Page 1


VITÓRIA, UMA ILHA CERCADA DE BELEZAS E OPORTUNIDADES POR TODOS OS LADOS. Uma administração comprometida sempre rende bons resultados. As conquistas da Prefeitura de Vitória são alcançadas por meio dos investimentos em saúde, educação, tecnologia e bem estar social, superando desafios com inovação e responsabilidade. É assim que conquistamos os indicadores que fazem com que

danza

esta cidade seja uma referência em desenvolvimento e qualidade de vida para todos.

• 4ª capital mais digital do Brasil.

• Capital com os melhores indicadores de investimento per capita entre as cidades da Região Sudeste.

• 1ª capital na geração de novas vagas de emprego.

• Uma das 100 melhores cidades para fazer carreira. Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego; Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM); Multicidades - Finanças dos Municípios do Brasil; Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações e Tecnologia da Informação.

www.vitoria.es.gov.br

• 2º município na pesquisa que avalia desenvolvimento municipal.


EDITorIal: aTITuDE

Fronteiras ao vento

ual é o seu território, sua rua, sua praia, sua cidade, seu estado?

e internacional, e pelas experiências de Jeniffer Simionato, fotógrafa do Espírito Santo que mora na Espanha e passeia com suas atentas lentes A Atitude veio para ampliar pelo Marrocos. esses limites. Seu foco está na troca de informações, no intercâmbio cultural. Conferimos também, pra você, a Como uma rede que se estende infini- multiplicidade cultural do Rede tamente sem nunca perder a nocão do Cultura Jovem, a Estação Porto regional. de Vitória e a Bike de Bamboo da África. Ultrapassamos fronteiras por intermédio do nosso novo colunista, Filipe Boa leitura. Boa viagem. Morato, que roda o mundo descobrin- Bruno Dias, editor. do lugares interessantes. Viajamos também pelo som da banda Java Roots e do grupo Regional da Nair; pelos tours europeus da banda capixaba Zémaria; pelo sucesso das animações capixabas do Macakids, que podem ganhar território nacional

3


4


5


ÍNDICE

10

LIQUIDIFICADOR

20

PIRATAS DOS MARES

28

TRIBO HIMBA

38

ZÉMARIA

48

MERGULHO

56

SURFE 8


EXpEDIENTE

Diretor Editorial e jornalista responsável: Hugo Verçoza MTB ES 01694 Diretor Editorial: Bruno Dias rEDaÇÃo Projeto Gráfico: Directa Design Arte: Ronald Perrone e Higor Ferraço Web Master: Wanderson Belo e Luana Calmon Mídias Sociais: Renan Corrêa Matérias: Aline Alves, Marcela Caseira e Hugo Verçoza Fotógrafo: Caio Yudi Ilustrações: Higor Ferraço

60

PIxxFLUxx

Colunistas: Tavares Dias e Filipe Morato Gomes TV Atitude: Murilo Esteves Júnior e Ronald Perrone Colaboraram nesta edição: Madana Mohana, Julia Terayama, Jennifer Simionato, Marcio Luiz, Olhos Coloridos Departamento comercial: Hugo Verçoza (27) 9254 5246 Gabrielle Sartório: (27) 9884-0435 Dedus: (27) 9970-2192

64

EDITORIAL DE MODA

Impressão: Grafitusa

74

Periodicidade: Bimestral Distribuição: Grande Vitória

MARRAKESH

Site: www.atitudeonline.com.br Email: contato@atitudeonline.com.br Tel.: (27) 3317 8697 Produzida pela DIRECTA Editora & Design Ltda-Me. R. Madeira De Freitas 90, pav 04 - Ed. Farol da Barra. Cep 29055-320, Praia do Canto – Vitória/ES www.directadesign.com

9


Tinha gente querendo acabar com a festa. Já imaginou a internet sendo controlada pelos governos? Saiba que fim levou os projetos de lei norte-americanos sopa (Stop Online Piracy Act) e pIpa (Protect Intellectual Property Act), acessando nosso site: www.atitudeonline.com.

STOP SOPA PIPA

Se você não está sabendo nada sobre o que é SOPA, muito menos PIPA, melhor acessar logo, porque o aCTa está para ser votado.

Arte ancora de novo no porto de Vitória

foto: Madana Mohana

Ponto para a arte. Está reaberta a Estação Porto, sediada no Galpão 5 do porto de Vitória. O espaço, que esteve fechado desde outubro de 2010, sob ameaça de demolição, volta com curadoria de Fabricio Noronha, que promete dar vazão a formas de arte que vão além da música.

A Prefeitura Municipal de Vitória, por intermédio de sua Secretaria de Cultura, garantiu a integridade física do espaço e determinou seus fins para a arte: música, cinema, teatro e artes visuais.

10


BIKE SUSTENTÁVEL

Amparada no slogan ‘Não apenas construindo bicicletas, mas mudando vidas’, a magrela de bambu tem uma vantagem extra, além de ser ecologicamente correta: a resistência. Como ela foi projetada para trafegar nas ruas da Zâmbia, que raramente são asfaltadas, ela é bem mais resistente do que a maioria das outras disponíveis no mercado. A bicicleta foi apelidada de Amakasana, que significa ‘muito forte’ em bemba, a língua local.

Um tipo mais sustentável de bicicleta, feita de bambu, está ajudando a mudar a vida de africanos, na Zâmbia. A start up Zambikes, fruto de uma parceria entre dois americanos e dois zambianos, é a responsável pela distribuição mundial do modelo. Nascida naquele país africano, a companhia tem ajudado a gerar empregos em uma nação que sofre com uma taxa de desemprego que afeta cerca de 50% da população.

Fonte: www.zambikesint.com

tributo

Elis

No último dia 19 de janeiro, fez 30 anos da morte do furacão Elis Regina. A ‘Pimentinha’ como a cantora era chamada, era famosa pela sua presença de placo, sua personalidade forte e sua belíssima voz, atributos que a fizeram ser considerada por muitos músicos como a maior intérprete brasileira de todos os tempos. Elis Regina é alvo de uma série de homenagens. A gravadora Universal prepara um box com 12 CDs, entre eles raridades, e na sequência um segundo. Além disso, estão previstos especiais de TV, a reedição de uma biografia, exposições e outras homenagens. A filha de Elis, Maria Rita, faz também uma turnê com repertório repleto de canções da mãe.

“Estou morrendo de medo. Porque Elis é de todo mundo, mas a mãe é minha’, comentou Maria Rita, em entrevista coletiva em São Paulo. O outro filho de Elis, João Marcelo Bôscoli, também apresenta o projeto “ Viva Elis”, que acompanha o show com livro biográfico e um documentário.

11


Teatro na mala

Produtora capixaba Espírito Cultura leva espetáculos teatrais para o interior do Estado

As cidades do interior capixaba costumam ficar de fora do circuito teatral que passa pela Grande Vitória, onde estão os teatros mais conhecidos. Atenta a isso, a Espírito Cultura investe em apresentações que percorrem o Espírito Santo de norte a sul, com o objetivo de gerar a circulação teatral e proporcionar cultura ao maior número possível de capixabas. Nos últimos meses de 2011 a produtora levou o rei do “Glu, glu! Ié, ié!”, Sérginho Mallandro, para um stand-up comedy, a Guarapari; os comediantes do Comédia Canibal, espetáculo para teatro do site Mundo Canibal, a Colatina, e Diogo Portugal, um dos pioneiros do Stand Up no Brasil, a Linhares. As apresentações feitas para o riso no interior movimentam o mercado artístico e fomentam a cultura nas cidades que não estão inseridas no eixo da capital. As apresentações, sucesso de público, devem continuar fazendo os capixabas darem boas risadas. Já estão confirmadas outras apresentações teatrais com grandes nomes da comédia brasileira e capixaba nas cidades de Linhares, São Mateus, Colatina, Cachoeiro de Itapemirim, Aracruz e Guarapari, durante todo o ano de 2012.

regional da nair

foto: Julia Terayama

Numa noite descontraída na casa da amiga Nair Rúbia, o estudante Vitor Lopes chamou o amigo André Felix para fazer um som (os dois são apaixonados por samba). Informalmente o grupo foi crescendo passando das casas dos amigos a bares de Vitória até chegar hoje no animado encontro musicado do Regional da Nair. A roda é aberta, quem for de samba pode chegar, quem sabe tocar um instrumento já sai tocando e a turma em volta animada puxa o coro e as palmas. O palco principal hoje tem sido o bar da Zilda no centro de Vitória, o repertório é variado, vai de Cartola a Tim Maia, passando por clássicos do chorinho. O grupo também criou um criativo bloco de carnaval que sai no centro de Vitória, vale a pena conferir, ou melhor, cair no samba.

12


Espírito Mundo divulga selecionados para 2012

Um grupo de artistas brasileiros, entre eles capixabas, da área da música, dança, artes plásticas, teatro, audiovisual e poesia foram selecionados para o Festival Espírito Mundo 2012. O evento acontecerá entre agosto e setembro e visa ao intercâmbio de projetos artísticos e culturais entre o Brasil e alguns países da Europa.

O Espírito Mundo 2012 vai acontecer na França (V Espirito Poitou e III Espírito Provence, em Celles Sur Belle a Aix-en-Provence); na Espanha (II Hay Espiritu Madrid, em Madri), e na Inglaterra (II Espírito Brum, em Birmingham). Na próxima edição, a Revista Atitude trará uma matéria completa sobre como será o festival e entrevistas com alguns artistas capixabas que irão arrumar as malas rumo a Europa! Aguardem!

Segundo a sua realizadora, Aline Yasmin, neste ano, o número de inscrições, em todo o Brasil, chegou a 562, batendo recorde dos anos anteriores. Foram selecionados, ao todo, 36 trabalhos, que serão apresentados durante os meses de realização do Festival.

13


Ser

Vivo

Texto e fotos: Thales Dias

O Centro de Desenvolvimento Humano Ser Vivo é um espaço criado para inspirar e promover o desenvolvimento humano através da troca de conhecimento. Conhecimento fomentado nas diversas áreas humanas, sociais e profissionais. Um ambiente cuidadosamente informal, e uma equipe especializada.

A organização é voltada para a compreensão e melhoria no desempenho de pessoas e empresas, através dos serviços prestados, que são: Consultoria de Desenvolvimento Organizacional de Pessoas e Carreiras; Cursos, Palestras e Oficinas; Serviços de Cantina Natural e Orgânica, e Espaço Cultural, que abriga manifestações contemplativas e artísticas.

O Centro está aberto para receber pessoas dispostas a viver melhor. Sua intenção é cuidar para que as pessoas possam ter poder sobre si mesmas, vivas e felizes. Saiba mais no site www.atitudeonline.com e www.souservivo.com.br

14


JAVA ROOTS Um gosto de quero mais Por Renan Corrêa

“Recordar é viver, e reencontrar é viver melhor ainda.”

O Java Roots mostrou-se vivo na memória de todos que cantavam as canções de sucessos da banda. Foi um momento especial compartilhado com o público, que sentiu a verdade e o sentimento das músicas em um show que ficará marcado no coração de quem esteve presente. Os mais conectados fotografavam o show e imediatamente postavam nas redes sociais, deixando os que não foram só na vontade, mas ao mesmo tempo por dentro do que estava rolando. E o que rolava era boa música e alegria. O show foi totalmente gravado e filmado. Será que teremos um novo álbum e um DVD?

Assim o cantor, compositor, guitarrista e saxofonista capixaba Alexandre Lima reproduzia a frase, dita no camarim, por Anderson Ventura, o Chokolate, dando início ao tão esperado show de reencontro da banda Java Roots. Foram nove anos de muita espera dos fãs e amigos que lotaram as duas sessões realizadas no Teatro Carlos Gomes, em Vitória, no último dia 18 de janeiro.

O coro “Volta Java Roots” foi ouvido nas duas sessões e a banda deixou no ar um clima de mistério. O melhor é continuar acompanhando este movimento pela fanpage dos caras facebook.com/javaroots ou pela própria fanpage “Volta Java Roots”. É só curtir!

Fotos: Quartier Photo Studio

Ao ver e ouvir Chokolate (vocal), Junior Bocca (baixo), Thiago Andrick (guitarra), Anderson Paiva, o Xuxa (bateria) e Marcello Lindgren (teclados), tinha-se a impressão de que eles nunca estiveram separados.

15


Sustentabilidade na pesca O Projeto Rede, realizado pela Andesa, que promove o aumento de renda de aproximadamente de 800 pescadores de sete cidades capixabas, foi eleito por voto popular a melhor iniciativa do Espírito Santo no ano de 2011 e recebeu o prêmio Anu Dourado, dado pela CUFA, durante cerimônia ocorrida no Rio de Janeiro. Com foco na sustentabilidade social, ambiental e

econômica, a iniciativa melhora a vida dos profissionais da pesca. Em breve, o projeto será ampliado para outros Estados. O Rede é patrocinado pela Petrobras, por meio do Programa Petrobras Desenvolvimento & Cidadania, com parceria do Governo do Estado e apoio do IFES, associações e federações dos segmentos.

Cor e calmaria Série registra a tranquilidade de Manguinhos sob novas tonalidades Foto: Yuri Salvador

A sutileza da composição, dos elementos e das cores das fotografias que fazem parte da série “Cor e Calmaria”, de Yuri Salvador, lançam um novo olhar sobre o balneário de Manguinhos, no município da Serra. Cobertas por tons calmos, as paisagens registradas passam a sensação de tranquilidade e imensidão que só o mar tem o poder de despertar. “Essa série explora a beleza da simplicidade, das texturas, brinca com o quase abstrato, o figurativo, o real e o não real. As impressões de quem a vê são dúbias, o que ressalta o momento do devaneio, da admiração”, destaca Yuri. As dez imagens que compõem a série foram realizadas em dezembro de 2011 e podem ser conferidas através do site do fotógrafo: www.yurisalvador.com.br. Veja e tire as suas impressões.

16


A arte e a cultura jovem capixaba em rede

Fotos: Divulgação

internet como estratégia para o desenvolvimento de talentos e de expressões juvenis por meio da arte e da cultura.

A dinâmica das redes como caminho para promover a identificação, a visibilidade, o fortalecimento e o intercâmbio de experiências artístico-culturais protagonizadas pelas diversas juventudes capixabas. Isso é o que orienta o conjunto de ações que compõem o Programa Rede Cultura Jovem (PRCJ).

Ações de fomento via editais, produção de conteúdos midiáticos e editoriais diversos, manutenção de um portal de conteúdos – o Portal YAH!, atividades de formação voltadas para jovens articuladores culturais e oficinas de iniciação audiovisual são algumas das atividades realizadas pelo PRCJ. Saiba mais em: www.portalyah.com

Lançada no final de 2009, essa iniciativa da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo (Secult), em parceria com o Instituto Sincades, tem apostado na lógica colaborativa presente nas redes sociais da

17


18


19


Novos piratas nos mares do mundo Sea Shepherd defende o ativismo com unhas, dentes e um pouco mais de voracidade Por Aline Alves Fotos Divulgação

e você não quer correr riscos, não deveria estar aqui”. A frase, dita pelo capitão Paul Watson em uma das aventuras da Sea Shepherd Conservation Society, define bem a imagem da organização. O momento, registrado pelas camêras da série Whale Wars (“Defensores de Baleias”, no Brasil), era de tensão, no navio Steve Irwin, que atravessava os mares da Antártida. A missão: impedir que baleias fossem mortas.

baleeiro para chamar a atenção da mídia. Sob o lema “Se eles não fazem, nós fazemos”, os voluntários utilizam os mais variados artifícios para impedir a caça a animais marinhos. Mas, é claro, sem usar violência. Ações como lançar uma corda ao mar para impedir que o navio prossiga ou jogar bombas de fedor no convés do “inimigo” - para estragar a carne do animal morto e deixar os tripulantes enjoados - são algumas das táticas que já provaram a sua eficiência. De acordo com dados do site da organização, eles são responsáveis por afundar cerca de dez navios baleeiros e impedir a pesca ilegal de inúmeros barcos.

Watson é o grande nome por trás da Sea Shepherd, considerada a ONG de proteção dos mares mais ativista do planeta. Na situação descrita acima, o capitão convencera dois tripulantes a embarcar em um navio

20


Expulso A Sea Shepherd nasceu em 1977. Seis anos antes, no Canadá, Watson e outros 11 amigos - entre jornalistas e ambientalistas - fundavam o Greenpeace, que surgiu em meio aos protestos contra os testes nucleares dos Estados Unidos. Watson era considerado o mais militante entre o grupo e foi convidado

a se retirar da ONG por meio de votação: 11 votos contra um. De lá para cá, a Sea Shepherd se tornou tão importante e conhecida quanto o Greenpeace e abriu filiais em vários países, como Austrália, França, África do Sul, Inglaterra e Brasil.


Guardiões No Brasil, a Sea Shepherd virou instituto e também é conhecida como “Guardiões do Mar”. Com sede em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, a filial brasileira é o único escritório com a mesma autonomia da matriz.

Baleias, golfinhos, tubarões e tartarugas são algumas das espécies que mobilizam voluntários de todos o país. Entre as atividades realizadas estão os trabalhos de educação ambiental, capacitações e cursos para salvar animais marinhos em caso de derramamento de petróleo e, claro, monitoramento e fiscalização contra a pesca predatória.

As ações realizadas pelo instituto no Brasil são voltadas à preservação da biodiversidade marinha e ecossistemas de nossos litorais.

23


Acima: detalhe da captura de baleias.

Abaixo equipe no escrit贸rio

24


Embarcação da Sea Shepherd

Assim como nas outras sedes do mundo, os “sea shepherd’s” não são funcionários da instituição e nem recebem salário pelos trabalhos realizados. Se você se identificou com a missão da ONG, pode contribuir atra-

vés de doações, adquirindo um dos produtos disponíveis na loja virtual - como camisetas e pôsteres - ou tornando-se voluntário. Para saber mais, basta acessar o site www.seashepherd.org.br.

“Você não implora para que os criminosos parem o que estão fazendo. Você intervém, fisicamente e agressivamente, e os impede”. Concordando ou não, Paul Watson nos faz pensar.

25


www.silverland.com.br Rua Chapot Prevot, 239-lj. 03 - Praia do Canto/Vit贸ria - Tel 3235-1915 Rua Ant么nio Ata铆de, 823 - Ed. Shopping Tropical - Centro/Vila Velha - Tel 3239-7965


NamĂ­bia Regresso ao passado numa tribo himba Por Filipe Morato Gomes Alma de Viajante www.almadeviajante.com

28


29


da estrada principal que leva às cataratas de Opuwo.

s tribos himba habitam o extremo Noroeste da Namíbia, junto à fronteira com Angola, uma área que tem por capital regional a pequena cidade de Opuwo. Resistiram a todos os processos de aculturação, fugindo para a zona fronteiriça entre os dois países, e assim permaneceram, até que a revista National Geographic lhes proporcionou notoriedade internacional e a atenção de fotógrafos e viajantes.

Saí de Opuwo por um caminho secundário, rumo à aldeia de Epembe, que estava intransitável, devido às enxurradas dos dias anteriores. Tive de abandonar o carro e seguir a pé por uma trilha de terra batida. A meio caminho, as mulheres de uma pequena comunidade himba estavam sentadas à beira da trilha. Viviam no meio do arvoredo, num pequeno aglomerado de apenas quatro cabanas de madeira e palha de colmo, onde estavam apenas mulheres e crianças. Os homens estavam fora, recolhendo madeira e caçando.

Os himba são um povo guerreiro por natureza. Os homens caçam para viver, apesar de hoje em dia alguns ganharem bom dinheiro posando para as câmeras fotográficas dos turistas. Mas outros vivem ainda de forma muito isolada, especialmente longe

31


32


33


As famílias vivem absolutamente sem nada, na mais pura simplicidade. As cabanas são redondas, de apenas dois metros de raio. Um couro de cabra serve de colchão. Um tacho fica permanentemente no fogo. Poucas roupas e cobertores ficam pendurados, um ou outro objeto na parede feita de ramos de árvore. E é praticamente só isso. Entrar numa delas é recuar centenas de anos na rota do progresso. Foi o que fiz.

Lá dentro, uma mãe e seus filhos pequenos. Cá fora, a restante comunidade reunida em torno do forasteiro. Foi uma das experiências mais intensas da minha vida de viajante, me comunicando sem palavras - os himba falam o dialeto otjiherero -, mas partilhando o momento ímpar com mútuo respeito e curiosidade. É por momentos assim que vale a pena viajar.

34


35


leva seu novo sinGle paRa o público euRopeu Por Marcela Caseira Fotos: Arquivo pessoal

om oito turnês internacionais na bagagem, a banda capixaba Zémaria embarca para mais uma viagem à Europa, desta vez para comemorar os 11 anos de carreira que a banda completa esse ano. Seu mais novo single, “Instant lover”, será lançado em Paris e Berlim.

músico francês Raphael Pegase, da banda Minitel Rose. “Pela primeira vez, trabalhamos com um produtor de fora da banda e foi uma experiência muito boa ter o Pegase aqui em Vitória gravando com a gente”, conta. Além do novo single, a banda acaba de emplacar a música “The Space Ahead” em uma coletânea francesa, juntamente com artistas como Gossip, Ke$ha e Florence + The Machine.

Segundo o produtor musical da banda, Marcel Dadalto, o single fará parte do novo álbum do Zémaria, que tem previsão de lançamento em junho e traz novidades, já que o produtor do disco é o noruega

39


n

a entrevista ao lado, Dadalto conta como foi o intercâmbio musical feito na produção e gravação do novo CD e sobre como será pegar a estrada com os parceiros de banda, a vocalista Sanny Lys, o baixista Michel Sponfeldner e o baterista e multiinstrumentista Leonardo Cardoso (Nego Léo). Para a banda, que começou a carreira com a música “Vou dar uma volta em Jardim Camburi”, o caminho trilhado já está muito além do nosso bairro capixaba.

40


Noruega

ATITUDE - Qual o nome do novo single que vocês vão lançar? E quando podemos esperar por um novo cd da banda? Marcel Dadalto - O nome do single é

Qual a importância de ter a participação do francês Raphael Pegase, da banda Minitel Rose, como produtor do novo disco?

“Instant Lover” e vai ser lançado em Paris, no La Fleche d’Or. Depois o single estará à venda no iTunes, em todo mundo. Já nosso novo CD deve sair na sequência, em maio ou junho.

Já conhecíamos e confiávamos 100% no trabalho do Raphael e também gostamos do som da banda dele, o Minitel Rose. Foi ótima essa oportunidade de ele poder vir a Vitória produzir o disco aqui no nosso

41


Como foram a pré-produção e as gravações do disco, já que o produtor de vocês é da França? Como funciona esse trabalho de intercâmbio musical?

estúdio. Além disso, era um pensamento antigo da banda ter um produtor que não fosse um de nós. Em todos nossos três álbuns e nos EP’s, sempre era a banda que gravava, editava, produzia, mixava e até masterizava as músicas, mas chega uma hora que a gente quer ser simplesmente músico e prestar total atenção às nuances musicais, harmonia, melodia e letra. Eu adoro produzir, mas foi realmente uma experiência muito f* ter um produtor pela primeira vez na banda.

Foi bem intenso, já que Raphael veio com data marcada pra ir embora. Fizemos todo o processo de gravação e produção em três semanas e depois ficamos cinco dias em São Paulo mixando no estúdio do Dudu Marote. Foi a primeira vez que a banda entrou em um estúdio muito bom

42


Suécia

pra mixar, porque sempre trabalhamos na base do home estúdio, com eu mesmo produzindo no meu computador, mas acho que a gente chegou num limite técnico de som em home estúdio.

A gente tem shows e DJ’s sets marcados em Paris, Nantes, Tours e Berlim. Acho que vai ser bem irado, os franceses são bem animados. Tocar em Berlim também é sempre legal, acho Berlim a melhor cidade do mundo, depois de Vitória.

Vocês estão de viajem marcada para se apresentar na França e Alemanha. Conta um pouco como e quando será esse show para os europeus.

A banda sempre foi voltada não só para a carreira nacional como internacional também, tocando nas principais cidades 43


Los Angeles

44


Portugal

da Europa. Como vocês mantêm esse trabalho em outros países?

Acho difícil escolher uma melhor lembrança, pois são muitas, na verdade. A banda já está na estrada há bastante tempo e ainda assim vêm acontecendo cada vez mais coisas bacanas, tudo devagar, no seu tempo. Por exemplo, as indicações ao Levis Music, o VMB da MTV, o festival SXSW, no Texas, e o show no The Roxy, em Los Angeles. Acho que a melhor lembrança é sempre a da última conquista que alcançamos. No caso, as gravações do nosso último CD, com o Raphael Pegase produzindo. Foram dias incríveis de muita inspiração e música.

Já fizemos oito turnês internacionais (seis na Europa, uma nos E.U.A. e uma na Argentina) Acho que se somarmos tudo a gente já tocou mais fora do que dentro do Brasil. Não sei se é uma estatística a ser comemorada. Lógico que é legal fazer turnê na gringa, mas queria tocar mais aqui.

Com esse 11 anos de carreira qual a melhor lembrança da banda?

Dublin

45


Marcel Dadalto

Nos tempos da Sala 11

A banda Zémaria foi formada no Centro de Artes da UFES e estreou em 2002 com um show memorável, no chão do Festival Dia D, em Vitória-ES. A trajetória do Zémaria está ligada com a do estúdio Sala 11, uma casa que no inicio era usada como estúdio pela banda e se tornou ponto de encontro dos modernos. O nome Sala 11 veio do antigo local de ensaio, a sala número 11, do Centro de Artes da Ufes. O bairro Jardim Camburi deu nome ao primeiro hits da banda.

46


RevendedoR autoRizado:

47


Brasileira é mergulhadora recordista mundial Por Hugo Verçosa Fotos: Arquivo pesoal

Karoline Mariechen Meyer nasceu em Recife, em 1968. É praticante de mergulho em apneia, recordista brasileira em número de recordes mundiais para o Brasil em toda a história do esporte.

48


49


specialista em provas de apneia (mergulho em que se utiliza apenas o ar dos pulmões), Karol já mergulhava como lazer, porém só a partir de 1996 aderiu ao mergulho competitivo.

tempo de apneia no mundo, com 18 minutos e 32 segundos sem respirar, além de descer a 121 metros de profundidade, feito incluído também no Guinness World Records. Além de atleta, Karol é instrutora de mergulho e palestrante.

Entre os recordes brasileiros, sul-americanos e mundiais da modalidade, tornou-se, em 2009, o ser humano com o maior

Abaixo, a recordista mundial conta um pouco sobre o esporte e suas motivações:

ATITUDE - O filme “Imensidão Azul” foi um grande incentivador para seu começo na prática das competições de apneia. No filme, um dos mergulhadores parece gostar mais do fundo do mar do que da vida que leva fora dele. Você tem alguma relação assim com o oceano? Algo meio espiritual? KAROLINE - Sim, tudo é natureza, temos ligação direta com tudo, espiritualmente. O mergulho é uma das formas que eu escolhi para manter este meu elo sempre forte. Por isso, me sinto bem dentro da água, parece que a vida é bem mais fácil lá embaixo... Exatamente porque o mergulho nos faz conectar com o nosso ser puro, sem julgamento, sem ego, em paz.

segurança a problemas /alterações físicas e neurológicas desencadeadas no mergulho: hipoxia/hipercapnia (N. E.: diminuição das taxas de oxigênio no ar, no sangue arterial ou nos tecidos), que podem levar ao desmaio, doença descompressiva, narcose, edema pulmonar. Qual a sensação de ficar tanto tempo em baixo da água? Em mergulhos de lazer, procuro sempre pelo conforto, sem exagerar na performance. Já no caso de uma tentativa de recorde, sempre sabemos que haverá um esforço maior para se alcançar a marca, estamos sempre trabalhando com um percentual alto de exigência física e mental, principalmente no final da performance. Mas há um equilíbrio durante esse momento. Na fase inicial da apneia é preciso contar com um grande relaxamento, enquanto na fase final é preciso contar com grande resistência ao estresse da apneia, não é à toa que é chamada de “strugle phase” (fase difícil). Só o treino torna essa última fase menor e mais suportável. Nesse momento, penso que são poucos segundos, procuro manter a concentração e a atenção total no corpo, para decidir a hora de sair da água.

No mesmo filme, um dos atletas morre, ao tentar a quebra de um recorde. Você já passou ou presenciou situação de risco no esporte? E quais são as situações de risco que podem ocorrer nesse esporte? Sim, já perdi grandes amigos. O mergulho livre é um esporte de risco, como o paraquedismo, a Fórmula 1 e tantos outros. Situações que podem acontecer vão desde falha no equipamento ou no sistema de

50


51


Quais são os novos limites para esse esporte? O que está por vir? A evolução vem sendo pequena agora. Já presenciamos um grande avanço. Em profundidade, poderemos alcançar novas fronteiras, mas, dependemos da evolução nos equipamentos e sistema de resgate, senão será como viajar para Marte numa nave preparada para ir só até a Lua...

nós mesmos desenhamos e montamos, com um freio e um balão para retornar do fundo. É preciso acertar a quantidade de ar no pulmão, a quantidade de peso na máquina, para conseguir compensar os ouvidos coordenando com a velocidade da descida e o aumento da pressão. A narcose de profundidade pode alterar o julgamento do mergulhador, o frio, a escuridão, tudo pode estressar e provocar um consumo maior de oxigênio. Existem profundidades pré-definidas para realizar a manobra de compensação de forma correta. É preciso sair rapidamente do fundo, para evitar maiores riscos de doença descompressiva e também realizar uma saída correta da água, que significa a ventilação correta e o sinal (protocolo) para os juízes, para validar a performance.

Como é sua rotina de treinamento? Faz exercícios fora da água, também? Comente, por favor, um pouco sobre as técnicas que usa para evoluir no esporte. Faço muita coisa fora da água: musculação específica, geral, pilates, exercícios específicos ventilatórios, exercícios de fonoaudiologia, aeróbicos (natação, spining e corrida), apneia dentro e fora da água, simulações de profundidade e, finalmente, mergulho.

Quem são seus principais rivais, neste momento, no esporte? Realmente não penso desta forma. Quem está na minha frente, de alguma forma traz uma informação positiva de mostrar que aquilo é possível, ou até mesmo além daquilo. Acredito no meu potencial e foco nisso, não lá fora. Sempre procuro fazer o melhor que posso, a atenção está em mim.

Conte um pouco da sua especialidade, o mergulho de profundidade: como é feita a descida; as etapas; a equipe de segurança. Eu adoro, mas compreendo os riscos e busco sempre pela maior segurança possível. Descemos numa máquina que

52


53


Você também dá palestras para profissionais das mais diversas áreas, assim como treinamento para atletas, correto? Conte um pouco sobre essa sua atividade. Sim, realizo palestras no Brasil e no exterior, em Bonaire – Caribe. São voltadas para o mergulho, onde relato minhas experiências e mostro belíssimas imagens. Também tenho a palestra motivacional voltada para empresas, criada especialmente com este propósito, que também faz bastante sucesso e envolve a necessidade de equilíbrio entre o estresse bom e o ruim, para conseguirmos enfrentar o dia a dia com energia, superando nossos limites.

Qualquer pessoa que queira começar a mergulhar pode fazer o meu curso e receber um treinamento personalizado. O mergulho em apneia não é só para recordistas. É preciso lembrar que vivemos num país com uma grande extensão de costa marítima, rios, lagos e lagoas e o chamado da água é irresistível. Para nos aventurarmos na água não podemos esquecer de que é preciso informação, prática e respeito às regras de segurança, e isso tudo poderá ser adquirido através de curso. Todo ano, realizo cursos também no Caribe, em parceria com o Buddy Dive Resort e Adventure Travel, onde os alunos podem desfrutar, além do curso, da melhor estrutura hoteleira voltada para o mergulho, na ilha conhecida como paraíso dos mergulhadores.

Na parte do coaching de mergulho em apneia, já treinei atletas brasileiros e também auxiliei atletas do exterior. Mas esse tipo de trabalho não serve só para atletas.

Para saber mais, visite www.karolmeyer.com ou mande um email para: news@karolmeyer.com

54


ARTCOM.com.br

Câmara Municipal da Serra.

A MAIS AVALIADA

3ºANO

CONSECUTIVO

DO ESTADO

Em 2011 a Câmara Municipal da Serra trabalhou sério para beneficiar toda a população. E todo o trabalho teve um resultado: temos a câmara mais bem avaliada do Estado pelo terceiro ano consecutivo, segundo pesquisa encomendada pela entidade não-governamental Transparência Capixaba ao Instituto Flexconsult.

Assista as nossas sessões pela Internet no site:

55

www.camaraserra.es.gov.br


56


Surfe de gente grande

Por Hugo Verçoza Foto: Marcio Luiz

Um surfe forte e com pressão nas manobras. Essas são duas das maiores características do atleta da nova geração capixaba Rafael Teixeira.

57


m suas três temporadas havaianas, Rafael mostrou evolução e encarou grandes ondas e desafios, com muita atitude e foco. Afinal surfar no Havaí não e para qualquer um, e exige, além de muita técnica, disposição para enfrentar o crowd, locais e as ondas que podem fazer daquele paraíso um pesadelo em questão de segundos. Abaixo, conversamos com o atleta sobre essa sua ultima viagem.

ATITUDE – Rafael, quem estava com você nessa temporada 2012, você foi com a equipe Cyclone? Rafael Teixeira - Fui com meus amigos. Ate porque não estou mais na Cyclone, no momento estou sem patrocínio estou buscando parcerias para o ano de 2012 ainda...

gente meio nervoso na água (risos). Para mim, todas as ondas são especiais, aquela ilha e mágica... Como é sua relação com o crowd e localismo acirrado no Hawaii? Já teve algum problema? Nunca tive problema na água, até porque conheço vários havaianos competidores, mas mesmo assim já passei muita raiva. Às vezes você senta no pico e fica 30 minutos sem pegar uma onda, e quando pega ainda é rabeado, mas isso é normal. Se fosse no meu país eu ficaria louco, também, só da onda num período, e quando esse período chega tem que dividir com pessoas do mundo inteiro...

Como estava o mar, pegou bons sweels na ilha? Essa temporada, para mim, foi a minha melhor, já é a terceira minha no Havaí, mas essa sem dúvida foi especial, consegui fazer fotos para página dupla em revistas, peguei uma onda bem grande em Waimeia, peguei bons tubos e consegui surfar muito bem manobras...

E as pranchas que usou? Quantas levou? Levei um quiver de seis pranchas, 5.11 6.0 6.1 6.3 6.6 7.0, mas fui com intenção de fazer pranchas gringas. Hoje na Austrália

E qual onda você mais gosta da ilha? Eu acho Pipeline com certeza muito especial, porem o crowd acaba deixando a

58


Qual o próximo passo? Você esta na Austrália. Quais as metas e campeonatos para 2012? Agora já estou na Austrália. Aqui a vibe é outra, aqui vai ser competição. Estou para duas competições, uma pro Junior de Stradbroke e logo em sequência o WQS de Burleings Hds. Minhas metas esse ano são conseguir a vaga para o mundial pro Junior (onde ano passado fiquei em dois lugares na etapa de Santa Catarina), competir etapas do Brasil surf tour, e do wqs perna brasileira. Uma das minhas principais metas é correr as três etapas da perna europeu do WQS, que irei fazer de tudo para tentar ir. E conseguir um patrocínio, principalmente, para me ajudar nos campeonatos...

eu já estou sem nenhuma dessas pranchas, estou com seis pranchas gringas... Saiu um bom vídeo seu dessa temporada, assim como um tubão no site da Fluir. Quem filmou, como foi essa onda e o que achou da sua performance? Na verdade, o tubo é da revista Surfar, foi filmado belo Bidu. Essa onda fui muito especial, estávamos eu, Gordo, o Felipe Cesarano e o Fun, Stepan Figuerdo no pico, o mar não tava tão grande tinha uns seis pés na série, tinha bons tubos e não tinha crowd por incrível que pareça (risos). Subiu essa esquerda, eu estava mais para dentro do pico. Quando dropei ela e vi aquele tubo, pensei: não acredito!!!! Ainda mais que era uma das melhores ondas do dia e ainda não sendo rabeado por ninguém!

59


aRte diGital

PIXXFLUXX PIXXFLUXX

LUXX.COM.BR Por Wnaderson Belo

97 / 9806-5400

60


Video Mapping realizado no II Festival de Música Livre (Fora do Eixo-ES). Local Saldanha da Gama em novembro de 2011. Foto Thiago Dezan

Conforme o Wikipédia, Pixel é “(...) a associação entre Picture e Element, ou seja, elemento de imagem, o menor elemento num dispositivo de exibição digital“. Podemos pensar então que uma possível tradução para PixxFluxx, seja fluxos de pixeis ou talvez pixeis em fluxo. Nesse ponto que se encontra o trabalho do Coletivo PixxFluxx, intervir no fluxo de pixeis e partindo desse princípio, criar trabalhos como por exemplo projeções mapeadas e instalações interativas.

Os Vj’s já há um tempo vem dominando a arte de editar vídeos em tempo real, principalmente nas festas e baladas em Club’s e Festivais de música Eletrônica, mas hoje, há um desdobramento do trabalho do VJ que são as projeções mapeadas em fachadas de prédios ou em ambiente indoor. Com novos softwares, os VJ’s podem manipular de verdade o pixel da imagem digital do projetor de imagens, fazendo “casar” a imagem projetada com os detalhes da arquitetura.

61


Cenografia projetada no show da banda capixaba Pode ser Emoriô.

zamos um videomapping em dois grandes prédios na Praça Castro Alves na subida do Pelourinho. Ao todo foram usados 03 projetores de 20 mil lumens para cada prédio!

Isso é Video Mapping ou Projeção 3D. Vídeos que dialogam com a topografia da fachada como janelas, marquises, colunas, etc, são produzidos criando efeitos visuais possibilitando experiência visual bem emocionante.

Através de técnicas de Videomapping, as fachadas dos prédios e até mesmo superfície de carros e outros objetos viram telas que recebem projeção de imagens. Mas o espetáculo, é visto apenas por um grupo de pessoas, pois a exibição não é como no cinema, ficando vários dias com vários horários. Logo entra aqui uma nova ferramenta nessa época de publicidade 2.0 que é a viralização de conteúdos na web. Vídeos gravados até mesmo em celulares, se multiplicam na rede com a tag videomapping. Faça uma pesquisa e se divirta!

A potência dos projetores de imagens que um dia se restringia a apenas 2500 lumens (unidade de potencia), hoje chega a 33 mil e ainda com possibilidade de unir as forças de dois ou mais projetores em uma única tela. É assim que foi feito por exemplo, no último trabalho que o coletivo participou no último carnaval em Salvador, onde o PixxFluxx teve a oportunidade de participar de um trabalho junto com o United VJ’s, coletivo formado por pessoas de vários países, onde reali-

62


Intevenção Urbana para o SEDA (Semana do Audio Visual).

Formado por artistas multimídias, o coletivo com quase dois anos de pesquisa e trabalhos já ganhou editais que possibilitaram ao grupo que pudessem fazer inúmeras intervenções pela cidade de Vitória. Uma delas foi no prédio da Escelsa, localizado na Praça Costa Pereira e no Prédio do Saldanha da Gama ambos no Centro de Vitória. Na realidade, a forma mais mágica de manipular os pixels da imagem digital é através de códigos de programação. O PixxFluxx também cria instalações multimídia com uso de câmeras, sensores de movimentos, etc... onde é possível criar ambientes onde o participante interage com a imagem projetada. www.pixxfluxx.com.br Intervenção mapeada no 18º Vitória Cine Vídeo.

63


EDITORIAL DE MODA

64


65


EDITORIAL DE MODA

66


67


EDITORIAL DE MODA


Tendência Altinhade praia Fotos: Raphael Gasparine

A altinha de praia, que nasceu e virou tendência nas praias cariocas, chegou ao Estado. Alguns atletas não abrem mão do esporte que privilegia o controle, a criatividade e o estilo.

Esporte é vida, e são sempre bem vindos, só vale ressaltar que uma relação harmônica com os banhistas é fundamental.

69


www.cafedelmarco.com.br Fotos Herlon Ribeiro

Restaurante TAJ VIX

Diego Nunes e Marcela de Azevedo Ant么nio Camilo, Carlos Eduardo, Darinho Cruz e Carlos Magalh茫es

Julia Lopes e Fernando Gustavo Alexandre Azevedo e Gil Quemeline

Camila Reuter, Camila Covatti e Vanessa Frasson Bruno Lopes e Mariana Machado

70


Raissa Muller e Isabela Loyola Debora Forzza e Georgia Nader

Meriland Henriques, Riza e Desire Santos Enzo Mazzini e Ana Luiza

Vitor Mazzini e Larissa Galvan Nadia Cruz e Carolina Cruz

Gustavo Mattedi e Camilla Frizzera

71


TURMINHAMACAKIDS O alto vôo dos macaquinhos capixabas

Ambientalismo - Araújo, que é também mergulhador e praticante de pesca submarina desde menino, conhece bastante os problemas ambientais de sua região. Portanto, o foco das histórias dos Macakids está sempre voltado para a prática de uma vida sustentável.

empresário cultural capixaba Mikael Araújo é o exemplo típico do sujeito que ganha um limão e faz dele uma limonada. Afinal, foi de um apelido preconceituoso que nasceu o nome Macakids, que hoje batiza uma turminha que já virou HQ, animação, chegou à TV e promete voar muito mais alto. Marlene Mattos, a produtora que lançou a apresentadora Xuxa na TV, enxergou o potencial da turminha e vai apresentá-la para várias emissoras brasileiras.

Mikael Araújo parece estar apenas começando. Tem tudo para ganhar o mundo, em companhia de Caco, Tonico, Kinho, Drika, Kinha, Babu, Rudá, Pelota, Macacréia e Picareta, seus macaquinhos capixabas.

Comercialmente, os Macakids já ilustraram embalagens de picolé, mochilas e outros artigos infantis. Os Macakids já geraram cinco contratos de licenciamento, revista em quadrinhos, DVD de desenho animado, fãs por todo o estado, apresentações em escolas, matérias em todos os canais locais de TV e jornais.

Sua história de empreendedor ainda jovem sugere também que, ainda que timidamente, a famosa frase do escritor e dramaturgo Nelson Rodrigues (19121980), segundo a qual “O brasileiro tem complexo de vira-latas”começa a perder o sentido, para alegria geral.

Leia a matéria completa no nosso site. Visite www.atitudeonline.com.br.

72


73


74


PĂŠ na estrada

Pra lĂĄ de

Marrakech Por Jennifer Simionato

75


cidade na cor terra! O encantamento vem da mistura de gente e informação em abundância. Choque cultural, território africano, com ares árabes, aproximação e convivência com pessoas em uma realidade bem diferente. Na Medina, com suas ruas labirínticas, você vive o dia a dia maluco da cidade; na Praça Djemma, come as comidas mais diferentes, e nos riads, hotéis ao estilo de antigas residências, você encontra o charme e a gentileza dos que trabalham.

76


77


78


É imperdível conhecer o Souq, a feira de objetos, roupas, lembranças, antiguidades e todo o mais; experimentar as especiarias, perfumes e incensos naturais, e fazer passeios por intermédio de agências, que não saem caros e são bem bacanas, inclusive para o deserto do Saara.

É uma viagem para se aguçar a percepção visual, de movimentos, de convívio, de ambiente, de cultura, comida, de gentileza e de malandragem... Bem-vindo a Marrakech!

79


cinEMA anderson silva - Como Água

anderson silva: like Water

direção: Pablo Croce Gênero: Documentário duração: 76 min. distribuidora: Califórnia Filmes estreia: 16 de Março de 2012 sinopse: Anderson Silva é o homem mais mortífero do planeta -- o campeão mais duradouro do UFC e o lutador de MMA mais temido. Anderson Silva: Como Água oferece uma perspectiva única da lenda viva ao mostrar os treinos com os amigos lutadores Lyoto “O Dragão” Machida, Júnior dos Santos e Antônio “Minotauro” Nogueira, em preparação para a defesa do título de sua carreira contra seu arquiinimigo Chael Sonnen. Sonnen, um ex-campeão conhecido por muitos por ter a habilidade necessária para derrotar Anderson Silva.

Billi pig billi pig

elenco: Grazi Massafera, Selton Mello, José Eduardo Belmonte, Otávio Muller, Milhem Cortaz, Cassia Kiss, Milton Gonçalves, Preta Gil, Sandra Pêra, Zezé Barbosa. direção: José Eduardo Belmonte Gênero: comédia duração: 111 min. distribuidora: Imagem Filmes estreia: 2 de Março de 2012 sinopse: A aspirante a atriz Marivalda (Grazi), seu marido Wanderley (Selton), um corretor de seguros falido e um falso padre (Milton Gonçalves) fazem de tudo pra se dar bem na vida. Mas eles acabam nas mãos do chefe do tráfico, a quem prometeram salvar a vida de sua filha, atingida num tiroteio durante uma festa em São Cristóvão. Uma grande recompensa em dinheiro está em jogo e agora os três têm que correr atrás do milagre prometido.

Fúria de Titãs 2 Wrath of the titans

elenco: Sam Worthington, Ralph Fiennes, Liam Neeson, Rosamund Pike, Toby Kebbell, Danny Huston, Édgar Ramírez, George Blagden. direção: Jonathan Liebesman Gênero: Ação distribuidora: Warner Bros. estreia: 30 de Março de 2012 sinopse: Uma década após ter derrotado heroicamente o monstro Kraken, Perseu (Sam Worthington) -- o semideus filho de Zeus (Liam Neeson) -- tenta levar uma vida mais tranquila como pescador e pai de Helio, um menino de 10 anos. Com a ajuda da rainha guerreira Andrômeda (Rosamund Pike), do filho semideus de Posseidon, Agenor (Toby Kebbell), e do deus caído Hefesto (Bill Nighy), Perseu embarca bravamente em uma perigosa busca no submundo para derrotar os Titãs e salvar Zeus e a humanidade.

80


Guerra é Guerra! This Means War

Elenco: Reese Witherspoon, Chris Pine, Tom Hardy, Laura Vandervoort, Til Schweiger, Rebel Wilson, Angela Bassett, Abigail Spencer, Emilie Ullerup, Chelsea Handler. Direção: McG Gênero: Comédia/Ação Duração: 120 min. Distribuidora: Fox Film Estreia: 16 de Março de 2012 Sinopse: Na comédia romântica de ação ‘Guerra é Guerra’, dois amigos inseparáveis (Pine e Hardy) se apaixonam pela mesma garota (Witherspoon) e acabam entrando em uma guerra cheia de ação para conquistá-la. Como ambos são veteranos espiões, a batalha pelo coração da garota toma grandes proporções.

John Carter: Entre Dois Mundos John Carter

Elenco: Taylor Kitsch, Lynn Collins, Willem Dafoe, Bryan Cranston, Ciarán Hinds, James Purefoy, Mark Strong, Dominic West, Thomas Haden Church, Samantha Morton. Direção: Andrew Stanton Gênero: Fantasia Duração: 123 min. Distribuidora: Walt Disney Brasil Estreia: 9 de Março de 2012 Sinopse: John Carter é uma aventura de ação envolvente ambientada no misterioso e exótico planeta de Barsoom (Marte). O filme conta a história de John Carter (Taylor Kitsch), que é inexplicavelmente transportado para Marte onde se vê envolvido em um conflito de proporções épicas entre os habitantes do planeta, incluindo Tars Tarkas (Willem Dafoe) e a atraente Princesa Dejah Thoris (Lynn Collins). Em um mundo à beira do colapso, Carter descobre que a sobrevivência de Barsoom e de seu povo está em suas mãos.

Protegendo o Inimigo

Safe House

Elenco: Ryan Reynolds, Denzel Washington, Vera Farmiga, Brendan Gleeson, Robert Patrick, Sam Shepard, Liam Cunningham, Joel Kinnaman, Tanit Phoenix, Stephen Bishop. Direção: Daniel Espinosa Gênero: Ação Duração: 115 min. Distribuidora: Paramount Pictures Estreia: 16 de Março de 2012 Sinopse: Washington interpreta o mais perigoso renegado da CIA, que está de volta depois de uma década como fugitivo. Quando o esconderijo na África do Sul onde ele está detido é atacado por mercenários, o inexperiente oficial (Reynolds) foge junto com ele. Agora, os mais improváveis aliados têm que permanecer vivos o maior tempo possível para descobrirem quem os quer mortos.

81


CRONICARNAVALESCA

RESSACA

O carnaval se esforça, inutilmente, para competir com a realidade brasileira. Para não que dizer perde em tudo, ganha no quesito Maior Feriadão do Ano. Na Bahia, são quase 10 dias de folia. Mas vá contar os dias de folga dos nossos políticos ao longo do ano. Tadinho do carnaval baiano. Impiedosamente derrotado. Nada a estranhar. Afinal, a célebre frase de Aristóteles “A arte imita a Natureza” já se transformou, há muito, em “A arte imita a Vida”. Fomos mais longe, ainda, e hoje o “hype” é dizer que “A vida imita a Arte”. Nesse quesito, podemos pular de gregos para romanos e baianos. Da Roma antiga, veio o princípio segundo o qual “Gosto não se discute”, que, no original era “Gostos e cores não se discutem” (“De gustibus et coloribus non disputantur”). Dia desses, fui a uma exposição de arte e vi um grupo parado em frente a uma parede em que estava afixada uma “instalação”: eram quatro panos de prato, usados, costurados um ao outro. Dia desses, ouvi de um ácido e culto bebum: depois que música, futebol e outros tipos de atividade cresceram de valor no mercado, descobrir seu dom

82

por Tavares Dias verdadeiro e trabalhar nele a sério, que é bom, é coisa que pouca gente quer. E ai de quem goste de boa a música, bom futebol e boa Arte. E é claro, também, agora quem diz sou eu mesmo, não o bebum aí de cima, que os romanos estavam completamente enganados em sua famosa frase: gosto evolui, sim, desde que se permita que a pessoa seja exposta a variados tipos de experimentações artísticas, de modo a enriquecer sua percepção, o que nossas “otoridades”culturais e os nossos meios de comunicação de massa, ressalvada uma ou outra grata exceção, estão longe de topar fazer. Não custa lembrar que alguns dos principais jornais do país trazem hoje páginas dedicadas a essas prodigiosas artistas, brasileiras e internacionais, chamadas sabiamente de marias-chuteiras. A alegria do carnaval já deixou de ser pura há tempo; os sambas-enredo aceleraram tanto o andamento que podem ser marchados, militarmente; a classe média invadiu os desfiles, o que fez com que desaparecesse o famoso “samba no pé”, porque as novelas e biguibródis não deixam nossas dondoquinhas sair de casa para frequentar ensaios de escolas de samba. Registrem-se esforços românticos e idealistas como os da bateria da Mangueira, os bonecos de Olinda, o Carnaboi de Manaus, as cavalhadas de Minas, um outro exemplo aqui e ali. O resto é violência, erotismo vulgar, o reino dos valores invertidos. Milhares morrem em acidentes de carro motivados pelo álcool e por outras drogas; o país deixa de produzir e de arrecadar, e o HIV e outras DSTs nadam de braçada. Em novembro, aflora a safra de crianças indesejadas, reflexo de poucos dias de uma liberação excessiva de reprimidos e impotentes cujas (pobres) vidas imitam uma (patética) arte. Assim mesmo, com minúscula. Enquanto isso, na Praça dos Três Poderes, o silêncio do bloco Farinha Pouca é ensurdecedor... Jornalista, escritor. Mestres em Estudos Literários


83


transformando idĂŠias desde

2002

DESIGN

84

27

3317-8697

Revista Atitude #2  

Revista sobre música, eventos, arte, esporte e lifestyle.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you