Page 1

número 21 | ano 06

jan a março de 2015 Publicação Sinepe/PR

Literatura paranaense chega às salas de aula: coleção contempla seis grandes escritores contemporâneos além do manual do professor


Apr imo PRINCIPAIS CURSOS E ASSESSORIAS: Assessorias e oficinas presenciais em gestão escolar e no uso da tecnologia educacional | Equipe própria atuante em todas as áreas do conhecimento | Webconferências para professores, estudantes e famílias | Videocursos com temáticas pedagógicas e didáticas para docentes e gestores


SERVIÇOS PEDAGÓGICOS QUE FAZEM A DIFERENÇA NO DIA A DIA DE SEUS PROFESSORES.

orar

No Sistema Positivo de Ensino, os professores e as equipes diretivas têm acesso ao aprimoramento contínuo por meio do Centro de Formação da Editora Positivo. Entre os serviços pedagógicos, estão assessorias e cursos presenciais e a distância, que contam com mais de 70 mil participações por ano em mais de 17 mil horas de curso. É possível, ainda, adquirir a Certificação de Extensão Universitária de até 60 horas chancelada pela Universidade Positivo. Conheça e comprove. Educação se faz com confiança.

INFORMAÇÕES: 0800 724 4241 • convenio@positivo.com.br • editorapositivo.com.br/sistemapositivo


ex.pe.di.en.te

e.di.to.ri.al

adj m+f

adj m+f

Sinepe/PR

Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Estado do Paraná

www.sinepepr.org.br facebook.com/sinepepr

No início de mais um ano letivo, paramos para refletir o quanto as mudanças na sociedade podem ser

sentidas de forma quase imediata nas escolas. Recente pesquisa intitulada “Este Jovem Brasileiro” revelou que enquanto 23% dos jovens dizem já terem sido vítimas de insulto ou violência pela internet, 16% já sofreram algum tipo de preconceito e 36% já ficaram tristes por problemas vividos na rede. No entanto, apenas 16% dos pais dizem que os filhos já tiveram problemas do tipo. Já 73% dos professores conseguiram detectar problemas sofridos pelos alunos nas redes sociais.

A fim de orientar professores, gestores e a comunidade de como agir nesta era cada vez mais digital, entramos em contato com a advogada Patricia Peck Pinheiro que está entre as principais autoridades do Direito Digital no País. Ela é a nossa entrevistada principal desta edição, assim como o tema ganhou destaque de capa.

4

Outra inciativa grandiosa que está nas páginas desta revista é o projeto Coleção Gazeta do Povo – Literatura Paranaense que conta com o devido apoio do Sinepe/PR. Paulo Leminski, Helena Kolody, Domingos Pellegrini e outros três escritores do nosso estado foram contemplados por este projeto que já está à disposição das escolas associadas. Para receber os livros e também o manual do professor basta entrar em contato com os escritórios regionais do Sindicato e solicitar os exemplares da coleção sem qualquer custo. Estas são apenas algumas das novidades que o Sinepe/PR apresenta para este começo de 2015. Nossa forma de desejar um ótimo ano a todos! Boa leitura. Jacir José Venturi Presidente do Sinepe/PR

Revista Escada Publicação periódica de caráter informativo com circulação dirigida e gratuita. Desenvolvida para o Sinepe/PR. Editada pela Editora Inventa Ltda - CNPJ 11.870.080/0001-52 Rua Comendador Araújo, 534, 2o andar, sala 4 – Centro - Curitiba - PR Conteúdo IEME Comunicação www.iemecomunicacao.com.br Jornalista responsável

Marília S. Bobato DRT/PR 6828

Projeto gráfico e ilustrações

D-Lab -www.dlab.com.br

Comercialização

Editora Inventa

Críticas e sugestões

contato@revistaescada.com.br

Comercial jessica@iemecomunicacao.com.br marilia@editorainventa.com.br (41) 3253 0553 - ramal 18 Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, a opinião desta revista. Conselho editorial Fátima Chueire Hollanda José Antonio Karam José Manoel de Macedo Caron Jr. Márcio M. Mocellin Noely Luiza D. Santos Aprovação

Jacir J. Venturi

Impressão e acabamento Logística e Distribuição Versão Digital

Maxi Gráfica e Editora Ltda Correios www.revistaescada.com.br

Conselho Diretor Biênio 2014/2016 Diretoria Executiva Presidente Jacir José Venturi 1º Vice-Presidente Esther Cristina Pereira 2º Vice-Presidente Paulo Arns da Cunha Diretor Administrativo Gilberto Vizini Vieira Diretor Econômico/Financeiro Rosa Maria C. V. de Barros Diretor de Legislação e Normas Nilson Izaias Pegorini Diretor de Planejamento Ir. Frederico Unterberger Diretoria de Ensino Diretor de Ensino Superior José Antonio Karam Diretor de Ensino Médio/Técnico Gilberto Zluhan Diretor de Ensino Fundamental Ir. Marinês Tusset Diretor de Ensino da Educação Infantil Noely Luiza D. Santos Diretor de Ensino dos Cursos Livres Pedro Adriano Brandalize Diretor de Ensino dos Cursos de Idiomas Magdal J. Frigotto Diretor de Ensino das Academias Volnei Jorge Sandri Conselheiros 1º Conselheiro Jorge Apóstolos Siarcos 2º Conselheiro Pedro Roberto Wiens 3º Conselheiro Raquel Adriano M. M. de Camargo 4º Conselheiro Ademar Batista Pereira 5º Conselheiro Douglas Oliani 6º Conselheiro Durval Antunes Filho 7º Conselheiro Roberto A. Pietrobelli Mongruel 8º Conselheiro Dorojara da Silva Ribas 9º Conselheiro Renato Ribas Vaz 10º Conselheiro Christian Dejuour 11º Conselheiro Ana Dayse Cunha Agulham Conselho Fiscal Efetivos Suplentes Ailton Renato Dörl Henrique Erich Wiens Armindo Vilson Angerer Edison Luiz Ribeiro Ir. Anete Giordani Maria Inês W. Galvão Delegados Representantes - FENEP/Confenen Jacir José Venturi Ademar Batista Pereira Conselho de ex-presidentes do Sinepe/PR Padre Paulo Kuno Rhoden Emília Guimarães Hardy José Manoel de Macedo Caron Jr. Maria Luiza Xavier Cordeiro Naura Nanci Muniz Santos Ademar Batista Pereira Maria Alice de Araújo Lopes Diretorias regionais SINEPE/PR - Regional Oeste (Cascavel) Diretor-Presidente Airton Bonet Diretor de Ensino Superior Maria Débora Venturin Diretor de Ensino da Educação Básica Lauro Daros Irmã Mareli A. Fernandes Diretor de Ensino da Educação Infantil Ione Plazza Hilgert Diretor dos Cursos Livres/Idiomas Denise Veronesi Trivelatto SINEPE/PR - Regional Cataratas (Foz do Iguaçu) Diretor-Presidente Artur Gustavo Rial Diretor de Ensino Superior Fouad Mohamad Fakin Diretor de Ensino da Educação Básica Antonio Neves da Costa e Antonio Krefta Diretor de Ensino da Educação Infantil Rita C. R. Camargo e Edite Larssen Diretor de Ensino dos Cursos Livres/Idiomas Fabiano de Augustinho SINEPE/PR - Regional Sudoeste (Pato Branco/Francisco Beltrão) Diretor-Presidente Ivone Maria Pretto Guerra Diretor de Ensino Superior Hélio Jair dos Santos Diretor de Ensino da Educação Básica João Carlos Rossi Donadel Diretor de Ensino da Educação Infantil Amazilia Roseli de Abreu Pastorello Diretor de Ensino dos Cursos Livres/Idiomas Vanessa Pretto Guerra Stefani SINEPE/PR - Regional Campos Gerais (Ponta Grossa) Diretor-Presidente Osni Mongruel Junior Diretor de Ensino Superior Marco Antônio Razouk Diretor de Ensino da Educação Básica Irmã Edites Bet Diretor de Ensino da Educação Infantil Maria de Fátima Pacheco Rodrigues Diretor de Ensino dos Cursos Livres/Idiomas Paul Chaves Watkins Diretoria da Regional Central (Guarapuava/União da Vitória) Diretor-Presidente Dilcemeri Padilha de Liz Diretor de Ensino Superior Rodrigo Borges de Lis Diretor de Ensino da Educação Básica Juelina Simão Marcondes Diretor de Ensino da Educação Infantil Jean Felde de Liz Diretor de Ensino dos Cursos Livres/Idiomas Marcos Aurélio Lemos de Mattos


ín.di.ce sm

06

opinião

08

Dicas

10

Vida de educador

O que a sua escola vai fazer de diferente em 2015?

Educador, qual livro ou filme marcou sua vida?

20

Especial

24

Universo das associadas

26

Diretoria em ação

28

ARTIGO

29

ARTIGO

30

Agenda

Confira entrevista com o Irmão Frederico Unterberger, presidente institucional da área de saúde do Grupo Marista

14

História

16

Entrevista

Conheça como funciona a gestão da escola O Pequeno Polegar

Orientações da advogada e especialista em Direito Digital, Patricia Peck Pinheiro

Valorização da literatura paranaense nas escolas tem apoio do Sinepe/PR

Confira as últimas notícias das instituições de ensino do Paraná

Notícias do Sinepe/PR e suas regionais

Coaching: nossas escolhas e atitudes fazem a grande diferença, por Cristiane Pineroli Bochnia

Fies: incertezas para universitários e faculdades, por Jacir J. Venturi

Cursos e palestras para o 1o semestre de 2015


o.pi.ni.ão subst.

O que a sua escola vai fazer de diferente em 2015?

Pensando na necessidade atual do ensino de inglês para o público infantil, a partir deste ano, nossas crianças estarão vivenciando uma experiência incrível de imersão na língua inglesa. Essa imersão acontece através de atividades, cantigas e brincadeiras que apresentam e estimulam a prática de diversas palavras e expressões em inglês. As aulas serão diárias e desenvolvidas pelas próprias professoras da escola. A equipe é treinada e acompanhada pela Balloon Ensino Bilíngue, especializada em ensinar crianças a partir dos 2 anos de idade e fornecedora do material didático”.

Mayri A. N. Zimmermann | diretora do CEI Espaço do Saber.

6

Dentre as novidades para este ano em nossa escola está o aumento da carga horária de 25 horas aula para 27 horas aula na grade curricular do Ensino Fundamental. Um dos novos componentes curriculares é ‘Lógica e Linguagem de Programação’ e a outra novidade é uma aula semanal de empreendedorismo. Temos a certeza que estas duas novidades farão uma boa diferença na formação de nossos alunos, pois a realidade em que vivemos cada vez mais exige do cidadão competências e habilidades que estes dois componentes curriculares desenvolverão”. Ildemar Kanitz | diretor do Colégio Evangélico Martin Luther.

O Colégio Expoente prepara um ano letivo cheio de novidades. A começar por uma ação de volta às aulas e novos conteúdos no portal ‘Escola Interativa’, com acesso ao material didático digital para todos os níveis de ensino. Também o tema pedagógico inédito ‘Vínculos e aprendizagem’, que visa resgatar valores essenciais e a afetividade na relação professor e aluno. As Unidades Expoente nos bairros Água Verde e Boa Vista, terão ainda o novo projeto de leitura que se inicia no Sedipex (Seminário Didático Pedagógico Expoente). Neste evento, os professores vão planejar o ano letivo e a aplicação do tema: ‘Ler e escrever, um compromisso de todas as áreas’. O projeto está em sintonia com a necessidade de criar o hábito de leitura nos alunos, que hoje estão mais acostumados com a webcultura que prioriza mensagens rápidas, vocabulário raso e exige pouca imaginação”. Armindo Angerer | presidente do Grupo Expoente.


Esse é um ano de comemoração, em que o Colégio Marista Santa Maria completa 90 anos. São nove décadas formando gerações, oferecendo uma educação pautada na excelência acadêmica e nos valores institucionais. Estamos há quase um século transmitindo valores que duram para a vida toda, formando cidadãos humanos, éticos, justos e solidários, para a transformação da sociedade. A novidade em 2015 é um centro de línguas próprio, o Marista Idiomas, em parceria com a Red Balloon. Exclusivo para nossos alunos, voltado para crianças a partir de três anos de idade, ensinando a língua inglesa por meio de aulas dinâmicas, que incluem brincadeiras, arte, culinária, entre outras atividades. Além disso, os estudantes serão preparados para os exames de proficiência da Universidade de Cambridge. É um grande passo, que vai agregar muito na formação integral dos nossos alunos, alinhando elevada qualidade educacional aos valores Maristas”. Everson Caleff Ramos | diretor-geral do Colégio Marista Santa Maria.

Será um projeto de incentivo à leitura chamado Linha de Leitura, uma ação inédita no país, com o objetivo de promover a leitura e estabelecer esse hábito entre as crianças. Sou ex-aluna do Sion e desenvolvi esse projeto respeitando a autonomia e a individualidade das crianças, algo próprio do método Montessori usado no Sion. Na Linha de Leitura, o aluno deve atingir oito níveis, ou mais, dependendo do desenvolvimento nos cinco primeiros anos escolares, desde a alfabetização. Esses níveis de leitura são em ordem progressiva de complexidade gramatical e de vocabulário. Quanto mais alto o nível, mais complexo é o livro lido”. Lilia P. Wachowicz | pedagoga do Colégio Sion Curitiba.

Em 2015, o tema que vai permear todos os estudos e atividades da Escola Atuação é: ‘Buscar, enfrentar, alcançar: Superação’. Com isso, nosso objetivo maior será trabalhar com a proatividade, pois já percebemos em outras oportunidades que desenvolver este comportamento nos alunos é muito positivo e rende bons frutos. Dentre outras inovações que teremos para o ano, uma se destaca pela alegria e satisfação com que foi recebida por nossos alunos e seus familiares: a formação de equipes especiais nas áreas de natação, street dance e futsal. As equipes serão compostas por alunos que se destacam ou se interessam pelas modalidades. Além de participar de treinos na escola, os estudantes poderão participar de eventos, festivais e campeonatos representando a Atuação. Por meio destas atividades, os alunos são incentivados a se superarem e ainda estimulam o interesse dos demais pelos esportes. É um projeto que foi resgatado pela escola depois de alguns anos com um formato que já começou a funcionar muito bem”. Vera Cristina Kussek | coordenadora da Escola Atuação.

Quer sugerir uma pergunta para esta seção ou opinar sobre os temas propostos? eNVIE UM EMAIL PARA CONTATO@REVISTAESCADA.COM.BR E PARTICIPE! A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ

7


di.cas s. f.

Educador, qual livro OU FILME

marcou sua vida?

Retratos da Vida é a obra-prima de Claude Lelouch, magnífica e dramática história associada à música. O filme mostra as mudanças nas famílias de pessoas de diferentes países (Rússia, França, Alemanha e Estados Unidos) ao longo de três gerações, afetadas pela Segunda Guerra Mundial. O filme tem início com uma espetacular apresentação de um bailarino ao som do Bolero de Ravel, em Paris. Percebe-se, claramente, que em grandes conflitos todos perdem, independentemente de que lado estejam. Em sala de aula, deparamo-nos com atitudes e opiniões diversas, respeitar e saber lidar com as diferenças é um grande desafio e evita conflitos. Filmes ou livros que nos mostram a questão das diferenças, em todos os sentidos, levam-nos à reflexão e a um maior cuidado em lidar com o outro”.

Sandra Poli | Gerente do Centro de Excelência em Educação do Expoente.

8

A obra que me fez acreditar que somos peças importantes dentro da transformação do mundo, não importando o contexto no qual estamos inseridos, foi o livro ‘Como Mudar o Mundo’, de David Bernstein. Aborda o papel dos empreendedores do chamado Terceiro Setor, determinantes para mudanças sociais e econômicas, resultando no desenvolvimento das sociedades humanas. O autor da obra mostra que o investimento em mudanças significativas independe da formação acadêmica ou da classe social, mas de como o indivíduo enxerga a realidade que o cerca, buscando soluções e realizando as transformações pertinentes, em si mesmo e na comunidade a que pertence. Quem ler esta obra irá observar que a maioria dos protagonistas são professores, jornalistas, engenheiros (não necessariamente grandes executivos) e outras pessoas, que através de suas próprias e brilhantes ideias, trabalham para melhorar a vida dos cidadãos, em qualquer lugar do planeta – enfatizando o ‘Potencial Transformador’ destes empreendedores sociais e o poder das novas ideias. Enfim, caso você tenha a percepção de certas realidades que ‘gritam’ por mudanças, para o bem estar de um indivíduo, uma família ou a população de um lugar, o que importa é acreditar na força do homem, no seu senso de justiça e na capacidade que todos nós temos de fazer o que é certo”.

Gisele Mantovani Pinheiro | diretora de ensino do Grupo Educacional Amplação.

Um filme que marcou minha carreira de educadora foi ‘Um sonho possível’, com a Sandra Bullok, baseado em uma história real. Conta a história de um adolescente de 17 anos, que vivia na rua. Certo dia é resgatado por uma família, a qual o acolhe como um filho. O que começa com um gesto de bondade e solidariedade, evolui para algo bem maior. É um exemplo de vida para todos, pois com superação e amor, podemos alcançar coisas que jamais imaginamos. Este filme veio de encontro com nossa realidade de educador, pois nunca devemos desistir de nossos alunos, com amor conseguimos superar todas as dificuldades”.

Sayonara Lara Marin Lopes | coordenadora pedagógica do Colégio Efetivo Curitiba. Envie sua dica de livro ou filme para contato@revistaescada.com.br e confira a publicação na próxima edição.


9

O ser humano pode

projetar futuros.

Sonhe, realize. A humanidade é complexa, pode projetar sonhos, criar cultura, ser generosa, cultivar a reciprocidade e a sabedoria. Pode ainda refletir coletivamente, agir e tomar decisões. Somos únicos, mas também parte de um mundo maior. E que pode ser melhor.

A jesuitasbrasil.com REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ

(41) 3218-8000 f colmedianeira | www.colegiomedianeira.g12.br

COMPANHIA DE JESUS


vi.da de e.du.ca.dor T / Gustavo Panacioni F / João Borges

Inovação e tecnologia

a favor da educação

10

Doutor em Educação pela Universitá Pontifícia Salesiana, em Roma, Irmão Frederico Unterberger ingressou na congregação Marista em 1970. Hoje contabiliza mais de 45 anos na área de ensino, atuando como diretor no Colégio Marista Paranaense e, nos últimos anos, a convite do reitor da PUCPR, como presidente institucional da área de saúde do Grupo Marista. Considera o trabalho da educação apaixonante, principalmente por ver os jovens crescer, e dedica-se a entender os novos desafios presentes nas salas de aula. A relação entre alunos e professores, o uso de novas tecnologias e a inovação de metodologias estão entre os temas de maior interesse.

Revista Escada - Na sua opinião, o que é preciso ter em mente hoje para trabalhar na educação de crianças e jovens? Irmão Frederico: Primeiro acredito que é um preconceito

nosso, como educadores, não entender que o aluno não tem o comportamento que a gente imagina ou quer que ele tenha. A nossa avaliação nas escolas é muito pela memorização. Aprendeu ou não aprendeu. Memorizou ou não memorizou. Damos notas sobre isso e a gente vê, muitas vezes, que o melhor aluno não é sempre aquele que “vence” na vida. Vejo que nós temos problemas na avaliação das escolas pois deixamos de avaliar alguns aspectos da pessoa humana. Muitas vezes aquele aluno que conversa muito na sala de aula é aquele que terá bons relacionamentos depois. E é esse aluno que se dá bem em formar equipes de trabalho ou de ser a liderança da região, da cidade, numa câmara de vereadores ou uma empresa onde ele vai dirigir um grupo de pessoas, por exemplo. Todos esses fatores a escola ignora. Ela não vê isso. Ela só vê o que o sujeito aprendeu naquele período de tempo.

Há também um outro elemento que nós quase não damos bola que é a questão do sentimento. Não ensinamos o sujeito a lidar com os próprios sentimentos pois estamos mais preocupados em proibir o namoro dentro da escola, por exemplo. Afirmo que, como educadores, precisamos abordar esses aspectos e considerar que normalmente, na sétima ou oitava série, é o momento que o sonho está mais presente na vida desses jovens. O sonho da formação de uma família, da questão profissional, do posicionamento perante um grupo. Nossa função é deixá-lo à vontade para se desenvolver da maneira que preferir. Às vezes a criança se apresenta muito bem mas, muitas vezes nessa idade, na puberdade, o jovem se retrai. Não sabe se expressar, não consegue concatenar as ideias para contar o que acontece com ele e nossa tarefa deve ser perceber esses momentos. A escola não deveria se preocupar só com o conhecimento. Deve ser uma parceira na educação com os pais e nem todo mundo reflete dessa forma. É uma grande falha que nós temos dentro do sistema educacional.


RE - Além de perceber a individualidade dos alunos, como o professor pode atrair a atenção dele para as aulas? IF: Há dois anos estive na Universidade de Harvard e na MIT

(Massachusetts Institute of Technology), que são consideradas as melhores universidades do mundo, e percebi que o americano, em geral, está preocupado com a sala de aula. Nós, eu acho, estamos muito aquém desta reflexão. O aluno hoje não aguenta mais ficar 50 minutos escutando um sujeito despejando coisas. Ele quer ação. Temos que usar o nosso celular e o nosso computador em sala de aula senão o aluno vai se ocupar de outra forma com essas ferramentas. Se não for explícito, ele vai usar escondido. Isso vai avançar rapidamente agora, principalmente porque o computador e o telefone estão se juntando. Nessas universidades americanas conheci um professor que já está usando o celular do aluno, com um aplicativo que ele desenvolveu. Cada vez que ele faz uma pergunta, o aluno deve responder pelo telefone e, no computador do professor, aparece o número de acertos. Ao invés de mandar levantar o braço, o professor fazia todos responderem e, assim, ele sabia quantos acertos e quantos erros existiam, podendo avaliar se a explicação dele foi eficiente ou não.

RE - Começamos a entrar em uma cultura, então, em que a tecnologia deixa de ser algo proibido dentro de sala para aproximar ainda mais alunos e professores? IF: Essas coisas deveriam estar no radar do professor de hoje, para tornar a sala de aula mais interessante para o aluno. O professor precisa perceber que os alunos não podem mais ter uma carteira individualizada, mas uma mesa que eles sentem ao redor e discutam, conversem sobre os temas apresentados. Depois, por exemplo,os alunos podem fazer os exercícios em conjunto, conversar um pouco sem compromisso, porque essa questão do relacionamento é muito importante para o aluno. Por outro lado, poderíamos também usar esses aplicativos de relacionamentos sociais para jogar a matéria com antecedência para o aluno, para ele dar uma lida antes de chegar em sala. Pode não entender muita coisa, mas ele toma conhecimento disso e quando chega em sala de aula, com uma explicação a mais e um exercício, ele vai fixando de tal forma que a sala de aula se torna um lugar bem mais interessante. O problema é que essa questão ainda está pouco desenvolvida aqui no Brasil. Para nós o método ainda é deixar todo mundo o máximo possível dentro da sala de aula, escutando o professor falar.

A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ

11


RE - Nesses 45 anos de pesquisa e vivência em educação, qual é a sua percepção? Houve uma evolução no ensino? IF: Eu acho que evoluiu muito pouco. Temos que caminhar

muito mais. Como referência cito a Áustria, que começou em 1765 a dar 10 anos de escola fundamental. Agora, recentemente, é que nós passamos para 9 anos de ensino fundamental. Então a gente teria que aprender com esses casos. Estamos muito preocupados com dinheiro e pouco com os agentes. A escola particular tem uma função importante, que é dar qualidade. Nós deveríamos pensar muito na inovação da educação para ter qualidade na educação. As universidades também são assim. As pessoas não se preocupam com a qualidade da educação, e só vai sobreviver aquele que tiver qualidade. Essa realidade se faz com inovação, com pesquisa, com busca de novas alternativas. Com as tecnologias aí, eu acho que agora chegou o momento da sala de aula. Precisamos aproveitar o momento e fazer uma nova sala de aula. Não temos alternativa, porque o aluno que vem, a cada ano, é diferente. Ele vem muito mais preparado para utilizar esses equipamentos do que o professor que nós temos em sala de aula hoje. Esse é o desafio de como nós vamos atualizar esse professor para não simplesmente descartá-lo.

incentivado a buscar e a compartilhar informações pois não dá mais para guardar tudo na cabeça. A mentalidade do aluno de hoje é diferente já. Nós fomos acostumados a ler o livro, página a página. Ele não. A gente ainda não sabe como é que vai ser construída a inteligência desse aluno que nós temos hoje, mas essa divisão de responsabilidades é algo que pode ser trabalhada nas escolas fundamentais.Esse relacionamento de adulto para adulto na universidade é diferente no ensino básico. No ensino básico você fala muito mais com os pais do que com os alunos, mas existem escolas que são diferentes pois a direção constrói uma relação muito mais próxima com o aluno. E eu imagino que esse tipo de escola forma mais o aluno, porque ele já se sente mais responsável pelo fato de ter mais proximidade com o educador e com a direção da escola. Ele é personalizado e não apenas um número.

RE - Existe uma resistência dos professores com novas 12

tecnologias e metodologias?

IF: Não é que eles resistem, mas vejo uma falta de tempo. Os professores têm que correr de um lado para o outro, e isso é um reflexo da remuneração baixa que recebem em nosso país. Acabam dando aula em vários lugares para poderem sobreviver. O ideal seria que eles tivessem um tempo para se atualizar, buscar novas pesquisas e metodologias, sendo função da própria escola fornecer esse período de estudo e atualização. É um investimento bem aplicado. Na época em que eu era diretor do Colégio Marista Paranaense, eu sempre tinha, pelo menos, 5 professores se atualizando constantemente. Isso deu uma boa valorizada na qualidade de ensino do colégio e, com certeza, representa ganhos imensuráveis para a instituição.

RE - É como se a escola fundamental adotasse a rotina de inovação, pesquisa e relações de uma universidade? IF: Sim. Como exemplo, nós trouxemos uma sala interativa,

ou sala inteligente, toda informatizada para a universidade. O aluno tem o monitor diante de si e pode interagir com o que o professor faz lá na frente. Com isso percebe-se que o professor não é mais o único a ensinar. O aluno também deve ser

Você pode sugerir o educador paranaense entrevistado da próxima edição! Envie sua ideia para contato@revistaescada.com.br


13

Ainda dá tempo de doar o seu IR – Pessoa Física. A data limite é 30 de abril de 2015! Basta declarar por formulário completo, seja o imposto retido na fonte ou a pagar. É possível destinar, no momento da declaração, até 3% do Imposto de Renda devido do ano-base 2014. É muito fácil e sem custo! O valor é calculado pelo próprio software da Receita Federal. Basta pagar o DARF de doação e indicar, por e-mail, o Pequeno Príncipe como a instituição beneficiada. Contamos com você!

A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ


his.tó.ria sf T / Gustavo Panacioni F / Escola O Pequeno Polegar

14

Gestão

com educação Preocupação com gestão organizacional e prestação de serviços garantiram, de forma inédita, à Escola O Pequeno Polegar o Prêmio Bem Feito no Paraná na categoria “serviço médio porte” Foi de um sonho de ser professora que Terezinha de Fátima Andriguetto, mais conhecida como Lula, construiu a escola O Pequeno Polegar. Mais ainda, foi de uma pequena casa arrastada pelas ruas do centro de São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba em que a escola se localiza, que Lula consolidou uma instituição de ensino respeitada por todos os moradores da cidade. Com quase 32 anos de atividades, junto com inúmeras conquistas e desafios, no final de 2014 a escola O Pequeno Polegar, que atende crianças no período do ensino infantil ao fundamental, conseguiu se tornar ainda mais referência e conhecida com o que muitos achavam impossível; o Prêmio Bem Feito no Paraná, que avalia a inovação e gestão de empresas do Paraná. “Os nossos colaboradores não queriam que eu inscrevesse a escola no prêmio”, conta Haroldo Andriguetto Junior, filho de Lula e coordenador-geral da instituição. “Eles comparavam o Pequeno Polegar com o tamanho das empresas que já haviam conquistado o prêmio e diziam que era impossível”. O impasse foi resolvido com uma simples pergunta: O que está em jogo? Uma grande empresa ou uma grande ideia? “Grande ideia” foi a resposta que motivou Haroldo a escrever um material de 38 páginas para o edital da premiação.


Educação ou Negócio?

Uma grande família

O receio dos colaboradores da escola não era apenas com o tamanho das empresas disputando o prêmio. “Não se admitia uma escola com prêmio de gestão”, conta o coordenador. O assunto é delicado e traz à tona a discussão de até onde a escola deve investir em capacitação de colaboradores, por exemplo, na informatização de processos até então burocráticos ou, principalmente, na cultura de sala de aula dos professores que na maioria das vezes não se preocupam com gestão. “A resistência é grande. Os professores têm outras prioridades e a preocupação com gestão acaba ficando de lado”, explica. O trabalho de Haroldo concentra-se em criar e manter uma nova cultura. Para ele, o serviço educacional vai além do que acontece dentro da sala de aula e a excelência em serviços é um dos temas presentes na rotina da instituição. “Precisamos oferecer boa segurança, boa alimentação, excelentes professores e um excelente ensino. Tudo influencia na percepção do pai, que é quem vai decidir a escola do filho. Não adianta oferecermos a melhor solução pedagógica se não temos segurança. Se o filho estiver vulnerável, o pai não vai gostar”. Uma das estratégias praticadas pela escola é o bom relacionamento e a comunicação com os pais. O desenvolvimento de um aplicativo que informa em tempo real as últimas notícias sobre o filho é um exemplo do investimento em inovação, pesquisa e gestão. A informatização auxiliou a velocidade de troca de informações, a redução na burocracia e, com esses ganhos, o crescimento e a dedicação a outras atividades mais essenciais à educação das crianças foram permitidos. O desenvolvimento dos Territórios de Aprendizagem, ação pedagógica que também destacou-se no Prêmio Bem Feito no Paraná, é um dos exemplos desse ganho a partir da gestão, pois foi possível dedicar-se a pesquisar novas metodologias para enriquecer as atividades pedagógicas da escola.

O trabalho de gestão não se limita aos pais, nem aos alunos. É notável, também, a dedicação aos professores e colaboradores da escola O Pequeno Polegar. A média de tempo de casa desses profissionais impressiona: 28 anos. “O tempo de casa reflete o bom ambiente de trabalho. Eu fui aluno dessas coordenadoras”, exemplifica Haroldo. A história de Haroldo integra-se à da escola assim como a de seus pais e irmãos. “Junior nasceu e cresceu aqui dentro. Com cinco dias já estava aqui”, complementa Lula, que além de fundadora, hoje responde pela direção geral. Uma história de vida que junta-se também a de outros pais, alunos, professores e colaboradores que fizeram parte da história da escola ao longo dessas 3 décadas. “As pessoas veem a escola hoje pela cultura familiar. Elas vêm aqui porque nós somos uma família”, afirma. “Por isso inclusive que investimos tanto em treinamento para nossos colaboradores e vivemos em comunhão familiar. Costumamos trazer as lembranças da família para a gestão”. O resultado desse trabalho pode ser percebido, também, com o encontro de gerações que acontece atualmente na escola. Muitos pais que levam seus filhos para as salas de aula já foram alunos da instituição. “Eles sentem-se orgulhosos por ver que a escola deles, que era pequena, agora é grande”, explica Andriguetto. De fato, o crescimento é representativo. De 16 alunos e um colaborador em 1983, hoje O Pequeno Polegar emprega 60 profissionais que cuidam de quase 450 alunos. O crescimento físico da instituição também foi notável com a aquisição de mais terrenos ao redor da pequena casa onde tudo começou e que já não existe mais. A última expansão foi para o outro lado da rua com a construção de um estacionamento para os pais. Mais um projeto que simboliza a preocupação com a prestação de serviços e a boa gestão de educação.

Quer ver a história da sua instituição registrada neste espaço? Se você é um associado ao Sinepe/PR envie sua sugestão para contato@revistaescada.com.br A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ

15


en.tre.vis.ta / Patricia Peck Pinheiro sf T / Marília Bobato F / Divulgação

O papel da escola

na era digital

16

A advogada Patricia Peck Pinheiro está entre as principais autoridades do Direito Digital no País. Há 10 anos está a frente do escritório de advocacia que leva seu nome. Com especialização em negócios pela Harvard Business School, é autora de 14 livros sobre Direito Digital e também é a idealizadora do movimento Família mais Segura na Internet. Atendendo ao convite da Revista Escada, nesta entrevista orienta escolas, professores e famílias a como lidar com os alunos numa sociedade cada vez mais digital. A fim de exemplificar o cenário em que esta sociedade está inserida, em agosto de 2014, o Portal Educacional divulgou a pesquisa “Este Jovem Brasileiro”, com a participação de mais de 4 mil estudantes, mais de 300 pais e cerca de 60 profissionais da educação de diferentes estados do Brasil. A pesquisa revelou que mais de 90% dos jovens começaram a acessar as redes sociais com 12 anos ou menos e 86% admitem já ter mentido a idade para acessar conteúdo proibido para menores de 18 anos. A mesma pesquisa revelou que enquanto 23% dos jovens dizem já terem sido vítimas de insulto ou violência pela internet, 16% já sofreram algum tipo de preconceito e 36% já ficaram tristes por problemas vividos na rede. No entanto, apenas 16% dos pais dizem que os filhos já tiveram problemas do tipo. Os professores, no entanto, parecem perceber melhor que os pais os problemas sofridos pelos alunos. Ao todo, 73% dos professores já detectaram problemas de relacionamento sofridos por alunos devido a conteúdos publicados nas redes sociais. Confira, a seguir, as dicas da advogada Patrícia Peck Pinheiro de como agir diante de tais dados.


RE - Os pais não estão sabendo lidar/ orientar os filhos nesta era digital? A tarefa está sendo delegada aos professores e à escola?

“A melhor orientação para as famílias é que criança navegando sozinha na internet, sem ninguém de olho, é menor abandonado digital...” REVISTA ESCADA - Até os 12 anos de idade, a pessoa é considerada totalmente incapaz pela Lei, isso implica em responsabilidade para os pais. Como orientar as famílias neste sentido, pois parece que o acesso a internet está se dando cada vez mais cedo? PATRICIA PECK - Pela lei brasileira, art. 932 do Código Civil, os pais são responsáveis pelos atos de seus filhos menores de idade. Pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, art. 2º, até 12 anos incompletos é considerado

criança, o que significa que deve haver assistência e supervisão por parte dos pais para todos os atos daquele jovem. Sendo assim, qualquer recurso que um menor de 13 anos tiver acesso, tem que ocorrer com o auxílio e vigilância do responsável legal ou de um adulto que o esteja substituindo. A melhor orientação para as famílias é que criança navegando sozinha na internet, sem ninguém de olho, é menor abandonado digital e pode gerar inclusive discussão sobre o grau de proteção e segurança que aquela criança tem dentro daquela família.

A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ

PP - O modelo de família atual sofreu profundas transformações no tocante a quantidade de tempo que uma mãe ou um pai passa junto com seus filhos. Tem crescido a busca, inclusive, por escolas no formato de integral, justamente porque ambos estão o dia todo no trabalho. Por isso, é natural que o professor ou a escola tenha mais tempo de convivência com o jovem, o que permite tomar mais conhecimento sobre o que pode estar ocorrendo na vida digital do aluno. No entanto, esta responsabilidade é dos pais, por isso, cabe a escola sempre informar, dar ciência, sobre o que ficar sabendo, já que quem tem o dever de vigilância e de agir em caso de incidente é o responsável legal. Com certeza, precisamos estimular que os pais se interessem mais pela vida digital de seus filhos, saibam quem são seus amigos virtuais, que sites estão acessando, que conteúdos estão compartilhando, principalmente, quais são os assuntos, dúvidas, anseios e medos deste jovem, que apesar de cercado por tecnologia tem sofrido de uma imensa solidão digital. Hoje, muitos casos de exposição de menor têm como base um desejo de chamar atenção. A agressividade, a polêmica, as fotos sensuais e mesmo de nu, em geral, são uma evidência de que aquele jovem precisa de mais amor e atenção. Ou seja, os pais precisam se fazer mais presentes sim, inclusive através dos meios digitais. RE - Hoje em dia é comum crianças de 8 anos terem celular. Quais as implicações do uso indevido se ele se der em ambiente escolar? Como alertar alunos, pais e professores? PP - Se compreendermos que a Internet é a rua da Sociedade Digital e que o celular é hoje o veículo para trafegar nesta via, que é internacional e multicultural, conseguimos ter uma percepção de que a criança para ter um celular precisa receber muita orientação e deve haver supervisão ostensiva. Celular não pode ser tratado como um brinquedo, visto que requer um chip que precisa estar cadastrado em uma operadora associado a um CPF. Qualquer uso de recurso tecno-

17


lógico nas escolas tem que estar associado a uma finalidade educativa, para estimular a aprendizagem. O uso indevido do mesmo pode gerar dispersão, acidentes pessoais, como quedas e até mesmo atrair a rua para dentro da Escola. Afinal, o jovem quando está no celular pode estar interagindo com qualquer estranho, mesmo estando dentro dos muros da escola. No Brasil, 23 Estados possuem lei específica proibindo o uso do celular na sala de aula, com a única exceção de que o mesmo seja para realizar uma atividade escolar com a supervisão do professor. A Escola deve deixar a regra mais clara e orientar aos pais que evitem mandar mensagem para os filhos durante o horário da aula, e que a infração a norma enseja de advertência à apreensão do equipamento com devolução do mesmo apenas para o responsável legal. A escola tem o dever de zelar por um ambiente adequado, seguro e saudável de ensino.

18

“No Brasil, 23 Estados possuem lei específica proibindo o uso do celular na sala de aula, com a única exceção de que o mesmo seja para realizar uma atividade escolar com a supervisão do professor”.

do lazer, pode não ser adequada para quando se tem que estudar. Deve-se ter uma visão bem crítica sobre o uso de tecnologia na escola, ela deve ser uma aliada do professor, para gerar mais interesse na aula, mais compreensão da matéria, senão, ela é prejudicial. E tudo em excesso pode fazer mal, inclusive gerar vício tecnológico.

RE - A escola deve definir normas de uso da internet dentro de suas dependências? Quais as principais cláusulas que devem constar no contrato de matrícula?

PP - Sim, é fundamental que a escola tenha todas as regras bem claras, documentadas e acessíveis, até pelo dever de educar. Com toda a mudança social, econômica e comportamental que as novas tecnologias causaram no ambiente escolar desde 1990, o contrato de matrícula atual deve ter cláusulas atualizadas para deixar claro como a escola, o aluno e os responsáveis legais devem agir no tocante: uso dos recursos escolares tecnológicos, uso de imagem, direitos autorais dos conteúdos digitais, uso de celular, postura nas mídias sociais, mediação de conflitos escolares. Abaixo, um quadro resumo:

Atualização do Contrato de Matrícula Regras de uso de recursos educacionais de TIC (RETIC) com foco em Segurança e atendimento ao propósito educacional. Regras e restrições para uso de recursos particulares no ambiente educacional (ex: smartphone, tablet, MP3, outros) e isenção de responsabilidade da escola em caso de perda, furto, extravio, danificação. Recomendações de comportamento ético no tocante à postura do aluno e sua relação com os demais pelas vias digitais (inclusive mídias sociais). Zelar pelo bom nome e reputação da instituição de ensino (proteção de marca). Contratação de Matrícula e Rematrícula Online com base na MP 2.200.

RE - As salas de aula estão ganhando cada vez mais apa-

ratos virtuais como smart board, tablets para alunos, etc. Proibir o uso do celular no ambiente escolar não acaba indo contra essas inovações?

PP - Qual o papel da escola da era Digital? Com certeza continua a ser o de formar indivíduos éticos, preparados para uma vida adulta, estimulando o desenvolvimento de competências e ganho de conhecimento. Logo, o uso de ferramentas que possam contribuir com isso é extremamente importante. Por isso, investir em tecnologias educacionais está diretamente relacionado a ampliar a capacidade de formação escolar do jovem. Mas a tecnologia é um meio para se alcançar o fim que é a educação. Se o recurso estiver prejudicando a aprendizagem, gerando dispersão, desatenção ou ainda prejudicando o relacionamento entre os alunos e professores, deve ser restringido ou mesmo proibido. Uma nova tecnologia que possa ser legal para o momento

Monitoramento com aviso prévio e guarda de provas eletrônicas. Uso de imagem do aluno por parte da escola. Questões de fotos e filmagens no ambiente do Colégio por alunos, pais, visitantes. Questões de direitos autorais (conteúdos, softwares, músicas, etc.) nos trabalhos escolares. Responsabilidade parental (devido ao cenário híbrido, onde o aluno está fisicamente dentro da escola, mas digitalmente fora dela). Medidas disciplinares e socioeducativas nos casos de infrações a comportamento ético digital, com destaque a questões como falsa identidade, falsidade ideológica, ofensa digital (cyberbullying), pornografia infantil (sexting), pirataria, plágio. Justiça restaurativa (solução amigável dos conflitos).


RE - A instituição de ensino pode definir em seu regimento interno até que ponto o professor/ funcionário pode se relacionar com os alunos no ambiente virtual? Professores podem aceitar a amizade de alunos em redes sociais? PP - Esta é uma questão delicada. Devemos sempre lembrar que o vínculo professor-aluno tem que ter uma motivação educacional. Até para evitar que esta relação invada, mesmo que sem querer, a esfera de responsabilidade que é da família. Sendo assim, é uma melhor prática que o professor separe sua vida pessoal de sua vida profissional, para sua própria preservação e proteção. Ademais, o professor, como adulto, maior, capaz, alfabetizado, e acima de tudo, educador, tem que estar ciente das regras de uso das ferramentas tecnológicas. Portanto, não deveria um professor aceitar um aluno em um recurso, seja mídia social, Whatsapp, ou outro, se o mesmo não tiver a idade mínima para estar ali, pois isso poderia configurar cumplicidade na prática do crime de falsa identidade, previsto pelo art. 307 do Código Penal. O professor não deveria ser conivente com uma mentira, até porque tem como missão formar um cidadão ético, consciente de seus direitos e deveres. Ou seja, o professor deve ser cauteloso ao se relacionar com alunos nestes ambientes. A escola pode e deve regulamentar os limites para esta relação, até para evitar riscos para a mesma. RE - Como a escola deve lidar com blogs e sites de auto-

ria de professores? Incentivar ou barrar? A escola pode acabar assumindo riscos devido a postagens indevidas dos professores?

PP - O maior desafio da era digital que permite maior publicação de conteúdos pelo indivíduo é justamente conseguir separar o que é uma opinião pessoal do que é uma opinião profissional, que vincula o empregador, quando feita em ambiente público, como é hoje o espaço da internet, seja com aplicações de mídias sociais, fóruns, blogs, outros. Quando o professor está vinculado à uma instituição de ensino, o seu comportamento público, ou seja, perante terceiros, pode sim afetar a reputação da instituição ou mesmo gerar alguma situação delicada caso haja um contexto mais polêmico ou mesmo ilícito. Imagine um professor em seu blog pessoal publicar comentário discriminatório. Claro que isso afeta a imagem do mesmo perante a comunidade e também repercute na escola. O professor deve lembrar que na internet tudo está documentado e devemos exercitar a liberdade de expressão sempre avaliando os efeitos colaterais do conteúdo. Saber escolher a linguagem e o tom adequado é fundamental para não se envolver em situação de risco. RE - Muitas escolas optam pelo monitoramento dos alunos por meio de sistema de câmeras em nome da segurança. O tema gera bastante polêmica. Até onde é legal realizar este monitoramento? PP - No Brasil é possível realizar monitoramento desde que previamente avisado. Logo, a escola que faz uso destes recursos como este para aumentar a segurança devem afixar a placa de aviso de ambiente monitorado na entrada principal A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ

e nos ambientes em que há presença de câmeras ostensivas, bem como informar no contrato de matrícula, no contrato de trabalho e no contrato com os terceirizados. Fazendo isso o monitoramento é legítimo e legal. Mas deve-se ter muito cuidado com a guarda do conteúdo que ficou gravado, pois o mesmo só pode ser utilizado para averiguar ocorrências internas, de forma reservada, e só pode ser apresentado para terceiros mediante ordem judicial.

RE - Existe solução para a questão dos direitos autorais

na internet? Vemos muitos alunos praticando o Ctrl+C Ctrl+V. Esse ato pode ser considerado imaturidade ou se dá por falta de punição/ legislação específica?

PP - Vivemos a Sociedade do Conhecimento, em que o modelo de riqueza está baseado em informações. A questão da propriedade intelectual já está tratada em lei, tanto na Lei 9610/98 como também no Código Penal, art. 184. Logo, o problema é ético, e pode-se dizer que é um problema de base educacional. O jovem deve aprender sobre o respeito aos direitos autorais e direitos de imagem, como citar fonte e autoria, como dar o crédito, desde a Escola. Infelizmente, tanto do ponto de vista preventivo, está faltando orientação, como do ponto de vista social está faltando repreensão, que é o que dá o sentido moral de certo e errado. Precisamos dar o exemplo e ele começa na família e deve alcançar a escola. Se não ocorrer nestes ambientes acabamos estimulando a formação de uma geração que “cobiça o conteúdo alheio”, faz uso sem pedir autorização e ainda plagia, diz que algo que outra pessoa fez foi ele que fez. O problema não é de maturidade, nem é jurídico, pois as regras existem, mas é sim de orientação, que é educar no uso ético dos conteúdos, e de punição para quem faz errado.

“Quando o professor está vinculado à uma instituição de ensino, o seu comportamento público, ou seja, perante terceiros, pode sim afetar a reputação da instituição ou mesmo gerar alguma situação delicada caso haja um contexto mais polêmico ou mesmo ilícito”.

19


es.pe.ci.al adj T/ Flora Guedes F/ Divulgação

Literatura paranaense

chega às salas de aula 20

Coleção contempla seis grandes escritores contemporâneos além do manual do professor

Com a grande missão de divulgar a arte literária do estado para sua gente, encurtando o caminho entre a literatura e o público em geral, é que foi materializado o projeto Coleção Gazeta do Povo – Literatura Paranaense. Uma cuidadosa curadoria identificou seis talentos da palavra escrita no Paraná que certamente irão enriquecer as estantes dos leitores com cultura e entretenimento. Mais da metade dos exemplares da série literária foi distribuída gratuitamente como encarte do jornal Gazeta do Povo para assinantes e leitores, no final de 2014. Os demais livros foram encaminhados para a rede pública e privada de ensino, além de importantes pontos de leitura e espaços culturais como Faróis do Saber, Tubotecas e Casas de Leitura, através das parcerias firmadas com Governo do Estado do Paraná, Secretarias da Educação e Cultura, Fundação Cultural de Curitiba e Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (Sinepe/PR). Nunca antes foram reunidas grandes obras paranaenses numa única coleção, por meio de um projeto, para um público em larga escala. Com uma tiragem de 420 mil exemplares (70 mil de cada título) estima-se que o projeto atinja diretamente mais de 2,5 milhões de leitores, das mais diversas faixas etárias e classes sociais. Com a missão maior de resgatar, valorizar e promover a arte literária paranaense, aproximando o povo do Paraná da sua identidade cultural, o projeto conta ainda com o Manual do Professor. Trata-se de um volume especial que fornece instruções para serem aplicadas em sala de aula. O manual traz indicações bibliográficas dos autores, formas de abordagem dos livros e o contexto de cada título dentro da produção literária paranaense e cenário nacional.


O Manual do Professor está sendo distribuído para mais de 90 mil professores das escolas públicas gerenciados pelo Governo do Paraná e às mais de duas mil instituições de ensino particular no Estado, com o objetivo de ser amplamente trabalhado em salas de aula ao longo do ano letivo de 2015. “É com elevada satisfação que participamos desta iniciativa, viabilizando a distribuição de 2 mil exemplares para as escolas particulares e professores, sem qualquer ônus para o Sindicato”, comentou o presidente do Sinepe/PR, Jacir J. Venturi. Para ele, a boa leitura conduz-nos à serena paz de espírito, tão rara em qualquer outro ambiente.

Grandes escritores, grandes obras Da seleção da primeira lista de autores até a escolha dos seis escritores que compõe a Coleção Gazeta do Povo – Literatura Paranaense foi um processo que levou cerca de dois anos e reuniu uma equipe de pensadores e comunicadores que estão envolvidos no projeto. Baseada em critérios artísticos e literários, além de questões burocráticas e legais, a curadoria conseguiu montar ‘uma seleção de autores e obras ideal e possível’ para representar a arte literária contemporânea paranaense. O escritor Miguel Sanches Neto, que também é poeta, contista, ensaísta, considerado um dos críticos literários mais respeitados no Brasil, é um dos escritores participantes da Coleção com sua obra inédita “Linhas Órfãs”. O livro fictício é uma experiência de diálogo nas redes sociais, pequenas ‘tuitadas’ que resultaram em literatura. Fala das relações virtuais e serve para a velocidade dos nossos tempos. “Não existe nenhum movimento institucional que consagre o autor paranaense. Então enxergo essa coleção como uma forma de fortalecer e celebrar os escritores paranaenses. E ainda mais importante é o fato dessa coleção colocar na mão do leitor livros de literatura que ajudam a formar um público leitor no Paraná”, avalia Miguel Sanches Neto. O “Jornal da guerra contra os Taedos”, livro de Manoel Carlos Karam que ganhou publicação póstuma e agora foi reeditado nessa coleção, apresenta um relato aparentemente factual sobre uma disputa bélica e desmistifica o discurso de guerra, das artimanhas e estratégias com ironia e humor. A obra “Pequenices”, do escritor Domingos Pellegrini, reúne, pela primeira vez, essa série de crônicas em um livro, confirmando o talento deste londrinense como um grande contador de histórias e um dos maiores cronistas do Brasil. Pellegrini já foi agraciado duas vezes com o Prêmio Jabuti e é autor de mais de 30 obras entre contos, novelas, crônicas, juvenis e infantis. “Essas obras também irão para as escolas do estado e de muito municípios, e as

crianças vão poder iniciar-se ou enriquecer-se com as letras dessa coleção. Por isso acho esse projeto muito importante, soma-se a outras iniciativas semelhantes ou paralelas para que a gente consiga fazer do Brasil um país leitor, melhorando a nossa nação como civilização”, acredita o autor. Também compõe a Coleção o livro “Ensaios e anseios crípticos”, de Paulo Leminski. A obra reeditada traz uma oportunidade de conhecer Leminski como ensaísta, polemista, jogando luz em questões específicas. Embora aborde temas complexos, o autor fala de forma direta, emotiva e pela beleza do texto. Nessa edição, o leitor vai encontrar uma seleção de ensaios organizada pela família de Paulo Leminski. O conhecimento acadêmico é colocado à prova em “Alegres memórias de um cadáver”, de Roberto Gomes. O escritor e filósofo curitibano faz um cadáver andar pelos corredores de uma universidade, enquanto discute a realidade brasileira contemporânea, questiona as práticas acadêmicas e a desburocratização do acesso ao conhecimento. Uma obraprima da literatura brasileira, que já está em sua 6a edição, e mais atual do que nunca. A última obra desta 1a Coleção Gazeta do Povo – Literatura Paranaense é “Infinita sinfonia”, de Helena Kolody. Imperdível. O título reúne a obra completa da escritora paranaense e inclui cerca de 500 poemas.

Projeto inédito e grandioso Uma promoção do jornal Gazeta do Povo e coordenado pela Editora Inventa, o projeto Coleção Gazeta do Povo – Literatura Paranaense teve sua realização possível por meio da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura do Brasil. Patrocinado pela CAIXA e Instituto Joel Malucelli, o projeto conta com apoio do Grupo Positivo.


Escolas associadas ao Sinepe/PR podem entrar em contato com os escritórios regionais para solicitar os exemplares da coleção sem qualquer custo. > Regional Sinepe/PR Campos Gerais (Ponta Grossa) R. Comendador Miró, 860 3220 7237 sinepe_camposgerais@sinepepr.org.br Contato: Maria de Fátima P. Rodrigues 42

> Regional Sinepe/PR Oeste (Cascavel)

> Regional Sinepe/PR Cataratas (Foz do Iguaçu)

Av. Paraná, 2361 - sl 1101 – 11º and. Edif. Felipe Adura 45 3322 0060 sinepe_cascavel@sinepepr.org.br Contato: Juliana Ferrarin Carneiro

Av. Rosa Cirilo de Castro, 463 - sl 02 Jd. Pólo - Centro 45 3027 6933 sinepe_foz@sinepepr.org.br Contato: Marilda Lopes de Oliveira

22

Ensinar com Dedicação, Boa Vontade e Amor é a nossa missão. Uma escola humana ao ensinar e inovadora ao gerir.

Uma escola humana.

Atenção às famílias e aos alunos e as inovações no ensino têm levado O Pequeno Polegar a consolidar-se em São José dos Pinhais como uma escola referência na formação de crianças nos primeiros 10 anos de vida. Aqui, cada aluno é único em seu pensar, agir e aprender.

Prêmio Bem Feito Paraná Categoria Serviços – Empresas de Médio Porte - 2014.

Rua João Ângelo Cordeiro, 975 - São José dos Pinhais / PR - Tel.: (41) 3382-1261 - www.opequenopolegar.com.br


CONSTRUINDO E AMPLIANDO ESCOLAS COM RAPIDEZ E TECNOLOGIA. Surpreenda-se com o Sistema Construtivo FAST FLEX. Serviços completos, qualidade, segurança e rapidez para quem busca praticidade na hora de construir ou reformar.

Garantia no prazo de entrega Controle de qualidade Não gera resíduos Montagem rápida Escolas prontas em 3 meses Isolamento acústico e térmico Fácil ampliação e transferência Segurança certificada

0800 648 7008 comercial@siscobrasnet.com.br fastflex.com.br

23

Coaching Escolar atitudes que fazem a diferença

Educar o emocional, professores e alunos encontrando clareza para gerar soluções, fazer escolhas e traçar metas rumo ao objetivo.

DO IT COACHING Coach Cristiane Pineroli Bochnia doitcoaching@doitcoaching.com.br 41 3242 3040 / 9968 3133 R. Acyr Guimarães, 436 - conj 1601 e 1705 - Água Verde - Curitiba/PR

A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ


as.so.ci.a.das adj

Universo das Associadas Alunos do UNICURITIBA estão de malas prontas para a Europa Pensando em um histórico escolar privilegiado e melhor colocação no mercado de trabalho, com formação em outro ambiente cultural e conhecimento em língua estrangeira, o Centro Universitário Curitiba (UNICURITIBA) levou, no mês de fevereiro, 25 alunos dos cursos de Direito, Publicidade e Propaganda, Relações Internacionais e Design Gráfico, para um intercâmbio na Europa. Os destinos foram Portugal e Espanha. “O intercâmbio é uma oportunidade para que nossos horizontes se expandam, onde nós podemos entrar de cabeça no mundo e descobrir coisas novas. Eu espero que seja um semestre de grandes descobertas e conhecimento, novas amizades e novas histórias para contar na volta ao Brasil”, comenta Pâmela Coutinho Wozniak, aluna do curso de Relações Internacionais.

Incentivo ao Intercâmbio Personalizado 24

Ainda falando em intercâmbio, o Colégio Marista Santa Maria acredita que a educação integral vai além da sala de aula e tem promovido, por meio do Núcleo de Atividades Complementares (NAC), intercâmbios personalizados de curta duração que permitam vivência com outras culturas e línguas estrangeiras, além de práticas para ações esportivas e culturais no exterior. Esse ano a equipe de futebol, junto com o professor Leonardo Carvalho e o supervisor Anderson Retechuki, esteve em Orlando (EUA) e participou de um intercâmbio esportivo e cultural com clínicas, jogos e torneios na Monteverde Academy, uma das mais importantes universidades do país. Já no velho continente, o Grupo de Teatro participou do 2o Intercâmbio Artístico e Cultural em Portugal, acompanhado do professor de teatro Orly Veras. Em Paris (França) o Grupo de Dança participou de workshops da modalidade no Centre de Danse du Marais, acompanhado das professoras de dança Daisy Maria e Patrícia Alves. A Cidade Luz também foi destino dos alunos de canto, que aproveitaram para aprimorar técnicas de canto e voz, acompanhados dos professores de Coral Carlos Todeschini e Joyce Miriam Todeschini.

XX Encontro das Escolas Associadas à UNESCO Em outubro de 2014, em João Pessoa, na Paraíba, as coordenadoras do Colégio Sion Curitiba, Lucilene Brustolin e Maria Cristina Montingelli, participaram do XX Encontro Nacional das Escolas Associadas à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O evento reuniu 300 educadores de escolas públicas e privadas brasileiras e, na ocasião, aconteceu o lançamento da sétima edição da revista anual das Escolas Associadas da Unesco no Brasil, que contou com a publicação da matéria Tempo de Paz, que apresenta alguns projetos desenvolvidos pelo Colégio. Segundo Lucilene o reconhecimento das práticas educativas pelo Sion fortalece a missão diária de promover a formação de cidadãos conscientes de sua humanidade de ensinar o respeito às diferenças, abrindo horizontes em busca de caminhos cada vez mais transformadores para a educação.


Pelé chancela novos cursos na área desportiva na Uninter No mês de fevereiro, o Rei Pelé esteve em Curitiba para participar do lançamento institucional dos 19 cursos de pós-graduação lato sensu para a área desportiva lançados pelo Grupo Uninter, em parceria com a Rede de Ensino Desportivo (REDE). O Rei é embaixador do projeto e participou da transmissão ao vivo para todos os polos direto dos estúdios da Unidade Araucárias Uninter. Os cursos são totalmente online e destinados para profissionais de nível superior, tanto na área de Educação Física quanto demais áreas correlatas, voltadas ao mercado desportivo, em mais de 400 polos de apoio presencial em todo o Brasil. Os cursos ofertados são: Gestão Profissional do Futebol, Atividade Física para Grupos Especiais, Biomecânica da Atividade Física e do Esporte, Direito Desportivo, Educação Física Escolar, Esporte para Pessoas com Deficiência, Fisiologia do Exercício, Fisioterapia Esportiva, Gestão de Academias de Ginástica, Gestão e Marketing Esportivo, Jornalismo Esportivo, Negócios no Esporte, Nutrição Esportiva, Organização de Eventos Esportivos, Personal Training, Políticas Públicas para o Esporte, Saúde e Bem-Estar, Psicologia do Esporte, e, também, Treinamento, Técnicas e Táticas Esportivas.

Arte na Escola Terra Firme Em dezembro de 2014, a Escola Terra Firme exibiu trabalhos do Projeto Arte da Terra, em comemoração aos 26 anos da instituição, no restaurante Beto Batata, no ParkShoppingBarigüi, em Curitiba. A curadora da exposição foi a coordenadora de Ensino de Artes, Katiuscia Trevisan Cornelsen e é o resultado da estratégia pedagógica da escola que tem como objetivo integrar os diversos saberes e disciplinas, usando a linguagem de representação artística. Em 2015 a exposição será exibida em outros locais, com o objetivo de dar mais visibilidade aos trabalhos dos alunos e demonstrar como a arte pode ser referência integradora de diversas disciplinas curriculares.

25

Boas-vindas aos novos alunos Medo, angústia, insegurança, ansiedade e muito choro. Na primeira vez em que uma criança vai à escola, ela se depara com um ambiente desconhecido, pessoas diferentes e uma nova rotina. Para tornar a adaptação mais tranquila, a Escola Atuação (Curitiba) desenvolve uma ação que envolve escola e família. Durante a última semana de férias, professores visitam a casa de todas as crianças do Maternal, conversam e tiram algumas fotos. No primeiro dia de aula, as imagens reveladas estão na sala e servem como uma referência emocional para os alunos. “Este é um período importante e de muitas transformações, então o processo de adaptação precisa contemplar todas essas mudanças”, explica a diretora Esther Cristina Pereira.

Cuidados com a voz O Colégio Evangélico Martin Luther, de Marechal Cândido Rondon, no oeste do Paraná, convidou o fonoaudiólogo Fagner Mallmann, para ensinar aos professores como cuidar das cordas vocais durante o ano em sala de aula. A palestra ensinou aos educadores como pequenos cuidados podem evitar riscos à voz, como, por exemplo, o aquecimento vocal antes das aulas, pelo menos duas vezes na semana.

A Escola Paraíso da Criança (de Curitiba), com o apoio do programa Condomínio da Biodiversidade (ConBio), da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem (SPVS), lança neste ano o projeto “Conservação da água”, que objetiva incluir no cotidiano das crianças e da comunidade escolar ações de preservação da natureza, preparando uma nova geração comprometida com a vida e com o bem-estar da sociedade. A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ


di.re.to.ri.a em a.ção sf / prep / sf

diretoria do Sinepe/PR EM atividade

De casa nova Em meados de março, duas regionais do estado ganharão sedes próprias. A Regional Sudoeste ficará localizada na Rua Tamoio, 91, Centro, em Pato Branco. Para a diretora-presidente, Ivone Maria Pretto Guerra, o escritório próprio vai deixar o Sinepe/PR mais próximo dos associados, melhorar o atendimento e facilitar o repasse de informações.

26

Já na Regional Central, em Guarapuava, a sede própria era um anseio antigo dos associados. “Com o escritório, os associados poderão ter acesso in loco ao Sinepe/PR para tirar dúvidas, participar dos cursos e reuniões e ter acesso a mais informações sobre a ação do sindicato. Acredito que vai facilitar o nosso trabalho, nossa relação com as empresas associadas e aumentar a nossa representação na região”, disse o diretor de Ensino da Educação Infantil da Regional Central, Jean Feldé de Liz. Segundo ele, com a nova sede, a regional vai intensificar o trabalho de visitas a possíveis futuros associados. “Nossa intenção é aumentar em 50% o nosso número de associados”, completa. > Regional Sudoeste - Pato Branco R. Tamoio, 91, Centro - Pato Branco/PR 46 3225 3921 > Regional Central - Guarapuava R. Mal. Floriano Peixoto, 1811, sala 161, Centro - Guarapuava/PR 42 3622 1902

Fortalecimento da base sindical A Regional Cataratas começa o ano de 2015 ainda comemorando uma grande conquista do ano passado: duas cadeiras no Conselho Municipal de Educação. Desde então, o Sinepe/PR é representado no Conselho pelo titular, Antônio Neves, e pelo suplente, Artur Gustavo Rial. “Só participam do Conselho entidades representativas, e por Lei, agora o Sinepe/PR é uma dessas entidades. O Conselho trata de todos os assuntos acerca da educação do munícipio, e para o Sinepe/PR é muito importante participar dessas discussões”, explica Artur Gustavo Rial, que é o coordenador da Regional Cataratas e Presidente da Comissão Patronal/Sinepe em Foz do Iguaçu. Já para este ano, de acordo com Rial, o grande objetivo da regional é trabalhar para o Sinepe/PR manter-se como representação sindical de Foz e Região. A Regional Cataratas já existe há oito anos. > Regional Cataratas - Foz do Iguaçu Av. Rosa Cirilo de Castro, 463 - sl. 02 - Jd. Pólo Centro - Foz do Iguaçu/PR 45 3027 6933 sinepe_foz@sinepepr.org.br

Infraestrutura e expansão Elaboração de Convenção Coletiva

Em Ponta Grossa, a Regional Campos Gerais dedicou esforços para reorganizar “a casa”, nos últimos dois anos. O escritório está sediado numa sala dentro da Associação Comercial de Ponta Grossa, e devido a parceria pode contar com a excelente infraestrutura e utilizar as salas de reuniões e auditórios para promover os cursos e eventos do sindicato. A cada 40 dias, por exemplo, são realizadas reuniões com as escolas associadas ao Sinepe/PR. “Com boa infraestrutura, podemos incrementar nosso calendário de atividades e também facilitar o acesso dos associados ao Sinepe/PR e viceversa. Agora para 2015, o nosso foco é buscar associados em outras cidades da Regional, como Telêmaco Borba, Carambeí e Castro”, informou o diretor-presidente, Osni Mongruel Junior. > Regional Campos Gerais - Ponta Grossa R. Comendador Miró, 860, térreo, Centro - Ponta Grossa/PR 42 3220 7237 - sinepe_camposgerais@sinepepr.org.br

Diversos encontros com os Representantes Legais das Instituições de Ensino Superior da Região Oeste aconteceram no escritório do Sinepe/PR em Cascavel, desde o ano passado, com o objetivo de elaborar uma Convenção Coletiva de Trabalho com as IES. De acordo com o diretor-presidente da Regional Oeste, Airton Bonet, o grande foco para o primeiro semestre de 2015 é dar continuidade à discussão da CCT, pensando também em favorecer uma aproximação entre o Sinepe/PR e o Sindicato dos Professores das Instituições Privadas de Ensino Superior de Cascavel (Sinpro-Cascavel). > Regional Oeste - Cascavel Av. Paraná, 2361 sala 1101 - Cascavel/PR 45 3322 0060 - sinepe_cascavel@sinepepr.org.br


Seu impresso na hora e na quantidade que você precisa. Tudo o que você precisar na área gráfica em pequenas e médias quantidades com rapidez e qualidade

Facilidade Rapidez Simplicidade

Basta um clique.

visite nosso site

www.galagrafica.com.br


ar.ti.go sm

T / Cristiane Pineroli Bochnia - membro da Sociedade Brasileira de Coaching

COACHING nossas escolhas e atitudes fazem a grande diferença

C

28

oaching é o processo que visa elevar a performance do indivíduo aumentando os resultados positivos. Sempre embasado no autoconhecimento, o Coach promove o aprimoramento, ajudando a pessoa a encontrar e implementar suas próprias soluções, levando a assumirem responsabilidade sobre suas ações. O autoconhecimento e a autoconfiança constroem a inteligência emocional, tão importante para profissionais quanto para estudantes. A importância da inteligência emocional talvez seja maior do que gostaríamos de admitir. Não é raro lembrarmos um colega ótimo nos estudos, mas que não se destacou de forma esperada na vida profissional. Hoje, a educação é tão abrangente que devemos educar também o emocional. Não conseguimos controlar o que vamos sentir, mas devemos conseguir decidir o que fazer a seguir. A atitude é que faz a grande diferença. A cada ano que se inicia avaliamos nossas conquistas e expectativas. Na escola não é diferente, manter o foco em novos desafios e realizações, também faz parte dos objetivos da instituição. Na educação infantil e no ensino fundamental, o Coaching Escolar tem como foco principal auxiliar os professores com técnicas e ferramentas para serem mentores dos alunos, auxiliando no dia

a dia, em suas metas escolares e prioridades individuais. Cada sala de aula, com seu professor mentor, promove, como uma equipe, uma melhoraria contínua focada nos objetivos e metas traçadas no início do ano. A ação do Coaching Escolar une-se às demais ações da escola em prol da facilitação do aprendizado dos alunos, trazendo mais clareza para gerar soluções, superar limitações e confiar na capacidade de melhorar a cada dia. Quando pensamos na adolescência, as palavras: superar limitações e confiar em sua capacidade, soam ainda mais relevantes. Fases de modificações e reafirmação, a princípio, não combinam com período de escolhas. Mas é exatamente como acontece, é nessa fase que jovens de 16, 17 anos precisam estar

aptos a fazerem escolhas que muitas vezes vão se traduzir no caminho a ser traçado na idade adulta. O Coach auxilia a organizar pensamentos para traças metas rumo ao objetivo. O jovem precisa se encontrar, conhecer seus talentos, assuntos que o empolgam, o que atrai sua atenção. Procurar uma carreira condizente com seus interesses não é luxo, é uma necessidade. Hoje vivemos em um momento em que trabalho e vida pessoal estão interligados. Prova disso, que pensamos com frequência em nossa qualidade de vida. E o que é qualidade de vida? Qual vida? Profissional ou pessoal? Sumiram as fronteiras entre trabalho e lazer, hoje trabalhar por um sonho, batalhando por uma vida melhor, é uma busca profissional que alimenta nossa qualidade de vida. Nessa perspectiva o processo de Coaching é conhecido como Coach de Carreira, o qual permite que o adolescente se conecte e assuma a responsabilidade perante seus resultados. O Coach inspira o aluno a traçar esse caminho, buscando novos entendimentos e oportunidades para se direcionar gradualmente para suas inclinações profissionais. Quando existe o autoconhecimento, prevalece a escolha consciente. O Coaching é um facilitador para a tomada de decisões que garante um futuro com metas e objetivos a serem concretizados.


ar.ti.go sm

T / Jacir J. Venturi - presidente do Sinepe/PR

Fies incertezas para universitários e faculdades

N

o apagar das luzes de 2014, as normas do Fies foram alteradas mediante portarias, que somadas às manifestações públicas, intempestivas e desconexas das autoridades do MEC resultaram em um conjunto de medidas extemporâneas para o setor. São tantos os entraves que, no Facebook, foi criado um grupo batizado de “Fies Fiasco” – com milhares de adesões. Iniciou-se o ano letivo nas Instituições de Ensino Superior (IES), e as inscrições para novos contratos do Fies, que estiveram bloqueadas desde 1º de janeiro, foram abertas apenas no dia 23 de fevereiro. Enquanto isso, coube ao pretenso candidato a esse financiamento estudantil arcar com as mensalidades de janeiro e fevereiro ou permanecer inadimplente – e é iminente o boleto de março. Sem garantia de crédito, intensa é a angústia dos universitários e das faculdades. Eis as mudanças, em breve epítome: a) reajuste máximo de 4,5% permitido às mensalidades, diante de uma inflação aproximada de 8% para o setor; b) pontuação mínima de 450 pontos no Enem, o que elimina entre 20% a 30% dos candidatos ao Fies; c) o repasse dos certificados às IES com mais de 20 mil contratos ocorrerá em 8 parcelas anuais, não em 12 como era anteriormente, o que dilatará em 2 anos o término do pagamento, e as parcelas prorrogadas não possuem previsão de qualquer espécie de correção. Com todo esse imbróglio, depois de iniciadas as matrículas altera-se a execução do planejamento financeiro das IES. E, tão grave quanto, conforme o desenlace, quantos alunos trancarão a matrícula por falta de suporte econômico?

Embora o impacto negativo seja proporcionalmente maior sobre as IES de porte médio ou pequeno, o mais percebido pela mídia – até por ser mensurável – foi a desvalorização média de 26% nas ações dos grupos educacionais na bolsa de valores. Intensas são as negociações e a pressão das entidades representativas do Ensino Superior Privado, inclusive da Fenep e Sinepe/PR, com disposição para medidas judiciais. Até o momento, o governo recuou em dois temas, importantes, sim, mas não suficientes, o que promoveu uma valorização das ações na bolsa dos grupos educacionais (12% em média). Para as pequenas e médias IES, pode significar um alento, “um menos pior”, porém impossível mensurar os danos ao longo de 2015. Onde o governo cedeu: a) o teto de reajuste das mensalidades foi esticado de 4,5% para 6,4%; b) o corte da nota do Enem deixa de ser uma exigência para contratos novos, desde que adiram ao Fies no intervalo de 23 de fevereiro a 30 de março. Importante ressaltar que cerca de 74% das vagas do ensino superior estão nas

A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ

instituições privadas e, mesmo considerando as regras mais flexíveis vigentes até 2014, o percentual de universitários com 20 anos ainda é muito acanhado. Compare: no Brasil apenas 18%, enquanto na Argentina está em 34%, Chile 45%, EUA 52% e Coreia do Sul 71%. Em 2014, 26% dos estudantes matriculados nas IES privadas foram beneficiados pelo Fies. Isso significa um dispêndio de R$ 9 bi por parte do governo. O aluno ressarce o empréstimo após a formatura, com carência de 18 meses e em número de anos multiplicado por 2 em relação à duração do curso. Os juros são módicos: 3,4% ao ano. Reconheço que estamos passando por um forte ajuste fiscal, mas, em defesa do Fies, reproduzo a conclusão do economista Naércio Menezes, do Insper: a remuneração de um profissional com diploma universitário é o dobro comparada à dos que concluíram apenas o Ensino Médio. O investimento através do Fies retorna, pois tem o condão de ascensão social, maior produtividade, maior renda, o que no futuro decorre em mais tributos ao próprio governo. Ademais o conjunto Fies e ProUni tornou-se o programa social de Estado mais bem sucedido na área educacional. Em relação ao ProUni, a renúncia fiscal do governo é pífia se comparada aos benefícios. O Reitor de uma universidade privada me afirma que essa renúncia é de apenas R$ 380,00 por aluno/mês, o que corresponde a 15% do custo médio de um discente numa universidade pública. Jacir J. Venturi é presidente do Sinepe/PR (Sindicato das Escolas Particulares do Paraná), o qual é filiado à Fenep (Federação Nacional das Escolas Particulares)

29


cur.sos sm

AGENDA

Confira o calendário de cursos e palestras do Sinepe/PR PARA O 1O SEMESTRE DE 2015

Palestras

Maratona de Ensino Fundamental

A função do servidor na educação e a educação para o bem servir, com a psicóloga Eliana Maria Abdalla Superação e atitude - O sucesso é a mudança que acontece em você, com o professor Santareno Augusto Miranda Resumo: Que ações devemos desenvolver para atuar na área da educação e que princípios conectam o papel do servidor quando a temática é o bem servir. Data: 14/03, das 8h às 12h. Público-alvo: Pessoal da limpeza, zeladoria, portaria, cozinha e secretaria. Local: Auditório da Faculdade Padre João Bagozzi. Rua Caetano Marchesini, 952 - Curitiba, PR. Investimento: R$ 10 para associadas com direito a 1 cortesia e R$ 20 para não associadas.

06/04 - Neurociência e Inclusão Escolar: inclusão baseada em evidências científicas 07/04 - Conheça seus limites... Depois, vá em busca dos desafios 08/04 - Eu Sou Porque Nós Somos 09/04 - Gestão de sala de aula 10/04 - Questões do mundo atual: depressão e obesidade na infância e adolescência 13/04 - Inclusão é Planejamento 14/04 - Fala e escrita na aprendizagem, quando encaminhar? Audição e Audibilização... Processamento Auditivo o que é? Como identificar 15/04 - O que faz a diferença no ensino de alunos cada vez mais diferentes? 16/04 - As dificuldades de condução e de controle (imprescindível e saudável) em sala de aula e a performance do educador 17/04 - Limites e Valores a quem cabe construí-los? Horário das palestras: das 19h às 21h. Público-alvo: Gestores, coordenadores e professores do Ensino Fundamental (anos iniciais). Local: Plenário SINEPE/PR. R. Guararapes, 2028, V. Izabel - Curitiba/PR.

Semana de Inclusão 30

Aspectos Pedagógicos e Metodológicos; Emocionais; Psicomotores e Legais Aspectos Legais, com Fátima Chueire Hollanda Aspectos Pedagógicos e Metodológicos, com Jaqueline Gnata de Freitas Aspectos Emocionais, com Giovana Maria Silva Campos Aspectos Psicomotores, com Marcia Regina M. Santos Valiati

Data e local: 23/03 - 16h às 21h. Hotel Bella Itália - Av. República Argentina, 1700 – Foz do Iguaçu/PR. 24/03 - 16h às 21h. Auditório do Colégio Marista - Rua Paraná, 2680, Centro – Cascavel/PR. 25/03 - 16h às 21h. Faculdade Mater Dei – Auditório. Rua Mato Grosso, 200 - Baixada - Pato Branco/PR. 26/03 - 16h às 21h. Grande Hotel - Sala D. Tereza - Rua XV de Novembro, 7386, Centro – Guarapuava/PR. 27/03 - 16h às 21h. Auditório da ACIPG - Rua Comendador Miró 860 - Centro - Ponta Grossa/PR. Público-alvo: Gestores, coordenadores, professores e colaboradores em geral. Investimento: R$ 20 para associadas com direito a 1 cortesia e R$ 40 para não associadas.

Mais informações e inscrições: 41 3078 6933 www.sinepepr.org.br

Investimento:

Individual - R$ 10 para instituições de ensino associadas com direito a 1 cortesia e R$ 20 para não associadas. Pacote (todas as palestras) - R$ 50 para associadas e R$ 100 para instituições não associadas.

Semana do Gestor da Educação Infantil 10/05 - Administrar conflitos em ambientes complexos, com Marcos Lucato 12/05 - Contratação, cuidados que podem evitar problemas futuros, com Ademar Batista Pereira 13/05 - Como dialogar com o cliente, com Ingrid Cristina e Carmen Lucia Moraes 14/05 - Secretaria: a porta da entrada, com Fabiana Silva Elias e Ana Paula Silva 15/05 - Como educar para a resilência, com Juliana Damari Horário das palestras: das 19h às 21h. Público-alvo: Gestores, coordenadores, secretários e professores da Educação Infantil. Local: Plenário SINEPE/PR. R. Guararapes, 2028, V. Izabel - Curitiba/PR.


31

A REVISTA DAS ESCOLAS PARTICULARES DO PARANÁ


PÓS EAD É NA

Faça sua pós-graduação em Educação com quem é referência em ensinar com qualidade. No Ensino a Distância da FAE, você estuda fazendo uso do ambiente virtual, tendo à sua disposição diversos recursos didático-pedagógicos como guia de estudos, links de sites, vídeos, textos e atividades interativas e avaliativas. Além disso, pode compor seu horário e estudar onde quiser. Você conta ainda com convênios internacionais, metodologia de ensino inovadora e formação sólida e reconhecida. Pós-Graduação em Educação é na FAE.

Conheça os cursos ofertados: Pós-graduação em Avaliação no Ensino Superior Pós-graduação em Docência Universitária Pós-graduação em Docência em Educação a Distância O MELHOR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA. Conheça também o curso de pós-graduação presencial em Psicopedagogia.

Início das aulas: 25 de março.

Revista Escada ed.21  

Revista do SINEPE / PR- Sindicato das Escolas Particulares do Paraná