Page 1

arquitetura sensorial


arquitetura sensorial Universidade de Brasília Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Trabalho Final de Graduação

Elias Campos de Jesus Filho Marcia Urbano Troncoso (Orientadora) Eliel Américo Silva (Co-orientador)

3


agradecimentos Agradeço a enorme oportunidade de ter trabalhado com a professora Marcia e Eliel, pela paciência e confiança ao tema tão delicado. À professora Marcia que sempre esteve disposta a me ajudar e orientar. Ao professor Eliel pelas orientações paralelas e as incríveis ilustrações sobre o autismo. Á minha família em especial meus pais e irmão ( ANTONIA, ELIAS e HUGO ), pelo apoio e por terem feito de tudo para que eu pudesse chegar até aqui. Aos meus amigos da FAU que sempre me ajudaram diretamente ou indiretamente, em especial NATH LEMES, GABI OLIVEIRA, ARIELE e ALEXANDRA. À toda banca que me acompanhou durante toda a diplomação.

4


Apresentação

1 2 3

Sumário

6 6

Introdução

7

1.1 O Projeto e Metodologi a

8 9

1.2 Objeto -centro e desenvolviment o da criança

Condicionantes

10

2.2 O Autismo no Brasi l 2.3 O Autismo no D F 2.4 Os sentimentos para a criança TEA 2.5 Percepção Gestalt, Literária e Fragmentada 2.6 Diferenciação - eu e o outro 2.6.1 O universo particular autista 2.7 Brainstorm - Sentidos autista s 2.8 Pontos positivos em ser autista

13 14 15 18 20 21 24 27

Pedagogia e espaço

30

3.1 Educação inclusiva no Brasi l 3.2 Programas pedagógicos adaptados 3.3 Pedagogia Montessoriana 3.4 Programa TEACCH 3.4.1 Dividindo tempo e espaço 3.5 Ovide Decroly (1871-1932) o pensamento da escola nova

30 31 31 32 33 34

38

4

Normas e parâmetros. 4.1 Escala da criança e mobiliário adequado

38

5

Referências e estudos de caso

40

5.1 Centro de guarda infantil de Montreal, Canadá 5.2 Casa de acolhimento e de educação par a crianças autistas Stratsbourg, França 5.3 Orfanato de Amsterdam, V an Eyck 5.4 Hazelwood School. Glasco w, Escócia.

40 41 42 44

Parte 2 O Projeto

6 7 8 9

Diretrizes de Projeto

46

6.1 Considerações e diretrize s 6.2 Brainstorm Arquitetura 6.3 Diretrizes de Projeto 6.4 Espaços estimulantes 6.5 Sensações, Forma e Espaço 6.6 Estrutura Física Funcional para lançamento do projeto 6.7 Programa de necessidades

46 47 48 51 56 57

Localização

60

Forma e espaços

64

Desenhos técnicos e perspectiva s Plantas Cortes Fachadas Detalhes Perspectiva s

66 67 72 74 75 76

58

80

5


Justificativa A importância de fornecer meios para a inclusão na sociedade, não é somente uma medida , mas forma de desenvolvimento cognitivo, motor e pessoal dos indivíduos com necessidades especiais . A infância é onde os primeiros aspectos de alguma limitação se expõe .Com isso a importância do desenvolvimento infantil adequado , tanto para crianças comuns e sobretudo para crianças especiais faz com que os indivíduos com Transtorno do Espectro Autista tenham necessidades sensoriais e espaciais diferentes. Muitas vezes as crianças com TEA têm medo de participar de determinadas atividade, pois o ambiente não está preparado, uma vez que o indivíduo não se sente seguro. A partir destes parâmetros a aplicação espacial para crianças com TEA, leva em conta suas necessidades e desenvolvimento perceptivo diferentes. De modo a trabalhar com aspectos arquitetônicos que promovam interações sociais, autonomia da criança, a relação de respeito às individualidades, adaptação à hipo e hipersensibilidade advindas de aspectos ambientais, como luz, frio, calor, texturas e ruídos; Este projeto visa ainda a inserção da criança autista em meio à espaços de transição urbana que possibilitem estimular os 5 sentidos, através de soluções da arquitetura sensorial.

6


Introdução

7


1.1 O projeto e metodologia Estudar e analisar a questão do lúdico na arquitetura: sua relação com o corpo e as sensações e percepções que este pode ter com os espaços, criando assim diretrizes de projeto que possam ser aplicada no espaço onde se possa criar uma arquitetura interativa, com objetivo maior o desenvolvimento sensorial e cognitivo das crianças. O termo refere-se à necessidade humana de sentir, expressar, comunicar e produzir emoções primárias (rir, gritar, chorar, gozar) orientadas ao entretenimento, diversão e lazer Mantilla(2011).¹ O Centro inclusivo de desenvolvimento, tem como principal objetivo promover a inclusão de crianças do Desenvolvimento Global (TGD) , ao ambiente escolar comum. Divididos pelo dilema “ incluir ou não”, o projeto permite a integração entre diferentes crianças em fase de desenvolvimento. Nesse sentido a metodologia de projeto consiste criança autista, e aplicar os conceitos de arquitetura sensorial e espaço lúdico no projeto. Logo espera -se com isso se obter um espaço seguro, agradável , perceptível e abrangente para as necessidades do desenvolvimento infantil. A percepção espacial de uma criança comum difere muito de outras especiais,principalmentre entre as portadoras de transtorno do espectro autista (TEA). Mesmo dentro do espectro existem uma enorme pluralidade de crianças com diferentes niveis de comportamento, levando cuidadoso trabalho individualizado de inclusão. 1 Mantilla, Renato Sebastian Rios Arquitetura – Jogo – Percepção : a casa como elemento lúdico / Renato Rios -- São Paulo, 2011. 169 p.

8

architecture tournée vers l’excitation de l’imaginaire et des sens. “ (Institut de l’enfance et de la famille, 1991; 73). -


Objeto Centro de desenvolvimento da criança Baseia-se em um centro para o desenvolvimento no que se refere seus aspectos físicos, psico-a fetivos, cognitivos, sociais e culturais, priorizando o processo de interação e comunicação em interface com a área de saúde e de assistência social. Mediante atividades podemos explorar as questões arquitetônicas referentes à linguagem , à questão visual, orientabilidade, conforto hidrotérmico, texturas, cores e sensações. De início , entende-se a situação atual do autismo no brasil , bem como as percepções espaciais e cognitivas da criança autista.É também necessário falar sobre a educação inclusiva no brasil, como funciona e

Educação Inclusiva SAÚDE - TERAPIAS E ESPECIALIDADES LÚDICO / ESPORTIVO / ARTES

conceitos interacionistas Permitir à criança de se integrar na sociedade, o centro de desenvolvimento deve primeiramente reconhecer a existência de difeadaptado às necessidades de TODOS.Logo deve está amoldado tanto para crianças comuns como as crianças tendo alguma incapacidade intelectual, física ou transtorno dos desenvolvimento. A inclusão é um preparo para a vida em comunidade, dando oportunidade às crianças autistas de conviver com crianças que não pos-

Feita a abordagem ao probleproposta pelo plano de trabalho. Abordando normas e particularidades relativas ao ensino e os espaços terapêuticos. Usando de conceitos e análises projetuais, tais como estudos de caso e soluções.

estéticos

tecnológicos

rótulos que foram dados há muito tempo e que não condizem com a atual realidade dos indivíduos portadores da síndrome. Camargo e Bosa (2009) Conceitos de PROJETO. Apresentam os três conceitos gerais adotados para o projeto : Estética (aspéctos plásticos e formais, em correlação com a percepção da criança), conceitos Interacionista - ( aspectos arquitetônico que estão relacionados ao sentidos : percepção, usuário ambiente, inclusão , compartilhamento , ensino) e conceitos Tecnológicos (soluções técnicas, construtivas, conforto , salubridade e sustentabilidade).

9


2.Condicionantes transtorno global do desenvolvimento, tendo como característica principal o desenvolvimento acentuadamente atípico na interação social e na comunicação e pela presença de um repertório marcadamente restrito de atividades e interesses. Proporcionar às crianças com autismo oportunidades de conviver com outras da mesma faixa etária possibilita o estímulo às suas capacidades interativas, impedindo o isolamento contínuo (CAMARGO; BOSA, 2009). Estimou-se em 2007 que no Brasil, país com uma população de cerca de 190 milhões de pessoas naquele ano, havia cerca de 1 milhão de casos de autismo, segundo o Projeto Autismo, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, da Universidade de São Paulo. Atualmente o número mais aceito é a estimativa de que haja 2 milhões de pessoas com autismo, cerca de 1,0% da população. No mundo, a ONU (Organização das Nações Unidas) estima que tenhamos 70 milhões de autistas. Kanner foi o primeiro em 1943, a estao autismo infantil. Estes critérios estão entres pados e a necessidade de isolamento. De acordo com Lorna Wing (1983) , os estudos cas do autismo - tríade autista - problemas de comunicação verbal e não verbal, alteração das interações sociais e o comportamento apresentando centros de interesse restritos, estereotipados e repetitivos.

10

As relações sociais e a fetivas: Desde o início há uma extrema solidão autista, algo que, na medida do possível, desconsidera, ignora ou impede a entrada de tudo o que chega à criança de fora. O contato físico direto e os movimentos ou ruídos que ameaçam romper a solidão são tratados como se não estivessem ali, ou, não bastasse isso, são sentidos dolorosamente como uma interferência penosa” (KANNER, 1943). A comunicação e a linguagem: L. Kanner descreveu a ausência de linguagem (mutismo) em algumas crianças, seu uso estranho nas que a possuem, a presença de ecolalia, a aparência de surdez em algum momento do desenvolvimento e a falta de emissões relevantes. A relação com as mudanças no ambiente e a rotina: A conduta da criança “é governada por um desejo ansiosamente obsessivo por manter a igualdade, que ninguém, a não ser a própria criança, pode romper em raras ocasiões” (1943, p. 22). Memória: Capacidade surpreendente de alguns em memorizar grande quantidade de material sem sentido ou efeito prático. Hipersensibilidade a estímulos: Muitas crianças reagiam intensamente a certos ruídos e a alguns objetos. Também manifestavam problemas com a alimentação.

é 1

1

1 - Reação aos sons 2- ações repetitivas 3- Isolamento 4 - Evita contato visual


O autismo nos fascina! “Desde 1938, chamaram-nos a atenção várias crianças cujo quadro difere tanto e tão peculiarmente de qualquer outro tipo conhecido até o momento que cada caso merece - e espe ro que venha a receber com o tempo uma consideração detalhada de suas peculiaridades fascinantes” Leo Kanner, 1943

O que o autismo? (s.m.) Transtorno global do desenvolvimento, caracterizado pela incapacidade de interação social, pela dificuldade na comunicação verbal, ou no uso da linguagem, e pela concentração excessiva em pensamentos e sentimentos pessoais em detrimento do mundo exterior. (Dicionário Dico.com.br , 2016)

11


3 meses 3 meses

O autismo tem crescido 600% nos últimos 30 anos.

Tratamentos e terapias

A análise do comportamento aplicada, ou ABA (Applied Behavior Analysis, na sigla em inglês) é uma abordagem da psicologia que é usada para a compreensão do comportamento e vem sendo amplamente utilizada no atendimento a pessoas com desenvolvimento atípico, como os transtornos invasivos do desenvolvimento (TIDs). ABA vem do behaviorismo e observa, analisa e explica a associação entre o ambiente, o comportamento humano e a aprendizagem (Lear, K., 2004). Ele estuda o papel que o ambiente desempenha – ambiente

2012

hipóteses levantadas. Conforme pesquisa do governo dos Estados Unidos, os casos de autismo subiram para 1 em cada 68 crianças com 8 anos de idade — o equivalente a 1,47%. O número foi aferido pelo CDC (Center of Diseases Control and Prevention), do governo estadunidense — órgão próximo do que representa, no Brasil, o Ministério da Saúde. Os dados são referentes a 2010 . Houve aumento de quase 30% em relação aos dados anteriores, de 2008, em que apontava para 1 caso a cada 88 crianças.

1 Center of Diseases Cont rol and Prevention , agosto 2016 . Disponí vel em : http://ww w.autism-socie ty.org/what-is/facts-and-statistics/

1995

1975 12

Dificuldade em distinguir a voz dos pais; Desconforto no colo; Pouco contato visual.

9 meses Dificuldade de imitar Indiferente às pessoas estranhas à família

Beijos e abraços - um problema; Movimentos involuntários.

1975 1:250

1:2500

4 a 6 meses

18 meses

1975 1:5000

Perda de interesse pela voz humana.

1:500

1:150 1:88

2001

36 meses Não se interessa em brincar com outras crianças; Mudança de rotina um problema.


O autismo no Brasil “Estima-se que 90% dos brasileiros com autismo não tenham sido diagnosticados. Falta informação: nunca foi feita campanha de conscientização no país”, diz o psiquiatra Estevão Vadasz, coordenador do Programa de Transtornos do Espectro Autista do Instituto de Psiquiatria do HC de São Paulo.

Divisão do Transtorno do Espectro Autista (TEA).

1 a cada 150 pessoas são autistas no Brasil. Método

ABA TEACCH MONTESSORIANA INCLUSÃO ESCOLAR

Terapias

CONTROLE DE RAIVA, TERAPIA FAMILIAR, ANÁLISE DO COMPORTAMENTO APLICADA, TERAPIA COMPORTAMENTAL, PROCESSAMENTO SENSORIAL, TERAPIA ASSISTIDA POR ANIMAIS E TELEPRÁTICA

Especialidades

FONOAUDIÓLOGO TERAPEUTA OCUPACIONAL PSICÓLOGO CLÍNICO NEUROLOGISTA PSIQUIATRA E PEDIATRA

O impacto de ter deficiência no Brasil

Quem possui algum tipo de deficiência,tem... 2 vezes mais chances de...

não frequentar a escola (entre 7 e 14 anos)

2 vezes mais chances de...

não ser alfabetizado (entre 7 e 14 anos)

4 vezes mais chances de...

não ser alfabetizado (entre 7 e 17 anos)

Fonte: Tabula ‹o especial sob re equidade de amostra Censo Demogr‡fico 2000(IBGE) Unicef, junho de 2003

13


O autismo no DF. O Brasil teria, conforme as projeções da Secretaria de Direitos Humanos (2013)¹ , cerca de 1,2 milhão de pessoas com autismo e necessitaria de quase 40 mil instituições para cuidar de seus cidadãos com transtornos globais de desenvolvimento. Apesar de as respostas terem sido voluntárias e motivadas pela possibilidade de participação no evento promovido pela AMA - Associação de Amigos do AUTISTA e pela ABRA, ou seja, essa amostragem pode não ser representativa, a forte concentração de entidades e do número de assistidos na região Sudeste pode ser considerada um retrato da realidade brasileira, com estados onde o atendimento ao autismo é praticamente inexistente e uma distribuição desigual das possibilidades assistenciais para as pessoas com autismo conforme sua região. No DF, existem 18 centros especiais públicos, porém abrigam todos os tipos de limitações e não suporta a demanda da população. dades para implantação da inclusão.

1 Retratos do Autismo no Brasil , agosto de 2016, disponível em: http://ww w.ama.org.br/site/images/ho me/Downloads/RetratoDo Autismo.pdf

14

-


2.4 Os sentido para a criança TEA. Sentidos primários

equilíbrio

De acordo com (Viola et Noddings, 2008; 40) , existem os sentidos primários, mais relacionado ao nosso corpo como o equilíbrio, os movimentos e o toque . Logo esses sentidos

movimentos

toque

desenvolvimento dos sentidos secundários, tais como a visão , o ouvir, o paladar e o odor, estes estimulados de variadas formas. Assim é sentidos.

Sentidos secundários

odor

paladar

visão

audição

A recepção dos sentidos na criança com TEA, seja o contato com as informações , pelos sentidos ou as relações sociais, são recebidas no cérebro e sistema nervoso com de forma diferente comparada à uma criança comum.De acordo com Anna Jean Ayres (1979), teórica da integração sensorial, um mal processamento dos sentidos no cérebro da criança TEA provoca um baixo nível de aprendizado e comportamento. Logo as informações entram no cérebro de maneira desorganizada. Desta forma o corpo da criança TEA está aberto ao recebimento de estímulos e sensações, porem o processamento dessas informações, acontecem de forma confusa e excessiva. Vale pensar que o cérebro destas crianças possuem uma quantia maior de neurônios, mas ao fazer a relação entre informação - sen tido - reação , estas conexões se confundem,

se perdem , ou na maioria das vezes o corpo responde à determinados estímulos de maneira involuntária, como é o caso dos comportamentos estereotipados. Os principais sintomas da disfunção sensorial são: hiperatividade ou distração, problemuscular e da coordenação motora.(Grandin, 1997). Assim , estas crianças não podem gerenciar todos os sentidos de uma vez, eles terão uma preferencia em utilizar seus receptores sensoriais primários que seu receptores secundários , os quais os estímulos permeiam os espaços, como audição e a visão. Fato este que explica porque e maioria das crianças TEA aparentam não escutar.De fato eles reagem aos sons que eles próprios emitem, estímulos primários, em detrimento dos sons expressados por outros indivíduos . Felizmente, o sistema nervoso da criança é maleável e o corpo humano tem a capacidade natural de desenvolver a integração sensorial, através de atividades sensório-motoras. (Thompson, 2011). Por isso a necessidade de compreensão dos sentidos para a criança TEA, revelando essencial para o desenvolvimento de um ambiente adaptados às suas necessidades.

15


Ilustrações do Prof essor Eliel Américo FAU - UnB.

16


17


2.5 Guestalt, Literária e Fragmentada

1

2

precisover ver éépreciso a unidade pra as partes para descobrir descobrir todo ootodo

A percepção literal é a particularidade de ver as coisas sem interpretação ou compreensão.Um indivíduo não autista, frente a um blivet observa primeiramente a base com três colunas e depois percebe que ao topo existem duas colunas. Associando a um objeto impossível. O indivíduo autista não fará a ligação entre estas duas informações , não detectando nenhuma anomalia no objeto. O mesmo acontece com o cubo de Necker, o triângulo e a escada de Penrose. Percebe-se que a pessoa autista tem

3

uniforme.

4 2- Cubo de Nec ker 3- Triângulo de Penrose 4 - B liv e t 5- Escada de Penrose

18

e segundo plano. Percepção esta chamada de Gestalt, é explicada pela ausência da criança autista de pré-conceber um ambiente com um todo, antes memo que o cérebro não tenha terminado de interpretar todos os detalhes. Logo o indivíduo com autismo apresenta uma Percepção Fragmentada – o objeto não é percebido como um todo, apenas em partes, o Entendendo tais percepções, diretrizes de projeto poderão ser adotadas. Principalmente ao que toca o campo visual e perceptivo. Por exemplo um ambiente exacerbado de detalhes duos autistas.

5


Ilustrações do P rofessor Eliel Américo FAU - UnB.

19


2.6 Diferenciação - eu e o outro.

20


2.6.1 O universo particular autista

foto: Timothy Archibald http://www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2013/04/TimothyArchibald_Eli3.jpg

21


fotos: Timothy Archibald http://www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2013/04/TimothyArchibald_Eli3.jpg

22


23


2.7 Brainstorm - Sentidos Autistas

contato com a natureza

sens de d e lib

sensibilidade a determinadas texturas

24

curiosidade e supervisĂŁo


isolamento e dificuldades de linguagem

sensibilidades a sons, ruídos e sensações

sações descoberta berdade

sensibilidade à luz do Sol

apego à objetos em momentos de crise

25


Ilustração realizada pelo p rofessor Eliel Américo

Há um excesso de informações e sentimentos, onde o corpo se encontra aberto ao recebimento de estímulos. 26


2.8 Pontos + Em ser autista

objetivos e verdadeiros e criativos e gĂŞnios tĂ­midos

27


Jogador Messi e o artista Stephen fonte: http://br.blastingnews.com/ciencia-saude/2015/10/a-sindrome-que-tem-einstein-e-messi-como-vitimas-00617469.html

28


29


3. Pedagogia e espaço 3.1 Educação inclusiva no Brasil

30


3.2 Programas pedagógicos adaptados

3.3 Pedagogia Montessoriana Foi uma das representantes européias do Movimento da Escola Nova (movimento de renovação educacional que teve início no século XIX e chegou até os dias atuais). Preocupada com a saúde mental das crianças, procurou oferecer-lhes um ambiente apropriado, respeitando sua liberdade de ação. Criou móveis e utensílios de tamanho proporcional ao da criança; aboliu o uso das carteiras tradicionais, introduzindo mesinhas individuais e leves que a própria criança pudesse deslocar. Além dos móveis e utensílios, criou um material pedagógico atraente destinado a desenvolver as funções sensoriais e a aprendizagem da leitura, da escrita e do cálculo. Este material consistia em sólidos com diversas formas, tamanhos, cores, espessuras e texturas, sendo alguns dotados de campainhas com sons diferentes.

A pedagogia montessoriana dá destaque ao ambiente, adequando-o ao tamanho das crianças (mesas, estantes quadros, banheiros, etc.). Também é rico e abundante o material didático, voltado para a estimulação sensório-motora: cores, formas, sons, qualidades táteis, dimensões, experiências térmicas, sensações musculares, movimentos, ginástica rítmica, com a clara intenção de alcançar o maior domínio do corpo e das coisas. (ARANHA, 1996, p. 173)

31


3.4 Programa TEACCH

Materiais da pedagogia Montessoriana fonte: http://lubaroni-informticaeducaoespecial.blogspot.com.

Materiais do programa teacch fonte: http://www.wasd.org/Page/3218br/2011/05/edc-especial-maria-montessori-sua.html

32


3.4.1 Dividindo tempo e espaรงo

33


3.5 Ovide Decroly (1871-1932) O pensamento da escola nova Médico psiquiatra e um dos principais representantes do “ escola-n ovismo” europeu, se interessou inicialmente por crianças excepcionais e especiais, pois os interesses e expressões sensório-motoras são diferentes. Segundo ele, a escola deve propiciar a criança não somente conhecimentos relativos a sua personalidade, necessidades e interesses, mas também desenvolver ações para o conhecimento do meio natural e humana em que a criança vive. Decroly organizou os centros de interesse da criança em: alimentação, luta contra intempéries e perigos e a necessidade de ajudar nos trabalhos desenvolvidos em conjunto. Guiadas por esses interesses, as crianças vão relacionando experiências anteriores com novos conhecimentos, expressando-os através da linguagem, do desenho, da dramatização e da modelagem. Vale ressaltar que em indivíduos especiais, por deterem de um processo de aprendizado diferente, as expressões sensório-motoras e de linguagem podem aparecer com menor ou maior intensidade, no caso de crianças TEA em determinados momentos a ausência dessas expressões são comuns, porém é de extrema importância que sejam estimuladas. Ele considerou o jogo uma atividade lúdica fundamental no desenvolvimento infantil, por desenvolver a iniciativa, a motricidade, a reflexão e interação com o próximo como elementos que despertam interesse das crianças. Os materiais não são fabricados, utilizando a materialidade natural para as atividades como pedaços de madeira, pedras, palha, argila, barro, lã e outros.

34


Jogos e atividades LĂşdicas na Pedagogia fonte: http://lubaroni-informticaeducaoespecial.blogspot.com.

35


modelo tradicional

método Montessori

Waldorf

Prática de exercícios ao ar livre

ordem

Pouca interação entre os alunos

Lousa ao centro da sala

Espaço para o preparo de alimentos, ensinar através de atividades domésticas

Armarios adaptados à escala da criança

Espácio sensóriomotor

Arquitetura orgânica

Armários para gurardar itens pessoais e materiais didáticos

Mobiliário adaptado

Mesa da professora ao início da sala, Mobiliário não remetendo a ideia de adaptado à escala da controle criança.

36

Banheiro

Espáços de estar que se assemelham-se com convívio familiar

Mesas coletivas

Área de desncaso e atividades coletivas


Escola Nova Escola Parque

método TEACCH Layouts bases

Prática de exercícios ao ar livre

Indicadiores espaciais para crianças segundo os pensamentos pedagógicos . Fonte : produzido pelo autor.

espaço para atividades de ateliês diversas, como artesanato, dança, teatro

Áreas de preparo de alimentos e refeições

Espaço para exposição dos trabalhos

Mesas coletivas para interação social

Banheiro

Área de descansanso

Calm down área

Espaço de transição e atividades coletivas

Espaço de trabalho individuais com mobiliário adaptado.

Atividades lúdicas e sensório-motoras

Conexão com espaços recreativos abertos

Mesa para computadores

37


4. Normas e parâmetros 4.3 Escala da criança e mobiliário adequado Sendo o aluno o público-alvo da construção e utilização da escola, se faz necessário a adaptação do mobiliário e espaços de acordo com o tamanho, idade, necessidade dele. O programa de necessidades para equipamentos varia de acordo com a atividade de cada sala. Essas atividades podem ser: - Superfícies de trabalho e assentos individuais ou coletivas; Suportes de comunicação como quadros e murais; - Mobiliários em geral para guardar utensílios, materiais em uso ou trabalhos concluídos, suporte de máquinas ou aparelhos de utilização comuns; entre outros. Para essas atividades, pode-se determinar a qualidade e m relação à e rgonomia(usuário), pedagogia(uso) e tecnologia(construtivo). As dimensões do mobiliário devem estar de acordo com a estatura e faixa etária da população d e cada l ocal d e ensino. A t abela abaixo mostra a proporção em relação à altura e faixa etária em relação a mesas e cadeiras

38

Dimensções para armários e suporte visual , respectivamente . fonte: Arquitetura escolar : o projeto do ambiente de ensino Livro por Doris C. C. K.. Kowaltowski , pag. 58-59


Tamanho médio

105cm

95cm

85 cm

84cm

75 cm

76cm 63cm 68cm

65 cm

57cm

60cm 52cm

51cm

45cm

39cm

38cm 34cm

30cm

26cm

6 meses

1 ano

2 anos

21cm

19cm

17cm

15cm

13cm

42cm

3 anos

4 anos

39


5. Referências e estudos de caso 5.1 Cento de Guarda Infantil de Montreal, Canadá Como análise de projeto, o projeto da Creche inclusiva e m Montreal no Canadá t em como objetivo compreender as necessidades das crianças TEA e aplicar tais conceitos na arquitetura. O projeto é composto por f ormas orgânicas, porém com um partido centralizado por u m grande pátio. A salas d e aula e corpo administrativo estão dispostos nas extremidades, passando por uma área de circulação até a chegada d o pátio, onde são desenvolvidas atividades recreativas. Desta forma cria-se uma transição de áreas, do mais coletivo (pátio) até os pontos de refugio, localizados nas salas de aula. O projeto utiliza de m ateriais naturais que estimulem a percepção sensorial da criança.

1 Christelle Jacques , 2013 : Épanouissement sensoriel: La diversité architecturale du milieu de garde inclusif intégrant des enfants atteints de troubles envahissants du développement ,

40


5.2 Casa de acolhimento e educação para crianças autistas . Stratsbourg, França Este pr ojeto se caracteriza como projeto de intervenção , uma vez que o sitio de i mplantação é u ma antiga e scola na cidade de Strasbourg. A proposta se baseia em i ntegrar a criança autista à e scola comum, com i sso foram criados creches,

Residência

Creche

Espaço de edcação comum

Refeitório

Biblioteca

Polo médico

Centro social

Alojamneto Funcionários

casa de acolhimento, com alojamentos tanto para indivíduos comuns como portadores do espectro autista. A proposta utiliza de formas ortogonais, t entando ao máximo estabelecer uma conexão do existe com o projeto. Desperta atenção uma área de integração entre a escola especial e a escola comum, indagando novamente a q uestão da i nclusão e como fazê-la . Com relação ao fluxo , estabelece pátios e corredores interno , permitindo a criança se localizar entre as atividades. Funcionando também como diretriz de partido para o Centro de desenvolvimento da Criança TEA, p roposto nesse documento.

Projeto: Marine Brunet Fonte: Maison d’hébergement e t d’éducation pout enfants autistes

1 - Maison d’hébergement et d’ éducation pour enfants autistes, Marine Brunet | Mémoire de diplôme | Session 2013 sous la direction de Sébastien Rozier | INSA de Strasbourg

41


5.3 Orfanato de Amsterdan, Van Eyck peculiaridade com que ele trata o tema: ele procura dotar a cidade com uma escala que seja apreensível às crianças, não como áreas infantis segregadas, mas como lugares que fazem parte da própria cidade. A cidade ganha uma nova característica: não exclui mais a criança, ao contrário, considera-a como um de seus habitantes.

42


Pรกtios internos , Orfanato de Amsterdam fonte: http://www.archdaily.com/151566/ad-classics-amsterdam-orphanage-aldo-van-eyck

43


5.4 Hazelwood School - Glasgow, Escócia ce uma parede sensorial de cortiça, de forma irregular e dupla função: orientação dos alunos com de ciência visual para os ambientes da escola e armazenamento de materiais para as salas de aula.

1 Dimensão lúdica e a rquitetura : o e xemplo de uma escola de educação infantil na cidade de Uberlândia / Elza Cristina Santos. -- São Paulo, 2011.

44


Vista aĂŠria , Vista frontal , Sala de aula , parede sensorial fonte: http://architizer.com/projects/hazelwood-school/

45


Parte 2: O projeto 6.1 Considerações e diretrizes É importante ressaltar que todo o processo de entendimento dos sentidos das crianças autistas juntamente com o s métodos pedagógicos refletem no espaço arquitetônico, ambientes. O s métodos pedagógicos r eferenciam a criança no espaço como forma de apreensão e desenvolvimento. Em relação aos sentidos, o espaço irá inevitavelmente causar sensações às crianças, como apresentam níveis de perceção variadas o projeto deve apresentar diferentes momentos de p ercepção. E spera-se u m arquitetura que trabalhe a questão d a inclusão, como uma transição – dos espaços coletivos e abertos à espaços i ndividuais ou e m pequenos g rupos que não f orcem a i nclusão d a crianças, m as que m antenha sua i ndividualidade. Logo a intenção de trabalhar com proporção, cheios e vazios e o conforto visual. Dessa forma o Centro de desenvolvimento para crianças autistas deve expressar SIMPLICIDADE, FORÇA e LEVEZA com a utilização d e FORMAS P URAS , c laras e ordenadas objetivando a redução do novel de detalhes dos elementos que a compõe. M as a o mesmo tempo possa proporcionar variedade de espaços, j untamente com espaços abertos para pratica de atividade lúdicas e esportivas.

46

Mais uma vez a questão da materialidade será conduzida de acordo com os preceitos sensoriais das c rianças T EA, u tilizando de materiais de essência verdadeira, naturais, que expressem estabilidade, texturas e cores agradáveis e mais suaves à v isão.ece u ma parede sensorial de cortiça, de forma irregular e dupla função: orientação dos alunos com de ciência visual para os ambientes da escola e armazenamento de materiais para as salas de aula.


47


6.3 Diretrizes de Projeto Aspectos:

48

METODOLOGIA DE PROJETO

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL

LÚDICO E SENSORIAL

ESPAÇOS: COLETIVOS INDIVIDUAIS ORIENTABILIDADE PERMEABILIDADE PROPORÇÃO SIMETRIA ASSIMETRIA CHEIOS E VAZIOS


A criança autista está voltada para si, como um caracol.

ESTÉTICA

CONSTRUTIVO/BIOCLIMÁTICO

SIMPLES LEVE FORTE NÃO CONFUNDA POUCOS ORNAMENTOS FORMAS PURAS MATERIAIS NATURAIS TEXTURA AGRADÁVEL

FLEXIBILIDADE MODULAÇÃO DIMINUIR OS INTERPÉRIES AMBIENTAIS MAXIMIZAÇÃO DO CONFORTO

49


E

ESPAÇOS INDIVIDUAIS / PRIVADOS COMUM

ESPAÇO GRUPO

ZONA NEUTRA

ESPAÇOS DE TRANSIÇÃO

ZONA NEUTRA

PRIVADOS

ESPAÇO DE REFÚGIO

50


6.4 Espaรงos Estimulantes

Espaรงos Coletivos

Espaรงos individuais 51


isolamento

isolamento

52

soluções filtro da luz

soluções o espaço “abraça”


hiperatividade curiosidade

contato com a natureza

sensibilidade à luz

soluções proximidade com a natureza e espaços abertos

53


variações de textura

soluções materiais naturais e texturas agradáveis

54

estímulos sensoriais

sons e conforto hidrotérmico


soluções ventilação natural espaços abertos

soluções pátios internos

hiperatividade devido ao conforto

55


6.5 Sensações, forma e espaço

56

Identidade variada Cheios e vazios Transição Compacto Isolamento- fechamento Sensibilidade Conexão - exterior - interior Respeito à individualidade Desconstrução


6.6 Estrutura Física-Funcional para lançamento do partido

Centros especiais existentes

Asa Norte

CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TEA

>

faixa etária 2 aos 15 anos

Lúdico Esportivo Recrativo espaço comum

Centro Médico Terapêutico

ESCOLA INCLUSIVA

No Distrito Federal (DF), existem 18 centros de ensino que d isponibilizam a chamada educação p recoce, que atende a crianças com necessidades especiais desde o nascimento até os 3 anos d e idade. O programa atende a cerca de 2 mil crianças em todo o DF. O objetivo é estimular e acolher esses meninos e meninas para que depois sejam incluídos no ensino regular. No Centro d e Ensino Especial 2 d e Brasília, localizado no Plano Piloto, cerca de 90% das crianças são incluídas após terem passado pela educação precoce.

57


Ambiente

6.7 Programa de necessidades

Area (M²) Quantidade Creche e pré-escola (2 - 6 anos)

Sala de Atividades I (2 - 3 anos) Sala de Atividades II (4 - 6 anos) Refeitório Banheiro infantil Brinquedoteca/biblioteca Sala de Repouso - Multiuso Recepção Direção Secretaria Coordenação Sala dos professores Sala de equipe (professores ) Sanitários ADM

35 40 50 20 40 50 15 15 15 10 20 15 9

Total (M²)

4 4 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

140 160 50 20 40 50 15 15 15 10 20 15 9

1 1 1 1

25 7 7 15

1 1 1 1 1

150 200 100 25 272 1360

18 3 2 1 1 1 1 2 2 1 1

630 45 50 50 50 40 12 50 70 30 38 1065

1 1 1 1 1 1 1 1

15 80 15 15 70 48 48 30

apoio Cozinha Despensa DML Sanitários /Vestiários funcionários Pátio coberto Pátio descoberto horta/Jardim Sanitários Circulação 25% Subtotal (M²)

25 7 7 15 Vivência 150 200 100 25 272

Ensino Fundamnetal ( 7 - 14 anos) Area de convívio e pedagogica Salas de aula Sala de aula grupo menores Sala de informatica Sala sensório-motora Brinquedoteca/mediateca Sala multiuso Sala de apoio Sala de artes Sala de musica + dep. Lab.Ciencias Sala de ginastica + dep. Subtotal (M²)

35 15 25 50 50 40 12 25 35 30 38

Setor de assistência

58

Sala para avaliação do aluno Biblioteca Orientação psicológica Orientação educacional Auditorio Refeitório alunos Refeitório funcionarios Cozinha

15 80 15 15 70 48 48 30


Brinquedoteca/mediateca Sala multiuso Sala de apoio Sala de artes Sala de musica + dep. Lab.Ciencias Sala de ginastica + dep. Subtotal (M²)

50 40 12 25 35 30 38

1 1 1 2 2 1 1

50 40 12 50 70 30 38 1065

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

15 80 15 15 70 48 48 30 16 16 100 100 100 600 1253

1 1 1 1 1 1 1 1 1

7 80 85 5 30 15 10 30 15 277

15 30

1 1

15 30

30

1

60

1

30

1

Setor de assistência Sala para avaliação do aluno Biblioteca Orientação psicológica Orientação educacional Auditorio Refeitório alunos Refeitório funcionarios Cozinha Banheiros masculinos Banheiros femininos Pátio coberto Pátio aberto Horta/Jardim Piscinas/ Quadra/ Ginasio Subtotal (M²)

15 80 15 15 70 48 48 30 16 16 100 100 100 600

Direção/ Administração Almoxarifado Coord.Pedagogica Sala dos Professores Sanit.ADM Sala Reuniões Almoxarifado Geral Copa ADM Sala de Convivência Copa de Convivência Subtotal (M²)

7 80 85 5 30 15 10 30 15

Atendimento Psicomecial Sala de orientação pisicológica Sala de moblidae e fisioterapia Sala de reabilitação Serviço clínico / psicológico/terapéutico Fonodialogia Subtotal (M²) 20% Circulação Total (M²) PRÉ -ESCOLA + FUNDAMENTAL

30 60 30 165 552 3312 4672

59


7. Localização Raio de abrangência da área escolhida

606 NORTE

Local Escolhido : Brasília , mais precisamente a Asa norte , pois não há nenhum tipo de instituição educacional especializada na criança TEA. Juntamente com um raio de abrangência grande, que atingirá a Asa Norte , Lago norte, Noroeste, Varjão, Taquari, Paranoá e Itapoã.

60

SGAN 606 , primeiramente por está na porção norte da cidade, onde existe demanda por um centro de educação especial. Outro ponto positivo – área destinada a centros educacionais ou de saúde, forte conexão com a Universidade de Brasília e dispõe de entorno imediato com serviços diverso.


N

o

ã x i e

L2

61


12h

12h

Norma e ocupação

06h 18h

N

40% de ocupação 70% pavimentação

62

20m de frente e funfos 5 metros laterais


Vista Frontal L2

Vista Posterior L3

Vista Lateral Esquerda

63


8. Formas e espaços Proposta de zoneamento do terreno Segue o conceito de um quebra cabeça , onde as partes formam um todo, no sentido de insierir a autista n a sociedade, p orém respeitando sua identidade. 1 - Escola Inclusiva - Compreende o l ançamento de partido inicial, de uma escola inclusi va , adaptada a receber até 25% de sua capacidade de alunos especiais. 1

3

2

2- Espaço públic o - espaço de transição entr e os dois modos d e ensino, p roporcionando espaço urbano/paisagístico de convívio comum. 3- Centro especial autista - espaço educacional adaptado à s necessidades d e crianças e adolescentes autista, tentando a través da vivência espacial estimular os sentidos e a motricidade.

64


1- Institució cultural del CIC, 2- Escuela Infantil Mun- i cipal De Berriozar / Javier Larraz + Iñigo Beguiristain + Iñak i Bergera, Barcelona 3- Colégio L VC / Nomena + Patricio Br yce

-

4- Guldberg Skole , JJW Architects, 2009. Nørre bro, Copenhague . 5 -6 - New Play in Central Park, New York

-

-

7- Guldberg Skole , JJW Architects, 2009. Nørre bro, Copenhague . 8 - F uji kindergar ten 9 - Company Nurse ry, Antonio Citterio Patricia Viel and Partners, Verno na Itália

65 65


Zoneamento FĂ­sico Funcional

66


Administrativo

Ambiente de aprendizagem

Higiênie e alimentação

Refeitório

Ateliês

Apoio Psicossocial

Ginásio esportivo

67


Desenhos tĂŠcnicos e perspectivas 68


5m

10m

30m

69


21

21

21

21 32 21

20

20

33

21 13 3 14

1 45

32

8

16

6

38

16 15

70

E

C

35

A

0

D

8

B

73

8

15

5

BLOCO A-B ADM E CRECHE

F


36 16

37

18

16

31 29

22

22

29

38

24

26

2

27

22 6

19

17

39

17 22 17

-1

22

22

22

56

FUNDAMENTAL ta + ATELIER Bloco C -C Fundamen l + atelier 71


29

35

27

23 29

33

23

23

23

28

54

31 33

30

26

17 17

17 23 17

-2 72

Bloco D-E

ATELIÊS + FUNDAMENTAL

37

23

23

23


43

44

41

47

42

50

59

57

34

16

14

45

40

46

52

16

53

51

-3

BLOCO E-F CAPS+GINÁSIO 73 1


±0,00 0 BL. A-B_ ADM E CRECHE -3,00 -1 BL. C-D_ FUNDAMENTAL + ATELIÊS -6,00 -2 BL. D-E_ ATELIÊS + FUNDAMNETAL -9,00 -3 BL. E-F_ CAPS + GINÁSIO

74

A

CORTE LONGITUDINAL 0m

5m

15m

30m


75


76


i = 15%

madeira plรกstica

77


Perspectivas externas

78


79


Perspectivas externas

80


81


82

Perspectivas externas - Play graound


Perspectivas externas - Bloco C-D , Ens. Fundamental I

83


84

Perspectivas externas -Jardins sensoriais - Bloco B-C , Ens. Fundamental I


85


86


Perspectiva interna - Pátio tipo - Bloco D. Ateliês

87


Perspectiva externa - Jardins sensoriais- Bloco B-C

88


89


90

Perspectiva aĂŠrea


91


9. Bibliografia ABATE, T.P. Aspectos ergonômicos da criança e o projeto da préescola no estado de São Paulo. 2004. 331p. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

Disorders. Arizona : ASU - Arizona State University, 2009. 57 p. http:// stardust.asu.edu/research_resources/research_files/60/105/ Download_the_full_report_in_PDF_f ormat.pdf

Federal no 9.394, de 26/12/1996.

______. NBR 9050: acessibilidade de pessoas portadoras de deficiência a edificações, espaços, mobiliário e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2004.

BARON J, BARON S. Moi, l’enfant autiste. Paris, J’ai Lu, 1999 BOGDASHINA O. Questions sensorielles et perceptives dans l’autisme et les syndrome d’asperger, des expériences sensorielles différentes, des mondes perceptifs différents, Grasse, afs éditions, 2012

BRASIL, CNE/CEB, Plano Nacional de Educação (PNE). Lei Federal no 10.172, de 9/01/2001. ______. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Resolução no 01, aprovado em 07/04/1999b).

BERNARDI, N.; KOWALTOWSKI, D.C.C.K. Avaliação da interferência comportamental do usuário para a melhoria do conforto ambiental em espaços escolares: estudo de caso em CampinasSP. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 6./ ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 3., 2001, São Pedro. Anais... São Pedro: ANTAC, 2001. CD-ROM. Mantilla, Renato Sebastian Rios Arquitetura – Jogo – Percepção : a casa como elemento lúdico / Renato Rios -- São Paulo, 2011. 169 p. COURTEIX Stéphan. Troubles envahissants du développement et rapports à l’espace. Lyon : Laboratoire d’Analyse des Formes - Ecole Nationale Supérieure d’Architecture de Lyon, septembre 2009. 35 p. http://www.laf.archi.fr/index.php?option=com_ content&view=ar ticle&id=47%3Ated&catid=15%3Aarchiv es&Itemid=30&lang=fr

MOSTAFA Magda. An architecture for autism : concepts of design intervention for the autistic user. International Journal of Architectural Research, vol 2, n° 1, mars 2008, p. 189-211 http:// archnet.org/gws/IJAR/8821/files_8181/2.1.09%20-m.moustafapp189-211.pdf Stardust Center for Affordable Homes and the Family - Arizona State University ; Herberger Institute - School of Architecture and Landscape Architecture - Arizona State University. Advancing Full Spectrum Housing: Designing for Adults with Autism Spectrum

92

Beaver, C. (2010 b) « Designing for autism ». SEN Magazine, 46: 76-79.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. Lei Federal de 05/10/1988. Brasília: Senado Federal, 2000.

______. Diretrizes operacionais para a Educação Infantil. Parecer no 04, apro- vado em 16/02/2000. BRASIL, MEC, COEDI, Subsídios para credenciamento e funcionamento de instituições de educação infantil. Brasília: MEC/ SEF/DPEF/COED, 1998a, 2v.

Bouchard, N. et Chales, C. (2010) Ensemble dans la ronde! En service de garde éducatif : réussir l’intégration des enfants handicapés. Québec : Les publications du Québec. Georgiou, D. [et coll.] (2004) « The design of Polysensory Environments for Children with Autistic Spectrum Disorder », In : McCabe, P.T. Contemporary Ergonomics 2004. CRC Press. 520524. CEPPI, Giulio; ZINI, Michelle. Children, spaces, relations: metaproject for envi- ronment for yong children. Reggio Children; Domus cademy Resarch Center. DUDEK, Mark. Schools and Kindergartens. Birkhauser Verlag AG. 2008. ______. (Org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, LYNCH, Kevin. Imagem da cidade; tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes,1997. LOFT Publications. Kindergartens, Schools and playgrounds. Editorial coordi- nation: Cristina Paredes Benítez, 2007. BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Lei

______. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998b. 3v. BRASIL, MEC, SEB, DPE, COED. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à educação. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica/ DPE/COEDI, 2005a. ______. Parâmetros Nacionais de Infra-estrutura para Instituições de Educação Infantil. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica/ DPE/COEDI, 2005b. BRASIL, MEC, SEB. Parâmetros Básicos de Infra-estrutura para Instituições de Educação Infantil. Brasília: MEC, SEB, 2006a. Conjectura, João Alberto da Silva e Júnior Saccon Frezza, v. 15, n. 1, jan./abr. 2010 Carvalho, Telma Cristina Pichioli de, Arquitetura escolar inclusiva : construindo espaços para educação infantil –- São Carlos, 2008.


Ludus _ Arquitetura Sensorial  

Trabalho final de graduação, arquitetura sensorial - desenvolvimento de crianças autistas.

Ludus _ Arquitetura Sensorial  

Trabalho final de graduação, arquitetura sensorial - desenvolvimento de crianças autistas.

Advertisement