Page 1

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

MEMORIAL

Apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Promoção a Professor Titular

— 2014 —


Agradecimentos Clarissa Paim Elaine Farias da Costa Jaqueline Costa da Rosa Mara Santos Mirian Cunha S么nia Rozi Ronald Souza Veronica Verleine H枚rbe Antunes


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Sumário Identificação� ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 7 Formação���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 9 Atividades Profissionais� ������������������������������������������������������������������������������������������������������ 11 Introdução���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 13 Biografia� �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 15 Concursos, Provas e Exames���������������������������������������������������������������������������������������������� 21 O Maior Concurso da História������������������������������������������������������������������������������������������ 23 As Reuniões Clínicas������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 29 Homenagem ao Dr. Mário Rigatto���������������������������������������������������������������������������������� 33 I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA���������������������������������� 37 1.1 Pesquisa e Extensão� ��������������������������������������������������������������������������������������������������������� 40 1.2 Bancas ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 58

4


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO ��������������������������������������������������������������������� 67 2.1 Organização, autoria, coautoria de livro ������������������������������������������������������������������������ 70 2.2 Tradução de livro ou capítulo de livro ��������������������������������������������������������������������������� 71 2.3 Autoria, coautoria de capítulo de livro �������������������������������������������������������������������������� 71 2.4 Artigos Publicados � ���������������������������������������������������������������������������������������������������������� 84 2.5 Trabalhos publicados em anais de eventos científicos �������������������������������������������������� 96

III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS� ���������������������������������������������������� 109 3.1 Aulas ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 109 3.2 Orientações Pós-Graduação ������������������������������������������������������������������������������������������ 112

IV – ATIVIDADES DE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA� ������������������������������ 119 4.1 Cargos de Coordenação�������������������������������������������������������������������������������������������������� 119 4.2 Comissões temporárias na condição de indicação ou eleito ��������������������������������������� 119 4.3 Participação em orgãos colegiados da Unidade (Colegiado, Conselho) �������������������� 120 4.4 Membro do Conselho Diretor ou Diretoria de Sociedade Científica �������������������������� 121 4.5 Membro de Conselhos de classe ou associações profissionais ������������������������������������ 121 4.6 Membro de Sociedades��������������������������������������������������������������������������������������������������� 121

Epílogo��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 123

5


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

6


Identificação Nome: Elvino José Guardão Barros Filiação: Altino José Barros e Sara Guardão Nascimento: 13/04/1952 - Almeida/Portugal Carteira de Identidade: 1002796661 SSP - RS - 03/07/1975 CPF: 228.969.100-34 Endereço residencial: Dona Leonor, 194 ap 1403 Rio Branco - Porto Alegre 90420-180, RS - Brasil Telefone: 51 33331398 Endereço profissional: Faculdade de Medicina Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rua Ramiro Barcelos, 2350 Bom Fim - Porto Alegre 90035-003, RS - Brasil Telefone: 51 33598887 Endereço eletrônico: ebarros@hcpa.ufrgs.br | elvino.barros@gmail.com

7


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

8


Formação 1993 - 1995

Pós-Doutorado . Harvard University, HARVARD, Cambridge, Estados Unidos Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

1984 - 1986

Doutorado em Medicina (Nefrologia) Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, Sao Paulo, Brasil Título: Nefrotoxicidade da Ciclosporina: Mecanismos Fisiopa tológicos e Humorais, Ano de obtenção: 1986 Orientador: Nestor Schor Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

1980 - 1983

Mestrado em Medicina (Nefrologia) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, Brasil Título: Determinação dos Níveis Séricos de Gentamicina, de Pacientes Adultos Hospitalizados por Dois Métodos: Radioi munoensaio e Microbiológico., Ano de obtenção: 1983 Orientador: Jaime Kopstein

1972 - 1977

Graduação em Medicina Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, UFCSPA, Porto Alegre, Brasil

9


MEMORIAL

Formação

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Formação Pré-Universitária 1968

Científico, Colégio São João, Porto Alegre, RS

1964

Curso Ginasial Ginásio Vocacional José César de Mesquita, Porto Alegre, RS.

1959

Curso Primário Colégio Estadual Dom Diogo de Souza, Porto Alegre, RS.

10


Atividades Profissionais • Professor Associado IV do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da UFRGS, desde 1989 • Médico do Serviço de Nefrologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, desde 1989 • Médico do Hospital Presidente Vargas, em Porto Alegre, desde 1982 • Médico do Serviço de Hemodiálise do Hospital Divina Providência, desde 1993 • Professor colaborador do Programa de Pós Graduação em Ginecologia e Obstetrícia da UFRGS, desde 2010 • Professor Adjunto do Departamento de Farmacologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1986 a 1989 • Professor Adjunto do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, 1978 a 1989 • Professor Assistente de Farmacologia da Universidade de Passo Fundo, 1979 a 1984 • Médico do Laboratório do Hospital Mãe de Deus, 1999 a 2004

11


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

12


Introdução A palavra Memorial do latim memoriale, significa “Escrito que relata fatos memoráveis”. Neste momento, esse documento foi elaborado com o objetivo específico de progressão funcional de professor Associado IV para Professor Titular do Departamento de Medicina Interna da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Neste sentido, enfatiza a trajetória acadêmica do candidato. Esse memorial foi organizado considerando as atividades de ensino, pesquisa, extensão, gestão e produção profissional de toda a carreira do docente de modo a demonstrar: reconhecimento e liderança acadêmica, geração de conhecimentos, formação de recursos humanos e atividades de administração acadêmica. É um momento único que nos permite olhar para trás e descrever o que fomos, o que fizemos, o que sentimos e o que vivemos. Não é possível contar toda a nossa história e isso não é o objetivo desse Memorial, mas nos permite parar e pensar como foi a trajetória da nossa vida acadêmica. Fazer um retrato dos principais momentos desta trajetória é emocionante, como seria bom se todos os seres humanos tivessem o privilégio de fazer o seu memorial em vida, a história seria muito mais completa, verdadeira e interessante. Eu tenho esse privilégio agora de fazer a minha leitura de uma vida difícil, mas ao mesmo tempo prazerosa. Fui buscar na memória e nos documentos os fatos que mais me marcaram durante todos esses anos. E olhando novamente para trás percebo que já não sou jovem e que o tempo passou muito rápido, essa sensação é incômoda porque desperdiçamos muito tempo em tarefas laborativas e muito menos para a família, o lazer, a leitura, a cultura de uma maneira geral. Muitos filmes deixaram e ser vistos e li muito menos do que gostaria de ter lido. O ideal seria dividirmos o dia em três partes, uma para trabalho, outra lazer e a última menos produtiva para dormir.

13


MEMORIAL

Introdução

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Mais desconfortável é a percepção de que já se passaram mais anos dos que eu tenho para viver. A velhice e a morte sempre me intrigaram, elas sempre tiveram distantes, mas não mais. Gostava de ouvir os velhos sempre com histórias interessantes e algumas aterrorizantes para uma criança, mesmo que não tenha convivido com avós. Tinha muitos conhecidos adultos e idosos que moravam na minha rua quando criança. Seu Jofre tinha uma oficina de estofados e muitas histórias para contar. Seus cinco filhos eram os meus melhores amigos. Um dia subitamente o Sr. Jofre morreu, eu tinha sete anos e presenciei a primeira morte na minha vida. O cadáver sendo velado na mesa da sala da casa e os familiares gritando e chorando aquela perda querida, fiquei muito assustado e até hoje me lembro daquele rosto pálido, imóvel. Talvez esse tenha sido o primeiro episódio que me levaria a fazer medicina.

14


Biografia Nasci em uma família pobre na pequena aldeia chamada Almeida, localizada no norte de Portugal no dia 13 de abril de 1952. Por situar-se na fronteira com a Espanha, Almeida foi construída em forma de estrela e toda cercada por muralhas para se defender das invasões inimigas. Napoleão Bonaparte entrou em Portugal três vezes, todas pela cidade de Almeida. Em 1908, a invasão foi pacífica, tendo ocorrido a pedido de Dom João VI que fugiu para Brasil naquele ano, mudando os rumos da história brasileira. Na época, Dom João pediu aos portugueses que não resistissem às tropas napoleônicas e assim aconteceu: uma invasão francesa sem derramamento de sangue. A nossa família era constituída de meus pais, eu e minhas duas irmãs, sendo que eu sou o filho do meio. A diferença de idade entre nós é de apenas um ano. A vida em Portugal e, particularmente na vila de Almeida, era muito difícil nesta época, pois o país se encontrava sob o regime ditatorial de Salazar. O sonho dos jovens portugueses era a emigração. No dia primeiro de janeiro de 1953, um médico brasileiro, filho de portugueses que moravam em Almeida, decidiu visitar seus parentes na pequena aldeia e passar o primeiro dia do ano com a família. Como todas as famílias se conheciam, meu pai encontrou uma boa oportunidade para tentar sair de Portugal. Procurou o Dr. José Panchorra e explicou-lhe que desejava sair de Portugal. Viajar para o Brasil era sua preferência e, para isso, precisava de um responsável por ele nesse país. O plano seria ir ao Brasil sozinho e encontrar um emprego e depois trazer a família: a mulher e os três filhos. O médico prontificou-se a ajudá-lo e, logo que voltou ao Brasil, encaminhou os papéis necessários, facilitando a vinda da família Barros para o Brasil.

15


MEMORIAL

Biografia

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Dois meses após a partida do Dr. Panchorra, chegou a carta que permitiria a emigração. Meu pai partiu de Lisboa rumo ao Rio de Janeiro no dia 30 de maio de 1953, a bordo do navio Vera Cruz, chegando ao Rio de Janeiro em 8 de junho. Ficou hospedado na casa do Dr. Panchorra, onde teve o prazer de conhecer seu filho Paulo Panchorra, um menino de 7 anos cujo apelido era Paulinho. Como meu pai dispunha de bastante tempo – ainda não tinha conseguido um trabalho no Rio de janeiro – cuidava do menino. Levava-o para passeios pelas praças do Bairro do Meyer, jogavam futebol, brincavam de carrinho. Daí surgiu uma grande e profunda amizade. O Paulinho considerava meu pai como seu verdadeiro pai, porque tinha mais contato com ele do que com o pai, que era médico anestesista e, em razão de seu trabalho, estava sempre ocupado. A amizade entre Paulinho e meu pai era cada vez mais profunda. Mas uma grande tristeza tomou conta de Paulinho quando meu pai recebeu um convite para trabalhar em Porto Alegre com um tio de minha mãe que morava no Brasil há vários anos e era proprietário de uma banca de secos e molhados no Mercado Público. Como esse meu tio-avô precisava de mais trabalhadores para impulsionar o negócio, fez contato com meu pai que aceitou prontamente o convite e rumou para uma nova vida no Sul do Brasil. A despedida dos amigos do Rio de janeiro, em especial do Paulinho, foi difícil, com muito choro de ambos os lados, pois meu pai havia permanecido na casa dos Panchorra por 8 meses. Em Porto Alegre, trabalhando no Mercado Público, meu pai conseguiu dinheiro suficiente para alugar uma casa simples de madeira no Bairro Cristo Redentor. Chegara o momento para trazer a mulher e os filhos. Em setembro de 1954, minha avó materna acompanhou minha mãe de trem até Lisboa, em uma viagem de três horas, cuidando das três crianças. Depois da despedida, minha avó voltou para Almeida e nós partimos para o Brasil no navio inglês, Alcântara, da “Royal Mail Lines, Limited”. Saímos de Lisboa no dia 23 de agosto de 1954 e chegamos

16


Biografia

ao Rio de Janeiro em 4 de setembro de 1954. Nesta época o Brasil se encontrava em um caos social e político em razão da morte do presidente Getúlio Vargas, ocorrido no dia 24 de agosto. Viajamos na terceira classe, com ratos e baratas perseguindo-nos a todo o momento. Por isso, minha irmã mais velha, de três anos, me segurava pela mão – eu tinha 2 anos de idade – com energia e entusiasmo para fugir daquele inferno que era o porão do navio. No andar de cima, onde ficava o convés, a vida era mais atrativa, mais alegre e o ambiente mais limpo e bonito. Era onde ficava a primeira classe, com melhor comida e gente mais bonita e simpática. Os marinheiros não se incomodavam com aquele pequeno delito cometido por duas crianças famintas e com medo de ratos e baratas, deixando que nos deliciássemos com uma comida de melhor qualidade. Minha mãe permanecia nos cômodos da terceira classe, cuidando da filha mais nova, de apenas um ano de idade. Onze dias depois chegamos ao porto do Rio de Janeiro, pois naquela época, os navios vindos da Europa tinham de permanecer a 40 quilômetros da costa brasileira, em “quarentena”, por 10 dias. Meu pai já nos esperava no porto do Rio de Janeiro e, com a ajuda do Dr. Panchorra, que era médico da Marinha, foi de lancha até o navio para nos encontrar. Lá encontrou a filha mais velha perambulando pelo navio e a pegou no colo rumo à terceira classe onde se encontrava o restante da família. Quando se viram, todos começaram a chorar sem parar, abraçaram-se e tiveram a certeza e a esperança de que o Brasil seria um país de futuro promissor para aquela família pobre, simples, vinda de um país desacreditado. Entramos na lancha da Marinha e logo chegamos ao porto do Rio de Janeiro. O Dr. Panchorra nos levou de carro para sua casa. Era uma bela casa de dois pavimentos no Bairro do Meyer onde toda a sua família nos esperava. Ela era constituída de sua esposa, a mãe, que morava junto com a família, e o filho Paulinho, o qual ficou fascinado com a volta de seu amigo, o meu pai. O pequeno Paulinho logo começou a ficar agressivo, pois seu amigo agora tinha uma trupe que o acompanhava e não lhe dava a mesma atenção de meses atrás quando era seu amigo exclusivo. Agora precisava dividir seu grande amigo com outras três crianças, as quais deviam parecer horrorosas aos seus olhos. Permanecemos na casa do Dr. Panchorra por 15 dias, enquanto esperávamos o navio que nos levaria do Rio de Janeiro para Porto Alegre. O navio que nos trouxe à Porto Alegre foi o “Itaimbé”, da Companhia Nacional de Navegação Costeira, que vinha do Norte do País. Passados mais de cinquenta anos da nossa chegada ao Brasil, num almoço familiar de fim de semana, a conversa era sobre a imigração de nossa família. Neste dia, meu

17


MEMORIAL

Biografia

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

pai falou do Paulinho com muito carinho, dizendo que havia se formado em Medicina e que também era anestesista, como seu pai. No dia seguinte, segunda-feira, resolvi tentar localizar o Dr. Paulo Panchorra utilizando uma ferramenta de busca da Internet. Digitei “Paulo Panchorra” e percebi que foram relacionados sete sites com alguma associação àquele nome. Escolhi um endereço que mostrava o Dr. Paulo Panchorra como presidente da UNIMED Pirassununga, São Paulo. Liguei para a UNIMED e depois de muita conversa consegui o telefone do Dr. Panchorra. Telefonei no mesmo momento, me identificando como o português que ficou em sua casa no ano de 1954, na época da morte de Getúlio Vargas. Seguiu-se um longo silêncio. Muito tempo depois (porque segundos, nesses momentos, são uma eternidade) uma voz embargada e chorosa disse que se lembrava perfeitamente de tudo que havia acontecido naqueles quinza dias em que ficamos em sua casa, e que esses acontecimentos jamais haviam saído de sua memória. Disse ainda que, naquele momento, não tinha condições de falar, porque estava muito emocionado. Mas prometeu enviar um e-mail relatando suas lembranças.

No dia seguinte chegou o e-mail do Dr. Paulo Panchorra: Caro Elvino, quero dizer-te que muito me emocionou seu telefonema nesta semana. O que tenho na memória é o que passo a descrever. É o que tenho nos porões da minha consciência. Saímos do Brasil  no mês de agosto de 1952, a bordo do navio Vera Cruz, levamos 8 dias para chegar a Lisboa. Lembro-me de detalhes da viagem como o do batismo a bordo, daqueles que nunca haviam atravessado a linha do  Equador. Eu tinha medo deste dia que estava sendo programado e anunciado para a beira da piscina. Achava eu que haviam de pegar-me e mergulharem-me na piscina sem dó nem piedade. Eu tinha 5 anos e alguns meses. Chegamos a Lisboa  e de lá fomos para Almeida, para a casa da minha tia-avó Emília, onde ficamos por um tempo. Não havia banheiro e eu tomava banho numa bacia e usava como todos da casa, urinóis para as necessidades. Ela tinha uma mula e uma cabra que nos dava leite para o café da manhã. Havia uma padaria na cidade que pegou fogo na época em que lá estávamos e eu tinha medo de passar perto de seus escombros que ficavam perto das muralhas de Almeida, à entrada da cidade. Um dia, não sei se minha própria tia-avó Emília ou se sua irmã, Laura,  que morava em Val de La Mula ou Vilar Formoso, ou uma outra pessoa – não lembro bem – apresentou teu pai ou falou dele com meu pai, pedindo apoio no Rio de Janeiro. Meu pai concordou em dar este apoio; não sabia eu quando e como. Em seguida minha memória vem ao Rio de Janeiro, acho que em 1954 (eu tinha por volta de sete a oito anos)  no desembarque do teu pai que trazia um relógio de mesa, tipo carrilhão para meu pai. Vocês dormiam em colchões colocados ao pé da escada que conduzia ao andar superior de nossa casa, que era grande, mas não bem dividida: tinha apenas dois quartos e um banheiro no andar de cima; não havia suíte como existe nas casas de hoje em dia. A parte de baixo tinha  uma varanda, duas salas, uma copa, uma cozinha e um pequeno banheiro. Num dos quartos, em cima, eu dormia com minha

18


Biografia

avó e, no outro, ficavam meu pai e minha mãe. Ao fundo, no quintal, ficava o quarto de nossa babá, uma negra chamada Arlete, que nós tratávamos de Maria. Ela dividia seu tempo com os afazeres da casa e também, eventualmente, cuidava de nós. Eu tinha um péssimo hábito para te atormentar: descia as escadas pela manhã e, enquanto tu ainda dormias, eu me debruçava no corrimão da escada, mirava teu ouvido e soltava um pingo de saliva para ver se conseguia acertar dentro dele. Lembro-me também que tu vivias com uma rinorréia espessa (não sei se depois fostes portador de otite média crônica), choravas muito e, quando tua mãe às vezes te batia, tu dizias: “mamãe é mau, me dá com pau”. Hoje sei que este meu comportamento  atormentador era fruto de ciúmes de ter outras crianças no meu território. A parte mais feliz e gratificante de minha memória é a respeito de teu pai. Minha mãe só deixava que eu fosse para a rua andar de patinete acompanhado dele. Eu saía pedalando o patinete e teu pai saía a correr atrás de mim. Lembro que ele era atlético, forte, e tomava conta de meu passeio preocupado que eu viesse a cair da máquina. Nós morávamos com minha avó Albertina, mãe de meu pai, que era a matriarca da casa, mandando em tudo e em todos, era muito centralizadora e severa. Sendo meu pai filho único, obedecia a ela cegamente, inclusive em detrimento de minha mãe, que nunca se aborreceu com isso, sendo sempre passiva e conciliadora. Um dia, não sei precisar quanto tempo após a chegada de vocês,  convencido por minha avó (após várias conversas reservadas de que eu tinha conhecimento), meu pai teve uma conversa com teu pai dizendo que vocês não poderiam mais permanecer em nossa casa no Rio de Janeiro e deveriam procurar um outro lugar para ficar. Lembro-me até hoje da minha tristeza por perder meu AMIGO, Altino, teu pai, que não mais iria passear comigo e meu patinete vermelho. A lembrança deste episódio  ainda hoje me emociona e me leva às lágrimas. Tive notícias depois, muito tempo depois – eu já era adulto e acho que estudante de Medicina –, de que vocês estavam no Sul do País. Teu pai havia telefonado e falado com minha mãe, dizendo-lhe que estavam todos bem. É isso, meu amigo, o que tenho nos porões da minha memória e digo-te: gostaria imensamente de vê-los, falar com teu pai que era meu amigo mais velho e que passeava comigo, me dava atenção, o que meu pai não tinha tempo de fazer em face de seu trabalho intenso como médico anestesista em vários hospitais do Rio de Janeiro.

Saímos da casa do Dr. Panchorra agradecidos pelo acolhimento, mas também envergonhados pelo trabalho que demos a toda a família que vivia harmonicamente em uma boa casa, mas com tamanho suficiente apenas para uma família, não duas. Chegamos a Porto Alegre alguns dias depois e fomos morar numa pequena casa de madeira no Bairro Cristo Redentor, a qual havia sido previamente alugada por meu pai. Lembro que nesta época buscávamos água para o consumo doméstico em um poço artesiano utilizado por mais dez famílias que moravam no pequeno bairro próximo à Estrada do Forte. Minha mãe, sempre com medo de que caíssemos no poço, não deixava que seus filhos buscassem água. O banheiro também era fora da casa.

19


MEMORIAL

Biografia

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Três anos depois de morar nesta casa simples nos mudamos para uma casa melhor, já com cinco anos, onde eu dividia um quarto com minhas duas irmãs. Aos sete anos comecei a estudar no Colégio Estadual Dom Diogo de Souza que ficava próximo de nossa casa e me permitia ir a pé. Foi uma nova fase. Adorava o colégio e os meus colegas. Viver no colégio era melhor do que ficar em casa sozinho, pois minha mãe precisava trabalhar. Ela vendia roupas a domicílio, de porta em porta, inicialmente no bairro onde morávamos e, depois, por inúmeros outros bairros de Porto Alegre. Ela foi sempre o meu modelo. Depois de cinco anos, terminei o primário e, como não tinha ginásio neste colégio, fiz o exame de admissão para o ginásio no Colégio José Cezar de Mesquita, também próximo de nossa casa, onde obtive bolsa de estudos. Com o trabalho da minha mãe e do meu pai conseguimos comprar um terreno na Rua Dom Diogo de Souza e construímos a nossa primeira casa. Agora com um banheiro dentro de casa e um quarto para mim e o outro para minhas irmãs. Esse foi um momento importante no desenvolvimento de toda a família. Naquela época, brincávamos na rua jogando futebol, jogando bolitas, pião e, principalmente, andando de carrinho de rolimã. O científico foi cursado no Colégio São João que ficava mais distante de minha casa e, por isso, havia a necessidade de utilizar transporte coletivo para chegar ao Colégio. No terceiro ano do ginásio, a turma, que havia convivido por dois anos, foi divida entre aqueles com interesse em Engenharia e os que desejavam cursar Medicina. Apesar de os meus melhores amigos terem optado por engenharia, eu preferi Medicina.

20


Concursos, Provas e Exames 1. Concurso para Interno Bolsista do Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre (HPS), realizado no segundo semestre de 1975. Aprovado com média final de 84,4, obtendo o terceiro lugar na classificação geral. 2. Aprovado, através de concurso para monitoria da disciplina de Histologia da Fundação Faculdade Católica de Porto Alegre (UFCSPA), em 1975. 3. Aprovado no concurso para Doutorando do Pronto Socorro Particular de Porto Alegre, realizado em novembro de 1976, obtendo o primeiro lugar na classificação geral. 4. Aprovado, com média 76,0 no Exame “Educational Comission for Foreign Medical Graduates”, em julho de 1977. 5. Aprovado no Exame da Associação Médica do Rio Grande do Sul, realizado em setembro de 1977. 6. Aprovado no Concurso de Residência Médica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em novembro de 1977. 7. Aprovado no Concurso para Médico, especialidade Clínica Médica do INAMPS, realizado em São Paulo, em 1984. 8. Aprovado no Concurso para Médico do INAMPS, especialidade: Medicina Intensiva da Prefeitura do estado de São Paulo, realizado em São Paulo, em 1984. 9. Aprovado no Concurso para professor Auxiliar da Disciplina de Farmacologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, obtendo o primeiro lugar, em Porto Alegre, 1984.

21


MEMORIAL

Concursos, Provas e Exames

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

10. Aprovado no Concurso para Médico na especialidade de Clínica Médica do INAMPS, realizado em Porto Alegre, 1981. 11. Aprovado no Concurso para professor Auxiliar de Ensino do Departamento de Medicina Interna da Universidade Federal Rio Grande do Sul, obtendo o quinto lugar, em Porto Alegre, 1988, o maior concurso na história do Departamento de Medicina Interna da UFRGS.

22


O maior concurso da história do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Um dos fatos mais marcante na minha vida acadêmica foi participar do maior concurso do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). No dia 8 de janeiro de 1987, o colegiado do Departamento de Medicina Interna reuniu-se e aprovou a composição da Banca Examinadora do Concurso Público para provimento do cargo de professor Auxiliar. A nominata da banca de examinadores incluía os professores Mário Rigatto, Sérgio Menna Barreto, Tânia Weber Furlanetto, Denis Martinez e Frederico Arthur Danhe Kliemann. No dia 13 de abril de 1987, foi publicado novo edital no Diário Oficial da União para a abertura das inscrições para seis vagas. Em 8 de maio de 1987, o Conselho Departamental definiu a banca que ficou assim constituída: Prof. Mário Rigatto (Presidente) Prof. Sérgio Menna Barreto Profª. Tânia Weber Furlanetto Suplentes: Prof. Denis Martinez Frederico Arthur Dahne Kliemann

23


MEMORIAL

O Maior Concurso da História

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Após a definição da banca, ocorreu um fato superveniente que levou um candidato a interpor recurso inesperado de suspeição contra um dos integrantes da Comissão Examinadora. A Comissão de Legislação, Regimento e Recursos acatou o recurso impetrado e solicitou uma nova composição da banca examinadora. Em 3 de agosto de 1987, por meio do edital nº 425/88 foi definida a nova banca examinadora, constituída pelos professores Mário Rigatto, Tânia Weber Furlanetto e Denis Martinez. Um número elevado de candidatos se inscreveu e o edital nº 333 de 8 de setembro de 1987, homologou 105 inscrições e indeferiu 3. Até essa data, a maioria dos professores da Faculdade de Medicina era convidada pelos catedráticos das enfermaria da Santa Casa de Misericórdia e pelos professores, chefes de serviço, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. A partir desse edital, a seleção de professores passou a ser feita somente por concurso público. Na categoria de Auxiliar de Ensino, a única exigência para a inscrição era ser médico. Essa foi a principal razão de tantos candidatos terem se inscrito. O processo todo, desde a elaboração do primeiro edital até a realização do concurso, foi muito demorado, levando mais de um ano. Isso talvez seja a explicação para a presença de apenas 55 candidatos por ocasião do início das provas. Este concurso teve vários aspectos curiosos, os quais foram ilustrados pelo Prof. Tor Gunnar Hugo Onstein. A primeira ilustração mostra que a entrada na universidade por “trenzinho da alegria” foi modificada e, a partir deste concurso, a admissão de professores na universidade não seria mais por convites pessoais, mas pela porta da frente através de concursos. O concurso apresentou uma parada temporária, no dia 30 de setembro do mesmo ano, em virtude de uma dor lombar de forte intensidade do presidente do concurso. Dr. Mário Rigato, que precisou se ausentar até o dia 18 de outubro, quando o concurso foi retomado com a mesma banca. Assim, a duração do concurso foi de praticamente um semestre; o mais longo concurso já realizado, em todos os tempos, na Faculdade de Medicina da UFRGS.

24


O Maior Concurso da História

Essa primeira etapa consistia de uma prova escrita com consulta. Ela ocorreu em 15 de agosto de 1988.

A segunda etapa da prova, avaliação da didática do candidato, consistia em uma aula de 45-50 minutos de um assunto sorteado 24 horas antes da apresentação. Essa etapa era a mais estressante porque o assunto poderia ser de qualquer especialidade.

Eu tive o azar de sortear um assunto de pneumologia, “Fisiopatologia da Insuficiência Respiratória Crônica” com dois eminentes pneumologistas na banca examinadora. O assunto não poderia ser pior, mas apesar disso, me sai muito bem. Muitos candidatos passavam mal no momento deste sorteio.

25


MEMORIAL

O Maior Concurso da História

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Muitas aulas eram assistidas por familiares que faziam uma grande festa no final. Algumas aulas foram prejudicadas pela presença de barulho de pedreiros que estavam reformando a sala de aula ao lado.

A última aula ocorreu no final do semestre com os a banca examinadora exausta.

A última etapa da prova foi a avaliação do Curriculum, sem a participação dos candidatos.

26


O Maior Concurso da Hist贸ria

O resultado do concurso foi publicado no edital 489 de 16 de janeiro de 1989.

27


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

28


As Reuniões Clínicas, as Sessões Anatomopatológicas e os Grand Rounds do Hospital de Clínicas de Porto Alegre Logo que o novo grupo de professores concursados para o provimento das vagas para Professor Auxiliar de ensino do Departamento de Medicina Interna da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) iniciou suas atividades, no início de 1989, o Prof. Mário Rigatto, Chefe do Departamento de Medicina Interna, teve a ideia de começar uma Reunião Clínica semanal e uma Reunião Anatomopatológica mensal no anfiteatro do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) aberta a todos os profissionais que trabalhassem neste hospital. Para a Reunião Clínica, seu projeto era o de trazer um paciente internado no hospital cujo caso encontrava-se em discussão e, ao vivo, abordar algum aspecto da anamnese com o paciente. Na ocasião, ponderei que isso seria difícil e constrangedor, além de ter questões éticas envolvidas neste tipo de atividade. O Prof. Rigatto concordou com minhas observações e iniciamos as reuniões sem a presença do paciente. A reunião era chamada de Reunião Clínica onde um residente do Serviço de Medicina Interna apresentava um caso clínico que era discutido por um convidado e depois se abria espaço para perguntas, discussão e comentários. A sessão era finalizada com uma revisão e atualização sobre o assunto. Fui chamado pelo Prof. Rigatto para ser o primeiro coordenador desta atividade. A

29


MEMORIAL

As Reuniões Clínicas

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

reunião foi um grande sucesso e se mantém até os dias de hoje. Assumi a coordenação por 6 meses e depois fui transferido para a Santa Casa de Misericórdia por um semestre, tendo sido então substituído na função pelo Prof. Mauro Antônio Czepielewski. Depois de 6 meses, voltei para o HCPA e reassumi a atividade de coordenador das Reuniões Clínicas, as quais coordenei até o final de 1993. Em março de 1994, as atividades das Reuniões Clínicas foram retomadas com algumas alterações. As mudanças começaram pela modificação do nome, agora denominado Grand Round e coordenado pelo Prof. James Fleck. O Grand Round continuava ocorrendo todas as quartas-feiras das 10h30min às 11h30min. Neste novo formato, cada encontro estava centrado em um tema de interesse médico geral, com enfoque de atualização. As reuniões iniciavam com um breve relato de um caso clínico – ilustrativo do tema principal – com duração de 15 minutos. A seguir, era feita uma revisão de sua importância, também durante 15 minutos. Na sequência, um professor, especialista no assunto, enfocava o aspecto de atualização do tema durante 20 minutos. Os 10 minutos finais eram abertos para discussão plenária. O Prof. James Fleck esteve à frente dessa atividade por 4 anos. A partir de 1999 até 2001, voltei a coordenar o Grand Round.

O Grand Round continua a ser realizado sob a responsabilidade da Faculdade de Medicina e da Vice-presidência Médica do HCPA até os dias de hoje, agora novamente com a coordenação do Dr. James Fleck. O horário passou para 11:30-12:30h e os assuntos, de interesse médico geral, são discutidos por um ou mais convidados, no final das apresentações é aberto espaço para comentários e perguntas.

30


As Reuniões Clínicas

31


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

32


Homenagem ao Dr. Mário Rigatto

Homenagem ao Dr. Mário Rigatto Na quarta feira, 16 de dezembro de 1998, a última reunião clínica do ano no Hospital de Clínicas “Grand Round”, foi apresentada pelo Dr. Mário Rigatto o tema: para que serve a velhice? É um tema atual, polêmico, apaixonante e cada vez mais lembrado dentro da nossa sociedade. Até porque a grande maioria de nós provavelmente será velha nos anos que se sucedem. Ao longo dos séculos e mais recentemente ao longo das décadas a perspectiva de vida tem aumentado progressivamente favorecendo uma sociedade cada vez mais velha. A razão básica e fundamental dessa mudança é certamente o avanço tecnológico e médico dos últimos anos, permitindo, através do cuidado e da cura de várias doenças, aumentar a expectativa de vida da população no mundo inteiro. Posso, claramente, lembrar de quando era um adolescente enxergava meus pais como velhos, quase no fim da vida, embora, hoje, eu tenha a mesma idade que eles naquele tempo. E não me considero velho como eu os via na minha infância. Somos, agora, mais jovens do que no passado, ou simplesmente negamos a condição de estarmos envelhecendo? Provavelmente estamos mais jovens por uma única razão: nossa expectativa de vida é bem maior. Estamos, pois, mais jovens, queiramos ou não. Mas o é que ser velho? Talvez seja quem desistiu de viver, independente da idade. Talvez seja o desinteressado pelas pessoas e seu meio. Ou, talvez, a velhice seja apenas uma etapa da vida.

33


MEMORIAL

Homenagem ao Dr. Mário Rigatto

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Esta etapa da vida pode ser a melhor, ou a pior. Certamente será a mais reflexiva. Nela voltaremos a nos perguntar a razão da vida, quem somos, o que estamos fazendo aqui. Para onde iremos? Essas perguntas intrigantes, incomodativas e difíceis, surgidas na adolescência, ficam esquecidas por um tempo. Até porquê, teoricamente, teríamos toda a vida para tentar respondê-las. E, se deixaram de perturbar durante um longo período de nossas vidas, foi porque tínhamos outras preocupações como adultos. Na velhice, elas retornam com mais intensidade, reclamando pressa para as respostas. Continuaremos sem essas respostas, mas certamente, iremos refletir com muito mais intensidade do que antes. Também teremos mais tempo para as leituras, conversas, passeios, para fazer novos cursos, novas amizades, novas viagens. Devemos, pois, estar abertos e prontos para receber os outros e apreender com a experiência do velho, sua paciência e principalmente a sabedoria adquirida. Toda essa introdução justifica-se pelo desejo de homenagear o Dr. Mário Rigatto. O Dr. Rigatto considerava-se velho e, portanto, apto para falar sobre o tema. O tema da velhice ocupou-o durante muito tempo, visível nas inúmeras palestras e aulas que ministrou e nas conferências que proferiu. Nessas, costumava dizer que a velhice é um produto médico. Os avanços da medicina tem proporcionado a velhice. Ninguém influiu mais na velhice do que o médico. Hoje os velhos são a fatia que mais cresce na sociedade, mesmo na sociedade brasileira. Mas, qual é o conceito de velho? Adota-se, arbitrariamente, o parâmetro da idade acima de 65 anos. Ao fixarmos este parâmetro, nos deparamos com vários aspectos interessantes de serem observados. Com todo o progresso médico e da ciência de uma maneira geral viveremos mais de 100 anos, com certeza 115 a 120 nas próximas décadas. A duração da vida, em 1900, era de 30 anos. Se a velhice começa aos 65 anos, o velho, nos dias de hoje, irá viver mais de 50 anos como velho. É a faixa mais longa da vida. Velho seria um adulto que vive muito? Ou a criança seria um adulto que viveu pouco? Quem sabe o velho seria um adulto gasto? A idéia que a velhice é o fim ou a antecâmara para o fim, não faz muito sentido. E citava, como exemplo, o fenômeno da menopausa. Há poucos anos, ela era considerada o fim da vida para as mulheres. A mulher, sem reproduzir deveria sumir do palco. Hoje, há a consciência de que depois dos 45-50, a mulher ainda pode viver mais 50 anos. Mas, para que serve a velhice? O que há de tão bom na velhice? Por que a natureza tem, nos dias de hoje, reservado o maior período das nossas vidas como velhos? Certamente não é para sermos considerados uma deterioração do moço, uma teoria prevalente no nosso meio. Muito menos para sermos considerados inúteis, chatos e feios. O velho é útil e necessário ao equilíbrio da sociedade. Em vez de esperar pela morte, ele deve ampliar suas tarefas. Ele quer mais tarefas. Mas nem sempre consegue trabalhar, o espaço tem sido ocupado pelos jovens. O trabalho é a maior motivação na vida. E, então,

34


Homenagem ao Dr. Mário Rigatto

surgem as dificuldades: quer um curso, não tem vaga. Estudar, não pode. Estabelecer uma relação amorosa, não pode. O velho é triste, é feio e chato. É triste porque é velho. É doente. É feio, triste, doente e chato. É para isto que serve a velhice?

O velho é feio. Por quê? Tem cabelo branco, tem rugas. Alguém conhece cor mais bonita do que o branco, pergunta o Dr. Mário Rigatto. Se tiver cabelos brancos, é velho. E as rugas? Elas só podem embelezar ainda mais uma pessoa. Se o artista de televisão e de teatro, quanto mais velho, melhor. As rugas dão expressão. Olha o bebê, de cara toda esticadinha, sempre o mesmo. Já o velho tem rugas porque amou, chorou, vive e viveu. A ruga não é feia, surgem, então, os preconceitos: não quero ter ruga porque ter rugas é ser velho. E ser velho é ser feio. Dr. Mário Rigatto dizia não querer passar a vida toda com a mesma cara, não queria ver-se esticadinho como nené. Um velho com saúde é uma beleza de pessoa. Quanto mais velhos nos tornarmos, melhor somos como pessoas, tornando-se mais tolerantes.

35


MEMORIAL

Homenagem ao Dr. Mário Rigatto

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

O velho tem algo muito especial que adquiriu com os anos: ele tem sabedoria. O Prêmio Nobel de literatura, no ano de 1998, José Saramago, referiu, em entrevista, o fato de que a pessoa que mais lhe ensinou, não sabia ler ou escrever. Era o seu avô, um velho cheio de sabedoria. Sabedoria se consegue com a velhice, com a idade. Necessitamos da sabedoria dos velhos e também da impulsividade dos jovens. Misturar o sábio, o velho, o criativo, o impulsivo, o jovem, mistura sensata e inteligente. A velhice é um privilégio nunca um castigo. Para encerrar esta homenagem ao Dr. Mário Rigatto, quero referir uma crônica, do jornal Zero Hora, publicada no dia 13 de dezembro de 1998. A crônica, do jornalista Paulo Sant’Anna, intitulada “Homem não sabe o que quer”, trata o tema da aflição de ser velho. O maior tesouro da vida é, segundo o cronista, a juventude; a maior fortuna, a saúde. O rico entregaria, muitas vezes, toda a sua fortuna para tornar-se jovem e cheio de saúde. Nessas colocações avulta a importância que muitas pessoas dão à juventude. Será que ser jovem não seria também aceitar com naturalidade as etapas da vida? E, assim, qual dessas duas posições seria a mais aceitável: acolher a velhice como uma etapa natural da vida, ou fazer o possível para permanecermos jovens e, com isto mais felizes segundo a teoria de Paulo Sant’Anna? Dr. Mário Rigatto nos deixou na madrugada de 17 de janeiro de 2000. Era portador de uma doença rara, amiloidose primária, com comprometimento de vários órgãos como: coração, fígado e rins. Devido a insuficiência cardíaca foi submetido a um transplante cardíaco. Apresentou insuficiência renal e foi submetido a diálise. Devido a infecção generalizada não resistiu e faleceu ainda muito jovem, tinha 71 anos de idade. Dr. Carlos Gottschall assim se referiu a ele:

Mário nunca mostrou medo e, se o tinha, era para vencê-lo. Mesmo diante da doença irreversível, disse-me sorrindo: Sei que minha chance é pequena, devido à doença ser sistêmica, mas vou me agarrar no transplante cardíaco porque é tudo que me resta. Quando já em situação crítica, ao ver um ou outro colega não conseguir disfarçar a preocupação, animava: Não te preocupa, está tudo bem; ganhar ou perder faz parte do jogo *.

Deve ser o primeiro caso na medicina de paciente consolando o médico! *Crônica publicada no Jornal Zero Hora de 19 de janeiro de 2000 pelo Dr. Carlos Antônio Mascía Gottschall

36


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA A educação médico continuada foi um dos pilares que norteou a minha vida acadêmica. Já há muitos anos tenho promovido eventos, congressos e simpósios. Além disso, como Diretor Científico da Associação Médica do Rio Grande do Sul, criei um boletim mensal cujo objetivo era o de atualizar os médicos do Estado sobre os mais relevantes e atuais assuntos médicos. Embora não seja possível escolher um evento como o mais significativo, um deles continua sendo realizado até os dias de hoje: é o evento sobre a Morte que busca discutir essa questão fundamental do ciclo de nossa vida, um assunto pouco abordado na grade curricular da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O último evento ocorreu no mês de outubro de 2014 e abordou temas como: 1. A morte é um dia que vale a pena viver 2. Morte a última escolha? Representação do morrer no cinema 3. O direito sucessório e as formas de manifestações de última vontade

37


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

4. A morte e o morrer: de Elizabeth Kubler-Ross passando por Jon Kabat Zinn, Rachel Naomi e Jerome Groopman

Programa de Educação Médica Continuada: AMRIGS E FAMED/UFRGS A Associação Médica no Rio Grande do Sul (AMRIGS) desde a sua fundação esteve preocupada com a educação médica continuada. Com o crescente e contínuo desenvolvimento da Medicina, se torna obrigatória a atualização dos médicos por meio de cursos, congressos, palestras, simpósios e mesmo por encontros pessoais com colegas do interior do estado para discutir os casos mais complicados. O paciente é o centro da atividade médica. Portanto, qualquer programa de educação médica, para ter eficiência, deve ser centrado no paciente. O trabalho em equipe do médico, relacionando-se com os colegas e demais profissionais da área da saúde, permite a troca de experiências, a aceitação de críticas e o auxílio, facilitando a busca da melhor solução para os problemas do paciente. O Boletim do PEC foi criado pelo Prof. Galton de Campos Albuquerque para ser um veículo ágil e com enfoque didático dos conhecimentos médicos práticos. Foi estruturado

38


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

para contemplar três seções básicas: a primeira, de artigos com conteúdo eminentemente prático; a segunda, um “Clube de Revista” em que eram publicados resumos da literatura internacional e, a terceira, “Consultoria Médica”, em que os especialistas respondiam questões específicas formuladas pelos colegas de todo o estado. Eu tive o prazer de contribuir com inúmeros artigos neste boletim que foi publicado por três anos, de abril de 1997 a dezembro de 1989.

Na década de 1980, o Prof. Waldomiro Carlos Manfroi, diretor da Faculdade de Medicina da UFRGS, criou o Programa de Educação Médica Continuada nesta Faculdade, iniciativa da qual também participei. Abaixo, uma relação das minhas participações nas atividades de Educação Médica Continuada: • Barros E. Avaliação laboratorial da urolitíase. BOLETIM DO PEC , 1(8), 1987 • Barros E, Petrillo V F. Antibioticoprofilaxia em cirurgia. BOLETIM DO PEC, 1(9) 1987. • Giugliani M C K, Giugliani, Veronese F, Barros E. Litíase renal por hiperoxalúria. BOLETIM DO PEC, 2(1) 1988. • Barros E, Ramos A M, Gehlen M K, Rangel L A, Cacillas A A. Carbonato de Lítio:

39


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

indicações e efeitos adversos. BOLETIM DO PEC, 2(4) 1988. • Barros E, Giugliani M C K, Giugliani, Veronese F. Avaliação laboratorial da urolitíase. BOLETIM DO PEC, 2(4) 1988. • Barros E, Scheid M M, Barros Helena M T. Determinação de potássio, sódio e cálcio em refrigerantes e sucos de frutas naturais. BOLETIM DO PEC, 2(8) 1988. • Barros E, Gomes M I. Sistema internacional de unidades para drogas e tóxicos. BOLETIM DO PEC, 2(9) 1988. • Santos C G, Ludwig E B, Marroni B J, Knijnik J, Barros E. Hipertensão arterial renovascular: aspectos diagnósticos. BOLETIM DO PEC, 2(10) 1988. • Sprins E, Barros E. Sulfametoxazol/trimetoprim na prática médica. BOLETIM DO PEC, 3(2) 1989. • Aragon de Vecino M C, Siqueira L, Barros E. Sulfametoxazol/trimetoprim na prática médica. BOLETIM DO PEC, 3(4) 1989. • Camargo E S, Barros E. Cetoconazol. BOLETIM DO PEC, 3(5) 1989. • Aragon de Vecino M C, Melo L L, Haussen S R, Barros E. Tratamento das meningites bacterianas mais frequentes. BOLETIM DO PEC, 3(7) 1989. • Muller M, Silva G L, Petrillo VF, Barros E. Diarréia na infância e antibioticoterapia. BOLETIM DO PEC, 3(12) 1989. • Cardoso P R, Bittencourt H, Barros E. Ciprofloxacin. BOLETIM DO PEC, 3(12) 1989.

Programa de Educação Médica Continuada: UFRGS • Curso Diagnóstico e tratamento básicos em Nefrologia • Curso Diagnóstico diferencial do paciente com urolitíase. 24/05/2001

1.1 Pesquisa e Extensão 1.1.1 Captação de recursos financeiros para projetos acadêmicos ou de interação com a Sociedade FIPE – Hospital de Clínicas de Porto Alegre Projeto 05-102 - Determinação da concentração urinária de sulfametoxazol-

40


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

trimetroprim necessária para inibir o crescimento de cepas de escherichia coli resistentes R$ 3.337,15 Projeto 05-035 - Qualidade de vida de pacientes com insuficiência renal aguda submetidos a tratamento dialítico em centro de terapia intensiva R$ 2.214,00 Projeto 04-148 - Marcadores moleculares aplicados ao estudo da doença renal policística do adulto em pacientes submetidos à hemodiálise no rio grande do sul: prevalência, diagnótico eprognóstico R$ 3.987,00 Projeto 02-413 - Avaliação da função endotelial venosa em pacientes renais crônicos R$ 1.223,99 Projeto 01-205 - Avaliação epidemiológica dos distúrbios do potássio nos pacientes da internação clinica de um Hospital Universitário R$ 262,00 Projeto 01-153 - Avaliação da ingesta de cálcio em pacientes com e sem litíase R$ 440,00 Projeto 00-194 - Estudo da doença renal policística do adulto em Porto Alegre R$ 2.559,00

Projetos de Pesquisa da Iniciativa Privada administrados pela Fundação Médica do Rio Grande do Sul Estudo aberto não comparativo de avaliação de eficácia e tolerabilidade da combinação de anlodipino e enalapril em uma única formulação galênica no tratamento da hipertensão areterial no Rio Grande do Sul Patrocinador: Biosintética Ltda R$ 4.391,46 Avaliação da eficácia e tolerabilidade da combinação FIXA (anlodipino/losartana) versus monoterapia com atenolol, lisinopril e clortalidona em pacientes com hipertensão arterial estágio 1 (leve) e 2 (moderada), e da eficácia, tolerabilidade

41


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

e número de pacientes que necessitarão da combinação fixa tripla (anlodipino/ losartana/cortalidona), após o uso de monoterapia e combinação dupla. Estudo nacional, multicêntrico, randomizado e comparativo Patrocinador: Biosintética Ltda. R$ 8.650,00 Estudo clínico para redução dos eventos cardiovasculares com a terapia com aranesp Patrocinador: Amgen R$ 13.320,99

Projetos de Desenvolvimento com recursos administrados pela Fundação Médica do Rio Grande do Sul Estudo aberto não comparativo de avaliação de eficácia e tolerabilidade da combinação de anlodipino e enalapril em uma única formulação galênica no tratamento da hipertensão arterial essencial no Rio Grande do Sul R$ 6.079,00 Elaboração de uma série de livros com conteúdo prático para auxílio na formação de profissionais na área de saúde: medicina, enfermagem, odontologia e farmácia R$ 47.550,00 Evento em conjunto entre os Serviços de Nefrologia e Medicina Interna do HCPA R$ 4.240,00 Discutir os aspectos do ensino médico nos dias de hoje R$ 2.120,00 Curso de Atualização sobre Antimicrobianos para médicos, residentes e alunos R$ 7.280,00 Morte e Imortalidade R$ 5.540,00 II Simpósio Sobre Morte e Imortalidade R$ 7.600,00 III Simpósio Sobre Morte e Imortalidade R$ 6.120,00

42


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

1.1.2 Organização/Coordenação de cursos e eventos aprovados institucionalmente Coordenador das Reuniões Clínicas Mensais do Hospital de Clínicas de Porto Alegre de 1989 a 1993 e do Grand Round de 1999 a 2000. 3º Simpósio de Morte e Imortalidade, realizado pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, de 17 a 18 de outubro de 2014. I Encontro Sul Brasileiro de Ligas Acadêmicas de Nefrologia - Encerramento, no V Congresso Sul Brasileiro de Nefrologia, promovido pela Sociedade Gaúcha de Nefrologia, em 2013. 2º Simpósio Morte e Imortalidade, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 2013. Antimicrobianos no século XXI: Desafios e Perspectivas, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 2012. O ensino médico no século XXI: desafios e perspectivas, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 2012. Simpósio Morte e Imortalidade, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 2012. 13ª Jornada Gaúcha de Nefrologia, promovida pela Sociedade Gaúcha de Nefrologia, em 2009. II Congresso Sul Brasileiro de Nefrologia, 2007. Curso de Nefrointensivismo, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 2006. Sintomas e Sinais na Prática Clínica, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2006. 3º Encontro Nacional de Acidentes com Animais Peçonhentos, promovido pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2004. 1º Encontro Gaúcho de Genética, Biologia Molecular e Saúde, 2003.

43


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

2º Encontro sobre Humanismo na Prática Médica - A Morte e o Morrer, 2003. 2ª Semana de Antibióticos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2003. 1º Encontro sobre Humanismo na Prática Médica - A Morte e o Morrer, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 2002. 1ª Semana de Antibióticos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2002. Relação Médico-Paciente e o Humanismo na Prática Médica Atual, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 2001. Curso de Pré Trans e Pós-operatório, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 1997. Fórum Sobre Infecções e Antimicrobianos, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 1996. Sessão Anátomo Clínica, promovida pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 1996. Encontro Nacional de Acidentes por Animais Peçonhentos, promovido pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em 1992. III Encontro de Residentes e Pós-Graduandos em Nefrologia e I Encontro Brasileiro de Nefrolitíase, promovido pelo Departamento de Nefrologia da Associação Médica do Rio Grande do Sul, em 1991. III Jornada Gaúcha de Nefrologia, promovida pelo Departamento de Nefrologia da Associação Médica do Rio Grande do Sul, em 1991. Curso Pré-Congresso: Fisiologia Renal, na 6ª Jornada Brasileira de Nefrologia Pediátrica, promovida pela Sociedade Brasileira de Nefrologia, em 1991. 1º Encontro AMRIGS sobre transplantes, promovido pela Associação Médica do Rio Grande do Sul, em 1988. 1º Encontro Brasileiro dos Médicos – Região Sul, promovido pela Associação Médica do Rio Grande do Sul, em 1988.

44


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

V Semana Acadêmica da FFFCMPA, promovido pelo Centro Acadêmico XXII de Março, em 1988.

1.1.3 Participação em programa de extensão com aprovação institucional Programa de Assistência à Saúde de Docência em Residência Médica, Hospital de Clínicas de Porto Alegre e Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014 Programa de Assistência à Saúde de Docência em Residência Médica, Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008 a 2010 Preceptoria em Residência Médica, Hospital de Clínicas de Porto Alegre e Universidade Federal do Rio Grande do Sul, de 1996 a 2013 Programa de Educação Médica Continuada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2001 a 2003

1.1.4 Coordenação de projetos de pesquisa e ou de extensão Universidade Federal do Rio Grande do Sul Projeto de Extensão - Literatura comparada e psicanálise: interdisciplinaridade, interdiscurso Período: 19/05/2001 a 20/05/2001 Hospital de Clínicas de Porto Alegre Projetos de Pesquisa Projeto 10-0096 - Uso de vancomicina nos pacientes com insuficiência renal aguda em unidade de tratamento intensivo realizando hemodiálise Projeto 10-0075 - A nefrologia e a escolha da especialidade médica na visão do estudante de medicina Projeto 10-0074 - Análise dos fatores associados à escolha da especialidade médica e à sua desistência entre médicos nefrologistas no sul do brasil Projeto 10-0049 - Conhecimento em saúde renal entre a população do sul do Brasil

45


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Projeto 08-099 - Estudo de fase 3, multicêntrico, duplo cego, controlado por placebo e de grupos paralelos para determinar a segurança e a eficácia a longo prazo de tratamentos com tolvaptan oral em comprimidos em pacientes adultos com doença renal policística autossômica dominante Projeto 07-577 - Insuficiência renal aguda em pós-operatório de cirurgia cardíaca - estudo observacional Projeto 06-066 - Estudo clínico para redução dos eventos cardiovasculares com a terapia com ARANESP (TREAT) Projeto 05-411 - Avaliação da eficácia e tolerabilidade da combinação FIXA (anlodipino/losartana) versus monoterapia com atenolol, lisinopril e clortalidona em pacientes com hipertensão arterial estágio 1 (leve) e 2 (moderada), e da eficácia, tolerabilidade e número de pacientes que necessitarão da combinação fixa tripla (anlodipino/losartana/cortalidona), após o uso de monoterapia e combinação dupla. Estudo nacional, multicêntrico, randomizado e comparativo Projeto 05-102 - Determinação da concentração urinária de sulfametoxazol- trimetroprim necessária para inibir o crescimento de cepas de escherichia coli resistentes Projeto 05-035 - Qualidade de vida de pacientes com insuficiência renal aguda submetidos a tratamento dialítico em centro de terapia intensiva Projeto 04-393 - Elaboração de uma série de livros com conteúdo prático para auxílio na formação de profissionais na área da saúde Projeto 04-150 - Análise de polimorfismos do DNA mitocondrial em pacientes submetidos à hemodiálise e em tratamento conservador Projeto 04-149 - Screening da região 3’ do gene PKD1 (EXON 40-46 - 3420 PB) em pacientes com doença renal policistíca do adulto Projeto 04-148 - Marcadores moleculares aplicados ao estudo da doença renal policística do adulto em pacientes submetidos à hemodiálise no Rio Grande do Sul: prevalência, diagnótico e prognóstico

46


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Projeto 04-128 - Determinação da eficácia da intervenção nutricional na modificação do estado nutricional e da atividade inflamatória de pacientes em programa de hemodiálise Projeto 03-491 - Prevalência da Doença de Fabry em pacientes com insuficiência renal crônica submetidos à hemodiálise no Rio Grande do Sul Projeto 03-254 - SINE0103- Estudo aberto não comparativo de avaliação de eficácia e tolerabilidade da combinação de anlodipino e enalapril em uma única formulação galênica no tratamento da hipertensão arterial essencial no Rio Grande do Sul Projeto 02-413 - Avaliação da função endotelial venosa em pacientes renais crônicos Projeto 02-214 - Insuficiência renal em pacientes após contato com lagartas do gênero lonomia oblíqua Projeto 01-266 - Prevalência de hiperpigmentação cutânea em pacientes com insuficiência renal crônica tratados com hemodiálise Projeto 01-224 - Avaliação da eficácia de doses diferentes de soro antilonômico na reversão da síndrome hemorrágica causada por contato com larvas de lonomia (taturana, gen. lonomia) Projeto 01-205 - Avaliação epidemiológica dos distúrbios do potássio nos pacientes da internação clinica de um Hospital Universitário Projeto 01-168 - Avaliação da percepção da qualidade de vida de pacientes renais crônicos em tratamento hemodialítico e sua relação com indicadores assistenciais Projeto 01-153 - Avaliação da ingesta de cálcio em pacientes com e sem litíase Sociedade Brasileira de Nefrologia – Departamento de Nefrologia e Clínica Médica Estudo multicêntrico de Litíase Renal - MULTILIT

47


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

1.1.5 Coordenação e/ou participação em ações de extensão A primeira Liga de Nefrologia do Rio Grande do Sul A fundação da primeira Liga de Nefrologia do Rio Grande do Sul esteve relacionada ao interesse de um dos acadêmicos do curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que, cursando a disciplina de Nefrologia, interessou-se em aprofundar os conhecimentos na área e iniciou uma campanha junto aos colegas de curso para a formação de uma liga acadêmica de apoio à especialidade. Assim, em maio do ano de 2007, foi fundada a Liga de Nefrologia de Porto Alegre (LINE-POA), tendo como coordenador discente o então acadêmico de Medicina da UFRGS Matheus Hermes Leal. Eu fui o primeiro professor tutor desta liga. A liga de apoio à Nefrologia é uma entidade autônoma constituída por uma rede de estudantes sob tutoria docente, devendo proporcionar oportunidades de trabalhos científicos, didáticos, culturais e sociais no espaço acadêmico. As atividades devem abranger ensino, pesquisa e extensão, atuando principalmente a nível da atenção primária. Uma nova etapa foi iniciada em 2009 quando se decidiu tornar a liga uma entidade multidisciplinar, sendo convidados alunos da enfermagem, nutrição, bioquímica e biomedicina. Entre as atividades realizadas pela Liga de Nefrologia de Porto Alegre estão: atividades teóricas, de periodicidade quinzenal, realizadas no Serviço de Nefrologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), que consistem em aulas preparadas pelos próprios alunos ou ministradas por professores convidados, discussões de casos-clínicos e de artigos originais; participação nas reuniões da Sociedade Gaúcha de Nefrologia (SGN), de periodicidade mensal; atendimento nos ambulatórios do Serviço de Nefrologia sob supervisão docente; atividades de prevenção (incluindo participação em campanhas no Dia Mundial do Rim); criação e participação em projetos de pesquisa na área da Nefrologia.

Apresentação na I Jornada de Nefrologia LANE/UCPel, Pelotas/RS – Ano 2010. Elvino Barros

48


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Reunião Social da Liga, 2013, PortoAlegre. Elvino Barros

Liga Acadêmica de Nefrologia - 2014 Integrante da Comissão Coordenadora Período: 12/03/2014 a 15/12/2015 Liga Acadêmica de Nefrologia - 2013 Integrante da Comissão Coordenadora Período: 02/04/2013 a 31/12/2013 Campanha de Prevenção da Doença Renal Crônica: Proteja seu rim Integrante de Comissão Coordenadora Período: 01/12/2009 a 08/01/2010 Diagnósticos e tratamentos básicos em nefrologia e distúrbios hidreletrolíticos: discussão de casos Integrante da Equipe Executora Período: 20/05/2005 Liga Acadêmica de Nefrologia - 2010 Integrante da Comissão Coordenadora Período: 01/04/2010 a 31/12/2010

49


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Liga Acadêmica de Nefrologia - 2009 Integrante da Comissão Coordenadora Período: 03/05/2009 a 31/12/2009

1.1.6 Participação como convidado em Eventos e Cursos Coordenador do tema Estamos preparados para aceitar a morte? no Simpósio Morte e Imortalidade, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 2012. Coordenador do Pré-Congresso: Fórum de Educação em Nefrologia: Avaliação na Formação de Nefrologistas, durante o XXVI Congresso Brasileiro de Nefrologia, em São Paulo, 2012. Coordenador da atividade: Temas Livres: Nefrologia Clínica, durante o XXVI Congresso Brasileiro de Nefrologia, em São Paulo, 2012. Coordenador da atividade: Mini-Conferência: Litíase, durante o XXVI Congresso Brasileiro de Nefrologia, em São Paulo, 2012. Coordenador da atividade: Revisão de literatura: Nutrição e Doença Renal, durante o XXVI Congresso Brasileiro de Nefrologia, em São Paulo, 2012. Palestra Diagnosis of Urolithiasis – Trainees, no 12th International Symposium on Urolithiasis, em Ouro Preto, 2012. Palestra Clinical Management of Urolithiasis, no 12th International Symposium on Urolithiasis, em Ouro Preto, 2012. Moderador do tema Anbioticoterapia profilática: atualização, no evento Antimicrobianos no Século XXI: desafios e perspectivas, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 2012. Moderador do tema Princípios gerais do uso de antimicrobianos, no evento Antimicrobianos no Século XXI: desafios e perspectivas, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 2012. Moderador do tema Pneumonia da Comunidade, no evento Antimicrobianos no Século XXI: desafios e perspectivas, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 2012.

50


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Moderador do tema Doenças Sexualmente Transmissíveis, no evento Antimicrobianos no Século XXI: desafios e perspectivas, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 2012. Moderador da Miniconferência Como proteger o uso de determinadas classes de antimicrobianos, no evento Antimicrobianos no Século XXI: desafios e perspectivas, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 2012. Moderador do tema Meningites, no evento Antimicrobianos no Século XXI: desafios e perspectivas, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 2012. Moderador do tema Tuberculose: Como escolher um esquema de tratamento, no evento Antimicrobianos no Século XXI: desafios e perspectivas, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 2012. Moderador na Mini-Conferência Ensino a Distância: uma solução para complementar o ensino médico, no evento O Ensino Médico no Século XXI: Desafios e Perspectivas, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 2012. Mesa Redonda: Desafio: Como melhorar o ensino de nefrologia no Brasil, durante o XXV Congresso Brasileiro de Nefrologia, em Vitória, 2010. Simpósio DRC: Manejo “abrangente” do paciente com DRC, durante o XXV Congresso Brasileiro de Nefrologia, em Vitória, 2010. Palestra Medicamento X Diálise: acompanhamento multidisciplinar, no evento IV Encontro de Enfermagem em Nefrologia do HCPA, em Porto Alegre, 2010. Palestra Como viabilizar economicamente uma unidade de diálise nos dias de hoje?, no 1º Simpósio da Sociedade Gaúcha de Nefrologia, em Santana do Livramento, 2009. Palestrante no Curso de Uroanálise, na Sociedade Brasileira de Análises Clínicas, em Porto Alegre, 2000. Palestrante no Curso Avanços em Antibioticoterapia, durante o 2º Congresso Gaúcho de Clínica Médica, em Gramado, 1999. Palestra Manejo das infecções do trato urinário, no Curso Doenças do Aparelho Gênito-Urinário, em Porto Alegre, 1999.

51


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Debatedor na Mesa Redonda Uronefropatias, no Curso Controvérsias em Aplicações Clínicas dos Exames de Imagem, durante o 16º Congresso Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, 1999. Palestra Anatomia, fisiologia e fisiopatologia do sistema renal, no Programa de Residência Médica de Anestesia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 1998. Palestrante na Mesa Redonda Litíase Urinária: 1998, no 1º Simpósio Internacional de Clínca Médica, em Porto Alegre, 1998. Presidente do Curso Distúrbios Hidroeletrolíticos, durante o XIX Congresso Brasileiro de Nefrologia, em Porto Alegre, 1998. Moderador da atividade Nefrologia, na 18ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 1998. Secretário da conferência: Manuseio renal de potássio – tubulopatias envolvidas, no III Encontro Brasileiro de Litíase e Infecção Urinária, em Maceió, 1998. Secretário da sessão de temas livres Fisiologia e Fisiopatologia, no XIX Congresso Brasileiro de Nefrologia, em Porto Alegre, 1998. Palestrante no curso Exames Laboratorias em Medicina Interna – Quando Solicitar e como Avaliar, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 1998. Palestrante no curso Bases Farmacológicas na Terapêutica com Antimicrobianos, na Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, 1997. Palestrante no I Curso de Multiplicadores em Hemoglobinopatias: Doenças Falciformes, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 1997. Mesa Redonda Novos Antibióticos na Prática Médica, no Fórum sobre Infecções Antimicrobianos, em Porto Alegre, 1996. Palestrante no Curso Gestação de Alto Risco – Hipertensão Arterial Sistêmica, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 1996. Coordenador da conferência Nefrotoxicidade por veneno de cobra e outros animais peçonhentos, na IV Jornada Alagoana de Nefrologia e II Simpósio de Nefrologia Tropical, em Maceió, 1996.

52


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Coordenador da conferência Atualização fisiopatológica em leptospirose, na IV Jornada Alagoana de Nefrologia e II Simpósio de Nefrologia Tropical, em Maceió, 1996. Conferência Aspectos do Desenvolvimento Renal, no V Jornada Gaúcha de Nefrologia, em Santa Cruz do Sul, 1995. Relator do MULTILIT: Rio Grande do Sul, no III Congresso Latino Americano de Litíase e Infecção Urinária, em Recife, 1995. Palestra Mecanismo de tubulogenese renal, na Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, 1995. Palestra Tubulogenesis and branching morphogenesis, na Renal Division Research Conference, no Harvard Center for the Study of Kidney Disease, em Massachusetts, 1994. Mesa Redonda Investigação, avaliação metabólica e tratamento clínico da litíase na criança e no adulto, no Departamento de Urologia da Associação Médica do Rio Grande do Sul, 1992. Mesa Redonda O Lepidopterismo no Brasil, abordando o tema O lipidopterismo na região sul do Brasil, no Encontro Nacional de Acidentes por Animais Peçonhentos, em Porto Alegre, 1992. Palestrante no Paine Litíase Renal – Litíase Urica, no XVI Congresso Brasileiro de Nefrologia, no Rio de Janeiro, 1992. Coordenador da Mesa Redonda Fisiologia Renal, na 6ª Jornada Brasileira de Nefrologia Pediátrica, em Porto Alegre, 1991. Palestrante do Curso O laboratório e métodos de diagnóstico na prática médica, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 1991. Palestra Investigação clínica de cálculos urinários, na Jornada de Nefrologia e Urologia, em Ijuí, 1991. Mesa Redonda Litíase, na III Jornada Gaúcha de Nefrologia, em Cruz Alta, 1991. Palestrante da Jornada Uso de Antimicrobianos, no Hospital de Caridade de Ijuí, em Ijuí, 1991.

53


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Conferência Experiência na investigação e tratamento da urolitíase, no III Encontro de Residentes e Pós-Graduandos em Nefrologia, em Porto Alegre, 1991. Coordenador da Mesa Redonda Repercurssões sistêmicas das doenças infecciosas, no Curso de Atualização no Diagnóstico e Terapêutica das Doenças Infecciosas, em Porto Alegre, 1990. Mesa Redonda Hipertensão arterial essencial (HAS) com o tema Tratamento medicamentoso, na Semana Científica do HCPA, em Porto Alegre, 1991. Conferência Avanços no tratamento da urolitíase na criança – avaliação metabólica, na 2ª Jornada Brasileira de Urologia Pediátrica, em Porto Alegre, 1989. Palestra Avanços em insuficiência renal aguda, no 2º Encontro Paulista de Nefrologia, em Santos, 1989. Painelista sobre Antibioticoterapia no paciente séptico, no III Encontro de Sepsis Abdominal, em Porto Alegre, 1989. Comentarista dos Temas Livres da VI Semana Acadêmica da FFCMPA, em Porto Alegre, 1989. Palestra Infecção hospitalar e antibioticoterapia, no Programa de Atualização Continuda da Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Cruz Alta, 1989. Palestra Princípios gerais do uso de antibióticos, no Programa de Atualização Continuada da Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Uruguaiana, 1989. Palestra Crise hipertensiva, no Programa de Atualização Continuada da Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Estância Velha, 1989. Coordenador da Mesa Redonda Infecção urinária, na Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, 1989. Coordenou a Mesa Redonda Citologia aspirativa no transplante renal e mecanismos de ação das drogas imunossupressoras no transplante renal, na Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, 1989. Coordenou a Mesa Redonda Hipertensão arterial sistêmica: avanços no diagnóstico e tratamento, na Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, 1989.

54


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Coordenou a Mesa Redonda Diálise peritoneal, na Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, 1989. Coordenador da Mesa Redonda Infecção Hospitalar, na Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Santa Maria, 1988. Moderador da Mesa Redonda Resistência bacteriana e novos antibióticos, no Curso de Atualização em Antibióticos, em Porto Alegre, 1988. Moderador da Mesa Redonda Uso de antibióticos na pediatria e em situações especiais, no Curso de Atualização em Antibióticos, em Porto Alegre, 1988 Conferência Atualização em antibioticoterapia, na VII Semana Médica de Bagé, em Bagé, 1988. Palestra Atualização em antibioticoterapia, na Seccional Celeiro da Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Três Passos, 1988. Palestra Antimicrobianos na insuficiência renal, no Curso de Atualização em Antibioticoterapia, em Porto Alegre, 1987. Palestra Prinícipios gerais do uso correto de antimicrobianos, , no Curso de Atualização em Antibioticoterapia, em Porto Alegre, 1987. Palestra Cefalosporinas e novos antibióticos, no Programa de Atualização Continuada da Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Santa Rosa, 1987. Palestra Farmacologia dos medicamentos utilizados em infecção urinária, no 1º Curso de Extensão em Clínica Médica da FFFCMPA, em Porto Alegre, 1987. Conferência Nefrolitíase: etiologia e fisiopatologia, no Curso de Nefrologia Básica no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 1987. Palestrante da Mesa Redonda sobre O controle do transplantado com o tema Ciclosporina, no Encontro AMRIGS sobre Transplantes, em Porto Alegre, 1987. Palestra Princípios gerais do uso de antibióticos, no Programa de Atualização Continuada da Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Santa Rosa, 1987. Palestra Nefrotoxicidade, no curso de Insuficiência Renal Aguda no Serviço de Nefrologia do Hospital de Clíncas de Porto Alegre, em Porto Alegre, 1987.

55


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Simpósio Nefrotoxicidade da Cis-platina, na II Reunião Anual da Federação das Sociedades de Biologia Experimental, no Rio de Janeiro, 1987. Debatedor com o tema Insuficiência Renal Aguda: Fisiopatologia Atual, no Curso Progressos em Nefrologia, da Sociedade Brasileira de Nefrologia, em São Paulo, 1986. Palestra Nefrotoxicidade por ciclosporina, no Simpósio Fisiopatologia Renal da I Reunião Anual da Federação das Sociedades de Biologia Experimental, em São Paulo, 1986. Debatedor com o tema Medicina Interna no painel Fármacos e Gravidez, no Departamento de Medicina Interna da Associação Médica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, 1983.

1.1.7 Participação em Conselho Editorial e Revisor de Periódicos Artmed Editora amplia linha de periódicos com o lançamento da revista BMJ Brasil No dia 28 de abril a Artmed Editora lança a revista BMJ Brasil. Em um evento que contará com uma palestra do médico e escritor Moacyr Scliar, a nova publicação será apresentada a profissionais da área médica, jornalistas e formadores de opinião. O periódico é resultado de uma parceria com o Grupo BMJ (BMJ Publishing Group) que edita a versão original da British Medical Journal (BMJ) na Grã-Bretanha. Um dos periódicos de medicina mais respeitados de todo o mundo, a BMJ, na versão brasileira, será mensal. Nela, o leitor vai encontrar uma seleção dos assuntos mais interessantes dos últimos números ingleses. “Além de traduzir para o português uma publicação de tamanha credibilidade, acreditamos que estamos prestando um grande serviço na seleção de conteúdo, adaptada aos interesses e necessidades dos profissionais brasileiros”, afirma o diretor Celso Kiperman. Esses conteúdos são escolhidos por um Conselho Editorial formado por médicos renomados de diversas especialidades. A BMJ Brasil preserva os princípios do Grupo BMJ, braço editorial da Associação de Medicina Britânica (BMA), seguindo a linha da medicina baseada em evidências. A revista é publicada desde 1840 na Grã-Bretanha e seu lema “Ajudando médicos a tomarem as melhores decisões” define muito bem seu papel como uma das principais fontes de conhecimento e qualificação para a área. A Artmed acredita que a BMJ Brasil seja uma publicação única, valiosa, dinâmica e acessível, de conteúdo atualizado e imprescindível ao exigente público da área da saúde – médicos, residentes, estudantes, pesquisadores e enfermeiros. Com a revista, mais uma vez a editora presta um importante serviço, facilitando o acesso à informação de alta qualidade e importância para a atualização profissional.

56


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Conselho Editorial do Britsh Medical Journal Brasil, 2005-2013 Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, 2012. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, 1999* Nephrology, Dialysis, Transplantation, 1999* Revista HCPA, 1997-2009 Jornal Brasileiro de Nefrologia, 1996* Revista da Associação Médica Brasileira, 1991* Revista AMRIGS, 1988* Revista Pesquisa Médica, 1988* Kidney International, 1987* *ano de início das atividades

1.1.8 Participação Arbitragem de produção intelectual (ad hoc) 1999

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq

1988

Avaliação de projetos de pesquisa submetidos à Subcomissão de Pesquisa e Desenvolvimento do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

1.1.9 Assessoria ou consultoria Revisão técnica da edição em língua portuguesa dos seguintes livros, editados pela ARTMED (Porto Alegre): •  Nefrologia em 30 dias, 2ª edição (originalmente intitulada Nephrology in 30 Days, 2E) de Reilly RF; Perazella MA. •  Fisiologia Renal do Vander, 8ª edição (originalmente intitulada Vanders Renal Physiology) de autoria de Eaton D; Pooler J. •  Hipertensão Clínica de Kaplan, 10ª edição, de Kaplan e Victor •  O Rim: do Básico às Doenças Renais – uma abordagem integrada, de Schimitz P.

57


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

1.1.10 Recebimentos de comendas e premiações advindas de atividade acadêmica 2003

Destaque no XV Salão de Iniciação Científica da UFRGS - orientador, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

2002

Professor Homenageado, Comissão de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina – UFRGS

1983

Menção Honrosa com o tema livre “Eficácia dos aminoglicosíde os em infecção hospitalar” na IV Semana de Debates Científicos em Medicina Interna, promovida pela Associação Médica do Rio Grande do Sul

1982

Menção Honrosa com o tema livre “Determinação sérica da genta micina pelo método micro biológico” na III Semana de Debates Cien tíficos em Medicina Interna, promovida pela Associação Médica do Rio Grande do Sul

1963

Prêmio Cláudio Casado d’Azevedo como “Melhor Companheiro” do Es. Experimental D. Diogo de Souza, Rotary Club de Porto Alegre

1.2 Bancas 1.2.1 Participação em banca examinadora de concursos públicos ou de defesa de tese de Doutorado Concurso Público Título de Especialista da Sociedade Brasileira de Nefrologia, 2014 Sociedade Brasileira de Nefrologia Título de Especialista da Sociedade Brasileira de Nefrologia, 2013 Sociedade Brasileira de Nefrologia Concurso para Professor Substituto na Área de Nefrologia, 2000 Departamento de Medicina Interna da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

58


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Exame AMRIGS, 1992 Associação Médica do Rio Grande do Sul Exame AMRIGS, 1990 Associação Médica do Rio Grande do Sul Exame AMRIGS, 1989 Associação Médica do Rio Grande do Sul

Doutorado Geraldo Bezerra da Silva Júnior. Alterações renais em pacientes com doença falciforme. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Universidade Federal do Ceará, 2013. Mônica Vinhas de Souza. Avaliação de tecnologias de saúde envolvendo doenças raras e tratamentos inovadores: doenças de Fabry e terapia de reposição. Programa de Pós Graduação em Medicina: Ciências Médicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013. Roberto Herz Berdchevski. Análise proteômica em urina de pacientes transplantados renais. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006. Lara Cheidde. Avaliação radiológica e laboratorial de nefrocalcinose e investigação genética em família com acidose tubular renal distal associada à nefrocalcinose. Programa de Pós-Graduação em Nefrologia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 2006. Adriana Cabrera. Programa de Pós-Graduação em Nefrologia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 2004. Rubens Marona de Oliveira. Efeito de radiocontrastes sobre determinados sistemas de transporte de membranas celular de eritrócitos humanos. Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul 2004. Luciano Percival Krug. Análise dos Genótipos do Vírus da Hepatite C (HCV) em Pacientes em Hemodiálise Crônica no Estado do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Medicina – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.

59


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Paulo Ricardo Moreira. Resposta Cronotrópica ao Exercício em Pacientes com Insuficiência Renal Crônica em Programa de Hemodiálise. Programa de Pós-Graduação em Medicina – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003. Fan Hui Wen. Ensaio Clínico em Três Fases para Avaliação de um Antiveneno Específico no Tratamento da Síndrome Hemorrágica Causada por Lagartas no Gênero Lonomia. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas – Universidade Estadual de Campinas, 2002. Beatriz D’Agord Schann. Efeitos do diabete melitus por estreptozotocina e da desnervação renal sobre o sistema nervoso autonômico. Progressão da microalbuminúria e expressão de transportadores de glicose do rim. Programa de PósGraduação em Medicina: Clínica Médica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1999. Simone Mafalda Rodrigues Camargo. Programa de Pós-Graduação em Nefrologia – Ciências Básicas, Universidade Federal de São Paulo, 1999. Maria de Fátima Fernandes Vattimo. Embriogênese renal de ratos: participação das catepsinas S e H, correlação com fatores de crescimento. Curso de Pós-Graduação em Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo, 1998. Vicente de Paulo Castro Teixeira. Efeitos da radiação ionizante sobre a progressão da doença renal experimental. Curso de Pós-Graduação em Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo, 1996. Oscar Fernando Pavão dos Santos. Curso de Pós-Graduação em Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo, 1990.

Exame de qualificação de doutorado Virna Nowotny Carpio. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012. Claus Dieter Dummer. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011. Pedro Luís Ávila Zanalla. Dosagem de Gonadotrofina Coriônica Humana FraçãoBeta e Lactogênio Placentário em Gestantes Normais e Com Síndrome de PréEclâmpsia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2002

60


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Ana Lucia Peixoto de Freitas. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2002. Francisco José Veríssimo Veronese. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2001.

1.2.2 Banca examinadora de processos seletivos ou de defesa de mestrado Processo Seletivo Seleção de residentes do Serviço de Nefrologia, 1996 Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Mestrado Sana Vianna Pereira. Avaliação da injúria podocitária em pacientes com diferentes graus de obesidade através da expressão urinária dos RNAm associados ao podócito. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014. Beatris Maria Vidales Braz. Epidemiologia molecular do vírus C (HCV) em pacientes das unidades de diálise da região suldo estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, 2014. Mariane dos Santos. Análise molecular das proteínas do podócito na nefrite lúpica e sua correlação com o tipo histológico e grau de atividade da doença. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013. Jayme Eduardo de Oliveira Burmeister. Prevalência de fatores de risco cardiovasculares na população de pacientes renais crônicos em hemodiálise na cidade de Porto Alegre. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, 2013.

61


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Mônica Vinhas de Souza. Infecções em pacientes transplantados hepáticos adultos no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013. Ana Júlia Bretanha Luz. Associação entre os níveis plasmáticos de atazanavir e a função renal. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012. Rodolfo Rosseto Rampaso. Efeitos do exercício físico aeróbico de alta intensidade em ratos com diabetes mellitus experimental. Programa de Pós-Graduação em Medicina (Nefrologia) da Universidade Federal de São Paulo, 2012. Francine Sampaio. Efeitos de um programa de fortalecimento muscular periférico intradialítico sobre qualidade de vida, estresse oxidativo e inflamação em pacientes com doença renal crônica. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012. Antônio Balbinotto. Sobrevida e recuperação renal após a alta hospitalar em pacientes criticamente enfermos submetidos a diálise. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012. Marion Souza Ahmed. Efeito da proteína da soja em pacientes com glomerulonefrite proteinúricas. Programa de Pós-Graduação em Ciências Nefrológicas da Escola Paulista de Medicina – Universidade de São Paulo, 2006. Maria Aparecida Pachaly. Impacto prognóstico de marcadores inflamatórios e de estress oxidativo em pacientes em hemodiálise crônica. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006. Eduardo Porto Ribeiro. Estenose de junção uretero piélica. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006. Renata Romanato. Programa de Pós-Graduação em Ciências Nefrológicas da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 2005. Edimárlei Gonsales Valério. Variação da razão proteinúria/creatinúria em gestantes hipertensas em quatro momentos diferentes do dia. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005.

62


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Patrícia Sesterheim. Desenvolvimento das técnicas experimentais de transplante cardíaco heterotópico vascularizado e cutâneo em camundongos. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004. Taísa Aozani Prochnow. Avaliação da apoptose em cultura de linfócitos humanos periféricos expostos à rapamicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004. Cristiane Oshiro Mocelin de Carvalho. Desenvolvimentode um modelo de gestão da qualidade em um serviço de hemodiálise. Programa de Pós-Graduação em Nefrologia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 2004. Denise de Castro. Avaliação da intoxicação por alumínio na dieta alimentar e medicamentos de pacientes com insuficiência renal crônica. Programa de PósGraduação em Química da Universidade Federal de Santa Maria, 2004. Cláudio Maria da Silva Osório. Afetividade e Humor: Proposta de um Exame de Estado Mental com mais Clareza e menos Ambigüidades. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003. Eduardo Caberlon. Atividade da peçonha de Crotalus durissus terificus (SERPENTES: VIPEIDADE) (LAURENTI, 1768), in vitro sobre a resposta em células mononucleadas de sangue periférico humano. Programa de Pós-Graduação em Biociências – Zoologia da Faculdade de Biociências da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2003. Renato Ribeiro Nogueira Ferraz. Efeito de um inibidor de lipases gastrointestinais sobre a absorção intestinal e excreção urinária de oxalato. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo, 2003. Patrícia Dall´Agnol Bianchi. Repercussão de uma sessão de hemodiálise na função pulmonar e estresse oxidativo de doentes renais crônicos. Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas: Fisiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003. Pedro Luis Ávila Zanella. Dosagem de gonadotrofina coriônica humana-fração B

63


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

e lactogênio plantencáriohumano em gestantes normais e com síndrome de préeclâmpsia. Programa de Pós-Graduação em Medicina da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidsade Católica do Rio Grande do Sul, 2002. Mário Sérgio Fernandes. Observações preliminares sobre a segurançaa e a atividade anti-tumoral da combinação do agente hipometilador do DNA decitabina com daunorubicina como tratamento de primeira linha em pacientes com leucemia mielóide aguda. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Clínica Médica e Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2000. Waldemar Silva Almeida. Programa de Pós-Graduação em Nefrologia da Universidade Federal de São Paulo, 2000. Claudia de Oliveira Guimarães Mendonça. Ingestão e excreção urinária de oxalato em pacientes litiásicos. Programa de Pós-Graduação em Nutrição da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 2000. Elsa Alidia Pedry Gonçalves. Modificação nos sistemas de fosforilação protéica de células LLC-PK1 na depleçãoo de ATP: avaliaçãoo por desidrogenase láctica. Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 1999. José luiz Nishiura. Programa de Pós-Graduação em Nefrologia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 1999. Suely Tiaki Yumiya. Análise dos resultados de litotripsia extracorpórea por ondas de choque em cálculos do trato urinário. Programa de Pós-Graduação em Nefrologia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 1998. Sávio Ananias Agreste. Avaliação clínica e experimental do papel das bactérias produtoras da urease na infecção do trato urinário associada ou não à urolitíase. Programa de Pós-Graduação em Nefrologia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 1998. Mauro Silveira de Castro. Avaliação do uso de medicamentos em um Hospital Universitário: vancomicina. Curso de Pós-Graduação em Farmacologia da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, 1996. Juarez Manoel Dorneles Przybylski. Drogas usadas na gravidez. Curso de Pós-Graduação em Farmacologia da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, 1995.

64


I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Viviane Rocha de Barros. Síndrome Nefrótica: perfil lipídico. Programa de PósGraduação em Medicina: Pediatria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995. José Geraldo Lopes Ramos. Correlação entre as lesões do leito placentar de gestantes hipertensas e o peso do neonato. Curso de Pós-Graduação em Medicina-Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1992. Miriam Pecis. Constituintes protéicos da dieta e filtração glomerular em pacientes diabéticos insulino-dependentes normalbuminúricos. Curso de Pós-Graduação em Medicina: Clínica Médica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1992. Gilberto Friedman. Curso de Pós-Graduação em Medicina: Clínica Médica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1990. Maria Eliete Pinheiro. Curso de Pós-Graduação em Nefrologia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 1990. Ita Pferferman Heilberg. Curso de Pós-Graduação em Nefrologia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 1988. Victor Flávio Petrillo. A relevância clínica da seleção judiciosa e da preparação artesanal do esfregaço de escarro na bacteriologia dessa secreção: estudo comparativo com aspirado pulmonar transcutâneo. Curso de Pós-Graduação em Medicina – Pneumologia da Univeridade Federal do Rio Grande do Sul, 1987.

Exame de Qualificação de Mestrado Mário Sérgio Fernandes. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Clínica Médica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2000. Ferando Kowacs. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Clínica Médica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1999.

1.2.3 Participação em banca examinadora de defesa de monografia e TCC Fábio Klein Dias. Trabalho de conclusão da Residência Médica do Curso de Medicina da Universidade Luterana do Brasil, 2004.

65


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

I – RECONHECIMENTO E LIDERANÇA ACADÊMICA

Examinador do trabalho de conclusão da Residência Médica em Psiquiatria do Hospital Psiquiátrico São Pedro, Porto Alegre, 1991.

1.2.4 Outras bancas e comissões julgadoras Comissão Julgadora dos trabalhos concorrentes ao Prêmio Ligas sem Fronteiras, 2014 XXVII Congresso Brasileiro de Negrologia Sociedade Brasileira de Negrologia Comissão Julgadora da Sessão Clínica B do XXIV Salão de Iniciação Científica, 2012 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Comissão Julgadora da Sessão Cardiologia II do XII Salão de Iniciação Científica, 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Trabalhos submetidos à XIII Jornada Gaúcha de Nefrologia, 2009 Sociedade Brasileira de Nefrologia Sessão Ciências da Saúde - Clínica Médica - XIX Salão de Iniciação Científica, 2007 Universidade Federal do Rio Grande do Sul III Salão de Iniciação Científica, 1991 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Comissão Examinadora do Concurso de Monitoria do Setor de Farmacologia, 1988 Departamento de Farmacologia e Biofísica do Instituto de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

66


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO Os livros são parte importante e marcante de minha vida acadêmica. O primeiro livro que publiquei foi projetado com um grupo de alunos interessados no estudo dos antibióticos. Tínhamos reuniões frequentes em que discutíamos os novos antibióticos e os tratamentos disponíveis para as doenças infecciosas. Depois disso, a produção de uma apostila foi proposta para divulgar os resultados do nosso estudo. A aceitação foi boa e a transformação em livro aconteceu de forma natural. A ARTMED, uma das maiores editoras de livros médicos do Brasil, aceitou o desafio e publicou o nosso primeiro livro: Antimicrobianos: Consulta Rápida (Barros E, Machado A, Sprinz E). A primeira edição foi publicada em 1994. Na época, estava realizando um estágio fora do Brasil e recebia cartas entusiasmadas dos colegas organizadores me informando que a maioria dos residentes carregava no bolso o livro amarelo de antimicrobianos. Depois deste, outros surgiram. O mais famoso é o Clínica Média: Consulta Rápida. Esse projeto nasceu da ideia de transformar as cadernetas que os residentes usavam para dirimir suas principais dúvidas no atendimento diário de pacientes internados no hospital

67


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

ou atendidos nos ambulatórios. O Dr. Stephen Doral Stefani, residente do terceiro ano no Serviço de Medicina Interna do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, tinha a caderneta mais completa e organizada que conheci e a partir dela criamos nosso livro. O sucesso foi imediato e, da sua primeira edição até hoje – na quarta edição – o livro já contabiliza mais de 50.000 exemplares vendidos, o que nos deixa entusiasmados com o contínuo interesse de médicos e estudantes pelo nosso projeto. De todos os projetos editoriais, um me agrada sobremaneira. Embora não tenha sido sucesso de vendas, foi muito prazeroso tê-lo escrito: Medicina – Faculdade de Emoções: tem que ser assim? Esse é um projeto que foi realizado em conjunto com os alunos que iniciaram o atendimento a pacientes no hospital depois de concluir as disciplinas básicas. O stress do primeiro contato com os pacientes permitiu que muitos alunos colocassem no papel os seus sentimentos, criando inúmeras histórias marcantes e extremamente humanas. O último projeto editorial foi muito trabalhoso, mas gratificante. Fragmentos da História da Nefrologia Gaúcha resgatou a história da Nefrologia no Rio Grande do Sul. No título do livro a palavra “Fragmentos” explica a dificuldade de contarmos a história completa, mas os detalhes que encontramos nos propiciaram muitas emoções. Aprendi muito com a história dos nossos pioneiros colegas e, com isso, pude valorizar ainda mais essa fascinante especialidade. Uma descoberta especial durante as pesquisas foi a história da primeira hemodiálise realizada no Estado, escrita por Moacyr Scliar, a qual que pode ser vista a seguir.

Um verbo para começar o ano

Moacyr Scliar

O fim do ano é uma época associada à conjugação quase obrigatória de certos verbos: recordar, avaliar, adivinhar, prever. Ocorre-me que um outro verbo pode se

68


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

juntar a estes. Antes disto, porém, deixem-me contar para vocês uma história que começou num 1º de janeiro. Formado em Medicina, recebi meu diploma em dezembro e fui aceito para a residência no serviço do professor Rubens Maciel, na Santa Casa. Reunimo-nos, os residentes, para uma providência imediata: organizar uma escala de plantões. Não lembro exatamente por qual razão, mas a mim tocou o primeiro plantão, no primeiro dia do ano que começava. Notícia que recebi com euforia: estava ansioso por começar a trabalhar. No 1º de janeiro, lá estava eu, o estreante doutorzinho. E aí chegou um paciente, vindo do interior de Santa Catarina. De imediato me impressionou a cor do paciente; de origem alemã, com pele clara, ele estava marrom. A história era simples: a caminho do trabalho, tinha sido picado por uma aranha. O veneno tinha destruído os glóbulos vermelhos, cujo pigmento se impregnara na pele. A anemia era grave. O maior problema, contudo, era outro: os rins tinham parado de funcionar. Naquela época não se fazia hemodiálise no RS. A família Chaves Barcellos tinha doado à Santa Casa um rim artificial, que ainda estava na embalagem: nunca tinha sido utilizado. A equipe da qual eu fazia parte, junto com a doutora Ana Maria Maciel Alves e o doutorando Domingos D’Ávila, era chefiada pelo Dr. Antonio Azambuja e pelo Dr. Moysés Lerrer. Este, que estagiara em São Paulo, participara em hemodiálises, mas conduzidas por outros. Pessoalmente nunca se encarregara disso. Mas não havia como hesitar. O homem certamente ia morrer. Tiramos o aparelho da embalagem e tratamos de prepará-lo, lendo as instruções. Era como se estivéssemos consultando um livro de culinária: “Coloque cem litros de água no recipiente. Adicione as substâncias de diálise...” Fizemos tudo, cânulas foram colocadas numa artéria e numa veia do paciente e a diálise começou e funcionou. Aos poucos, o paciente foi melhorando. Eu gostaria de dizer que a história teve um final feliz, mas não teve. O estado do paciente era muito grave, e ele não resistiu à doença. Contudo, a primeira diálise tinha sido feita; outras se seguiram e mais adiante o procedimento tornou-se rotina, junto com o transplante, salvando muitas vidas. De certa maneira, a tentativa deu certo. Tentar. Este é o verbo que deve ser adicionado à lista de 2008. Não somos obrigados a vencer, a triunfar. Mas vale a pena tentar. Isto é o que muitos brasileiros estão descobrindo. E é o que vai melhorar nosso futuro.

Zero Hora (RS) 31/12/2007

69


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

2.1 Organização, autoria, coautoria de livro A cozinha e a terapia renal, sabores para mil e uma noites, São Paulo: RCN Editora. Acidentes com Animais Peçonhentos - Consulta Rápida, Brasília: Ministério da Saúde. Antimicrobianos em Cirurgia, Porto Alegre: Artmed. Antimicrobianos em Ginecologia e Obstetrícia, Porto Alegre: Artmed. Antimicrobianos em Pediatria, consulta rápida, Porto Alegre: Artmed. Antimicrobianos, consulta rápida, da 1ª à 5ª edição, Porto Alegre: Artmed. Clínica Médica, da 1ª a 4ª edição, Porto Alegre: Artmed. Exame clínico, consulta rápida, 1ª e 2ª edições, Porto Alegre: Artmed. Fragmentos da história da nefrologia gaúcha, Porto Alegre: Next Comunicação Sustentável. Laboratório na Prática Clínica, consulta rápida, 1ª e 2ª edições, Porto Alegre: Artmed. Medicamentos de A a Z, da 1ª à 4ª edição, Porto Alegre: Artmed. Medicamentos de A a Z: Enfermagem, Porto Alegre: Artmed. Medicamentos de A a Z: Pediatria, Porto Alegre: Artmed. Medicamentos na Prática Clínica, Porto Alegre: Artmed. Medicamentos na Prática da Farmácia Clínica, Porto Alegre: Artmed. Medicina Intensiva, Porto Alegre: Artmed. Medicina Interna na Prática Clínica, Porto Alegre: Artmed. Medicina: Faculdade de Emoções - Tem que Ser Assim? Porto Alegre: Age. Nefrologia, Porto Alegre: Artmed. Nefrologia, série no consultório, Porto Alegre: Artmed. Pediatria, Porto Alegre: Artmed. Sintomas e Sinais na Prática Clínica, Porto Alegre: Artmed. Terapêutica Cardiovascular, Porto Alegre: Artmed. Vacinas e Imunoglobinas, consulta rápida, Porto Alegre: Artmed.

70


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

2.2 Tradução de livro ou capítulo de livro Fisiopatologia renal: princípios básicos. São Paulo: Livraria Médica Paulista, 2009.

2.3 Autoria, coautoria de capítulo de livro Medicina Intensiva Consulta Rápida. Porto Alegre: Artmed, 2014 • Administração de antibióticos em pacientes na UTI em uso de diálise • Administração de medicamentos por meio de tubos de alimentação • Diluições de antimicrobianos • Interações medicamentosas em pacientes críticos

Core concepts in parenchymal kidney disease. New York: Springer, 2014 • Tropical infectious disease and the Kidney

Clínica Médica Consulta Rápida. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 2013 • Administração de antibióticos em pacientes com uso de diálise In • Ajuste de medicamentos para pacientes com alteração na função renal • Anamnese e exame físico • Drogas e diluições • Nefrologia • Receituários

71


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Doença Renal Crônica Manual Prático - Uso diário ambulatorial e hospitalar. 1 ed. São Paulo: Livraria Balieiro, 2013 • Diagnóstico e tratamento dos distúrbios ácido básicos no paciente com doença renal crônica

Medicina Interna na Prática Clínica. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2013 • Doença renal policística autossômica dominante • Hiperaldosteronismo primário • Infecção urinária • Insuficiência renal aguda • Litíase renal • Síndrome nefrótica primária em adultos • Vasculites sistêmicas de pequenos vasos

Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 2013 • Infecção do trato urinário

Medicamentos na Prática da Farmácia Clínica. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2013 • Interações medicamentosas • Medicamentos incluídos e excluídos do mercado nos últimos anos • Monitoração laboratorial de medicamentos • Receituários: qual o mais adequado para cada medicamento • Uso de antibióticos em pacientes críticos em diálise • Vias de administração: o cuidado do farmacêutico na orientação do uso dos medicamentos

72


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Doença Renal Crônica Manual Prático - Uso diário ambulatorial e hospitalar. 1 ed. São Paulo: Livraria Balieiro, 2013 • Medicamentos mais usados e como prescrecê-los para o paciente com doença renal crônica

Hemodialysis. 1 ed. InTech, 2013 • Rare Inherited Diseases Among Hemodialysis Patients

Antimicrobianos: Consulta Rápida. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2013 • Receituários de antimicrobianos

Medicamentos de A a Z 2012-2013: Pediatria. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2012 • Interações medicamentosas • O uso do receituário na prática médica em pediatria

Métodos diagnósticos: consulta rápida. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2012 • pH Urinário

Medicamentos de A a Z 2012-2013: Pediatria. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2012 • Segurança na administração de medicamentos em pediatria

73


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Rotinas em Unidade Vascular. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2012 • Vasculites

Glomerulopatias Manual Prático - Uso diário ambulatorial e hospitalar. 1 ed. São Paulo: Livraria Balieiro, 2011 • Acometimento glomerular no mieloma múltiplo • Diagnóstico e classificação das glomerulopatias • Doença de Fabry • Glomeruloesclerose segmentar e focal • Glomerulopatias secundárias a doenças metabólicas: diabetes • Imunossupressores usados no tratamento das doenças glomerulares • Introdução às doenças glomerulares de origem genética

Rotinas em Obstetrícia. 6 ed. Porto Alegre: Artmed, 2011 • Doença hipertensiva na gravidez • Doença renal e gravidez

Medicamentos na prática clínica. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010 • Antibacterianos • Anti-hipertensivos • Diuréticos • Eletrólitos • Fármacos Utilizados no Choque • Monitorização Terapûtica de Medicamentos • Outros fármacos • Vitaminas

74


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Laboratório na Prática Clínica - Consulta Rápida. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010 • Disnatremias • Distúrbios Acidobásicos • Distúrbios Hidreletrolíticos • Doença Renal Crônica • Exames Laboratoriais Mais Comuns • Infecção Urinária • Insuficiência Renal Aguda • Monitorização Terapêutica de Fármacos • Nefrolitíase • O Médico e o Laboratório • Síndrome Nefrítica • Síndrome Nefrótica

Vacinas e Imunoglobulinas. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009 • Definições em Imunizações • Doença Renal Crônica • Doenças Crônicas • Doenças Imunopreviníveis • Vacinas: uma história de grandes conquistas e limitações

Clínica Médica Consulta Rápida. 3 ed.Porto Alegre: Artmed, 2008 • Ajuste para função renal • Anamnese e Exame Físico • Drogas e diluições • Nefrologia • Valores de referência de exames laboratoriais

75


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Antimicrobianos - Consulta Rápida. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008 • Aminoglicosídeos • Anfenicóis • Antimicrobianos Profiláticos • Anti-sépticos urinários • Carbapenêmicos • Cefalosporinas • Estrutura e Fisiologia Microrganismos

Bacteriana:

Classificação

dos

• Glicopeptídeos • Lincosaminas • Macrolídeos • Nitroimidazólicos • Outros Antibacterianos • Penicilinas • Polimixinas • Principais Grupos Farmacológicos: Conceitos e Propriedades • Princípios Básicos do Uso de Antimicrobianos • Quinolonas • Resistência Bacteriana • Sulfonamidas • Tetraciclinas

Ginecologia no consultório. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008 • Exames Laboratoriais em Ginecologia • Infecção Urinária na Mulher Não-Grávida

Rotinas em Oncologia. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008 • Nefrotoxicidade

76


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Terapêutica Cradiovascular: das Evidências para a Prática Clínica. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007 • Antagonistas dos Canais de Cálcio • Diuréticos • Ensaios Clínicos • Farmacocinética Clínica Aplicada • Insuficiência Cardíaca

Nefrologia no Consultório. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007 • Edema • Exame de Urina • Exames laboratoriais • Hematúria • Infecção Urinária • Nefrolitíase • Proteinúria

Sintomas e Sinais na Prática Clínica: Consulta Rápida. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006 • Aftas/Úlceras Aftosas • Asterixis • Cardiomegalia • Disúria • Dor Abdominal • Hematúria • Noctúria • Porteinúria • Pulso Paradoxal • Soluços

77


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Antimicrobianos em Cirurgia: Consulta Rápida. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006 • Antibioticoprofilaxia em cirurgia • Antimicrobianos de A a Z • Principais grupos farmacológicos

Antimicrobianos em Ginecologia e obstetrícia: consulta rápida. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006 • Antimicrobianos de A a Z • Antimicrobianos profiláticos • Classificação das principais bactérias, fungos e vírus • Infecção urinária na gestação • Infecção urinária na mulher não-grávida • Principais grupos farmacológicos: conceitos e propriedades • Princípios básicos do uso de antimicrobianos • Resistência Bacteriana

Antimicrobianos em Pediatria: Consulta Rápida. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006 • Antimicrobianos de A a Z • Antimicrobianos profiláticos • Classificação das principais bactérias, fungos e vírus • Principais grupos farmacológicos • Princípios básicos do uso de antimicrobianos • Resistência Bacteriana

Rotinas em obstetrícia. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006 • Doença Hipertensiva na Gravidez • Doença Renal na Gravidez

78


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Nefrologia: rotinas, diagnóstico e tratamento. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006 • Doença Renal Crônica • Fisiopatologia renal aplicada • O controle de infecções na unidade de diálise • Testes em nefrologia

Laboratório na Prática Clínica Consulta Rápida. 1 ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2005 • Distúrbios Hidreletrolíticos • Exames Laboratoriais mais Comuns • Infecção Urinária • Insuficiência Renal Aguda • Insuficiência Renal Crônica • Litíase Urinária • Monitorização Sérica de Medicamentos • O Médico e o Laboratório • Síndrome Nefrítica • Síndrome Nefrótica

Exame Clínico: Consulta Rápida. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004 • Exame do Sistema Urinário • Sinais Vitais • Uso de Drogas

Medicina Ambulatorial - Condutas de atenção primária baseadas em evidência. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004 • Infecção Urinária em Adultos

79


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Medicina Intensiva - Abordagem Prática. 1 ed. Rio de Janeiro: Revinter Ltda, 2004 • Insuficiência Renal Aguda • Clínica Médica. Porto Alegre: Artmed, 2002 • Anamnese e Exame Físico • Drogas e diluições • Nefrologia • Valores de Referência de Exames Laboratoriais

Antimicrobianos: Consulta Rápida. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2001 • Aminoglocosídeos • Antifúngicos • Antimicrobianos Profiláticos • Antivirais • Características das Drogas Antimicrobianas • Carbapenêmicos • Cefalosporinas • Estrutura, Fisiologia e Classificação Bacteriana • Glicopeptídeos • Macrolídeos • Outros Antimicrobianos • Princípios Básicos do Uso dos Antimicrobianos • Quinolonas • Resistência Bacteriana • Sulfonamidas • Tetraciclinas

80


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Rotinas em Terapia Intensiva. 3 ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001 • Distúrbios da Água, Sódio e Potássio

Rotinas em Obstetrícia. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 2001 • Doença hipertensiva na gravidez • Doença Renal na Gravidez

Rotinas em HIV e AIDS. 1 ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 1999 • Complicações Renais

Exame Clínico: Consulta Rápida. Porto Alegre: Artmed, 1999 • Epônimos • Exame do aparelho urinário, reto e canal anal e do aparelho genital masculino • Exame do sistema cardiovascular • Sinais vitais

Nefrologia: Rotinas, Diagnóstico e Tratamento. 2 ed. Porto Alegre: Artes Médica, 1999 • Exame de Urina e Provas de Função Renal • Fisiologia Renal Aplicada • Hipertensão Arterial Sistêmica na Gestante • Infecção Urinária em Adultos • Insuficiência Renal Aguda

• Insuficiência Renal Aguda em Acidentes com Animais Peçonhentos • Insuficiência Renal Crônica

81


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

• Introdução à Biologia Celular e Molecular • Íons Divalentes: Cálcio, Fósforo e Magnésio • Nefrolitíase • Nutrição no Paciente Renal • Potássio • Prevenção das Doenças Renais • Sódio e Água • Testes em Nefrologia

Farmacologia Clínica. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998 • Aminoglicosídeos • Fluoroquinolonas

Clínica Médica Consulta Rápida. 1 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997 • Anamnese e exame físico • Nefrologia

Medicina Intensiva. 1 ed. Rio de Janeiro: Revinter, 1997 • Insuficiência renal aguda

Medicina Interna do Diagnóstico ao Tratamento. 1 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995 • Desequilíbrios Hidroeletrolíticos e Ácido-básico Distúrbios da Água, do Sódio e do Potássio

82


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Nefrologia: rotinas, diagnóstico e tratamento. 1 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994 • Doença renal na gravidez • Equilíbrio hidreletrolítico • Exame qualitativo de urina e provas de função renal • Glomerulopatias secundárias: nefrite lupica • Insuficiência renal aguda • Insuficiência renal crônica • Síndrome nefrótica

Rotinas em Terapia Intensiva. 2 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993 • Distúrbios do Equilíbrio Hidreletrolítico • Distúrbios do Metabolismo Ácido-Básico

Farmacologia Clínica. 1 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1992 • Aminoglicosídeos • Quinolonas

83


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

2.4 Artigos Publicados

Fonte: ResearcherID, em 22/10/2014

Fonte: Scopus, em 22/10/2014

84


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

1. Figueiredo CEP, Barros E. Adjuvant therapy. J Bras Nefrol. 2014;36:27-8. 2. Da Silva Júnior GB, Guardão Barros EJ, Daher EF. Kidney involvement in leishmaniasis-a review. Braz J Infec Dis. 2014;18:434-40. 3. Gasnier R, Valerio EG, Vettorazzi J, Martins-Costa SH, Barros E, Ramos JG. Natriuria and calciuria levels in preeclampsia: a cross-sectional study. São Paulo Med J. 2013;131:106-11. 4. Daher EDF, Da Silva Júnior GB, Barros EJG. Renal tuberculosis in the modern era. Am J Trop Med Hyg. 2013;88:54-64. 5. Nunes A, Burin M, Delgado A, Giugliani R, Barros EJG. Blood collecting optimization for Fabry disease screening on hemodialysis. J Med Res Sci. 2012;2:02-6. 6. Gasnier R, Valério EG, Vettorazzi J, Barros EG, Martins-Costa SH, Ramos JGL. Calciuria and preeclampsia: A case-control study. J Obst Gynaecol Res. 2012;38:674-80. 7. Calegari A, Barros EJG, Veronese FJV, Thomé FS. Malnourished patients on hemodialysis improve after receiving a nutritional intervention. J Bras Nefrol. 2012;33:394-401. 8. Biavo BMM, Martins CTB, Cunha LM, Araujo ML, Ribeiro MMC, Sachs A, Uezima CBB, Draibe SA, Rodrigues CIS, Barros EJG. Nutritional and epidemiological aspects of patients with chronic renal failure undergoing hemodialysis from Brazil, 2010. J Bras Nefrol. 2012;34:206-15. 9. Morsch C, Thomé FS, Balbinotto A, Guimarães JF, Barros EJG. Health-Related Quality of Life and Dialysis Dependence in Critically Ill Patient Survivors of Acute Kidney Injury. Renal Fail. 2011;33:949-56. 10. Calegari A, Barros EJG, Veronese FJV, Thomé FS. Malnourished patients on hemodialysis improve after receiving a nutritional intervention. Rev Assoc Méd Bras. 2011;33:394-401. 11. Martins-Costa SH, Vettorazzi J, Valério E, Maurmman C, Benevides G, Hemessath M, Barros EG, Ramos JGL. Protein Creatinine Ratio in Random Urine Sample of Hypertensive Pregnant Women: Maternal and Perinatal Outcomes. Hypertens Pregnancy. 2011;30:331-7. 12. Almeida R, Barros E, Balbinotto A, Thomé FS, Costa FPM. Síndrome de Nutcracker. Relato de caso. Rev Soc Bras Clínica Méd. 2010;8:283-5. 13. Veronese FJV, Morales DD, Barros EJG, Morales JV. Síndrome Nefrótica Primária em Adultos. Revista HCPA. 2010;30:131-9. 14. Bock M, Barros E, Veronese FJV. Hepatitis B vaccination in haemodialysis patients:

85


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

a randomized clinical trial. Nephrology. 2009;14:267-72. 15. Thofehrn S, Netto C, Cecchin C, Burin M, Matte U, Brustolin S, Nunes ACF, Coelho J, Tsao M, Jardim L, Giugliani R, Barros EJG. Kidney Function and 24Hour Proteinuria in Patients with Fabry Disease during 36 Months of Agalsidase Alfa Enzyme Replacement Therapy: A Brazilian Experience. Renal Failure. 2009;31:773-8. 16. Bohrer D, Bertagnolli D, Oliveira S, Nascimento P, Carvalho L, Garcia S, Arantes LC, Barros EG. Role of medication in the level of aluminium in the blood of chronic haemodialysis patients. Nephrol Dial Transplant. 2009;24:1277-81. 17. Morsch C, Thome EGR, Farias D, Hirakata V, Thomé FS, Barros EJG. Avaliação dos indicadores assistenciais de pacientes em hemodiálise no sul do Brasil. J Bras Nefrol. 2008;30:120-5. 18. Porsch DB, Nunes ACF, Milani V, Rossato LB, Mattos CB, Tsao M, Netto C, Burin M, Matte U, Giugliani R, Barros E. Fabry Disease in Hemodialysis Patients in Southern Brazil: Prevalence Study and Clinical Report*. Renal Failure. 2008;30:825-30. 19. Nunes ACF, Milani V, Porsch DB, Rossato LB, Mattos CB, Roisenberg I, Barros EJG. Frequency and Clinical Profile of Patients with Polycystic Kidney Disease in Southern Brazil. Renal Failure. 2008;30:169-73. 20. Silva AM, Signori LU, Plentz RD, Moreno Junior H, Barros E, Bello-Klein A, Schaan BD, Irigoyen MC. Hemodialysis improves endothelial venous function in endstage renal disease. Braz J Med Biol Research. 2008;41:482-8. 21. Abdulkader RC, Barbaro KC, Barros E, Burdmann EA. Nephrotoxicity of insect and spider venoms in Latin America. Semin Nephrol. 2008;28:373-82. 22. Rossato LB, Nunes ACF, Pereira MLS, Souza CM, Dummer C, Milani V, Porsch DB, Mattos CB, Barros EJG. Prevalence of 4977bp Deletion in Mitochondrial DNA from Patients with Chronic Kidney Disease Receiving Conservative Treatment or Hemodialysis in Southern Brazil. Renal Failure. 2008;30:9-14. 23. Milani V, Mattos CB, Porsch DB, Rossato LB, Barros E, Nunes ACF. Doença renal policística do adulto: uma atualização. Revista HCPA. 2007;27:26-30. 24. Gamborgi GP, Metcalf EB, Barros E. Acute renal failure provoked by toxinfrom caterpillars of the species Lonomia obliqua. Toxicon. 2006;47:68-74. 25. Morales JV, Vaisbich MH, Heilberg IP, Kirsztajn GM, Barros EJG. Amostras Isoladas de Urina Versus Urinas de 24Horas - Seu Valor na Prática Clínica. J Bras Nefrol. 2006;XXVIII:33-40. 26. Milani V, Mattos CB, Porsch DB, Rossato LB, Barros E, Nunes ACF. Cistogênese e a expressão das policistinas nos rins policísticos. Revista HCPA. 2006;26:46-50.

86


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

27. Rossato LB, Milani V, Mattos CB, Porsch DB, Barros E, Nunes ACF. Danos moleculares em pacientes urêmicos submetidos a hemodiálise. Revista HCPA. 2006;26:56-60. 28. Balbinotto A, Thomé FS, Garcez E, Barros E. Estenose de artéria renal. Revista HCPA. 2006;26:115-6. 29. Netto C, Burin M, Jardim L, Tsao M, Pereira F, Matte U, Giugliani R, Barros E, Porsch DB, Milani V, Rossato LB, Nunes ACF. Fabry disease: diagnosis of a rare disorder. Revista HCPA. 2006;26:111-4. 30. Rossato LB, Santos DC, Milani V, Mattos CB, Porsch DB, Barros E, Nunes ACF. Genes envolvidos no controle do desenvolvimento inicial do rim. Revista HCPA. 2006;26:51-5. 31. Morsch C, Gonçalves L, Barros E. Heath-related quality of life among haemodialysis patients-relationship with clinical indicators, morbidity and mortality. J Clin Nursing. 2006;15:498-504. 32. Dorigoni SM, Ramos JG, Martins-Costa S, Garcez J, Barros E. Insuficiência renal aguda em pacientes com síndrome HELLP. Revista HCPA. 2006;26:18-28. 33. Garcez E, Balbinotto A, Thomé FS, Guimarães JF, Barros EJG. Insuficiência renal aguda no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Revista HCPA. 2006;26:87-94. 34. Dummer C, Barros E. Insuficiência renal aguda: revisão. Revista HCPA. 2006;26:29- 39. 35. Santos DC, Porsch DB, Rossato LB, Milani V, Mattos CB, Barros E, Nunes ACF. Principais malformações congênitas macroscóicas do trato urinário superior. Revista HCPA. 2006;26:40-5. 36. Morales JV, Guimarães JF, Barros EJG. Proteinúria: avaliação clínica e laboratorial. Revista HCPA. 2006;26:95-101. 37. Balbinotto A, Garcez E, Thomé FS, Guimarães JF, Barros EJG. Protocolo de acesso vascular para hemodiálise: cateter venoso central. Revista HCPA. 2006;26:78-88. 38. Berlim MT, Mattevi BS, Duarte A, Thomé FS, Barros EJG, Fleck MPA. Quality of life and depressive symptoms in patients with major depression and end-stage renal disease: a matched-pair study. J Psychosomatic Res. 2006;61:731-4. 39. Ramos JG, Brietzke E, Martins-Costa S, Vettorazi-Stuczynski J, Barros E, Carvalho C. Reported calcium intake is reduced in women with preeclampsia. Hypertens Pregnan. 2006;25:229-39. 40. Rech C, Barros E. Síndrome da lise tumoral. Revista HCPA. 2006;26:61-7. 41. Morsch C, Gonçalves LFS, Barros EJG. Índice de Gravidade da Doença Renal,

87


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Indicadores Assistenciais e Mortalidade em Pacientes em Hemodiálise. Rev Assoc Méd Bras. 2005;51:296-300. 42. Bohrer D, Bertagnolli D, Oliveira SMR, Pomblum SG, Barros EJG, Arantes LC, Nascimento PC. Nivel sérico de alumínio: Influência da água e de alimentos ingeridos por pacientes com insuficiência renal crônica mantidos em hemodiálise. J Bras Nefrol. 2005;27:101-9. 43. Chies JA, Dresch C, Cruz MS, Silva G, Barros EJG, Bittar CM, Friedrisch JR, Silla LMR, Bittar CM. Immunosuppressive therapy for kidney transplant prevents vaso-occlusive crisis in a haemoglobin SC disease patient. Medical Hypotheses. 2005;64:174-6. 44. Caovilla JJ, Barros E. Efficacy of two different doses of antilonomic serum in the resolution of hemorrhagic syndrome resulting from envenoming by Lonomia obliqua caterpillars: a randomized controlled trial. Toxicon. 2004;1:811-8. 45. Morales JV, Weber R, Wagner MB, Barros EJG. Is morning urinary protein/creatinine ratio a reliable estimator of 24-hour proteinuria in patients with glomerulonephritis and different levels of renal function? J Nephrol. 2004;17:1-7. 46. Trevisan G, Ramos J, Martins-Costa S, Barros EJG. Prenancy in patients with chronic renal insufficiency at Hospital de Clinicas de Porto Alegre, Brazil. Renal Failure. 2004;26:29-34. 47. Nunes A, Roisenberg I, Piccoli E, Weber R, Satler F, Grasselli F, Wainberg F, Bohn F, Barros EJG. Adult polycystic kidney disease in patients on haemodialysis in the south of Brazil. Nephrol Dialys Transplant. 2003;18:2686-7. 48. Ramos JG, Kessler JB, Costa CAR, Barros EJG. Calciuria and preeclampsia. Braz J Med Biol Res. 2003;31:519-22. 49. Pizzato AC, Barros EJG. Dietary calcium intake among patients with urinary calculi. Nutrition Research. 2003;23:1651-60. 50. Choi HK, Thomé FS, Orlandini T, Barros EJG. Hiperpigmentação Cutânea em Pacientes com Insuficiência Renal Crônica em Hemodiálise Infectados pelo Vírus da Hepatite C. Rev Assoc Méd Bras. 2003;49:24-8. 51. Friedrisch JR, Barros EJG, Manfro RC, Bittar CM, Silla LMR. Long-term followup of kidney allografts in patients with sickle cell hemoglobinopathy. Rev Bras Hematol Hemot. 2002;25:111-4. 52. Oliveira FR, Barros EJG, Magalhães JA. Biochemical profile of amniotic fluid for the assessment of fetal and renal development. Braz J Med Biol Res. 2002;35:215-22. 53. Yu L, Abensur H, Barros EJG, Homsi E, Burdmann EA, Cendoroglo Neto M, Younes-Ibrahim M, Santos O. Insuficiência renal aguda: diretrizes da Sociedade

88


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Brasileira de Nefrologia. J Bras Nefrol. 2002;24:37-9. 54. Comiran CC, Garcez JP, Oliveira MGC, Magalhães JAA, Oliveira F, Pilla C, Sanseverino MTV, Barros E. Líquido amniótico: avaliação do desenvolvimento renal e maturidade fetal durante a gestação. Revista de Medicina ATM. 2002;22:24-8. 55. Teloken C, Rhoden E, Lucas ML, Rhoden C, Mauri M, Bello-Klein A, Barros EJG. Protective effect of allopurinol in the renal ischemia-reperfusion in uninephrectomized rats. Gen Pharmacol. 2002;35:189-93. 56. Ramos J, Martins-Costa S, Barros EJG. Síndrome Hemolítico-Urêmica Pós-parto: Relato de Caso. RBGO. Rev Bras Ginecol Obst. 2002;24:555-9. 57. Bohn FK, Weber R, Nunes ACF, Roisenberg I, Barros EJG. Aspectos genéticos e fisiopatológicos da doença renal policística do adulto. Medicina ATM. 2001;21:151-4. 58. Morsch C, Pizzato AC, Ramos JG, Barros EJG, Nunes AC. Desnutrição Protéica e Nefroneogênese. Femina. 2001;29:137-42. 59. Yu L, Abensur H, Barros EJG, Homsi E, Burdmann EA, Cendoroglo Neto M, Younes MI, Santos OFP. Diagnóstico, prevenção e tratamento da Insuficiência Renal Aguda. Rev Assoc Méd Bras. 2001. 60. Barros E, Thomé FS, Comunello L, Oliveira MGC. Hiponatremia e hipernatremia em pacientes internados em Hospital Universitário. Rev Bras Med. 2001;58:567-74. 61. Figueiredo CP, Costa BP, Comerlato L, Micheli E, Barros EJG. Low dose L-arginine reduces blood pressure and endothelin-1 production in hypertensive uraemic rats. Nephrol Dialys Transplant. 2001;16:2110-1. 62. Barros EJG, Thomé FS, Garcez J. Avaliação e manejo do paciente adulto com infecção urinária. Revista HCPA. 2000;20:255-63. 63. , v.20, p.255 - 263, 2000. 64. Moreira PR, Barros EJG. Bases fisiopatológicas da miopatia na insuficiência renal crônica. J Bras Nefrol. 2000;22:34-8. 65. Silva FG, Rosito TE, Wolwacz Junior I, Koff WJ, Genro S, Thomé FS, Barros EJG. Fibrose retroperitoneal: relato de dois casos e revisão da literatura. J Bras Nefrol. 2000;22:03-9. 66. Risoto TE, Barros EJG, Busnello JV, Wolwacz I. Fibrose Retroperitonial Idiopática Tratada com Tamoxifeno. Revista de Medicina ATM. 2000;20:73-5. 67. Dorigoni SM, Barros E. Hemodiálise veno-venosa lenta contínua no tratamento da intoxicação aguda por lítio. Revista HCPA. 2000;20:307-10.

89


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

68. Bertoluci MC, Machado MP, Lima KM, Thomé FS, Barros EJG, Veronese F, Schaan BD, Schmid H. Increased urinary TGF-B1 in diabetic nephropathy in comparison to non-diabetic nephropathies. Diabetes. 2000;49. 69. Barros EJG, Ramos J, Costa SM. Indice proteinúria/creatinúria em gestantes com hipertensão arterial. Revista HCPA. 2000;20:124-38. 70. Duarte APG, Thomé FS, Mattevi BS, Berlim MT, Morsch C, Barros EJG, Fleck MPA. Prevalência da depressão maior nos pacientes em hemodiálise crônica. Revista HCPA. 2000;20:240-6. 71. Rhoden E, Teloken C, Lucas M, Rhoden C, Mauri M, Zetler C, Bello-Klein A, Barros EJG. Protective effect of allopurinol in the renal ischemia-reperfusion in uninephrectomized rats. General Pharmacology. 2000;35:189-93. 72. Morales JV, Garcez J, Weber R, Klamt CL, Barros EJG. Proteinúria: avaliação clínica e laboratorial. Revista HCPA. 2000;20:264-74. 73. Deferrari R, Thomé FS, Souza RM, Karohl C, Barros EJG. Suplementação de ferro em pacientes com insuficiência renal crônica em hemodiálise: um ensaio clínico. Revista HCPA. 2000;20:202-12. 74. Thomé FS, Karohl C, Barros EJG. Tratamento clínico da insuficiência renal crônica. Revista HCPA. 2000;20:280-9. 75. Weber R, Matiotti SB, Gomes AS, Thomé FS, Barros EJG. Insuficiência renal aguda por sulfadiazina: relato de caso. Revista HCPA. 1999;19:117-22. 76. Maraschin JF, Comiran CC, Karohl C, Thomé FS, Barros EJG. Insuficiência Renal em Pacientes do Centro de Terapia Intensiva de um Hospital Geral Universitário. Revista de Medicina ATM. 1999;19:40-6. 77. Teixeira AA, Machado M, Ferreira EM, Torres JB, Brunstein MG, Barros H, Barros EJG. Intoxicação aguda por lítio: estudo epidemiológico de causas. J Bras Psiq. 1999;48:399-403. 78. Martins JAS, Veronese F, Karohl C, Barros EJG. Litíse Renal: Aspectos ClínicoLaboratorias e Tratamento. Revista de Medicina ATM. 1999;19:268-75. 79. Silva MA, Waechter F, Francisconi C, Barros EJG, Thomé FS, Traiber C, Fonseca D, Sampaio J, Zingani J, Lima LP. Risk Factors For Posttoperative Acute Renal Failure at a New Orthoptic Liver Transplantation Program. Transplant Proceed. 1999;31:3050-2. 80. Rhoden E, Pereira-Lima J, Rhoden C, Mauri M, Pereira-Lima L, Zetler C, Barros EJG. The role of colchicine in preventions of hepatic cirrhosis induced by carbon tetrachloride. Hepatogastroenterol. 1999;46:1111-5. 81. Ramos J, Martins-Costa S, Mathias M, Guerin Y, Barros EJG. Urinary

90


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

protein/creatinine ratio in hypertensive pregnant women. Hypert Pregnan. 1999;18:209-18. 82. Moreira PR, Plentz R, Barros EJG, Matte D, Valle P, Valle M. Avaliação da capacidade física de pacientes crônicos através de um teste de caminhada de seis minutos. World Confed Phisical Therapy. 1998;3. 83. Ramos J, Martins-Costa S, Kessler JB, Costa CA, Barros EJG. Calciúria and preeclampsia. Braz J Med Biol Res. 1998;31:519-22. 84. Brunstein MG, Teixeira AA, Fritsch A, Rosa DD, Zucatto AE, Barros EJG. Carbonato de Lítio - Uma Revisão. Revista de Medicina ATM. 1998;1:85-9. 85. Rhoden CR, Rhoden EL, Mauri M, Petteffi L, Dacanal FM, Pilla M, Bellóklein A, Telöken C, Barros EJG. Efeitos do alopurinol sobre a lipoperoxidação de membranas celulares renais na síndrome da isquemia e reperfusão: estudo experimental em ratos. Acta Cirúrg Bras. 1998;13:73-9. 86. Silva MA, Waechter FL, Fonseca D, Traiber C, Zingani J, Sampaio J, Pinto R, Barros EJG, Thomé FS, Francisconi C. Fatores associados à insuficiência renal aguda pós-transplante hepático. Revista HCPA. 1998;18:269-75. 87. Rosito TE, Silva FG, Diemen VV, Faccini FP, Barros EG. Idiopathic retroperitoneal fibrosis: clinical aspects. Revista de Medicina ATM. 1998;18:245-8. 88. Sakurai H, Barros EJG, Tsukamoto T, Barasch J, Nigam S. An in vitro tubulogenesis system using cell lines derived from embryonic kidney shows dependence on multiple soluble growth factors. PNAS. 1997;94:6279-84. 89. Moreira PR, Westphalen J, Plentz R, Aguirre M, Thomé F, Barros EJG. Avaliação da capacidade aeróbia de pacientes em hemodiálise. Rev Bras Med Esporte. 1997;3:1-5. 90. Souza RM, Karohl C, Barros EJG, Thomé FS. Avaliação das Reservas de Ferro com Insuficiência Renal Crônica em Hemodiálise. Revista de Medicina ATM. 1997;1:17-21. 91. Souza RM, Defferrari R, Lazzaron AR, Verzoni GG, Fasolo LR, Sander GB, Karohl C, Barros EJG, Thomé FS. Avaliação das reservas de ferro em pacientes com insufuciência renal crônica em hemodiálise. Revista de Medicina ATM. 1997;1:17-21. 92. Thome F, Rodrigues A, Bruno R, Barros EJG, Goldani J. CAPD in southern Brazil: an epidemiological study. Adv Perit Dial. 1997;13:141-5. 93. Machado MA, Vasconcelos MJV, Abdelnoor RV, Gomes JLL, Barros EJG, Sediyama T, Moreira MA. Characterization of Cercospora sojina Hara isolates by RAPD markers. Fitopatologia Brasileira. 1997;22:366-9.

91


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

94. Geng L, Segal Y, Pavlova A, Barros EJG, Lohning C, Lu W, Nigam S, Frischauf A, Reeders S, Zhou J. Distribution and developmentally regulated expression of murine polycystin. American Journal of Physiology. 1997;272:F451-9. 95. Rhoden CR, Rhoden EL, Mauri M, Dacanal FM, Pilla M, Barros EJG, Bellóklein A, Telöken C. Efeitos do alopurinol na função renal após isquemia e reperfusão do rim: estudo experimental em ratos. Rev Bras Cirur. 1997;87:225-8. 96. Boim M, Santos O, Barros EJG, Schor N. Glomerular hemodynamics in acute renal failure. Renal Failure. 1997;19:209-12. 97. Lopez-Nieto C, You G, Bush K, Barros EJG, Beier D, Nigam S. Molecular cloning and characterization of NKT, a gene product related to the organic cation transporter family that is almost exclusively expressed in the kidney. J Biol Chemistry. 1997;272:6471-8. 98. Moreira PR, Barros EJG, Plentz R, Aguirre M, Fgress. Teste de caminhadas em Urêmicos. Rev Bras de Medicina do Esporte. 1997. 99. Cardoso L, Santos O, Boim M, Barros EJG, Ajzen H, Schor N. Fructose-1,6diphosphate: potential protection in cyclosporin-induced renal impairment. Nephron. 1996;72:67-71. 100. Barros EJG, Santos O, Matsumoto K, Nakamura T, Nigam S. Differential tubulogenic and branching morphogenetic activities of growth. PNAS. 1995;92:4412-6. 101. Stuart R, Barros EJG, Ribeiro E, Nigam S. Epithelial tubulogenesis through branching morphogenesis: relevance to. J Am Soc Nephrol. 1995;5:1151-9. 102. Derman M, Cunha M, Barros EJG, Nigam S, Cantley L. HGF-mediated chemotaxis and tubulogenesis require activation of the. Am J Physiol. 1995;268:F1211-7. 103. You G, Lee W, Barros EJG, Kanai Y, Huo T, Khawaja S, Wells M, Nigam S, Hediger M. Molecular characteristics of Na(+)-coupled glucose transporters in adult and. J Biol Chem. 1995;270:29365- 71. 104. Vasconcelos MJV, Machado MA, Almeida AMR, Henning AA, Barros EJG, Moreira MA. Differentiation of Colletotrichum truncatum isolates by random amplified polymorphic DNA. Fitopatologia Brasileira. 1994;19:520-3. 105. Santos O, Barros EJG, Yang X, Matsumoto K, Nakamura T, Park M, Nigam S. Involvement of hepatocyte growth factor in kidney development. Dev Biol. 1994;163:525-9. 106. Cantley L, Barros EJG, Gandhi M, Rauchman M, Nigam S. Regulation of mitogenesis, motogenesis, and tubulogenesis by hepatocyte growth. Am J Physiol. 1994;267:F271-80. 107. Lisboa PV, Pederiva MA, Toniazzo MR, Amakawa LK, Vettorazzi J, Martins-

92


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Costa SH, Ramos JGL, Barros E. Automedicação na gestação. Revista HCPA. 1993;13:43-6. 108. Nascimento L, Mulle LD, Hass L, Murussi M, Veronese FJV, Giugliani MC, Barros EJG. Avaliação da Excreção Urinária de Cálcio, Sódio, Ácido Úrico e Citrato Durante a Semana e no Fim de Semana. Revista AMRIGS. 1993;37:237-9. 109. Barros EJG, Boim MA, Ajzen H, Ramos OL, Schor N. Glomerular hemodynamics and hormonal participation in cyclosporine nephrotoxicity. Rev Hosp São Paulo. 1993;5:1-4. 110. Barros E, Mulle JD, Nascimento LB, Vlieger R, Manfro RC. Infecção urinária no adulto: conceituarão, diagnóstico e tratamento. Revista HCPA. 1993;13:20-5. 111. Barros EJG, Manfro RC, Saick A, Prompt CA. Ciclosporina A: interações medicamentosas. Rev Assoc Med Bras. 1992;37:205-10. 112. Rhoden CR, Rhoden EL, Pereira Lima JE, Zettler CG, Barros EJG. Efeitos da colchicina sobre a cirrose hepática em ratos, induzia pelo tetracloreto de carbono. GED. 1992;11:35-40, 1992. 113. Manfro RC, Gonçalves LF, Barros EJG, Prompt CA. Mechanisms of action of immunosupressive drugs in organ transplantation. Rev Assoc Med Bras. 1992;38:111-6. 114. Morales JV, Teruchkin MM, Pavim L, Barros EJG. Nefrite Lúpica: Critérios Histopatológicos e Tratamento. Revista HCPA. 1992;12:141-6. 115. Costa SM, Ramos JGL, Barros EJG, Bruno RM, Costa CAR, Goldim JR. Randomized controlled trial of hydralazine versus nifedipine in pre eclamptic womem with acute hypertension. Clin Experiment Hypert. 1992;B11:25-44. 116. Barros EJG, Morales JV. Ciclosporina A: Interações Medicamentosas. Rev Assoc Med Bras. 1991;37:50. 117. Santos O, Boim M, Barros EJG, Pirotzky E, Braquet P, Schor N. Effect of platelet-activating factor antagonist BN 52063 on the nephrotoxicity. Lipids. 1991;26:1324-8. 118. Rhoden E, Pereira-Lima J, Rhoden C, Zetler C, Barros EJG. Modelo experimental de indução de cirrose hepática em ratos por tetracloreto de carbono. GED. 1991;10:149-52. 119. Santos O, Boim M, Barros EJG, Pirotzky E, Braquet P, Schor N. Nephrotoxicity of cyclosporine: the role of platelet-activating factor and. Lipids. 1991;26:1320-23. 120. Santos O, Boim M, Barros EJG, Schor N. Role of platelet activating factor in gentamicin and cisplatin nephrotoxicity. Kidney International. 1991;40:742-7.

93


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

121. Cardoso P, Bittencourt H, Fillmann L, Rossi V, Barros EJG. Fluoroquinolonas: tratamento via oral contra bactérias multiresistentes. Pesquisa Médica. 1990;24:41-6. 122. Barros EJG, Boim MA, Santos OFP, Moura LAR, Ramos OL, Schor N. Short-term chronic effects of cyclosporine on glomerular hemodynamics in rats. J Am Soc Nephrol. 1990;4:227-33. 123. Bittencourt H, Rossi V, Fillmann L, Cardoso PRC, Petrillo V, Barros EJG. Aspectos Farmacológicos das Cefalosporinas. Revista AMRIGS. 1989;33:340-6. 124. Barros EJG, Boim M, Santos O, Schor N. Effect of cisplatin on glomerular hemodynamics. Braz J Med Biol Res. 1989;22:1295-1301. 125. Santos O, Boim M, Bregman R, Draibe S, Barros EJG, Pirotzky E, Schor N, Braquet P. Effect of platelet-activating factor antagonist on cyclosporine nephrotoxicity. Transplant. 1989;47:592-5. 126. Veronese FJV, Barros EJG. Hipercalciúria Idiopática e Litíase Renal: Fisiopatologia e Diagnóstico Diferencial. Revista AMRIGS. 1989;33:327-32. 127. Boim MA, Barros EJG, Ramos OL, Schor N. Nefrotoxicidade induzida pela cisplatina: Avaliação da Hemodinâmica Glomerular. J Bras Nefrol. 1989;11:89-94. 128. Petrillo VF, Wagner MB, Gus J, Marques AR, Muller AL, Ferreira M, Kowacs F, Melo LL, Muller MQ, De Vecino MCA, Rafainer PG, Alfonso T, Lopes E, Barros EJG. Prevalence of antibiotic use in a hospital in Brazil. J Hosp Infec. 1989;13:98100. 129. Petrillo VF, Wagner MB, Gus J, Marques AR, Muller AL, Lanca EA, Lopes EM, Lopes E, Kowacs F, Melo LL, Muller MQ, De Vecino MCA, Rafainer PG, Alfonso T, Barros EJG. Prevalência e adequação do uso de antimicrobianos no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Revista AMRIGS. 1989;33:293-5. 130. Ghiraldini MA, Rosenkranz A, Barros EJG, Boim MA, Jurkiewicz A, Schor N. Caracterização do rato com diabetes insípido hereditário - Brattleboro criado no Brasil. Ciência e Cultura. 1988;40:1203-8. 131. Veronese FJV, Giugliani MC, Pinheiro CM, Barros EJG. Estudo da Hipercalciúria Idiopática. Prova de Sobrecarga Oral de Cálcio em Dieta Habitual e Restrita em Cálcio. Rev Eletron Pesq Méd. 1988;22:16-9. 132. Giugliani MC, Veronese FJV, Giugliani R, Barros EJG. Investigação Ambulatorial de Distúrbios Metabólicos em Pacientes com Urolitíase. Revista HCPA. 1988;8:136-9. 133. Bruno RM, Barros EJG. Transplante renal e gravidez. Revista HCPA. 1988;8:36-9. 134. Stabile C, Barros EJG, Schor N. Ciclosporina e rim. Rev Assoc Med Bras. 1987;33:74-8.

94


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

135. Barros EJG, Boim M, Figueiredo J, Sigulem D, Ramos O, Schor N. Cyclosporine: Glomerular Hemodynamics. Transplant Proceed. 1987;19:1754-5. 136. Barros EJG, Boim M, Draibe S, Sigulem D, Ramos O, Schor N. Effects Of Cyclosporine On Renal Microcirculation. Nephrol Dialys Transplant. 1987;2:261-5. 137. Barros EJG, Boim M, Ajzen H, Ramos O, Schor N. Glomerular Hemodynamic And Hormonal Participation On Cyclosporine Nephorotoxicity. Kid Internat. 1987;32:19-25. 138. Barros EJG, Tannhauser M. Reflexões Sobre O Padrão de Prescrição de Medicamentos. Pesquisa Médica. 1987;21:128-9. 139. Barros EJG, Santos O, Boim M, Pinheiro M, Ajzen H, Ramos O, Schor N. Calciuria, Sobrecarga de Calcio e Amp Ciclico Urinario Na Avaliacao de Pacientes Com Litiase Calcica. Rev Assoc Med Bras. 1986;32:96-100. 140. Bertelli M, Barros H, Barros EJG, Vargas P, Deos M, Tannhauser M. Drug Prescription Pattern In Teaching Hospitals Of Southern Brazil. Ciência e Cultura. 1986;38:1064-70. 141. Barros EJG, Barros H, Lhulier F, Kopstein J. Monitorização dos Níveis Séricos da Gentamicina: Implicações e Relevância Em Antibioticoterapia. Rev Assoc Med Bras. 1986;32:11-6. 142. Barros H, Barros EJG, Carvalhaes J. Pancreatite Aguda Associada Ao Uso de Valproato de Sodio. Rev Assoc Med Bras. 1986;32:33-4. 143. Amaral M, Pinheiro M, Laranja S, Barros EJG, Santos D, Sigulem D, Schor N. Informatica Aplicada Em Ambulatorio de Litiase Renal. J Bras Nefrol. 1985;7:30-2. 144. Barros EJG, Barros HMT, Lhullier F, Kopstein J. Uso Clínico e Nefrotoxicidade da Gentamicina em um Hospital Geral: Estudo Prospectivo Em 83 Pacientes. J Bras Nefrol. 14985;7:96-101. 145. Barros EJG, Schor N. Infecção Urinária: Um Velho Agente Etiologico Não Reconhecido: O Sr. ‘Staphylococcus Saprophyticus’. Rev Assoc Med Bras. 1984;30:140-1. 146. Tannhauser M, Tannhauser S, Barros H, Barros EJG. Carbamazepine-Induced Hyperglycemia In Hiponatremic Rats. Pharmacol. 1982;24:123-5. 147. Barros EJG, Gastaldo CM, Costa CAR, Prompt CA. Teor de Na e K em bebidas alcoólicas e não alcoólicas. J Bras Nefrol. 1980;2:15-7. 148. Tannhauser S, Tannhauser M, Barros H, Barros EJG. Efeitos de Anticonvulsivantes No Condicionamento de Esquiva Ativa e sobre o pseudocondicionamento. Ciência e Cultura. 1979;31:411-4.

95


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

2.5 Trabalhos publicados em anais de eventos científicos Apresentação sindrômica de glomerulopatias: quais as diferenças e de desfechos? In: 33ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2013, Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre: , 2013. v.33. p.226 - 227 Apresentação sindrômica de glomerulopatias: quais as diferenças e de desfechos? In: 32ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2012, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2012. v.32. p.166 - 166 Apresentação sindrômica de glomerulopatias: quais as diferenças e de desfechos? In: 26º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2012, São Paulo. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2012. v.34. p.133 - 133 Experiência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre na terapia renal substitutiva contínua utilizando anticoagulação regional com citrato trissódico 2% In: XIV Jornada Gaúcha de Nefrologia, 2011, Pelotas. Revista de Saúde da UCPEL. , 2011. v.5. p.62 - 62 Henoch-Schönlein purpura: an usual presentatio of Fabry In: VIII Congresso Latino Americano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal, 2011, Cusco. Revista de Gastroentereologia del Perú. , 2011. v.31. p.81 - 81 Henoch-Schönlein purpura: an usual presentatio of Fabry In: SSIEM - Annual Symposium of the Society for the Study of Inborn Errors of Metabolism, 2011, Geneva. Journal of Inherited Metabolic Disease. , 2011. v.34. p.188 - 188 Injúria renal aguda associada à sepse In: XIV Jornada Gaúcha de Nefrologia, 2011, Pelotas. Revista de Saúde da UCPEL. , 2011. v.5. p.65 - 65 Substituição da função renal no paciente crítico: experiência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre In: XVI Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva, 2011, Porto Alegre. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. , 2011. v.23. p.S22 - S22 Terapia de substituição de função renal por mais de trinta dias em pacientes cri-

96


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ticamente enfermos com injúria renal aguda - origem e destino dos pacientes In: XIV Jornada Gaúcha de Nefrologia, 2011, Pelotas. Revista de Saúde da UCPEL. , 2011. v.5. p.64 - 65 Terapia de substituição de função renal por mais de trinta dias em pacientes criticamente enfermos com injúria renal aguda: origem e destino dos pacientes In: 31ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2011, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2011. v.31. p.172 - 173 Calcium to creatinine ratio in preeclampsia In: XVII ISSHP World Congress, 2010, Melbourne. Pregnancy Hypertension. , 2010. p.44 - 44 Calciuria in pregnancy-induced hypertension and perinatal outcomes In: XVII ISSHP World Congress, 2010, Melbourne. Pregnancy Hypertension. , 2010. p.44 - 44 Desempenho das equações que estimam a filtração glomerular na doença renal crônica e em indivíduos saudáveis In: 30ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2010, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2010. v.30. p.170 - 170 Injúria renal aguda associada à sepse In: 30ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2010, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2010. v.30. p.173 - 173 Natriuria associated to calciuria in pregnancy-induced hypertension In: XVII ISSHP World Congress, 2010, Melbourne. Pregnancy Hypertension. , 2010. v.1. p.44 - 44 Ajuste da dosagem de cefepime pela função renal em hospital universitário In: 29ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2009, Porto Aleger. Revista HCPA. , 2009. v.29. p.330 - 330 Desempenho da equação do MDRD e de COCKCROFT-GAULT para estimativa da filtração glomerular na doença renal crônica e em indivíduos normais In: 29ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2009, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2009. v.29. p.327 - 327 Relato preliminar da experiência com microscopia eletrônica para diagnóstico em glomerulopatias In: 29ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto

97


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Alegre, 2009, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2009. v.29. p.329 - 330 Análise do perfil de resistência e genotipagem da escherichia coli na infecção urinária não complicada In: 22nd Congress of the Portuguese Society of Nephrology - II Congresso Luso-Brasileiro de Nefrologia, 2008, Vilamoura. Portuguese Journal of Nephrology and Hypertension. , 2008. v.22. p.105 - 105 Avaliação tardia de sobrevida e recuperação da função renal em pacientes com dano renal agudo criticamente enfermos, submetidos a diálise In: 24º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2008, São Paulo. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2008. v.30. p.8 - 8 Efeitos da doença renal crônica prévia no prognóstico tardio de pacientes criticamente enfermos submetidos a diálise In: 24º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2008, São Paulo. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2008. v.30. p.63 - 63 High-pressure chromatographic assay cefepime in serum with detector UV/VIS In: 20th International Congress of Clinical Chemistry and Laboratory Medicine, 2008, Fortaleza. Clinical Chemistry and Laboratory Medicine. , 2008. v.46. p.S409 Late survival and renal function recovery in critically ill patients submitted to dialysis In: 41st Annual Meeting and Scientific Exposition of the American Society of Nephorology, 2008, Baltimore. Journal of the American Society of Nephroology. , 2008. v.19. p.798 - 798 Prognóstico de pacientes com insuficiência renal aguda submetidos a tratamento dialítico em centro de terapia intensiva In: 22nd Congress of the Portuguese Society of Nephrology - II Congresso Luso-Brasileiro de Nefrologia, 2008, Vilamoura. Portuguese Journal of Nephrology and Hypertension. , 2008. v.22. p.130 - 130 Avaliação de pacientes com insuficiência renal aguda submetidos a tratamento dialítico em centro de terapia intensiva: sobrevida, recuperação da função renal e qualidade de vida In: 27ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2007, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2007. v.27. p.188 - 188 Avaliação de pacientes com insuficiência renal submetidos a tratamento dialítico

98


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

em centro de terapia intensiva: fatores prognósticos In: 27ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2007, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2007. v.27. p.188 - 188 Triagem para a doença de Fabry em pacientes em hemodiálise: prevalência e acurácia do teste realizado em amostras de sangue colhidas em papel filtro In: VI Congreso Latinoamericano de Errores Innatos de Metabolismo y Pesquisa Neonatal, 2007, Punta del Este. Acta Bioquímica Clínica Latinoamericana. , 2007. v.41. p.147 - 147 Acurácia diagnóstica da relação proteína creatinina em amostra de urina para determinação de níveis de proteinúria para o manejo terapêutico dos pacientes com glomerulopatias In: 23º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2006 Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2006. v.28. p.40 - 40 Low calcium intake in preeclampsia In: 15th World Congress of International Society for the Study of Hypertension in Pregnancy, 2006, Lisboa. Hypertension in Pregnancy. , 2006. v.25. p.148 - 148 Triagem para doença de Fabry em homens submetidos à hemodiálise no Rio Grande do Sul In: Simpósio Latino-Americano de Doenças de Depósito Lisossômico, 2006, Florianópolis. Simpósio Latino-Americano de Doenças de Depósito Lisossômico - Abstracts. , 2006. Doença de Fabry em paciente submetido à hemodiálise: dados preliminares de um screening In: 25ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2005, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2005. v.25. p.130 - 130 Fabry’s disease and haemodialysis: determining a procedure for blood collecting on a brazilian screening In: Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal, 2005, San José. Libro del Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal. , 2005. p.308 - 308 Investigação da porção terminal do gene PKD1 (EXON 46) em pacientes com doença renal policística do adulto no Rio Grande do Sul In: 25ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2005, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2005. v.25. p.129 - 130 Kidney function evaluation after 24-months of enzyme replacement therapy for

99


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Fabry disease In: Congresso Brasileiro de Genética Clínica, 2005, Curitiba. Congresso Brasileiro de Genética Clínica. , 2005. Kidney function evaluation after 24-months of enzyme replacement therapy for Fabry disease In: Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal, 2005, San José. Libro del Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal. , 2005. p.340 - 340 Kidney function evaluation after 24-months of enzyme replacement therapy for Fabry disease In: Annual Meeting of the American Society of Human Genetics, 2005, Bethesda. Annual Meeting of the American Society of Human Genetics - Abstracts. , 2005. Mutação do DNA mitocondrial em pacientes urêmicos submetidos ao tratamento de hemodiálise no sul do Brasil In: 25ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2005, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2005. v.25. p.129 - 129 Padronização da coleta de sangue no screening para doença de Fabry em pacientes submetidos à hemodiálise In: 10º Simposio Latinoamericano de Enfermedades de Depósito Lisosomal, 2005, Genzyme. 10º Simposio Latinoamericano de Enfermedades de Depósito Lisosomal. , 2005. Preliminar results of screening for Fabry disease using dried blood spots on filter paper In: Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal, 2005, San José. Libro del Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal. , 2005. p.338 - 338 Preliminar results of screening for Fabry disease using dried blood spots on filter paper In: Simpósio Latinoamericano de Enfermedades de Depósito Lisosomal, 2005, San José. Simpósio Latinoamericano de Enfermedades de Depósito Lisosomal - Abstracts., 2005. Resultados preliminares de la pesquisa para la enfermedade de Fabry usando muestras de sangre entera colectada en papel de filtro In: Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal, 2005, San José. Libro del Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal. , 2005. p.338 - 338

100


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Screening of Fabry disease using dried blood spots on filter paper: experience of a brazilian center In: 15th Workshop of the European Study Group on Lysossomal Diseases, 2005, Oslo. ESGLD Workshop. , 2005. Validação da coleta d sangue durante a hemodiálise para análise da atividade enzimática da alfa-gal-A In: 25ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2005, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2005. v.25. p.128 - 128 Análise dos polimorfismos de DNA ECA I/D, PAI-1 4G/5G e MTHFR C677T em pacientes com insuficiência renal crônica submetidos à hemodiálise In: 24ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2004, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2004. v.24. p.175 - 175 Avaliação seriada da proteinúria através do índice proteína/creatina em pacientes com glomerulopatia primária In: 24ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2004, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2004. v.24. p.176 - 176 Avaliação seriada da proteinúria através do índice proteina/creatinina (IPC) em pacientes com glomerulopatia primária In: XXII Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2004, Salvador. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2004. v.26. p.10 - 10 Genótipos ECA I/D, PAI-1 4G/5G e MTHFR C677T em pacientes submetidos a hemodiálise no sul do Brasil In: XXII Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2004, Salvador. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2004. v.3. p.209 - 209 Gestação em pacientes com insuficiência renal crônica In: XIII Congresso Latinoamericano, 2004, Punta Del Este. XIII Congresso Latinoamericano de Nefrologia e Hipertensão. , 2004. Prevalência de resistêncai da Escherichia coli aos antibióticos mais utilizados para o tratamento da infecção urinária In: XXII Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2004, Salvador. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2004. v.26. p.157 - 157 Tratamento da glomeruloesclerose segmentar e focal (GESF) primária em pacientes adultos resistentes ao uso de corticosteróides In: XXII Congresso Brasi-

101


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

leiro de Nefrologia, 2004, Salvador. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2004. v.26. p.9 - 9 Tratamento da glomeruloesclerose segmentar e focal primária em pacientes adultos resistentes ao uso de corticosteróides In: 24ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2004, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2004. v.24. p.176 - 176 Genótipo ECA I/D e o Tratamento Farmacogenômico da Proteinúria com IECA In: IX Jornada Gaúcha de Nefrologia e Enfermagem em Nefrologia, 2003, Gramado. Livro de reumos da IX Jornada Gaúcha de Nefrologia e Enfermagem em Nefrologia. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Nefrologia, 2003. v.1. p.10 - 10 Genótipo Nik2.9 Relacionado a Doença Renal Policística do Adulto em Pacientes Caucasóides Submetidos à Hemodiálise em Porto Alegre In: 23ª Semana Científica do HCPA, 2003, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2003. Heparina de baixo peso molecular (HBP) versus heparina convencional (HC) na anticoagulação da hemodiálise venovenosa contínua (HDVVC) em pacientes renais agudos In: 9ª Jornada Gaúcha de Nefrologia e Enfermagem em Nefrologia, 2003, Gramado. 9ª Jornada Gaúcha de Nefrologia e Enfermagem em Nefrologia. , 2003. Polimorfismo Nik2.9 (Gene PKD1) em Pacientes Submetidos à Hemodiálise In: IX Jornada Gaúcha de Nefrologia e Enfermagem em Nefrologia, 2003, Gramado. Livro de Resumos da IX Jornada Gaúcha de Nefrologia e Enfermagem em Nefrologia. Porto Alegre: Sociedade Gaúcha de Nefrologia, 2003. v.1. p.21 - 21 A registry for Fabry disease in Brazil In: 38º Conferência de Genética, 2002, Porto. 38º Conferência de Genética - Livro de Resumos. , 2002. p.62 - 62 Avaliação do Perfil Lipídico de Pacientes comInsuficiência Reanl Crônica Mantidos emHemodiálise (HD) ou em Tratamento Conservador (TC) In: 21º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2002, Brasília. Jornal Brasileiro de Nefrologia. São Paulo: Sociedade Brasileira deNefrologia, 2002. v.24. p.176 - 176 Avaliação do Perfil Lipídico de Pacientes com Insuficiência Reanl Crônica Mantidos emHemodiálise (HD) ou em Tratamento Conservador (TC) In: 21º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2002, Brasília.

102


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Jornal Brasileiro de Nefrologia. São Paulo: Sociedade Brasileira deNefrologia, 2002. v.24. p.176 - 176 Avaliação do Perfil Lipídico de Pacientes comInsuficiência Reanl Crônica Mantidos emHemodiálise (HD) ou em Tratamento Conservador (TC) In: 21º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2002, Brasília. Jornal Brasileiro de Nefrologia. São Paulo: Sociedade Brasileira deNefrologia, 2002. v.24. p.176 - 176 Avaliação epidemiológica dos distúrbios do potássio nos pacientes da internação clínica de um hospital universitário In: 14º Salão de Iniciação Científica da UFRGS, 2002, Porto Alegre. Livro de Resumos. , 2002. p.523 - 523 Avaliação epidemiológica dos distúrbios do potássio nos pacientes da internação clínica de um hospital universitário In: 21 Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2002, Brasília. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2002. v.24. p.151 - 151 62. Barros, E, THOMÉ, F. S., KROST, D. P., FROHLICH, A. C., WAGNER, A., GEIB, G. Avaliação epidemiológica dos distúrbios do potássio nos pacientes da internação clínica de um hospital universitário In: 22ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2002, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2002. v.22. p.192 - 192 HELLP Syndrome and Acute Renal Failure In: 13th World Congress of the International Society for the Study of Hypertension in Pregnancy, 2002, Toronto. Hypertension in Pregnancy. Toronto: International Society for the Study of Hypertension in Pregnancy, 2002. v.21. p.95 - 95 Hemodiálise venovenosa contínua (HDVVC) na intoxicação por lítio In: 21 Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2002, Brasília. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2002. v.24. p.76 - 76 Heparina de baixo peso molecular (HBP) versus heparina convencional (HC) na anticoagulação da hemodiálise venovenosa contínua (HDVVC) em pacientes com insuficiência renal aguda In: 22ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 2002, Porto Alegre. Revista HCPA. , 2002. v.22. p.190 - 190 Heparina de baixo peso molecular (HBP) versus heparina convencional (HC) na

103


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

anticoagulação da hemodiálise venovenosa contínua (HDVVC) em pacientes renais agudos In: 21º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2002, Brasília. Jornal Brasileiro de Nefrologia. São Paulo: Sociedade Brasileira de Nefrologia, 2002. v.24. p.87 - 87 Índice de severidade da doença renal e sua relação com indicadores assistenciais de pacientes com insuficiência renal crônica (IRC) em hemodiálise (HD). In: 21 Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2002, Brasília. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2002. v.24. p.110 - 110 Infecção em pacientes com cateter de duplo lúmen para hemodiálise em um hospital universitário In: 21 Congresso Brasileiro de Enfermagem em Nefrologia, 2002, Brasília. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2002. v.24. p.192 - 192 Insuficiência Renal em Pacientes com Síndrome ‘Hellp’ In: 21º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2002, Brasília. Jornal Brasileiro de Nefrologia. São Paulo: Sociedade Brasileira de Nefrologia, 2002. v.24. p.111 - 111 Major depressive disorder: worse quality of life when compared with a chronic and debilitating medical disease In: 9th Conference of International Society for Quality of Life, 2002, Orlando. Quality of Life Research. , 2002. v.11. p.692 - 692 Método simplificado de anticoagulação regional com citrato trissódico 2% em hemodiálise veno-venosa contínua (HDVVC) In: 21º Congresso Brasileiro de Nefrologia, 2002, Brasília. Jornal Brasileiro de Nefrologia. São Paulo: Sociedade Brasileira de Nefrologia, 2002. v.24. p.185 - 185 A gênese da hipertensão arterial sistêmica na doença renal policística do adulto In: 13º Salão de Iniciação Científica da UFRGS, 2001, Porto Alegre. 13º Salão de Iniciação Científica da UFRGS - Livro de Resumos. , 2001. p.363 363 Análise retrospectiva da prevalência de doenças renais císticas em amostras submetidas ao exame histopatológico In: 13º Salão de Iniciação Científica da UFRGS, 2001, Porto Alegre. 13º Salão de Iniciação Científica da UFRGS - Livro de Resumos. , 2001. p.364 - 364

104


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Chronotropic Incompetence in Patients on Hemodialysis In: Programs and Abstracts ASN/ISN World Congress of Nephrology, 2001, San Francisco. Journal of the American Society of Nephrology. Florida: Lippincott Williams & Wilkins, 2001. v.12. p.400A - 400A Clinical Charasteristics of End-Stage Renal Disease in Autosomal Dominat Polycystic Kidney Disease in South of Brazil In: Programs and Abstracts ASN/ISN World Congress of Nephroplogy, 2001, San Francisco. Journal of the American Society of Nephrology. Florida: Lippincott Williams & Wilkins, 2001. v.12. p.541A - 542A Fabry’s disease: experience of a brazilian reference center for lysosomal storage disorders In: International Symposium on Novel Therapies for Lysosomal Storage Disorders, 2001, Canela. International Symposium on Novel Therapies for Lysosomal Storage Disorders Abstracts. , 2001. p.31 - 31 Fatores associados à doença renal policística do adulto em pacientes submetidos à hemodiálise no Rio Grande do Sul In: 13º Salão de Iniciação Científica da UFRGS, 2001, Porto Alegre. 13º Salão de Iniciação Científica da UFRGS - Livro de Resumos. , 2001. p.363 - 363 La enfermedad de Fabry: la experiencia de un centro de referencia brasileño para los desordenes de almacenamiento lisososmal In: 3º Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal, 2001, Cartagena. 3º Congreso Latinoamericano de Errores Innatos del Metabolismo y Pesquisa Neonatal - Memorias. , 2001. p.81 - 81 Redução no tempo de hemodiálise em pacientes com rins policísticos no Rio Grande do Sul In: 13º Salão de Iniciação Científica da UFRGS, 2001, Porto Alegre. 13º Salão de Iniciação Científica da UFRGS - Livro de Resumos. , 2001. p.365 - 365 Avaliação Epidemiológica dos Pacientes com Rins Policisticos (Autossômico Dominante) nos Centros de Hemodiálise de Porto Alegre-RS In: 20ª Semana Científica do HCPA, 2000, Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.204 - 204 Cintilografia de Paratireóides com Technetium 99m Sestamibi (MIBI) e Ultrasonografia de Paratireóides (US) na Osteodistrofia Renal em Hemodiálise (HD) In: 20ª Semana Científica do HCPA, 2000, Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.204 - 205

105


MEMORIAL

II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Estudo Comparativo do TGF-b1 Urinário (TGF-b1UR) em Pacientes com Nefropatia Diabética (ND) e Não-Diabéticas (NND) In: 20ª Semana Científica HCPA, 2000, Porto Alegre. Revista HCPA. porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.205 - 206 Hemodiálise Veno-Venosa Lenta Contínua no Tratamento da Intoxicação Aguda por Carbono de Lítio In: 20ª Semana Científica do HCPA, 2000, Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.206 - 206 Impacto de um Protocolo (PC) de Uso de Ferro Parenteral (FeIV) e Eritropoietina (EPO) no Manejo da Anemia em Pacientes co Isuficiência Renal Crônica (IRC) em Hemodiálise (HD) In: 20ª Semana Científica do HCPA, 2000, Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.206 - 206 Increased urinary TGF-B1 in diabetic nephropathy in comparison to non-diabetic nephropathies In: 60th Scientifc Sessions of the American Diabetes Association, 2001, San Antonio. 60th Scientifc Sessions of the American Diabetes Association - Abstract Book. , 2000. p.229 - 229 Índice Proteína/Creatinina em Pacientes Adultos com Glomérulopatia Primária e Diferentes Níveis de Função Renal In: 20ª Semana Científica do HCPA, 2000, Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.186 - 187 Insuficiência Renal em Pacientes com Síndrome HELLP In: 20ª Semana Científica do HCPA, 2000, Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.187 - 187 Metodologia para avaliação da depressão maior e da qualidade de vida nos pacientes em hemodiálise In: 18º Congresso Brasileiro de Psiquiatria, 2000, Rio de Janeiro. 18º Congresso Brasileiro de Psiquiatria - Livro de Resumos. , 2000. p.197 - 197 Prevalência dos Genótipos do Vírus da Hepatite C (HCV) em Pacientes Anti-HCV Positivos com Insuficiência Renal Crônica Terminal In: 20ª Semana Científica do HCPA, 2000, Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.208 - 208 Qualidade de Vida e Depressão Maior nos Pacientes em Hemodiálise In: 20ª Semana Científica do HCPA, 2000, Porto Alegre.

106


II – GERAÇÃO DE CONHECIMENTO

Revista HCPA. Porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.299 - 299 Taxa de Infecção em Cateter de Duplo Lúmen (CDL) para Hemodiálise (HD)- um Indicador de Qualidade Assistencial (IQA) na Monitorização do Processo em um Hospital Universitário In: 20ª Semana Científica do HCPA, 2000, Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre: Gráfica do HCPA, 2000. v.20. p.209 - 209 Use of single voided urine samples to estimate quantitative proteinuria in patients with diminished renal function In: 33rd Annual Meeting - 2000 Renal Week, 2000, Toronto. 33rd Annual Meeting - 2000 Renal Week - ASN Program and Abstracts. , 2000. Uso de índice proteína/creatinina em pacientes com função renal diminuída In: 20º Congresso Brasileiro de Nefrologia - 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem em Nefrologia, 2000, Natal. Jornal Brasileiro de Nefrologia. , 2000. v.22. p.50 - 50 Evolução a longo prazo de pacientes com doença falciforme submetidos a transplante renal: relato de dois casos In: 19ª Semana Científica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 1999, Porto Alegre. Revista HCPA. , 1999. v.19. p.221 - 221 Efeito dos extratos de lonomia oblíqua na hemostasia In: 10º Salão de Iniciação Científica da UFRGS, 1998, Porto Alegre. 10º Salão de Iniciação Científica da UFRGS - Livro de Resumos. , 1998. p.243 - 243

107


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

108


III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

3.1 Aulas 3.1.1 Atividade de ensino no nível de Graduação Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Medicina Interna - Faculdade de Medicina 06/1986 – Atual Semiologia, Clínica Médica II 07/2004 – Atual Introdução à Clínica Médica – Estágio 01/2011 – Atual Internato – Medicina Interna

Departamento de Fisiologia, Farmacologia e Biofísica – Instituto de Biociências 1986-1987

Farmacologia Médica II

109


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - UFCSPA 1982 - 1989

Disciplina de Farmacologia – Departamento de Fisiologia e Farmacologia

Fundação Universidade de Passo Fundo 1979

Disciplina de Farmacologia

3.1.2 Atividade de ensino no nível de Pós-Graduação stricto sensu Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-graduação em Medicina: Nefrologia 2010

Nefrologia Intensiva

2008 – 2010

Seminários Avançados de Pesquisa em Nefrologia

2004

Glomerulopatias

2004

Uremia e Transplante Renal

1995 – Atual

Fisiologia Renal

1990 – Atual

Insuficiênia Renal, Biologia Celular e Molecular, Fisiologia Renal

1987

Histologia renal norma e fisiologia

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Ginecologia e Obstetrícia 2014

Temas avançados em gestaçãoo de alto risco

Programa de Pós-graduação em Medicina: Nefrologia 2008 – 2013

Seminários Avançados de Pesquisa em Nefrologia

110


III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre Curso de Pós-Graduação em Farmacologia 1998

Seminário “O desenvolvimento soro contra Lonômia” na disciplina Seminários em Farmacologia

1988

Farmacocinética

3.1.3 Atividade de ensino em curso de especialização ou extensão 2005

Docente do Curso de Especialização em Enfermagem em Nefrologia da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1999

Programa de Educação Continuada - Terapia Básica em Nefrologia no Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1996 a 2013

Preceptoria em Residência Médica no Hospital de Clínicas de Porto Alegre

1987

I Curso de Extensão em Clínica Médica do Centro Acadêmico XXII Março da Fundação Faculdade de Ciências Médicas de Porto Alegre

3.1.4 Atividade de orientação na graduação (TCC, monitoria, IC, Extensão, PET, etc.) 2013

Maria Elisandra Gonçalves. Curso de Formação de Oficais Médicos do Serviço de Saúde, Escola de Saúde do Exército Brasileiro

2001-2013

Curso de Especialização em Enfermagem em Nefrologia do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Escola de Enfermagem da UFRGS

1996 - Atual

Coordenador do Programa de Monitoria do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina – UFRGS

111


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Orientações IC – Universidade Federal do Rio Grande do Sul 2011 a 2012

Ariela Pinto Bumbel

2011

Alisson Lopes da Silva

2011 a 2012

Viviane Paz Borges

2010 a 2011

Ilsis Cristine da Silva Miozzo

2010 a 2011

Maria Elisandra Gonçalves

2010

Eduardo Correa Gomes

2010

Maiana Zanchetta Scherer

2010

Gabriel Boschi

2007 a 2008

Thaís Helena Gonçalves

2006 a 2009

Jordana de Fraga Guimarães

2006 a 2007

Daniel da Rosa Farias

2004 a 2005

Cristiane Bastos de Mattos

2002 a 2003

Edson Scortegagna Piccoli

1999 a 2002

Joana Presser Garcez

1997 a 1999

Cristina Cunha Comiran

1996

Rafael Varela Gonzaga

Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre 1998

Orientação de estagiários e monitores na disciplina de Farmacologia

3.2 Orientações Pós-Graduação Os alunos de mestrado e doutorado são fundamentais na busca de soluções para o desenvolvimento da ciência nos cursos de pós-graduação. Gostaria de destacar aqui o trabalho do Professor Doutor Alaour Cândida Duarte na descoberta da síndrome hemorrágica causada pela Lonomia obliqua, popularmente conhecida por taturana, no Rio Grande do Sul e o desenvolvimento do soro antilonômico que salvou e continua

112


III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

salvando muitas vidas. O Prof. Dr. Alaour, que foi meu aluno de mestrado, fez um trabalho memorável ao identificar insuficiência renal aguda em pacientes que tiveram contato com a lagarta Lonomia obliqua. Ele também foi um dos responsáveis pelo desenvolvimento do soro antilonômico junto com pesquisadores do Instituto Butantan de São Paulo. Esse soro foi testado em modelos animais e sua eficácia foi comprovada, o que salvou dezenas de vidas de pacientes com quadro hemorrágico grave, muitos dos quais com insuficiência renal aguda, atendidos principalmente no Sul do Brasil. O Dr. Aalour foi o pioneiro desta descoberta e utilizou esse material para concluir o seu trabalho de mestrado em Nefrologia na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) no qual discutiu os aspectos epidemiológicos, a síndrome hemorrágica e o desenvolvimento de insuficiência renal aguda em muitos dos pacientes que tiveram contato com a lonomia obliqua no Rio Grande do Sul. Ele relata que tudo começou quando foi chamado pelo Dr. Ruy Carlos Donadussi para atender uma paciente que estava na UTI do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), em Passo Fundo, em choque hipovolêmico e insuficiência renal aguda anúrica, por intensa hemorragia generalizada. A paciente, apesar de reverter o choque hipovolêmico, necessitou de hemodiálise até

113


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

recuperar a função renal. Durante o seu atendimento, não entendendo a causa da coagulopatia, o Dr. Alaour insistiu com a paciente para lembrar fatos e situações que pudessem estar associados a esta grave hemorragia e perda de função renal. A paciente lembrou que dois dias antes tivera contato com um grupo de lagartas urticantes que estavam em um pé de pera no seu quintal. Imediatamente o Dr. Alaour solicitou à nora da paciente – que se encontrava na sala de espera – que tentasse capturar um exemplar da lagarta. Com a lagarta capturada, ele buscou identificá-la com o entomologista Dr. Irineu Lorini. Identificada como Lonomia obliqua, o Dr. Alaour realizou uma pesquisa na literatura internacional e descobriu relatos de acidentes hemorrágicos ocorridos por contato com lagartas do gênero Lonomia, na Venezuela. Alguns dias depois, chegou outro paciente, também com insuficiência renal aguda, com necessidade de diálise. A partir de então, os pacientes que haviam tido contato com esse tipo de lagarta foram atendidos no Serviço de Nefrologia do HSVP, com a participação dos alunos da Faculdade de Medicina que eram estagiários naquele hospital. Alguns pacientes foram atendidos no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Como os tratamentos preconizados e usados na Venezuela não eram efetivos, os pacientes permaneciam anticoagulados por vários dias e, por ter ocorrido um óbito por hemorragia cerebral, o Dr. Alaour resolveu se dedicar intensamente na descoberta de uma solução terapêutica que atendesse esses pacientes. No início da década de 1990, Dr. Alaour e eu fomos ao Instituto Butantan onde conhecemos a Drª Eva Kellen,

114


III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

diretora da Hematologia do Instituto. Após varias reuniões com sua equipe, tivemos a ideia de desenvolver um soro antilonômico. Esse soro foi testado em ratos Winstar, pois eu já havia descoberto que estes ratos desenvolviam a mesma síndrome hemorrágica, muito semelhante à síndrome que acometia humanos. O soro foi eficaz em reverter rapidamente a hemorragia. Além disso, os ratos pré-tratados não desenvolviam hemorragia ou perda de função renal. O soro antilonômico foi testado pela primeira vez em humanos no HSVP, constituindo-se, hoje, no único tratamento para pacientes que tiveram acidentes com Lonomia obliqua. Muitos pacientes foram salvos por este soro que é hoje produzido pelo Instituto Butantan com o patrocínio do Ministério da Saúde e distribuído às unidades estaduais de saúde, está disponível em todas as regiões do País em que ocorre este tipo de acidente. Além disso, o tema rendeu inúmeras outras teses de mestrado e doutorado em diferentes instituições de ensino no Brasil. Esse trabalho merece destaque por se tratar da identificação de uma síndrome hemorrágica causada pela Lonomia obliqua que causou inúmeras mortes no nosso estado. No entanto, a partir do desenvolvimento do soro antilonômico, a mortalidade desses casos diminui praticamente a zero nos dias de hoje. Nesse processo, a nossa participação, junto

115


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

com os pesquisadores do Instituto Buntantan, foi decisiva para o sucesso do atendimento de pacientes que apresentavam alta morbidade e mortalidade.

3.2.1 Orientação de Mestrado Rafael de Almeida. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011. Daianady da Silva. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010. Diego da Rosa Miltersteiner. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011. Daiana Benck Porsch. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007. Vagner Milani. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007. Geni Portela Gamborgi. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006. Liana Bertolin Rossato. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006. Alessandra Campani Pizzato. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2002. Cassia Maria Frediani Morsch. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2002. Ane Cláudia Fernandes Nunes. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2002. Adriana Klafke. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2001. Silvia Maria Dorigoni. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2001.

116


III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Arnaldo Teixeira Rodrigues. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2000. Cristina Karohl. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1998. Paulo Ricardo Moreira. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1997. Alaour Candida Duarte. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1997. Rui Alves. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1997. Paulo Ricardo Alencastro. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1994. Augusto Marques Ramos. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1992. César Graeff Santos. Teste do Captopril no Diagnóstico deHipertensão Renovascular: Respostas da Pressão Arterial, Renina Plasmática e Cintilografia Renal Dinâmica com 99mmTc-DTPA. Curso de Pós-Graduação em Medicina-Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1992. Sérgio Hofmeister Martins-Costa. Tratamento da Hipertensão Arterial na Gravidez: Comparação entre Hidralazina e Nifedipina. 1992. Dissertação (Medicina (Nefrologia)) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Francisco José Veríssimo Veronese. Diagnóstico Diferencial da Hipercauciúria Idiopática em Pacientes com Lítíase Renal Calcária. Curso de Pós-Graduação em Medicina-Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1991. Rosana Mussoi Bruno. Tratamento da Hipertensão Grave na Gestação: Comparação entre Nifedipina e Hidralazina. 1990. Dissertação (Medicina (Nefrologia)) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Cláudio Galeano Zettler. Curso de Pós-Graduação em Farmacologia da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, 1988.

117


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

III – FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Luciano Castro Gomes. Curso de Pós-Graduação em Farmacologia da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, 1988.

3.2.2 Orientação de Doutorado Cássia Maria Frediani Morsh. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009. Ane Cláudia Fernandes Nunes. Prevalência, Perfil Clínico e Molecular de Pacientes com Doença Renal Policística do Adulto no Sul do Brasil. 2007. Tese (Medicina (Nefrologia)) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Paulo Ricardo Moreira. Resposta Cronotrópica ao Exercício em Pacientes com Insuficiência Renal Crônica em Programa de Hemodiálise. 2003. Tese (Medicina (Nefrologia)) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul José Vanildo Morales. Índice proteína: Creatinina em Amostra de Urina em Pacientes com Glomerulopatia e Diferentes Níveis de Função Renal. 2002. Tese (Medicina (Nefrologia)) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

118


IV – ATIVIDADES DE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA

4.1 Cargos de Coordenação 2005

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1999 - 2000

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1997-1998

Coordenador Substituto do Programa de Pós-Graduação em Medicina: Nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1987-1988

Membro da Comissão Coordenadora do Curso de PósGraduação em Medicina: Nefrologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

4.2 Comissões temporárias na condição de indicação ou eleito

119


MEMORIAL

IV – ATIVIDADES DE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA

2013 - Atual

Representante do Departamento de Medicina Interna, para o biênio de 2013/2015 na Comissão de Extensão da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

2006

Presidente da Comissão de Avaliação de Progressão Funcional do Departamento de Medicina Interna da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1996 - 1998

Membro da Comissão de Pós-Graduação do Curso de PósGraduação em Medicina: nefrologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1996 - 1998

Coordenador do Programa de Monitoria do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da Universi dade Federal do Rio Grande do Sul

1997

Coordenador da Comissão de Controle de Infecção Hospita lar do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

1992 - 2000

Membro da Comissão de Controle de Infecção do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

1990

Consultor da Comissão de Medicamentos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

1989

Membro da Comissão de Medicamentos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

4.3 Participação em orgãos colegiados da Unidade (Colegiado, Conselho) 1997 - 2000

Membro do Colegiado do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina – UFRGS

1990

Grupo de Trabalho de Planejamento de Ensino de Graduação do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1987 - 1988

Consultor do Conselho da Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - UFCSPA

120


IV – ATIVIDADES DE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA

4.4 Membro do Conselho Diretor ou Diretoria de Sociedade Científica 2013 - 2014

Gestão Sociedade Brasileira de Nefrologia

2009 - 2010

Presidente da Sociedade Gaúcha de Nefrologia

2007 - 2008

Presidente da Sociedade Gaúcha de Nefrologia

1988 - 1989

Diretor Científico da Associação Médica do Rio Grande do Sul

4.5 Membro de Conselhos de classe ou associações profissionais 2013 - 2014

Comitê para Títulos de Especialista da Sociedade Brasileira de Nefrologia

2012

Comitê de Nutrição da Sociedade Brasileira de Nefrologia

2011

Comissão de História da Sociedade Gaúcha de Nefrologia

1989 - 1990

Comissão Científica do Departamento de Nefrologia da Asso ciação Médica do Rio Grande do Sul

1987 - 1988

Secretário Científico da Associação Médica do Rio Grande do Sul

4.6 Membro de Sociedades 2004

International Society of Nephrology

1986

Sociedade Brasileira de Investigação Clínica

1986

Consejo Argentino de Litiasis Renal, Agentina

1984

Sociedade Brasileira de Fisiologia

1981

Sociedade Brasileira de Infectologia

1977

Sócio Universitário da Associação Médica do Rio Grande do Sul

1994

American Society of Nephrology

121


MEMORIAL ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

122


Epílogo

Epílogo Rever a história da minha vida para escrever esse memorial me proporcionou vários momentos de alegria e de tristeza. Da família, constituída de cinco integrantes, pais e três filhos, vinda de Almeida em Portugal, restam apenas três, eu e minhas irmãs. A vida foi muito difícil durante minha infância, mas éramos felizes como pode ser observado na foto em que eu tinha apenas 4 anos de idade. Aproveitei as oportunidades que surgiram e fico feliz por poder partilhar com os amigos e familiares esses momentos na defesa do memorial. Durante o longo tempo de vida acadêmica, consegui realizar muitos sonhos, mas muito mais poderia ter sido realizado. Desde a conclusão da faculdade, a opção pela carreira acadêmica era muito clara. Além da monitoria em Histologia, fiz vários trabalhos experimentais na área da farmacologia durante a graduação.

123


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Logo depois da formatura, escolhi a especialidade de Medicina Interna, optando por fazer o concurso para residência médica no melhor hospital universitário de Porto Alegre, o Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), vinculado academicamente à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), embora ser aprovado para a residência deste hospital fosse muito difícil para alunos que não eram da UFRGS. Até então, ninguém formado em outra universidade tinha sido aprovado para residência de Medicina Interna nessa instituição. Mas, a minha turma, a AD 77, era excelente e cinco colegas da Faculdade Católica de Medicina, hoje Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), foram classificados para ocupar as 20 vagas disponíveis para a residência de Medicina Interna da UFRGS. Na época, houve uma forte reação dos colegas da UFRGS contra a entrada de colegas de outras universidades. Com o tempo, essa animosidade foi desaparecendo e depois de três meses éramos considerados colegas em iguais condições.

124


Epílogo

A residência não poderia ter sido melhor. Atendimentos a pacientes internados e de ambulatório, interação com o laboratório, reuniões clínicas e oportunidades para fazer algum trabalho científico além da assistência. Foi no final da residência que tive a oportunidade de fazer um trabalho simples, mas que ajudou a desmistificar um conceito que, na época era muito popular: pacientes – crianças ou adultos – com glomerulopatias e/ou com insuficiência renal, especialmente as crianças, não poderiam tomar Coca-Cola por conter grande quantidade de potássio, assim como os adultos não poderiam tomar vinho pela mesma razão. Quando questionei os preceptores sobre qual era a quantidade de potássio nos refrigerantes, vinhos e outras bebidas a resposta foi: não sei. Naquele momento, decidi ir para o laboratório e dosar sódio e potássio em diferentes bebidas. Descobri que a Coca-Cola tinha tanto potássio quanto a água da torneira. Já no vinho, encontrei potássio, mas não o suficiente que justificasse a proibição de um cálice por dia para o paciente adulto com perda de função renal. Julgo esse um dos trabalhos mais simples e importantes que realizei.

125


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

No mês de fevereiro de 1984, decidi fazer o meu doutorado na Escola Paulista de Medicina, tendo como orientador o Prof. Nestor Schor, modelo de pessoa, cientista e professor. Naquela época, a ciclosporina estava começando a ser usada na prevenção de rejeição dos transplantes renais. Era um fármaco muito eficiente, mas também nefrotóxico. O Prof. Nestor, que já tinha trabalhado com a nefrotoxicidade da gentamicina, me propôs um trabalho para estudar os mecanismos hemodinâmicos renais da nefrotoxicidade da ciclosporina. O trabalho era experimental utilizando micropunção dos glomérulos e túbulos para avaliação dos mecanismos de nefrotoxicidade com o uso de ciclosporina endovenosa. Esse foi um dos principais trabalhos da minha carreira. Foi aceito para apresentação oral no Congresso Europeu de Nefrologia e também publicado na revista “Kidney International”.

Voltando a Porto Alegre, em 1986, fiz o concurso para professor da Faculdade de Medicina da UFRGS, obtendo o quinto lugar. Passei a integrar o corpo docente da Pós-

126


Epílogo

Graduação em Nefrpologia e um dos trabalhos mais significativos foi o estudo de uma epidemia causada pela lagarta Lonomia obliqua, conhecida como taturana, que matou muitas pessoas no interior do estado do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O diagnóstico da associação de insuficiência renal aguda e sangramento generalizado foi estabelecido primeiramente pelo Prof. Alaour Duarte, em Passo Fundo, o protagonista desta descoberta. Preocupado com o tratamento e o entendimento dos mecanismos fisiopatológicos da insuficiência renal aguda e da síndrome hemorrágica sistêmica, o Prof. Alaour me procurou e juntos atendemos muitos pacientes, testando o medicamento ácido aminocapróico, sugerido pela cientista Arrocha-Pinango, da Venezuela, que também atendia alguns casos do mesmo tipo de acidente. O tratamento não teve bons resultados e por isso decidimos procurar o Instituto Butantan pensando na possibilidade de se produzir um soro antilonômico pelo isolamento do veneno contido nas cerdas da lagarta. No Instituto Butantan, conversamos com a Profª Ellen Kelen que demonstrou interesse em achar uma solução para o problema e concordou que um soro anti-lonômico era uma boa alternativa. Tínhamos que achar um modelo animal para o estudo e descobrimos que os ratos Wistar desenvolviam a mesma síndrome hemorrágica dos pacientes quando ncostávamos as cerdas das lagartas na pele do abdome. Assim, tínhamos um excelente modelo experimental que mimetizava a síndrome hemorrágica e estávamos prontos para seguir adiante. Logo partimos para a produção do soro anti-lonômico. O soro foi produzido pelos cientistas do Instituto Butantan com enorme sucesso. Muitas vidas foram salvas e até hoje o soro está disponível nas unidades de saúde de todo o País. A mortalidade dos pacientes que sofrem acidentes com Lonomia obliqua diminuiu drasticamente com o uso desse soro . Hoje é raro ocorrer morte por esse tipo de acidentes. Fui o orientador do Prof. Alaour Cândida Duarte que pôde defender a sua tese de mestrado em Nefrologia com esse magnífico trabalho que rendeu muitos trabalhos em congressos e realização de eventos. No mês de fevereiro de 1994 fui para Boston realizar o pós-doutorado, tendo por orientador o Prof. Sanjay Nigan. Esse foi um período de muitos desafios. A família inteira viajou para um lugar muito diferente, mas acolhedor.

127


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Depois de inscrever os filhos nas escolas públicas em Boston comecei meu trabalho estudando tubulogênesis e doença renal policística. Muitos trabalhos foram realizados,

128


Epílogo

o principal – Differential tubulogenic and branching morphogenetic activities of growth – publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (PNAS).

Voltando ao Brasil, o trabalho de assistência no Departamento de Medicina Interna era intenso, mas a atuação na Pós-graduação em Nefrologia me permitiu realizar trabalhos de orientação em várias áreas da Nefrologia. A Dra. Ane Nunes finalizou um belo trabalho epidemiológico que avaliou a prevalência da doença renal policística do adulto nas unidades de hemodiálise de Porto Alegre.

Tenho também uma boa parceria com a Pós-graduação em Ginecologia e Obstetrícia por meio dos Profs. José Geraldo e Sérgio Martins-Costa que realizaram trabalhos de racionalização da investigação de mulheres com diagnóstico de pré-eclâmpsia em que demonstraram que a medida da proteinúria e da creatininúria, em amostra isolada de

129


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

urina, apresenta uma excelente correlação com a medida da proteinúria na urina de 24 horas. Esse achado facilitou o diagnóstico de pré-eclâmpsia, diminuindo o tempo das internações. No passado, as pacientes, muitas vezes, precisavam ficar internadas por 24 horas para a avaliação da proteinúria. O Dr. Fernando de Oliveira defendeu o seu mestrado com um trabalho excepcional que avaliou a creatinina e outros parâmetros bioquímicos para avaliação do desenvolvimento renal fetal e consequentemente a maturidade fetal líquido.

Outro trabalho muito importante foi realizado sob minha orientação pelo Prof. José Vanildo Morales, aluno do Doutorado em Nefrologia da Pós-graduação em Nefrologia da UFRGS. Ele conseguiu definir uma boa correlação entre o índice de proteinúria total/ creatininúria (IPC) em amostra isolada de urina em pacientes com glomerulopatias. Esses pacientes normalmente necessitavam coletar urina por 24 horas para a medida da proteinúria. Com esse trabalho, o IPC passou a ser rotina no ambulatório de glomerulopatias

130


Epílogo

do HCPA, dispensando, desta forma, a necessidade de coleta de urina de 24 horas nestes pacientes.

Ainda na área epidemiológica, a Drª Cássia Morsh, sob minha orientação, juntamente com o Dr. Fernando Saldanha Thomé, , analisaram a mortalidade entre os pacientes com insuficiência renal aguda internados na UTI que necessitaram de hemodiálise. Também avaliaram a qualidade de vida e mortalidade destes pacientes após a alta hospitalar.

131


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

Imagens de Momentos Significativos

1954 Elvino com 2 anos de idade

1959 Curso Primário

1966 - Turma do Ginásio

1967 - Formatura do Científico

132

1962 Elvino, Porto Alegre


EpĂ­logo

1972 - Faculdade de Medicina - Turma AD77

1972 - Primeiro ano da Faculdade de Medicina

1977 - Formatura Medicina, Elvino

1983 - HCPA IntermediĂĄria

1989 - II Congresso Paulista de Medicina

1991 - Congreso Lationamericano de Nefrologia, Quito, Equador

133


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

1991 - Congresso de Nefrologia em Quito

1991 - Filhos em São Francisco de Paula

1993 - Roberto e Carolina

Boston, 1994

134


EpĂ­logo

1994 - Roberto e Carolina

1996 - Congresso Brasileiro de Nefrologia

1996 - Congresso Paulista de Nefrologia

1996 - Professores da Faculdade de Medicina

1997 - 2º Encontro Nacional de Acidentes com Animais Peçonhentos

135


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

1997 - 2º Sul Encontro de Infecção Hospitalar

1997 - AD77 Visita à Faculdade 20 anos após a formatura

1997 - Alunos Clínica Médica II/Semiologia FAMED/UFRGS

1997 - Festa 20 Anos de Formatura Turma AD77

1998 - Clube Grêmio Náutico União

1998 - Congresso Americano de Nefrologia, São Francisco, USA,

1998 - Festa AD77

136

1998 - Fórum Internacional sobre Ensino Médico


Epílogo

1998 - Professor Homenageado da Formatura de Mestrado do Dr. Alaour Duarte

1998 - Residentes do Serviço de Nefrologia, Hospital de Clínicas de Porto Alegre

1998 - Serviço de Nefrologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

1999 - 3º Sul Encontro de Controle de Infecção Hospitalar

1999 - Formatura da Dra. Daniela

1999 - Laboratório Hospital Mãe de Deus

137

2000 - Colegiado do Hospital Presidente Vargas


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

2000 - Congresso Americano de Nefrologia, Toronto

2000 - Congresso Brasileiro de Nefrologia, Recife

2000 - Congresso de Nefrolitíase, em Cape Town, África do Sul

2000 - Hospital Presidente Vargas, Porto Alegre

2001 - Alunos Clínica Médica II FAMED/UFRGS

138


Epílogo

2001 - Congresso Paulista de Nefrologia

2001 - Curso de Especialização em Enfermagem

2001 - International Symposium on Novel Therapies for Lysosomal Storage Disorders, Canela, Brasil

2001 - Laboratório do Hospital Mãe de Deus

139


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

2001 - Lançamento do livro “Medicina - Faculdade de Emoções: tem que ser assim?”

2001 - Serviço de Nefrologia, Hospital de Clínicas de Porto Alegre

2001 - XII Congresso Brasileiro de Toxicologia

2002 - 21º Congresso Brasileiro de Nefrologia

140


Epílogo

2002 - 5º Congresso Mineiro de Nefrologia e Hipertensão em Uberlândia

2002 - Alunos Clínica Médica FAMED/UFRGS

2002 - Congresso Brasileiro de Nefrologia, Natal

2002 - Curso “A Morte”, Hospital de Clínicas de Porto Alegre

141


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

2002 - Feira do Livro Porto Alegre, sessão de autógrafos, livro Medicina - Faculdade de Emoções: tem que ser assim?”

2002 - Festa AD77 em Montenegro

2002 - Hospital Presidente Vargas, Porto Alegre

2002 - Serviço de Nefrologia, Hospital de Clínicas de Porto Alegre

2003 - Alunos Semiologia - FAMED/UFRGS

142


Epílogo

2003 - Congresso Paulista de Medicina

2003 - Festa do Serviço de Nefrologia

2005 - Congresso Europeu de Nefrologia

2003 - Serviço de Nefrologia, Hospital de Clínicas de Porto Alegre

2008 - Turma da Faculdade de Medicina AD77

2011 - IV Congresso Sul Brasileiro de Nefrologia

2011 - Lançamento do Livro A-Z em Enfermagem

2012 - Alunos Clínica Médica - FAMED/UFRGS

143


MEMORIAL

Epílogo

ELVINO JOSÉ GUARDÃO BARROS

2013 - Casas Antigas em Almeida, Portugal

2013 - Encontro Morte e Morrer HCPA

2014 - Congresso Internacional de Nefrologia, Hong Kong

2014 - Mariana

144

Memorial Elvino José Barros  

Projeto Gráfico e eEditoração - Ronald Souza (Digitalcom.ART)

Memorial Elvino José Barros  

Projeto Gráfico e eEditoração - Ronald Souza (Digitalcom.ART)

Advertisement