Page 1

SAMUEL RYMER MEMORIAL DESCRITIVO

Porto Alegre – 2015 Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia


SAMUEL RYMER MEMORIAL DESCRITIVO

Promoção a Professor Titular do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre – 2015


Sumário Apresentação� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 7 Linha do Tempo� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 9 Requisitos Solicitados pelo Edital� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 61 1 – ATIVIDADES DE ENSINO E ORIENTAÇÃO � ����������������������������������������������������� 62 A – Atividades ligadas à graduação � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 64 B – Atividades ligadas ao ensino da oftalmologia nos programas de Residência� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 64

2 – ATIVIDADES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL� ������������������������������������������������ 66 2.1 – Artigos completos publicados em periódicos� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 66 2.2 – Capítulos de livros publicados� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 69 2.3 – Resumos publicados em anais de congressos� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 71

3 – APRESENTAÇÕES DE TRABALHOS E PALESTRAS�������������������������������������� 73 4 – ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS������������������������������������������������������������������������������� 81 5 – PARTICIPAÇÃO EM BANCAS DE CONCURSOS, MESTRADO OU DE DOUTORADO����������������������������������������������������������������������� 81 5.1 – Dissertações de mestrado� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 81 5.2 – Teses de doutorado� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � 82


5.3 – Participação em bancas de comissões julgadores Concurso público� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � ��� 83 5.4 – Outras participações� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � ��� 84

6 – COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA, ENSINO OU EXTENSÃO E LIDERANÇA DE GRUPOS DE PESQUISA������������������������������������������������������������������������������������� 84 6.1 – Projetos de Pesquisa� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � ��� 84 6.2 – Liderança de grupo de pesquisa� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � ���� 86

7 – RECEBIMENTO DE COMENDAS E PREMIAÇÕES ADVINDAS DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES ACADÊMICAS��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 86 8 – EXERCÍCIO DE CARGOS NA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL E/OU COLEGIADOS CENTRAIS E/OU DE CHEFIA DE UNIDADES/SETORES E/OU DE REPRESENTAÇÃO���������������������������������������������������������������������������������� 87 8.1 – Chefias de Unidades� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � ��� 87 8.2 – Atividades de representação� � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � � ��� 88

9 – ATIVIDADES DE EXTENSÃO�������������������������������������������������������������������������������� 88


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Apresentação A sensação que tenho ao iniciar este memorial é semelhante à de um escritor quando está prestes a iniciar um novo livro. A vantagem do escritor é que ele pode navegar livremente pela ficção, criando histórias e personagens, inventando inícios e fins e, mesmo assim, imagino que é sempre difícil começar a escrever. Este memorial, por sua vez, não permite essa natureza de viagem, devendo o autor ater-se a fatos concretos que, ao longo de minha trajetória de vida, desenharam meu perfil pessoal e acadêmico. Entre os desafios de redigir este memorial, o primeiro, obviamente, reside no fato de que não sou um escritor. Outro ponto delicado é o entendimento de que, neste caso particular, este memorial tem por objetivo ser avaliado, para que uma banca conclua se sou merecedor do posto a que aspiro, qual seja, o de professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O objetivo deste texto é ressaltar momentos importantes em minha trajetória acadêmica, segundo minha perspectiva, sem, contudo, escorregar para uma visão pretensiosa do que isso significou. Procurarei, ao longo da escrita, encontrar, na medida do possível, esse equilíbrio. Este memorial está organizado em duas partes. A primeira, denominada “Linha do tempo”, trata de minhas origens, minha formação acadêmica e profissional e minhas atividades docentes. Abrange todos os acontecimentos que considerei importantes para as minhas formações pessoal e acadêmica e que, de uma forma ou outra, as influenciaram. A segunda parte, intitulada “Requisitos solicitados pelo edital”, mais formal e obedecendo aos requisitos solicitados pelo edital, contempla atividades de ensino, pesquisa, extensão, gestão e produção profissional desenvolvidas ao longo de minha trajetória profissional.

7


8


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Linha do Tempo Nasci na Itália, em 1946, no ano seguinte ao término da segunda grande guerra. Meus pais, nascidos na Polônia, estavam na Itália à espera de um novo rumo para as suas vidas. Com 3 meses de idade, vim com os meus pais ao Brasil. Meu pai era alfaiate, estabeleceuse em Curitiba e assim como tantos outros imigrantes, iniciou uma nova vida de muito trabalho, mas com muita esperança e disposição. Quatro anos depois, nasceu minha única irmã, infelizmente já falecida.

9


LINHA DO TEMPO

Na época, o sonho de todo imigrante era que seus filhos tivessem uma formação acadêmica e obtivessem um diploma, de preferência de Doutor, pois isso significava segurança. Meu pai não chegou a me ver com o diploma em mãos porque faleceu precocemente, aos 54 anos, mas pude, ao menos, proporcionar a ele a alegria de me ver A bordo do navio / Primeiros anos / Foto de família década de 1960

10


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

ingressar na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná, em 1965, no primeiro vestibular, e onde me formei em 1970.

Universidade Federal do Paraná

Assim como em Porto Alegre e em algumas outras capitais, o Hospital de Clínicas de Curitiba era o hospital universitário de apoio à Faculdade de Medicina. Lá tive grandes mestres com os quais aprendi muito e que me auxiliaram a fim de constituir a base necessária para as etapas seguintes na carreira médica. Diante das várias opções de especialidade em Medicina, é sempre um dilema escolher uma, porque ao fazê-la preterimos outras e nos perguntamos se realizamos a escolha correta. Hoje posso dizer que sim, fiz a escolha correta: oftalmologia . Nessa decisão, tive a influência importante, ainda durante o curso de graduação, do professor Paulo Grupenmacher, que, além de me incentivar, foi para mim um exemplo como professor e como pessoa.

Hospital de Clínicas da UFP- Curitiba

11


LINHA DO TEMPO

12


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Em Curitiba, naquele tempo, não havia um bom serviço de residência em oftalmologia. Então, para enfrentar esse novo desafio, em 1971, fiz concurso para residência em oftalmologia no Hospital de Clínicas da Universidade de São Paulo que, na ocasião, juntamente com o serviço do professor Hilton Rocha, na Universidade Federal de Minas Gerais, eram considerados os melhores serviços de residência em oftalmologia do Brasil. Deduzo que o curso de Medicina na Universidade Federal do Paraná era de muita qualidade, pois das duas vagas disponíveis para candidatos de fora de São Paulo, uma delas coube a mim, após a realização de uma prova dissertativa de Medicina Geral, de uma entrevista e de um exame de língua estrangeira. Cursei a residência nos anos de 1971 e 1972 em uma cidade cuja cultura era diferente da daquela onde passei minha infância e adolescência. Encontrei um ambiente altamente competitivo, mas que me fez amadurecer e amealhar conhecimento para seguir em frente. Durante a residência, tive a oportunidade e o privilégio de conviver e aprender com grandes mestres da oftalmologia, dos quais cito o professor Paulo Braga de Magalhães, catedrático do serviço naquele período, o professor Celso Antônio de Carvalho, o professor Sérgio Cunha e o professor Jorge Alberto Fonseca Caldeira.

Ao final do ano de 1972, realizei o exame para obter o título de Especialista em Oftalmologia da Associação Médica Brasileira (AMB), expedido em convênio com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).

13


LINHA DO TEMPO

Título de Especialista em Oftalmologia AMB/CBO

No início de 1973, prestei concurso público para médico oftalmologista do Hospital do Servidor Público de São Paulo, sendo classificado em segundo lugar e, assim, assinei meu primeiro contrato de trabalho como médico oftalmologista. Lá trabalhei até o final daquele ano, quando então começa a minha história em Porto Alegre.

14

Hospital do Servidor Público Estadual São Paulo


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Primeiro contrato de trabalho

15


LINHA DO TEMPO

Dezembro de 1973. Novo desafio! Não conhecia ninguém nesta cidade, além dos familiares da minha então futura esposa, razão pela qual troquei de cidade. O período em que vivi em São Paulo me mostrou que os desafios estão aí para serem enfrentados. E assim foi. Trouxe cartas de recomendação de meus professores da residência, Dr. Sérgio Cunha e o Dr. Jorge Alberto Fonseca Caldeira, as quais muito auxiliaram em meus primeiros passos em terras gaúchas. Fui aceito como preceptor dos residentes na Clínica Corrêa Meyer, na época a mais prestigiada da cidade e talvez do Estado, vinculada à então Faculdade Católica de Medicina. Lá permaneci por cerca de dois anos. Cabe aqui agradecer muito ao professor Rivadávia Corrêa Meyer e ao professor Ítalo Marcon, que me acolheram afetuosamente. Essa atividade foi muito importante para minha inserção inicial na vida profissional e, também, para outras etapas da minha trajetória acadêmica. Na vida, além do nosso esforço pessoal, precisamos de um pouco de sorte e estar no lugar certo no momento certo. Foi o que aconteceu quando tive a oportunidade, seis meses após ter chegado a Porto Alegre, de prestar concurso para professor no Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e ter sido aprovado. Fui contratado em 1975 e aqui me encontro até hoje. Em 1975 tive o privilégio de iniciar o Serviço de Oftalmologia do Grupo Hospitalar Conceição (GHC), onde trabalhei por 28 anos, primeiramente no Hospital Conceição e, mais tarde, no Hospital Cristo

16


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

17


LINHA DO TEMPO

18


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Redentor. No Hospital Conceição deixei um serviço estruturado, que conta hoje inclusive com um programa de residência médica em oftalmologia credenciado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC). Causou-me grande alegria o fato de minha filha Bruna ter prestado concurso e ingressado como oftalmologista naquele mesmo serviço que um dia fundei. Fiquei muito honrado também pela homenagem a mim prestada, em abril de 2012, por parte da chefia do serviço, na pessoa da Dra. Helena Pakter. Nessa ocasião, tive oportunidade de relatar aos médicos e funcionários que hoje lá atuam, um pouco da história da criação e do desenvolvimento do Serviço de Oftalmologia daquele hospital.

Palestra durante a homenagem no GHC

Em 1977, prestei concurso para Professor Titular no Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade Católica de Pelotas (UCPEL), tendo assumido a titularidade da cadeira em dezembro de 1977 e lá permanecido por 11 anos. Considero essa experiência muito marcante, posto que eu havia terminado a residência havia apenas cinco anos, quando assumi a titularidade da disciplina.

19


LINHA DO TEMPO

20


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Na década de 1970, o ingresso como professor na UFRGS não era acompanhado da entrada automática no corpo clínico do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), como ocorre nos dias de hoje. Por essa razão, só ingressei no Serviço de Oftalmologia do Hospital de Clínicas em 1984, quando passei a chefiar o Setor de Córnea e Doenças Externas, cargo que continuo ainda exercendo. Com uma equipe qualificada é fácil ser um bom técnico e colecionar vitórias. Em 1986 organizamos a equipe de transplante de córnea do HCPA e a excelência de cada um dos integrantes desse setor conferiu a ele uma qualidade ímpar, como terão oportunidade de constatar aqueles que estiverem lendo este memorial. Projetos de pesquisa, publicação de artigos, técnicas pioneiras no Brasil, mestrados e doutorados marcaram e ainda marcam a história deste grupo. Fazem parte dele os professores Francisco José de Lima Bocaccio, Sérgio Kwitko e Diane Ruschel Marinho. Todos colaboraram decisivamente em diferentes etapas, trazendo diferentes contribuições, e esta é uma boa oportunidade para registrar o que de importante cada um deles fez em prol do nosso setor.

O professor Francisco Bocaccio me apoiou e me acompanhou na jornada para implantação do transplante de córnea no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, a qual detalharei mais adiante.

21


LINHA DO TEMPO

O Dr. Sérgio Kwitko trouxe novas técnicas cirúrgicas, muitas vezes pioneiras em nosso meio. Em 1997, assistimos, em Buenos Aires, durante um Congresso Pan-Americano de Oftalmologia, a uma palestra proferida pelo Dr. Kasuo Tsubota, do Japão, um dos grandes expoentes da oftalmologia mundial. O Dr. Tsubota abordou o uso tópico ocular de soro autólogo, por ele preconizado, que desempenha a função do filme lacrimal em pacientes com olho seco grave, por diferentes causas. Trata-se de uma lágrima artificial criada a partir do soro do próprio paciente, com fatores e substâncias importantes não encontradas nos produtos de lágrima artificial produzida em laboratório. Trouxemos essa técnica para o HCPA e até hoje é um recurso poderoso, e muitas vezes o único, para o tratamento do olho seco grave, causado por queimaduras oculares e doenças das membranas mucosas, como a Síndrome de Stevens-Johnson e Doença de Lyell. Temos um projeto de pesquisa, agora assistencial, beneficiando vários pacientes com a utilização desse soro, que agora é produzido em nosso hospital em parceria com o Serviço de Farmácia. Em 1992, nossa equipe havia iniciado um trabalho importante e pioneiro. Eram os primeiros passos de transplante de células-tronco para o epitélio da córnea em queimaduras oculares e doenças das membranas mucosas. Esses eventos provocavam graves lesões oculares, entre eles olho seco secundário grave e destruição das células germinativas responsáveis pela formação de epitélio corneano. Essas células localizam-se no limbo — estrutura situada na periferia da córnea —, que é lesado durante queimaduras químicas ou doenças das membranas mucosas, impedindo a regeneração epitelial normal e causando neovascularização da superfície corneana ou, até mesmo, perfuração de córnea. Nossa equipe foi a primeira a publicar, em 1995, no periódico Ophthalmology, revista oficial da Academia Americana de Oftalmologia, e por conseguinte de grande fator de impacto, os resultados de pareamento HLA entre parentes próximos, em transplante alogênico de limbo, trazendo células-tronco para o epitélio da córnea, sem usar imunossupressão sistêmica, evitando, assim, diversas complicações dela decorrentes. Novamente, um trabalho de equipe. A técnica de transplante de limbo foi trazida pelo Dr. Sérgio Kwitko, que voltava de seu fellowship na Doheny Eye Institute, em Los Angeles.

22


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

23


LINHA DO TEMPO

A professora Diane Marinho implantou, em 1999, em nosso meio, o uso da membrana amniótica em oftalmologia. Ela é utilizada em inúmeras doenças da córnea em razão de sua importante atividade anti-inflamatória, além de sua função como membrana basal para facilitar o crescimento de epitélio na superfície da córnea. Sua utilização tem sido descrita na literatura para o tratamento de defeitos epiteliais persistentes, pterígio recidivado, Síndrome de Stevens-Johnson, Penfigoide cicatricial, queimaduras químicas e ceratopatia bolhosa.Talvez sejamos, no momento, um dos poucos serviços, no Brasil, a utilizar a membrana amniótica. Mantemos, ainda, um banco de membrana para disponibilizá-la a outros serviços quando necessário. O Dr. Sérgio Kwitko, em 2005, mais uma vez teve importante colaboração ao implantar o uso da ceratoprótese, ou seja, a córnea artificial, em pacientes já submetidos a vários procedimentos cirúrgicos, como transplante de células-tronco e transplante de córnea, e que não haviam logrado visão útil. Muitos desses pacientes têm hoje visão normal e retomaram suas atividades de estudo e trabalho.

Ceratoprótese

Recentemente nosso grupo apresentou dois trabalhos no Congresso Mundial de Córnea, em San Diego, na Califórnia, evento de grande importância e que ocorre a cada 5 anos, apresentando resultados com técnicas que utilizam transplante de células tronco, membrana amniótica e soro autólogo.

24


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

25


LINHA DO TEMPO

Nosso serviço não realizava transplante de córnea, deixando de beneficiar milhares de pacientes cegos por doenças da córnea. Em 1986, o professor Bocaccio e eu, definimos novo desafio: implantar o transplante de córnea no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Fechamos nossos consultórios e fomos aprender a realizar transplante de córnea no Banco de Olhos do Hospital do Servidor Público de São Paulo, coincidentemente lugar do meu primeiro emprego. Devemos muito ao Dr. Tadeu Cvintal, na época chefe do Serviço de Oftalmologia e do Banco de Olhos, que nos oportunizou efetuar treinamento nas técnicas de transplante de córnea durante o período de um mês, colocando à nossa disposição a estrutura do Banco de Olhos. O Dr. Tadeu, pessoa muito especial, continuou nos ajudando com a sua sabedoria, nos orientando nos primeiros tempos de transplante em todas as dificuldades técnicas e operacionais por nós enfrentadas.

Dr. Tadeu Cvintal

Em 1993, inauguramos o Banco de Olhos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, que logo se filiou à Associação Pan-Americana de Banco de Olhos (APABO). Fui fundador e diretor médico do Banco de Olhos de 1994 a 2007, quando assumiu a professora Diane Marinho, que lá faz até hoje um trabalho magnífico.

26


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

27


LINHA DO TEMPO

Em 1988, com o professor Bocaccio me auxiliando, realizei o primeiro transplante de córnea da história do Hospital de Clínicas. Eram ainda tempos difíceis. Não se dispunha de meios de preservação para conservar a córnea até a data de realização do transplante, como é feito hoje. Havia um prazo de, no máximo, 48 horas, após a doação para realização da cirurgia. Era comum, portanto, que fôssemos, em nossos próprios veículos, buscar o paciente em casa, para não correr o risco de perder a córnea doada. O primeiro transplante foi um sucesso! Sorte de principiante talvez. De qualquer modo, o paciente ficou tão feliz que me prestou uma comovente homenagem: deu o meu sobrenome, Rymer, como nome a seu filho que viria a nascer naquela mesma semana: Albano Rymer Custódio...

28


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

29


LINHA DO TEMPO

30


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Passados esses anos todos, o transplante de córnea estruturou-se solidamente no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Tenho orgulho de coordenar uma equipe altamente capaz. Um dos profissionais que a compõe foi recentemente contratado, por meio de concurso público, e dedica-se exclusivamente ao transplante de córnea, a Dra. Melissa Manfrói Dal Pizzol. O Serviço de Oftalmologia dispõe, ainda, duas vagas para residentes (R4), exclusivamente em Programa de Residência Médica em Transplante de Córnea. Isso tudo faz que hoje sejamos o serviço que mais realiza transplantes no Hospital de Clínicas, o primeiro em transplantes de córnea no Rio Grande do Sul e o sexto no Brasil, entre 23 Estados. Desde que iniciamos, em 1988, cerca de 3.500 transplantes de córnea foram realizados em nosso serviço.

Ranking de transplantes no HCPA

31


LINHA DO TEMPO

Portaria Nº416 do Ministério da Saúde-Renovação de autorização para realizar retirada e transplante de tecido ocular humano

32


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Portaria renovando autorização HCPA para transplantes

33


LINHA DO TEMPO

Portaria renovando autorização HCPA para transplantes

34


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Atualmente, 24 fellows e residentes, que fizeram formação em doenças e transplante de córnea em nosso serviço, encontram-se distribuídos em distintos municípios do Estado do Rio Grande do Sul e em outras cidades do Brasil, disseminando conhecimentos adquiridos durante residência ou fellow no nosso serviço. Em final de 2015, mais dois residentes terminarão sua formação em transplante de córnea.

Fellows do Setor de Córnea e Residentes de Transplante de Córnea do Hospital de Clínicas de Porto Alegre Residentes e Fellows

Conclusão

Local

1. Diane Ruschel Marinho

1991

Porto Alegre/RS

2. Cristiano de Queiroz Mendonça

1993

Aracaju/SE

3. Roseli Henkin Raskin

1994

Porto Alegre/RS

4. Luciano Costa Passos

1995

Sao Leopoldo/RS

5. Maria Claudete Ribeiro Duarte

1996

Pelotas/RS

6. Patricia Iioschpe Gus

1997

Porto Alegre/RS

7. Luciana Bortolomiol

1998

Sao Leopoldo/RS

8. Tiago Bisol

1999

Rio de Janeiro/RJ

9. Cristiano Leites Flamia

2000

Palmas/TO

10. Fábio Dornelles

2003

Porto Alegre/RS

19. Cláudia Leite Kronbauer

2010

Porto Alegre/RS

11. Nórton Souto Severo

2003

Porto Alegre/RS

20. Otávio de Azevedo Magalhães

2011

Porto Alegre/RS

12. Claúdia Martins Borowsky

2004

Porto Alegre/RS

21. Daniele Sayuri Suzuki

2012

Curitiba/PR

13. Andressa Prestes Stolz

2007

Porto Alegre/RS

22. Rodrigo Carrion

2012

Cachoeira do Sul/RS

14. Luciano Bellini

2007

Porto Alegre/RS

23. Luciana Costa Gama

2012

Porto Alegre/RS

15. Melissa Manfroi Dall Pizzol

2008

Porto Alegre/RS

24. Tiago Ribreiro Ledur

2013

Porto Alegre/RS

16. Andréia Ferreira Laranjeira

2009

Canela/RS

25. Bruno Botton

2013

Santa Maria/RS

17. Laura Ludwig

2009

Porto Alegre/RS

26. Bruno Schneider de Araújo

2015

Porto Alegre/RS

18. Bruna Lima Rymer

2010

Porto Alegre/RS

27. Felipe Pigozzi Cabral

2015

Porto Alegre/RS

Residentes e Fellows

Conclusão

Local

35


LINHA DO TEMPO

Em 1992, um novo desafio. Minha inquietude buscava novas experiências e diferentes conhecimentos. A família, esposa e duas filhas, uma com 8 e outra com 10 anos, mudou-se para o Canadá. Fui para Montreal, como bolsista do CNPq, realizar uma especialização, lá denominada de Post-doctoral training and fellowship, na McGill University. Permanecemos até 1993, e considero que a experiência foi enriquecedora, tanto no plano profissional como no pessoal. Para minhas filhas foi uma oportunidade de viver em outro país, conhecer outra cultura e também enfrentar desafios, entre eles o de aprender a falar duas línguas: o francês e o inglês.

Professor Marvin Kwitko

No plano profissional, fui recebido em Montreal pelo Dr. Marvin Kwitko, professor associado de oftalmologia na McGill University e chefe do Serviço de Oftalmologia do St. Mary’s Hospital, também ligado à McGill University. Ele foi um pioneiro de cirurgias oftalmológicas no Canadá, no campo de catarata e da cirurgia refrativa, tendo sido o primeiro oftalmologista a implantar lentes intraoculares em cirurgias de catarata e o primeiro também a realizar cirurgia refrativa, a ceratotomia radial, para tratamento da miopia e de outros erros de refração. Com ele muito aprendi, não somente nas salas cirúrgicas, onde aprendi oftalmologia, mas também em outros espaços, em conversas sobre temas gerais, como cultura, política, profissão, dentre outros. Mais tarde, em 1995, tive a oportunidade de retribuir um pouco tudo que o Dr. Marvin havia feito por mim quando ele veio ao Brasil para participar do XXVIII Congresso Brasileiro de Oftalmologia. Na ocasião, ele juntamente com a esposa, estiveram conosco em Porto Alegre e, na sequência, seguimos para Salvador, onde ocorreu o evento. Nesse congresso, tive o privilégio de coordenar um curso da Sociedade Brasileira de Lentes de Contato e Córnea (SOBLEC), que contou com a participação do Dr. Marvin. O Dr. Marvin Kwitko faleceu, em Montreal, em 2002.

36


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

37


LINHA DO TEMPO

Certificado de fellowship and post-doctoral training in Ophthalmology- Anterior segment surgery

38


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

No período que passei em Montreal, talvez a atividade mais difícil tenha sido a apresentação de trabalho no mais importante evento de pesquisa oftalmológica, o qual reúne os quatro hospitais ligados à McGill University: o McGill Ophthalmology Day. Foi um exercício de superação das diferenças culturais e linguísticas com resultado altamente satisfatório, pois, além de ter cumprido a missão a contento, o artigo preparado para o evento foi publicado na revista Cataract and Refractive Surgery.

39


LINHA DO TEMPO

40


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

41


LINHA DO TEMPO

Ainda naquela ocasião, tive a honra de tornar-me membro internacional da Canadian Implant Association, instituição presidida por uma das figuras mais importantes da história da oftalmologia, o Dr. Harold Ridley, o oftalmologista que idealizou o implante de lentes intraoculares nas cirurgias de catarata, mudando por completo a história da oftalmologia nessa área.

Já de volta ao Brasil, em 1995, defendi minha dissertação de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Oftalmologia na UNIFESP, Capes 7, com o trabalho intitulado Comparação da eficácia antimicrobiana de três diferentes meios de preservação da córnea.

42


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

43


LINHA DO TEMPO

44


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Na linha de pesquisa assumida –, transplante de limbo, ou seja, de células-tronco–, foi possível gerar, em seguida, minha tese de doutorado, além de outras pesquisas desenvolvidas pela equipe de córnea e doenças externas do HCPA. Em uma outra perspectiva de ação, nos anos de 1996 e 1997 exerci a função de chefe do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da UFRGS. Foi uma nova, e muito boa, experiência, haja vista que cargos de gestão contribuem para que se tenha uma visão mais ampla da Faculdade de Medicina, não só no que se refere ao currículo, mas também no que se refere aos processos administrativos. Tive o privilégio de participar do período da construção do novo prédio da FAMED, onde hoje estão instalados departamentos, biblioteca e auditórios. No ano 2000, defendi a minha tese de doutorado, também no Programa de PósGraduação em Oftalmologia da UNIFESP, Capes 7, cujo título era: Estudo comparativo entre transplante autólogo de limbo conjuntival e de limbo córneo-conjuntival no tratamento das queimaduras químicas oculares em coelhos. Como não havia ainda, nas dependências do HCPA, um Centro de Pesquisas como há atualmente, o trabalho experimental foi desenvolvido no biotério do Instituto de Pesquisas Biológicas do Estado do Rio Grande do Sul (IPB). Foi um trabalho longo e exaustivo, no qual contei com a colaboração do professor Francisco Bocaccio, que me emprestou o microscópio para as cirurgias, e da professora Diane Marinho, que me auxiliou nas cirurgias. Após o término da parte cirúrgica, do tratamento pós-operatório e da documentação das várias etapas do seguimento, as córneas foram enviadas ao Serviço de Patologia Oftálmica da McGill University, chefiado pelo brasileiro professor Miguel Burnier Júnior, para a realização dos exames de imunistoquímica. A razão pela qual o material foi enviado para tão longe, foi o fato de não haver, na ocasião, anticorpos monoclonais específicos disponíveis no Brasil. Tenho muito a agradecer ao professor Professor Miguel Burnier pela disponibilidade e pelo trabalho magnífico, conferindo alta qualidade à análise do material. Ele ainda participou da banca examinadora da minha tese.

45


LINHA DO TEMPO

Ata da defesa de Tese do Doutorado

46


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

47


LINHA DO TEMPO

48


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

49


LINHA DO TEMPO

50


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Em 2001, fui nomeado chefe do Serviço de Oftalmologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, cargo que ocupei durante duas gestões, ou seja, oito anos, tempo máximo segundo o estatuto do hospital.

51


LINHA DO TEMPO

Ato de designação como Chefe do Serviço de Oftalmologia do HCPA- 1ª gestão

52


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Ato de designação como chefe do Serviço de Oftalmologia do HCPA- 2ª gestão

53


LINHA DO TEMPO

Neste mesmo período, coordenei o Serviço de Residência em Oftalmologia do HCPA, credenciado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) e também pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) como curso de Especialização em Oftalmologia.

Credenciamento do Curso de Especialização em Oftalmologia do CBO

Foi uma nova e importante experiência, pois o serviço é como uma empresa, devendo ser administrada de modo eficiente, cumprindo a função assistencial à ela inerente e, ao mesmo tempo, promovendo ensino qualificado da oftalmologia para os residentes que ali efetuam a sua formação como especialista.

54


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Em minha atuação, procurei honrar a qualidade impressa ao serviço pelos chefes que me precederam: professor professor Luiz Osório, professor Paulo Esteves, professor Idel Kwitko e professor Jacó Lavinsky, que em sua primeira gestão foi responsável pela estruturação do serviço, tal como funciona ainda hoje. Por seus méritos hoje ele é mais uma vez o chefe do Serviço de Oftalmologia do HCPA. Quanto aos resultados do ensino na residência, penso que foram e continuam sendo alvissareiros. Já há muitos anos os residentes do Serviço de Oftalmologia têm desempenho extraordinário nas difíceis provas para obtenção do título de Especialista em Oftalmologia do CBO e Associação Médica Brasileira. O serviço esteve sempre entre os primeiros colocados do país. Em 2007 obtivemos o primeiro lugar no Brasil, e a Dra. Melissa Manfrói, hoje médica contratada da equipe do transplante de córnea, ganhou a Beca Marcos Lottenberg. Esse prêmio anual, denominado “Maimônides, premiava o aluno do curso de especialização, credenciado pelo CBO, com a maior média na Prova Nacional de Oftalmologia e que tivesse obtido a melhor nota daquele ano. O prêmio era um estágio em centro de referência em oftalmologia em Israel, e a Dra. Melissa realizou estágio de quatro semanas no Barzilai Medical Hospital, na cidade de Ashkelon, sob tutela do chefe do Serviço de Oftalmologia, professor Shmuel Levartovsky. Atualmente, 75 cursos de especialização em oftalmologia são credenciados pelo CBO, condição obtida após o cumprimento de várias exigências em termos de titulação dos professores, carga horária e condições de ensino. O CBO também promove anualmente a Prova Nacional de Oftalmologia para a emissão do título de especialista e para a avaliação permanente da qualidade do ensino da especialidade no Brasil. Atualmente, nosso serviço é o primeiro colocado na média dos últimos quatro anos, concorrendo com serviços altamente conceituados. No período de 01/01/2009 a 31/12/2012 fui representante do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia na Comissão de Graduação da Faculdade de Medicina e mais uma vez tive a oportunidade de entender melhor a estrutura da faculdade. Nessa função, penso ter colaborado, juntamente com os demais representantes, para a melhoria de vários aspectos relacionados ao ensino médico. Fui também representante do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia na Comissão de Extensão da Faculdade de Medicina da UFGRS, no período de 05/10/2009 a 31/03/2011.

55


LINHA DO TEMPO

Edital Concurso Professor Adjunto Banca Examinadora

56


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Após 24 anos de intervalo, em julho de 2012, ocorreu um novo concurso para professor adjunto do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia, na disciplina de Oftalmologia. Tive a honra de organizar o concurso e presidir a banca examinadora, que contou com a valiosa colaboração da Professora Denise de Freitas, chefe do Departamento de Oftalmologia da UNIFESP e do Professor Walter Takahashi, chefe do setor de Retina do Hospital de Clínicas da USP.

Concurso para Professor Adjunto do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia- 2012

No mês de outubro de 2013, foi realizado pela primeira vez no Serviço, um concurso para médico oftalmologista exclusivamente para atuação em transplante de córnea, face a grande atividade ligada a esta área. Tive a incumbência de organizá-lo e presidir a banca examinadora.

57


LINHA DO TEMPO

Uma grande honra foi ter sido designado, em 2014, como um dos cinco membros do NDE (Núcleo Docente Estruturante) da Faculdade de Medicina da UFRGS. O Núcleo Docente Estruturante (NDE), instituído pelo Conselho da Unidade da Faculdade de Medicina para o Curso de Medicina, tem caráter consultivo para acompanhamento do curso, visando à contínua promoção de sua qualidade. Entre as atribuições do NDE estão: a. acompanhar o desenvolvimento do Projeto Pedagógico do Curso; b. contribuir para a consolidação do perfil profissional do egresso, considerando as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso; c. zelar pela execução do currículo; d. indicar formas de articulação entre o ensino de graduação, a extensão, a pesquisa e a pós-graduação, considerando as demandas específicas do curso e de cada área do conhecimento. Essa é uma missão importante e espero estar à altura e colaborar para a melhoria do ensino na nossa Faculdade de Medicina.

58


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE) na Faculdade de Medicina da UFRGS Organização e Coordenação da Banca do Concurso para Professor Adjunto de Departamento de Medicina da UFRGS

Coordenador do Programa de Residência Médica em Transplante de Córnea do HCPA Representante na Comissão de Graduação da Faculdade de Medicina da UFRGS (COMGRAD) – Representante na Comissão de Extensão Chefe do Serviço de Oftalmologia do HCPA e Coordenador da Residência Médica Oftalmológica do HCPA Tese de Doutorado

Dissertação de Mestrado 1ª Publicação Mundial de Trasnplante de Limbo com Pareamento HLA de Parentes Próximos Diretor médico do Banco de Olhos do HCPA

Inauguração do Banco de Olhos do HCPA

Fellowship na McGill University- Montreal

1º Transplante de Córnea do HCPA Chefe do Setor de Córnea e Doenças Externas do HCPA Concurso para Professor Titular na UFPEL Início no Serviço de Oftalmologia do Hospital Conceição Primeiro emprego – Hospital do Servidor Público de São Paulo Início da Residência na USP Curso de Graduação na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná

59


60


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Requisitos Solicitados pelo Edital A segunda parte deste memorial contempla as atividades de ensino, pesquisa, extensão, gestão e produção profissional desenvolvidas ao longo de minha trajetória profissional.

61


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

1 – ATIVIDADES DE ENSINO E ORIENTAÇÃO Minhas atividades no ensino da oftalmologia começaram muito cedo. Ainda como residente de segundo ano no Hospital de Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), fui convidado a colaborar no ensino da graduação, com o professor Newton Kara José, que havia assumido a disciplina de Oftalmologia na Faculdade de Medicina de Jundiaí. O professor Newton, mais tarde, acabou sendo Professor Titular de Oftalmologia na UNICAMP e na USP. De 1975 a 1986, como já havia relatado anteriormente, fui Professor Titular de Oftalmologia na Faculdade de Medicina da Universidade Católica de Pelotas. Atualmente, minhas atividades de ensino estão ligadas somente à UFRGS e ocorrem basicamente em duas áreas: A. Atividades ligadas à Graduação : aulas, estágios de monitoria e estágios orientados ligados ao mestrado acadêmico B. Atividades ligadas ao ensino da Oftalmologia nos dois programas de Residência Médica do Serviço de Oftalmologia do HCPA: • no Curso de Especialização e Programa de Residência Médica em Oftalmologia, do qual participo como chefe do Setor de Córnea e Doenças Externas • no Curso do Programa de Residência Médica (R4) em Transplante de Córnea, o qual coordeno.

62


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

63


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

A – Atividades ligadas à graduação Aulas na Graduação- Disciplina de OFTALMOLOGIA O ensino da graduação, que é desenvolvido durante todo um semestre, compreende um programa de aulas teóricas para toda a turma de alunos e aulas práticas com pequenos grupos junto ao ambulatório de Serviço de Oftalmologia do HCPA. Os alunos acompanham e atendem pacientes ambulatoriais, acompanham cirurgias oftalmológicas no Centro Cirúrgico, além da participação em seminários nos quais são discutidos temas prevalentes em Oftalmologia que um médico generalista deve conhecer e dominar na medida do possível.

Estágios de monitoria As aulas sempre são acompanhadas por alunos monitores auxiliando o professor e dando os seus primeiros passos no aprendizado mais aprofundado da oftalmologia.

Orientações de Estágio Docência da Pós-Graduação Alunos do Mestrado Acadêmico fazem um estágio orientado pelo professor junto aos alunos de graduação, obtendo com isso créditos no seu programa. Abaixo cito um exemplo de estágio realizado. OFTALMOLOGIA - ESTÁGIO Orientado: Bruna Lima Rymer Nível: Mestrado Acadêmico Data: 04/08/2014 a 20/12/2014 Documento gerado sob autenticação Nº EBM 976 427 PCU Podendo ser constatada em até 90 dias a partir da data de emissão, na Internet, pelo endereço http://www.ufrgs.br/ autenticacao, tendo validade sem carimbo e assinatura. 1/5 Universidade Federal do Rio Grande Sul

B – Atividades ligadas ao ensino da oftalmologia nos programas de Residência • no Curso de Especialização e Programa de Residência Médica em Oftalmologia, do qual participo como chefe do Setor de Córnea e Doenças Externas Objetivos do Programa Capacitar o médico residente na área específica do setor de Córnea e Doenças Externas proporcionando aprendizado teórico e treinamento especializado nesta área durante os 3 anos de residência:

64


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Descrição Metodologia • Reunião Científica Semanal com discussão de casos com toda a equipe, aulas de atualização e revisão da literatura em doenças externas e córnea • Discussão de casos com a presença de todos os preceptores e residentes do setor, semanalmente • Acompanhamento do atendimento ambulatorial dos pacientes do setor • Preceptoria em todas atividades cirúrgicas relacionadas ao setor • Reunião mensal com o Serviço de Patologia, com a Prof.ª Lúcia Kliemann, com discussão anátomo-clínica de casos operados no Setor de Córnea • Integração com o Serviço de Hematologia, tendo inclusive sido criado um ambulatório de casos oftalmológicos no Serviço de Hematologia para pacientes que necessitam ser submetidos à imunossupressão sistêmica por transplantes de córnea de alto risco ou por outras doenças do segmento anterior ligadas a causas imunológicas. • no Curso do Programa de Residência Médica em Transplante de Córnea, o qual coordeno. Objetivos do Programa Capacitar o médico oftalmologista na área específica de Transplante de Córnea proporcionando treinamento nas diferentes fases que envolvem o transplante: 1. relacionadas ao doador e banco de olhos: enucleação do globo ocular, preservação da córnea doada e avaliação da córnea a ser utilizada no transplante. 2. relacionadas ao ato cirúrgico: treinamento das diferentes técnicas de transplante disponíveis combinadas ou não com outras cirurgias oftalmológicas como catarata ou glaucoma. 3. relacionadas ao acompanhamento pós-operatório: tratamento clínico, manejo das complicações como rejeição por exemplo, retirada de pontos e correção do grau residual. Observação: Ressalta-se que o PRM de Transplante de Córnea é realizado no período de 01 ano. Corpo Docente Samuel Rymer: Supervisor Diane Ruschel Marinho: Preceptor Francisco José de Lima Bocaccio: Preceptor Sergio Kwitko :Preceptor Melissa Manfroi Dal Pizzol: Preceptor Descrição Metodologia Parte Teórica • Curso de treinamento em banco de olhos • Curso teórico de transplante de córnea

65


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

• Reunião Científica Semanal com discussão de casos com toda a equipe, aulas de atualização e revisão da literatura em doenças externas e córnea Atividades Práticas • Atendimento do ambulatório de córnea • Cirurgias de Transplante de córnea, combinadas ou não com outras cirurgias com supervisão dos preceptores da equipe de transplante de córnea do Serviço de Oftalmologia • Treinamento cirúrgico em vários níveis desde cirurgias básicas até as mais complexas, envolvendo reconstrução do segmento anterior, perfuração corneana, úlcera de córnea complicada e queimaduras oculares graves. Metodologia Avaliação do Residente • Avaliação institucional computadorizada realizada trimestralmente • Avaliação diária das atividades em ambulatórios e centros cirúrgicos • Avaliação em seminários mensais sobre temas relacionados

2 – ATIVIDADES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL 2.1 – Artigos completos publicados em periódicos 2.1.1

2.1.2

2.1.3

66

MAGALHÃES, OTÁVIO DE AZEVEDO; Rymer, Samuel;  MARINHO, Diane Ruschel;  KWITKO, Sérgio; CARDOSO, ISABEL HABEYCHE; KLIEMANN, LÚCIA . Optical coherence tomography image in gelatinous drop-like corneal dystrophy: case report. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia (Impresso), v. 75, p. 356-357, 2012. Citações:1|1|1 KWITKO, S.; Severo, Norton;  RYMER, S.; Arce, Carlos G.;  MARINHO, Diane  . Orbscan II and double-K method for IOL calculation after refractive surgery. Graefe’s Archive for Clinical and Experimental Ophthalmology, v. 250, p. 10291034, 2012. Citações:2|2

PIZZOL, Melissa Manfrói Dal; KWITKO, Sérgio; MARINHO, Diane Ruschel; RYMER, S.  . Use of fibrin glue in ocular surgery. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia (Impresso), v. 72, p. 308-312, 2009. Citações:19

2.1.4

PIZZOL, Melissa Manfroi Dal; ROGGIA, MURILO FELIX; KWITKO, Sérgio; MARINHO,


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

2.1.5

2.1.6

2.1.7

Diane Ruschel; Rymer, Samuel  . Utilização de adesivo de fibrina em cirurgias oftalmológicas. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia (Impresso), v. 72, p. 308312, 2009. Citações:3|10|6 BOROWSKY, Cláudia Martins; WALLAU, Anelise Dutra; REETZ, Aline;  KWITKO, Sérgio; Rymer, Samuel; Locatelli, Claudete Inês; RYMER, S. . Contaminação de halos doadores córneo-esclerais em ceratoplastia penetrante no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, v. 71, p. 13-17, 2008. Citações:1|1 Scocco, Caio;  KWITKO, Sérgio;  Rymer, Samuel;  MARINHO, Diane; BOCACCIO, Francisco; Lindenmeyer, Rodrigo;  RYMER, S.  . HLA-matched living-related conjunctival limbal allograft for bilateral ocular surface disorders: long-term results. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, v. 71, p. 781-787, 2008. Citações:1|6 STOLZ, Andressa Prestes; KWITKO, Sergio; PIZZOL, Melissa Manfrói Dal; MARINHO, Diane R; RYMER, S. . Experience with Dohlman-Doane keratoprosthesis: a case report. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia (Impresso), v. 71, p. 257-261, 2008. Citações:2|6|2

2.1.8

MARINHO, Diane Ruschel; ANA CECILIA MANO AZEVEDO; RYMER, S.; GIUGLANI, R.; SCHWARTZ, I. V. D. . Pseudo-glaucoma. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia (Impresso), v. 70, p. 70-563, 2007.

2.1.9

RYMER, S.; RYMER, Bruna Lima; MANAUT, Tiago; WEISS, Douglas . Transplante límbico em queimaduras químicas oculares. Acta Médica (Porto Alegre), Porto Alegre, v. 27, p. 263-270, 2006.

2.1.10

RYMER, S.; GUS, P. I.; CARTELL, A.; KWITKO, Sergio . Tenon’s capsule granuloma at the donor site sfter conjunctival grafting- Short report. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 66, n.3, p. 373-374, 2003.

2.1.11

RYMER, S.; BURNIER, M.; MARINHO, Diane; KWITKO, Sérgio; BELFORT FILHO, R.; ROHE, D. . Estudo comparativo entre transplante de limbo conjuntival e córneoconjuntival no tratamento das queimaduras químicas oculares em coelhos. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 65, n.2, p. 161-170, 2002. Citações:6|2

2.1.12

RYMER, S.; CATTANI, S.; KWITKO, Sérgio; KROEFF, M. A. H. . Indicações para transplante de córnea no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 65, n.1, p. 95-98, 2002. Citações:28|15

67


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

2.1.13

2.1.14

68

RYMER, S.; KWITKO, Sérgio; MARINHO, Diane . Lasik para correção de miopia, astigmatismo e hipermetropia. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 63, n.1, p. 9-18, 2002. Citações:2 RYMER, S.; KWITKO, Sérgio; MARINHO, Diane; RAMOS FILHO, S. . Laser in situ keratomileusis after penetrating keratoplasty. Journal of Refractive Surgery, Estados Unidos, v. 27, n.3, p. 374-379, 2001. Citações:46|52

2.1.15

RYMER, S.; MOREIRA, D. M.; GENEHR, L. . Anéis de Kayser-Fleischer. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 64, n.6, p. 589-593, 2001.

2.1.16

RYMER, S. . Transplante de limbo. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 63, n.4, p. 307-309, 2000.

2.1.17

RYMER, S.; BOCACCIO, Francisco; KWITKO, Sérgio; BOELTER, M. C.; MARINHO, Diane R; ALVES, L. S.; NERUNG, L. . Ceratite por acanthamoeba: relato de casos no Rio Grande do Sul. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 60, n.3, p. 268-274, 1997.

2.1.18

RYMER, S.; MARINHO, Diane R; CATTANI, S.; MARCHIORI, J.;  GALIA, C. R.  . Manifestações oculares da síndrome de Scheie. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 60, n.5, p. 458-462, 1997.

2.1.19

RYMER, S.; MARINHO, Diane R; CUNHA, M.;  KWITKO, Sérgio  . Transplante autólogo de conjuntiva no tratamento da ceratoconjuntivite primaveril. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 59, n.1, p. 27-29, 1996.

2.1.20

RYMER, S.; KWITKO, M.; JOVKAR, S.; YAN, H. . Arcuate keratotomy to correct naturally ocurring astigmatism. Journal Of Cataract And Refractive Surgery, Estados Unidos, v. 22, n.10, p. 1439-1442, 1996.

2.1.21

RYMER, S.; SCARPI,M.J.;KWITKO,S.;ALVES,L.S. Comparaçäo entre a eficácia antimicrobiana de três diferentes meios de preservaçäo da córnea. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, vol.59(5), pg. 438-42. 1996.

2.1.22

MARINHO,D.R.;KWITKO,S.;BOELTER,M.C.;CATTANO,S.;RASKIN,R.H.RYMER,S. Transplante de córnea a quente. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, vol.59(2), pg. 178-182. 1996.

2.1.23

RYMER, S.; MARINHO, Diane; KWITKO, Sérgio . Calcificação corneana bilateral aguda após queimadura química alcalina. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 58, n.2, p. 85-87, 1995.


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

2.1.24

RYMER, S.; MARINHO, Diane; CUNHA, M.;  KWITKO, Sérgio  . Transplante autólogo de conjuntiva no tratamento da ceratoconjuntivite límbica superior. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 58, n.3, p. 177-179, 1995.

2.1.25

RYMER, S.; RASKIN, R. H.; MARCHIORI, J. C.; CAVINATO, L. A.; MARINHO, Diane R; ESTEVES, J. F.; BOCACCIO, Francisco;  KWITKO, Sérgio  . Ictiose lamelar com complicações oculares: relato de um caso. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 58, n.6, p. 486-488, 1995.

2.1.26

RYMER, S.; KWITKO, Sérgio;  MARINHO, Diane R; BARCARO, S.; BOCACCIO, Francisco; FERNANDES, S.; NEUMANN, J. . Allograft conjunctival transplantation for bilateral surface disorders. Ophthalmology, EUA, v. 102, p. 1020-1025, 1995.

2.1.27

RYMER, S.; MARINHO, Diane; KWITKO, Sérgio . Calcificação corneana bilateral aguda após queimadura alcalina. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 58, n.2, p. 85-87, 1993.

2.1.28

RYMER, S.; PANAZZOLO, A. R.; FERREIRA, R. C. . Manifestações oculares da síndrome EEC: revisão de literatura e relatao de caso. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 55, n.3, p. 117-123, 1992.

2.1.29

RYMER, S.; FERREIRA, R. C. . Catarata induzida por hidroclorotiazida. Relato de caso e revisão de literatura. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 53, n.5, p. 229-234, 1990.

2.1.30 SANDES,A.M.D.; MAESTRI, M.K.;FRANCESCHINI,N.; VARGAS, J.A.A.;RYMER,S. Psoríase ocular: relato de um caso. Rev. HCPA & Fac. Med. Univ. Fed. Rio Gd. do Sul; 7(1): 44-6, abr 1987. 2.1.31

RYMER, S.; CONTE,P.F.; BERNARDES, C.I.C.; BERTOGLIO, F.J.S. Degeneração marginal de Terrien. Rev. HCPA & Fac. Med. Univ. Fed. Rio Gd. do Sul; 6(2): 1057, dez 1986.

2.2 – Capítulos de livros publicados 2.2.1

RYMER, S. . Ceratite superficial ponteada de Thygeson. In: Marcos Avila, Augusto Paranhos Jr.. (Org.). Farmacologia e Terapêutica Ocular, tema oficial 2013: Conselho Brasileiro de Oftalmologia. 1ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013, v. 1, p. 105-106.

2.2.2

RYMER, S. . Iatrogenias em transplante de córnea. In: Paulo Elias Correa Dantas;Sérgio Kwitko;Sérgio Felberg;Fernando César Abib; José Wilson Cursino; José Vital Filho. (Org.). Iatrogenias e Manifestações Oculares de Doenças Sistêmicas e Oncologia Ocular. 1ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013, v. 1, p. 73-78.

69


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

70

2.2.3

PARISI, CASSIANA; LARANJEIRA, Andréia Ferreira; RYMER, S. . Conjuntivites. In: Paula Xaveir Picon; Paulo José Cauduro Marostica; Elvino BArros. (Org.). Pediatria: consulta rápida. 1ed.Porto Alegre: Artmed, 2010, v. ‘, p. 816-821.

2.2.4

PARISI, CASSIANA; LARANJEIRA, Andréia Ferreira; RYMER, S. . Trauma ocular. In: Paula Xavier Picon; Paulo José Cauduro Maróstica; Elvino Barros. (Org.). Pediatria: consulta rápida. 1ed.Porto Alegre: Artmed, 2010, v. 1, p. 824-827.

2.2.5

PARISI, CASSIANA; LARANJEIRA, Andréia Ferreira; RYMER, S.  . Leucocoria. In: Paula Xaveir Picon; Paulo José Cauduro Marostica; Elvino BArros. (Org.). Pediatria: consulta rápida. Porto Alegre: Artmed, 2010, v. 1, p. 827-832.

2.2.6

PARISI, CASSIANA; LARANJEIRA, Andréia Ferreira; RYMER, S. . Lacrimejamento. In: Paula Xaveir Picon; Paulo José Cauduro Marostica; Elvino BArros. (Org.). Pediatria: consulta rápida. 1ed.Porto Alegre: Artmed, 2010, v. 1, p. 832-837.

2.2.7

RYMER, S.; KWITKO, Sérgio; MARINHO, Diane . Transplante autólogo de limbo conjuntival. In: José Álvaro Pereira Gomes; Milton Ruiz Alves. (Org.). Superfície ocular:córnea, limbo, conjuntiva, filme lacrimal. 1ed.Rio de Janeiro: Cultura Médica, 2006, v. , p. 281-284.

2.2.8

RYMER, S.; KWITKO, Sérgio;  MARINHO, Diane  . Transplante alógeno límbicoconjuntival. In: José Álvaro Pereira Gomes; Milton Ruiz Alves. (Org.). Superfície ocular: córnea, limbo, conjuntiva, filme lacrimal. 1ed.Rio de Janeiro: Cultura Médica, 2006, v. 1, p. 285-292.

2.2.9

RYMER, S.; BOCACCIO, Francisco José de Lima . Complicações de técnica no transplante de córnea. In: Tadeu Cvintal. (Org.). Complicações do transplante de córnea. 1ed.São Paulo: Livraria Santos Editora Ltda., 2004, v. 1, p. 15-22.

2.2.10

RYMER, S. . Herpes Ocular. In: Jorge Esteves; Sérgio Kwitko; Nelson Telichevesky. (Org.). Rotinas em Oftalmologia. 1ed.Porto Alegre: Artes Médicas, 1995, v. , p. 94-104.

2.2.11

RYMER, S.; BOYANOWSKY, C.; LIMA, A. L. H. . Lubrificantes oculares. In: Ana Luiza Holfling de Lima; Jacobo Melamed; Nassim Calixto. (Org.). Terapêutica Clínica Ocular. 1ed.São Paulo: Editora Roca Ltda., 1995, v. , p. 63-66.

2.2.12

RYMER, S. . Úlcera de córnea. In: Jorge Esteves; Sérgio Kwitko; Nelson Telichevesky. (Org.). Rotinas em Oftalmologia. 1ed.Porto Alegre: Arte Médicas, 1995, v. , p. 75-90.


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

2.3 – Resumos publicados em anais de congressos 2.3.1

RYMER, S.; BELLINI, Luciano Porto; SPADONI, Viviane Souto; PIZZOL, Melissa Manfroi Dal; LOCATELLI, Claudete; KWITKO, Sergio; MARINHO, Diane . Emprego de Soro Autólogo no Tratamento de defeitos epiteliais corneanos e olho seco resistentes a terapia convencional- Anais da 26ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto . Revista do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, v. 26, n.1, p. 186-186, 2006.

2.3.2

RYMER, S.; BELLINI, Luciano Porto; PIZZOL, Melissa Manfroi Dal; SPADONI, Viviane Souto; KWITKO, Sergio; MARINHO, Diane . Série de pacientes submetidos a transplante cerato-límbico de doador cadáver com imunosupressão sistêmicaAnais da 26ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre- 5ª Reunião da Rede Nacional de Pesquisa Clínica em Hospitais de Ensino. Revista do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, v. 26, n.1, p. 186-186, 2006.

2.3.3

RYMER, S.; BELLINI, Luciano Porto; BARROS, Cristiano; OLIVEIRA, Júlio S; MARINHO, Diane;  KWITKO, Sérgio  . Ciclosporina tópica no tratamento da cerato-conjuntivite vernal- Anais da 26ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre- 5ª Reunião da Rede Nacional de Pesquisa Clínica em Hospitais de Ensino. Revista do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, v. 26, n.1, p. 187-187, 2006.

2.3.4

RYMER, S.; BELLINI, Luciano Porto; BARROS, Cristiano; OLIVEIRA, Júlio S . Tratamento de defeitos epiteliais na Síndrome de Crouzon com Óleo de linhaçaAnais da 26ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre- 5ª Reunião da Rede Nacional de Pesquisa Clínica em Hospitais de Ensino. Revista do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, v. 26, n.1, p. 187-187, 2006.

2.3.5

RYMER, S.; BELLINI, Luciano Porto; BULLA, Mario; PIZZOL, Melissa Manfroi Dal; SPADONI, Viviane Souto . Relato de caso de endoftalmite pós-ceratoplastia penetrante- Anais da 26ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre- 5ª Reunião da Rede Nacional de Pesquisa Clínica em Hospitais de Ensino. Revista do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, v. 26, n.1, p. 188188, 2006.

2.3.6

RYMER, S.; SCOCCO, Caio Augusto; BOCACCIO, Francisco; KWITKO, Sérgio;  MARINHO, Diane R; SPADONI, Viviane Souto . Transplante de limbo conjuntival alogênico de doador vivo HLA- compatível para doenças bilaterais da suprfície ocular. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 68, n.4, p. 40-40, 2005.

2.3.7

RYMER, S.; PIZZOL, Melissa Manfroi Dal; BELLINI, Luciano Porto; KWITKO, Sergio; MARINHO, Diane R . Transplante cerato-límbico de doador cadáver com

71


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

imunosupressão sistêmica: relato de caso. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 68, n.4, p. 23-23, 2005. 2.3.8

RYMER, S.; PIZZOL, Melissa Manfrói Dal; PROCIANOY, Fernando;  KWITKO, Sergio; MARINHO, Diane R . Soro autólogo no tratamento de defeitos epiteliais corneanos e olho seco resistentes à terapêutica convencional:experiência inicial no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 68, n.4, p. 23-23, 2005.

2.3.9

RYMER, S.; PIZZOL, Melissa Manfrói Dal; SPADONI, Viviane Souto; BULLA, Mario Cesar; BELLINI, Luciano Porto . Endoftalmite pós ceratoplastia penetrante de córnea: relato de caso. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São paulo, v. 68, n.4, p. 79-79, 2005. Citações:30|9

2.3.10 2.3.11

RYMER, S.; RASKIN, R.; BORTOLOMIOL, L.; PICETTI, E.; PASSOS, L. C.; MARCHIORI, J.; JUSTO, D. M.; KWITKO, I.; KWITKO, Sérgio; BOCACCIO, Francisco . Incidência de pressão intraocular elevada após ceratoplastia. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 57, n.4, 1994.

2.3.12

RYMER, S.; KWITKO, Sérgio; JUSTO, D.; BARCARO, S.; BOCACCIO, Francisco; FERNANDES, S.; NEUMANN, J. . Transplante alogênico de conjuntiva em doenças bilaterais da superfície ocular. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 56, n.4, 1993.

2.3.13

RYMER, S.; KWITKO, M. . Incisões arqueadas no tratamento do astigmatismo congênito. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 56, n.4, 1993.

2.3.14

RYMER, S.; RASKIN, R. H.; JUSTO, D. M.; TORRES, L.; PICETTI, E.; CATTANI, S.; KWITKO, Sérgio; BOCACCIO, Francisco . Avaliação de olho seco em pacientes com teste anti-HIV positivo. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 56, n.4, 1993. Citações:1

2.3.15

72

RYMER, S.; BOELTER, M. C.; KWITKO, Sérgio; CATTANI, S. . Transplante de córnea a quente. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 58, n.4, 1995. Citações:2

RYMER, S.; MENDONÇA, C. Q.; PASSOS, L. C.; BORTOLOMIOL, L.; BARCARO, S.; JUSTO, D. M.; KWITKO, S.; BOCACCIO, Francisco . Incidência e fatores associados à rejeição em transplante de córnea. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, São Paulo, v. 56, n.4, 1993.


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

3 – APRESENTAÇÕES DE TRABALHOS E PALESTRAS 3.1

KWITKO, Sérgio; STOLZ, Andressa Prestes;  MARINHO, Diane R; BOTTON, B. ;  RYMER, S.  . Multiple Recurrent Pterygium Treated with Combined Cadaver Limbal Allograft, Amniotic Membrane Transplant, and Intraoperative Mitomycin. 2015. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.2

NICOLA, F. F. ; MARINHO, Diane R; RYMER, S.; KWITKO, Sergio; SCHEID, K. L. ; LOCATELLI, Claudete . Autologous Serum Eyedrops Diluted with Methylcellulose for the Treatment od Ocular Surface Disorders. 2015. (Apresentação de Trabalho/ Congresso).

3.3

RYMER, S. . CONDUTA EM CERATITES HERPÉTICAS. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.4

RYMER, S. FORUM DOS TRANSPLANTADORES DO HCPA. 2014 (Apresentação de Trabalho/Outra).

3.5

RYMER, S. Ceratite herpética e transplante de córnea. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.6

SCHEID, K. L. ; Marinho, Diane R. ; LOCATELLI, Claudete; PEROZZO, B. K. ; KWITKO, S. ; CAVINATO, P. R. ; RYMER, S. . Soro Autólogo no tratamento do olho seco grave resistente à terapêutica convencional. 2013. (Apresentação de Trabalho/ Conferência ou palestra).

3.7

RYMER, S. CASTRO, T. . EMERGÊNCIAS OFTALMOLÓGICAS. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.8

RYMER, S. ; CATTAN, J. M. . TRANSPLANTE DE CÓRNEA. 2009. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.9

RYMER, S. . BANCO DE OLHOS- UM PANORAMA GERAL. DIFICULDADES DE UM BANCO DE OLHOS PÚBLICO. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.10

RYMER, S.; BELLINI, Luciano Porto ; MARINHO, Diane;  KWITKO, Sérgio; BOROWSKY, Cláudia Martins ; KRONBAUER, Cláudia . UTILIZAÇÃO DE MEMBRANA AMNIÓTICA LIOFILIZADA NO TRATAMENTO DA CERATOPATIA BOLHOSA SINTOMÁTICA. 2007. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.11

RYMER, S.; BELLINI, Luciano Porto ; MARINHO, Diane;  KWITKO, Sergio; BOROWSKY, Cláudia Martins ; KRONBAUER, Cláudia . USO DE MEMBRANA AMNIÓTICA CONGEALADA NO TRATAMENTO DA CERATOPATIA BOLHOSA SINTOMÁTICA. 2007. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

73


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

74

3.12

RYMER, S.; OLIVEIRA, Júlio S ; KWITKO, Sergio; MARINHO, Diane . USO DE ADESIVO DE FIBRINA EM CIRURGIAS DE SUPERFÍCIE OCULAR. 2007. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.13

RYMER, S.; LARANJEIRA, Andréia Ferreira ; STOLZ, Andressa Prestes;  KWITKO, Sergio;  MARINHO, Diane  . TRANSPLANTE CERATO-LÍMBICO DE CADÁVER, MEMBRANA AMNIÓTICA E MITOMICINA C INTRA-OPERATÓRIA PARA PTERÍGIO RECORRENTE. 2007. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.14

RYMER, S.; STOLZ, Andressa Prestes; KWITKO, Sergio; PIZZOL, Melissa Manfrói Dal;  MARINHO, Diane  . EXPERIÊNCIA COM CERATOPRÓTESE DE DOHLMAN. 2007. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.15

RYMER, S. . HERPETIC KERATITIS AND CORNEAL TRANSPLANTATION. 2006. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.16

RYMER, S.; BELLINI, Luciano Porto ; PIZZOL, Melissa Manfrói Dal;  KWITKO, Sergio;  MARINHO, Diane  . TRANSPLANTE CERATO-LÍMBICO DE DOADOR CADÁVER COM IMUNOSUPRESSÃO SISTÊMICA. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.17

RYMER, S.; BULLA, Mario Cesar ; PIZZOL, Melissa Manfroi Dal ; SPADONI, Viviane Souto ; BELLINI, Luciano Porto . ENDOFTALMITE PÓS TRANSPLANTE DE CÓRNEA, RELATO DE CASO. 2006. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.18

RYMER, S.; STOLZ, Andressa Prestes; MALLMANN, Felipe ; MAGALHÃES, Otávio ;  KWITKO, Sérgio;  MARINHO, Diane R  . OCULAR SURFACE EVALUATION IN HEALTHY VOLUNTEERS. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.19

RYMER, S.; LARANJEIRA, Andréia Ferreira ; STOLZ, Andressa Prestes; BELLINI, Luciano Porto ; CAGLIARI, Patrícia Zanotelli . CONGENITAL ERYTROPOIETIC PORPHYRIA WITH NODULAR NECROTIZING SCLERITIS. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.20

RYMER, S.; MUNIZ, Carlos Henrique ; LARANJEIRA, Andréia Ferreira ; BULLA, Mario Cesar ; KWITKO, Sergio;  MARINHO, Diane  . MELHORA DA ACUIDADE VISUAL COM O USO DE MEMBRANA AMNIÓTICA. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.21

RYMER, S.; BOROWSKY, Cláudia Martins ; WALLAU, Anelise Dutra ; REETZ, Aline ; KWITKO, Sérgio; LOCATELLI, Claudete . POSITIVE CORNEOSCLERAL RIM CULTURE IN PENETRATING KERATOPLASTY IN HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.22

RYMER, S.; MUNIZ, Carlos Henrique ; BULLA, Mario ; BELLINI, Luciano Porto; STOLZ, Andressa Prestes; KRONBAUER, Claudia Leite ; MARINHO, Diane R; KWITKO, Sérgio . MEMBRANA AMNIÓTICA COMO ALTERNATIVA TERAPÊUTICA


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

EM CERATOPATIA BOLHOSA, PENFIGÓIDE CICATRICIAL E CERATOPATIA EM FAIXA. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso). 3.23

RYMER, S.; MALLMANN, Felipe ; MARINHO, Diane . REIS BÜCKLERS DISTROPHY TREATED WITH PHOTOREFRACTIVE KERATECTOMY. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.24

RYMER, S.; BEHEREGARAY, Simone ; STOLZ, Andressa Prestes; BELLINI, Luciano Porto ;  MARINHO, Diane R;  KWITKO, Sergio  . CANALICULITE POR CORYNEBACTERIUM ASSOCIADO À DOENÇA ENXERTO VERSUS HOSPEDEIRO. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.25

RYMER, S.; SCOCCO, Caio Augusto ; KWITKO, Sergio;  MARINHO, Diane R; BOCACCIO, Francisco José de Lima ; SPADONI, Viviane Souto ; LINDEMEYER, Rodrigo . HLA-MATCHED LIVING-RELATED CONJUCTIVAL LIMBAL ALLOGRAFT (LR-CLAL) FOR BILATERAL OCULAR SURFACE DISORDERS:LONG TERM RESULTS. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.26

RYMER, S.; SPADONI, Viviane Souto ; PIZZOL, Melissa Manfroi Dal ; LOCATELLI, Claudete ; BELLINI, Luciano Porto ; PROCIANOY, Fernando ; MARINHO, Diane R; KWITKO, Sergio . SORO AUTÓLOGO NO TRATAMENTO DE DEFEITOS EPITELIAIS CORNEANOS E OLHO SECO RESISTENTES À TERAPÊUTICA CONVENCIONAL. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.27

RYMER, S.; LANSINI, Thiago ; BELLINI, Luciano Porto . CERATOGLOBO BILATERAL ASSOCIADO COM OSTEOGÊNESE IMPERFEITA. 2006. (Apresentação de Trabalho/ Congresso).

3.28

RYMER, S.; OLIVEIRA, Júlio S ; BELLINI, Luciano Porto . USO DO ÓLEO DE LINHAÇA NO TRATAMENTO DE DEFEITOS EPITELIAIS NA SÍNDROME DE CROUZON. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.29

RYMER, S.; OLIVEIRA, Júlio S ; BELLINI, Luciano Porto ; MARINHO, Diane R;  KWITKO, Sérgio  . USO DE CICLOSPORINA TÓPICA NO TRATAMENTO DA CERATO-CONJUNTIVITE VERNAL. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.30

RYMER, S. . Simpósio Banco de Olhos. Por que não estamos conseguindo alcançar o progresso planejado para o nosso Banco de Olhos- Banco de Olhos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. 2005. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.31

RYMER, S.; PIZZOL, Melissa Manfrói Dal; PROCIANOY, Fernando ;  KWITKO, Sérgio; MARINHO, Diane R . Soro autólogo no tratamento de defeitos epiteliais corneanos e olho seco resistentes à terapêutica convencional- experiência inicial no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. 2005. (Apresentação de Trabalho/ Congresso).

75


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

76

3.32

RYMER, S.; PIZZOL, Melissa Manfrói Dal; BELLINI, Luciano Porto ;  KWITKO, Sérgio; MARINHO, Diane R . Transplante cerato-límbico de doador cadáver com imunosupressão sistêmica: relato de casos. 2005. (Apresentação de Trabalho/ Congresso).

3.33

RYMER, S.; SCOCCO, Caio Augusto ; KWITKO, Sergio;  MARINHO, Diane R; BOCACCIO, Francisco José de Lima ; SPADONI, Viviane Souto . Transplante de limbo conjuntival alogênico de doador vivo HLA-compatível para doenças bilaterais da superfície ocular: resultados a longo prazo. 2005. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.34

RYMER, S.; WALLAU, Anelise Dutra ; BOROWSKY, Cláudia Martins ; REETZ, Aline ; KWITKO, Sérgio  . Contaminação de halos córneo-esclerais de doadores em ceratoplastia penetrante. 2005. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.35

RYMER, S.; PIZZOL, Melissa Manfrói Dal; SPADONI, Viviane Souto ; BULLA, Mario ; BELLINI, Luciano Porto . Endoftalmite pós-ceratoplastia penetrante de córnea: relato de caso. 2005. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.36

RYMER, S. . Ceratites: como conduzir. 2005. (Apresentação de Trabalho/ Conferência ou palestra).

3.37

RYMER, S. . Complicações de técnica em transplante de córnea. 2004. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

3.38

RYMER, S. . Herpes ocular estromal imune e necrosante. 2004. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

3.39

RYMER, S. . Cornea Club. 2004. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

3.40

RYMER, S.; ECKERT, Gabriela Unchalo ; MALLMANN, Felipe ; MAESTRI, Marcelo Krieger . Síndrome de Cogan-Reese x Melanoma. 2004. (Apresentação de Trabalho/Outra).

3.41

RYMER, S. . Complicações do transplante de córnea. 2003. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.42

RYMER, S. . Ceratite bacteriana. 2003. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.43

RYMER, S. . Tratamento das doenças da superfície ocular. 2003. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.44

RYMER, S. . Cirurgia da Superfície Ocular. Membrana Amniótica. 2002. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.45

RYMER, S. . Ceratoconjuntivites alérgicas. 2001. (Apresentação de Trabalho/ Conferência ou palestra).


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

3.46

RYMER, S. . Complicações do Transplante de Córnea. 2001. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.47

RYMER, S. . Curso da comunidade- Córnea e Doenças Externas. 2001. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.48

RYMER, S. . Uso da membrana amniótica em Síndrome de Stevens-Johnson. 2001. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.49

RYMER, S. . Caso clínico VII- Artrite reumatóide. 2001. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

3.50

RYMER, S.; GUNTZEL, I. . Catarata secundária a choque elétrico. 2000. (Apresentação de Trabalho/Outra).

3.51

RYMER, S. . Comparação entre as pressões intra-oculares medidas pelos tonômetros de Perkins, Schioetz e pneumotonômetro em olhos pós-transplante corneano.. 2000. (Apresentação de Trabalho/Outra).

3.52

RYMER, S. . Estudo comparativo entre transplante autólogo de limbo conjuntival e de limbo córneo-conjuntival no tratamento das queimaduras químicas oculares em coelhos.. 2000. (Apresentação de Trabalho/Outra).

3.53

RYMER, S. . Estudo do fenótipo corneano nos transplantes de limbo conjuntival e cornenao em queimauras químicas oculares em coelhos. 2000. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.54

RYMER, S. . Transplante de limbo. 2000. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.55

RYMER, S. . Transplante de limbo com compatibilidade HLA para doenças da superfície ocular bilaterais- resultados a longo prazo. 2000. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.56

RYMER, S. . Afinamento corneano periférico. 1999. (Apresentação de Trabalho/ Conferência ou palestra).

3.57

RYMER, S. . Retransplante: quando indicar, que doador utilizar, técnica e cuidados pós-operatórios. 1999. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.58

RYMER, S. . Transplante de Córnea. 1999. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.59

RYMER, S. . Afinamento corneano pós-pterígio. 1999. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.60

RYMER, S. . Doenças da córnea: discussão de casos clínicos. 1998. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

77


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

78

3.61

RYMER, S. . Casos difíceis em Doenças Externas Oculares e Córnea: como conduzir. 1998. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.62

RYMER, S. . Cisto de íris pós-traumático: relato de dois casos. 1998. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.63

RYMER, S. . Comparação entre a medida da pressão intraocular com os tonômetros de Perkins, Schiotz e pneumotonômetro em pacientes submetidosà ceratoplastia penetrante. 1998. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.64

RYMER, S. . Descompensação corneana tardia causada por deslocamento de corpo estranho inerte: relato de caso. 1998. (Apresentação de Trabalho/ Conferência ou palestra).

3.65

RYMER, S. . Ectopia lentis. 1998. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.66

RYMER, S. . Ectopia lentis na homocistinúria. 1998. (Apresentação de Trabalho/ Conferência ou palestra).

3.67

RYMER, S. . Exérese de papiloma de limbo conjuntival com transplante de conjuntiva limbarf: relato de caso. 1998. (Apresentação de Trabalho/ Comunicação).

3.68

RYMER, S. . Indicações de transplante de córnea no Hospital de Clínicas e Porto Alegre. 1998. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.69

RYMER, S.; KWITKO, Sérgio;  MARINHO, Diane R; RASKIN, R. ; SPRINTZ, S. ; RABIN, M. . Lasik- Resultados dos primeiros 325 olhos. 1998. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.70

RYMER, S.; KWITKO, Sergio; MARINHO, Diane R . Lasik para correção de miopia, astigmatismo e hipermetropia. 1998. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.71

RYMER, S.; MARINHO, Diane;  KWITKO, Sérgio  . Transplante de membrana amniótica humana em Oftalmologia- uma revisão. 1998. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.72

RYMER, S. . Curso de Olho Seco. 1998. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.73

RYMER, S. . Queimaduras corneanas. 1997. (Apresentação de Trabalho/ Conferência ou palestra).

3.74

RYMER, S. . Transplante de limbo conjuntival em queimaduras químicas oculares. 1997. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

3.75

RYMER, S. . Herpes Ocular. 1996. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.76

RYMER, S.; BOCACCIO, Francisco . Necrose de esclera pós-cirurgia de pterígio. Mesa redonda: Apresentação e discussão de casos clínicos interessantes. 1996. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.77

RYMER, S.; RASKIN, R. . Associação entre catarata puntiforme e diuréticos tiazídicos. 1996. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.78

RYMER, S. . Cirurgia de conjuntiva e limbo. 1996. (Apresentação de Trabalho/ Conferência ou palestra).

3.79

RYMER, S. . Conduta nas perfurações oculares. Curso de Trauma Ocular. 1996. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.80

RYMER, S. . Conjuntivite alérgica. Curso pré-congresso da Sociedade Brasileira de Lentes de Contato e Córnea. 1996. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.81

RYMER, S.; BOCACCIO, Francisco ; KWITKO, Sérgio . Corneal Epithelial Rejection after Allograft Conjunctival Limbus Transplantation for Conjunctival Papiloma. 1996. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.82

RYMER, S. . Diagnóstico precoce das complicações em ceratoplastias. 1995. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.83

RYMER, S. . Tipos de Rejeição de Transplante de Córnea e Tratamento.Simpósio: Cirurgia de Córnea. 1995. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.84

RYMER, S. . Complicações no Transplante de Córnea. . 1995. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.85

RYMER, S. . Oftalmologia prática para o clínico geral.. 1995. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.86

RYMER, S. . Diagnóstico e tratamento das rejeições. Curso: Transplante e córnea. 1995. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.87

RYMER, S. . Glaucoma pós-ceratoplastia penetrantee. 1995. (Apresentação de Trabalho/Outra).

3.88

RYMER, S.; RASKIN, R. ; KWITKO, Sérgio  . Ictiose lamelar com complicações oculares: relata de um caso. 1995. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.89

RYMER, S.; RASKIN, R. H. ; KWITKO, Sérgio . Incidência de pressão intra-ocular

79


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

elevada após ceratoplastia penetrante. 1995. (Apresentação de Trabalho/ Congresso).

80

3.90

RYMER, S.; RASKIN, R. H. ; KWITKO, Sérgio . Infecção na perfuração corneana: prevenção e tratamento. Córnea. Manejo medico-quirurgico de la perforación corneal. 1995. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.91

RYMER, S.; RASKIN, R. H. ; KWITKO, Sérgio . Transplante alogênico de conjuntiva em doenças bilaterais da superfície ocular. 1995. (Apresentação de Trabalho/ Congresso).

3.92

RYMER, S. . Transplante alogênico de conjuntiva em queimduras oculares. 1995. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.93

RYMER, S.; RASKIN, R. H. ; KWITKO, Sérgio . Transplante de córnea a quehte. 1995. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.94

RYMER, S. . Transplante de córnea a quente. 1995. (Apresentação de Trabalho/ Conferência ou palestra).

3.95

RYMER, S. . Transplante de córnea: rejeição tardia. 1995. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.96

RYMER, S. . IMMUNOLOGY OF CORNEAL TRANSPLANTATION. 2006. (COORDENADOR DE CURSO (CHAIR).

3.97

RYMER, S. . Complicações do transplante de córnea. 2003. .

3.98

RYMER, S. . Programa de Educação Médica Continuada - Atualização em Oftalmologia para especialistas. 2003. (Curso de curta duração ministrado/ Extensão).

3.99

RYMER, S. . V CURSO CERTIFICADO DE TREINAMENTO TÉCNICO E CIENTÍFICO EM BANCOS DE OLHOS NO BRASIL: MEIOS DE PRESERVAÇÃO. 2002. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

3.100

RYMER, S. . V CURSO CERTIFICADO DE TREINAMENTO TÉCNICO E CIENTÍFICO EM BANCOS DE OLHOS: COMPLICAÇÕES DO TRASNPLANTE. 2002. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

3.101

RYMER, S. . CONTROVÉRSIAS TERAPÊUTICAS EM DOENÇAS EXTERNAS OCULARES: NO TRATAMENTO DE CONJUNTIVITES BACTERIANAS, VIRAIS E ALÉRGICAS. 2002. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

3.102

RYMER, S. . BANCO DE OLHOS DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE. 2002. (Curso de curta duração ministrado/Outra).


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

3.103

RYMER, S. . TEMAS LIVRES DE PATOLOGIA EXTERNA. 2002. (DSICUTIDOR DE TEMAS LIVRES).

3.104

RYMER, S. . Doenças Externas Oculares. 1997. (Curso de curta duração ministrado/ Extensão).

4 – ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS 4.1

RYMER, S. Vice-Presidente do Congresso Brasileiro de Oftalmologia- Porto Alegre- 2011

4.2

RYMER, S. Temas Oftalmológicos da Atualidade. 2006. (Outro).

4.3

RYMER, S. Coordenador do Evento: Temas Oftalmológicos da Atualidade. 2002. (Outro).

4.4

RYMER, S. Coordenador do evento:Temas oftalmológicos da atualidade. 2001. (Outro).

4.5

RYMER, S. Coordenador do evento: Temas oftalmológicos da atualidade. 2000. (Outro).

4.6

RYMER, S. III Encontro Gaúcho de Discussão de Casos em Doenças Externas, Córnea e Segmento Anterior. 2000. (Outro).

4.7

RYMER, S. Coordenador do evento: Temas oftalmológicos da atualidade. 1999. (Outro).

4.8

RYMER, S. II Encontro Gaúcho de Discussão de Casos em Doenças Externas, Córnea e Segmento Anterior. 1999. (Outro).

5 – PARTICIPAÇÃO EM BANCAS DE CONCURSOS, MESTRADO OU DE DOUTORADO 5.1 – Dissertações de mestrado 5.1.1

Vera Lúcia Degaspare Mascaro; Edelweiss, Maria Isabel Albano; MARINHO, Diane Ruschel; RYMER, S. Participação em banca de Andressa Prestes Stolz. Citologia de impressão conjuntival em voluntários saudáveis. 2009. Dissertação (Mestrado em Medicina Cirurgia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

81


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

5.1.2

RYMER, S.; KWITKO, S.; Morschbacher, Ricardo. Participação em banca de Cláudia Martins Borowsky. Comparação entre transplante de membrana amniótica criopreservada e liofilizada para tratamento de úlceras corneanas em coelhos. 2009. Dissertação (Mestrado em Medicina Cirurgia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

5.1.3

RYMER, S.; CALMO, Wolnei; COSTA, Sadi Selaimen; KWITKO, Sergio. Participação em banca de Francisco José de Lima Bocaccio. Novo modelo experimental de queimadura química alcalina com hidróxido de sódio, da superfície ocular. 2006. Dissertação (Mestrado em Medicina: Ciências Médicas) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

5.1.4

RYMER, S.; SCHOR, P.; ROCHA, J. Participação em banca de Vágner Loduca Lima. Avaliação da viabilidade econômica na aquisição de um aparelho de excimer laser em uma clínica oftalmológica. 2003. Dissertação (Mestrado em Medicina (Oftalmologia)) - Universidade Federal de São Paulo.

5.1.5

RYMER, S.; MOREIRA, H.; GROSS, J. Participação em banca de Daniel Fridman. Associação entre hipoestesia corneana, olho seco e outros fatores em portadores de diabete melito tipo 2.. 2002. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas: Endocrinologia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

5.1.6

RYMER, S. Participação em banca de Edna Emília Gomes da Motta Almodin. Avaliação da viabilidade econômica na aquisição de um equipamento de microscopia especular em uma clínica oftalmológica.. 2002. Dissertação (Mestrado em Medicina (Oftalmologia)) - Universidade Federal de São Paulo.

5.1.7

RYMER, S. Participação em banca de Karla Campana Moreira. Avaliação do perfil dos pacientes e do tempo de espera no Banco de Olhos do Hospital do Servidor Público de São Paulo.. 2002. Dissertação (Mestrado em Medicina (Oftalmologia)) - Universidade Federal de São Paulo.

5.1.8

RYMER, S. Participação em banca de Claudete Locatelli. Aderência bacteriana a lentes intra-oculares. 2000. Dissertação (Mestrado em Microbiologia Agrícola e do Ambiente) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

5.2 – Teses de doutorado 5.2.1

82

RYMER, S.; DANTAS, P.; DANTAS, M. N.. Participação em banca de Diane Ruschel Marinho. Tratamento da deficiência límbica em transplante autólogo de limbo isolado ou em associação ao enxerto de membrana amniótica em coelhos.. 2002. Tese (Doutorado em Medicina (Oftalmologia)) - Universidade Federal de São Paulo.


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

5.2.2

RYMER, S.; ROCHA, F. J.; SCARPI, M. J.. Participação em banca de Maria Emília Xavier dos Santos Araújo. Microbiota bacteriana da conjuntiva de doadores de córnea. 2001. Tese (Doutorado em Medicina (Oftalmologia)) - Universidade Federal de São Paulo.

5.2.3

RYMER, S.; ROCHA, F. J.; SCARPI, M. J.; LIMA, A. L. H.. Participação em banca de Namir Clementino Soares. Toxicidade córneo-conjuntival do colírio de iodopovidona. 2001. Tese (Doutorado em Medicina (Oftalmologia)) - Universidade Federal de São Paulo.

5.3 – Participação em bancas de comissões julgadores Concurso público 5.3.1

RYMER, S.; FREITAS, D.; TAKAHASHI, W. Concurso Público para Professor Adjunto do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia. Faculdade de Medicina. 2012. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Presidente da banca.

Concurso: Edital 02/2012 - Concurso Público Docente Período: 16/07/2012 a 19/07/2012 Participação: PRESIDENTE COMISSÃO Área: Oftalmologia

5.3.2

RYMER, S. Concurso Público para Professor Adjunto Substituto do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia. Faculdade de Medicina. 2011. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Presidente da banca

Concurso: Edital 05/2011 - Processo Seletivo Professor Substituto Período: xx/xx/ xxxx a xx/xx/xxxx Participação: PRESIDENTE COMISSÃO Área: Ciências da Saúde ==> Medicina; Complemento: oftalmologia

5.3.3

RYMER, S.; JACO LAVINSKY; CATTAN, J. M.. Concurso para Professor Substituto do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da UFRGS. 2007. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

5.3.4

RYMER, S. Coordenador intra-hospitalar de transplantes. 2005. Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

5.3.5

RYMER, S.; MARINHO, Diane;  KWITKO, Sérgio. MÉDICO (Oftalmologia Glaucoma). 2005. Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

5.3.6

RYMER, S.; MARINHO, Diane Ruschel; KWITKO, Dr. Sérgio. ASSISTENTE ADM. SR. (Banco de Olhos). 2003. Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

83


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

5.4 – Outras participações 5.4.1

RYMER, S.; MARINHO, Diane;  KWITKO, Sérgio. Prova prática para Título de Especialista em Oftalmologia do Conselho Brasileiro de Oftalmologia. 2005. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

6 – COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA, ENSINO OU EXTENSÃO E LIDERANÇA DE GRUPOS DE PESQUISA 6.1 – Projetos de Pesquisa 6.1.1

Projeto: EFEITOS CLÍNICOS E SEGURANÇA DO USO DO SORO AUTÓLOGO NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA SUPERFÍCIE OCULAR RESISTENTES À TERAPÊUTICA CONVENCIONAL

Descrição: Avaliar os efeitos clínicos e a segurança do uso do soro autólogo em defeitos epiteliais persistentes da córnea e olho seco resistentes à terapêutica convencional, analisando critérios subjetivos de melhora da sintomatologia e critérios clínicos objetivos de resposta à terapêutica.

Coordenador Período: 2010 (em andamento)

6.1.2

Projeto: COMPLICAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO DE PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA POR CATARATA CONGÊNITA

Descrição: Avaliar a presença de complicações no pós-operatório de pacientes com catarata congênita submetidos à facectomia, e a necessidade de tratamento ou novas cirurgias em decorrência das mesmas.

Coordenador Período: 2009 (em andamento)

6.1.3

Projeto: AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DA TÉCNICA DE FERRARA PARA TRANSPLANTE LAMELAR ANTERIOR PROFUNDO DE CÓRNEA

Descrição: O transplante lamelar profundo da córnea é uma técnica nova e de difícil execução. Várias técnicas são utilizadas visando melhor resultado cirúrgico. Este estudo procura avaliar os resultados utilizando a técnica de Ferrara para este procedimento.

84

Pesquisador Período: 2009-2011


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

6.1.4

Projeto: COMPATIBILIDADE ABO EM TRANSPLANTES DE CÓRNEA DE ALTO RISCO

Descrição: Estuda os resultados do uso da compatibilidade ABO em transplantes de córnea de alto risco, visando diminuir a frequência de episódios de rejeição do transplante.

Pesquisador Período: 2009 (em andamento)

6.1.5

Projeto: EPIDEMIOLOGIA DAS CONJUNTIVITES ALÉRGICAS NO BRASIL-ESTUDO MULTICÊNTRICO

Descrição: Estudo multicêntrico avaliando o uso de corticoide e tacrolimus no tratamento das conjuntivites alérgicas.

Pesquisador Período: 2009-2011

6.1.6

Projeto: CERATOPRÓTESE DE DOHLMAN-DOANE TIPO 1: REABILITAÇÃO VISUAL DA CEGUEIRA CORNEANA

Descrição: Uso de córnea artificial em casos graves de queimaduras oculares e doenças das membranas mucosas, nos quais o transplante de córnea está contraindicado.

Coordenador Período: 2008 (em andamento)

6.1.7

Projeto: TRATAMENTO DE NEOVASCULARIZAÇÃO CORNEANA COM BEVACIZUMAB

Pesquisador Período: 2007-2009

6.1.8

Projeto: EXPANSÃO EX-VIVO DE CÉLULAS-TRONCO LÍMBICAS EM MEMBRANA AMNIÓTICA HUMANA CRIOPRESERVADA E LIOFILIZADA

Descrição: Comparar a membrana amniótica liofilizada e criopreservada, quanto ao seu uso como substrato para expansão ex-vivo de células tronco limbares. Especificamente comparar a velocidade de expansão e qualidade das células tronco limbares nas duas modalidades de preparação da membrana amniótica, analisando as camadas de células por microscopia óptica.

Coordenador Período: 2006-2012

6.1.9

Projeto: EFICÁCIA DO USO DE TRANSPLANTE CONJUNTIVAL ASSOCIADO A MITOMICINA C CONTRA TRANSPLANTE CONJUNTIVAL PARA TRATAMENTO DE PTERÍGIO, ESTUDO RANDOMIZADO, DUPLO-CEGO CONTROLADO COM PLACEBO

Descrição: Estudo da eficácia da combinação de técnicas variadas em pterígios recidivados diversas vezes.

Coordenador Período: 2005-2006

6.1.10

Projeto: ANÁLISE DA FLORA BACTERIANA OCULAR NORMAL DE AMBOS OS OLHOS EM PACIENTES HÍGIDOS E DIABÉTICOS

Pesquisador Período: 01/07/2004 01/07/2004

85


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

6.1.11

Projeto: AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA DOS TRANSPLANTES DE CÓRNEA REALIZADOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

Descrição: Avaliar resultados quanto à rejeição, acuidade visual final e complicações.

Coordenador Período: 2004-2011

6.1.12

Projeto: IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE CITOLOGIA DE IMPRESSÃO EM PATOLOGIAS DA SUPERFÍCIE OCULAR

Descrição: Avaliação de uma técnica complementar para avaliação das alterações da superfície ocular em doenças qua causam olho seco.

Coordenador Período: 2005-2007

Orientações de Iniciação Científica

Orientado: PAULO RICARDO CAVINATO

Período: 01/08/2010 a 31/07/2011

Orientado: JULIANA MARCON SZYMANSKI FINKELSZTEJN

Período: 25/06/2010 a 25/06/2011

Orientado: PAULO RICARDO CAVINATO

Período: 25/06/2010 a 22/07/2010

6.2 – Liderança de grupo de pesquisa 6.2.1

Grupo de pesquisa: Oftalmologia - Segmento anterior

Endereço para acessar este espelho: dgp.cnpq.br/dgp/espelhorh/1443611908131703

Líderes do grupo: Diane Ruschel Marinho e Samuel Rymer

Situação do grupo: Certificado

Ano de formação: 2012

Data do último envio: 07/12/2014

Instituição do grupo: Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Unidade: Grupo de Pesquisa e Pós-Graduação

Linhas de pesquisa: Doenças da superfície ocular e Transplante de Córnea

7 – RECEBIMENTO DE COMENDAS E PREMIAÇÕES ADVINDAS DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES ACADÊMICAS

86

7.1

2005

Prêmio Regional Sul. XXXIII Congresso Brasileiro de Oftalmologia. Trabalhos


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Científicos Premiados. Título: Transplante de limbo conjuntival alogênico de doador vivo HLA-compatível para doenças bilaterais da superfície ocular: resultados a longo prazo., Conselho Brasileiro de Oftalmologia. 7.2

1998

Melhor trabalho apresentado na 11a Jornada Gaúcha de Oftalmologia- Canela - RS: Estudo comparativo entre transplante autólogoa de limbo conjuntival e de limbo córneo-conjuntival no tratamento das queimaduras químicas oculares em coelhos.

7.3

1995

Calcificação corneana bilateral pós queimadura alcalina ocular- Prêmio SOBLEC, Sociedade Brasileira de Lentes de Contato e Córnea.

7.4

1995

Transplante alogênico de conjuntiva em doenças bilaterais da superfície ocularPRÊMIO ALLERGAN- XX Congresso Panamericano de Oftalmologia, ALLERGAN LABORATÓRIOS.

7.5

1995

Transplante alogênico de conjuntiva em doeças bilaterais da superfície ocularPRÊMIO VARILUX, VARILUX.

7. 6

1992

Melhor trabalho apresentado no V Simpósio Internacional de Catarata e Implantes Intra-Oculares e do III Simpósio Internacional de Cirurgia Refrativa: Catarata induzida por Diuréticos Tiazídicos, Sociedade Brasileira de Implantes Intraoculares e Cirurgia Refrativa.

8 – EXERCÍCIO DE CARGOS NA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL E/OU COLEGIADOS CENTRAIS E/OU DE CHEFIA DE UNIDADES/SETORES E/OU DE REPRESENTAÇÃO 8.1 – Chefias de Unidades 8.1.1

1994-2007

Diretor médico do Banco de Olhos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

87


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

8.1.2

1/1996 - 12/1997

Chefe de Departamento, Faculdade de Medicina, Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia.

8.1.3

2001-2008

Coordenador do Curso de Especialização em Oftalmologia do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e Coordenador do PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM OFTALMOLOGIA do MEC (Ministério de Educação e Cultura) Serviço de Oftalmologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre- UFRGS

8.1.4

2010-atual

Coordenador do PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TRANSPLANTE DE CÓRNEA- Serviço de Oftalmologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre- UFRGS

8.1.5

1/2001 - 01/2008

Chefe do Serviço de Oftalmologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

8.1.6

1984-atual

Chefe da Equipe de Transplante de Córnea do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

8.1.7

1984-atual

Chefe do Setor de Córnea e Doenças Externas do Serviço de Oftalmologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

8.2 – Atividades de representação 8.2.1

05/10/2009 a 31/03/2011

Membro da Comissão de Extensão da Faculdade de Medicina da UFRGS

8.2.2

01/01/2009 a 31/12/2012

Membro da Comissão de Graduação da Faculdade de Medicina da UFRGS

8.2.3

2014-atual

Membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE) da Faculdade de Medicina da UFRGS

9 – ATIVIDADES DE EXTENSÃO 9.1

88

Título: ATUALIZAÇÃO EM OFTALMOLOGIA PARA ESPECIALISTAS Período da Ação: 03/03/2005 a 11/04/2005


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Situação: Concluída Nível da Ação: AÇÃO Tipo Participação: Integrante de Equipe Executora com contato com aluno/público Período da Participação: 08/04/2005 à 08/04/2005 Carga Horária: 1

9.2

Título: ATUALIZAÇÃO EM OFTALMOLOGIA PARA ESPECIALISTAS Período da Ação: 15/04/2007 a 11/04/2008 Situação: Concluída Nível da Ação: AÇÃO Tipo Participação: Integrante de Equipe Executora com contato com aluno/público Período da Participação: 10/04/2008 à 11/04/2008 Carga Horária: 1

9.3

Título: ATUALIZAÇÃO EM OFTALMOLOGIA PARA ESPECIALISTAS Período da Ação: 01/11/2006 a 29/06/2007 Situação: Concluída Nível da Ação: AÇÃO Tipo Participação: Integrante de Equipe Executora com contato com aluno/público Período da Participação: 28/06/2007 à 28/06/2007 Carga Horária: 1

9.4

Título: PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA Á SAÚDE DE DOCÊNCIA EM RESIDÊNCIA MÉDICA - 2007 Período da Ação: 28/12/2006 a 28/12/2007 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Integrante de Equipe Executora com contato com aluno/público Período da Participação: 02/01/2007 à 28/12/2007 Carga Horária: 260

9.5 9.6

Título: PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA Á SAÚDE DE DOCÊNCIA EM RESIDÊNCIA MÉDICA - 2008 Período da Ação: 01/01/2008 a 31/12/2008 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Integrante de Equipe Executora com contato com aluno/público Período da Participação: 01/01/2008 à 31/12/2008 Carga Horária: 260 Título: PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA Á SAÚDE DE DOCÊNCIA EM RESIDÊNCIA MÉDICA - 2009 Período da Ação: 01/01/2009 a 30/12/2010 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA

89


REQUISITOS SOLICITADOS PELO EDITAL

Tipo Participação: Apoio Pedagógico com contato aluno/público Período da Participação: 01/01/2009 à 31/12/2009 Carga Horária: 260

9.7

Título: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA - 2001 Período da Ação: 01/10/2000 a 30/11/2001 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Ministrante Período da Participação: 07/06/2001 à 07/06/2001 Carga Horária: 1

9.8

Título: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA - 2002 Período da Ação: 01/10/2001 a 29/11/2002 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Ministrante Período da Participação: 06/06/2002 à 06/06/2002 Carga Horária: 1

9.9

Título: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2003 Período da Ação: 01/10/2002 a 04/11/2003 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Ministrante Período da Participação: 05/06/2003 à 05/06/2003 Carga Horária: 1

Título: PROGRAMA DE PRECEPTORIA EM RESIDÊNCIA MÉDICA - 2010 Período da Ação: 28/12/2009 a 17/01/2011 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Apoio Pedagógico com contato aluno/público Período da Participação: 01/01/2010 à 31/12/2010 Carga Horária: 260

9.11

Título: PROGRAMA DE PRECEPTORIA EM RESIDÊNCIA MÉDICA - 2011 Período da Ação: 15/11/2010 a 16/01/2012 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Apoio Pedagógico com contato aluno/público Período da Participação: 01/01/2011 à 31/12/2011 Carga Horária: 260

9.12

Título: PROGRAMA DE PRECEPTORIA EM RESIDÊNCIA MÉDICA - 2013 Período da Ação: 03/12/2012 a 17/01/2014 Situação: Concluída

9.10

90


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Apoio Pedagógico com contato aluno/público Período da Participação: 01/01/2013 à 31/12/2013 Carga Horária: 260

9.13

Título: PROGRAMA DE PRECEPTORIA EM RESIDÊNCIA MÉDICA - 2014 Período da Ação: 11/11/2013 a 31/03/2015 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Apoio Pedagógico com contato aluno/público Período da Participação: 01/01/2014 à 28/02/2015 Carga Horária: 305

9.14

Título: PROGRAMA DE PRECEPTORIA EM RESIDÊNCIA MÉDICA - 2015 Período da Ação: 01/02/2015 a 31/03/2016 Situação: Não concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Apoio Pedagógico com contato aluno/público Período da Participação: 01/03/2015 à 29/02/2016 Carga Horária: xx

9.15

Título: PROGRAMA PRECEPTORIA EM RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Período da Ação: 15/12/2011 a 30/04/2013 Situação: Concluída Nível da Ação: PROGRAMA Tipo Participação: Apoio Pedagógico com contato aluno/público Período da Participação: 02/01/2012 à 28/02/2013 Carga Horária: 300

91


92


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Finalizo este memorial com a convicção de ter, ao longo de minha vida acadêmica, me empenhado e me dedicado para que os objetivos propostos fossem alcançados de forma exitosa. Nesse sentido, penso que deixei alguns legados: todos os alunos de graduação que por mim passaram, durante 38 anos, algum ensinamento levaram; os 119 residentes que de algum modo orientei, imagino, e espero, que estejam aplicando na sua atividade médica os conceitos médicos e de conduta pessoal que procurei transmitir; finalmente, o Serviço de Transplante de Córnea que um dia idealizei, tornou-se realidade e será cada vez mais atuante e pujante, mesmo quando eu não mais estiver aqui. Mas a minha produção mais importante foi feita em parceria com a minha esposa Valderez, competente no que faz, companheira, amiga e amada de tantos anos: minhas filhas − Bruna, também médica oftalmologista, casada com o meu querido genro Eduardo, e Livia, que trilhou os caminhos do Direito, casada com meu igualmente querido genro, Lucas. E o grande presente deste ano foi-me dado pela minha filha Bruna e meu genro Eduardo: a minha primeira neta, minha querida Rafaela.

93


94


MEMORIAL DESCRITIVO

SAMUEL RYMER

Quando um cantor perde a voz, ele se aposenta. Também o pintor que não enxerga deve abandonar a pintura, mas isso eu sou incapaz de fazer. Claude Monet

Oscar-Claude Monet (Paris, 14 de novembro de 1840 — Giverny, 5 de dezembro de 1926), pintor francês e o mais célebre entre os pintores impressionistas. Monet não imaginava que, por conta de uma doença ocular, a catarata, o estilo que fundou, o impressionismo, se projetaria fielmente em sua vida. Com a progressão da doença, ele passou a ver o mundo turvado e delineado por manchas coloridas, tal como o representava em suas telas. Também ele, assim como os observadores de suas obras, precisaria alcançar de longe a limpidez que não mais estaria diante de seus olhos. O pintor conseguiu, mais tarde, distanciar-se e encontrar tal nitidez no fundo de sua alma, com o auxílio da memória. Durante o período em que sofreu com a doença, produziu alguns de seus trabalhos mais marcantes e característicos. Sua visão tornou-se progressivamente mais acastanhada em sua essência; o artista enxergava através de uma opacidade densa amarelo-marrom. A capa deste memorial mostra a pintura da ponte japonesa em seu jardim em Giverny, feita em diferentes épocas, de 1899 a 1923. A sua percepção das cores mudou à medida que a catarata avançava. As cores branco, verde e azul foram sendo substituídas pelo laranja-vermelho. Mais adiante, o artista tornou-se capaz de enxergar apenas vultos e a partir de então, passou a pintar imagens que guardava na memória. VIANA,R.C. A cegueira de Monet. Disponível em http://medicineisart.blogspot.com.br/2011/11/catarata-de-monet.html

95


Memorial Descritivo Samuel Rymer  

Promoção a Professor Titular do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ri...

Memorial Descritivo Samuel Rymer  

Promoção a Professor Titular do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ri...

Advertisement