Page 1

S sĂŠnior

06|04/2016

Na Domus Aeminium tratamos os seniores com qualidade >p2/3

Vestimos a pele de um idoso e fomos sentir as suas dores >p4


2 | especial | Sénior

S Domus Aeminium em Lordemão

diário as beiras | 06-04-2016

Paulo Santos

Admnistrador Domus Aeminium

O que leva o sénior a optar por viver na Domus Aeminium?

O

nosso objetivo é permitir que as pessoas possam rejuvenescer, física e mentalmente, resultado de um trabalho de excelência pela equipa multidisciplinar através da prevenção, da alimentação, reabilitação, manutenção e cuidados de estética. Os séniores optam por vir viver para Lordemão devido aos cuidados da nossa equipa multidisciplinar e qualidade alimentar, pois toda a alimentação é escrutinada pela nossa nutricionista. Para o todo, ou seja, a refeição de um modo geral, ou para a parte, a refeição individual, existe um plano de alimentação específico, em função da sua necessidade de recuperação ou manutenção. Diria que, nesta faixa etária, a perda de massa muscular é significativa. Há na Domus Aeminium uma máxima interna: reduzir o comprimido e melhorar a alimentação, criando estabilização no utente. Esta é uma máxima que, paulatinamente, tem vindo a ser conseguida pois verificámos que 80% dos idosos que nos chegam estão polimedicados. Neste sentido, o trabalho assenta também na coordenação terapêutica, através da equipa médica. Por outro lado, temos uma equipa de fisiatria/ fisioterapia que, diariamente, trata as fragilidades e, em alguns casos, as debilidades resultantes de Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC). Também fornecemos aos nossos utentes serviços de podologia. A maior parte das pessoas chega aos 70 ou 80 anos e nunca trataram dos pés mas, quando o fazem, afirmam estar no céu. A nossa equipa protagoniza aquilo que é o nosso projeto, “Despertar Consciências”, com base numa terapia do riso que permite “sorrir com alma”.

O centro aqui é a Pessoa, a sua dignidade e felicidad 111 A Fundação Beatriz Santos (FBS), fundada em 1999, em Lordemão, Coimbra, é a Domus Aeminium um lar residencial destinado aos cuidados, acolhimento e apoio à população sénior. Criado em 2015, este espaço distingue-se pelo trabalho de excelência de uma equipa multidisciplinar, constituída por profissionais das áreas da fisiatria, psicologia, sociologia, fisioterapia, serviço social, medicina, farmácia, nutrição, animação social e gestão, com o objetivo de proporcionar o bem estar e melhoria da qualidade de vida dos idosos. Dar anos aos anos O Lar de Idosos da FBS é uma referência na presta-

ção de serviços integrados em rede, de qualidade e elevada performance, contribuindo para o desenvolvimento, valorização e bem estar da Pessoa. Esta valência da FBS caracteriza-se por um suporte psicológico, emocional e nutricional à pessoa idosa, promoção da socialização do utente para minimizar as situações de isolamento, através do projeto “Rir com alma”, o qual assenta na terapia do riso. “Normalmente o idoso não ri ou ri pouco”, explica Paulo Santos; “queremos fazer com que descontraia, ria e se torne feliz”, afirma o administrador da FBS. Outra das características da Domus Aeminium é a estimulação

“Esta é uma casa que transmite, dá e proporciona felicidade”

1 “Duas máximas

importantes: integrar e desenvolver”

2  “No fundo, criamos um plano de vida para as pessoas”

das funções cognitivas, prevenindo declínios, transversalmente, pelo projeto

“Despertar consciências”. “O centro aqui é a Pessoa”, refere Paulo Santos. O responsável atesta que “existem duas máximas importantes: a integração do sénior e o desenvolvimento das suas capacidades”, o que significa que “é mantida a sua dignidade, tendo como objetivo atingir a sua felicidade” frisa. Uma das capacidades da Domus Aeminium prendese com o facto de todos os quartos estarem preparados para, em caso de insuficiência respiratória, ajudarem a estabilizar as pessoas, através de um sistema de gases medicinais, oxigénio e vácuo. De acordo com Paulo Santos, “esta é a única casa com essa pos-

sibilidade”, sustentando que “é uma especialidade em obra muito cara mas que qualquer lar devia ter” para poder ir ao encontro da necessidade de apoio aos residentes da Domus Aeminium. Paulo Santos defende ainda que a “prevenção da infeção é fundamental”. Para tal, a qualidade da roupa é muito importante no diaa-dia da instituição, sendo a marca Sam Pedro a escolha da FBS. “Todos os dias, a roupa de camaé trocada”, refere. Outra das ofertas deste Lar de Idosos prende-se com a aspiração central em todos os espaços. “O objetivo é facilitar a vida aos cuidadores , tendo consciência de que


S Sénior | especial | 3

06-04-2016 | diário as beiras

DB-Fotos de Carlos Jorge Monteiro

Mais valias da Domus Aeminium

+

Qualidade dos espaços

- 42 quartos, individuais, duplos ou triplos, todos com wc privativo. - Preparados para, em caso de insuficiência, ajudar a estabilizar a pessoa. Cada cama tem disponível um sistema de gases medicinais, oxigénio e vácuo. - Sistema de aquecimento/arrefecimento que permite ter, constantemente, uma temperatura interior de 20 graus. - Sistema de música que promove a estimulação auditiva do utente. - Devido à localização do edifício, a nascente e poente, todos os quartos são recetores de Vitamina D, ou seja, luz solar. - Toda a roupa de cama é Sam Pedro. A qualidade é fundamental no dia-a-dia. Diariamente, os lençóis são mudados e a roupa lavada. A prevenção da infeção é imprescindível. - Todas as camas têm elevação para que o cuidador(a) tenha qualidade profissional.

+

Sala de estar

Sala de refeições

Cuidados globais ao utente

- Plano de vida diário que inclui, entre outros, um banho diário. Tratase de um momento de energia, retoma da vida e estimulação. É um banho acompanhado, com massagem com creme Vitamina A e que o corpo seja estimulado.

+

de a atividade dos nossos recursos humanos, fruto do envolvimento e dedicação que têm aos utentes, é extremamente desgastante”, confirma Paulo Santos. O administrador enfatiza o facto de “quem lidera uma casa destas tem de ter noção do tempo dedicado aos idosos”. O responsável garante que o descanso é fundamental para os colaboradores, até porque o “grau de insatisfação, de aborrecimento, falta de empenho e desmotivação recai sempre sobre o mesmo: o utente”. Edifício autossustentável A tecnologia utilizada na construção da Domus Aeminium reflete

Estimulação cognitiva

- Elevadores com cores diferenciadas em cada andar que visam a estimulação cognitiva.

+ uma preocupação com a sustentabilidade. “Este é um edif ício autossust e n t á v e l ”, c o n f i r m a o administrador. Os sistemas de climatização, que recorrem à geotermia e regeneração de energia, a iluminação por LED, sistema de luzes Dali (aumentam e diminuem de intensidade consoante a entrada de luz natural em determinado espaço), são prova de sustentabilidade e inovação. “Fizemos um grande investimento mas que nos permite poupar”, essencialmente a nível das despesas fixas, o que se torna visível “nas mensalidades dos utentes”, reitera Paulo Santos. |A.Clara com A.Franklin

Eficiência energética

- Sistema de geotermia: uma energia de produção, constante durante todo o ano. É uma energia limpa que aproveita o calor do subsolo para climatizar de forma ecológica, permitindo uma poupança de 75% na fatura energética e uma redução das emissões de dióxido de carbono. - Iluminação por LED e sistema de luzes Dali

+

Piscina terapêutica

Quarto duplo

Outros

- Sala de refeições previamente aquecida - Todos os espaços têm aspiração central - Piscina terapêutica aberta aos utentes e à comunidade - Jogos de mesa - Ginásio - Clínica de reabilitação - Sala de culto - Auditório Sala de fisioterapia


4 | especial | Sénior

S

opinião

Ricardo Pocinho Investigador

Quando a solidão “prende” as pernas

O

envelhecimento é um processo conhecido por todos, pois cada um de nós desde o dia que nasce fica mais velho a cada dia que passa. Amplamente sabido é também o facto de hoje vivermos numa sociedade extraordinariamente envelhecida, onde as projeções e os cenários futuros já não fazem sentido, pois o Portugal Envelhecido é aqui e hoje. No entanto assistimos ainda a um desinvestimento nesta franja da população, mais notório nos meios rurais onde os recursos e as respostas são menores. O aumento da idade e a quebra de laços sociais muitas vezes motivada pelo fim do exercício da atividade profissional, leva ao isolamento, onde a tão desejada reforma se transforma em agonia. Aqui os dias são passados entre o nada para fazer e o pouco em que pensar. Esta solidão que invade as cidades mais povoadas, é a verdadeira pandemia do seculo XXI, a qual há que combater com determinação. É fulcral potenciar e criar condições para que as pessoas idosas permaneçam integradas socialmente e que ao mesmo tempo se possa garantir a sua presença na vida coletiva. A perceção de que a população idosa existe, em maior número a cada dia que passa, torna urgente que se considerem recursos para esta faixa da população, nomeadamente no que respeita à restruturação das políticas sociais, sendo que a promoção da autonomia e da independência na pessoa idosa são aspetos fundamentais para o individuo e, consequentemente, para as suas redes sociais próximas e comunidade onde se insere. O exercício social, a par do cognitivo e físico, são tópicos capazes de sustentar o conceito que todos procuramos: o envelhecimento ativo.

diário as beiras | 06-04-2016

Vestir a pele de um idoso e sentir as suas dores Perceber porque umas meias demoram tanto a calçar, umas escadas são um tormento para descer foram algumas das experiências sentidas no âmbito do projeto que antecipa a velhice DB-Fotos de Luís Carregã

111 Cheguei plena de juventude e saí velha. Esta é a melhor forma para descrever o que senti quanto passei pela experiência de “Antecipar a Experiência de Ser Idoso”, na Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Com o simulador vestido senti-me um verdadeira velhinha. Pouca visão, falta de mobilidade, tremores, audição fraca, entre outros aspetos, foram sentidos durante esta experiência em que beber um simples copo de água ou tirar as moedas da carteira foram um tormento. Aliás, beber um copo de água foi tarefa que não consegui concretizar pelo facto da mobilidade dos braços (com o simulador vestido) não me ter permitido. Pequenas diferenças que fazem... a diferença As diferenças de temperatura (quente e frio) são menos notadas com o avançar da idade e que podem explicar algumas das lesões que, frequentemente, esta camada

da população. Aliás, na minha experiência senti isso. O calor e o frio demoram muito mais a ser sentidos pelo tato, logo a pele sofre mais e apresenta os sinais de queimadura. E sentir tudo isto é o objetivo deste equipamento que permite simular

as mudanças que ocorrem no corpo humano à medida que envelhece, designadamente, na postura, na marcha, na visão e na audição. A utilização deste equipamento tem como finalidade colocar o participante “ no lugar” do idoso experienciando algumas limitações na mobilidade e nas sensações. Autoestima diminuída Tudo se torna muito mais dif ícil. E justifica alguns dos problemas de autoestima que a população idosa sofre, por não conseguir fazer determinadas tarefas de dia a dia, como sentar numa cadeira, descer umas escadas, pagar no supermercado… O projeto da ESEnfC conta com a participação dos docentes Maria Paula Assis de Almeida Cordeiro, Maria de Lurdes Ferreira de Almeida, Susana Filomena Cardoso Duarte, Isabel Maria de Assunção Gil, João Luís Alves Apóstolo e Alberto José Barata Gonçalves Cavaleiro. | Rute Melo

Projeto que antecipa ser idoso ajuda na melhoria dos cuidados da população Como nasceu o projeto “Antecipar ser idoso”? O projeto iniciou-se com as aulas de práticas laboratoriais dos estudantes do 3.º ano do curso de licenciatura em enfermagem e rapidamente sentimos necessidade de o desenvolver junto dos cuidadores informais e outros públicos. O que tem permitido evoluir no que ao cuidador, ao nível de enfermagem, diz respeito? Antecipar a Experiência de Ser Idoso só é possível com a utilização do simulador de pessoa idosa. Este equipamento permite: simular as mudanças que ocorrem no corpo humano à medida que envelhece, designadamente, na postura, na marcha, na visão e na audição. Desta forma dá-se oportunidade aos participantes de se “colocarem na pele” dos idosos, experienciar as limitações e compreender aquilo que eles sentem e consequentemente prestarem melhores cuidados. Com a concretização deste projeto já

O projeto tem sido apresentado a outros públicos? Quais? É importante na consciencialização das limitações da pessoa idosa? O projeto tem sido desenvolvido em escolas básicas (1.º e 2.º ciclo), escolas secundárias, escolas profissionais, nas instituições de idosos, nas autarquias e público em geral. E muito importante porque sensibilizar os jovens para o fenómeno do envelhecimento, permite refletir sobre o impacto dos efeitos do envelhecimento na vida diária da pessoa em processo de envelhecimento e promover valores de igualdade e de cidadania

Alberto Barata, professor coordenador da ESEnfC

foi possível (ou poderá vir a ser) melhorar a qualidade de vida do idoso? Claramente que há uma melhoria nos cuidados aos idosos se quem cuida deles conhecer e vivenciar as reais dificuldades da população idosa.

O projeto e o estudo das limitações da pessoa idosa tem permitido desenvolver serviços ou equipamentos que melhorem a qualidade de vida desta camada da população? Temos tentado inovar mas precisamos de parceiros nas várias área (engenharia, têxteis, etc) o que torna mais difícil avançar com o desenvolvimento de equipamentos mais fidedignos. R. M.

Senior 06 abr 2016  

Caderno Sénior publicado pelo Diário as Beiras no dia 6 de abril de 2016. Uma edição dirigida à população mais idosa da região Centro

Senior 06 abr 2016  

Caderno Sénior publicado pelo Diário as Beiras no dia 6 de abril de 2016. Uma edição dirigida à população mais idosa da região Centro

Advertisement