Issuu on Google+

ESCOLA PORTUGUESA DE MOÇAMBIQUE - CENTRO DE ENSINO E LÍNGUA PORTUGUESA

FM

Ano VIII - N.º 66 | Agosto/Setembro 2009 | Revista mensal | dIRectoRA: dina trigo de Mira | Maputo - Moçambique

Novo ano lectivo 2009/2010

Vamos a isto! GRIPE A

ENTREVISTA

INOVAÇÃO

EPM-CELP bloqueou entrada do vírus com Programa de Prevenção

Artistas com “maior valor são os mais simples no trato”, afirma Teresa Noronha

Coordenadores de Departamentos relatam experiência de reorganização curricular de 2008/2009

P. 4

P. 8 e 9

P. 12 e 13


2 | PL | Agosto/Setembro 2009 pátio das laranjeiras

Para ler nesta edição de AGO/SET 09

EDITORIAL

Acreditamos no diálogo

3

EM FOCO | Os principais acontecimentos e

4

GRIPE A | A resposta do Gabinete Médico da EPM-

5

REGISTOS | A “visita dos astros” e do cinema-

8

ENTREVISTA | Teresa Noronha, responsável pela

10

EM FOCO | A visão ilustrada e documentada dos

12

REFLEXÃO | Principais agentes da reorganização curricular iniciada em 2008/09 relatam experiência pioneira

14

COOPERAÇÃO | A 14.ª edição das Jornadas de

15

EPM-CELP | A conclusão da construção de mais um

16

COMUNICAÇÃO | “Cara nova” do sítio oficial da

17

“PSICOLOGANDO” | Alguns conselhos para

N

uma escola tutelada pelo governo português, não dispensamos a reflexão sobre os resultados das eleições legislativas realizadas em Portugal e a sua influência na EPM-CELP. No mandato da actual Direcção, tem sido bem marcado o apoio concedido pela equipa do Ministério da Educação, nomeadamente, à reformulação do Acordo de Cooperação Bilateral entre Portugal e Moçambique, à integração da EPM-CELP na Rede de Bibliotecas Escolares, em cooperação com escolas moçambicanas, e correspondente adesão ao “Plano Nacional de Leitura” e, por último, ao projecto “Mais Sucesso Escolar”, iniciado este ano lectivo. Acreditamos que a nova equipa ministerial continuará a manifestar vontade de diálogo, permitindo, assim, uma gestão capaz de manter viva a execução do Projecto Educativo da EPM-CELP e dar relevo ao esforço de cooperação que temos desenvolvido junto das congéneres moçambicanas. A nossa instituição necessita, neste âmbito, de maleabilidade para aceitar, integrar e desenvolver as políticas educativas que vierem a ser emanadas do Ministério da Educação. Esta será, certamente, uma atitude responsável que responderá às funções que nos forem confiadas, procurando conciliá-las com a autonomia relativa que é garantida ao nosso Projecto Educativo. Criado pela sua própria comunidade educativa, o Projecto Educativo da EPM-CELP procura reflectir os propósitos e as metas decorrentes de um diagnóstico profundo da situação pedagógica e do contexto social no qual se insere. Constitui a garantia de cada membro da comunidade, independentemente da sua nacionalidade, se rever e identificar no mesmo. Séneca dizia: «Se não tiveres rumo, nenhum vento te é favorável!». Poderíamos contrapor: com um rumo bem claro poderemos sempre aproveitar os ventos, venham de onde vierem. No início de mais um ano lectivo, também não podemos deixar de saudar todos os membros da comunidade educativa da EPM-CELP, desejando-lhes o maior sucesso nas actividades diárias de construção dos seus projectos individuais. Aos alunos, razão de ser da própria Escola, uma palavra muito especial de incentivo e de convite a um trabalho profícuo e solidário com os demais membros da comunidade escolar, de modo a transformarem as aprendizagens em conhecimentos significativos. A todos um bom 2009/2010. A DIRECÇÃO

emoções que marcaram o arranque do ano lectivo 2009/2010 (também nas páginas centrais)

-CELP à ameaça do alastramento da Gripe A

-documental à EPM-CELP; as eleições legislativas em Portugal; Dia Mundial da Música e a “Era da Estupidez”

área das publicações, fala da actividade editorial da EPM-CELP

eventos ocorridos no primeiro dia de aulas

Formação contemplaram mais de 120 professores moçambicanos

edifício amplia a funcionalidade do espaço escolar

EPM-CELP na Internet tem um ano e recebeu quase 100 mil visitas

reorganizar o quotidiano e adaptá-lo às exigências do novo ano escolar, após as férias prolongadas

18

ACTIVIDADES | Toda a oferta de actividades de

19

LEITURAS | As descrições, recomendações e críti-

20

HISTÓRIA | Setembro é o mês em que Moçambique

complemento curricular e extra-curricular para 2009/2010

cas para leituras imediatas na rubrica “Palavra Empurra Palavra”

revisita a guerra e a paz que marcaram a relação com o regime colonial português


Agosto/Setembro 2009 | PL | 3 em foco

Bem-vindos a 2009/2010 os primeiros dias de Setembro começou oficialmente o presente ano lectivo de 2009/2010. Um ano especial porque a EPM-CELP cumprirá 10 anos de existência no próximo mês de Novembro. Este ritual, anualmente repetido, provoca sempre emoções fora da rotina diária, sobretudo para os chegados de novo à escola. São alunos, professores e até funcionários que, pela primeira vez, participam no lançamento de um novo ano escolar na EPM-CELP. A curiosidade é, nestes casos, manifestamente grande, com toques de deslumbramento aqui e ali. Nem os mais habituados a estes rituais escapam à magia dos primeiros dias de aulas, provocada, sobretudo, pela expectativa de conhecer novas pessoas, adquirir novos ensinamentos e matar as saudades de colegas e amigos, de quem se procura saber as novidades das férias prolongadas. Bem-vindos todos e bom trabalho!

Comunidade Educativa aLunos

Pré-Escolar 1.º Ciclo 2.º Ciclo 3.º Ciclo Secundário Total Nacionalidades turmas

Pré-Escolar 1.º Ciclo 2.º Ciclo 3.º Ciclo Secundário dirigentes docentes técnicos suPeriores assistentes técnicos assistentes oPeracionais

150 390 196 265 270 1271 19 7 17 9 12 11

FM

N

Calendário Escolar 2009/2010 Períodos de actividade Lectiva Início

Termo

1.º P

02/Set

15/Dez

2.º P

11/Jan

26/Mar

3.º P

08/Abr

Entre 9/Jun e 15/Jul*

interrupções da actividade Lectiva Início

Termo

1.ª

16/Dez

10/Jan

2.ª

27/Mar

07/Abr

Feriados nacionais - 7/Set (MOÇ), 25/Set (POR), 4/Out (MOÇ), 5/Out (POR), 10/Nov (MOÇ), 1/Dez (POR), 3/Fev (MOÇ), 7/Abr (MOÇ), 25/Abr (POR), 1/Mai (INT) e 10/Jun (POR). * 9/Jun (9.º, 11.º e 12.º); 16/Jun (2.º ciclo, 7.º, 8.º e 10.º); 24/Jun (1.º ciclo) e 15/Jul (Pré-escolar)

Sessões de boas-vindas Pré-escolar e 1.º ciclo

Básico e secundário

novos Professores

Pais e enc. de educação

3 108 8 24 58

cursos do “secundário” Ciências e Tecnologias Ciências Sócio-Económicas Línguas e Humanidades Artes Visuais Fotos de FM

reportagem nas páginas centrais »»»


4 | PL | Agosto/Setembro 2009 saúde escolar

gRiPE A

Protecção é o melhor remédio gabinete médico da epm-celp mantém em execução programa de prevenção

O

novo ano lectivo 2009/2010 começou sob a ameaça de uma doença que se manifesta em praticamente todo o Mundo, a gripe A, também vulgarmente conhecida por gripe suína. é contagiosa através da acção do vírus H1N1, já provocou muitas vítimas em diversos países e, por isso, constitui uma preocupação de todos os governos nacionais e de diversas organismos internacionais, como é o caso da Organização Mundial de Saúde (OMS). A propa-

gação da doença está, porém, controlada, pelo que o alarmismo é injustificado. Em caso de infecção o doente pode ser tratado porque existem meios de a combater. A protecção individual e colectiva é o melhor remédio. O Gabinete Médico da EPM-CELP mantém em execução um programa de prevenção, oportunamente divulgado, que requer atitudes e comportamentos responsáveis. Adopte-os!

como se transmite directamente Transmite-se pelo ar, de pessoa para pessoa, pelas secreções nasais da boca e garganta, através da tosse e do espirro de pessoas infectadas; A transmissão é facilitada pelas mãos contaminadas com o vírus, quando o doente mexe no nariz, olhos ou boca e, sem seguida, aperta a mão a outra pessoa.

indirectamente A contaminação indirecta poderá ocorrer através de superfícies manipuladas por doentes, como os puxadores de portas, telefones, torneiras ou suportes de transportes públicos.

como se maniFesta Febres altas com arrepios; Dores de cabeça e musculares intensas; Tosse seca e contínua; Dor de garganta, congestão nasal; Ardor intenso nos olhos; Cansaço extremo; Náuseas, vómitos e diarreia.

o vírus transmissor

cuidados a ter Evitar o contacto com pessoas infectadas; Tapar a boca e o nariz quando se tosse ou espirra, utilizando lenços de papel; Evitar tocar com as mãos nos olhos, nariz e boca sem estarem lavadas; Lavar frequentemente as mãos com água e sabão, principalmente depois de manipular superfícies usadas por muita gente; Se há contacto com pessoas doentes, usar álcool (se possível) para desinfectar as mãos.

o Que FaZer se Há susPeita de inFecÇÃo Permanecer em casa até passarem os sintomas; O repouso e o sono são fundamentais para a recuperação; Ficar em casa isolado e contactar, logo que possível, pessoal de saúde ou o médico de família; Procurar ajuda médica se a suspeita for confirmada, para ser observado e fazer exames e tratamento adequados. Nesta altura poderá ter de usar máscara; Os familiares e contactos directos do doente deverão ser vigiados e, caso desenvolvam sintomas, seguir os passos acima mencionados. INFORMAÇãO COMPILADA, ORGANIzADA E DIVULGADA PELO

GABINETE MéDICO

DA

EPM-CELP


Agosto/Setembro 2009 | PL | 5 registos

ano internacional da astronomia

Astros “invadiram” a EPM-CELP FM

DOCKANEMA também visitou a EPM-CELP

“P

rincesa de África”, “Nubai – o rap negro de Lisboa” e “A Ilha dos Espíritos” são os filmes da programação do 4.º Festival do Filme-Documentário – Dokanema que foram exibidos no Auditório Carlos Paredes da EPM-CELP, nos dias 14, 17 e 18 de Setembro. A iniciativa surgiu na sequência dos acordos de apoio e colaboração entre a EPM-CELP e a organização do Dokanema, que proporcionou a significativo número de alunos do ensino secundário o visionamento de algumas obras integradas no programa daquele certame cinematográfico, que decorreu de 11 a 20 de Setembro em Maputo. Dockanema é um festival anual de cinema independente que também integra na sua program a ç ã o debates e palestras.

No átrio do edifício central os alunos estavam preparados para a “invasão” dos astros

O

s astros “invadiram” a EPM-CELP por ocasião das comemorações do Ano Internacional da Astronomia, em 11 de Setembro, promovidas pelo Departamento das Ciências Exactas e Experimentais. Alunos dos primeiro e segundo ciclos do ensino básico, bem como os do ensino secundário, num total de 10 turmas, receberam a visita do astrónomo Paulo Oliveira, que expli-

cou ao vivo como os astros se movimentam no espaço. Também integrada no Ano Internacional da Astronomia em curso, esteve igualmente patente no átrio principal uma exposição sobre o tema. Por aquele espaço passaram muitos alunos, que ouviram as explicações e viram as demonstrações do astrónomo Paulo Oliveira, em ambiente calmo e descontraído.

RESULTADOS DAS ELEiÇÕES EM PORTUgAL

O

Partido Socialista venceu as eleições legislativas portuguesas, realizadas em 27 de Setembro de 2009, conquistando a maioria relativa na Assembleia da República (AR). Com 36,55 por cento dos votos expressos, o PS garantiu 97 deputados, mantendo o direito de formar governo. A segunda formação política mais votada foi o PPD/PSD, que colocará 81 deputados na AR. A abstenção registou o valor de 40,26 por cento e mais de 99 mil eleitores (1,74 por cento) votaram em branco. »»»»


6 | PL | Agosto/Setembro 2009 registos

visita de estudo

dia mundial da música

Para desvendar a vida, primeiro temos de conhecer a Terra

Cantar e ouvir alegram a alma

ALUNOS DO

10.º A1

Uma visita de estudo Muitas aprendizagens Experiências genuínas

A exposição de instrumentos musicais esteve em permanência no átrio do edifício central

A

ctuações ao vivo de alunos e de um ex-aluno no Pátio das Buganvílias, a meio da manhã, e, pouco antes da hora do almoço, no “Encontro com as Artes”, marcaram o Dia Mundial da Música na EPM-CELP. No átrio central já estava instalada, entretanto, uma exposição de instrumentos musicais. Um dia muito animado. A iniciativa foi do Grupo Disciplinar de Educação Musical que, naturalmente, não deixou escapar a efeméride mundial. A professora Cláudia Costa esteve muito activa na organização dos espaços e, até, na sua animação, pegando na guitarra quando foi necessário. Na exposição, junto aos instrumentos musicais, foram colocados diversos trabalhos alusivos à data realizados pelos alunos. Estes tiveram a oportunidade de manipular os instrumentos e de assistir a demonstrações do seu funcionamento, feitas por alguns professores. Os “artistas” convidados contaram com as presenças, sobretudo, dos mais pequenos do pré-escolar e do primeiro ciclo do ensino básico, que dispensaram alegres aplausos, mas

também de pais e encarregados de educação. No “Encontro com as Artes” assistiu-se às actuações de Maria Salomé, a aluna do 8.º ano que venceu o recente concurso “As Vozes dos Ídolos”, na categoria 12-14 anos, de Jéssica Simoes, que também representou a EPM-CELP naquele programa, e de Pedro Pinto.

FM

a disciplina de Biologia/Geologia, nós, alunos do 10.ºA1, fizemos uma visita de estudo ao Museu Nacional de Geologia, no passado dia 23 de Setembro, acompanhados pela professora Ana Catarina Carvalho. A visita teve o objectivo de conhecermos mais e melhor aquilo que faz parte da nossa vida e do nosso mundo - o que ainda nos era um pouco estranho - integrando-nos, assim, mais na matéria em estudo e naquilo que nos vai acompanhar durante anos e, em alguns casos, durante a vida. Tivemos a oportunidade de observar pedras preciosas, como diamantes, rubis, esmeraldas, topázios, entre outras. Pedras e rochas diferentes, de vários lugares, origens, climas, cores, tamanhos e formas. Pedras com várias características que explicam pedaços do nosso passado. Tudo isto é fundamental se queremos saber: “ De onde vimos e para onde vamos!”.

FM

N

Maria Salomé

Triunfo no “Vozes dos Ídolos”

A

Novos amigos Convívio alargado Amizades renovadas

Conta-nos! patiodaslaranjeiras@epmcelp.edu.mz

Filipe Mabjaia

1 história

aluna Maria Salomé foi uma das vencedoras do programa “Vozes dos Ídolos”, na categoria 12-14 anos. A EPM-CELP esteve representada naquele evento também através de Pietro Cardoso, Jéssica Simões e Ana Oliveira. No Dia Mundial da Música, Maria Salomé retribuiu o apoio dispensado, actuando ao vivo no “Encontro com as Artes”.


Agosto/Setembro 2009 | PL | 7 registos

formação

Histórias cruzam sensibilidades e afectos para uma dinâmica viva e entusiasmante que caracterizou as várias sessões de formação. As aprendizagens possibilitaram, para além da apropriação dos aspectos técnicos, a exploração das histórias como meio de transmissão de valores, o que favorece positivamente a construção da personalidade dos ouvintes. Em todas as sociedades as histórias assumem um papel importante como testemunhos de saberes, bem como de integração social, acompanhando os indivíduos ao longo do seu processo de socialização. Em contexto escolar as histórias também constituem uma das fontes fundamentais de exploração didáctica para a leccionação de várias matérias, tornando-se instrumento atractivo pois, para além de captar a atenção, fomenta o desenvolvimento de aprendizagens em contexto lúdico.

Tânia Silva

Eu Penélope...

P

FuLgêncio samo

FS

EPM-CELP promoveu, em Setembro, a acção de formação “A Arte de Contar Histórias”, dinamizada por Tânia Silva, professora do Departamento de Línguas. Na acção de formação participaram cerca de duas dezenas de professores de várias áreas disciplinares e de diferentes ciclos de ensino. A formação decorreu durante cinco dias, maioritariamente em horário pós-laboral, na Biblioteca Escolar José Craveirinha, passando, posteriormente, a realizar-se no pavilhão polivalente, onde foi possível dinamizar vários exercícios associados à arte de contar histórias. O desenrolar da formação proporcionou momentos de entrosamento de identidades, sensibilidades e afectos, trocas de experiências pedagógicas, tendo como suporte histórias recontadas através de várias práticas e dinâmicas de narração. A participação dos formandos foi activa, contribuindo

FS

A

Exercícios motores de mobilização articular e muscular favorecem a expressividade do narrador

orque conto? Vem de longe, de quando eu era pequena e via que das mãos da minha mãe saiam camisolas, toalhas, carapins e ao mesmo tempo da boca saíam-lhe histórias... Isso é tricontar, um ritual outrora reservado às mulheres e quase a perder-se. Hoje há três grandes forças na minha vida: as linhas, lãs e linhos; as histórias e muito carinho pelas nossas raízes. Textum quer dizer tecido: e eu Ariadne, eu Aracne, eu Penélope, eu uma das três Parcas. Conto porque vou tecendo a minha história, a história do meu povo, bordadas com as palavras e os afectos. Auto-retrato

A ERA DA ESTUPiDEZ | EPM-CELP associou-se ao alerta mundial

direitos reservados

O

filme “A Era da Estupidez”, exibido no Auditório Carlos Paredes em 23 e 24 de Setembro, é uma produção independente que chama a atenção para o aquecimento global do planeta. “A Era da Estupidez” narra a sobrevivência de um homem, em 2055, num mundo devastado pelas decisões dos dirigentes políticos. Pete Postlethwaite é o intérprete isolado que, perante a desértica realidade, dialoga com o espectador sobre as razões porque ele nada fizera em 2008 para evitar a catástrofe. A projecção do filme, viabilizada pela Justiça Ambiental, esteve integrada na jornada mundial “The Global Climate Wake Up Call”, realizada em 21 de Setembro em mais de duas mil localidades do Mundo.


8 | PL | Agosto/Setembro 2009

O caminho faz-se caminhando A­significativa­produção­editorial da­EPM-CELP­assume­grandes responsabilidades­na­dinamização­da­cooperação­cultural­entre Portugal­e­Moçambique­e­na difusão­da­língua­e­cultura­portuguesas.­Teresa­Noronha,­que­tem sido­a­coordenadora­das­iniciativas­editoriais,­relata­a­sua­experiência­em­entrevista­ao­PL. entrevista conduzida por

fUlgÊncio samo

conta-nos o teu percurso nas publicações da ePm-ceLP. Quando vim para esta instituição vi que já existia, a nível embrionário, uma actividade editorial. Eu tinha tido uma experiência importante, nos anos imediatamente anteriores, de trabalho editorial, onde fazia um pouco de tudo, desde o contacto com os autores, a traduções e revisões de texto, contacto com gráficas e tipografias, distribuidoras, etc. Sempre gostei da literatura e dos livros. Os livros em que trabalho são quase como filhos, cada um com a sua história de gestação e o seu parto mais ou menos difícil. Depois os livros seguem o seu percurso, independente de nós. Teria gostado de continuar a editar imediatamente, mas não foi assim. Passei por um período “probatório” na Biblioteca, com incursões no jornal da Escola, no qual, daquilo que escrevi, o que mais gosto me deu foi a rubrica “As Escolhas da Biblioteca”, pois escrevia sobre livros que mereciam a minha referência. A viragem deu-se no dia em que me lançaram o desafio de fazer uma publicação a partir de trabalhos dos alunos, a que chamámos “Tempos da Minha Escola”. O material era escasso e foi necessário um mês para compilar e estruturar o livro, ao mesmo tempo que o Luís Cardoso, o desenhador gráfico que tem tido um papel fundamental nesta aventura editorial, ia fazendo o layout e paginando os textos. A partir daqui os dados esta-

TERESA NORONHA nasceu em Maputo em 19 de Fevereiro de 1965. Licenciou-se em Agronomia, em 1986, pela UeM (Maputo) e especializou-se em desenvolvimento Rural em França, onde permaneceu três anos. Viveu, depois, em Portugal (Lisboa, Açores e Almada), trabalhando como professora de Matemática e de ciências, tradutora e editora literária. Pós-graduouse em Antropologia no IScte (Lisboa). em 2005 voltou para Moçambique e integrou a ePM-ceLP em 2006, trabalhando, primeiramente, na Biblioteca escolar José craveirinha e transitando, posteriormente, para o sector de publicações do centro de Formação e difusão da Língua Portuguesa. É também professora de Francês. É casada e mãe de três filhos.

vam lançados e surgiu um plano ambicioso, mas possível de concretizar. em que medida a tua experiência neste trabalho contribuiu para a reconfiguração do teu perfil profissional na ePm-ceLP? Esta instituição tem revelado abertura, inteligência e plasticidade para maximizar as potencialidades dos seus membros. No meu caso, sei que

da para um público alargado, no caso concreto da EPM-CELP orientada para a intervenção cultural junto da comunidade em que se insere. é um país carente de oferta cultural em geral e de livros em particular e que teve uma história recente de um mercado fechado ao exterior, limitando, consideravel-mente, a sua produção editorial. as publicações constituem um complemento pedagógico para as actividades lectivas? é um trabalho que tem que começar a ser feito. é essencial uma divulgação interna das nossas publicações, com vista a um aproveitamento máximo das suas potencialidades. Por outro lado, é importante que os alunos comecem a constituir fonte de matéria-prima para as publicações. Temos de começar a promover concursos literários, de pintura, de fotografia, etc.

­“É­importante que­os­alunos comecem­a constituir fonte­de matéria-prima para­as­publicações.”

é nesta área que posso dar o meu melhor e agradeço a confiança que a Direcção tem depositado no meu trabalho, dando-me espaço para desenvolver o projecto com bastante autonomia. achas que, por natureza, a instituição escolar é incompatível com uma actividade editorial virada para a comunidade? ou, pelo contrário, uma escola pode tornar--se uma editora com intervenção significativa no mercado editorial? Não há qualquer incompatibilidade, muito pelo contrário, acho pertinente e necessária a actividade editorial vira-

Que obras ou autores gostarias de editar e publicar? Para já a aposta é na literatura contemporânea, privilegiando os autores de língua portuguesa. No entanto, a abertura é grande e, por isso, poderemos editar outras obras literárias, entrevistas, ensaios ou compilações


Agosto/Setembro 2009 | PL | 9 entrevista

de contos. A única condição é não prescindirmos da qualidade na escrita e no grafismo. Qual seria o ponto mais alto do trabalho editorial a desenvolver na ePm-ceLP? Estamos ainda no início de uma longa caminhada. No horizonte vejo-nos como uma “editora”, com um espaço próprio no mercado e auto-sustentada. Mas ainda não chegámos lá. como avalias a interacção entre a ePm-ceLP e os parceiros que colaboram com a instituição? A EPM-CELP tem manifestado grande abertura às parcerias, tanto com instituições moçambicanas, como foi, por exemplo, o caso do Departamento de Museus do Ministério da Cultura, com quem trabalhámos no livro “Percursos e Olhares”, como com instituições de outros países, como a Fundació Contes pel Món na edição de uma colecção de contos recriados. As parcerias, que exigem sempre um trabalho de conciliação de interesses, quando bem orientadas têm grandes vantagens, pois tornam o produto mais rico, fazendo incidir sobre ele múltiplos olhares e perspectivas. Outro parceiro recente é a distribuidora que começou, este ano, a colocar os nossos livros no mercado local. Estamos

Animação nos lançamentos editoriais da EPM-CELP

António Cabrita e a Colecção Acácia

também a estudar o estabelecimento de uma parceria com a Ngira/Caminho para a colocação dos nossos livros no mercado português. Que relação há com o instituto camões, que difunde a cultura portuguesa em moçambique? Da nossa parte há todo o interesse, disponibilidade e abertura para a realização de um trabalho conjunto. é necessário, no entanto, criar no terreno plataformas de trabalho comum para que a vontade se materialize em obras. Que apreciação fazes do cenário artístico e cultural moçambicano? é um meio com muita dinâmica. No entanto, há duas condições que são necessárias para o seu maior desenvolvimento: começar a olhar para a cultura como um fenómeno global, saindo do umbigo nacionalista, e par-

Principais publicações da EPM-CELP A Colecção Acácias dedica-se à publicação de autores contemporâneos de língua portuguesa. cada caixa contém quatro livrinhos de autores diferentes, agrupados por géneros literários. cada número inclui pelo menos uma obra de um autor moçambicano.

Percursos e Olhares é um livro sobre as artes plásticas em Moçambique. Através dele pretende-se divulgar as obras dos artistas, explorando a forma como se expressam, bem como fornecer pistas de observação dos seus trabalhos.

Palavras de Abril é uma antologia de poesia de resistência, do período anterior ao 25 de Abril, tanto de escritores portugueses como das então colónias de Portugual. Abarcando um vasto leque de autores, pode ser útil para as aulas de Língua Portuguesa.

Aprender Juntos é uma revista que agrega as comunicações apresentadas nos simpósios de língua portuguesa da ePM-ceLP, em cujas actas se publicam estudos portugueses e moçambicanos sobre temas ligados à cultura e à educação.

Tempos da Minha Escola é uma antologia que compila trabalhos dos alunos e testemunhos de membros da comunidade educativa sobre as suas vivências nesta escola.

Colecção de Contos Tradicionais Moçambicanos, recriados por escritores e artistas plásticos nacionais. este projecto, em parceria com a Fundació contes pel Món, tem o objectivo de fomentar a leitura junto dos alunos das escolas moçambicanas.

Malangatana - presença habitual na EPM-CELP

tir à descoberta do que de melhor se faz neste mundo, interiorizando que a perfeição só se conquista através de um trabalho árduo. é, por isso, necessário humildade para perceber que o caminho faz-se caminhando e que a vaidade joga sempre contra o artista. das personalidades com quem interagiste, qual a que destacas? Um artista é, antes de mais, um ser humano. Os que têm maior valor são os mais simples no trato. Neste aspecto saliento, por exemplo, o Malangatana e o Herberto Hélder, dois colossos no mundo da cultura, que são de uma simplicidade extrema e criam da mesma forma que respiram. Neles não há qualquer dualidade, estão inteiros naquilo que fazem e isso reflecte-se na qualidade do seu trabalho.

Fazedores de livros

Teresa Noronha coordena a edição dos conteúdos e Luís Cardoso edita o grafismo dos livros publicados pela EPM-CELP.


10 | PL | Agosto/Setembro 2009 em foco

A força mágica do recomeço Foi bastante significativa a presença dos encarregados de educação no primeiro dia de aulas 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e ensino secundário

Pré-escolar e 1.º ciclo não é um mundo à parte, mas é, seguramente, mais encantado o vivido pelos alunos do pré-escolar e do primeiro ciclo do ensino básico. no primeiro dia de aulas eles foram recebidos ao ar livre, nos pátios, onde misturaram alegrias e

Alunos, famílias, professores e funcionários assistem à sessão de boas-vindas no “gimnodesportivo”

A

s presenças e intervenções da directora, Dina Mira, e da subdirectora, Alice Feliciano, da EPM-CELP e a exibição de um vídeo informativo marcaram as sessões de boas-vindas aos alunos e respectivos encarregados de educação dos segundo e terceiro ciclos do ensino básico e do ensino secundário, realizadas no pavilhão gimnodesportivo. O trabalho do novo ano não tardou e, de seguida, os directores de turma reuniram com os respectivos alunos, não só para conhecimento mútuo como também para delinear e acordar actividades, regras e procedimentos, conforme as especificidades próprias de cada ano de escolaridade.

Alunas do “secundário” e os novos desafios

O prazer de reencontrar os amigos

Os primeiros acordos na sala de aula

medos, risos e choros, mas sempre com o brilho nos olhos pelas primeiras descobertas escolares ou as renovadas brincadeiras e aprendizagens.

Adeus férias, A

cabaram as férias prolongadas e no dia 2 de Setembro muitas crianças regressaram à Escola. Algumas vinham pela primeira vez e, portanto, era completa novidade o começo das aulas. No primeiro dia de escola, o grupo de educadores do Pré-Escolar organizou a recepção dos alunos e dos respectivos encarregados de edu-


Agosto/Setembro 2009 | PL | 11 em foco

2 0 0 9 / 2 0 1 0 ESCOLA PORTUGUESA DE MOÇAMBIQUE - CENTRO DE ENSINO E LÍNGUA PORTUGUESA “Primeiras reacções”

olá Escola! cação, que ficaram a conhecer a turma e o educador responsável pelo seu educando. Como presente de boasvindas foram oferecidos crachás alusivos aos temas dos projectos de cada uma das turmas. Como era especial o primeiro dia de escola, os encarregados de educação puderam acompanhar os seus educandos ate às salas de actividades.

Para algumas crianças foi fundamental a presença dos pais, que as fizeram sentir mais seguras e confiantes. As crianças participaram com grande interesse nas diversas actividades, revelando ainda maior entusiasmo no Auditório Carlos Paredes, quando foi apresentada a história “Não faz mal ser diferente”. Grupo do Pré-Escolar

O meu 1.º dia de escola na companhia dos pavões

MAIS elementos noticiosos e de reportagem sobre o primeiro dia de aulas, como depoimentos de alunos e fotografias, poderão ser consultados em www.epmcelp.edu.mz o sítio oficial da ePM-ceLP na Internet


12 | PL | Agosto/Setembro 2009

novas estruturas de orientação educativa têm um ano

Reorganização lança novos desafios Por força da sua integração plena no sistema educativo português, a ePm-ceLP atravessa um período de reorganização curricular e pedagógica, encetado no início do ano lectivo anterior. a principal mudança formal consiste em desfocar as disciplinas - de matemática, de Português, de ciências... - como unidades básicas e nucleares de organização e integrá-las em grandes áreas disciplinares e departamentos curriculares, animados por uma dinâmica assente na gestão e articulação curriculares, no trabalho colaborativo entre os professores e na supervisão pedagógica. é um dos maiores desafios da escola portuguesa e, por conseguinte, também da ePm-ceLP. por antónio faria lopes

P

alavras como projecto, articulação, integração, inovação e coordenação curriculares, por exemplo, bem como áreas disciplinares ou áreas disciplinares não curriculares, autonomia, supervisão e orientação educativas nunca marcaram tanto o discurso educativo como na actualidade. Desenha-se um novo paradigma da educação, desvendável com mais ou menos clareza nas vozes dos principais protagonistas ou nos textos dos novos diplomas legais. O movimento vem de fora para dentro da Escola que, por força de novas leis inspiradas em renovadas teorias e práticas curriculares, é obrigada formalmente a assumir um novo modelo organizativo. Abandona-se a visão disciplinar, ou por disciplina, que marcou a organização escolar durante décadas a fio, e ganha expressão uma nova ordem curricular, que impõe novos modelos organizacionais. O modelo já fora ensaiado na EPM-CELP no início desta década, mas não surtiu o efeito então desejado, abandonando-se a experiência. Ressurge, agora, em assumida época de afirmação das virtualidades formais do currículo e dos projectos curriculares.

O estatuto e o contexto específicos da EPM-CELP, bem como a sua ainda recente integração plena no quadro alargado do sistema educativo português - foi formalmente dotado de um Conselho Pedagógico, embora este órgão já existisse anteriormente -, marcam um ritmo próprio a estas inovações curriculares e organizativas. A hora chegou no início de 2008/2009, quando o Conselho Pedagógico e a Direcção decidiram adoptar uma nova organização curricular e pedagógica: quebrou-se a hegemonia dos velhos grupos disciplinares e criaram-se amplos departamentos curriculares nos segundos e terceiro ciclos do ensino básico e no ensino secundário. é uma nova forma de organizar a Escola e sistematizar o conhecimento, inovando ambos. Após um ano de experiência, o PL fez um convite à auto-reflexão dos professores que, no ano lectivo anterior, assumiram funções de coordenação dos novos departamentos, bem como à subdirectora da EPM-CELP com responsabilidades na área pedagógica. O registo dos relatos dos seus esforços pioneiros constituem contributos significativos para a constante definição da orientação a seguir.

Quadro de organização curricular adoptado em 2008/2009 departamento de Línguas Português Francês Inglês

dep. ciências expedep. ciências rimentais e exactas sociais e Humanas Ciências Naturais Matemática Física-Química

História Geog/Econom/Sociol Filosofia e Psicologia

departartamento de expressões Ed. Visual e Tecnológica Educação Física Educação Musical

DEPOiMENTOS LÚCIA THOMAZ Departamento de Línguas

A

“coisa nova” exige adaptação e um modo de estar diferente. Habituados a trabalhar em pequenos grupos disciplinares, os professores devem, agora, construir uma filosofia de departamento consentânea com as suas expectativas e necessidades. No ano lectivo 2008/09 o Departamento de Línguas determinou como um dos seus grandes objectivos a reflexão sobre a avaliação dos alunos de forma a, por um lado, reformular os critérios em vigor e, por outro, tentar uniformizar critérios e procedimentos. Outro objectivo foi o desenvolvimento de actividades que implicassem os três grupos disciplinares, salientando-se a organização do Peddy Paper das Línguas que muito contribuiu para a dinâmica do Departamento. Foi um ano de adaptação em que as principais dificuldades prenderam-se com a definição clara dos papéis do coordenador de Departamento e dos representantes dos grupos disciplinares e com a gestão da informação resultante das várias reuniões promovidas por cada grupo disciplinar.


Agosto/Setembro 2009 | PL | 13 reflexão

maria alice feliciano subdirectora da epm-celp

Reorganização curricular da EPM-CELP obedece aos requisitos legais

É urgente reorganizar os canais de comunicação

A

Coordenadores de departamento em 2008/2009 relatam individualmente a experiência pioneira NUNO DOMINGUES Dep. de Ciências Sociais e Humanas

A

experiência como coordenador de Departamento, no primeiro ano de existência deste órgão, foi trabalhosa, atendendo a que nada estava feito e, também, à dúvida sobre o que, efectivamente, se pretendia do mesmo. Produzidos os documentos orientadores, com a consequente estabilização administrativa do processo, julgo necessário, agora, trabalhar a vertente científico-pedagógica e apostar numa maior dinâmica entre o coordenador e os representantes disciplinares. ANA BESTEIRO Dep. Ciências Experimentais e Exactas

T

rabalhar em parceria e de uma forma reflexiva” para uniformizar procedimentos foi objectivo da filosofia de trabalho em Departamento. O ano lectivo de 2008/2009 foi um ano de adaptação, a esta nova forma de organização ao nível das áreas disciplinares.

No entanto ainda há um longo caminho a percorrer para organizar e gerir o trabalho entre departamentos e áreas disciplinares, pois só assim esta nova organização contribuirá para a melhoria das práticas nas diferentes áreas disciplinares que constituem o Departamento. ADILENE SAMO GUDO Departamento de Expressões

O

modelo exige de todos os professores disponibilidade para a mudança. Enquanto não houver uma vontade mais global, o caminho vai ser muito difícil. O sistema pretende melhorar as práticas e procedimentos de modo a integrar mais adequadamente as aprendizagens dos alunos, através de uma coordenação mais eficaz entre os professores das áreas disciplinares. Carece, no entanto, de mais espaços físicos e, sobretudo, de maior compatibilidade entre os horários dos professores para permitir a interacção necessária. Este modo de funcionamento é muito trabalhoso. O cargo de coordenador é muito pesado e demasiado exigente para quem, simultaneamente, tem de ministrar aulas. É necessário conceder mais tempo ao coordenador.

entrada em vigor da legislação orientadora da construção de um novo modelo de gestão e articulação curriculares, assente na criação de departamentos representativos dos agrupamentos de disciplinas, levou à redução do número de elementos no Conselho Pedagógico. Reorganizou-se a Escola internamente nesse sentido, deram-se indicações para que os coordenadores de departamento fossem eleitos pelos seus pares, bem como os representantes de disciplina, de acordo com as normas legislativas. Acreditou-se que, com menos elementos no Conselho Pedagógico, os debates poderiam ser mais aprofundados e a tomada de decisões mais célere. Refira-se que esta decisão não teve o melhor acolhimento por parte de alguns professores. Colocaram-se interrogações e manifestou-se apreensão quanto à real eficiência do modelo. Decorrido um ano, na avaliação que cumpre fazer, constata-se que há necessidade de tomar medidas que permitam melhorar a eficácia deste novo modelo de funcionamento. Também é urgente reorganizar canais e processos de comunicação, clarificar competências e objectivos e, finalmente, estabelecer regras para optimizar o tempo. Acreditamos que, com o querer e a empenhada colaboração de todos os intervenientes, limaremos as necessárias arestas e colocaremos o Conselho Pedagógico, coração da componente Escola Integrada, a funcionar de forma a responder cabalmente às naturais exigências da EPM-CELP.


14 | PL | Agosto/Setembro 2009 cooperação

Mais de 120 professores moçambicanos iniciaram novo ciclo de formação M

de encerramento, foram unânimes em considerar que as Jornadas de Formação constituíram uma mais valia não só para as escolas moçambicanas, mas também para a nossa Escola, que tem muito a aprender no contacto com a realidade do país de acolhimento. A formação visou o reforço de competências metodológicas daqueles professores no ensino, sobretudo, da Leitura e Escrita no Ensino Primário e da Matemática, incluindo, igualmente, módulos dedicados à Educação Musical, Educação Física e Educação Visual e Ofícios. Dos cerca de 200 formandos previamente inscritos, por indicação da Direcção da Educação e Cultura da Cidade de Maputo, concluíram a acção de formação, aproximadamente, 120 professores, provenientes

das escolas primárias completas do zimpeto, Munhuana, 12 de Ou-tubro, Unidade 24 e Casa da Educação da Munhuana. As Jornadas de Formação inserem-se no projecto que norteia a intervenção da EPM-CELP na cooperação com as instituições moçambicanas, especificamente no domínio da educação.

As Jornadas de Formação têm registado elevados índices de participação dos professores locais

FM

FM

ais de 120 professores concluíram a 14.ª edição das Jornadas de Formação para Professores do Sistema de Ensino Moçambicano, que o Centro de Formação e de Difusão da Língua Portuguesa da EPM-CELP promoveu, nos dias 5, 12 e 19 de Setembro. Na sessão de encerramento, realizada no Auditório Carlos Paredes, os formandos receberam os comprovativos da frequência correspondente ao módulo de 25 das 100 horas previstas no plano de formação acordado com a Direcção da Educação e Cultura da Cidade de Maputo. Os representantes da Embaixada de Portugal em Moçambique, João Corte Real, da Direcção da Educação e Cultura da Cidade de Maputo, Avelino Mutimba, e da EPM-CELP, Piedade Pereira, intervenientes na cerimónia

FM

FM

FM

Aprender fazendo | Manipulação, experimentação e colaboração entre pares marcaram as sessões de formação


Agosto/Setembro 2009 | PL | 15 epm-celp

(NORTE)

Novo edifício, mais funcionalidade E

cluídos até final do ano. Espera-se, portanto, que o novo espaço esteja disponível para utilização a partir de Janeiro de 2010. Está, assim, na recta final um longo processo relacionado com a construção do novo edifício, iniciado no final de 2007. Sofreu alguns atrasos

stá em fase de conclusão a construção de um novo edifício no campus da Escola Portuguesa de Moçambique – Centro de Ensino e Língua Portuguesa, destinado às actividades do Pré-Escolar. O edifício, em forma de L, num único piso, localiza-se no cento Oeste do espaço escolar e é constituído por oito salas de actividades, dois blocos de casas de banho, duas pequenas salas, uma de reuniões e outra para as instalações informáticas. A comunicação entre os espaços far-se-á através de um corredor exterior, coberto, de dois metros de largura. A área total do edifício é de aproximadamente 700 metros quadrados. Este edifício foi implantado na área anteriormente utilizada como parque infantil do primeiro ciclo. Na medida em que não foi possível a integração do parrot existente na nova construção, procedeu-se à sua demolição, aproveitando-se os materiais para as novas “construções de exterior” previstas para o espaço envolvente: uma pérgola em madeira e um alpendre semelhante ao do Pátio das Laranjeiras, que constituirá uma área exterior coberta para actividades ao ar livre. Serão, ainda, reinstalados e reaplicados os equipamentos de recreio anteriormente existentes bem como o pavimento de borracha.

devido à necessidade de autorização quanto ao local da sua implantação (inicialmente estava previsto outro), à obtenção dos documentos necessários junto das autoridades competentes e, ainda, à aprovação do projecto.

“Radiografia” da edificação

utilização a partir de janeiro de 2010

FM

O arranque da construção aconteceu a 21 de Julho do corrente ano, prevendo-se a sua conclusão em 21 de Outubro de 2009, seguindo-se os arranjos exteriores que estarão con-

judite santos


16 | PL | Agosto/Setembro 2009 comUnicação

www.epmcelp.edu.mz 1.º ANIVERSÁRIO

no primeiro ano de existência, o novo sítio oficial da ePm-ceLP na internet recebeu quase 100 mil visitas.

O

actual sítio oficial da EPM-CELP na Internet completou um ano de vida no mês de Setembro de 2009. Neste lapso de tempo acolheu, aproximadamente, 98 mil visitas, a que correspondeu uma média mensal superior a oito mil e diária de cerca de 260 “espreitadelas”. Uma prenda generosa que agradecemos e orgulha toda a comunidade educativa. Num mundo em permanentes e rápidas mudanças, a EPM-CELP, em 2008, sentiu necessidade de inovar para responder aos desafios e necessidades que a própria comunidade educativa ia colocando. A renovada percepção da sua amplitude, unidade, coesão e dinâmica sociais exigiam novos canais de comunicação, menos intermitentes e mais interactivos que só a tecnologia www, em constante evolução, pode oferecer. Os ciclos de inovação são cada vez mais curtos, não por vulgar modismo mas porque acelerou o ritmo das mudanças da realidade, exigindo novas respostas no modo de comunicar informações significativas e na descoberta de outras que podem trazer novos significados ao acto educativo e à vida escolar. Por isso, o sítio oficial da EPM-CELP inovou e está preparado para o fazer de novo – aliás, procura fazê-lo diariamente, introduzindo novos elementos e reformulando os existentes –, inspirado nos efeitos benéficos e vantajosos da interacção entre todos os membros da nossa comunidade educativa para a melhoria do acto pedagógico e do correspondente processo de formação cultural dos nossos alunos. opção por tecnologia ecológica A plataforma básica de comunicação que suporta o sítio oficial da EPM-CELP está disponível gratuitamente na Internet. é bastante flexível na oferta de recursos comunicacionais e na sua manipulação, estando em permanente evolução devido aos contributos permanentes de dadores de

A “cara nova” do sítio oficial da EPM-CELP na Internet tem mais conteúdos e interacção

todo o Mundo. Não é do tipo fast-food, mas é uma plataforma que, para além de conferir liberdade de criação, não conhece, para já, limites imediatos à sua própria evolução. A medida inovadora assumida há um ano reflecte também uma opção por uma tecnologia informativa ecológica, afastada dos padrões consumistas mais desenfreados, associados a soluções técnicas da última moda, muitas vezes efémeras e superficiais. O técnico Manuel Jacinto, do sector de Sistemas Informáticos e Redes do Centro de Recursos Educativos, e o professor Alexandre Areias, então também integrado no mesmo sector, foram os responsáveis pela reformulação do sítio oficial da EPM-CELP na Internet. A actual equipa de gestão editorial e técnica do sítio da EPM-CELP, que, para além dos elementos referidos, passou a contar também com o professor António Faria Lopes, promete continuar a melhorar a sua forma e conteúdos, de modo a constituir-se em verdadeiro companheiro nas viagens da informação e da educação.

De 2003 a 2008

O primeiro sítio oficial da EPMCELP na Internet nasceu em 2003 e foi construído por uma empresa prestadora de serviços na área da informática. A solução satisfez as necessidades iniciais, mas ao longo do tempo revelou-se inadequada, apesar das alterações introduzidas.


Agosto/Setembro 2009 | PL | 17

“psicologando”

Ano novo, vida nova (re) começar um ano escolar, apesar de rotineiro, tem sempre muito que se lhe diga. nem que seja reorganizar a rotina. o início das aulas é um acontecimento que envolve reajustes na vida familiar. Há necessidade de redefinir horários, tarefas e regras, bem como pensar no convívio em família. os pais deverão repensar as 24 horas do dia e seleccionar os momentos para dedicar atenção aos filhos. desde o pré-escolar até ao ensino secundário, os filhos-estudantes precisam, indiscutivelmente, do apoio daqueles que os amam e têm prazer em cuidar deles: os pais! alexandra mello *

Reestruturação de horários

é

tempo de fixar a hora dos filhos irem para a cama, respeitando as horas de sono. Este período, fundamental para um crescimento saudável, varia entre as 12 horas de sono para as crianças de três anos (inclui uma hora e meia de sono à tarde até aos quatro anos) e mais ou menos oito para os alunos a partir dos 17 anos. Ainda um lembrete para a importância de respeitar os horários das refeições, que deverão ser regulares (cinco por dia), para além de ser também importante contar com a presença de toda a família à mesa nas principais refeições. São momentos ideais para pôr a conversa em dia!

Organização do espaço e tempo

E

studar é uma tarefa que pode ser transformada num momento agradável, se dermos uma ajudinha aos nossos fihos: proporcionar-lhes um espaço arrumado (mesa de trabalho apenas com o material essencial), iluminado e silencioso (longe da TV, computadores, telemóveis…) vai permitir-lhes realizar melhor os TPCs,

que deverão ser percebidos como um contributo para aprender com prazer. Quanto aos materiais, a mochila deverá ser preparada de véspera, para se certificar de que não lhe falta nada. Ajude o seu filho a definir prioridades. Brincar é fundamental, mas deverá vir depois do cumprimento do estudo. Primeiro a obrigação, depois a diversão!

Os pais na escola

E

scola sem pais é como um mar sem peixes! A presença dos pais é fundamental para o acompanhamento do percurso escolar dos filhos. Dispensando atenção às suas actividades escolares, demonstram interesse pela sua vida, o que para os filhos é vital! Os pais poderão participar, associados aos professores, na equipa cuja tarefa é ensinar/educar. A caderneta é um meio de comunicação casa/escola, que deverá fazer parte do “assunto do dia” e não ser vista como elemento de castigo (não esqueçam que a caderneta também deve ser usada para elogiar!). Todos os professores têm um horário de atendimento semanal, que os pais poderão usar sempre que pretendam informar-se sobre o andamento do percurso escolar dos seus filhos. O início do ano lectivo é um momento de construção!

LEITURA RECOMENDADA

“Educando Com Sucesso” ajuda na tarefa de educar

O

s momentos mais difíceis que pais e professores encontram no relacionamento com as crianças e adolescentes prendem-se, frequentemente, com o cumprimento ou não de regras fundamentais de conduta adequadas a um maior sucesso pessoal. “Educando com Sucesso” é um livro de Nancy Van Pelt que apresenta aos pais um programa de educação dos filhos. Faz uma proposta de exercícios que se distribuem por 13 capítulos adaptados a oito semanas de aplicação. O autor centra-se na orientação sobre o Respeito, a Comunicação, as Regras e Disciplina, a Formação do Carácter, Como Manter as Relações entre Pais e Filhos, Harmonia entre Irmãos, a Prevenção das Drogas, a Alimentação e a Educação Sexual Positiva, entre outros temas. A tarefa proposta tornar-se-á mais interessante se, previamente, o programa for discutido colectivamente entre os pais. O livro está disponível na Biblioteca Escolar José Craveirinha. * Psicóloga dos Serviços de Psicologia e Orientação Escolar


18 | PL | Agosto/Setembro 2009 actividades

Oferta de actividades educativas 09/10 A

oferta educativa da EPM-CELP para o ano lectivo de 2009/2010 vai, mais uma vez, para além das disciplinas curriculares de frequência obrigatória. As actividades de complemento curricular e extra-curriculares oferecem aos alunos interessados espaços e momentos de aprendizagens integradas, promovendo também um estilo de vida saudável.

Actividades de Complemento Curricular actiVidade

Horário

ProFessor-resPonsáVeL

Classe de Conjunto de sopros

Quarta-Feira: 16:00-18:00 Quinta-Feira: 16:00-18:00

Agostinho Seifane

Tuna

A definir consoante as inscrições

Cláudia Costa

Coro

4º Feira: 15:30-17:00

Leandra Reis

Dança Judo

3º 6º 3º 5º 2º 5º

Laboratório de Matemática

3º Feira: 14:45-15:30

Maria Antónia Pereira

Xadrez

A definir consoante as inscrições

Federação Moçambicana de Xadrez

Clube de Jornalismo

De acordo com a disponibilidade dos alunos. Trabalho individualizado.

António Faria Lopes

Expressão Dramática

Feira: Feira: Feira: Feira: Feira: Feira:

14:40-15:25 14:40-15:25 14:00-15:30 14:00-15:30 15:45-16:30 / 16:30-17:20 15:45-16:30 / 16:30-17:20

Kim Salip Maria Atália Sérgio zibane

Actividades Extracurriculares actiVidade

Horário

ProFessor-resPonsáVeL

Flauta Transversal

A definir consoante as inscrições

Cláudia Costa

Guitarra

Tempos de 45min semanais por aluno

Amável Pinto

Natação

3º Feira: 15:45-16:30 / 16:30-17:20 5º Feira: 14:40-15:25 / 15:25-16:10

Margarida Abrantes / Anabela Ferreira

Oficina de Artes Plásticas

A definir consoante as inscrições

Gupo disciplinar de EVT

Piano

Tempos de 45 min semanais por aluno

Assumane Saide

Violino

Tempos de 45 min semanais por aluno

Luís Santana

Desporto Escolar actiVidade

Horário

Basquetebol Ginástica (1º ciclo)

3º Feira: 14:00

Margarida Abrantes

Futebol

De acordo com o escalão etário

João Figueiredo / Anabela Ferreira Ricardo Fernándes / Sérgio zibane

Voleibol

A definir com o professor

Orlando Pateguana

Atletismo

Feira: Feira: Feira: Feira:

17:20 16:35 16:35 13:55

ProFessor-resPonsáVeL

3º 5º 5º 6º

Anabela Ferreira Luís Gonçalves

Os alunos interessados nas actividades deverão contactar os professores responsáveis. PáTIO DAS LARANjEIRAS | Revista mensal da ePM-ceLP | Ano VIII - N.º 66 | edição Agosto/Setembro 2009 Directora dina trigo de Mira | Editor António Faria Lopes | Editor-Executivo Fulgêncio Samo | Redacção António Faria Lopes, teresa Noronha e Fulgêncio Samo | Colaboradores redactoriais nesta edição estela Pinheiro, Alexandra Melo, Patrícia Silva, Grupo do Pré-escolar e Grupo disciplinar de História | Grafismo e Pré-Impressão António Faria Lopes e Fulgêncio Samo | Fotografia Filipe Mabjaia, Firmino Mahumane e Ilton Ngoca | Revisão teresa Noronha e Graça Pinto | Impressão e Produção centro de Formação e difusão da Língua Portuguesa/centro de Recursos educativos da ePM-ceLP | Distribuição Fulgêncio Samo (coordenador) PROPRIEDADE escola Portuguesa de Moçambique - centro de ensino e Língua Portuguesa, Av.ª do Palmar, 562 - caixa Postal 2940 - Maputo - Moçambique. telefone + 258 21 481 300 - Fax +258 21 481 343. Sítio oficial na Internet: www.epmcelp.edu.mz - endereço electrónico: patiodaslaranjeiras@epmcelp.edu.mz


Agosto/Setembro 2009 | PL | 19 texto

p a l av r a edIção

empurra

p a l av r a

...porque há sempre lugar para mais uma palavra!

teresa Noronha

LIteRAtURA A Solidão dos Números Primos de Paolo Giordano Bertrand Editora “Solidão dos Números Primos” é um livro de Paolo Giordano, um escritor apenas com 27 anos. Este livro, que me enfeitiçou durante um fim-de-semana, é uma narrativa forte, dramática que conta as história trágicas, comoventes e surpreendentes de Alice e Mathia ...e não digo mais. O livro não existe na Biblioteca Escolar José Craveirinha, mas podem requisitá-lo na “Biblioteca Estela Pinheiro”.

A

Piedade Pereira professora

A Lua de Joana de Maria Teresa Gonzalez Editorial Verbo Lua de Joana” é um livro baseado

“Ana história de uma miúda de 14

anos (a Joana) que escreve cartas à amiga que morreu de overdose. Ela escreve para tentar entender os motivos que levaram a amiga a seguir o caminho da toxicodependência e, também, para se entender a si própria, que acabou por seguir o mesmo caminho. Ao longo do livro a Joana enfrenta vários problemas que a levam à toxicodependência, mais precisamente o mau relacionamento com os pais e a falta de comunicação entre eles. Joana, ao seguir este caminho, isola-se dos

amigos. Ela acredita que estes a abandonaram e que não conseguem perdoá-la, pois ela própria quando viu a amiga na mesma situação, não a percebeu nem a perdoou. Vemos como Joana foi perdendo a confiança nela própria e no mundo em geral, incluindo o psicólogo que a trata. Vemos ainda como ela perdeu a esperança de sair da situação em que se encontrava. Acaba por morrer pelo mesmo motivo que a amiga. Não foi a tempo de resolver os seus problemas, dos quais tanto tentou fugir, escolhendo o caminho mais fácil: o da droga. Ana Cabrita

8.º A – N.º 2

Diário de Adrian Mole aos 13 anos e ¾ de Sue Towsend Edições Difel

A

drian Mole é um adolescente em frenesim com os famosos problemas da adolescência. Estes são tantos que decide escrever um diário, contando a sua relação com a família, a sua paixão por Pandora, com quem irá namorar, os seus problemas na escola e até o despertar da sua intelectualidade. Também fala das suas desgraças, dúvidas e de ninguém aceitar publicar os seus poemas. Ao longo do diário, Adrian também refere os acontecimentos históricos dos anos de 1981 e 1982, durante os quais escreveu o diário. O livro é hilariante e sério ao mesmo tempo. Quem o ler vai adorar, eu acheio fantástico. A leitura deste livro ajudame a evitar os erros que o Adrian cometeu durante a sua adolescência. Se gostarem deste livro, então tam-

bém podem ler os outros da mesma colecção, que são igualmente fantásticos e bastante hilariantes.

Pedro Oliveira

7.º C – N.º 14

As Velas Ardem até ao Fim de Sándor Márai Editorial D. Quixote

D

urante quarenta anos Henriki espera pelo dia em que se encontrará face a face com um amigo de outrora. O diálogo entre os dois bem poderia acontecer integralmente na cabeça de Henriki, já que o amigo (Konrad) pouco se pronuncia. Assistimos ao desenrolar de uma amizade com alicerces aparentemente sólidos entre dois jovens destinados à carreira militar, por motivos diversos, sendo um aristocrata e outro de origem humilde. Esboçam-se dois percursos diferentes e antevemos na decadência dos personagens a própria decadência dos alicerces do império austro-húngaro. Quarenta anos depois de um episódio trágico, Konrad manifesta a intenção de matar o amigo durante uma caçada, ao descobrir que a mulher o trai com este. Houve, então, tempo bastante para se pensar a vida, a amizade, o amor, a morte... Um romance construído de forma muito original e surpreendente. Fortíssimo. Teresa Noronha professora

palavra empurra palavra é uma página de referências culturais aberta à participação de todos os que se entusiasmam com as palavras dos outros, quer sejam faladas, cantadas, declamadas, desenhadas ou pintadas. Não hesite em enviar a sua apreciação crítica sobre um livro de prosa ou poesia, e-book, citação, jornal ou revista, cd ou vinil, cinema, museus, cartaz ou poster, caricatura, desenho, e-book, teatro, blogue, sítio da Internet ou qualquer outro suporte informativo cujo conteúdo e forma mereça a sua atenção. Partilhe os seus gostos e descobertas!

Escreva palavras a propósito e envie para: patiodaslaranjeiras@epmcelp.edu.mz ou entregue no Centro de Recursos Educativos da EPM-CELP


20 | PL | Agosto/Setembro 2009 historiando

em setembro

Moçambique celebra a guerra e a paz Os 10 anos de luta armada de libertação nacional que Moçambique teve de enfrentar frente às tropas do regime colonial português tiveram o seu início e fim históricos no mês de Setembro: em 1964, no dia 25, a Frelimo começou a luta armada em Cabo Delgado; em 1974, no dia 7, o governo de Portugal, saído da Revolução dos Cravos, assinou com a Frelimo, em Lusaca (Zâmbia), o acordo que estabeleceu a data da independência da “Pérola do Índico”. 25 de Setembro

C

ompletaram-se em Setembro último 45 anos sobre os acontecimentos que marcaram o início da guerra que, em Moçambique, pôs em confronto as Forças Armadas Portuguesas e a FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique). Com o fim da 2.ª Guerra Mundial e a aprovação da Carta das Nações Unidas, o Estado Novo de Salazar, em Portugal, viu-se obrigado a rever a sua política colonial, o que resultou num conjunto de reformas que não tiveram grande impacto em Moçambique. Na prática, visava, sobretudo, atenuar as pressões internacionais e calar as vozes que, tanto em Portugal como em Moçambique e restantes colónias, exigiam o fim do colonialismo. Por toda a África crescia, desde o início da década de 50, o clima anticolonial. Em Moçambique e noutros países africanos, assim como em Portugal e França, formaram-se várias associações de moçambicanos. Da sua congregação surgiu a FRELIMO, fundada em 25 de Junho de 1962 sob a presidência de Eduardo Mondlane. A 25 de Setembro de 1962 realizouse o 1.º Congresso da FRELIMO, que estabeleceu a unidade política e defendeu o princípio da luta armada como a única via possível para alcançar a independência. Seguiu-se um período de preparação para o desencadear da luta, que incidiu em quatro vertentes educação, divulgação, diplomacia e preparação político-militar. No sector da educação, em 1963 foi criado, em Dar-es-Salaam, o Instituto Moçambicano para acolher os jovens que aí chegavam, muitos deles em fugas

7 de Setembro

E

m 7 de Setembro de 1974, em Lusaca (zâmbia), foram assinados os Acordos de Lusaca entre o Estado português e a FRELIMO, através dos quais os signatários definiram a data da Independência de Moçambique. organizadas pelo Núcleo dos EstuA representação portuguesa foi dantes Secundários Africanos de chefiada por Melo Antunes, então miMoçambique. Ainda em 1963, a nistro sem Pasta, e a da FRELIMO FRELIMO criou em Dar-es-Salaam o pelo seu presidente Samora Machel. A Boletim Informativo. delegação de Portugal integrava ainda Na diplomacia, Eduardo Mondlane Mário Soares, Otelo Saraiva de Carvisitou a então URSS e a China, ainda valho e Almeida Santos, entre outros, em 1963. Quanto à preparação políti- enquanto o movimento moçambicano co-militar, em Janeiro do mesmo ano incluía também, nomeadamente, seguiu para a Argélia o primeiro conJoaquim Chissano, Armando Guetingente de moçambicanos, recrutabuza, Alberto Chipande e Óscar Mondos, sobretudo, teiro. gUerra nas plantações Nos acordos de sisal da de Lusaca o Tanzânia, constiEstado Portuído por 50 tuguês recohomens chefianheceu formaldos por Filipe mente o direito Magaia. Pouco do povo de depois seguiu Moçambique à um segundo independência grupo, oriundo e, em consedo interior, chefiquência, acorado por Samora dou com a Machel. FRELIMO o A luta armada desencadeouprincípio da se em 25 de transferência de Setembro de poderes. Foi 1964, com o igualmente estaataque dirigido belecido que a por Alberto independência Chipande ao de Moçambique Posto Adminisseria proclamatrativo de Chai, da em 25 de em Cabo DelgaJunho de 1975. do, acompaOs acordos nhado de uma de Lusaca estaproclamação beleceram, tampaZ solene de início bém, o regime da guerra. jurídico que vigoraria durante o períoA guerra colonial acabou em 1974, do de transição para a independência, ano do golpe de Estado do 25 de Abril o qual teve início com a assinatura do em Portugal, que abriu um período de Acordo de Lusaca e terminou com a transição e culminou na independência proclamação da independência. de Moçambique, a 25 de Junho de 1975. Adaptado dos textos produzidos pelo GD História


Pátio das Laranjeiras - Edição 66