Issuu on Google+

Jornal do empreendedor

Ano 87 - Nº 23.552

Conclusão: 23h40

R$ 1,40

www.dcomercio.com.br

São Paulo, terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O Ministério do Esporte decidiu criar em 2010 a estatal Brasil 2016 (para a Olimpíada), e pagou, sem licitação, R$ 4,65 milhões à consultoria FIA para ajudar no 'parto'. Detalhe: a Brasil 2016 foi extinta antes de funcionar.

Produtividade, serviços e viagens. Selecionamos os melhores programas para turbinar o smartphone. Informática. Pág. 17

FECHA EMPRESA

MAX.

ABRE EMPRESA

Aplicativos que garantem a sua mobilidade

No ano seguinte à sua criação, a Brasil 2016 foi incluída no PND para ser liquidada. Ontem, ministro do TCU disse haver indício de dano ao erário e Aldo Rebelo, do Esporte, que tudo foi feito na gestão anterior. Pág. 6

Marcos de Paula/AE

PESADELO CARIOCA

No dia em que a av. 13 de Maio, onde três prédios desabaram, foi liberada para pedestres (foto), um bueiro explodiu no porto do Rio, matando um operário e ferindo dois. Pág. 9 Lúcio Távora/A Tarde/Folhapress

Dívida pública subiu mais de 10% em 2011 Saiba o que significam os grandes números da economia. Pág. 11

Em solenidade, ministro foi deixado longe de Dilma. E teve aliado exonerado pela Casa Civil. Pág. 5 HOJE

ISSN 1679-2688

23552

Pancadas de chuva à tarde e à noite. Máxima 28º C. Mínima 14º C.

AMANHÃ 9 771679 268008

Pancadas de chuva à tarde e à noite. Máxima 29º C. Mínima 16º C.

L.C.Leite/Luz

Negromonte está 'prestigiado' Henrique Meirelles, Alfredo Cotait Neto, Kassab e Afif em reunião partidária.

Primeira opção do PSD: Afif. Partido prefere candidatura própria à Prefeitura, com Guilherme Afif Domingos, e deixa articulações a cargo de Kassab. Pág. 6

Inflação tira o sono do consumidor Pesquisa da CNI indica que 69% esperam alta em 6 meses. O IGP-M avançou 0,25% em janeiro. Pág. 13


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Faz sentido paralisar o País, mesmo que apenas por um dia, para brecar as importações? Roberto Fendt

pinião

A FIESP E AS IMPORTAÇÕES

PAULO SAAB

A SACOLINHA CHEIA DE CADA UM

A Fiesp deve analisar melhor os números das importações referentes ao seu setor antes de engajar-se em uma causa cujos reais interesses ainda não estão bem claros.

V

ou por um pouco de pimenta no debate que se criou em torno da questão das sacolas plásticas para transportar as compras de supermercado. Como cidadão comum, e com o prazer de paulistano, há mais de três décadas frequento supermercados para fazer as compras de minha família. Vivi o tempo da inflação, da estabilização, e de algum modo sinto que de dois anos para cá as gôndolas (e o caixa) desses estabelecimentos se tornaram meu referencial de inflação – sempre acima dos índices oficiais. Antes de prosseguir, é bom que se frise : sou a favor da preservação do meio ambiente e desde eras priscas aderi, em meu condomínio, à coleta seletiva de lixo. É verdade que isso foi votado há muitos anos e só agora tive notícias de que será implementada a tal coleta. Eu já separo material reciclável de orgânico.

N

sso posto, para não deixar os ambientalistas amuados, e engajado nas campanhas ambientais, posso perguntar ao leitor (afirmar seria temerário) se ele (e ela, principalmente) entendem como o fato de os supermercados decidirem não mais adotar a tal sacolinha não-biodegradável vai de fato contribuir para algo que não seja o eventual aumento do faturamento – porquanto passou a vender sacolas, carrinhos e que tais? Até disso eu duvido um pouco, leigamente, porque, tomando meu próprio exemplo, reduzi para menos da metade as compras que fazia, para ter condições de carregá-las. Ainda assim, a primeira caixa de papelão que tentei levar para o carro rompeu -se e minhas compras foram todas ao chão. E chegando (como cheguei) cada morador do meu prédio e de todos os prédios cujos condôminos fazem compras em supermercados, com quantidade semelhante de caixas de papelão (que entupiram a lixeira do meu andar), como ficará a montanha de caixas pela cidade afora? Mais despesas para os condomínios... Enquanto isso, os supermercados, além de não oferecer mais as sacolinhas, estão vendendo sacolas, carrinhos de feira e que tais, tudo a título de colaborar com o meio ambiente. Mas pergunto de novo: e as sacolinhas plásticas em que embalamos os queijos, as carnes, as demais compras?

I

Arte Max: sobre foto de Paulo Pampolin/Digna Imagem

oticia-se que a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) discutirá, a partir desta semana, o eventual apoio a uma paralisação geral dos trabalhadores contra as importações. Fará ela mal se assim proceder. De que se trata? Algumas centrais sindicais e sindicatos – Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), e os sindicatos dos metalúrgicos de São Paulo e de Mogi das Cruzes – pretendem cruzar os braços e enviar um forte recado ao governo para impor barreiras às importações. Alegam as entidades que as importações estão promovendo a desindustrialização do País. Foi esse, aliás, o termo utilizado pelo senhor presidente da Fiesp ao encerrar encontro preparatório na Federação, quando afirmou que "todo o setor produtivo, empresários e trabalhadores, está de mãos dadas nessa briga para conter a desindustrialização da economia brasileira". Até o próximo dia 6, representantes de trabalhadores e empresários deverão apresentar propostas concretas contra a "desindustrialização". Faz sentido paralisar o País, mesmo que apenas por um dia, para brecar as importações? Que mal elas fazem e por que estão crescendo e "desindustrializando" o Brasil? Em 2011, o País importou 256 bilhões de dólares. Desse total, 59,8% dos produtos importados foram classificados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior como produtos industriais, seguindo a classificação da insuspeita Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Dentre os produtos industriais importados, de acordo com a mesma classificação, 40,3% correspondem a produtos industriais de baixa tecnologia, com destaque para alimentos, bebidas, tabaco, madeira e seus produtos, e papel e celulose. No outro extremo, as importações de produtos de alta tecnologia responderam por apenas 6,2% das importações industriais. Produtos das indústrias aeronáutica e aeroespacial constituem a categoria mais importante de importados tecnológicos. Segue-se a ela, em importância na pauta de importações de produtos de alta tecnologia, as da in-

ROBERTO FENDT dústria farmacêutica. A parcela principal das importações de produtos industriais engloba bens das indústrias de média tecnologia, que respondem por 53% do total das importações de produtos industriais. Esses produtos são essencialmente bens de capital para a indústria e matérias primas industriais.

D

esagregadas as importações por sua natureza (industriais versus não industriais) e por grau de intensidade tecnológicas, a que conclusão necessariamente chegamos? Primeiro, que as importações que poderiam causar "desindustrialização" compreendem, inicialmente, menos de 60% do total

importado. Segundo, que as importações que poderiam comprometer nosso desenvolvimento industrial – as importações de bens industriais de alta tecnologia – correspondem a somente 3,7% do total das importações e 6,2% das importações industriais.

F

inalmente, a maior parcela das importações de produtos industriais, de média tecnologia, equivalem a mais da metade do total das dessas importações. Elas são indispensáveis à produção industrial do País, já que englobam bens de capital e produtos intermediários utilizados na produção industrial brasileira. É verdade que as importações

estão crescendo muito. Em 2011, elas cresceram 26,8% relativamente a 2010. Contudo, as importações de produtos industriais cresceram menos com relação ano anterior (19,3%). E, dentre as importações industriais, as que mais cresceram foram as de média-baixa tecnologia (32,9%), enquanto as de alta tecnologia cresceram apenas 2,4%.

P

or todas essas razões, fará bem a Fiesp em analisar detidamente os números das importações referentes ao seu próprio setor antes de engajar-se em uma causa cujos verdadeiros interesses ainda não estão claros. Porque uma coisa é certa: o principal impulsionador das importações é a valorização do câmbio. Não é necessário fazer reunião alguma para detectar esse fato, de resto público e notório. E a valorização do câmbio, por seu turno, tem a ver com o diferencial de juros praticado no País, que continua a atrair capitais de curto prazo e pressionando para baixo o câmbio. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

Supermercados, além de não oferecer mais as sacolinhas, estão vendendo sacolas, carrinhos de feira e que tais, tudo a título de colaborar com o meio ambiente.

Estas continuam existindo, ou vamos embrulhar o peixe e a carne no jornal velho? Sou a favor da livre empresa, da economia de mercado, do lucro, da racionalidade, da criatividade, enfim, de tudo que faz girar a economia, o desenvolvimento na vida do País. Como consumidor, porém, não gosto de me sentir regredindo, ou enganado. Sem considerar também que se trata – a abolição das sacolinhas – de um acordo entre os supermercados, e não uma exigência legal. Acordo que beneficia quem vende e prejudica quem compra, em larga escala, e faz o faturamento do estabelecimento, me parece, ser algo da competência de aplicação do Código de Defesa do Consumidor.

Repito: sou a favor de medidas que ajudem a preservar o meio ambiente. Esta, a das sacolinhas, me parece muito mais uma esperta jogada de marketing, que poderia se aliar à preservação do planeta, não trouxesse tão ostensivo o desrespeito há décadas de hábito de consumo, sem alternativas adequadas. Se sobra caixa de papelão agora, em casa, no supermercado logo será disputada a tapa ou abandonada pelo consumidir – como abandonarei, de hoje em diante, o programa quinzenal de ir ao supermercado e comprar parte das coisas por impulso, sem necessidade objetiva. Não gosto de espertezas na vida pública. E nem na privada. PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor - Ch e fe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Darlene Delello, Eliana Haberli e Evelyn Schulke Repórteres:Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rafael Nardini, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente PL Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

o

pinião

3

PARA EMPRESAS, MUNDO É UM LOCAL ONDE PRODUTOS PODEM SER FEITOS EM QUALQUER CANTO.

D

ois exemplos de como se faz, no Brasil, o sério e a p ro f u n d a d o e x a m e crítico das obras do Olavo de Carvalho. Primeiro: o economista Cláudio de Moura Castro disse certa vez na sua coluna da revista Veja que os brasileiros não leem o que um autor escreve: leem o que imaginam que ele pensou. Nada mais certo. Resta acrescentar que, não sendo eles próprios capazes de pensar senão segundo as correntes de opinião padronizadas que correspondem aos rótulos de partidos políticos, o que entendem por "interpretar" o pensamento de um autor consiste em inscrevê-lo, malgré lui, no partido que ele vagamente parece apoiar. Não raro essa genial proeza hermenêutica vem acompanhada da mimosa sugestão de que o infeliz recebe subsídios, modestos ou polpudos, do grupo político para o qual "trabalha". Da minha parte, já esclareci mil vezes que trabalho para o Diário do Comércio e que o faço com inteira liberdade, jamais tendo recebido da sua diretoria a menor insinuação quanto ao que devo louvar ou esculhambar nos meus artigos. Em vão. Meus dedicados intérpretes continuam tentando revelar meu empregador secreto, cada um deles repassando a informação com aquela piscadela de olho que, no seu entender, o identifica perante o mundo como detentor de valiosíssima inside information. A hipótese mais recente, posta em circulação por alguns liber tarians, é aquela que faz de mim um porta-voz dos neocons –não se sabe se pago a peso de ouro ou a preço de banana. O que me perguntei, ao ler isso, foi por que, com tanto amor aos neocons no meu coração, não convidei um só deles para membro do Inter-American Institute, preferindo, em vez disso, o mais feroz dos seus críticos, o prof. Paul Gottfried. Deve ter sido por esperteza, para camuflar minha filiação partidária. Baseados nessa minha identidade ideológica, porém, os distintos não tiveram a menor dificuldade em interpretar à luz dela cada palavra que eu dissesse a respeito do que quer que fosse, confirmando circularmente a exatidão certeira do diagnóstico inicial. Assim, do fato de que eu defendesse o então presidente George W. Bush contra invencionices macabras postas em circulação no tempo

OLAVO DE CARVALHO que copiei da Atlas Foundation? Você sabia que entre os falsos sites que criei e dos quais sou o mentor secreto estão a Folha de S. Paulo, a Veja, Instituto Millenium, De Olho na Mídia, Visão Judaica, Denni Marquesani, Luiz Gonzaga de Carvalho Neto, Instituto Olavo de Carvalho, Livraria Cultura, TFP, Padre Paulo Ricardo, José Carlos Zamboni, É Realizações, Ordem Livre, Ternuma, Unoamerica e Fuerza Solidaria?

S

Meus caros críticos do furacão Katrina, concluíram que, neocon como ninguém, eu também havia me tornado, coerentemente, "mais bushista que o próprio Bush". Deve, portanto, ter sido também para fins de camuflagem que, ante a derrota republicana nas eleições de 2006, escrevi (ver http://www.olav o d e c a r v a l h o . o r g / s e m ana/061113dc.html): "Ninguém duvida de que o Partido Republicano pagou pelos pecados de George W. Bush, mas a rejeição nacional ao pre-

sidente tem muito menos a ver com a guerra do que com as atitudes dele com relação a gastos públicos, imigração e legislação eleitoral – e, nessas três áreas, ele não errou contra os democratas, e sim com o apoio entusiástico deles(...). Mais motivo ainda para revolta o presidente deu quando violou ao mesmo tempo duas leis sagradas do conservadorismo, gastando um dinheirão do governo para aumentar a interferência estatal na educação infantil...”

É ou não uma prova cabal da minha paixão mórbida por George W. Bush? Segundo: você sabia que escrevo artigos para a Veja sob o pseudônimo de Ethan Edwards, o personagem de John Wayne no filme The Searchers (Rastros de Ódio)? Você sabia que sou o líder de um grupo trotsquista? Você sabia que sou correspondente da Folha de S. Paulo em Washington, e que resido nos EUA com visto de jornalista concedi-

do graças aos favores do sr. Frias? Você sabia que, além dos meus próprios sites (www.olavodecarvalho.org, www.midiasemmascara.com.br, www.seminariodefilosof i a . o rg e w w w. t h e i n t e r a m e r ican.org), dirijo em segredo uma rede de sites-fantasmas, simulando variedade de fontes para ocultar que tudo vem do meu cérebro maligno? Você sabia que para produzir essa gigantesca empulhação faço uso de um software multiplicador

e não sabia de nada disso, não se sinta humilhado. Eu também não sabia. Fiquei sabendo graças ao tirocínio jornalístico do sr. Colin Brayton, um americano doido de pedra que mora em São Paulo (v. http://tupiwire.wordpress.com/2011/01/10/democracyexportation-crosshairs-over-americado-sul/). Ele não apenas fornece essas informações de primeira mão, como as fundamenta em vários diagramas, complicados e muito bem feitinhos, do tipo daquele que publiquei sobre o Observatório de Imprensa da USP ( h t t p : / / w w w . o l a v o d e c a r v alho.org/semana/040929msm.html), com uma diferença: as parcerias que apontei não foram inventadas por mim, mas extraídas de dados do próprio site do Observatório. Infelizmente a criatividade diagramática do sr. Brayton veio tarde demais para ser consagrada nas exposições da falecida Dra. Nise da Silveira. O sr. Brayton também jura que nunca falei para as platéias do Hudson Institute e da America’s Future Foundation e de outras entidades americanas, embora as fotos e documentos comprobatórios dessa minha atividade constem do currículo extensivo publicado no meu site ( h t t p : / / w w w . o l a v o d e c a r v alho.org/english/life-andworks.html). Ele afirma ainda que meu livro Como Vencer um Debate sem Precisar Ter Razão foi plagiado de Schopenhauer, sem explicar o que poderia haver de plágio numa tradução comentada, com clara distinção entre os trechos do autor e os do comentarista. OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

MADE IN THE WORLD A

Associated Press informou, na semana passada, que Fidel Castro, o ex-presidente de Cuba, escreveu um comentário em um site cubano sobre um debate dos pré-candidatos republicanos à presidência dos EUA, na Flórida, em que afirma que "a escolha de um candidato republicano para a presidência desse império globalizado e expansivo – e falo isso seriamente – é a maior competição de idiotice e ignorância que já houve". Quando marxistas reclamam que os candidatos de seu partido estão desconectados das realidades globais atuais, geralmente não é um bom sinal. Mas eles não estão sozinhos. Hoje, há um enorme abismo entre a forma que muitos diretores-presidentes nos Estados Unidos – não os tipos de Wall Street, mas o povo que comanda as principais empresas que fabricam produtos e criam emprego de verdade – olham para o mundo e como o congressista, senador ou presidente médio olham para o mundo – e isso se aplica para ambos os partidos. Observem o encontro que o The New York Times relatou entre o encontro, em fevereiro do ano passado, entre o presidente Barack Obama, e o cofundador da Apple, Steve Jobs, que morreu em outubro passado. O presidente, compreensivelmente, perguntou a Jobs por que quase

todos os 70 milhões de iPhones, 30 milhões de iPads e 59 milhões de outros produtos Apple vendidos no ano passado foram fabricados no exterior. E indagou: essas tarefas não poderiam voltar para cá? "Os empregos não estão voltando", respondeu Jobs. Os políticos veem o mundo como blocos de eleitores vivendo em geografias específicas – e veem os empregos como uma forma de potencializar ao máximo os benefícios econômicos para os eleitores em seu espaço geográfico. Muitos CEOs, porém, cada vez mais veem o mundo como um local onde seus produtos podem ser feitos em qualquer canto com cadeia de suprimentos globais (geralmente associadas a trabalhos sem proteção sindical) e vendidos em qualquer lugar. sses diretores-executivos raramente falam sobre "internacionalização" hoje em dia. O mundo deles agora é tão integrado que não existe mais "dentro" nem "fora". Em seu negócio, qualquer produto e muitos serviços atualmente são imaginados, projetados, negociados e produzidos por meio de uma cadeia de suprimento que procura o acesso ao melhor talento ao menor custo, onde quer que ele exista. Eles veem cada vez mais seus produtos como "Made in

E

the World" e não "Made in America". Aí está a tensão. Muitas de "nossas" empresas, atualmente, se veem como cidadãs do mundo. Mas Obama é presidente dos Estados Unidos. ictor Fung, o presidente da Li & Fung, uma das mais antigas empresas têxteis de Hong Kong, me chamou a atenção, no ano passado, para o fato de que sua empresa, durante muito tempo agia baseada nesta regra: "Você produz na Ásia e vende nos Estados Unidos, na Europa". Agora, disse Fung, a regra é: "Consiga o fornecimento em todos os lugares, produza em todos os lugares, venda em todos os lugares". Até o conceito de "exportação" está desaparecendo Mike Splinter, o CEO da Applied Materials, explicou-me desta maneira: "A internacionalização foi há 10 anos, quando se dizia 'vamos produzir software no exterior'. Não é esse tipo de internacionalização que estamos fazendo hoje; trata-se simplesmente de onde vou conseguir que algo seja feito. Agora se diz: metade dos doutores de meu Departamento de Pesquisa e

V

Desenvolvimento vive em Singapura, Taiwan ou China porque a casa deles é ali e eles podem viver lá e ainda trabalhar em minha empresa. Essa é a nova revolução". Ele agora tem muito mais opções. ichael Dell, fundador da Dell Inc., completou: "Eu sempre lembro às pessoas que 96% de nossos consumidores em potencial vivem fora dos Estados Unidos". Isso é o resto do mundo. E se empresas como a Dell querem vender para eles, afirmou, ela precisa projetar e fabricar algumas partes de seus produtos naqueles países. Este é o mundo em que

M

estamos vivendo. Ele não vai desaparecer. Mas os Estados Unidos podem prosperar neste mundo – afirma Yossi Sheffi, especialista em logística da MIT – se o país se fortalecer, desde que muitos de nossos trabalhadores consigam participar em diferentes partes dessas cadeias de fornecimento – seja imaginado produtos, projetando produtos, fazendo o marketing de produtos, orquestrando a cadeia de fornecimento de produtos, fabricando produtos sofisticados e vendendo produtos. Se tivermos a nossa parte, ficaremos bem. E eis a boa notícia: temos uma gigantesca vantagem natural para competir neste tipo de mundo, se simplesmente conseguirmos atuar juntos."Num mundo onde os maiores lucros vão para aqueles que imaginam e projetam o produto", diz Sheffi, "não há uma sociedade com mais capacidade de imaginação do que a dos Estados Unidos. Num mundo onde o talento é a mais importante vantagem competitiva, não há país onde historicamente os imigrantes talentosos foram melhor recebidos do que nos Estados Unidos. Num mundo onde a proteção à propriedade intelectual e os mercados de capitais seguros são valorizados tanto por inovadores quanto por investidores, não há nenhum país mais seguro do que os Estados Unidos. Num mundo onde os lucros das inovações são impressionantes, os fundos

THOMAS L. FRIEDMAN governamentais para a biociência, novas tecnologias e energia limpa são uma grande vantagem. Num mundo onde as logísticas serão fonte de um grande número de empregos de classe média, temos FedEx e UPS". e apenas conseguíssemos nos unir numa estratégia nacional para melhorar e ampliar todas as nossas vantagens: mais imigração, mais educação pós-ensino médio, mais pesquisa governamental, incentivos certos para estimular milhões de lançamentos – e um plano de longo prazo para resolver de fato os nossos problemas de dívida a longo prazo – ninguém poderá nos alcançar. Estamos perto disso.

S

THOMAS L. FRIEDMAN É COLUNISTA DO NEW YORK TIMES E TRÊS VEZES GANHADOR DO PRÊMIO PULITZER TRADUÇÃO: RODRIGO GARCIA


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4 -.GERAL

GibaUm

3 Enquanto

reduz produção do Hebe e continua com salários atrasados, Amilcare Dallevo capricha na super-casa nova.

gibaum@gibaum.com.br

k Os gases da vaca fazem o buraco de ozônio maior. Então, parem «

de comer tanto hambúrguer.

GLÓRIA COELHO // dando explicações sobre sua coleção na SP Fashion Week.

Fotos: BusinessNews

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

3 MAIS: o quarto dele e de Daniela Albuquerque terá nada menos do que 1.200 m2 num total de área construida de 17.000 m2.

Nos trinques A Presidência da República resolveu renovar o guardaroupa, gastando R$ 129,2 mil. Do total, R$ 24 mil foram para compra de 501 pares de sapatos sociais de couro preto, mais R$ 4,4 mil para 249 cintos e R$ 3,4 mil para 786 pares de meias. Para completar os modelitos , foram reservados mais R$ 61,3 mil para a compra de oito ternos femininos e 429 masculinos. Além de 429 gravatas (R$ 3,7 mil) e 900 camisas (R$ 32,4 mil). 333

IMEXÍVEL Uma coisa é bater de frente com Henrique Eduardo Alves, líder do PMDB na Câmara Federal e mandar demitir Elias Fernandes, seu protegido, do DNOCS – Departamento de Obras contra as Secas e outra coisa é bater de frente com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Ou seja: Sérgio Machado, no comando da Transpetro há 12 anos, apadrinhado de Renan Calheiros, como diria o ex-ministro Antonio Rogério Magri, é imexivel.

333

333 Independente de quaisquer comparações com o tratamento do ex-presidente (pago por seu plano de saúde e pelo Instituto Lula), levantamento do Instituto Nacional do Câncer revela que, tanto na área de tratamento ou cirurgia de câncer, o SUS está em frangalhos. Os gastos federais com tratamentos ambulatoriais e hospitalares têm crescido ano a ano: em 2008, R$ 1,48 bilhão; em 2009, R$ 1,69 bilhão e em 2010, mais de R$ 1,92 bilhão. Com exceção a câncer de pele não melanólico, para cada mil novos casos de câncer, de 500 a 600 necessitam de cirurgia e a rede é insuficiente. Há carência de 375 Unacons e Cacons. O déficit da capacidade instalada de cirurgia é de 44 unidades, de quimioterapia, de 39 unidades e de radioterapia, outras 135 unidades. Ou seja: sem atendimento correto no SUS, mais brasileiros estão morrendo.

Renascimento 333 Dia 7 haverá festa de inauguração da nova flagship store da Daslu, no quarto andar do Shopping Cidade Jardim, que deverá assinalar o renascimento da marca, agora controlada pela Laep, empresa de investimentos pilotada por Marcus Elias. Há semanas, foi aberta a Daslu do Rio, no Fashion Mall e há planos para outra em Brasília e mais uma no JK Iguatemi. A nova área no Cidade Jardim é de 3.500 metros quadrados e com mais marcas, num projeto assinado por Sig Bergamin. Já a cenografia será feita por Edgard Otávio com ambientes inspirados no japonismo.

Peles de mohair.

h

h IN

OUT

Peles sintéticas.

Laerta, não! 333 O cartunista Laerte, agora de cabelos compridos, vestido de mulher, maquiagem e pernas totalmente depiladas, tudo dentro do espírito cross-dresser , vem ganhando espaço nos principais noticiosos da TV brasileira, devido à sua campanha pela liberação das toaletes femininas aos transexuais e travestis. Apareceu até, essa semana, no Bom Dia, Brasil , da Globo, quando o repórter, depois da entrevista, perguntou se ele iria adotar algum novo nome feminino. E ele; “Não: fica Laerte mesmo. Laerta não dá, não é?”.

333 O EX-governador Anthony Garotinho defende a candidatura do ex-prefeito César Maia, como única forma de impedir a reeleição de Eduardo Paes no Rio. César recusa (quer ser vereador) e mantém a candidatura do filho Rodrigo Maia (DEM). Ele acha que é hora de renovação: “A geração de 1964 (na política) terá 74 anos em 2014 e de 1968 (a minha) terá 70 anos”.

333 FERNANDA Montenegro, 82 anos, viverá Maria, no último episódio da série As Brasileiras que tem como título Marias do Brasil. O nome da personagem é uma homenagem de Daniel Filho aos 13 milhões de Marias do país.

O CANTOR havaiano Bruno Mars, já havia cantado em São Paulo e repetiu no Rio: em seu show, a certa altura, inspirado pela febre de Michel Teló, começou a cantar “ Oh, if I catch you, oh, oh...”. Aí, a platéia foi ao delírio. 333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

L

333 No próximo dia 2, na Casa Fasano, em São Paulo, a Mercedes-Benz promove sua Top Night 2012, quando apresenta seu Concept A-CLASS, numa noite devidamente recheada por exposição do fotógrafo Trípoli de conhecidas figuras ao lado dos carrões. Entre outros e outras, Luiza Brunet (esquerda), Daniela Albuquerque (direita), Ana Luiza Castro, Didi Wagner, Fernanda Paes Leme, Paulo Zulu, Flávio Canto e Ricardo Almeida.

A noite da Mercedes

C F N E U R I N H A N T A Z A L M E S C O L

O FORUM Social Mundial, que foi um grande fracasso, voltou ao Rio Grande do Sul porque ninguém mais o quer no mundo, especialmente pela gula demonstrada por seus empreendedores diante dos cofres públicos. Tarso Genro e prefeituras gaúchas da base aliada gastaram no evento R$ 3,5 milhões e na falta de maiores nomes, até Cesare Battisti virou atração.

A

333 O candidato de Lula à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, que vem repudiandoquaisqueralianças com o PSD de Gilberto Kassab, teve seu primeiro encontro com o atual prefeito porque Lula mandou. O ex-presidente também mandou seu pupilo falar menos em matéria de aliança. Quem não ficará quieto é o presidente nacional do partido, Ruy Falcão, que quer impedir qualquer aliança entre o PSD e o PT. Lula também pediu aos petistas do Senado que deixem de pressionar Marta Suplicy, que não quer deixar a vice-presidência para José Pimentel. A propósito: Haddad está usando um celular emprestado da filha Carol, de 11 anos. Tem capa da Hello Kitty.

QUEM vem para o carnaval carioca é o criador e dono da revista Playboy, Hugh Hefner, 85 anos. Será convidado de um dos camarotes da Sapucaí. Hefner é dono de uma fortuna estimada em US$ 43 milhões e sua nova mania é postar comentários no Twitter, onde já tem quase um milhão de seguidores.

333

Solução

333

HELLO KITTY

333 A DIRETORIA Corporativa da Petrobras, que está sendo criada na estatal e que será ocupada pelo ex-presidente da empresa, da BR Distribuidora e do PT, José Eduardo Dutra, nasce apenas para tirar o companheiro do relento. Dutra, a propósito, submeteu-se a severo regime nos últimos meses. Está quase irreconhecível: 20 quilos a menos.

333

Pior do mundo A Vale acaba de ser eleita a pior empresa do mundo pelo Public Eye People’s, premiação organizada pelo Greenpeace e Declaração de Berna que vem sendo realizada desde 2000. O resultado foi anunciado no Fórum Econômico de Davos. A mineradora foi escolhida por ter comprado 9% de participação do Consórcio Norte Energia S.A., responsável pela construção da usina Belo Monte e por possuir “uma história de 70 anos manchada por violações de direitos humanos, condições desumanas de trabalho, pilhagem do patrimônio público e exploração cruel da natureza”. A segunda foi a Tepco, que controla as usinas nucleares de Fukushima, Japão.

MISTURA FINA

T O A R G T A

333 A ex-modelo milionária (viúva de Jean-Luc Lagardère, que possuía um império de US$ 17 bilhões) Bethy Lagardère vai debutar, na condição de guest star, na novela Aquele Beijo, de Miguel Falabela, seu amigo e sua companhia constante em eventos do Rio. Para arrasar em sua participação especial, Bethy encomendou a Jean-Paul Gaultier nada menos do que seis vestidos haute couture . A iniciativa é dela: a Globo não vai bancar as roupas.

Câncer no SUS

L E L C O A I S A E Q U U E L E F I

GUEST STAR

333

B E I R C O D O D E S G A P

A presidente Dilma Rousseff quer baixar os estratosféricos juros dos cartões de crédito, os maiores em todo o mundo: a média, hoje, está em torno de 10,5% ao mês, mas existem cartões cobrando até 14% ao mês. E se o dono do cartão atrasa o pagamento, do mínimo ou do total, na fatura seguinte a operadora cobrará juros sobre juros, o que é proibido até por jurisprudência formada pelos tribunais superiores. Para quem gosta de comparar: juros de cheque especial, atualmente, giram em torno de 8,5% e para financiamento de automóvel, 2,4%. Dilma sabe que não pode reduzir juros de cartão por decreto, mas já pediu ao Ministério da Fazenda a alternativa para enfrentar as operadoras.

333

Numa noite em que os grandes vencedores foram Jean Dujardin, Alec Baldwin, Jessica Lange, Paul Giamatti e Kate Winslet, foram entregues, em Los Angeles, em sua 18º edição, os Screen Actors Guild Awards 2012 para os melhores do cinema e da TV americana. Pelo red carpet, como sempre, desfilaram superstars com criações de grifes famosas: da esquerda para a direta, Lea Michele, de Glee , usando Versace; Glenn Close, de Zac Posen, até com direito a cauda; Natalie Portman, com modelo de Giambatista Valli; Michelle Williams, com um vermelho de Valentino; e Tina Fey, com um vintage de Versace.

No red carpet

P F I G L C U F L U A T E D I A A MU U A L C H E B E L R A

Guerra aos cartões

Por: José Nassif Neto Medicamento para evitar gravidez.

O firmamento. Gal Costa, cantora.

Estampa colorida para álbum de coleção. Ter origem; emanar.

Símbolo do A Capital nitrogênio. do Rio Grande (quím.) do Norte.

Derradeiro.

Boca das aves.

'Ele', em alemão.

Argola de corrente.

Qualidade do que é lindo. Embarcação de esporte radical.

Sensação de vazio.

Fico aborrecido.

Parte de um endereço eletrônico. Reproduz material gravado nele.

Símbolo do carbono. (quím.)

Mecânica. (abrev.) Maior astro do sistema solar. Pertencente a ele.

Urânio, Poesia de símbolo estrofes químico. simétricas. Vogais de padre.

Maior mamífero dos servídeos.

Aposento do detento.

Folha-de flandres. Planta forrageira.

Que pessoa.

Regra social.

Saudável. Natural da Bélgica.

Colocar estampilha na carta. Flúor, símbolo químico.

Gênero de música popular.

Símbolo de tempo. (física)

Fixa o olhar.

(382) 2-er; sã; 3-ode; céu; rap; 4-orga 5-disco; tédio; belga.

A nota sol na notação alfabética.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

5 VAI VIRAR PÓ Negromonte já disse que estava firme como as pirâmides do Egito

olítica

Negromonte é isolado em solenidade na Bahia

C

Presidente elogia modelo econômico brasileiro

A

Cerimonial da Presidência colocou Negromonte longe de Dilma, que, em discurso, fez questão de elogiar a atuação do ministro, ontem, em Camaçari, ao liberar R$ 276 milhões para urbanização da bacia hidrográfica em pleno reduto eleitoral do ministro baiano.

Lúcio Távora/A Tarde/Folhapress

otado para deixar o que o consumo das famílias cargo, o ministro brasileiras vai proteger o País das Cidades Mário da crise internacional, que afeNegromonte foi iso- ta principalmente países da lado ontem em solenidade em zona do euro. Camaçari, de liberação de "Países até então desenvolR$ 276 milhões de sua pasta na vidos hoje lideram o campeoBahia, seu reduto eleitoral. En- nato de quem mais desempretre Dilma e o ministro, o ceri- ga no mundo. Nosso modelo é monial posicionou o governa- diferente. O Brasil vai crescer dor baiano Jaques Wagner (PT) se as pessoas melhorarem de e o ministro Fernando Pimen- vida. Quem consome gera tel, do Desenvolvimento. oportunidade, e com isso a roApesar disso, a presidente da vai girando". começou seu discurso assim: Dilma também disse que o "Queria cumprimentar os mi- Brasil não enfrenta a crise econ i s t ro s d e E s t a d o q u e m e nômica mundial por ser "difeacompanham [eram seis, na ce- rente" dos outros países e critirimônia] e vou começar cum- cou os governos anteriores ao primentando o ministro Mário do presidente Luiz Inácio Lula Negromonte, que no meu go- da Silva, que, segundo ela, não verno tem sido responsável davam importância à política pela política de urbanização habitacional. de favelas, ha"O nosso b i t a ç ã o , s amodelo é difeneamento e rente dos ouproteção de tros modelos. Cumprimento encostas". Para nós, o Negromonte pela Já o discurBrasil vai cresurbanização de so de Negrocer se as pesmonte durou soas melhorafavelas, habitação, menos de cinrem de vida." saneamento e co minutos – S o b r e a proteção de metade do construção de encostas. tempo usado moradias, Dilpor Jacques ma disse que o DILMA ROUSSEFF Wagner (PT), Brasil "passou governador mais de 20 da Bahia. Nos quatro minutos, anos sem ter uma política real o ministro se limitou a cumpri- de habitação". "Isso comprova mentar os integrantes dos go- a pouca importância que lidevernos federal, estadual e mu- ranças políticas e governos denicipal presentes e a ressaltar a ram a uma questão que é esobra. "É tão importante que a sencial. A casa é, talvez, a coisa presidente veio acompanhada mais importante para qualde seis ministros de Estado, quer família. É a garantia de seum fato inusitado." gurança, de proteção e acolhiO projeto de urbanização da mento para nossas crianças, bacia hidrográfica prevê, além nossos filhos". da construção da rede de saE sp e cu l aç ã o– A especulaneamento básico da região, da ção em torno da saída de Nerecuperação ambiental da gromonte ganhou força na Baárea, da proteção de encostas e hia, nas últimas semanas, deda instalação de rede de ilumi- pois que o governador, um de nação pública, ao custo de seus padrinhos, tentou se disR$ 163 milhões, a construção tanciar do afilhado. Domingo, de 2.357 unidades habitacio- antes de jantar com Dilma, nais do programa Minha Casa, Wagner ressaltou que a indicaMinha Vida, destinado a famí- ção do ministro coube ao PP, e lias com renda de até R$ 1,6 não a ele. Questionado se demil. Os investimentos previs- fenderia a permanência de Negromonte, o governador lavou tos são de R$ 112 milhões. Consumo – Em discurso, a as mãos: "Essa caneta não me presidente voltou a afirmar pertence". (Agências)

presidente Dilma Rousseff disse ontem, durante evento em Camaçari, na região metropolitana de Salvador, que o Brasil não sofre efeitos maiores da crise econômica mundial. "Hoje, no mundo, nós vemos países até então desenvolvidos serem países que lideram o campeonato de quem mais desemprega no mundo. O Brasil é diferente, nosso modelo é diferente dos outros modelos". "O Brasil vai crescer se as pessoas melhorarem de vida, porque quem é a maior força que empurra o Brasil para a frente é seu povo – consumidores, trabalhadores, empresários. São as pessoas que criam aquele ciclo muito bom, que uma coisa puxa a outra. Quem consome, cria oportunidade e, com isso, a roda vai girando e o Brasil vai crescendo". Dilma participou da assinatura da ordem de serviço para o início das obras de revitalização urbanística da Bacia do Rio Camaçari. Essas obras fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC 2. As ações previstas incluem obras de saneamento, abastecimento de água, macro e microdrenagem e reurbanização de margens nos rios que compõem a Bacia do Rio Camaçari

SEM BÊNÇÃO O que ele não sabia é que seria descartado pelo próprio padrinho

- Eiú Branco, Pedreiras, Piaçaveiras, Prata, Mandú, Canal de Acajutiba e Camaçari. O objetivo é que essas modificações auxiliem ainda na recuperação e despoluição dos rios e seus afluentes, reduzindo assim os riscos de enchentes na região. Casa – Em discurso, Dilma criticou os governos anteriores ao do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, segundo ela, não davam importância à política habitacional. "O Brasil passou mais de 20 anos sem ter uma política real de habitação. Isso mostra a pouca importância que lideranças políticas e governos deram a uma questão que é essencial. A casa é, talvez, a coisa mais importante para qualquer família. É a garantia de segurança, de proteção e acolhimento para nossas crianças, nossos filhos." Ela enfatizou que a obrigação do governo, dos governadores e dos prefeitos é garantir o direito à casa própria. "A casa é talvez a coisa mais importante para uma família. É onde se criam os filhos, onde se recebem os amigos. Sem garantia de habitação, não temos política de distribuição de renda." A seguir, Dilma embarcou para a viagem a Cuba e ao Haiti. (Agências)

Dilma ficou ao lado do governador Jacques Wagner e distante de Negromonte. Nos bastidores comenta-se que ele deve ser o próximo a sair.

Demissão no Ministério das Cidades

O

chefe da assessoria parlamentar do Ministério das Cidades João Ubaldo Dantas foi demitido ontem. A exoneração, assinada pela ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann foi publicada no Diário Oficial da União. Aliado político do ministro Mário Negromonte na Bahia, Dantas era o responsável pela interlocução da pasta com o Congresso. Esta foi a segunda exoneração na pasta em menos de uma semana. Por meio da assessoria de imprensa, o Ministério

das Cidades informou ao G1 que a saída foi um "procedimento normal", mas não esclareceu o motivo da demissão. A demissão de Dantas se dá cinco dias depois que o chefe de gabinete do ministério, Cássio Peixoto, também da Bahia e aliado de Negromonte, ter sido exonerado pela Casa Civil. Assim como Peixoto, a saída de Dantas não foi a pedido, segundo portaria publicada no Diário Oficial. Segundo reportagem da Folha de S. Paulo do último sábado o ministro Negromonte deve

pedir demissão ainda esta semana, como parte da reforma ministerial em curso. Seu secretário-executivo, Roberto Muniz, outro baiano aliado ao ministro, deve sair também. A situação de ambos se agravou na semana passada, após a reportagem revelar participação deles em reuniões privadas com um lobista e um empresário interessados num projeto milionário do ministério das Cidades. Todos negam qualquer acerto financeiro. A exoneração de Peixoto ocorreu depois de ter sido en-

volvido em denúncias. Em novembro, segundo o O Estado de S. Paulo, ele teria pressionado funcionários do ministério a fraudar parecer técnico indicando sistema de transporte mais caro para Cuiabá na Copa. A diretora de Mobilidade Urbana Luiza Gomide negou a fraude e Montenegro mandou abrir sindicância. Na semana passada, a Fol ha trouxe nova denúncia contra Peixoto, que teria recebido um lobista e o dono de empresa de informática com proposta milionária para informatizar o ministério. (Agências)

Dilma em Cuba: agenda econômica. Alejandro Ernesto/EFE

C

inco dias depois de o governo brasileiro ter concedido visto de entrada à jornalista e blogueira cubana Yoani Sánchez, uma das principais críticas do governo do presidente Raúl Castro, a presidente Dilma Rousseff chegou a Cuba, depois de ter participado de evento ontem na Bahia. A iniciativa foi vista por organizações não governamentais e especialistas como sinalização do Brasil de que a questão de direitos humanos e abertura política serão temas das reuniões. A previsão é que a agenda da presidente só comece hoje, com um dia repleto de atividades que vão desde almoço com o presidente cubano, Raúl Castro, até homenagens a José Martí – considerado herói nos países que foram colônias espanholas por ter liderado os

Dilma é recepcionada pelo ministro Bruno Rodriguez (à direita)

processos de independência. À tarde, Dilma irá ao Porto de Mariel, a 50 km de Havana – local ampliado com apoio de empresários e governo brasileiros. Para autoridades cubanas, a modernização do local é um projeto estratégico para o

aumento do intercâmbio comercial de Cuba. O Brasil financia 80% das obras em um total de US$ 683 milhões. Os cubanos planejam transformar a região portuária de Mariel em um centro industrial. Um dos projetos é cons-

truir uma indústria de vidros lá, assunto discutido neste mês quando o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, foi a Havana. Dilma pretende concentrar as conversas no apoio do governo do Brasil à ampliação de parcerias e acordos bilaterais com os cubanos. Ainda não se confirmou o encontro com Fidel Castro, 85 anos, presidente de Cuba até 2008. Desde 2010, Raúl Castro vem instaurando um processo de abertura na economia do país, com decisões que envolvem desde estímulo à demissão voluntária dos funcionários públicos e liberação de compra de automóveis e imóveis ou permissão para atividades autônomas e o incentivo à agricultura familiar. Foi a alternativa para driblar as dificuldades causadas pelo embargo econômico dos EUA em 1962. (Agências)

INSS terá 182 novas agências

O

governo federal pretende expandir o sistema de acompanhamento dos serviços prestados pela Previdência Social ao cidadão. Segundo explicou ontem a presidente Dilma Rousseff, no programa Café com a Presidenta, o sistema já permite ao governo acompanhar cada etapa do atendimento nas 1.353 agências do INSS, controlando o tempo de espera e de atendimento, e a ideia é levar as

agências para perto da população. Para isso, até o final do ano, estão previstas 182 novas agências em todo o País. "Queremos diminuir a necessidade de as pessoas viajarem para tratar de serviços da Previdência", disse Dilma. Segundo a presidente, as pessoas procuram essas agências para pedir aposentadoria, para fazer perícia médica ou para requerer outros benefícios. "Nosso objetivo é garantir a

qualidade e a rapidez do atendimento, é cuidar com carinho da pessoa que procura a Previdência. Por isso é importante que possamos acompanhar passo a passo e saber onde não está bom o atendimento, onde ele pode melhorar". Serviço expandido – Além de criar novas agências, a presidente informou ainda que o governo já conseguiu melhorar vários serviços e agora pretende expan-

dir esse sistema de acompanhamento para outros setores – como a área da saúde, com o objetivo de "buscar um atendimento digno nos hospitais, nos postos de saúde e nas Unidades de Pronto Atendimento, as UPAs". Segundo a presidente, "as pessoas que trabalham, empreendem e lutam para sustentar suas famílias merecem ter serviços públicos de qualidade, ágeis e eficientes em todas as áreas". (AE)


p O Esporte de jogar fora R$ 4,65 milhões DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O Esporte precisa explicar isso, até porque esse governo é pródigo em consultorias suspeitas. Deputado federal Rubens Bueno, líder do PPS.

olítica

O ministério conseguiu essa façanha ao contratar uma consultoria para abrir uma empresa que não chegou a existir para a Olimpíada. Seria a Brasil 2016. André Lessa/AE

O

ministro do Esporte, Aldo Rebelo, disse ontem, ao visitar o canteiro de obras do estádio do Corinthians, em São Paulo, que as decisões tanto de criação da Empresa Brasileira de Legado Esportivo Brasil 2016 quanto de extingui-la foram tomadas durante a gestão do ex-ministro Orlando Silva, que pediu exoneração do cargo após denúncias de participação em suposto esquema de corrupção. De acordo com o atual titular, "quando cheguei ao Ministério do Esporte, a decisão estava tomada". Para tanto, o ministério pagou no ano passado R$ 4,65 milhões, sem licitação, para a Fundação Instituto de Administração (FIA) ajudar no nascimento da estatal extinta antes mesmo de funcionar. Apesar da justificativa, Rebelo não fez critica alguma e até defendeu o repasse para a entidade. "O governo decidiu constituir a empresa para a Olimpíada de 2016 e, depois, decidiu extinguir, só que a consultoria trabalhou pela sua organização e constituição", disse o ministro do Esporte. Nasceu morta – A decisão de acabar com a Empresa Brasileira de Legado Esportivo Brasil 2016 foi tomada após uma série de negociações com o Ministério do Planejamento, sob a justificativa de que havia estrutura suficiente para cuidar da Olimpíada de 2016. Criada por decreto em agosto de 2010, a Brasil 2016 foi incluída um ano depois no Plano Nacional de Desestatização (PND) para ser liquidada. Antes disso, o ministério fez dez pagamentos à FIA, sendo cinco após a decisão de não levá-la adiante.

Após a entrada no PND, foram firmados dois termos aditivos ao contrato, um prorrogando os serviços por quatro meses e outro autorizando o pagamento de R$ 901 mil. Os desembolsos só cessaram em 27 de dezembro de 2011, mais de quatro meses depois da decisão. O ministro José Jorge, do Tribunal de Contas da União (TCU), disse ontem ver indício de dano ao erário na contratação. "É uma situação bastante atípica", constatou. "Se a empresa nunca funcionou, não precisava de assessoria nenhuma. Esse contrato deveria ter sido anulado no momento em que se decidiu que a estatal não existiria mais."

Como continuar gastando dinheiro público no nascimento de algo que a própria administração está abortando? MARINUS MARSICO Investigação – Para o ministro, cabe ao TCU abrir auditoria sobre o caso. Ele explicou que vai esperar o relator do Ministério do Esporte na corte, ministro Marcos Bemquerer, se manifestar. Em nota, Bemquerer informou que aguardará representação do Ministério Público junto ao TCU para dar encaminhamento ao caso. O procurador Marinus Marsico adiantou que vai abrir investigação, pois a contratação foi "estranha e atípica", havendo indícios de irregularidades. "Como continuar gastando di-

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/SME/2012 - 2012-0.002.479-2 - REGISTRO DE PREÇOS PARA O FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS DO TIPO “NETBOOK” COM GARANTIA POR 24 MESES. Acha-se aberta a licitação em epígrafe à Rua Dr. Diogo de Faria 1247 - sala 318 - Vila Clementino. O credenciamento e os envelopes nº 01 (proposta) e envelopes nº 02 (documentação) deverão ser entregues até as 10:30 horas do dia 13/02/2012 na sala 318 A, situado na Rua Dr. Diogo de Faria, 1247 - 2º andar - Vila Clementino. O Edital e seus Anexos poderão ser obtidos, até o último dia que anteceder a abertura, mediante recolhimento de guia de arrecadação, ou através da apresentação de CD ROM gravável no Setor de Licitação - CONAE 151 - sala 318, ou no site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, bem como, as cópias do Edital estarão expostas no mural do Setor de Licitação.

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete, os seguintes pregões: PREGÃO ELETRÔNICO 420/2011-SMS.G, processo 2011-0.311.027-2, destinado ao registro de preço para aquisição de MEDICAMENTOS DIVERSOS XVII, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras GTC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 11 horas do dia 23 de fevereiro de 2012, através do sítio www.comprasnet.gov.br, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 421/2011-SMS.G, processo 2011-0.305.307-4, destinado ao registro de preço para aquisição de MEDICAMENTOS DIVERSOS XVI, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras GTC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 11 horas do dia 17 de fevereiro de 2012, através do sítio www.comprasnet.gov.br, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 432/2011-SMS.G, processo 2011-0.344.655-6, destinado ao registro de preço para aquisição de MEDICAMENTOS DIVERSOS XVIII para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras GTC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 11 horas do dia 24 de fevereiro de 2012, através do sítio www.comprasnet.gov.br, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 428/2011-SMS.G, processo 2011-0.247.794-6, destinado ao registro de preços para aquisição de FILME PARA RAIO X, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 14 horas do dia 10 de fevereiro de 2012, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAIS Os editais dos pregões acima poderão ser consultados e/ou obtidos nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet.gov.br, quando pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Os documentos referentes ao credenciamento, os envelopes contendo as propostas comerciais e os documentos de habilitação das empresas interessadas, deverão ser entregues diretamente ao pregoeiro, no momento da abertura da sessão pública de pregão.

nheiro público no nascimento de algo que a própria administração pública está abortando?", questionou, adiantando que o caso será tratado com prioridade. Para o procurador, ao firmar aditivos contratuais que elevaram o preço em quase R$ 1 milhão, o Esporte usou como justificativa um aspecto secundário do contrato "que se tornou maior que o principal". Segundo Marsico, "há deficiências sérias no planejamento e na estimativa de custos", afirmou. Desperdício – O líder do PPS, deputado federal Rubens Bueno (PR), também vai requisitar a Aldo a cópia de todos os documentos relativos ao contrato. Para o líder, essa operação configura flagrante desperdício de dinheiro público. No requerimento de informações que enviará ao ministério, o parlamentar vai cobrar as cópias integrais do contrato entre o governo e a FIA, além das íntegras dos relatórios e serviços prestados pela empresa. "Quando a estatal foi criada, nós alertamos que era desperdício de dinheiro público. Não deu outra. Jogaram milhões num órgão para pouco depois extingui-lo. Para que serviu essa consultoria? O ministério precisa explicar isso com detalhes, até porque esse governo é pródigo em consultorias suspeitas", cobrou. Na vistoria que fez no estádio do Corinthians, Aldo foi acompanhado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD). Segundo o ministro, "a construção supera as expectativas e obedece ao cronograma estabelecido", disse, informando que a Lei Geral da Copa deverá ser aprovada até março. (Agências)

Batedores e tiros de canhão para Sarney

O

Congresso Nacional inicia nesta quintafeira o ano legislativo. O presidente da Mesa, senador José Sarney (PMDB-AP), conduzirá a solenidade, às 16 horas, no plenário da Câmara, depois de cumprir um rito tradicional. Ele vai chegar conduzido por batedores, ouvirá o hino nacional executado pela Banda do Batalhão da Guarda Presidencial, assistirá a salva de 21 tiros de canhão e passará a tropa em revista. Os presidentes da Câmara, deputado federal Marco Maia (PT-RS), e do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso, também participarão da abertura da 2ª sessão legislativa da 54ª legislatura. Durante o evento, a ministra-chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann vai ler a mensagem da presidente Dilma Rousseff ao Poder Legislativo. A expectativa dos parlamentares é que ela aborde iniciativas para atacar os problemas mais prementes enfrentados pelo País. No ano passado, trazida pela própria chefe do Executivo, a mensagem presidencial abordava o drama que acabava de vitimar famílias soterradas por deslizamentos na região serrana do Rio de Janeiro. Na ocasião, Dilma prometeu um pacto para evitar novas tragédias e firmou o compromisso de lutar pela erradicação da miséria e por uma política de longo prazo para o reajuste do salário mínimo. "A manutenção de regras estáveis, que permitam ao salário mínimo recuperar o seu poder de compra é um pacto deste governo com os trabalhadores", disse Dilma, naquela ocasião. Na mesma mensagem, a presidente defendeu as reformas tributária e política, temas que devem voltar à mensagem deste ano. (Folhapress)

Aldo Rebelo vistoriou o estádio do Corinthians: gostou do que viu e falou da gastança na gestão passada. L.C.Leite/Luz

Alfredo Cotait, Guilherme Afif e Gilberto Kassab: o início das articulações para conquistar os eleitores.

Afif é o candidato do PSD para a prefeitura de São Paulo Guilherme Calderazzo

O

s dirigentes estaduais e municipais do Partido Social Democrático (PSD) reuniram-se ontem, na capital, e definiram um rumo para o partido na eleição à prefeitura paulistana, em outubro. Por unanimidade, as cúpulas da sigla presentes ao encontro decidiram que a preferência é pelo lançamento de candidatura própria nesse pleito e, caso se concretize, o candidato será Guilherme Afif Domingos, atual vice-governador de São Paulo. Além disso, segundo o presidente do Diretório Municipal do PSD, Alfredo Cotait Neto, o partido deixou sob a responsabilidade do prefeito da cidade, Gilberto Kassab, também presidente nacional do PSD, a condução das articulações destinadas à formação de alianças com outras partidos

Como homem público, coerência, legitimidade e qualificação, o Afif foi escolhido e já é o nosso único pré-candidato. GILBERTO KASSAB para essa eleição. Segundo o chefe do Executivo municipal, os entendimentos com outras siglas para a criação de coligação partidária-eleitoral desenvolvem-se em especial com o PSDB e com o PT. "A eleição na capital é singular, muito importante para todos os partidos. Por isso, nossa preferência é pela candidatura própria. Vamos nos esforçar para que se consolide. Pela dimensão como homem público, coerência, legitimidade e qua-

lificação, o Guilherme Afif foi escolhido e, no momento, já é o nosso único pré-candidato", disse Kassab. Depois de afirmar que é quase impossível vencer a disputa sem aliados, o prefeito informou que as conversações para a formação de coligação na capital estão mais adiantadas com o PSDB. "Já expusemos nossa posição ao PSDB. Pretendemos formar uma chapa na qual o candidato a prefeito seja do nosso partido. Dependendo da resposta, poderemos continuar os entendimentos." Ao mesmo tempo, adiantou que também procura entendimento com o PT para uma aliança. "Vamos intensificar o diálogo com os dirigentes petistas. É a primeira vez que tentamos um acordo com o partido. Também neste caso, é em torno de programas e projetos em benefício da cidade. Seja como for, quem ganha com tudo isso é a democracia."

PDT contesta o retorno de Lupi

O

deputado federal Brizola Neto (PDTRJ) foi direto ao ponto durante reunião do diretório nacional do partido. Para ele, o presidente da sigla, Carlos Lupi, não deveria ter voltado ao cargo sem antes prestar esclarecimentos sobre a sua demissão no Ministério do Trabalho. "A sua volta tinha que ter passado por uma discussão do diretório por toda a circunstância política que envolveu o fim da licença na presidência", afirmou Brizola Neto. "O PDT deveria ser ouvido, o seu retorno não poderia se dar por

uma decisão pessoal." Segundo ele, muitas denúncias contra Lupi foram esclarecidas, mas "algumas não". Lupi foi demitido pela presidente Dilma Rousseff no ano passado por suspeita irregular de repasses de recursos. Brizola Neto disse que há uma "divergência grande" quanto ao retorno de Lupi, e não apenas pequenas dissidências. "Há um grupo que acha que nada aconteceu, que não é preciso discutir nada, e outro grupo grande que acha que o partido está vivendo uma grande crise." O vice-presidente do parti-

do, André Figueiredo, negou dissidências. "Temos um pequeno grupo que questiona as ações do Lupi, quando na verdade esse direito é para ser efetivado numa convenção partidária." Lupi disse aos pedetistas que tem "condições morais" para permanecer no cargo e adiantou que antes do carnaval deve definir com Dilma o novo titular do ministério. Figueiredo afirmou que os cotados são Manuel Dias (secretário-geral) e o deputado Vieira da Cunha (RS). Para Brizola Neto, "pura especulação". (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

7

O Judiciário tem suas mazelas, com bons e maus elementos. Mas a Justiça tem um número maior de bons elementos. Ivan Sartori, desembargador.

olítica

Wilson Pedrosa/AE – 22/12/2011

Corregedoria investiga sumiço de computadores nos tribunais Vários tribunais não fizeram o tombamento do material e não encontram as máquinas

A

corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, investiga o desaparecimento de mais de 5 mil equipamentos eletrônicos doados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a tribunais estaduais, no valor de R$ 6,4 milhões, segundo reportagem publicado ontem pelo jornal Folha de S. Paulo. "Chegamos à conclusão de que muitos dos bens foram incorporados ao patrimônio do próprio tribunal e não foram devidamente identificados. E agora está difícil, porque misturou com os já existentes e está difícil de identificar. (...) Estamos avaliando as responsabilidades de cada tribunal". Sem uso – Muitos equipamentos, segundo Calmon, não foram utilizados pelos tribunais e permanecem ociosos nos almoxarifados. A partir de 2011 o CNJ deixou de doar computadores aos tribunais. "Material de informática não está mais sendo entregue, porque se chegou à conclusão de que muito equipamento que era entregue ficava no almoxarifado e não era utilizado. Havia um certo exagero. Quando o tribunal solicitava, nós mandávamos, e muitas vezes não era utilizado, enquanto outros tribunais precisavam do material". Para Calmon, não houve propriamente sumiço de 5 mil computadores, impressoras e estabilizadores. "O que há é uma desídia, porque deveriam ter sido imediatamente tombados e identificados como patrimônio do tribunal, como doação do CNJ, e me parece que aí está o ponto. Houve

uma desídia e começaram a ser usados, retirados do almoxarifado e usados sem a identificação, sem o devido tombamento." Ela não crê que tenha havido desvio para uso particular. Ju lgam ent o – Após se envolver em uma crise devido às investigações abertas no CNJ contra juízes, a corregedora afirmou ontem que os órgãos encarregados de apurar as suspeitas nos tribunais "atuam como ilhas isoladas".

Eu digo que aguardo silenciosamente e serenamente a decisão do Supremo Tribunal Federal (sobre o CNJ) ELIANA CALMON Dois dias antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir quem pode começar as investigações contra magistrados (a corregedoria nacional ou as corregedorias locais), Calmon pregou a união entre os órgãos para evitar o desperdício de forças. Ela não quis falar especificamente sobre o julgamento, que está marcado para amanhã no plenário do STF e que poderá limitar os poderes de investigação do CNJ. "Eu digo que aguardo silenciosamente e serenamente a decisão do Supremo Tribunal Federal." Mas durante discurso no lançamento de um sistema de pagamento de dívidas trabalhistas por meio

de cartões de crédito e débito, ela comentou que há falta de sintonia das corregedorias. Política de união – Após a solenidade, Calmon explicou a declaração de que as corregedorias atuam como "ilhas isoladas". Para ela, há falta de relacionamento "mais amiúde" entre os órgãos e distância geográfica entre os tribunais. "Como estamos em situação geográfica bastante distante, nós temos sempre de estar lembrando que somos únicos e que estamos unidos, sim. Então essas corregedorias muitas vezes trabalham e não têm sintonia com a corregedoria nacional." Calmon garantiu que desde que assumiu a corregedoria no CNJ adotou "uma política de união". "Inclusive fiz algumas reuniões de todos os corregedores para nós nos unirmos e partirmos para uma ofensiva única." Ela contou que em dezembro estabeleceu metas para as corregedorias dos tribunais e que uma delas foi a "união de esforços". Decisão – Na sessão plenária, os 11 integrantes do STF decidirão se será mantida uma liminar concedida em dezembro pelo ministro Marco Aurélio Mello, que determinou ao CNJ que só inicie investigações contra magistrados após os tribunais locais já terem apurado as suspeitas. Em consequência da decisão, a corregedoria no CNJ ficou impedida de abrir por conta própria investigações contra juízes suspeitos de envolvimento com irregularidades. Antes de tomar qualquer iniciativa, tem de esperar os pronunciamentos das corregedorias estaduais. (Agências)

Fux treina com lutador de MMA Divulgação

Q

ue o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux seja conhecido por seus pares como fã do jiu-jitsu e figurinha carimbada nas etapas cariocas do UFC (Ultimate Fighting Championship), isso muitos já sabiam. O que provavelmente não sabiam é que agora, também é possível vê-lo em ação. É que o lutador brasileiro de MMA (Mixed Martial Arts) Fredson Paixão divulgou, na semana passada, em seu Twitter, uma foto em que ele divide o tatame com o magistrado brasileiro do Supremo. No curto relato que Paixão faz da imagem, ele explica que o episódio aconteceu na academia "Zuffa", com sede em Las Vegas (EUA). "Tive a honra de receber o ministro da Suprema Corte brasileira Luiz Fux na Zuffa e mostrar algumas técnicas", diz o lutador. E diz isso em inglês.

O

Tiago Queiroz/AE – 17/1/2011

O presidente do TJSP reconhece que a morosidade prejudica a credibilidade do Poder Judiciário

Sartori quer imagem boa da Justiça

O

novo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), desembargador Ivan Sartori, entrevistado na estreia do programa Café da Manhã, ontem, na rádio Estadão/ESPN, abordou a questão da credibilidade do Judiciário e concordou que a instituição perdeu um pouco de sua credibilidade perante a opinião pública, em razão da morosidade. Ele destacou que resgatar essa credibilidade é uma das prioridades de sua gestão, iniciada no começo do mês. Ao abordar a questão do conflito do Conselho Nacional de Justiça com membros do Supremo Tribunal Federal e presidentes de tribunais regionais, o desembargador avaliou que a corregedora do CNJ, ministra Eliana Calmon, exagerou nas decla-

Casa da Moeda fica sem o seu comandante

L

uiz Felipe Denucci Martins, que comandava a fábrica de dinheiro do País, a Casa da Moeda, foi exonerado ontem do cargo. A demissão pode estar relacionada a pressões políticas.

Se tivesse recurso, minha vontade era pagar todo mundo [servidores e juízes que têm atrasados a receber]. IVAN SARTORI rações que deu à imprensa, no ano passado, destacando que a magistratura brasileira enfrentava "gravíssimos problemas de infiltração de bandidos, escondidos atrás da toga". Segundo ele, a impressão que ficou é que a maioria dos magistrados estava nessa categoria, o que não é verdade. Na Há algum tempo circulam rumores de que o PTB, que o teria indicado, estaria reivindicando sua saída. O executivo foi comunicado no sábado, e o substituto ainda não foi confirmado. Quem deve assumir interinamente é o atual diretor de tecnologia Carlos Roberto de Oliveira. Depois de se despedir de cerca de 400 funcionários na sede da Casa da Moeda, no

ocasião, contudo, a própria ministra Eliana Calmon fez a ressalva de que a quase totalidade dos 16 mil juízes do País é honesta e que os bandidos são minoria, algo em torno de 1%, mas que fazem grande estrago no Judiciário. O desembargador Ivan Sartori disse que o Judiciário tem as suas mazelas, com bons e maus elementos. "Mas creiam que a Justiça tem um número maior de bons elementos." Uma das questões que ele pretende resolver, na administração do TJ-SP, é a dívida com servidores e magistrados, estimada em R$ 3 bilhões, quase metade do orçamento anual do Tribunal de Justiça de São Paulo: "Se tivesse recurso, minha vontade era pagar todo mundo". (AE)

Rio de Janeiro, em nota por e-mail preferiu destacar sua atuação na instituição, em vez de fazer referências aos possíveis motivos de sua saída. Ele destacou ter optado por uma "administração rigorosa", o que permitiu a Casa sair de um lucro de R$ 330 milhões (2009) para um faturamento (2011) de R$ 2,7 bilhões e lucro líquido de R$ 517 milhões. (AE)

No mesmo tatame: Fredson Paixão, lutador de MMA, e o juiz Luiz Fux.

Luiz Fux não esconde que é um apaixonado por lutas marciais. No ano passado, ele recebeu, em seu gabinete, luvas de boxe autografadas por Anderson Silva, considerado o melhor lutador da modalidade em todo o mundo. (Folhapress)

Perillo faz exames e constata dengue governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB) foi diagnosticado com dengue no sábado passado. Em mensagem postada em redes sociais pela assessoria do governador, a doença foi detectada pelo Laboratório de Saúde Pública Dr. Giovanni Cysneiros (LacenGO). De acordo com a mensagem, outros exames ainda irão

Eliana Calmon atribui o problema do desaparecimento de máquinas à ineficiência dos tribunais.

apontar qual o sorotipo da dengue que acomete Perillo. Segundo a assessoria, o governador está bem, mas permanece em casa, onde cumpre repouso absoluto. Pelo Twitter, Perillo comentou o diagnóstico e agradeceu o apoio recebido. "Tenho certeza de que a corrente positiva de energia vai ajudar na minha rápida recuperação". (Folhapress)

Caixa Beneficente dos Funcionários do Bradesco CNPJ 60.514.379/0001-80 Sede: Cidade de Deus, Osasco - SP

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Sócios, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial, bem como a Demonstração do Superávit, relativos ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2011. Colocamo-nos à disposição de V.Sas. para quaisquer esclarecimentos que julgarem necessários. Cidade de Deus, Osasco, SP, 30 de janeiro de 2012. Diretoria BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 - Em Reais ATIVO PASSIVO E PATRIMÔNIO SOCIAL CIRCULANTE ............................................................ 11.275.667,79 CIRCULANTE ............................................................ Caixa e Equivalentes de Caixa................................... 11.084.255,93 Impostos e Contribuições a Recolher......................... Dividendos a Receber ................................................ 191.411,86 Outras Obrigações .....................................................

13.439,39 33,12 13.406,27

NÃO CIRCULANTE ................................................... Outras Provisões ........................................................

1.869.738,59 1.869.738,59

NÃO CIRCULANTE ................................................... INVESTIMENTOS ...................................................... Participações Societárias ...........................................

963.022.418,69 963.022.418,69 963.022.418,69

TOTAL ........................................................................

974.298.086,48

Presidente Sérgio Nonato Rodrigues

Vice-Presidente João Batista de Moraes

PATRIMÔNIO SOCIAL...............................................

972.414.908,50

TOTAL ........................................................................

974.298.086,48

Diretor Social e de Esportes Iezio Ribeiro Sousa

DIRETORIA Secretário Geral Olidio Aralde Junior

DEMONSTRAÇÃO DO SUPERÁVIT DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 - Em Reais RECEITAS.................................................................. 93.890.783,70 Resultado na Alienação de Investimentos.................. 72.354.254,65 Resultado de Equivalência Patrimonial ...................... 20.148.618,42 Financeiras/Outras ..................................................... 1.387.910,63 DESPESAS................................................................ 11.131.546,60 Gerais e Administrativas............................................. 44.294,30 Tributárias................................................................... 11.087.252,30 DISTRIBUIÇÃO: Superávit do exercício que se incorpora ao Patrimônio Social...................................................... 82.759.237,10 1º Secretário Ariovaldo Pereira

2º Secretário Frederico William Wolf

Oswaldo Tadeu Fernandes - Contador - CRC 1SP271968/O-5 PARECER DO CONSELHO FISCAL Os infra-assinados, membros do Conselho Fiscal da Caixa Beneficente dos Funcionários do Bradesco, no exercício de suas atribuições legais e estatutárias, tendo examinado o Relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis relativos ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2011, são de opinião que as citadas peças, examinadas à luz da legislação societária vigente, refletem adequadamente a situação patrimonial e financeira da Entidade, opinando por sua aprovação pela Assembleia Geral Ordinária dos Sócios. Cidade de Deus, Osasco, SP, 30 de janeiro de 2012. Membros do Conselho Fiscal Antônio Assis dos Santos João Sabino Mário Luna As Demonstrações Contábeis completas, acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes estão disponíveis na sede da empresa.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

ABAIXO DE ZERO Onda de frio no leste europeu causa mais de 20 mortes

nternacional

POLÊMICA Treinamento da polícia de Nova York usou filme contra islâmicos Divulgação/AFP

NO OLHO DO FURACÃO

A

s forças do governo da Síria atacaram pesadamente ontem a cidade de Homs, um dos focos da revolta contra o regime de Bashar alAssad, e retomaram o controle de distritos a leste da capital Damasco, que haviam sido dominados por desertores do Exército. O recrudescimento da repressão levou o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) a convocar uma reunião hoje para buscar uma solução aos mais de dez meses de violência na Síria. A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, voltou a condenar a escalada da repressão na Síria e chamou de "brutal" a ação do governo em áreas civis. Hillary e os chanceleres do Reino Unido e da França estarão hoje em Nova York, onde uma reunião da ONU discuti-

U

rá a possibilidade de nova resolução visando conter a violência das forças de Assad. Um alto funcionário do governo francês disse que o texto da resolução já tem o apoio de 10 dos 15 países-membros do Conselho de Segurança da ONU, o que significa que poderá ir a votação. Uma proposta de resolução precisa do apoio de nove dos 15 membros do Conselho para ser votada. Entre outros pontos, o texto exige que Assad leve a cabo plano de paz desenhado pela Liga Árabe e rejeitado por Damasco, que inclui sua saída do poder, transmissão do cargo ao vice-presidente e formação de um governo de "unidade nacional" em dois meses. "A comunidade internacional pediu várias vezes ao presidente Assad que pare a matança e a repressão aos civis", disse a chancelaria britânica

em comunicado. "Ele escolheu ignorar esses pedidos. Como resultado, existe um crescente consenso de que o mundo precisa falar em prol do povo da Síria". A ONU estima que mais de 5.400 pessoas foram mortas na Síria desde março do ano passado, quando começaram os protestos contra o governo. Diálogo - No entanto, o plano enfrenta um grande obstáculo: a Rússia. Membro permanente do Conselho de Segurança e com poder de veto, a Rússia, tradicional aliada de Damasco, rejeita o projeto porque considera que ele ultrapassa os limites de ação da ONU e inclui "pontos inaceitáveis", como a "ideia de impor certo desfecho ao diálogo político quando este nem sequer começou", declarou o embaixador russo na organização, Vitaly Churkin. Moscou alega que a proposta pode abrir caminho para

uma intervenção armada na Síria, nos moldes do que aconteceu na Líbia, e diz que está tentando mediar conversas entre o regime de Assad e os grupos de oposição. Os esforços de diálogo da Rússia, porém, também esbarram em dificuldades. Apesar de o regime de Assad ter aceito o convite para negociar, a oposição rechaçou qualquer tipo de conversa com o governo sírio. "Só aceitamos negociar sobre um governo provisório sem a presença de Assad e de qualquer outra pessoa manchada de sangue", disse Ahmed Ramadã, dirigente do Conselho Nacional Sírio (CNS), à agência EFE. A proposta russa é "uma tentativa de manipulação do projeto que está se preparando no Conselho de Segurança da ONU". "O regime precisa deixar o poder e a Síria precisa começar

um novo período sem assassinos", afirmou o líder opositor. Violência - Segundo ativistas, a repressão recrudesceu na Síria depois que a Liga Árabe suspendeu, no fim de semana, sua missão de observação. Pelo menos 55 pessoas morreram ontem, enquanto continuavam os intensos combates entre as tropas do regime e soldados desertores em diversas regiões do país, inclusive nos arredores da capital Damasco. Os opositores Comitês de Coordenação Local anunciaram a morte de 41 pessoas na província de Homs, sete em Deraa, cinco nos arredores de Damasco e outras duas em Idlib. Em Homs, houve relatos de ataques com metralhadoras no distrito de Baba Amr. Bombas também teriam sido lançadas contra uma mesquita na área de Bab al-Turkman, o que provocou a queda de um edifício.

Grupos opositores também afirmaram que pelo menos cinco civis foram mortos nos subúrbios de Damasco, onde as tropas do governo combateram membros do Exército Sírio Livre (força rebelde) para retomar o controle dos bairros. "O Exército Sírio Livre se afastou para os limites dos subúrbios. As brigadas de Assad estão realizando prisões e saqueando casas", disse por telefone um ativista chamado Kamal, à agência Reuters. Já o governo sírio disse estar procurando terroristas nos arredores de Damasco, e afirma enfrentar uma rebelião promovida por militantes que, a soldo do exterior, já teriam matado milhares de policiais e soldados. Ontem, centenas de simpatizantes do regime participaram de funerais de soldados mortos nos confrontos. (acima). (Agências)

TERREMOTO SACODE ICA Além dos feridos, os tremores deixaram 80 pessoas desabrigadas e 16 casas danificadas, segundo a Defesa Civil do local. O primeiro abalo teve epicentro em local situado 280 quilômetros ao sul da capital Lima, na região de Ica, e sua profundidade foi de 39,2 quilômetros, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos. O tremor aconteceu por volta da meia-noite local (3h em Brasília), provocando cortes de luz em Ica e na cidade vizinha de Pisco, assim como problemas nas comunicações por telefones celulares. Temendo possíveis réplicas, muitas famílias preferiram passar a noite fora de suas residências. Já o segundo terremoto ocorreu às 9h20 (horário local), e

Divulgação/Reuters

m terremoto de 6,2 graus de magnitude atingiu a localidade de Ica, no sul do Peru, na madrugada de ontem, provocando cortes de energia elétrica em algumas áreas e deixando pelo menos 119 pessoas feridas, informaram autoridades locais. Horas depois, outro tremor de 4 graus de magnitude foi registrado na região. O Ministério de Saúde peruano confirmou que os feridos apresentam "traumatismos leves" e foram levados para hospitais da região. Muitas lesões são fraturas e cortes em virtude de quedas de muros, tropeços e quedas de escadas no momento da saída dos prédios durante os tremores.

seu epicentro foi localizado a 22 quilômetros a sudoeste de Ica, a uma profundidade de 58 quilômetros, informou o Instituto Geofísico do Peru. Não houve registro de incidentes graves. "Sentimos um sismo grande que nos assustou muito, algo parecido com 2007", declarou a moradora Blanca Cabanilla à rádio local RPP. Ica foi atingida em 2007 por um potente terremoto de 8 graus de magnitude que deixou mais de 500 mortos e mil casas danificadas ou destruídas. A região faz parte do cinturão de fogo do Pacífico, que concentra 85% da atividade sísmica do mundo. (Agências)

Imigração, não. É a economia, estúpidos! Emmanuel Dunand/AFP

'Não gostamos de sanção'

O

Irã do aiatolá Ali Khamenei (acima) ofereceu estender a atual visita de inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que terá duração de três dias, e pediu ontem aos Estados Unidos e à União Europeia que troquem sua política de sanções pela colaboração. "Se Europa e Estados Unidos adotarem uma política de colaboração com o Irã, verão que o Irã colabora com eles", garantiu o chanceler iraniano, Ali Akbar Salehi. (Agências)

Q

uando as urnas abrirem hoje na Flórida, quarto Estado norte-americano a votar nas prévias republicanas que decidirão quem disputará a Casa Branca com Barack Obama em novembro, uma fatia significativa do eleitorado latino deve simplesmente ficar em casa. Para a equipe de Obama, a apatia é um sinal de que as propostas republicanas afugentam eleitores latinos.

Stan Honda/AFP

O grupo é cobiçado pelos dois principais pré-candidatos republicanos – o exgovernador de Massachusetts Mitt Romney (à esq.) e o expresidente da Câmara Newt Gingrich (à dir.). Pesquisa da Universidade Quinnipiac mostra que Romney tem 14 pontos de vantagem. Nos últimos dias, ambos redobraram esforços, com propaganda em espanhol e eventos em que discursaram

sobre imigração e a ditadura em Cuba. Mas podem ter errado o alvo. "Os políticos erram ao achar que todos (os latinos) concordam em temas como imigração", disse Jennifer Sevilla Korn, diretora-executiva da Rede de Liderança Hispânica, citando pesquisas segundo as quais a imigração é o quinto item na lista de prioridades entre os latinos, precedida por economia e

empregos, saúde, segurança nacional e educação. A equipe de campanha de Obama também defendeu que os temas são tratados de forma inadequada. "As posições que os candidatos republicanos tomaram nos temas mais importantes para a comunidade hispânica estão diretamente em conflito com as preocupações desses eleitores", advertiu. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

c

9 VAZAMENTO Combustível em galeria pode ter provocado explosão de bueiro.

idades

DNA Exames de DNA vão ajudar na identificação de vítimas no Rio.

Rio: bueiro explode, mata um e fere dois A cidade ainda não se recuperou do desabamento de três prédios no centro, na semana passada, e já tem de conviver com nova tragédia, desta vez no Porto do Rio

Bia Alves/AE

U

m operário morreu instalaram uma barreira de e dois ficaram feri- contenção na saída da galeria dos devido à explo- para a Baía de Guanabara. são de um bueiro Dentro do porto, a área próxide águas pluviais numa área ma ao local do acidente foi isocontígua ao armazém 30 do lada, os veículos foram retiraPorto do Rio de Janeiro, por dos e as operações, suspensas volta das 10h30 de ontem. A até que seja descoberta a causa causa do acidente não havia si- do acidente e sanado o possído identificada até a conclusão vel vazamento. O Inea investiga se uma opedesta edição, mas investigação preliminar de técnicos da De- ração de transporte de derivafesa Civil do município e da dos de petróleo para a refinaria Polícia Civil indicaram a exis- da Petrobras em Manguinhos, tência de "considerável quan- promovida na área do Armatia" de óleo na galeria de águas zém 30 anteontem à noite, contribuiu para o acúmulo de óleo pluviais ligada ao bueiro. O produto teria vazado horas na galeria de águas pluviais. A refinaria utiliza uma tubuantes do acidente. Quando ocorreu a explosão, três funcio- lação própria, que não fica pernários da empresa Triunfo Lo- to da galeria. Técnicos do Inea farão nova gísticas, que inspeção na arrenda a área, área onde fica faziam obras o bueiro. de manuten"É um DNA – Exação no local, procedimento mes de DNA usando solda. A suspeita é de diferente de exames realizados em que uma faísca de paternidade, em fragmentos de ossos e dentes tenha entrado que todas as podem ser a em contato pessoas envolvidas ú n i c a e s p ecom o óleo que estão vivas. rança para envazou, causanc e r r a r a a ndo a explosão. RODRIGO GARRIDO, PERITO gústia das faA área onde mílias das vítifica o bueiro é concedida pelo governo à mas do desabamento de três Companhia Docas do Rio, que prédios do centro do Rio, na úlarrenda para a Triunfo Logísti- tima quarta-feira. A Polícia Cica, responsável pela manuten- vil coletou ontem a saliva de ção. Segundo a Companhia parentes de sete das oito pesDocas, Rafael Martins de Sou- soas que ainda não foram idenza, de 29 anos, morreu. Paulo tificadas entre os restos morBento Pereira, de 52 anos, e tais encontrados nos escomCarlos Ribeiro, de 53 anos, fo- bros. Até o momento, 17 corram encaminhados ao Hospi- pos foram resgatados. "É um procedimento diferental Municipal Souza Aguiar, no centro da cidade, e não cor- te de exames de paternidade, por exemplo, em que todas as rem risco de morte. Paulo sofreu fratura exposta pessoas envolvidas estão vivas no braço direito e queimadura e o material não está contaminasuperficial no rosto e ainda on- do ou degradado", compara Rotem seria transferido para um drigo Grazinoli Garrido, diretor hospital particular. Carlos, fe- do Instituto de Pesquisa e Perírido em um dos braços, foi me- c i a s e m G e n é t i c a F o re n s e dicado e seria liberado ontem. (IPPGF). "Com o osso carboniPara evitar que o óleo se es- zado ou o material em decompalhasse, técnicos do Instituto posição, há uma certa dificuldaEstadual do Ambiente (Inea) de de extrair o DNA."

Área do Porto do Rio de Janeiro onde uma pessoa morreu e duas ficaram feridas, ontem: vazamento de combustível pode ter provocado explosão Ide Gomes/AE

O número de denúncias encaminhadas a órgãos de fiscalização no Rio aumentou exponencialmente desde o desabamento. De quinta-feira até ontem, o Crea (Conselho Regional de Agronomia e Engenharia), autarquia federal que fiscaliza a atividade profissional de engenheiros, já havia recebido 170 denúncias. A média antes não passava de cinco por dia. Na Secretaria Municipal de Urbanismo, cuja média de denúncias por dia em janeiro estava em cerca de 20, a ouvidoria do órgão chegou a registrar, somente na sexta-feira passada, mais de 100. A Secretaria de Urbanismo fiscaliza obras que alterem fachadas, ampliem área construída, sejam tombadas ou realizadas em áreas públicas. (Agências)

Ruas próximas ao desabamento foram liberadas ontem: aumento no número de denúncias de obras irregulares

Rob C. Witzel/AE

Ó RBITA

DENGUE

O

número de casos de dengue diminuiu 60% neste mês em relação a janeiro do ano passado. De acordo com o coordenador do Programa Nacional de Controle da Dengue, Giovanini Coelho, foram registrados 40 mil casos no País em janeiro de 2011, enquanto no mesmo período deste ano foram registrados 16 mil. Segundo Coelho, em dezembro, o programa de combate repassou R$ 97 milhões a 1.150 municípios para intensificar ações de combate à doença. (Agências)

Acidente nos EUA mata cinco brasileiros

C

inco brasileiros morreram em um grave acidente que matou anteontem dez pessoas e deixou 18 feridas no Estado da Flórida, nos EUA. Os brasileiros estavam na cidade de Gainesville, próxima a Orlando, para participar de uma conferência evangélica. Eles representavam a igreja Ministério Internacional da Restauração, criada no Amazonas. Segundo o apóstolo Renê Terra Nova, as vítimas eram da mesma família e apenas uma

adolescente de 15 anos sobreviveu. Até o início da noite, ela permanecia internada em estado grave. Morreram no acidente os pastores José do Carmo Júnior e Adriana Souza do Carmo, a filha deles Letícia além de um irmão do pastor e sua mulher. Nascido em Goiânia, Carmo Júnior morava desde 1999 com a família na cidade de Atlanta. Eles voltavam de carro para casa na hora do acidente. O Consulado do Brasil confirmou que, além dos cinco brasileiros mortos, outros três estão entre

os feridos. Causas – O acidente envolveu pelo menos seis veículos pesados e 12 carros de passeio nos dois sentidos da rodovia I-75, que corta a Flórida. Muitos veículos ficaram presos uns aos outros, e alguns pegaram fogo após a batida. De acordo com a Patrulha de Estradas da Flórida, o engavetamento pode ter sido provocado pela falta de visibilidade. Um incêndio florestal na região provocou muita fumaça e a situação foi

agravada pela neblina. "Você podia ouvir os carros baterem uns nos outros. As pessoas estavam chorando e gritando. Foi uma loucura", disse o motorista Steven Camps, 23, que sobreviveu ao acidente. "Se eu pudesse lhe dar uma ideia do que parecia, eu diria que parecia o fim do mundo." Camps disse que seu carro foi atingido duas vezes, mas ele e outro amigo conseguiram saltar para fora e se esconder na grama do acostamento. (Folhapress)

C

erca de 40 adolescentes foram apreendidos na madrugada de ontem em um baile funk na região do M'Boi Mirim, na zona sul, durante a Operação Pancadão, desencadeada pela Polícia Militar, Guarda Civil e subprefeitura do M'Boi Mirim. Segundo a PM, os 37 adolescentes, sendo 20 homens e 17 mulheres, foram levados para o 100º DP, onde foram ouvidos e liberados. O baile ocorria em um galpão. Foram apreendidos bebidas alcoólicas, frascos de lançaperfume e pinos de cocaína vazios. Quatro bares foram fechados. (AE)

Nelson Antoine/AE

Equipes de resgate trabalham no socorro às vítimas do engavetamento na Flórida: grupo de brasileiros morreu

BAILE FUNK

VIADUTO – Parte do viaduto Pompeia, na zona oeste, foi liberada ontem para o tráfego. A liberação será parcial e alternada entre os dois sentidos, pois apenas duas faixas serão abertas para a circulação de carros e motos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10 -.LOGO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012 Charles Platiau/Reuters

Antes de Jane Eyre Manuscrito em miniatura escrito por Charlotte Brontë em 1830, aos 14 anos. A obra é uma das peças em exposição no Musée des Lettres et Manuscrits de Paris. O manuscrito foi adquirido em um leilão em dezembro por US$ 826.287 e tem 19 páginas. A história, intitulada 'Young Men's Magazines', traz uma cena que foi reescrita depois pela escritora em seu mais famoso romance, 'Jane Eyre'.

I NTERNET E SPAÇO

Deletando o Megaupload

Nasa/EFE

O M ÚSICA

Estado de saúde de Wando é grave O cantor Wando, de 66 anos, previsão de alta. O cantor foi continua internado em estado grave submetido a uma angioplastia no Hospital Biocor em Nova coronariana em caráter de Lima, região urgência para metropolitana de Belo desobstrução das Horizonte. Wando foi artérias e está em internado na última tratamento no Centro sexta-feira (27) com de Terapia Intensiva. problemas cardíacos Bastante conhecido graves. No boletim pelo sucesso Fogo e médico divulgado na Paixão, Wando começou Evelson de noite de ontem, o hospital a carreira em 1969 e se Freitas/AE informou que ele apresentou tornou conhecido por suas "ligeira melhora do quadro clínico" músicas românticas e pelo fetiche durante o dia, mas não havia em calcinhas, que coleciona das fãs.

acesso a uma carta arquivada na sexta-feira pela Procuradoria de Justiça do estado norteamericano da Virginia. Na carta, a procuradoria afirma que as empresas Carpathia Hosting Inc. e Cogent Communications Group, contratadas pelo Megaupload para armazenamento, têm permissão para começar a apagar os dados. A carta diz ainda que o governo copiou alguns dados dos servidores, mas não os tomou fisicamente. Segundo o documento, agora que os man-

dados de busca foram executados, os dados não poderão ser acessados. O advogado do Megaupload, Ira Rothken, informou que pelo menos 50 milhões de usuários têm dados pessoais armazenados no serviço, como fotos de família e documentos. O advogado disse ainda que a empresa está trabalhando com os promotores para manter os dados. Além disso, o Megaupload espera manter as informações para que possa se defender das acusações na Justiça. Segundo ele, o

governo norte-americano congelou as contas da empresa, e por isso o Megaupload não está conseguindo pagar as empresas contratadas para preservar seus arquivos em data centers. O Megaupload, que era o maior site de compartilhamento de arquivos do mundo, foi tirado do ar no dia 19 de janeiro em uma ação do FBI que culminou com a prisão do fundador do site e de vários de seus executivos. A justificativa é de que o site viola as leis antipirataria nos EUA.

Toshifumi Kitamura/AFP

L

Foto divulgada ontem pela Nasa mostra imagem noturna da Europa Ocidental, toda iluminada, tirada pela tripulação da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) no domingo, dia 22 de janeiro.

s arquivos hospedados pelo site de compartilhamento Megaupload podem ser apagados dos servidores na quinta-feira, informou ontem uma reportagem da agência norte-americana Associated Press. Além da remoção de conteúdo protegido por direitos autorais, dados pessoais de usuários hospedados no local como fotos ou backup do computador também serão deletados com a medida. A agência informa que teve

B ELEZA Vanessa Carvalho/AE

L

E XCENTRICIDADE

L OTERIAS

L

Bárbara Monteiro, que venceu no domingo o concurso Miss Brasil Plus Size, em São Paulo, foi parar no hospital logo após a coroação. Bárbara passou mal porque ficou horas sem se alimentar. O resultado foi uma tontura. Ela não precisou ser internada. Representante do Mato Grosso do Sul ela ganhou prêmio em dinheiro, viagem e contrato com uma agência.

FURTA-COR - Turistas visitam o Festival do Gelo no lago Shikotsu, em Chitose, no Japão. O festival, que atrai cerca de 200 mil visitantes a cada ano, dura 17 dias e começou no último fim de semana.

A CIDENTE S AÚDE

01

03

06

07

Alan Meltzer, magnata da indústria fonográfica de Nova York que morreu em novembro, deixou US$ 1,5 milhão para seu chofer e para o porteiro do edifício onde vivia. Sem filhos e divorciado da mulher, Meltzer teria atendido a um "pedido" dela. Ao saber que não herdaria 33% da fortuna de Meltzer, ela teria dito que ele "podia deixar o dinheiro a quem quisesse".

08

11

12

14

15

16

18

19

20

22

23

Concurso 2811 da QUINA 16

E M

19

59

62

69

C A R T A Z

VISUAIS Exposição 'Um Cartaz para São Paulo' exibe trabalhos de artistas plásticos e designers gráficos na Biblioteca Mário de Andrade. Rua da Consolação, 94. Grátis.

SEGUNDA CHANCE

Magnata magnânimo

Dario Stecker dos Santos/AE

A

estudante Caroline Laila Soares, de 19 anos, foi resgatada na noite de domingo de dentro de um córrego, às margens da rodovia Eliezer Montenegro Magalhães (SP-463), no município de Populina (SP), após esperar três dias por socorro. O carro de Caroline capotou numa ribanceira e caiu no córrego na noite de quinta-feira (26). A jovem foi internada com fraturas nas pernas e hipotermia, mas está consciente, segundo a equipe médica da Santa Casa de Fernandópolis. A mãe de Caroline, a dona de casa Fátima Carvalho Soares, 40 anos, aliviada, afirmou que "Deus decidiu dar uma segunda chance para minha filha". Segundo a família, Caroline saíra do município de Iturama com destino a Jales. Quando passava pela rodovia Eliezer Montenegro Magalhães (SPA TÉ LOGO

Câncer genético EFE

Concurso 709 da LOTOFÁCIL

463), perdeu o controle de seu veículo, um Fiat Uno, e caiu numa ribanceira de dez metros de profundidade. Com uma fratura na perna e com o celular perdido, Caroline gritou por socorro, mas não foi ouvida. De acordo com o Corpo de Bombeiros, a estudante só conseguiu sobreviver porque saiu do carro e arrastou-se em direção a um

riacho, de onde bebeu água durante as 72 horas em que esperou por socorro. Caroline foi encontrada por um casal que parou para prestar socorro ao ver seu carro tombado verticalmente no córrego, no final da tarde de domingo. O Corpo de Bombeiros foi chamado e o resgate foi feito em menos de uma hora.

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

L

Madonna lança novo single, intitulado 'Gimme All Your Luvin', na sexta-feira

L

Roberto Carlos decidirá em dezembro se 2012 é seu último ano como jogador

L

Novo World Trade Center terá a torre de escritórios mais cara do mundo

A descoberta de um câncer de próstata em uma múmia com 2.200 anos sugere, segundo cientistas da Universidade Americana, no Cairo (Egito), que a doença pode ter origem genética e não estaria ligada a fatores ambientais.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

e

11

CARREFOUR Lars Olofsson deixa a presidência da companhia a partir de junho. Em seu lugar, assumirá Georges Plassat, executivo ligado ao setor de moda.

conomia

Preços e juros altos aumentam dívida pública para R$ 1,87 tri Endividamento federal subiu 10,17% em 2011, impactado, também, pelos empréstimos do BNDES. Mas o perfil do débito melhorou, com elevação da parcela de papéis considerados mais seguros para gestão.

A

pesar da estratégia do governo de reduzir os títulos com correção atrelada à taxa básica de juros (Selic), a Dívida Pública Federal (DPF) sofreu em 2011 com a alta da inflação e dos juros no início do ano. Deu um salto de R$ 172,31 bilhões e fechou o ano em R$ 1,87 trilhão, com elevação de 10,17%. Só por conta do impacto dos juros, o estoque da dívida teve um crescimento de R$ 211,52 bilhões. O endividamento não aumentou mais porque o Tesouro Nacional retirou do mercado R$ 39,2 bilhões em títulos. Esses papéis venceram e o Tesouro não refinanciou a dívida por meio da venda de títulos ao mercado. Se não fosse esse resgate líquido dos papéis, o endividamento teria ultrapassado os R$ 1,9 trilhão de 2011.

Além dos juros e da inflação, o endividamento aumentou também por conta do empréstimo de R$ 45 bilhões que o Tesouro liberou ao longo de 2011

ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Esse dinheiro, concedido com taxas subsidiadas, foi utilizado pelo banco para oferecer empréstimos voltados a novos investimentos nas empresas. Depois que o Banco Central (BC) começou a reduzir a taxa Selic, em agosto, o Tesouro acelerou a estratégia de diminuição da venda dos papéis com rentabilidade vinculada aos juros básicos da economia, as Letras Financeiras do Tesouro (LFTs). Mas, mesmo assim, o volume desses títulos cresceu 5,17%, para R$ 548,66 bilhões em dezembro. Isso porque o estoque dos papéis cresceu com a correção dos juros. Surpresas – O Tesouro quer diminuir a parcela das LFTs para não ser pego de surpresa em caso de mudança brusca no rumo da Selic, o que poderia

ocorrer por conta de condições do mercado e da economia. Entre 2010 e 2011, a redução foi tímida, de apenas 1,45 ponto percentual. O governo conta com um avanço maior entre 2012 e 2014, último ano do governo Dilma Rousseff, para obter avanços significativos, aproveitando a janela de oportunidade de queda da Selic para o patamar de um dígito. O secretário do Tesouro, Arno Augustin, já antecipou que os gestores dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) serão obrigados pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) a se desfazer dos papéis atrelados à Selic. Em fevereiro, outros fundos, entre eles o Fundo de A m p a r o a o Tr a b a l h a d o r (FAT), iniciam esse processo. Por outro lado, a parcela de

papéis prefixados (considerados melhores para a gestão da dívida pois têm correção definida na hora do leilão de venda) subiu de 36,63% para 37,22%. A parcela de títulos corrigidos pelo Índice de Pre-

ços ao Consumidor Amplo (IPCA) – avaliados como favoráveis para o financiamento da dívida – subiu de 26,64% para 28,28%. Os papéis tiveram alta procura dos investidores em 2011, que, desconfiados com a condução da política de combate à inflação pelo BC, procuraram se proteger do risco, e ganharam mais rentabilidade. Para os títulos prefixados e vinculados ao IPCA, os avanços foram maiores em 2011. Em 2012, em um cenário otimista de conjuntura econômica, se espera que a parcela desses papéis chegue ao piso do patamar considerado ótimo para a administração da dívida. Juntos, esses papéis representam 65,5% do endividamento. Até 2002, a maior parte da dívida – mais de 60% – era composta por LFTs. Essa mudança no perfil da dívida e os avanços na economia é que garantiram a elevação da nota do Brasil pelas agências internacionais de classificação de risco. (AE)

que ser pago correndo. "Atualmente, além de poder devolver a longo prazo, ainda temos reservas suficientes para garantir qualquer pagamento, se a coisa complicar," explica Emílio Alfieri. Crises – O economista faz a comparação com a situação brasileira logo após as crises em 1997 na Ásia e 1998 na Rússia. Nessas ocasiões, o País perdeu os US$ 40 bilhões de reservas que tinha na época em dois meses. Ele explica que o Brasil teve de ser rapidamente socorrido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Atualmente, se vir uma crise brava (igual ou pior do que a iniciada com a quebra do banco Lehman Brothers, em 2008), há um colchão de segurança e uma folga de tempo antes das decisões que têm de ser tomadas. "Melhor que isso, só a China", define o economista do IEGV.

"Na China, eles têm superávit, como nós, mas poupam mais e gastam menos. Eles poupam 40% do PIB, nós, mais ou menos 18% do PIB. Países como a China e a Coreia do Sul se comportam como formigas e nós continuamos com a nossa vocação de cigarras." Diante dessa boa situação econômica, a melhor dos últimos 30 anos, na classificação de Alfieri, o Brasil não corre riscos? "Corre", diz. "Pode vir uma crise internacional, uma derrocada do euro, pode entrar menos dinheiro de fora, o dólar pode subir, o País pode ser obrigado a usar parte das reservas..." E, ontem, destacou o economista, as notícias da Europa não estavam boas. "Mas acho que a maior probabilidade é o Brasil continuar bonitinho na foto – tem tempo para decidir o que vai fazer", finalizou.

Os grandes números brasileiros O desempenho econômico tem apresentado números que nem sempre o cidadão sabe o que significa Eliana Haberli

O

s brasileiros estão cada vez mais sujeitos à divulgação de números astronômicos em relação ao desempenho econômico. Nunca teve tanto bilhão de dólar na divulgação do Banco Central (BC), e de outras áreas públicas. Nos últimos dias, o BC tem sido pródigo nos numerões ao fechar resultados de 2011. Balanço de pagamentos – superávit de US$ 58,6 bilhões. Investimento Estrangeiro Direto – recorde de US$ 66,6 bilhões. Isso, depois da fragorosa divulgação do resultado da balança comercial de quase US$ 29,9 bilhões. E, ontem, vieram os numerões da dívida pública – que totaliza R$ 1,8 trilhão. É a macroeconomia se inserindo no dia a dia do cidadão, explica o economista Emilio Alfieri, do Instituto de Economia Gastão Vidigal (IEGV), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). "Na verdade, são contas difíceis de entender. É difícil o cidadão comum entender o que significa US$ 1 bilhão", analisa Alfieri. Se não bastasse a magnitude das cifras, ainda vêm junto, misturado aos números que representam a pujança econômica do País, déficit e recordes. Com todos os numerões, o resultado final das

transações correntes no ano passado ficou em déficit de US$ 52,6 bilhões. O que é isso? Na verdade, os superávits e os déficits recordes são todos facetas das mesmas contas, quase como se fosse um orçamento doméstico, diz Alfieri. Entrada de dinheiro daqui, empréstimo dali, pagamento no cartão de crédito, aplicação no banco que a família não quer mexer e financiamento de algum bem durável, um carro, por exemplo. Na balança comercial, o Brasil está bem na foto, afirma Alfieri – em valores, o País vende mais do que compra. A balança de pagamentos já é uma conta maior – é composta pela balança comercial, mais balança de serviços, mais balança financeira. Na de serviços, sai muito dinheiro – royalties pagos pelas companhias, turismo brasileiro no exterior (que não para de crescer) e fretes. Na balança financeira, entra muito capital financeiro, mas também sai muito, na forma de lucros e dividendos dos investidores. E na conta dos investimentos estrangeiros diretos, está entrando muito dinheiro de empresas que decidiram investir aqui, o que é bom para o País. Mas os que investem hoje em fábricas e maquinário mais para a frente vão gerar também muito lucro para suas matrizes fora do País – dinheiro saindo. "A situação econômica

Estamos sendo financiados com capitais de longo prazo e vamos devolver o dinheiro a longo prazo também. EMÍLIO ALFIERI, ACSP brasileira tem déficit, mas tem empréstimo em proporção maior que o déficit", explica Alfieri. "Nós estamos bem, nós temos crédito. O governo toma empréstimo, mas pode rolar a dívida com os pés nas costas. "Estamos sendo financiados

com capitais de longo prazo e vamos devolver o dinheiro a longo prazo também. E temos, isso é a maior novidade nas contas públicas, uma sensacional reserva de US$ 351,5 bilhões (dados do mês passado). Em dezembro de 2010, a reserva era de US$ 288 bilhões – ela aumentou 64% em um ano. O déficit nas transações permanece constante em termos de participação do Produto Interno Bruto (PIB) – 2%. Não cresceu." A rolagem da dívida já foi muito pior. Há dez anos, ela era financiada com dinheiro de curto prazo e não de longo prazo, como agora. Ou seja, dinheiro emprestado que tem


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

e Inflação é o principal medo do consumidor

13

Embora alguns setores estejam melhores que outros, o conjunto da indústria de transformação está em crise. Paulo Francini, da Fiesp

conomia

JF Diorio/AE

Pesquisa da CNI aponta que 69% dos entrevistados esperam alta nos preços nos próximos meses.

A

inflação se mantém como a principal preocupação do consumidor brasileiro, mostra pesquisa divulgada ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O levantamento, que mede a expectativa dos brasileiros em relação à economia, aponta que 69% dos entrevistados responderam que acreditam que a inflação vai aumentar nos próximos seis meses. O resultado revela uma piora de 4,3% nas respostas sobre o comportamento dos preços em relação a dezembro, e de 7,4% sobre janeiro de 2011. E foi justamente o quesito inflação que levou o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) para um resultado modesto na comparação mensal e a uma queda em relação a igual período do ano passado. Segundo a CNI, o Inec re-

gistrou 113,6 pontos em janeiro, alta de 0,2 ponto percentual em relação a dezembro do ano passado, ou seja, o índice ficou quase estável. Sobre janeiro de 2011, houve queda de 1,5%. Mesmo assim, de acordo com a Confederação das Indústrias, o resultado não pode ser considerado ruim. Isso porque, apesar do otimismo já ter sido maior, o índice ainda "encontra-se em patamar elevado na comparação com a série histórica". Além da inflação, os outros componentes do índice da CNI são expectativas de desemprego, de renda pessoal e de compras de bens de maior valor, além de avaliação da atual situação financeira e do endividamento familiar. Emprego – Apesar da melhora na comparação com o resultado de dezembro, a expectativa dos consumidores em relação ao emprego ainda

Dados da CNI indicam que medo da alta dos preços, porém, não impedirá brasileiros de consumir bens de maior valor

está 3,1% pior do que a perspectiva verificada no mês de janeiro de 2011. Na avaliação dos economistas da Confederação, porém, essa variável inverteu a tendência de agravamento do pessimismo, que vinha sendo registrada nas sondagens feitas em meses anteriores. De acordo com o economista da entidade, Marcelo Azevedo, o maior otimismo das pessoas com o crescimento das vagas no mercado de trabalho se deve à confiança em que os contratos temporários firmados para as vendas do fim do ano passado sejam efetivados neste começo de 2012.

Zé Carlos Barreta/Hype

Da mesma forma, mesmo melhorando na comparação com dezembro, o endividamento atual das famílias ainda é 4,4% superior ao verificado no começo de 2011. As expectativas em relação à renda

O 13º salário pode ter participação no maior otimismo sobre a situação financeira e endividamento. MARCELO AZEVEDO, ECONOMISTA DA CNI

Custo da construção, que teve alta de 7,9% em 12 meses, foi puxada, principalmente, pela mão de obra.

Índice Geral de Preços - Mercado (IGPM), apurado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), teve alta de 0,25% em janeiro após uma queda de 0,12% em dezembro. Nos últimos 12 meses, a taxa acumulada é de 4,53%. Dois dos três subcomponentes do índice apresentaram aumento no ritmo de elevações: o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que passou de 0,71% para 0,97%, e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), com alta de 0,67% ante 0,35%. No acumulado desde janeiro do ano passado, o maior impacto foi provocado pelo custo da construção, com alta

Mercado passou de 40,5 para 41,4; Estoque, de 44,6 para 43,4; e Investimento, de 47,1 para 46,3. Empregos – Baseado na baixa confiança dos industriais, o diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Paulo Francini, prevê que a indústria paulista comece o ano com demissões de trabalhadores. "Há muito tempo não atingíamos um nível tão baixo no Sensor", disse. "O emprego vai mal e tudo indica que vamos ter perda líquida de postos de trabalho neste primeiro trimestre." Entre os fatores que prejudicam a atividade industrial, Francini destacou o câmbio que, segundo ele, está valorizado em algo entre 25% e 30%. Outro favor seria a falta de isonomia tributária e ainda as vantagens que alguns Estados concebem a importações, com redução

tributária. "Se fossem apenas alguns setores da indústria que estivessem em crise, políticas específicas ajudariam. Não é o caso. Embora alguns setores estejam melhores que outros, o conjunto da indústria de transformação está em crise", afirmou. (AE)

de 7,9%, puxada, principalmente, pela mão de obra, que de janeiro de 2010 a janeiro de 2011 aumentou 11,44%. Já o IPC subiu 6,05%, em 12 meses, e o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que reflete a evolução no setor atacadista, apresentou aumento de 3,48%. Em janeiro, no entanto, o IPA deu sinais de recuperação, embora tenha mantido variação negativa. A taxa passou de -048% para -0,07%. Os itens desse grupo de despesa com maior influência sobre o IGP-M de janeiro foram: soja em grão (de 3,53% para 3,37%), milho em grão (de -7,04% para 5,21%), mandioca (de 0,34% para

15,08%), feijão (de 0,41% para 9,75) e farelo de soja (de 4,14% para 5,05%). No IPC, os aumentos mais significativos foram os do tomate (de -7,55% para 19,87%), de cursos de ensino superior (de 0% para 4,36%), de ensino fundamental (de 0% para 6,33%) e de ensino médio (de 0% para 6,37%), e de tarifa de ônibus urbano (de 0% para 1,62%). No INCC, as elevações de destaque foram: ajudante especializado (de 0,53% para 1,2%); servente (de 0,5% para 1,01%); carpinteiro (de 0,43% para 0,89%); pedreiro (de 0,41% para 0,78%) e engenheiro (de 0,38% para 1,05%). (Folhapress)

Indicador de atividade cai 0,4% em dezembro

Indústria paulista tem pior índice de confiança em três anos

A

do ainda é 2,2% superior ao registrado no primeiro mês do ano passado. Outro indicador que melhorou é a avaliação sobre a situação financeira do País, com índice 1% acima ao do mesmo período de 2011. "O 13º salário pode ter participação nesse maior otimismo sobre a situação financeira e endividamento", afirma Marcelo Azevedo. A pesquisa de expectativas do consumidor brasileiro da Confederação Nacional da Indústria foi realizada entre os dias 12 e 16 do mês de janeiro. Foram entrevistadas 2.002 pessoas espalhadas por todo o Brasil. (Agências)

IGP-M avança 0,25% em janeiro

O

confiança dos industriais paulistas registrou, neste mês de janeiro, 42,2 pontos, o pior resultado desde janeiro de 2009, quando atingiu 38,7 pontos. Na época, a pesquisa qualitativa de conjuntura econômica (Sensor) era apurada quinzenalmente e este resultado corresponde à segunda quinzena de janeiro daquele ano. Em dezembro de 2011, o Sensor estava em 43,3 pontos e, nos cálculos para a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o indicador ficou praticamente estável na passagem para janeiro de 2012. Dos itens que compõem o Sensor, apenas um registrou melhora de dezembro para janeiro: a variável Vendas, que estava com 37,4 pontos e passou para 39,9 pontos. A variável Emprego caiu de 47,1 pontos para 40 pontos em janeiro. Os outros três itens mantiveram estabilidade:

pessoal também estão piores nessa última pesquisa. Elas caíram 0,9% na comparação com os números da sondagem feita no mês de janeiro do ano passado. Compras – Dentre as diversas perguntas feitas aos entrevistados pela CNI na última pesquisa, a que obteve melhor desempenho na comparação com igual período de 2011 foi a que aborda a disposição dos consumidores em fazer compras de bens de maior valor. O resultado revelou que o medo da inflação não deve afastar muito as pessoas das lojas. Mesmo com uma queda de 1,7% ante dezembro, o resulta-

O

Indicador de Nível de Atividade (INA) da indústria paulista registrou queda de 0,4% em dezembro ante novembro, com ajuste sazonal, de acordo com dados divulgados ontem pela Federação das Indústrias do Estado de São

Paulo (Fiesp). Sem ajuste, a atividade industrial caiu 11,2% em dezembro ante novembro, pior resultado para o mês desde 2008, quando o indicador recuou 20,4%. Na comparação com dezembro de 2010, o INA teve queda de 5%. No ano de

Bruno Poleti/LUZ

Paulo Francini: "há muito tempo não atingíamos um nível tão baixo no Sensor. O emprego vai mal e tudo indica que vamos ter perda líquida de postos de trabalho neste primeiro trimestre."

2011, a atividade industrial registrou alta de 0,6% em relação a 2010, menor resultado desde 2009, quando foi apurada baixa de 7,2%. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) caiu para 80,9% em dezembro, com ajuste, ante 81,5% em novembro e 83,4% em dezembro de 2010. Sem o ajuste sazonal, o Nuci em dezembro caiu para 78,8%, ante 82,2% em novembro e 81,1% em dezembro de 2010. Nove mb ro – A Fiesp também divulgou os dados da atividade industrial de novembro. Com ajuste sazonal, o INA caiu 0,6% na comparação com outubro. Sem ajuste, a queda foi de 2,1% em novembro ante outubro. A Federação das Indústrias revisou, ainda, os dados do INA de outubro. Com ajuste, a queda da atividade, que era de 0,4% ante setembro, foi ampliada para 0,9%. Sem o ajuste, o INA, que registrava baixa de 0,6% em relação a setembro, passou para -1,3%. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

e

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Após o consenso político obtido ontem, o pacto fiscal deverá ser assinado durante reunião do Conselho Europeu, que ocorrerá nos dias 1º e 2 de março.

conomia

UE anuncia pacto fiscal no bloco Líderes da União Europeia firmaram acordo que obriga 25 países-membros a seguir a "regra de ouro" de manter o déficit estrutural anual abaixo de 0,5% do PIB Philippe Wojazer/Reuters

O

s chefes de Estado e de governo da U n i ã o E u ro p e i a (UE) chegaram ontem a um acordo sobre o pacto para reforçar a disciplina fiscal do bloco, mas o Reino Unido e a República Tcheca ficaram de fora, anunciou o presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy. Ao término do encontro, o primeiro-ministro sueco, Frederik Reinfeldt, disse à imprensa que a República Tcheca decidiu não se unir ao acordo porque teme que "o processo de ratificação possa durar anos". Reinfeldt deu a entender que a retirada da República Tcheca não se deve a um desacordo com o conteúdo político do pacto, mas porque Praga não quer se comprometer, ciente de que o processo para ratificá-lo possa durar anos tramitando entre o Parlamento, o governo e a presidência. Tribunal – O pacto fiscal forçará os países signatários – os 25 Estados-membros restantes da UE – a incluírem em suas legislações ou Constituições a chamada "regra de ouro", que os obriga a manter o déficit estrutural anual abaixo de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Os países-membros que não adotarem corretamente essa norma poderão ser denunciados no Tribunal de Justiça da UE por alguma outra das nações, que além disso poderá solicitar diretamente uma sanção financeira. A máxima instância judicial da UE poderá, em últimos casos, impor uma sanção de 0,1% do PIB do país punido. Após o consenso político obtido ontem, o pacto fiscal deverá ser assinado durante o Conselho Europeu, que ocorrerá nos dias 1º e 2 de março. Mec anismo – Ontem, em Bruxelas, os líderes da UE chegaram também a um acordo sobre a introdução de um mecanismo permanente de resgate da zona do euro a partir de julho de 2012, com um tratado

de governança do fundo a ser aprovado numa data posterior. A informação é de três fontes ligadas à cúpula da UE. Será criado o Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (ESM, na sigla em inglês), que terá capacidade de empréstimo equivalente a 500 bilhões de euros, e irá substituir o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (EFSF, na sigla em inglês), um mecanismo temporário que até agora foi usado para resgatar Irlanda e Portugal. "Há um acordo, mas o tratado será aprovado num estágio posterior", disse uma fonte da UE. O ESM deveria entrar em operação em julho de 2013, mas a Alemanha pressionou por uma introdução mais rápida para que um fundo mais estável e permanente pudesse ser definido, construindo uma proteção mais forte contra a crise de dívida. E mp r eg o – Na reunião de cúpula, os líderes da UE decidiram destinar os fundos estruturais disponíveis do bloco para apoiar programas de fo- Em Bruxelas, o presidente da França, Nicolas Sarkozi (à esq.), a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o premier da Itália, Mario Monti. mento do emprego juvenil, além de beneficiar pequenas e médias empresas, Alemanha não vai seguir o do imposto sobre transações um imposto sobre transações proposta que exemplo da França e financeiras baseadas na proposta financeiras de 0,1% aplicado sobre b u s c a a s s oimplementar um imposto da Comissão Europeia", afirmou ações de companhias listadas na ciar o ajuste sobre transações financeiras Kotthaus. "Nós queremos que isso França, operações de alta s principais índices do merfiscal ao cresnacional, segundo o porta-voz do seja discutido o mais amplamente e frequência e operações com swaps cado de ações das bolsas cimento ecoMinistério de Finanças, Martin rapidamente possível, com o de default de crédito (CDS). europeias e dos Estados Unidos nômico e à Kotthaus. O governo alemão quer a objetivo de saber em breve se esse O movimento da França recebeu fecharam em leve queda ontem, criação de introdução de um imposto mais é um caminho que pode ser apoio restrito na Europa, mas o refletindo a decepção dos invesemprego. amplo, em toda a União Europeia. seguido." Reino Unido rejeitou qualquer tidores com a ausência de um A a p ro v a"Nada mudou" para a Alemanha, O presidente da França, Nicolas imposto que prejudique a acordo para reduzir a dívida da ção do texto disse o porta-voz do ministério. Sarkozy, afirmou ontem em capacidade de concorrência Grécia mantida com o setor prina cúpula ex"Nós estamos discutindo a Bruxelas que a França vai internacional dos mercados vado. Além disso, pesaram os ret r ao rd i n ár i a implantação na Europa e a questão prosseguir a partir de agosto com financeiros de Londres. (AE) ceios do mercado com o aumenrealizada onto no custo de financiamento de tem em BruPortugal. Outro dado negativo Sebastien Pirlet/Reuters xelas foi anunciada no Twitter na Europa foi a contração do Propelo presidente do Conselho duto Interno Bruto (PIB) da EspaEuropeu, Herman van Romnha, no quarto trimestre do ano puy. passado, com recuo de 0,3% na O texto propõe destinar os comparação com o terceiro trifundos a "mecanismos de mestre. apoio" aos jovens, para que Ontem, autoridades gregas possam trabalhar. (Agências) afirmaram que ainda não foi formalizado um acordo entre o primeiro-ministro do país, Lucas Papademos, o ministro de FiTrabalhadores nanças, Evangelos Venizelos e protestam em Charles Dallara, do Instituto de Bruxelas Finanças Internacionais (IIF, na contra as sigla em inglês) – esse último remedidas de presentante dos credores privaausteridade do dos. Boa parte do mercado estagoverno e va esperando que algum comuparam o nicado fosse emitido trazendo transporte detalhes sobre os termos da operação de swap da dívida. Greve – Ontem, em Bruxelas, o chefe de governo espanhol, Mariano Rajoy, assumiu em conversas com outros dirigentes euBélgica enfrentou on- militar perto da capital. Mas você não obtém cresci- ropeus antes do início da cúpula tem uma greve geral Os sindicatos belgas pedi- mento na economia quando da União Europeia (UE) que as no mesmo dia em que ram aos governos europeus suga todo o oxigênio econômi- reformas trabalhistas que o Exea cúpula da União Europeia que aumentem os impostos co com medidas de austerida- cutivo do país irá aprovar vão (UE) se reuniu em Bruxelas. O para as empresas multinacio- de", disse Marc Leemans, líder provocar uma greve. Rajoy fez a declaração numa transporte e outros serviços nais e parem de adotar medi- sindicalista da Democracia conversa informal com o primeipúblicos foram paralisados na das de austeridade como cor- Cristã da Bélgica. greve nacional, convocada pe- tes nas aposentadorias. No total, 23 milhões de pes- ro-ministro finlandês, Jyrki Kalos sindicatos em protesto conSindicatos – Foi a primeira soas estão desempregadas ao tainen, mas que foi captada petra as medidas de austeridade greve geral na Bélgica desde redor da União Europeia, ou las câmeras de televisão. Antes, o chefe do governo esadotadas pelo governo local e 2005, e a primeira desde 1993 10% da força de trabalho ativa. também contra as tomadas pe- lançada em conjunto pelas três "Só agora é que começamos a panhol afirmara que seu Consela UE de uma maneira mais principais centrais sindicais falar sobre o trabalho e o de- lho de ministros aprovou a lei de ampla. Os líderes e ministros do país. Os sindicatos estão semprego. É muito tarde, mas estabilidade orçamentária, e europeus que convergiram pa- descontentes com os cortes nos melhor tarde do que nunca", que o próximo passo será dar sira Bruxelas, contudo, foram gastos públicos de mais de 12 disse o líder sindicalista Rudy nal verde às reformas do setor fipouco afetados pela greve, bilhões de euros para 2012. "O De Leeuw, socialista belga. Os nanceiro e trabalhista. "A reforuma vez que vários usaram que nós precisamos é de cresci- trabalhadores do setor ferro- ma nos vai custar uma greve", aviões militares dos seus paí- mento econômico. A expansão viário começaram a cruzar os disse Rajoy a Katainen com ajuda de um intérprete. (Agências) ses e também um aeroporto da economia gera empregos. braços no domingo. (AE)

Alemanha: novo imposto para todos.

A

Bolsas caem com indecisão na Grécia

O

Bélgica enfrenta greve geral

A

Aumenta confiança na zona do euro

A

confiança na economia da zona do euro aumentou em janeiro pela primeira vez desde o começo do ano passado, segundo dados da União Europeia (UE) divulgados ontem, mas a recuperação vista na Alemanha mascarou a piora registrada em França e Itália, destacando as diferenças entre os países do bloco. O índice de confiança econô-

mica da Comissão Europeia teve alta de 0,6 ponto, para 93,4. É a primeira melhora de confiança desde março de 2011, induzida por um otimismo maior no setor de serviços, na construção e entre os consumidores em geral. Economistas ouvidos previam uma leitura mais alta, porém, revelando a dificuldade de se medir o otimismo da região, que ainda é pressionado

pela incapacidade dos líderes da UE em resolver a crise de dívida dos países. Humor – Por outro lado, o humor dos empresários na Europa melhorou pelo segundo mês, com o componente subindo para menos 0,21, em linha com as expectativas de economistas. O cenário misto ficou evidente no índice de confiança da indústria da região, que fi-

cou estável no mês de janeiro. Os gerentes de fábricas dos países da UE disseram que suas opiniões sobre a demanda piorou, embora isso tenha sido ofuscado por uma avaliação positiva sobre os estoques das empresas. A confiança no setor de serviços, enquanto isso, subiu 2 pontos, e no setor de construção teve aumento de 0,6 ponto. Bom sinal. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

e

ECONOMIA/LEGAIS - 15 Deve haver aproximação maior das tradings companies com as pequenas e médias empresas. Ivan Ramalho, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Comércio Exterior (Abece)

conomia Bruno Domingos/Reuters

Petróleo deve perder espaço até 2020 Participação do combustível e de seus derivados deve cair para 30,4% do total da matriz energética do País

M

esmo com a exDe acordo com o secretário, ploração do Pré- o Brasil precisa instalar 70 mil sal, a participa- megawatts nesta década, senção de petróleo e do que fontes hidrelétricas, eóderivados na matriz energéti- licas e de biomassa respondeca brasileira deve perder espa- rão por 81,3% da expansão da ço na próxima década, princi- capacidade instalada. palmente para derivados enerO presidente da Empresa de géticos da cana de açúcar e gás Pesquisa Energética, Maurício natural, de acordo com o secre- Tolmasquim, destacou que o tário de Planejamento e Desen- Brasil é o terceiro maior emisvolvimento Energético do Mi- sor de gás carbônico (CO2) do nistério de Mimundo, atrás nas e Energia, de China e EsAltino Ventutados Unidos, ra Filho. mas não por P e t ró l e o e gerar energia. derivados resEle disse ponderam por que a energia mil megawatts 37,8% de toda re s p o n d e s ó precisam ser a energia usapor 15% das da no País em emissões de instalados no 2010. Conforgases poluenBrasil ainda nesta me previsão tes brasileiras. do ministério, "Temos emisdécada, afirma o o percentual sões grandes, Ministério de deve cair para sim, mas pelo Minas e Energia. 30,4% em d es ma ta me n2020, embora to." Descontaem números do o fator, seabsolutos o montante crescerá. gundo ele, o País cai para 18º Já a participação de derivados maior emissor do mundo. de cana irá aumentar de 17,7% Tolmasquim disse que o etapara 21,8%. E o gás natural su- nol e a hidreletricidade fazem birá de 10,3% para 14,4% entre que o Brasil tenha papel dife2010 e 2020. A participação da renciado em relação à matriz hidreletricidade deve recuar, energética, e lembra que 87,2% de 14,1% para 12,5%, na mes- da energia elétrica no País vem de fontes renováveis. (AE) ma comparação, destacou.

70

Segundo dados do Ministério de Minas e Energia, petróleo e derivados responderam por 37,8% de toda a energia usada no País em 2010.

Em debate, as regras das tradings.

A

mudança das regras para a atuação de trading companies no País deverá resultar no aumento das exportações de pequenas e médias empresas. Esta é a avaliação do presidente da Associação Brasileira das Empresas de Comércio Exterior (Abece) e ex-secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Ivan Ramalho, que participará de discussão inicial, na sextafeira, dia 3, com a representante da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do MDIC, Tatiana Prazeres, sobre a modernização do regime das companhias. A ideia é "que possa haver uma facilitação maior das operações e também uma aproximação maior das tradings com as pequenas e médias empresas que são fabricantes de ma-

nufaturados", segundo ele. "Se houver simplificação, inclusive dos processos de registro de novas tradings e operações, tenho a expectativa de ter um número maior de tradings e atendimento a pequenas e médias empresas que não têm estrutura para exportar", afirmou Ramalho. De acordo com dados divulgados ontem pela Secex, as exportações brasileiras, através de trading companies, somaram US$ 29,6 bilhões em 2011, enquanto as importações foram de US$ 6 bilhões, com superávit comercial de US$ 23,6 bilhões. Os produtos básicos responderam por 87,1% do valor exportado no ano passado, enquanto os bens manufaturados representaram 8,4% da pauta e os semimanufaturados, 4,5%. Minério – Entre os produtos básicos exportados, estão mi-

Simples: adesão pode ser prorrogada

O

governo estuda prorrogar o prazo, que a princípio expiraria hoje, para as empresas que quiserem aderir ao programa SuperSimples Nacional. A questão deve ser analisada amanhã, durante a reunião do Comitê Gestor do Simples. Segundo publicado ontem pela Folha de S.Paulo, na coluna "Painel", uma falha na atualização de softwares vem impedindo que os estados e os municípios que regulamentaram o novo regime tributário especial, relativo a novembro

de 2011, recolham os impostos referentes ao mês de janeiro. O Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados), que é responsável pelo sistema do SuperSimples, negou qualquer pane ou falha no sistema. A reportagem também procurou a Receita Federal, questionando qual seria o problema técnico e o que está sendo feito para resolvê-lo. O órgão afirmou ontem, através de sua assessoria de imprensa, que se pronunciaria apenas hoje, às 14h, sobre o assunto. Desde o final do ano passa-

do, como uma das medidas para estimular a economia, o regime especial de tributação passou a abranger empresas com faturamento 50% maior do que o programa anterior. Com a mudança, o limite para microempresas aumentou de R$ 240 mil para R$ 360 mil. No caso das pequenas, a elevação foi de R$ 2,4 milhões anuais para R$ 3,6 milhões. Além disso, a nova lei excluiu as receitas com exportações desse cálculo, o que permite que a empresa fature até R$ 7,2 milhões, mas mesmo as-

sim, consiga permanecer no regime simplificado. O governo criou também um novo programa de parcelamento, em até 60 meses, das dívidas ativa das empresas inscritas no programa. O reajuste alcança mais de 5,7 milhões de empresas do sistema, incluindo 1,8 milhão de empreendedores individuais (EIs) que terão seu limite de faturamento anual ampliado de R$ 36 mil para R$ 60 mil. Esse número representa 96,6% do total de micro e pequenos negócios formais do Brasil. (Folhapress)

nério de ferro, soja em grão, carne de frango, farelo de soja, milho em grão, carne bovina, carne suína, café em grão e carne salgada. Os industrializados vendidos foram açúcar em bruto, suco de laranja, preparações e conservas de carne de peru, café solúvel, tubos de ferro/aço fundido, etanol e outros. A China foi o principal destino das exportações através de trading companies em 2011 (35,9% do total). Na avaliação de Ramalho, o momento é oportuno para a revisão da legislação que regulamenta a atuação das tradings (decreto-lei nº 1.248, de 1972). "De modo geral, a legislação do comércio exterior brasileiro precisa ser aprimorada porque

hoje nós estamos nos aproximando de uma corrente de comércio – de exportações mais importações – próxima de meio trilhão de dólares", ressaltou. Somente a corrente de comércio das trading companies aumentou de US$ 11,5 bilhões em 2005 para US$ 35,6 bilhões em 2011, uma expansão de 210,6% no período, segundo a Secex. A principal preocupação da Abece, segundo Ramalho, é a simplificação das operações. "Eu acho que quanto mais simples, mais desburocratizada for, tanto a operação de exportação como a de importação, isso constituí estímulo muito grande para as empresas fazerem um número maior de operações." (AE)

CONVOCAÇÃO Ficam convocados os sócios da UFAC a se reunirem em Assembleia Geral, a realizarse em primeira convocação, às 17 horas e em seguida às 18 horas do dia 23-02-2012, à Rua Boa Vista nº 51, 1º subsolo, a fim de deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: 1) Discussão e aprovação do balanço referente ao exercício de 2011; 2) Eleição dos membros da Diretoria Executiva, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal para o próximo triênio; 3) Outros assuntos de interesse geral. As inscrições para registro de chapas estarão abertas a partir de 03-02-2012, e encerrarse-ão no dia 17-02-2012, devendo as mesmas serem efetuadas na secretaria da UFAC, com a Sra. Maria Aparecida Camargo. O presente edital atende às exigências estatutárias, artigos 13º a 19º. São Paulo, 26 de janeiro de 2012. Maria Aparecida Camargo - Presidente em Exercício

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CARLOS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE PREGÃO ELETRÔNICO FMS Nº 019/2012 - PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 3451/2011 Faço público, de ordem do Senhor Secretário Municipal de Saúde, que se encontra aberto o Pregão Eletrônico FMS nº 019/2012, tendo como objeto o registro de preços de medicamentos não padronizados, para atender processos autorizados, incluindo demandas administrativas para Defensoria Pública e processos judiciais, conforme especificações e quantidades constantes nos Anexos II e V. O Edital na íntegra poderá ser obtido nos sites: www.licitacoes-e.com.br e www.saocarlos.sp.gov.br, opção Licitações. O recebimento e a abertura das propostas darse-ão até às 8 horas do dia 10 de fevereiro de 2012, e o início da sessão de disputa de preços será às 10 horas do dia 10 de fevereiro de 2012. Maiores informações pelo telefone (16) 3362-1350. São Carlos, 30 de janeiro de 2012. Chayana Antonio de Moura - Pregoeira

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CARLOS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE PREGÃO ELETRÔNICO FMS Nº 020/2012 - PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 3833/2011 Faço público, de ordem do Senhor Secretário Municipal de Saúde, que se encontra aberto o Pregão Eletrônico FMS nº 020/2012, tendo como objeto o registro dos preços de preservativo masculino, conforme descrição, especificações e quantidades constantes nos Anexos II e V. O Edital na íntegra poderá ser obtido nos sites: www.licitacoes-e.com.br e www.saocarlos.sp.gov.br, opção Licitações. O recebimento e a abertura das propostas dar-se-ão até às 8 horas do dia 10 de fevereiro de 2012, e o início da sessão de disputa de preços será às 10 horas e 30 minutos do dia 10 de fevereiro de 2012. Maiores informações pelo telefone (16) 3362-1350. São Carlos, 30 de janeiro de 2012. Chayana Antonio de Moura - Pregoeira

Leilão enfrenta ação na Justiça

O

EMPRESA MUNICIPAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS – EMPRO AVISO DE LICITAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Nº 004/2012 Objeto: O pregão objetiva o REGISTRO DE PREÇOS para contratação de serviços gráficos de impressão em papel A4, 4x2 cores, 4x4 cores, 1x0 preto e branco, 1x1 preto e branco com gramatura 75 gramas e 90 gramas e 120 gramas, cartões de visita, envelopes e fotolitos conforme a especificação técnica no Anexo I, deste Edital. Edital completo na sede da Empro: Av. Romeu Strazzi, 199 – Bairro Vila Sinibaldi, São José do Rio Preto/SP, ou pelo site http://www.empro.com.br – Fone: (17) 3201-1201/1216. Abertura: 13 de fevereiro de 2012, às 09h30. São José do Rio Preto/SP, 30 de janeiro de 2012. Cássio Domingos Dosualdo Moreira – Pregoeiro.

AVISO DE HOMOLOGAÇÃO E ADJUDICAÇÃO A SABESPREV torna público a homologação e adjudicação do objeto da concorrência nº 021/11 ao Consórcio IMPACTO & BENNER, autorizando a despesa e a lavratura do respectivo termo de implantação/customização.

Agliberto Lima/DC

governo começa a enfrentar resistências dos trabalhadores contra a realização do leilão de concessão dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília. Na última quinta-feira, os trabalhadores do setor entraram com uma ação popular na 8ª Vara da Justiça Federal, em Campinas, pedindo a suspensão do leilão, que está previsto para o dia 6 de fevereiro. O Tribunal de Justiça Federal, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que ainda não houve decisão sobre o assunto, o que será feito após análise da manifestação da Advocacia Geral da União (AGU), protocolada ontem. Na defesa, a AGU demonstra que a concessão não põe em risco o patrimônio público, como alega a ação popular. Segundo o advogado José Antônio Cremasco, que assina a ação popular, não faz sen-

Sindicato dos Aeroportuários (Sina) decide até sexta-feira se pedirá suspensão da concessão de aeroporto

tido a União conceder os três aeroportos, que são lucrativos, para a iniciativa privada e deixar com a Infraero os deficitários. Além disso, o advogado critica a liberação de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de até 80% do investimento

total para a vencedora do leilão, assim como a obrigatoriedade de um operador estrangeiro. "Não faz sentido conceder à iniciativa privada os aeroportos mais produtivos e ainda liberar dinheiro do BNDES para estrangeiro", afirmou Cremasco. A base de Guarulhos do Sin-

dicato Nacional dos Aeroportuários (Sina) decide até sextafeira se também entrará na Justiça pedindo a suspensão do leilão do aeroporto internacional de Guarulhos. O presidente da entidade na região, Francisco Lemos, participou ontem de uma reunião em Brasília, com a Infraero. (AE)

A Companhia Nitro Química Brasileira torna público que recebeu da CETESB a Licença Prévia nº 30002150 e requereu a Licença de Instalação para a Fabricação de Produtos Químicos Inorgânicos em seu endereço, à Av. Dr. José Arthur Nova, 951 – São Miguel Paulista – SP/SP.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 30 de janeiro de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Roma Comércio e Distribuidora de Freios e Laticínios Ltda. Requerido: Jeca Jones Com. de Alimentos Ltda. Rua Azem Abdala Azem, 2.620 – Jardim Bonfiglioli - 2ª Vara de Falências.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Tenho dó de quem se arrisca a fazer transações em meio ao fogo cruzado! AnonBRNews, no Twitter

conomia Reprodução do Twitter

Sites de bancos estão na mira dos ataques de hackers Página do Itaú foi a primeira a sofrer invasão ontem. Grupos prometem outras nesta semana, em protesto "contra a corrupção."

H

ackers brasileiros do grupo Anonymous divulgaram ontem o início de uma ação para tirar do ar sites de instituições bancárias públicas e privadas no Brasil. O primeiro alvo do ataque foi o site do banco Itaú. Além do primeiro ataque contra o Itaú, dois bancos públicos e dois privados estão na mira da invasão do Anonymous, que conta ainda com o @iPiratesGroup e o @AntiSecBRTeam. Segundo o grupo, que abasteceu o Twitter o dia todo com mensagens sobre o andamento da ação #OpWeeksPayment, este foi um protesto contra a corrupção, e deve ser feito durante a semana. O objetivo é deixar, a cada dia, um serviço de internet banking fora do ar por pelo menos 12 horas. Ainda de acordo com o Ano-

nymous, esta semana foi escolhida para as ações por concentrar dias em que a maioria das empresas fazem o pagamento de salários a seus funcionários e, portanto, o período em que sites de internet banking têm maiores demandas de acesso. Nesta segunda-feira, o site do banco Itaú ficou indisponível entre 10h05 e 10h11, após a reportagem realizar diversas tentativas de acesso no período. As tentativas foram feitas por conexões de três redes diferentes. Entre 10h11 e as 10h20, o site passou a funcionar, mas com lentidão. A assessoria de imprensa do Itaú confirmou, por meio de nota, que houve indisponibilidade do site do banco por alguns momentos na manhã de ontem, mas não informou os motivos do problema. O grupo de hackers ainda comemorou

a instabilidade do site do banco em seu perfil no Twitter, com respostas aos usuários que confirmavam a estabilidade do site do banco ontem à tarde: "Tenho dó de quem se arrisca a fazer transações eletrônicas em meio ao fogo cruzado!", ou, "Tenham paciência! Faltam apenas 30h30. Passou rápido né?", diziam alguns dos posts. Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) afirmou que os ataques a sites dos bancos, se bem sucedidos, "atingiriam e prejudicariam a população que utiliza serviços eletrônicos para obter informações e realizar transações bancárias". Ainda segundo a entidade, as instituições financeiras têm "mecanismos e contingências capazes de inibir eventuais ataques como os que supostamente seriam tentados contra bancos." (Agências)

A ação, que começou por volta das 10h, foi amplamente comentada na página do Anonymous no Twitter

Megaupload desencadeou ações

O

fechamento do Megaupload, um dos maiores sites de compartilhamento de dados do mundo, e a polêmica sobre o projeto de lei norteamericano Sopa (Stop Online Piracy Act) desencadeou diversas ações de hackers no mundo todo em janeiro. O grupo Anonymous, que está à frente da invasão aos sites

dos bancos, que diz em sua página na internet que "Cada pequena ação individual pode gerar uma revolução na sociedade", assumiu a derrubada dos sites do FBI, da Universal Music e da Associação de Filmes dos EUA, em 19 de janeiro, e postou no Twitter, na sequência, ataques ao site 'df.gov.br', do governo do Distrito Federal, e da

presidência da França. O site do vice-presidente Michel Temer tambem foi alvo de ataques de hackers contrários ao Sopa no dia 23. Outro, liderado pelo Anonymous, derrubou no dia seguinte os portais do governo de São Paulo e do Tribunal de Justiça (TJ-SP), para prestar solidariedade à comunidade do Pinheirinho, em São José dos Campos.

Sec/PR

China puxa preços principalmente de grãos, como os que saem do Porto de Paranaguá.

Nem crise nem quebra de safra Fusões e aquisições no Brasil ameaçam agronegócio brasileiro recuam 16%, diz Ernst&Young

O

agronegócio brasileiro mostra-se otimista a longo prazo, mesmo com ameaça de crise internacional e quebra de safra no Sul este ano. Em sondagem feita pela Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) com 100 pessoas ligadas ao setor, 67% dos pesquisados confiam que 2013 será melhor pa-

ra os negócios que 2012. A pesquisa levou em conta que a safra deste ano está formada, e que empresários planejam a produção colhida no ano que vem. Para este ano, os empresários apostam em crescimento pouco acima de 3% para a economia brasileira, com inflação entre 5% e 6% ao ano. A esma-

gadora maioria porém (97%), alertou, no entanto, que infraestrutura, logística e transporte ainda são os principais entraves ao desenvolvimento do agronegócio brasileiro em um período mais longo. Na análise do ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, os preços das commodities continuarão em alta em 2012, puxados pela demanda chinesa. Isso, na prática, vai conferir ganhos aos empresários do setor, principalmente entre companhias de grãos voltadas para exportação. Rodrigues admitiu que não há garantias de que a China continue a mostrar taxas de crescimento equivalentes à dos últimos dois anos, e há a possibilidade de retração na procura mundial por commodities, se o crescimento chinês desacelerar mais intensamente. "É possível. Mas não é a hipótese de que está se delineando." Ele minimizou o impacto dos problemas de seca no Sul no desempenho da produção nacional de grãos, e disse que a quebra da safra é localizada. A presidente da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Kátia Abreu, afirmou que, a curto prazo, a maior ameaça ao agronegócio brasileiro seria a piora do cenário europeu. O presidente da SNA, Antonio Alvarenga, é da mesma opinião. "Não podemos esquecer que 25% das exportações são para a Comunidade Europeia. Mas com boa dose de sacrifícios, eles superarão os problemas", acredita Alvarenga. (AE)

O

volume de negócios no mercado brasileiro de M&A (sigla em inglês para fusões e aquisições) permaneceu em queda no quarto trimestre de 2011, ao registrar redução de 16% no período ante o mesmo intervalo de 2010, diz estudo da Ernst & Young Terco divulgado ontem. No terceiro trimestre do ano, a queda foi de 14%, na mesma base de comparação. A justificativa para este declínio ainda é, segundo o líder de fusões e aquisições da Ernst & Young, Ricardo Reis, reflexo da pausa estratégica nas transações por parte de investidores estrangeiros, que preferiram reavaliar negócios em vista no Brasil, devido à turbulência nos mercados globais. Com isso, o valor total de transações brasileiras anunciadas apresentou retração trimestral de 38%, o nível mais baixo desde o primeiro trimestre de 2010. "A queda em valor foi, em parte, potencializada pela queda na quantidade de acordos. Mas também é resultado de um declínio trimestral significativo de 26%, na média do valor das operações", explica Reis. O valor médio dos acordos de negócios envolvendo o Brasil está em US$ 293 milhões que, conforme o executivo, estão levando um tempo maior para serem concluídos. Dados globais — No mundo, o número de negócios de M&A declinou 14% no quarto trimestre de 2011 ante os quatro meses anteriores, e 18% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado. O valor das transações globais sofreu retração de 25% em rela-

ção ao trimestre anterior e, assim como no mercado brasileiro, também se encontra no patamar mais baixo desde o primeiro trimestre de 2010. O valor médio dos acordos no último trimestre ficou em US$ 277 milhões, ou uma queda de 13%, em comparação ao terceiro trimestre. "A queda no volume e no valor dos acordos foi globalmente desencadeada por contínua incerteza, provocada pela crise da zona do euro e os efeitos na economia global", destacou Ricardo Reis. As atividades de M&A sofreram retração em todas as regiões do mundo nos últimos três meses de 2011 perante o trimestre anterior, segundo a Ernst & Young. No entanto, o número global de transações

foi puxado para baixo pelo volume de transações na Ásia (declínio de apenas 6%), e em países denominados pela consultoria como Mena (Oriente Médio, Argélia, Egito, Líbia, Marrocos, Tunísia e Iêmen). Neles, a queda ficou em 9%. Os líderes de redução no volume de fusões e aquisições foram Europa Central/Leste (61%), e Oceania (51%). Na análise por setor, a indústria automotiva foi a única com elevação no valor das negociações (6%), e na quantidade de negócios (11%) no quarto trimestre. Na outra ponta, as áreas com pior desempenho foram gestão de recursos, com queda de 56%, bancos (50%), consumo (41%) e telecomunicações (74%). (Agências)

Tecnologia se mantém no topo do ranking

O

setor de tecnologia da informação permaneceu no topo do ranking do setor de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês) no Brasil pelo quarto ano consecutivo, segundo levantamento da consultoria KPMG. O segmento foi palco de 90 transações em 2011, volume 5,5% maior que o registrado em 2010. "O setor de TI vem registrando movimento crescente no número de fusões e aquisições desde 1999. Há quatro anos, se

mantém em posição de liderança, ultrapassando indústrias fortes como Alimentos e Bebidas, Imobiliário e Petróleo-Gás", disse a KPMG, em nota. Ainda de acordo com a pesquisa, foram realizadas 45 operações em TI que envolviam só empresas de capital nacional. Outras 17 foram de estrangeiras adquirindo brasileiras, três nacionais que adquiriram estrangeiras no exterior, e também duas brasileiras que compraram estrangeiras estabelecidas no Brasil. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

17

Eles (apps) facilitam a vida, permitem um acesso mais rápido às informações. Ottavio Parisi, superintendente comercial da ACSP

nformática

Facilite sua vida 'mobile' Não importa se seu smartphone é iPhone ou um equipado com Android. O que realmente importa é que os dois concorrentes oferecem ótimos aplicativos. LIANA AMARAL e você tem nas mãos o seu primeiro smartphone, prepare-se para uma tarefa ao mesmo tempo difícil e divertida: a de personalizar seu novo instrumento de trabalho, informação e diversão com aplicativos – também apelidados de apps – que executam uma infinidade de funções e fazem a diferença entre o celular comum e aqueles que permitem acesso à internet com a velocidade da rede 3G. A dificuldade da missão fica por conta das opções. Para se ter uma ideia dos números de aplicativos disponíveis, para os iPhones da Apple, que rodam o sistema operacional iOS, no final de 2011 existiam cerca de 450 mil ofertas, enquanto que para o Android, o sistema do Google que equipa mais da metade dos smartphones do mundo, eles somavam mais de 300 mil. Como o mercado de dispositivos móveis inteligentes não para de crescer, o mesmo continuará a acontecer com a oferta de aplicativos desenvolvidos por um número cada vez maior de empresas, inclusive no Brasil. Classificados por categorias, como produtividade, entretenimento, jogos, serviços, redes sociais, estilo de vida, entre outros, os aplicativos cobrem boa parte das tarefas antes executadas exclusivamente pelos computadores pessoais. Com a vantagem de serem mais rápidos e, claro, de estarem sempre ao alcance das mãos. O download é simples, executado via rede digital ou internet, a partir das lojas de aplicativos como a Apple Store ( w w w. a p p l e . c o m / i p h o n e ) e a A n d ro i d M a r k e t (h tt p s : // m a r ke t . a nd r o i d. c o m). A boa notícia é que a maioria deles pode ser baixada gratuitamente. O superintendente comercial da Associação Comercial de São Paulo, Othavio Paulino da Costa Parisi, não consegue imaginar sua vida sem os recursos dos apps instalados no seu iPhone 4. "Eles facilitam muito a vida, permitem um acesso mais rápido às informações e são simples de usar", diz ele, que vem substituindo o uso do notebook pelo smartphone. Com cerca de 50 aplicativos instalados no celular – incluindo alguns jogos para interagir com o filho –, os mais utilizados por Parisi são os de bancos, com tecnologia que permite identificar códigos de barra para pagamento de contas, os de acesso ao e-mail e às redes sociais Facebook, Twitter e Linkedin, além do 12C Calculadora, que executa cálculos financeiros. Se a diversidade de tarefas que os programas prometem realizar – de gerenciar despesas pessoais a acompanhar um tratamento de saúde – pode deslumbrar o usuário na hora de baixar aplicativos, é bom reservar espaço para instalar os essenciais, que facilitam a comunicação e as atividades do dia a dia. Segundo Breno Masi, diretor de Marketing e Podutos da Fingertips, desenvolvedora de aplicativos para

S

smartphones, o pacote básico deve incluir os aplicativos de banco e os das redes sociais, mais aqueles necessários como ferramentas de trabalho. Para facilitar o acesso no smartphone, a dica é organizar os apps em pastas no aparelho de acordo com sua categoria. "Ao escolher um novo programa, é sempre bom checar as avaliações e comentários de outros usuários publicadas nos sites das lojas, bem como o portfólio do desenvolvedor, para ter uma ideia da qualidade e o desempenho do produto", recomenda Masi. Para ajudá-lo na tarefa de "tunar" seu smartphone, confira uma seleção de aplicativos para os sistemas iOS e Android, os mais populares do mercado. As listas incluem sugestões de programas essenciais, campeões de downloads, para facilitar as tarefas cotidianas e proporcionar economia. Produtividade Dropbox (iPhone/Android - Grátis) Serviço de armazenagem e compartilhamento de arquivos entre micros, smartphones e tablets. Evernote (iPhone/Android - Grátis) Bloco de notas virtual para guardar textos, fotos e áudio, com sincronização para a web. Camscanner (iPhone /Android - Grátis) Programa de digitalizaçao de documentos de papel e criação de PDF, utilizando a câmera do smartphone. Documents to Go (iPhone/Android - Grátis) Visualiza e edita arquivos do Microsoft Word, Excel e Power Point. A versão completa, paga, apresenta grande variedade de recursos. 3G Watchdog (Android /Grátis) Aplicativo para monitoramento do consumo de

dados do plano 3G, com controle de gasto mensal. Serviços Whatsapp Messenger (iPhone/Android - Grátis) Envio de mensagens gratuitas para seus contatos também registrados no serviço. Skype (iPhone/Android - Grátis) Chamadas de voz gratuitas entre os portadores do serviço e para telefones com tarifas pré-estabelecidas. Permite vídeo-chamadas. Last Pass (iPhone/Android - Grátis) Cria e gerencia senhas, que ficam protegidas por uma senha mestra. Brasil Flex (iPhone - Grátis) Permite ao usuário de carro bicombustível calcular a melhor opção entre abastecer com gasolina ou etanol. Nota Fiscal Paulistana (iPhone/Android - Gratis) Para emissão, consultas e cancelamentos de notas fiscais eletrônicas de prestadores de serviços cadastrados. Acesso pelo endereço ht t p :/ / n fe . p re f e it ura.sp.gov.br/mobile.

ACESSÓRIOS

Viagens Climatempo (iPhone/Android - Gratis) Previsão do tempo e temperatura de cidades no Brasil e no exterior. Também informa condições de visibilidade nos aeroportos. Google Tradutor (iPhone/Android - Grátis) Tradução e palavras e frases em mais de 60 idiomas, com opção para tradução de fala em 17 idiomas. Booking.com (iPhone/Android - Grátis) O aplicativo permite fazer reservas em hotéis online em mais de 180 mil estabelecimentos nacionais e internacionais. InfraeroVoos Online (iPhone/Android - Grátis) O aplicativo informa os horários de partida e chegada de voos de 50 aeroportos brasileiros, com a atualização de status dos voos e as distâncias até os aeroportos. Skyscanner (iPhone/Android - Grátis) Busca de passagens aéreas promocionais entre mais de mil companhias de todo o mundo. Além de procurar as melhores ofertas, o aplicativo ainda permite fazer reservas.

APLICATIVOS

ACESSÓRIOS

Tablet coladinho ao corpo

n GADGETS

Monitore treinos por Bluetooth Som na caixa do MP3 som portátil MP3 Tube tem um design arredondado e um case de metal na cor preta. Vem com os pés de apoio retráteis, display digital de rádio FM, antena externa, auto scan para a busca de estações e controle de volume. A potência da caixa é de 14 RMS. O aparelho tem entrada USB para pen drive e para cartões de memória SD/MMC. Pode ser conectado a MP3, iPod, iPhone, notebook, celulares e PCs e ser carregado pela entrada USB. Acompanha uma bolsa para transporte. Por R$ 130.

O

monitor esportivo Motoactv, da Motorola Mobility, ganhou prêmio de melhor dispositivo Bluetooth da Consumer Electronic Show, de Las Vegas. Num único produto, ele reúne opções de treino sem fio, acesso ao histórico de exercícios pelos aplicativo dos smartphones Android Motorola ou no portal Motoactv, e permite ao usuário ouvir músicas durante os treinos, medir a frequência cardíaca e receber chamadas ou mensagens, mesmo enquanto estiver se exercitando. Todas as funções são conseguidas por Bluetooth.

or serem portáteis, os tablets podem ser carregados para qualquer lugar. Mas, às vezes, isso pode ser incômodo. O Studio Malatesta desenvolveu uma solução para conseguir o máximo de mobilidade desses aparelhos, e para que fiquem fora das mochilas. O Holster-Pad é um acessório que vai junto ao corpo preso por uma alça em formato de colete e serve para os modelos vendidos no Brasil, como o iPad, Galaxy Tab ou Xoom. Eles pesam 300 gramas e vêm no estilo clássico, feito em couro ecológico, e o outro, mais descontraído, em nylon e cores tabaco, vermelho, azul e pink. Os preços variam de R$ 239 a R$ 249.

P

Procura de viagens no Windows Phone

O

aplicativo Skyscanner para iPhone, iPad e Android já teve 5 milhões de downloads, e agora está disponível para ser baixado também nos aparelhos móveis rodando o sistema operacional Windows Phone, inclusive Nokia Lumia 800. Os usuários desses aparelhos poderão escolher as promoções relâmpagos das companhias aéreas com o recurso Alertar e visualizar os preços de passagens atualizados de hora em hora, na tela principal. O Skyscanner está disponível, gratuitamente, na Marketplace Windows Phone.

O


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Não acho que o teclado vá sumir, mas será menos usado. Martin Cooper nformática

Novas etiquetas para novos tempos A chegada do assistente virtual Siri, do iPhone 4S, mudou o comportamento dos usuários POR NICK WINGFIELD DO NEW YORK TIMES som de alguém tagarelando num celular faz parte da trilha sonora da vida diária, e a maioria de nós aprendeu quando fazer silêncio – por exemplo, não existe conversa nos "vagões silenciosos" de trens. Porém, a etiqueta sobre falar com um celular – mais precisamente com um "assistente virtual" como o Siri, da Apple, do novo iPhone 4S – ainda não evoluiu. E as pessoas ao redor estão ficando incomodadas. Em parte porque as conversas com máquinas têm um quê robótico e perturbador. Depois vem a questão da pontuação. Se você a quiser, é preciso dizê-la. "Como ele está ponto de interrogação; como vai você ponto de interrogação". Jeremy Littau, de Bethlehem, Pensilvânia, se viu falando recentemente com o novo iPhone enquanto caminhava na rua, ditando uma mensagem de texto para a esposa, que estava em casa com o filho recém-nascido. A máquina falava com ele com a voz feminina sintetizada do Siri. Os transeuntes faziam cara de besta. "Não é um comportamento humano normal ver pessoas conversando com um telefone no meio da rua", concluiu Littau, 36 anos, professor assistente de jornalismo e comunicação na Lehigh University. A tecnologia por trás dos celulares ativados por voz existe há alguns anos, permitindo que as

O

pessoas deem ordens ao telefone como se este fosse um faz-tudo digital, que escreve mensagens de texto, anota compromissos na agenda e busca um restaurante japonês nas redondezas. Com o Siri, porém, a Apple deu um passo além. "Feliz aniversário cara sorridente", foi o que Dani Klein escutou um homem falar a seu telefone na ferrovia Long Island, usando o comando para inserir um emoticon de sorriso numa mensagem. "Pareceu ridículo", disse Klein, 28 anos, que trabalha c o m m a r k eting de mídia social. Falar com o telefone é algo tão novo que ainda não existem regras oficiais de uso, por exemplo, nos sistemas de transporte público. Cliff Cole, porta-voz da Amtrak (estatal responsável pelo transporte ferroviário de passageiros nos Estados Unidos), afirmou que a política de vagão silencioso se aplicava ao uso da voz com celulares, embora somente proiba explicitamente "telefonemas", não gracejos com um assistente virtual. "Talvez tenhamos de ajustar a linguagem se isso se transformar em problema." A tecnologia ativada por voz em smartphones surgiu há alguns

anos, quando celulares rodando o sistema operacional Android, do Google, e outros programas começaram a oferecer comandos básicos de voz para pesquisar na internet e executar outras tarefas. O Siri, lançado pela Apple no outono do Hemisfério Norte, é uma versão mais sofisticada dessa tec-

nologia: ele responde a frases naturais – "como está o tempo?" e "acorde-me às 8h00." A Apple também deu ao Siri um toque de personalidade, reforçando a impressão de que os usuários do iPhone estavam mesmo conversando com alguém. Se perguntar ao Siri qual é o sentido da vida, ele responde: "Acho estranho você perguntar isso a um objeto inanimado."

Os executivos do setor sustentam que as tecnologias de voz somente chegaram para ficar porque podem ajudam os usuários de celular a ser mais produtivos. "Não acho que o teclado vá sumir, mas será menos usado", disse Martin Cooper, que desenvolveu o primeiro celular portátil enquanto trabalhava na Motorola na década de 1970. Outra coisa irritante ao ouvir pessoas conversando com os telefones é a consciência de que quase tudo que se pode fazer com comandos vocais também pode ser executado em silêncio. Billy Brooks, 43 anos, estava esperando na fila do departamento de serviços de uma revenda de automóveis em Los Angeles quando uma mulher quebrou o silêncio do recinto ditando uma mensagem de texto no iPhone. "Você aborrece os outros desnecessariamente nessa hora por não digitar seu torpedo", declarou Brooks, artista de efeitos visuais da indústria cinematográfica, acrescentando que o comportamento da mulher era "completamente ridículo e meio triste". Estudiosos do comportamento de usuários de celular acreditam que o constrangimento por escutar pessoas em hotéis, aeroportos e cafés tratando os telefones como assistentes administrativos simplesmente vai passar com o tempo.

Sergio Kulpas sergiokulpas@gmail.com

O Varejo Total

U

ma das tendências que merecem atenção neste começo de ano está sendo apelidada de "Varejo Total", ou "Varejo 3.0". Os analistas do setor definem o Varejo Total como o passo seguinte do varejo multicanal, indo além da integração entre lojas de tijolos e online para envolver todas as etapas do varejo moderno: cadeia de suprimentos, marketing, vendas e outros elementos. O Varejo Total é estimulado em grande parte pela explosão das plataformas móveis, como smartphones e tablets. Esses aparelhos (e os aplicativos criados para eles) representam o maior salto tecnológico no varejo nos últimos anos. O fato do consumidor não precisar mais ir até uma loja física ou usar um PC de mesa para fazer uma compra representa uma transformação sem precedentes na indústria. Hoje, o comprador que estiver no espaço da loja pode usar o aparelho móvel para consultar catálogos de produtos, ver comparações de preços, resenhas e críticas – e usar todas essas informações para otimizar a experiência de compras. Esse arsenal portátil na mão do consumidor forçou as empresas a mudarem muitas práticas e estratégias. As empresas vencedoras na segunda década do século 21 são aquelas que agem de forma proativa, antecipando as mudanças nos hábitos dos clientes e implementando mudanças rapidamente. A temporada de compras de final de ano é sempre o termômetro e bola de cristal para a indústria de varejo. Nos EUA e na combalida Europa, os melhores resultados do setor foram de empresas que melhor souberam usar a tecnologia para

integrar todas as operações. E o final de 2011 deu corpo e substância à ideia do Varejo Total. Pagamentos – Além do uso dos celulares de última geração e tablets como assistentes nas compras, também avança o uso dos aparelhos em sistemas de pagamentos móveis. Grandes redes como McDonalds, Starbucks e Walmart estão testando sistemas de pagamento "contactless" – basta aproximar o celular do caixa para efetuar a transação. Os varejistas também apostam em serviços baseados na localização do usuário ("geolocalização") para detectar a presença do consumidor e oferecer promoções quando esse consumidor estiver próximo da loja. A tecnologia dos códigos QR também tem um papel importante nesse movimento de Varejo Total. Os códigos gráficos que podem ser lidos por celulares (e que são considerados como substitutos dos antigos códigos de barras) permitem uma grande variedade de ações de marketing, logística e planejamento. Os pagamentos móveis, em conjunto com a tecnologia NFC ("near field communication", ou comunicação de pequeno alcance) e os códigos QR permitem que o varejista complete transações comerciais dinâmicas e praticamente instantâneas. É claro que cada elemento desse "combo" tecnológico do varejo moderno terá seus custos e tarifas. Mas o "Consumidor 3.0" é importante demais para ser ignorado no atual cenário econômico. O varejo tradicional deve se tornar um nicho cada vez menor e mais especializado, enquanto o Varejo Total conquista cada vez mais espaço.


DC 31/01/2012