Issuu on Google+

os 30 anos do príncipe william

• SeparadoS: daniel oliveira e vanessa, Tande e lizandra souTo istoegente.com.br

de Belém a porto alegre, GISELE BÜNDCHEN cruza o país e disfarça a gravidez

Celso Kamura, o Cabeleireiro da presidente: “Eu tinha mEdo da dilma”

Bruno Gagliasso

27/jun/2012

ano 13 n° 668

R$ 9,90

0 0 8 2 0 0 0 0 9 7 7 1 5 1 6

I S SN

1 5 1 6 - 8 2 0 4

6

6

8

& Giovanna Ewbank os atores no casamento em 2010. no detalhe, o casal em março, quando fez dois anos de união. na mesma época, bruno saiu com a top

“eu sei Quem é o pai. não há rElacionamEnto a sEr assumido”, diZ carol À GEntE

A HISTÓRIA QUE MOTIVOU A

SEpARAçãO

O ator admitiu à mulher o affair de uma noite com a top Carol Francischini e pode ser o pai do filho que a modelo espera


Capa

crise, dor e separação Depois de um feriado romântico em Fernando de Noronha, o ator BruNo GaGliasso admitiu à mulher, GiovaNNa EwBaNk, ter tido um affair de uma noite com a top Carol FraNCisChiNi, que está grávida. separado da atriz há 10 dias, ele diz que assumirá o filho da modelo se o exame de DNa comprovar a paternidade POR AnA CorA LimA, BrunA nArCizo, júLiA Leão e ThAís BoTeLho

• No feriado de Corpus Christi, a folga de Giovanna Ewbank na peça O Grande Amor da Minha Vida, que roda o Brasil, permitiu ao casal uma fugidinha até a ilha de Fernando de Noronha. Há duas semanas, Bruno Gagliasso, 30 anos, e a mulher, Giovanna, 25, viviam um clima de romance num dos lugares mais lindos do Brasil. No cenário paradisíaco, eles foram vistos andando de mãos dadas e trocando beijos à beira-mar. O irmão do ator, Tiago, comemorava lá seu aniversário. Três meses atrás, no dia 13 de março, Bruno e Giovanna completaram dois anos de um casamento dos sonhos, celebrado em um sítio em Petrópolis (RJ), num festão para 300 convidados, que foi até o sol raiar.

Bruno e Giovanna, no dia do casamento, 13 de março de 2010


Divulgação


Fotos Divulgação

Capa

O dia do casamento: a atriz chegando com o pai, Roberto Baldacconi, ela e Bruno posando para foto, a chuva de arroz e a troca de alianças. Bruno confidenciou-se ao sogro e foi aconselhado a não contar a Giovanna

Fernando de Noronha emoldurou os últimos dias de paz antes de um tsunami invadir a vida de um dos casais mais bonitos da televisão e a crise culminar com a separação. Tudo parecia bem. Por razões profissionais, Giovanna voltou antes para casa, no Rio de Janeiro – ela fora convocada para uma oficina de atores na Globo. O ator ficou curtindo as maravilhas de Noronha. . Mas no domingo 10, a atriz ainda estava no aeroporto do Recife, esperando a conexão para o Rio, quando recebeu o telefonema de uma grande amiga, que havia sido madrinha do seu casamento. Nessa conversa, a amiga lhe fez um relato de um boato que tomara conta do mundinho fashion dois meses atrás: o de que o ator tinha tido um affair com a modelo Carol Francischini, 23 anos, e que a top poderia estar grávida dele. No mesmo momento, Giovanna telefonou para o marido e perguntou se era verdade. Ele assumiu o affair de uma noite e, no dia seguinte, retornou ao Rio, para conversar com a atriz. A decisão pela separação já havia sido tomada por Giovanna.

Há cerca de 10 dias, Bruno Gagliasso saiu de casa e foi para o apartamento de um amigo.“O Bruno está muito abalado. Está triste por ter machucado a Giovanna, que é a mulher que ele ama. Ele ainda tem esperanças de ser perdoado e de passarem por essa crise juntos”, contou um amigo do ator. “Não vou me perdoar nunca”, disse Bruno ao amigo. Ele chegou a conversar com a modelo Carol Francischini depois que Giovanna soube de tudo. Mas sua assessoria informou que ele não fez exame de DNA para confirmar a paternidade, embora tenha sugerido isso à modelo. Há riscos, contudo, da realização do exame durante a gestação. “Ele não viajará para Miami”, disse a assessora Piny Montoro (no meio da crise, o ator trocou de assessoria e passou a ser atendido por Patrícia Casé), negando a informação de que Bruno iria encontrar a top nos EUA. Um amigo do ator, porém, afirma que ele irá, sim, a Miami e que a viagem pode ser ainda esta semana. Se for o pai do bebê, Bruno garante que assumirá o filho.

Em dois anos e três meses de casados, Bruno e Giovanna sempre negaram crises


“EU ESTAVA SOLTEIRA” De Miami, onde está descansando, a top Carol Francischini falou à Gente, por e-mail. A modelo se negou a comentar a separação de Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank e não respondeu se o ator é o pai do bebê que espera.

• Quando você engravidou, estava apaixonada pelo pai do seu filho ou foi só uma curtição? O casal em uma das últimas aparicões em público, em março deste ano. Na mesma época, Bruno teve o affair com Carol Francischini (à dir.)

• Quando estou namorando, estou com a pessoa 100%. Mas eu estava solteira e focada no meu trabalho.

• É verdade que você disse que não revelaria a identidade do pai do bebê porque ele teria dito que não assumiria o filho?

• Eu nunca disse absolutamente nada sobre o pai. Muito menos que ele não iria assumir o filho.

no casamento e mostravam-se felizes em público, como numa das últimas aparições do casal, na estreia da sua peça O Grande Amor da Minha Vida, no Rio de Janeiro, há três meses. Mas, nessa época, ele já tinha se envolvido com a modelo. Bruno teria saído com Carol na noite de 3 de março, no Rio. Naquela ocasião, Giovanna estava em São Luís, no Maranhão, em cartaz com o espetáculo. Cerca de um mês depois, a modelo teria telefonado para o ator, para avisá-lo de que havia 90% de chances de ele ser o pai do bebê que ela estava esperando.

• E se o pai do seu filho quiser assumir um relacionamento com você?

• Confissões ao sogro

• Estou bem e feliz. Não tive desejos estranhos. Pelo contrário, meus desejos estão muito saudáveis ultimamente. E o bebê anda se mexendo bastante.

• Quando a gravidez de Carol foi anunciada, no início deste mês, durante o Fashion Rio, o ator decidiu contar tudo ao sogro, Roberto Baldacconi, e se aconselhar com ele. Bruno disse ao pai de Giovanna que havia a possibilidade de ele ser o pai do filho da modelo. Na tentativa de proteger o casamento da filha, o pai da atriz aconselhou o ator a não contar nada a ela, enquanto não fosse realizado o exame de DNA para confirmar a paternidade do bebê. A amigos, Giovanna Ewbank tem dito que não se importa se o filho de Carol é de Bruno Gagliasso ou não. “O que está pegando é a traição”, disse ela a uma amiga. Segundo pessoas próximas à atriz,

Giovanna tem oscilado emocionalmente desde a separação. Há momentos de raiva, de mágoa, de compreensão.

• Não há relacionamento nenhum entre nós para ser assumido. Eu assumi a responsabilidade e decidi seguir em frente com a gestação sozinha. É natural especularem a respeito de quem é o pai. Mas estou tranquila e decidida. Eu sei quem é o pai e o meu filho também vai saber. É isso que importa.

• Como você está? Tem desejos, já consegue sentir o bebê?

• Já se sente mãe?

• Se se sentir mãe é sentir que você é capaz de fazer qualquer coisa para defender seu filho, sim, eu sou mãe.

• Já escolheu o nome do bebê?

• Tenho duas opções para o nome. Mas vou esperar até o dia de conhecê-lo para decidir. (Por simone Blanes)

14/01/2011 27/6/2012

| 25


Capa

amandio santos/agência Flash Glamour

Às vezes, ela torce para que o ex-marido não seja o pai do bebê. Às vezes, diz que não se importa. “Eles estão machucados. Ela, pela mágoa. E ele, pelo erro que cometeu”, conta um amigo do casal. “Acredito que eles podem reatar. Ele está tentando acalmá-la.” No fim de semana passado, Bruno e Giovanna ficaram no Rio, mas, separados. No domingo 17, ela foi ao Teatro do Leblon, assistir à peça Estamira. Antes do espetáculo, a atriz assistiu ao jogo entre Flamengo e Santos, num bar vizinho ao teatro, com amigos. Ela vibrou com o gol do time carioca e parecia animada. Na quarta-feira 20, Giovanna desembarcou em Vitória para participar de um evento de lançamento da grade da Globo na região. Mas em casa, segundo pessoas próximas ao casal, ela tem chorado bastante. Apesar da crise pública, a separação está sendo amigável. Bruno Gagliasso e a ex-mulher têm se falado com frequência, por telefone. Nas conversas, o ator diz que a ama, pede à atriz que o perdoe e insiste na reconciliação. “Ela tem melhorado. Está ficando bem” disse, à Gente, o irmão da atriz, Luca Ewbank. Para ajudar Giovanna a superar a dor, as amigas Fiorella Mattheis e Thaila Ayala estão tentando organizar uma viagem com ela para Nova York, mas ainda não há data definida.

• Carol Francischini

Na quarta-feira 20, Giovanna chegava a Vitória, para trabalhar. “Ela está ficando melhor”, diz o irmão da atriz, Luca

• Pivô da separação entre Bruno e Giovanna e grávida de quatro meses, Carol Francischini está em Miami. A modelo foi para os Estados Unidos há pouco mais de duas semanas, a trabalho, mas resolveu aproveitar para descansar e comprar o enxoval do bebê. Ela ficou sabendo da gravidez em Nova York, no final de março. Durante uma balada, a top teve um sangramento e foi ao hospital, onde foi informada de que estava grávida. À época, Carol estava se relacionando com o empresário Pedro Braun, 24 anos, que soube da gravidez pela própria modelo. “Chegamos a achar que eu poderia ser o pai. Mas a ultrassonografia mostrou que era anterior ao período em que eu e ela começamos a ficar”, diz Braun (leia entrevista na pág. ao lado). “A Carol me disse que estava em dúvida sobre a paternidade. O bebê poderia ser meu ou de outros três caras”. Segundo uma pessoa próxima a Carol, ela tem certeza de que Bruno Gagliasso é o pai do seu filho, mas prefere esperar o resultado do DNA. •

CONFIRA GALERIA DE FOTOS DO CASAL EM WWW.ISTOEGENTE.COM.BR


“AchAmOS qUE EU POdERiA SER O pAI. mAS nãO SOU” O empresário Pedro Braun, que também teve um affair com a top Carol Francischini, falou à Gente com exclusividade

• É verdade que você e Carol Francischini tiveram um romance no início do ano?

• A gente deu uma namoradinha, sim. Eu a conheci em meados de março e saímos por dois meses.

• E sobre a gravidez?

• Um dia, ela me disse que desconfiava que estava grávida. Nós até achamos que eu poderia ser o pai. Foi um susto. Mas ela fez uma ultrassonografia e a data não batia com a época em que começamos a ficar juntos. Ela engravidou antes de me conhecer.

• Carol lhe disse quem é o pai?

• Não. Mas ela chegou a comentar que o filho poderia ser meu ou de outros três caras. Sei os nomes deles, mas não vou comentar sobre isso. Quando soube que era de outra pessoa, fiquei tranquilo. Meu nome surgiu porque fui visto com ela. Mas tenho 100% de certeza de que o filho não é meu. De qualquer forma, quero que ela seja uma boa mãe e que fique feliz.

• Você gostaria de ser o pai do bebê?

• Quando ela me falou da gravidez, foi um grande susto. Eu não quero ter um filho sem me programar. Minha família tem valores (ele é irmão da atriz Guilhermina Guinle). Quero fazer tudo direito. Quero que meu filho seja da minha esposa. Se o bebê fosse meu, sei que meus pais me apoiariam e ficariam ao meu lado. Mas não é.

Fotos ag.News

• Você e ela têm se falado? Carol desfilando na Fashion Rio do ano passado e (à dir.) no evento em maio deste ano, quando ela assumiu a gravidez

• Não. Até porque ficou uma situação muito ruim. Era estranho eu estar com a Carol, ela estando grávida de outro homem. Achamos melhor terminar. Torço por ela. Mas estou tranquilo, pois sei que o filho não é meu. Os exames já provaram isso. (Por Júlia Leão)

27/6/2012

| 27


Diversão & Arte

cinema • teatro • música • livros • televisão • gastronomia

avalia: ★★★★★ indispensável ★★★★ muito bom ★★★ bom ★★ RegulaR ★ fRaco

MÚSICA •

Trombone ShorTy

Fotos Marcos Hermes/Divulgação

“AiNdA eSTAmOS reconstruindo TUdO”

Troy foi apadrinhado por Lenny KraviTz aos 19 anos. na pág. ao Lado, com seu grupo, Trombone shorTy & orLeans avenue

Prodígio de sua geração e nascido em Nova Orleans, o trompetista fala de suas influências, de quando tocou em um funeral aos sete anos e do impacto do furacão Katrina em sua vida Thaís Botelho

• Em meio a grandes nomes da música que passaram pelo BMW Jazz Festival, realizado este mês no Rio e em São Paulo, um rapaz chamou a atenção pela qualidade de sua música, uma vibrante mistura de jazz tradicional com funk, rock e soul. Troy Andrews é um prodígio da nova geração, nascido no berço do jazz, em Nova Orleans, nos Estados Unidos. Agora aos 26 anos, ele tinha apenas 20 quando o furacão Katrina devastou a cidade. Estava em sua primeira turnê e a família conseguiu escapar, mas perderam tudo e ainda reconstroem a vida por lá. Troy ganhou o apelido de Trombone Shorty porque tinha apenas 4 anos quando começou a tocar e o instrumento era maior que ele. Aos 7, apresentouse profissionalmente em um funeral.

Aos 19, foi descoberto e “apadrinhado” por Lenny Kravitz, que o convidou para tocar em sua turnê pela América Latina. Em seu currículo musical também estão apresentações com nomes como U2, Norah Jones e Diana Krall. Há dois anos, Troy foi indicado ao Grammy pelo disco de estreia, Backatown, e o sucesso do álbum For True, do ano passado, levou-o a realizar mais de 200 shows no período de um ano e meio. Hoje, o trompetista está à frente do sexteto Trombone Shorty & Orleans Avenue, ao lado de Mike Ballard no baixo, Pete Murano na guitarra, Joey Peebles na bateria, Dan Oestreicher no sax barítono e Tim McFatter no sax tenor. Em sua rápida passagem pelo País, Troy contou sua história para Gente.


• Você teve o primeiro contato com um trombone aos 4 anos. Como foi esse começo? • Meu irmão, James, foi a minha maior influência. Ele toca muito bem e é trompetista. Cresci numa família de músicos. Apesar de meus pais não tocarem nada, meu avô, James Hill (autor do hit de R&B “Ooh Poo Pah Doo”, gravado por Tina Turner) era um grande cantor. Tinha música e jazz em casa o tempo todo. • Você gostava de ouvir esse tipo de música? • Sim, muito. Comecei a tocar mesmo aos 7 anos. Mal alcançava os instrumentos. Meu irmão não me deixava tocar porque eu era muito pequeno. Lembro que a primeira vez que toquei como profissional com essa idade, no funeral de um músico chamado Jack. Eu era tão novo... Mas foi marcante. • O que seus pais e irmãos ouviam e como eles o influenciaram? • Minha mãe amava ouvir Marvin Gaye, Ray Charles, James Brown... Eu costumava tocar jazz com meu irmão, apesar de criança. Eu ouvi de tudo um pouco e gosto também de músicas de guitarra, hip hop e rock’ n’ roll. Também ouço Jay Z, Drake e Lenny Kravitz.

• Sim, somos grandes amigos e foi uma das minhas grandes influências na música. Desde sempre fui seu admirador. Nós nos conhecemos em 2005. Eu tinha acabado de terminar o colegial em 2004 e ele me convidou para um tour pela América Latina. Toquei com ele. Fui para o México, passei três semanas no Brasil. Aprendi muito. • Que lugares você conheceu daqui? • Fomos para o Rio, São Paulo e Salvador. O Brasil é lindo, as pessoas são muito simpáticas e é um lugar inspirador. Gostei da experiência. • Qual o significado do seu nome? Por quê escolheu “Trombone Shorty”? • Na verdade, não escolhi. Acabei ganhando quando eu tinha 4 anos, queria tocar trombone e mal conseguia. O instrumento era bem maior que eu... Mas ainda assim eu insistia. E ficou, eu gosto.

Onde você estava quando o Katrina devastou a cidade de Nova Orleans em 2005? Eu saí da cidade dois dias antes, mas minha família e amigos ainda estavam lá. Foi terrível. Toda minha família conseguiu sair da cidade, mas, como todo mundo, também perdi minha casa, instrumentos e muita coisa. Leva tempo para reconstruir tudo. Ainda trabalhamos nisso. O importante é que todas as pessoas de quem gosto estão bem. •

‘‘Acabei ganhando (esse apelido) quando eu tinha 4 anos, queria tocar trombone e mal conseguia. O instrumento era bem maior que eu”

• Uma vez você disse que jazz não precisava ser tocado como Louis Armstrong. Por quê? • A música vem mudando muito. Cada um tem seu estilo e maneira de fazer. Mas sempre toco e adoro o Louis Armstrong. É um dos meus músicos favoritos e ele também é de Nova Orleans. • Como foi essa escolha dos instrumentos? • Temos muito jazz em Nova Orleans e, como meu irmão é trompetista e toca trombone, acabou me influenciando. • Você toca bastante coisa. Ainda falta algum instrumento que tenha vontade de aprender? • Pois é, toco trompete, trombone, guitarra, baixo... Acho que é isso. • Você citou Lenny Kravitz, com quem já tocou. Como é essa amizade de vocês e quando se conheceram? 14/01/2011

| 111


Ensaio

Uma princesa em brincos Acervo Pessoal vestido reto tramas de lã United Colors Of Benetton

Paris

Com apenas 18 anos, Laura Neiva só se hospeda em hotéis luxuosos na europa, recebe flores do estilista Karl Lagerfeld e tem a deliciosa obrigação de nunca repetir roupas! Tudo ser embaixatriz brasileira da Chanel

Por Simone BlaneS Colaboraram Juliana Faddul e Julia leão Fotos BRuna CaSTanHeiRa (aBÁmGT) styling CeSaR CoRTinoVe (aBÁmGT)

• Aos 18 anos, Laura Neiva vive um sonho fashion. É a primeira brasileira a ser fidèle da Chanel, uma espécie de embaixatriz informal da poderosa maison francesa. “Não me considero uma personalidade da moda. Me acho muito simples perto de muitas mulheres. A real é que dei sorte”, explica a atriz. Destino ou acaso, o fato é que Laura anda roubando a cena na primeira fila dos desfiles da grife, em Paris, e a atenção de fashionistas internacionais, especialmente do estilista Karl Lagerfeld, que assina as coleções da marca. “Estava hospedada no (hotel de luxo) The Westin, e o Lagerfeld me mandou um buquê de rosas enorme com um bilhete, que eu guardei: ‘Espero que você tenha uma ótima estadia na cidade. Com amor, Karl’. No dia seguinte, o conheci, e ele falou: ‘Ah, então é você a brasileira?’


pulseiras pretas em resina Acervo Pessoal pulseira acrĂ­lico transparente Otavio Giora


blusa e toca em tric么 United Colors of Benetton

Ensaio


blusa manga longa gola alta Benetton colar com metais e placas em acrílico Acervo colar fio único com bolas prata Flávia Caldeira

‘‘Estava hospedada no (hotel de luxo) The Westin, e o Lagerfeld me mandou um buquê de rosas enorme com um bilhete, que eu guardei: ‘Espero que você tenha uma ótima estadia na cidade. Com amor, Karl’”


Ensaio

E me desejou boas-vindas. Achei bem carinhoso. Sério, ele é muito educado!”, conta ela, que esteve na capital francesa em maio para o desfile cruise 2013 da Chanel. Além de Lagerfeld, a atriz Kaya Scodelario, da série de tevê Skins, e Poppy Delevigne, filha de Pandora Stevens, da famosa loja de departamentos inglesa Selfridges, também ciceronearam Laura em Paris. “Poppy me disse que ser fidèle é a melhor coisa que ela faz na vida”, lembra a brasileira. Também pudera. Uma fidèle da Chanel tem a sua disposição todo a acervo da maison, incluindo a linha de maquiagem, além de ser convidada para todos os eventos e estar na primeira fila dos desfiles. Exigência da marca, só uma: “Não repetir nenhuma roupa”, conta a atriz, que já tem na agenda os próximos desfiles, em outubro e dezembro deste ano. Mas mesmo com toda essa regalia, Laura não se deslumbra e continua com seu estilo clássico e básico, como ela mesma define. “Eu me visto de acordo com a minha idade. Não sou super-fashion e criativa. Sou mais discreta, o que talvez faça com que as pessoas me considerem chique.” Extravagância no guardaroupa, só uma: lingeries. “Sou viciada. Compro muitas, tenho de todos os tipos, desde as mais confortáveis até as mais sexy, de todos os tecidos, de todas as cores”, revela a atriz, que recentemente também posou para editoriais de moda das edições italianas de Vanity Fair e Muse.

• Ninfeta no cinema

• Antes de sua nova temporada fashion na França, Laura se dedica ao cinema, onde foi descoberta em 2008, com o filme À Deriva. Só para esse semestre, são três produções: o curta-metragem Des, ao lado de Bruno Gagliasso, o longa E Aí, Comeu?, em que interpreta uma lolita que seduz o personagem de Bruno Mazzeo, e o curta O Mundo Invisível, de Beto Brant, com José Wilker e Sônia Braga. Mesmo com tantos trabalhos na telona, e até sondagens pela Rede Globo, Laura não se considera uma estrela. “Estrelas são atrizes consagradas que chegaram lá pelo seu talento. Dentro desse contexto, é claro que quero virar uma. Um exemplo de uma grande estrela? A Débora Bloch é completa em todos os sentidos”, diz a atriz, que pretende até fazer faculdade de psicologia para ajudá-la a consolidar sua carreira. “Vai ser interessante porque vai me ajudar a me expressar.” Enquanto isso não acontece, ela conta com a própria experiência de vida e acredita ter amadurecido bastante durante os últimos três anos. “Por exemplo, hoje sei o quanto eu ganho. Agora sei que o melhor é guardar dinheiro e é inteligente investir em imóveis. Como sou muito organizada, tenho habilidade em administrar isso, embora conte sempre com a ajuda do meu pai.” O fato de namorar o apresentador Felipe Solari, 12 anos mais velho e com quem está há sete meses, também contribui para esse processo. “Ele é meu companheiro. Gosto de homens mais velhos porque são mais maduros. O Felipe está sempre do meu lado, me apoiando. Mas depende da pessoa, principalmente. O que não dá é para ser muito mais velho, como um tiozão que uma vez me paquerou. Aí eu dei um fora, claro.” •

CONFIRA O MAKING OF EM WWW.ISTOEGENTE.COM.BR

Modelo • lauRa neiVa (WaYmodel) Beleza • RenaTo maRdoniS (molinoS&TRein) assistentes de foto • luCio almeida e naTalia KaneSHiRo


14/01/2011

| 39

vestido em couro preto espelhado Lanรงa Perfume


‘‘A minha referência (para Dilma) era a Carolina Herrera. Mostrei uma foto e ela gostou. ‘Agora vamos ficar com cara de boazinha’, eu disse, e mudei as sobrancelhas dela, deixei seu olhar mais sereno’’


“Eu tinha medo da Dilma” Celso Kamura, o cabeleireiro que assina o visual de

celebridades como angélica e Patrícia Poeta, conta à Gente como reagiu – e aceitou – ao convite para cuidar da beleza da presidente Dilma rousseff e do encontro fortuito que teve em Brasília com Barack obama, em pleno Palácio do Planalto

POR Bianca Zaramella fOtOS marcelo liso / ag. istoÉ

• A figura de Celso Kamura, com traços orientais e longos cabelos pretos, é velha conhecida dos bastidores das semanas de moda brasileiras. Nesta mais recente edição do São Paulo Fashion Week, por exemplo, lá estava ele, cuidando da maquiagem e do cabelo das modelos no desfile do estilista Alexandre Herchcovitch. De sua imaginação e conhecimento saem as tendências de beleza para o próximo verão. “Vermelho, pink, rosa, laranja e coral vão predominar. O verão vai pedir bocas coloridas”, ensina ele, do alto de seus mais de 30 anos de experiência. Kamura hoje virou grife – de produtos e no sentido de ser estrela da profissão. Suas mãos cuidam da beleza da apresentadora mais influente da Rede Globo, a loira Angélica, da jornalista que ocupa o posto mais cobiçado e respeitado do telejornalismo – Patrícia Poeta, a titular do Jornal Nacional – e, como se não bastasse, da própria presidente da República, Dilma Rousseff. Hoje ela brinca de chamá-lo de “Kamurete”. Com nomes assim na carteira de clientes, fica fácil imaginar a loucura que é sua agenda de trabalho, que inclui visitas à presidente em Brasília uma vez por mês. Fora isso, Kamura ainda administra seus dois salões, um em São Paulo e outro em Campinas, atende a campanhas publicitárias,

ministra cursos e palestras e ainda cuida de sua linha de produtos estéticos, a C.Kamura. Nada mal para o paranaense, nascido em Bela Vista do Paraíso que começou na carreira meio que por acaso. “Na época, nem sabia que ser maquiador era uma profissão”, conta. Para Gente, ele fala da carreira, do “oi” que ganhou do presidente americano Barack Obama e do orgulho que sente de Dilma, sua melhor “aluna”: “A vaidade fez bem para o dia a dia dela. Ela está sempre arrumada e ninguém mais vê a Dilma como antigamente. E, muitas vezes, ela faz isso sozinha.” • Quando começou seu interesse por maquiagem e beleza? • Celso Kamura. Foi ainda criança, quando eu já morava em Lins (SP) e observava minha irmã se maquiando. Achava o máximo! Eu pegava as maquiagens dela e ficava brincando com as minhas primas. • Como conseguiu seu primeiro trabalho na carreira? • Foi por acaso, já em São Paulo, quando tinha uns 17 anos. Eu trabalhava em um escritório de contabilidade e tinha um amigo que era cabeleireiro. Ele sabia que eu gostava dessas coisas. Um dia faltou um profis-

sional do salão, e ele me pediu para ir lá fazer um teste. Eu nem sabia que maquiador era uma profissão. O salão era grande, sempre com muitas pessoas. Na hora, pensei: “É aqui que quero ficar!” • Como foi mudar do escritório para um salão de cabeleireiro? • Eu já era veado, né? Todo mundo achava que veado não trabalhava, mas eu sempre fui trabalhador. O diretor me ofereceu o dobro do salário para não sair. Respondi: “Ah! Não quero, não!” Meu primeiro corte foi para uma cliente que sempre vinha ao salão. Ela pediu para eu mudar totalmente o visual dela. Fiquei com tanto medo que, no dia, faltei! E ela marcou de novo e lá fui eu. É minha cliente até hoje, fiel. • Quem foi sua primeira cliente famosa? • Marta Suplicy. Ela estava no mesmo médico que eu. Ficamos amigos em um minuto e fiz sugestões para o visual dela ali mesmo. Ela me procurou logo depois para uma repaginada. Marta tinha o cabelo comprido e eu disse que gostaria de deixá-la mais clean. Isso foi há 15 anos, mas eu já tinha o meu próprio salão e ganhava o meu dinheiro. Nunca tive uma fada madrinha, não. 27/6/2012

| 79


“Eu tinha medo dela, da cara de brava na televisão. Quando me chamaram para fazer a Dilma, não dormi à noite”

‘‘Obama me deu um ‘oi’ quando eu estava no Palácio. Eu estava na antessala da Dilma e ele passou. Quando vi aquele homem lindo, fiquei passado’’

• Atender celebridades é diferente? • O fato de assinar o visual de uma celebridade te deixa mais suscetível a críticas e você tem de saber lidar com isso. • Sua relação com a Angélica e o Luciano Huck é antiga. Como se aproximou deles? • Com a Angélica, a história começou quando ela queria sair da imagem de menina para ser mulher. Ela chegou com aquele cabelo cheio de cachos, lembra? Resolvi mudar tudo. Deixei o cabelo liso, cortei, coloquei umas mechas coloridas e pronto! Uau! Ela adorou. A Angélica não tem paciência para ficar horas fazendo cabelo e maquiagem e eu fui superrápido. Desde então, comecei a atendê-la. Depois conheci o Luciano. Hoje corto de todos eles, inclusivo dos meninos (Joaquim e Benício, filhos do casal). Vou para o Rio e atendo a família de três em três meses. • E a mudança de visual da Patrícia Poeta? • Tem mulher que tem de ter cabelo, né? Faz parte da personalidade da Patrícia. A primeira vez que ela realmente cortou foi comigo. Nunca tinha mudado muito. Foi o corte mais demorado que fiz até hoje! Levou um dia inteiro para convencê-la, mas deu certo. Patrícia é muito clássica e gosta de estar com o cabelo mais reto. Sempre digo que deve cortar mais e cuidar dos detalhes para não ficar tão arrumadinha.

‘‘Eu estava lá colorindo o cabelo dela e falando sobre bofes, banhos para pegar homem e macumba...Ela só ria. De repente, eu disse, brincando: “Dilma, você nunca fez macumba para tentar pegar homem? Nem quando era jovem?” Ela respondeu: ‘Kamura, eu estava presa nessa idade.’ E rimos muito.’’

• Como criou a relação de confiança que tem com a presidente Dilma Rousseff? • Fui aos poucos descobrindo uma mulher muito tranquila, bem diferente do que eu pensava. Eu tinha medo dela, da cara de brava da televisão. Quando me chamaram para fazer a Dilma, não dormi à noite. Entrei no computador e fiquei vendo o rosto dela, estudando mesmo, para propor as mudanças. • E como foi o encontro? • Foi na casa dela, quando ainda era ministra. Dilma me recebeu superbem e foi supersimpática! Fui bem sincero sobre o que achava do cabelo dela. Disse que o cabelo comprido a deixava com a aparência mais cheia e mais baixa e que gostaria de mudar para um tom mais claro. Ela foi aceitando numa boa. A minha referência era a Carolina Herrera. Mostrei uma foto e ela gostou. Eu disse: agora vamos ficar com cara de boazinha, e mudei as sobrancelhas dela, deixei seu olhar mais sereno. Logo em seguida a maquiei, sem as cores extravagantes de antes. Naquele dia, ela

tinha um compromisso e foi daquele jeito mesmo. Quando eu cheguei em São Paulo tinha mil ligações no meu telefone! • O cabeleireiro é sempre o maior confidente das mulheres. Dilma já te pediu conselhos? • A Dilma é reservada, mas a gente passa por situações engraçadas. Esta semana foi assim. Eu estava lá colorindo o cabelo dela e falando sobre bofes, banhos para pegar homem e macumba...Ela só ria. De repente, eu disse, brincando: “Dilma, você nunca fez macumba para tentar pegar homem? Nem quando era jovem?” Ela respondeu: “Kamura, eu estava presa nessa idade.” E rimos muito. • Qual a dica mais preciosa que deu a ela para conseguir se virar sem você? Sempre digo para ela aplicar pó no rosto. Às vezes, no início, eu a via na tevê com a pele um pouco oleosa e na hora eu ligava para a secretária dela: ‘E o pó facial da Dilma, gente, cadê!?’ Eu já expliquei isso para ela. Dilma, você tem que depositar o pó na pele para que a maquiagem dure mais tempo. Não é só passar! (e mostra como se faz nele mesmo). São estes pequenos detalhes que fazem a diferença. E ela foi aprendendo. • Quem você ainda gostaria de transformar e por quê? • Vera Fischer. Ela é uma mulher tão bonita e o cabelo está sempre malfeito, com uma maquiagem errada. A Vera bem arrumada ficaria deslumbrante. • O que gosta de fazer quando não está trabalhando? • Hoje em dia prefiro trabalhar mais o meu interior para me tornar uma velhinha bem saudável e tranquila. No meu trabalho posso viajar e conhecer pessoas diferentes todos os dias. Conhecer o Obama, por exemplo, foi incrível. • Quando conheceu o presidente americano? E Michelle Obama? • Obama me deu um ‘oi’ quando eu estava no Palácio da Alvorada, em Brasília. Eu estava na antessala da Dilma e ele passou. Quando vi aquele homem lindo, fiquei passado, ele é muito alto! A Michelle também é incrível, é até mais bonita ao vivo. Ele estava cheio de seguranças, e pensei: “E eu aqui, bem em cima dele! Nem seguraram a loucura do cabeleireiro? (risos)”. •


Antes de se tornar cabeleireiro, Celso Kamura trabalhou em um escrit贸rio de contabilidade


Estilo Casa • Por Silviane Neno


Ser carioca A jornalista e consultora de moda Chris Pitanguy transformou seu apartamento no Rio em uma extensão do lifestyle, sofisticado e repleto de referências de moda rePortagem Bianca Zaramella FotoS Orestes Locatel / Ag.IstoÉ

O living tem móveis claros e detalhes étnicos. O projeto é assinado pela arquiteta Ana Maria Vieira Santos

14/01/2011 27/6/2012

| 83


Estilo Casa

O closet guarda a coleção de sapatos, vestidos poderosos e peças clássicas que a jornalista usa em seu dia a dia agitado.

POST-IT referido e Canto po com o escritório ond rt os dias Meu qua site todos u e m o z atuali

do no de décor Achado Karl Lagerfeld compra e Portrait d e Paris arcourt, d H io d tu S

list Na Wishais livros da Taschen Livros e m

No alto, a sala de jantar. Acima, as pinhas de cristal. Ao lado, a geometria de Rubem Ludof e o quadro de Beatriz Milhazes.


No alto, a sala de TV, com fotos da família o portrait de Lagerfeld e um enorme olho grego. Acima, detalhe da coleção de sapados de Chris: YSL para todos os lados.

• Chris Pitanguy é uma daquelas cariocas com um jeito, digamos, cosmopolita. Jornalista e consultora de luxo, ela circula com desenvoltura pelo universo da moda e marca presença nas festas mais badaladas do Rio de Janeiro com seu estilo trendy lady like. Sobrinha do cirurgião plástico Ivo Pitanguy, Chris atua também como consultora do sofisticado Shopping Leblon e ainda atualiza diariamente seu website www.christinapitanguy. com.br, no qual repercute notícias da altacostura e do lifestyle de luxo. Fora isso, Chris gerencia sua casa, cuida do marido e dos filhos, Giulia, de 5 anos, e Gabriel de 9, além de ciceronear concorridos encontros em seu apartamento com vista para a praia de Ipanema. Em maio, por exemplo, ela organizou um jantar em torno de Massimo Piombini, diretor mundial da Valentino, e recebeu em sua sala de estar convidados do quilate de Michael Roberts, diretor da revista Vanity Fair. O espaço, aliás, tem cores neutras para valorizar a entrada da luz do sol. Ana Maria Vieira Santos é quem assina a decoração, repleta de toques pessoais da dona. “Procurei criar um ambiente aconchegante onde pudesse colocar coisas das minhas viagens, como esses cocares que comprei em Trancoso, e os meus livros de moda, que, aliás, estão

em diversos cantos”, conta. O Buda, que reina em um canto da sala de estar, é do século 19 e foi presente da tia Marília Pitanguy, comprado em um antiquário de Paris. Em tempo, é na capital francesa que a consultora faz suas pesquisas sobre arte e moda em visitas a galerias como o Studio Harcourt, onde encontrou um incrível portrait de Karl Lagerfeld, estilista da Chanel. A foto ganhou moldura preta e foi instalada na sala de TV, ao lado de fotografias da família. Na sala de jantar, uma tela de Beatriz Milhazes divide os olhares com uma peça de Rubem Ludof, datada de 2004, colocada estrategicamente em cima do balcão sobre o jardim de cactos. Este é outro charme do apartamento. “Achei que a proposta poderia ficar superinusitada e deu certo! Todo mundo adora e sou eu mesma quem compra as mudas em Itanhangá, aqui na zona oeste do Rio”, conta. Por fim, o closet é um capítulo à parte. Organizadíssimo, abriga poderosos vestidos de festa, acessórios e uma coleção chiquérrima de sapatos. “Estou numa fase Izabel Marrant, mas esta jaqueta é Roberto Cavalli”, aponta para a peça que vestia, combinada com uma camiseta branca e calça preta. Cool na medida certa, como seu seu apê carioca. • 27/6/2012

| 85


maravilhas africanas

Depois de passar dez dias na Cidade do Cabo, capital da África do Sul, a top model Fabiana Semprebom elegeu o pôr do sol em Company’s Garden, as praias e o artesanato como o melhor daquele país

Fotos Arquivo Pessoal

Shutterstock

viaja


Passarela natural: Fabiana caminha na orla da Cidade do Cabo, uma das mais belas da Ă frica do Sul, repleta de praias e montanhas (no alto, Ă  esq.)

27/6/2012

| 75


viaja

Turistas e moradores curtem as praias da cidade

• “A África do Sul lembra muito o Brasil. Você se sente em casa. As pessoas de lá são como os brasileiros: extremamente simpáticas, acolhedoras, gostam de abraçar e beijar. Passei dez dias na Cidade do Cabo, a segunda maior cidade de lá. O que mais me encantou foi o pôr do sol no Company’s Garden, um parque inacreditavelmente lindo. Tem um incrível jardim de rosas e árvores belíssimas. Mas nada supera o pôr do sol. Também aproveitei para conhecer as praias da região, todas lindas, e também as famosas feirinhas de artesanato, no bairro de Fresnaye. As praias são bem parecidas com as brasileiras, só que menores. Tem muita areia e pouca distância entre uma e outra, por causa das montanhas. A água é limpa e sempre há muitos surfistas.

• Artesanato e gastronomia

• Nas feirinhas, comprei objetos de decoração para o meu apartamento em Nova York. E também aproveitei para comprar o presente do Dia das Mães para a minha mãezinha. Comprei um lindo colar de ametistas. Aliás, o artesanato africano é fabuloso. Eles fazem


coisas lindas com palha, arame e tecido. Também comprei pulseiras para mim e uns suportes de velas em forma de borboletas, que já estão pendurados na minha varanda em Nova York. Outro ótimo lugar para se conhecer na África do Sul é o bairro do Green Point, onde ficam os barzinhos e restaurantes, inclusive o Balduccis, um dos meus preferidos. A comida lá é incrível. Eles comem bastante carne, arroz e feijão, como nós. Mas nesse restaurante, vale a pena experimentar uma carne com purê de batatas trufado. É maravilhoso. Infelizmente, não consegui realizar um dos meus sonhos: fazer um safári na África. Mas vou reparar essa falha. Quero ir para lá no fim do ano, com a minha mãe e a minha sogra, que são loucas para ver os bichos de perto. Não vejo a hora de retornar.” •

Depois da maquiagem (abaixo), a top model posou para um ensaio

Fotos Arquivo Pessoal

O pôr do sol e os bares e restaurantes da Cidade do Cabo (à dir.) encantaram Fabiana

27/6/2012

| 77


Campanha

Pelos quatro cantos do Brasil

Divulgação

Grávida de seu segundo filho, Gisele Bündchen dá rasante no País e viaja por quatro cidades em quatro dias para protagonizar filme publicitário

Gisele Bündchen (ao lado) na chegada ao Rio, no domingo 17, e passeando pelo Pelourinho, em Salvador, dois dias depois


Gabriel Reis /Ag.News

salvador terรงa-feira 19 27/6/2012

| 31


Campanha

Ag.News

rio de janeiro,

Acima, na praia do Leme, no Rio. Abaixo, se refrescando com uma água de coco na Estação das Docas, em Belém

Belém

quarta-feira 20

Divulgação

segunda-feira 18

• Rio de Janeiro, Salvador, Belém e Porto Alegre foram as cidades que receberam a visita-relâmpago de Gisele Bündchen nesta semana. Grávida de três meses de seu segundo filho, a top model chegou ao Brasil no domingo 17 para gravar quatro peças para a nova campanha da marca C&A. Na série, ela ainda conhece jovens das cidades e troca dicas de moda. O roteiro de gravações começou na manhã da segunda-feira 18, na Praia do Leme, no Rio. Horas depois, a modelo embarcava no jatinho que a levaria para Salvador, onde filmou no Pelourinho no dia 19. Depois da capital baiana, Gisele desembarcou em Belém, onde conheceu a Estação das Docas, à beira do rio Amazonas. A última cidade visitada foi Porto Alegre, na quinta-feira 21. “Estou feliz. É outra coisa estar em casa. Aqui tudo é diferente, a comida, até o ar”, disse a gaúcha. Nas gravações, Gisele optou por usar roupas mais larguinhas – vestidos, batas, camisetas mais folgadas – para evitar marcar a silhueta. Pessoas da produção contaram que a modelo não sofreu enjoos, se alimentou normalmente e teve atenção especial com a hidratação, bebendo muita água de coco. •


Porto alegre quinta-feira 21

Emoção ao jogar a rosa no momento do sepultamento, às 16h30

Fotos Alexandre Auler/Ag.News

• “Estou fEliz da vida. É outra coisa Estar Em casa. aqui tudo É difErEntE, a comida, atÉ o ar. um bEijo aos gaúchos” •

Depois do calor no Norte e Nordeste, a modelo vestiu um casaco de lã e usou cachecol para gravar na Usina do Gasômetro, em Porto Alegre

Gisele Bündchen 14/01/2011 27/6/2012

| 33


ASSINE AGORA ISTOÉ GENTE os 30 anos do príncipe william

• SeparadoS: daniel oliveira e vanessa, Tande e lizandra souTo istoegente.com.br

de Belém a porto alegre, GISELE BÜNDCHEN cruza o país e disfarça a gravidez

Celso Kamura, o Cabeleireiro da presidente: “Eu tinha mEdo da dilma”

Bruno Gagliasso

27/jun/2012

ano 13 n° 668

R$ 9,90

0 0 8 2 0 0 0 0 9 7 7 1 5 1 6

I S SN

1 5 1 6 - 8 2 0 4

6

6

8

& Giovanna Ewbank os atores no casamento em 2010. no detalhe, o casal em março, quando fez dois anos de união. na mesma época, bruno saiu com a top

“eu sei Quem é o pai. não há rElacionamEnto a sEr assumido”, diZ carol À GEntE

A HISTÓRIA QUE MOTIVOU A

SEpARAçãO

O ator admitiu à mulher o affair de uma noite com a top Carol Francischini e pode ser o pai do filho que a modelo espera

CLIQUE AQUI


ISTOÉ GENTE 668