Issuu on Google+

Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

NOTÍCIAS DA ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO MAIOR

Oferta Formativa para 2013/2014 Novos Cursos / Novas Turmas

20º Aniversário da EPRM

D I S T R I B U I Ç Ã O G R AT U I TA

EDIÇÃO N.º5

ANO5

1

[2012’13]

Visita de Estudo a Munique

- Cursos Pro¿ssionais:

10

* Técnico de Manutenção Industrial/ Electromecânica * Técnico de Turismo Ambiental e Rural * Técnico de Transportes * Técnico de Electrónica, Automação e Instrumentação 20

14


2

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

FICHA TÉCNICA PROPRIEDADE

Editorial

EPRM, Escola Pro¿ssional de Rio Maior, Lda., E.M. DIRETOR

Luciano Vitorino COORDENAÇÃO DA EDIÇÃO

Helena Coelho e Inês Sequeira COLABORADORES

Anabela Figueiredo, Ana Rita Loureiro, Bruno Vargas, Claúdia Gomes, Cristovão Oliveira, Helena Coelho, Inês Sequeira, João Gomes, Jorge Silva, José Oliveira, Luciano Vitorino,Luís Gonçalves, Luís Santos, Maria João Maia, Mário Sousa, Patrícia Vaqueiro, Paulo Carvalho, Pedro Guedes, Sandra Costa, Sónia Costa, Vera Vieira, Conselho de Delegados e alunos. * os artigos publicados são da responsabilidade dos seus autores e não vinculam a Escola Pro¿ssional de Rio Maior

PAGINAÇÃO

Inês Sequeira IMPRESSÃO RIOGRÁFICA TIRAGEM

1500 exemplares

EPRM – 20 Anos ao Serviço da Formação ProĮssional de Qualidade A Escola ProĮssional de Rio Maior comemorou o seu 20.º aniversário no passado dia 19 de outubro. Como na altura Ɵve oportunidade de dizer, é importante deixar palavras de reconhecimento e de agradecimento aos visionários que encetaram o processo que levou à génese deste projeto, os responsáveis de então pela Câmara Municipal, pela Associação Empresarial e pela Associação de Produtores Agrícolas. Mas, também é necessário enaltecer o papel daqueles que têm feito crescer esta insƟtuição, acrescentando-lhe valor e qualidade na formação que ministra aos jovens que a procuram, fazendo, por isso, com que a EPRM passasse a ser considerada uma referência à escala regional porque procura incessantemente estreitar relações com o tecido empresarial e o aparelho produƟvo. Falo dos professores/formadores e dos funcionários que se dedicam a esta casa e a este projeto de alma e coração, “vesƟndo a camisola”. Nos dias que correm, fala-se insistentemente de sistema de ensino dual, que deverá fomentar a parƟcipação dos estudantes no ambiente empresarial, e da adaptação do sistema germânico à realidade portuguesa. O sistema dual permite que os jovens passem parte do tempo da formação na escola e a outra parte nas empresas, mas a sua implementação, parafraseando o Sr. Ministro da Educação e Ciência, vai requerer um grande empenho e envolvimento por parte das empresas. O objeƟvo da introdução em Portugal do sistema dual é o de combater as altas taxas de desemprego jovem e dar mais alternaƟvas e mais saídas proĮssionais aos jovens. O MEC reconhece, agora, que um dos grandes fatores de progresso e onde há e haverá cada vez mais procura é ao nível dos técnicos especializados.

PERIODICIDADE

Anual

A EPRM, enquanto Escola virada para o futuro e atenta à mudança, procurará estar na linha da frente, na implementação deste sistema.

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Eu próprio realizei uma study visit (programa de aprendizagem ao longo da vida) a Hannover, em maio passado, onde Ɵve oportunidade de conviver, durante uma

CONTACTOS

semana, com Diretores de diversos outros estabelecimentos de ensino europeus e efetuar visitas a algumas Escolas locais, de diferentes Ɵpologias. Entre elas, visitei a Escola ProĮssional de Hamelin, que rapidamente tomei como um modelo a seguir, quer pela dinâmica do seu Diretor, quer pelos projetos em que se envolve quer, ainda, pela

wwww.eprm.pt;geral@eprm.pt direccao@eprm.pt;secretaria@eprm.pt «ããÖ://óóó.¥ƒ‘›ÊÊ».‘ÊÃ/›ÖÙ®ÊîÊÙ

políƟca de parcerias que têm em marcha. Regressei com a convicção de que a diferença mais marcante entre a realidade da EPRM e a de Hamelin reside nos meios, nos recursos e na dimensão das empresas envolvidas nas parceiras. Na EPRM, a políƟca que se tem procurado implementar desde há sensivelmente dois anos, é a de estabelecer cada vez mais parcerias com enƟdades/empresas, que conĮram cada vez maior visibilidade e notoriedade à Escola e que funcionem como garanƟa do Ensino ProĮssional de Qualidade que procuramos oferecer aos jovens. Prova disso, é a busca incessante de ligações, mais abrangentes, com empresas de dimensão nacional e, até, internacional, como é o caso da Bosch-Vulcano, para a área dos cursos de Técnico de Energias Renováveis e Técnico de Frio e ClimaƟzação; Hemera Energy, para a área do curso de Técnico de Energias Renováveis; Olitrém, para a área do curso de Técnico de Frio e ClimaƟzação; Uponor, para a área dos cursos de Técnico de Instalações Elétricas, Técnico de Eletrónica e Automação, Técnico de Frio e ClimaƟzação, Técnico de Manutenção Industrial e Técnico de Energias Renováveis; Risa, para a área do curso de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas InformáƟcos; Santa Casa da Misericórdia de Rio Maior, para a área do curso de Técnico Auxiliar de Saúde; Iberomoldes, para a área do curso de Técnico de Manutenção Industrial; Rodoviária do Tejo, para a área do curso de Técnico de Transportes. Em fase de negociação, estão eventuais parcerias com a CEIIA (Centro de Excelência e Inovação da Indústria Automóvel), para a área do curso de Técnico de Manutenção Industrial; EGEO (do grupo SISAV), para a área dos cursos de Técnico de Instalações Elétricas, Técnico de Eletrónica e Automação e Técnico de Manutenção Industrial; Siemens, para a área dos cursos de Técnico de Instalações Elétricas, Técnico de Eletrónica e Automação, Técnico de Frio e ClimaƟzação, Técnico de Manutenção Industrial e Técnico de Energias Renováveis. As parcerias com estas empresas/enƟdades signiĮcam cooperação ao nível da realização de visitas de estudo, desenvolvimento de iniciaƟvas tais como colóquios, workshops e trabalhos de projeto de Įm de curso, apoio à organização e desenvolvimento de estágios curriculares dos alunos, cedência de materiais/recursos em condições vantajosas, etc. Alguns estudos feitos em Portugal, assim como a análise da situação de outros países desenvolvidos do Norte da Europa, onde o Ensino ProĮssional ocupa um lugar de destaque, apontam para a valorização dos diplomados pelo Ensino ProĮssional por parte do tecido empresarial, no senƟdo de demonstrar que o conhecimento técnico e tecnológico pode contribuir de forma acentuada para aumentar a produƟvidade e a compeƟƟvidade. Sendo o conhecimento o aƟvo mais importante das empresas, pode consƟtuir a base para estas sobreviverem nos momentos de crise. Em Portugal, é evidente que temos Ensino ProĮssional a várias velocidades, sendo que o verdadeiro, o genuíno foi criado em 1989, em escolas proĮssionais fundadas para o efeito, que se dedicam, exclusivamente, à oferta de cursos proĮssionais pós 9º ano de escolaridade. É o caso da EPRM! A passagem do Ensino ProĮssional para as escolas secundárias foi, em geral, feita de forma pouco asserƟva e causou problemas que abalaram a credibilidade conquistada por este Ɵpo de ensino até aí. Tal como aĮrma o Prof. Joaquim Azevedo, um dos mentores do Ensino ProĮssional em Portugal, o Ensino ProĮssional ministrado em Escolas como a EPRM, tem créditos Įrmados porque para além de funcionar em arƟculação com o tecido empresarial e o aparelho produƟvo, não é Ɵdo como um “quarto escuro”, para onde se aƟra tudo o que é mais incómodo, sejam alunos ou professores. Aos colaboradores, sejam formadores ou funcionários deixo, publicamente, uma palavra de apreço pelo sucesso, a projeção e a reputação que esta insƟtuição granjeou, jusƟĮcando que tal, certamente, se deve ao trabalho abnegado de todos. Apelo para que, apesar do cenário em que o país se encontra imbuído, procurem encontrar a moƟvação e o empenho para que se leve a bom porto a tarefa de elevar ainda mais o nome da Escola ProĮssional de Rio Maior. Aos alunos da EPRM gostaria de dirigir palavras de encorajamento nestes tempos de incerteza que o nosso país passa, alertando-os para a necessidade de estarem cientes de que nada se consegue sem persistência, sem exigência, sem vontade Įrme de conseguir o melhor dos melhores para si. DesaĮo-vos a sair da vossa zona de conforto, invesƟndo no “caminho do futuro”, que passará, seguramente, pela obtenção de uma qualiĮcação de qualidade, capaz de esƟmular a inovação, o empreendedorismo, o espírito criaƟvo, entre outras caracterísƟcas essenciais para singrar no mercado de trabalho. A vontade e a determinação são condimentos essenciais, nesta época em que tudo nos parece em causa, são a chave para a sobrevivência e para o sucesso. Como dizia Alexandre Herculano, “Somos porque queremos. Seremos enquanto quisermos”. Luciano Vitorino Diretor Pedagógico


Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

3

Módulo 0

Depois de terminar o 3º ciclo de ensino básico, o 9º ano de escolaridade, decidi seguir o meu percurso escolar pelo ensino proĮssional. Assim, optei pela Escola ProĮssional de Rio Maior, pois esta oferecia cursos muito interessantes ao nível de oportunidades proĮssionais, proporcionando um bom futuro escolar e proĮssional. O que me levou a escolher esta escola foi o facto de o meu irmão já frequentar um curso proĮssional e ter uma boa impressão sobre a escola a todos os níveis. Antes de entrar para a escola, ouvia os alunos que a frequentavam dizer que eram todos acolhidos da mesma forma e que esta insƟtuição funcionava como uma família. Era mesmo isso que eu procurava! Hoje sei que tudo isso é verdade, pois a EPRM fez com que todos os novos alunos se integrassem na sua família. Essa integração é feita através do já tradicional Modulo 0, um dia dedicado à receção dos novos alunos. No meu caso pessoal também fui praxado e essa brincadeira originou novas amizades e permiƟu-me conhecer toda a Comunidade Escolar de uma forma diverƟda. Neste momento, sou aluno do 1º ano do curso técnico de Instalações Elétricas e posso referir que considero que esta será uma área que me trará boas perspeƟvas futuras no que diz respeito às saídas proĮssionais que abrange. Assim, sinto-me conĮante para o futuro.

Marco Frazão C.T. Instalações Elétricas

Olhei para o relógio: - 8 horas! - Estava na hora de acordar. Começava uma nova etapa da minha vida. SenƟa um friozinho na barriga, um misto de nervosismo e ansiedade. Olhei novamente o relógio e estava quase na hora de ir para a escola.

O dia 11 de setembro de 2012 foi um dia especial e pelo qual todos os novos alunos da EPRM esperavam ansiosamente, pois era aĮnal o primeiro dia de 3 anos na EPRM. Chegamos à escola e começamos por ser postos em Įlas e organizados por turmas; depois

Entrei, tudo era meio estranho. Oiço alguém dizer: - “Caloiros, para a rua!”- E lá fui eu. Juntei-me a

recebemos sacos de plásƟco para vesƟr e uma folha com uma música e o juramento aos padrinhos;

toda a minha turma, algumas caras conhecidas, mas bastantes caras novas. Tudo era diferente, era um

o juramento foi lido de joelhos e a música que fazia alusão à EPRM foi cantada pelas ruas da cidade.

ambiente novo.

Mas o momento mais engraçado do dia foram mesmo as praxes e o baƟsmo com água e farinha.

O nervosismo e a ansiedade desapareceram subitamente e deram lugar à curiosidade, queria saber o que me ia acontecer.

Na verdade, este dia de que todos Ɵnham um certo receio acabou por ser um dia muito diverƟdo. No que se refere à escola, fomos muito bem recebidos, tanto pelos professores e auxiliares,

Lá começaram as cantorias e o entoar do juramento, muito tempo de joelhos, mas a rir, era o começar de uma nova etapa para mim.

como pelos alunos mais velhos, não esquecendo também o professor Luciano, o diretor da escola, que tem um senƟdo de humor inigualável e que, desde o primeiro dia, se tem mostrado preocupado

Começamos a caminhar em direção ao local onde ia acontecer o mais temível para uns, mas o mais diverƟdo para outros, uma espécie de “baƟsmo” com muita farinha e água. Percorremos a Avenida Paulo VI a cantar, gritar, rir…

com a integração dos novos alunos. A EPRM foi, de facto, uma boa escolha pois é esta uma escola que permite aos alunos excelentes condições para alcançar o sucesso escolar e permite igualmente uma boa preparação para ingressar

Lá, foi a minha vez de levar com farinha e água na cabeça, não foi muito do meu agrado, mas suportei! acabadas as praxes lá fui eu para casa com o meu cabelo num belo estado.

no mercado de trabalho. Por úlƟmo, e considerando a escolha do curso, esta foi feita com alguma hesitação, mas, neste

Fui, cantei, parƟcipei e diverƟ-me! Foi um dos dias dos quais não me vou esquecer, foi a minha

momento, está a revelar-se uma escolha interessante.

marca de entrada na EPRM. Um começar de novo. Sei que é nesta escola que vou decidir o meu futuro e é aqui que quero conƟnuar. Jéssica Marques

Fiona Alves / Patrícia Martins

C.T. Auxiliar de Saúde

C.T. de Energias Renováveis / Solares


4

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

Nas horas vagas... Dança … um orgulho Durante uma conversa sobre o jornal Ponto & Vírgula durante uma aula de Português, colocaram-me uma questão acerca do meu gosto pela dança e de como comecei a seguir este sonho. Aceitei o desaĮo da professora e resolvi falar sobre o meu hobbie preferido. Quando Ɵnha seis anos adorava ver as raparigas que se punham em cima dum palco a mexerem-se ao ritmo da música, todas bonitas, cheias de brilhantes, penteadas e maquilhadas. Quem estava de fora via que os meus olhos brilhavam imenso ao vê-las dançar e começaram a incenƟvar-me para que eu começasse a fazer parte das raparigas cheias de brilhantes (era assim que eu as tratava). Fui a um ensaio ver como funcionava, como era o ambiente entre vinte dançarinos e descobri que era fantásƟco e, nesse mesmo dia, cheguei a casa e pedi incessantemente para que me deixassem começar a dançar. Comecei a dançar na escola de dança desporƟva da Associação RecreaƟva e Cultural de Quebradas, mas por desistência de dançarinos e por moƟvos económicos, em conjunto com dois amigos, mudámo-nos para a A.J. Alcobertas. Hoje, nós os três já sonhamos com um futuro diferente na nossa vida de dançarinos, já sonhamos em pisar um palco e ser avaliados por júris, algo que sempre quisemos em tantos anos de dança e nunca pudemos concreƟzar. Já chorei vezes sem conta por ter medo de perder este sonho, mas também juntei mil forças para que nem eu nem os meus amigos perdêssemos a ambição de ser dançarinos de dança de salão desporƟva. Graças a tanto esforço, tanto meu como de todos aqueles que me acompanharam, hoje entro no meu quarto e vejo lembranças de todos os síƟos que já percorri a mostrar aquilo que sei fazer. Eu até posso não ter mostrado nada de interessante, mas pelo menos, mostrei o meu orgulho no que faço!

Jessica Santos

Nasci para a Música

C. T. Auxiliar de Saúde

Posso considerar a minha vida um pouco ocupada. A minha prioridade é a escola, sem dúvida, mas não deixo de ter tempo livre para diversas coisas que também me dão prazer fazer. Saio com os meus amigos, trabalho aos Įns de semana, à noite num bar da Benedita, para ganhar algum dinheiro, praƟco uma arte marcial chamada Kempo Chinês e ainda sou vocalista de uma banda de covers que me ocupa grande parte do tempo. Mas, vou focar-me apenas numa parte dos meus tempos livres. Tudo começou quando uma anƟga banda, também de covers, chamada RockSpot e formada pelos meus atuais colegas David Vicente, Joel Vicente e André Nogueira acabou, devido ao facto de alguns terem de abandonar a banda por moƟvos de força maior. O David, o Joel e o André não deixaram que os projetos musicais acabassem e por isso lançaram um novo projeto musical, com um jovem pianista, o Cristóvão Moreira, primo dos irmãos Vicente. A entrada neste novo projeto proporcionava-lhes o regresso e a iniciação do Cristóvão aos palcos. Mas, como um novo projeto dá entrada a novas ideias, eles não deixaram que a forma anƟga de atuar os afetasse. E assim, os FadeOut nasceram a 23 de janeiro de 2012 em Turquel. Em meados de maio do mesmo ano ouvi dizer que andavam à procura de uma vocalista e, como já os conhecia, decidi arriscar. Ensaiei várias músicas, para saber a adequada para lhes mostrar, e no meio de muitas levei apenas duas, a What’s love got to do with it da Tina Turner e I want to know what love is dos Foreigner. Fiz uma audição, em que cantei à capela e fui escolhida de entre outras raparigas a 9 de junho de 2012. Hoje a banda é formada por mim, o David no baixo e na vós, tal como eu, o André na guitarra elétrica, o Cristóvão no piano, o Joel na bateria e ainda o Nuno Ribeiro que entrou recentemente para a guitarra acúsƟca. As nossas inŇuências são dos anos 60, 70, 80 e 90 como Queen, Pink Floyd, Dire Straits, Scorpions e Tina Turner, entre outros. Os

nossos

locais

de

atuação são geralmente bares, principalmente na Benedita, no café Degrau. Podem encontrar-nos no Facebook através do endereço www.facebook.com/fadeout. banda. Cláudia Santos C. T. Auxiliar de Saúde


Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

5

Nas horas vagas... A minha aventura no EscuƟsmo Católico Português Normalmente, a aventura escuƟsta inicia-se muito cedo, por volta dos seis anos. Mas comigo não foi assim! Nesta idade as bonecas e os carrinhos eram mais companheiros de aventuras e ser escuteiro não passava de um sonho de um avô! Os anos passaram, os meus Įlhotes apareceram na minha vida e com eles o escuƟsmo! E como tal, o “bichinho” do escuƟsmo acordou dentro de mim! Ouvir as aventuras por eles vividas em cada reunião, em cada acantonamento ou acampamento fez-me querer saber mais acerca desta ĮlosoĮa de vida e seguir os passos do seu fundador Baden Powell! Após algum tempo, foi no Agrupamento 1213 de S. João da Ribeira que fui recebida de braços abertos para iniciar a minha caminhada junto de crianças, jovens e dirigentes com tanto, mas tanto para parƟlhar! Sou neste momento candidata a dirigente, pertencendo à Alcateia onde se encontram os escuteirinhos mais novos e onde sou a Racxa (mãe Loba!) personagem do Livro da Selva. Quem me conhece quesƟona-se como aparece o tempo, com três Įlhotes pequenos, sendo que os mais velhos pertencem a outro agrupamento! Quando se gosta de algo e se sente um chamamento destes o tempo aparece e a vontade torna-se mais forte. Ser escuteiro não é só andar por montes e vales, cantar à volta de uma fogueira e usar calções em pleno inverno! Ser escuteiro é senƟr uma vontade no peito de querer saber sempre mais, assim como, de parƟlhar! É querer viver e senƟr coisas que de outra forma não seria possível! ParƟlhar experiências, lágrimas e risos ao longo da vida e do crescimento! Andar no meio da natureza, ouvir o cantar dos pássaros, ver o sol nascer enrolada numa manta acompanhada de amigos e companheiros de aventuras….é indescriơvel! Agora percebo o desejo do meu avô Máximo! Ele que foi dos primeiros escuteiros do Entroncamento deixou em mim e nos bisnetos esta vontade de seguir uma ĮlosoĮa de vida fenomenal e maravilhosa! E esta experiência não se Įca no agrupamento, todos os ensinamentos são passados para o meu dia-a-dia quando lido com os meus Įlhos e com tantos jovens que muitas vezes se encontram nas encruzilhadas da vida e que junto de mim procuram uma indicação para qual rumo seguir! Uma Boa Ação por dia e Estar Sempre Alerta tornaram-se dois princípios de vida! “O melhor meio para alcançar a felicidade é contribuir para a felicidade dos outros” Baden Powell Claúdia Gomes

Muito mais que um Desporto... um esƟlo de Vida Uma mente aƟva (e criaƟva)

quem pensa que são só pernas, pois

precisa de aƟvidade, ar puro,

abdominais, braços, antebraços, costas,

adrenalina, novas aventuras. E o

ombros também o são) para além do

que melhor que BTT para isso?

aumento da capacidade de orientação e

Aliando o desporto, à aventura da

também concentração.

descoberta e, na maioria das vezes, à cooperação e entreajuda.

Cada vez mais, um desporto da moda, praƟcável durante todo o ano, onde,

Tal como qualquer aparelho

principalmente ao domingo de manhã (lá

eletrónico, também o nosso corpo

está!) é ver dezenas de ciclistas por todas

precisa de “recarregar baterias”;

as serras e, mesmo não se conhecendo

eis

de lado algum, todos se cumprimentam

que

me

apresento

como

“Domingueiro” (aquele praƟcante de BTT que o faz aos domingos de manhã). Domingo de manhã, poderia estar a dormir, descansar da semana anterior, preparar para a semana seguinte, mas não, acordo ainda mais cedo do que em todos os restantes dias (em

e todos ajudam todos. Convido a conhecerem este desporto, desculpem, esƟlo de vida! Cumprimentos, Cristóvão Oliveira

que acordo para estar fresco às 8:20 na EPRM) para ir andar de bicicleta. Ar puro, por vezes frio, sol, por vezes chuva, pedra, lama, alcatrão, subidas impossíveis, descidas “adrenalosas” (nova palavra para uma descida cheia de adrenalina), risos, convívio, lanches no meio da serra... Tudo isto puriĮca o corpo, onde o cansaço (por vezes extremo) é esquecido pelas vistas alcançadas e pelas barreiras ultrapassadas. Muitas vezes se descobre que o Impossível não existe, cabe-nos saber dar o pontapé no “Im” e tornar tudo possível. Cada domingo, uma rota diferente, onde apenas existe o ponto de parƟda, depois, tal como uma gota de água num rio, é deixar ir na corrente. Conversas, truques e, acima de tudo, parƟlha, tudo isto são competências que se adquirem na “simples” práƟca de BTT. Após um ano de práƟca de BTT, com 70 saídas e 3600Km feitos (com Zero emissões de CO2 e Zero litros de combusơvel), resumo BTT (MTB para os estrangeiros, XC para os prós) como um Hobbie/Desporto mulƟfacetado. Vários grupos de músculos são trabalhados (engana-se

Equipamentos de Escritório Rua António Feliciano de Castilho, Nº 13 Loja Esq. - 2330-058 Entroncamento Tlm. 93 349 04 08 / 96 594 15 19 - Email amsp@sapo.pt / arturmsp@gmail.com


6

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

Escola em Movimento Eco-Escolas A Escola ProĮssional de Rio Maior (EPRM) está pelo terceiro ano consecuƟvo a parƟcipar no programa Eco-Escolas no senƟdo de sensibilizar a sua comunidade escolar para as questões ambientais, nomeadamente, para os cinco temas abordados (água, Ňoresta, biodiversidade, resíduos e Subsolo). Neste ano leƟvo já foram desenvolvidas duas aƟvidades que englobaram os 235 alunos, uma de diagnósƟco – auditoria ambiental e outra de sensibilização para o “uso eĮciente da água” realizada no passado dia 2 de outubro para comemorar o dia nacional da água (1 de outubro). Esta sessão de esclarecimento/sensibilização foi ministrada pela Eng.ª Sara Duarte da empresa Águas do Oeste fornecedora da água ao nosso concelho. A aƟvidade permiƟu o envolvimento dos alunos, alguns professores e funcionários, e elucidou-os para o papel desta empresa no fornecimento de água aos vários concelhos do Oeste (Mafra, Sobral de Monte Agraço, Arruda dos Vinhos, Torres Vedras, Alenquer, Azambuja, Lourinhã, Cadaval, Bombarral, Peniche, Óbidos, Caldas da Rainha, Alcobaça, Nazaré e Rio Maior), o ciclo urbano da água e depois para o tratamento das águas residuais. A úlƟma parte da ação levou os parƟcipantes a entender onde e como poderiam preservar este bem, ou seja, formas de recuperar, reaproveitar e gerir de modo a diminuir os consumos e, consequentemente, a fatura a pagar. Estas ações já irão contribuir para que no próximo ano leƟvo a EPRM possa hastear pela terceira vez a bandeira verde, símbolo da generalizada melhoria ambiental. Para já, a EPRM irá hastear a segunda bandeira verde relaƟva às aƟvidades desenvolvidas no ano leƟvo 2011/2012 que foi entregue no passado dia 10 de outubro em Gondomar como símbolo que comprova e reconhece, pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), o trabalho desenvolvido em defesa do ambiente. Assim, os alunos desenvolveram ações nos cinco temas referidos. O calcário, o basalto, a areia, o sal e o carvão são recursos que são ou já foram motores importantes para a criação de empregos e transportam o nome de Rio Maior para o exterior. Neste senƟdo, foram realizadas três entrevistas a enƟdades (Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, Câmara Municipal de Rio Maior e CooperaƟva de Salinicultores de Rio Maior) que exploram ou gerem estes recursos de vital importância para a economia concelhia, regional e mesmo nacional. A Ňoresta conƟnua a ser uma das fontes de rendimento da população do concelho e, como tal, deve ser protegida dos incêndios Ňorestais e dos atentados ambientais que normalmente são comeƟdos pela população. Como recurso associado ao aquecimento das habitações, por vezes torna-se excessiva a remoção da madeira, desprotegendo o solo contra a erosão. Neste senƟdo, a EPRM elaborou uma prensa manual de pasta de papel, com a qual se irão fazer briquetes das toalhas de papel, proveniente das casas de banho, uƟlizadas para secar as mãos. Com esta ação formam-se briquetes de papel que irão subsƟtuir a madeira no aquecimento das casas. Pretende-se com esta experiência reduzir as quanƟdades de resíduos depositados em aterros sanitários, reduzir as quanƟdades de madeira queimada e fazer experiências para replicar este projeto para outras enƟdades. Ao nível dos resíduos, a EPRM já dispõe de ecopontos para lâmpadas, Ɵnteiros e toners, pilhas e rolhas de corƟça. Estamos, também, a proceder à sensibilização para a correta uƟlização dos ecopontos, para a separação ser uma realidade efeƟva e assim dar o melhor seguimento aos resíduos aqui produzidos. A água, como elemento fundamental à vida, deve ser preservada quer ao nível da qualidade quer ao nível da quanƟdade. A alteração de hábitos associada à mudança para torneiras mais eĮcientes consƟtuem as aƟvidades de sensibilização que se pretendem desenvolver. Ao nível da energia, pretende sensibilizar-se para a poupança nos consumos e, ao mesmo tempo, melhorar a eĮciência energéƟca global da escola. A parƟcipação no projeto TWIST, a instalação de molas nas portas que dão acesso ao exterior, a colocação de caixilharias em alumínio e a monitorização dos gastos foram algumas das ações desenvolvidas neste âmbito. Posto isto, a comunidade escolar da EPRM juntamente com os parceiros do projeto contribuíram para que neste ano este estabelecimento de ensino conƟnue a hastear a Bandeira Verde da ABAE como símbolo efeƟvo da alteração de comportamentos em beneİcio de um ambiente mais próspero. Pedro Guedes

"OP-FUJWPtPONTO;VÍRGULA

O Ponto & Vírgula venceu…

D I S T R I B U I Ç Ã O G R AT U I TA

NOTÍCIAS DA ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO MAIOR

‡  ( ' , d ­ 2  1  ž   ‡  $ 1 2   >¶@

Dando conƟnuidade ao projeto DNescolas, um projeto de Educação para os Media, promovido pelo Diário de Noơcias há já cinco anos, e depois da parƟcipação no projeto DNescolas - Editorial em que a EPRM se destacou e conseguiu a oportunidade única de conhecer e entrevistar uma Įgura de destaque na vida desporƟva e social do nosso país, a ilustre piloto de todo-o-terreno, Elisabete Jacinto; a EPRM parƟcipou também na 5ª Edição do concurso O Jornal da Escola com a rubrica "QuesƟona o Teu Mundo". Aproveitando a fase de construção da 4.ª Edição do Jornal Ponto & Vírgula, alguns alunos dos diferentes cursos da Escola puseram mãos à obra e redigiram os arƟgos que consƟtuíram a rúbrica «QuesƟona o teu mundo», entre os quais foram abordados temas como a Eutanásia, a Pena de Morte, a DeĮnição de Mundo e a Imigração. A EPRM conseguiu o honroso 1º Lugar desta 5.ª Edição do Concurso O Jornal da Escola e contou com a presença da simpáƟca equipa do DNescolas para a entrega solene do prémio a que a nossa Escola teve direito, que constou de um computador portáƟl e uma impressora mulƟfunções, que se encontra acessível a todos os que dele necessitarem. As professoras responsáveis pela Coordenação da Edição do Jornal Ponto & Vírgula agradecem o auxílio de todos os que colaboraram na construção desta edição do Jornal, pois sem eles esta digniĮcante vitória não teria sido possível.

EPRM oferece Equipamentos de Proteção Individual aos seus alunos

Teremos criado uma Tradição?

Oferta Formativa para 2012/2013 Novos Cursos/Novas Turmas - Cursos Profissionais: * Técnico de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade; * Técnico de Instalações Elétricas; * Técnico de Auxiliar de Saúde; * Técnico de Energias Renováveis / Sistemas Solares.

Obrigada a todos pelo excelente trabalho! Helena Coelho e Inês Sequeira

1


Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

7

Escola em Movimento Frio sobre rodas A ideia de fazer um passeio de motorizadas surgiu num dia em que procurávamos soluções para angariar dinheiro para a nossa visita de estudo a Madrid, com o intuito de visitar a «ClimaƟzación», a Feira Internacional de Frio e ClimaƟzação; quando nos lembramos de pegar na ideia que os nossos colegas do Curso Técnico de Energias Renováveis – Sistemas Eólicos Ɵveram no ano leƟvo anterior e nasceu a ideia do “II Passeio de Motorizadas EPRM”. Assim, começamos a por “mãos à obra” e numa reunião com todos os elementos da turma deĮnimos o papel de cada um de nós na aƟvidade e qual poderia ser o contributo para o passeio. Os dias anteriores ao passeio foram um pouco diİceis porque ơnhamos de ter tudo pronto e organizado para que nada corresse mal. No dia 28 de outubro de 2012 foi o dia da AƟvidade e todos chegamos cedo à escola, local onde estava previsto o encontro, para colocarmos tudo de maneira a que esƟvesse completamente organizado quando começassem a chegar os parƟcipantes. Estes começaram a chegar por volta das 8h e então preenchiam a Įcha de inscrição e em seguida poderiam ir até ao refeitório da nossa escola comer uns bolinhos e beber um café. Por volta das 9:30 Įzemos um pequeno brieĮng com os parƟcipantes com o intuito de explicarmos o percurso e a forma de funcionamento e parƟmos sem mais demoras. O II Passeio de Motorizadas da EPRM decorreu sem incidentes, foi uma experiência muito posiƟva para os que nunca Ɵnham parƟcipado em eventos do mesmo género como também para os que costumam parƟcipar, contando sempre com alegria e boa disposição tanto da parte dos parƟcipantes como da parte dos elementos da Organização. O percurso foi bastante interessante, uma vez que pudemos passar por várias aldeias do Concelho e paramos em alguns locais de interesse turísƟco para que os parƟcipantes se pudessem deliciar com a paisagem e comer e beber qualquer coisa. Por volta das 13h chegamos à aldeia de Albergaria onde decorreu o almoço. Durante o almoço Įzemos uma venda de rifas para sortear um presunto, no Įm de almoço foi feito esse sorteio e foram também atribuídos prémios para a melhor mota restaurada, a mota mais anƟga, a mais mal tratada, ao maior grupo motard e ao parƟcipante que viesse de mais longe. Posteriormente, dirigimo-nos a uma reta que havia ali perto e Įzemos uma compeƟção de arranques de motas, onde também foi atribuído um prémio para o melhor tempo conseguido. No Įnal de tudo, a nossa turma voltou à Associação de Albergaria para procedermos à limpeza do espaço que nos foi cedido para a realização do almoço. Todos os parƟcipantes demonstraram agrado no decorrer do passeio e alguns dirigiram-se a elementos da organização para nos dar os parabéns pela organização e pelas condições fornecidas aos parƟcipantes. Tudo isto contou com muito esforço e dedicação por parte de todos os elementos da turma mas, sem a colaboração da nossa escola, e todo o apoio que nos foi dado pelos nossos professores, nada disto seria igual. Gostaríamos desde já, agradecer a todos patrocinadores que de alguma forma contribuíram para que a realização do evento fosse possível, a todos os elementos que não faziam parte da turma, mas que Įzeram questão de ajudar e parƟcipar, aos parƟcipantes anónimos, aos pais que nos apoiaram e aos professores que colaboraram connosco na realização do passeio desde a ideia em papel até à concreƟzação do mesmo. E como não poderíamos deixar passar em branco, agradecer também ao nosso Diretor Pedagógico, Prof. Luciano Vitorino, que esteve sempre de braços abertos para nos apoiar no nosso evento. Em breve teremos outra ideia… Hugo Luís - C. T. de Frio e Climatização

Alimentação Saudável Em 1945, o dia 16 de outubro começou a marcar o dia da fundação da organização das Nações Unidas para a alimentação e a agricultura. No entanto, a sua celebração foi estabelecida apenas em novembro de 1979 pelos países membros na 20ª Conferência da Organização das Nações Unidas sendo que, a parƟr daí, o Dia Mundial da Alimentação comemora-se anualmente a 16 de outubro. A celebração deste dia tem como principais objeƟvos alertar para a necessidade da produção alimentar e reforçar a necessidade de parcerias a vários níveis; alertar para a problemáƟca da fome, pobreza e desnutrição no mundo; reforçar a cooperação económica e técnica entre países em desenvolvimento; promover a transferência de tecnologias para os países em desenvolvimento e encorajar a parƟcipação da população rural, na tomada de decisões que inŇuenciem as suas condições de vida. Neste contexto e no âmbito do Programa de Educação para a Saúde (PES), o dia 15 de outubro de 2012 Įcou marcado não só pela comemoração do Dia Mundial da Alimentação, mas também pela aƟvidade que a turma 10.ºA do Curso Técnico Auxiliar de Saúde efetuou com o intuito de alertar para a importância de uma alimentação saudável e promover o hábito do consumo de fruta na vida quoƟdiana. Ao longo do dia, foram distribuídas maçãs por todos os alunos, professores e funcionários da Escola ProĮssional de Rio Maior, genƟlmente oferecidas pela empresa “ Maçã de Alcobaça” e alguns marcadores de livros alusivos ao Dia da Alimentação, oferecidos pela empresa “RioGráĮca”. Foi ainda reproduzido um vídeo realizado pelas alunas da turma, com dados estaơsƟcos recolhidos por meio de um inquérito realizado às turmas do 10º ano da escola, sobre os seus hábitos alimentares. Cumpriram-se, assim, alguns dos objeƟvos a que a comemoração deste dia se propõe, bem como, uma salutar convivência interpessoal entre toda a comunidade escolar. Soraia Gaspar - C. T. Auxiliar de Saúde


8

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

Entrevista Sérgio Gonçalves Gerente EPRM 1. Há quantos anos foi aluno na Escola ProĮssional de Rio Maior e qual o curso proĮssional técnico que frequentou? Fui aluno na Escola ProĮssional de Rio Maior sensivelmente há 15 anos e frequentei o curso proĮssional técnico de manutenção eletromecânica.

2. Em que medida a formação recebida pela EPRM foi relevante para a sua vida proĮssional? A formação recebida na EPRM foi de extrema importância para a minha vida proĮssional na medida em que me possibilitou a aquisição de conhecimentos quer teóricos, quer práƟcos, funcionamento da escola, de assuntos relacionados com a sua situação Įnanceira, de assuntos

imprescindíveis no meu dia a dia.

relacionados com o seu corpo docente e não docente, bem como, com a comunidade escolar,

3. Como deĮne a EPRM?

tendo sempre uma aƟtude transparente e correta no decorrer do processo, de forma a que as

A meu ver, a EPRM é uma escola de referência a nível nacional possibilitando aos jovens

decisões tomadas pelo corpo gerente sejam as mais sensatas de modo a poder dar conƟnuidade

um ensino de extrema qualidade, vocacionando-os para o mercado de trabalho e dotando-os

ao bom trabalho desempenhado pelos seus anƟgos gerentes.

de competências e das ferramentas necessárias à sua vida proĮssional. O facto de estes jovens

5. Qual ou quais o(s) moƟvo(s) que o fazem conƟnuar a fazer parte desta InsƟtuição/Escola?

poderem estagiar no decorrer da sua formação é, sem dúvida, uma mais-valia e uma vantagem comparaƟvamente a outros jovens que frequentam outro Ɵpo de estabelecimentos de ensino.

O principal moƟvo que me leva a conƟnuar a fazer parte desta insƟtuição é o orgulho que tenho em ter sido aluno desta escola e querer que, tal como eu, outros jovens possam usufruir

4. Quais são as principais diferenças senƟdas entre a EPRM que o acolheu como aluno e a EPRM que o recebeu agora como Gerente?

das suas excelentes condições de ensino. Considero que esta escola é, sem dúvida, uma boa

Ao contrário daquilo que

dinamismo a que nos vem habituando. A sua grande aposta terá de recair em cursos diferentes

aposta no futuro de novas gerações, comprovando-se pelos excelentes resultados em termos de ranking nacional.

6. Que visão tem para o futuro da EPRM? A EPRM para poder conƟnuar a vigorar no mercado de ensino terá de prosseguir com o

se possa pensar, não houve

dos das outras escolas limítrofes, em cursos que visem boas saídas proĮssionais e que respondam

assim tantas diferenças quanto

às exigências do mercado de trabalho da região. Um outro aspeto importante diz respeito às

a isso no decorrer destes dois

parcerias manƟdas com empresas de renome nacional e internacional. Julgo que se conƟnuarmos

processos uma vez que a EPRM

a apostar nos aspectos atrás mencionados, conƟnuaremos a ter uma escola de qualidade para

quer num caso, quer no outro,

enfrentar os desaĮos futuros.

me acolheu de uma forma exemplar. Enquanto aluno, a EPRM preocupou-se com a minha formação, com um ensino de qualidade

7. Na qualidade de Gerente da Escola, que mensagem gostaria de deixar à Comunidade Escolar?

e de excelência, a que já nos vem habituando, dotando-me de competências teóricas e práƟcas

Um dia, ao olhar para trás, gostaria que a Comunidade Escolar se pudesse orgulhar tanto do

cruciais para a minha vida proĮssional futura, preocupou-se em dotar-me do saber, do saber ser

meu trabalho ali exercido, como eu me orgulhei de ter feito parte da mesma. É a ela que devo

e do saber fazer.

uma grande parte da minha vida quer escolar, quer proĮssional. A EPRM faz e fará sempre parte

Enquanto gerente, preocupou-se em esclarecer-me acerca dos assuntos que visam o bom

de mim pois é a si que devo uma grande parte do que sei e do que sou.

BELTRÃO COELHO

(RIBATEJO E OESTE, LDA.)

Rua Professor Manuel Bernardo das Neves, 16 A/B 2000-208 SANTARÉM e-mail: rm.bcsantarem@mail.telepac.pt www.beltraocoelho.pt


Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

9

Sinergias da EPRM com a comunidade Mais uma Árvore de Natal na cidade Numa época em que as luzes e as cores não podem faltar no dia a dia de todos nós...porque não tornar a nossa cidade mais "iluminada"? Foi com este intuito que a Escola ProĮssional de Rio Maior, melhor dizendo, os cursos Técnicos de Manutenção Industrial, de Eletrónica, Automação e Instrumentação, de Frio e ClimaƟzação e de Energias Renováveis (variante Eólicos e variante Solares) parƟciparam na construção, montagem e iluminação da Árvore de Natal do Concelho de Rio Maior, colocada junta à Câmara Municipal. Estes trabalhos foram realizados com a ajuda dos formadores nas instalações das oĮcinas que servem de apoio à componente práƟca dos vários cursos na Escola ProĮssional de Rio Maior. A iluminação, a cargo do Curso ProĮssional de Eletrónica, teve como fundamento principal a divisão da estrutura em anéis e cada anel em ramos, de modo a poderem ser realizadas várias “coreograĮas” de luzes, através de uma pré programação em unidade microprocessadora. Tal unidade estava ainda apta a receber ordens de mudança de sequência através de uma chamada telefónica, onde cada dígito corresponderia a uma sequência diferente, podendo variar a velocidade da “coreograĮa” através da tecla *. O trabalho de instalação da iluminação superior, não teria sido possível realizar sem a colaboração de uma empresa exterior à escola que se pronƟĮcou para nos emprestar a auto grua e assim se poder trabalhar em segurança. Cristóvão Oliveira

Interação com a comunidade

Cabazes de Reis

Num momento em que a palavra “crise” é uma constante e valores como parƟlha e entreajuda escasseiam, importa que a comunidade possa

No passado dia 8 de janeiro, alguns alunos da Escola

contar com o apoio das várias enƟdades que estão ao seu redor, de forma

ProĮssional de Rio Maior distribuíram onze Cabazes de

a suplantar diĮculdades e criar e desenvolver, em simultâneo, o gosto

Reis, contribuindo, assim, para atenuar o sofrimento

pela cooperação. Foi neste senƟdo que a Escola ProĮssional de Rio Maior

e as carências de algumas famílias do concelho de Rio

colaborou na instalação de ar condicionado na Escola da Asseiceira e na

Maior. Este gesto solidário, organizado pelos alunos da

montagem de uma estufa na Universidade Sénior de Rio Maior.

EPRM, esvazia o argumento daqueles que aĮrmam que

A montagem de ar condicionado foi realizada durante o mês de novembro pelos alunos das turmas

os jovens de hoje em dia vivem alheados da realidade

de Frio e ClimaƟzação e de Manutenção Industrial e a parƟcipação das duas turmas foi essencial quer

que os rodeia. Ao contrário do que se diz, mostram-

à instalação dos equipamentos quer à instalação da rede de tubos e eletricidade.

se sensíveis às diĮculdades por que passam os seus

Outro projeto que contou com a parƟcipação de alunos da escola e que envolveu a turma de

semelhantes.

Energias Renováveis (Sistemas Eólicos) foi a montagem de uma estufa nas instalações da Universidade

Cada curso/turma contribuiu com um cabaz, composto por um conjunto de produtos alimentares,

Sénior; após a compra da estrutura, coube aos alunos proceder à sua montagem, de modo a dar

entre os quais se destacam os produtos de primeira necessidade como o açucar, a farinha, o arroz, o

resposta às necessidades das aƟvidades e dos cursos desenvolvidos nesta insƟtuição.

azeite, a massa, o leite, para além de outros mais, relacionados com a quadra natalícia, como as passas,

Ambos os projetos devem ser valorizados, não só pela sua uƟlidade junto da comunidade,

os bombons e o Bolo-Rei, entre outros.

mas também pela oportunidade que proporcionaram aos alunos de aplicar em contexto real

Foi muito graƟĮcante assisƟr ao entusiasmo dos alunos a organizarem os alimentos nos cabazes

conhecimentos adquiridos em sala de aula. Esta foi, assim, uma forma de colmatar necessidades de

para que estes fossem bem recheados de modo a saƟsfazerem o maior número de pessoas possível.

ambas as insƟtuições (Escola da Asseiceira e Universidade Sénior) e, ao mesmo tempo, desenvolver

A entrega dos cabazes, junto das famílias idenƟĮcadas como carenciadas, foi levada a cabo por

a experiência e o espírito cooperaƟvo e solidário dos alunos. Para ultrapassar tempos diİceis, nada

alunos, acompanhados da técnica do GAT, Inês Sequeira. Na EPRM existe a convicção de que a vivência

melhor do que a colaboração de todos.

deste Ɵpo de experiências por parte dos jovens contribuirá para que sejam adultos socialmente João Gomes

responsáveis e forƟĮcará as suas personalidades. Inês Sequeira

EPRM – Bosch/Vulcano: a importância de uma parceria! Escola… O que é a escola aĮnal? A deĮnição não é linear e não diz apenas respeito à insƟtuição que tem a seu cargo formar, de acordo com programas e planos; também não se resume apenas ao ediİcio onde se ministra o ensino nem tão pouco às aulas frequentadas; a escola é muito mais, é sobretudo um conjunto, um vasto conjunto de pessoas e de experiências, de parƟlha e de conhecimentos, um conjunto de saberes que conŇui na formação e na construção de cada um. Foi, pois, a pensar neste conjunto tão vasto que a EPRM decidiu apostar na melhoria das suas infraestruturas, de modo a oferecer a toda a comunidade escolar melhores condições İsicas que proporcionem uma vida escolar mais agradável, um ambiente mais propício ao ensino e aprendizagem e até mesmo ao sucesso dos alunos, uma vez que o sucesso estará sempre associado às boas ou más condições que nos são concedidas enquanto proĮssionais e/ou alunos. Como tal, no decorrer do presente ano leƟvo, procedeu-se à instalação de aparelhos de ar condicionado em todas as salas de aula da EPRM, instalação essa que contou com a colaboração entusiásƟca dos alunos de algumas das turmas da escola, nomeadamente as turmas que têm no seu plano curricular a disciplina de PráƟcas OĮcinais e cuja componente técnica contempla situações semelhantes. O fornecimento dos equipamentos esteve a cargo da empresa Bosch-Vulcano, em condições muito vantajosas, que se traduziram numa redução de cerca de 40% na aquisição dos mesmos. Esta ação surge no âmbito da parceria estabelecida entre aquela mulƟnacional e a EPRM. A Bosch-Vulcano é, de facto, uma empresa que aposta na divulgação concreta dos beneİcios sociais, ambientais e económicos da tecnologia que produz, visando a adoção das melhores soluções por parte do cliente Įnal e, no caso da EPRM, considerou-se que a instalação de aparelhos de ar condicionado seria a solução mais vantajosa, capaz de dar resposta às necessidades da Escola ao longo de todo o ano leƟvo. Esta empresa, cumprido de forma exemplar a sua responsabilidade social, deu o seu precioso contributo para enriquecer a formação dos nossos jovens em áreas tão prementes como as Energias Renováveis e o Frio e ClimaƟzação. A EPRM gostaria de enaltecer a aƟtude da Bosch-Vulcano, deixando publicamente o seu profundo reconhecimento e agradecimento pela preocupação da empresa em, mais uma vez, beneĮciar a nossa comunidade educaƟva, promovendo assim um melhor bem-estar. Bem Hajam! Luciano Vitorino


10

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

Escola em Movimento DIA DA ESCOLA 20.º ANIVERSÁRIO DA EPRM No passado dia 19 de outubro de 2012, a Escola ProĮssional de Rio Maior celebrou o seu 20.º aniversário, tendo contado com a parƟcipação de toda a comunidade educaƟva: alunos, professores/formadores, funcionários e Direção. Este ano, por se comemorar um aniversário especial, duas décadas de existência da EPRM, foram convidados a associarse à festa todos os Gerentes, ex-Gerentes e ex-Diretor Pedagógico da EPRM, tendo comparecido a maioria dos que estão ou esƟveram ligados à condução dos desƟnos deste estabelecimento de educação e formação. Do programa das fesƟvidades constaram um “Porto de Honra”, um bolo de aniversário, cantou-se os parabéns e fez-se um brinde ao sucesso do Projeto EducaƟvo da Escola e dos seus alunos. Foi descerrada uma placa alusiva aos 20 anos da EPRM e a Sr.ª Presidente da Câmara, Dr.ª Isaura Morais e o Diretor Pedagógico, Prof. Luciano Vitorino, usaram da palavra para evidenciar o reconhecimento aos visionários que encetaram o processo que levou à génese deste projeto. Enalteceram o papel daqueles que têm feito crescer esta insƟtuição, acrescentando-lhe valor e qualidade na formação que ministra aos jovens que a procuram, fazendo, por isso, com que a EPRM passasse a ser considerada uma referência à escala regional porque procura incessantemente estreitar relações com o tecido empresarial e o aparelho produƟvo. ConƟnuaram, dirigindo aos alunos palavras de encorajamento nestes tempos de incerteza que o nosso país passa, alertando-os para a necessidade de estarem cientes de que nada se consegue sem persistência, sem exigência, sem vontade Įrme de conseguir o melhor dos melhores para si. Os alunos foram desaĮados a sair da sua zona de conforto, invesƟndo no “caminho do futuro”, que passará, seguramente, pela obtenção de uma qualiĮcação de qualidade, capaz de esƟmular a inovação, o empreendedorismo, o espírito criaƟvo, entre outras caracterísƟcas essenciais para singrar no mercado de trabalho. Terminaram, dirigindo a todos os colaboradores, sejam eles formadores ou funcionários, uma palavra de apreço pelo sucesso, a projeção e a reputação que esta insƟtuição granjeou, jusƟĮcando que tal, certamente, se deve ao trabalho abnegado de todos. Ficou o apelo para que apesar do cenário em que o país se encontra imbuído, os colaboradores consigam encontrar a moƟvação e o empenho para que se leve a bom porto a tarefa de elevar ainda mais o nome da Escola ProĮssional de Rio Maior. É de salientar que nestes 20 anos de existência, a Escola ProĮssional de Rio Maior concreƟzou mais de 160.000 horas de formação, abriu 54 Cursos ProĮssionais, teve mais de 1.800 alunos inscritos, admiƟu 1100 alunos, cerƟĮcou formação a mais 800 alunos que concluíram, com sucesso, os três anos de formação, realizou cerca de 1.950 estágios curriculares e celebrou mais de 650 protocolos de cooperação com empresas e insƟtuições de projeção regional, nacional e internacional. O contributo que esta Escola tem dado na promoção do emprego qualiĮcado no concelho e na região, bem como na valorização do Ensino ProĮssional, são moƟvos mais que suĮcientes para aĮrmar que toda a comunidade escolar está de parabéns. Vida longa à EPRM!


Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

11

Escola em Movimento OUTDOOR DA EPRM NO CAMPO AVENTURA Integrado no programa de comemorações do 20.º aniversário da EPRM, no passado dia 22 de outubro, toda a comunidade educaƟva (alunos, professores/formadores, funcionários, diretores e gerentes) deslocaram-se para o Campo Aventura, em Óbidos onde passaram um dia de convívio e práƟca de aƟvidades radicais, tais como, Ɵro com arco, paintball, rapel, slide, escalada, entre outros jogos. Tratou-se de mais um evento realizado com o propósito de assinalar a efeméride dos 20 anos da escola. Foram momentos em que Įcou bem patente a alegria, o entusiasmo e a dinâmica da escola, marcada por uma forte relação de proximidade entre toda a família EPRM. Aqui Įcam algumas imagens desse dia de festa.


12

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

Escola em Movimento 20 jovens da EPRM competem em desaĮo empreendedor A Escola ProĮssional de Rio Maior foi mais uma vez convidada a parƟcipar num programa promovido

Salvo, Oeiras. No Įnal do desaĮo, cada equipa fez

pela Junior Achievement, que em parceria com a Empresa FarmacêuƟca AMGEN e a Associação

uma apresentação da sua ideia perante um Júri,

Contra a Osteoporose organizou a segunda edição do evento CreaƟvity & InnovaƟon Challenge, uma

que os interpelou com questões enriquecedoras

iniciaƟva desaĮante que reúne 100 estudantes, entre os 15 e os 18 anos. A escola parƟcipou com vinte

relaƟvas ao seu serviço ou produto.

alunos, que foram selecionados a parƟr dos Cursos Técnicos de Auxiliar de Saúde, de Transportes, de

No Įnal foram atribuídos prémios aos três

Turismo Ambiental e Rural, de Gestão e Programação de Sistemas InformáƟcos e de Frio e ClimaƟzação,

primeiros lugares e uma menção honrosa ao

acompanhados pelas professoras Maria João Maia e Anabela Figueiredo.

quarto lugar. A Escola congratula-se com o facto

Esta compeƟção desenvolvida pela Junior Achievement, permite aos alunos terem a oportunidade de trabalhar as suas ideias com voluntários da AMGEN e de empresas associadas da JAP, que irão apoiá-

de cinco dos seus alunos integrarem as quatro equipas vencedoras.

los como consultores em áreas fundamentais para desenvolverem o seu desaĮo, tais como: MarkeƟng, Vendas, Desenvolvimento de Produto, entre outras.

Na EPRM acreditamos que, promovendo a parƟcipação de alunos neste Ɵpo de eventos,

Ao aplicar o princípio de “Learning by Doing” pretende-se que os alunos desenvolvam competências

estamos a contribuir para o desenvolvimento de outro Ɵpo de competências, para além das puramente

interpessoais e empreendedoras, espírito de iniciaƟva, habilidade para trabalhar em equipa, tendo a

académicas. Fomentando vivências “open mind” junto dos nossos alunos, também estamos a contribuir

capacidade de resolver problemas e aprender a trabalhar com prazos muito reduzidos.

para uma formação/qualiĮcação mais equilibrada e completa.

Este evento, decorreu na sexta-feira, dia 19 de outubro, entre as 9h e as 21h, no Taguspark, em Porto

Maria João Maia

JAP atribui menção honrosa à EPRM A EPRM foi disƟnguida no passado dia 23

Programa “A Empresa”, perante uma assistência marcada pela presença de quadros superiores de

de novembro, pela Júnior Achievement Portugal

parceiros/associados da JAP, tais como a EDP, o Millenium BCP, a Siemens, a Brandiacentral, a Accenture,

(JAP), com a atribuição de uma Menção Honrosa,

a Sonae, a Siemens, diversos gabinetes de advocacia, entre outros.

por ocasião da gala de comemoração do seu 7.º

Relembra-se que o projeto da “Soul D’Aire” consisƟu na criação de um produto inovador que juntou

aniversário, numa cerimónia realizada na Fundação

o sal das salinas de Rio Maior, com as ervas aromáƟcas da Serra D’Aire e Candeeiros e que teve, ainda,

EDP, em Lisboa.

a parƟcularidade de ser distribuído numa embalagem exclusiva,

A razão da atribuição desta disƟnção Įca,

inspirada na origem e produzida em parceria com a empresa

ainda, a dever-se ao projeto “Soul D’Aire”. Foram

Iberomoldes, a maior empresa europeia de moldes, sedeada na

tecidos rasgados elogios à performance dos alunos

Marinha Grande, que acolheu o projeto com muito entusiasmo

envolvidos no projeto, bem como à abnegação

e produziu a embalagem gratuitamente. O projeto alcançou

e ao trabalho realizado pelas formadoras acompanhantes Maria João Maia e Anabela Figueiredo e

um honroso 3.º lugar na CompeƟção Nacional d’ “A Empresa”

ao voluntário que acompanhou a Escola, Dr. Victor Alexandre, Diretor de Comunicação e MarkeƟng

e recebeu o prémio de melhor produto. A equipa também se

da mulƟnacional espanhola “Farm Frites”. A todos eles, a Escola agradece e reconhece publicamente

candidatou ao projeto “EmpreEscola” promovido pela NERSANT,

o trabalho, o envolvimento e o empenho na promoção do seu bom nome, concorrendo para a sua

Núcleo Empresarial da Região de Santarém, em que a equipa “Soul

cada vez maior visibilidade e notoriedade, em suma, contribuindo para que a EPRM seja cada vez mais

D’Aire” foi disƟnguida com o primeiro prémio que corresponde à

considerada uma referência.

melhor ideia empresarial.

A EPRM foi a única Escola premiada, entre as cerca de 190 presentes na compeƟção nacional do

Luciano Vitorino

Global Enterprise Project Desa¿o Empreendedor A Escola ProĮssional de Rio Maior foi anĮtriã de um programa promovido pela Junior Achievement em parceria com a Siemens Portugal. Esta iniciaƟva, subordinada ao tema Worlds Apart – Quality of life in ciƟes| Scenario 2040, foi acompanhada pelos voluntários Margarida Alves, Mafalda Melo e Frederico Rosa da Siemens Portugal e reuniu alunos entre os 15 e os 18 anos. A EPRM parƟcipou com quarenta alunos, que foram selecionados nos Cursos Técnicos de Auxiliar de Saúde, de Transportes, de Turismo, de Gestão e Programação de Sistemas InformáƟcos, de Manutenção Industrial, de Frio e ClimaƟzação e Instalações Elétricas, acompanhados pelas professoras Anabela Figueiredo e Maria João Maia. A compeƟção em causa oferece aos alunos a oportunidade de poderem desenvolver as suas ideias com a colaboração de voluntários da empresa Siemens, associada da Junior Achievement, que os apoiará na construção dos seus projetos em diversas áreas, tais como, MarkeƟng, Desenvolvimento de produto, Vendas, entre outros. Este evento decorreu na sexta-feira, dia 7 de dezembro, entre as 9h e as 13h, e os alunos Ɵveram oportunidade de apresentar um “elevator pitch”, uƟlizando como código de comunicação a língua inglesa, da sua ideia perante um Júri, que os interpelou com questões enriquecedoras relaƟvas ao seu serviço ou produto. A Escola ProĮssional de Rio Maior congratula-se de ser a primeira escola a acolher este Ɵpo de DesaĮo Empreendedor. Anabela Figueiredo


Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

13

Escola em Movimento

São MarƟnho na EPRM

A lenda de São MarƟnho conta que “certo dia, um soldado romano chamado MarƟnho, estava a caminho da sua terra natal. O tempo estava muito frio e MarƟnho encontrou um mendigo cheio de frio que lhe pediu esmola. MarƟnho rasgou a sua capa em duas e deu uma ao mendigo. De repente, o frio parou e o tempo aqueceu.” Acredita-se que este acontecimento tenha sido a recompensa por MarƟnho ter sido bom para com o mendigo. A tradição do Dia de São MarƟnho é assar as castanhas e beber o vinho novo, produzido com a colheita do verão anterior. E foi com este espírito que o Conselho de Delegados/Associação de Estudantes organizou uma aƟvidade alusiva à data que, como indica a tradição, é festejada com castanhas e “coca-cola”. Durante a manhã, as aulas decorreram com normalidade, enquanto os elementos do Conselho de elegados se juntaram no bar para o corte das castanhas e preparação das fesƟvidades para que, no período da tarde, se desse início à aƟvidade com um ambiente diverƟdo, promovendo assim, a confraternização entre toda a comunidade escolar. Conselho de Delegados

7 p’ra todos

Em Hannover, Alemanha, entre 20 e 25 de maio de 2012, o Diretor

Pedagógico da EPRM parƟcipou numa visita de estudo integrada no programa europeu de Aprendizagem ao Longo da Vida, subordinada ao tema “Liderança Inovadora e Formação de Professores em Escolas Autónomas”, prosseguindo objeƟvos de cooperação em matéria de educação e formação proĮssional, através do intercâmbio de experiências e boas práƟcas. Foi precisamente uma destas práƟcas, “School Rules”, comum na Alemanha e na Eslovénia, que inspirou o nosso Diretor a propor a sua adaptação na EPRM. São princípios parƟlhados envolvendo toda a comunidade educaƟva, sob a forma de declarações posiƟvas em que todos são envolvidos como parceiros na construção de uma boa escola e, consequentemente, uma boa comunidade. O desaĮo foi apresentado à equipa interna de formadores no Įnal do ano leƟvo, com o objeƟvo de trabalhar a ideia a implementar no início do ano seguinte.

respeita a hierarquia da escola e da vida. A escola ajuda-te: compreende a importância de aprender.

Viver a escolaridade é um privilégio: aproveita e cresce! Estuda com os teus colegas: partilha o que aprendes!

Sê solidário e tolerante: respeita os outros!

A violência não é força, é fraqueza: não a pratiques!

O modelo seguido resultou numa proposta aberta de 7 princípios, “7 p’ra todos”, que numa primeira fase resultaram do trabalho da equipa interna e contributos

A escola propõe-te caminhos: quem os escolhe és tu!

posteriores dos restantes formadores, mas que se pretende ainda submeter à apreciação dos alunos, durante este ano leƟvo, através do Conselho de Delegados. O passo seguinte resultou da necessidade de dar visibilidade e dinâmica a estas 7 declarações de princípios, o que se conseguiu com a exploração criaƟva das "7 p’ra todos" a parƟr da atribuição de 1 das 7 declarações a cada turma de 10º e 11º ano. A estratégia passou por colocar os diretores de turma com a colaboração dos diretores de curso e outros formadores a coordenar com a respeƟva turma os trabalhos de criaƟvidade sobre a declaração atribuída, para que, até ao dia 19 de outubro, dia do 20º aniversário da EPRM, Ɵvéssemos exposto na escola (espaços comuns) o resultado desses trabalhos, que podiam assumir qualquer forma desde que se cumprisse o principal objeƟvo - visibilidade das "7 p’ra todos". O trabalho Įnal superou as expetaƟvas e com a exposição que se pode apreciar ao longo dos diversos espaços escolares cumpriu-se, numa primeira fase, o objeƟvo de comprometer a comunidade educaƟva com alguns princípios que, assumindo-se como declarações posiƟvas se pressupõe a sua integração na atuação de cada um e assim o seu contributo para uma escola de todos e p’ra todos. Sandra Costa

Deixemos o Sexo em Paz A vinda do teatro à Escola é sempre um momento diferente para todos os alunos e professores que, de uma forma lúdica, tomam contacto com a cultura e a arte. Juntamos o teatro, o rigor da representação, o tabu (aliado a fatores culturais), a ciência, e contrapondo com dados e acontecimentos reais do organismo humano, só podia dar em “Deixemos o Sexo em Paz”. E mais uma vez a Escola ProĮssional de Rio Maior apostou numa vertente diferente para abordar a temáƟca da Sexualidade. “Deixemos o Sexo em Paz” é uma peça de teatro levada a cabo pela Companhia ProĮssional de Teatro Maria Paulos, encenada por Carlos Gaudino e representada pela atriz Maria Paulos. Esta encenação foi vista pelos nossos alunos no dia 11 de dezembro de 2012, no Cineteatro de Rio Maior. A iniciaƟva foi realizada no âmbito do Projeto de Educação pra Saúde e para a Sexualidade da EPRM de 2013, estando integrada nas aƟvidades do Projeto de Educação Sexual de cada turma. Esta peça de teatro pretende educar, colocando a temáƟca da sexualidade no patamar onde esta deve estar, sem constrangimentos, sem rodeios, sem contornos nas palavras e sem deixar quase nada por dizer. A atriz tenta desmisƟĮcar a temáƟca da sexualidade, o que se diz no seio da família, da escola, dos amigos, e fê-lo de uma maneira feliz, alegre, séria e correta. Maria Paulos dirigiu-se aos alunos da EPRM, interagindo com os mesmos, parƟndo de factos do dia a dia e de temas tão importantes como:”Os pais e o sexo”, “ A primeira experiência sexual”, “O Aborto”, “A menstruação”, “A virgindade”, “A relação com o sexo oposto”, entre outros. Além disso, houve ainda a preocupação de chamar a atenção para a importância de uma sexualidade bem vivida, para a importância de haver pessoas bem informadas sobre os riscos hoje existentes e ainda para uma aƟtude de liberdade que nunca exclua a responsabilidade nem o esclarecimento prévio acerca das situações e perigos a evitar. Quando fazemos uma aƟvidade na escola, é importante que possamos saber o que ela signiĮcou para os seus parƟcipantes. Para a atriz Maria Paulos este público foi maravilhoso; para os nossos alunos esta peça foi inovadora, diverƟda, criaƟva, esclarecedora, captaƟva, interessante, original e oportuna, sendo unânime para todos que esta aƟvidade foi uma excelente maneira de realizar as aƟvidades do PEST. Sónia Duarte


14

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

Visitas de Estudo EPRM leva curso de Manutenção Industrial até Munique Feira Internacional foi motivo para criar novos horizontes Vinte alunos do curso de Manutenção Industrial/ Eletromecânica da Escola ProĮssional de Rio Maior, acompanhados por três professores, realizaram uma

aos parques e fesƟvais, sendo um daqueles raros locais onde o ritmo da grande cidade convive em harmonia com belas e gostosas tradições. Entre outros aspetos, os alunos Ɵveram a oportunidade de visitar a Praça Marienplatz (verdadeiro

visita de estudo à Feira Internacional de Manutenção

coração da cidade e sua "sala de visitas", frequentemente uƟlizada para eventos fesƟvos e políƟcos),

Industrial (MAINTAIN), que teve lugar na cidade de

o mercado permanente de Munique (Viktualienmarkt) e o estádio Allianz Arena, onde habitualmente

Munique (Alemanha), entre os dias 17 a 21 de outubro.

joga a equipa do Bayern de Munique.

A MAINTAIN é o maior certame europeu na área da Manutenção Industrial, no qual se fazem representar as melhores empresas e as tecnologias mais avançadas,

Visita aos Castelos nos Alpes

sendo um excelente ponto de encontro com as estratégias, os métodos e os equipamentos especíĮcos

A comiƟva visitou também a região alpina do sul da Baviera, próxima da fronteira com a Áustria.

nesta área de negócio. Especialistas em quase todas as áreas de fabricação e processamento visitam

O primeiro local visitado foi o Neuschwanstein, um palácio

esta feira para reunir informações sobre os vários serviços industriais, de reparação e manutenção, bem

situado no sudoeste da Baviera, mandado construir na

como sobre estratégias pós-venda para instalações industriais e máquinas.

segunda metade do século XIX por Luís II (Ludwig II da Baviera), a escassas dezenas de quilómetros da fronteira com

Alunos e professores Ɵveram oportunidade de interagir com os expositores e proĮssionais da área

a Áustria.

do curso, tendo alguns dos alunos recolhido, fruto da observação das soluções e inovações propostas para a área da manutenção industrial, ideias muito precisas daquilo que pretendem realizar como

O nome Neuschwanstein é uma referência ao "Cavaleiro

projeto de Įm de curso (Prova de ApƟdão ProĮssional). Contudo, os cinco dias de visita à Baviera não

do Cisne", personagem da ópera “Lohengrin” criada pelo

se resumiram apenas à visita à feira, apesar de ser este o foco sinalizado pelos alunos.

compositor alemão Richard Wagner, amigo e protegido do rei, e a fantásƟca arquitetura do ediİcio é tão inspiradora que, segundo dizem, terá servido de modelo ao Castelo da

Visita à BMW

“Bela Adormecida", símbolo dos estúdios Disney. São estes Logo no primeiro dia, a comiƟva teve

moƟvos que fazem com que seja um dos ediİcios mais

oportunidade de se deslocar às instalações da BMW

fotografados no país, apesar de não ser permiƟdo fotografar o seu interior, e um dos mais populares

para uma visita ao museu, com o impressionante

desƟnos turísƟcos europeus; um verdadeiro "cartão postal" da Alemanha.

prédio em forma de quatro cilindros, sede da

De seguida, conƟnuámos para o palácio de

empresa, e à respeƟva fábrica. A BMW (“Bayerische

Linderhof, outro palácio real, construído entre 1869

Motoren Werke”), que em português signiĮca

e 1878, o menor dos três palácios construídos pelo

Fábrica de Motores da Baviera) é, como se sabe,

Rei Luís II da Baviera, mas o único que o monarca

uma marca automóvel originária de Munique, que

viu concluído. O ediİcio foi desenhado ao esƟlo do

se mantém como a maior empregadora da região

segundo período rococó e apesar de muito menor,

(cerca de nove mil postos de trabalho).

ninguém pode negar a inŇuência desempenhada pelo

A visita guiada teve a duração de uma hora e meia, e permiƟu aos parƟcipantes um contacto muito próximo com a história da marca, bem como com a evolução dos diversos modelos/segmentos, tanto de automóveis como de motociclos. Depois, teve lugar uma visita de duas horas à fábrica, onde foi possível

Palácio de Versailles e por Luís XIV (um ídolo para o monarca alemão) Foi uma excelente oportunidade para fotografar cenários absolutamente magníĮcos, marcados

acompanhar toda a linha de montagem, um portento no uso

pelas montanhas, pelos lagos, pelos castelos, pelos povoados ơpicos da região dos Alpes Bávaros e

de tecnologias de úlƟma geração, onde se aƟnge cerca de 90%

pelas fantásƟcas cores outonais.

de automaƟzação de tarefas. Segundo a guia responsável, todos os trabalhadores da empresa têm uma qualiĮcação especíĮca e são remunerados em função dos seus níveis de formação. O salário médio mensal ronda os três mil e quinhentos euros.

Visita ao Campo de Concentração de Dachau Para

terminar

esta

passagem

pela região, o grupo visitou o campo de concentração de Dachau, que foi

Visita à Cidade de Munique

o primeiro campo de concentração

Munique é a capital do estado federal da Baviera, onde anualmente se festeja a festa da cerveja

nazi criado na Alemanha. Inaugurado

mais famosa do mundo, chamada Oktoberfest. A cidade foi fundada em 1158. Na qualidade de

a 22 de março de 1933, o campo está

capital do estado federal da Baviera, Munique alberga o parlamento e o governo estadual e acolhe,

localizado perto da cidade medieval de

atualmente, cerca de um milhão e quatrocentos mil habitantes, ultrapassando os dois milhões e meio,

Dachau, a cerca de 16 km a noroeste de

se contarmos com a sua área metropolitana.

Munique.

Considerada por muitos como a cidade mais bonita da Alemanha, depois de conhecer um pouco

Dachau chegou a abrigar mais

mais de Munique, é diİcil discordar. A

de duzentos mil prisioneiros de mais

sua silhueta, onde se destacam as torres

de trinta países e, a parƟr de 1941,

gêmeas com abóbadas esverdeadas da

foi uƟlizado como local de extermínio para cerca de trinta mil pessoas. A parƟr de 1948, o campo

igreja “Frauenkirche” e a torre ponƟaguda

funcionou como campo de refugiados, situação que perdurou até cerca da década de 1960, altura em

da “Rathaus” (Câmara Municipal), parece

que se erigiu o Memorial que hoje existe no local.

aĮrmar, orgulhosa, que nenhuma outra

O que mais impressionou foi a visita ao crematório, à câmara de gaz, ao museu e o visionamento de

cidade alemã poderia merecer este ơtulo.

um Įlme sobre o modo de funcionamento do campo. Os alunos da EPRM foram confrontados com um

Munique é uma mistura de arte, cultura e

período negro da história da humanidade e, no Įnal da visita, concordaram que deveria ser obrigatório

alegria de viver, associada aos seus castelos

todo o ser humano visitar uma vez um dos campos de concentração, de forma a evitar que mais alguma

e às saborosas salsichas de todos os Ɵpos,

vez se veriĮquem tamanhas atrocidades entre a espécie humana.


Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

15

Visitas de Estudo EPRM leva curso de Manutenção Industrial até Munique Em jeito de Balanço … Esta visita de estudo teve como objeƟvo primordial desenvolver algumas das competências constantes dos programas das disciplinas que integram o currículo do curso, principalmente as da componente técnica. No entanto, pretendeu-se também que os alunos da Escola ProĮssional de Rio Maior desenvolvessem aquilo que habitualmente se designa por “open mind”, ou seja: alargar-lhes horizontes, permiƟr-lhes novas perspeƟvas perante o mundo que os rodeia e proporcionar-lhes contactos com novas culturas, com novas formas de ser e de estar. Além disso, promovendo iniciaƟvas como esta, estaremos a esƟmular importantes valores nos jovens, tais como, a responsabilidade, a parƟlha, a autonomia e as relações interpessoais, valores que muito prezamos na EPRM. Em suma, mais que uma proposta concreta, esta parece ter sido uma oportunidade, por excelência, de combinar na práƟca o ato educaƟvo com os efeitos da parƟcipação, naquilo que a escola tem de melhor: o prazer de aprender pela experiência. As visitas de estudo estão incluídas no conjunto de propostas educaƟvas colocadas ao serviço da escola e dos alunos, que permitem abordagens amplas e integradoras. Fica a perceção de que uma visita de estudo é muito mais do que percorrer quilómetros e pode conter momentos únicos, se soubermos aproveitar tudo o que ela contém. Por um lado, os conhecimentos são maiores; por outro, crescem novos senƟmentos, simpaƟas e empaƟas. No Įm da visita há muitas histórias para contar, e há sempre algo que mudou … Luciano Vitorino

IdenƟdade Regional

Ida ao Museu das Comunicações

alunos

No dia 29 de novembro de 2012, os alunos dos Cursos Técnicos de Eletrónica,

têm gostos disƟntos e interesses

Automação e Instrumentação e Frio e ClimaƟzação, visitaram o Museu das Comunicações

diversiĮcados; talvez por isso mesmo

mais concretamente as Exposições FPC Future Lab 4.0: O futuro é inĮnito e a Casa do

seja importante reŇeƟr sobre o

Futuro InteraƟva.

Cada

vez

mais

os

papel da escola na vida de cada

No âmbito das comemorações do Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade

um e seja cada vez mais relevante

de Informação, 17 de maio de 2012, a Fundação Portuguesa das Comunicações / Museu

adequar os conteúdos à realidade envolvente, de modo a moƟvar

das Comunicações inaugura a exposição FPC Future Lab 4.0: O futuro é inĮnito, que visa

os alunos e a mostrar-lhes que a escola não é apenas um local

mostrar um futuro de possibilidades inĮndáveis ao alcance da criaƟvidade de todos!

de aprendizagem, mas é igualmente um espaço de comunicação e de inserção na comunidade. Foi, pois, considerando estes aspetos que os professores da disciplina de Área de Integração

Estas soluções são suportadas em tecnologias avançadas, potenciadas por redes de grande capacidade e velocidade que convergem numa teia mulƟdimensional, num conceito de futuro inĮnito. O visitante é convidado a navegar em três diferentes espaços com três diferentes especiĮcidades: Viagem pelo Futuro, O Futuro é

proporcionaram aos alunos do 10.º ano da EPRM uma visita de

espacial e As Redes do Futuro, podendo perceber e experienciar, de forma intuiƟva e com ligações claras ao dia-a-dia de todos nós, soluções

estudo ao concelho de Rio Maior, na tentaƟva de lhes mostrar

tecnológicas inovadoras que, num futuro próximo, estarão acessíveis a todos e permiƟrão construir um futuro melhor.

o outro lado de uma realidade que muitos estão habituados a

No espaço Viagem pelo Futuro, estão disponíveis diferentes equipamentos e aplicações que o visitante pode uƟlizar, deixando à

ver diariamente e que, muitas vezes, acabam por desvalorizar.

criaƟvidade pessoal o caminho a percorrer, experimentando soluções baseadas em interaƟvidade, holograĮa, estereoscopia e video-

Na verdade, pretende-se que os alunos consigam compreender

mapping.

o senƟdo do que está à sua volta, que percebam a sua origem

O espaço O Futuro é espacial, tem presente uma videoprojeção de grande formato em todo o teto da sala, com uma animação que

e que a história perpetue ao longo dos tempos, de geração em

pretende levar os visitantes a uma viagem espacial e intergalácƟca, a qual poderá ser publicada em tempo real na página Facebook da FPC. Existe ainda um terceiro espaço, As Redes do Futuro, onde o visitante é convidado a interagir com equipamentos, baseados em IP

geração. A propósito do tema “IdenƟdade Regional”, os alunos Ɵveram a oportunidade de visitar a Vila Romana, a Casa Senhorial, as Salinas, o Centro de Tecelagem de Chãos e o Olho de Água e o dólmen de Alcobertas. Foi, de facto, curioso, veriĮcar que apesar de muitos pertencerem ao concelho, alguns desconheciam a importância histórica dos locais visitados, o que reŇete que nem sempre o meio envolvente é conhecido e digniĮcado. Na verdade, o património histórico é bem visível em todo o concelho e deve, por isso mesmo, ser respeitado e valorizado. Ana Rita Loureiro

(conexão direta à internet), que o transportam em viagens mágicas. A Casa do Futuro InteraƟva é uma solução complexa de automação domésƟca instalada num ambiente de autênƟca habitação, confortável, interessante e moderna. Esta exposição foi desenvolvida com a parƟcipação aƟva de dezenas de parceiros, desde grandes mulƟnacionais, até pequenas "start ups" de base tecnológica avançada, universidades, operadores de telecomunicações, empresas mulƟmédia, etc. Com esta exposição pretendeu-se que a "Casa do Futuro InteraƟva" fosse uma demonstração de tecnologias, serviços e facilidades, onde o visitante pudesse aperceber-se da sua uƟlidade no seu dia a dia e dos custos envolvidos com cada solução. Os alunos gostaram muito de visitar as exposições e demonstraram esse entusiasmo durante toda a visita colocando várias questões aos técnicos do museu. Inês Sequeira


16

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

Palavra aos Diretores de Curso O que faltava saber sobre os Diretores de Curso... SARDINHAS OU LAGOSTA

NOME

• Patrícia Isabel D o m i n g o s Vaqueiro

• Cristóvão da Silva Oliveira

O MEU PRATO PREFERIDO É

IDADE

Sardinhas

O ESTADO DO PAÍS

DESPORTIVO

• “As palavras que nunca te direi” UM FILME

O ENSINO PROFISSIONAL

UM FILME

QUANDO VOU DE FÉRIAS O

• É muito importante, na medida em que, dá ferramentas essenciais aos jovens para que tenham uma vida pro¿ssional de sucesso, após terminarem o ensino obrigatório.

QUE NÃO PODE FALTAR

A ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO

MAIOR

IDADE

• 27 Anos CLUBE DESPORTIVO

Benfica

UM LIVRO

“A vida é bela”

UMA MÚSICA

• Labrinth feat. Emeli Sande –“ Beneath Your Beautiful” UMA VIAGEM DE SONHO

Cabo Verde

Alegria e boa disposição

• Enfermeira e por acaso até consegui

• Uma vida sucesso.

Bacalhau com natas

cheia

[ C. T. de Eletrónica, Automação e Inst.] • Luís Miguel Jesus Gonçalves

CLUBE

Benfica

UM LIVRO

• •

O Confessor

• D i f í c i l . . . Qualquer uma, independentemente do género, desde que com uma letra com mensagem

• 41 Anos CLUBE DESPORTIVO

Benfica

Bíblia

UM FILME

“Austrália”

UMA MÚSICA

• Xutos e Pontapés –“Casinha” UMA VIAGEM DE SONHO

O Futuro

• Se gostava de ter sido? Para isso ainda

Um exemplo

AOS

ALUNOS

QUE NÃO PODE FALTAR

Família

FINALISTAS

“As palavras que nunca te direi”

O ESTADO DO PAÍS

Ainda

compensa

país

gente A ESCOLA PROFISSIONAL DE

Maldivas

QUANDO VOU DE FÉRIAS O

Família ALUNOS

FINALISTAS

GOSTAVA DE TER SIDO

S u c e s s o s

pessoais

e

Mãe mais cedo.

O MEU PRATO PREFERIDO É

e

nunca

Moamba

SARDINHAS OU LAGOSTA

esquecerem esta casa.

Sardinha no pão e lagosta no

de nabo SARDINHAS OU LAGOSTA

• Sardinhas pimento e broa) • Esperado preocupante.

(com

NOME

GOSTAVA DE TER SIDO

• Luís Alberto Carmo dos Santos

mas

• 60 Anos CLUBE DESPORTIVO

• “Blink”- A chave do Sucesso de Malcolm Gladwell”

• Experiência muito gira que abraço com dedicação e gosto pessoal.

UM FILME

A ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO

• “Diamantes de sangue” “Lista de Schindler”

MAIOR

QUANDO VOU DE FÉRIAS O

• Uma escola diferente, onde nos sentimos bem, com ambiente familiar e onde tenho tido o privilégio de crescer e conhecer boas pessoas.

QUE NÃO PODE FALTAR

AOS ALUNOS FINALISTAS DESEJO

• Poderia dizer felicidades, sorte, en¿m…. Mas não posso mentir: desejo muito trabalho e empenho pois mesmo a sorte, dá muito trabalho….

A família

GOSTAVA DE TER SIDO

Piloto da Força Aérea

O MEU PRATO PREFERIDO É

• Chanfana da Bairrada com batata cozida e grelos

Cozido à portuguesa

SARDINHAS OU LAGOSTA

O ENSINO PROFISSIONAL

China

Médico

O MEU PRATO PREFERIDO É IDADE

UM LIVRO

Que “não ¿quem na praia com o barco amarrado, com medo do mar.” Arrisquem, continuem a vossa formação e mesmo quando nos vossos caminhos da vida surgirem “pedras” e obstáculos, não ¿quem parados a olhar para elas, contornemnas ou mudem-nas de local continuando o vosso caminho procurando sempre atingir os objetivos por vós propostos.

[ C. T. de Frio e Climatização]

CLUBE DESPORTIVO

Sporting

AOS ALUNOS FINALISTAS DESEJO

• “ How I wish you were here” – Pink Floyd

e

MAIOR

“My fair lady”

UMA MÚSICA

Futuro...

A ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO

UMA VIAGEM DE SONHO

O ENSINO PROFISSIONAL

A melhor opção de futuro pois é de técnicos quali¿cados e especializados que precisamos.

A melhor experiência da minha vida, onde além de partilhar os meus conhecimentos tenho aprendido muito acerca dos jovens e das suas vidas, tornando-me uma pessoa melhor!

UM FILME

comentar?

O ESTADO DO PAÍS

DESEJO

Saúde

uma lagosta a chorar”

• 36 Anos

UMA VIAGEM DE SONHO

• QUANDO VOU DE FÉRIAS O

IDADE

• “Telepatia” – Rita Guerra com Lara Li

América do Sul

• Benfica UM LIVRO

[ C. T. de Transportes]

RIO MAIOR

uma

pro¿ssionais

UMA MÚSICA

A ESCOLA PROFISSIONAL DE

vale

sardinha a rir do que

O ESTADO DO PAÍS

Não há dinheiro

CLUBE DESPORTIVO

“mais

QUE NÃO PODE FALTAR

Bacalhau

O ENSINO PROFISSIONAL

DESEJO

Agricultor

Sardinhas

• 39 Anos

AOS

SARDINHAS OU LAGOSTA

QUANDO VOU DE FÉRIAS O

GOSTAVA DE TER SIDO

Qual país?

O ENSINO PROFISSIONAL

• Boa disposição, Alegria e a Bimby

Mar

IDADE

Dubai

• Paulo Renato Loureiro Carvalho

UM LIVRO

Polvo à Lagareiro

NOME

SARDINHAS OU LAGOSTA

O ESTADO DO PAÍS

Gomes

UMA VIAGEM DE SONHO

GOSTAVA DE TER SIDO

prato

• Cláudia Solange

QUE NÃO PODE FALTAR

de

NOME

RIO MAIOR

O MEU PRATO PREFERIDO É IDADE

“Sem Tempo”

UMA MÚSICA

AOS ALUNOS FINALISTAS DESEJO

O MEU PRATO PREFERIDO É

NOME

• 33 Anos

• Uma nova família, onde nos sentimos em casa.

GOSTAVA DE TER SIDO

iria a tempo...

NOME

• A conjuntura do país não está fácil, mas acredito que como bons portugueses que somos, havemos de conseguir ultrapassar todas as di¿culdades.

[ C. T. de Energias Renováveis - Solares e Manutenção Industrial - Eletromecânica ]

[ C. T. de Instalações Elétricas] 1º ano

[ C. T. Auxiliar de Saúde]

Benfica

Sardinhas

UM LIVRO

O ESTADO DO PAÍS

• “Equador , Miguel Sousa Tavares”

Mau

O ENSINO PROFISSIONAL UM FILME

• “ Crime do Padre Amaro” UMA MÚSICA

• “Another Brick in the Wall - Pink Floyd” UMA VIAGEM DE SONHO

Austrália

QUANDO VOU DE FÉRIAS O

Não atinge os objetivos

para que foi criado. A ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO MAIOR

Uma exceção no meio

da vulgaridade AOS ALUNOS FINALISTAS DESEJO

QUE NÃO PODE FALTAR

Dinheiro

Muita saúde.


Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

17

Palavra aos Diretores de Curso O que faltava saber sobre os Diretores de Curso... [ C. T. de Instalações Elétricas] 3º ano

[ C. T. de G.P. Sistemas Informáticos]

angolano)

NOME

• José Manuel Baptista de Oliveira

NOME

• Jorge Silva

SARDINHAS OU LAGOSTA

• 32 Anos

O ESTADO DO PAÍS

CLUBE DESPORTIVO

Benfica

Sem rumo

• “África Minha” (Karen Blixen) e “As Vinhas da Ira” (Steinbeck) UM FILME

• “2001 Odisseia no Espaço” (Stanley Kubrick)

Uma solução de futuro

MAIOR

UM FILME

escola

para

o

UMA MÚSICA

AOS ALUNOS FINALISTAS DESEJO

UMA VIAGEM DE SONHO

• Realizada: Amazónia (Brasil) Por realizar: Budapeste (Hungria) QUE NÃO PODE FALTAR

Máquina fotográfica

GOSTAVA DE TER SIDO

Piloto aviador Moamba (prato típico

de

ações

de

pro¿ssional

sólida

e

promissora.

O ENSINO PROFISSIONAL

• Sporting

UM FILME

• É o futuro, pois é necessário haver novos técnicos com competências mais abrangentes que acompanhem a tecnologia e a inovação.

A ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO

IDADE

UM LIVRO

“Crónica dos bons malandros” - Mário Zambujal A trilogia - Senhor dos Anéis

UMA MÚSICA

MAIOR

• Uma grande Escola, uma equipa fantástica com um grande dinamismo, e muito espírito de entreajuda, que naturalmente me enche de orgulho poder fazer parte desta grande família…

“Mulheres” – Martinho da Vila

UMA VIAGEM DE SONHO

A realizada foi a Moçambique a que falta realizar é ir à Àoresta Amazonas QUANDO VOU DE FÉRIAS O QUE NÃO PODE FALTAR

O equipamento submarina

de

pesca

GOSTAVA DE TER SIDO

Biólogo Marinho

O MEU PRATO PREFERIDO É

Grelhados de carne ou peixe

SARDINHAS OU LAGOSTA

Lagosta

O ESTADO DO PAÍS

poetas

• The Doors - “People are strange” UMA VIAGEM DE SONHO

Ásia

QUANDO VOU DE FÉRIAS O QUE NÃO PODE FALTAR

GOSTAVA DE TER SIDO

CLUBE DESPORTIVO

Alexandre

dos

bases de uma vida pessoal

• 38 Anos

Mário Sousa

• “Clube mortos”

• Decadência total, enquanto a classe política não trabalhar com sentido de estado e em prol do estado, não vamos a lado nenhum.

• 34 Anos

Nada bom

CLUBE DESPORTIVO

Tem um belo caminho

AOS ALUNOS FINALISTAS DESEJO

• Muitas felicidades, e espírito de sacrifício, porque estão prestes a acabar uma das melhores etapas das suas vidas e a começar outra bem mais difícil, que é o mundo do trabalho num País onde este não abunda. Coragem, força de vontade e nunca desistam de lutar pelos vossos sonhos.

Boa companhia Aviador

O MEU PRATO PREFERIDO É

Bacalhau espiritual

pela frente…

Clube de “SEMPRE”

A ESCOLA PROFISSIONAL DE

UM LIVRO

RIO MAIOR

desenvolvimento

[ C. T. de Energias Renováveis - Eólicos] NOME

“Codex 632”

Qualidade e construam as

e

O MEU PRATO PREFERIDO É

seu

através

QUANDO VOU DE FÉRIAS O

Que contribuam para

o futuro deste país e para o

IDADE

O ENSINO PROFISSIONAL

UMA MÚSICA

O ESTADO DO PAÍS

Tem

de

continuamente

apostar na

qualidade, a todos os

futuro

“ Yesterday” (Beatles)

SARDINHAS OU LAGOSTA

UM LIVRO

Uma

Xana”.

• Bruno Filipe Pereira Vargas

Sardinhas

DESPORTIVO

FC Porto

A ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO

NOME

CLUBE

• SC Braga e

O ENSINO PROFISSIONAL

UM LIVRO

SARDINHAS OU LAGOSTA

IDADE

Ambas

IDADE

• 66 Anos

[ C. T. de Turismo Ambiental e Rural]

níveis… AOS

ALUNOS

FINALISTAS

• “A Insustentável Leveza do Ser”, Milan Kundera. UM FILME

• “Tantos... assim mais ou menos recente “The tree of life”. UMA MÚSICA

DESEJO

Que terminem com

Sporting Portugal

“Bad” U2.

UMA VIAGEM DE SONHO

Austrália.

Lagosta com Sardinhas

O ESTADO DO PAÍS

• Tal como o título do ¿lme: «Este País não é para velhos»… nem para novos. O ENSINO PROFISSIONAL

• Aposta num futuro que se quer melhor com um ensino vocacionado para as verdadeiras necessidades do País. A ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO MAIOR

• Mais que uma Escola, uma família que não tem parado de crescer nestes últimos três anos.

sucesso as tarefas que

QUANDO VOU DE FÉRIAS O

AOS ALUNOS FINALISTAS DESEJO

se avizinham e que não

QUE NÃO PODE FALTAR

• Sorte , que tenham con¿ança neles próprios sem esquecer que o trabalho é o segredo mais mal guardado para atingir o sucesso.

tenham medo do futuro. Com esforço e dedicação vão conseguir um futuro brilhante.

Escova de Dentes.

GOSTAVA DE TER SIDO

Astronauta .

O MEU PRATO PREFERIDO É

Arroz de Pato da “Mãe


18

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

Propostas... ... Leitura

... de Cinema

José Luís Peixoto

Antwone Fisher José Luís Peixoto tornou-se um dos mais disƟntos escritores portugueses do início do século XXI.

O Įlme que vos trago tem por nome Antwone Fisher. Fisher é o ơpico negro americano que encontrou o seu refúgio na marinha como forma

Nasceu a 4 de setembro de 1975 em Galveias, Ponte de Sor

de fuga da sua vida envolvida de traumas. O seu pai morreu antes de ele

e é licenciado em Línguas e Literaturas Modernas – variante

nascer, a sua mãe não foi buscá-lo ao orfanato quando saiu da prisão,

Inglês e Alemão pela Universidade Nova de Lisboa.

foi abusado pelos pais adoƟvos e viu o seu melhor e único amigo morrer

Antes de se dedicar proĮssionalmente à escrita no ano de

quando assaltava uma loja. Ele Ɵnha todos os moƟvos e jusƟĮcações do mundo para entrar no

2000, trabalhou como professor na cidade da Praia, em Cabo

mundo do crime, das drogas, da depressão, etc. Mas, o desƟno colocou no seu caminho uma

Verde, assim como em várias cidades de Portugal.

boa alma disposta a ajudá-lo. Com ajuda de uma psiquiatra naval, mostra que consegue seguir

Em 2001, recebeu o Prémio Literário José Saramago com o romance Nenhum Olhar, que foi incluído na lista do Financial Times dos melhores livros publicados em Inglaterra no ano de 2007, tendo também sido incluído no programa Discover Great New Writers das livrarias norte-americanas

em frente e recuperar a sua autoesƟma e dar a volta por cima de todos os seus problemas. Baseado em fatos reais, Antwone Fisher é um excelente Įlme psicológico, que retrata uma bela lição de vida.

Barnes & Noble; o seu romance Cemitério de Pianos recebeu o Prémio Cálamo Otra Mirada, atribuído ao melhor

Alguns aspetos do Įlme poderiam ter sido mais explorados, tais como, os problemas

romance estrangeiro publicado em Espanha em 2007 e, em 2008 recebeu o Prémio de Poesia Daniel Faria com o

pessoais do próprio médico, enquanto outros ganharam extrema importância. Para além de

livro Gaveta de Papéis.

conter algumas passagens que prezam pelos diálogos forçosamente senƟmentalistas, como é o

Pode considerar-se que a sua obra se encontra consolidada no género romance, no entanto, tem publicado obras em poesia, teatro e prosa em diversos géneros.

exemplo do encontro do protagonista com a sua mãe. Aconselho este Įlme a pessoas que gostem de Įlmes que “mexam” com o foro psicológico

A sua obra Įccional e poéƟca já se encontra presente em dezenas de antologias traduzidas num amplo número

e que gostem daquela famosa lágrima no canto do olho.

de línguas, sendo também estudada em diversas universidades nacionais e estrangeiras.

Filipa Almeida – C. T. Auxiliar de Saúde

Os seus romances estão publicados na Finlândia, Holanda, no Brasil, nos Estados Unidos, entre outros países, estando traduzidos num total de vinte idiomas. Além da sua aƟvidade literária, é também colaborador de diversas publicações nacionais e estrangeiras, tais

... de Desporto 4 bons motivos para saltar à corda…

como as revistas Time Out e Visão e o conhecido Jornal de Letras. Este jovem escritor é já considerado por muitos um «caso sério» da literatura portuguesa, detentor de uma evidente maturidade literária que o iguala a nomes como José Saramago e António Lobo Antunes.

Saltar à corda é, à primeira vista, uma recordação das nossas brincadeiras infanƟs e, por isso mesmo, algo muito fácil de executar. No entanto, só quem já se dedicou

Morreste-me (Prosa, 2000)

plenamente e durante largos minutos a saltar à corda é

Morreste-me, texto que deu a conhecer o jovem escritor José Luís Peixoto, é uma obra intensa, avassaladora e comovente: é o relato da morte do pai, o relato do luto, e ao mesmo tempo uma homenagem, uma memória redentora.

que sabe o quão diİcil pode realmente ser. É por esta e por outras que saltar à corda é uma das formas mais rápidas e eĮcazes de queimar gordura. Trabalha o corpo por inteiro. Qualquer Ɵpo de exercício İsico que trabalhe intensamente

Um livro de culto que uniu milhares de leitores em todo o mundo.

múlƟplas partes do corpo em simultâneo irá queimar as gorduras indesejadas ainda mais rapidamente. Saltar à corda é uma dessas acƟvidades. Quando salta à corda está a uƟlizar os

Cal (Prosa e Teatro, 2007)

ombros, bíceps e antebraços para virar a corda; os abdominais para se manter direito; e os músculos da barriga das pernas, coxas e glúteos para saltar. Quantos mais músculos esƟverem

Cal junta contos, uma peça de teatro e poemas em torno de um tema pouco usual na

envolvidos numa sessão de exercício, melhor.

literatura: a velhice, com a sensibilidade inconfundível de José Luís Peixoto.

É extremamente intenso. Em termos de aƟvidade İsica, saltar à corda é fantásƟco porque, ao contrário de outros Ɵpos de exercícios cardiovasculares, permite exercitar pernas e braços em

Livro (Romance, 2010)

simultâneo e com a mesma intensidade.

Um rapaz é deixado pela mãe numa fonte, de madrugada. Antes de parƟr, ela entrega-lhe

É um exercício diversiĮcado. Muitas pessoas pensam que saltar à corda é entediante porque

um livro e promete que voltará dentro de algumas horas. Mas abandona-o e vai para França,

não é nada mais do que dar saltos repeƟdos, sem sair do síƟo. Felizmente, saltar à corda é

trilhando os caminhos da emigração.

muito mais do que isso: é um exercício com tantas variações quanto as partes do corpo que

Acolhido por uma família da aldeia, e sem nunca mais saber da mãe, o rapaz vai crescer

consegue trabalhar. Em vez de saltar, pode-se correr no síƟo para exercitar melhor as pernas,

apaixonado por uma rapariga da terra que o corresponde nos senƟmentos. Chegados à idade

levantar os joelhos para trabalhar os abdominais, cruzar e descruzar a corda para trabalhar os

adulta, decidem ambos emigrar para França, mas partem separados.

braços e ombros, saltar com a corda ao contrário, saltar com ambos os pés, com um apenas,

O livro — único objeto de valor que o rapaz possuiu em toda a sua vida — servirá para os manter ligados e é através dele que se vão reencontrar.

alternando do pé direito para o esquerdo... as possibilidades são muitas e cruciais para não cair na monotonia e, pior, na desistência.

Helena Coelho

Inês Sequeira


Ano Letivo 2012’13 • PONTO;VÍRGULA

19

MatemáƟcos Famosos pelo Mundo

Sabias que ...

SANTOS, Elvira, ALMEIDA, Paulo e MARTINS, Sílvia, Projetos DesaĮos, MatemáƟca 6º ano, SANTILLANA Editora, s.d.

As (des)Conhecidas Expressões Populares Portuguesas

Sabias que o Terramoto de Lisboa de 1755 é um dos grandes responsáveis por muitas das expressões que ainda dizemos hoje em dia?

Muitas das expressões que ouvimos no dia a dia nasceram há dezenas (ou até centenas) de anos. Contamos aqui a origem de algumas das expressões mais usadas pelos portugueses:

“Mal e porcamente”

“Lágrimas de crocodilo”

“Assentar a carapuça”

SigniĮcado: De modo imperfeito; muito mal.

SigniĮcado: Choro Įngido; falsa tristeza.

Origem: A expressão inicial nem era esta. Mas nem toda a

Origem: O crocodilo, quando ingere um alimento, exerce

gente compreendia o que queria dizer “mal e parcamente”, ou

uma forte pressão contra o “céu da boca”, comprimindo as suas

Origem: Por altura da Inquisição, durante a Idade Média,

seja, com poucos recursos. Portanto, este advérbio foi facilmente

glândulas lacrimais. Isto faz com que o animal chore enquanto

os judeus eram obrigados a usar um chapéu bicudo, para que

alterado para algo mais acessível.

come as suas víƟmas.

pudessem ser disƟnguidos dos cristãos.

“À grande e à francesa”

“Queimar as pestanas”

“Andar em ¿la indiana”

SigniĮcado: De forma luxuosa.

SigniĮcado: SenƟr-se ofendido ou idenƟĮcado com alguma

SigniĮcado: Estudar muito

situação.

SigniĮcado: Andar em Įla; uns atrás dos outros.

Origem: Jean Andoche Junot auxiliou Napoleão durante

Origem: Aqueles que estudavam antes da existência da

Origem: Os índios americanos andavam sempre em Įla para,

a primeira invasão de Portugal por parte dos franceses. Cá

eletricidade não Ɵnham vida fácil. Estudavam à luz de velas ou

à medida que fossem avançando, irem apagando as pegadas

viveu durante alguns anos de forma extremamente luxuosa. A

lamparinas e, para que pudessem ler convenientemente, Ɵnham

dos que iam à frente. Quando os “caras pálidas” viram este

imaginação, a observação e a sabedoria populares encarregaram-

de as colocar muito perto do texto, correndo sérios riscos de Įcar

comportamento, não hesitaram em começar a uƟlizar o termo

se de criar esta expressão.

com as pestanas queimadas.

“Įla indiana”.

“Levar água no bico”

“Ter ouvidos de tísico”

“Fazer tábua rasa”

SigniĮcado: Ter intenções ou propósitos ocultos.

SigniĮcado: Ter uma óƟma audição.

SigniĮcado: Esquecer completamente um assunto.

Origem: Na linguagem dos marinheiros, “navegar com água

Origem: Muitos soldados que combateram na Segunda Guerra

Origem: Os empiristas romanos, seguidores do Įlósofo grego

no bico” signiĮcava remar contra a corrente, levando água do mar

Mundial (1939-1945) sofreram uma doença chamada Tísica.

Aristóteles, diziam que a alma sem experiência era como uma tábula rasa.

na proa, o que tornava o mar traiçoeiro. A expressão foi adaptada

Esta doença assemelhava-se muito ao que hoje conhecemos por

A tábula rasa era uma pequena tábua de cera que não Ɵnha nada escrito ou

e tornou-se naquela que conhecemos hoje.

tuberculose pulmonar. Quem sofre desta doença caracteriza-se

desenhado. Mais tarde, o termo foi adaptado à vida urbana e transformado

por ter uma sensibilidade audiƟva fora do normal.

para o signiĮcado que hoje conhecemos.

“Caiu o Carmo e a Trindade”

“Resvés Campo de Ourique”

“O primeiro milho é dos pardais” SigniĮcado: Os mais fracos aproveitam as primeiras vantagens. Ori--gem: No tempo dos Romanos, era costume os agricultores

SigniĮcado:

Desgraça;

aparato;

barulheira;

surpresa;

confusão.

SigniĮcado: Por um triz; à justa. Origem: No dia 1 de novembro de 1755 – ironicamente, dia de

oferecerem os primeiros frutos das suas colheitas às aves.

Origem: O Terramoto de 1755 deixou muitas marcas İsicas.

Todos os Santos – uma das maiores tragédias de todos os tempos

Pensava-se na altura que eram as aves que levavam as oferendas

Mas há marcas culturais que também persistem. Uma delas é esta

abateu-se sobre Portugal. Um terramoto de elevada magnitude,

aos deuses. O conhecimento desse hábito foi-se transmiƟndo de

expressão. Durante o terramoto, ouviu-se um enorme estrondo por

seguido de um tsunami, aƟngiu a cidade de Lisboa, matando

geração em geração, até que, no séc. XVI – século em que o milho

toda a cidade de Lisboa. Quando os habitantes descobriram qual Ɵnha

milhares de pessoas. A força do tsunami foi de tal ordem que as

chegou à Europa – a expressão evoluiu. O pardal era o símbolo de

sido a verdadeira causa de tal barulheira, logo disseram: “Caiu o Carmo

águas entraram por Lisboa adentro e chegaram bem perto do

todas as aves e o milho abundava nas culturas portuguesas.

e a Trindade”, isto é, desabaram os Conventos do Carmo e da Trindade.

Campo de Ourique. Foi resvés.


20

PONTO;VÍRGULA • Ano Letivo 2012’13

CICLO DE FORMAÇÃO 2013/2016

220

Tecnologias da Informação e Comunicação

100

Educação Física

140

Língua Estrangeira I, II, III

220

Área de Integração

220

Tecnologias da Informação e Comunicação

100

Educação Física

140

Matemática

300

Física e Química

200

Geogra¿a

200

História da Cultura e das Artes

200

Matemática

100

120

Desenho Técnico Práticas O¿cinais Formação Contexto Trabalho (ESTÁGIO)

TÉCNICA

TÉCNICA

410

Organização Industrial

Área de Integração

220

Tecnologias da Informação e Comunicação

100

Educação Física

140

140

1000 Matemática

300

Economia

200

1000 Matemática

300

Física e Química

200

500

500

Sistemas Digitais

117

90

Formação Contexto Trabalho

420

Automação e Instrumentação

535

1600

Formação Contexto Trabalho

420

Formação Contexto Trabalho (ESTÁGIO)

420 1600

FAMÍLIA PROFISSIONAL Hotelaria e Turismo

100

Educação Física

180

Comunicar em Espanhol

FAMÍLIA PROFISSIONAL 08 - Mecânica

Tecnologias da Informação e Comunicação

Marketing e Logística

480

Total

220

283

Técnicas de Acolhimento e Animação

SAÍDA PROFISSIONAL Técnico de Hotelaria e Turismo – Nível IV

220

Área de Integração

440

170

3100**

320

Língua Estrangeira I, II, III

560

408

SAÍDA PROFISSIONAL Técnico de Manutenção Industrial – Nível IV

N.º HORAS

Português

Tecnologia e Gestão de Transportes

399

Turismo e Técnicas de Gestão

ÁREA FORMAÇÃO 521 – Metalurgia e Metalomecânica

220

DISCIPLINAS 10º, 11.º, 12.º

Organização e Gestão

Ambiente e Desenvolvimento Rural

1600 Total

Língua Estrangeira I, II, III

500

500 Tecnologia e Processos

320

1000 CIENTÍFICA

CIENTÍFICA

1000

N.º HORAS

Português

SÓCIO-CULTURAL

Área de Integração

320

CIENTÍFICA

220

DISCIPLINAS 10º, 11.º, 12.º

N.º HORAS

Português

TÉCNICA

Língua Estrangeira I, II, III

DISCIPLINAS 10º, 11.º, 12.º

CIENTÍFICA

320

Técnico de Electrónica, Automação e Instrumentação

Técnico de Transportes SÓCIO-CULTURAL

N.º HORAS

Português

SÓCIO-CULTURAL

SÓCIO-CULTURAL

DISCIPLINAS 10º, 11.º, 12.º

Técnico de Turismo Ambiental e Rural

TÉCNICA

Técnico de Manutenção Industrial/ Electromecânica

3100**

ÁREA FORMAÇÃO (812) – Turismo e Lazer

Total

360

Tecnologias Aplicadas

168

420 1600

3100**

SAÍDA PROFISSIONAL Técnico de Transportes – Quali¿cação Pro¿ssional de Nível IV FAMÍLIA PROFISSIONAL 06 Administração

Electricidade e Electrónica

ÁREA FORMAÇÃO 840 -Serviços de Transportes

Total

NOTAS

FAMÍLIA PROFISSIONAL 09 Electricidade e Electrónica

ÁREA FORMAÇÃO 523 -Electricidade e Automação

NOTAS

NOTAS

* Curso aprovado pela Portaria Nº1307/2006 de 23 de Novembro

NOTAS

* Curso aprovado pela Portaria Nº1312/2006 de 23 de Novembro

* Curso aprovado pela Portaria Nº 1287/2006 de 21 de Novembro

** Cargas horárias a distribuir pelos três anos

* Curso aprovado pela Portaria Nº896/2005 de 26 de Setembro

** Cargas horárias a distribuir pelos três anos

** Cargas horárias a distribuir pelos três anos

Curso em fase de candidatura, sujeito a aprovação e abertura condicionada a um número minimo de inscrições

**Cargas horárias a distribuir pelos três anos

Curso em fase de candidatura, sujeito a aprovação e abertura condicionada a um número minimo de inscrições

Curso em fase de candidatura, sujeito a aprovação e abertura condicionada a um número minimo de inscrições

INSCRIÇÕES _ 13 de maio a 5 de julho de 2013 SELEÇÃO DOS CANDIDATOS _ 09 e 10 de julho de 2013

Curso em fase de candidatura, sujeito a aprovação e abertura condicionada a um número minimo de inscrições

AUXÍLIOS SOCIOECONÓMICOS ΈATRIBUÍDOS NAS CONDIÇÕES LEGALMENTE PREVISTASΉ: ͳ SUBSÍDIO DE ALIMENTAÇÃO ͳ SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ͳ SUBSÍDIO DE ALOJAMENTO

Matrículas _ 12 e 13 de julho de 2013

3100**

SAÍDA PROFISSIONAL Técnico de Electrónica Industrial – Quali¿cação Pro¿ssional de Nível IV

ͳ BOLSA DE PROFISSIONALIZAÇÃO APOIO PEDAGÓGICO A MATEMÁTICA E FÍSICA E QUÍMICA


Jornal Ponto e Vírgula