Page 1

educação3.0

Música no Colégio de S. Martinho Vocacionado para a área artística, o Colégio de S. Martinho criou uma Escola de Música gratuita para todos, alunos e não alunos, a partir dos oito anos. Funciona em horário pós-laboral, quatro dias por semana, e tem agora 52 alunos inscritos.

educação e escolas para o futuro edição de 12/11/14

abertura

A educação está a mudar Agostinho Franklin

As mudanças na sociedade em que vivemos são constantes, como todos sabemos. As mudanças na educação e nas escolas têm, obrigatoriamente, que acompanhar essas transformações. Os tempos em que numa sala de aula tínhamos um professor a ditar para os alunos, a expor matéria, perante um grupo de alunos passivos, se ainda se mantém, são cada vez mais, imagens a corrigir. Estes são os tempos dos dispositivos de comunicação, dos meios de acesso à informação fáceis, que os alunos dominam e usam de forma indiferenciada e constante. Estes são os tempos em que os professores têm, devem, acompanhar estas novas exigências, tornando a sua função educativa mais próxima dos seus alunos, mais interessante para quem tem a função de aprender. Da educação 1.0, em que o professor expunha conteúdos para alunos receptores de matéria, da educação 2.0, em que se faz a introdução de dispositivos tecnológicos como facilitadores e aceleradores de aprendizagens, a educação 3.0 introduz um novo conceito: a de que os alunos sejam também construtores ativos das suas aprendizagens, sejam dinâmicos na aquisição de conteúdos e processos, sejam cidadãos mais completos porque mais conscientes e colaborativos. Com este educação 3.0 o Diário As Beiras pretende ser veículo de comunicação das novas experiências de aprendizagem e de educação que se vão realizando diariamente, nas escolas, por alunos, por professores, pelas instituições, num trabalho, muitas vezes discreto mas essencial para construir os cidadãos do nosso futuro.

Um cometa ao vivo no Exploratório A viagem do módulo Philae ao cometa 67 P/ Churyumov-Gerasimenko vai ser acompanhada hoje, com um programa destinado às escolas e ao público em geral, no auditório do Exploratório – Centro Ciência Viva de Coimbra. As atividades decorrem entre as 15H00 – quando que se prevê o visionamento de vídeos da ESA relativos à missão Rosetta – e as 16H00, hora a que se espera acompanhar em direto as manobras do módulo Philae. Evento tem entrada gratuita e a prioridade será dada a quem tiver feito inscrição prévia para os seguintes contactos: geral@exploratorio. pt, 239 703 897.

Ciência na Mata do Buçaco A Fundação Mata do Buçaco (FMB) disponibiliza um novo programa de atividades destinado às escolas, para o ano letivo 2014/2015. Há atividades para todos os gostos e todas elas são realizadas no espaço da Mata Nacional do Buçaco. O objetivo é levar as crianças e os jovens a contactarem diretamente com a natureza e a conhecerem a mata e os seus segredos. “Duendes na Mata”, “A floresta revis(i)tada” e “No rasto dos mamíferos” são algumas das atividades que se mantêm, mas há ainda oficinas diversas.

Agrupamento de escolas da Figueira da Foz “coleciona” prémios de empreendedorismo o agrupamento de escolas da zona urbana da Figueira da Foz envolve a sua comunidade escolar em projetos que valorizam os produtos locais pág.2-3


2 | boas experiências

diário as beiras | 12-11-2014 agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola João de Barros (2.º e 3.º ciclos)/ jardins de infância de Caceira e Conde Ferreira (FFoz), as escolas do 1.º Ciclo (Gala), Rui Martins (Abadias e Viso)/Centro Escolar São Julião (Tavarede)

educação 3.0 // coordenação Lídia Pereira/texto Jot’Alves; A.Rosado/Fotografia / Jot’Alves

“O Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz tem uma dinâmica muito própria, evidenciada na elevada participação em projetos internacionais e nacionais”, destaca o seu presidente, Adelino Matos. Nomeadamente, destaca, participou no Comenius, Corrida Mundial da Harmonia, Somos Todos Autores, SuperTmatik (em 2013/2014 teve um campeão e um vice-campeão nacionais), Inova Básico 2014 (representou a Zona Centro na fase nacional, na categoria Inova Atitude 1.º e 2.º ciclos), Olimpíadas da Matemática/ Química/Física/Biologia Júnior, Desporto Escolar (representação no Campeonato Nacional do MegaSprinter) e Prémio Fundo IKEA Colabora III (três escolas do 1.º ciclo foram reconhecidas a nível nacional com um prémio no valor de mil euros). Participou ainda no Concurso Valorfito (a EB1 Abadias venceu o 1.º prémio nacional), no Concurso “Sim, criar uma árvore de frutos” (o Centro Escolar São Julião/Tavarede venceu 2.º prémio nacional), Diz+ (2.º e 3.º lugares nacionais por equipas), Dar@Língua (campeões nacionais da competição) e Equamat. Participou também no programa “Boas práticas em educação para a saúde” (prémio no valor de três mil euros) e no concurso nacional da Fundação Ilídio Pinho (o Jardim de Infância da Gala ganhou o prémio do 1.º escalão, no valor de 7.500 euros, com o projeto “Salicórnia! Que segredos?”). O agrupamento tem participado em diversos outros concursos e projetos que visam enriquecer a componente curricular e estimular a cidadania e a capacidade de iniciativa junto da sua comunidade escolar

Campeão de concursos, projetos e prémios

projeto#1

Escola da Gala conquista prémio sem sal É um prémio sem sal, mas não é insosso. Depois de, há três anos, ter recebido uma menção honrosa, no valor de mil euros, o Jardim de Infância da Escola do 1.º Ciclo do Ensino Básico da Gala, na freguesia de São Pedro, conquistou, no transato ano letivo, o Prémio Ciência na Escola da Fundação Ilídio Pinho, de 7.500 euros. Concorreu com o projeto “Salicórnia! Que segredos?!”. A salicórnia nasce e cresce junto às salinas da ilha da Morraceira. A certificação

veio permitir a sua comercialização. É um substituto saudável do sal e pode ser utilizada em saladas, no pão e outros alimentos. Regressando ao jardim de infância, a ideia surgiu na sequência de um outro projeto, designado “O sal e a vida”, elaborado há dois anos, com o qual esta escola da rede pública se apresentou ao concurso da Fundação Ilídio Pinho. No ano anterior, saliente-se, este estabelecimento de ensino do Agrupamento de Escolas da

Zona Urbana da Figueira da Foz havia concorrido com a proposta “Um inseto chamado besouro” e obteve uma menção honrosa. Entretanto, o agrupamento tem em curso uma campanha sobre a redução do consumo de sal no pão e na sopa. Designada “Encorajamos voos… saudáveis”, esta ação integra-se no projeto educativo “Abrimos asas … Encorajamos Voos”. Este, por sua vez, inpirou-se no projeto “Salicórnia! Que segredos?!”.

projeto#2

A lenda da moura encantada com aroma de limonete “Que bem cheira a minha terra” lançou o Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz para um patamar de empreendedorismo sem paralelo na região. Tudo começou na antiga Escola do 1.º Ciclo do Ensino Básico dos Quatro Caminhos, em Tavarede, no ano letivo de 2011 – 2012, quando este projeto venceu o Prémio Ciência na Escola da Fundação Ilídio Pinho. Contou com a participação de 37 crianças. Os 10 mil euros do prémio foram aplicados na

evolução de um sabonete artesanal para uma gama de produtos de higiene pessoal com fragrância de limonete, sintetizada num laboratório italiano. Entretanto, foi criada a marca “Kadija”, nome de uma moura encantada que, diz a lenda, viveu em Tavarede, através da qual se comercializam os artigos fabricados na Lousã. Os primeiros 550 kits, lançados em março de 2013, esgotaram em dois dias. Estes produtos continuam a ser vendidos em unidades

hoteleiras, restaurantes, salões de beleza da região e na sede do agrupamento escolar, na Escola João de Barros. As embalagens ostentam a imagem do emblemático edif ício Paço de Tavarede. Não se pense, contudo, que é um negócio das arábias para o agrupamento de escolas, que “apenas” recebe uma pequena percentagem das vendas. Porém, o ímpeto empreendedor do Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz não se fica pelos produtos da


12-11-2014 | diário as beiras

educação 3.0 | 3

boas experiências

vida nas escolas

Corrida pela Fome na EB Alice Gouveia repete-se hoje em Ceira

a

projeto#3 O combate ao excessivo consumo de sal reparte-se em duas ações de âmbito nacional: “Pão.come” e “Sopa. come”. O agrupamento começou por incluir no concurso público para aquisição de pão para as suas cantinas uma cláusula que determina o teor de sal utilizado neste alimento. Em nome de uma alimentação mais saúdavel dos alunos e esperando que estes sensibilizem os seus familiares no mesmo sentido.

moura encantada “Kadija”. O jardim de infância da Escola do 1.º Ciclo do Ensino Básico da Gala, na freguesia de São Pedro, situado na margem sul da cidade, também recebeu recentemente um prémio. Entretanto, o agrupamento continua a candidatar projetos que têm como base as potencialidades endógenas do concelho, envolvendo os seus alunos, e a conquistar a admiração e simpatia dos figueirenses e da comunidade educativa nacional

Eco - compromisso em nome de um melhor ambiente O Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz assinalou, na semana passada, o Dia Internacional Ecoescolas - World Day on Ation, transportando três alunos de casa à escola, entre cada um dos oito estabelecimentos de ensino que o integram, num carro elétrico. Ou seja, participaram na viagem 24 alunos, além dos professores que coordenam o projeto. A mobilidade foi, portanto, o tema escolhido. Na mudança de passageiros, em cada uma das escolas foi hasteada

ficha

a Bandeira Verde e subscrito um manifesto, que, no final da jornada ecológica, foi entregue ao presidente da Câmara da Figueira da Foz, João Ataíde, e ao vereador Carlos Monteiro. A mensagem de um mundo mais verde andou pois, no concelho, sobre rodas de um automóvel amigo do ambiente, a longo do “Eco - roteiro”. Mas, naquele dia, verde foi também a cor da indumentária da comunidade escolar do agrupamento, para reforçar o “Eco compromisso” assumido

há vários anos pela Escola João de Barros, a sede do agrupamento, e, depois, pelos restantes estabelecimentos de ensino que integram a estrutura. O Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz está empenhado na educação e na consciência ambiental dos seus alunos. Esta determinação acaba por “contaminar” toda a sua comunidade escolar, com a convicção de que, com o tempo, esta “árvore”, que se planta e cuida todos os dias, há de dar frutos em grandes quantidades.

agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz

2000 alunos 160 professores 55 auxiliares de

educação

oferta educativa

87 ensino 8 artístico turmas ensino regular turmas

Recolher centenas de litros de leite, se possível, é o objetivo de duas corridas levadas a cabo por um grupo de professores do Agrupamento de Escolas Coimbra Sul. Uma das provas teve lugar na passada segunda-feira na EB 2,3 Dr.ª Maria Alice Gouveia; a outra realiza-se hoje, na EB 2,3 de Ceira: é a 5.ª Corrida Contra a Fome. Esta atividade é dinamizada pela disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica e tem como intervenientes os alunos do 2.º Ciclo. “Como a solidariedade é um compromisso para todos, toda a comunidade escolar é convidada a associar-se a este evento”, refere a professora

bibliotecária, Maria João Caldeira. A inscrição de todos os participantes é simbólica, através da entrega de um pacote de leite, a reverter para a ADAV (Associação de Apoio à Vida) e Centro João Paulo II. Na corrida de anteontem centenas de alunos associaram-se ao movimento, embora nem todos tivessem doado o pacote de leite, até porque “também muitos deles tem dificuldades, devido à crise que atinge as famílias”, esclareceu Emília Castro. Todavia, por parte de outras crianças, docentes e funcionários, é esperado um maior volume de leite doado nos próximos dias.

1.º Jardim Escola João de Deus da Figueira da Foz celebra centenário Sábado, dia 15 de novembro, o 1.º Jardim Escola João de Deus da Figueira da Foz assinala 100 anos ao serviço da educação. A celebração decorre no Centro de Artes e Espetáculos (CAE) da Figueira da Foz, a partir das 15H00, com a apresentação de momentos de espetáculo pelas crianças dos três jardins escola do concelho. Festa prossegue depois com um “Porto de Honra” nas instalações do 1.º Jardim Escola João de Deus da Figueira da Foz. Recorde-se que este estabelecimento de ensino, integrado na Associação de Jardins Escola João de Deus,

foi fundado a 6 de setembro de 1914, e tem sido a base da formação académica de muitas gerações de figueirenses. Atualmente, conta com valências do ensino pré-escolar e do primeiro ciclo do ensino básico, cujo currículo integra disciplinas como música, inglês e expressão dramática, oferecendo, também, atividades extracurriculares em áreas como a dança e a capoeira. Um século volvido desde a entrada das primeiras crianças, “o 1.º Jardim Escola João de Deus da Figueira da Foz orgulha-se da sua longa história ao serviço da cidade e vive de olhos postos no futuro da educação”.


4 | educação 3.0

novas formas de aprender

diário as beiras | 12-11-2014

vida nas escolas

O país ganha se olhar melhor para a Escola

A internet está cheia de sítios para aprender e ver novas experiências Circular pela web é encontrar publicação de experiências, de dispositivos e técnicas utilizadas, todas elas à disposição de um click. Indicamos aqui alguns links com interesse de consulta para quem a tarefa de conduzir aprendizagens, de ensinar.

http://www.scoop.it/t/herramientas-y-recursos-parael-aprendizaje-online

Informação sobre uso educativo de plataformas como o google drive, o uso do skype, utilização do pdf como ferramenta educativa interativa, arquivos de vídeo... http://www.escuela20. com/feedback-retroalimentacion-educacion/ articulos-y-actualidad/5-aplicaciones-web-para-facilitartela-retroalimentacion-con-tualumnado_3846_42_5454_0_2_ in.html

Indicação de aplicativos para ajudar a interação e feedback com os alunos http://www.educaciontrespuntocero.com/recursos/secundaria/juegos-para-estudiar-geografia-en-secundaria/16840.html

Oferta de estratégias de exploração de conteúdos no ensino da Geografia

Este caderno estará disponível amanhã na página www.asbeiras.pt

Cristina Oliveira*

Oficina “ABC do Foral” ensinou história local na Pampilhosa da Serra É com a prática e o contacto lúdico que as crianças melhor aprendem. E foi exatamente com essa intenção que decorreu recentemente na escola sede do Agrupamento de Escolas de Pampilhosa da Serra – em Escalada –, a Oficina da História Local subordinada ao tema “ABC do Foral”. Organizada no âmbito das

Atividades Lúdico Expressivas (ALES) do Agrupamento de Escolas de Pampilhosa da Serra, a oficina destinou-se a todas as crianças do 1.º ciclo do ensino básico da Escola de Escalada. De acordo com uma nota da Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra, a iniciativa decorreu integrada nas comemorações dos 501 anos do Foral Novo de D.

Manuel – outorgado a 20 de outubro de 1513 –, consistindo na realização de uma oficina relacionada com a história local, com todas as suas riquezas e singularidades. O que, cada vez mais, importa dar a conhecer aos jovens cidadãos do concelho de Pampilhosa da Serra. Assim aconteceu, através de diversas atividades lúdico educativas.

Feira de S. Martinho aberta à comunidade na Escola da Cordinha A Escola Básica da Cordinha, em Ervedal da Beira, Oliveira do Hospital, promove uma Feira de S. Martinho, no próximo sábado, 15 de novembro, entre as 09H30 e as 14H00, num

convívio destinado a alunos, professores, funcionários e famílias, mas aberto a toda a comunidade. A Escola Básica da Cordinha – do Agrupamento de Escolas Oliveira do Hospi-

Escola Secundária Quinta das Flores promove magusto O S. Martinho festejou-se ontem – 11 de novembro, dia em que o Santo, um dos mais populares em França e em toda a Europa, foi a enterrar em Tours, no ano de 397 –, mas “chega” hoje à Escola Básica e Secundária Quinta das Flores, em Coimbra. A partir das 10H00, num intervalo excecionalmente prolongado até às 10H30, decorre o magusto da escola, numa iniciativa destinada a reunir toda a comunidade escolar num animado convívio.

tal – convida todos a participarem e a degustarem as castanhas. Mas há mais para apreciar, nomeadamente produtos agrícolas da época, artesanato típico, exposições e animação.

Educação especial abrange neste momento 62 mil famílias em Portugal Em Portugal existem 62 mil famílias abrangidas pela Educação Especial, o que mostra a grande intervenção e impacto que esta área tem na sociedade, alerta o Departamento de Psicologia e Educação da Universidade Portucalense. Atualmente, 97% dos alunos com necessidades educativas especiais estão já a frequentar a educação regular, contando com cinco mil professores de apoio. Fruto da preocupação existente no acompanhamento de alunos com

necessidades educativas especiais, a Universidade Portucalense vai organizar o I Congresso Ibérico - Entre a Psicologia e a Educação Especial. A partir de amanhã, dia 13 de novembro, e até sexta-feira, a UPT vai receber mais de 25 oradores e moderadores, num conjunto de 12 conferências, pertencentes a mais de 10 universidades ibéricas. O congresso é aberto a toda a comunidade, em especial a profissionais e alunos das áreas científicas em causa.

“O futuro da Escola Pública” de Mário Nogueira na EB 2,3 Rainha Santa Isabel Mário Nogueira, professor e sindicalista, escreveu o livro “O futuro da Escola Pública” e está a apresentálo em escolas de todo o país. Amanhã, dia 13, às 17H30, o livro será apresentado na Escola Básica 2,3 Rainha Santa Isabel, em Coimbra.

Ao arrepio dos muitos comentários, debates e opiniões que se têm multiplicado nos órgãos de comunicação social sobre o tema Educação, melhor dizendo, sobre o tema “colocação de professores”, agradeço a oportunidade do Jornal as Beiras de contribuir para a discussão do que deve ser verdadeiramente a essência do debate sobre o tema. Com efeito, discutir Educação não é discutir colocação de professores, muito menos o é de forma serena e objetiva se for feito num momento de perturbação. Demasiadas vezes nos esquecemos todos do que temos de bom nas escolas em Portugal. Demasiadas vezes nos esquecemos que a esmagadora maioria das nossas escolas têm alunos empenhados e professores dedicados a projetos notáveis que merecem o reconhecimento público porque têm mérito. Não porque “são”, mas porque “fazem”! Fazem das suas escolas referências de cidadania, participando em projetos como o Parlamento dos Jovens, fazem das suas escolas referências na ciência, com centenas de projetos nos mais variados concursos promovidos pelo MEC ou por entidades privadas, fazem das suas escolas referência na tecnologia, com prémios de inovação, fazem das suas escolas espaços de cultura e de arte, com a produção de espetáculos de teatro, de música e de dança, de leitura e de escrita, fazem das suas escolas referência na era digital, com os seus produtos de comunicação, fazem das suas escolas referência no desporto, ao aderirem ao programa do desporto escolar aos milhares, enfim, fazem da escola, aquilo que dela se espera, que forme cidadãos conscientes e preparados para o mundo ativo e moderno. E ainda transmitem e produzem saber, com rigor e com adequação! Para a discussão, importa saber se os cidadãos que estamos a formar estão verdadeiramente preparados para o futuro, importa saber se a escola cumpre o seu papel em Portugal, importa saber… para melhorar…nunca para destruir. Ganhará o país se olhar mais para “a sua escola” e menos para “o seu Ministério”! *directora de serviços da região centro da DGEstE

Educação 12 nov 2014  

Caderno Educação 3.0 publicado na edição impressa do DIÁRIO AS BEIRAS no dia 12 de novembro de 2014.

Educação 12 nov 2014  

Caderno Educação 3.0 publicado na edição impressa do DIÁRIO AS BEIRAS no dia 12 de novembro de 2014.

Advertisement