em quando. Isso pode ser divertido. Jantar. De vez em quando. Isso pode ser divertido. Eu vim para a faculdade pensando que eu estaria com ele, e ao invés disso o plano se tornou ‘devemos nos encontrar para jantar de vez em quando. Toda essa conversa pareceu como um soco gigante na minha cara.

~ 60 ~


— Eu te devo desculpas. Mais uma vez. Eu ouvi quando dois pés pararam ao meu lado. Um grande livro e caderno caíram sobre a grama com um baque abafado, e eu olhei para cima a tempo de ver um par de pernas nuas. Eu estava tentando estudar no gramado do bloco leste entre duas das minhas aulas. Tinha passado uma semana desde que as aulas começaram, e tudo estava indo muito bem. Bem, quase tudo. Minhas aulas eram fáceis até agora, mas eu realmente não tinha me aproximado de ninguém que eu conheci ainda. Algumas das minhas companheiras tinham pedido pizza e alugado Dirty Dancing, The Breakfast Club, e Pitch Perfect na outra noite. Eu fui. Eu tinha desfrutado de uma fatia de pizza de queijo, e eu tinha estado sussurrando ‘Copos’ sem parar desde então, mas principalmente tudo tinha sido... maçante. Eu estava com tédio. Eu não sabia qual o meu problema com isso. Clarissa e eu tínhamos estado com tédio na escola. May não, mas nós sim, e nós estávamos bem com isso. Mas agora... as meninas do meu andar eram legais. Elas era estáveis, tranquilas. Ok, elas eram entediantes. E eu deveria ter amado sair com elas. Eu deveria ter ← que duas palavras operativas. Em vez disso eu quase detestava. Eu estava indo embora durante o grande final de Barden Bellas quando ouvi risadas vindo do banheiro. Avery tinha saído, e ela não estava sozinha. Shell, Claudia, e outras duas cujos nomes ainda não me lembrava tinha a arrastado de volta. Todas elas me viram. Avery tinha acenado, dando-me um sorriso amigável, e Shell e uma das outras meninas fizeram o mesmo. Claudia não. Ela não tinha me ignorado ou qualquer coisa; ela simplesmente não ligava. Seu rosto tinha sido uma máscara, e eu olhava um pouco mais para ela do que o necessário. Avery notou, e ela olhou entre nós quando todas saíram. Eu

~ 61 ~


reconheci as mochilas e garrafas de água pré-carregadas, e eu imaginei que elas estavam indo para outra festa. Talvez até mesmo para a que o irmão de Caden estava dando. Elas tinham ido e eu virei-me para ir para o meu quarto. Eu tinha estado pensando em ir para a cama, mas eu não podia negar o sentimento dentro de mim. Eu queria ir com elas. Eu não queria ver The Breakfast Club ou Sixteen Candles em meus fins de semana como as minhas amigas e muitas das minhas colegas calouras pareciam querer. Eu não queria pedir pizza - pelo menos não na sexta-feira ou sábado à noite. Talvez durante o sábado, quando eu estivesse de ressaca depois de me divertir. Isso é o que eu queria, mas Claudia tinha me impedido de me aproximar. Eu não podia dizer nada, eu não podia fazer nada por causa dela. Cadela. Eu seria estúpida por tentar entrar em seu mundo de amigas de novo, não quando eu era caloura. Então eu as assisti ir. Avery se sentou perto de mim na grama agora, seus livros ignorados ao seu lado. Ela tinha um olhar determinado nos olhos. — Claudia, — disse ela. — O que tem ela? — Ela tem esse transtorno. — Sério? — É chamado Cadelês. — o ombro de Avery levantou e desceu em uma respiração. — Ela foi uma cadela com você depois que saímos aquela vez, não foi? Ela não esperou pela minha resposta. — Eu vi como você olhou para ela no corredor neste fim de semana, e eu a encurralei mais tarde. Eu fiz ela me contar o que aconteceu. Ela não contou tudo. Tenho certeza disso, mas foi o suficiente. Sou capaz de ler entre as linhas. Eu realmente sinto muito, Summer. — Oh. — eu não tinha ideia do que dizer agora. — Eu não estou me desculpando por ela, e ela vai pedir desculpas a você também, mas um pouco do que ela fez foi para proteger Shell.

~ 62 ~


Ela acha que, se você estiver por perto, Kevin vai estar por perto. Ela não quer isso. Sentei-me de volta. — Bem, depois dessa explicação... — eu ri, olhando para longe. O som era oco. — Quero dizer, wow. — Você deve saber algo mais, mas você não pode contar, porque as outras meninas não sabem. Eu olhei para ela novamente. — O quê? — Ela namorou o seu meio-irmão. Ela foi duas meninas antes Maggie. — Espere. Shell namorou com ele também, certo? Ela assentiu com a cabeça. — Ela não sabia sobre Claudia. E Claudia não sabia sobre Shell até o verão. Ela se sentiu horrível quando descobriu. Eu sou a única que sabe, e agora você também. Por favor, não diga nada. Kevin namorou uma tonelada de meninas no ano passado, e ele não contou pra ninguém, dizendo alguma coisa sobre como ele é particular sobre as coisas. Eu grunhi, puxando a parte inferior da minha camisa. — Sim. As pessoas são idiotas, às vezes. — É por isso que você não veio com a gente nas outras vezes que eu convidei você, não é? Por causa de Claudia. Eu balancei a cabeça. Eu podia sentir outro convite vindo em minha direção, e eu não tinha certeza do que fazer. Eu me mexi, passando os braços em volta dos meus joelhos, e eu segurei meus jeans firmemente. — Você não precisa, mas as meninas e eu somos parte de um programa chamado Serviços Básicos da Comunidade, e dois outros grupos no campus se uniram com a gente para esta grande angariação de fundos para os flamingos. Eu estava indo para uma das reuniões. Todas nós vamos andar por aí, distribuindo panfletos. — ela mordeu o lábio. — Você quer vir? Lá estava. Eu não sabia o que uma angariação de fundos para os flamingos. era, e eu não tinha a intenção de descobrir, mas, naquele momento, duas calouras do nosso andar passaram por nós na calçada. Elas

~ 63 ~


acenaram, suas mochilas penduradas em suas costas, e eu reconheci o olhar em seus olhos. Medo. Elas estavam sentindo o medo do calouro - medo de chegar atrasada na aula, medo de fazer amigos, medo de ser rejeitada, estar sozinha, não ter mais ninguém. Eu mudei de ideia. — Estou dentro. — eu disse a Avery. Eu não teria medo. EU iria fazer amigos. Eu não ia ficar sozinha.

***

Todo um parque de estacionamento estava cheio de veículos, garotos e garotas andando. Algumas faixas coladas diziam Serviços Básicos da Comunidade em grandes letras em negrito nos lados de caminhonete, com a frase ‘Flock1 Seus Vizinhos’ por baixo. Imagens de flamingos estavam em todos os lugares, e grandes enfeites de flamingo de jardim haviam sido gravados para os topos das caminhonetes. Uma caminhonete tinha uma piscina na caçamba, cheia com os mesmos ornamentos de Flamingo e um grupo de rapazes usando calção de banho. Alguns tinham boias rosa de flamingo ao redor de suas cinturas e bebidas na mão. Avery acenou para alguém, dirigindo-se em frente ao estacionamento. Fiz uma pausa. Eu tinha que dar mais uma olhada em toda a glória rosa. — Ei. Virei-me para encontrar Kevin vindo em minha direção. — O que você está fazendo aqui? Fiz um gesto ao redor. — O quê? Acha que eu iria perder este paraíso de flamingo? A verdadeira questão é por que você não me convidou primeiro?

Um número de aves de um tipo alimentando, descansando ou viajando juntas. Não tem nenhuma palavra do nosso vocabulário que se encaixe. Mas a frente há uma explicação. 1

~ 64 ~


Ele olhou para mim, então soltou uma risada. — Vou roubar um para você no final. — Falando nisso, o que é isso? Avery parou de falar com suas amigas e olhou por cima do ombro para mim. Vendo Kevin, o canto de sua boca baixou, mas ela acenou. Acenei de volta quando ela se virou para o grupo novamente. — É uma angariação de fundos, — disse Kevin. — Um bando de nós são membros da SBC. Estamos levantando dinheiro para a Associação de Lesões Cerebrais da América. — ele resmungou. — Banks sugeriu isso, de todas as pessoas. Eu apontei para a bandeira de flamingo mais próxima. — O que há com os pássaros cor de rosa? — Oh. — ele riu novamente. — Eu nem sequer os vi, eu estou tão acostumado a eles por agora. As pessoas nos pagam para ‘flock2’ o gramado dos seus amigos. São três dólares por ave. Nós os colocamos durante a noite e deixamos uma placa que diz que eles foram ‘flocados’. Então levamos embora no dia seguinte. É tudo em diversão e para a caridade. Hoje estamos aqui apenas para distribuir panfletos e aumentar a consciência de que a próxima oportunidade está chegando. Ele cruzou os braços sobre o peito, bocejando, quando acenou para mim. — Como você foi atraída para isso? Eu apontei para Avery. — Ela me perguntou se eu queria vir. Eu não tinha ideia no que estava me metendo. Ele se encostou na caminhonete mais próxima. — Está indo bem, mas eu acho que nós vamos embora logo. — PESSOAL! — uma menina gritou, batendo palmas e acenando os braços perto da caminhonete onde Avery estava de pé. Quando as pessoas não paravam de falar de imediato, ela colocou os dedos em sua boca e soltou o mais alto assovio que eu já ouvi. — Pessoal! CBC’s e amigos! — as pessoas ainda estavam falando, então ela gritou, — IDIOTAS! Algumas meninas engasgaram, mas um par de caras riram. Um gritou, sua profunda voz grossa, — CALEM A BOCA, IDIOTAS!

2

É tipo enfeitar o gramado. Arrumar... ~ 65 ~


— Flockers3, — a menina o corrigiu. — Flockers. Foi o que eu disse. — Sim, certo! — veio da parte de trás. Kevin se inclinou e murmurou: — Essa é Jill. Ela é a presidente da CBC e o filho da puta ao lado dela é o namorado dela, Niall. Ele estava sendo legal, mas eu não iria me lembrar de seus nomes. Mesmo assim, tentando ser educada, eu olhei por cima do ombro. Procurei o filho da puta, mas meu olhar colidiu com um par de olhos hostis que eu não estava esperando. Maggie estava a duas caminhonetes com os braços cruzados sobre o peito, olhando para mim. Eu endureci e estreitei os olhos, olhando para o resto do seu grupo. Eu não precisei ir muito longe. Marcus Banks estava ao lado dela, seu braço apoiado na caminhonete acima da cabeça dela enquanto falava com alguém atrás dele. Seus ombros sacudiram com o riso. — Kevin. Uma única palavra minha foi suficiente. Ele se virou e viu o que eu estava vendo. Ele amaldiçoou em voz baixa, e sua mão veio descansar no meu ombro. — Ela não acredita que somos apenas irmãos. Deixa pra lá. Ela verá que somos irmão e irmã. Exceto que nós não somos. Rangi os dentes. Tínhamos sido amantes. Sua mão queimava meu ombro. Era como se eu não estivesse usando uma camisa, como se estivesse tocando minha pele nua. Maggie viu seu toque, e seus olhos se estreitaram ainda mais. Ela começou a avançar, mas quando Marcus virou, ela voltou para o lugar. Pressionei meus lábios juntos, quase desafiando-a a dizer ou fazer alguma coisa. Venha. Eu queria abrir meus braços e balançar minha cabeça para ela. Eu queria que ela fizesse alguma coisa. Dissesse algo. Que ela viesse aqui e fizesse valer seus direitos. Esqueça que você tem um namorado ao seu lado. Venha. Mas ela não o fez. Ela forçou um sorriso quando Marcus disse algo a ela, puxando-a contra seu peito. Mas assim que ele olhou para outra pessoa, o olhar dela voltou para mim. 3

tal.

Porque flockers é parecido com fuckers. Flockers dos pássaros se reunindo e

~ 66 ~


Não importa o que Kevin disse a ela, ela podia ver os meus sentimentos. — Ok! — a líder gritou, puxando minha atenção de volta para ela. Ela fez uma pausa, em seguida, circulou as mãos no ar. — Vamos ao ponto. Nós vamos sair daqui em CINCO MINUTOS! Assim que ela terminou, uma corrida frenética veio do grupo. As pessoas correram para frente do parque. Caras subiram em cima de caminhonete e caçambas. Portas de carro se fecharam e todo mundo começou a gritar e assobiar. Merda. Todo mundo estava indo. Eu não tinha ouvido nada do que quer que seja o que a líder tinha dito. Virei-me para Kevin, mas ele se foi. Eu o vi subir em um SUV. Espere. Avery? Eu comecei a procurar por ela enquanto os veículos saíram de seus lugares e passavam por mim. Eu me apressei para frente, ainda procurando por Avery. Não consegui encontrá-la. Então eu parei quando vi a última caminhonete ir embora. Eu me virei, e havia uma sobrando – a que estava decorada com uma piscina. Um grupo de caras e algumas meninas estavam na parte de trás, e a líder se preparou para se juntar a eles. — Ei, uh... — eu me dirigi a ela, que fez uma pausa. Eu não sabia o nome dela. Ela olhou para cima. — Sim? — seus olhos correram ao redor. — Seus amigos te deixaram? Eu balancei a cabeça. — Eu estava com meu meio-irmão. Minha amiga deve ter pensado que eu iria com ele, mas... — fiz um gesto para o estacionamento vazio agora. — Entendi. — ela olhou por cima da caminhonete, uma carranca se formando. — Escute, estamos cheios. Você é voluntária? Eu não me lembro do seu nome. Você não deve ser uma parte da CBC. Eu sou Jill. — Summer. Eu vim com Avery. Sabe, está tudo bem. Eu posso voltar para os dormitórios. — Ok. Desculpe sobre a sua amiga e irmão. Eu assenti. Estava tudo bem, apenas uma pequena queimadura de humilhação, mas então eu ouvi o som de outro veículo entrando no

~ 67 ~


estacionamento. Eu me virei, esperando ver Avery ou mesmo Kevin, mas não. Caden parou, e meu sorriso de boas-vindas desapareceu. Sua janela baixou. — Seu meu irmão ainda está aqui? Jill subiu ao meu lado. — Ei, Caden! Você está se juntando à causa? Ele balançou a cabeça, olhando entre nós, então para mim quando ele respondeu a ela. — Não, só preciso encontrar meu irmão. O telefone dele está desligado. Eu sabia que ele estava aqui com vocês. Ela olhou para sua prancheta. — Uh... seu grupo é suposto cobrir o bairro Rose Creek. Você pode ir até lá encontrá-lo. — Ok. Eu farei isso. Obrigado. — Algo está errado? Caden sacudiu a cabeça. — Não. Está tudo bem. Eu vou encontrá-lo. — ele olhou para mim novamente, demorando mais uma vez. Jill notou. — Oh, ei-— ela virou a cabeça para mim. — Você se importa de ter um passageiro clandestino? Ela foi deixada para trás por seus amigos. Ela pode ir com os outros se os encontrar. Fechei os olhos por um momento. A queimadura de humilhação subiu. Caden sorriu. Seu olhar frio se ergueu e ele apontou para a porta do passageiro. — Tudo bem. Entre, pequena Matthews. Isso está começando a se tornar nossa coisa. Jill me olhou com atenção, de repente mais focada quando percebeu que Caden me conhecia. Senti meu rosto ficar vermelho, e eu balancei a cabeça, recuando. — Nah. Tudo bem. — eu apontei sobre meu ombro. — Eu deveria estudar um pouco — Summer. A voz de Caden me parou. Eu queria fazer a minha fuga. O pensamento de estar em seu veículo de novo, em tal proximidade com ele, tinha enviado uma série de sensações através de mim. Eu tive nós em meu estômago, e borboletas estúpidas fazendo cambalhotas ao

~ 68 ~


redor dele, mas tanto quanto eu tentei fazer minhas pernas se mexerem, elas não se mexeram. — Entra. Era uma ordem suavemente formulada, embora essa palavra tive mais poder sobre mim do que meu próprio cérebro. Eu me encontrei dando a volta na Land Rover e entrando. Quando eu fechei a porta, vi Jill entrar em sua caminhonete, ainda me observando. Eu viera a este evento como uma zé ninguém, mas de repente, com o reconhecimento de que Caden Banks me conhecia, eu soube que eu não seria uma zé ninguém por muito tempo. Eu não tinha certeza se eu estava pronta para isso ou não. Meninas que eram alguém também eram alvos. Talvez eu ainda quisesse ser uma zé ninguém?

~ 69 ~


— Por que fez isso? — perguntei a Caden quando ele se afastou. — E é Stoltz. Eu não sou uma Matthews. Eu não consegui segurar a pergunta. Um toque de pânico se estabeleceu no fundo do meu estômago, alinhando minhas entranhas, e eu não conseguia me livrar dele. Eu sabia que eu estava exagerando, mas eu não conseguia afastar o olhar que Jill e todos os outros em sua caminhonete tinham me dado. Talvez eu gostasse de ser chata, afinal. Eu poderia ser invisível. Caden me lançou um olhar severo, transformando em uma pergunta. — Fiz o quê? Eu virei na minha cadeira, de frente para ele, e ignorei todas as outras emoções acontecendo em mim. Era ele. Ele me deixava louca. Eu só agia assim em sua presença. — Eles estavam todos olhando para mim. Por que você fez isso? Ele me deu um olhar louco, como se eu tivesse duas cabeças. — Que porra é o seu problema? Uma sensação nova, mais alarmante, mergulhou em mim, em toda a extensão entre minhas pernas. Eu estava atraída por ele. Eu recuei em meu assento. Eu não poderia estar atraída por ele. Ele era o Caden Idiota. Tá vendo, ele era meu idiota, e esse era um pensamento errado também. Eu respirei. Eu tinha que me acalmar. Eu tinha que ser razoável. — Agora as pessoas sabem que eu te conheço. — Há algo de errado com em me conhecer? — Sim. — O quê? O que eu deveria fazer? Fingir que você não estava lá? — Sim.

~ 70 ~


— Você pode não gostar de mim, mas eu não sou um completo idiota. — Você é um idiota. Ele grunhiu, virando para a interestadual. — Não se segure, Stoltz. Diga-me o que você realmente pensa. — Eu-— estava sendo uma idiota. Ele não. — Eu sinto muito. — eu suspirei. — Eu não estou acostumada a isso. Ele olhou para mim. — A que você está acostumada? Ser invisível. — Kevin era o popular na escola. Eu… — Não era? Eu balancei a cabeça. — Eu não era uma exilada ou qualquer coisa assim, mas eu não era o que ele é, ou foi. Ele me deu um meio sorriso. — Se isso te faz sentir melhor, as únicas pessoas com as quais Kevin é popular são garotas que querem trair seus namorados. Eu levantei uma sobrancelha. — Touché. Ele riu, e eu fechei os olhos. Sua risada deslizou por cima de mim como uma carícia quente, e um arrepio passou por mim, enviando um zumbido baixo e animado no meu estômago. Eu apertei a mão ali, tentando me acalmar. — Você não deve fazer coisas assim, — eu disse a ele. — O quê? — Rir assim. — Primeiro, você não quer que eu te reconheça, e agora eu não posso rir? — ele balançou a cabeça, esfregando uma mão sobre sua mandíbula. — Você tem problemas. Sentei-me, muda por um momento. Era verdade. Kevin era o meu problema. — Eu quis dizer que quando você ri assim-— eu parei. Eu estava prestes a confessar todos os formigamentos e sentimentos quentes. Ele estava certo. Que diabos estava acontecendo comigo? Eu nunca tinha sido assim antes. Eu fiz uma careta para mim quando eu pensei novamente. Eu tinha sido legal.

~ 71 ~


Eu tinha sido quieta. Eu tinha sido chata. Isso era tudo na escola. Eu dei um olhar em Caden. Eu estava dizendo coisas que normalmente não diria. Eu estava sentindo coisas que normalmente não sentiria. Esse cara era um idiota. Eu não gostava dele, mas agora ele era diferente. Tinha sido Kevin por tanto tempo, e agora de repente alguém estava dentro de mim. — Eu sinto muito. Ele tomou uma saída e virou em um bairro chique. — Te desculpar por quê? — Por ser uma louca. Ele soltou uma pequena risada. — Você é um pouco exagerada. Eu não tenho ideia do que vai sair da sua boca, e eu estou geralmente preparado quando se trata de garotas. Meu lábio torceu quando eu contive um sorriso. — Garotas? — Sim. — ele se virou e olhou para mim por um segundo. — Por quê? É errado dizer isso? — Não. Eu não sei por que isso é engraçado para mim. Ele não respondeu, mas acenou com a cabeça em direção à rua. — Este é o bairro que Jill disse que Marcus está. Fique de olho. Eu não sei se seu pessoal está com eles ou não. As casas eram extravagantes. Algumas tinham calçadas fechadas. Algumas tinham fontes em seus gramados. Algumas eram completamente escondidas atrás de um muro. Meu pai era o gerente geral de uma grande empresa na cidade onde morávamos, e a mãe de Kevin era uma enfermeira. Eu sabia que ambos eram bem de vida, e se mudaram para a casa de Sheila porque era o maior. Mais espaçosa. Nós tínhamos a nossa própria piscina e um andar extra de quartos, mas não era qualquer coisa como essas casas. Estas não eram casas. Eram mansões. Eu olhei para Caden. — Você é daqui? — O quê? Eu apontei para as casas. — A menina lá atrás implicou que você conhecia esta área. Sua casa é uma dessas?

~ 72 ~


Ele começou a rir, mas parou. — Você está falando sério? — Sim. Ele se endireitou em seu assento e sacudiu a cabeça. — Eu moro com seu meio-irmão. E você estava na casa de Marcus. Não vivemos aqui. — Por que ela insinuou que você conheceria esse bairro? — Meu irmão conhece esse bairro. A namorada dele mora aqui. — Maggie? Ele assentiu. — Ela é de River North. Ela ainda vive com os pais. — Oh. — Você mencionou uma amiga antes. Era aquela mesma garota com quem você estava na festa de Marcus? Avery? Eu balancei a cabeça. — Ela disse que foi para a escola com Maggie. Ela deve ser de River North também. Ele continuou em linha reta, virando em um beco sem saída, e diminuiu até parar na frente de uma grande casa de tijolos brancos. — Essa é da Maggie. Eu pensei que eles poderiam dar uma passada aqui. Não havia grade ou muro, então fomos capazes de ver a casa. O único carro estacionado na garagem era um Prius prata. — Esse não é a dela? — Acho que não, mas não importa. A caminhonete de Marcus não está aqui. — ele se inclinou para frente para ver melhor, então se endireitou e manobrou seu Land Rover em um círculo, voltando para a rua. — Vou continuar procurando. — Maggie está com ele, certo? — Sim. — O telefone dele está desligado, mas e o dela? Você poderia ligar para ela. Ele levantou uma sobrancelha. — Você tem o número de telefone dela? — Você não tem o número do telefone da namorada do seu irmão?

~ 73 ~


O canto da boca dele se levantou em um meio sorriso. — Você? Bem. Eu inclinei meus ombros. Porra. Ele me pegou nessa. — Meio irmão. — eu murmurei, mas eu calei a boca depois disso. Nós dirigimos por mais alguns blocos em silêncio, mas não fomos capazes de encontrá-los. Poucos quarteirões se estendiam em poucas milhas, e não demorou muito para termos vasculhado todo o bairro. Caden parou em um semáforo. Havia mais uma rua para verificar, mas ele ligou a seta. Ele estava indo para a esquerda, que levava de volta para a faculdade. — É importante? — O quê? — ele não me poupou um olhar, enquanto esperava a luz ficar verde. — O motivo pelo qual você precisa encontrar o seu irmão. É importante? Ele resmungou. — Porra, sim, ou eu não estaria dirigindo por aí procurando a bunda dele. — ele me olhou. — Por quê? Não me diga que você realmente tem o número do telefone de Maggie? Corei, atirando a ele um olhar sombrio. — Não, falei a verdade. — eu estava segurando meu telefone em minhas mãos o tempo todo, e ele tinha ficado mais pesado e mais pesado quanto mais tempo nós procurávamos. — Mas eu poderia ligar para Avery e pedir o número de Maggie. — Porra, menina. Por que essa não foi a opção A? Não havia calor em suas palavras, e eu sorri enquanto discava o número que Avery tinha me feito programar no meu telefone na noite em que fomos para a festa de Marcus. Caden desligou a seta e quando a luz ficou verde, ele foi direto, parando em um posto de gasolina. O telefone ainda estava tocando quando ele saiu para abastecer. — Ei. — respondeu Avery. Música alta e risadas quase abafaram sua voz, mas ela gritou: — O que aconteceu com você? Nós acabamos se esbarrar com seu meio-irmão, e você não está com ele. Eu achei ter visto você entrar na caminhonete dele. Onde você está? — Sim, não. Isso não aconteceu. Ela soltou um gemido. — Ele abandonou você, não foi? — O quê? ~ 74 ~


— Ele abandonou, certo? Você pode me dizer se ele fez. Mais uma vez. Eu sei muito bem quão idiota ele pode ser. Abandonando uma menina, mesmo ela sendo sua meia-irmã, é algo que eu posso ver totalmente Kevin fazendo. Eu sinto muito. Você deve ter se sentido mal por eu ter te abandonado também. Eu realmente pensei ter visto você entrar na caminhonete dele. Espere, onde você está? Você voltou para o dormitório? — É por isso que estou ligando. A gasolina parou de fazer barulho e eu senti Caden tirar o bico da caminhonete para guardar. Olhei por cima do ombro, mas ele não estava prestando atenção em mim. Ele desviou da porta, entrando no posto quando ele puxou a carteira. Eu segurei um suspiro, observandoo por trás. Ele era lindo. Suas tatuagens eram um pouco atraente demais. Mesmo uma camisa folgada não conseguia esconder o atletismo por baixo, e quando o meu olhar caiu de seus ombros largos até a cintura, demorando sobre onde seu jeans descansava sobre sua bunda, eu devo ter deixado escapar algum som. Avery se intrometeu no meu ouvido, — O quê? O que está acontecendo? — Hein? — eu não conseguia desviar meus olhos. Seu traseiro era aquele que eu admirava quando bêbada e sorria de satisfação quando estava sóbria. — Você totalmente suspirou, como um tipo de sonho de suspiro. O que está acontecendo? Onde está você? Caden entrou no posto de gasolina. Ele estaria de volta em apenas um minuto. — É por isso que eu estou ligando, — eu disse novamente. — Eu não voltei para o dormitório. Caden Banks pareceu, procurando o irmão. Jill perguntou se ele poderia me dar uma carona. — Ela perguntou? Espere. Ele deu? — O quê? Estou confusa. — Caden Banks te deu uma carona? — Sim. Por quê? — eu fiz uma careta. Ela tinha que falar assim? — Você está com ele agora?

~ 75 ~


— Paramos para abastecer. Eu estava esperando conseguir o número de Maggie de você, para que ele pudesse ligar para Maggie e falar com o irmão dele. E eu estava esperando que eu pudesse convencê-lo a se encontrar com vocês. Eu posso ir no seu carro, então. Eu esperei por sua resposta, mas nenhuma veio. Ela ficou em silêncio na outra extremidade até que eu disse, — Olá? Você está aí? — Eu estou aqui. — eu podia ouvir a confusão em sua voz. — Esta é a segunda vez que Caden Banks te ajudou. Isso não é normal. Minhas sobrancelhas se ergueram. — Claudia disse algo similar. — Ela estava certa com o que ela disse, não sobre você, mas sobre Caden. Sua hesitação me irritou. — Esse é um grande momento. Vocês estão juntos ou algo assim? — O quê? Não! Por que você acha isso? — no entanto, a imagem de seu traseiro apareceu na minha cabeça novamente. — Calma. Eu não quis dizer isso como um insulto. O oposto. Caden não costuma ser legal com as meninas. Ele não é agradável. Ele é apenasSegurei o telefone com mais força. — Sim, sim. Ele está em outro nível. Eu estou entendendo. Acredite em mim. — Não! — ela riu ao telefone. — Mais uma vez, não é um insulto para você. — Então, não é um insulto. Caden não é conhecido por brincar com calouras, até mesmo do segundo ano. E ele não dorme por aí. Ele tem garotas com as quais ele pode telefonar para fazer sexo, mas elas são meninas como você ainda não conheceu. Maggie contou para algumas de nós que ele estava dormindo com Ashley Fontaine do programa Hit Club. Eu não tenho nenhuma ideia de como eles se conhecem, mas sim, ele está geralmente com meninas como aquela. Agora eu me sentia como terra na roda do seu Land Rover. Inclinei-me para inspecionar onde estavam meus sapatos. Sim. Eu podia me ver lá em baixo, tentando fazer amigos e falhando como eu tinha falhado nessas duas últimas semanas. — Eu não estou com ele assim, então não se preocupe, — eu disse a ela. — Além disso, ele é irmão da fraternidade de Kevin, lembra? ~ 76 ~


— Sim. Eu compraria isso se eu não soubesse. Summer, Caden odeia o seu meio-irmão. Eu sou amiga de Maggie, lembra? Ela me contava histórias. Então, não, se você acha que ele está sendo bom para você por causa de Kevin, isso não é verdade. Se qualquer coisa, Caden iria tentar prejudicá-la por causa de Kevin, mas ele não é esse tipo de cara. Se ele está sendo legal, então há algo sobre você que ele gosta. Eu me endireitei. — Sério? — Você deveria dormir com ele. — O quê?! — Quero dizer. Eu não costumo incentivar o sexo casual, mas se é com Caden Banks, então claro que sim. Faça isso, se puder. Você vai olhar para trás quando você estiver velha e me agradecer. Eu comecei a rir, então percebi que era sério. — Você não está brincando, não é? — Quero dizer. Esqueça que eu sou sua CA, eu estou sendo uma amiga. Transe com Caden Banks se você tiver uma chance, então me conte tudo depois. Eu vou viver através de você. Só então Caden saiu do posto de gasolina com dois copos na mão. — Eu tenho que ir. Ele está voltando. — Ok, — ela disse rapidamente, sua voz soando abafada de repente. — Quero dizer. Foda os miolos dele. — Espere! — ela estava prestes a desligar. — Eu preciso do número de Maggie. — Oh sim. Não é necessário, — disse ela. Caden abriu a porta e entrou, me observando. — Ainda no telefone? Eu levantei um dedo. — O que quer dizer com ‘não é necessário’? — Eles acabaram de chegar aqui. — Onde? — eu cobri o telefone e disse para Caden, — Maggie e Marcus estão onde quer que Avery está. Eles acabaram de chegar lá. — Estamos no clube de campo, — disse ela. — São quase cinco horas. Nós achamos que todas as pessoas ricas estariam bebendo aqui, e eu acho que eles pensaram a mesma coisa. Diga a Caden que estamos no Rose Creek Country Club. Ele vai saber onde é. ~ 77 ~


— Ok. Eu desliguei, e quando eu disse a ele, ele revirou os olhos. — Pua que pariu. É claro que eles estão lá. — Acho que você conhece o lugar? — Eu costumava trabalhar lá. Eu odeio aquele lugar.

~ 78 ~


D

epois de entrar no estacionamento do clube de campo e estacionar entre um Ferrari e um Porsche, Caden resmungou. — Sim. Eu ainda odeio esse lugar.

— Você trabalhou aqui? — Meu primeiro ano. O amigo do meu pai é o dono. — O que aconteceu? Ele pegou as chaves e estendeu a mão para a maçaneta da porta, mas parou para olhar para mim. — Eu odeio pessoas falsas. Adivinhe que tipo de pessoas frequentam clubes de campo? — então ele estava fora da porta e entrando. Eu não tinha tempo para sentar e rir, porque eu concordei. Ele estava do outro lado do campo no momento em que eu saí e corri atrás dele. Eu encontrei com ele na calçada, mas em vez de ir através da entrada principal, ele circulou o edifício até um pátio de madeira. Ele estava cheio de pessoas comendo, bebendo, ou simplesmente sentadas e conversando. Caden passou pelas mesas e desceu um lance de escadas. Parei atrás dele, no meio da escada, para dar olhar onde ele estava indo. Três piscinas diferentes estavam espalhadas na base da encosta, um rio tranquilo as conectando. Caden foi para a piscina meio, e eu reconheci Marcus, Avery, e outros do CBC. Eu continuei procurando Kevin. Encontrei-o. Ele estava na terceira piscina, que estava relativamente vazia, com apenas algumas mulheres nadando. Um cara estava dando voltas, e meu meio-irmão estava debaixo de uma palmeira perto de um monte de outros arbustos. Eu podia ver o caminho atrás dele, e eu sabia que ele estava tentando se esconder. Ele não estava conseguindo. Uma mão apareceu, pegando o lado de seu rosto.

~ 79 ~


Meu peito se apertou, e eu olhei para onde Caden estava se aproximando da mesa de Marcus. Eu não sabia quem era estava debaixo daquela árvore com Kevin, mas eu tinha um palpite. Começava com M e rimada com flacidez4. Eu comecei a ir em direção deles quando Avery bloqueou meu caminho. — Ei. — ela estendeu as mãos, apontando para onde Caden e Marcus estavam falando. — O que é? Ele parece chateado. Caden era o menor dos meus problemas no momento. — Eu não sei. Eu, uh, eu tenho que ir ao banheiro. — eu olhei ao redor. — Onde fica o banheiro? Suas sobrancelhas se ergueram e ela recuou um passo. — Se você tivesse que ir ao banheiro, você teria entrado, onde os banheiros estão. — ela me estudou atentamente. — O que está acontecendo com você? Tentei bancar a atriz. Revirei os olhos. — Porra. Olha. — eu balancei a cabeça na direção de Kevin. Ela olhou e depois engasgou, parando ao meu lado. Ela balançou a cabeça. — Caden e Marcus estão ali. Eles são tão estúpidos. Eu não entendo o que Marcus vê nela. Será que ela tem uma vagina mágica ou algo assim? — ela suspirou. — Quero dizer, ela pode ser muito divertida, mas eu ainda não entendo. Eu honestamente não sei. Comecei a avançar novamente. — Eu vou colocar um fim nisso. — Espere. — ela agarrou meu braço, me segurando. — Por quê? — Como assim por quê? — Por quê? — ela apontou para Kevin e Maggie, que agora estavam se beijando. Ou eu pensei que eles estavam se beijando. Suas cabeças m se movendo um pouco. Senti uma pontada de dor no meu peito - do jeito que tinha feito naquela noite. — Pense nisso, — disse Avery. — Eles vão ficar pegos. Quero dizer, eles são estúpidos o suficiente para ficarem juntos no mesmo lugar que Marcus e seu irmão estão, e é durante o dia. É inevitável. — sua voz baixou. — Então, deixe isso acontecer. — Deixar Kevin levar uma surra, você quer dizer?

4

Em inglês saggy que rima com Maggy. ~ 80 ~


— Não, deixe que o destino aconteça. Não o proteja. Não proteja qualquer um deles. — ela bufou, passando a mão pelo cabelo. — Eles não merecem isso. Confie em mim. Fiquei tentada. Eu podia sentir seus lábios nos meus, suas mãos me tocando, como ele tinha pressionado em mim. Uma série de sensações correu através de mim, mas não importava. Eu cerrei os dentes, e eu tive que realmente empurrar goela abaixo o desejo que eu tinha registrado desde aquela noite, mas eu consegui. Eu queria que esses sentimentos fossem embora, mas quando eu tentei realmente empurrá-los para fora de mim, outra coisa tomou o seu lugar - uma dor diferente, um desejo diferente. Um sentimento que eu não queria sentir. Era dez vezes pior do que o sonho persistente com Kevin, então toda vez que eu senti, eu acabei cedendo aos meus velhos pensamentos. Além disso, ele era da família. Isso deveria contar para alguma coisa. Sua mãe me amava como se eu fosse sua filha. Isso significava algo para mim, então mesmo que Kevin fosse um idiota, eu ainda tinha que impedi-lo de ser morto. — Ele não vai saber. — Avery tocou no meu braço novamente, de ânimo leve. E puxei meu braço e dei um passo para frente. — Mas eu vou saber. — e isso era realmente tudo o que importava. Eu saberia. Em alguns momentos eu estava quase neles, mas eu não tinha nada planejado. Eu ia pegar Kevin e arrastá-lo para fora. Imaginei que ele iria ver a razão, uma vez que eu apontasse para Caden e Marcus, que estavam dentro da visão. Eu estava a poucos passos de distância quando ouvi alguém gritar atrás de mim. Eu me virei, e meu coração saltou para a garganta. Caden tinha Marcus preso contra a parede, inclinando-se. Um grupo de rapazes correu até eles, e sem pensar, mudei de rumo. Kevin se tornou uma reflexão tardia quando eu empurrei a pequena multidão que se formou. Dois homens seguravam Caden agora, embora ele não estivesse lutando ou tentando chegar ao seu irmão. Ele ficou lá olhando para Marcus. — Eu posso fazer o que eu quiser, — Marcus gritou, suas narinas inflando. Vários rapazes estenderam os braços também. — Sinto muito, Caden, mas eu não vou fazer isso. Caden ficou estranhamente quieto.

~ 81 ~


Fui para frente, quase perto o suficiente para tocá-lo. Um dos caras que o prendiam o levou para o lado e me cortou, então eu fui para a esquerda até que eu estava de frente e no centro. Caden me viu e eu podia ver as rodas girando em sua mente. Algo ruim estava por vir. Eu mordi o interior da minha bochecha enquanto eu o encarava. O que ele vai fazer? Um sorriso frio e quase selvagem adornou seu rosto quando ele se voltou para seu irmão. Ah não… — Bem, foda-se, — disse ele, sua voz tão fria que causou arrepios na minha espinha. — Se você não vai ajudar Colt, então você pode cuidar das suas próprias merdas. Marcus ficou imóvel. — Do que você está falando? — Sua namorada. — o sorriso de Caden virou um sorriso, mas não alcançou seus olhos. Eles estavam mortos. — A última vez que a vi, ela estava saindo com Matthews para lá. — Onde? Caden riu, frio e vazio, e empurrou os dois caras que o prendiam. — Você pode querer examinar seus arredores, Mark. Ou talvez apenas verificar atrás da palmeira entre as duas últimas piscinas. — ele começou a ir. Ele acrescentou por cima do ombro, — ou não. Tenho certeza de que uma vez que ela esteja satisfeita, ela vai sentar do seu lado novamente. Então ele se foi. A multidão o engoliu. Ninguém disse uma palavra, e eu esperei um momento, em seguida, segui para frente. Foda-se Kevin. Foda-se Maggie. Foda-se o que aconteceu com eles agora. Fui atrás de Caden. Ele não teve que empurrar o seu caminho através da multidão. Ela automaticamente se abriu para ele. Não para mim. Eu estava em desvantagem, e quando eu corri para o estacionamento, ele já estava no carro e passando por mim. — EI! — eu gritei, levantando as mãos no ar. Ele freou, um pouco perto demais para meu conforto, bem ao meu lado. A janela do passageiro rolou. — O quê?

~ 82 ~


Estendi a mão para a porta. — Me deixe entrar. Suas sobrancelhas se ergueram. — Por quê? — Me deixe entrar. Ele abriu a porta. Abri e entrei. — Ok. Eu estou com você. — eu não tinha ideia do que estava fazendo. — O quê? — Eu estou com você. — eu bati no painel, apontando para frente. — Tudo o que você vai fazer, eu estou dentro. Você parece precisar de um amigo. Você está com sorte. Eu poderia precisar um também. Então, eu estou dentro. — Eu vou ficar bêbado e fazer sexo. — Oh. Ele levantou uma sobrancelha. — Você ainda está dentro? Ele estava rindo agora. Ele ainda estava puto, mas ele estava rindo. Por alguma razão - talvez eu quisesse ir com ele, ou talvez eu tenha ouvido minha própria voz me chamando de chata e patética novamente - sentei-me e cruzei as mãos no meu colo. — Estou dentro. Ele balançou sua cabeça. — Você não tem ideia do que você está se metendo. — ele virou o Land Rover e começou a avançar. — Mas isso é problema seu, não meu. Ele saiu do estacionamento, e eu caí contra a porta. Eu agarrei a oh merda alça acima da minha cabeça, e eu tive a sensação de que ia ser o tema para o resto da noite: oh, merda.

~ 83 ~


R

iver North tinha cerca de 250.000 pessoas, então, quando Caden seguiu para a extremidade oposta da cidade, comecei a me preocupar se ele sabia aonde ele estava indo. Eu estava preocupada até que ele parou em um bar mexicano. Assim como no clube de campo, ele contornou a porta da frente e deu a volta por trás. Ele claramente sabia para onde estava indo. Contornando o prédio, ele pulou uma pequena cerca de ferro que rodeava uma varanda. Sim, parecia tão fácil quando ele simplesmente tocou o topo da parede lateral e saltou por cima como uma gazela. Eu, por outro lado, era uma tartaruga. Eu olhei para o fundo da cerca, tentando encontrar um lugar onde eu poderia rastejar por baixo, mas não havia nada. De repente, duas mãos encontraram a minha cintura e me pegaram. Caden tinha aquele olhar em seus olhos outra vez, aquela em que ele estava meio rindo de mim e meio exasperado. Eu agarrei seus braços enquanto ele me levantava sobre a cerca e me pôs na frente dela. E suas mãos não se mexeram. Ele me segurou na frente dele, olhando para baixo, e meu pulso acelerou. — Você tem certeza que quer fazer isso? — Fazer o quê? — eu tentei parecer confiante, para que eu pudesse ignorar o batuque no meu peito. — Ficar bêbada? Eu posso beber com a melhor deles. Ele fechou os olhos por um momento, balançando a cabeça enquanto dava um passo para trás. Suas mãos soltaram minha cintura. Eu tentei fingir que não senti falta deles: o calor delas, o peso leve delas, ou como elas me fizeram sentir segura por uma fração de segundo. Não. Nada disso estava acontecendo. — Você vai encontrar pessoas que realmente me preocupo.

~ 84 ~


— Estou dentro. Seus olhos se estreitaram. — Não foda nada. — O quê? — eu toquei meu peito. — Eu? O que eu poderia foder? É como se você não me conhecesse. — eu atei meus dedos e fingi estalá-los. — Eu estou pronta para isso. Vamos começar a putaria e beber. Ele agarrou a parte de trás do seu pescoço e continuou a olhar para mim. — Você não pode lidar com isso. — Eu posso. Eu me virei. Oito mesas estavam espalhadas pela varanda. Algumas combinavam a cerca de metal cor de bronze, enquanto outras eram mesas de piquenique brancas. Algumas meninas estavam sentadas à mesa no outro extremo, fumando, e uma das mesas de piquenique estava preenchido com caras enormes, fortes, usando camisas sem mangas, cobertas de poeira e sujeira, e também fumando. Ninguém parecia particularmente amigável, e todos estavam nos observando. Recuei instintivamente, esbarrando em Caden. Suas mãos foram para a minha cintura novamente, e por um momento, ficaram lá. Eu estava contra seu peito, e me senti segura novamente. Eu nem sequer me importei com a tatuagem de cobra tão perto de mim. Eu estava começando a gostar dessa cobra. Eu deveria dar uma nome a ela. Uma pontada de dor me atravessou. Eu teria que me afastar de Caden, e quanto mais cedo melhor, mas eu não queria. Eu gostava de ficar aqui enquanto ele me segurava. Um nó se formou na minha garganta. Eu gostei, talvez demais, e por causa disso, eu engoli aquele caroço maldito e me afastei para o lado. Eu poderia fazer isso. Ele deu a volta em torno de mim, suas mãos caindo de minha cintura, mas ele pegou minha mão e me puxou para uma mesa vazia. Tentei não agarrar a mão dele com muita força. Essas pessoas encaravam demais. A pérgula pendurada acima de nós nos protegia parcialmente com as videiras e folhagens em torno dela. O sol espreitou por algumas dos vãos, mas quando me sentei, eu ajustei meu assento para que meu rosto não estivesse na luz.

~ 85 ~


Caden não se sentou comigo. — Volto em um segundo, — disse ele, prendendo-me com um olhar feroz por cima do ombro. — Não deixe que ninguém te compre uma bebida. Ok? Eu balancei a cabeça, e ele entrou. Uma garçonete veio no segundo seguinte, o cabelo puxado em uma trança. Seu olhar se demorou na cadeira vazia ao meu lado. — Alguém vai voltar? Bati na cadeira de Caden. — Espero que sim. Seu olhar foi para o meu. — Você não tem certeza? — Eu não tenho certeza sobre um monte de coisas atualmente. Suas sobrancelhas arquearam. — Você quer alguma coisa para beber? Abri a boca, mas Caden caiu em sua cadeira e respondeu por mim. — Ela vai tomar água ou refrigerante. — E você? Um cara caiu na outra cadeira vazia, cerveja na mão. Ele era mais velho, em seus quarenta anos, com o cabelo negro penteado para trás. Havia linhas de expressão ao redor dos olhos e da boca. Ele tinha um nariz afilado e queixo pontudo. Seu rosto não deveria ser bonito, mas era. Ele usava uma camisa preta e vislumbrei jeans apertados antes dele sentar. Ele olhou para mim enquanto falava com o cara. — Este filho da puta à minha direita vai querer tequila. — ele estendeu a mão para mim. — E quem é este delicioso copo d’água em um dia quente? Caden se inclinou para frente, agarrou a mão do cara, e a colocou de volta na frente dele. — Ninguém, e eu vou tomar uma Corona. Nada de tequila para mim. — ele fez uma pausa, olhando para mim, e alterou, — Pelo menos ainda não. — Diego? — a garçonete perguntou. O cara sorriu de orelha a orelha, ainda olhando para mim. — O quê? — Você quer alguma coisa para beber? — Só ela. — ele acenou para mim, seu sorriso se moldando em um sorriso suave. — Que tal isso, mi hermosa?

~ 86 ~


A garçonete revirou os olhos e saiu. Caden gemeu. — Você está sendo sacana, D. Então do nada, Diego deixou cair a máscara Casanova e se inclinou para trás, os ombros tremendo de tanto rir. — Desculpa. Mas eu tinha que vir e zoar sua garota. Você sabe, devolvendo o favor do último fim de semana. — Para ser justo, a sua garota deu em cima de mim. Eu não correspondi. — Eu sei. — um olhar de carinho genuíno surgiu no rosto de Diego, e ele se inclinou para bater no ombro de Caden. Sua mão ficou lá, apertando um pouco. — É por isso que te amo. Caden apontou para mim. — E ela não é a minha garota. Eu suponho que você pode ser tão sacana quanto você quiser desde que você seja solteiro. — Eu sou. — ele balançou a cabeça para mim e sorriu. — Por favor, me diga que você é também? Eu bufei. — Infelizmente, sim. A antiga eu teria corado e dito algo chato - como se eu estivesse interessado em um cara ou eu não tive tempo suficiente para um namorado. Minha honestidade me surpreendeu, e aparentemente a eles também. Ambos ficaram em silêncio por um segundo. Em seguida, Diego jogou a cabeça para trás e começou a rir. Caden sorriu, e de repente eu estava rindo. Ou eu estava tentando sorrir, então eu não pareceria uma idiota. Às vezes isso não era possível. Diego inclinou a cerveja. — Uma saudação a você. Eu estou nessa com você. — ele acenou a cabeça na direção de Caden. — Este filho da puta de boa aparência chegou no último fim de semana, não à procura de qualquer coisa, exceto uma bebida com um amigo, e minha garota não se conteve. Ele nem sequer tentou. Ele só fica aí, e as meninas se lançam para ele. Após a quinta tentativa, eu tive que chutar a minha garota para o meio-fio. Ela não era mais a minha garota. — Eu sinto mui... Caden começou a rir. — Como se você não tivesse levado para casa e fodido com ela.

~ 87 ~


O sorriso de Diego se tornou arrogante, e ele estufou o peito. — Bem, eu quero dizer, ela estava sexualmente frustrada depois de receber um seu. O que eu poderia fazer? Mandá-la para casa insatisfeita? — Diego deu de ombros. — Eu faço o que eu posso. Fodi com ela e me senti tão bem. Então eu fodi a irmã dela na noite seguinte, e me senti ainda melhor. Caden se virou para mim. — Ele não explicou que, antes de sua garota dar em cima de mim, a irmã dela estava dando em cima dele. — O que posso fazer? As mulheres me amam. — Diego bateu com o punho na mesa. — Mas essas garotas não valem a pena. — ele suavizou o tom, seus olhos me encontraram novamente. — Mas você, mi bonita, você sim valeria a pena. — Não. — eu balancei a cabeça. Esta foi uma decisão fácil. — Se isso significa ser chacota mais tarde e não sair com você de novo, eu vou ficar solteira. Obrigada, mas não. — O quê? — sua mão tocou seu peito, sobre o coração. — Estou ferido. — Eu não quero deixar as coisas estranhas com o Idiota aqui também. Eu ainda vou ter que ir para a sua casa da fraternidade, às vezes. Diego começou a rir. — Idiota. É assim que ela te chama? A garçonete retornou, colocando nossas bebidas na nossa frente. Eu não tinha pedido nada, mas ela colocou um refrigerante na minha frente. Caden esperou até que ela tivesse saído e pegou sua cerveja, me olhando o tempo todo. — Pelo visto. Diego estava amando isso. — Para o seu crédito, você pode ser. Caden franziu a testa. — Sim, e você gosta quando eu sou um idiota, especialmente quando eu te ajudo depois que você se mete em alguma briga idiota. — Eu nunca faço isso. — Noite passada. Diego abrandou, então inclinou a cabeça para cima e para baixo. — Você está certo. Eu poderia não ter acertado aquele cara. Mas não

~ 88 ~


consegui evitar. — ele saudou Caden com sua bebida. — Obrigado por cuidar das minhas costas. Caden sacudiu a cabeça, bebendo sua cerveja. Diego não parecia se importar que ele não fosse saudado de volta. Ele deu uma longa golada na garrafa e baixou. Ele passou as costas de seu braço sobre sua boca e se virou para mim. — Agora que passamos pelo bate papo obrigatório e conversa fiada que é realmente uma fachada para o quanto eu me importo com esse grande bastardo. — ele piscou para mim, — ou idiota, como você o chama. Eu quero saber mais sobre você. Caden não trouxe uma menina aqui com ele antes. — ele se inclinou mais perto. — Vocês dois estão...? — suas mãos se levantaram e começaram a formar um gesto bruto - até Caden dar um tapa nelas. — Diego. Caden foi ignorado. Diego baixou a voz. — Quero dizer. Estão s? Porque se não, estou falando sério sobre o meu convite. Você pode dormir na minha cama qualquer dia ou noite da semana. Estou aqui para você. — ele me olhou de cima abaixo, o seu sorriso aparecendo novamente. — Você toda. — Foda-se isso. — Caden ficou de pé, segurando sua cerveja. — Vou entrar. Acho que vi alguém conhecido lá dentro. Tentei medir o quão furioso ele estava, mas para minha surpresa, ele não parecia com raiva. Eu sabia que ele estava puto quando deixou o clube, mas desde que chegamos aqui a tensão tinha rapidamente diminuído. Ele segurou o meu olhar por uma fração de segundo antes de se virar para ir, mas mesmo assim, ele não tinha o seu olhar habitual. — Como ele olha para você, então? — O quê? Diego fez um gesto por cima do ombro, para onde Caden tinha ido. — Você disse que ele olhava diferente. — Oh. — eu não tinha percebido que eu tinha falado em voz alta. Dei de ombros. — Ele geralmente olha pra mim parecendo querer arrancar meu pescoço ou jogar um braço em volta do meu ombro. Ou essas duas coisas juntas. — eu fiz uma careta, pensando nisso. — É estranho. Eu nunca tinha sido olhada assim antes. — mas eu não tinha agido assim antes também. ~ 89 ~


Diego franziu os lábios, me estudando. Ele cantarolou baixinho, segurando o copo nas mãos. Quando sua cabeça começou a se mover para cima e para baixo no ritmo da música, eu revirei os olhos. — O quê? — eu perguntei a ele. — O quê? — Pare. Você estava pensando em algo. O que era? Seus olhos se estreitaram um pouco antes dele se inclinar para trás e levantar um ombro. — Nada. Talvez alguma coisa. — ele sorriu torto. — Mas o que quer que foi, eu não vou dizer. — Isso é irritante. — Eu posso ser irritante. Irritante funciona para mim. — ele piscou quando ele levantou sua bebida. — Irritante me faz charmoso, e as meninas gostam de homem charmoso. Eu posso tirar qualquer calça com esse charme, se eu realmente quiser. — ele balançou a cabeça, dando outra longa golada antes de colocar sua bebida sobre a mesa. — Não você, apesar de tudo. Essa eu passo, embora isso me corroa. Acho que devo fazer isso. — Por quê? Ele se inclinou para trás, jogando o braço sobre as costas da cadeira vazia de Caden e chutando a perna. Ele tinha um brilho nos olhos que eu já reconhecia como problemático. — Quando se trata dos meus amigos, meus verdadeiros amigos, meus lábios estão selados. E sobre você, e por isso que eu não vou abaixar suas calças, os meus lábios têm de estar fechados. Embora realmente me doa. Eu estou com dor no coração agora. Revirei os olhos. — Por favor. — a mesa de meninas tinha estado nos observando, e duas delas estavam de olho em Diego abertamente agora. — Eu tenho a sensação de que essa dor não vai durar muito tempo. Ele soltou outra gargalhada, balançando a cabeça. — Eu gosto de você. Muito. Se alguma coisa der errado, você pode vir aqui com ou sem Caden. Você ouviu? Você é bem-vinda aqui. — ele gesticulou ao redor da varanda. — Eu sou proprietário de parte deste lugar, e o que eu digo vale. E você vale. Saiba disso. Você é sempre bem-vinda. Eu estava tocada. — Sério?

~ 90 ~


Ele assentiu. — Sim. Sempre bem-vinda. Não importa o que. — Obrigada, Diego. — Oh. — ele riu novamente, acenando com a mão em um movimento de despedida. — Meu nome não é realmente Diego. Eu sou David. Todos me chamam de Diego, embora. Você pode me chamar do que quiser. E agora que somos amigos do peito, me conte tudo sobre Caden. Ele tem vindo aqui pelos últimos dois anos, mas ele não fala muito. Eu quero ouvir tudo. — ele se aproximou, me esperando que eu falasse sobre Caden.

~ 91 ~


E

u não disse nada a Diego, mas eu não sabia nada para contar. Caden era popular. Isso é tudo que eu sabia. E Marcus. E como Caden tinha brigado com Marcus sobre Kevin antes de virmos pra cá. Eu devo ter soltado um sorriso, porque Caden perguntou, — Devo perguntar o que você está pensando? Eu teria corado, mas meu rosto tinha estado em um tom vermelho perpétuo desde que tínhamos chegado em Diego. Eu não tinha saído da nossa mesa, exceto para usar o banheiro. E nessas viagens eu tinha andado de cabeça baixa até que eu sentava no meu lugar. Só assim eu poderia relaxar. Nós estávamos num canto, e mesmo sabendo que as pessoas estavam observando, ou poderiam estar observando, não me incomodou. Eu me sentia protegida tendo Caden e Diego lá. Entre rir das histórias de Diego, e depois rir das histórias de Diego sobre Caden, eu tinha começado a beber a bebida de Caden. A dele se transformou na minha própria cerveja, e logo Caden não estava bebendo. Era só eu. Quando Diego foi ao banheiro, perguntei a Caden se ele poderia ficar em apuros já que eu era menor de idade5. — Nah. — ele não parecia muito preocupado. — Se a polícia aparecer, vamos correr para fora pela parte de trás. Diego é um bar de propriedade familiar e restaurante. Policiais gostam dele. Eles gostam da família dele também. Eles doam uma tonelada de merda para a equipe de futebol. Eles não vão aparecer. Só não desmaie no banheiro ou algo assim. — ao pensar nisso, ele me olhou de cima abaixo. — Você não está tão ruim, não é? Você só tomou duas das minhas cervejas. Duas cervejas, e eu tinha bebido mais um antes disso, mas meu estômago ainda deu uma cambalhota para trás naquele momento. Eu 5

lá.

No caso, ela não tem menos que 18 e sim 21, que é a maioridade para beber

~ 92 ~


apertei a mão sobre ele. — Eu não comi o dia todo. Eu acho que esses nachos não combinaram com toda a cerveja. Ele se inclinou para frente. — Você precisa ir? — a expressão dele ficou séria. — Você pode dirigir? Ele assentiu. — Eu estou bem. Eu parei de beber um tempo atrás. Só água para mim. Diego voltou para a mesa enquanto nos levantávamos. Ele tinha mais duas bebidas na mão. — Não. Vocês estão indo? — Estamos. Eu preciso verificar Colt, antes que seja tarde demais. Vou sentir falta da minha chance. Colt? Essa era a segunda vez Caden tinha mencionado o nome, e eu senti que ele estava envolvido de alguma forma com a sua necessidade de ficar bêbado e transar anteriormente - o que não tinha acontecido. Só eu que estava bêbada, e não tinha havido sexo. Eu provavelmente deveria pedir desculpas por isso, mas eu estava distraída. Quem era Colt? Diego concordou. — Ah sim. Entendo. Diga a ele que eu mandei olá. Você precisa trazê-lo aqui também. — seus olhos caíram sobre mim e se iluminaram. — E esta linda. Por favor, traga ela novamente. Colocando as bebidas sobre uma mesa, ele passou os braços em volta de mim, me levantando no ar. Ele me colocou de volta nos meus pés, mas suas mãos repousaram sobre meus ombros. — Eu gostei dela. Se todos os seus amigos da universidade são como ela, traga mais amigos. Uma carranca rápida se formou no rosto de Caden. — Eles não são. Isso matou o humor. Ou ele teria se Diego não fosse Diego. Seu sorriso cintilou, mas ele ainda sorriu para mim. — Bem, então a mantenha por perto, e insisto em vê-la de novo. — seus olhos se iluminaram e ele estalou os dedos. — Para a noite piquenique da família. Eu sei que Felícia te pedir para vir. — ele mudou de posição, passando o braço em volta dos meus ombros e me puxando para o seu lado. — Você tem que vir.

~ 93 ~


A carranca de Caden sumiu um pouco, e ele deu um relutante, — Talvez, — antes de sacudir a cabeça em direção à cerca. — Nós já vamos. Eu paguei a nossa conta. Diego endureceu. — Você nãoCaden acenou para ele. — Sim. Você sabe que eu pago o que eu uso. Vamos, Stoltz. Vamos. Eu segui atrás, sentindo a atenção de todos na varanda novamente. Diego, obviamente, conhecia um monte de gente aqui, e Caden tinha me dito que ele se preocupava com as pessoas daqui, mas eu ainda estava surpresa ao ver quantos os cumprimentou quando ele passou por suas mesas. Mais do que alguns tinham vindo mais cedo para dizer olá. Segui Caden para o muro, sentindo todos aqueles olhos nas minhas costas. Um pequeno formigamento se espalhou por mim. Eu não pude conter um sorriso, e eu não queria. Eu me senti especial. Mas isso não era real. Eu não estava realmente com Caden. Eu tinha forçado o meu caminho para o seu veículo, e ele me deixou ir com ele. Mesmo assim, eu provei do que seria ser sua namorada, e isso tinha sido mágico. Quem quer que ele namore, eu invejava. Então ele estava por cima da cerca. Eu esperei, antecipando. Como da última vez, ele apenas estendeu a mão para mim. Suas mãos encontraram minha cintura, e me levantaram e mais - como uma menina em qualquer conto de fadas. Ele me colocou na frente dele, e eu fechei os olhos por apenas um segundo, e saboreei a sensação. Ela não iria durar. Eu não sabia se isso iria acontecer novamente, mas eu estava tonta o suficiente para admitir algo para mim mesma. Eu não teria que pensar ser sua namorada. — Pronta? — ele deu a volta em mim, e assim, o momento se foi. — Mmm-hmmm. — eu andei ao lado dele a curta distância até a Land Rover, mas não foi até que paramos na frente do meu dormitório que eu pensei em fazer a pergunta óbvia. — Por que você me deixou ir com você esta noite? Sua testa enrugou, mas ele não fingiu não saber sobre o que eu estava realmente perguntando. Ele deu de ombros, relaxando em seu

~ 94 ~


assento com o motor ainda ligado. — Eu achei que você fosse outra groupie do Matthews. Meu olhar caiu no chão. — Então eu achei que você fosse outra dele - uma dor na bunda mas você não era. Olhei para trás, mas Caden não estava olhando para mim. Ele olhava para fora da janela, quase perdido em seus próprios pensamentos. — Eu não conheço Avery muito bem, mas eu sei que ela namorou meu irmão, e eu sei que ele não era tão idiota quando ele estava com ela. E essa menina parece gostar de você. Eu descobri que você não era muito parecida com o seu meio-irmão na festa de Marcus. — uma pontada de humor apareceu em sua voz. — Você me fez rir quando parou ao lado dessas meninas e olhou diretamente para nós. Marcus estava no limite porque Avery estava lá, e todos eles tinham estado fingindo que ele não estava lá, mas depois que você foi embora. — ele se virou para olhar para mim e sorriu. Meu coração acelerou. — Eu gostei que você não fingiu, — disse ele. — Eu estou cercado por muitas pessoas que fazem isso. Eu senti a vibração. Isso foi uma má ideia. Muito má. Tossi. — Então, o que você vê é o que você tem comigo. — Acho que sim. Você é um pouco estranha em algumas situações sociais, mas você não é falsa. Você é honesta. E você é engraçada. Eu sou? — Eu gosto disso em você. Eu estava aquecida. — Obrigada por me deixar vir. Estendi a mão para a maçaneta e estava prestes a abrir a porta quando ele me parou. — Eu não te deixei, Stoltz. Você me fez companhia. Isso é diferente. Minha garganta inchou. — Obrigada por isso, e eu sinto muito que você não ficou bêbado ou transou hoje à noite. Ele sorriu. — A noite ainda é uma criança.

~ 95 ~


— Oh. Ele riu. — Vejo você amanhã. Tenha um bom dia. Eu saí e entrei, desta vez não me importando com as meninas que notaram que eu saí do carro de Caden Banks. Eu era engraçada, honesta, e estranha. Ele gostava de mim. As vibrações começaram novamente, e eu não tentei detê-las.

***

Eu estava nas nuvens durante todo o dia, no dia seguinte, e minhas aulas voaram. A garota que eu era parceria em um projeto na minha última aula continuou me dando olhares estranhos, mas eu não me importei. Continuei indo, e eu só me senti melhor quando eu voltei para o dormitório, no final do dia. Eu cantarolava baixinho enquanto eu passava pelo quarto de Avery no caminho para o meu. Ela estava de saída. — Ei, — ela chamou. — Eu. — eu sorri no caminho para o meu quarto. — Você falou com Caden hoje? — seu olhar se afastou. — Ou qualquer outra pessoa? Meu sorriso desapareceu, e eu parei. Olhei por cima do meu ombro. — Do que você está falando? — Caden. Você saiu com ele na noite passada, certo? Eu balancei a cabeça. — Sim. — ela não mencionou nenhuma outra pessoa. Por que ela disse isso? Minha euforia estava se esvaindo. Avery estava prestes a puxar o tapete de debaixo dos meus pés. Eu esperei por isso. — Por quê? — Ele estava chateado quando ele deixou você? Ela deveria ter perguntado o que fizemos ontem à noite, onde fomos. Ela não estava dizendo nada sobre isso. Ela não perguntou se eu transei. Não havia nenhuma emoção. Ela era toda negócios. O tapete começou a se mover.

~ 96 ~


Eu engoli com força. — Ele estava bem. — Ele estava bêbado? Todo mundo está dizendo que ele estava bêbado. — Não. Ele tomou algumas cervejas no início, mas ele estava sóbrio. Ele me levou para casa. — Oh. — eu ouvi a preocupação em sua voz. — Aconteceu alguma coisa na noite passada? — eu lentamente puxei minha bolsa para abraçá-la ao meu peito. — Caden está bem? Ela bufou. — Caden está muito bem. — ela começou a recuar. — Eu não estava lá, e eu tenho que ir a uma reunião, mas você pode querer ligar pra ele. Eu sei que vocês têm algum tipo de amizade acontecendo. — O que aconteceu? — eu fui atrás dela. — Ligue para ele, Summer. — Por quê? O que ele fez? Ela estava na porta para as escadas agora. Ela fez uma pausa e soltou um suspiro. — Ele bateu em alguém na noite passada. — Quem? — Seu meio-irmão. Um puxão rápido e o tapete se foi. Eu estava de bunda.

~ 97 ~


E

u não tinha o número de telefone de Caden então eu tentei Kevin. Sem resposta, então me recompus e marchei os oito blocos para a sua casa de fraternidade.

Ok, eu não marchei. Eu comecei a marchar. Eu estava me arrastando quando finalmente cheguei ao seu bloco. Minhas pernas estavam duras e queimavam. Nota para si mesmo: eu precisava malhar mais - ou malhar. Isto era embaraçoso para uma aluna de medicina esportiva. Eu andei até a calçada da frente e toquei a campainha. Eu não tinha certeza sobre quem perguntar, Caden ou Kevin. Por alguma razão, o cartão de simpatia não estava lá para o meu meioirmão. Com a merda que ele estava fazendo, ele provavelmente sabia que isso aconteceria. Eu sabia que Caden não iria me chutar para fora, mas enquanto eu esperava alguém atender, eu ainda sentia nervos no meu intestino. ...e eu continuei esperando. E esperando... Eu fiz uma careta, batendo novamente, desta vez com mais força. — É uma fraternidade. — uma menina falou por trás de mim, se aproximando para abrir a porta. Ela segurava uma caixa na mão e entrou. — É só entrar. Ninguém vai atender a porta a menos que haja um policial do outro lado. Isso fez sentido completo. Segui para dentro, e com certeza, a sala estava cheia de caras jogando um jogo de videogame. Do outro lado do salão dois outros caras estavam ao redor da mesa de sinuca. A menina gritou uma saudação. Os caras deram seus olás distraídos antes de desaparecerem pelo corredor e subirem as escadas.

~ 98 ~


Eu estava no hall de entrada. E ninguém se importava. O jogo na sinuca terminou, e os dois rapazes passaram por mim, para a cozinha. O jogo de videogame terminou, então os caras se revezaram. Um dos jogadores que tinham acabado se sentou no sofá para assistir, e o outro começou a passar por mim. — Ei! — eu estava na frente dele. — Ei. — ele me olhou de cima abaixo. Um segundo, e muito mais quente, — Ei, — saiu, e ele se aproximou de mim. — Veio ver quem? Eu cocei meu queixo. Kevin ou Caden? — Kevin Matthews está aqui? — Oh. — ele pareceu desapontado, e ele apontou para o porão. — Se ele não está em seu quarto lá em baixo, quem sabe. Ele levou uma porrada na noite passada. Você é a nova garota dele? — Nova garota? — Ele e a antiga terminaram ontem, de uma forma desagradável. Ele teve a bunda chutada noite passada, então, se você quer ir até fazer sexo, espere ficar por cima. — Eu não estou aqui para isso. — eu fiz uma careta. — E não com ele. — Oh? — interesse floresceu em seus olhos. — Nem com você também. — ah, foda-se. — Caden está aqui? Seus ombros caíram completamente. — Ele também? — Não, — todo mundo só assumia sexo o tempo todo. Isso era normal? — Nós somos meio que amigos, eu acho. — Eu não sei se Matthews está aqui, mas eu sei que Caden não está. — Você sabe quando ele estará de volta? Ele seguiu pelo corredor, balançando a cabeça. — Caden realmente não responde a ninguém. A porta de Kevin estava entreaberta, e eu a abri para vê-lo colocando roupas em uma caixa. De costas para mim, ele estava

~ 99 ~


jogando camisas, calças, meias e sapatos em todo o quarto. Eu não tinha certeza do que dizer. Eu poderia dizer que ele estava chateado, mas esta não era uma situação onde ele iria querer minha opinião. Apoio. Esse era o meu propósito aqui. Eu estava aqui como família, porque é onde nosso relacionamento precisava ir. — Ei. Ele virou, imediatamente tenso, mas quando ele me viu, seus ombros caíram de volta, relaxando. — Oh. É você. Ei. — ele se virou e pegou um par de sapatos, atirando-os na caixa no chão. — O que você está fazendo aqui? Eu circulei em torno dele. — Pare. Ele tinha dois olhos negros, metade de seu rosto estava inchado e machucado, e ele tinha um lábio rachado. Eu verifiquei os nós dos seus dedos. Eles estavam machucados, sangue seco cobrindo-os. — Quando você limpou isso? Ele bufou, colocando as mãos de volta ao seu lado. — Bem. Seria bom se alguém me ajudasse com isso. — Ninguém ajudou? — eu me sentei em sua cama quando ele voltou para o seu armário, retirando mais roupas. — O que você está fazendo? — O que você acha? Eu estou me mudando. Essa fodida fraternidade não é uma irmandade. Lealdade, minha bunda. Todos eles o escolheram. — Eles te chutaram para fora? — Não. — ele chicoteou um chinelo na caixa, mas ele bateu do lado e caiu no chão. — Estou indo embora. Eu não vou ficar aqui, não quando eles preferem ficar do lado dele do que do meu. — Ok. — uma pressão se construiu por trás da minha testa. Senti uma dor de cabeça se formando. — O que aconteceu? Avery me disse que Caden bateu em você na noite passada? — Avery? — ele se virou para mim, parando. Engoli em seco. — Sim. — Ela odeia Maggie. Você sabe disso, certo?

~ 100 ~


Eu estava confusa. — Não, elas são amigas. Mas espera - você ainda está com Maggie? — Por que não estaria? Ela é minha namorada agora. Minha mente girava. — Você não entrou em uma briga por causa de Maggie? — O quê? — Espere. Recapitulando. O que aconteceu ontem? Eu vi você no estacionamento. Então você se esgueirou e a próxima vez que te vi, você estava beijando Maggie atrás de uma palmeira no clube de campo. — Você estava lá? Eu balancei a cabeça. Não graças a você. — Caden e Marcus estavam conversando, e eu estava indo te pedir para parar, que você ia ser pego, mas então-— eu me parei. Eu estava prestes a dizer a ele que Avery me parou. — Eu me distraí. Eu tinha que encontrar o banheiro. — E então? Ele permaneceu estranhamente parado. Alarmes estavam soando na minha cabeça. Eu tinha que pisar levemente, mas eu não sabia por quê. — Eu, uh, acabou conseguindo uma carona para casa. — Foi isso? — Uh-huh. — eu pisquei algumas vezes. — Por quê? Aconteceu alguma coisa no clube de campo? Ele me olhou por um momento, então jogou um par de meias na caixa. — Acho que sim. Caden nos delatou. Meu próprio irmão da fraternidade. Você pode acreditar nisso? Aquele filho da puta. — Sim, — eu observei. — Seu irmão da fraternidade contou irmão real dele... que é uma porcaria. Kevin caiu em sua cadeira. Inclinou-se para descansar os cotovelos sobre os joelhos e segurou a cabeça. — Eu sei, mas tanto faz. Aconteceu. Sim, Maggie e eu estávamos saindo, e sim, deveríamos ter sido mais discretos, mas Caden Banks é um grande idiota. Eu quase não podia aceitar isso. Eu tive que realmente me sentar em minhas mãos. Kevin era um merda. Meu sarcasmo passou por cima

~ 101 ~


de sua cabeça. Calma, Summer. Calma. Você está aqui para apoiá-lo, concordando ou não com o que ele está fazendo. A-p-o-i-a-r. Eu tive que lutar contra a minha língua para não dizer algo imprestável. Eu não estava em um estado de espírito solidário. Eu estava tentando, no entanto. — Bem, eu quero dizer, agora você não precisa mais se esconder. Certo? — Sim. — ele olhou para cima, e seu rosto relaxou em um sorriso. — Você está certa. Isso é uma coisa boa. E depois de hoje à noite, eu não vou ter que viver com esses idiotas mais. Eu olhei para a caixa. — Onde você vai viver? — Com os pais de Maggie. Ela disse que eu podia me mudar pra lá. Ela fica alternando em dormir lá na casa e no quarto do dormitório, mas desde que eu estarei lá, ela vai voltar em tempo integral. — ele se animou. — É um lugar muito grande, também. Estive lá algumas vezes. Vai ser bom, sabe? Uma pausa da política idiota da faculdade. — Sim. — eu não tinha outras palavras. Eu não conseguia entender o que estava acontecendo. Ele estava dormindo com a namorada de alguém. O namorado dela era o verdadeiro irmão de um de seus irmãos da fraternidade, e Kevin estava agindo como a vítima. Meu medidor de besteira estava apitando, provavelmente junto com a minha pressão arterial. Então tudo que eu disse foi, — Sim. Ele franziu a testa, uma linha se formando no meio da testa. — Obrigado. — Pelo quê? Ele fez um sinal ao redor de seu quarto. — Por vir aqui. Por me verificar. — seus olhos suavizaram, combinando com seu sorriso e tom. — Por se importar. Meu coração deu uma cambalhota. Lá estava ele. Havia o Kevin que eu tinha adorado por anos e me apaixonado, o que eu tinha dormido três meses e meio atrás. Eu imediatamente fiz uma careta. Irmão. Ele era meu meio-irmão. Cheio de sentimentos irritantes, e tudo o que estava debaixo deles. — Oh, sem problema. — minha voz estava rouca. Eu podia sentir o grande buraco negro dos meus sentimentos por ele se cobrindo. Por ~ 102 ~


que eu estava com tanto medo de sentir seja lá o que for que isso era? — Eu queria ter certeza de que estava tudo bem depois que eu ouvi sobre a briga. — Isso foi besteira também. Marcus nos flagrou ontem, e houve uma enorme cena, mas nada de briga. Maggie foi para casa com ele. Eu não ouvi nada sobre isso de novo até ontem à noite. Eu estava no meu quarto, cuidando da minha vida, quando Marcus irrompeu na casa. Maggie o abandonou, e ele não conseguiu aceitar de que eu peguei a garota dele debaixo do seu nariz. — Ele bateu em você? — Não. Ele só me empurrou contra a parede e estava gritando. Foi isso. Estava tudo bem e se acalmando quando Caden apareceu. Assim que ele entrou, eu não sei o que aconteceu, mas Marcus foi à loucura. Ele estava gritando coisas sobre um cavalo ou algo assim, e aqueles dois pareciam prestes a duelar. Eu só estava no lugar errado na hora errada. Aqueles dois estavam prestes a— Bater um no outro? — -gritando, e então de repente Caden se virou e me bateu na boca. Eu não fiz nada. Eu só estava de pé aqui, observando. Foi isso. Kevin começou a falar mais rápido, mais alto. — Eu revidei. Acertei bem no rosto. Tenho certeza de que o idiota teve que ir para o hospital. Quer dizer, eu teria, se eu tivesse sido atingido tão duro quanto ele. Eu tinha certeza que suas contusões escureceram enquanto ele estava falando. — E esses bastardos, caras que supostamente são meus irmãos, ficaram do lado dele. — ele empurrou a cadeira para trás, se levantando e apontando para seu peito. — Eles me disseram para sair. Eu. Eu! Ele me atingiu e eu deveria sair. Sentindo algum desconforto, eu me mexi na cama, deslizando minhas mãos de debaixo das minhas pernas. Eu as descansei ao meu lado, pressionando-as para dentro do lençol. — O que aconteceu depois disso? — minha boca estava seca. Ele levantou uma mão, o dedo médio estendido para apontar para a porta. — Eu vim aqui e liguei para Maggie. Ela me buscou, e eu fiquei com ela ontem à noite. Esta é a primeira vez que eu estive de volta. Eu

~ 103 ~


nem sei se os caras sabem que eu estou aqui. — ele me olhou de cima abaixo. — Eles te disseram que eu estava aqui? — O cara que eu perguntei não sabia. Ele revirou os olhos, xingando baixinho. — Idiotas. Eles estão ficando do lado de Caden. É como se ele caminhasse sobre a água em torno destas pessoas. Eu estou cansado disso. Ei! — uma ideia veio a ele. Seus olhos de repente focaram sobre mim. — Você está ocupada neste fim de semana? Olhei para longe antes de responder. — Por quê? — Os caras estão indo para o jogo de futebol. Eu vou pegar o resto das minhas coisas quando elas forem. Eu poderia precisar de uma ajuda. Eu estava sem palavras. — Sério? — era isso. Isso era tudo o que consegui. Não. Espere. Eu acrescentei, — Huh. — Maggie disse que ia pedir a alguns de seus amigos, e eu vou ligar para nossos pais. Tenho certeza que seu pai iria vir e ajudar. — ele inspecionou a caixa e, em seguida, abriu a segunda porta do armário. Mais caixas estavam empilhadas lá. — Eu não tenho muito. Mesa, cama e penteadeira tudo ficam aqui. — ele chutou uma das caixas. — Vou precisar de mais destas. Talvez eu não precise do seu pai, mas, mesmo assim, você é menina. Não será capaz de levantar estes. Você acha que você poderia chamar seu pai para mim? Minhas sobrancelhas arquearam, e eu tive que engolir uma bola de descrença. — Você quer que eu ligue para ele e peça para que ele dirija quatro horas para carregar algumas caixas? — Ele mataria dois coelhos com uma cajadada só. Tenho certeza de que ele gostaria de levá-la para jantar. Fiquei de boca aberta. Não era possível. — Ele poderia ficar mais, — Kevin continuou. — Ele teria que pegar um quarto de hotel. Eu não me sentiria à vontade para pedir a Maggie e ver se ele poderia ficar na casa dos pais dela. Isso não seria certo. Ele era - eu não sabia o que ele era. Atencioso, sensível e racional - essas eram todas as coisas que ele não era. Minha raiva cresceu ainda ~ 104 ~


mais e mais enquanto ele continuava falando. Eu tinha que sair daqui. Se eu não fizesse, eu ia explodir, e eu não queria dizer algo que eu me arrependeria mais tarde. Levantei-me e fiz um gesto para a porta. — Eu estou indo. Eu só queria dar uma olhada em você. Ver se ainda estava vivo. Eu quis sair depois disso, mas ele me pegou. Ele tocou no meu braço, me puxou para um abraço. Eu endureci, mas ele não pareceu se importar. Ele enterrou a cabeça na dobra do meu pescoço. — Obrigado. Quero dizer. Obrigado por ter vindo. Isso significa muito. — ele soltou, inclinando-se para trás, mas ainda me segurando em seus braços. Meu coração não teria aguentado muito tempo atrás. Ele sorriu para mim. — Eu te magoei. Sinto muito, Summer. Eu realmente sou. Ali, em seus braços novamente, e com essas palavras que transportavam uma nota de sinceridade - meu coração ainda fez outro salto mortal, e eu me odiei. Dei um passo para trás até que suas mãos caíram para o lado dele. — Eu te vejo mais tarde, Kevin. Ele acenou. — Até logo. Não se esqueça de chamar seu pai. Obrigado! Ele gritou a última palavra para mim enquanto eu corria pelo corredor. Depois de atravessar a porta do porão, eu me recostei contra ela. Fechei os olhos e amaldiçoei. Porra. — Então, você tem sentimentos por ele? Eu reconheci a voz de Caden, e meu coração gelou.

~ 105 ~


C

aden parecia delicioso. Esse foi o meu primeiro pensamento enquanto eu estava ali, sem saber o que dizer. Me afastando da porta do porão, eu tentei falar, mas minha mandíbula tinha deixado de funcionar por algum motivo.

Ele tinha uma cerveja na mão, calça jeans em seus quadris. Suas tatuagens espiaram debaixo de sua camisa. Não era nada demais, exceto uma camiseta branca simples, mas meu Deus - era uma visão, abraçando seu corpo. Eu podia ver todos os músculos do estômago que ele tinha. Eles incharam, espreguiçaram-se e mexeram-se quando ele levantou a cerveja aos lábios. Lambi meus lábios, e eu nem sabia que eu lambi os meus lábios. Maldição. Então eu percebi simplesmente: as irritantes vibrações por Kevin tinham desaparecido. Caden riu amargamente, movendo-se em torno de mim. — Eu achei que você pelo menos mentiria, mas não. Tenho que dar o braço a torcer, Stoltz. Você é honesta sem pestanejar. — ele passou por mim e me deu um meio-sorriso. — Obrigado por isso. — Espere. — eu me virei para ele, seguindo-o pelo corredor e até uma porta traseira. — O que você quer dizer? Atravessamos o quintal, e eu segui Caden para dentro do galpão. Era como um miniapartamento. Um cabideiro pendurado à minha esquerda, um banheiro bem a frente. A primeira parte do lugar era uma sala de estar, com um sofá secional na frente de uma tela grande. A cozinha estava contra a parte de trás do galpão, e enquanto eu estava ali, olhando tudo, Caden colocou sua cerveja em um balcão e passou atrás do banheiro até um quarto. Ele deixou a porta aberta quando ele estendeu a mão para puxar a camisa. Meu coração sacudiu. ~ 106 ~


Santa mãe de – sinto um desejo que eu nunca tinha sentido antes. Tudo começou de baixo e explodiu. Eu deveria ter olhado para longe, mas toda a restrição se foi. Eu me encontrei traçando cada parte dele, até mesmo os músculos que levavam para dentro de seu jeans, que, quando ele terminou puxando a camisa, mergulhou ainda mais baixo. Luxúria primal ondulou em mim, me pegando fortemente, e quando Caden levantou a cabeça, seus olhos me encontraram, ele viu. Eu sabia que ele viu. Ele fez uma pausa, seus olhos escurecendo em resposta. Então aquele maldito sorriso estava de volta, e ele veio em minha direção. Meu coração saltou para a garganta. Ele ia me tocar... não. Ele não o fez. Ele passou direto por mim, seu braço raspando o meu quando ele perguntou, sua respiração provocando meu ouvido: — Quer uma cerveja? Então ele se foi, movendo-se a uma distância segura. A geladeira abriu atrás de mim. Eu não me movi. Por um segundo, eu estava de costas para ele e tentei obter o controle de mim mesma. Mexi minhas mãos pelo meu cabelo e silenciosamente amaldiçoei. Minhas mãos tremiam. Eu sempre estive no controle perto de Kevin. Sempre. Eu poderia ter sido delirante, vendo coisas que não estavam lá e ter me convencido de que ele era meio apaixonado por mim também, mas o tempo todo, eu tinha o controle total e completo. Vi Caden sem camisa, e eu estava perigosamente perto de molhar minhas calças. Literalmente. Eu soltei uma respiração irregular. — Eu sei que eu sou gostoso, mas não se precipite. Isso foi tão embaraçoso, mas eu me forcei a me virar. Ele segurava uma cerveja para mim, seu sorriso muito sugestivo e arrogante para seu próprio bem. Ele acrescentou: — É normal. É uma resposta instintiva. Tomei a cerveja. Estava fria. Enrolei as minhas duas mãos em torno dela e estava meio tentada a esfregá-la sobre o meu rosto. — Do que você está falando?

~ 107 ~


— Eu não sei o que Matthews fez com você, mas é óbvio que ele partiu seu coração. O desejo foi desaparecendo... meio que... estava fervendo um pouco agora. — Em uma escala de um a dez, em que dez é ser descaradamente óbvia, quanto você me dá? Ele me estudou por um momento. — Um oito. Prendi a respiração. — Você está falando sério? Ele se sentou em uma das extremidades do seu sofá e chutou os pés em cima da mesa de café. Tomei a outra extremidade, sentada de lado, então eu o encarei. — Só por causa da primeira noite. Se eu não tivesse visto naquela noite, eu nunca saberia. — Sério? — eu poderia respirar mais fácil. — Você está atraída por mim, porque eu feri a pessoa que te machucou. Dei a ele um olhar duvidoso. — Ou não? — seus olhos se estreitaram, pensativo. — Você se ouviu? — eu soltei. Ele estava levantando a cerveja para tomar. Sua mão congelou no meio do ar e seus olhos se arregalaram uma fração antes de ele sacudir a cabeça. O sorriso se transformou em um riso. — Por que você está se desperdiçando no seu meio-irmão? — O quê? Ele baixou sua cerveja e se inclinou para frente, movendo os pés no chão. — Sem mentir. Eu te levei até Diego. Você me fez rir quando eu normalmente teria ficado irritado e fodido alguma garota que eu não dou a mínima. Portanto, sem mentir entre nós agora. Entendeu? Eu balancei a cabeça. — Entendi. — eu agarrei o topo do sofá e segurei, sem saber o que estava vindo para mim. — Seu meio-irmão é um idiota. Por que você tem sentimentos por ele? Eu não tinha uma resposta para ele. Eu só sabia que eu estava realmente com medo de deixar esses sentimentos ir embora, ao mesmo

~ 108 ~


tempo eu queria desesperadamente. Eu não poderia explicar nada disso. Mas havia uma coisa diferente acontecendo com Caden e eu, algo debaixo das conversas e momentos de honestidade entre nós. Eu não sabia o que era também, mas estava meio suspenso. Eu não respirei. Eu não formulei uma palavra ou um pensamento. Eu só estava sentindo, e senti-me puxada para ele. Seus olhos escureceram novamente, quase sem chama, mas ele não fechou a distância. Sua cabeça continuava inclinada em direção a minha, enquanto esperava pela minha resposta. — Um... — eu tentei lembrar a pergunta. Sua voz suavizou. — Por que você tem sentimentos por ele? Porque você não pode controlar quem você ama. E eu tenho que me controlar, ou – eu me contive. Eu não consegui terminar esse pensamento. Eu ergui um ombro, segurando-o contra a minha bochecha, por algum motivo, como se estivesse me mantendo aterrada. — Às vezes você não pode escolher. — eu estava perdida demais para sequer tentar falar sobre qualquer outra coisa que estava acontecendo. O olhar de Caden me deixou, e assim o fez todas as tempestades que vinha acontecendo. Eu me senti liberada de alguma forma. Ele murmurou, quase para si mesmo, — Acho que sim. Meus dentes afundaram em meu lábio, e então eu me lembrei da minha razão de vir em primeiro lugar. Digitalizando seu rosto e suas mãos de novo, eu observei, — Você não tem nenhuma contusão em você. — Como se o seu meio-irmão pudesse me tocar. — Ele disse que você provavelmente teve que ir para o hospital. Seus lábios se curvaram em um sorriso lento. — Isso é engraçado. — Então você não precisou? Está tudo bem, eu quero dizer? Ele olhou para mim, os olhos se aquecendo. — Estou bem. — O que aconteceu? — Kevin entrou em uma briga que não era dele, e a fez dele. Ele começou a falar demais.

~ 109 ~


— Você bateu nele? Ele balançou a cabeça, olhando para baixo. — Ele entrou no meu punho. Algumas vezes. — ele suspirou. — E eu estava querendo bater nele por muito tempo, desde o ano passado, quando ele machucou um amigo meu. Meus ouvidos se animaram. — Uma amiga sua? — Eu acho que ela foi a segunda namorada? Ele teve algumas no ano passado. Minha mente estava indo, tentando lembrar o que Avery tinha dito sobre Claudia. Ela era a namorada número três ou dois? Isso significava que Claudia e Caden eram amigos? — O nome dela é Claudia? — Não. E eu não vou dizer o nome dela. — Mas não era Claudia? — Claudia que era linda, resistente, e uma cadela porque ela estava tentando ser forte para suas amigas. Quando ele sacudiu a cabeça, expliquei, — Ela é a primeira pessoa que fez um grande negócio sobre você. Isso teria feito sentido, então. — Um grande negócio sobre mim? Os nós que estavam se formando a partir de desejo ou outra coisa, estavam começando a afrouxar agora, e eu afundei de volta no sofá. Meu peito estava mais solto também. — Quando você me deu uma carona para casa depois da festa, Claudia não podia acreditar. Ela me disse algo sobre como você não era conhecido por lidar com juniores, e certamente não calouros. Ela disse que você não era mau, mas que também não era legal. — Ela te disse isso? — ele se inclinou para frente. Lentamente. Meu pescoço endureceu, mas eu assenti. — Sim. — Então ela é uma vadia, e ela não me conhece. — o canto de sua boca se curvou para cima novamente. — Não tenho nada contra dar carona à calouras. Eu revirei os olhos, sabendo que era uma piada, mas a avaliação de Claudia de mim ainda ardia. Eu não podia esconder. Caden me observava. Eu sabia que ele iria descobrir isso, e um momento depois, o sofá se mexeu. Ele estendeu a mão - meu estômago torceu - e me puxou

~ 110 ~


ao lado dele. Ele me puxou para o seu lado, seu braço sobre meu ombro. Eu caí nele. Eu não poderia editar. Ele estava quente, forte e rapidamente se tornando um vício. — Eu não sei por que ela disse isso a você, mas eu tive pessoas à minha volta toda a minha vida que julgam e mal compreendem as coisas. Eu tenho uma reputação. Eu sei disso, e algumas delas é verdade, mas a maioria não é. Uma das verdades é que eu sou exigente com os meus amigos. — É mesmo? — eu olhei para cima. Ele tocou a fenda no meu queixo. — E por alguma razão, você se tornou um deles. — É? — É. Ficamos assim. Era bom. Parecia certo. Nós assistimos televisão, e cada vez que Caden se levantava para pegar uma cerveja, ele trouxe uma de volta para mim e voltou a nossa posição. Eventualmente, ele deitou no sofá. Mexi-me, então eu estava meio deitada em cima. Tinha tomado três cervejas até então, e com a sensação de seu braço sobre as costas, segurando-me no lugar, e meu rosto descansando contra seu peito, ouvindo seu batimento cardíaco constante, adormeci. Eu acordei uma vez, quando ele me levou a uma cama e puxou as cobertas sobre mim. Ele perguntou quando eu tinha de me levantar na manhã seguinte, e então a luz que vinha da porta foi apagada.

***

O sol brilhou no quarto, e levei alguns instantes para perceber onde estava. Eu não reconheci a cama king-size, ou os lençóis pretos, mas, em seguida, Caden passou pela porta e todas as memórias voltaram. Dormi na casa dele. Olhei ao redor da cama... eu dormi em sua cama!

~ 111 ~


— Seu alarme vai disparar em dez minutos, — Caden chamou da porta. Ele tinha um copo de café na mão e só usava jeans. Eu tentei manter meus olhos na frente e no centro, mas perdi. As tatuagens eram um padrão pouco agradável de zig-zag, puxando meu olhar todo o caminho para baixo. A lenta e suave risada de Caden me disse que ele sabia o que eu tinha acabado de fazer. Minhas bochechas se aqueceram um pouco. Eu atirei a ele um olhar, caindo de volta no travesseiro. — Eu sinto que este deve ser a primeira aula que eu perco na minha carreira escolar. — Você nunca matou aula antes? Eu balancei a cabeça, rolando de lado a lado no travesseiro. — Eu estou perdendo? Devo abraçar a minha depravação interior? Ele sorriu. — Você pode matar uma aula por qualquer razão no mundo. É a sua vida. Sentei-me, olhando para o café. — Você deveria ser a má influência. Sua sobrancelha arqueou. — Eu não estou suficiente? — ele levantou o copo. — Você quer um café?

vendendo

o

— Eu estou querendo saber se hoje é o dia que eu provo café também. — Você nunca bebeu café? — Estou começando a pensar que eu sou uma sem sal. — eu pensei sobre isso. — Realmente sem sal. — Você dormiu na casa de um cara na noite passada. Pense nisso dessa forma. — seu sorriso estava de volta. — Não é tão sem sal agora. Eu poderia fazer melhor. — Eu dormi em uma casa de fraternidade. — E você bebeu cerveja. — Foi a segunda noite seguida que eu bebi cerveja. — Tá vendo? Não tão sem sal afinal de contas. — Você está certo. — sentei-me. — Estou a meio caminho de ser a fodona.

~ 112 ~


Ele sorriu. — Nós nos abraçamos ontem à noite, e você pode pensar nisso como uma rapidinha. Você quase transou noite passada. Só que não e estávamos na zona de amigos. Por que minhas mãos estavam se enrolando em torno dos lençóis em bolas apertadas? Olhei para baixo e obrigou-as a soltar, depois dei de ombros, tentando ser a fodona indiferente que eu era. — Você me levou para a cama. Quase a mesma coisa. De repente, a brincadeira tinha ido embora, e seus olhos queimavam. Eu podia sentir seu calor do outro lado do quarto, e meu corpo reagiu de imediato aquecendo antes mesmo que ele disse uma palavra. — Nada é o mesmo que correr para dentro, — ele murmurou depois de um momento. — A sensação de estar lá, sentindo aquele apertar em torno de você, sabendo que pode empurrar tão fundo quanto quiser, mais forte ou suave quanto você quer. Não. Eu tenho que sair da piada por um momento aqui. Nada é remotamente o mesmo que esse sentimento. Porra. Meu pulso disparou. Ele me jogou uma olhada. — Talvez eu sinta isso da próxima vez. Fingi gemer. — Mais uma foda na minha lista fodona. É melhor sentir essa sensação da próxima vez. — Isso é tudo o que sou para você? Uma foda na lista? Eu me sinto tão usado, Stoltz. Ok. Meu último nome. Estávamos de volta em terreno familiar aqui. Mas meu sorriso ainda estava um pouco instável. — Se acostume com isso, Banks. Estou apenas disfarçada nesse corpo sem sal. Aqui dentro há uma mulher selvagem apenas esperando para ser solta. Ele não respondeu. Ele me encarou por mais alguns segundos, então se endireitou na porta. — Não há nada sem sal sobre você, Summer. Não deixe nenhum idiota como o seu meio-irmão te fazer pensar assim. — ele me cumprimentou com o seu café. — Eu vou te trazer algo especial. Não haverá mais volta para você depois desta manhã. Você vai ser uma amante do café.

~ 113 ~


Ele saiu, e eu senti uma leve enfraquecida. — Apenas uma amante do cafÊ?

~ 114 ~


C

aden me deu uma carona de volta para o meu dormitório, e não havia nada de estranho nisso.

Não. De modo nenhum. Apenas amigos aqui. Aqui estava eu, recebendo uma carona de volta de um amigo... que era lindo e eu estava fantasiando. Sim, apenas platônico. Nada demais. Eu estava mentindo para mim mesma, mesmo com os olhares que recebi quando eu saí de seu Land Rover e me dirigi para dentro. Mais do que um punhado de meninas que checaram duas vezes ao verem Caden. Eu tinha um par de aulas naquele dia, e uma era de Introdução à Fisiologia. Peguei minha cadeira e sentou-me, em seguida tirei quando Marcus desceu o corredor com dois amigos. Era uma grande classe, mas eu sei que o teria notado aqui. O que ele estava fazendo? Ele me viu e olhou quando passou pelo meu assento. Tanto faz. Eu não era sua inimiga. Eu não era Kevin. Eu olhei para longe, caindo para frente sobre a mesa. Eu podia sentir seu olhar quente na parte de trás do meu pescoço a aula inteira. Se ele pudesse ter me dado uma queimadura de sol, eu não tinha dúvida de que ele teria. A menina perto de mim tentou falar comigo. Eu devo ter respondido porque ela não pareceu achar que eu era rude, mas se alguém tivesse me perguntado o que falamos, eu não tinha ideia. Onde Marcus havia estado as primeiras duas semanas? A menina deve ter notado que eu continuava esgueirando olhares para ele. — Você tem uma queda por Marcus Banks? — Não. — eu fiz uma careta. — Como você o conhece? Ela me deu um olhar irônico. — Todo mundo conhece ele e seu irmão. — Eu não sabia que ele estava nesta aula.

~ 115 ~


— Ele não estava. Uma amiga minha tem uma queda louca por ele. Não me pergunte como, mas ela sabe o cronograma dele. Ele trocou o horário por alguma razão, então ele está aqui conosco agora. — Oh. — que ótimo. Quando a aula acabou, ela ficou comigo. — Ei, uh. Quer estudar juntas algum dia? Eu ia dizer que sim, mas o olhar de Marcus encontrou o meu e eu esqueci todo o resto. Sua mandíbula dura em um olhar determinado, e eu engoli em seco. — Eu tenho que ir, — eu disse a menina confusa. Eu corri de lá e não diminuí até que eu estava a um edifício de distância. Olhando para trás, eu não achava que Marcus tinha me seguido, então eu abrandei um pouco. Eu precisava recuperar o atraso em alguns estudos, mas Avery parou em meu quarto mais tarde naquela noite. Achei que ela ia perguntar sobre Caden, mas não perguntou. Ela queria fofocar sobre Kevin. Eu tinha que me lembrar que era uma coisa boa. Se ela só viesse falar sobre Caden, seria estranho. Eu disse a ela que eu sabia sobre a situação de Kevin. Ele ainda estava com Maggie, e ele ia morar com seus pais. Eu tinha concordado em ser uma idiota e ajudá-lo a se mudar este fim de semana. Eu nunca liguei para meu pai, apesar de tudo. Fiquei surpresa quando Avery disse que ela iria ajudar também, e quando ela apareceu naquela manhã de sábado, ela conseguiu algumas outras para ajudar, incluindo um par de caras. Kevin e Maggie ficaram chocados, mas Maggie e Avery se abraçaram no final do dia suado. Perguntei-me então se Avery veio mais por causa de sua amizade, em vez de apenas para me ajudar. Ao longo das próximas semanas, eu estava certa. Maggie começou a vir para o dormitório ver Avery. Ao mesmo tempo, eu me estabeleci em um padrão de ir às aulas e jantar ou almoçar com Avery e as meninas. Comecei a estudar com a minha colega da fisiologia, e às vezes alguns dos nossos colegas sentavam-se com Avery e eu no almoço. Claro, seus amigos não estavam em êxtase sobre isso, mas era Avery. Todo mundo a amava, e para seu crédito, eu tenho certeza que meus colegas estavam confusos quando me viram

~ 116 ~


com ela. Eu não achava que eles perceberam que éramos amigas de fora do dormitório. Uma noite, eu estava indo ver Caden quando Maggie estava vindo para o dormitório. Perguntei a Avery mais tarde se ela disse a Maggie sobre Caden e eu. Ela balançou a cabeça, e eu estava aliviada. Minha amizade com Caden não era um segredo, mas não era algo que eu queria ficar falando. Eu sabia que outras meninas iriam interpretar mal o tempo que eu passava na casa dele. Eu ia lá a maioria das noites. Às vezes eu estudava. Às vezes eu assistia filmes, mas principalmente eu assistia esportes e bebia cerveja com seus irmãos da fraternidade. Eles nunca me zoaram e eles nunca agiram de forma estranha quando me viram. Fui aceita. Avery me perguntou uma vez se eu estava indo até Caden, e eu parei. Eu senti como se tivesse sido apanhada a fazer besteira, mas, em seguida, ela riu e acenou para eu continuar. — Vá se divertir. Não se sinta mal sobre ser amiga de Caden Banks. Vou te dizer. As pessoas podem não entender isso direito, mas elas não precisam. — O que você quer dizer? — Nada. — ela me deu um reconfortante sorriso. — Quero dizer. As pessoas simplesmente não conhece você, então não há burburinho sobre quem você é. As pessoas têm notado que você anda indo lá, e ele te deixa aqui mais tarde. Os irmãos da fraternidade dele sempre dizem oi para você no campus também. Eu sabia tudo isso, mas ouvir isso se tornou mais real. — Kevin disse algo sobre isso? — perguntou Avery. Meu pânico floresceu, e eu balancei a cabeça. — Eu acho que ele ainda está no mundo da Maggie. — eu não estava ansiosa para ele prestar atenção em mim, apesar de tudo. Eu era amiga de alguém que ele considerava um inimigo. #traição Ela bufou. — Eu acho que Maggie está ficando de saco cheio dele. — O que você quer dizer? — Ela fica muito aqui. Ela disse algo na outra noite de como seus pais perguntaram Kevin se ele iria encontrar seu próprio apartamento

~ 117 ~


ou se mudar de volta ao campus. Ele ficou todo chateado com isso, e Maggie veio pra cá dizendo que ela estava farta dele. Isso não era o método normal dele. — Kevin geralmente trai primeiro, e depois larga. As meninas não se cansam dele. — Até agora. Uma menina vai finalmente ficar farta dele. É inevitável. — Sim. Talvez. — E porque eu realmente sou direta, vou te contar logo. — O quê? Ela olhou para baixo, observando as suas unhas. — Hum. Ok... — sua garganta trabalhou de cima para baixo. — Eu tenho um favor estranho para te pedir. Por que ela estava nervosa de repente? Esta não era Avery. Ela respirou fundo e soltou. — Marcus e eu poderíamos estar... talvez... eu não sei o que estamos fazendo realmente, mas acho que podemos estar voltando a ficar juntos. — O quê?! — eu comecei a sorrir. Ela assentiu. — Não. Não fique toda animada. Eu não sei o que está acontecendo ou até mesmo se algo vai acontecer novamente. Ele está me ligando e nós almoçamos juntos algumas vezes no café no campus. Quer dizer, há mais. Temos brincado um pouco, mas só um pouco. Por favor, não julgue. — ela soltou uma respiração irregular. — Estou quase mijando nas calças só de pensar nisso, mas ugh. De qualquer forma, eu estava pensando que desde que você é minha amiga e de Caden, talvez nós quatro poderíamos sair juntos. Franzi minhas sobrancelhas. — Sair juntos? Eu achei que Marcus me odiava? — Ele não te odeia. Eu tinha certeza que sim. Nas aulas sempre foi estranho. Sempre o senti olhando para mim, mas ela parecia animada. — Tem certeza que Marcus está bem com isso? — Ah sim. Vai ser ótimo. — ela escovou a minha preocupação para longe. — Você. Caden. Eu. Marcus. — Isso soa como um encontro duplo. ~ 118 ~


— Não. Sim. Quer dizer, parece? Não é. A menos que você e Caden estejam namorando. Vocês estão namorando? — O quê? — Namoro. É isso que vocês estão fazendo? — Não. — eu balancei a cabeça, talvez um pouco rápido demais. — De jeito nenhum. Nós somos amigos. É isso, mas isso não seria difícil para você e Marcus? A menos que essa seja a intenção? Você realmente estaria namorando de novo, então? Ela gemeu, pressionando seus dedos na testa. — Eu não sei se eu posso lidar em namorar Marcus novamente. — ela baixou as mãos e uma verdadeira agonia brilhou de volta para mim. Meu coração se apertou. — Ele me quebrou a última vez. Ele diz que não começou a ver Maggie até um par de meses mais tarde, mas eu sempre senti que ele me deixou por ela. Obviamente não é algo que ela e eu falamos sobre. Eu avancei, agarrando suas mãos. Apertei-as. — Então é uma coisa de amigo. Vou mencionar para Caden, mas tenho certeza que ele vai ficar bem com isso. E apenas amigos. — eu levantei as mãos entre nós. — Quero dizer. Apenas Amigos. Apenas se concentre nisso. Não se apresse com Marcus, a não ser que você realmente queira ir para lá. — Ok. — ela assentiu com a cabeça para si mesma, fechando os olhos. — Ok. Você está certa. Vou apenas me concentrar em ser amiga de Marcus primeiro. Primeiros amigos, meu novo lema. Eu concordei com ela. — É isso aí. Seu sorriso se tornou torto. — Bem, os benefícios estão lá também, mas nada mais. Eu não vou me concentrar em nada mais. — O quê? — minha cabeça foi para o outro lado, da esquerda para a direita. — Não, não, não. Primeiro amigos, apenas amigos. Diga comigo. Ela riu e repetiu comigo, mas era mentira. Nós duas sabíamos disso.

***

~ 119 ~


Eu tinha assumido que Avery e eu iríamos juntas para a pista de boliche, mas ela tinha outros planos. Ela disse que estava vindo com Marcus porque eles estavam fazendo outra coisa antes de nos encontrarem. Ela tinha feito uma longa explicação, mas era muito complicado. A verdade era que ela queria passar mais tempo com ele, ter a oportunidade de estarem sozinhos. A pista de boliche não era muito longe, então fui andando. Eu estava atravessando a rua quando Caden parou no estacionamento. Ele diminuiu a velocidade e se inclinou para me ver melhor quando ele virou. Eu esperei por ele. Ele estava balançando a cabeça enquanto ele embolsava suas chaves, vindo em minha direção. Tentei ignorar o pequeno salto no coração que eu sempre sentia ao vê-lo. Ele usava uma jaqueta de couro preta sobre uma camiseta branca e jeans. Eu quase senti falta da cobra. Ele era bem sensual, cheio de músculos, e um queixo que me fez querer derreter. Suspirei. Fiquei esperando que esta atração fosse embora, mas tinha sido quase um mês e meio de amizade, e ela ainda estava forte. De fato… Não, eu não ia lá. Eu estava mais atraída por ele. Não é possível. Um destes dias, algo iria acontecer e ele me colocaria na zona de irmão, não é? Mais uma razão para desfrutar dele agora. Quando ele parou na minha frente, sorrindo, uma deliciosa emoção me pegou. Eu abri um sorriso, sentindo a respiração sair de mim por um segundo. — E aí? — Quando é que você vai parar de andar e apenas me chamar para uma carona? — Nunca. Eu sou durona assim. Ele revirou os olhos e estendeu a mão para a porta. Mantendo-a aberta com uma mão em cima da minha cabeça, ele tocou meu queixo com a outra. — Eu vou começar a te dar carona para todos os lugares a partir de agora. — Isso seria estranho. — me aproximei, desfrutando de sua presença quando ele soltou a porta e se aproximou por trás de mim. Eu podia sentir seu calor, fazendo-me me sentir tonta. — Isso é algo que você faria para uma namorada. Eu não sou sua namorada.

~ 120 ~


— Isso é algo que você faria para uma amiga, e você é minha amiga. — Sim. — um sorriso secreto puxou meus lábios. — Como isso aconteceu mesmo? Ele riu, dando um passo até a mesa primeiro. Ele fez sinal para mim. — Uma pista. O atendente perguntou: — Quantos jogos? — Reserva três, mas meu irmão provavelmente vai parar depois de duas.

é

uma

porcaria.

Ele

— Eu ouvi isso. Marcus e Avery vieram atrás de nós, e Marcus tirou a mão das costas dela e fingiu bater em seu irmão no ombro. — Você já está começando a falar merda, huh? Caden deu o seu número de sapato para o funcionário, depois disse ao seu irmão: — Não é merda quando é a verdade. Os dois fizeram aquela coisa de homens, onde eles batem no bíceps um do outro, enquanto Avery e eu nos levantamos e sorrimos para a outra. Eu a tinha visto algumas horas antes, então eu não senti que um abraço era necessário, e eu olhei para Marcus, não tendo certeza do que fazer. Fiquei convencida de que ele não era um grande fã meu. E com certeza, seu sorriso desapareceu quando ele me viu. — Você, huh? Eu poderia ter ficado sem essa. Eu balancei a cabeça. — Você também, huh? A risada de Avery guinchou um pouco. — Olhe para nós, já é um grande começo. Caden pegou seus sapatos de boliche. — E aí está o meu irmão, mostrando seu lado temperamental-idiota mais uma vez. — ele balançou a cabeça quando ele passou por ele. — Ela é minha amiga, idiota. Seja legal. Caden abriu o caminho para a nossa raia e sentou-se para colocar seus sapatos de boliche. O resto de nós o seguiu e Avery foi comigo escolher uma bola de boliche.

~ 121 ~


Eu tentei um rosa cheguei, mas meu polegar teria sido esmagado. Eu devolvi e peguei uma amarela. Os orifícios para os dedos formavam um rosto sorridente. — É estranho, não é? — disse Avery. — O quê? — a bola sorridente parecia estar franzindo a testa para mim. Peguei uma roxa e dei a ela o nome de Barney. Ela pegou a bola sorrindo. — Como Marcus ainda te odeia. Não deveria me incomodar, certo? — a bola sorrindo não funcionou para ela também. Entreguei a ela o Barney. Eu não estava sentindo o seu amor. — Isso me incomoda. Ela suspirou, afundando os dedos na bola. — Eu acho que ele ainda tem sentimentos por Maggie. Havia um arco-íris-colorido. Tive a sensação de que poderia funcionar. — Ou você acha que é apenas porque ainda dói? Eu sou um lembrete de que ele foi traído. Isso deve ser uma bosta. Barney não a amava também. Ela esperou por minha bola arcoíris. — Se for esse o caso, é melhor ele superar isso. Ele fez o mesmo comigo. Meu sentimento era certo. Arco-íris funcionou para mim. — Consiga sua própria bola, mulher. — eu a abracei ao meu peito. Ela riu. — Você está com ciúmes de uma bola? — Quando eu encontro a minha bola de boliche alma gêmea, claro que sim. — eu virei para ela. — Eu tive que tentar muitas bolas antes e a perfeita veio. Ela pegou uma bola branca com um único risco rosa, e meu coração fez pequenas cambalhotas. Eu tive um sentimento de que eu seria uma trapaceira de bola. O único risco rosa estava falando comigo. Ela enfiou seus dedos nela e levantou-a. — É perfeita. — ela suspirou. Seguramos uma bola arco-íris e uma com um risco rosa contra nossos peitos, e começamos a voltar para os caras. Eles já estavam se aquecendo. — Caden é meio... — ela hesitou. — irresistível, não é?

~ 122 ~


— O que você quer dizer? — ele era um urso de pelúcia grande para mim agora. Bem, um urso de pelúcia quente e delicioso que não era um urso de pelúcia. Ele era mais de um urso pardo. Não, nem isso. O que eu estava pensando? Ele era uma maldita pantera, mas eu poderia esperar que um dia ele iria se transformar em um urso de pelúcia. Muito mais seguro. Paramos algumas pistas mais abaixo com eles e assistimos. Nem pareceu nos notar, mas eu sabia que não era verdade. Caden sabia que estávamos olhando; ele simplesmente não ligava. Ele fazia o que queria, não importava o público. Ele não dava a mínima. Ele era força bruta, do tipo que era primordial, ondulando sobre todos em uma sala. Avery amava Marcus, eu poderia dizer, mas ela não era imune ao efeito que Caden tinha sobre as pessoas. Ele se infiltrava em seus poros, alinhando seus pulmões quando você respirava. Não era uma manipulação consciente. Ele não estava propositadamente afetando a todos com a sua presença, ele apenas fazia. — Imagine ele usando apenas roupas íntimas, — sugeri. — Isso o desloca um pouco. Seus olhos se arregalaram. — Cueca de vovô, — acrescentei. Seus olhos voltaram ao normal, e ela balançou a cabeça. — Não funcionou. Ele é irmão de Marcus também. Que contribui para o fator de intimidação. Eu tentei olhar para ele a partir de sua perspectiva - alguém voltando com seu irmão - e ela estava certa. Caden era francamente assustador. Eu lancei a ela olhar de desculpas. — Eu sinto muito. — Vai ficar tudo bem. — ela puxou a bola para o lado dela. — Além disso, não pode funcionar com Marcus. Não funcionou antes. — Por causa dele. — eu nem tenho certeza de que ele é bom o suficiente para você, Av. Eu não disse essas palavras. Ela já o amava. Não houve reação em seu rosto, mas ela envelheceu na minha frente, parecendo cansada e desgastada por um momento. Eu observei um brilho de tristeza em seus olhos. Ela estava assustada. Ele poderia machucá-la novamente.

~ 123 ~


Eu cutuquei o ombro dela com o meu gentilmente. — Não vamos pensar na dor agora. — eu dei um tapinha na bola arco-íris na minha frente. — É apenas arco-íris e risco cor de rosa esta noite. Mano a mano. — Nossas bolas de boliche são do sexo masculino? — Chica a chica. Avery riu. Marcus chamou, — Já acabaram com a conversinha feminina? Avery, temos um jogo para ganhar. — Minha bola de arco-íris ri na cara da sua arrogância, — eu disse a ele. — Não há nada de errado em se sentir seguro de si mesmo, — Marcus respondeu. — Olha quem fala, o campista solitário quando não sabe que um leão faminto estava atrás dele. — O quê? Pus a bola com a deles. Avery fez o mesmo, rindo baixinho. Marcus olhou para o irmão. ‘Que diabos?’ Caden deu de ombros, sentado atrás da folha de pontuação. — Só acene e sorria. Isto é o que eu faço. Eu me sentei no banco ao lado de Caden. — E que comecem os jogos!

~ 124 ~


C

aden ganhou. Marcus ficou em segundo, mas eu ganhei o melhor prêmio: a maioria das Bolas nas Calhas. Aparentemente arco-íris e risco rosa gostaram de curvar para a esquerda - todo o caminho à esquerda. Avery tentou tirar a minha vitória de mim, mas, infelizmente, eu tinha três bolas a mais na calha do que ela. Eu estava um pouco ofendida que não houve troféus. Marcus me informou que eu tinha que participar de um campeonato disso, mas o tipo de troféu que eu queria não foi entregue. Eu bufei enquanto nos dirigíamos para as portas. — Eles que estão perdendo. Marcus olhou para trás com uma pergunta em seus olhos, mas ele não disse nada. Eu não esperava que ele fizesse. Ele estava me dando esses olhares toda a noite. Desde as encaradas na faculdade e me tornar amiga de Caden, eu tinha abraçado a minha tendência para declarações aleatórias. Mesmo sem saber quando elas estavam vindo, mas elas sempre significavam algo. Caden e Avery estavam acostumados comigo. Marcus não. Ele que está perdendo também. — Cara. — Caden colocou a mão nas costas de seu irmão e pediu a ele para ir na frente. — Apenas continue. Os comentários dela vão parecer engraçados um par de horas depois. — É mesmo? — ele não parecia convencido. — Confie em mim. — Caden me olhou. — Não vai demorar muito e você não vai poder mais se livrar dela. Eu me animei. — Como um molde. E mais uma vez, nenhuma reação de Caden e Avery, mas as sobrancelhas de Marcus se arquearam.

~ 125 ~


O boliche tinha sido divertido. Logo se tornou mais divertido assistir as reações de Marcus a mim do que o próprio boliche em si. Avery estava reservada no início, mas relaxou quando percebeu que Caden não se importava com ela. Ele não era mau, ele só se concentrava em falar comigo ou com seu irmão. Então Marcus começou a provocá-la, e o flerte começou. Depois disso, flertaram a noite inteira. A única parte ruim foi no início da noite, quando eu tinha voltado do banheiro. Eu voltei para encontrar o assento de Caden vazio. Marcus estava na pista para uma tigela, e Avery tinha deslizado para o banco de Caden. Ela tinha cutucado meu braço. — Como foi o banheiro? Eu respondi. — Uma aventura. Naveguei pelos mares dourados e me limpei nas pias gregas. Estou muito orgulhosa. Uma linha se formou na testa dela. Você continua ficando mais estranha enquanto a faculdade avança, sabe? Dei de ombros. — É como crack. — O qu- deixa pra lá. — ela balançou a cabeça e fez um gesto por cima do ombro. — Quem é a menina? Esta tinha sido a parte ruim. Caden tinha estado no bar da pista de boliche, encostado ao balcão, com os braços cruzados sobre o peito. Uma menina estava na frente dele. Ela estava perto, tão perto que senti um rosnado se construindo na parte de trás da minha garganta. Ela era impressionante - cabelo longo e loiro que caia quase até o seu traseiro, e era uma bunda dura, apertada. Eu sabia como os caras pensavam. Além disso, uma mesa de rapazes na frente deles estava encarando. Ela usava uma saia branca curta. Se ela se inclinasse, eu tinha certeza de que sua calcinha iria aparecer, e isso era se ela até mesmo estivesse usando uma. Ela se virou para nos dar uma vista lateral de uma camisa branca que era apertada e com um decote enorme. Ela tinha cílios escuros e longos e uma pinta acima do lábio, aparentemente colocada lá para dar a ela um ar de Cindy Crawford. Seus lábios eram um rosa pálido, e Caden tinha estando observando-os atentamente. — Idiota.

~ 126 ~


Eu podia sentir a pena de Avery enquanto eu falava. Eu não queria olhar mais. Eu caí na minha cadeira. Eu estava condenada. A voz de Avery tinha baixado. — Os braços dele estão cruzados sobre o peito. Isso significa que ele não a quer. Olhei de novo e, como se tivesse ouvido ela - mesmo que eles estivessem do outro lado da pista de boliche e eu sabia que ele não poderia ouvir - seus braços caíram para os lados. Eu gemi. — Ele a quer agora. Eles tinham continuado a conversar, sorrindo, piscando e fazendo beicinho - essa era a menina, não Caden - e, então, ela estendeu a mão e tocou no peito dele. Ele não afastou a mão, ou se afastou. Ele continuou a observá-la, mas seu sorriso parecia mais acolhedor. Ela se aproximou, de modo a mão dela e metade de seu braço estava contra o peito dele, em seguida, a mão dela se arrastou para baixo, todo o caminho até o estômago dele. Avery tinha prendido a respiração. Na parte de trás da minha mente, eu sabia que Marcus provavelmente tinha acabado de jogar. Precisávamos nos virar, fingir que não estávamos espionando seu irmão, mas eu não conseguia desviar o olhar. Era como assistir a um acidente de carro. As pessoas iam morrer. Corações iam vai ser quebrados. E era meu coração sendo pisoteado. Caden queria dormir com ela. Eu poderia dizer. Ficar perto dele pelas últimas semanas, eu comecei a perceber quando ele estava interessado. Não houve realmente um olhar em seus olhos, mas eu senti em meu intestino, e eu senti enquanto eu o observava com aquela garota. Ele teria dito que queria ficar com ela. A julgar pela forma como ela continuou sacudindo o cabelo para trás e tocando o rosto, sua outra mão ainda persistente no estômago dele, eu não teria ficado surpresa se ele a levasse para o banheiro. Eu não sabia o que seria pior, se ele a levasse agora, ou se ele me levasse para casa e chamasse-a para um encontro real mais tarde. Minha garganta queimou quando eu tive a minha resposta.

~ 127 ~


O barman trouxe a bebida de Caden. A menina tinha se inclinado para frente, roçando os seios contra o peito dele quando ela chegou por trás dele para pegar uma caneta. Agarrando-o e segurando o braço de Caden, ela escreveu algo sobre ele. — Ela está dando a ele o número dela, — Avery tinha assobiado. — Dã. — Marcus tinha sentado em uma das cadeiras laterais. — Ela é gostosa. Eu pegaria o número dela também. Avery se virou. — Sério? — Se você não existisse, — ele rapidamente acrescentou. — Melhor. — seu tom tinha sido sério, mas eu tinha ouvido o sorriso. — Pensou rápido, Banks. Marcus riu, e o barulho me fez apertar os dentes. Eu tinha desviado meu olhar. Finalmente. A dor ardia em meu estômago. — Ei. — Caden tinha voltado. — Quem está afim? — Você. Eu amei minha amiga naquele momento. A voz de Avery tinha apenas a quantidade certa de raiva misturada com amabilidade. Eu sabia que Caden tinha notado, mas ele não podia dizer nada. Olhei e vi que ela se cobriu com um sorriso falso. — Ok. — ele colocou a bebida na minha frente e tocou meu ombro. — Eu vou deixar isso pra você, se você quiser. Foda-se ele, eu pensei. Foda-se a sua amabilidade. Foda-se sua consideração, e foda-se como ele não percebeu quando eu não respondi. Eu podia ver o número de telefone dela rabiscado em seu braço como uma tatuagem. Sim. Foda-se ele. Eu tinha aceitado a bebida e engolido metade. — Summer, você bebe? — perguntou Avery. Caden tinha a bola na mão, pronta para assumir a sua vez, mas ele olhou para trás. — Ela bebe o tempo todo. Avery me deu um olhar incrédulo. Dei de ombros. — Eu bebi na festa de Marcus.

~ 128 ~


— Bebeu? Marcus riu, esticando as pernas e descansando um braço nas costas dos assentos próximos a ele. Avery foi para um deles e relaxou quando Marcus começou a desenhar círculos em seu ombro. — Se eu estou lembrando certo, você estava perdida naquela noite, — ele disse a ela. — Duvido que você lembre de qualquer coisa. — Oh, sim. Ela tinha dado a ele um sorriso sonhador, e eu queria perfurar a garganta de qualquer um feliz naquele momento. — Você está bem? — Caden tinha se sentado em sua cadeira novamente. Eu tinha dado a ele dois polegares para cima, engolindo tudo. — Estou animada e feliz. Seus olhos tinham caído para a minha bebida. — Talvez você não devesse tomar o resto disso. — Tarde demais. — eu tinha aberto minha garganta e tomado o resto, deixando a bebida queimar todo o caminho para o meu fígado. — Ela está bem, — Avery falou para mim. — Ela está apenas cansada. — Nós podemos ir, — Caden tinha dito. — Não temos de jogar o último jogo. Oh, sim, eu pensei. Então você pode chegar em casa e ainda ter tempo de ligar para a menina incrivelmente bela para uma noite de sexo. Eu tinha um sorriso forçado. — Certo. Avery tinha estado me observando quando entregou os sapatos de volta, mas Marcus apertou a bunda dela. Ela o golpeou de volta, e o flerte a distraiu de novo. Marcus estendeu a mão para abrir o primeiro conjunto de portas no caminho para fora da pista de boliche, mas então ele parou. Ele ficou ali, segurando a porta aberta. Eu estava esperando que Avery fosse em frente, mas ela não o fez. Os ombros dela ficaram rígidos, e ela não se moveu. Duas pessoas entraram. Eu podia ver o topo da cabeça do cara e prendi a respiração. Eu reconheci aquele cabelo. ~ 129 ~


Caden avançou, sua mão me varrendo para trás dele. Ele parou entre Avery e Marcus, de frente para as duas novas pessoas. Normalmente, eu estaria toda, foda-se isso. Eu quero ver ação, mas, neste momento particular, eu estava disposta a me enterrar nas coisas de Caden. — Vocês estão juntos de novo? Senti o rosnado de mais cedo voltando. Eu podia ouvir o desprezo na voz de Maggie. Por que Avery era amiga dela mesmo? — Estamos saindo. Sim. — Não comece, Maggie. — a voz de Marcus foi um aviso. — Você não tem nada a dizer. Ela riu. Estremeci com a acidez. — Você está certo, — disse ela. — Eu não posso falar nada, mas Avery é chata. Você mesmo me disse isso. Você acha que levá-la para sair com seu irmão e essa mulherzinha que está com ele vai te divertir? Pense novamente, espertão. Avery não era chata. Eu esperei, esperando Marcus dizer alguma coisa. Ele não o fez. Esperei mais um pouco, esperando Avery dizer alguma coisa. Ela não o fez. Minhas mãos fecharam em punhos, pressionando nas costas de Caden. Foda-se. Eu iria dizer alguma coisa. Eu empurrei para frente, mas ele se manteve firme. Ele sabia que eu estava chateada. Uma de suas mãos veio para trás, tocando o meu lado, como se para me acalmar. Eu não precisava me acalmar. Eu precisava ajudar a minha amiga, e eu tentei passar novamente. Ele me segurou. Mais uma vez. Então eu gritei atrás dele, — Avery não é chata! — O quê? Isso veio de Kevin, num tom estridente e afiado. — Summer?

~ 130 ~


A multidão se abriu para mim. Ou, bem, Avery e Marcus se afastaram. Caden não. Ele era um grande pedregulho que eu não poderia mover uma polegada - não que eu me importasse de tentar então eu o contornei. Os olhos de Kevin se estreitaram quando ele olhou em minha direção. Caden tentou me bloquear com um braço na frente. Eu pressionei nele, ignorando os caras e olhando para Maggie. — Você é estúpida. Ela começou a rir. — Sério? — Você diz coisas estúpidas. Você soa estúpida. — não era o melhor argumento, mas, ei, isso era verdade. Ela era estúpida. — Quantos anos você tem? Cinco? Talvez, mas eu não tinha terminado. Dei a ela um sorriso selvagem. Quando ela viu, ela começou a rir novamente. Obviamente, ela não estava me levando a sério. Que bom. Eu suavizei a minha voz. — Eu não sei quem você namorou antes de Marcus, mas você estragou tudo. Muito. Você deveria ter ficado com esse cara. Eu olhei para Kevin, ignorando o quão bravo ele parecia. — Você é estúpido também. Você escolheu uma garota que é exatamente como você. Parabéns. Quem vai trair primeiro, você ou ela? Ou vocês dois já traíram? A risada de Maggie ecoou. Satisfação floresceu em mim. Joguei toda a cautela ao vento. — Kevin, o que você está pensando? Você é como a cadela nesta relação. Você estava se escondendo de Caden e Marcus em seu quarto. Então, quando você foi pego, você fez birra. Você nem sequer é homem o suficiente para assumir isso. Você teve que se esgueirar pelas costas de todos, como uma criança emburrada, e agora onde você está? Você ainda está se escondendo, mas na casa de sua namorada. Você realmente a ama tanto assim? Ela vai se cansar de você. É óbvio que ela quer Marcus de volta. O que você pensa quando ela sai de casa e você não está com ela? Você se lembra de todas as vezes que você deixou para trás uma namorada para ir ver a próxima? Você está pensando em todas as desculpas que você usou? Ela tem usado algumas das desculpas que você usou? — Você é uma cadela. ~ 131 ~


Voltei-me para Maggie. — Eu posso me transformar rapidamente em uma criança de cinco anos. — eu levantei uma sobrancelha, jogando a cabeça para trás em desafio. — Mas você? Traição. É um pensamento imaturo e egoísta e intolerante. Qualquer pessoa que você namorar depois vai saber que você é uma maldita idiota. Eu podia sentir a raiva de Kevin subindo. Eu entreguei a própria bunda dele em uma bandeja e a servi quente. Eu supostamente deveria apoiá-lo. Eu senti uma agitação dentro de mim. O buraco que meus sentimentos por ele tinha ajudado a encobrir estava se abrindo. Engoli em seco. Eu não queria sentir esse buraco, então eu rasguei meus pensamentos. Eu tinha mais alguns momentos antes dele explodir, e quando isso aconteceu, eu não confiei no que Caden faria. Maggie se virou para mim, — Eu não acho queMarcus e Caden avançaram, mas Avery deu um passo à frente deles, as mãos nos quadris. — Eu acho que você não tem mais nada a dizer aqui, não é? Houve um aviso com essas palavras, e todos sentiram. Avery lançou o desafio à amizade. Ela tinha sido ferida por Maggie, mas ela superou isso e permaneceram amigas. Agora Maggie estava jogando tudo fora. Correção - Maggie estava pisando em toda sua amizade esta noite. Não havia volta para qualquer um de nós. Eu senti o olhar de Kevin e dei uma espiada. Ele estava fervendo, os olhos fixos em mim, e eu quase podia ver o vapor saindo de suas orelhas. Teríamos que conversar. Eu não tinha nenhuma dúvida sobre isso. Seus olhos deslizaram para a mão de Caden, que estava no meu estômago enquanto ele estava ainda meio que me segurando no lugar. Maggie disse algo. juntou. Os três estavam estávamos envolvidos em realmente apenas Kevin e o mais alto.

Avery respondeu. Em seguida, Marcus se tendo uma troca, mas Kevin, Caden, e eu um tipo diferente de troca. Ok. Talvez fosse eu, mas mesmo em silêncio, eu senti que era

Eu não queria ficar lá. Eu evitei a mão de Caden, mas Kevin me parou. Ele rosnou para mim. — Há quanto tempo você está dormindo com ele?

~ 132 ~


Parei. Ele poderia - não. Kevin não podia ver como eu me sentia sobre Caden... podia? Kevin não tinha terminado. — Eu fui apenas um aquecimento, ou eu te fiz gostar de foder? Todo mundo está falando sobre a nova amiga de Banks, mas eu não sabia que era você. Ou talvez você pense em mim quando ele está dentro de vocêEle foi longe demais. Caden agarrou a garganta de Kevin e o levantou, segurando-o contra a parede. Avery engasgou. Marcus xingou, lançando-se para frente e tentando puxar seu irmão. Maggie, por sua vez, não tinha palavras. Seus olhos se arregalaram, e ela caiu para trás, ao lado de Avery. Sua mão estendeu para Avery, como se quisesse confortá-la. Eu bufei, sentindo pânico ao mesmo tempo. Eu não sabia o que Caden ia fazer. Corri para frente, lado a lado com Marcus, e enquanto ele estava tentando puxar a mão de Caden para longe de Kevin, eu gritei, — Parem! Caden ignorou nós dois. Ele era aquela pedra maldita novamente, e ele se inclinou para dizer alguma coisa no ouvido de Kevin. Eu parei, meu coração batendo no meu peito, e vi como Kevin ficou completamente imóvel, os olhos correndo para mim antes dele concordar. Caden recuou. — Entendeu? — Sim. — a cabeça de Kevin saltou para cima e para baixo. — Sim. Entendi. Em seguida, a mão de Caden relaxou e Kevin deslizou para fora, caindo no chão. Ele foi para o lado de Maggie, pegando a mão dela. Dois caras da segurança apareceram, correndo em nossa direção. — Temos que ir. — Marcus empurrou seu irmão para fora da porta, gritando por cima do ombro. — Avery! Vamos. Avery e Maggie compartilharam uma última olhada, e eu senti uma pontada no estômago. As palavras de hoje à noite não poderiam ser pegas de volta. Avery tinha perdido oficialmente uma amizade esta noite. Ela sabia disso. Assim como Maggie. Kevin estava tossindo, massageando a garganta. ~ 133 ~


Um dos guardas de segurança perguntou, — Você está bem? Kevin olhou para mim. Ele poderia chamar os guardas, mandálos deixar Caden ir, ou ele poderia mandar chamar a polícia. Eu tinha certeza de que havia câmeras no prédio. A evidência estava clara como o dia, mas eu estreitei meus olhos. Se ele fizesse, nós realmente estaríamos fodidos. Kevin me deu um pequeno aceno de cabeça enquanto falava com os guardas. — Sim, estou bem. Eu fiquei chateado quando eu não precisava. O guarda não parecia convencido. — Você tem certeza? — Sim. Sim. — Kevin acenou para a porta, dispensando a situação. — O deixe ir. — ele olhou diretamente para mim quando ele acrescentou, — Não vale a pena. Peguei seu significado alto e claro: eu não valia a pena.

~ 134 ~


O

gato estava fora do saco. Eu me senti como se um alçapão tivesse se abrido debaixo de mim, e eu tinha caído completamente. Ninguém sabia que eu dormi com Kevin, mas eles sabiam agora. Tudo ia mudar. Eu

sabia. Eu queria falar com Caden, advogar meu caso, explicar a coisa com Kevin, mas sua mandíbula estava dura e ele não estava olhando em minha direção. Eu sabia que não deveria empurrá-lo, então eu guardei todas as minhas perguntas e saí da Land Rover quando ele me deixou. Eu senti como se eu estivesse chutando meu coração na minha frente enquanto eu andava pra longe dele. Estava lá na calçada e - um chute, dois chutes - eu continuei indo até que eu estava no meu quarto. Avery me mandou uma mensagem que ela estava com Marcus e iria me ver no dia seguinte. Fiquei encolhida no meu quarto durante todo o dia. — Eu não sabia sobre você e Kevin, — Avery disse assim que ela entrou para se sentar no chão na tarde seguinte. — Quando isso aconteceu? Voltei para a minha cama e tentei não chorar. — Minha noite de formatura. — minha garganta inchou. — Isso foi um erro. — Mas você tem sentimentos por ele? Eu passei meus braços em volta de mim. — Não. Quer dizer, eu tinha. Eu tenho agora, mas eu não ao mesmo tempo. — esse buraco. Eu senti me roendo, querendo ser revelado. Ele queria causar estragos em minha vida. O tranquei. — Nada disso importa mais, de qualquer maneira. — Por causa de Caden?

~ 135 ~


Eu olhei para ela. Ela podia ver através de mim. Ela podia ver a minha dor, e ela compreendeu. — Eu acho que sim. Eu não sei. Nós somos apenas amigos. Não há nada mais. — Mas você gostaria que houvesse mais? Eu não sabia por que ela estava perguntando. — Não importa. Ele não me vê assim. — Você não sabe disso. — Eu sei. Ele mal falou comigo ontem à noite depois que os viu. Ele mal podia esperar para se livrar de mim quando ele me deixou. — Marcus se ofereceu para nos levar em casa. — Quando? — Quando fomos para o estacionamento. Você estava lá, mas você não deve ter ouvido. Caden disse que não. Ele queria te levar para casa. Eu balancei minha cabeça. — Porque ele queria deixar você e Marcus juntos. — Marcus poderia vim para o meu quarto ontem à noite, se fosse esse o caso. Ele fica aqui às vezes. Eu o coloco para dentro. — ela me deu um sorriso travesso, abaixando a cabeça ligeiramente. — Não conte a ninguém. — Ah, sim, — eu brinquei. — Até parece que eu vou fazer isso com você. Ela riu, os olhos brilhando. — Nunca se sabe. — Sinto muito sobre Maggie. Seu sorriso esmaeceu e ela levantou um ombro para minimizá-lo, mas não funcionou. — Ela não é uma boa pessoa. Eu sabia disso, mas ainda é péssimo. — Avery soltou uma respiração profunda, agarrando os joelhos e travando os braços no lugar. — Não é realmente sobre Maggie. É mais sobre o resto das nossas amigas da escola. Elas vão ficar do lado dela. É assim que era na escola também. Então ela não tinha perdido apenas uma amiga. Ela tinha perdido mais do que algumas. — Eu sinto muito.

~ 136 ~


— É o que é. — ela tentou minimizar novamente, revirando os olhos. — As pessoas costumam desaparecer no ensino médio de qualquer maneira, certo? — Às vezes. — eu pensei sobre minhas duas melhores amigas da escola, May e Clarissa. Eu não tinha ouvido falar delas desde que comecei a faculdade, e de repente eu senti falta delas. Eu não tinha percebido o quanto. Nós tínhamos enviado cartas, então nos ligado, mas ultimamente tinha havido nada. Eu nem sequer tinha pensado sobre elas. — Você acha que você vai ouvir de Kevin? — Eu não tenho ideia. — eu estava bem com isso também. O confronto viria, mas eu não queria enfrentá-lo de frente. — Eu acho que vou ir ver Caden hoje. — O que você vai dizer a ele? Não havia nada a dizer na verdade. — Bem, eu poderia pedir desculpas por ganhar nele na competição de mais bolas na calha. Ela riu, sacudindo a cabeça. — Só você achou que era uma competição real. Eu zombei dela. — Olha quem fala, a vice-campeã por apenas três bolas na calha. Se você tivesse ganhado a maioria das bolas na calha, você estaria exigindo um troféu também. Admita. — Ok. — ela continuou rindo. — Talvez. Vou pegar um cinturão para usar. Meus olhos se iluminaram. — E uma tiara também.

***

Eu estava nervosa indo até Caden. O que ele pensa de mim agora? Será que ele pensaria menos de mim por causa de Kevin? Ele estava enojado? Será que ele me odiava porque eu tinha mentido para ele? Eu não me sentia nervosa em torno dele há muito tempo, mas comecei a sentir isso de novo agora, como uma tora no peito. ~ 137 ~


Eu tinha me acostumado com nossas noites. Estudando. Às vezes vendo filmes. A maior parte do tempo bebendo cerveja. Eu assisti aos jogos com ele. Ele gostava de esportes. Ele os observava mais do que eu acho que outros percebiam, e ele sabia de informações que até os comentaristas não sabiam. Nunca me importei; o que estava na televisão eu estava feliz de assistir, e ele retribuía o favor. Se eu não queria perder um episódio de The Walking Dead, ele virava o canal para mim, não importava qual jogo ele estava assistindo. Quando ele começou a gravar Gilmore Girls para mim, tudo derreteu. Eu tinha sentimentos por Caden. Eles tinham estado lá, sob a superfície, sendo constantemente agitados, mas agora eles estavam no topo - maduros para que todos pudessem ver e sentir. Eu não podia negá-los mais. Eu não estava prestes a perder sua amizade. Eu não podia. Eu não ia deixar isso acontecer, e eu não poderia nem mesmo fazer uma piada. Isso era o quão séria eu estava. Minha mão tremia quando eu bati na porta. Por favor, não deixe a garota do boliche estar lá. Rezei internamente, e quando Caden atendeu a porta, eu soltei, — A menina está aqui? — O quê? Fiz um gesto para o braço. — A menina da caneta. Ele olhou para baixo. — Eu não liguei para ela. Imediatamente eu pude respirar mais fácil, e eu andei para dentro. — Por que não? Ele fechou a porta atrás de mim, me seguindo para a sala quando me sentei em um de seus sofás. — Por que não liguei para aquela garota? — Ela era linda. Ela queria sexo. Parecia uma coisa certa para mim. Ele balançou a cabeça. — Você me confunde completamente às vezes. — Eu estou acostumada a essa reação. — sentei-me quando ele foi para a cozinha, e puxei uma almofada no meu colo. — Mas por que não o fez? Ligar pra ela, quero dizer. — Você quer algo para beber?

~ 138 ~


— Um refrigerante diet? Ele vasculhou a geladeira e puxou uma lata. — Porque ela chegou em mim em um bar de boliche. É por isso. — ele a entregou, sentando na cadeira ao meu lado. Abri e soltei as almofadas atrás de mim. — Mas ela era linda. — Ela não era meu tipo. Meu Deus. Qual era o seu tipo? — Ela era bonita. Ele passou a mão pelo cabelo. A cobra ondulou, piscando para mim. — Por que você está presa nisso? A aparência não é tudo. Eu bufei. — Isso não foi o que eu ouvi. — De quem? — Das pessoas. Caras gostam de peitos e bunda, e lábios, e um corpo, e um rosto. Caras gostam de meninas lindas. Não aja como se o que estou dizendo não seja verdade. — É, mas às vezes a menina mais gostosa é a mais louca. Confie em mim. Essa menina não é meu tipo. Eu não gosto das loucas. — ele pensou sobre isso e acrescentou, — A menos que eu só queira foder, mas mesmo assim. — ele se encolheu. — Ideia ruim. — ele acenou para mim. — O que você está fazendo aqui? Achei que você estaria seu amante meio-irmão? Amante meio-irmão. Suspirei. Três palavras que eu odiava ouvir agora. Minhas mãos começaram a tremer de novo, então eu baixei a lata e puxei as almofadas. — Sobre isso… — Você não precisa. Eu olhei para ele. Ele estava brincando antes, mas suas últimas palavras foram suaves. Engoli em seco. Suave e gentil, e eu podia sentilos embalar sua influência ao redor do meu coração. Quando ele tinha tecido essa magia sobre mim? Eu não tinha percebido, ou talvez eu não quisesse admitir isso. — O que você quer dizer? — perguntei. — Eu já tinha adivinhado, lembra? — Quando descobri que tinha sentimentos por ele?

~ 139 ~


De repente, senti-me quente, segurando seu olhar. Ele se inclinou para frente, apoiando os cotovelos sobre os joelhos. — Eu percebi que algo aconteceu para fazer você se apaixonar por ele. Eu duvidava que fosse por causa da personalidade dele. Meus lábios tremeram com isso. — Você não está bravo? — Eu estava furioso na noite passada. Era tudo que eu podia fazer para não voltar e bater nele. Mais uma vez. — É por isso que você estava tão quieto no caminho para casa? Ele assentiu. — Me desculpe por isso. — Por ficar quieto? — Por atacar sua família. Ele parecia tão sincero. Olhei para a almofada no meu colo, minhas mãos envolveram tão firmemente em torno dela, e soltei uma respiração profunda. — Ele não é da família. Ele nunca foi. — Mas você queria que ele fosse? Eu queria que ele fosse outra coisa para mim. — A mãe dele me amou quando a minha morreu. Eu acho que não importa o que acontece entre ele e eu, eu sempre vou sentir algo por ele, apenas por causa de sua mãe. Sheila é uma boa pessoa. — Então o que aconteceu com ele? Dei de ombros. — Ha. Eu não sei. Seus pais se divorciaram antes da gente se mudar, obviamente, mas ninguém nunca falou sobre isso. Nunca. Kevin estava sempre com uma namorada no ano em que moramos juntos. — lembrei-me de quando eles me ajudaram a me mudar para meu dormitório. — Kevin apareceu para me ajudar a me mudar, mas ele realmente não ajudou. Ele deu o fora. As coisas estavam estranhar entre ele e meu pai. Eu não acho que meu pai gosta muito dele. — Seu pai é inteligente. — O que você quer dizer? Caden bateu as mãos e as esfregou. — Seu enteado sempre tem uma namorada. Ele é, obviamente, sexualmente ativo. Você tem uma filha linda, e você a trouxe para a mesma casa que esse cara. Isso é como trazer a sua criação mais amada para a cova dos leões. Eu estaria

~ 140 ~


preocupado também. Inferno, eu teria colocado câmeras no quarto do garoto. Se ele tocar minha filha, todas as apostas estarão fora. Alguém estará perdendo um pau. ...filha linda... ele me chamou de linda. Eu não poderia... — Você me acha linda? Caden franziu a testa. — Você não tem espelho? Caden me achava bonita. — Você me acha mesmo? — eu devo ter estado brilhando. — Summer, você não precisa me dizer que você é linda. — Quem disse? Ele riu novamente. — Alguém deve ter te dito. Certo? Eu balancei minha cabeça. — Eu namorei alguns caras na escola. Um era presidente da equipe de debate. O outro estava no time de beisebol júnior da escola. O último foi um caso de verão quando entrei 4-H6. Eu cozinhei um monte naquele verão. — nenhum deles me disse que eu era bonita. — Um deles disse que eu era fofa, mas foi isso. — Então eles são todos idiotas. Formigamento se espalhou através de mim, aquecendo-me todo o caminho até os dedos dos pés. Um burburinho animado começou no meu estômago. — Obrigada. Suas sobrancelhas se arquearam. — Pelo quê? — Por me fazer se sentir bem. Uma emoção que eu não conhecia, uma que eu não tinha visto em alguém que não fosse talvez o meu pai, passou em seus olhos. — Bem, é a verdade. Eu não estou te bajulando. — Eu sou linda, lembra? Ele suspirou, de pé. — Você vai me fazer te chamar disso o tempo todo, não é? — Eu me contentaria com peitos perfeitos. — olhei para os meus. — Talvez o pensamento positivo irá ajudá-los a crescer. 4-H é uma organização juvenil nos Estados Unidos, administrado pelo Departamento de Agricultura dos EUA. Os quatro H referem-se a cabeça, coração, mãos, e saúde. Em inglês essas palavras começam com H. 6

~ 141 ~


— Ok, peitos perfeitos. — ele estendeu a mão para mim. — Vamos. — Para onde estamos indo? — eu coloquei minha mão na dele e ele me puxou para os meus pés. — Eu fui obrigado a dizer que ajudaria a colocar esses flamingos no quintal das pessoas. Você pode me fazer companhia. Olhei pela janela, minha mão ainda na dele. — Está ficando mais escuro. — Esse é o ponto. — ele me olhou de cima abaixo. — Você vai ter que se trocar. — O que há de errado com o que estou usando? — eu estava de jeans e um suéter cinza. Eu pensei que estava à frente da moda hoje. Então eu o observei. Ele usava preto, todo preto. — Eu tenho que me vestir como você? — Essa é a ideia. Eu não tinha ideia do que estava acontecendo, mas Caden me deu uma carona de volta para o meu dormitório, segurando minha mão o tempo todo. Tentei não pensar nisso, mas amigos não dão as mãos. Eu tinha certeza de que era uma regra... era? Eu não poderia imaginar segurar a mão de Avery, mas, mesmo assim, eu não poderia imaginar Caden segurando ninguém, exceto a mão de uma namorada. Ele soltou quando eu comecei a sair da Land Rover. — Espere. — ele estacionou e desligou o motor. — O que você está fazendo? Ele apontou para o meu quarto. — Eu vou com você. — Por quê? — todas as meninas gostariam disso. Ele era meu. — Eu tenho que ir ao banheiro. Temos que pegar os flamingos na casa de Jill, e eu estive lá antes. Ela tem sete companheiros de quarto, e elas sempre têm mais amigas. Vou aproveitar e usar o banheiro. — ele me seguiu, fechando a porta. — Deve haver banheiro masculino lá, certo? — Acho que sim. — eu não tinha ideia. Minha vida era gasta entre meu quarto, o quarto de Avery, aulas, área de almoço e a casa de Caden. A possibilidade de levar um cara no meu quarto tinha me escapado, mas ainda era tecnicamente dia, então Caden era permitido ~ 142 ~


no meu andar. Enquanto ele me seguia, eu ignorei como os olhos da balconista ficaram grandes, e como ela nos viu passar com precisão de um falcão. Eu também ignorei todas as meninas na escada que ficaram quietas, e como a recepção foi a mesma quando chegamos ao meu andar. Algumas das meninas abriram suas portas, e quando entramos passado, as conversas pararam. Eu fui para o quarto de Avery e bati. Ela abriu a porta. — Como foi com- Caden, — seus olhos ficaram grandes demais, assim como as da secretário. — O que você está fazendo aqui? — Eu sei que você trás meu irmão aqui em cima. Onde é o banheiro masculino? — Cale a boca! — ela olhou para o corredor, depois pareceu relaxar quando ela não viu ninguém. Eu não tive coragem de dizer que todo mundo estava ouvindo, provavelmente, de pé tão perto quanto elas poderiam às suas portas abertas sem ser vistas. Ela fez um gesto para o corredor até a porta de trás do meu quarto. — Tome as escadas até o porão. Há um banheiro à esquerda. Caras podem usar lá o tempo todo, não apenas aqui em cima. Ele deu a ela um olhar. — Eu conheço as regras. Eu namorei alguém daqui no meu primeiro ano. — Você é velho. Eu não sabia que a demência já tinha aparecido. Ele a ignorou, e depois desapareceu passando pelo meu quarto e indo para a escada dos fundos. Uma vez que ele se foi, Avery apertou meu braço. — Puta merda. O que Caden está fazendo aqui? Ela me puxou para o seu quarto, batendo a porta. Eu levantei minhas mãos antes que ela pudesse me atacar mais. — Não é nada. Estamos bem. — Bem? — um sorriso ansioso começou a aparecer. — Bem, bem como? Bem como vocês acabaram de transar? Ou— Está tudo bem sermos amigos. Ele está fazendo aquela coisa do flamingo esta noite. Eu vou ajudar. — Sério? — seus ombros caíram, desanimada.

~ 143 ~


— Eu sei. Eu pensei que vocês tinham terminado com a coisa do flamingo há muito tempo. — Não. — ela arranhou atrás da orelha e riu baixinho. — Eu não quis dizer a coisa do flamingo, e terminamos, mas foi tão popular que uma segunda rodada está acontecendo hoje à noite. Um bando de caras estão supostamente ‘flocando’ os gramados. Ele deve estar ajudando Marcus. É a equipe dele que está no comando de tudo. — ela fez uma pausa, um lampejo de pesar aparecendo. — Eu fiquei animada. Sinto muito, Summer. Eu pensei que talvez ele estar aqui significasse outra coisa . — Bem, não significa. Ele é um amigo. — um amigo que segurou minha mão e me disse que eu era bonita. Eu mantive isso para mim mesma. Ela me estudou, e um brilho determinado apareceu em seus olhos. — Talvez ele só precise de um empurrãozinho? Ela estendeu a mão para o meu cabelo, mas eu recuei na direção da porta. — Eu estou bem. Eu não quero mudar a minha aparência. — Vamos. Apenas me deixe ajudar. — Não. Meu cabelo é brilhante. Eu não preciso perder peso. Eu sei que minha pele é limpa e suave. Além de ter seios maiores, eu não quero quaisquer outras alterações. — Eu sei. Seu cabelo é lindo, longo e grosso. Esses olhos de corça não ficam pra trás também. Talvez ele queira que você mostre mais pele. — ela começou a chegar na minha camisa. Bati nas mãos dela, abrindo a porta. — Mãos para si mesma, mulher. Eu tenho que trocar de roupa de qualquer maneira. Eu voltarei. — Summer! — Não estou te ouvindo, — eu gritei por cima do ombro, correndo para meu quarto. O corredor, uma vez vazio não estava mais vazio. As meninas do meu andar estavam de olho, sentadas com livros, laptops, notebooks, e tudo o que elas precisavam para estudar. Eu bufei enquanto eu abria minha porta. Estudando, minha bunda.

~ 144 ~


E

nquanto eu trocava minhas roupas, Caden mandou uma mensagem que ele estava no térreo no lobby esperando por mim. Encontrei-o encostado na recepção, conversando com uma menina e um rapaz. Estava de costas para mim quando eu passei pela porta, então seus amigos me viram primeiro. O cara me olhou de cima abaixo, e a menina me deu um olhar de lado. Eu não me importava. Encarei isso como um elogio. Talvez eu só estava andando na Land Rover de Caden, talvez eu só estava ajudando a executar uma missão para ajudar o seu irmão, e talvez eu só estava usando preto, então o que importava como eu me vestia? Todos esses pensamentos giravam na minha cabeça enquanto eu estava andando, fazendo-me sentir um pouco tola. Mas a voz de Avery tinha sido ainda mais alta, e o resultado foi uma roupa que chamou um pouco de atenção. Ponto. Seus olhos se arregalaram quando me aproximei, e Caden se virou para mim. Eu não estava usando nada sexy ou esquisito, mas a combinação parecia assassina. Até eu tinha que admitir isso. Calça jeans preta, um casaco preto e uma jaqueta de couro preta - Caden nunca tinha dito que tipo de roupa preta era necessária, então improvisei. Seus olhos escureceram, e sua mão empurrou. Então, ele permaneceu na jaqueta de couro. — Sério? — Por que não? Você acha que é o único legal usando essas rupas? — puxei-o apertado, sabendo que iria enfatizar meus seios um pouco mais. — Recentemente me falaram que eu tenho peitos lindos. Caden riu, sua mão vindo para a inferior das minhas costas. A menina percebeu isso também. Sua boca virou para baixo em uma careta.

~ 145 ~


— Vamos. Marcus acabou de ligar. Ele ficará chateado se não chegarmos lá. — Caden acenou para os outros dois. — Vejo vocês mais tarde. O cara o cumprimentou, dizendo: — O que você vai fazer hoje à noite? — ele indicou a menina com ele. — Felícia e eu estávamos pensando em ir a um lugar mexicano na cidade. Não é novo, mas é novo para nós. — Sim. — a menina se mexeu. — Minha irmã me contou sobre esse lugar. É uma daquelas joias escondidas. Ela vai para lá o tempo todo. Diego - é o nome. — ela tocou o braço de Caden. — Você deveria vir. Você. Não vocês. Eu tive visões de arrancar sua mão dele e envolvê-la em sua garganta, mas Caden endureceu e afastou-se, poupando-me o problema. Seu tom era visivelmente frio. — Não, obrigado. — sua mão me puxou mais apertado contra ele. — Nós temos planos de qualquer maneira. Eu esperei até que chegássemos na Land Rover. — Esse é o seu lugar7. — Eu sei. — sua mandíbula apertou. — Eu fico territorial sobre coisas que eu amo. Um formigamento desceu pelas minhas costas. Eu reagi à possessividade na voz dele, o conhecimento de que ele iria proteger um lugar ou pessoa, não importa o quê. Esse era um maldito conto de fadas ao vivo, alguém que tinha amor e cuidava de você, que era capaz de te proteger - é por isso que meu estômago estava dando voltas novamente. Não por qualquer outra razão. Isso foi o que eu disse a mim mesma. Eu suspirei, pressionando minhas mãos. Eu era péssima em mentir, até para mim mesma. Ele olhou com um sorriso. — Você tem pitos lindos, a propósito. Eu me ajeitei. — Com certeza.

7

Ela está se referindo à Diego, aquele lugar que eles foram antes. ~ 146 ~


***

— Ok. — o líder se levantou na caçamba da caminhonete e bateu as mãos sobre a cabeça. — Ouçam, todos. Ninguém estava realmente ouvindo, apesar de estrarem se vestido certo. Todo mundo estava de preto. Alguns caras usavam máscaras de esqui, e outros tinham marcas pretas em suas bochechas como jogadores de futebol. Pessoalmente, eu não entendia a necessidade da camuflagem preta. Caden tinha explicado que a polícia já havia sido enrolada sobre a operação. Algumas das pessoas reunidas nos gramados esta noite, na verdade, pertencia a polícia, e mesmo assim todo o efeito de se misturar-com-a-noite não funcionava quando se está carregando um flamingo cor de rosa brilhante. Mesmo assim, eu não podia negar a pequena centelha de emoção se construindo no meu estômago. Estávamos todos de pé na entrada da casa de alguém, e quando eu olhei ao redor, eu parecia ser a única menina. Esses caras eram todo negócios. Eu estava no meio de um real Call of Duty. O líder começou a falar, sua voz aumentando. — Isto vai acontecer com precisão e profissionalismo. Não comece com vadiagem, agindo como merdas idiotas, e definitivamente nada de brincadeiras. Nós não somos meninas. Isso não vai ser executado como um bando de patricinhas que pintam a unha de cor de rosa. Vocês entenderam?! Eu fiz uma careta, enfiando minhas unhas dentro da minha jaqueta. — Cada veículo foi carregado com pássaros. O motorista já deve ter recebido uma mensagem com todos os locais, e o número de aves para cada alvo. Parem, encontrem o grupo de aves marcadas para aquela casa, e trabalhem em conjunto. Levem um pássaro a casa viagem, dois se vocês puderem controlar, e enfiem esses otários na grama. Corram de volta para a caminhonete e continuem até que todas as aves estejam nos seus lugares. Co-piloto Sally8 está encarregada de pendurar a placa sobre o pássaro mais próximo da rua. Uma vez que o sinal esteja pendurado, voltem para a caminhonete e passem para o próximo alvo. NADA DE CONVERSA! Esta missão é silenciosa.

Não faz muito sentido em português, mas aqui quer dizer tipo um ajudante, um co-piloto. Algo nesse sentido. 8

~ 147 ~


Comuniquem-se com sinais, e se vocês não conhecem os sinais adequados, apenas calem a boca! Ok? Agora, vão filhos da puta! Caden riu baixinho. Eu fiquei tensa. O olhar do líder estalou em nós, mas ele levantou a cabeça em saudação quando ele viu que era Caden. — Tudo bem, rapazes, — disse ele. — Estamos indo. — ele pulou de sua caminhonete. Caden puxou minha manga. — Vamos dar o fora. Tentei sair e ajudar com os flamingos na primeira casa, mas os caras se mexiam muito rápido. Um segundo veículo tinha vindo com a gente para fazer as coisas tão rápidas quanto possível. Até o momento que eu coloquei um flamingo no chão, Caden estava ao meu lado perguntando onde a placa estava. Aparentemente eu era a co-piloto Sally. Eu encontrei uma pasta na Land Rover, e corri para pendurar uma das placas, ‘Você foi ‘flocado’ pelos seus vizinhos amigáveis. Por favor, não perturbe. Todas as aves serão removidas dentro de 24 horas e levada para a sua próxima casa’. Um número de telefone estava escrito para mais informações, e no fundo uma observação de que todos os rendimentos iriam para a associação da Consciência de Lesão Cerebral. Fiquei impressionada com a eficiência de todos, e nós estávamos na quarta casa dentro de uma hora. Uma vez que o Land Rover foi esvaziado de aves, seguimos a segunda caminhonete e ajudamos, mas eu não estava no comando das placas mais. Agora eu era capaz de ajudar a levar as aves para os gramados, que me deu uma emoção perversa. Foi muito gratificante segurar e bater a haste do flamingo no chão, deixando a grama cuidadosamente flocada. Nós estávamos na oitava casa quando vi alguém andando em direção a nós, com as mãos nos bolsos e os ombros curvados para frente. Eu teria reconhecido ele em qualquer lugar, e fiz uma pausa. Os caras estavam pondo óleo em uma máquina, então eu sabia que acabaríamos em segundos. Caden parou ao meu lado enquanto Kevin se aproximava. — Você quer que eu fique por perto?

~ 148 ~


— Ele está vindo devagar. Eu não acho que ele está aqui para ser um idiota. — esperei que não. — Eu estarei esperando aqui. Os caras acabaram quando Kevin parou na minha frente, seu boné de beisebol puxado para baixo. Meu coração torceu. Eu sempre gostei de como ele ficava quando ele usava aquele boné. De alguma forma o fazia parecer angustiado, mais misterioso. Agora, eu não poderia evitar me perguntar como Caden ficaria em um boné de beisebol. Kevin me avaliou com olhos cansados antes de olhar os caras atrás de mim. Eles estavam indo para a segunda caminhonete. Caden acenou para eles, apontando para mim e Kevin, ao mesmo tempo. Eu não tinha dúvida de que ele estava explicando que o Land Rover poderia esperar um tempo. — Ei. Eu tinha razão. Ele não parecia um idiota hoje à noite. — Você está aqui para pedir desculpas ou atacar? — perguntei. Ele agarrou a parte de trás do seu pescoço, deixando o braço ficar ali por um momento. — Nenhum dos dois. Eu estava esperando apenas conversar. — ele apontou para a caminhonete que estava agora se afastando, passando por nós. — Me disseram que a fraternidade estava ajudando com os flamingos esta noite. Eu vim dar uma mão. Pelo que vi alguns amigos de Marcus estão aqui também. Eu não sabia que você estaria aqui, na verdade, mas eu estou contente que você está. — sua mão deslizou no bolso jeans. — Eu queria te ver. — Eu pensei que você estava chateado com sua fraternidade. — ele queria voltar. Eu podia ver isso em seu rosto, em seu olhar com inveja quando a caminhonete saiu. — Eu estou. Eu não estou. Eu não sei. Eu tive tempo para pensar sobre as coisas e eu fui um idiota. Eu bufei. — Só desta vez? — Summer, qual é. Nós estávamos do lado do passageiro do Land Rover de Caden. Eu sabia que ele estava do outro lado, escutando. Eu cruzei os braços

~ 149 ~


sobre o peito. — Você precisa pedir desculpas para mim. Você me atacou na pista de boliche, e você não tinha o direito. Ele ficou em silêncio, arrastando os pés ao redor, mas ficando no mesmo lugar. Meu peito apertou. Ele não ia dizer nada? Nada mesmo? Então ele fez, meio resmungando. — Por que você mentiu para mim? — Sobre o quê? — Você não podia suportar Banks. Então a próxima vez que eu te vejo, ele está protegendo você. De mim. — Ele é meu amigo, e na primeira vez que você me viu, ele não era. É simples assim. — Você poderia ter sido um pouco mais clara sobre isso. — Por quê? O que eu te devo? — Você sabe que ele é meu inimigo. Eu balancei minha cabeça. — Você estava saindo com a namorada do irmão dele. Isso faz de você inimigo de Marcus. Caden é seu irmão de fraternidade. — Qual é. Sério? Você poderia ter me dito que eram amigos. Não era da conta dele, mas ele estava certo. Eu não tinha dito a ele de propósito. Eu suspirei, inclinando-me para trás contra o Land Rover. — Eu sabia que você não ia gostar. Eu acho que é por isso que eu não te disse. E ele é, você sabe. Ele é um bom amigo para mim. — Caden Banks não tem amigos do sexo feminino, Sum. Você deve pensar sobre isso. — Bem, agora ele tem. — meu tom se arrefeceu. Ele precisava recuar. Isso também não era da conta dele. — E pare, Kevin. Você não tem o direito de usar um apelido comigo. Fomos colegas de casa, lembra? Ele olhou para cima, os olhos brilhando. — Não comece com isso. — Com o quê?

~ 150 ~


— Summer, eu... — ele chutou o cascalho na estrada. — Escute, o que tínhamosEu não queria ouvir. — Nosso erro de uma noite, você quer dizer? — Pare. Eu me afastei da Land Rover, mas passei meus braços em volta de mim. — O que você quer, Kevin? — Pare. Eu não disse nada. — Tô vendo. Eu não quero nem falar sobre isso. O que fizemos foi um erro. Eu vejo isso agora, mas eu estou fazendo minhas próprias coisas. Eu não me importo se você não gosta dele. Não é da sua conta. — meus pulmões ardiam. — O que, você está com ciúmes que eu poderia estar interessada em outra pessoa? Ele era um idiota. Eu tive o suficiente. Estendi a mão para a porta. — Sim. Talvez eu esteja. Virei-me para trás. Ele não tinha o direito, não mesmo. Senti um soco no peito. — Meu Deus. Kevin deu um passo para frente da porta para que eu não pudesse fechá-la. — Sinto muito, Summer. Eu estou. — Pare com isso. — eu tentei movê-lo para fora do caminho, mas ele apertou ainda mais, descansando a mão na minha perna. Afastei a mão dele. Eu queria dizer a ele para não me tocar, mas Caden teria estado lá em um flash. Eu engoli as palavras, por agora. Eu não podia falar. Eu não conseguia olhar para ele também. — Eu deveria ter ficado e enfrentado aquela noite de frente, juntos, mas eu não fiz. Eu sou um covarde, Summer, e eu estou acostumado com meus velhos hábitos. Ser um covarde é fácil para mim. Fui assim toda a minha vida, assim como o meu pai. Ele é um covarde. Ele fugiu da minha mãe e eu. — ele parou por um momento. — Eu sempre tenho que ter uma menina. Eu amei que você veio me ver no início das aulas, mas o que eu poderia dizer? Eu estava com Maggie. Eu estou com Maggie. Eu... eu não posso dizer nada para acertar essa situação, mas eu estou tentando mudar. Vir aqui é um primeiro passo para mim. Eu quero mudar.

~ 151 ~


Eu não sabia o que ele estava falando, mas isso não importava. Eu já tinha superado ele. Estendi a mão para a dele, apertei e depois o empurrei de volta para que eu pudesse fechar a porta. Ele não lutou contra mim, ao invés disso ele bateu na janela para que eu rolasse para baixo. — Nossos pais estão chegando no fim de semana da família. — Eu sei. — por que ele estava me dizendo isso? — Você sabe que vai querer fazer um jantar em família. Não traga Caden. — O quê? — Eu não vou trazer Maggie, se você não vai trazer Caden. — Você não tem direito de me pedir isso. Se você não levar sua namorada, problema é seu. Se eu não trouxer um amigo, essa decisão é minha. Não tem nada a ver com você. — Por favor? — sua mão enrolou sobre a janela. — Podemos ter realmente apenas a família? Você, eu, minha mãe, o seu pai? Nós quatro. A porta do motorista se abriu e Caden subiu. Eu não olhei, mas eu senti a tensão no ar. Kevin olhou para além do meu ombro, e uma parede caiu sobre ele. Ele soltou a janela e, sem uma palavra, ele recuou. Caden ligou o veículo e partimos. Olhei para Kevin o tempo todo, até que ele se misturou com a noite.

~ 152 ~


M

arcus perfurou buracos na parte de trás da minha cabeça durante a Introdução à Fisiologia novamente. Ele me odiava. Eu estava bem. Agora ele me odiava novamente. Ele deve ter me visto falando com Kevin na noite anterior. Mesmo Shayla, minha parceira de estudo percebeu. — Eu não sei se Marcus Banks odeia você ou quer te foder. — Me odeia. — a outra opção era um horror. — Eu sou amiga do irmão dele. E aquela era a coisa errada a dizer. Ela de repente queria ser mais do que parceiras de estudo. Ela queria ser amiga do almoço, amiga do fim da semana, e antes de balbuciar qualquer outra ideia que ela pudesse pensar, eu disse meu adeus e escorreguei para fora da sala. Avery veio ao meu quarto quando eu voltei, e eu contei tudo o que tinha acontecido ontem à noite. — Então Kevin apareceu e soltou toda essa besteira em você, e depois Caden te deixou em casa? — seu nariz enrugou. — Eu sinto muito, Summer. Que idiota! — Basicamente. — Caras como ele me irritam. — sua mão formou um punho, e ela bateu na perna. — Se ele vai estar em um relacionamento com você, ele deve dizer algo. — tapa. — Se ele não vai, ele deve dizer isso também. — um segundo tapa. — Você sabe que ele é um idiota. E você sabe que não deveria estar com ele, ou esperar por ele, mas até que ele realmente diga as palavras, você não pode. Idiota! Ele deve realmente dizer as palavras. — três. Quatro. Cinco tapas. Eu fiz uma careta, observando o modo como a outra mão dela puxava o lado de sua calça jeans. Ela tinha embrulhado uma linha fortemente em torno de seu dedo, cortando o suprimento de sangue.

~ 153 ~


— Ok. — agarrei a tesoura, eu me inclinei para frente e cortei a linha. — Não vamos perder um dedo por causa disso. E eu aposto que não estamos mais falando sobre Kevin? Ela soltou um suspiro, seus ombros caindo para frente. — Ugh. Você está certa. Marcus não vai sair e dizer o que ele quer. Está me deixando louca. Homens me deixam louca. Por que eles não podem simplesmente ser transparentes? Contar-nos seus pensamentos, e então saberemos. Dei de ombros. — Ser transparente soa assustador. — O que você quer dizer? — Pense nisso. Se você disser a todos seus pensamentos e sentimentos... eu não sei. — outro dar de ombros. — Eu me sentiria exposta. Alguém poderia vir e me machucar. A luz acende em seus olhos. — Você acha que é isso? Marcus não quer ser machucado por mim? — O quê? Ela se animou. — Eu nunca pensei sobre isso dessa maneira. O que tinha acontecido? — Não. — toquei em seu braço. — Eu estava falando sobre mim mesma. Eu não quis falar de Marcus. Se você fosse totalmente transparente sobre seus pensamentos e sentimentos, ele poderia te machucar. — Não. — ela balançou a cabeça, suas sobrancelhas arqueadas. Um uh-oh caiu no meu intestino. Eu podia ver as rodas girando em sua cabeça, e isso não era uma boa ideia. — Espera. O que? Eu não quis dizerEla ficou de pé. — Você está totalmente certa. Eu vou fazer isso. Eu sou a única reclamando sobre não saber o que ele quer, então eu vou dar o primeiro passo. — Você vai? — o uh-oh tinha formado uma bola, e estava preso na minha garganta. — Podemos falar sobre isso antes de fazer alguma coisa? — Como o quê? — Eu não sei. Como, o que você vai dizer? Vocês pareciam mais do que amigos-com-benefícios na pista de boliche.

~ 154 ~


Ela caiu no sofá, o lábio inferior para fora. — Não, é isso, eu acho. Eu quero que fiquemos juntos de verdade novamente ou nada. Eu não posso fazer essa coisa de benefícios mais. Eu pensei que eu poderia, mas eu não posso. Isso está me comendo por dentro. — sua mão agarrou a camisa, onde seu coração estava e formou um punho. Senti uma pontada no meu peito. — Sinto muito, Avery. — É minha culpa. Eu fui estúpida e pensei que eu poderia lidar com isso. Eu não posso. Eu estou percebendo isso agora. — ela me olhou atentamente. — Você e Caden são ACB também? — ACB? — Amigos com benefícios? Meus olhos se arregalaram. — Não. Não! — eu não poderia agitar minha cabeça o suficiente para enfatizar esse ponto. — Nós somos apenas amigos. Você sabe, simplesmente p-l-a-t-, não sei por que eu estou soletrando isso. Amigos platônicos. Sou eu e Caden. Um amigo platônico que me abraça, que me levou para a cama e me cobriu com tanta delicadeza... que segurou minha mão por um passeio inteiro. Sim. Éramos esse tipo de amigos. — Eu não sei como fazer isso, — disse Avery. — Fazer o quê? A bola desceu pela minha garganta, mas parou no meu peito agora. Eu senti isso pressionando contra o meu esterno, como se estivesse tentando cavar seu caminho para fora de mim. — Seja amiga de Caden e não desenvolva sentimentos. Sério? Eu me encolhi, ouvindo meu próprio pensamento como um grito agudo. Eu quase ri alto e disse: —‘Não me diga’. Mas eu me recompus e só respondi com um casual, — Mmm-hmmm. Sim. — Claudia estava falando sobre vocês no almoço no outro dia. Ela também não entende. Ela estaria em cima dele dentro de um dia tentando ser amigos. — Avery riu. — Mas, então, Claudia sempre teve uma queda por Caden também. As outras tiveram paixonites por ele também, quando éramos calouras do ano passado. Elas seguiram em frente. Caden é exigente com quem ele namora, mas Claudia ainda está lá. — Ela namorou Kevin também? ~ 155 ~


— Sim. Que acabou terrivelmente. — E ela ainda não contou a Shell? Avery franziu a testa para mim. — Ela não quer deixar as coisas estranhas. Essa é a única razão. Eu tinha passado tempo suficiente com esse grupo de amigas de Avery para saber que era besteira. Eu tinha ouvido as suas histórias. Claudia sabia que Shell tinha saído com Kevin no início do ano, e ela namorou com ele mais tarde naquele ano. Ela manteve a boca fechada não porque ela não queria deixar as coisas difíceis, mas porque ela tinha violado o código da amizade. Você não deve namorar o ex de uma amiga. Pressionei meus lábios juntos agora. — Isso é... — eu tentei controlar a minha para não sair cínica. — ...legal da parte dela. — Também achei. Eu não entendia Avery. Eu não era socialmente mais experiente, obviamente, mas May e Clarissa nunca foram atrás de caras que eu disse que eu gostava. Merda, se tivessem, não teríamos continuado amigas todo o ensino fundamental e médio. Um desejo repentino tomou conta de mim. Eu senti falta das minhas amigas. Muito. — Algo está errado? — O quê? Avery estava me estudando. — Você acabou de suspirar. Algo está errado? — Não. — eu acenei. — pensamentos simplesmente estúpidos. — Como o quê? — O quê? Ela se inclinou para frente, combinando com o meu sorriso. — O que você estava pensando? Conte-me. — Eu só estava sentindo falta das minhas melhores amigas do colégio. — Você manteve contato com elas? Dei de ombros, sentindo a bola estúpida se movendo em minha garganta. — Eu liguei algumas vezes. — e mandei e-mail, uma

~ 156 ~


mensagem, e deixei um monte de mensagens de voz. Passar tempo com Caden tinha me consumido. Queria saber se algo semelhante estava acontecendo com elas. — Para qual faculdade elas foram? May foi para Nova York, e Clarissa estava a poucas horas de distância. — Uma não está longe. A outra está do outro lado do país. — Você quer ir visitá-la? Eu estava no tapete, mas eu levantei minha cabeça. — O quê? — Nós poderíamos ir ver a sua amiga, a que está perto. Quer dizer, se der certo por causa das suas aulas. Eu sei que algumas das meninas adorariam uma viagem. — Quer dizer você e Shell? Esse grupo? — Talvez até mesmo Marcus. Adorável. Ele podia fazer furos na parte de trás da minha cabeça mais perto. — Caden pode ir, — ela acrescentou. Minha cabeça estava nadando. — Vocês iriam em uma viagem comigo? — Claro. Viagens são divertidas. — ela riu, inclinando-se para frente e pressionando a mão sobre a minha. Ela apertou. — Vai ser divertido. Onde é que ela está? Vamos combinar alguma coisa. Viagem era um conceito novo para mim, especialmente com um grupo tão grande, mas é o que acabou acontecendo. Uma vez que eu falei com Clarissa e May, nós escolhemos um fim de semana. May iria voar de Nova York. Logo, todos os detalhes estavam resolvidos. Nós estávamos indo em algumas semanas - o segundo fim de semana depois do fim de semana da família. Avery estava certa sobre Caden também. Ele disse que viria, mas ele ia de carro, e só eu poderia ir com ele. As meninas não se incomodaram com esse pedido. Claudia ainda disse, — Nós achamos que ele diria algo assim. E já que Caden iria vir, Marcus estava dentro também, bem como alguns dos outros caras da fraternidade de Caden. Na verdade, a maioria dos caras da fraternidade estavam indo. Eles tinham um grupo

~ 157 ~


na faculdade de Clarissa, que era menor que do River North. Tínhamos quatorze mil alunos, e a faculdade de Dubrois tinha cerca de seis mil. O grupo de Caden estendeu a mão, de modo que o grupo não precisaria se preocupar de encontrar uma casa alugada para que todos pudessem ficar. A lista de viajantes foi ficando maior e maior, mas eu percebi que se não houvesse espaço na casa, eu poderia ficar em um sofá no dormitório de Clarissa. — Até parece. Essa foi a resposta de Caden quando lhe contei sobre meus planos. Estávamos na casa dele, e dois outros caras estavam sentados na sala de estar com a gente. Eles tinham falado sobre um jogo de futebol, mas ficaram quietos depois da declaração de Caden. Sentei-me no sofá, ajeitando meus ombros. Ele estava na outra extremidade, uma cerveja na mão. Ele tinha estado metade assistindo ao jogo com seus irmãos, e metade me ouvindo falar sobre a viagem. — Do que você está falando? — perguntei. — Você não vai dormir na casa da sua amiga. Vamos todos com você. — ele fez um gesto para os outros com sua cerveja. — Quase toda a casa está indo. Você tem que ficar onde vamos ficar. — Mas há tantas pessoas indo agora. Avery esteve adicionando uma ou duas pessoas todos os dias, ou assim parecia. Eu meio que esperava que ela revelasse que ela era amiga de Maggie novamente, e Maggie queria vir. Isso não tinha acontecido, até agora. Mas Avery não dizia muito sobre sua ex-amiga, e eu a conhecia bem o suficiente para saber que não era bom. Ela provavelmente estava falando com ela novamente. O que me lembrou que eu queria perguntar a Claudia sobre isso. Apesar de meus problemas com Claudia, ela era um pit bull quando era sobre Maggie. Ela a odiava mais do que ninguém. — Vai ficar tudo bem, — Caden me assegurou. — Um terço das pessoas estarão dormindo juntos. As pessoas podem trazer sacos de dormir. — Os caras dormem em qualquer lugar, — um dos caras acrescentou. — Não se surpreenda se você encontrar pessoas dormindo em cima de mesas.

~ 158 ~


— Ou em baixo delas, — o segundo resmungou. — Merda, eu acordei do lado de fora na semana passada. Melhor sono que eu já tive. O primeiro deles riu. — A cama quente de grama e sprinklers? — Não foi nada. A água fria no meu rosto. Foi um bom despertador. Eles riram, voltando para o jogo. Caden estava me observando e, de repente, ele apontou para a porta. — Vocês dois, saiam. Eu preciso de um pouco de privacidade. — O quê? O primeiro começou a protestar, mas o segundo lhe deu um tapa no peito e me deu um olhar significativo. Seja qual for a mensagem, ele conseguiu. Eles se levantaram e saíram. Caden continuou a olhar para mim, uma profunda carranca em seu rosto. Suspirei internamente. Deus, ele era muito bonito. Ele estava malhando mais agora, então ele estava mais magro, mas seus músculos não m ficado menor. Ele parecia maior, seu corpo mais esculpido como um deus grego ou algo assim. Quando ele usava camisas apertadas, como a de hoje, eu achava difícil me lembrar que tipo de amigos éramos. Não tínhamos dado as mãos novamente, mas até mesmo de pensar sobre isso, minha mão coçava para tocar em uma parte diferente dele. Eu queria traçar algumas de suas tatuagens, descobrir onde elas acabavam. Eu parei de pensar nisso. — Porque é que está zangado comigo? — Eu não estou. Ele estava. Eu podia ouvir em sua voz. — Puta que pariu. — ele agarrou a parte de trás do pescoço. — Eu estou. — Porque eu disse que ia ficar na casa da minha amiga, se a casa ficar muito cheia? — Sim. — ele me lançou um olhar sombrio. — Eu não quero que você fique em outro lugar. Todos nós estamos indo por causa de você. Você deve estar onde estamos.

~ 159 ~


— Bem. — eu levantei um dedo no ar. — Eu realmente não acho que eu sou a razão todo mundo estar vindo. Eu acho que sou a desculpa para uma viagem. — Exatamente. — sua mandíbula apertou. Esperei ele elaborar, mas não o fez. Eu me inclinei para frente. — O que exatamente? — Por que todos esses caras estão indo? Eu pensei que isto ia ser pequeno. Você. Eu. Avery. Marcus, talvez alguns dos amigos dele. Agora trinta caras estarão indo. — A maioria desses caras são seus irmãos da fraternidade. Ele mordeu uma maldição, movendo a mão na parte de trás do pescoço. — E como diabos eles foram convidados? Eu não disse nada a eles. — Espere. — eu me sentei pra trás. — Você não quer que seus irmãos da fraternidade venham? Pensei que você tivesse convidado eles. — Eu não. — O quê? — minha boca estava no chão. Lembrei-me da primeira noite em que conheci Caden. Ele tinha soado irritado por estar em uma fraternidade, mas desde então eu percebi que ele fazia tudo o que pediam. Ele estava presente quando a fraternidade fazia eventos, e se eles faziam uma festa, ele ia, mas ele me ligava mais tarde. Assistíamos filmes em seu galpão, enquanto a música soava da casa. Fiquei chocada ao ouvir que ele não queria que seus irmãos fossem. — Eu não os convidei, — disse eu. — Então quem foi? — Eu não sei. — ele pegou outra cerveja da geladeira, afundando de volta no sofá. Eu puxei um travesseiro no meu colo e abracei ao meu peito. Ele estendeu as pernas para fora, colocando-as na mesinha de café ao lado da minha. Eu engoli, sentindo sua perna encostando na minha. Meus dedos afundaram ainda mais no travesseiro, e eu me esforcei para não mover minhas pernas para cima dele. Eu poderia ter. Caden não teria se importado, mas me segurei. Eu queria mais. Esse pequeno toque não seria suficiente.

~ 160 ~


Senti meu corpo se aquecer então falei apressadamente. — Posso te perguntar uma coisa? — Desde quando você pede para perguntar alguma coisa? — ele sorriu para mim por cima de sua cerveja. Eu ignorei isso. — Você gosta de estar em uma fraternidade? Prendi a respiração, esperando ele mostrar algum tipo de surpresa com a pergunta. Eu não recebi nenhuma. — Não. Não gosto, mas não por causa deles. Eles são bons. Isso só não era minha primeira escolha. Eu não gosto de pertencer a ninguém. — Então por que você está aqui? Ele hesitou, me estudando atentamente antes de seu olhar se desviar. — Porque meu pai tem um grande negócio com esta fraternidade, e alguém tinha que se juntar para fazê-lo feliz. Eu não estava esperando isso. — Você se juntou por causa de seu pai? — E por alguém. Ele não disse mais nada, e este foi um daqueles momentos em que eu deveria ter lido os sinais. Eu deveria ter me calado. — Quem? — minha curiosidade estava me matando. — Nós podemos fingir que estamos em um jogo da verdade. Eu amo essas coisas. Continue. Pergunte-me qualquer coisa, e eu vou te dar uma resposta honesta. Mas eu tenho que saber. Por quem você está fazendo isso? Por favor, não diga que para uma menina que você amou desde o ensino médio. — Meu irmão. — Marcus? — Não. — ele riu suavemente em minha incredulidade. — O irmão de Marcus, Colton. — Você brigou com Marcus uma vez sobre ele, não foi? A noite em que você venceu o Kevin.

~ 161 ~


— Kevin achou que estávamos brigando por causa dele. Ele não tinha nada a ver com isso, mas ele entrou e disse a merda errada. Minha paciência já tinha se esgotado, então ele foi o alvo quando eu realmente queria bater em meu irmão. — Em Marcus? — Sim. — ele fez uma careta. — Eu nunca bati em Colton. Ele suavizou o tom e um olhar distante surgiu em seu rosto. Eu sabia que ele estava pensando em seu irmão, mas eu estava em uma missão. Eu queria mais informações. Caden não era o tipo que partilhava. Ele parava de falar e esquecia que estávamos tendo uma conversa. Ele me deixava esperando e começava a falar sobre outra coisa, ou apenas voltava a ver o jogo. Eu fui até a borda da minha cadeira e me inclinei para frente. — Por que não? — Por que não bati em meu outro irmão? Eu balancei a cabeça. — Ele vai para a faculdade em outro lugar? — Não. — seu tom não era apenas suave agora, ele estava cheio de pesar. — Ele está em casa. Ele não vai para a faculdade. Juntar-se à fraternidade de nosso pai era um sonho dele. Ele deveria fazer isso. Nosso pai teria ficado feliz. Colton ficaria feliz, e eu e Marcus também não teríamos tido que nos juntar. — Espera, quando você entrou? — Ano passado. — Quando você estava no segundo ano? Ele assentiu. Ele não estava olhando para mim mais. Eu não tinha certeza de que ele estava realmente na sala. Eu precisava deixar isso pra lá. Ele tinha me dado as pistas desviando o olhar, sua mandíbula apertando, dor como eu nunca tinha ouvido dele soar alto e claro. Meus instintos estavam me dizendo para calar a boca, mas eu não podia. Eu tinha essa necessidade ardente de saber mais sobre Caden. Eu precisava entrar lá, além de suas paredes, e eu queria entendê-lo. Eu queria ajudá-lo. Caden foi ferido, e eu queria tirar isso.

~ 162 ~


— O que aconteceu? — Ele foi atingido. Eu ainda empurrei. — Por quem? Caden voltou seu olhar para mim agora, e eu me senti marcada pela dor que eu vi. Seus olhos estavam duros. — Isso importa? — Não. — minha respiração ficou presa e segurei no meu peito. Eu queria ir com ele, mas eu também queria escapulir. Eu estava agitando sua dor, mas eu tinha que saber. — O que aconteceu, Caden? — Por que você quer saber? — Porque isso está te machucando. — O quê? Eu tomei uma decisão, embora eu não tivesse ideia de quais seriam as ramificações. Fiquei de pé, as pernas entorpecidas e o estômago apertado, e me movi para o lado dele. Ele se inclinou para trás, sua cabeça caindo para o sofá, e ele me observou. A necessidade de aliviar um pouco a sua mágoa superava o medo do que aconteceria a seguir. Engolindo com força, aproximei-me e me sentei sobre ele. — O que você está fazendo? Ele perguntou suavemente, ainda segurando sua cerveja. Peguei de suas mãos e deixei ao lado do sofá. Então eu fiquei lá. Ele teve que fazer o resto. Eu já tinha feito o primeiro movimento. Olhei para as mãos dele, sentindo-me como uma idiota. — O que aconteceu com seu irmão? — Por que você está empurrando isso? Olhei de voltar para encontrar confusão guerrilhando com necessidade em seus olhos. Ele não estava me afastando, então eu afundei ainda mais em seu colo. — Você não contou a ninguém sobre isso. — no era realmente uma pergunta, mas eu vi a confirmação em seus olhos. Meu peito apertou, pensando nos segredos que ele guardava. — Por favor, diga. — Não. — ele se moveu para frente, e eu me preparei, esperando ele me afastar. Ele não o fez. Suas mãos agarraram as costas das

~ 163 ~


minhas pernas e ele me levantou, então eu estava mais plenamente em seu colo. Eu podia senti-lo entre as minhas pernas, e os meus seios quase pressionaram contra seu peito. Eu esperei. Eu queria ver o que mais ele diria — Mas não porque eu não quero que você saiba, — ele acrescentou. — Porque não é o meu segredo para contar. É de Colton. Eu balancei a cabeça, meu estômago fazendo cambalhotas agora. — Isso faz sentido. Eu respeito isso. E lá estávamos nós. Suas mãos na minha bunda, e a dor em seu olhar se tornou algo mais escuro, algo que eu sentia muito, algo que começou a afastar todo o pensamento racional. — O que estamos fazendo aqui? — ele questionou, sua voz como uma carícia. Inclinei-me, meu olhar persistente em seus lábios. — Eu realmente não pensei nisso. — E agora? — Ainda não pensei a respeito. — Você está bem com isso? Naquele momento, a verdade explodiu em mim. Eu o queria. Eu queria isso - queria mais. Eu precisava disso. Eu não respondi. Fechei a distância entre nós.

~ 164 ~


M

eus lábios encontraram os de Caden, e eles eram tudo.

Eu derreti nele, minhas mãos se movendo sobre seu peito e braços. Eu senti como se estivesse me afogando enquanto nos beijávamos. Ele respondeu. Sua boca se abriu sob a minha, assumindo, e um tremor passou por mim. Eu afundei ainda mais sobre ele, quase moendo, e ele me puxou com mais força contra ele, mais apertado do que eu poderia ter conseguido. Então, antes que eu percebesse o que estava acontecendo, ele se levantou. Engoli em seco, passando os braços em volta do seu pescoço. Eu comecei a me afastar, mas ele murmurou, — Não, — e continuou a me beijar. Era estonteante. Meu corpo estava queimando, minha necessidade por ele se construindo. No momento em que ele me deixou em sua cama, eu não podia fazer nada além de apertar seus ombros. Arrastei-o para baixo comigo. Eu não poderia ter o suficiente dele. Eu não poderia ter o suficiente disso. — Summer. Sua mão veio ao meu braço, e eu parei, minha boca ainda na dele. Ele puxou a cabeça para trás para olhar para mim. Seus olhos escureceram novamente, e eu vi o desejo primal em seu rosto. Eu senti isso em mim. Espalhou-se por toda parte, como uma droga. Eu estava embriagada, e adrenalina bombeava através de mim, me fazendo precisam de mais e mais. Enfiei a mão sob a camisa, saboreando a sensação dele. Seus músculos duros se deslocaram sob o meu toque, e eu mergulhei, demorando em seu jeans. Meu polegar descansou sobre o botão. Se eu o abrisse, isso iria mais longe do que eu esperava. Eu me afastei e olhei para cima, segurando seu olhar.

~ 165 ~


Nós dois estávamos respirando pesado. Ele esperou, deixando-me tomar a decisão. Eu queria. Minhas pernas apertaram mais firmemente em torno de suas costas, e eu desloquei contra ele. Ele fechou os olhos com o contato. Quando eles reabriram, estavam dilatados como se ele estivesse drogado junto comigo. Meu coração batia forte no peito. A dor era quase um combustível. Eu nunca tinha sentido isso antes. Eu tinha perdido minha virgindade com o cara do 4-H, mas tinha sido doloroso e constrangedor. Eu não tinha gostado do sexo com ele, e então a única outra vez tinha sido com Kevin. Tinha sido um pouco mais agradável, mas não era nada comparado a isso. Apenas o beijo com Caden já era mais do que aquilo que eu senti ao fazer sexo antes. Minhas mãos foram para sua calça jeans, e o medo bateu em mim. Eu não estava pronta para isso. Isso poderia me quebrar. Eu não sabia se eu poderia voltar. Caden respondeu imediatamente. A única coisa que eu tinha feito era mover a minha mão, mas seu toque mudou. Tinha sido exigente e quente antes, mas ele mudou para suave e reconfortante. Ele deitou ao meu lado, descansou sua testa no meu ombro e soltou uma respiração profunda. — Puta merda, mulher. Deixei escapar uma risada estranha e aliviada, engatando na última nota. — Você disse isso. Sua mão alisou meu estômago, e ele a passou sob minha camisa, esfregando círculos reconfortantes lá. Fechei os olhos, deixando escapar um suspiro. Meu corpo inteiro estava relaxado, parecendo exausto como se tivesse corrido uma maratona. — Você está bem? Abri os olhos para encontrá-lo me observando. Eu balancei a cabeça. — Estou bem.

~ 166 ~


Em seguida, o lado de sua boca se elevou. — Ótimo, e só pra você saber, a qualquer hora que você quiser fazer isso de novo, eu estou dentro. Senti o canto da minha boca torcer, espelhando o seu. — Dentro? Uma promessa apareceu de repente em seus olhos, e sua mão mergulhou mais baixo, parando logo abaixo do meu jeans. — Você sabe o que eu quero dizer. Eu vou estar duro e pronto para ir em todos os lugares certos. Oh inferno. Eu precisava respirar. O quarto todo ficou muito mais quente, e me sentei, realmente me abanando. — Pare de falar. Você vai me fazer gozar apenas ouvindo você. Ele se inclinou, beijando meu ombro antes de se sentar comigo. Fechei os olhos. O rápido beijo de seus lábios na minha pele enviou uma emoção através de mim, reenergizando meu sangue já fervendo. Ele se moveu para se sentar na beira da cama, inclinando-se para frente para que seus cotovelos descansassem em seus joelhos, de costas para mim. Olhei para ele e sabia que minhas emoções estavam brilhando. Se ele olhasse para mim, ele teria visto tudo o que eu sentia. Podemos ficar físicos. Nós já tínhamos carinho e ficado de mãos dadas. Contanto que eu estivesse bem para ele, Caden estaria também. Mas se ele visse meus sentimentos, eu poderia perdê-lo. Eu tinha certeza disso. Ele namorou garotas que eram melhores do que eu. Quem era eu para competir contra elas? — Você está bem? — ele perguntou. Eu não podia perdê-lo. Ele olhou para trás e fechei os olhos. Quando os abri novamente, tudo se foi. Eu afastei tudo e eu sorri de volta para ele. — Além de me perguntar qual o termo feminino para bolas azuis é, eu estou bem. A luxúria voltou em seus olhos, e ele olhou para minha calça jeans. — Eu poderia ajudar a cuidar disso. Eu me mexi na cama. — Você é a razão de estar assim. — alarmes estavam soando. Esta era toda a razão pela qual eu me afastei. Caden estava bem com isso. Eu não.

~ 167 ~


Tossi, limpando a garganta, e me sentei ao lado dele. O lado da minha perna pressionou contra a dele, e eu senti ele me observando. — Eu estou bem. Sério. — Sim? — Sim. Ele abriu a mão por baixo da minha. — Nós ainda somos amigos? Meu coração torceu, e eu deslizei meus dedos ao lado dos dele. — Ainda amigos. — Ótimo. — ele deu um beijo na minha testa. — Porque eu realmente preciso de uma bebida agora. Vamos. Nós vamos sair. — Para onde estamos indo? — eu o segui para fora do quarto com as pernas bambas. Ele pegou sua carteira e chaves, jogando o último no ar e pegando. — Diego. — ele piscou para mim antes de sair. Eu não podia me mover, não de primeira. Bom Deus. Essa piscadela tinha ido direto para entre as minhas pernas, e eu tive que recuperar o fôlego. Esse cara tinha poder sobre meu corpo. Bem... não apenas meu corpo.

***

— Bem-vindos, mis compadres. Diego nos acolheu com os braços abertos assim que entramos em seu bar. Ele sorriu, usando jeans e um colete de couro sem nada por baixo. Logo antes de ter pegado Caden em um abraço, ele se mudou e passou os braços em volta de mim em vez disso. Ele piscou para Caden. — Você usou a porta da frente desta vez também. Estou comovido. — ele apertou seus braços em mim. — E você trouxe minha nova melhor amiga. Somos amigos agora. Caden franziu a testa, mas eu vi o seu lábio se contorcer. Ele estava tentando não rir. — Só não chegue muito perto.

~ 168 ~


— Oh? — Diego recuou e fez um ponto exagerado olhando de mim para Caden e vice-versa. — É assim agora? — sua sobrancelha subiu, junto com seu sorriso malicioso. Eu me soltei. — Não é. — mas foi. Trinta minutos atrás, na verdade. Diego se afastou. Sua mão curvada em torno das minhas costas. — Vamos. — ele fez um gesto para Caden para ir junto. — Vá pegar uma mesa. Eu vou levar a minha nova melhor amiga para o bar. Vamos beber doses. — Ela é menor de idade. — Então as doses não são para ela. — ele piscou para mim. Caden revirou os olhos e olhou para mim. — Eu vou pegar uma mesa. Eu balancei a cabeça. Eu precisava da brisa da noite para se refrescar. Diego deu um tapinha num dos bancos. — Suba. — ele deu a volta ao lado do bar, recusando um dos barmen. — Eu tenho um presente. Ele tirou algumas garrafas e as colocou na bancada. — Ok. Isso. — ele levantou uma garrafa de tequila. — Vou servir para Caden. Parece que ele precisa de algum incentivo adicional, se você sabe o que quero dizer. Ele piscou para mim, começando a servir. Eu não sabia o que ele queria dizer, e eu tinha medo de perguntar. Diego parecia ter um humor travesso. Eu temia o que viria a seguir. — Então. — ele limpou a garganta, terminando uma das bebidas. — Diga-me, querida, qual é o mais recente desenvolvimento entre você e meu amigo de longa data lá fora? — Um... Ele fez uma pausa, seu olhar intenso. — Você não sabe, ou você não quer me dizer? — Os dois. — eu sorri.

~ 169 ~


Suas sobrancelhas se arquearam. — Você é uma boa menina. Você é a única garota que ele trouxe aqui. Isso significa alguma coisa. Não me diga que não. — Significa... — eu tive que parar. — que Caden e eu somos amigos. Ele bufou, revirando os olhos bruscamente antes de começar a misturar uma segunda bebida. — Isso é mentira. Não me insulte. Eu posso dizer quando algo está acontecendo, e até um homem cego poderia ter visto a química entre vocês dois. Meus olhos se arregalaram. — Oh. — Então me diga, o que está acontecendo? Senti-me encurralada pelo olhar de falcão de Diego. Ele não tinha perdido nada, mas eu realmente não sabia o que estava acontecendo. Abri a boca, sem ter ideia do que estava prestes a sair, quando alguém esbarrou em mim de lado. — Barman! Pode nos fazer algumas doses? — uma garota perguntou. — Para mim e minhas amigas? — ela soluçou, então me notou. O braço dela estava quente e quando ela se virou, eu podia ver que seus olhos estavam vidrados. Seus lábios estavam inchados, e eu a reconheci como a menina que Caden tinha falado no meu dormitório. Eu endureci, procurando o cara com quem ela tinha estado, mas não o vi. Em vez disso, havia uma mesa com garotas atrás dela, as quais se pareciam com ela. Elas eram bonitas, cabelo e maquiagem feitos perfeitamente. A julgar pelos gritos, elas estavam bêbadas também. — Ei. — ela estendeu o lábio inferior para fora, olhando diretamente para mim. — Eu conheço você. Diego viu minha reação e usou o charme como uma distração. Seu sorriso se tornou mais suave. De repente, um forte sotaque saiu. — Quieres tiros, mi chinga? Ela olhou para ele, repetindo o que havia dito. Então ela sorriu. — Doses. Podemos? — Claro! Ela relaxou em seu tom morno. — Quantas? ~ 170 ~


— Oh. Um... — ela olhou de volta para sua mesa, seu dedo levantando para contar suas amigas. — Duas, três, cinco doses. Precisamos de cinco. — Qualquer tipo? — Sex on the beach. Ou blow job. Olhei através da porta traseira de vidro, mas eu não podia ver Caden. Se eu não podia vê-lo, ele não podia também. Como se sentindo meu desconforto, Diego colocou três copos na minha frente. Dois deles já estavam servidos. — Para a sua mesa, — ele me disse. Ele rapidamente derramou algo no terceiro copo. — Para mim, — explicou. Ele bateu no segundo copo. — Para você. — e ele piscou antes de ir para o fim do balcão do bar e alinhar cinco copos. A menina foi forçada a se mover com ele. Depois de pegar os três copos, acenei com a cabeça. Ele me deu uma segunda piscadela antes de encher o último copo. — Ta da! Aqui está. — ele anunciou para a garota enfeitiçada. Eu passei pela mesa de suas amigas. Uma vez fora, eu vi que metade da varanda estava vazia e imediatamente relaxei. Eu só esperava que essas meninas não fossem sair. — Você está bem? — Caden me olhou. Enfiei a sua bebida para ele, colocando a de Diego na frente da cadeira vazia. — Você tem uma amiga lá dentro. — Tenho? — Essa menina do meu dormitório, a que você conversando enquanto eu me trocava na noite de flamingo.

estava

Ele franziu a testa. — Quem? Ele não se lembrava. Eu apertei os lábios para não sorrir. — Eu não sei. Havia um cara também. — Oh, sim. — a compreensão amanheceu. — Jeremy alguma coisa. Ele é amigo de Marcus, não meu. — Você estava falando com eles. Ele deu de ombros, olhando para a porta. — Eles disseram olá. Eu precisava passar o tempo. Achei que uma conversa educada não faria mal. Diego não vai vir? ~ 171 ~


— Ele teve que fazer algumas bebidas primeiro. — Espere. — ele parou, seus olhos correndo até os meus. — Elas não estão vindo aqui, estão? O último nó no meu estômago desenrolou. Eu balancei a cabeça, incapaz de esconder meu sorriso agora. — Espero que não. Ele sorriu de volta. — É bastante desagradável com Diego, imagina com algumas meninas que Marcus conhece. Era melhor falar que nós estávamos indo aqui. Meu sorriso sumiu. As pessoas sabiam que já éramos amigos. Caden tinha estado em meu dormitório, pelo amor de Deus, mas a maneira como ele disse isso - era como se ele não quisesse que ninguém soubesse que estávamos saindo juntos aqui. Como se eu fosse um segredo. Tentei dizer a mim mesma que era por causa de Kevin, nada a ver com Caden, mas o nó no estômago apertou. — Você está bem? — Hã? — Você ficou quieta de repente. Isso não é normal para você. Forcei um sorriso. — Eu estou bem. Apenas... talvez cansada, é tudo. — Tem certeza? Ele se importava comigo. Tentei me lembrar disso. — Eu estou bem. — Meus amigos! Diego fez sua entrada, seus braços esticados para fora mais uma vez. Todo mundo na varanda olhou para cima, viram que era Diego, e voltaram para suas conversas. Alguns ofereceram saudações quando ele fez o seu caminho para a nossa mesa, mas uma vez que ele caiu em seu assento, era como a última vez que tínhamos estado aqui. Não houve nenhum constrangimento depois disso. Diego encheu o ar com histórias, e se ele ficava em silêncio por um momento, Caden começava uma nova. Diego rapidamente participava, assumindo o controle. Eu ri o tempo todo.

~ 172 ~


Algumas horas se passaram antes dos problemas começarem. Eu percebi isso mais do que qualquer outra coisa. Eu não ouvi as meninas se aproximarem. A varanda tinha enchido enquanto estávamos lá fora. Mas o olhar de Diego passou por meus ombros, e seu sorriso desapareceu. Seus olhos perderam seu calor, e uma batida mais tarde, eu ouvi aquela mesma voz de bêbada, mas desta vez ela não estava acontecendo. O ar se arrefeceu dramaticamente, e não era a temperatura. — Caden! O que você está fazendo aqui? — perguntou ela. Caden não foi hostil, mas seu sorriso desapareceu. — Estou aqui com meus amigos. Ela esperou, parada ali. Ele não disse mais nada. Então seus olhos caíram sobre mim e se iluminaram. Um calor falso escorria dela. — Oh meu Deus, você é irmã de Kevin Matthews, não é? Pensei reconhecê-la. — ela arrastou uma cadeira vazia de duas mesas para a nossa, desabando. Ela ficou logo do meu lado, pressionando seu braço contra Caden. — Eu moro em seu dormitório. Ela parou de novo, olhando em volta da mesa. Quando ela viu Diego, ela inclinou a cabeça para o lado, como se não o reconhecesse. — Você é o bartender, não é? Caden começou a rir. Diego limpou a garganta. — Sim. Eu sou o ajudante. — Oh. — sua cabeça balançou para cima e para baixo, o sorriso ainda estampado no rosto. Ela olhou de volta para Caden com um brilho em seus olhos, em seguida, voltou para mim. Algo ia acontecer. Algo de merda. — É verdade o que todo mundo está dizendo? Você realmente veio pra faculdade achando que você estaria com seu meio-irmão? Achei hilário quando ouvi. Quero dizer, isso também é meio doente, não é? Ele não é seu sangue, mas mesmo assim. Seu pai está fodendo a mãe dele. Isso deve ser nojento. Sim. Aí está. ~ 173 ~


Ela esperou por uma resposta minha, mas ela veio de Caden. — Vá se foder. Ele disse de forma baixa e calma, mas as palavras enviaram um calafrio nas minhas costas. Seus olhos se arregalaram. — Com licença? — Você veio para a nossa mesa para insultar minha amiga? — ele não se mexeu. Nem um pouco, e isso fez suas palavras soarem ainda mais frias. — Dê o fora dessa mesa. — a boca dela se abriu. Ele a cortou. — Eu não me importo quem são seus amigos. Se você não der o fora em cinco segundos, vou fazer minha opinião conhecida sobre você. Não posso garantir que você ainda tenha amigos depois disso. Diego levantou as sobrancelhas. Ele murmurou em voz baixa, — Droga. Caden o ignorou. — Eu não gosto de ser idiota, mas quando se trata de certos amigos, eu vou ser o pior que eu posso ser. Ele tinha falado isso pra ela, mas ela não se moveu. Diego se levantou e colocou as mãos em seus ombros. — Você deveria ir. Caden não faz ameaças bobas. Quando ele faz, ele segue completamente. Não o teste. Ele a afastou da nossa mesa. Eu estava atordoada. Ninguém nunca tinha feito algo assim para mim. Eu queria agradecer Caden, dizer alguma coisa para lhe mostrar o meu apreço, mas eu só poderia ficar de boca aberta para ele. Ele riu suavemente. — Não chore. Duas lágrimas se formaram nos cantos dos meus olhos. Limpeias e pisquei rapidamente. — Quem está chorando aqui? Eu não. Isso é para maricas. — Você não é maricas. — Bem, nós dois sabemos que você não é. Caramba, Caden. Ninguém nunca me ajudou assim antes. — eu me senti sufocado novamente. — Obrigada.

~ 174 ~


Ele encolheu os ombros. — Sem problema, mas talvez nós devêssemos ir. Eu não quero lidar com essa louca. Meu lábio se contraiu. — Sem dúvida. Elas são como assassinas em série. Eles sempre voltam. — Sim. Assim como assassinos em série. Nossos olhos ficaram presos enquanto sorríamos um para o outro, sentindo todos os tipos de sentimentos - emoções que talvez não devêssemos ter sentido. Ou pelo menos eu. Os olhos de Caden escureceram. Seu olhar era como uma carícia sensual, movendo-se sobre mim, enviando um formigamento e sensações em seu rastro, e me deixando excitada de todos os tipos. Imagens de nós em sua cama passou pela minha mente. Como eu estava sentada, montada nele. Como suas mãos agarraram a parte de trás das minhas pernas. Como ele me abraçou forte, então me puxou para cima dele. Como ele me levou para a cama, os nossos lábios tocaram, beijaram, explorando. Minha mão descansando em seu estômago, o modo como elas pararam em meu jeans, seu polegar aguardando a minha permissão. Eu me perguntava por que diabos nós tínhamos parado. — Você assustou aquela menina pra caralho. — Diego se jogou de volta em sua cadeira, colocando uma cerveja sobre a mesa. — Eu deveria saber. Eu tive que dar a ela três doses por conta da casa. Tossi, sentindo-me ser arrancada do meu casulo sensual. Tinha sido tão agradável e quente lá dentro. — Você deveria ter a deixado tentar, — disse Caden, se recuperando mais rapidamente do que eu. Diego pigarreou. — E te deixar falar com aquela menina de novo? Não, obrigado. Você pode não gostar de tê-las aqui, mas me congratulo com quase todos os clientes. E as meninas que se parecem com ela e bebem assim? Traga todas as suas amigas. — ele começou a levantar os braços, como se fosse fazer um anúncio, mas ele parou. Ele olhou entre nós. — Estou esquecendo de algo? — Não. — Caden se sentou para frente e deu um tapinha no amigo. — Vamos dar o fora. Acho que fizemos bastante dano essa noite. Seguindo sua sugestão, eu me levantei.

~ 175 ~


Diego permaneceu sentado, um olhar confuso em seu rosto. — Algo aconteceu. O que foi? O que eu perdi? — então um brilho apareceu. — Espere. Vocês estão— Indo para casa. — Caden tocou no meu braço, gentilmente me guiando na frente dele. — Eu vou deixá-la em seu dormitório e depois vou para minha casa. — as mãos dele desceram sobre os meus ombros, e eu quase pulei da minha pele. Ele estava me tocando, me segurando na frente dele. Ele me guiou para longe da mesa e para fora como antes. Nós estávamos indo. Era tudo. Tentei me dizer isso, mas quando Caden disse adeus a Diego e nos manobrou por entre as mesas restantes, eu só podia me concentrar na sensação de suas mãos. Seus polegares deslizaram por cima do meu colo e começaram a esfregar contra a pele lá. E ele estava bem atrás de mim. Eu podia sentir seu calor. Eu quase podia senti-lo. Se eu parasse, eu sabia que poderia me inclinar contra ele e ele me seguraria um momento. Quando chegamos a cerca, eu fiz exatamente isso. Fechei os olhos, inclinandome contra ele. Suas mãos caíram para a minha cintura. Logo ele iria me içar no ar, levantando-me sobre a cerca. Viria a qualquer segundo... mas isso não aconteceu. Ele ficou paro também. Seus dedos apertaram em volta da minha cintura. Prendi a respiração. Ele quebraria nosso contato a qualquer segundo. Ele soltou um suspiro suave, aquecendo a parte de trás do meu pescoço, e eu estava no ar quando ele me levantou e acabou. Minhas pernas tremiam quando ele saltou em frente, caindo na minha frente. Ele se mexia de maneira tão perfeita. Ele não ficou lá, como eu fiz com ele. Seus olhos nem sequer encontraram os meus, e eu fiz uma careta por um instante, mas então sua mão agarrou a minha e nós estávamos caminhando para seu veículo. Eu não disse nada quando chegamos no interior do Land Rover. Ele não se aproximou, ou pegou minha mão, então eu a mantive na minha perna, com a palma virada para cima. Ele poderia agarrá-la a qualquer momento que quisesse. Ele não o fez. Uma parte de mim doía pelo vazio, como se o peso da sua mão sobre a minha se tornasse natural, como a minha própria pele. Mordi o lábio, não sei como eu me sentia sobre isso. Bem, eu sabia como eu me sentia. Eu não sabia como eu deveria me sentir.

~ 176 ~


Quando ele parou em meu dormitório, eu murmurei, — Você realmente me trouxe de volta aqui. Ele franziu a testa. — Você quer voltar para o meu lugar? Eu não respondi. Eu não podia. Eu o queria, e eu sabia o que teria acontecido se tivéssemos ido pra lá em vez disso. Eu o beijaria, ou ele teria me beijado. Eu teria o deixado fazer um monte de outras coisas que ele estaria muito bem em fazer e eu não poderia suportar. Engoli em seco ao longo de um nó na garganta. — Não. Está certo. Eu... eu estou meio cansada de qualquer maneira. — mentirosa. Você está bem animada. Ele assentiu. — Nos falamos amanhã? Meu coração bateu contra meu peito. — Sobre o quê? — Sobre qualquer coisa. Será que precisamos de razões para falar um com o outro agora? — Não, — eu ri. — Eu estou sendo estranha novamente. Ok. Nós éramos amigos. Era isso. Amigos. — Ok, — eu disse. — Nos falamos amanhã. — Noite, Summer. Afastei-me, mas eu não poderia afastar essa sensação incômoda. Eu não tinha certeza se eu sabia ser apenas amigos mais.

~ 177 ~


F

inal de semana apocalipse zumbi.

em

família

começou

como

um

Pelo menos isso aconteceu em minha mente. A manhã foi normal, como qualquer outra manhã de sexta-feira. Eu acordei, fui para a aula, tomei café e um bagel antes de ir para a aula de Introdução à Fisiologia. Marcus não me olhou. Obrigada Senhor. Eu nunca soube o que estava acontecendo entre ele e eu. Estávamos fazendo progresso. Agora ele quase sempre me ignorava, o que era bom. Eu o ignorava de volta. Depois, trouxe Shayla comigo para almoçar com Avery e suas amigas. Claudia até sorriu para mim. Se isso tivesse acontecido uma semana atrás, eu teria considerado um sinal claro do apocalipse, mas eu tinha outras questões em mente agora. Caden, principalmente, mas também Sheila e meu pai ligaram cedo esta manhã. Eles estavam chegando, e assim como muitos outros, o que logo se tornou aparente. Fui à biblioteca com Shayla para uma sessão de estudo, e quando saímos, pais estavam em toda parte. As pessoas estavam se abraçando. Mães chorando enquanto os pais ficavam de lado sem jeito. Pais gritavam. Outros gritavam suas reuniões. Logo eu estava de volta ao meu dormitório, pronta para meus próprios pais abraçarem/chorarem/gritarem. Alguém bateu na minha porta, e eu estampava um sorriso de boas-vindas ao abri-la. Era Kevin. Meu sorriso desapareceu. — O que você está fazendo aqui? Ele me deu um sorriso torto, passando a mão pelo cabelo. — Mamãe ligou e disse para nos encontrar aqui. — ele entrou, com as mãos nos bolsos, e olhou ao redor. — Aqui é legal. Você não terminou com uma companheira de quarto este ano, huh?

~ 178 ~


Olhei a porta. Fechar ou não? Gah! Eu teria feito tudo por isso há algumas semanas. Fechar a porta, ficar no meu quarto com Kevin, esperar que alguém fizesse um movimento... isso parecia tão longe, e não muito longe. Esse maldito buraco dentro de mim começou a queimar novamente. Deixei a porta aberta e sentei-me à mesa. Kevin continuou olhando em volta do lugar como se ele fosse o inspetor de saúde. — Você sabe o que sua mãe planejou para esta noite? — eu perguntei. Ele me lançou aquele sorriso devasso novamente. Fiz uma careta. Ele se sentou na minha cama e afundou para trás para se encostar na parede, as pernas estendidas por toda a minha cama. Bem, sinta-se em casa. — Você conhece a minha mãe. Ela vai ter algo elaborado. Eu estou supondo jantar hoje à noite e entradas exclusivas para o jogo de futebol amanhã. — Oh, isso é certo. — O que é certo? — Eu esqueci que tínhamos uma equipe de futebol. — Fim de semana em família geralmente coincide com os jogos. O jogo de futebol é um grande negócio. — Huh. — agora eu me lembrava de Caden falando sobre o jogo. — Isso faz sentido. Havia um monte de pessoas a mais no campus hoje. — Eles farão um monte de reuniões neste fim de semana também. É meio que um dia libre para todos, mas há atividades de pais e familiares planejadas. — ele se inclinou para frente. — Você sabe sobre a grande refeição matinal antes do jogo de amanhã, certo? — Uh... — Seu consultor residente deveria ter te contado sobre isso. Avery e eu tínhamos outras coisas para falar. — Está tudo bem. Vou procurar. Eu tenho certeza que há informações online. Posso imprimir um itinerário.

~ 179 ~


— Você tem que reservar bilhetes antes do tempo. — Oh. — eu olhei para baixo. — Talvez a gente não devesse mencionar o café para Sheila. — Que café? — ela perguntou da porta. Muito tarde. Ela e meu pai tinham aparecido, bolsas de mercearia em seus braços e no chão a seus pés. O final de semana em família tinha começado oficialmente. Saudei-os de braços abertos, e depois dos abraços, Sheila sorriu para nós. Meu pai começou a trazer as sacolas, e ela disse, — Ok, nós temos uma reserva para jantar em trinta minutos, mas queria vir aqui primeiro e deixar tudo aqui. Kevin espiou uma das sacolas. — Alguma coisa aqui é para mim? Ela golpeou sua mão. — Talvez. — Talvez? — Você vai me dizer onde você está vivendo? Ele congelou. — O que você quer dizer? — Eu sei que você não está na casa da fraternidade. Liguei para lá uma manhã perguntando de você. — Oh. Merda. Ele não disse isso, mas eu ouvi. Sheila não achou graça. Ela cruzou os braços sobre o peito. — Então, onde você esteve? — Uh... — Isso é o que eu pensava. — ela descansou um braço em volta dos meus ombros e me puxou para um lado abraço. — Pelo menos com esta, eu sempre sei que ela está segura e não morando com algum namorado que ela não me contou. Kevin lutou contra um sorriso.

~ 180 ~


Tossi e dei um passo para frente, desengatando-me de Sheila. — O tráfego pode estar péssimo. Nós não queremos nos atrasar para esta reserva, não é? A reserva era em um restaurante elegante. Todos os garçons usavam rosa, assim como a anfitriã, que nos levou até a mesa. Ela também tinha uma queda por Kevin, flertando e sorrindo timidamente para ele. Quando ela teve que voltar para sua posição, sua mão arrastou por cima do ombro. Ele olhou para trás, dando a ela um sorriso secreto, que não era segredo. Eu vi. Ela voltou, e quando ele olhou para a mesa, seus olhos foram direto para os meus. — Você está falando sério— perguntei. — O quê? — ele pegou seu menu. Sheila olhou entre nós dois. — O que está acontecendo? Eu a ignorei. — É a marca de cinco meses? — Do que você está falando? — Você sabe. — dei de ombros. — Não está muito cedo? Você ainda tem mais dois meses, não é? Talvez a minha contagem esteja errada. Quando você mudou para a casa de Maggie mesmo? Sheila suspirou. — Isso é o que eu estava preocupada. Kevin olhou para mim. Ele falou ao redor dos dentes cerrados. — Você pode calar a boca, por favor? Essa não é a hora. — Quando é? Ele se inclinou e sussurrou: — O que deu em você? — seus olhos se estreitaram. — Ou talvez eu devesse perguntar quem deu em você? Peguei meu menu. — Oh, certo. Eu esqueci como você sempre vai para as insinuações sexuais porque acontece de eu ser amiga de outro cara. Amigos, Kevin. AMIGOS. Eu estou soletrando porque eu sei que é estranho. É um tipo de relacionamento onde você não fode a outra pessoa. Mas existe, você sabe. — Pare com isso. — Ou talvez você realmente não saiba. Você já saiu com uma menina e não pretendeu abaixar suas calças em algum momento? — Com você.

~ 181 ~


Prendi a respiração. — Nós dois sabemos como isso acabou. Idiota. Eu podia sentir o silêncio em torno da mesa como um peso de duas toneladas. Meu pai estava aqui. A mãe de Kevin estava aqui - a mulher que tinha me criado e me amado. Que imbecil. Eu empurrei para frente, pronta para entregar uma réplica quando meu pai interrompeu. — Eu acho que isso é o suficiente de vocês dois. — Sim. — Sheila concordou. — O que deu em vocês? Vocês nunca falaram assim um com o outro em casa. — Porque nós nunca conversamos. Eu mantive minha boca fechada, mas Sheila parecia surpresa com a declaração de Kevin. — O que você quer dizer? — Summer e eu. Nós não conversamos. — Por causa de você, — eu acrescentei. Sim, a intenção de calar a boca tinha sido uma boa... Ele me olhou, sentando-se na cadeira. Eu me senti como se estivéssemos duelando. Eu ia na dele. Meu sangue se tornou mais aquecida a cada segundo. — Você está brincando comigo? — Pareço estar brincando? — perguntei. Sua mandíbula apertou. — Você sempre parece estar meio brincando ou meia enlouquecendo, então sim. Você meio que parece. — Kevin Jamison Matthews! — o punho de Sheila desceu sobre a mesa. — Peça desculpa agora à sua meia-irmã. Ele não o fez. Ele estreitou os olhos e se virou para se dirigir à sua mãe. — Essa é a coisa, você nunca me deu uma escolha quanto a saber se eu queria uma meia-irmã. Estou assumindo que ela nunca teve uma escolha sobre um meio-irmão ou - ou mesmo uma madrasta — ele se virou para meu pai, que estava sentado estoicamente. — E sem ofensa, senhor, mas eu nunca quis um novo pai. Eu tenho problemas suficientes com o meu atual.

~ 182 ~


— Levante-se e saia agora. — foi um comando calmo por parte de Sheila, e causou arrepios em minhas costas. Eu não disse uma palavra. Meu pai ainda não tinha falado nada. Esperamos para ver o que Kevin iria fazer, porque isso havia se tornado uma troca entre mãe e filho. Kevin esperou mais de cinco segundos, sustentando o olhar de sua mãe, antes de puxar o guardanapo de pano de seu colo. Ele o colocou em seu prato. Empurrando a cadeira para trás, Kevin não disse mais uma palavra ou olhou para nós quando ele se levantou e saiu. Eu estava segurando a minha respiração desde o comando de Sheila. Soltei lentamente agora, piscando algumas lágrimas surpreendentes. Ela soltou uma risada trêmula. — Isso estava fervendo por um tempo, e eu peço desculpas— Pare, Sheila. — meu pai limpou a garganta, cruzando as mãos sobre a mesa. — Ele tem razão. — O quê? Você acabou de dizerEle interrompeu novamente. — Os dois estão certos, e o que estávamos pensando? Nós acabamos de nos casar, Sheila. Nós não os avisamos, ou demos a eles tempo para se acostumarem com a nova configuração. Eles se encontraram uma semana antes de nos mudarmos, e ele está certo sobre o primeiro ano. Eles mal se falaram. Todo mundo quase não se falou. Os únicos que se falaram era eu e você. Ele virou para mim. — Eu deveria saber. Você foi tão quieta naquele ano, mas você sempre foi quieta. Pensei que estivesse sentindo falta da sua mãe. Eu não achei - não, eu não queria pensar. Eu apenas decidi que você estava bem, então eu não pensei sobre as questões não resolvidas. Sinto muito, querida. Pisquei mais lágrimas. Esse buraco foi rasgando dentro de mim. Minha mãe... uma onda de saudade caiu sobre mim. Eu podia ouvir sua voz. Eu estava lá, segurando a mão dela no hospital. Senti seus dedos escovarem meu cabelo para trás enquanto ela disse suavemente, — Você não só vai ter uma grande vida, Summer. Você vai crescer. Sei que vai ser melhor do que o seu pai ou que já fomos. Meu coração começou a correr, muito rápido.

~ 183 ~


Eu não podia - ele estava pressionando em minha garganta. Eu senti como se estivesse sendo sufocada por dentro. — Você está bem, querida? — a mão de Sheila desceu sobre a minha, aquecendo-me. Eu balancei a cabeça, escovando as lágrimas. — Estou bem. Eu, uh - — eu olhei para o meu pai. — Eu sinto falta da mamãe, isso é tudo. Sheila ficou em silêncio. Lágrimas brotaram nos olhos de meu pai, e minha garganta se fechou com a visão. Eu me virei. Eu não queria chorar. Sentia falta da minha mãe todos os dias, mas eu não podia me deixar pensar nela. Se eu fizesse? Cataratas do Niágara. Limpando a garganta, eu sequei meus olhos e balancei a cabeça. Esse buraco - precisava fechar. — Antes de realizar uma vigília à luz de velas aqui e agora, podemos lidar com a coisa de Kevin? — Isso é o que eu sou? Uma coisa pra ser lidada? Kevin tinha retornado. Ele fez uma pausa antes de puxar a cadeira para fora. Acenei para seu rosto. — Oh bom. Sua carranca voltou também. — Summer! Desta vez, a reprimenda veio do meu pai. — O que há com você? — Ok. — Sheila estendeu as mãos no ar. — Já chega. É óbvio que a nossa família tem algumas preocupações no ar, e eu acho que nós devemos ter a nossa primeira reunião de família. Temos uma suíte. Podemos falar sobre isso no hotel, mas podemos desfrutar de uma refeição primeiro? Kevin ainda não tinha se sentado novamente. Ela apontou para a cadeira. — Você pode se sentar? Você pode ser civil pela próxima hora? Pegando o guardanapo de pano, ele o colocou de volta em seu colo e olhou para mim, um olhar gelado em seus olhos.

~ 184 ~


Isso teria me assustado pra caralho há três meses. Mas agora, eu apenas sorri para ele e puxei meu guardanapo do meu colo. Segurei-o no ar entre nossas cadeiras antes de deixar cair no chão, e eu levantei meu queixo, meu sorriso reforçado. Se ele queria lutar, eu estava dentro. Eu não tinha problemas em discutir com ele, embora meu estômago fizesse todos os tipos de ginástica. Ele bufou. — Sério? — O quê? Escorregou. Ele balançou a cabeça, recostando-se em seu assento. — É isso que você tinha imaginado para o jantar de família, mãe? Sheila franziu a testa para nós. — Não exatamente. — ela pegou o menu e deu a nós dois um olhar significativo. — Que tal pedir? Ok? Nós fizemos exatamente isso. Após o pedido, todos nós fizemos questão de ser educados enquanto falamos e comemos durante a próxima hora. O trabalho do meu pai estava indo bem. Ele estava sendo promovido para o nível abaixo do CEO da empresa. O último turno de Sheila tinha sido difícil. Eles perderam um paciente. Kevin falou um pouco sobre Maggie, que o pai dela era dono do hotel onde Sheila e meu pai estavam hospedados. Todo mundo ficou surpreso com isso, mas ninguém perguntou mais nada sobre Maggie. Então, todos os olhos se voltaram em minha direção. Era a minha vez de confessar algo. Eu poderia ter dito que minhas aulas estavam indo bem. Eu tinha conseguido notas altas em todos os meus testes até agora. Metade do semestre estava chegando em duas semanas. Havia o flamingo para mencionar, ou o fato de que eu estava me tornando amiga da minha conselheira residente, a Avery que eles conheceram. Mas, considerando o meu público, eu decidi ir para outra rota. Nós tínhamos acabado de comer, mas talvez não comeríamos sobremesa. — Um cara que eu sou amiga bateu em Kevin, — eu anunciei. — Duas vezes. A cabeça de Sheila disparou para frente. — O quê?! Ouvi meu pai puxar uma respiração. — Você está zoando comigo? — Kevin rosnou.

~ 185 ~


— Querido, alguém bateu em você? — Sheila perguntou a Kevin. — Summer. — eu podia ouvir meu pai me chamando do outro lado da mesa. — Sim, mãe. Mas eu estou bem. — Summer. — Por que você levou um soco? — Sheila parou por um momento. — Você o acertou de volta? — Summer. Olhe para mim. — Eu estou bem, mãe. Eu realmente estou. Ele não me bateu uma segunda vez. — Quem é esse cara? — Uma segunda vez? Houve duas ocasiões separadas? — Summer, me responda. — Mãe, eu estou bem. Eu juro. Ambas as vezes foram minha culpa, de qualquer maneira. — Você está namorando esse cara? — Sua culpa? O que você fez? — Olhe para mim. — Eu não fiz nada. Bem, eu poderia ter dito algumas coisas que eu não deveria ter dito. Meu pai ficou em silêncio, parecendo desistir, mas eu senti seu olhar no topo da minha cabeça. Eu torci minhas mãos no meu colo. — Você estava sendo um idiota, você quer dizer? — Sheila se sentou contra a parte traseira de sua cadeira com um baque. — Por que não estou surpresa de ouvir isso? ~ 186 ~


Kevin bufou. Olhei para a minha madrasta. — O que você quer dizer? — O que, querida? — ela olhou para mim. — Você não está surpreendida por Kevin ser idiota. Por que você diz isso? Você diz isso como se fosse uma coisa normal. — eu olhei para ele. — Isso é normal? Seus olhos fecharam e sua mão formou um punho na mesa. Mas então seus ombros levantaram em uma ingestão de ar, e ele forçou as mãos sobre a mesa. — Houve problemas antes de você e seu pai se mudar, sim. — Kevin! Ele ignorou sua mãe. — Quando você se mudou, esses problemas foram empurrados de volta. — Não, não foram, — Sheila respondeu. — Eu não tinha ideia de como você se sentia. Ele olhou para ela agora. — Você sabia. Eu gritei com você na noite em que me disse que eles estavam se mudando. Ela atraiu uma respiração sibilante. Ela tinha torcido guardanapo de pano em um nó, os nós dos dedos brancos. — Não houve gritos— Houve, mãe! — ele bateu na mesa. — Eu estava gritando com você. Eu gritei como uma criança de quatro anos. Eu estou admitindo isso. Por que você não admite? Ela se virou. — Porque não é verdade. Kevin balançou a cabeça. — Isto é ridículo. Você não pode sequer admitir a realidade. — ele considerou meu pai e eu. — Eu não queria que vocês se mudassem. Eu não queria que minha mãe se casasse novamente. Eu não queria uma nova irmã. Eu sinto muito. Não é nada contra vocês dois, mas ela tinha acabado de se divorciar do meu pai há seis meses, e eu sabia que, se duas novas pessoas se mudassem para a casa, todo o resto estaria para trás. E isso é exatamente o que aconteceu. Tudo era tudo sobre seu novo marido, tornando tudo muito bem com seu novo casamento, e quando ela sentiu que era estável o suficiente, ela mudou para a nova filha. Essas palavras me deram um soco no peito.

~ 187 ~


Ele suavizou o tom. — Eu sinto muito. Eu realmente sinto. Eu ignorei vocês dois naquele ano. Ignorei tudo naquele ano. Eu não queria lidar com o que ela tinha feito comigo, me empurrando como se eu fosse um fardo para ela. Ele se concentrou em sua mãe novamente. — Eu não era um fardo para você. Seu casamento fracassado era, e você descontou isso em mim. Quando seu casamento com ele falhar, não desconte em Summer. Ela já perdeu uma mãe; ela não deve perder uma segunda. — Kevin! Eu nunca iria- — ela começou duramente, mas sua voz tremia. Ele a cortou com um movimento rápido de sua cabeça. — Você iria. Colocando as mãos sobre a mesa, ele olhou para o meu pai. — Você parece ser um grande pai. As coisas têm sido distantes entre nós, mas não deixe que ela machuque a sua filha a maneira como ela machucou seu filho. Ele parou. — E eu tenho que sair. Sinto muito, mãe. Nada de reunião de família para mim esta noite. O que eu tenho a dizer é entre você e eu - e seu ex-marido, que ainda é o meu pai, se você não se esqueceu. Ele ainda é meu pai. Sheila piscou, tentando conter as lágrimas quando seu filho se afastou. Ela não se levantou e foi atrás dele. Ela nem sequer o observou ir. Ela se sentou para frente, lágrimas escorrendo pelo seu rosto, olhando para algo além de nós. Minha madrasta nunca pareceu tão perdida. Eu não sabia o que dizer, então eu não disse nada. Sentei-me ali, e depois de mais alguns segundos de silêncio, meu pai murmurou, — Summer, vamos te dar uma carona de volta. Sheila e eu precisamos ir para o hotel. Parece que temos algumas coisas a discutir. Eu levantei. — Não. Tudo bem. Eu posso ligar para um amigo. Vocês podem conversar. — Tem certeza? — sua mão cobriu a minha. Ele apertou. — Sua mãe, sua madrasta, e eu te amamos muito. Eu não quero que você se sinta como um fardo. Sheila não conseguia parar as lágrimas agora. Ao ouvir as palavras do meu pai, elas rolaram livremente.

~ 188 ~


— Eu sei, pai. — eu senti minhas próprias lágrimas se construírem. Eu cobri sua mão com a minha e apertei. — Eu nunca me senti assim. — Ótimo. — sua voz tinha ficado rouca, e ele parecia estar lutando quando ele sorriu. Ele apertou minha mão mais uma vez. — Ótimo. — Eu, uh, já vou. Vou pegar uma carona. Eu dei aos dois um sorriso tranquilizador, mas isso não importava. Sheila parecia quebrada. Foi a primeira vez que eu vi a minha madrasta que não fosse borbulhante e feliz. Isso me rasgou, mas quando eu saí e vi Kevin, eu sabia que ele estava quebrado também. Ele estava esperando na calçada, as mãos nos bolsos, os ombros caídos para frente. Ele olhou para o chão, e eu podia ver o menino dentro dele, a quem tinha sido ferido por sua mãe. Tomei uma respiração. Ele olhou e fez uma careta. — Ela nunca quis falar sobre ele, e eu finalmente estalei hoje. Eu ergui um ombro. — Você ainda é um idiota traidor, e você foi um idiota lá dentro, mas eu fui uma cadela primeiro dessa vez. — Você não é uma cadela. — Eu fui hoje. Ele sorriu. — Talvez você devesse ser mais vezes. — O que você quer dizer? — Você gosta de brigar, não é? Dei de ombros. — Não por uma boa razão. Eu realmente não sei por que eu fiz aquilo. Ele riu, mas parecia triste. — Eu seu. Você ficou puta por eles não quererem falar. Sua mãe morreu, e eles mal falam sobre ela. Meus pais se divorciaram, e minha mãe age como se meu pai não existisse. Eu descontei a minha raiva em você, em vez de me concentrar nela desde o início. Eu realmente sinto muito, Summer. Meu coração se sentiu arrastado por todo o lugar. — Eu gosto da sua mãe.

~ 189 ~


Uma segunda risada veio dele, esta um pouco mais leve. — Eu também, mas ela não queria lidar com o divórcio, e ela precisa. Isso está me machucando. Ela não pode varrer isso para debaixo do tapete. Eu a deixei fugir com isso, e isso é sobre mim. Falar com ela não funcionou. Gritar não funcionou. Então, eu tentei ignorá-la. Ignorei toda a situação. — ele bufou novamente. — Nós dois sabemos onde isso acabou - você e eu na cama, porque eu finalmente te notei naquela noite, e eu não estava pronto. Olhei para cima para encontrá-lo olhando para mim. Havia um olhar em seus olhos que eu não tinha certeza se queria ver. Minha boca secou. — Eu não estava preparado para você quando eu te vi, quando eu finalmente vi você, — ele disse suavemente. Seu pomo de adão subia e descia. — Você quis dizer aquilo? O que você disse sobre Banks - ou você realmente gosta dele? Eu... não estava preparada para essa pergunta. Eu chutei o chão, sem saber o que dizer. — Ou você estava tentando conseguir uma reação minha? O canto da sua boca levantou. Ele poderia tomar isso como a resposta. Ele soltou um suspiro. — Eu perdi minha chance com você, não foi? Isso era o que eu queria, por tanto tempo. Aqui - bem na minha frente. Olhando para mim. Essas palavras... meu peito se apertou. Eu só podia engolir um caroço na minha garganta. — Você está dizendo isso para mim agora? — eu não queria ouvir isso, mas eu não sabia por quê. Não se tratava de nenhum sentimento por ele. Era outra coisa... — Eu sei. Mau momento, certo? Eu não podia. Eu só não podia. — Leve de volta. — O quê? — Leve de volta. O que você acabou de dizer, leve de volta. Digamos que você não quis dizer isso. — meus pulmões queimavam. — Digamos que você está apenas fazendo o que você faz. Você está brincando comigo. Você está testando ver se eu ainda tenho

~ 190 ~


sentimentos. Que você não queria dizer isso, e na verdade você está sendo cruel. Realmente, verdadeiramente cruel agora. — Eu não estou— Diga! Um carro parou na nossa frente. A música soou das janelas, e a voz de Maggie veio de dentro, — Kevin? Ele continuou a olhar para mim. Eu não conseguia desviar o olhar. — Ei! Em seguida, ele murmurou, — Eu não posso mais mentir. Eu não posso levar de volta. Ouvi um som sibilante quando todo o ar deixou meus pulmões. Kevin contornou o carro e entrou no lado do passageiro. Ele nunca olhou para Maggie. Seus olhos seguraram os meus o tempo todo, e até mesmo quando ela se afastou, ele me olhou. Senti um vazio no meu peito, que era do tamanho de um oceano. Eu acho que tinha estado lá o tempo todo.

~ 191 ~


E

u poderia ter ligado para Avery. Eu deveria ter, mas não o fiz. Caden disse que estava voltando para casa, então ele parou na minha frente, dez minutos depois.

— Sim. Estou repensando nisso agora, — eu disse a ele. Suas sobrancelhas levantaram. — Nisso? — ele apontou entre nós. — Nós? — Ligar para você. Ele me fez sinal para entrar. — Vamos. Vamos voltar. Depois que eu entrei e ele se afastou, eu não pude deixar de perguntar: — Você está repensando sobre nós? — Nossa amizade? — Claro. — coloquei minhas mãos atrás de mim. — O que mais há para repensar? Ele me estudou por um momento antes de parar em um cruzamento. Ele não respondeu, não todo o tempo que levou para chegar a sua casa. Nós fomos para dentro, e ele foi andando para o seu quarto. Sua cabeça se virou para mim, e eu vi o sorriso provocante. — Eu não tenho certeza do que você entende por repensar, mas eu estava esperando mais uma rodada. Você está no jogo? Sim. Eu definitivamente liguei para a pessoa errada. — Eu acho que Kevin tem sentimentos por mim. — Porra. — ele se virou e foi para o quarto. — Agora eu entendo a sua deriva. — Devo ficar? Ele fez sinal para eu o seguir. — Certo. Finja que eu sou sua namorada. Chame-me de Carrie esta noite.

~ 192 ~


— Você está falando sério? — Não. — Oh. Ele suspirou enquanto eu me sentava na frente dele. — Então, o seu meio-irmão admitiu, huh? Havia nós em abundância no meu estômago, mas eu tinha que falar com ele. Avery era uma amiga, mas Caden era... mais. Eu não sei o que mais, mas eu queria estar aqui, com ele, tê-lo me ouvindo. Eu balancei a cabeça e derramei tudo. Eu estava falando sobre Kevin, mas ele não era o que eu realmente queria falar. A outra coisa que me assustava. Eu não sabia se eu poderia falar sobre isso. Minhas mãos entrelaçaram no meu colo, e eu tinha formado uma nova pose de ioga no momento em que terminei. — O que você acha? — perguntei. — Você me ligou. — Sim. — Você me disse essas coisas. Eu não tinha certeza se eram perguntas, mas balancei a cabeça novamente, apenas fui com ele. — Tenho certeza que sim. — E você sabe que eu não sou um mentiroso. — É parte do seu charme. — eu acenei a mão para ele. — Isso completa todo o fator de intimidação. Também faz as meninas molharem as calcinhas por você. Que nem sequer o perturbei. Ele não piscou. — Então, eu vou dar a minha opinião honesta. — Oh. — agora eu podia ver onde isso ia dar. — Ok. Sim. Seja direto. — Que porra você está fazendo? — O quê? Ele se levantou para pegar uma cerveja, colocando uma na minha frente, bem quando ele voltou. — É por isso que você veio para mim. Você sabe que está sendo uma idiota, então pare de ser uma idiota.

~ 193 ~


— Como estou sendo uma idiota? — Por que você está falando comigo sobre o seu meio-irmão idiota? Você poderia ter tido sentimentos por ele antes, mas eu conheço você. Isso já está muito longe, então o que está realmente acontecendo aqui? Meu lábio se contraiu. — O quê? — Esse costumava ser o meu nome para você. Idiota. — eu suspirei, tomando um gole da minha cerveja. — Eram bons e velhos tempos. — Esse nome combina melhor com Kevin. — É um termo carinhoso agora para mim. Ele fez uma careta. — Sério? Você quer perder seu tempo falando sobre ele? Bem. Vou ceder. — ele revirou os olhos. — Eu aposto $500 que ele terá uma nova garota no próximo mês. — Isso é a uma semana de distância. — Minha aposta ainda está de pé. E essa menina não vai ser você. Ele vai se mudar. Eu fiz uma careta. — De Maggie? Ele encolheu os ombros. — Estou assumindo que sim. Ele quer uma reunião. Ele vai pedir para voltar. — Você tem certeza? Quero dizer, você tem certeza que é o que ele vai dizer? — Ele tem que dar uma razão para uma reunião, e uma vez que ele não foi oficialmente expulso, temos que deixar a reunião acontecer. Ele estava deixando Maggie... não, ele estava saindo da casa de Maggie. Por que eu não queria que ele fizesse isso? Eu torci meus dedos s. — Você vai deixá-lo voltar? — Eu? Porra, não. Os caras? Provavelmente. Nós somos bons em segundas chances aqui. Um monte de caras são presos por coisas estúpidas. — Se ele se mudar, significa que eles estão terminando.

~ 194 ~


— Exatamente. — seus olhos endureceram. — Não me diga que estou errado e você está esperando ser a próxima garota. Você parecia um esquilo faminto que viu a sua primeira nozes. Fiz uma careta. — O quê? Não, eu não. Ele suspirou em desgosto. — Ele não vai se casar com você. — Eu não quero me casar. Eu não quero nada. Eu o superei. — Bem, alguma coisa está acontecendo com você. — ele gemeu. — Não saia com ele. Ele é um cara de seis meses. Ele namora uma menina— Eu sei. Minhas mãos estavam embrulhadas com tanta força em torno de si, que um clipe de papel não poderia afastá-las. Ele estava certo. Deus, ele estava certo. — Eu não tenho sentimentos por Kevin. Meu peito queimou. Eu senti o vazio abrir ainda mais. — Certo. — seu tom de voz suavizou. — É por isso que você parece querer chorar. — Eu estou chorando por causa do esquilo. — Summer. — Deve ter ficado com tanta fome. Fechei os olhos e balancei a cabeça. Chega de bobagem. Um sentimento diferente desceu sobre nós, e eu tinha que ser honesta também. Minha garganta estava crua. — Eu não tenho sentimentos por Kevin, mas... — eu não sabia o que dizer. Eu nem sabia o que estava acontecendo comigo mesma. Eu apenas sentia essa dor dentro de mim. Era tão profunda, indo até o meu núcleo. Eu não podia sentir isso. Falar sobre Kevin. De alguma forma, ajudou a cobrir isso. — Ele era o cara popular. Eu não era ninguém. Toda menina o queria, mas ele era meu meio-irmão. Eu pensei que era para ser. O destino nos colocou juntos. Eu tinha tanta certeza disso. Quer dizer, o que mais poderia ter sido, certo?

~ 195 ~


Eu ri, então me encolhi, ouvindo quão idiota isso parecia. — Eu esperei. Eu apenas continuei esperando. Ele tinha uma namorada, depois outra, e ele estava com uma terceira quando ele foi para a faculdade. Era como se ele não pudesse suportar ficar sozinho. Elas sempre tinham que estar com ele na casa, mas na minha noite de formatura... Eu estava lá com a roupa da graduação. Meu chapéu estava com a borla pendurada na minha frente. Quando o vi se esgueirar pela porta de trás, meu coração tinha se espremido. Eu apenas sabia. Ele estava lá para mim. Isso significava alguma coisa. — Ele veio sozinho. Isso significava que ele não tinha uma namorada. E naquela noite... nós estávamos no corredor. — eu estremeci, lembrando disso claramente agora. — Eu era a única ali parada estupidamente. Eu continuei olhando para ele, e ele olhou para trás. — o quarto dele estava atrás de mim. — Mas ele estava apenas esperando para ir para o seu quarto. Isso era tudo o que ele estava fazendo. — meu quarto era só subir as escadas atrás dele. — Eu estava bêbada, e eu apenas fiquei olhando. — então ele me tocou no ombro. — Eu pensei que ele estava fazendo um movimento. — a mão dele roçou meu ombro, mas eu fechei a distância. Eu senti algo mais naquela noite, uma dor que eu não compreendia. Eu não poderia compreender. — Eu o beijei. Eu fiz o primeiro movimento. Ele apenas- — ajudou a encobrir esse vazio em mim. — Levou vantagem de você. — Não. Ele tinha bebido. Nós dois estávamos bêbados. — Você estava bêbada. — Então ele— Matthews não bebe para ficar bêbado. — O quê? Caden sacudiu a cabeça, raiva aparecendo em seus olhos. — Ele bebe uma ou duas. E pronto. Eu nunca o vi bêbado, ou ouvi falar sobre ele estar bêbado. — Nunca? — minha boca estava seca. — Nunca. — sua mandíbula apertou. — Ele segura uma bebida a noite toda porque ajuda a soltar as meninas. Se elas acham que ele está bebendo...

~ 196 ~


— ...então elas bebem. Ele segurou uma cerveja a noite toda na festa de formatura de Clarissa. — Eu pensei que ele tinha uma nova cerveja toda vez que o via. — minha mão tinha escovado contra ele quando ele a colocou no balcão antes de sairmos. — A garrafa estava quente. — Ele sabe o que está fazendo com as meninas, Summer. — Caden se inclinou para frente, os cotovelos sobre os joelhos. — Ele disse que tinha sentimentos por você? — Eu não estava preparado para você quando eu te vi. Minhas mãos estavam suando. Não importava. Ele não era a razão para esta conversa de qualquer maneira. Essa dor em mim... — Você sabe que ele é um cara mau. Você sabe que ele é um namorado serial9. Você sabe que ele não namora mais de seis meses. Você sabe tudo isso. Se ele fosse tão sério, por que ele sairia com outra pessoa? Concordei com cada declaração. — Eu sei de todas essas coisas. Você está certo. — Não se apaixone por ele. A verdade floresceu no meu peito. Era a maneira que ele tinha dito essas palavras: se apaixonar por ele. Ele não era Kevin. Ele estava tão longe de Kevin quanto era possível - o anti-irmão. Kevin era uma luz chamativa. Ele era a isca em exposição, distraindo o peixe para que eles fossem pegos. Caden era muito mais. Ele era o verdadeiro negócio. De repente, aquela dor em mim tomou uma forma diferente de dor. Latejava, e eu senti uma fatia de pânico. Eu não podia olhar para longe de Caden. Kevin já tinha me machucado, ou eu achei que ele tinha. Mas isso não tinha sido real. Era vazio. Um jogo que eu tinha jogado comigo mesma. Isto com Caden. Isto era real. O que aconteceria com isto poderia me quebrar. Uma parede caiu como se eu estivesse vendo Caden pela primeira vez.

9

Tipo serial killer, só que ao invés de killer é namoro. Kkkk ~ 197 ~


Era Caden. Era Caden... — Ah não. Caden franziu a testa. Aquele rosto lindo – sombrio as vezes, misterioso, indescritível, mas tão bonito e tão viciante. Mesmo seu cenho franzido não me impedia de querer beijá-lo. Sua cabeça avançou para trás. — Você está bem? — O quê? Eu estava apaixonada por Caden. A realização foi uma bomba explodindo dentro de mim. Eu sabia que havia sentimentos, mas isso... eu não estava preparada para isso. Eu não poderia assumir um risco como este. Eu amava Caden. — O que é? — ele perguntou novamente. — Você está começando a me preocupar, e isso é dizer muito. Eu me acostumei com a sua estranheza. Eu me atrapalhei, — Acabei de me lembrar que Avery ligou mais cedo. Eu deveria verificar ela. Certificar de que ela está bem, você sabe, com Marcus e tudo. Ele não é tão bom para ela. Eu estava de pé e me afastando. — Summer. — Caden me seguiu até a porta. — Eu estou bem. Ela me mandou uma mensagem, mas eu queria falar com você. Eu realmente não pensei. — eu recuei para a porta. Estendi a mão para a maçaneta. — Eu vou encontrá-la. — Tenho certeza de que eles estão na fogueira de boas vindas hoje à noite. — Tá vendo? Exatamente. Ela está com ele. Eu realmente preciso encontrá-la agora. — Summer, — disse ele novamente. Eu abri a porta e saí correndo, gritando por cima do ombro, — Eu te ligo mais tarde.

~ 198 ~


Eu nĂŁo ouvi a sua resposta. Eu estava correndo. Era errado, mas eu estava agindo por puro instinto. Se ele me machucasse, eu jamais iria voltar a partir daĂ­.

~ 199 ~


— Você vai vir sexta-feira? — O quê? Eu estava no telefone com Clarissa, e levei um segundo para perceber o que ela estava falando. A viagem. — Oh! Sim. A viagem em dois fins de semana. Sim. Sexta-feira nós estamos indo. — espera. Agora as rodas giravam, e me lembrei de Caden dizendo algo sobre quinta-feira. — Não. Estamos indo quintafeira. — ou era no sábado? — Quinta-feira? Ok. Nós podemos fazer isso. Mordi meu lábio inferior. — Pode ser sábado. Eu não conseguia me lembrar. Eu teria que ligar para Caden e perguntar, o que seria estranho. Eu tinha o evitado desde sexta-feira à noite, desde que eu percebi meus sentimentos por ele. Eu saí de lá antes que ele percebesse, ou eu esperava que sim. Caden era um grande amigo, e eu sabia que ele tinha se divertido comigo, mas ele não tinha sentimentos por mim. Eu não achei que... Caden não iria querer namorar comigo. Ele namorava meninas que estavam fora do meu alcance. Ele poderia me beijar, me abraçar, fazer sexo comigo – sim, tudo isso - mas namorar comigo e ter sentimentos reais por mim? Não ia acontecer, e eu não estava prestes a transformar Caden em outro Kevin. Eu não deixaria meus devaneios e fantasias irem para a terra dos contos de fadas de novo. Não. Eu não ia me deixar levar. Eu já sentia falta dele. Sábado e domingo tinham sido sombrios. Eu tinha passado sábado à tarde com meu pai e Sheila, mas eles tinham ido para casa no início da noite. Aparentemente, tudo o que tinham que resolver na sexta-feira não foi totalmente resolvido.

~ 200 ~


Depois que eles saíram, eu assisti a filmes com algumas meninas do meu andar e eu estudei durante todo o dia na biblioteca no domingo com Shayla. Eu pedi uma pizza com Avery naquela noite. Apesar de me divertir muito, eu teria preferido passar as duas noites com Caden. Suspirei só de pensar nisso. Ele teria ido a uma festa. Ele teria me pedido para ir. Eu teria dito que não, e nós teríamos ficado na casa dele ao invés disso. Domingo à noite poderia ter sido gasto da mesma forma. Nada especial, mas tudo com ele parecia ser importante e como se eu pertencesse, porque Caden era meu pessoal. Ele era meu. Eu realmente sentia falta dele. — Ok, o que diabos está acontecendo com você? — O quê? Eu podia ouvir a carranca no rosto de Clarissa através do telefone. — Nós temos falado por uma hora, e é como puxar os dentes para conseguir detalhes de você. E você está suspirando como um trem maldito sinalizando que está chegando a um cruzamento. O que diabos está acontecendo? Não minta para mim. Temos sido melhores amigas desde a quinta série. Vou jogar May em você se eu não achar que você está sendo honesta comigo. Estremeci. — Não May. Nunca May. — Bem, então comece a derramar, Stoltz. Isso é besteira. Contame o que se passa. — Eu não posso. — eu apertei meus olhos. — É um cara. — Como você sabe? — Eu nem falei isso como uma resposta. — Certo. — eu fiz uma careta. — Melhor amiga. Ela pigarreou. — Desde a quinta série. — Sim. — Então, quem é? E por favor, não diga que é Kevin. — Como você sabe?

~ 201 ~


— É Kevin?! — O quê? — oh! — Não, mas como sabe sobre Kevin? — Você quer dizer como eu sei que você gostava dele? — Sim. Ela suspirou neste momento. — Summer, toda menina na escola gostava dele. Confie em mim. Você não estava sozinha. — Você também? — Eu sou humana. — E May? — Também. Ela dormiu com ele. Você sabia disso? — Cale a boca. — eu chutei contra a mesa, empurrando minha cadeira de volta sobre as pernas traseiras novamente. — Quando? — No último ano. Ele voltou para uma visita. — Onde eu estava? — espera. — Ele não tinha namorada? — Ele sempre tinha uma namorada. Eu gemi, batendo a mão na minha testa. — Eu realmente me sinto uma idiota agora. Por favor, me diga que você não dormiu com ele. — Eu não. — ela ficou quieta. — Espere, você sim? Comecei a morder o interior da minha bochecha. Isto era tão fodido. — Quando? — ela perguntou. Minhas bochechas estavam vermelhas. — Noite da formatura. — Summer! Você me disse que iria beijá-lo, mas eu não achei que isso iria acontecer. — Eu disse? Quando? — Na festa, mas você estava bêbada. Nós estávamos todos bêbados. — Matthews não fica bêbado. — Kevin estava? — perguntei.

~ 202 ~


— Estava o quê? Bêbado? — Sim. — minha palavra saiu rouca. — Eu não sei. Ele tinha bebido, mas antes que você pergunte, eu não me lembro se ele estava bêbado ou não. Eu não acho que ele estava. — ela fez uma pausa. — Isso importa? Sim. Muito. — Ele se aproveitou de você. Eu não poderia tirar Caden da minha cabeça. Murmurei para o telefone, — Não mais. — Oh, Sum. Lá estava a melhor amiga fazendo coisa de melhor amiga. Ela ouviu a dor na minha voz. — Ele machucou você? Ele vem esse fim de semana? Eu vou arrancar as bolas dele. Eu ri. — Eu senti tanto sua falta. Você sabe disso? — Eu senti sua falta também. Nós temos estado tão ocupadas, mas nós precisamos nos falar duas vezes por mês. — Concordo. — meu peito estava mais leve. Eu poderia respirar mais fácil. — Ou uma vez por semana. — Sim. E-mails diários. — Grupo de conversa. — Hangout10. — Sim! — Nada de não mantermos contato. — Concordo. — eu queria empurrar meu punho no ar. Eu estava me inspirando. — Os amigos fazem o mundo girar. — Com certeza. — ela falou. — Minha companheira de quarto acabou de voltar. Eu tenho que ir. Você vai gostar dela quando você vier. — Ok. — eu estava mastigando meu lábio inferior de novo. — Oh ei, antes de ir, os caras aligaram alguma casa para nós, eu acho. Mas 10

É um aplicativo de mensagens. ~ 203 ~


pode ficar cheia. Se eu precisar, eu poderia ficar com vocês no quarto do dormitório? — Você está falando sério? — Sim, mas apenas se houver espaço— Nós estávamos esperando ficar na casa. Vai ser tão legal que o Alpha Mu está abrindo a segunda casa deles para vocês. Isso nos deu grande credibilidade. Eu amaldiçoei. — Sério? — eu não poderia segurar o meu desapontamento. — Quero dizer, eba! Fantástico. — Kevin está nessa fraternidade. Ele vai vir? Ele é o cara? Você nunca me respondeu. — Que cara? — Não se faça de idiota. — Eu não estou. — eu estava. — Eu sei que há um cara acontecendo. Eu só não descobri se é Kevin ou não. É? — Não. Esse navio partiu, então meio que voltou a atracar. Ele está em um porto diferente agora. — Eu sinto muito. Ela quis dizer isso. — Eu estou bem com isso. — Mas eu estou supondo que o cara vem? — Não vou responder a isso. — Oh, Sum. Eu sinto muito. Lágrimas traquinas. Eu ficava piscando. Eu não queria que elas caíssem. — Asswipe11, vamos, — ouvi em segundo plano. Clarissa disse algo de volta, mas foi abafado. — Olha, eu tenho que ir, — disse ela, voltando a falar. — Temos algo pra resolver, e minha companheira de quarto normalmente incrível está sendo mandona agora. 11

É uma apelido, mas não fez sentido porque a tradução é papel higiênico. ~ 204 ~


— Eu ouvi isso, — uma voz começou a falar novamente. Clarissa se afastou do telefone. — Eu quis dizer para você ouvir isso. Estou confortando uma das minhas melhores amigas aqui. Houve outra troca, mas foi abafado novamente, e, em seguida, ela voltou ao telefone. — Falo com você mais tarde? Eu sei que existem pessoas daí que estão no Alpha Mu daqui, mas nos mantenha atualizados também, ok? Deixe-nos saber que dia você estará vindo: quinta-feira, sexta-feira, sábado, ou mesmo domingo. Eu não me importo quando. Eu só quero saber, e você pode dormir aqui todas as noites se você quiser. Uma onda de gratidão tomou conta de mim. — Obrigada, Clarissa. — Você quer que eu ligue de volta mais tarde esta noite? Poderíamos falar sobre o cara. — Não. Eu não quero falar sobre o cara. — Então é um cara! Consegui arrancar isso de você, pelo menos. Minhas bochechas estavam doendo, esticadas pelo meu sorriso estúpido. — Amo você, Clarissa. Tínhamos apenas desligado quando ouvi, — Você está bem? Eu não tinha ouvido a minha porta abrir, mas lá estava Avery com uma expressão preocupada no rosto. Ela apontou para o meu telefone. — Eu não pude deixar de ouvir um pouco disso. O que está acontecendo? Senti-me crua e exposta, e eu estava farta de me sentir assim. — Coisas sobre garotos. Ela entrou, fechando a porta atrás dela, e se sentou na minha cama. — Kevin? Comecei a balançar a cabeça, mas parei. — Eu não quero ser chata com você, mas eu só não quero falar sobre isso. — Não, está tudo bem, mas... — ela olhou para seu colo. — O quê? — eu me virei completamente em minha cadeira, segurando a parte de trás dela. — Ele terminou com Maggie.

~ 205 ~


Caden tinha ligado. Kevin tinha jogado o farelo para eu seguir. — Sério? — Ele se mudou e ele está na fraternidade novamente. — Você conversou com Maggie? Ela assentiu com a cabeça, me olhando com cuidado. — Ela disse que ele tinha sentimentos por uma garota diferente. Oh. Meu. Deus. Estava acontecendo. A prova estava na minha frente. Kevin realmente tinha sentimentos por mim. Ele tinha terminado as coisas pela primeira vez com Maggie. Como se ele fosse aparecer magicamente, olhei para minha porta. Eu quase podia senti-lo do outro lado. Eu fiz uma careta. — Ela realmente me pediu para te pedir um favor, — Avery continuou. — Quem? — Maggie. — Maggie o quê? — Maggie me pediu para te pedir um favor. Minha mente estava girando. — Hã? Avery inclinou a cabeça para o lado. — Você está bem? — Sim. Por quê? — Você parece um pouco fora mais com isso do que o normal. Dei a ela um sorriso triste. — Caden disse algo parecido para mim na sexta-feira. Devo precisar controlar a minha estranheza. Ela ainda estava me dando um olhar estranho. — Talvez um pouco. Você está tendo problemas de seguir essa conversa. Eu balancei a cabeça, e depois me reorientei. — Ok. Qual é o favor? — Ela quer que você descubra quem é a menina.

~ 206 ~


— Que eu o quê? — Kevin sempre tem outra menina em modo de espera. Se ele terminou as coisas com Maggie, tem que haver uma nova menina. Eles nem sequer fizeram seis meses. Você pode perguntar a ele quem é? Que constrangedor. Era eu, eu tinha certeza, mas eu precisava ter certeza, ou eu precisava ter certeza de que ele sabia que eu não era uma opção. A verdadeira razão pela qual eu estava indo nessa? Eu queria ver Caden. Um fim de semana era muito tempo. — Tá bom. — Você vai? — os olhos de Avery se arregalaram. Eu sorri. — Quero dizer, sim, eu vou perguntar a ele. Eu não acho que ele vai me contar. Ela bufou. — Você não terá que perguntar. Ela provavelmente vai estar no quarto dele. — Sim. Talvez. — então perguntei, — Então, nós estamos próMaggie agora? Quero dizer, você é pró-Maggie de novo? Suas mãos tinham estado nos joelhos, mas ela as puxou de volta com a minha pergunta. Ela levantou um ombro. — Eu não sei o que eu sou, mas ela estava berrando no meu quarto, e eu não poderia expulsála. Eu me aproximei, colocando minha mão sobre a dela. — Você é uma amiga verdadeira. Você sabe disso, certo? — Ou eu sou uma amiga estúpida. — ela levantou os olhos sombrios. — Ela vai atrás de Marcus novamente. Eu posso sentir isso. — Mas isso não importa, porque ele está com você, certo? — quando ela não disse nada, acrescentei, — Eu posso ver que ele quer que ela o queira, mas apenas para que ele possa apreciar quando ele a rejeitar. — eu me sentei para trás, minha mão se afastando dela. — Eu não acho que você precisa se preocupar. Eu esperava estar certa.

~ 207 ~


E

u estava do lado de fora da porta do porão e flashbacks da minha primeira noite no North River - a primeira vez que vim à casa de fraternidade de Kevin - tomou conta de mim. Eu não tinha certeza do porquê. Talvez a incerteza? Porque eu não sabia o que iria encontrar no outro lado da porta? De qualquer forma, os nervos que eu senti naquela noite me bateram novamente. Alisei minhas mãos nas minhas calças. Não havia necessidade para elas estarem suadas. Eu só precisava acabar logo. — Minha vida amorosa é uma porcaria, — eu murmurei sob a minha respiração. — Vai ficar se você estiver indo para lá. Eu reconheci a voz. Claro. Eu tinha a melhor sorte do mundo. Mas, então - olhei para Marcus. — Por que você está aqui? Ele sorriu, mas seus olhos não estavam divertidos. — Estou aqui para ver Caden. E eu vi você. — o rosto dele ficou em branco. — Quero afirmar alguns fatos para você. Ele queria brigar. Ok. Virei-me totalmente para encará-lo e colocar minhas mãos nos bolsos. Eu precisava me sentir confortável em ouvir isso, e então seria a minha vez. Eu tinha alguns pensamentos para compartilhar também. — Tudo bem, — eu disse a ele. — Você tem a palavra. — eu levantei meu dedo. — Por agora. O canto de sua boca se elevou. — Você é uma espertalhona. — Seu irmão não te contou isso? — Contou. Eu não acreditei nele. Eu apenas achei que você era meio louca. Eu estive achando que ele perdeu as bolas desde que começou a sair com você, mas eu não sei. Eu gosto disso. Você deve mostrar isso mais vezes.

~ 208 ~


Eu bufei. — Ao contrário das vezes que eu não fiz? Você quer dizer todas as vezes que nós saímos desde o boliche? Todas as vezes que você apenas olhou para mim na aula? Eu perdi minha chance de me levantar e rugir? — Você não tem que ser sarcástica. — Sua declaração acabou de pedir por isso. Literalmente. Ele revirou os olhos. — Avery tem estado um pouco nervosa em torno de você. Eu achei que ela estava louca também. Mostrei a ele os dentes. — Navalha afiada. — Espera. Por que Avery anda nervosa em torno de mim? Ele resmungou. Meus pequenos gracejos não estavam funcionando com ele. Ele tinha me olhado com desdém quando ele falou pela primeira vez, e esse desdém ainda estava lá. Ele apontou para a porta do porão fechado. — Por que você está indo para lá? — Porque eu ouvi que Kevin e Maggie terminaram. Eu estava indo confortá-lo. — Você está mentindo. — O quê? Você está aqui para confortá-lo também? Seu lábio se contraiu. — Ok, você é um pouco engraçadinha. Eu confesso. Eu brinquei, — Minha vida está completa. Seu sorriso desapareceu novamente. — Você está aqui pela mesma razão que eu. — Não acho que você e Kevin sejam tão próximos. Eu devo ter perdido a ligação entre vocês enquanto ele estava fodendo sua namorada, que você não vai namorar de novo. Certo? — fiz uma careta. — Porque isso seria uma coisa realmente de merda a se fazer com Avery. Agora eu tinha toda a sua atenção. Ele me estudou, reavaliando. — Você está aqui por causa de Avery? — Para quem você acha que Maggie foi pedindo conforto? — eu balancei minha cabeça, fazendo um som de tsking. — Eu que não foi. Isso com certeza. ~ 209 ~


— Maggie foi para Avery? — ele riu, passando a mão sobre a cabeça. — Que peça rara. Maggie ligou para ele também, mandando-o ir até Kevin para descobrir sobre a nova garota? — É um pouco estranho ter uma ex-namorada te ligando quando o namorado pela qual ela te largou rompe com ela, certo? Isso é estranho. — a menos que... — A menos que ela te ligou porque ela quer voltar com você. Uma luz brilhou em seus olhos. Sua culpa apareceu antes que ele a mascarasse. Eu me mexi, cruzando os braços sobre o peito. — Hã. — Huh? — seus lábios se curvaram em um sorriso de escárnio. — O que isso significa? Fiz um gesto para a porta com a minha cabeça. — Eu poderia fazê-lo mudar de ideia. Suas narinas inflaram. — Você está mentindo. Eu estava. — Eu sei como manipular Kevin. — totalmente não sabia. — Eu poderia fazê-lo querer voltar para Maggie. — eu dei um passo em direção a ele. — O que você acha disso? Eu procurei seus olhos intensamente. Se ele queria Maggie, lá estava uma reação - eu vi. Um breve lampejo de irritação queimou antes dele se conter novamente. Dei um passo para trás. — Entendo. — Você não entende nada. Eu apontei para o seu rosto. — Não, eu entendo. Eu vi culpa em seus olhos. Você está aqui para se certificar de que Kevin realmente terminou com Maggie. Não é? — meu nariz enrugou. — Você é um idiota. — eu balancei a cabeça. — Todo cara é um idiota? — Eu não estou aqui para me certificar de que ele terminou com Maggie. — Então o que você está fazendo aqui? — Eu nem sabia que eles se separaram. Eu estava zoando com você.

~ 210 ~


— O quê? — eu endureci. Ele apontou para a porta. — Eu vi você. Você costuma dar a volta na casa para ver meu irmão, mas não fez isso desta vez. Você entrou pela porta da frente, então eu pensei que talvez você estivesse fazendo outra coisa. Como eu disse antes, você está mudando o meu irmão, e eu não gosto disso. Eu queria saber o que você estava fazendo. — Você estava me seguindo? — minha boca estava aberta. — Não! — ele pareceu enojado. — Eu estava dizendo a verdade. Eu realmente estou aqui para ver Caden. Eu estava saindo do meu carro quando você passou por mim na calçada. Só isso. Ok. Isso fazia mais sentido, mas- — Você está protegendo Caden? — granada explosiva número um. — De mim? — granada explosiva número dois. — Não brinque com ele, ok? — Do que você está falando? — Você sabe do que eu estou falando. Eu honestamente não sabia. — Hã? Ele sacudiu a cabeça para a porta. — Vá ver o seu irmão, mas não vá da cama dele para a do meu irmão. Entendeu? — Caden te disse isso? Ele não respondeu. Ele apenas balançou a cabeça, enfiou as mãos nos bolsos, e olhou uma última vez antes de ir para o corredor que levava para fora da porta traseira. Engoli em seco. Tudo estava nadando dentro de mim. Será que Caden gostava de mim? É isso que Marcus estava querendo dizer? Mas eu era a única que tinha sentimentos por Caden. Ele ia me machucar, e não o contrário. Eu levantei minha mão para abrir a porta do porão, mas a deixei cair de volta para o meu lado. Eu tinha que saber o que Marcus queria dizer. Antes que eu pudesse me virar para encontrar Caden, a porta do porão se abriu. Ela me bateu na testa quando eu recuei. — Ai! — minha mão apertou a minha cabeça.

~ 211 ~


— Oh, ei! — Kevin passou pela porta. — Você estava vindo me ver? Pior. Cronometragem. De. Sempre. Fiz uma careta. — Quem é? — O quê? Eu não tenho tempo para isso. — A nova garota. Quem é? Sou eu? Ele tinha um sorriso brilhante no rosto, mas quanto mais perguntas eu fazia, mais ele brilhava. Seu pomo de adão subia e descia. — Do que você está falando? — Você nunca rompe com uma garota, a menos que você tenha outra em mente. Você terminou com Maggie, então quem é a nova garota? Eu só quero saber. — Um... Revirei os olhos. — Só pra registrar, eu não quero que seja eu. — Não? — ele pareceu magoado, as linhas ao redor da sua boca ficando apertadas. — Bem, não é você. — Não? — Não. — ele ainda parecia triste. — Então, quem é? Ele ergueu um ombro. — Ninguém. — Ninguém? — fiz um gesto para a minha boca. — Isto, bem aqui. Você não vê, mas está no chão. — Qual é. — ele olhou para o teto por um breve segundo. — Eu não sou tão ruim assim. — Você é tão ruim assim. Você fica seis meses, lembra? #ocaradosseismeses. — Não comece a fazer hashtags. — #Desculpa. Ele soltou um suspiro, deslizando as mãos nos bolsos traseiros. — Olha. Quero trégua, ok? Não há nenhuma garota. Desde que você ~ 212 ~


disse algo sobre o meu padrão, isso esteve me incomodando. Não é saudável, sabe? Ter sempre uma menina comigo? Então eu acho que eu deveria tentar fazer algo sobre isso. — Como o quê? — Como- — ele fez um gesto entre nós dois. — - o que estamos fazendo aqui. Estamos apenas conversando. Nada mais. Sem flerte. Sem há insinuações sexuais, sem sinais que estão sendo enviados sobre ligar mais tarde. — Você faz esse tipo de coisa? — Você não? Eu não poderia nem mesmo descobrir meus próprios sinais. — Não. Você faz tudo isso em uma conversa normal? — Mais ou menos. Eu tinha coisas para aprender. — Uau. — tanta coisa para aprender. Ele sorriu, parecendo relaxar. — Isso é bom. Refrescante. — O que? — A conversa sobre o que estamos falando. Senti uma dor de cabeça. — Ok. Eu não consigo entender que tipo de conversa você normalmente têm, então vamos deixar pra lá. — Ok. Certo. — o sorriso dele subiu um degrau, e suas mãos vieram descansar sobre os meus ombros. Ele apertou. — É assim que é ser normal. Hã. Eu fiquei tensa e olhei para suas mãos. — Não mesmo. — O quê? Eu saltei meus ombros para cima. — Isso. — Minhas mãos? — ele soltou e se afastou, as palmas das mãos se espalhando em direção a mim. — Isso não foi uma coisa normal a se fazer, não é? — Não. Isso é totalmente normal, — fiz uma pausa. — Se eu fosse sua namorada.

~ 213 ~


— Certo. — ele recuou um passo e deslizou as mãos nos bolsos. — Eu poderia ter algumas coisas para aprender. — Não pensar em sexo quando você está conversando com uma garota. — Bem, não se precipitar. — ele sorriu com tristeza para mim. — Nenhum homem pode fazer isso. — Então eu não tenho nada para você. — Tudo bem. Eu vou dar um jeito nisso. E agora o silêncio desconfortável. Tudo em mim queria ir ver Caden. Marcus estava lá, falando com ele. Ele poderia estar dizendo coisas sobre mim, sobre quem eu estava vendo, que eu estava saindo com Kevin. Eu não poderia me defender. Mas, em vez de estourar e proteger meu relacionamento com Caden, eu estava presa tentando ensinar meu meio-irmão como ser um bom rapaz normal. Essa conversa explodiu. — Estou incomodando? — O quê? Kevin apontou para meu rosto. — Você rolou os olhos umas oito vezes. É Caden? Minhas sobrancelhas se ergueram. — Caden? — Você gosta dele, não é? Eu não podia sequer pensar em mentir porque eu já sentia o calor avançando até meu pescoço e minhas bochechas se aqueceram. Eu olhei para o chão. — Está tudo bem, você sabe. Não estava. Ele poderia dizer algo. Ele poderia virar Caden contra mim, ou pior, dizer a ele que eu estava convencida de que Marcus já estava dizendo. Ele poderia dizer a Caden que eu estava obcecada com ele. Ou quão delirante eu poderia ser. Oh Deus. Kevin conhecia minha loucura melhor do que ninguém. Eu já estava na fase de pré-stalker. Eu estava começando a reconhecer minhas fases. Primeiro passo: perceber que você está apaixonada.

~ 214 ~


Segundo passo: negar que você está apaixonada. Terceiro passo: começar a demarcar sua área. Quarto passo: pensar nele a cada minuto. Quinto passo: engoli em seco. Eu não queria dar nome a isso, porque eu tinha certeza que eu estava lá. Eu não queria saber o quão longe eu iria me infiltrando na cama de Caden usando lingerie. A ordem de restrição vinha depois disso. — Ei. — Kevin colocou as mãos sobre os meus ombros novamente. Eu fiquei tensa. Ele balançou a cabeça. — Eu sei. Eu sei, mas eu não estou sendo falso aqui. Estou sendo amigo, ou tentando ser. Tudo bem se você tem sentimentos por Caden. Eu sei que um monte de meninas têm. Metade das meninas que eu fiquei estavam apenas me usando para chegar até ele. — Sério? — Sério. Eu cutuquei suas mãos dos meus ombros. Ele se afastou, as mãos no ar. — Escute, eu estou feliz que você está aqui. Eu estava indo falar com você. — Eu sabia! Ele baixou as mãos para o lado dele. — Não por isso. — ele parecia ferido. Dei de ombros. Ele iria superar isso. — Eu estava pensando que poderíamos começar de novo, tentar ir pelo caminho que a minha mãe queria que estivéssemos em primeiro lugar. — Do que você está falando? — Devemos ser mais como família, sabe? Então, eu estava pensando que você poderia me ajudar a aprender a ser um cara legal, e, no processo, talvez nós pudéssemos nos tornar irmãos de verdade. O que você me diz?

~ 215 ~


Minhas sobrancelhas se arquearam. — Qual é o truque? — sempre parecia haver um com ele. — Nada de truque. Eu prometo. — ele ofereceu um sorriso, um que parecia genuíno. — Quero dizer. Eu quero mudar, e uma vez que você é a coisa mais próxima que tenho de uma irmã, eu achei que você seria perfeita para ajudar. — ele estendeu a mão. — Combinado? Olhei para sua mão, em seguida, de volta para seus olhos, e eu peguei seu pequeno sorriso. Em seguida, seu olhar de negócios assumiu, e ele acenou com a cabeça como se quisesse me tranquilizar. Isso poderia dar errado, mas eu me encontrei estendendo a mão. Minha mão deslizou contra a palma da mão dele, e eu suguei minha respiração. Talvez eu se pudesse pensar me... Então ele disse, — Fechado. E já era tarde demais.

~ 216 ~


N

unca descobri se Marcus disse algo para Caden. Eu era uma covarde. Fiz aquele acordo com Kevin e logo que eu fiz, uma parte de mim se sentiu como se estivesse traindo Caden. No dia seguinte, Kevin começou a se aproximar. Eu teria amado este novo desenvolvimento há alguns meses, mas era estranho agora. Ele apareceu no período da manhã. Tomamos café da manhã juntos. Ele apontou para as garotas que ele ‘ficaria’, que era quase todas elas. Fiz ele me contar quais falas ele usaria para pegar uma menina, então eu dissecava cada afirmação e explicava como poderia ser reformulado ou re-entregue para que a insinuação sexual não estivesse lá. A maioria das frases de Kevin não eram sexualmente sugestivas, mas elas eram quando se juntava ao sorriso de moleque que ele sempre parecia ter em seu rosto. Depois do almoço, nós partimos para as aulas e retomamos às nossas ‘lições’ à noite. Avery e suas amigas não estavam em êxtase em encontrar o inimigo em território delas, mas uma vez que eu disse a Avery que não havia nenhuma menina nova e expliquei a nova coisa de Kevin, elas lentamente adoraram a ideia. Avery começou a se aproximar após a primeira noite. O resto levou mais alguns dias e Claudia entrou na próxima semana, poucos dias antes da grande viagem. Exceto Shell. Ela não era permitida porque ela começou a flertar com Kevin dentro de cinco minutos. Ela foi proibida de qualquer evento que envolvia meu meio-irmão. — Kevin, você está indo neste fim de semana? — uma das garotas perguntou do sofá. Kevin e eu não tínhamos discutido a viagem. Quando olhei para o meu colo, eu podia sentir seu olhar em mim quando ele respondeu: — Uh, eu não tenho certeza.

~ 217 ~


Avery perguntou, — Você está de volta na casa de fraternidade, certo? — Sim. Eu podia ouvir cautela em sua voz. — Então você deve ir. Por que não? — É essa a sua aprovação pessoal? — parecia que ele estava brincando. — Você costumava me odiar. Agora você está bem sobre sair comigo ao longo de um fim de semana inteiro? — Bem... — Avery tossiu, limpando a garganta. — Quero dizer, você está tentando mudar. Quem somos nós para julgar isso? Sabe? — Obrigado por isso, mas eu realmente não acho que cabe a mim se eu vou ou não. Eu senti toda a atenção em mim e eu olhei para cima. Sim. Quatro pares de olhos estavam olhando diretamente para mim. Avery. Claudia. Duas de suas amigas. O único que não estava encarando era Kevin, e eu sabia que ele estava tentando ser legal. Uma pontada de culpa se inflamou. — Você deve vir, — eu disse. Ele mudou de posição, virando-se para olhar para mim. — Tem certeza disso? As meninas não sabiam sobre meus sentimentos por Caden, mas Kevin sim. Meu pescoço estava duro quando eu assenti. — Sim. Eu acho que você deveria vir. — Bem. Este fim de semana ficou muito mais interessante, — disse Claudia, se deslocando para trás na cadeira. — Marcus, Caden, e agora Matthews. Cara, se você levar uma dura dos irmãos, eu não vou te defender. Estou esclarecendo isso logo. As covinhas de Kevin se formaram, mas seus lábios não se moveram quando ele conteve um sorriso. — Obrigado pelo aviso. — Só avisando, Kev. Só avisando. As sobrancelhas de Avery franziram e ela ficava olhando para mim. Em seguida, a garota que fez os planos de fim de semana, em primeiro lugar, disse, — Ele não está com Maggie mais, então por que isso ainda seria um problema?

~ 218 ~


Eu estremeci. Não havia nenhuma razão. Eu tinha sentimentos por Caden. Kevin era meu meio-irmão. Sim, havia problemas persistentes entre Marcus e Kevin, mas - oh, inferno. Eu estava mentindo para mim mesma. Eu tinha evitando Caden por duas semanas, e era apenas parcialmente por causa de meus sentimentos por ele. A outra parte era Kevin. Eu sabia que Caden não teria ficado feliz sobre eu passar tempo com ele, mesmo que fosse sobre fortalecer meu relacionamento familiar com Kevin. — Um... — a voz de Kevin era suave. — Você está certa. Isso não importa mais, a menos que Maggie esteja indo também. Claudia bufou. — De jeito nenhum. Ela não foi convidada. A única pessoa que ainda fala com ela aqui é Avery. — Ei, — disse Avery. — ela é minha amiga desde o fundamental. Há história lá. É realmente difícil para mim— Nós sabemos. — Claudia a cortou. — Eu não vou te zoar. Eu espero que você seja tão indulgente comigo se eu fizer merda como você é com ela. Avery franziu a testa. — Obrigada, Claudia. Eu aprecio isso. Claudia estalou os dedos e apontou para Avery. — É para isso que os amigos servem. Kevin sorriu. — Perdão. Claudia deu de ombros, enviando a ele um sorriso malicioso. — Apreciação. — Ah! Não. Bem ali. A cabeça de Claudia girou para a outra menina no sofá. Ela tinha ficado quieta quase todo o tempo, e assim eu continuei esquecendo seu nome, mas apontei para Claudia agora. — Você estava flertando com ele. Pare de flertar. — Eu não estava. Avery olhou para todos. — O quê? Eu perdi. — Ela estava totalmente paquerando ele. Eu vi aquele pequeno sorriso que você enviou. Toda sedutora. — Eu não estava, — disse Claudia para Kevin, — Eu não estava flertando. Diga a ela.

~ 219 ~


Kevin não disse nada, olhando para mim em vez disso. Bem, merda. Eu sabia aonde isso ia. Claudia me assustava. Ele levantou uma sobrancelha. — Você estava observando? Claudia se virou para mim, esperando também. Eu gemi, cobrindo o rosto com as mãos. — Não me coloque no meio disso. — Eu não estava flertando! Kevin bufou. — Certo. — Eu não estava. A amiga quieta jogou as mãos no ar. — Até mesmo o cara está admitindo. Confesse, Claudia. Está tudo bem se você admitir isso. — Isso é tudo besteira. — os ombros de Claudia endureceram. — Kevin, você sabe que eu não quis dizer nada assim. Ele se inclinou para trás e abriu as pernas. — Uh, estou certo de que esse sorriso foi a razão de termos transado em primeiro lugar. Todo mundo ficou quieto depois disso, e eu ouvi Avery murmurar sob sua respiração, — Oh, não. — Espere. — uma das amigas delas estalou a atenção quando ela olhou de Kevin para Claudia e vice-versa. — Vocês dois transaram? Kevin deu a Claudia uma olhada. — Ninguém sabia? — Não. — ela soltou um resmungo de sua garganta. — Obrigada por isso. — Oops. — ele me mandou um olhar de desculpas. — Você sabia? — Eu- — eu estava tão farta. Eu senti a atenção de Avery, ao mesmo tempo que Claudia olhou para mim. Eu tinha um segundo para cobrir minha bunda, e a de Avery. Fingi surpresa e balancei a cabeça. — Eu não deveria estar surpresa, mas eu não fazia ideia. Avery murmurou ao meu lado, — Sério? Claudia bufou. — Nunca mais faça teatro, Summer. Você é péssima nisso. — ela deu a Avery um olhar escaldante antes de ir para a porta. — Obrigada por compartilhar essa informação privada, a que eu te disse para não contar a ninguém. ~ 220 ~


Avery saltou para seus pés. — Você não gostava dela no começo. Pensei que iria ajudar a suavizar as coisas. — Ajudou. — Claudia puxou minha porta. — Isso me ajudou a não sair com você de novo. — ela saiu, deixando a porta bater atrás dela. Kevin sorriu, parecendo relaxado e alegre. — Eu só tive uma epifania. — O quê? — outra amiga perguntou. — É por isso que eu gosto das meninas. Vocês são muito mais divertidas do que os caras. — O que você quer dizer? Ele encolheu os ombros. — Para os caras é tudo sobre esportes, sexo, ou cerveja. As meninas são sobre todo o resto. Esse tipo de saída dramática nunca iria acontecer com os caras. Se assim fosse, haveria uma briga com os envolvidos, mas nada assim. Não admira que eu namore muito. Eu sou puxado para as meninas em geral. Eu sou um cara hétero, com esta cara. — ele apontou para si mesmo. — Não é de admirar que eu tenho amigas o tempo todo. Ele se levantou, alisando sua calça jeans e camisa. — Obrigado, Summer. Eu estava achando estar confuso, mas eu não estou. Eu apenas gosto de meninas, muito. — Então você vai vir neste fim de semana? — a pergunta veio de Avery. — Nah. — Kevin olhou para mim. — Eu acho que acabei de causar problemas por causa disso. — ele se inclinou e recolheu sua mochila, colocando seus cadernos e livros de volta nela. — Você vai estar de folga amanhã, não é? Eu balancei a cabeça. Ele jogou a mochila por cima do ombro. — Vamos conversar quando você voltar. Quero ouvir como foi. Avery gemeu, caindo na cama. — Claudia vai estar tão chateada comigo. Uma das meninas riu. — Ela já está.

~ 221 ~


Avery deu a ela um olhar sombrio. — Quero dizer por um longo tempo. Ela vai ficar puta por muuuuito tempo. O que eu vou fazer? — Ela vai superar isso. Claudia está puta porque agora todos sabemos que ela deveria ter sido honesta conosco em primeiro lugar. A segunda amiga entrou na conversa. — Sim. Shell não tinha ideia sobre o passado de Claudia com Kevin. Ela deveria ter se abrido sobre isso, a menos que tenha acontecido depois. Se isso aconteceu... — ela ficou em silêncio enquanto seus olhos se arregalavam. — Merda. A primeira amiga compartilhou um olhar com ela. — Claudia quebrou o código feminino. — Agora, não sabemos- — Avery empalideceu. — Ela não conhecia Shell tão bem quando isso aconteceu. A primeira amiga franziu a testa em desaprovação feroz. — Merda vai bater no ventilador quando Shell descobrir. Você não tem que se preocupar com Claudia. Ela vai clamar por seu apoio em algum momento. Ela tem malditas explicações a dar. As duas saíram, deixando Avery pra trás, e uma lágrima caiu pelo seu rosto. — Elas estão erradas. Claudia vai deixar o grupo. O que eu faço, Summer? Eu balancei minha cabeça. Eu poderia puxar seu braço, dar a ela um abraço, proferir algumas palavras de conforto, mas eu deveria estar viajando com Caden amanhã. Eu tinha evitado ele tempo demais. Eu estava na minha própria merda. — Eu não faço ideia.

***

Era depois da meia-noite quando alguém bateu suavemente na minha porta. Eu ainda estava de pé, arrumando as coisas de última hora, e eu abri a porta para encontrar uma menina que eu não conhecia. Ela usava uma camisola enorme da Universidade River North sobre leggings pretas, seu cabelo em um coque bagunçado com um lápis preso através dele.

~ 222 ~


— Oi. — ela levantou uma mão. — Você não me conhece, mas eu trabalho na recepção, e tem um cara lá embaixo pedindo para falar com você. — Oh. — eu fiz uma careta. — Sabe quem é? Ela encolheu os ombros. — Não faço ideia. Eu perguntei a ele, mas eu já esqueci. Estou estudando. Finais e tudo. Você quer que eu diga a ele para ir embora? — Uh. — poderia ser Caden. — Não. Eu vou descer. Ela começou a voltar, mas disse por cima do ombro, — Caras podem estar no lobby de baixo o tempo todo, mas ele não pode vir até aqui. — Eu sei. — Eu estou apenas deixando você sabe porque eu não quero ter que relatar isso e lidar com toda essa papelada. Eu tenho uma final em dois dias. Eu vou ficar puta se você me tirar dos meus estudos. — Bem, tudo bem então. — depois de pegar a minha chave do quarto e telefone, eu fechei a porta atrás de mim e desci atrás dela. — Nota para mim mesma, a funcionária da meia-noite é meio que cadela. Quando cheguei lá e vi suas costas atrás da mesa, ela tinha a cabeça enterrada em um livro de psicofarmacologia. Eu mudei de ideia. Apenas o nome da matéria me estressou. Nenhum cara esperava ao lado da mesa, e eu fui até o outro lado do lobby. Ninguém estava lá, então eu desci. Alguém estava estudando um mapa do mundo, mas eu não vi qualquer outra pessoa ao redor do lobby de baixo que poderia ser Caden. — Olá? Eu não tinha verificado a sala de informática. Ele poderia ter estado lá... mas, então, o cara do mapa se virou, e eu reconheci Diego. Parei. — Ei. — gelo desceu em minhas veias. O normalmente alto, feliz, e vivaz Diego não era o cara na minha frente. Ele tinha bolsas sob os olhos e nenhuma faísca neles. Ele esfregou as mãos. — Ei. Uh, eu não tinha certeza se isso era apropriado ou não. — Está tudo bem. — eu fiz uma careta. — E aí? ~ 223 ~


Era Caden. Meu coração disparou. Eu sabia que era Caden. Minha voz caiu uma oitava. — Ele está bem? — Eu acho que sim, mas eu não sabia a quem mais chamar. — ele não parava de olhar para longe. — Está bem. Apenas me diga o que é. Por favor, esteja bem. Por favor, esteja bem. — Caden estava no bar esta noite, quando ele recebeu um telefonema— De quem? Ele balançou sua cabeça. — Ele não disse, mas eu sei que é sobre o irmão dele. Marcus? — Colton. Ele está no hospital. Oh. Meu cenho se aprofundou. Oh! — Ele está no hospital? — Eu sei que há outro irmão, mas eu não sei o número dele. Você é a única pessoa que Caden trouxe para o bar, e me lembrei que uma menina disse que ela estava no mesmo dormitório que você. Ela continuou falando sobre você naquela noite depois que vocês foram embora, então o nome grudou na minha memória. — ele fez uma careta, rindo baixinho. — Eu tive a pior ressaca na manhã seguinte com a voz da menina se repetindoEu tinha parado de ouvir. Eu agarrei o braço dele, parando-o no meio da frase. — Obrigada, Diego. Sua hesitação deslizou para longe. Seus olhos aqueceram, e sua mão cobriu a minha. — Eu sabia que era a coisa certa vir aqui. Eu disse a menina seu nome. Eu não sabia seu sobrenome, mas ela finalmente disse que ela iria ver se você estava acordada. Levei dez minutos discutindo com ela. Vim aqui porque eu não queria arriscar ser mandado embora. Eu balancei a cabeça. — Sim. Minhas entranhas cerraram. Caden estava sofrendo. Eu comecei a ir para as escadas. — Eu preciso ir.

~ 224 ~


E quando cheguei lá fora, eu lembrei que não tinha carro. Diego tinha me seguido para fora. — Posso te dar uma carona. Eu não senti alívio ou até mesmo gratidão. Eu deveria ter sentido todas essas coisas, dito algo para indicar o quanto apreciei isso, mas nada mais importava naquele momento. Caden importava. Era isso. Todos os meus maneirismos habituais me deixou. Até mesmo os meus caprichos estranhos desapareceram, e eu só soltei, — Sim, por favor. Eu só tinha que chegar até ele.

~ 225 ~


E

u fui uma idiota.

Depois de circular em torno de todo o hospital e não encontrar nada, foi-me dado indicações para uma segunda sala de espera. Era lá que Caden estava, e uma vez que o vi de pé no corredor, com a cabeça baixa e seu telefone pressionado contra sua orelha, eu sabia quão total e completamente estúpida eu tinha sido. Ele me ligou algumas vezes durante a semana, e eu sempre dei uma desculpa. Eu fui uma idiota. Fazia quase uma semana desde que eu o vi pela última vez - uma semana muito longa. Um peso invisível pressionava meu peito, e eu tive que parar de tentar engolir um caroço na minha garganta. Fui até ele. Ele estava de costas para mim, e ele acenou com a cabeça enquanto falava. — Sim. Eu sei. Sim. Ok. — ele fez uma pausa. — Se Marcus puder vir, seria bom. Ele vai ser transferido para lá amanhã de manhã. — então ele se virou. Ele me viu, e ele ficou imóvel. — Uh, sim. Uma espera de setenta e duas horas... mãe, eu tenho que ir. Te ligo de volta. Minha mão doía de querer tocá-lo. Ele desligou, e suas sobrancelhas levantaram em surpresa. — O que você está fazendo aqui? — Diego veio ao meu dormitório. Ele disse que recebeu um telefonema sobre o seu irmão, que você estava aqui. Ele inclinou a cabeça para olhar para trás. — Ele não está comigo. Ele apenas me deu uma carona até aqui. — Oh. — o pomo de adão se moveu para cima e para baixo enquanto ele engolia em seco e uma dureza se apoderou dele. — Você deve ir. — ele começou a passar por mim.

~ 226 ~


Eu peguei o braço dele. — Espera. — Summer, agora não é o momento para suas merdas estranhas. Eu tenho merdas sérias para lidar aqui. Meu irmão- — ele levantou a mão para apontar atrás de mim, mas parou. — Meu irmão… — O quê? Por favor, diga. Por favor, deixe-me entrar, mesmo que você não tenha nenhuma razão para isso. Ele olhou para a minha mão. Eu também, e segurando uma respiração, eu me mudei para seu peito. Eu perguntei, um pequeno sussurro, mesmo para os meus ouvidos, — O que aconteceu com seu irmão? Estou aqui para você. Eu só quero estar aqui para você. — Onde você esteve nas duas últimas semanas? — Eu- — merda. Eu balancei minha cabeça. — Eu estou aqui para você hoje à noite. — Só essa noite? O caroço salta de volta na minha garganta. Eu tive que engolir novamente. — E neste fim de semana. Para a viagem. — e para sempre, se você quiser. Ele se encostou na parede, cruzando os braços sobre o peito. Seu rosto era tão lindo como a última vez que eu o vi, mas estava exausto, como o de Diego. Não, isso não era verdade. Caden parecia ser a definição de exaustão. Mas ao longo de tudo isso, uma máscara surgiu em seu rosto. Sua mandíbula apertou, e eu sabia que este era o Caden sério. — Só hoje à noite e este fim de semana? — ele perguntou. Deixei escapar um pequeno suspiro e olhei para o chão. Minhas mãos torceram na barra da minha camisa. — Não, não apenas isso. — eu olhei para trás. — Eu não posso dizer porque eu tenho evitado você. — Então você esteve me evitando. Fiz uma pausa. — Era uma pegadinha? Ele revirou os olhos, mexendo-se, então ele descansou contra a parede. Mexi-me, então o meu lado estava contra ela também, e ficamos

~ 227 ~


ainda mais perto agora. — Apenas me diga o que está acontecendo com você. — Eu não posso. Esse é o problema. — Por que não? — Porque se eu disser, isso iria levar a toda outra conversa, e para ser honesta, eu estou quase cagando nas minhas calças por sequer pensar sobre essa conversa. Então sim. Eu estou aqui, mas eu não quero falar sobre por que eu não estive aqui, e eu só quero estar aqui para você. Toda essa última frase não faz sentido, mas eu não me importo. Podemos ter uma trégua essa noite? — Não. Meus ombros caíram. — Por que não? — Porque eu não gosto. Por que desaparecer? Eu não vou deixar você ficar até que você me diga. É porque você tem sentimentos por mim? — O QUÊ?! — meus olhos se abriram. — Porque se você acha que tem sentimentos por mim, você está errada. — Eu estou? Ele balançou a cabeça, um sorriso leve e enganchou um dedo no cinto em minha cintura. Ele me puxou para mais perto, baixando a cabeça. — Há luxúria entre nós. Eu confesso, e saber quão ferrada você está com seu meio-irmão, eu posso entender quão confusa você está. Você não tem sentimentos por mim. — Não? Ele estava errado. Mas ele estava fazendo tudo isso para ficar bem eu estar perto dele, e eu iria com isso. Eu precisava estar aqui. Eu não poderia me afastar por mais tempo de qualquer maneira. Eu era tão fraca. — Não. — ele me puxou o resto do caminho até que não havia nenhuma distância entre nós. Eu o senti. Senti o baque do seu coração. Senti o calor de seu corpo, e eu senti especialmente, como ele me queria. Eu estava salivando. ~ 228 ~


Ele abaixou a cabeça até que sua respiração aqueceu meus lábios. — Mas aqui está o meu aviso para você: eu preciso de você esta noite. Não fuja. — ele puxou a cabeça para trás, seus olhos procurando os meus. — Por favor, não fuja. Ele entregou uma bomba para mim e deu um passo atrás, pois detonou. Eu me senti destruída, mas eu poderia apenas acenar, porque, nesse momento, eu não teria lhe dado nada. Eu era dele essa noite. Eu era dele talvez mais do que esta noite, e se ele queria chamar isso de mentira, eu não me importava. Eu sussurrei, — Eu não vou. Sua mão pegou meu rosto, seu polegar descansando na minha bochecha, e eu senti a tensão deixar seu corpo. Tudo relaxou, e sua testa desceu para a minha. — Obrigado. Eu peguei seu rosto também, mas eu mordi meu lábio. Eu segurei as palavras, as que queriam ser lançadas. Ele estava errado. Meus sentimentos não eram apenas emoções confusas. Elas eram muito mais do que isso. — Sr. Banks? Uma enfermeira entrou no corredor. Caden endureceu, preparando-se, e se virou. — Sim? Ele está bem? Ela assentiu com a cabeça, um sorriso tenso em seu rosto. — Ele está acordado e perguntando de você. — os olhos dela se mudaram para mim. — Só família por agora. Ordens do médico. — Sim. Eu sei. Tudo bem. — ele chegou por trás dele e agarrou a minha mão. Ele segurou firme. — Obrigado. — Sem problema. — ela começou a sair, mas parou a poucos passos. — Você e sua convidada querem café? Eu ia fazer uma pausa rápida. Eu posso trazer. — Seria ótimo. Obrigado mais uma vez. Ela assentiu com a cabeça, e um sorriso triste se infiltrou em seu rosto. — Eu posso trazer café durante toda a noite, se vocês quiserem. Isso não vai ser problema.

~ 229 ~


Eu tive um flashback de quando minha mãe estava no hospital. Outra enfermeira havia dito a mesma coisa, — Eu estarei aqui com vocês a noite toda. — ela ofereceu cobertores, um travesseiro, café, água, lanches. Ela vinha a cada hora nos verificar. E eu sabia que ela olhava pela porta mais frequentemente do que era preciso, só para ter certeza de que minha mãe ainda estava respirando. Senti as lágrimas ameaçando, então me concentrei em Caden e toquei sua mão. Ele pegou a minha e segurou firme, apenas soltando quando ele entrou no quarto de seu irmão. Quando a porta abriu, eu olhei para baixo. Não era justo eu ver seu irmão da maneira como ele estava, não quando eu o conhecesse. Toda vez que Caden ia ao quarto de seu irmão, eu desviava o olhar até a porta fechar. Foi assim que passamos as próximas duas horas. Caden entrava, permanecia um pouco, e eu esperava no corredor. Após a segunda vez que ela me viu, a enfermeira me trouxe uma cadeira, em seguida, um cobertor, e eu tinha o meu poleiro lá. Caden não ficava lá dentro muito tempo. Ele ficava dez ou quinze minutos, em seguida, saia quando seu irmão voltava a dormir. Ele sempre agarrava a minha mão quando ele voltava, e isso fez tudo valer a pena. O que quer que isto fosse, o que estava acontecendo com a gente, valia a pena. Depois da terceira hora, Caden se encostou na parede ao lado da minha cadeira. As bolsas sob seus olhos estavam aumentando mais e mais. — Talvez você devesse voltar para dormir? — O que você vai fazer? Ele olhou para a janela, através de uma fenda nas cortinas. — Eu não faço ideia. Eu esperava que Marcus viesse esta noite. Caden não me contou o que aconteceu. Estava na ponta da minha língua perguntar, mas antes mesmo de Diego me deixar no hospital, eu sabia que tinha algo a ver com o segredo de Colton. Doía ver a dor no rosto de Caden, e doía ainda mais não entender o que estava acontecendo ali. Eu apertei sua mão. — Eu vou fazer o que você quiser que eu faça. Ele olhou para baixo com um sorriso fraco. — Eles vão te expulsar daqui assim que o turno da manhã chegar. — Eu sei. Eu posso esperar no lobby.

~ 230 ~


— Tem certeza disso? A mesma enfermeira que tinha me visto durante toda a noite agora veio em nossa direção com outra mulher a seu lado, usando um casaco branco e longo. — Você é o irmão de Colton? — ela chamou. — Eu sou a Dra. Holbreck. Eu sou a médica de plantão hoje, e o Dr. Reinier me informou tudo que aconteceu. — ela estendeu a mão e, quando Caden apertou, ela se virou para mim. — Você é a namorada de Colton? — Ela está comigo. Seus olhos caíram para nossas mãos unidas. — Ok, bem, eu vou entrar e verificar o seu irmão. Eu gostaria de algum tempo a sós com ele, e então eu vou te chamar para te atualizar. — ela fez uma pausa, seus olhos digitalizando o corredor. — Existe algum outro membro da família com você? — Meu pai está em Pequim, e minha mãe não podia sair de casa. — Há outro irmão, não é? A mandíbula de Caden cerrou. — Ele não está aqui. Sou só eu. A médica não se moveu, mas as linhas ao redor de sua boca suavizaram em simpatia. — E sua namorada. — Sim. — a mão de Caden estremeceu em reação, mas ele só apertou seus braços antes de se afastar para que a médica e a enfermeira pudessem entrar no quarto. Depois que eles passaram, suas mãos encontraram meus ombros, e ele fechou os olhos, deixando escapar um profundo suspiro quando a porta se fechou atrás deles. Minhas mãos vieram descansar em cima das dele. — Você está bem? — Não. — seus olhos se abriram, assombrados. — Mas eu estarei. Obrigado por estar aqui comigo. — Mas... — eu sabia o que estava por vir. — Você está me mandando ir embora? Ele começou a responder. Sua boca se abriu e fechou, e suas sobrancelhas se arquearam. — Você sabe que não. Vou falar com a médica um pouco. Vou ter que assinar alguns papéis, e então eu vou ser capaz de ir.

~ 231 ~


As verdadeiras perguntas estavam queimando em minha língua. Onde estava a mãe deles? O pai deles ia voltar? Onde estava Marcus? Isso tinha acontecido antes? Caden tinha feito isso sozinho antes? E o pior - quantas vezes? Segurei suas mãos com força, em cima dos meus ombros. — Eu posso esperar no lobby. Isso seria mais fácil para você? Seus ombros relaxaram. — Sim. Eu acho que sim. — Ok. — eu me mudei para frente, fechando os olhos, e dei um passo em seus braços. Eu descansei minha cabeça contra o seu peito, e depois de um segundo, seus braços se fecharam em torno de mim. Sua bochecha descansou em cima da minha cabeça, e ficamos ali, encostados na parede, até que a porta se abriu novamente. A enfermeira disse, calmamente: — Estamos prontos para você, Caden. Ele não se moveu. Não de primeira. Ele me momento, depois respirou para se preparar antes fiquei no corredor por um momento, parada ali fechava. O que quer que estava acontecendo dentro meu coração doer.

segurou mais um de se afastar. Eu enquanto a porta daquele quarto fez

Eu escovei uma lágrima quando fui para o lobby. Eu tinha a intenção de ir para o café, mas parei quando vi Marcus sentado no canto mais distante. Ele estava debruçado para frente, os cotovelos apoiados nos joelhos e sua cabeça entre as mãos. Eu não poderia dizer se ele estava dormindo ou chorando, ou apenas sentado lá. A semente da raiva acendeu dentro de mim. Ele esteve aqui? Quando ele poderia ter estado com seu outro irmão, com Caden? Caden não teria que ficar lá sozinho toda a noite. Mas assim que esses pensamentos passaram pela minha mente, uma segunda onda de tristeza as lavou. Eu não tinha o direito de julgar. Minha família tinha seus próprios problemas, e me lembrei da manhã, quando minha mãe havia falecido. Eu estava sentada assim como ele, no banco mais distante do salão. Eu estava lá, mas eu queria me esconder, e eu não queria que ninguém me dissesse que estaria

~ 232 ~


tudo bem. Não ficaria bem. Nunca ia ficar bem, e tudo o que eu queria fazer era sentar lá e fingir que minha mãe estava sentada ao meu lado. Enchi dois copos de café e coloquei no peitoril da janela ao lado dele. Ele olhou para cima quando me sentei na cadeira na frente dele, meu próprio café na mão. Eu forcei um pequeno sorriso e levantei o copo em saudação. — Dia. Então eu olhei para longe. Nenhum julgamento. Nenhuma pergunta. Nenhuma opinião não desejada viria de mim. Apenas o silêncio e companheirismo. E café. — Você esteve aqui a noite toda? — ele parecia cauteloso quando ele fez essa pergunta. Eu balancei a cabeça. — Diego me contou, e eu vim aqui depois disso. — Diego? Ele não o conhecia. Meu coração doía ainda mais. — Ele é um amigo de Caden. — Oh. — Marcus pegou o café e se recostou na cadeira. — Obrigado. — ele olhou para fora da janela e murmurou, quase como uma reflexão tardia, — Caden tem um monte de amigos que eu não conheço. — Eu tenho certeza que você também. — Não. — ele balançou a cabeça. — Caden conhece todos os meus amigos. Caden sabe mais sobre a minha vida do que eu. E lá estava o elefante branco na sala. Se Colton era gêmeo de Marcus, por que era Caden naquele quarto? Marcus amaldiçoou silenciosamente. — Isso é fodido. Deixe-me adivinhar, apenas Caden está lá? — Você não sabe? — Caden ligou e deixou uma mensagem. Foi isso. Mas desde que você ainda está aqui, eu estou apostando que minha mãe não está lá.

~ 233 ~


Eu sei com certeza que meu pai não voltar. Estou certo? — sua raiva aumentou quando ele continuou falando. — É uma merda. Isso tudo é uma fodida merda. Havia um ar no hospital. Ele não se estendia a outros pacientes ou visitantes, mas eu o senti com Caden, com a enfermeira, a médica, e eu vi que pairava sobre Marcus agora. Ele o envolveu como um cobertor que ele não queria, e eu percebi o que era. Finalmente. Um segredo. Havia um sentimento de que tudo o que tinha acontecido com Colton era errado. Como se fosse vergonhoso. Eles não podiam lamentar corretamente tudo o que tinha acontecido, porque não deveria ter acontecido. Eu não gostei da sensação. Eu me senti sufocada e paralisada tudo ao mesmo momento, e se eu estava me sentindo desse jeito, eu chorei por aqueles que realmente tinham sido feridos pelo que quer que isso fosse. Ouvi-me perguntar, estremecendo, — O que aconteceu com seu irmão? Não, eu fechei os olhos. Eu não deveria perguntar. Era segredo de Colton, mas eu queria saber. Senti que poderia ajudar mais se eu soubesse. Eu sabia as coisas certas para dizer. Eu achei… — Você não sabe? — Eu não perguntei. Eu estava tentando ser atenciosa. — Oh. — ele parou, a dor evidente em seu rosto, e, em seguida, ele deu de ombros. — Caden nunca vai te dizer. Se isso acontecesse com ele, ele não iria querer que ninguém soubesse, mas Colton não vai se importar se eu te disser. Ele nunca foi tão secreto assim. Inferno, ele provavelmente te ama. Você o conheceu? Ele estava acordado? — Eu não o conheci. Eu fiquei no corredor quando Caden entrou. — Pelo amor de Deus. — Marcus revirou os olhos. — Isso é ridículo. Colton teria feito alguma piada idiota sobre se vestir melhor se soubesse que ele iria conhecer você, ou algo estúpido assim. E ele teria rido, se achando engraçado. Ele iria querer te conhecer. Caden deveria ter levado você. — A enfermeira disse que era apenas família. Ela ficou lá. ~ 234 ~


— Oh. — ele ergueu um ombro. — Tanto faz. Eu ainda acho que é besteira. Caden poderia ter, pelo menos, te dito. E, no entanto, ele não estava me dizendo também. Ele não queria. A razão pela qual ele não estava me dizendo era provavelmente a mesma razão pela qual ele não se aventurou além do lobby. Ignorei sua aparência rude e disse, — Caden ia falar com a médica, em seguida, preencher alguns papéis. Ele achou que ele seria capaz de ir depois disso. Eu vim até aqui para esperar por ele. Marcus tinha voltado a olhar para fora da janela, mas agora ele me olhou novamente. Eu vi o medo enterrado profundamente em seus olhos, além da irritação e raiva. Falei com emoção quando eu acrescentei, — Você deve ir agora, se você quiser. Eu não vou dizer nada. — O quê? — ele gaguejou, o Marcus irritado e com raiva se aquietou. O Marcus com medo, em seguida, baixou a cabeça. — Obrigado, Summer. Eu balancei a cabeça. Ele se levantou, e eu peguei a mão dele, dando a ela um pequeno aperto antes de soltar. Ele fez uma pausa. Eu não olhei para cima, mas eu senti sua surpresa com esse pequeno gesto, e um segundo depois, ele saiu sem dizer uma palavra. Vinte minutos depois, Caden veio e tocou meu ombro. — Você está pronta? Eu estava, tentando parecer brilhante e atada a ele, mas quando o seu próprio sorriso escorregou, eu sabia que minha atuação não era convincente. — Desculpe, — eu murmurei. — Me falaram que eu nunca vou ganhar um Oscar. — Eu não me importo. — ele descansou um braço em volta dos meus ombros, puxando-me contra o seu lado. — Obrigado por ter vindo, e ficado. Minha garganta apertou, e eu assenti novamente. — Claro.

~ 235 ~


Eu esperava ir embora, mas quando ele não se mexeu, eu olhei para cima. Ele estava olhando para a xícara de café no peitoril da janela. Marcus tinha deixado para trás. Eu fiquei tensa, não querendo mentir, mas então Caden limpou a garganta. — Se importa de irmos para minha casa e dormir até irmos para a viagem hoje a tarde? Minha mão levantou para se conectar com a sua. Eu segurei apertado. Eu poderia faltar um par de aulas. Eu pegaria as notas mais tarde. — Isso soa incrível. Ele nunca mencionou o copo de café, mas eu sabia que ele sabia. E por essa razão, meu coração doeu ainda mais.

~ 236 ~


— Colton tentou se matar. Caden e eu estávamos em sua cama. A madrugada estava se esgueirando pela janela do quarto. Ela escoria pela fresta em suas cortinas, e nós tínhamos acabado de chegar em sua casa. Eu tinha achado que Caden iria cair no sono imediatamente, mas agora eu sabia que não estava sozinha aqui, olhando para o teto. Suas palavras me impressionaram profundamente, onde apenas lembranças da minha mãe residiam. — Caden. — eu olhei para ele, minha cabeça rolando sobre o travesseiro. Ele estava olhando para cima, assim como eu, e eu não tinha palavras. Estendi a mão para o seu lado, ligando nossos dedos. — Sinto muito. — minha voz foi um sussurro. — Ele entrou em uma briga dois anos atrás. Uma briga idiota, — disse ele. Seus dedos se fecharam ao redor dos meus. — Colton estava em Ivy League. Eu não. Nem Marcus. Era Colton que queria estar nesta fraternidade. Ele queria seguir os passos de nosso pai. Ele estava pensando em um dia assumir a empresa, mas ele estava deixando a pista de treino uma noite, e isso acabou com tudo. E foi tão estúpido. Foi um de seus amigos. Você pode acreditar nisso? Um dos seus próprios malditos amigos. Eles acharam que seria divertido experimentar esses novos capacetes. Eles mandaram Colton colocar um, e eles lhe bateram com um bastão. Duas vezes. Sua mão agarrou a minha tão duramente. Nossos dedos ficaram brancos. Eu não disse uma palavra. — Os capacetes eram defeituosos. Eles não estavam devidamente alinhados, então ele não estava protegido. Ele sofreu uma lesão cerebral, e ele nunca foi o mesmo desde então. — Ele tentou se matar por causa da lesão na cabeça?

~ 237 ~


Caden assentiu. — Uma em cada três pessoas com uma lesão cerebral traumática tem ideação suicida. Você sabe o que isso significa? — Eles pensam sobre o suicídio? — Sim. Um em três. Eu não sei as estatísticas sobre aqueles que realmente tentam o suicídio, mas é enorme. É maior do que deveria ser. Minha mão livre cobriu as nossas mãos unidas. Eu o agarrei com tudo o que tinha. — Esta é a terceira tentativa de Colton. Tentativa. Como se isso fosse uma medalha de ouro ou algo assim. Essa é a terminologia. Isso é o que eles dizem, e você sabe o termo que eles usam para as pessoas que se matam? Eu não respondi. Isto era sobre ele. Eu só queria ajudá-lo. — Chamam de bem sucedido. Alguns médicos estavam cuspindo fatos para nós e divagavam sobre tentativas bem e mal sucedidas. Como se devêssemos dar a eles uma medalha. ‘Bom trabalho, você se matou. Oh, você não? Você não teve sucesso? Que pena. Boa sorte da próxima vez’. — ele parou, puxando uma respiração irregular. — Eu queria rasgar a garganta do médico quando ele disse isso. Bem sucedido. Como se todas essas malditas estatísticas após a primeira tentativa de Colton fosse nos confortar. Meu coração batia forte, pressionando contra a minha cavidade torácica como se quisesse ir com ele. Eu queria tirar a dor dele. Mas eu não podia fazer qualquer uma dessas coisas. — Eu sinto muito, Caden. Ele soltou uma respiração irregular, soando como se fosse arrancado de suas entranhas. — Sim. Eu não quero falar mais nisso. Eu fico fora de controle quando eu faço. Com razão. Eu odiava isso. Eu odiava ouvir uma história tão infeliz, a dor e nenhum final feliz. Deveria sempre haver um final feliz. — Eu sinto muito, Caden. Isso era tudo que eu poderia dizer. — Sim. — ele fez uma pausa. — Dói, isso é tudo. Nós ficamos lá. ~ 238 ~


Em silêncio. De mãos dadas. Talvez eu me mexi. Talvez ele. Eu não sei quem começou, mas isso não importa, porque então nós estávamos nos beijando. Sua boca estava na minha. Eu estava debaixo dele. Eu queria estar mais do que embaixo. Eu queria estar com ele inteiro. E sua mão estava sob minha camisa, arrastando um caminho em chamas quando ele a levantou. Suas mãos estavam em meus seios. Sua boca estava lá. Ele estava beijando, lambendo, provando. Ele estava me amando. Minhas pernas enrolaram em torno dele, puxando-o para mim, tanto quanto ele poderia ir. Eu podia senti-lo. Ele apertou contra mim, e meu Deus, eu queria isso. Eu queria tudo. Eu o queria todo. Eu estava morrendo de fome. Essa não foi como a primeira vez que o tinha beijado. Não foi a combustão quente e repentina que eu senti aquela vez. Foi mais. Foi tão além. Esta era uma necessidade que tínhamos um pelo outro. Talvez fosse sobre o conforto. Talvez fosse uma pequena maneira de fazer algo de bom sair de uma situação fodida. Talvez fosse porque ele estava sofrendo, e, portanto, eu estava e, juntos, poderíamos aliviar essa dor. Ou talvez fosse porque eu estava apaixonada. Fosse o que fosse, meu cérebro parou de funcionar no momento em que ele me disse que estava sofrendo. Meu coração assumiu, e correu quando eu deslizei minhas mãos até seu peito. Ele era forte. Ele era lindo. E, quando ele mergulhou para baixo, sua boca encontrando a minha mais uma vez, ele era meu. — Caden, — eu sussurrei. Eu puxei meus braços ao redor de seus ombros e os passou por suas costas enquanto ele arqueava acima de mim. Sua mão foi para o meu jeans, e ele fez uma pausa, esperando a minha permissão. Eu balancei a cabeça.

~ 239 ~


— Você tem certeza? — Deus, sim. — eu empurrei seu jeans para fora quando ele puxou o meu todo o caminho até o chão. Tínhamos que nos levantar em poucas horas, terminar de embalar, e viajar com um grupo de pessoas que eu não queria estar. Eles estariam no caminho quando era apenas Caden com quem eu queria estar. Quando ele pegou um preservativo, eu sabia que isso era o que eu queria para o fim de semana. Ele. Eu. Em seguida, ele estava dentro de mim, e eu fechei os olhos, não sentindo meu coração doer. Ele estava completa, e quando ele voltou a me beijar, eu movi meus quadris e combinei com o ritmo dos dele. Mexime com ele, saboreando a sensação de seu corpo em cima do meu, porque eu não sabia quando isso iria acontecer de novo, e estava bem. Eu o tinha pela manhã. Eu faria por ele o que eu podia.

~ 240 ~


— Você parece diferente. Encostei-me na Land Rover de Caden, esperando enquanto todos carregavam seus veículos para a viagem. Eu tinha concordado em ir com Caden, e só Caden, mas Avery tinha arriscado esperar comigo. Eu não tinha vontade de falar. O abalo emocional de ir ao hospital, estar lá para Caden, e então, estar com Caden tinha me deixado incomunicável. Eu não poderia pensar, muito menos formar uma frase, e eu estava preocupada se Avery queria falar sobre Claudia. Ela não tinha, graças a Deus. A única coisa que ela disse foi que Claudia não viria mais. Um grande graças a Deus para isso também. Quanto menos drama, melhor. — Estou cansada, — eu disse a ela. — É só isso. — Tem certeza? — ela se sentou no meio-fio e inclinou a cabeça para trás para olhar para mim. Eu podia ouvir sua suspeita. Dei de ombros, mantendo o rosto neutro e tudo o mais sobre mim relaxou. Eu não poderia quebrar. Não haveria gotas de suor na minha testa. Não, senhora. — Sim. Eu fiquei até tarde arrumando as malas. — Você pulou o almoço para terminar de arrumar as coisas. Eu tinha esquecido a minha mentira mais cedo. — Sim. Quer dizer, eu fiz tanto quanto eu poderia durante a noite, mas eu estava acordada até tarde. — Até que horas? — Eu não sei. — Eu fiquei acordada até tarde. Oh, meu Deus. Quando Avery se transformou em uma chata?

~ 241 ~


— Eu não sei. Tarde. Tipo, quatro da manhã. — mantenha-se o mais próximo da verdade quanto possível. Eu aprendi isso assistindo Veronica Mars. — Quão tarde? — Não tão tarde. Finalmente. Ela disse isso a contragosto. Inclinei a cabeça para o lado. — Oh sim. Poderia ter sido mais tarde do que isso. — e agora eu iria adicionar uma outra verdade para distraí-la ainda mais. — Estou nervosa sobre ver Clarissa também. — Está? Olhei para baixo e vi a preocupação em seus olhos. Afundando ao seu lado, joelhos dobrados, e eu os abracei contra o meu peito. — Faz um bom tempo. Além disso, ela vai conhecer todos também. Isso é estressante. — Sua outra amiga vai vir também, não é? — Eu acho que sim. Ela está voando hoje à noite. — ou era sábado de manhã? Então me lembrei que eu deveria deixar Clarissa saber quando estivéssemos saindo. — Eu já volto. Eu estava correndo para longe, o meu telefone na mão, quando Caden chamou meu nome. Eu me virei. — Sim? — Vamos. Estamos indo. — ele estava indo em direção ao Land Rover. — Eu tenho que ligar — Ligue no caminho. Bem, tudo bem então. Eu comecei a voltar, e Marcus atravessou meu caminho, indo para sua caminhonete. Nossos olhos se encontraram e ficaram lá. Ele diminuiu a velocidade, mas não o suficiente para parar completamente. Quando passamos um pelo outro, ele disse: — Obrigado. Eu balancei a cabeça. — Sem problemas. — Hã? Avery estava ao meu lado, também indo em direção aos carros.

~ 242 ~


Eu teria me assustado, porque minhas habilidades de mentir eram inexistentes, mas Marcus revirou os olhos e apontou para a sua caminhonete. — Você vai comigo ou o quê? — Eu não sabia se você queria que eu fosse. — Sim. — ele disse isso como se ela devesse ter sabido desde o início. Ela se animou e correu para longe, chamando por cima do ombro, — Deixe-me pegar minha bolsa. Está bem ali. A troca estranha entre Marcus e eu foi efetivamente esquecida. Ele se virou para andar para trás. — Não leve a mal, mas você é péssima sempre que é interrogada. Eu balançava a cabeça para cima e para baixo. — Sim. Provavelmente por isso que meus anos de escola foram chatos. Ninguém queria que eu fosse cúmplice para qualquer coisa. Ele resmungou, rindo antes de girar e ir para sua caminhonete. — O que foi aquilo? — Caden perguntou enquanto eu subia no carro. Merda. — Hmm? — Nem tente mentir para mim. Eu fechei a porta e fiz uma careta. A panela foi para o fogo. — Se você acha difícil o suficiente, você vai ser capaz de descobrir isso. — Por que você não me contou? — Porque eu não quero ser idiota. Eu fiz uma promessa. — Para manter um segredo de mim? — Para não delatar seu irmão. — A mim? — seus olhos escureceram. — Por favor, Caden. Só pense nisso, então eu não tenho que me sentir como uma péssima guarda segredos. O início da caravana começou a sair do estacionamento, e Caden tirou o Land Rover da vaga, entrando na linha. Ele me lançou um olhar de soslaio. — Eu não gosto de ideia de você ter um segredo com o meu irmão. ~ 243 ~


— É por isso que eu estou dizendo para você pensar sobre isso. E depois de um segundo de silêncio, ele disse, — Ele estava no hospital, não estava? Eu não disse nada. — O copo de café no peitoril da janela. Era dele. — Eu não posso nem confirmar nem negar. Ele xingou. — Está bem, está bem. Você não é uma delatora. Parabéns, mas não guarde um segredo de mim novamente. Olhei para ele, momentaneamente chocada. Ele disse com uma veemência subjacente que fez o meu estômago torcer. — Sim, — eu disse. — Sem problemas. — Prometa. — ele cortou os olhos para mim. — É importante para mim. Fiquei de boca seca. — Eu prometo. Ele balançou a cabeça, os ombros relaxando. — Acabei de pensar nisso agora - o que você gosta quando você viaja? Eu sorri para ele, virando-me para seu rádio. — Música dos anos 80, baby. Não me diga que não acende o fogo12. Ele gemeu. — Esta vai ser uma longa viagem. Mas ele estava sorrindo, e isso me fez sorrir também.

12

É uma referência a música antiga que tinha na letra a frase “light the fire”. ~ 244 ~


A

dormeci.

A culpa é da minha vida sexual, que é o que eu disse a Caden quando ele me acordou. Ele tinha revirou os olhos em resposta, mas eu vi o pequeno sorriso. Nós não tínhamos falado sobre o que aconteceu entre nós. Nós tínhamos adormecido depois, e, então tinha sido uma corrida louca desde que acordamos. Ele tinha me levado de volta para terminar de arrumar as coisas, enquanto ele fez o mesmo. Eu dei uma pausa antes de sair do seu Land Rover para ir para o dormitório. Eu não tinha certeza do que fazer. Beijá-lo? Acenar? Piscar com uma sugestão sexy para mais tarde? Eu não tinha ideia, então eu não fiz nada. Caden se aproximou, mas ele só tinha esfregado meu braço. Então. Ok. Isso foi mais do que tinha feito antes, menos do que o que tínhamos feito duas horas mais cedo, mas tudo bem. E foi isso. Nós não tínhamos falado sobre isso desde então, e agora eu estava sentada em seu Land Rover na faculdade de Dubrois, observando os caras levarem tudo para dentro de uma casa. Correção. Eu vi Caden levar as coisas para dentro. Havia outras pessoas ao redor, mas eu não conseguia tirar os olhos dele. Mordi o lábio quando ele jogou dois sacos estofadas por cima do ombro. Sua camisa levantou alguns centímetros, e eu vi o estômago que eu tinha me deleitado em tocar mais cedo. Eu vi suas tatuagens também, todas deliciosas que continuavam onde começava seus jeans. Ele se mexeu, e seus jeans escorregaram o suficiente para revelar o início do V. Eu não sabia qual o termo técnico, e eu não me importava. Ele era de tirar o fôlego, e ele tinha sido meu. Uma sensação de calor me inundou.

~ 245 ~


Eu não conseguia segurar um sorriso, e eu me sentei lá, aproveitando o momento. Eu dormi com Caden. Eu ia dormir com ele novamente naquela noite - ou eu assumi. Eu fiz uma careta. Talvez eu não fosse. Talvez ele tivesse outros planos. Mas não, ele estava chateado antes, quando ele descobriu que eu tentei ficar no quarto de Clarissa. Agora eu não tinha certeza. — Ei! Eu gritei, afastando-me da porta. Era Clarissa. Cabelo tingido de loiro com as mesmas raízes escuras aparecendo. Perfeitos dentes brancos iguais. Mesma amiga pequena e bonita que eu sentia falta. — Agh! — eu abri a porta e me lancei para ela. — Eu senti tanto sua falta! Ela riu, me abraçando de volta. — Oh meu Deus. Isso é sexy, não é?! — ela se virou, observando todos os caras se deslocando para trás e para frente. Alguns tinham roupas e lençóis, mas eles estavam principalmente bebendo e comendo, os dois fundamentos mais importantes para o fim de semana. Vendo a emoção nos olhos de Clarissa, eu percebi quão acostumada eu me tornei a estar perto da fraternidade. Era normal para mim. Eu tinha esquecido o sentimento maravilhoso que eu experimentei quando me tornei amigo de Caden. — Sim. — Idiota. — ela me deu um soco no braço. — Você deveria ter me dito quando vocês estariam chegando. Nós descobrimos a partir de alguns dos rapazes. Eles vieram as 10h30 desta manhã. Eu me senti como uma idiota, sem saber quando minha melhor amiga estava chegando. — Eu caí no sono no caminho para cá. Ela balançou a cabeça, revirando os olhos. — Eu vou te perdoar se você nos conseguir um quarto privilegiado para ficar. — Uh...

~ 246 ~


Eu não sabia o que dizer. Eu não tinha nenhuma força, e me senti estranha pedindo a Caden para fazer isso, mas Marcus estava vindo em nossa direção. Quando ele chegou à porta traseira da Land Rover de Caden, ele me viu olhando para ele. — O quê? — Você me deve. Uma carranca instante apareceu. — Eu distraí Avery antes. Estamos quites. — De jeito nenhum. Isso está em você. Você ainda me deve. Clarissa entre nós, os olhos arregalados. Eu só podia imaginar o que ela estava pensando. Marcus era grande e musculoso. Ele era uma espécie de idiota também. Ele era exatamente sua fantasia, e eu sabia que ela estaria gritando assim que ele se afastasse. — Vamos, Summer. Vou levar as suas malas. Esse é o pagamento. Eu cruzei os braços sobre o peito. — Minhas amigas querem ficar na casa. Elas vão precisar de um quarto. — Esse é o favor? — ele parecia cético, digitalizando Clarissa de cima abaixo. — Você é a melhor amiga? — Ela é a razão pela qual nós viemos em primeiro lugar. — Inferno. Peça a Caden. — Estou te pedindo. Ele inclinou a cabeça para o lado. — Por que não pede a Caden? Porque parecia estranho. Eu espelhei seu movimento, inclinando a cabeça para o lado também. — Porque você é o único que me deve. — Você está falando sério? — Seríssimo. Ele amaldiçoou, abrindo a porta de volta com mais vigor do que precisava. — Você é tão estranha. Você é legal um segundo, em seguida, louca. — ele agarrou minha bolsa, e a de Caden. — Você vai fazer isso? — eu pressionei.

~ 247 ~


— Eu vou pensar em alguma coisa, sim. — ele assentiu rigidamente para Clarissa. — Prazer em conhecê-la. — Você também, — ela disse sem fôlego. Quando saiu, ela se mudou para vê-lo passar, batendo em mim. — Summer. Por favor, me diga que esse não é o cara. — Não é. Marcus estava na calçada e subindo os degraus da frente quando Avery correu para ele, disse algo, e disparou na frente dele. Ele mudou seu domínio sobre as bolsas para libertar um lado, batendo na bunda dela quando ela desapareceu dentro da casa. Eu acrescentei, secamente, — Mas ele é para ela. — Nós a odiamos? Eu poderia dizer que Clarissa queria odiá-la. — Ela é minha amiga. — Oh. — Desculpa. Ela tomou uma respiração profunda, seu sorriso reforçado e cotovelos ligados a mim. — Então, vamos chegar lá e encontrar um cara diferente. É primordial escolher um para nós, ou para mim. Mim. É primordial escolher um para mim. Nós fomos para dentro, e eu a apresentei para os caras que eu conhecia. Quando Avery veio, eu sabia que não tinha que me preocupar com qualquer ódio. Clarissa derreteu assim que Avery a abraçou, dizendo o quanto ela sentia que já a conhecia por minha causa. O resto das amigas de Avery vieram também, convidando Clarissa para ficar em um dos quartos que elas já tinham sequestrado antes que os caras pudessem reclamá-los. — Não que todos nós vamos usar esses quartos. — Avery riu enquanto Clarissa apostava sua reivindicação sobre uma das camas. Era um quarto duplo e Avery perguntou: — Quando é que ela vem? — Assim que sua última aula terminar. Eu mantive minhas tardes de sexta-feira livres de propósito, e eu vim quando ouvi que os visitantes da Alpha Mu tinham chegado. — Ouviu? — Avery questionou.

~ 248 ~


— A fraternidade Alpha Mu é um grande negócio aqui. Eles tocam nas melhores festas, então, quando a notícia se espalhou de que outro grupo ia chegar, sim – a notícia se espalhou. A festa hoje à noite vai ser uma loucura. Um lampejo de preocupação passou por mim. Talvez eu devesse verificar se o nosso quarto tinha um bloqueio. — Onde você está hospedada, Summer? A pergunta veio de Clarissa, mas eu podia sentir o profundo interesse de Avery também. Dei de ombros, sentindo me coçar toda, de repente. — Eu não sei. Eu vou ver depois. — Você está pensando em pedir minhas chaves do dormitório mais tarde esta noite? — O quê? — perguntou Avery. — Sim. — Clarissa apontou para mim. — Essa aqui me ligou algumas semanas atrás e perguntou se ela poderia ficar no nosso quarto se ficasse muito lotado aqui. Eu disse que ela era louca. Todo mundo está esperando entrar nesta festa. Por que você não ficaria? Sabe? Avery riu, mas soou um pouco forçado. — Oh sim. Eu sei. Eu relaxei. Nós estávamos rindo. Estava tudo bem. Eles estavam se dando bem, e depois Avery parou. — Você vai ficar com Caden hoje à noite? Nós não estávamos mais rindo. A coceira dobrou, e eu tentei coçar a orelha contra o meu ombro. — Uh. O quê? — Caden. Você veio com ele. Você disse que ele ficou chateado antes. Você está dormindo com ele? — Você quer dizer apenas o lugar que eu vou dormir? Seus olhos estavam nos meus, e quando olhei para fora, eu senti uma pegadinha vindo dela. — Você sabe o que quero dizer, — disse ela. — Sim. Eu posso ficar lá, mas eu não sei. Nós não falamos nisso. — Quem é Caden? O cara lá fora disse o nome dele também.

~ 249 ~


— Você deveria ir perguntar a ele. — Ele é o cara? — Clarissa se inclinou mais perto, sussurrando. — O cara? — a atenção de Avery voltou à minha amiga de escola. — O que você quer dizer? — Tem um caraEu apertei a mão no braço de Clarissa. — Meu amigo. Isso é o que ela quer dizer. Eu disse a ela sobre a minha amizade estranha com Caden. Ela acha que é mais do que isso. Avery franziu a testa. — Não é uma amizade estranha. — seu tom de voz suavizou. — Você não é estranha, Summer. Você apenas pensa que é. Agora eu fiz uma careta. O que ela quis dizer com isso? — Lá está Paige! — Clarissa explodiu, acenando. — Paige, aqui. Uma menina com cabelo curto, olhos verdes impressionantes, e um corpo esguio percorreu um grupo e entrou no quarto. Ela estava usando uma saia longa preta com uma blusa verde cortada. Ela segurava de seus seios, ligeiramente caindo sobre seu estômago, e ela os cobriu com uma pequena jaqueta de couro preta. Ela era punk, nervosa, e bonita, e eu estava instantaneamente com ciúmes. Avery a olhou decima abaixo, e eu peguei uma ligeira ondulação de seu lábio superior. Eu não era a única. Então Clarissa fez as apresentações, e tanto quanto eu odiava, Paige era boa. Eu gostava dela. Ela tinha um sotaque do sul doce, que era um ímã para os caras. De repente, Marcus veio para acolher as nossas amigas. Seus amigos estavam com ele e mais irmãos da fraternidade de Caden se materializaram. Todos queriam ter certeza de que estávamos bem. Avery bufou com essa desculpa, e após o quinto cara querer dar um boas-vindas educado para Paige, ela murmurou baixinho, — O que somos? Fígado picado13? Marcus colocou um braço em volta dos ombros dela. — Não, pra mim não.

Ela fala chopped liver, que é alguém percebido como sendo de pouco valor, evidenciado por ser ignorado quando outros estão recebendo atenção. 13

~ 250 ~


Isso ajudou. Suas bochechas ficaram rosa, e ela suavizou novamente. — E quanto a você, Summer? A pergunta veio de Paige, mas eu estava tendo um momento deja vu. — O quê? — Você tem um namorado? Clarissa disse que havia um cara vindo. Avery conteve um sorriso, assim como Clarissa. Marcus fez uma careta. — Não diga isso. Eu não quero saber quaisquer detalhes sobre você e meu irmão. — Então há um cara. — Clarissa me deu um olhar astuto, apertando os lábios. — Algo mais do que uma amizade? Eu estava desconfortável. — Hum. Você sabe. Nós somos amigos. — comecei a recuar. Marcus bufou, e todos olharam para ele. — O quê? Vocês não sabem? Pânico cortou através de mim, e eu cerrei os dentes. — Você não sabe nada. — minha voz atrelou a uma nota mais alta. — Porque não há nada a saber. Nós somos amigos. É isso. Marcus me deu um olhar confuso. — Eu sei, mas eu só ia dizer que somos bons amigos. É isso. Engoli em seco um nó na base da minha garganta. Ele balançou a cabeça, levantando o braço dos ombros de Avery. — E você está estranha de novo. Avery, venha tomar uma bebida comigo. — ele não deu a ela a chance de decidir. Seu dedo enrolou na cintura dela e a puxou para trás. Eu queria segui-los, mas me virei para o grupo que havia se reunido. Não era apenas Clarissa e sua companheira de quarto agora. Havia outros rapazes e um deles trocou de pé, coçando atrás da orelha. — Há alguns de nós que gostaria de saber se você é, você sabe... — ele ergueu as sobrancelhas.

~ 251 ~


Minha boca abriu. Eu não tinha ideia do que isso significava. — Hã? Paige cobriu a boca, sacudindo os ombros. Clarissa me bateu no braço novamente. Ela se aproximou e disse em meu ouvido: — Ele quer saber se você está disponível. Oh. ... OH! Minha cabeça girou. — O quê? Não. — merda. — Quer dizer, eu não sei. — eu balancei a cabeça. Eu tinha que ir. Eu não queria falar sobre isso mais. — Onde está Caden? Eu preciso encontrar minha bolsa. O cara respondeu, mas eu não estava escutando. Eu disse de forma apressada, — Já volto, — e empurrei meu caminho através da multidão. A cozinha estava cheia, assim como a sala de estar. A quantidade de pessoas rondando já havia dobrado. Acho que o que Clarissa disse era verdade – esta seria uma festa enorme. Mas quando eu continuei procurando a casa, e não conseguiu encontrar Caden, comecei a ficar preocupada. Eu andei através dos andares superiores e todos os quartos, em seguida, entrei pela última porta e a fechei atrás de mim. Eu não me importava de quem o quarto era. Então eu ouvi do outro lado, — Se perdeu?

~ 252 ~


U

m arrepio desceu na minha espinha. — O quê? A porta do banheiro se abriu, e um sapato familiar apareceu primeiro. Era Caden.

Eu caí no chão em alívio. Eu pensei que estava em um quarto com um estranho, e quem iria saber o que estranho faria. Parei de divagar. Eu estava irritando a mim mesma. — Desculpa. Achei que você fosse outra pessoa. Encontrou o nosso quarto. — ele parou, olhando para mim, uma toalha em suas mãos. — Você está chateada? Sim. Abracei meus joelhos com mais força. — Não. — mentira. — ele se abaixou, pegou minha mão e me puxou para ficar de pé. Ele me levou para a cama e sentou ao meu lado. — Algo aconteceu? — Nada. — Conte-me. — Não. Nada aconteceu. — Eu disse que sem mentiras comigo. Suspirei. Maldição. Ele me pegou nessa, mas quanto mais eu me ficava lá – sentindo-o ao meu lado, ouvindo a sua preocupação - mais eu esquecia o que me chateou em primeiro lugar. Derretendo contra seu lado, murmurei, — Vou ficar com você esta noite? Ele esfregou minhas costas. — Achei que sim. Esse era o plano antes.

~ 253 ~


Eu balancei a cabeça, meus músculos do pescoço tão apertados. Eu queria perguntar sobre nós, sobre mais cedo esta manhã, mas o medo pesou minha língua. Eu era uma covarde. — O que está acontecendo agora? — ele se afastou um pouco. — Você está se sentindo estranha sobre esta manhã? Finalmente! Minhas mãos voaram. — Você está? — Não. Minhas mãos se abaixaram. — Você não está? — Por que eu deveria? — Porque... — sim, por quê? Eu me ridicularizei. — Porque o sexo é um grande negócio. E sexo entre amigos é um negócio ainda maior. — Entendo. Olhei para ele, mordendo meu lábio. A máscara estava de volta - a que ele usava quando ele não queria que eu o lesse. Nunca me importei quando a situação envolvia outra pessoa, mas essa era eu. Era nós. Eu não queria uma maldita máscara entre nós. Eu perguntei, com a voz rouca, — Você entende? O que isso significa? — Você se arrependeu esta manhã? — ele perguntou. Minhas entranhas gritaram, mas o meu orgulho me impediu de derramar. Uma âncora caiu para o meu estômago, e eu só podia sentir afundando cada vez mais longe. Eu precisava ter certeza. Mais uma vez. — Você? — Não. — Você tem certeza? Ele franziu a testa para mim, os olhos encapuzados. — Se eu fosse lamentar ter dormido com você, eu não teria feito isso. Eu não sou um daqueles caras que faz merdas por causa do momento. Pelo amor de Deus, a vida do meu irmão é uma merda por causa de um desses momentos. Lágrimas apareceram no canto dos meus olhos. Eu os cobri, tentando esconder a umidade, mas eu sabia que era inútil.

~ 254 ~


Caden viu tudo. Caden me viu. Então eu fechei os olhos em vez disso, como se isso fosse fazer qualquer coisa. — Ei. — ele pegou minhas mãos, delicadamente. — O que é? Conte-me. Seu polegar foi para o lado da minha boca e desceu, seguindo o meu lábio. Eu percebi que eu estava franzindo a testa. Eu tentei rir, mas era inútil. Isso saiu soando como metade de um gargarejo e metade de um soluço. Então eu sussurrei, porque ele estava me deixando louca, — O que somos? — O que você quer dizer? — Você e eu. O que nós somos? O que foi esta manhã? — Você quer rotular isso? Eu segurei minha língua, me perguntando se eu poderia continuar sem saber. Eu não podia. Eu balancei a cabeça. — Acho que sim. Isso é um problema? Eu vou enlouquecer sem saber. Eu só tenho que saber sobre as expectativas. — As expectativas? — suas sobrancelhas se ergueram. — Sim. Tipo, se eu dormir aqui, você vai dormir em outro lugar, com alguém... mais? — Não. O quê? Não. — ele balançou a cabeça. — É isso? Você acha que eu vou estar com alguma outra garota essa noite? — Bem, quando você coloca isso assim, sim. — eu empurrei minha cabeça para cima e para baixo. — A amiga de Clarissa é linda. Ela tem todos os caras comendo na palma da mão dela. Olhei para ele, perguntando-me com o coração apertado, se ele seria um desses caras. Porque eu não podia aceitar isso, não mesmo, nem mesmo um pouco. — Ei. — ele suavizou seu tom. — Eu achava que você sabia até agora que eu não sou esse tipo de cara. Meu Deus, eu não sou Kevin. Eu não bebo, festejo por aí, e transo. Eu costumava fazer isso. Por um ano inteiro de merda e quase todos os quatro anos do ensino médio, ~ 255 ~


isso é tudo que eu fiz. Então eu recebi um telefonema que o meu irmão estava no hospital e seu futuro se foi. Ele apertou minha mão. — Ninguém entendia. Ele tem a mesma aparência. Ele soa como o mesmo, mas ele não é. Ele está morto por dentro. Isso é o que as lesões cerebrais fazem com você. Elas tiram da pessoa o que as torna essa pessoa e os deixa sentir a dor de maneiras que ninguém pode entender. Colton nunca vai ter o futuro que ele queria. Ele estava no conselho estudantil, era o capitão na pista, capitão de futebol, basquete, ele estava no jornal – era o garoto que queria correr a presidência um dia. Ele tinha tudo planejado. Ele suspirou e olhou para baixo. — Então tem eu e Marcus. Eu festejei, fiz esportes, fui despedido. Isso é tudo. Eu não queria estar em nenhuma fraternidade. Eu não queria nada disso. E Marcus? Ele é quase pior. Ele faz corrida de carro desde o segundo ano. Ainda faz. Ele e seus amigos, é aonde eles vão nos fins de semana. — ele estava perdendo vapor. Ele fechou os olhos, respirando fundo. — Você não sabe da missa a metade, Summer. Nem sequer a metade, não mesmo. Se você acha que eu sou o cara que está tomando decisões estúpidas para o resto da minha vida, pense novamente. Eu tenho que viver a vida por ele agora. — Caden. — meu peito tinha rasgado ao meio. Sua mão mergulhou para dentro, e ele tinha tomado conta do meu coração. Ele o tinha em suas mãos. Toquei seu braço, não pensando em mais nada. Eu meio que me sentei quando ele se virou para mim. Talvez fosse uma segunda natureza agora. Talvez ele lesse minha mente, ou talvez isto era apenas o que deveríamos fazer, mas ele me pegou quando eu me aproximei dele e me guiou para seu colo. Eu só queria afastar a sua dor. Ajoelhei-me sobre ele, não sentando completamente. Arrastando uma mão sobre o peito, eu o empurrei para a cama. Quando eu olhei para ele, suas mãos foram para minhas pernas. Seus polegares começaram a esfregar para frente e para trás. Meu corpo estava se aquecendo. Seus olhos escureceram, mas ele não fez nada. Ele me olhou com aqueles olhos encapuchados e doloridos. Eu toquei o lado de seu rosto com ternura, e o segurei na palma da minha mão.

~ 256 ~


Ele fechou os olhos e inclinou-se na minha mão. Isso me deu fôlego, e então eu me inclinei e o encontrei. Era mais tarde quando me lembrei que ele não tinha dado um rótulo para nós, mas Caden tinha adormecido me segurando ao peito. A música começou no andar de baixo, mas eu fechei os olhos. Tudo podia esperar.

~ 257 ~


— DOSES DE JELLO SÃO DIVERTIDOS E FÁCEIS! VOCÊ QUER SE SENTIR VIVO? TOME UM E SE DIVIRTA UM POUCO! A gritaria parecia vir do lado da nossa porta, e eu me levantei, acordado de um sono profundo. — Porra. — meu coração batia forte. Caden se sentou ao meu lado, deslizando uma mão nas minhas costas. — Você está bem? — DOSES DE JELLO SÃO DIVERTIDOS E SONHADORES! ACHOU ALGUÉM FÁCIL? COMPARTILHE UMA DOSE E SE TORNE UM CRIMINOSO! Meus olhos se arregalarem pela segunda vez. — Eles estão brincando, porra?! Caden saiu da cama em um flash. Ele andou pelo quarto, suar descendo deliciosamente em seus quadris. Fiquei horrorizada com o canto, mas ainda capaz de apreciar a visão. Suas costas tinham contornos perfeitos. Todo cheio de músculos. Cheio de cumes. Uma obra gloriosa. Eu tinha quase esquecido o canto quando Caden abriu a porta, me bloqueando deles, e gritou: — CALEM A BOCA! Nós não somos esse tipo de fraternidade! — Quem te fez chefeCaden saiu pela porta em um segundo, e eu me mexi, sabendo que minha barreira tinha ido embora. Eu rolei para os meus pés, o lençol em volta de mim, e vislumbrei Caden empurrando um cara contra a parede, a mão na garganta dele. Peguei minha blusa e calças, deslizando para o banheiro. Antes que a porta se fechasse atrás de mim, eu olhei por cima do ombro.

~ 258 ~


Marcus estava ali, de costas para mim. Ele tinha tomado a posição de seu irmão, e eu quase caí em alívio. Vestindo-me rapidamente, voltei para o quarto assim que alguém explicou, — Chutar a sua bunda desse jeito é que faz dele o chefe. — Nós não fazemos coisas assim aqui, — um rapaz resmungou. — Este é nosso lugar. Nós não batemos nas pessoas. — Não, você está certo, — a primeira voz respondeu. — Vocês são os únicos que apanham. Eu me aproximei da porta e toquei as costas de Marcus para que ele soubesse que eu estava lá. Ele respirou fundo, depois relaxou quando viu que era eu. Olhei debaixo do seu braço para ver o que estava acontecendo. Um grupo de rapazes estava no corredor. Havia demais para contar, mas Caden estava no meio, olhando para o chão. Não precisava ser um gênio para descobrir que o cantor idiota estava no chão. Inclinei-me mais perto, tentando ver melhor. Marcus mudou de posição, fechando a pequena brecha que eu tinha aberto. — Ei, — eu sussurrei. — Não faça isso. Eles sabem que uma menina está aqui. Não os deixe ver que é você. — Você está me ajudando, hein? — Eu estou ajudando o meu irmão. — Marcus sorriu. — Ele é o único que está te ajudando14. Revirei os olhos. — Vá se ferrar. — em seguida, fiz uma careta. — Não comece. Ele riu. — Você facilita as coisas, Stoltz. A propósito, sua amiga é gostosa. A amiga dela também. Fiz uma careta. — Você está com Avery.

Aqui ficou confuso, mas é que não temos nenhuma palavra compatível. Ela usou a palavra “Do me a solid”, que significa ajudar um amigo, mas que pode ser interpretada de outras maneiras. No caso Marcus acabou zoando ela. 14

~ 259 ~


— Eu sei. Estou apenas avisando que suas amigas vão transar hoje. — seu olhar se mudou para a cama. — Cinco minutos atrás, eu teria escolhido você como a empata foda de suas amigas por causa da impureza disso. — Que tipo de garota você acha que eu sou? — eu repensei isso. — Não responda. Eu não quero saber. A voz de Caden soou novamente, erguendo-se sobre as queixas, — Eu não sei quem começou essa maldita música, mas tudo isso acabou agora. Uma gravação. Isso é tudo que vocês precisam, e ambos os nossos grupos poderiam fechar. — Não é como se nós estivéssemos realmente fazendo isso — EU NÃO ME IMPORTO! — Caden rugiu de volta. — Meu pai é um legado15, assim como a maioria do de vocês. Meu irmão daria qualquer coisa para ser um Mu Alpha. Eu não vou deixar uma música idiota arruinar tudo isso. Vocês são melhores do que isso, então ajam de melhor. Agora deem o fora do meu quarto. — Caden. — O quê? — Quem é a garota lá dentro? Algumas caras riram, acrescentando, — Sim. Queremos saber para não darmos em cima da sua garota. — Vão se foder. Mais risos e eu os ouvi se afastar. Marcus voltou para mim, propositadamente me pastoreando para dentro do quarto. Caden apareceu. Eu podia vê-lo acima de seu irmão, e seus olhos encontraram os meus. Uma mão lhe deu um tapa no ombro. — É por isso que você vai ser presidente no próximo ano. Bom trabalho, Caden. Assim que ele estava na porta, Marcus fechou e se apoiou contra ela, cruzando os braços sobre o peito. Seu olhar foi de Caden para mim, seu sorriso se aprofundando. — Isso é novo e excitante. — Vá se foder também, — disse Caden.

15

Um homem cujo pai, avô, tio ou irmão foi iniciou uma Fraternidade. ~ 260 ~


Marcus riu. — Espero que sim. Você já tem a sua essa noite. Eu ainda preciso pegar a minha. Eu deveria me sentir abençoado. É como se a Fraternidade de Deus tivesse concedido sua sabedoria a mim. Caden flexionou a mão. — Preciso me exercitar. Minha mão não é a mesma. Eu achei que Marcus estava brincando, mas sua troca tinha ficado rapidamente azeda. Dei um passo entre eles, limpando a garganta. — Ok, eu não sei o que está acontecendo, mas cada um para o seu canto. — eu apontei para Marcus. — Vá encontrar Avery. Trate ela bem. Divirta-se esta noite. Suas narinas inflaram e eu me preparei para uma segunda rodada. Eu estava pronta, mas ele não disse nada. Eu não achei ter sido a única a ser surpreendida, embora eu não tenha olhado para Caden. Marcus se afastou, escancarando a porta e espreitando para fora. — Certo. Limpo. O corredor estava vazio neste momento. Eu fechei a porta e olhei para trás. — O que foi isso? — Colton, — Caden resmungou, indo para a sua bolsa. Ele trocou suas calças, puxando jeans e, em seguida, uma camisa. Ele a puxou, empurrando a cabeça pelo buraco antes de pegar meias e sapatos. A última coisa que ele pegou foi um boné de beisebol. Eu nunca tinha visto esse antes. Quando ele colocou, ele cobriu os olhos, deixando aparente apenas sua mandíbula forte, lábios perfeitamente adoráveis, e as maçãs do rosto que tinha me deixado salivando. O boné também lhe deu um olhar irritado, e eu abafei um suspiro interno. Isso só o deixou ainda mais gostoso. — Então… Sua mandíbula apertou e seu olhar afastou. — Olha, isso não tem nada a ver com você, mas eu estou com vontade de beber esta noite. Muito. — Entendo. — Eu estou fodido agora. Eu quero estar com você esta noite, mas eu não deveria estar perto de você agora. Eu não quero brigar com você. Você não merece isso.

~ 261 ~


— Então não sou eu? — eu agarrei as extremidades da minha camisa em um punho apertado. — Eu não fiz nada de errado? Uma maldição selvagem escorregou dele. — Não. De jeito nenhum. Você foi a única coisa boa esta noite, ontem à noite, esta manhã - tudo isso. Eu estou apenas com vontade de brigar e eu preciso mudar minha música bem rápido. Eu tenho medo de dizer a coisa errada para você. Isso é tudo. — Ok. — Ok? — Ok. — eu assenti. — Vejo você lá em baixo. Seus ombros relaxaram e ele atravessou o quarto para me beijar na testa. — Obrigado. — sua mão roçou a minha quando ele saiu. — Encontre-me em uma hora. Eu vou estar em um humor melhor. — Certo. Sim. Estarei lá, — eu disse a mim mesma com a porta fechada. Olhei para nossa cama vazia. Os lençóis ainda estavam desarrumados.

***

CADEN Summer achou que estava indo beber. Ótimo. Ela não precisava saber onde eu estava realmente indo. Quando cheguei ao piso principal, passei pela multidão. Estes eram os meus rapazes. Eu não geria a casa. Eu não era o presidente deles. Esse trabalho era reservado para um sénior. Mas eu era o seu líder não oficial, e todos sabiam disso. Não era algo que eu queria. Eu não tinha escolhido isso. Colton tinha, e só de pensar fez um fogo queimar ainda mais. Eu vi Marcus, e eu me concentrei nele. Ele estava falando com Avery e outras duas meninas. Eu não as reconheci, e eu não queria. Eu estava me aproximando. Dez metros. Nove. Oito. Marcus olhou para cima, uma cerveja na mão e um olhar ~ 262 ~


cauteloso em seus olhos. Ele viu o meu boné de beisebol, e seus olhos se arregalaram. Ele sabia o que o boné significava. Era a minha maneira de esconder. Eu usava isso quando eu queria brigar, quando eu queria ser o cara mau escondido dentro de mim, e ele começou a olhar em volta de mim. Ele queria que Summer estivesse aqui. Que pena. Ele sabia que ela me acalmava. Ela me apaziguava. Ela fazia a raiva ir embora, na maioria das vezes. Mas não desta vez. E eu fechei a distância. Oito. Seis. Quatro. — Ei. — ele ergueu as mãos, junto com sua cerveja. — Trégua, ok? Sinto muito sobre o que eu disse lá em cima. Eu balancei minha cabeça. — Não foi um acaso. Eu peguei a cerveja e dei para Avery. Ela a tomou e eu peguei o ombro de meu irmão e o empurrei na minha frente. — Onde estamos indo? O que você está fazendo? Eu não disse uma palavra. Ele sabia o que estávamos fazendo, porra. — Caden? — Avery chamou. — Marcus! Eu parei. — Diga a ela para ficar. O sangue drenou de seu rosto. — Por quê? O que estamos fazendo? — Marcus! — Avery gritou novamente. — Diga a ela. — Onde está Summer? — Ela está no quarto. Pedi a ela para me dar uma hora. Ele me estudou. — Por quê? — Por que você acha? — É sobre Colton? — Ei! — o último grito de Avery estava muito mais perto. As duas meninas estavam com ela.

~ 263 ~


— Diga a ela para recuar a menos que você queira que ela ouça tudo sobre o quão idiota você foi, — eu avisei. Minha mão apertou seu ombro. — Ela sequer sabe que você é um gêmeo? Ele empurrou meu braço. Seus olhos brilharam. — Cale a boca. — Ei, pessoal! — Avery estava muito perto, para o bem dela e dele. — Caden, onde está Summer? Marcus continuou a olhar, me estudando. Eu estava preparado para levá-lo para fora, não dando a mínima para quem nos seguisse. Eu não tinha nada a esconder, não como ele tinha. — Eu tenho que falar com Caden, — ele finalmente rosnou. — Nos dê um minuto. — Tem certeza? — ela parou ao nosso lado. Essas duas meninas presas nela como cola, ambas com os olhos arregalados. — Onde está Summer, Caden? Eu segurei o olhar de meu irmão quando eu respondi, — Ela já vai descer. Ela está no quarto. Marcus tossiu, acenando para mim. — Nós vamos estar de volta daqui a pouco. Não, uh, não nos siga. — ele começou a avançar, e eu girei em meus calcanhares, movendo-me para a porta de trás e, em seguida, do lado de fora. Havia pessoas no quintal, então abri o caminho, indo até uma área privada arborizada. Eu esperei. Desta vez, eu sabia que meu irmão estava vindo.

~ 264 ~


CADEN — O que estamos fazendo, Caden? — Você estava no hospital. Meu irmão fez uma pausa, uma risada dura deixando-o. — Ela disse, huh? Eu não deveria me sentir surpreendido. Quero dizer, ela estava em sua ca— Termine a frase, e isso é a última coisa que você vai se lembrar desta noite. — minha mão flexionou e seu olhar caiu sobre ela. — Sim. E daí? — ele mordeu. — Eu estava lá. — Você estava lá, Marcus! Lá. Você poderia ter ido vê-lo. Ele teria querido você lá. Estou cansado de você chegar, mas não estar lá. Há uma grande diferença do caralho. Ele se inflamou agora. Seus olhos eram selvagens. — Você está brincando comigo? Sabe como é olhar para ele assim? — SIM! Porque eu estava lá. — Pare com isso, Caden. Entendi. Você é o irmão mais velho, mas isso é entre mim e Colton. É diferente. — Como? — eu queria empurrá-lo. Era errado fazer isso. Era errado bater também, mas eu já tinha acertado uma pessoa esta noite. — Como é que é diferente? Porque é você? — Pare. — Porque poderia ter sido você naquela cama em vez disso? Nesse vestido de hospital? — Eu disse para parar. — uma veia estalou do lado do seu pescoço. — Pare, Caden. Eu me aproximei. — Eram seus amigos naquele dia, Marcus. ~ 265 ~


— Caden! — sua voz subiu uma oitava. — Seus amigos. — minha voz baixou. — Seu rosto. O capacete era para você. Eles queriam bater em você, não em Colton. — Cale-se. — Você entrou em uma briga com eles no dia anterior. Eu ouvi tudo sobre isso. — CALA A BOCA! — ele me empurrou. Eu não me movi. Eu estava bem ali, bem na cara dele. — É por isso que você não vai vê-lo? Porque eles fizeram isso para te machucar? — Eles eram amigos dele também. — Não. — eu balancei a cabeça. — Eles andavam com ele, mas eram seus amigos. Seus amigos. Você saia com eles toda semana. Sua briga. Deveria ter sido você. Isso é o que você pensa, não é? Eles o machucaram para te machucar. Ele não podia falar. Seu peito arfava para cima e para baixo. Seus ombros estavam apertados. Ele estava perto de quebrar. Eu queria quebrá-lo. — Por que você estava no hospital? Por que não foi para o quarto dele? Por que, Marcus? — Porque deveria ter sido eu! — ele cuspiu. Eu o quebrei. — Você está certo. É isso que você quer ouvir?! Sim! Deveria ter sido eu. Eles queriam me machucar, então eles o escolheram porque— Porque? — eu agarrei sua camisa, formando dois punhos. — Por que, porquê? Diga. — Porque ele era fraco. — ele me empurrou para trás, um golpe duro, rápido no meu peito. — Eles o escolheram porque ele iria fazer o que eles queriam. Ele colocou esse maldito capacete. Eles sabiam que era defeituoso. Fui eu quem lhes disse isso. Eu! Eu disse a eles sobre o capacete. Seus olhos brilhavam com lágrimas não derramadas. Elas se agruparam em seus cílios inferiores, mas não caíram. Ainda não.

~ 266 ~


— Foi minha culpa, Caden, — ele engasgou. — A coisa toda foi culpa minha. Você está certo. É isso que você queria? — Eu queria saber por que você se recusa a estar lá para o seu irmão, quando é óbvio que você quer estar. — Bem, aí está. Agora você sabe. O que você vai fazer agora? — Nada. — O quê? — ele riu, fracamente. — Você não vai fazer nada, porra? Depois de tudo isso? — Não há nada a fazer senão dizer que você é um idiota. Então as lágrimas caíram. — O quê? — ele perguntou. — Você não lhe deu o capacete. Você não disse a Colton para colocá-lo. Você não pegou o bastão. Você não fez nenhuma dessas coisas. — eu me aproximei, baixando a voz. — Você não oscilou. Não era você. — Pare com isso, Caden. Ele começou a se virar. Apanhei-o e o arrastei de volta. Eu não iria deixá-lo, não quando ele precisava ouvir isso. — Não é sua culpa. A culpa é desses idiotas. É culpa deles. Eles escolheram fazer isso. Eles escolheram machucá-lo. Você não escolheu isso. Puta que pariu, Marcus. Eu não tinha ideia de que você achava que era. — Por que não eu?! — Seu rosto. Isso é o que eu achava que era o problema. Que cada vez que você olhava para ele, você se via. Você achava que poderia ter sido você. — fiz uma pausa. — Isso é o que eu vejo. Eu me vejo. Eu vejo outra vida que eu poderia ter tido. Eu sou o único que luta. Você corre. Eu era festa e luta. Colton era quem brilhava. Ele era a estrela, não você ou eu. — Eu sei. — sua boca se fechou. — Eu sei. — Pare de se afastar dele, está bem? Vá ver o seu irmão. Em casa, no hospital, onde quer que seja. Ele segurou o meu olhar novamente. — Ok. Eu vou.

~ 267 ~


— Eu só preciso de ajuda com isso. É por isso que eu explodi esta noite. Eu sabia que você estava no hospital. Summer nunca disse uma palavra. — Como você sabe? — Você deixou o café. — Merda. — ele se endireitou. — Eu nem sequer pensei nisso. Eu apertei seu ombro, desta vez em solidariedade, não com intimidação. Sacudi suavemente. — Eu só preciso de ajuda. Isso é tudo. Ele assentiu. Ele apertou a mão no meu ombro. — Eu vou. Nós observamos um ao outro de forma constante. Era apenas nós. Nossa mãe estava em negação, esperando o dia em que seu filho iria ‘acabar com tudo’, e nosso pai tinha estado em viagens de negócios quase o tempo todo. Ele preferia estar longe do que ver seu filho do jeito que ele estava agora. Partido.

***

SUMMER Depois de pegar uma bebida, eu passei pela casa, mas eu não consegui encontrar meu pessoal. Nada de Avery, nem de Clarissa, nem de Paige - imaginei incluí-la também. Eu me disse que não estava à procura de Caden, mas eu sabia que estava. Eu não consegui encontrálo também. Ele não estava em qualquer canto da casa, porão, sala, garagem. Eu não tinha ideia, então eu voltei para o quintal e, finalmente, ouvi meu nome ser chamado. — Ei, Sum Sum! Por aqui. Clarissa acenou para uma mesa de piquenique em um canto distante. Um grupo inteiro se reunira lá. Clarissa piscou algumas vezes, mostrando suas covinhas, antes de lançar os braços ao redor do meu pescoço. — Porondevocêesteve? — sua voz era abafada, fazendo cócegas no meu pescoço.

~ 268 ~


Eu dei um tapinha nas costas. — Eu estava no andar de cima. Onde você esteve? — Nós estávamos aqui. — ela sorriu, dando um passo para trás, mas ainda segurando minhas mãos. — Estou tão feliz que você veio neste fim de semana. Eu senti saudade de você. Eu sinto falta de May também. Oh! Ela ligou. Ela ficou doente, e outra coisa aconteceu, mas eu não estava entendendo. De qualquer forma, ela não vai vir, e eu sinto falta dela. Também senti sua falta. — Eu senti sua falta também. — eu senti, mas a minha felicidade estava guerreando com a preocupação sobre Caden no momento. Olhei ao redor da mesa novamente. Avery estava sentada com suas amigas em uma extremidade. Paige estava em outra, um cara ao lado dela. Ela acenou. — Estávamos procurando por você. — Sim! — Clarissa agarrou os topos dos meus braços, surgindo na ponta dos pés. — Vimos Caden. É Caden? Ele é o cara? — ela se inclinou, dando-me uma boa lufada de ar de cerveja. — Por favor, me diga que ele é o cara, porque meu santo, ele é lindo. E está com uma cara péssima conversando com o namorado de sua amiga agora. — Quem? — Sua amiga. — ela apontou para Avery. — O namorado dela? — minha mente estava se movendo lentamente, mas entendeu. Caden estava bravo com Marcus, mas... — Eles estão bebendo juntos em algum lugar? — Eles não parecem estar indo beber juntos. — Clarissa riu novamente, furando as mãos para cima, enrolado em punhos. — Eles mais pareciam estavam indo para lançar um par destes. — ela apontou para o ar com uma mão, colocou-o contra o peito, e apontou com a outra. — Se você souber o que quero dizer. — Ok. — eu empurrei seus braços para baixo. — Nunca mais faça isso, mas sim, eu sei que você quer dizer. Ele me disse que queria beber. Ele mentiu para mim. Eu precisava encontrá-los. Não importa quão irritado Caden estava, eu sabia que ele não queria machucar seu irmão. — Para onde eles foram? ~ 269 ~


As garotas balançaram a cabeça, encolhendo os ombros. Eu olhei para alguns caras. — Onde? — É coisa de meninos. Bati meu pé e me arrependi imediatamente. Doeu, mas eu fiz isso novamente. — Onde?! — Apenas diga a ela. Ela é a garota de Caden. Eu não tinha certeza de quem disse isso, mas eu olhei ao redor da mesa novamente. — Obrigada. — e ele estava certo. Eu era a garota de Caden. Certo? Tinha que ser verdade agora, depois de dois momentos juntos. Cale-se, Summer. Eu me repreendi. Agora não é a hora de começar a obsessão e se preocupar com isso. O cara no final apontou para trás de uma segunda casa. — Eles foram para lá. Eles não voltaram ainda. Eu estava indo. — Você que qu a gente va? — Clarissa gritou, pronunciando suas palavras. — Não! — eu acenei pra ela, mas, em seguida, Avery se levantou e correu atrás de mim. — Ave— Estou indo. É o meu namorado também. Parei e lancei a ela um sorriso. — Namorado, huh? Ela sorriu de volta, me acotovelando. — Garota de Caden, huh? — Eu poderia rir e dizer algo ridículo, neste momento, se eu não estivesse preocupada com eles. Ela suspirou. — Eu também. Vamos. Eu estava pronta para qualquer coisa. Sangue. Gritaria. Socos. Eu estava até mesmo preparada para encontrar Marcus inconsciente no chão, mas eu não tinha preparada para o que estavam fazendo quando nós os encontramos. Eles estavam rindo. Eu balancei minha cabeça. — Não tenho palavras.

~ 270 ~


— Nem eu. Marcus olhou para cima primeiro, e seu rosto aqueceu. — Vocês finalmente pensaram em nos verificar, não é? — ele se aproximou, abrindo os braços e abraçou Avery em seu peito. — Minha menina. Toda preocupada. — ele olhou para baixo, sacudindo sua orelha. Ele não estava sorrindo, mas era óbvio o quanto ele a adorava. — Você me disse para ficar. O que eu deveria fazer? — Nada. — ele deu um beijo em sua testa. — Você fez exatamente o que você deveria fazer. — Ignorar você? — Trazer reforço. — ele se virou para mim. — Achei que você iria me dar uma dura. Você não fez. Obrigada. Eu achei que iria precisar, mas eu olhei para Caden. Ele me deu um sorriso apertado de volta. Seus olhos não estavam sorrindo, não como seu irmão. — Quem você acha que eu sou? Alguma péssima guarda-promessa. O sorriso de Caden se aliviou, mas apenas um pouco. Marcus bufou. — Isso nunca. Nunca. — ele piscou para mim, balançando Avery para frente e para trás. — Certo? Dei um passo mais perto de Caden, mas ele não me tocou, e eu não o toquei. Inclinei-me para ele, apesar de tudo. Eu não poderia evitar. Avery notou e bateu no peito de Marcus com as duas mãos. — Você e eu, vamos voltar para a festa. — Por quê? Eu estou gostando daqui. — Porque... — ela não conseguia pensar em nada. — Só porque. Vamos. — ela o puxou com ela, erguendo as sobrancelhas para mim. — Eu vou manter um olho na sua amiga. — Obrigada. Caden os assistiu ir, em seguida, olhou para mim. — Por que me sinto como se eu fosse o único com problemas agora? — Porque você meio que está. — eu toquei seu peito. — O que está errado?

~ 271 ~


— Eu estou bem. Marcus e eu estávamos apenas nos entendendo. Cavei um dedo em seu peito. — Você disse que sem mentiras. Você mentiu para mim. Ele abriu a boca, mas não saiu nada. — Porra, — ele finalmente conseguiu. — Você está certa. Eu sinto muito. — Então acerte as coisas, me diz o que está errado. Foi quando a tensão sumiu. As linhas ao redor dos seus olhos diminuíram, os cantos rígidos de sua boca se suavizaram. Ele estendeu a mão para mim, e suas mãos caíram para os meus quadris, me puxando para ele. Ele me ancorou ali, exatamente onde parecia perfeito. Ele suspirou e baixou a testa para descansar na minha. — Obrigado. — Pelo quê? — Por me fazer deixar isso ir. Eu não sabia como eu tinha feito isso, mas tudo bem. Eu ia aceitar. Eu pressionei minhas duas mãos contra seu peito, e eu podia sentir seu coração lá. Eu sabia que eu era parte da razão pela qual ele acelerou um pouco. Meu próprio coração pulou uma batida. Murmurei, — Você precisa me dizer o que está errado. — Eu sei. — sua mão apertou a minha cintura. — Eu vou te dizer mais tarde, mas foi sobre Colton. Olhei para uma de suas mãos. Eles haviam se mudado de volta para a minha cintura. — Não procure hematomas ou, mais hematomas. — uma delas estava um pouco vermelha. Toquei, sabendo que tinha vindo do cara cantando no corredor. — Você me inspira, — eu disse a ele. — É? O quê? — ele se inclinou para trás para ver o meu rosto. Virei-me para ele. — Você faz a coisa certa. — Eu tento fazer a coisa certa. — ele fez uma careta. — Mas houve um monte de anos que eu não fiz a coisa certa. Se você me

~ 272 ~


conhecesse há dois anos, ou até um ano atrás, não teríamos sido amigos. Eu era um idiota. — Talvez, — talvez não. Eu tinha uma sensação de que ele ainda seria gostoso. — Obrigada. — Pelo quê? — Por organizar esta viagem inteira. Ele riu. — Agora eu sei que você está apenas falando merda. Eu não organizei isso. Os caras fizeram. — Eles fizeram? — Eles fizeram. — Eu estou te agradecendo. Ele traçou alguns dos meus cabelos e enfiou os fios atrás da minha orelha. Sua mão permaneceu lá, descansando no meu pescoço. Ele esfregou minha bochecha. — Você deveria sair com sua amiga enquanto você está aqui. — Eu vou. Eu só queria ter certeza de que você estava bem. — Eu estou bem. — seus olhos escureceram, e nós já não estávamos neste momento. O ar parou, e meu corpo instantaneamente aqueceu. — Eu vou estar melhor esta noite, mais tarde. Eu ri. — E com isso acho que devemos voltar? — Não. — ele me abraçou contra ele. — Ainda não. Então, nós não voltamos.

~ 273 ~


O

fim de semana foi além das palavras. Não havia palavras para isso. Clarissa não conseguia superar a coisa entre eu + Caden. Foi assim que ela ficou chamando. A coisa.

Eu sabia que parte disso foi porque eu me recusei a dar a isso um rótulo, principalmente porque Caden e eu nunca voltamos a essa conversa. Eu não queria um título em nós que ele não estaria de acordo, então Clarissa chamou de ‘a coisa’. Ela continuou chamando assim até o momento em que voltamos para a Land Rover e fomos embora, e eu estava bem com isso, eu decidi. Era livre, indescritível, misterioso. Não poderia ser derrubado. Livre. Eu mencionei solto? Como se pudesse fugir? Era isso que ser livre também significava. Livre para ir embora. Livre para não ficar por aqui. Livre para não ser comprometida - e tudo estava funcionando. Caden não era esse tipo de cara. Ele não foi assim todo fim de semana. Ele tinha sido hesitante, gentil, atencioso, delicado, incrível, maravilhoso, e o tipo de cara que uma garota como eu não namorava. Palpite para minha paranoia. Eu me senti passeando em breve. O telefone interrompeu a minha montanha-russa emocional através do meu dormitório. Apanhei-o, suspirando de alívio. — Olá? Uma voz masculina respondeu, — Eu posso ir buscar o meu irmão mais novo. — O quê? Caden? Oh cara. Ele parecia tão maravilhoso. Caloroso. Forte. Estável. Não era louco como eu. — Sim. Eu estava ligando para te dizer que o médico deu alta para Colton.

~ 274 ~


— Oh. — eu deixei cair o telefone neste momento. Merda. Porra. Eu o agarrei, sentada na minha cadeira. — Desculpa. Você vai ir buscar? — Eu estava pensando se você queria vir? E meu cérebro se remexeu, mais uma vez. — Você está falando sério? — Aparentemente Marcus ligou para Colton ontem, e você foi um grande tema entre eles. Colton insistiu sobre você vir. Ele não se preocupa com as circunstâncias. — Eu... — não tinha ideia do que dizer. — É que - quero dizer ele está bem sobre estar em torno de alguém que não é familiar? — Ele não se importa, honestamente. Uma vez que ele descobriu que você tinha estado no hospital durante toda a noite, sua decisão já estava tomada. Ele disse que você é uma garota que ele tem de conhecer, disse que você tem atender ao pedido dele. — Conhecer? Como conhecer e cumprimentar? — Não. Como carne de bife ou frango16. — Oh. — eu ri, pensando nisso. — Ele soa meio engraçado. — Ele é. Ele ainda tem isso. — ele parou por um momento. — Você quer vir, então? É o último minuto, vou agora mesmo. — Sim! — eu não precisei pensar nisso. — Claro. — Ótimo, porque eu estou do lado de fora do seu quarto. — O quê? Olhei, e a porta se abriu. Caden estava ali, enfiando o telefone de volta no bolso. Ele me deu um sorriso que fez meu coração pular uma batida e meu estômago rodar. Eu esperava que isso jamais fosse embora. Coloquei um grande sorriso, talvez com um pouco grande demais, porque eu vi as sombras escuras em seus olhos, e eu fui até ele. — Ei. E como se fosse a coisa mais natural do mundo, ele levantou o braço e eu me aconcheguei em seus abraços. Minha cabeça foi para o Pra nós não faz muito sentido, mas é que a frase deles em inglês rima e as palavras são muito parecidas: Like meet and greet e like beef or chicken. 16

~ 275 ~


seu peito, minha bochecha contra seu coração, e os seus braços se fecharam sobre mim, segurando-me a ele. A coisa mais natural do mundo, como respirar. — Obrigado, — disse ele. Eu olhei para cima. — Estou honrada em ser convidada. Ele estava tenso, mas ele tentou sorrir de volta. Ele vacilou. — Colton está... — ele parou. Eu balancei minha cabeça. — Você não precisa dizer nada. Você o ama. Isso diz tudo. Ele esboçou um sorriso. — Isso é muito extravagante. — Eu não me importo. — eu não o fazia. Era a verdade. Eu não sabia nada sobre lesões na cabeça, mas eu tinha feito pesquisa sobre isso no fim de semana. Eu escapei quando houve momentos de silêncio, que tinha sido poucos e distantes entre si. Alguns dos testemunhos que eu li na internet quebrou meu coração, e me doeu pensar que o irmão de Caden estava passando por algo semelhante. Eu estava nervosa também. O sentimento não desapareceu. Meia hora mais tarde, eu estava sentada no estacionamento, esperando na Land Rover quando Caden entrou para buscar Colton. Bati meu pé no chão. Eu puxei minha camisa. Puxei alguns fios soltos, e se eu continuasse, minha camisa provavelmente se desfaria. Eu tinha estado lá por dez minutos, quando outra caminhonete parou perto de mim. Olhei e vi Marcus. Ele estava sozinho, e ele levantou uma mão em um olá, mas ele estava tão tenso como Caden mais que Caden. Seu rosto estava um pouco verde. Quando ele saiu, eu rolei minha janela para baixo. — Parece que você vai vomitar. Ele fez uma careta, apertando a mão ao estômago. — Eu não sei se é por causa disso ou se eu realmente estou passando mal. Eu acho que Avery ficou doente esse fim de semana. Ela estava vomitando esta manhã quando eu saí. — Avery, huh? Na sua casa?

~ 276 ~


Ele revirou os olhos. — Nem comece. — Mas olha, eu preciso. Eu tenho que começar. Avery é minha amiga. Eu estou saindo com o seu irmão. Você e eu somos colegas. Eu acho que nós podemos desenvolver nossa amizade ao estágio em que eu te fico te zoando. Devemos até mesmo começar a nos sentar ao lado um do outro na sala de aula. — Não pressione sua sorte. Eu continuei, — É uma progressão natural. Não lute contra isso, Marcus. É como evolução. Não lute contra a evolução. Você nunca vai ganhar. A mãe natureza é uma cadela. Ela sempre vai ganhar. — Que porra você está falando? — Como começar a te zoar. É uma experiência incrível na vida, como dar à luz. É doloroso para uma pessoa, mas de tirar o fôlego para a outra. Eu sou o bebê aqui. Eu consigo sentir o ar pela primeira vez na minha pele. Deixe-me respirar, Marcus. Deixe-me colocar meus pulmões de bebê para trabalhar e gritar. — Eu juro que você está me deixando ainda mais doente. — Se você tem que vomitar, não se segure. É um processo natural do corpo. Ele me olhou por um momento. — Você rima isso de propósito? — Talvez. Ou eu poderia ser louca? — eu pisquei. — Ou apenas uma senhora elegante? — Pare. Eu realmente vou vomitar agora. — ele gemeu, pressionando o braço contra a testa. — Eu iria provocá-lo sobre Caden, mas esqueci. Eu não achei que teria energia para lidar com a sua rima. — Me falaram que eu sou incrível assim. — Quem te disse isso? — Quem não é a verdadeira questão. — Você não está fazendo sentido. — Eu faço isso também. Isso é muito verdadeiro. — eu me perguntei se eu deveria procurar um saco pra ele, no caso de ele realmente vomitar.

~ 277 ~


— Você acabou de me deixar animado para quando Caden e Colton finalmente aparecer. Eu pensei que eu estava nervoso sobre vêlos, mas não. É você. Meus nervos não podem lidar com você. Eu tinha outra piada pronta e estava prestes a deixá-la voar quando eu olhei para o estacionamento. As palavras morreram em minha garganta. Caden e um cara que tinha a cara de Marcus e altura de Marcus perto de um e noventa - caminhavam em nossa direção. O cabelo castanho de Colton era mais claro e maior do que o de Marcus, as extremidades emoldurando seu rosto de forma atrevida. Quando eles se aproximaram também pude ver que seus olhos eram um pouco diferentes. Colton tinha ligeiras nuances de âmbar neles, como o de Caden. O de Marcus era da cor de seu cabelo, um marrom escuro. Meus nervos voltaram em um instante. Minhas mãos tremiam, então eu as alisei nas minhas calças. Marcus se endireitou e olhou por cima do ombro. Ele deu um passo em direção a eles. Respirando fundo, eu saí da Land Rover. Eu não tinha palavras. Pela primeira vez. — Ei, cara. — Marcus estendeu a mão. Seu sósia olhou para ela, levantou o canto da boca em um sorriso torto, e agarrou a mão de Marcus. Ele o empurrou para frente. — Que porra é essa? Você te que abraçar um irmão. Você não aperta as mãos. — ele passou os braços em torno de Marcus. Depois de um segundo, Marcus levantou os braços e o abraçou de volta. Quando eles voltaram, Colton manteve a mão no ombro de Marcus. — É bom te ver. — Você também. Marcus balançou a cabeça para cima e para baixo, agarrando um punhado da camisa de Colton. Ele descansou a mão no ombro dele e o puxou de volta por um segundo abraço. Caden ficou para trás, observando a troca. Seus olhos encontraram os meus, e eu vi a mesma tensão de antes, mas um pouco mais forte. Depois que seus irmãos se separaram, ele ergueu o punho. — O que você está fazendo aqui, cara?

~ 278 ~


Marcus o acertou com seu próprio punho. — Nos entendendo. Colton sorriu de orelha a orelha. — Já era hora. Agora que Caden se resolveu, eu vou precisar que você me leve pra sair. Eu preciso de uma namorada também. Caden riu. — Eu acho que Avery tem algumas amigas. Não é, Marcus? — Avery? — Colton olhou entre seus irmãos. — Quem é Avery? Ela é a menina de antes? Marcus endureceu. — Era Maggie. — Avery estava na sua frente. — E ela está de volta? Droga. Eu realmente preciso sair mais com você. — então Colton virou para mim e estendeu a mão. — Você tem que ser Summer. Eu não podia fazer nada. Eu vi a dor, a tristeza, e a tempestade em seus olhos. Eu podia ver nele. Ele não era apenas sósia de Marcus. Ele era de Caden também. Ele tinha os olhos de Caden. Ele era tão parecido com Caden que me tirou o fôlego. Então eu vi uma corrente de força, uma determinação para continuar, e muito mais. Eu não poderia apontar o que era, mas de repente, e tão completamente, fiquei impressionada. Minha voz saiu como um grito rouco. — Oi. Sua mão se estendeu para mim, e um sorriso se espalhou pelo rosto. — Sou Colton.

***

Colton era incrível. Ele riu. Ele brincou. Ele me interrogou com uma piscadela e balançar das sobrancelhas. Ele zoou Marcus - pontos extra por isso - e ele adorava Caden. E ele era quem ele era. Paramos em um restaurante ao ar livre, e quando ele se sentou, sua camisa subiu, expondo mais do que uma parte normal de

~ 279 ~


cicatrizes. Ele estendeu a mão para a manga, como se estivesse indo para puxá-lo de volta para baixo, mas não viu o meu olhar. Ele deixou pra lá e, em vez colocar o braço sobre a mesa, ele se virou para que eu pudesse ver melhor. Ele apontou para uma cicatriz que corria todo o comprimento do seu braço. — Esse é o que o povo acha que é o TS. — TS? — Tentativa de suicídio. Ele disse casualmente, e um arrepio desceu na minha espinha, mas eu empurrei isso para longe. Se ele podia lidar com isso, eu estaria ferrada se eu fosse aquela que me contorcia. — Não foi aquela? — Nah. — ele puxou a manga para baixo e apoiou os cotovelos sobre a mesa. Então, ele acenou com a cabeça em direção à linha. — Vocês podem pedir. Summer e eu vamos conversar. Caden se levantou, apertando a minha mão uma vez debaixo da mesa, e partiu sem dizer uma palavra. Marcus ficou para trás, sua hesitação óbvia. — Vai, idiot- — Colton começou. Eu o cortei, — Eu vou começar a rimar, Marcus. Ele gemeu, mas assentiu. Passando os dedos sobre a mesa, ele se levantou e apontou para mim. — Não comece. Eu vou sonhar com essa merda. Eu pisquei para ele quando ele deu a volta em torno da mesa. — Você está me chamando um pesadelo? Ouvi sua risada antes dele passar por mais duas mesas e sair do alcance da voz. Colton olhou para seu irmão gêmeo, a cabeça inclinada para o lado. Um sorriso suave acompanhou suas palavras suaves, — Ele gosta de você. — Eu sou um gênio nas rimas. Eu posso fazer algo mágico. — Não. — ele balançou a cabeça, os olhos ainda pensativos e estranhamente sombrios. — Marcus te respeita. Eu posso dizer. Isso é impressionante. Eu nunca vi isso antes. ~ 280 ~


Eu bufei. — Oh, qual é. Tenho certeza que ele respeita muitas coisas. — Não— Prostitutas. Pornô. Concursos de camiseta molhada. Colton riu. — Presentes de Natal. Sapatos. Coceira no saco. Um cão que ele possa ter. Manhã de sexo. — eu acenei para ele. — Eu poderia continuar durante todo o dia. — Tô vendo. — Tá vendo o quê? — Que os dois gostam de você. Ele tinha passado por um inferno, e ainda estava lá, tentando voltar, mas ele estava focado em mim, em seus irmãos. Senti uma pontada no meu peito. — Ele respeita você também, você sabe. — Não, ele não respeita. — Ele re— Ele tem medo de mim. — os olhos de Colton eram claros e focados. Ele quis dizer o que ele disse, e ele estava bem com isso. Não havia tristeza, apenas uma análise concisa. — Eu o deixo nervoso, porque poderia ter sido ele. Isso faz com que ele se sinta culpado por não se tornar o que Caden se tornou. É mais fácil negar algo que aceitálo. — Eu... — quaisquer palavras que eu poderia ter formado morreram na minha garganta. Eu não tinha nada. Olhei para o meu colo antes de olhar para ele mais uma vez. Meus olhos tinham uma névoa traidora em cima deles. — Marcus não é tão ruim, — eu disse. — Você está certa. Ele não é. Caden era pior. — O que você quer dizer? Seu sorriso desapareceu. — Nada. Eu acho que Caden que tem que te contar. E olhe para mim, eu estou falando merda sobre meus

~ 281 ~


irmãos quando eles foram legais o suficiente para me buscar, me leve para comer e me apresentar a uma menina bonita. — ele tentou reforçar seu sorriso, então era menos assustador. Ele falhou. — Você vai ter que me perdoar. Acabei de te conhecer, mas as minhas habilidades sociais não são o que eram uma vez. Eu tendo a apressar as coisas agora. Minha terapeuta continua me dizendo para abrandar. — Você não tem que abrandar nada comigo. — Mesmo assim. — ele apontou para o meu rosto. — Eu posso dizer que eu estou te assustando. Essa não foi minha intenção. Me desculpe por isso. — Você não assustou. — Está bem. — Você não assustou. — eu me inclinei para frente e sussurrei uma vez que Caden e Marcus estavam voltando com a nossa comida. — Caso você não tenha notado, eu não sou expert social também. — Expert social. — ele inclinou a cabeça em direção à mesa, os ombros sacudindo na risada silenciosa. — Você está certa. Nenhum de nós tem essa habilidade. Eu balancei a cabeça, séria. — Não mesmo. Caden e Marcus estavam sentados. Eu acrescentei, — Mas é algo a aspirar. Colton soltou uma risada abrupta. — Sim. Sim, é, eu acho. — sua risada continuou até que ele tinha lágrimas em seus olhos, mas elas eram lágrimas boas. O tipo que cura. O tipo que você queria ver, porque elas traziam alívio. Elas traziam algo bom, como o sol aparecendo pela primeira vez em meses. Caden e Marcus ficaram imóveis, e eu sabia que eles estavam pensando. Eu não era o sol. Eu era apenas um adiamento da escuridão. Colton segurou minha mão sobre a mesa e apertou. — Obrigado. — ele parecia um pouco engasgado, mas voltou para a sua comida. Uma hora depois, estávamos para deixar Colton em casa, mas Marcus ofereceu. ~ 282 ~


— Tem certeza? — perguntou Caden, uma ligeira carranca no rosto. — Sim. — Marcus se levantou e sacudiu a mão para seu gêmeo. — Vamos. Te devo uma conversa de qualquer maneira. — sua mandíbula firmou. — E eu devo a mamãe a verdade também. Um brilho de lágrimas apareceu nos olhos de Colton, mas ele as piscou de volta e limpou a garganta. — Não, está bem. — ele estava ao lado de Marcus, batendo a mão em seu ombro. — Eu acho que é hora também. Caden não parecia convencido, e para ser honesta, nem eu. Desde a reunião com Colton, mesmo neste curto período de tempo, eu tinha me sentido protetora com ele. Talvez eu tivesse herdado alguns dos sentimentos de Caden sobre seu irmão, ou talvez eu tivesse pego a hesitação Marcus. De qualquer maneira, eu me encontrei prendendo a respiração, esperando que tudo ficarmos bem entre os gêmeos. Eu não queria que Marcus fizesse mais dano do que já foi feito. Olhando para os dois lado a lado, as semelhanças eram evidentes. Assim como as diferenças. Marcus tinha personalidade. Enquanto apesar das suas piadas e provocações, Colton parecia uma casca de uma pessoa. Se a dor era um oceano, sua fachada eram as bolhas brancas das ondas. Elas estavam lá se havia força suficiente para se formarem, e elas distraíam o que estava por baixo, mas eu via através delas. Os olhos de Colton caíram para os meus, e o sorriso bemhumorado em seu rosto escureceu com sua emoção real: medo. Ele estava com medo assim como eu estava e como eu imaginei que Caden estava também. — Ok. Eu vejo o julgamento. — Marcus amaldiçoou, enfiando as mãos nos bolsos e deslocando-se nos calcanhares. — Se acalmem. Eu estive por aí, mas eu não participei muito, se vocês podem chamar assim. Estou fazendo isso agora. Então eu vou levar Colton para casa. Vou rastejar e provavelmente chorar tentando fazer as pazes com o cara que compartilhou do útero comigo. — ele fechou os olhos, e seus ombros se ergueram quando ele tomou uma respiração curta. Ele tossiu novamente. — Vocês sabem o que quero dizer. — E a mãe? — perguntou Caden. — Mãe tem sido pior do que eu, — disse Marcus.

~ 283 ~


Colton olhou para o chão, afastando-se assim ele estava de costas para a conversa. Ele começou a puxar um fiapo imaginário. Marcus suavizou seu tom. — Eu nunca estive em negação. Eu sabia que era ruim, eu estava apenas— Assustado. Marcus olhou, mas Colton não tinha olhado para trás enquanto ele puxava. — Sim. Eu estava com medo, — disse Marcus. — Mas minha mãe está em negação. É hora de falar com ela. — Eu deveria estar lá para isso, — disse Caden. — Por quê? Colton começou a rir, amargo e seco. Marcus repetiu a pergunta para Caden. — Por que você tem que estar lá? — Nós precisamos fazer isso juntos. Ela não vai ouvir de outra forma. — Ela não vai ouvir de qualquer maneira. — Colton voltou agora, sacudindo a cabeça. — Vocês não têm ideia. Caden, você esteve lá mais tempo, mas você não sabe como a mãe fica quando você sai. Ela finge ser solidária na sua frente. Ela sabe. Mas então ela me diz ‘para superar isso’. Ela pergunta quando eu vou para a faculdade. Ela pergunta por que eu não tenho um trabalho, e por que eu não estou me exercitando mais. — ele acrescentou, com a voz rouca, — Eu passo mais tempo com o cão do que ninguém. Gus é mais amável do que qualquer um. Eu não tinha palavras. Marcus também não. O único que respondeu foi Caden. — É por isso que Marcus e eu vamos fazer isso juntos, — disse ele. — Você não deveria estar lá. Sua luta é continuar. Nossa luta é nos levantar por você. Colton olhou para longe. A cabeça de Marcus baixou. Caden olhou para o céu.

~ 284 ~


As emoções estavam elevadas, e o ar espesso. Estes três se amavam. Era muito óbvio, mas eles estavam limitados em como eles mesmos diziam. Eles precisavam de uma menina - alguém que diria o que precisava ser dito, explicar o que precisava ser feito. Sua mãe deveria ter sido essa pessoa, mas parecia que ela tinha os abandonado de alguma forma. Eu decidi. — Colton, você pode ficar comigo durante o dia. — eu ia ser sua garota. Todos os três olharam para mim, com variadas expressões de alívio. — E como você poderia ter um cão e não me dizer?! Eles soltaram risadas. Caden levantou uma sobrancelha. — Eu não sabia que você gostava de cachorros e, além disso— É meu, — acrescentou Colton. Ele deslizou as mãos nos bolsos, parecendo com a posição de Marcus, e me encarou. — Você pode vir ver Gus sempre que quiser. — seus olhos voltaram para Caden. — Se estiver tudo bem com você? Caden acenou com a cabeça. — Ela pode ir sempre que ela quiser. — sua voz soava crua. Colton levantou a cabeça abruptamente, dando um sorriso trêmulo. Ele bateu no braço de seu irmão. — Nós devemos ir. Estou meio interessado em te ouvir rastejar. Marcus gemeu, batendo em seu ombro. — Você vai me fazer passar pelo inferno, não é? — Com certeza. Prepare-se. Marcus acenou para nós. — Vemos vocês mais tarde. — Não diga nada para a mamãe, não sem eu lá. — Sim, sim. Com isso, Colton e Marcus foram para a caminhonete de Marcus. Eles foram embora não muito depois disso, e eu deixei escapar um suspiro suave, o meu coração quebrando. Eu não entendia a lesão de Colton, mas eu entendia a dor, e ele teve mais do que ninguém deve aguentar. Eu sabia disso.

~ 285 ~


Caden amaldiçoou em voz baixa, em seguida, me dobrou a seu lado. Eu quebrei para alguém que não podia quebrar.

~ 286 ~


E

u estava deitada sobre o peito de Caden duas semanas mais tarde, completa após um clímax que eu senti todo o caminho até a ponta do pé. Eu nunca me considerei uma tarada, mas as últimas semanas eu entrei no reino da possibilidade. Ok, talvez não. Ninfomaníacos faziam isso algumas vezes por dia. Eu não era tão ruim - ou Caden e eu não éramos tão ruins - mas quem se importa. Logística. Senti que tinha entrado em um novo capítulo na minha vida, aquela em que o sexo era um componente ativo. Um sorriso estúpido esticava sobre meu rosto. Eu estava completamente nua. Normalmente eu estaria autoconsciente. Não mais. Eu tinha começado a adotar toda a atitude de Caden de eu-não-dou-a-mínima e foi incrível. Eu tive meu primeiro incidente alguns dias atrás, quando Maggie me encurralou na sala de correspondência do campus. Ela era toda, — Você quer Kevin para si mesma. E eu fui tipo, — Porra, não. Eu tenho outra pessoa. Mas eu não entrei em detalhes, porque não tinha havido nenhuma conversa real que fazia Caden e eu oficial. Eu a trouxe uma vez, mas a conversa nunca aconteceu novamente. Eu estava com medo de ouvir o que Caden diria, então pouco tínhamos falado sobre isso desde então. Maggie tinha jorrado um monte de outras acusações, mas eu sintonizei tudo para fora, não sei de onde isso estava vindo. Kevin e eu ainda saíamos, mas não era tanto. Ok, era quase nada. Eu tinha visto ele duas vezes, mas ele não tinha pedido mais aulas, e eu estava preocupada. A ligação irmão/irmã poderia acontecer algum outro dia. Ele era geralmente estava com alguns outros caras, e ele parecia feliz. Talvez não ter Maggie em sua vida era parte disso. — Seu rompimento com Kevin não teve nada a ver comigo, — eu disse a ela. — Grite com ele. ~ 287 ~


Ela bufou, sugando uma respiração, mas antes que pudesse explodir novamente, eu estendi minha mão. — Eu não dou a mínima. Afaste-se antes de eu me irritar. Ela sorriu. — O que você vai fazer? — Eu vou dizer a Claudia que você prometeu dormir com todos os seus futuros namorados. Isso funcionou. Ela ficou em silêncio, e eu tinha escapado. Eu não tinha visto ela desde então, mas eu mantive um olhar atento toda cada vez que eu ia para o meu dormitório e enquanto eu estava no campus. Ela era uma bastarda escorregadia. Ela poderia atacar a qualquer momento, como uma hiena com raiva. Perguntei a Avery sobre a amizade delas, mas ela disse que elas tinham acabado. Ela e Claudia ainda estavam estranhas também. Eu estava feliz com a primeira. Avery merecia algo melhor, e isso ajudou a diminuir as chances de Maggie persistir em uma emboscada no andar dos dormitórios, mas eu não tinha certeza sobre a última. Claudia não deveria ter estado tão chateada. Com base nas regras do código feminino de etiqueta, ela fez merda. Mas Claudia também era assustadora. Mesmo assim. Seria melhor se ela estivesse do nosso lado e não contra nós. Se Maggie continuasse me empurrando, embora; eu poderia ter de seguir com a minha ameaça, mas apenas com a permissão de Avery. Ninguém era uma arma melhor do que Claudia. — Ei. — Caden passou a mão nas minhas costas, trazendo-me para o presente. — O que você estava pensando? Você ficou tensa. Eu gemi, beijando seu peito suavemente, antes de rolar para me colocar ao seu lado. — Coisa de menina estúpida. — Coisa de Maggie? — ele perguntou quando eu puxei o lençol para me cobrir, colocando-o sob os braços, Eu balancei a cabeça. — Os caras são fáceis. Você quer socar o outro, ameaçam um ao outro, ou simplesmente param de sair. Pronto. Guerra feminina é a maneira mais difícil de resolver. Ele sorriu quando ele traçou meu braço e enganchou um dedo sobre o lençol, exatamente onde ele cobria minhas meninas. — Isso não é verdade o tempo todo. Os caras podem ser maliciosos também. — Sério?

~ 288 ~


Ele balançou a cabeça, os olhos escurecendo. Ele rolou para o lado dele para beijar sob a minha orelha. — Oh sim. Especialmente na fraternidade. Há um monte de fofocas. Panelinhas - todo esse tipo de coisas. Sua respiração me fazia cócegas e fez o meu coração disparar mais uma vez. Afastei-me dele, expondo meu pescoço para que ele pudesse beijá-lo. Sua mão se moveu para o meu quadril e descansou lá. Eu sabia o que estava por vir. Ele me virou de costas, continuando a torturar-me com beijos e carícias que deveria ser ilegal, e então quando eu estava implorando para ele, ele finalmente deslizou para dentro. Meus olhos se fecharam. Prazer e luxúria se misturaram, entrelaçando e enviando meu corpo à tona. Sua boca caiu para a minha garganta, em seguida, para o meu peito. Porra. Caden era uma arma sexual. Nenhum cara deveria ser tão bom na cama. Era muito perigoso. — Perigoso, huh? — ele levantou a cabeça. Fiz uma pausa. — Eu estava falando em voz alta, não estava? Ele riu, inclinando-se para descansar seus lábios sobre os meus. — Você faz isso com bastante frequência. — Eu faço? — Eu meio que gosto de ouvir sobre quão impressionante eu sou. — sua boca roçou a minha, enviando meu coração em cambalhotas. — Isso é tão embaraçoso. — É um elevar de ego real. Eu gostei de ser comparado a um garanhão italiano gostoso. — Pare. — que vergonha. — Eu não aguento mais. Ele riu, seus lábios pressionando os meus novamente antes dele sussurrar: — Mas o meu favorito absoluto foi quando você disse que eu era o Papai Noel do Magic Mike, e eu poderia trazer meus presentes pela chaminé durante todo o ano. Eu não podia nem rir. — Eu não disse isso. — Você disse. — ele levantou a cabeça. — Isso me manteve indo durante o resto da noite.

~ 289 ~


Eu o empurrei, rolando para o meu lado e cobrindo o rosto com as mãos. — Estou chocada! — Você não deveria estar. Ei. — ele me puxou de volta e mudou minhas mãos. Eu mantive meus olhos fechados. — Olhe para mim. — Não. — eu olhei através de um, abrindo uma pequena fenda. — Você não pode dizer qualquer coisa para me fazer sentir melhor. Não há nada que possa tirar a minha humilhação. — Eu gosto disso. Eu levantei uma sobrancelha para cima. — Você está me sacaneando. — Eu não estou. Eu não estou. — ele tentou abafar o riso, mas sua boca ainda estava se contraindo. — Eu nunca gostei de sexo tanto quanto eu gosto com você. — Isso não me faz me sentir melhor. Você nunca riu durante o sexo como você faz comigo, isso é o que você realmente quer dizer. — tentei cobrir meu rosto novamente. Ele puxou minhas mãos para baixo e continuou segurando eles. — Não. — ele apertou minhas mãos para a cama em cima da minha cabeça, e quando me mexi, ele se levantou acima de mim. Seus olhos escureceram mais uma vez, e todo o humor deixou seu rosto. Fome estava lá em vez disso. — Eu nunca gostei de sexo tanto quanto eu gosto com você. Seu humor é parte dele, mas é você também. Estar com você é diferente. — seu olhar permaneceu em meus lábios antes de passar rapidamente para os meus olhos. — Você é diferente. Os últimos vestígios da minha mortificação derreteram, substituídas por todos os tipos de aconchego pegajosos. Borboletas voavam em torno do meu estômago, juntamente com outras sensações sensuais, e eu me perguntei por que ainda estavam falando. Eu deslizei meu pé até a volta de sua perna, levantando-a até que minha perna enrolou em torno de sua coxa. Eu assisti; seus olhos estavam escuros agora, sem indícios de âmbar mais, e eu desloquei para envolver minha outra perna ao seu redor. E levantei, sentindo que

~ 290 ~


ele estava bem entre as minhas pernas, exatamente onde eu queria que ele deslize para dentro. Ele estava duro e pronto para ir. Caden tinha admitido uma vez que ele era sempre estava duro quando eu estava por perto. — Eu estou pronto para ir assim que você entra em uma sala, — disse ele. Eu pensei que ele estava brincando, mas sentindo-o pronto tão cedo após a nossa última vez, talvez não. Eu passei meus braços em volta do pescoço, cobrindo a parte de trás de sua cabeça. — Que tal você me mostrar quão diferente eu realmente sou? Ele se inclinou para baixo, e eu o senti sorrir contra os meus lábios. — Porra, sim. E seus lábios estavam nos meus.

***

Meu telefone estava tocando. Eu levantei minha cabeça, mais uma vez esparramada em cima de Caden. Eu não lembrei em que ponto as nossas posições tinham se invertido, mas eu estava em cima dele. Eu poderia acordar em cima de Caden para o resto da minha vida, e eu não achava que eu ia ficar cansada disso. — Seu telefone, — Caden falou, tocando meu quadril. Eu gemi e deslizei sobre ele e para o chão. Meu telefone estava na minha bolsa, que estava no fundo de uma pilha de roupas. Quando eu cheguei até ela e abri o zíper, Caden se sentou. — Você poderia simplesmente se levantar. Você não tem que cair no chão. — Nah. — dei de ombros, agarrando o meu telefone. — Assim é mais divertido. Eu o ouvi rindo enquanto eu atendia. — E aí? A voz da minha madrasta encheu minha orelha quando Caden se levantou e se dirigiu para o banheiro. — Ei querida.

~ 291 ~


Eu verifiquei o traseiro de Caden. Era duro e se mexia perfeitamente sob suas costas, esculpidas como um deus grego. Eu segurei um gemido. Eu nunca me cansaria de ver seu traseiro. — Querida? — perguntou Sheila. — Você está aí? Tossi, limpando meus pensamentos. — Estou. — e porque Caden tinha deixado a porta aberta, eu me mexi então as minhas costas descansaram contra a cama. Puxando o lençol para baixo e enrolando em minha volta, eu perguntei, — O que está acontecendo? — Eu preciso de um favor. — Oh? — eu fiz uma careta. O chuveiro ligou no banheiro, e as imagens de me juntar a ele inundou minha mente. — Acabei de falar ao telefone com Kevin. Eu estava esperando que você pudesse verificar, certificar-se de que ele está bem. A menção de meu meio-irmão me tirou do meu estupor do chuveiro. — O quê? — Nós tivemos uma briga. É sobre seu pai, mas ele parecia mais chateado do que o normal. Você poderia ir para a casa da fraternidade? Ver se ele está bem ou não? Ele disse que vocês estavam saindo mais. — Ele disse? — Ele disse que você e suas amigas estavam ajudando-o com alguma coisa. Eu estou tão feliz, a propósito. Eu sei que vocês dois não tinham uma ligação, mas eu esperava que as coisas fossem diferentes quando você fosse para a mesma faculdade dele. Obrigada, Summer. Isso significa muito para mim. Eu segurei um suspiro. Eu amava Sheila. Ela tinha sido ótimo para mim, mas algo sobre esse telefonema ralava m meus nervos. — Eu vou vê-lo em alguns minutos. — Mais uma vez, muito obrigada, Summer. Eu também queria pedir desculpas pelo último fim de semana em que estávamos aí. Seu pai e eu tivemos de conciliar algumas coisas. Nós deveríamos ter tido essa conversa muito mais cedo, mas está tudo bem agora. Eu queria que você soubesse disso. Seu pai e eu estamos muito bem agora.

~ 292 ~


Fiquei impressionado com isso. Um mês atrás, eu poderia ter estado preocupada. Eu poderia ter me perguntado como tudo realmente estava entre eles, ou como Kevin estava indo com o que estava acontecendo com seu pai. Mas eu não estava. Não mais. Eu me endireitei, a parte de trás da minha cabeça pressionando contra o colchão. O que isso significa? Isso era uma coisa ruim? Eu estava me tornando egoísta? Eu deveria estar preocupada com eles... certo? — Tudo bem, querida. Eu vou deixar você ir. Obrigada novamente por ir ver Kevin, e por favor me ligue amanhã. Deixe-me saber se tudo estiver bem. — Sim. — Falo com você mais tarde. Eu direi ao seu pai que você mandou um beijo. — Oh sim. Ok. Obrigada por isso. Eu não tinha sequer considerado enviar essa mensagem e quando ela desligou, minhas entranhas estavam nadando. Eu estava olhando para o telefone no meu colo quando Caden voltou do banho, uma toalha enrolada na cintura. — Você está bem? — ele apontou para o telefone. — Quem era? — Minha madrasta. Eu tenho que verificar se Kevin está bem. Ela disse que ele poderia estar chateado com alguma coisa. Caden revirou os olhos e se virou para seu armário. — Deus me livre se Matthews estiver puto sobre alguma coisa. — ele puxou a cueca e calça jeans, virando-se. — Por que é da sua conta? Eu tentei não deixar esse peito me distrair. — Eu acho que é uma coisa de irmão? Você verificaria Marcus se ele estivesse chateado? — Marcus é meu irmão de verdade, e ele não é um canalha tentando entrar em minhas calças. Touché. — Você sabe o que eu quero dizer. Ele inclinou a cabeça e levantou um ombro. — Acho que depende de quem estava me pedindo, e quão chateado ele parecia. Marcus não iria querer que eu o verificasse. Não temos esse tipo de relacionamento.

~ 293 ~


— Colton? — Colton é simplesmente faço.

diferente.

Colton

não

pede

nada,

então

eu

— Você está dizendo que eu não deveria ver como ele está? — Eu estou dizendo... — ele se sentou na cama ao meu lado. Eu descansei minha cabeça para trás, olhando para ele, e seus olhos se suavizaram quando ele olhou para mim. Sua mão roçou meu cabelo da minha testa. — É a sua família. Você pode fazer o que quiser, mas eu não confio no idiota. Eu sorri para ele. — Você acha que ele ia fazer algum um movimento? — Num piscar de olhos. Meu sorriso caiu. — Você está falando sério? — Ele terminou com Maggie para estar com você. — Não, ele não o fez. Ele está tentando mudar. Ele está tentando não ser daquele jeito mais. Sentei-me e virei-me para encará-lo. Eu dobrei o lençol mais firme debaixo dos meus braços para me cobrir. O resto se reuniu no meu colo, os lados caindo ao chão para cobrir as minhas pernas. — Ele quer você. — Caden me observava constantemente. — Confie em mim. Caras sabem. — ele me olhou com um olhar duro. — Tem certeza de que não ainda tem sentimentos por ele? Isso me fez parar. — Achei que você não achava que eu tinha sentimentos por ele? Você disse isso antes. — Sim, mas isso foi antes de eu me apaixonar por você. — ele se levantou, agarrando sua camisa. Então ele saiu, puxando-a. Eu fiquei sentada lá, a minha boca no chão. Não foi até a porta se fechou que as palavras saíram. — Espere. O quê?!

~ 294 ~


C

aden me amava, e eu tinha que ir ver meu meio-irmão estúpido. Esses dois pensamentos se repetiam pela minha mente. Eu só podia me sentar lá, a minha boca no chão.

Meu Deus. Caden realmente me amava. Eu nunca pensei... Como poderia... — Não há nada simples sobre você. Não deixe algum idiota como o seu meio-irmão fazer você achar isso. A ideia de que Caden poderia me amar nunca tinha entrado no meu reino das possibilidades. Eu não estava apenas no piso, eu ainda estava realmente no chão. Mas eu tinha que encontrá-lo. Kevin podia esperar. Saí, mas eu não conseguia encontrá-lo. Em qualquer lugar. Ele não estava no quintal, na casa. Ele não estava no gramado, e eu não podia ver seu Land Rover. Ele saiu. Eu não podia acreditar. Eu fiquei lá na porta de seu barracão, decidindo o que fazer, então meu telefone tocou com uma mensagem. Deixe-me saber depois que você falar com ele. Obrigada mais uma vez, Summer! Beijos Suspirei. Era de Sheila. Eu precisava lidar com isso. A ironia não passou despercebida por quando eu desci os degraus para o porão. Ao contrário da primeira vez que eu fui a este porão, eu queria encontrar uma garota com ele. — Entre, — ele respondeu. Kevin estava sozinho e em sua mesa quando entrei. Não tive essa sorte. — Oh, ei. O que você está fazendo aqui? — ele se levantou e limpou sua cama para eu sentar. Ela estava coberto com roupas. — É a

~ 295 ~


minha noite para lavar roupa. Não se preocupe. Essas estão todas limpas. Eu me empoleirei no final da cama e cruzei as mãos no meu colo. As palavras de Caden ainda estavam na minha cabeça. Eu as senti dentro de mim, e eu não conseguia me concentrar por um momento. — Então, huh. — Kevin limpou a garganta, sentando-se em sua mesa. Ele me encarou, um braço descansando sobre a mesa e as pernas para fora. — E aí? — Sua mãe me ligou. — Oh. — suas sobrancelhas franziram e ele virou um pouco para longe, colocando uma perna debaixo da mesa. — Você veio me verificar? — Basicamente. Ele riu, baixinho. — Desculpa. Este é provavelmente o último lugar que você quer estar. Olhei para o chão, mas levantei a cabeça novamente. — O que você quer dizer? — Eu sei sobre você e Caden. Meu coração parou. Ele sabia? Ele não podia saber o que Caden acabou de me dizer... podia? Tinha que haver mais nisso. Minha cabeça inclinou para frente. — Sim? — Então... — sua cabeça se moveu para frente, combinando com o meu movimento. — Entendi. Eu vou dizer a minha mãe que você me verificou, e pronto. Não se preocupe com isso. Duvido que Caden iria querer você aqui. — Ele não quer. Seus olhos se abriram novamente. — Você disse a ele? — Por que não? — Vocês estão mais sérios do que eu pensava. Agora minhas sobrancelhas se arquearam. — Como é que isso é da sua conta? — É um grande passo quando você tem que fazer tudo pela outra pessoa. — ele resmungou. — Eu costumo sair, mas levo seis meses para chegar lá. Tem sido duas semanas para vocês.

~ 296 ~


— Do que você está falando? — Ser responsável pela outra pessoa. Esse é um grande passo, Summer. — Eu estava com ele quando sua mãe ligou. — eu amaldiçoei. Isso não era da conta dele também. Por que eu estava explicando isso para ele? — Oh. — as extremidades de sua boca mergulharam em pensamento. — É sério mesmo. Então, há uma coisa entre você-eCaden. — sua cabeça virou como se ele tivesse me pego em uma mentira. Meu sangue estava começando a ferver. — Isso não é da sua conta. — Tudo bem. — ele puxou a outra perna sob a mesa também. — Então a minha briga com a minha mãe é da sua conta também. — Foi ela quem me pediu para verificar você. — Oh sim. — sua voz suavizou, e ele amaldiçoou. — Desculpa. Eu estou sendo um imbecil. Eu tinha uma resposta na ponta da língua, mas não. Eu estava sendo uma boa meia-irmã aqui. Eu o engoli e tentei sorrir. Esse era o ponto de tudo isso. Irmão e irmã. Família. — Então, você está bem? Ele deixou escapar um pequeno suspiro, suas mãos se moveram para deslizar nos bolsos. Ele se recostou na cadeira e esticou as pernas para que ele parecesse tranquilo e confortável. — Quem sabe? Quero um relacionamento com meu pai e minha mãe fica dizendo que ele não quer me ver. — Você não acredita nela? — minha mão coçava por causa da frase de Caden. ‘Isso foi antes de eu me apaixonar por você’. Meu coração correu de novo. — Eu não sei. Talvez. Ele é um canalha egoísta também. — ele me deu um sorriso. — Eu puxei isso dele, mas qual o pai não gostaria de ver o seu filho? — O que começou a briga? — por que eu estava aqui? Caden era mais urgente.

~ 297 ~


— Eu enviei um e-mail a ele e então disse a ela o que eu fiz. Ela surtou. Forcei algo que soou interessado. — Sério? Caden tinha explodido o meu mundo. Eu tinha que me concentrar no que Kevin estava dizendo. — Eu não sei o que aconteceu com eles. — ele suspirou. — Eu acho que ela tem medo do que ele vai me dizer, e eu vou ficar bravo com ela. Famílias escondem as maiores merdas. Eu acho que a minha família é um pouco normal. Você é a pessoa não normal. — Hã? Ele bufou, seu sorriso aumentando. — Você teve uma família que se amava. Seus pais eram felizes, não eram? Meus pais? A minha mãe... eu senti uma faca de dor escavando dentro de mim, entrando em seu lugar novamente. Eu pensei que tinha ido embora. Eu não havia sentido em semanas. Ela tinha ido embora. Por que estava de volta? Olhei para o meu peito, como se eu pudesse vê-la. — Sim. — havia tido brigas, mas não muitas. — Se sua mãe ainda estivesse viva, seus pais ainda estariam juntos, provavelmente. — Sim. — eu ecoei. — Provavelmente. Minha mãe… O buraco de repente dobrou de tamanho. — Se sua mãe ainda estivesse viva. — Desculpe. — ele fez uma careta, balançando a cabeça. — Você fica triste sempre que sua mãe é mencionada. Segurei as extremidades da minha camisa. — Entendo. — minha voz estava rouca. Um pedregulho se sentou no topo da minha garganta, bloqueando a minha via aérea. Que buraco fodido. Um comichão começou, bem próximo ao meu coração. — Ah, merda. — ele se moveu em torno de seu assento novamente para me encarar. Inclinado para frente, os cotovelos

~ 298 ~


descansaram em seus joelhos. — Eu sinto muito. Eu não deveria ter dito nada. — Então por que você fez? Ele bateu as palmas, e o lado de sua boca puxou quando seus olhos me encontraram. Aqueles olhos castanho chocolate que eu costumava desejar estar olhando para mim do jeito que estavam no momento. — Minha mãe e meu pai se odiaram minha vida toda. Eu sabia que eles iriam pedir divórcio, e eu queria. Queria que as brigas parecem, sabe? Mas se eu pudesse realizar o meu maior sonho, seria que eles fossem como seus pais. Amor, felicidade, quantidade normal de brigas. Esse tipo de besteira. Eu queria ter isso. — O quê? Kevin riu, endireitando-se na cadeira. — Não se preocupe com isso. Isso é uma coisa dos Matthews. Não é o seu problema. Minha mãe não deveria ter envolvido você. — ele ficou pensativo, e o lado de sua boca se elevou. Sua covinha direita apareceu, piscando para mim. — Além disso, você provavelmente estava ocupada com Caden, certo? Ele estava brincando ou era genuíno? Eu não estava entendendo nada. Ele abriu aquele buraco de novo. Eu fiz uma careta, lembrandome quando a dor torturante tinha aparecido pela primeira vez. Tinha sido antes dele. Antes de conhecer Sheila. Até mesmo antes da minha mãe morrer. Minha mãe. Esse buraco era minha mãe. Kevin me olhou, sem dizer uma palavra. Eu senti como se ele estivesse decidindo o que dizer, e em seguida, o ar deslocou. Uma vibração íntima encheu o quarto. Isso fez o meu interior apertar, e meu estômago começar a se agitar. Eu estava com dor. Eu senti como se meus órgãos estivessem sendo amassados em pedaços minúsculos. A mão de alguém estava lá os puxando e os esmagando antes de soltá-los no chão. Ele murmurou, quase muito baixo para eu ouvir, — E se eu lhe dissesse que eu estava com ciúmes de Caden? Isso seria um problema?

~ 299 ~


Eu não respondi, mas suas palavras estavam em mim, e estavam saltando ao redor. Elas se misturaram com as palavras de despedida de Caden. ‘Isso foi antes de eu me apaixonar por você’. Eu não estava ouvindo mais Kevin. Eu só podia ouvir a voz de Caden, e sentir esse buraco. Senti minha mãe. Ela estava em toda parte. Ela estava em lugar nenhum. Ela estava dentro de mim, ao meu lado. Ela estava sendo enterrada. O alarme que soou quando seu coração parou era ensurdecedor. Minha mãe tinha ido embora, e eu nunca tinha lidado com isso. Eu tinha empurrado isso por tanto tempo. Eu empurrei para fora, e agora estava de volta. Esse buraco estava aberto, escorrendo, e estava me oprimindo. Eu não podia ver. As lágrimas começaram a cair, e eu me afastei. — Vou embora. — Não, — Kevin ficou de pé. Seu braço disparou para fora, como se ele fosse me pegar, mas sua mão apenas ficou lá. — Não vá. Me desculpe se eu te empurrei. Eu não deveria ter feito isso. Eu me afastei ainda mais. — Eu não gosto disso. — Não vá. Por favor, Summer. Eu balancei a cabeça, puxando a minha camisa sobre minhas mãos. Eu apertei com força, forçando minha camisa sobre meus ombros e peito. — Pare com isso, — eu balancei a cabeça, vendo-a ao meu lado. Na minha frente. Seus olhos eram conhecedores, mas também contundentes ao mesmo tempo. — Não olhe para mim assim. — Summer. Eu mantive a bainha afastada até que eu estava na porta. Kevin chegou até a mim. Sua boca se moveu, mas não era ele que eu ouvi. Era minha mãe. Eu balancei a cabeça ainda mais duramente, como se eu pudesse bani-la embora com o movimento. Eu não podia... eu não poderia lidar com isso. Engasguei com um soluço, sentindo meus joelhos se curvarem. Eu ia cair, e então estaria acabado. Ela estaria em mim novamente. Eu nunca seria capaz de não senti-la novamente. — Não, — eu sussurrei.

~ 300 ~


— Summer. — eu virei para ver isso novamente - aquele mesmo olhar em seus olhos. Eles eram de Kevin, mas era dela. Ela estava olhando para mim através dele. Eu balancei minha cabeça. — Pare com isso. — Summer. Ele estava me tocando. Não. Ela estava me tocando. Eu estava tendo um colapso. Uma pequena parte da minha mente estava me dizendo isso. Eu tinha afastado o luto e agora ela tinha voltado. Ela não me deixaria ir, não mais. Então eu estava caindo. Braços me pegaram. Lágrimas molharam meu rosto, e de repente senti um toque suave na minha bochecha. Alguém escovava meu cabelo para trás do meu rosto. Eu olhei para cima. Era minha mãe. Ela tinha me pegado, e ela estava cantando para mim. Tudo ia ficar bem. Tudo ia ficar bem.

***

CADEN Tentei dizer a mim mesmo que eu precisava de algo de Phillip, e foi por isso que eu estava no porão. Não foi porque o quarto era ao lado do de Matthews, ou porque Summer estava lá no momento. Nenhuma dessas coisas. Eu realmente só precisava de um grampeador. Eu odiava isso. Esta menina, ela entrou em mim. Ela acabou comigo e eu odiava isso. Eu odiava o que eu sentia por ela, e sentia falta dela, e queria ela comigo, não importa onde estávamos. Eu odiava tudo sobre isso por causa de quão exposto isso me fez sentir. Quando cheguei lá embaixo, ouvi o choro primeiro. Ele a tinha machucado. Eu iria cortá-lo em pedaços, mas parei na porta. Eu não podia ignorar o que estava diante de mim. Kevin a embalava, e ela estava agarrada a ele como se ele fosse seu colete salva-vidas.

~ 301 ~


Ele continuou escovando o cabelo dela para trás, balançando-a, e dizendo que ia ficar tudo bem. De novo e de novo. Tudo o que eu podia fazer era ficar lá. Puro horror e ódio me encheu ao mesmo tempo horror que ela estava sofrendo, e ódio que ele era o único a consolá-la. Comecei a me aproximar. — Deixe-me ficar com ela. Ele apertou os braços em volta dela. — Eu disse a ela como eu me sentia sobre ela. Por que você acha que ela está chorando? — ele olhou para mim como se ele sentisse pena de mim. — Eu perdi minha chance antes. Eu não vou deixá-la ir agora. — Ela não está chorando porque você confessou seu amor, idiota. Por que ela está chorando? — toquei seu braço. — Summer. Mas ela o apertou mais forte, enterrando a cabeça contra seu peito. Kevin me deu aquele sorriso de satisfação, escovando a mão sobre seu cabelo mais uma vez. — Tá vendo? Eu te disse. Eu sou o único que ela quer. — Você está mentindo. — estendi a mão para ela novamente, mas foi o mesmo resultado. Seus gritos ficaram mais altos, e ela pressionou em Kevin, quase tremendo. — Se eu estiver, você vai descobrir mais tarde. — ele sacudiu a cabeça em direção à porta. — Vá. Ela vai ficar comigo esta noite. Minhas mãos coçavam para atingi-lo. Eu não podia. Ele tinha machucado Summer, e essa era a última coisa que eu queria, mas eu não poderia segurar meus punhos ao meu lado. Seus olhos caíram para eles, e uma risada seca saiu. — Sabe o que é engraçado? Eu nem sequer quero isso, não até que era tarde. Nenhum cara pediu pra sair com ela, mas por que eles fariam isso? Eu estava vivendo com ela. Eu poderia levá-la para longe deles a qualquer momento que eu quisesse. — ele deu de ombros. — Não era um problema, e eu pensei que seria o mesmo aqui. Eu poderia brincar. Ela poderia se divertir. Mas ela é sempre o meu jogo final. Pelo menos, eu a tinha no fundo da minha mente. Algo estava muito, muito errado aqui. Por que ele estava falando como se ela não pudesse ouvi-lo? O que ele tinha feito com ela? — Você estava enrolando-a todo este tempo.

~ 302 ~


— Até você. — suas palavras eram frias. — Até que ela se apaixonou por você, mas não mais. — ele levantou, embalando-a em seu colo. Suas mãos pegaram a camisa dele e torceu, segurando. — Eu a consegui agora. Eu não vou deixá-la ir. — Há um lugar especial no inferno para você. Summer continuou chorando, e eu estava com medo de machucá-la mais. — Uma vez que ela parar de chorar, eu vou descobrir a verdadeira razão para isso. Nada disso fazia sentido para mim. Escolhendo estar com Kevin e se dissolvendo em lágrimas não era algo que Summer faria. Sentei-me e puxei meu telefone. — O que você está fazendo? Oh sim. Kevin de repente parecia muito alarmado. — Eu estou ligando para a amiga dela. Uma vez que Avery estava a caminho, eu me sentei e esperei. De jeito nenhum eu deixaria Summer com Kevin, não neste estado. Eu tinha estado errado em questioná-la antes. Eu confiava nela. Eu só não confiava nele.

***

Foi uma hora mais tarde, quando tudo se esclareceu. Avery chegou, juntamente com algumas outras amigas, e levaram Summer para o banheiro. Trinta minutos depois disso, Avery saiu. — Ela não está fazendo sentido, mas acho que isso é tudo sobre a mãe dela. — O quê? — A mãe dela. — Isso não faz sentido. Ela nunca fala sobre a mãe. — Eu acho que esse é o ponto. Algo aconteceu, e ela explodiu. — ela olhou por cima do ombro para onde Kevin estava sentado, dois dos

~ 303 ~


nossos irmãos da fraternidade mantendo guarda. Eu não tinha certeza se o seu objetivo era mantê-lo lá ou me impedir de esmurrar ele. Avery o chamou. — Ela não estava segurando você. Ela achava que era a mãe dela. — O que você disse a ela? — eu estava do outro lado do quarto em um segundo. Puxando os caras, eu agarrei Kevin pela camisa e o puxei para cima. — Nada! — o pomo de adão subia e descia. Ele olhou para a porta, como se ele pudesse correr para ela. — Eu juro. Eu apenas disse a ela que tinha sentimentos por ela. Isso é tudo... — então ele afundou em minhas mãos. — Oh. — Oh?! — Oh? — Avery estava bem ali comigo. Sua mão encontrou seu quadril. — Oh o que, Kevin? O que você disse? — Nada. — ele ergueu um ombro, ou tentou. Eu ainda estava segurando ele. — Eu mencionei a mãe dela, mas não foi de um jeito ruim. — ele ergueu as mãos, implorando. — Sério. Eu não tive a intenção de machucá-la. Eu apenas achei que ela estava tendo um momento difícil porque ela não queria ferir seus sentimentos. — Meus sentimentos? — rosnei. — Você sabe, porque eu disse a ela como eu me sentia. Eu não sabia que ela estava chorando por causa da mãe dela. Eu achei que era sobre estar comigo, como se ela tivesse cometido um erro ou algo assim. Eu estava tentando dizer a ela que tudo ficaria bem. Eu queria fazer muito mais do que danos físicos, mas eu forcei minhas mãos para longe. Ele se ajeitou em seus pés e eu recuei. Eu iria rasgar esse cara se eu não saísse daqui. Virando-me, eu disse a Avery, — Cuide dela. — Aonde você vai? — Em qualquer lugar longe desse cara. Eu terminei na casa dos meus pais, e Colton sentado ao meu lado. Ele me entregou uma cerveja, ficando com a água. Marcus entrou e sentou-se. Eu não tinha chamado ele, mas eu assumi que Avery tinha. Colton se levantou e voltou com uma segunda cerveja para seu outro irmão.

~ 304 ~


Marcus inclinou para frente. — O que você quer que façamos com ele?

~ 305 ~


SUMMER Caden... Uma voz sussurrou seu nome na parte de trás da minha mente. Pedaços voltaram para mim. Caden disse que me amava, e me lembrei de ir ver Kevin depois disso. Em seguida, a porra do buraco grande que eu tinha coberto desde a morte da minha mãe rasgou na noite passada, e não havia o fechado novamente. Eu quebrei. Não havia outra maneira de dizer isso. Summer Stoltz tinha subido em um cruzeiro ao mar insano, e agora eu estava ancorada em terra. E eu me sentia uma merda. Eu era uma merda. Summer Idiota – esse era o meu novo nome. Eu gemi, pegando minha cabeça em minhas mãos. — Ah não. — O quê? — Ele estava aqui, não estava? Avery estava aqui comigo. E eu acho que Claudia, mas eu não poderia me fazer olhar. Eu ainda não era um fã do pit bull malintencionado que nunca se desculpava por suas más ações. Sentei-me no chão do banheiro. Imaginei que era de Kevin por causa das toalhas com um K bordado sobre elas. Subi do chão. — Eu tenho que ir. — Espere. Aonde você vai? — Ele disse que me amava, e então eu quebrei. Eu tenho que concertar isso. Eu estava fora da porta quando ouvi Avery perguntar atrás de mim, — Kevin falou isso?

*** ~ 306 ~


— Ele não está aqui. O barracão estava vazio, então eu fui à procura de Caden na casa. Eu segui um cara para a cozinha e para o quintal. — O que quer dizer com ele não está aqui? Ele jogou o saco de gelo que ele estava carregando em um refrigerador e deu de ombros. — Quero dizer que ele não está aqui. Ele saiu agora pouco. — Para onde ele foi? — Carl, — outro cara gritou, enfiando a cabeça para fora da porta. — Encha isso e apenas fique aí. As bebidas estão vindo. Eu preciso que você seja o barman. Entendeu? — Entendi. O cara na porta olhou para mim antes de escorregar para dentro. Eu fiz uma careta. O que era isso? Não importava. Eu precisava esclarecer as coisas, explicar meus sentimentos. Isso que importava. Eu cruzei os braços sobre o peito. — Nós estávamos conversando. Ele franziu a testa, olhando para mim. Ele teve que ficar lá como barman, então significava que eu o tinha encurralado. Eu não iria bater meu pé como uma criança de cinco anos. — Fala. — Caden era o líder não oficial deles. Eles sempre sabiam onde ele estava. — Olha, você deve falar com Phillip. Ele tinha assentos na primeira fila do que aconteceu. — Então, alguma coisa aconteceu. — vitória se inflamou em mim. — O que aconteceu? Ele estreitou os olhos. — Você já foi para o quarto do seu meioirmão? — Não. Por que eu deveria? — Então você não sabe que ele foi expulso? — Eu estive no banheiro por uma hora. — Merda acontecer naquela hora. ~ 307 ~


Olhei ao redor com nova perspectiva. Carl estava enchendo um cooler. Havia quatro outros ao redor do pátio, junto com uma fogueira e duas mesas para beer pong. A sensação de mal estar começou a se desenvolver no fundo do meu intestino, e eu não gostei disso. Eu perguntei com sensação de desmaio, — Kevin está aqui? — Não. Caden não estava aqui. Kevin não estava aqui. Um zumbido começou na minha cabeça. — Você disse que Phillip estava lá? Quando tudo isso aconteceu? — Sim. Limpei a garganta, as mãos se tornando suadas. — Onde está Phillip? — Ele é o único que me disse para ficar aqui. — Que ótimo, — murmurei para mim mesma. Esse cara não gostava de mim. Eu tinha uma sensação de que ele não ia ser de muita ajuda. Mesmo assim, eu voltei para dentro e perguntei ao primeiro cara que eu vi. — Onde está Phillip? — Andar de baixo. Oh droga. Meus joelhos ficaram fracos, e minhas mãos tremiam quando eu fiz o meu caminho para baixo, pelas mesmas escadas que eu tinha estado agora pouco. Avencei, o corredor de repente aparecendo. Um quarto tinha uma porta fechada, mas os outros dois estavam abertos. Eu não conseguia desviar o olhar do quarto do meu meio-irmão. Ele estava completamente nu. Até mesmo os lençóis tinham sido retirados do colchão. Dois caras estavam se movendo por lá, um pegando lixo e o outro aspirando. Eles terminaram enquanto eu observava, em seguida, agarraram todos os materiais de limpeza e embalaram. Eles passaram por mim em seu caminho para fora, e eu engoli em seco. Eles logo voltaram com novas roupas de cama e refizeram a velha cama de Kevin. ~ 308 ~


Avery, Claudia, e Shell vieram na porta do banheiro. Um dos rapazes chegou por trás e agarrou as toalhas de Kevin. — O que está acontecendo? — Avery me perguntou. Eu não fazia ideia. Eu balancei minha cabeça. — Acabamos, Phillip, — os caras da limpeza chamaram. — Ótimo. Vocês colocaram os preservativos lá dentro? Um amaldiçoou. — Eu vou. — e ele estava fora. Eu estava em choque. Meus joelhos bateram um no outro quando me virei para me encontrar cara a cara com o cara da porta de tela. Eu vi a hostilidade e soltei logo, — O que você diria para Caden? Ele bufou, apontando atrás de mim. — Você pode ir, D. Obrigado por acabarem aqui tão rápido. — Ei. — Claudia decolou atrás dele. Ouvi-a perguntar como eles subiram as escadas, — O que está acontecendo? D acenou com a cabeça e quase correu para o andar de cima. Dei um passo para frente, em pé na porta de Phillip. Ele não podia fechar a porta na minha cara assim, e eu estendi a mão, preparando-me para estar pronta se ele tentasse. — O que aconteceu? — Seu meio-irmão é um idiota. — Eu estou ciente, — eu repeti. — O que aconteceu? Eu precisava saber onde Caden estava. Rápido. Era imperativo agora. — Caden deu a casa um ultimato. — Ultimato? O que isso significa? — Ele ou o seu meio-irmão. — ele bufou. — Imagine o que nós escolhemos. Deu irmão está fora. Começamos a embalar assim que a votação terminou. — O quê? Avery apontou para o banheiro. — Nós estávamos lá. Como tudo isso aconteceu tão rapidamente?

~ 309 ~


Phillip encolheu os ombros. — Seu menino decidiu. Chamaram ele e a casa se juntou bem rápido. Isso é tudo que posso dizer. — Onde está Caden? Eu sei que você sabe. — Você não ligou pra ele? Olhei para o meu telefone. Havia uma mensagem de Kevin. Me liga! Foi expulso por causa do seu namorado! Uma segunda mensagem de Sheila. Você já falou com Kevin? Então nada. Ele estava em branco. Nenhuma chamada. A tela vazia era como uma faca mergulhada em meu peito. Caden tinha me deixado, assim minha mãe fez. Não. Eu empurrei esse medo para longe. — Posso usar seu telefone? — eu não sabia o que estava acontecendo entre Caden e eu. Ele poderia não atender à minha ligação, mas ele iria atender uma ligação de um de seus irmãos da fraternidade. — Por quê? — Meu telefone não está funcionando. Ele bufou. — Desde agora? — Sim. — eu o deixei cair e pisei nele. Ok, seu filho da puta. Eu estendi minha mão. — Deixe-me fazer uma ligação. Ele xingou, mas me entregou o telefone. — Tudo bem, mas eu vou cobrir o meu próprio rabo se ele não quiser ouvir de você. Minha mão fechei em torno do telefone como se fosse um bote salva-vidas. — Combinado. Eu digitei o número de Caden. Sua voz entrou na linha. — E aí? — Caden, — eu comecei. Phillip gritou por cima do ombro, — Desculpa. Ela pegou meu telefone. Eu estou tentando pegá-lo agora. — ele estendeu a mão para ele, mas eu dei um tapa na mão dele. Eu atirei a ele um olhar sombrio, e ele ergueu as duas mãos. Depois da cena, eu saí. Se eu continuasse andando, o mundo deixaria de cair debaixo de mim.

~ 310 ~


Subi as escadas e entrei no corredor. — Ei! Sou eu. Eu não sabia se você ia atender à minha ligação. — eu fiz mais uma vez, desci o corredor onde eu encontrei Caden pela primeira vez, e saí pela porta lateral. — O que você está fazendo no telefone de Phillip? — Ah. Porra. — uma grande caminhonete bloqueava meu caminho. Mais caras estavam descarregando-a, levando barris para o quintal. — Eu acho que sua casa está fazendo uma festa hoje à noite. — É por isso que você está ligando? — Não. — os caras começaram a levar os barris para o quintal. Eu coloquei minha mão em torno do telefone, abaixando minha voz. — Eu tive que ligar. Eu quebrei. Eu não sei por que - bem, eu acho que eu sei, mas eu sei que você viu isso. — Eu vi você nos braços de outro homem. Sim. Eu tive que parar. Tudo tinha que parar. Era isso. Fechando os olhos, eu respirei. Eu ouvi a porta abrir atrás de mim. Eu não sabia quem estava lá. Eu não olhei. Se era Phillip vindo para o seu telefone ou Avery, ou mesmo Claudia, eu levantei a mão, esperando que parasse. Eu precisava desse momento agora. — Estou apaixonada por você. Lá estava. Saiu. Eu não podia tomar de volta. Eu continuei, — Kevin disse coisas estúpidas, mas esse é o Kevin. Ele é estúpido, e por algum motivo eu quebrei. — fiz uma pausa. Ele não estava dizendo nada. — Eu acho que talvez eu devesse fazer isso em pessoaEu considerei isso. Ele em pé na minha frente, esperando, completamente fechado enquanto eu derramava meu coração. Não. Agora era uma hora boa. Eu iria falar agora. — Kevin entrou na minha vida quando minha mãe morreu. Aconteceu tão rápido. Ela tinha ido embora, estávamos enterrando-a, e depois boom. Eu tinha uma nova família. E essa família veio com um meio-irmão, que era a minha paixão colegial. Ele era a paixão colegial de todas. Eu não entendo isso. Eu realmente não posso explicar isso, mas eu tinha um buraco em mim, e eu usei devaneios e fantasias estúpidas para encobri-lo. — ainda sem resposta. — Você já fez isso?

~ 311 ~


Usou álcool ou biscoitos para preencher algo que você não quer sentir? Isso é o que eu fiz, mas em um nível extremo. Eu não poderia lidar com a perda da minha mãe. Qual filha pode? Especialmente quando ela tem quinze anos. Minha mãe tinha ido embora, e então Kevin estava lá, e eu deixo tudo sair do controle. Você tem que saber que o que você viu no quarto dele antes, meus sentimentos por Kevin nunca tiveram nada a ver com isso. Era tudo minha mãe. A dor ainda estava lá. Eu senti queimar, machucar minha pele enquanto eu conversava sobre isso, mas não era tão ruim. A dor havia diminuído um pouco. Ainda havia mais por vir. Eu sabia. Eu não estava olhando para frente, mas Caden poderia me ajudar. Ele só tinha que estar na minha frente. Ele tinha que estar comigo. Abaixei-me, agachando-me sobre as bolas de meus pés, e passei meus braços em torno dos meus joelhos. Meus olhos fecharam, e eu sussurrei ao telefone. — Agarrei-me a algo que não real. Mas você, você é real. Você me faz sentir amada. Você me sentir inteira. Você junta meus pedaços.

eu se era faz

Fiz uma pausa. Eu precisava. Meus pulmões precisavam de ar, e depois de enchê-los, eu abri minha boca para começar de novo. — Tem sido assim desde que você perguntou se algo estava errado comigo. — eu sorri agora, no meio de tudo isso. — Foi você desde que eu esbarrei em você por acaso no corredor na casa da fraternidade. — eu abracei minhas pernas ainda mais apertado, escavando minha testa em meus joelhos. — Eu te amo, Caden. Tem sido você o tempo todo. Se alguém é o conto de fadas, é você. Eu não tinha nada mais. Meu peito doía. Meus pulmões doía. Tudo doía porque eu tinha derramado tudo que eu tinha para ele. Houve um silêncio, um completo silêncio angustiante. Finalmente ouvi a partir do telefone, — Contos de fadas acabam, Summer. Espere - essa voz estava muito perto, muito alta. Olhei para cima, e ele estava lá. Ele estava lindo. Seu cabelo estava bagunçado, como se ele tivesse passado a mão por ele, e isso me fez amá-lo ainda mais. Seus olhos estavam fixos sobre mim, nublados com emoção. Ele estava machucado. Mas por quê?

~ 312 ~


Eu me levantei, soltei o telefone, e fui até ele. — CadenEle balançou sua cabeça. — Pare. Parei alguns metros dele. Eu queria ir até ele. Meu corpo oscilou para frente, inclinando-se, mas eu o segurei de volta. — Contos de fadas não são reais. Minha voz se quebrou quando eu disse, — Mas com você é. Você é a vida real. Você é real. Eu não podia perdê-lo. Avancei um passo. Eu segurei minhas mãos no meu peito, envolvendo-as. — Qualquer coisa que eu disse faz sentido? Ele tentou sorrir, mas vacilou. Eu não sabia se isso era um bom sinal ou não. — Eu conheço a dor, Summer. A lesão cerebral de Colton não quebrou apenas ele. Quebrou toda a minha família. Eu sei como é lamentar e querer explodir. A diferença entre você e eu? Eu não escondi. Eu senti. Eu experimentei, e você ainda não. Eu fiz uma careta. — O que você está dizendo? — Eu acho que você precisa de tempo para lamentar sua mãe. — Caden. — estendi a mão para ele. Seu olhar foi para a minha cintura, e por um momento, pensei que ele iria me segurar. Ele não o fez. Ele ficou lá. — Sem mim, — disse ele suavemente. — O quê? — a dor me cortou. — O que isso significa? Ele deu de ombros e colocou as mãos nos bolsos. — Eu quero te abraçar e te beijar, e te dizer que tudo vai ficar bem. Não posso acreditar que Kevin fez isso com você. M matou te ver nos braços dele, mas eu entendo. Eu entendo o que aconteceu agora, e eu acredito em você. — ele fez uma pausa, baixando a cabeça um momento. — Mas eu preciso te fazer uma pergunta. — Ok. — de repente eu estava nervosa. Minhas mãos ficaram suadas. — O que é? — Promete que vai responder honestamente. ~ 313 ~


— Prometo. — minha boca estava seca. — Quando estávamos juntos, você sentiu a perda da sua mãe? — Eu... — a resposta era não. Eu não senti nenhuma dor. Eu só me senti amada. Como isso era uma coisa ruim, embora? — Você prometeu, Summer. Eu tinha que responder. — Eu só estava feliz quando eu estava com você. Ele fechou os olhos e deu um passo para trás. — Aí. Tá vendo, eu não posso estar com você. Você precisa de tempo, Summer. Você tem que sentir o que você perdeu, e você tem que chorar por ela. Você usou Kevin para cobrir isso, e eu não posso ser o próximo Band-Aid que você usa. Eu não vou fazer isso conosco. Se você não pode lamentá-la quando você está comigo, você tem que fazer isso sem mim. Ele sacudiu a cabeça e começou a andar para trás, para longe de mim. — Sinto muito, Summer. Eu não posso estar com você agora.

~ 314 ~


Dois meses e meio depois.

E

u odiava fevereiro. Era o fodido mês do amor. — Ei.

Avery não bateu, mas ela não tinha batido desde que ela tinha me encontrado na cama, sentindo-me como se meu interior tivesse sido arrancado e jogado em uma pilha no chão. Isso foi em novembro. Eu parei de atender a porta, e ela começou a entrar. Nós estávamos em uma relação simbiótica. Olhei para cima do meu laptop e vi quando ela pegou um saco de batatas fritas, em seguida, deixou-se cair em um dos pufes. Aqueles também eram novos, cortesia de Sheila, que se sentia mal porque eu ter sido despejada. Kevin tinha dito a ela, porque todos sabiam. Todo o campus. Eu tinha sido rejeitada. Caden me deu um chute na bunda, mas ninguém soube que ele fez isso por mim. Ele estava me dando tempo para processar a perda da minha mãe, e eu estava. Tinha havido mais um par de momentos em que me senti como se eu estivesse quebrando, mas eu sabia que ele estava certo. Doía nele também. Avery disse que ele ligou e perguntou como eu estava indo todos os dias. Eu só queria que ele me ligasse ao invés. Para dizer que eu tinha superado sua rejeição seria um eufemismo. Eu nem estava rastejando. A maioria dos dias eu fiquei no meu quarto. Foi assim que eu lidei nas duas primeiras semanas. Então um telefonema do meu pai me lembrou que eu estava na faculdade. As aulas eram um requisito,

~ 315 ~


aparentemente. Então a minha rotina se tornou dormitório, aula, dormitório, aula. Marcus estava na minha aula de saúde neste semestre. Assim como Shayla, minha parceira de fisiologia. Estávamos sentadas lá um dia quando ele entrou. Meus pulmões tinham deixado de funcionar por um momento. Ele parecia tanto com Caden naquele momento, e eu me preocupei de que ele fosse embora. Ele parou, olhou para mim, e depois se sentou na cadeira vazia ao meu lado. Eu poderia ter chorado. Eu estava tão feliz. Ele tinha afagava minha perna. — Meu irmão acha que ele está fazendo a coisa certa. Ele é um idiota. Ok. Eu comecei a chorar. Marcus puxou sua mão. — Não deixe isso estranho, ok? Eu nem mesmo gosto quando Avery chora. Eu escovei minhas lágrimas rapidamente, e naquela noite Caden ligou. Ele parecia tão calmo. — Marcus me disse que ele está em sua classe. — Está. — Ele disse que você perdeu peso. Marcus disse o mesmo sobre ele. — Você está bem? Caden riu levemente. — Eu deveria ser a pessoa te perguntando isso. Eu não estava bem. Eu não queria dizer isso, porém. Eu não estava pronta. Eu suspirei, afundando na minha cama. — Eu estou tentando deixar isso ir, mas é difícil. Esse tinha sido um momento tranquilo. — Você poderia fazer isso se estivéssemos juntos? Eu tinha ouvido o anseio em sua voz. Eu senti isso também, mas eu tinha que ser honesta. Nós tínhamos prometido mentiras. — Seria bom ser distraída por você.

~ 316 ~


Outro momento de silêncio. Então, — Deixe-me saber quando estiver pronta. Estarei aqui. Eu balancei a cabeça. Eu sabia que ele não podia ver isso, mas eu não podia falar. Minhas emoções estavam me sufocando, e quando ele desligou, eu apenas enrolei de lado e abracei o travesseiro. Não era Caden que eu estava segurando, não como eu estava sonhando. Era minha mãe, e naquele momento ela estava lá. Ela estava me segurando de volta. Eu o queria de volta, mas era hora de eu cuidar de mim mesma primeiro. — O que vamos fazer para o jantar hoje à noite? — perguntou Avery, virando-se na minha cadeira e me afastando das minhas memórias. Eu grunhi e joguei um pacote de ramen17 cima do meu ombro. Ela gemeu. — De novo não. Por favor. Você precisa de comida de verdade, Summer. — Miojo é comida de verdade. Eles são parentes das massas, que veio da Itália e nós sabemos quão foda a comida italiana é. Boom. É comida gourmet. Ela se jogou para o canto. — Não é, e eu estou puxando meu cartão da amizade. De jeito nenhum. Ela não podia. Eu girei na minha cadeira para olhar para ela. — Não o cartão da amizade. — Totalmente o cartão amizade. Fingi ofegar e estremecer. Ok, eu realmente estremeci. Eu nunca admiti isso, mas o ramen não estava descendo muito bem também. Ela tirou um cartão de plástico de sua bolsa e acenou no ar. — Isto indica que quando uma amiga precisa de uma intervenção, eu posso entrar. Você está muito além de uma intervenção.

Lámen, ou rāmen é um alimento japonês de origem chinesa, composto por filamentos longos de massa alimentícia mergulhados em caldo extraído de verduras, legumes, carcaça suína, bovina, de aves ou frutos do mar. 17

~ 317 ~


— Eu faço tudo o que é necessário para sustentar as minhas necessidades físicas e biológicas. O caso em questão. — eu apontei para a minha água e geladeira. — Líquidos. Sólidos. Eu vou ao banheiro. Eu durmo. Eu também mantenho necessidades de função superior, como aulas. Eu vou para a aula... agora, — eu adicionei depois de um momento. — Eu vou agora. Eu tive um curto hiato, mas isso não conta. Eu vou agora. Isso conta. Avery franziu o nariz e coçou atrás da orelha. — Ok. Já voltamos das férias faz duas semanas, e eu estou te chamando. Nós vamos comer. Abri a boca, pronta com uma promessa vazia para pedir comida chinesa, quando ela acrescentou: — Mas não temos de ir no campus, mesmo se ele comesse lá. — ela suavizou sua voz. — Eu estava pensando que poderíamos ir a um restaurante ou algo assim. — O que é isso que você está falando? Uma edificação onde servem muitas variedades de sólidos? Seu lábio se contraiu em um sorriso. — Sim, isso. Você e eu, nós vamos nos vestir e nós vamos jantar como rainhas. — Posso usar uma tiara? — Sem dúvida. — ela piscou para mim quando ela se levantou e foi até a porta. — Trinta minutos, depois vamos. — Avery? — Sim? — É realmente um cartão de amizade? Ela riu, brandindo o cartão no ar. — Com certeza. É um cartão de crédito, o melhor amigo que um cartão poderia ser. — Nós devemos realmente fazer um cartão de amizade. — Um cartão de amigas. — seu sorriso se aprofundou. — Eu gosto disso. Vamos fazer. — ela apontou para mim. — Trinta minutos. Você pode se vestir em dois, então eu sei que você pode se aprontar. Eu consegui. Mas quando chegamos lá, o restaurante era movimentado, com pessoas no pátio em frente. Eu não iria fingir que poderíamos entrar imediatamente. Eu me sentei em um dos bancos.

~ 318 ~


Avery fez uma pausa, mas eu acenei. — Isso foi ideia sua. Eu não vou lidar com aquela multidão ali. Ela bufou, revirando os olhos. — Bom ver que a sua coragem está voltando. Eu me inclinei para trás no banco. Minha coragem estava sempre lá. Era uma parte de mim. Minha coragem não iria me deixar. Eu observei uma senhora mais velha olhando para mim. Olhei para baixo. Oh. Minhas pernas não estavam cruzadas. Sentindo um pouco dessa coragem, eu as abri ainda mais. Tome isso, puritana julgadora. Ela torceu o nariz e o levantou no ar. Literalmente. Eu fiquei tentada em coçar minhas bolas. — Summer? — Colton estava sentado no banco ao meu lado. — Ei. — sentei-me direito. — O que você está fazendo aqui? Caden estava aqui também? Comecei a olhar— Ele não está aqui. — ele fez uma tentativa triste com um sorriso. Seus olhos estavam mortos, e ele parecia ter perdido peso. — Desculpa. — Não. — eu balancei a cabeça. O que eu deveria dizer aqui? Fiz um gesto para o lugar vazio ao lado dele. — Posso, uh, posso fugir para lá? Ele deu um tapinha no espaço ao lado dele. — Sim. Eu estou me escondendo dos meus pais. — Seus pais estão aqui? — eu me sentei. Ele balançou a cabeça, caindo para trás da maneira que eu tinha feito antes. — Nosso pai chegou em casa ontem à noite de Pequim, e eu acredito que os papéis do divórcio apareceram esta manhã. Eles tiveram uma briga feia noite passada. Eu estremeci. — Sinto muito, Colton. Ele ergueu um ombro. — A culpa vai cair em mim, eu tenho certeza. — ele me deu um sorriso torto. — Acontece que lesões cerebrais são difíceis de se conviver. — ele fez uma pausa. — Ou mesmo apenas estar por perto. As pessoas não gostam quando suas vidas são abaladas por algo que eles não podem ver.

~ 319 ~


Caden tinha dito algo semelhante antes. Lembrei-me de sua raiva e tristeza, e vendo a derrota total em seu irmão, eu cobri sua mão com a minha. — Sinto muito, Colton. Ele acariciou a minha mão. — Eu não estou tão mal sobre isso. É o que é. Eu não acreditei nele. — Caden sabe que você está aqui? Ele balançou sua cabeça. — Ele e Marcus nem sabem que papai chegou em casa ontem à noite. Eu sei que Caden está sempre lá, mas ele não precisa lidar com tudo. Se eu disser a ele, ele virá aqui e vai brigar com nossos pais, dizendo a eles para se recompor e agir como adultos. Marcus provavelmente se esconderia comigo. Nós tendemos a deixar o trabalho pesado para Caden. Nem sempre é justo com ele. Eu sabia que Caden não gostaria que Colton lidasse com isso. E ele ficaria irritado se descobrisse que eu sabia e não lhe contei. Suspirei. — Eu tenho que ligar pra ele, Colton. Ele olhou para mim, pronto para protestar. Eu me levantei, apertando meu telefone, e me afastei. — Eu sinto muito. Eu preciso. Se você quiser escapar, meu amigo, eu vou aceitar. Avery surgiu naquele momento, ouvindo o que eu disse. Ela olhou para Colton, as sobrancelhas estreitas. — O que está acontecendo? — A escolha é sua, — eu disse a Colton. — Nós podemos ser o seu carro de fuga. — eu dei a ele dois polegares para cima. — Duas gostosas. Que tal isso? — Obrigado, Summer, mas eu vou ficar por aqui. Se não vai ser fogos de artifício, eu deveria estar aqui para eles. — Ok. — eu acenei meu telefone no ar. — Eu já volto. — Mas... — Avery me viu me afastar, confusão evidente em seu rosto. — O que está acontecendo? — ela olhou para Colton, aproximando-se quando eu saí do alcance da voz e visão, vadeando em torno de um grande grupo esperando para se sentar. Que droga. Minha mão tremia enquanto eu discava o número de Caden. Ele tinha ligado uma noite, mas desde então não tínhamos nos falado. Meu coração estava tentando saltar para fora do meu peito.

~ 320 ~


— Summer? Meus ombros caíram. Agarrei o telefone ainda mais apertado. — Ei. — Ei. Você está bem? Limpei a garganta. — Avery e eu estamos em Carabera e Colton está aqui. Achei que você deveria saber. — Colton? — sua voz era de repente alerta. — O que está acontecendo? — Seus pais estão aqui. Ele disse que eles estão se divorciando. — E eles estão fazendo isso em um restaurante? — ele amaldiçoou. — Estou a caminho. Obrigado por ter ligado. — Você deve saber que eu me ofereci para ser o refúgio de Colton se ele quisesse ir, — eu disse rapidamente, antes que ele desligasse. Caden ficou em silêncio por um momento. — Ele aceitou? — Não. Ele quer estar aqui para assistir os fogos de artifício. Ele resmungou. — Com certeza vai ter fogos de artifício. Obrigado, Summer. Você vai ficar por ai? Quero dizer, vai? — sua voz baixou. — Eu acho que estou cansado de esperar. Eu acho que não posso segurar mais tempo. Eu quase guinchei. Minha mão estava tão suada agora. O telefone quase escorregou. — Uh... — meu coração estava correndo. — Sim. Estarei aqui. — Obrigado. — sua voz suavizou. Deus. Ouvir a ternura nele... lembrei-me da última vez que estivemos juntos. Como ele me segurou, me tocou, gentilmente me beijou. Engoli em seco. Eu queria isso de novo, muito. — Eu me preocupo com ele também, — eu sussurrei. — Eu sei. — então ele desligou, e eu não pude me mover por um momento. Caden estava vindo. Pra cá. Onde eu estava. ~ 321 ~


Onde sua família estava. E ele me pediu para ficar também. Ele estava farto de esperar. — É o irmão de Marcus? — Avery apareceu ao meu lado, apontando de volta para Colton. Eu balancei a cabeça. Eu não podia falar naquele momento. — Puta merda. Marcus me disse que ele tinha um irmão gêmeo, mas eu nunca o conheci. Você? — eu podia ouvir a inveja em sua voz. — Ele se parece com Marcus, só que mais magro. Eu balancei a cabeça. Mas ele não era como Marcus. Havia diferenças, essas que ela não podia ver do lado de fora. Eu tinha esquecido esse problema. Avery não sabia sobre a lesão cerebral de Colton. Eu tinha que fazer o controle de danos. — Uh, talvez você devesse ir. — O quê? Por quê? — Hum... porque Caden está vindo, e eu acho que isso é uma coisa de família agora. — Caden está vindo? — suas sobrancelhas arquearam. Ela agarrou meu braço. — Você quer ir antes que ele chegue aqui? — Ele me pediu para ficar. — Oh. — ela soltou e recuou um passo. — Então você está apenas tentando se livrar de mim? Por que eu não tinha pensado em uma grande mentira? Eu sou péssima nisso. — Não, não. Não é isso. Eu não vou ser uma parte da coisa de família. Vou ficar porque Caden me pediu. — Eu posso ficar com você depois. — ela me olhou de cima abaixo. — Parece que você vai desmaiar. Hesitei em meus pés, mas não. Eu balancei minha cabeça. — Eu vou ficar bem. — Você realmente não parece bem.

~ 322 ~


Eu queria rosnar. Como ela ousava apontar a verdade? — Eu vou ficar bem. Caden me pediu para ficar. Ela tinha que entender como isso era importante, como eu tinha esperado tanto tempo para ouvir essas palavras dele. Ele estava farto de esperar. — Eu não vou a lugar nenhum, — eu disse a ela. Eu criaria raízes em um desses bancos se necessário. Ela suspirou. — Ok. Tem certeza de que eu deveria ir? Eu balancei a cabeça. — Caden vai me dar uma carona para casa. Ela sorriu. — Você pensou até o fim, huh? — Eu não sou uma tola completa. — Um ponto por usar a palavra tola em uma conversa. — Obrigada. É a menor palavra que eu usei há algum tempo. Ela riu, passando a mão pelo cabelo. — Ok. Vou te deixar com isso, mas me prometa que vai dizer a Caden que você não está se sentindo bem. E talvez tentar comer alguma coisa. É por isso que vim aqui, lembra? — Sim. Eu ficarei bem. Seus olhos preocupados desataram em cima de mim novamente. — Talvez eu deva mencionar a Colton. — Não, — agarrei-a antes que ela pudesse ir. — Ele tem o suficiente para lidar. Ele não precisa se preocupar comigo também. — Ok… Era óbvio que ela não quis dizer isso. Eu gentilmente a empurrei para o carro dela. — Eu vou ficar bem. Eu prometo. Eu realmente vou comer um pouco. Eles oferecem pão para as pessoas esperando. Eu só vou pegar um pouco disso. — Está bem, está bem. Eu estou indo. — mas ela não parava de olhar para trás enquanto fazia seu caminho para o carro. Eu tinha certeza de que Marcus estaria ligando nos próximos cinco minutos. E quando o meu telefone iluminou antes mesmo de eu voltar e eu me parabenizei em ser psíquica.

~ 323 ~


Eu suspirei, atendendo enquanto eu fazia meu caminho de volta para Colton. Passei por um grupo. A lista de espera parecia ter dobrado nos últimos dez minutos. — Fã-clube de Summer Stoltz. Como podemos te ajudar? — Corte o papo furado, você não é engraçada. — Au contraire, mis compadre. Eu sou a palhaça em pessoa. Ele gemeu. — Eu não tenho tempo para isso. Av me ligou e disse que Colton está em algum restaurante com você. — Ele está, e eu já liguei para Caden. Você pode pegar os detalhes com ele. — Ele não vai atende. Colton está bem? — Você tentou ligar para seu gêmeo? Sentei-me ao lado de Colton quando eu fiz essa pergunta, e ele olhou por cima, ouvindo. Ele verificou seu telefone, e sacudiu a cabeça. — Esqueça. Ligue pra ele se você quer respostas. — eu desliguei, ouvir um rugido de Marcus. Dois segundos depois, o telefone de Colton estava explodindo. Ele apertou o botão ignorar, parecendo satisfeito consigo mesmo. — Ele vai ter que vir aqui descobrir o que está acontecendo. — Ele e Caden tiveram uma conversa com sua mãe sobre a aceitação de sua lesão no cérebro? Ele balançou a cabeça, franzindo a testa. — Sim. E não foi bem. — Então, ela ainda está negando? — Sim. Assim como nosso pai. Eu cocei atrás da minha orelha. — Eu tenho que perguntar, por que eles estão conversando em um restaurante se eles estão realmente querendo divórcio? — Eles reservaram um quarto privado aqui, e eles só podem falar sobre coisas em público. Em casa as pessoas só acabam indo embora ou jogando e quebrando coisas. Mamãe e papai ambos têm temperamentos horríveis.

~ 324 ~


— Tendi. — Colton. Caden estava aqui. Santa mãe dos meus ovários. Minha boca já estava aguando. Ele parecia delicioso no jeans de cintura baixa, uma camisa branca, e sua jaqueta de couro por cima. Ele tinha perdido peso. Eu não tinha sido a única. Marcus tinha me dito, mas vê-lo era outra coisa. Ele usava um boné. Esse não escondia suas feições como um boné de beisebol, mas deu a ele uma séria vibração não absurda. Eu quase lhe perguntei se era um gorro de assassino em série, se ele pudesse puxá-lo para baixo, mas eu mordi as palavras de volta. Ele não parecia estar de bom humor pra brincadeira. Era também o meu nervoso querendo falar - ou tentando. Uma série de nervos explodiram enquanto ele se aproximava, os olhos em mim antes de se mudar para Colton. — Você deveria ter me ligado, — disse seu irmão. — Por quê? Eles vão pedir o divórcio de qualquer maneira. — Você não precisa estar aqui para isso. Colton se levantou e colocou a mão no ombro de seu irmão. — Odeio que isso acabe atingindo você, Caden, mas você não pode me proteger de tudo. Mamãe e papai podem ser uma dor na minha bunda algumas vezes, mas eles ainda são meus pais. Eles são estúpidos quando se trata da minha deficiência, mas eles ainda me amam. — ele acrescentou, — do jeito deles. — Eles estão no quarto privado daqui? Colton acenou com a cabeça. Caden olhou para mim. — Você vai ficar? Eu ficaria para sempre. — Sim. — Ok. — ele se virou para Colton. — Você quer entrar ou ficar aqui? — Eu vou ficar aqui fora. — ele gesticulou de volta ao seu assento ao meu lado. — Marcus está chegando também. Ele não vai saber o que fazer sem um coro de saudação.

~ 325 ~


Um canto da boca de Caden levantou, mas o meio-sorriso não alcançou seus olhos. Ele parecia sério, e um arrepio passou por mim ele parecia perigoso também. Eu senti pena de seus pais. — Já volto, — disse ele. Uma vez que ele se foi, eu me virei para Colton. — Espero que sim. Ele riu, recostando-se em seu assento. — Ele só vai até lá gritar com eles por serem egoístas. Isso é tudo o que ele pode fazer. Ele não pode parar o divórcio. E eu acho que ninguém quer parar o divórcio. Tem acontecido desde que eu fui atingido. Eu cobri sua mão com a minha. Não havia palavras. Ele bateu os dedos. — Eu viraria minha mão, mas eu não acho que Caden gostaria disso. Falando nisso, qual é o problema com vocês? Ele disse que precisava de tempo, mas não parece que você é a única que queria um tempo longe. Puxei minha mão de volta e apertei meus dedos juntos, pressionando-os no meu colo. — Esse foi parte do problema. Eu não estava lidando com algo. — Você está agora? Se eu estava? Pensei na minha mãe toda manhã quando eu acordava. Eu podia sentir seu perfume. Senti seus dedos quando ela enfiou o cabelo atrás das orelhas. Eu podia ouvi-la sussurrando, ‘Eu te amo, minha pequena Summer’. Eu tinha ouvido, sentido, cheirado e pensado sobre a minha mãe quase constantemente ao longo dos últimos dois meses. Toda vez que esse buraco doía, menor ia ficando e eu não sentia mais como se eu tivesse que afastar esse sentimento. — Sim. — eu não tinha percebido isso eu até então, mas a resposta era sim. Eu não tinha perdido a minha mãe. Ela ainda estava comigo. Ela nunca iria me deixar. — Ótimo. Não que eu não ame ter ele por perto, mas ele tem estado na casa quase todas as noites. Você sabe que é ruim quando ele está optando passar muito tempo comigo e não na fraternidade, ou com você, quem ele realmente quer ver. — Você faz parecer como se ele não quisesse sair com seu irmão. Eu sei que não é verdade.

~ 326 ~


Ele acariciou minha mão novamente antes de se afastar. — Eu não estou jogando o meu irmão sob o ônibus, mas ninguém quer gastar tempo com uma pessoa com lesão cerebral. Confie em mim. Você me viu em alguns dias bons. Por um tempo eu posso ser legal. Espere mais uma hora e você vai ver o verdadeiro Colton. Eu não serei assim mais. Minha garganta inchou. — Não fale assim. — É verdade. — ele tentou sorrir. Ele falhou. — Nós somos como zumbis caminhando que não querem comer pessoas. Que parece uma pessoa normal. Caden nunca vai admitir isso, mas eu sei que é difícil para ele me ver assim. Eu não sabia o que dizer, então eu descansei minha cabeça em seu ombro. Parecia a coisa certa, estar ali naquele banco com ele. Nós dois estávamos esperando alguém que gostávamos vir. — Summer? Kevin estava a poucos passos de distância, segurando a mão de uma menina. Ele franziu a testa para mim, e meu olhar se levantou por cima do ombro. Caden estava voltando. Eu podia vê-lo tecer por entre a multidão, os olhos em mim. Um grupo de clientes esperando se afastou para ele passar e ele estava aqui. Seus olhos encontraram os meus. Já era hora. Eu comecei a me levantar, e então o pátio e uma multidão de pessoas começou a se afastar. As estrelas começaram a piscar para mim, e tudo ficou escuro. Eu desmaiei.

~ 327 ~


E

u ouvi um sinal sonoro quando acordei, em seguida, vi o vestido do hospital. Havia tubos que entravam em meu braço, e um bracelete de identificação em volta do meu pulso. As próximas coisas que notei foram, nesta ordem: o cheiro pútrido de ansiedade e doença, que meu corpo doía em todos os lugares, e que havia uma mão segurando a minha. Olhei para cima e pude ouvir as portas do céu se abrindo, juntamente com um couro de aleluia. Caden estava sentado ao meu lado, os olhos fechados e a cabeça apoiada no meu colchão. Eu quase não conseguia me mover. Ele parecia muito bonito para acordar. Eu só queria sentar e desfrutar, mas, santa porra, minha garganta estava me matando. — Agh! — eu resmunguei, sentindo náuseas. Caden levantou a cabeça, seus olhos abrindo. Ah sim. Tão escuro e marrom e gostoso. Isso ajudou com as náuseas. Um pouco. Não tudo. Meu estômago ainda retumbou, e eu apertei a mão nele. — O que aconteceu? — espere. Lembrei-me. — Eu desmaiei? — Sim. — ele olhou para mim atentamente, antes de se inclinar para frente e escovar o cabelo da minha testa. Seu toque era tão suave. — Você não tem comido. Você não bebeu bastante líquido. Você não tem dormido o suficiente, e de acordo com Kevin, você mal vai às aulas. — seus lábios formaram uma linha fina de desaprovação. — O que você estava pensando? Eu não tinha ideia de que você era assim tão mal. Você não está cuidando de si mesma. Eu sorri para ele. Mais de minha náusea estava indo embora. — Eu senti sua falta também. Ele suavizou, sentando-se e sacudindo a cabeça. — Eu quase explodi quando você desmaiou no restaurante. Colton te pegou, então você caiu no banco. Depois você quase rolou e caiu no chão.

~ 328 ~


— Mas você me pegou? — Seu meio-irmão pegou você. — ele riu. — Nunca pensei que iria agradecer aquele idiota, mas agradeci. Você quase bateu a cabeça. — Eu pensei que desmaiar era tudo gracioso e feminino. — Não é. É estúpido e perigoso. — ele se aproximou novamente, segurando minha mão com força. — Especialmente quando poderia ter sido evitado. — ele suspirou, as linhas ao redor da sua boca relaxando. — Porra, Summer. Você poderia ter se machucado feio. Por que você não se cuidou? Foi a minha vez de xingar. — Você está brincando? — Foi por minha causa? — ele pareceu com dor. — Eu não queria fazer isso com você. Eu não... me matou ficar longe de você. Eu pensei que eu estava fazendo a coisa certa. Eu realmente achei. — Você estava. — eu apertei sua mão. — Eu precisava de tempo, e eu não desperdicei isso. Estou com a minha mãe todos os dias. Eu posso senti-la, e eu sei que não vou afastar esses sentimentos mais. Eu não quero. Eu a amo tanto, e eu sinto tanta falta dela. Era insuportável antes. Eu encontrei uma maneira de lidar, ignorando, mas não mais. Eu preciso lembrar agora. Eu não me sinto inteira se eu não fizer isso, então eu estou bem. Eu realmente estou. — eu sorri. — E só para ficar claro aqui, você quer continuar fazendo sexo comigo? Ele soltou uma gargalhada, traçando uma mão sobre minha testa novamente. Ele segurou o lado do meu rosto. — Eu quero mais do que isso. Eu quero tudo. Você. Sua risada. — ele deu um beijo n canto da minha boca. — Sua idiotice aleatória que eu acho hilário. — um beijo no outro lado. — Sua bondade. — ele se moveu até a minha garganta. — Sua força. — o outro lado da minha garganta. Eu fui zumbindo aqui. Totalmente zumbido. Sua mão deslizou para baixo, demorando no meu peito e entre os meus seios. Eu puxei a camisola para baixo. Eu precisava fazer o que pudesse para ajudá-lo apanhar uma sensação. Ele se inclinou e deu um beijo onde sua mão estava. Meu sangue estava mais que zumbindo. Estava quase fervendo.

~ 329 ~


— Seu amor, mesmo quando não sou merecido, — ele acrescentou. Ele levantou a cabeça, seus olhos encontrando os meus. — Eu quero você. — os olhos dele ficaram sérios enquanto ele pairava acima de mim. — Eu te amo, completamente e de todo o coração. Você é a melhor coisa que já me aconteceu. — Eu sou? Ele não respondeu. Seu próximo beijo aterrissou em meus lábios, e eu afundei nele. Minhas mãos agarraram seu rosto, e mesmo se ele quisesse recuar, eu não deixaria. Este era o meu momento. Este era o meu homem. Eu não iria deixá-lo ir tão cedo. Eu continuei a beijá-lo e beijá-lo e beijá-lo. Meu coração batia tão rápido; todo o sangue estava correndo ao redor. Todos os tipos de formigamentos, sensações e sentimentos de fusão percorreram meu corpo. Até meus dedos curvaram. E eu ainda o beijei. Eu não queria parar.

~ 330 ~


E

u estava fazendo as malas quando Kevin bateu no meu dormitório. — Ei.

Para lhe dar crédito, ele parecia assustado. Seus olhos continuavam contornando ao redor do quarto, só capaz de olhar para mim por um segundo. Ajeitei a minha cama. Minha mala estava aberta, e eu peguei a parte superior do top que eu estava dobrando, colocando-o em cima das outras camisas para a minha viagem de férias de primavera. — Ei, — eu disse de volta. Ele ainda hesitou em entrar, a mão vindo descansar no batente da porta. Ele fez um gesto para dentro. — Uh, eu posso entrar? Quer dizer, eu não quero te incomodar. Esta era a conversa. Nós não tínhamos tido uma desde a conversa desastrosa antes de ele ser expulso da fraternidade. Fiquei surpresa com o quão fácil tinha sido evitá-lo, especialmente considerando que nós dois fomos para casa nas férias, e ele veio para o hospital depois que desmaiei. Tinha havido um rápido ‘Como você está? Bem? Legal. Eu vou te deixar em paz, então’. E ele tinha fugido. Eu sabia que ele tinha uma nova namorada. Eu a vi com ele no restaurante. Eu estava feliz que ele não estava me esperando - se ele tinha falado realmente sério sobre isso - mas era agridoce também. Avery me disse que a menina era boa, muito boa, e eu sabia que meu meio-irmão iria acabar com isso. Eu não tinha dúvida. Acenei para o sofá. — Sente-se. É hora de termos essa conversa, certo? Ele deu dois passos, mas parou e olhou para mim. — Sim. Eu suponho que sim. Sentei-me à mesa, colocando-nos em cantos opostos. Eu cruzei as mãos sobre o encosto da cadeira. — Você disse a Caden o que ~ 331 ~


aconteceu quando eu desmaiei no restaurante. — Eu nunca te agradeci por isso. Ele chutou as pernas, em seguida, apoiou os cotovelos sobre os joelhos em seu lugar. — Você desmaiou, e ele parecia pronto para me dar um soco. Eu estava preservando a minha vida. — ele esboçou um sorriso. — Eu acho que ele me culpou por você desmaiar. Tinha que ter certeza de que ele sabia a verdadeira razão: ele. — Não foi só ele. — tinha sido eu. Mamãe. — Você sabe, eu estou presa no momento. Eu tenho que te agradecer por dizer a ele, mas você é um idiota. Você sabe. — Sinto muito pela minha parte em ferrar você e Caden. Eu levantei uma sobrancelha. — E por ferrar tudo em geral, — emendei. — Eu sabia que você gostava de mim na escola, e eu gostei disso. — ele estendeu a mão para mim. — Você é linda, e você não tem ideia. Você é engraçada. Espirituosa. Resoluta. E você é uma boa pessoa. Garotas como você não aparecem todos os dias. Eu tenho sorte de ter encontrado Kiara. Ela é uma dessas garotas, eu não acho que eu vou encontrar outra. — Então não brinque com ela. — Eu não estou pensando nisso. — Estou falando sério, Kevin. Não a traia. — Eu não vou. Eu prometo. Toda essa coisa de lição que fizemos? Não durou muito tempo, mas realmente ajudou. — Você estava realmente tentando mudar, então? Ou era besteira? Ele me deu um olhar triste, rindo levemente. Ele ergueu as mãos. — Ambos. Começou como um ato. Eu estava pensando em ficar com você, mas então você apareceu no meu quarto para descobrir se eu tinha deixado Maggie por você. Eu deixei, mas era óbvio que você não gostava mais de mim, então eu menti. Eu gemi. — Kevin. Ele coçou a cabeça. — Eu só queria passar mais tempo com você. Eu achei que poderia te colocar sob o meu feitiço novamente.

~ 332 ~


— Caden me contou um pouco do que você disse a ele enquanto eu estava fora, tendo o meu colapso. — isso doeu. — É verdade? Ninguém me convidou para sair na escola por causa de você? Todos achavam que você ia me roubar deles? — Você teve namorados. — Sim. — eu bufei. — Três namorados muito chatos. Eles não contam. Não eram relacionamentos reais. — Eu sinto muito por isso também. E sim, todos os caras sabiam que era melhor não mexer com você, porque eu poderia pegar você deles. Eu meio que deixei isso ser conhecido. Eu queria atirar um sapato nele. Olhei em volta, talvez eu pudesse jogar outra coisa, algo que não faria tanto dano. Eu queria fazer danos, entretanto. Eu queria fazer um monte de danos. Eu disse ao invés, — Você é um pedaço de merda. — Eu sei. — ele ergueu as mãos novamente em sinal de rendição. — Algumas das coisas que eu disse a você, eu não estava realmente mentindo. Eu não estava pronto para uma garota como você. E eu não sabia como lidar com isso. Eu sou egoísta. Eu sou desonesto. Eu sou um manipulador. Mas eu juro, você me ajudou a deseja mudar. Você não falou comigo em casa durante o feriado, e esta é a primeira vez que eu reuni coragem de me aproximar de você. Eu sei que eu errei. — ele apertou a mão ao peito. — Eu perdi minha chance com você. Isso me afetou. É por causa de você que eu estou com Kiara. Se eu a conhecesse em novembro ou dezembro, eu nunca teria olhado duas vezes para ela. Ela é uma boa menina. Eu não posso estar com boas meninas. Eu as arruíno. Eu queria rosnar. — Eu já avisei para não machucá-la. — Eu não vou. Se alguma coisa acontecesse com ela... — seu sorriso suavizou. — Caden poderia ter perdido você. Eu vi o olhar no rosto dele quando você desmaiou. Esse cara realmente te ama. Eu fiz uma careta. — Eu estava desidratada. Era isso. Eles me deram fluidos um dia inteiro e eu fiquei bem. — Eu não estou falando fisicamente. Ele quase perdeu você. Caden tem sorte de ter você. — Oh. — nem, isso me fez sentir bem. — Obrigada.

~ 333 ~


— Entãaaaao, você vai continuar me odiando em coisas de família? Temos o verão chegando em breve. As coisas vão ser um pouco estranhas se estivermos em casa e você querer me matar. — Eu nunca quis te matar. Mais como arrancar suas tripas, te castrar. — eu levantei um ombro. — Você não poderia me machucar se você estivesse enterrado. Mas se a sua garganta tivesse sido puxada para fora e, então costurada de volta com umas agulhas bem ruins? Sim. Isso teria sido perfeito. — Sim. — ele repetiu, com um brilho duro em seus olhos. — Foi isso que eu quis dizer. — Só por isso estamos na mesma página. — E você não tem absolutamente nenhum sentimento por mim? Eu não pensei duas vezes. Peguei o sapato ao lado da minha mala e atirei nele. Ele se abaixou, e bateu na parede atrás dele. — Ok, ok. — ele se levantou, as mãos cobrindo o rosto. — Estou indo. — ele parou na porta, virando-se. — Já se passaram três anos, mas estou animado para realmente ter uma irmã agora. Sério. Sem mentira. Fiz uma careta. — Vamos tentar nos encontrar casualmente primeiro. Eu ainda não confio em você completamente. — E você não deveria, mas você vai. Vou provar para você. Eu posso ser alguém que você pode pensar como uma família. — ele acenou quando ele desapareceu no corredor. A raiva ainda estava lá, mas depois desta conversa, a minha necessidade de arrancar suas tripas poderia ter diminuído. Apenas uma pequena quantidade. Eu tive que parar e apreciar este momento, porque aqui, senti quão grata eu realmente me sentia. Eu vim para a faculdade para estar com meu meio-irmão, mas eu me apaixonei pelo meu anti-meio-irmão ao invés. Kevin era um step, um Band-Aid sobre uma ferida, mas não Caden. Ele era bom, mau, e as coisas no meio. Ele me fez sentir tudo isso. Ele era tudo. Ele era o meu tudo. Avery apareceu na minha porta um segundo depois. Ela apontou o polegar por cima do ombro. — Era Kevin? — Ele queria se desculpar por ser um idiota.

~ 334 ~


— Ele vai precisar de mais do que um pedido de desculpas por isso. — Sim. — eu joguei um par de sandálias na cama. — Quantos pares de sapatos você embalou? Ela pegou as sandálias e as colocou na mala, sentada na minha cama. — Uh, eu embalei... doze roupas diferentes e quatro pares de sandálias. Eu provavelmente vou acabar comprando roupas e sapatos lá. Nunca dá pra ter o suficiente, especialmente quando nós estamos indo para Key West. Eu mal posso esperar para amanhã. Vai ser incrível. Marcus, Avery, Colton, Caden, e eu estávamos indo viajar de férias juntos. Havia rumores de que Diego iria se juntar a nós. Caden não tinha certeza sobre isso, ele tendia a ser egoísta. Ele gostava de manter Diego para si, mas desde que levei Colt para o bar de Diego uma vez, não havia mais volta. Marcus e Avery vieram da próxima vez, e eu estava certa de que Marcus desenvolveu uma paixão pelo dono do bar. Diego não estava vendo nada disso, porém. Diego tinha um novo bromance18 acontecendo e era com Colton. Ele declarou isso no fim de semana antes. Eu não tinha certeza de quem estava mais ofendido, Caden ou Marcus. Então, Colton parecia um pouco cauteloso. Mas no final das contas, eu estava esperando que Diego aparecesse. — Eu sei que é meio triste que seus pais estão se divorciando, mas ainda bem que seu pai se mudou para o sul e tinha uma casa para nós, — disse ela. — Esse é um grande privilégio. — Para nós, já que somos as namoradas. Ela compartilhou um sorriso comigo. — Oh sim. E eu sei que eu não disse isso ainda, mas obrigada por desmaiar em fevereiro. Desde então, Marcus tem sido o namorado mais atencioso e amoroso de sempre. Aparentemente, você o assustou. Ele disse que não queria que isso acontecesse comigo. — ela olhou para suas mãos. — Ele disse que Caden poderia ter perdido você, e ele não queria me perder. Eu ri. — Estou feliz. Vocês se tornaram oficial na outra semana também. — eu recuei, olhando para a minha mala. — Terminei. Acho que minha bolsa está acima do limite de peso.

18

Bro de mano, irmão e mance de romance. Haha ~ 335 ~


Ela pegou um dos biquínis. — Caden vai rasgar isso de você em dois segundos. — Espero que sim. E na noite seguinte, depois de voamos para Key West e passarmos a noite dançando e bebendo, ele fez exatamente isso.

FIM

~ 336 ~

Anti-stepbrother # Tijan  
Anti-stepbrother # Tijan  
Advertisement