Page 1

Ano 87 - Nº 23.741

Página 4

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

Conclusão: 23h55

R$ 1,40

São Paulo, quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Ed Ferreira/Estadão Conteúdo

Rodrigo Coca/EC

Márcio Fernandes/Estadão Conteúdo

De mãos dadas, Haddad e Kassab não só iniciaram uma transição "sem solavancos", mas uma parceria política. O Kassab malvado já não existe mais para Haddad e o PT.

O governo federal diz ter oferecido ajuda a SP para o combate à violência. O secretário de Segurança diz que não. O ministro Cardozo (foto) rebate: não é hora de disputas políticas. Pág. 10

ABOTOANDO INTRIGAS

O prefeito eleito Haddad visita o governador Alckmin e o atual prefeito Kassab, selando a paz pós-eleitoral. Pág. 7

OH HORROR!

NY quer apagar as marcas de Sandy, o devastador.

Em pleno Halloween, circula hoje a última edição do Jornal da Tarde, o jornal da Cidade que marcou a história do jornalismo. Págs. 12 e 13 Newton Santos/Hype

Passagem do furacão pela costa leste dos Estados Unidos deixa 48 mortos, 8 milhões sem energia elétrica e US$ 50 bi em prejuízos. Ressaca em Manhattan inunda garagens (foto) e estações do metrô. Págs. 8 e 9

Sebastião Moreira/EFE

O que há para a loja do futuro Conheça as modernidades para o lojista, apresentadas na Feira do Empreendedor. Pág. 19

ISSN 1679-2688

23741

9 771679 268008

Damon Winter/The New York Times

Ô, seu guarda! Do pelotão da Ellus na Fashion Week: "Chegou a vez da estética policial", diz Adriana Bozon, a designer da grife. Os desfiles de ontem, na pág. 22


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

A eliminação da pobreza parece já ser coisa do passado ou uma questão de dias. José Márcio Mendonça

pinião

CIDADES ENDIVIDADAS

F

az todo sentido a presidente Dilma Rousseff ter recebido ontem cedinho, em Brasília, o prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad, sem abrir a agenda para outros companheiros petistas e aliados que no primeiro e no segundo turno tiveram belas vitórias eleitorais. E sem ao menos ter feito um mínimo pronunciamento, como outros presidentes o fizeram no passado, exaltando o "espetáculo democrático" que foi a ida dos brasileiros às urnas em 7 e 28 de outubro. Também não teve nem uma palavrinha de conforto para os parceiros que ficaram na estrada. O governo, o PT e, naturalmente, Haddad, o neófito nesse jogo, têm pressa demais para perder tempo com certas formalidades. Como o próprio Fernando Haddad apregoou e os petistas repetiram, naturalmente ecoando o modo de pensar do ex-presidente Lula, a prefeitura de São Paulo será a vitrine do modo petista de governar o "novo" Brasil que o "novo" ex-ministro da Educação representa. Tanto o PT quanto Dilma – mais amalgamados do que nunca após as eleições – entendem que agora é a vez de atender à "nova" classe média criada por Lula. A eliminação da pobreza parece já ser coisa do passado ou questão de

N

asceu! Atos contínuos: comemorar e registrar o bebê. Nem sempre! Para quem mora em áreas urbanas, em especial nos bairros centrais, é difícil imaginar dificuldades em registrar um filho. Há pelo menos um cartório de registro civil em cada bairro de São Paulo, quase sempre de fácil acesso. O cenário é bem diferente nas periferias de metrópoles e áreas rurais. E é tão drástico, que o percentual de crianças brasileiras sem registros chega a 600 mil crianças, ou 6,6% da população. Fiquei imaginando a situação em regiões como a Amazônia e me deparei com um dado assombroso: em alguns lugares, especialmente entre a população indígena e ribeirinha, o percentual chega a 40%, segundo dados do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mesmo em São Paulo há cerca de 80 mil crianças sem identificação civil, pelos dados do último recenseamento e no qual

Max

dias. Agora é só classe média pra lá, classe média pra cá. Se o modelo encalacrar, pode comprometer os planos do PT e de Dilma para 2014. E esse modo "novo" de governar precisa, como as flores delicadas numa estufa, de tratamentos especiais, de condições extraordinárias para vicejar. Não basta apenas ter vontade e/ou boa-vontade. No caso de uma cidade com

pela primeira vez o IBGE incluiu a pergunta sobre filhos registrados ou não, levantando assim o percentual de sub-registros, ou seja, essa diferença entre a pesquisa demográfica do instituto e o número de crianças efetivamente registradas em cartório.

A

constatação impulsionou a criação da Lei 12.662/12, que torna válida em todo o País a Declaração de Nascido Vivo, a "DNV". É um documento oficial e embora não substitua a certidão de nascimento, garantirá acesso à cidadania para as crianças que, por um motivo ou outro, ainda

SXC

as monstruosas carências de São Paulo, isso significa muito dinheiro, muito investimento– o que a prefeitura

paulistana, apesar de seu lado rico, não tem condições de realizar. Não é por outra razão que todos os candidatos a prefeito do município encheram os eleitores de promessas sem nunca detalhar, em seus programas, o custo da chegada ao paraíso que estavam vendendo e a origem dos recursos para cumprir tais juras. E nem poderiam. A situação financeira da cidade, com um dos maiores orçamentos públicos do País, não é nada simples. A dívida de São Paulo supera hoje duas vezes sua receita (para comparação: a segunda pior dívida, a de Salvador, representa metade do que a capital baiana arrecada). Com tal comprometimento, a cidade não pode nem aumentar seu endividamento para investir mais. Pela lei de Diretrizes Orçamentárias o limite para novos financiamentos é de 120% da arrecadação. A dívida de São Paulo é maior que a de qualquer outro município brasileiro em proporção à arrecadação, em parte por responsabilida-

E

mbora tenham dito que a conversa de Haddad com Dilma foi cordial, o foco era esta questão. Vitrine sem dinheiro quebra. Os antecessores mais imediatos do futuro prefeito – José Serra e Gilberto Kassab – tentaram em diversas ocasiões renegociar as condições para pagamento desse débito. Tiveram suas pretensões negadas. No governo estadual, Serra e depois Alckmin tentaram a mesma coisa, sem sucesso. Outros governadores Brasil afora idem, com resposta também idem. Ultimamente alguns estados têm sido autorizados a aumentar seu nível de endividamento – há pouco Alckmin ganhou essa autorização – mas é apenas um paliativo. A dívida continua aumentando

Dívida de São Paulo é maior que a de qualquer cidade em relação à arrecadação, em parte por responsabilidade do próprio PT.

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA exponencialmente. Com a corda no pescoço está a maioria quase absoluta das prefeituras. Há algum tempo a Confederação Nacional de Municípios (CNM) vem avisando que muitos prefeitos correm risco de punição porque não estão cumprindo a LDO, por falta de condições. Têm obrigações demais, muitas repassadas pelo governo federal, e dinheiro de menos. Talvez tenha vindo para eles, em ótima hora, a eleição de Fernando Haddad e a necessidade de Dilma e do PT de iluminar e embelezar a vitrine do modo petista de governar que querem montar em São Paulo. Se der dinheiro para um, Dilma terá de dar a todos, nas mesmas condições. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

PARA SER ALGUÉM NA VIDA não foram registradas. A DNV já existia: é emitida pelos médicos, em hospitais públicos ou privados, ou pelas parteiras tradicionais logo após o nascimento da criança. São três vias: uma para a Secretaria Municipal de Saúde; outra para os pais ou responsáveis e a terceira para o arquivo da Unidade de Saúde onde a criança recebe o primeiro atendimento.

O

documento alimenta o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos, o Sinasc, criado em 1990 e implantado pelo Ministério da Saúde. O Sinasc norteia políticas públicas ao gerar indicadores como pré-natal, assistência ao parto e vitalidade do bebê ao nascer. E os dados entram para os cálculos das taxa de mortalidade infantil e materna. Embora sua apresentação não fosse obrigatória para registrar a criança, a DNV era requerida nos cartórios como informação complementar à declaração verbal dos pais ou

responsáveis. Agora ela se torna documento oficial e tem um número, emitido pelo Ministério da Saúde, que constará obrigatoriamente na certidão de nascimento.

A

nova lei alterou dois aspectos do conjunto de leis de Registro Civil. Antes os cartórios repassavam os mapas de registros só para o IBGE; agora repassarão as informações a todos os órgãos públicos que as requererem. Com isso, será possível integrar informações dos cartórios de registro civil com as do Sinasc e se aproximar com mais exatidão da realidade. Na prática, a DNV já criou uma situação intrigante. Veja: na declaração deve constar, obrigatoriamente, o nome da criança, a hora, o dia, mês, ano e local de nascimento, bem como o sexo e informar se a gestação é múltipla ou não. Da mãe deve constar o nome, a naturalidade, idade, residência e profissão. Mas os dados do pai não são obrigatórios, justamente para que, na falta deste, não

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

de do próprio PT. Quando o governo Fernando Henrique Cardoso negociou a dívida dos estados e municípios foram oferecidas aos governantes duas condições: ou amortizariam parte da dívida existente no ato da assinatura do contrato e teriam um juro menor, ou não pagariam nada imediatamente mas o custo seria maior. Governava São Paulo a hoje ministra da Cultura, Marta Suplicy. Ela bateu o pé e ficou com os juros mais altos. As correções maiores acabaram fazendo a dívida crescer como bola de neve e a cidade paga hoje, de juros, cerca de 17% sobre o saldo devedor.

seja impossível se fazer o documento. Por outro lado, a DNV não substitui a certidão de nascimento e, na hora de registrar a criança, ainda que conste o nome do pai, a DNV por si só não basta como prova de paternidade. Assim, para registrar o bebê, além da DNV será necessário a certidão de casamento atualizada ou a declaração do pai no ato do registro, que é presencial; ou, ainda, declaração por escrito em documento ou procuração, pública ou particular, com firma reconhecida.

S

e na DNV constar o nome de um pai que não é o mesmo da certidão de casamento, valerá o nome no último documento – contanto, é claro, que o bebê tenha nascido da constância desse relacionamento, fato comprovável pelas datas. Igualmente, se o pai é quem vai registrar o bebê e declara a paternidade, também é seu nome que se fará constar, ainda que haja o nome de outro pai na DNV. Afora esses detalhes provenientes da confusão

IVONE ZEGER que é a própria vida, a DNV deverá contribuir para ampliar a cidadania das crianças em vários aspectos.

P

ara além de facilitar o acesso à área da saúde, oferece proteção jurídica, não só da criança em relação aos serviços públicos, mas também em relação aos seus pais. Um exemplo? Imagine uma criança subtraída dos braços de seus pais. É dever (e direito) destes pais reaver a criança. E como isso pode se dar sem uma comprovação? Por aí se tem uma ideia da importância desse novo documento. IVONE ZEGER É ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO DE FAMÍLIA E

SUCESSÃO. MEMBRO EFETIVO DA COMISSÃO DE DIREITO DE FAMÍLIA DA OAB/SP, É AUTORA DE "HERANÇA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" E "FAMÍLIA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" WWW.IVONEZEGER.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edito r-Ch efe : José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas @dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), .Repórteres: André de Almeida, Fátima Lourenço, Guilherme Calderazzo, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela Oesp Gráfica.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

o

3

A PA RT I R D O S A N O S 8 0 , A E L I T E E S Q U E R D I S T A T O M O U P O S S E D A E D U C A Ç Ã O P Ú B L I C A .

pinião

O NOVO IMBECIL COLETIVO

Q

uando entre os anos 80 e 90 comecei a redigir as notas que viriam a compor O Imbecil Coletivo, os personagens a que ali me referia eram indivíduos inteligentes, razoavelmente cultos, apenas corrompidos pela autointoxicação ideológica e por um corporativismo de partido que, alçando-os a posições muito superiores aos seus méritos, deformavam completamente sua visão do universo e de si mesmos. Foi por isso que os defini como "um grupo de pessoas de inteligência normal ou mesmo superior que se reúnem com a finalidade de imbecilizar-se umas às outras". Essa definição já não se aplica aos novos tagarelas e opinadores, que atuam sobretudo através da internet e que hoje estão entre os vinte e os quarenta anos de idade. Tal como seus antecessores, são pessoas de inteligência normal ou superior separadas do pleno uso de seus dons pela intervenção de forças sociais e culturais. A diferença é que essas forças os atacaram numa idade mais tenra e já não são bem as mesmas que lesaram os seus antecessores. Até os anos 70, os brasileiros recebiam no primário e no ginásio uma educação normal, deficiente o quanto fosse. Só vinham a corromper-se quando chegavam à universidade e, em vez de uma abertura efetiva para o mundo da alta cultura, recebiam doses maciças de doutrinação comunista, oferecida sob o pretexto, àquela altura bastante verossímil, da luta pela restauração das liberdades democráticas. A pressão do ambiente, a imposição do vocabulário e o controle altamente seletivo dos temas e da bibliografia faziam com que a aquisição do status de brasileiro culto se identificasse, na mente de cada estudante, com a absorção do estilo esquerdista de pensar, de sentir e de ser – na verdade, nada mais que um conjunto de cacoetes mentais. O trabalho dos professoresdoutrinadores era comple-

ter aprendido a andar. É exatamente essa inversão que o socioconstrutivismo impõe aos alunos, pretendendo que participem ativamente – e até criativamente – do "universo da cultura" antes de ter os instrumentos de base necessários à articulação verbal de seus pensamentos, percepções e estados interiores. O socioconstrutivismo mistura a alfabetização com a aquisição de conteúdos, com a socialização e até com o exercício da reflexão crítica, tornando o processo enormemente complicado e, no caminho, negligenciando a aquisição das habilidades fonético-silábicas elementares sem as quais ninguém pode chegar a um domínio suficiente da linguagem. O produto dessa monstruosidade pedagógica são estudantes que chegam ao mestrado e ao doutorado sem conhecimentos mínimos de ortografia e com uma reduzida capacidade de articular experiência e linguagem.

mentado pela grande mídia, que, então já amplamente dominada por ativistas e simpatizantes de esquerda, envolvia os intelectuais e artistas de sua preferência ideológica numa aura de prestígio sublime, ao mesmo tempo que jogava na lata de lixo do esquecimento os escritores e pensadores considerados inconvenientes, exceto quando podia explorá-los como exceções que por sua própria raridade e exotismo confirmavam a regra.

C

riada e mantida pelas universidades, pelo movimento editorial e pela mídia impressa, a atmosfera de imbecilização ideológica era, por assim dizer, um produto de luxo, só acessível às classes média e alta, deixando intacta a massa popular. A partir dos anos 80, a elite esquerdista tomou posse da educação pública, aí introduzindo o sistema de alfabetização "socioconstrutivista", con-

OLAVO DE CARVALHO cebido por pedagogos esquerdistas como Emilia Ferrero, Lev Vigotsky e Paulo Freire para implantar na mente infantil as estruturas cognitivas aptas a preparar o desenvolvimento mais ou menos espontâneo de uma

cosmovisão socialista, praticamente sem necessidade de "doutrinação" explícita. Do ponto de vista do aprendizado, do rendimento escolar dos alunos, e sobretudo da alfabetização, os resulta-

Socioconstrutivismo resultou na democratização da inépcia, que hoje se distribui equitativamente entre os jovens estudantes ou diplomados, sem distinção de credo ou ideologia.

dos foram catastróficos. Não há espaço aqui para explicar a coisa toda, mas, em resumidas contas, é o seguinte. Todo idioma compõe-se de uma parte mais ou menos fechada, estável e mecânica – o alfabeto, a ortografia, a lista de fonemas e suas combinações, as regras básicas da morfologia e da sintaxe – e de uma parte aberta, movente e fluida: o universo inteiro dos significados, dos valores, das nuances e das intenções de discurso. A primeira aprende-se eminentemente por memorização e exercícios repetitivos. A segunda, pelo auto-enriquecimento intelectual permanente, pelo acesso aos bens de alta cultura, pelo uso da inteligência comparativa, crítica e analítica e, last not least, pelo exercício das habilidades pessoais de comunicação e expressão. Sem o domínio adequado da primeira parte, é impossível orientar-se na segunda. Seria como saltar e dançar antes de

N

a universidade aprendem a macaquear o jargão de uma ou várias especialidades acadêmicas que, na falta de um domínio razoável da língua geral e literária, compreendem de maneira coisificada, quase fetichista, permanecendo quase sempre insensíveis às nuances de sentido e incapazes de apreender, na prática, a diferença entre um conceito e uma figura de linguagem. Em geral não têm sequer o senso da "forma", seja no que leem, seja no que escrevem. Aplicado em escala nacional, o socioconstrutivismo resultou numa espetacular democratização da inépcia, que hoje se distribui mais ou menos equitativamente entre todos os jovens brasileiros estudantes ou diplomados, sem distinções de credo ou de ideologia. O novo imbecil coletivo, ao contrário do antigo, não tem carteirinha de partido. OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

A GRANDE VITÓRIA: "MENAS", GENTE, "MENAS"... H Ale Vianna/Folhapress

á uma espécie de deslumbramento, de subserviência, na apologia que se faz, em parte do País, à figura do ex-presidente Lula. Tudo em torno dele é grandioso: Lula ganhou a eleição; O PT perdeu a eleição; Lula nunca perde... Ele é quase beatificado em vida como político: embora lhe falte conhecimento, é habilíssimo em intuição e vivência sindical, que lhe mostraram o caminho das pedras num país de semianalfabetos. A esta altura, certamente, já está a patrulha vociferando em defesa do guardião iluminado dos "postes" brasileiros. A realidade é uma só: num país desprovido de heróis, de líderes, de gente que sirva como referência na construção de uma pátria mais justa, mais equilibrada, as coisas se nivelam entre os que se destacam por sua inteligência, ousadia, atrevimento – ainda que nada disso, na atividade política, seja utilizado de forma construtiva. Ao contrário, os exemplos, são malignos, mas aceitos como normais. E ainda servem de apoio à apologia que se faz de quem assim age.

Vamos aos fatos: os principais homens políticos de Lula e do PT foram condenados pelo Supremo Tribunal Federal por uso criminoso do dinheiro público. Mas Lula nada tem a ver com tudo isso. Não sabia de nada. É um inepto, então? Lula foi o grande vencedor das eleições porque elegeu seu "poste" na maior cidade do país. Perdeu em Belo Horizonte, Fortaleza, Salvador, Porto Alegre, Diadema, Manaus e Campinas, para ficar entre as principais cidades. Mas só conta São Paulo.

E

ntão, Lula nada tem a ver com os crimes perpetrados contra o País no coração de seu governo, nem a ver com as cidades onde seu partido perdeu. Mas é o grande vitorioso em São Paulo. "Menas", gente, "menas"... Marta Suplicy, vergonhosamente, levou um cargo público, de ministro de Estado, usado pelo governo Dilma como se fosse propriedade particular, em troca de dar publicamente apoio ao candidato pelo qual fora preterida. Ela abandonou o mandato de senadora . E eleito Haddad , ela diz que

PAULO SAAB tão negativa como o PT. E buscar urgentemente uma nova linguagem, novos líderes e uma nova forma de comunicação enquanto oposição. Lula, em campanha com Haddad: liderança superestimada. seu apoio foi decisivo para a vitória...

E

ste DC fez a conta: somados os 2,7 milhões de votos de Serra, mais os 2,5 milhões de abstenções, nulos e brancos, obtém-se um total de 5,2 milhões de votos contra os 3,3 milhões do "poste" petista. A maioria, uma vez mais, ficou contra o petismo. Os votos nulos, brancos e abstenções, certamente, são de antipetistas que também não simpatizaram com o candidato Serra. A Folha de São Paulo informou que em 17 cidades em que Lula participou da campanha, ele perdeu em nove. Mas como o "poste"

ganhou em São Paulo, o resto desaparece num passe de mágica.

N

ão quero tirar possíveis méritos pessoais de Haddad. Certamente ele os há de ter. Seu entorno, todavia, sugere aos cinco milhões que não votaram no PT uma vigilância severa a partir de agora. O passado e o presente da legenda e os aliados de ocasião não favorecem a expectativa positiva de uso do recurso público. O PSDB, por seu lado, deveria fechar algum tempo para balanço em São Paulo e entender como conseguiu perder para um partido exposto de forma

A

lguém disse que a oposição ao PT não se faz presente de forma intensa, organizada, por conta dos acordos políticos locais que embaralham as legendas e deixam todos aprisionados na hora de mostrar os defeitos de outrem. É vergonhosa a forma como se faz política partidária no Brasil. Não pelo resultado de agora, mas pelo de sempre. A reforma política de que o País necessita passa pelo voto distrital, pela fidelidade partidária, pela inibição de ocupantes de postos eletivos a participar de outros pleitos enquanto no cargo e, além de outras medidas, por uma overdose de vergonha na cara de

quem faz da vida pública um meio de autossatisfação em nome de um povo sofrido e ingênuo que vota acreditando. Quem serão os agentes dessa mudança? Os beneficiados pela situação atual?

S

erra não perdeu para Lula. Como na eleição presidencial, em que foi derrotado por Dilma (ficando de novo a glória para Lula), perdeu para si mesmo, para um partido estagnado, sem novas ideias e lideranças; perdeu para a ausência de uma linha oposicionista ao longo do tempo, e para, mais uma vez, o medo de dizer certas verdades. De que têm medo os tucanos? E assim vai caminhando a vida política pátria. Sempre na direção, por mais "renovação" que ocorra, da mesmice de sempre. PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 São de uma confecção de 3 MAIS: a descoberta é da Fortaleza os microshorts que a personagem Morena (Nanda Costa) usa na novela Salve Jorge.

figurinista Emília Silveira. Encomendou e a fábrica fez versões estonadas, com brilho, de couro e cetim.

k Primeiro, relaxe. Olhe para alguém. Escolha uma vitima. É como

LembrandoWallinho

gibaum@gibaum.com.br

se você desse um chute.

SHARON STONE // 54 anos, em nova temporada em Camboriu, dando a receita de sua famosa cruzada de pernas.

Fotos: BusinessNews

Novo round Quando o senador Aécio Neves (PSDB-MG) lhe rasga elogios, José Serra comenta com aos mais chegados: “Parece beijo do Judas”. Eles não se bicam desde a campanha eleitoral de 2010, quando o paulista foi derrotado por Dilma Rousseff. E de lá para cá disputam o comando nacional do PSDB, o que repetirão agora. Sérgio Guerra, presidente nacional da agremiação, foi operado de um tumor no cérebro e o vice-presidente (e serrista) Alberto Goldman está no comando. Tentará ajudar o exgovernador de São Paulo a ser o próximo presidente do partido, enquanto Aécio está procurando um nome de sua confiança. 333

KEEP CALM O prefeito Gilberto Kassab e presidente nacional do PSD está pedindo ao pessoal do partido e da bancada que tenham calma quanto à ocupação de um ministério no governo Dilma. Ele não quer que o PSD vá com muita sede ao pote e nem aceite uma pasta periférica, o que equivaleria a ganhar um rotulo de fisiologismo. E já está orientando a bancada na Câmara Federal que apóie o candidato Henrique Alves (RN) à presidência da Casa, que tem o aval do PT e do PMDB.

333

Jennifer Aniston (primeira foto à esquerda, com Salma Hayek) roubou a cena durante o LACMA 2012 Art + Film Gala, no Los Angeles County Museum of Art, exibindo um glorioso e profundo decote, fazendo a alegria dos fotógrafos. Desta vez, o tradicional evento homenageou a grife Gucci (usado pela maioria das mulheres) e Stanley Kubrick, Ed Ruscha, além de um tributo especial a Steven Spielberg. Entre muitos, circulavam por lá, da segunda foto à esquerda para direita, Ginnefer Goodwin ( Once Upon a Time ), Florence Welch (esteve no Brasil há meses), Cameron Diaz e Drew Barrymore; e o cantor sul-coreano Psy que, há dias, apareceu dançando seu Gangnan Style ao lado do secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon.

Noite de gala

333

333 O primeiro desconforto veio com uma frase de Lula: “De poste em poste, o PT vai iluminando o Brasil”. Depois, nas eleições municipais de São Paulo, a expressão “poste” foi devidamente transformada em rotulo de Fernando Haddad – e sem que ele se incomodasse muito. Com sua vitória, os camaradas blogueiros, estão deitando e rolando “na capacidade de Lula eleger postes”. O deputado e ex-presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, já deu sua colaboração: “O Ministério Público já investiga fábrica de postes, que Lula não declarou no imposto de renda”. Resumo da ópera: quem não está gostando nada dessa história é a presidente Dilma Rousseff. A frase de Berzoini conseguiu irritá-la mais ainda, se bem que a presidente nunca o suportou.

Poste, quem?

333 Na capa e no recheio da nova edição de GQ, Luana Piovani, a Wania da novela Salve Jorge , posa de lingerie, sem ligerie e mostra um pouco do que já mostrou (duas vezes) em Trip . Só não mostra a peteca , que é como ela se refere à parte de sua anatomia que vive sendo perseguida por ofertas de Playboy. Aos 36 anos, garante que não é barraqueira: “Só que não sou otária”. Se alguém escreve que está gorda, ela rebate: “Gorda, mas o seu namorado deve estar no banheiro com a minha revista na mão”. Para ela, a guerra dos sexos ainda existe: “As mulheres continuam sendo xingadas no transito e os homens continuam desejando uma mulher cheirosa que não lhes dê trabalho e que não tenha opinião”.

Peteca oculta

Ingresso da fé 333 A Universal deve andar de caixa baixo: Edir Macedo fez um simpósio em São Paulo para arrecadar fundos e dia 16 próximo, fará grande culto na Catedral Mundial da Fé, no Rio, com uma novidade. Vai cobrar dos fiéis ingresso de 100 reais, sem direito a meia entrada.

h IN

Gravatas marinho.

h

A presidente Dilma Rousseff não tem mais paciência com Wagner Bittencourt, funcionário de carreira do BNDES e atual chefe da Secretaria da Aviação Civil que, em razão de seus altos investimentos, acaba de ser eleita novo filé do governo a fascinar partidos da base aliada. O PSD de Gilberto Kassab pode ser brindado com o cargo. Por outro lado, a Infraero continua “se comportando mal”, segundo figura do Planalto: vai perder uma receita de R$ 70 milhões mensais com a privatização de três aeroportos e continua mantendo nada menos do que três mil comissionados, 800 deles em Brasília. 333

DESELEGÂNCIA Há dias, no Programa da Tarde, de Record, que não tem conseguido decolar, Brito Jr. perguntou à queima-roupa ao convidado Ronaldo Esper, conhecido estilista: “Clodovil dizia que era perigoso você ir em festas porque roubava objetos de arte”. Ronaldo empalideceu: “Quando e onde Clodovil disse isso?” Brito ficou de saia justa, alegou que era uma pergunta da produção, quis contornar e Ronaldo, não deixou por menos: “Vim aqui como convidado, não estou recebendo nada e me recuso ser tratado dessa maneira”. Virou as costas e foi embora.

333

MISTURA FINA EM OUTUBRO do ano passado, depois de comprar tapioca com cartão corporativo, Orlando Silva (PCdoB) deixou o Ministério do Esporte debaixo de denuncias de irregularidades no programa Segundo Tempo. Candidato a vereador em São Paulo, não se elegeu. Como é do mesmo partido da vice-prefeita eleita, Nadia Campeão, já está de olho em alguma boquinha na administração municipal, na futura gestão de Fernando Haddad.

333

O ESTADO de saúde do ministro Edison Lobão, de Minas e Energia, internado, há mais de duas semanas, no Einstein, em São Paulo, seria mais preocupante do que se supunha: AVC e infecção generalizada.

333

COBIÇADO

O cineasta Ricardo Pinto e Silva e o jornalista Daniel Leb Sasaki estão rodando um documentário sobre Mário Wallace (Wallinho) Simonsen (1909-1965) que, nos anos 60, era dono da Panair, da TV Excelsior, Cerâmica São Caetano, Biscoitos Aymoré, Banco Noroeste e mais 30 empresas. Até hoje, seus familiares atribuem o fechamento da Panair aos militares que tomaram o poder em 1964. Nos tempos de glória, Wallinho colocava um de seus cavalos para disputar algum prêmio em Longchamps, em Paris, lotava de amigos e ia e voltava num fim de semana. 333

333

Os mais caros Os parlamentares brasileiros são os mais caros do mundo, segundo estudo da Organização Transparência Brasil. Cada parlamentar no país custa R$ 10,2 milhões por ano; na Itália, R$ 3,9 milhões; França, R$ 2,8 milhões; Espanha, R$ 850 mil e na Argentina, R$ 1,3 milhão. Esse custo se repete nas Assembléias Legislativas. O pior exemplo está em Brasília, onde cada um dos 24 deputados distritais custa, por ano, R$ 10 milhões. E mais: cada vereador, em São Paulo e no Rio, não sai por menos de R$ 5 milhões por ano.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

OUT

Gravatas rosa.

Celibatária 333 Ex-atriz, deputada estadual no Rio pelo PDT, ex-mulher de Roberto Carlos (foram casados durante 12 anos) e hoje missionária católica, Myrian Rios gostaria de ter aprofundado sua relação com o cantor. “Eu queria ter um filho com ele”, contou a Amaury Jr. Hoje com 53 anos de idade, Myrian diz que não está “interessada me ninguém” e deve manter seu celibato, confessando que vive sem sexo há dez anos. Agora, ela está focada na vinda do Papa Bento 16 ao Brasil, no ano que vem. Os mais veteranos ainda se lembram dela, em duas edições de Ele, Ela, nos anos 70.

O GOVERNADOR de Pernambuco, Eduardo Campos e presidente nacional do PSB, recusa-se a fazer qualquer reunião com Rui Falcão, presidente nacional do PT. Aos chegados, confessa que não gosta do tom usado por ele. Campos prefere mandar em seu lugar o vice Roberto Amaral ou o primeiro secretário do PSB, Carlos Siqueira. E cada vez que lança essa alternativa, Falcão quase enlouquece. 333

O DEPUTADO federal Fábio Faria (PSD-RN) enriquece mais seu currículo. Depois de Adriane Galisteu e Sabrina Sato, agora circula com a atriz global Monique Alfradique.

333

O PLANALTO gastará nada menos do que R$ 6,5 milhões nos próximos dois anos para encomendar pesquisas que possibilitem monitorar o desempenho do governo no período.

333

333 O GRUPO que liderou a briga pela candidatura de Patrus Ananias em Belo Horizonte não deixou nem as eleições esfriarem e já avisam que será ele o candidato do partido às eleições de 2014 para o governo de Minas Gerais – e não o ministro Fernando Pimentel.

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

5 FAXINA Senador Mário Souto pede a prisão de muitos dos seus colegas.

olítica

Mesmo condenado, Genoino pode reassumir. O 100

BRASIL Ainda que condenado, José Genoino pode assumir na Câmara.

O ex-presidente do PT poderá reassumir, em janeiro, uma cadeira na Câmara Federal, com a saída de 25 parlamentares eleitos prefeitos. Apesar de beneficiado com a dança no Congresso, ele corre o risco de terminar o mandato fora do plenário. Amanhã o PT vai divulgar manifesto criticando o STF.

Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo – 10.10.12

ex-presidente do PT, José Genoino, mesmo condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do Mensalão, deverá ocupar uma vaga de deputado federal, a partir de janeiro. Ele é um dos suplentes a ser beneficiado com a dança das cadeiras. Entre o primeiro e segundo turnos da eleição municipal, 25 deputados foram eleitos prefeitos e deixarão a Câmara para assumir seus mandatos, abrindo vagas nas bancadas. No PT, além de Genoino, o exdeputado e ex-ministro Nilmário Miranda (MG) e outros três suplentes poderão assumir os mandatos. No saldo geral, o PT elegeu dois deputados a prefeitos de Uberlândia (MG) e São José dos Campos (SP), respectivamente, Gilmar Machado e Carlinhos Almeida. Mas a bancada será beneficiada com cinco suplentes, que ocuparão vagas deixadas por deputados de outros partidos. Novo cenário – O preenchimento de vagas na Câmara segue a ordem da lista dos deputados eleitos e suplentes da coligação e não de um único partido. O PT assumirá mandatos que eram exercidos por deputados do PMDB e do PSB. O quadro geral ainda não é considerado oficial pela Câmara, porque está sujeito à movimentação dos parlamentares. Deputados que exercem cargos de ministros ou de

deputados federais, entre titulares e suplentes, se candidataram a prefeitos nessas eleições. E 25 se elegeram. secretários estaduais ou municipais, por exemplo, podem reassumir os mandatos e alterar o cenário. Genoino – Segundo suplente da coligação do PT em São Paulo, Genoino perderá a chance de assumir, por exemplo, na eventualidade de o ministro do Esporte, Aldo Rebelo (PCdoB), deixar a pasta e reassumir seu mandato de titular na Câmara. Atualmente, o PT tem 86 deputados, mas a bancada poderá somar 89 deputados, o saldo mais positivo desta mudança. O PSB, um dos partidos que mais cresceu nesta eleição, será a legenda que mais perderá deputados. Seis deputados do partido foram eleitos, mas apenas um suplente da legenda assumirá. A bancada de 31 deputados poderá ser reduzida para 26. O PMDB perderá cinco deputados, mas terá quatro suplentes assumindo vagas pela legenda.

O único deputado do PTC, Edivaldo Holanda Júnior, foi eleito prefeito de São Luís (MA) e nenhum suplente do partido assumirá o mandato. A vaga será preenchida pelo PDT. Já o PMN, com um deputado, receberá mais dois. Um do Rio e outro de Alagoas. Manifesto – Terminada a eleição municipal, o PT deve divulgar amanhã uma manifesto com ataques ao STF. O partido vai exibir um documento no qual endurece a sua posição contra os ministros e os acusa de abandonarem a cultura do direito penal, que garante as liberdades individuais. O motivo são as condenações de petistas no escândalo do Mensalão. Na visão do PT, o julgamento que condenou 25 réus no processo foi politizado pela STF. Como de praxe no partido, sobraram acusações para a mídia, pois os ministros do Supremo julgaram os mensaleiros "sob pressão da mídia". Além de Genoino, o STF condenou José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil, e Delúbio Soares, ex-tesoureiro do partido, por formação de quadrilha e corrupção ativa, mas as penas ainda não foram fixadas pelo tribunal. Para Rui Falcão, presidente do PT, a expectativa é que eles não sejam "condenados a penas privativas de liberdade". Ele negou ainda que a nota do PT irá conter a defesa da regulação da mídia, defendida por Dirceu em seu blog. (Agências)

José Genoino: um dos mais atuantes parlamentares retorna ao Congresso sob o risco de ser preso.

Waldemir Barreto/Ag. Senado

Senador acusa colegas de corrupção e pede faxina

D

a tribuna, o senador Mário Couto (PSDBPA) acusou colegas parlamentares de enriquecerem ilicitamente e de se valerem do mandato para continuar impunes. Sem citar nomes, Couto acusou "muitos políticos", dizendo que "não são poucos os que hoje estão aqui sentados nessas cadeiras milionários e de responderem a 30, a 40, a 50 processos" que não são julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). "Por que o STF não aproveita a grande oportunidade que tem na mão e faz uma limpeza nacional?".

Para o tucano, "não é só o Mensalão que existe no País, existe uma corrupção generalizada", denunciou. Ele sugeriu ainda que o STF fizesse uma auditoria no patrimônio de deputados e senadores para saber de onde "saíram" esses bens. "Comparem, senhores ministros, aproveitem a grande oportunidade que o País está dando, o País quer minimizar a corrupção neste Brasil inteiro". Couto assinalou que "tem senadores donos de dez casas, de jatinhos como o King Air, que é a marca de um avião moderno, que custa alguns

Mário Couto: senador tucano diz que Mensalão é uma pequena parte da corrupção. E que o STF deveria investigar deputados e senadores para ser aplaudido.

milhões", afirmou. "Tem senadores que tem emissoras de televisão, tem jornal, por que fizeram o seu patrimônio com o dinheiro do povo. É nis-

so que o Supremo tem de pôr a mão para a Nação brasileira poder aplaudir o Supremo. O Mensalão é uma pequena parte da corrupção generalizada

Mensaleiro entrega passaporte

neste País", observou Couto, em seu desabafo. O tucano disse ainda que, além dos bens que ele já citou, há senadores que moram em

apartamento e casas luxuosas e que têm "até dez famílias para manter", assegurou. "Tem ainda 50 mil bois no pasto e nunca foram nada na vida. Não têm a menor condição de comprovar o seu patrimônio acima de R$ 100 milhões", revelou o tucano. "Eles estão livres, andando dentro do parlamento, fazendo projetos, perto de todos os outros senadores e quem sabe não olhem para mim", reclamou. Ealertou: "Está escrito na testa: ladrão! Está bem grande: ladrão! E eles não sentem nada! Estão tirando da Nação, tirando do povo". A senadora Lídice da Mata, líder do PSB, exigiu nomes. (Estadão Conteúdo)

Alan Marques/Folhapress – 27.09.05

O advogado Rogério Tolentino se antecipou e encaminhou o documento ao STF. Já Romeu Queiroz, viajou.

O

advogado Rogério Tolentino, ex-sócio de Marcos Valério condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu se antecipar a uma decisão da Corte e entregou ontem o seu passaporte. Ele foi condenado por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção ativa. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, havia solicitado na semana passada ao STF que determinasse a apreensão dos passaportes de todos os 25 condenados no julgamento, para evitar que saíssem do País. O pedido, que está sob segredo de Justiça, chegou ao tribunal na quarta-feira e está no gabinete do relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, que ainda não decidiu sobre a questão. O passaporte de Tolentino foi justamente enviado para o

gabinete de Barbosa, que está na Alemanha para tratamento médico. Férias no Caribe – Já o exdeputado federal Romeu Queiroz (PTB-MG), que vive em Belo Horizonte e também foi condenado por corrupção passiva pelo STF no Mensalão, embarcou de férias, na semana passada, para uma praia no Caribe. Ele viajou com a mulher para celebrar 40 anos de casamento. Segundo Ilda Naves, sogra do exdeputado, ele ficou "muito abalado" com as sentenças do tribunal e resolveu "sair um pouco, ficar longe de tudo isso", disse Ilda, que saiu em defesa do genro. "Ele nem pegou naquele dinheiro", explicou. "A viagem foi um presente que os filhos deram". Queiroz foi condenado pelo crime de corrupção passiva por ter recebido R$ 350 mil do

chamado valerioduto. CPI do Cachoeira – A reunião da CPI do Cachoeira marcada para decidir se os trabalhos seriam prorrogados ou não terminou ontem sem acordo político. A oposição quer prorrogar os trabalhos para continuar as investigações e, especialmente, rastrear a movimentação financeira de empresas ligadas ao esquema montado pelo bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Os aliados, por sua vez, querem no máximo prorrogar os trabalhos para que seja votado o relatório final das investigações. Oficialmente, a CPI encerra as suas atividades no domingo, dia 4. Diante do impasse, uma nova reunião ficou marcada para hoje. O relator da comissão, deputado Odair Cunha (PTMG), afirmou que está com o relatório de conclusão das

investigações pronto para ser votado em plenário. Contudo, ele defende que as apurações sejam prorrogadas por mais 48 dias para que se faça um debate sobre o texto e que vá para votação. A oposição, porém, continua batendo na mesma tecla e cobra a prorrogação por mais 180 dias. Alegam que somente com esse novo prazo será possível avançar nas investigações sobre a movimentação financeira do esquema montado por Cachoeira com a empreiteira Delta. Seja para finalizar ou prorrogar a CPI, serão necessários os votos de 171 deputados e 27 senadores. Cunha disse que no caso do seu pedido, de 48 dias, ele já tem 150 assinaturas de deputados. Já o senador Randolfe Rodrigues (PSolAP), que sugere 180 dias, diz que tem o apoio de 35 senadores. (Agências)

Rogério Tolentino: condenado por três crimes, mas sem saber a pena.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Há notícias críveis de que a comunidade indígena Pyelito Kue resistirá até a morte à eventual ordem de desocupação. Desembargadora Cecília Mello (TRF)

olítica

Valter Campanato/ABr -

TCU sugere bloqueio de 22 obras federais

O

Tribunal de Contas da União (TCU) vai sugerir ao Congresso Nacional que bloqueie recursos destinados a 22 obras com recursos federais no ano que vem. A quantidade foi decidida após a fiscalização, este ano, de 514 projetos de obras federais no País. Segundo o TCU, essas 22 obras têm problemas como sobrepreço, projetos mal realizados e licitações suspeitas de direcionamento. A sugestão do TCU de bloquear obras é prevista na lei orçamentária anual desde a década de 90. O Congresso pode ou não manter o bloqueio durante a votação do orçamento. Desde 2010, o Congresso vem modificando a lei para flexibilizar o bloqueio. Em 2011, das 26 obras apontadas pelo TCU, o Congresso só manteve 6 bloqueadas. Por isso, a maioria das obras que o TCU sugere que não recebam recursos em 2013 já estavam na lista de 2012 enviada ao Congresso. Entre elas, estão projetos problemáticos como a BR-101 no Nordeste e a Ferrovia Norte-Sul. Outra obra que foi mantida no bloqueio é a Refinaria Abreu Lima (PE), da Petrobras. Segundo o órgão, no projeto de R$ 25 bilhões, seis contratos (que somam R$ 12 bilhões) têm indícios de sobrepreço.

Devolução – Na segundafeira, o TCU determinou que a Secretaria de Saúde do Distrito Federal devolva R$ 8,3 milhões ao governo federal. Para o tribunal, recursos financeiros do Sistema Único de Saúde (SUS) teriam sido gastos ilegalmente em internações de pacientes em um hospital da rede particular do DF entre 2004 e 2005. O TCU afirma que 64% dos pacientes encaminhados a UTIs da rede privada do DF, de janeiro de 2004 a abril de 2005, foram para o Hospital Sta. Juliana. Em outra análise, o tribunal descobriu que, de junho a outubro de 2004, foram gastos R$ 802,3 mil com UTIs particulares no DF e que 98,63% desse valor foram para o Hospital Sta. Juliana. Este hospital não era habilitado, a contratação da unidade ocorreu sem licitação e não há comprovante dos pagamentos, afirma o TCU. A Secretaria de Saúde disse que vai devolver o dinheiro todo ao governo federal. "Esse ressarcimento deverá ser feito com recursos da nossa arrecadação do DF. Nós vamos cumprir essa decisão. Iniciaremos este ano e terminaríamos no exercício de 2013, mas vamos cumprir no que diz respeito à parte orçamentária", afirmou o diretor do Fundo de Saúde do DF, José Menezes Neto. (Agências)

Alfredo Risk/Estadão Conteúdo - 28.10.12

Dárcy Vera (PSD) : reeleita com 155.265 votos (51,97%).

Ribeirão Preto, campeã em abstenções em SP

T

Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apontam Ribeirão Preto como a cidade no Estado de São Paulo que registrou o maior índice de abstenções durante o segundo turno das eleições deste ano. No município deixaram de votar 92.561 pessoas, gerando um índice de 22,07% do eleitorado ribeirão-pretano, que ao todo é de 419 mil pessoas, informa o portal G1. A cidade ficou em quinta posição no País, que teve em média índice de 20%. A frente de Ribeirão ficaram Nova Iguaçu (RJ) onde 127.672 faltaram à votação, um índice de 22,74% do eleitorado; seguida por Petrópolis (RJ), com 54.480 ausências – 22,57%; Belford Roxo (RJ) com 70.097 faltas – 22,32%; e São Gonçalo (RJ), com 146.974 que deixaram de votar, equivalente a 22,09%. Descrença – Para o sociólogo Ubaldo Silveira, ouvido pelo portal, a atitude de não ir votar pode significar

um desinteresse motivado pelo atual cenário da política do país. "Há sempre um desinteresse, porque o número é muito significativo. É preciso fazer um estudo para ver se o eleitor está rejeitando os candidatos ou se isso é reflexo da situação política do país e o eleitor está descontente, mas que é um fenômeno altamente significativo, isso é", afirma. Silveira aponta também como possíveis razões para o desânimo do eleitor episódios como o aumento salarial dos vereadores – fixados em R$ 10,95 mil a partir de 2013, depois de protesto popular."Os políticos não estão respondendo às aspirações populares, então a forma de dizer não é não indo votar ou votando branco ou nulo", conclui. A cidade reelegeu a prefeita Dárcy Vera (PSD) com 155.265 votos (51,97%). Anularam o voto 20.062 pessoas (6,14%) e votaram em branco 8.031 (2,46%).

Inconformismo: André Puccinelli, governador do MS, pede tratamento igualitário ao que for concedido ao prefeito petista eleito em São Paulo, Fernando Haddad.

Royalties: governadores pedem pressa e ameaçam motim Eles reclamam contra favorecimento a São Paulo e prevêem um "amotinamento geral" caso isso se confirme

O

governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, deixou ontem a presidente Dilma Rousseff numa saia justa, ao defender que as medidas que vierem a ser adotadas para favorecer o recém-eleito prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, devem se estender também aos demais municípios e Estados. Se houver tratamento diferenciado, Puccinelli prevê que haverá um "amotinamento geral" por parte dos gestores desprestigiados. No dia seguinte à sua eleição, Haddad obteve da presidente Dilma a promessa de renegociar a dívida de São Paulo com a União. "A ajuda à prefeitura de São Paulo deve ser estendida a todas as demais. Senão haverá amotinamento geral", prevê o Puccinelli. Ele cita a situação de Alagoas, Amazonas, Pernambuco e de seu estado como exemplos igualmente merecedores dos benefícios do governo federal. "É uma questão de cidadania, é uma questão de Federação. Ou somos uma Nação confederada ou somos os outros", defendeu, após falar com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), sobre matérias que tramitam no Congresso, como a divisão dos royalties do petróleo e a partilha do Fundo de Participa-

ção dos Estados (FPE). "Vie- devem ser revistos os critérios mos suplicar que a mãe olhe da Lei Kandir, a distribuição do para todos os filhos". FPE "da forma como a ConstiO governador afirmou, iro- tuição determinou" e a divisão nicamente, que gostaria de dos royalties do petróleo para ser o prefeito petista, eleito todos os estados. com o apoio de Dilma e do exAo lado de governadores de presidente Luiz Inácio Lula da Estados do Nordeste e do CenSilva. "Eu gostaria de ser o pre- tro-Oeste, ele esteve ontem feito de SP, estou com inveja, no Senado para pedir ao presicom ciúme do prefeito". Ele dente José Sarney (PMDB-AP) disse entender o interesse do que acelere o processo de voE x e c u t i v o e m a t e n d e r a tação do projeto de lei que al"quem queira mais". tera as regras do FPE (Fundo "Mas tem de Participade dar o básição dos Estaco para que dos) e a proestados e muposta que É uma questão de nicípios não t r a t a d a r emorram de d is t ri bu i çã o cidadania, é uma fome, tem de dos royalties questão de ter para todos do petróleo Federação. Ou e não está (ainda em somos uma Nação ocorrendo tramitação confederada ou para todos na Câmara). em igualdade A intenção do somos os outros. de condição". presidente ANDRÉ PUCCINELLI Filiado ao da Câmara, PMDB, maior Marco Maia partido de sustentação do go- (PT-RS), é iniciar a votação dos verno, o governador de Mato royalties nesta semana. Grosso do Sul disse que a atenVontade – Outro que esteve ção aos entes federativos não pouco antes com Sarney para pode ser tratada como ques- tratar de assuntos específicos tão partidária. e desses em particular foi o go"Não existe partido para dar vernador do Piauí, Wilson Mareducação, saúde, educação e tins (PSB). Sobre as novas resegurança para uns brasilei- gras para o FPE, ele julgou imros, sim, e pra outros, não. É portante que o Senado mantesuprapartidário". Além da re- nha no texto repasses maiores negociação da dívida dos es- aos Estados mais pobres. "Patados, Puccinelli entende que r a a p r o v a r a m a t é r i a [ e m

2012] só precisa querer e ter um entendimento", destacou Martins. O governador piauiense acrescentou que as articulações do Congresso sobre a matéria devem ter como aliado o governo federal, principalmente a presidente Dilma. Ele disse ainda que o Senado e a Câmara têm que priorizar as mudanças nas regras do FPE, determinadas pelo Supremo Tribunal Federal, sob pena de os Estados deixarem de receber os repasses constitucionais a partir de 2013. Pressa – O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, disse que só um crescimento sustentado da economia entre 3% e 4% ao ano vai garantir a melhoria das condições financeiras dos Estados e da sociedade como um todo. Ele também esteve com o presidente do Senado e pediu pressa na votação da medida provisória que cria mecanismos para reduzir o valor da conta de energia elétrica ao consumidor. "Sem um crescimento permanente da economia vai faltar pão para todo mundo, não só para os governadores", comentou Paulo Skaff, ao tomar conhecimento das reivindicações feitas pelos governadores Wilson Martins e André Puccinelli. (Agências)

Decidido: índios ficam na fazenda. Justiça federal libera a permanência de índios guarani-kaiowá numa área de 10 mil metros quadrados no MS

Í

ndios guarani-kaiowá estão liberados para permanecer numa área de 10 mil metros quadrados no sul Mato Grosso do Sul que é objeto de um processo de reintegração de posse. Uma decisão tomada ontem pela desembargadora Cecilia Mello, do Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª. Região, garante à comunidade o direito de ficar no local até que

Ed Ferreira/Estadão Conteúdo

sejam concluídos os trabalhos de delimitação e demarcação das terras disputadas pelos índios e fazendeiros. "O caso dos autos reflete, de um lado, o drama dos índios integrantes da comunidade indígena Pyelito Kue que, assim como outros tantos silvícolas brasileiros, almejam de há muito a demarcação de suas terras. E, de outro lado, o dra-

ma não menos significativo daqueles que hoje ocupam terras supostamente indígenas que, na maioria das vezes, adquiriram a propriedade ou foram imitidos na posse de forma lícita e lá se estabeleceram", afirmou a desembargadora na decisão. "Os indígenas se encontram em situação de penúria e de falta de assistência e, em razão do vínculo que mantêm com a terra que creem ser sua, colocam a própria vida em risco e como escudo para a defesa de sua cultura. Dessa forma, há notícias críveis de que a comunidade indígena Pyelito Kue resistirá até a morte à eventual ordem de desocupação", acrescentou a desembargadora. Segundo ela, a situação reflete a "total ausência de pro-

Pacificação: os ministros Maria do Rosário e José Eduardo Cardozo ouvem queixas dos índios.

vidências" por parte do poder público relativas à demarcação das terras. "A inércia do poder público e a morosidade do procedimento administrativo contribuem para provocar tensões e conflitos entre índios e fazendeiros, restando ao Poder Judiciário responder ao embate apresentado", disse Cecilia Mello Na segunda-feira, a viceprocuradora-geral da República, Deborah Duprat, tinha recebido um grupo de índios guarani-kaiowá. O assunto do encontro foi a decisão da Justiça que tinha determinado a desocupação da área na qual vivem os indígenas. Ontem, o ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo, e da Secretaria dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, estiveram reunidos com os representantes de índios da região, em Brasília, para acompanhar de perto a decisão sobre o conflito e os seus desdobramentos na comunidade. (Estadão Conteúdo)


p Haddad já articula com Alckmin e Kassab DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

7

Lula foi realmente extraordinário. Ele teve ousadia e coragem (ao impor Haddad). Marta Suplicy (PT), ministra da Cultura.

olítica

Prefeito eleito esteve ontem no Palácio dos Bandeirantes, pela manhã, e à tarde se encontrou com o atual prefeito, Gilberto Kassab, para tratar do governo de transição .

O

prefeito eleito de ontem, em nota à imprensa, São Paulo, Fernan- que manterá a atuação condo Haddad (PT), e o junta na próxima legislatura atual prefeito, Gil- em apoio à gestão Haddad. berto Kassab (PSD), se reuniO PSB já fazia parte da coliram na tarde de ontem para gação que elegeu Haddad. Já o dar início ao processo de tran- PSD, partido de Gilberto Kassição das gestões. sab, fazia parte da coligação Em encontro na sede da ad- de Serra. A nota é assinada por ministração municipal, Kas- oito vereadores do PSD e três sab e Haddad formalizaram as vereadores do PSB. equipes que participarão do Urgências – De manhã, Hadprocesso responsável pela dad se encontrou com o govercontinuidade dos projetos. nador Geraldo Alckmin (PSDB) Haddad se mostrou preocu- e informou que, assim que topado em garantir a continui- mar posse, no dia 1º de janeidade das ações municipais: ro, encaminhará à Câmara "Queremos promover uma Municipal dois projetos urgenpassagem de governo com to- tes para a cidade: o fim da taxa da a tranquilidade, sem ne- da inspeção veicular e a crianhum tipo de solavanco". ção do Bilhete Único Mensal. Kassab anunciou que colo"Vou fazer isso na primeira cou toda a sua equipe à dispo- hora e, assim que os vereadosição de Haddad para passar res tomarem posse, irão recein fo rma çõ es ber essas mide todas as nhas duas áreas da adpromessas m in i s tr a çã o d e c a m p aHaddad é municipal. nha. Pedirecapacitado, O prefeito mos urgência ainda oferen e s s a v o t ainteligente, de boa ceu uma sala ção". formação moral e no prédio da Haddad fatécnica. São Paulo Prefeitura palou também com certeza estará ra Haddad, s o b r e o a uque informou mento da onem ótimas mãos. pretender da de violênGILBERTO KASSAB concentrar cia na cidade. suas ações " P r e t e n d enesse período em um escritó- mos colaborar com o governo rio cedido pela Caixa Econô- do estado, agindo complemica Federal, na Praça da Sé. mentarmente para ajudar na Kassab fez elogios a Had- segurança pública, por exemdad: "capacitado, inteligente, plo, através do sistema de vide boa formação moral e téc- deomonitoramento de imanica". "São Paulo com certeza gens e de programas sociais estará em ótimas mãos", afir- para a juventude nos bairros mou o prefeito, que apoiou Jo- mais vulneráveis". sé Serra (PSDB) à Prefeitura. Parceria – Depois do enconO próximo encontro da equi- tro de meia hora com o goverpe de Haddad com o grupo da nador, Haddad informou que a equipe atual, que será chefia- nova gestão municipal formado por Nelson Hervey, secre- rá, com o governo estadual, tário de governo de Kassab, um grupo de trabalho para esestá marcado para a próxima tudar as parcerias vigentes quinta-feira. Serão repassa- entre as duas esferas de poder dos dados sobre a situação fi- e a possibilidade de novos pronanceira da Prefeitura, con- jetos em conjunto: "Recebi detratos vigentes e processos de le o sinal verde para constituir licitações em andamento. um grupo para estudar novas Apoio assegurado – A banca- possibilidades de investimenda formada por vereadores to do governo do estado na cieleitos do PSB e PSD anunciou dade e também de apoio às ini-

Marcio Fernandes/Estadão Conteúdo

Marcos Bezerra/Estadão Conteúdo

Cortesia e continuidade: prefeito eleito Fernando Haddad vai ao governador Geraldo Alckmin (acima) e ao atual prefeito, Gilberto Kassab, e discute com eles parcerias para projetos na cidade.

ciativas da prefeitura". Segundo Haddad, foram discutidos temas como a construção de novas creches para atender a um déficit de 145 mil vagas na capital e parcerias nas obras de ampliação do sistema metroviário: "É um desafio muito grande. Não vamos dispensar ajuda nem do governo federal nem do estadual". Alckmin se colocou à disposição para trabalhar em conjunto com o novo governo municipal na saúde, educação, transporte, segurança e macrodrenagem: "Se Deus quiser, vamos estar juntos em benefício da população".

Dilma – Haddad lembrou as parcerias que implementará com o governo federal, da correligionária Dilma Rousseff. "O tema da habitação já foi

negociado com a presidente Dilma e ela tem todo interesse que o projeto Minha Casa, Minha Vida atue com força total em São Paulo".

"Vamos trazer qualidade de vida à população com parcerias entre os três níveis de governo (municipal, estadual e federal)". (Estadão Conteúdo)

Marta diz que teria ganho mais facilmente Ministra comenta que Lula optou pelo caminho mais difícil ao preterí-la e dar lugar a Fernando Haddad, mas conclui que ex-presidente teve "tirocínio político".

A

ministra da Cultura, Marta Suplicy, reconheceu que, após a vitória de Fernando Haddad para a Prefeitura de São Paulo, vai ser ainda mais difícil contrariar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dentro do PT. Marta afirmou que Lula teve "tirocínio político" ao escolher Haddad como candidato em vez dela própria. "Acho que sempre foi muito difícil contrariar o presidente Lula. Não lembro de muita gente ter contrariado e, depois disso, as pessoas vão pensar duas vezes. A capacidade e a visão política que ele Alan Marques/Folhapress

tem são muito grandes. Nós temos sorte no PT de termos um quadro fora do normal, ele reconstruiu o partido com esse gesto que fez". Ela disse que poderia ter vencido a eleição em São Paulo com mais facilidade que Haddad, mas que Lula acertou ao apostar na renovação do partido. "Eu acredito que o presidente Lula teve um tirocínio político raro. Ele foi realmente extraordinário. A escolha mais fácil era a minha, e poderia ter ganho, talvez em uma situação mais fácil, mas ele escolheu a forma mais difícil, mas era a mais certa, a renovação". Para Marta, Lula te-

ve "ousadia e coragem". Palpites– A ministra também afirmou que Haddad deve montar sua equipe ouvindo poucas pessoas: "Acho que tem de ser com o mínimo possível de gente palpitando". E acredita que ele vai inovar na escolha de seu secretariado e que tem plenas condições de formar um bom time. Para ela, a campanha e a trajetória de Haddad vão ajudar ao montar o secretariado. "Acho que nesse período que ele teve de preparo para a prefeitura, de conhecimento dos quadros do PT e de outros quadros que já conhecida do ministério e de sua formação

Nós temos sorte no PT de termos um quadro fora do normal. Ele [Lula] reconstruiu o partido com esse gesto que fez. MARTA SUPLICY acadêmica, ele já tem condições de fazer um bom secretariado, e vai inovar bastante". Projetos – De manhã, Marta esteve no Senado para pedir apoio dos parlamentares a projetos da pasta, que assumiu há pouco mais de um mês. Como prioridades, ela apontou o Procultura – substituto da Lei Rouanet –, o Vale Cultura e a nova Lei de Direitos Autorais, que precisa ser enviada pelo ministério ao Congresso. Os três projetos têm que ser aprovados primeiramente na Câmara. O Procultura deve ser votado ainda este ano e em seguida, enviado ao Senado. A ministra pediu que o presidente da Casa, José Sarney, relate o projeto. Pediu também que os senadores retomem e apro-

Marta: " Acho que sempre foi muito difícil contrariar o presidente Lula. A capacidade e a visão política que ele tem são muito grandes".

vem o texto do Vale Cultura – originalmente enviado ao Congresso, que prevê concessão de R$ 50 mensais para gastar em cultura quem ganha até 5 salários mínimos. O gasto do empregador seria reembolsado pelo governo via renúncia fiscal. A ministra mencionou ainda a implantação de 360 CEUs (Centros Educacionais Unificados) da cultura e esporte no País, projeto que, segundo ela, Dilma quer transformar em "marca" de sua gestão. Emendas – Marta pediu aos senadores destinarem mais emendas a projetos culturais, com foco principalmente nos Pontos de Cultura, questão criticada na gestão de sua an-

tecessora, Ana de Hollanda. As emendas, junto com o dinheiro destinado à Rouanet, duplicaram o orçamento do ministério este ano. Marta criticou a execução dos projetos financiados pelas emendas e prometeu criar força tarefa para resolver o problema. Outro ponto apontado como prioritário é o equilíbrio entre direitos autorais e cultura digital. "O criador tem todo o direito de viver de sua arte, mas a obra também precisa estar no mundo. O grande desafio é como compensar o autor que tem seu trabalho exposto na internet, para que ele não seja vilipendiado. Estamos no século 21, não tem mais volta", afirmou a ministra. (Agências)

Banco Bradesco S.A. CNPJ n o 60.746.948/0001-12 - NIRE 35.300.027.795 Ata da Reunião Extraordinária no 1.946, do Conselho de Administração, realizada em 5.9.2012 Aos 5 dias do mês de setembro de 2012, às 17h, na sede social, Cidade de Deus, 4o andar do Prédio Vermelho, Vila Yara, Osasco, SP, reuniram-se os membros do Conselho de Administração sob a presidência do senhor Lázaro de Mello Brandão. Durante a reunião, os senhores Conselheiros deliberaram registrar o desligamento do senhor Renan Mascarenhas Carmo, ao cargo de Diretor da Sociedade, ocorrido nesta data. Nada mais foi tratado, encerrando-se a reunião e lavrando-se esta Ata que os Conselheiros presentes assinam. aa) Lázaro de Mello Brandão, Antônio Bornia, João Aguiar Alvarez, Denise Aguiar Alvarez, Luiz Carlos Trabuco Cappi e Milton Matsumoto. Declaramos para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. Banco Bradesco S.A. aa) José Alcides Munhoz - Diretor VicePresidente e Alexandre da Silva Glüher - Diretor Executivo Gerente. Certidão: Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob número 447.730/12-5, em 11.10.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

ARGENTINA Cristina Kirchner sofre novo quadro de hipotensão e cancela agenda

nternacional

BAHREIN Governo proíbe protestos e comícios em meio à onda de violência

Gary He/Reuters

NOVA YORK APAGADA

Adam Hunger/Reuters

Sandy deixa rastro de destruição G 48 mortos nos EUA e 1 morto no Canadá G 8 milhões de pessoas sem energia elétrica G Prejuízos financeiros de até US$ 50 bilhões G 15 mil voos cancelados G Ondas de 4,2 metros de altura em Nova York G Estações de metrô fechadas até o final de semana G 260 pacientes retirados de um hospital G Até 100 moradias destruídas em Queens G 1 usina nuclear paralisada

U

ma das mais devastadoras tempestades a atingir a Costa Leste dos Estados Unidos deixou um saldo de pelo menos 48 mortos em oito Estados, cidades inundadas, 8 milhões de pessoas sem energia elétrica, transporte público paralisado, incêndios e um prejuízo financeiro que pode chegar a US$ 50 bilhões. Enfraquecido, mas ainda devastador, Sandy avançou para o interior e chegou ontem ao Canadá, onde uma pessoa morreu. Sandy, que chegou à costa dos EUA na noite de segunda-feira, com ventos semelhantes aos de um furacão, foi a maior tempestade a atingir o país em várias gerações. Como um ciclone pós-tropical, Sandy causou os maiores danos do metrô de Nova York em seus 108 anos de história. A tempestade provocou uma ressaca recorde em Manhattan, alcançando 4,2 metros. Estações e túneis ficaram inundados. Estima-se Está além de que os trens só voltem a funcionar em até quatro dias. tudo o que Com a ausência do metrô, eu poderia os ônibus da cidade voltaram imaginar. a circular às 17h locais de ontem, sem cobrar passagem. É uma Escolas públicas contipaisagem de nuarão fechadas hoje pelo devastação. terceiro dia, assim como toCHRIS CHRISTIE dos os parques da cidade. A parte sul de Manhattan ficou sem luz e internet – nem o sinal de telefone celular funcionava. Carros boiavam em Wall Street e no East Village. Cerca de 260 pacientes de um hospital da cidade tiveram de ser retirados às pressas depois que a água começou a invadir o prédio. Um incêndio de grandes proporções atingiu Breezy Point, no subúrbio nova-iorquino do Queens, durante a madrugada de ontem. Entre 80 e 100 moradias foram destruídas. Pelo menos 15 mil voos foram cancelados. Os aeroportos Liberty e LaGuardia, que atendem Nova York, deverão ficar fechados até quinta-feira, mas o aeroporto JFK poderá reabrir hoje. Em Nova Jersey, um dos Estados mais afetados e onde o Sandy primeiro tocou o solo norte-americano, cidades alagaram depois de as ondas do mar romperem uma barreira. "Está além de tudo o que eu poderia imaginar. É uma paisagem de devastação" disse o governador de Nova Jersey, Chris Christie, referindo-se ao litoral, onde as águas arrancaram os trilhos de ferrovias e paralisaram um reator nuclear. Na tarde de ontem, Sandy passou pelo Estado da Pensilvânia, e chegou ao Canadá. O ciclone derrubou árvores e postes de luz em algumas das províncias mais populosas, e inicialmente, mais de 150 mil pessoas ficaram sem energia. Uma mulher morreu, atingida por um cartaz carregado pelos fortes ventos. (Agências)

Adrees Latif/Reuters

'Nunca gastei tão pouco em Nova York'

S

Carros boiam em estacionamento em Wall Street. A parte sul de Manhattan foi uma das mais atingidas pelo Sandy. Hiroko Masuike/NYT

A estação de trem Grand Central, em Nova York, permanece deserta com a paralisação dos serviços de transporte público.

em poder fazer compras, com as principais lojas fechadas, a impressão é de que o número de brasileiros nas imediações da Times Square era maior que o normal. "Não conseguimos fazer nem uma comprinha na Apple", lamentou a funcionária pública brasiliense Emília Silva, que foi para a loja no domingo à tarde. Na mesma hora os funcionários estavam sendo dispensados. "Viemos para celebrar o aniversário da Emília, para fazer compras e ver peças na Broadway e não conseguimos fazer nada", disse outra amiga, Claudia Figueiredo. A agente de turismo carioca Vania Pimentel trouxe os dois filhos para visitar a cidade pela segunda vez, mas ficaram boa parte do tempo no hotel. "Ainda estamos assustados, sem saber se nosso voo no fim de semana será adiado, mas pelo menos estamos seguros". Como os outros turistas, os três não se animaram a ir para o sul da ilha. "Ouvimos que está alagado e sem luz, melhor ficar ao redor de Times Square." O consultor financeiro Francisco Holanda, de Fortaleza, até sabia do furacão, mas não contou à mulher, nem à filha, para "não assustá-las". Os três iriam ver o espetáculo "O rei leão" na Broadway, cancelado por conta de Sandy. "A família está desesperada no Brasil, então estamos no Skype todo dia e mandando fotos para dizermos que estamos bem", disse. Conseguiram dar uma volta pela Estátua da Liberdade no domingo, "mesmo com aquele vento todo". Enquanto a filha, a dentista Liana Holanda, reclamava de não poder fazer compras, o pai comemorava. "As duas não conseguem comprar nada, nunca gastei tão pouco em Nova York", brincou. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

9 Não há desculpa para inação. Faremos todo o possível, o quanto antes. Presidente Barack Obama

nternacional Robert Stolarik/NYT

Telefonem para mim, diz Obama. Governadores de Estados atingidos por Sandy podem ligar pessoalmente ao presidente para pedir ajuda

O

presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse ontem aos governadores de Estados afetados pela passagem do furacão Sandy que podem ligar para ele diretamente caso recebam um "não" de alguma entidade federal durante o esforço de apoio às vítimas. "Telefonem para mim, pessoalmente, na Casa Branca", disse Obama, durante discurso na sede da Cruz Vermelha, em Washington, ressaltando que não pode haver "limite nem burocracia" neste momento. "Não há desculpa para inação. Faremos todo o possível, o quanto antes", afirmou ele, citando o Estado de Nova Jersey – onde 89% da população está sem abastecimento de energia elétrica – e o sul da ilha de Manhattan, em Nova York, como duas das regiões mais afetadas. Obama parabenizou os trabalhos de socorro durante a madrugada, em especial as equipes de um hospital de Nova York que precisou ser esvaziado às pressas. "Na escuridão da tempestade, vimos o que há de mais brilhante nos EUA." O democrata, que concorre à reeleição contra o republicano Mitt Romney no próximo dia 6, cancelou todos os seus eventos de campanha agendados para hoje. Este é o terceiro dia consecutivo em que o presidente cancela compromissos para se dedicar ao socorro às vítimas do Sandy. Já Romney retomará hoje a sua campanha, com eventos na Flórida. Ontem, ele transformou um comício, na cidade de Kettering, em Ohio, em um evento de arrecadação de alimentos. Durante o ato, ele seguiu aceitando doações dos presentes e ignorou as reiteradas perguntas da imprensa sobre sua opinião em relação à agência federal encarregada das situações de crise (FEMA, na sigla em inglês), da qual queria reduzir o orçamento em 2011. (Folhapress)

Brian Snyder/Reuters

Obama promete ajuda imediata às vítimas, como os moradores de Nova York afetados por incêndio (acima). Já Romney participa de ato de arrecadação de alimentos em Ohio (à esq.).

General sírio é morto por rebeldes Atentado a oficial da Força Aérea seria uma retaliação contra os pesados bombardeios de caças

U

m general da Força Aérea da Síria foi morto ontem em um subúrbio da capital Damasco, de acordo com a televisão estatal do país. O ataque foi classificado como "terrorista" pela emissora, que não informou quando o incidente teria ocorrido, embora a morte do general possa ser uma retaliação contra os pesados bombardeios desfechados nos últimos dias por caças da Síria contra alvos insurgentes no país. O Exército Livre da Síria, o maior e mais organizado dos grupos rebeldes, assumiu a autoria do atentado contra o general Abdullah Mahmoud alKhalidi, acrescentando que tinha matado um outro oficial da Força Aérea na mesma ação. O general era integrante do comando da Força Aérea síria, disse uma fonte das forças de segurança para a agência France Presse. Ele foi baleado e morto quando saiu da casa de um amigo, disse o oficial, que pediu anonimato. Segundo a emissora síria, o general era um "especialista em sua disciplina". Desde julho, caças e helicópteros desempenham papel-chave na guerra contra os rebeldes. Al-Khalidi está entre os mortos mais poderosos do conflito na Síria. Antes dele, em julho, os rebeldes já haviam matado o ministro da Defesa, Assef Shawkat, cunhado do presidente Bashar al-Assad. 'Extermínio' - O primeiro-ministro do Catar, o xeque Hamad bin Jassim Al Thani, acusou o governo de Assad de conduzir uma "guerra de extermínio" contra o próprio povo. Segundo ele, o que acontece na Síria é uma "licença para matar, endossada em primeiro lugar pelo governo sírio e em segundo lugar pela comunidade internacional", disse Al Thani à rede Al Jazeera. (Agências)

Shaam/Reuters Cinetext/Brai

npix/AE

Arafat foi envenenado? Asmaa Waguih/Reuters

O Ataques aéreos atingem prédios em Marat al-Numan (acima). Curiosos, moradores conversam com rebelde em Haram (à esq.).

corpo do histórico líder palestino Yasser Arafat será exumado em Ramallah no final de novembro, declarou ontem à agência E FE o advogado de sua viúva, Suha Arafat, que solicitou essa medida após a descoberta de indícios de que o mesmo poderia ter sido envenenado. O advogado Pierre-Olivier Sur também confirmou que juízes franceses já deram sinal verde à exumação e que uma equipe de investigadores franceses viajará até a Cisjordânia para articular esse processo. A viúva de Arafat pediu a exumação do corpo do ex-líder palestino em julho, após o canal Al Jazeera ter divulgado que a morte do antigo líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), em 2004, poderia ter sido causada pelo envenenamento com polônio-210, uma substância altamente radioativa e encontrada em seus objetos pessoais. A descoberta do canal catariano, confirmada por um laboratório suíço, reacendeu os rumores de que o líder palestino tenha sido envenenado. A causa imediata de sua morte foi um derrame. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

quarta-feira, 31 de outubro de 2012 Tonny Campos/Futura Press/Estadão Conteúdo

CERCO MANTIDO A PM manteve ontem a operação de saturação na Favela de Paraisópolis, na zona sul da cidade. Em dois dias de cerco foram apreendidas drogas, armas e munições. Ao todo, já foram presas oito pessoas suspeitas de ligações com o PCC.

idades

Crimes: governo oferece ajuda a SP e diz que não é hora de disputas políticas.

Elisa Rodrigues/Estadão Conteúdo

Oferta foi feita em carta do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que ainda não teria chegado ao governador Geraldo Alckmin. Secretário de Segurança nega ter recebido qualquer oferta e diz que ministro falta à verdade.

E

m carta ao governador Geraldo Alckmin, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, reiterou oferta de ajuda ao governo estadual no combate à onda de violência desencadeada por grupos criminosos no Estado, mas afirmou que o governo federal "não é mero repassador de recursos" para ações isoladas sem planejamento estratégico. "Passou a época em que a segurança pública era disputa de mocinhos e bandidos. As ações têm de ser integradas, envolvendo União, Estados e municípios", disse ele. Ontem à tarde, o governo do Estado distribuiu nota na qual afirma não ter recebido ofício do Ministério da Justiça. "Assim que o receber, adotará todas as providências para intensificar a cooperação no combate ao crime, inclusive no intercâmbio de informações para o aperfeiçoamento do controle das fronteiras", diz a nota. Segundo Alckmin, "toda colaboração do governo federal na Segurança Pública é bem-vinda". Na carta ao governador, Cardozo insistiu que tem oferecido ajuda federal para o governo local debelar a onda de ataques de criminosos, inclusive na última reunião, em junho passado, com o secretário de segurança paulista, Antônio Ferreira Pinto, ocasião em que as questões de inteligência foram debatidas. O ministro reiterou a oferta de vagas nos presídios federais de segurança máxima para isolar os líderes da organização, que estariam comandando atentados de dentro das celas e o emprego de toda a estrutura de inteligência do governo federal. Grupo de trabalho - Cardozo também propôs a criação de um grupo de trabalho comum entre tropas da União (entre elas a Polícia Federal e a Força Nacional de Segurança Pública) e as de São Paulo. Mas deixou claro que não mandará recursos descolados de planejamento estratégico, como o que foi negociado com os governos do Rio de Janeiro em 2010 e o de Alagoas, este ano. "Diante do elevado padrão orçamentário desse Estado, nossa intenção não é que o governo federal compareça como mero repassador de recursos para o atendimento de despesas ordinárias dos órgãos de segurança", afirmou.

Diogo Moreira/Frame/Estadão Conteúdo

No Centro Velho, termômetro chegou a marcar 38°C: calor recorde.

Policiais militares fazem revistas em vários pontos da Favela de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo. O ministro informou ainda que a ajuda depende de que as partes sentem-se à mesa, resolvam diferenças de concepções e cheguem a um acordo. "Não é nossa intenção arcar com investimentos que possam ser custeados diretamente pelos cofres estaduais a partir de uma política própria de priorização orçamentária", enfatizou. A carta é o último capítulo de um bate boca público alimentado nos últimos dias pelo secretário de Segurança paulista, que acusa o ministro de "faltar à verdade" quando diz que ofereceu ajuda a São Paulo. Secretário - O secretário Ferreira Pinto negou ontem que o governo federal tenha oferecido ajuda para combater a escalada da violência em São Paulo. O secretário, porém, afirmou que a visita de Cardozo a São Paulo, durante reunião realizada em junho, foi apenas "de cortesia". "Se o governo quiser ajudar pode ajudar com o setor de inteligência, mas isso a polícia de São Paulo já tem. O que o governo federal pode oferecer? A Polícia Federal tem 10 mil homens para todo o País, enquanto a Polícia Civil de São Paulo tem 30 mil homens." Somar esforços - Car do zo disse que não vai alimentar polêmicas inúteis e espera que Alckmin ponha fim à animosidade de sua equipe, em nome dos interesses do povo paulista. "Não é hora de trazer disputas políticas à tona, mas

de somar esforços no combate ao crime". O diálogo com Pinto, todavia, ficou azedo porque ele deixou nas autoridades federais uma imagem ruim em relação ao combate ao crime organizado. Fronteiras - A resposta do ministro, que resultou em nota oficial divulgada na noite de ontem, decorre também da afirmação de autoridades paulistas, que atribuem a responsabilidade pela violência no Estado ao governo federal, por suposta falta de fiscalização nas fronteiras. "É inaceitável, além de inverídica, a afirmação de que a elevação da violência em São Paulo deriva do descontrole nas fronteiras", disse Cardozo. Ele disse que a intenção do governo federal "é a atuação conjunta das forças e órgãos federais com todos os órgãos estaduais que desenvolvam ações e programas na área de segurança". Essa atuação conjunta, segundo ele, deve nascer de "um plano de ação predefinido, fundado no compartilhamento aprofundado de informações na área de inteligência policial, bem como na análise de técnicos e especialistas". Paraisópolis - Mais três pessoas foram presas entre a noite de anteontem e a madrugada de ontem durante a operação da PM na Favela de Paraisópolis, subindo para para oito os detidos. Entre eles está Rafael, o Rafa, tido como um dos "donos" de Paraisópolis. (Estadão Conteúdo e Folhapress)

Dois morrem em novo confronto

D

ois suspeitos morr e r a m e m c o nfrontos com a PM e um ônibus foi incendiado na zona leste entre a noite de segunda-feira e a madrugada de ontem. O primeiro caso ocorreu no Itaim Paulista. PMs desconfiaram de dois suspeitos em uma moto na avenida Marechal Tito e iniciaram uma perseguição. Depois de trocar tiros, segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, um dos homens foi baleado e morreu. O comparsa conseguiu fugir. Por volta da 0h30 da madrugada de ontem, outro suspeito foi morto pela polícia na Vila Nova Curuçá. De acordo com a secretaria, dois homens parados em uma moto em frente a uma padaria chamaram a atenção do dono do estabelecimento, que ligou para o 190. Ao perceber a chegada dos PMs, a dupla tentou fugir. O condutor da moto perdeu o controle do veículo. O garupa foi baleado e morreu. O condutor fugiu. (Estadão Conteúdo)

Capital enfrenta o dia mais quente do ano

A

cidade de São Paulo enfrentou ontem o dia mais quente do ano e o quarto da história das medições do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). Os termômetros chegaram a 36,1°C. A temperatura foi registrada às 14h30 no mirante de Santana, na zona norte. O instituto faz a medição desde 1943. Desde então, a temperatura mais alta na cidade ocorreu em 20 de janeiro de 1999, com 37°C. Nos dias 19 e 21 do mesmo ano, a temperatura chegou aos 36,7°C. Também foram registradas pancadas de chuvas, mas não foram suficientes para amenizar o calor. As zonas leste e sul e a marginal Tietê chegaram a entrar em estado de atenção por conta de pancadas de chuva. De acordo com o Centro de Gerenciamento de

Emergências, choveu forte nestas regiões entre 15h55 e 16h30. Nenhum ponto de alagamento foi registrado. Hoje deve continuar quente, mas não há previsão de novo recorde. A máxima na cidade deve chegar aos 33°C. De acordo com a previsão, a chuva deve ocorrer mais cedo e com maior intensidade. Ontem, as chuvas atingiram parte das zonas sul e leste da capital paulista. Na Grande São Paulo, choveu forte em Ribeirão Pires, Suzano e Mogi das Cruzes. Em Mauá, Ferraz de Vasconcelos e Poá, a chuva foi moderada. Frente fria – O tempo só deve refrescar a partir de amanhã, quando a chegada de uma frente fria derruba a máxima para 26° C. A atmosfera fica mais instável, com aumento de nuvens e chuvas mais generalizadas. (Agências)

J.DuranMachfee/Estadão Conteúdo

Paulistanos buscaram refúgio nos parques para fugir do calor

J.F.Diorio/Estadão Conteúdo

Werther Santana/Estadão Conteúdo

CARA NOVA – A conhecida escultura de Tomie Ohtake, inaugurada em 1988 em concreto armado, foi reformada e pintada com novas cores, na Avenida 23 de Maio, na altura do Centro Cultural São Paulo.

MURAL – O grafiteiro Eduardo Kobra pintou um mural no paredão da Igreja do Calvário, em Pinheiros, na zona oeste. A obra mistura diferentes figuras, incluindo o Monumento às Bandeiras, no Ibirapuera.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

3

11

º

ATÉ DIA 17 Trabalho feito por jovem atendido pelo Projeto Quixote em exposição em São Paulo até o dia 17.

setor

Fotos Newton Santos/Hype

Trabalhos feitos por jovens em situação de risco social, durante uma semana inteira, exposto em galeria da Vila Madalena, na zona oeste, na mostra que levou o título 'São Paulo. Manuais de sobrevivência'

Em exposição, a arte das ruas. Resultado de trabalho artístico realizado com jovens que vivem nas ruas paulistanas, assistidos pelo Projeto Quixote, pode ser visto em galeria de arte. Kelly Ferreira

"T

udo o que você precisa é um celular (e um cobertor)". Esta é somente uma das muitas frases que ficaram marcadas no Survival Guide Workshop, iniciativa realizada com 25 jovens que vivem em situação de rua na capital paulista. Com o vasto tema Como sobreviver nas ruas da cidade de São Paulo, os jovens participaram de um workshop artístico, coordenado por Patrick Waterhouse, diretor criativo da revista Colors, com o objetivo de mostrar um pouco da realidade das ruas. O resultado dos trabalhos, que envolveu pessoas assistidas pelo Projeto Quixote, se transformou em uma mostra, que relata a difícil sobrevivência nas r u a s p a u l i s t anas, e em uma uma projeção urbana das obras em prédios famosos da capital. Os participantes ficar a m a c a mpados, literalmente, por uma semana na Vila Mariana, na zona sul, onde está uma das sedes do Projeto Quixote). Lá, sob a orientação de Patrick Waterhouse, de Auro Lescher (fundador do Projeto Quixote) e dos educadores, eles realizaram um manual de sobrevivência na cidade de São Paulo. Com um misto de fotografia, narração de histórias e entrevistas, os jovens puderam partilhar a sua bagagem cultural adquirida com a vida na rua, sobre o que podem e não podem fazer, os desafios que enfrentam todos os dias e também a maneira de superá-los. "Foi um trabalho incrível. Já trabalhei com outras crianças em Londres, mas aqui foi diferente. Ver do lado de dentro a questão desses meninos e meninas em situação de risco muda a perspectiva de vida", disse Waterhouse, Segundo ele, os jovens são sempre vistos como ameaças ou vítimas. "Não é porque eles vivem nas ruas que não têm ambições, desejos e fantasias de criança. Mesmo cometendo crimes, no fundo, são apenas crianças", afirmou.

Exposição – A mostra S ão Paulo. Manuais de sobrevivência poderá ser vista na DOC Galeria, localizada na Vila Madalena, na zona oeste da capital , durante todo o mês de novembro. A parceria entre a Fundação Unhate, braço social da Benetton, que patrocinou a iniciativa, e o Projeto Quixote, que resultou na mostra, foi coordenada por Waterhouse. "É uma honra receber um projeto tão rico em arte e ao mesmo tempo tão humano na DOC Galeria. Fico muito honrada por ter sido escolhida para mostrar um projeto que expressa a arte e os desejos das crianças", afirmou Mônica Maia, da DOC Galeria. Na sua opinião, o momento mais interessante foi presenciar os jovens admirando os próprios trabalhos. "Eles chegaram tímidos, achando que seria algo muito elitizado. Logo perceberam que criamos ambientes simples e o mais próximo possível da história de cada um. Colamos cartazes com as frases e o apoio para os livros que eles criaram foram feitos em madeira, que muitos ainda usam para montar seus abrigos nas ruas", contou Mônica Maia. Estímulo – O objetivo do workshop foi estimular a expressão artística entre os jovens em situação de risco e que vivem na suas e encorajálos, através deste instrumento, a contar as suas histórias e as suas experiências. A iniciativa pretende também afastar o medo de quem é visto como diferente, sobretudo se de uma outra classe social. Para os organizadores do projeto, é justamente o medo que, dificultando a compreensão do outro, está entre as causas da marginalização que atinge os jovens que vivem na rua e da inércia com a qual as suas condições são aceitas como inevitáveis e quase naturais. "É motivo de orgulho para a Fundação Unhate ter tido a possibilidade de iniciar uma colaboração com o Projeto Quixote. É uma organização muito enraizada na comuni-

O público poderá ver o que pensam, como vivem e o que esperam os jovens que ficam pelas ruas da cidade.

Foi um trabalho incrível, que muda a perspectiva de vida. PATRICK WATERHOUSE, DIRETOR CRIATIVO DA REVISTA

COLORS, COORDENADOR DO PROJETO.

dade de São Paulo que, no decorrer dos anos, demonstrou saber oferecer, por meio de percursos positivos e realmente sustentáveis, uma verdadeira oportunidade de resgate e recuperação aos jovens com os quais trabalha", disse Maria Rosa Cutillo, a presidente da Fundação Unhate. História - Para o fundador da ONG Projeto Quixote, que desde 1996 trabalha na missão de transformar a história de crianças, jovens e famílias em situa-

Graacc nos shoppings

O

Grupo de Apoio ao Adolescente e a Criança com Câncer (Graacc) firmou uma parceria com a Xcope, empresa nacional de acessórios para telefonia móvel, para divulgar a causa do câncer infantojuvenil em lounges nos principais shopping centers de São Paulo e do Rio de Janeiro. A companhia investiu 40% de sua verba anual marketing, cerca R$ 800 mil, na ação. "Os visitantes do nosso

espaço poderão aproveitar para descansar, ouvir música e carregar seus celulares e tablets enquanto conhecem mais sobre o trabalho do Hospital do Graacc por meio da exibição de vídeos informativos e um material gráfico explicativo", disse Marcelo Barbosa de Paola, presidente da Xcope. Já foram conquistados 500 contatos ativos para o Graacc e realizadas mais de 40 doações.

ção de risco social, Auro Lescher, a iniciativa une todas as pontas da sociedade. "Um objetivo fundamental une todos do Projeto Quixote, Fundação Unhate, crianças, educadores, artistas e coordenadores: o desejo de ousar entender a própria história, a própria identidade, e ainda mais transformá-la, criando outras histórias, de reencontros, consigo mesmo, com seu corpo, com a sua casa, a sua mátria e os seus desejos de futuro", disse.

O Projeto Quixote dedica atenção em especial aos problemas de uso abusivo de drogas dos jovens em situações vulneráveis e aposta na arte, na educação e na saúde como formas de aproximação e vinculação com estes jovens. Busca através de oficinas artísticas criar estratégias clínicas e sociais, onde criatividade, afeto e expressão têm um papel fundamental. Na sede do Quixote, no Centro, são acolhidos crianças e adoles-

Encontro de fundações

O

bstáculos e estímulos às doações, dificuldade na profissionalização das organizações do Terceiro Setor e conflitos da atual legislação foram os principais temas discutidos no 7º Encontro Paulista de Fundações, realizado pela Associação Paulista de Fundações (APF), na capital. Com o tema 'Terceiro Setor: Gestão, Obstáculos e Soluções', o evento teve a participação do secretário estadual de

Desenvolvimento Social, Rodrigo Garcia na abertura. Os painéis do encontro foram: 'Entraves à Gestão Profissional das Entidades Sociais', 'Estímulos e Obstáculos às Doações ao Terceiro Setor', e 'A Construção do Marco Regulatório do Terceiro Setor'. Com 14 anos de atuação, a APF reúne fundações com atuação em diversos setores – educação, saúde, assistência social, meio ambiente, entre outros.

centes em situação de rua. A sede da Vila Mariana recebe os que vivem diversas situações de vulnerabilidade social.

S ERVIÇO A exposição 'São Paulo. Manuais de sobrevivência 'está na DOC Galeria, rua Aspicuelta, 662, Vila Madalena, de segunda a sexta, das 11h às 19h, aos sábados, das 11h às 14h. A mostra vai até 17 de novembro. Gratuita.

Avape tem 290 vagas

A

Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência (Avape) divulgou a abertura de 290 vagas de trabalho para atuação na capital paulista, Grande ABC e Interior voltadas a profissionais com algum tipo de deficiência. Parte das oportunidades (23 vagas) é destinada a jovens aprendizes com deficiência, de modo a garantir que este público tenha acesso ao primeiro emprego. As vagas abertas são

também para cargos de auxiliar administrativo (20), operador de atendimento (30), atendimento de lanchonete (90), recepcionista hospitalar (30) e ajudantes de produção (20), entre outras. Todas as vagas abertas atualmente são para contratação em regime CLT, com benefícios que podem incluir convênio médico, vale transporte e alimentação. Mais informações pelo telefone (11) 4993-9205.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

ÚLTIMA EDIÇÃO O

s jornalistas do Jornal da Tarde fecharam a última edição da publicação, ontem, com moral alta – e dois furos. "Queremos fazer um jornal memorável", disse um deles. Não só isso. "Alcançar um final digno, que não pareça um simples abandono." O derradeiro exemplar, que chega hoje ao leitor, tem uma entrevista grande, exclusiva, com Ana Estela, mulher do prefeito eleito de São Paulo Fernando Haddad. O eleito passou o dia cercado de repórteres. Mas só o JT se preocupou com a primeira-dama. Outra matéria exclusiva é a revelação de como será a nova comunicação visual do metrô, as placas, sinalizações. O interesse pela matéria pode ser medido pelo número de usuários desse meio de transporte (3,7 milhões, em média, nos dias úteis).

SAI HOJE O DERRADEIRO EXEMPLAR DO JT, APÓS 46 ANOS DE UMA HISTÓRIA QUE MARCOU A CIDADE E O JORNALISMO. Por Valdir Sanches

Arquivo

A

d ese mb arg ado ra q u e p r e s i d i a a udiência sobre o fechamento do J o rnal da Tarde, que amanhã tira sua última edição, aos 46 anos de existência, surpreendeuse: "Mas eu assino o jornal, como vocês vão fechar?" Rilma Aparecida Hemetério, do Tribunal Regional do Trabalho, recebeu anteontem advogados do Grupo Estado e representantes do Sindicato dos Jornalistas, em reunião de conciliação. Na mesma hora, no auditório da empresa, o diretor de conteúdo Ricardo Gandour falava oficialmente de uma morte anunciada. Os rumores sobre o fechamento do JT, como muitos o chamavam, vinham de algumas semanas. Os 41 funcionários da Redação buscavam confirmar ou desmentir a informação, mas a empresa, como conta um deles, nada dizia.

Capas notáveis O JT traz também uma edição histórica, de pelo menos duas páginas, com as capas mais notáveis do jornal, em seus 46 anos de existência. "Estamos procurando viver o momento, vai ser uma edição muito bonita", disse uma jornalista. O ânimo da redação foi estimulado, também, pelo número de telefonemas e mensagens recebidas, com solidariedade e protestos pelo fim do jornal. No Facebook da publicação avoluma-se um abaixo assinado contra o fechamento. Perto das cinco horas da tarde, as assinaturas estavam em 490. Entre as mensagens, chegou esta, de Sérgio Scatolin: "Estou triste, de luto, pelo jornal que leio desde os doze anos e agora vai deixar de circular". Diz que comprou o JT pela primeira vez em 1970, para acompanhar a Copa do Mundo no México. Agradece, despede-se. "Desculpo os erros, e valorizo os acertos." Na quinta-feira , o editor Marcelo Moreira, que também é roqueiro, promoveu um Tributo ao JT. O evento, animado por uma banda de rock, lotou o Johnny, bar vizinho ao jornal, no bairro do Limão. Pelo menos duzentas pessoas, muitas que trabalharam na publicação em tempos mais recentes, participaram.

Pelo telefone

Diagramação inusitada, com a imagem sendo a manchete.

Contra-capa com inundação em Caraguatatuba, em 1967.

Primeiras páginas do JT: criatividade, arrojo gráfico, humor, serviço ao leitor, ousadia... Àdir., a capa de ontem.

Fechado. Para sempre O J T fecha as edições às 23h. É quando todo o material está pronto e já foi mandado para os setores que preparam a impressão. Ontem, devia fechar nessa mesma hora – mas definitivamente. Até o fim da tarde, os jornalistas e funcionários não sabiam o que iria acontecer hoje. Todos devem chegar normalmente à empresa. A expectativa era de que se iniciassem negociações. No fim da tarde, todos os jornalistas e funcionários do JT foram reunidos no meio da redação, sob o pretexto de ouvir algumas informações. E começaram a acontecer coisas. Os fotógrafos da empresa surgiram e começaram a fotografar o grupo. Os integrantes da redação do Esta dão, que fica ao lado, e dos suplementos, também apareceram. E todos passaram a aplaudir os colegas do Jornal da Tarde . Tratava-se, na verdade, de uma homenagem. "Foi emocionante", disse uma homenageada.

'Mas eu assino o jornal ! ' diz a ju , íza.

Há três semanas, um dos jornalistas ligou para o call center do Grupo Estado, e disse que queria assinar o Jornal da Tarde. Ocorreu uma situação bizarra. O jornalista ouviu da atendente que não podia aceitar o pedido, porque o jornal, em que ele trabalhava, ia fechar. Assim, a redação confirmou que seu destino estava selado. "Estamos em choque pela forma como fomos tratados", diz um dos profissionais do jornal. "Vivemos um clima de fim de jogo, é muito triste. Não só pela iminência do desemprego, mas também pelo jornal. Acreditamos que ainda tinha um bom potencial." Com a confirmação ("Tinha até jornaleiro que sabia"), a redação cobrou uma posição da empresa, mas não conseguiu uma definição clara. Uma assembleia no sindicato acabou resultando na reunião de conciliação, aquela presidida pela desembargadora Rilma. O Grupo Estado aceitou a proposta do sindicato, de que não haverá demissões imediatas. Estão garantidos trinta dias de estabilidade, enquanto correm negociações. Alguns profissionais devem passar para outros produtos do grupo, como o Portal Estadão e o centenário jornal de papel.

Tudo para o Estadão

O jornal também inovou nas vendas: era oferecido aos motoristas nos semáforos (acima). Abaixo, jornalistas do Estado de S.Paulo, o Estadão, homenageiam os colegas do Jornal da Tarde, o JT. Reprodução

Na reunião no auditório, Ricardo Gandour disse que o grupo ia investir no E st a d ão , como está em uma nota divulgada ontem no portal. O fechamento do JT tem por objetivo "investir na marca Estadão com uma estratégia multiplataforma integrada (papel, digital, áudio e vídeo e mobile), para levar maior volume de conteúdo a mais leitores, sem barreira de distância e custos de distribuição". A estratégia, diz Francisco Mesquita Neto, diretor presidente do Grupo Estado, é de "focar no E st ad ão , principal marca do grupo, e de investir em uma plataforma digital mais robusta e avançada". O Jornal do Carro, um grande sucesso do JT, passará para o Estadão, como a nova marca dos classificado de autos, às quintas, sábados e domingos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

13

Viva o jt!

Enquanto todos dão o jogo, o JT busca mais.

Por Moisés Rabinovici

Arquivo

S

empre que me perguntam sobre o falecido JT, respondo com uma frase do político mineiro José Alkmin: – Morreu para você, filho ingrato, porquanto continua vivo no meu coração. O JT nascido em 1966 continua vivíssimo, para mim. Sou, como jornalista, uma de s u a s p o t e n c i a i s a t u a l i z ações. Foi ele que me formou. Ensinou-me a ser repórter. A escrever. A diagramar. E a editar. E a somar texto, foto e ilustração para criar um título e uma página, ou capas. Era revolucionário, quando saiu às ruas nas mãos dos garotos que o vendiam a partir de Três da Tarde (título na capa, abrigando última notícia). Nós, repórteres, tínhamos tempo para escrever, rescrever, ter o texto rejeitado, a escrever de novo, rescrever. As laudas amassadas cobriam a redação, ao amanhecer. A alguns passos, pelo "túnel do tempo" em que jogávamos futebol, a redação do Estadãoera um primor de limpeza e sobriedade.

É mesmo? As redações concorrentes disputavam o JT. Um dia fui mandado cedo para a praia de Cassino, no Rio Grande do Sul, o melhor ponto de observação de um eclipse solar total. Decolamos de Congonhas, num jatinho fretado, e deveríamos pousar de volta antes de Três da Tarde. Já trabalhando, ouço "rabino/Jornal

neste Finados é de um JT que se perdeu pelo caminho. Para mim, ele foi morto. Participei de um breve porém competente renascimento tentado por Fernão Mesquita, que resgatou o mesmo Murilinho para a empreitada. Parecia que os belos tempos voltariam, adaptados para o novo mundo em que a imprensa-papel está em luta de vida e morte com a internet. Comentei com Mário Marinho, o veterano que nos reúne anualmente para celebrar "o verdadeiro" JT, que sentaríamos à mesa, neste novembro, como num velório. Ele foi rápido no gatilho: – O nosso JT morreu há muito tempo. Não é esse da morte anunciada de agora.

Paixão

A redação do Jornal da Tarde reunida em foto de 1986 da Tarde" repetido com insistência pelo sistema de som do INPE/Nasa. Era a chefia de reportagem em SP querendo uma previsão para o fechamento. Quando desliguei, uns cinco repórteres gaúchos me olhavam. Um deles falou: – Você é mesmo do Jor-nal da Tar-de?! Fazíamos a revolução na imprensa nacional. Mary Quant, com a minissaia, revolucionava a moda mundial. Os Beatles, a música. A alemã Twen, as revistas. Os primeiros cabeludos chamavam a atenção, ou eram perseguidos, em SP.

O novo pairava no ar. E nós, no JT, o percebíamos. Nosso editor-chefe, Mino Carta, prescrevia humildade à equipe. E dava o exemplo: sentava-se ao lado do repórter travado, horas em busca do lead, e o desembaraçava. E o Murilinho Felisberto criava páginas, capas, pôsteres, sempre surpreendentes, com refinamento tipográfico inigualável. Sabia de cor o expediente do Sunday Times, que cultuava. Para quê, exatamente? Para nada. Sou este JT ainda hoje. Não parado no tempo, evidentemente. Considero-me o seu

Reprodução

Profissionais que participaram da última edição do Jornal da Tarde

Inovação sem limites

O

Jornal da Tarde nasceu premiado. Sua primeira edição, em 4 de janeiro de 1966, foi às bancas com um furo: "Pelé casa no Carnaval" (à dir.). A reportagem levou o Prêmio Esso de Jornalismo daquele ano. A diagramação do J T era inovadora e sem limites. Os fotógrafos preferencialmente não usavam flash, nem mesmo à noite. O que garantia imagens em claro e escuro, obras de arte bem abertas na capa e nas páginas internas, naqueles tempos de preto e branco. Texto e títulos não eram apenas criativos, mas muitas vezes experimentais. Um repórter resolvia escrever sem aspas. E assim um personagem surgia, falava, e saía de cena na mesma frase que descrevia um fato. Título para a morte do mestre catalão (1973): "Morreu Picasso. Se é que Picasso morre". O novo jornal da família Mesquita estava nas mãos de Ruy Mesquita. A redação teve como diretor Mino Carta e, dois anos depois, Murilo Felisberto. Os repórteres representavam uma fornada de novos talentos, mui-

Capa de estreia do JT nas bancas, em 4 de janeiro de 1966. tos vindos de outros Estados. O trabalho que faziam muitas vezes surpreendia. A edição de julho de 1969, que anunciou a chegada dos americanos à lua, tinha um texto mandado do meio da selva amazônica pelo enviado especial do jornal. Mostrava a reação de índios que adoravam a lua ao saber (pelo repórter)

que tinha gente pisando nela. Aí pelo início da década de 1970, um avião brasileiro, que saíra dos Estados Unidos, foi desviado para Cuba. Não se sabia se, ao ser liberado, faria escala em Manaus ou Belém. O jornal mandou um repórter e um fotógrafo para cada uma das duas capitais. A escala foi em Manaus. O dois jornalistas que foram a Belém, fizeram apenas um passeio. Nos momentos decisivos para o País, redobrava-se o empenho. A reportagem do comício das Diretas-Já, por exemplo, em abril de 1984, foi assinada por 45 repórteres e 15 fotógrafos. "Fiquei alguns dias preparando a pauta especial para que fizéssemos, como sempre, o melhor trabalho", diz Elói Gertel.Um escritório de vendas de publicidade e assinaturas que o Estadão e o JT tinham na rua Libero Badaró foi transformado numa sucursal para que repórteres e fotógrafos pudessem mandar seu material para o jornal. No dia seguinte, chegou às bancas uma edição sem manchete. Bastou a foto que cobria toda a primeira página mostrando milhares de pessoas.

desdobramento, segundo minha interpretação. Mas há igualmente outros tão ou mais capazes: Ivan Ângelo, Fernando Mitre e Carmo Chagas, para citar apenas o núcleo mineiro de que fiz parte, embora carioca, ao partir de BH, para não cometer injustiças. Aqui já estavam Luciano Ornelas e Kleber de Almeida, na arrojada Edição de Esportes que o Estadão publicava aos domingos. In memoriam, lembro de Dirceu Soares, repórter de belíssimo texto. Com ele dividi a cobertura da Jovem Guarda. Até fui ao casamento de Ro-

berto Carlos na Bolívia. Um furo de reportagem que mandei de lá via Western Telegraph ainda não chegou. Depois vieram os gaúchos, com o inesquecível Marcos Faerman à frente. Ao entrar na redação pela primeira vez, dei de cara com Rolf Kuntz e Renato Pompeu. Em outra mesa estava o Carlinhos Brickman, que já então conseguia o fenômeno de escrever e conversar ao mesmo tempo. Este J T não morreu, nem morre. Seu DNA pode ser encontrado na origem das revistas Realidade e Veja. O enterro

Este jornal que hoje dirijo, o Diário do Comércio, tem lampejos do brilho do JT. Mas não vai para as bancas. Só 24 mil assinantes o recebem. Carlinhos Brickman, no Observatório da Imprensa, destacou esse cordão umbilical, ao enterrar a última reencarnação do jornal que criamos com paixão. Sim, paixão! Nós o fazíamos apaixonadamente. Direi mais, data vênia, sob o risco de ser fuzilado pelas hordas do jornalismo eletrônico, que um JT com tesão, aberto ao novo, irreverente, atualizado até para nerds e capaz de produzir big data, como o inglês The Guardian, teria seu nicho. O DC cresce mesmo sem investimentos, sem recursos. E não vou me conter: – Viva o JT!


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Arte mínima O designer gráfico Outmane Amahou criou uma série de pôsteres minimalistas em tributo aos diversos movimentos artísticos da história. Em cada pôster, uma obra representativa de um movimento é relembrada. http://bitly.com/S9M68J

FUTURISMO

DADAÍSMO

SURREALISMO

EXPRESSIONISMO

SURREALISMO

POP ART

Logo Logo

Pôsteres destacam elementos de obras de artistas como Pablo Picasso, Salvador Dalí, Marcel Duchamp, René Magritte e outros.

www.dcomercio.com.br

CUBISMO

E SPORTE C A R T A Z

Phelps no Alemão

CIDADE

E M

M

Intervenção urbana 'Ligar Des Lugar', criada por Silvio Dworecki, ocupa 10 pontos conhecidos da capital, entre eles Praça do Patriarca, Vale do Anhangabaú e Catedral da Sé [foto], e propõe um novo olhar para velhos cartões postais da cidade. A RTE

ichael Phelps, o maior ganhador de medalhas olímpicas da história, deu aula de natação ontem para crianças de uma comunidade carente do Complexo do Alemão no Rio de Janeiro, sede dos Jogos de 2016, e disse que qualquer um pode conquistar seus sonhos, independentemente das dificuldades. O ex-nadador, que se aposentou das piscinas após a Olimpíada de Londres com 22 medalhas no currículo - 18 delas em Jogos Olímpicos -, fez uma visita de um dia à cidade como parte de seus compromissos corporativos com um de seus patrocinadores. "Tudo é possível, de verdade. Não importando se você está aqui ou lá, ou se você está passando por alguma coisa em sua vida, ou se você não es-

Marcelo Régua/Estadão Conteúdo

tá passando por nada, porque se você colocar a mente em alguma coisa você consegue superar tudo", disse. Phelps vestiu sunga e caiu na piscina cercado por crianças e adolescentes da comuni-

dade, que foi pacificada em 2010 numa enorme operação das forças de segurança. Phelps garantiu ter encerrado a carreira de forma definitiva e disse que nos jogos de 2016 será só expectador.

F UTEBOL

Os convocados do milésimo jogo O meia Kaká e o atacante Neymar são os destaques da convocação anunciada ontem pelo técnico Mano Menezes para a milésima partida da seleção brasileira, que será disputada contra a Colômbia, no dia 14 de novembro, nos EUA. O amistoso será o último do Brasil em 2012. A lista de 21 convocados é a seguinte: Diego Alves, Jefferson, Thiago Silva, David Luiz, Leandro Castán e Rever, Daniel Alves, Adriano, Fabio Santos, Arouca, Sandro, Paulinho, Oscar, Ramires, Giuliano, Thiago Neves, Kaká, Lucas Moura, Neymar, Hulk, Leandro Damião. B ELEZA

Nir Elias/Reuters

Prego e papel

Cabelos domados

Papel e pregos são os únicos materiais que Sakir Gökcebag usa em suas instalações.

O 357 Magnum parece um revólver, mas é um secador de cabelos portátil, com 1000 watts de potência e várias temperaturas. http://etsy.me/Wx8SeS

http://bit.ly/Td9Nll

T URISMO M ODA

A Capela Sistina aos 500 anos

Camisetas em apoio a Julian Assange I'm Julian Assange ("Eu sou Julian Assange") sobre uma foto do rosto da estilista. O lucro das vendas da camiseta será usado para financiar o trabalho do WikiLeaks.

L

A veterana estilista britânica Vivienne Westwood começará a vender neste fim de semana uma camiseta em apoio ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, refugiado há mais de quatro meses na embaixada do Equador em Londres. A camisa é branca e traz a frase

RELUZENTE - Especialista britânico analisa diamante em uma loja em Ramat Gan, próximo a Tel Aviv. Israel, que lidera o mercado de diamantes lapidados, exportou US$ 7,2 bilhões dessas pedras para os EUA em 2011.

Retratos de papelão

www.viviennewestwood.com

Mestre do origami, o artista Ali Golzad decidiu ampliar suas criações usando papelão reciclado. E as dobraduras deram lugar a retratos.

H UMOR

http://bit.ly/TRxDU6

'South Park' satiriza Lance Armstrong

L OTERIAS Concurso 1120 da DUPLA SENA Além de famosos como Dalai Lama, Barack Obama, Golzad também retrata anônimos e cenas do mundo da moda.

A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

Primeiro sorteio 14

Ronnie Wood se casará com mulher 31 anos mais jovem

L

Com Pelé e Beckenbauer, força-tarefa da Fifa chega ao fim

16

28

31

39

47

28

34

43

Segundo sorteio 12

Carlos Drummond de Andrade é homenageado em Lisboa

L

Os trabalhos mesclam técnicas da arte japonesa do origami com recortes e incorporam as ondulações do material.

L

A série de animação South Park terá um episódio ironizando um ex-ídolo do esporte Lance Armstrong, banido das competições pelo uso de doping. O episódio mostrará os moradores da fictícia South Park numa fila para retirar pulseiras da entidade criada por um ciclista chamado Livestrong depois de se curar de câncer. O episódio, que vai ao ar hoje, não cita Armstrong nominalmente, mas fará referências ao doping e à decepção com o esportista.

As autoridades do Vaticano anunciaram ontem que podem limitar o número de pessoas que visitam a Capela Sistina, sede dos conclaves dos papas. A capela foi inaugurada em 31 de outubro de 1512 e possui afrescos que são obrasprimas do Renascimento. Enquanto não for instalado uma nova climatização, será necessário reduzir o número de turistas no espaço, avaliado em cerca de cinco milhões de pessoas por ano.

16

26

Concurso 3033 da QUINA 28

61

70

74

77


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

e

15 LUCRO MENOR A OGX, de Eike Batista, lucrou 79,2% menos no terceiro trimestre.

conomia

ARGENTINA Agência Standard & Poor's pode rebaixar nota de crédito do país

Epitácio Pessoa/AE – 12/6/2009

De acordo com a FGV, alta dos preços do milho foi invertida para uma queda de 3,87% em outubro. Tendência deve se manter em novembro.

Preços no atacado caem e IGP-M desacelera

Fábio d'Castro

/Hype

Índice que corrige maior parte dos contratos de aluguel fechou outubro em 0,02%, depois de ter subido 0,97% em setembro. Em 12 meses, alta é de 7,52%.

A

inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) ficou em 0,02% em outubro, o que representa uma significativa desaceleração ante o resultado de setembro, de 0,97%. No acumulado de janeiro a outubro, o indicador tem alta de 7,12% e nos últimos 12 meses sobe 7,52%. Os números foram divulgados ontem pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O IGP-M é referência para a maior parte dos aluguéis.

Os reajustes perderam força nas últimas semanas principalmente sob influência do atacado. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% da composição do IGPM, teve variação negativa de 0,2% neste mês, depois de ter subido 1,25% na apuração anterior. O recuo foi reflexo das baixas das commodities. O principal destaque entre as matériasprimas brutas, segundo o coordenador do índice, Salomão Quadros, foi a soja, que apresentou deflação de 6,5% neste mês (alta de 4,7% em setembro). Também mudou a tendência do milho em grão – de avanço 0,11% para recuo de 3,87% no período. Para novembro, a dúvida é se o grau de desaceleração do IGP-M se manterá até o fim do mês. Quadros, entretanto, não descartou uma pequena possibilidade de o índice apresentar deflação. "Estamos no auge desse processo de desaceleração, mas pode ser que novas quedas ainda sejam registradas", afirmou. 2013 preocupa – De acordo com ele, a inflação volta a preocupar no ano que vem. O fim dos cortes do Imposto so-

Inflação no mundo tem discreto avanço, mostra OCDE.

A

Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou ontem que a inflação anualizada nos 34 membros do bloco ficou em 2,2% em setembro na comparação com igual mês de 2011. Em agosto, a inflação anual havia sido de 2,1%. Na comparação mensal, a inflação nos países da OCDE foi de 0,4% no mês passado. De acordo com a OCDE, a aceleração na inflação anualizada entre agosto e setembro foi puxada pela alta nos preços de energia, que tiveram aumento anual de 5,1% em setembro, ante

elevação de 3,5% registrada em agosto. Já o aumento nos preços de alimentos desacelerou para 2,1% em setembro, de 2,2% em agosto. Excluindo alimentos e energia, o núcleo da inflação desacelerou para 1,6% em setembro, de 1,7% em agosto. A inflação anual acelerou nos Estados Unidos, para 2% em setembro, de 1,7% em agosto, e ficou estável no Canadá (1,2%), Itália (3,2%) e no agregado da zona do euro (2,6%). No Reino Unido, a inflação desacelerou para 2,2% em setembro, de 2,5% em agosto. Na França houve desaceleração para 1,9%, de

2,1%, e na Alemanha a alta dos preços desacelerou para 2%, de 2,1%. Já no Japão houve deflação de 0,3% em setembro, após a queda de 0,4% nos preços em agosto. Fora da OCDE, a inflação anual apurada para o Brasil teve leve aceleração, a 5,3% em setembro (5,2% em agosto). Na Rússia a aceleração foi maior, para 6,6%, de 5,9%, o que também foi observado na África do Sul, para 5,6%, de 5,1%. Já na Indonésia a inflação desacelerou para 4,3% em setembro, de 4,6% em agosto. E na China o ritmo de alta desacelerou para 1,9%, de 2%. (Estadão Conteúdo)

bre Produtos Industrializados (IPI) para alguns setores no final de dezembro, disse Quadros, deve representar uma pressão adicional sobre o IGP-M. "Haverá também reajustes de passagens de ônibus, que sempre acontecem após o ano eleitoral, e pressão por um aumento de combustíveis", observou. "Nessa conta acho que o saldo será de alta", acrescentou. Na avaliação de Quadros, as elevações de preços dos alimentos devem continuar em ritmo menos intenso, mas a expectativa é da volta da pressão dos preços de serviços em 2013. "A explicação está na previsão de retomada da economia." Ao contrário do que ocorreu com o IPA, em outubro o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que representa 30% do IGP-M, acelerou para 0,58%, ante variação de 0,49% no mês anterior. Mesma tendência seguiu o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que corresponde a 10% do índice: ele passou de alta de 0,21% em setembro para 0,24% em outubro. Tendência de queda – Os preços das commodities devem apresentar tendência de queda no curto prazo, principalmente por conta da expectativa de crescimento mundial moderado neste segundo semestre, segundo análise da consultoria PwC. As incertezas da economia europeia e a lenta recuperação dos Estados Unidos também sustentam a projeção.

Estamos no auge da desaceleração, mas é possível que novas quedas ainda sejam registradas. SALOMÃO QUADROS, DA FGV

De acordo com a análise, o preço do petróleo comercializado na Bolsa de Nova York (WTI) permanecerá estável em US$ 92 por barril até o final do mês de novembro. Em relação ao preço do metal, a estimativa é de que não apresente alta até o fim do ano, apesar de ser esperada significativa volatilidade. (Agências)

Setor público mais longe de alcançar meta fiscal de 2012

A

fraca economia feita pelo setor público em setembro para pagar os juros da dívida brasileira deixou mais evidente o fato de que que a meta fiscal de R$ 139,8 bilhões será descumprida este ano. No mês passado, o superávit primário foi de apenas R$ 1,6 bilhão, o saldo mais baixo para o mês em três anos e o menor desde julho de 2010, ainda no governo Lula, segundo dados divulgados ontem pelo Banco Central (BC). Na semana retrasada, a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) já havia informado que o BC não

trabalha mais com a hipótese de cumprimento da meta cheia em 2012. Ontem, o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, afirmou que o cenário fiscal está "menos favorável" e reconheceu que o governo deve abater os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para atingir seu objetivo. "O BC trabalha com o cumprimento da meta considerando a possibilidade do abatimento dos investimentos", afirmou. De janeiro a setembro, a economia feita pelo setor público para o pagamento de juros da dívida (superávit

primário) foi de R$ 75,8 bilhões, o equivalente a 2,33% do Produto Interno Bruto (PIB). O compromisso fiscal a ser materializado no restante do ano, sem o ajuste do PAC, é de R$ 64 bilhões, o que corresponde a um esforço mensal de R$ 21,3 bilhões de outubro a dezembro. De 2009 a 2011, a média de superávit no último trimestre foi de R$ 25 bilhões (R$ 8,3 bilhões ao mês). Apesar da distância que o governo está de seu alvo, na segunda-feira o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, disse que ainda há chance de cumprimento integral. (Estadão Conteúdo)


16 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

e

17 Há a expectativa por um Natal de presentes de menor valor. Izis Ferreira, economista da CNC

conomia

C

om a proximidade das festas de final de ano, a Abras divulgou ontem um estudo sobre as perspectivas de vendas de itens relacionados ao Natal e ao Ano Novo. A Pesquisa de Natal Abras 2012 apontou expectativa de aumento de 14,4% no volume comercializado neste final de ano em comparação com igual período de 2011. No ano passado, a expectativa era de alta de 15,6% nas vendas. De acordo com o estudo da entidade esse recuo ocorreu em função da queda de encomendas de itens importados devido à valorização do dólar. Por isso, a expectativa é de que o volume comercializado será menor que o oferecido ao consumidor no final do ano passado, com elevação de apenas 7,1%, abaixo dos 14% de 2011. No caso das frutas, o aumento da comercialização será de 11,1% ante 12,9% em igual período de 2011. A mesma coisa acontecerá com os vinhos, com crescimento de 8,6% ante 12,2%. Para compensar a perspectiva de diminuição na procura por importados, o setor supermercadista aumentou as aquisições de outros itens natalinos. A expectativa é de crescimento no consumo de itens como peixe congelado (19,7% contra 15,3%), frutas nacionais da época (18% ante 16,3%), pernil (15,6% frente a 15,1%), bacalhau (14,9% sobre 13,4%), peru (10,2% contra 4,5%), chester (10,9% sobre 10,1%), tender (8,3% ante 3,9%), vinhos nacionais (12,5% sobre 10,9%), frutas secas (14,4% ante 13,7%), lombo (13,4% contra 13,2%) e bebidas natalinas (12,1% ante 11,2%). Em setembro – O setor supermercadista registrou desem-

Milton Mansilha/ LUZ

Vinhos estrangeiros são um dos produtos que devem ter crescimento de venda mais moderado nas festas deste final de ano

Ceia de Natal terá menos importados Mas substituição das compras por produtos nacionais garantirá a fartura, projeta a Abras. Paula Cunha

penho positivo em setembro, com vendas 4,91% superiores ao comportamento observado em igual mês de 2011. Mais uma vez, a manutenção do poder de compra dos salários foi

a responsável pelo resultado, de acordo com a avaliação da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Frente a agosto, o avanço foi modesto, de 0,21%, enquanto o acu-

Comércio mais confiante

P

elo terceiro mês seguido, os comerciantes aumentaram sua dose de otimismo. O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) subiu 2,2% em outubro em relação a setembro, para 128 pontos, informou a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Embora tenha ficado abaixo do registrado em outubro de 2011 na comparação mensal, o Icec registrou avanço nos três subíndices que o compõem: Condições Atuais do Empresário do Comércio (2,9%), Expectativas (2%) e Investimentos (2%). O Índice de Expectativas, que mede a percepção em relação aos próximos seis meses, também teve o terceiro avanço mensal seguido, passando a registrar alta anual. Em outubro, o indicador subiu 0,5% ante igual mês de 2011. Em setembro, o índice teve variação zero na comparação anual. Apenas o índice de condições atuais segue no terreno negativo em relação ao ano passado – recuo de 7,7% ante outubro de 2011. "À medida que o índice de condições atuais tem subido (mensalmente), tem caído a variação negativa na

mulado do ano apontou elevação de 5,5% sobre os nove primeiros meses de 2011. Com isso, a entidade mantém a projeção de crescimento de 5% para este ano.

Televisão SKY a bordo do avião da Azul Renato Carbonari Ibelli

comparação com o ano passado", disse Izis Ferreira, economista da CNC. Segundo ela, a alta no Icec pode ser explicada tanto pelas medidas de incentivo ao consumo adotadas pelo governo quanto pela proximidade com o Natal, que normalmente eleva a confiança dos comerciantes. No Índice de Investimentos do Empresário do Comércio, a expectativa de contratação de funcionários subiu 2,5% ante setembro e 3% frente a outubro de 2011. É outro movimento influenciado pela proximidade com o Natal. Na avaliação de Izis, embora a tendência para as vendas de fim de ano sejam de alta moderada, na comparação com 2011, a expectativa de contratação de empregados no comércio está maior do que no ano passado. Segundo a economista, o faturamento pode não crescer tanto, mas o volume de vendas, sim. "Há a expectativa de um Natal de presentes de menor valor." A confiança cresceu mais entre as empresas com mais de 50 funcionários, pois elas são as principais comercializadoras de bens duráveis, beneficiados pelas desonerações. (Estadão Conteúdo)

Tiaraju Pires, superintendente da Abras, reforçou que o resultado de setembro indicou que as vendas mantêm a trajetória de crescimento dos últimos meses. "Os números

reforçam nossas expectativas para um ótimo resultado para este ano, apesar do baixo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). A massa salarial, quando comparada com o mês de setembro do ano passado, continuou apresentando aumento, justificando o resultado acumulado do setor", explicou. Segundo o executivo, o segmento observa crescimento real médio de 5% nos últimos seis anos e o resultado deve se repetir neste ano, apesar da crise internacional. Na opinião de Pires, os investimentos em obras de infraestrutura, como a construção de rodovias, portos e aeroportos, contribuirão para dinamizar a economia do País e resultarão em mais um desempenho positivo no próximo ano. E as obras específicas para eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas também terão efeito positivo, na sua avaliação. Cesta – No mês passado, o AbrasMercado, cesta composta de 35 itens de amplo consumo, apresentou elevação de preço de 2,16% frente a agosto, ao totalizar R$ 329,87. Na comparação com setembro de 2011, o aumento foi de 7,65%. Entre as altas mais expressivas, destacaram-se batata (29,7%), cebola (23,4%) e farinha de mandioca (12,9%). A causa da elevação dos preços da primeira foi a safra de inverno menor em 10% ante 2011. No caso da cebola, a ausência de chuvas aumentou a necessidade de irrigação, o que elevou os custos de produção. A área de cultivo da mandioca também foi afetada por problemas climáticos. Entre as quedas mais fortes, a do tomate (13,3%) resultou da acomodação após altas expressivas ocorridas nos últimos meses.

Marcelo Kahn/ Divulgação

A

Azul Linhas Aéreas passou a oferecer TV ao vivo em seus voos. O serviço é resultado de uma parceria com a operadora SKY que, nesse início de operação, abrirá 48 canais de sua grade a bordo. A promessa é que até o final desta semana todos os 39 jatos Embraer da Azul terão o sistema implantado. A companhia informou que o novo serviço não resultará em aumento do preço das passagens. Os planos da Azul já previam TV ao vivo no voo inaugural de dezembro de 2008. Essa era uma das apostas de David Neeleman, presidente da companhia, para diferenciar sua empresa das concorrentes. Neeleman já havia implantado o serviço em 1997 na Jet Blue, companhia aérea que dirigiu nos Estados Unidos. O atraso na implantação no Brasil foi atribuído a problemas técnicos. Segundo Gianfranco Beting, diretor de comunicação da Azul, não há satélites que enviem ao Hemisfério Sul sinais com qualidade suficiente para serem captados em voos. A Azul é a sétima empresa do mundo a ter TV ao vivo a bordo. Até então, a única do Hemisfério Sul a operar com o serviço era a Virgin Austrália. "Tivemos de desenvolver uma an-

TV ao vivo começa com 48 canais e busca posicionar a Sky diante da concorrência tena que captasse o sinal a 900 km/h e não perdesse qualidade durante as manobras. Não importa a posição da aeronave, a antena precisa sempre estar apontada para o satélite", explicou Beting. O serviço também será levado para os 20 jatos Embraer da Trip, empresa que está em processo de fusão com a Azul. Mas esse passo dependerá da aprovação da união das companhias pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Já os 60 turbo-hélices ATR operados pelas companhias não devem receber o novo serviço.

M.A. Estofados Fabricação sob medida Restauração de estofados Capas modeladas e persianas O DESIGNER DO CONFORTO

Alexandre

2158 0893 / 99768 2220

marcelo_tapecaria.designer@hotmail.com

A Azul investiu R$ 100 milhões até agora na implantação da novidade. Cada nova aeronave Embraer encomendada custará, agora, R$ 1 milhão a mais com a instalação. A SKY promete para os próximos meses a ampliação da grade a bordo, para 80 canais. Luiz Eduardo Baptista da Rocha, presidente da operadora, disse que a parceria não objetivou contrapartida em dinheiro. "Não teve dinheiro nessa relação. A SKY tem buscado se posicionar como entretenimento fora de casa também. É um modo de fazer a demonstração do produto."


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

e

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Os gastos com infraestrutura elevam os preços ao consumidor. Alguém tem que pagar a conta. Paulo Rezende, da Fundação Dom Cabral

conomia

Michael Appleton / NYT

TIM contrata infraestrutura para a 4G

A

Desde o trágico setembro de 2001, a NYSE não suspendia o movimento durante dois dias seguidos. As operações voltam ao normal hoje às 11h30, horário de Brasília.

Depois de pular dois pregões, Bolsa de Nova York retorna. A volta dos negócios, interrompidos pelo furacão, é um alívio para a Bovespa, que desde segunda-feira opera sem a principal referência.

A

s bolsas NYSE Euronext e Nasdaq OMX vão reabrir para operações normais nesta quarta-feira, para todos os mercados de ações, bônus, opções e derivativos. As operações da NYSE começarão no horário habitual, às 9h30 (11h30 no horário de Brasília), seguindo os procedimentos normais. Os negócios estão interrompidos desde segundafeira por causa dos efeitos do furacão Sandy, muito intensos na área sul da ilha de Manhattan, onde fica o distrito financeiro de Nova York. A última

vez em que as bolsas ficaram fechadas por mais de um pregão foi nos dias seguintes aos atentados de 11 de setembro de 2001. "Temos a satisfação de anunciar que seremos capazes de retomar as negociações normais amanhã (hoje). Nosso prédio e os sistemas não foram danificados", disse o presidente da NYSE, Duncan Niederauer. "A decisão de abrir para os negócios na quarta-feira foi tomada após consultas às autoridades reguladoras, incluindo a Securities and Exchange Commission

(SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA) e outras bolsas e autoridades do governo", informou a Nasdaq em comunicado. A volta dos negócios em Nova York é um alívio para a Bovespa, que desde o início da semana opera sem sua principal referência. O reflexo mais visível é a redução do volume financeiro à metade: pouco mais de R$ 3 bilhões ontem, ante média próxima a R$ 6 bilhões nas últimas semanas. Em mais um dia esvaziado, a bolsa brasileira conseguiu encerrar o pregão no azul, sus-

tentada pela recuperação da Petrobras, motivada pela volta dos rumores de que o esperado reajuste de combustível pode sair. Anteontem, a ação da estatal caíra mais de 3%. O movimento de valorização das blue chips foi amparado por notícias positivas vindas do exterior, entre elas, a contração menor do que a esperada para a economia da Espanha no terceiro trimestre ante o segundo. Nos Estados Unidos, o contínuo avanço dos preços de moradias em agosto foi visto como uma sinalização de re-

cuperação gradual do setor. O Ibovespa encerrou o pregão em alta de 0,89%, em 57.683 pontos. Com esse resultado, a perda acumulada em outubro caiu para 2,52%. No ano, o indicador contabiliza ganho de 1,64%. O sócio-diretor da corretora Elite, Otto dos Santos, ponderou que a terça-feira foi mais um dia atípico. "Não há muito o que dizer sobre a Bovespa sem as bolsas de Nova York. Nosso mercado depende muito do dinheiro lá de fora e os grandes players não operaram." (Estadão Conteúdo)

Infraestrutura ruim custa 13% da receita E stradas ruins, carga e descarga em centros urbanos e falta de ferrovias custam às empresas brasileiras 13% de suas receitas brutas. Em pesquisa inédita, a Fundação Dom Cabral (FDC), maior escola de negócios do País, analisou o peso do chamado "custo logístico" de companhias cujas cadeias dependem do transporte de bens. O transporte de longa distância é o que mais pesa, responsável por 38% do

total, segundo apontaram as 126 empresas ouvidas, que representam 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. O item engloba a manutenção de caminhões, reposição de pneus e custo de combustível, um desdobramento das estradas ruins. O setor que mais sofre é o agropecuário, seguido pelo da construção. Os gastos com infraestrutura elevam os preços ao consumidor e minam a capacidade de a empresa investir, diz Paulo

Rezende, coordenador do núcleo de Infraestrutura e Logística da FDC. "Alguém tem que pagar a conta", afirma. Em um primeiro momento, são os consumidores que pagam quando as empresas podem repassar os custos. Quando não podem, são obrigadas a diminuir a margem operacional e a cortar investimentos. Já as que não suportam o estrangulamento na operação transferem o custo para os produtores.

Apesar dos desdobramentos, o custo logístico não pode ser zerado. A questão levantada é quanto dele se deve a uma infraestrutura ruim. Para chegar à resposta, a FDC comparou a situação brasileira com a dos EUA, um país igualmente continental e com boa infraestrutura. Enquanto no Brasil, a cada R$ 100 faturado, R$ 13,10 são custo logístico, nos EUA, são R$ 7,50. A diferença entre um e outro é a "ineficiência da logística

brasileira", diz Rezende. "Os produtos do País já partem R$ 5,60 mais caros que os americanos." A FDC calculou que o custo logístico representa 12% do PIB. A diferença entre esse nível e os 8% do PIB americano gastos com logística custa US$ 83,2 bilhões ao Brasil. "Da porteira para dentro, a indústria brasileira moderniza e investe. Na hora que vai transportar, muitos dos ganhos são perdidos." (Folhapress)

TIM fechou contrato com Ericsson, Huawei e Nokia Siemens para o fornecimento de infraestrutura para sua rede de quarta geração (4G). Desde o ano passado, as três empresas já são parceiras da operadora nas tecnologias GSM e 3G, com um contrato assinado por três anos. A TIM era a única operadora que ainda não tinha anunciado seus fornecedores para o padrão Long Term Evolution (LTE). No início do mês, Oi, Vivo e Claro divulgaram os parceiros escolhidos na Futurecom, feira do setor de telecomunicações. A Ericsson foi a maior vencedora desse processo e estará presente como provedora de infraestrutura 4G para todas as grandes telefônicas do País. A infraestrutura digital de nova geração deverá estar disponível até abril de 2013, para atender a Copa das Confederações. (Agências)

BC altera regras para microcrédito

P

ara tentar fazer com que cerca de R$ 1 bilhão que está parado no Banco Central seja revertido em microcrédito e mapear o volume dessas operações concedidas pelos bancos no Brasil, o Banco Central (BC) alterou as regras. Aumentou de R$ 20 mil para R$ 40 mil o limite atual que os bancos podem emprestar para pequenos empreendedores. Essas operações têm taxas de juros limitadas e obedecem a critérios de renda que permanecem inalterados. Só que, a partir de agora, se houver atraso no pagamento das prestações em mais de 60 dias, o banco terá que desconsiderar o saldo total emprestado do montante mínimo de aplicação exigido pelo BC. Isso fará com que ele tenha que realizar novas operações para cumprir as exigências do governo. Atualmente, 2% do dinheiro depositado na conta corrente dos clientes têm de ser direcionado para o microcrédito. O dinheiro que não é aplicado fica parado no BC. Cerca R$ 1 bilhão permanece no BC por falta de interesse das instituições. As operações pelas novas regras estão sendo chamadas de microcrédito produtivo orientado. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

e

19

Fotos: Newton Santos/Hype

conomia

A Loja Modelo faz o controle automático de entrada e saída de mercadorias e de artigos fora de ordem, e destaca os produtos para compra de impulso.

Evento promovido pelo Sebrae-SP permitiu o acesso a técnicas de ambientação e automação comercial que ajudam a ampliar os negócios.

Toques de modernidade para o lojista Karina Lignelli

E

tiquetas inteligentes, catálogos que não precisam ser folheados e até provadores que sugerem combinações de roupas ao cliente. Tudo isso num ambiente que valoriza as vitrines, a disposição dos produtos e a organização do espaço. A Loja Modelo, um dos grandes chamarizes da Feira do Empreendedor do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP), realizada na capital paulista, é um exemplo do quanto as modernas técnicas de visual e ambientação, aliadas à automação comercial, podem ampliar as vendas em até 40%, dependendo do nível de organização da loja, de acordo com o consultor de marketing e varejo do SebraeSP, Gustavo Carrer. Entre as novidades, as soluções que utilizam tecnologia de ponta para impulsionar a gestão de varejo foram o destaque. Exemplo é o sistema RFID (Radio Frequence Identification), que cria o controle do entrada e saída de mercadorias a partir da etiqueta do produto. Ou seja, é como se cada peça tivesse um RG, já que uma antena ligada ao ponto de venda capta dados de cada produto que entrar ou sair, inclusive por trocas. Com isso, o sistema identifica se um produto está em local incorreto – como uma peça feminina na parte masculina. Ao exibir a foto da que está fora da ordem, ele permite corrigir a falha em tempo real. "Com o aparelho leitor de etiquetas, é possível fazer um inventário, que antes levava quatro dias, em 40 minutos", disse o diretor da Vip-Systems, Fabián Romano. O sistema varia de acordo com a dimensão de cada estabelecimento, mas no caso de um similar à Loja Modelo, de 90 m², custa a partir de R$ 40 mil. Para cada etiqueta o investimento fica em torno de R$ 0,40. A tecnologia pode ser

adaptada para outras áreas da loja, como provadores – caso da loja de moda jovem Billabong, em Alphaville, uma das pioneiras no conceito de loja inteligente. "Inovar só depende do lojista", completou Romano. Ambientação – Ao reproduzir o interior de uma loja de rua de roupas femininas, a Loja Modelo destacou itens como precificação à vista do cliente, adequação dos provadores e até araras e cabides modulares adaptados ao produto. O espaço para trânsito dentro da loja também não foi esquecido, além da música ambiente, iluminação direta e até aro-

matização. Segundo Gustavo Carrer, um elemento importante é a organização da vitrine, com a ajuda de anteparos para facilitar a visualização e a atração de consumidores. "Além de direcionar a visão para o produto, ela deve chamar a atenção em poucos segundos, sem excessos", explicou. O excesso é um dos erros mais cometidos pelos lojistas. "Na ânsia de vender, muitas vezes cria-se uma ambientação poluída. Isso gera confusão na cabeça do consumidor, que fica sem saber a proposta da loja", alertou. Para melhorar a organiza-

ção, a Loja Modelo foi montada dentro dos conceitos de direita e esquerda. O primeiro, para reunir produtos de uso mais frequente ou itens de compra por impulso, já que é para onde geralmente o consumidor olha quando entra na loja. No segundo, onde há menor fluxo de público, ficam os produtos de destino, ou seja, o foco principal da compra. "A ideia é que o cliente tenha mais tranquilidade para tomar sua decisão num espaço menos movimentado", disse. Mais vendas – De modo geral, montar um estabelecimento comercial nos moldes da Loja Modelo custa em torno

U

Adriano Santos, que veio para a Feira se atualizar nas tendências do varejo, contou que se sentiu "feliz e chateado" ao mesmo tempo com o que viu na Loja Modelo. "É ótimo por nos dar uma boa referência, mas ruim porque não dá para aplicar todas essas soluções amanhã", brincou. Para ele, um dos maiores entraves do empresário do varejo é a falta de coragem de colocar toda essa consistência em prática. "Crescer ou não crescer é algo que se decide diariamente, e boa parte depende de ter mais qualificação e conhecimento desse mercado", concluiu.

O jogo da administração virtual

M

ais do que fazer networking e conhecer novidades para inovar nos negócios, muitos empreendedores que foram à Feira do Sebrae lotaram o espaço dedicado aos jogos empresariais. O Desafio Sebrae, criado inicialmente para estudantes universitários simularem virtualmente a administração fictícia de uma empresa, foi aberto a todos os participantes como uma forma de diagnosticar o seu próprio negócio ou guiar sua trajetória profissional por meio do empreendedorismo, segundo o consultor de desenvolvimento e inovação Marcos Galini. "Através de rodadas de gerenciamento de uma empresa de polpas de frutas, sorvetes e sucos, é possível 'degustar' esse universo para descobrir qual o conhecimento sobre gestão empresarial e o que é preciso para melhorar", explicou. O game de negócios atraiu a atenção de "jogadores" de todos os

perfis, em busca de informações diferentes dos negócios em que atuam hoje, nas duas rodadas de três horas cada. O desafio: tomar decisões e correr riscos necessários para o empreendimento ter sucesso. Exemplo disso é a especialista em serviços de preservação ambiental Lílian Mammana, que participou em busca de "inovação empresarial". Ou a proprietária de uma empresa de traduções e eventos Sylvia Márcia Belinky, atrás de informações para reaproveitar resíduos "não utilizados nem no lixão", como o isopor. Já a consultora de RH Luciana Marques Pimenta, que queria entender e explorar nichos como PMEs, "ainda sem tecnologia, nem tradição de coaching", também buscou dicas de gestão pelo interesse em abrir um café. "Como empreendedora, é importante experimentar outra coisa", frisou. Desafio – Nos quatro dias de evento, oito participantes ganharam as

rodadas do Desafio Sebrae, e a primeira vencedora foi a estudante de administração Neusa Solon Mota, 32, que trabalha na área de recrutamento e seleção numa empresa de serviços terceirizados. O susto inicial com o jogo – gerir uma atividade diferente da qual está acostumada – se tornou um desafio que exigiu "muito tato", segundo ela. "Ter de fazer um investimento sem ter o dinheiro em si me incomodou, a princípio. Mas lembrei que quem é empreendedor tem de ter visão de futuro, criar estratégias de longo prazo para não dar um tiro no escuro, acabar falindo", disse ela, que tem planos de empreender na área de RH no futuro e ganhou, como os demais vencedores, uma bolsa de estudos de R$ 1 mil para o curso de capacitação empresarial de empreendedores com ou sem empresa da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. (KL)

Uma nova 'secretária' m empreendedor que trabalha para que os micro, pequenos e médios empreendedores não percam negócios, nem deixem de atender seus clientes com rapidez e qualidade. Esse é o mote do "Número Mágico", solução da Prestus – Assistentes Virtuais 24 horas, que marcou presença na Feira do Empreendedor do Sebrae-SP e se destacou pelo estande sempre cheio de visitantes em busca de resolver um velho problema: falta de tempo. Nascida da experiência pessoal do CEO Alexandre

de R$ 80 mil sem estoques, segundo Carrer. Mas nem sempre é preciso um investimento alto: dependendo de como a loja é organizada, dá para implantar melhorias sem gastar, ou com um baixo investimento, em torno de R$ 700. "Quanto mais desorganizada a loja, maior a necessidade de avaliar o que precisa ser melhorado. É nesses casos que se tem resultados de até 40% de alta nas vendas, só com a aplicação das técnicas", destacou. Com empreendimento estabelecido em Rio Claro (a 170 km da Capital), o sócio de uma loja de produtos terapêuticos,

Borin Cardoso – um exexecutivo de telecom que percebeu que gastava muito tempo com tarefas não ligadas à sua responsabilidade por falta de assistentes, e pediu demissão para se dedicar à Prestus – a ideia se baseia num conceito simples. Por meio de um número que acompanha o profissional no dia a dia, é possível fazer o redirecionamento de chamadas do seu celular, empresa ou home-office quando ele estiver ocupado, para que uma secretária remota anote recados, pegue pedidos ou confirme

compromissos – por 24 horas, se preciso. Com ajuda da "secretária virtual" também é possível localizar um endereço, confirmar reuniões, consultas e ligar para call-centers, além de fazer pesquisas de preços nas compras pessoais ou da empresa. "O objetivo, além de fazer com que os empresários estejam sempre disponíveis para clientes e parceiros, é não sobrecarregar seu dia a dia e melhorar sua qualidade de vida. Além de tudo, toda essa tecnologia e comodidade são oferecidas por um valor bastante

acessível às PMEs. Grandes empresas também têm aderido ao serviço como investimento em produtividade", explicou Borin. Ele afirmou que o serviço ajuda a cortar custos em 45%, além de aumentar a produtividade em até 25%. A Prestus, criada há três anos, ganhou em 2010 o prêmio Converge de Inovação Digital como startup inovadora, na categoria "Empreendedorismo" com o "Clube de Serviços", uma assistência de retaguarda 24 horas para profissionais e empresas. (KL)

O leitor de etiquetas faz em 40 minutos um inventário que exigia quatro dias. FABIÁN ROMANO

O produto faz com que o empresário esteja sempre disponivel para clientes e parceiros. ALEXANDRE BORIN CARDOSO

Fone: 11 5548-4220 CRECI/SP 1650 Fax: 5686-6327

COMPRA - VENDA - LOCAÇÃO - ADMINISTRAÇÃO CONSULTORIA DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Através de seu Diretor, TERUO YATABE, a empresa YATABE IMÓVEIS E ADMINISTRAÇÃO LTDA. saúda todos os Microempresários da Cidade de São Paulo e convida a todos para visitarem o site de sua empresa.

www.yatabeimoveis.com.br

Largo 13 de Maio, 520 - 5º andar - conj. 53 - Shop. Center Santo Amaro - São Paulo/SP


DIà RIO DO COMÉRCIO

20 -.ECONOMIA/LEGAIS

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

e ComissĂŁo leva proposta a Sarney

O projeto tambĂŠm exige que, no caso de a mercadoria beneficiada ser vendida a outro Estado, o ICMS efetivamente recolhido na origem seja de 4%.

conomia

ComissĂŁo de notĂĄveis entrega proposta ao presidente do Senado para acabar com a guerra fiscal nos Estados

O

s Estados mais pobres poderão contin u a r d a n d o d e scontos no Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para atrair empresas, mas não da forma como ocorre hoje na chamada guerra fiscal. Eles terão de ser concedidos de forma transparente e dentro de limites previstos em lei. É o que prevê proposta elaborada por uma comissão de notåveis presidida pelo ex-ministro Nelson Jobim, cujo relator Ê o ex-secretårio da Receita Federal Everardo Maciel. Ela foi entregue ontem ao presidente do Senado, JosÊ Sarney. Fazem parte da comissão: Bernard Appy, Fernando Rezende, Ives Gandra, João Paulo dos Reis Velloso, Luís Roberto Barroso, Manoel Felipe Rêgo Brandão, Marco AurÊlio M a r r a f o n , M i c h a l G a r t e nkraut, Paulo de Barros Carvalho e SÊrgio Prado. O objetivo Ê colocar um fim na guerra fiscal sem, no entanto, retirar dos Estados mais pobres o principal instrumento utilizado nas últimas três dÊcadas para atrair indústrias e desenvolver a economia local. Por outro lado, a criação de incentivos fiscais fora dos limites propostos daria de um a

A

Antonio Cruz/ ABr

Cesar Diniz/Hype - 09.03.09

Nelson Jobim, ex-ministro da Justiça e do Supremo Tribunal Federal.

Everardo Maciel, ex-secretĂĄrio da Receita, e um dos autores da proposta.

quatro anos de cadeia. A comissão propþe uma alteração no Código Penal. No total, o grupo elaborou 11 proposiçþes, entre propostas de emenda constitucional, projetos de lei, de resolução e de emendas a propostas jå em tramitação no Legislativo. O pacote ataca as principais discussþes do Congresso que envolvem finanças dos Estados: reforma tributåria, nova lei dos royalties, Fundo de Participação dos Estados (FPE), renegociação das dívidas com o Tesouro Nacional e vårios outros temas, que vão da proibição da criação de pisos salariais nacionais à criação de um cadastro único de empresas.

'FKVCN FG Â&#x153; G Â&#x153; 2TCnC FG $GPU +OxXGKU G RCTC KPVKOCnlQ FQU GZGEWVCFQU 'N\C 4COQU FG 5QW\C 4) 52 %2(  G #NHTGFQ FG 5QW\C 4) 52 %2(   DGO EQOQ FC ETGFQTC JKRQVGEhTKC %CKZC FG 2TGXKFqPEKC FQU (WPEKQPhTKQU FQ $CPEQ FQ $TCUKN FQU ETGFQTGU ;CTC #TCPJC 4KECTFQ %2(  G ,QlQ 4QDGTVQ 5KNXC .GKVG %2(   G FGOCKU KPVGTGUUCFQU GZVTCsFC FQU CWVQU FC #nlQ FG 'ZGEWnlQ FG 6sVWNQ 'ZVTCLWFKEKCN ° 2TQE   ° TGSWGTKFC RQT 'URxNKQ FG )GPQXCKVG /CTMGXKEKWVG ,CHGV PC RGUUQC FG UGW KPXGPVCTKCPVG 4QDGTVQ 'WIqPKQ /CTMGXKEKWU FG /GPG\GU 4)  %2(   1 &T 2CWNQ (WTVCFQ FG 1NKXGKTC (KNJQ ,WK\ FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC %sXGN  (QTQ 4GIKQPCN +++  ,CDCSWCTC 52 PC HQTOC FC NGK GVE (#< 5#$'4 SWG EQO HWNETQ PQ CTVKIQ # FQ %2% G TGIWNCOGPVCFQ RGNQ 2TQX %5/   FQ 6,52 CVTCXoU FC <7-'4/#0 .'+.­'5 YYY\WMGTOCPEQODT RQTVCN FG NGKN|GU QPNKPG NGXCTh C R}DNKEQ RTGIlQ FG XGPFC G CTTGOCVCnlQ PC Â&#x153; 2TCnC EQO KPsEKQ PQ FKC  FG &G\GODTQ FG  iU  JQTCU G EQO VGTOKPQ PQ FKC  FG &G\GODTQ FG  iU  JQTCU GPVTGICPFQQ C SWGO OCKU FGT XCNQT KIWCN QW UWRGTKQT CQ FC CXCNKCnlQ HKECPFQ FGUFG Lh FGUKIPCFQ RCTC C Â&#x153; 2TCnC EQO KPsEKQ PQ FKC  FG &G\GODTQ FG  iU  JQTCU G EQO VGTOKPQ PQ FKC  FG ,CPGKTQ FG  iU  JQTCU ECUQ PlQ JCLC NKEKVCPVGU PC Â&#x153; QECUKlQ GO SWG Q DGO UGTh GPVTGIWG C SWGO OCKU FGT PlQ UGPFQ CEGKVQ NCPEG KPHGTKQT C  FQ XCNQT FG CXCNKCnlQ #TV  FQ %2% G CTV  FQ 2TQX %5/ P  Q KOxXGN CDCKZQ FGUETKVQ EQPHQTOG EQPFKn|GU FG XGPFC EQPUVCPVGU FQ RTGUGPVG GFKVCN +/Ă?8'. 7O RToFKQ TGUKFGPEKCN UKVWCFQ i 4WC %QPFG /QTGKTC .KOC PÂ?  G UGW TGURGEVKXQ VGTTGPQ EQPUVKVWsFQ RGNQ NQVG PÂ?  SWCFTC  ,CTFKO ,CDCSWCTC Â? 5WDFKUVTKVQ  ,CDCSWCTC OGFKPFQ O FG HTGPVG GO EWTXC O FC HTGPVG CQU HWPFQU FQ NCFQ FKTGKVQ XKUVQ FC TWC O FQ NCFQ GUSWGTFQ G O PC NKPJC FQU HWPFQU GPEGTTCPFQ C hTGC FG OĂŻ EQPHTQPVCPFQ FQ NCFQ FKTGKVQ EQO Q RToFKQ PÂ?  FQ NCFQ GUSWGTFQ EQO Q RToFKQ PÂ?  CODQU FC OGUOC 4WC %QPFG /QTGKTC .KOC G PQU HWPFQU EQO Q RToFKQ PÂ?  FC 4WC #FGNKPQ (QPVQWTC UGPFQ SWG CPVGTKQTOGPVG EQPHTQPVCXC FQ NCFQ FKTGKVQ EQO Q NQVG PÂ?  FQ NCFQ GUSWGTFQ EQO Q NQVG PÂ?  G PQU HWPFQU EQO QU HWPFQU FQU NQVGU PÂ?5  G  VQFQU FC OGUOC SWCFTC PÂ?  'PEQPVTCUG TGIKUVTCFQ UQD C /CVTsEWNC PÂ?  FQ Â? %4+ FC %CRKVCN +PUETKVQ PQ ECFCUVTQ FQU EQPVTKDWKPVGU FC 2TGHGKVWTC /WPKEKRCN UQD PÂ?  #8#.+#c­1 4  OCTnQ   SWG UGTh CVWCNK\CFC PC FCVC FQ GHGVKXQ NGKNlQ Ă?075 %QPUVC FC TGHGTKFC OCVTsEWNC EQPHQTOG 4   *+216'%# GO HCXQT FC %CKZC FG 2TGXKFqPEKC FQU (WPEKQPhTKQU FQ $CPEQ FQ $TCUKN EQPHQTOG 4   C 2'0*14# ':'37'0&# G EQPHQTOG #X   2'0*14# PQU CWVQU FC CnlQ FG FGURGLQ RQT HCNVC FG RCICOGPVQ 2TQEGUUQ PÂ?   RGTCPVG C Â&#x153; 8CTC %sXGN FQ (QTQ 4GIKQPCN FG 5CPVQ #OCTQ52 GO HCXQT FG ;CTC #TCPJC 4KECTFQ G ,QlQ 4QDGTVQ 5KNXC .GKVG %10&+cÂŽ'5 &' 8'0&# &KURQPsXGKU PQ UKVG YYY\WMGTOCPEQODT .'+.1'+41 1 NGKNlQ UGTh TGCNK\CFQ RGNQU NGKNQGKTQU (CDKQ <WMGTOCP ,7%'52 PÂ?  &QTC 2NCV ,7%'52 PÂ?  G ,JQPPK $CNDKPQ FC 5KNXC ,7%'52 PÂ?  CEQORCPJCFQU RGNQ IGUVQT G NGKNQGKTQ /CWTQ <WMGTOCP ,7%'52 PÂ?  2#)#/'061 G 4'%+$1 &' #44'/#6#c­1  1U RTGnQU FQU DGPU CTTGOCVCFQU FGXGTlQ UGT FGRQUKVCFQU CVTCXoU FG IWKC FG FGRxUKVQ LWFKEKCN FQ $CPEQ FQ $TCUKN 5# QDVKFC GO UWCU CIqPEKCU QW CVTCXoU FQ UKVG YYYDDEQODT PQ RTC\Q FG  JQTCU FC TGCNK\CnlQ FQ NGKNlQ DGO EQOQ FGXGTh UGT FGRQUKVCFC C EQOKUUlQ FQ .GKNQGKTQ CVTCXoU FG RCICOGPVQ GO FKPJGKTQ PC TGFG DCPEhTKC &1% QW 6'& ° 6TCPUHGTqPEKC 'NGVTzPKEC &KURQPsXGN PQ RTC\Q FG CVo  WO FKC }VKN C EQPVCT FQ GPEGTTCOGPVQ FQ NGKNlQ PC EQPVC FQ .GKNQGKTQ 1HKEKCN /CWTQ <WMGTOCP ° %2(  $CPEQ +VC} #IqPEKC  %%   'O CVo  JQTCU CRxU Q GPEGTTCOGPVQ FQ .GKNlQ ECFC CTTGOCVCPVG TGEGDGTh WO GOCKN EQO KPUVTWn|GU RCTC FGRxUKVQ ° TGEQOGPFCOQU GURGTCT Q TGEGDKOGPVQ FGUVG GOCKN CPVGU FG GHGVWCT Q FGRxUKVQ &GEQTTKFQU Q RTC\Q UGO SWG CTTGOCVCPVG VGPJC TGCNK\CFQ Q FGRxUKVQ VCN KPHQTOCnlQ UGTh GPECOKPJCFC CQ // ,Ws\Q EQORGVGPVG RCTC C CRNKECnlQ FCU OGFKFCU NGICKU ECDsXGKU # EQOKUUlQ FGXKFC CQ IGUVQT UGTh FG  UQDTG Q XCNQT FC CTTGOCVCnlQ PlQ UG KPENWKPFQ PQ XCNQT FQ NCPnQ # CTTGOCVCnlQ UGTh HGKVC OGFKCPVG RCICOGPVQ KOGFKCVQ FQ RTGnQ RGNQ CTTGOCVCPVG EQPHQTOG EQPFKn|GU FG RCICOGPVQ CEKOC KPFKECFCU #NVGTPCVKXCOGPVG UGTh CKPFC CFOKVKFQ RCICOGPVQ PQ RTC\Q FG  FKCU OGFKCPVG ECWnlQ FG  FQ XCNQT FG CTTGOCVCnlQ CTV  FQ %2%  4'/+c­1 &# ':'%7c­1 5G C Q U GZGEWVCFC Q U  CRxU C RWDNKECnlQ FQ GFKVCN GO GRsITCHG RCICT C FsXKFC CPVGU FG CFLWFKECFQ U QW CNKGPCFQ U Q U DGO PU  PC HQTOC FQ CTVKIQ  FQ %xFKIQ FG 2TQEGUUQ %KXKN FGXGTh CRTGUGPVCT CVo C FCVC G JQTC FGUKIPCFCU RCTC Q NGKNlQ C IWKC EQORTQDCVxTKC FQ TGHGTKFQ RCICOGPVQ CEQORCPJCFC FG RGVKnlQ HC\GPFQ OGPnlQ GZRTGUUC SWCPVQ i TGOKnlQ FC GZGEWnlQ UGPFQ XGFCFQ RCTC VCN HKPCNKFCFG Q WUQ FQ RTQVQEQNQ KPVGITCFQ 0GUVG ECUQ FGXGTh C Q GZGEWVCFC Q RCICT C KORQTVjPEKC CVWCNK\CFC FC FsXKFC OCKU LWTQU EWUVCU JQPQThTKQU CFXQECVsEKQU G C EQOKUUlQ FGXKFC CQ .GKNQGKTQ 1HKEKCN FG  FQKU RQT EGPVQ UQDTG Q XCNQT RCIQ FsXKFC GZGSÂ&#x20AC;GPFC  #%14&1 5GPFQ HKTOCFQ CEQTFQ GPVTG CU RCTVGU FGXGTh Q C GZGEWVCFQ C CTECT EQO CU FGURGUCU FG FKXWNICnlQ CUUWOKFCU RGNQ NGKNQGKTQ EQTTGURQPFGPVGU i  FQKU RQT EGPVQ UQDTG Q XCNQT CEQTFCFQ &Ă&#x2019;8+&#5 ' '5%.#4'%+/'0615 2GUUQCNOGPVG RGTCPVG Q 1HKEKQ QPFG GUVKXGT QEQTTGPFQ i CnlQ QW PQ GUETKVxTKQ FQU NGKNQGKTQU QHKEKCKU NQECNK\CFQ PC #XGPKFC #PIoNKEC PÂ?  Â? CPFCT *KIKGPxRQNKU %CRKVCN ° 52 QW CKPFC RGNQ VGNGHQPG   G GOCKN EQPVCVQ"\WMGTOCPEQODT (KECO QU GZGEWVCFQU +06+/#&15 FCU FGUKIPCn|GU UWRTC ECUQ PlQ UGLCO NQECNK\CFQU RCTC C KPVKOCnlQ RGUUQCN 0lQ EQPUVC FQU CWVQU JCXGT TGEWTUQ QW ECWUC RGPFGPVG FG LWNICOGPVQ ²'XGPVWCKU zPWU UQDTG Q KOxXGN EQTTGTlQ RQT EQPVC FQ CTTGOCVCPVGÂł GZEGVQ GXGPVWCKU FoDKVQU FG +267+64 G FGOCKU VCZCU G KORQUVQU SWG UGTlQ UWDTQICFQU PQ XCNQT FC CTTGOCVCnlQ PQU VGTOQU FQ CTV  ²ECRWVÂł G RCThITCHQ }PKEQ FQ %60 OGFKCPVG CRTGUGPVCnlQ FG GZVTCVQ RGNQ CTTGOCVCPVG 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK

Hoje, para conceder um incentivo fiscal com o ICMS, um Estado precisa obter aprovação unânime do Conselho Nacional de Política Fazendåria (Confaz), composto pelos sec r e t å r i o s e s t aduais de finanças de todos os Estados. A imensa maioria dos descontos do ICMS atuais foi concedida sem observar essa exigência legal, numa pråtica considerada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Assim, a rigor, as empresas poderão ser condenadas a devolver os impostos que deixaram de recolher com base nesses pro-

gramas. A proposta da comissão prevê que o Confaz poderå, por decisão aprovada por dois terços de seus membros, garantir que impostos que deixaram de recolher no passado não sejam mais cobrados. Isso tira um enorme peso das costas de empresas e goMAX vernos. No entanto, os programas que geraram esses descontos de imposto só poderão ser validados por mais dez anos. Benefícios novos poderão ser criados apenas por Estados que, nos dez anos antes de sua criação, registraram um Produto Interno Bruto (PIB) in-

'&+6#. &' .'+.ÂŹ1 &' Â&#x153; G Â&#x153; 24#c# G FG KPVKOCnlQ FC ,1ÂŹ1 #06Ă?0+1 2'5#4'..+ FGRQUKVhTKQ  KPUETKVQ PQ %2(/( UQD Q PÂ?  G FG UWC OWNJGT #&7<+0&# &' %#5641 #.8'5 2'5#4'..+ KPUETKVQ PQ %2(/( UQD Q PÂ?  G FC ETGFQTC JKRQVGEhTKC %#+:# '%10Ă?/+%# ('&'4#. ° %'( KPUETKVC PQ %02,/( UQD Q PÂ?  1 &T #KTVQP 2KPJGKTQ FG %CUVTQ // ,WK\ FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC %sXGN FQ (QTQ %GPVTCN FC %CRKVCN  52 PC HQTOC FC NGK (#< 5#$'4 CQU SWG Q RTGUGPVG 'FKVCN FG Â&#x153; G Â&#x153; 2TCnC FQ DGO KOxXGN XKTGO QW FGNG EQPJGEKOGPVQ VKXGTGO G KPVGTGUUCT RQUUC SWG RQT GUVG ,Ws\Q RTQEGUUCOUG QU CWVQU FC #nlQ FG 'ZGEWnlQ FG 6sVWNQ 'ZVTCLWFKEKCN CLWK\CFC RQT %.#7&+1 41$'461 .+)'4+ GO HCEG FG ,1ÂŹ1 #06Ă?0+1 2'5#4'..+ G QWVTC  RTQEGUUQ PÂ?  G SWG HQK FGUKIPCFC C XGPFC FQ DGO FGUETKVQ CDCKZQ FG CEQTFQ EQO CU TGITCU GZRQUVCU C UGIWKT &1 +/Ă&#x17D;8'.  #U HQVQU G C FGUETKnlQ FGVCNJCFC FQ KOxXGN C UGT CRTGIQCFQ GUVlQ FKURQPsXGKU PQ 2QTVCN YYYOGICNGKNQGUEQODT &# 8+5+6#cÂŹ1  #U XKUKVCU FGXGTlQ UGT CIGPFCFCU XKC GOCKN XKUKVCECQ"OGICNGKNQGUEQODT &1 .'+.ÂŹ1 ° 1 .GKNlQ UGTh TGCNK\CFQ RQT /1&#.+&#&' /+56# '.'64Ă?0+%1 ' 24'5'0%+#.  CVTCXoU FQ 2QTVCN YYYOGICNGKNQGUEQODT C Â&#x153; 2TCnC VGTh KPsEKQ PQ FKC  iU JU G UG GPEGTTCTh FKC  iU JU QPFG UQOGPVG UGTlQ CEGKVQU NCPEGU KIWCKU QW UWRGTKQTGU CQ XCNQT FC CXCNKCnlQ PlQ JCXGPFQ NCPEG KIWCN QW UWRGTKQT CQ XCNQT FC CXCNKCnlQ UGIWKTUGh UGO KPVGTTWRnlQ C Â&#x153; 2TCnC SWG VGTh KPsEKQ PQ FKC  iU JU G UG GPEGTTCTh PQ FKC  iU JU QPFG UGTlQ CEGKVQU NCPEGU EQO PQ OsPKOQ  FQ XCNQT FC CXCNKCnlQ &1 %10&7614 &1 .'+.ÂŹ1 ° 1 .GKNlQ UGTh EQPFW\KFQ RGNQ .GKNQGKTQ 1HKEKCN 5T (GTPCPFQ ,QUo %GTGNNQ )QPnCNXGU OCVTKEWNCFQ PC ,WPVC %QOGTEKCN FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ ° ,7%'52 UQD Q PÂ?  &1 8#.14 /Ă&#x160;0+/1 &' 8'0&# &1 $'/ ° 0C Â&#x153; 2TCnC Q XCNQT OsPKOQ RCTC C XGPFC FQ DGO EQTTGURQPFGTh C  UGUUGPVC RQT EGPVQ FQ XCNQT FC CXCNKCnlQ LWFKEKCN SWG UGTh CVWCNK\CFC CVo C FCVC FC CNKGPCnlQ LWFKEKCN &15 .#0%'5 ° 1U NCPEGU RQFGTlQ UGT QHGTVCFQU RGNC +PVGTPGV CVTCXoU FQ 2QTVCN YYYOGICNGKNQGUEQODT QW FG XKXC XQ\ PQ FKC FQ GPEGTTCOGPVQ FQ NGKNlQ C RCTVKT FCU  JQTCU PQ #WFKVxTKQ NQECNK\CFQ PC #NCOGFC (TCPEC  ,CTFKO 2CWNKUVC 5lQ 2CWNQ52 GO KIWCNFCFG FG EQPFKn|GU &15 &d$+615 ° 'XGPVWCKU zPWU UQDTG Q KOxXGN EQTTGTlQ RQT EQPVC FQ CTTGOCVCPVG GZEGVQ GXGPVWCKU FoDKVQU FG +267 G FGOCKU VCZCU G KORQUVQU SWG UGTlQ UWDTQICFQU PQ XCNQT FC CTTGOCVCnlQ PQU VGTOQU FQ CTV  ²ECRWVÂł G RCThITCHQ }PKEQ FQ %60 &1 2#)#/'061  1 CTTGOCVCPVG FGXGTh GHGVWCT Q RCICOGPVQ FQ RTGnQ FQ DGO CTTGOCVCFQ PQ RTC\Q FG CVo JU XKPVG G SWCVTQ JQTCU CRxU Q GPEGTTCOGPVQ FQ NGKNlQ CVTCXoU FG IWKC FG FGRxUKVQ LWFKEKCN GO HCXQT FQ ,Ws\Q TGURQPUhXGN UQD RGPC FG UG FGUHC\GT C CTTGOCVCnlQ &# %1/+55ÂŹ1 ° 1 CTTGOCVCPVG FGXGTh RCICT i /')#.'+.1'5 )'5614 ,7&+%+#. C VsVWNQ FG EQOKUUlQ Q XCNQT EQTTGURQPFGPVG C  EKPEQ RQT EGPVQ UQDTG Q RTGnQ FG CTTGOCVCnlQ FQ KOxXGN # EQOKUUlQ FGXKFC i /GIC .GKN|GU IGUVQT LWFKEKCN PlQ GUVh KPENWsFC PQ XCNQT FQ NCPEG G PlQ UGTh FGXQNXKFC CQ CTTGOCVCPVG GO PGPJWOC JKRxVGUG UCNXQ UG C CTTGOCVCnlQ HQT FGUHGKVC RQT FGVGTOKPCnlQ LWFKEKCN QW RQT TC\|GU CNJGKCU i XQPVCFG FQ CTTGOCVCPVG G FGFW\KFCU CU FGURGUCU KPEQTTKFCU &1 2#)#/'061 &# %1/+55ÂŹ1  1 RCICOGPVQ FC EQOKUUlQ FC /')#.'+.­'5 )'5614 ,7&+%+#. FGXGTh UGT TGCNK\CFQ GO CVo JU XKPVG G SWCVTQ JQTCU C EQPVCT FQ GPEGTTCOGPVQ FQ NGKNlQ CVTCXoU FG IWKC FG FGRxUKVQ SWG UGTh GPXKCFC RQT GOCKN &# #&,7&+%#cÂŹ1 ° 0C JKRxVGUG FG CFLWFKECnlQ FQ DGO RGNQ GZGSWGPVG GUVG HKECTh TGURQPUhXGN RGNC EQOKUUlQ FGXKFC 6QFCU CU TGITCU G EQPFKn|GU FQ .GKNlQ GUVlQ FKURQPsXGKU PQ 2QTVCN YYYOGICNGKNQGUEQODT # RWDNKECnlQ FGUVG GFKVCN UWRTG GXGPVWCN KPUWEGUUQ PCU PQVKHKECn|GU RGUUQCKU G FQU TGURGEVKXQU RCVTQPQU 4'.#cÂŹ1 &15 $'05 2#46' +&'#. %144'5210&'06' #  &1 +/Ă&#x17D;8'.  /CVTsEWNC PÂ?  FQ Â? %CTVxTKQ FG 4GIKUVTQ FG +OxXGKU FG 5lQ 2CWNQ52 1 CRCTVCOGPVQ PÂ?  NQECNK\CFQ PQ Â? CPFCT FQ $NQEQ ²&Âł ²'FKHsEKQ 5QNCT FQU /CPCECU FQ ²%QPLWPVQ /QTCFCU FC %CPVCTGKTCÂł UKVWCFQ i #XGPKFC 0QXC %CPVCTGKTC GUSWKPC EQO C 4WC $GPVQ #TC}LQ PÂ?  PQ DCKTTQ FQ $CTTQ $TCPEQ PQ Â? 5WDFKUVTKVQ 6WEWTWXK EQPVGPFQ C hTGC }VKN FG  OGVTQU SWCFTCFQU C hTGC EQOWO FG  OGVTQU SWCFTCFQU C hTGC VQVCN EQPUVTWsFC FG  OGVTQU SWCFTCFQU EQTTGURQPFGPFQNJG WOC HTCnlQ KFGCN FG  FQ VGTTGPQ G FGOCKU EQKUCU FG WUQU EQOWPU #Q TGHGTKFQ CRCTVCOGPVQ ECDG WOC XCIC KPFGVGTOKPCFC FG GUVCEKQPCOGPVQ PC ICTCIGO NQECNK\CFC PQ UWDUQNQ FQ GFKHsEKQ EQO C hTGC }VKN FG  OGVTQU SWCFTCFQU hTGC EQOWO FG  OGVTQU SWCFTCFQU G hTGC VQVCN FG  OGVTQU SWCFTCFQU G C HTCnlQ KFGCN FG VGTTGPQ FG  0lQ VGO ECFCUVTQ %QPUVC PQ 4 FGUVC OCVTsEWNC SWG Q KOxXGN HQK JKRQVGECFQ i ETGFQTC 57. $4#5+.'+41 52 %4d&+61 +/1$+.+Ă&#x2021;4+1 5# %QPUVC PC #X  FGUVC OCVTsEWNC SWG QU FKTGKVQU ETGFKVxTKQU FGEQTTGPVGU FC JKRQVGEC EQPUVCPVG FQ 4 FC RTGUGPVG OCVTsEWNC HQTCO ECWEKQPCFQU i %#+:# '%10Ă?/+%# ('&'4#. ° %'( %QPUVC PQ 4 FGUVC OCVTsEWNC SWG PQU CWVQU FC #nlQ FG 'ZGEWnlQ (KUECN RTQEGUUQ PÂ?  CLWK\CFC RGNC 24'('+674# &1 /70+%Ă&#x160;2+1 &' 5ÂŹ1 2#7.1 GO HCEG ,1ÂŹ1 #06Ă?0+1 2'5#4'..+ G UWC OWNJGT #&7<+0&# &' %#5641 #.8'5 2'5#4'..+ GO VTjOKVG RGTCPVG Q 1HsEKQ FCU 'ZGEWn|GU (KUECKU /WPKEKRCKU FGUVC %CRKVCN Q KOxXGN QDLGVQ FGUVC OCVTsEWNC HQK CTTGUVCFQ %QPUVC PC #X  FGUVC OCVTsEWNC C RGPJQTC GZGSWGPFC FG RCTVG KFGCN FQ KOxXGN QDLGVQ FGUVC OCVTsEWNC RGTVGPEGPVG CQ GZGEWVCFQ VGPFQ UKFQ PQOGCFQ FGRQUKVhTKQ Q 5T ,QlQ #PVzPKQ 2GUCTGNNK 8CNQT FC #XCNKCnlQ RCTC RCTVG KFGCN EQTTGURQPFGPVG C  FQ KOxXGN 4  FW\GPVQU G UGKU OKN SWKPJGPVQU G EKPSWGPVC G VTqU TGCKU G UGVGPVC G SWCVTQ EGPVCXQU 5GVGODTQ SWG UGTh CVWCNK\CFQ CVo C FCVC FC CNKGPCnlQ EQPHQTOG VCDGNC FG CVWCNK\CnlQ OQPGVhTKC FQ 6,52

3ÂŞ Vara CĂ­vel do Foro Regional II â&#x20AC;&#x201C; Santo Amaro Citação. Prazo 20 dias. Proc. 0002201-42.2012.8.26.0002. O Dr. ClĂĄudio Salvetti D'Angelo, Juiz de Direito da 3ÂŞ Vara CĂ­vel do Foro Regional II â&#x20AC;&#x201C; Santo Amaro. Faz Saber a Cacio Rezende Ferreira, RG. 17.439.780 e CPF. 090.644.688-00 e a Josenilda da Silva Ferreira, RG. 17.493.236-4 e CPF. 153.150.468-00 que, AK9 Empreendimentos e Participaçþes Ltda. lhes ajuizou uma ação de rito OrdinĂĄrio, objetivando a rescisĂŁo do Instrumento Particular de Compromisso de Venda e Compra de Unidade AutĂ´noma, celebrado em 19.08.2006, no qual os rĂŠus se comprometeram a adquirir da autora o imĂłvel consistente na unidade nÂş 131, da Torre Sky do CondomĂ­nio Near Granja Julieta, localizado na Avenida Alceu Maynard AraĂşjo, 650, com a consequente liberação do imĂłvel para ser negociado imediatamente a terceiros, neste caso condenando-se os rĂŠus ao pagamento da multa de acordo com a clĂĄusula 8.2 do contrato, ou ainda, caso nĂŁo seja este o entendimento do MM. JuĂ­zo, que seja declarada a rescisĂŁo do contrato, com multa contratual a ser fixada de acordo com o seu prudente arbĂ­trio em razĂŁo do inadimplemento, alĂŠm das custas e despesas processuais, bem como honorĂĄrios advocatĂ­cios. Requer ainda, seja declarado pela r. sentença que a eventual devolução do valor pago pelos rĂŠus seja feita apĂłs a dedução das verbas acima relacionadas, com a aplicação da multa contratual prevista na clĂĄusula 8.2, na forma e prazo estipulados em contrato, ou, outra retenção porventura fixada pelo magistrado, ficando reconhecido Ă autora o direito de receber a diferença em seu favor caso a quantia paga pelos rĂŠus nĂŁo seja suficiente para a amortização das penalidades, devendo o valor do pagamento ser calculado em liquidação de sentença, o que tambĂŠm se requer, quando, entĂŁo, serĂĄ apurada a quantia a ser devolvida aos rĂŠus, ou a importância que estes deverĂŁo pagar a autora. Estando os rĂŠus em local ignorado, foi deferida a citação por edital, para em 15 dias, a fluir apĂłs os 20 dias supra, contestarem o feito, sob pena de presumirem-se verdadeiros os fatos alegados. SerĂĄ o edital, afixado e publicado na forma da lei. SĂŁo Paulo, 14 de setembro de 2012.

3ÂŞ VARA CĂ?VEL REGIONAL DE SANTANA PROCESSO 0144733-52.2006. EDITAL DE CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O, COM PRAZO DE 20 DIAS. O DOUTOR Carolina Martins Clemencio Duprat Cardoso, MM. JUIZ DE DIREITO DA 3ÂŞ Vara CĂ­vel, DO ESTADO DE SĂ&#x192;O PAULO, NA FORMA DA LEI, FAZ SABER a PRISCILA PRATIS TIAGO, RG nÂş 83329246 que a INSTITUTO EDUCACIONAL SEMINĂ RIO PAULOPOLITANO, lhe ajuizou uma ação MONITĂ&#x201C;RIA, objetivando a cobrança da quantia de R$4.113,14, que deverĂĄ ser corrigida pela Tabela PrĂĄtica Para CĂĄlculo de Atualização MonetĂĄria dos DĂŠbitos referente ao inadimplemento de acordo extrajudicial firmado para pagamento de mensalidades escolares relativas ao segundo semestre de 2005 do curso de GestĂŁo de NegĂłcios Atuariais. Encontrando-se a rĂŠ em lugar ignorado, foi deferida a intimação por edital, para que em quinze dias, a fluir apĂłs o prazo de vinte dias contados a partir da publicação deste edital, ofereça embargos monitĂłrios ou pague a importância supra, ficando ciente, outrossim, de que neste Ăşltimo caso ficarĂĄ isenta de custas e honorĂĄrios advocatĂ­cios e de que na hipĂłtese de nĂŁo oferecimento de embargos, serĂĄ iniciada a execução, conforme previsto no Livro II, TĂ­tulo II, capĂ­tulos II e IV. O presente serĂĄ afixado e publicado na forma da lei. SĂŁo Paulo, 25 de setembro de 2012.

 +; %;   2# #Z/. <4      3   2   , ! [ $+$'+)-'$*),0). # \   , ! [ $+$'+)-'$*),0) C8   4 . # L 2   , ! [ $+1'$$('))),&1    4  . <       V < F4 . 4  B %%&'$+'%$$&'$--%%&,)"$$$$$$,$$$ 4  B &%("%$$-. = C4    ?  . 2 2 ' ,  B 0$'*&0'(&)"$$$+,+%'  4'  4 C #458 8D . 65  4

  (; /4 6: 8  4 A489".  =4  8

. ' !> 2 ? .  =84  4 C 0)(,   4 C8   < 8 4:' # +0%-"%$$(   ". 4:M  A T NNN'C88

8 ''D4 <48 8

87   ,8 . 8 :4F  <SD8  <4 C :  44   D   < 94   +; 4  6    $+ : D4 %$+% G +$3$$ 94.

 M4    $0 : D4 %$+% G +$3$$ 94. 4 C ,  ?    4 :84 C8  < 4 4   :8 . =    @F  C   <4  %; 4  6    $0 : D4 %$+% G ++3$$ 94.  M4    %0 : D4 %$+% G +$3$$ 94.   9@ 8      +;.    ?  D    4F 4 C   ?    4.    

 8  = 4 4  0$P  :84 :8  4' 0(%   4' +1  4:' # ' +0%-"%$$(.  D  R: 8 D  4 .  =4      <4   8'  2# #Z/3 # #  [ 0%. 88 5   0[  4.  D8 $%.     #  A]/.   G :  #4 98 VD 4 8 4  8 24 . [ %'+$+ 8 1'%(*. 2 44 A<S:.   F4  S 8 0+.$&$$$$%K F4   +*.*(-)$$%K 8 5   F4   46  *).)1-)$$%K 44 < ,89  =4 8 $.1(&)$$0+$$P   44       <4<4

  .  .  4

   8 :  :C        

: 68. D 4.  8C4  4  . : 8   <4 .   4   48 [ +++'0&'$1'$$$+'$%'$%0' R: 8 4 8  D B 11'0)% < 4   +B =  8  C 4 R:



A489 E ' / T3 O (1'$*-.0% :  4I # 8               :. 4 8 5   @

4"%$$(' 2!Z3  C    :8 .  88 M <4:  < 8 <4  <   894  <SD8 .   3 A . 4@ . :   =F8 .  FC.  C.   8 =Q .  4C  8M4 . 8  <SD8 . 8  8 . 4 <4 8  : : F4 .   <8  8. 4. 4? .  S '  ^  /3  =4 <  4:   #   89 < 4 4  #C 44 B +'0%-"%$$(. < D 8 5     3 NNN'C88

8 ''D4' 3  8

8  4F 4 8 5  < 8 8

8

4. #46  A  



4.  B 00-' A# 2  # T ,  <4   D   44  . : 4F  4 <   4:M C  <R  @  8  2   24 8 '' D    CI    4:M    NNN'DD''D4  <45 %& 94  4 8 5  8

8. D   : 4F  4 <       

8

4. 44 <   -P   <4   D4  :84  44 . 4:M <C   9

4  4 D F4 .    E 4 = 4I   8 4Q   < 6: 8.  <45 M $+   S 8   4   44   8

8     

8

4 =  83 #4   A  



4 E ! +*('$%-'1*),$%. 2   24 8. CI   $010,\. " *+0-$,%'  M - 94 <R   44   

8.   44   4  D 4F  , 8  47  <4 <R  E 4  

< 44  4  D    , 8    = 4  <R '  44   <45   ?  44    9 4 8 5   <R . 8 =4  4F  9   ##' 65 <   <4  <8     8 C  D6:

'  44   4F =

    <C     <4  < 8 44    =4  7  <C     ' 8 4  :  .  4F       <C   <45 +- .     1$P  :84 44  4' 0($  ' #3 !  D 8    < D 8  <4 8   <C .    <8   4 C 0($. <4FC4=   . <   8    . = 4  <C    C  =43 1$P   44 . 4    -P  8

8

4.  8 .  M 0 

 <4 8. < ,  4 44  ?   ? '     #  ^3   44 .  4M  D 4F <4 

4    6  ? 4 ? 4 4 9D 8     <6C4= . <4  4 5 U<4< 4 4 W.   <4 = 4I   D4    4M .    MD  8 5 . 4    <4 8 :   M  4 8 5  8

    4  4' %($  .  C48  D,4C   :84 44 .    <4   4 MD  < 8  6     :84 <4    8

 = 

  = 4   4F 4 < D 8   44   '    4M   4: 4 <4 <C   4 4 2 2 '' # T  \ T3  

  . <R  <D8   8  <6C4= . <C4  6:      @    8

   D  .  =4  4 C 0-+.  R C 4   : 8. : 4F <4  4 M   94  C   <4  8

8.  C  <4DR4   4 = 4  <C  < 9  <   =5    <4  ?  G 4     .   :   <4 8 = 8     <48  C4 '   . : 4F     <C4  <4H   8 5   6: .   @4. . 9 4F4   :6     :   

8

4 =  8 -P   <4   D4  :84 <C  6:   ? ' 3   = 4  4  4  <4 . : 4F     44   <  :8C   < 8 8

8

4 44 <    -P   <4   D4  :84 4  ' ]/  #3 < 8  < 4   =6    : 4 44   .   4 R4   8

8

4 =  8. 88 5    4  44 . B %-1. 8 %%. A489. < 8 E .   . < 8  8 = ++%&$),*&11 , 83  _C88

8 ''D4' !         4   #   C 7  <4.    @ 88 5  <4    < 8'      9: 4 4 4   <  @8C ' `:   Q  D4  R: 8. 44 4F <4    44   `'  :   4F =    4F 4 U 4<W      4:  ?  D  < 94    4. :   8    "44   : 4 = F,8 U 8W D  4 < D 8  '  4F  <4   8. <4 4. =   <D8    =4  8

' Y

Ford tem lucro melhor que o esperado

dustrial per capita inferior à mÊdia nacional. O desconto no ICMS não poderå ser dado a produtos importados, durarå oito anos e o nome das empresas terå de ser publicado no Diårio Oficial. A regra não atinge a Zona Franca de Manaus. O projeto tambÊm exige que, no caso de a mercadoria beneficiada ser vendida a outro Estado, o ICMS efetivamente recolhido na origem seja de 4%. Dessa forma, fica harmônica com a reforma tributåria defendida pelo governo, que prevê uma alíquota interestadual do ICMS de 4% em todas as operaçþes, com transição de oito anos. (Estadão Conteúdo)

Ford divulgou ontem um lucro melhor que o esperado para o terceiro trimestre, impulsionado pelo aumento dos preços de veículos e custos menores na AmÊrica do Norte. O lucro operacional foi de US$ 2,2 bilhþes, ou US$ 0,40 por ação, acima do US$ 1,9 bilhão, ou US$ 0,34 por ação, obtidos um ano antes. O lucro líquido do terceiro trimestre somou US$ 1,63 bilhão, ou US$ 0,41 por ação. A receita recuou 3%, para US$ 32,1 bilhþes. Analistas estimavam US$ 30,9 bilhþes. (Reuters)

Fiat reduz metas diante da crise internacional

A

Fiat reduziu suas metas, levando em conta a persistente fragilidade de seus principais mercados. Cortou em cerca de 33% a meta de lucro operacional este ano, para um valor entre 4,7 bilhĂľes e 5,2 bilhĂľes de euros, ante estimativa inicial de 7,5 bilhĂľes de euros. E reduziu a estimativa para 2013 para um valor entre 4 bilhĂľes e 4,5 bilhĂľes de euros. E sĂł espera atingir o equilĂ­brio financeiro na Europa em 2016. (Reuters)

EDITAL DE CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - PRAZO DE 20 DIAS. PROCESSO NÂş 0002530-91.2011.8.26.0001 O(A) Doutor(a) Ana Lucia Freitas Schmitt CorrĂŞa, MM. Juiz(a) de Direito da 3ÂŞ Vara da FamĂ­lia e SucessĂľes, do Foro Regional I - Santana, da Comarca de SĂ&#x192;O PAULO, do Estado de SĂŁo Paulo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a(o) Bruna Gonçalves Nascimento e seu cĂ´njuge, se casada for, que lhe foi proposta uma ação de Arrolamento SumĂĄrio por parte de Roberto do Nascimento, alegando em sĂ­ntese: o autor, Roberto do Nascimento, brasileiro, casado, do comĂŠrcio, RG 11.955.919-5, CPF 007.713.538-55, requer a abertura de inventĂĄrio, pelo rito de arrolamento, dos bens deixados pelo falecimento de sua mĂŁe, a Sra. Irene Carneiro do Nascimento, ocorrido em 10 de outubro de 2009, era brasileira, filha de Salustiano Carneiro e Iracema Santos Moura, nascida em 6 de julho de 1926, natural de Santos SP, RG 9.476.873 SSP/SP, CPF 194.598.83800. Encontrando-se a herdeira em lugar incerto e nĂŁo sabido, foi determinada a sua CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O, por EDITAL, para os termos da ação em epĂ­grafe (art. 999 do CĂłdigo de Processo Civil) e para dizer, no prazo de 10 (dez) dias, apĂłs concluĂ­das a(s) citação(Ăľes), sobre as primeiras declaraçþes, podendo arguir erros e omissĂľes; reclamar contra a nomeação do inventariante e contestar a qualidade de quem foi incluĂ­do no tĂ­tulo de herdeiro (art. 1000, incisos I, II e III, do CĂłdigo de Processo Civil). SerĂĄ o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei, sendo este FĂłrum localizado na Avenida Engenheiro Caetano Alvares, 594, 1Âş andar, Casa Verde CEP 02546-000, Fone: (11) 3951-2525, SĂŁo Paulo-SP. SĂŁo Paulo, 26 de setembro de 2012.

 +; %;   2# #Z/. <4        aA ]. ! [ $--'0$*'+1),*%  # aA. ! B 1%1'00)'*0),+-. <        68 4@  8. 4  B &**'$+'+((*'$$1$--,1 4  B %1("+((*. = C4    ?  .  !2 ## V. ! B $(1'($)'%0),1*'  4'  4M  .  5  4

  +; /4 6: 8  4 4  A4 ".  =4  8

. ' !> 2 ? .  =84  4 C 0)(,   4 C8   < 8 4:' # +0%-"%$$(   ". 4:M  AT NNN'C88

8 ''D4 <48 8

87   ,8 . 8 :4F  <SD8  <4 C :  44   D   < 94   +; 4  6    $+ : D4 %$+% G +$3$$ 94.  M4    $0 : D4 %$+% G +$3$$ 94. 4 C ,  ?    4 :84 C8  < 4 4   :8 . =    @F  C   <4  %; 4 

6    $0 : D4 %$+% G ++3$$ 94.  M4    %0 : D4 %$+% G +$3$$ 94.   9@ 8      +;.    ?  D    4F 4 C   ?    4.    

 8  = 4 4  0$P  :84 :8  4' 0(%   4' +1  4:' # ' +0%-"%$$(.  D   R: 8

 D  4 .  =4    

 <4   8'  2# #Z/3 #   .    <4 =  4   8 < 4    R: 8 : 5 9   C4  G 8 .  D    D B $*     b 4 UW  / 2c # A].   6<  4  A4 .   +$.$$  =4  <4    C . 8  #   8  8   B 1%0. <4 1-.11   =4   = .  44   F4  1-$ %.     .  =4    8    8 0K 4   8 )  =    8 +0' R: 8  4 4  D B &$'*%$ < 4   =  8  C 4 R:

  /   '  4  #  <8 B'3 %'$1'$&'$+&'$$)'$$$$,)   =   44 C84     )' R: 8 < ' / T3 O )*'$$$.$$      # 8   . 4 8 5   D4 8 %$++' 2!Z3  C    :8 .  88  F     R: 8 M  4:      894  <SD8 . 6<   8  4D 5 @F  8  .    4  FC. C. 4C  8M4 .  8 = . 8 . 4 <4  8  :. 8  8 . 4 C <8 4 4'  8   44  ? 4F  9 <SD8  < <4

 4  C4   R: 8 : 5 9 ?  4F  8

8.    <4   R: 8 8 :  G 9 <SD8  =4 W  4<d.   @.  R: 8 M :   

4  ?   4.

<     =4 7  8  4'  ^  /3  =4 <  4:   #   89 < 4 4  #C 44 B +'0%-"%$$(. < D 8 5     3 NNN'C88

8 ''D4' 3  8

8  4F 4 8 5  < 8 8

8

4. #46  A  



4.  B 00-' A# 2  # T ,  <4   D   44  . : 4F  4 <   4:M C  <R  @  8  2   24 8 '' D    CI    4:M    NNN'DD''D4  <45 %& 94  4 8 5  8

8. D   : 4F  4 <       

8

4. 44 <   -P   <4   D4  :84  44 . 4:M <C   9

4  4 D F4 .    E 4 = 4I   8 4Q   < 6: 8.  <45 M $+   S 8   4   44   8

8     

8

4 =  83 #4   A  



4 E ! +*('$%-'1*),$%. 2   24 8. CI   $010,\. " *+0-$,%'  M - 94 <R   44   

8.   44   4  D 4F  , 8  47  <4 <R  E 4   < 44  4  D    , 8    = 4  <R '  44   <45   ?  44    9 4 8 5   <R . 8 =4  4F  9   ##' 65 <   <4  <8     8 C  D6:

' 44   4F =

    <C     <4  < 8 44    =4  7  <C     ' 8 4  :  .  4F       <C   <45 +- .    

1$P  :84 44  4' 0($  ' #3 !  D 8    < D 8  <4 8   <C .    <8   4 C 0($. <4FC4=   . <   8    . = 4  <C    C  =43 1$P   44 . 4    -P  8

8

4.  8 .  M 0 

 <4 8. < ,  4 44  ?   ? ' # T  \ T3     . <R  <D8   8  <6C4= . <C4  6:      @    8

   D  .  =4  4 C 0-+.  R C

4   : 8. : 4F <4  4 M   94  C   <4  8

8.  C  <4DR4   4 = 4  <C  < 9  <   =5    <4  ?  G 4     .   :   <4 8 = 8     <48  C4 '   . : 4F     <C4  <4H   8 5   6: .   @4. . 9 4F4   :6     :   

8

4 =  8 -P   <4   D4  :84 <C  6:   ? ' 3   = 4  4  4  <4 . : 4F     44   <  :8C   < 8 8

8

4 44 <    -P   <4   D4  :84 4  ' ]/  #3 < 8  < 4   =6    : 4 44   .   4 R4   8

8

4 =  8. 88 5    4  44 . B %-1. 8 %%. A489. < 8 E .   . < 8  8 = ++%&$),*&11 , 83  _C88

8 ''D4' !         4   #   C 7  <4.    @ 88 5  <4    < 8'      9: 4 4 4   <  @8C ' `:   Q  D4  R: 8. 44 4F <4    44   `.   3 MD      FC. 85.  8 . CF  6 '  :   4F =    4F 4 U 4<W      4:

 ?  D  < 94    4. :   8    "44   : 4 = F,8 U 8W D  4 < D 8  '  4F  <4   8. <4 4. =   <D8    =4  8

'

               !"#! $%&'()*'$+),-$.      !"#! &*%'***'+)),)*. #   /    !"#! (01'*-&'-$),-1  2   / !"#! $1&')()'-$),)%3  4. ##'  5  4

 #46   7  8

 2 89  8:.  +$; /4 6: 8  !4  4 < .  =4  8

. !> 2.  ?  <4    8 : 4   8  9     : 4   4 4 <. ? . <4  65. <4 ,     @ 5  <4 !  A  4       . 4  B' ++&'$+'+(()'$$1&)),+ +0*"+(() ? =  C    :   D  4  D . 4    4 C4 <   C 43  <4 E  +; <4  4F 6    $- : D4 %$+%. G +13&- 9'  9:  8  C8  < 4 4 G <4H    :8   1 4I  D ?J    6   +; <4K  %; <4  C 4, ,F    44<.   ,   $) : D4 %$+%. G +13&- 9   444F   %) : D4 %$+%. G +13&- 9'   4  4 E  <4  4F 4 8 5  <4 # L. 4:M  48 NNN' 8@  8''D4"8  4F  5  < 8 A 4   8  ,   4   : A    8. 4    "#! D  B' $)'1(('0*0"$$$+,$+ < 8 

8

4 =  8 4'  4   . 4 8      4 8     8 E . D 0*('  /84 #6 

/   2  E  +; <4.  :84 6  <4  :   D  <4 C   4F  :84  :8  @  8 ? M O %$1'&-1.+*  5  4I  8. ?4   ?  4I 4   5  

 :. 8 5  < 8 D 8 4F     M $("%$+%'  %; <4.  :84 6  <4  :  44 < 4F  *$P    <4    :84  :8  @  8'  8   E  8   : 4  4 = 4  < 8 4   4 . 4:M  48 NNN' 8@  8''D4"8'  MD  E :   Q  D4  R: 8 44 4 <4    44   .     <4 :   4' +1$. <4FC4= S .  R C 4 DF4    8'  4  E  <4 4  <D8    8.   @  8 D4  4  4  <4   <   <4. =      D4 C   <C4  :84    :  G A 4   8 . -P   <4    :84  4 '    4 C4  7  <8 F:

  < 6:

  48 NNN' 8@  8''D4"8'  8

 D  4F  <  8 C 8 <8 F: 8.  4:   # B +'0%-"$(     <  4 C 11-.  R C  8'  <D8   8 <4 : 8     = 7  <    4 <  : <4 '  T  2 , R: 83    <&,1"&*.   G   : S . B %10.      ? 44 <  8 &&  ? 4 1&.  U @  VD   8 / 8 2 / W.    .   +$.$$ =4  <4    : S K +$.$$  = . <4  8 &*K %$.$$  8 . G 4

 <4  8 &0 G ? 4  <4  8 &%.  F4  %$$.$$X' # B $+$(+%-$$'  = 4  R: 8 F 4 8  D  B 0(((1. < 4   %B 4R4   C 4 R:

 <  E ' :8  83 O %$1'&-1.+*  5 

4I  8. ?4   ?  4I 4   5    :. 8 5  < 8 D 8 4F     M $("%$+%' MD   3 O +&(')&-.))   ?4  :  8.   

?4    4         :.  $+"%$++' Y


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

ECONOMIA/LEGAIS - 21

OTP TRANSPORT S.A. NIRE 3530038154-8 – CNPJ 12.251.483/0001-86

Ata de Assembleia Geral Extraordinária Dia, hora e local: Em 14 de setembro de 2012, às 09:00 horas, na sede da Companhia, localizada na Avenida das Nações Unidas, nº 4.777, 5º andar, sala 08, Alto de Pinheiros, São Paulo, SP, CEP 05477000. Presenças: Acionistas representando a totalidade do capital social, conforme assinaturas lançadas no Livro de Presença de Acionistas. Convocação: Dispensada a publicação de Edital de Convocação, conforme disposto no artigo 124, § 4º, da Lei nº 6.404/76, conforme alterada (“Lei das S.A.”). Mesa: Paulo Henyan Yue Cesena, Presidente; Heloisa Gonçalves Folha Polesel, Secretária. Deliberações: 1) Autorizada a lavratura da presente ata na forma de sumário dos fatos ocorridos, conforme faculta o artigo 130, § 1º, da Lei das S.A.; 2) Aprovada a alteração da razão social da Companhia, de OTP TransPort S.A. para Odebrecht TransPort S.A., bem como a reforma do seu Estatuto Social (“Novo Estatuto Social”), a fim de reformular suas disposições de maneira geral e, em especial: (i) alterar o objeto social da Companhia a fim de permitir (a) a participação da Companhia em consórcios ou no capital de sociedades que se proponham a desenvolver projetos, investir ou de fato operar ativos relacionados ao setor de infraestrutura de transporte e logística, incluindo rodovias, ferrovias, hidrovias, metrô, dutos, portos, aeroportos, infraestrutura urbana, mobiliário urbano, estacionamentos de veículos, meios de pagamento, estações aduaneiras interior, portos secos e/ou centros logístico industrial aduaneiros; (b) a operação de quaisquer desses ativos de infraestrutura pela Companhia, celebrando contratos de concessão de serviços públicos, projetos de parcerias público-privadas ou empreendimentos privados, atuando na cobrança dos serviços prestados, implantação, estudos ambientais ou outros, operação e manutenção do empreendimento, concessão ou parceria, podendo prestar serviços de consultoria, gestão e/ou supervisão no âmbito de tais atividades; e (c) a participação da Companhia em consórcios ou de sociedades que explorem, direta ou indiretamente, quaisquer das atividades descritas nos itens (a) e (b) acima; (ii) criar o Conselho de Administração da Companhia, a ser formado por no mínimo 7 (sete) membros e no máximo 9 (nove) membros e respectivos suplentes, bem como suas atribuições e regras de funcionamento; (iii) alterar as disposições que versam sobre administração e órgãos permanentes da Sociedade, bem como suas atribuições; e (iv) instituir a arbitragem como forma de resolução de conflitos, dentre outras alterações, tudo conforme a consolidação do Novo Estatuto Social, que passa a fazer parte integrante da presente Ata como Anexo I; 3) Eleger os membros do Conselho de Administração da Companhia, com mandato até a Assembleia Geral Ordinária que aprovar as contas do exercício encerrado em 31 de dezembro de 2013, que passará então a ser composto pelos seguintes membros: Membros titulares: (i) Benedicto Barbosa da Silva Júnior, brasileiro, casado, engenheiro civil, inscrito no CPF/MF sob o nº 015.225.538-94, portador da carteira de identidade RG nº 7.730.356 SSP/SP, residente e domiciliado na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, com endereço comercial na Av. das Nações Unidas, nº 8.501, 32º andar, Pinheiros, São Paulo, SP, ao cargo de Presidente do Conselho de Administração da Companhia; (ii) Felipe Montoro Jens, brasileiro, casado, administrador de empresas, inscrito no CPF/MF sob o nº 166.417.478-83, portador da cédula de identidade RG nº 17.032.674 SSP/SP, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Av. Rebouças, nº 3.970, 32º andar, Pinheiros, São Paulo, SP; (iii) Adriano Chaves Jucá Rolim, brasileiro, casado, advogado, inscrito no CPF/MF sob o nº 508.511.015-34, portador da carteira de identidade RG nº 3703556 SSP/BA, residente e domiciliado na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, com endereço comercial na Praia do Botafogo, nº 300, 8º andar, Botafogo, Rio de Janeiro, RJ; (iv) Geraldo Villin Prado, brasileiro, casado, engenheiro, inscrito no CPF/MF sob o nº 031.429.758-88, portador da carteira de identidade RG nº 6.945.371 SSP/SP, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Av. Rebouças, nº 3.970, 31º andar, Pinheiros, São Paulo, SP; (v) André Amaro da Silveira, brasileiro, casado, engenheiro civil, inscrito no CPF/MF sob o nº 520.609.346-72, portador da carteira de identidade RG nº 1238071 SSP/MG, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Av. Rebouças, nº 3.970, 32º andar, Pinheiros, São Paulo, SP; (vi) João Borba Filho, brasileiro, casado, engenheiro civil, inscrito no CPF/MF sob nº 095.292.097-20, portador da carteira de identidade RG nº 1820.211 SSP/IFP, residente e domiciliado na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, com endereço comercial na Praia de Botafogo, 300, 8º andar, Bota\ fogo, Rio de Janeiro, RJ; (vii) Mônica Bahia Odebrecht, brasileira, advogada, divorciada, inscrita no CPF/MF sob o nº 541.080.715-49, portadora da carteira de identidade RG nº 2598721-64 SSP/BA, residente e domiciliada na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com escritório na Av. Rebouças, nº 3.970, 32º andar, Pinheiros, São Paulo, SP; e Membros suplentes: (viii) Mauro Motta Figueira, brasileiro, casado, engenheiro de produção, inscrito no CPF/MF sob o nº 115.134.858-90, portador da cédula de identidade RG nº 11.335.092-2, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Avenida Rebouças, nº 3.970, 28º andar, Pinheiros, São Paulo, SP, como suplente do Sr. Benedicto Barbosa da Silva Júnior, Presidente do Conselho de Administração da Companhia, e do Sr. Felipe Montoro Jens; (ix) Luiz Antonio Mameri, brasileiro, casado, industriário, inscrito no CPF/MF sob o nº 603.563.597-00, portador da carteira de identidade RG nº 03.382.231-3, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Avenida Rebouças, nº 3.970, 32º andar, Pinheiros, São Paulo, SP, como suplente do Sr. Adriano Chaves Jucá Rolim e do Sr. Geraldo Villin Prado; (x) Carla Gouveia Barreto, brasileira, casada, administradora de empresas, inscrita no CPF/MF sob o nº 617.162.195-15, portadora da carteira de identidade RG nº 03.191.314-83 SSP/BA, residente e domiciliada na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Avenida das Nações Unidas, nº 8.501, 28º andar, Pinheiros, São Paulo, SP, como suplente do Sr. André Amaro da Silveira, do Sr. João Borba Filho e da Sra. Mônica Bahia Odebrecht. Os membros do Conselho de Administração ora eleitos serão investidos em seus cargos mediante a lavratura e assinatura de termo de posse no Livro de Atas de Reunião do Conselho de Administração da Companhia. Atendendo ao disposto no art. 147 da Lei nº 6.404/76, os Conselheiros e Suplentes ora eleitos declaram, sob as penas de lei, não estarem impedidos de exercer a administração da Companhia, por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra normas de defesa de concorrência, contra as relações de consumo, fé pública, ou a propriedade; e 4) Aprovado o montante global de até R$ 18.000.000,00 (dezoito milhões de reais) como limite para a remuneração anual dos Administradores da Companhia durante o exercício social corrente, cuja individualização será feita pelo Conselho de Administração, em conformidade com o disposto no artigo 19 do Estatuto Social da Companhia. Quorum das deliberações: Todas as deliberações foram aprovadas por unanimidade, sem reservas ou restrições. Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a Assembleia, lavrando-se a presente Ata que, após lida e aprovada, foi assinada por todos os presentes. São Paulo, SP, 14 de setembro de 2012. Mesa: Paulo Henyan Yue Cesena – Presidente; Heloisa Gonçalves Folha Polesel – Secretária. Acionista: Odebrecht S.A., por Felipe Montoro Jens e Newton Sergio de Souza. Certifico e dou fé que essa Ata é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio. São Paulo, SP, 14 de setembro de 2012. Heloisa Gonçalves Folha Polesel, Secretária. n Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o número 472.251/12-0, em 26.10.12. Gisela Simiema Ceschin, Secretária Geral. n Anexo I – ESTATUTO SOCIAL DA ODEBRECHT TRANSPORT S.A. Capítulo I – Nome, Sede, Objetivo e Duração. Artigo 1º – A Odebrecht TransPort S.A. (a “Companhia”) é uma sociedade anônima, com sede e foro na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, localizada na Avenida das Nações Unidas, nº 4.777, 5º andar, sala 08, Alto de Pinheiros, CEP 05477-000, que se regerá por este Estatuto e pela legislação que lhe for aplicável. Parágrafo único – A Companhia, mediante ato de sua Diretoria, pode abrir filiais, agências e escritórios, em qualquer parte do território brasileiro ou no exterior. Artigo 2º – A Companhia tem por objeto social: (i) a participação em consórcios ou no capital de sociedades que se proponham a desenvolver projetos, investir ou de fato operar ativos relacionados ao setor de infraestrutura de transporte e logística, incluindo rodovias, ferrovias, hidrovias, metrô, dutos, portos, aeroportos, infraestrutura urbana, mobiliário urbano, estacionamentos de veículos, meios de pagamento, estações aduaneiras interior, portos secos e/ou centros logístico industrial aduaneiros; (ii) a operação de quaisquer desses ativos de infraestrutura, celebrando contratos de concessão de serviços públicos, projetos de parcerias público-privadas ou empreendimentos privados, atuando na cobrança dos serviços prestados, implantação, estudos ambientais ou outros, operação e manutenção do empreendimento, concessão ou parceria, podendo prestar serviços de consultoria, gestão e/ou supervisão no âmbito de tais atividades; e (iii) participar de consórcios ou de sociedades que explorem, direta ou indiretamente, quaisquer das atividades descritas nos itens (i) e (ii) acima. Parágrafo único – A Companhia poderá exercer as atividades de seu objeto social no país ou no exterior, seja diretamente ou através de subsidiárias, ou através de participação em consórcios ou no capital de outras sociedades. Artigo 3º – O tempo de duração da Companhia é indeterminado. Capítulo II – Capital e Ações. Artigo 4º – O capital social é de R$ 127.499.078,00 (cento e vinte e sete milhões, quatrocentos e noventa e nove mil e setenta e oito reais), dividido em 127.499.078 (cento e vinte e sete milhões, quatrocentos e noventa e nove mil e setenta e oito) ações ordinárias nominativas, sem valor nominal. Parágrafo 1º – Cada ação dará direito a um voto nas deliberações da Assembleia Geral. Parágrafo 2º – A Companhia não poderá emitir quaisquer valores mobiliários que não sejam ações ordinárias, exceto se aprovado pelos acionistas representando a maioria do capital social. Artigo 5º – A subscrição e a integralização das ações obedecerão aos seguintes critérios: (a) a importância mínima de realização inicial das ações que forem subscritas será aquela estabelecida em lei; (b) o prazo para integralização das ações subscritas será fixado pelo Conselho de Administração por ocasião de cada chamada de capital; e (c) a integralização de ações com bens, que não sejam créditos em moeda corrente, dependerá de aprovação da Assembleia Geral. Artigo 6º – Os acionistas terão preferência na subscrição de novas ações da Companhia na proporção da sua participação no capital social. Parágrafo único – O prazo para exercício do direito de preferência será de 30 (trinta) dias. Capítulo III – Órgãos Permanentes da Sociedade. Artigo 7º – São órgãos permanentes da Companhia: (a) a Assembleia Geral; (b) o Conselho de Administração; e (c) a Diretoria. Capítulo IV – Assembleia Geral. Artigo 8º – A Assembleia Geral se reunirá, ordinariamente, nos 4 (quatro) primeiros meses que se seguirem ao término de cada exercício social, a fim de que sejam discutidos os assuntos previstos em lei e, extraordinariamente, sempre que os interesses da Companhia o exigirem. Parágrafo primeiro – A Assembleia Geral será convocada pelo Presidente do Conselho de Administração ou na forma da lei e presidida pelo acionista indicado entre os presentes que, por sua vez, deverá indicar, dentre estes, o Secretário. Parágrafo segundo – A convocação para a Assembleia Geral se fará pela imprensa, observadas as disposições legais. Independentemente das formalidades de convocação, será considerada

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 36/00520/12/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE CONSUMÍVEIS ATRAVÉS DA REDE DE SUPRIMENTOS PARA AS ESCOLAS DA CEI POLO - 5B - DIRETORIAS DE ENSINO - BRAGANÇA PAULISTA, JUNDIAÍ, LIMEIRA, MOGI MIRIM E SÃO JOÃO DA BOA VISTA. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para AQUISIÇÃO DE CONSUMÍVEIS ATRAVÉS DA REDE DE SUPRIMENTOS PARA AS ESCOLAS DA CEI - POLO - 5B - DIRETORIAS DE ENSINO - BRAGANÇA PAULISTA, JUNDIAÍ, LIMEIRA, MOGI MIRIM E SÃO JOÃO DA BOA VISTA. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 31/10/2012, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 21/11/2012, às 10:00 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, o estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 31/10/2012, até o momento anterior ao início da sessão pública. HERMAN JACOBUS CORNELIS VOORWALD Respondendo pela Presidência Decreto s/nº de 03/10/2012

SIFRA S/A CNPJ n° 04.455.612/0001-20 e NIRE 35.300.184.904 Extrato da Ata de Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 02/10/2012 Hora, Data e Local: As 10:00 hrs de 02/10/2012, a Av. Eusébio Matoso, 690, conj. 19, São Paulo-SP, Presenças: A totalidade do capital social, conforme assinaturas lançadas no Livro de Presença. Mesa: Presidente - Sr. Roberto Carlos Pestana, Secretário - Adam Samson Glensy. Convocação: pela presença da totalidade dos Acionistas. Em Ordinária: (a) o exame, discussão e aprovação do Balanço Patrimonial e respectivas demonstrações financeiras relativas ao exercício social findo em 31.12.2011; (b) Destinação do resultado do exercício e distribuição de dividendos; (c) a instalação ou não do Conselho Fiscal; e (d) fixação da remuneração da diretoria para o presente exercício. Aprovado o Balanço Patrimonial, e demonstrações financeiras e demais documentos relativos ao exercício findo em 31.12.2011, publicados em 26/09/2012 no DOE.SP. e Jornal Diário do Comércio na forma da Lei; (b) aprovar a distribuição no valor de R$ 14.251.375,06 em favor dos Acionistas titulares de ações ordinárias integralizadas; (b) O Conselho Fiscal não funcionará neste exercício; e (c) fixar em R$ 8.708,00 a remuneração anual global da diretoria para o presente exercício. Em Extraordinária: (l) Aprovada por unanimidade a proposta de conversão de 9.000.000 de ações preferenciais nominativas, de classe A, com valor nominal de R$ 1,00 e 7.000.000 de ações preferenciais nominativas, de classe 8, com valor nominal de R$ 1,00 em 16.000.000 de ações ordinárias nominativas, sem valor nominal, inconversíveis em outras formas e com direito a voto; (II) Alteração da denominação social de SIFRA S/A para PWA S/A; (III) Alteração do Artigo 1° e 4° do Estatuto Social. O Sr. Presidente esclareceu que (i) 8.886.380 ações preferenciais de classe A e 7.000.000 ações preferenciais de classe 8 encontram-se em tesouraria; (ii) Aprovada a proposta de conversão da totalidade das ações preferenciais em ações ordinárias, as ações preferenciais em circulação terão direito aos dividendos fixos a ela atribuídos até esta data, cessando a partir desta data o direito a dividendos fixos em relação a todas as ações que serão objeto da conversão ora proposta, sendo que, especificamente no que se refere ao presente exercício, as ações convertidas participarão de eventuais resultados que venham a ser apurados proporcionalmente ao período remanescente para encerramento do exercício. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi suspensa a Assembleia pelo tempo necessário à lavratura desta Ata, que lida e achada conforme, foi devidamente assinada pela totalidade dos Acionistas. A ata em inteiro teor foi registrada na JUCESP sob n° 465.851/12-5 em sessão de 25.10.2012

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP PREGÃO N° 025/2012 - PROCESSO N° 39921/2012 RERRATIFICAÇÃO AO EDITAL A Prefeitura de Pereira Barreto leva ao conhecimento de quem possa interessar, que as publicações enviadas à Imprensa Oficial, Diário Regional e Diário do Comércio, sofreram a seguinte rerratificação. a) A denominação referente ao tipo de licitação passa a ter a seguinte redação: Onde se lê: Menor Preço Global. Leia-se: Menor Preço Por Item. b) Fica redesignada para as 14h30min do dia 21 de novembro de 2012 a Sessão Pública do Pregão em epígrafe. c) Demais cláusulas e condições permanecem inalterados. Pereira Barreto-SP, 30 de outubro de 2012. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito

regular a Assembleia Geral a que comparecerem todos os acionistas. Artigo 9º – O acionista poderá fazer representar-se por procurador, respeitadas as disposições da lei. Artigo 10 – Depois de assinarem o Livro de Presença, os acionistas escolherão o Presidente e o Secretário, os quais dirigirão os trabalhos da Assembleia Geral. Artigo 11 – Compete à Assembleia Geral, além do quanto previsto na Lei das S.A., deliberar sobre: a) abertura de capital da Companhia e/ou IPO da Companhia; b) início ou término de dissolução, falência, liquidação, recuperação judicial ou extrajudicial da Companhia ou de qualquer sociedade controlada; c) avaliação e aprovação prévia de programas de outorga de opção de compra ou subscrição de ações aos Administradores e/ou Funcionários da Companhia, ou ainda, aos administradores e/ou funcionários das controladas, que representem mais de 4% (quatro por cento) do capital social total da Companhia; d) redução de capital da Companhia; e) fusão, transformação, cisão ou incorporação (inclusive de ações) da Companhia; incorporação (inclusive de ações) pela Companhia ou qualquer reorganização societária com efeito equivalente envolvendo a Companhia; f) resgate de ações da Companhia, conforme proposta do Conselho de Administração; g) participação da Companhia em grupos de sociedades, conforme artigo 265 da Lei das S.A.; h) emissão de debêntures conversíveis em ações, ações preferenciais ou de quaisquer outros títulos conversíveis em ações da Companhia;e i) destituição de membros do Conselho de Administração da Companhia. Parágrafo único – As deliberações da Assembleia Geral, ressalvadas as exceções previstas em lei, no presente Estatuto Social e em eventuais acordos de acionistas, serão tomadas por maioria simples de votos. Capítulo V – Conselho de Administração. Artigo 12 – O Conselho de Administração da Companhia é composto de, no mínimo, 7 (sete) e, no máximo, 9 (nove) membros, e respectivos suplentes, sendo 1 (um) Presidente, eleitos pela Assembleia Geral da Companhia, com mandato unificado de até 2 (dois) anos, sendo permitida a reeleição. Artigo 13 – O Conselho de Administração elegerá, entre seus membros, o seu Presidente. Artigo 14 – Os membros do Conselho de Administração serão empossados mediante assinatura de termo de posse lavrado no Livro de Atas de Reuniões do Conselho de Administração e permanecerão em seus cargos até a posse de seus substitutos. Artigo 15 – Os membros do Conselho de Administração exercerão suas funções até a eleição e posse de seus substitutos, a não ser em caso de renúncia durante o prazo de mandato. Artigo 16 – Em suas ausências ou impedimentos temporários, os membros do Conselho de Administração, inclusive seu Presidente, serão substituídos pelos seus respectivos suplentes. Na ausência ou impedimento temporário do Presidente e de seu suplente, o Presidente indicará, entre os demais membros do Conselho de Administração, quem o substituirá mediante representação na presidência do Conselho de Administração. Artigo 17 – No caso de vacância, será convocada a Assembleia Geral, dentro de 30 (trinta) dias, para eleger o titular que deverá cumprir o restante do mandato do substituído. Artigo 18 – O Conselho de Administração se reunirá ordinariamente, no mínimo, a cada 3 (três) meses e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo Presidente, seu suplente ou por quaisquer 2 (dois) de seus membros. Parágrafo 1º – Entre o dia da convocação e o dia da realização da reunião extraordinária do Conselho de Administração correrão, no mínimo, 12 (doze) dias-calendário, a menos que a maioria de seus membros em exercício do Conselho de Administração fixe prazo menor, porém não inferior a 48 (quarenta e oito) horas. Parágrafo 2º – O Conselho de Administração somente deliberará com a presença da maioria de seus membros em exercício, admitida a representação de qualquer Conselheiro por qualquer membro titular ou suplente do Conselho de Administração por ele indicado, e as deliberações serão tomadas por maioria de votos dos Conselheiros presentes à reunião, ressalvado o disposto em Acordo de Acionistas eventualmente existente e arquivado na sede da Companhia. Artigo 19 – A remuneração global anual dos Administradores da Companhia será fixada pela Assembleia Geral, cabendo ao Conselho de Administração a sua individualização. Artigo 20 – Compete ao Conselho de Administração: (i) aprovar políticas de aplicação geral da Companhia; (ii) aprovar a macroestrutura organizacional da Companhia; (iii) eleger e destituir o Diretor Presidente e os demais Diretores da Companhia, estes últimos mediante proposição do Diretor Presidente, e fixar-lhes as respectivas remunerações, observado o limite geral estabelecido pela Assembleia Geral; (iv) fixar a orientação geral para negócios da Companhia; (v) aprovar o Programa de Ação da Companhia; (vi) acompanhar o desempenho do Diretor Presidente e equipe na execução do Plano de Negócios da Companhia; (vii) submeter à Assembleia Geral propostas sobre fusão, cisão, incorporação envolvendo a Companhia, ou sua dissolução, e reforma estatutária; (viii) decidir sobre a constituição de outras sociedades, bem como a aquisição, pela Companhia ou por quaisquer de suas subsidiárias, de participações em outras sociedades; (ix) autorizar a celebração de acordo de acionistas pelas sociedades controladas; (x) decidir sobre a aquisição ou resgate de ações da própria Companhia, para manutenção em tesouraria ou cancelamento, bem como a respectiva alienação, observadas as disposições legais e as normas editadas pela Comissão de Valores Mobiliários; (xi) decidir sobre a concessão de garantias, de qualquer valor, a quaisquer terceiros que não sejam empresas subsidiárias da Companhia, bem como sobre a concessão de garantias, a suas subsidiárias, em valores superiores ao que vier a ser fixado pelo Conselho de Administração como competência da Diretoria, em reunião específica; (xii) escolher e destituir auditores independentes da Companhia; (xiii) fixar os limites dentro dos quais os Diretores poderão, sem a prévia autorização do Conselho de Administração, contratar empréstimos ou financiamentos, no país ou no exterior; (xiv) propor à Assembleia Geral a contratação de empréstimos e/ou capitalização, quando efetuados através de emissão de títulos mobiliários conversíveis em capital da Companhia; (xv) deliberar sobre a assunção de obrigações em contratos de financiamento e/ou empréstimos que imponham restrições à distribuição de dividendos ou à disponibilidade de ações da Companhia; (xvi) deliberar sobre a contratação de operações financeiras que contenham cláusula prevendo vencimento antecipado da dívida da Companhia em caso de inadimplemento de obrigação de terceiros; (xvii) manifestar-se sobre as demonstrações financeiras e relatórios da Administração ao final de cada exercício social, bem como sobre a proposta de distribuição do lucro líquido apurado e destinação de resultados e reservas; (xviii) aprovar a realização de investimentos de valor superior ao que vier a ser fixado pelo Conselho de Administração como competência da Diretoria, em reunião específica; (xix) decidir sobre a alienação de bens do ativo permanente ou alienação de participações em subsidiárias, quando o valor da operação ultrapassar de forma isolada ou agregada, em um mesmo exercício fiscal ou em um período de 12 meses, valor superior ao que vier a ser fixado pelo Conselho de Administração; (xx) aprovar a aquisição de bens e contratação de serviços de qualquer natureza fora do curso normal dos negócios; (xxi) decidir sobre qualquer contrato entre a Companhia e seus acionistas titulares de ações ordinárias, empresas nas quais os mesmos detenham participação, ou pessoas que sejam acionistas titulares de ações ordinárias ou quotistas de pessoas jurídicas que sejam acionistas titulares de ações ordinárias da Companhia, Conselheiros, Diretores ou parentes, até terceiro grau, de valor superior, de forma isolada ou agregada, a R$ 3.000.000,00 (três milhões de reais) (considerado o ato isoladamente ou um conjunto de atos de mesma natureza e realizados num mesmo exercício social, ou no período de 12 meses, entre as mesmas partes); (xxii) aprovar o Regimento de Funcionamento do Conselho de Administração; (xxiii) autorizar a convocação, pelo Presidente do Conselho de Administração, de Assembleia Geral da Companhia; (xxiv) aprovar as matérias no âmbito das sociedades controladas e coligadas da Companhia que devam ser submetidas à aprovação do Conselho de Administração da Companhia; (xxv) alteração relevante nas políticas contábeis e práticas de divulgação de informações da Companhia, exceto quando exigido por lei ou pelos princípios contábeis geralmente aceitos no Brasil; e (xxvi) propor o aumento de capital à Assembleia Geral, quando conveniente. Artigo 21 – Ao Presidente do Conselho de Administração, observado o disposto no Regimento de Funcionamento do Conselho de Administração, compete: a) convocar e dirigir as reuniões do Conselho de Administração; e b) convocar a Assembleia Geral, desde que autorizado pelo Conselho de Administração. Artigo 22 – Ao suplente do Presidente ou, na sua ausência, a quem o Presidente indicar na forma do art. 16, compete substituir o Presidente em suas ausências e impedimentos mediante representação e, ainda, em caso de vacância, ocupar o cargo de Presidente até a eleição de novo titular. Capítulo VI – Diretoria. Artigo 23 – A Diretoria é composta de, no mínimo, 3 (três) e, no máximo, 8 (oito) membros, sendo um Diretor Presidente e os demais Diretores sem designação específica, eleitos pelo Conselho de Administração. Artigo 24 – O mandato da Diretoria será de até 2 (dois) anos, coincidindo com o mandato dos membros do Conselho de Administração, permitida a reeleição. Parágrafo 1º – Os Diretores serão investidos nos seus cargos mediante assinatura de termo de posse lavrado no Livro de Atas de Reuniões da Diretoria. Parágrafo 2º – Os Diretores permanecerão em seus cargos, no exercício pleno de seus poderes, até a posse de seus substitutos. Artigo 25 – Nas ausências e impedimentos de qualquer dos Diretores, caberá ao Diretor Presidente a indicação de seu substituto, entre os demais Diretores. Parágrafo único – O Diretor Presidente poderá indicar, dentre os demais Diretores, seu substituto temporário em caso de ausências temporárias e impedimentos. Artigo 26 – Ocorrendo vacância no cargo de Diretor, caberá ao Conselho de Administração eleger o substituto que exercerá o cargo pelo período remanescente do mandato. Caso a Diretoria seja composta de 7 (sete) ou mais membros, será facultado ao Conselho de Administração preencher ou não o cargo vago. Artigo 27 – Compete à Diretoria: a) a prática de todos os atos necessários ao funcionamento da Companhia, exceto os que, por lei ou por este Estatuto, sejam atribuição de outros órgãos; e b) elaborar o relatório anual da Administração, as demonstrações financeiras e a proposta de destinação de resultado do exercício, a serem submetidas ao Conselho de Administração e à Assembleia Geral. Artigo 28 – Compete ao Diretor Presidente: a) propor ao Conselho de Administração a macroestrutura organizacional da Companhia; b) definir o âmbito de responsabilidade e coordenar a atuação dos Diretores na execução do Programa de Ação do Diretor Presidente para a Companhia que deve incluir, dentre outros itens, os objetivos empresariais e estratégicos de curto, médio e longo prazo e os orçamentos anuais e plurianuais da Companhia, e acompanhar a sua execução; c) representar a Companhia ativa e passivamente, em juízo ou fora dele, sem prejuízo do disposto no artigo 30 deste Estatuto; e d) convocar e presidir as reuniões da Diretoria. Artigo 29 – É facultado à Companhia nomear Procuradores, devendo o instrumento respectivo ser assinado por 2 (dois) membros da Diretoria. Parágrafo único – As procurações deverão conter poderes específicos e, com exceção daquelas outorgadas a advogados para representação da Companhia em processos judiciais ou administrativos, terão prazo de validade limitado a, no máximo, 1 (um) ano. Artigo 30 – Com as exceções constantes neste Estatuto, a Companhia só será obrigada pela assinatura conjunta de: a) 2 (dois) Diretores; ou b) 1 (um) Diretor e 1 (um) Procurador ou 2 (dois) Procuradores com poderes específicos conferidos na forma do artigo 29 deste Estatuto. Parágrafo 1º – Poderão ser assinados apenas por 1 (um) Diretor, ou por 1 (um) dos Procuradores nomeados na forma deste Estatuto Social, os seguintes atos: a) endosso de cheques e ordens de pagamento para depósito bancário na conta da Companhia; b) autorização para movimentação da conta vinculada do Fundo de Garantia do

Brasmotor S.A.

Av. das Nações Unidas, 12.995, 32º andar, sala 3 – São Paulo-SP CNPJ/MF nº 61.084.984/0001-20 – NIRE 35300026667 – Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS – PAGAMENTO DE DIVIDENDOS 1. Comunicamos aos Senhores acionistas da BRASMOTOR S.A. que o Conselho de Administração, em reunião realizada nesta data, aprovou a distribuição de dividendos intermediários e juros sobre capital próprio “ad referendum” da Assembléia Geral Ordinária, para todas as ações integrantes do capital social atual (beneficiando os acionistas que se acham inscritos nos registros da Companhia nesta data, correspondente a 2.864.444.110 ações), da seguinte forma: 1. (a) R$ 0,0378 por ação, para todas as ações ordinárias; e (b) R$ 0,04158 por ação, para todas as ações preferenciais, conforme disposto no inciso II do § 1º do artigo 17, da Lei nº 6404/76, relativos aos lucros disponíveis em Reservas de Lucros, conforme balanço levantado em 30/06/12; 2. (a) R$ 0,00578 por ação, para todas as ações ordinárias; e (b) R$ 0,00636 por ação, para todas as ações preferenciais, conforme disposto no inciso II do § 1º do artigo 17, da Lei nº 6404/76, relativos aos juros sobre o capital próprio apurados no balanço levantado em 30/06/12. Os dividendos e juros sobre capital próprio ora distribuídos serão computados no cálculo do dividendo mínimo obrigatório do exercício social de 2012. 2. O pagamento desses dividendos será feito a partir do dia 12 de dezembro de 2012. 3. Sobre os dividendos não incidirá imposto de renda na fonte. 4. Sobre os juros haverá retenção de imposto de renda na fonte de 15%, nos termos do parágrafo 2º, do Art. 9º da Lei nº 9249/95, exceto para os acionistas que comprovarem sua condição de isento ou imune, nos termos da Lei. Atendimento: O pagamento será efetuado por intermédio da Instituição Financeira Depositária – Banco Bradesco S.A., observado o seguinte: a) os acionistas correntistas do Banco Bradesco S.A. terão os dividendos creditados, automaticamente, no dia do pagamento; b) os acionistas correntistas de outros Bancos, que comunicaram essa condição ao Banco Bradesco S.A., também terão seus dividendos creditados, automaticamente, no dia do pagamento; c) os demais acionistas que estiverem com o endereço devidamente cadastrado no Banco Bradesco S.A. receberão via correio, a “Ordem de Pagamento de Dividendos de Ações Escriturais” devendo, para o recebimento, apresentar-se na Agência Bradesco de sua preferência, munidos, além do formulário, de Documento de Identidade e do Cadastro de Pessoa Física – CPF. São Paulo, 30 de outubro de 2012. Carlos Henrique Pinto Haddad – Diretor de Relações com Investidores

REDE D’OR SÃO LUIZ S.A. CNPJ/MF nº 06.047.087/0001-39 - NIRE 35.300.318.099 COMUNICADO DE RESGATE ANTECIPADO NOTAS PROMISSÓRIAS DA 2ª EMISSÃO DA REDE D’OR SÃO LUIZ S.A. Fazemos referência à 2ª Emissão, em série única, de notas promissórias comerciais da Rede D’Or São Luiz S.A. (“Emissora”), realizada em 17 de agosto de 2012 (“Notas Promissórias”), para informar aos seus titulares que será promovido, no dia 8 de novembro de 2012, o resgate antecipado da totalidade das Notas Promissórias, no montante de R$ 200.000.000,00 (duzentos milhões de reais), o qual será realizado nos moldes estabelecidos na Instrução CVM nº 134, de 1º de novembro de 1990, conforme alterada (“Instrução CVM 134”), observados os procedimentos estabelecidos nas cártulas e os procedimentos operacionais da CETIP para efetivação e liquidação financeira do resgate antecipado as Notas Promissórias comerciais custodiadas eletronicamente na CETIP. O resgate antecipado das Notas Promissórias implica na extinção do título, sendo vedada sua manutenção em tesouraria, conforme parágrafo 3º do artigo 7º da Instrução CVM 134. São Paulo, 31 de outubro de 2012. Jorge Neval Moll Filho Presidente do Conselho de Administração Posto de Serviços Novo Imperador Ltda , torna público que requereu da CETESB a Licença de Prévia e de Instalação, para comercio varejista de combustiveis e lubrificantes à sito à Rua do Imperador , 1677 -Vila Paiva -São Paulo-SP

Tempo de Serviço; c) registro e emissão de documentos relacionados a assuntos trabalhistas, fiscais e alfandegários; e d) recebimento de quaisquer importâncias devidas, assinando os recibos e dando quitação. Parágrafo 2º – Em casos especiais poderão ser outorgados a 1 (um) só Diretor ou Procurador, poderes expressos para a prática de atos especificados nos respectivos instrumentos, respeitada a regra do artigo 29 deste Estatuto. Artigo 31 – A Diretoria se reunirá quando convocada pelo Diretor Presidente. Parágrafo único – A Diretoria poderá reunir-se com a presença de, no mínimo, a metade dos seus membros em exercício, sendo um deles o Diretor Presidente ou seu substituto, na forma do artigo 25, parágrafo único. Artigo 32 – É vedado à Diretoria: a) contrair empréstimos em instituições que não sejam bancos que integrem a rede bancária oficial ou privada, no país ou no exterior, salvo mediante autorização expressa do Conselho de Administração; e b) a prática de atos de qualquer natureza relativa a negócios ou operações estranhas aos objetivos sociais, tais como a prestação de garantias a obrigações de terceiros, exceto às empresas controladas integrais, ou se autorizado expressamente pelo Conselho de Administração. Capítulo VII – Conselho Fiscal. Artigo 33 – O Conselho Fiscal, composto de, no mínimo, 3 (três) e, no máximo, 5 (cinco) membros e seus respectivos suplentes, eleitos pela Assembleia Geral, funcionará de forma não permanente, na forma da lei. Artigo 34 – O mandato do Conselho Fiscal será de 1 (um) ano, permitida a reeleição, sendo que a eleição deverá acontecer sempre por ocasião da Assembleia Geral Ordinária. Parágrafo único – O Conselho Fiscal deverá adotar um Regimento próprio no qual serão estabelecidos procedimentos sobre suas atribuições. Artigo 35 – Os membros do Conselho Fiscal terão a remuneração que lhes for estabelecida pela Assembleia que os eleger, observado, a respeito, o que dispuser a lei. Capítulo VIII – Exercício Social, Demonstrações Financeiras e Distribuição de Lucros. Artigo 36 – O exercício social se inicia em 1º de janeiro e termina em 31 de dezembro de cada ano. Artigo 37 – Ao fim de cada exercício social, será levantado o balanço patrimonial e preparadas as demais demonstrações financeiras exigidas por lei. Parágrafo 1º – Do resultado do exercício, após as deduções dos prejuízos acumulados e das provisões para o Imposto de Renda, serão deduzidas, observados os limites legais, as participações dos Administradores e Empregados da Companhia, se e quando deliberado pela Assembleia Geral, nos limites e formas previstos em lei. Parágrafo 2º – Do lucro líquido do exercício, aplicar-se-ão 5% (cinco por cento) na constituição da reserva legal, que não excederá de 20% (vinte por cento) do capital social, observado o disposto no parágrafo 1º do art. 193 da Lei nº 6.404/76. Parágrafo 3º – Do lucro líquido ajustado, nos termos do art. 202, inciso I, alínea “a”, da Lei nº 6.404/76, destinar-se-ão: (i) aos acionistas um dividendo obrigatório não inferior a 25% (vinte e cinco por cento); e (ii) à reserva de realização de investimentos um percentual de até 75% (setenta e cinco por cento), que juntamente com a reserva legal, poderá alcançar 100% (cem por cento) do capital social. Parágrafo 4º – Fica facultado à Companhia o levantamento de balanços trimestrais e/ ou semestrais; havendo lucro em tais balanços e no balanço anual, poderá haver distribuição de dividendos, observadas as disposições da lei, por deliberação prévia do Conselho de Administração, vedada a distribuição “ad-referendum” pela Diretoria. Parágrafo 5º – O Conselho de Administração poderá declarar dividendos intermediários à conta de lucros acumulados ou de reservas de lucros existentes no último balanço anual ou semestral. Parágrafo 6º – A Companhia, por deliberação do Conselho de Administração, poderá pagar juros sobre o capital próprio aos seus acionistas, nos termos do artigo 9º, parágrafo 7º, da Lei nº 9.249, de 26.12.95, e legislação pertinente, imputando-se o valor dos juros pagos ou creditados ao valor do dividendo obrigatório. Artigo 38 – Os dividendos e os juros sobre o capital próprio de que trata o parágrafo 6º do artigo 37, atribuídos aos acionistas não renderão juros e, se não reclamados após 3 (três) anos a contar da data do início de pagamento de cada dividendo ou juros sobre o capital próprio, prescreverão em favor da Companhia. Capítulo IX – Acordos de Acionistas. Artigo 39 – A Companhia observará possíveis e eventuais Acordos de Acionistas que serão arquivados em sua sede, na forma do artigo 118 da Lei das S.A., sendo expressamente vedado aos integrantes da Mesa Diretora (incluindo o Presidente) da Assembleia Geral ou do Conselho de Administração acatar declaração de voto de qualquer acionista signatário de Acordo de Acionistas, devidamente arquivado na sede social, que for proferida em desacordo com o que tiver sido ajustado no referido Acordo. Parágrafo único – As obrigações e responsabilidades resultantes de eventuais Acordos serão válidas e obrigarão terceiros tão logo tais Acordos tenham sido devidamente averbados nos livros de registro da Companhia. Os Administradores da Companhia zelarão pela observância desses acordos e o Presidente da Assembleia Geral ou das reuniões do Conselho de Administração, conforme o caso, deverão agir de acordo com o estabelecido em lei. Capítulo X – Arbitragem. Artigo 40 – Com exceção das controvérsias referentes a obrigações que comportem, desde logo, execução judicial, todas as demais controvérsias resultantes deste Estatuto Social e suas disposições, da Lei das S.A. e demais normas aplicáveis à Companhia, incluindo quaisquer questões relacionadas à existência, validade, eficácia ou adimplemento contratual deverão ser, obrigatória, exclusiva e definitivamente, submetidas à arbitragem a ser administrada pelo Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá (“Câmara de Arbitragem”), mediante envio de comunicação escrita à outra parte (“Notificação de Arbitragem”), com cópia à Câmara de Arbitragem, solicitando a instauração da arbitragem. A arbitragem será instituída e processada de acordo com o Regulamento de Arbitragem da Câmara de Arbitragem (“Regulamento de Arbitragem”). Artigo 41 – O tribunal arbitral (“Tribunal Arbitral”) será constituído por 3 (três) árbitros, sendo 1 (um) deles indicado pelo acionista a pedido de quem a arbitragem foi instaurada, outro indicado pelo acionista em face de quem a arbitragem foi instaurada e o terceiro, que será o presidente do Tribunal Arbitral, indicado pelos 2 (dois) árbitros escolhidos pelas partes. Caso estes não cheguem a um consenso quanto ao terceiro árbitro, caberá ao Presidente da Câmara de Arbitragem nomeá-lo. Artigo 42 – Na hipótese de litisconsórcio, as partes litisconsortes deverão, de comum acordo, indicar um árbitro para compor o Tribunal Arbitral. Caso a Notificação de Arbitragem resulte na instauração de uma arbitragem multilateral, em que haja mais de 2 (duas) partes em disputa com interesses distintos entre si, tornando inviável a formação de litisconsórcio, os 3 (três) árbitros serão selecionados e indicados pelo Presidente da Câmara Arbitral, na forma do Regulamento de Arbitragem. Artigo 43 – Além dos impedimentos previstos no Regulamento de Arbitragem, nenhum árbitro designado de acordo com esta cláusula compromissória poderá ser funcionário, representante ou ex-funcionário de qualquer das partes ou de qualquer pessoa a ela ligada direta ou indiretamente, ou de proprietário de uma das partes ou de alguma pessoa a ele ligada direta ou indiretamente. Artigo 44 – A arbitragem terá sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. Artigo 45 – O idioma oficial para todos os atos da arbitragem ora convencionada será o português, sendo aplicáveis as leis da República Federativa do Brasil. O Tribunal Arbitral não poderá recorrer à equidade para resolução de controvérsias a ele submetidas. Artigo 46 – Os acionistas declaram ter tomado conhecimento do Regulamento de Arbitragem, tendo concordado com todas as disposições ali contidas. O Regulamento de Arbitragem, conforme vigente nesta data, e as disposições da Lei nº 9.307, de 23 de setembro de 1996, conforme alterada (“Lei de Arbitragem”), integram este Estatuto Social no que lhe for aplicável. Artigo 47 – O procedimento arbitral prosseguirá à revelia de qualquer das partes, nos termos previstos no Regulamento de Arbitragem. Artigo 48 – A decisão arbitral será definitiva, irrecorrível e vinculará as partes, seus sucessores e cessionários, que se comprometem a cumpri-la espontaneamente e renunciam expressamente a qualquer forma de recurso, ressalvado o pedido de correção de erro material ou de esclarecimento de obscuridade, dúvida, contradição ou omissão da sentença arbitral, conforme previsto no art. 30 da Lei de Arbitragem, ressalvando-se, ainda, o disposto no artigo 51, e o exercício de boa-fé da ação de nulidade estabelecida no art. 33 da Lei de Arbitragem. Se necessária, a execução da decisão arbitral poderá se dar em qualquer juízo que tenha jurisdição ou que tenha competência sobre as partes e seus bens. Artigo 49 – A Parte que, sem respaldo jurídico, frustrar ou impedir a instauração do Tribunal Arbitral, seja por não adotar as providências necessárias dentro do prazo devido, seja por forçar a outra parte a adotar as medidas previstas no art. 7º da Lei de Arbitragem, ou, ainda, por não cumprir todos os termos da sentença arbitral, arcará com a multa não compensatória equivalente a R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) por dia de atraso, aplicável, conforme o caso, a partir (a) da data em que o Tribunal Arbitral deveria ter sido instaurado; ou, ainda, (b) da data designada para cumprimento das disposições da sentença arbitral, sem prejuízo das determinações e penalidades constantes de tal sentença. As Partes reconhecem que a multa ora prevista não será aplicável nas hipóteses previstas no artigo 51. Artigo 50 – Os custos, despesas e honorários incorridos com o procedimento arbitral serão rateados entre as Partes em proporções iguais, até a decisão final sobre a controvérsia a ser proferida pela Câmara de Arbitragem. Proferida a decisão final, a parte vencida deverá ressarcir todos os custos, despesas e honorários incorridos pela outra parte, atualizados monetariamente com base na variação acumulada do IGP-M/FGV, calculado pro rata dies para o período compreendido entre a data em que os referidos custos, despesas e honorários tiverem sido incorridos pela parte vencedora e a data em que o ressarcimento for efetivamente realizado e ainda, se for o caso, acrescidos de juros de 1% (um por cento) ao mês, calculados pro rata dies entre a data da divulgação do laudo arbitral e a data em que o ressarcimento for efetivamente realizado. Caso a vitória de uma parte seja parcial, ambas arcarão com os custos, despesas e honorários incorridos, na proporção de sua derrota, conforme decidido na sentença arbitral. Artigo 51 – Sem prejuízo da validade desta cláusula compromissória, as Partes elegem, com a exclusão de quaisquer outros, o foro da Justiça Federal da Seção Judiciária de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil, quando e se necessário, para fins exclusivos de: (a) execução de obrigações que comportem, desde logo, execução judicial; (b) obtenção de medidas coercitivas ou procedimentos acautelatórios de natureza preventiva, provisória ou permanente, como garantia ao procedimento arbitral a ser iniciado ou já em curso entre as Partes e/ou para garantir a existência e a eficácia do procedimento arbitral; ou (c) obtenção de medidas de caráter mandamental e de execução específica, sendo certo que, atingida a providência mandamental ou de execução específica perseguida, restituir-se-á ao Tribunal Arbitral a ser constituído ou já constituído, conforme o caso, a plena e exclusiva competência para decidir acerca de toda e qualquer questão, seja de procedimento ou de mérito, que tenha dado ensejo ao pleito mandamental ou de execução específica, suspendendo-se o respectivo procedimento judicial até decisão do Tribunal Arbitral, parcial ou final, a respeito. O ajuizamento de qualquer medida nos termos previstos neste artigo não importa em renúncia à cláusula compromissória ou aos limites da jurisdição do Tribunal Arbitral. Capítulo XI – Disposições Gerais. Artigo 52 – A Companhia se dissolverá nos casos previstos em lei. Parágrafo único – Em caso de dissolução extrajudicial da Companhia, compete à Assembleia Geral determinar o modo de liquidação, eleger o liquidante e o Conselho Fiscal para funcionar durante a fase de liquidação. Artigo 53 – Os casos omissos neste Estatuto serão resolvidos pela Assembleia Geral e regulados de acordo com o que preceitua a Lei das S.A. n Heloisa Gonçalves Folha Polesel, Secretária.

ODEBRECHT TRANSPORT S.A. NIRE 3530038154-8 – CNPJ 12.251.483/0001-86

Ata de reunião do Conselho de Administração Dia, hora e local: Em 14 de setembro de 2012, às 10:00 horas, na sede da Companhia, localizada na Avenida das Nações Unidas, nº 4.777, 5º andar, sala 08, Alto de Pinheiros, São Paulo, SP, CEP 05477000. Presenças: A totalidade dos membros titulares do Conselho de Administração. Mesa: Benedicto Barbosa da Silva Júnior, Presidente; Heloisa Gonçalves Folha Polesel, Secretária. Deliberações: 1) Aprovar a reeleição e eleição, conforme o caso, das seguintes pessoas como membros da Diretoria da Companhia, todos com mandato unificado até a Assembleia Geral Ordinária que aprovar as contas do exercício encerrado em 31 de dezembro de 2013: (i) Paulo Henyan Yue Cesena, brasileiro, convivente em união estável, industriário, inscrito no CPF/MF sob o nº 173.429.088-94, portador da carteira de identidade nº 19.951.448-3 SSP/SP, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Av. das Nações Unidas, nº 4.777, 5º andar, Ala A, Alto de Pinheiros, São Paulo, SP, ao cargo de Diretor Presidente; (ii) Irineu Berardi Meireles, brasileiro, casado, administrador de empresas, inscrito no CPF/MF sob o nº 192.272.218-91, portador da carteira de identidade nº 4194000 SSP/SP, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Av. das Nações Unidas, nº 4.777, 5º andar, Ala A, Alto de Pinheiros, São Paulo, SP, ao cargo de diretor sem designação específica; (iii) Juliane Pfeiffer Marinho, brasileira, casada, advogada, inscrita no CPF/MF sob o nº 269.023.938-85, portadora da carteira de identidade nº 175967714, residente e domiciliada na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Av. das Nações Unidas, nº 4.777, 5º andar, Ala A, Alto de Pinheiros, São Paulo, SP, ao cargo de diretora sem designação específica; (iv) Marcelo Felberg, brasileiro, casado, economista, inscrito no CPF/MF sob o nº 708.271.337-15, portador da carteira de identidade nº 4492881 IFP/RJ, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Av. das Nações Unidas, nº 4.777, 5º andar, Ala A, Alto de Pinheiros, São Paulo, SP, ao cargo de diretor sem designação específica; (v) Juliana Sá Vieira Baiardi Sinay Neves, brasileira, casada, industriária, inscrita no CPF/MF sob o nº 930.530.705-10, portadora da carteira de identidade nº 05.650.159-58 SSP/BA, residente e domiciliada na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Av. das Nações Unidas, nº 4.777, 5º andar, Alto de Pinheiros, São Paulo, SP, ao cargo de diretora sem designação específica; (vi) Michael Machado, brasileiro, casado, industriário, inscrito no CPF/MF sob o nº 080.313.395-20, portador da carteira de identidade nº 36.196.600-3 SSP/SP, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço comercial na Av. das Nações Unidas, nº 4.777, 5º andar, Ala A, Alto de Pinheiros, São Paulo, SP, ao cargo de diretor sem designação específica; (vii) Carlos Alberto do Prado, brasileiro, casado, engenheiro civil, inscrito no CPF/MF sob o nº 345.208.647-04, portador da carteira de identidade nº 32218D CREA/RJ, residente e domiciliado na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, com endereço comercial na Praia de Botafogo, nº 300, 8º andar, Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, ao cargo de diretor sem designação específica; e (viii) Renato Ferreira de Mello Júnior, brasileiro, casado, industriário, inscrito no CPF/MF sob o nº 307.458.379-72, portador da carteira de identidade nº 934125-0, residente e domiciliado na Cidade de Recife, Estado de Pernambuco, com endereço comercial na Rua Antônio Lumack do Monte, nº 128, Edifício Empresarial Center III, 16º andar, sala 1603, Boa Viagem, Recife, PE, ao cargo de diretor sem designação específica. Os Diretores ora eleitos e reeleitos, conforme o caso, serão investidos em seus cargos respectivos mediante a lavratura e assinatura dos termos de posse no Livro de Atas de Reunião da Diretoria da Companhia. Atendendo ao disposto no art. 147 da Lei nº 6.404/76, os Diretores ora eleitos e reeleitos, conforme o caso, declaram sob as penas de lei, não estarem impedidos de exercer a administração da Companhia, por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra normas de defesa de concorrência, contra as relações de consumo, fé pública ou a propriedade. Quorum das deliberações: Todas as deliberações foram aprovadas por unanimidade, sem reservas ou restrições. Encerramento, lavratura, aprovação e assinatura da ata: Nada mais havendo a ser tratado, foi encerrada a reunião e lavrada a presente ata, lida, aprovada e por todos assinada. São Paulo, SP, 14 de setembro de 2012. Mesa: Benedicto Barbosa da Silva Júnior – Presidente; Heloisa Gonçalves Folha Polesel – Secretária. Conselheiros: Benedicto Barbosa da Silva Júnior, Adriano Chaves Jucá Rolim, André Amaro da Silveira, Felipe Montoro Jens, Geraldo Villin Prado, João Borba Filho e Mônica Bahia Odebrecht. Certifico e dou fé que essa ata é cópia fiel da ata lavrada no livro próprio. São Paulo, SP, 14 de setembro de 2012. Heloisa Gonçalves Folha Polesel – Secretária. n Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o número 472.250/12-7, em 26.10.12. Gisela Simiema Ceschin, Secretária Geral.

Opinião S/A

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 30 de outubro de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Roseline Aparecida dos Santos. Requerido: Lógica Assessoria Empresarial Ltda. Praça da República, 162 - Conjunto 804 – Centro - 2ª Vara de Falências. Requerente: Fácil Serviços Comerciais Ltda. Requerido: Lune Indústria e Comércio de Componentes Eletrônicos Ltda. Rua Engenheiro Guilherme Cristiano Feldn, 1.338 – Vila Antonieta - 1ª Vara de Falências.

CNPJ 03.729.970/0001-10 - NIRE 35.300.196.392 Edital de Convocação - AGO e AGE Ficam convocados os acionistas a se reunirem em AGO e AGE a ser realizada às 10hs do dia 12.11.12, na sede social, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: AGO: a) exame das demonstrações financeiras do exercício findo em 31.12.11, b) destinação dos resultados, c) instalação do conselho fiscal e d) eleição da diretoria e fixação dos respectivos poderes, atribuições e remuneração para o exercício; AGE: I) aumento do capital social, II) alteração dos artigos 4°, 16° e 24° do Estatuto Social e outros assuntos de interesse social. São Paulo, 27.10.2012. A Diretoria (27, 30 e 31/10/2012)

Auto Posto Portal do Paraiso Ltda, torna público que recebeu da Cetesb a Licença Prévia e de Instalação ,33000608 e requereu a Licença de Operação para comb. p/ veiculos automotores (postos rev),sito à Av.Robert Kennedy,406- Socorro- São Paulo SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

e MALANDRAGEM BRASILEIRA

Um homem que, sem renunciar à virilidade, se inclina à elegância. João Pimenta, estilista

conomia

O "Brasil exportação" talvez explique o que está rolando nas passarelas do SPFW, cujo destaque de ontem foi o desfile de João Pimenta, que resgatou a figura do malandro carioca dos anos 30. O linho branco, clássico da malandragem, virou amarelado,

quase encardido. Mas, se João escolheu ressuscitar a vestimenta do malandro agora, é porque a caricatura é também didática e será de fato útil para apresentar a moda local para um mundo cada vez mais interessado no potencial comercial do Brasil. Sebastião Moreira/EFE

Thiago Bernardes/ Folhapress

Elegância disfarçada

UMA traz versatilidade

A

cena musical dos anos 30 no Rio de Janeiro, misturada com a elegância do malandro, inspirou o estilista João Pimenta. "A proposta, que presta homenagem aos músicos Vicente Celestino, Noel Rosa e Assis Valente, foi apresentar um homem que, sem renunciar à virilidade, se inclina à elegância, à excelência nos tecidos, à combinação de tonalidades e à preocupação com os acessórios", resumiu ele. Os ternos foram os grandes protagonistas. A coleção cortou o comprimento das calças e lhes subiu a cintura. O colarinho apareceu alto, subindo no pescoço e com fitas amarrando, tomando o lugar de possíveis gravatas. Para arrematar, chapéus e gorros, na maioria das vezes com muitos detalhes em renda. Nos pés, botas pretas de verniz e cano médio. Uma banda interpretou ao vivo canções do tradicional samba carioca durante o desfile, que apresentou uma gama cromática de tons terrosos.

Márcio Honorato/ Estadão Conteúdo

U

m pelotão fashion de 40 homens cruzou a passarela da Ellus na segunda-feira à noite anunciando a inspiração militarista. "Adoramos explorar temas fortes, como sadomasoquismo e piratas. Chegou a vez de falarmos sobre a estética policial", explicou Adriana Bozon, designer da grife. A coleção contou com vestidos e jaquetas de box (longe do corpo e de formas quadradas), calças de lã e jaquetas de couro. A cartela de cores veio com preto, azul, vermelho e amarelo, monocromáticos.

Tufi abusa das texturas

O

clássico Os Pássaros, do gênio do suspense Alfred Hitchcock, foi o ponto de partida para Tufi Duek. Sob direção criativa de Eduardo Pombal, a coleção foi pontuada por peças impactantes, fortes, que têm no preto sua cor-chave, inspirada no corvo. "Para diferenciar um look do outro, trabalhamos diferentes texturas, fosco, brilho. Usamos couro, malha de lã, renda resinada e paetês especiais, que ora lembram a trama de um tricô, ora mudam de cor, conforme a luz", destacou Pombal.

José Patrício/ Estadão Conteúdo

A

estilista Karen Fuke resumiu: "É uma evolução do que fizemos na temporada passada." A alfaiataria impecável da Triton foi desconstruída com blazers e paletós amplos. Nas estampas florais surgiram um estilo botânico dark – flores carnívoras e rosas com espinhos. Mais urbana do que nunca, a Triton desfilou na segunda-feira à noite, misturou sua essência ao rock’n’roll, com o preto pontuando quase toda a coleção, seguido de cinza, verde, azul e vermelho.

Ellus evoca o militarismo

Bruno Zanardo e Vanessa Carvalho/ Estadão

A alfaiataria urbana da Triton

P

ara o inverno 2013, a marca apostou em uma alfaiataria despojada, usando itens clássicos do guarda-roupa masculino, como blazer e camisas. O contraste de texturas veio em visuais monocromáticos e no jogo do preto com o branco. Saias, calças e vestidos ganharam efeitos amassados. O couro da coleção era fake, mas com um truque: dupla face. Viradas do avesso, as peças feitas com o material se transformavam em outras, só que de camurça. “Queria trabalhar a ideia de versatilidade, por isso temos tops de couro que viram vestidos na altura dos joelhos ou que ganham comprimentos longos”, explicou a estilista Raquel Davidowicz , da UMA. "Chamei essa coleção de Novos Tempos. Quisemos inovar, por isso ela é diferente das anteriores, feita para um inverno tropical”, declarou. Nos pés, sapatos pesados em preto, branco e dourado, com bordas grossas e tachas de metal aplicadas.

DC 31/10/2012  

Diário do Comércio