Issuu on Google+

Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

1

Ano XXII - Nº 243 - Dezembro de 2016 - Distribuição no Grande Centro - www.jornalfolhadocentro.com.br

Na Zona Portuária um dos maiores pontos turísticos da cidade 13

3

Conheça a recém reformada loja do Supermercado Mundial da Rua Riachuelo, 192 / 194 e aproveite as melhores ofertas

12 Moradores não aceitam nova tarifa do Bonde de Santa Teresa -Pág. 23 Arraial Minhoto é tradição na Casa do Minho - Pág. 11 Centro Presente reduz 90% dos assaltos e furtos na região - Pág. 5


2

Edição 243 - dezembro de 2016

O Jornal Folha do Centro quer ouvir a opinião dos moradores da região e também conhecer de perto quem são esses que constroem a história do bairro ao longo dos anos. Nesta edição de dezembro, Alexandre Otávio é o nosso primeiro entrevistado na mais nova coluna “Fala Morador do Centro”, queremos ouvir a sua voz!

Alexandre Otávio, jornalista, morador do Centro há 52 anos. Folha do Centro: O que você mais gosta na região do Centro da cidade? Alexandre Otávio: O acesso e proximidade entre as zonas norte e sul. Além dos serviços

oferecidos na região, entre eles: farmácia, padaria, supermercado, açougue, entre outros. Admiro também a mudança de cultura, pois antigamente o comércio era marcado pelos portugueses e, agora, pelos nordestinos. Sem falar na diversidade de pessoas de outros bairros, que circulam diariamente pelo local. F.C: O que mais te incomoda na região? AO: A questão dos esgotos e alagamentos. As ruas do Resende e Riachuelo sempre alagam, pois os esgotos não conseguem dar vazão. Esta situação é um problema antigo, algo que nunca foi solucionado na região e é o que mais me incomoda. F.C: O que você acrescentaria no bairro? AO: Poderia ser construído uma estação de metrô na Praça da Cruz Vermelha. Eu melhoraria a iluminação ao redor do Campo de Santana, principalmente na Rua Frei Caneca e também na Rua do Riachuelo e Av. Mendes Sá. Com

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

isto, acredito que contribuiria bastante para as pessoas transitarem durante à noite, até porque muitos precisam passar por estas áreas para pegar condução. F.C: Na sua opinião, o que o bairro representa para a cidade? AO: O Centro representa a democracia da convivência. Aqui há pessoas de todos os lugares do Rio de Janeiro e eu não noto nenhum problema quanto a isso. Em outros bairros é possível ver, em alguns momentos, uma certa recriminação. No Centro, eu vejo que ninguém demonstra ser “dono” do bairro. A região permite que você tenha contato com pessoas de outros lugares da cidade. Ser morador do Centro significa que você está aberto para ter uma relação de convivência amistosa.


E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Edição 243 - dezembro de 2016

3

Líder humanitário apresenta o evento “Uma voz pela paz” na Praça Mauá

Com objetivo de promover o resgate dos valores humanos e a construção de uma sociedade mais justa, a Praça Mauá recebe no dia 17 de dezembro o evento “Uma Voz Pela Paz”, com a presença

principal do líder humanitário Sri Sri Ravi Shankar, internacionalmente conhecido pelo trabalho em zonas de conflito. O encontro é gratuito e contará também com diversas atrações musicais.

Em sua sétima visita ao Brasil, o indiano Sri Sri Ravi Shankar tem como objetivo transmitir por meio de suas palavras e presença, a mensagem de paz e de como cada indivíduo pode cultivar uma vida com mais sabedoria. O encontro visa promover uma meditação coletiva entre o público que estará presente. “Um corpo livre de doenças, uma mente livre de estresse e um mundo livre de violência são direitos de todos os seres humanos”, defende o líder espitual. Conhecido mundialmente, Sri Sri Ravi Shankar já recebeu quatro indicações para o Prêmio Nobel e foi considerado um dos homens mais influentes da Índia pela Revista Forbes. Ministrou palestras na Conferência de Cúpula pela Paz em 2000, no Fórum Econômico Mundial de Davos, no Parlamento Europeu e nas celebrações dos 50

anos das Nações Unidas. Sri Sri Ravi Shankar é fundador da organização Arte de Viver, criada em 1981, presente em mais de 150 países. De caréter educacional, social e humanitário, no Brasil a instituição está presente nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e no Distrito Federal. A Arte de Viver atua por meio do trabalho voluntário e possui status de consultora do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas e seus programas de autodesenvolvimento e eliminação do estresse são credenciados pela Organização Mundial de Saúde. No Brasil, entre os seus programas sociais implementandos estão o Prison Smart, voltado ao resgate dos valores humanos nos presídios

e o Respiração Água e Som (RAS), que leva técnicas de respiração e meditação principalmente a comunidades carentes. Além do Rio de Janeiro, Sri Sri Ravi Shankar irá visitar Brasília, Recife e Salvador. Sua turnê pela América Latina também inclui visitas à Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, México, Nicarágua, Panamá e Venezuela. “Eu acredito que o evento trará um impacto positivo para a cidade do Rio de Janeiro. O encontro será um grande incentivo para a sociedade independentemente de qualquer religião”, diz Ruy Nunes instrutor da organização Arte de Viver. Serviço: Data: 17 de dezembro Local: Praça Mauá Horário: 17h Evento gratuito


4

Edição 243 - dezembro de 2016

Jornal Folha do Centro é uma publicação da Folha do Centro Rio Ltda. CNPJ: 00.923.422/0001-39 Insc. Municipal.: 01.998.374 Endereço: Av. Nossa Senhora de Fátima, 22 - sobreloja - Centro, RJ - CEP: 20240-051 . Tels.: (21) 2242-9344 e 3806-6368 e WhatsApp: 96471-7966 e 99941-8948 E-mail: folhadocentrorio@gmail.com Site: www.jornalfolhadocentro. com.br Jornalista responsável: Simone Menezes Montenegro - Registro 33231 - MTB-RJ folhadocentrorio@gmail.com Deptº. administrativo: Sidney Júnior Diagramação e Arte: Djalma Correia djalmacorreia@gmail.com Colaboradores: Fábio Torres, Ana Carla Vicencio e Pâmela Lima Tiragem: 20.000 exemplares Periodicidade: Mensal Impressão: Infoglobo: Telefone: (21) 2534 -9579 Distribuição: Todo o Grande Centro da Cidade Representante em São Paulo e Brasília: Tábula - Veículos de Comunicação: Tel. (11) 5507-5599 “Artigos assinados, informes publicitários e anúncios são de responsabilidade de seus autores”.

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com


E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Edição 243 - dezembro de 2016

5

Operação Centro Presente promove redução de 90% no número de assaltos e furtos na região O Centro da Cidade sempre foi considerado pelos cariocas um lugar perigoso e com um número elevado de ocorrências de assaltos. Porém, nos últimos cinco meses, os índices de delitos estão diminuindo gradativamente, graças à atuação dos agentes e policiais que compõem a Operação Centro Presente. Dados revelam um número de cerca de 90% na redução dos registros de criminalidade na região. O projeto recebe a parceria do Sistema Fecomércio, da Prefeitura do Rio de Janeiro e do Governo do Estado. O Capital David Costa responsvel pela coordenação da Operação Centro Presente, na região da Central do Brasil, fala sobre os resultados obtidos e o reconhecimento da população:”Eu possuo 16 anos de carreira e nunca havia participado de algo tão efetivo na vida pública. A Operação Centro Presente é um trabalho de proximidade com a sociedade. Nós combatemos aqueles crimes que mais afligem a população no dia a dia. O público fica orgulhoso com o trabalho e integralmente recebemos elogios”, afirma. As bases da Operação Centro Presente estão instaladas em pontos estratégicos do bairro, localizadas em lugares com maior número de circulação de pessoas: na Central do Brasil, Praça Mauá, Praça XV e Largo do Carioca. A

Pâmela Lima

Sargento Paiva (E) Capitão David Costa e Tenente Gabriel militares da Operação Centro Presente Central do Brasil atuação é realizada em trio, com um agente civil egresso das Forças Armadas, o qual tem como tarefa filmar todo o processo de abordagem e realizar a cobertura externa, em apoio a atuação de mais dois policiais militares responsáveis pela apreensão do criminoso. A implantação do projeto ocorreu em julho deste ano e já registra um total de mais de 1.400 prisões em flagrantes, entre elas, por uso e tráfico de drogas, porte de arma branca, furtos e assaltos. As equipes realizam o patrulhamento a pé, de bicicleta e moto. “Há um planejamento que é revisto todos os meses, sempre remanejando em busca de identificar os pontos mais sensíveis onde a mancha criminal é maior e, por meio das informações fornecidas pela população, identifi-

camos quais os pontos necessitam de maior atenção e policiamento”, explica o capitão David Costa. Monica da Silva, de 54 anos, trabalha há sete meses na região da Central do Brasil e analisa as mudanças que ocorrem nos últimos meses: “Havia muitos roubos, as pessoas passavam chorando por aqui. Dentro do Campo de Santana tinham muitos infratores também. Agora, a gente pode atender o celular, andar despreocupado. Não podíamos nem abrir a bolsa para pegar o dinheiro da passagem, que a alguém vinha e nos assaltava. A Operação Centro Presente é realmente um presente para os cariocas”, conclui. Vitória Soares, de 47 anos, mora em Campo Grande e trabalha há 17 anos na Central do Brasil

como vendedora ambulante e afirma que a iniciativa gera benefícios até para as suas vendas.”Os clientes se sentem até mais tranquilos para abrir a bolsa e fazer uma compra. Antes, nós sugerimos às pessoas a evitarem o uso de cordão ou celular na rua. Agora, os roubos diminuíram bastantes e eu me sinto mais segura. Os policiais estão sempre presentes”, diz. Além do objetivo de promover segurança à população, as bases da Operação Centro Presente também contam com a presença de um assistente social disponível para servir aqueles que estão em situação de vulnerabilidade, os quais necessitam de abrigo ou retirada de documentos e fornece, até mesmo, o amparo às pessoas de outros es-

tados que não possuem condições de arcar com o gasto para retornar

à sua cidade.Em todos estes casos é realizando o encaminhamento necessário para o órgão responsável. “Atualmente, precisamos do apoio e da colaboração da sociedade. A Operação Centro Presente está aqui para atender a população e resgatar os valores da polícia, sua função em zelar pela paz, pela segurança e o direito de ir e vir de cada cidadão. Procuramos sempre evoluir em nosso atendimento obtendo informações que são importantes para nós, uma denúncia é algo fundamental para a gente. Em dezembro, nossa meta é continuar obtendo os números que temos alcançando até o momento”, afirma o coordenador e capitão David Costa, responsável pela Operação na região da Central do Brasil.


6

Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Como ter uma pele bonita sem maquiagem Muitas mulheres adorariam acordar e não ter que se preocupar em colocar uma maquiagem. A questão de não colocar uma maquiagem, muitas vezes as mulheres se sentem vulneráveis. Higienize seu rosto 2 vezes por dia. A saúde da pele é o segredo para ficar bonita sem maquiagem. Em vez de investir muito dinheiro invista em tempo. Não adianta investir em muita maquiagem se você não cuida da sua pele. Antes de mais nada, um produto de ótima qualidade para lavar o rosto e que seja adequado para o seu tipo de pele. Use duas vezes por dia -- uma vez de manhã e outra à noite. • Lave o rosto, falo em usar um sabonete adequado para seu tipo de pele que vai auxiliar na manutenção, lavar mais do que duas vezes pode irritar a pele. • Adote uma rotina de cuidados para a sua pele. Seja qual for a escolhida, siga-a religiosamente de manhã e à noite. Use hidratante todos os dias. Toda vez que você lavar o rosto, aplique o hidratante facial. Use um de qualidade e de preferência com

filtro solar. Para a noite, use um hidratante um pouco mais cremoso. Existem hidratantes (diurnos e noturnos que ainda vão auxiliar na questão de deixar a pele mais firme e com aparências mais saudáveis). E ainda temos os antiage (anti-idade) que auxiliam e previnem as linhas de expressão. • Sempre use um hidratante adequado à sua pele. Caso ela seja sensível, escolha um suave e sem perfume. Se sua pele tiver tendência a apresentar espinhas,

experimente um mais leve e não oleoso. Esfolie a pele uma vez por semana. A esfoliação remove células mortas da superfície da pele, deixando seu rosto com aparência mais radiante. Esse processo pode ajudar bastante a dar um brilho saudável para a pele, o que é uma grande vantagem para quem quer ficar sem maquiagem. Mas muito cuidado com as receitas caseiras ou milagrosas. Procure usar uma loção de limpeza de partículas

esfoliantes e que possa ser usada pelo menos uma vez por semana ou a cada 2 ou 3 dias, dependendo do tipo de pele. • Um jeito econômico que ajuda a eliminar células mortas é esfoliar a pele usando um pano limpo umedecido com água morna. (cuidado com a temperatura da água, não vá colocar muito quente) a pele do rosto é muito sensível. Esfregue seu rosto suavemente com o pano em movimentos circulares. Essa opção é boa para quem tem a pele sensível e tem alergia aos ingredientes dos produtos de limpeza facial. • Nunca esfregue demais a pele com o esfoliante e nem use mais vezes do que o necessário. Isso resseca e irrita a pele. Sempre tire a maquiagem. Apesar de estar falando sobre pele sem maquiagem, vale lembrar que sua pele não pode dormir com a maquiagem, deixe ela livre da maquiagem, é claro que de vez em quando dá vontade de se maquiar

para ocasiões especiais. A limpeza deve ser completa, pois o fato de deixar maquiagem à noite para o dia podem obstruir os poros e causar espinhas. • Use um produto adequado para remover a maquiagem. Pode ser uma espuma de limpeza ou uma loção bifásica não comodogênica (não obstrui os poros). Use um removedor específico para a área dos olhos, mais sensível e difícil. (O certo e utilizar um demaquilante para os olhos e outro para rosto). Sempre use filtro solar. Mesmo que o dia esteja frio, nublado ou até mesmo na neve. Em todos os casos, os raios UVA/UVB podem danificar a sua pele. Os estragos causados pelo sol são os responsáveis pelo envelhecimento precoce da pele, e em casos extremos, levar ao aparecimento de câncer de pele e outros problemas dermatológicos. • Procure usar no mínimo o fator de proteção 30. Se possível, use um hidratante com filtro solar. Assim você garante uma pele mais saudável.


E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Edição 243 - dezembro de 2016

7

Vizinha Faladeira abre as portas para a juventude Texto e fotos: Adriana Vieira

F

undada em 10 de Dezembro de 1932 e próxima de completar mais um aniversário, a Vizinha Faladeira ressurgiu no Carnaval com uma equipe renovada que já conquistou o bicampeonato nas Séries C e D, conquistando o direito de abrir o Carnaval da Intendente Magalhães em 2017, pela Série B. De acordo com o presidente da escola, David dos Santos, o resultado conquistado é fruto de um trabalho realizado por uma equipe que ama a escola e quer que ela volte a ocupar o lugar que outrora pertenceu e desfilar na Marquês de Sapucaí. No entanto, não é só de trabalho que a agremiação destina seu foco, mas também em abrir às portas para a garotada que gosta de samba e carnaval, como o caso das meninas Danyelle Fogaça, Heloísa Bitar e Yana Larissa. As pequenas sambistas comparecem todas as quartas aos ensaios da escola e já sabem na ponta da lín-

gua o samba do enredo “A Última do Português a que nem Camões contaria...”, que será desenvolvido pelo carnavalesco Jean Rodrigues. Com apenas 10 anos, a estudante Danyelle Fogaça desfila na

escola como MUSA da Ala de Passistas, que é comandada por Rosângela. Segundo a jovem, o samba entrou na sua vida quando tinha dois anos, idade em que iniciou seus desfiles na Vizinha à frente da bateria Ritmo Pioneiro com a tia, atual rainha, Lu Fogaça. “Eu fui uma rainha mirim. De lá para cá, sempre desfilo na escola, agora na ala de passistas. Eu aprendi a sambar com minha amiga Poliana, que me ensinou com calma cada passo. Meu ritmo está acelerado e estou ansiosa para que chegue logo o Carnaval para poder ver minha escola campeã novamente. Tenho ensaiado na escola toda quarta-feira e em casa também. A Vizinha Faladeira representa muito para mim, pois é como se fosse minha segunda família, já que aqui posso fazer o que gosto: sambar. Acho que idade não significa muita coisa, o importante é você fazer o

que gosta com amor e dedicação. Eu, por exemplo, amo sambar”, declarou. A estudante Yana Larissa, de 13 anos, também é MUSA da Ala de Passistas. Ela iniciou no samba por influência da mãe e da tia que confeccionavam fantasias para a escola. Junto com uma amiga, segundo Yana, desfilaram como sereias na Vizinha. Após a emoção de pisar na Passarela, ela se apaixonou pela escola e desfila sempre, sendo que agora no posto de musa. “A musa tem como função apresentar a ala de passistas. Eu sambo muito na avenida, em casa e nos ensaios. Meu ritmo é intenso, não falto aos ensaios e procuro sempre me dedicar algumas horas aos estudos. Como será meu terceiro ano desfilando como musa, posso garantir que estou preparada para sambar os quarenta minutos pela minha escola do coração. Eu estudei dança e balé. O samba representa tudo para mim, amo de paixão tudo isso aqui (apontando para a quadra da escola). Eu sou Vizinha Faladeira”, disse a jovem.

Princesa da bateria Ritmo Pioneiro com apenas 13 anos, a estudante Heloísa Bitar se destaca nos ensaios por samba como uma profissional. Dona de um sorriso contagiante, ela fala com carinho que começou a frequentar a escola com o seu pai, que é compositor campeão da azul, vermelho e branco. Este ano, segundo ela, surgiu o convite para ser a princesa e prontamente aceitou. “Eu fiquei muito feliz e adoro sambar à frente da bateria junto com a rainha Lu Fogaça. Sempre quando é possível ensaiamos juntas. Eu também sou a segunda princesa mirim do Carnaval. A minha fantasia será uma grande surpresa no desfile. O dia a dia de uma princesa é normal, pois estudo para ter boas notas e ensaio muito tanto em casa como na escola. O samba significa tudo para mim, sem ele eu não vivo. Acho que todas as meninas da minha idade deveriam conhecer o samba e fazer carreira, já que almejo chegar a ser rainha da bateria. Estou me preparando para isso”, ressaltou.


8

Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Preços especiais no Natal da Saara

O

mês de dezembro é marcado por uma das festas mais especiais do ano. O Natal é comemorado em todo o mundo e muitas pessoas matêm a tradição de presentear amigos e familiares. Nesta época, a Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega, mais conhecida como Saara, é um dos locais mais procurados pelos cariocas em busca do melhor preço e variedade. As lojas estão ornamentas e os comerciantes já preparam as melhores promoções para todos os clientes. A facilidade no pagamento é também uma vantagem para aqueles que escolhem o local, diversos estabelecimentos oferecem desconto no pagamento à vista e alternativa de parcelamento no cartão de crédito. Há opções de presente para todas as idades. Brinquedos e roupas são os artigos mais vendidos entre o conjunto de lojas. Neste mês, embalagens de presente e enfeites para o Natal também são muito procurados. “Para nós que comercializamos árvores de Natal, as vendas são maiores no início de dezembro. A minha expectativa de vendas para esta época é bem grande e, para atingir esta meta, costumamos

Pâmela Lima

facilitar a forma de pagamento com parcelas de até seis vezes sem juros no cartão de crédito”, afirma Érica Batista, gerente de loja de flores artificiais localizada na Rua Senhor dos Passos. O estudante de direito Aloan Oliveira, de 42 anos, conta que há três anos escolhe a Saara para

realizar suas compras de Natal. ”O local possui uma variedade muito grande de roupas e artigos de decoração”, analisa. Fundada no dia 5 de outubro de 1962, a Saara possui mais de 600 lojas distribuídas pela Rua da Alfândega, Uruguaiana, Buenos Aires e Senhor dos Passos.


Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

9


10

Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Você já pensou em cultivar o hábito da gratidão? livro Ciência e Saúde. Por meio da leitura, ela passou a ocupar seus pensamentos com essas novas idéias. Compreendeu que não precisava beber e após seis meses, esse hábito desapareceu de forma espontânea. Nadir conseguiu superar seu

Ana Carla Vicencio Gratidão? Por quê? Para quê? A quem? Você já passou por momentos em que era muito difícil pensar em gratidão ou conhece alguém que está passando por muitas dificuldades e que não pode acreditar que algo de bom possa acontecer? Você já descobriu a importância da gratidão? Os sentimentos de tristeza, raiva, vingança, opressão, solidão, dor, mágoa e o vício geralmente provocam confusão em nosso pensamento e nos impedem de ver o bem que está sempre presente, mesmo nos momentos mais difíceis. São sábios os ensinamentos que encontramos na Bíblia. Uma das recomendações de Paulo foi: “Não se embriaguem, pois a bebida levará vocês à desgraça; mas encham-se do Espírito de Deus. Animem uns aos outros com salmos, hinos e canções espirituais... agradeçam sempre todas as coisas a Deus, o Pai.” (Efésios 5:18-20, Bíblia Nova tradução na linguagem de hoje). Não estaria Paulo dizendo que o pensamento de quem tem vícios fica confuso, agressivo, perdido? O mesmo se dá com quem se embriaga de problemas. Em todos os casos, a recomendação dele foi: encham seus pensamentos das qualidades que vêm de Deus. A calma, a confiança no bem, o ânimo, a amizade, a honestidade, o respeito na família e no trabalho e a perseverança são exemplos de qualidades que podemos ter, porque vêm de Deus diretamente a cada um de nós. Quando estamos bem conscientes, a escolha dos pensamentos que realmente desejamos fica mais clara. Por isso, cultivamos o hábito da gratidão a Deus, reconhecendo que existem bons pensamentos mesmo diante de muitas dificuldades. Um bom exemplo é a imagem de uma flor nascendo entre duas

pedras. Há vida e beleza mesmo diante da adversidade. Era assim, com muitos problemas, que a Nadir, de São Paulo, sentia-se quando começou a ler o

problema de alcoolismo e fumo e expressa muita gratidão a Deus porque compreendeu o efeito prático da oração em sua própria vida. A gratidão e as ideias sanadoras estão à disposição de todos que queiram delas usufruir para ter uma vida melhor e mais saudável. Ana Carla Vicencio é Comitê de Publicação da Ciência Cristã e escreve reflexões sobre espiritualidade e saúde. Email: brasil@compub – Twitter: @AnaCVicencio


E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Edição 243 - dezembro de 2016

M

11

Arraial Minhoto é tradição e cultura portuguesa na Casa do Minho

uita música, cultura e culinária portuguesa marcam a clássica Casa do Minho, localizada no bairro Cosme Velho. No dia 03 de dezembro, o tradicional Arraial Minhoto – Quinta de Santoinho acontece no local. Este mês, a festa conta com a participação dos conjuntos “Amigos do Alto Minho” e “Trio Josévaldo”. Entre as atrações principais está também o folclore Minhoto ao som dos Bumbos e Gigantones, além das “Marchas luminosas de Lisboa”. Com uma ambiente alegre e familiar, pessoas de todas as idades se reúnem todo o primeiro sábado do mês para celebrar a festa que é exclusiva de Viana do Castelo, na região do Minho, proveniente de Portugal. A clássica sardinha portuguesa é destaque entre os pratos servidos durante o evento, assim como, as febras, drumet de frango

No atual momento, a Casa do Minho tem como presidente Agostinho dos Santos e os seguintes vice-presidentes: Casimiro Ferreira, Joaquim Gomes e Manuel Loureiro. “Para mim, a Casa representa a cultura e a tradição da região. Eu me identifico com as autoridades e com o folclore mais do que ninguém, porque nasci na própria região do Minho”, diz o vice-presidente Joaquim Gomes que participa das atividades da Casa desde 1982.

mora no Brasil há 57 anos e atualmente trabalha com um grupo de Fotos: Pâmela Lima

e a linguiça assada na brasa. Para acompanhar, três diferentes tipos de vinhos são servidos no local. O Arraial Minhoto atrai muitos cariocas e também portugueses que buscam não esquecer a sua tradição cultural. João Coelho, de 80 anos,

excursão em Niterói. Ele garante estar presente em todas as edições do evento. “A Casa do Minho é um local muito famoso e há 20 anos comecei a trazer pessoas aqui e nunca mais parei. Normalmente, trago cerca de 30 pessoas para cá

todos os meses. Esta festa é muito boa, pois nunca vi uma briga acontecer aqui”, afirma. O evento também desperta a curiosidade de pessoas de outros estados brasileiros, a corretora de imóveis Rosana Carvalho, de 59 anos, é gaúcha e está de férias no Rio de Janeiro.Ela conta como foi participar do Arraial Minhoto pela primeira vez: “Eu fiquei encantada com as moças dançando. O ambiente também é muito familiar, com pessoas de todas as faixas etárias. Eu gostei bastante”, avalia. O Ranjo Folclórico Maria da Fonte sempre está presente nas festas típicas da Casa do Minho e, entre elas, no Arraial Minhoto. Com trajes e músicas típicas exclusivas da região, o grupo é composto por crianças, jovens e adultos. Inicialmente, o Ranjo era em sua totalidade formado por membros portugueses. Atualmente, eles representam apenas 10% entre seus componentes. “O Arraial Minhoto é muito importante para a Casa do Minho, realizado há quase 35 anos, a festa é a mais tradicional até os dias de hoje e nós buscamos a preservação do conjunto típico, do ranjo folclórico e da culinária’, conta Carlos Alberto, coreógrafo do Ranjo Maria da Fonte. A Casa do Minho possui concessão oficial para realizar o Arraial Minhoto no Brasil. O local foi fundado em 1924. Inicialmente, na região do Centro da Cidade, próximo à Praça da Cruz Vermelha.

Após 43 anos, a sede ganhou um novo endereço e passou a fazer

parte do bairro Cosme Velho. Ao longo dos anos, o espaço passou por várias reformas e atualmente possui estacionamento, departamento de esportes, ginásio, restaurante, salão social, entre outros.

Serviço: Horário de Funcionamento: Secretária: de Terça à Sábado de 8h às 21h Telefone: (21) 2225-1820 / 2205-4698 E-mail: contato@minho.com. br Endereço:

Rua Cosme Velho, 60 Cosme Velho , Rio de Janeiro – RJ Arraial Minhoto Todo primeiro sábado de cada mês Horário: às 19h


12

Edição 243 - dezembro de 2016

SMTE e Pedro II têm 60 vagas para cursos gratuitos

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Cruz Vermelha Brasileira comemora aniversário com exposição no metrô do Rio Márcio Rosa

Estão abertas inscrições, até 15 de dezembro, para os cursos de reciclador e de assistente financeiro, são 30 vagas para cada um. As turmas terão aula no Colégio Pedro II, nas unidades de Engenho Novo e Centro, de segunda a quinta-feira, das 18h às 22h, com carga horária total de 300 horas. A escolaridade exigida é ensino fundamental completo para assistente financeiro e 5º ano do fundamental concluído para reciclador. A idade mínima do aluno é de 16 anos. Os estudantes receberão bolsa-auxílio de R$ 12,00 por dia de aula. Para se inscrever é preciso levar RG, CPF, comprovante de residência e de escolaridade a um dos postos de atendimento da Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego (SMTE), de segunda a sexta-feira, entre 8h e 17h. Local: Avenida Presidente Vargas, 1997 - Centro (unidade preferencial para pessoas com necessidades

especiais). Outros endereços: Rua Camaragibe, 25, Tijuca; Estrada do Guerenguê, 1.630, Jacarepaguá; Rua Barcelos Domingos, 162, Campo Grande; Estrada do Dendê, 2.080, Ilha do Governador; Rua Vinte e Quatro de Maio, 931, Méier; Rua da América, 81, Gamboa e Rua Luiz Cavalcanti, 576, Guadalupe. Fonte: Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego

Como parte das comemorações dos 108 anos da Cruz Vermelha Brasileira, o metrô do Rio de Janeiro vai abrigar a exposição “Um século de Solidariedade no Brasil”. A abertura será no dia 1º de dezembro, às 10h, na estação Carioca, com a presença da presidente Rosely Sampaio. As 64 fotos ficarão expostas até 15 de dezembro. O acervo permite conferir alguns dos trabalhos que a instituição de ajuda humanitária realiza no mundo e principalmente no Brasil, além do apoio que recebe de diversos segmentos da população. É possível ver Pelé, quando ainda era jogador, trajando o símbolo da Cruz Vermelha. Entre as diversas personalidades que vestiram a camisa da entidade aparecem: Zico, Rogério Ceni, Rodrigo Santoro, Xuxa, Thiago

Lacerda e Ana Hickmann. Por meio das fotos é possível relembrar algumas campanhas realizadas pela instituição. Uma delas foi a “Operação Nordeste”, que durou 1 ano, na década de 1980. A Cruz Vermelha Brasileira também foi responsável pelo primeiro Banco de Córneas do Rio, na década de 1970, e pioneira na doação de sangue, através de uma campanha para a Casa do Hemofílico. Dividida em tópicos, a exposição tem o registro do lançamento da pedra fundamental do prédio que fica na praça que leva o nome da instituição, no Centro do Rio de Janeiro. O espaço também abrigou a primeira escola de auxiliar de enfermagem do então Distrito Federal. Enfermeiras formadas pela entidade, conforme também retrata a exposição, atuaram na

Força Expedicionária Brasileira, a FEB, na segunda guerra mundial. A Cruz Vermelha Brasileira é uma das 190 Sociedades Nacionais que compõem o Movimento Internacional de Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. Fundada em 5 de dezembro de 1908, é constituída com bases nas Convenções de Genebra, das quais o Brasil é signatário. É uma associação civil, sem fins lucrativos, de natureza filantrópica, independente, declarada pelo governo brasileiro de utilidade pública internacional, de socorro voluntário, auxiliar dos poderes públicos e, em particular, dos serviços militares de saúde. Tem como missão atenuar o sofrimento humano, sem distinção de raça, religião, condição social, gênero e opinião política.


E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Edição 243 - dezembro de 2016

13

Aquário marinho da Zona Portuária se torna um dos maiores pontos turísticos da cidade Em entrevista à Folha do Centro, AquaRio esclarece sobre críticas de ativistas ambientais

vontade para ser ofertada e consumida pela população. No entanto, algumas espécies importantes da costa brasileira, que hoje estão em declínio, serão objetos de estudo no AquaRio. Por isso, a importância de chamar a atenção dos visitantes para a necessidade de conservar o ambiente marinho e seus seres. FC: Quais foram os critérios

sionais e amadores que receberam treinamento especial para a tarefa. Prova disto é que o AquaRio teve 100% de sobrevivência de todos os animais marinhos transportados, sem que houvesse nenhuma perda. FC: Como será realizada a adaptação para que estes animais não sofram com a mudança de ambiente? Todos os animais que chegam ao AquaRio são colocados em área de quarentena e acompanhados pela equipe de biólogos. Sempre oferecendo ótimas condições de acomodação, exposição e tratamento pautados pelo respeito à vida e ao bem-estar, os animais são tratados para que não sejam introduzidos nos tanques portando doenças. Esses protocolos são muito rigorosos. Também cabe explicar que depois esses animais seguem para recintos que recriam seus ambientes naturais. FC: A interação dos visitantes pode provocar agitação e estresse aos animais. Quais medidas são realizadas para conter tais consequências? AquaRio: Temos uma equipe de monitores que acompanham diariamente a visitação, seja dando mais informações, além daquelas que estão expostas nos monitores

para a escolha e autorização dessas espécies? AquaRio: As espécies são representativas da costa brasileira. Evitamos, por exemplo, a inserção de espécies que tenham potencial de predação sobre as outras. FC: De que forma foi realizado o transladado desses animais? AquaRio: Os animais foram transportados com todo cuidado e nas condições necessárias à sua sobrevivência, por pescadores profis-

sobre os tanques, e também para explicar que não é permitido fotografar usando flash ou bater nos painéis de acrílico. A equipe de monitoria tem um papel fundamental nesse acompanhamento e na formação dos visitantes e enriquecem muito a visita, buscando sempre acrescentar informações. FC: Como é realizada a limpeza e manutenção dos aquários? AquaRio: O AquaRio possui uma equipe altamente treinada para

Fotos: Aguinaldo Mota

O AquaRio fica localizado na Praça Muhammad Ali, Zona Portuária no Bairro da Gamboa No dia 09 de novembro, o Centro da cidade do Rio de Janeiro recebeu a inauguração do maior aquário marinho da América do Sul. O AquaRio abriga 8 mil animais de 350 espécies diferentes e integra o plano de revitalização da Zona Portuária, com o patrocínio da Coca-Cola e apoio da Prefeitura, a ideia é uma iniciativa do biólogo Marcelo Szpilman. O local recebe cerca de cinco mil visitantes por dia. Contudo, o projeto que se torna um novo ponto turístico para a região e tem como proposta a conservação das espécies, o desenvolvimento de pesquisas e aproximação do público visitante com o universo marinho, tem levantado críticas e alguns questionamentos. Aqueles que se opõem à proposta alegam que o aquário não é o lugar adequado para os animais, que eles possuem direito à liberdade e a atitude de retirá-los de seu habitat natural pode provocar grande sofrimento a eles, além de outros argumentos. Diante de tais especulações, a equipe do Jornal Folha do Centro entrou em contato com a assessoria do AquaRio em busca de maiores informações. Folha do Centro: Entre as 350 espécies existentes no AquaRio, quantas foram retiradas de seu ambiente natural? AquaRio: Mais de 90% das espécies do AquaRio são provenientes da costa brasileira, que vivem em espaços que recriam seus ambientes naturais. Cabe

destacar que todos os anos, toneladas de peixes dessas espécies são pescados na costa do país para consumo humano, de forma regular e, lamentavelmente, também pela pesca predatória. O AquaRio tem um papel fundamental na conscientização de futuras gerações e na conservação dessas espécies, por meio do desenvolvimento de pesquisas com as principais Universidades do país e no fomento à educação ambiental. Um dos projetos criados pelo AquaRio é a promoção ao longo do ano letivo de visitas gratuitas a estudantes da rede municipal de ensino do Rio de Janeiro, fruto de uma parceria realizada com a Prefeitura, com previsão de início a partir de março de 2017. Por último — e não menos importante — O AquaRio é o único aquário do mundo que foi pensado e concebido para possibilitar a captação de desova espontânea de peixes e a reprodução em cativeiro de espécies atualmente ameaçadas de extinção. FC: A lista contendo os nomes das espécies autorizadas para serem retiradas de seu habitat recebeu autorização de qual órgão? De acordo com qual lei? AquaRio: A Autorização de Manejo das espécies é concedida pelo INEA (Instituto Estadual do Ambiente). Mas cabe esclarecer que, não estando em lista de espécies ameaçadas, qualquer espécie é considerada recurso pesqueiro e pode, em tese, ser capturada à

executar a tarefa de limpeza, alimentação e manuseio dos animais. O AquaRio tem um complexo sistema de filtragem e tratamento da água salgada. A cada hora, todo o volume de água do AquaRio — 4,5 milhões de litros de água salgada — passa pelos sistemas de suporte de vida, garantido a boa qualidade da água nos recintos. INGRESSOS E HORÁRIOS O AquaRio funciona todos os dias das 10 às 18h, com entrada no circuito até 17h. Os ingressos são vendidos com horário marcado,. São preparados diversas formas e promoções para visitarem o AquaRio. Veja abaixo a melhor opção: Atendimento a Grupos: Compre os ingresso para grupo . Contatos por telefone: (21) 4063-3003 ou envie e-mail para: suporte@ingressocomdesconto. com.br. Tarifa e compra de imgresos no site: www.aquarioriomarinho. com.br: Tarifa normal - R$ 80,0 Tarifa reduzida - R$ 40,00 (Crianças e adolescentes de 3 a 17 anos,brasileiros e estrangeiros) Estudantes do Estado do Rio de Janeiro, Estudantes de 18 a 24 anos (brasileiros, de outros estados). Maiores de 65 anos (brasileiros) Portadores de necessidades especiais (brasileiros e estrangeiros). Forma de pagamento no local: Dinheiro, Cartões de crédito (Visa e Mastercard), Cartões de Débityo (Visa Electron e Maestro). Observações: O ingresso ao circuito de visitação do aquário deve ocorrer na data e horário marcado durantes o processo de compral. Como chegar / Localização: O AquaRio fica no Porto Maravilha do Rio de Janeiro e faz parte do projeto de revitalização da Zona Portuária da cidade. Está localizado no final da Orla Prefeito Luiz Paulo Conde (transformada em Boulevard Olímpico nas Olímpiadas Rio 2016), ao lado da praça Muhammada Ali em frente a Unfo Operadora.


14

Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Luizinho Kapoêra é destaque com seu ritmo e gingado musical O gingado das rodas de capoeira e a paixão pela música sempre estiveram presentes na vida deste artista. Luiz Carlos Ferreira, mais conhecido como Luizinho Kapoêra, nasceu no Rio de Janeiro e cresceu na região do Centro da cidade. Desde os anos 80, suas composições e discos gravados fazem sucesso. Por onde passam, suas músicas são capazes de transmitir muita alegria e entusiasmo. Sua trajetória musical teve início em 1985, como intérprete do grupo “Arteiros do Samba” com participação nas músicas “Amizade colorida” e “Um dia eu volto amor”. Em 1987, gravou a canção “Rio berço do samba”, um grande sucesso. No ano seguinte lançou seu primeiro LP “Corpo Bronzeado”. Nesta época, muitas portas se abriram para o artista e isto o levou a participar de vários programas de televisão, entre eles:“Programa do Bolinha”, “Milk Shake”, “Onda Carioca”, “Jorginho do Império Recebe”, “Novos Talen-

tos”, entre outros. Neste período, o cantor também participou de diversas matérias em jornais impressos. E durante três meses permaneceu na lista dos melhores cantores da Rádio Nacional e na Rádio Paquetá, com a música que leva nome ao álbum (Corpo Bronzeado). Em 1990, gravou seu segundo LP titulado “Swing Brasileiro”. Em 2010, lançou sem primeiro CD “Vem Sambar Comigo”, após dois anos, o álbum “Balanço Geral”. Este ano, Luizinho Kapoêra acaba de lançar o seu mais novo trabalho, o CD “Vou Jogar no Vento”, produzido por Marquinhos dos Santos, com destaque para as canções “Alquimia do Amor”, “Quero Tchan Tchan Tchan” e a regravação do sucesso “Corpo Bronzeado”. Luizinho Kapoêra conta que herdou de seu pai o amor pela música. Ele re-

lembra que aos oito anos de idade ganhou o seu primeiro concurso musical, na época, realizado na comunidade do Fallet. Além de reconhecer o incentivo familiar, ele tem orgulho de declarar ser afilhado de Almir Guineto, o rei do partido alto (estilo de samba conhecido popularmente como pagode), o qual introduziu o banjo no samba. Entre as canções gravadas de seu padrinho, destaca-se “Poeta” e Saldo Positivo”. Durante sua vida, Luizinho já escreveu mais de 800 composições e ele conta que parte de suas músicas receberam inspiração de histórias vivenciadas e compartilhadas por seus amigos. Ele fala sobre sua satisfação em cantar: “Eu tenho muito prazer em compor e estar no palco. Eu faço isso há muito tempo, mas, até hoje quando eu subo é uma felicidade muito grande”, diz. Além de artista, Luizinho é mestre de capoeira e há mais de 40 anos ministra aulas. Contato para show: Tel: 21 96959-1942 E-mail: luizinhokapoera17@ gmail.com.


E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Edição 243 - dezembro de 2016

Colégio Estadual Monteiro de Carvalho é destaque em Santa Teresa

Colégio Estadual Monteiro de Carvalho se destaca por seu amplo espaço físico e instalações O bairro de Santa Teresa é conhecido por sua tradição artística e cultural. Contudo, também não poderia faltar na região um espaço para formar jovens por meio da educação. Há oito anos como instituição de ensino pública, o Colégio Estadual Monteiro de Carvalho se destaca por seu amplo espaço físico e pelo desempenho dos alunos matriculados. Localizada na Rua Almirante Alexandrino, a escola atende cerca de 19 comunidades ao redor de Santa Teresa. Por ser destaque entre escolas do estado do Rio de Janeiro, o local também possui alunos moradores de bairros mais distantes e próximos à região, como Catumbi, Centro, Comunidade do Turano e Largo do Machado. Atualmente, a instituição conta com mais de 800 alunos matriculados. O Colégio Monteiro de Carvalho possui uma estrutura diferenciada, com piscina para os estudantes utilizada durante a disciplina de Educação Física e no intervalo de recreação, sempre com a companhia do professor para manter a segurança dos alunos. Esta atividade já estimulou até mesmo na criação de um time de pólo aquático formado por alunos do primeiro, segundo e terceiro ano do ensino médio. Destaque também para os times de voleibol e basquete compostos por alunos e ex-alunos. Para auxiliar ainda mais no desenvolvimento educacional e agregar conhecimento aos jovens matriculados, o Colégio Monteiro de Carvalho dispõe de outros espaços, como quadra de futebol,

auditório, biblioteca, laboratório de física e cozinha experimental. Aos maiores de 18 anos está disponível o programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA), que permite a conclusão do ensino médio por meio de quatro módulos. Rosângela Serrano possui 17 anos de magistério e há um ano ocupa o cargo de diretora do Colégio, junto do diretor adjunto Maurício Moreira. Ela garante a qualidade educacional dos alunos matriculados e observa o seu bom rendimento: ”Os alunos do Colégio Monteiro de Carvalho são muito bons. Eu nunca trabalhei em um

queremos efetuar novas propostas e fechar outras parcerias. A faculdade Estácio de Sá disponibilizará duas bolsas de estudo para os dois melhores alunos do 3º do ensino médio e pretendemos aumentar ainda mais este número”, afirma a diretora Rosângela Serrano. O período de renovação de matrícula no Colégio Estadual Monteiro de Carvalho ocorre até o dia 09 de dezembro, para o próximo ano letivo. Já a data para a primeira fase das inscrições do Matrícula Fácil está disponível

Rosângela Serrano há um ano ocupa o cargo de diretora do Colégio local no qual a informação dos estudantes é tão boa. Esta escola possui um grande potencial para a realização de grandes projetos”, analisa. A instituição também possui parceira com a Petrobrás que disponibiliza vagas para o programa Jovem Aprendiz, com objetivo de estimular a inclusão dos estudantes no mercado de trabalho. “Em 2017,

até o dia 22 de dezembro e deve ser realizada pelo site: www.matriculafacil.rj.gov.br. No dia 10 de janeiro, a relação nominal de todos os alunos alocados é divulgada também pela internet, por meio do mesmo endereço eletrônico. Serviço: Rua Almirante Alexandrino, 2495 – Santa Teresa Tel: 21 2334-4089

15

Alegria de Natal E naquele dia se dirá: Eis que este é o nosso Deus, a quem aguardávamos, e Ele nos salvará; este é Jehovah, a quem aguardávamos; na sua salvação gozaremos e nos alegraremos. (Isa 25:9) “0 Sentido Espiritual deste Preceito é, que não se deve adorar outro Deus senão o Senhor Jesus Cristo porque Ele mesmo é Jehovah, que veio ao Mundo e fez a Redenção, sem a qual nenhum homem poderia ser salvo, nem Anjo algum... A Mente humana é como uma casa de três andares; no andar mais baixo estão aqueles que se confirmaram por três Deuses de toda eternidade; no segundo e no terceiro andar estão aqueles que reconhecem e crêem em um só Deus, sob uma forma Humana e que o Senhor Deus Salvador Jesus Cristo é este Deus”. Assim com este entendimento teremos em nosso coração grande alegria que se espalhará aos corações de toda nossa família, como o brilho dos raios de luz celeste em torno da cabeça do Senhor quando nasceu. Texto extraído da obra “A Verdadeira Religião Cristã nº. 294. Esta obra consta de dois volumes e expõe na forma universal e singular a Fé como face, porta e sumário para os que serão da Nova Igreja e do Novo Céu

conforme a Palavra do Livro de Apocalipse 21. Esta obra que faz parte da coleção de Emanuel Swedenborg, obras que foram Declarada pela UNESCO, dentro do programa “Memória do Mundo” como patrimônio cultural da humanidade. E. Swedenborg foi um sábio do século XVIII, cientista, matemático, filosofo e teólogo. Mais informações pelo site: www. swedenborg.com.br Pedidos pelo telefone [(021) 3406-9722 - Dois volumes R$.50.00] Editora Freitas Bastos - 1964. Estudo da obra: Rua das Graças 45 - Bairro de Fátima - Centro. Toda Quarta feira às 16:30 hs.


16

Edição 243 - dezembro de 2016

Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá encerram turnê Legião Urbana XXX anos no Circo Voador Duas noites apoteóticas na lona

Ciclos. É disso que se trata trazer o show da turnê Legião Urbana XXX Anos para o palco do Circo Voador nos dias 16 e 17 de dezembro. O projeto nasceu em 2015, após a reedição do disco de estreia da banda de 1985, quando Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá reuniram um time de amigos para tocarem na íntegra o primeiro álbum. E, depois de circularem pelo Brasil inteiro, retornam ao palco que os impulsionou para virarem uma das bandas mais importante do rock nacional. Trazer estas canções para este palco - que no momento político do país seguem completamente relevantes - é ir de encontro às origens. Ao escrever para um radialista de Brasília para anunciar que seria o primeiro show do Legião Urbana no Circo Voador, Renato Russo escreveu “a garotada se amarra”. Renato estava certo. A garotada se amarrou e ainda se amarra. E Renato Russo segue insubstituível. Tanto que os integrantes deixam claro que não é uma “volta” da Legião Urbana, e sim um show pensado para apresentar o primeiro disco da banda na íntegra, seguido de alguns sucessos do grupo.

Fernando Schlaepfer

Agora é a hora desse projeto aterrissar no Circo Voador. Um retorno ao palco onde em algum momento subiram sem saber que estavam entrando pra história. DADO VILLA-LOBOS E MARCELO BONFÁ :: LEGIÃO URBANA XXX ANOS Datas: Sexta e Sábado, dia 16 e 17 de dezembro Abertura da casa: 22h Ingressos: R$ 80 (meia-entrada para estudantes, menores de 21 anos e maiores de 60 anos) R$ 80 (ingresso solidário válido com 1 kg de alimento ou uma peça de roupa para doação) R$ 80 (cliente Odeon que apresentar ingresso de algum

filme do cinema ou cliente Sou + Rio)* R$ 160 (inteira) *O desconto é válido apenas para ingressos comprados na bilheteria do Circo. É necessário apresentar o ingresso Odeon/Voucher Sou +Rio no ato da compra. Capacidade: 2.000 pessoas Classificação: 18 anos (de 14 a 17 somente acompanhado dos pais) Bilheterias: terça a quinta: das 12h às 19h; sexta: das 12h às 24h (exceto feriados) e sábado a partir das 14h. Web: www.ingressorapido. com.br Mais informações: * Imprensa: Rê Reis (21) 2533-0354 – Ramal 22/964487535 assessoria@circovoador. com.br Bebel Prates (021) 3874 0544

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com


E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Edição 243 - dezembro de 2016

Inaugurada no Rio de Janeiro a Good Food, Distribuidora das Empanadas Ferraz Fernandes

A Good Food Distribuidora traz para o Rio de Janeiro a Industria de Empanadas Ferraz Fernandes de Santa Catarina. A empresa oferece grande variedade de sabores garantindo qualidade e pontualidade na entrega.

Inaugurada no dia 16 de novembro de 2016, o Centro da Cidade é o local escolhido para início das atividades da empresa. O negócio tem como objetivo apresentar uma nova proposta de excelência e qualidade aos comerciantes da região. A empresa oferece mais de 30 sabores do produto e o cliente poderá escolher entre massa branca ou integral. Algumas são “zero” lactose e todas são fabricadas sem utilização de fermento, o que torna o produto ainda mais saudável. Seguindo a tendência de mercado a empresa completa seu cardápio com alguns sabores vegetarianos e veganos. Para o mês de dezembro, estão planejando o lançamento das

mini empanadas para serviço de coquetel nos sabores de frango, carne e chocolate. Entre os sabores oferecidos, destaque especial para calabresa com cheddar, frango com palmito, portuguesa, queijo com tomate seco, legumes, espinafre com ricota, para citar alguns. Além da qualidade dos pro-

dutos, a empresa visa oferecer a melhor assistência e orientação técnica para os seus clientes. “Nós acreditamos que tudo o que é feito com cuidado e dedicação obtém um resultado final diferente e é este resultado que buscamos oferecer para o mercado do Rio de Janeiro”, garantem os sócios. Os empresários que tenham interesse em conhecer o produto, basta entrar em contato para solicitar o agendamento da degustação. A visita é feita nos estabelecimentos, pelo responsável pelas vendas, que irá ao local e prestará toda a orientação e esclarecimento sobre o produto. Serviço: Endereço: Rua dos Inválidos, 138 - Centro Tel: 21 3852-9105/971290786 E-mail: vendas@goodfooddis.com.br

17


18

Edição 243 - dezembro de 2016

Livros & Livrarias O DIVERTIDO GUIA METEOROLÓGICO DA MAJU A previsão do tempo ganhou novos ares na televisão após a chegada de Maria Julia Coutinho ao Jornal Nacional. De forma didática, Maju ganhou a simpatia do público por inventar termos como “chuvica” ou por apelidar os fenômenos meteorológicos El Niño e La Nina de “o menino danado” e a “menina levada”, respectivamente. No livro Entrando no Clima: chuva, chuvica e outras meteorologices a jornalista segue a mesma linha para demonstrar ao leitor que é possível compreender a meteorologia de forma divertida. Com a ajuda de especialistas, Maju desvenda conceitos como atmosfera, pressão, geada e névoa e aborda as principais características das estações do ano. Além disso, a jornalista debate as mudanças climáticas com dados e informações da Conferência das Partes, de Paris, na qual foi convidada pela Organização Meteorológica Mundial. O livro apresenta também ilustrações, fotos e gráficos para ajudar na compreensão de cada tema, além de trechos de música e ditos da

sabedoria popular sobre o “deus tempo”. Sobre a autora: Maria Julia Coutinho nasceu em São Paulo, fez faculdade de Jornalismo na Cásper Líbero e especialização em política e relações internacionais. Iniciou a carreira na TV Cultura e passou a integrar a equipe da TV Globo em 2007. Começou a trabalhar com previsão do tempo em outubro de 2013, tendo assumido a previsão do tempo do Jornal Nacional e do SPTV 2º edição em abril de 2015.

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Maria João Gaio é eleita pela 7ª vez presidente do Conselho Comunitário de Segurança. Conheça sua trajetória e contribuição no Projeto No dia 27 de outubro, o Conselho Comunitário de Segurança Pública Centro Histórico e Lapa recebeu oficialmente os membros que compõem a sua nova diretoria e, mais uma vez, Maria João Gaio assume a presidência do CCS representando e intermediando a sociedade civil junto aos órgãos de segurança pública responsáveis pela a região do Centro da cidade. Eleita presidente pela sétima vez, Maria João acompanha e contribui com o projeto desde sua implantação. A trajetória no Conselho ocorre desde de 1999, quando Maria João Gaio atuava como diretora adjunta no CIEP José Pedro Varela, localizado na Rua do Lavradio. Na época, um projeto do Governo do Estado teve como proposta realizar reuniões de cafés comunitários dentro dos batalhões de polícia, com objetivo de aproximar a população civil das autoridades de segurança. Na ocasião, as reuniões eram realizadas todos os meses no 13º Batalhão da Polícia Militar, na Praça Tiradentes, com a presença do Coronel Hélio Luiz. Nesta época, Maria João iniciou sua participação junto com moradores, trabalhadores e estudantes da região do Centro. No ano seguinte, em 2000, seu nome já estava registrado oficialmente na ata do 13º BPM juntamente com os amigos Roberto Cury e Carlos Augusto da Cidade, como participantes ativos do Conselho. Em 2006, a primeira eleição para a composição da diretoria foi realizada. O grupo deveria ser formado por cinco pessoas da sociedade civil e frequentadores assíduos das reuniões do CCS. A Dra. Olga Teles é considerada a “madrinha” do Conselho e,na ocasião, convidou Maria João para criação de uma chapa. Sua equipe ganhou a eleição e pela primeira vez foi eleita presidente do Conselho de Segurança. Em 2007, participou novamente e mais uma vez foi eleita. Em 2008, o Conselho recebeu a presidência do Coronel Barcelos e Maria João Gaio o acompanhou como vice presidente. Dois anos após este período, ela pôde se eleger novamente e mais uma vez ganhou a eleição. Em 2011, o 13º Batalhão da Polícia

Presidente Maria João Gaio e o vice-presidente Silvio Lacerda Militar foi extinto e diante da importância de manter o Conselho de Segurança na região, uma reunião foi realizada para decidir quais mudanças precisavam ser feitas. “Eu fui representando o Centro juntamente com Roberto Cury e lá nos reunimos também com os representantes de Santa Teresa. O Conselho passaria a ser gerenciado pelo 5º BPM da Zona Portuária. A proposta foi aceita e o bairro de Santa Teresa se uniu ao Conselho de Segurança da região do Centro e passou a se chamar Conselho de Segurança Centro Histórico e Santa Teresa, durante um ano levou este nome”, conta Maria João. Em 2013, a presidência do Conselho foi exercida pela advogada Conceição Sá e Maria João assumiu o papel de Primeira Secretária. Este ano, a pedido de amigos e da própria Conceição, ela se candidatou e mais uma vez foi eleita presidente. Com o passar dos anos, a resolução do CCS recebeu algumas mudanças e atualmente o mandato possui duração de 2 anos, com isto, Maria João juntamente com os membros da diretoria exercerão suas funções até outubro de 2018.

“Para mim, o trabalho mais gratificante que existe é o voluntário, porque é realizado com prazer. O fato de poder reunir a população do Centro para discutir como podemos buscar soluções para melhorar a nossa segurança, já torna o encontro válido. Nem sempre haverá uma solução de imediato, mas toda a demanda que as pessoas tazem é apresentada ao órgão responsável e a partir dos dados a polícia militar pode identificar onde está a mancha criminal”, explica a presidente sobre o objetivo do Conselho. Além da presidente Maria João Gaio, o Conselho Comunitário de Segurança Pública Centro Histórico e Lapa conta com Silvio Lacerda no cargo de vice presidente, Conceição Sá como diretora de assuntos sociais, João Luiz Lemos e Luiz Henrique Lemos como primeiro e segundo secretário. As reuniões ocorrem todos os meses e são abertas para o público que reside, trabalha, estuda e exerce atividades comunitárias no Centro da cidade. Para mais informações: conselhosegurancacentro@gmail.com. Blog: 5aispcentroelapa.blogspot. com.br .


Edição 243 - dezembro de 2016

Técnica de Hipnose é utilizada para tratar causas que levam ao desequilíbrio do corpo Durante muito tempo, dade de comida. “Em todo a hipnose era utilizada de o procedimento a pessoa forma distorcida em profica consciente escutando gramas de televisão ou e sentindo tudo, porém espetáculos de circo. Com em um estado de relaxaisto, poucas pessoas comento total. As sensações nhecem os benefícios reais são as mesmas do modo promovidos pela técnica. tradicional, assim como, A hipnoterapeuta Rosana a redução da vontade de Schiff garante que o método comer”, conta. tem como objetivo tratar de O casal Alberto Soforma definitiva problemas ares, de 52 anos e Érica ligados à mente e ao corpo, Guimarães, de 33 anos, como, a baixa autoestima, começaram juntos o tradepressão, síndrome do tamento com a hipnotepânico, vícios, obesidade, rapeuta e em 40 dias conentre outras disfunções. seguiram perder cerca de A estudante Samin 7kg.”Na primeira sessão Kirk, de 42 anos, realiza o que fiz com a Rosana, ela tratamento há aproximadaprocurou trabalhar minha mente cinco meses e conta ansiedade. Atualmente, que o interesse pelo método tenho emagrecido basfoi motivado pelo desejo de tante. Diante de todas as superar seus limites pesso- Hipnoterapeuta Rosana Schiff dietas que tentei, agora, recorrido a diferentes métodos ais. “Durante o tratamento, sim estou obtendo resulpassei a me sentir mais segura. para emagrecer. Na época, tam- tados”, conta Érica Guimarães. Consegui também conquistar a bém insatisfeita com o seu estado Alberto Soares conta que capacidade de organização e isso emocional. ”Na realidade, eu fiquei sempre possuiu facilidade para me ajudou a superar alguns desa- mais interessada pelas questões ganhar e perder peso e considera psicológicas, pois eu tinha muito o tratamento a base de hipnose o fios”, afirma. O tratamento realizado por medo, insegurança e ainda carre- mais saudável que já experimenmeio da hipnose tem como fi- gava muitas frustrações”, diz. tou. “O maior proveito que eu Após o início do tratamento, tenho tirado disso é aprender mais nalidade trabalhar as causas que levam ao estado de desequilíbrio ela conta que passou a ter uma sobre alimentação e tentar manter do corpo. Ou seja, utilizando a alimentação mais balanceada e estes novos hábitos pelo restante técnica, a hipnoterapeuta Rosana emagreceu 5kg em dois meses. da minha vida. Eu acho que esta é Schiff consegue identificar quais O processo também promoveu a maior vantagem, conhecer sobre são os motivos que fazem um benefícios a outras áreas de sua os alimentos que fazem mal e ter paciente engordar, por exemplo. vida: “Estava com a minha carreira a consciência que é possível viver Muitas razões podem provocar profissional estagnada e durante o sem eles. esta falta de estabilidade do peso, tratamento a minha alta estima tem O enfermeiro Paulo Sehelk, como traumas, frustrações, medo, sido bastante elevada e por con- de 38 anos, após realizar cirurgia sequência comecei uma pós-gra- bariátrica iniciou o tratamento ansiedade, entre outros fatores. Por meio da hipnose, o pacien- duação e um curso de marketing hipnótico. Ele afirma que o método te entra em um estado alterado de digital”, relata. serviu de auxílio para a redução da A professora Julie Helen ansiedade e compulsão. “O resultaconsciência e, desta forma, ele se torna capaz de refletir sobre suas Efraime, de 35 anos, afirma que do do trabalho tem sido muito bom, escolhas e optar por novas deci- a hipnose também impulsionou a progredi em um mês o que buscava sões. Assim, outros comportamen- sua auto estima e a levou a realizar há anos. Por meio do tratamento, tos podem ser adotados e aplicados novos hábitos alimentares: “Quan- eu consigo manter um retorno mais no dia a dia. “O indivíduo passa a do eu comecei o tratamento, iniciei tranquilo e saudável”, avalia após se conhecer melhor e a hipnose para valer e seguia todas as orien- perder 4kg em um mês e abandoajuda a firmar suas opções. Durante tações. Consegui perder cerca de nar o uso de medicamentos para o processo, padrões de vida são 18kg durante 1 ano e meio. Hoje emagrecer. modificados e a pessoa adquire em dia, as mudanças fazem parte Rosana Schiff é hipnoteraforças para tomar certas decisões dos meus hábitos”, garante. peuta, orientadora alimentar e Em alguns pacientes, Rosana e ter a sua vida transformada”, coaching de emagrecimento. Para Schiff realiza o uso do balão hipexplica a hipnoterapeuta. marcar uma avaliação, basta ligar nótico que auxilia na diminuição Damiana Florêncio, de 51 para o seguinte telefone: 21 96466da quantidade de consumo do anos, guia de turismo, relata que 4874. Local de atendimento: Rua alimento em cerca de 70%, após o não possuía nenhum conhecimenAristides Lobo, 109 – Bl C 301 processo, o indivíduo se sente mais to sobre o tratamento e já havia Estácio. satisfeito ao ingerir menor quanti-

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

19


20

Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Bloco Carnavalesco Bafo da Onça comemora 60 anos de história

Na década de 50, surgia aquele que hoje é considerado um dos mais famosos blocos do carnaval carioca. O Bloco Bafo da Onça nasceu do bairro do Catumbi e marcou as ruas do Centro do Rio atraindo foliões de todas as idades. Sua tradição é um marco para a cidade e este ano o grupo comemora

cheiros do bairro do Catumbi teve a iniciativa de fundar o chamado Bloco da Cueca. Porém, eles não possuíam recursos para dar início ao grupo e resolveram alugar a bateria do Bloco da Rapaziada, que já atuava no local. Desta forma, todos se reuniram em um bar da região para

os seus 60 anos de história. O Bloco Bafo da Onça surgiu no dia 12 de dezembro de 1956 e ao longo dos anos, diferentes versões foram contadas sobre sua fundação. Em entrevista ao Jornal Folha do Centro, Beto Azevedo vice-presidente cultural do Bloco conta como nasceu a ideia. Segundo ele, na época, um grupo de bi-

dar início a parceria. Ao invés de alugar, os instrumentos, os responsáveis pelo o Bloco da Rapaziada resolveram tocar juntamente com os integrantes do Bloco da Cueca. Naquele momento, um novo bloco surgiu e a equipe passou a pensar em mudar o nome. “No momento em que todos estavam reunidos no bar, entrou um mendi-

go conhecido como “Pé de Anjo”, ele possuía uma ferida na perna e bebia muita cachaça, quando ele entrou no local o dono do estabelecimento gritou: tira este homem daqui com este bafo de onça!”, conta Beto Azevedo. A expressão chamou a atenção do grupo e naquele mesmo dia o bloco recebeu o nome de Bafo da Onça. Beto Azevedo também conta que havia um morador da região o qual costumava sair durante o Carnaval sempre fantasiado com um chapéu de onça na cabeça. Naquela ocaisão, ele foi convidado para participar do bloco. Após a fundação, logo foram iniciados os ensaios. Na época, as famílias se reuniam para confeccionar as roupas e criarem as

fantasias. No primeiro ano de desfile, o Bloco Bafo da Onça atraiu cerca de 600 pessoas pelas ruas do Centro da Cidade, saindo pela Rua Valença localizada no bairro do Catumbi com destino à Igreja da Candelária e retornando pela Rua Presidente Vargas. O sucesso do bloco tornou-se crescente e, em seu segundo ano de Carnaval, aproximadamente três mil pessoas participaram do desfile. Beto Azevedo conta que, nos primeiros anos, os componentes da bateria e os homens ficavam posicionados atrás das mulheres e crianças, com objetivo de protegê-las durante o desfile. Outra curiosidade está relacionada à ilustração da famosa onça que simboliza o Bloco. Na criação

da primeira bandeira o desenho era baseado no rosto de um tigre, a ilustração foi encontrada no rótulo de uma lata de querosene. “Na época, para produzir o desenho, as listas eram substituídas por pintas e nos primeiros anos a onça tinha cara de tigre”, explica Beto Azevedo de forma descontraída. Durante os 60 anos de história, o Bloco Bafo da Onça recebeu sete presidentes. Entre eles, destaque para Sebastião Maria que assumiu o cargo por três vezes e se tornou um dos responsáveis mais conhecido. Beto Azevedo fala sobre a importância da tradição do bloco para a cidade: “O Bafo da Onça não representa somente para o bairro do Catumbi, mas também para o Rio de Janeiro, uma história viva do Carnaval. Ele foi o precursor da rainha, da mulata, da musa e do LP”, analisa. Atualmente, o Bafo da Onça conta com os seguintes componentes em sua diretoria: Capilé (Presidente), Sérgio Maria (Vicepresidente), Beto Azevedo (Vicepresidente Cultural), Hélio Neto (Vice-presidente de Marketing), Luisinho Kapoêra (Diretor Musical), entre outros membros. A quadra onde ocorrem os ensaios está localizada na Rua Doutor Agra, 25, bairro do Catumbi.


Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

21

BLOCO PINTO SARADO EMPOSSA NOVA DIRETORIA.

AULAS GRATUITAS DE ARTESANATO DE NATAL No dia 7 de dezembro, a Igreja Nova Jerusalém oferece oficinas gratuitas de artesanato em garrafas de vidro. Com a instrução da professora Luciana Vargas, os interessados serão capazes desenvolver de forma prática as mais variadas técnicas, entre elas, pintura de sal e pintura de garrafas pela técnica de aplicação de papel. Para participar da oficina é necessário que o aluno leve uma garrafa de vinho vazia e sem rótulo. Serviços Local: Rua da Graça, 45 - Bairro de Fátima – Centro. Horários: Manhã 9h às 12h e Tarde 14h às 17h. Para mais informações: 21 3406-9722

“UMA AVENTURA DE NATAL” – O PRIMEIRO PARQUE DE NATAL DO RIO DE JANEIRO, A partir de 10 de dezembro, a magia do Natal irá cobrir o Armazém 2 do Pier Mauá em um evento inédito na cidade. Com produção da Aventura Entretenimento, “Uma Aventura de Natal” será o primeiro parque de Natal do Rio de Janeiro, levando ao público diversas atrações especiais até o dia 28. Ursos, bonecos de neve, renas, duendes, alces e pinheiros farão parte da decoração natalina do Boulevard Olímpico, local abraçado pelos cariocas que terá seus primeiros festejos de fim de ano. Os ingressos já estão à venda pelo site do Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br). Serviço Uma Aventura de Natal / Local: Armazém 2 – Pier Mauá / Data: 10 a 28 de dezembro DIAS E HORÁRIOS: Abertura: 10 de Dezembro - Horário: 10h às 22h Dias: 11, 16, 17, 18, 21, 22, 23, 26, 27 e 28 de dezembro - Horário: 10h ás 22h Dias: 12, 13, 14, 15, 19 e 20 de Dezembro - Horário: 14h às 22h Ingressos à venda - Bilheteria do Teatro Riachuelo Rio – Rua do Passeio, 38 – Cinelândia Funcionamento da bilheteria: Ter e Qua - 12h às 20h / Qui a Dom – 12h até 1 hora após o início do espetáculo em cartaz na casa. Funcionamento da bilheteria: Seg a sex – 13h às 22h / Sáb e Dom – 10h às 22h Preços: Segunda e Terça – R$20 / Quarta a Sexta – R$30 / Sábado e Domingo – R$40

Um dos blocos mais populares do Rio de Janeiro e localizado no bairro de Santo Cristo, na Zona Portuária, o tradicional Pinto Sarado está com nova direção. A equipe que trabalhará no Carnaval de 2017 foi empossada no último dia 18 de Novembro. A presidência está sob o comando de Silvana Navarro, após a saída do presidente Cauê. Além da presidente, foram apresentados o vice-presidente, David dos Santos; o presidente de honra, Marcos Vinícius Januário; a diretora Executiva, Rita Nunes de Carvalho; a diretora Financeira, Rachel Navarro; a diretora de Patrimônio e Mídias Sociais, Carol Navarro; o diretor de Harmonia, Fabiano Silveira; diretora de Eventos, Mariane Magalhães; assessora de imprensa, Adriana Vieira; e colaborador, Salvador Belmonte. Em 2017, o Pinto Sarado vai apresentar o enredo “Trem das Onze - Não posso ficar nem mais um minuto com você”. O desfile do bloco está marcado para o dia 18 de fevereiro, a partir das 14 horas, na Rua Sara, no bairro do Santo Cristo.


22

Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Comemoramos Natal Pois aqui Jesus nasceu Viverei longe do mal E perto então, Cristo e eu!

Um Paraíso Chamado Arraial do Cabo

A

rraial do Cabo é uma cidade brasileira, do estado do Rio de Janeiro, situada na Região dos Lagos, a 140 km do Rio de Janeiro (RJ) é um paraíso do atlântico cercado por praias que encantam moradores e turistas que visitam o lugar. O município reúne algumas das mais belas paisagens do litoral brasileiro, como dunas, restingas, lagoas, praias e costões. Seu clima é quente e úmido, com temperatura média de 25 graus no verão e entre 17 e 23 no inverno. A cidade é costeira, e tem uma altitude média de apenas oito metros. Fundado em 1985, após a emancipação de Cabo Frio. O município possui 26.636 habitantes, segundo dados de 2008 do IBGE. Quem agradece são os mergulhadores, que encontram os melhores pontos do país para praticar o esporte. Além das águas transparentes, Arraial do Cabo abriga uma diversificada vida marinha - são tartarugas, meros, lulas, lagostas, arraias e até golfinhos que vivem em harmonia nas ilhas do Farol e dos Porcos, nos sacos do Cherne e do Cordeiro, na praia do Forno, na Ponta d’Água e na Gruta Azul. Além das belezas naturais, a cidade é atraente também quanto o assunto é preço - dos restaurantes às pousadas, as tarifas são bem mais em conta que as praticadas  nos arredores. Em Arraial não há estabelecimentos luxuosos, mas encontra-se muito conforto e os pratos de frutos do mar mais frescos da região. Os passeios de barco, imperdíveis e que apresentam paisagens encantadoras e com direito a parada na praia do Farol, uma das mais bonitas do Brasil, também têm valor acessível. Sem contar que, assistir ao pôr-do-sol no Pontal do Atalaia, um dos programas obrigatório, é de graça! História Formação do cabo Há cerca de um milhão de

Divulgação

anos os ventos, as correntes marítimas e as marés começaram a depositar sedimentos entre três antigas ilhas - atualmente conhecidas como morro do Mirante, do Forno e Pontal do Atalaia -, incorporando-as ao continente e formando, assim, o cabo onde se situa a cidade. Primeiros habitantes Eles eram nômades e chegaram à região há cerca de cinco mil anos. Viviam em pequenos grupos no alto dos morros e desciam apenas para buscar alimentos, basicamente peixes e moluscos. Ocupação indígena Os tamoios eram, na época da chegada dos portugueses, os habitantes mais comuns da região, embora existissem, também, tribos de outras vertentes tupinambás. Essas tribos consumiam, basicamente, peixes e crustáceos, e complementavam a dieta com o consumo da mandioca e com os animais da caça. A produção de cerâmica se destacava nessas tribos, que também marcaram participação nos conflitos que viriam a ocorrer entre portugueses e corsários, principalmente franceses. Descoberta Após decidir se separar do resto da frota da segunda expedição à costa brasileira, Américo Vespúcio navega rumo ao sul, chegando à praia atualmente conhecida como “Praia do Forno” e ancorando, logo em seguida, na Praia da

Rama (atual “Praia dos Anjos”). Ao lugar, deu-se o nome de Cabo Frio, devido a fatores que, de certa forma, fascinaram os navegantes. Dentre eles: - As correntes marítimas locais possuíam uma temperatura substancialmente mais fria que as temperaturas normais das águas da costa brasileira (atualmente esse fenômeno é conhecido como ressurgência). - Os ventos constantes eram, também, muito mais frios do que no resto do litoral, dando a impressão de que a temperatura local fosse mais baixa do que realmente era. - As condições do tempo mudavam rapidamente no local, passando subitamente de um dia ensolarado para um dia nublado, com alta possibilidade de formação de nevoeiro e, em alguns casos, agitando o mar. Povoamento Américo Vespúcio decidiu, então, construir um forte no local (cujas ruínas permanecem no local, acessível por trilha entre a Praia do Forno e a Prainha), onde ele deixou 24 homens com armas e mantimentos. Posteriormente, foi construída feitoria em local próximo. Mas o local exato ainda não foi definido. Para alguns, ela está localizada no próprio Arraial do Cabo, para outros, em Cabo Frio. Mas é certo que essa foi, de fato, a primeira feitoria no Brasil.

Provavelmente como consequência do estabelecimento dessa feitoria, começou a se desenvolver em arraial um modesto povoamento, sendo esse um dos primeiros (possivelmente o primeiro) em território brasileiro. Ainda é possível ver, na cidade, a primeira construção de alvenaria da terra recém-descoberta, a “Casa da Piedra”. Existe na cidade um marco histórico que lembra a visita de Américo Vespúcio nesta época. Composto de um obelisco, um poço, existente desde então e uma placa resumindo parte da história local. História Recente Durante séculos, a cidade seguiu sua vocação natural como vila de pescadores. E foi na primeira metade do século XX, em 1943, com a implantação da Companhia Nacional de Álcalis, que a economia local foi impulsionada. A fábrica produzia barrilha, matéria-prima para fabricação de vidros. A oferta de emprego aumentou. Mão-de-obra qualificada da unidade da Álcalis no Rio Grande do Norte foi trazida para a cidade e as ofertas de empregos acabaram trazendo trabalhadores de outras regiões. Isso contribuiu para a consolidação e para o crescimento da cidade. Durante anos, Arraial do Cabo pertenceu a Cabo Frio, sendo seu principal distrito. Em 13 de maio de 1985, a cidade teve sua emancipação assinada por Leonel de Moura Brizola, governador do Estado do Rio de Janeiro na época. No dia 15 de novembro de 1985, foi eleito o primeiro prefeito Hermes Barcellos, que assumiria a prefeitura no dia 1º de janeiro de 1986. Hoje, o município de Arraial do Cabo possui os Distritos: Monte Alto, Figueira, Parque das Garças, Sabiá, Pernanbuca, Novo Arraial e Caiçara. Para passeios a Arraial do Cabo o contate-nos: mercuriotreinamento@gmail.com

Jesus veio a este mundo Pra viver perto de nós Vimos seu amor profundo E conhecemos sua voz! Ele deixou as alturas Pelas plagas de Belém Tornou-nos novas criaturas Para aprendemos o bem! Nós festejamos Natal Para os pobres visitar Cristo, da Mansão Real Veio para nos salvar! Natal de ricos e de pobres De toda a raça e nação Convida todos, e os nobres Pra aceitarem a salvação! Unidos vamos cantar Uma doce melodia... Pois queremos adorar O Filho da virgem Maria! FELIZ NATAL !!! autora: Leonor Medeiros (Acesse e veja mais no You Tube


E-mail: folhadocentrorio@gmail.com

Edição 243 - dezembro de 2016

Moradores e visitantes de Santa Teresa não concordam com a nova tarifa do Bonde O bonde de Santa Teresa sempre foi conhecido como uma opção econômica de passeio para turistas e moradores da cidade. Mas, a partir do dia 15 de dezembro, o transporte recebe uma nova tarifa e o valor passa a custar R$20. Comparado ao preço cobrado antes do acidente de 2011, que deixou cinco mortos e 57 feridos, o valor recebeu um reajuste de cerca de 3 mil por cento. Na época, a passagem custava R$0,60. A mudança ocorreu com base no Decreto 45.514 assinado pelo governador Luis Fernando Pezão, publicado no Diário oficial no dia 10 de novembro. Os moradores do bairro de Santa Teresa podem se beneficiar do serviço de gratuidade, após realização de cadastro na Estação Carioca dos Bondes. Diante de tais medidas, a equipe do Jornal Folha do Centro saiu às ruas para ouvir a opinião dos moradores locais, do bairro de Santa Teresa e regiões adjacentes. Em média, a maioria dos entrevistados não concordou com o novo valor estabelecido. A aposentada Rosa Martins, de 65 anos, mora na Rua do Riachuelo e costuma utilizar o Bonde de Santa Teresa para passear com os filhos e netos. Para ela o valor da nova tarifa deveria ser analisado: “Eu acho que poderia ser aproximadamente R$5. Esta quantia eu pagaria sem nenhum problema. Normalmente, não vamos sozinhos e levamos a família toda. Sem falar, que idosos e crianças deveriam ter desconto na tarifa também”, sugere. Em contrapartida, a moradora Maria Lúcia, de 77 anos, é a favor do reajuste diante da justificativa do custo mensal gasto para manter a circulação do transporte. “Se for para a conservação e manutenção do Bonde, tudo bem. Pois, ele até levou muito tempo para voltar a funcionar depois daquele acidente. Mas, de qualquer maneira, está tudo caro. Para mim, esta quantia de R$20 só tem valor turístico”, afirma. Vitória de Sousa, de 45 anos, trabalha como vendedora em uma loja de sapatos no Centro e é moradora da comunidade da Coroa. Ela afirma que o seu endereço consta como bairro de Santa Teresa e terá direito à gratuidade. Contudo, mesmo assim, ela não aprova o valor

Pâmela Lima

Estação Carioca está localizada na Rua Lélio Gama, s/nº - Centro. da nova tarifa. “Acho que deveria ser um valor mais justo para os moradores da cidade e turistas. Em torno de R$ 10 seria um preço mais acessível. Por exemplo, se cinco pessoas da mesma família resolverem andar de bondinho, vai ficar bem puxado”, opina. Maria aparecida, de 43 anos, cabeleireira, moradora da Rua dos Inválidos acredita que a nova medida limita o acesso de cariocas e pessoas de outros estados. “Turistas não são somente estrangeiros, mas brasileiros também. Eu moro aqui na região há 22 anos e só andei de Bonde apenas uma vez e têm cariocas que nunca andaram, acho que deveria rever esta medida até mesmo para o nosso próprio povo”, ressalta. A equipe do Jornal Folha do Centro também ouviu pessoas que residem em outros bairros. O aposentado Alfredo Carlos, de 67 anos, morador do Leme reivindica e compara também com os valores dos principais pontos turísticos da cidade. “Eu acho um absurdo, não há propósito nenhum. Esse valor não deveria ser nem para turistas, pois já basta o preço do Bonde do Pão de Açúcar e o passeio no Corcovado. Acho que seria mais justo o mesmo valor do ônibus, R$3,80”, contesta. Moradores de Santa Teresa também tiveram oportunidade de expressar sua opinião: ”Eu não acho justo este valor porque muitas pessoas não moram, mas precisam trabalhar em Santa Teresa e utilizam o Bonde para subir. Por

conta da crise financeira, muitos também sobem para procurar uma oportunidade de trabalho. Os dias e horários de circulação poderiam ser estendidos também”, diz o bartender Renato Pereira, de 22 anos. A estudante Camila da Gama, de 20 anos, mora na região do Largo dos Guimarães em Santa Teresa e também opina sobre a nova medida: ”Para mim não faz sentindo, pois há um ônibus que faz o mesmo trajeto do Bonde que custa R$0,80. O Bonde faz parte da história da cidade e isso acaba desmerecendo o carioca e os turistas brasileiros. Para o fluxo de passageiros que ele possui, não há necessidade de um valor tão alto. Mas, com relação ao horário atual de funcionamento, para mim, está satisfatório”, diz. Atualmente, o Bonde de Santa Teresa opera das 6h30 às 16h15, de segunda a sexta-feira, das 10h às 18h aos sábados. E circulam no trecho Largo da Carioca ao Largo dos Guimarães, com saídas a cada 15 minutos. Segundo informações da Secretaria Estadual de Transportes o gasto mensal para manter a manutenção e operação do sistema custa cerca de R$130 mil. Para receber o direito de isenção da tarifa, os moradores de Santa Teresa devem apresentar comprovante de residência, identidade e CPF (original e cópia) e uma foto 3x4. Os dependentes que não possuem os seguintes documentos podem apresentar certidão de nascimento. A estação Carioca dos Bondes está localizada na Rua Lélio Gama, s/nº - Centro.

23


24

Edição 243 - dezembro de 2016

E-mail: folhadocentrorio@gmail.com


Fc 243 dezembro 2016