Page 1


Mensagem do Presidente

Ano Novo,

Nova Jornada Aldo Carlos de Moura Gonçalves Presidente do Sindilojas-Rio e do CDLRio

À

s vésperas de se iniciar um novo ano, é sempre oportuno relembrar, que o Sindilojas-Rio e o CDLRio estiveram unidos e batizados com a marca do pioneirismo, desde os primeiros passos do CDLRio. Um único objetivo motivou e motiva esta união: o fortalecimento do comércio. Somos entidades pioneiras, de fé, que sabem a importância do começar e do recomeçar para melhor servir. Por isso, somos levados a pensar que a partir de agora, devemos ousar uma nova jornada de modernização, de inovação para o CDLRio e o Sindilojas-Rio. Vamos iniciar esta nova etapa e construir esse novo marco de nossa história. Contamos com a efetiva participação e colaboração de todos, para alcançar nosso objetivo e temos a certeza de que vamos alcançálo. Albert Einstein já dizia que “só a imaginação é mais importante que o conhecimento”. Para nós, contudo, quando se une a imaginação ao conhecimento temos resultados surpreendentes. O mundo deu um salto de progresso apoiado na tecnologia e certamente com sonhos. A competência durável que se pode dispor é a capacidade de reinventar. É a criatividade. O comércio através da oferta dos seus produtos faz chegar os frutos do progresso às pessoas. O comércio participa na transformação de hábitos. A era da conectividade, por exemplo, assumiu um significado amplo. A internet criou um intervalo para uma nova forma de comércio cujo espaço nos proporciona o fornecimento de diversos serviços. Este é apenas um exemplo. É preciso estarmos atentos principalmente às atuais necessidades do comércio, de modo que possamos melhor atender à nossa comunidade.

Não pretendemos fazer uma prestação de contas de final de ano. Contudo, não podemos deixar de anunciar entre outras informações que a visibilidade do CDLRio e do Sindilojas-Rio ficou bem nítida na mídia, que cumprimos extensa agenda de compromissos bem-sucedidos em todas as esferas dos poderes políticos, todas as vezes em que foram necessárias nossas reuniões de trabalho com as autoridades federais, estaduais e municipais. Na condição de legítimos representantes dos lojistas do Rio de Janeiro, podemos celebrar que logramos êxito na defesa de vários e importantes interesses do comércio. Diversos serviços e novos produtos começaram a ser oferecidos em 2013 pelo CDLRio. E por que não registrar o bom ritmo da construção da futura sede do CDLRio, um moderníssimo edifício corporativo de 17 andares, valioso legado que deixaremos para a posteridade do CDLRio. Depois da criação do SPC, representará, talvez, um dos mais importantes marcos de renovação de nossa história. Eternizará nossa marca CDLRio. Por sua vez, 2013 foi também um ano de vitórias e conquistas para o Sindilojas-Rio, pois conseguiu ultrapassar o patamar de 12 mil empresas associadas. Houve a expansão da sede com a compra de um conjunto de salas. E na busca da melhor qualidade de prestação de serviços à comunidade lojista do Rio, a entidade vem adotando o

Sistema de Excelência em Gestão Sindical, programa que vem sendo irradiado a centenas de sindicatos patronais do comércio pela Confederação Nacional do Comércio. Na presidência de ambas as entidades representativas do comércio carioca, temos o dever de reconhecer o espírito de colaboração dos conselheiros, diretores, superintendentes, assessores e colaboradores. Cada um em suas atribuições contribuiu para o desenvolvimento das atividades de nossas entidades. E a conquista de nossos elevados conceitos nos meios políticos e sociais e, principalmente, do comércio desta Cidade, só foi possível graças aos esforços, trabalhos e motivação das famílias do CDLRio e do Sindilojas-Rio. Muito Obrigado! Em sua origem, os festejos natalinos eram religiosos. Mas acima de tudo é um momento, uma festa de congraçamento, de solidariedade e de fortalecimento dos laços de amizade. Uma data comemorativa de todos os povos que transcende a todos os credos religiosos. É com este espírito, que auguramos que o Natal, em ritmo de amor, fraternidade e união, antecipe as alegrias de um Novo Ano renovador e que venha em clima de sucesso e paz. Vamos plantar sonhos e colher sorrisos para que a todo o momento tudo se renove. Que as esperanças de cada um se transformem em realidade no decorrer de 2014. Revista Empresário Lojista

1


Sumário

MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 - Ano Novo, Nova Jornada MATÉRIA DE CAPA 3 - As vantagens do verão para os lojistas

ALDO GONÇALVES

ADMINISTRAÇÃO 10 - Os três desafios das lideranças

Ano novo,

11 - Compromisso com a excelência na gestão sindical 15 - Facilitadores do SEGS

nova jornada

1

ARTIGO 24 - Limpar nome do consumidor adimplente é encargo do credor 25 - New York Times e Zona Norte ASSOCIATIVISMO 9 - Nova logomarca do Sindilojas-Rio 9 - Sescon/RJ promove 3º Enecont 12 - 58 anos servindo à comunidade 20 - Novos valores da contribuição social

CALENDÁRIO 2014

Feriados e dias que podem ser

CURIOSIDADES 6 - Curiosidades do Comércio COMÉRCIO 5 - Feriados no Rio em 2014 7 - Lojistas esperam aumento de 8% das vendas no Natal

enforcados em 2014

8 - O SCPC em cada cidade do Estado do Rio DIREITOS DO LOJISTA 21 - O preposto e a Justiça do Trabalho 23 - Pergunte! Empresário Lojista Responde 26 - Leis e Decretos 30 - Obrigações dos Lojistas – Janeiro

5

INTERNET 18 - Como evitar armadilhas

INTERNET

Evitar armadilhas para o sucesso da

MOBILIDADE 16 - Seminário sobre desafios e oportunidades no comércio

loja virtual

RECURSOS HUMANOS 22 - Debochar dos outros não é legal

18

OS NÚMEROS DO VAREJO 27 - Termômetro de Vendas OPINIÃO 32 - O que estamos fazendo para o resultado das vendas no varejo? Presidente do Sindilojas-Rio e do CDLRio Aldo Carlos de Moura Gonçalves

Diretoria do Sindilojas-Rio

Vice-Presidente: Julio Martin Piña Rodrigues Vice-Presidente de Relações Institucionais: Roberto Cury Vice-Presidente de Administração: Ruvin Masluch Vice-Presidente de Finanças: Gilberto de Araújo Motta Vice-Presidente de Patrimônio: Júlio Moysés Ezagui Vice-Presidente de Marketing: Juedir Viana Teixeira Vice-Presidente de Associativismo: Pedro Eugênio Moreira Conti Vice-Presidente de Produtos e Serviços: Ênio Carlos Bittencourt Superintendente: Carlos Henrique Martins

2

Revista Empresário Lojista

Diretoria do CDLRio

Vice-Presidente: Luiz Antônio Alves Corrêa Diretor de Finanças: Szol Mendel Goldberg Diretor de Administração: Carlos Alberto Pereira de Serqueiros Diretor de Operações: Ricardo Beildeck Diretor Jurídico: João Baptista Magalhães Diretor de Associativismo: Jonny Katz Superintendente Operacional: Ubaldo Pompeu Superintendente Administrativo: Abraão Flanzboym

Conselho de Redação Sindilojas-Rio: Juedir Teixeira / Carlos Henrique Martins

CDLRio: Ubaldo Pompeu Abraão Flanzboym Lúcio Ricardo Barbara Santiago Editor Responsável: Luiz Bravo (Registro Profissional MTE n° 7.750) Reportagens: Lúcia Tavares Publicidade: Luiz Bravo - Telefone: 21 2217-5000 Revisão: Simone Motta Projeto Gráfico e Editoração: Márcia Rodrigues / Leandro Teixeira Supervisão Gráfica e Criação de Capa: Roberto Tostes - robertotostes@gmail.com

Empresário Lojista:

Publicação mensal do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro - Sindilojas-Rio e do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro - CDLRio


Matéria de Capa

As vantagens do verão para os lojistas Fonte de inspiração para estilistas e vitrinistas, o verão, a estação mais esperada do ano, está chegando. De dezembro até o Carnaval, os lojistas dos mais variados segmentos do varejo se beneficiam bastante por ser uma época voltada para as férias, ao lazer e devido a Cidade estar cheia de turistas dispostos a consumir. Entre os setores mais beneficiados neste período, destacam-se os de moda praia, fitness, calçados, vestuário, bolsas, malas e acessórios.

C

om a chegada do verão, as novas opções das coleções primaveraverão/2014 chamam a atenção de quem passa em frente às lojas. As novidades encantam os consumidores que se preparam para as férias de janeiro ou, simplesmente, desejam renovar as peças do vestuário. Para a gerente Ana Cristina Soares da Silva, da badalada grife carioca de moda praia, Sol da Barra, o sucesso das vendas de verão nas quatro lojas da rede está atrelado ao planejamento e pesquisas que são feitas bem antes de ser lançada a coleção da nova estação. Ana Cristina revela que a estilista da grife costuma ir a feiras e eventos realizados no Brasil e ainda viaja, todo ano, a Paris, uma das principais capitais da moda da Europa. - A mulher está cada vez mais conectada com as tendências, por isso precisamos acompanhar tudo que acontece em nosso segmento. Temos que estar conscientes das necessidades fashions de nossa clientela, desde quando iniciamos as pesquisas até a concepção dos modelos das peças que vão compor o look da nova coleção. O importante é antecipar os desejos femininos e surpreender este público em termos de design, conforto, cores e padronagens que ditam a moda - destaca a gerente. Além das lojas em Ipanema, Campo Grande, Centro e Nova Iguaçu, a Sol da Barra possui uma loja virtual e confecção própria onde são fabricadas, desde o mês de setembro, em média, 35 mil peças por mês,

Temos que estar conscientes das necessidades fashions de nossa clientela Ana Cristina Soares da Silva, da Sol da Barra

para atender a grande demanda no período do verão. Na cartela de cores e modelos das peças preferidas pela clientela, Ana Cristina explica que as modelagens de tons mais vibrantes e estampas elegantes, alegres e exclusivas são sempre as grandes apostas da grife. Porém, além dos biquínis, maiôs, saídas de praia, sungas e da linha fitness que agrada em cheio o públicoalvo, a marca oferece ainda produtos diferenciados como, conjuntos de biquínis da mesma estampa para mães e filhas, e na versão masculina, sungas na mesma padronagem para os pais e filhos. Como a procura por esses artigos também é enor-

me, os tamanhos disponíveis variam entre 2 e 16 anos e do P até o GG. - A criatividade deve fazer parte da rotina do varejo, mesmo em períodos sazonais como é o nosso caso em que as vendas chegam a triplicar durante os meses de maior pique do verão, ou seja, janeiro e fevereiro. E como o verão é sinônimo de excelentes vendas, percebo que 2014 promete ser melhor ainda já que o Carnaval só vai começar em 1º de março. Isso representa outra temporada de excelentes vendas para o segmento de moda praia - festeja a gerente da Sol da Barra, Ana Cristina. Revista Empresário Lojista

3


Matéria de Capa

cipalmente, as facilidades de pagamento, incentivaram este tipo de lazer. Isso, segundo ele, impulsiona as vendas em alguns setores específicos do varejo como o de malas e de vestuário já que muitas pessoas viajam neste período para países frios da Europa ou para os Estados Unidos, onde é inverno. O empresário esclarece, no entanto, que não são apenas esses segmentos do varejo que são beneficiados com a chegada da estação mais quente do ano. Cury lembra que o verão é também um período em que a nossa Cidade recebe milhares de turistas, em geral, com dinheiro para gastar em entretenimento, restaurantes, shoppings e no comércio de rua. - O verão é sem dúvida uma época propícia às boas vendas. Os visitantes chegam ao Rio em busca de diversão e lazer, e, isso, induz ao consumo. Sendo assim, é importante estarmos bem abastecidos, não apenas em termos de estoque como também de novidades, a fim de atender a este tipo de público, uma clientela diversificada e com bom potencial de compra - acrescenta.

Roberto Cury, da Mala Ingleza

O empresário Roberto Cury, proprietário da tradicional loja A Mala Ingleza, especializada em artigos de couros, considera que o fato de a chegada do verão no Brasil coincidir com o período de Natal e férias ajuda muito a incrementar as vendas em seu ramo de negócio. Além da busca natural por presentes de fim de ano como carteiras, cintos e bolsas, a procura por malas de viagem também é imensa. - Com a estabilização da moeda, observo que nos últimos tempos essa procura tem aumentado consideravelmente. O brasileiro passou a viajar mais e, com isso, as vendas de malas também aumentaram afirma. Para Cury, o preço acessível das passagens aéreas e dos cruzeiros marítimos e, prin-

4

Revista Empresário Lojista

O verão é uma época propícia às boas vendas

Mas, apesar das notícias divulgadas na mídia de que estamos começando a viver uma economia estagnada, o empresário Roberto Cury se diz muito otimista. - Estou certo de que o Brasil e o Rio de Janeiro, em especial, vão retomar em breve o seu ritmo de crescimento. Afinal, somos uma cidade de forte potencial turístico e, além de todos os anos promovermos a maior festa popular que é o Carnaval e o maior Réveillon a céu aberto do mundo, estamos às vésperas de sediar os dois maiores eventos esportivos do planeta. Com certeza, a Copa do Mundo e as Olimpíadas vão trazer enormes benefícios para todos nós - finaliza Cury, comemorando as boas vendas de fim de ano e do verão que se aproxima.


Calendário 2014

Rio terá 14 feriados em 2014

E

m 2014, haverá no Rio, 14 feriados, sendo oito nacionais, dois estaduais e quatro municipais.

Novembro é o mês com o maior número de feriados. Já os meses de fevereiro, julho e agosto não terão feriados. No próximo ano, o Carnaval será em março: domingo, 2, e 2ª feira, 3, que não são feriados. Entretanto, a 3ª feira, 4 de março, será feriado estadual. Na 4ª feira, 5, é meio feriado, uma vez que bancos e grande parte do comércio só abrem a partir das 12 horas. No Rio, o Acordo para o Trabalho dos Comerciários aos Domingos estabelece que o varejo nos shoppings não abre na 4ª feira de cinzas. Em matéria de enforcamentos de dias de trabalho, isto é, dias em que antecedem ou são seguintes a feriados em 3ª ou 6ª feiras, teremos em 2014, três possíveis enforcamentos: 3ª feira, 22 de abril depois de 21 de abril e antes do dia 23, São Jorge; 6ª feira, 2 de maio, posterior ao feriado do Dia do Trabalho; 6ª feira, 20 de junho, depois do feriado de Corpus Christi, dia 19 de junho, e na 6ª feira, 21 de novembro, após o feriado de Consciência Negra. Haverá um feriado no sábado (15 de novembro, Proclamação da República) e três feriados em domingos (7 de setembro, 12 de outubro e 2 de novembro). JANEIRO 1 - 4ª feira, feriado nacional alusivo à Confraternização Universal. 20 - 2ª feira, feriado municipal em homenagem ao Padroeiro da Cidade, São Sebastião.

MARÇO 4 - 3ª feira, feriado estadual decorrente do Carnaval. ABRIL 18 - 6ª feira, feriado municipal de 6ª feira da Paixão. 21 - 2ª feira, feriado nacional em homenagem a Tiradentes. 23 - 4ª feira, feriado municipal em homenagem a São Jorge. MAIO 1 - 5ª feira, feriado nacional em comemoração ao Dia do Trabalho. JUNHO 19 - 5ª feira, feriado municipal alusivo a Corpus Christi. SETEMBRO 7 - Domingo, feriado nacional em homenagem à Independência do Brasil. OUTUBRO 12 - Domingo, feriado nacional consagrado à Nossa Senhora de Aparecida, padroeira do Brasil. NOVEMBRO 2 - Domingo, feriado nacional dedicado aos mortos. 15 - Sábado, feriado nacional, Dia da Proclamação da República. 20 - 5ª feira, feriado municipal e estadual em homenagem a Zumbi dos Palmares e à Consciência Negra. DEZEMBRO 25 - 5ª feira, feriado nacional, Natal.

* Para os comerciários do Rio haverá mais um feriado, o Dia do Comerciário. É sempre na terceira 2ª feira de outubro, que em 2014, cairá no dia 20.

Feriados Judaicos em 2014* Em 2014 ocorrerão os seguintes feriados judaicos: Purim – 16 de março (domingo) Pessach – 15 de abril (terça) Yom Haatzmaut – 4 de maio (segunda) Lag Baomer – 18 de abril (sexta) Shavuot – 4 de junho (quarta) Rosh Hashana – 24 de setembro (quinta) Yom Kippur – 4 de outubro (sábado) Sucot – 9 de outubro (quinta) Shemini Atzeret – 16 de outubro (quinta) * Todos os feriados têm início na noite anterior à data acima relacionada.

Revista Empresário Lojista

5


Curiosidades

Curiosidades

do comércio

Barbara Santiago Gerente do Centro de Estudos do CDLRio

Sobre o Ano Novo 1 - O Ano Novo passou a ser comemorado no dia 1° de janeiro a partir de 1582, quando as nações cristãs França, Itália, Portugal e Espanha adotaram o calendário criado pelo papa Gregório VIII. Antes disso, festejava-se o recomeço do ciclo anual no período que equivale ao atual 23 de março (a comemoração durava 11 dias). Havia uma lógica para a escolha dessa data, feita pelos babilônios 2 mil anos antes da era cristã: o final de março coincide com o início da primavera no hemisfério norte (onde ficava a Babilônia), época em que novas safras são plantadas. Daí a ideia de recomeço. Foram os romanos que determinaram, aleatoriamente, que o Ano Novo deveria ser comemorado no dia 1° de janeiro. 2 - O Ano Novo é o feriado mais antigo do mundo. Ele já era comemorado na Babilônia há 4 mil anos.

Micro e pequenas

empresas poderão ser

beneficiadas

O

governador do Estado do Rio, Sérgio Cabral, assinou dia 11, decreto de regulamentação da Lei 6.571 que incentiva a autorregularização de micro e pequenas empresas para que não percam o direito ao regime do Simples Nacional. O evento no salão nobre do Palácio Guanabara, contou com as presenças de várias autoridades e lideranças de entidades de classes ligadas ao comércio do Rio. Na ocasião, o secretário estadual de Fazenda, Renato Villela, explicou os benefícios 6

Revista Empresário Lojista

que a autorregularização irá proporcionar as micro e pequenas empresas que já foram ou estão sendo fiscalizadas pela Sefaz/ RJ. Destacou também que os empresários que se encontram em tal situação poderão requerer o benefício até 3 de fevereiro de 2014 com base na Lei 6.571 e do decreto regulamentador. - Queremos dar um tratamento condizente às micro e pequenas empresas. Os empresários que reconhecem que houve erros podem agora se antecipar e fazer a denúncia espontânea. É uma oportunidade para quem deseja se manter no Simples Nacional sem precisar inclusive de pagar multas. Antes, a lei era bem mais rigorosa, pois havia multas altas e uma das maiores penalidades era ser excluído do Simples Nacional – lembrou o secretário da Sefaz/ RJ, Renato Villela. Além do governador Sérgio Cabral e do secretário de Fazenda, Renato Villela, es-

tiveram presentes à solenidade, o vicegovernador do Estado do Rio e coordenador executivo de Infraestrutura do Estado, Luiz Fernando de Souza Pezão, o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços, Júlio Bueno, o presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Paulo Melo, o líder do governo na Alerj, deputado André Correia, entre outras autoridades. A Lei 6.571 de 31 de outubro de 2013 permite que as micro e pequenas empresas que praticaram operações ou prestações sem documento fiscal, caso informem as irregularidades cometidas e se regularizem, não sejam multadas e nem excluídas do Simples Nacional pela Secretaria Estadual de Fazenda. Das 198 mil micro e pequenas empresas registradas no Estado do Rio, cerca de 30% estão irregulares, segundo dados da Sefaz/ RJ.


Vendas

Lojistas esperam aumento de 8% das

vendas no Natal

C

om o aumento do nível do emprego e da renda, pagamento do 13° salário, aliados ao estímulo das promoções, descontos, alongamento dos prazos e outras formas de crediário, o comércio carioca está animado com as vendas para o Natal e espera um crescimento 8% superior as do ano passado. É o que mostra a pesquisa do Centro de Estudos do Clube dos Diretores Lojistas do Rio de Janeiro CDLRio, que ouviu 750 lojistas da Cidade do Rio de Janeiro para conhecer a expectativa dos empresários para o Natal, a maior data comemorativa do comércio. Segundo a pesquisa os lojistas estão preparados para a principal data comemorativa do comércio: contrataram funcionários para o período do Natal e Fim de Ano, aumentaram seus estoques e a variedade de mercadorias, lançaram novos produtos e investiram no treinamento para melhorar o atendimento. Eles acreditam que os presentes mais vendidos no Natal serão os do vestuário, calçados, bolsas e acessórios, brinquedos, jogos eletrônicos, celulares, Ipod, Tablet, joias e bijuterias, eletrodomésticos, eletroeletrônicos e livros.

Os lojistas estão preparados para a principal data comemorativa do comércio Os lojistas estimam que o preço médio dos presentes por pessoa deve ser de R$ 130,00 e que os clientes deverão utilizar o cartão de crédito parcelado como forma de pagamento, seguido do cheque pré-datado, cartão de débito, dinheiro e carnês de lojas.

De acordo com o presidente do CDLRio, Aldo Gonçalves, a perspectiva do comércio varejista é muito boa. “O Natal não se concentra apenas no dia, como acontece com as outras datas. É uma festa que inicia bem antes do dia 25 de dezembro e vai até seis de janeiro, Dia de Reis. Por isso, acreditamos que a expectativa de aumento de 8% das vendas possa ser superada. As pessoas estão se posicionando em atitude de consumo. Exemplo disso é que as dívidas quitadas cresceram 11,4% em setembro, sinalizando que os consumidores estão recuperando o crédito para poder comprar no Natal.”, explica Aldo. A pesquisa também mostra que 78% dos lojistas de rua pretendem abrir suas lojas aos domingos e 69% disseram que as lojas vão funcionar até mais tarde nos dias de semana durante o período que antecede o Natal. Como instrumentos para aumentar as vendas, os lojistas apostam nas formas de pagamento facilitado, decoração da loja e da vitrine e lançamento de novos produtos.

Revista Empresário Lojista

7


Comércio

O SCPC em cada cidade do Estado do Rio

A

Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Rio - Facerj firmou convênio com o Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro – CDLRio para a implantação do Serviço Central de Proteção ao Crédito nos municípios fluminenses, através das respectivas associações comerciais. Com a presença de presidentes de associações da Facerj, o convênio foi assinado no dia 25 de novembro, no auditório do Sindilojas-Rio. O presidente da Facerj, Jésus Sebastião Mendes Costa, e o presidente do CDLRio, Aldo Gonçalves (foto), assinaram o documento. Jésus Mendes Costa disse de sua satisfação como presidente da Facerj, de facilitar às associações comerciais do Estado, o acesso ao SCPC, oferecendo, assim, mais um produto em benefício das empresas comerciais. O presidente Aldo Gonçalves disse que os empresários do comércio do interior do

Estado passarão a contar com um banco de dados que tem em sua base de informações o CDLRio, o CDL-Porto Alegre, as Associações Comerciais de São Paulo e do Paraná, além de outras entidades. O SCPC tem por administradora a Boa Vista Serviços, criada em 2010 pelas associações comerciais de São Paulo e do Paraná, pelo CDLRio e CDL de Porto Alegre, além do fundo de investimentos TMG Capital, que anteriormente incorporou a Equifax do Brasil. Com o convênio, as associações comerciais fluminenses passarão a integrar o maior banco de dados de informações de crédito do Brasil. Este banco de dados reúne mais de duas mil entidades do país (associações comerciais, CDLs e sindicatos). São mais de 350 milhões de informações comerciais sobre consumidores, fornecidas através de mais de 200 milhões de consultas mensais. O sistema disponibiliza às empresas esta ferramenta essencial para prevenir e redu-

Data Plus

zir o índice de inadimplência, além de contribuir na gestão de crédito das empresas. O superintendente administrativo do CDLRio Ubaldo Pompeu informou sobre os serviços e produtos que o SCPC oferece ao empresariado, colocando-se, a seguir, para responder as perguntas, informando que em um trabalho coordenado pela Facerj, o sistema será implantado em todas as associações comerciais participantes.

O Data Plus é uma ferramenta capaz de: - Tratar/padronizar bases de dados - Enriquecer informações - Atribuir documentos (CPF/ CNPJ) - Utilizando duas ou mais informações disponíveis na base do cliente como chave. Ideal para: Empresas com necessidade em Higienizar, Atualizar ou Enriquecer sua base de dados para ações de marketing direto, cobrança e CRM. As principais áreas a serem abordadas: Marketing/Comunicação/Produtos, Planejamento Estratégico, Crédito, Cadastro, CRM, Vendas ou Cobrança. Benefícios - Maior assertividade nas campanhas de telemarketing e mala direta; - Aumento da efetividade, mais informação sobre a sua base de clientes; - Realização de campanhas mais precisas, Abrangência Nacional.

Central de Atendimento

21 2506-5533

8

Revista Empresário Lojista


Contabilidade

Sescon/RJ promove

3º Enecont

C

om o tema “Gestão de Pessoas”, o Sescon/RJ (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado do Rio de Janeiro), promoveu no dia 7 de novembro, no Hotel Windsor Guanabara, no Centro do Rio, o 3º ENECONT (Encontro dos Empresários Contábeis do Rio de Janeiro). Durante o evento foram abordados vários assuntos, entre eles, a importância da capacitação de pessoal e os métodos de recrutamento que devem ser adotados pelas empresas. No primeiro painel o palestrante Manuel Domingues e Pinho, presidente do Conselho Fiscal da Câmara Portuguesa de Comércio e Indústria e membro do International Grouping of Accountants and Lawyers e diretor do Sescon/RJ, falou sobre “Plano de Carreira e Retenção de Talentos”, além de apresentar cases de sucesso. Em seguida, os palestrantes, o professor de direito tributário da Fundação Getúlio Vargas e Universidade Cândido Mendes, Gerson Stocco, e o presidente do Centro de Estudos e Debates Fisco-Contábeis do Sindicont-SP, João Aleixo, questionaram os aspectos jurídicos das Sociedades de Capital e de Serviços. No terceiro painel, a pós-graduada em Psicopedagogia Clínico-Institucional, Pedagogia Empresarial, Dulce Soares, explicou sobre as técnicas para tornar mais eficazes os processos seletivos das empresas. Depois, a diretora da AS Treinamentos & Segurança do Trabalho, Aldilene Souza, destacou algumas medidas que podem

Foram abordados vários assuntos, entre eles, a importância da capacitação de pessoal e os métodos de recrutamento

auxiliar os gestores a identificarem conflitos de relacionamentos interpessoais nas organizações.

Sindilojas-Rio tem nova logomarca

P

ara atender ao alinhamento gráfico do Sistema CNC - Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, as suas unidades - SESC, SENAC, Federações e Sindicatos estão unificando suas marcas, de modo que todas se identificarão como pertencentes ao Sistema CNC. O Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro desde o final da década de 80, tem registrada a marca Sindilojas-Rio. Agora, com a sugestão de unificação da referência das logomarcas do sistema CNC, o Sindicato dos Lojistas do Rio passará a ter a nova logomarca:

A nova identidade visual do sistema CNC traduz o sentido de unidade do Sistema Comércio. O símbolo escolhido para a nova marca, a asa de Mercúrio, Deus do Comércio, possui linguagem iconográfica e representa o sonho, o resultado alcançado e a capacidade de realização. Agora, sempre que uma instituição tiver em sua marca, a asa dourada e azul, indicará que integra o Sistema CNC.

Encerrando o evento, o pós-graduado em Gestão de Pessoas e Magistério Superior, Dalmir Santana, fez uma apresentação bem-humorada abordando o tema de gestão estratégica de pessoas.

Revista Empresário Lojista

9


Administração

Os três desafios das lideranças Três Desafios Sobre os desafios que os líderes enfrentam, Alfredo Rocha disse:

C

om o apoio do Sindilojas-Rio e do CDLRio, o especialista na área comportamental Alfredo Rocha (foto), falou sobre “Liderança para um novo tempo”, no dia 21 de novembro, no Windsor Barra, no Rio. Neste evento de imersão, Rocha disse que as pessoas podem ser líderes, pois tem potencial para isso. Acrescentou que, para isso, as pessoas devem buscar o contínuo aprendizado, mas só isso não basta. É preciso desaprender e reaprender”. Na edição 9, 10 e 11 de novembro, o Jornal do Commercio, do Rio, publicou a entrevista de Ana Paula Silveira com Alfredo Rocha. Transcrevemos a seguir, parte da entrevista.

10 Revista Empresário Lojista

Os desafios das lideranças são múltiplos, portanto é preciso criar uma ordem de prioridade para auxiliar na organização das ideias e obter desempenho no alcance das metas. Segundo o conferencista, na área comportamental, os desafios não aparecem na esfera das habilidades, mas no âmbito do desempenho, que normalmente define o sucesso do gestor na carreira. “Este pensamento serve, tanto para grandes empresas com mais de 2 mil empregados, bem como para pequenas, com apenas 2 colaboradores”, avalia. Ele identificou os três principais desafios de um líder. O primeiro está relacionado à gestão de velocidade das mudanças, que é um item prioritário e definidor na construção pragmática de resultados, principalmente com a chegada das novas tecnologias e a mudança do comportamento do consumidor. Rocha defende que é preciso acompanhar essas transformações. “O timing correto é a capacidade do líder de entender e de ser o agente dessas mudanças, sempre na busca por atualização”, explica o especialista, ressaltando que é preciso se tornar expert nisso, até porque a questão afeta a qualidade das relações e tudo isto está ligado à performance.

Outro ponto se refere à inovação. Segundo Rocha, quando se inova, cria-se valor. “A empresa que conseguir assimilar a tempo este conceito, a ponto de efetivamente criar uma cultura da inovação, sobreviverá”, observa. No Brasil, o especialista analisa o caso de sucesso da Alpargatas com as sandálias Havaianas. “Há 40 anos, ela servia para tomar banho e não levar choque”. As pessoas tinham até vergonha de falar que usavam. Depois de investir em inovação, ela se tornou referência de produto no País, destaca. O último desafio está na área de desenvolvimento de pessoas, ou gestão de pessoas. Saber se comunicar, ensinar e trabalhar em equipe é o principal desafio do líder. “O que faz diferença são as pessoas”, argumenta. Para Rocha, um líder do novo tempo é aquele capaz de ensinar algo à mesma pessoa o quanto for necessário, mas com estratégias diferentes. “Ele não pode desistir da equipe jamais”, diz o conferencista, acrescentando que este gestor tem que confiar na qualidade dos empregados e dedicar tempo e inteligência para desenvolvê-los. “Este é o grande desafio de desempenho para uma liderança de alta performance. Para isso, é fundamental dominar conteúdos e conceitos de educação e trabalhar com equipes. Compreender as diferenças e ser capaz de lidar com a diversidade de um grupo é o que torna um líder diferenciado”, avalia.


Administração

Compromisso com a

Excelência na

Gestão Sindical

O

presidente do Sindilojas-Rio, Aldo Gonçalves, recebeu no dia 19 de novembro, em nome da entidade, das mãos de Marcia Alves (foto), assessora técnica da CNC – Confederação Nacional do Comércio, o certificado de reconhecimento “Compromisso com a Excelência na Gestão Sindical” do SEGS, nível 1 do ciclo 2013. Também presentes, o assessor técnico da CNC, Leonardo Caranta da Fonseca, e o consultor do SEGS no Sindilojas-Rio Luciano Santana.

Os critérios de avaliação do SEGS foram elaborados com base nos quesitos estabelecidos pelo  Prêmio Nacional de Qualidade  (PNQ) que são: liderança, estratégias, clientes, sociedade, informações, pessoas, processos e resultados. Esse foi o primeiro ano que o SindilojasRio participou desse programa que tem como objetivo alinhar as práticas de gestão sindical do sistema da base da CNC, contribuindo para que as entidades possam atuar melhor em prol da defesa dos interesses da categoria, prestar mais serviços aos associados e oferecer benefícios. O presidente Aldo, entrevistado pela TV CNC, destacou a importância da implan-

tação do programa SEGS: “- Nós conseguimos montar um comitê de qualidade com lideranças de diferentes áreas. Ferramentas modernas foram aplicadas e os resultados apareceram logo. Uma grata surpresa foi a capacitação pela internet, pois normalmente os colaboradores são obrigados a sair da entidade pra receber treinamento, mas nesse caso ficaram no local de trabalho para receber novos conhecimentos e isso foi excelente”.

Após a certificação, os trabalhos continuam visando ao ciclo 2014 com objetivo de migrar para o nível 2 do programa e Aldo Gonçalves falou sobre suas expectativas: “Com relação ao próximo ano, nossa equipe está muito motivada, o pessoal comprou, de fato, a ideia e está trabalhando com dedicação e principalmente, se envolvendo, pois compreendeu a importância do projeto. Temos certeza de que 2014 será ainda melhor”.

Revista Empresário Lojista 11


Comemoração

58 anos servindo à comunidade lojista do Rio

D

iretores e colaboradores do CDLRio comemoraram os 58 anos de fundação da entidade e do início das atividades dos clubes de diretores lojistas no País. A comemoração interna foi no dia 8 de novembro. E pela primeira vez na nova sede, na Rua 1º de Março, 13.

Na ocasião, o Presidente Aldo Gonçalves ao mesmo tempo em que saudou os diretores e colaboradores, agradeceu a colaboração que vêm prestando à entidade. Lembrou que o CDLRio foi o primeiro a ser constituído no País, contando com o apoio do Sindilojas-Rio. O CDLRio foi o criador do SPC - Serviço de Proteção ao Crédito. Na comemoração festiva não faltou o tradicional bolo de aniversário. O Presidente Aldo Gonçalves convidou para assoprar a vela simbólica dos 58 anos e cortar o bolo, os colaboradores veteranos Adir Carvalho de Barros, 41 anos de casa, e Alberto dos Santos Amorim, 38 anos. Homenageando o Sindilojas-Rio, também convidou a sua mais antiga colaboradora e chefe da secretaria, Maria de Lourdes Gonçalves. Ainda na foto do corte do bolo, à esquerda, a esposa do Presidente, a Dra. Tânia Gonçalves.

12 Revista Empresário Lojista


Direito

Revista Empresรกrio Lojista 13


14 Revista Empresรกrio Lojista


Sindicalismo

Facilitadores do SEGS do

Sindilojas-Rio visitam SindRio

A

pós a avaliação de consenso do SEGS - Sistema de Excelência em Gestão Sindical, na qual o SindRio Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes do Rio foi escolhido como entidade de referência, os facilitadores do Sindilojas-Rio fizeram visita técnica no dia seis de novembro em sua sede, na Praça Olavo Bilac, 28, 17º andar, para conhecer as instalações e os serviços oferecidos às empresas associadas. Foram recepcionados pelo superintendente Darcílio Junqueira e pela coordenadora de Formação e Qualidade  Carla Riquet

que, após a visita pelas dependências do sindicato, fizeram uma exposição dos serviços e produtos aos quais têm direito as associadas. Carla destacou que o foco da entidade hoje está na prestação de três serviços: assessoria jurídica, incluindo a parte criminal 24 horas por dia; comunicação e design com a criação de cardápios, folders, flyers, anúncios, cartões, com total exclusividade, respeitando a identidade visual das associadas, assim como o redesign da marca, e por último, o banco de currículos, no qual realizam diversos treinamentos e encaminham os candidatos às empresas.

No final da visita, o assessor da diretoria do Sindilojas-Rio, Luiz Bravo agradeceu a recepção e ressaltou a importância da participação do Sindilojas-Rio no programa SEGS pela primeira vez e também a escolha do SindRio como a entidade de referência e responsável pela avaliação de consenso. Na foto, os visitantes do Sindilojas-Rio, vendo-se na cabeceira o superintendente Darcilio Junqueira, e em pé, a coordenadora de Formação e Qualidade, Carla Riquet, ambos do SindRio, e o consultor do SEGS, Luciano Santana.

Revista Empresário Lojista 15


Mobilidade

Seminário sobre desafios e

oportunidades no comércio, logística e serviços

Da esquerda para a direita, Aldo Luiz Mendes, diretor de Política Monetária do Banco Central; Aldo Carlos de Moura Gonçalves, presidente do Sindilojas-Rio e do CDLRio; Roque Pellizzaro Junior, da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas; Maximiliano Martinhão, moderador do painel, é secretário de Telecomunicações do Ministério de Comunicações, e Sergio Kern, do Sindi Telebrasil.

I

mportante evento para a discussão dos desafios e oportunidades no comércio, logística e serviços aconteceu em Brasília nos dias 12 e 13 de novembro. O Simpósio Brasileiro de Políticas Públicas para Comércio e Serviços - Simbracs 2013 reuniu mais de mil participantes.

2013 apresentou painéis que discutiram temas como a transição da pequena para a média empresa, bem estar do consumidor, competitividade, terceirização, meios de pagamento, combate à pirataria, compras governamentais, relações entre franquias, lojistas e centros comerciais.

Promovido pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o Simbracs faz parte das ações do Plano Brasil Maior e do Plano Plurianual do governo federal para alavancar o setor. O objetivo é fortalecer  as políticas públicas que promovam a inovação, a competitividade e a internacionalização do setor terciário brasileiro, com foco no bem estar do consumidor.

O presidente do Sindilojas-Rio e do CDL Rio, Aldo Carlos de Moura Gonçalves, participou do painel “Novas fronteiras para os meios de pagamento”, juntamente com Aldo Luiz Mendes, diretor de Política Monetária do Banco Central, e de Roque Pellizzaro, presidente da CNDL. Foi moderador do painel, Maximiliano Martinhão, secretário de Telecomunicações do Ministério de Comunicações.

Composto por sete eixos temáticos - Empreendedorismo, Relações de Consumo, Fomento, Inovação e Negócios, Capital Humano e Indicadores, Desenvolvimento Regional, e Comércio Exterior -, o Simbracs 16 Revista Empresário Lojista

Aldo Gonçalves foi entrevistado sobre a exposição que fez no Simbracs 2013, pelo jornalista Paulo Brito, do jornal Valor Econômico. Transcrevemos a seguir, a entrevista publicada na edição do dia 20 de novembro:

Pagamento por celular deve ganhar força Além de pagar contas com cheques, cartões, dinheiro e por meio de transferências eletrônicas, desde o dia 4 de novembro os brasileiros têm oficialmente a possibilidade de fazer pagamentos com seus celulares - e sem a intermediação de uma instituição financeira tradicional. Dessa data em diante, o Sistema de Pagamentos Brasileiro passa a contar com os arranjos e instituições de pagamento, organizações que incluem cartões pré-pagos e os pagamentos móveis (mpayments). Ao anunciar a regulamentação desse assunto justamente no seu V Fórum Sobre Inclusão Financeira, em Fortaleza, o Banco Central dá uma indicação clara de que esses instrumentos são essenciais para a chamada bancarização das camadas mais pobres da população. E se depender da tecnologia, em vez de cartões ou cheques, essa população passará a carregar dinheiro eletrônico no celular. O debate sobre meios eletrônicos de pagamento foi um dos temas do Simpósio Bra-


Mobilidade

sileiro de Políticas Públicas para Comércio e Serviços (Simbracs), em Brasília, nos dias 11 e 12 de novembro. Aldo Carlos de Moura Gonçalves, presidente do Sindilojas-Rio e do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro, garante que os pagamentos por meio de celulares já são uma tendência reconhecida em países desenvolvidos como os EUA. “O móbile payment já é uma realidade, e no futuro acho que isso deverá substituir o cartão de plástico”, anuncia Gonçalves. “Às vezes as pessoas têm muitos cartões, que podem ser furtados ou perdidos, ao passo que se o meio de pagamento estiver no celular, está protegido num dispositivo que tem uma senha, e essa senha está apenas na memória das pessoas”, explica. Cartões, ele observa, podem até ser clonados, mas isso não pode ser feito com um celular. O presidente do Sindilojas-Rio acrescenta

que uma operação piloto de uso do celular no pagamento de transportes já está em andamento no Rio de Janeiro: “Passageiros de ônibus, barcas e trens já estão podendo pagar suas passagens com smartphones”, diz ele.

Janeiro, e em Goiânia. “Cerca de 60% da população não têm condições de ter uma conta bancária, mas celular todo mundo tem. Essas pessoas terão um instrumento financeiro à sua disposição”, complementa Gonçalves.

Desse piloto, desenvolvido com o apoio das quatro grandes operadoras de telefonia celular do Brasil, mais a fabricante Motorola e a holandesa Gemalto, que desenvolveu a estrutura de segurança para as transações, participam, por enquanto, 200 usuários do cartão de pagamento de transportes Rio Card. “Nesse caso está sendo utilizada a tecnologia ‘nearfield communication’ ou NFC”, diz Gonçalves. Outra experiência com o uso de celulares para transações financeiras é o “Meu Dinheiro Claro”, que o Bradesco e a Claro estão fazendo em Belford Roxo, São João de Meriti e Duque de Caxias, no Rio de

Ele adianta que o CDL do Rio já está preparando a abertura de uma empresa que oferecerá crédito ao consumidor para utilização por meio dos celulares, a Smarter Credit. Atualmente, diz ele, a National Retail Federation, equivalente americano da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, está pesquisando e divulgando informações sobre o tema. Nos EUA, segundo a entidade, apenas 3% das vendas no varejo são pagas por meio de celulares, mas eles são utilizados dentro das lojas por 90% dos consumidores, para comparar preços ou obter informações sobre os produtos.

Subprefeito do Centro do Rio visitou o Sindilojas-Rio O subprefeito do Centro e do Centro Histórico do Rio, Luis Cláudio Vasquez, acompanhado de seu assessor, José Henrique Pequeno Junior, visitaram o Sindilojas-Rio no dia 19 de novembro. Recebidos pela diretoria da Casa dos Lojistas do Rio, os visitantes informaram sobre as providências que a Prefeitura tomará para reprimir a expansão dos camelôs na Cidade. Os diretores informaram que a cada dia aumenta o número de barracas de camelotagem. Exemplo é o que vem ocorrendo na Praça Mário Lago, formada pelas ruas da Quitanda, São José e Nilo Peçanha. Acintosamente, barracas que vendem roupas femininas diante de loja especializada em artigos femininos. Na foto, os visitantes, à direita, o subprefeito Luis Cláudio Vasquez e o seu assessor José Pequeno Junior. Revista Empresário Lojista 17


Internet

Como evitar as armadilhas mais conhecidas e levar sua Armadilha 1 - Não conhecer as tecnologias e melhores práticas de e-commerce No início da indústria houve um mito de que “abrir uma loja na internet” era algo fácil e que um “sobrinho que entendesse dessas coisas” poderia fazer tudo. Nada pode ser mais falso, pois negócios e comunicação na internet exigem uma série de conhecimentos que são baseados em novas tecnologias e que somente pessoal capacitado e experiente tem uma chance maior de sucesso. Prepare-se para estudar e garanta em seu planejamento o orçamento para adquirir o treinamento para você e/ou para toda a sua equipe. Armadilha 2 - Escolha de sistemas de TI pouco apropriados ao perfil do empreendimento No mercado existem milhares de soluções tecnológicas que variam desde lojas “grátis” (geralmente requerem que espaços de publicidade apareçam em sua página ou fiquem com parte de seu faturamento), até

loja virtual ao sucesso

projetos de sistemas que têm custo acima de centenas de milhões de reais. Por isso, é muito fácil para um empreendedor novato pagar preços elevados em soluções que vão além de uma necessidade inicial e menos ambiciosa ou um negócio de grande potencial estrear com plataformas pífias e parecer pouco profissional diante de seu público. A solução aqui está em estudar e adquirir conhecimento antes de tomar decisões. Armadilha 3 - Estabelecimento de parcerias pouco confiáveis Essa armadilha geralmente afeta empreendedores novatos que ainda não têm experiência com fornecedores, operadores de logística, agências de comunicação entre outros. Tanto com fornecedores quanto com outros prestadores de serviço - que podem ser parceiros fundamentais para que o seu negócio deslanche - você terá que ter laços de boa amizade comercial e fortes vínculos por vezes baseados em contratos específicos. Armadilha 4 - Funcionários sem capacitação Cada vez mais, fazer negócios e se comunicar pela internet são prestar um serviço de atendimento impecável e ter sistemas funcionais que criem facilidades e aumento da produtividade. Dessa forma, muito cuidado para não delegar aspectos técnicos e atendimento a pessoas que não tiveram a devida capacitação e experiência para exercer essas funções cruciais. Armadilha 5 - Falta de capital inicial apro-

18 Revista Empresário Lojista

priado e lastro para melhoria de processos no longo prazo Como em qualquer negócio ou projeto que se inicia, deve-se ter a humildade e fortaleza para se enfrentar os primeiros tempos que podem ser difíceis. Engrenagens de sua máquina, negócios na internet podem falhar e talvez seja necessário “lubrificar” peças antes de tudo funcionar como planejado. Certifique-se de que o investimento inicial contempla os melhoramentos que serão necessários para aprimorar processos. Armadilha 6 - Uso de estoques de terceiros - falta de investimento em estoque A ideia que volta e meia vem à tona é vender primeiro em sua loja virtual e depois mandar um parceiro que mantém estoques entregar o produto no endereço de seu cliente. Essa prática foi abandonada por lojas virtuais de sucesso pelos problemas que os parceiros e a logística desencontrada podem causar. Tem que ter muita precisão nas operações e ser muito afinado com os fornecedores para que operar sem estoque funcione. A maioria dos casos de sucesso adquire os estoques antes e só então oferece produtos na internet. Armadilha 7 - Operar on-line com a mesma estrutura e organização de loja física Na internet, a loja fica aberta 24 horas por dia e 7 dias por semana. Então imagine que depois de uma grande promoção, numa certa noite de fim de semana, todo seu estoque foi vendido na web e você não tem mais o produto para vender para seus clientes na loja física. Lembre-se de que na web seu público está em todo o Brasil e a


Internet

comunicação e até os produtos mais vendidos podem ser diferentes.  Para ser mais prudente, inicie sua operação on-line tratando a loja virtual como um negócio completamente à parte, mesmo que o nome da sua marca e os fornecedores sejam os mesmos. Armadilha 8 - Falta de conhecimento em Web Marketing e Divulgação Digital Na internet, diferentemente da loja física, o cliente não passa na sua porta. Por isso, não deixe de planejar investimentos iniciais e, no segundo momento, parte do faturamento do negócio on-line (varia em torno de 10%) para ser aplicado em publicidade digital. É o ambiente nativo de pessoas que consomem pela internet. Como o seu cliente é internauta e geralmente bem esclarecido, ele está mais propenso a aceitar a comunicação no formato de promoção e publicidade digital. Certifique-se de que você conhece bem ou tem a asses-

soria correta em comunicação digital no lançamento e em toda duração do ciclo de vida de seu negócio virtual. Armadilha 9 - Preços sem aceitação no mercado No ambiente físico de comércio tradicional, já foi uma prática comum simplesmente se acrescentar uma margem percentual no custo de um produto adquirido para compor os preços finais. Mas, no mundo digital é muito fácil saber o preço de um concorrente. Você tem que acompanhar de perto a concorrência para que seus preços não fiquem completamente defasados do mercado e você seja o último a ficar sabendo. Defina quem são seus principais concorrentes na web e desenvolva a prática de observar os preços dos principais produtos que você e sua concorrência oferecem. Pode-se adquirir softwares para acompanhar automaticamente a concorrência e ser avisado por e-mail quando al-

terações significativas ocorrerem em seus preços. Armadilha 10 - Falta de agilidade e transparência na entrega Não entregar dentro de um prazo combinado é catastrófico para negócios on-line. Nesse caso, estude com calma o tempo que você e seus operadores logísticos de fato podem praticar nas entregas e publique em seu site um período ainda maior para surpreender positivamente o cliente. Tenha certeza de que seu site possui as devidas ferramentas de rastreamento e comunicação para manter o cliente sabendo, a cada instante, onde está e qual a situação da compra que foi feita. Eros de Castro, Empresário e consultor de e-commerce e web marketing Portal: www.INSEC21.com.br; FB: http://on.fb.me/UdJ2ua; Mini CV: http://bit.ly/YCFJgN; (21) 7137-0021

Revista Empresário Lojista 19


Sindicalismo

Novos valores da

contribuição social em 2014

A

partir de 1º de janeiro, será reajustada a tabela de contribuição social (mensalidade) das empresas associadas ao Sindilojas-Rio. O aumento foi aprovado na Assembleia Geral Extraordinária da Entidade de 19 de novembro último. Os valores foram corrigidos em 8% da tabela da contribuição social de 2013, mesmo índice do reajuste salarial dos comerciários do Rio em maio de 2013.

Sócios Enquadrados (R$)

Serviços disponibilizados

Tabela das mensalidades

Nº Empregados

Ouro

Diamante

0a5

50,00

134,00

6 a 20

60,00

158,00

21 a 40

97,00

194,00

41 a 70

147,00

220,00

71 a 100

194,00

Acima de 100

244,00 sim

sim

Consultas

-

sim

sim

Serviços em 3 processos

-

não

sim

serviços em 6 processos

-

sim

sim

Recebimento da Revista “Empresário Lojista”

-

sim

sim

Recebimento do MultiCard

-

Consultas

-

Serviços em 3 processos

-

serviços em 6 processos

-

Recebimento da Revista “Empresário Lojista”

-

Recebimento do MultiCard

-

Categorias dos Associados:

Nº Empregados

Ouro

Diamante

0a5

50,00

158,00

6 a 20

73,00

184,00

21 a 40

122,00

220,00

41 a 70

158,00

256,00

256,00

71 a 100

220,00

318,00

305,00

Acima de 100

305,00

390,00

sim

sim

sim

sim

não

sim

sim

sim

sim

sim

Tabela das mensalidades

Serviços disponibilizados

Categorias dos Associados:

Sócios Cooperadores (R$)

ATENÇÃO! Haverá o pagamento de um valor a título de “reposição mensal por serviços prestados” de R$110,00 para enquadrados e R$160,00 para cooperadores, pelo período de duração de cada processo excedente ao previsto para cada Categoria. Associado Especial As empresas que pagaram rigorosamente todas as contribuições do ano anterior (Sindical, Confederativa e Assistencial/Negocial) sem, entretanto, serem nossas associadas, serão elevadas ao “status” de Sócia Especial, com direito a efetuar consultas jurídicas e administrativas (despachantes), bem como receberão mensalmente a revista Empresário Lojista.

20 Revista Empresário Lojista


Direito

O preposto e a

Justiça do Trabalho

O

Sindilojas-Rio promoveu em sua sede, no dia 18 de novembro, a palestra “O preposto e a Justiça do Trabalho” com o objetivo de demonstrar a importância de seu papel para as empresas no ato das audiências trabalhistas. O palestrante Rodrigo Tostes Malta é advogado e autor dos livros “Direito do Trabalho Resumido” e “O preposto e a Justiça do Trabalho”, ambos publicados pela editora LTR. Com uma abordagem não técnica, o palestrante explicou o passo a passo de um processo desde a sua distribuição, passando pela notificação até a audiência com o juiz. Destacou que é fundamental que o preposto conheça a defesa elaborada pelo advogado e todos os fatos do caso em questão e que o momento de seu depoimento é o mais importante, pois o preposto vai defender a tese da empresa. Rodrigo reforçou também que o preposto precisa ser objetivo e contar apenas o necessário para evitar contradições, porém de forma alguma ser lacônico ou monossílabo.

Deve-se estar atento também com o dia, horário e indumentária e não deixar de levar a Carta de Preposto, além de evitar expressões como não sei, não vi ou desconheço, pois naquele momento ele é o representante legal da empresa.

No final da apresentação, o gerente geral do Sindilojas-Rio, José Belém, presenteou Rodrigo Tostes Malta com um exemplar do livro “Histórias de um comerciante”, em agradecimento à parceria com a entidade (foto).

Revista Empresário Lojista 21


Recursos Humanos

Debochar dos outros não é legal Valmir de Oliveira Gerente Financeiro e Recursos Humanos

S

ob todos os aspectos que se queira imaginar, deboche é zombaria, menosprezo, desrespeito, humilhação e fere preceitos constitucionais. Ao consultar o preâmbulo da CF/88, fica-se sabendo que ela se baseia em alguns princípios fundamentais afirmando no Art.1º, item III, que um dos fundamentos é a dignidade da pessoa humana. O deboche coloca isso por terra, quando atropela esse conceito. Na verdade, é um Bullying elevado à 5ª potência em razão do estrago que faz. Dia desses fui às compras e me preparava para pagar a mercadoria escolhida quando me deparei com uma cena inusitada entre uma das caixas e o gerente: “-Seu Galhardo, esqueci a senha e a máquina travou.” Resposta imediata: “- Ô sua “anta”, já te ensinei isso umas dez vezes e não aprendes nunca?”. Loja cheia, constrangimento geral, murmúrios de discordância, mas ninguém se meteu. Achei aquilo um absurdo, uma falta de solidariedade ímpar e não me contive: fui tirar satisfações com aquele que nos apresentou um poder de mando completamente equivocado, porém a própria funcionária não permitiu, pois, segundo ela, já o haviam denunciado à Procuradoria do Ministério do Trabalho. Menos mal: certamente algo iria acontecer. Silenciei e, em protesto, não levei o produto escolhido, mas, mesmo assim, saí do estabelecimento bastante contrariado. E não era para menos: que sujeito pedante! Chamar a menina de “anta”! Naquela noite não dormi bem e talvez por ter presenciado uma demonstração de maus tratos tive pesadelos e sonhos em22 Revista Empresário Lojista

baraçados. No decorrer do dia lembrei-me de um fato parecido ocorrido no fim da década de 60 que exemplifica bem as conseqüências, às vezes graves, advindas em razão de comportamentos inadequados. Trabalhava em Copacabana e era correntista de determinado Banco. Relacionavame bem com todos os funcionários daquela agência, mas intrigava-me a animosidade notória que existia entre o gerente e o tesoureiro. Mais tarde todos souberam os motivos.

Na verdade, é um Bullying elevado à 5ª potência Amaro, o gerente, não foi bafejado pela sorte e não possuía a beleza grega. Baixo, franzino, usava sapatos de salto carrapeta para parecer mais alto. Por ter predicados físicos razoáveis, nele se instalou o complexo de inferioridade. Já Alfredo, o tesoureiro, era a antítese: alto, moreno de olhos azuis, feições finas e com voz de locutor de FM, impressionava as clientes. Se fosse hoje, seria um “gato”. Naquela época era um “pão”. O fato é que isso provocava no Amaro uma inveja e um ciúme incontroláveis. Por causa dessa tolice, o Amaro,

usando do poder que detinha (e quem tem o poder, exerce), humilhava o Alfredo de todas as maneiras possíveis e prováveis, diariamente, utilizando-se, principalmente do deboche agressivo, isso por mais de dez anos. No dia da ocorrência funesta, Alfredo voltou do almoço e o Amaro, reunindo toda a equipe, disparou: “- Estão vendo o bonitão aí, cometeu um erro grave: não enviou o malote para a Sede o que vai trazer sérios prejuízos à compensação. É bonito, mas é “burro”. Alfredo, calmamente, se defendeu: - Deixei tudo preparado. O portador que veio buscar, por alguma razão não levou”. E o Amaro: “Cala a boca “idiota”, você só vai falar quando eu permitir!”. Alfredo estava com problemas pessoais e andava depressivo. Não havia como suportar a pressão. Era demais. O copo estava cheio e aquele momento foi a gota d’água que faltava para transbordá-lo. Humilhado, aproveitou-se de um descuido do vigilante, retirou a arma do coldre e consumou o ato. Estarrecidos, os colegas de trabalho tentaram retirá-lo do local, porém, de maneira surpreendente ele não arredou pé até a polícia chegar. Foi autuado em flagrante, relatou tranquilamente o ocorrido, estendendo as mãos para o policial como se buscasse as algemas e balbuciou: ”- Desculpe Amaro. Tinha que ser assim.” Assim, convém valorizar e respeitar a dignidade da pessoa humana, mesmo porque, na vida, não se tem controle sobre nada e o poder é efêmero por excelência. Que nos seja concedido um Natal de Paz e Harmonia.


Direito

PERGUNTE!

Empresário Lojista responde Os empresários lojistas, mesmo não tendo empresa associada ao Sindilojas-Rio, podem fazer consultas sobre questões jurídicas trabalhistas, cíveis e tributárias através do tel. 3125-6667, de 2ª a 6ª feira, de 9 às 17 horas. A seguir, algumas perguntas encaminhadas à advogada Luciana Mendonça, da Gerência Jurídica do Sindilojas-Rio, e suas respostas.

Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento da diferença da 2ª parcela do 13º salário para os empregados que percebem à base de comissão? O prazo para o pagamento da diferença, conforme previsto no parágrafo único do artigo 2º do Decreto nº 57.155/65, deverá ser feito até 10 de janeiro do ano seguinte. Como ficam as horas extras não compensadas através do Banco de Horas no caso de rescisão do contrato de trabalho? Na hipótese de rescisão do contrato de trabalho sem que tenha havido a compensação integral da jornada extraordinária, o empregado fará jus ao pagamento destas horas, com o acréscimo de no mínimo 50% da hora normal, calculadas sobre o valor da remuneração na data da rescisão. Como deve ser calculada a média salarial do empregado comissionista para pagamento do 13º salário? Para o pagamento do 13º Salário do empregado que percebe à base de comissão deve ser realizada a média do período considerando, para tanto, os meses compreendidos de janeiro a dezembro do ano calendário.

Os estabelecimentos podem funcionar dia 1º de janeiro? Não. Conforme cláusula décima quinta da Convenção Coletiva para Trabalho aos domingos, os estabelecimentos não funcionarão no Dia de Ano Novo, sendo proibido o trabalho nesse dia, mas garantidos os salários de seus empregados para todos os efeitos legais, inclusive repouso semanal remunerado.

de qualificação profissional que seja habilitado pelo Ministério da Educação. A modificação faz parte do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), do Ministério do Trabalho e Emprego. Os cursos serão disponibilizados no ato do requerimento do seguro-desemprego e caso ele aceite, já poderá efetuar a pré-matricula. O trabalhador continua recebendo o benefício durante o curso.

Os estabelecimentos comerciais podem funcionar na terça-feira de Carnaval? Conforme Cláusula Décima Quinta da Convenção Coletiva para Trabalho aos Domingos, as empresas que trabalharem em um ou mais domingos não funcionarão na Terça-feira de Carnaval, quarta-feira de Cinzas até 12 horas, Dia de Natal, Dia de Ano Novo e Dia do Comerciário, sendo proibido o trabalho nesses dias, mas garantidos os salários de seus empregados para todos os efeitos legais, inclusive Repouso Semanal Remunerado.

Como o empregador deve proceder quando o contrato de experiência de um empregado termina em um dia que não haja expediente? O término do contrato de experiência em dia que não há expediente deve ser préavisado ao empregado no último dia trabalhado e já comunicado, que deverá comparecer no primeiro dia útil ao término, no departamento pessoal da empresa para recebimento das verbas rescisórias e baixa em sua CTPS.

Como deve ser gozado o Repouso Semanal Remunerado? Deve-se conceder folga aos empregados após o período de seis dias corridos, ou seja, ele não pode trabalhar sete dias seguidos sem folgar e, pelo menos uma vez no período máximo de três semanas, coincidir com o domingo, respeitadas as demais normas de proteção ao trabalho e outras a serem estipuladas em negociação coletiva, de acordo com as Leis 605/49 e 10.101/00. Como funciona o curso de formação para quem pede o seguro-desemprego? Se o trabalhador pedir o seguro-desemprego pela segunda vez dentro de um período de 10 anos, para receber o benefício, terá de comprovar matrícula em um curso de formação inicial e continuada ou

Qual o período de carência para que o empregado possa receber auxílio-doença? O tempo mínimo de contribuição que o empregado precisa comprovar para ter direito ao recebimento do auxílio-doença são 12 meses. O empregado pode sofrer desconto em seu salário em virtude de ter chegado atrasado ao serviço 5 minutos? Não. O art. 58. § 1º da CLT dispõe que não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários. Esse tempo deve ser entendido como de tolerância, e não regra geral. O atraso em referência não pode, por exemplo, ser exercido todos os dias ou na maioria dos dias da semana pelo empregado. Revista Empresário Lojista 23


Direito

Limpar nome de consumidor

adimplente é encargo do credor Alexandre Lima Advogado do CDLRio

C

hegou ao fim uma batalha entre órgãos de proteção ao crédito e fornecedores de bens e serviços.

vocados a respeito de consumidores.

O Superior Tribunal de Justiça decidiu que cabe ao credor, e não ao devedor, o ônus da baixa da indicação de consumidor para inscrição em cadastro de proteção ao crédito. A decisão é da 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que rejeitou Agravo em Recurso Especial de uma financeira. A empresa recorreu contra acórdão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que a condenou ao pagamento de R$ 5 mil pela manutenção indevida do nome de um consumidor em cadastros de proteção ao crédito.

A partir do momento da regularização do débito, caberá ao credor a baixa do registro

O ministro Luis Felipe Salomão, relator do acórdão, afirmou que a decisão de segunda instância deveria ser mantida e citou o artigo 43, parágrafo 3º, e o artigo 73 do Código de Defesa do Consumidor. No ar-

tigo 73, segundo o relator, é caracterizada como crime a falta de correção imediata dos registros de informações e dados equi-

* * * *

24 Revista Empresário Lojista

Desta forma, a partir do momento da regularização do débito (pagamento, renegociação etc.) caberá ao credor a baixa do registro em até cinco dias. O Ministro, também, rejeitou o pedido de revisão do valor da indenização, alegando que há jurisprudência consolidada no Superior Tribunal de Justiça sobre as situações em que a condenação por danos morais deve ser alterada. Ele disse que isso deve ocorrer apenas quando a indenização for ínfima ou exorbitante. No caso em questão, porém, o valor está de acordo com as circunstâncias e não escapa à razoabilidade, segundo o Ministro Luis Felipe Salomão, que foi acompanhado em sua decisão dos Ministros Raúl Araújo, Marco Buzzi, Antonio Carlos Ferreira e Maria Isabel Gallotti.


Economia

New York Times

e Zona Norte Mauro Osorio Economista e consultor do CDLRio

E

xistem fortes correlações entre o dinamismo na atividade turística e o comércio em uma cidade, principalmente na cidade do Rio de Janeiro, pelas suas belezas naturais, cultura e história. O turismo na cidade do Rio de Janeiro passa por momentos de recuperação, pelas melhorias na situação da segurança pública, a realização de megaeventos e a ampliação do turismo de negócios, principalmente em torno do complexo de petróleo e gás. Nesse sentido, por exemplo, enquanto, de acordo com dados do Ministério do Trabalho, entre 2000 e 2012 o número de empregos formais no setor de alojamentos cresceu, na cidade, apenas 18,2%, contra um crescimento no total das capitais brasileiras de 29,8%, entre 2011 e 2012, o número de empregos formais na cidade e no total das capitais cresceu, respectivamente, 5,9% e 5,2%. Além disso, até 2016 está prevista a criação/ modernização de diversos hotéis no Rio, principalmente em Copacabana, Barra da Tijuca e na Zona Central da cidade. A conquista da condição de sede de megaeventos, pela cidade do Rio, gerou, entre outros aspectos, uma mudança positiva na sua visibilidade, seja internacionalmente seja em outras regiões brasileiras. Nessa direção, inclusive ocorreu uma reportagem recente no New York Times, apontando que existe “vida turística” na cidade do Rio além da Zona Sul e da Barra da Tijuca. A matéria destaca eventos/expressões culturais como o Samba do Trabalhador, no Clube Renascença, no Andaraí; a Feira de São Cristóvão; o Maracanã; e Paquetá. Dar destaque, no que diz respeito ao turismo, a regiões além da Zona Sul, como

a Norte, Suburbana e Oeste do Rio, é extremamente importante, seja pelo fato de que essas regiões já possuem diversos atrativos, como os já citados e outros, tais como a Igreja da Penha; a CADEG e suas manifestações culturais portuguesas; as Escolas de Samba e a Festa das Iabás na Estrada do Portela; o Baile de Charme em Madureira; a Serra

É necessário ampliar os investimentos em infraestrutura urbana do Mendanha; o Parque Burle Marx etc., seja também pela potencialidade da cidade do Rio para o chamado turismo de convivência, que atrai o turista que quer conviver com a cidade, suas tradições e costumes. No entanto, para consolidação da Zona Norte da cidade como produto turístico, é necessário ampliar os investimentos

em infraestrutura urbana, com a criação de novos equipamentos públicos na região, a exemplo do Parque de Madureira, recém-criado, e organizar novos produtos e roteiros turísticos, como a proposta de Marquinhos Oswaldo Cruz de criação de um “Museu a Céu Aberto” em Madureira/Oswaldo Cruz, com base na história do samba e da música naquela região. É importante ainda melhorar o conjunto da qualidade de vida nas Zonas Norte e Oeste carioca, onde vivem mais de 70% dos moradores da cidade do Rio de Janeiro. Boa parte das favelas do Rio também se encontra nessas regiões. Dessa forma, é importante livrar os seus moradores do controle territorial por tráfico ou milícia, onde ainda não existe Unidade de Polícia Pacificadora-UPP, facilitando assim o direito de ir e vir, seja dos cariocas seja dos turistas. Nessa linha, deve-se dotar essas regiões de oferta pública de educação e saúde, conforme a ofertada na Zona Sul do Rio. Deve-se lembrar, por exemplo, que no interior do Complexo do Alemão e na Cidade de Deus não existem escolas públicas de ensino médio. Pesquisa recente do IBGE mostrou que se, por um lado, nas favelas cariocas, a existência de bens de consumo duráveis nas moradias aumentou sensivelmente, por outro, enquanto no “asfalto”, no Rio, 25,5% dos moradores possuem ensino universitário, nas favelas são apenas 1,3%. Por último, faz-se necessário implantar serviços de esgoto e de coleta de lixo nas favelas da Zona Norte e na Zona Oeste, lembrando que a cidade boa para o turista é a cidade boa para o cidadão. Revista Empresário Lojista 25


Leis e Decretos

Legislações em vigor

O Centro de Estudos do CDLRio acompanha a legislação da União, do Estado e da Cidade do Rio de Janeiro. Os textos das legislações mencionadas poderão ser solicitados, sem ônus, ao Centro de Estudos do CDLRio através do telefone 2506.1234.

FEDERAL

rador da Dirf 2014 (PGD Dirf 2014).

Ato Declaratório Executivo Cofis nº 82, de 25 de outubro de 2013 (DOU de 30.10.2013) PROGRAMA GERADOR DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA - Dispõe sobre o leiaute do Programa Gerador da Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (PGD Dirf 2014).

Med. Prov. nº 627, de 11 de novembro de 2013. (DOU de 11.11.2013) REGIME TRIBUTÁRIO DE TRANSIÇÃO - Altera a legislação tributária federal relativa ao Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas - IRPJ, à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL, à Contribuição para o PIS/PASEP e à Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS; revoga o Regime Tributário de Transição RTT, instituído pela Lei nº  11.941, de 27 de maio de 2009; dispõe sobre a tributação da pessoa jurídica domiciliada no Brasil, com relação ao acréscimo patrimonial decorrente de participação em lucros auferidos no exterior por controladas e coligadas e de lucros auferidos por pessoa física residente no Brasil por intermédio de pessoa jurídica controlada no exterior; e dá outras providências.

Circ. BACEN/DC nº 3.680, de 04 de novembro de 2013 (DOU, de 06.11.2013) CONTA PAGAMENTO – SPB - Dispõe sobre a conta de pagamento utilizada pelas insti tuições de pagamento para registros de transações de pagamento de usuários finais. Circ. BACEN/DC nº 3.682, de 04 de novembro de 2013 (DOU de 06.11.2013) SPB – PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PAGAMENTO - Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB), estabelece os critérios segundo os quais os arranjos de pagamento não integrarão o SPB e dá outras providências. Inst. Norm. RFB nº 1406 de 23 de outubro de 2013 (DOU de 24.10.2013) IMPOSTO DE RENDA - DIRF - Dispõe sobre a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf) e o Programa Ge-

26 Revista Empresário Lojista

ESTADUAL Dec. nº 44.471, de 08 de novembro de 2013 (DOE de 11.11.2013) BENEFÍCIOS FISCAIS – BENS DURÁVEIS Dá nova redação aos dispositivos que menciona do Decreto nº 36.451, de 29 de outubro de 2004, e determina outras providências. Lei nº 6568, de 29 de outubro de 2013. (DOE de 30.10.2013)

ESTACIOMENTO – IDENTIFICADOR ELETRÔNICO - Torna obrigatória a utilização de identificador eletrônico de vagas nos estacionamentos pagos dos shoppings centers, centros comerciais, supermercados, hipermercados, edifícios garagem e rodoviárias e dá outras providências. Lei nº 6.575 de 01 de novembro de 2013. (DOR de 04.11.2013) AUTENTICAÇÃO DE BOLETO BANCÁRIO Dispõe sobre a obrigatoriedade de autenticação eletrônica nos boletos e documentos de compensação bancária e dá outras providências. Res. SEFAZ nº 680, de 24 de outubro de 2013 (DOE de 29.10.2013, Retificada em 05.11.2013) CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS – PARCELAMENTO - Dispõe sobre os procedimentos para concessão de parcelamento de créditos tributários e de créditos não tributários a que se refere a Lei nº 5.139, de 2007, e dá outras providências. PROJETO DE LEI Proj. de Lei nº 2577/2013 (DOE, Poder Legislativo, de 07.11.2013) LEITORES DE CÓDIGO DE BARRAS - Obriga os estabelecimentos comerciais que menciona a disponibilizarem leitores óticos de códigos de barras, na forma que menciona. Autor: Dep. André Ceciliano


Termômetro de Vendas

Comércio do Rio: 10 meses de resultado positivo

A

s vendas do comércio varejista da Cidade do Rio de Janeiro cresceram 6,9% em outubro em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com a pesquisa Termômetro de Vendas, divulgada mensalmente pelo Centro de Estudos do CDLRio, que ouviu cerca de 750 estabelecimentos comerciais. Foi o décimo mês consecutivo do ano a apresentar resultado positivo. No acumulado dos dez meses (janeiro/outubro) o aumento foi de 6% em comparação com o mesmo período de 2012. A pesquisa mostra que os indicadores do mês foram puxados pelo crescimento das vendas do comércio varejista especializado nos segmentos de confecções, eletrodomésticos, tecidos, calçados, móveis, joias e óticos. O presidente do CDLRio, Aldo Gonçalves, disse que o resultado favorável de outubro começou a se desenhar um mês antes, com o aumento das quitações de dívidas, reabilitando os consumidores para novas compras. “Mas, indiscutivelmente, o bom desempenho das vendas no Dia das Crianças foi determinante para o resultado positivo de outubro”, concluiu.

Segundo a pesquisa, o Ramo Duro (bens duráveis) teve uma performance melhor do que o Ramo Mole (não duráveis): 7% contra 6,7%. Quanto à forma de pagamento a venda à vista foi a preferida pelos clientes: 8% contra 6,4% das vendas a prazo.

pesquisa mostrou que no Ramo Mole, as lojas da Zona Norte registraram índices positivos de 8,6%, as da Zona Sul de 5% e as do Centro 4,5%. Já no Ramo Duro, as lojas da Zona Norte venderam mais 7,5%, as do Centro mais 6,6% e as da Zona Sul mais 5,8%.

Em relação às vendas conforme a localização dos estabelecimentos comerciais, a

Faça parte desta estatística!

O CDLRio fornece uma completa linha de produtos cobrindo todo o ciclo de crédito. Contate um de nossos consultores e faça parte de nosso quadro associativo:

21 2506-5533

comercial@cdlrio.com.br

Revista Empresário Lojista 27


Movimento de Cheque

Gráficos de Cheque

Movimento

de Cheque

S

egundo o LIG Cheque, registro de cadastro de cheques do CDLRio, as Dívidas Quitadas e a Inadimplência aumentaram em outubro, respectivamente, 3,5% e 0,9% e as Consultas diminuíram 3,7% em relação ao mesmo mês de 2012. Comparando-se outubro com o mês anterior (setembro), as Dívidas Quitadas e as Consultas cresceram respectivamente 7,4% e 5,4% e a inadimplência diminuiu 1,2%. No acumulado dos 10 meses do ano (janeiro/outubro) em relação ao mesmo período do ano passado, as Dívidas Quitadas e a Inadimplência cresceram, respectivamente, 3,4% e 1%, e as Consultas caíram 4,1%.

Pesquisas

&Análises

Acompanhe em nosso site todo o comportamento do comércio do Rio de Janeiro.

www.cdlrio.com.br Centro de Estudos do CDLRio Telefone: 21 2506-1234 email: estudos@cdlrio.com.br

28 Revista Empresário Lojista


Movimento de SCPC

Gráficos de SCPC

Dívidas Quitadas

aumentaram 4,1% em

outubro no Comércio do Rio As Consultas, item que indica o movimento do comércio, cresceram 0,8%.

A

s Dívidas Quitadas (índice que mostra o número de consumidores que colocaram suas contas em dia) no comércio lojista da Cidade do Rio de Janeiro aumentaram 4,1% em outubro em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com os registros do Serviço Central de Proteção ao Crédito do CDLRio. As Consultas (item que indica o movimento do comércio) cresceram 0,8% e a Inadimplência aumentou 0,9%. Comparando-se outubro com o mês anterior (setembro), as Consultas e a Inadimplência aumentaram respectivamente 0,2% e 6,4% e as Dívidas Quitadas diminuíram 0,5%. No acumulado dos dez meses do ano (janeiro/outubro), as Dívidas Quitadas, as Consultas e a Inadimplência aumentaram, respectivamente, 3,8%, 0,5% e 1,5% em comparação com o mesmo período de 2012. Para Aldo Gonçalves, presidente do CDL Rio, a maioria dos consumidores colocou suas contas em dia já pensando no crédito para poder comprar no Natal, a data comemorativa mais importante para o comércio. Segundo ele a expectativa é de um aumento das vendas de 8%.

Termômetro de Vendas Caso sua empresa se interesse em participar desta estatística, contate o Centro de Estudos do CDLRio pelo telefone 21 2506-1234 ou e-mail: estudos@cdlrio.com.br Revista Empresário Lojista 29


Obrigações

Obrigações de Janeiro de 2014 2 7

DCT – Imediatamente após a admissão de funcionário não cadastrado no PIS, preencher o DCT, apresentando-o à CEF, para efetuar o cadastramento.

FGTS – Efetuar o depósito correspondente ao mês anterior. CAGED – Cadastro de Empregados. Remeter via Internet através do programa ACI, informando sobre admissões, desligamentos e transferências de funcionários, ocorridos no mês anterior.

8 10

ICMS – Pagamento do imposto pelos contribuintes relacionados ao anexo único do Decreto nº 31.235/2002, referente à apuração do mês anterior.

IR/FONTE – Referente a fatos geradores ocorridos no mês anterior. ISS – Recolhimento do imposto, o prestador deverá gerar no sistema o documento de arrecadação relativo às NFS-e emitidas. Lembrete: o recolhimento do imposto relativo às NFS-e deve ser realizado até o dia 10 do mês seguinte à emissão. ICMS – Empresas varejistas e atacadistas devem efetuar o recolhimento do tributo apurado relativamente ao mês anterior.

15 21

PIS, COFINS, CSLL – Referente a fatos geradores ocorridos na 2ª quinzena do mês de DEZEMBRO/2013 (Retenção de contribuições – pagamentos de PJ a PJ de direito privado (Cofins, PIS/Pasep, CSLL ).

SUPERSIMPLES / SIMPLES NACIONAL – Pagamento do DAS referente ao período de apuração do mês anterior (DEZEMBRO/2013). INSS – Recolher a contribuição previdenciária referente ao mês anterior.* (Prorrogado o prazo para o dia 20 pela Medida Provisória nº 447 publicada no D.O. U em 17/11/08). DCTF – Mensal – Prazo de entrega da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais referente ao mês de NOVEMBRO/2013.

25

COFINS – Recolher 3% sobre a receita do mês anterior, exceto as empresas tributadas no lucro real.* (Prorrogado o prazo para o dia 25 pela Medida Provisória nº 447 publicada no D.O. U em 17/11/08). COFINS – Recolher 7,6% para empresas tributadas no lucro real. * (Prorrogado o prazo para o dia 25 pela Medida Provisória nº 447 publicada no D.O. U em 17/11/08). PIS – Recolher 0,65% sobre as operações do mês anterior. * (Prorrogado o prazo para o dia 25 pela Medida Provisória nº 447 publicada no D.O.U em 17/11/08).

31

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DOS EMPREGADOS – Efetuar o desconto de 1/30 do salário dos empregados para recolhimento a favor do sindicato profissional, dos admitidos em débito com a obrigação. PIS, COFINS, CSLL – Referente a fatos geradores ocorridos na 1ª quinzena do mês de DEZEMBRO/2013 (Retenção de contribuições - pagamentos de PJ a PJ de direito privado (Cofins, PIS/Pasep, CSLL ) IR/PJ – Empresas devem efetuar o recolhimento do tributo incidente sobre o período de apuração do mês anterior. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL – Empresas tributadas com base no lucro real, presumido ou arbitrado, devem efetuar o recolhimento do tributo incidente sobre o período de apuração do mês anterior.

ALTERAÇÕES DE TABELAS DE 2014 Deixamos de publicar as tabelas de Alíquotas do Imposto de Renda na Fonte, do Salário Mínimo, do GIA/ICMS e do INSS – Segurados empregados, inclusive domésticos e trabalhadores avulsos em virtude de até o fechamento desta edição, não terem sido divulgadas as referidas tabelas de 2014. Em janeiro, na medida em que recebermos as novas tabelas, as mesmas serão divulgadas no portal www.sindilojas-rio.com.br. 30 Revista Empresário Lojista


Obrigações > Alíquotas do Imposto de Renda Retido na Fonte

> Pisos salariais dos comerciários do Rio

Tabela Progressiva para o cálculo mensal do IR de Pessoa Física a partir do exercício de 2014, ano-calendário 2013.

1ª Faixa (empacotador, auxiliar de serviços gerais, auxiliar de escritório, estoquista, repositor, auxiliar de depósito)

R$ 797,50

2ª Faixa (vendedor, balconista, operador de caixa e pessoal escritório) Operador de Telemarketing (telefonia e similar)

R$ 808,50 R$ 814,00

Comissionistas (puros e mistos)

R$ 885,50

Contrato de Experiência (máximo 90 dias)

R$ 685,00

Base de cálculo mensal em (R$)

Aíquota %

Parcela a deduzir do imposto em R$

Até 1.710,78

-

-

De 1.710,79 até 2.563,91

7,5

R$ 128,31

De 2.563,92 até 3.418,59

15

R$ 320,60

De 3.418,60 até 4.271,59

22,5

R$ 577,00

Acima de 4.271,59

27,5

R$ 790,58

Salários até R$ 4.400,00: A partir de 1º de maio de 2013: reajuste de 8,2 sobre os salários de 1º de maio de 2012; Salários superiores a R$ 4.400,00: Para quem ganha acima deste valor, o excedente será objeto de livre negociação entre empregadores e empregados Para os empregados admitidos após 1º de maio de 2012, o reajuste de salários será proporcional aos meses trabalhados (em duodécimos).

Lei nº 12.469 de 26/08/11 D.O.U. 29/08/11 INSS - Segurados, empregados, inclusive domésticos e trabalhadores avulsos. > Tabela de contribuição dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, para pagamento de remuneração a partir de 01/01/2013. Salário de contribuição (R$)

Alíquota para fins de recolhimento ao INSS (%)

Até R$ 1.247,70

8,00

De R$ 1.247,71 a R$ 2.079,50

9,00

De R$ 2.079,51 até R$ 4.159,00

11,00

> Salário-Família a partir de

> GIA / ICMS - 01/2014

15/01/13

Último número da raiz do CNPJ do estabelecimento

Prazo-limite de entrega referente ao mês 12/2013

1, 2 e 3

13/01

Até R$ 646,55

R$ 33,16

4

14/01

5

15/01

De R$ 646,56 até R$ 971,78

R$ 23,36

6

16/01

Acima de R$ 971,78

7

17/01

8, 9 e 0

21/01

(Portaria nº 15 MPS/MF, de 15-01-2013)

Remuneração

Valor da Quota - (R$)

Sem direito

Portaria Interministerial MPS/MF nº 15, de 10 de janeiro de 2013, publicado no DOU de 11/01/2013.

Revista Empresário Lojista 31


Opinião

O que estamos fazendo

para o resultado das vendas no varejo? Fernando Mello Assessor da Presidência do CDLRio

O

s lojistas em atividade na cidade do Rio de Janeiro ocupam por volta de 36 mil estabelecimentos produzindo uma receita operacional anual de cerca de 70 bilhões de reais. Proporcionam recolhimentos elevados de tributos em cerca de 30 bilhões que financiam serviços públicos e o progresso do Estado e do Município. Remuneram seus trabalhadores do setor com benefícios sociais e salários da ordem de 4,8 bilhões de reais correspondentes a oferta dos empregos formais de aproximadamente 335 mil postos de trabalho. Não obstante o vigoroso elenco dos benefícios gerados e os valiosos serviços prestados pelo varejo em geral, os lojistas são prejudicados pela desleal concorrência da pirataria e do comércio informal sem que as autoridades competentes reprimam esses atos criminosos com adequado rigor. Atualmente a estimativa é que o mercado ilegal de produtos piratas no Brasil movimente em torno de 85 bilhões de reais anuais, dos quais, cerca de 38 bilhões deixam de ser arrecadados pelos cofres públicos. Para o Rio de Janeiro, os mesmos números consistem em um movimento anual de 6 bilhões de reais e a evasão fiscal é da ordem de 2 bilhões e seiscentos milhões. Não bastassem essas adversidades que subtraem oportunidades de vendas, os comerciantes do extenso e importante aglomerado de lojas do grande núcleo de 32 Revista Empresário Lojista

comércio do Centro, se veem agora surpreendidos com novos problemas. O desenvolvimento urbano da Área Portuária que está sendo promovido pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro está trazendo algumas dificuldades para as vendas do comércio da Área Central.

região, comprometida com a má vontade de consumir na área, insinuando um desestímulo às compras. A confusão e o desconforto têm sido tão grandes que os consumidores residentes nos municípios mais próximos ao Centro do Rio e que, até bem pouco tempo, vinham aqui comprar mercadorias e obter serviços, estão desistindo de praticar essa freguesia.

Os lojistas são prejudicados pela desleal concorrência da pirataria e do comércio informal

Para agravar ainda mais essa situação, o temor de que passeatas de protesto terminem em tumultos e violência, também afasta consumidores do Centro.

Parece que todas as obras necessárias de serem realizadas no entorno da área central da cidade estão sendo iniciadas ao mesmo tempo.

Talvez seja possível melhorar a segurança e aumentar as áreas para estacionamento.

É muito grande a irritação dos cariocas que circulam de carro ou até mesmo a pé, pela

A Prefeitura teria que programar tantas obras justamente para o período que antecede as Festas de Fim de Ano? Por quê? As obras de transformação do Porto, o fechamento de ruas e avenidas como a Rodrigues Alves, a derrubada da Perimetral, as novas rotas de trânsito, congestionadas, os insuficientes transportes coletivos sobrecarregados e o medo da violência, gerado pelo vandalismo nas manifestações, não deixam dúvidas que haverá insatisfações nas vendas do comércio na região central da cidade.

Com certeza, os comerciantes do Centro darão uma adequada resposta com criatividade em benefício de um melhor resultado das vendas.


Cadastro Positivo O Cadastro Positivo é um banco de dados no qual são registrados os compromissos financeiros e de pagamentos relativos às operações de crédito e obrigações de pagamento adimplidas ou em andamento por pessoa física ou jurídica. Benefícios Consumidor PF O Cadastro Positivo busca um conjunto de possíveis benefícios já em discussão na sociedade brasileira: • Melhores condições de acesso ao crédito; • Maior poder de negociação junto às empresas e credores; • Reconhecimento de bom pagador e, como consequência, melhores prazos, limites adequados ao perfil do consumidor e taxas diferenciadas; • Contratação de crédito de forma justa e sustentável. As informações positivas contribuem para a visão do comportamento global do cliente, permitindo uma visão abrangente de seu histórico creditício.

O consumidor cadastrado poderá ser acompanhado pelo seu histórico de pagamentos, e assim ser avaliado de forma mais completa na análise de crédito. Além disso, o Cadastro Positivo poderá possibilitar ao consumidor ter acesso a melhores condições de negociação, prazos, limites e taxas reduzidas. Consumidor PJ Para o consumidor PJ, a grande vantagem oferecida pelo Cadastro Positivo é a possibilidade de registrar todo o seu histórico de pagamentos, incluindo seus compromissos adimplidos ou em andamento. Por meio de uma análise muito mais completa com o Cadastro Positivo, espera-se que o empresário de pequenas e médias empresas possa ter acesso a melhores condições de negociação junto aos seus parceiros comerciais para a solicitação de linha de crédito ou financiamento.


Rev emp loj dez web  

Publicação mensal com notícias referentes ao comercio varejista no município do Rio de Janeiro

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you